Você está na página 1de 9

Riscos ocupacionais

Os problemas de voz nos professores:


prevalência, causas, efeitos
e formas de prevenção

ISABEL GUIMARÃES

Apesar de se reconhecer universalmente que os professores para os mesmos. Este facto, associado à percepção de
apresentam um maior risco vocal do que outros profissio- uma melhoria da qualidade vocal nos períodos de
nais, ainda não está claro, em Portugal, que tal facto possa férias, fá-los pensar na situação como um aconteci-
ser aceite como doença profissional. No presente artigo mento ocasional e por isso não tomam muitas vezes
define-se uso profissional da voz, indica-se a incidência, os as medidas apropriadas e adiam a resolução do pro-
factores causais e os efeitos dos problemas de voz e ainda blema.
as formas de avaliação e estratégias de prevenção vocal
Face às razões acima expostas, importa desenvolver
para o professor.
condições de natureza preventiva que levem à redu-
ção dos riscos profissionais da voz no professor por
forma a garantir a melhor qualidade de ensino, factor
de importância capital no futuro, económico e social,
da nossa sociedade.
O objectivo do presente artigo é contribuir para a
Introdução prevenção do uso profissional da voz através da
informação sobre o seu mecanismo, sinais e sintomas
A experiência clínica e a investigação (Fritzell, 1996;
de problemas e sugestões de prevenção vocal.
Scalco, Pimentel e Pilz, 1996; Smith et al., 1997;
Stemple, Stanley e Lee, 1995; Morton e Watson,
1998) confirmam a percepção de que os professores
são um grupo profissional mais vulnerável a proble- Como se produz a voz?
mas de voz do que a população em geral.
Ao surgir a vontade de comunicar oralmente, o cére-
Apesar de identificarem os seus problemas de voz,
bro transmite impulsos nervosos aos músculos do
muitos professores continuam a não procurar solução
sistema respiratório (que, ao contraírem-se, compri-
mem o ar dos pulmões e obrigam-no a subir ao longo
da traqueia), à laringe (fazendo com que as pregas
vocais ajustem o seu posicionamento e vibração) e às
estruturas do tracto vocal (fazendo com que haja
Isabel Guimarães é terapeuta da fala, doutorada em Fonética Expe- ajustamentos da tensão da faringe, do posiciona-
rimental pela Universidade de Londres, professora coordenadora mento da língua e do palato mole). Deste modo, a
na Escola Superior de Saúde do Alcoitão (ESSA).
coluna de ar pulmonar é sonorizada na laringe
Submetido à apreciação: 14 de Abril de 2004. (fonação) e modulada no tracto vocal (em sons da
Aceite para publicação: 27 de Abril de 2004. fala).

VOL. 22, N.o 2 — JULHO/DEZEMBRO 2004 33


Riscos ocupacionais

Em suma, a voz é um som (resultante de um conjunto -cultural do indivíduo e se o mesmo a aceitar como
de acontecimentos no aparelho fonador e ao longo do «normal». Ao longo do dia, consoante as condições
tracto vocal) com uma determinada força, sonoridade, do indivíduo e o contexto de uso vocal, a qualidade
duração, velocidade e ritmo regulado de forma sub- vocal deve variar dentro de limites adequados do
consciente pela informação enviada ao cérebro via ponto de vista da intensidade (desde sussurrada,
auditiva (Figura 1). fraca, conversacional, forte, ao grito), sonoridade
(desde tom grave, médio, a agudo), precisão articula-
tória e velocidade de fala.
Voz habitual versus uso profissional da voz Apesar de as potencialidades vocais de um indivíduo
serem consideradas muitas vezes um «dom», este
Através da sua dimensão verbal (palavra articulada, comportamento está susceptível a variações de ordem
fala) e não verbal (intensidade e sonoridade), a voz física e contextual e, por isso, o seu uso profissional
habitual produz-se sem que o emissor tenha qualquer assente na ignorância da verdadeira natureza do fenó-
preocupação voluntária com ela. É o resultado de meno pode ser meramente casual e a sua perturbação
uma aprendizagem inconsciente que envolve proces- ou desaparecimento podem ser tão surpreendentes
sos de produção (fonação, articulação e ressonância), quanto o seu «dom» original.
transmissão (vibrações que se propagam no ar sob a
forma de ondas sonoras) e percepção (sons que os Na actividade profissional do professor, a voz tem
ouvidos percepcionam). Ela é aceite como «normal» um papel importantíssimo, uma vez que pode facili-
se estiver adequada ao sexo, idade e contexto sócio- tar ou prejudicar a inteligibilidade da mensagem,

Figura 1
Tracto vocal e aparelho fonador
Farin

Língua
Pregas vocais fechadas Pregas vocais abertas
ge

Laringe

Fonte: Boone (1982) 92.

