Você está na página 1de 255

Manual de Conceitos e Definições

Estatísticas de Moçambique, 2013 –


Rev.1
Manual de Conceitos e Definições Estatísticas de Moçambique, 2013 – Rev.1
© 2013 Instituto Nacional de Estatística
Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica

PRESIDÊNCIA: FICHA TÉCNICA

João Dias Loureiro Título


Presidente Manual de Conceitos e Definições Estatísticas de Moçambique, 2013-Rev.1

Manuel da Costa Gaspar


Vice-Presidente
Editor
Valeriano da Conceição Levene Instituto Nacional de Estatística
Vice-Presidente Direcção de Integração, Coordenação e Redacções Externas
Av, 24 de Julho nº 1989 - Caixa postal nº 493
Assistência Técnica Maputo - República de Moçambique
Instituto Nacional de Estatística de Portugal Homepage: www,ine,gov,mz
Colaboração
Instituto Nacional de Estatística
Direcção
Departamento de Estudos Demográficos;
Cirilo Eduardo Tembe
Departamento de Estatísticas Sociais e vitais; Director da Direcção de Integração, Coordenação e Redacções Externas
Departamento de Contas Nacionais;

Departamento de Preço e Conjuntura; Produção e Coordenação


Departamento de Estatísticas de Bens Ambiente e; Marta Francisco Mabote Chaquisse
Chefe de Departamento de Planificação e Coordenação
Departamento de Cartografia e Operações
Cândido Armindo Mucavele; Valdemiro Jaime Xlhatchwayo e Anselmo
Ministério da Educação Armando Luis Massango
Departamento de Planificação Técnicos do Departamento de Planificação e Coordenação

Ministério de Saúde
Design e Grafismo:
Departamento de informação para a saúde
INE – Moçambique
Ministério da Cultura INE - Portugal
Departamento de Tecnologia e informação

Ministério da Indústria e Comércio


Impressão:
Departamento de Planificação e Estatística
INE Portugal
Ministério da Ciência e Tecnologia
Departamento de Planificação e Estatística
Difusão
Ministério dos Recursos Minerais
Instituto Nacional de Estatística
Direcção de Planificação e Desenvolvimento
Departamento de Difusão da Direcção de Coordenação Integração e
Ministério das Obras Públicas e Habitação Relações Externas (DICRE)
Departamento de Estatística

Banco de Moçambique
Tiragem
Departamento de Estudos Económicos
200 Exemplares
Ministério da Energia
Departamento de Planificação e Estatística

Ministério dos Transportes e Comunicação


Direcção de economia e Investimento

Ministério da Agricultura
Departamento de Economia

Ministério do Trabalho
Departamento de Estatística

Ministério das Finanças


Departamento de Estatísticas Financeira e Monetárias

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


2
ÍNDICE Pág.

Nota de Apresentação ................................................................................................... 5

Apresentação Geral ....................................................................................................... 7


1 – Antecedentes ......................................................................................................... 7
2 – Objectivos .............................................................................................................. 7
3 - Princípios Básicos de Concepção ............................................................................... 8

Siglas .............................................................................................................................. 4

Áreas estatísticas .......................................................................................................... 9


01 Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta ........................................................................ 13
02 Pesca ..................................................................................................................... 27
03 Ambiente ................................................................................................................ 41
04 Electricidade, Gás e Água ......................................................................................... 45
05 Transportes e Comunicações ................................................................................... 51
06 Indústria (Transformadora e Extractiva) .................................................................... 55
07 Construção, Habitação e Engenharia Civil .................................................................. 57
08 Turismo .................................................................................................................. 61
09 Comércio Externo .................................................................................................... 71
10 Comércio Interno ..................................................................................................... 77
11 Empresas ................................................................................................................ 81
12 Contas Nacionais ..................................................................................................... 89
13 Preços e Conjuntura ................................................................................................. 97
14 Monetárias e Financeiras .......................................................................................... 99
15 Finanças Públicas ..................................................................................................... 129
16 Demografia e Condições de Vida das Famílias ............................................................ 133
17 Saúde ..................................................................................................................... 143
18 Educação ................................................................................................................ 157
19 Emprego, Formação Profissional, Trabalho e Salários .................................................. 165
20 Justiça, Protecção Social e Deficiência ....................................................................... 179
21 Cultura ................................................................................................................... 183
22 Geografia & Cartografia ............................................................................................ 187
23 Investigação Científica ............................................................................................. 189
24 Conceitos Gerais ...................................................................................................... 193

Índice Alfabético ............................................................................................................ 201

Anexo
Resolução Nº 04/2013, de 05 de Dezembro .................................................................... 255

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


3
SIGLAS

CAE - Classificação das Actividades Económicas

CAP - Censo Agro-Pecuário

CEMPRE - Censo de Empresas

CINSFLU - Censo das Instituições Sem Fins Lucrativos

CPM - Classificação das Profissões de Moçambique

IAF - Inquérito aos Agregados Familiares

IDS - Inquérito Demográfico e de Saúde

IFTRAB - Inquérito à Força de Trabalho

IMPI - Inquérito mensal à Produção Industrial

INCAF - Inquérito Contínuo aos Agregados Familiares

INCAM - Inquérito Nacional Sobre Causas de Mortalidade

INJAD - Inquérito Nacional sobre Saúde Reprodutiva e


Comportamento Sexual dos Jovens e Adolescentes

IOF - Inquérito ao Orçamento Familiar

IPC - Índice de Preços no Consumidor

MICS - Inquérito de Indicadores Múltiplos

PALOP - Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa

RGPH - Recenseamento Geral da População e Habitação

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


4
NOTA DE APRESENTAÇÃO

A presente revisão do Manual de Conceitos e Definições Estatísticas


aprovada pela Resolução nº 04 de 05 de Dezembro de 2013 do
Conselho Superior de Estatística, constitui um crucial instrumento de
uniformização dos conceitos usados em todas as operações do Sistema
Estatístico Nacional e pelos produtores, analistas e utilizadores da
informação estatística oficial.

Os conceitos aqui apresentados reflectem a harmonização e


uniformização, concretizada a nível interno do Instituto Nacional de
Estatística, do Banco de Moçambique, dos órgãos Delegados do Instituto
Nacional de Estatística e outros Ministérios, adoptando princípios
metodológicos gerais, no âmbito do programa da capacitação dos
Sistemas Estatísticos Nacionais dos PALOP e Timor-Leste, liderado pelo
Instituto Nacional de Estatística de Portugal.

Trata-se, de um instrumento indispensável à coordenação técnica da


actividade estatística, com implicações evidentes nos resultados
estatísticos, constituindo igualmente uma fonte difusora da “cultura
estatística”.

Este Manual, para facilitar a consulta, divide-se em três partes:


Apresentação Geral, Conceitos por Área Estatística e o Índice
Alfabético de todos os conceitos.

Paralelamente, foi desenvolvido também para efeitos de consulta e


gestão, uma aplicação informática de todos os conceitos, disponível no
portal do Instituto Nacional de Estatística (www.ine.gov.mz), de fácil
pesquisa para os utilizadores, via Web.

O INE agradece a todos os colaboradores que participaram na concepção


da primeira revisão deste manual e predispõe-se a receber todas as
críticas e sugestões de forma a assegurar a melhoria contínua do
conteúdo do Manual de Conceitos e Definições Estatísticas.

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


5
APRESENTAÇÃO GERAL

1 - ANTECEDENTES

A elaboração de normas técnicas, nomenclaturas, conceitos e definições


uniformes de aplicação imperativa por todos os órgãos produtores de
estatísticas oficiais, de modo a garantir a comparabilidade das estatísticas
produzidas, constitui um dos princípios fundamentais da coordenação
estatística do Sistema Estatístico Nacional.

Foi neste contexto que o Instituto Nacional de Estatística, como órgão


reitor do Sistema Estatístico Nacional, procedeu à actualização do Manual
de Conceitos e Definições Estatísticos, utilizado pelo Sistema
Estatístico Nacional quer para realização das operações estatísticas quanto
para difusão da informação estatística oficial produzida.

O primeiro Manual de Conceitos e Definições foi aprovado pelo Conselho


Superior de Estatística através da Resolução nº 1 de 29 de Março de
2007.

Esta primeira actualização do Manual, surge da necessidade de ajustar os


conceitos à realidade actual, tomando como pressuposto os desafios de
responder em tempo oportuno as necessidades crescentes da informação
estatística no país, associado ao aumento de novas operações estatísticas
e áreas de produção estatística.

2 - OBJECTIVOS

A primeira revisão do Manual de Conceitos e Definições Estatísticos,


tem como principais objectivos:

∗ Dotar o Sistema Estatístico Nacional de um instrumento


único, que uniformiza os conceitos utilizados pelo Sistema
Estatístico Nacional;

∗ Permitir a recolha da informação estatística, sua


comparabilidade, análise e divulgação.

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


7
3 - PRINCÍPIOS BÁSICOS DE CONCEPÇÃO

Os conceitos e definições apresentados nesta revisão do


Manual, correspondem a um levantamento e harmonização, a
nível das operações estatísticas realizadas e publicações
produzidas e difundidas pelos órgãos do Sistema Estatístico
Nacional, obedecendo princípios internacionais e o modelo
comum adoptado pelos cinco Países Africanos de Língua oficial
Portuguesa.

Os conceitos são apresentados por áreas estatísticas num total


de 24 áreas, correspondendo ao modelo adoptado. Os
conceitos por área estatística compreendem, a designação e o
respectivo conteúdo bem como o código sequencial que
começa de 1 a um determinado número dependendo do
número dos conceitos já inventariados.

Os conceitos que foram considerados comuns ao nível dos cinco


Países Africanos da Língua Oficial Portuguesa (PALOP) das
áreas já discutidas, são identificados por um asterisco (*) na
designação do próprio conceito.

Para a aplicação informática disponível na WEB, os conceitos


compreendem, para além da designação, o código e conteúdo,
a fonte, o tipo de operações ou publicações onde são aplicados
os conceitos, a fórmula de cálculo, bem como o seu historial
incluindo o quadro legal que aprova o conceito.

Os conceitos propostos em cada área são mutuamente


exclusivos, ou seja são aplicados apenas na área estatística
onde melhor se enquadram, evitando deste modo a duplicação
ou repetição do mesmo conceito em diferentes áreas
estatísticas.

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


8
ÁREAS ESTATÍSTICAS

Foram definidos para a presente revisão do Manual de Conceitos e Definições


Estatísticos, as seguintes áreas estatísticas:

01 Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta;


02 Pesca;
03 Ambiente;
04 Electricidade, Gás e Água;
05 Transportes e Comunicações;
06 Indústria (Transformadora e Extractiva);
07 Construção, Habitação e Engenharia Civil;
08 Turismo;
09 Comércio Externo;
10 Comercio Interno;
11 Empresas;
12 Contas Nacionais;
13 Preços e Conjuntura;
14 Monetárias e Financeiras;
15 Finanças Públicas;
16 Demografia e Condições de Vida das Famílias;
17 Saúde;
18 Educação;
19 Emprego, Formação Profissional, Trabalho e Salários;
20 Justiça, Protecção Social e Deficiência;
21 Cultura;
22 Geografia & Cartografia;
23 Investigação Científica;
24 Conceitos Gerais.

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


9
Áreas Estatísticas
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1 01 ACTIVIDADE PRINCIPAL Corresponde à actividade que representa maior CAP


AGRO-PECUÁRIA importância em termos do tempo de trabalho
dedicado à actividade agro-pecuária no conjunto
das actividades económicas exercidas.

2 01 ACTIVIDADE SECUNDÁRIA Actividade produtora de bens ou serviços agro- CAP


AGRO-PECUÁRIA pecuários diferente da actividade principal da
exploração.

3 01 ADUBOS* Produtos de natureza mineral ou orgânica, CAP


compostos por um ou vários nutrientes principais
para as plantas (azoto, fósforo, potássio), que se
destinam a aumentar a fertilidade do solo e o
rendimento das culturas, quando correctamente
aplicados.

4 01 AGRICULTOR* Entidade singular ou colectiva que exerça uma CAP


actividade agrícola, com ou sem recurso a trabalho
assalariado e utilizando factores de produção
próprios e/ou de terceiros.

5 01 ALGODÃO CAROÇO Algodão colhido na machamba ainda em bruto, CAP


antes de beneficiar de processamento para
separação da semente e folhas.

6 01 ALGODÃO FIBRA OU Algodão que já passou pelo processo de CAP


RAMA descaroçamento, separando-se-lhe a semente e as
folhas.

7 01 ALIMENTOS PARA Produtos de origem vegetal ou animal no estado ESTATÍSTICAS DE


ANIMAIS* natural, frescos ou conservados, e os derivados da AGRICULTURA
sua transformação industrial, bem como as
substâncias orgânicas ou inorgânicas, simples ou
em misturas, contendo ou não aditivos, destinados
à alimentação animal por via oral.

8 01 ÁREA AGRÍCOLA Área constituída por terras aráveis, total ou CAP


parcialmente explorada, com culturas temporárias,
permanentes e/ou em pousio.

9 01 ÁREA CULTIVADA Área lavrada ou que tenha recebido qualquer outro CAP
tipo de preparo da terra na campanha em causa,
podendo ou não ter culturas anuais ou
permanentes.

10 01 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Conjunto de cuidados prestados por um técnico de CAP


VETERINÁRIA pecuária ou veterinário com vista a manter a
sanidade animal, por medidas profiláticas e/ou
curativas.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


13
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

11 01 ASSOCIAÇÃO AGRÁRIA Organização de camponeses ou produtores CAP


agrícolas ou agro - pecuários legalizados ou não
com vista a defesa ou satisfação dos interesses
comuns dos seus membros, ligados à produção,
conservação, processamento e comercialização.

12 01 AVES DE CAPOEIRA* Galinhas, Perus, Pintadas, Patos, Gansos, ESTATÍSTICAS DE


Codornizes, Pombos, Faisões, Perdizes e outras AGRICULTURA
aves criadas ou mantidas em cativeiro com vista à
sua reprodução, à produção de carne ou ovos para
consumo, ou ao fornecimento de espécies
cinegéticas para repovoamento.

13 01 AVIÁRIO* Instalação destinada a exploração de aves para a ESTATÍSTICAS DE


produção de carne e de ovos (para a alimentação e AGRICULTURA
para incubar), quer os pintos se destinem a venda,
quer a povoar as suas próprias secções de produção
de ovos, de consumo ou de carne.

14 01 BALDIO* Terrenos livres próprios para actividade agrícola ESTATÍSTICAS DE


possuídos por entidades públicas. AGRICULTURA

15 01 BODE* Macho adulto reprodutor da espécie caprina. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

16 01 BOI* Bovino macho castrado, que não seja considerado CAP


vitelo.

17 01 BORREGO* Macho ou fêmea em amamentação da espécie ovina ESTATÍSTICAS DE


com menos de 1 ano. AGRICULTURA

18 01 BOVINO* Animal doméstico da espécie "bos". ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

19 01 CABRA* Fêmea adulta da espécie caprina. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

20 01 CABRITO* Macho ou fêmea em amamentação da espécie ESTATÍSTICAS DE


caprina com menos de 1 ano. AGRICULTURA

21 01 CAMINHO AGRÍCOLA OU Caminho público com acesso directo a um bloco de ESTATÍSTICAS DE


FLORESTAL uma exploração agrícola ou florestal, que permite a AGRICULTURA
circulação de veículos, máquinas e pessoas.

22 01 CAMPANHA AGRÍCOLA Período da actividade agrícola que decorre em geral CAP


de Setembro de um ano a Agosto do ano seguinte e
divide-se em duas épocas, chuvosa e seca.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


14
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

23 01 CAPRINOS* Animais domésticos da espécie "Capra". ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

24 01 CARNEIRO* Macho adulto reprodutor da espécie ovina. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

25 01 CHARRUA* Máquina de mobilização da terra, com forte ESTATÍSTICAS DE


estrutura e com uma ou mais peças activas. AGRICULTURA

26 01 CHEFE DA EXPLORAÇÃO Pessoa responsável pela gestão corrente e ESTATÍSTICAS DE


quotidiana da exploração agrícola e que tem nela AGRICULTURA
obrigatoriamente uma ocupação regular. Entende-
se por gestão quotidiana da exploração a tomada
de decisões dia a dia, respeitantes aos trabalhos a
realizar na exploração e às operações sem grande
repercussão económica, no andamento da
exploração.

27 01 COLMEIA Abrigo feito especialmente para a criação de ESTATÍSTICAS DE


abelhas e produção de mel. AGRICULTURA

28 01 CONCESSÃO ALGODOEIRA Área agrícola concessionada a um operador para a ESTATÍSTICAS DE


produção de algodão podendo abranger um ou mais AGRICULTURA
distritos, tendo este a exclusividade de conceder
apoio técnico aos produtores dentro da concessão,
bem como de compra de todo o algodão aí
produzido.

29 01 CONTROLO Controlo físico ou formalidade administrativa ESTATÍSTICAS DE


VETERINÁRIO* relativos aos animais ou produtos de origem animal AGRICULTURA
e que visam assegurar a protecção da saúde pública
ou animal.

30 01 COOPERATIVA Pessoa colectiva constituída ao abrigo da legislação, ESTATÍSTICAS DE


AGRÍCOLA* cujos membros exercem actividades agrícolas, AGRICULTURA
pecuárias ou florestais ou com elas relacionadas.
Englobam-se nesta designação diversos tipos de
cooperativas, como as de produção, as de serviços
(de compra e venda, de rega, de máquinas), as de
transformação (de produtores de fruta, de
lacticínios etc.) e ainda as polivalentes.

31 01 COPRA Polpa de coco seca, geralmente destinada a ESTATÍSTICAS DE


indústria. AGRICULTURA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


15
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

32 01 CORREDOR OU MANGA Infra-estrutura feita com material local ou ESTATÍSTICAS DE


convencional onde se pode aplicar banhos por AGRICULTURA
pulverização e ou POUR-ON (uma espécie de banho
que só se aplica na linha dorsal do animal); também
neles pode-se fazer tratamento veterinário ou
maneio do gado.

33 01 CORRETIVOS* Substâncias que, podendo apresentar algum valor ESTATÍSTICAS DE


fertilizante, são incorporadas no solo com o AGRICULTURA
principal objectivo de lhe melhorar as características
físicas, químicas e biológicas. Classificam-se em
correctivos minerais (ex: calcário, enxofre, gesso) e
correctivos orgânicos (ex: estrumes, resíduos de
culturas, composto).

34 01 CORRETIVOS CÁLCICOS Combinações químicas de cálcio que visam ESTATÍSTICAS DE


principalmente situarem a acidez do solo numa zona AGRICULTURA
vizinha da neutralidade, a preferida pela maioria das
culturas. Podem ser acidificantes (que aumentam a
acidez dos solos) ou alcalinizantes (que corrigem a
excessiva acidez do solo).

35 01 CORRETIVOS HÚMICOS Produtos de natureza orgânica, animal ou vegetal, ESTATÍSTICAS DE


que se incorporam no solo com o objectivo principal AGRICULTURA
de manter ou aumentar o teor em matéria orgânica
- húmus - substância que constitui a verdadeira
base da fertilidade do solo, pela acção benéfica que
exerce nas suas características físicas, químicas e
biológicas.

36 01 CORTIÇO Abrigo para a criação de abelhas feito com pedaços ESTATÍSTICAS DE


cilíndricos de cortiça. AGRICULTURA

37 01 CRÉDITO AGRÍCOLA OU Empréstimo para fins agro-pecuários, dado à ESTATÍSTICAS DE


AGRÁRIO exploração (ao agregado familiar ou algum membro AGRICULTURA
do agregado familiar) em dinheiro ou espécie, por
Bancos, entidade Governamental, Organização não
Governamental ou uma outra organização ou
entidade vocacionada para o efeito.

38 01 CRIADOR DE ANIMAIS Indivíduo ou exploração que cria animais pecuários ESTATÍSTICAS DE


PECUÁRIOS e domésticos (exceptuam-se os animais de AGRICULTURA
estimação).

39 01 CULTIVO INTEGRADO Cultivo combinado de actividades diferentes. Ex: CAP


aquacultura+pecuária ou aquacultura+agricultura.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


16
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

40 01 CULTURAS ALIMENTARES Culturas cuja produção é mais utilizada para CAP


BÁSICAS alimentação das pessoas (milho, arroz, mapira,
mexoeira, amendoim, mandioca, feijões em geral).

41 01 CULTURAS ANUAIS Culturas cujo ciclo vegetativo/produtivo é inferior ou CAP


(CULTURAS ARVENSES) igual a um ano

42 01 CULTURAS DE Culturas que em regra, são destinadas a venda CAP


RENDIMENTO como finalidade principal.

43 01 CULTURAS EM Prática de várias culturas na mesma parcela e em CAP


CONSOCIAÇÃO convivência na maior parte dos seus ciclos
vegetativos.

44 01 CULTURAS EM ESTREME Cultivo de uma única espécie numa parcela. CAP

45 01 CULTURAS HORTÍCOLAS* Culturas de ciclo vegetativo muito curto (inferior a CAP


quatro meses) com baixo teor de matéria seca.

46 01 CULTURAS PERENES Culturas cujo ciclo vegetativo excede a 1 ano mas CAP
que não ultrapassam os 5 anos.

47 01 CULTURAS Culturas que ocupam a terra durante um longo CAP


PERMANENTES* período (citrinos, cajueiro, coqueiro etc.) e
fornecem repetidas colheitas, não entrando em
rotações culturais. Não incluem os prados e
pastagens permanentes.

48 01 CULTURAS Culturas anuais ou perenes (que tem um ciclo CAP


TEMPORÁRIAS* vegetativo igual ou superior a um ano mas que não
sejam permanentes).

49 01 EFECTIVO PECUÁRIO* Totalidade de animais domésticos da exploração CAP


pecuária ou agro-pecuária que são propriedade ou
não da mesma.

50 01 ESTACA* Fracção do ramo, herbáceo ou lenhoso, de uma CAP


planta que se destina a formar a parte subterrânea
de uma nova planta.

51 01 ESTRUME* Matérias orgânicas (mistura de excrementos de CAP


animais com palhas dos estábulos) com menor ou
maior grau de decomposição utilizados para
aumentar a fertilidade dos solos, melhorar a sua
estrutura e incrementar o rendimento das culturas,
quando correctamente aplicados.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


17
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

52 01 ESTRUME LÍQUIDO Produto composto fundamentalmente de urinas de CAP


animais, mais ou menos diluídas pelas águas das
chuvas e que se espalha nos campos (ex.: prados).

53 01 ESTUFA* Instalação fixa ou móvel, flexível ou rígida em vidro ESTATÍSTICAS DE


ou plástico, ou outro material translúcido mas AGRICULTURA
impermeável à água, aquecida ou não, com a
finalidade de alterar as condições climáticas no seu
interior a serem mais propícias ao desenvolvimento
de uma cultura, dentro da qual uma pessoa pode
trabalhar de pé.

54 01 EXPLORAÇÃO Exploração que tinha os limites (em área, número ESTATÍSTICAS DE


ABANDONADA* de animais ou produção animal) estabelecidos para AGRICULTURA
ser considerada exploração agrícola (no âmbito do
Recenseamento Agrícola), mas que no momento da
realização de um determinado inquérito agrícola não
se encontra em produção, mantendo, no entanto,
intacta a capacidade de retoma da actividade
agrícola.

55 01 EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA* Unidade económica sob uma gestão singular CAP


destinada a produção agrícola, sem ter em
consideração os aspectos legais de posse (título) ou
tamanho.

56 01 EXPLORAÇÃO AGRO- Unidade económica de produção agro-pecuária sob CAP


PECUÁRIA uma gestão singular baseada na exploração
fundiária destinada a produção agrícola, pecuária ou
ambas, sem ter em consideração os aspectos legais
de posse (título) ou tamanho.

57 01 EXPLORAÇÃO AGRO- É considerada Exploração Agro-pecuária empresarial CAP


PECUÁRIA EMPRESARIAL quando: 1. Há utilização de tecnologia
(EAPE) / EMPRESA AGRO- relativamente intensiva (maquinaria e equipamento
PECUÁRIA agrícola); 2. Os resultados da sua actividade são
destinados sobretudo ao mercado; 3. O objectivo
principal do exercício na EAPE é o lucro; 4. A mão
de obra (força de trabalho) é permanente e
assalariada; 5. A área total é maior ou igual a 10
Ha; 6. Há Uso de semente melhorada; Uso de agro-
químicos e Uso regular de medicamentos
veterinários.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


18
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

58 01 EXPLORAÇÃO AGRO- Exploração em que pelo menos 75% da mão-de- CAP


PECUÁRIA FAMILIAR obra agrícola é fornecida pelo agregado familiar do
(EAPF) produtor, e que não recebem salário.

59 01 EXPLORAÇÃO PECUÁRIA Unidade económica de produção pecuária sob uma CAP


gestão singular baseada na exploração fundiária
destinada a produção pecuária sem ter em
consideração os aspectos legais de posse (título) ou
tamanho.

60 01 FENO Pasto seco (inclui capim) que depois é cortado, CAP


enfardado e bem conservado destinado a
alimentação dos animais ruminantes.

61 01 FERTILIZAÇÃO Aplicação de fertilizantes ao solo, que podem ser CAP


correctivos e/ou adubos, os quais visam melhorar a
fertilidade do solo, tornando-o mais produtivo e
capaz de fornecer às culturas condições mais
favoráveis de melhorar as colheitas.

62 01 FERTILIZANTES Matérias inorgânicas, químicas (de produção CAP


industrial) destinadas a manutenção ou aumento de
fertilidade dos solos e consequente aumento de
rendimento das culturas.

63 01 FLORES E PLANTAS Espécies florícolas e outras plantas ornamentais, ESTATÍSTICAS DE


ORNAMENTAIS* quer sejam de interior quer de exterior, AGRICULTURA
independentemente de serem ou não utilizadas para
a produção de flor ou de folhagem de corte.

64 01 FLORESTAS* Superfícies cobertas com árvores ou arbustos ESTATÍSTICAS DE


florestais e ainda os viveiros florestais localizados no AGRICULTURA
interior das florestas e que se destinam às
necessidades da exploração (com ou sem culturas
sob-coberto).

65 01 FOMENTO PECUÁRIO Actividade especialmente orientada para o CAP


repovoamento pecuário, praticada pelo Governo,
Organizações não Governamentais ou Sector
Privado, com vista ao aumento dos efectivos
animais. A atribuição dos animais pode ser feita por
pagamento em dinheiro ou retribuição em espécie.

66 01 FORMA DE ESCOAMENTO Processo de colocação do produto no mercado pelo ESTATÍSTICAS DE


produtor agrícola, tal como venda direta, através de AGRICULTURA
intermediário, cooperativa agrícola, indústria, etc.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


19
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

67 01 FORMA DE EXPLORAÇÃO Forma jurídica pela qual o produtor dispõe da terra, ESTATÍSTICAS DE
AGRÍCOLA* determinando a relação existente entre o(s) AGRICULTURA
proprietário(s) das superfícies de exploração e o
responsável económico e jurídico de exploração (o
produtor).

68 01 FORMAÇÃO AGRÁRIA Formação nas áreas da agricultura, pecuária ou CAP


mecanização agrícola adquirida em escolas oficiais
ou privadas de ensino técnico ou em centros de
formação profissional vocacionadas para o efeito,
num período não inferior a 3 meses.

69 01 FRUTOS SECADOS* Produtos obtidos por eliminação do seu conteúdo ESTATÍSTICAS DE


em água até à consistência de "passa", pela ação de AGRICULTURA
ar aquecido pelo sol e/ou fonte de calor artificial.

70 01 FUMIGAÇÃO Dispersão de um produto fitofarmacêutico na CAP


atmosfera de um ambiente sob a forma de um gás
ou vapor.

71 01 GADO Animais domésticos das espécies bovinas, ovina, CAP


caprina, suína, equina, asinina e bufalina.

72 01 HERBICIDAS Produtos químicos, que, pela sua variedade e poder ESTATÍSTICAS DE


selectivo, actuam nas ervas daninhas sem AGRICULTURA
prejudicarem o normal desenvolvimento das
culturas.

73 01 HORTA FAMILIAR* Superfície reservada à cultura de produtos tais ESTATÍSTICAS DE


como hortícolas, frutos e flores destinados AGRICULTURA
fundamentalmente ao auto consumo e não para
venda.

74 01 INFESTANTES Ervas espontâneas que entram em concorrência ESTATÍSTICAS DE


com as culturas instaladas, prejudicando o seu AGRICULTURA
desenvolvimento e comprometendo, por vezes,
seriamente as colheitas.

75 01 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Introdução do sémen de um animal da mesma ESTATÍSTICAS DE


espécie no aparelho genital da fêmea, no momento AGRICULTURA,
do cio, através de instrumentos apropriados. CAP

76 01 IRRIGAÇÃO Distribuição de água às plantas cultivadas para ESTATÍSTICAS DE


suprir a falta ou insuficiência de chuvas. AGRICULTURA

77 01 JORNADA AGRÍCOLA Trabalho agrícola diário de 6 horas. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


20
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

78 01 LAVOURA Operação de reviramento mais ou menos completo ESTATÍSTICAS DE


da terra, com largura e profundidade variáveis. AGRICULTURA

79 01 LEGUMINOSAS SECAS Leguminosas cultivadas para colheita do grão após ESTATÍSTICAS DE


PARA GRÃO* maturação completa, quer se destinem à AGRICULTURA
alimentação humana ou à alimentação animal.

80 01 LEITÕES * Suínos machos e fêmeas com peso vivo inferior a ESTATÍSTICAS DE


20kg. AGRICULTURA

81 01 LENHA* Quantidade de madeira removida para ser ESTATÍSTICAS DE


consumida nesse estado (para aquecimento, para AGRICULTURA
cozinhar) ou para ser utilizada como matéria-prima
para a obtenção de carvão.

82 01 LIMPEZA FLORESTAL* Corte ou remoção de biomassa vegetal tendo em ESTATÍSTICAS DE


conta a descontinuidade vertical e horizontal da AGRICULTURA
carga combustível e a gestão da biodiversidade.

83 01 MACHAMBA CULTIVADA Consiste na área com culturas anuais, áreas com ESTATÍSTICAS DE
culturas permanentes mais área em pousio parcial e AGRICULTURA;
com pastagens cultivadas, não incluindo área com CAP
pastagem natural.

84 01 MACHAMBA/ PARCELA Superfície/porção de terra delimitada por fronteiras CAP


naturais (rios, montes, etc.) ou artificiais (estradas,
sebes, demarcações com outras machambas) que
se destina a produção agrícola.

85 01 MEIOS DE AGRO- Instrumentos ou maquinarias de transformação de CAP


PROCESSAMENTO produtos de origem agrícola.

86 01 MEIOS DE TRACÇÃO Carroça, charruas, etc. movidos pela força animal CAP
ANIMAL AGRÍCOLA (bovinos, asininos, bufalinos, etc.) para exploração
agro-pecuária e/ou de transporte.

87 01 MEIOS MANUAIS Instrumentos de produção não mecanizados que CAP


AGRÍCOLAS auxiliam o Homem no processo produtivo (enxadas,
catanas, foices, machados, etc.).

88 01 MEIOS MECANIZADOS Meios mecanizados (tractores, motobombas, etc.) CAP


AGRÍCOLAS que funcionam com motores de combustão interna
ou com ajuda destes.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


21
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

89 01 MONOCULTURA* Cultivo de uma única cultura num dado espaço de CAP


cultivo, geralmente em grandes áreas (ex: cana de
açúcar, etc.).

90 01 NOVILHOS Animais de espécie bovina (machos e fêmeas) com CAP


idade superior a um ano mas inferior a três anos.

91 01 OLEAGINOSAS Plantas produtoras de óleos alimentares ou CAP


industriais como, o girassol, o rícino, a soja,
gergelim, palmeiras, entre outras.

92 01 ORDENHA Processo, manual ou mecânico, de estimular a CAP


glândula mamária para retirar o leite.

93 01 OVELHAS* Fêmeas adultas da espécie ovina. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

94 01 OVINOS* Animais domésticos da espécie "Ovis". ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

95 01 PASTAGENS Conjunto de plantas semeadas ou espontâneas, em CAP


PERMANENTES* geral herbáceas, destinadas a serem comidas pelo
gado no local em que vegetam ou a ser cortadas
em determinados períodos do ano. Não estão
incluídas numa rotação e ocupam o solo por um
período superior a 5 anos.

96 01 PESTICIDAS Produtos químicos, também designados fito- CAP


fármacos, destinados ao combate de ervas
daninhas, pragas, doenças, agentes patogénicos
(bactérias, fungos) ou seus transportadores
(insectos, ratos, etc.).

97 01 PLANTAÇÕES Culturas perenes ou permanentes, plantadas em CAP


monocultura de forma ordenada.

98 01 POLICULTURA* Sistema que visa a cultura de mais de uma espécie CAP


no mesmo espaço físico.

99 01 POLVILHAÇÃO Técnica destinada a distribuir produtos em pó às CAP


plantas na luta contra doenças e parasitas.

100 01 POMAR* Parcela ou conjunto de parcelas com plantação de CAP


árvores de fruto em crescimento e/ou em produção.

101 01 PORCOS DE ENGORDA* Suínos machos e fêmeas não reprodutoras com ESTATÍSTICAS DE
peso vivo igual ou superior a 20 kg. AGRICULTURA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


22
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

102 01 PORCOS Suínos machos e fêmeas com um peso vivo de pelo ESTATÍSTICAS DE
REPRODUTORES* menos 50 kg, destinadas à reprodução. AGRICULTURA

103 01 POVOAMENTO FLORESTAL Áreas ocupadas por um conjunto de árvores ESTATÍSTICAS DE


* florestais crescendo num dado local, AGRICULTURA
suficientemente homogéneas na composição
específica, estrutura, idade, crescimento ou vigor.

104 01 PRADOS Campo coberto por plantas herbáceas que CAP


geralmente servem para pastagem.

105 01 PRIMEIRA ÉPOCA DE Período de tempo em que se cultivam as culturas CAP


CULTIVO cujas sementeiras têm lugar, durante ou pouco
depois das primeiras chuvas da campanha
(geralmente as culturas da primeira época
abrangem o período que vai de Setembro a Abril).

106 01 PRODUTOR AGRÍCOLA* Responsável jurídico e económico da exploração, ESTATÍSTICAS DE


isto é, a pessoa por conta e em nome da qual a AGRICULTURA
exploração produz, retira os benefícios e suporta as
perdas eventuais, tomando as decisões de fundo
relativas ao sistema de produção, investimentos,
empréstimos, etc.

107 01 PRODUTOS Substâncias que se destinam a proteger os vegetais ESTATÍSTICAS DE


FITOFARMACÊUTICOS ou os produtos vegetais contra todos os organismos AGRICULTURA
prejudiciais ou a impedir a sua ação. Ex: acaricidas,
inseticidas, fungicidas, herbicidas, etc.

108 01 PULVERIZAÇÃO Distribuição de gotas fito-fármacos mais ou menos CAP


finas fazendo-as incidir sobre o alvo a tratar.

109 01 QUEIMADAS Uso do fogo para a renovação de pastagens CAP

110 01 QUEIMADAS Situação em que o fogo é posto sem obedecer às CAP


DESCONTROLADAS medidas de protecção das florestas, machambas e
pastagens, que pode culminar com a perda de espécies
florestais e faunísticas, culturas, pastos e em certos
casos a destruição de casas e outras infraestruturas.

111 01 REGA* Fornecimento orientado de água às plantas com o CAP


objectivo de aumentar a humidade do solo e
incrementar o rendimento das culturas.

112 01 RESPONSÁVEL DA Membro do agregado familiar que se responsabiliza CAP


MACHAMBA pelas operações de produção na machamba
(lavoura, sacha, colheita, etc.) e que pode tomar
decisões operativas sobre ela.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


23
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

113 01 ROTAÇÃO DE CULTURAS Prática agrícola que consiste na alternância de CAP


culturas numa dada parcela em épocas ou
campanhas sucessivas.

114 01 SEGUNDA ÉPOCA DE Período de tempo que vai desde a preparação da CAP
CULTIVO terra para o cultivo das culturas cuja sementeira se
faz após a colheita da 1ª época. Esta corresponde
ao período fresco geralmente entre Março e Agosto.

115 01 SEMENTE CERTIFICADA* Lote de sementes embalado, selado e portador de CAP


etiquetas oficiais de certificação, produzido segundo
as normas definidas por legislação, relativas à
espécie e variedade, aos níveis admissíveis de
pureza, faculdade germinativa e estado sanitário,
quando aplicável.

116 01 SEMENTE DE Semente distribuída por entidades do Governo, CAP


EMERGÊNCIA organizações não governamentais ou outras
instituições, após catástrofes naturais (seca, cheias,
etc.) com perdas significativas da produção agrícola
numa determinada região.

117 01 SEMENTE MELHORADA Semente resultante da multiplicação de material CAP


parental visando incorporar elementos que
enriquecem o material inicial com objectivo de dotar
a semente de resistência a seca, doença, praga e
aumento da produtividade. Geralmente são
produzidas e comercializadas por instituições
especializadas.

118 01 SUÍNOS* Animais domésticos da espécie "Sus". ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

119 01 SUPERFÍCIE AGRÍCOLA Superfície da exploração anteriormente utilizada ESTATÍSTICAS DE


NÃO UTILIZADA* como superfície agrícola, mas que já o não é por AGRICULTURA
razões económicas, sociais ou outras. Pode voltar a
ser utilizada com auxílio dos meios geralmente
disponíveis na exploração.

120 01 SUPERFÍCIE AGRÍCOLA Superfície da exploração que inclui: terras aráveis ESTATÍSTICAS DE
UTILIZADA* (limpa e sob-coberto de florestas), horta familiar, AGRICULTURA
culturas permanentes e pastagens permanentes.

121 01 SUPERFÍCIE COLHIDA* Superfície que foi objecto de colheita. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

122 01 SUPERFÍCIE TOTAL DA Soma da superfície agrícola utilizada, da superfície ESTATÍSTICAS DE


EXPLORAÇÃO* das florestas sem culturas sob-coberto, da AGRICULTURA
superfície agrícola não utilizada e das outras
superfícies da exploração.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


24
Área Estatística 01- Agricultura, Pecuária, Caça e Floresta

ESTATÍSTICA
CÓDIGO DO
CONCEITO
OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

123 01 TEMPO DE ACTIVIDADE Tempo de trabalho consagrado aos trabalhos ESTATÍSTICAS DE


NA EXPLORAÇÃO agrícolas e para-agrícolas da exploração. AGRICULTURA
AGRÍCOLA*

124 01 TERRA ARÁVEL* Terra apta para a prática agrícola ou com CAP
potencialidades e propriedades agro-químicas para
o desenvolvimento das culturas.

