Você está na página 1de 28

'

\
^"^\
^'V--'""
~
~
~

-—"¦*'
\y\\^^

Op^>\
c i::''
/ I p-—i
• '
i
• \y\N ^. r -7
*. _- _____
^ *H «-ilII
C— S~—
©
S/STOR/A VA
I

TtmMtVO
SOMEM
EDIÇÃO ESPECIAL DE rX.4\rA l P^T W^^ -\. ^

"~*""*4^j|
N.. LM7 - __f»«/A»rU é. IMi Â\PtP§? "^^ ^\V^
«»»V»»*a»»»*>*>*«*a'*»»»»*a*a*a*a*a»*a**»»»»»»»»»»'*»**^

I:<•
c •
DE GRANDE VALOR PARA OS ESCOLARES i *
.*
.•
"O
EDIÇÕES INSTRUTIVAS de TICO-TICO"
DIFUNDINDO CONHECIMENTOS
EDIÇÕES ANTERIORES, JA ESGOTADAS, QUE SERÃO FUTURAMENTE REEDITADAS E
POSTAS A VENDA :
ÁLBUM COROGRÁFICO DO BRASIL -- (Janeiro e Fevereiro de 1959)

RIQUEZAS DE NOSSA TERRA — (Março e Abril de 1959)


-- (Maio e Junho de 1959)
HISTÓRIA E ORIGEM DAS COISAS
NAÇÕES AMERICANAS — (Julho e Agosto de 1959)
NA ESCOLA — (Setembro e Outubro de 1959)
TEATRINHO

IMAGENS (Janeiro e Fevereiro de 1960)


DO BRASIL
— (Julho e Agosto de 1960)
NOÇÕES DE CONHECIMENTOS GERAIS

À VENDA NAS LIVRARIAS, AGÊNCIAS DE REVISTAS E JORNALEIROS:


NOÇÕES DE BOTÂNICA —
NOÇÕES DE H. NATURAL (N.° 1) \
NOÇÕES DE H. NATURAL (N°2) —
NOC. DE H. NATURAL (3) (O Homem) —
QUADROS DA NOSSA HISTÓRIA— (Setembro e Outubro de 1960)
DATAS COMEMORATIVAS — (Novembro e Dezembro de 1960)
NOÇÕES DE GEOGRAFIA (J»™" «¦ Fevereiro de 196l)
NOÇÕES DE GEOGRAFIA—Março e Abril de 1961)
NOÇÕES DE HISTÓRIA PÁTRIA (Julho e Agosto de 1961)
ESCUDOS E BANDEIRAS DOS ESTADOS (Set-embm e Outubro de 1961)
DECLAMAÇÃO ESCOLAR (Nove-oibi-© e Deaanbro* de 1961)

EDIÇÕES QUE APARECERÃO A SEGUIR :

NOÇÕES DE DESENHO
HISTÓRIA DA TERRA E DO HOMEM
EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA
NOÇÕES DE CATECISMO
PREÇO DA EDIÇÃO, COMO DAS ANTERIORES: Cr$ 40.00
->*^VVVV*l/tj^J-LI*LriJ-U-U-Lr^ '^*-r*--~V~*-~m*~*~K~*'V*'^~-~-~rmV~-^l~~ a.»aa,*-»»»»»»a-- a», m. » *.m. m. » *. ».*-. a» .*. aam. ^ Jaafc a» m ¦ ¦¦ _____ m m ¦» ¦Jt***.K**Aa».^«>AaWI/^AAAA^^

O TICO-TICO
Publicação da S. A. "O MALHO" — Fundado em 1905
DIRETOR : Oswaldo de Souza e Silva
Rua Afonso Cavalcanti, 33 — Telefone : 22-0745 — Caixa Postal, 880 — Rio —
ei 5*
ACEITAMOS ENCOMENDAS PELO SERVIÇO DE REEMBOLSO POSTAL *•'
ij *
\*\\»*^+\**V+\\*,»»^»^»\V*a*»*.*a*a*a*a*a*»A\\»*a*a-a*»*a\*a*»*^
^*************^
• ¥
• -V
• ¥
• ¥
• ¥

¥
¥
¥


A
** matéria de que se ocupa a presente edição de O TICO-TICO é
¥
¥
¥

das mais interessantes, mas também das mais vastas e controverti-



• das. Evidentemente, não pretendemos que esse seja um trabalho defi- {


nitivo, nem seria compreensível tal pretensão. Esboçamos aqui um
apanhado muito suscinto do assunto, oferecendo ao leitor curioso e
• estudioso, acompanhados de ilustrações bonitas e coloridas que agra-


• darão por certo — e virão a ser de utilidade — os principais rudimen-
¥
tos do estudo profundo que repVesenta.esta matéria. í
¥
-A ¥
As Edições Instrutivas desta série visam, de maneira atraente e
•A
pitoresca, a familiarizar o leitor com os assuntos que terá de enfrentar
¥
nos seus currículos escolares, despertando neles a curiosidade e o in-
teresse. _¥

Esta finalidade, temos certeza, "HISTÓRIA


DA TERRA E DO
HOMEM" conseguirá, pela simplicidade da
*
linguagem e pelas múlti-

• pias sugestões que oferece, mostrando ao leitor o quanto este estudo,
¥
quando feito conscienciosa e atentamente, tem de atraente e en- ¥

• cantador.
• ¥
E pensamos não nos enganar, quando consideramos que também
os mestres encontrarão em "HISTÓRIA DA TERRA E DO HO-
¥
MEM" algo de proveitoso com que possam ilustrar suas preleções.