34 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA


Riscos ocupacionais

bem como ser uma fonte de indexação de informação Em inquéritos efectuados a professores sobre a refe-
estética, linguística e cultural, potencializando ou não rência a problemas vocais, Guimarães e Cruz (1997)
a eficácia e a credibilidade da sua comunicação oral. encontraram uma percentagem de 20% (em 61 pro-
Muito embora a exigência da qualidade de precisão fessores), Ferreira (2003) encontrou 54% (em 48
vocal do professor não seja crucial (quando compa- professores) e Larcher (2003) entre 40% e 47% (em
rada, por exemplo, às necessidades de um cantor 32 professoras de fitness).
lírico), deve, no entanto, possuir resistência elevada
para fazer face a factores como a necessidade contínua
de horas de comunicação vocal, às condições acústicas Factores causais dos problemas de voz
do local de trabalho, ao cansaço e ao stress emocional.
Existe uma enorme complexidade de factores intrín-
secos e extrínsecos ao indivíduo que podem estar
Incidência e prevalência dos problemas de voz subjacentes (individual ou conjuntamente) ao apare-
cimento de problemas de voz no professor, razão
Apesar das limitações em termos de investigação pela qual se torna complexo considerar a possibili-
nesta área (do ponto de vista do número e da diver- dade de uma doença «profissional».
sidade de metodologias usadas), constata-se que os Os factores intrínsecos de natureza individual mais
professores são, efectivamente, profissionais com frequentes nos professores são, segundo Vilkman
maior risco vocal devido ao desgaste vocal resultante (2000), a «voz débil», má técnica vocal, maus hábi-
do desempenho profissional, associado na maioria da tos vocais, personalidade «faladora», actividades de
situações à falta de (in)formação em voz. lazer que exigem uso vocal prolongado, hábitos de
No contexto clínico, de entre os doentes que pro- vida pouco saudáveis, condição física geral fraca e
curam resolução para os problemas de voz, os pro- doenças do foro respiratório.
fessores aparecem entre as dez profissões mais fre- São frequentemente citados como factores causais de
quentes (Cooper, 1977; Herrington et al., 1988) ou natureza profissional dos problemas de voz nos pro-
representam uma percentagem significativa, 16% fessores (Morton e Watson, 1998; Vilkman, 2000) o
(Fritzell, 1996; Smith et al., 1997). uso prolongado da voz a níveis elevados de intensi-
Smith et al. (1997) referem que nos Estados Unidos dade, o falar para grandes grupos, a acústica das
da América os sintomas de perturbação da voz refe- salas, a qualidade do ambiente (temperatura, ar, pó),
ridos pelos professores representam mais do dobro as posturas corporais de trabalho e o stress associado
dos indicados por outros profissionais (67% versus à profissão.
33%). Nos estudos que envolvem apenas professores, Um problema de voz de natureza profissional pode
Scalco, Pimentel e Pilz (1996) encontraram uma per- resultar nos mesmos factores que uma repetitive
centagem de 46%, enquanto Vilkmann (1996) des- strain injury, ou seja, exigência dinâmica prolongada
cobriu que entre 50% e 80% dos professores referem pela actividade profissional, e também factores
problemas de voz. De entre os professores que apre- biomecânicos desfavoráveis, qualidade do ambiente
sentam um problema de voz, Arnoux-Sindt et al. de trabalho, factores psicológicos (especificamente
(1994) referem que 63,4% não têm qualquer forma- stress) e atitude inadequada ou negligente na avalia-
ção em voz. ção e tratamento dos sinais precoces do problema
Em Portugal é, habitualmente, aceite que uma grande (Dalton e Hazleman, 1987, in Vilkmann, 1996).
percentagem de professores teve ou tem problemas
de voz e, apesar dos efeitos devastadores que cau-
sam, a informação disponível sobre a incidência dos Sintomas vocais e físicos
mesmos é bastante insuficiente.
Ferreira et al. (1996), numa análise de 100 casos clí- De entre os sintomas vocais mais referidos pelos
nicos de afonias e disfonias (sem alterações professores encontram-se a fadiga vocal (fonastenia)
laríngeas), dizem que os professores surgem como o (Sapir, Keidar e Mathers-Schmidt, 1993; Fritzell,
quarto grupo profissional mais prevalecente (em 1996; Vilkman, 1996; Morton e Watson, 1998; Smith
igualdade com os empregados de escritório), depois el al., 1998), o atrito vocal (Sapir, Keidar e Mathers-
das domésticas, empregadas de balcão e estudantes. Schmidt, 1993), o hiperfuncionamento e problemas
No estudo de Guimarães (2002), os professores são médicos que influenciam a voz (Morton e Watson,
os profissionais em maior número no grupo com 1998), a voz em esforço, voz mais fraca do que o
queixas vocais (21%), enquanto no grupo de controlo habitual e rouquidão (Smith el al., 1998).
sem problemas de voz representam o terceiro grupo Os sintomas de desconforto físico referidos pelos
mais frequente (5%). professores (Sapir, Keidar e Mathers-Schmidt, 1993;

