Você está na página 1de 91

1

Quantos animais afectados


Vários filhos da mesma égua / garanhão
Vários na coudelaria
História de claudicação
História de lesão num tendão
Etc..

Palpação

História clínica

•Quando apareceu – (congénita adquirida)


•Mais animais afectados – (Hereditário, Maneio)
•História de claudicação
•Etc…

2
Auer J (2003), Auer J (2003),

Diagnóstico
diferencial

Auer J (2003),

3
4
5
Quando apareceu (congénita / desenvolvimento)
Prematuridade
Placentite
Vários da mesma égua /garanhão
Vários na coudelaria
Claudicação
Exercício exagerado
História de inchaço à volta das placas de
crescimento

Palpação

6
Visualização

Raio X

7
Desenhar 2 linhas
através do eixo
central dos ossos
proximal e distal à
articulação
afectada

A intersecção das 2 linhas indica o local do desvio

http://www.upei.ca/~vca341/equin http://www.upei.ca/~vca341/equin
elimbs/foal.html elimbs/foal.html

Rádio distal – diminuição do Ossos distais do carpo


crescimento na parte lateral da
fise

8
Normal Valgu


http://www.upei.ca/~vca341/equin
elimbs/foal.html
3º e 4º osso do carpo em forma de cunha

Parte lateral do 3º osso do carpo mais curta que a medial


Parte medial do 4º osso do carpo mais curta que a laterla

Normal Valgu

c.c.
c.c.


3º 4º

↑ da sobreposição do osso cubital http://www.upei.ca/~vca341/equin


elimbs/foal.html
do carpo e do 4º osso do carpo

Sugere colapso parcial da articulação

9
Valgu
Suspeita-se que esta situação
tenha sido causada por uma
calcificação insuficiente dos
ossos do carpo à nascença

Compressão da cartilagem
antes da ossificação

Resultou na aparição de
formas anormais no 3º e 4º
ossos do carpo http://www.upei.ca/~vca341/equin
elimbs/foal.html

Colapso do carpo ao longo Valgus no


do bordo lateral carpo

10
Vários na coudelaria

Vários da mesma égua /garanhão

Claudicação

Solos duros

Defeitos de conformação

11
Diagnóstico Diferencial

Inicialmente pode-se pensar que o inchaço seja devido a


um trauma externo

Fisite

Dor quando se palpa a zona da


placa de crescimento

Dor à flexão

Raio X

Esclerose na placa de crescimento do lado medial do membro direito

Metafises assimétricas e alargadas com esclerose

12
alargamento irregular da fise com irregularidades
ósseas nas margens da metafise e epífise

Alterações no 3º Mt normalmente são mais ligeiras

13
Doença do navicular Anestesia palmar baixa

Osteíte podal

Abcesso / hematoma do casco Anestesia abaxial

Laminite

Sesamoidite

Anestesia dos 4 pontos


Constricção do ligamento anular

14
Doença do navicular
bilateral
Osteíte podal

Abcesso / hematoma do casco unilateral

Laminite bilateral

Sesamoidite
unilateral
Constricção do ligamento anular

Doença do navicular

Osteíte podal

Abcesso / hematoma do casco


Pulso da artéria palmar ↑
Laminite

Sesamoidite

Constricção do ligamento anular

15
Caso 1

16
O que fazer ?

Palpação

Casco e bordo coronário quente


Pulso APD ↑
Pinça de cascos → dor generalizada

Diag. Diferencial:

Laminite
Abcessos / hematoma do casco
Osteíte podal
Doença do Navicular
Etc…

17
Andar / posicionamento típico de laminite

Dor Ansiedade e tremores musculares


Respiração acelerada, mucosas
congestionadas, temperatura aumentada
Edema do membro

Em laminites intensas o casco pode desprender-se

Perda do estojo
córneo

18
Anestesias regionais:

Palmar baixa – negativa


Abaxial – ligeiras melhoras

Raio X

Laminite aguda

19
Laminite crónica

Laminite crónica

20
Laminite crónica

Separação da faixa coronária Exsudação de soro

Edema do membro

21
Anéis na parede do casco

Anéis mais estreitos nas pinças do


que nos talões

Hematomas subsolares

Separação da linha branca

Penetração de agentes
infecciosos para as lâminas

22
Caso 2

23
Palpação

Casco e bordo coronário quente


Pulso APD ↑
Pinça de cascos → dor mais acentuada na
zona da pinça

24
Diag. Diferencial:

Laminite
Abcessos / hematoma do casco
Fractura
Etc…

Cuidado nos casos de


Anestesia regional fracturas

Palmar baixa

25
Abaxial

Laminite crónica

26
Caso 3

Supressão do apoio

27
Palpação

Casco e bordo coronário quente


Pulso APD ↑
Pinça de cascos → dor

Diag. Diferencial:

