Você está na página 1de 77

Fontes Secretas de Poder

Redescobrindo Pontos Bíblicos de Poder


T. E TENNEY e TOMMY TENNEY

Do Original:
Secret Sources of Power
Rediscovering Bible Points of Power

1a edição: Abril de 2003


Danprewan Editora

Digitalizado por Blacknight


Revisado e Formatado por Juancarlito
Dedicatória
Meu pai é uma das pessoas mais poderosas que já conheci.
Será difícil você encontrar alguém com convicções mais fortes, paixões mais
profundas ou um amor mais ardente. As lições que meu pai compartilha neste livro
são princípios pelos quais viveu e tive o privilégio de aprendê-los não apenas por
meio das palavras de seus ensinos, mas pela excelência de seu exemplo. Ao longo
tios anos, eu o vi pôr esses princípios em prática como um pai, um pastor c um líder
apostólico.
Todos desejam poder na vida entretanto, poucos estão dispostos a pagar o
preço necessário para obter o maior de todos os poderes. Meu pai faz parte desse
pequeno grupo. Conhece o poder de livrar-se dos fardos e estabelecer prioridades.
Ele sempre apreciou o seguinte ditado: "O importante é fazer com que aquilo que é
importante seja importante." Está acostumado com o poder do perdão. Já o
concedeu, e foi alvo dele, muitas vezes ao longo de sua vida e ministério.
Foi uma honra trabalhar com ele neste livro. Caso lenha contribuído com algo
de valor nestas páginas, isto pode ser creditado à influência poderosa e positiva que
meu pai exerceu sobre a minha vida.
Obrigado, pai, por mostrar-me o poder do Pai!
Tommy Tenney

Agradecimentos
Os autores gostariam de agradecer às suas famílias, que foram pacientes, e à
sua equipe, que foi diligente durante a elaboração e publicação deste livro.
Endossos
É revigorante ter um livro escrito por pai e filho. Em nossos dias, Deus está
unindo a sabedoria adquirida com a idade ao entusiasmo de homens mais jovens de
uma forma poderosa. As percepções são práticas, inteligentes e essenciais desde
que homens e mulheres de Deus queiram crescer na natureza de nosso Irmão Mais
Velho e Redentor. Nestas páginas, estão etapas fundamentais para a pureza e a
piedade em busca da maturidade.
Don Finto
Diretor da Caleb Company Nashville,Tennesse
É um grande privilégio recomendar de todo o meu coração este livro dos
Tenneys recheado de poder. Oro para que a dinamite da verdade contida nestas
páginas venha a explodir nos corações e vidas de multidões de pessoas, trazendo
resultados de transformação de vida.
Joy Dawson
Autora e professora da
International HiMr

2
Tommy Tenney repetiu o feito! Sua combinação de histórias simples e
percepções espirituais tornam este livro acessível, útil e altamente instrutivo.
Em Fontes Secretas de Poder, Tommy ajuda-nos a compreender a natureza
do poder de Deus e como esse poder está à nossa disposição hoje. A Bíblia está
repleta de admoestações contra o abuso do poder que nos foi dado, e Tommy não
mede palavras, uma vez que utiliza um material bíblico de leitura altamente
pertinente com relação ao uso e abuso do poder.
Trata-se de um livro magistral que tenho o prazer de recomendar como uma
leitura fácil, arraigada nas escrituras e essencialmente importante sobre como o
poder de Deus enche a Igreja e alcança o mundo.
Gerald Coates
Orador, autor e locutor
Quer ser livre, feliz, realizado e estar convencido de que está na posição em
que Deus deseja que esteja? Se quiser, não conheço um ponto de partida melhor do
que a leitura de Fontes Secretas de Poder.
C. Peter Wagner, Chanceler
Wagner Leadership Institute
Estou entusiasmado com este livro, Fontes Secretas de Poder, por duas
razões. Primeiro, ambos os autores não têm simplesmente uma experiência de anos
de ministério, mas de muitas décadas de caminhada com o Senhor, com o coração
de um verdadeiro Calebe pelo Reino de Deus. Segundo, a combinação dos dois é
uma maravilhosa união tanto de um mover vital do Espírito Santo hoje quanto da
preciosa sabedoria do que Deus realizou em gerações passadas. Representa o
encorajamento de Jesus para que mestres tragam à tona "tanto o velho como o
novo".
É útil entender os alicerces de um verdadeiro "Caçador de Deus" para
compreender seu coração. Aqueles que conhecem Tommy e seu ministério estão
bem conscientes de seu profundo amor pelas verdades eternas da Palavra de Deus
e pela Própria Verdade eterna Jesus. Entretanto, o que muitos talvez não entendam
é a rica herança e formação de Tommy tanto nas coisas do Espírito quanto na
Palavra escrita. Assim como a sabedoria, as percepções e a experiência desses dois
autores são inestimáveis, este livro será estimado por todos aqueles que fazem a
seguinte oração: "Ensina-me teus caminhos, Senhor, para que eu possa conhecer-
te!"
Marc A. Dupont
Mande of Praise Ministries, Inc.
Ft. Wayne, Indiana

Tommy Tenney está falando da Palavra do Senhor. Ele está no caminho certo
para aquele grande momento na História. Seu clamor para que sejamos "Caçadores
de Deus" fez reluzir uma chama em nossa terra que é desesperadamente
necessária. Fomos tomados por um novo fervor para buscar a Deus por causa de
seus livros. Por toda a nossa nação, as pessoas estão recebendo esta mensagem
com paixão. Seus livros esgotam-se nas livrarias, Minha esposa e meus filhos os
estão lendo.
Fontes Secretas de Poder irá levá-lo a aplicações práticas na busca de
Deus. Prioridades, perdão e comunhão são pontos vitais que Tommy discute nestas
páginas. Você será enriquecido pela "Palavra do momento".
Billyjoe Daugherty
Victory Christian Center
Tulsa, Oklahoma
3
Para aqueles que buscaram a Deus e o encontraram, este livro revela "pontos
de poder" bíblicos que irão ajudá-los a livrar-se dos fardos e ansiedades deste
mundo e encontrar liberdade em Cristo.
Vinson Synan
Deão da School of Divinity
Regent Uníversity

O povo de Israel foi constantemente exortado por Deus para que não
removesse os "antigos marcos de propriedade". Esses marcos estabeleciam limites e
ajudavam o viajante em busca de direção. Tommy Tenney remonta-nos aos antigos
marcos da verdade bíblica. Estas revelações poderosas, práticas e essenciais
ajudarão o peregrino espiritual em sua busca por conhecer a Deus e seus caminhos.
Nesta era de "soluções rápidas", graça untuosa e pasto espiritual, mastigar a carne
da Palavra de Deus é algo que revigora. Este livro é um curso de recapitulação sobre
"verdades fundamentais". O poder do perdão, o poder do sangue, a morte do eu, a
renúncia, etc. Os crentes e as igrejas jamais verão um reavivamento sólido sem elas.
David Ravenhül
Professor e autor de For Gods Sake, Grow Up! (Pelo Amor de Deus, Cresça!) e
They Drank From the River and Died in the Wilderness (Eles Beberam do Rio e
Morreram no Deserto)
Este é um livro poderoso! Os Tenneys têm um dom singular de encontrar a
pura verdade nas Escrituras e elucidá-la para o restante de nós. Fontes Secretas de
Poder apresenta percepções para que todos os cristãos levem uma vida liberta e
poderosa em Cristo.
Mike Bickle
Diretor, International House of Prayer Kansas City, Missouri
Ao escreverem uma resenha sobre um livro, as pessoas muitas vezes
fornecem informações sobre ele e, se gostaram dele, acabam dizendo: "Este é um
bom livro... adquire-o!" Quero começar com essas palavras. Fontes Secretas de
Poder é um excelente livro! Sentei-me para ler o primeiro capítulo e não parei até
que, horas mais tarde, havia terminado o último capítulo. Se você se sente "exausto"
na batalha da vida... Se sofre com os fracassos do passado, este livro é para você.
Os Tenneys tratam de prioridades simples da vida e princípios bíblicos que irão
trazê-lo de volta ao caminho certo... Tudo isso sem bater-lhe na cabeça com uma
vara de condenação. Aqui estão alguns pontos especiais tratados por esta dupla
formada por pai e filho:
• Algumas pessoas não conseguem "livrar-se" dos fardos que as detêm
porque não conseguem abandonar seu estilo de vida marcado pelo "corre-corre
santo fortalecido pelo alto".
• Os autores falam da forte história de Marta e Maria sem condenar qualquer
uma das duas. Deus precisa tanto de "Martas" como de "Marias" no nosso meio.
Esta revelação já vale o preço do livro.
• Muitos pregadores lerão o material sobre perdão e poderão fazer uma série
de pregações a partir daí. Ao contrário da filosofia corrente do mundo, a mensagem
dos Tenneys para quem foi magoado é: "Liberte seu ofensor”.
• A última jornada de submissão a Deus e à sua vontade leva-nos ao altar,
"mortos para o pecado e para o eu, mas vivos para Deus". Quando lançamos fora o
"velho" e nos esvaziamos, tornamo-nos candidatos para os desígnios mais sublimes
e mais gloriosos de Deus para nós - nossa vida, nosso chamado, nosso ministério.

4
Como eu disse, adquira este livro! As pessoas à sua volta ficarão perplexas
com a sabedoria que você adquiriu em tão pouco tempo. Mas nós, você e eu, sabe-
remos o segredo... Fontes Secretas de Poder. Estamos em dívida com esta dupla
formada por pai (T. E) e filho (Tommy). Estou certo de que ouviremos e leremos
outras coisas deles. Espero que isso aconteça logo.
Charles Green,Th.D., D.H.L., Litt.D.
Pastor fundador, Faith Church
New Orleans, Louisiana
Uma faca de dois gumes criada por pai e filho! Aqui estão percepções de
transformação de vida que nos ajudam a alcançar o poder de Deus e, com isso,
golpear o inimigo.
Jane Hansen
Presidente/Diretora-executiva, Aglow International
Muitas vezes não estamos conscientes do poder de Deus que se encontra nas
mais simples verdades espirituais. Em Fontes Secretas de Poder, Tommy Tenney e
T. E Tenney tornam novas essas simples verdades. Eles fazem com que nos
lembremos do poder ilimitado que está à nossa disposição quando colocamos em
prática todas as instruções de Deus. Tommy é uma "carta viva" de tudo que escreve.
Os princípios que segue com tanto afã virão à tona e irá fortalecê-lo enquanto estiver
lendo este livro!
Kingsley A. Fletcher
Pastor sênior, Life CommunityChurch Research Triangle Park, Carolina
do Noilc
Esta é uma parceria de grande impacto pai e filho pavimentando o caminho
para o reavivamento. Ambos são ministros apaixonados e inspiradores, e servos
escolhidos de Deus. Juntos, são capazes de transpor abismos e brechas em termos
de gerações e denominações. Este simples fato traz consigo uma poderosa
mensagem! Acrescente a ele o rico conteúdo de Fontes Secretas de Poder e você
terá um material inflamável para que o fogo de Deus incendeie seu coração, sua
família e sua igreja. Estes homens e seus livros constituem outra dádiva vinda de
Deus para levar a Igreja espalhada pelo mundo inteiro ao próximo nível espiritual.
Sérgio Scataglini
Presidente, Scataglini Ministries, Inc.
Tommy Tenney apresentou-nos verdades bíblicas com algumas percepções
raras e sabedoria divina, fazendo-nos lembrar do que é exigido daqueles que estão
vivos no poder de salvação de Jesus Cristo. Este é um livro maravilhoso.
Dr. Ché Ahn
Presidente do Harvest
International Ministries
Maravilhoso! Novas percepções sobre importantes tópicos. Embora outros
tenham abordado alguns desses temas cm seus escritos, nosso amigo Tommy
Tenney apresenta as profundas percepções nascidas de um homem que é
profundamente apaixonado pelo próprio Senhor. Ninguém conseguirá ler este livro
sem alcançar um benefício significativo.
Danjuster
Diretor, Tikkun Mínistries, Inc. Gaithersburg, Maryland
Este livro é uma lista de princípios que dão vida. Página após página, Tommy
Tenney ei E Tenney habilmente salientam as ferramentas que precisamos usar para
sermos perfeitamente livres em Cristo.
Ted Haggard
5
Pastor sênior, New Life Church
Colorado Springs, Colorado
Passei por momentos difíceis durante a leitura de Fontes Secretas de Poder.
Eu lia e chorava. Desfrutava da leitura e adorava. Lia e arrependia-me. Lia e orava.
Lia e sentia tanta ânsia por saber o que a Palavra tinha a me dizer sobre o assunto
em questão que não me importaria em ficar horas e horas pesquisando.
Lembro-me de haver pensado: “Mas o que isso tem a ver com um livro de
Tenney”?
No mesmo instante, a Voz familiar sussurrou-me: "Esse livro é meu, tem tudo
a ver!”
Fontes Secretas de Poder não é uma refeição rápida que você engole
enquanto leva a vida às pressas. Não é um banquete espiritual epicurista. Aperitivos
convidativos, sopas substanciosas, pão que acaba de sair do forno, carne de
primeira lentamente assada no ponto de derreter na boca, verduras crescidas no
quintal e vinhas amadurecidas, ervas aromáticas que acabaram de ser colhidas,
molhos suculentos, colheita farta, frutas maduras e gostosas, segurelhas passadas
no mel, creme doce e saboroso, água de poço artesiano bem gelada e o Vinho Novo
de uma vindima de 2.000 anos. Ainda com fome?
Dr. Rcba Rambo McGuire
Reavivalísta, Rambo McGuíre Ministries Nashville, Tennessee
Sou um ávido anotador de sermões, mas, em algum lugar, durante meu
segundo culto com Tommy Tenney, abandonei meu diário de anotador e, em vez
disso, decidi comprar a fita. Por quê? Não conseguia acompanhá-lo. Tommy é o
príncipe de citações que podem ser citadas, resumindo mais verdade, revelação e
soltando comentários espirituosos fortes e inesquecíveis que a maioria de nós,
pregadores, poderia mencionar em uma mensagem na íntegra.
Quando li Fontes Secretas de Poder, cuja co-autoria é de seu pai, ficou
evidente que dele pode ser dito o que Jesus disse acerca de si mesmo: "Quem vê a
mim, vê o pai”.
Devorei Fontes Secretas de Poder na primeira vez que me sentei para lê-lo.
A leitura deste livro poderoso faz-se necessária tanto para novos convertidos quanto
para os maduros na fé. Cada capítulo poderia ser um livro àparte. Mal posso esperar
pelo próximo trabalho dos Tenneys. Pai e filho são extraordinários e estão abenço-
ando ricamente os cristãos com sabedoria, unção e intimidade com Jesus, frutos
colhidos de muitos anos de contemplação da glória de Deus.
Judy A. Gossett
Adoradora, The River Vancouver, British Columbia, Canadá

6
Sumário

Prefácio por T. E Tenney....................................14


Introdução por Tommy Tenney..........................15
Parte I O Poder de Livrar-se do Fardo...............16
Capítulo 1 Livre-se do Peso da Vida e das Exigências Opressoras de Outras
Pessoas..........................16
Capítulo 2 Livre-se dos Fardos e Obstáculos Auto
impostos...............................................................30
Parte II O Poder do Perdão.................................49
Capítulo 3 Perdão da Cruz para os Perdidos....49
Capítulo 4 Isto é entre Mim e Você.....................67
Parte III O Poder por Trás do Trono...................82
Capítulo 5 O Poder por Trás do Trono..............83
Parte IV O Poder do Sangue.............................106
Capítulo 6 Purificado e Preservado pelo Sangue
Inocente..............................................................107
Capítulo 7 Munido com Sangue do Cordeiro 124
Parte V O Poder da Renúncia...........................134
Capítulo 8 Entregue-se ao Processo de Deus135
Capítulo 9 Esvazie-se, e Seja Cheio do Poder de
Deus....................................................................151

7
Prefácio por T. F. Tenney

Poder. O dicionário define poder como "a habilidade ou capacidade de


realizar ou agir de modo efetivo". Como um veterano ministro apostólico do
evangelho, reuni os capítulos que você tem em mãos de vários sermões que preguei
ao longo dos anos. Há uma qualidade eterna com relação ao conteúdo desses
sermões, e "a habilidade e capacidade de realizar ou agir de modo efetivo" que
surgem como princípios bíblicos são instituídos na vida de homens e mulheres que
estão comprometidos com o Cristo da cruz.
Enquanto a mente humana percorre amarga arenosa, a argila vermelha e o
solo preto arável de seu ambiente, ela, sem dúvida, assimila partes de cada um
deles. Onde foi possível, dei o devido crédito aos autores e fontes. Reconheço que o
que você lê aqui é o resultado de minha experiência com Deus, pesquisa pessoal e
comprometimento com homens e mulheres religiosos. Procurei dar o devido crédito
quando as fontes eram conhecidas. Entretanto, se deixei escapar algo ao longo do
caminho, por favor, entenda que essa não foi minha intenção, mas, simplesmente, o
resultado de quase 50 anos de ministério e fruto de fazer da obra e das palavras de
outros uma parte daquilo que sou... Um viajante em busca dEle, que é a fonte
secreta de poder.

Introdução por Tommy Tenney

A busca por poder é tão antiga quanto o próprio tempo; contudo, tão atual
quanto o jornal de hoje. Forma indivíduos e estremece nações. De tumultos no pátio
da escola a armas nucleares, essa busca nos afeta em todos os estágios da vida,
independentemente de nossa localização, condição socioeconômica ou posição.
O uso e abuso que o homem faz do poder está registrado em nossos livros de
História, apresentado como relíquia em nossos monumentos e "glamorizado" em
nossas lendas. É ensinado em nossas escolas e sustentado em nossos púlpitos.
Comerciais anunciam que determinados produtos podem fortalecer-nos ou alertam
que a falta deles poderá nos deixar impotente. Temos refeições energéticas, sonos
revitalizadores e barras de cereais energéticas - entretanto, mesmo neste ambiente
energizado, somos iludidos a respeito do significado do verdadeiro poder.
Fontes Secretas de Poder irá levá-lo a uma estrada pouco trafegada. Você
redescobrirá que o caminho para não é o que leva para baixo; que para ter algo em
mãos, é preciso soltá-lo; que para ser cheio, é preciso esvaziar-se. Este caminho não
é fácil... Contudo, se você deseja um poder que não esteja sujeito a circunstâncias e
caprichos, este é o único caminho!

8
PARTE I
O Poder de Livrar-se do Fardo

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem
de testemunhas, livremos-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos
envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos
fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe jorra
proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono
de Deus (Hb 12.1,2).

CAPÍTULO 1
Livre-se do Peso da Vida e das Exigências Opressoras de Outras Pessoas
Você já assistiu a uma corrida de cavalos? Reparou no tamanho dos jóqueis?
Os proprietários fazem todo o esforço para reduzir o peso do seu cavalo de corridas
a um determinado padrão. Estritamente ligado a isso está a sua busca,
evidentemente, por jóqueis leves e de baixa estatura. O efeito deste "livrar-se do
peso" é tão grande que, se um jóquei for muito leve, logo os oficiais da corrida
consideram-no uma vantagem injusta! Eles providenciam uma algibeira especial
cheia de pesos para colocar na sela do ginete a fim de "equilibrar" a corrida.
Paulo escreveu aos Hebreus, exortando-os da seguinte forma: "Livremos-
nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com
perseverança a corrida que nos é proposta" (Hb 12.1).
Pergunto-me se alguns de nós estamos tentando correr nossa corrida em
Cristo ao mesmo tempo em que levamos conosco malas abarrotadas. Pior ainda,
será que alguns de nós estamos titubeando ao longo do percurso com uma pilha de
bagagens tão alta e desequilibrada que nem mesmo conseguimos ver para onde
estamos indo? Satanás faz tudo que está ao seu alcance para sobrecarregar-nos
com a bagagem do mundo e das complicadas inquietações da vida. Deus, por outro
lado, deseja que nos livremos, em primeiro lugar, de tudo aquilo que jamais nos
concedeu. Ele promete ajudar-nos a levar nosso fardo, mas só se este fardo for dEle:
Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu
lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois
sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas
almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve (Mt 11.28-30).
Deus nos promete que não permitirá que sejamos sobrecarregados além
daquilo que podemos suportar1. A vida está repleta de contradições e complexidades,
mas normalmente, existem dois tipos de "peso" que vêm ao encontro de nossos
ombros: o peso que nos sobrevém por meio da vida, das circunstâncias e de outras
pessoas, e o peso que acumulamos sobre nós mesmos.
1. Veja 1Coríntios 10.13
Não se Concentre nas Coisas que Você Não Pode Mudar.
Sempre haverá pessoas ou coisas (como políticas empresariais,
regulamentos governamentais, decisões de um tribunal ou decretos injustos de
zoneamento) que serão diretamente contrárias à sua caminhada com Cristo. É
provável que você não consiga mudar muita dessas fontes de oposição sem a
intervenção de Deus. Se você se concentrar nelas, deixará de se concentrar no
Senhor. Inevitavelmente, ficará cansado e fraco.

9
Qual é a solução? Pense em Deus. Concentre sua mente nele. Em vez de
pensar nas coisas e pessoas que estão contra você, mantenha sua mente em Jesus
Cristo e nas coisas de Deus. Se permanecer "remoendo" as coisas que não pode
mudar de pronto, certamente acabará tendo um problema de acidez (física e
espiritual).
Seu Senhor sabe tudo sobre oposição. Ele a suportou pessoalmente. O
apóstolo Paulo seguiu suas afirmações com relação à "livrarmos-nos de tudo que
nos atrapalha" com uma poderosa correção de perspectiva:
Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si
mesmo, para que vocês não se cansem nem desanimem. Na luta contra o
pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue
(Hb 12.3-4).
Você consegue imaginar algo mais paradoxal do que o fato de que o Cordeiro
imaculado de Deus levaria sobre si todos os pecados do mundo só para salvar a raça
humana e que, então, teria esses mesmos seres humanos conspirando juntos para
matá-lo, que teria os líderes do povo judeu se articulando com os líderes do mundo
gentio para chamá-lo de criminoso e assassiná-lo por meio da execução em uma
cruz? Ora, isto é uma contradição! Contudo, Jesus Cristo a suportou por nós.
Coloque Cristo à sua frente e agüente firme ora, Cristo quer que nos lembremos dele
quando estivermos diante das contradições e desafios da vida. Esta é a forma de
agüentar firme e não ficar esmorecidos ou com medo. A Bíblia diz que, ao suportar a
cruz, Jesus o fez "pela alegria que lhe fora proposta" (Hb 12.2b). A alegria de
Cristo foi, pelo menos, em dobro: Ele previu a alegria de agradar seu Pai c previu a
alegria de ver milhões de pessoas perdidas vindo para o Reino de Deus.
A frustração com coisas que você não compreende pode rapidamente oprimi-
lo. Servimos a um Deus que faz mundos virem à tona com uma única palavra de co-
mando. Ele não está obrigado a dar explicações para as infindáveis perguntas que
lhe fazemos. Se a resposta não estiver em sua Palavra, e se Deus não responde a
uma pergunta por meio de seu Espírito, resta-nos um "por que" sem resposta. Davi
pergunta "por que" pelo menos 29 vezes no livro de Salmos, e Deus o chamou de
"homem segundo o meu coração; ele fará tudo o que for da minha vontade"
(At. 13.22b). Anime-se: você não é o primeiro a ter a mente cheia de indagações. O
maior espaço no seu cérebro deve estar reservado para as "Coisas que Não
Entendo".
Às vezes, você tem de "livrar-se" de algum peso antes de assumir outro. A
vida fica difícil quando valorizamos muito certas coisas que não podemos mudar. A
primeira coisa a fazer é ter certeza de que não estamos carregando o peso de algum
pecado em nossa vida.
O sangue redentor de Jesus Cristo purifica-nos de todo pecado. Ainda que
estejamos dispostos a livrarnos de todo peso, às vezes deixamos de compreender o
poder de Deus para esquecê-lo. Em outras palavras, carregamos os efeitos do
pecado conosco quando, tecnicamente, esses não são mais nossos para que os
carreguemos. Depois que os lançamos no "mar do esquecimento", eles continuam
tão reais em nossa vida quanto permitimos que sejam. Devemos aceitar o total
perdão de Deus e livrar-nos de nossos pecados e fracassos de uma vez por todas.
Se o inimigo não pode envolvê-lo de um modo evidente ou ilegítimo, tentando-
o a cometer algum pecado de comissão, então ele tentará envolvê-lo de um modo
"legítimo" por pecados de omissão. De qualquer modo, nossos pecados são tratados
por meio do arrependimento. Alguém certa vez gabou-se, dizendo: "Não preciso me
arrepender!" Minha resposta foi a seguinte: "Você precisa se arrepender por ter esse
sentimento de que não precisa arrepender-se”!
10
Livre-se de Tudo Aquilo que o Oprime.
Todo precisa de arrependimento. Ele é o dispositivo bíblico para que nos
possamos "[livrar] de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve". Você
"alcança seu verdadeiro eu" livrando-se das fachadas e colocando de lado os pesos.
De acordo com uma edição lúbrica que contém passagens comparativas de até 26
diferentes traduções, lêem-se Hebreus 12.1 da seguinte forma "Despojando-se de
todo embaraço" (tradução de Nuiliciham) ou "Deixemos de lado todo embaraço"
(tradução de Weymouth). Na tradução de Williams, ela é um pouco mais forte:
"Lancemos fora todo impedimento." A tradução do século 20 diz: "Deixemos de
lado tudo o que nos atrapalha", enquanto a tradução de Knox diz: "Livremos-nos
de tudo o que nos oprime."2 Algumas coisas na vida podem não detê-lo, mas irão
reduzir seu ritmo. O inimigo sempre aceitará a segunda alternativa como sendo a
melhor. Se ele não pode impedi-lo de servir a Cristo, então reduzir seu ritmo é a
segunda melhor opção. Se conseguir oprimi-lo o suficiente para fazê-lo abandonar
sua corrida, já conseguiu, pelo menos, uma vitória parcial.
Vivemos em uma era de alta tecnologia, de ritmo rápido, que não pára. Um
século atrás, se você perdesse a carruagem, teria outra no mês seguinte. Hoje, se
perdemos um avião ou uma chamada telefônica, tememos que isto nos cause
grandes problemas por várias semanas. Nossos próprios horários e agendas podem
se transformar nos maiores empecilhos de nossa vida.

2.Todas as traduções observadas estão citadas em 26 Translations of the NEW TESTAMENT (26
Traduções do NOVO TESTAMENTO), Curtis Vaughan, ed. geral (Oklahoma City, Oklahoma: Mathis
Publishcrs -Copyright 1967 by Zondervan Publishing House, Grand Rapids, Michinan), p.1.1

O Inimigo Quer Consumi-lo


O profeta Daniel disse que no final dos tempos o anticristo "oprimirá os
santos [do Altíssimo]..." (Dn 7.25b). O espírito do anticristo está agindo no mundo.
Neste exato momento, e ele levanta-se contra nós na forma de pequenas coisas que
continuam pesando sobre nós. Elas minam, uma a uma, nossas energias criativas e
nosso trabalho a fim de despojar-nos da integridade espiritual. Estas coisas não são
exatamente qualificadas como pecado são apenas pesos desnecessários. O poder
de correr, o poder de suportar e o poder de concentração depende de nossa
capacidade de livrar-nos daqueles pesos que são estorvos e embaraços. Tudo
começa com o bom senso de saber o que levar e o que dispensar.
As crianças precisam aprender dois princípios quando são ainda novas.
Primeiro, elas precisam aprender o princípio da disciplina: A vida não se resume em
fazer aquilo que queremos fazer, mas, sim, em lazer aquilo que devemos fazer.
Segundo, elas devem aprender o princípio de estabelecer prioridades: O
relacionamento que você tem com Deus é singularmente o mais importante em sua
vida. O segundo é com a família. O terceiro é com o seu ministério e chamado.
Devemos incentivar as crianças e a nós mesmos a definir as prioridades de Deus e
discipliná-las para que as cumpram.
Prioridades inadequadas podem rapidamente sobrecarregar-nos com deveres,
compromissos e projetos que estão além daquilo que cabe a nós. O maior perigo é
que "o temporal" ocupe o lugar do "eterno".
Poucos problemas que acontecem na igreja estão baseados em questões
eternas. Os problemas geralmente surgem de divergências sobre coisas secundárias
"temporais" ou não-eternas, tais como: "meu dinheiro", "meu plano", "minha igreja",
"meus direitos...". Poucas reuniões na igreja tornam-se controversas sobre questões
relacionadas a falsas doutrinas, mas inúmeras congregações se dividiram após seus

11
membros divergirem sobre decisões secundárias com relação a despesas,
decorações no templo e até a posição dos cabides no vestíbulo!
Afaste-se para Orar ou Desfaleça
Somos propensos a ter mais "consciência do problema" do que "consciência
do poder". Talvez esta seja a razão pela qual Jesus instruiu seus discípulos, certa
ocasião, a irem para um lugar à parte por um tempo3. Se você não "se afasta por um
tempo", então pode "desfalecer por muito tempo". Jesus deixou-nos o exemplo,
reservando tempo para "livrar-se dos fardos" na presença de seu Pai.
Satanás tem como sua prioridade afastar os santos de Deus de suas
prioridades. Ele faz o possível para manter-nos tão focalizados em "coisas" que
esquecemos de passar tempo com Deus. Conseqüentemente, somos movidos pela
dúvida, pelo medo e pela solidão. Faraó e os capatazes do Egito tentaram destruir os
filhos de Israel; em nossos dias, o inimigo intensifica nossas responsabilidades
"egípcias" na expectativa de fazer o mesmo.
3.Veja Marcos 6.31.

Devemos aprender e aplicar os princípios do "livrar-se dos fardos" para que


possamos minguar a capacidade do inimigo de sobrecarregar-nos. Se não se livrar
do peso, você definitivamente se sobrecarregará (e talvez até chegue ao estopim!).
Davi viu-se naquela conhecida situação "entre a cruz e a espada" no dia em
que retornou para Ziclague com seus soldados, encontrou suas casas em chamas e
viu que cada um dos membros de suas famílias não se achava ali. Seus homens
falaram em matar Davi. As colheitas e os animais foram levados, suas casas não
passavam de cinzas quentes, mulheres e filhos desapareceram, e ninguém sabia
quem os levara nem para onde haviam ido. Os familiares desaparecidos poderiam
estar mortos ao que tudo levava a crer.
Davi Reservou um Tempo para um Momento de Oração Davi não sofreu um
colapso nervoso nem aceitou o peso desnecessário da culpa pessoal por algo que
não provocara ou não poderia mudar. Ele disse: "Dê-me o manto de oração. Traga-
me o velho colete."4 Puseram-se debaixo daquele manto de oração e disse a si
mesmo: "Tenho de conversar com Deus!" Você pode imaginar o que isto pareceu
aos seus soldados? Em meio ao puro caos e à ruína emocional, este homem parou o
que estava fazendo e foi orar.

