Você está na página 1de 45

Administração da Produção I

Gestão da Produção e Operações I

Prof. Luis Emanuel Peroba

2007
1
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Evolução Histórica da Adm. da Produção


Função de Produção

É o conjunto de atividades que conduzem a transformação de


um bem tangível ou não em outro com maior utilidade,
dentro de um determinado cenário.

Evolução

Pedra polida
Ferramentas rudimentares
Produção organizada – artesãos
Ofícios ou profissões elementares
Mestre
Companheiro (meia-colher)
Aprendiz (servente)
Revolução Industrial
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Evolução Histórica da Adm. da Produção

Evolução (continuação)

1764 – James Watt – máquinas a vapor


Manufatura fabril – fábricas
Organização / Padronização: produtos e processos
Habilitação da mão-de-obra
Gerência e Supervisão
Planejamento e controle financeiro
Técnicas de vendas
1790 – Eli Whitney – padronização/projeto do produto

Séc XIX – Frederick Wislow Taylor


Adm. Científica
Produtividade = output/input
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Evolução Histórica da Adm. da Produção


1910 – Henry Ford
Produção em massa
Linha de montagem
Engenharia industrial

1920 – Henri Fayol


Administração geral
Visão gerencial superior

A partir de 1960:
Pensamento enxuto
Produção limpa
Just in time – JIT (Taiichi Ohno)
Engenharia simultânea
Tecnologia de grupo
Consórcio modular
Célula de produção
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Evolução Histórica da Adm. da Produção

A partir de 1960 (continuação):

Função de qualidade
Comakership
Sistema flexível (redes)
Manufatura integrada por computador
Benchmarking
Produção customizada
Globalização
Melhoria continua (Kaizen)
Ambiente de manufatura
Sistema integrado de produção
Planejamento dos recursos da empresa
Sistema integrado de gestão
Cadeia de suprimento
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Estratégia de Produção e Operações


Negócio
Estratégia

Gestão Estratégica
de Operações
Recursos e
Restrições competências Desempenho Resultados
e • Estratégia de operações operacional Visão
oportunidades • Redes de operações Negócio
• Pacotes de valor •Qualidade
•Custos Visão
• Medidas de desempenho Ambiente
Ambiente • Qualidade total •Flexibilidade
•Velocidade Visão
• Ética, sustentabilidade Aprendizado
•Confiabilidade
e segurança
• Produtos e processos Visão
Mercado
• Instalações
• Planejamento e controle
de operações
• Controle estatístico do Benchmarking
Processo e confiabilidade

O que é De s e m p e n h o
priorizado Op e ra c io n a l
pelos
dos
Mercados
visados
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Formas de Competir no mercado Objetivos e Subojetivos

Grandes objetivos Subojetivos Descrição

Preço/custo Custo de produzir Custo de produzir o produto


Custo de servir Custo de entregar e servir o cliente
Acesso Tempo e facilidade para ganhar acesso à operação
Velocidade Atendimento Tempo para iniciar o atendimento
Cotação Tempo para cotar preço, prazo, especificação
Entrega Tempo para entregar o produto
Pontualidade Cumprimento dos prazos acordados
Confiabilidade Integridade Cumprimento de promessas feitas
Segurança Segurança pessoal ou de bens do cliente
Robustez Manutenção do atendimento mesmo que algo dê errado

Desempenho Características primárias do produto


Qualidade Conformidade Produto conforme as especificações
Consistência Produto sempre conforme especificações
Recursos Características acessórias do produto
Durabilidade Tempo de vida útil do produto
Confiabilidade Probabilidade de falha do produto no tempo
Limpeza Asseio das instalações da operação
Conforto Conforto físico do cliente oferecido pelas instalações
Estética Características (das instalações e produtos) que afetam os sentidos
Comunicação Clareza, riqueza, precisão e freqüência da informação
Competência Grau de capacitação técnica da operação
Simpatia Educação e cortesia no atendimento
Atenção Atendimento atento
Produtos Habilidade de introduzir/modificar produtos economicamente
Flexibilidade Mix Habilidade de modificar o mix produzido economicamente
Entregas Habilidade de mudar datas de entrega economicamente
Volume Habilidade de alterar volumes agregados de produção
Horários Amplitude de horários de atendimento
Área Amplitude de área geográfica na qual o atendimento pode ocorrer
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Características da fábrica do futuro


