Você está na página 1de 14

Operador de Computador

Informática Básica
CURSO OPERADOR DE COMPUTADOR

OBJETIVO GERAL

Capacitar mulheres vinculadas ao Programa Mulheres Mil em conhecimentos que as habilitem a


desenvolver com competência técnica e atitudinal, as habilidades necessárias para o manuseio das
principais ferramentas da Informática (Software básicos e utilitários): Sistema Operacional, Editor de
Textos, Planilhas Eletrônicas, Apresentações, Ferramentas de Internet (utilização de web sites) e
Ferramentas computacionais de um modo geral. a fim de proporcionar uma alternativa de
desenvolvimento sustentável para a região na qual estão inseridas, a inclusão social e econômica das
mesmas através da ocupação e geração de renda.

HISTÓRICO DOS COMPUTADORES

O primeiro equipamento eletrônico com as mesmas características dos computadores atuais


surgiu durante a Segunda Guerra Mundial. Desenvolvido em conjunto pela Universidade de Harvard e a
Marinha Americana, o primeiro computador, o Mark I, ocupava 120 m3 de espaço, possuía milhares de
reles e precisava de três segundos para operar dois números de dez dígitos. Naquela época, os militares
precisavam dos computadores não só para fazer cálculos de balística com rapidez como também para
desvendar as mensagens secretas enviadas entre tropas alemães. Em paralelo, o Exército americano
desenvolvia o ENIAC.

Possuindo cerca de 18 mil válvulas, o Eniac foi desenvolvido em segredo para uso na guerra, e só
ficou pronto meses depois de seu término. O Eniac era uma máquina de 30 toneladas, 5 metros de
largura por 24 de comprimento e possuía 800 Km de fios. O grande problema do MARK I e do ENIAC era
que a cada nova operação de programação sua fiação elétrica tinha que ser totalmente refeita. Foi ai
que John Von Neumann, um matemático de Princeton, sugeriu que os computadores passassem a
utilizar informações e programas na sua própria memória eletrônica.

As instruções e dados seriam armazenados em memórias eletrônicas de uma maneira codificada em


cadeias de uns e zeros, única linguagem que os equipamentos eletrônicos realmente entendem. Para
acelerar o processo de desenvolvimento dos novos computadores, surgem, em 1947, os transistores. Os
transistores eram menores, duravam mais, esquentavam menos e consumiam menos energia que as
válvulas.

Hoje em dia, não existem mais computadores construídos com transistores já que estes
componentes eletrônicos foram totalmente substituídos por chips. Eles são feitos de silício, elemento
químico muito abundante na natureza, substituem com vantagem centenas e ate milhões de
transistores, possibilitando uma miniaturização ainda maior na construção dos micros.

CONCEITO GERAL

Um computador é uma máquina composta de elementos físicos do tipo eletrônico, capaz de


realizar uma grande variedade de trabalhos com alta velocidade e precisão, desde que receba as
instruções adequadas. É um equipamento eletrônico que processa informações na forma de dados,
podendo ser programado para a realização de diversas outras tarefas. Foi construído para desempenhar
cálculos e operações lógicas com facilidade e rapidez.

Desta forma o processamento que ocorrerá tem como base dois conceitos:

Dados: Algum tipo desorganizado de informação que não significa nada isoladamente.

Informação: É o resultado da transformação dos dados em algo útil e organizado para o usuário.

O processamento de dados constitui através da entrada de dados, o processamento deles e por


fim a saída das informações.

UNIDADE DE MEDIDA

Os computadores atuais são máquinas digitais que processam dados como números. Os computadores
digitais realizam suas operações em números binários, ou seja, números na base 2, enquanto nosso
sistema de numeração e contagem é baseado na base 10, ou seja, usamos dígitos de 0 a 9. Portanto,
sendo o computador digital usuário de base numérica 2, significa que este só usa internamente
grandezas que corresponderiam aos dígitos 0 e 1.

No computador, Bit (b) representa a sua menor unidade de processamento e em última instância
corresponde aos dígitos 0 e 1. Quando se tem um conjunto formado por 8 bits, chamamos por
convenção de byte. A seguir um exemplo esquemático de um byte.