4. I Samuel 30.6-7.
Por mais que um inimigo desconhecido parecesse estar fugindo com tudo que
lhe pertencia e com todas as pessoas a quem amava, Davi reservou um tempo para
um momento de oração. Será que ele sabia de algo que não sabemos?
Tudo estava contra Davi; os rumores de descontentamento e desespero
impregnavam o ar à sua volta. Contudo, ele pensou: “Não posso mais ouvir isto.
Tenho de buscar uma palavra certa do Senhor Jeová.” Em um momento de terrível
crise, Davi sentiu-se angustiado e ferido; entretanto, não se encheram de tristeza,
raiva e desespero. Livrou-se do peso. Orou até que recebeu uma palavra do Senhor.
Foi uma simples instrução e promessa, porém suficiente: "Persiga-os. Eu estou com
você. Você não perderá coisa alguma. Eis o plano...".5 O que aconteceria se Davi
não soubesse quando nem como livrar-se do peso? O que você faria se estivesse na
situação de Davi? Quase sempre entramos em pânico quando deveríamos orar;
desfalecemos quando deveríamos "ter fé". Não se trata de uma questão de
"dissimular" é um momento de "TER FÉ"! Este é o poder que surge quando livramo-
nos do peso.
12
O inimigo não tem poder! Nele ou dele mesmo para prejudicá-lo. O poder que
ele consegue vem de você ao liberá-lo para ele! No entanto, quando você se livra de
suas próprias noções preconcebidas de poder e responsabilidade, e entrega-se a
Cristo, o Espírito Santo é liberado por você e por meio de você.
5.Veja I Samuel 30.8
Quase sempre entramos em pânico quando deviríamos orar; Desfalace-mos
quando deveríamos “TER FÉ”. O que você faz quando a vida está em evidência e
Deus não? Você se concentra nele de qualquer forma e entre a situação aos
cuidados dele? Pedro, o discípulo mais impetuoso de Jesus, escreveu estas palavras
em seus anos mais avançados e maduros: "Lancem sobre ele toda a sua
ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês" (1 Pe 5.7).
Existem Alguns Fardos dos Qual Você Não Pode se Livrar Quando falamos
sobre o poder de livrar-se do peso, também precisamos perceber que existem fardos
que lemos a obrigação de levar como parte de nossas responsabilidades na família
de Deus. A Bíblia nos diz o seguinte: "Levem os fardos pesados uns dos outros",
em uma passagem, e "cada um deverá levar a própria carga", em outra (Gl 6.2-5,
respectivamente). Algumas pessoas pensam que todos têm de ajudá-las a levar
seus fardos; outras se recusam a ajudar outrem com base no conceito de que
ninguém deveria ser um peso na vida dos outros. A verdade está no meio destes
dois extremos, conforme descrito anteriormente na Palavra de Deus. Cada um de
nós deve levar a própria carga e ajudar os outros que estão em necessidade.
Naqueles momentos em que nossa carga parece ser muito pesada para carregarmos
sozinhos, não devemos ser extremamente orgulhosos para reconhecer isso e pedir
ajuda ao Corpo de Cristo.
Deus permite que certas coisas aconteçam em nossa vida por causa de um
propósito divino. Sabemos que Ele não é o autor da doença, da enfermidade, da
morte ou do mal; além disso, também sabemos que seus planos para nós sempre
são excelentes. Ele disse: "Porque sou eu que conheço os planos que tenho
para vocês”, diz o Senhor, "planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar
dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro" (Jr 29.11). No entanto, Deus
permite que passemos por dificuldades ou nos deparemos com desafios que não são
"pesos" para serem deixados de lado. São vales pelos quais devemos atravessar
com o Senhor ao nosso lado.
Talvez alguém diga: "Estou subindo uma montanha escabrosa." Seja
agradecido! Se ela não fosse escabrosa, seria quase impossível escalá-la, pois não
se pode escalar uma montanha lisa ela não tem camadas de rochas às quais se
agarrarem. As mesmas coisas que julgamos terem sido enviadas para destruir-nos,
muitas vezes são providenciadas para conformar-nos à imagem de Cristo. Elas
surgem em nossa vida para estabelecer nossa força espiritual.
Testes e provações muitas vezes aparecem em nossa vida para ajudar-nos a
nos lembrar de uma lição crucial em nossa caminhada com Deus. Como você saberá
que "Aquele que está em você é maior do que aquele que está no mundo" (1 Jo
4.4b), se não vencer uma tentação por meio do poder sobrenatural do Espírito de
Deus que está em você?
O evangelho irá transformá-lo. Ele é o poder de Deus para a salvação. Não
fique mergulhado na escravidão do que se conhece, deixando, com isso, de perceber
a presença de Deus bem à sua frente. Deixe de ser uma vítima da "forma sem
função", um membro de uma igreja local que tem a aparência externa de
religiosidade, mas que nega o poder do Deus que criou a Igreja.6
Desgraça ou Milagre? Siga o Espírito!

13
Alguns dos momentos mais embaraçosos na vida de um ministro podem ser
aqueles em que ele tentou "repreender" alguma coisa e acabou descobrindo que se
tratava da atuação de Deus. A forma sempre deve vir depois da função. Muitas
igrejas locais esperam que o Espírito Santo se conforme a sua ordem de culto, aos
seus horários impressos ou às suas agendas preestabelecidas, quando todas estas
formas externas devem acompanhar a liderança do Espírito. Muitas vezes, o que
consideramos ser o início de uma desgraça é, na verdade, o início de um milagre!
Isto acontece na maioria das vezes em que deixamos de discernir o tempo do
Senhor. Há tempo para prender-se às coisas e há tempo para abrir mão delas. Do
mesmo modo, há um tempo e uma época para "livrar-se do peso".
Jônatas fez uma aliança espiritual com Davi, e os corações de ambos
tornaram-se um. Contudo, ele também tinha uma aliança física com seu pai. Ficou
dividido entre sua lealdade para com seu irmão espiritual e seu pai biológico, o rei
Saul. Em virtude de haver seguido a carne, em vez de ao Espírito, a morte
antecipada lhe sobreveio.7 Ele não conseguiu discernir a que se apegar e de que
peso se livrar.
6. Veja 2 Timóteo 3.5
7.Veja 1 Samuel 31.2

Por fim, devemos perceber que antes de encher-nos é preciso que nos
esvaziemos. É difícil Deus encher uma pessoa que já está transbordando de seu
próprio "eu". Deus não pode oferecer-lhe soluções quando você está preso aos seus
problemas e recusa-se a se livrar deles.
Algumas vezes, temos de livrar-nos das tarefas que não podemos realizar por
nós mesmos. Deus ordenou ao profeta Elias que realizasse três tarefas específicas,
mas ele realizou apenas uma dessas tarefas a unção de Eliseu.8 Deus transferiu as
últimas tarefas a Eliseu depois de Elias ter sido levado para o céu. Elias sentiu o
peso de três gerações durante seu ministério. Deus sabia que Elias não conseguiria
cumprir todas as três tarefas, por isso apenas transferiu o encargo para outra
pessoa. Você sempre sentirá o "peso do que não foi cumprido" se for parte do
propósito eterno de Deus. Apenas lembre-se que há momentos em que você deve
deixar seu encargo para gerações futuras.
Quando percebe que há coisas eternas que jamais realizará em sua vida, você
tem uma opção: pode frustrar-se com isto ou pode perceber que essas coisas são
oportunas ou eternas. Deus fala ambas as coisas em nosso coração. Nosso trabalho
é saber de que peso devemos nos livrar, o que devemos realizar e o que devemos
transferir a ou trem.
Haverá momentos em que você simplesmente precisará livrar-se do peso.
Fique com Deus, descanse no Pai, adore a Jesus e ande no Espírito. Ame-o. Sirva-o!
8.Veja 1 Reis 19.15,16
Faça o possível para agradar ao Senhor e lembre-se que, se alguma coisa
agrada a Deus, não importa a quem ela desagrada. Se ela desagrada a Deus, não
importa a quem agrada.
Se você deseja que Deus o encha com o poder do reaviva mento dos últimos
dias, saiba que, em primeiro lugar, talvez seja necessário livrar-se de algumas coisas
da sua vida. É provável que Deus esteja esperando que você se livre de algumas
coisas para que possa dar espaço a ele. Você ama a Deus acima de todas as coisas
e pessoas? Você o ama mais do que a qualquer problema ou posição em sua vida?
Seu foco em Deus é maior do que o foco nas distrações de sua vida? Ele é maior do
que todo fracasso e desapontamento que você experimentou? Deixe de lado os
pesos... Deixe de lado os pecados que tão facilmente o envolvem... Pense em Deus.
Este é o primeiro passo na estrada que leva ao poder.

14
CAPITULO 2
Livre-se dos Fardos e Obstáculos Auto-impostos
Deus criou cada um de nós para levar tipos e tamanhos específicos de
"cargas" na vida. Em todos os casos, ele pretende que carreguemos na vida algo
além do que simplesmente "nossa carga". É a isto que João se referia quando
escreveu: "Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por
nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos" (1 Jo 3.16). Esta é uma das
formas mais importantes pelas quais podemos demonstrar que somos criados à sua
imagem e semelhança, e que somos cheios de sua presença.
O problema é que, se nos sobrecarregamos com limitações, problemas
pessoais e dilemas financeiros auto-impostos, conseqüentemente Deus nada pode
acrescentar à nossa carga. Para ser sincero, o Reino de Deus sofre quando somos
tão egoístas que não conseguimos tomar Sua Cruz e agir como Ele age. Ele diz: Não
posso pôr meu fardo sobre vocês; irá esmagá-los. “Retirarei o ‘encargo do
Senhor de vocês.” A única forma pela qual podemos receber seu encargo e realizar
seu propósito é O "encargo" do Senhor pode ser uma atribuição divina a ser imposta
por nós, um peso espiritual que devemos carregar em nossas vidas descobrindo e
ativando o poder que há em livrar-se do peso.
Há coisas na vida que você deve simplesmente optar por esquecer. É mais
fácil lidar com um homem que tem uma memória fraca do que com um homem que
não esquece as coisas com facilidade. Você já se deparou com pessoas que não
conseguem esquecer ofensas que sofreram há décadas? Elas muitas vezes não
cedem porque permitiram que a amargura decorrente de alguma ofensa verdadeira
ou imaginada encobrisse e corrompesse 20 ou 30 anos de sua vida!
O problema é que elas perderam a capacidade de esquecer. Essas pessoas estão
tão emaranhadas e envolvidas em suas mágoas que nunca permitem que Deus cure
a ferida. Isto é o que o autor de Hebreus chamou de peso ou pecado "que nos
envolve1". 1.Veja Hebreus 12.1.
Livrar-se do peso é Tarefa Sua, e Não de Deus!
Muitas vezes, alguém diz: "Tenho pedido a Deus que remova este peso, mas
Ele não remove." Você poderia dizer-lhe a verdade: "Não, Deus disse que é você
quem deveria fazê-lo. A Bíblia diz: 'Livremos-nos de tudo o que nos atrapalha'
(Hb 12.1). A tarefa é sua, e não de Deus.”
Seja consumado (Daniel trouxe consigo o encargo de sua nação em seu
coração e orou até que ouviu uma palavra de Deus), ou simplesmente uma provação
ou teste pelo qual devemos passar para preparar-nos para outro dia. No entanto, não
se surpreenda se esta for a resposta: "Eu tentei, mas não consigo...”
Deus não nos diria para livrarmos-nos de algo se não fôssemos totalmente
capazes de fazê-lo. Não é que não podemos; É que não queremos. Estabelecemos
hábitos e impomos coisas a nós mesmos que nada têm a ver com o evangelho.
Prioridades equilibradas são essenciais. Algumas pessoas têm a tendência de
consumir-se na obra de Deus ao mesmo tempo em que, na verdade, negligenciam
seu relacionamento com Ele. Ficamos tão ocupados em fazer as coisas de Deus que
sacrificamos nossa caminhada com Ele. Ninguém estava mais disposto a fazer a
vontade de Deus do que seu Filho Jesus. Contudo, por mais que o inundo inteiro
estivesse perdido em trevas, a Bíblia nos diz que Jesus "separou-se para descansar"
ou afastou-se das multidões para ficar sozinho por um tempo.2 Precisamos seguir

15
seu exemplo, principalmente quando um problema ou uma situação ameaça
consumir nossa vida.
É digno de nota que a primeira decisão administrativa da liderança da igreja no
Novo Testamento tenha sido a de que os apóstolos, ou aqueles que faziam parte do
ministério de "apascentar e liderar", precisaria dedicar-se à oração e à Palavra. Eles
designaram outras pessoas para prover às necessidades diárias das viúvas.
Delegaram a tarefa, a fim de que ela não se tornasse um peso que os impedisse de
propagar a mensagem do evangelho ao mundo.
Podemos ter certeza de que a pressão surgirá, por vezes, mas sempre nos
depararemos com a mesma opção: pressão ou prioridades? Você jamais chegará a
uma dimensão do poder de Deus enquanto não aprender como estabelecer
prioridades e livrar-se do peso. Muitas coisas na vida surgirão para impedi-lo de
atingir seu objetivo ou diminuir o ritmo de sua caminhada. Todavia, o termômetro de
Deus permanece fixo; os rótulos em Suas garrafas não mudam de acordo com as
circunstâncias. Ele é "o mesmo, ontem, hoje e para sempre" (Hb 13.8). Sua
prescrição para a saúde em tempos bons e difíceis não mudou: "Antes de tudo,
recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças
por todos os homens" (1 Tm 2.1).

2. Veja Mateus 14.23; Marcos 6.31,32, 6.47; Lucas 9.18 e João 6.15.

O pretexto mais comum que ouvimos é este: "Não tenho tempo." Contudo, foi
dado a todos nós o mesmo número de horas todos os dias. Cada um de nós tem
1.440 minutos para "gastar" todos os dias. É nossa a decisão de como usar os
86.400 segundos por dia, e o modo como administramos esse tempo faz toda a dife-
rença. Algumas coisas devem ser deixadas para mais tarde, e devemos livrar-nos
completamente de outras.
Troque Suas Cargas por Poder para Correr a Corrida.
Existem cargas em sua vida - coisas que você impôs a si mesmo - que não
fazem parte do encargo do Senhor? Deus quer que você as deixe de lado em troca
de poder para correr a corrida! Cargas desnecessárias cansarão sua mente e irá
torná-lo um zumbi no mundo espiritual. A Palavra de Deus diz que você pode
resolver essa situação, livrando-se do peso ou despojando-se dele. Se for um
pecado, arrependa-se dele. Se for uma carga ou ansiedade que você impôs a si
mesmo, deixe-a de lado. Você está sobrecarregado com as expectativas irrealistas
de outros? Livre-se delas antes de tornar-se um escravo no "Reino Dessas
Pessoas". O ponto principal é que "o governo está sobre os seus ombros [de Jesus]",
e não sobre os ombros daqueles que o criticam ou dos que pretensamente o levam à
escravidão.3 Agrade a Deus antes de agradar ao homem.

3.Veja Isaías 9.6.

Já percebeu que sempre que você se propõe a fazer algo para o Senhor
parece que o inimigo desenha um alvo no escudo que você leva? É fácil ficar
sobrecarregado quando isto acontece, pois, se o inimigo não consegue chegar até
você de alguma maneira, ele sempre tenta fazê-lo de outra forma. Se você se sente
cansado e como quem teve um curto-circuito, como uma bateria que se esgotou,
então experimente o poder que vem quando você se livra do peso! Defina suas
prioridades e permita que Deus determine qual será sua carga.
Por mais trivial que possa parecer, se você está tão sobrecarregado e
oprimido com coisas que não são de Deus a ponto de quase "não poder se mover",
então será um perdedor. Use a cabeça. Descubra o poder de livrar-se do peso e

16
entregue suas cargas ao Senhor. Assim, podemos aceitar o "encargo do Senhor" e
dividir o jugo com Jesus. Ele faz com que a carga seja fácil de ser carregada. E
quando ela é compartilhada com Jesus, os perdedores se tornam vencedores todas
as vezes4! Grande parte do "peso" excessivo que colocamos sobre nossa alma é
proveniente de pensamentos incorretos. Este é um dos baluartes do inimigo, e o
pensamento negativo é seu subproduto. Ele quer que você fique sobrecarregado
com coisas que não pode mudar. Esta é a razão pela qual a Bíblia instrui-nos a levar
"cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo" (2 Co 10.5b).
4.Veja Mateus 14. 28-30.

Livre-se do Impossível e Experimente o Sobrenatural.


É difícil livrar-se de um problema e olhar para Deus quando você acredita que
não tem nenhum poder para mudar o problema. Deixe que Deus fique com seu pro-
blema de qualquer forma. Este é o único meio pelo qual você pode descobrir o poder
de livrar-se do peso. Você não vive sua vida até que se livre de um problema im-
possível e se veja, irrevogavelmente, engajado num empreendimento do Reino que
parece muito mais impossível então, você o vê desvendado diante de seus olhos. No
momento em que você emergir desta aventura de Deus, seu "problema" não
parecerá tão grande quando comparado ao seu Deus sobrenatural.
Muitos santos "modernos" estão descobrindo que a "opressão da urgência"
pode facilmente ocupar o lugar das coisas realmente importantes da vida. Tudo
parece ser "urgente" no novo milênio. Você corre para atender um telefonema
urgente, bate recordes para dar respostas urgentes. Independente do que é dito ao
telefone ou do que apareça em sua mesa em forma de memorando, trata-se de algo
"URGENTE".
Se Deus tem um inimigo na típica igreja local de nossos dias, esse inimigo, de
fato, não é o diabo. É o inimigo que se resume em uma única palavra: "pressa".
Independente do corre-corre santo, fortalecido pelo alto, no qual você vive, a Bíblia
ainda diz: "Aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças" (Isaias
40.31). Esta é outra fonte secreta de poder. Deus apenas promete renovar os que
esperam as pessoas que aprenderam a deixar de lado o peso e livrar-se de outras
coisas para que possam esperar nele. Aprenda a esperar em Deus até que Ele ouça
sua oração e responda.
Deus Pode Interromper Seus Planos?
Pense em toda a "bagagem" que você tem à sua volta. Pergunte-se: "Tudo
isto é necessário?" Talvez seja legítimo, mas, não obstante, ainda é um peso. Os
planos tornaram-se os motivadores que nos levam à escravidão, e nós ficamos
viciados em "listas de obrigações"! Lemos receio de fazer alguma coisa ou ir a algum
lugar sem antes checar nosso PC, nossas agendas eletrônicas ou de papel, nossos
programas on-line de gerenciamento do tempo. Pergunte a si mesmo: "Deus pode
interromper-me? Será que me tornei tão inacessível ao Todo-poderoso a ponto de
Ele só conseguir chamar minha atenção se deflagrar uma catástrofe ou enviar fogo
do céu?”
Precisamos estar abertos à interrupção divina a qualquer momento. Algumas
das maiores "experiências com Deus" em nossa vida podem acontecer quando
tivermos outra coisa nos planos. Ore para que, quando Deus interromper seus
planos, você seja sensível o suficiente para perceber que é Deus quem o está
fazendo e para obedecer-lhe, em vez de obedecer à sua agenda! Se você tomar a
decisão de cumprir sua própria agenda, em vez de seguir a orientação de Deus, não
se surpreenda se "correr em direção a uma parede de tijolos" e acordar com uma dor
17
de cabeça, dizendo: "Oh, Deus. O que aconteceu de errado?" A resposta de Deus
será simples: "Você foi o culpado. Você errou quando não me perguntou, quando
não buscou a minha face.”
A descrição de Maria e Marta no Novo Testamento em resposta à visita de
Jesus em sua casa em Betânia revela um importante princípio em ação. Ambas eram
necessárias. Maria sabia como servir à natureza divina de Cristo, e fez disso sua
grande prioridade. Marta sabia como servir à natureza humana de Cristo, e isso foi
seu foco principal. Quando temos esses dois ministérios atuando ao mesmo tempo
na mesma casa, há poder. Contudo, é preciso que haja equilíbrio.
Marta estava tão envolvida com seu foco no ministério na esfera natural que
não pôde enxergar a prioridade da esfera espiritual. Fez com que ficasse difícil para
o Espírito interromper seus planos na cozinha para suprir as necessidades naturais
do Senhor em detrimento do espiritual. Por outro lado, Maria estava tão "inclinada
para as coisas celestiais" que, por vezes, chegou a ser negligente. Se Marta não
estivesse em casa, Maria teria deixado Jesus conversar, passando da hora de jantar
e varando a noite sem uma refeição.
EM ALGUM LUGAR, NO MEIO DA COZINHA DE MARTA E NO LUGAR DE
DEVOÇÃO DE MARIA, SENTADA AOS PÉS DE JESUS, HÁ UM LUGAR PARA O
PODER DIVINO.
Forçado a optar por uma das duas, o Senhor sempre optará por aquela que se
senta aos seus pés em atitude de adoração e que tem comunhão com Ele. Ele sem-
pre colocará aqueles que lavam os pés antes daqueles que preparam a comida;
entretanto, Ele prefere ter ambos. Em algum lugar, no meio da cozinha de Marta e no
lugar de devoção de Maria, sentada aos pés de Jesus, há um lugar para o poder
divino. O equilíbrio ideal colocaria tanto Maria quanto Marta aos pés de Jesus em
atitude de devoção e comunhão até o tempo apropriado; conseqüentemente, ambas
receberiam poder para servir e adorar a Jesus na "cozinha" da vida.
Não devemos sentir culpa por colocar o que é secundário acima do que é
primário. Nosso principal objetivo na vida é louvar e adorar a Deus. Fomos chamá-los
para sermos adoradores bem antes que qualquer um que nós fôssemos chamados
para ser "ministro do evangelho". (Depois que deixarmos nosso corpo terrestre,
deixaremos lodo chamado secundário, para louvar e adorar a Deus continuamente).
É possível ter êxito no que é secundário e fracassar no que é primário, mas isto não
corresponde ao "verdadeiro sucesso" de acordo com os parâmetros da eternidade.
Todo deve lidar com este equilíbrio entre nosso chamado primário à
"adoração" e nosso chamado secundário ao "ministério". Nunca "recebemos um di-
ploma" em nosso ministério de adoração; simplesmente tornamo-nos qualificados
para levar uma carga adicional e secundária vinda de Deus.
Transferimos a Carga que Dividimos com Deus para Nossos Ombros
Unicamente Quando deixamos de olhar para Deus - mesmo no auge de nosso
ministério terreno, podemos rapidamente ficar sobrecarregados com uma carga que
é "leve" quando levada em um jugo dividido com Deus. Quando nos afastamos do
Mestre, como aconteceu com Pedro enquanto caminhava sobre as águas,
imediatamente começamos a afundar naquilo que era firme segundos atrás5. Uma
"amnésia temporária" parece acometer-nos, levando-nos a pensar que estamos
passando pela vida sozinha. Neste momento, inconscientemente, transferimos a
carga do ministério do jugo que dividimos com Deus para nossos ombros unicamente
(com resultados desastrosos).
No espaço de um dia, o profeta Elias experimentou tanto o ponto mais alto de
seu ministério quanto o ponto mais baixo de toda a sua vida. Com ousadia, desafiou
18
450 profetas de Baal para um desafio final em público no monte Carmelo. Manteve
seu foco nos gritos ensurdecedores, clamores e gemidos agonizantes dos 450 pro-
fetas enquanto tentavam, em vão, pedir que seu falso deus fizesse descer fogo.
Elias não se abalou com os milhares de espectadores céticos e hostis que
estavam à sua volta. Ouvira a voz do Deus vivo; por isso, com uma calma e
confiança sobrenatural, ordenou por três vezes que galões de água fossem
derramados sobre a lenha do altar de seu sacrifício até que a água enchesse uma
valeta que cercava o altar.
Com uma voz firme, o profeta Elias invocou Jeová na presença de seus
inimigos, e o fogo de Deus consumiu o sacrifício, a lenha, as 12 pedras do altar e até
a água na valeta! Elias rapidamente ordenou à multidão atemorizada que prendesse
os sacerdotes de Baal, e ele, pessoalmente, os executou. Por fim, após um longo dia
de guerra espiritual sob o sol quente, Elias ergueu suas longas vestes e correu à
frente da carruagem do rei Acabe até o portão de Jezreel e esperou ali até que o rei
contasse à rainha Jezabel tudo que Elias havia feito!
Elias Fugiu para Pensar nas Ameaças de Jezabel e Esqueceu-se de Deus Em
uma questão de minutos, o profeta Elias recebeu uma mensagem que trazia uma
única frase de Jezabel que o fez tremer como uma vara verde. Aquela amnésia
temporária pareceu acometer Elias quando ele "Fugiu" para pensar nas ameaças de
Jezabel, a "assassina de profetas", e esqueceu-se do Deus a quem servia (1 Reis
19.2,3).
Como Elias podia esquecer-se de tudo que Deus havia feito naquele dia? O
fogo do céu desapareceu de sua mente. De alguma forma, ele havia esquecido o po-
der que Deus mostrara, por seu intermédio, para transformar milhares de céticos em
crentes naquela ocasião. Tudo que ele queria fazer naquele momento de terrível
medo era fugir da mulher a quem temia o mais rápido possível.
Este homem, sozinho, derrotara todos os sacerdotes sanguinários de Baal em
uma prova final e sobrenatural havia apenas algumas horas. Como poderia fugir das
ameaças de uma mulher e esconder-se sob um pé de gesta como uma criança
assustada? Desviar os olhos de Deus é um perigo. Elias nunca se recuperou
totalmente do medo que sentiu naquele dia. Mesmo havendo Deus o trasladado para
o céu, nunca mais voltou a ficar na posição de destaque daquilo que Deus estava
fazendo em seus dias.
5. Veja Mateus 5.25a.

Outros líderes na Bíblia também não conseguiram "livrar-se do peso" e


sofreram insucessos e fracassos por causa disso. Davi tinha, pelo menos, 50 anos
quando cometeu adultério com Bate-Seba e planejou a morte do marido dela (que
também era um dos "guerreiros" de Davi e um guarda-costas de confiança). Ele e
Bate-Seba perderam o filho, e o pecado de Davi passou para sua descendência.
Salomão, o segundo filho que Bate-Seba deu a Davi, era admirável até que
também caiu em um pecado sexual. Ele se comprometeu com 700 mulheres e 300
concubinas muitas delas adoravam a falsos deuses e com êxito, incentivaram
Salomão a fazer o mesmo.
Enquanto Davi teve várias mulheres e um único pecado sexual, Salomão
levou a indulgência de seu pai ao extremo. Os pecados, pressões e dificuldades
toleradas em uma geração serão, muitas vezes, exponencialmente intensificados na
próxima geração. A única forma de interromper esta maldição que passa de geração
a geração é por meio do poder do Espírito Santo. Libere o poder de livrar-se do peso,
transferindo o peso dos pecados que acompanharam gerações no passado para os
ombros largos do Deus do seu passado, do seu presente e do seu futuro.

19
Deixe o Exemplo para as Gerações Futuras: Livre-se do Peso Agora Devemos
livrar-nos de todo pecado e peso agora para que as gerações futuras sejam cheias
de fé e poder. Que levantemos uma geração de homens e mulheres que andem no
Espírito de Deus com a manifestação do poder sobrenatural, sem a fraqueza e o
pecado intencional. Deixe um exemplo para as gerações futuras, liberando o poder
que há em livrar-se do peso hoje!
Em muitos exemplos, as coisas que toleramos que sejam obstáculos e que
nos derrotem estão baseadas em erros imaginários ou simples divergências que
poderiam ser facilmente solucionados. Certo homem relatou algo que aconteceu em
sua vida há 27 anos que o levou ficar amargurado e ressentido com outra pessoa.
Por quase três décadas, ele viveu na miséria e amargura até que a convicção de
Deus levou-o a procurar o ofensor, segundo ele. Este nada sabia sobre o incidente
porque nunca disse as coisas que, alegadamente, provocaram a ofensa! Isto
significava que, por 27 anos, este irmão carregara, em volta de seu pescoço, o peso
sufocante de um incidente imaginário. Ele permitiu que a amargura se alojasse em
seu espírito ao não conseguir deixar de lado o peso da ofensa.
Quando escreveu "Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?" (Rm
7.24), o apóstolo Paulo se referia a algo muito similar à experiência deste homem
que acabamos de expor. Você sabia que a crucificação não era a pior forma de
execução usada pelos romanos? Os romanos foram além deste ato hediondo.
Prendiam o corpo de um homem morto ao corpo de uma pessoa viva condenada à
morte. Era braço com braço, perna com perna, tronco com tronco, e assim por
diante. Então, o homem vivo era forçado a carregar o cadáver com ele o dia todo até
a putrefação do corpo em decomposição infectar o corpo do homem vivo, com o
intuito de matá-lo.
Paulo estava dizendo: "Eu levava algo morto, mas Deus arrancou-o de
mim e salvou minha vida." Deus arrancou os restos mortais de seus pecados,
fracassos e fraquezas do passado e concedeu-lhe uma nova vida com um novo
nome e identidade. Por que carregar aqueles restos mortais novamente? Você tem
de livrar-se deles antes que comecem a destruí-lo. Você não pode ser parte de um
novo mover de Deus ao mesmo tempo em que está preso a um corpo putrefato do
passado. Livre-sc dele em Deus e permita que o Senhor o liberte dele para sempre.
Para que o novo homem viva em você, é preciso que você esteja separado das
coisas velhas que o oprimem.
Não perca os anos de sua vida sentindo amargura por uma velha ferida ou um
incidente que talvez nunca tenha acontecido. Se alguém o magoar ao longo da vida,
não permita que a ferida inflame. A Bíblia instrui-nos a [concordar] com nossos
adversários rapidamente, o que significa que devemos acertar as coisas
rapidamente.7 Fiquemos Sentados a Noite Toda, Mas Não Vá para a Cama com
Raiva Este é um bom conselho para amigos e casais. Resolvam suas divergências
com sinceridade e acertem logo suas diferenças. "Apazigúem a sua ira antes que o
sol se ponha" (Ef 4.26b). Talvez você já tenha ouvido estas palavras de casais
cristãos maduros: "Nós não discutimos, mas, às vezes, temos uma 'intensa
comunhão'." Um deles disse que seu casamento durara 50 anos mais porque ele e a
esposa firmaram um acordo de jamais irem para a cama com raiva um do outro. Em
seguida, com um brilho nos olhos, acrescentou: "É claro que houve alguns
momentos em que ficamos sentados a noite toda...". Trate das diferenças e mágoas
com sinceridade e rapidez. Receba o poder para livrar-se do peso de ofensas e
mágoas, transferindo-o para Deus, afim de que você possa ser curado e permanecer
íntegro.