1. Organização da produção-
5. Postos de trabalho
Foco na alta produtividade com
eliminação de atividades que Ergonomia
não agreguem valor. Economia de movimentos
Housekeeping. Conforto e segurança
2. Projeto de produto e processo-
Qualidade CQFD (quality 6. Gestão do conhecimento e
function deployment) e análise inovação
de falhas CFMEA (failure mode Conhecimento
and effect analysis) com compartilhado
confiablildade.
Liberdade para errar
3. Layout – Co-participação e
Células de produção com ilhas inovação
de automação, gestão de
gargalos.
7. Compromisso com o
4. Comunicação Visual- Ecoambiente
Informação em tempo real Fábrica ecologicamente
Kanban correta
ISSO 14000
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Sistema de Administração da produção

É o sistema para apoio à tomada de decisões,


táticas e operacionais referentes às
questões logísticas básicas como:
O que

?
Quanto produzir e comprar
Quando
Com que recursos

para atingir os objetivos estratégicos da


organização CPPC da P.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Sistema de Administração da produção

O sistema de admin. da produção refere-se


ao modo como a organização produz bens
e serviços (Slack)
Para compreender o sistema de
administração da produção temos que
compreender:
 o que é a função de produção/ operação e
 o que o gestor de produção/operação faz.

O sistema de adm da produção envolve


tanto o hoje quanto o amanhã
(dinamicidade)
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

A posição do sistema de produção/ operação

CONTABILIDADE DESENVOLVIMENTO GESTÃO/


MARKETING
E FINANÇAS DE PRODUTOS OPERAÇÕES

Busca de Solicitação Releitura Fazer


IGREJA novos adeptos de recursos casamentos
Das Escrituras

Propaganda Pagar Criação de Fazer


CADEIA na TV fornecedores hamburgers
hamburgers
FAST FOOD

Vender para Pagar ao Novos Conjunto de


IND. DE
lojas pessoal desenhos móveis
MÓVEIS
de móveis

PERSPECTIVAS IDENTIFICAR AUMENTO DO DESENVOLVER FAZER E


DO PROCESSO NECESSIDADES CAPITAL PRODUTO DISTRIBUIR
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

A posição do sistema de produção/ operação


As saídas das operações (produção) podem diferir em
termos de:
TANGIBILIDADE – você pode tocar fisicamente o
produto ou serviço?
Bens são usualmente tangíveis;
Serviços não.
ESTOCAGEM – Bens são usualmente estocáveis;
Serviços não.
TRANSPORTABILDIADE- Bens são transportados de
um lugar para outro, serviços não.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

A posição do sistema de produção/


operação(cont.)
SIMULTANEIDADE- Bens são produzidos,
normalmente, antes do consumidor recebê-los;
serviços são geralmente produzidos e consumidos
ao mesmo tempo.
CONTATO COM O CONSUMIDOR- Na produção de
bens o contato é pouco; na prestação de serviços
é alto.
QUALIDADE- Bens são vistos, em termos de
qualidade, pela própria qualidade deles. Em
serviços a qualidade vista pelo cliente é um misto
da qualidade real do serviço e do modo que o
serviço é entregue ou posto ao cliente.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Modelo Entrada-Transformação-Saída

Recursos
Transformados
Materiais, informações
Consumidores
BENS
INPUTS PROCESSO OUTPUTS
(entradas) DE (saídas) E
TRANSFORMAÇÃO

SERVIÇOS
Recursos em transformação
Pessoal
Máquinas e Equipamentos
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Produtividade

 Usada pela 1ª vez pelo economista


francês François Quesnay em 1766.

 Valor do produto ou serviço/custo dos


insumos.