VOL. 22, N.o 2 — JULHO/DEZEMBRO 2004 35


Riscos ocupacionais

Scalco, Pimentel e Pilz, 1996; Smith el al., 1998) são dificuldades na comunicação entre os professores
a sensação de cansaço, de esforço, de secura, de com problemas de voz e outros profissionais, efecti-
comichão, de queimadura, de dor e de desconforto. vamente os professores têm mais dificuldades comu-
As principais queixas das professoras portuguesas de nicativas em ambientes de ruído e mais dificuldade
fitness (Larcher, 2003) foram «esforço ao falar», «a em se exprimirem pelo que lhes é pedido mais vezes
voz enfraquece ao longo do dia», «garganta seca» e para repetirem o que disseram. Segundo Sapir,
«perda vocal por esforço». Keidar e Mathers-Schmidt (1993), 21% dos professo-
Cooper (1977) diz que os professores têm não só res referem que os problemas de voz interferem na
dificuldade em reconhecer estes comportamentos de actividade pedagógica.
mau uso e abuso vocal, como também em reconhecer Em termos de saúde, os problemas de voz podem
os sintomas das suas dificuldades vocais. Assim, um existir na ausência de patologia laríngea, mas o con-
professor que sinta uma dor ou irritação ligeira após trário também é verdadeiro. Convém salientar que o
uso prolongado da voz e que ao mesmo tempo iden- perpetuar de comportamentos vocais de risco (como,
tifique que a voz começa a perder qualidade ao longo por exemplo, uso vocal inadequado e continuado,
do dia (cansaço vocal designado por fonastenia) perpetuar de cansaço vocal) associado a factores de
pode, no entanto, perpetuar o seu comportamento desequilíbrio (como, por exemplo, hipersensibilidade
vocal, transformando-o em mais severo e crónico nasal) e a más condições de vida (como, por exem-
(Tabela 1). plo, hábito tabágico) pode contribuir para o apareci-
mento de patologia laríngea (por exemplo, nódulos
vocais).
Impacto na qualidade de vida De acordo com Arnoux-Sindt et al. (1994), na avalia-
ção laringoscópica de 256 professores com proble-
As hipóteses de perturbações vocais são inúmeras e mas de voz foram encontrados 34,4% com patologia
as suas consequências em termos de saúde e de qua- laríngea. Já Le Huche e Allali (1990) referem que,
lidade de vida dependem de cada indivíduo, da sua num estudo com 73 casos, os professores são quem
dinâmica pessoal e profissional, e por isso devem ser apresenta uma maior incidência de nódulos vocais,
analisadas cuidadosamente. Por exemplo, Smith et seguidos dos cantores e dos comediantes.
al. (1997) referem que, apesar de não haver diferen- Em termos de impacto na vida profissional (actual e
ças estatisticamente significativas na frequência de futura), os efeitos mais adversos dos problemas de

Tabela 1
Estádios de mau uso e abuso vocal segundo Cooper (1977)

Sinais sensoriais Sinais auditivos

Dor ou irritação ligeira após uso prolongado da voz. Ligeira rouquidão (disfonia).
Ligeira tensão extra ou intralaríngea ou faríngea. Redução da capacidade vocal.
Ligeiro Ligeira produção de muco. A voz vai perdendo qualidade ao longo do dia.
Ligeira sensação de «comichão» na laringe ou faringe. Limitação da extensão vocal.
«Pigarreio» e dores de garganta ocasionais.
Sensação de que falar é um esforço. Disfonia moderada.
Fadiga vocal após um uso moderado da voz. Quebras (falhas) de voz.
Aumento da tensão extra ou intralaríngea e faríngea. Extensão vocal reduzida.
Moderado Irritação laríngea e faríngea. Episódios de perda de voz (afonia).
Dores episódicas de garganta. Dificuldades vocais mais notórias ao longo do dia.
«Pigarreio» frequente.
Imediata fadiga vocal após um uso vocal curto. Disfonia persistente e/ou laringite crónica.
Fala em esforço. Quebras (falhas) constantes de voz.
Sensação de corpo estranho na garganta. Marcada redução da extensão vocal.
Severo «Pigarreio» constante. Episódios repetidos de afonia.
Irritação ou dor na laringe ou faringe. Dificuldade evidente na inteligibilidade do discurso.
Excessiva produção de muco. Dificuldade evidente de resistência vocal.
Dores de garganta frequentes. Dificuldades vocais notórias logo ao início do dia.