Ver se existe algum problema


Laminite antecedente no membro contra lateral

Abcessos / hematoma do casco


Fractura
Etc…

Cuidado nos casos de


Anestesia regional fracturas

Realizei primeiro o raio x para


Supressão total do apoio descartar fracturas

28
Hipótese 1

29
30
Hipótese 2

31
Hipótese 3

32
Caso 4

Claudicação do anterior direito


Acentua no circulo com o membro afectado do lado
de dentro

Melhora no piso mole

33
Palpação

Sem alterações

Pinça de cascos
Dor nos talões

Casco contraído

• Teste de flexão

34
• Teste de hiperextensão
– tábua faz um ângulo de 30º com solo
• aumenta a pressão no TFDP e no mecanismo suspensor
do navicular

• Teste de hiperextensão
– tábua faz um ângulo de 30º com solo
• aumenta a pressão no TFDP e no mecanismo suspensor
do navicular

35
Anestesia palmar baixa do m. anterior direito

Anestesia palmar baixa do m. anterior direito

36
Anestesia palmar baixa do m. anterior esquerdo

Anestesia palmar baixa do m. anterior esquerdo

37
Diagnóstico diferencial

Claudicação bilateral

Doença do navicular

Osteíte podal
Laminite

Sesamoidite

Não descartar problemas unilaterais que possam estar


presentes nos 2 membros

Anestesia palmar baixa +

Doença do navicular

38
Caso 5

Claudicação bilateral
Piora em pisos duros
Testes manipulação negativos
Piora após a ferração
Pinça de cascos – sensibilidade ↑

Anestesia palmar baixa neg.


Anestesia abaxial positiva

39
Diagnóstico diferencial

Claudicação bilateral

Laminite
Osteíte podal

Doença do navicular

Sesamoidite

Não descartar problemas unilaterais que possam estar


presentes nos 2 membros

Anestesia abaxial positiva

Laminite

Osteíte podal

Raio X

40
Diagnóstico

Osteíte podal

Cuidado alguns cavalos podem apresentar


lesões radiográficas sem sinais clínicos

41
Caso 6

42
Teste flexão +
Pinça de cascos neg.
Palpação – tumefacção dura, sem dor ao toque

43
Abaxial

44
Diagnóstico diferencial

Tumefacção de tecidos moles


Artrose / sobre mão
Periosteíte traumática
Artrite
Etc…
Raio X

Artrose

45
Caso 7

 Progressiva da performance

No início a claudicação pode desaparecer após o aquecimento

Luis Atayde

46
Teste de flexão +
Tumefacção dura

Anestesia tíbial em conjunto com


a peronial superficial e profunda +

Raio x

47
Diagnóstico:

Esparvão ósseo

Analisar os raio x tendo em conta a idade e


sintomatologia clínica do animal

48
Caso 8

Inchaço na parte palmar do


boleto
Claudicação do anterior direito
Teste flexão +
Anestesia dos 4 pontos + (logo
acima do boleto)

49
Diagnóstico diferencial

Constricção do ligamento anular


Artrite
Sesamoidite
Fractura do sesamoide

Luis Atayde

50
Raio x / ecografia

51
Constricção do ligamento anular
L. a. saudável difícil de examinar 1-2 mm

Mais fácil de identificar na ligação aos sesamoides


depois é seguido até à linha média

Imagem transversa

Engrossamento do
ligamento anular (7mm)

Luis Atayde

+
+

Engrossamento do ligamento anular e da membrana sinovial


Luis Atayde

52
Fibrose subcutânea
+
+
Ligamento anular +
tecido subcutâneo
9,19mm

Ligamento anular 1,59

Luis Atayde

53
Sesamoidite

Perca da estrutura trabecular

 do n.º e tamanho dos buracos


nutritivos

Luis Atayde

Osso com aparência irregular

Luis Atayde

54
Lesões proliferativas

entesiofitos

Osteofitos

Nas margens
articulares  artrose
Luis Atayde

Tipo I:
1 a 2 defeitos lineares com
menos de 1mm
Maior parte das vezes sem
sinais clínicos

Luis Atayde

55
Tipo II:
3 ou mais defeitos lineares
com menos de 1mm

Secundário a lesões nos


tecidos moles (desmite LS
ou tendinites)

Claudicação devido às lesões nos tecidos moles,


lesões nos sesamoides são secundárias
Luis Atayde

Defeito circular

Tipo III:
Defeitos lineares com mais
de 1mm, defeitos com
outros formatos que não
lineares

