Você está na página 1de 49

GAITA DIATÔNICA

PROFESSOR JEFFERSON GONÇALVES


Capítulo 1: História da Gaita Diatônica
Antes de iniciarmos todo esse curso vamos falar sobre a história deste instrumento
que você está aprendendo: a Gaita Diatônica. Tamanho nunca foi documento. Pequena
em dimensão, ela possui uma infinidade de sons. A primeira vista, um membro da grande
família de Gaitas, que inclui instrumentos graves, de acordes, afinadas em oitavas, com
trêmolo, Gaitas Cromáticas e algumas que fazem o papel do contra baixo em Orquestras
de Gaita (no Brasil existe a Orquestra Harmônica de Curitiba, que foi criada em 1979 por
Ronald Silva e Eduardo Pereira), e muitos outros modelos estranhos.
Com a mesma forma por mais de 150 anos, a gaita tem sido usada com sucesso
numa grande série de contextos musicais, embora já tenha sido marginalizada e até
tratada como brinquedo. Atualmente atingiu um grande sucesso e adquiriu categoria de
instrumento musical sério. Isto pode ser verificado em várias gravações, trilhas de filmes
e comerciais de TV; mas vamos falar de sua história: A gaita ou Harmônica como nós a
conhecemos hoje, foi inventada na Alemanha no Século XVIII.Contudo o conceito de um
instrumento com palhetas livres possa ser encontrado há milhões de anos na China e
sudeste da Ásia.
Foi em Berlim, em 1821, que Friedrich Bushman, aos 16 anos inventou a AURA,
para estudar a influência da corrente de ar no som. Sua invenção era essencialmente um
conjunto de quinze diapasões, todas notas sopradas, conectados a uma armação de metal.
Alguns anos depois, um produtor de instrumentos em Bohemia, chamado Richter,
melhorou o design da desajeitada Aura. Ele fez uma estrutura de 20 notas, dentro de dez
orifícios, ou seja 10 notas sopradas e 10 notas aspiradas, estas mudanças somado a
estrutura do instrumento foi verdadeiramente a primeira gaita ou harmônica como nós a
conhecemos hoje.
Em 1827, um relojoeiro chamado Christian Messner começou a fazer harmônicas
como uma linha opcional, na pequena cidade de Trossing, Alemanha.Em breve vários
outros relojoeiros da área, muitos deles parentes de Messner, estavam tambem
produzindo harmônicas como um negócio opcional.
Mas nesta mesma cidade, um jovem relojoeiro de 24 anos chamado Mattias
Hohner, resolveu produzir harmônicas como seu principal negócio, produzindo assim 650
instrumentos no primeiro ano. O que distinguia Hohner dos outros fabricantes daquela
época era a alta qualidade dos instrumentos aliada a uma grande visão de marketing, pois
todas as gaitas fabricadas por ele tinham sua marca estampada.
Em 1888 as gaitas Hohner foram para os EUA e foram largamente distribuídas,
sem dúvida por serem baratas, pequenas e fácil de se tocar. Talvez por essa razão, elas
foram tão bem recebidas entre a população negra. Ainda hoje a Hohner é o mais
influente fabricante de gaitas, já tendo produzido cerca de 1.500 modelos diferentes de
harmônicas. O mais caro foi fabricado fora de série, especialmente para o Papa Pio XI,
todas as peças de metal, com exceção das palhetas eram de ouro maciço. Um dos
modelos mais curiosos era acompanhado de um cordão para que os africanos, que não
usam bolsos, pudessem pendurá-las no pescoço. No Brasil, a história da gaita começa em
agosto de 1923, um imigrante alemão chamado Alfred Hering, fundou a empresa Gaitas
Alfred Hering em Blumenau - Santa Catarina, e começou a produzir as Harmônicas
Hering.
Após a morte do Sr. Hering, em meados de 1960, a empresa foi vendida para M.
Hohner Company, de Trossing, Alemanha. Muita tecnologia foi trazida da Alemanha e
introduzida no Brasil,melhorando assim cada vez mais a qualidade do instrumento.Em
1979, um grupo de brasileiros comprou a Hering e M. Hohner deixou o Brasil.
Atualmente sob a direção de Alberto Bertolazzi, e com o nome de "Fábrica de
Harmônicas Catarinense S/A, ainda com sede em Blumenau - Santa Catarina, a
companhia está engajada em modernizar e aperfeiçoar a qualidade de seus instrumentos
com a ajuda de vários gaitistas brasileiros, principalmente da Orquestra Harmônica de
Curitiba A Hering vem impondo um alto nível de desenvolvimento, atingindo assim uma
qualidade internacional, sendo exportada para América Latina, Estados Unidos e Europa.

Capítulo 2: Diferença entre Gaita Cromática e Diatônica


Dentre os diversos tipos e modelos de Gaitas que existem no mercado, os mais
conhecidos são as Cromáticas e Diatônicas. Além do tamanho, estes dois tipos de Gaitas
possuem muitas diferenças, as quais serão mostradas a seguir:

Gaita Cromática

Existem dois modelos de Gaitas Cromáticas no mercado, que são as seguintes:

* Gaita Cromática 48 vozes

- Possui escala cromática relativa ao tom da Gaita.

- Possui 12 orifícios.
- Possui 3 oitavas.

* Gaita cromática 64 vozes

- Possui escala cromática relativa ao tom da Gaita.

- Possui 16 orifícios.

- Possui 4 oitavas.

A escala cromática possui as notas naturais: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si, que
são obtidas sem o uso da chave, e os acidentes: Dó#, Ré#, Fá#, Sol#, Lá# ou Réb, Mib,
Solb, Láb e Síb, que são obtidas com o uso da chave. Sendo assim, cada orifício da
Gaita Cromática possui 4 notas ou 4 vozes: 2 sem o uso da chave (soprado e aspirado) E
2 com o uso da chave (soprado e aspirado).

Gaita Diatônica

- Possui escala diatônica relativa ao tom da Gaita.

- Possui uma escala completa (do orifício 4 até o 7).

- Possui uma oitava com ausência do IV e do VI graus (do orifício 1 até o 4).

- Possui uma oitava com ausência do VII grau (do orifício 7 até o 10 ).

Os graus ausentes nas regiões graves e agudas são obtidos através da técnica de
bend aspirado (região grave) ou soprado (região agudo). Esta técnica será abordada com
a devida atenção no decorrer deste método.

Capítulo 3: Teoria musical Básica


Uma das coisas que atrai muitas pessoas a tocar Gaita é o fato de que se
necessita de muito pouco conhecimento musical para se aprender a tocar melodias com
ela, de modo que o iniciante logo adquire um sentimento de realização. Isto é bom até
certo ponto, mas se você realmente quer ir a fundo, é necessário reconhecer que todos
os bons gaitistas estruturam o que eles tocam, quer seja conscientemente ou não, de
modo que faça algum sentido musical. Por isso, passarei a seguir algumas noções
básicas de teoria musical.
Tons e semitons (1/2 tom)
Semitom é o intervalo entre uma nota e a seguinte no piano, seja ela branca ou preta.
É o menor intervalo usado na música ocidental. Temos então, dentro da oitava, entre as
sete notas musicais e suas doze subdivisões, o chamado semitom natural, entre as notas
mi - fá e si - dó, e os semitons cromáticos, tendo neste caso que se fazer uso dos
acidentes.
 Tom: É o intervalo formado por dois semitons.
 Acidentes: São sinais usados para mover as notas musicais.