36 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA


Riscos ocupacionais

voz identificados pelos professores estão relaciona- nico) e tenso. Para os terapeutas da fala, a avaliação
dos com o terem de faltar (Sapir, Keidar e Mathers- perceptiva não se centra apenas na qualidade fonató-
Schmidt, 1993), com as limitações nas decisões pro- ria e envolve a análise de diversos comportamentos
fissionais e a incapacidade para modificarem a sua vocais (como, por exemplo, voz habitual, projecção
carreira, bem como as opções para o futuro em ter- vocal e resistência vocal) e actividades correlaciona-
mos de carreira (Smith et al., 1997). Segundo Sapir, das (como, por exemplo, a dinâmica postural), pelo
Keidar e Mathers-Schmidt (1993), 9% dos professo- que surgem outros protocolos, como, por exemplo, o
res referem que os problemas de voz são fonte de de Laver (1980) e, em Portugal, o de Guimarães e
stress e frustração. Cruz (1995).
Os meios instrumentais de avaliação acústica e
electroglotográfica permitem a obtenção de dados
Como se avalia profissionalmente um pro- quantitativos que se correlacionam com as outras
blema de voz? formas de avaliação. A Tabela 2 apresenta uma aná-
lise comparativa entre diferentes formas de avaliação
Sempre que existam dúvidas sobre a qualidade da da intensidade.
voz, devem ser consultados os profissionais de saúde, Foi observado que o volume da voz falada aumenta
otorrinolaringologista e terapeuta da fala, habilitados cerca de 3dB para cada 10dB de ruído ambiente
para fazerem uma avaliação da situação e definirem começando de 40bB(A) devido ao efeito de Lombard
a forma mais adequada de resolução dos problemas. (Vilkman, 1996). Estima-se que a intensidade da voz
A avaliação da qualidade vocal (em termos de saúde) do professor dentro da sala de aula varia entre 58 a
implica a elaboração da história clínica/anamnese do 78 dB(A) (Vilkman, 1996).
indivíduo (para recolha de informações de carácter Os valores da frequência fundamental (medidos atra-
pessoal, familiar, profissional e de saúde), a observa- vés de electroglotografia) da voz de adultos portu-
ção das estruturas e do funcionamento laríngeo atra- gueses sem problemas de voz em situação de leitura
vés de endoscopia e/ou estroboscopia (pelo otorrino- em voz alta e conversação (em voz habitual) são
laringologista), a análise do comportamento vocal apresentados na Tabela 3.
através da avaliação perceptiva, acústica e/ou electro- A autopercepção vocal [feita através de questionários
glotográfica (pelo terapeuta da fala) e uma avaliação normalizados, como, por exemplo, o voice handicap
da qualidade vocal pelo próprio. index (VHI) de Jacobson et al., 1997, validado para
O exame de observação laríngea (endoscopia e/ou o português por Guimarães, 2002] permite analisar a
estroboscopia) é fundamental para a observação das percepção que o indivíduo tem do impacto psicosso-
estruturas e funcionamento laríngeo. cial da sua voz do ponto de vista funcional, físico e
A avaliação perceptiva (através da utilização de esca- emocional. Quanto maior for o valor obtido, mais
las e protocolos) permite identificar subjectivamente negativo é o impacto.
a qualidade vocal. A escala de avaliação perceptiva Correia (2002), usando o VHI, encontrou um maior
da voz mais difundida a nível mundial na comuni- impacto psicossocial da voz nos professores do que
dade dos otorrinolaringologistas é a de Hirano (1981), nos enfermeiros e estudantes (muito embora a dife-
em que o enfoque é ao nível da qualidade fonatória, rença não seja estatisticamente significativa, p > 0,05).
usando uma escala de gravidade (desde normal, Os itens mais cotados do ponto de vista funcional
ligeiro, moderado a severo) para os termos rouquidão foram «as pessoas têm dificuldade em compreende-
(áspero), sussurrado (soprado), muito fraco (asté- rem-me num local ruidoso», «a minha voz faz com

Tabela 2 Tabela 3
Percepção subjectiva da intensidade versus intensidade Frequência fundamental da voz de adultos (Guimarães
et al., 2003)
Percepção subjectiva da intensidade Intensidade (décibeis)
Leitura Conversação
Sussurrada Inferior a 30dB
Mulheres Média = 190 Hz Média = 187 Hz
Fraca Inferior a 40dB
19-64 anos [143-227 Hz] [147-220 Hz]
Conversacional 40-70 dB
Forte (projectada) 80 a 90 dB Homens Média = 110 Hz Média = 109 Hz
Grito Superior a 90 dB 20-67 anos [83-151 Hz] [87-131 Hz]

VOL. 22, N.o 2 — JULHO/DEZEMBRO 2004 37


Riscos ocupacionais

que seja difícil os outros ouvirem-me» e «as minhas e sintomas), à definição de prioridades e à busca de
dificuldades com a voz limitam a minha vida pessoal soluções a serem aplicadas de uma forma proactiva.
e social». Do ponto de vista físico, encontram-se «o Nesse sentido qualquer abordagem terapêutica, seja
som da minha voz varia ao longo do dia», «sinto ela fisiológica, sintomática, psicossomática ou ecléc-
como se tivesse de me esforçar para produzir voz» e tica, deve ser encarada não só na perspectiva mera-
«a minha voz está pior à noite». Do ponto de vista mente individual, mas também na perspectiva do
emocional, o item mais cotado é «o meu problema de indivíduo como um elemento de um sistema.
voz preocupa-me». Compreensão, empatia e projecção de credibilidade,
Segundo Ferreira (2003), professores portugueses do conjuntamente com o saber ouvir, aconselhamento e
1.o ciclo apresentaram valores superiores de impacto motivação, são atributos essenciais para o sucesso da
psicossocial, estatisticamente significativos, quando terapia vocal (Guimarães, 1997).
comparados com os professores do 2.o ciclo.

