Você está na página 1de 159

Pregão para Serviços de

Engenharia: Manutenção Predial


Hamilton Bonatto
16 de março de 2016
Obras e Serviços de Engenharia
Definições
Obra é toda
•  construção,
•  reforma,
•  fabricação,
•  recuperação ou
•  ampliação
realizada por execução direta ou indireta;
 Obra  de  engenharia  é  a  ação  de    
• construir,    
• reformar,    
• fabricar,    
• recuperar    
• ou  ampliar    
um   bem,   na   qual   seja   necessária   a   u1lização   de  
conhecimentos   técnicos   específicos   envolvendo   a  
par1cipação   de   profissionais   habilitados   conforme   o  
disposto  na  Lei  Federal  nº  5.194/66.   De  acordo  com  o  IBRAOP  -­‐  
OT  -­‐  IBR  002/2009  
 
Ampliar:   produzir   aumento   na   área   construída   de   uma  
edificação  ou  de  quaisquer  dimensões  de  uma  obra  que  já  
exista  
Construir:  consiste  no  ato  de  executar  ou  edificar  uma  obra  
nova.  
Fabricar:   produzir   ou   transformar   bens   de   consumo   ou   de  
produção   através   de   processos   industriais   ou   de  
manufatura.  
 
 
•  Recuperar:  tem  o  senLdo  de  restaurar,  de  fazer  com  que  a  
obra  retome  suas  caracterís1cas  anteriores  abrangendo  um  
conjunto  de  serviços.  

•  Reformar:   consiste   em   alterar   as   caracterís1cas   de   partes  


de   uma   obra   ou   de   seu   todo,   desde   que   mantendo   as  
caracterísLcas   de   volume   ou   área   sem   acréscimos   e   a  
função  de  sua  uLlização  atual.  
 
 
Serviço   é   toda   aLvidade   desLnada   a   obter   determinada  
uLlidade  de  interesse  para  a  Administração,  tais  como:  
   
• Demolição,     • Adaptação,    
• Conserto,     • Manutenção,    
• Instalação,     • Transporte,    
• Montagem,     • Locação  de  bens,    
• Operação,     • Publicidade,    
• Conservação   • Seguro,  ou    
• Reparação,     • Trabalhos  técnico-­‐profissionais  
   
Serviço   de   Engenharia   é   toda   a   aLvidade   que   necessite   da  
par1cipação  e  acompanhamento  de  profissional  habilitado  
conforme   o   disposto   na   Lei   Federal   nº   5.194/66,   tais  
como:   consertar,   instalar,   montar,   operar,   conservar,  
reparar,  adaptar,  manter,  transportar,  ou  ainda,  demolir.    
Incluem-­‐se   nesta   definição   as   aLvidades   profissionais  
referentes   aos   serviços   técnicos   profissionais  
especializados   de   projetos   e   planejamentos,   estudos  
técnicos,   pareceres,   perícias,   avaliações,   assessorias,  
consultorias,   auditorias,   fiscalização,   supervisão   ou  
gerenciamento.  
 
 
DEFINIÇÕES  
De  acordo  com  o  IBRAOP  -­‐  OT  -­‐  IBR  002/2009  
SERVIÇO  DE  ENGENHARIA  

Adaptar:   transformar   instalação,   equipamento   ou  


disposiLvo   para   uso   diferente   daquele   originalmente  
proposto.   Quando   se   tratar   de   alterar   visando   adaptar  
obras,  este  conceito  será  designado  de  reforma.  
Consertar:  colocar  em  bom  estado  de  uso  ou  funcionamento  
o  obaaaajeto  danificado;  corrigir  defeito  ou  falha.  
Conservar:   conjunto   de   operações   visando   preservar   ou  
manter   em   bom   estado,   fazer   durar,   guardar  
adequadamente,  permanecer  ou  conLnuar  nas  condições  
de  conforto  e  segurança  previsto  no  projeto.  
Demolir:   ato   de   por   abaixo,   desmanchar,   destruir   ou  
desfazer  obra  ou  suas  partes.  

Instalar:   aLvidade   de   colocar   ou   dispor   convenientemente  


peças,   equipamentos,   acessórios   ou   sistemas,   em  
determinada  obra  ou  serviço.  

Manter:   preservar   aparelhos,   máquinas,   equipamentos   e  


obras   em   bom   estado   de   operação,   assegurando   sua  
plena  funcionalidade.    

Montar:   arranjar   ou   dispor   ordenadamente   peças   ou  


mecanismos,  de  modo  a  compor  um  todo  a  funcionar.  Se  
a   montagem   for   do   todo,   deve   ser   considerada  
fabricação.  

 
DEFINIÇÕES  
De  acordo  com  o  IBRAOP  -­‐  OT  -­‐  IBR  002/2009  
SERVIÇO  DE  ENGENHARIA  

 
Operar:   fazer   funcionar   obras,   equipamentos   ou   mecanismos  
para  produzir  certos  efeitos  ou  produtos.    
Reparar:   fazer   que   a   peça,   ou   parte   dela,   retome   suas  
caracterísLcas  anteriores.  Nas  edificações  define-­‐se  como  
um   serviço   em   partes   da   mesma,   diferenciando-­‐se   de  
recuperar.    
Transportar:   conduzir   de   um   ponto   a   outro   cargas   cujas  
condições   de   manuseio   ou   segurança   obriguem   a   adoção  
de  técnicas  ou  conhecimentos  de  engenharia  
 
Assim,   obra   é   um   conjunto   orgânico   de   serviços   que,  
agregados,   se   complementam   e   formam   um   todo   com  
função  definida  e  completa.    
O  enquadramento  como  obra  ou  serviço  de  engenharia  deve  
ser  feito  em  função  do  objeto  a  ser  executado,  e  da  ação  
ou   aLvidade   anteriormente   definida,   sendo   independente  
de   quan1dade,   porte   ou   custo.   A   análise   de  
enquadramento   de   Obras   e   Serviços   de   Engenharia  
depende   de   conhecimento   técnico   específico,   sendo    
indispensável   a   perfeita   caracterização   do   objeto   a   ser  
contratado,  sucinta  e  clara.  
 
Obras  e  Serviços  de  Engenharia  
Modalidades  de  Licitações  
 
 
Quais  as  modalidades  de  licitação  podem  ser  uIlizadas  para  a  
contratação  de  obras  e  serviços  de  engenharia?  
 
É   possível   licitar   obras   e   serviços   de   engenharia   através   da  
modalidade  pregão?  
 
 
Modalidades   da   Lei   nº   8.666/93   para   Obras   e   Serviços   de  
Engenharia  (não  comuns):  
 
• Convite;  
• Tomada  de  Preços;  
• Concorrência;  
• Concurso.  
 
 
COMPRAS  E  SERVIÇOS   OBRAS  E  SERVIÇOS  DE  
  ENGENHARIA  

   
CONCORRÊNCIA   ACIMA  DE  R$   ACIMA  DE  R$  
650.000,00   1.500.000,00  

TOMADA  DE  PREÇOS   DE  R$  80.000,00  a   De  R$  150.000,00  até  R$  


650.000,00   1.500.000,00  

CONVITE   Até  R$  80.000,00   Até  R$  150.000,00  

DISPENSA   <  R$  8.000,00   <  R$  15.000,00  


PREGÃO  
 
OBRAS  

É  possível  licitar  obras  através  da  modalidade  pregão?  


 
A   Lei   federal   nº   10520/2002   não   traz   previsão   para   a   licitação  
de  obras  de  engenharia  por  meio  da  modalidade  pregão,  já  
que   condicionou   a   uLlização   desta   modalidade   somente  
para  os  bens  e  serviços  comuns.  
Para  o  TCU  o  pregão  para  obras  afronta  o  disposto  no  art.  1º  e  
em  seu  parágrafo  único  da  Lei  10.520/2002   (TCU  -­‐  Acórdão  n.º  
2312/2012-­‐Plenário,  TC-­‐007.643/2012-­‐8,  rel.  Min.  José  Jorge,  29.8.2012).  
É   possível   licitar   serviços   de   engenharia   através   da  
modalidade  pregão?  
 
 
Súmula  nº  257/2010  -­‐  TCU  
 
“O   uso   do   pregão   nas   contratações   de   serviços   comuns   de  
engenharia  encontra  amparo  na  Lei  nº  10.520/2002”.  
 
 
Consideram-­‐se  bens  e  serviços  comuns,  para  os  fins  e  efeitos  
deste   arLgo,   aqueles   cujos   padrões   de   desempenho   e  
qualidade  possam  ser  objeLvamente  definidos  pelo  edital,  por  
meio  de  especificações  usuais  no  mercado.   (Parágrafo  único  do  art.  
1º  da  Lei  nº  10.520/2002)  

 
 
 
Para   Marçal   Justen   Filho   “bem   ou   serviço   comum   é   aquele  
que   se   encontra   disponível   a   qualquer   tempo   num   mercado  
próprio   e   cujas   caracterísLcas   padronizadas   são   aptas   a  
saLsfazer  as  necessidades  da  Administração  Pública”   (in  Pregão  
–   Comentários   à   Legislação   do   Pregão   Comum   e   Eletrônico,   5º   Ed,   São   Paulo:  
DialéLca,  2009.  p.  37).  
PREGÃO  
 
SERVIÇOS  DE  ENGENHARIA  

Comum  não  é  o  oposto  a  complexo.  


Para  Jessé  Torres  PEREIRA  JUNIOR,  
 
...   em   aproximação   inicial   do   tema,   pareceu   que   “comum”  
também   sugeria   simplicidade.   Percebe-­‐se,   a   seguir,   que  
não.   O   objeto   pode   portar   complexidade   técnica   e   ainda  
assim   ser   “comum”,   no   senLdo   de   que   essa   técnica   é  
perfeitamente   conhecida,   dominada   e   oferecida   pelo  
mercado.   (PEREIRA  JUNIOR,  Jessé  Torres.  Comentários  à  Lei  das  Licitações  e  
Contratações  da  Administração  Pública.  Rio  de  Janeiro:  Renovar,  2003.  6.  ed.  p.  
1006)  
Para  Jorge  Ulisses  Jacoby  Fernandes,  
 
“...mesmo   que   exija   profissional   registrado   no   CREA   para  
execução,   a   atuação   desse   não   assume   relevância,   em  
termos   de   custo,   complexidade   e   responsabilidade,   no  
conjunto   do   serviço;”   (in Sistema de registro de preços e pregão
presencial e eletrônico, 3. ed. rev., atual. e ampl. 1. reimpressão. Belo
Horizonte: Fórum, 2009, pag. 429
 
“se   o   projeto   ou   estudo   a   ser   obLdo   pela   realização   do  
serviço   por   uma   empresa   ou   profissional   for   similar   ao  
projeto   desenvolvido   por   outra   empresa,   dotada   com   as  
mesmas   informações   da   primeira,   esse   objeto,   no   caso  
‘estudos   e   projetos’   podem   ser   caracterizados   como  
‘comuns’.   Caso   contrário,   se   a   similaridade   dos   produtos   a  
serem   entregues   não   puder   ser   assegurada,   o   objeto   é  
incomum”.   (TCU   -­‐   Decisão   monocráLca   no   TC-­‐033.958/2010-­‐6,   rel.   Min.  
Raimundo  Carrero,  19.01.2011).  
Manutenção  Predial  
Conceitos  e  Definições  
 
Manutenção   Predial   é   um   conjunto   de   aLvidades   a   serem  
realizadas   ao   longo   da   vida   total   da   edificação   para  
conservar  ou  recuperar  a  sua  capacidade  funcional  e  de  seus  
sistemas   consLtuintes   de   atender   {as   necessidades   de  
segurança  dos  seus  usuários.  (ABNT  NBR  15575-­‐1,  2013)  
 

Edi}cio   é   um   produto   consLtuído   por   um   conjunto   de  


sistemas,   elementos   e   componentes   estabelecidos   e  
integrados   em   conformidade   com   os   princípios   da  
engenharia  e  da  arquitetura.  (ABNT  NBR  5674,  2012,  a)  
 
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  Predial.  
UEPG;  NUTEAD,  2014)  
Ciclos  de  Vida  do  Edi}cio  
 
1)  Planejamento;  
2)  Execução;  
3)  Uso,  operação  e  manutenção  
4)  Demolição  
 
O   uso,   a   operação   e   a   manutenção   demandam   recursos  
de  maneira  expressiva  frente  às  demais.   LEITE,  Francisco  
Cláudio  Morado.  Manutenção  Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  
 
Falha   (anomalia   construIva)   consiste   na   ocorrência   que  
prejudica  a  uLlização  do  sistema  ou  do  elemento,  e  resulta  
nu    desempenho  inferior  ao  requerido.  
 