10101010

No computador um caractere — como uma letra, por exemplo — é representado por um Byte. Para
quantificar a memória do computador é utilizado um sistema de medida, o byte (B). Quando se tecla no
computador uma letra “A”, por exemplo, automaticamente ele utiliza um caractere da sua memória. Se
você digitar, por exemplo, a palavra INFORMÁTICA, significa que o computador utilizou 11 caracteres da
sua memória. Como cada caractere é representado por um byte, significa dizer também que foram
utilizados 11 bytes.

Para facilitar a escrita destes valores é utilizada a seguinte unidade abaixo:

• KB, Kilobyte, corresponde a 1 byte x 1.000

• MB, Megabyte, corresponde a 1 byte x 1.000.000

• GB, Gigabyte, corresponde a 1 byte x 1.000.000.000

• TB, Terabyte, corresponde a 1 byte x 1.000.000.000.000

1 Byte → 8 bits
1 kilobyte (KB ou Kbytes) → 1024 bytes
1 megabyte (MB ou Mbytes) → 1024 kilobytes
1 gigabyte (GB ou Gbytes) → 1024 megabytes
1 terabyte (TB ou Tbytes) → 1024 gigabytes
1 petabyte (PB ou Pbytes) → 1024 terabytes
1 exabyte (EB ou Ebytes) → 1024 petabytes
1 zettabyte (ou Zbytes) → 1024 exabytes
1 yottabyte (ou Ybytes) → 1024 zettabytes

O QUE É SISTEMA COMPUTACIONAL?

Um conjunto de componentes integrados para funcionar como se fossem um único elemento e que têm
por objetivo realizar manipulações com dados de modo a obter uma informação útil.

Formado por três componentes:

Peopleware: são as pessoas que se utilizam do computador como uma ferramenta.

Hardware: são os componentes físicos de um sistema de computação. São as peças que o computador
irá utilizar.

Software: é o conjunto de instruções que faz o computador funcionar. São os programas. Dentro de um
computador, cada hardware tem a sua função específica. A seguir veremos quais são os principais
componentes para que uma máquina funcione adequadamente.
Placa-mãe: É uma placa de circuito impresso responsável pela
interconexão de todos os componentes (processador, memória, hd,
etc). É uma dos hardware mais importante de um computador. Através
dela o processador se comunica com os demais componentes e
periféricos.

Processador: É a parte mais importante do computador (cérebro). É acoplado


à placa mãe e se conecta, direta ou indiretamente, a todo componente da
mesma. Uma das funções é interpretar e executar as instruções fornecidas
pelos programas (software).

Memória: É o componente responsável pelo armazenamento, temporário ou


não, de programas (instruções) e dados. Conhecido também como memória
principal. É um dispositivo encarregado de armazenar e guardar informações
usadas pelo processador. Essa memória chamada de RAM é a mais importante
comparada com as outras memórias, a ROM e a que serve para
armazenamento de dados.

Hard Disc (HD) ou Disco Rígido: É um disco rígido de superfície magnética


instalado no gabinete. Corresponde a um sistema de armazenamento não
volátil de alta capacidade, onde são gravados software e dados.

Placa de Vídeo: É o componente responsável pelo processamento das imagens


que serão exibidas no monitor. Determina a resolução e a quantidade de cores da
imagem. Onboard (Integrada) ou Offboard (externa).

Placa de Rede: Sua função é estabelecer a comunicação do seu computador


com outros computadores formando uma rede. Também é utilizada para acesso
a internet de banda larga.
CLASSIFICAÇÃO DOS COMPUTADORES

Os computadores podem ser classificados quanto a sua capacidade de processamento (porte)


em:

Grande (mainframes): São destinados para um grande


volume de dados, têm grandes dimensões, requerendo uma
grande variedade de pessoal especializado para a sua
operação. Esses equipamentos estão distribuídos em uma
ampla sala, com possibilidade de instalação de terminais em
ambientes remotos.

Médio (minicomputadores): Computadores destinados a empresas que tenham um volume médio de


processamento de dados. São usados em controle de processos, comunicações e sistemas de
informações. Possuem uma capacidade de memória e velocidade de processamentos inferiores aos de
grande porte. Hoje já estão em desuso e sendo substituídos pelos microcomputadores.

Pequeno (microcomputadores): Os computadores de pequeno porte


apresentam-se em diversos formatos e com diversas características. Os
microcomputadores são computadores pessoais (PC), monousuários,
destinados ao uso de empresas que tenham um pequeno, mas variado tipo
de processamento de dados. Atualmente, existem microcomputadores com
capacidade de processamento muito grande, que superam os grandes
computadores de 10 ou 20 anos atrás.