20
Todos os ministros do mundo não conseguirão erguê-lo se você estiver
sobrecarregado com os problemas e limitações que impôs a si mesmo. Lembre-se do
que Jesus disse: "O meu jugo é suave, e o meu fardo é leve" (Mt 11.30).
Mais cedo ou mais tarde, alguém irá desapontá-lo ou abandoná-lo de alguma
forma. Não permita que esta ferida se transforme em amargura em seu coração.
Deixe-a passar, deixe-a de lado, livre-se dela aos pés de Jesus.
Redescubra o "poder de livrar-se do peso como uma criança". Jesus disse: "A não
ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no
Reino dos céus" (Mt 18.3). O termo no grego traduzido como "tornar-se" significa
"tornar-se continuamente". Em outras palavras, trata-se de um processo contínuo e
interminável. Sim, há uma diferença entre ser infantil e ser como uma criança. Assim
como você pode ser "astuto como a serpente e sem malícia como a pomba", pode
ser "como uma criança" e "maduro" ao mesmo tempo. Ninguém deveria deixar de
aprender depois de dominar o abe. É preciso ainda um conhecimento funcional do
abe para se escrever uma tese de doutorado! Você nunca põe de lado os princípios
básicos; deve prosseguir em Cristo "de glória em glória6”.
6.Veja 2 Coríntios 3.18.
A primeira epístola de João oferece-nos outro segredo simples, porém
profundo, do livrar-se do peso que a chave para afastar o mundo de sua vida: "Não
amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não
está nele" (1João 2.15).
Para que a Luz de Deus Brilhe, Não Ame o Mundo
Temos de livrar-nos constantemente do nosso amor pelo mundo para que
manifestemos o amor do Pai ao imundo. Este também é um processo contínuo
porque somos constantemente bombardeados pelas tentações, atrações e distrações
do mundo. A luz de Deus em sua vida brilhará muito e levará os perdidos de volta ao
lar. Quase sempre dizemos que amamos a Deus, mas demonstramos, por meio de
nossas escolhas, que amamos muito mais a nós mesmos ou ao mundo. Defina suas
prioridades e deixe que elas reflitam Cristo como o primeiro amor e a primazia de sua
vida.
Não se surpreenda se Deus permitir que uma pequena situação de crise o
desafie de vez em quando para ajudá-lo a manter um nível saudável de dependência
dEle. Afinal, Ele concedia aos filhos de Israel o novo maná a cada dia, porém cuidou
de fazê-lo estragar caso fosse mantido por mais de um dia. A questão que está por
trás desta lição prática no deserto era que Deus não queria que seu povo ficasse por
mais de 24 horas sem comprovar que suas promessas eram verdadeiras.
Livre-se em Cristo de suas cargas e daquilo que o envolve. Compartilhe sua
crise com o Deus todo poderoso, pois Ele é capaz de sustentá-lo e preservá-lo. Se
você não aprender a livrar-se em Deus de situações de crise e problemas que vão e
voltam, sua mente e seu coração esmorecerão, e você logo tropeçará.
Por fim, tenha este fato em mente: Às vezes, temos de livrar-nos e
desprender-nos de algo para que Deus possa conceder-nos algo melhor e maior. A
Bíblia diz: "Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles
que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito" (Rm
8.28). A primeira metade do versículo não apresenta problema; entretanto, precisa-
mos dar a mesma atenção à segunda metade e lembrar-nos que este é o nosso
chamado, mas o propósito é de Deus.
Você está pronto e disposto a livrar-se do peso? Não seja como algumas
pessoas que ficam tão presas aos seus problemas que não se dispõem a receber um
milhão de dólares por eles. Suas conversas estão apimentadas de afirmações
possessivas como: "Meu problema de coração..." e "Meus problemas com meus
21
filhos..." Por que declarar os problemas? Toda esta lamentação só serve para fazer
com que o diabo saiba que você está no terreno dele.
Até Jesus teve de livrar-se do peso da cruz por um tempo. Simão carregou a
cruz de Cristo por certa distância. Se Cristo não conseguiu chegar ao seu destino
sem livrar-se do peso, você não conseguirá! Ele se livrou do peso para que pudesse
tornar a carregá-lo e concluir seu percurso. Não deixe que as pressões do momento
retardem o destino futuro. Há poder no livrar-se apropriadamente do peso! As 120
pessoas que se reuniram no cenáculo, conforme o capítulo 1 de Atos, tinha muitas
coisas a serem descartadas, e parece que Jesus sabia disso. Ele disse em termos
específicos: "Eu lhes envio a promessa de meu Pai; mas fiquem na cidade até
serem revestidos do poder do alto" (Lc 24.49). O termo no grego traduzido como
ficar significa "sentar-se, acomodar-se e permanecer"7. O que exatamente essas
pessoas faziam no cenáculo? Esperavam no Senhor e livravam-se de toda noção
preconcebida sobre o que achavam que Deus faria. Deixavam de lado toda mágoa
que pudesse separá-las e destruir sua unidade. O período de sete a dez dias que
essas 120 pessoas passaram livrando-se de seu peso, em oração e jejum, foi
seguido por um enchimento instantâneo do Espírito Santo! É tempo de visitarmos o
cenáculo novamente. Precisamos livrar-nos de todo peso e obstáculo para que Ele
possa encher-nos de seu Espírito em poder e glória!

7. James Strong, Strong's Exhaustivc Concordance oj the Bible (Peabody, Massachusetts: Hendrickson
Publishers, sem data), significados e definições extraídos de derivações da palavra ficar (grego, n° 2 523,
251 f).

22
PARTE II
O Poder do Perdão
O perdão pode ser desnecessário entre seres perfeitos, mas é vital para aqueles
de nós que têm inteligência suficiente para admitir que somos imperfeitos. Parece que
não conseguimos ajudar, senão ofender, trair ou cometer erros contra Deus e nossos
semelhantes-mesmo em nossos "bons dias" quando temos as melhores das
intenções. Acima de tudo, precisamos do perdão de nosso Criador para que nos
reconciliemos com Ele. Uma vez reconciliados com Deus, Ele nos fala, por meio de
parábolas e mandamentos, que devemos estender aos outros o mesmo perdão que
estende a nós. Esta é uma tarefa difícil para essas pessoas imperfeitas, mas há uma
fonte secreta de poder no perdão para aqueles que têm olhos para ver e um desejo de
obedecer.

CAPÍTULO 3
Perdão da Cruz para os Perdidos
Jesus disse: "Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão jazendo" (Lc
23.34a).
Estamos diante de uma doença fatal para a qual não há cura senão por meio
do elixir milagroso de Deus do divino perdão. Essa doença chama-se pecado. O
perdão é uma graça essencial de Deus. É um dos componentes vitais da salvação.
Sem perdão, não há esperança para nenhum de nós.
Uma vez que recebemos a preciosa poção de Deus vinda da cruz, ela deve
permanecer em nosso sangue, em nosso coração e em nosso estilo de vida. Por
esta razão, o perdão é um dos "frutos" que autenticam o fato de que os cristãos são
pessoas transformadas.
Se tudo isto é novidade para você, uma infinidade de milagres está à sua
espera. Se você já "está no caminho de Cristo" há muitos anos, é provável que tenha
um conhecimento básico acerca do perdão. Talvez aqueles de nós cujo
conhecimento básico tenhamos gerado uma dose de confiança excessiva sobre a
questão do perdão devem "sair do caminho" para que possamos, final começar a
compreender o tremendo poder do perdão. De certo modo, foi uma multidão
"ignorante" que se aglomerou em volta da cruz no dia em que Jesus ergueu sua
fronte ensangüentada para orar. Essas pessoas eram ignorantes em comparação a
nós porque nós sabemos muitas outras coisas sobre Jesus agora do que elas em
sua época. A multidão provavelmente não percebeu que quando Jesus disse:
"Perdoa-lhes", uma tremenda liberação de energia e poder permeou o universo e
convergiu para a terra. A graça foi liberada para realizar sua obra mediadora naquele
instante.
Jesus, nosso Senhor, estava sofrendo uma agonia excruciante na cruz do
Calvário quando ergueu os olhos para o céu e disse: "Pai, perdoa-lhes, pois não
sabem o que estão fazendo" (Lc 23.34). Talvez devêssemos fazer a seguinte
oração: "Pai, perdoa-nos, porque sabemos exatamente o que estamos fazendo e,
mesmo assim, continuamos a fazê-lo." Diferentemente da multidão reunida ao redor
da cruz, não podemos alegar: "Somos culpados por ignorância”.
O Perdão Explodiu em Ambas as Direções na Linha do Tempo da Humanidade
Graças a Deus por Jesus não estar simplesmente falando aos profanos e aos
perplexos que se reuniam ao redor da cruz há 2.000 anos. Essas palavras que
saíram da boca do Salvador explodiram em "ambas as direções" na linha do tempo
da existência humana.
23
O perdão oferecido pelo Filho de Deus trazia em si o potencial de perdoar e
cobrir os pecados de todos os seres humanos que viveram nas eras anteriores à sua
morte brutal na cruz do Calvário. Além disso, transporlou-se desse momento histórico
no Monte sangrento, que ficava fora de Jerusalém, para perdoar e cobrir todos os
pecados do homem até a segunda vinda vitoriosa de Jesus como Senhor dos
senhores e Rei dos reis. A única coisa a impedir que esse milagre aconteça é a pes-
soa não querer admitir sua necessidade de perdão e recusar receber Cristo Jesus
como seu Senhor e Salvador.
Não se pode impor o poder do perdão aos que não estão dispostos a aceitá-lo,
nem se pode forçá-lo, por constrangimento ou diligência humana, a florescer em
corações humanos estéreis. O verdadeiro perdão é um fruto exclusivo do céu.
Revela-se na experiência humana por meio de nossas condições incrivelmente
diferentes, como as pétalas de uma flor. Para aprendermos sua lição, temos de
encontrar a flor perfeita na cruz do Calvário. É o auge das maiores esperanças do
mundo e o abismo de sua mais profunda dor.
A cruz marca o lugar onde Deus, trajando as vestes reais de uma carne
humana maltratada, porém sem pecado algum, e manchadas de sangue de um
condenado, atraiu e conquistou nosso amor com o sangue de sua vida. É o lugar
onde o poder divino conteve sua força enquanto a graça operava seu maior milagre.
A história mais sublime de Deus é a história da vitória de nosso Senhor na pungente
cruz do Calvário. É a "tese de doutorado" de Deus e a obra-prima sobre o poder
imensurável do perdão.Quando Jesus disse "Perdoa-lhes...", as hostes do inferno
foram amarradas, e Satanás sentiu o primeiro arrepio sinalizando sua miserável
derrota. Dentro de três horas, o sofrimento acabara e o Senhor Jesus anunciou ao
Pai que sua obra estava consumada1. Mãos invisíveis seguraram o pesado véu
trançado que separava adoradores do Santo dos Santos no templo e rasgou-o ao
meio de cima a baixo - um feito impossível para qualquer mortal.
A Misericórdia saltou do propiciatório celestial, passou pelo Santo dos Santos
vazio2 e pelo véu rasgado do templo de Herodes e saiu a saltar e rodopiar pelas ruas
de Jerusalém para tocar um ladrão arrependido que estava ao lado de Jesus. Em
seguida, alcançou e transformou o coração do centurião que comandava os soldados
romanos ao pé da cruz. Continuaram a dançar de alegria rumo aos cemitérios
silenciosos de Jerusalém a fim de abrir vários túmulos para que certos santos já
falecidos pudessem desfrutar de uma ressurreição antecipada e revisitar seus
comovidos entes queridos na cidade.3
A HISTÓRIA MAIS SUBLIME DE DEUS É A HISTÓRIA DA VITÓRIA DE NOSSO
SENHOR NA PUNGENTE CRUZ DO CALVÁRIO.
O Santo dos Santos no templo de Herodes em Jerusalém estava vazio. A arca
da aliança e os utensílios dos templos do passado perderam-se bem antes dos dias
de Jesus.
Por fim, a Misericórdia penetrou o inferno, arrancou as chaves das mãos do
próprio diabo e ressurgiu triunfante, bradando: "Sou Aquele que Vive. Estive morto
mas agora estou vivo para todo o sempre!" (Ap 1.18). Então, Jesus levou cativa a
escravidão e resgatou as chaves da morte, do inferno e da sepultura.4 Será que
podemos compreender que o poder foi liberado no universo quando Jesus disse:
"Perdoa-lhes"?
Todos devem vir à presença do perdão, mas, por que devemos examinar tais
verdades básicas? Porque é possível e provável que muitas pessoas que estão nas
igrejas ao redor do mundo desfrutem da "cultura" da igreja sem serem transformadas
por uma experiência com Deus. Nada que possamos dizer ou escrever pode tipificar
ou descrever o poder de transformação e purificação de Deus; A única forma de
24
experimentá-lo ocorre quando recebemos o perdão de Deus e, conseqüentemente, o
concedemos aos outros. É aí, no perdão de Deus, que encontramos o poder de uma
nova vida, o poder da nova esperança e o poder da nova alegria.

Jesus Influenciou Três Mundos Quando Disse "Perdoa-lhes”


Quando Jesus orou "Pai, perdoa-lhes", suas palavras voltaram no tempo para
abarcar toda a história do homem antes da encarnação do Senhor, o
mundo presente de seus dias e o mundo que viria a existir após seu retorno ao céu.
Agora, 2.000 anos depois de Jesus ter proferido essas palavras, somos cobertos
pelo perdão e indulto divino.
O dia em que Deus perdoou, a carne foi afetada, os anjos foram afetados, o
inferno foi afetado, os demônios foram afetados e o próprio diabo foi amarrado. Não
importa quanto sua vida tem sido terrível, o rio do perdão de Deus fluirá novamente
para os vales gélidos, pungentes e insensíveis de seu coração quando você vier para
a presença do perdão.
Quando há perdão, o inimigo de sua alma tem de recuar sem que lhe seja dita
palavra alguma. As mãos dele estão amarradas, e ele não pode operar na presença
do perdão. O perdão coloca as algemas do céu no próprio inferno.
Você já ouviu alguém fazer a seguinte pergunta: "Como posso perdoar alguém
que não pediu perdão?" A resposta deve ser: "Peça a Jesus." Mostre-me um homem
ou uma mulher de joelhos ante a cruz do Calvário, com os olhos voltados para o
rosto do Salvador em agonia, dizendo: "Perdoa-nos." De acordo com os registros
bíblicos de testemunhas oculares, ninguém pediu perdão a Jesus naquele dia. Isto
simplesmente não aconteceu. No entanto, ainda assim, Jesus disse: "Perdoa-lhes...”.
Ninguém pediu perdão. Ninguém discutiu a questão. É provável que os
soldados romanos, insensíveis por causa das batalhas, que pregavam os cravos, e
os hipócritas religiosos de coração empedernido, que entregaram o Senhor nas mãos
desses soldados para que ele fosse executado, pouco tenha se importado se Jesus
lhes perdoou ou não. O termo perdão não apareceu entre os murmúrios que eram
comuns no momento da crucificação.
Perdão não é um Truque que nos causa arrepios
A cruz sempre deve lembrar-nos de que o perdão não é algo de baixo preço.
O que Jesus lhe concede não é um truque para causar-lhe arrepios. Não é um produ-
to para corrida de resistência ou alguma atitude mental positiva, aprendida em
alguma conferência, que possam capacitá-lo como uma espécie de combustível
moral. O tipo de perdão que Jesus traz à nossa vida causa uma reedificação radical
do coração humano! Quando o perdão é liberado, há um poder incrível. A mão de
Deus rompeu os limites de toda dimensão conhecida por meio do poder de liberação
quando houve o perdão de Jesus.

1.Veja Lucas 23.44-47.


2.O Santo dos Santos no templo de Herodes em Jerusalém estava vazio. A arca da aliança e os utensílios
dos templos do passado perderam-se bem antes dos dias de Jesus.
3. Veja Mateus 27.52-54.
4.Veja Efésios 4.8.

A CRUZ SEMPRE DEVE LEMBRAR-NOS DE QUE O PERDÃO NÃO É ALGO DE


BAIXO PREÇO.

25
Cada um de nós tem de lidar com certas circunstâncias na vida que não
podem ser mudadas. Talvez Pedro, o pescador, quisesse ter se apropriado da
educação clássica que Paulo recebeu aos pés do renomado mestre judeu Gamaliel;
entretanto, ele sempre seria Pedro de Betsaida. Por séculos, os cristãos lembraram-
se de Pedro como "o homem sem instrução", mas que surpreendia os mestres da Lei
que "reconheceram que ele havia estado com Jesus"5. Jesus transformou a vida de
Maria Madalena, a prostituta, mas é provável que ela ainda quisesse apagar os erros
e dores de seu passado. Ela não podia fazê-lo. Maria deparou-se com a mesma
escolha com a qual todos nos deparamos: Ela poderia continuar a ser uma escrava
da falta de perdão, apegando-se à sua raiva e ressentimento para com os homens
que abusaram dela e as pessoas que a discriminaram e rejeitaram; ou poderia acei-
tar o perdão de Deus, optar pelo perdão e começar uma vida de liberdade. Sabemos
qual foi a escolha de Maria. E a sua?
Ela Nunca Conheceu o Poder do Perdão Houve uma mulher que brigava com
um professor após outro ao longo de toda a sua vida. Isto aconteceu desde a escola
primária até a oitava série, e do colégio à faculdade. Ela teve uma péssima
experiência nos primeiros anos na escola com um professor a quem nunca foi capaz
de perdoar ou esquecer. Carregou este peso com ela para sua vida adulta. Isso
também acabou afetando seu relacionamento com outras pessoas do mesmo perfil
e, além disso, estragou seus relacionamentos dentro e fora da escola. Ela nunca
conheceu o poder do perdão.
Há muitos problemas no mundo religioso hoje. Se um pregador comete um
erro, veículos de comunicação movidos por escândalos divulgam rapidamente, em
manchete o ocorrido. Esses veículos não falam muita coisa sobre os outros 99% que
são homens e mulheres do Espírito, que realizam a obra de Deus segundo a vontade
dele todos os dias. Apenas falam daqueles que fracassam. Você pode estar - e
provavelmente ficará desapontado com um ministério ou um obreiro ordenado.
Desiludir-se com um líder pode privá-lo de todos os seus relacionamentos com
outras pessoas. O que você tem de fazer? Perdoe. Você não pode viver sob a
escravidão da desilusão por toda a sua vida. Perdoe e libere poder. Um pastor
conhecido estava aconselhando uma mulher que tentava se recuperar de um terrível
casamento que acabara em divórcio. O marido dela havia sido física e mentalmente
abusivo, abandonando, por fim, a esposa e os filhos. Era uma situação terrível. Con-
tudo, com muita sabedoria, o pastor disse-lhe que ela tinha de livrar-se desse
sentimento. Ela precisava perdoar ao antigo marido por aquilo que ele havia feito.
Sua resposta foi: "Ele não merece ser perdoado." O pastor olhou para ela e disse:
"Talvez isso seja verdade - mas você precisa perdoá-lo”.
5.Veja Atos 4.13.

Não se Prive do Perdão Apegando-se à Falta de Perdão A resposta deste


pastor revela um princípio bíblico vital: Você só é perdoado quando perdoa aos
outros6. Se você está decidido a não perdoar a qualquer pessoa, está se privando
do próprio perdão que recebe de Deus. Perdoar aos outros não é algo que vem
naturalmente; é algo que vem de modo sobrenatural.
Você já teve de "fazer algo" de mau humor? Se você é como qualquer outro
ser humano na terra, o mau humor é algo que aparece naturalmente em sua vida.
Não precisamos fazer nada para ficarmos ressentidos. Você alguma vez teve de
dizer a si mesmo: "Sabe, ele foi injusto comigo; por isso, vou criar caso com ele;
posso levar três ou quatro dias para colocar as coisas nos eixos, mas vou criar um
bom caso de ressentimento e ficar de mau humor"? Não, as coisas simplesmente
não acontecem desta forma.

26
O ressentimento surge quando nem pensamos nele; é quase que instantâneo.
Perdoar, por outro lado, é algo que requer uma escolha consciente e esforço de
nossa parte. Nosso trabalho, como cristãos nascidos de novo, é atentarmos para
uma boa atitude, um espírito dócil e um coração puro diante de Deus e de outras
pessoas. Isto é impossível, a menos que conheçamos o poder do perdão e façamos
as escolhas certas ao longo do caminho.
6.Veja Mateus 6.14.

Muitos cristãos lidam com outro problema que é descrito na seguinte


afirmação: "Não posso me perdoar por isso." Esta é uma afirmação irracional, uma
vez que percebemos o que está realmente sendo dito: "Jesus, o que fizeste por mim
no Calvário não foi bom o suficiente para mim." Tendo confessado seus pecados e
encontrado Cristo no poder do Espírito Santo, você é transformado em uma nova
criatura e o "eu culpado" morre. A partir desse momento, se você não puder perdoar
a si mesmo, essa falta de perdão torna-se um insulto ao Calvário.
Se Deus lhe perdoa, quem você pensa que é para dizer que não pode perdoar
a si mesmo? Você é maior e mais poderoso do que Deus? Você é mais inteligente do
que Ele? É isto que suas palavras e ações dão a entender. A Bíblia diz: "Portanto,
se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres" (Jo 8.36). Aceite o perdão de
Cristo! Perdoe a si mesmo! Se o inimigo lançar-lhe algo novamente em rosto, apenas
diga:"Sou grato a Deus por você continuar lembrando-me disto, diabo. Fui perdoado!
Louvado seja o Senhor!”
No Perdão, Somos Preservados
Há uma lei estranha no Antigo Testamento que algumas pessoas estudam até
aparecer o tópico do perdão. Deus entregou a "lei da remissão" a Israel no livro de
Deuteronômio7. Essa lei exigia que Israel proclamasse uma isenção completa e
generosa dos devedores, servos e escravos contratados hebreus a cada sete anos
mesmo que eles estivessem sob escravidão por apenas um ano ou menos. Aqueles
que eram escravos tinham de ser libertados, e suas dívidas ou serviços como escra-
vo remidos, caso tivessem pagado seu débito ou não. Eles não apenas tinham de ser
libertados, mas seus proprietários não podiam despachá-los de mãos vazias. Tinham
de supri-los generosamente com seus rebanhos, celeiros e alimentos.
Este é o tipo de poder liberado por um simples ato de perdão. Era a forma
usada por Deus para preservar a vida e a esperança daqueles que viviam em
escravidão no Antigo Testamento. Hoje, temos a obra consumada da cruz e o
sangue derramado de Jesus, nosso Redentor. Este é o modo como o espírito do céu
usa o poder do perdão para remover o esconderijo da atividade demoníaca das
cavernas da alma humana. Onde floresce o perdão, não há ressentimento. Onde
quase não acontece o perdão, o ressentimento e o ódio prevalecem.
Há poder no perdão. Você se lembra da parábola de Jesus sobre o homem
que devia ao seu rei dez mil talentos8? Os estudiosos estimam valores, hoje
equivalentes, amplamente variados, mas todos concordam em que se tratava de uma
quantia extremamente alta a ser paga por qualquer empregado9. Se fizermos uma
estimativa mediana, então esse servo devia ao seu rei 10 milhões de dólares. É
provável que sua renda mensal mais as "bonificações" não pagassem nem os juros
mensais de tamanha dívida.
7. Veja Deuteronômio 15.1-18.
8. Veja Mateus 18.23-35.

É Provável que Você Nunca me Pague, Mas Está Perdoado


Quando o rei ordenou que o homem e seus familiares fossem vendidos para pagar a
dívida, o devedor suplicou-lhe: "Perdoe-me! Eu lhe pagarei algum dia." O rei
respondeu: "Não. Você nunca me poderá pagar. Perdoarei toda a dívida. Você está
27
perdoado." Você consegue imaginar quanto aquele homem deve ter ficado feliz? Sua
dívida de 10 milhões de dólares havia sido perdoada e "carimbada" como "Paga por
Completo"!
A esse bem-aventurado também era devida certa quantia; por isso, ele decidiu
procurar o servo que lhe devia "cem denários" ou apenas 20 dólares. É óbvio que ele
havia "emprestado" ao segundo homem o dinheiro tirado da mesma quantia que
tomara emprestado ao rei. Depois de ser perdoado por uma dívida de 10 milhões de
dólares, certamente este homem fora contar a boa notícia a seu devedor e perdoar
sua pequena dívida também... Ou será que não? A Bíblia diz: "Agarrou-o e começou
a sufocá-lo, dizendo: “Pague-me o que me deve” (Mt 18.28b).

9.Os "chutes" variam de mais de 30 milhões de dólares (com base no talento como uma "medida de liga
de prata", comum no Antigo Testamento) a 10 milhões de dólares (citado em The Amplífied Bibíe), para
uma quantia mais moderada de 3,8 milhões de dólares (com base no talento "romano-ático", corrente sob
a ocupação romana). Citado por W. E. Vine, Virtes Exposííory Dicíionary of Old and New Testament Words
(Old Tappen, Novajersey: Fleming H. Revell Company, 1981), "talento", p. 108.

Este homem que havia sido perdoado por uma dívida de muitos milhões de
dólares não mostrou misericórdia para com o homem que lhe devia apenas 20 dóla-
res; em vez disso, lançou-o na prisão até que pudesse pagar sua dívida. Nossos
pecados sempre os expõem. Os servos do homem ficaram tão irados quando vira o
que ele havia feito que contassem o acontecido ao rei. O rei desconsiderou seu ato
de perdão ao homem e colocou-o nas mãos de torturadores e atormentadores até
que pagasse sua dívida. Jesus, por vezes, advertia seus ouvintes de forma objetiva:
"Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar
de coração a seu irmão" (Mt 18.35).
Se você tem este tipo de espírito, livre-se dele. O único dinheiro que o servo
impiedoso tinha para emprestar à sua vítima era o dinheiro que lhe havia sido
emprestado pelo rei! Ele devia ter estendido ao seu devedor o perdão que recebera
do rei. O único perdão que temos a oferecer é o que recebemos de Deus. Não
somos de forma alguma diferentes do servo cuja dívida era inestimável: O Senhor
perdoou a cada um de nós de uma "dívida de muitos milhões de dólares". Você não
acha que deveríamos perdoar logo ao nosso irmão ou irmã a "dívida de 20 dólares"
que tem para conosco? (Não podemos dar-nos ao luxo de dizer "não").
Você Já Perdoou as Circunstâncias que Não Pode Mudar?
Outras pessoas têm-se aprisionado em uma jaula, apegadas a uma raiva para
com circunstâncias em sua vida que não podem mudar. Não importa se a raiva é
direcionada a Deus, as nossos pais, à comunidade médica ou ao "destino"; quando
semeamos falta de perdão, temos uma colheita de sofrimento.
Cristãos maduros compreendem que alguns problemas na vida simplesmente
não podem ser "solucionados" ou eliminados. Nossa tarefa é buscar a Deus para que
tenhamos graça a fim de prosseguir, a despeito de nossas circunstâncias. O apóstolo
Paulo, que é o autor de muitas passagens de "fé" no Novo Testamento, coloca a
questão da seguinte forma: "Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que
possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem leito
tudo" (Ef 6.13).
Paulo estava diante daquilo que chamou de "um espinho na carne" que
simplesmente não desaparecia.
Ele disse: Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim. Mas ele me
disse: "Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na
fraqueza" (2 Co 12.8-9).
28
Temos apenas uma escolha e uma declaração como seguidores de Cristo
diante de circunstâncias imutáveis: Eu perdôo. Mesmo que não me peçam perdão,
eu perdôo. Não vou guardar rancor. Seremos atormentados se agirmos de outra
maneira que não na dimensão do amor incondicional de Deus. Devemos perdoar
independentemente de quem esteja certo ou errado em uma situação. Devemos
perdoar porque precisamos ter o poder de Deus em nossa vida. Jesus foi o exemplo
divino para nós quando orou na cruz: "Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que
estão fazendo" (Lc 23.34a).
O Perdão é o Espírito do Próprio Reavivamento
Por que os países mais perseguidos na terra estão experimentando os
maiores reavivamentos? Constantemente, ouvimos e lemos reportagens de um
grande reavivamento surgindo em países antes sujeitos ao opressivo jugo do
comunismo. Uma dessas reportagens dava conta de que os chineses estão vindo
para o Senhor a uma proporção de mais de 20 mil pessoas por dia. Há uma
estimativa de 60 milhões de cristãos na China, a despeito da perseguição enfrentada
por cristãos e pastores de igrejas ilegais constituídas em suas casas.10 Depois de
muitos anos de ministério na Etiópia, podemos dizer que quase todo pregador cheio
do Espírito naquele país foi colocado na prisão, torturado ou perseguido de alguma
forma. Conhecemos um líder da igreja cujo filhinho foi lançado pela janela de sua
igreja por um soldado (a criança morreu por causa dos ferimentos sofridos na
queda). A esposa desse mesmo líder também fora presa. Eles continuaram a
proclamar o evangelho de Cristo. Apesar dessa perseguição, centenas de milhares
de pessoas vieram para o Senhor na Etiópia no que se pode chamar de uma das
maiores nações do reavivamento secreto do mundo de hoje. Por quê?
Os Perseguidos Devem Viver em Constante Espírito de Perdão
Os cristãos que viviam sob constante perseguição não poderiam sobreviver se
não levantassem todo dia 10 pela manhã e dissessem: "Eu perdôo este sistema. Eu
perdôo estes soldados. Eu perdôo este governo. Eu perdôo estas circunstâncias."
Eles lhe dirão que um tremendo movimento de poder do Espírito Santo acompanha
um espírito de perdão. É isso que lhes dá a graça de permanecerem firmes e
vencerem, não obstante as circunstâncias aparentemente impossíveis.
Quando Jesus Cristo vem para nossa vida, Ele traz consigo o perdão divino.
Ele nos prove o poder do perdão, mas temos de andar em espírito de perdão se
quiser andar no poder da força de Deus. Lembre-se de que o poder mediador
sobrenatural de Deus foi liberado para o mundo quando Jesus orou: "Pai, perdoa-
lhes...”.
Você está à procura de esperança? Você está desesperado à procura do elo
perdido que irá libertá-lo? Talvez você perceba que fora mantido em escravidão e
agora esteja pensando: Também mantive outras pessoas em cativeiro. Agora os
exércitos do inimigo estão acampados ao meu redor. Como posso dispersa-los?
O Espírito Santo está à sua espera para libertá-lo, se você perdoar. Não deixe
que os pretextos de sua carne ou de sua mente desviem sua atenção daquilo que é
mais importante neste momento.

10. Cortesia da WorldHelp, um ministério interdenominacional de distribuição da Bíblia em Forest,


Virgínia. A WorldHelp citou estas estatísticas em seu site na Internet, usando alguns números fornecidos
pelo Chinese Church Research Center (em http://www.worldhelp.net/bibles/ china.asp em 28/02/2000)

Eu errei. Quem não errou?

29
A vida me passou a perna. E daí? Junte-se ao clube dos lesados.
Mentiram para mim. Você não é o primeiro nem será o ultimo. Mentiram para
seu Mestre. Você é melhor do isso? Aqueles que deviam ser meus amigos me
abandonaram. Junte-se ao grupo dos que tiveram a mesma sorte. Jesus é o
presidente. Todos também o abandonaram e fugiram.
Se você precisa de ajuda, peça a Deus que o ajude a perdoar e liberar as
pessoas ou circunstâncias que o feriram. Peça a Ele que lhe perdoe todos os
pecados e falhas em sua vida. Ele é fiel para perdoar aos pecados. Ele diz: "Quem
vier a mim, eu jamais rejeitarei" (Jo 6.37).
Você foi perdoado no Calvário, se tão-somente tomar posse do perdão de
Deus. Faça-o agora e experimente a doce libertação que vem quando o Deus do céu
lhe perdoa de uma vez por todas. Você duvida de que é um cristão? Ele lhe diz:
"Tome a sua cruz e siga-me”11. Tudo começa com o mesmo primeiro passo:
Experimente o poder do perdão divino.
1. Veja Marcos 8.34.