Pane   é   o   estado   de   um   item   caracterizado   pela  
incapacidade   de   desempenhar   uma   função   requerida,  
excluindo  a  incapacidade  durante  a  manutenção  prevenLva  
ou   outras   ações   planejadas,   ou   pela   falta   de   recursos  
externos  (ABNT,  1994)  
 
Para   o   InsLtuto   Brasileiro   de   Avaliações   e   Perícias   de  
Engenharia   –   IBAPE,   anomalias   e   falhas   são   consLtuídas   por  
não   conformidades   que   impactam   na   perda   precoce   de  
desempenho   real   ou   futuro   dos   elementos   e   sistemas  
construLvos,   e   redução   de   sua   vida   úLl   projetada;   que  
podem  comprometer,  portanto,  a  segurança,  funcionalidade,  
operacionalidade,   saúde   dos   usuários,   conforto   térmico,  
acúsLco   e   lumínico,   acessibilidade,   durabilidade,   vida   úLl,  
dentre   outros   parâmetros   de   desempenho   definidos   nas  
normas  de  desempenho  da  ABNT  NBR  15575:2013.  
 

 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  
Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  

 
Desempenho   é   compreendido   como   o   comportamento   em  
uso   de   uma   edificação   e   seus   sistemas   ,   conforme  
estabelecido  na  ABNT  NBR  15575-­‐1  (ABNT,  2013c).  
 
O   conceito   de   desempenho   está   também   atrelado   à  
manutenção,   uma   vez   que   sua   realização   afeta  
significaLvamente   o   atendimento   ao   desempenho   esperado  
ao  longo  do  tempo.  
 

 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  
Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  
 
Vida  ÚIl  de  componentes,  elementos  e  sistemas  construLvos  
é   definida   como   o   período   de   tempo   em   que   estes   se  
prestam   às   aLvidades   para   as   quais     foram   projetados   e  
construídos   considerando   a   periodicidade   e   a   correta  
execução  dos  processos  de  manutenção  especificados.  
 
Assim,  a  vida  úLl  está  diretamente  associada  à  manutenção.  
 

 
Custos  de  Manutenção   Onde,  

Mc  =  DMc    +    IMc   Mc  –  custo  das  aLvidades  de  manutenção  


DMc  –  custos  diretos  
 
IMc  –  custos  indiretos    
DM  =  Cl    +    Cm    +  Ce   Cl  –  custo  da  mão  de  obra  

  Cm  –  custo  do  material  e  dos  sobressalentes  

IM  =  Ca    +  Co    +    Cp     Ce  –  custo  dos  equipamentos  e  ferramentas  


Ca  –  custo  da  administração  e  gestão  
Co  -­‐    despesas  gerais  
Cp  –  custo  das  sanções  ou  perda  de  receita  
Perfil  dos  Custos  de  Manutenção  ao  longo  da  vida  úIl  
Ø Custos  anuais  médios  para  manutenção  e  operação  –  1,5%  
a  5%  do  custo  inicial    de  construção.  
Ø Elevação  acentuada  do  índice  a  parLr  do  10º  ao  15º  ano;  
Ø Fatores   de   maior   impacto   nos   custos   de   manutenção   –  
idade   da   edificação,   área   construída,   altura,   estrutura   e  
acabamentos,  bem  como  a  taxa  de  ocupação  e  a  localização  
geográfica;  
Ø Maior  parLcipação  das  instalações  prediais  e  nas  vedações  
verLcais  externas;  
 
 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  
Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  

Perfil  dos  Custos  de  Manutenção  ao  longo  da  vida  úIl  
O   custo   de   manutenção   resulta   maior   se   comparado   a   um  
trabalho   semelhante   executado   em   uma   construção   nova,  
devido  aos  seguintes  fatores:  
Ø É    executado  em  pequena  escala;  
Ø Geralmente  há  necessidade  de  remover  obstáculos;  
Ø Tem  que  ser  executado  em  locais  confinados  ou  ocupados;  
Ø Há   custo   pela   perturbação   na   operação   da   edificações   e  
pela  perda  de  produção.  

 
Ø  Assim,   a   manutenção   de   edificações   é   uma   combinação  
de   ações   técnicas   administraLvas   e   de   gestão   a   fim   de  
manter   e   restaura   uma   edificação   e   suas   partes   em   um  
estado  que  pode  desempenhar  uma  função  requerida.    
Ø  Portanto,   é   uma   aLvidade   complexa   e   que   deve   ser  
desenvolvida   por   gestores   profissionais   habilitados   em  
arquitetura   e   engenharia,   de   maneira   organizada   e  
sistemaLzada.  
 
 

 
ObjeIvos  da  Manutenção  
 
Ø  GaranLr   uma   condição   de   segurança   às   edificações   e   os  
serviços  a  ele  associados;  
Ø  GaranLr  uma  condição  de  uLlização  às  edificações;  
Ø  GaranLr  o  atendimento  a  todas  as  exigências  legais;  
Ø  Executar  o  trabalho  necessário  a  fim  de  preservar  a  qualidade  
da  edificação.  

Portanto,   compõe-­‐se   de   objeLvos   regulamentares,   técnicos   e  


econômicos.  
 
Estratégias da Manutenção
Manutenção  

Manutenção  não  
Manutenção  planejada  
planejada  

Manutenção  
Manutenção  
CorreIva  (de  
PrevenIva  
emergência)  

Manutençã Manutenção  
Manutenção  
o  baseada   CorreIva  
Programada  
na  condição   Diferida  
Classificação das estratégias de manutenção para edificações.
Fonte: adaptado de Chanter e Swallow (2007)
Estratégias  da  Manutenção  
Manutenção   PrevenIva   é   realizada   em   intervalos  
predeterminados  ou  de  acordo  com  critérios  prescritos  com  a  
intenção  de  reduzir  a  probabilidade  de  falha  ou  de  degradação  
do  funcionamento  de  um  item.  
Manutenção  Baseada  na  Condição  –  se  refere  à  manutenção  
prevenLva  com  base  no  desempenho  e∕ou  num  parâmetro  de  
monitoramento  e  as  ações  subsequentes.  
Manutenção   Programada   (ou   sistemáIca)   –   corresponde   á  
manutenção  prevenLva  realizada  de  acordo  com  intervalos  de  
tempo  estabelecidos  ou  a  quanLdade  de  unidade  de  uso,  mas  
sem  a  invesLgação  prévia  de  condições.  
 
Estratégias  da  Manutenção  
Manutenção   CorreIva   –   consiste   nas   aLvidades   realizadas    
após   o   reconhecimento   da   pane   e   tem   por   fim   colocar   um  
item   em   um   estado   no   qual   pode   executar   uma   função  
requerida.    
Manutenção   CorreIva   Diferida   (ou   adiada)   –   diz   respeito   á  
manutenção   correLva   que   não   é   imediatamente   realizada  
após  a  detecção  da  pane,  mas  é  adiada  ou  atrasada  de  acordo  
com  determinadas  regras  de  manutenção.  
Manutenção  CorreIva  de  Emergência  –  reflete  a  manutenção  
correLva  realizada  imediatamente  após  a  detecção  da  pane  a  
dim  de  evitar  consequências  inaceitáveis.  
 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  
Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  

Estratégias  da  Manutenção  


ULliza-­‐se  também  a  manutenção  prediIva,  que  corresponde  
à   manutenção   baseada   na   condição   realizada   seguindo   uma  
previsão   obLda   pela   análise   e   avaliação   significantes   de  
degradação  de  um  item.  
 
A    ABNT  NBR  5674  prevê,  além  da  manutenção  prevenLva  e  
correLva,   a   manutenção   roIneira,   que   é   caracterizada   por  
um   fluxo   constante   de   serviços,   padronizados   e   cíclicos   (por  
exemplo,  limpeza  geral  e  lavagem  de  áreas  comuns)  
 
 
A  
sim aLvidade   não
é  
planejada
?  
Manutenção  planejada   Manutenção  não  
planejada  

É  uma   sim não É  


Manutenção  correLva   urgente
pane?  
?  
não sim
Manutenção  de  
Manutenção  prevenLva   emergência  

O  escopo  
sim do  serviço   não
é  
conhecido
?   Manutenção  baseada  na  
Manutenção  programada  
condição  
Árvore de decisão para estratégias de manutenção. Fonte: adaptado de Chanter e Swallow
Estratégias  da  Manutenção  
A   seleção   da   estratégia   depende   da   confiabilidade   exigida  
para   a   edificação.   Se   as   consequências   das   falhas   não  
colocam   em   perigo   a   segurança   ou   outros   requisitos  
essenciais,  torna-­‐se  mais  eficiente  empregar  a  estratégia  de  
manutenção   correLva,   uma   vez   que   os   custos   destas  
consequências   são   geralmente   menores   do   que   os   custos  
das  inspeções.  
Em   função   da   existência   de   vários   sistemas,   elementos   e  
componentes,   com   níveis   de   exigências   diferentes,   acaba  
sendo   obrigatório   a   adoção   de   uma   combinação   de  
estratégias.   (HALBERG,   D.   System   for   predic1ve   life   cycle   management   of  
buildings   and   infrastrutures.   Thesis   (Doctoral).   KTH   Research   Achool,   Centre   for  
Built  Enviroment,  University  of  Gävie,  2009)  

 
 
AIvidades  da  Manutenção  
Consistem   nas   intervenções   realizadas   num   sistema,  
elemento   ou   componente   da   edificação   de   acordo   com   o  
plano   de   manutenção,   com   a   intenção   de   manter   ou  
restabelecer  as  condições  }sicas  em  um  nível  especificado  e  
em  prevenir  as  falhas  ou  miLgar  os  resultados  delas.  
 