 Saídas/entradas.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Produtividade

As saídas ou faturamento ou ainda o


valor obtido pela venda do
produto/serviço têm um componente
primordial que é o MERCADO às
vezes totalmente fora do controle da
empresa, outro fator é a GESTÃO
DOS CUSTOS ou INSUMOS, que
pode ser controlado pela empresa.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Fatores que determinam a Produtividade

1º Relação Capital –Trabalho


• Nível de investimento em máquinas,
equipamentos e instalações em relação à mão-
de-obra empregada.
• A obsolescência deve ser observada tendo em
vista a modernização.
2º Escassez de alguns recursos
Falta de energia, componentes, peças e recursos
financeiros prejudicam a produção e encarecem
os preços finais.
3º Mudanças na mão-de-obra
Alterações nos processos, emprego de mão-de-
obra especializada e instruída de custo elevado
são mais do que recompensados por sua
produção.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Fatores que determinam a Produtividade

5º Restrições legais-
Legislação antiquada, inadequada e
protecionista (m. de obra e ambiental)
produzem impactos na produtividade.

6º Fatores gerenciais-
Capacidade intelectual de gestores em
estar preparados para mudanças e
melhorias de produtividade da empresa.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

Fatores que determinam a Produtividade

7º Qualidade de Vida
Qualidade de vida no trabalho e preocupação
ambiental como um todo, dos colaboradores e
clientes em geral.

Quase sempre aumentos de produtividade


requerem mudanças tecnológicas, de
qualidade e ou na forma de organização do
trabalho como um todo sistêmico.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO
EMPRESA

A MÃO DE OBRA E A
M N S PRODUTOS M
CAPITAL A
B T B
I ENERGIA R FUNÇÕES DE I I
E A TRANSFORMAÇÃO D E
M. PRIMA A SERVIÇOS
N D N
T A S T
OUTROS
E INSUMOS S E
FRONTEIRA DO SISTEMA

Eficácia
É a medida de quão próximo se chegou das metas pré-
estabelecidas.

Eficiência
É a relação entre o que se obteve e o que se consumiu em
sua produção.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO
Exemplo 1.1
Qual a eficiência de um transformador elétrico que no
processo de redução de tensão de 11000 volts para 110 V
recebe a energia (carga) de 850 Kwh e envia 830 Kwh?

Solução:
eficiência = out
in
e = 830 = 0,98 ou 98%
850
Exemplo 1.2
Qual a eficiência econômica de uma empresa que incorreu
em custos de R$ 150.000,00 para gerar uma receita de R$
176.000,00?

Solução
e = 176.000 = 1.17 ou 117%
150.000
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO

Exemplo 1.3
Determinar a produtividade parcial da M.O de uma empresa que
faturou R$ 70 milhões em certo ano no qual 350 colaboradores
trabalharam, em média, 170 h/mês

Solução
m. obra = 350h x 170h/mês x 12mês/ano = 714.000 h.hora/ano

Faturamento: 70.000.000,00

Produtividade = e = 70.000.000,00 (R$/ano)


714.000 h.hora/ano

= 98,04 R$/ano x ano/h.hora = 98,04 R$/h.hora


Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO

Exemplo 1.4
A empresa do exemplo 1.3 produziu 1.400.000 ton de
produto que fabrica e comercializa. Qual a produtividade
parcial da mão-de-obra?

Solução
m.obra – 714.000 h.hora/ano
produto – 1.400.000 ton/ano

Produtividade = 1.400.000 = 1,96 t/h.hora


714.000
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO

Exemplo 1.5
Achar a produtividade total da empresa do exemplo 1.4
sabendo-se que incorreu em custos totais de R$ 66
milhões/ano

Input – 66 x 106 R$/ano


Output – 1.400.000 t/ano

Prod. Total = 1.400.000 = 0,021 t/R$ ou 21 kg/R$


66 x 106
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

SISTEMA DE PRODUÇÃO

Exemplo 1.6
Achar a produtividade total da empresa ABC fabricante de
auto-peças, no período de um mês, quando produziu 35000
unid. Que foram vendidas a R$ 12,00 unid. Foram gastos
R$ 357.000,00 mês.