125 01 TERRAS EM POUSIO* Terras que no período de referência tenham pelo CAP
menos um ano sem terem sido cultivadas e são
consideradas como tal por um período de 5 anos

126 01 TÍTULO DE USO E Documento oficial emitido pela autoridade CAP


APROVEITAMENTO DE competente que confere o direito de uso e
TERRA aproveitamento da terra para fins agro-pecuários
á(s) pessoa (s) ou entidade(s) que o solicitar.

127 01 TOURO* Macho adulto de espécie bovina, com mais de 3 CAP


anos de idade, para a reprodução.

128 01 TRABALHOS AGRÍCOLAS * Todos os trabalhos efectuados para a exploração CAP


agrícola que contribuem para a produção dos
produtos agrícolas.

129 01 TRABALHOS PARA- Trabalhos de melhoramentos fundiários, produção e CAP


AGRÍCOLAS* comercialização de produtos não agrícolas da
exploração e prestação de serviços com os meios da
exploração.

130 01 TRATAMENTOS Meio de luta química, biológica ou biotécnica contra CAP


FITOSSANITÁRIOS as enfermidades das culturas (pragas e doenças)
que utilizam os produtos fito farmacêuticos.

131 01 VACA* Bovino fêmea que já pariu. ESTATÍSTICAS DE


AGRICULTURA

132 01 VITELOS* Bovinos (machos e fêmeas) com idade inferior a um CAP


ano

133 01 VIVEIRO Lugar onde se cultivam plantas destinadas à CAP


transplantação.

134 01 ZONA ALTA AGRÍCOLA Terras que se localizam longe das correntes de CAP
água (bacias, vales, lagos lagoas), onde
normalmente se praticam as culturas de sequeiro
menos exigentes à água.

135 01 CRÉDITO AGRÍCOLA OU Empréstimo para fins agro-pecuários, dado à ESTATÍSTICAS DE


AGRÁRIO exploração (ao agregado familiar ou algum membro AGRICULTURA
do agregado familiar) em dinheiro ou espécie, por
Bancos, entidade Governamental, Organização não
Governamental ou uma outra organização ou
entidade vocacionada para o efeito.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


25
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

136 02 ACAMPAMENTO DE PESCA Barraca ou um conjunto de barracas, servindo de ESTATÍSTICAS


armazém e/ou dormitório para os pescadores que DAS PESCAS
prestam serviços a uma pessoa colectiva ou
singular.

137 02 ACTIVIDADE PESQUEIRA As actividades de pesca e de operações conexas ESTATÍSTICAS


de pesca, aquacultura e transformação realizadas DAS PESCAS
a bordo de embarcações que se dedicam à pesca.

138 02 AFRETAMENTO Entrega da embarcação de pesca pelo proprietário ESTATÍSTICAS


ou que o representa a um armador, o afretador, DAS PESCAS
com ou sem opção de compra, detendo este a
respectiva gestão, por um determinado período de
tempo.

139 02 ÁGUA DOCE Refere-se à água dos rios, lagos e a maioria dos CAP;
lençóis subterrâneos, com uma salinidade próxima ESTATÍSTICAS
de zero. DAS PESCAS

140 02 ÁGUA SALGADA Toda a água não potável que contêm grandes CAP;
quantidades de sais em sua composição (Ex: água ESTATÍSTICAS
do mar). DAS PESCAS

141 02 ÁGUA SALOBRA Água com salinidade intermédia entre as águas CAP;
doce e salina e com 15ppm a 30ppm de ESTATÍSTICAS
salinidade. DAS PESCAS

142 02 ÁGUAS INTERIORES Águas que se encontram a montante do mangal CAP;


fora da acção das marés, nomeadamente rios, ESTATÍSTICAS
lagos e lagoas sem ligação com o mar com DAS PESCAS
comunicação somente nas marés vivas, albufeiras,
canais e outras massas aquíferas e de um modo
geral, os reservatórios naturais de água
susceptíveis de criação de peixes.

143 02 ÁGUAS INTERIORES Águas situadas para além das linhas de base CAP;
MARÍTIMAS sujeitas à influência das marés. ESTATÍSTICAS
DAS PESCAS

144 02 ÁGUAS JURISDICIONAIS Refere-se as águas marítimas e as águas CAP;


interiores. ESTATÍSTICAS
DAS PESCAS

145 02 ÁGUAS MARÍTIMAS Refere-se as águas interiores marítimas, a zona CAP;


económica exclusiva e o mar territorial. ESTATÍSTICAS
DAS PESCAS

146 02 ALBUFEIRA Massas de água que constituem lago artificial ESTATÍSTICAS


formado por uma barragem construída pelo DAS PESCAS
homem e destinada a represar as águas dos rios e
das chuvas.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


27
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

147 02 ALTO MAR Refere-se as partes do mar não incluídas na zona ESTATÍSTICAS
económica exclusiva, no mar territorial ou nas DAS PESCAS
águas interiores de um Estado, nem nas águas
arquipelágicas de um Estado arquipélago.

148 02 AQUACULTURA Todas as actividades que têm por fim a ESTATÍSTICAS


reprodução, o crescimento, a engorda, a DAS PESCAS
manutenção e o melhoramento de espécies
aquáticas para fins de produção, sendo estas
operações efectuadas em instalações alimentares
por águas marítimas (aquacultura marinha), por
águas interiores (aquacultura de água doce) ou
por ambas (aquacultura de águas salobras).

149 02 AQUACULTURA ARTESANAL Aquela que é efectuada com carácter local pelas ESTATÍSTICAS
comunidades locais ou pessoas singulares DAS PESCAS
nacionais de boa-fé, com a aplicação de sistemas
extensivos de produção e podendo produzir
excedentes para comercialização

150 02 AQUACULTURA DE Aquela que é realizada para fins científicos ESTATÍSTICAS


INVESTIGAÇÃO DAS PESCAS

151 02 AQUACULTURA Aquela que é realizada com o carácter de ESTATÍSTICAS


EXPERIMENTAL experimentar meios mecânicos de cultura e DAS PESCAS
técnicas de produção industrial de espécies
aquáticas, bem como prospectar novas espécies
para cultura comercial

152 02 AQUACULTURA INDUSTRIAL Aquela que é efectuada com carácter comercial ESTATÍSTICAS
com a utilização de meios mecânicos de cultura DAS PESCAS

153 02 ARMAÇÃO FIXA* Aparelho permanente para pesca do atum e da ESTATÍSTICAS


sardinha DAS PESCAS

154 02 ARMADILHAS DE PESCA Artes de pesca fixas que se utilizam para capturar ESTATÍSTICAS
peixes, moluscos ou crustáceos, concebidas e DAS PESCAS
implantadas de tal modo que permitam a entrada
de espécies aquáticas e dificultem o mais possível
a respectiva saída.

155 02 ARMADOR* Pessoa colectiva ou singular proprietária da ESTATÍSTICAS


embarcação de pesca ou a entidade operadora da DAS PESCAS
embarcação de pesca.

156 02 ARPÃO Arte de pesca constituída por um objecto ESTATÍSTICAS


pontiagudo numa das extremidades, pode ser DAS PESCAS
lançado manualmente se de fabrico tradicional se
tratar ou com recurso a armas de ar comprimido
se for de fabrico industrializado. São usados
geralmente na pesca de mergulho. Tem a
particularidade de fácil penetração sem recuar.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


28
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

157 02 ARRASTO Arte de pesca que consiste numa rede formada ESTATÍSTICAS
por um saco de malhas pequenas prolongadas por DAS PESCAS
duas grandes asa de malha relativamente maior,
amarradas na sua extremidade longos cabos
(cordas) para alar (puxar) a rede. A arte. A arte é
usada em praias (mar) e (terra) águas
continentais na pesca artesanal.

158 02 ARTE DE PESCA* Todo o sistema, artefacto ou instrumento ESTATÍSTICAS


preparado para ser utilizado na captura de DAS PESCAS,
recursos pesqueiros. RECENSEAMENTO
DA PESCA
ARTESANAL

159 02 ARTE DE PESCA Toda a arte de pesca que não se encontre ESTATÍSTICAS
ABANDONADA NA ÁGUA devidamente identificada e sinalizada ou sobre a DAS PESCAS
qual o comandante da embarcação de pesca ou o
seu armador tenham perdido o controlo.

160 02 ARTE DE PESCA CESTO Arte de pesca concebida para capturar peixes, ESTATÍSTICAS
moluscos ou crustáceos, com a forma de cesto, DAS PESCAS
construída uma abertura (boca) no cimo por onde
se introduz o pescado, de forma a impossibilitar a
sua fuga.

161 02 ARTE DE PESCA CORRICO Arte de pesca constituída por um aparelho de ESTATÍSTICAS
anzol que actua à superfície ou à sub-superfície, DAS PESCAS
rebocado por uma embarcação de pesca,
utilizando isca viva ou morta ou amostra artificial.

162 02 ARTE DE PESCA GAMBOA Arte de pesca constituída por panos de rede (tipo ESTATÍSTICAS
de rede de emalhar) ou esteiras, montados na DAS PESCAS
vertical numa fila de várias estacas fixas no fundo
marinho. São geralmente montadas em locais
estreitos ou zonas de maré e são retirados na
maré baixa.

163 02 ARTE DE PESCA Arte de pesca de arrastar, destinada à captura de ESTATÍSTICAS


GANCHORRA bivalves, constituída por uma armação metálica DAS PESCAS
com um pente de dentes ou com um varão ou
tubo cilíndrico na parte inferior, à qual está ligado
um saco de rede que serve para a recolha de
bivalves.

164 02 ARTE DE PESCA LINHA DE Arte de pesca constituída por uma linha ou fio ESTATÍSTICAS
MÃO contendo na sua extremidade um ou mais anzóis DAS PESCAS
para fixação das iscas e captura do peixe. As
linhas podem ser usadas com ou sem cana.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


29
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

165 02 ARTE DE PESCA PALANGRE Arte de pesca constituída por uma linha de grande ESTATÍSTICAS
comprimento, colocada na horizontal ou DAS PESCAS
verticalmente, à qual se ligam numerosas linhas
de pequeno comprimento na extremidade livre
das quais se empata um anzol.

166 02 ARTE DE PESCA TRESMALHE Arte que pertence ao grupo de emalhe, á ESTATÍSTICAS
diferença que está construída por três panos de DAS PESCAS
redes, geralmente usado para a pesca de
camarão.

167 02 CAMPANHAS DE PESCA Período que decorre desde a largada de uma ESTATÍSTICAS
embarcação de pesca, para a pesca, até à sua DAS PESCAS
primeira entrada em porto.

168 02 CAPTURA Recolha, extracção, apanha ou remoção de ESTATÍSTICAS


qualquer recurso pesqueiro ou sua tentativa. DAS PESCAS;
RECENSEAMENTO
DA PESCA
ARTESANAL

169 02 CAPTURA BRUTA* Peso vivo do pescado extraído do mar. ESTATÍSTICAS


DAS PESCAS

170 02 CAPTURA POR UNIDADE DE Número de indivíduos de uma corte capturados ESTATÍSTICAS
ESFORÇO por unidade de esforço em um tempo t de arrasto. DAS PESCAS

171 02 CAPTURA ACESSÓRIA OU Quaisquer espécies aquáticas capturadas durante ESTATÍSTICAS


FAUNA ACOMPANHANTE uma operação de pesca orientada para a captura DAS PESCAS
de uma ou mais espécies alvos.

172 02 CARPINTEIRO NAVAL Pessoa que possa interpretar e executar os planos ESTATÍSTICAS
para construção ou reparação de uma DAS PESCAS
embarcação.

173 02 CARPINTEIRO NAVAL Pessoa que ao lado do mestre carpinteiro faz ESTATÍSTICAS
APRENDIZ trabalhos de construção naval sob sua orientação. DAS PESCAS

174 02 CARPINTEIRO NAVAL Pessoa com conhecimento suficiente e capaz de ESTATÍSTICAS


MESTRE construir uma embarcação sem recorrer á DAS PESCAS
consultores extras.

175 02 CENTRO DE MOTORIZAÇÃO Centro instalado em terra sob a dependência do ESTATÍSTICAS


E VIGILÂNCIA Ministério das Pescas e destinado a garantir o DAS PESCAS
controlo das embarcações de pesca com o
Dispositivo de Localização Automática (DLA)
instalado a bordo e que se encontrem a operar
em águas marítimas nacionais ou em águas de
Estados terceiros ou no alto mar.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


30
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

176 02 CENTRO DE PESCA Centros de Pesca onde os pescadores ESTATÍSTICAS


PERMANENTE permanecem durante todo ano. DAS PESCAS

177 02 CENTRO DE PESCA Centros de Pesca onde os pescadores não ESTATÍSTICAS


TEMPORÁRIO permanecem durante todo o ano. DAS PESCAS

178 02 COMANDANTE DE Tripulante responsável pelas operações de pesca, ESTATÍSTICAS


EMBARCAÇÃO DE PESCA condução e segurança de uma embarcação de DAS PESCAS
pesca.

179 02 COMERCIANTE DE PESCADO Pessoa que se dedica à compra e revenda do ESTATÍSTICAS


pescado, sem actividade de processamento ou DAS PESCAS
pesca.

180 02 CONSELHO COMUNITÁRIO Organização comunitária sem fins lucrativos e ESTATÍSTICAS


DE PESCA estruturado para o controle e gestão das pescarias DAS PESCAS
em coordenação com as instituições
governamentais de administração e gestão
pesqueira e/ou marítima.

181 02 CONSERVAÇÃO DE Todo processo de manutenção do estado natural ESTATÍSTICAS


PESCADO ou desejável, do pescado, neutralizando ou DAS PESCAS
reduzindo o efeito das bactérias ou enzimas de
forma a aumentar o tempo de conservação.

182 02 CONSTRUÇÃO DE Fabrico duma embarcação de pesca quer a partir ESTATÍSTICAS


EMBARCAÇÕES DE PESCA do lançamento duma quilha nova quer a partir DAS PESCAS
duma quilha já existente.

183 02 COORTE OU CLASSE ANUAL Grupo de peixes de um manancial nascidos no ESTATÍSTICAS


mesmo ano. DAS PESCAS

184 02 CULTIVO EM GAIOLAS Método de cultivo onde as espécies aquáticas são ESTATÍSTICAS
FLUTUANTES mantidas em cativeiro dentro de uma estrutura de DAS PESCAS
rede submersa e fixa na água.

185 02 DEFESO* Interdição da pesca em áreas ou épocas com vista ESTATÍSTICAS


a proteger os indivíduos no período da DAS PESCAS
reprodução.

186 02 DIA DE PESCA * Dia em que o navio esteve efectivamente a ESTATÍSTICAS


pescar, independentemente do produto da pesca DAS PESCAS
ser nulo.

187 02 DIÁRIO DE BORDO DE Livro fornecido e autenticado pelo Ministério das ESTATÍSTICAS
PESCA Pescas destinado ao registo da actividade das DAS PESCAS
embarcações de pesca licenciadas.

188 02 DISPOSITIVO DE Equipamentos de monitorização contínua e ESTATÍSTICAS


LOCALIZAÇÃO AUTOMÁTICA automática, via satélite, instalado a bordo das DAS PESCAS
embarcações de pesca, genericamente designado
por caixa azul.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


31
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

189 02 DISPOSITIVO FLUTUANTE Qualquer sistema flutuante, fundeado ou de ESTATÍSTICAS


PARA CONCENTRAÇÃO DE deriva, destinado a atrair e a concentrar DAS PESCAS
CARDUMES cardumes, em particular os de espécies
migratórias.

190 02 EMALHE SIMPLES Arte constituída por um pano de rede, de altura e ESTATÍSTICAS
cumprimento variáveis, colocada na posição DAS PESCAS
vertical de trabalho, a diferentes profundidades. O
peixe é retido ao tentar atravessar as malhas do
pano de rede. Destaca-se o emalhe de superfície
(para pelágicos), de fundo (para demersais), e de
tubarão (malhas maiores).

191 02 EMBARCAÇÃO CASQUINHA Embarcação constituída da casca do troco da ESTATÍSTICAS


árvore, as bordas mantém a curvatura natural do DAS PESCAS
tronco, possui um suporte (tipo roda) na proa e
na popa para segurar as laterais, facilitando a
manutenção do formato da embarcação.

192 02 EMBARCAÇÃO CHATA Embarcação cujo fundo é plano (chato). A popa ESTATÍSTICAS
de embarcação é do tipo "espelho" (na popa a DAS PESCAS
embarcação a vezes mantém quase a mesma
largura do centro e é cortada vertical). O casco
tem reforços longitudinais e transversais.

193 02 EMBARCAÇÃO DE PESCA* Embarcação capaz de utilizar arte de pesca. ESTATÍSTICAS


DAS PESCAS

194 02 EMBARCAÇÃO JANGADA Embarcação plana, de construção extremamente ESTATÍSTICAS


precária, feita geralmente de paus de árvores, DAS PESCAS
bambus ou caniço, no censo em questão foram
considerados também as chapas de zinco, tubos
plásticos e cocos chocos.

195 02 EMBARCAÇÃO LANCHA Embarcação de casco redondo ou em V, com proa ESTATÍSTICAS


e popa, reforçado transversal (por cavernas) e DAS PESCAS
longitudinalmente (por quilha) e pode ser com ou
sem convés.

196 02 ESFORÇO DE PESCA Medida da intensidade com que a pesca é ESTATÍSTICAS


exercida sobre uma determinada espécie aquática DAS PESCAS
por uma unidade de pesca, embarcação ou arte
de pesca. Depende do número de embarcações de
pesca, do número de pescadores, o número de
horas de pesca, a quantidade de artes de pesca
ou o número de lances.

197 02 ESPÉCIE ALVO Espécie ou espécies aquáticas cuja captura está ESTATÍSTICAS
autorizada e que não seja considerada captura DAS PESCAS
acessória ou fauna acompanhante.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


32
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

198 02 ESPÉCIE DEMERSAL* Espécie que vive no fundo, ou perto do fundo, ESTATÍSTICAS
mas sem estar permanentemente dependente DAS PESCAS
dele.

199 02 ESPÉCIE PELÁGICA* Espécie que vive na coluna de água ou à ESTATÍSTICAS


superfície, mas sem relação com o fundo. DAS PESCAS

200 02 ESPÉCIES AQUÁTICAS Organismos que encontram na água o seu meio ESTATÍSTICAS
normal ou mais frequente de vida. DAS PESCAS,
RECENSEAMENTO
DA PESCA
ARTESANAL

201 02 ESPÉCIES AQUÍCOLAS Espécies aquáticas, animais ou vegetais, utilizadas ESTATÍSTICAS


em sistemas de aquacultura. DAS PESCAS

202 02 ESPÉCIES AQUÁTICAS Espécies aquáticas, animais ou vegetais, não ESTATÍSTICAS


EXÓTICAS nativas de Moçambique. DAS PESCAS

203 02 ESPÉCIES AQUÁTICAS Espécies aquáticas animais ou vegetais indígenas ESTATÍSTICAS


NATIVAS de Moçambique. DAS PESCAS

204 02 ESPÉCIMES INFECTADAS Exemplares de espécies aquáticas que apresentam ESTATÍSTICAS


parasitas ou infecções resultantes de parasitas ou DAS PESCAS
microorganismos patogénicos.

205 02 ESPÉCIMES SELVAGENS Exemplares de espécies aquáticas animais ou ESTATÍSTICAS


vegetais nativas capturadas no meio ambiente DAS PESCAS
natural para fins de aquacultura.

206 02 ESTABELECIMENTO DE Unidade económica de produção de aquacultura ESTATÍSTICAS


AQUACULTURA composta constituída por uma ou mais instalações DAS PESCAS
de aquacultura e a universidade de bens e de
direitos que as integram.

207 02 EXPERIÊNCIA DE MÁQUINAS Operações realizadas por uma embarcação de ESTATÍSTICAS


DE EMBARCAÇÃO pesca após a modificação, reparação ou DAS PESCAS
substituição de equipamentos mecânicos,
eléctricos e electrónicos, com vista a testar o seu
funcionamento.

208 02 FISCAL DE PESCA Funcionário e outro agente de fiscalização do ESTATÍSTICAS


Ministério das Pescas credenciado para efeitos de DAS PESCAS
fiscalização das actividades de pesca com vista a
garantir o cumprimento da legislação pesqueira.

209 02 FISCALIZAÇÃO PESQUEIRA Acção de supervisão com vista a garantir o ESTATÍSTICAS


cumprimento da legislação pesqueira. DAS PESCAS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


33
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

210 02 FONTES LUMINOSAS PARA Qualquer estrutura dispondo de um ou mais focos ESTATÍSTICAS
ATRACÇÃO DO PESCADO de luz preparados especificamente para atrair o DAS PESCAS
pescado, independentemente de estar a bordo da
embarcação de pesca principal ou de embarcação
auxiliar, ou de ser um simples suporte flutuante,
não sendo como tal consideradas as luzes de
posição e de sinalização das embarcações
envolvidas.

211 02 FROTA DE PESCA * Frota cujas embarcações são registadas e ESTATÍSTICAS


utilizadas para o exercício da actividade da pesca DAS PESCAS
comercial e o uso de artes.

212 02 INSTALAÇÕES DE Massas de águas e seus fundos, natural ou ESTATÍSTICAS


AQUACULTURA artificialmente criadas, devidamente demarcadas, DAS PESCAS
e ainda quaisquer artefactos flutuantes ou
submersos e instalações em terra firme que
tenham por fim a reprodução ou a cultura de
espécies aquáticas.

213 02 LOCAL DA INSTALAÇÃO DE Zona com condições operacionais para as ESTATÍSTICAS


AQUACULTURA instalações de estabelecimentos de aquacultura. DAS PESCAS

214 02 MANGAL Área costeira ou ribeirinha coberta com vegetais ESTATÍSTICAS


de mangal. DAS PESCAS

215 02 MANIPULAÇÕES GENÉTICAS Qualquer alteração induzida sobre a constituição ESTATÍSTICAS


DE ESPÉCIES AQUÍCOLAS genética natural de espécies aquícolas para fins DAS PESCAS
de reprodução, crescimento, manutenção ou
melhoramento em sistemas de cultura.

216 02 MANUSEAMENTO DOS Acções relacionadas com o tratamento de ESTATÍSTICAS


PRODUTOS DA produtos da aquacultura, entre a captura e a DAS PESCAS
AQUACULTURA transformação ou entre a captura e a venda, que
compreendem, designadamente, os cuidados
durante a evisceração, lavagem, pôr em gelo,
armazenagem, transporte, as operações de
descarga ou quaisquer outras operações de
manuseio.

217 02 MASSAS DE ÁGUA Todos os reservatórios de água exceptuando a ESTATÍSTICAS


albufeira de Cahora Bassa e o lago Niassa. DAS PESCAS

218 02 MECÂNICO NAVAL Pessoa com capacidade de manutenção e ESTATÍSTICAS


reparação (caso de avaria) de motores para DAS PESCAS
embarcações.

MILHA Milha náutica, correspondente a 1852 metros. ESTATÍSTICAS


219 02 DAS PESCAS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


34
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

220 02 MODIFICAÇÕES DE Qualquer alteração estrutural realizada numa ESTATÍSTICAS


EMBARCAÇÕES embarcação de pesca e seus apetrechos, DAS PESCAS
nomeadamente guinchos ou cabrestantes, bem
como qualquer alteração ao sistema de propulsão
instalado, incluindo a substituição de motores, ou
qualquer alteração ao sistema de refrigeração e
congelação, ou qualquer alteração no
equipamento electrónico de navegação ou de
detecção de espécies aquáticas instalado a bordo.

221 02 MONITORIZAÇÃO Acção de acompanhamento das actividades de ESTATÍSTICAS


PESQUEIRA pesca por meio de recolha, registo, DAS PESCAS
processamento, análise e divulgação de
informação da pesca,

222 02 NÚMERO DE DIAS NO Número de dias completos em que o navio esteve ESTATÍSTICAS
LOCAL DE PESCA* efetivamente no local de pesca DAS PESCAS
independentemente dos motivos porque nele
permaneceu (avaria, mau tempo, etc.).

223 02 NÚMERO DE DIAS PESCA* Número de dias completos em que o navio esteve ESTATÍSTICAS
no local da pesca em atividade, descontando não DAS PESCAS
só o tempo de trajeto de e para os portos e entre
o local de pesca, mas também o tempo perdido
em atrasos provocados por condições
meteorológicas desfavoráveis, por avarias ou
outros fatores.

224 02 PESCA Actividades de captura de espécies aquáticas, ESTATÍSTICAS


incluindo preparativos de pesca, a pesca DAS PESCAS,
submarina, a caça de mamíferos aquáticos, a RECENSEAMENTO
apanha de corais e de conchas ornamentais ou de DA PESCA
colecção. ARTESANAL

225 02 PESCA À LINHA* Pesca efetuada por aparelhos de anzol ESTATÍSTICAS


DAS PESCAS

226 02 PESCA ARTESANAL Engloba a pesca mais tradicional (pesca efectuada ESTATÍSTICAS
por aparelhos de anzol) e caracteriza-se por DAS PESCAS,
envolver pequenas embarcações e ser exercida RECENSEAMENTO
por um ou dois pescadores. DA PESCA
ARTESANAL

227 02 PESCA ARTESANAL Abrange a pesca normalmente motorizada e em ESTATÍSTICAS


COMERCIAL mar aberto, com embarcações que podem DAS PESCAS
ultrapassar os 10m, e que mantém fortes ligações
aos mercados de consumo.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


35
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

228 02 PESCA COM REDE DE Pesca efectuada com uma rede ou redes ESTATÍSTICAS
EMALHAR* rectangulares colocadas junto do fundo em DAS PESCAS
posição vertical (rede fundeada) podendo também
ser mantida à superfície ou próximo desta por
meio de boias ou amarrada à embarcação (rede
de deriva).

229 02 PESCA COM REDES DE Pesca exercida por uma ou mais embarcações, ESTATÍSTICAS
ARRASTO* que rebocam redes, com ou sem portas, DAS PESCAS
directamente sobre o leito do mar (arrasto pelo
fundo) ou entre este e a superfície (arrasto
pelágico).

230 02 PESCA COSTEIRA* Pesca praticada no mar a distância mais ou menos ESTATÍSTICAS
significativa de terra nas áreas definidas na DAS PESCAS
legislação.

231 02 PESCA DE SUBSISTÊNCIA Pesca praticada com ou sem embarcação com ESTATÍSTICAS
meios artesanais elementares, constituindo uma DAS PESCAS
actividade secundária para as pessoas que a
praticam. Fornece bens alimentares para o
consumo próprio e não produz excedentes
significativos comercializáveis.

232 02 PESCA DESPORTIVA* Pesca exercida como actividade de lazer ou ESTATÍSTICAS


recreio, em que não podem ser comercializados os DAS PESCAS
exemplares capturados.

233 02 PESCA DO LARGO Pesca efetuada quase sempre efectuada a grande ESTATÍSTICAS
(LONGÍCUA)* distância do porto de origem (nas áreas definidas DAS PESCAS
na legislação), praticada pelas embarcações.

234 02 PESCA EXPERIMENTAL Actividades de captura ou apanha de espécies ESTATÍSTICAS


aquáticas realizadas para efeitos de DAS PESCAS
experimentação de artes de pesca, embarcações
de pesca, equipamentos de pesca ou de
prospecção de espécies.

235 02 PESCA FAMILIAR A actividade de pesca é praticada por pescadores ESTATÍSTICAS


da mesma família que não têm patrão (ou que faz DAS PESCAS
parte da família) e não se efectuam
remunerações.

236 02 PESCA ILEGAL Qualquer actividade de pesca ou conexa de pesca ESTATÍSTICAS


desenvolvida em violação da legislação pesqueira DAS PESCAS
ou das normas internacionalmente aceites.

237 02 PESCA MARÍTIMA Pesca praticada nas águas marítimas. ESTATÍSTICAS


DAS PESCAS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


36
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

238 02 PESCA PROFISSIONAL* Pesca exercida como actividade comercial, ESTATÍSTICAS


praticada por indivíduos devidamente licenciados. DAS PESCAS

239 02 PESCA RECREATIVA Pesca exercida por pescador amador fora dos ESTATÍSTICAS
concursos de pesca desportiva. DAS PESCAS

240 02 PESCA SUBMARINA Pesca praticada por pessoas em flutuação na água ESTATÍSTICAS
ou em imersão, em apneia ou dotada de meios de DAS PESCAS
respiração artificial, com ou sem o auxílio de
embarcação de pesca.

241 02 PESCADOR* Pessoa que exerce a sua actividade directamente ESTATÍSTICAS


na pesca. DAS PESCAS

242 02 PESCADOR EVENTUAL Tripulante que participa ocasionalmente na ESTATÍSTICAS


actividade de pesca numa unidade de pesca DAS PESCAS
considerada.

243 02 PESCADOR MIGRANTE Pescador que, por motivos diversos, saiu de seu ESTATÍSTICAS
local de origem, para vir trabalhar nos Centros de DAS PESCAS
Pesca referenciado. O período de estância pode
ser de uma semana (por exemplo no caso dos
Centros de Pesca temporário), ou indefinido.

244 02 PESCADOR PERMANENTE Tripulante que participa permanentemente á ESTATÍSTICAS


actividade da pesca numa unidade de pesca DAS PESCAS
considerada.

245 02 PESCADOR REGISTADO* Profissional que exerce a actividade da pesca e se ESTATÍSTICAS


encontra inscrito junto das Entidades Oficiais DAS PESCAS

246 02 PESCADOR SEM BARCO Um ou mais pescadores usando em comum uma ESTATÍSTICAS
ou mais artes sem embarcação. DAS PESCAS

PESCADOR TRIPULANTE Um dos elementos que constitui a equipa de ESTATÍSTICAS


número de pescadores necessário/mínimo/ DAS PESCAS
247 02 suficiente para a execução da actividade de pesca
a utilizar.

248 02 PESCARIA FECHADA Pescaria em regime de não acesso a embarcações ESTATÍSTICAS


de pesca ou a empreendimentos que directa ou DAS PESCAS
indirectamente incidam sobre a exploração de um
recurso pesqueiro.

249 02 PORTO BASE DE PESCA Porto no qual a embarcação de pesca faz ESTATÍSTICAS
normalmente as matrículas da sua tripulação, DAS PESCAS
prepara e inicia as suas actividades de pesca.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


37
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

250 02 PORTO DE PESCA Local com áreas especialmente destinadas à ESTATÍSTICAS


acostagem de embarcações de pesca e destinadas DAS PESCAS
a realizar actividades de abastecimento,
manuseamento,acondicionamento, armazenagem,
venda, carga, descarga e despacho de produtos
da pesca.

251 02 POTÊNCIA PROPULSORA Força motriz do motor ou motores propulsores ESTATÍSTICAS


instalados na embarcação de pesca. DAS PESCAS

252 02 PRINCÍPIOS DE PRECAUÇÃO A adopção de medidas preventivas relativas à ESTATÍSTICAS


DOS RECURSOS preservação, gestão e exploração dos recursos DAS PESCAS
PESQUEIROS pesqueiros bem como dos ecossistemas marinhos,
quer por necessidade de prevenir situações que
possam pôr em causa a sustentabilidade dos
recursos pesqueiros quer pelo grau de incerteza
do conhecimento científico existente em cada
momento.

253 02 PROCESSADOR DO Pessoa com capacidade de efectuar operações ESTATÍSTICAS


PESCADO que alterem a integridade anatómica ou que DAS PESCAS
transforme o estado natural característico do
pescado, por um processo químico ou físico.

254 02 PROCESSAMENTO DO Qualquer tratamento que altere a integridade ESTATÍSTICAS


PESCADO anatómica do produto da aquacultura ou que o DAS PESCAS
submeta a transformação um processo químico ou
físico tal como o enlatar, secar, fumar, pôr em
salmoura e congelar, ou a combinação destes
processos no tratamento dos produtos da
aquacultura para posteriormente serem vendidos
a grosso ou a retalho.

255 02 PRODUTOS DA Todos aqueles que sejam obtidos da actividade de ESTATÍSTICAS


AQUACULTURA reprodução ou crescimento, engorda, manutenção DAS PESCAS
e melhoramento de espécies aquáticas que sejam
controladas pelo homem.

256 02 PRODUTOS DA PESCA Recursos pesqueiros capturados no decurso da ESTATÍSTICAS


pesca. DAS PESCAS

257 02 QUOTA DE PESCA Quantidade limite de captura concedida a uma ESTATÍSTICAS


embarcação de pesca ou a um grupo de DAS PESCAS
pescadores artesanais para um determinado
período de tempo.

258 02 RECIFE ARTIFICIAL Conjunto de elementos ou módulos, constituídos ESTATÍSTICAS


por diversos materiais inertes, que se lançam DAS PESCAS
sobre o leito marinho a fim de favorecer a fixação,
preservação e reprodução das espécies.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


38
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

259 02 RECURSOS PESQUEIROS As espécies aquáticas, animais ou vegetais, cujo ESTATÍSTICAS


meio de vida normal ou mais frequente é a água, DAS PESCAS
e que são objecto de actividade da pesca ou de
aquacultura.

260 02 REDE ARRASTO DE FUNDO Arte de pesca constituída por redes, rebocadas ESTATÍSTICAS
por uma embarcação de pesca, que arrastam DAS PESCAS
directamente sobre o leito do mar.

261 02 REDE ARRASTO PARA Arte de pesca constituída por rede que arrasta ESTATÍSTICAS
TERRA sobre o leito do mar, lançada de pequena DAS PESCAS
embarcação, fazendo ou não uso de meios
mecânicos de alagem para terra ou banco de
areia.

262 02 REDE COLHER Pequenas redes, montadas numa armação circular ESTATÍSTICAS
e operada manualmente a partir de terra sem DAS PESCAS
qualquer instalação fixa ou de uma embarcação.

263 02 REDE DE ARRASTO Arte de pesca constituída por redes, rebocadas ESTATÍSTICAS
PELÁGICA OU SEMI- por uma embarcação de pesca, que arrastam DAS PESCAS
PELÁGICA entre o leito do mar e a superfície.

264 02 REDE DE CERCO Rede de pesca constituída por uma rede ESTATÍSTICAS
sustentada por flutuadores e mantidas na vertical DAS PESCAS
por pesos, a qual é largada da embarcação de
pesca principal com ou sem embarcação auxiliar e
manobrada de modo a envolver o cardume e a
fechar-se de forma de bolsa para efectuar a
captura.

265 02 REDE DE EMALHAR Arte de pesca constituída por redes de forma ESTATÍSTICAS
rectangular, mantidas verticalmente na água por DAS PESCAS
meio de pesos colocados no cabo inferior e de
flutuadores no cabo superior, destinadas a
provocar o emalhe e enredamento do pescado, o
qual pode ser levado a orientar-se na direcção da
rede.

266 02 REDE DE SACADA Arte de pesca composta por um cesto de rede ESTATÍSTICAS
com a forma rectangular ou circular segura por DAS PESCAS
tirantes a um cabo permitindo, desta forma, a sua
imersão e alagem.

267 02 SALTO E VARA Método de pesca praticado a partir de bordo de ESTATÍSTICAS


uma embarcação de pesca, com uma cana com DAS PESCAS
linha curta e um anzol sem barbela destinado à
captura de tunídeos ou espécies aquáticas afins,
utilizando isca viva ou artificial.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


39
Área Estatística 02 – Pesca

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

268 02 SISTEMA DE Sistema automático de monitorização de ESTATÍSTICAS


MONITORIZAÇÃO DE embarcações de pesca, usando tecnologia DAS PESCAS
EMBARCAÇÃO DE PESCA informática e de satélite, através do qual se
obtêm informações sobre o seu posicionamento,
sua velocidade e direcção, de capturas e esforço
de pesca e demais dados que permitam o
acompanhamento da actividade da embarcação
de pesca.

269 02 SISTEMA DE PESCA Conjunto constituído pelas artes de pesca, outros ESTATÍSTICAS
instrumentos, embarcações e métodos utilizados DAS PESCAS
na actividade de pesca.

270 02 SISTEMA DE PRODUÇÃO NA Conjunto de meios e técnicas aplicadas na cultura ESTATÍSTICAS


AQUACULTURA de espécies aquáticas. Podem ser de carácter DAS PESCAS
extensivo, semi-intensivo ou intensivo.

271 02 TÉCNICOS DE Técnicos e investigadores credenciados pelo ESTATÍSTICAS


INVESTIGAÇÃO PESQUEIRA Instituto Nacional de Investigação Pesqueira para DAS PESCAS
fins de recolha de informação sobre as actividades
de pesca.

272 02 TONELAGEM MÍNIMA DE Tonelagem de Arqueação Bruta (TAB) de uma ESTATÍSTICAS


UMA EMBARCAÇÃO embarcação de pesca ou o somatório do TAB de DAS PESCAS
um conjunto de embarcações de pesca
pertencentes ao mesmo armador.

273 02 TOTAL ADMISSÍVEL DE Quantidade limite que poderá ser capturada num ESTATÍSTICAS
CAPTURA (TAC) dado tempo, numa determinada pescaria, sem pôr DAS PESCAS
em causa a preservação, a renovação e a
sustentabilidade do recurso pesqueiro.

274 02 TRANSBORDO OU Acto de passar os produtos da pesca ou quaisquer ESTATÍSTICAS


BALDEAÇÃO outros produtos de uma embarcação para outra DAS PESCAS
no mar ou em porto.

275 02 TRIPULANTE * Pessoal de bordo não classificado como pescador. ESTATÍSTICAS


DAS PESCAS

276 02 UNIDADES DE PESCA* Embarcação com a sua tripulação e artes de pesca ESTATÍSTICAS
ou ainda na ausência de embarcação, pescador ou DAS PESCAS,
grupo de pescadores que utilizam em comum uma RECENSEAMENTO
ou mais artes de pesca. DA PESCA
ARTESANAL

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


40
Área Estatística 03 - Ambiente

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

277 03 ÁREA DEGRADADA Áreas com alterações adversas das características ESTATÍSTICAS
do ambiente, que incluem, entre outras, a DO AMBIENTE
poluição, desertificação, perda de habitat, a
erosão e o desflorestamento.

278 03 BIODIVERSIDADE Variedade de organismos vivos, incluindo ESTATÍSTICAS


genótipo, espécies e seus agrupamentos, DO AMBIENTE
ecossistemas terrestres e aquáticos e processos
ecológicos existentes numa determinada região.