MEMÓRIA SECUNDÁRIA

Qualquer dispositivo que pode armazenar dados sem perdê-los na ausência de energia elétrica.
Essas unidades de armazenamento podem conter programas que controlam o computador, por
exemplo, o Sistema Operacional, como podem conter arquivos de dados gerados pelo usuário.
Dispositivo Tipo Capacidade

HD (Disco Rígido) Fixo 5 MB até 3 TB


Disquete Removível 1,44 MB
CD Removível 700 MB
DVD Removível 4,7 GB e 8,5 GB
BLU-RAY Removível 25 GB e 50 GB
Pen drive Removível 128 MB até 64 GB
HD Externo Removível 160 GB até 4 TB

PERIFÉRICO DE ENTRADA E SAÍDA

Periféricos de Entrada: São dispositivos responsáveis por enviar as informações para o processador.

Ex: Mouse, Teclado, Scanner, microfone, Web câmaras, filmadoras, sensores diversos, entre outros.

Periféricos de Saída: São dispositivos que podem mostrar o resultado do processamento e/ou
acompanhar as tarefas executadas pelo computador.

Ex: Impressora, Monitor, Caixas de Som, etc.


O QUE SERIA UM SOFTWARE

Software é uma sequência de instruções escritas para serem interpretadas por um computador com o
objetivo de executar tarefas específicas. Também pode ser definido como os programas que comandam
o funcionamento de um computador.

Em um computador, o software é classificado como a parte lógica cuja função é fornecer instruções para
o hardware. O hardware é toda a parte física que constitui o computador, por exemplo, a CPU, a
memória e os dipositivos de entrada e saída. O software é constituído por todos os programas que
existem para um referido sistema, quer sejam produzidos pelo próprio utente ou pelo fabricante do
computador.

O termo inglês "software" foi usado pela primeira vez em 1958 em um artigo escrito pelo cientista
americano John Wilder Tukey. Foi também ele o responsável por introduzir o termo "bit" para designar
"dígito binário".

Os softwares podem ser classificados em três tipos:

Software de Sistema: é o conjunto de informações processadas pelo sistema interno de um computador


que permite a interação entre usuário e os periféricos do computador através de uma interface gráfica.
Engloba o sistema operativo e os controladores de dispositivos (memória, impressora, teclado e outros).

Software de Programação: é o conjunto de ferramentas que permitem ao programador desenvolver


sistemas informáticos, geralmente usando linguagens de programação e um ambiente visual de
desenvolvimento integrado.

Software de Aplicação: são programas de computadores que permitem ao usuário executar uma série
de tarefas específicas em diversas áreas de atividade como arquitetura, contabilidade, educação,
medicina e outras áreas comerciais. São ainda os videojogos, as base de dados, os sistemas de
automação industrial, etc.

Existe também o conceito de software livre, que remete para um programa que dá liberdade ao
utilizador, permitindo que ele o estude, modifique e compartilhe com outras pessoas. Para isso, é
preciso que o utilizador possa aceder o código-fonte, para mudá-lo conforme as suas necessidades.
SISTEMA OPERACIONAL

É o principal software de um computador. É o principal programa de um computador. Ele é o


responsável por gerenciar todos os demais programas, que irão ser executado na máquina. Podemos
afirmar assim, que ele é o chefe, o responsável, por ordenas as ações que outros programas cumpriram.

Com isso, ele tão comandará algumas funções também, como:

o O gerenciamento do disco rígido (HD) do computador e o seu conteúdo;


o A parte gráfica do computador, o que será exibido e como será exibido;
o Controla as impressoras e suas funcionalidades;
o Destina a quantidade necessária de memoria para cada software;
o Executa músicas e vídeos no computador;
o Gerencia os dispositivos de entrada e saída;
o Proporciona o acesso a internet através de seus navegares.

HISTÓRIA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS

No final da década de 60, foi lançado o primeiro sistema operacional, pela equipe de
desenvolvedores da AT&T Bell Labs, a fim de fazer um sistema mais objetivo e simples, e que
desempenhassem funções corretas e ágeis. O nome dado a ele foi UNIX (Serviço de Computação e
Informação Uniplexada), programado a funcionar em apenas um tipo computador. Com o passar dos
anos, o Unix, sofreu uma recodificação para outra linguagem, conhecida como C.

