Você está na página 1de 2

Os alvos da sátira de Gil Vicente

            São vários os alvos atingidos pelas peças de Gil Vicente. Em conjunto,


representam a sociedade contemporânea do dramaturgo e, em parte, de todas as
épocas. Criador de personagens-tipo, o teatro vicentino revela aos nossos olhos uma
galeria de tipos que podemos esquematizar no seguinte quadro:

Conjuntos Representantes Vícios satirizados Autos


presunção, exploração, Auto da Barca
O fidalgo
imoralidade do Inferno
suborno, injustiça, confissão Auto da Barca
O corregedor
pecaminosa do Inferno
suborno, ausência de confissão, Auto da Barca
O procurador
cumplicidade com o corregedor do Inferno
Os poderosos
exploração a alto juro, ambição, Auto da Barca
O onzeneiro
materialismo do Inferno
poder terreno, venda de
"Roma" Auto da Feira
indulgências, ausência de
virtudes
A "Corte" Vários autos
luxo, exploração, ociosidade
Auto da Barca
O sapateiro roubo, prática religiosa negativa
do Inferno
prática do judaísmo, suborno,
desprezo das normas cristãs, Auto da Barca
O judeu
Os profanação dos lugares do Inferno
materialistas sagrados
Auto da Barca
O enforcado roubo, prática do assassínio
do Inferno
Auto da Barca
O taful prática do jogo ilícito, blasfémia
do Purgatório
Os corruptos devassidão, desvio dos votos
Auto da Barca
O frade professados, ociosidade, vida à
do Inferno
moda da corte (luxo)
Auto da Barca
A alcoviteira prostituição, hipocrisia, feitiçaria
do Inferno
O corregedor e o Auto da Barca
defeitos já indicados
procurador do Inferno
Auto da Barca
do
Os clérigos sensualidade, luxúria
Inferno e Farsa
de Inês Pereira
O marido roubo, enriquecimento fácil,
Auto da Índia
emigrante abandono da família
As raparigas ociosidade, pretensão de se "Quem tem
casadoiras: Isabel afidalgar pelo casamento Farelos?"; Farsa
e Inês Pereira de Inês Pereira
O escudeiro (Brás pelintrice, ociosidade, Farsa de Inês
da Mata e Aires hipocrisia, fanfarronice, fome, Pereira; "Quem
Rosado) oportunismo Tem Farelos?"
Auto da Barca
A alcoviteira prostituição
do Inferno
Os imorais A Ama adultério, hipocrisia, cinismo Auto da Índia
Farsa de Inês
Inês Pereira adultério
Pereira
pequenos defeitos, absolvidos
Auto da Barca
Os lavradores devido à exploração de que
As personagens do Purgatório
eram vítimas
rústicas
pequenos defeitos, também
Os pastores Auto da Feira
eles absolvidos
incapacidade de pecar, elogio da Auto da Barca
O Parvo
sua simplicidade do Inferno
Os inocentes
Auto da Barca
O menino sem defeitos, inocentes
do Purgatório
Os quatro defeitos perdoados, purificados Auto da Barca
Os "cruzados"
cavaleiros pela morte em defesa da fé do Inferno

            Diferentemente do que sucede com o teatro clássico, o teatro vicentino não


tem como propósito apresentar conflitos psicológicos. Não é um teatro de caracteres e
de contradições entre (ou dentro de) eles, mas um teatro de sátira social ou um teatro
de ideias. No teatro vicentino não perpassam caracteres individualizados, mas tipos
sociais agindo segundo a lógica da sua condição, fixada de uma vez para sempre; e
outros entes personificados. Especificando, poderíamos distinguir:

a) tipos humanos, como o Pastor, herdade do Encina e adaptado à realidade portuguesa,


o Camponês, o Escudeiro, a Moça de vila, a Alcoviteira, figura já celebrizada em
Espanha pela Celestina, o Frade folião, à volta do qual havia toda uma literatura
medieval;

b) personificações alegóricas, como Roma, representando a Santa Sé, a Fama Portuguesa,


as quatro Estações;

c) personagens bíblicas e míticas, como os Profetas e Sibilas, os deuses greco-romanos;

d) figuras teológicas, como o Diabo, ou Diabos, a hierarquia dos Anjos, e a Alma;

e) o Parvo, um caso à parte, que é um tipo tradicional europeu, às vezes vazado nos
moldes de certos pastores bobos, do vilão Janafonso e do Juiz da Beira, etc., e que
serve para exprimir alguns dos mais reservados pensamentos vicentinos, divertir os
olhos e os ouvidos, expor uma doutrina cristão tal como a concebia Gil Vicente,
participar no debate de ideias em que ele se empenha, ou, ainda, realizar no palco
aquilo a que poderíamos chamar uma poesia cenografada.

Você também pode gostar