-Jr
* Com tão alentadora convicção é que fazemos este lançamento, a ¥

• V-
que outros a seguir se virão juntar, sempre com o mesmo espírito cons-
-v-
trutivo e de salutar cooperação para a boa formação mental e inte- J

lectual da nossa juventude. j
* ¥
¥
¥
¥
• ¥
¥
• ¥

é
^++*+++++Xr+++*-+*++*+**+^
¥
¥
* ¥
¦H
F
¥
¥
¥
¥
¥
A ¥
¥
* ¥
* ¥
¥
*¦ ¥
k ¥
*
Sol e sua família de mundos eram uma enorme massa ígnea, ou incan-
O*
¥
descente que girava no espaço infinito e mais tarde se fragmentou.
A origem do sistema solar permanece cercada do mesmo mistério
que
___¦ -^

envolve a origem de todos os sistemas estelares. Acredita-se que os plane-


¥
tas do sistema solar tenham sido destacados do sol, há coisa de um bilhão
*
•k ¥•
de anos, pela atração de algum corpo celeste gigantesco, pelo choque de
A
um corpo celeste com a massa ígnea ou pelo efeito mesmo da força centrí-
R
fuga.
-_•
k
Qualquer que tenha sido a catástrofe, aquelas massas resfriaram-se
e, condenadas a girar eternamente em redor do Sol, pela força de atração
deste, retomaram a sua ordenada marcha. Uma vez frios, esses planetas
não têm luz próprio, mas brilham simplesmente refletindo o esplendor so-
lar.
¥
¥
Designam-se por planetas os grandes corpos que giram em torno do
sol, distinguindo-se de outros menores, os asteróides. A Terra é um dos pia-
netas e sua origem é a que foi descrita. Os demais são, por ordem de afãs-
.Ir ___L
tamento do sol: Mercúrio, Vênus — depois a Terra — Marte, Júpiter, Sa-
"T"

turno, Urano, Netuno e Plutão. Alguns desses planetas possuem satélites,


¥
¥
¥
LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE
¥
M
1 — O sol era enorme nuvem de fogo. 2 — Que se dividiu em nuvens que se espalharam
pelo espaço. 3 — Condensando-se e tomando a forma esférica. 4 — A superfície era piás-
tica e desprendia gases. .. — Com o resfriamento se solidificou lentamente. 6 — Até che-
gar ao estado atual. *

¥
¥
¥
¥
¥
*
*
¥

. O TICO-TICO
wÁiX
*v_r
''Íir*' tk 7M ____MJ_*H___I
_P I *y
*w¦ # -^- ^*^^~*o__s_k -_•%_
^^^ . #i /""^ fe» %_W&m9aaWMmUUm*wwwmm'M9UBmmu**'mmmm''Mtmm^^^^^^^^^^^
^^ ^^^____B *^*_s_s_!^^V^__________kA
_______¦ _s__r __s\ ^s___^____ 1 __lk^s____r^

_____ s_____k_____Hsfá ^» ___¦_! •» >v fP1" ti "^ "lllssm M'" I_r"y^ 4

¦-*--' —. r^t**"' j*,,í(t-/"^' > JLf*írtí"" „___—--—- ^^^^---T-T?^^

___M____ ____kw il
^^^sssssu^^^^sssfll
¦Ri IP

MARÇO — AKRIL DE 1962


m£* +++-tt+ + + + + + + + -k: + -sX-jX-f' + + ^

*
-f

outros não. A Terra tem um, a Lua. Marte possui dois. Júpiter tem nove.
•f. JL.
Saturno, além do seu anel, também nove. Urano conta quatro satélites e
*
Netuno só tem um. *
*
Desprendida do núcleo (o Sol), a Terra, igualmente incandescente, en-
trou a girar isoladamente e começou a esfriar. Sua crosta era, de início,
áspera, mercê do resfriamento e do enrugamento da "casca". As depres-
¦¥¦ *
soes foram preenchidas pelas águas e milhões e milhões de anos tiveram de
•*¦ I
decorrer, até ter ela a aparência que tem hoje.
í
Ainda permanece de pé, todavia, a hipótese chamada planetesimal,
¥
¦r- formulada por Chamberlin e Moulton, de que o nosso sistema era outrora
uma nebulosa espiral típica que girava rapidamente em torno do centro, o
Sol. Pouco a pouco um grupo de planetesimais (pequenos planetas) se teria
í
formado na rodopiante massa nebular, justamente como pequenas bolas de
farinha se formam num pudim que é mexido no fogo. A esses planetesimais