Claudicação

Prognóstico não favorável nas lesões tipoIII

Luis Atayde

56
Luis Atayde

Fractura do sesamoide
Diferenciar de fractura

Necessita de períodos
mais longos de descanso

Fragmento basilar do osso sesamoide


Luis Atayde

57
Nota: tanto a sesamoidite como na fractura do sesamoide
o teste de flexão é muito positivo

58
Tumefacção da articulação

Diagnóstico diferencial

Sinovite idiopática (ova) sem sintomatologia clínica


Artrite
Artrose

Raio X

59
Caso 9

60
Inchaço na parte dorsal do 3º Mt
Dor ao toque

Diagnóstico diferencial

Periosteíte dorsal do 3º Mt
Trauma na parte dorsal do 3º Mt
Fractura na parte dorsal do 3º Mt

História clínica / idade do cavalo

Raio x

61
62
Caso 10

Inchaço no 2º / 4º Mt

63
Recente / crónico

Claudicção / sem claudicação

Dor à palpação / sem dor à palpação

Diagnóstico diferencial:

Sobrecana
Estética
Funcional
Fractura do 2º / 3º Mt

64
65
Sobrecana

Fractura

66
67
P
P
A
A

Caso 11

68
Há um ano teve uma fartura do osso acessório do carpo
do membro anterior direito

Claudicação anterior direito acentuada no circulo para a


esquerda

Dificuldades nos alargamentos de trote

Hipoalegesia distal ao carpo

Pulso proximal ao carpo mais forte


Pulso distal ao carpo mais fraco

Raio X

Ecografia

69
Diagnóstico

Síndroma do canal carpiano

Neste caso é devido à diminuição do diâmetro do canal


carpiano provocada pelo calo ósseo da fractura do osso
acessório

70
Diagnóstico diferencial

Situações que provoquem efusão articular

Artrite séptica
Poliartrite infecciosa
Doença degenerativa articular
Osteocondrose
Artrite

Luis Atayde

71
Projecção dorso medial – plantar lateral oblíqua a 15º

Lesão de OCD na parte distal da crista medial da tróclea do tálus

Os 15º permitem uma menor sobreposição

Quisto no côndilo medial

Luis Atayde

72
Fragmento grande aderido à crista sagital média do 3º mtc, fragmentos
pequenos aderidos à cápsula articular (setas brancas)
Efusão articular (seta vermelha)

73
Caso 11

Quando se eleva o outro membro o boleto desce Inchaço

Ant esq

74
Ecografia

Tricotomia
Gel

Ecografia

Extensão da lesão

Monitorizar o tratamento

Sonda de 7,5 mHz

“standoff pad”

75
Transversal → separação das fibras,
descontinuidade, área do tendão e
cicatrizes peritndinosas

Longitudinal

76
qualidades das fibras, alinhamento e extensão da lesão

TFDP
TF carpo
radial Transversa zona 0 normal
a. e v.
radial
v. palmar
TFDS medial
a. e n. palmar
medial
a. n. v. palmar
lateral

cz0

77
TFDS

TFDP
1a
CC

LA

LS
3ºMtc

TFDS

TFDP
1a
CC

LA

LS
3ºMtc

Mudar Angulação da sonda Ver as margens dos tendões

Ligamento acessório
Ligamento suspensor

Remover “standoff pad”

78
TFDS
TFDP
CC
LA 1b

Vasos

LS

3ºMtc

TFDS

TFDP

LA
2a
V

LS
3ºMtc

Artefacto no LS (vasos palmares a este)

79
TFDS

TFDP

LA
V
2b
LS

3ºMtc

TFDS

TFDP

LA

3a
LS

Para ver os braços do LS retirar o “standoff pad”

80
BSD

LS 3b

3ºMtc

BSD
TFDS
TFDP

OS
ISL 3c
3ºMtc

81
Lesão tipo 1- ↑ da área, perca de densidade das fibras
(hipoecogénica)

Tipo 2 - núcleo < que 50% da área

82
Tipo 3- núcleo > 50% da área

Tipo 4- núcleo do tamanho do tendão

83
Longitudinal → qualidades das fibras, alinhamento e
extensão da lesão

Verificar a existência de adesões

84
Caso 12

Claudicação ligeira a moderada

Inchaço na parte proximal da


região do metacarpo
(predominantemente lateral, 2/3
proximais do Mtc)

85
Palpação

Pressão digital  dor

Mais fácil com o membro em flexão

Palpação difícil diferenciar


LA e TFDP

TFDS (menos frequente)

Casos crónicos  podem desenvolver deformidade


flexora interfalângica

Geralmente afecta um só membro mas pode ser


bilateral

86
Diagnóstico diferencial

Tendinite
Desmite

87
88
89
90
91