Você está na página 1de 62

Princípios dos Processos

Químicos
10.501-5

1. INTRODUÇÃO AOS CÁLCULOS Prof.ª Alice Medeiros de


Lima
EM ENGENHARIA QUÍMICA
SUMÁRIO

 Processos Químicos
 Unidades e Dimensões
 Variáveis de Processo

2
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
Projeto, Supervisão e/ou
Modificação de um processo

Conhecer as quantidades, composições e condições dos


materiais que entram e saem da unidade, bem como saber
medi-las no caso de unidades já existentes.

É necessário conhecer:
definições, técnicas de medidas e método
para cálculo dessas variáveis.
3
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

4
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

5
1.2.1. MASSA, VOLUME E DENSIDADE
A densidade (ρ) ou massa específica de uma substância é a massa por
unidade de volume da substância (kg/m³, g/cm³, lbm/ft³, etc...)
𝑚
𝜌=
𝑉
O volume específico (Ṽ) é o volume por unidade de massa (m³/kg,
ft³/lbm), e, portanto, o inverso da densidade.

𝑉
𝑉෨ =
𝑚
A densidade de uma substância pode ser usada como
6
um fator de
conversão para relacionar massa e volume.
1.2.1. MASSA, VOLUME E DENSIDADE

A densidade específica ou relativa ("specific gravity" - SG) de uma


substância é a relação entre a densidade dessa substância e a de uma
substância de referência, em condições especificadas.

ρ
SG =
ρref

7
1.2.1. MASSA, VOLUME E DENSIDADE
A referência mais comumente usada para sólidos e líquidos é a água a 4,0°C:
ρref (H20, 4°C) = 1,000 g/cm³
= 1000 kg/m³
= 62,43 lbm/ft³
A notação SG = 0,6. 20°/4° , significa que a SG de uma substância a 20°C com
referência à água a 4°C é 0,6.
Existem outras unidades particularmente usadas na indústria de petróleo, como:
Bé (Baumé)
API
Tw (Twaddell)

8
1.2.1. MASSA, VOLUME E DENSIDADE
Um exemplo notável de raciocínio rápido de um
engenheiro, que usou o conceito de massa específica
(densidade), foi reportado por P. K. N. Paniker, em 15
de junho de 1970, na edição de Chemical Engineering:

O bocal de saída no fundo de um tanque de


estocagem de óleo lubrificante, mantido em
temperatura de cerca de 80ºC, apresentou um
vazamento jorrante quando o bocal se tornou
folgado. Por causa da alta temperatura do óleo, foi
impossível para alguém se aproximar do tanque e
reparar o vazamento de modo a prevenir futuras
perdas.
Depois de um momento de ansiedade,
notamos que o engenheiro responsável correu para
o seu escritório para convocar o corpo de bombeiros
e instruí-los a levar uma mangueira do hidrante
mais perto até o topo do tanque de armazenamento.
Em minutos, o que jorrou do vazamento foi água
quente em vez do valioso óleo. Algum tempo depois,
como a água fria alimentada baixou a temperatura
do óleo, foi possível fazer os reparos.
9
EXEMPLO 7
Calcule a densidade do Hg em lbm/ft³ a partir dos dados
tabelados de densidade específica.
Calcule o volume em ft³ ocupados por 200 kg de Hg.
Dado:
SGHg20°C = 13,546 (Perry e Chilton)
1 lbm = 0,454 kg
ρref (H20, 4°C) = 62,43 lbm/ft³

10
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

11
1.2.2. VAZÃO
a) Vazão mássica e volumétrica

A vazão de uma corrente de processo pode ser expressa:

- ṁ : em termos de massa (vazão mássica, dada em massa/tempo)

- V̇ : em termos de volume (vazão volumétrica, dada em volume/tempo).

12
1.2.2. VAZÃO
a) Vazão mássica e volumétrica

Suponha um fluido (gás ou líquido) fluindo através de um tubo, onde a área


hachurada representa a seção perpendicular à direção do fluxo.

m
Se a vazão mássica do fluido é: ṁ= (kg /s )
t
então em todo segundo m quilogramas de fluido passam através da seção.

V 3
Se a vazão volumétrica do fluido nessa seção é V̇ = (m / s )
t
então em todo segundo V metros cúbicos de fluido passam através da seção.
m m
  
V V 13
EXEMPLO 8
A) A vazão mássica de n-hexano (ρ = 0,659 g/cm³) em
uma tubulação é 6,59 g/s. Qual é a vazão volumétrica?