CAPITULO 4
Isto é entre Mim e Você
Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará
(Mt 6.14).
Não seria maravilhoso viver em eterno reavivamento e numa contínua colheita
de almas para Cristo? Poderíamos e deveríamos viver assim; mas, entre outras
coisas, temos de aprender a viver uns com os outros em um espírito de perdão para
que isso possa acontecer. O perdão traz a unidade, que, por sua vez, ajuda a trazer
o reavivamento.
O poder de Deus é liberado todas as vezes que perdoamos uns aos outros.
Indivíduos, famílias, igrejas e até cidades inteiras podem experimentar o
reavivamento quando há perdão. Jesus mostrou-nos que, quando se perdoa com
generosidade, uma liberação estrondosa e, por vezes, espetacular de poder vem
contra o mal nas regiões celestiais. Os principados e potestades tenebrosos do
inferno são neutralizados por esse derramamento de graça. O apóstolo Paulo, em
sua Epístola aos Colossenses, fez uma descrição do triunfo do perdão do Senhor na
cruz e como esse perdão afetou-nos:
Quando vocês Deus os vivificou com Cristo. Ele nos perdoou todas as
transgressões, e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e
que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz, e, tendo despojado
os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre
eles na cruz (Cl 2.13-15, ênfase do autor).
A oração de Jesus "Pai, perdoa-lhes" liberou um milagre de perdão que
mudou o curso da História. Há poder no perdão. A despeito da dor excruciante que
sentiu quando os soldados romanos perfuraram-lhe as mãos e os pés com grandes
pregos de ferro, Jesus pensava no perdão. Quando sua morte finalmente chegou, o
perdão já era nosso, e o sangue de Cristo havia comprado nossa liberdade por toda
a eternidade.
O poder do perdão divino arrebentou os portões do inferno, abriu os túmulos
frios dos mortos e ressuscitou o corpo dos fiéis. O pesado véu no templo foi rasgado
ao meio de cima a baixo, e o próprio céu foi aberto pelo sacrifício abnegado de

30
Jesus. Mais uma vez, tudo aconteceu porque Jesus orou "Pai, perdoa-lhes", e sua
oração foi atendida.
A Oração de Perdão de Jesus Liberou o Poder de Deus
As palavras e atos de Jesus na cruz liberaram o poder sobrenatural do perdão
de Deus e colocaram em ação uma seqüência divina de eventos:
1. Ele perdoou todas as nossas transgressões ou dívidas. Ele também nos
ensinou a orar: "Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos
devedores" (Mt 6.12). Uma dívida é algo que se deve legalmente. Talvez alguém
legalmente ou de acordo com os princípios de justiça e moral lhe deva uma desculpa;
porém, trata-se de uma dívida que não será paga. O que você faz? Perdoe a essa
pessoa de qualquer forma.
2. Ele cancelou nossa sentença de morte ao anular as leis e regulamentos que
jamais poderíamos cumprir e a infinidade de pecados que acumulamos. Em seguida,
tomou para si todos os documentos concernentes a regras, a lista de nossas falhas e
o certificado de morte e pregou-os na cruz como algo que devia ser crucificado e
sepultado. Se as pessoas não respondem ao perdão que você lhes oferece, o
problema é delas, e não seu. Ofereça, de qualquer maneira, o perdão. Às vezes,
temos de concordar com a conhecida expressão "eu fiz a minha parte" em questões
como esta. Você é responsável por 50% da decisão - a parte que perdoa e cancela.
3. Ele despojou os principados e as autoridades ao perdoar nossas dívidas e
pecados. O perdão acabou com a diversão do inferno, e, ao perdoar aos outros, você
destroem os melhores planos que o inimigo tinha em mente para destruir essas
pessoas.
Você deseja o poder de Deus em sua vida? Ele vem com o poder do perdão.
Ao perdoar, você cancela a dívida se expulsa o diabo. Como podemos declarar que
esta ali lute "expulsa o diabo"? Não estamos alegando que o inimigo pode "ter" você,
mas a Bíblia deixa claro que há formas pelas quais ele pode legalmente reclamar o
direito de "pegar uma carona" e atormentá-lo, caso haja ressentimento ou falta de
perdão em sua vida.
Jesus disse: "O príncipe deste mundo está vindo. Ele não tem nenhum
direito sobre mim" (Jo 14.30b, ênfase do autor). Satanás vive em trevas e não
pode ostentar a luz da glória de Deus. Ele trabalha persistentemente para lançar uma
pequena seta de escuridão em seu coração na forma de ressentimento, falta de
perdão ou um espírito de amargura para com uma outra pessoa. O apóstolo Paulo
disse:
"Quando vocês ficarem irados, não pequem." Apazigúem a sua ira antes
que o sol se ponha, e não dêem lugar ao diabo (Ef 4.26,27, ênfase do autor).
Se vocês perdoam a alguém, eu também perdôo; e aquilo que perdoei, se
é que havia alguma coisa para perdoar, perdoei na presença de Cristo, por
amor a vocês, afim de que Satanás não tivesse vantagem sobre nós; pois não
ignoramos as suas intenções (2 Co 2.10,11, ênfase do autor).
A falta de perdão, de qualquer espécie, dá a Satanás uma "posição"
confortável de trevas que se torna um meio ou uma via legal para atingir sua vida, da
qual ele pode aproveitar-se de você e tornar sua vida um inferno. (A escuridão do
pecado não pertence a Deus; faz parte da esfera de Satanás). Ela dá "uma lista
descritiva" de sua vida a Satanás, para que ele possa legalmente aparecer em suas
"reuniões com acionistas" e causar a destruição. Entretanto, o inimigo vive na
escuridão. Desde que você esteja cheio da luz da presença de Deus, sem as trevas
decorrentes da falta de perdão, essa luz tem o poder de afastar e repelir
completamente Satanás de todas as áreas de sua vida.
31
Toda discussão sobre o diabo e seu reino deve ser conduzida sob a
perspectiva de nossa nova posição em Cristo. No livro de Efésios, foi-nos dito que
Deus "nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares
celestiais em Cristo Jesus" (Ef 2.6).
Os principados e as autoridades do diabo não estão "olhando de cima para
nós"; somos nós, de nossa posição espiritual em Cristo, assentados nos lugares
celestiais, que estamos olhando lá de cima para eles. As forças da escuridão estão
abaixo de nós porque estão amarradas pelo poder do sangue do Cordeiro, pelo
nome de Jesus, pela Palavra de Deus e pelo poder do perdão.
Somos Obrigados a Perdoar - Quer o Perdão Seja Merecido ou Não
O perdão é a ferramenta de liberdade e poder de Deus que está em suas
mãos quando você se sente emocionalmente amarrado e preso por circunstâncias ou
pelos delitos de outros. Deus inspirou-nos com seu amor, e Jesus deu-nos o exemplo
supremo de perdão na cruz. Agora estamos comprometidos com nosso Senhor no
sentido de estender o poder do perdão a outras pessoas quer seja esse perdão
merecido ou não. Esta é a forma pela qual a obrigação segue a inspiração.
Assim como o perdão de Jesus despojou o diabo em uma escala cósmica, o perdão
que estendemos aos outros nesta vida desarmará o inimigo nos relacionamentos
terrenos. Pense na última vez em que você perdoou a alguém: Você consegue se
lembrar da tremenda libertação que sentiu naquele momento?
Você conhece cristãos que se perguntam por que se sentem "amarrados" ou
oprimidos? Eles muitas vezes afirmam que não conseguem libertação alguma nem
fazem progresso espiritual algum. Talvez esses santos estejam guardando pequenos
ressentimentos em seu coração. (É fácil fazê-lo e difícil admiti-lo.) A chave para a
vitória está em uma única decisão. Eles precisam perdoar e libertar os outros para
que o poder do perdão possa ser liberado na vida deles.
O PERDÃO É UM DOS SEGREDOS MENOS CONHECIDOS DA ORAÇÃO
RESPONDIDA.
O perdão é um dos segredos menos conhecidos da oração respondida. E uma
chave vital para exercer poder sobre principados e potestades. Não temos escolha
como seguidores de Cristo: Devemos viver em um espírito de perdão. Dois irmãos
descobriram este segredo há muito tempo. Os filhos gêmeos de Isaque, Esaú e Jacó,
eram tão diferentes quanto dois irmãos poderiam ser. Jacó trapaceou seu irmão mais
velho, Esaú, nas duas coisas mais importantes da vida nos tempos bíblicos o direito
de primogenitura do filho mais velho como cabeça da família e herdeiro de seus bens
após a morte do pai e a bênção especial do pai reservada para o primogênito.
A única coisa que impediu Jeová de ser conhecido como "o Deus de Abraão,
Isaque e Esaú" foi um guisado. Esaú desempenhou seu papel neste acontecimento
trágico, entregando-se aos seus desejos carnais, em vez de valorizar o que
realmente tinha valor; entretanto, não há dúvida de que Jacó trapaceou Esaú. Há
menos dúvida ainda quanto ao fato de que Jacó enganou seu pai Isaque e trapaceou
Esaú novamente roubando-lhe a bênção de Isaque. Faíscas de fogo saíram dos
olhos de Esaú, e Jacó fugiu para não morrer. Anos mais tarde, Esaú saiu à procura
de Jacó com 400 homens. Jacó não tinha para onde correr - exceto um lugar. Ele
teve um encontro com Deus que transformou sua vida e descobriu o poder do
perdão.
O Poder do Perdão Fez com que Esaú Procurasse Jacó em Lágrimas
Quando finalmente encontrou-se com Esaú e seu bando de homens, Jacó
humilhou-se e curvou-se até o chão sete vezes diante de seu irmão, buscando o
verdadeiro perdão e reconciliação. Havia algo diferente em Jacó, e Esaú reconheceu
32
isso. O perdão que fluía de Deus por intermédio de Jacó literalmente inundou o
coração amargurado de Esaú e, no mesmo instante, o transformou. A Bíblia diz que
Esaú correu ao encontro de seu irmão e abraçou-o em lágrimas1. Somente o poder
do perdão de Deus pode liberar esse tipo de poder para transformar a vida de uma
pessoa.
Em uma questão de segundos, o perdão apagou 27 anos de ardente
amargura e ódio! Não há dúvida de que Esaú havia sido enganado e que Jacó havia
sido um impostor e um mestre na arte de trapacear. Contudo, quando Jacó liberou
perdão de seu próprio coração, o céu inundou a vida de Esaú. Seu pranto levou
embora a amargura. Os três bandos de homens de Jacó não puderam apaziguar
Esaú, nem os presentes que Jacó lhe enviara. No final, somente o perdão pôde deter
Esaú e pôr fim à inimizade que perdurara por toda a vida de ambos.
1. Veja Gênesis 33.4

Há coisas abrigadas em seu coração contra alguém que você simplesmente


optou por não perdoar? Isso é perigoso. Sua incapacidade de perdoar aos outros
impede a capacidade que Deus tem de perdoá-lo. Amargurar ou melhorar? A
escolha é sua!
O PERDÃO É MAIS IMPORTANTE PARA NÓS DO QUE PARA AQUELES A
QUEM DEVEMOS PERDOAR
Precisamos perdoar, quer sintamos que temos o "direito" de ficar irados e
magoados ou não. O perdão é, na realidade, mais importante para nós do que para
aqueles a quem devemos perdoar porque ele mantém nosso coração "limpo" e
agrada a Deus. Se houve alguém no Antigo Testamento que tinha o "direito" de ficar
irado e magoado com outras pessoas, esse alguém foi José. Seus irmãos mais
velhos, enciumados, planejaram matá-lo, mas, em vez disso, decidiram vendê-lo
como escravo. José trabalhou como escravo para o capitão da guarda de Faraó no
Egito; então, foi parar na prisão após ter sido falsamente acusado. José recusou-se a
falar sobre seus "direitos" ou "erros" e, em vez disso, optou por perdoar. Isto o
qualificou para o favor e a bênção de Deus, e José foi promovido a segunda maior
posição no Egito, como governador, abaixo apenas de Faraó, aos 30 anos de idade.
Quando finalmente reencontrou-se com seus irmãos, José tinha todo o
"direito" de ficar amargurado e ressentido (se é que isso existe). Eles o maltrataram e
enganaram seu pai, e José tinha o poder de ordenar que fossem mortos naquele
mesmo lugar. Em vez disso, José escolheu perdoar-lhes e tornou-se um salvador
para toda a sua família. Quando viu seus irmãos, não pôde controlar-se. Chorou tão
alto que toda a casa de Faraó ouviu seu pranto. O mundo precisa saber que "a
comunidade dos transformados" sabe perdoar. Os perdidos e feridos ao nosso redor
precisam saber que há abundante perdão na casa e na família de Deus.
A finalidade de Deus com o nosso perdão é literalmente preservar e proteger a
vida daqueles que se aproveitam e abusam de nós, até que possam voltar seu co-
ração para Ele. Os irmãos de José encheram-se de culpa, mas José pediu-lhes que
se perdoassem.
Ele disse:Agora, não se aflijam nem se recriminem por terem me vendido
para cá, pois foi para salvar vidas que Deus me enviou adiante de vocês. Mas
Deus me enviou à frente de vocês para lhes preservar um remanescente nesta
terra e para salvar-lhes a vida com grande livramento (Gn 45.5-7).
Este é o caráter de Deus! É maior do que qualquer "direito" que possamos ter.
José nunca deu qualquer evidência de que estivesse amargurado com os maus-
tratos que recebera de seus irmãos. Ele adotou um estilo de vida perdoador.
Temos de Libertar Qualquer "Prisioneiro" do Nosso Coração
33
Algumas vezes, pensamos que perdoamos a alguém quando a verdade é que
reservamos um pequeno espaço especial, um recôndito de amargura, no fundo do
nosso coração, onde esperamos nunca receber a visitação de Deus. Mantemos a
pessoa que nos ofendeu trancada nesse lugar secreto. Quando estamos sozinhos,
justificamos a nós mesmos lembrando "o que tal pessoa nos fez há dez anos". Então,
mentalmente arrancamos o ofensor de lá e "batemos nele" por alguns instantes.
Gostamos de dizer: "Oh, está coberto pelo sangue", mas não é verdade. O
diabo gosta de esconder-se em nossos recônditos ocupados por um espírito
rancoroso, mas nem o diabo nem qualquer demônio do inferno podem resistir ao
perdão. O "prisioneiro" que está em nosso coração tem de ser libertado. Devemos
perdoar e liberar o poder de Deus em nossa vida.
O povo de Jerusalém fez o jogo do "agora vocês estão perdoados, agora não
estão" com resultados desastrosos durante a vida e o ministério do profeta Jeremias.
O rei Zedequias prendeu Jeremias por haver ele profetizado a queda de Jerusalém
ante a Babilônia quando a cidade estava cercada pelos exércitos do rei
Nabucodonosor e seus aliados. Jerusalém deparou-se com adversidades
insuperáveis das quais não havia como escapar, mas Deus tinha um plano que ainda
se aplica ao seu povo hoje.
Depois que Jeremias profetizou ao rei Zedequias que a cidade cairia mas que
ele viveria, o rei decidiu observar a "lei de remissão" (descrita no capítulo anterior).
Convocou o povo de Jerusalém, e eles fizeram um pacto para libertar todos os
compatriotas que eram escravos em suas casas. Perdoaram todas as dívidas de
seus irmãos e os libertaram.
Perdoe e Invada o Campo do Inimigo com o Poder de Deus
O rei da Babilônia e seus exércitos se retiraram da cidade quando o povo de
Jerusalém mostrou misericórdia e estendeu o perdão uns aos outros2. Parece que o
perdão exercido pelo povo na terra, na realidade, amarrou os propósitos de Satanás
nas regiões celestiais! Quando começamos a perdoar uns aos outros, Deus invade o
campo do inimigo com seu poder.
Deus concedeu ao povo de Judá e de Jerusalém uma última oportunidade
para "acertar-se" com Ele e "fazer o bem" uns aos outros. Se eles a tivessem
aproveitado, então o livro de Lamentações jamais teria sido escrito. Infelizmente,
depois que os babilônios levantaram o cerco e se retiraram, o povo de Jerusalém fez
algo terrível. Quando eles estavam sob o temor da morte, libertaram os escravos,
mas, quando o temor da morte se foi, voltaram a ser egoístas, e Deus atentou para o
fato. Tornaram seus irmãos escravos novamente, provocando esta resposta de
Deus:
Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Fiz uma aliança com os seus
antepassados quando os tirei do Egito, da terra da escravidão. Eu disse: Ao fim de
sete anos, cada um de vocês libertará todo compatriota hebreu que se vendeu a
vocês. Depois que ele o tiver servido por seis anos, você o libertará. Mas os seus
antepassados não me obedeceram nem me deram atenção. Recentemente vocês se
arrependeram e fizeram o que eu aprovo: cada um de vocês proclamou liberdade para
os seus compatriotas. Vocês até fizeram um acordo diante de mim no templo que leva
o meu nome. Mas, agora, vocês voltaram atrás e profanaram o meu nome, pois cada
um de vocês tomou de volta os homens e as mulheres que tinham libertado. Vocês
voltaram a escravizá-los. Portanto, assim diz o Senhor: "Vocês não me obedeceram;
não proclamaram libertação cada um para o seu compatriota e para o seu próximo.
Por isso, eu agora proclamo libertação para vocês", diz o Senhor, "pela espada, pela
peste e pela fome. Farei com que vocês sejam um objeto de terror para todos os
reinos da terra" (Jr 34.13-17, ênfase do autor).
Não Fique Remoendo Velhas Ofensas -Liberte Seus Devedores para Sempre
34
Quando o povo de Jerusalém tornou a escravizar seus irmãos e anulou seu
perdão, os exércitos de Nabucodonosor voltaram e deram a eles exatamente o que
tinham dado uns aos outros. Os antigos "proprietários" foram levados para a
Babilônia como escravos enquanto seus antigos escravos ficaram para trás para to-
mar posse de sua terra e pertences. Quantas vezes esquecemos de um irmão, ou
irmã, em Cristo para ficar "remoendo" novamente suas ofensas e tornar a fazer com
que esse irmão, ou irmã, seja escravo de nossa falta de perdão? Deus ainda atenta
para o fato.
2. Veja Jeremias 34.21,22

Se Deus de repente pedir uma "auditoria" de sua conduta para com seus
irmãos e irmãs, será que você está preparado? Lembre-se de que Deus não precisa
de uma auditoria - Eleja vê e conhece todas as coisas. Deus considera cada um de
nós responsável por perdoar aos outros, sem exceções à regra. Não fomos formados
nem criados para carregar amargura e rancor em nosso coração. É como tentar
carregar uma porção de ácido em um recipiente de isopor o ácido do rancor corrói
cada parte de nossa vida.
Jesus disse que seus discípulos seriam conhecidos por causa de seu amor
uns aos outros3. O amor transcende a "mentalidade do "tipo livro razão", que registra
cada erro cometido e ofensa recebida". O "tipo de amor de Deus", descrito em 1
Coríntios 13, não toma nota nem "faz o cálculo" de agravos e injustiças sofridos4. "A
misericórdia triunfa sobre o juízo" (Tg 2.13b), para que opere em amor e "liberte
seus cativos". Libere o poder do perdão em sua vida. Deus está dizendo: "Se você
mostrar misericórdia para com os outros, eu terei misericórdia de você.”
Além disso, precisamos aprender a perdoar a nós mesmos. É difícil cumprir o
mandamento de Jesus que diz que devemos "amar aos outros como amamos a nós
mesmos" quando realmente não nos amamos. Muitas vezes, o ódio que sentimos
por nós mesmos ou os ressentimentos interiores surgem por causa de nosso medo
do fracasso ou da rejeição.
3. Veja João 13.35.
4. Veja 1 Coríntios 13.5.

Utilize as Três Chaves do Perdão


Um dos maiores erros que podemos cometer na vida é viver com o constante
medo de cometermos um erro. Mark Twain disse que, se um gato senta-se em um
fogão. A versão bíblica utilizada neste livro diz que o amor "não guarda rancor"
quente, ele jamais fará isso novamente. É claro que ele não se sentará em um fogão
gelado também. O fracasso tem a tendência de fazer-nos desistir de tentar. Se você
ficou abatido algumas vezes ou já teve algumas experiências de fracasso, não
desista! Conheça o poder do perdão. Perdoe a si mesmo e levante-se novamente.
Utilize as três chaves do perdão:
• Perdoe circunstâncias.
• Perdoe pessoas.
• Perdoe a si mesmo.
Perdoe para que o poder de Deus possa ser liberado em sua vida. O perdão
trará força para ajudá-lo a levantar-se novamente depois de uma terrível queda,
seguir em frente e esforçar-se para conseguir o êxito, mesmo sob a luz desvanecida
da queda do dia anterior.
Pessoas bem-sucedidas normalmente fracassam com maior freqüência do
que outros; elas têm sucesso, primeiro, porque simplesmente não querem parar de
tentar. É evidente que qualquer pessoa que já foi bem-sucedida também é alguém
35
que fracassou. Assim como um recém-nascido não consegue aprender a andar sem
cair algumas vezes, você não pode progredir na vida sem tropeçar uma vez aqui,
outra vez ali, ao longo do caminho. No futebol americano, o homem mais derrubado
é normalmente aquele que carrega a bola com maior freqüência e ganha mais
distância para seu time.
O perdão opera sob a lei divina do "semear e colher". O Novo Testamento diz:
"Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear,
isso também colherá" (Gl 6.7). Semeie perdão hoje para ter uma colheita de
misericórdia e perdão amanhã e nos anos vindouros. Não deixe que o rancor
apodere-se de sua casa, de seu casamento ou de seus negócios. Um espírito de
rancor não resulta em um final feliz. Chore, arrependa-se e perdoe para que as
fortalezas do inferno em sua vida sejam removidas. Nossa vida será cheia de poder
se tão-somente pudermos perdoar.
Perdoe, e livre-se de estar entre aqueles que perguntaram sobre o "número de
vezes" que devemos perdoar, como fez Pedro.
Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: "Senhor, quantas vezes deverei
perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?" Jesus
respondeu: "Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete" (Mt
18.21,22).
Jesus basicamente disse: "Não, Pedro, você não compreendeu o espírito que
está por trás do perdão. Você tem um 'coração que só sabe calcular'. Não tente
colocar uma fita métrica sobre o perdão e sobre Deus. Você deve perdoar-lhes
setenta vezes sete, se necessário." Jesus continuou a "aumentar o cumprimento da
fita" que media o perdão até que ninguém pudesse chegar ao final dela. Para per-
doar a alguém 490 vezes durante um dia de 16 horas, você teria de perdoar-lhe a
mesma ofensa 30 vezes por hora ou uma vez a cada dois minutos. O perdão é um
trabalho de tempo integral! O perdão é um estilo de vida. Não tente medi-lo. Deus é
inflexível ao falar-nos repetidas vezes em sua Palavra que devemos perdoar aos
outros. Você quer viver em liberdade e vitória?
Perdoe.
Perdoe.
Perdoe.
(E continue a perdoar).

36
PARTE III
O Poder por Trás do Trono
Filho do homem, erga um lamento a respeito do rei de Tiro e diga-lhe: Assim diz o
Soberano, o Senhor: "Você era o modelo da perfeição, cheio de sabedoria e de perfeita
beleza. Você estava no Éden, no jardim de Deus; todas as pedras preciosas o
enfeitavam: sárdio, topázio e diamante, berilo, ônix e jaspe, safira, carbúnculo e
esmeralda. Seus engastes e guarnições eram feitos de ouro; tudo foi preparado no dia
em que você foi criado. Você foi ungido como um querubim guardião, pois para isso
eu o designei. Você estava no monte santo de Deus e caminhava entre as pedras
fulgurantes. Você era inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado até
que se achou maldade em você.Por meio do seu amplo comércio, você encheu-se de
violência e pecou. Por isso eu o lancei, humilhado, para longe do monte de Deus, e o
expulsei, ó querubim guardião, do meio das pedras fulgurantes. Seu coração tornou-
se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa
do seu esplendor. Por isso eu o atirei à terra; fiz de você um espetáculo para os reis.
Por meio dos seus muitos pecados e do seu comércio desonesto você profanou os
seus santuários. Por isso fiz sair de você um fogo, que o consumiu, e reduzi você a
cinzas no chão, à vista de todos os que estavam observando. Todas as nações que o
conheciam espantaram-se ao vê-lo; chegou o seu terrível fim, você não mais existirá"
(Ez 28.12-19).

CAPITULO 5
O Poder por Trás do Trono
Nações em guerra consomem grandes somas de dinheiro e recursos em
inteligência militar para descobrir o máximo possível sobre seus inimigos. A Igreja e o
Reino de Deus estão em guerra contra Satanás e seu reino de trevas de um modo
limitado. Limitado porque guerreamos contra um "inimigo vencido" cuja sentença já
foi decretada, e seu último dia de liberdade, determinado por Deus.
Não precisamos elaborar uma operação de inteligência militar porque Deus já
sabe tudo sobre o arcanjo criado por Ele, antes chamado de "Lúcifer, filho da al-
vorada1”. Ouvimos, freqüentemente, a frase: "Conhecimento é poder", e há verdade
nessas palavras. A Palavra de Deus contém informações e conhecimento vitais so-
bre o diabo e seus caminhos. Precisamos desse conhecimento para dominar com
eficiência seus planos impedidores na terra.
Reconhecidamente, o diabo não é digno de auto foco e atenção que alguns
lhe tem dado, mas precisamos saber como deter seus caminhos obsirutivos
enquanto cumprimos os propósitos de Deus. O conhecimento é uma das fontes
secretas de poder que Deus nos tem proporcionado. O apóstolo Paulo demonstrou
esta verdade no livro de Atos. Ele tolerou as importunações de um espírito de
adivinhação até onde lhe foi possível, mas, por fim, teve de deter e expor o espírito
demoníaco por aquilo que ele era e o expulsou da mulher que o havia seguido por
vários dias2. A maior arma do diabo é o engano, e ele a usa de maneira habilidosa
contra os desavisados ou despreparados para o seu ataque. É por esta razão que
Paulo escreveu aos coríntios:
Se vocês perdoam a alguém, eu também perdôo; e aquilo que perdoei, se é que
havia alguma coisa para perdoar, perdoei na presença de Cristo, por amor a vocês, a
fim de que Satanás não tivesse vantagem sobre nós; pois não ignoramos as suas
intenções (2 Co 2.10,11).
Alguém certa vez disse: "Atrás de um grande homem, existe uma grande mulher - e
uma surpreendente sogra." Esta observação jocosa tem certo fundamento. Você já
ouviu a frase: "O poder por trás do trono"?
37
1. Veja Isaías 14.12
2. Veja Atos 16.16-18.

Ele Falou Diretamente para o Poder que Estava por Trás do Trono .O profeta
Ezequiel transmitiu uma profecia intrigante de Deus a alguém chamado "o Príncipe
de Tiro" e, mais tarde, "o Rei de Tiro". Esse mesmo rei foi mencionado em capítulos
anteriores, mas, em 11 versículos do capítulo 28, Deus pareceu interromper o profeta
e, inesperadamente, ele mudou o tom da mensagem. É como se Ezequiel
observasse além do trono do rei terreno para tratar do poder oculto que, na verdade,
estava motivando e direcionando as ações dele. Deus queria que ele falasse
diretamente ao poder que estava por trás do trono:
Filho do homem, erga um lamento a respeito do rei de Tiro e diga-lhe: Assim diz o
Soberano, o Senhor: "Você era o modelo da perfeição, cheio de sabedoria e de perfeita
beleza". Você estava no Éden, no jardim de Deus; todas as pedras preciosas o enfei-
tavam: sárdio, topázio e diamante, berilo, ônix e jaspe, safira, carbúnculo e esmeralda.
Seus engastes e guarnições eram feitos de ouro; tudo foi preparado no dia em que
você foi criado. Você foi ungido como um querubim guardião, pois para isso eu o
designei. Você estava no monte santo de Deus e caminhava entre as pedras
fulgurantes. Você era inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado...
(Ez 28.12-15).
O profeta Ezequiel não estava dizendo estas palavras ao homem que estava
assentado no trono terreno de Tiro; ele estava olhando além dele com o intuito de
dirigir-se a Satanás, o anjo decaído, antes chamado de Lúcifer, o querubim guardião
ungido. Este proscrito querubim rebelde era o verdadeiro poder que estava por trás
do trono.
Lúcifer foi ungido para adorar e exercia certo nível de domínio sobre a
economia e o comércio (o que deve indicar-nos que a riqueza nem sempre é um
sinal do poder de Deus).
Um Poder Manipulou o Representante da Carne
Houve um verdadeiro rei de Tiro, que era um homem perverso e conhecido
por seu terrível orgulho e crueldade. Seus feitos renderam-lhe a ira de Deus, e o
Senhor pronunciou desgraças e maldições sobre ele. No entanto, no versículo 11,
Deus desviou sua atenção do representante da carne a fim de atentar para o espírito
de orgulho que se escondia por "trás do trono". Ele falou diretamente com
Lúcifer/Satanás, o poder que estava manipulando e operando na vida do rei terreno,
e profetizou suas conseqüências e sua queda.
Adolf Hitler ascendeu ao poder na Alemanha na década de 1930 e, com êxito,
planejou o assassinato de milhões de judeus na tentativa de assumir o controle do
mundo na Segunda Guerra Mundial. Outros como ele se levantou nos anos que se
seguiram. Milhões de supostos "inimigos do Estado" foram secretamente "liquidados"
na Rússia sob o comando pessoal do líder soviético Joseph Stalin. Mais
recentemente, no país africano de Uganda, o general Ide Amin derrubou o presidente
de seu país e iniciou um reinado de terror de oito anos. Massacrou 300 mil de seus
compatriotas ugandenses antes de uma força de invasão da Tanzânia forçá-lo a
deixar o país em 1979. Saddam Hussein tornou-se presidente do Iraque naquele
mesmo ano e conseguiu assassinar um gigantesco número de pessoas, valendo-se
de armas químicas ilegais que haviam sido banidas por todas as nações civilizadas
do mundo.
Cada um desses homens fez coisas incrivelmente perversas que trouxeram
trevas para todas as gerações, mas aqueles que puderam olhar "além do trono" não
38
tiveram dúvida sobre o verdadeiro poder por trás de toda morte e destruição. Esses
homens serão responsabilizados por suas ações diante do Todo-Poderoso, mas o
verdadeiro poder que motivou e fortaleceu seus atos de maldade em massa veio de
algo que estava por trás do trono. Mais uma vez, o arcanjo decaído, Satanás, estava
fazendo todo o possível para destruir a maior criação de Deus e separá-la do
Criador.
Suas Ações Glorificam Aquilo que Satanás Representa?
Satanás é atraído por qualquer atmosfera que tenha uma ou mais de suas
próprias características. As pessoas não percebem que podem facilmente criar uma
atmosfera que o atraia fazendo coisas que glorificam aquilo que ele representa.
Sabemos que podemos criar uma atmosfera que atraia o Espírito Santo ou o
entristeça e afaste. A Palavra de Deus nos diz: "Entrem por suas portas com
ações de graças, e em seus átrios, com louvor; dêem-lhe graças e bendigam o
seu nome" (SI 100.4). Quando rendemos graças ao Senhor, o louvamos e
bendizemos o seu nome, nós nos encontramos em sua presença. É uma questão de
atitude.
Quais são as atitudes que propiciam um lugar confortável a Satanás?
Sabemos que as ações e atividades do rei de Tiro criaram essa atmosfera
confortável para Satanás, de modo que ele passou a morar atrás do trono do rei e o
fortaleceu para cumprir suas terríveis ordens.
Muitas das coisas terríveis que acontecem em nossos dias não são
simplesmente a obras da carne e do sangue. Paulo advertiu-nos de que não
lutássemos na "linha de frente errada". Ele disse: "A nossa luta não é contra seres
humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste
mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais" (Ef
6.12). Não precisamos "procurar um demônio debaixo de toda pedra"; entretanto,
grande parte do mal que parece ser fruto exclusivo da atividade humana é motivada,
controlada e até fortalecida por principados e autoridades demoníacos, e pela
iniqüidade espiritual em regiões celestiais.
As atitudes e ações humanas iníquas criam uma agradável atmosfera ou
"zona de conforto" onde o inimigo pode realizar um mal demoníaco ainda maior com
liberdade e segurança. Uma atmosfera de desunião é, sobretudo, atrativa para o
inimigo porque o fortalece. Quando ficam desunidas, as pessoas cometem uma trai-
ção espiritual e suas ações enfraquecem o Reino de Deus e fortalecem a posição de
Satanás. Ele trabalha sem cessar para fazer-nos acreditar que nossa verdadeira
batalha é contra outras pessoas; mas sua tática favorita é colocar irmão contra irmão
na família de Deus. Quando sua tática funciona, ele simplesmente se esconde atrás
de nosso trono e se acaba em gargalhadas. Seu reinado fica seguro neste momento,
pois, assim como a união traz reavivamento, a desunião irá dissipá-lo!
Orgulho e Ambiente Propício para a Manipulação Satânica
Os Evangelhos de Mateus e Marcos afirmam que, certo dia, Simão Pedro
declarou a verdadeira identidade de Jesus como o Filho de Deus pela revelação do
Espírito Santo e recebeu um elogio de Jesus por ter tido tal discernimento. Em
seguida, Jesus anunciou que morreria, mas ressuscitaria, e Pedro o repreendeu por
dizer essas palavras! Ele disse: "Isso nunca acontecerá com você3”! As palavras
religiosas de Pedro pareciam boas. Tinham o caráter da verdadeira devoção e
sinceridade, mas eram diabolicamente falsas.
O orgulho e a presunção de Simão Pedro criaram uma atmosfera oportuna
para uma visita de Satanás. O inimigo juntou-se à mesa em que jantavam e usou o
confiante Pedro para proclamar as expectativas do inferno. Satanás deve ter rido em
39
silêncio quando Pedro disse a Jesus, o Messias, que ele não estava certo ao dizer
que morreria na cruz. As palavras mal acabaram de sair da boca de Pedro quando
Jesus o confrontou. Olhando além do rosto familiar de Pedro, o Senhor falou dire-
tamente com o arcanjo do mal que se escondia "atrás do trono": "Para trás de mim,
Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de
Deus, mas nas dos homens" (Ml 10.23b).
Há ocasiões quando "lazer o que é certo", segundo a sua definição, é, na
realidade, "fazer o que é errado", segundo a definição de Deus. Algo está "correto"
quando está de acordo com a Palavra de Deus e é confirmado por seu Espírito.
Pedro teve esta experiência ao declarar acertadamente a verdadeira identidade de
Jesus. No entanto, teve de descartar por completo a realidade da identidade de
Jesus que acabara de descobrir para dizer aquilo que disse. Se Jesus era o Filho de
Deus, por que mentiria sobre seu destino?
Quando sua ação parece "correta", mas o meio que você usa para executá-la
é incorreto, este se constitui no pior tipo de "erro", porque pode enganar e induzir
outros também ao caminho errado. Pedro estava dizendo: "Você não morrerá.
Estaremos a seu lado", mas Jesus sabia que jamais poderia cumprir seu propósito
na terra sem o Calvário. Qualquer coisa que pudesse ou tentasse impedir os
propósitos de Deus não podia ser de Deus. Nem todas as boas idéias são "idéias de
Deus".