279 03 CAUDAIS MÉDIOS Volume médio de água que passa por unidade de ESTATÍSTICAS
tempo numa das secções do curso em referência, DO AMBIENTE
expresso em m3/seg.

280 03 CLIMA Estado da atmosfera. Refere-se aos padrões de ESTATÍSTICAS


Pressão, precipitação, ventos, temperatura. DO AMBIENTE

281 03 CONSERVAÇÃO Gestão sustentável dos recursos florestais e ESTATÍSTICAS


faunísticos, sem colocarem em risco a DO AMBIENTE
biodiversidade.

282 03 COUTADAS OFICIAIS Áreas delimitadas do domínio público, destinadas ESTATÍSTICAS


à caça desportiva, fomento de turismo sinergético DO AMBIENTE
e protecção das espécies nas quais o direito à
caça só é reconhecido por via de contrato de
concessão celebrado entre o operador e o estado.

283 03 DEGRADAÇÃO DA TERRA Redução ou perda, nas zonas áridas, semiáridas e ESTATÍSTICAS
sub-humanas, da produtividade biológica ou DO AMBIENTE
económica e da complexidade das terras agrícolas
de sequeiro, das terras agrícolas irrigadas, das
pastagens naturais semeadas, das florestas e das
matas nativas.

284 03 ESTATÍSTICAS DO Sistema de recolha, sistematização, ESTATÍSTICAS


AMBIENTE processamento, análise, descrição e publicação de DO AMBIENTE
informação relevante sobre o ambiente físico
(natural) e as interacções entre este e os eventos
naturais e actividades humanas, incluindo os
impactos desses eventos e actividades sobre este
ambiente e os seres que o integram.

285 03 FOGO Agente de decomposição. Resultado de uma ESTATÍSTICAS


reação química que desprende luz e calor devido à DO AMBIENTE
combustão de materiais diversos.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


41
Área Estatística 03 - Ambiente

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

286 03 HUMIDADE RELATIVA Teor de humidade de uma amostra de ar, ESTATÍSTICAS


expresso em percentagem. E a massa de vapor de DO AMBIENTE
água presente em gramas, por cada quilograma
de ar seco.

287 03 INSTRUMENTOS DE Instrumentos de natureza regulamentar, que ESTATÍSTICAS


PLANEAMENTO estabelecem o regime de uso do solo, definindo DO AMBIENTE
TERRITORIAL modelos de evolução da ocupação humana e da
organização de redes e sistemas urbanos e, na
escala adequada, parâmetros de aproveitamento
do solo. São instrumentos de planeamento do
território os planos municipais de ordenamento do
território, que compreendem as seguintes figuras:
a) plano director municipal, que, com base na
estratégia de desenvolvimento local, estabelece a
estrutura espacial, a classificação básica do solo,
bem como parâmetros de ocupação, considerando
a implantação dos equipamentos sociais, e
desenvolve a qualificação dos solos urbanos e
rural; b) plano de urbanização, que desenvolve,
em especial, a qualificação do solo urbano; c)
plano de pormenor, etc.

288 03 LAGO OU LAGOA Reservatório natural do domínio público, ocupado ESTATÍSTICAS


permanente ou temporariamente por águas DO AMBIENTE
superficiais provenientes de nascentes, das
chuvas, dos rios, ou de qualquer outra fonte de
água.

289 03 LIXEIRA Local onde os resíduos são depositados sem ESTATÍSTICAS


qualquer controlo, com riscos evidentes para o DO AMBIENTE
ambiente (poluição do ar, água e solos).

290 03 PARQUE NACIONAL Espaço territorial delimitado que se destina à ESTATÍSTICAS


preservação dos ecossistemas naturais, em geral DO AMBIENTE
de grande beleza Cénica e representativo do
património nacional.

291 03 PRECIPITAÇÃO MENSAL Quantidade de água que cai numa determinada ESTATÍSTICAS
superfície ao longo de um mês, normalmente DO AMBIENTE
expressa em milímetros de altura do pluviómetro.

292 03 RESÍDUOS Qualquer substância ou objeto de que o detentor


se desfaz ou tem a intenção ou obrigação de se
desfazer, de acordo com as indicações constantes
na legislação em vigor".

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


42
Área Estatística 03 - Ambiente

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

293 03 RESÍDUOS HOSPITALARES Lixo produzido em unidades de prestação de ESTATÍSTICAS


cuidados de saúde, incluindo as actividades DO AMBIENTE
médicas de diagnósticos, tratamento e prevenção
de doenças em seres humanos ou animais e ainda
as actividades de investigação relacionadas.

294 03 RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resíduos produzidos em actividades ou processos ESTATÍSTICAS


industriais incluindo o que resulta das actividades DO AMBIENTE
de produção e distribuição de eletricidade, gás e
água.

295 03 RESÍDUOS URBANOS Lixo doméstico, lixo proveniente de ESTATÍSTICAS


estabelecimentos comerciais e do sector de DO AMBIENTE
serviços e outros resíduos que pela sua natureza
ou composição, sejam semelhantes aos resíduos
domésticos, desde que a sua produção diária não
exceda 1100litros.

296 03 SECA Fenómeno que ocorre naturalmente quando a ESTATÍSTICAS


precipitação registada é inferior aos valores DO AMBIENTE
normais, provocando desequilíbrio hídrico que
afecta negativamente os sistemas de produção
dependentes dos recursos da terra.

297 03 SISTEMA DE Conjunto coerente de órgãos interligados que, no ESTATÍSTICAS


ABASTECIMENTO DE ÁGUA seu todo, tem como função fornecer água para o DO AMBIENTE
consumo humano, em quantidade e qualidade
adequadas. Considera-se quantidade e qualidade
adequadas àquelas que satisfazem as exigências
quantitativas e qualitativas que são estabelecidas
na norma local e na legislação nacional aplicável.
Na sua forma completa um sistema de
abastecimento de água é composto pelos
seguintes órgãos: capacitação, estação elevatória,
reservatório e rede de distribuição.

298 03 TEMPERATURA MÁXIMA Valor em graus centígrados da temperatura mais ESTATÍSTICAS


ABSOLUTA MENSAL elevada observada entre os registos mensais de DO AMBIENTE
temperatura.

299 03 TEMPERATURA MÍNIMA Valor em graus centígrados da temperatura mais ESTATÍSTICAS


ABSOLUTA MENSAL baixa observada entre os registos mensais de DO AMBIENTE
temperatura.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


43
Área Estatística 04 - Electricidade, Gás e Água

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

300 04 CONSUMO DOMÉSTICO Consumo relativo a casa de habitação, SISTEMA


arrecadações ou garagens de uso particular TARIFÁRIO-
localizadas em anexos ou dependências de casas ELECTRICIDADE
de habitação, ainda que medidos por contador DE
próprio. MOÇAMBIQUE.
EP

301 04 ELECTRICIDADE Energia produzida por centrais hidroeléctricas, CONTRATO


geotérmicas, nucleares e térmicas convencionais PROGRAMA:
(excluindo-se a energia produzida por estações de GOVERNO, EDM,
bombagem), medida pelo poder calorífico de 3,6 CAHORA BASSA E
TJ/GWh. OUTROS
PARCEIROS

302 04 ENERGIA COBRADA Parte da energia facturada nas diversas categorias SUMÁRIO
(Baixa Tensão, Média Tensão, Alta Tensão) ESTATÍSTICO E
realmente paga pelos clientes. RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

303 04 ALTA TENSÃO Tensão entre fases cujo valor eficaz é superior a SUMÁRIO
66 kV " ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

304 04 BAIXA TENSÃO Tensão entre fases cujo valor eficaz é igual ou SUMÁRIO
inferior a 1 kV " ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

305 04 ENERGIA DE MÉDIA TENSÃO Tensão superior a 1KV e igual ou inferior a 66 KV. SUMÁRIO
ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

306 04 ENERGIA EMITIDA PELA Diferença entre a energia produzida e a energia SUMÁRIO
CENTRAL consumida na central. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

307 04 ENERGIA FACTURADA Total de Energia vendida em Baixa ( BT ), Média ( SUMÁRIO


MT ) e Alta Tensão ( AT ), incluindo a exportação. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


45
Área Estatística 04 - Electricidade, Gás e Água

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

308 04 ENERGIA FINAL Energia que é utilizada directamente pelo SUMÁRIO


utilizador final, já excluída da energia utilizada nos ESTATÍSTICO E
processos de transformação e das perdas RELATÓRIO
inerentes a esses processos. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

309 04 ENERGIA REACTIVA (ER) Quociente entre a energia reactiva consumida ou SUMÁRIO
fornecida pelo cliente em determinado período e a ESTATÍSTICO E
energia activa consumida nesse mesmo período. RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

310 04 ENERGIA TOTAL (ET) Somatório da energia adquirida a nível nacional SUMÁRIO
(da HCB), energia produzida (pela EDM) e a ESTATÍSTICO E
energia importada de outros produtores a nível de RELATÓRIO
África Austral. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

311 04 FACTOR DE CARGA DE Rácio entre a energia total fornecida (produção + SUMÁRIO
ENERGIA ELÉCTRICA aquisição + importação) e o produto entre a ESTATÍSTICO E
ponta máxima e o número de horas do ano, RELATÓRIO
destacando-se as horas de indisponibilidade total ANUAL DE
dos sistemas primários (em AT). ESTATÍSTICA

312 04 ILUMINAÇÃO PÚBLICA Energia destinada a iluminação de vias, estradas, SUMÁRIO


autoestradas, parques, jardins e praças públicas, ESTATÍSTICO E
bem como outros locais de carácter RELATÓRIO
iminentemente público e sob responsabilidade das ANUAL DE
"Administrações Locais, conselhos municipais". ESTATÍSTICA

313 04 IMPORTAÇÃO DE ENERGIA Quantidade de produtos energéticos comprados a SUMÁRIO


um país estrangeiro, incluindo as ramas de ESTATÍSTICO E
petróleo para tratamento a feitio. RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

314 04 ÍNDICE DE COBRANÇA (IC) Rácio em percentagem entre a energia cobrada e SUMÁRIO
a energia facturada. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

315 04 ÍNDICE DE DESEMPENHO Índice que mede a capacidade de gerar Cashflow SUMÁRIO
GLOBAL (IDG) para cobrir o serviço da divida. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


46
Área Estatística 04 - Electricidade, Gás e Água

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

316 04 NÚMERO DE NOVAS Total de novas instalações ligadas durante o SUMÁRIO


LIGAÇÕES EFECTUADAS período, que foram vistoriadas pela primeira vez, ESTATÍSTICO E
independentemente de poderem ou não ser RELATÓRIO
posteriormente desligadas por falta de pagamento ANUAL DE
ou outros motivos. ESTATÍSTICA

317 04 NÚMERO DE CLIENTES Total de pessoas singulares ou colectivas, SUMÁRIO


existentes no final do período, que utilizaram ou ESTATÍSTICO E
compraram Energia Eléctrica num local definido e RELATÓRIO
na base de um contrato válido. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

318 04 PERDAS NÃO TÉCNICAS DE Perdas comerciais resultantes de consumos ilegais SUMÁRIO
ENERGIA ELÉCTRICA por via de ligações não autorizadas, fraudes ou ESTATÍSTICO E
violações do contador, erros de leitura e/ou de RELATÓRIO
introdução de dados nos sistemas de facturação. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

319 04 PERDAS POR MÁ COBRANÇA Diferença entre a energia facturada e a energia SUMÁRIO
DE ENERGIA ELÉCTRICA cobrada, resultante do não pagamento atempado ESTATÍSTICO E
por parte dos clientes, cancelamento das RELATÓRIO
instalações devedoras ou erros e falhas de ANUAL DE
tesouraria. ESTATÍSTICA

320 04 PERDAS TÉCNICAS DE Energia dissipada através dos vários elementos SUMÁRIO
ENERGIA ELÉCTRICA dos sistemas de produção, transporte e ESTATÍSTICO E
distribuição de electricidade (geradores, RELATÓRIO
transformadores e condutores). ANUAL DE
ESTATÍSTICA

321 04 PERDAS TOTAIS DE Somatório das perdas técnicas, não técnicas e SUMÁRIO
ENERGIA ELÉCTRICA perdas por má cobrança. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

322 04 PONTA DO SISTEMA Potência eléctrica máxima registada durante um SUMÁRIO


período geralmente um ano. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


47
Área Estatística 04 - Electricidade, Gás e Água

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

323 04 POTÊNCIA Potência máxima que a central pode fornecer em SUMÁRIO


MÁXIMA/NOMINAL LÍQUIDA serviço contínuo nos seus terminais de saída, ESTATÍSTICO E
POSSÍVEL DE UMA CENTRAL deduzida da potência absorvida pelos serviços RELATÓRIO
auxiliares e das perdas nos transformadores da ANUAL DE
central supondo que não existe nenhuma ESTATÍSTICA
indisponibilidade de material nem nenhuma causa
restritiva exterior, mas tendo em conta as
limitações que podem resultar das possibilidades
máximas de cada uma das partes das instalações
principais e anexas à central.

324 04 PRODUÇÃO BRUTA DE Produção medida à saída dos grupos da central SUMÁRIO
ENERGIA ELÉCTRICA eléctrica. Compreende a energia absorvida pelos ESTATÍSTICO E
serviços auxiliares da central e pelas perdas dos RELATÓRIO
transformadores que são considerados como ANUAL DE
fazendo parte da central. ESTATÍSTICA

325 04 PRODUÇÃO LÍQUIDA DE Produção à saída da central e enviada para a SUMÁRIO


ENERGIA ELÉCTRICA rede, depois de deduzida a energia absorvida ESTATÍSTICO E
pelos serviços auxiliares da central assim como as RELATÓRIO
perdas dos transformadores que são consideradas ANUAL DE
como fazendo parte da central. ESTATÍSTICA

326 04 PRODUÇÃO/CAPACIDADE Valor correspondente à soma das potências SUMÁRIO


INSTALADA DE ENERGIA nominais. No caso das centrais eléctricas é a soma ESTATÍSTICO E
ELÉCTRICA das potências nominais dos geradores eléctricos RELATÓRIO
principais. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

327 04 SISTEMA DE Conjunto coerente de órgãos interligados que, no SUMÁRIO


ABASTECIMENTO DE ÁGUA seu todo, tem como função fornecer água para o ESTATÍSTICO E
consumo humano, em quantidade e qualidade RELATÓRIO
adequadas. Considera-se quantidade e qualidade ANUAL DE
adequadas aquelas que satisfazem as exigências ESTATÍSTICA
quantitativas e qualitativas que são estabelecidas
na norma local e na legislação nacional aplicável.
Na sua forma completa um sistema de
abastecimento de água é composto pelos
seguintes órgãos: capacitação, estação elevatória,
reservatório e rede de distribuição.

328 04 TARIFA SOCIAL Destinada aos consumos relativos a casas de SUMÁRIO


habitação, com potência contratada de 1KWh e ESTATÍSTICO E
um consumo mensal não superior a 100KWh, RELATÓRIO
sendo concedida mesmo sem pedido expresso do ANUAL DE
consumidor. ESTATÍSTICA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


48
Área Estatística 04 - Electricidade, Gás e Água

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

329 04 VALOR ACRESCENTADO DE Corresponde ao somatório da energia adquirida ao SUMÁRIO


ENERGIA ELÉTRICA (VA) nível Nacional e a importada retirando todas as ESTATÍSTICO E
despesas sobre bens e serviços utilizados e RELATÓRIO
esgotadas totalmente no processo produtivo. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

330 04 VALOR DA PRODUÇÃO DE Somatório da energia adquirida a nível nacional SUMÁRIO


ENERGIA ELÉCTRICA (VP) (da HCB) e a energia importada. ESTATÍSTICO E
RELATÓRIO
ANUAL DE
ESTATÍSTICA

331 04 VALOR DE FACTURAÇÃO DE Valor pago pela electricidade consumida SUMÁRIO


ELECTRICIDADE (subjacente ao tipo de tensão da electricidade ESTATÍSTICO E
distribuída), incluindo os encargos ligados à taxa RELATÓRIO
de potência aplicada. ANUAL DE
ESTATÍSTICA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


49
Área Estatística 05 – Transportes e Comunicações

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

332 05 ACIDENTE DE VIAÇÃO Acontecimento fortuito, súbito e anormal ocorrido ESTATÍSTICAS


na via pública em consequência da circulação DOS
rodoviária, de que resultem vítimas ou danos TRANSPORTES E
materiais. COMUNICAÇÕES

333 05 AEROPORTO Área disponível para operações comerciais e para ESTATÍSTICAS


aterragem e descolagem de transportes aéreos. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

334 05 AUTOMÓVEL LIGEIRO Veículo automóvel cuja lotação ou peso bruto não ESTATÍSTICAS
exceda, respectivamente, nove lugares (incluindo DOS
condutor) ou 3500 kg. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

335 05 AUTOMÓVEL MISTO Veículo automóvel para o transporte, alternado ou ESTATÍSTICAS


em simultâneo de passageiros e mercadorias. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

336 05 AUTOMÓVEL PESADO Veículo automóvel cuja lotação ou peso bruto ESTATÍSTICAS
sejam superiores, respectivamente, a nove DOS
lugares ou 3500 Kg. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

337 05 CAPACIDADE DAS CENTRAIS Número máximo de linhas principais que podem ESTATÍSTICAS
TELEFÓNICAS ser ligadas. Esse número corresponde as linhas já DOS
ligadas e as disponíveis para ligação posterior. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

338 05 CARGA TRANSPORTADA Peso em toneladas de mercadoria (jornais, malas ESTATÍSTICAS


diplomáticas e encomendas postais), com DOS
excepção de correio e das bagagens dos TRANSPORTES E
passageiros. COMUNICAÇÕES

339 05 CARTA Correspondência fechada, cujo o conteúdo não ESTATÍSTICAS


possa utilizar-se sem a violação do invólucro, ou DOS
ainda qualquer correspondência aberta com TRANSPORTES E
indicações manuscritas de carácter actual e COMUNICAÇÕES
pessoal.

340 05 CENTRAIS TELEFÓNICAS Centros de comutação telefónica, podendo ser ESTATÍSTICAS


automáticas (comutações sem intervenção de um DOS
operador) ou manuais (comutações com TRANSPORTES E
intervenção de um operador). COMUNICAÇÕES

341 05 COEFICIENTE DE Relação em percentagem, entre os passageiros- ESTATÍSTICAS DOS


UTILIZAÇÃO quilómetro transportados e os lugares-quilómetro TRANSPORTES E
(PASSAGEIROS) oferecidos. COMUNICAÇÕES

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


51
Área Estatística 05 – Transportes e Comunicações

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

342 05 COEFICIENTE DE Relação em percentagem, entre as toneladas- ESTATÍSTICAS


UTILIZAÇÃO DA quilómetro transportadas e as toneladas- DOS
CAPACIDADE COMERCIAL quilómetro oferecidas. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

343 05 CORREIO AÉREO Todos os sacos fechados remetidos pelos correios ESTATÍSTICAS
ou empresas semelhantes, qualquer que seja o DOS
conteúdo. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

344 05 CORREIO NORMAL Serviço de correspondência que inclui cartas, ESTATÍSTICAS


bilhetes postais, jornais, livros, publicações DOS
periódicas, de carácter não prioritário. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

345 05 CORRESPONDÊNCIA Correspondência sujeita a um tratamento ESTATÍSTICAS


REGISTADA preferencial ao longo de todo o circuito, com DOS
entrega em mão e documento comprovativo TRANSPORTES E
nalguma das vezes. COMUNICAÇÕES

346 05 ENCOMENDAS POSTAIS Volumes que o correio transporta e que ESTATÍSTICAS


normalmente, contém mercadorias. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

347 05 ESPRESS MAIL SERVICE Serviços de entrega em mão, de objectos ESTATÍSTICAS


urgentes e importantes. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

348 05 ESTRADA CLASSIFICADA Estrada a qual tenha sido atribuída uma classe, ESTATÍSTICAS
mediante declaração pública da entidade DOS
competente. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

349 05 ESTRADA PRIMÁRIA OU Estrada pública que faz parte da rede principal ESTATÍSTICAS
PRINCIPAL rodoviária que assegura a ligação entre as cidades DOS
capitais provinciais e os principais centros, e este TRANSPORTES E
com principais portos e postos importantes das COMUNICAÇÕES
fronteiras com os países vizinhos.

350 05 ESTRADA SECUNDÁRIA Estrada pública que faz parte da rede principal ESTATÍSTICAS
rodoviária que assegura a ligação entre as cidades DOS
capitais provinciais, portos marítimos e fluviais, TRANSPORTES E
centros comerciais, industriais e agrícolas e as COMUNICAÇÕES
estações de caminhos de ferro e estes com as
estradas primárias.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


52
Área Estatística 05 – Transportes e Comunicações

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

351 05 ESTRADA TERCIÁRIA Estrada pública que faz parte da rede de estradas ESTATÍSTICAS
que assegura as ligações rodoviária entre os DOS
centros populacionais distritais ou interesse local e TRANSPORTES E
estes com as estradas secundárias e primárias. COMUNICAÇÕES

352 05 LUGARES - KM OFERECIDOS Soma dos produtos resultantes da multiplicação ESTATÍSTICAS


do número de lugares oferecidos para venda, em DOS
cada troço, pela distância deste troço. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

353 05 MOTO Veículo automóvel munido de um motor de ESTATÍSTICAS


cilindrada superior a 50 cm3, que não deve ser DOS
considerado automóvel ligeiro. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

354 05 NÚMERO DE ASSINANTES Número de linhas telefónicas em uso à central ESTATÍSTICAS


DE SERVIÇO TELEFÓNICO principal. DOS
FIXO TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

355 05 NÚMERO DE ASSINANTES Número de cartões pré-pagos e numero de ESTATÍSTICAS


DE SERVIÇOS TELEFÓNICOS assinantes por contrato do serviço telefónico que DOS
MÓVEL utilizam sistemas de telemóveis. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

356 05 PASSAGEIRO QUILÓMETROS Soma dos produtos resultantes da multiplicação ESTATÍSTICAS


REALIZADOS do número de passageiros pagantes em cada DOS
percurso pela distância desse percurso. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

357 05 PASSAGEIRO Toda pessoa que é transportada por avião, ESTATÍSTICAS


TRANSPORTADO automóvel, comboio, barco/navio à excepção de DOS
crianças com idade inferior a um ano não TRANSPORTES E
ocupando um lugar sentado e dos membros COMUNICAÇÕES
tripulação.

358 05 TONELADAS - MILHAS Soma resultante da multiplicação do "payload" ESTATÍSTICAS


OFERECIDAS oferecido em cada troço, pela distância em milhas. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

359 05 TRACTOR Veículo automóvel exclusivamente concebido para ESTATÍSTICAS


desenvolver esforço de tracção sem comportar DOS
carga útil. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

360 05 TRACTOR AGRÍCOLA Tractor agrícola (veículo automóvel concebido, ESTATÍSTICAS


exclusiva ou principalmente, para fins agrícolas, DOS
esteja ou não autorizado a utilizar as estradas TRANSPORTES E
abertas à circulação pública). COMUNICAÇÕES

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


53
Área Estatística 05 – Transportes e Comunicações

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

361 05 TRACTOR RODOVIÁRIO Tractor Rodoviário (Veículo rodoviário motorizado ESTATÍSTICAS


concebido, exclusiva ou principalmente, para DOS
rebocar outros veículos rodoviários não TRANSPORTES E
motorizados, principalmente semirreboques). COMUNICAÇÕES

362 05 TRÁFEGO AÉREO Todos os movimentos de aeronaves que ESTATÍSTICAS


COMERCIAL pertençam a uma companhia de transporte aéreo, DOS
afectas a actividade remunerada. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

363 05 TRÁFEGO AÉREO NÃO Todos os voos não incluídos no horário regular, ESTATÍSTICAS
REGULAR sem continuidade e frequência e destinados a DOS
satisfazer necessidades específicas de transporte TRANSPORTES E
de passageiros ou carga, mediante um contrato COMUNICAÇÕES
de frete.

364 05 TRÁFEGO AÉREO REGULAR Todos os voos com horário regular, bem como os ESTATÍSTICAS
voos de desdobramento a esse horário, e que DOS
resultam do aumento da procura do tráfego. TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

365 05 TRÁFEGO TELEFÓNICO Tráfego nacional e internacional de chamadas, de ESTATÍSTICAS


mensagens e de dados. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

366 05 TRANSPORTE E SERVIÇOS Corresponde a prestação de serviços no âmbito de ESTATÍSTICAS


AUXILIARES AOS transportes e todos os serviços auxiliares aos DOS
TRANSPORTES transportes cujas as unidades económicas TRANSPORTES E
correspondem a uma unidade jurídica que COMUNICAÇÕES
possuem uma autonomia de organização.

367 05 VEÍCULO Unidade material móvel destinado ao transporte ESTATÍSTICAS


de pessoas ou de mercadorias. DOS
TRANSPORTES E
COMUNICAÇÕES

368 05 VEÍCULO AUTOMÓVEL Veículo automóvel de propulsão mecânica, ESTATÍSTICAS


destinado a transitar pelos seus próprios meios na DOS
via pública, servindo normalmente para o TRANSPORTES E
transporte de pessoas ou de mercadorias. COMUNICAÇÕES

369 05 VEÍCULO ESPECIAL Veículo que não deva ser considerado de ESTATÍSTICAS
passageiros, de mercadorias ou misto. São DOS
exemplos: auto–vivendas, tanques, frigoríficos, TRANSPORTES E
veículos funerários, de transporte de lixo e pronto COMUNICAÇÕES
socorro.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


54
Área Estatística 06 – Indústria (Transformadora e Extractiva)

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

370 06 AGUARDENTE Bebida alcoólica obtida por destilação de matérias CAP


vegetais fermentadas (vinho, bagaço, cereais,
batatas, melaços, cana de açúcar, caju, frutas e
etc.).

371 06 BAGAÇO Resíduos de frutos prensados para o fabrico do ESTATÍSTICAS


vinho, sumos, açúcar, óleos etc. DE AGRICULTURA

372 06 CARCAÇA Corpo de qualquer animal abatido após ter sido ESTATÍSTICAS
sangrado e preparado conforme a espécie. DE AGRICULTURA

373 06 INDÚSTRIA Todas as actividades económicas incluídas no ESTATÍSTICAS


TRANSFORMADORA âmbito da Secção C da Classificação das INDUSTRIAIS
Actividades Económicas envolvendo a produção de
bens de consumo, de bens intermédios e de
investimento.

374 06 MATADOURO Local ou estabelecimento formal e especialmente CAP


preparado com material convencional para o
abate de animais destinados ao consumo público
ou à indústria.

375 06 PROCESSO INDUSTRIAL Processo de transformação (físico, químico, ESTATÍSTICAS


manual, etc.) utilizado na fabricação de novos INDUSTRIAIS
produtos (bens de consumo, intermédios ou de
investimentos)

376 06 PRODUTO Resultado de uma actividade económica, aplicado ESTATÍSTICAS


a bens e serviços que são comercializados ou INDUSTRIAIS
utilizados como consumo final, consumo
intermédio ou como investimento.

377 06 PRODUTO ACABADO Produto com o processamento concluído. ESTATÍSTICAS


INDUSTRIAIS

378 06 PRODUTO SEMI-ACABADO Produto que sofreu um processamento e necessita ESTATÍSTICAS


(OU INTERMÉDIO) de novo processamento para posterior utilização. INDUSTRIAIS

379 06 SERVIÇOS INDUSTRIAIS Serviços que constituem saídas características das ESTATÍSTICAS
indústrias transformadoras e em grande parte são INDUSTRIAIS
consumidos por estas actividades.

380 06 TRANSFORMAÇÃO Processo que modifica a natureza, composição ou ESTATÍSTICAS


forma das matérias-primas e dos produtos semi- INDUSTRIAIS
acabados ou acabados, a fim de se obterem novos
produtos.

381 06 TRINCAS DE ARROZ Subproduto da transformação do arroz, CAP


constituído por grãos partidos, com um
comprimento inferior a três quartos da média dos
comprimentos típicos da variedade.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


55
Área Estatística 07 – Construção, Habitação e Engenharia Civil

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

382 07 AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO Obra efectuada num edifício já existente que deu ESTATÍSTICAS
origem a um aumento do número de pavimentos DE CONSTRUÇÃO
(ampliação vertical) ou da superfície dos (DOCUMENTO
pavimentos já existentes (ampliação horizontal). GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

383 07 APARTAMENTO Alojamento familiar inserido num edifício de IOF


construção permanente com mais de um fogo
cuja entrada principal dá, geralmente, para uma
escada, um corredor ou um pátio.

384 07 ÁREA DOS PAVIMENTOS Soma das áreas de todos os pavimentos do ESTATÍSTICAS
edifício. A área é medida a partir do interior das DE CONSTRUÇÃO
paredes exteriores. (DOCUMENTO
GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

385 07 ÁREA HABITÁVEL Soma das áreas de todas as divisões ou ESTATÍSTICAS


compartimentos do alojamento (incluem-se todos DE CONSTRUÇÃO
os compartimentos excepto vestíbulos, circulações (DOCUMENTO
interiores, instalações sanitárias, armários nas GERAL DAS
paredes, arrumos e outros compartimentos de EDIFICAÇÕES
função similar,). URBANAS)

386 07 ÁREA HABITÁVEL DOS Soma das áreas das divisões do fogo ou fogos do ESTATÍSTICAS
FOGOS edifício. DE CONSTRUÇÃO
(DOCUMENTO
GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

387 07 ÁREA ÚTIL DO Soma das áreas de todos os compartimentos da ESTATÍSTICAS


ALOJAMENTO/FOGO habitação, incluindo vestíbulos, circulações DE CONSTRUÇÃO
interiores, instalações sanitárias, arrumos, outros (DOCUMENTO
compartimentos de função similar e armários nas GERAL DAS
paredes, e mede-se pelo perímetro interior das EDIFICAÇÕES
paredes que limitam o fogo, descontando encalços URBANAS)
até 30cm, paredes interiores, divisórias e
condutas.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


57
Área Estatística 07 – Construção, Habitação e Engenharia Civil

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

388 07 ÁREA ÚTIL TOTAL Inclui áreas usadas para fim idêntico ao do CLASSIFICAÇÃO
edifício, independentemente da sua posição na DAS
construção. Não inclui: áreas funcionais para CONSTRUÇÕES
utilização logística (por exemplo, áreas ocupadas DE MOÇAMBIQUE
por instalações de aquecimento e ar condicionado
ou geradores de energia). A parte da área útil
total de um edifício utilizado para fins residenciais
inclui a área usada para as cozinhas, salas de
estar, quartos e divisões anexas, caves e divisões
comuns utilizadas pelos proprietários das unidades
residenciais.

389 07 CASA CONVENCIONAL Unidade habitacional unifamiliar que tenha IOF


quarto(s), casa de banho e cozinha dentro de casa
e, é construída com materiais duráveis (bloco de
cimento, tijolo, chapa de zinco/lusalite, telha/laje
de betão).

390 07 CONSTRUÇÃO NOVA Obra ou conjunto de obras realizadas num talhão ESTATÍSTICAS
desocupado, como edifícios, muros, DE CONSTRUÇÃO
pavimentação, canalizações ou conjunto destes. (DOCUMENTO
GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

391 07 CONSTRUÇÕES Estruturas ligadas ao solo, feitas de materiais de CLASSIFICAÇÃO


construção e de componentes para as quais é DAS
efectuado o trabalho de construção. Assim, os CONSTRUÇÕES
trabalhos de preparação do solo para fins DE MOÇAMBIQUE
agrícolas, não são considerados como
construções.

392 07 CUSTO DA OBRA Valor pago ao empreiteiro se a obra for dada de ESTATÍSTICAS
empreitada, ou o valor de materiais, mão-de-obra, DE CONSTRUÇÃO
encargos sociais, trabalho prestado pelo próprio e (DOCUMENTO
seus familiares, se a obra for feita por GERAL DAS
administração directa. Se a obra for executada EDIFICAÇÕES
pelo próprio ou com ajuda dos seus familiares, URBANAS)
deverá ser atribuído um valor a esse trabalho,
que, somado ao valor dos materiais consumidos,
determinará o custo da obra (o custo do terreno
não deve ser incluído).

393 07 DEMOLIÇÃO Destruição total ou parcial do edifício. ESTATÍSTICAS


DE CONSTRUÇÃO
(DOCUMENTO
GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


58
Área Estatística 07 – Construção, Habitação e Engenharia Civil

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

394 07 EDIFICAÇÃO Actividade ou o resultado da construção, ESTATÍSTICAS


reconstrução, ampliação, alteração ou DE CONSTRUÇÃO
conservação de um imóvel destinado à utilização (DOCUMENTO
humana, bem como de qualquer outra construção GERAL DAS
que se incorpore no solo com carácter de EDIFICAÇÕES
permanência. URBANAS)

395 07 EDIFÍCIO PARA HABITAÇÃO Construção independente, coberta, limitada por CAE
paredes exteriores ou paredes-meias que vão das
fundações à cobertura, destinada a servir de
habitação (com um ou mais alojamentos/fogos)
ou outros fins.

396 07 EDIFÍCIOS Construções cobertas que podem ser utilizadas CLASSIFICAÇÃO


separadamente, construídas para fins DAS
permanentes, permitindo acesso para acomodar e CONSTRUÇÕES
proteger pessoas, animais ou objectos. Os DE MOÇAMBIQUE
edifícios não requerem necessariamente paredes.
Basta que tenham um telhado, embora deva
existir uma demarcação que constitui o carácter
individual do edifício para ser utilizado
separadamente.

397 07 EDIFÍCIOS NÃO Construções prioritariamente utilizadas ou CLASSIFICAÇÃO


RESIDENCIAIS destinadas a fins não residenciais DAS
CONSTRUÇÕES
DE MOÇAMBIQUE

398 07 EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS Construções das quais pelo menos metade são CLASSIFICAÇÃO
utilizadas para habitação. DAS
CONSTRUÇÕES
DE MOÇAMBIQUE

399 07 FOGO OU ALOJAMENTO Local distinto e independente, constituído por uma CLASSIFICAÇÃO
FAMILIAR divisão ou conjunto de divisões e seus anexos, DAS
destinado a servir de habitação. Deve ter uma CONSTRUÇÕES
entrada independente que dê acesso (quer DE MOÇAMBIQUE
directamente, quer através de um jardim ou um
terreno) a uma via ou passagem comum no
interior do edifício.

400 07 HABITAÇÃO Todo o local destinado ao alojamento de pessoas. CLASSIFICAÇÃO


DAS
CONSTRUÇÕES
DE MOÇAMBIQUE

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


59
Área Estatística 07 – Construção, Habitação e Engenharia Civil

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

401 07 LICENÇA DE OBRAS Autorização concedida pelas Câmaras Municipais ESTATÍSTICAS


ao abrigo de legislação específica, para execução DE CONSTRUÇÃO
de Obras (construções novas, ampliações, (DOCUMENTO
transformações, restaurações e demolições de GERAL DAS
edifícios). EDIFICAÇÕES
URBANAS)

402 07 OBRA DE ALTERAÇÃO Obra de que resulte a modificação das ESTATÍSTICAS


características físicas de uma edificação existente DE CONSTRUÇÃO
ou sua fracção, designadamente a respetiva (DOCUMENTO
estrutura resistente, o número de fogos ou GERAL DAS
divisões interiores, assim como a natureza e a cor EDIFICAÇÕES
dos materiais de revestimento exterior, sem URBANAS)
aumento da área de pavimento, implantação ou
cércea."

403 07 OBRA Conjunto de trabalhos de construção, ESTATÍSTICAS


reconstrução, restauro, reparação, conservação ou DE CONSTRUÇÃO
adaptação de bens imóveis (edifícios e trabalhos (DOCUMENTO
de engenharia civil). GERAL DAS
EDIFICAÇÕES
URBANAS)

404 07 OBRA CONCLUÍDA Toda a obra que reúne condições físicas para ser CLASSIFICAÇÃO
habitada ou utilizada independentemente de ter DAS
sido ou não concedida a licença ou autorização de CONSTRUÇÕES
utilização. DE MOÇAMBIQUE

405 07 OBRAS DE ENGENHARIA Construções não classificadas em edifícios (ex.: CLASSIFICAÇÃO


CIVIL caminhos -de- ferro, estradas, pontes, auto DAS
estradas, pistas de aeroportos, estruturas CONSTRUÇÕES
hidráulicas, barragens, etc. DE MOÇAMBIQUE

406 07 OBRAS DE RECONSTRUÇÃO Obras de construção subsequentes à demolição ESTATÍSTICAS


total ou parcial de uma edificação existente, das DE CONSTRUÇÃO
quais resulte a manutenção ou reconstituição da (DOCUMENTO
estrutura das fachadas, da cércea e do número de GERAL DAS
pisos. EDIFICAÇÕES
URBANAS)

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


60
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

407 08 AGÊNCIA DE ALUGUER DE Estabelecimento com fins lucrativos cuja ESTATÍSTICAS


AUTOMÓVEIS E OUTROS actividade consiste no aluguer de viaturas sem DO TURISMO
VEÍCULOS (RENT-A-CAR) * condutor, durante um determinado período de
tempo, que pode ir desde um dia a várias
semanas.

408 08 AGÊNCIA DE VIAGENS* Estabelecimento cuja atividade principal ESTATÍSTICAS


compreende a organização e venda de viagens, de DO TURISMO
percursos turísticos, a reserva de serviços em
estabelecimentos hoteleiros e outros
empreendimentos turísticos, iniciativas ou projetos
declarados de interesse para o turismo, a reserva
de lugares em qualquer meio de transporte, a
representação de outras agências de viagens e
turismo ou de operadores turísticos nacionais e
estrangeiros.

409 08 ALDEAMENTO TURÍSTICO* Estabelecimento de alojamento turístico ESTATÍSTICAS


constituído por um conjunto de instalações DO TURISMO
funcionalmente interdependentes com expressão
arquitectónica homogénea, situadas num espaço
delimitado e sem soluções de continuidade, que
se destinam a proporcionar alojamento e outros
serviços complementares a turistas, mediante
pagamento.

410 08 ALOJAMENTO Acomodação, instalação em estabelecimento ESTATÍSTICAS


hoteleiro ou para-hoteleiro. DO TURISMO

411 08 ALOJAMENTO TURÍSTICO * Estabelecimento que forneça regular ou ESTATÍSTICAS


ocasionalmente dormidas a turistas. DO TURISMO

412 08 APARTAMENTOS Estabelecimentos constituídos por fracções de ESTATÍSTICAS


TURÍSTICOS edifícios independentes, mobiladas e equipadas, DO TURISMO
que se destinam habitualmente a proporcionar,
mediante remuneração, alojamento e outros
serviços complementares a turistas.

