Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS

DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA II

DOCENTE: DJAVANIA LUZ

DOSAGEM DE (OH- E CO2-3 ) EM SODA CÁUSTICA


COMERCIAL

SÃO LUÍS – MA

2017
ANDRESSA SILVA AGUIAR; MAYRA GABRIELLE SILVA FONSECA;
RAFFISA COSTRA CASTRO

Relatório apresentado à disciplina de


Química Analítica II, ministrada pela
Profa. Dra. Djavania Luz, como
quesito para obtenção de nota.

SÃO LUÍS – MA

2017
SUMÁRIO

1DOSAGEM DE (OH- E CO2-3 ) EM SODA CÁUSTICA


COMERCIAL.......................................................................................................................2
2 INTRODUÇÃO......................................................................................................................2

3 OBJETIVO.............................................................................................................................3

4 PARTE EXPERIMENTAL..................................................................................................3

4.1 Materiais e reagentes.............................................................................................................3

4.2 Procedimento experimental...................................................................................................3

5 RESULTADOS E DISCUSSÃO.........................................................................................4

6 CONCLUSÃO......................................................................................................................6

7 REFERÊNCIAS.....................................................................................................................7
2

1. DOSAGEM DE (OH- E CO2-3 ) EM SODA CÁUSTICA


COMERCIAL
2. INTRODUÇÃO

O controle de qualidade é realizado por meio de análises químicas, e são essenciais,


uma vez que o comércio exige cada vez mais produtos bem elaborados e de qualidade. O seu
principal objetivo é garantir que todo prestador de serviços ofereça sempre a mesma boa
qualidade a todos os clientes. Dentre os controles de qualidade destacam-se: a verificação dos
dados do rótulo dos produtos, o teor de etanol de gasolina, a dosagem de um determinado
componente em um medicamento, dentre outros. (ALCÂNTARA, 2010)

O hidróxido de sódio (NaOH), também conhecido como soda cáustica, é um hidróxido


cáustico usado na indústria, principalmente como base química, na fabricação de papel, de
tecidos, detergentes, alimentos e biodiesel. Trata-se de uma base forte. Apresentando-se
ocasionalmente uso doméstico para a desobstrução de encanamento e sumidouros, pois dissolve
gorduras. É altamente corrosivo e pode produzir queimaduras cicatrizes e cegueira devido sua
elevada reatividade. (ALCÂNTARA,20010)

A soda caustica é, nas condições ambientes, um sólido branco bastante higroscópico


(absorve a água presente no ar). Porém, devido a absorção de umidade de CO 2 do ar, a soda
pode conter impureza. Daí tem-se a necessidade de determinar o teor de carbonato e hidróxido
na soda cáustica comercial e assim avaliar o grau de pureza da mesma. Por ser uma base forte é
utilizada para neutralizar ácidos fortes ou tornar rapidamente alcalino um meio reacional,
mesmo em poucas concentrações. (SKOOG, 2011)

A titulação é um método que a partir de uma reação estequiométrica conhecida,


determina-se a concentração do analito. (SKOOG, 2011) A titulação ácido/base permite a
correlação entre o que está ocorrendo na titulação a partir de da curva de titulação obtida
experimentalmente. Para uma titulação de um ácido forte com uma base forte, haverá três
regiões na curva de titulação, são essas: a região antes de se atingir o ponto de equivalência; no
ponto de equivalência e após o ponto de equivalência. Especificamente nesse caso, o ponto de
equivalência poderá ser obtido quando os íons H + consumirem, em proporção estequiométrica,
totalmente os íons OH-, caracterizando um pH neutro. As outras regiões são regidas ou pelo
excesso de OH- antecedendo o ponto de equivalência ou quando se ultrapassa esse ponto e há
uma maior concentração hidrogeniônica (HARRIS, 2005).
3

3. OBJETIVO

Determinar a concentração de OH- E CO2-3 de uma amostra de soda cáustica


comercial por titulação com solução de HCl à 0,1N.