B) A vazão volumétrica de CCl4 (ρ = 1,595 g/cm³) em uma


tubulação é 100,0 cm³/min. Qual é a vazão mássica?

14
1.2.2. VAZÃO
b) Medidores de vazão

Rotâmetro

15
1.2.2. VAZÃO
b) Medidores de vazão

Placa de orifício

16
1.2.2. VAZÃO
b) Medidores de vazão

Venturi

Baseado no diferencial de
pressão, proporcionais ao
quadrado da vazão mássica.
17
1.2.2. VAZÃO
b) Medidores de vazão
Fluxômetro de massa

Apresenta menor perda de carga.


18
1.2.2. VAZÃO
b) Medidores de vazão
Ultrassônicos

Não há contato com o material da tubulação.


Dois transdutores são acoplados na parede externa do tubo e emitem e
recebem pulsos de ultrassom. O tempo de trajeto destes pulsos são
analisados por um circuito eletrônico que efetuará o cálculo da vazão
instantânea.
19
1.2.2. VAZÃO
Basedo na lei de indução
eletromagnética (lei de Faraday).
b) Medidores de vazão
Conhecendo-se a seção transversal
Eletromagnético e a velocidade, a vazão é
determinada por um circuito
eletrônico. O movimento do líquido
(que possui uma condutividade
elétrica mínima) através do campo
magnético induz uma força
eletromotriz que atravessa o líquido
num sentido perpendicular ao
campo magnético, sendo essa f.e.m.
diretamente proporcional a sua
velocidade de escoamento.

20
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

21
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
a) Mol e Massa Molecular

Um grama-mol (g-mol ou simplesmente mol no SI) de uma espécie é a


quantidade dessa espécie cuja massa é numericamente igual ao seu
peso molecular.

Outros tipos de mols (kg-mol, lb-mol, ton-mol, etc..) são similarmente


definidos.

Monóxido de carbono (CO) tem peso molecular igual a 28: 1 g-mol CO


contém 28 g, 1 lb-mol CO contém 28 lbm, 1 ton-mol CO contém 28 ton.
22
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
a) Mol e Massa Molecular

Assim, se o massa molar de uma substância é MM, então há: MM


kg/kmol, M g/mol ou g/gmol, lbm/lbmol da substância.

Assim, 34 kg de amônia (NH3, MM=17) equivalem a:


 1kg - mol NH 3 
34kg   = 2kg - molNH 3
 17 kgNH 3 

Para converter unidades molares, utiliza-se o mesmo "fator de conversão"


utilizado para unidades de massa. Assim, como há 454 g/lbm, há 454 g-
mol/lb-mol.
23
EXEMPLO 9
100 kg/h de CO2 (MM=44) fluem numa tubulação. Qual a
vazão molar da corrente?

CO2
100 kg/h

24
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
b) Frações Mássica (xi) e Molar (yi) e Massa Molar Média (MM)
massa de A
- Fração mássica: x A=
massa total

- Fração molar: mols de A


y A=
mols total

- Massa molecular média: é a razão da massa de uma amostra da mistura


pelo número de mols de todas as espécies da amostra.
̄ =Σ i y i MM i
MM
1 xi
=Σ i
̄
MM MM i
25
EXEMPLO 10

Calcule a massa molecular média do ar a partir das composições molares


aproximadas de 79% N2 e 21% O2.

Dados:
MMN2 = 28

MMO2 = 32

26
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
c) Concentração

Concentração mássica de um componente em uma mistura ou solução é a massa


deste componente por unidade de volume da mistura (g A/cm³, lbm A/ft³, kg
𝒎𝒊
A/m³, ...). 𝑪𝒊 =
𝑽

Concentração molar de um componente em uma mistura ou solução é o número de


mols deste componente por unidade de volume da mistura (g-mol A/cm³, lb-mol
𝒏𝒊
A/ft³, kg-mol A/m³). 𝑪𝒊 =
𝑽

Molaridade (M) de uma solução é o valor da concentração molar do soluto


expressa em g-mols soluto/litro de solução. Por exemplo, uma solução 2 molar (2
𝒏𝒔𝒐𝒍𝒖𝒕𝒐
M) de A contém 2 g-mols A por litro de solução. M =
𝑽𝒔𝒐𝒍𝒖çã𝒐
27
EXEMPLO 11

a) Quantos mols de NaOH há em 5 litros de uma solução 0,02 molar


(0,02 M) desse hidróxido?

b) Uma solução 0,02 molar de NaOH flui à 2 L/min. Qual a vazão


molar de NaOH?

