Você está na página 1de 61

ENGENHARIA CIVIL

AULA 12
PROF. DR. JOSÉ NERES DA SILVA FILHO
©2004 by Pearson Education 1-1
ESTRUTURAS DE MADEIRA

INTRODUÇÃO
As peças de madeira bruta tem comprimento limitado ( de 4 a 5
metros) pelo tamanho das árvores, meio de transporte etc.

Necessidade de LIGAÇÃO DAS PEÇAS.

©2004 by Pearson Education 1-2


ESTRUTURAS DE MADEIRA

TIPOS DE LIGAÇÃO

•Por aderência;

•Por penetração.

©2004 by Pearson Education 1-3


ESTRUTURAS DE MADEIRA

DISPOSITIVOS DE LIGAÇÃO
•Colagem;
•Prego;
•Grampos;
•Braçadeiras;
•Pinos;
•Parafusos;
•Conectores metálicos;
•Tarugos;
•Entalhes.
©2004 by Pearson Education 1-4
ESTRUTURAS DE MADEIRA

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES!

•Os pregos e pinos são os mais utilizados em elementos


estruturais;

•Os grampos e braçadeiras são utilizados apenas como


elementos auxiliares;

•A colagem é utilizada em maior escala nas fábricas de


peças de madeira laminada e compensada.

©2004 by Pearson Education 1-5


ESTRUTURAS DE MADEIRA

LIGAÇÃO POR ADERÊNCIA


•As ligações por aderência são estabelecidas por meio de
uma fina película de adesivo;

•Os esforços são absorvidos por superfícies


relativamente grandes.

©2004 by Pearson Education 1-6


Ligação colada (Calil Júnior)
ESTRUTURAS DE MADEIRA

LIGAÇÃO POR PENETRAÇÃO


•Caracterizada pela utilização de elementos de ligação;

•As forças convergem para uma pequena área.

Ligação por penetração


©2004 by Pearson (Calil Júnior)
Education 1-7
ESTRUTURAS DE MADEIRA

PRINCIPAIS DISPOSITIVOS DE LIGAÇÃO


• Pregos;

• Pinos metálicos (parafusos rosqueados


auto-atarraxantes ou com porcas e arruelas);

•Cavilhas (pinos de madeira torneados);

•Conectores (chapas com dentes estampados e anéis


metálicos).
©2004 by Pearson Education 1-8
ESTRUTURAS DE MADEIRA

PRINCIPAIS DISPOSITIVOS DE LIGAÇÃO

Tipos de ligações estruturais de peças de madeira (Pfiel)

©2004 by Pearson Education 1-9


ESTRUTURAS DE MADEIRA

PRINCIPAIS REQUISITOS DOS ELEMENTOS DE


LIGAÇÃO

RESISTÊNCIA
(TRANSMISSÃO DE FORÇAS)
e
RIGIDEZ
(RESTRIÇÃO DE DESLIZAMENTO)

©2004 by Pearson Education 1-10


ESTRUTURAS DE MADEIRA

PRINCIPAIS DISPOSITIVOS DE LIGAÇÃO

(a) pregos; (b) parafusos auto-atarraxantes; (c) parafuso com porca e arruela;
(d) pino metálico; (e) pino de madeira; (f) conector de anel metálico; (g)
chapa com dentes estampados; (h)bytarugos
©2004 de madeira. (Pfiel)
Pearson Education 1-11
ESTRUTURAS DE MADEIRA
CRITÉRIOS DA 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-12


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES POR CORTE
•São aquelas em que a força a ser transmitida de uma
peça à outra é perpendicular ao eixo do elemento de
ligação (prego, parafuso, etc.).

Seção de corte (Pfiel)

©2004 by Pearson Education 1-13


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES POR CORTE
•Na tração normal às fibras, deve-se verificar a
resistência local.

Tração Normal (Pfiel)

©2004 by Pearson Education 1-14


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES POR CORTE
•Utilizar chapas separadas permite as deformações
transversais e evita o fendilhamento.

Atenção!
Fendilhamento por bloqueio
das deformações às fibras
devidas a variações de
umidade.

Emenda com chapas (Pfiel)


©2004 by Pearson Education 1-15
ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES COM PINOS METÁLICOS

•Pregos;
Comportamento semelhante
•Parafusos; (categoria pinos metálicos)
•Pinos metálicos.