Observando o desenho abaixo, podemos visualizar a oitava, os tons e os semitons


claramente:

# (sustenido): Eleva um semitom


b (bemol): Abaixa um semitom

Escala
Dá-se o nome de escala a uma séria de notas sucessivas, separadas entre si por
tons ou semitons. A escala pode ser ascendente ou descendente:

Ascendente - Quando parte da nota mais grave para nota mais aguda da escala.
Descendente - Quando parte da nota mais aguda para nota mais grave da escala.
Graus
Cada nota da escala maior recebe um número a partir da sua localização em relação a
primeira nota da escala. Estes números são os graus, que são escritos em algarismos
romanos e são colocados em cima de cada nota da escala e recebem a seguinte
denominação específica:

I Grau - Tônica ou fundamental


II Grau - Supertônica
III Grau - Mediante
IV Grau - Subdominante
V Grau - Dominante
VI Grau - Superdominante
VII Grau - Sensível
VIII ou I Grau - Tônica ou fundamental (8ª acima)

Ex. Escala de Dó Maior

I II III IV V VI VII VIII

C D E F G A B C

1TOM 1TOM 1/2TOM 1TOM 1TOM 1TOM 1/2TOM

Naturais
A= La
B = Sil
C = Do
D= Ré
E = Mi
F = Fa
G = Sol
Acidentes
Db= Ré bemol
EB = Mi bemol
F# = Fá Sustenido
Ab= Lá bemol
Bb = Si bemol
F = Fa
G = Sol

Capítulo 4: Como Segurar sua Gaita


Neste capítulo faremos uma observação muito importante no andamento de
nossos estudos. Iremos abordar a postura para segurar uma gaita. Preste atenção nesses
detalhes abaixo. Com firmeza, segure-a entre os dedos indicador e polegar da mão
esquerda. Observe no desenho abaixo que as notas graves ficam voltadas para o lado
esquerdo e as notas agudas para o lado direito.

Agora sua mão direita será posicionada sob a Gaita em forma de concha,
envolvendo-a. O conjunto mão esquerda - direita deverá envolver completamente a
Gaita, formando assim uma concha acústica.
Para isso, é importante que se consiga uma vedação razoável.
Experimente um pouco até achar a posição que se adapta melhor às suas mãos. É
importante que a posição seja confortável.

Capítulo 5: Construção da Gaita Diatônica e Cuidados Especiais


A Gaita Diatônica é um instrumento simples. Ela consiste numa estrutura ou
pente de madeira, plástico ou metal, fixo entre duas placas de metal (placa de vozes).
Uma placa contém palhetas de sopro e a outra de aspiração, fazendo assim com que
cada orifício do pente tenha uma nota soprada e outra aspirada.
Esta estrutura (pente e placas de vozes) é fechada entre duas placas de cobertura,
que servem para proteger as palhetas, direcionar o som e facilitar o manuseio do
instrumento. As várias partes mencionadas são fixadas por meio de cravos, parafusos ou
rebites.

Estrutura física da Gaita

A- Placa de cobertura superior.


B- Placa de vozes superior (notas sopradas).
C- Corpo (ou pente) de madeira, plástico ou metal.
D- Placa de vozes inferior (notas aspiradas).
E- Placa de cobertura inferior.
Cuidados para prolongar a vida de sua Gaita

I - Por várias razões, principalmente a higiênica, não empreste sua Gaita.


II - Proceda sempre à higiene oral antes de usar sua Gaita. Pequenos resíduos de
comida, doces ou fumo podem obstruir os orifícios ou bloquear as palhetas de sua
Gaita.
III - Após o uso, mantenha sua Gaita no estojo, protegendo-a de poeira.
IV - Antes de guardar sua Gaita no estojo, bata-a suavemente contra a palma de sua
mão, retirando assim o excesso de saliva.
V - Sempre que possível, limpe sua Gaita com pano ou lenço umedecido em
álcool.
VI - Evite expor sua gaita ao sol forte.
VII - Não abra nem desmonte sua Gaita. Diante de qualquer problema, procure um
especialista em afinação e manutenção de Gaitas.

OBS: Eu recomendo 2 pessoas para consertar sua gaita:


1. Ulysses Cazallas – www.gaitalouca.cjb.net
e-mail : ulycaz@uol.com.br
2. Marcio Abdo – : www.marcioabdo.cjb.net
Qualquer problema com sua gaita entre em contato com estas pessoas.

Capítulo 6: Como Soprar e aspirar somente uma nota na sua Gaita


Existem muitas maneiras de tocar sua Gaita, possibilitando solos com notas
simples, em oitavas, solo e acompanhamento, etc. Mas por enquanto veremos a técnica
de notas simples, esta técnica consiste em emitir com clareza as diferentes notas do
instrumento perfeitamente individualizadas, para isto devemos utilizar três embocaduras
distintas.
A palavra embocadura é um termo musical derivado do Francês, usada para
descrever o posicionamento apropriado dos lábios quando se toca um instrumento de
sopro.Veja a seguir as 3 embocaduras usadas para soprar e aspirar somente uma nota na
sua gaita:
Técnica de sopro de bico ( lipping )
Para aplicar esta técnica, devemos unir os lábios como para assobiar, figura (1) e
nesta posição coloca-los sobre cada um dos orifícios da Gaita, soprando e aspirando
cada nota individualizada. Evite contrair os lábios, figura (2), pois desta forma eles irão
se cansar rapidamente e seu sopro sairá muito fraco.

Figura 1

Figura 2

Repare na figura (3) a embocadura contraída, típica dos iniciantes. Os lábios


estão forçados para fora, tornando a embocadura muito tensa, deste modo o fluxo de ar
irá se reduzir e formará um Bend involuntário. Este erro fica bem claro no orifício 2
aspirado, para resolver este problema tente inclinar a gaita 45 graus para baixo, figura
(4) e relaxe seus lábios.
Repare que inclinando sua gaita, automaticamente seu lábio superior cobrirá
uma área maior, produzindo assim um som mais alto e claro do que quando esta
contraído. Outra dica é usar um espelho para verificar a inclinação exata da gaita.
Visão frontal

Figura 3

Visão lateral

Figura 3

Figura 4

Técnica de notas cobertas (togue blocking)


Para aplicar esta técnica, devemos adaptar os lábios sobre a Gaita cobrindo dois
ou três orifícios, que soprados ou aspirados, soarão como um acorde. Em seguida
colocamos a língua voltada para o lado esquerdo da cavidade bucal e apoiamos sobre o
instrumento, de modo que cubra dois ou três orifícios, cujas notas não deverão ser
tocadas, deixando aberto apenas o orifício da extremidade direita, para que a nota,
soprada ou aspirada, soe individualmente.
A técnica de notas cobertas ou tongue blocking é muito importante, pois dela
derivam outras maneiras para a exploração dos sons na Gaita. Maneiras estas que
veremos com mais atenção nos próximos capítulos.