Solução
Saídas – 35000 pc x R$ 12,00 /pc = R$ 420.000,00

Custos – R$ 357.000,00

Prod. = 420.000 = 1.18 ou 118%


357.000
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

CICLO DA PRODUTIVIDADE

A qualquer tempo, uma empresa envolvida em um programa de


melhoria da produtividade, estará em uma das quatro fases,
conforme a figura:

1. MEDIDA DA
PRODUTIVIDADE

4. MELHORIA DA
CICLO 2. AVALIAÇÃO DA
PRODUTVIDADE
PRODUTIVIDADE

3. PLANEJAMENTO
DA PRODUTVIDADE
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Produtividade Nacional
IBGE disponibiliza indicadores como PNB, PIB e
PIB/população = PIB per capita
Órgãos de classe divulgam indicadores como: produto
interno industrial, agrícola, etc.
Índice de produtividade da mão-de-obra

Produtividade de Organização
Várias metodologias com vantagens e desvantagens.
O aumento da produtividade ao longo do tempo (série
temporal) traz:
aumento do lucro
maiores salários
menores preços
impactos positivos no nível de vida da sociedade
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.7
Em janeiro, a empresa ABC produziu 1.250 unidades do produto
Alfa e empregou, para tanto, 800 homens/hora. Em fevereiro,
produziu 1.100 unidades e usou 700 Hh. Determinar a
produtividade total em janeiro e fevereiro, assim como sua
variação.

Solução: PT jan = S jan = 1250 u = 1,56 u/H.h


E jan 800 H.h

PT fev = 1100 = 1,57 u/H.h Ou seja, aumentou


700 0,6% entre janeiro e
fevereiro, apesar de
fevereiro ter apenas
PT = 1,57 = 1,006 28 dias
1,56
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.8
Após analise de um conjunto de dados, um gerente chegou à conclusão de
que houve um aumento de 22% na produtividade total da empresa entre
a ano anterior (ano 1) e o presente ano (ano 2). Se a empresa teve uma
receita bruta de R$ 6.454.298,00 neste ano e os custos totais foram de R$
5.024.967,00 no ano passado e R$ 6.101.389,00 no ano atual, qual teria
sido a receita do ano passado?
Solução: PT = 22% ou PT ano 2 = 1,22
PT ano 1
PT ano 1 = R ano 1 PT ano 2 = R ano 2
C ano 1 C ano 2
R ano 2/C ano 2 = 1,22 ou R ano 2 = 1,22 x R ano 1
R ano 1/C ano 1 C ano 2 C ano 1

Ou ainda: R ano 1 = R amo 2 x C ano 1


1,22 x C ano 2
Então:
R ano 2 = 6.454.298,00 R ano 1 = 6.454.298 x 5.024.967
C ano 1 = 5.024.967,00 1,22 x 6.101.389
C ano 2 = 6.101.389,00
R ano 1 = R$ 4.357.061,00
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Produtividade Parcial do Trabalho – PPT
É a relação entre as saídas totais no período, a preços
constantes e a entrada de mão-de-obra, a preços constantes.

Exemplo 1.9
A industria de papelão ondulado produziu em 1997, 2
milhões de toneladas com o emprego de 15.466 empregados. Em
2002, a produção foi de 2,6 milhões de toneladas com a
participação de 13.354 colaboradores. Achar as produtividades
em 1997 e 2002, assim como sua variação.

Solução: 1997
PPT 1997 = 2.000.000 = 129,32 t/H.ano
15.466
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.9 (continuação)
2002
PPT 2002 = 2.600.000 = 194,70 t/H.ano
13.354
PPT 1997-2002 = 197,70 = 1,505 ou 50,5%
129,32

Exemplo 1.10
A Cia Capricórnio usa água in natura em seu processo
industrial e o consumo histórico tem sido de 0,8765 litros por
1.000 unidades produzidas. Uma melhoria no processo reduziu o
consumo para 0,8432 litros por 1.000 unidades. Achar a
produtividade antes e depois da alteração assim como, sua
variação.

Solução: PPT anual = 1000 pcs/ 0,8765 L = 1.140,9 pcs/L


Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.10 (continuação)
PPT após melhoria = 1000 / 0,8432 = 1.185,9 pcs/L
PPT = 1.185,9 = 1,039 ~ 3,9%
1.140,9

Produtividade Parcial do Capital - PPC


É a relação entre a saída total do período a preços constantes
e a entrada de capital no mesmo período, a uma taxa de
retorno constante.

