Você está na página 1de 52

A Intervenção Moderna em

Edifícios Históricos
Maior complexidade na elaboração do
projeto de intervenção.
- Patrimônio cultural dotado de significados e representações.
- Adequação de espaço para novo uso (atualização /
introdução de novas instalações – uso atual e segurança).
- Definição de materiais e técnicas atuais compatíveis com as
usadas no edifício.
- Critérios:
- Garantir a manutenção da autenticidade e a
atualidade da intervenção proposta.
- Preservar a manutenção da memória coletiva e
atender a interesses particulares.
- Eleger o que deve e não deve ser mantido.
Principais tipos de intervenção em
Patrimônios Históricos
Restauração

- Termo mais antigo.


- Devolve as características originais da
obra.
- Preenche e reintegra as lacunas que
recompõem a imagem
Igreja de Nossa Senhora da Conceição
Jacupiranga – SP
Foto - Obra Empresa Albatroz Arquitetura Construção e Restauro
Conservação
- Intervenção na matéria de que se
constitui o edifício.
Reciclagem
- Retrofit / reabilitação de espaços preservados.
- Readaptação de espaços para utilização em
atividades diferentes para as quais eles foram
projetados.
- Garantia de sobrevivência de espaços antigos.
- Atenção especial para a vocação e limitação do
espaço antigo e para a inserção de entrepisos e
anexos.
Teorias e Critérios para
Intervenções
Viollet-le-Duc (1814 – 1879)
-Francês
-Arquiteto, historiador de arquitetura, escritor, desenhista,
construtor.
-Busca da unidade estilística arquitetônica / uso de
complementos
-Posição do arquiteto criador da obra
-Criação de falso histórico
John Ruskin(1819 – 1900)

- Inglês / Crítico / Purista

- Valorizava as ruínas(recomendava que projetos arquitetônicos


fossem pensados considerando seu estado de conservação após
alguns séculos de sua construção)

- Condenava os complementos arquitetônicos

- Assim como os homens, as obras não foram feitas para serem


eternas

- “Batia de frente” com os critérios intervencionistas de Le-Duc.

- A influência de seu pensamento foi mais difundida no início do


século XX.
Camillo Boito(1836 – 1914)
- Posição intermediária entre Ruskin e Le-Duc.
1883, Roma - III Congresso de arquitetos para obras de
restauração arquitetônicas – 8 princípios:

1- Diferença de estilo entre novo e velho


2- Diferença de material de construção
3- Supressão de perfis e ornamentos
4- Mostra de pedaços velhos retirados em local aberto e ao lado do
monumento
5- Incisão em cada pedaço renovado com a data do restauro ou com um
sinal convencionado
6- Epígrafe descritiva incisa sobre o monumento
7- Descrição e fotografia dos diversos períodos do trabalho, dispostas no
edifício ou em local próximo a ele (descrição publicada pela imprensa)
8- Notoriedade.
CARTA DE VENEZA
Principais Artigos
Artigo 01°

A noção de monumento histórico compreende a criação


arquitetônica isolada, bem como o sítio urbano ou rural que dá
testemunho de uma civilização particular, de uma evolução
significativa de um acontecimento histórico. Estende-se não só às
grandes criações mas também às obras modestas, que tenham
adquirido, com o tempo, uma significação cultural.
Artigo 05º

A conservação dos monumentos é sempre favorecida por sua


destinação a uma função útil à sociedade; tal destinação é portanto,
desejável, mas não pode nem deve alterar à disposição ou a decoração
dos edifícios. É somente dentro destes limites que se deve conceber e se
pode autorizar as modificações exigidas pela evolução dos usos e
costumes.
Artigo 6º

A conservação de um monumento implica a preservação de um


esquema em sua escala. Enquanto subsistir, o esquema tradicional será
conservado, e toda construção nova, toda destruição e toda modificação
que poderiam alterar as relações de volumes e de cores serão proibidas.
Artigo 12º

Os elementos destinados a substituir as partes faltantes


devem integrar-se harmoniosamente ao conjunto, distinguindo-se,
todavia, das partes originais a fim de que a restauração não
falsifique o documento de arte e de história.
Centro Cultural Araras - SP

Igreja de Nossa Senhora da Conceição


Jacupiranga – SP
Foto - Obra Empresa Albatroz Arquitetura Construção e Restauro
Artigo 13º

Os acréscimos só poderão ser tolerados na medida em que


respeitarem todas as partes interessantes do edifício, seu esquema
tradicional, o equilíbrio de sua composição e suas relações com o meio
ambiente.
Hospital Psiquiátrico N. S. Da Luz
Curitiba – PR
Foto - Obra Empresa Albatroz Arquitetura Construção e Restauro
Artigo 15º

Devem ser asseguradas as manutenções das ruínas e as


medidas necessárias à conservação e proteção permanente dos
elementos arquitetônicos e dos objetos descobertos. Além disso,
devem ser tomadas todas as iniciativas para facilitar a
compreensão do monumento trazido à luz sem jamais deturpar
seu significado.
Todo trabalho de reconstrução deverá, portanto, ser
excluído a priori, admitindo-se apenas a anastilose, ou seja, a
recomposição de partes existentes, mas desmembradas. Os
elementos de integração deverão ser sempre reconhecíveis e
reduzir-se ao mínimo necessário para assegurar as condições de
conservação do monumento e restabelecer a continuidade de suas
formas.
Exemplos Retrofit
Intervenções
Louvre – França
Porto Madero - Argentina
Faculdade de Arquitetura de Veneza
Pinacoteca – São Paulo
SESC Pompéia – São Paulo
Centro Cultural Bancodo Brasil – São Paulo
Centro Cultural – Araras
Complexo Dragão do Mar – Fortaleza/Brasil
Centro Cultural KKKK – Registro
Centro Cultural Aveiro – Portugal

Você também pode gostar