nova matéria continuava a ser acrescida todo o tempo, da nebulosa que os
cercava, até que as pequenas massas se transformassem em grandes pia-
netas. O ponto de partida dessa grande formação planetária, supõe-se ter
sido a formidável onda de maré provocada por um corpo celeste que passou
perto.
A origem da lua é também controvertida. Modernamente, porém, atri-
t
mC
bui-se a um choque sofrido pela Terra com outro corpo celeste, o despren-
•v J
dimento de uma boa porção do seu todo, que passou a gravitara sua volta.
A porção da Terra que formou a Lua teria sido arrancada do ponto onde
existe hoje o Oceano Pacífico, a acreditar nos estudos procedidos nas pro-
fundidades daquele oceano, onde não se encontra, como nos demais, a ca-
¦V 5
mada granítica que envolve a superfície do nosso planeta, e sim apenas ba-
*

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE


•v- *
7 —- Além da Terra, outros planetas se formaram pelo mesmo processo, e ficaram &-
rando em torno do núcleo central, o Sol, atraídos por êle. 8 — Quando é dia em uma
-V metade da Terra, é noite na metade oposta. 9 —
Ds pontos opostos chamam-se antípodas.

O TICO-TICO
—_______: àa&

____ a-^&ü ¦ ___________________D____Ev ¦ _DI

__________ O _____¦ ___________________________m_____________ BW __//y _^_Sftv \ 1 __m _____H

MARÇO — ABRII. DE 1962


^**.***JM»****M>**-M**^
•v-

í ¦V

salto, matéria que existe no interior da Terra a grandes profundidades. A

* ser assim, a lua seria inteiramente granítica, em sua integral contextura.


¦V-
-V
*
A TERRA
V__/ nosso planeta é uma grande esfera achatada nos pólos, que gira no
espaço infinito. Vimos já que, como êle, há outros planetas,
que fazem par-
te do Universo, nome que se dá a todas as coisas criadas
por Deus. Em uma
das gravuras que aqui publicamos, a Terra nos aparece como sendo maior
do que todos os outros globos, mas não é essa a realidade. É
que no dese-
nho ela está figurada em primeiro plano, por ser o
planeta que nos está in-
ir ?
teressando. A Terra gira, como também as outras esferas celestes, conti-
_L
nuamente sobre si mesma e em volta do Sol. Há milhares e milhares de
ou-
tros mundos e de estrelas em torno do Sol. A Terra, como é sabido, tem
A. 3*.
dois movimentos: o de rotação, de
que se originam os dias e as noites, e o
at M,
de translação, do qual resulta a seqüência das estações. O Sol fornece luz
e calor a todos os planetas que estão à sua volta.
}
Sendo a Terra um esferóide — uma esfera achatada — não
pode ter
todos os seus pontos iluminados, isto é, o Soi não a
pode iluminar e aque-
cer, por inteiro, de uma vez. Se há luz numa metade, na outra há
escuri-
__
dão. Daí o ser dia na parte clara e noite na
que está privada temporária-
mente de luz. Dia, pois, é o período de tempo durante o
qual o Sol se con-
serva acima do horizonte, entre o seu nascimento e o seu ocaso. Noite é o

período de tempo em que o Sol se conserva abaixo do horizonte, entre o


ocaso e o nascimento. O Sol, porém, não NASCE. Em conseqüência do
giro
da terra em torno de si mesma, temos a impressão de
que é êle que se move,
surgindo, cada manhã no horizonte e desaparecendo, cada tarde,
abaixo
da linha deste.

*
LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE
-V
10 — Decorre do movimento duplo da Terra em torno do seu
eixo e i volta do Sol, •
sucessão dos dias e das noites. 11 — Prova da forma redonda da Terra:
ao aproximar-se
um navio, avistamos primeiro suas partes mais altas 5-

O TICO-TICO
HÍRiH_fflB^\^
wr\ —+
/ ^wHH-HHHi
^6 ' ^í
mm
Br
F* V \ %*
--i
'
vN / .¦_______¦
^ ^ !_______H____.fR
_P______^__r ,

________HHv\ t"~í-7y ^ .-'\--'7t>^ WÈÈk^A


mi «V'---r:::"l
___¦ j.-,y;:4-"Tf
^
l___r w»* ^3a^^M
*
'V
¦
«^ '--.•!
/ • •¦_» • i
y*. ¦.
___.
HKfe <* p \m' > ^\'V n§
r.
ri
*__0
_F x / v v ' ;\\\;< *. \1__W M
P y x A- «\ yx AxU -¦
"""V V A^ |
Kk '^ .'""" \ \
____. \ Am
m»_
______'
'• _____¦