Produtividade Parcial de Materiais – PPM


É a relação entre a saída total do período, a preços
constantes, e a entrada dos materiais intermediários comprados
e usados na produção, no período, a preços constantes.

Assim, podemos definir a Produtividade


Parcial em relação a qualquer insumo ou
fator de produção
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
PTF = produt. total da firma = saídas totais da firma
entradas totais da firma

PTi = produti. total do prod. i = saídas totais do prod. i


entradas totais do prod. i

PP ij = produt. parcial do prod. i em relação à entrada do fator j

PPij = saídas i para todos j


entradas i

Índice de variação da produtividade Índice de variação da


total da firma no período t será: produtividade total do produto
i, no período t será:
(IPTF)t = PTF t (IPT)it = PT it
PTF 0 PT i0
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.11
Um produto passa em seu processo de fabricação, por 2
departamentos – usinagem e montagem. Em 2004 a empresa
praticou em preço médio de venda de R$ 3,22/unid. Em 2005,
devido à concorrência, foi obrigada a praticar o preço médio de
venda de R$ 2,85/unid. Os dados a seguir r eferem-se ao
produto:

M. PRIMA M.O M.O


ANO DEPTO. PROD(unid) (R$/unid) (Hxh/unid) (R$/Hxh)
2004 Usinagem 20.000 0,45 0,15 4,16
Montagem 18.500 0,05 0,08 5,12
2005 Usinagem 23.600 0,42 0,12 4,50
Montagem 22.200 0,05 0,06 5,60

Determinar a produtividade parcial da matéria-prima, da


mão-de-obra e a produtividade total para o produto, nos
anos 2004 e 2005, e suas variações:
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.11 (continuação)

Solução: 2004
receita total do produto = 18.500 x 3,22 = R$ 59.570,00
consumo de m.prima = 20.000 x 0,45 + 18.500 x 0,05 =
= R$ 9.925,00

PP m.prima = 59.570 = 6,00


9.925
Consumo m.obra
= 20.000 x 0,5 H.h/unid x 4,16 R$/H.h + 18.500 x 0,08 x 5,12
= R$ 20.057,60

PP m.o = 59.570 = 2,97


20.057,60
PP 2004 = 59.570 = 1,99
9.925 + 20.057,60
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE
Exemplo 1.11 (continuação)

Solução: 2005

Receita = 22.200 x 2,85 = R$ 63.270,00


Consumo m. prima
= 23.600 x 0,42 + 22.200 x 0,05 =R$ 11.022,00
PP mp = 63.270 = 5,74
11.022
Consumo m.obra
= 23.600 x 0,12 x 0,45 + 22.200 x 0,06 x 5,60 = R$ 20.203,20

PP m.obra = 63.270 = 3,13


20.203,20

PT = 63.270 = 2,03
11.022 + 20.203,20
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE

Exemplo 1.11 (continuação)

Então:

2004 2005 VARIAÇÃO


M. PRIMA 6,00 5,74 Redução de 4,33%
M.DE OBRA 2,97 3,13 Aumento de 5,39%
TOTAL 1,99 2,03 Aumento de 2,01%

6,00 – 100%
5,74 – x = 574 = 95,66% (95,666 ~ 95,67)
100% - 95,67% = 4,33%
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

MEDIDA DA PRODUTIVIDADE

Exemplo 1.12
Uma empresa fabrica e comercializa vários produtos; entre
os quais A e B. Para a produção desses dois produtos, ela
usa vários tipos de insumos, sendo os mais importantes I1
e I2. Com a tabela a seguir, calcular as produtividades
parciais dos insumos I1 e I2, somente nas quantidades
produzidas.