Técnica de língua curva ( U blocking )


Esta técnica é parecida com a de tongue blocking. Cobriremos 3 orifícios da
Gaita, porém a língua será colocada em forma de U, figura ( 6 ) e apoiada sobre o
instrumento, bloqueando assim os 2 orifícios das extremidades direita e esquerda. Dessa
maneira, o orifício central soará livre e individualmente.
Esta técnica é, sem dúvida, a mais difícil de ser executada, pois, somente 50% a
70 % da população mundial, aproximadamente, possuem a capacidade de "dobrar" a
língua em forma de "U". O restante, simplesmente não consegue, não importando o
quanto eles tentem e pratiquem.
Caso você consiga dobrar sua língua desta forma, tente tocar desta maneira, pois
assim poderá realizar articulações percussivas com a língua semelhantes ao Tongue
Blocking e ainda mover a língua para os lados selecionando o orifício desejado sem
nenhum ou muito pouco movimento da cabeça em relação a Gaita.

Capítulo 7: Construção da Escala Maior


Para construir escalas a partir das demais notas musicais é necessário recorrer às
notas com acidentes (sustenidos e bemóis) para mantermos o mesmo padrão intervalar
da escala de Do Maior.
Escalas maiores com sustenidos
Sol Maior da origem as escalas com sustenido,e as escalas maiores que partem de
notas naturais (teclas brancas no piano) menos Fa Maior são:
Escala maior com sustenidos ( # ) - Ciclo de quinto grau

I II III IV V VI VII VII ( graus )

do re mi fa sol la si do

sol la si do re mi fa# sol

re mi fa# sol la si do# re

la si do# re mi fa# sol# la

mi fa# sol# la si do# re# mi

si do# re mi fa# sol# la# si

tom 1/2tom tom tom tom 1/2tom tom

Observe que este ciclo evolui ganhando sustenidos. Cada novo sustenido torna-se
sensível (VII Grau) da escala.

Os sustenidos usados para essas escalas aparecem em uma ordem de quinta


ascendentes:
FÁ# DÓ# SOL# RÉ# LÁ# (MI# SI# )

Escalas maiores com bemois


Fa Maior da origem as escalas que acidentam com bemois,e as escalas maiores que
partem de notas acidentadas(teclas pretas no piano) são:
Escala maior com bemol ( b ) - Ciclo de quarto grau
I II III IV V VI VII VII
do re mi fa sol la si do

fa sol la sib do re mi fa

sib do re mib fa sol la sib

mib fa sol lab sib do re mib

lab sib do reb mib fa sol lab

reb mib fa solb lab sib do reb


tom tom 1/ 2 tom tom tom tom 1/2tom

Observe que este ciclo evolui ganhando bemois;cada novo bemol, torna-se o
quarto Grau da escala. Os bemois usados para essas escalas aparecem em uma ordem de
quartas ascendentes:

SIb-MIb-LAb-REb-SOLb-(DOb-FAb)

Para memorizar
- Escala - É uma série de notas sucessivas, separadas por tons e semitons.
- Semitom - É o intervalo entre uma nota e a seguinte no piano, seja ela branca ou
preta. É o menor intervalo usado na música.
- Tom - É o intervalo formado por dois semitons.
- Escala ascendente - É aquela em que todas as notas se sucedem do grave para o
agudo.
- Escala descendente - É exatamente o contrário da ascendente, ou seja, a sucessão
se dá do agudo para o grave.
- Escala cromática - É aquela em que todas as notas se sucedem por semitons.
Capítulo 8: Disposição das notas na Gaita Diatônica
Agora que você já sabe como funciona os ciclos da escala maior com sustenido e bemol,
veja como as notas são distribuídas em todas as afinações de gaita diatônica:

GRAFICO GAITA DO S/A

GRAFICO GAITA SOL S/A

GRAFICO GAITA RE S/A


GRAFICO GAITA LA S/A

GRAFICO GAITA MI S/A

GRAFICO GAITA SI S/A

GRAFICO GAITA FA# S/A


GRAFICO GAITA FA S/A

GRAFICO GAITA Sib S/A

GRAFICO GAITA Mib S/A

GRAFICO GAITA Lab S/A


GRAFICO GAITA Reb S/A

Repare que em todas as afinações das gaitas diatônica faltam algumas notas para
completar a escala maior relativo ao tom da gaita que você esta usando, que são: IV &
VI GRAUS – Na primeira oitava da gaita, que esta situado entre os orifícios 1 até 4,
faltam estes graus. Exemplo:

* Gaita Do – Faltam as notas FA & LA


* Gaita Sol – Faltam as notas DO & MI
Repare que estas notas são exatamente o IV e o VI grau das gaitas acima mencionadas.
VII Grau – Na terceira oitava da gaita, que esta situado entre os orificios 7 até 10 falta
este grau, exemplo:
* Gaita Do – Falta a nota Si
* Gaita Sol – Falta a nota Fa#

Repare que estas notas são exatamente o VII grau das gaitas acima mencionadas.
Por isso eu aconselho você a memorizar o gráfico da gaita diatônica não em notas e sim
em graus, desta maneira você irá visualizar e memorizar com mais facilidade cada
orifício e qual o grau que ele representa, depois você somente traspõe para a tonalidade
desejada, exemplo:

* Orifício 4 soprado = I grau da escala


* Gaita Sol = Nota SOL
* Gaita Do = Nota DO
Gráfico Gaitas Diatônica em graus S/A

Capítulo 9: Respiração
Para se tocar Gaita corretamente é necessário ter uma boa respiração. Para que
isso aconteça, tente respirar com calma, relaxadamente. Não sopre ou aspire com força,
pois desta maneira as notas soarão abafadas, desafinadas e principalmente você ficará
muito cansado.
Tente respirar pelo diafragma (respiração abdominal), sinta seu estômago
contrair quando soprar e relaxar quando aspirar, sopre e aspire relaxadamente controle a
passagem de ar pela garganta. Observe o desenho:

Notas Sopradas
Notas Aspiradas

Tente manter este procedimento e respire durante as pausas, de modo que você sempre
tenha a quantidade certa de ar.

Capítulo 10: Tablatura


Para o melhor entendimento deste método, adotei uma simbologia simples, que
visa traduzir as informações contidas no pentagrama. Esta simbologia recebe o nome de
tablatura, que é dividida em três partes. Veremos a seguir a tablatura de nível I,
desenvolvida especialmente para Gaita Diatônica:

Tabela de tablatura de nível I


A = ASPIRAR
S = SOPRAR

Os exercícios e músicas que veremos a seguir estão escritos com esta tablatura.
As tabelas de tablatura de nível II e III serão abordadas nos próximos capítulos,
conforme for aumentando o nível de dificuldade e de técnicas dos exercícios aqui
passados.
Exercícios básicos
Depois que você estiver soprando e aspirando somente uma nota e segurando
corretamente sua Gaita, poderemos iniciar o estudo dos exercícios básicos, propostos
para melhorar a articulação das notas naturais do seu instrumento. Estes exercícios
foram divididos em 3 níveis diferentes:

- Nível I: Região média (orifícios 4 ao 7 )


- Nível II: Região aguda (orifícios 7 ao 10 )
- Nível III: Região grave (orifícios 1 ao 4 )

Isto porque a disposição das notas sofre alteração conforme a região que está
sendo tocada. Sendo assim, com a divisão dos exercícios, você terá como assimilar todas
as regiões da sua Gaita e assim melhorar seu desempenho no instrumento.