Com o tempo, outros sistemas foram sendo lançados como Apple SOS, Xenix, Q-DOS, Atari DOS.
Em 1981 a Microsoft compra o Q-DOS e transforma em moderno sistema para época, chamado de MS-
DOS. Com a parceria da Microsoft com a empresa IBM, a Microsoft consegue acoplar juntos com as
maquinas da IBM o seu sistema operacional, fazendo com que tenha uma grande saída do seu software.
Tal software que tinha uma interface toda preta e sem design algum.

Tela do MS-DOS
Com um sistema bem aceito pelos usuários, o MS-DOS sofreu algumas atualizações e o sistema
passou a suportar HDs de até 10 MB e com suporte a rede, podemos dizer que foi ai que começou a
surgir o Windows de hoje em dia.

Muitos outros fabricantes foram desenvolvendo seus próprios sistemas operacionais, assim
como a Apple, a Hewlett-Packard (HP) foi outra, o nome do seu era HP-US o primeiro no quesito de
gerenciar unidades lógicas e com uma lista de controle de acesso a ele. Uma aposta que até hoje é
usada nos seus grandes servidores que são vendidos. Em 1984 a Apple inovou com o Mac OS, que tinha
a utilização do mouse, facilitando mais a vida do usuário.

No ano seguinte a Microsoft para não ficar por trás, lança o Windows 1.0, software com uma
interface gráfica dinâmica, além de suporta multitarefas, ou seja, executar várias aplicações ao mesmo
tempo. Algumas coisas foram copiadas do SO da Apple, mas que não fossem iguais a o já pronto pela
concorrente. O sistema trazia alguns driver avançados que era justamente para melhorar no
desempenho e melhorar na sua usabilidade. Em 1987 a Microsoft lança a segunda versão, Windows 2.0,
que veio destacando a possibilidade de sobrepor as janelas uma sobre a outras e também os recursos de
maximizar e minimizar as janelas.

Windows 2.0

No ano de 1991, apareceu a primeira versão de um sistema operacional que iria mostrar todo o
seu código fonte de forma livre e aberta a qualquer pessoa, o LINUX. Desenvolvido por Linus Torvalds,
esse software de código aberto teve justamente a missão de ser o sistema que qualquer um que
entendesse de programação pudesse fazer a sua versão e atualiza-lo, e a idéia deu certo. Hoje em dia o
Linux está cheio de versões para todos os gostos, sendo que ele nunca se preocupou com a interface
gráfica.

Quando o Windows 95 foi lançado, em 1995, alguns padrões foram criado, dentre eles
destacamos a área de trabalho, com os ícones na tela de forma clara e organizada, também a Barra de
Tarefa e o Menu Iniciar, que é um padrão adotado até os dias atuais, nas versões do Windows 7 e 8.
Com algumas atualizações outras novidades foram aparecendo, o Windows começou a reconhecer
leitores de disco e a utilização do navegador, Internet Explore. Essa foi à versão responsável por tornar o
Windows o sistema operacional mais popular do mundo.

Área de trabalho do Windows 95

Outro destaque veio no ano de 2001, depois de fracassar com o Windows ME no ano de 2000
com uma das piores versões já lançada pela Microsoft, a empresa de Bill Gates veio com o Windows XP,
considera a versão mais usada por todos. Com uma cara nova, totalmente repaginada, com uma área de
trabalho bonita e recursos novos de rede, com múltiplos usuários e recursos de segurança novos. O
Windows XP também foi muito atualizado.

Em 2004 foi lançado, o que hoje é a distribuição do Linux mais utilizada, o Ubuntu. Baseado em
outra distribuição o Debian (1993), o Ubuntu veio pra selar a paz entre os usuários linux e o sistema.
Com uma cara mais elaborada e uma grande facilidade de navegação essa foi a marca registrada dessa
versão. Quando os sistemas estavam ficando cada vez mais complexos a Apple lança o iOS (2007), um
sistema que não era nem um pouco semelhante a outro existente para aquela época.

Os Sistemas Operacionais vão sendo modificado e inovado todos os dias, sempre querendo a
facilidade junto com a praticidade de ferramentas que iram ajudar a tornar nossas tarefas mais rápidas e
com menos problema. A seguir, vamos entrar em mais detalhes com os três principais Sistemas
Operacionais utilizados, Mac Os, Linux e Windows.