3. Adaptado das narrativas encontradas em Mateus 16.15-23 e Marcos H.29-33. É interessante observar
que as palavras que Jesus usou para repreender Satanás neste incidente que envolveu Simão, idênticas
as palavras que usou para repreender Satanás no deserto.

Fazer o que É Certo Pode Ser Uma Atitude Errada (Se For ao Tempo Errado e
da Forma Incorreta)
Se o inimigo não consegue levar-nos a fazer o que é errado, usando uma
cilada ou tentação, então ele tenta enganar-nos para que "façamos o que é certo" no
tempo errado ou da forma errada. Poucas coisas são mais prejudiciais do que
alguém que é totalmente sincero, mas sinceramente errado. Lembre-se sempre de
que o diabo costumava sentar-se "à melhor mesa da cidade". Ele ainda sabe colocar
uma bela mesa e torná-la perfeita e atrativa. Ele sempre usa coisas que parecem
muito boas para nós, de modo que não conseguimos crer que não sejam de Deus.
É tão fácil censurar o "rei de Tiro" ou Pedro por todas as coisas que ambos
fizeram. No entanto, precisamos olhar para o verdadeiro poder que está por trás do
trono. A carne quer censurar as pessoas que estão na linha de frente, mas o Espírito
de Deus passa os olhos nos "homens de frente" e olha além do esconderijo do trono.
Deus sabia que esses dois homens haviam sido manipulados por Satanás para
cumprir seus próprios objetivos.
Paulo disse que estamos lidando com a maldade espiritual nas regiões
celestiais; portanto, isso significa que as batalhas que travamos nem sempre são
distintas. Temos de aprender a conhecer o nosso inimigo. Jesus compreendeu isso
quando passou os olhos em Pedro e disse: "Para trás de mim, Satanás." Ele não
eslava dizendo que Pedro era o diabo. Deixou Pedro do lado e foi diretamente àquele
que colocara o pensamento na mente de Pedro.
Satanás é "o acusador dos nossos irmãos". Ele não é onipresente, portanto não pode
acusar sozinho todos nós. Mas ainda consegue o mesmo efeito "recrutando" irmão
para acusar irmão e irmã para acusar irmã. Ele ainda usa nossas "orações" para
levar suas falsas acusações aos ouvidos de Deus! Como ele faz isso? Ele nos

40
encoraja a "orar/lamentar" por coisas como esta: "Ó Senhor, tu sabes o que a irmã
Fulana disse a meu respeito? Foi algo terrível, Senhor. Por favor, mostra a ela o seu
erro”.
Palavras que Acusam Não São Palavras de Oração
Não importa se uma acusação está baseada na linguagem delicada da
bondade ou envolta no jargão religioso, ela ainda não é uma oração. O diabo não
tem de preocupar-se em acusar alguém desde que possa fazer com que certos
santos façam esse trabalho por ele sob o título de oração. Para muitos de nós, ele
nem tem de disfarçá-la para que seja uma oração. Ele simplesmente usa a maior
rede de comunicação cristã do mundo.
Você pode espirrar em São Francisco que, no mesmo instante, a "Rede de
Fofoca dos Santos" (a "RFS") retransmite seu espirro para Manhattam - a história au-
menta tanto que você acaba sendo colocado no leito de morte com pneumonia dupla!
Qualquer falta de compromisso com a verdade de nossa parte torna-se um convite
aberto ao inimigo para que se sinta à vontade em nossa vida.Se Satanás é aquele
que se intitulou o acusador ou perseguidor dos santos, e Jesus é nosso defensor ou
advogado de defesa, onde é que ficamos? Se você defende seu irmão, o espírito de
Jesus opera por seu intermédio. Se você acusa o seu irmão, de quem é o espírito
que está operando por meio de você?
Quem É Esse Príncipe Caído do Céu e Rei do Inferno?
Sabemos quem é o Rei da glória, mas quem é esse príncipe caído do céu e rei
do inferno que estava no jardim do Éden? A Bíblia diz que Lúcifer era perfeito em
todos os seus caminhos até "o dia da iniqüidade4”. Iniqüidade é rebelião contra a
autoridade divina. Em 1Samuel 15.23a, Samuel profetizou a Saul que "...a rebeldia
é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria". Quando
um homem ou anjo arrogante idolatra sua própria opinião, ela se torna num ídolo e
inimizade com Deus.
Conhecemos três arcanjos ou querubins na Bíblia. Dois deles que regem os
anjos possuem grande poder e responsabilidade diante de Deus: Gabriel é o
principal mensageiro de Deus, enquanto Miguel é seu principal guerreiro angelical, o
general que comanda os exércitos angelicais do céu e o protetor de Israel. O terceiro
arcanjo, Lúcifer, era o querubim guardião. Atuava como o principal líder e assistente
de adoração do próprio Deus, até que caiu em pecado. Naquele momento, ele foi
destituído de toda autoridade celestial e de todo vestígio da glória de Deus; e as
trevas envolveram seu ser por toda a eternidade.
4. Veja Ezequiel 28.15

A Bíblia diz que Lúcifer foi criado em perfeição. Era uma das criaturas mais
nobres de Deus. Excedia em beleza e sabedoria. Lúcifer literalmente significa "porta-
dor da luz" ou "estrela da manhã". É possível que tenha sido criado para refletir a luz
e a glória de Deus por todas as regiões celestiais, uma vez que adorava incessan-
temente ao Altíssimo antes de Adão ser criado.
Esse querubim era cheio de talentos e dispunha de várias vozes para que
pudesse criar vários tons, como um órgão de tubos celestial. Sua voz era
incomparável em beleza e possuía o verdadeiro poder de comover seus ouvintes (em
outras palavras, ele era muito persuasivo).
O Orgulho É o Pior de Todos os Cânceres Espirituais
Tudo isso chegou ao fim no dia em que se achou iniqüidade em Lúcifer. O
querubim guardião afastou-se do Todo-Poderoso para cobiçar a posição de Deus e
disse em seu coração: "Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das

41
estrelas de Deus... Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o
Altíssimo" (Is 14.13b, 14). A iniqüidade de Lúcifer assumiu a forma de orgulho, o
pior de todos os cânceres espirituais. No mesmo instante, o orgulho transformou o
filho da alvorada no filho das trevas. O orgulho é o pior de todos os pecados, pois
existiu no céu antes mesmo de existir "um demônio". Satanás usou o orgulho para
tramar a queda de Eva no jardim do Éden, e ele ainda o usa contra o povo de Deus
hoje. Algumas vezes, o orgulho vem vestido de falsa humildade, mas isto é apenas
"o orgulho com outra face". (Você já ouviu sobre o homem a quem foi dada uma
medalha por ser humilde? Ele a colocou em si mesmo, e ela lhe foi tirada).
A verdadeira humildade é a mais sensível das virtudes, mas o orgulho, de
qualquer forma, é motivado a expressar-se a si mesmo. Quer apareça como um
espírito arrogante ou uma atitude condescendente, o pecado do orgulho sempre leva
à rebelião, se não há arrependimento. O coração de Lúcifer tornou-se altivo, e ele se
recusou a arrepender-se porque queria ocupar o lugar de Deus. O Santo Deus não
leve outra escolha senão expulsar, no mesmo instante, as trevas tio Reino da Iuz, e
Lúcifer tornou-se Satanás o "adversário" um exilado do céu sem ter outro lugar para
onde ir que uno fosse para baixo.
Satanás e suas obras pertencem ao reino tias trevas, embora a Bíblia diga:
"Porque outrora vocês eram ire vas, mas agora são luz no Senhor. Vivam como
liIlios tia luz" (Ef 5.8). Não podemos apoiar, defender ou adotar qualquer coisa que
seja treva. Devemos atentar para o verdadeiro poder que está por trás dos "tronos"
ou adversários de carne e osso de Deus e do seu Reino. Quer seja politicamente
correto ou não, Deus espera que consideremos o mal como mal e o bem como bem.
Não Batalhe com Sua Língua, Batalhe de Joelhos
Quer gostemos ou não da terminologia, estas são "táticas de guerra". A
simples verdade sobre a "guerra espiritual" é que grande parte das batalhas em que
tentamos lutar com nossa língua é melhor travada quando nos colocamos de joelhos.
As maiores batalhas são travadas nas regiões celestiais, e, por definição, a guerra
espiritual é algo espiritual que deve ser vencido na esfera espiritual. Quanto à língua,
ela é como uma espada de dois gumes. Pode não pesar muito, mas poucas pessoas
conseguem segurá-la (inclusive a maioria dos cristãos). Normalmente, acabamos
causando mais prejuízo do que fazendo o bem, uma vez que nossa língua não tem
freios.
A GUERRA ESPIRITUAL É ALGO ESPIRITUAL QUE DEVE SER VENCIDO
NA ESFERA ESPIRITUAL.
Embora um perdedor cuja existência inteira fosse corrompida pelo orgulho,
Satanás ainda tem traços suficientes de beleza, luz e inteligência angelical para
transformar-se em um anjo de luz quando necessário5. Ele é um ser tão
brilhantemente estúpido quanto sedutoramente belo, e esta combinação de
características tornam Satanás especialmente perigoso para o cristão ignorante e
"parcialmente informado". Satanás ainda sabe como os anjos devem agir e, muitas
vezes, pode enganar aqueles que não conseguem "manejar corretamente a palavra
da verdade6“. Algumas pessoas perguntam-se por que Satanás não aparece com
maior freqüência no Antigo Testamento. De acordo com uma estimativa, Satanás ou
Lúcifer aparece somente 15 vezes em apenas quatro dos 39 livros do Antigo
Testamento; já os quatro Evangelhos sozinhos mencionam Satanás, o diabo ou os
espíritos do mal, pelo menos, 61 vezes7.Por quê?
Quando Jesus, a Luz do mundo, apareceu, sua intensa luz iluminou as trevas
e expôs a velha serpente pelo que ela era. O Senhor estabeleceu a Igreja sobre um
monte para que fosse a luz do mundo após sua ressurreição e ordenou-nos a fazer o
que Ele fez: revelar e destruir as obras do diabo.
42
O diabo pode ser muito falaz. Sabemos que ele pode aparecer como um anjo
de luz. É quase certo que ele não aparecerá vestido de vermelho, com chifres e um
tridente na mão. Seria extremamente fácil reconhecê-lo. Ele prefere aproximar-se de
nós usando vários disfarces. Nosso amor por "estereótipos e suposições" sobre o
inimigo é outro ponto fraco que ele usa contra nós.
Algumas Pessoas Já Propiciam "o Ambiente Certo" para Satanás Muitos
cristãos enganam-se quando admitem que Satanás somente aparece em bares
sujos, bocas de crack ou casas de má reputação. Na realidade, ele já "possui" esses
lugares, por isso eles não exigem sua atenção particular. É mais provável que ele
seja encontrado com maior freqüência escondido atrás dos bancos da casa de Deus,
próximo a pessoas que já propiciam "o ambiente certo" para a rebelião, o ciúme, o
ressentimento ou a falta de perdão em seu coração. Contudo, ele não possui esta
casa, mas tem buscado apropriar-se dela desde o início dos tempos.

5. Veja 2 Corintios 11.14.


6. Veja 2 Timóteo 2.15.
7. Os números citados estão baseados em uma pesquisa da New Kingjames Version ojthe Bible, que
utiliza o soítware "QuickVerse 4.0" da Bíblia de Parson usando os parâmetros especificados.

Satanás tem uma capacidade especial de infiltrarem-se em áreas de beleza e


criatividade, tais como as artes visuais, a música e a literatura. Satanás não é criativo
porque perdeu toda a sua criatividade no dia em que seu relacionamento com o Deus
da criação (e da criatividade) foi rompido. No entanto, ele ainda pode reconhecer a
criatividade na raça humana, e é rápido para acrescentar o poder demoníaco à
capacidade humana pelo preço de uma alma e o direito de corrompê-la para cumprir
seus propósitos. Esta é a razão pela qual parte do material que leva o rótulo de
"literatura de qualidade" hoje não passa de uma leitura pornográfica e obscena.
O inimigo é esperto o bastante para ajudar seres humanos ingênuos a
expressar seus pensamentos distorcidos de modo a enquadrar-se dentro dos míni-
mos critérios da "arte". Ele sabe como combinar uma linguagem corporal sensual,
ritmos quentes e letras obscenas para seduzir o coração humano e conquistar toda a
recompensa que o mundo tem a oferecer! É triste, mas é verdade: Somos facilmente
seduzidos pela beleza e enganados pelo poder que está por trás do trono.
"O Diabo Veio Parar Bem no Meio do Meu Coro!”
Onde Satanás concentra mais seus esforços? Se você fizer tal pergunta a
qualquer líder experiente da igreja, é quase certo que ele responderá: "No ministério
de música da igreja." Satanás odeia a unção que Deus derrama sobre a música e a
adoração mais do que qualquer outra coisa. Atribui-se a Martinho Lutero, o clérigo
que fez nascer a Reforma, a seguinte declaração: "Quando o diabo caiu do céu, ele
veio parar bem no meio do meu coro"! Satanás tem como alvo a música e a
adoração acima de todas as outras coisas porque ambas costumavam ser sua
unção. Ele não consegue suportar a idéia de que o ministério e a unção que perdeu
por causa de sua rebeldia tenham sido dados a nós! Que guardemos este fato sobre
a música e a adoração ungida em nosso coração e mente: Satanás odeia este fato, o
despreza e procura destruí-lo a qualquer preço.
É compreensível o ódio de Satanás pela unção na adoração, mas por que
todo este rebuliço? Ele não pode impedir a adoração no céu, pode? Todos ouvimos
pessoas falar ou mesmo pregar sobre o louvor dos anjos no céu, mas o que as
Escrituras dizem? Dizem que os anjos cantaram na criação e profetizam que eles
louvarão na eternidade depois que os santos se reuniram em voltado trono. No
entanto, não há registro bíblico do louvor dos anjos entre esses dois momentos!

43
Inúmeros cânticos de Natal e obras clássicas edificantes vêm à mente para
negar esta afirmação; entretanto, devemos examinar com cuidado as passagens
bíblicas que descrevem o nascimento de Jesus. Observe a noite de Natal ou
passagem de louvor de todos no Evangelho de Lucas:
De repente, uma grande multidão do exército celestial apareceu com o anjo,
louvando a Deus e dizendo: "Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos
homens aos quais ele concede o seu favor" (Lc 2.13,14, ênfase do autor).
A Bíblia diz que os anjos "disseram" (mas não diz que eles "louvaram"): "Glória
a Deus nas alturas...". Se os anjos do céu fossem divididos em três partes abaixo
dos arcanjos de acordo com suas obrigações, então a terça parte dos anjos que
seguiram Satanás em sua rebelião provavelmente era formada por anjos adoradores!
Restaram dois terços dos anjos que permaneceram fiéis ao Senhor. Portanto,
lembre-se de que o anjo que está a seu lado já disse "não" para o diabo!
Deus Está Levantando Seu Próprio Time de Adoradores!
Ao expulsar Satanás e suas hostes, Deus também estava repudiando o time
de adoradores angelicais. Como sempre, Deus já tinha um plano para um time
substituto superior que refletiria sua sabedoria e glória de um modo que nenhuma
criatura jamais poderia imaginar. Ele levantaria um time de adoradores que iria louvá-
lo com espontaneidade ao mesmo tempo em que usaria as vestes de linho branco,
do coro dos remidos, salpicadas com o sangue carmesim de seu Redentor!
Não é triste que, na igreja, muitas vezes, briguemos por aquilo que é o mais
importante para Deus? Mais uma vez, falamos sobre a adoração. Deus ama a
adoração. Ela é a coisa que o atrai à nossa reunião mais do que qualquer outra.
Quando quis ouvir uma música no início do primeiro século de nossa era, Deus teve
de invadir um cárcere em Filipos para ouvir os sussurros de dois pregadores
torturados. Seu entusiasmo foi tanto que Ele bateu levemente os pés e acabou
provocando um enorme terremoto! 8 Se desejam ouvir uma música hoje, Deus vai à
igreja. Não podemos deixar que a corrupção que arrancou a adoração do céu se
introduza em nossa adoração hoje! Satanás sabe disso; assim, fará qualquer coisa
que estiver ao seu alcance para distrair-nos da adoração e incitar-nos a criticar e
promover a dissensão. Os Evangelhos contam a história de um homem em Gadara,
com uma legião de demônios, que, no mesmo instante, veio até Jesus quando seus
pés ungidos tocaram a praia daquela região. Ele jamais havia visto Jesus ou ouvido
sobre Ele, mas "algo" o levou ao Mestre.
Quando o endemoninhado viu Jesus "de longe", correu ao encontro do Senhor
tão rápido que se encontrou com Jesus "logo" depois de ele ter chegado! Esse
homem tinha aproximadamente 2.000 demônios enfurecidos com suas garras presas
à sua alma com o intuito de impedi-lo de reagir à presença de Jesus. (Havia um
número suficiente de demônios para possuir e destruir 2.000 porcos. Talvez alguns
desses porcos tenham sido vítimas de uma "dupla ocupação9"...) Este
endemoninhado estava desesperado à procura de Jesus. É provável que tenha
corrido pelo menos um quilômetro e meio para alcançar Jesus; no entanto, por mais
que esse homem estivesse cheio de demônios assustados e desesperados, ainda
conseguiu ajoelhar-se e adorar a Jesus! Se 2.000 demônios não puderam impedir
um homem de adorar a Jesus, como podemos justificar o fato de permitirmos que
tantas coisas sem importância impeçam-nos de adorá-lo?

8. Veja Atos 16.23-26.


9. Veja Marcos 5.1-13

44
A Vontade Encontrará um Caminho, Mas a Falta de Vontade Encontrará uma
Desculpa
O que é preciso fazer para nos dirigirmos ao Senhor? Será que estamos tão
afastados dele que basta sua presença para nos deixar sem fôlego? A vontade deu a
esse homem endemoninhado e sem salvação o poder de superar a vontade dos
mesmos 2.000 demônios que controlavam sua vida havia anos.
Precisamos saber com que tipo de poder está lidando na esfera demoníaca, e
como ele se compara ao poder de Deus em nossa vida. O conhecimento de Deus
sobre o adversário eliminará todo medo e transformará o modo como lidamos com os
principados e as autoridades demoníacas.
A Bíblia refere-se a Satanás de muitas formas, mas, em todos os casos, sua
posição sofreu uma mudança drástica no dia em que Jesus Cristo ressuscitou dentre
os mortos em completa vitória. O Senhor havia profetizado antes, por intermédio de
Ezequiel, que um dia Ele, em pessoa, destruiria o diabo10. O autor de Hebreus con-
firmou que, por meio de sua própria morte, Jesus cumpriu a profecia divina e destruiu
o diabo, ou "aquele que tem o poder da morte..." (Hb 2.14b).
Antes de morrer na cruz, Jesus chamou Satanás de "o príncipe deste
mundo11". Paulo descreveu Satanás como "o deus desta era" e "o dominador deste
mundo12". Após a morte e a ressurreição de Jesus, o príncipe tornou-se o "ex-
príncipe" de um exército vencido e condenado. As coisas mudaram com a vinda do
Rei dos reis e Senhor dos senhores à terra e com a sua vitória. A batalha está
vencida, a decisão está tomada, e trata-se apenas de uma questão de tempo para
que o Vencedor retorne para todos os que foram presos. Satanás sempre quis ser
rei, mas o máximo que conseguiu foi a posição", respectivamente de príncipe em um
reino que roubou de Adão por meio do engano. Agora, a única coisa que ele
governará na eternidade é um abismo sob o nome de Abadom e Apoliom.13 Você já
ouviu as pessoas falarem: "Fiquei pelejando com o diabo"? Não acredite nisso. É o
mesmo que um soldado que participou da Segunda Guerra Mundial dizer: "Fiquei
lutando com Hitler." Satanás não é onipresente; portanto, ele realiza a maior parte de
suas ações e manobras por meio de subalternos. Isso significa que, quando há
resistência contra o evangelho ou obra de Deus, normalmente estamos pelejando
com espíritos maus inferiores. Existe uma hierarquia distinta de poder nas posições
do inferno. Quando você se levanta no espírito, a dimensão de suas atribuições em
Cristo aumenta e o mesmo acontecerá com o nível ou tamanho das forças
demoníacas despachadas para impedir essa obra.

10. Veja Ezequiel 28.16.


11. Veja João 14.30.
12. Veja 2 Coríntios 4.4 e Efésios 6.12
13. Veja Apocalipse 9.11; 20.1,2

Devemos Ser Competentes em um Nível Antes de Passarmos para o Próximo


Nível
Deus possui toda a sabedoria e exige que sejamos competentes em um nível
de obediência e fé antes de passarmos para o próximo nível. Podemos confiar nos
intentos de Deus que dizem respeito a nós.
Ele disse: “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês,
diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos
de dar-lhes esperança e um futuro” (Jr 29.11).
45
O melhor de tudo é que Jesus prometeu que jamais nos deixaria ou
desobediência e da apatia. O diabo está simplesmente obcecado pelo desejo de
insultar a Noiva de Cristo.
Outro aspecto de Satanás que ele é um perfeito falsário. Paulo falou do
"mistério de Cristo", referindo-se ao plano de Deus, por intermédio de Cristo, de re-
conciliar o povo de todas as raças, tribos e nações com Ele mesmo, quer estes
fossem fisicamente descendentes de Abraão ou não.14 Satanás, o falsário,
respondeu com "o mistério da iniqüidade (ou ilegalidade)", que é simplesmente a
edificação de uma falsa igreja edificada com "poder, com sinais e com maravilhas
enganadoras" lado a lado com a verdadeira Igreja de Deus. Isto é o melhor que o
autor da confusão pôde fazer.15 A "igreja" religiosa da abandonaria.16 A verdadeira
guerra de Satanás é com Deus; não somos o alvo principal de seus planos. Ele ataca
o povo e os propósitos de Deus na terra porque não tem poder para fazer mal a
Deus. Ele se põe a ferir Deus ferindo o povo de Deus e levando-o a desapontar o
Senhor por meio da falácia de Satanás declara o nome de Deus, mas vive no
pecado, ama o mundo e nega que Deus ou seu povo tem algum poder espiritual
verdadeiro.17 O adversário pode conseguir enganar uma grande parcela do povo na
maioria das vezes, mas Deus conhece aqueles que são dele.
Não abra mão da autoridade que Jesus lhe restituiu na cruz. Tudo que se
perdeu em virtude do pecado de Adão no princípio está à nossa disposição em Jesus
Cristo, o "segundo Adão" e o Senhor da glória. A Bíblia diz: "O reino do mundo se
tornou de nosso Senhor e do seu Cristo..." (Ap 11.15b). O conhecimento da glória
de Deus cobrirá a terra como as águas cobrem o mar.18 Que dia será aquele!
Satanás e no momento, o príncipe e a autoridade do ar; a Bíblia diz que ele é
senhor/deus deste mundo. Também é Belzebu, senhor das moscas. Pense nos luga-
res em que as moscas se juntam - lugares onde há coisas podres e lixo. Por fim, ele
será lançado em um abismo. Seu reino está em "queda livre" - com o poder em
baixa, enquanto o Reino de Cristo está em ascensão. Não acumule coisas no reino
errado!
14. Veja Hebreus 13.5b.
15. Veja Efésios 3.3,4.
16. Veja 2 Tessalonicenses 2.7-9.
17. Veja 2 Timóteo 3.1-9
18. Veja Habacuque 2.14

O diabo ainda está operando como o príncipe da potestade do ar. Aos olhos dos não-
redimidos, ele ainda pode atuar como seu deus do prazer e da glorificação do ego.
Entretanto, seu tempo é curto, e seu poder, limitado. Deus tem dado à Igreja
autoridade sobre o "poder que está por trás do trono" neste mundo. Esta é outra
fonte secreta de poder para todo filho da luz e discípulo do Rei dos reis e Senhor dos
senhores.

46
PARTE IV
O Poder do Sangue
Ao comerem, estejam prontos para sair: cinto no lugar, sandálias nos pés e
cajado na mão. Comam apressadamente. Esta é a Páscoa do Senhor. Naquela mesma
noite passarei pelo Egito e matarei todos os primogênitos, tanto dos homens como
dos animais, e executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o Senhor! O
sangue será um sinal para indicar as casas em que vocês estiverem; quando eu vir o
sangue, passarei adiante. A praga de destruição não os atingirá quando eu ferir o
Egito (Êx 12.11-13, ênfase do autor).

CAPÍTULO 6
Purificado e Preservado pelo Sangue Inocente
Nenhuma polêmica na história do homem fica mais intensa do que a
esquentada polêmica sobre o sangue de Cristo. O sangue sempre fez mal àqueles
que têm pecados a encobrir e um desejo rebelde a proteger, mas poucos imaginaram
que se tornaria um caso de ofensa entre tantos nas igrejas dos Estados Unidos e da
Europa! O problema é que o sangue não apenas salva o arrependido, mas ataca e
condena o hostil. Jamais será popular entre os amantes da religião e os que
popularizam a "divindade por meio da mais alta expressão humana e evolução
social".
Muitas igrejas e teólogos respeitados dos "melhores seminários" chegaram à
conclusão de que o sangue estava "não estava com nada" e que era o "evangelho
social fácil, leve e untado de graça" que estava "com tudo" no final da década de
1800. A mensagem do "sangue" simplesmente ofendia os sentimentos de um
número considerável de membros cultos na congregação.
A solução aceita foi trocar a mensagem desconhecida do sangue por
mensagens mais agradáveis que enfocassem os aspectos mais positivos dos
ensinamentos de Jesus. A cruz como um símbolo de bondade era aceitável para
exposição nos altares das igrejas, estantes que serviam de apoio para livros e sinais
da igreja sobre a relva - contanto que ninguém trouxesse à tona os detalhes
sanguinolentos da paixão do Senhor no Calvário.
Não! Devemos ficar assustados com uma igreja sem Cristo, sem cruz e sem
sangue. Esta seria a "igreja perfeita" para Satanás, mas nada faria em favor de
alguém que descendeu de Adão. Quer seja considerado politicamente correto,
socialmente aceitável ou um suicídio ministerial, deve existir um altar que seja
símbolo da morte e do sacrifício cruento da carne, se quisermos salvação e poder.
A maioria de nós não quer morrer, mas a morte é necessária àqueles que
querem viver. O Cordeiro ensangüentado não deixou espaço para discussões ou
auto justificação:
E quem não toma a sua cruz e. não me segue, não é digno de mim. Quem
acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a
encontrará (Mi 10.38,39).
Parece que ficamos com medo de nos tornarmos muito "ensangüentados". Os
líderes da igreja têm comentado entre si: "Se pudermos tratar desta 'coisa de
salvação' sem mencionar o sangue, se pudermos fazê-lo o mais indolor possível,
seremos muito mais populares." Lamento, mas não há como evitar o sangue.

47
Veja também Mateus 16.25, Marcos 8.35 e Lucas 9.24; 17.33

Para Viver, Você Tem de Encontrar um Altar e Morrer


A verdade, como a liberdade, nunca é vencida de forma conclusiva. Ela tem
de ser disputada por gerações posteriores. Não haverá vitória sem guerra. O
caminho da cruz é um caminho de sangue. Devemos nos lembrar de que ele foi um
caminho manchado de sangue antes de tornar-se um caminho de glória. Não,
querido amigo, se quiser viver, você tem de encontrar um altar e morrer. Uma cruz
está à sua espera do outro lado.
A presença do sangue remonta ao momento após a queda de Adão no jardim
do Éden, quando o próprio Deus derramou o primeiro sangue para cobrir o pecado
de Adão e Eva. Ele matou um animal inocente para prover uma veste ou expiação
para Adão e Eva. O sangue do inocente pelo culpado foi necessário. Daquele dia até
hoje, o homem tem tido uma teologia integrada em que, sem o derramamento de
sangue, não há remissão do pecado (veja Hb 9.22).
Deus revelou um novo e indescritível segredo sobre o sangue quando
planejou o êxodo dos filhos de Israel da escravidão do Egito. Ele revelou uma nova
propriedade do sangue dos inocentes na última praga que usou para dobrar a
vontade de Faraó e punir o Egito pelos maus - tratos infligidos à família de José. Este
segredo é à base da observância da Páscoa dos judeus e o fundamento de nossa
salvação em Cristo. As pragas que fizeram o Egito tremer não conseguiram abalar a
obstinada determinação de Faraó de manter os hebreus sob eterna escravidão. Isto
levou o Egito à última e pior praga de todas. O tempo do êxodo de Deus estava
próximo, e a justiça não mais esperaria. O Senhor falou com Moisés e ordenou que
todas as famílias israelitas em Gósen (a desprezada região de pastores habitada por
israelitas) sacrificassem um cordeiro sem defeito e passassem seu sangue com um
feixe de hissopo nas ombreiras e vergas das portas de suas casas. As ordens de
Deus foram simples: Permaneçam em casa e fiquem sob o sangue.2 Deus Disse:
"Quando Eu Vir o Sangue...”
Então, Deus explicou que naquela mesma noite o Anjo da Morte passaria por
toda a terra do Egito para matar os primogênitos de todas as casas. A única coisa
que os salvaria da morte certa era o poder do sangue de um cordeiro.
Então, ele disse: "Quando eu \ir o sangue, passarei adiante..." (Êx 12.13b).
Esta é a origem do termo páscoa. Toda casa que não estava coberta pelo
sangue sofreu a morte de seu primogênito. Não há explicação para isso. A linguagem
humana é insuficiente neste ponto. Entretanto, há algo sobre o sangue do cordeiro
que atrai Deus. Ele o estimula e libera seus maiores pensamentos, emoções e poder.
Se você quer poder com Deus, força para o homem poder contra Satanás, tudo isso
vem pelo sangue do Cordeiro.
2. Veja Êxodo 12.1-22.e

É interessante observar que o Anjo da Morte era um anjo de Deus, mas nem
ele podia atravessar a linha de sangue. Se o anjo de Deus não podia atravessá-la,
quão mais intransponível seria essa barreira para um agente do inferno? Há poder no
sangue.
Verificamos três benefícios específicos propiciados pelo sangue do cordeiro
em Êxodo 12:
1 O sangue os protegeu.