 
ALvidades  da  Manutenção  
A  melhoria,  a  reabilitação  e  a  remodelação  são  intervenções  
não   consideradas   como   aLvidades   de   manutenção   de  
edificações.    
Da   mesma   forma,   não   se   pode   considerar   como   aLvidade  
de  manutenção  a  reforma,  pois  como  definida  na  ABNT  NBR  
16280,   corresponde   à   alteração   na   condição   da   edificação  
existente   com   ou   sem   mudança   de   função,   visando  
recuperar,   melhorara   ou   ampliar   suas   condições   de  
habitabilidade,   uso   ou   segurança,   e   que   não   seja  
manutenção.  
 
 
 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  X  REFORMA  
Como  vimos:  
Reforma:  consiste  em  alterar  as  caracterís1cas  de  partes  de  
uma   obra   ou   de   seu   todo,   desde   que   mantendo   as  
caracterísLcas  de  volume  ou  área  sem  acréscimos  e  a  função  
de   sua   uLlização   atual.   Reforma   é   obra!   (art.   6º,   I,   da   Lei   nº  
8.666/93)  

Manter:   preservar   aparelhos,   máquinas,   equipamentos   e  


obras   em   bom   estado   de   operação,   assegurando   sua   plena  
funcionalidade.    
Manutenção   é   serviço   de   engenharia   de   execução  
con1nuada  (art.  6º,  II,  da  Lei  nº  8.666/93)  
 
A  Estrutura  Organizacional  e  os  Profissionais  
  GERENTE  DE  
MANUTENÇÃO  
 
 
Supervisor   Serviços   Serviços   Supervisor     Administração  
(edi}cios)   centrais   auxiliares   (serviços)  
•  Planejamento •  Secretaria
•  Orçamento •  Almoxarifado
•  Transporte

Chefe  da   Chefe  da   Chefe  da   Chefe  


Chefe  
equipe  1   equipe  2   equipe  n   Mecânic
Elétrica  
a  

Equipes de uma única especialidade ou polivalentes Funcionários


Exemplo de organograma para um departamento de manutenção centralizado
Fonte: adaptado de Chanter e Swwallow (2007)
 
O   modelo   apresentado   mostra   os   níveis   hierárquicos  
organizacionais   segundo   a   responsabilidade   dos   gestores   nas  
decisões  do  departamento  de  manutenção:  
Ø Gerente  –  estratégico  
Ø Supervisor  –  táLco  
Ø Chefe  de  equipe  -­‐  operacional  
Deve   haver   engenheiros   (civis,   mecânicos,   eletricistas)   e  
arquitetos   distribuídos     prioritariamente   na   gerência   e  
supervisão   com   o   fim   de   idenLficar,   planejar,   programar,  
executar   e   medir   o   desempenho   das   aLvidades   de  
manutenção  
Sistema  de  Gestão  da  Manutenção  de  Edificações  
 
A   gestão   da   manutenção   diz   respeitos   a   todas   as   aLvidades  
de  gerenciamento  que  determinam  os  objeLvos,  a  estratégia  
e   as   responsabilidades   relacionadas   à   manutenção   e   que  
implementam   por   planejamento,   controle   e   supervisão   das  
aLvidades   de   manutenção   e   a   melhoria   dos   métodos   da  
organização,  incluindo  os  aspectos  econômicos.  (NF  EN  13306  
–  AFNOR,  2010)  
Sistema  de  Gestão  da  Manutenção  de  Edificações  
 
Estratégia  de   Programa  de   Planejamento   Ação  
Manutenção   Manutenção  

Requisitos  
Resultados  
e  objeLvos  

RE-­‐ Necessidade  
planejamento   de   Análise   Relatórios  
de  recursos   melhorias  

Os processos da gestão da manutenção de edificações


Fonte: adaptado de Hallberg(2009)
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
                 Conf.  LEITE,  Francisco  Cláudio  Morado.  Manutenção  
Predial.  UEPG;  NUTEAD,  2014)  

Sistema  de  Informação  para  Manutenção  


 
O   sistema   de   informação   é   um   conjunto   de   elementos  
interrelacionados   com   a   finalidade   de   coletar,   armazenar,  
processar  e  distribuir  informações;  formatado  de  acordo  com  a  
complexidade  dos  edi}cios  e  do  parque  de  edificações.  
Sistema  de  Informação  para  Manutenção  -­‐  REQUISITOS  
 
Quanto  à  estrutura,  deve  
Ø Ser  apropriado  ás  caracterísLcas  dos  dados  relacionados  aos  
edi}cios   (.   Ex.   desenhos   em   diferentes   escalas,   fotografias   ,  
planilhas,  manuais,  etc.)  
Ø Ter   a   capacidade   de   se   adaptar   às   mudanças   das   normas   e  
regulamentações  
Sistema  de  Informação  para  Manutenção  -­‐  REQUISITOS  
Quanto  às  competências,  deve  ter  
Ø A   possibilidade   de   subdividir   a   edificação   em   itens  
individuais  sujeitos  à  manutenção;  
Ø A   capacidade   para   definir   as   aLvidades   da   manutenção,  
idenLficando  com  precisão  os  recursos  exigidos  como  a  mão  
de  obra,  material,  equipamentos  e  custos  relacionados;  
Ø A   capacidade   para   agrupar     as   informações   em   planos   de  
curto   prazo,   idenLficando   as   aLvidades   e   os   recursos  
necessários;  
Ø A  capacidade  de  fornecer  feedback.  
Sistema  de  Informação  para  Manutenção  -­‐  REQUISITOS  
Quanto   às   funcionalidades,   deve   possuir   módulos   de  
informações  apropriados,  tais  como:  
Ø Cadastro   com   dados   técnicos,   funcionais,   econômicos   e  
dimensionais  do  edi}cio;  
Ø Listagem   de   trabalho   com   informações   sobre   métodos,  
meios,   recursos   para   cada   trabalho   de   manutenção,   e   ainda  
frequência,  custos  e  tempo  de  execução;  
Ø Plano   de   manutenção   com   frequência,   procedimentos,  
funcionários,   especificações   técnicas   e   custo   de   intervenção  
para  cada  componente;  
Sistema  de  Informação  para  Manutenção  –  REQUISITOS  -­‐  
Quanto  às  funcionalidades  
Ø Programação   e   gestão   de   recursos   com   alocação   e  
organização  dos  recursos  técnicos  e  financeiris;  
Ø S olicitação   de   serviços   (SSs)   com   solicitações   para  
intervenções   planejadas,   exigidas   devido   ao   mau  
funcionamento  ou  obsolescência;  
Ø Ordens   de   Trabalho   com   autorizações   administraLvas   para  
intervenções  e  as  instruções  de  trabalho  para  os  funcionários.  
Ø O  monitoramento  das  peças  sobressalentes;  
Sistema  de  Informação  para  Manutenção  –  REQUISITOS  -­‐  
Quanto  às  funcionalidades  
Ø Relatório   de   despesas   com   detalhes   úteis   para   o   controle  
de  custos;  
Ø Registro  de  inspeções  com  as  condições  }sicas  e  funcionais  
dos  elementos  técnicos;  
Ø Registro  histórico,  contendo  as  obras  concluídas;  
Ø A s   inspeções   periódicas   exigidas   na   legislação   e  
normaLzação;  
Ø Análise   de   confiabilidade   e   de   falhas   com   dados   de   retorno  
(feedback)   a   serem   processados   pela   modelagem   da  
confiabilidade  ao  longo  do  tempo  
IdenLficação  das  ALvidades  de  Manutenção  
Em   geral,   o   sistema   de   manutenção   é   acionado   por   um   dos  
seguintes  meios:  
Ø Solicitação   de   serviço   (SSs)   emiLdas   pelos   usuários   das  
edificações   e   encaminhadas   ao   departamento   de  
manutenção;  
Ø Ordens   de   trabalho   (OTs)   emiLdas   pelo   departamento   de  
manutenção   de   acordo   com   o   plano   de   manutenção  
existente;  
Ø Ordens   de   trabalho   (OTs)   emiLdas   pelo   departamento   de  
manutenção   segundo   as   anomalias   e   falhas   construLvas  
detectadas  nas  inspeções  prediais.  
Prioridade  na  execução  
Ø Prioridade  nº  1  –  corresponde  às  aLvidades  para  manter  a  
segurança  e  saúde  dos  usuários;  
Ø Prioridade  nº  2  –  corresponde  às  aLvidades  para  manter  a  
habitabilidade  da  edificação;  
Ø Prioridade  nº  3  -­‐  corresponde  às  aLvidades  para  manter  o  
edi}cio  operacional;  
Ø Prioridade  nº  4  –  corresponde  às  aLvidades  associadas  com  
a   aparência   da   edificação   e   suas   partes   ou   com   a   realização  
de  serviços  não  essenciais.  
Planejamento  e  Programação  
 
No   planejamento   são   verificados   os   recursos   e   os  
procedimentos   necessários   para   as   aLvidades   de  
manutenção  que  foram  idenLficadas;  
Na   programação   são   avaliadas   as   disponibilidades   de   tais  
recursos  e  prazos.  
O   planejamento   e   a   programação   definem,   portanto,   o   que   e  
quando  realizar.    
Planejamento  e  Programação  
 
Plano   de   manutenção   é   um   conjunto   estruturado   e  
documentado   de   trabalhos   que   incluem   as   aLvidades,  
procedimentos,   recursos   e   prazos   necessários   para   realizar   a  
manutenção,   contendo   a   periodicidade   das   aLvidades,   os  
documentos  técnicos  de  referência  e  a  indicação  de  normas  
técnicas  (ABNT,  2012a)  
Medição  de  Desempenho  
A   medição   de   desempenho   possibilita   idenLficar   o   que   pode  
ser  melhorado,  em  que  concentrar  a  atenção  e  onde  colocar  
os   recursos;   sendo   que   a   razão   mais   importante   é  
indubitavelmente   a   melhoria   do   desempenho   da   organização.  
(SINK,  D.S.;  TUTTLE,  T.C.  Planejamento  e  medição  para  o  performance.  Rio  de  janeiro:  
Qualitymark,  1993).  