Nível I
Região média
A região média começa no orifício 4 soprado e vai até o orifício 7 soprado. Nesta região
encontra-se a escala diatônica de Do maior.
Posição das notas naturais da região média
Exercícios e músicas
Exercicios Nivel I
(I)
4s 4a 5s 5a 6s 6a 7a 7s
7s 7a 6a 6s 5a 5s 4a 4s
( II )
4s 5s 6s 7s 7s 6s 5s 4s
( III )
4a 5a 6a 7a 8a 8a 7a 6a 5a 4a
( IV )
4s 4a 5s 4a 5s 5a 5s 5a 6s 5a 6s 6a 6s 6a 7a 6a 7a 7s 7s 7a 6a 7a 6a 6s 6a 6s 5a 6s 5a 5s
5a 5s 4a 5s 4a 4s
(V)
4s 7s 4s 7a 4s 6a 4s 6s 4s 5a 4s 5s 4s 4a 4s
MÚSICAS NIVEL I
When The Saint’s Go Marching In
4s 5s 5a 6s
4s 5s 5a 6s
4s 5s 5a 6s 5s 4s 5s 4a
5s 5s 4a 4s 4s 5s 6s 6s 5a
5s 5a 6s 5s 4s 4a 4s
Popeye
5s 6s 6s 6s 5a 5s 6s
6s 6a 5a 6a 7s 6a 6s
6s 6a 5a 6a 7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s
5s 6s 6s 6s 5a 4a 4s
Oh, Susannah
4s 4a 5s 6s 6s 6a 6s 5s 4s
4a 5s 5s 4a 4s 4a
4s 4a 5s 6s 6s 6a 6s 5s 4s
4a 5s 5s 4a 4a 4s
5a 5a 6a 6a 6a 6s 6s 5s 4s 4a
4s 4a 5s 6s 6s 6a 6s 5s 4s
4a 5s 5s 4a 4a 4s
Nível- II
Região aguda
A região aguda começa no orifício 7 soprado e vai até o orifício 10 soprado.
Nesta região a articulação entre as notas sopradas e aspiradas é diferente da região
média. Esta mudança de articulação nos possibilita a execução quase completa da escala
diatônica de Do maior, faltando apenas a nota Si (VII Grau) para a sua
complementação.

Posição das notas naturais da região aguda

Exercícios e músicas
Exercícios Nivel II
(I)
7s 8a 8s 9a 9s 10a 10s
10s 10a 9s 9a 8s 8a 7s

( II )
7s 8s 9s 10s 10s 9s 8s 7s

( III )
7a 8a 9a 10a 10a 9a 8a 7a

( IV )
7s 10s 7s 10a 7s 9s 7s 9a 7s 8s 7s 8a 7s
Flinstones
6s 4s 7s 6a 6s 4s
6s 5a 5s 5s 5a 6s 4s 4a 5s
6s 4s 7s 6a 6s 4s
6s 5a 5s 5s 5a 6s 4s 4a
5s 5a 6s 4s 4a
5s 5a 6s 4s 4a
5s 5a 6s 7s 8a 7s
Love Me Tender
6 s 7s 7a 7s 8a 6a 8a 7s 7a 6a 7a 7s
6s 7s 7a 7s 8a 6a 8a 7s 7a 6a 7a 7s
8s 8s 8s 8s 8s 8s 8s 8s 8a 7s 8a 8s
8s 8s 9a 8s 8a 6a 8a
7a 7a 6a 7a 7s
Noite Feliz
6s 6a 6s 5s
6s 6a 6s 5s
8a 8a 7a 7s 7s 6s
6a 6a 7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s
6a 6a 7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s
8a 8a 9a 8a 7a 7s 8s
7s 6s 5s 6s 5a 4a 4s
Shenandoah
3s 4s 4s 4s 4a 5s 5a 6a 6s
7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s 6s
6s 6a 6a 6a 5s 6s 5s 4a 4s
3s 4s 3s 4s 6a 6s
4s 4a 5s 4s 4a 4s

Capítulo 11: Exercícios Nível III


A região grave começa no orifício 1 soprado e vai até o orifício 4 soprado. Esta região é
a mais complexa da Gaita, pois nela, além da mudança de articulação das notas sopradas
e aspiradas faltam as notas Fá (IV Grau) e Lá (VI Grau) para completar a escala
diatônica de Do maior.
Posição das notas naturais da região grave

Caso você tenha dificuldades com as notas aspiradas da região grave, principalmente a
nota Sol (G) do orifício dois aspirado, tome as seguintes providências:
* Respire pelo diafragma e não pela extremidade do pulmão;
* Envolva a Gaita com os lábios, de modo que somente a parte interior dos lábios
(úmida) toque o instrumento;
* Não tencione os lábios;
* Mantenha a boca levemente aberta, deixando um espaço entre os maxilares superior
e inferior;
* Não chupe as notas, tente respirar através da Gaita.

Exercícios Nivel III


(I)
1s 1a 2s 2a 2a 2s 1a 1s
( II )
2s 2a 2a 2s 2s 2a 2a 2s
( III )
1s 2s 3s 4s 4s 3s 2s 1s
( IV )
1a 2a 3a 4a 4a 3a 2a 1a
(V)
1s 1a 2s 2a 3a 4s 4s 3a 2a 2s 1a 1s
Músicas Nivel III

Camptown Races
6s 6s 6s 5s 6s 6a 6s 5s
5s 4a 5s 4a
6s 6s 6s 5s 6s 6a 6s 5s
4a 5s 4a 4s
4s 4s 5s 6s 7s 6a 6a 7s 6a 6s
6s 6s 6s 5s 6s 6a 6s 5s
4a 5s 4a 4s
Michael Row The Boat Ashore
4s 5s 6s 5s 6s 6a 6s
5s 6s 6a 6s
5s 6s 6s 5s 5a 5s 4a 4s 4a 5s 4a 4s

Capítulo 12: Distribuição geral das Notas


Agora que vc já consegue soprar e aspirar todas as notas da sua gaita sem ficar cansado
ou sem ar, veja como elas são distribuidas:

Notas naturais disponíveis (sopradas e aspiradas):


Capítulo 13: Efeitos de Sonorização

Vibrato de mão – "Wah – Wah"


Para aplicar este efeito tão usado para se tocar Blues, Country e Folk é preciso seguir as
seguintes instruções:

Segure a Gaita da maneira que foi ensinada no capítulo 4 - como segurar sua Gaita.