28
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
A determinação da composição química é feita a partir da análise
química.
A análise química pode ser:
- Qualitativa: determina-se quais substâncias estão presentes em
determinada amostra.
- Quantitativa: determina-se a quantidade de cada componente na
amostra.
Pode-se usar:
- Métodos convencionais de análise química
- Métodos instrumentais

29
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
Métodos convencionais de análise química
✓ Gravimetria, através de uma balança de precisão;
✓ Volumetria, através de vidrarias ou recipientes calibrados.

30
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
Métodos instrumentais
Neste caso são utilizados equipamentos eletrônicos mais
sofisticados. Apesar de mais utilizado em relação aos
convencionais, podem ter seu uso limitado em função dos
seguintes motivos:
1. Alto custo dos equipamentos eletrônicos;
2. Não existência de um equipamento disponível para
determinada análise;
3. Em casos raros, os métodos convencionais podem apresentar
resultados melhores que os instrumentais.
31
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
Métodos instrumentais
O instrumento para a análise química converte a informação
armazenada nas características físicas e químicas da
substância em um tipo de informação que pode ser
manipulada e interpretada pelo homem.
Para conseguir esta informação, é necessário fornecer um
ESTÍMULO (na forma de energia elétrica, mecânica, nuclear,
eletromagnética), para se obter a RESPOSTA do sistema em
estudo.

32
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA
Métodos instrumentais

33
1.2.3. COMPOSIÇÃO QUÍMICA

34
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

35
1.2.4. PRESSÃO
a) Pressão de fluido e carga hidrostática

Uma pressão é a razão de uma força para uma área sobre a


qual a força atua.

A pressão de fluido é definida com a relação F/A, onde F é a


força mínima necessária que deveria ser exercida no “plug”
(tampão-rolha) para não permitir a saída do fluido.

36
1.2.4. PRESSÃO
a) Pressão de fluido e carga hidrostática

A pressão P do fluido na base da coluna – chamada pressão hidrostática


do fluido – é por definição, a força F exercida na base dividida por sua
área A.

F então iguala a força na superfície do topo da coluna mais o peso da


coluna de fluido.

F F 0 m. g / g c
= +
A A A
m
h . A=V ρ=
V
P=P 0 +ρ. g / g c . h
37
1.2.4. PRESSÃO
a) Pressão de fluido e carga hidrostática

Líquidos

A pressão pode ser expressa como uma altura (carga, “head”) de um líquido.
g
P=P 0 +ρ. . h
gc
A pressão seria equivalente àquela exercida por uma coluna hipotética de altura h
do líquido em sua base (a pressão no topo da coluna é zero):

 força  g
P  = h. ρ.
 área  gc

h: altura ou carga

38
1.2.4. PRESSÃO
a) Pressão de fluido e carga hidrostática

Manômetro de Tubo em U

Utilizados para medidas de pressão relativamente baixas através


do balanço/equilíbrio de pressão em uma coluna de líquido.

𝑃𝑎 − 𝑃𝑏 = 𝜌𝑚 − 𝜌𝑓 . 𝑔. 𝐻
𝑃𝑎 − 𝑃𝑏 : diferença de pressão

𝜌𝑚 : densidade do fluido manométrico

𝜌𝑓 : densidade do fluido

𝑔: aceleração da gravidade

𝐻: altura da coluna deslocada


39
EXEMPLO 12
Expressar a pressão de 20 psi em termos de ftHg.

ρHg = 849 lbm/ft³ g


P=P 0 +ρ . . h
gc
1 ft² = 144 in²

g = 32,174 ft/s²

gc = 32,174 (lbm.ft/s²)/lbf

psi = [ lbf/in²]

40
EXEMPLO 13
Um óleo (densidade = 0,91 g/cm³) escoa em um duto cuja vazão é medida
com auxílio de um manômetro de mercúrio (densidade = 13,546 g/cm³). Se a
diferença de altura entre as duas colunas do manômetro é de 0,78 in, qual é a
diferença de pressão correspondente entre os pontos A e B em mmHg?

