Você está na página 1de 3

REDAÇÃO INSTRUMENTAL - CCJ0267

Título
Caso Concreto 6

Descrição
Os objetivos de cada operador do Direito são diferentes, portanto o representante de
uma parte envolvida não poderá narrar os fatos de um caso concreto com a mesma versão
da parte contrária. Portanto o juiz deve sempre considerar os dois pontos de vista
apresentados pelas partes, dentre outros elementos a serem analisados, antes de prolatar
decisão dele. Observe:

Caso Concreto 1

A reclamada contratou o reclamante para exercer a função de marceneiro no setor de


produção de cozinhas moduladas. O reclamante, ao desempenhar sua atividade
profissional, foi pregar um gabinete duplo, um dos componentes da cozinha modulada,
quando o prego se soltou da madeira ao sofrer a batida do martelo. O prego atingiu em
cheio o olho direito do trabalhador reclamante, perfurando-o. Esse infortúnio ocorreu por
culpa exclusiva da reclamada, porque esta não ofereceu óculos de proteção ao obreiro.
Trata-se de um trágico e irremediável acidente de trabalho que pôs fim não somente a
qualquer perspectiva de ascensão profissional do reclamante, mas também o deixou
deficiente visual para o resto de sua vida.

Questão 1: A linguagem forense utilizada pelo advogado na exposição dos fatos no caso
em questão teve como objetivo produzir uma certa reação emocional no receptor (juiz)
por meio e uma engenhosa seleção vocabular. Comente, em até 10 linhas, a escolha
lexical intencional do advogado, considerando os valores semânticos de algumas palavras
utilizadas na construção desse parágrafo.

Questão 2: Identifique, no parágrafo acima, pelo menos duas informações ou versões que
a parte contrária não teria narrado. Justifique a sua resposta.

Caso Concreto 2

Mateus foi denunciado porque, em agosto de 2015, supostamente teria se dirigido à


residência de Maísa e a constrangido a com ele manter conjunção carnal, resultando
assim na gravidez da suposta vítima, conforme laudo de exame de corpo de delito. Narra
ainda a Inicial que, embora não se tenha se valido de violência real ou de grave ameaça
para a prática do ato, o réu teria se aproveitado do fato de Maísa ser incapaz de oferecer
resistência ao propósito criminoso, assim como de validamente consentir, por se tratar de
deficiente mental, incapaz de reger a si mesma.

Questão 3: A partir do resumo do caso concreto 3, produza uma breve narrativa jurídica
a favor da parte Ré.

Questão 4: Objetivas.

1. Leia o poema abaixo para responder à questão proposta. Todo mundo aceita que ao
homem cabe pontuar a própria vida: que viva em ponto de exclamação. A palavra SÓ,
usada nos dois primeiros versos da última estrofe, tem, respectivamente, o sentido de:
(dizem: tem alma dionisíaca); viva em ponto de interrogação (foi filosofia, ora é poesia);
viva equilibrando- se entre vírgulas e sem pontuação(na política): o homem só não aceita
do homem que use a só pontuação fatal: que use, na frase que ele vive o inevitável ponto
final. In: MELO NETO, João Cabral de. Agrestes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
P.146

(A) apenas / única.


(B) aliás / difícil.
(C) então / original.
(D) também / ímpar.
(E) afinal / exclusiva.

2.Leia o trecho: "O dano moral caracteriza-se por uma lesão a um interesse juridicamente
protegido, aos direitos da personalidade, causando dor, tristeza, vexame ou humilhação.".
De acordo com os procedimentos discursivos que formulam o texto argumentativo
podemos afirmar que, exceto:

(A) As palavras - tristeza, vexame, humilhação - valoram o discurso e criam uma


tendência opinativa.
(B) Na perspectiva de criar uma tendência, os modalizadores expressam valores
semânticos contextualizados.
(C) A seleção vocabular é muito importante, porque tem grande poder persuasivo na
interpretação dos casos jurídicos.
(D) É correto e comum no discurso jurídico o uso de modalizadores para tornar o texto
persuasivo.
(E) As palavras apenas assumem valores persuasivos quando contextualizadas. Fora do
contexto não significam absolutamente nada, não indicam qualquer traço semântico.