Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS


Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

Edições diplomáticas, crítica e modernizada da cantiga


A maior coita que eu vi sofrer

Trabalho entregue à disciplina de Filologia Portuguesa (FLC 0284)


Docente: Prof. Dr. Mário Eduardo Viaro
Discente: Lucas Rodrigues Negri

São Paulo
2017
APRESENTAÇÃO

Este trabalho apresentará edições diplomáticas, crítica e modernizada de uma cantiga de amor
atribuída a Fernão Velho, trovador de origem incerta, talvez portuguesa, talvez galega. A composição da
cantiga data provavelmente do terceiro quartel do século XIII. Seu primeiro verso, em versão modernizada,
lê-se “A maior coita que eu vi sofrer”, e ela aparece em três cancioneiros: no Cancioneiro da Ajuda (cantiga
de número 260), no Cancioneiro da Vaticana (número 49) e no Cancioneiro da Biblioteca Nacional (número
437). Ela pode ser acessada nas edições mecânicas dos três cancioneiros no link:

http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=428&pv=sim

A abreviação referente a cada cancioneiro será: “A” para Cancioneiro da Ajuda, “B” para
Cancioneiro da Biblioteca Nacional, e “V” para Cancioneiro da Vaticana.
Para as edições diplomáticas, foram adotados os sinais mais próximos possíveis àqueles grafados nos
Cancioneiros. Assim, o subscrito na letra indica letra cortada (como na abreviação de “per” na 12ª linha do
manuscrito B), o travessão sobre a letra indica o traço sobre a letra (como na abreviação de “que” na 1ª linha
do manuscrito B), o sinal “9” indica o grafo semelhante que abrevia “os” (ver, por exemplo, a 4ª linha do
manuscrito B).
De mais difícil semelhança na transcrição foram: a grafia específica do “s” que aparece na
abreviação de “deus” no manuscrito B, transcrita por “s᷈”, a abreviação de “ser” em “servir”, na linha 9ª do
mesmo manuscrito, transcrita por “s”, e a transcrição dos sinais sobre e sob a letra “a” na abreviação de
“gracir” na ª linha do manuscrito V, transcritos “ã”. No manuscrito B, a letra grega “Г” transcreve o sinal
semelhante que indica o estribilho. Nesse mesmo manuscrito há palavras não identificadas acima e abaixo
da cantiga, que não foram transcritas, e uma mancha no final da 6ª linha, cuja interferência, acredito, foi
possível driblar (e por isso não está indicada na edição diplomática). No manuscrito A faltam algumas
maiúsculas (linhas 4, 7, 12 e 16), e na 6ª linha falta uma letra “o” em “mundo”, que talvez tenha sumido pela
ação do tempo e não foi transcrita por respeito à fonte. O manuscrito V é o que mais apresenta interferência
do verso do folio, mas nada que impeça a identificação total do texto. A estrofação foi mantida conforme
pareceu respeitar os manuscritos, atenção especial sendo dada ao espaçamento dos versos iniciais no
manuscrito A e à falta de espaçamento entre a 6ª e 7ª linhas no manuscrito V.
Para a edição crítica, preferi deixar o aparato crítico na frente de cada verso, pois acredito que assim
a consulta é mais fácil. Quando o aparato não coube na mesma linha, sua continuação na linha de baixo está
indicada pelo colchete “[“. Na nota de rodapé encontram-se informações adicionais e justificativas quanto às
decisões tomadas na edição.
A edição modernizada levou em consideração tanto o sentido original do texto como também sua
métrica e sonoridade. Sendo assim, como toda tradução poética, encontrou algumas dificuldades em adaptar
as diferenças linguísticas às medidas formais. Mesmo assim, acredito que o conteúdo da cantiga permaneceu
bastante próximo ao original.

2
EDIÇÃO DIPLOMÁTICA
VERSÃO CANCIONEIRO DA AJUDA (A 260)

A maior coita que eu ui soffrer.

damor a nullome desque naçi. eu mia

soffro e ia que est assi. meus ami

gos assi ueia prazer. radese a

5 deus que me faz a maẏor. coita

do mund auer por mia sennor.


ben tenneu que faço gran razon
da maẏor coita muita d’s graçir
que mel da por mia señor que seruir´
10 ei mentreu uiuer mui de coraçon
Gradese a d’s que me faz a maẏor
por maẏor ei eu per bõa fé
a questa coita de quantas fara
nr᷉o se᷉nor e por maẏor mía da
15 de quantas fez e pois que assi é
radese a d’s que me faz a mayor

P ois que mia fez auer pola

mellor. dona de quantas fez ;

nostro sennor.

3
EDIÇÃO DIPLOMÁTICA
VERSÃO CANCIONEIRO DA BIBLIOTECA NACIONAL (B 437)

A mayor coyta q eu uj sofrer


damor a nullome desque naçi
eu mha sofro e ia que est assy
me9 amig9 assy ueia prazer
5 Г Gradescade9 quemj faz amayor
coyta do mundo auer por mha senhr.