Na   práLca   são   estabelecidos   Indicadores   de   Desempenho  


(IDs),   que   podem   ser   categorizados   para   medir   desempenho  
de  processos  ou  de  resultados  da  manutenção,  agrupados  por  
dimensões   econômicas,   técnicas   e   organizacionais   da  
manutenção,   ou   ainda   direcionados   para   os   níveis  
organizacionais   estratégico,   táLco   e   operacional   do  
departamento  de  manutenção.  
Medição  de  Desempenho  
 
Planejamento  
da   Controle,  
Execução   Monitoramento  
manutenção  

Dados  de  
retorno  

Diagrama de Fluxo de dados para medição da gestão da manutenção de edificações


Fonte: BS EM 15331 (BSI, 2011)
Medição  de  Desempenho  
 
São  coletados  e  analisados  os  seguintes  dados  e  IDs:  
Ø O   desempenho   da   edificação   por   meio   de   anomalias   e  
falhas  construLvas;  
Ø A  vida  úLl,  a  confiabilidade  e  a  disponibilidade  dos  sistemas  
críLcos   e   os   indicadores   de   desempenho   dos   componentes,  
análise  do  modo  e  frequência  das  falhas  dos  itens  
Ø A  eficácia  das  intervenções  realizadas.  
Inspeção  Predial  
 
Consiste   na   avaliação   técnica   do   estado   de   conformidade   de  
uma   edificação   nos   aspectos   de   desempenho,   vida   úLl,  
segurança,   estado   de   conservação,   manutenção,   uso   e  
operação   da   edificação,   observado   o   atendimento   às  
expectaLvas  dos  usuários.  
Os  profissionais  de  engenharia  e  arquitetura  devem  
inspecionar:  
Elementos  estruturais   Sistemas  de  instalação  hidráulica;  
aparentes;  
Sistema  de  instalação  elétrica;  
Sistemas  de  vedação  externos  e  
internos;   Geradores;  

RevesLmentos,  incluídas  as   Elevadores;  


fachadas;   Sistemas  de  proteção  contra  
Esquadrias;   descargas  atmosféricas;  
Sistema  de  cobertura  (telahdos,   Sistema  de  combate  a  incêndio;  
rufos,  calhas,  etc.);  
acessibilidade,  etc.  
Impermeabilização;  
 
Anomalias  ConstruIvas  e  Falhas  
Anomalias  construLvas  são  deficiências  de  ordem  construLva  
ou  funcional,  categorizadas  em:  
Ø Endógenas,   com   origem   na   própria   edificação   (projetos,  
materiais  e  execução);  
Ø Exógena,   com   origem   nos   fatores   externos   à   edificação,  
provocados  por  terceiros;  
Ø Natural,  resultado  de  fenômenos  da  natureza;  
Ø F uncional,   resultado   da   degradação   de   sistemas  
construLvos   devido   ao   envelhecimento   natural   e,  
consequentemente,  término  da  vida  úLl.  
Anomalias  ConstruLvas  e  Falhas  
Falhas   são   deficiências   com   origem   na   aLvidade   de  
manutenção,   uso   e   operação   inadequada   ou   inexistente,  
divididas  em:  
Ø De  planejamento  –  plano  de  manutenção  inadequado;  
Ø De  execução  –  execução  inadequada  de  procedimentos  
e  aLvidades  do  plano  de  manuyenção;  
Ø  Operacionais   –   procedimentos   inadequados   de  
registros,  controle,  rondas  e  demais  aLvidades.  
Ø Gerenciais   –   falta   de   controle   de   qualidade   das  
aLvidades  de  manutenção.  
Nível  de  Inspeção  Predial  
Nível   1   –   edificações   com   baixa   complexidade   técnica,   onde   se  
emprega  planos  de  manutenção  muito  simples  ou  inexistentes;  
Nível  2  –  edificações  com  média  complexidade  técnica,  normalmente  
empregada   em   edificações   com   vários   pavimentos,   com   ou   sem  
plano   de   manutenção.   Feita   por   profissionais   habilitados   em   uma   ou  
mais  especialidades;  
Nível   3   -­‐   edificações   com   alta   complexidade   técnica,   normalmente  
empregada  em  edificações  com  vários  pavimentos  ou  com  sistemas  
construLvos  com  automação.  Há  sistema  de  gestão  de  manutenção  
completo   implementado   e   em   operação   conforme   a   ABNT   NBR   5674  
(ABNT,   2012).   Feita   por   profissionais   habilitados   e   de   mais   de   uma  
especialidades.  
Grau  de  Risco  
Risco   críIco   –   risco   de   provocar   dano   contra   a   saúde   e  
segurança   das   pessoas   e   do   meio   ambiente;   perda   excessiva  
de   desempenho   e   funcionalidade   causando   possíveis  
paralizações;   aumento   excessivo   de   custo   de   manutenção   e  
recuperação;  compromeLmento  sensível  na  vida  úLl;  
Risco   médio   –   risco   de   provocar   a   perda   parcial   de  
desempenho   e   funcionalidade   da   edificação   sem   prejuízo   à  
operação  direta  de  sistemas,  e  deterioração  precoce;  
Risco  mínimo  –  risco  de  causar  pequenos  prejuízos  à  estéLca  
ou  aLvidade  programável  e  planejada,  sem  incidência  ou  sem  
a   probabilidade   de   ocorrência   dos   riscos   críLcos   e   regulares,  
além   do   baixo   ou   nenhum   compromeLmento   do   valor  
imobiliário.  
Lista  de  Verificação  
Conjunto   de   tópicos   a   serem   vistoriados   de   forma   sistêmica   e   que  
abranja  no  mínimo  os  seguintes  sistemas  e  elementos  construLvos:  
Ø  Estrutura  
Ø  Impermeabilização  
Ø  Instalações  hidráulicas  e  elétricas  
Ø  RevesLmentos  externos  e  internos  em  geral  
Ø  Esquadrias  
Ø  Elevadores  
Ø  ClimaLzação,  exaustão,  venLlação  e  SPDA  
Ø  Cobertura  e  telhados  
Ø  Combate  a  incêndio  
Principais  Procedimentos  para  Inspeção  Predial  
Ø Levantamento  de  dados  e  documentos  da  edificação;  
Ø Entrevista  com  o  gestor  da  edificação;  
Ø Realização  da  Vistoria;  
Ø Classificação  das  deficiências  encontradas;  
Ø Classificação  do  grau  de  risco  para  anomalias  e  falhas;  
Ø Elaboração  de  lista  de  prioridades  técnicas;  
Ø Elaboração  de  lista  de  orientações  técnicas;  
Ø Avaliação  da  qualidade  da  manutenção;  
Ø Avaliação  do  uso  da  edificação  
Ø Periodicidade  
Laudo  de  Inspeção  Predial  
Ø  A   ABNT   NBR   5674   (ABNT,   2012)   estabelece   que   o   laudo   de  
inspeção  predial  deve:  
Ø  Descrever   a   degradação   de   cada   sistema,   subsistema,  
elemento  ou  componente  e  equipamento  da  edificação;  
Ø  Apontar   e,   sempre   que   possível,   esLmer   a   perda   do   seu  
desempenho;  
Ø  Recomendar  ações  para  minimizar  os  serviços  de  manutenção  
correLva,  e;  
Ø  Conter  prognósLco  de  ocorrências.  
O   laudo   de   Inspeção   deverá   ser   assinado   por   profissionais  
habilitados  inscritos  no  CREA  ou  no  CAU,  acompanhado  de  de  
ART  ou  RRT.  
 
Vistoria  Técnica  ao  Local  dos  
Serviços    
 
MANUTENÇÃO  PREDIAL  
VISTORIA  TÉCNICA  
 
 
   

Lei  8.666∕93  -­‐  Art.  30.  A  documentação  rela1va  à  qualificação  


técnica  limitar-­‐se-­‐á  a:  
   (...)  
III   –   comprovação,   fornecida   pelo   órgão   licitante,   de   que,  
recebeu  os  documentos,  e,  quando  exigido,  de  que  tomou  
conhecimento   de   todas   as   informações   e   das   condições  
locais   para   o   cumprimento   das   obrigações   objeto   da  
licitação;  
 
 
TCU  –  ObjeIvo  da  Vistoria  Técnica  
A  visita  de  vistoria  tem  por  objeLvo  dar  à  EnLdade  a  certeza  e  a  
comprovação   de   que   todos   os   licitantes   conhecem   integralmente  
o  objeto  da  licitação  e,  via  de  consequência,  que  suas  propostas  
de   preços   possam   refleLr   com   exaLdão   a   sua   plena   execução,  
evitando-­‐se   futuras   alegações   de   desconhecimento   das  
caracterísLcas   dos   bens   licitados,   resguardando   a   EnLdade   de  
possíveis  inexecuções  contratuais.  11.1.3.2.  Portanto,  a  finalidade  
da   introdução   da   fase   de   vistoria   prévia   no   edital   é   propiciar   ao  
proponente   o   exame,   a   conferência   e   a   constatação   prévia   de  
todos   os   detalhes   e   caracterísLcas   técnicas   do   objeto,   para   que   o  
mesmo  tome  conhecimento  de  tudo  aquilo  que  possa,  de  alguma  
forma,  influir  sobre  o  custo,  preparação  da  proposta  e  execução  
do  objeto”.  (TCU,  no  Acórdão  nº  4.968/2011  –  Segunda  Câmara)  
 
TCU  –  Visita  Técnica  FacultaIva  
 
“no  caso  de  futura  licitação  e  na  hipótese  de  a  visita  técnica  
ser  facultaLva,  faça  incluir  no  edital  cláusula  que  estabeleça  
ser   da   responsabilidade   do   contratado   a   ocorrência   de  
eventuais  prejuízos  em  virtude  de  sua  omissão  na  verificação  
dos   locais   de   instalação   e   execução   da   obra”.   (TCU,   Acordão   n°  
149/2013  –  Plenário.  Min  Rel.  José  Jorge.  Sessão  02.03.2013.)No  mesmo  senIdo:  
Acordão  nº  147/2013;  3.459/2012;  295/2008  e  3.472/2012,  todos  do  Plenário.)  

 
 
 
 
TCU  –  Visita  Técnica  RestriIva  
Abstenha-­‐se   de   inserir   em   seus   instrumentos   convocatórios  
cláusulas   impondo   a   obrigatoriedade   de   comparecimento   ao  
local  das  obras  quando,  por  sua  limitação  de  tempo  e  em  face  
da   complexidade   e   extensão   do   objeto   licitado,   pouco  
acrescente   acerca   do   conhecimento   dos   concorrentes   sobre   a  
obra/serviço,  de  maneira  a  preservar  o  que  preconiza  o  art.  3ª  
caput,   e   §   1º,   inciso   I,   da   Lei   8.666/93,   sendo   suficiente   a  
declaração   do   licitante   de   que   conhece   as   condições   locais  
para  a  execução  do  objeto”.(  Acordão  n°906/2012  –  Plenário)  
 
 
 
TCU  –  Visita  Técnica  por  Profissional  com  Conhecimento  Técnico  
“31.  Com  relação  à  exigência  de  que  os  compeLdores  devem  realizar  
visita   técnica   ao   local   da   obra,   em   dia   e   hora   único,   definido   no  
edital,   foi   demonstrado   que   a   jurisprudência   desta   Corte   é   pacífica  
no   senLdo   de   repudiar   tal   medida,   por   configurar   restrição   indevida  
à  compeLLvidade  do  certame  e  por  favorecer  o  prévio  acerto  entre  
os   pretendentes.   Neste   caso,   a   falta   é   suficiente   para   macular   a  
licitação  e  ensejar  proposta  para  a  anulação  do  processo  licitatório,  
sem  prejuízo  de  dar  ciência  ao  ...  (omissis)  que  a  inserção  no  edital  
de  licitação  de  exigência  para  a  realização  de  vistoria  técnica  em  um  
único   dia   e   horário,   consLtui-­‐se   em   restrição   à   compeLLvidade   e  
ofensa   ao   disposto   no   art.   3º,   caput,   e   §1º,   inciso   II,   da   Lei  
8.666/1993,   além   de   favorecer   ajustes   entre   os   potenciais  
compeLdores”.  (Acordão  n°110/2012  –  Plenário)  
 
 
Bônus  e  Despesas  Indiretas  –  BDI  e  
Desoneração  da  Folha  de  Pagamento  
 
BDI    é  “um  percentual  aplicado  sobre  o  custo  para  chegar  
ao  preço  de  venda  a  ser  apresentado  ao  cliente”   (Decisão  
255/1999-­‐Primeira  Câmara)  

Valor   percentual   que   incide   sobre   o   custo   global   de  


referência   para   realização   da   obra   ou   serviço   de  
engenharia.  (Inciso  V,  do  Art.  2º,  do  Decreto  Federal  nº  7.983∕2013)  
PV   =   CD   x   (1   +   BDI),   onde   PV   é   o   preço   de   venda   e   CD  
representa  o  custo  direto  da  obra.    
Rubricas  que  compõem  o  BDI  
O   Decreto   7.983/2013   dispõe   que   o   preço   global   de  
referência  será  o  resultante  do  custo  global  de  referência  
acrescido   do   valor   correspondente   ao   BDI,   que   deverá  
evidenciar  em  sua  composição,  no  mínimo:    

(i)  a  taxa  de  rateio  da  administração  central;    

(ii)  percentuais  de  tributos  incidentes  sobre  o  preço  do  serviço,  


excluídos   aqueles   de   natureza   direta   e   personalísLca   que  
oneram  o  contratado;    

(iii)  taxa  de  risco,  seguro  e  garanLa  do  empreendimento;  e    

(iv)  taxa  de  remuneração  do  construtor.    