Para conseguir o efeito do Wah-Wah desejado, mova sua mão direita para o lado
contrário da sua mão esquerda, como mostra a figura abaixo:

- Separe seus dedos, mantendo a palma da mão esquerda e o pulso direito juntos.
- Agora pratique esta técnica nos exercícios e músicas contidos neste método.
Para indicar onde deve ser aplicada esta técnica, coloquei a letra W sob a nota indicada
para a aplicação desta, mas vale frisar que fica a cargo do executante onde deve ou não
aplicar esta técnica

Exercícios de sonorização – Vibrato de mão "wah – wah"


(I)
4s 4a 5s 5a 6s 6a 7a 7s " w"
7s 7a 6a 6s 5a 5s 4a 4s " w"
( II )
2a 3a 4s 4a ( " w") 4s 3a 2a ( "w")
( III )
2a 3a 4s 4a( "w")
5a 6s ( "w")
6s( "w")
5a 4a( "w")
4s 3a 2a( "w")

Tente usar este efeito em todas as músicas que vc já toca, pratique em todas as notas e
depois veja qual sonoridade fica melhor, tente variar a abertura das mãos, pois conforme
vc faz esta variação a sonoridade muda, Pratique !!!!!!

Noite Feliz
6s 6a 6s 5s
6s 6a 6s 5s
8a 8a 7a 7s 7s 6s
6a 6a 7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s
6a 6a 7s 7a 6a 6s 6a 6s 5s
8a 8a 9a 8a 7a 7s 8s
7s 6s 5s 6s 5a 4a 4s

Capítulo 14: Exercícios para Articulação


Os exercícios a seguir foram feitos para que você tenha uma boa articulação na
gaita.Pratique diariamente e tente aumentar o ritmo gradativamente, assim você terá
uma boa agilidade.
Confira :
(I)
2a 3a 2a 3a 4s 3s 4s 4a 3a 4a 5s 4s 5s 5a 4a 5a 6s 5s 6s 6a 5a 6a 6s 5s 6s 5a 4a 5a 5s 4s
5s 4a 3a 4a 4s 3s 4s 3a 2a 3a 3s 2s 3s 2a
( II )
2a 3a 4s 4a 5a 6s 6a 7a 8a 8s 9s
9s 8s 8a 7a 6a 6s 5a 4a 4s 3a 2a
( III )
2a 3a 4a 5s 5a 5s 4a 3a
2a 3a 4a 5s 5a 5s 4a 3a
4s 5s 6s 6a 7s 6a 6s 5s
2a 3a 4a 5s 5a 5s 4a 3a
4a 5s 5a 5s 4a 3a 4s 3a 2a
( IV )
2a 2a 3a 4s 4a 4s 3a 2a 6s
(V)
7a 6s 7a 6s 5a 4a 4s 3a 2a
( VI )
6s 6s 5a 4a 4s 3a 2a 3a 4s 4a 4s 3a 2a
( VII )
6s 5a 4a 6s 5a 4a 6s 5a 4a 6s 5a 4a
6s 5a 4a 6s 5a 4a 4s 3a 2a
( VIII )
6s 6a 7a 8a 9s 8s 8a 7a 6a 6s 5a 4a 4s 3a 2a 3a 4s 4a 5a 4a 5a 6s
( IX )
6s 6a 7a 8a 8s 9s
9s 8s 8a 7a 6a 6s 6a 6s 5a 4a 4s 3a 2a
(X)
2a 3a 4s 4a 4s 3a 2a
6s 6s 5a 4a 4s 3a 2ªa
Capítulo 15: Efeito de sonorização Parte II
Vibrato de Garganta

Um dos efeitos mais característicos e, consequentemente um dos mais usados, é


o vibrato de garganta ou vibrato gutural. Esta técnica funciona melhor nas notas
aspiradas. Para fazê-lo você deve usar a laringe para formar uma série de AS (com a
Gaita) enquanto respira. Não vocalize! Se você fizer isto corretamente, você estará
respirando parecido com o staccato controlado, que produz um agradável e intenso
efeito de vibrato.
Para obter um som limpo de vibrato de garganta você deve seguir as seguintes
instruções:
- Aspire o orifício 2 relaxadamente. Não tencione a nota.
- Exale um rápido sopro de ar, como se você estivesse tocando bem de leve.
- Da mesma parte da garganta que exalou, inale uma vez bem rápido e depois pare.
- Inale de novo bem rápido e depois várias vezes em sucessão, num intervalo constante.
O que você deve ouvir neste ponto é uma série de notas de pouca duração, mas
assim que você amaciar a garganta você notará notas curtas se juntando em uma única
nota com vibrato.

Exercícios
I) 2 2 ...
SS

II) 2 2 ...
AA

III) 2 2 ... 2 2 ...


SSAA

Tente a mesma técnica nos orifícios 1 , 3, 4 e 6. O orifício 5 aspirado não é tão


bom para usar esta técnica. Obter um bom vibrato de garganta levará algum tempo, mas
com muita prática você aprenderá. Não desista!
Capítulo 16: Tocando Corretamente (Dicas Preciosas)
Neste capítulo daremos a você algumas dicas fundamentais para que você possa exercer
total comando sobre sua gaita e tocar suas canções de maneira correta. Vamos a elas:

Na Embocadura
Você deve obter uma nota de cada vez aspirando ou soprando um único orifício.
Existem basicamente 3 maneiras para se obter uma única nota:

1-Bloqueio de Língua (Vamping) - Como o próprio nome sugere, você irá colocar seus
lábios cobrindo um número de orifícios (usualmente quatro) e irá bloquear três orifícios
laterais, deixando uma extremidade (direita ou esquerda) livre para a passagem do fluxo
de ar. Uma das grandes vantagens deste método está no uso de articulações percussivas
com a língua e possibilidade de execução de intervalos apenas mudando-se a posição
desta.
2-Língua em forma de "U" (Fluxo de ar direcionado pela língua) - Este é mais uma
variação do tradicional método de bloqueio de língua. O Harmonicista cobre com os
lábios aproximadamente três orifícios e, com a língua em forma de "U",bloqueia os
orifícios laterais da harmônica permitindo que o ar passe pelo meio deste "U". A ponta
da língua (vértice do "U") é colocada abaixo do orifício que será tocado ou apoiada na
parte inferior da harmônica. Pode-se realizar articulações percursivas com a língua
semelhantes ao Tongue Blocking com este método e mover a língua para os lados
selecionando orifícios adjacentes com nenhum ou pouco movimento da gaita em relação
a cabeça. O grande problema é que nem todas pessoas conseguem dobrar a língua em
formato de "U".
3-Embocadura de Bico - Esse é o mais usado. É o natural, qualquer pessoa que não toca
gaita, vai tentar tocá-la assim. Só que com um erro, tendem a fazer biquinho. Na
verdade, você cobre apenas um buraco com a boca, mas com os lábios cobrindo bem as
placas de cima e de baixo da gaita para permitir um melhor "deslizamento". O fluxo de
ar, deve entrar em apenas um orifício de cada vez.
Dicas na hora de tocar
* Sugando o Ar
Ao tocar, a respiração deve ser feita através da gaita, não pense em soprar ou
aspirar. A respiração deve vir do diafragma. O controle da respiração é tão importante
na gaita quanto no canto. O ar deve ser lentamente inalado e exalado. Pratique tocando
uma nota e mantendo-a por mais tempo que você puder, tento o cuidado de não ficar
tonto. Também pratique inspirando tanto quanto você possa ... segure ... agora inspire
um pouco mais, e um pouco mais. Pratique inspirando e expirando tão rápido quanto
você consiga - pense em um cachorro ofegante.

