Você está na página 1de 1

Algarvepress | www.algarvepress.com | Pág. 14 | SAÚDE | Quarta-Feira, 12 de Agosto de 2009 | Edição N.

º 143
OPINIÃO: O NEGÓCIO
Doutorado em Hipnose Clínica
Octávio Escolástico

DA GRIPE A
omne@sapo.pt

Máscaras, luvas, desinfectantes, soluções de ensino à distância e até jogos de diversão


são actualmente protagonistas de novos negócios potenciados pela iminente pandemia de

ONIOMANIA
Trata-se de um distúrbio psíquico em que
Gripe A.

existe uma tendência obsessiva-compulsiva


de gastar dinheiro em compras supérfluas. O
comprador compulsivo é, praticamente, de-
pendente do seu acto inconsciente de com-
prar, necessitando fazê-lo sem limites para se
sentir bem, para depois se arrepender. O com-
prador compulsivo acaba por consumir coisas
pela “simples” vontade de consumir e nunca
pela necessidade do objecto que é consumi-
do. Por exemplo, ir ao Centro Comercial sem
realizar algumas compras é uma tarefa quase
impossível. Muitas vezes, estas pessoas sen-
tem-se culpadas, porém, como em qualquer
comportamento aditivo, o mais provável é que O “Jornal de Negócios” esgotados, conta o jornal. aumento de 500% na pro- Flu Game”, um passatem-
elas percam o controle da situação. Isto evi- (JN) sondou o mercado e A razão? Grandes empre- cura do produto. po onde o vírus é tratado
dencia que os hábitos de consumo são mais concluiu que o receio de sas encomendam às 100 Ainda no âmbito da pre- com humor. Mas há quem
emocionais do que racionais. Todavia, será contaminação está a fazer mil unidades. Também venção, as empresas de leve o assunto mais a sé-
importante ressalvar que o simples hábito de com que a procura supere as luvas e óculos de pro- consultoria juntam-se ao rio e invista em soluções à
comprar (por se sentir uma atracção instantâ-
nea a um determinado produto) não significa a a oferta. Máscaras e desin- tecção batem recordes de rol de quem está a ganhar distância para necessida-
existência de um comportamento compulsivo fectantes já estão esgota- vendas. com a Gripe A, apostando des que são permanentes.
às compras, são coisas distintas. O compra- dos em algumas empresas, Grandes companhias, na preparação de profis- É o caso de empresas de
dor impulsivo pode, na verdade, ser induzido a enquanto outras começam da banca aos transpor- sionais e empresas, através formação que, já a pensar
comprar a mais com base nas promoções ou a sentir dificuldades para tes, apostam igualmen- do apoio na elaboração de no encerramento de esco-
saldos, enquanto que o comprador compulsivo
age como um viciado, que sai de casa para jo- dar resposta a tantos pedi- te na prevenção do contá- planos de contingência. las, estão a preparar solu-
gar ou em busca das drogas, a compulsão aca- dos. gio através da encomenda Também noutras áre- ções de ensino à distância.
ba por ser uma atitude que exclui o prazer pela A portuguesa Vifato, de desinfectantes de mãos. as de negócio a gripe A MSN
aquisição do novo produto, e essas compras por exemplo, tem cinco O JN apurou mesmo que a vai dando asas à imagina-
são quase sempre desnecessárias. mil máscaras respiratórias empresa que comercializa ção dos empreendedores.
A Oniomania é estimulada pela compulsão, desta forma pendentes e reconhece que o gel desinfectante Purell, Na indústria de jogos, por
entendida como uma perturbação do acto voluntário, na alguns modelos estão já a Exaclean, já registou um exemplo, surgiu o “Swine
medida em que constitui uma atitude impositiva, quase au-
tomática e irresistível. O acto compulsivo está presente no
Transtorno Obsessivo-Compulsivo; primeiramente tem-se
uma ideia obsessiva-compulsiva, involuntária e absurda,
depois, para aliviar a ansiedade produzida por essa ideia,
surge o comportamento compulsivo, geralmente, repetiti-
vo e estereotipado.
A Oniomania é um distúrbio psicológico facilmente
curável pela hipnose clínica, aliás, como todos os outros
distúrbios psíquicos. A raiz do problema encontra-se no
passado, na segunda infância e início da adolescência. Re-
sulta das muitas situações de inferioridade que foram ex-
perimentadas pela criança no convívio com os outros. As-
sim acontece porque as crianças são geralmente cruéis e
implacáveis no juízo que fazem em relação às outras crian-
ças mais tímidas e fracas. As atitudes depreciativas, de gra-
cejo escarnecedor, dirigidas às crianças de menos recursos
económicos ou cujos pais dão pouca importância ao vestu-
ário e utensílios escolares, são, regra geral, inferiorizadas
pelos mais abastados ou lideres de opinião. O problema
assume contornos drásticos quando a criança interioriza a
sua fraqueza em relação aos demais, pois tem imensa difi-
culdade em lidar com a situação. Estas experiências trau-
máticas são a razão do desconforto emocional futuro, por-
que habitam no inconsciente para o resto da vida. A pessoa
que foi ridicularizada em criança, por não ter aquilo que
os outros tinham, irá desencadear uma atitude compulsiva
para compensar as faltas do passado, de forma inconscien-
te torna-se num oniomaníaco, agindo descontroladamente
na gestão dos seus recursos financeiros.

Você também pode gostar