10

11

MARÇO _ ABRIL DE 1982


-¥•

Quando é meio-dia num determinado ponto da Terra que está ilumina-


do, no seu ponto diametralmente oposto, isto é, do outro lado da esfera ter-
restre, que está sem luz, é justamente meia-noite.
Quando é meio-dia no
Rio de Janeiro, o ponto oposto do globo em
que é meia-noite fica no Japão.
Os pontos assim opostos chamam-se antípodas. Essa
palavra quer dizer, de
modo geral, pontos em que os habitantes se opõem
pelos pés.
í
Nem sempre, como veremos adiante, a Terra foi considerada redonda,
ou esférica. Mas hoje essa noção está assente e não mais se discute tal
pro-
blema. São conhecidas as provas de que ela é redonda, e uma dessas
pode
ser tirada por qualquer leitor. Postando-se êle à beira-mar, quando da
aproximação de um navio, notará que a primeira coisa que se avista, sô-
Af-
bre a linha longínqua do horizonte, é a fumaça da embarcação, ou, sendo

esta embarcação a vela, o topo dos mastros. Pouco a pouco se irão avis-
tando as partes mais altas, depois as mais baixas, até que, chegando o na-
vio perto, se acabará por avistar seu casco. Se a Terra não fosse redonda,
*
e sua superfície não fosse curva, êle seria avistado todo inteiro, embora

pequenino, desde longe.



Outra prova da redondeza da Terra tem sido fornecida pelas viagens
i
chamadas de circunavegação. Dois homens do passado, Fernão de Maga-
Ihães e Sebastião Del-Cano, provaram por esse meia a redondeza da Ter-
ra. Magalhães, português, o maior navegador de todos os tempos, foi o que
5
primeiro tentou uma viagem inteira em volta da Terra, partindo da Espa-
nha. Morreu assassinado pelos indígenas das Filipinas. Sebastião Del-Cano,
i
marinheiro espanhol que o acompanhava, prosseguiu a viagem e foi ter,
*
¦*¦ -t.

por fim, ao mesmo ponto de partida, viajando sempre para diante, demons-
trando exuberantemente a forma redonda do nosso planeta.
Jr*
-V*

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE


}
12 -— Muito devemos às viagens audaciosas dos navegadores de outrora. 13 — Fernão de
Magalhães. 14 — Sebastião Del Cano. 15 — Uma das formas imaginadas
para a Terra,
pelos antigos. 16 — A Terra segundo a imaginação de Ptolomeu.
-ãáV *
X**-M<-***-***-*-*.»^**^^

10 *_L O TICO-TICO
MARÇO — ABRIL DE 1M_ 11
,£********************************^
*
*
*
*

COMO OS ANTIGOS INTERPRETAVAM A *


*

FORMA DA TERRA
*
•k
Vj^UE a Terra é convexa e fechada, isso é coisa de que não resta dúvida.
Provam-no, como vimos, as viagens de circunavegação, nas quais os nave-
gantes, saindo de um porto, voltam ao mesmo viajando sempre na mesma
direção.
*
Os antigos, porém, não a julgavam assim. Supunham fosse ela um dis-
co sustentado por 12 grandes colunas. Outros acreditaram que a Terra ti-
nha a forma de uma grande concha, ou cuia, descansando sobre as costas
*
de quatro elefantes apoiados numa gigantesca tartaruga! Embora não ti-
vessem tido a lembrança de arranjar para esta, um ponto de apoio... Mas,
*
ainda havia outras crenças mais extravagantes. A Terra era uma grande ex-
I
tensão achatada, de infinita espessura, que sustentava o céu como uma
cúpula, ou tampa. Pensaram, depois, que ela flutuasse num oceano univer-
sal de extensão desconhecida e mais tarde a imaginaram limitada em cír-
*
* culo, com raízes profundas.
*
¥
Um grande sábio grego, Anaximandro, que viveu no século VI antes de
Cristo, chegou à conclusão de que a Terra era um cilindro cujo diâmetro
era de três vezes a sua altura, e flutuava no centro da abóbada celeste.
Só a sua face superior era habitada, e desta a parte norte era ocupada pe-
Ia Europa e a parte sul pela Ásia e pela Lídia, ou África.

O grande Platão sustentou que a Terra tinha a forma de um cubo,


com as suas seis faces, e esta devia ser a forma mais perfeita para morada
dos homens.

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE


M,
17 — A formação dos reinos animal e vegetal foi demorada, e processou-se em decorreu-
cia do resfriamento da crosta terrestre e sua conseqüente consolidação. 18 — Os primeiro»
animais que habitaram a parte sólida eram anfíbios.
????aloM*****************^

12 O TICO-TICO
_

13
MARÇO — ABRIL DE 1M2

Diversos tiveram outras idéias ainda mais extravagantes. Só a partir •

do século IV, antes de Cristo, tais idéias foram modificadas.