Alguns conselhos de saúde vocal


O que é a terapia vocal?
Parece então fundamental que qualquer profissional
Independentemente da especificidade de cada indiví- da voz (neste caso o professor) tenha conhecimento
duo (em termos de condição laríngea e vocal), a tera- de alguns princípios fundamentais da preservação da
pia vocal envolve processos inter-relacionados de sua qualidade vocal.
acções indirectas e directas. Vejamos alguns exemplos, nomeadamente o con-
A terapia vocal indirecta envolve todos os actos de sumo de medicamentos, a permanência em locais de
informação e formação sobre a dinâmica vocal (por ambiente poluído, hábitos de vida nefastos (por
exemplo, como se produz a voz, factores desenca- exemplo, tabagismo) e abuso vocal (tosse e «pigar-
deantes e perpetuantes de problemas de voz e saúde reio» persistente).
vocal). Nesse sentido são importantes todos os mate- O grau de impacto do consumo de medicamentos e
riais informativos à disposição do público em geral e de drogas na qualidade vocal depende da resposta
mais especificamente à disposição dos profissionais biológica individual (por exemplo, idade, biótipo
da voz. e stress), da relação dose-efeito, dosagem tomada e
Em Portugal têm sido feitas várias acções de carácter duração do uso do(s) medicamento(s).
informativo dirigidas a diversos profissionais da O café, o chá preto, a Coca-cola, os anti-histamínicos
saúde, da educação, das artes e outros (Guimarães, e os corticoesteróides, segundo Martin (1984), são
1997; Cruz e Guimarães, 1997). Em Abril de 2003 diuréticos que provocam a desidratação das mucosas,
foi também comemorado pela primeira vez em Por- causando a sensação de secura e consequente von-
tugal o dia mundial da voz, com diversas iniciativas, tade de «pigarrear» ou tossir. A cafeína é também um
desde seminários, folhetos de divulgação sobre a voz, estimulante do sistema nervoso central que provoca
programas na rádio e na televisão. alteração da coordenação e sensibilidade propriocep-
A terapia vocal directa deve ser perspectivada tendo tiva, podendo ter como efeito o «tremor da voz».
em consideração o indivíduo, ou seja, a especifici- A nicotina provoca tosse crónica, aumento da produ-
dade do seu problema (por exemplo, ausência ou pre- ção de secreções e agravamento do tom de voz (enve-
sença de patologia laríngea), a sua formação (nível lhecimento precoce das estruturas laríngeas) e contri-
sócio-cultural) e o seu papel na sociedade (por exem- bui para o aparecimento de sinais de abuso vocal,
plo, que tipo de profissional da voz, professor, actor como tosse e «pigarreio» persistentes (Martin, 1984).
ou outro). Os barbitúricos, os tranquilizantes e o álcool actuam
A metodologia de intervenção directa pode envolver como depressores do sistema nervoso central, provo-
o uso de: (1) técnicas de relaxamento geral e especí- cando alteração da coordenação e sensibilidade pro-
fico; (2) técnicas de controlo postural versus respira- prioceptiva. O álcool, em grandes quantidades, altera
ção; (3) técnicas de discriminação auditiva; (4) técni- a precisão articulatória («fala empastada») (Martin,
cas de controlo vocal em diferentes comportamentos 1984).
vocais (por exemplo, voz habitual e/ou projecção Os broncodilatadores e os broncoconstritores (para o
vocal). tratamento da asma e bronquite crónica) produzem
Importa sobretudo referir que a terapia vocal não é efeito ao nível do fluxo de ar, podendo haver ruído
um acto restrito de mera aplicação de técnicas, mas respiratório, tosse e falta de ar (dispneia) (Martin,
um processo onde existe uma necessidade recíproca 1984).
de colaboração para se chegar ao conhecimento efec- A permanência em locais de ambiente poluído pode
tivo do problema (e não apenas à detecção de sinais criar fragilidade da mucosa nasal e nasosinusal (atra-