 
 
As   composições   de   custos   unitários   e   o   detalhamento   de  
encargos   sociais   e   do   BDI   integram   o   orçamento   que  
compõe   o   projeto   básico   da   obra   ou   serviço   de  
engenharia,   devem   constar   dos   anexos   do   edital   de  
licitação  e  das  propostas  das  licitantes  e  não  podem  ser  
indicados   mediante   uso   da   expressão   ‘verba’   ou   de  
unidades  genéricas.  (Súmula  nº  258/2010  –  TCU)  
Fórmula  de  Cálculo  do  BDI  
BDI  =    [1  +  (AC  +  S  +  R  +  G)  (  1  +  DF)  (1  +  L)  ]  _    1    
             (1  –  I)        Em  que:    
 AC  é  a  taxa  de  rateio  da  administração  central;    
Ø    S  é  uma  taxa  representaLva  de  seguros;    
Ø    R  corresponde  aos  riscos  e  imprevistos;    
Ø    G  é  a  taxa  que  representa  o  ônus  das  garanLas  exigidas  em  
edital;    
Ø    DF  é  a  taxa  representaLva  das  despesas  financeiras;    
Ø    L  corresponde  à  remuneração  bruta  do  construtor;    
Ø    I   é   a   taxa   representaLva   dos   tributos   incidentes   sobre   o  
preço  de  venda  (PIS,  Cofins,  CPRB  e  ISS).    
BDI  Diferenciado  para  Aquisição  de  Equipamentos  
 
Comprovada   a   inviabilidade   técnico-­‐econômica   de  
parcelamento   do   objeto   da   licitação,   os   itens   de  
fornecimento   de   materiais   e   equipamentos   de   natureza  
específica   que   possam   ser   fornecidos   por   empresas   com  
especialidades   próprias   e   diversas   e   que   representem  
percentual   significaLvo   do   preço   global   da   obra,   devem  
apresentar  incidência  de  taxa  de  BDI  reduzida  em  relação  
à  taxa  aplicável  aos  demais  itens.   (Súmula  nº  253/2010  e  Art.  9º,  
§1º  do  Decreto  Federal  nº  7.983∕2013)  
Pressupostos  para  que  se  aplique  um  BDI  reduzido  sobre  o  
fornecimento  de  equipamentos  
•  que   o   possível   parcelamento   do   fornecimento   específico  
não  tenha  ocorrido;    
•  que   a   construtora   atue   como   mera   intermediadora   no  
fornecimento   de   materiais   e   equipamentos,   o   que   não   é   a  
situação   quando   a   contradada   é   a   própria   fabricante   ou  
produtora  dos  materiais  e  equipamentos;    
•  que   sejam   equipamentos   com   projetos   e   instalação  
padronizados,  de  fabricação  regular;  
•  que  o  material/equipamento  tenha  valor  percentualmente  
significaLvo  em  relação  ao  preço  global  da  obra.  (Conf.  Art.  9º,  
§2º  do  Decreto  Federal  nº  7.983∕2013)  
Obtenção  de  um  BDI  Referencial   (não  se  deve  perder  de  vista  que  o  
parâmetro   mais   importante   de   todos   é   o   valor   médio   do   BDI.   Ele   é   o  
parâmetro   que   deve   ser   buscado   pelo   gestor,   pois   representa   a   medida  
esta•sLca  mais  concreta  obLda.  )  

 
 
 
 
 
 
 
Faixas  de  referência  constantes  do  Acórdão  2.622/2013  -­‐  Plenário  
Obtenção  de  um  BDI  Referencial  
 
 
 
 
 
 
 
 
Parâmetros  de  mercado  individuais  para  as  rubricas  que  compõem  o  BDI  -­‐  Acórdão  
2.622/2013  -­‐  Plenário  
Obtenção   de   um   BDI   Referencial   (os   parâmetros   apresentados   nas  
tabelas   não   contemplam   a   Contribuição   Previdenciária   sobre   a   Receita  
Bruta   (CPRB),   insLtuída   pela   Lei   12.844/2013,   aplicável   às   empresas   que  
estão  sujeitas  à  desoneração  da  folha  de  pagamento.)  

 
 
 
 
 
 
Parâmetros  de  mercado  individuais  para  as  rubricas  que  compõem  o  BDI  -­‐  Acórdão  
2.622/2013  -­‐  Plenário  
 
BDI   em   obras   beneficiadas   pela   desoneração   da   folha   de  
pagamento  
Com  a  Contribuição  Previdenciária  sobre  a  Receita  Bruta  (CPRB)  
a   base   de   cálculo   da   contribuição   previdenciária   patronal,  
que  era  de  20%  sobre  a  folha  de  pagamento,  foi  subsLtuída  
pelo   percentual   de   4,5%   (antes   de   1º/12/2015   era   2%)   aplicado  
sobre  o  valor  da  receita  bruta.  
 
 
 
BDI  em  obras  beneficiadas  pela  desoneração  da  folha  de  
pagamento  
9.2.1.  inobservância,  à  época  da  elaboração  do  orçamento  da  
obra,   da   Lei   12.844/2013,   que   alterou   o   art.   7º   da   Lei  
12.546/2011   -­‐   a   impactar   nos   custos   das   empresas   da  
construção   civil   nas   áreas   de   construção   de   edi}cios;  
instalações   elétricas,   hidráulicas   e   outras   instalações   em  
construções;   obras   de   acabamento   e   outros   serviços  
especializados   de   construção   -­‐   especificamente   quanto   à  
desoneração   do   INSS   nos   encargos   sociais   sobre   a   mão   de  
obra   e   quanto   à   criação   da   Contribuição   Previdenciária  
sobre   a   Renda   Bruta   (CPRB),   a   onerar   o   BDI   em   2%.  
(Acórdão  2.293/2013  –  Plenário)  
 
Gestão  e  Fiscalização  de  
Contratos  
 
   
 
 
O   gestor   do   contrato   é   o   servidor   que   possui   atribuições  
administraLvas,   tais   como   a   análise   da   documentação   que  
antecede   o   pagamento   -­‐   documentos   que   foram,   em   tempo  
oportuno,   cerLficados   pelo   fiscal   ,   bem   como   análise   do  
reequilíbrio   econômico-­‐financeiro   do   contrato,   dentre   outras  
funções  administraLvas  relaLvas  ao  contrato  administraLvo.  
 
 
 
Ao  fiscal  da  obra  ou  serviço  de  engenharia  incumbe  observar  
o  cumprimento  da  execução  do  objeto  contratual  nos  moldes  
do   edital   e   do   contrato   administraLvo   originado   do  
procedimento  que  levou  à  contratação.    
O  fiscal  deverá  ter  o  conhecimento  técnico  adequado,  pois  é  
da   sua   alçada   verificar   as   quanLdades   e   a   qualidade   da  
prestação   dos   serviços   de   engenharia   contratados,   bem  
como   das   eventuais   ocorrências   técnicas   que   possam   surgir  
durante  o  andamento  da  obra  
 
 
 
Esse  profissional  deverá  estar  inscrito  no  respecLvo  conselho  
de   classe   (Conselho   Regional   de   Engenharia   e   Agronomia   –  
CREA   ou   Conselho   de   Urbanismo   e   Arquitetura   -­‐   CAU),   e  
deverá  recolher  ART  (Anotação  de  Responsabilidade  Técnica)  
ou   RRT   (Registro   de   Responsabilidade   Técnica)   de  
fiscalização   (Lei   Federal   nº   5.194,   de   24   de   dezembro   de  
1966,  e  Lei  Federal  nº  12.378,  de  31  de  dezembro  de  2010)  
 
 
Licitação  para  a  Contratação  de    
Manutenção  Predial    
 
EDITAL  DE  PREGÃO  ELETRÔNICO  –  CASO  PRÁTICO  
 
 
ANEXOS  
 
 
 
CONTRATAÇÃO  DE  MANUTENÇÃO  PREDIAL  
Partes  integrantes  do  Edital  
 

Partes  integrantes  do  Edital  -­‐  Exemplo  


• Termo  de  Referência;  
• Especificações  Técnicas;  
• QuanLtaLvo  e  Orçamento  de  Uniformes;  
• Planilhas  de  Preços  e  Consumo  EsLmado  de  
Materiais;  
• Planilha  de  Preços  de  Equipamentos;  
• Planilhas  de  Preços  de  Serviços  Eventuais;  
 
•  Planilha  de  Composição  de  Custos  e  Formação  de  
Preços  –  Orçamento  dos  Custos  dos  Serviços;  
•  Planilha  de  Composição  de  Custos  e  Formação  de  
Preços  Unitários  –  Diárias;  
•  Orçamento  EsLmado;  
•  Modelo  de  Proposta  de  Preços;    
•  Memória  de  Cálculo;    
 
•  Modelo  de  Declaração  de  Vistoria;  
•  Declaração   de   Contratos   Firmados   com   a  
IniciaLva  Privada  e  com  a  Administração  Pública;  
•  Modelo   de   Atestado   (ou   Declaração)   de  
Capacidade  Técnica;    
•  Minuta  do  Contrato;  
•  Modelo   de   Carta   de   Fiança   Bancária   para  
GaranLa  de  Execução  Contratual.    
 
 
 
Termo  de  Referência  
 
 
 
 
O     termo   de   referência   é   uLlizado   em   todos   os  
processos   relaLvos   à   modalidade   pregão,   seja  
presencial   ou   eletrônico,   enquanto   o   projeto   básico  
é   obrigatórios   nas   licitações   convencionais   para  
obras  e  serviços.  
 