48
2 O sangue os libertou.
3 O sangue os purificou de sua antiga história no Egito.
O Anjo da Morte passou pelos israelitas por causa do sangue aplicado nas
ombreiras e vergas das portas de suas casas. Nada levou Faraó a submeter sua
vontade a Deus até que o sangue foi derramado. O sangue salvou os arrependidos e
condenou os hostis. "Colocou em liberdade os cativos" em uma única noite.
Pelo Sangue, por meio da Água, Sob a Nuvem, Saciados com o Cordeiro
A instrução de Deus incluía o mandamento que dizia que os israelitas deviam
comer todo o cordeiro sacrificado e o pão sem fermento enquanto se preparavam
para o êxodo. Isso significa que os israelitas saíram do Egito pelo sangue, por meio
da água (do mar Vermelho), sob a nuvem (da presença de Deus a guiá-los) e
saciados com o cordeiro que foi morto. Não se engane: A mensagem do capítulo 12
de Êxodo é tão relevante para nós hoje quanto foi para os israelitas há muito tempo.
Se quisermos ser libertos da escravidão do pecado, seremos livres pelo sangue
derramado de Jesus, por meio da água do batismo, sob a nuvem da glória de Deus e
saciados com o Cordeiro cujo corpo foi partido por nós. Há poder no sangue!
O cordeiro sacrificado ainda oferecia a cura sobrenatural e restabelecia a
saúde dos israelitas. A libertação deles prefigurou grande parte daquilo que Cristo fez
na cruz. O salmista declarou que não houve um enfermo entre a multidão de até três
milhões e meio de pessoas 3 ! Pense em uma cidade deste tamanho nos Estados
Unidos sem um único caso de problema na coluna, dor de cabeça, artrite, câncer ou
incapacidade em virtude de membros deformados ou do mau funcionamento de
músculos e sistemas nervosos? Você crê na Bíblia? Quando chegou o momento de
saírem do Egito, todos os descendentes de Abraão saíram da sombra da escravidão
no Egito pelo poder do sangue do cordeiro e seguiram curados e libertos porque
passaram pela porta que levava a marca do sangue.
Você consegue imaginar o que aconteceu quando veio a ordem para os
israelitas se prepararem para sair do Egito? Você não acha que alguém disse: "O
que faremos com o vovô? Ele está tão encurvado que não consegue atravessar a
sala, que dirá sair do Egito”! Neste momento, eles ouviram uma voz em alto tom que
disse: "Estale! Estale! Estale!", e, então, lá vem o vovô andando aprumado e pronto
para partir! Meu amigo há poder no sangue.
3. Veja Salmos 105.37

Os Enfermos Dançaram entre as Ombreiras Manchadas de Sangue


Você pode imaginar o que aconteceu com aqueles que sofriam com membros
atrofiados durante a vida toda? Quando veio a ordem: "Vão!", de repente, eles
sentiram ondas de energia passar por seu corpo, e o poder desceu sobre seus
membros subitamente aprumados e restaurados. De repente, eles foram curados!
Aquelas pessoas não saíram andando do Egito! - elas dançavam pelo caminho entre
as ombreiras molhadas de sangue, rumo à liberdade. Há poder no sangue.
A primeira Páscoa, no Egito, começou com uma estranha ordem do Senhor;
entretanto, algo relacionado ao sacrifício daqueles inocentes cordeiros era tão pre-
cioso para Deus que seu Filho recebeu seu nome de algo que aconteceu lá. A
instrução era matar um cordeiro e aplicar seu sangue derramado nas ombreiras e
vergas da porta de todas as casas. Ao ler as Escrituras, você observará que, se a
família fosse extremamente pequena ou pobre para oferecer um cordeiro, ela poderia
dividir um cordeiro e seu sangue com um vizinho.
Você não se alegra por podermos repartir o Cordeiro? O interessante é que o
inverso não era verdadeiro. Não se exigia que famílias maiores matassem mais cor-

49
deiros - o sangue de um cordeiro era suficiente, quer fosse para cobrir uma família de
cinco ou 50 membros. Um cordeiro era suficiente.
Mesmo antes de sobrevir à última praga com a chegada do Anjo da Morte,
cada uma das pragas enviadas contra o Egito parecia confirmar a presença de uma
divisão não perceptível, invisível, entre o Egito e os filhos de Israel. Quer fossem as
pragas de rãs ou gafanhotos, os egípcios foram assolados enquanto os israelitas per-
maneceram ilesos. Em nenhum momento, esta "linha divisória" ficou mais visível do
que na última noite em que os israelitas passaram sob a escravidão do Egito, à noite
em que o Anjo da Morte foi solto contra aqueles que os mantinham cativos. Embora
os israelitas permanecessem protegidos e seguros sob a proteção do sangue, os
gemidos e gritos de famílias egípcias, cujo coração estava sendo partido, encheram
a terra de fronteira a fronteira. Esta linha divisória é quase inexplicável, exceto pelo
fato de que há poder no sangue.
Aqueles que Mantinham os Israelitas Cativos Viram-nos Espalhar o Sangue nas
Ombreiras de Suas Portas
Até vir a praga, os israelitas provavelmente eram alvos de risos dos egípcios.
Quando o sol se pôs naquele fatídico dia, os egípcios que moravam mais próximos
aos israelitas devem ter dito entre si: "O que aqueles judeus dementes estão
aprontando desta vez?", quando os viram aplicar o sangue nas ombreiras das portas
sob a luz que se desvanecia. Entretanto, séculos de miséria espiritual, física e mental
chegaram ao fim naquela noite. Em uma questão de horas, as portas da prisão abri-
ram-se e gerações nascidas em escravidão foram libertas.
Deus usou uma única palavra para descrever a importância do sangue
daqueles cordeiros no Egito na primeira Páscoa.
Ele disse: "O sangue será um sinal [ou vestígio] para indicar as casas em
que vocês estiverem" (Êx 12.13a).
Um "vestígio" e uma pequena parte, um sinal ou um símbolo de algo muito
maior. Se o menor vestígio do sangue de um cordeiro fez o que fez, o que o
verdadeiro sangue não faz após o Calvário? Deus quer que descubramos.
Será que estamos vivendo sob nosso privilégio? Será que realmente
entendemos quanto o inimigo teme o sangue de Jesus? Quantas vezes encontramo-
nos à mercê do inimigo porque não ativamos o poder do sangue e o usamos pela fé?
Quantos sofrimentos desnecessários padecemos porque não cremos no sangue nem
exercemos a fé no seu poder? Há poder no sangue - se o percebemos e o aplicamos
em nossa vida.
Até o poder da visão altiva do profeta Isaías parecia vir de um altar com um
sacrifício de sangue. O profeta mencionou uma brasa viva de um altar que tinha o
poder de remover a iniqüidade e purificar o pecado. No ano em que o rei Uzias
morreu, Isaías ficou a contemplar o trono vazio do rei quando, ao que parece, ergueu
os olhos e viu um trono mais alto, que jamais ficou vazio. A visão do profeta foi
transportada da terra para as regiões celestiais, e ele declarou: "Eu vi o Senhor
assentado num trono alto e exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo" (Is
6.1b).
Esta também é uma fonte secreta de poder. Cada um de nós deve, antes de
mais nada, ver o Senhor "em um trono alto e exaltado" sobre todos os potentados,
heróis, campeões e tronos da terra. À medida que prendermos nossa atenção e
afeição no Senhor exaltado, algo do céu começará a mudar nossa visão e
transformar nossas palavras.
Enquanto Você Exalta ao Senhor, o Céu é Colocado em Evidência

50
O profeta disse que, quando viu Aquele que estava no trono, os anjos do céu
começaram a agir e um Serafim de seis asas voou até ele. Se você quiser pôr os
principais querubins, o Serafim e todos os outros anjos na hierarquia celestial em
ação, concentre seus olhos no senhorio de Jesus. Enquanto você exalta ao Senhor,
o céu é colocado em evidência. Se quiser que o céu, os anjos e tudo que Deus tem
se movam em sua vida, erga seus olhos e veja o Senhor em um trono alto e
exaltado. Glorifique-o, e o céu irá visitá-lo.
O Serafim que voou até Isaías trazia uma brasa tirada do altar com uma tenaz.
Quando consideramos toda referência e menção bíblica que vincula altares a
iniqüidades e pecados de homens, apenas um tipo de altar parece ter a função de
expiação, ou seja, de remover a iniqüidade e purificar o pecado. Seria possível que
esta brasa viva trazida por um anjo fosse de um eterno altar do sacrifício, de bronze,
um altar eternamente aspergido com o sangue do Cordeiro sacrificai de Deus que foi
morto antes da fundação do mundo?
A Vitória Começa em um Altar de Fogo, Manchado de Sangue
Se este era de fato um altar de bronze (literal ou figurativamente), então era
um altar onde o sangue respingava sobre as brasas ardentes, porque se tratava de
um altar de sacrifício cruento. A vitória começa em um altar de fogo, manchado de
sangue. Ainda que você veja o Senhor em um trono alto e exaltado, deve também
ver o sangue e o fogo do altar do sacrifício.
Você pode ou não concordar com esta interpretação da visão de Isaías, mas
Deus não desperdiça palavras. Em seu plano divino, sem o derramamento de san-
gue não há remissão (veja Hb 9.22). Isaías clamou em uma confissão visível de
pecados, temendo por sua vida porque sua carne não-redimida havia visto a glória
do Senhor. Precisava que seus pecados fossem removidos, e sua indignidade,
coberta. Necessitava do sangue de alguma forma, e talvez a brasa do altar fosse
uma brasa manchada de sangue de valor inestimável.
Talvez esta explicação não lhe seja satisfatória, mas temos de concordar que
é perigoso para os homens chegar ao fogo antes de chegar ao sangue. De acordo
com o livro de Levítico, os sacerdotes do Antigo Testamento tinham de tirar o
excesso de sangue de certos sacrifícios de animais antes de arrastarem a carcaça
do animal pelo altar. Mais uma vez, é possível que nos sintamos ofendidos, mas já
fomos longe demais para voltarmos atrás. Os sacerdotes, embora vestidos de
branco, tinham de manchar de sangue aquele altar de cima a baixo e em todos os
lados antes de acenderem o fogo. Ofensiva ou não, esta é a mensagem alto e bom
som para todo cristão ou igreja que busca com sinceridade o reavivamento hoje: Não
há atalho em torno do Calvário que leve ao Cenáculo.
NÃO HÁ ATALHO EM TORNO DO CALVÁRIO QUE LEVE AO CENÁCULO.
O apóstolo Paulo deixa para cada um de nós esta ordem: "Portanto, irmão,
roga-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo,
santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês" (Rm 12.1). É preciso
que o eu seja queimado. A oferta viva deve ser colocada sobre um altar de fogo e
presa ali, sem ter como fugir. A mensagem de Deus sempre foi uma mensagem de
sangue, em primeiro lugar, e depois de fogo. Esta é a ordem divina de progressão.
Você jamais terá êxito, a menos que, primeiro, manche de sangue, em algum lugar, o
altar. Apresente sua carne diante de Deus e faça uma viagem pessoal em direção ao
Calvário. Identifique-se com o Cordeiro de Deus que lá morreu.
Considere revelado o princípio do milagre no modo como os sacerdotes
certificavam a cura de leprosos entre os israelitas. Quando finalmente era purificado,
o leproso tinha de ir ao sacerdote elevar com ele dois pássaros. O sacerdote

51
despejava água em uma bacia, matava um dos pássaros e deixava que o sangue da
ave se misturasse à água. Em seguida, amarrava o pássaro vivo a um pedaço de
madeira e a um feixe de isopor, usando um pedaço de linha vermelha. Por fim, o
pássaro vivo era imerso ou "batizado" no sangue e na água pelas "mãos firmes da
lei" representadas pelo sacerdote.
Liberto pela Morte de Outro
No mesmo instante, o pássaro trêmulo e assustado era levado para um campo
aberto onde era libertado tudo isso por causa da madeira, do isopor, da linha
escarlate, do sangue e da água. O pássaro era libertado por causa da morte de outro
pássaro de sua espécie. Ficava livre das garras da escravidão e da Lei.
A água é parte da liberdade. No passado, estávamos presos e amarrados
pelas garras do pecado e do árduo trabalho eclesiástico. Não tínhamos esperança,
até que o sangue, a água e um Substituto revogaram nossa sentença de morte. Não
foi por acaso que, no momento em que um soldado perfurou um dos lados de Jesus
na cruz, uma mistura de sangue e água apareceu.
Embora estivéssemos trêmulos e assustados nas mãos da Lei, cada um de
nós pode dizer com segurança: "Com um velho pedaço de madeira do Calvário, com
a linha escarlate do meu pecado e culpa, com o isopor de minha purificação, e ainda
jorrando o sangue e a água de meu batismo do lado de Cristo, fui levado para um
campo aberto e libertado!" Por uma boa razão, o Cordeiro de Deus declarou:
"Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres" (Jo 8.36).
Aqueles que querem acender suas chamas na casa de Deus devem lembrar
que toda chama do tabernáculo dos antigos tinha de ser acesa com o jogo do altar
de bronze ou manchado de sangue. Do contrário, era "fogo estranho", e fogo
estranho é mais perigoso para o homem do que a falta de fogo. Certifique-se de que
não está acendendo suas chamas sobre outra coisa que não seja o altar manchado
de sangue do Calvário. Não aceite nada que não seja o poder do sangue em sua
vida!
O sangue de Cristo é vital para a vida e vitalidade da Igreja. Simplesmente não
podemos permitir que sejamos "melindrosos" ou "civilizados" quando o assunto é o
sangue. O autor de Hebreus exclamou: "Quanto mais o sangue de Cristo, que
pelo Espírito eterno se ofereceu de forma imaculada a Deus, purificará a nossa
consciência de atos que levam à morte, para que sirvamos ao Deus vivo!" (Hb
9.14).
Tome o Caminho Manchado de Sangue que Leva ao Propiciatório
Somente o sangue de Cristo pode purificar-nos de "atos da carne que levam à
morte". Este sentimento de estagnação em nossa vida e obra cristã poderia ser con-
seqüência de nossa falta de conhecimento sobre o caminho manchado de sangue
que leva ao propiciatório? Confie na Palavra de Deus. Você irá com entusiasmo a
Cristo se permitir que o sangue dele remova aquela velha insensibilidade e
estagnação. Quando encher-se do sangue do Cordeiro, você finalmente será como o
pequeno pássaro que se livrou da escravidão e da morte para experimentar a
verdadeira liberdade.
É tempo de encontrarmos um lugar no altar manchado de sangue e
identificarmos-nos com o Cordeiro de Deus. É aqui que renovaremos nossa
experiência com Ele em oração. As orações são respondidas por meio do sangue.
Ele ainda pode destruir pragas, deter demônios e colocar uma linha divisória entre o
santo e o profano, o contrito e o orgulhoso.
Devemos acabar com as pragas criadas por nossas murmurações e letargia,
por nossos caminhos obstinados e falta de interesse. É tempo de morrermos para o
52
eu e vivermos em Cristo; é tempo de sermos batizados no sangue purificador de
Cristo e na água do Espírito Santo em um antigo altar da oração. Devemos peregri-
nar até a cruz e dizer diante do Senhor: "Eu aceito tudo que seja de Deus. Renego
tudo que não seja de Deus. Coloco todas as coisas sob o sangue do Senhor Jesus
Cristo.”
O autor de Hebreus declarou:
Portanto, irmão, tem plena confiança para entrar no Santo dos Santos
pelo sangue de Jesus, por um novo e vivo caminho que ele nos abriu por meio
do véu, isto é, do seu corpo. Temos, pois, um grande sacerdote sobre a casa
de Deus. Sendo assim, aproximemos-nos de Deus com um coração sincero e
com plena convicção de/é, tendo os corações aspergidos para nos purificar de
uma consciência culpada, c lendo os nossos corpos lavados com água pura (I
Ih. 10.1-22, ênfase do autor).
O caminho do sangue, a passagem da cruz, não é um caminho sem vida.
Diferente das igrejas que o homem tem edificado usando o modelo da Lei e os capri-
chos humanos, a verdadeira Igreja não é um caminho de exigências penosas e
tradições. O Cordeiro foi morto, o sangue foi derramado, e o "véu" da carne de Cristo
foi rasgado.
Foi-nos dito que, quando Jesus morreu, o véu do templo rasgou-se ou partiu-
se para permitir a entrada de todos no Santo dos Santos. Um estudo meticuloso
sobre os utensílios do tabernáculo revela que eles sempre foram descritos do Santo
dos Santos para fora. É possível que este seja um símbolo da vontade de Deus de
alcançar a humanidade, e não de a humanidade alcançar Deus?
Talvez o sacrifício cruento de Cristo no Calvário não tenha sido tanto uma
forma de abrir o Santo dos Santos para todos quanto uma maneira de Deus dizer:
"Deixe-me sair desta pequena caixa religiosa. Deixe-me ir até onde o povo está. Não
tenho mais satisfação na adoração e comunhão íntima de um único homem uma vez
por ano. Estou atrás de um povo, um reino de reis e sacerdotes...". Talvez esta seja
a razão pela qual o livro de Apocalipse fale desta forma sobre Jesus Cristo, o
Cordeiro:
Foste morto, e com teu sangue compraste para Deus gente de toda tribo,
língua, povo e nação. Tu os constituíste reino e sacerdotes para o nosso Deus,
e eles reinarão sobre a terra (Ap 5.9b,10).
O lado ferido de Jesus está aberto. O sangue e a água vazaram, e você tem
um convite para caminhar pela ferida até chegar ao coração de Deus.
Ser do Mesmo Sangue Foi Algo que Agraciou a Entrada Dele...
Há cerca de 20 anos, uma reunião muito importante foi convocada na sala de
diretoria de uma grande organização eclesiástica. As questões em pauta eram vitais,
e as discussões, estritamente confidenciais. O presidente do conselho explicava
alguns pontos importantes quando, no meio do processo, a porta que levava à sala,
de repente, se abriu.
Como isto poderia ter acontecido? Quem quer que fosse, essa pessoa teve de
passar pelo obstáculo de uma secretária experiente e um assistente administrativo
controlador, atravessar duas portas e subir um lance de escadas para chegar à sala
de reunião. A secretária não havia interrompido a reunião pelo telefone, nem o as-
sistente administrativo havia entrado na sala para pedir autorização para esta
intrusão.
Quando a porta se abriu, todo o olhar voltou-se para uma criança de quatro
anos que, com confiança, atravessou a sala, ignorando por completo o rosto de
53
todos, exceto o de um homem. Quando os pequenos braços ergueram-se, o
presidente rapidamente segurou seu neto nos braços e deu-lhe o abraço que ele
esperava. Quando soube que seu "vovô" estava lá em cima em uma reunião, esse
garotinho apertou os passos, passando por todos os obstáculos. Você sabe o que
aconteceu? A reunião foi interrompida, e o avô deu-lhe toda a atenção. Ser do
mesmo sangue algo que agraciou a entrada dele. As demais coisas passaram a ser
secundárias em termos de importância no momento em que o neto do autor, Shane,
recebeu seu abraço.
Não importa o que Deus esteja realizando - regendo o universo, sustentando
as estrelas ou pintando galáxias; contudo, quando um de seus filhos lavados no san-
gue abre a porta que leva à sala do trono para conversar com o Papai, os anjos
abrem caminho. Ele nos reconhece como seus filhos e tem-nos dado o direito
conquistado com o sangue de andar pela ferida do Cordeiro em direção ao seu
coração. Que fonte maior de poder poderíamos pedir?

CAPITULO 7
Munido com o Sangue do Cordeiro
Há poder no sangue do Cordeiro; entretanto, esse poder torna-se inútil se não
nos valermos dele. Nosso conceito do sangue não pode estritamente tornar-se uma
posição teológica. Satanás não tem medo de teologia e menos medo ainda de
teólogos - a menos que estes sejam lavados no sangue e saibam como usar o
sangue de Cristo como uma arma.
A vida está no sangue. Tudo aquilo em que cremos, ensinamos e esperamos
está relacionado com o poder do sangue do Cordeiro, Cristo Jesus. Contudo, não
basta que digamos que cremos no derramamento literal e real do sangue de Jesus e
que sem esse derramamento de sangue não temos esperança. Tudo que temos feito
é assumir uma posição teológica que está firmemente baseada nas Escrituras. Isto é
bom e necessário, mas simplesmente não é suficiente!
Devemos conhecer e experimentar esta verdade no século 21! De algum
modo, esta verdade deve tornar-se uma "paixão do nosso coração" que afete todas
as partes de nossa vida. O sangue de Cristo é mais do que uma parte vital de nossa
salvação. É uma arma destinada a ser usada tanto para a defesa quanto para o
ataque. Precisamos saber como agir, mover-nos e fluir no poder do sangue em
nossa vida diária.
Os israelitas no Egito passaram por uma bela lição prática no poder do sangue
e da proteção de Deus. Em meio à praga após praga, independentemente do caos
que assolara o Egito ou do que traumatizara os egípcios à sua volta, nada poderia
atravessar a linha divisória que protegia o povo de Deus.
No momento, vivemos dias caóticos, marcados por guerras e rumores de
guerras, terremotos, crises econômicas e pragas de toda espécie. Contudo, também
temos uma linha divisória carmesim que separa os remidos dos perdidos. Estamos
"passando" por nossa própria lição prática, se é que temos olhos para ver e ouvidos
para ouvir: Como é maravilhoso saber que nossa vida está escondida com Deus sob
o sangue do Cordeiro.
O Poder do Sangue Vai Além do
O autor de Hebreus declarou: "Segundo a lei, quase todas as coisas são
purificadas com sangue, e sem derramamento de sangue não há perdão" (Hb
9.22).

54
Observe que a passagem não diz "perdão de pecados". O pecado está
definitivamente incluído, mas o poder do sangue não acaba ao tratar do pecado. Ele
purifica quase todas as coisas. Sem derramamento de sangue não há perdão.
Os sacerdotes no Antigo Testamento aspergiam sangue em quase todas as
coisas. O que não era aspergido com sangue era ungido com óleo. Eles tinham total
confiança no poder do sangue para purificação, libertação e proteção. O sangue era
um verdadeiro elemento purificador. Era a chave para a remissão, o perdão e a
liberdade.
Lucas muitas vezes usou o termo perdão em seu Evangelho ou registro das
Boas Novas. De acordo com seu relato, o próprio Jesus chegou à conclusão de que
o perdão tinha de ser parte daquilo que chamamos de "a doutrina do apóstolo" ao
afirmar que "em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de
pecados a todas as nações..." (Lc 24.47).
“Lucas era médico, e o conceito médico de “perdão” significava naquela época
o que significa hoje.” Se alguém com uma malignidade ou enfermidade no corpo
passa por uma melhora significativa em sua condição, diz-se que essa pessoa está
"em remissão". Significa que o processo da doença tem sido controlado ou está
cedendo.
O Sangue Impele as Obras da Carne ao Perdão
O sangue do Cordeiro ataca o pecado e o afugenta. O pecado afasta-se na
presença da purificação com o sangue de Jesus. As obras da carne submetem-se ao
perdão quando o poder do sangue as expulsa. Há uma boa razão para o inimigo
temer o sangue. Até o pecado reconhece o sangue. Os demônios do inferno tremem
e estremecem à menção do sangue do Cordeiro.
Devemos aprender os princípios que levam à liberação do poder do sangue
em nossa vida. Enfrentamos dias de incomparável destino para a Igreja em meio à
incomparável escuridão. Precisamos reconhecer a eficácia ou a força e poder do
sangue em nossos dias.O Senhor disse aos israelitas: "Pois a vida da carne está
no sangue, e eu o dei a vocês para fazerem propiciação por si mesmos no altar;
é o sangue que faz propiciação pela vida" (Lv 17.11). O termo propiciação
significa "cobertura".
O SANGUE DO CORDEIRO VAI ALÉM DE ALGO QUE SIMPLESMENTE NOS
LIBERTA DO PECADO; SEU PODER NOS COBRE E PROTEGE.
O sangue do Cordeiro vai além de algo que simplesmente nos liberta do
pecado; seu poder nos cobre e protege. Mais do que isso, é uma ferramenta e uma
arma que podemos usar para libertar, cobrir e proteger os outros.
Quando falou com Moisés sobre a "linha divisória" ou "divisão" que colocaria
ao redor dos israelitas no Egito, Deus usou um termo muito específico que é im-
portante para que compreendamos o poder do sangue.
Ele disse: "Farei distinção entre o meu povo e o seu" (Êx 8.23a). (A Bíblia
na Linguagem de Hoje diz: "Farei diferença"). O termo hebraico dessa passagem é:
"Trarei redenção entre o meu povo e o seu." O poder do sangue compra-nos e
protege-nos das pragas do diabo.
Eu Clamo pelo Sangue!
Alguns dos antigos que viveram nos primeiros dias do derramamento
pentecostal costumavam freqüente-mente dizer: "Eu clamo pelo sangue! Eu clamo
pelo sangue de Jesus!" Esta poderosa expressão precisa ser restituída ao nosso
vocabulário, uma vez que ainda há poder nesse sangue.

55
Há vários anos, um homem e sua esposa foram vítimas de um gravíssimo
acidente de carro.1 Quando recobrou a consciência, o homem percebeu que sua
esposa estava perdendo muito sangue ao seu lado. Assim que as pessoas
começaram a correr em direção ao carro para ver se poderiam ajudar, ele estendeu
seu braço e impôs a mão sobre sua esposa, que estava literalmente morrendo em
virtude do sangue que se esvaía. Pessoas que não conheciam os caminhos de Deus
aproximavam-se e o ouviam dizer: "Eu clamo pelo sangue. Eu clamo pelo sangue.
Eu clamo pelo sangue”.
Esse homem testifica hoje que o fluir do sangue de Jesus interrompeu o fluxo
de sangue de sua esposa! As pessoas que se aglomeravam ao redor do casal
naquele dia não entendiam o que estava acontecendo, mas os anjos de Deus e o
próprio Todo-Poderoso entendiam o linguajar daquele homem. A vida de ambos foi
poupada porque há poder de cura e libertação no sangue!

1. Este homem é o rev. T. E Tenney, co-autor de Fontes Secretas de Poder e pai de Tommy Tenney.

O mesmo homem servia como Diretor de Missões Internacionais de sua igreja


no final da década de 1960 e 70. Muitas vezes, suas viagens levavam-no para a Ásia
e a África, e ele perceberam que, na ocasião, os estranhos demônios de um país
estrangeiro seguiram-no até sua casa! Ele disse: "Lutei com eles a noite toda, e
havia alguns demônios estranhos. No meio da noite, eles me acordaram. Ouvi meus
filhos acordarem aos prantos por causa de um ataque espiritual de medo e sem
saber por que estavam amedrontados. Eles não sabiam - mas eu sabia - o motivo.
Não que eu fosse um gigante espiritual, mas sabia exatamente o que era aquilo”.
Ele disse que se levantava e atravessava a casa de quarto em quarto, atento
para não deixar escapar "um canto ou brecha" - e clamava pelo sangue de Jesus:
"Eu clamo pelo sangue! Eu clamo pelo sangue!" Ele ordenava em o nome de Jesus e
pelo poder do sangue que todo espírito do mal voltasse para o lugar de onde viera. A
paz de Deus sempre inundava a casa quando as forças do inimigo batiam em
retirada. Este homem era T. E Tenney.
O sangue protege - o sangue purifica - o sangue é vitorioso. Os eventos da
primeira Páscoa evidenciaram que até o Anjo da Morte tem de recuar quando vê o
poder do sangue do Cordeiro.

O Sangue Fala Melhor...


Você sabia que o sangue fala? De acordo com o autor de Hebreus, chegamos
"a Jesus, mediador de uma nova aliança, e ao sangue aspergido [o sangue de
Jesus], que fala melhor do que o sangue de Abel" (Hb 12.24). De acordo com a
Bíblia, o "sangue" a que nos referimos é o sangue de Deus.2 Em outras palavras, o
único sangue que Deus já deixou fluir pelas veias de Jesus Cristo. O poder do
sangue selou a vitória de Cristo no Calvário.
Um agnóstico faria com que acreditássemos que, se Jesus é verdadeiramente
Deus e se Ele morreu, então Deus morreu no Calvário. A objeção é simples: Tudo
que diz respeito a Deus que poderia morrer, morreu no Calvário. Referimo-nos à
carne do Cordeiro morto antes da fundação do mundo.
Devemos ter a fé vital no precioso sangue de Jesus. Não basta simplesmente
repetir a retórica ou dizer as palavras "Eu clamo pelo sangue". É preciso acreditar
que algo acontece quando estas palavras são ditas. "Eu clamo pelo sangue de
Jesus! Ele fala por mim! Ele esbofeteará o diabo por mim.”
56
Quando o inimigo estende sua mão fria e úmida em direção a alguma área de
sua vida, uma voz que não se ouviu lança-se nas trevas de Satanás no momento em
que ele está pronto para agarrar sua presa. "Tire suas mãos de meu filho!" No
mesmo instante, suas garras recuam. Ele diz a si mesmo: "Oh, não! Reconheço essa
voz. É a voz do sangue do Cordeiro. Não posso fazer isto. Posso ficar por aqui, uivar,
espumar pela boca, mentir e tentar assustar este homem, mas não posso colocar
minhas mãos nele. É impossível. Ele está sob o sangue, e eu não posso ir até lá.”

2. Veja Atos 20.28

Por 15 séculos, Israel manteve um santuário que continha uma área especial
chamada Santo dos Santos. Significava morte para qualquer pessoa, exceto o sacer-
dote, que entrasse naquele lugar. Encerrava uma mensagem, que era simples: O
homem não pode viver na presença do Deus todo-poderoso.
Cristo Derramou Seu Sangue por Todos -Até por Aqueles que o Rejeitaram
O próprio Deus mudou este curso ao plantar com firmeza a cruz do Calvário
na base da experiência humana, atracada às necessidades da terra. A cruz apontava
para cima enquanto, na vertical, alcançava os céus. Isto simbolizava o poder da obra
de Cristo na cruz para levar as necessidades da terra ao céu. Jesus foi pendurado
naquele madeiro com um braço ensangüentado estendido a um ladrão, que aceitou
seu convite de perdão e vida eterna. Sem favoritismo, o outro braço ensangüentado
também estava estendido àquele que Jesus sabia que recusaria sua oferta. Isso não
tinha importância para o Redentor; ele derramou seu sangue em favor de todos. Ele
alcança as duas classes de pessoas - aquelas que aceitam e aquelas que rejeitam -
com seus braços de amor e marcados pelas cicatrizes. Ele nos abriu um novo e vivo
caminho onde não havia passagem.
Remova os limites da expiação. Receba o poder do sangue do Filho de Deus.
Ele disse: "Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim"
(Jo 12.32).
Não há coisa alguma que Deus não possa fazer por meio do sangue de Sua
Majestade, o Senhor Jesus Cristo.
O livro de Apocalipse faz a seguinte menção: "...da grande cidade, que
figuradamente é chamada Sodoma e Egito, onde também foi crucificado com o
seu Senhor" (Ap 11.8). Não, não se trata de um erro de tradução. Sabemos que
Jesus não foi crucificado no Egito nem em Sodoma. Deus mencionou essas cidades
como uma forma de dizer o seguinte: Quando Jesus morreu no Calvário, o poder do
sangue purificou todo o caminho que levava ao primeiro cordeiro pascal que foi morto
no Egito. Esse poder colocou uma cruz ali que proclama sua soberania sobre tudo
aquilo que representa o antigo Egito. O sangue, então, sondou as profundezas do
pecado, mas não conseguiu encontrar um lugar tão baixo para fluir quanto Sodoma.
Então, Deus disse: "Colocarei uma cruz até naquela maldita cloaca de iniqüidade e
devassidão. Sim, 'o sangue pode cuidar até disso.”
Remova os limites da expiação. Paulo deu nome a quase todas as coisas no
catálogo do pecado em sua carta aos coríntios quando escreveu:
Nem imorais, nem idolatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos
ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores,
nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. Assim foram alguns de vocês. Mas
vocês foram lavados, foram santifica aos, foram justificados no nome do
Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus (1 Co 6.9b-ll, ênfase do autor).

57
Quando o apóstolo disse: "Assim foram alguns de vocês", a mensagem era simples:
Vocês eram todas estas coisas, mas foram lavados no sangue de um Cordeiro
imaculado. Vocês foram separados, guardados, e se acertaram com Deus no nome
de Jesus e pelo Espírito de nosso Deus. Graças a Deus pelo sangue!
Há Poder no Sangue
Recapitule esta breve avaliação sobre o sangue na Bíblia e lembre-se que há
poder no sangue:
1 É o sangue que faz a expiação (veja Lv 17.11).
2 É o sangue que faz com que o juízo, a morte e a adversidade passem
adiante. (A promessa de Êx 12.13 é: "Quando eu vir o sangue, passarei adiante.")
3 O sangue pôs fim ao seu exílio e constantemente leva você para perto de
Deus (veja Ef 2.17).
4 O sangue lhe dá ousadia para entrar no Santo dos Santos (veja Hb 10.19).
5 Foi o precioso sangue de Jesus que o remiu (veja 1 Pe 1.18,19).
6 O sangue de Jesus Cristo o purifica de todo pecado (veja 1 Jo 1.7).
7 É pelo sangue do Cordeiro que você se torna um vencedor (veja Ap 12.11)!
Obrigado, Deus, pelo sangue! Ele protege, liberta e purifica. Se você está
deprimido, clame pelo sangue. Se está doente, clame pelo sangue. Se está com
medo, clame pelo sangue. Em nome de Jesus, que você esteja sob o poder
libertador do sangue do Cordeiro!