* Tocar na primeira posição ("straight harp")


Muitas tradicionais canções de acampamento são fáceis para iniciantes, como
"Oh Susanna", "Red River Valley", "Clementine", etc. Essas são normalmente tocadas
de ouvido e usam a 1ª posição, onde o tom da música é o mesmo tom da gaita. A oitava
média é freqüentemente usada, onde uma escala diatônica completa está disponível sem
requerer nenhum bend.

* Cordas e ritmos Rhythms


A gaita deixa você tocar acordes tanto quanto notas simples, e os acordes são
mais fáceis de fazer do que notas simples. Os acordes podem ser usados como
acompanhamentos. A embocadura de bloqueio de língua é normalmente usado uma vez
que o acorde pode ser tocado e então bloqueado para produzir notas simples. Acordes
ruidosos podem fazer uso dos modelos de respiração rítmica.

* Únicas notas
O furo 2 aspirado é freqüentemente problemático para os iniciantes, e algumas
vezes o furo 1 aspirado também. Muitos iniciantes pensam que há algo de errado com a
gaita, porque essas notas não tocam. A razão usual é uma condição de "pré-bend" onde
a forma da boca/trato vocal causa uma redução do tom da nota. O iniciante deve
concentrar na forma da boca e fazer um "eeeeee" som
* Usando as mãos
Envolver a gaita com as mãos em forma de cúpula, e abrir e fechar as mãos e os
dedos é uma forma comum e tradicional para obter o som característico da gaita
chamado "wah-wah".

* Harmônicas de todos os tons


A gaita diatônica vem em todos os diferentes tons. O normal da gaita do grave
ao agudo é G até F#, mas tons repetidos incluem G agudo e F grave. Os 3 tons mais
comuns são A, C e D, porém é mais fácil comprar uma em tom C, pelo custo reduzido.

* Articulações
A língua pode ser usada para iniciar ou atacar notas diferentemente, as quais
mudam o colorido das notas e adicionam uma variedade de som à gaita. Essas
articulações podem ser associadas com várias sílabas faladas, como dizendo "ta" ou
"ka" ou "da" ou "ha" ou "ga", etc. Articulações também podem ser feitas pelo suave
deslizar do lábio superior para fora da gaita e recolocando-o em um tipo de beijo a moda
da gaita. Articulações são mais fáceis utilizando a embocadura de bico, mas pode ser
feita também usando o bloqueio de língua.

* Shakes
Um balanço é a rápida alternância entre dois furos adjacentes. Os balanços são
similares aos trinados, mas os intervalos são maiores que 1/2 tom. Balanços são
normalmente feitos balançando a cabeça de um lado para outro, mas também pode ser
feito movendo a gaita, ou combinando os dois movimentos. Balanços mais sofisticados
podem incluir bends.

2nd posição ( "cross harp")


A 2ª posição é a mais comumente usada para tocar blues, rock e country. A
escala para a 2ª posição é 2 tons e meio mais alta que o tom natural da gaita. Por
exemplo, para a gaita no tom de C, toca-se no tom de G. A 2ª posição começa no 2 furo
aspirado e usa mais notas aspiradas, especialmente na 1ª oitava da gaita. As notas
aspiradas possibilitam mais bends e vibratos expressivos do que notas sopradas.
* Draw Bends as ornaments
Quando iniciantes começam a fazer os bends aspirados, os quais estão
disponíveis nos furos 1-6, eles são inicialmente rápidos nas mudanças da nota natural,
com um rápido bemolizar da nota continuamente dobrando um pouco e então
retornando à nota primária. Em outras palavras, os bends não são usados como notas
propriamente. As notas são dobradas, mas o tocador não tem controle sobre a
profundidade e a duração da nota.

* Dip bend
Um dip bend é um rápido deslizar bend na nota a ser tocada. Esta técnica é
frequentemente usada para enfeitar notas, especialmente em notas aspiradas. Ele é feito
inicialmente atacando o furo com um bend, então gradualmente deslizado do bend para
a nota final. Ou, menos frequentemente, o furo pode ser começado sem bend, e um
gradual bend pode ser usado para deslizar para a nota com bend.

* Glissando
Um glissando é uma sequência de notas tocadas em rápida sucessão que finaliza
na primeira nota tocada. Toque uma nota simples e então deslize a gaita pela sua boca ...
isso é essencialmente um glissando. As notas no glissando não são individualmente
articuladas, mas tocadas com um movimento contínuo. Um "ripper" glissando é
essencialmente uma articulação da nota final.

* Diafragma Trêmulo
Trêmulo de diafragma é uma distinção do vibrato de garganta, e como o nome
indica, enfatiza o diafragma ao invés da garganta, embora cada um seja usado em um
certo grau. O Trêmulo é caracterizado pela oscilação do volume em oposição à variação
de tom do Vibrato. Porém, quando usando vibrato em um bend, o diafragma é usado
para suavemente adicionar o trêmulo, o tom irá variar devido à mudança de pressão.
Trêmulo de diafragma é basicamente obtido pela repetição de "ha ha ha ha" como se
você fizesse o som de um sorriso. O exemplo é algo exagerado apenas para que você
possa ouvi-lo facilmente.
* Draw Bends para produção de notas
Full bends - Intermediate Bends Alterações das notas aspiradas são também
chamados bends que alteram o tom natural da nota para uma diferente utilização do
tom. A palavra "bend" (dobrar, flexionar), implica uma contínua mudança, mas os
bends na gaita não precisam derivar de outras notas - em outras palavras, um bend como
uma nota alterada pode ser tocado separadamente de outras notas, e a nota natural não
precisa ser tocada. Bends aspirados nos furos 2 e 3 tem uma extensão maior que um
simples meio-tom (semi-tom), enquanto aspirados bends nos furos 1, 4, e 6 tem um
semi-tom de extensão. Os bends tendem a alterar mais facilmente para o extremo da
extensão, chamado full bend, e as notas entre a nota natural e a mais alterada nota são
chamados bends intermediários, e são mais difíceis de conseguir controlar, e manter no
tom do que bends normais.

* Blow Bends para produzir notas


Os furos 8 e 9 tem um bend soprado de meio-tom, enquanto o furo 10 tem um
bend de 1 tom de extensão.

* Fôlego e controle de ar
Conseguir controlar o ar para não perder o fôlego é um problema mesmo. Até
hoje luto com isso. O grande problema é que não sabemos controlar o ar com o
diafragma, o que seria o certo. Então, acontece que quando tocamos uma música cheia
de notas aspiradas, lotamos o pulmão de ar e somos forçados a dar "um basta" e soprar
tudo pra fora. Eu nunca exercitei meu fôlego ou controle de ar, e naturalmente já
consegui um razoável que me permite tocar praticamente qualquer música. Mas um
exercício que todos recomendam é pegar um orifício como o 4 por exemplo e soprar o
máximo que conseguir e logo depois aspirar o máximo. Vá fazendo isso e contando o
tempo.Eu já tentei, melhora um pouco, vale a pena tentar.