O   termo   de   referência   é   o   documento   que   deverá   conter,   de  
forma  clara,  concisa  e  objeLva:  
•  elementos   capazes   de   propiciar   avaliação   do   custo   pela  
administração  diante  de  orçamento  detalhado;    
•  definição  dos  métodos;  
•  estratégia  de  suprimento;  
•  valor   esLmado   em   planilhas   de   acordo   com   o   preço   de  
mercado;  
•  cronograma  }sico-­‐financeiro,  se  for  o  caso;  
 
 
Termo  de  Referência    
• critério  de  aceitação  do  objeto;  
• deveres  do  contratado  e  do  contratante;    
• procedimentos  de  fiscalização  e  gerenciamento  do  contrato;  
• prazo  de  execução;  e    
• sanções.  
OBJETIVO  -­‐  Exemplo  
Contratação   de   pessoa   jurídica   para   prestação   de   serviços  
conLnuados  de  operação,  manutenção  predial  prevenLva  
e   correLva   dos   sistemas,   dos   equipamentos   e   das  
instalações,  que  compreenderá  o  fornecimento  de  mão  de  
obra,  todo  o  material  de  consumo  e  insumos  necessários  e  
adequados   à   execução   dos   serviços   em   todas   as  
instalações  do  Edi}cio  “X”,  em  regime  de  empreitada  por  
preço   unitário,   conforme   especificações   e   quanLtaLvos  
estabelecidos  nos  Anexos  deste  Edital.  
META FÍSICA - Exemplo

Turno   Carga  Horária   Número  de  Postos  


semanal  
Engenheiro Diurno 44h 1
Encarregado  Geral Diurno 44h 1
Técnico  em  Instalações   Diurno 44h 1
Hidrossanitárias  Predial  -­‐  
Sênior
Técnic-­‐-­‐-­‐o  Eletricista  de   Diurno 44h 1
Manutenção  Predial  -­‐  Sênior

Técnico  de  Telefonia  e  Rede  -­‐   Diurno 44h 1


Sênior
Técnico  em  Instalações   Diurno 44h 2
Hidrossanitárias  Predial
Técnico  Eletricista  de   Diurno 44h 5
Manutenção  Predial
Técnico  de  Telefonia  e  Rede Diurno 44h 5
VALOR ESTIMADO DO CONTRATO - Exemplo
VALOR  ESTIMADO  DO  CONTRATO     Valor  (R$)  
Mensal   Anual  
Engenheiro     x 12x
Encarregado  Geral  

Técnico   em   Instalações   Hidrossanitárias   Predial   -­‐  


Sênior  
Técnico  Eletricista  de  Manutenção  Predial  -­‐  Sênior  

Técnico  de  Telefonia  e  Rede  -­‐  Sênior  

Técnico  em  Instalações  Hidrossanitárias  Predial  

Técnico  Eletricista  de  Manutenção  Predial  

Total  Serviço
VALOR  ESTIMADO  DO  CONTRATO     Valor  (R$)  
Mensal   Anual  
Materiais  de  Reposição x1 12x1
Serviços  Eventuais x2 12x2

Diárias x3 12x3

Postos  de  serviço x4 12x4


 
x1+x2+x3+x4
12(x1+x2+x3+x4)
Total  Geral

 
 
Local  de  Execução:  estabelecer  com  clareza  o(s)  local(ais)  
onde  serão  realizadas  as  manutenções.  
Unidade  Responsável  pelo  Projeto:  deixar  claro  qual  é  a  
unidade  do  órgão  ou  enLdade  que  é  responsável  pela  
manutenção;  
Unidade  Responsável  pela  Fiscalização:  definir  qual  
unidade  do  órgão  ou  enLdade  que  é  responsável  pela  
fiscalização  da  execução  da  manutenção;    
 
CONTRATAÇÃO  DE  MANUTENÇÃO  PREDIAL  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  

ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  
As   ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   estabelecem   as   normas  
específicas   para   a   execução   dos   serviços   de   manutenção  
preven1va  e  corre1va  dos  equipamentos,  dos  sistemas  e  das  
instalações   prediais   elétricas,   hidrossanitárias,   de   prevenção  
contra  e  combate  a  incêndio,  contra  descargas  atmosféricas,  
telefônicas,   cabeamentos   diversos   (inclusive   cabeamento  
estruturado),  de  gás  liquefeito  de  petróleo  (GLP),  serviços  de  
manutenção   em   obras   civis,   serralheria,   soldagem,  
esquadrias,   vidraria,   gesso,   hidráulica,   marcenaria,   pintura   e  
alvenaria.  
 
 Significados  dos  termos  uIlizados  na  especificação  
CONTRATANTE:  Especificar  quem  é  o  órgão  ou  enLdade  
contratante.  
CONTRATADA:  Licitante  vencedora  do  certame  licitatório,  a  
quem   será   adjudicado   o   objeto   desta   licitação,   após   a  
assinatura  do  contrato;    
SIGLAS;  e  
FISCALIZAÇÃO:  Estabelecer  quem  será  o  servidor  designado  
formalmente  para  representar  a  CONTRATANTE,  responsável  
pela  fiscalização  dos  serviços,  ou  corresponde  à  equipe  que  
representa  o  órgão  ou  enLdade  perante  a  CONTRATADA.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  OBJETO  
 
Contratação   de   pessoa   jurídica   para   prestação   de   serviços   de  
natureza   con1nuada   de   manutenção   predial   preven1va   e  
corre1va  dos  sistemas,  dos  equipamentos  e  das  instalações,  do  
edi}cio   X,   do   órgão   ou   enLdade   Y,   no   Município   de   ______,  
Estado   __,   constantes   do   objeto   deste   Termo   de   Referência,  
compreendendo   o   fornecimento   de   mão   de   obra,   todo   o  
material   de   consumo   e   insumos   necessários   e   adequados   à  
execução   dos   serviços,   conforme   especificações   e  
quanLtaLvos  estabelecidos  neste  Termo  de  Referência.  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  PREPOSTO  
 
A   CONTRATADA   deverá   manter   preposto   aceito   pela  
Administração   para   representá-­‐la   administraLvamente,  
devendo  estar  apto  a  esclarecer  as  questões  relacionadas  
às   faturas   dos   serviços   prestados,   e   sanar   qualquer  
demanda,   tanto   na   área   de   administração   de   pessoal,   de  
fornecimento   de   material,   quanto   da   manutenção   dos  
equipamentos,  objetos  desse  contrato.  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  DEMANDA  
 
Os  serviços  de  manutenção  predial,  objeto  do  presente  
Termo   de   Referência,   serão   prestados   com   X   (por  
extenso)   postos   de   trabalho,   no   âmbito   deste   (local  
onde   será   feita   a   manutenção),   conforme  
discriminado  na  tabela  a  seguir:  
 
Na   tabela   se   especifica   quais   são   os   postos,   com  
quan1dade   e   número   de   trabalhadores   por   posto,  
turno   de   trabalho   e   os   dias   da   semana   que  
trabalharão.  
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS – DEMANDA - Exemplo

Qtd
e   Nº  de  
Dias  da  
Local Tipo Turno
Semana de   empreg
post ados
os
Engenheiro  (responsável  técnico)
Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 01 01
 
  Encarregado  Geral
Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 01 01
 
  Técnico  em  Instalações  
Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 01 01
X   Hidrossanitárias  Prediais  -­‐  Sênior
  Técnico  Eletricista  de  Manutenção  
Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 01 01
  Predial  -­‐  Sênior
  Técnico  de  Telefonia  e  Rede  -­‐  Sênior
  Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 01 01
  Técnico  em  Instalações  
Diurno  -­‐  44h 2ª  a  6ª 02 02
Hidrossanitárias  Predias
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS – DEMANDA - Exemplo
 
Dia
  s  da   Qtde.   Nº  de  
Local Tipo Turno Se de   empre
ma postos gados
na
( ... )

  Auxiliar  de  Eletricista  de  Manutenção   Diurno  -­‐  44h 2ª  a  


Predial 03 03
X 6ª
  Auxiliar  de  Telefonia  e  Rede Diurno  -­‐  44h 2ª  a  
03 03
  6ª
  Técnico  Eletricista  de  Manutenção  Predial   12/
  (24h) 24h 01 04
36h
  TOTAL  DE  POSTOS
  20   23  
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS – DEMANDA - Exemplo

ÁREAS  DO  TRIBUNAL   METRAGEM  (M2)  


Edi}cio  A x1
Edi}cio  B x2
Edi}cio  C x3
Restaurante x4
Guarita x5
Garagens   x6
Estacionamento  externo   x7

Área  Total   x1+x2+x3+x4+x5+x6+x7


ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   QUALIFICAÇÃO   MÍNIMA  
EXIGIDA   PARA   OS   PROFISSIONAIS   ALOCADOS   NA  
PRESTAÇÃO  DOS  SERVIÇOS  
 
Estabelecer   qual   a   qualificação   mínima   dos   profissionais  
indicados   pela   CONTRATADA   para   a   prestação   dos   serviços  
de  manutenção  predial.  
Por   exemplo:   “deverão   ter,   no   mínimo,   ensino   médio  
completo   e,   conforme   requisito   esLpulado   para   cada  
cargo”.  
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - FORNECIMENTO DE UNIFORMES
 
A   CONTRATADA   deverá   providenciar   para   que   os   profissionais  
indicados   apresentem-­‐se   ao   ÓRGÃO   OU   ENTIDADE   trajando  
uniformes   fornecidos   às   expensas   da   empresa.   O   uniforme  
deverá  ser  aprovado  previamente  pela  FISCALIZAÇÃO  do  TCU  
e   conter   as   seguintes   caracterísLcas   básicas   -­‐   Encarregado  
geral   Qtde.  de  Uniformes  
Descrição Fornecidos    
  em  01  Ano
Camisa  social  manga  curta  com  emblema  de  empresa x
Calça  jeans  com  emblema  da  empresa y
Cinto  de  couro z
Meia u
Sapato  social v
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  SERVIÇOS  
Manutenção  PrevenIva    
A   manutenção   prevenLva   das   instalações   tem   por   objeLvo  
antecipar-­‐se,  por  meio  de  ensaios  e  roLnas,  ao  aparecimento  de  
defeitos  causados  pelo  uso  normal  e  roLneiro  dos  equipamentos  
e  instalações  ou  por  desuso.    
No   mínimo   uma   vez   por   mês   serão   revisados   os   pisos,   esquadrias,  
vidros,  mobiliário,  corLnas,  persianas,  tapetes,  carpetes  e  paredes  
de   madeira   do   auditório,   louças   e   metais   dos   sanitários,  
instalações   elétricas   e   hidráulicas,   ar-­‐condicionado,   estruturas  
metálicas,   pintura,   cobertura/telhado   externo,   forros,   dutos,  
áreas  externas,  calhas,  escadas,  piso  do  estacionamento,  calçada  
externa,  grade  frontal  do  prédio  e  muros.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  SERVIÇOS  
Manutenção  CorreIva    
A   manutenção   CORRETIVA   das   instalações   está   diretamente  
relacionada  ao  desgaste  dos  diversos  componentes  do  prédio,  em  
decorrência  de  seu  funcionamento.  
    A   manutenção   correLva   será   realizada   em   todas   as   instalações   e  
equipamentos  previstos,  sempre  que  necessário,  sem  prejuízo  da  
verificação  periódica  definida  para  cada  item.  
    Está   incluída   nos   serviços   de   manutenção   a   execução   de  
pequenos   reparos   e   ajustes   nas   instalações   visando   atender   as  
necessidades   de   funcionamento   específico   que   venham   a   surgir  
no  decorrer  do  uso  do  prédio.  
 