¦V-
No século 11, antes de Cristo, Ptolomeu achou que a forma que melhor í•
se adaptava era a de um tomate, e sobre esta desenvolveu o mapa do
mundo (conhecido). A ciência moderna, porém, afirma que o nosso planeta *
é ovóide e esta teoria tem conquistado muitos adeptos.

COMO COMEÇOU A VIDA NA TERRA


*
_
•ir
¦¥¦
A vida no planeta que habitamos dividiu-se em três reinos: — mineral,
*
vegetal e animal. Depois de formado o primeiro reino, o mineral, com os
montes, cordilheiras, vulcões, etc, Deus fêz brotar das profundezas dos _

oceanos e rios as algas, sargaços, líquens e os gigantescos fetos criando o t_
segundo reino, o vegetal.

Depois foi formado o terceiro, o animal. Os primeiros seres que apare-


ceram e que viveram nos oceanos não tinham forma definida, mas a con-
*
sistência de geléia. Não possuiam ossos. Durante muito tempo dominaram *
*
estes seres todos os mares e, muito lentamente, formaram famílias ou gru-
*
pamentos distintos. Uns adotaram em definitivo a vida submarina, ou-
*
tros arrastaram-se para as margens e se foram adaptando às necessidades _
da vida fora da água, através de milhares e milhares de anos, em que seus
aspectos exteriores se modificaram, pela necessidade de sobreviverem, de
se alimentarem, de enfrentarem a luta com adversários.
*
Enquanto se processavam essas modificações no reino animal, a super-
*
fície da terra ia sendo povoada de grandes vegetais, alguns de formas tam-
_
bém estranhas. Imensas florestas surgiram então.
*
*
LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE I
1- — O tigre de dentes de navalha. 20 — Animais estranhos, mostruosos e gigantescos
dominaram a superfície terrestre. As primeiras aves tinham também aspecto assustador.
I_r
h**** *¦*.**• *¦* * ifr

I O TICO-TICO
14
Hft
MARÇO — ABRIL I)K 1962 15

& «
^************************^**^^***^^^^^*******************+****t**^.

OS PRIMEIROS ANIMAIS E SUAS ESPÉCIES


±H ÃO foram os animais que hoje habitam o globo, que então constitui-
a fauna terrestre. Em longínquas épocas, quando o gênero humano .J
ram
não existia sobre a Terra, estranhos, horríveis e monstruosos seres nela vi-
"Dos
veram. mais antigos remanescentes de ossos e conchas, ficamos sa-
bendo quais foram os primitivos animais marinhos, o carangueijo, o escor-
pião do mar, e especialmente o enxame de gigantescos insetos, alguns
com asas abarcando doze polegadas ou mais, que habitavam a Terra.
"Essas
criaturas pre-históricas tiveram que ceder lugar diante do ata-
que furioso de nova casta de monstros. Na luxuriosa e invasora vegetação
daquele tempo vagueavam répteis, imensa raça de seres de grandes ventres

e pernas fracas, porque fazia apenas poucos milhões de anos que haviam
saido das profundezas do abismo.
"Os
répteis assemelhavam-se a imensas caricaturas dos feios crocodi-
los dos nossos dias. O mais volumoso dentre eles era o dinossáurio, de ta-

manho gigantesco, mais gigantesco que qualquer ser vivo de hoje. Na Áfri-
ca Oriental, as rochas ostentam o esqueleto fóssil de um deles, o Gigantos-
sáurio, que mede mais de 30 metros de comprimento. Depois desses vieram
os primeiros seres alados, os pterodáctilos, que rivalizavam em
grotesco até
mesmo com os dragões fabulosos da mitologia" — assinala Henry Thomas.

Ao fim de milhões de anos de domínio dessa fauna monstruosa, teve


início a chamada Era dos Mamíferos, ou Era do Leite.
w,
Nos tempos remotos de que tratámos, foi o Brasil habitado
*
por mamí-
feros gigantescos, como o megatério, o gliptodonte e o mastodonte e nas
proximidades de Lagoa Santa (Minas Gerais) têm sido encontrados esque-
t
LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE
f
§
21 — O cavalo da Era do Leite nio tinha o porte do atual: era menor.
22 — O mamute
um elefante gigantesco. 23 — Começaram a diferenciar-se as variedades
era de animais,
quer no interior das águas quer fora delas.