©2004 by Pearson Education 1-16


ESTRUTURAS DE MADEIRA
FUNCIONAMENTO DA LIGAÇÃO
•Pino sujeito a uma carga distribuída transversal ao seu
eixo (flexão simples);

•Peça de madeira submetida a uma compressão paralela às


fibras.

•A tensão nominal de compressão é dada por:

©2004 by Pearson Education 1-17


ESTRUTURAS DE MADEIRA
FUNCIONAMENTO DA LIGAÇÃO

©2004 by Pearson Education 1-18


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO EMBUTIMENTO
•A resistência ao embutimento é definida como a tensão de
compressão que causa uma deformação de 0,2 %
(condição de deformabilidade – ver NBR 7190/97);

•De acordo com a NBR 7190/97, na ausência de dados


experimentais, permite-se avaliar a resistência ao
embutimento por:

©2004 by Pearson Education 1-19


ESTRUTURAS DE MADEIRA
VALORES DE αe

©2004 by Pearson Education 1-20


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA À FLEXÃO DO PINO
•Em regime elástico tem-se:

•Evolução da distribuição das tensões:

©2004 by Pearson Education 1-21


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA À FLEXÃO DO PINO
•Momento Plástico (onde Z é o módulo plástico):

•Momento resistente de projeto:

©2004 by Pearson Education 1-22


ESTRUTURAS DE MADEIRA
MECANISMO DE LIGAÇÃO TIPO 1 (ESMAGAMENTO)

©2004 by Pearson Education 1-23


ESTRUTURAS DE MADEIRA
MECANISMO DE LIGAÇÃO TIPO 2 (RÓTULA PLÁSTICA)

©2004 by Pearson Education 1-24


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO CORTE
•Equações baseadas na Teoria da Análise Limite
desenvolvida por Johansen (década de 40), confirmado por
Step em 1996;

•Verifica-se os mecanismos de plastificação admitindo


comportamento rígido plástico dos materiais (aço emadeira).

©2004 by Pearson Education 1-25


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•NDS E EUROCODE (CORTE SIMPLES: < Valor de Rd):

©2004 by Pearson Education 1-26


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•NDS E EUROCODE (CORTE SIMPLES: < Valor de Rd)

©2004 by Pearson Education 1-27


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•NDS E EUROCODE (CORTE DUPLO: < Valor de Rd)

©2004 by Pearson Education 1-28


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•ÁBACO DE MÖLLER (MOD. STEP): < Valor de Rd)

Nas Resistências
dos mecanismos
III e IV houve um
acréscimo de 10%
devido ao esforço
axial no pino.

©2004 by Pearson Education 1-29


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA E CHAPAS DE AÇO
•STEP (CORTE SIMPLES: < Valor de Rd):

©2004 by Pearson Education 1-30


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA E CHAPAS DE AÇO
•STEP (CORTE DUPLO: < Valor de Rd):

©2004 by Pearson Education 1-31


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•NBR 7190/97 (CORTE SIMPLES: < Valor de Rd):

©2004 by Pearson Education 1-32


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA
•NBR 7190/97 (CORTE DUPLO: < Valor de Rd):

“Nos casos de pinos em corte duplo, somam-se as


resistências referentes a cada uma das seções de corte,
considerando t como menor valor entre t1 e a metade da
espessura da peça central t2”.

©2004 by Pearson Education 1-33


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA E CHAPAS DE AÇO
•NBR 7190/97 (< Valor de Rd):

“Nesse tipo de ligação, em corte simples ou duplo, a


resistência da ligação é o menor valor calculado entre as
resistências referentes às ligações do pino com a madeira e
do pino com a chapa de aço. A resistência do pino de aço é
calculada pela NBR 8800”.

©2004 by Pearson Education 1-34


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA E CHAPAS DE AÇO
•A resistência do parafuso em apoio na chapa de aço é calculada de acordo com a
norma NBR 8800 (Projeto e Execução de Estruturas de Aço em Edifícios.