413 08 BAR Estabelecimento ou dependência hoteleira onde se INQUÉRITO


servem bebidas, predominantemente alcoólicas. MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

414 08 CAFÉS Estabelecimento do ramo hoteleiro especializado INQUÉRITO


no fornecimento de bebidas, espacialmente cafés MENSAL AO
e seus compostos, em mesas dispostas ao longo ALOJAMENTO E
do espaço de estabelecimento. Alguns cafés RESTAURAÇÃO
oferecem igualmente um serviço ligeiro de
refeições.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


61
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

415 08 CAMPISMO Actividade que consiste no alojamento em tendas, ESTATÍSTICAS


ou em outro equipamento semelhante, que DO TURISMO
proporciona aos indivíduos contacto directo com a
natureza.

416 08 CAMPISTA Indivíduo que pratica campismo. ESTATÍSTICAS


DO TURISMO

417 08 CANTINA Local que se destina às actividades de ESTATÍSTICAS


fornecimento e, de preparação de refeições e DO TURISMO
bebidas para grupos bem definidos de pessoas
(seleccionadas na base da ocupação profissional),
geralmente a preços reduzidos.

418 08 CAPACIDADE DE Número máximo de indivíduos que os ESTATÍSTICAS


ALOJAMENTO TURÍSTICO * estabelecimentos podem alojar num determinado DO TURISMO
momento ou período, sendo este determinado
através do número de camas existentes e
considerando como duas as camas de casal.

419 08 CASA DE HÓSPEDES Estabelecimentos integrados ou em edifícios de INQUÉRITO


habitação familiar, que disponham no mínimo de MENSAL AO
três unidades de alojamento. ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

420 08 CHEFE DE MESA Profissional de restaurante que é o principal


responsável pelos serviços de atendimento a
clientes

421 08 CIRCUITO TURÍSTICO* Viagem organizada de duração limitada, com INQUÉRITO


horários, preços, frequências e percursos pré- MENSAL AO
fixados e autorizados. ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

422 08 CONSUMO DO TURISMO Consumo efectuado por visitantes residentes no INQUÉRITO


EMISSOR * âmbito de uma deslocação ao estrangeiro. MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


62
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

423 08 CONSUMO DO TURISMO Consumo efectuado por visitantes não residentes INQUÉRITO
INTERIOR * no país (consumo do turismo receptor) e o MENSAL AO
consumo dos visitantes residentes que viajam ALOJAMENTO E
unicamente no interior do país, mas em lugares RESTAURAÇÃO
distintos do seu ambiente habitual, assim como a
componente de consumo interno efectuada pelos
visitantes residentes no país, na sequência de
uma viagem turística para o exterior do país
(consumo do turismo interno), outras
componentes do consumo turístico, tais como, o
turismo por motivo de negócios, a valorização dos
serviços de habitação das habitações secundárias
por conta própria e as componentes não
monetárias do consumo.

424 08 CONSUMO DO TURISMO Consumo efectuado por visitantes residentes no INQUÉRITO


INTERNO * âmbito de uma deslocação no seu país de MENSAL AO
residência. ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

425 08 CONSUMO DO TURISMO Consumo efectuado por visitantes não residentes INQUÉRITO
RECEPTOR * no país. MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

426 08 DESPESA TURÍSTICA Montante pago pela compra de bens e serviços INQUÉRITO
durante a realização de viagens, no país ou no MENSAL AO
estrangeiro, pelos visitantes ou por outras ALOJAMENTO E
entidades em seu benefício. Incluem-se: despesa RESTAURAÇÃO
corrente (efectuada pelo visitante, mesmo que a
viagem não tivesse ocorrido, isto é, que tivesse
permanecido na sua residência habitual); despesa
específica (efectuada pelo visitante, em resultado
da viagem, com transportes, alojamento,
lembranças ou "souvenirs", cultura e recreio,
entre outras).

427 08 DESTINO TURÍSTICO * Local visitado durante uma deslocação ou uma INQUÉRITO
viagem turística. MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

428 08 DORMIDA * Permanência de um indivíduo num ESTATÍSTICAS


estabelecimento que fornece alojamento, e por DO TURISMO/
um período compreendido entre as 12 horas de INQUÉRITO
um dia e as 12 horas do dia seguinte. MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


63
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

429 08 DURAÇÃO DA VIAGEM Número de noites que o turista passa fora da ESTATÍSTICAS
TURÍSTICA residência habitual. DO TURISMO/
INQUÉRITO
MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

430 08 ESTABELECIMENTO DE Estabelecimento que se destina a proporcionar ao INQUÉRITO


BEBIDAS público, mediante pagamento, alimentos e MENSAL AO
bebidas para serem consumidos no próprio local. ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

431 08 ESTABELECIMENTO DE Estabelecimento destinado a proporcionar, INQUÉRITO


RESTAURAÇÃO mediante remuneração, refeições e bebidas no MENSAL AO
próprio estabelecimento ou fora dele e abrange os ALOJAMENTO E
restaurantes, marisqueiras, casas de pastos, RESTAURAÇÃO
pizzarias, snack-bares ou fast-foods.

432 08 ESTABELECIMENTO DE Estabelecimento que se destina a proporcionar ao REGULAMENTO


RESTAURAÇÃO E BEBIDAS público, mediante pagamento, alimentos e DE ALOJAMENTO
bebidas para serem consumidos no próprio local. DE TURISMO,
RESTAURAÇÃO,
BEBIDAS E SALAS
DE DANÇA

433 08 ESTABELECIMENTO Estabelecimento destinado a proporcionar, INQUÉRITO


HOTELEIRO mediante remuneração, serviços de alojamento e MENSAL AO
outros serviços acessórios ou de apoio, com ou ALOJAMENTO E
sem fornecimento de refeições. Classifica-se em: RESTAURAÇÃO
hotéis, pensões, pousadas, estalagens, motéis e
hotéis - apartamentos (aparthotéis).

434 08 ESTABELECIMENTO Estabelecimentos compreendidos na definição de INQUÉRITO


HOTELEIRO COM alojamento, isto é, os hotéis, as pensões, os MENSAL AO
RESTAURANTE motéis, as estalagens, pousadas, hotéis- ALOJAMENTO E
apartamentos que forneçam simultaneamente RESTAURAÇÃO
serviços de alojamento e refeições.

435 08 ESTABELECIMENTO Estabelecimentos compreendidos na definição de INQUÉRITO


HOTELEIRO SEM alojamento, que forneçam somente serviços de MENSAL AO
RESTAURANTE alojamento. ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

436 08 ESTADIA MÉDIA NO Relação entre o número de dormidas e o número ESTATÍSTICAS


ESTABELECIMENTO de hóspedes que deram motivo a essas dormidas DO TURISMO
HOTELEIRO * no período de referência.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


64
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

437 08 ESTALAGEM Estabelecimento situado fora de um centro INQUÉRITO


urbano, instalado em edifícios próprio, com verde MENSAL AO
envolvimento, e oferecendo boas condições de ALOJAMENTO E
conforto e comodidade. RESTAURAÇÃO

438 08 EXCURSIONISTA * Visitante que não pernoita no lugar visitado. ESTATÍSTICAS


DO TURISMO

439 08 FÉRIAS * Saída do ambiente habitual, cujo motivo principal ESTATÍSTICAS


seja a ocupação do tempo com actividades DO TURISMO
recreativas, de lazer ou repouso, mesmo que lhe
estejam associados outros motivos como a
participação em actividades culturais ou
desportivas enquanto espectador, visita aos
familiares ou amigos, viagem de núpcias, entre
outros.

440 08 FORNECIMENTO DE Preparação de refeições ou de pratos cozinhados INQUÉRITO


REFEIÇÕES AO DOMICÍLIO entregues e/ou servidos ao domicilio para MENSAL AO
(CATERING) empresas idosos, inválidos ou outro fornecimento ALOJAMENTO E
ao domicílio (casamentos, recepções, etc.). RESTAURAÇÃO

441 08 GASTO MÉDIO DIÁRIO* Gasto médio por visitante tendo em conta a ESTATÍSTICAS
permanência média no país de destino. DO TURISMO

442 08 HÓSPEDE * Indivíduo que efectua, pelo menos, uma dormida ESTATÍSTICAS
num alojamento turístico. DO TURISMO,
INQUÉRITO
MENSAL AO
ALOJAMENTO E
RESTAURAÇÃO

443 08 HOTEL Estabelecimento hoteleiro com restaurante com ESTATÍSTICAS


um mínimo de 10 quartos, que ocupa a totalidade DO TURISMO
de um edifício ou uma parte dele completamente
independente, constituindo as suas instalações um
todo homogéneo, com acesso directo aos andares
por parte dos clientes a quem são fornecidos os
serviços de alojamento e de refeições.

444 08 HOTEL APARTAMENTO Estabelecimento constituído por um conjunto de ESTATÍSTICAS


apartamentos mobilados e independentes, DO TURISMO
instalado em edifícios próprios e explorado em
regime hoteleiro.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


65
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

445 08 HOTEL RESIDENCIAL Estabelecimento hoteleiro com um mínimo de 10 ESTATÍSTICAS


quartos, que ocupa a totalidade ou parte DO TURISMO
independente de um edifício, desde que
constituído por pisos completos e contíguos, com
acessos próprios e directos aos pisos ocupados
pelo estabelecimento para uso exclusivo dos seus
utentes a quem são fornecidos apenas os serviços
de alojamento e pequeno - almoço.

446 08 HOTEL -RESORT Hotel Situado fora das zonas urbanas em áreas ESTATÍSTICAS
especialmente aprazíveis, podendo estar junto a DO TURISMO
regiões litorais ou em áreas com importantes
atractivos naturais, tais como lagos, rios, serras,
montanhas e que ofereçam aos hospedes diversas
opções de actividades recreativas de lazer
desportivas e culturais, além de serviço completo
de restauração.

447 08 LOCAL DE ORIGEM * Local onde a viagem tem início e que corresponde ESTATÍSTICAS
geralmente ao local de residência do viajante. DO TURISMO

448 08 LODJE Estabelecimento de acomodação turística baseado REGULAMENTO


em actividades relacionadas com a natureza como DE ALOJAMENTO
sejam safaris, pesca, mergulho, passeios e DE TURISMO,
observação de recursos naturais, construído RESTAURAÇÃO,
predominantemente em estilo e materiais locais. BEBIDAS E SALAS
DE DANÇA

449 08 MEIA PENSÃO Alocação do quarto e fornecimento de pequeno- REGULAMENTO


almoço e mais uma das refeições principais, DE ALOJAMENTO
almoço ou jantar. DE TURISMO,
RESTAURAÇÃO,
BEBIDAS E SALAS
DE DANÇA

450 08 MOTEL Estabelecimento hoteleiro utilizado normalmente REGULAMENTO


para estadias curtas, situado fora dos centros DE ALOJAMENTO
urbanos (nas periferias de grandes cidades), em DE TURISMO,
áreas rurais e na proximidade das estradas, RESTAURAÇÃO,
constituído por apartamentos/quartos BEBIDAS E SALAS
independentes com entradas directas do exterior DE DANÇA
com garagem ou parque de estacionamento
privativos contíguos a cada apartamento.

451 08 MOTIVO PRINCIPAL DA Motivo que sustenta a necessidade da realização ESTATÍSTICAS


VIAGEM TURÍSTICA * da viagem, ou seja, na ausência do qual a viagem DO TURISMO
não se teria realizado.

452 08 MOVIMENTO DE VIAJANTES Total de indivíduos que entram e saem das ESTATÍSTICAS
fronteiras nacionais independentemente do país DO TURISMO
de residência habitual e tempo de duração da
visita.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


66
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

453 08 NÚMERO DE DORMIDAS NO Número de dormidas efectuadas pelo total de ESTATÍSTICAS


MÊS hóspedes no mês de referência. DO TURISMO

454 08 NÚMERO DE HÓSPEDES NO Número total de hóspedes do mês de referência ESTATÍSTICAS


MÊS DO TURISMO

455 08 PARQUE DE CAMPISMO Terreno normalmente destinado, à instalação ESTATÍSTICAS


temporária de tendas, aluguer de "bungalows" ou DO TURISMO
outros abrigos semelhantes, e à permanência de
reboques ou veículos habitáveis designadamente
caravanas ou "roulottes".

456 08 PENSÃO Estabelecimento hoteleiro com restaurante, ESTATÍSTICAS


ocupando a totalidade de um edifício ou uma DO TURISMO
fracção dele que, pelas suas instalações,
equipamento, aspecto geral, localização e
capacidade, não obedece às normas estabelecidas
para a classificação de hotel ou estalagem,
fornecendo aos seus clientes serviços de
alojamento e de refeições.

457 08 PENSÃO RESIDENCIAL Estabelecimento hoteleiro com um mínimo de 6 ESTATÍSTICAS


quartos, que ocupa a totalidade ou parte de um DO TURISMO
edifício, desde que constituído por pisos
completos e contíguos, com acessos próprios e
directos aos pisos ocupados pelo estabelecimento
para uso exclusivo dos seus utentes, e que pelas
suas instalações, equipamento, aspecto geral,
localização e capacidade, não obedece às normas
estabelecidas para a classificação de hotel ou
estalagem, fornecendo apenas aos seus clientes
serviços de alojamento e pequeno – almoço.

458 08 PERMANÊNCIA MÉDIA * Número de noites que os turistas permanecem em ESTATÍSTICAS


média, numa região ou num país, no período de DO TURISMO
referência, na perspectiva da procura.

459 08 POUSADA Estabelecimento hoteleiro destinado a ESTATÍSTICAS


hospedagem, que pela sua arquitectura e DO TURISMO
decoração se integra nas características da região,
com objectivo de promoção turística, fornecendo
aos seus clientes serviços de alojamento e de
refeições.

460 08 PRINCIPAL MEIO DE Transporte utilizado para percorrer a maior ESTATÍSTICAS


TRANSPORTE UTILIZADO * distância da viagem, sendo que no caso de ser DO TURISMO
diferente na ida e na volta, se opta pelo meio de
transporte de ida.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


67
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

461 08 RESIDENCIAL Hotéis e pensões que não dispõem de ESTATÍSTICAS


restaurante, limitando-se a fornecer como serviços DO TURISMO
próprios o alojamento e o pequeno almoço.

462 08 RESTAURAÇÃO Compreende os estabelecimentos que exerçam ESTATÍSTICAS


ambas actividades de preparação e venda DO TURISMO
alimentação para o consumo geralmente no
próprio local assim como as de fornecimento de
outros consumos como bebidas acompanhando as
refeições, com ou sem entretenimento.

463 08 RESTAURANTE COM Restaurante que se caracteriza pelo facto de as ESTATÍSTICAS


LUGARES AO BALCÃO refeições serem empratadas e normalmente DO TURISMO
consumidas ao balcão para além das horas
habituais do almoço e jantar.

464 08 RESTAURANTE DE TIPO Restaurante que se caracteriza pelo facto de as ESTATÍSTICAS


TRADICIONAL refeições serem preparadas vendidas e servidas DO TURISMO
pelo processo tradicional (com serviço de mesa no
local).

465 08 RESTAURANTE SEM Restaurante que se caracteriza pelo facto de as ESTATÍSTICAS


SERVIÇO DE MESA refeições serem empratadas, sujeitando-se o DO TURISMO
consumidor a escolha directa, pré – pagamento e
participação no serviço de mesa.

466 08 SALA DE DANÇA Estabelecimento cuja actividade fundamental REGULAMENTO


consiste em proporcionar locais para dançar, com DE ALOJAMENTO
ou sem espectáculos de variedades, com DE TURISMO,
fornecimento de bebidas, incluindo ou não serviço RESTAURAÇÃO,
de refeições, abrangendo nomeadamente os BEBIDAS E SALAS
designados na prática internacional por "night DE DANÇA
club", " discoteca", " dancing" e “cabaret".

467 08 SNACK BAR Restaurante onde se servem refeições ligeiras, REGULAMENTO


previamente confecionadas ou preparadas, a DE ALOJAMENTO
preços moderados e geralmente em balcão com DE TURISMO,
assentos individuais para os clientes. RESTAURAÇÃO,
BEBIDAS E SALAS
DE DANÇA

468 08 SUITE Conjunto constituído no mínimo por, antecâmara REGULAMENTO


de entrada, quarto de dormir, casa de banho DE ALOJAMENTO
privativa e sala, comunicando entre si através da DE TURISMO,
antecâmara de entrada. RESTAURAÇÃO,
BEBIDAS E SALAS
DE DANÇA

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


68
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

469 08 TAXA BRUTA DE OCUPAÇÃO Relação entre o número de dormidas e o número ESTATÍSTICAS
CAMA de camas existentes no período de referência, DO TURISMO
considerando como duas as camas de casal.

470 08 TAXA BRUTA DE OCUPAÇÃO Relação entre o número de dormidas e o número


QUARTO de quartos existentes no período de referência,

471 08 TAXA LÍQUIDA DE Relação entre o número de dormidas e o número ESTATÍSTICAS


OCUPAÇÃO CAMA de camas disponíveis no período de referência, DO TURISMO
considerando como duas as camas de casal.

472 08 TAXA LÍQUIDA DE Relação entre o número de dormidas e o número ESTATÍSTICAS


OCUPAÇÃO QUARTO de quartos disponíveis no período de referência. DO TURISMO

473 08 TURISMO Actividades realizadas por indivíduos durante as ESTATÍSTICAS


suas viagens e estadias em lugares distintos da DO TURISMO
sua residência habitual, por um período de tempo
consecutivo não mais de um ano com fins de
lazer, negócios ou outros motivos não relacionado
com uma actividade remunerada no local visitado.

474 08 TURISMO EMISSOR * Atividades desenvolvidas pelos visitantes ESTATÍSTICAS


residentes, no âmbito de uma deslocação para DO TURISMO
fora do país de referência (ou região), desde que
fora do seu ambiente habitual.

475 08 TURISMO INTERIOR * Actividades desenvolvidas pelos visitantes ESTATÍSTICAS


residentes e não residentes no âmbito de uma DO TURISMO
deslocação no interior do país de referência (ou
região), desde que fora do seu ambiente habitual.

476 08 TURISMO INTERNACIONAL * Actividades desenvolvidas pelos visitantes ESTATÍSTICAS


residentes no âmbito de uma deslocação para fora DO TURISMO
do país de referência e pelos visitantes não
residentes no âmbito de uma deslocação no
interior do país de referência, desde que fora do
seu ambiente habitual. O turismo internacional
compreende o turismo receptor e o turismo
emissor.

477 08 TURISMO INTERNO * Actividades desenvolvidas pelos visitantes ESTATÍSTICAS


residentes no âmbito de uma deslocação no DO TURISMO
interior do país de referência (ou região), desde
que fora do seu ambiente habitual.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


69
Área Estatística 08 – Turismo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

478 08 TURISMO NACIONAL * Actividades desenvolvidas pelos visitantes ESTATÍSTICAS


residentes, quer no âmbito de deslocações no DO TURISMO
interior do país de referência (ou região), quer no
âmbito de deslocações para fora do país (ou
região) de referência, desde que fora do seu
ambiente habitual. O turismo nacional
compreende o turismo interno e o turismo
emissor.

479 08 TURISMO RECEPTOR * Actividades desenvolvidas pelos visitantes não ESTATÍSTICAS


residentes no âmbito de uma deslocação ao /no DO TURISMO
país de referência (ou região), desde que fora do
seu ambiente habitual.

480 08 TURISTA * Visitante que permanece, pelo menos uma noite, ESTATÍSTICAS
num alojamento colectivo ou particular no lugar DO TURISMO
visitado.

481 08 VIAGEM TURÍSTICA * Deslocação a um ou mais destinos turísticos, ESTATÍSTICAS


incluindo o regresso ao ponto de partida e DO TURISMO
abrangendo todo o período de tempo durante o
qual uma pessoa permanece fora do seu ambiente
habitual.

482 08 VIAJANTE Indivíduo que se desloca entre dois ou mais ESTATÍSTICAS


países distintos ou entre dois ou mais lugares no DO TURISMO
interior do seu país de residência habitual,
independentemente do seu motivo.

483 08 VIAJANTE EM TRÂNSITO * Indivíduo que se desloca de passagem numa ESTATÍSTICAS


região ou num país, tendo como destino outra DO TURISMO
região ou outro país.

484 08 VISITANTE Indivíduo que se desloca a um lugar diferente da ESTATÍSTICAS


sua residência habitual, por um período inferior a DO TURISMO
um ano, desde que o motivo principal da viagem
não seja o de exercer uma actividade remunerada
no lugar visitado.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


70
Área Estatística 09 – Comércio Externo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

485 09 ACONDICIONAMENTO Quaisquer caixotes e caixas (interiores e ESTATÍSTICAS DE


exteriores), todos os recipientes, materiais de COMÉRCIO
embalagem e cobertura, acessórios e protecções. EXTERNO

486 09 COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as ESTATÍSTICAS DE
importações em regime normal e as mercadorias COMÉRCIO
importadas para aperfeiçoamento activo e após EXTERNO
aperfeiçoamento passivo; nas saídas, as
expedições, exportações em regime normal e as
mercadorias exportadas após aperfeiçoamento
activo e para aperfeiçoamento passivo.

487 09 COMÉRCIO EXTERNO/ Exportação de mercadorias do país de origem ESTATÍSTICAS DE


INTERNACIONAL para países terceiros e/ou importação pelo país de COMÉRCIO
mercadorias com origem em países terceiros EXTERNO

488 09 COMÉRCIO Exportação de mercadorias do país de origem ESTATÍSTICAS DE


EXTRACOMUNITÁRIO para países terceiros e/ou importação pelo país de COMÉRCIO
mercadorias com origem em países terceiros. EXTERNO

489 09 CONDIÇÕES DE ENTREGA Conjunto de disposições do contrato de venda que ESTATÍSTICAS DE


especificam as obrigações respectivas do COMÉRCIO
vendedor e do comprador, em conformidade com EXTERNO
os "Incoterms" da Câmara de Comércio
Internacional, nomeadamente quanto ao local
onde se dá a transferência da responsabilidade do
vendedor para o comprador, às despesas relativas
a transporte, seguros, operações de verificação,
direitos e formalidades alfandegárias.

490 09 DIREITOS DE IMPORTAÇÃO Pagamentos correspondentes aos direitos ESTATÍSTICAS DE


aduaneiros ou outros custos de importação, na COMÉRCIO
entrada duma mercadoria no território económico, EXTERNO
segundo a pauta aduaneira vigente.

491 09 ENTRADA Somatório das chegadas no país de mercadorias ESTATÍSTICAS DE


provenientes de outros Estados, com as COMÉRCIO
importações do país com origem em países EXTERNO
terceiros.

492 09 EXPORTAÇÃO Aquisição de mercadorias em países terceiros. ESTATÍSTICAS DE


COMÉRCIO
EXTERNO

493 09 EXPORTAÇÃO APÓS Reexportação de produtos compensadores obtidos ESTATÍSTICAS DE


APERFEIÇOAMENTO ACTIVO após uma ou mais das operações de COMÉRCIO
aperfeiçoamento previstas na legislação, tendo as EXTERNO
mercadorias que originaram tais produtos sido
importadas sob o regime de importação para
aperfeiçoamento activo.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


71
Área Estatística 09 – Comércio Externo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

494 09 EXPORTAÇÃO DE BENS E Transferências de propriedade de bens e/serviços ESTATÍSTICAS DE


SERVIÇOS prestados por produtores residentes de um País COMÉRCIO
para os não residentes. EXTERNO

495 09 EXPORTAÇÃO EM REGIME Toda a exportação que não seja após ESTATÍSTICAS DE
NORMAL aperfeiçoamento activo ou para aperfeiçoamento COMÉRCIO
passivo. EXTERNO

496 09 EXPORTAÇÃO PARA Exportação temporária de mercadorias, tendo em ESTATÍSTICAS DE


APERFEIÇOAMENTO vista a sua reimportação, sob a forma de produtos COMÉRCIO
PASSIVO compensadores, depois de terem sofrido uma ou EXTERNO
mais operações de aperfeiçoamento previstas na
legislação.

497 09 IMPORTAÇÃO Aquisição de mercadorias em países terceiros. ESTATÍSTICAS DE


COMÉRCIO
EXTERNO

498 09 IMPORTAÇÃO APÓS Reimportação de mercadorias, sob a forma de ESTATÍSTICAS DE


APERFEIÇOAMENTO produtos compensadores, anteriormente COMÉRCIO
PASSIVO exportadas temporariamente, com destino a um EXTERNO
país terceiro, depois de estas terem sofrido uma
ou mais operações de aperfeiçoamento previstas
na legislação.

499 09 IMPORTAÇÃO DE BENS E Transferências de propriedade de bens e ou ESTATÍSTICAS DE


SERVIÇOS serviços dos não residentes de um País aos COMÉRCIO
residentes. EXTERNO

500 09 IMPORTAÇÃO EM REGIME Toda a importação que não seja após ESTATÍSTICAS DE
NORMAL aperfeiçoamento passivo ou para aperfeiçoamento COMÉRCIO
activo EXTERNO

501 09 IMPORTAÇÃO PARA Importação temporária de mercadorias, tendo em ESTATÍSTICAS DE


APERFEIÇOAMENTO ACTIVO vista a sua posterior saída, total ou parcial, sob a COMÉRCIO
forma de produtos compensadores obtidos após EXTERNO
uma ou mais operações previstas na legislação.

502 09 LIMIAR ESTATÍSTICO NO Limite em valor ou em quantidade definido na ESTATÍSTICAS DE


COMÉRCIO legislação aduaneira estatística, por operação de COMÉRCIO
EXTRACOMUNITÁRIO exportação ou de importação, abaixo do qual é EXTERNO
dispensada a obrigação de prestação da
informação estatística.

503 09 MASSA BRUTA Massa acumulada da mercadoria e de todas as ESTATÍSTICAS DE


respectivas embalagens, excluindo o material de COMÉRCIO
transporte e nomeadamente os contentores, EXTERNO
expressa em quilogramas.

504 09 MASSA LÍQUIDA Massa própria da mercadoria, desprovida de todas ESTATÍSTICAS DE


as suas embalagens, expressa em quilogramas. COMÉRCIO
EXTERNO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


72
Área Estatística 09 – Comércio Externo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

505 09 MODO DE TRANSPORTE Meio de transporte activo no qual as mercadorias ESTATÍSTICAS DE


INTERIOR importadas ou exportadas devem, em princípio, COMÉRCIO
dar entrada no local de chegada, ou sair do local EXTERNO
de partida, no território estatístico nacional.

506 09 MODO DE TRANSPORTE NA Meio de transporte activo presumível no qual as ESTATÍSTICAS DE


FRONTEIRA NACIONAL mercadorias devem, na expedição, deixar o COMÉRCIO
território estatístico nacional e, na chegada, entrar EXTERNO
no território estatístico nacional.

507 09 MONTANTE FACTURADO Montante total, excluindo o imposto (IVA), das ESTATÍSTICAS DE
facturas ou dos documentos que as substituam, COMÉRCIO
relativas ao conjunto das mercadorias que são EXTERNO
objecto de uma declaração estatística.

508 09 MOVIMENTOS ESPECIAIS DE Movimentos de mercadorias que se caracterizam ESTATÍSTICAS DE


MERCADORIAS por particularidades significativas para a COMÉRCIO
interpretação da informação, as quais podem ter a EXTERNO
ver com o movimento enquanto tal, com a
natureza das mercadorias, com a transacção a
que se reporta o movimento de mercadorias, com
o exportador ou com o importador das
mercadorias.

509 09 NACIONALIDADE DO MEIO País de matrícula ou de registo do meio de ESTATÍSTICAS DE


DE TRANSPORTE NA transporte activo no qual as mercadorias entraram COMÉRCIO
FRONTEIRA NACIONAL ou saíram do território estatístico nacional, tal EXTERNO
como é conhecido quando se efectuam as
formalidades aduaneiras.

510 09 NATUREZA DE TRANSACÇÃO Conjunto de características que distinguem as ESTATÍSTICAS DE


operações do comércio internacional, COMÉRCIO
nomeadamente a compra ou venda firme de EXTERNO
mercadorias, o leasing financeiro e os trabalhos
por encomenda, entre outras.

511 09 PAÍS DE DESTINO Ultimo país ou território estatístico conhecido, no ESTATÍSTICAS DE


momento da expedição/exportação, para o qual COMÉRCIO
as mercadorias devem ser expedidas/exportadas. EXTERNO

512 09 PAÍS DE ORIGEM País ou território estatístico onde os produtos ESTATÍSTICAS DE


naturais foram extraídos ou produzidos ou, COMÉRCIO
tratando-se de produtos em obra, onde foram EXTERNO
fabricados.

513 09 PAÍS DE País ou território estatístico do qual as ESTATÍSTICAS DE


PROVENIÊNCIA/PROCEDÊNC mercadorias foram inicialmente COMÉRCIO
IA expedidas/exportadas com destino a Moçambique, EXTERNO
independentemente dos países atravessados
durante o transporte.

514 09 PESO BRUTO Peso dos bens incluindo o acondicionamento. ESTATÍSTICAS DE


COMÉRCIO
EXTERNO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


73
Área Estatística 09 – Comércio Externo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

515 09 PESO LÍQUIDO Peso real dos bens excluindo o acondicionamento. ESTATÍSTICAS DE
COMÉRCIO
EXTERNO

516 09 PORTO DE CARGA Porto em que as mercadorias são carregadas no ESTATÍSTICAS DE


meio de transporte activo com o qual se presume COMÉRCIO
que devam abandonar o território estatístico EXTERNO
nacional.

517 09 PORTO DE DESCARGA Porto em que as mercadorias são descarregadas ESTATÍSTICAS DE


do meio de transporte activo com o qual se COMÉRCIO
presume que tenham entrado no território EXTERNO
estatístico nacional.

518 09 PREÇO DO "CUSTO SEGURO Preço de um bem entregue na fronteira do país ESTATÍSTICAS DE
E FRETE" (CIF) importador, ou o preço de um serviço prestado a COMÉRCIO
um residente, antes do pagamento de quaisquer EXTERNO
direitos de importação ou de outros impostos
sobre a importação ou de margens comerciais e
de transporte dentro do país.

519 09 REIMPORTAÇÃO Bens importados nas mesmas condições da sua ESTATÍSTICAS DE


exportação, ou depois de terem sido objecto de COMÉRCIO
operações pouco significativas, que não tenham EXTERNO
originado alterações substanciais.

520 09 SISTEMA DE COMÉRCIO Registo de bens que atravessam as fronteiras de ESTATÍSTICAS DE


ESPECIAL uma zona de livre circulação. Esta definição é COMÉRCIO
normalmente alargada a bens importados ou EXTERNO
exportados após o aperfeiçoamento activo e a
bens que entram ou saem de uma zona franca
industrial a fim de que estes também possam ser
registados.

521 09 SISTEMA DE COMÉRCIO Registo de todos os bens que atravessam as ESTATÍSTICAS DE


GERAL fronteiras do território estatístico declarante. O COMÉRCIO
sistema toma em consideração o transporte dos EXTERNO
bens e assim pode ser utilizado para gerar
estatísticas de transporte de comércio externo. O
sistema não toma em consideração os bens
retirados de entrepostos para mercado local.

522 09 TARAS EXTERIORES Aquelas que, abrangidas imediatamente por esse ESTATÍSTICAS DE
invólucro, contenham a mercadoria no seu COMÉRCIO
conjunto, isto é, que não acondicionem EXTERNO
separadamente, em volumes parciais, mercadorias
contidas no volume total. As caixas componentes
dos atados e bem assim os cestos ou outros
acondicionamentos semelhantes que resguardem
garrafões ou outros artefactos da mesma natureza
são sempre considerados taras exteriores.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


74
Área Estatística 09 – Comércio Externo

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
CÓDIGO

OPERAÇÃO
ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

523 09 TRANSACÇÃO NO Qualquer operação comercial ou não, que ESTATÍSTICAS DE


COMÉRCIO INTERNACIONAL comporte um movimento de mercadorias que seja COMÉRCIO
objecto das estatísticas do comércio internacional. EXTERNO

524 09 TRÂNSITO INTERNACIONAL Passagem através de uma jurisdição aduaneira de ESTATÍSTICAS DE


mercadorias, cativas de direitos ou de outras COMÉRCIO
imposições cuja cobrança esteja cometida as EXTERNO
alfândegas, quando precedentes de um país fiscal
e com destino a outro.

525 09 UNIDADE SUPLEMENTAR Unidade de medida para além da massa expressa ESTATÍSTICAS DE
em quilogramas (ex.: grama, m2, m3, número de COMÉRCIO
pares litro, etc.). EXTERNO

526 09 VALOR ADUANEIRO Valor atribuído no caso de uma venda em ESTATÍSTICAS DE


mercado livre entre o comprador e um vendedor, COMÉRCIO
independentes um do outro. EXTERNO

527 09 VALOR CIF Valor da mercadoria para exportação, incluindo ESTATÍSTICAS DE


todas as despesas até ao ponto de destino COMÉRCIO
combinado. Corresponde ao custo da mercadoria, EXTERNO
seguro e frete.

528 09 VALOR ESTATÍSTICO NA Valor da mercadoria estabelecido a partir da base ESTATÍSTICAS DE


CHEGADA de imposição a fixar para fins fiscais, deduzindo- COMÉRCIO
se, no entanto, as taxas devidas em virtude da EXTERNO
sua introdução no consumo, bem como as
despesas de transporte e de seguro que se
referem à parte do trajecto que se situa no
território nacional.

529 09 VALOR ESTATÍSTICO NA Valor da mercadoria estabelecido a partir da base ESTATÍSTICAS DE


EXPEDIÇÃO de imposição a fixar para fins fiscais, deduzindo- COMÉRCIO
se, no entanto, as taxas devidas em virtude da EXTERNO
expedição; o valor estatístico inclui, em
contrapartida, as despesas de transporte e de
seguro referentes à parte do trajecto que se situa
no território nacional.

530 09 VALOR ESTATÍSTICO NA Valor da mercadoria no local e no momento em ESTATÍSTICAS DE


EXPORTAÇÃO que deixa o país (valor FOB). COMÉRCIO
EXTERNO

531 09 VALOR ESTATÍSTICO NA Valor da mercadoria no local e no momento em ESTATÍSTICAS DE


IMPORTAÇÃO que chega ao país, sendo determinado com base COMÉRCIO
na noção do valor aduaneiro (valor CIF). EXTERNO

532 09 VALOR" FRANCO A BORDO" Valor da mercadoria colocada no modo de ESTATÍSTICAS DE


(FOB) transporte no local combinado de embarque para COMÉRCIO
exportação, livre de quaisquer encargos EXTERNO
suplementares.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


75
Área Estatística 10 – Comércio Interno

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

533 10 AGENTE COMERCIAL Pessoa singular ou colectiva que possui ESTATÍSTICA DO


organização comercial para a realização de COMÉRCIO
negócios em nome de uma ou mais entidades INTERNO
nacionais ou estrangeiras, mediante contrato de
agenciamento para exercer actividade de
mandatário, junto dos importadores, produtores
ou negociantes.

534 10 AGENTE DE Aquele que compra produtos agrícolas nas zonas ESTATÍSTICA DO
COMERCIALIZAÇÃO rurais e vende na mesma ou noutros lugares. COMÉRCIO
AGRICOLA INTERNO

535 10 BANCA Pequeno espaço em forma de mesa ou mostrador ESTATÍSTICA DO


instalado nos mercados ou noutros locais onde se COMÉRCIO
vende a retalho uma variedade de produtos, INTERNO
excluindo armas munições, maquinaria industrial e
agrícola, tractor, reboques e aeronaves, veículos
automóveis, respectivos pneus e câmaras-de-ar.

536 10 BARRACA Estabelecimento comercial de construção ESTATÍSTICA DO


provisória de dimensão maior a 5m2 onde se COMÉRCIO
vende a retalho uma variedade de produtos, INTERNO
excluindo armas e munições, maquinaria industrial
e agrícola, tractor, reboques e aeronaves, veículos
automóveis, respectivos pneus e câmaras-de-ar.

537 10 CENTRO COMERCIAL Empreendimento comercial planeado, constituído ESTATÍSTICA DO


por um conjunto diversificado de estabelecimentos COMÉRCIO
de venda a retalho e de serviços, num mínimo de INTERNO
doze, localizado num ou mais edifícios contíguos,
com pelo menos, 500 m2 de área bruta comercial.

538 10 COMÉRCIO Actividade de troca e função através da qual se ESTATÍSTICA DO


organizam as transacções de produtos e serviços. COMÉRCIO
INTERNO

539 10 COMÉRCIO A RETALHO Actividade comercial que consiste na venda de ESTATÍSTICA DO


produtos ao público consumidores COMÉRCIO
estabelecimentos próprios ou em regime INTERNO
ambulante.

540 10 COMERCIO AMBULANTE Actividade comercial exercida por pessoas ESTATÍSTICA DO


singulares, que consiste na venda a retalho, na COMÉRCIO
mesma ou em várias praças, de diversa gama de INTERNO
produtos, levados em mão ou em meio de
transporte de capacidade não superior a 500kg

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


77
Área Estatística 10 – Comércio Interno

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

541 10 COMÉRCIO CUMULATIVO Exercício simultâneo de actividades comerciais de ESTATÍSTICA DO


venda a grosso e a retalho. COMÉRCIO
INTERNO

542 10 COMÉRCIO EM Corresponde ao comércio efectuado em ESTATÍSTICA DO


ESTABELECIMENTO estabelecimento, cujas as unidades económicas COMÉRCIO
correspondem a uma unidade jurídica, possuem INTERNO
uma autonomia de organização.

543 10 COMÉRCIO EM FEIRA Corresponde ao comércio não efectuado em ESTATÍSTICA DO


estabelecimentos, cujo os comerciantes não COMÉRCIO
correspondem a uma unidade jurídica, não INTERNO
possuem uma autonomia de organização, e
mudam de lugar e de actividade com facilidade.

544 10 COMÉRCIO GERAL Exercício de actividade comercial de várias ESTATÍSTICA DO


mercadorias ou classes, sem obediência ao COMÉRCIO
princípio de especialização. INTERNO

545 10 COMÉRCIO POR GROSSO Actividade comercial que consiste na venda por ESTATÍSTICA DO
atacado aos retalhistas COMÉRCIO
INTERNO

546 10 COMÉRCIO RURAL Exercício de actividades comercial nas zonas ESTATÍSTICA DO


rurais, nomeadamente, numa loja, cantina, COMÉRCIO
barraca ou banca incluindo o comércio ambulante. INTERNO

547 10 ESTABELECIMENTOS DE Local em que exerce a actividade de comércio a ESTATÍSTICA DO


COMÉRCIO A RETALHO retalho, entendida como actividade exercida por COMÉRCIO
toda a pessoa física ou colectiva que, a título INTERNO
habitual e profissional, compra mercadorias em
seu próprio nome e por sua conta e as revende
directamente ao consumidor final.