PARTE EXPERIMENTAL
4.1 Materiais e Reagentes

2 Erlenmeyers de 250 mL Pipeta de Pasteur Solução de Fenolftaleína à


0,5%
2 bequeres de 100 mL Pipeta de vidro de 10mL Balança analítica
Sistema Universal Pêra Solução de metilorange à
0,1%
2 Garras Água destilada Soda Cáustica comercial
(marca Zap clean)
Balão volumétrico de 250 Pisseta Bastão de vidro
mL
Bureta de 50 mL Funil
Espátula Solução de HCl à 0,1N

4.2 Procedimento Experimental

Inicialmente, preparou-se a solução com a soda caústica comercial. Feito isso,


com o auxilio de uma espátula, pesou-se 2,5gramas de soda caústica em uma balança
analítica, em seguida a diluiu com água destilada em um balão volumétrico de 250 mL
até atingir o menisco, homogeneizando-a. Logo após, ambientou-se a bureta de 50 mL
com a solução padronizada de HCl à 0,1 N.Em seguida, acrescentou-se em 10 mL da
solução com soda caústica, uma gota da solução de fenolftaleína à 0,5% em um
erlenmeyer.Iniciou-se a titulação de forma cuidadosa até atingir o ponto de viragem.
Após a viragem, preencheu-se a bureta novamente com solução de HCl à 0,1 N até
atingir o menisco,e acrescentou-se com um pipeta de Pasteur, uma gota da solução de
metilorange. Assim,iniciou-se outra titulação até a viragem do indicador. O
procedimento ocorreu em duplicata. Os dois volumes gastos, com cada indicador, foram
anotados e os cálculos foram realizados.
4

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Através da titulação da solução de soda caústica e objetivando


determinar a dosagem de OH- E CO2-3 , foram observados os seguintes valores
gastos de HCl à 0,1 N :

Tabela de dados das duplicatas e valores médios :

Fenolftaleína Metilorange
V1= 11,8 mL V1= 0,5 mL
V2= 10,2 mL V2= 0,7 mL
Vm= 11,0 mL Vm= 0,6 mL

Cálculos:

I) Para NaOH: volume gasto de HCl com a fenolftaleína à 0,5%:

Vqf – Vqm=...mL
11,0 – 0,6 = 10,4

II) Para CO2-3 : volume gasto de HCl com o metilorange:

Vqm x 2 = ... mL

0,6 x 2 = 1,2 mL

III) Na2CO3 = HCl Dados: Pm= 53

m Vmf x 2 x 0,1 x fc
=
Pm 100

m 0,6 x 2 x 0,1 x 1,01


=
53 100

m= 0,0642g

IV) NaOH = HCl Dados: Pm = 40

m (Vmf −Vmm ) x 0,1 x fc


=
Pm 100
m 10,4 x 0,1 x 1,01
= 5
40 100

m= 0,42016 g

V)Para: Na2CO3 (%)

Dados: 10,0046g Concentração usual de soda cáustica

comercial :

10,0046g ------------------------ 100%

0,0642 ------------------------- X

X= 0,64%

VI) Para : NaOH (%)

10,0046g ------------------------ 100%

0,42016 -------------------------- X

X= 4,19 %

Por meio dos valores encontrados observou-se que a soma dos percentuais está
muito distante de 100%. Isso pode ter ocorrido por alguns fatores,tais como a presença
de impurezas na amostra da soda cáustica,o fato da mesma ser muito higroscópica,
como também o prazo de validade estar excedido por muito tempo, perdendo assim
algumas de suas propriedades. Além disso, erros técnicos do operador ao preparo da
solução de soda cáustica também pode ter influenciado nos resultados obtidos, assim
resultando em um valor diferente do rótulo e da concentração da amostra.
6

5. CONCLUSÃO

A concentração de soda cáustica não condiz com o valor informado no rótulo. Este erro
pode estar relacionado a pequenos erros durante o experimento, a validade do hidróxido de
sódio utilizado, erros cometidos pelo operador durante o processo de titulação, podendo ter
perdido o ponto de viragem. Os teores calculados para NaOH não se mostram de acordo com o
esperado, uma vez que o CO 2 do ar reage com a soda cáustica, fazendo com que impurezas
sejam produzidas. Dessa forma, pode-se dizer que a titulação não foi bem realizada, faz-se
necessário uma amostra de hidróxido de sódio dentro do prazo de validade para que o
experimento tivesse o mínimo de erros.

6. REFERÊNCIAS
ALCÂNTARA, S; Carneiro, G.S; Pinto, M.L.C.C; IQA 243 QUÍMICA ANALÍTICA
EXPERIMENTAL II - APOSTILA; Departamento de química analítica; 3a revisão;
Março, 2010, página 12.

HARRIS, D.C. Análise Química Quantitativa. 6ª edição, Rio de Janeiro: LTC. 2005.
876p.

SKOOG, D. A; WEST, D.M; HOLLER, F.J; CROUCH, S.R. Fundamento de Química


Analítica. 8 edição, São Paulo: Cengage Learning, 2011. 1124p.

Você também pode gostar