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   PERMANENTES   DE   MANUTENÇÃO  
PREVENTIVA   E   CORRETIVA   -­‐   DESCRIÇÃO   RESUMIDA   DOS  
SERVIÇOS  
Cabeamento  estruturado,  cerLficação  e  dutamento  da  rede  
lógica;  
Instalações  da  cozinha,  do  restaurante  e  das  copas;  
Instalações  da  rede  de  telefonia;  
Instalações  de  detecção,  alarme,  combate  e  controle  a  incêndio;  
Instalações  de  gás  liquefeito  de  petróleo  (GLP);  
Instalações  de  proteção  contra  descargas  atmosféricas;  
Instalações  elétricas;  
Instalações  hidrossanitárias;  
 
E S P E C I F I C A Ç Õ E S   T É C N I C A S   -­‐   P E R M A N E N T E S   D E  
MANUTENÇÃO   PREVENTIVA   E   CORRETIVA   -­‐   DESCRIÇÃO  
RESUMIDA  DOS  SERVIÇOS  
Portas  e  portões  de  acesso  comum,  externos  e  internos;  
Serviços  de  chaveiro;  
Serviços  de  manutenção  em  obras  civis;  
Serviços  de  pintura,  serralheria  e  solda;  
Serviços  de  reparo  e  limpeza  (higienização)  de  persianas,  
inclusive  a  limpeza  de  lâmina;  
Serviços  em  esquadrias  metálicas  e  vidraria;  
Serviços  em  forros  de  gesso.  
 
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   EVENTUAIS   DE   MANUTENÇÃO  
PREVENTIVA   E   CORRETIVA   -­‐   DESCRIÇÃO   RESUMIDA   DOS  
SERVIÇOS  
Andaimes;  
Cabeamento  e  dutamento  do  sinal  de  vídeo;  
Esgotamento  de  caixas  de  gordura;  
Fornecimento  e  instalação  de  carpete;  
Fornecimento  e  instalação  de  vidro  retangular;  
Etc.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  ATRIBUIÇÕES  E  REQUISITOS  DA  
EQUIPE  DE  SERVIÇO  PERMANENTE  
Engenheiro    
Requisito  
Experiência  
Atribuições  
Encarregado  Geral  
Requisito  
Experiência  
Atribuições  
Etc.  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   DESCRIÇÃO   DETALHADA   DOS  
SERVIÇOS  PERMANENTES  
  A   seguir   descreve-­‐se   detalhada   e   periodicidade   dos  
serviços   e   tarefas   a   serem   realizados   para   todos   os  
sistemas  envolvidos.    
  Para   cada   um   deles   deverá   ser,   ainda,   considerado   todos   e  
quaisquer  procedimentos  de  reparos  e  consertos  relaLvos  
à   manutenção   correLva,   sempre   que   necessários   ou  
quando  recomendado  pela  fiscalização.  
A   seguir   veremos   um   exemplo   de   especificação   do   serviço  
“Instalações  da  cozinha,  do  restaurante  e  das  copas”  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  DESCRIÇÃO  DETALHADA  DOS  
SERVIÇOS  PERMANENTES  -­‐  Instalações  da  Cozinha,  do  
Restaurante  e  das  Copas  
 
 Os  serviços  consistem  nas  seguintes  aLvidades:  
  SubsLtuir   tubos   visores,   mangueiras,   registros   e   outros  
elementos   hidráulicos   nas   máquinas   de   preparação   e  
aquecimento  de  café,  a  pedido  da  fiscalização;  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  DESCRIÇÃO  DETALHADA  DOS  
SERVIÇOS  PERMANENTES  -­‐  Instalações  da  Cozinha,  do  
Restaurante  e  das  Copas  
 Diariamente,  uma  vez  quando  não  explicitado  
•  verificar  a  existência  de  vazamento  de  vapor  de  água  nas  juntas  e  
conexões;  
•  verificar  o  estado  de  vedação  dos  registros;  
•  verificar  o  isolamento  da  rede  de  vapor;  
•  verificar  o  funcionamento  dos  purgadores;  
•  inspecionar  e  desobstruir  as  calhas  de  piso;  
•  verificar  a  rede  de  GLP;  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   DESCRIÇÃO   DETALHADA   DOS  
SERVIÇOS   PERMANENTES   -­‐   Instalações   da   Cozinha,   do  
Restaurante  e  das  Copas  
 Mensalmente,  uma  vez  quando  não  explicitado  
•  verificar  e  reapertar  as  juntas  de  dilatação  e  conexões;  
•  testar  as  válvulas  de  segurança;  
•  verificar   a   rede   de   água   quente,   incluindo   o  
funcionamento  do(s)  aquecedor(es);  
•  verificar   o   funcionamento   geral   de   todos   os  
equipamentos   tais   como:   panelões,   carros   térmicos,  
tubulações   de   gás,   máquinas   de   lavar,   câmaras  
frigoríficas,  aquecedores,  e  outros  instalados  no  setor;  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   DESCRIÇÃO   DETALHADA   DOS  
SERVIÇOS   PERMANENTES   -­‐   Instalações   da   Cozinha,   do  
Restaurante  e  das  Copas  
 
Trimestralmente,  uma  vez  quando  não  explicitado  
 
•  verificar  o  funcionamento  dos  filtros  centrais  de  água,  com  
subsLtuição  dos  elementos  filtrantes.  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   DESCRIÇÃO   DETALHADA   DOS  
SERVIÇOS   PERMANENTES-­‐   MATERIAIS,   EQUIPAMENTOS   E  
FERRAMENTAS  
Dos  Materiais  
Todos   os   materiais   de   reposição   e   recomposição   deverão   ser  
fornecidos  pela  CONTRATADA,  aos  preços  por  ele  propostos;  
a   CONTRATADA   deverá   manter,   as   suas   próprias   custas,   estoque  
mínimo   de   materiais   de   reposição,   o   qual   somente   será   pago  
quando  de  sua  efeLva  uLlização;  
Todos   os   materiais   a   serem   empregados   nos   serviços   deverão   ser  
comprovadamente   de   primeiro   uso   e   devem   atender  
rigorosamente  aos  padrões  especificados  e  às  normas  da  ABNT  
e  possuir  garanLa  pelo  prazo  estabelecido  pelo  fabricante;  
Etc.  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  DESCRIÇÃO  DETALHADA  DOS  
SERVIÇOS  PERMANENTES-­‐  MATERIAIS,  EQUIPAMENTOS  E  
FERRAMENTAS  
Dos  Equipamentos/Ferramentas  
 
A   contratada   deverá   colocar   à   disposição   de   cada  
profissional,  para  uso  individual  e/ou  coleLvo,  conforme  
definido   no   Anexo   __,   as   ferramentas   e   equipamentos  
em   perfeitas   condições   de   uso,   subsLtuindo-­‐se   sempre  
que   não   esLverem   em   condições   adequadas   para  
execução  dos  serviços.  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   PLANILHA   DE   CUSTOS   E   FORMAÇÃO  
DE  PREÇOS  
Para  o  levantamento  dos  valores  esLmados  nas  Planilhas  de  Custo  e  
Formação  de  Preço  uLliza-­‐se  o  valor  de  mercado  para  fixação  do  
salário  dos  postos  de  serviço.  
As   licitantes   devem   cotar   o   preço   mensal   de   cada   posto   para  
execução   dos   serviços   especificados,   incluindo   as   despesas  
legais   incidentes,   bem,   ainda,   deduzindo   quaisquer   descontos  
que   venham   a   ser   concedidos,   observadas   as   composições  
especificadas   para   cada   Lpo   de   posto,   conforme   discriminado  
no   orçamento   esLmado   pelo   órgão   ou   enLdade   contratante,  
incluindo  a  parcela  fixa  e  variável,  tanto  mensal  quanto  anual  e  
planilhas   individuais   de   custos   esLmados   para   cada   Lpo   de  
posto.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  PLANILHA  DE  CUSTOS  E  
FORMAÇÃO  DE  PREÇOS  
•  Nas   planilhas   esLmaLvas,   considera-­‐se   o   LDI   (Lucros   e  
Despesas   Indiretas)   que   engloba   o   lucro,   as   despesas  
administraLvas   e   operacionais   (Acórdão   n.º   2.622/2013   -­‐  
TCU).  
•  As  licitantes  deverão  apresentar  memória  de  cálculo  do  
LDI.  
•  As   licitantes   deverão   apresentar   suas   propostas  
obedecendo  ao  salário  fixado  no  Edital.  
 
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  PLANILHA  DE  CUSTOS  E  
FORMAÇÃO  DE  PREÇOS  
Caso   a   licitante   apresente   sua   proposta   com   o   salário   inferior  
ao  fixado  no  edital  e  esteja  provisoriamente  classificada  em  
primeiro   lugar,   ela   poderá,   após   diligência,   ajustar   os  
salários  no  prazo  estabelecido.    
O   não   atendimento   da   diligência   no   prazo   fixado   ou   a   recusa  
em   fazê-­‐lo   caracteriza-­‐se   hipótese   de   desclassificação   da  
proposta.  
Para     o   orçamento   da   mão   de   obra,   dos   materiais   e   dos  
serviços  eventuais  foi  esLmado  o  TCU,  em  seus  editais,  leva  
em  consideração  a  empresa  optante  pelo  Lucro  Real.  
 
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   PLANILHA   DE   CUSTOS   E  
FORMAÇÃO  DE  PREÇOS  
Deve   ser   exigido   dos   integrantes   dos   postos   de   serviço  
capacitação   específica   para   atuarem   nas   roLnas   de  
manutenção  definidas  em  todos  os  itens  de  serviços  conLdos  
na  descrição  dos  serviços  permanentes.  
Os  empregados  da  CONTRATADA  deverão  uLlizar  Equipamentos  
de  Proteção  Individual  (E.P.I.)  e  uniformes.  
O   responsável   técnico   deverá   ter   providenciar   a   Anotação   de  
Responsabilidade  Técnica  -­‐  ART.,  específica  para  o  objeto  ou  
Registro  de  Responsabilidade  Técnica  –  RRT.  
 