548 10 ESTABELECIMENTOS DE Local em que se exerce em simultâneo, a ESTATÍSTICA DO


COMÉRCIO MISTO actividade de comércio de ramo alimentar e não COMÉRCIO
alimentar, desde que qualquer destes ramos INTERNO
atinja, pelo menos, 10% do volume total de
vendas do estabelecimento.

549 10 ESTABELECIMENTOS DE Local em que exerce a actividade de comércio por ESTATÍSTICA DO


COMÉRCIO POR GROSSO grosso, entendida, como actividade praticada por COMÉRCIO
toda a pessoa física ou colectiva que, a título INTERNO
habitual e profissional, compra mercadorias em
seu próprio nome e por sua conta as revende,
quer a outros comerciantes, grossistas ou
retalhistas, quer a transformadores, quer ainda a
utilizadores profissionais ou grandes utilizadores.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


78
Área Estatística 10 – Comércio Interno

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

550 10 HIPERMERCADO Estabelecimento de venda a retalho em regime de ESTATÍSTICA DO


livre serviço que, numa área de venda mínima de COMÉRCIO
2500m2, oferece amplo sortido de artigos INTERNO
alimentares e não alimentares.

551 10 LOJA Estabelecimento comercial de venda a retalho, ESTATÍSTICA DO


onde se observa o princípio da especialização. COMÉRCIO
INTERNO

552 10 MERCADO INTERNO Espaço economicamente integrado onde foram ESTATÍSTICA DO


abolidos definitivamente os obstáculos á livre COMÉRCIO
circulação de mercadorias, serviços, pessoas e INTERNO
capitais, através de eliminação das barreiras
físicas, técnicas e fiscais.

553 10 MINIMERCADO Estabelecimento de venda a retalho com uma área ESTATÍSTICA DO


de exposição e venda inferior a 400m2 que COMÉRCIO
comercializando predominantemente produtos INTERNO
alimentares, de higiene e de limpeza, utiliza o
método de venda em livre serviço.

554 10 NEGOCIANTE Aquele que compra e vende sem possuir ESTATÍSTICA DO


escritório, estabelecimento ou armazém, nem COMÉRCIO
pessoal efectivo que com ele colabore. INTERNO

555 10 PREÇOS DE VENDA Preço médio dos bens ou serviços praticados pela ESTATÍSTICA DO
empresa COMÉRCIO
INTERNO

556 10 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Obrigação por uma das partes de proporcionar a ESTATÍSTICA DO
outra certo resultado do seu trabalho intelectual COMÉRCIO
ou manual, mediante retribuição. INTERNO

557 10 QUANTIDADES VENDIDAS Produtos acabados e intermédios e/ou ESTATÍSTICA DO


subprodutos e desperdícios, vendidos durante o COMÉRCIO
período de referência, incluindo vendas de INTERNO
produtos eventualmente em existência, mas
excluindo as transacções efectuadas sobre
produtos comprados para venda sem que tenham
sofrido qualquer transformação (mercadorias).

558 10 REPRESENTAÇÃO Actividade de natureza económica exercida no ESTATÍSTICA DO


COMERCIAL ESTRANGEIRA território Nacional, através de filial, delegação, COMÉRCIO
agência ou qualquer outra forma de INTERNO
representação de uma entidade domiciliada no
estrangeiro.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


79
Área Estatística 10 – Comércio Interno

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

559 10 STOCKS Total de mercadorias compradas pelas empresas ESTATÍSTICA DO


para vendas armazenadas no período em COMÉRCIO
referência. INTERNO

560 10 TENDA Estabelecimento comercial de pequenas ESTATÍSTICA DO


dimensões e de construção provisória onde se COMÉRCIO
vende a retalho uma variedade de produtos, INTERNO
excluindo armas e munições, maquinaria industrial
e agrícola, tractor, reboques e aeronaves, veículos
automóveis, respectivos pneus e câmaras-de-ar.

561 10 VALORES DAS VENDAS Valor de todos os produtos vendidos durante o CAP
período de referência - valor da produção
comercializada. Nos produtos vendidos incluem-
se: a) os fabricados com matérias primas
adquiridas pela própria empresa; b) os que
tenham sido mandados fabricar a terceiros, com
matéria prima fornecida, para o efeito, pela
empresa.

562 10 VENDA A GROSSO Actividade comercial que consiste na aquisição de ESTATÍSTICA DO


bens directamente aos importadores ou ás COMÉRCIO
unidades de produção e a sua posterior venda ao INTERNO
mercado retalhista.

563 10 VENDA A RETALHO Venda de produtos ao consumidor em ESTATÍSTICA DO


estabelecimentos próprios. COMÉRCIO
INTERNO

564 10 VENDEDOR AMBULANTE Comerciante que vende directamente ao público ESTATÍSTICA DO


na mesma praça ou em várias praças, uma COMÉRCIO
variedade de produtos, que leva na mão ou em INTERNO
meios de transporte de capacidade não superior a
20 kg. Excluindo armas e munições, maquinaria
industrial e agrícola, tractor, reboques e
aeronaves, veículos automóveis, respectivos
pneus e câmaras-de-ar.

565 10 VOLUME DE NEGÓCIOS Valor total da facturação, com exclusão do IVA, CEMPRE
realizada pela unidade estatística de observação
(estabelecimento ou unidade local) durante o
período de referência, correspondente à venda de
mercadorias, produtos acabados e intermédios,
subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos e à
prestação de serviços a terceiros.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


80
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

566 11 ACTIVIDADE PRINCIPAL Corresponde à actividade que representa maior ESTATÍSTICAS


importância no conjunto das actividades exercidas DAS EMPRESAS
por uma unidade de observação estatística.

567 11 ACTIVIDADE ECONÓMICA Resultado da combinação dos factores produtivos INQUÉRITO


(mão de obra, matérias primas, equipamento, MENSAL E ANUAL
etc.) com vista á produção de bens e serviços. ÀS EMPRESAS,
CAE,
ESTATÍSTICAS
DAS EMPRESAS

568 11 ACTIVIDADE ECONÓMICA Actividade produtora de bens ou serviços, para INQUÉRITO


SECUNDÁRIA terceiros, diferente da actividade principal da MENSAL E ANUAL
unidade de observação estatística. ÀS EMPRESAS
CAE,
ESTATÍSTICAS
DAS EMPRESAS

569 11 ACTIVIDADE ECONÓMICA Actividade que representa a maior importância no INQUÉRITO


PRINCIPAL conjunto das actividades exercidas por uma MENSAL E ANUAL
unidade de observação estatística. ÀS EMPRESAS
CAE,
ESTATÍSTICAS
DAS EMPRESAS

570 11 ACTIVIDADE PRODUTIVA Actividade exercida sob o controlo e INQUÉRITO


responsabilidade de uma unidade institucional que MENSAL E ANUAL
utiliza trabalho, capital, bens e serviços para ÀS EMPRESAS
produzir bens e serviços. CAE,
ESTATÍSTICAS
DAS EMPRESAS

571 11 ACTIVIDADE SECUNDÁRIA Corresponde a uma actividade produtora de bens INQUÉRITO


ou serviços para terceiros diferente da actividade MENSAL E ANUAL
principal da unidade. As actividades principal e ÀS EMPRESAS
secundária são, em geral, exercidas com o apoio CAE,
de diversas actividades auxiliares (ex.: ESTATÍSTICAS
contabilidade, serviços administativos, reparação, DAS EMPRESAS
etc.

572 11 ACTIVIDADES AUXILIARES Fornecem bens não duráveis ou serviços como INQUÉRITO
apoio às actividades de produção de uma unidade. MENSAL E ANUAL
Certas actividades exercidas por uma empresa ÀS EMPRESAS
para uso próprio não são actividades auxiliares CAE,
(ex.: construção por conta própria, a produção de ESTATÍSTICAS
electricidade e a investigação. As actividades DAS EMPRESAS
auxiliares não devem ser utilizadas, em princípio,
para a determinação da actividade principal.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


81
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

573 11 AMORTIZAÇÕES Custos incorridos com o desgaste dos meios ESTATÍSTICAS


imobilizados - as construções, equipamentos, DAS EMPRESAS
meios básicos, grandes reparações e encargos
plurianuais.

574 11 ASSOCIAÇÕES DE Associações reconhecidas pelo Governo como INSTITUIÇÕES


UTILIDADE PÚBLICA unidades envolvidas no fornecimento de serviços SEM FINS
públicos em cooperação com Governo, de acordo LUCRATIVOS
com a lei Moçambicana.

575 11 AUTONOMIA FINANCEIRA Indicador económico-financeiro que traduz o grau ESTATÍSTICAS


de financiamento das empresas, ou seja a DAS EMPRESAS
capacidade de contrair empréstimos a médio e
longo prazo, suportada pelos capitais próprios. A
capacidade esgota-se quando o rácio é igual à
unidade, ou seja, quando o passivo a médio e
longo prazo iguala os capitais próprios

576 11 CAPITAL SOCIAL Elemento do contrato de sociedade que é ESTATÍSTICAS


constituído pelo valor, expresso em moeda com DAS EMPRESAS
curso legal, que totaliza as entradas dos sócios
para o exercício da actividade social.

577 11 CARTEIRA DE ENCOMENDAS Montante (quantidade e/ou valor) de encomendas CONTAS


que uma unidadeestatística de observação detém MONETÁRIAS E
num determinado período. BALANÇA DE
PAGAMENTO

578 11 CONTA DE EXPLORAÇÃO Descreve a forma como foi realizada a repartição ESTATÍSTICAS
do valor acrescentado bruto pelos diversos DAS EMPRESAS
factores de produção envolvidos no processo
produtivo. O saldo desta conta (excedente bruto
de exploração) representa, de forma agregada, o
valor total aplicado à remuneração e substituição
do capital.

579 11 CONSTITUIÇÃO DE Criação, por actos legais de novas sociedades, CONTAS


SOCIEDADES visando a prática de actividades económicas. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

580 11 CONTA DE PRODUÇÃO Regista o valor da produção e dos consumos ESTATÍSTICAS


intermédios durante o período. O saldo desta DAS EMPRESAS
conta (valor acrescentado bruto) representa o
valor criado pelo sector de actividade económica.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


82
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

581 11 CONTA DE RENDIMENTO Regista outras operações de natureza corrente, ESTATÍSTICAS


realizadas durante o período de referência, e que DAS EMPRESAS
contribuem para a formação do lucro bruto
corrente antes dos impostos, que constitui saldo
desta conta.

582 11 CUSTOS COM PESSOAL Valor que corresponde as remunerações fixas ou ESTATÍSTICAS
periódicas atribuídas ao pessoal ao serviço, DAS EMPRESAS
qualquer que seja a sua função na empresa, e os
encargos sociais pagos pela empresa: Pensões e
prémios para pensões, encargos obrigatórios
sobre remunerações, seguros de acidentes no
trabalho e doenças profissionais, custos de acção
social e outros custos com pessoal (onde se
incluem basicamente, os custos de recrutamento e
selecção, de formação profissional e de medicina
no trabalho, os seguros de doença, as
indemnizações por despedimento e os
complementos facultativos de reforma).

583 11 CUSTOS COM PESSOAL PER Expressa o contributo médio de cada trabalhador, ESTATÍSTICAS
CAPITA no total de custos com o pessoal suportados pela DAS EMPRESAS
empresa, correspondendo ao quociente entre os
custos com pessoal e o número de pessoas ao
serviço da empresa.

584 11 CUSTOS OPERACIONAIS Custos resultantes da actividade principal da CONTAS


unidade estatística de observação durante o MONETÁRIAS E
período de referência. BALANÇA DE
PAGAMENTO

585 11 CUSTOS E PERDAS Todos os custos de carácter extraordinário face à ESTATÍSTICAS


EXTRAORDINÁRIOS actividade normal da empresa, tais como, DAS EMPRESAS
donativos, dívidas incobráveis, perdas em
existências, perdas em imobilizações, multas e
penalidades e aumentos extraordinários de
amortizações.

586 11 CUSTOS E PERDAS Compreende todos os custos inerentes à utilização ESTATÍSTICAS


FINANCEIRAS de capital alheio na actividade da empresa, tais DAS EMPRESAS
como, juros de financiamento de descontos de
títulos, perdas em empresas do grupo e
associadas, amortizações de investimentos em
imóveis, ajustamentos de aplicações financeiras,
diferenças de câmbios desfavoráveis, descontos
de pronto pagamento, e perdas na alienação de
aplicações de tesouraria.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


83
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

587 11 DESPESAS COM O PESSOAL Todos os custos com o pessoal suportados pela ESTATÍSTICAS
empresa, tais como, remunerações, pensões e DAS EMPRESAS
prémios para pensões, encargos sobre
remunerações, seguros de acidentes no trabalho e
doenças profissionais, custos de acção social e
outros custos com o pessoal. As Despesas com o
Pessoal não ocorrem em todas as empresas. Uma
parte substancial não paga salários, havendo uma
comunhão das despesas familiares e das despesas
da empresa. O trabalho desenvolvido, nesses
casos, não é efectuado em troca de uma
remuneração de qualquer espécie. Tal situação
verifica-se, sobretudo, nas micro-unidades do
comércio, mas não é exclusiva dessa actividade.
Assim, dos resultados apresentados não se pode
concluir pelo montante das Despesas Médias com
o Pessoal no país, mas somente pelas Despesas
Médias com o Pessoal nas empresas que
efectivamente pagam salários.

588 11 EMPRESA Entidade (correspondendo a uma única unidade ESTATÍSTICAS


jurídica ou ao mais pequeno agrupamento de DAS EMPRESAS
unidades jurídicas ou institucionais) dotada de
autonomia de organização e de decisão dos
recursos às suas actividades de produção,
exercendo uma ou várias actividades num ou
vários locais.

589 11 EMPRESA INDIVIDUAL Tipo de unidade empresarial que abrange as ESTATÍSTICAS


formas jurídicas de empresário em nome DAS EMPRESAS
individual e trabalhador independente.

590 11 EMPRESA REGISTADA Considera-se que uma Empresa é Registada ESTATÍSTICAS


quando ela é juridicamente reconhecida; quando DAS EMPRESAS
ela tem autorização para exercer a sua actividade
no país.

591 11 ENCARGOS FINANCEIROS Custos que a empresa suporta para utilizar fundos ESTATÍSTICAS
alheios no desenvolvimento das suas operações, DAS EMPRESAS
bem como os descontos que concedem aos
clientes pela antecipação na mobilização dos
créditos.

592 11 ENDIVIDAMENTO A MÉDIO Mede o nível de recurso a capitais alheios de ESTATÍSTICAS


E LONGO PRAZO médio e longo prazo face ao total de aplicações de DAS EMPRESAS
fundos

593 11 ESTABELECIMENTO Empresa ou parte de empresa que exerce um só ESTATÍSTICAS


tipo de activiadade económica em um só local ou DAS EMPRESAS
a partir dum só local.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


84
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

594 11 ESTRUTURA DE Indica o grau de exigibilidade de passivo de uma ESTATÍSTICAS


ENDIVIDAMENTO empresa, o qual é medido pelo peso de DAS EMPRESAS
endividamento de curto prazo (passivo circulante)
no total do endividamento

595 11 ESTRUTURA DO Peso que os capitais permanentes assumem no ESTATÍSTICAS


FINANCIAMENTO total das origens de fundos da empresa DAS EMPRESAS

596 11 FORNECIMENTO DE São custos pagos ou a pagar a terceiros, por ESTATÍSTICAS


TERCEIROS aquisições ou consumo imediato ou no exercício DAS EMPRESAS
(água e electricidade, os combustíveis e
lubrificantes que não sejam mantidos em
armazém, as ferramentas e utensílios cuja vida
útil não exceda um ano). Serviços de Terceiros -
são serviços adquiridos pela empresa a terceiros a
elas não vinculadas (manutenção, comunicações,
assistência técnica, transporte de carga, entre
outros).

597 11 GRUPO DE EMPRESAS Agrupamento de empresas, ligadas entre sí por ESTATÍSTICAS


vínculos jurídicos, financeiros ou outros, DAS EMPRESAS
possuídas, controladas ou dirigidas por interesses
comuns.

598 11 INDEPENDÊNCIA Indica a capacidade financeira da empresa solver ESTATÍSTICAS


FINANCEIRA os seus compromissos de médio e longo prazo DAS EMPRESAS

599 11 INVESTIMENTOS EM Aumentos do imobilizado corpóreo ocorridos ESTATÍSTICAS


ACTIVOS CORPÓREOS durante o ano, resultantes de aquisições ou DAS EMPRESAS
trabalhos para a própria empresa.

600 11 INVESTIMENTOS EM Aumentos do imobilizado incorpóreo ocorridos ESTATÍSTICAS


ACTIVOS INCORPÓREOS durante o ano, resultantes de aquisições ou DAS EMPRESAS
trabalhos para a própria empresa.

601 11 MÃO-DE-OBRA É o conjunto de indivíduos em idade CENSO AGRO-


economicamente activa no período de referência. PECUÁRIO
Para efeitos do CAP considera-se de 10 a 70 anos
de idade (por definição, em Moçambique é de 15
a 70 anos).

602 11 NÚMERO DE PESSOAS AO Número de pessoas que no período em referência, CEMPRE


SERVIÇO participaram efectivamente na actividade da
empresa, independentemente do vínculo que
tenham.

603 11 PARTICIPAÇÃO NO CAPITAL Mede a importância relativa do capital privado, CEMPRE


SOCIAL (PNV, PNP, PTE) público ou estrangeiro no capital social da
empresa.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


85
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

604 11 PRODUÇÃO Valor dos bens e serviços produzidos durante o ESTATÍSTICAS


ano, obtido a partir do volume de negócios das DAS EMPRESAS
empresas, ao qual se adiciona a variação da
produção, os proveitos suplementares, os
trabalhos para a própria empresa e os outros
proveitos e ganhos operacionais. Se a empresa
exercer uma actividade comercial a título principal
ou secundário, as vendas de mercadorias são
consideradas para o cálculo da produção
designada por margem comercial, após dedução
do respectivo custo das mercadorias vendidas.

605 11 PROVEITOS E GANHOS Inclui todos os proveitos de carácter ESTATÍSTICAS


EXTRAORDINÁRIOS extraordinário relativamente a actividade normal DAS EMPRESAS
da empresa, tais como restituição de impostos,
recuperação de dívidas, ganhos em existências,
ganhos em imobilizações e reduções de previsões.

606 11 PROVEITOS E GANHOS Compreende todos os proveitos obtidos pelas ESTATÍSTICAS


FINANCEIROS empresas, com as aplicações financeiras ou com DAS EMPRESAS
os investimentos financeiros (curto, médio e longo
prazo), tais como juros, ganhos em empresas do
grupo e associadas, rendimento de imóveis,
rendimento de participações de capitais,
diferencias de câmbios favoráveis, descontos de
pronto pagamento e ganhos na alienação de
aplicações de tesouraria.

607 11 RAMO DE ACTIVIDADE Agrupamento de unidades de actividade ESTATÍSTICAS


económica ao nível local que exercem uma DAS EMPRESAS
actividade económica idêntica ou similar. ou e um
conjunto das Unidades de Actividades Económicas
(UAE) locais inseridas numa mesma actividade tal
como definida na Classificação das Actividades
Económicas.

608 11 RECEITAS DE EMPRESAS Montante recebido pela unidade e dividida em CINSFLU


PRIVADAS E INDIVIDUAIS quotas de membros, vendas de bens e serviços,
donativos e outras doações.

609 11 REMUNERAÇÕES AO Todos os pagamentos, em dinheiro ou em género, ESTATÍSTICAS


PESSOAL efectuados ou a efectuar à todos trabalhadores DAS EMPRESAS
nacionais e estrangeiros, eventuais, ou efectivos,
dirigentes e não dirigentes da empresa.

610 11 RENDIBILIDADE DO ACTIVO Expressa a taxa de retornos dos capitais ESTATÍSTICAS


LÍQUIDO investidos na empresa ou seja a rendibilidade da DAS EMPRESAS
empresa do ponto de vista do investidor

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


86
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

611 11 RENDIBILIDADE DOS Permite avaliar se a rentabilidade do capital ESTATÍSTICAS


CAPITAIS PRÓPRIOS próprio se situa a um nível aceitável DAS EMPRESAS
comparativamente às taxas de rentabilidade do
mercado de capitais e ao custo de financiamento.

612 11 RENDIBILIDADE Mede a capacidade da empresa para gerar ESTATÍSTICAS


OPERACIONAL DAS VENDAS resultados a partir das vendas ou prestação de DAS EMPRESAS
serviço.

613 11 RESULTADO LÍQUIDO DO Representa o valor de impostos, positivos ou ESTATÍSTICAS


EXERCÍCIO negativo (em caso de prejuízo), gerado pela DAS EMPRESAS
empresa no decurso do seu exercício económico,
coincidente ou não com o ano civil.

614 11 RESULTADOS Corresponde aos resultados da exploração da ESTATÍSTICAS


OPERACIONAIS empresa, isto é a diferença entre a soma das DAS EMPRESAS
vendas operacionais e a soma dos custos
operacionais.

615 11 ROTAÇÃO DE ACTIVO Traduz a velocidade de transformação do activo ESTATÍSTICAS


LÍQUIDO total da empresa em meios líquidos, exprimindo o DAS EMPRESAS
número de vezes por ano que o activo foi
reconstituído através das vendas

616 11 ROTAÇÃO DE CAPITAIS Medida da rotação dos capitais próprios investidos ESTATÍSTICAS
PRÓPRIOS no negócio, indicando a intensidade com que os DAS EMPRESAS
mesmos são valorizados na empresa

617 11 SERVIÇO Resultado não material de uma actividade ESTATÍSTICAS


económica para satisfação das necessidades DAS EMPRESAS
específicas

618 11 SOCIEDADE ANÓNIMA Tipo de sociedade comercial que se caracteriza ESTATÍSTICAS


pela divisão do capital em acções, pela DAS EMPRESAS
responsabilidade social face a terceiros e pela
responsabilidade dos accionistas perante a
sociedade, limitada ao capital subscrito.

619 11 SOCIEDADE DE Sociedade de responsabilidade limitada, os sócios ESTATÍSTICAS


RESPONSABILIDADE ficam isentos das dívidas e dos prejuízos da DAS EMPRESAS
LIMITADA sociedade, para além das suas participações
iniciais.

620 11 SOCIEDADE POR QUOTAS Tipo de sociedade comercial que se caracteriza ESTATÍSTICAS
pela divisão do capital em quotas, pela DAS EMPRESAS
responsabilidade face ao terceiro e pela
responsabilidade social face a terceiros e pela
responsabilidade solidária de todos os sócios pelas
prestações devidas à sociedade por algum ou
alguns dos outros associados, por força da
realização integral das suas quotas.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


87
Área Estatística 11 – Empresas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

621 11 SOLVABILIDADE Avalia a capacidade da empresa para solver as ESTATÍSTICAS


responsabilidades assumidas a curto, médio e DAS EMPRESAS
longo prazo.

622 11 UNIDADE DE ACTIVIDADE Conjunto de partes que concorrem para o ESTATÍSTICAS


ECONÓMICA (UAE) exercício de uma actividade do nível de subclasse DAS EMPRESAS
da Classificação das Actividades Económicas. e
uma ou várias subdivisões da empresa,
independentemente do local onde é exercida a
actividade económica.

623 11 UNIDADE FUNCIONAL Empresa ou parte de uma empresa que exerce um ESTATÍSTICAS
só tipo de actividade económica, DAS EMPRESAS
independentemente do local onde é exercida.

624 11 UNIDADE HOMOGÉNEA DE Corresponde à mais pequena parte de uma CEMPRE


PRODUÇÃO empresa , exercendo um só tipo de actividade
económica num só local

625 11 UNIDADE INSTITUCIONAL Entidade económica com capacidade de possuir e ESTATÍSTICAS


trocar/transaccionar bens ou activos por si DAS EMPRESAS
própria; de tomar decisões e envolver-se em
actividades económicas; de contrair empréstimos
e efectuar depósitos em seu próprio nome,
assumir outras obrigações e compromissos
futuros, e entrar em contratos.

626 11 UNIDADE LOCAL Empresa ou parte de empresa (fábrica, oficina, CEMPRE


armazém, loja, etc.) Situada num local
tipograficamente identificado. Nesse local ou a
partir dele exercem-se actividades económicas
para as quais regra geral, uma ou várias pessoas
trabalham (eventualmente a tempo parcial), por
conta de uma mesma empresa.

627 11 UNIDADE TÉCNICA Unidade mais homogénea, podendo ser uma CEMPRE
secção ou um departamento de uma empresa
cuja actividade tem por objecto a produção
homogénea de bens e serviços ou uma actividade
intermédia ou auxiliar da produção desses bens e
serviços.

628 11 VOLUME DE NEGÓCIOS Valor total da facturação, com exclusão do IVA, CEMPRE
realizada pela unidade estatística de observação
(estabelecimento ou unidade local) durante o
período de referência, correspondente à venda de
mercadorias, produtos acabados e intermédios,
subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos e à
prestação de serviços a terceiros.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


88
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

629 12 AUTOCONSUMO FAMILIAR Bens e serviços produzidos ou obtidos CONTAS


directamente da natureza por agregados NACIONAIS
familiares e com o objectivo de serem consumidos
pelo próprio agregado. A sua valorização faz-se
pelo preço que o agregado teria de pagar para os
adquirir, ou seja, a preços de mercado.

630 12 BEM Objecto material produzido e que pode ser objecto CONTAS
de transacções comerciais. NACIONAIS

631 12 CONSUMO FINAL Valor de todos os bens e serviços individuais CONTAS


adquiridos, adicionado ao valor dos serviços NACIONAIS
colectivos fornecidos pelas administrações
públicas á comunidade ou a grandes grupos da
comunidade.

632 12 CONSUMO INTERMÉDIO consiste no valor dos bens e serviços CONTAS


consumidoscomo elementos de um processo de NACIONAIS;
produção, excluindo os activos fixos, cujo CONTAS
consumo é registado como consumo de capital MONETÁRIAS E
fixo. Os bens e serviços podem ser transformados BALANÇA DE
ou utilizados no processo produtivo. PAGAMENTO

633 12 CONTA CAPITAL Regista as aquisições e cessões de activos não CONTAS


financeiros como resultado de operações com NACIONAIS
outras unidades ou operações contabilísticas
internas ligadas á produção.

634 12 CONTA DE PRODUÇÃO Regista o valor da produção de bens e serviços e CONTAS


dos consumos intermédios no período de NACIONAIS
referência tal como é definida no contexto do
sistema.

635 12 CONTAS DE DISTRIBUIÇÃO Conjunto articulado de contas que mostram como CONTAS
E UTILIZAÇÃO DO os rendimentos são gerados pela produção, NACIONAIS
RENDIMENTO distribuídos pelas unidades institucionais com
direitos sobre o valor acrescentado criado pela
produção, redistribuídos entre unidades
institucionais, principalmente pelas unidades da
administração pública, através das contribuições
para a segurança social, subsídios e impostos e
eventualmente utilizados pelas famílias, unidades
da administração pública ou organizações sem fins
lucrativos ao serviço das famílias para o consumo
final ou poupança.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


89
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

636 12 CONTAS ECONÓMICAS Quadro que dá uma imagem completa das contas CONTAS
INTEGRADAS do total da economia, incluindo as contas de NACIONAIS
património de uma forma que permite evidenciar
as principais relações económicas e os macros
agregados. Mostra simultaneamente a estrutura
geral do sistema e apresenta um conjunto de
dados relativos aos sectores institucionais, para
economia como um todo e para o resto do
mundo.

637 12 DEFLATOR DO PIB(DP) Rácio entre o PIB a preços correntes e o PIB a CONTAS
preços constantes e é expresso sob forma de um NACIONAIS
índice. Reflecte a medida da variação global de
preços da economia para o período actual.

638 12 DEMANDA OU PROCURA Parte do fluxo de um produto específico que se CONTAS


INTERMÉDIA destina ao consumo intermédio por uma ou mais NACIONAIS
actividades da economia

639 12 DESPESA DE CONSUMO Aquisição de bens e serviços destinados, a CONTAS


FINAL satisfação das necessidades do agregado familiar. NACIONAIS
O consumo final dos agregados inclui, para além
dos gastos inerentes a todas as aquisições de
bens ou serviços, o valor dos bens e serviços
produzidos pelo agregado familiar e o valor dos
bens e serviços recebidos em espécie. Inclui-se no
consumo final o arrendamento da vivenda pelos
proprietários. Os bens ou serviços produzidos pelo
agregado ou recebidos como pagamento em
espécie devem ser avaliados de acordo com o
preço do mercado local.

640 12 DIVIDENDOS Forma de rendimento de propriedade a que tem CONTAS


direito os accionistas como resultado da colocação NACIONAIS
de fundos á disposição das sociedades.

641 12 EXCEDENTE DE Saldo contabilístico obtido pela actividade CONTAS


EXPLORAÇÃO produtiva, excluindo os custos adicionais (juros, NACIONAIS
multas, impostos sobre lucros, etc.) em que
incorrem os agentes económicos na gestão de um
negócio.

642 12 IMPOSTO SOBRE Imposto anual que se aplica sobre os CÓDIGO DO


RENDIMENTO rendimentos, lucros e ganhos de capital efectivos IMPOSTO SOBRE
ou presumidos de pessoas singulares (famílias) e O RENDIMENTO
colectivas (empresas/sociedades, etc.).

643 12 IMPOSTOS Pagamentos obrigatórios sem contrapartida, em CONTAS


numerário ou em espécie, efectuados por NACIONAIS
unidades institucionais ás unidades de
administração pública.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


90
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

644 12 IMPOSTOS SOBRE OS Transferências obrigatórias que os agentes CONTAS


PRODUTOS (BENS E económicos realizam para o governo, na base de NACIONAIS
SERVIÇOS) normas legais estabelecidas, pêlos actos de
produção, importação, compra ou venda,
transferência de bens e serviços que fluem na
economia.

645 12 INDEMNIZAÇÕES DE Valores que as empresas de seguros devem pagar CONTAS


SEGUROS NÃO VIDA em virtude de um contracto de seguros de risco, NACIONAIS
às outras unidades institucionais pela ocorrência
do sinistro em pessoas ou bens.

646 12 INDICADORES DE Expressa o optimismo empresarial qualitativo INDICADORES DE


EXPECTATIVAS DE sobre o emprego no horizonte de curto prazo. CONFIANÇA
EMPREGO

647 12 INSTITUIÇÕES SEM FIM Entidades Jurídicas ou Sociais criadas para CONTAS
LUCRATIVO produzir bens ou serviços cujo estatuto não lhes NACIONAIS
permite ser uma fonte de rendimento lucro ou
outros ganhos financeiros para as unidades que os
estabelecem, controlam ou financiam.

648 12 INVESTIMENTO REAL Valor das aquisições de bens duráveis pelas CONTAS
BRUTO unidades produtivas residentes. NACIONAIS

649 12 JUROS Montante que o devedor tem de pagar ao credor CONTAS


durante num determinado período de tempo sem NACIONAIS
reduzir o montante do capital em dívida.

650 12 MARGENS DE Valor dos serviços de comércio e transporte CONTAS


DISTRIBUIÇÃO estabelecidos entre o produtor e o utilizador, que NACIONAIS
se acrescenta aos produtos pelos serviços de
intermediação e transporte.

651 12 NECESSIDADE LÍQUIDA DE Necessidade de fundos (capital) que as unidades CONTAS


FINANCIAMENTO NACIONAL institucionais (sociedades) se deparam no NACIONAIS
desenrolar das suas actividades económicas e que
condicionam suas estratégias de desenvolvimento.

652 12 PRODUÇÃO Actividade levada a cabo por uma unidade em que CONTAS
o trabalho e o capital são utilizados para NACIONAIS
transformar bens e serviços intermédios para
produzir outros bens e serviços. Existem vários
modos de produção tanto modernos como os
tradicionais e têm diferentes formas de
organização que variam de empresas, individuais,
comunitários, cooperativos e nas mais variadas
actividades quer sejam agrícolas, industriais, etc.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


91
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

653 12 PRODUÇÃO BRUTA Valor de todos os bens acabados e inacabados e CONTAS


serviços engendrados durante o ano económico NACIONAIS
por todos os agentes económicos residentes.

654 12 PRODUÇÃO MERCANTIL Produção que é vendida no mercado ou que se CONTAS


destina a ser vendida no mercado. A produção NACIONAIS
mercantil compreende: a) os produtos vendidos a
preços economicamente significativos; b) os
produtos que são objecto de troca directa; c ) os
produtos utilizados para pagamentos em espécie
(incluindo a compensação em espécie); d) os
produtos fornecidos por uma Unidade de
Actividade Económica (UAE) local a outra, dentro
da mesma unidade institucional, para serem
utilizados no consumo intermédio ou final; e) os
produtos acrescentados às existências de bens
acabados e de trabalhos em curso destinados a
um ou outro dos empregos acima referidos
(incluindo o crescimento natural de produtos
animais e vegetais e as estruturas inacabadas cujo
comprador não é conhecido).

655 12 PRODUÇÃO NÃO Produção de bens e serviços vendidos a preços CONTAS


MERCANTIL não significativos ou seja, inferiores aos custos NACIONAIS
incorridos na sua produção. Enquadram-se nesses
produtos, os fornecidos pelo governo e
organismos não governamentais (ONG's).

656 12 PRODUÇÃO PARA Bens e serviços que não são objecto de CONTAS
UTILIZAÇÃO FINAL PRÓPRIA transacção no mercado, são produzidos para NACIONAIS
consumo próprio do agente económico ou
famílias.

657 12 PRODUTO INTERNO BRUTO Valor da riqueza gerada no país durante o CONTAS
(PIB) processo produtivo num período determinado, é o NACIONAIS
valor total dos bens e serviços produzidos no País
a preços de mercado e livre de duplicações,
excluindo o valor das importações.

658 12 PRODUTO INTERNO BRUTO Somatório do valores acrescentados brutos dos CONTAS
(PIB) -ÓPTICA DA diferentes sectores institucionais ou ramos de NACIONAIS
PRODUÇÃO actividade mais os impostos líquidos de subsídios
sobre os produtos.

659 12 PRODUTO INTERNO BRUTO Soma das categorias de empregos finais menos as CONTAS
(PIB) -ÓPTICA DAS importações: exportações-importações+consumo NACIONAIS
DESPESAS final+formação bruta de capital fixo.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


92
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

660 12 PRODUTO INTERNO BRUTO Agregados dos componentes do valor CONTAS


(PIB) – ÓPTICA DO acrescentado a preços base por ramo de NACIONAIS
RENDIMENTO actividade menos os empregos dos serviços de
intermediação financeira mais os impostos líquidos
sobre todos os produtos

661 12 PRODUTO INTERNO BRUTO Rácio entre o PIB no ano pelo total da população CONTAS
(PIB) PER CÁPITA média desse ano. NACIONAIS

662 12 PRODUTO INTERNO Produto Interno Bruto diminuído do valor de CONTAS


LÍQUIDO (PIL) consumo de capital fixo: PIB=Remuneração+ NACIONAIS
Impostos Líquidos de Subsídio+ Excedente de
Exploração +Rendimento Misto.

663 12 PROVISÕES TÉCNICAS DE Provisões feitas pelas empresas de seguros e se CONTAS


SEGUROS subdividem em: provisões de seguros de vida nos NACIONAIS
fundos de pensões e em provisões não adquiridas
e provisões para sinistros.

664 12 RENDIMENTO DE Receitas que recebem os proprietários de activos CONTAS


PROPRIEDADE financeiros (dinheiro, valores, empréstimos) e NACIONAIS
activos corpóreos não produzidos (terrenos e
activos do subsolo) que os colocam a disposição
de outras unidades institucionais. Podem ser
juros, rendimentos distribuídos das sociedades
(dividendos), lucros de investimento directo
estrangeiro reinvestidos, rendimentos de
propriedade atribuídos a detentores de apólice de
seguros e rendas, etc.

665 12 RENDIMENTO DISPONÍVEL Saldo da conta de distribuição Secundária do CONTAS


rendimento; pode ser utilizado para financiar as NACIONAIS
despesas de consumo final e a poupança do País.

666 12 RENDIMENTO DISPONÍVEL Saldo da conta de redistribuição do rendimento CONTAS


AJUSTADO em espécie, que incorpora as transferências NACIONAIS
sociais em espécie e afecta só as operações com o
governo, as Instituições Sem Fins Lucrativos e as
famílias.

667 12 RENDIMENTO MISTO Saldo da conta de produção das unidades CONTAS


produtivas não organizadas como sociedades e NACIONAIS
estão geridas e administradas pelos agregados
familiares, conceptualmente inclui os salários dos
trabalhadores por conta própria e não
remunerados que trabalham na unidade e os
rendimentos tipo lucro empresarial gerado pela
actividade produtiva.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


93
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

668 12 RENDIMENTO NACIONAL Soma dos valores dos saldos brutos do CONTAS
BRUTO (RNB) Rendimento primário dos sectores residentes. NACIONAIS

669 12 RENDIMENTO NACIONAL Soma dos valores líquidos do rendimento primário CONTAS
LÍQUIDO líquido dos sectores institucionais. NACIONAIS

670 12 SALDOS DE RENDIMENTO Corresponde aos valores dos recursos constituídos CONTAS
PRIMÁRIO pelo excedente de exploração, rendimentos de NACIONAIS
propriedade, os impostos líquidos, as
remunerações, o rendimento misto e diminuídos
dos valores das mesmas categorias do lado dos
empregados. Categoria exclusiva só é do nível do
sector institucional.

671 12 SECTOR PRIMÁRIO Agrupa os Sectores Agro- Pecuário, Silvicultura, CONTAS


Pesca e Indústria Mineira. NACIONAIS

672 12 SECTOR SECUNDÁRIO Agrupa os Sectores da Indústria Manufactureira, CONTAS


Electricidade, Água e Construção. NACIONAIS

673 12 SECTOR TERCIÁRIO Agrupa os Sectores do Comércio, Restaurantes e CONTAS


Hotéis, Transportes e Comunicações, Serviços NACIONAIS
Financeiros, Aluguer de Imóveis e Serviços de
Empresas, Administração Pública e Defesa,
Educação, Saúde e outros Serviços.