38 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA


Riscos ocupacionais

vés da sua desidratação e vasodilatação) e oral (atra- dos e ainda: (1) degluta (em seco) ou beba água sem-
vés da sua desidratação) e contribuir para o apareci- pre que sinta vontade de «pigarrear» e/ou tossir.
mento de irritações generalizadas das mucosas e O acto de deglutição obriga à descida da laringe e
afectar a produção de muco, tornando-o mais visco- alivia a excessiva tensão dos músculos constritores
so. Como consequência, podem surgir sinais de tosse faríngeos; (2) boceje, pois o bocejar obriga à descida
e «pigarreio». da laringe (tal como o deglutir), mas permite, especi-
As queixas mais comuns dos professores sobre a ficamente, a expansão da faringe e, portanto, reduz a
qualidade do ar são o ambiente seco e o pó (Vilkman, excessiva tensão muscular do tracto vocal; (3) faça
1996). massagem laríngea (pequenos movimentos circula-
Aconselha-se, por isso, para beneficiar a hidratação res, efectuados lentamente com o indicador e o pole-
(Cruz e Guimarães, 1997), ter atenção: (1) ao nível gar, na zona vulgarmente designada por «maçã-de-
de humidade do ar. A hidratação diminui o grau de -adão»); (4) faça vibração da língua e dos lábios (sem
pressão de contacto das pregas vocais durante a som).
vibração porque esta depende da viscosidade e de Uma voz mais forte (aumento da intensidade) é con-
outras propriedades dos tecidos. Um nível de humi- seguida através do aumento da pressão de ar
dade do ar de 30%-40% pode ser mantido através de subglótico, o que modifica o padrão de vibração das
vaporizadores, obviamente não causando o risco de pregas vocais. Do ponto de vista puramente biomecâ-
efeitos secundários (Vilkman, 1996); (2) ao nível de nico, o uso prolongado de uma voz de intensidade
hidratação corporal. Ter o hábito de beber água a forte pode restringir a circulação sanguínea nas pre-
temperatura natural (6 a 8 copos por dia), fazer a gas vocais (Titze, 1994). Da experiência clínica tam-
inclusão de frutas e vegetais na dieta alimentar, pois bém é sabido que muitas vezes os indivíduos perdem
contém vitaminas (A, E e C) bastante importantes a capacidade de adaptação do seu volume de voz de
para a saúde da mucosa faríngea (pele que reveste a acordo com as condições e tendem a usar uma voz
garganta) e usar água salinizada (sprays nas fossas muito forte em situação conversacional (Vilkman,
nasais e gargarejos). 1996).
Sugere-se que evite antes e durante o uso profissional Aconselha-se que:
da voz (Cruz e Guimarães, 1997): (1) pastilhas ou
gargarejos com substâncias que contêm álcool e • Se fala com uma voz de intensidade muito forte
substâncias químicas, porque alteram a saúde das para fazer face ao ruído de fundo, pense tornar-se
mucosas oral e faríngea; (2) as bebidas com cafeína adepto de uma campanha «antifalar-sobrepondo o
e álcool. Estas bebidas actuam como diuréticos e ruído». As campanhas antitabágicas e anti-ruído
causam desidratação. Para além disso, provocam um permitem a melhoria da qualidade dos espaços
efeito excitante, o que produz alterações vocais públicos, estabelecendo limites de segurança para
neurovegetativas. Mais ainda, o álcool cria irritação todos. Será importante demonstrar a todos que a
da mucosa faríngea e é um factor de risco no cancro campanha «antifalar-sobrepondo o ruído» tem o
da laringe; (3) as comidas demasiado condimentadas, duplo benefício de melhorar a qualidade dos
porque provocam desidratação e por vezes perturba- ouvidos e das laringes (Titze, 1999);
ções gástricas (por exemplo, azia); (4) o consumo de • Faça descanso vocal apropriado após o uso pro-
tabaco ou exposição a fumo porque tem um efeito longado de voz ou uso vocal de intensidade forte.
nocivo na mucosa das pregas vocais (constitui um Sempre que se pára de falar, consegue-se um
factor de risco no cancro da laringe) e consequências período curto de recuperação que beneficia os
na qualidade da voz (tom de voz muito grave e com músculos (cuja química se restabelece para a con-
irregularidades). Em resposta a agentes poluidores, tracção seguinte). No entanto, sempre que se
como o tabaco, podem surgir sinais de tosse e «pigar- traumatiza a mucosa que recobre as pregas vocais
reio». (pela força de colisão das pregas vocais no acto
Durante ou após a actividade de uso vocal (prolon- fonatório, por exemplo), esta não é rapidamente
gado ou não) podem surgir sinais de «pigarreio» e/ou recuperada. Este processo pode durar desde algu-
tosse. «Pigarrear» («arranhar a garganta») e/ou tosse mas horas a 72 horas (Titze, 1999);
são hábitos que criam uma tensão laríngea e faríngea • Use uma precisão articulatória adequada (com
exagerada e o bem-estar conseguido é habitualmente movimentos amplos da língua e dos lábios, mas
de curta duração, com a necessidade de repetição não exagerados, sem cerrar os dentes), velocidade
súbita do mesmo comportamento. de discurso moderada com variações da entoação,
Aconselha-se (Cruz e Guimarães, 1997) que reflicta em vez de aumentar a intensidade da voz para
sobre o motivo desses sinais e, caso se devam a fac- chamar a atenção dos alunos. Guimarães (1992)
tores de desidratação, siga os conselhos acima cita- refere que, «quando comunicamos, a nossa aten-