MAC OS

O Mac OS (Macintosh Operating System) é o sistema operacional padrão


dos computadores Macintosh desenvolvidos pela Apple. Sua primeira versão foi
lançada em 1984 e vem sofrendo diversas atualizações até hoje. Foi considerado o
pioneiro em relação à área de trabalho bem organizada, com pasta, ícones,
programas e uma lixeira na tela.

O Mac OS é considerado um SO leve e bonito, na última versão lançada ele


está vindo com uma forma de fazer alusão aos smartphone, onde qualquer
aplicativo é tornado em um ícone, tornando assim um sistema de computador bem parecido com os
tablets da maça. Outra função nova seria a possibilidade de criar vários desktops ao mesmo tempo, cada
um diferente do outro e rodar vários programas ao mesmo tempo sem qualquer problema.

Desempenho: É tão bom quanto qualquer outro SO. Os programas geralmente não travam a não ser
que seja software mais pesados, como o de edição de vídeo e imagem.

Usabilidade: Bonito e rápido. Fácil navegação.

Segurança: Apesar de ser um sistema mais seguro do que o Windows, esse ano já foram detectados
diversos vírus e Trojan (programa malicioso) para plataforma da Apple.

Preço: O preço da atualização para ultima versão já lançada sairia em torno de uns R$ 40,00.

Tela do Mac OS
Linux

É o software que hoje está ganhando mais mercado, justamente pela politica de
software livre e inovação de seus recursos. Sem ter qualquer custo para adquiri-los o
Linux dispõem de várias distribuições como Debian, Ubuntu, Mandriva, Kurumim
(versão desenvolvida por brasileiros), Red Hat, Fedora entre outros.

Quando me refiro a sistema de software livre, venho me referir a qualquer


pessoa irá poder executar, modificar, copiar, distribuir o seu próprio sistema. É isso
que o criador do Linux quer, fazer com que cada sistema tenha a cara de cada um.

Desempenho: é considerado o mais rápido e leve entre os sistemas Linux, Windows e Mac, podendo ser
até executado através de um pen drive. O problema fica a critério dos drivers, que às vezes é difícil de
encontrar.

Usabilidade: a versão do Linux Ubuntu está com bem parecida com a do Windows, com ícones e
programas amostra na tela. Também esta distribuição está vindo com uma barra de tarefa bem fácil
para o usuário, ou seja, cada vez mais o usuário está se adaptando ao Linux.

Segurança: é de longe o mais seguro, justamente por os vírus não serem projetados para Linux, devido a
pequena quantidade de pessoas que poderão ser atingidas. Já que a quantidade de gente que usa o
Linux e bem menos comparada ao do Windows.

Preço: Totalmente gratuito. Disponível na internet para qualquer pessoa fazer o download e instalar em
seu computador.

Tela do Linux Ubuntu mostrando a Área de trabalho.


Windows

O Windows é um sistema operacional que se diferencia de preço de


acordo com as suas versões, quanto mais funcionalidades e serviços ele tem, mais
caro ele vai ser. Por ser o mais utilizado no mundo todo, com quase 90% dos
computadores instalados, o Windows não escapa de ter seu Sistema Operacional
pirateado, instalado de forma ilegal, sem pagar nada por sua licença.

Uma versão nova do Windows 7, pode estar custando em média R$ 245,00 de


acordo com o site da Microsoft. Se o pacote Office (word, excel, power point) não
vier incluso, você também irá pagar pela sua lincença, o que seria um gasto a mais em comparação a
outros sistemas operacionais.

Desempenho: com um sistema mais estável, a nova versão do Windows, não está travando mais como
era as versões anteriores.

Usabilidade: O Windows 8, tenta se aproximar do tablets e smartphones, com uma tela reformulada,
cheia de ícones tornando a navegação pelo sistema mais fácil. Mas segundo os próprios usuários, essa
nova versão foi desenvolvida para computadores sensiveis ao toque, touchscreen, deixando de lado
mouse e teclado.

Seguraça: Por ser o SO mais utilizado, todos os anos milhões de vírus são desenvolvidos para atacar os
usuários do Windows, se não tiver com o seu antivírus em dia e atualizado, provavelmente você será
mais uma vítima.

Preço: Para atualizar do Windows 7 para o Windows 8 o preço até um período de 2013 estava em R$
70,00, já uma nova versão sairá bem mais cara.

Área de trabalho do Windows 7