674 12 SERVIÇOS DE Serviços de Intermediação financeira CONTAS


INTERMEDIAÇÃO indirectamente medidos, isto é, os rendimentos de NACIONAIS
FINANCEIRA propriedade total a receber pelos intermédios
INDIRECTAMENTE MEDIDOS financeiros menos os seus juros totais a pagar,
(SIFIM) excluindo o valor de qualquer rendimento de
propriedade a receber de investimentos de fundos
próprios, uma vez que o seu rendimento não
surge da intermediação financeira.

675 12 SUBSÍDIOS Transferências realizadas pelo governo para os CONTAS


agentes económicos com a principal finalidade de NACIONAIS;
os compensar pelas perdas incorridas ou por ESTATÍSTICAS
incorrer, como consequência de se manter preços, DAS FINANÇAS
artificialmente, baixos. PÚBLICAS

676 12 UNIDADES INSTITUCIONAIS Classificador das unidades institucionais que


distinguem os entes jurídicos do País, os quais em
princípio se diferenciam pelas funções económicas
que desempenham (Financeiros, não financeiros.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


94
Área Estatística 12 – Contas Nacionais

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

677 12 VALOR ACRESCENTADO Valor adicional criado ou o rendimento gerado CONTAS


pelo processo produtivo de uma indústria ou de NACIONAIS
todas as indústrias residentes e definido como a
diferença entre o valor da produção e o consumo
intermédio.

678 12 VALOR BRUTO DE Valor monetário dos bens e serviços produzidos CONTAS
PRODUÇÃO por um agente económico em particular ou um MONETÁRIAS E
grupo de estabelecimentos agrupados numa BALANÇA DE
actividade económica. Os principais componentes PAGAMENTO
são que se identifica directamente com a
especialidade produtiva do estabelecimento e a
produção principal que se identifica directamente
com a especialidade produtiva do estabelecimento
e a produção secundária que são bens e serviços
de produção marginal ou acessória. Pelo lado dos
custos, Valor Bruto Produção é constituído pela
agregação do consumo intermédio e do valor
acrescentado. Ou seja o valor bruto de produção é
igual ao valor das Vendas + Prestações de
serviços + Variação da produção + Trabalhos para
a própria empresa.

679 12 VARIAÇÃO DE EXISTÊNCIAS Diferença entre as entradas e saídas de CONTAS


existências durante o ano económico, avaliada a NACIONAIS
preços do mercado no momento de operação
(entrada ou saída).

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


95
Área Estatística 13 – Preços e Conjuntura

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

680 13 DEFLAÇÃO Diminuição do nível de preços. IPC

681 13 DESINFLAÇÃO Redução da taxa de inflação. IPC

682 13 ÍNDICE DE CONJUNTURA Indicador que mede a conjuntura de um IPC


ACTUAL determinado sector de actividade, retratando a
situação actual no trimestre.

683 13 ÍNDICE DE CONJUNTURA Indicador que mede a conjuntura de um IPC


FUTURA determinado sector de actividade, perspectivando
o futuro.

684 13 ÍNDICE DE QUANTIDADE Reflecte a evolução do produto ou grupo de IPC


produtos, a partir da medição do volume dos bens
e serviços que afluem à economia.

685 13 INFLAÇÃO Aumento contínuo e generalizado no nível geral IPC


de preços, que resulta em perda ininterrupta do
poder aquisitivo da moeda. A inflação é medida,
geralmente, pelo índice de preço ao consumidor.

686 13 INFLAÇÃO ACUMULADA (IA) Variação entre o índice de preços de determinado IPC
mês e o de Dezembro do ano anterior, em
percentagem.

687 13 INFLAÇÃO HOMÓLOGA (IH) Variação entre o índice de preços de determinado IPC
mês e a do mesmo mês do ano anterior, em
percentagem.

688 13 INFLAÇÃO MENSAL (IM) Variação entre o índice de preços de determinado IPC
mês e a do mês anterior, em percentagem.

689 13 PAINEL DE BENS E Conjunto de bens e serviços, de qualidade IPC


SERVIÇOS (CABAZ) constante, representativo da estrutura de
consumo de uma determinada população, num
determinado espaço geográfico.

690 13 PERÍODO BASE Período para o qual o índice é igual a 100, isto é, IPC
período em que os preços servem de referência
para os preços do período corrente.

691 13 PONDERADOR Importância relativa de cada tipo de despesa, no IPC


total das despesas das famílias em percentagem.

692 13 PREÇO Valor que efectivamente os consumidores pagam IPC


pelo produto adquirido e nas quantidades de
venda mais típicas, ou seja, considera - se o preço
de transação a pronto pagamento.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


97
Área Estatística 13 – Preços e Conjuntura

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

693 13 PREÇO DE AQUISIÇÃO Preço de aquisição é o preço que o comprador IPC


paga efetivamente pelos produtos

694 13 PREÇO DE BASE Preço pelo qual o utilizador adquire o produtor IPC
final, este preço é fixado num determinado
período (Ano), e serve de referência para o
cálculo do IPC nos anos seguintes.

695 13 PREÇO NO CONSUMIDOR Preço pelo qual o utilizador adquire o produto IPC
final. Ou seja, quantia paga pelas famílias na
aquisição de bens e serviços individuais baseados
em transações monetárias. Esta quantia
corresponde ao valor que o adquirente
efetivamente paga no momento de aquisição e
inclui todos os impostos indiretos líquidos de
subsídios sobre os produtos, reduções e descontos
desde que de aplicação generalizada aos
consumidores, e exclui juros e outros custos
associados à compra a crédito"

696 13 PREÇO NO PRODUTOR Preço de uma unidade de uma determinada IPC


mercadoria a saída do estabelecimento de
produção.

697 13 PREÇOS CONSTANTES Preços de bens e serviços de um período de IPC


referência usado principalmente para medir o
comportamento real da economia no tempo.

698 13 PREÇOS CORRENTES Preços de produção ou aquisição de bens e IPC


serviços no momento de transação engendrados
durante o ano económico por todos os agentes
económicos residentes.

699 13 TAXA DE INFLAÇÃO (TI) Variação do nível geral de preços. IPC

700 13 VARIAÇÃO ACUMULADA (VA) Comparação entre o índice de determinado mês e IPC - BOLETIM
o índice do mês de Dezembro do ano anterior, em MENSAL
percentagem.

701 13 VARIAÇÃO EM CADEIA (VC) Taxa de variação do período em análise face ao IPC - BOLETIM
período anterior, em percentagem. MENSAL

702 13 VARIAÇÃO HOMÓLOGA (VH) Comparação entre o índice de determinado mês e IPC - BOLETIM
o índice de preços do mesmo mês do ano anterior MENSAL
em percentagem, ou seja é a taxa de variação do
período em análise face ao mesmo período do ano
anterior, em percentagem.

703 13 VARIAÇÃO MENSAL (VM) Comparação entre o índice de preços de IPC


determinado mês e o índice de preços do mês
anterior, em percentagem.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


98
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

704 14 ACTIVO LÍQUIDO (AL) Valor dos recursos à disposição da empresa. Soma CONTAS
das disponibilidades, créditos a curto prazo, MONETÁRIAS E
existências, créditos a médio e longo prazo, BALANÇA DE
imobilizado, títulos negociáveis e acréscimos e PAGAMENTO
diferimentos.

705 14 ACTIVOS Bens, créditos ou valores que formam o CONTAS


património de uma empresa. Constituído por MONETÁRIAS E
disponibilidades, créditos, existências, imobilizado, BALANÇA DE
títulos negociáveis e acréscimos e diferimentos. PAGAMENTO

706 14 ACTIVOS ECONÓMICOS Reservas de valor com base nas quais podem ser CONTAS
exercidos, individual ou colectivamente, direitos MONETÁRIAS E
de propriedade pelas unidades institucionais e das BALANÇA DE
quais podem ser retiradas vantagens económicas PAGAMENTO
pelos titulares, através da sua detenção ou
utilização durante um determinado período.

707 14 ACTIVOS EXTERNOS Disponibilidades líquidas que o sistema monetário CONTAS


LÍQUIDOS (ALE) possui sobre o exterior. Resulta da diferença entre MONETÁRIAS E
os activos externos brutos do sistema monetário e BALANÇA DE
as suas responsabilidades externas. PAGAMENTO

708 14 ACTIVOS FINANCEIROS Direitos ou créditos financeiros (por exemplo: CONTAS


notas e moedas, depósitos e títulos) que possuem MONETÁRIAS E
demonravel valor. A sua classificação baseia-se BALANÇA DE
em dois critérios básicos: (i) a liquidez do activo PAGAMENTO
(transferibilidade e convertibilidade) e (ii) a
relação credor/devedor que eles inseram.

709 14 ACTIVOS FINANCEIROS Diferença entre os direitos ou créditos financeiros CONTAS


LÍQUIDOS (AFL) e as obrigações financeiras (depósitos, MONETÁRIAS E
empréstimos, outros passivos, etc.). BALANÇA DE
PAGAMENTO

710 14 ACTIVOS FIXOS Activos produzidos que são utilizados, de forma CONTAS
repetida ou contínua, em processos de produção MONETÁRIAS E
por períodos superiores a um ano. Os activos fixos BALANÇA DE
compreendem activos fixos corpóreos e PAGAMENTO
incorpóreos.

711 14 ACTIVOS NÃO FINANCEIROS Bens sobre os quais são exercidos, individual ou CONTAS
colectivamente, direitos de propriedade por MONETÁRIAS E
unidades institucionais e dos quais podem ser BALANÇA DE
retiradas vantagens económicas pelos respectivos PAGAMENTO
titulares através da sua posse ou da sua utilização
durante um determinado período, consistindo em
activos corpóreos, tanto produzidos como não
produzidos.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


99
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

712 14 ACTIVOS NÃO PRODUZIDOS Activos não financeiros cujo aparecimento não se CONTAS
deve a processos produtivos. Os activos não MONETÁRIAS E
produzidos abrangem activos corpóreos e activos BALANÇA DE
incorpóreos. Abrangem ainda as despesas com a PAGAMENTO
transferência da propriedade e os melhoramentos
substanciais introduzidos nestes activos

713 14 ACTIVOS NÃO Activos não produzidos existentes na natureza e CONTAS


PRODUZIDOSCORPÓREOS sobre os quais podem ser exercidos direitos de MONETÁRIAS E
propriedade susceptíveis de transmissão. Os BALANÇA DE
activos naturais sobre os quais não são, ou não PAGAMENTO
podem ser, exercidos direitos de propriedade,
como o mar alto e a atmosfera, são excluídos.
Osactivos não produzidos corpóreos consistem em
terrenos, jazigos minerais, recursos biológicos não
cultivados e recursos hídricos.

714 14 ACTIVOS NÃO PRODUZIDOS Activos não produzidos que constituem conceitos CONTAS
INCORPÓREOS criados pelo homem. São comprovados através de MONETÁRIAS E
actos jurídicos ou contabilísticos, como a BALANÇA DE
concessão de uma patente ou a transmissão de PAGAMENTO
uma determinada vantagem económica para um
terceiro. Alguns dão aos respectivos titulares o
direito de exercerem determinadas actividades
específicas e de excluírem outras unidades
institucionais de fazerem o mesmo, excepto com a
autorização do titular. Os activos não produzidos
incorpóreos consistem em patentes,
arrendamentos e outros contratos susceptíveis de
cessão, goodwill comprado e outros activos não
produzidos incorpóreos.

715 14 ACTIVOS PASSIVOS DE Activos passivos financeiros cuja maturidade é CONTAS


CURTO PRAZO normalmente igual ou inferior a um ano e, em MONETÁRIAS E
casos excepcionais, a dois anos no máximo. BALANÇA DE
PAGAMENTO

716 14 ACTIVOS PASSIVOS DE Activos (passivos) financeiros cuja maturidade é CONTAS


MÉDIO E LONGO PRAZO normalmente superior a um ano e, em casos MONETÁRIAS E
excepcionais, superior a dois anos. BALANÇA DE
PAGAMENTO

717 14 ACTIVOS PRODUZIDOS Activos não financeiros que surgiram como CONTAS
resultado de processos produtivos. Os activos MONETÁRIAS E
produzidos consistem em activos fixos, existências BALANÇA DE
e objectos de valor. PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


100
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

718 14 ACTIVOS Activos, móveis ou imóveis, que devem, a CONTAS


REPRESENTATIVOS DAS qualquer momento, representar a totalidade das MONETÁRIAS E
PROVISÕES TÉCNICAS provisões técnicas e que constituem um BALANÇA DE
património especial que garante especialmente os PAGAMENTO
créditos emergentes dos contratos de seguros,
não podendo ser penhorados ou arrestados, salvo
para pagamento desses mesmos créditos. A
natureza dos activos representativos das provisões
técnicas, os respectivos limites percentuais, bem
como os princípios gerais da congruência e da
avaliação desses activos, são fixados por portaria
do Ministério das Finanças.

719 14 ACTUÁRIO Indivíduo que elabora, aplica e gere regimes de CONTAS


pensões e seguros, recolhendo e avaliando dados MONETÁRIAS E
estatísticos e outros com o objectivo de fixar os BALANÇA DE
termos, as cláusulas e os prémios das apólices e PAGAMENTO
dos contratos.

720 14 AGÊNCIAS DE CÂMBIO Sociedades financeiras, constituídas sob a forma CONTAS


de sociedades anónimas ou de sociedades por MONETÁRIAS E
quotas, que têm por objecto principal a realização BALANÇA DE
de operações de compra e venda de notas e PAGAMENTO
moedas estrangeiras ou de cheques de viagem,
por contravalor em moeda nacional.

721 14 AGENTE DE SEGUROS Mediador de seguros que exerce a sua actividade CONTAS
apresentando, propondo ou preparando a MONETÁRIAS E
celebração de contratos, podendo celebrá-los com BALANÇA DE
prestação de assistência a esses mesmos PAGAMENTO
contratos, podendo intervir a pedido da
seguradora, na regularização de sinistros, em
nome e por conta, ou unicamente por conta,
daquela. Pode exercer a sua actividade junto de
uma ou mais seguradoras, bem como colocar
contratos em seguradoras através de correctores.
O agente de seguros que exerça a sua actividade
junto de uma única seguradora ou corrector e que
com essa entidade tenha firmado contrato que o
iniba de colocar seguros junto de outra
seguradora ou através de outro corrector, tem a
designação de agente exclusivo

722 14 AGREGADOS MONETÁRIOS Constituem as medidas de moeda utilizadas na CONTAS


E DE LIQUIDEZ política monetária. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


101
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

723 14 ANGARIADOR DE SEGUROS Mediador de seguros que, sendo trabalhador de CONTAS


seguros, exerce a sua actividade apresentando, MONETÁRIAS E
propondo e preparando a celebração de contratos BALANÇA DE
e que presta assistência a esses contratos. PAGAMENTO

724 14 APÓLICE DE SEGURO Documento que titula o contrato celebrado entre o CONTAS
tomador de seguro e a seguradora, de onde MONETÁRIAS E
constam as respectivas condições gerais, BALANÇA DE
especiais, se as houver, e as particulares PAGAMENTO
acordadas.

725 14 AQUISIÇÕES EM PRIMEIRA Todas as aquisições de bens de capital que ainda CONTAS
MÃO DE BENS DE CAPITAL não tenham sido utilizadas no país, e que sejam MONETÁRIAS E
consideradas como aumento do activo BALANÇA DE
PAGAMENTO

726 14 AQUISIÇÕES LÍQUIDAS DE São aquisições dos activos não produzidos não CONTAS
CESSÕES DE ACTIVOS NÃO financeiros que consistem em terrenos e outros MONETÁRIAS E
PRODUZIDOS NÃO activos não produzidos corpóreos utilizáveis na BALANÇA DE
FINANCEIROS produção de bens e serviços e em activos não PAGAMENTO
produzidos incorpóreos.

727 14 AQUISIÇÕES LÍQUIDAS DE Os objectos de valor são bens não financeiros que CONTAS
OBJECTOS DE VALOR não são principalmente utilizados na produção ou MONETÁRIAS E
consumo, que não se deterioram (fisicamente) BALANÇA DE
com o tempo, em condições normais, e que são PAGAMENTO
sobretudo adquiridos e conservados como
reservas de valor.

728 14 ASSOCIAÇÕES DE BOLSA Associações de direito privado sem fins lucrativos, CONTAS
tendo como objecto principal criar, administrar e MONETÁRIAS E
manter bolsas de valores e assegurar o regular BALANÇA DE
funcionamento do seu mercado. PAGAMENTO

729 14 ASSOCIADOS (DOS FUNDOS Pessoas colectivas que contribuem para o fundo e CONTAS
PENSÕES) cujos planos de pensões são realizados ou MONETÁRIAS E
complementados por este. BALANÇA DE
PAGAMENTO

730 14 AUTO FINANCIAMENTO Importâncias correspondentes aos fundos criados CONTAS


e arrecadados pela unidade estatística de MONETÁRIAS E
observação resultantes de todas as suas BALANÇA DE
actividades. Trata-se essencialmente de PAGAMENTO
resultados não distribuídos e contabilizados nas
contas de resultados transitados, e de reservas
com saldo positivo, assim como as variações
positivas dos saldos das contas de provisões e de
amortizações.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


102
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

731 14 BALANÇA COMERCIAL (BC) Diferença entre as exportações e importações ou CONTAS


seja, é a componente da balança de pagamentos MONETÁRIAS E
que regista estatística e contabilisticamente as BALANÇA DE
exportações e importações de mercadorias de um PAGAMENTO
país no decurso de um dado período.

732 14 BALANÇA DE CAPITAIS Registo estatístico e contabilístico dos movimentos CONTAS


de capitais (transferências de capitais, públicas e MONETÁRIAS E
privadas, e aquisição/cedência de activos não BALANÇA DE
produzidos não financeiros) ocorridos, no decurso PAGAMENTO
de um dado período, entre um país e o resto do
mundo.

733 14 BALANÇA DE PAGAMENTOS Registo estatístico e contabilístico de todas as CONTAS


transacções económicas entre um país e o resto MONETÁRIAS E
do mundo, ocorridas no decurso de um dado BALANÇA DE
período. Esta consiste em conta de bens e PAGAMENTO
serviços, rendimentos, conta capital, e conta
financeira. A partir dessa balança pode-se avaliar
a situação económica internacional do país.

734 14 BALANÇA DE SERVIÇOS Negociações internacionais dos chamados bens CONTAS


invisíveis e os rendimentos de investimentos. MONETÁRIAS E
Abrange a prestação de assistência ou realização BALANÇA DE
de tarefas por uma entidade residente na PAGAMENTO
economia declarante a favor de outra entidade
não residente (exportação de serviços) ou vice-
versa (importação de serviços) ou a utilização de
um bem em análogas circunstâncias sem que haja
transferência da propriedade do bem material.

735 14 BALANÇA DE TRANSACÇÕES Registo estatístico e contabilístico das transacções CONTAS


CORRENTES de bens e serviços, dos rendimentos (de trabalho MONETÁRIAS E
e de investimento) e das transferências correntes BALANÇA DE
(públicas e privadas), ocorridas no decurso de um PAGAMENTO
dado período, entre um país e o resto do mundo.

736 14 BALANÇO Informações económico - financeiras que uma CONTAS


empresa apresenta ao mercado com determinada MONETÁRIAS E
periodicidade. BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


103
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

737 14 BANCO CENTRAL Entidade independente ou ligada ao Estado cuja CONTAS


função é gerir a política económica, ou seja, MONETÁRIAS E
garantir a estabilidade e o poder de compra da BALANÇA DE
moeda de cada país e do sistema financeiro como PAGAMENTO
um todo. Além disso tem como objectivo definir as
políticas monetárias (taxa de juros e câmbio,
entre outras) e aquelas que regulamentam o
sistema financeiro local (através da supervisão
bancária). O banco central é ainda responsável
pela emissão e controle de notas e moedas com
curso legal no país, bem como pela gestão das
reservas internacionais líquidas.

738 14 BANCO COMERCIAL Instituição que presta serviços de intermediação CONTAS


financeira, recebendo dinheiro de uns agentes MONETÁRIAS E
económicos (depósitos) para o dar de empréstimo BALANÇA DE
a outros agentes económicos (créditos). PAGAMENTO

739 14 BASE MONETÁRIA(BM) Conhecida também como dinheiro de alto poder CONTAS
expansivo, é o dinheiro (notas emitidas pelo MONETÁRIAS E
banco central em circulação, isto é que estão fora BALANÇA DE
do banco central) mais as reservas que os bancos PAGAMENTO
mantêm no banco central. Este agregado
monetário também pode ser interpretado como o
conjunto de obrigações monetárias adquiridas
pelo banco central com o público em geral e com
o sistema financeiro.

740 14 BEAR MARKET Quando os preços dos valores mobiliários cotados CONTAS
numa bolsa estão em queda, diz-se que estamos MONETÁRIAS E
em bear market. BALANÇA DE
PAGAMENTO

741 14 BENEFICIÁRIOS (DE Pessoas singulares ou colectivas a favor de quem CONTAS


CONTRATOS DE SEGUROS reverte a prestação da seguradora decorrente de MONETÁRIAS E
OU DE UMA OPERAÇÃO DE um contrato de seguro ou de uma operação de BALANÇA DE
CAPITALIZAÇÃO) capitalização. As pessoas singulares com direito às PAGAMENTO
prestações pecuniárias estabelecidas no plano de
pensões, sejam ou não participantes.

742 14 BENS DE CAPITAL FIXO Conjunto de bens (terrenos, edifícios, arranjos nos CONTAS
terrenos e outros trabalhos de construção, MONETÁRIAS E
material de transporte, máquinas e outro BALANÇA DE
material), com possibilidade de permanecerem na PAGAMENTO
unidade estatística por prazos mais ou menos
longos, servindo quer como meios de produção,
quer como garante de rendimento ou condições
de trabalho.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


104
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

743 14 BENS DE CONSUMO Bens duradouros adquiridos pelas famílias para CONTAS
DURADOURO consumo final (ou seja, aqueles que não são MONETÁRIAS E
utilizados pelas famílias como reservas de valor ou BALANÇA DE
por empresas não constituídas em sociedades PAGAMENTO
pertencentes a famílias para fins produtivos).

744 14 BENS DURADOUROS Bens económicos adquiridos ou produzidos pela CONTAS


unidade estatística de observação com vida útil MONETÁRIAS E
superior a um ano. BALANÇA DE
PAGAMENTO

745 14 BENS E SERVIÇOS Os bens e serviços para consumo individual ("bens CONTAS
INDIVIDUAIS e serviços individuais") são adquiridos por uma MONETÁRIAS E
família e utilizados na satisfação das necessidades BALANÇA DE
e desejos dos seus membros PAGAMENTO

746 14 BENS EXISTENTES Os bens existentes são aqueles que já tiveram um CONTAS
utilizador (fora das existências). MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

747 14 BILHETE DE TESOURO Títulos da dívida pública emitidos a desconto por CONTAS
91, 182 e 364 dias que gozam da garantia de MONETÁRIAS E
reembolso integral, pelo valor nominal, na data do BALANÇA DE
vencimento. PAGAMENTO

748 14 BOLSAS DE VALORES Mercados públicos organizados e estabelecimentos CONTAS


financeiros onde se transaccionam activos MONETÁRIAS E
financeiros. Têm por função: a) manter local e BALANÇA DE
sistemas adequados à criação e funcionamento de PAGAMENTO
um mercado livre e aberto para a realização de
operações sobre valores mobiliários através de
intermediários financeiros; b) assegurar por si ou
por terceiros de registo, compensação e liquidação
de operações; c) divulgar informação suficiente e
oportuna sobre as operações.

749 14 BULL MARKET Quando os preços dos valores mobiliários cotados CONTAS
numa bolsa estão em alta, diz-se que estamos em MONETÁRIAS E
bull market. BALANÇA DE
PAGAMENTO

750 14 CAPACIDADE LÍQUIDA DE Situação final do agente económico frente as CONTAS


FINANCIAMENTO outras unidades e que dispõe de recursos para MONETÁRIAS E
emprestar a outras unidades. BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


105
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

751 14 CAPACIDADE OU Soma das capacidades ou necessidades de CONTAS


NECESSIDADE DE financiamento dos sectores institucionais. É o MONETÁRIAS E
FINANCIAMENTO DO TOTAL montante líquido dos recursos que o total da BALANÇA DE
DA ECONOMIA economia coloca à disposição do resto do mundo PAGAMENTO
(se for positivo) ou que recebe do resto do mundo
(se for negativo). A capacidade ou a necessidade
de financiamento do total da economia é igual,
mas de sinal contrário, à necessidade ou à
capacidade de financiamento do resto do mundo.

752 14 CAPITALIZAÇÃO BOLSISTA Indicador de dimensão da bolsa, de um título ou CONTAS


de uma categoria de títulos, e que resulta da MONETÁRIAS E
multiplicação do número de títulos cotados pela BALANÇA DE
respectiva cotação. PAGAMENTO

753 14 CARTÕES DE DÉBITO Qualquer instrumento de pagamento, para uso CONTAS


electrónico que possibilite ao seu detentor a MONETÁRIAS E
utilização de uma conta depósito junto de uma BALANÇA DE
instituição de crédito que emite o cartão quer para PAGAMENTO
efeitos de levantamentode numerário em
máquinas automáticas, quer para aquisição de
bens ouserviços em estabelecimentos comerciais.
Só podem emitir este tipo deinstrumento as
nstituições financeiras autorizadas a receber
depósitos.

754 14 CATEGORIA "ACÇÕES E Inclui todas as operações em acções e outras CONTAS


OUTRAS PARTICIPAÇÕES" participações, isto é, activos financeiros que MONETÁRIAS E
representam direitos de propriedade sobre BALANÇA DE
sociedades ou quase-sociedades. Estes activos PAGAMENTO
financeiros dão geralmente aos seus detentores o
direito a uma participação nos lucros das
sociedades ou quase-sociedades e a uma parte
dos seus fundos próprios em caso de liquidação.

755 14 CATEGORIA "OUTRAS Inclui todas as operações em Outras contas a CONTAS


CONTAS A RECEBER/A receber/a pagar, isto é, direitos financeiros que MONETÁRIAS E
PAGAR" são criados como contrapartida de uma operação BALANÇA DE
financeira ou não financeira nos casos em que há PAGAMENTO
uma diferença no tempo entre essa operação e o
pagamento correspondente.

756 14 CATEGORIA "TÍTULOS Inclui todas as operações em títulos excepto CONTAS


EXCEPTO ACÇÕES" acções, isto é, activos financeiros que são MONETÁRIAS E
instrumentos ao portador, que são habitualmente BALANÇA DE
negociáveis e negociados em mercados PAGAMENTO
secundários ou que podem ser compensados no
mercado e que não dão ao seu detentor quaisquer
direitos de propriedade sobre a unidade
institucional que os emite.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


106
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

757 14 CATEGORIAS "MOEDA E A categoria "moeda e depósitos" inclui todas as CONTAS


DEPÓSITOS" operações em moeda e depósitos, isto é, a moeda MONETÁRIAS E
em circulação e todos os tipos de depósitos em BALANÇA DE
moeda nacional e estrangeira. PAGAMENTO

758 14 CATEGORIAS A categoria "empréstimos" inclui todas as CONTAS


"EMPRÉSTIMOS" operações de empréstimos, isto é, activos MONETÁRIAS E
financeiros criados quando os credores BALANÇA DE
emprestam fundos aos devedores, quer PAGAMENTO
directamente quer através de corretores, e que
podem estar comprovados por documentos não
negociáveis ou não estar comprovados por
quaisquer documentos

759 14 CAUÇÃO " Vide Compulsória" CONTAS


MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

760 14 CAUTELA Título representativo de uma acção ou obrigação e CONTAS


que, posteriormente, será substituído pelo título MONETÁRIAS E
que representa. BALANÇA DE
PAGAMENTO

761 14 CENTRAL DE CLEARING Com o objectivo de proteger o investidor final, CONTAS


muitos países incentivaram o estabelecimento de MONETÁRIAS E
procedimentos de compensação (clearing) BALANÇA DE
uniformes, sob a forma de regras administradas PAGAMENTO
por clearing houses ou clearing associations. Com
estas organizações pretende-se criar um sistema
decustódia de títulos centralizado e eficiente,
minimizar os movimentos físicos de títulos e
facilitar o pagamento das ordens de bolsa e outras
transacções de títulos. Face ao crescente volume
de transacções de títulos a nível internacional
surgiram também sistemas de compensação
eliquidações internacionais.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


107
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

762 14 CENTRAL DE VALORES A Central de Valores Mobiliários tem por funções CONTAS
MOBILIÁRIOS assegurar: a) a estruturação, administração e MONETÁRIAS E
funcionamento do sistema de registo e controlo BALANÇA DE
de valores mobiliários e guarda e controlo de PAGAMENTO
valores mobiliários titulados fungíveis; b) a
liquidação e compensação das operações sobre
valores mobiliários registados ou depositados; c) a
prestação de um serviço adequado para o
exercício dos direitos de conteúdo patrimonial
respeitantes aos valores mobiliários registados ou
depositados; d) a prestação de outros serviços de
interesse do mercado de valores mobiliários em
geral para os quais se encontre devidamente
autorizada.

763 14 CENTRO DE INTERESSE Por centro de interesse económico entende-se o CONTAS


ECONÓMICO facto de existir algum local no interior do território MONETÁRIAS E
económico no qual ou a partir do qual uma BALANÇA DE
unidade realiza e pretende continuar a realizar PAGAMENTO
operações e actividades económicas a uma escala
significativa, quer indefinidamente, quer por um
período de tempo definido mas longo (um ano ou
mais). Consequentemente, uma unidade que
efectua operações deste tipo no território
económico de vários países tem um centro de
interesse económico em cada um deles.

764 14 CERTIFICADOS DE AFORRO Títulos da dívida pública nominativos emitidos pelo CONTAS
Tesouro, através de uma Instituição de gestão de MONETÁRIAS E
crédito público, podendo ser subscritos nesta BALANÇA DE
instituição ou em qualquer estação dos correios. PAGAMENTO
Os certificados só podem ser subscritos por
pessoas singulares e apenas são transmissíveis
por morte. O reembolso total ou parcial só pode
ter lugar num período pré-estabelecido após a
data da emissão, sendo efectuado mediante
prévia apresentação do pedido de amortização. Os
períodos de capitalização automática dos juros são
de três meses (varia de pais para pais), contados
a partir da data de emissão.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


108
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

765 14 CERTIFICADOS DE Títulos representativos de depósitos constituídos CONTAS


DEPÓSITO junto da instituição emitente, em moeda nacional MONETÁRIAS E
ou estrangeira. Estes certificados são nominativos BALANÇA DE
e transmissíveis por endosso, nos termos gerais, PAGAMENTO
com eles transferindo-se todos os direitos relativos
aos depósitos que representam. As suas
características principais são as seguintes: a)
Emissão por prazos a estabelecer pelas partes
contratantes; b) O valor nominal e a taxa de juro
são livremente negociáveis entre a Instituição
emitente e o cliente, podendo esta ser fixa ou
variável; c) Os juros podem ser pagos na data de
vencimento ou a intervalos regulares acordados
entre as partes; d) As instituições de crédito
podem adquirir os certificados por elas emitidos,os
quais se consideram resgatados, liquidando o
depósito correspondente

766 14 CERTIFICADOS DE Títulos representativos de fundos que sejam CONTAS


CONSIGNAÇÃO afectos a investimentos específicos, (fundos MONETÁRIAS E
consignados). Podem aceitar fundos consignados BALANÇA DE
os instituições de crédito e as sociedades de PAGAMENTO
capital de risco. A consignação de fundos não
pode efectuar-se por prazo inferior a quatro anos
ou superior a vinte e deve efectuar-se mediante
contrato entre os subscritores e as entidades
acima mencionadas.

767 14 CHEQUE Título de crédito que enuncia uma ordem de CONTAS


pagamento dada a uma empresa bancária, no MONETÁRIAS E
estabelecimento da qual há um fundo depositado BALANÇA DE
pelo seu emitente. Esse título de crédito deve PAGAMENTO
conter, além da palavra «cheque» inserta no
próprio título, a indicação da quantia, o nome de
quem a deve pagar (sacado), os lugares de
pagamento e emissão, a data desta e ainda a
assinatura do sacador. Os cheques podem servir
de base à execução.

768 14 COMISSÃO DO MERCADO DE Pessoa colectiva de direito público, sujeita à tutela CONTAS
VALORES MOBILIÁRIOS do Ministério das Finanças, com as atribuições de MONETÁRIAS E
regulamentação, supervisão, fiscalização e BALANÇA DE
promoção dos mercados de valores mobiliários e PAGAMENTO
das actividades que nos mesmos exerçam, todos
os agentes que neles intervenham directa ou
indirectamente.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


109
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

769 14 COMISSÕES DE MEDIAÇÃO Remunerações dos mediadores, no valor CONTAS


DE SEGUROS resultante da aplicação de uma percentagem MONETÁRIAS E
sobre os prémios comerciais efectivamente pagos, BALANÇA DE
divididos por 1,2. PAGAMENTO

770 14 CONDIÇÕES ESPECIAIS DAS São aquelas que se autonomizam por determinado CONTAS
APÓLICES DE SEGUROS objectivo específico, sem se deixar de reportar às MONETÁRIAS E
condições gerais. Tanto as condições especiais BALANÇA DE
como gerais são apresentadas pela empresa de PAGAMENTO
seguros numa fase pré-contratual.

771 14 CONDIÇÕES GERAIS São normalmente as regras básicas e comuns a CONTAS


DASAPÓLICES DE SEGURO determinadas modalidades de seguro. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

772 14 CONDIÇÕES PARTICULARES Consistem nas condições que o tomador de CONTAS


DAS APÓLICES DE SEGURO seguro subscreveu para o seu caso concreto, MONETÁRIAS E
referenciando todo um conjunto de informações BALANÇA DE
necessárias e dependentes do tipo de cobertura PAGAMENTO
que este pretende.

773 14 CONJUNTURA ECONÓMICA Estimação e análise do movimento económico CONTAS


sobre o passado recente (um mês a um ano) e o MONETÁRIAS E
presente, e a previsão deste movimento num BALANÇA DE
horizonte que pode ser igualmente de um mês a PAGAMENTO
um ano.

774 14 CONSUMO DE CAPITAL FIXO O consumo de capital fixo representa a apreciação CONTAS
verificada, no decurso do período considerado, MONETÁRIAS E
pelo capital fixo em resultado da utilização normal BALANÇA DE
e da obsolescência previsível, incluindo uma PAGAMENTO
provisão para perdas de bens de capital fixo na
sequência de prejuízo acidentais seguráveis.

775 14 CONSUMO FINAL EFECTIVO O consumo final efectivo consiste nos bens e CONTAS
serviços adquiridos por unidades institucionais MONETÁRIAS E
residentes para satisfação directa de necessidades BALANÇA DE
humanas, quer individuais, quer colectivas. PAGAMENTO

776 14 CONTA CORRENTE Conta da balança de pagamentos que agrega a CONTAS


balança comercial, abalança de serviços e rendas MONETÁRIAS E
e as transferências unilaterais correntes líquidas. BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


110
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

777 14 CONTA DE CAPITAL Conta da balança de pagamentos que incorpora CONTAS


as transferências de capital entre o governo de MONETÁRIAS E
um país e entidades não residentes, associadas à BALANÇA DE
anulação contratual de dívida e as transferências PAGAMENTO
relacionadas com donativos para a reconstrução
no âmbito da cooperação internacional, bem como
outras transferências de capital realizadas por
emigrantes resultantes da mudança de estatuto
de residência.

778 14 CONTA DE PATRIMÓNIO É uma declaração, elaborada num determinado CONTAS


momento, dos valores dos activos possuídos e dos MONETÁRIAS E
passivos existentes. O saldo designa-se como BALANÇA DE
património líquido. PAGAMENTO

779 14 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS São contribuições constituídas pelos pagamentos CONTAS


EFECTIVAS DOS feitos pelos empregadores em benefício dos seus MONETÁRIAS E
EMPREGADORES empregados às entidades seguradoras (fundos da BALANÇA DE
segurança social e regimes privados com PAGAMENTO
constituição de reservas). Estes pagamentos
abrangem tanto as contribuições obrigatórias ou
resultantes de convenções e contratos como as
contribuições voluntárias, relativamente a seguro
contra riscos e necessidades sociais.

780 14 CONTRIBUIÇÕES Representam a contrapartida das prestações CONTAS


SOCIAISIMPUTADAS sociais (menos eventuais contribuições sociais dos MONETÁRIAS E
empregados) pagas directamente pelos BALANÇA DE
empregadores (isto é, não ligadas às contribuições PAGAMENTO
efectivas dos empregadores) aos seus
empregados ou antigos empregados e a outras
pessoas com direito a essas prestações.

781 14 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS As contribuições sociais imputadas dos CONTAS


IMPUTADAS DOS empregadores representam a contrapartida das MONETÁRIAS E
EMPREGADORES prestações sociais directas (menos eventuais BALANÇA DE
contribuições sociais dos empregados) pagas PAGAMENTO
pelos empregadores aos seus empregados ou
antigos empregados e outras pessoas com direito
a essas prestações, sem recorrer a uma
companhia de seguros ou a um fundo de pensões
autónomo e sem criar um fundo especial ou uma
reserva específica para esse fim.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


111
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

782 14 CORRECTOR DE SEGUROS Mediador de seguros, que estabelece a ligação CONTAS


entre tomadores de seguros e as seguradoras, MONETÁRIAS E
que escolhe livremente, prepara a celebração de BALANÇA DE
contratos, presta assistência a esses mesmos PAGAMENTO
contratos e pode exercer funções de consultoria
em matéria de seguros junto dos tomadores, bem
como realizar estudos ou emitir pareceres técnicos
sobre seguros. Pode exercer a sua actividade
directamente ou por intermédio de agentes de
seguros ou de angariadores. O corrector de
seguros pode celebrar contratos em nome e por
conta da seguradora.

783 14 CO-SEGURO Assunção conjunta de um risco por várias CONTAS


empresas de seguros, denominadas co- MONETÁRIAS E
seguradoras, de entre as quais uma é líder, sem BALANÇA DE
que haja solidariedade entre elas, através de um PAGAMENTO
contrato de seguro único, com as mesmas
garantias e período de duração e com um prémio
global.

784 14 CRÉDITO Obtenção de recursos no presente sem efectuar CONTAS


um pagamento imediato, sob a promessa de os MONETÁRIAS E
restituir no futuro nas condições previamente BALANÇA DE
estabelecidas. O crédito bancário (em termos mais PAGAMENTO
estritos, abertura de crédito em conta corrente) é
um contrato pelo qual a entidade financeira põe à
disposição do cliente determinada quantia em
dinheiro, e que deverá ser devolvido com juros e
acrescido de uma comissão conforme os prazos
ajustados.

