Você está na página 1de 6

SPLINT MAXILAR

A correção ortopédica da má oclusão de classe II primeira divisão, com


protrusão maxilar com tração extra bucal, vem sendo estudada desde o início
do século XX. Klohem em 1947 foi quem popularizou o aparelho extra bucal
na pratica ortodôntica.
Forças do aparelho extra bucal aplicada nos molares são transferidas
através dos ligamentos periodontais do osso alveolar às suturas do complexo
nasomaxilar. Porém o ponto de aplicação da força nos molares gerava alguns
problemas, como inclinações para lingual, quando a tração era cervical, e
inclinações vestibulares quando a tração era occipital. Alem disto, as forças
aplicadas eram limitadas à tolerância tecidual periodontal nesses dentes.
Preocupado com estes efeitos secundários indesejáveis e a sobrecarga
nos molares, Thurow em 1945 desenvolveu um aparelho para a correção da
classe II primeira divisão de Angle por protrusão maxilar, com o objetivo de
proporcionar a movimentação dentária intra-alveolar de todos os dentes
maxilares ao mesmo tempo. Denominou-se “splint maxilar”,que consistia em
um aparelho extra bucal, na qual o arco interno era acoplado em uma placa de
acrílico que recobria as superfícies oclusais de todos os dentes, estendendo
até 2/3 da superfície vestibular e palatina. A cobertura oclusal desocluía os
dentes eliminando as possíveis interferências oclusais durante a aplicação da
força, o que não apenas facilita o movimento dos dentes superiores, como
também permitia a correção de deslocamentos mandibulares funcionais. Esse
recobrimento possibilitou uma distribuição uniforme da força por todo o arco
dentário. É um aparelho ortopédico capaz de redirecionar o crescimento da
maxila como um todo, proporcionando controle de todos os dentes superiores
em todas as direções, exceto transversalmente.
HISTÓRICO

Thurow (1975): AEB + aparelho removível = Splint maxilar

Joffe e Jacobsom (1979): Arco vestibular na placa removível e instalou o braço interno
do arco facial entre os incisivos centrais e incisivos laterais superiores.
Permitiu pequenos ajustes na inclinação dos incisivos superiores. Obteve melhora no
trespasse horizontal e na relação molar.

Bass (1982): Placa de acrílico recobrindo o palato e preso aos dentes posteriores por
meio de grampos.
Retardou a erupção dos dentes póstero-superiores.
Reduziu a tendência da mandíbula rotacionar no sentido horário.

Caldwell, Hymas e Timm (1984): Descreveram mudanças esqueléticas e dentárias com


uso de um “splint maxilar”.
Henriques (1991): Componentes:

* Placa de acrílico superior.


* Parafuso expansor: ajustes oclusais.
* Arco vestibular: pequenos ajustes na inclinação dos incisivos superiores.
* Grampo de Adams: melhor retenção.
* Arco interno do AEB: região dos premolares.

COMPONENTES DO AEB CONJUGADO

* Grampo de Adams nos molares para retenção.

* Arco vestibular para verticalizar os incisivos superiores. Quando houver falta de


espaço não usa o arco.

* Arco Facial incorporado ao acrílico entre os prémolares.

* Parafuso expansor : ajustes oclusais, evita mordida cruzada posterior.


Parafuso expansor: na altura dos premolares ou segundos molares decíduos,para
remodelar a maxila.

Ativação: Se não tiver mordida cruzada posterior – ¼ de volta por mês.


Se tiver mordida cruzada posterior – 1vez por semana.

* Placa de acrílico com levantamento oclusal


Acrílico o mais delgado possível para não promover alteração no posicionamento do
côndilo e aumento da altura facial inferior do paciente.
Superfície de contato com os dentes inferiores deve ser lisa para não interferir no
crescimento mandibular.
* Casquete de tração alta.
IHG – elástico1/2”

INDICAÇÕES:

* Más oclusões de CL II, primeira divisão


- protusão maxilar e/ou dentoalveolar
- incisivos superiores vestibularizados
- mandíbula bem posicionada

* Fase de crescimento e desenvolvimento craniofacial


* Dentadura mista precoce e/ou tardia
* Paciente vertical com retrusão de mandíbula

VANTAGENS:

* Distribuição da força por todo arco superior


* Remoção da sobrecarga de dentes individualmente
* Eliminação de interferência oclusal
* Controle vertical eficiente
* O aparelho proporciona um controle em massa de todos os dentes superiores
* A cobertura de acrílico desoclui os dentes eliminando possíveis interferências oclusais
durante a aplicação da força, o que não apenas facilita o movimento dos dentes
superiores como também permite a correção de deslocamento mandibular funcional
* Coordenação perfeita do desenvolvimento facial e dentário
* Melhora equilíbrio muscular
* Maior motivação do paciente: tratamento rápido
* O dispositivo pode ainda conter o movimento para baixo e para frente do complexo
maxilar e também restringir a erupção dentária, promovendo dessa forma um giro
mandibular no sentido anti-horário
* O arco vestibular pode ser ativado caso necessite de retração dos incisivos
ALTERAÇÕES ORTOPÉDICAS
 Restrição do deslocamento antero-posterior da maxila
 Melhora da relação maxilomandibular
 Restrição no deslocamento vertical da maxila
 Rotação da mandíbula no sentido anti-horário

ALTERAÇÕES ORTODÔNTICAS
 Inclinação para lingual dos incisivos superiores
 Pouca alteração dos dentes inferiores, podem apresentar uma suave
verticalização
 Distalização e restrição da extrusão dos molares superiores

PONTO DE APLICAÇÃO DA FORÇA

O aparelho para restringir o crescimento anterior da maxila deve restringir também a


extrusão dos molares superiores e o deslocamento vertical da maxila, por isso o
aparelho deve evitar a rotação no sentido horário da maxila.
Para evitar a rotação deve-se levantar o braço externo do arco facial 45 graus em
relação ao plano oclusal.
A força aplicada deve estar direcionada para o centro de resistência da maxila,
gerando forças de compressão perpendicularmente as suturas da face que são paralelas
entre si.
BRAÇO INTERNO DO AEB

* No centro de resistência da maxila: entre os premolares ou molares decíduos

* Atrás do centro de resistência da maxila: nos molares


a maxila rotaciona no sentido horário
restringe a extrusão natural do molar e deixa a região anterior livre para extruir, ou
seja, crescer para baixo e para frente
auxilia na correção da mordida aberta

* A frente do centro de resistência da maxila: entre os caninos e premolares


a maxila rotaciona no sentido anti-horário
auxilia na correção da sobremordida
maior componente vertical na região anterior e maior efeito de intrusão e
desenvolvimento vertical da maxila. Corrige problema antero posterior e
vertical.