E ben tenhai q faço razo


da mayor coyta ads᷈ g᷉çir
q mel da pr mha senhor q suir
10 ey mentri uiuer muy de coraço
Г Gradescads᷈ q

E por mayor ey eu p boa fe


aqsta coyta de qtas fara
nro senhor e pr mayor mha da
15 de qtas fez e poys assy e
Г Gradescads᷈ q mj faz a

Poys q mha faz au᷈ pola melhor


dona de qtas fez nostro senhor

4
EDIÇÃO DIPLOMÁTICA
VERSÃO CANCIONEIRO DA VATICANA (V 49)

A mayor coyta que eu ui sofrer


damor anullome desque naçi
eu mha sofro e ia que est assy
meo amigo assy ueia prazer
5 gradescade9 quemi faz amayor
coyta do mundo auer por mha senhor
E ben tenheu q faço razo᷄
da maior coyta a ds gãr
q mel da pr mha senhor q seruir
10 ey mentrí uiuer mui de coraçó
gradescads q

E por mayor ey eu p boa f


a qsta coyta de qtas fara
nro᷄ senhor e pr mayor mha da
15 de qtas fez e poys assy e
gradescads q mi faz a

Poysdonaqmha faz así pola melhor


de qtas fez nostro senhor.

5
EDIÇÃO CRÍTICA

A maior coita que eu vi sofrer A Amaior / soffrer. #B mayor coyta / vj #V mayor coyta
d’amor a null’ome des’que naçi A naçi. eu mia #V anullome
eu mha sofro e já que est assi A – soffro / ia / assi. meus ami #B ia #V ia
meos amigos assi veja prazer A – gos assi ueia prazer. radese a #B ueia #V meo amigo /
5 Gradesc’a deos que me faz a mayor A – deus / maẏor. coita #B quemj / amayor #V quemi [ueia
coita do mundo aver por mha senhor A – do mund[o] / mia sennor. [ / amayor

E ben tenh’eu que faço gran razon A – ben tenneu #B tenhai / (não há gran) / razo #V razo᷄
da mayor coita muit’a deus graçir A maẏor #B coyta / (não há muita) #V maior coyta / (não
que m’el da per mha senhor que servir A mia señor [ há muita)
10 ei mentr’eu viver mui de coraçon B ey mentri coraço #V ey mentrí / coraçó
Gradesc’a deos que me faz a mayor A Gradese a / maẏor #B que – #V que –
coita do mundo aver por mha senhor A (não há) #B (não há) #V (não há)

E por mayor ei eu per bo᷉a fe A – por maẏor #B ey #V ey


a questa coita de quantas fara B aquesta coyta
15 nostro senhor e por mayor mha da A se᷉nhor / maẏor mia #B per #V per
de quantas fez e pois que assi e B poys assy #V poys assy
Gradesc’a deos que me faz a mayor A – radese a #B mj faz a – #V mi faz a –
coita do mundo aver por mha senhor A (não há) #B (não há) #V (não há)

Pois que mha faz aver pola A mia #B Poys / pola melhor #V quemha / así pola melhor
20 melhor dona de quantas fez A mellor. / fez ; #B – dona / fez nostro senhor #V – dona /
nostro senhor. A sennor #B (não há) #V (não há) [fez nostro
[senhor.

_________________________________________________________

No aparato crítico, o travessão indica começo ou fim de verso; isto é, onde há travessão não há nada
escrito. Esse recurso foi importante para indicar as versificações diferentes de cada manuscrito.
Notar que a pontuação (em geral suprimida, para evitar confusão e rarear intervenções
modernizantes), os apóstrofes, o “já” na terceira linha e o “veja” na quarta linha são acréscimos do editor,
para facilitar a leitura, bem como o afastamento do estribilho. As pontuações originais, quando há, estão
indicadas no aparato crítico. Por atenção dada à métrica, foram mantidas as inclusões de “gran” e “muita”
respectivamente nos versos 7 e 8, e foi escolhida a versificação da última estrofe. Para dar melhor ideia da
cantiga, escolhi repetir o estribilho em todas as estrofes, e não apenas indicá-lo, como feito em todos os
manuscritos considerados. A grafia das palavras foi padronizada, dando privilégio a formas mais
semelhantes às modernas (como em “me” ao inv s de “mi” ou “mj”, “senhor” ao inv s de “sennor”, ou
“coita” ao inv s de “coyta” etc.), sempre se atendo às possibilidades oferecidas pelos manuscritos. As
abreviações também foram substituídas pelas palavras correspondentes, para facilitar a leitura, e tais
abreviações (por exemplo “pr”, “q” ou “9”) não estão indicadas no aparato crítico.

6
TRADUÇÃO DA CANTIGA EM LÍNGUA PORTUGUESA ATUAL

A maior coita que eu vi sofrer


de amor alguém, desde que nasci,
eu mesmo a sofro. E já que é assim,
meus amigos, que assim haja prazer:
5 Agradeço a Deus, que me faz a maior
coita do mundo haver por minha senhora.

E bem eu penso que tenho grande razão


em pela maior coita a Deus agradecer,
que ele me dá a servir a minha senhora
10 enquanto eu viver. Então muito honestamente
Agradeço a Deus, que me faz a maior
coita do mundo haver por minha senhora.

Então maior eu sou, juro com fé,


por esta coita de quantas fará
15 Nosso Senhor, por a maior me dar
de quantas fez. E porque assim é,
Agradeço a Deus, que me faz a maior
coita do mundo haver por minha senhora.

Pois que me a faz haver pela


20 melhor dona de quantas fez
Nosso Senhor.