785 14 CRÉDITO INTERNO Agregado monetário resultante da soma algébrica CONTAS


de crédito líquido ao governo e crédito a economia MONETÁRIAS E
(empresas não financeiras, governos locais, BALANÇA DE
particulares e organizações sem fins lucrativos). PAGAMENTO

786 14 CRÉDITO LÍQUIDO AO Agregado monetário que corresponde a diferença CONTAS


GOVERNO entre o crédito concedido pelo sistema monetário MONETÁRIAS E
ao Estado e as suas disponibilidades no mesmo BALANÇA DE
sistema. PAGAMENTO

787 14 CRÉDITOS COMERCIAIS Direitos financeiros resultantes da extensão CONTAS


EADIANTAMENTOS directa do crédito, por parte de fornecedores e MONETÁRIAS E
compradores, por operações de bens e serviços e BALANÇA DE
os pagamentos adiantados por produtos e PAGAMENTO
trabalhos em curso ou a iniciar e ligados a essas
operações.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


112
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

788 14 CRÉDITOS DE COBRANÇA Créditos vencidos e outros créditos de cobrança CONTAS


DUVIDOSA duvidosa, quer tenham ou não sido contabilizados MONETÁRIAS E
originalmente em rubricas de crédito, quer BALANÇA DE
respeitem a dívidas de capital ou de juros. PAGAMENTO
Consideram-se créditos vencidos os créditos por
realizar no prazo estabelecido após o seu
vencimento; consideram-se outros créditos de
cobrança duvidosa as prestações futuras de um
crédito, quando houver dúvidas quanto à sua
cobrança, tal como se encontra estabelecido nas
normas de supervisão do Banco Central.

789 14 CRÉDITOS DE SISTEMA DE Títulos da dívida pública representativos de um CONTAS


LEILÃO AO INVESTIMENTO empréstimo a prazo estabelecidos, em regime de MONETÁRIAS E
PÚBLICO (CLIP) "revolving", com tomada firme por um consórcio BALANÇA DE
de instituições financeiras (sindicato) e colocações PAGAMENTO
através de leilões periodicas. Assim, apesar do
empréstimo CLIP ter uma duração fixa (na óptica
do Estado, entidade colocadora), cada uma das
suas tranches (parcelas em que o empréstimo se
divide) é leiloada periodicamente, permitindo ao
Estado obter financiamento a longo prazo com
taxas de curto prazo.

790 14 CREDORES POR APLICAÇÃO Rubrica das contas monetária do Banco de CONTAS
DOS RECURSOS Moçambique onde se registam os fundos MONETÁRIAS E
CONSIGNADOS consignados da Agência para o Desenvolvimento BALANÇA DE
Internacional (IDA) e outros. PAGAMENTO

791 14 CUSTOS CORRENTES Conjunto de custos operacionais e financeiros. CONTAS


MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

792 14 CUSTOS EXTRAORDINÁRIOS Custos suportados pela unidade estatística de CONTAS


observação durante o período de referência MONETÁRIAS E
resultantes de factos ocasionais ou acidentais. BALANÇA DE
PAGAMENTO

793 14 CUSTOS FINANCEIROS Custos suportados pela utilização de recursos CONTAS


financeiros na unidade estatística de observação MONETÁRIAS E
durante o período de referência, nomeadamente, BALANÇA DE
juros de financiamento e desconto de títulos, PAGAMENTO
descontos de pronto pagamento, despesas com
serviços bancários e de royalties sem assistência.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


113
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

794 14 DEPOSITARY RECEIPT Meio utilizado para ultrapassar barreiras CONTAS


legislativas ou institucionais de modo a que um MONETÁRIAS E
emitente ou investidor possa aceder a um BALANÇA DE
determinado mercado. Normalmente isso é feito PAGAMENTO
transformando as características de um título, por
forma a torná-lo mais aceitável ou acessível ao
investidor final.

795 14 DEPÓSITO Quantia em dinheiro depositada numa entidade CONTAS


financeira (banco central e outras instituições MONETÁRIAS E
depositárias) da qual se é cliente, a partir de BALANÇA DE
determinado momento e durante um período PAGAMENTO
conhecido e contratado de antemão. No final do
contrato, obter-se-á a remuneração da
rentabilidade inicialmente acordada.

796 14 DEPÓSITOS Á ORDEM Depósito num banco comercial ou noutro CONTAS


intermediário financeiro sobre o qual podem ser MONETÁRIAS E
sacados cheques, constituindo moeda para BALANÇA DE
transacções. PAGAMENTO

797 14 DEPÓSITOS Á PRAZO Fundos detidos por um banco, que têm um prazo CONTAS
de levantamento mínimo e não são aceites como MONETÁRIAS E
meio de pagamento. BALANÇA DE
PAGAMENTO

798 14 DEPÓSITOS TOTAIS Agregado monetário composto por todos os CONTAS


depósitos de residentes (depósitos transferíveis e MONETÁRIAS E
outros depósitos), tanto em moeda nacional como BALANÇA DE
em moeda externa. PAGAMENTO

799 14 DEPÓSITOS TRANSFERÍVEIS Depósitos à vista, susceptíveis de serem CONTAS


convertíveis de imediato em numerário sem MONETÁRIAS E
qualquer tipo de restrição ou custo, transferíveis BALANÇA DE
por cheque ou qualquer outro meio de PAGAMENTO
pagamento, designadamente através de ordem de
pagamento ou cartão de débito. Inclui,
nomeadamente, os depósitos à ordem
transferíveis e outros depósitos imediatamente
mobilizáveis, transferíveis em instituições
financeiras monetárias, como é o caso dos
constituídos junto do Banco Central relativos a
disponibilidades mínimas de caixa e a reservas
excedentárias.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


114
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

800 14 DEPRECIAÇÃO Redução do valor de uma moeda (ou de outro CONTAS


activo financeiro), no caso em que a taxa de MONETÁRIAS E
câmbio é livremente determinada pelas forças do BALANÇA DE
mercado. A depreciação e a desvalorização de PAGAMENTO
uma moeda é a queda do seu valor relativamente
a outras moedas, que resulta da descida da sua
cotação nos mercados cambiais.

801 14 DERIVADOS FINANCEIROS Instrumentos financeiros com base em, ou CONTAS


derivados de, um instrumento subjacente MONETÁRIAS E
diferente. O instrumento subjacente é BALANÇA DE
abitualmente outro activo financeiro, mas pode PAGAMENTO
ser também um bem, uma taxa ou um índice.
Inclui nomeadamente: a) Opções; b) "Warrants";
c) Futuros; d) "Swaps"; e) "Forward rate
agreements".

802 14 DESCONTO Operação de crédito titulado por efeitos com juros CONTAS
antecipados. Inclui as operações de desconto e de MONETÁRIAS E
redesconto. Esta operação consiste em pagar ao BALANÇA DE
portador de um título de crédito (público ou PAGAMENTO
privado), o seu valor presente, i.e. antecipar o
fluxo de fundos resultante desse título de crédito
à custa da dedução de uma quantia que tem em
consideração o período da antecipação e as taxas
de juro em vigor no mercado. Constitui-se
normalmente como crédito de curto prazo.

803 14 DESPESAS DE CAPITAL Componente das despesas públicas que engloba CONTAS
as despesas com a aquisição, ampliação ou MONETÁRIAS E
melhoria (grandes reparações que conduzam a BALANÇA DE
extensão da vida útil) de bens duradouros PAGAMENTO
utilizados repetida e continuamente na produção
de bens ou serviços públicos. Cobrem ainda
pagamentos que permitam aos beneficiários
adquirir ou compensar danos ou destruição de
bens de capital, ou aumentar o seu capital
financeiro.

804 14 DINHEIRO E QUASE Corresponde ao conceito da massa monetária, isto BOLETIM DO


DINHEIRO é, uma medida da oferta de moeda que é MERCADO
composta por notas e moedas em circulação e MONETÁRIO E
depósitos totais da economia. CAMBIAL
INTERBANCÁRIO

805 14 DIREITO DE SUBSCRIÇÃO Posição activa reconhecida aos accionistas de uma CONTAS
empresa que, no âmbito de uma operação de MONETÁRIAS E
aumento de capital, lhes permite subscrever BALANÇA DE
novas acções antes das mesmas serem oferecidas PAGAMENTO
a outros investidores.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


115
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

806 14 DIREITOS DE SAQUE Activos de reserva internacionais criados pelo CONTAS


ESPECIAIS (DSE) Fundo Monetário Internacional (FMI) e atribuídos MONETÁRIAS E
aos seus membros para suplementar os activos de BALANÇA DE
reserva existentes. PAGAMENTO

807 14 DIREITOS LÍQUIDOS DAS Provisões técnicas para riscos em curso e CONTAS
FAMÍLIAS SOBRE AS provisões técnicas para participação dos MONETÁRIAS E
RESERVAS DE SEGUROS DE segurados nos lucros que acrescem ao valor no BALANÇA DE
VIDA vencimento de seguros mistos e análogos. PAGAMENTO

808 14 DIREITOS LÍQUIDOS DAS Provisões técnicas detidas por fundos de pensões CONTAS
FAMÍLIAS SOBRE AS autónomos e não autónomos constituídos pelos MONETÁRIAS E
RESERVAS DOS FUNDOS DE empregadores e/ou pelos empregados ou grupos BALANÇA DE
PENSÕES de trabalhadores por conta própria com o PAGAMENTO
objectivo de garantir as pensões de reforma dos
empregados ou grupos de trabalhadores por conta
própria.

809 14 DIREITOS LÍQUIDOS DAS Provisões constituídas pelas sociedades e quase- CONTAS
FAMÍLIAS SOBRE RESERVAS sociedades em causa, com o fim de cobrir o MONETÁRIAS E
DE SEGUROS DE VIDA pagamento dos sinistros e das prestações BALANÇA DE
previstas, uma vez cumpridas as condições PAGAMENTO
necessárias para tal.

810 14 DISSOLUÇÃO DE Cessação definitiva de todas as actividades que a CONTAS


SOCIEDADE sociedade exerce, originadas por falência, MONETÁRIAS E
deliberação dos sócios ou por outros motivos. BALANÇA DE
PAGAMENTO

811 14 DÍVIDA Quantia em dinheiro ou bens que uma pessoa, CONTAS


empresa ou país deve a outra e que representam MONETÁRIAS E
obrigações que devem ser saldadas num BALANÇA DE
determinado prazo. Quanto à sua origem, a dívida PAGAMENTO
pode ser classificada como interna e externa, ao
passo que quanto ao seu destino em pública ou
particular.

812 14 DÍVIDA EXTERNA (DE) Somatório dos débitos de um país, resultantes de CONTAS
empréstimos e financiamentos contraídos no MONETÁRIAS E
exterior pelo próprio Governo, por empresas BALANÇA DE
estatais ou privadas. PAGAMENTO

813 14 DONATIVO Transferência corrente de capital, bens ou CONTAS


serviços de um país estrangeiro que não seja MONETÁRIAS E
acompanhada por uma obrigação corrente ou BALANÇA DE
futura de efectuar uma transferência de igual PAGAMENTO
valor do país receptor para o doador.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


116
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

814 14 EMPRÉSTIMOS Activos financeiros que são criados quando um CONTAS


credor empresta fundos a um devedor. Esses MONETÁRIAS E
activos podem ser sob forma de empréstimos BALANÇA DE
directos ou sob forma de títulos. PAGAMENTO

815 14 ERROS E OMISSÕES Rubrica da balança de pagamentos que reflecte as CONTAS


diferenças decorrentes de não coincidência de MONETÁRIAS E
momentos de registo de entrada e saída dos BALANÇA DE
recursos na economia, da diversidade das fontes PAGAMENTO
de informação e deficiência na cobertura
estatística.

816 14 FINANCEIRA DINHEIRO E Corresponde ao conceito da massa monetária, isto CONTAS


QUASE DINHEIRO é, uma medida da oferta de moeda que é MONETÁRIAS E
composta por notas e moedas em circulação, BALANÇA DE
depósitos à ordem detidos pelo público não PAGAMENTO
bancário e outros depósitos de liquidez imediata, e
ainda os depósitos de poupança e depósitos a
prazo.

817 14 FINANCIAMENTO Conjunto de meios de que se vale o sector público CONTAS


para cobrir o défice orçamentário. As maneiras MONETÁRIAS E
mais usuais de fazê-lo são: emissão de moeda, BALANÇA DE
emissão de títulos da dívida pública e contratação PAGAMENTO
de empréstimos de longo prazo.

818 14 FLUTUAÇÕES DE VALORES Componente das contas monetárias que resulta CONTAS
da alteração da taxa de câmbio (ganhos ou MONETÁRIAS E
perdas), calculada para os activos e passivos BALANÇA DE
denominados em moeda estrangeira. PAGAMENTO

819 14 FORMAÇÃO BRUTA DE A formação bruta de capital fixo engloba as CONTAS


CAPITAL FIXO aquisições líquidas de cessões, efectuadas por MONETÁRIAS E
produtores residentes, de activos fixos durante um BALANÇA DE
determinado período e determinadas mais valias PAGAMENTO
dos activos não produzidos obtidas através da
actividade produtiva de unidades produtivas ou
institucionais. Os activos fixos são activos
corpóreos ou incorpóreos resultantes de processos
de produção, que são por sua vez utilizados, de
forma repetida ou continuada, em processos de
produção por um período superior a um ano.

820 14 FUNDOS CONSIGNADOS Recursos financeiros disponíveis no sistema CONTAS


monetários a consignação. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


117
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

821 14 FUNDOS DE INVESTIMENTO Instituições de investimento colectivo que CONTAS


constituem patrimónios autónomos, pertencentes MONETÁRIAS E
a uma pluralidade de pessoas singulares e/ou BALANÇA DE
colectivas (designadas por participantes), geridos PAGAMENTO
por profissionais (as entidades gestoras). As
entidades gestoras podem ser instituições de
crédito, sociedades gestoras de fundos de
investimento, sociedades de capital de risco ou
sociedades de desenvolvimento regional.

822 14 IMPOSTO SOBRE O Imposto anual que se aplica sobre os CONTAS


RENDIMENTO rendimentos, lucros e ganhos de capital efectivos MONETÁRIAS E
ou presumidos de pessoas singulares, das BALANÇA DE
sociedades, famílias ou administrações privadas. PAGAMENTO
Incluem os., impostos que incidem sobre a
propriedade, terrenos ou imóveis, desde que os
mesmos sejam usados como base de estimativa
do rendimento dos seus proprietários.

823 14 IMPOSTOS DIRECTOS Imposto que tem por base uma manifestação ESTATÍSTICAS
imediata da capacidade contributiva, como o DAS EMPRESAS
rendimento ou o património do contribuinte.

824 14 IMPOSTOS INDIRECTOS Imposto que atinge a riqueza nas suas ESTATÍSTICAS
manifestações mediatas, através da via indirecta DAS EMPRESAS
do consumo que dela se faz (ex.: imposto sobre a
produção, importação, IVA).

825 14 IMPOSTOS SOBRE O Os impostos sobre o capital são impostos que ESTATÍSTICAS
CAPITAL incidem, a intervalos regulares e pouco DAS EMPRESAS
frequentes, sobre os valores patrimoniais ou o
capitaldetidos pelas unidades institucionais ou
sobre os valores patrimoniais transferidos entre
unidades institucionais em resultado de heranças,
doações entre vivos ou outras transferências.

826 14 ÍNDICE DA TAXA DE Indicador que compara a competitividade CONTAS


CÂMBIO EFECTIVA REAL económica de um determinado país em relação MONETÁRIAS E
aos principais parceiros comerciais. BALANÇA DE
PAGAMENTO

827 14 INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO Empresas cuja actividade consiste em receber do CONTAS


público depósitos ou outros fundos reembolsáveis, MONETÁRIAS E
a fim de os aplicarem por conta própria mediante BALANÇA DE
a concessão de crédito. PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


118
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

828 14 INSTITUIÇÕES DE Instituições que, dotadas ou não de personalidade CONTAS


INVESTIMENTO COLECTIVO jurídica, têm por fim exclusivo o investimento de MONETÁRIAS E
capitais reunidos do público em carteiras BALANÇA DE
diversificadas de valores mobiliários ou outros PAGAMENTO
valores equiparados, segundo um princípio de
divisão de riscos.

829 14 INVESTIMENTO Conjunto de importâncias despendidas com a CONTAS


aquisição de imobilizado que a unidade estatística MONETÁRIAS E
de observação utiliza como meio de realização dos BALANÇA DE
seus objectivos. PAGAMENTO

830 14 LOCAÇÃO FINANCEIRA Forma especial de concessão de crédito CONTAS


MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

831 14 MASSA MONETÁRIA Medida da oferta de moeda que é composta por CONTAS
notas e moedas em circulação, depósitos à ordem MONETÁRIAS E
detidos pelo público não bancário e outros BALANÇA DE
depósitos de liquidez imediata, e ainda os PAGAMENTO
depósitos de poupança e depósitos a prazo.

832 14 MERCADO CAMBIAL Operações de compra e venda de moeda CONTAS


estrangeira (à vista e a prazo) MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

833 14 MERCADO INTERBANCÁRIO Mercado regulamentado no qual banco central CONTAS


DE TÍTULOS efectua com as instituições autorizadas operações MONETÁRIAS E
de compra ou venda de títulos, para fins de BALANÇA DE
política monetária. Estas operações podem ter PAGAMENTO
carácter regular ou ocasional distinguindo.

834 14 MERCADO MONETÁRIO Mercado organizado no qual as instituições CONTAS


INTERBANCÁRIO (MMI) participantes permutam fundos representados por MONETÁRIAS E
depósitos no Banco Central, mediante operações BALANÇA DE
sem exigência de garantia ou de operações sobre PAGAMENTO
títulos.

835 14 MOEDA EXTERNA Notas e moedas sem curso legal no país. CONTAS
MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

836 14 ACTIVOS FIXOS Activos fixos que consistem em habitações, como CONTAS
CORPÓREOS edifícios e estruturas, máquinas e equipamento e MONETÁRIAS E
activos sob a forma de animais ou plantações. BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


119
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

837 14 MULTIPLICADOR Quociente entre o acréscimo na oferta de moeda CONTAS


MONETÁRIO (ou nos depósitos) e o aumento nas reservas MONETÁRIAS E
bancárias. BALANÇA DE
PAGAMENTO

838 14 OPERAÇÕES BANCÁRIAS Transacções realizadas entre um banco e um seu CONTAS


ACTIVAS cliente em que este obtém financiamento, MONETÁRIAS E
independentemente do prazo, forma, BALANÇA DE
remuneração, ou montante estabelecidos em PAGAMENTO
contrato.

839 14 OPERAÇÕES BANCÁRIAS Operações bancárias passivas estabelecidas entre CONTAS


PASSIVAS uma instituição bancária e um cliente em que este MONETÁRIAS E
cede fundos para a instituição aplicar por sua BALANÇA DE
conta e risco, pagando ao cliente uma PAGAMENTO
remuneração pela sua utilização.

840 14 OPERAÇÕES FINANCEIRAS Operações em activos e passivos financeiros entre CONTAS


unidades institucionais e entre estas e o resto do MONETÁRIAS E
mundo. BALANÇA DE
PAGAMENTO

841 14 PASSIVO Montante total das dívidas e obrigações de uma CONTAS


empresa. Tudo o que é considerado uma MONETÁRIAS E
diminuição do activo da empresa. BALANÇA DE
PAGAMENTO

842 14 PATRIMÓNIO LÍQUIDO DO Soma dos patrimónios líquidos dos sectores CONTAS
TOTAL DA ECONOMIA institucionais. Representa o valor dos activos não MONETÁRIAS E
financeiros do total da economia, deduzido do BALANÇA DE
saldo entre os activos financeiros e os passivos do PAGAMENTO
resto do mundo.

843 14 POUPANÇA Parte do rendimento nacional disponível que não é CONTAS


afectada à despesa de consumo final. A poupança MONETÁRIAS E
nacional bruta (ou líquida) é igual à soma das BALANÇA DE
poupanças brutas (ou líquidas) dos diversos PAGAMENTO
sectores institucionais.

844 14 PREÇO DE PRODUÇÃO Preço que os produtores recebem do adquirente CONTAS


de uma unidade de um bem ou serviço produzido MONETÁRIAS E
ou prestado, deduzido dos impostos a pagar BALANÇA DE
relativamente a essa unidade, em consequência PAGAMENTO
da sua produção ou venda, e acrescido de
qualquer subsídio a receber relativamente a essa
unidade, em consequência da sua produção ou
venda. Não engloba despesas de transporte
facturadas à parte pelo produtor, mas inclui as
margens de transporte cobradas pelo produtor na
mesma factura, mesmo que estejam incluídas
numa rubrica autónoma desta.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


120
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

845 14 PRESTAÇÕES SOCIAIS Transferências para as famílias, em dinheiro ou CONTAS


em espécie, destinadas a cobrir os encargos MONETÁRIAS E
financeiros resultantes de um certo número de BALANÇA DE
riscos ou necessidades, e efectuadas através de PAGAMENTO
regimes organizados de forma colectiva ou, fora
desses regimes, por unidades das administrações
públicas ou ISFL.

846 14 PRODUTO INTERNO BRUTO Resultado final da actividade de produção das CONTAS
A PREÇOS DE MERCADO unidades produtivas residentes. Pode ser definido MONETÁRIAS E
(PIB pm ) de outras três formas: 1) o PIBpm é igual à soma BALANÇA DE
dos valores acrescentados brutos dos diferentes PAGAMENTO
sectores institucionais ou ramos de actividade,
aumentada dos impostos menos os subsídios aos
produtos (que não sejam afectados aos sectores e
ramos de actividade). É igualmente o saldo da
conta de produção total da economia; 2) o PIBpm
é igual à soma dos empregos finais internos de
bens e serviços (consumo final efectivo, formação
bruta de capital), mais as exportações e menos as
importações de bens e serviços.

847 14 RENDIMENTO EMPRESARIAL Soma dos rendimentos empresariais brutos (ou CONTAS
DO TOTAL DA ECONOMIA líquidos) dos diversos sectores. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

848 14 RENDIMENTO MISTO DO Rendimento misto bruto (ou líquido) do sector das CONTAS
TOTAL DA ECONOMIA famílias. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

849 14 RENDIMENTO NACIONAL (A Conjunto dos rendimentos primários recebidos CONTAS


PREÇOS DE MERCADO) pelas unidades institucionais residentes: MONETÁRIAS E
remunerações de trabalhadores, impostos sobre a BALANÇA DE
produção e importações menos subsídios, PAGAMENTO
rendimentos da propriedade (a receber menos a
pagar), excedentes de exploração (brutos ou
líquidos) e rendimento misto (bruto ou líquido). O
rendimento nacional bruto (a preços de mercado)
é igual ao PIBpm diminuído dos rendimentos
primários pagos pelas unidades residentes a
unidades não residentes e aumentado dos
rendimentos primários recebidos do resto do
mundo por unidades residentes.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


121
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

850 14 RENDIMENTO NACIONAL Soma dos rendimentos disponíveis brutos (ou CONTAS
DISPONÍVEL líquidos) dos sectores institucionais. O rendimento MONETÁRIAS E
nacional disponível bruto (ou líquido) é igual ao BALANÇA DE
rendimento nacional (a preços de mercado) bruto PAGAMENTO
(ou líquido) diminuído das transferências
correntes (impostos correntes sobre o rendimento,
o património, etc., contribuições sociais e outras
transferências correntes) pagas a unidades não
residentes, e aumentado das transferências
correntes recebidas do resto do mundo por
unidades residentes.

851 14 RESERVAS BANCÁRIAS Agregado monetário que regista os saldos das CONTAS
contas que os bancos comerciais e outras MONETÁRIAS E
instituições de crédito mantêm no Banco Central. BALANÇA DE
PAGAMENTO

852 14 RESERVAS INTERNACIONAIS Haveres no banco central em moeda estrangeira, CONTAS


LÍQUIDAS ouro, Direitos Especiais de Saque e Posição junto MONETÁRIAS E
do Fundo Monetário Internacional menos as BALANÇA DE
obrigações de curto prazo em moeda estrangeira PAGAMENTO
do banco central e as obrigações junto ao FMI.

853 14 RESSEGURO Operação através da qual o segurador cede a CONTAS


outra entidade - o ressegurador - parte dos riscos MONETÁRIAS E
que compõem a sua carteira, pagando em BALANÇA DE
contrapartida um prémio. Para o segurador este PAGAMENTO
movimento é contabilizado como resseguro cedido
e para o ressegurador como resseguro aceite.

854 14 SALDO CORRENTE COM O Excedente (se for negativo) ou o défice (se for CONTAS
EXTERIOR positivo) do total da economia nas suas MONETÁRIAS E
transacções correntes (trocas de bens e serviços, BALANÇA DE
rendimentos primários, transferências correntes) PAGAMENTO
com o resto do mundo.

855 14 SECTOR INSTITUCIONAL Agrupamento de unidades institucionais que têm CONTAS


um comportamento económico análogo. As MONETÁRIAS E
unidades institucionais são classificadas em BALANÇA DE
sectores com base na sua função principal, sendo PAGAMENTO
esta considerada como representativa do seu
comportamento económico.

856 14 SECTOR INSTITUCIONAL " Unidades institucionais cuja função principal CONTAS
ADMINISTRAÇÕES consiste em produzir outros bens e serviços não MONETÁRIAS E
PÚBLICAS" mercantis destinados ao consumo individual e BALANÇA DE
colectivo e/ou em efectuar operações de PAGAMENTO
redistribuição do rendimento e da riqueza
nacional.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


122
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

857 14 SECTOR INSTITUCIONAL Indivíduos ou grupos de indivíduos, quer na sua CONTAS


"FAMÍLIAS" função de consumidores, quer na sua eventual MONETÁRIAS E
função de empresários que produzem bens e BALANÇA DE
serviços financeiros ou não financeiros mercantis, PAGAMENTO
desde que, neste último caso, as actividades
correspondentes não sejam as de entidades
distintas tratadas como quase- sociedades.

858 14 SOCIEDADES ANÓNIMAS Seguros com um direito contratualmente definido


do tomador do seguro ou do segurado de
beneficiar de parte dos resultados técnicos e ou
financeiros gerados por contratos de seguro ou
operações de capitalização

859 14 SOCIEDADES FINANCEIRAS Sociedades ou quase-sociedades residentes CONTAS


dedicadas principalmente a intermediação MONETÁRIAS E
financeira ou actividades auxiliares relacionadas. BALANÇA DE
PAGAMENTO

860 14 SOCIEDADES FINANCEIRAS Sociedades financeiras, constituídas sob a forma CONTAS


DE CORRETAGEM de sociedades anónimas, que têm por objecto MONETÁRIAS E
principal as seguintes actividades de BALANÇA DE
intermediação em valores mobiliários: a) PAGAMENTO
Recebimento de ordens dos investidores para
subscrição ou transacção de valores mobiliários, e
respectiva execução pelo próprio intermediário
financeiro que as recebe, quando autorizado a
operar no mercado a que as ordens
especificamente se destinam, ou, no caso
contrário, através de outro intermediário
legalmente habilitado para o efeito; b)
Negociações de valores mobiliários por conta
própria, através da compra e venda desses
valores por conta e risco do próprio intermediário,
com o fim exclusivo de beneficiar da margem
entre o preço da compra e o da venda.

861 14 SOCIEDADES FINANCEIRAS Instituições de crédito que têm por objectivo CONTAS
PARA AQUISIÇÕES A exclusivo, o financiamento da aquisição a crédito MONETÁRIAS E
CRÉDITO (SFAC) de bens ou serviços, nomeadamente sob a forma BALANÇA DE
de concessão de crédito directo ao fornecedor ou PAGAMENTO
adquirente, desconto ou outras formas de
negociação de títulos de crédito, prestação de
garantias, antecipação de fundos sobre créditos
que sejam cessionários as SFAC e à prestação de
serviços directamente relacionados com as formas
de financiamento referidas, nomeadamente a
simples gestão de créditos.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


123
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

862 14 SOCIEDADES GESTORAS DE Sociedades financeiras, constituídas sob a forma CONTAS


FUNDOS DE INVESTIMENTO de sociedades anónimas, que têm por objecto MONETÁRIAS E
exclusivo a administração, em nome dos BALANÇA DE
participantes, de um ou mais fundos de PAGAMENTO
investimento. Uma mesma sociedade gestora não
pode administrar simultaneamente fundos
deinvestimento mobiliário e fundos de
investimento imobiliário.

863 14 SOCIEDADES GESTORAS DE Seguros com um direito contratualmente definido CONTAS


FUNDOS DE PENSÕES do tomador do seguro ou do segurado de MONETÁRIAS E
beneficiar de parte dos resultados técnicos e ou BALANÇA DE
financeiros gerados por contratos de seguro ou PAGAMENTO
operações de capitalização

864 14 SOCIEDADES GESTORAS DE Sociedades constituídas sob a forma de CONTAS


PARTICIPAÇÕES SOCIAIS sociedades anónimas ou por quotas, tendo por MONETÁRIAS E
(SGPS) objecto contratual a gestão de participações BALANÇA DE
sociais de outras sociedades, como forma PAGAMENTO
indirecta de exercício de actividades económicas.
Ficam sujeitas à supervisão do Banco Central
sempre que o
valor total das suas participações em instituições
de crédito ou sociedades financeiras represente
50% ou mais do montante global das
participações sociais que detenham, ou
independentemente do condicionalismo atrás
indicado, as participações detidas, directa ou
indirectamente, lhe confiram a maioria dos direitos
de voto em uma ou mais instituições de crédito ou
sociedades financeiras. Só as SGPS que controlem
pelo menos uma instituição financeira residente
são integradas estatisticamente no sector
financeiro.

865 14 SOCIEDADES MEDIADORAS Sociedades financeiras, constituídas sob a forma CONTAS


DO MERCADOS MONETÁRIO de sociedades anónimas ou por quotas, tendo por MONETÁRIAS E
E DO MERCADO DE objecto exclusivo a realização de operações de BALANÇA DE
CÂMBIOS intermediação no mercado monetário e no PAGAMENTO
mercado de câmbios e a prestação de serviços
conexos. No exercício da actividade que preenche
o seu objecto social, as sociedades mediadoras só
podem agir por conta de outrém, sendo-lhes
vedado efectuar transacções por conta própria.

866 14 SOCIEDADES NÃO Sociedades cuja actividade principal é a produção CONTAS


FINANCEIRAS de bens de serviços não financeiros mercantis. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


124
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

867 14 SOCIEDADESADMINISTRAD Sociedades financeiras, constituídas sob a forma CONTAS


ORAS DECOMPRAS EM de sociedades anónimas que têm como objecto MONETÁRIAS E
GRUPO exclusivo o exercício da actividade de BALANÇA DE
administração de compras em grupo, definidas PAGAMENTO
nos termos da legislação em vigor como o sistema
pelo qual um conjunto previamente determinado
de pessoas, designadas por "participantes",
constitui um fundo comum, mediante a entrega
de prestações periódicas de natureza pecuniária,
obrigando-se a sociedade administradora a gerir
esse fundo por forma que cada um dos
participantes venha a adquirir os bens ou serviços
a que se reportar o contrato.

868 14 TAXA DE CÂMBIO DO Taxa de câmbio das operações de compra e venda CONTAS
MERCADO CAMBIAL no mercado cambial baseada nas transacções MONETÁRIAS E
diárias deste mercado. BALANÇA DE
PAGAMENTO

869 14 TAXA DE CÂMBIO OFICIAL Taxa de câmbio das operações de compra e venda CONTAS
praticada pelas autoridades monetárias e cambiais MONETÁRIAS E
que toma em consideração a taxa de câmbio de BALANÇA DE
compra e venda dos bancos comerciais e das PAGAMENTO
casas de câmbio.

870 14 TAXA DE DESCONTO Taxa de juro cobrada pelo Banco Central aos CONTAS
bancos comerciais. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

871 14 TAXA DE JURO Valor do juro expresso como percentagem de CONTAS


determinado capital em uma unidade de tempo, MONETÁRIAS E
isto é a relação entre o valor do juro e o valor do BALANÇA DE
empréstimo expresso em percentagem. PAGAMENTO

872 14 TAXA DE JURO ACTIVA Taxa de juro a cobrar pelos bancos pelo CONTAS
empréstimo de dinheiro. Designa-se por activa MONETÁRIAS E
porque se inscreve nas contas do activo dos BALANÇA DE
bancos. PAGAMENTO

873 14 TAXA DE JURO PASSIVA Taxa de juro que remunera os depósitos CONTAS
bancários. Designa-se por passiva porque se MONETÁRIAS E
inscreve nas contas do Passivo dos bancos, visto BALANÇA DE
representar uma responsabilidade. PAGAMENTO

874 14 TAXAS DE CÂMBIO (TC) Preço de uma moeda estrangeira medido em CONTAS
unidades ou fracções (centavos) da moeda MONETÁRIAS E
nacional. A taxa de câmbio reflecte, assim, o custo BALANÇA DE
de uma moeda em relação a outra, dividindo-se PAGAMENTO
em taxa de venda e taxa (TV) de compra (TC).

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


125
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

875 14 TRANSFERÊNCIAS Componente da balança de pagamentos onde se CONTAS


CORRENTES registam donativos, ofertas, contribuições em MONETÁRIAS E
organismos internacionais e outras transferências BALANÇA DE
correntes (impostos, multas, pensões do sistema PAGAMENTO;
de segurança social pública, licenças de pesca e ESTATÍSTICAS
transferências de trabalhadores). DAS FINANÇAS
PÚBLICAS

876 14 TRANSFERÊNCIAS DE BENS Bens ou serviços fornecidos a famílias individuais CONTAS


E SERVIÇOS NÃO gratuitamente ou a preços que não são MONETÁRIAS E
MERCANTIS INDIVIDUAIS economicamente significativos por produtores não BALANÇA DE
mercantis de unidades das administrações PAGAMENTO
públicas ou Instituições sem fins lucrativos ao
serviço das famílias (ISFLSF).

877 14 TRANSFERÊNCIAS SOCIAIS Bens e serviços individuais fornecidos a título de CONTAS


EM ESPÉCIE transferências em espécie pelas administrações MONETÁRIAS E
públicas e Instituições sem fins lucrativos ao BALANÇA DE
serviço das famílias (ISFLSF) para as famílias, PAGAMENTO
quer esses bens e serviços sejam comprados no
mercado quer sejam produzidos como produção
não mercantil por administrações públicas ou
ISFLSF. Podem ser financiadas pelos impostos,
por outras receitas públicas ou por contribuições
para a segurança social ou ainda, no caso das
ISFLSF, por doações ou rendimentos de
propriedade.

878 14 TRANSFERÊNCIAS As transferências correntes entre famílias são CONTAS


CORRENTES ENTRE todas as transferências correntes, em dinheiro ou MONETÁRIAS E
FAMÍLIAS em espécie, feitas ou recebidas por famílias BALANÇA DE
residentes para ou de outras famílias residentes PAGAMENTO
ou não residentes. Em particular, inclui as
remessas feitas por emigrantes ou empregados
estabelecidos com carácter permanente no
estrangeiro (ou trabalhando no estrangeiro por
um período de um ano ou superior) para
membros da sua família que vivem no país de
origem ou por pais para filhos que vivem noutro
local.

879 14 TRANSFERÊNCIAS As transferências correntes no seio das CONTAS


CORRENTES NO SEIO DAS administrações públicas incluem todas as MONETÁRIAS E
ADMINISTRAÇÕES transferências entre os diferentes subsectores da BALANÇA DE
PÚBLICAS administração pública (central, provincial/regional, PAGAMENTO
local e fundos de segurança social), com a
excepção dos subsídios, das ajudas ao
investimento e de outras transferências de capital.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


126
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

880 14 TRANSFERÊNCIAS Componente da balança de pagamentos onde se CONTAS


CORRENTES registam donativos, ofertas, contribuições em MONETÁRIAS E
organismos internacionais e outras transferências BALANÇA DE
correntes (impostos, multas, pensões do sistema PAGAMENTO
de segurança social pública, licenças de pesca e
transferências de trabalhadores).

881 14 TURNOVER (BOLSISTA) Indicador de intensidade das transacções na CONTAS


bolsa, de um título ou categoria de títulos, para MONETÁRIAS E
certo período de tempo. Mede-se pela relação BALANÇA DE
entre o montante das transacções efectuadas e o PAGAMENTO
valor da capitalização bolsista.

882 14 UNIDADES RESIDENTES Por unidades residentes fictícias, entende-se: a) CONTAS


FICTÍCIAS as partes de unidades não residentes que têm um MONETÁRIAS E
centro de interesse económico (isto é, que, na BALANÇA DE
maioria dos casos, realizam operações económicas PAGAMENTO
durante um ano ou mais ou que efectuam
actividades de construção durante um período
inferior a um ano, (se a produção constituir
formação bruta de capital fixo) no território
económico do país; b) as unidades não residentes
que são proprietárias de terrenos e de edifícios no
território económico do país, exclusivamente para
as operações sobre esses terrenos e edifícios.

883 14 VALOR ACRESCENTADO Volume de negócios + Variação de existências + CONTAS


BRUTO A PREÇOS DE Trabalhos para a própria empresa + Proveitos MONETÁRIAS E
MERCADO (VABPM) suplementares - Custos das mercadorias vendidas BALANÇA DE
e das matérias consumidas - Fornecimentos e PAGAMENTO
serviços externos.

884 14 VALOR ACRESCENTADO Valor acrescentado bruto a preços de mercado CONTAS


LÍQUIDO A CUSTO DE (VABpm) + Subsídios à Exploração - Impostos MONETÁRIAS E
FACTORES (VALCF) Indirectos BALANÇA DE
PAGAMENTO

885 14 VALOR ACRESCENTADO Corresponde ao valor da produção bruta da CONTAS


(TRANSPORTES) empresa de transporte rodoviário, menos o valor MONETÁRIAS E
dos seus consumos intermédios. O valor BALANÇA DE
acrescentado de todas as empresas de PAGAMENTO
transportes de um país é igual à sua contribuição
para o PIB. O valor acrescentado, assim definido,
é expresso em preços de mercado.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


127
Área Estatística 14 – Monetárias e Financeiras

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

886 14 VALOR ACRESCENTADO Valor criado pelo processo produtivo durante o CONTAS
BRUTO A PREÇOS DE período de referência e é obtido pela diferença MONETÁRIAS E
MERCADO (VABpm) entre a produção e os consumos intermédios. BALANÇA DE
PAGAMENTO

887 14 VALOR DE REDUÇÃO (EM Montantes ou importâncias seguros redefinidas CONTAS


SEGUROS) em função de uma situação contratualmente MONETÁRIAS E
prevista. BALANÇA DE
PAGAMENTO

888 14 VALOR DE REFERÊNCIA (EM Valor em função do qual se definem, num CONTAS
SEGUROS) determinado momento do contrato, as MONETÁRIAS E
importâncias seguras. BALANÇA DE
PAGAMENTO

889 14 VALOR DE RESGATE (EM Montante entregue ao tomador do seguro em CONTAS


SEGUROS) caso de cessação antecipada do contrato ou MONETÁRIAS E
operação do ramo vida, nas condições e BALANÇA DE
modalidades em que tal se encontra previsto. PAGAMENTO

890 14 VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO Diferença algébrica entre as existências finais e CONTAS


iniciais de "produtos acabados e intermédios", MONETÁRIAS E
"subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos" e BALANÇA DE
"produtos e trabalhos em curso", tomando ainda PAGAMENTO
em consideração o movimento registado em
"regularizações de existências".