16 O TICO-TICO
MARÇO — ABRIL DE 1962 17
^***+*<Mt****************.r.-.-**-M^.Mf.«^^
¥ *
¥
*
*
¥
¥
¥
letos fósseis desses curiosos animais, como também, recentemente, em cer-
¥• *
ta região do nordeste. O mastodonte era uma espécie de elefante com
*
quatro presas, acérrimo inimigo do tigre de dentes de navalha, de que é
descendente o tigre dos nossos dias, como o elefante deriva daquele seu an-

tepassado.
Havia ainda o mamute, elefante de porte gigantesco, que os primeiros
homens corajosamente combatiam. Quase todas essas raças monstruosas
habitaram também o nosso continente americano, no tempo em que todo o
seu interior estava submerso pelas águas.
¥ •
¥
¥ í*
¥
¥
AS CURIOSAS TRANSFORMAÇÕES DO *
¥
¥
¥
¥
REINO ANIMAL *
¥
JLs OS monstros voadores descenderam as aves, que só mais tarde apare-
ceram. Entre os mais antigos que se conhecem está o arcoptérix. Possuia
grande cauda como a do lagarto, ossos e carne cobertos com raras penas.
Tinha duas pernas e duas mãos destinadas a trepar nas árvores, em vez de
*
voarem de ramo em ramo como fazem as aves de hoje. Tinha olhos iguais
_L JL.
aos dos répteis e bico armado com dentes potentes. Havia ainda a moa.
cuja altura era superior à de um elefante. O epiornis punha ovos com ca-
*
pacidade de um decalitro. O mais elegante animal, o cavalo, era do tama-
_____ **
nho de uma raposa. Em lugar de cascos, possuia cinco dedos nos membros
J_ *
anteriores e três nos posteriores.
jj_
t
*
O nosso alígero e delicado beija-flor teve como antepassado o iguano-
donte gigante, que tinha a cabeça semelhante à de um lagarto. Existiu
também o silvatério, antepassado do cervo e do veado, que era maior que
um elefante. O armadilho, semelhantnte a um tatu, era mais alto que um

homem, denominava-se gliptondonte e existiu no nosso país.

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE


*
24 — O homem, para sobreviver, tinha de travar lutas constantes com animais ferozes.
25 — Sua inventiva de desenvolveu _¦ começou a criar as primeiras armas, feitas de
pedra.

18 o nco-nco
\MI/< 24

MARÇO — ABRIL DE 1962 19


************>**^
^*****
**

Depois, com o correr dos anos, muito lentamente, a fauna terrestre,


adaptando-se sempre às condições de meio, de clima, de alimentação, se
foi transformando no que hoje conhecemos. Aquelas espécies monstruosas
viveram anos e anos, errantes, sobre a Terra. Por fim, apareceu o homem,
destinado, pela sua inteligência, pelo poder de reflexão e raciocínio, a ser
o soberano no seu reino, o reino animal, e a dominar muitas outras forças
da Natureza, graças ao sopro divino que presidiu a sua criação.
* *
*
i• OS HOMENS PRIMITIVOS
*
*
*
*
*
*
JL/ IZEM os grandes sábios, historiadores, antropólogos e geólogos, que os
nossos primeiros antepassados — os homens prehistóricos ou primitivos —
eram de estatura baixa e tinham desenvolvimento tão mesquinho que pou-
co se diferençavam dos animais. Viviam selvàticamente em grupos, geral-
mente nômades, lutando uns contra os outros e com monstros que infundiam
m? "Devido mX
pavor. ò escassez de fósseis do homem pre-histórico e à dificuldade
de estabelecer-lhes as idades exatas, a nossa revolucionária linhagem ra-
*»v ¦*¦
ciai ainda se mostra obscura; e parece que os poucos espécimens estudados
(homem de Java, homem de Pequim, homem de Piltdownm, homem de Cro-
Magnon) pertencem a ramos laterais, não ao tronco principal do Homo-Sa-
Ja

piens de hoje".
"Em
5
1931 foi encontrado o esqueleto de uma mulher à profundidade
de quase três metros, nos xistos de Minesota (E.U.) e da idade daquele de-
pósito os sábios deduziram que a mulher se afogara há cerca de 22.000
anos" — é o que nos ensina Gamow.
•¦ í
Pouco a pouco, isto é, no decorrer de milhares de anos, o homem se foi
,. *¦
modificando. Tornou-se extraordinariamente forte e chegava a enfrentar
mV ••*¦
os tigres de dentes de navalha e outras feras.