ANO 0 ANO 1
QUANT. R$/UNID. QUANT. R$/UNID.
PROD A 1000 200,00 1800 240,00
PROD B 2000 150,00 1500 150,00
INSUMO I1 5000h 4,80 7500h 5,05
INSUMO I2 8000h 4,60 8600h 5,09
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

ESTRATÉGIAS DO SIST. DE ADM. DA PRODUÇÃO


O sistema de Adm. da Produção tem o papel de suporte
ao atingimento dos objetivos estratégicos da empresa e, como
tal, deve ser capaz de apoiar o tomador de decisões logísticas a:

Planejar as necessidades futuras da capacidade produtiva


da empresa (inércia);
Planejar a compra de insumos e materiais;
Planejar os níveis adequados de estoques de m.prima,
semi-acabados e produtos finais nos pontos certos;
Programar atividades de produção para garantir que os
recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados emcada
momento, nas ações certas e prioritárias;
Ser capaz de saber e de informar corretamente sobre a
situação ou posição de recursos (m.o, eqp., mat, insalações) e de
ordens de compra ou produção;
Ser capaz de estabelecer os menores prazos possíveis aos
clientes e em seguida, cumpri-los;
Ser capaz de reagir eficazmente se não, proativamente.
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

PRODUÇÃO E COMPETITIVIDADE
Planejamento, controle e logística apropriados devem ser
complementados com a competitividade da empresa com seus
produtos.
Ser competitivo é ser capaz de superar a concorrência nos
aspectos de desempenho que os nichos de mercados visados
mais valorizam

Os aspectos de desempenho de um sistema produtivo valorizados


pelos nichos de mercado são:
Custo percebido pelo cliente – preço é um componente do
custo percebido pelo cliente. Transporte, qualidade,
manutenção são outros componentes;
Velocidade de entrega – tempo entre a colocação do
pedido e a entrega do produto ao cliente ;
Confiabilidade – pontualidade, quantidade e qualidade;
Qualidade de produtos – especificações e desempenho;
Serviço prestado ao cliente – produto com serviços
associados (commodity) .
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

TIPOS DE ESTRATÉGIAS DO NEGÓCIO

1.Baixo custo – produtos de mais baixo custo

2. Segmentação de mercado – satisfação das


necessidades de um certo nicho de mercado

3. Diferenciação de produto – oferta de


produtos que deferem significativamente dos
da concorrência

4. Alta qualidade
5. Entrega rápida
6. Flexibilidade
7. Atendimento
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

LINHA DO TEMPO P/ ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO


P
R CUSTOS
I
O
R
I QUALIDADE
D
A
D
E
ENTREGA
C
O
M
P
E FLEXIBILIDADE
T
I
T
I SERVIÇOS
V
A
LINHA DO TEMPO 1950 1960 1970 1980 1990 2000
(ANOS)

PARADIGMA DA
MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS MAXIMIZAÇÃO DE VALOR
ADM. PROD

VANTAGEM TECNOLOGIA BASEADA NA TECNOLOGIA BASEADA NA


COMPETITIVA MANUFATURA INFORMAÇÃO
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

LINHA DO TEMPO P/ ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO


Planejar é entender como a consideração conjunta da situação
presente e de visão de futuro influencia as decisões tomadas no
presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro .

Planejar é projetar um futuro que é diferente do passado por


causas sobre as quais se tem controle.

DINÂMICAS DO PLANEJAMENTO

Passo1 - Levantamento da situação presente


Passo 2 – Desenvolvimento e reconhecimento da “visão” de
futuro
Passo 3 - Tratamento conjunto da situação presente e da visão
de futuro por alguma lógica que transforme dados coletados em
informação útil à decisão gerencial
Passo 4 - Tomada de decisão gerencial
Passo 5 - Execução do plano
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

DINÂMICAS DO PLANEJAMENTO
Horizonte de planejamento

Tempo
Apontamento Previsões

Previsões de vendas
e outros SIST. ADM.
Estado atual parâmetrosEstado PRODUÇÃO
atual

DECISÃO
Horizonte de planejamento

Tempo
Apontamento Previsões
Período de
replanejamento SIST. ADM.
PRODUÇÃO

NOVA DECISÃO
Administração da Produção II – 2007 Prof. Luis Peroba

LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS
A seleção do local para implantação de uma empresa esta ligada
à estratégia e a visão empresarial de seus dirigentes

Multinacionais. Transnacionais.
Mercados coletivos (estáveis, pouca competitividade).
Globalização ou internacionalização integrada das operações de
uma empresa.
Competitividade e centros de excelência (conhecimento)
Regionalização de produtos (adaptação a condições específicas de
mercados locais – ambiente, cultura, legislação, ergonomia, etc)