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  -­‐  PRAZOS  
 
Deve   ser   estabelecido   prazo   máximo   para   o   início   e   térmico  
dos   serviços   con•nuos   e   eventuais,   contados   da   hora   do  
recebimento  da  ordem  de  serviço;  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  ORÇAMENTO  ESTIMADO  
Para   cada   item   de   prestação   de   serviços   que   se   pretende  
contratar   deve-­‐se   esLmar   uma   quanLdade   de   serviços  
técnicos  previstos  e  uma  quanLdade  esLmada  de  postos  
de   trabalho   adequada   para   executar   estes   serviços.   Essa  
quanLdade   de   postos   de   trabalho   serve   de   fundamento   à  
valoração  dos  serviços.    
Ressalte-­‐se   que   a   quanLdade   de   prestadores   de   serviço   a  
serem   disponibilizados   é   a   especificada     nas  
Especificações  Técnicas.  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  ORÇAMENTO  ESTIMADO  
A   composição   dos   custos   das   empresas   prestadoras   dos  
serviços  é  calculada  a  parLr  de  5  (cinco)  grupos  básicos:    
•  salários   (devidos   pela   empresa   aos   profissionais   que  
executarão  os  serviços);    
•  encargos  incidentes  sobre  esses  salários;    
•  insumos;    
•  bonificação  e    
•  outras  despesas  e  tributos.  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  ORÇAMENTO  ESTIMADO  
A   esLmaLva   dos   salários   dos   profissionais   a   serem   indicados  
pelas   empresas   contratadas,   constantes   nas   Planilhas   de  
Composição   de   Custos   e   Formação   de   Preços   –   deve   ser  
feita   a   parLr   da   descrição   detalhada   dos   serviços,  
considerando-­‐se   a   complexidade   destes   e   o   perfil  
profissional  desejado.    
Os   valores   dos   salários   dos   profissionais,   assim   como   o   das  
diárias  devidas  por  deslocamento  para  aLvidades  em  outras  
localidades   (se   houver),   constantes   das   propostas   das  
empresas   licitantes,   não   poderão   ser   inferiores   aos  
previstos  no  Edital.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  ORÇAMENTO  ESTIMADO  
Os   parâmetros   uLlizados   para   os   salários   podem   ser   feitos  
com   base   no   contrato   atual   e     preço   médio   de   contratos  
com   a   Administração   Pública.   Os   valores   são   atualizados  
com  o  índice  de  reajuste  constante  na  convenção  coleLva  
da  categoria.  
O   valor   do   aviso   prévio   trabalhado   deve   ser   incluído  
integralmente  na  planilha  de  custos  e  formação  de  preços  
da   mão   de   obra   dos   12   (doze)   primeiros   meses   de   vigência  
contratual.  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   –   CRITÉRIOS   DE   MEDIÇÃO   DE  
SERVIÇOS  
Os  preços  unitários  a  serem  propostos  pelo  licitante  deverão  
englobar,   para   todos   os   itens   da   planilha,   os   custos  
relaLvos   ao   fornecimento   de   materiais   e   mão   de   obra  
(postos   no   órgão   ou   enLdade),   aluguel   de   todas   as  
máquinas,   equipamentos   e   ferramentas   necessários   à  
correta   execução   dos   serviços,   inclusive   de   terceiros,   ainda  
que  não  discriminados  e  encargos  sociais  da  mão  de  obra,  
já   que   as   medições   serão   realizadas   pelas   quanLdades   de  
materiais   efeLvamente   gastos   e,   quando   dos   serviços  
eventuais,  pelo  tempo  de  trabalho  dos  profissionais.    
Os   materiais   cotados   deverão   seguir   rigorosamente   às  
especificações  constantes  nas  especificações  técnicas.  
ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   –   CRITÉRIOS   DE   MEDIÇÃO   DE  
SERVIÇOS  
 
O   preço   total   geral   obLdo   na   Planilha   de   QuanLtaLvo   e  
Orçamento   EsLmado   representa   somente   esLmaLva   de  
faturamento  médio  mensal  pela  contratada,  uma  vez  que  os  
quanLtaLvos   de   serviços   eventuais   efeLvamente  
executados   e   de   materiais   efeLvamente   uLlizados   variarão  
mês  a  mês.  
De   forma   geral,   os   materiais   serão   medidos   pelas  
quanLdades   efeLvamente   consumidas   e   a   mão   de   obra  
pelas   quanLdades   efeLvamente   trabalhadas   (serviços  
permanentes   ou   eventuais),   mediante   conhecimento   da  
FISCALIZAÇÃO,   nos   locais   especificadas   na   planilha  
orçamentária   por   unidades,   por   metros   quadrados,   por  
metros   cúblicos,   por   quilos,   por   sacos,   por   rolo,   por   metro  
linear,  por  litro,    etc.  
 
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  –  QUANTITATIVO  E  ORÇAMENTO  DE  
 
UNIFORME  
  PARA  ENCARREGADO  GERAL
Qtde  de  
Custo  
uniformes  
Descrição Unidade Unitário  (R Total  (R$)
fornecidos  
$)
em  01  ano
Camisa  social  manga  curta  com  
Unidade 2 X 2x
emblema  da  empresa
Calça  jeans  com  emblema  da  
Unidade 2 y 2y
empresa
Cinto  de  couro Unidade 1 z 1z
Meia Par 2 v 2v
Sapato  social Par 1 w 1w
TOTAL
Conjunto  por  Ano 2
Total  Ano 609,14
Total  Mensal 50,76
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - PLANILHA DE PREÇOS
 
E ESTIMATIVA DE CONSUMO DE MATERIAIS I  –  
Materiais  elétricos  –  EXEMPLO  DE  ALGUNS  ITENS
 
Códig Unida QuanIda
Item Custo  unitário Total  anual
o de de  anual
Abr.  Tipo  Copo  3/4"  c/  
1.1 und X
parafuso  e  bucha
(SPDA)  Abraçadeira  para  
1.2 mastro  aterramento  c/   und Y
isolador-­‐  01  roldana
(SPDA)  Cj.  de  
Contraventagem  para  
1.3 und Z
para-­‐raio  Franklin,c/  Cabo  
p/  Mastro  2"
(SPDA)  Mastro  
1.4 und W
aterramento  H:  6,00m,  2"

Total  anual  R$                                  


ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - PLANILHA DE PREÇOS E
ESTIMATIVA   DE CONSUMO DE MATERIAIS
I  –  Materiais  para  telefonia  e  rede  –  EXEMPLO  DE  ALGUNS  ITENS
 

QuanId Total  anual  


Códig Unida Custo  unitário  
Item ade   ajustado  
o de (reajustado)
mensal correção  INCC
2.1 Bateria  alcalina  9  volts und 50 x 50x
 Fitas  de  vinil  de  
12mm  e  19mm  de  
2.2 largura  p/     und 2 y 2y
ELquetadora  portáLl  
dymo  pl  300  3M

Total  Materiais  para  Telefonia  e  Rede Total  anual 50x  +  2y


ESPECIFICAÇÕES   TÉCNICAS   -­‐   PLANILHA   DE   COMPOSIÇÃO   DE   CUSTOS   E  
FORMAÇÃO  DE  PREÇOS  –  ENCARGOS  SOCIAIS  –  Exemplo  Edital  TCU  
 
CONTRATAÇÃO  DE  MANUTENÇÃO  PREDIAL  
ESPECIFICAÇÕES  TÉCNICAS  
PLANILHA  DE  COMPOSIÇÃO  DE  CUSTOS  E  FORMAÇÃO  DE  
PREÇOS  
   
 
 
   
 
 
 
 
 
De  forma  semelhante  se  faz  para  as  demais  funções.  
I  -­‐  Valor  da  diária    
Diária   R$  318,00
 
II  -­‐  BONIFICAÇÃO  E  OUTRAS  DESPESAS    
 
10,000%
LDI R$  31,80
 
Despesas  AdministraIvas/Operacionais 5,000% R$  15,90
TOTAL  -­‐  BONIFICAÇÃO  E  OUTRAS  DESPESAS 15,000% R$  47,70
 
III  -­‐  TRIBUTAÇÃO  SOBRE  O  FATURAMENTO    
ISSQN  ou  ISS   2,000% R$  8,24
COFINS 7,600% R$  31,32
PIS 1,650% R$  6,80
 
TOTAL  -­‐  TRIBUTAÇÃO  SOBRE  O  FATURAMENTO 11,250% R$  46,36

Preço  Unitário   R$  412,06


QuanIdade  Mensal  (horas) 10
Preço  Mensal 4.120,60
Preço  Anual 49.447,20

Exemplo – Edital TCU


PROPOSTA  DE  PREÇOS  –  PLANILHA  DE  COMPOSIÇÃO  
DE  CUSTOS  E  FORMAÇÃO  DE  PREÇOS  
Deve  constar:  
1.  Resumo  dos  Custos  da  Mão  de  Obra;  
2.  Resumo  de  Custos  com  Diárias;  
3.  Resumo   de   custos   de   materiais,   Equipamentos   e  
Ferramentas;  
4.  Resumo  de  custos  de  serviços  eventuais;  
5.  Total  =  (mão-­‐de-­‐obra)  +  (materiais,  equipamentos  e  
ferramentas)  +  (serviços  eventuais)  +  (diárias)  
.  
Sistema  de  Registro  de  Preços  e  a  
Manutenção  Predial  
 
O   Sistema   de   Registro   de   Preços   é   apropriado   para   quando,  
pelas   caracterísLcas   do   bem   ou   serviço,   houver   a   necessidade  
de   contratações   frequentes,   para   serviços   remunerados   por  
unidade   de   medida   ou   em   regime   de   tarefa,   para  
atendimento   a   mais   de   um   órgão   ou   enLdade,   ou   a   programa  
de   governo   ou   quando   pela   natureza   do   objeto   não   for  
possível   definir   previamente   o   quanLtaLvo   demandado   pela  
Administração  (Decreto  nº  7.892/2013,  art.3º,  incisos  I  a  IV).  
 
É   possível   a   contratação   de   serviços   comuns   de   engenharia  
com   base   em   registro   de   preços   quando   a   finalidade   é   a  
manutenção  e  a  conservação  de  instalações  prediais,  em  que  
a   demanda   pelo   objeto   é   repeLda   e   roLneira   ...   (
Acórdão  3605/2014-­‐Plenário,  TC  014.844/2014-­‐1,  relator  Ministro-­‐Subs1tuto  Marcos  
Bemquerer  Costa,  9.12.2014.)  
 
O  Sistema  de  Registro  de  Preços  é  apropriado  para  quando,  
pelas  caracterísLcas  do  bem  ou  serviço,  houver  a  necessidade  
de   contratações   frequentes,   para   serviços   remunerados   por  
unidade   de   medida   ou   em   regime   de   tarefa,   para  
atendimento  a  mais  de  um  órgão  ou  enLdade,  ou  a  programa  
de   governo   ou   quando   pela   natureza   do   objeto   não   for  
possível   definir   previamente   o   quanLtaLvo   demandado   pela  
Administração  (Decreto  nº  7.892/2013,  art.3º,  incisos  I  a  IV).  
 
 REFORMAS  
 
A   execução   de   obras   pontuais   e   determinadas   em   imóveis  
(reformas)  não  poderiam  ser  consideradas  manutenção  predial  
e   estariam   a   depender   da   elaboração   de   outros   documentos  
técnicos   específicos   para   sua   contratação,   tais   como,   projeto  
básico,   na   forma   do   art.6º,   IX,   da   Lei   nº   8.666/93,   incluindo  
plantas,     projeto   execuLvo,   orçamento   esLmado   em   planilhas  
com   base   no   SINAPI,   com   a   previsão   de   BDI   e   cronograma  
}sico-­‐financeiro,   considerado   o   prazo   de   execução.   (TCU,   Acórdão  
nº  2006/2012  –  Plenário).  
 REFORMA  
12.   Como,   no   caso   concreto,   os   serviços   de   reforma   previstos,  
além   de   materialmente   pouco   relevantes,   estão   decompostos  
em   aLvidades   mais   simples,   •picas   de   intervenções   isoladas,  
que   podem   ser   objeLvamente   definidas,   conforme  
especificações   usuais   no   mercado,   e   possuem   natureza  
padronizável  e  pouco  complexa,  entendo  não  haver  óbice  ao  
emprego   do   sistema   de   registro   de   preços   na   sua  
contratação.”   (TCU,   Acórdão   nº   3.419/2013-­‐Plenário,   Rel.   Min.   José   Múcio  
Monteiro,  DOU  12.12.2013.)  
MUITO OBRIGADO !