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE


*
2* — Aprendeu a fazer fogo, pelo atrito de duas pedras que desprendiam chispas: um
grande passo para o progresso. 27 — Começou a render culto aos mortos. — 28 — Algu-
mas armas primitivas, da idade da pedra lascada. *
*
f( ********************************ir**Mc*******#*****************-*,H"
20 O TTCO-T1CO
"
éÁ P}<MI'

MARÇO — ABRIL DE 1902 21


4-
4-
4-
4-
4-

pouco adquirindo certos conhecimentos. Como tinham de alimentar-se de


f àp *
caça e precisavam defender-se, construíram as primeiras armas, com pe-
y.
dras. Aprenderam a fazer fogo, não só para se aquecerem como para ou-

*
tros fins.
4-
4-
4-

AS DIVERSAS IDADES 4-
4-
4-
4

I T
X OMANDO-SE por base, para classificação, a matéria com que o ho-
4-
4-
4-
4
4
mem primitivo fabricava seus instrumentos e utensílios, e suas armas, dis-
ringuiremos: a idade da pedra lascada, ou período paleolítico, a idade da
ir 4
pedra polida, ou período neolítico, a idade do bronze e a idade do ferro.
Na idade da pedra lascada, ainda não conhecia os metais. Fabricava seus
S instrumentos, machados, facas, etc, com lascas de silex, grosseiramente
a princípio e mais tarde já com algum esmero.
*
Os homens, nessa idade/ viviam rudemente, errantes pelas flores-
4-
tas, moravam em grutas ou cavernas, e são por isso chamados trogloditas.
Tais homens eram muito superiores aos animais selvagens com que tinham
de lutar. Tinham inteligência, sublime dom de Deus. Possuiam já algum
senso artístico. Respeitavam os mortos, o que faz pensar que tinham algu-

ma idéia de uma vida futura.


*
No período neolítico, ou da pedra polida, o homem já revela civiliza-
4-
ção mais acentuada. Os instrumentos e armas de que se serve ainda são de
*. *
pedra, ossos e chifres de veado ou rena. O silex que emprega é polido e to-
j. 4-
dos os artefactos que produz indicam preocupação estética. Juntamente
w com outras provas de engenho do homem primitivo, encontraram-se frag-
mentos de vasos, indicio 4
indício provável de uma cerâmica rudimentar,
rudimentar de
An mktura
mistura


LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA SEGUINTE
• *
29 _ Uma habitação Iacustre. 30 - Um menhir.
31 - Primitivos desenhos que revelam
o nascimento do senso artístico do homem. 32 -
Um dolmen. 33 - Homem esculpindo
na rocha.

22
O TICO-TICO
MAIHO — ABKII. Dl l%2 23
*

¥ *
com restos de sua alimentação, nas cidades lacustres e nos monumentos • *
¦V megaliticos.
*
Consistiam
as cidades lacustres (ou palafitas) em plataformas re- *
pousando sobre milhares de estacas sólidamente enterradas nos leitos dos
lagos, e sobre as quais erguiam suas moradias. Uma ponte levadiça esta-
belecia a comunicação com a terra e podia ser rapidamente arredada em
caso de necessidade ou perigo. Os monumentos megalíticos pertenciam a
espécies distintas, se bem que sempre constituídos por blocos enormes
de pedra reunidos sem o auxílio de argamassa. Os dolmens (mesas de pe-
dra) constavam de uma ou mais lajes dispostas horizontalmente e susten-
tadas por outras pedras em posição vertical. Os menhirs (pedras esguias),
verdadeiras agulhas equilibradas sobre uma das extremidades. Os cromlecs
círculos de pedra. Os tumulis (onde enterravam os mortos) verdadeiros
ou
feitos de pedras enormes, porém cobertos com terra.
quartos
Na idade do bronze os instrumentos e armas deixaram de ser feitos de

¥ pedra.
jjt
Com a idade do ferro, começam os tempos chamados históricos.
¥ *
¥ *
¥
¥ OS PRIMEIROS GRUPOS SOCIAIS *
¥ •
*
¥
>«• primeiro grupo social foi a família, composta de indivíduos descen-
*
dentes do mesmo pai e todos unidos pelos laços de sangue e de afeição.

Multiplicando-se as famílias, surgiu um grupo maior, a tribu. Tinha


como chefe o patriarca, eleito entre os mais velhos, sendo a um tempo sa-
+
cerdote, chefe guerreiro, administrador e juiz.
í
As idades chamadas pre-históricas não são períodos cronológicos prò-

LEGENDAS EXPLICATIVAS DA PAGINA


J
SEGUINTE
M. ?
34 — Armas da idade do bronze. Já então os homens, tecnicamente evoluídos, usavam ar-
mas ofensivas e defensivas fabricadas com esmero. 35 — As principais raças em que ac
divide a humanidade.
W«H***t*****^^^

O TICO-TICO
MAIM,<» — ABRIL DE I9K! 25
*^*M>*************^
* ->»*
et
*


-Ar
*
_,



*A
-A _f

priamente ditos. São graus de civilização alcançados mais ou menos rapi-


damente pelos diversos povos.

