Você está na página 1de 3

O QUE VOCÊ ACHA DESSES

NOSSOS POLITICOS?

À NEIDE VILAS BOAS:


Recebi no Messenger, a pergunta acima da querida e estima amiga
Neide, uma pergunta sincera de quem busca de fato uma luz, para se orientar, afinal
vivemos sempre em processo eleitoral no Brasil; que até mais parece carnaval, tem
bloquinho para todos os gostos e deleites.

Fi-la uma resposta para lá de socrática, mostrando o óbvio afirmando


que todo político é a representação dos seus eleitores. Afinal, no Art. 14 da CF/88
lemos: "A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e
secreto, com valor igual para todos (...)" . Portanto é através do voto livre, democrático é
que se delega a representação do mandato e, per si constitui os poderes legislativo e
executivo; mas de certa forma idem até ao poder judiciário, pois os tribunais de justiça
e superiores são formados em composição constitucional pela escolha/indicação do
executivo (e Ministério Público, nas funções diretivas, em certa medida passa pelo
aval do executivo estadual e federal).

Neste ponto a Neide de certa irá me redarguir, afirmando mais que


questionando que ela não vota no judiciário uai!

Fato, esta inclusive na constituição, o eleitor pleno, aquele que pode


votar e ser votado sem óbices legais algum e, portanto, condição 'sine qua non' para a
cidadania; escolherá seus representantes para os cargos legislativo e executivo. Sim,
Neide não vota para compor o judiciário. Mas ao dar o seu voto, o qual representa a
máxima da democracia: "Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de
representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição." (§ único, art. 1º da
CF/88). Sem saber esta dando poderes constitucionais ao eleito para compor
secretarias e ministérios, fazer nomeações de livre provimento (aquelas de
apadrinhamento ou acordo político, sem concurso público), indicar e demitir membros
dos escalões do governo e autarquias, indicar membros para compor as estâncias
judiciais especificas, e o exemplo mais conhecido é a escolha pelo Presidente da
República do Procurador Geral da Republica e a indicação dos membros do STF.

A esta altura da conversa já foi possível compreender que o voto não é


algo simples ou banal, o qual se dá em carinha bonitinha ou em propaganda
hollywoodiana ficcional. O voto é o que define a sociedade - cidade, estado e nação -
é o que estabelece as ações públicas de governo (curto-médio prazo) ou estado
(médio-longo prazo). Assim sendo, o primeiro e único responsável pelos destinos e
caminhos do governo e da política, é primeiro e antes de tudo o eleitor; pois através do
seu ato de cidadania (ensejo verdade atitudinal tal postulação), delega sua
representação por quatro anos àqueles que angariam seu voto. E é o resultado
oriundo das urnas a expressão da vontade popular e, a consagração do ato
democrático a posteriori.

É de ficar estupefato. Ainda ia faltando dizer a parte mais obscura do


resultado eleitoral. O eleitor vota em pessoas, esta é a cultura histórica, porém na mais
cruel das verdades, elege-se partidos e coligações para o exercício do mandato (no
voto legislativo ainda temos a questão da proporcionalidade, o quociente eleitoral, ou
seja vota-se em "A" e acaba elegendo-se "B, C, D" - o chamado efeito Enéas-Tiririca).
Explico: Pela lei que rege os partidos e as eleições o mandato pertence ao partido e
não a pessoa, pois não há voto solteiro. Aquele que recebe nas urnas a missão de
representar o povo, não o representa de fato, mas sim as postulações partidárias,
seus estatutos e acordos (maracutaias, arranjos etc). Acho que agora você ta
entendendo os acordos/pactos, a tal "governabilidade" que vigora em nossa política...?

Quem dera nossos compatriotas, dos 16 aos 100 anos, quando fosse às
urnas pensassem tudo o que supra apresentei a Neide, de certo de eleição a eleição,
mudaríamos nosso País pelo ato democrático e republicano do voto.

Agora é hora de fazer uma reflexão imbricante e visceral e, em medida


justificada devolvendo-lhe a questão. Neide, inquirirei-na nos seguintes termos: "___O
que você acha dos nosso eleitores?"

(...) Ainda no aguardo da resposta...

E você pode responder?

Ajuda a Neide uai!!!

Marlon Lelis de Oliveira, Jornalista, Mtb 0085378/SP


advogado, psicólogo e coordenação estadual do MCCE-SP.
Presidente do Centro Social Leão 13 e Instituto Pró Cidadania
Vice-Presidente da Comissão C.C.Eleitoral - OAB Guarulhos
Whats: 11- 993834727
E-mail: dr.marlonlelis@gmail.com