Você está na página 1de 14

PNAB PARTE 2

Profºª Jaci Rios


ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO
 Atribuições dos profissionais na atenção Básica;

 Portaria no Ministério da Saúde mº2.436/2017;

 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017
/prt2436_22_09_2017.html
ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NA
ATENÇÃO BÁSICA
 Realizar atenção a saúde aos indivíduos e as famílias
vinculadas ás equipes, domicilio, demais espaços
comunitários;
 Realizar consulta de enfermagem e procedimentos, solicitar
exames complementares, prescrever medicamentos
conforme protocolos, diretrizes clínicas e terapêuticas, ou
outras normativas técnicas estabelecidas pelo gestor federal,
estadual e municipal ou do DF, observando as disposição
legais da profissão;
 Realizar e/ou supervisionar acolhimento com escuta
qualificada e classificação de risco, de acordo com os
protocolos estabelecidos;
ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NA
ATENÇÃO BÁSICA
 Realizar estratificação de risco e elaborar planos de
cuidados para as pessoas com condições crônicas no
território, juntos demais membros da equipe;

 Realizar atividades em grupo e encaminhar quando


necessário, usuários a ouros serviços, conforme o fluxo
estabelecido pela rede local;

 Planejar gerenciar e avaliar as ações desenvolvidas pelos


técnicos/ auxiliar de enfermagem, ACS, ACE em conjuntos
com outros membros da equipe
ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NA
ATENÇÃO BÁSICA
 Supervisionar as ações do técnico/ auxiliar e ACS;

 Implementar e manter atualizados rotinas, protocolos e


fluxos relacionados a sua área de competência na UBS;

 Exercer outras atribuições conforme a legislação


profissional e que sejam de responsabilidade na sua área de
atuação.
PROCESSO DE TRABALHO NA
ATENÇÃO BÁSICA

I- Definição de território e Territorialização; (diretrizes)


;
II - Responsabilização Sanitária

III - Porta de Entrada Preferencial


IV- Adscrição de usuários e desenvolvimento de relações
de vínculo e responsabilização;
V- Acesso (facilitar e evitar barreiras)

VI - Acolhimento

VII - Trabalho em equipe multidisciplinar

VIII - Resolutividade
PROCESSO DE TRABALHO NA
ATENÇÃO BÁSICA
Destacam-se como importantes ações no processo de
avaliação de risco e vulnerabilidade social na Atenção
básica.
a) Acolhimento com classificação de risco- atende quem
tem necessidade maior de saúde, não por ordem de
chegada.
b) Estratificação de risco.

 Trabalho multiprofissional.

 Resolutividade.
PROCESSO DE TRABALHO NA
ATENÇÃO BÁSICA
 Promover atenção integral e continua;
 Realização de ações de atenção domiciliar destinada a
usuários. Ex pessoas acamadas, puerpéra.
 Programação e implementação das atividades de
atenção à saúde de acordo com necessidade da população;
 Implementação da Promoção da Saúde como princípio para o
cuidado;;
 Desenvolvimento de ações de prevenção de doenças e agravos
em todos os níveis;
 Desenvolvimento de ações educativas por parte das
equipes que atuam na AB;
PROCESSO DE TRABALHO NA
ATENÇÃO BÁSICA
• Desenvolver ações intersetoriais, interlocução com escolas, associações
de moradores, etc..;

• Implementação de diretrizes de qualificação dos modelos de


atenção e gestão;

• Participação do planejamento local de saúde;

• Implantar estratégias de Segurança do Paciente na AB;

• Apoio às estratégias de fortalecimento da gestão local e do controle


social;

• Formação e Educação Permanente em Saúde.


FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO
BÁSICA
 TRIPARTITE: UNIÃO, ESTADO E MUNICÍPIOS
 Financiamento Federal
o Bloco de financiamento de atenção básica (loco AB) e
parte do bloco de financiamento de investimento e seus
recursos;Ex unidade de saúde reformanda.
o Repasse mensal, automático, em contas específicas;
FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO
BÁSICA
o Recursos per capita, que levam em consideração aspectos
sociodemográficos e epidemiológicos;
o Recursos que estão condicionados á implantação de estratégias
programas de aB, tais como recursos específicos para municípios
implantarem:

eSF PAS
eSFF e eSFR

eAB eCR

Nasf- Ab
eSB PSE
FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO
BÁSICA ( TRIPARTITE)
 Recursos condicionados á abrangência da oferta
de ações e serviços
 Recursos condicionados ao desempenho dos
serviços de AB com parâmetros, aplicação e
comparabilidade nacional, tal como Programa de
Melhoria de Acesso e Qualidade ( PMAQ);
 Recursos de investimentos( Ex construção de
undiade de saúde)
CRITÉRIOS DE ALOCAÇÃO DOS RECURSOS
DA AB)

 Recurso per capita: será transferido de forma


regular e automática, do FNS aos FMS e Fm do
DF- valor x população do município.
 Recursos que estão condicionados a implantação
de estratégias e programas.
 eSF:

 NASF
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
BRASIL. Ministério da saúde. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017
Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção
Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp-
conteudo/uploads/2018/04/Portaria- n%C2%BA-2436-2017-Minist%C3%A9rio-da-Sa%C3%BAde-Aprova-a-
Pol%C3%ADtica- Nacional-de-Aten%C3%A7%C3%A3o-B%C3%A1sica..pdf.

CECÍLIO, Luiz Carlos de O. et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção de redes temáticas de saúde: qual
pode ser o seu papel. Ciência & Saúde Coletiva (on line), v.17, n.11, 2012, p.2893-2902. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a05.pdf
CECÍLIO, Luiz Carlos de O. et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção de redes temáticas de saúde: qual
pode ser o seu papel. Ciência & Saúde Coletiva (on line), v.17, n.11, 2012, p.2893-2902. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a05.pdf
BRASIL, Minuta de aperfeiçoamento da PNAB entra em Consulta Pública. Disponível
em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2426. Acesso em: 08/01/2020
______Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção
Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia
Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Disponível
em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acesso em 10/02/2020
ttp://aps.saude.gov.br/ape/nasf
ROUQUAYROL, M. Z. ALMEIDA FILHO, N. de. Epidemiologia e saúde. 6 ed. Rio de Janeiro: MEDS, 2003.
BRASIL. Ministério da saúde. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017 Aprova a Política Nacional
de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do
Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/04/Portaria-
n%C2%BA-2436-2017-Minist%C3%A9rio-da-Sa%C3%BAde-Aprova-a-Pol%C3%ADtica-Nacional-de-
Aten%C3%A7%C3%A3o-B%C3%A1sica..pdf.