58
PARTE V
O Poder da Renúncia
Certo dia, sendo Moisés já adulto, foi ao lugar onde estavam os seus irmãos
hebreus e descobriu como era pesado o trabalho que realizavam. Viu também um
egípcio espancar um dos hebreus. Correu a olhar por todos os lados e, não vendo
ninguém, matou o egípcio e o escondeu na areia. No dia seguinte saiu e viu dois
hebreus brigando. Então perguntou ao agressor: "Por que você está espancando o
seu companheiro?" O homem respondeu: "Quem o nomeou líder e juiz sobre nós ?
Quer matar-me como matou o egípcio?" Moisés teve medo e pensou: "Com certeza
tudo já joi descoberto!" (Êx 2.11-14).
Moisés respondeu: "E se eles não acreditarem em mim nem quiserem me ouvir
e disserem: 'O Senhor não lhe apareceu'?" Então o Senhor lhe perguntou: "Que é isso
em sua mão?" "Uma vara", respondeu ele. Disse o Senhor: "Jogue-a ao chão". Moisés
jogou-a, e ela se transformou numa serpente. Moisés fugiu dela, mas o Senhor lhe
disse: "Estenda a mão e pegue-a pela cauda". Moisés estendeu a mão, pegou a
serpente e esta se transformou numa vara em sua mão. E disse o Senhor: "Isso é para
que eles acreditem que o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de
Isaque, o Deus de Jacó, apareceu a você". Disse-lhe mais o Senhor: "Coloque a
mão no peito". Moisés obedeceu e, quando a retirou, ela estava leprosa;
parecia neve. Ordenou-lhe depois: "Agora, coloque de novo a mão no peito". Moisés
tornou a pôr a mão no peito e, quando a tirou, ela estava novamente como o restante
da sua pele (Êx 4.1-7, ênfase do autor).

CAPÍTULO 8
Entregue-se ao Processo de Deus
Quando decidiu revelar outra faceta de sua divindade a Abraão e seu filho
Isaque, Deus o fez ao mesmo tempo em que os conduziu a um processo divino de
preparação que chamaremos de "renúncia". Este é o processo que envolve
libertação, entrega, resignação, rendição, concessão, renúncia e entrega total de
algo.
Há poder na renúncia, mas, por vezes, o processo não é muito divertido. A
renúncia levou Isaque às encostas do monte Moriá e fez com que ficasse amarrado a
um altar como um cordeiro levado ao matadouro. Isaque estava ansioso por saber se
viveria para ver o pôr-do-sol e, provavelmente, queria saber por que aquilo estava
acontecendo com ele. A situação toda era um resultado de algo que nada tinha a ver
com ele! Isaque não sabia até o momento que papel desempenharia nos propósitos
de Deus; por isso, tudo que podia jazer era entregar-se ao processo.
Abraão também não entendia o que estava acontecendo. O pedido de Deus
para que sacrificasse Isaque nada tinha a ver com o Deus que conhecera no
passado. Tudo que Abraão podia fazer era entregar seu filho e confiar em Deus. Pela
fé, ele deve ter dito: "Senhor, se eu matar Isaque, sei que tu és capaz de ressuscitá-
lo dos mortos. Tua palavra é verdadeira, e tu me prometeste que de mim nasceria
uma poderosa nação." Você consegue imaginar o fardo que Abraão levou ao subir
aquele monte?
Moisés também poderia nos falar sobre a renúncia. Sabia que Deus o havia
chamado para libertar os filhos de Israel; mas queria fazê-lo à sua própria maneira.
Usava as vestes de um príncipe do Egito quando saiu a passear e deparou-se com
uma oportunidade. Viu um egípcio surrando um escravo hebreu e, como libertador,
Moisés chegou à conclusão de que era tempo de enfrentar a urgência da situação e

59
tomar as coisas em suas próprias mãos. No final da história, um homem foi morto.
Este era o modo egípcio.
Deus Permitirá que Você Faça as Coisas à Sua Maneira (e Permitirá que Pague
por Isso)
Moisés estava prestes a aprender que Deus não usaria um servo voluntarioso.
Se você deseja algo terrível que Deus lhe tem negado, então Deus permitirá que
você o tenha. Ele não pelejará com você para que abra mão de sua vontade. Se
você quer manejar as coisas por si mesmo e fazê-las à sua maneira, Deus permitirá
que assim o faça. Ele dará um passo atrás e dirá: "Tudo bem, vá em frente." Os
israelitas descobriram o caminho difícil:
Mas logo se esqueceram do que ele tinha jeito e não esperaram para
saber o seu plano. Dominados pela gula no deserto, puseram Deus à prova nas
regiões áridas. Deu-lhes o que pediram, mas mandou sobre eles uma doença
terrível (SI 106.13-15, ênfase do autor).
O "modo egípcio" de Moisés nunca é o que Deus tem em mente. A Bíblia diz
que Moisés "olhou para um lado e para o outro" antes de assassinar o egípcio.1 O
que faltou a Moisés foi olhar para cima! Ele queria saber se os homens estavam
observando e, obviamente, não se preocupou com o fato de que Deus estava a
observar. Deus disse: "Tudo bem, Moisés. A primeira coisa que tenho a ensinar-lhe é
onde buscar as ordens. Neste caso, você não ficará tão interessado na resposta do
público. Pouco importa se alguém está a observar.”
Moisés provavelmente pensou que havia feito algo bom. Afinal, ele salvara um
israelita. Talvez até tenha dito a si mesmo: "Um já se foi; que venham dez milhões."
Em seguida, cavou um pequeno buraco e enterrou seu erro na areia.
Não muitos dias se passaram até que Deus abertamente expôs as obras da
carne de Moisés e as tornou conhecidas. Uma vez fora da vontade de Deus, Moisés
nem mesmo conseguiu manter um egípcio escondido na areia. Quando voltou afazer
a vontade de Deus, no entanto, ele foi capaz de enterrar todo o exército de Faraó no
leito do mar Vermelho! Moisés tentou resolver um problema de uma vez, mas não o
fez no tempo nem do modo de Deus. Deus tinha um plano melhor, um tempo melhor
e um modo melhor
Você Tem o Diploma de N. S. N.?
Moisés, o príncipe do Egito, pensou que se tornaria um missionário, mas, em vez
disso, tornou-se um assassino. De pronto, tornou-se um fugitivo sem uma casa. O
homem com doutorado em egiptologia teve os ossos errados desenterrados (do
homem que matara) e viu-se do outro lado de um deserto tentando conseguir seu di-
ploma de N. S. N. ("Não Seja Nada"). Moisés estava no início do processo de
renúncia!
Nesta fase de sua vida, Moisés era um homem que estava "completamente cheio
de si mesmo". É difícil para Deus encher um homem que esteja completamente cheio
de si mesmo. Jamais amadureceremos ou tomaremos posse do poder que há em
Deus a menos que nosso eu seja subjugado e estejamos dispostos a entregar tudo á
Deus.
Observamos três fases básicas na vida de Moisés:
1 Moisés passou os primeiros 40 anos de sua vida aprendendo a ser um príncipe na
casa de Faraó.
2 Ele passou os 40 anos seguintes aprendendo a ser um pobre.
3 Nos últimos 40 anos de sua vida, Moisés aprendeu a ser um profeta.
60
1. Veja Êxodo 2.12

Algumas pessoas diriam que, nos primeiros 40 anos, Moisés aprendeu algo e,
nos 40 anos seguintes, nada aprendeu. Na realidade, Moisés aprendeu o valor da
humildade na escola da renúncia no deserto. Foi isso que o qualificou para o terceiro
período de 40 anos, quando aprendeu o que Deus poderia fazer com um homem que
aprendera as duas primeiras lições!
Chegará o tempo em que cada um de nós perceberá plenamente que o nosso
eu está para morrer. É aí que o poder da renúncia pode começar a agir em nossa
vida. Uma expressão popular bastante usada, principalmente pelos jovens e pelos
insatisfeitos, é; "Farei algo por minha própria conta." As pessoas normalmente dizem
isto enquanto pensam em talentos específicos, habilidades ou objetivos educacionais
específicos. Elas podem ter objetivos importantes, mas talvez você se surpreenda
em saber que, basicamente, não é isso o que Deus deseja.
PROCURA-SE: Cérebros Batizados
Deus não é contra a instrução formal - Ele pode usar cérebros batizados.
Talvez devêssemos dizer aos jovens: "Receba uma boa instrução e seja um
vencedor." A verdade é que Deus não pode usar sua boa formação educacional
enquanto não "acontecer" algo com você. A menos que o eu esteja sob controle e
Jesus no trono de nossa vida, somos impotentes no que diz respeito ao céu. O poder
no Reino de Deus apenas vem quando há renúncia.
Quando seu eu chega ao fim o final de sua estrada -, você é levado ao jardim
de Deus! Foi o que aconteceu com Moisés. Depois de fazer as coisas "ao seu modo",
Moisés se viu correndo para salvar sua vida como um príncipe exilado do Egito.
Acabou por viver do outro lado do deserto cuidando de ovelhas, por mais que tivesse
sido instruído, como qualquer egípcio, a odiar ovelhas e pastores com o mesmo
entusiasmo. Isso significa que os pecados de Moisés o tiraram da casa de Faraó e o
levaram para o lugar mais baixo de todos. Em outras palavras, Deus estava
esfregando o nariz de Moisés na desordem que ele havia causado.
Deus arrancou Moisés do trono de Faraó e o tirou do meio da fartura e
influência da corte do soberano egípcio. Em seguida, levou-o para o deserto e exigiu
que fizesse a mesma coisa que fora ensinado a odiar. Quando Deus estiver prestes a
cultivar algo em você, não se surpreenda quando Ele lhe apresentar seu único "pro-
cesso de renúncia" como requisito para o êxito.
Por 40 anos, este processo exigiu que Moisés seguisse as ovelhas a balir e
conhecesse todo caminho de volta, fonte e oásis no deserto do Sinai. Ele não perce-
beu, mas o conhecimento e a experiência de que precisaria no futuro para cumprir o
plano de Deus lhe estavam sendo transmitidos. O apóstolo Paulo referiu-se a este
processo quando disse: "... para que, com a consolação que recebemos de Deus,
possamos consolar os que estão passando por tribulações" (2 Co 1.4b).

Prepare-se para Entregar Seu Ontem a Alguém Hoje


Às vezes, passamos por certas experiências não tanto por causa de nós, mas
de outra pessoa. Seu ontem pode ser o hoje de outra pessoa. É possível que Deus o
esteja preparando para suprir o hoje dessa pessoa com suas experiências de ontem.
Isso não significa que você não deva perguntar a si mesmo por que as coisas estão
acontecendo no momento.
Observar o que se passou é uma maneira inestimável de aprender como as
coisas se encaixam no plano de Deus. Não há nada do tipo "inútil ou supérfluo" na
61
economia de Deus. Ele sabe exatamente o que está fazendo. Deus levou Moisés, o
príncipe do Egito e assassino, para o deserto a fim de ensiná-lo a ser um pastor e
libertador. Foi no "deserto da entrega" que Moisés aprendeu muitas coisas de que
necessitava para conduzir Israel pelo Sinai. Moisés não ficou emocionado com a
volta ao Egito e com todas as suas lembranças. Ele queria dar uma festa de piedade,
mas ninguém apareceu senão o diabo. (É isso o que normalmente acontece em
festas de piedade).
Davi também estava acostumado com o processo de renúncia. Foi ele quem
escreveu: "Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte..." (SI 23.4).
Cada um de nós experimentará, algumas vezes, seus próprios vales e sentirá a
sombra fria da morte sobre os ombros. Davi, o mesmo homem que viveu em uma
caverna como um exilado e foragido, e correu para salvar sua vida quando seu
próprio filho fazia planos de matá-lo, tem algumas palavras de sabedoria para nós.
O salmista que suportou décadas de "renúncia", enquanto fugia dos exércitos
de Saul, disse: "Se você estiver no vale da sombra, continue a andar. O que você
precisa é andar continuamente com Deus, ainda que Ele o conduza para o vale
escuro. Não mergulhe nele. Não demore lá. Não arme sua tenda sob esta sombra.
Acima de tudo, não dê uma festa de piedade nesse vale.
Diga "Eis-me Aqui" para Descobrir Quem Você
É Moisés descobriu que o processo de entrega poderia transformar seus
pontos fortes em pontos fracos, e vice-versa. Quando Moisés virou-se para examinar
a sarça ardente no monte Sinai, Deus o chamou do meio da sarça, e Moisés disse:
"Eis-me aqui" (Êx 3.4b). Somente sete versículos depois é que Moisés diz: "Quem
sou eu..." (Êx 4.11b).
Você jamais descobrirá quem você é até que diga a Deus: "Eis-me aqui".
Devemos oferecer-nos, em primeiro lugar. Não é uma boa idéia tentarmos descobrir
a vontade de Deus primeiro e, depois, decidirmos se estamos dispostos ou não.
Devemos oferecer-nos de modo incondicional e simplesmente dizer: "Eis-me aqui".
É isso que significa entregar-se a Ele, e é isso que libera o poder de Deus em nossa
vida.
Deus teve paciência com seu relutante libertador. Moisés não começou
abrindo o mar Vermelho. Teve de começar dando passos curtos e experimentais de
fé para entregar seus temores e tomar posse da capacitação de Deus. "Moisés, o
que tem nas mãos?", perguntou Deus. Sabemos que era apenas uma vara, um
cajado de pastor, uma simples vareta. Contudo, essa vara transformou-se em um
milagre quando Moisés a soltou respondendo à ordem de Deus. Quando a vara
deixou de ser um milagre? O milagre acabou e voltou-se ao natural quando Moisés
tornou a segurá-la. Este é o poder da entrega.
Era costume de um pastor no tempo de Moisés e Davi talhar e gravar suas
experiências ou história pessoal no seu cajado. Então, o cajado era passado de
geração em geração como um objeto de herança da família. Quando Deus disse a
Moisés: "Dê-me seu cajado", foi como se ele estivesse dizendo: "Dê-me seu
passado." Ele era o último símbolo de autoridade.
Moisés deixou seu cetro no Egito. Enquanto isso, o cajado era o símbolo de
sua autoridade sobre aquelas ovelhas a balir. Deus agora estava dizendo: "Dê-me
sua autoridade! Jogue-a ao chão também." Moisés poderia ter dito: "Tu já tiraste tudo
de mim. Preciso deste cajado para apoiar-me"; entretanto, ele optou por entregar seu
passado e aceitar a vontade de Deus.
O Senhor diz a cada um de nós: "Largue seu cajado, se deseja ser o que
quero que você seja." É nesses momentos que descobrimos o poder da entrega.
62
Somente quando todas as coisas e todos, exceto Deus, se foram é que percebemos
que Deus é suficiente.

Para Subir, É Preciso Descer; Para Viver, É Preciso Morrer


Jesus disse: "Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de
todos" (Mc 9.35b).
Na economia de Deus é assim: Para subir, é preciso descer; para viver, é
preciso morrer. Para receber, é preciso dar, uma vez que as leis do Reino são
inversas às leis deste mundo. De acordo com a lei, na sombra do Egito você deve
agarrar-se e subir, independentemente de quem seja a pessoa em quem esteja
pisando. Essa lei simplesmente não funcionará se você a trouxer para o contexto da
igreja de Cristo você tem de soltar seu cajado.Deus espera que façamos algumas
coisas em favor de nós mesmos, mas, algumas vezes, perdemos o controle e
tentamos fazer tudo em favor de nós mesmos. Devemos substituir nossa resistente
compulsão por fazer coisas em prol de nós mesmos por uma disposição de
"desprender-nos delas". O pecado teve início porque o diabo disse: "Eu quero." A
redenção surgiu porque Jesus disse: "Não seja feita a minha vontade, mas a tua"
(Lc 22.42b).
Paulo sabia como entregar coisas a Deus. Ele disse: "Assim, de boa
vontade, por amor de vocês, gastarei tudo o que tenho e também me
desgastarei pessoalmente. Visto que os amo tanto, devo ser menos amado" (2
Co 12.15). Paulo não estava oferecendo uma coisinha aqui e outra lá, uma coisinha
agora e outra depois. Estava oferecendo tudo que tinha, sem reservas.
Não nos importamos com a parte que envolve "gastar e estar disposto a
gastar". Somente temos problemas quando tornamo-nos a "moeda corrente" e ela
começa "a ser gasta". A renúncia entra em jogo quando Deus começa a tirar e
afastar coisas de você. Paulo, por exemplo, teve de aprender a amar sem ser
amado. Ninguém de nós gosta disso.
Moisés agarrou-se a desculpas para evitar o chamado de Deus quando o
Senhor disse-lhe: "Tudo bem, agora coloque a mão no peito... agora a tire." Moisés
ficou chocado ao ver que sua mão estava leprosa! O que ele havia feito para merecer
isso? Talvez Deus quisesse que Moisés soubesse que ele sabia que havia um
pequeno pecado naquelas mãos. "Agora coloque de novo a mão no peito." Quando
Moisés tornou a tirá-la, sua pele estava perfeitamente limpa e clara novamente.
Deus estava ensinando duas lições a Moisés. Primeiro, qualquer pessoa que
não pode controlar a carne, não pode expulsar o diabo. Você deve saber o que está
em seu coração e manter sua carne limpa por meio do arrependimento e da
obediência. Assim, você conseguirá lidar com o diabo.
A Mão que Controla É Uma Mão Impotente
Moisés, coloque sua mão sobre seu coração. Ele revelará o que está
escondido em suas mãos. A segunda lição era que Deus não pode realizar milagres
por intermédio de uma pessoa que deseja exercer o controle. Deus permite que
Moisés saiba quem está no controle e de onde provém o poder.
Deus tinha a intenção de envergonhar o diabo e humilhar Faraó, mas,
primeiro, tinha de moldar a atitude de Moisés. Você jamais será um sucesso para o
Reino até que se veja como uma ameaça para o inimigo. Somos mais uma ameaça
para ele do que ele pode ser para nós - quando entregamo-nos a Deus.
Você pode ter certeza de que o processo de renúncia e preparação na vida
pode, às vezes, ficar confuso. Moisés tentou tirar os filhos de Israel do Egito, mas as
63
coisas, de repente, tomaram um rumo que levou ao desastre. Ele e os israelitas
acabaram encurralados na margem do mar Vermelho com o furioso exército de
Faraó ao seu encalço. Faraó acabara de deixar o leito de morte de seu primogênito e
havia vingança em seus olhos e violência em seu coração. Sua perseguição ao povo
hebreu era impiedosa, e Moisés sabia que ele estava a caminho.
O povo disse: "Devemos voltar para o Egito.”
Moisés disse: "Fiquem firmes.”
Deus disse: "Sigam avante.”
Algumas vezes, encontramo-nos em uma situação parecida. As pessoas à
nossa volta perguntam: "O que você está fazendo indo nessa direção? Volte para
onde você tinha conforto." Enquanto isso, um líder que você respeita talvez diga:
"Talvez seja melhor você não arredar pé por enquanto. Talvez este não seja o
momento." A única forma de encontrar seu caminho entre opiniões contraditórias é
fazer esta pergunta: O que Deus diz? "Siga avante.”
Não Marque um Encontro com o Poder Enquanto Deixa a Pureza em Casa
Temos o hábito de querer poder sem estender nosso convite à sua irmã
gêmea, a pureza. Você não pode comprar o poder ao preço da pureza. O poder só
está seguro na presença equilibrada da firme pureza. Não julgue coisa alguma antes
do tempo e não corra ao encontro de coisas antes de "ter passado pelas chamas da
pureza". Você não tem de perder sua pureza para intensificar seu poder.
Enquanto seguimos pelo deserto da renúncia, devemos lembrar que a fé é a
moeda corrente do Reino de Deus. Ele não "tem dívida" para conosco; Ele não fica
impressionado com a longevidade de nossas orações, ainda que a oração seja um
pré-requisito para uma caminhada cristã de sucesso. O que move o coração de Deus
é a fé. A consagração não o comove, mesmo que seja algo nobre. Devemos crer que
o poder de Deus antecede o querer de Deus.
Quem Guarda, Chora; Quem Perde, Encontra
Crianças, quando brincam, gostam de dizer: "Quem acha, guarda; quem
perde, chora!" Jesus disse: "Quem perder a vida, a salvará." A lei do Reino de Jesus
é: "Quem guarda, chora; quem perde, acha." O poder da renúncia é liberado quando
você faz a seguinte oração: "Pai, eu te entrego meu ser, minha reputação, minha
educação, meu passado, meu futuro e meu presente. Quero o melhor que tu tens
para mim”.
Você deve continuar a orar até que todos os seus desejos sejam reduzidos a
um único desejo: servir ao Senhor com todo o seu coração, alma e força. Ore até que
seu temor seja reduzido a um único temor: o temor do Senhor. Neste momento, você
experimentará uma maravilhosa liberdade. Quanto "à vara em sua mão", as
ferramentas comuns para o serviço que Deus coloca em sua vida, ela será
transformada na "vara de Deus".
A vara de Moisés era antes um simples bordão de pastor, uma ferramenta
usada para pastorear ovelhas e firmar os passos do pastor em lugares onde o apoio
para os pés era duvidoso. Quando Moisés aprendeu a temer a Deus mais do que ao
homem e a jogar a vara ao chão sob a ordem de Deus, o Senhor tomou posse dela e
a usou para libertar milagrosamente os filhos de Israel de sua escravidão. Deus
busca pessoas comuns que simplesmente se entreguem a ele. É de fato
surpreendente o que Deus fará quando verdadeiramente colocarmos-nos à sua
disposição.
Duas pessoas comuns usadas por Deus no Antigo Testamento participaram
de uma das mais estranhas batalhas já travada na história da humanidade. Quando
64
os homens de Amaleque decidiram criar uma contenda entre Moisés e os israelitas,
Moisés disse a Josué que escolhesse alguns homens e “[lutassem] contra os
amalequitas no dia seguinte". A única certeza que ele deu a Josué foi esta:
"Amanhã tomarei posição no alto da colina, com a vara de Deus em minhas
mãos" (Êx 17.9b). A principal credencial de Josué era a de que ele servia fielmente
a Moisés, como seu assistente.
Enquanto isso, um segundo homem comum chamado Hur subiu a colina com
Moisés e Arão, o sumo sacerdote. Enquanto Moisés erguia a vara de Deus em suas
mãos, Josué e os israelitas venciam. Quando a vara se abaixava, os amalequitas
venciam.
Josué, do campo de batalha, poderia ter erguido os olhos e dito: "Moisés, por
que você não desce aqui e peleja?"; mas não foi o que ele fez. Se tivesse feito isso,
Moisés teria dito: "Estou pelejando aqui. Trata-se apenas de um tipo diferente de
peleja.
Eleve com Fé a Vara que Deus Lhe Concedeu
A mesma coisa poderia ser dita aos santos que, com paciência e fé,
intercedem por várias iniciativas e pessoas no Reino de Deus. Toda vez que oram,
elevam a vara que Deus lhes concedeu, a vara da oração. Eles sabem que Paulo
estava certo - "As armas com as quais lutamos não são humanas..." (2 Co 10.4).
Não importa qual seja a vara que Deus lhe confie, você pode ter certeza de que ela é
uma vara de guerra e de vitória.
Se você não pode ser o líder, então precisa ajudar o líder a ter êxito. Jesus
disse que os maiores líderes no Reino são aqueles que servem. O sucesso de um é
o sucesso de todos no Corpo de Cristo. Quando Moisés não mais conseguia
sustentar a vara de Deus, ele se sentou em uma pedra, e Arão e Hur intervieram
para manter erguidas as mãos de Moisés e a vara de Deus.
Você sabia que este é o único registro de um feito de Hur? Com isso,
descobrimos muitas outras coisas: Os filhos e netos dele foram grandemente usados
no Tabernáculo e ficaram conhecidos por sua fidelidade.2 Lembramos de Hur apenas
como "o homem que sustentou os braços de seu pastor". Contudo, por causa dessa
simples tarefa que ele realizou, legou um espírito aos seus filhos e netos que os
elevou as posições de grande autoridade e responsabilidade. Hur foi fiel ao sustentar
as mãos do homem de Deus que era seu líder. Este espírito de lealdade e apoio foi
transmitido, por intermédio de seus filhos, as pelo menos duas gerações.
Há uma lição a ser aprendida aqui: O processo de entrega sempre parece
exigir que sustentemos as mãos de nosso pastor ou líder. Quer seja chamado para
pregar o evangelho, ensinar na Escola Dominical ou ser uma testemunha real em
seu escritório ou em sua vizinhança, não se surpreenda se Deus pedir-lhe para
renunciar sua vara ou talento pelo tempo suficiente para ajudar seu pastor, fazendo
algo em favor dele que ele simplesmente não tem tempo para fazer. Não continue
pensando: Este não é meu (trabalho... Assim como os discípulos em Atos
designaram outros para servir à mesa a fim de que pudessem se dedicar à oração e
à Palavra, você deve fazer tudo que for possível para desocupar seu pastor para que
ele faça o mesmo.

2. Veja Êxodo 31.2-11, 35.30-35; 1 Reis 4.7,8.

65
CAPITULO 9
Esvazie-se, e Seja Cheio do Poder de Deus
Diz-se que a média de norte-americanos fala nove milhões de palavras por
ano. Cinco milhões delas são as palavras eu, para mim ou meu. Trata-se de uma
surpreendente estatística. Ela nos fala de algo sobre o espírito da era em que
vivemos. É uma era de egoísmo. Toda verdade tem seu paralelo. A solução de Deus
para o egoísmo é a morte do eu. Por que deveríamos ficar surpresos quando Deus
chama líderes egoístas em uma era de egoísmo?
E quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo; como o Filho do
homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em
resgate por muitos (Mt 20.27,28).
Dos discípulos, espera-se que vivam num nível mais profundo de renúncia do
que os novos convertidos. Do mesmo modo, aqueles que conduzem e apascentam
devem entregar-se mais do que se entregaram quando discípulos.
Moisés foi alimentado à mesa de Faraó e estava sujeito às disciplinas da casa
real egípcia. Foi educado instruído em toda a sabedoria e costumes egípcios. Esta
disciplina levou Moisés a um alto nível de realização na sociedade egípcia, porém
isso tinha pouco valor no Reino de Deus. De acordo com o livro de Atos, Moisés foi
"educado em toda a sabedoria dos egípcios e veio a ser poderoso em palavras
e obras" até completar 40 anos, quando decidiu visitar seus irmãos hebreus (At
7.22,23). Passou outros 40 anos no deserto da renúncia antes de estar preparado
para fazer coisas do modo de Deus.
Moisés foi "poderoso em palavras" até completar 40 anos e tentar cumprir seu
destino por sua própria conta. Em seguida, teve um encontro íntimo com Deus que,
ao que parece, deixou-o gago! Algumas vezes, aquilo que consideramos uma
"eloqüência religiosa" é, na realidade, uma "gagueira espiritual", um estorvo para a
verdadeira comunicação com o - e em nome do - Todo-Poderoso.
A EXALTAÇÃO EM UM NÍVEL É HUMILHAÇÃO EM UM NÍVEL SUPERIOR
A exaltação em um nível é humilhação em um nível superior. Este é o poder da
renúncia. Não podemos orar "Venha o teu reino...", a menos que, primeiro, estejamos
dispostos a orar "Foi-se o meu reino..1" Temos uma tendência de apegar-nos ao
"nosso reino" com nossas garras até morrermos, mas precisamos aprender que há
um poder que vem por meio da renúncia.
Deus disse a seu relutante libertador, Moisés: "Quando eu terminar de usá-lo,
os filhos de Israel irão tribular na glória. Não será por causa de sua educação, sua
inteligência ou sua capacidade de falar. Sua capacidade de liderar não receberá todo
o louvor pelo que acontece." Dê honra ao homem, mas a glória pertence unicamente
a Deus.
Deus Jamais Curou Moisés de Sua Gagueira
Deus realizou milagres espantosos por intermédio de Moisés; contudo, até
onde sabemos, jamais o curou de sua gagueira. Algumas vezes, Deus deixará uma
marca em alguma parte de sua vida como um lembrete permanente do tempo e lugar
em que Ele o tocou e o transformou para sempre. Será um lugar onde Deus sempre
poderá segurá-lo.