Assim, os egípcios já se serviam do ferro enquanto os gregos estavam


-A í
ainda na idade do bronze e os bárbaros da Dinamarca na idade da pedra.
Os indígenas do Brasil, à época do descobrimento, estavam ainda no perío-
-A. *
do neolítico.
__T
Todos os homens pertencem a uma só espécie e descendem de um
tronco primitivo único. As diferenças de raças explicam-se pela influência
do clima, dos costumes, da maneira de viver, etc. {
*
A raça branca é a mais importante no ponto de vista histórico, pois é
a que apresenta as civilizações mais adiantadas e duradouras. Tem três ra-
mos: semítico, chamítico e japhético( nomes derivados de Sem, Cham e Ja-
phet, filhos de Noé).
As primeiras civilizações desenvolveram-se junto acs grandes rios, co-

mo o Nilo, o Ganges, o Tigre e o Eufrates. Do Oriente, em que se distingui-
ram egípcios, assírios e babilônios, hebreus, fenícios e medos-persas, passou
a civilização para a grécia, daí para Roma, daí às regiões ocidentais da Eu-
ropa e, finalmente, graças à audácia dos grandes navegadores e coloniza-
dores, ao Novo Mundo e à Oceania, completando o grande ciclo histórico.
Seguindo a direção da marcha aparente do Sol, a civilização partiu dc
Oriente para o Ocidente.

•**•¦.*.__*" *

• _. *

¥

-*****-*******-«--*-*-k-fc-K-k-M***^^

26 O TICO-TICO
^***+*+***+*****+***+**K*-k-***M<*^
¥ *
¥
¥ ¦¦¦¦¦^«««^-MMMMNIBM_m¦_Ms__na---Í
¦V •
¥
¥
¥
¥
¥

¥
¥


¥
^^•' í
¥
í ^i-t ;t_ aT
¥



¥

¥ •

¥

¥
¥ •
¥ •
¥
¥ •
¥
¥
¥ •
¥ •
¥ •
¥
¥ •
¥ ' •
¥
¥
¥

TIQUINHO
¥
¥
¥ >
¥ Ar
¥ •
**•
¥
¥ •
¥
¥ *
¥
¥ NÃO É APENAS UM DIVERTIMENTO PARA AS CRIANÇAS.»
¥
¥
¥
¥
¥ EM SUAS 32 PÁGINAS COLORIDAS
¥ ENCONTRAM AS PROFESSORAS: TESTES, JOGOS, PROBLEMAS, BRINQUEDOS DE
¥
¥ ARMAR, PEQUENAS POESIAS, DESENHOS PARA TEMAS ESCOLARES, ETC, QUE
¥
¥ MUITO AS AJUDARÃO NAS SUAS TAREFAS TAO NOBRES.
¥
¥ Preço do exemplar Cr$ 15.00 Assinatura anual — 12 números — CtS 240,00
¥
¥ O pagamento da assinatura é feito adiantada mente por cheque, vale postal ou icgistro com va
¥ lor declarado Não atendemos assinatura pelo Reembolso Postal. Também nao aceitamos assina *
¥
¥ tura por 6 meses. *
¥ *
¥
¥ Pedidos à Sociedade Anônima "O Malho — Rua Afonso Cavalcanti. 33 Caixa Postal, 880
¥ RIO DE JANEIRO.
¥
"A********************** * ** *** ** ****** ************* ***x****-4****^r
,>„,.,____- lOBOl .«^,^^-__—__—.Aia-ma*. .*%—*, lPtT^/%! .«%—<__———mafamam

'o
LIVROS QUE ENSINAM POR MEIO DO DESENHO

o
D
o
"PRIMEIRAS
LETRAS"
o Cartilha para principiante, com 300 desenhos. Método o
altamente prático e educativo para ensinar a ler, facili-
tando a aprendizagem pelo interesse que desperta na
criança.
o
— 23.a edição — Preço i Cr$ 30,00
D
o
"PRIMEIROS
CÁLCULOS"
o
Primeiras noções de Aritmética. As tabuadas das quatro
o
operações fundamentais. Ensino por meio de figuras,
objetivo e atraente por quebrar a monotonia do estudo.
— 10.a edição — Preço: Cr$ 10.00.

"MEU I
BRASIL"
Fartamente ilustrado, focalizando homens e fatos de
nossa Pátria. Resumo dos principais eventos históricos
desde o Descobrimento até os dias atuais. Cenas da His-
tória, retratos das principais personagens dos maiores
acontecimentos, com legendas claras e explicativas. o
JJ Aspectos do Brasil de ontem e atuais.
10.a edição — Preço : Cr$ 40,00

A. "O MALHO" — RUA AFONSO CAVALCANTI, 33 — RIO


jj S.
FAÇA SEU PEDIDO PELO REEMBOLSO POS TA L
(Atendemos a pedidos a partir de 50 cruzeiros)
iobo
>il>*»v»»»»»»»»»»»»*»*»-»»,»»»»»*»v»-vv»»»»»»»»»»»v»»»»»v»»»»»v»»»».»»»»»»v»»»»»»»»»v»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»%»»»»*

-—-______
SEUS FILHOS CRESCERÃO FORTES E SADIOS í
TOMANDO

CA PIVAROL
O REI DOS TÔNICOS