41
1.2.4. PRESSÃO
b) Pressão atmosférica, absoluta e manométrica

* Atmosférica: É a força exercida pela atmosfera na superfície terrestre. A


pressão atmosférica pode variar de um lugar para o outro, em função da
altitude e das condições meteorológicas (como a umidade e a densidade
do ar). Ao nível do mar esta pressão é aproximadamente de 760 mmHg,
ou 1 atm. (Barômetro)

Pressão
atmosférica

42
1.2.4. PRESSÃO

43
1.2.4. PRESSÃO
b) Pressão atmosférica, absoluta e manométrica

* Manométrica: É a medição da pressão em relação à pressão


atmosférica existente no local, podendo ser positiva ou negativa.
(Manômetro)

* Absoluta: É a soma da pressão manométrica e atmosférica. No vácuo


absoluto, a pressão absoluta é zero e, a partir daí, será sempre positiva.

P absoluta =P manométrica ou relativa +P atmosférica

P ab =P m+ P atm
44
1.2.4. PRESSÃO
b) Pressão atmosférica, absoluta e manométrica

Quantidades positivas de vácuo


(Pressões manométricas
negativas)
/

45
EXEMPLO 14
O manômetro no condensador de vapor de uma turbina indica 26,2 in
Hg de vácuo. A leitura do barômetro é de 30,4 in Hg. Qual é a pressão
absoluta do condensador em psia?

26,2
inHg

46
1.2.4. PRESSÃO
c) Medidores de pressão

- Manômetro de Bourdon

47
1.2.4. PRESSÃO
c) Medidores de pressão

- Manômetro U

48
1.2.4. PRESSÃO
c) Medidores de pressão
Barômetro Aneróide Barômetro Digital
Barômetro de Mercúrio
Lucien Vidie (1843) (Princípio da piezoresistência)
Torricelli (1608)

49
1.2.4. PRESSÃO
c) Medidores de pressão
- Esfigmomanômetro

"Sons de Korotkoff"

50
1.2. VARIÁVEIS DE PROCESSO
1.2.1. Massa, Volume e Densidade
1.2.2. Vazão
1.2.3. Composição química
1.2.4. Pressão
1.2.5. Temperatura

51
1.2.5. TEMPERATURA
A temperatura de uma substância (T) em um dado estado de agregação
(sólido, líquido ou gás) é uma medida da energia cinética média
possuída pelas moléculas da substância.

Como esta energia não pode ser medida diretamente, a temperatura


precisa ser determinada indiretamente pela medida de alguma
propriedade física da substância, cujo valor depende da temperatura de
uma forma conhecida.

52
1.2.5. TEMPERATURA
Medidores
Resistência elétrica de um condutor (termômetro de resistência)
Relação entre a resistência elétrica do material e sua temperatura.

53
1.2.5. TEMPERATURA
Medidores
Termopar: Voltagem na junção de dois metais diferentes (termopar)

54
1.2.5. TEMPERATURA
Medidores
Espectro de radiação emitida (pirômetro)
• Não tem contato com o material
• Mais utilizado em temperaturas superiores a 600°C

55
1.2.5. TEMPERATURA
Medidores
Volume de uma massa fixa de um fluido (termômetro).

56
1.2.5. TEMPERATURA
Escalas de temperatura

Ponto de ebulição
da água
Ponto de
congelamento
da água

Zero absoluto

O tamanho de um grau é o mesmo.


57
1.2.5. TEMPERATURA
Escalas de temperatura

Ponto de ebulição
da água

Ponto de congelamento
da água

Zero absoluto

O tamanho de um grau é o mesmo. 58


1.2.5. TEMPERATURA
Conversão:

Intervalo de temperatura:
Um intervalo de 1 °C ou 1 K equivale a 1,8 °F ou 1,8 °R.

59
EXEMPLO 15
Converta 100°C em:

(a) K
(b) °𝐹
(c) °R

60
EXEMPLO 16
A capacidade calorífica da amônia, definida como a quantidade de
calor requerida para aumentar a temperatura de uma unidade de massa
de amônia de um grau a pressão constante é, dentro de uma faixa
limitada de temperaturas, dada por:

𝐵𝑇𝑈
𝐶𝑝 = 0,487 + 2,29. 10−4 𝑇(°𝐹)
𝑙𝑏𝑚.°𝐹

Determine a expressão para Cp em (J/g.°C) em termos de T(°C).

61
REFERÊNCIAS
 Badino Junior, A. C., Cruz, A. J. G. Balanços de Massa e Energia – Um texto
básico para análise de processos químicos. EdUFSCar, 2010.
 Coringa, E. A. O. Análise Instrumental. Apostila. CEFET MT.
 Perry, R., Green, D. Perry's Chemical Engineers's Handbook, 8ª ed., Mc-
Graw Hill, 2008.

62

Você também pode gostar