66
Moisés poderia falar a respeito de sua gagueira, se você fosse paciente em
ouvi-lo. Jacó poderia falar sobre sua coxeadura, mas você seria capaz de notá-la por
si mesmo. O mesmo acontece com o "espinho na carne" de Paulo.
Independentemente da força da crença de Paulo na cura e no poder libertador de
Deus, não temos registro de que ele foi curado ou libertado de seu espinho. Talvez
este tenha sido o meio usado por Deus para chamar a atenção de Paulo. Paulo
coloca a questão nos seguintes termos:
Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações,
foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar.
Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim. Mas ele me disse: "Minha graça é
suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza". Portanto, eu me
gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo
repouse em mim (2 Co 12.7-9, ênfase do autor).
1. Veja Mateus 6.10

Moisés estava no auge de sua carreira. Tinha poder, prestígio, riqueza e


influência na casa real de Faraó. Todavia, tinha um compromisso mais importante e
uma comissão divina vinda da casa real do Deus Altíssimo de Israel. Foi chamado
por Deus para libertar os filhos de Israel da escravidão no Egito, mas, primeiro, teve
de ser libertado de toda sombra de sua antiga casa e transformado de dentro para
fora. Foram necessários 40 anos de pastoreio no deserto como preparação para os
próximos 40 anos na posição de libertador.
Será que Assimilamos as "Sombras Egípcias"?
O profeta Isaías falou daqueles que "confiam na sombra do Egito2". Alguns confiam
no "Egito" para que sejam protegidos de seus inimigos, mas são muito mais
influenciados quando entram em sua sombra. A "sombra do Egito" descrita na Bíblia
abriga-os da plena luz. Podemos assimilar as "sombras do Egito" no sentido, mesmo
que não vivamos como um egípcio. Era isso que Moisés estava fazendo. Esta
"evidência de sombra" é uma parte inevitável do plano de treinamento que ensina a
renúncia a todos aqueles que são chamados a exercer a liderança em qualquer nível
no Reino de Deus.
Quando Moisés jogou ao chão sua velha e favorita vara de pastor, ela se
tornou numa serpente, e ele literalmente fugiu dela.3 As coisas pioraram quando
Deus disse: "Pegue-a pela cauda." Quase todos sabem que isso é uma coisa
estúpida de se fazer porque permite que a "parte eficiente" da cobra fique solta e livre
para agir.
Jogar a vara ao chão é algo que não faz muito sentido, mas pegar a serpente
pela cauda não faz sentido algum! Moisés permanecera no deserto por muito tempo
e sabia reconhecer uma cobra venenosa. Entretanto, Deus lhe disse para pegar a
serpente pela cauda.
Embora Não Possamos "Imaginar" Deus, Devemos Confiar Nele
Durante sua viagem de treinamento pelo deserto da renúncia, você
provavelmente pensará que Deus o está conduzindo para o caminho errado, ou que
Ele está dizendo algo que não faz sentido. As ordens de Deus nem sempre vêm
seguidas de explicações. A questão é que, mesmo quando não somos capazes de
entender o que Deus está fazendo, devemos confiar nele.
Quando Moisés, relutante, pegou a serpente, ela se transformou em uma vara
novamente. A partir desse ponto na narrativa, aquela vara nunca mais é mencionada
como "a vara de Moisés". É mencionada como "a vara de Deus". Uma vez que
Moisés a soltou e a serpente surgiu dela, ela era a vara de Deus. A única coisa na
67
qual Moisés pensou que poderia confiar ao máximo tinha de ser entregue a Deus.
Deus pode despojá-lo de tudo, para permitir que você veja e entenda sua total
dependência dele. É com esta privação, com esta renúncia, que vem o poder. Às
vezes, há coisas às quais gostaríamos de apegar-nos que precisamos renunciar para
que Deus possa remover a serpente delas.
2.Veja Isaías 30.2,3
3.Veja Êxodo 4.3,4

Nossa nação está se conformando rapidamente com a imagem do mundo,


com seus inúmeros deuses e "inúmeros caminhos para a salvação". Os norte-
americanos estão adorando o poder demoníaco, o ocultismo, os prazeres e até a
própria morte. Por mais de uma década, muitos dos principais programas de
televisão e filmes têm notavelmente dado destaque à feitiçaria, ao ocultismo e aos
demônios. Entretanto, o maior de todos os ídolos no cenário norte-americano é a
adoração do homem e do eu.
Deus está à procura de algo ou de alguém para calar estes falsos profetas do
profano. Precisamos de algo que feche a boca dos contestadores hoje, e isso não
acontecerá por meio dos melhores argumentadores, dos mais eloqüentes
pregadores, de programas de treinamento superiores ou sistemas de som da melhor
qualidade. Nenhuma dessas coisas é ruim ou prejudicial, mas a única coisa que fará
isso de modo perfeito é o poder de Deus expresso por uma vida de abnegação.
"Uma Feiticeira Deseja Vê-lo...”
Nosso velho amigo e profeta de Deus, T. W. Barnes, recebeu um telefonema
há vários anos de alguém que disse: "Há uma mulher que pratica feitiçaria na região
que deseja vê-lo. Ela é a líder de uma convenção de bruxas." Sem hesitar, o pastor
Barnes disse: "Irei recebê-la!”
Assim que a mulher entrou na sala onde o irmão Barnes estava à sua espera,
na hora marcada, o Senhor revelou-lhe no mesmo instante que ela estava ali para
deixar alguns espíritos atormentadores. Quando ela se sentou, o pastor começou a
falar. Quanto mais ele falava sobre o Senhor, mais ela se virava e se contorcia na ca-
deira. Por fim, a mulher levantou-se e começou a andar pela sala. "Não posso ficar
aqui", disse ela. "Tenho de sair." Depois que ela saiu, o pastor Barnes fez a seguinte
oração: "Senhor, todos esses espíritos que ela estava trazendo para atormentar-me -
envie-os para atormentá-la.”
O telefone do irmão Barnes tocou na manhã seguinte. Era a mesma mulher com a
qual se encontrara em sua sala no dia anterior:
- O que você fez contra mim?
- O que você quer dizer? - respondeu o pastor. -Você não ficou nem
cinco minutos em minha sala.
- Fui atormentada a noite inteira. Não consegui dormir; por isso, fiquei
andando pela casa. Você fez alguma coisa contra mim!
- Sim, eu fiz. Pedi ao Senhor que enviasse de volta os espíritos que você
trouxe para atormentar-me. Pedi que eles fizessem com você o que você queria
que fizessem comigo.
Bem-Vindo ao Purgatório - Aqui Está Seu Boletim
Você percebe que temos autoridade para atormentar o diabo? Os demônios
não falaram a Jesus: "Vieste aqui para nos atormentar antes do devido tempo?"
(Mt 8.29b)? A Igreja tem a finalidade de ser o purgatório do diabo. Podemos
atormentá-lo enquanto ele ainda está na terra, mas, primeiro, temos de parar de
68
parecer e viver como se pertencêssemos a ele e deixarmos de correr com a sua
multidão.
Para ser sincero, é o grupo errado que está preocupado hoje. A Igreja não
deve se preocupar com o inimigo; é ele quem deve se preocupar conosco! Ele não
está muito preocupado - esta é a única razão - porque, normalmente, somos muito
mansos, domesticados, egocêntricos, e estamos satisfeitos com a mediocridade para
causar danos à saúde dele. (Deus chama isso de "mornidão".4)
Desde que fiquemos bem presos ao modo que escolhemos para servir a
Deus, seremos quase tão insignificantes para o inimigo quanto fomos para a gripe
que contraímos na semana passada. Por outro lado, se conhecermos o poder que
vem com a renúncia, nos tornará uma verdadeira ameaça para seu reino, e ele real-
mente estará em apuros. Este é o passo que vai além da salvação e do simples
nome no rol de membros de uma igreja. Estamos alistados no exército do Senhor.
Recebemos nossa notificação de aceitação por meio do sangue de Cristo. Agora é
tempo de pegarmos o veículo que nos levará ao campo de treino de recrutas da
renúncia.
O apóstolo Paulo teve um encontro com Deus que o transformou por
completo. Quando Deus conclui nele sua obra, aquele respeitado rabino e estudioso
judeu abriu mão de suas credenciais e de uma carreira religiosa brilhante para seguir
a Cristo e declarar guerra ao inimigo. Um governador disse a Paulo: "Você está lou-
co..." (At 26.24b). Eles estavam dizendo a ele: "Você está louco! Você é um
fanático.”
As Pessoas Podem Dizer que Você Tem Estado com Jesus?
Alguém fez esta pergunta a você recentemente? (Por favor, compreenda que
não estamos promovendo o mero sentimentalismo.) Há quanto tempo você sentiu
entusiasmo por Jesus? A glória de Deus tem brilhado por seu intermédio
recentemente? As pessoas podem perceber sua presença e maravilhar-se com o
fato de "você ter estado com Jesus5"? Sabemos que isso acontece. É justamente por
isso que elas também podem dizer quando não temos estado com Ele.
É extremamente fácil dobrarmos nossos joelhos, e não o nosso coração.
Cruzamos os dedos por trás de nossas costas e fingimos que Deus não contempla
nosso desempenho enquanto confessamos total amor e lealdade com uma
sinceridade não tão sincera assim. O problema é que a entrega total não acontece
sem que haja um preço (e temos a tendência de evitar compromissos que exijam um
pagamento). No Reino de Deus, é um preço que compensa ser pago, pois há poder
na renúncia.
Você não é um verdadeiro soldado até que tenha suportado a dor, a disciplina,
as fraturas e a restauração que acontecem em um campo de treino de recrutas da
renúncia. A disciplina da entrega, por vezes, até nos segue para o campo de batalha.

4. Veja Apocalipse 3.15-18


5. Veja Atos 4.13

Há vários anos um pregador disse que o Senhor falou-lhe estas palavras


durante um período de oração:
- Tenho visto o seu ministério. Você gostaria de ver o meu?
O pregador respondeu:
- Sim, Senhor. O que tenho de fazer?

69
- Devolva-me minha igreja - respondeu o Senhor.
- Senhor, a igreja é tua - replicou o pastor.
- Não - asseverou Deus. - Você controla tudo que está nela. Determina o
horário em que o culto deve começar e terminar. O pior de tudo é que você
controla tudo que está no meio dela. Já o ouvi chamá-la de "minha igreja".
O pastor arrependeu-se diante do Senhor e disse:
- Senhor, ela não é minha igreja; é tua igreja. Quero teu ministério. Meu
ministério, na melhor das hipóteses, não é de fato eficaz. Quero ver o que o
Senhor pode fazer, porque o que quero não fará com que a obra seja feita.
A tolice da independência é tão velha quanto Adão e Eva. Devemos perceber
que não poderíamos nem respirar, pensar ou ganhar um centavo sem a bênção e a
aprovação de Deus. Qualquer coisa que seja menos do que isso é presunção e
rebeldia. A raiz principal da rebeldia está no desejo de sermos "grandes"
segundo nossos próprios termos. O tratamento e a cura de Deus para o espírito de
independência e rebeldia de um cristão é a disciplina da renúncia.
Renuncie a Estabilidade do Homem e Aceite a Mudança de Deus
Qualquer pessoa que aspire à liderança no Reino de Deus deve aprender a
renunciar a "estabilidade" do homem e aceitar a mudança de Deus, pois Deus está
constantemente transformando seu povo a fim de prepará-lo para a grande ceia do
casamento do Cordeiro. Isso significa que a mudança será nossa constante
companheira. Onde há mudança, deve haver renúncia.
Pergunte aos irmãos de sua igreja quem dentre eles nasceu na década de
1930 e cresceu na década de 1940. A mudança faz parte da história de vida deles,
querem eles a aceitem ou não. Eles cresceram imaginando que a coca era algo que
você bebia, e não cheirava. Era um tempo em que mato era algo que servia de
alimento para as vacas e no quais as crianças brincavam. Bagulho nada mais era do
que um objeto sem valor. Até hoje, muitos deles se recusam a aceitar o significado
que o termo "alegre" assumiu, referindo-se a um estado de espírito, e não a uma
preferência sexual pecaminosa.
Não "Abra Mão de Deus" por uma Preferência Pessoal
Todos somos distinguidos por nossas preferências musicais e, por vezes,
corremos o risco de abrir mão de Deus por causa delas - principalmente se Ele
decide revelar-se por meio de uma forma musical que fomos ensinados a acreditar
que "é do diabo". Quando as pessoas de uma denominação importante visitam uma
"igreja cheia do Espírito" pela primeira vez, elas normalmente ficam chocadas ao ver
que todos oram ao mesmo tempo - e em voz alta! Isso não é nada comparado ao
que acontece quando ouvem as pessoas na congregação entoarem com toda força e
exuberância um "louvor realmente rápido".
As pessoas de "igrejas cheias do Espírito" enfrentam um desafio similar
quando visitam igrejas no "lado mais silencioso da cidade de Deus". É difícil para
elas crer que Deus poderia ser encontrado nesses lugares formais e discretos. É fácil
esquecer que Deus está onde dois ou mais estiverem reunidos em seu nome.
Novos ambientes da igreja, métodos de adoração e estilos de ministério tendem a
invadir nossas "zonas de conforto", mas isso não significa que essas coisas "não
sejam de Deus". Diz-se que nossa preferência musical é determinada pela música
que gostávamos de ouvir no início de nossa adolescência. É possível que Deus quei-
ra que renunciemos a algumas de nossas preferências pessoais e aceitemos o fato
de que os tempos e as pessoas mudam.

70
Há novos sons na Igreja que são verdadeiros sons de adoração e louvor. Não
se surpreenda se tiver de retilindar a algumas das idéias que você alimenta sobre o
tipo de louvor de que Deus se agrada, ou se Ele gosta ou não de um louvor calmo ou
barulhento. Devemos ter cuidado para não rejeitarmos alguma coisa que seja de
Deus simplesmente por não refletir nossa preferência pessoal.
Renuncie a Forma em Prol da Função
Algumas vezes, precisamos renunciar as formas do passado em prol da
função do Espírito Santo no presente ou aceitar os novos propósitos de Deus. O
Sinédrio na época de Jesus não conseguiu reconhecer o Messias por quem havia
procurado a vida toda. Por quê? Porque Jesus não estava de acordo com as formas
de santificação do próprio eu e com suposições do passado. Essas formas
começaram como algo bom, algo de Deus, que era extremamente funcional para os
propósitos de Deus. Contudo, a forma não era sagrada em - e de - si mesma.
Algumas vezes, precisamos pôr de lado as formas do passado em prol da função.
Tudo começou milhares de anos antes, quando Moisés passou a ter uma
"sobrecarga ministerial". Seu tempo e energia estavam se esgotando por causa das
intermináveis necessidades do povo. Seu desgaste mental, emocional, físico e
espiritual somou-se à dificuldade que se esboçava. Então, Jetro, o sábio sogro de
Moisés, deu uma pequena sugestão durante uma visita. Ele disse: "Moisés, é hora
de dividir o trabalho. Escolha homens capazes que temam a Deus e amem a
verdade6." Era uma boa forma a ser seguida. Na verdade, ela sobreviveu a Moisés e
à nação de Israel, mas, no processo, passou de função para forma para a instituição
judaica.
Muitos anos depois, durante a vida do profeta Ezequiel, esse grupo de
pessoas tornou-se num corpo formal de 70 juizes com grande poder. Moisés e Josué
se foram, e Deus havia sentenciado o povo obstinado de Israel ao juízo. Então, Deus
levou Ezequiel para dentro de um quarto repleto de ídolos e imagens, com paredes
cheias de coisas obscenas.
No meio do quarto, estavam os 70 anciãos que vinham do mesmo sistema que
Moisés inaugurara havia 500 anos. Constituíam ainda o mesmo número e estavam
presos à mesma forma enquanto praticavam abominações, em vez da verdade. Deus
disse a Ezequiel que julgaria a nação por causa de seus maus juízos.7 Percebeu a
ironia? Foi pior.
A forma dos 70 anciãos sobreviveu à escravidão assíria e babilônica e
reapareceu depois. Quinhentos anos depois de Ezequiel, quando Jesus andou pela
terra, esse grupo de 70 juizes era conhecido como Sinédrio. Jesus disse que os
escribas e fariseus (os dois grupos que dominavam o conselho) "se assentaram na
cadeira de Moisés" (Mt 23.2b). Esse único conselho tinha pleno poder em todas as
questões legais, espirituais e civis dos judeus. Eles eram mestres da Lei e fariseus.
Embora tivessem abandonado as abominações de seus antepassados nos dias de
Ezequiel, eles haviam assimilado algumas abominações novas.
Criticada em Virtude de Uma Colisão com Cristo
Nos dias de Jesus, a forma da autoridade delegada que servira a Moisés tinha
uma vida e uma missão própria. Ela existia especialmente para dar a 70 homens
uma posição de prestígio e uma carreira na comunidade judaica.

6. Uma paráfrase resumida de Êxodo 18.21.


7. Veja Ezequiel 8.11,12,18.

71
A forma transcendia em muito sua função original e foi criticada em virtude de
uma colisão frontal com o Messias, Jesus Cristo.
Esses homens não perceberam que Jesus não viria a morrer simplesmente
para que alguém pudesse ter uma "posição ou carreira". Eles se esqueceram de
que o ministério é uma compaixão e um chamado divino, não uma carreira. Os
membros do Sinédrio viam Jesus como um desagradável espinho e problema até
que Lázaro ressuscitou dos mortos. Esse milagre foi grandioso e tornou-se
extremamente notório para ser esquecido, e o Sinédrio foi convocado para tratar do
problema:
Então os chefes dos sacerdotes e os fariseus convocaram uma reunião do
Sinéârio. "O que estamos fazendo?", perguntaram eles. "Aí está esse homem
realizando muitos sinais miraculosos. Se o deixarmos, todos crerão nele, e então os
romanos virão e tirarão tanto o nosso lugar como a nossa nação." E daquele dia em
diante, resolveram tirar-lhe a vida... [Eles] fizeram planos para matar também Lázaro,
pois por causa dele muitos estavam se afastando dos judeus e crendo em Jesus (Jo
11.47,48,53; 12.10,11, ênfase do autor).
Quando chegou à conclusão de que Jesus era uma ameaça para seu status
que, a forma religiosa decidiu matar o Caminho, a Verdade e a Vida de Deus. Algo
que começara como uma boa função com Moisés começou a servir tanto ao eu que
se tornou um peso e estorvo para o próprio Deus.
A Forma sem Missão É Uma Tradição Morta
O que antes era uma bênção tornou-se num fardo. A função exige a forma,
mas, muitas vezes, quando as formas são enfatizadas, tendem a se transformar em
algo quase indestrutível. Continuam a existir bem depois que sua função e propósito
originais se perderam. Uma vez que a missão se perdeu na forma, tudo que nos
resta é uma tradição morta do homem ou um costume cultural. Se o padrão se
confirma, até questionar a forma logo se torna uma "heresia". Foi isso que aconteceu
com as 70 autoridades. A forma sobreviveu a seus dias de proveito e tornou-se um
objeto de tradição.
SERÁ POSSÍVEL QUE OS PESOS E AS FORMAS QUE RECUSAMOS A PÔR DE
LADO TORNEM-SE NOS PECADOS QUE TÃO FACILMENTE NOS ENVOLVEM?
Considere a progressão: Quando Moisés estabeleceu os 70 juizes, eles eram
uma força e bênção de Deus para ele e para o povo. Nos tempos de Ezequias, eles
se tornaram terríveis pensadores e malfeitores. Nos dias de Jesus, o Sinédrio estava
tão fora de sintonia espiritual que seus membros não reconheceram o Messias que
estudavam nas Escrituras e condenaram o Filho de Deus à morte.
Moisés tinha de aprender duas coisas sobre a vara: Você tem de entregá-la
quando Deus diz para soltá-la, e você tem de pegá-la quando Ele diz para pegá-la.
Se deixasse de cumprir um desses dois simples mandamentos, Moisés poderia
perder tudo. Na realidade, ele não passou no teste uma vez no deserto.
Deus disse a Moisés que falasse à rocha, e ela verteria água para os que
tinham sede.8 Esse evento prefigurou o dia em que Cristo, a Rocha, disse em alta
voz em Jerusalém:
Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a
Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva (Jo 7.37,38).
SURGE UM PODER CONTRÁRIO OU UMA ENERGIA NEGATIVA QUANDO NÃO
APRENDEMOS O PODER DA RENÚNCIA?
Moisés, em vez disso, levantou a vara da vida de Deus e a usou como a vara
da ira, batendo na Rocha da Salvação, que simbolizava o Cristo do futuro. Esse erro
72
simples, porém sério, custou a Moisés a perda do privilégio de entrar na Terra
Prometida.
Um dos papéis mais importantes do Sinédrio era explicar e interpretar as leis
de Moisés. Naquela época, os líderes religiosos haviam acrescentado 1.500 regras à
Lei básica de Moisés só para "proteger a santidade" ou religiosidade do sábado.
Isso era algo que precisava ser renunciado e descartado. Era a forma que havia
perdido sua verdadeira função.
A solução é conectar-se às coisas do Espírito. Devemos estar dispostos a
renunciar qualquer "forma" que não esteja de acordo com os propósitos presentes de
Deus e as verdades eternas de sua Palavra revelada. Isso é principalmente
importante nestes dias em que está evidente que Deus está realizando algo novo em
e no meio do seu povo.
8. Veja Números 20.8.

Deus Está Comprometido com o Caráter, Não com o Talento


O que você tem nas mãos? Habilidade? Uma mente brilhante? Poder para
influenciar as outras pessoas? Eloqüência? Personalidade? Talento? Jogue isso ao
chão pode haver uma serpente aí! Independentemente de nossos talentos e
habilidades pessoais, Deus está comprometido com o caráter, não com o talento. Ele
quer que sejamos totalmente dependentes dele. O que você tem nas mãos? Permita
que Deus o tenha. É possível que haja um pecadinho aí. A vida de uma pequena
serpente pode estar aí e você nem se dar conta disso.
Devemos tomar nossos dons quaisquer que possam ser e lançá-los aos pés
de Jesus. Deixemos que ele arranque a serpente, a carne deles e os devolva a nos.
Então, eles se tornam no poder de Deus em nossa vida. Quando o assunto é
liderança, isso inclui até a "aprovação" das pessoas que você lidera. Liderar pode ser
algo solitário por vezes, e as divergências parecem lazer parte do pacote da
liderança. Até Jesus teve de conviver com divergências durante todo o seu ministério
terreno e, no final, ele foi perfeito. A maioria de nós deve esperar contar com alguns
problemas que irão surgir e que exigirão de nós ainda maior renúncia ao longo do
caminho.
Moisés não tinha o estereótipo de um grande líder. Sua primeira tentativa de
ajudar seu povo levou-o ao assassinato, à rejeição por parte dos hebreus e a uma
frenética viagem para o deserto. Afirmar que ele foi completamente mal
compreendido pode ser uma afirmação incompleta. As divergências ficavam mais
evidentes quanto mais os israelitas marchavam pelo deserto.
Por fim, um líder levita chamado Cora levantou-se com os 250 principais
líderes israelitas e publicamente desafiou a liderança de Moisés. Moisés caiu ao chão
e humildemente enterrou o rosto em terra, e Deus apareceu com uma ira justificada
e, no mesmo instante, sepultou Cora e seus companheiros no ventre da terra. Esses
homens não entendiam que o poder de Moisés vinha de sua humilde entrega de tudo
ao Senhor.9 Moisés também sabia o que era ser mal compreendido por sua própria
família.
Miriã e Arão, sua irmã mais velha e seu irmão, até tentaram apoderar-se de
sua autoridade certa vez; entretanto, mais uma vez, Deus interveio e resolveu a
questão."10 Às vezes, aqueles que estão mais próximos de você sua própria família
serão aqueles que irão compreendê-lo mal.
Por que Jessé trouxe todos os seus filhos, exceto Davi, quando o profeta o
chamou para oferecer um sacrifício com todos os seus filhos11. Davi escreveu: "Sei

73
que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe"
(Si 51.5). É interessante que esta seja a única menção à mãe de Davi na Bíblia, além
daquela em que ele pediu ao rei de Moabe um abrigo para seu "pai e mãe" (1Sm
22.3).
Entregue Sua História ao Passado
Você já se perguntou se Davi foi um filho ilegítimo? Talvez seu pai não o
considerasse como um de seus verdadeiros filhos. É apenas um pensamento, mas,
se for verdade, ele apenas reforça o poder da renúncia. Este é o poder que ajudou
Davi a deixar sua história no passado! Sabia que Deus tomava os abatidos e
ilegítimos e os transformava em filhos legítimos!
Você passou os olhos pela aparência exterior e sondou o coração de Davi.
Quando o jovem Davi disse ao rei Saul que sairia ao encontro de Golias na batalha,
ele não se gabou: "Vejam quanto minha intenção é boa!" Ele nem mencionou a
funda e as cinco pedras lisas, nem o lalo de que tinha "munição" suficiente para
atacar (golias. Ele apenas disse: "O Senhor que me livrou das garras do leão e
das garras do urso me livrará das mãos desse filisteu" (1 Sm 17.37).
Curiosamente, a Amplíjied Version diz que Davi colocou as pedras na
cesta! 13 Ele não iria para uma batalha; ele estava a caminho de um piquenique.
Golias gabava-se: "Vou comer seu almoço", mas nem imaginava o que havia na
cesta de Davi. Davi estava disposto a entregar-se renunciar a si mesmo à glória de
Deus, e os milagres aconteceram. (De certo modo, Davi foi o primeiro a acertar
Golias e fazer o gigante rolar!)

10. Veja Números 16.


11. Veja Números 12.
12. Veja 1 Samuel 16.11I

A Demora Divina entre a Unção e a Designação


Davi também sabia o que era ser mal interpretado por causa da unção em sua vida,
e por causa da demora divina entre a revelação da unção e a designação para
aquela unção. Quando o profeta de Deus chegou à procura de um substituto de Deus
para o rei Saul, Samuel ignorou todos os seus irmãos mais velhos e, então, bem de
frente de todos eles, ungiu Davi para ser rei de Israel. O que aconteceu em seguida
não foi exatamente nada.
O profeta deixou a cidade, e o garoto mais novo da família voltou para o pasto.
Quanto aos seus irmãos, podemos presumir com segurança que, uma vez tendo
partido o profeta, eles não se curvaram a Davi; eles riram e escarneceram dele sem
piedade alguma. Deus havia ungido Davi para ser rei no lugar de Saul, mas ele teve
de voltar para o rebanho e "correr e esperar". Davi não saiu correndo pela terra a
proclamar: "Serei rei!" Voltou para o aprisco e cuidou do rebanho de seu pai como
se esta fosse à responsabilidade de toda a sua vida. Esta é a forma adequada de
entregar ao Senhor os momentos e estações de sua vida.

13. Veja 1 Samuel 17.40, palavras-chaves citadas de The Amplified Bible (Grand Rapids, Michigan:
Zondervan Publishing House and the Lockman Foundation, 1987).

74
Davi sabia que era ungido e Deus e seu profeta também o sabiam. Esse
jovem pastor guerreiro continuou a orar e a louvar a Deus, a esperar e cuidar de suas
ovelhas (ao mesmo tempo em que matava alguns predadores grandes ao longo do
caminho). Então, alguém da corte do rei Saul reconheceu os talentos de Davi na ado-
ração e na guerra.14 Finalmente, a unção de Davi acertou Golias bem no meio dos
olhos, e todo o povo de Israel, Judá e Filístia souberam do acontecido.15
Renuncie Seu Direito de Apressar Deus
Às vezes, Deus mostra algo a você que acontecerá no futuro. Se não for o tempo
devido, não corra a gritar: "Sou ungido!" Certifique-se de que tem seu "direito" de
apressar Deus ou de ajudá-lo a planejar seu destino. Deus não precisa de ajuda. As
promessas de Deus não estão ligadas ao tempo. Estão ligadas tão somente a Deus,
e Ele é eterno. Ele pode realizar uma obra rapidamente.
Se você se sente desanimado nesta área, lembre-se de Moisés. Quando
Moisés obedeceu ao Senhor e estendeu a vara sobre o mar Vermelho, o mar se
abriu e os filhos de Israel o atravessaram rumo à vitória. Isso parece maravilhoso,
não é mesmo? Agora, faça os cálculos e lenha coragem, na capacidade de Deus, de
"apressar as coisas" quando Ele estiver pronto para realizá-las.
Havia algo em torno de três a cinco milhões de israelitas; por isso, Deus não
fez esforço algum para prover trilhas enlameadas e formar filas indianas para aque-
las pessoas. Se os israelitas percorreram aquela distância em uma noite, então eles
marcharam cinco mil lado a lado ao longo de um caminho seco e plano com a exten-
são de uma rodovia com 48 travessas! Deus abriu a maior auto-estrada da História
para que milhões de israelitas atravessassem o mar Vermelho, e o fez em um curto
espaço de tempo. Quando Deus está pronto, Ele pode realizar uma obra
rapidamente. Deus libertou os israelitas de 400 anos de escravidão em uma única
noite! A Bíblia diz que eles "foram batizados em Moisés16". Que reavivamento! Você
gostaria de ver três a cinco milhões de pessoas serem batizadas em uma única
noite?
Deus sempre parece interessado naquilo que está em nossas mãos. "Maria, o
que tem nas mãos?" "Um frasco de alabastro contendo um perfume." Ela o abriu e o
derramou aos poucos aos pés de Jesus, e agora, por 2.000 anos, temos sentido seu
perfume no ar. É isso o que a libertação e a renúncia fizeram por ela. Era uma eterna
lembrança da morte de Jesus na cruz.
Ninguém mais percebeu, mas Jesus viu o que estava na mão da viúva quando ela
colocou suas duas últimas moedas de pouco valor na caixa de ofertas. Ele a exaltou
como um exemplo do tipo de oferta sacrificai que Deus adora abençoar, e seu
exemplo foi usado para edificar a fé de cristãos e levantar milhões de dólares para o
Reino de Deus ao longo dos séculos. Tudo isso porque tal viúva pegou o que estava
em suas mãos e o entregou ao Senhor pela fé. Como diz a canção: "O pouco é muito
quando Deus está nele.”
14. Veja 1 Samuel 16.18.
15. Veja 1 Samuel 17.45-52.
16. Veja 1 Coríntios 10.2

Devemos ter o espírito de abnegação manifestado nas orações que Jesus nos
ensinou e exibidas diante de nossos olhos: "Contudo, não seja feita a minha
vontade, mas a tua" (Lc 22.42b). "Venha o teu reino; seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu" (Mt 6.10).
Entregue a Ele Aquilo que Você Tem
Deus não está, excepcionalmente, à procura de pessoas talentosas,
preparadas academicamente ou dotadas. Estas qualidades certamente são
admiráveis e proveitosas, mas não são necessárias. Ele está à procura de homens e
75
mulheres que estejam dispostos a entregar tudo a Ele. Entregue suas "coisas" a
Deus. Ele remove a serpente delas e as devolverá a você. Então, elas tornarão a
vara de Deus. Jamais compreenderemos isso, a menos que nos humilhemos e
permitamos que Deus faça de nós o que deseja que sejamos.
Moisés nunca descreveu a si mesmo passando 40 anos em um deserto.
Quando Deus revelou que ele seria um libertador, Moisés prontificou-se a "começar a
obra". No entanto, Deus disse: "Espere”. Tem uma coisa que você precisa aprender
primeiro. Há estações de vida. Às vezes, Deus coloca coisas no nosso coração antes
que seja chegado o tempo de seu cumprimento. Não podemos atropelar as estações.
Devemos entregar os momentos de nossa vida a Deus, que os tem em suas mãos.
Moisés fez diversas coisas com sua vara. Libertou os israelitas da escravidão.
Arrancou-os da esterilidade. Conduziu-os enquanto abria o mar Vermelho. Era a
mesma vara. Contudo, primeiramente, ele teve de tirar suas próprias mãos dela. Ela
precisava tornar-se a vara de Deus.
Pensamos, com muita freqüência, que há poder em prender-se às coisas. As
leis do Reino são contrárias. Temos de soltá-las. Jesus quer que digamos: "Senhor,
toma-me e usa-me. Onde quer que eu vá, com quem quer que eu fale, o que
quer que eu faça - sou teu." A entrega total do eu trará o poder de Deus para sua
vida. Este é o poder da renúncia.
Entregue a Ele Aquilo que Você Não Entende
Foi este poder que permitiu aos homens do Novo Testamento andar em
cidades hostis quase sozinhos. Em uma dessas ocasiões, o Senhor disse ao
apóstolo Paulo: "Tenho muita gente nesta cidade" (At 18.10b). Não havia um
convertido no momento, mas Deus viu algo que Paulo não conseguia ver e teve de
confiar inteiramente em Deus. O poder da renúncia é a capacidade de entregar
aquilo que não compreendemos a uma ordem divina. Não queremos afastar-nos de
um lugar em que Deus vê potencial. Devemos seguir pelo caminho em que Ele nos
conduz, e o Senhor receberá toda a glória.
Arturo Tuscani foi um famoso regente italiano de sinfônicas. Sua especialidade
eram as obras de Beethoven. Certa noite, em Filadélfia, Pensilvânia, Tuscani regeu a
Orquestra Sinfônica de Filadélfia em um programa que incluía a Nona Sinfonia, uma
das peças mais difíceis de serem regidas. Foi tão majestoso e tão comovente que,
quando a peça chegou ao fim, o público se pôs em pé e começou a aplaudir sem
parar. Tuscani retirou-se do palco várias vezes. Voltou-se para a orquestra; os músi-
cos curvaram-se. O público continuou a aplaudir e a gritarem vivas. Os próprios
integrantes da orquestra sorriam e aplaudiam. Por fim, Tuscani deu as costas para o
público e falou apenas com a orquestra. Ele disse: "Senhoras, senhores não sou
nada. Vocês não são nada. Beethoven é tudo.”
Quando pensar nessa história, lembre-se do poder divino da renúncia.
Independentemente do quanto você seja eloqüente, ou do quanto é talentoso por ter
uma voz semelhante à de um anjo, atire-se aos pés de Jesus e deixe que Ele tire a
serpente de seus talentos.
Quando os homens aprenderam pela primeira vez a navegar pelos mares abertos
usando as estrelas como seu "roteiro", um mundo completamente novo abriu-se di-
ante deles. Até que fosse desenvolvida uma avançada tecnologia de posição de
satélites, a bússola era o primeiro instrumento de navegação no mar. Dizia-se:
"Aquele que é um escravo da bússola gosta da liberdade do mar aberto.”
O compromisso com a bússola de Deus abre a porta do universo para nós. Quando
você entregar seu futuro a Deus e permitir que Ele defina o curso, Ele irá levá-lo a
lugares de liberdade e utilidade no Reino jamais visto. Primeiro, você deve dispor-se
76
a dizer as palavras do apóstolo Paulo: "...já não sou eu quem vive, mas Cristo
vive em mim" (Gl 2.20a).

Declare estas palavras a Ele: "Não sou nada. Tu és tudo. Eis-me aqui, e
aqui estão meus dons, capacidades e sonhos, Senhor. Lanço todos eles aos
teus pés. Entrego-te tudo. Nada quero de volta.”

77