•O valor de Rd é:

•A resistência ao rasgamento da chapa entre o furo e a borda (NBR 8800) é dada


por:

©2004 by Pearson Education 1-35


ESTRUTURAS DE MADEIRA
LIGAÇÕES ENTRE PEÇAS DE MADEIRA E CHAPAS DE AÇO
•A resistência a corte do parafuso (NBR 8800) é dado por:

©2004 by Pearson Education 1-36


ESTRUTURAS DE MADEIRA
PRÉ-FURAÇÃO

As ligações feitas por pinos e cavilhas devem obedecer as


indicações dadas na Tabela abaixo relativa à pré-furação, onde
d0 é o diâmetro de pré-furação e def é o diâmetro efetivo do
elemento de ligação.

©2004 by Pearson Education 1-37


ESTRUTURAS DE MADEIRA
ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS DE NORMA

©2004 by Pearson Education 1-38


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA DOS PINOS DE AÇO
“O cálculo da resistência de um pino é fornecido em função de
uma seção de corte. Assim a resistência total de um pino
corresponde à soma da capacidade das várias seções de corte”.
ATENÇÃO!
Para ligações com número superior a 8 pinos, deve-se
considerar uma redução da capacidade dos pinos.

©2004 by Pearson Education 1-39


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESUMÃO

©2004 by Pearson Education 1-40


ESTRUTURAS DE MADEIRA

• No caso de ligações por pinos em corte duplo como ilustrado, o valor de t é


obtido em função das espessuras das peças laterais (t1 e t3) e da peça central (t2),
ou seja, t é igual ao menor dos valores entre t1, t2/2 e t3.

©2004 by Pearson Education 1-41


ESTRUTURAS DE MADEIRA
PREGOS
• Os pregos são peças feitas de arame de aço, alumínio ou cobre, e
mais raramente de latão.

•A maioria deles é de seção redonda ou quadrada.

•O prego mais comum é chamado de “prego de ferro” (cabeça chata


com corpo circular).

©2004 by Pearson Education 1-42


ESTRUTURAS DE MADEIRA
MEDIDA DOS PREGOS

©2004 by Pearson Education 1-43


ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PREGOS

©2004 by Pearson Education 1-44


ESTRUTURAS DE MADEIRA
NORMA DE PREGOS NBR 6627

©2004 by Pearson Education 1-45


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-46


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-47


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-48


ESTRUTURAS DE MADEIRA
PREGOS
• Fabricados com aço-doce;

•Bitolas (Padrão ABNT-PB-58):


(a)Comprimento total do prego em milímetros;
(b)Diâmetro em décimos de milímetros.

©2004 by Pearson Education 1-49


ESTRUTURAS DE MADEIRA
ESPAÇAMENTOS E DISTÂNCIAS MÍNIMAS (PREGOS) - NBR 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-50


ESTRUTURAS DE MADEIRA
ESPAÇAMENTOS E DISTÂNCIAS MÍNIMAS (PREGOS)- EUROCODE 5

©2004 by Pearson Education 1-51


ESTRUTURAS DE MADEIRA
PENETRAÇÃO MÍNIMA (PREGOS) - NBR 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-52


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO CORTE DE PREGOS- NBR 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-53


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO CORTE DE PREGOS- NBR 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-54


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO CORTE DE PREGOS- NBR 7190/97

©2004 by Pearson Education 1-55


ESTRUTURAS DE MADEIRA
EXEMPLO DE PROJETO - NBR 7190/97
Calcular a resistência Rd ao corte do prego de 20 x 48 na ligação ilustrada de duas
peças tracionadas de pinho-do-paraná para as seguintes condições: carga de
média duração e classe 2 de umidade.

©2004 by Pearson Education 1-56


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-57


ESTRUTURAS DE MADEIRA
RESISTÊNCIA AO CORTE DE PREGOS- EUROCODE 5
1-Corte simples

Acréscimo de 10%
2-Corte duplo devido ao esforço
axial no pino

ATENÇÃO!
t1 e t2 = comprimento de penetração
do prego em cada peças
©2004 by Pearson Education 1-58
ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXEMPLO DE PROJETO - EUROCODE 5


Calcular a resistência Rd ao corte do prego de 20 x 48 na ligação ilustrada de duas
peças tracionadas de pinho-do-paraná para as seguintes condições: carga de
média duração e classe 2 de umidade.

©2004 by Pearson Education 1-59


ESTRUTURAS DE MADEIRA

©2004 by Pearson Education 1-60


ESTRUTURAS DE MADEIRA

•ÁBACO DE MÖLLER (MOD. STEP): < Valor de Rd)

©2004 by Pearson Education 1-61

Você também pode gostar