Capítulo 17: As diferentes posições da Gaita Diatônica


Embora a Gaita Diatônica seja originalmente desenhada para ser tocada numa
tonalidade maior do acorde de sopro (ex: Gaita C / base C), é possível em outras
tonalidades na mesma Gaita.
Os Gaitistas geralmente se referem a estas escalas como posições. Teoricamente
há doze delas, uma para cada nota da escala de doze tons (escala cromática).
Mas as mais usadas são :

1ª posição - Straight Harp

Na primeira posição você tocará na tonalidade do acorde de sopro (Gaita C /


base C). Esta posição é bastante usada para tocar músicas Folk, porque simples
melodias podem ser combinadas com acordes, fazendo assim um efeito de solo e
acompanhamento chamado de vamping.
Para se tocar Blues na primeira posição é necessária a aplicação da técnica de
bend aspirado na região grave, principalmente nos orifícios 1, 2 e 3 e também bend
soprado na região aguda, nos orifícios 8, 9 e 10.
Tônicas da primeira posição - 1s, 4s, 7s, 10s.

2ª posição - Cross Harp


Pelo menos noventa por cento das melodias de Blues, Rock e Country são
executadas na segunda posição. Esta posição é o modelo padrão para tocar Blues e tem
que ser dominada por qualquer pessoa que esteja interessada em conseguir um típico
som Blusístico. Para facilitar o aprendizado, recomendo memorizar o seguinte
exercício:

2a 3a 4s 4a 5s 6s 6a 7a 8a 8s 9s

Tente usá-lo em algumas bases de música, lembre se que nesta posição você toca
relativo ao V grau da sua gaita ou seja, gaita C / base G. Memorize o exercício e crie
novas ideias mudando ritmo, acentuação, melodia e disposição das notas, fazendo assim
um improviso simples. Dessa forma, você estará criando algumas ideias e
principalmente memorizando as notas básicas da segunda posição, quando for passado a
técnica de bend vai ficar mais fácil de você improvisar já tendo as notas básicas
memorizadas.
Primeira posição (Straight Harp)
Exemplo: Gaita C / base C
Tônicas: 1s, 4s, 7s, 10s = I Grau da Gaita

Como foi dito anteriormente, para tocar Blues em primeira posição é necessário
usar a técnica de Bend aspirado na região grave, principalmente nos orifícios 1, 2 e 3 e
também na região aguda (bend soprado), nos orifícios 8, 9 e 10.
Por esta posição ser muito restrita em acordes, muitos gaitistas usam esta
posição tocando basicamente a escala de C maior em toda a progressão. Também usam
clichês com bends nas regiões graves e agudas.
Outra maneira também usada é tocar a escala de C maior no acorde fundamental
e usar as tônicas da acorde subdominante que estão localizadas nos orifícios 2(Ab),
5(A), 9(A) e no acorde dominante usar a escala maior de G. Desde modo você poderá
"andar" junto com a harmônia, mas mesmo assim ficará bastante restrito.

Segunda posição (Cross Harp)


Exemplo: Gaita C / Base G
Tônicas: 2a, 6s, 9s = V Grau da Gaita.

Esta posição e padrão para tocar blues, mas para isso e necessário ter o dominio
básico do Bend, de modo que você possa produzir as notas ausentes da escala de G e
outras notas úteis.

Exemplos:
Notas ausentes: 3 menor ( Bb ) = 3 Ab
5 bemol ( Db ) = 4 Ab
Notas úteis: A = 3 Ab*
F = 2 Ab*

Três importantes escalas são indispensáveis para se improvisar na segunda posição:


Escala clássica de Blues
Notas : G Bb C C# D F

Escala Mixolydian
Notas : G A B C D E F

Escala Pentatônica Maior


GABDEG

Na prática, essas escalas são livremente misturadas. Muitos efeitos típicos do


blues, como os Trinados, Notas dobradas, etc., podem ser melhor realizados nesta
posição. Atenção : Os exemplos estão sendo feitos em uma gaita afinada em C, estas
notas são exclusivamente desta tonalidade.

Capítulo 18: Notas com Bend (Bend Notes)


Em meados de 1900, um gaitista desconhecido fez uma descoberta
extraordinária: mudando a forma do interior da boca, ele descobriu ser capaz de alterar a
corrente de ar. Essa alteração, quando tocava certas notas, abaixava o diapasão delas,
produzindo até três semitons abaixo do seu nível normal. Ele descobriu o que
chamamos de bend.
Nosso pioneiro deve ter notado rapidamente que alguns orifícios produziam as
bend notes aspiradas e outros somente as sopradas. Descobriu também que outros
orifícios repetiam algumas notas já existentes na gaita através do bend, mas isto tem
uma explicação: A técnica de bend só pode ser aplicada em notas que tenham no
mínimo um tom de diferença entre a nota soprada e aspirada. Sendo assim, temos o
seguinte:
- Bend aspirado nos orifícios 1,2,3,4 e 6
- Bend soprado nos orifícios 8,9 e 10.

Nos orifícios 5 e 7 quando aplicamos o bend, produzimos notas que já temos na


gaita somente aspirando e soprando, acho desnecessário aplicar o bend nesses orifícios,
pois neles se encontram os intervalos de semi-tom natural que estão localizados entre os
graus III - IV e VII - VIII do modo maior, como vimos no capitulo "Teoria musical
básica".
Sendo assim quando aplicamos o bend aspirado no orifício 5 produzimos a
mesma nota já existente no mesmo orifício soprado, o mesmo vale para o orifício 7, só
que o bend aplicado é o soprado e a nota existente é aspirada. Neste ponto, imagino que
muitos leitores estão dizendo: "Entendi tudo, mas como realmente se faz esse tal de
bend?"
Realmente é muito difícil de se explicar essa técnica, mas farei o possível para
deixar bem claro como se obter o bend. Por isso, aconselho o leitor a seguir as seguintes
instruções:
- A primeira e mais importante exigência para se aprender esta técnica é ter uma boa
entonação nas notas básicas, principalmente na região grave.
- Procure não ter nenhuma perda de ar. Quando sopramos e aspiramos, a língua se
mantem relaxada. Observe as figuras abaixo:

Figura 1:
Figura 2:

Esta posição permite que a corrente de ar flua livremente através da gaita


passando pela boca, garganta e pulmões. Lembre-se - se, não deixe o ar escapar pelo
nariz, pois isso produzirá um som fraco e você fatalmente ficará sem fôlego muito
rápido, principalmente quando aplicar o bend. Para sanar o vazamento pelo nariz:
- use o diafragma para respirar.
- Tape com os dedos o nariz enquanto você sopra e aspira, tente no orifício 2, pois caso
esteja respirando errado ele saíra com um bend involuntário e com o som baixo e você
ficará sem fôlego. Tapando o nariz você notará uma grande mudança, seu som saíra
mais forte, claro , sem o bend involuntário, com um timbre limpo e o mais importante ,
você não ficará sem fôlego.
- Pratique até obter este som forte sem vazamentos e completamente limpo, livre de
qualquer ruído em todos os orifícios da gaita depois tente aplicar os bends.