VOL. 22, N.o 2 — JULHO/DEZEMBRO 2004 39


Riscos ocupacionais

ção se centra fundamentalmente no conteúdo da elementares do uso profissional da voz no professor


mensagem que pretendemos emitir, mas é através e desta forma contribuir para a prevenção de factores
da voz e das suas nuances no tempo, como atra- considerados de risco para este profissional.
vés da expressão corporal, gestual e mímica, que
enriquecemos a nossa relação com os outros»;
• Fale na posição de pé, porque facilita a respiração
natural, mas, por outro lado, lembre-se de que Referências bibliográficas
manter a mesma postura por um longo período de
tempo pode ser extremamente cansativo. De ARNOUX-SINDT, B., et al. — Enquete sur la voix de l’enseignant
acordo com a opinião dos investigadores, a fun- sur l’academie de Montepellier 1991-1993. Besançon. Bulletin
d’audiophonologie. ISSN 0338-9505. X : 5/6 (1994) 519-528.
ção respiratória adapta-se desde que exista uma
postura corporal equilibrada (Sihvo et al., 1998). BOONE, D. — The boone voice program for adults : remediation.
Austin : Pro-Ed, 1982. ISBN 0-89079-424-3.

Sugere-se que evite: COOPER, M. — Modern techniques of vocal rehabilitation. 3rd


ed. Springfield : Charles Thomas Publisher, 1977. ISBN 0-398-
-02451-0.
• Fazer monólogos, onde, contrariamente às situa-
CORREIA, P. — Impacto da qualidade vocal na qualidade de vida
ções de diálogo, não existem praticamente dos professores. Alcoitão : Escola Superior de Saúde do Alcoitão,
momentos de paragem que permitem um tempo, 2002. Monografia final de curso de licenciatura em Terapia da
ainda que mínimo, de recuperação vocal; Fala.
• Usar a voz (em duração e intensidade) sempre CRUZ, M. C.; GUIMARÃES, I. — Saúde vocal. In SÁ, M. de —
que esteja «constipado» ou em período agudo de Segredos da voz : emissão e saúde. Lisboa : Sebenta Editora, 1997.
ISBN 972-8390-46-7. 129-139.
alteração das vias aéreas superiores (por exemplo,
rinite, sinusite). Segundo Cooper (1977), um pro- FERREIRA, Ana, et al. — Afonias e disfonias psicogénicas : aná-
lise de 100 casos clínicos. Revista Portuguesa de Otorrinolaringo-
blema de voz pode surgir depois de uma consti- logia. Lisboa. ISSN 0873-3864. 34 : 1 (1996) 81-5.
pação se: (1) a infecção é grave ou de duração
prolongada; (2) a infecção ocorre em associação FERREIRA, R. — Impacto psicossocial da voz em professores.
Alcoitão: Escola Superior de Saúde do Alcoitão, 2003. Monografia
com um período de fadiga corporal e/ou depres- final de curso de licenciatura em Terapia da Fala.
são; (3) o indivíduo tenta proteger a sua voz tor-
FRITZELL, B. — Voice disorders and occupations. Logopedics
nando o tom diferente do habitual; (4) o tom de Phoniatrics Vocology. Stockholm. ISSN 1401-5439. 21 : 1-2
voz criado durante a constipação lhe agrada e por (1996) 7-12.
isso o perpetua. GUIMARÃES, I. — A voz : um bem a preservar. Fisioterapia.
Lisboa. 3 : 1 (1992) 21-25.

GUIMARÃES, I.; Cruz, M. C. — Avaliação aerodinâmica da voz.


Mais informações sobre voz e prevenção vocal In Manual do curso teórico-prático da voz. Lisboa : Fisiopraxis,
1995.
Centro de Recursos Educativos da Escola Superior GUIMARÃES, I. — Um pouco de nós sobre voz : relato de uma
de Saúde do Alcoitão (http://www.essa.pt). experiência profissional : 1992/1996. São Paulo. ISSN 0104-5687.
Pró-Fono. 9 : 1 (1997) 35-40.
Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da
Fala da União Europeia (http://www.cplol.org). GUIMARÃES, I.; CRUZ, M. C. — Prevenção vocal : uma expe-
riência portuguesa. In CONGRESSO Europeu do Comité Perma-
American Speech — Language — Hearing nente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia, 3,
Association (http://www.asha.org/speech/disabilities/ Lisboa, Maio de 1997, Lisboa : CPLOL, 1997.
Voice-problems). GUIMARÃES, I. — An electrolaryngographic study of dysphonic
Voice and Speech Trainers Association, Inc. (http:// Portuguese speakers. London : London University, 2002. PhD
www.vasta.org). tesis.