Capítulo 19: Aplicando o Bend


Sempre digo que para se aplicar o bend é necessário mudar o trato oral para alcançar a
nota desejada. Para que isso fique bem claro, eu uso duas vogais para explicar a altura
das notas:
A - Nota normal (nota básica)
U - Nota com Bend

Observe a altura das notas no gráfico abaixo:

Ele mostra o movimento de entrada de ar pela sua boca (vogal A), e o seu trajeto
até chegar a garganta, produzindo o bend (vogal U). Para entender melhor este
movimento, tente produzir estas duas vogais no início sem a gaita, repare que quando
pronunciamos a vogal A , a língua fica na posição natural , como é mostrado na fig.1,
e quando se pronuncia a vogal U, a língua se desloca para cima na parte de trás da boca,
comprimindo assim a passagem de ar. Veja o movimento na fig.2.

Tente agora fazer este movimento com a gaita, comece no orifício 4, e certifique - se
que não está tendo nenhum vazamento de ar. Em relação aos bends soprados, mude as
vogais A, U para I, U, repare que ao pronunciar esta vogais o movimento no interior da
sua boca muda, como é mostrado no diagrama abaixo:
Observe agora a fig. 3

Repare como sua língua vai para frente da sua da sua boca, fazendo assim o
movimento inverso dos bends aspirados, coloque a língua atrás dos dentes inferiores da
frente e sopre com um pouco mais de força, pois através desta pressão é que
conseguimos obter o bend, tente começar pelo orifício 8. Pratique com calma e não
desista, pois o resultado será muito gratificante.

Capítulo 20: OverBlow e Overdraw


Não sou a pessoa certa para falar desta técnica, pois praticamente não uso.
Ela é muito nova e foi descoberta por um gaitista chamado "Howard Levy", ele
descobriu que era possível produzir algumas notas aplicando esta técnica em certos
orifícios produzindo assim mais notas além das produzidas pela técnica de bend.
Teoricamente é possível aplicar esta técnica em todas as tonalidades de gaita
mas na prática é muito difícil, na minha opinião "Howard Levy" é o gaitista que mais
usa esta técnica com perfeição, tive oportunidade de vê-lo tocar e é simplesmente
incrível o que ele faz com a gaita.
Para saber mais sobre esta técnica tente adquirir a video aula de "Howard
Levy"(New Directions For Harmonicas - Homespun Vídeo) nela você vai conhecer com
mais detalhes como aplicar esta técnica.
Notas disponíveis na gaita
Os 2 gráficos abaixo mostram todas as notas de sua gaita, veja:

O primeiro mostra somente as notas sopradas, aspiradas e as notas produzidas


pela técnica de bend :

Repare que você. Consegue produzir os graus ausentes na primeira oitava (IV &
VI) com o bend aspirado e na terceira oitava (VII) com o bend soprado. Veja agora o
exemplo em uma gaita afinada em Dó:
O segundo gráfico mostra as notas sopradas, aspiradas, com técnicas de bends
aspirados e soprados e as notas produzidas pela técnica de overblow e overdraw, o
exemplo abaixo está em uma gaita em Dó, veja :

Capítulo 21: Patterns para terceira Oitava


Saudações amigos de sopro! Nesta coluna mostrarei frases sobre a tão temida 3ª
oitava. Espero poder ajudar da melhor maneira possível à todos os gaitistas e com isso
contribuir para que o nosso tão marginalizado instrumento tenha o devido
reconhecimento.

O exercicio proposto foi dividido em 2 colunas:

1ª coluna

2ª posicao (crossharp)
6678
SAAA
677899
SASAAS
6789
SAAA
67899
SAAAS
6788
SAAS
67889
SAASS
677
SAS
6778
SASA
677889
SASASS

2ª Coluna
3ª Posição ( Dorian mode )
8 8 9 9 10
ASASA
10 9 9 8 7 8
ASAASA
9 9 10 10
AASAS
99878
ASASA
67889
AAASA
6 7 8 9 9 10
AAAASA
10 9 9 8 7 6
ASAASA
8 9 10 9 8 7
AASSSS
8998
ASAA
6777
AASA
Toque as frases das duas colunas nos dois sentidos, ascendente e descendente.
Total de 38 frases à serem combinadas infinitamente entre si. As frases da 2ª coluna
foram originalmente escritas para a 3ª posição. Compare seus significados nas duas
posições.
Obtêm-se bons resultados tocando-as no 5º grau da segunda posição.
Experimente tocar as idéias da 1ª coluna com 6 A como 2ª nota (entre 6 S e 7A).
Pratique até a memorização de todas as frases, depois confira o padrão rítmico (use o
metrônomo). Pode-se continuar criando frases mudando: ritmo, acentuação, senso
melódico e misturando-os com suas próprias frases.
Os exercícios acima foram escritos originalmente para uma gaita em dó ( C ),
porém podem ser usados em qualquer tonalidade de gaita, respeitando-se claro as
tônicas das posições acima citadas.

Segunda Posição - tônicas: 2 A (3s), 6 S e 9 S.


Terceira Posição - tônicas: 1 A, 4 A e 8 A.

Boa sorte e siga em frente !!!


Capítulo 22: Escalas para segunda posição
Para finalizar nosso curso neste capítulo mostrarei algumas escalas usadas para
se tocar em segunda posição, procure memorizar todas as escalas e depois misture uma
com a outra, use também alguns efeitos de sonorização como: Wah - Wah, notas
dobradas, oitavas, acordes, etc.

Escala maior (segunda posição)


ex. gaita c / escala G
Notas - G A B C D E G
Tocando na gaita: 2a 3ab* 3a 4s 4a 5s 6s 6a 7a 7s 8a 8s 9s

Escala Mixolydian
ex. gaita c / escala G
Notas - G A B C D E F G
Tocando na gaita: 2a 3ab* 3a 4s 4a 5s 5a 6s 6a 7a 7s 8a 8s 9a 9s

Escala menor (segunda posição)


ex. gaita c / escala G
Notas - G A Bb C Db D F G
Tocando na gaita: 2a 3ab* 3ab 4s 4ab 4a 5a 6s 6a 7s 8a 9a 9s

Escala Blues (segunda posição)


ex. gaita c / escala G
Notas - G Bb C Db D F G
Tocando na gaita: 2a 3ab 4s 4ab 4a 5a 6s 7s 8a 9a 9s
Obs. Atenção para as notas em negrito, elas são as tônicas da segunda posição.

Tente criar melodias com essas escalas e principalmente se preocupe com o


timbre que você está emitindo, evite espremer as notas, use bem a garganta e o
diafragma. Outra dica importante: "Tire o máximo de músicas e melodias em sua gaita e
aplique em seus solos".
Final: Término do Curso
Este método foi elaborado para iniciantes e pessoas que não conhecem o
instrumento, espero ter ajudado da melhor maneira possível à todos os futuros gaitistas
e com isso contribuir para que o nosso tão marginalizado instrumento tenha o devido
reconhecimento.
Aconselho a você que quer continuar a pesquisar e estudar gaita procurar um
bom método ou um profissional em sua cidade para passar exercícios e técnicas mais
avançadas.

Um grande abraço a todos, bom estudo e até breve com mais novidades!

Jefferson Gonçalves

Dúvidas, sugestões e maiores informações sobre o curso:


jefferson@jeffersongoncalves.com

Home-Page: www.jeffersongoncalves.com