GUIMARÃES, I., et al. — A frequência fundamental (F0) da voz


de adultos. Revista Portuguesa de Otorrinolaringologia. Lisboa.
ISSN 0873-3864. 41 : 2 (2003) 127-140.
Considerações finais
HERRINGTON-HALL, B., et al. — Description of laryngeal
pathologies by age, sex, occupation in a treatment seeking sample.
A literatura consultada aponta para uma relação Journal of Speech and Hearing Disorders. ISSN 0022- 4677. 53
estreita entre problemas vocais e o uso profissional (1988) 57-64.
da voz. Estas alterações devem-se em grande parte à HIRANO, M. — Clinical examination of voice. New York :
falta de informação sobre o mecanismo de produção Springer-Verlag, 1981. ISBN 0-387-81659-3.
vocal, sobre os factores desencadeantes de problemas
JACOBSON, B., et al. — The voice handicap index : development
e sobre as condutas preventivas. O presente artigo and validation. American Journal of Speech-Language Pathology.
teve por objectivo informar sobre os aspectos vocais Rockville. ISSN 1058-0360. 6 (Agosto de 1997) 66-70.

40 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA


Riscos ocupacionais

LARCHER, I. — A utilização vocal em professores de fitness. Summary


Alcoitão : Escola Superior de Saúde do Alcoitão, 2002. Monogra-
fia final de curso de licenciatura em Terapia da Fala.
OCCUPATIONAL VOICE PROBLEMS IN TEACHERS:
LAVER, J. — The phonetic description of voice quality. Cam- PREVALENCE, CAUSES, EFFECTS AND PREVENTION
bridge : Cambridge University Press, 1980. ISBN 0 7486 0875 3.
MODELS
Le HUCHE, F. ; ALLALI, A. — La voix. Paris : Masson, 1990.
ISBN 222582553X.

MARTIN, G. — Drugs and the voice. In SYMPOSIUM Care of Teachers are recognized universally to be at a higher risk to
the Professional Voice New York, June 1984 — Part II : transcripts. acquire voice problems than other professionals, yet the issue
New York : The Voice Foundation, 1984. 191-201.
of occupational voice problems among teachers has not been
MORTON, V.; WATSON, D. — The teaching voice : problems and well defined in the Portuguese context. Consequently, this ar-
perceptions. Logopedics Phoniatrics Vocology. Stockholm. ISSN ticle addresses the occupational voice problems among Portu-
1401-5439. 23 : 3 (1998) 133-139.
guese teachers, and covers specifically the prevention, and
SAPIR, S.; KEIDAR, A.; MATHERS-SCHMIDT, B. — Vocal treatment of voice problems of this professional group.
attrition in teachers : survey findings. European Journal of
Disorders of Communication. London. ISSN 0963-7273. 28
(October 1993) 177-185.

SCALCO, M.; PIMENTEL, R.; PILZ, W. — A saúde vocal do


professor : levantamento junto a escolas particulares de Porto Ale-
gre. Pró-Fono. São Paulo. ISSN 0104-5687. 8 : 2 (1996) 25-30.

SIHVO, M., et al. — Effects of ergonomic and environmental


factors on phonation at a low pitch. Logopedics Phoniatrics
Vocology. Stockholm. ISSN 1401-5439. 24 : 2 (1999) 84-91.

SMITH, E., et al. — Frequency and effects of teachers’ voice


problems. Journal of Voice. San Diego. ISSN 0892-1997. 11
(1997) 81-87.

SMITH, E., et al. — Voice problems among teachers : differences


by gender and teaching characteristics. Journal of Voice. San
Diego. ISSN 0892-1997. 12 : 3 (1998) 328-334.

STEMPLE, J.; STANLEY, J.; LEE, L. — Objective measures of


voice production in normal subjects following prolonged voice use.
Journal of Voice. San Diego. ISSN 0892-1997. 2 (1995) 127-33.

TITZE, I. — Mechanical stress in phonation. San Diego. ISSN


0892-1997. Journal of Voice. 8 (1994) 99-105.

TITZE, I. — Toward occupational safety criteria for vocalization.


Logopedics Phoniatrics Vocology. Stockholm. ISSN 1401-5439.
24 : 2 (1999) 49-54.

VILKMAN, E. — Voice problems at work : a challenge for


occupational safety and health arrangement. Folia Phoniatrica
Logopaedica. Basel. ISSN 1021-7762. 52 (2000) 120-125.

VILKMAN, E. — Occupational risk factors and voice disorders.


Logopedics Phoniatrics Vocology. Stockholm. ISSN 1401-5439.
21 : 3-4 (1996) 137-141.

VOL. 22, N.o 2 — JULHO/DEZEMBRO 2004 41