891 14 WARRANTS Activos que conferem ao titular o direito de CONTAS


subscrever, comprar, trocar ou vender certos MONETÁRIAS E
valores mobiliários a um determinado preço BALANÇA DE
(preço de exercício) em certa data ou datas ou até PAGAMENTO
certa data. Adquirem-se por umpreço denominado
prémio.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


128
Área Estatística 15 – Finanças Públicas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

892 15 BENS E SERVIÇOS Despesas correntes relativas ao pagamento de ESTATÍSTICAS


bens e serviço. DAS FINANÇAS
PÚBLICAS

893 15 DESPESA COM PESSOAL Englobam os salários, remunerações e outros ESTATÍSTICAS


abonos que o Estado paga aos titulares de cargos DAS FINANÇAS
políticos, aos seus empregados como entidade PÚBLICAS
patronal, aos agentes militares e paramilitares. Os
empregados do Estado são todos funcionários,
agentes e outros indivíduos que figuram no
quadro do Pessoal ou que lhe prestem serviço
nos termos fixados nos respectivos contratos.

894 15 DESPESAS CORRENTES Componente das despesas públicas que engloba ESTATÍSTICAS
as despesas com pessoal, os bens de consumo DAS FINANÇAS
corrente e serviços necessários ao funcionamento PÚBLICAS;
das instituições públicas, os encargos da divida CONTAS
interna e externa, as transferências e subsídios MONETÁRIAS E
acordados aos agentes económicos e outras BALANÇA DE
despesas, desde que não relacionadas com a PAGAMENTO
aquisição de bens de capital, aquisição de bens e
serviços usados na produção ou melhoria de bens
de capital, compensação por danos ou destruição
de bens de capital ou aumento do capital
financeiro de empresas.

895 15 DESPESAS DE CAPITAL Componente das despesas públicas que engloba ESTATÍSTICAS
as despesas com a aquisição, ampliação ou DAS FINANÇAS
melhoria (grandes reparações que conduzam a PÚBLICAS;
extensão da vida útil) de bens duradouros CONTAS
utilizados repetida e continuamente na produção MONETÁRIAS E
de bens ou serviços públicos. Cobrem ainda BALANÇA DE
pagamentos que permitam aos beneficiários PAGAMENTO
adquirir ou compensar danos ou destruição de
bens de capital, ou aumentar o seu capital
financeiro.

896 15 DESPESAS PÚBLICAS Constituem o grupo de despesas do governo para ESTATÍSTICAS


a manutenção e o funcionamento dos serviços DAS FINANÇAS
públicos em geral. Fazem parte das despesas PÚBLICAS ;
públicas as despesas correntes e as despesas de CONTAS
capital. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

897 15 DESPESAS TOTAIS Total das despesas públicas, isto é, o somatório ESTATÍSTICAS
das despesas correntes e das despesas de capital. DAS FINANÇAS
PÚBLICAS;
CONTAS
MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


129
Área Estatística 15 – Finanças Públicas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

898 15 DÍVIDA PÚBLICA Passivos financeiros do Estado não pagos que ESTATÍSTICAS
surgem do endividamento passado tanto externo DAS FINANÇAS
como interno. PÚBLICAS

899 15 DÍVIDA PÚBLICA EXTERNA Dívida total do Estado a credores cuja residência ESTATÍSTICAS
é fora do país devedor, incluindo credores DAS FINANÇAS
bilaterais (outros governos), credores PÚBLICAS
multilaterais (instituições financeiras
internacionais tais como FMI, Banco Mundial) e
sector privado (bancos comerciais estrangeiros e
outras instituições).

900 15 DÍVIDA PÚBLICA INTERNA Dívida total do Estado a credores cuja residência ESTATÍSTICAS
é dentro do país devedor, incluindo bancos DAS FINANÇAS
comerciais, instituições financeiras não bancárias PÚBLICAS
e individuais (detentores de obrigações). Para
este fim, o governo emite títulos tais como
bilhetes( instrumentos da dívida interna de curto
prazo) e obrigações do tesouro ( instrumento da
dívida interna de médio e longo prazos).

901 15 ENCARGOS DA DÍVIDA Despesas correntes com pagamento de juros, ESTATÍSTICAS


comissões bancárias e outras despesas DAS FINANÇAS
decorrentes da contratação ou utilização de PÚBLICAS
empréstimos contraídos pelo Estado, no País ou
fora dele.

902 15 FINANÇAS PÚBLICAS Conjunto de acções e problemas que integram o ESTATÍSTICAS


processo de arrecadação e execução de despesas DAS FINANÇAS
pelo governo e a gestão do património público. PÚBLICAS
Abrange todos os actos do estado na arrecadação
de impostos, na captação de outros recursos,
inclusive via operações de crédito, na formulação
e execução dos orçamentos, na realização de
compras, na fiscalização, no controle interno e na
prestação de contas.

903 15 IMPOSTO SOBRE O Imposto anual que se aplica sobre os ESTATÍSTICAS


RENDIMENTO rendimentos, lucros e ganhos de capital efectivos DAS FINANÇAS
ou presumidos de pessoas singulares, das PÚBLICAS;
sociedades, famílias ou administrações privadas. CONTAS
Incluem os., impostos que incidem sobre a NACIONAIS;
propriedade, terrenos ou imóveis, desde que os MONETÁRIAS E
mesmos sejam usados como base de estimativa FINANCEIRAS
do rendimento dos seus proprietários.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


130
Área Estatística 15 – Finanças Públicas

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

904 15 IMPOSTO SOBRE O VALOR Imposto sobre os bens e serviços cobrado por CONTAS
ACRESCENTADO (IVA) etapas pelas empresas e que, em última NACIONAIS;
instância, é cobrado integralmente aos CONTAS
consumidores finais. MONETÁRIAS E
BALANÇA DE
PAGAMENTO

905 15 OPERAÇÕES FINANCEIRAS Operações em activos e passivos financeiros entre ESTATÍSTICAS


unidades institucionais e entre estas e o resto do DAS FINANÇAS
mundo. PÚBLICAS

906 15 ORÇAMENTO DO ESTADO Documento no qual estão previstas as receitas a ESTATÍSTICAS


arrecadar e fixadas, as despesas a realizar num DAS FINANÇAS
determinado exercício económico e tem por PÚBLICAS
objecto a prossecução da política financeira do
Estado.

907 15 RECEITAS CORRENTES são as provenientes de recursos financeiros ESTATÍSTICAS


recebidos de outras pessoas de direito público ou DAS FINANÇAS
privado, quando destinados a atender a despesa PÚBLICAS
de manutenção e funcionamento (Compreendem
as receitas fiscais, não fiscais, as consignadas e
as de donativos.

908 15 RECEITAS DE CAPITAL Compreendem as receitas de alienação de bens, ESTATÍSTICAS


de donativos e de fundo de empréstimos. DAS FINANÇAS
PÚBLICAS

909 15 RECEITAS DO ESTADO Todos os recursos monetários ou em espécie, ESTATÍSTICAS


seja qual for a sua fonte ou natureza, postos à DAS FINANÇAS
disposição do Estado, com ressalva daquelas em PÚBLICAS
que o Estado seja mero depositário temporário.

910 15 SERVIÇO DA DÍVIDA Pagamento de capital (montante emprestado e ESTATÍSTICAS


em dívida a ser reembolsado) e de juros (taxa DAS FINANÇAS
que o mutuário paga a um credor por contrair um PÚBLICAS
empréstimo)

911 15 SUSTENTABILIDADE DA Nível de capacidade financeira e técnica que o ESTATÍSTICAS


DÍVIDA país devedor possui para cumprir com as suas DAS FINANÇAS
obrigações do serviço da dívida. PÚBLICAS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


131
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

912 16 AGREGADO FAMILIAR Conjunto de pessoas que residem no mesmo III RGPH, IOF,
alojamento, tenham ou não relações de IFTRAB, CAP,
parentesco, podendo ocupar a totalidade ou parte INCAM, IDS,
do alojamento e cujas despesas para a satisfação QUANTO?
das necessidades essenciais são suportadas
parcial ou totalmente em conjunto.

913 16 AGREGADO Agregado que se encontra ausente do alojamento III RGPH


TEMPORARIAMENTE habitual na semana da entrevista (por motivos de
AUSENTE férias, trabalho, educação, prisão, hospitalização,
serviço militar obrigatório, entre outros).

914 16 ALOJAMENTO COLECTIVO Alojamento onde vivem, temporária ou III RGPH


permanentemente um grupo numeroso de
pessoas ou mais do que uma família.

915 16 CASADO (A) Situação de estado civil legal de toda a pessoa III RGPH, IOF,
que tenha contraído casamento no registo civil ou INJAD
religioso.

916 16 CENSO POPULACIONAL Operação de contagem universal que permite RGPH, IFTRAB
conhecer o tamanho e as características da
população num dado momento.

917 16 CHEFE DO AGREGADO Pessoa responsável pelo agregado familiar ou III RGPH,
FAMILIAR aquela que para efeitos de inquérito ou IFTRAB, CAP, IDS
recenseamento é indicada/reconhecida como tal
pelos restantes membros.

918 16 CRESCIMENTO NATURAL DA Diferença entre o número de nascimentos e de III RGPH


POPULAÇÃO (CN) óbitos ocorridos numa população, duma área
geográfica bem delimitada durante um
determinado período.

919 16 DEMOGRAFIA Estudo do tamanho, distribuição territorial e da ESTATÍSTICAS E


composição da população, das mudanças das INDICADORES
componentes demográficas e dos factores que SOCIAIS; INCAM
influenciam essas mudanças.

920 16 DENSIDADE POPULACIONAL Razão entre o tamanho da população (número de QUANTO


OU DEMOGRÁFICA (DP) habitantes) e a superfície em quilómetros
quadrados do território ocupado pela mesma
população.

921 16 DIVORCIADO (A) Situação de estado civil duma pessoa que obteve III RGPH
por deliberação judicial, a dissolução do vínculo da
situação de casado.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


133
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

922 16 EMIGRAÇÃO Movimento de saída de pessoas duma III RGPH


determinada área geográfica, (dum país para
outro ou dentro das divisões administrativas do
mesmo país), implicando a travessia de fronteiras
e mudança de residência.

923 16 ESPERANÇA DE VIDA À Número médio de anos que se espera que uma ESTATÍSTICAS E
NASCENÇA (EVN) pessoa viva depois do nascimento até ao final da INDICADORES
vida, se as taxas de mortalidade observadas no SOCIAIS
momento de referência se mantiverem
constantes.

924 16 ESPERANÇA DE VIDA À UMA Número médio de anos que uma pessoa que ESTATÍSTICAS E
DETERMINADA IDADE atinja a idade exacta x, espera viver mantendo-se INDICADORES
(EVDI) as taxas de mortalidade por idades observadas no SOCIAIS
momento de referência.

925 16 ESTADO CIVIL Situação jurídica da pessoa composta pelo III RGPH
conjunto de qualidades definidoras do seu estado
pessoal, face às relações familiares que constam
do registo civil, ou seja, situação do indivíduo de
acordo com as leis, usos e costumes, face ao
casamento ou vivência marital.

926 16 ESTRUTURA DA POPULAÇÃO Representa a distribuição da população através de ANUÁRIO


(POR IDADE E SEXO) números ou proporção/ percentagem de homens ESTATÍSTICO
e mulheres por grupo etário.

927 16 FILHOS ACTUALMENTE Números de filhos que actualmente estão vivos, III RGPH
VIVOS independentemente de estarem fisicamente
presentes ou não no momento do recenseamento,
vivam ou não habitualmente com a mãe.

928 16 FILHOS NASCIDOS VIVOS Número total de filhos (Nados vivos) que uma III RGPH
mulher teve durante a sua vida, quer estejam
vivos ou não, quer estejam ou não fisicamente
presentes na data da observação quer vivam ou
não com os seus pais.

929 16 IDADE Intervalo de tempo que decorre entre a data do III RGPH
nascimento (dia, mês e ano) e as 0 horas da data
de referência.

930 16 IDADE MÉDIA AO PRIMEIRO Idade média em que o indivíduo entra na sua IIIRGPH, INCAM
CASAMENTO primeira relação conjugal (casamento ou união
marital num determinado período de tempo
habitualmente um ano civil)

931 16 IDADE MEDIANA Idade que divide a população em 50% mais III RGPH, INCAM
jovem e adulta.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


134
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

932 16 IDADE REPRODUTIVA Idade em que as mulheres são capazes de III RGPH
procriar.

933 16 IMIGRAÇÃO Movimento de entrada de pessoas numa III RGPH, INCAM


determinada área geográfica (dum país para outro
ou dentro de áreas do mesmo país), implicando
movimentos de fronteiras e mudança de
residência."

934 16 IMIGRANTE Pessoa nacional ou estrangeiro que no período de IIIRGPH, IDS


referência entrou no país com intenção de residir
ou permanecer temporariamente.

935 16 IMIGRANTE PERMANENTE Pessoa (nacional ou estrangeira) que, no período IIIRGPH, INCAM
de referência, entrou no país com a intenção de
aqui permanecer por um período igual ou superior
a um ano, tendo residido no estrangeiro por um
período contínuo igual ou superior a um ano.

936 16 IMIGRANTE TEMPORÁRIO Pessoa (nacional ou estrangeira) que, no período IIIRGPH, IDS
de referência, entrou no país com a intenção de
aqui permanecer por um período inferior a um
ano, tendo residido no estrangeiro por um período
contínuo igual ou superior a um ano.

937 16 ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA Relação entre a população idosa (número de III RGPH,
DE IDOSOS (IDI) pessoas com 65 ou mais anos) e a população em ESTATÍSTICAS E
idade activa (número de pessoas com idades INDICADORES
compreendidas entre os 15 e os 64 anos). SOCIAIS

938 16 ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA Relação entre a população jovem (número de III RGPH,
DE JOVENS (IDJ) pessoas com idades compreendidas entre os 0 e ESTATÍSTICAS E
os 14 anos) e a população em idade activa, INDICADORES
(número de pessoas com idades compreendidas SOCIAIS
entre os 15 e os 64 anos)

939 16 ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA Relação entre a população jovem (número de III RGPH,
TOTAL (IDT) pessoas com idades compreendidas entre os 0 e ESTATÍSTICAS E
os 14 anos) em conjunto com a população idosa INDICADORES
(pessoas com 65 ou mais anos) e a população em SOCIAIS
idade activa (número de pessoas com idades
compreendidas entre os 15 e os 64 anos).

940 16 ÍNDICE DE MASCULINIDADE Quociente entre os nados vivos do sexo masculino III RGPH
À NASCENÇA (IMN) e os nados vivos do sexo feminino, ocorridos num
determinado período.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


135
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

941 16 ÍNDICE DE MASCULINIDADE Razão entre o número de homens e o de III RGPH,


(IM) mulheres ou número de homens em cada 100 ESTATÍSTICAS E
mulheres. INDICADORES
SOCIAIS

942 16 MEMBRO DO AGREGADO Todo o indivíduo que cumpra principalmente, as III RGPH, CAP
FAMILIAR seguintes condições: pessoa habitualmente
residente no alojamento e presente no período de
observação; indivíduo temporariamente ausente,
desde que faça despesas a cargo do mesmo e/ ou
contribua para o orçamento comum e que não
esteja presente por um período superior ao
período previamente definido.

943 16 MIGRAÇÃO Movimento de pessoas de um país para outro RECENSEAMENTO


(migração internacional), ou dum lugar geográfico GERAL DA
para outro dentro do mesmo país (migração POPULAÇÃO E
interna) com o objectivo de mudança de HABITAÇÃO, CAP
residência de forma temporária ou permanente.

944 16 NACIONALIDADE Cidadania legal do indivíduo no momento de III RGPH


observação. São consideradas as nacionalidades
constantes no bilhete de identidade, no
passaporte, na autorização de residência ou no
certificado de nacionalidade apresentado.

945 16 NASCIMENTOS TOTAIS Total de nados vivos e nados mortos ou fetos IDS
mortos .

946 16 NATURALIDADE Local do nascimento ou o local da residência INCAM


habitual da mãe á data do nascimento. Para
determinados fins estatísticos deve-se considerar
preferencialmente o local da residência habitual
da mãe à data do nascimento.

947 16 POPULAÇÃO Conjunto de indivíduos ou pessoas que vivem num III RGPH
determinado país ou área geográfica dum país. O
termo população pode também referir o conjunto
de pessoas de domínios diversos da organização
sócio-económica do país (população escolar,
população activa, etc.)

948 16 POPULAÇÃO A MEIO DO População calculada para a metade do ano III RGPH
ANO servindo como denominador para o cálculo das
taxas demográficas.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


136
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

949 16 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA Conjunto de pessoas de nacionalidade não III RGPH


COM AUTORIZAÇÃO DE Moçambicana, titulares de uma autorização de
PERMANÊNCIA permanência em Moçambique, em conformidade
com a legislação de estrangeiros em vigor.

950 16 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA Conjunto de pessoas de nacionalidade não III RGPH


RESIDENTE Moçambicana, residentes em Moçambique no
momento de observação.

951 16 POPULAÇÃO PRESENTE População que no momento de observação, se III RGPH


encontra presente num determinado alojamento
independentemente de ser residente ou não.

952 16 POPULAÇÃO RESIDENTE População que, independentemente de estar III RGPH


ausente ou presente no alojamento no momento
de observação reside ou residiu no alojamento por
um período contínuo de, pelo menos 12 meses
anteriores ao período de observação

953 16 PROBABILIDADE DE MORTE Representa a probabilidade duma pessoa com a III RGPH
idade x de falecer antes de completar a idade
x+n.

954 16 RELAÇÃO DE PARENTESCO Vínculo que une duas pessoas através de relações III RGPH
de consanguinidade, adopção, ou afinidade,
cônjuges entre si e seus familiares, até o quarto
grau.

955 16 RESIDÊNCIA HABITUAL Alojamento onde a pessoa vive e dorme a maior INCAM
parte do tempo, com intenção de passar pelo
menos seis meses do ano. Este lugar não é
necessariamente o mesmo que a sua residência
legal. Os cidadãos não nacionais também são
incluídos se tiverem a sua residência habitual

956 16 RESIDENTE AUSENTE Pessoa que habitualmente reside no num III RGPH
alojamento, mas que por diversos motivos no
período de referência se encontrava
temporariamente ausente

957 16 RESIDENTE PRESENTE Indivíduo que, residindo no alojamento, se III RGPH


encontra presente no mesmo às zero horas do dia
de referência., independentemente de estar ou
não fisicamente no momento do recenseamento.

958 16 SALDO MIGRATÓRIO OU Diferença entre o número de entradas e saídas III RGPH
MIGRAÇÃO LÍQUIDA (SM) por migração, internacional ou interna, para um
determinado país ou região, num dado período de
tempo.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


137
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

959 16 SALDO NATURAL OU Diferença entre o número de nados vivos e o III RGPH
FISIOLÓGICO (SN) número de óbitos, num dado período de tempo.

960 16 SEPARADO (A) Situação dos cônjuges que vivem separadamente III RGPH
decorrente de uma ruptura conjugal não
legalizada.

961 16 SOLTEIRO (A) Situação de estado civil de toda a pessoa de III RGPH
qualquer sexo com 12 ou mais anos de idade que
não seja nem nunca tenha sido casado(a) pelo
registo civil, igreja ou tradicionalmente.

962 16 TÁBUA DE MORTALIDADE Quadro que descreve o comportamento de III RGPH


diversas funções de mortalidade por idade. duma
população num determinado período. É um
instrumento ideal para descrever a forma como
uma geração vai morrendo com a idade.

963 16 TAXA BRUTA DE DIVÓRCIO Número de divórcios observado durante um III RGPH
(TBD) determinado período de tempo, normalmente um
ano civil, referido à população média desse
período (habitualmente expressa pelo número de
divórcios por 1000 habitantes).

964 16 TAXA BRUTA DE Número de emigrantes permanentes observado RECENSEAMENTO


EMIGRAÇÃO (TBE) durante um determinado período de tempo, GERAL DA
normalmente um ano civil, referido à população POPULAÇÃO E
média desse período (habitualmente expressa em HABITAÇÃO
numero de emigrantes permanentes por 1000
habitantes).

965 16 TAXA BRUTA DE IMIGRAÇÃO Número de imigrantes permanentes observado III RGPH
(TBI) durante um determinado período de tempo,
normalmente um ano civil, referido à população
média desse período (habitualmente expressa em
numero de imigrantes permanentes por 1000
habitantes).

966 16 TAXA BRUTA DE Número total de óbitos ocorridos num INCAM


MORTALIDADE determinado período, numa dada população.

967 16 TAXA BRUTA DE Número de óbitos observado durante um período III RGPH,
MORTALIDADE (TBM) de tempo, normalmente um ano civil referido à ESTATÍSTICAS E
população média desse período ou seja, é INDICADORES
quociente entre o número de mortes no ano t e a SOCIAIS
população média desse período. (habitualmente
expressa em número de óbitos por 1000
habitantes).

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


138
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

968 16 TAXA BRUTA DE Número de nados vivos ocorridos durante um III RGPH,
NATALIDADE (TBN) determinado período de tempo, normalmente um ESTATÍSTICAS E
ano civil, referido à população total desse período INDICADORES
ou seja, é o quociente entre o número de SOCIAIS
nascimentos vivos no ano t e a população a média
desse período (habitualmente expressa em
número de nados vivos por 1000 habitantes).

969 16 TAXA BRUTA DE Número de casamentos observados durante um IDS


NUPCIALIDADE (TBNupc) determinado período de tempo, normalmente um
ano civil, referido á população média desse
período (habitualmente expressa em número de
casamentos por 1000 habitantes).

970 16 TAXA BRUTA DE VIUVEZ Número de casamentos dissolvidos por morte de IDS
(TBV) um dos cônjuges observados durante um
determinado período de tempo, normalmente um
ano civil, referido à população média desse
período (habitualmente expressa pelo número de
viúvos (as) por 1000 habitantes).

971 16 TAXA DE CRESCIMENTO Variação populacional observada durante um INQUÉRITO


EFECTIVO (TCE) determinado período de tempo, normalmente um DEMOGRÁFICO E
ano civil, referido á população média desse DE SAÚDE
período (habitualmente expressa por 1000
habitantes).

972 16 TAXA DE CRESCIMENTO Saldo migratório observado durante um RECENSEAMENTO


MIGRATÓRIO (TCM) determinado período de tempo, normalmente um GERAL DA
ano civil, referido á população média desse POPULAÇÃO E
período (habitualmente expressa por 1000 HABITAÇÃO,
habitantes). INQUÉRITO
DEMOGRÁFICO E
DE SAÚDE

973 16 TAXA DE CRESCIMENTO Saldo natural observado durante um determinado III RGPH
NATURAL (TCN) período de tempo, normalmente um ano civil,
referido à população média desse período
(habitualmente expressa por 1000 habitantes).

974 16 TAXA DE FECUNDIDADE Número de nados vivos observado durante um III RGPH,
GERAL (TFG) determinado período de tempo, normalmente um INQUÉRITO
ano civil, referido ao efectivo médio de mulheres DEMOGRÁFICO E
em idade fértil (entre os 15 e os 49 anos) desse DE SAÚDE
período (habitualmente expressa em número de
nados vivos por 1000 mulheres em idade fértil).

975 16 TAXA DE MORTALIDADE Proporção dos óbitos devido a uma causa III RGPH
ESPECIFICA específica em relação ao total da população
residente num determinado período e área.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


139
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

976 16 TAXA DE MORTALIDADE Número de fetos mortos de 28 ou mais semanas IDS


FETAL TARDIA OU TAXA DE observado durante um período de tempo
NADOS MORTOS (TMFT) normalmente um ano civil, referido ao número de
nados vivos e fetos mortos de 28 ou mais
semanas do mesmo período (habitualmente
expressa em fetos mortos de 28 ou mais semanas
por 1000 nados vivos e fetos mortos de 28 ou
mais semanas).

977 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre o número de óbitos de crianças com IDS,
INFANTIL (TMI) menos de um ano de vida num determinado ESTATÍSTICAS
período de tempo, normalmente um ano civil, e o DE INDICADORES
número de nados vivos registados durante o SOCIAIS
mesmo período (habitualmente expressa em
número de óbitos de crianças com menos de um
ano por 1000 nados vivos).

978 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre número de óbitos de mulheres IDS


MATERNA (TMM) devido a complicações da gravidez do parto e de
puerpério, observado durante um determinado
período de tempo, normalmente um ano civil, e
número de nados vivos registados durante mesmo
período de tempo (habitualmente, expressa em
número de óbitos de mulheres nestas condições
por 1000 nados vivos).

979 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre o número de óbitos de crianças com IDS
NEO - NATAL (TMN) menos de 28 dias de idade observado durante um
determinado período de tempo normalmente um
ano civil, e o número de nados vivos registados no
do mesmo período de tempo (habitualmente
expressa em número de óbitos de crianças com
menos de 28 dias de idade por 1000 (103) nados
vivos). É uma taxa que mede a qualidade da
assistência aos recém–nascidos durante e pós
parto.

980 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre o número de óbitos em crianças INQUÉRITO


PERI – NATAL (TMP) com menos de sete dias de vida e os nados DEMOGRÁFICO E
mortos ocorridos durante um determinado período DE SAÚDE
de tempo e o número de nados vivos e mortos
durante o mesmo período de tempo.

981 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre o número de óbitos de crianças INQUÉRITO


PÓS – INFANTIL (TMPI) entre os 12 e os 59 meses de vida durante um DEMOGRÁFICO E
determinado período de tempo e o número de DE SAÚDE
nados vivos no mesmo período.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


140
Área Estatística 16 – Demografia e Condições de vida das Famílias

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA


/PUBLICAÇÃO

982 16 TAXA DE MORTALIDADE Relação entre o número de óbitos de crianças com IDS
PÓS – NEONATAL (TMPN) mais de 28 dias e menos de um ano de vida
durante um determinado período de tempo e o
número de nados vivos registados durante o
mesmo período de tempo.

983 16 TAXA DE NATALIDADE Relação entre nascimentos vivos e a população INCAM


total, ocorrida durante um determinado período,
normalmente um ano civil.

984 16 TAXA GLOBAL DE Representa o número médio de filhos que cada IDS,
FECUNDIDADE (TGF) mulher teria até ao fim do seu período ESTATÍSTICAS E
reprodutivo, se o seu comportamento reprodutivo INDICADORES
se mantivesse constante. SOCIAIS

985 16 TAXAS ESPECÍFICAS DE Quociente entre o número anual de nascimento III RGPH,
FECUNDIDADE POR IDADE vivos de mulheres de cada grupo de idade e a ESTATÍSTICAS E
(TEF) população feminina a metade do ano do INDICADORES
respectivo grupo de idade no mesmo ano. SOCIAIS

986 16 UNIÃO MARITAL Situação de toda pessoa que vive com seu III RGPH
marido/esposa que não está casada pelo registo
civil ou religioso.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


141
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

987 17 ADMISSÃO DE Aceitação oficial pelo Hospital ou outra Unidade ESTATÍSTICAS E


INTERNAMENTO Sanitária com internamento, de um doente que INDICADORES
vai receber cuidados médicos ou paramédicos SOCIAIS
ocupando uma cama hospitalar.

988 17 ALTA DE INTERNAMENTO Término ou interrupção dos cuidados prestados ao ESTATÍSTICAS


doente num estabelecimento de saúde em regime DA SAÚDE
de internamento.

989 17 ANÁLISE CLÍNICA * Exame laboratorial de um produto biológico ESTATÍSTICAS


destinado a facilitar o diagnóstico, o prognóstico, DA SAÚDE
a terapêutica e a prevenção de doenças ou de
quaisquer alterações fisiológicas do organismo
humano.

990 17 ARQUIVO CLÍNICO Espaço físico provido de mobiliário apropriado ESTATÍSTICAS


HOSPITALAR (prateleiras) e que serve para organizar (arrumar), DA SAÚDE
manter e recuperar quando necessário, os
processos clínicos dos doentes observados nos
serviços de consulta externa e de internamento da
Unidade Sanitária.

991 17 ACTO DE ENFERMAGEM * Prestação de cuidados realizada por um ESTATÍSTICAS


enfermeiro, que poderá ser exercida de forma DA SAÚDE
autónoma ou interdependente, de acordo com a
respetiva qualificação profissional.

992 17 AVALIAÇÃO VERBAL DA Processo utilizado na recolha de informação junto INCAM


CAUSA DE MORTE (AV) dos familiares ou dos que prestaram cuidados a
uma pessoa falecida.

993 17 BAIXO PESO A NASCENÇA Peso do nado-vivo inferior à 2.5 kg. ESTATÍSTICAS E
INDICADORES
SOCIAIS

994 17 BERÇÁRIO * Unidade orgânica de um hospital, equipada com ESTATÍSTICAS


um conjunto de berços, para a permanência dos DA SAÚDE
recém-nascidos sem patologia.

995 17 BLOCO OPERATÓRIO * Unidade orgânico-funcional constituída por um ESTATÍSTICAS


conjunto integrado de meios humanos, físicos e DA SAÚDE
técnicos, destinada à prestação de tratamento
cirúrgico ou realização de exames que requeiram
elevado nível de assepsia e em geral anestesia.

996 17 CAMA HOSPITALAR Cama preparada e destinada à acomodação de ESTATÍSTICAS E


doentes numa Unidade Sanitária onde recebem INDICADORES
cuidados a tempo inteiro. SOCIAIS

997 17 CAMAS DISPONÍVEIS Número que indica a disponibilidade real de camas ESTATÍSTICAS
num certo período e num certo serviço. DA SAÚDE

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


143
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

998 17 CASO CONFIRMADO DE Caso confirmado segundo os critérios clínicos da ESTATÍSTICAS


SIDA * SIDA e os critérios laboratoriais da infecção pelo DA SAÚDE
HIV.

999 17 CAUSA BÁSICA DE MORTE * Doença ou lesão que iniciou a cadeia de ESTATÍSTICAS
acontecimentos patológicos que conduziram à DA SAÚDE
morte ou as circunstâncias do acidente ou
violência que produziu a lesão fatal.

1000 17 CENTROS DE SAÚDE * Estabelecimento de saúde, normalmente público ESTATÍSTICAS E


que visa a promoção da saúde, prevenção da INDICADORES
doença e a prestação de cuidados primários. SOCIAIS
Dirige a sua acção tanto à saúde individual e
familiar como à saúde de grupos e da
comunidade. Pode ser dotado de internamento.

1001 17 CERTIFICADO DE ÓBITO * Certificado, da responsabilidade de um médico ESTATÍSTICAS


para confirmar, junto do Registo Civil, a DA SAÚDE
declaração de um óbito, feito em impresso de
modelo fornecido pelos competentes serviços
saúde.

1002 17 CESARIANA * Parto que consiste na extração de um feto através ESTATÍSTICAS


de incisões na parede abdominal (laparotomia) e DA SAÚDE
da parede uterina (histerotomia).

1003 17 CONSULTA DE CLINICA Consulta médica em estabelecimentos de saúde ESTATÍSTICAS


GERAL * prestada no âmbito da medicina geral DA SAÚDE

1004 17 CONSULTA DE Consulta médica em estabelecimentos de saúde ESTATÍSTICAS


ESPECIALIDADE * prestada no âmbito de uma especialidade médica. DA SAÚDE

1005 17 CONSULTA EXTERNA * Acto de assistência prestado por um médico num ESTATÍSTICAS
hospital ou outro estabelecimento de saúde a DA SAÚDE
doentes, com marcação prévia.

1006 17 CONSULTA MÉDICA Acto de assistência médica prestada a um ESTATÍSTICAS E


indivíduo num serviço de consulta externa de um INDICADORES
hospital ou num estabelecimento de saúde sem SOCIAIS
internamento, podendo consistir em
aconselhamento, observação clínica, diagnóstico,
prescrição terapêutica ou verificação da evolução
do seu estado de saúde.

1007 17 CONSULTA PRÉ – NATAL Atendimento às mulheres grávidas durante os ESTATÍSTICAS E


meses de gestação, com a finalidade de detectar o INDICADORES
risco obstétrico e de tomar medidas correctivas de SOCIAIS
qualquer desvio da normalidade.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


144
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1008 17 CUIDADOS DE SAÚDE* Prestação por profissional de saúde, consistindo ESTATÍSTICAS


em avaliação, manutenção, terapia, reeducação, DA SAÚDE
promoção da saúde, prevenção dos problemas de
saúde e todas as actividades com elas
relacionadas, para manter ou melhorar o estado
de saúde.

1009 17 CUIDADOS DE SAÚDE Conjunto de cuidados médicos, nutricionais, INQUÉRITO


MATERNA psicológicos e sociais, destinados a proteger o DEMOGRÁFICO E
binómio feto/mãe durante a gravidez, parto e DE SAÚDE
puerpério, tendo como principal finalidade a
diminuição da morbi-mortalidade materna e
perinatal.

1010 17 CUIDADOS PRIMÁRIOS DE Cuidados de saúde essenciais, prestados por ESTATÍSTICAS


SAÚDE profissional de saúde, baseados em métodos e DA SAÚDE
técnicas práticas, cientificamente válidas e
socialmente aceitáveis.

1011 17 DEFICIÊNCIA* Perda ou alteração de uma estrutura ou de uma ESTATÍSTICAS


função psicológica, fisiológica ou anatómica. DA SAÚDE

1012 17 DEFICIÊNCIA AUDITIVA* Perda ou anomalia das funções auditivas. ESTATÍSTICAS


DA SAÚDE

1013 17 DEFICIÊNCIA MENTAL* Perturbação do funcionamento intelectual que se ESTATÍSTICAS


manifesta durante o período de desenvolvimento, DA SAÚDE
antes dos 18 anos.

1014 17 DEFICIÊNCIA MOTORA* Perda ou anomalia das estruturas ou funções do ESTATÍSTICAS


aparelho motor. DA SAÚDE

1015 17 DEFICIÊNCIA Deficiência que se manifesta num indivíduo que ESTATÍSTICAS


PSIQUIÁTRICA* assume padrões de comportamento que podem DA SAÚDE
interferir com a adaptação e o funcionamento
social. Tais padrões de comportamento podem
surgir na adolescência e prolongar-se durante a
maior parte da vida adulta (por exemplo, nos
distúrbios de personalidade) ou podem ser
sequência de sequelas de doenças neurológicas
ou mentais. Manifestam-se sobretudo como traços
acentuados de carácter.

1016 17 DEFICIÊNCIA VISUAL * Perda ou anomalia das funções da visão. ESTATÍSTICAS


DA SAÚDE

1017 17 DIAGNÓSTICO DE ALTA Diagnóstico médico estabelecido ao terminar a ESTATÍSTICAS


permanência do doente no estabelecimento de DA SAÚDE
saúde.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


145
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1018 17 DIAS DE INTERNAMENTO Total de dias utilizados por todos os doentes ESTATÍSTICAS
NUM PERÍODO * internados, nos diversos serviços de um DA SAÚDE
estabelecimento de saúde com internamento, num
período, exceptuando os dias das altas dos
mesmos doentes nesse estabelecimento de saúde.
Não são incluídos os dias de estada em berçário
ou em serviço de observação de serviço de
urgência.

1019 17 DOENÇA * Estado do organismo em que existem alterações ESTATÍSTICAS


anatómicas ou perturbações funcionais que o DA SAÚDE
afastam das condições normais.

1020 17 DOENÇA CRÓNICA ( OU Doença que dura, ou se prevê venha a durar um ESTATÍSTICAS
PROBLEMA DE DOENÇA tempo longo, habitualmente mais do que seis DA SAÚDE
PROLONGADO ) * meses. Geralmente necessita intervenção médica
para a sua cura ou controlo.

1021 17 DOENTES ENTRADOS NUM Doentes admitidos em internamento, durante um ESTATÍSTICAS


ESTABELECIMENTO DE período, num estabelecimento de saúde, com DA SAÚDE
SAÚDE NUM PERÍODO permanência de pelo menos 24 horas, proveniente
do ambulatório (consulta externa, serviço de
urgência ou outro) ou de transferência de outro
estabelecimento de saúde.

1022 17 DOENTES SAÍDOS DE UM Doentes que deixaram de permanecer internados ESTATÍSTICAS


ESTABELECIMENTO DE num estabelecimento de saúde, num período. DA SAÚDE
SAÚDE NUM PERÍODO *

1023 17 DURAÇÃO DA GRAVIDEZ * Período de tempo, medido em semanas ESTATÍSTICAS


completas, que vai do primeiro dia do último DA SAÚDE
período menstrual normal até à data do parto.

1024 17 DURAÇÃO MÉDIA DE Média dos dias de permanência ou de ESTATÍSTICA DE


INTERNAMENTO internamento dos doentes numa enfermaria SAÚDE
durante um período determinado.

1025 17 ENFERMEIRO * Profissional de saúde que programa, executa e ESTATÍSTICAS


avalia cuidados gerais de enfermagem, requeridos DA SAÚDE
pelo estado de saúde do indivíduo, família e
comunidade, no âmbito da patologia, prevenção,
tratamento e reabilitação da doença e do tipo de
intervenção do serviço.

1026 17 ESTABELECIMENTO DE Serviço ou conjunto de serviços prestadores de ESTATÍSTICAS


SAÚDE * cuidados de saúde, dotados de direcção técnica, DA SAÚDE
de administração e instalações próprias. Pode ter
ou não internamento.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


146
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1027 17 ESTADO DE SAÚDE * Presença ou ausência de doença (s) numa pessoa. ESTATÍSTICAS E
Apreciação subjectiva que cada pessoa faz da sua INDICADORES
saúde num determinado momento. SOCIAIS

1028 17 FARMÁCIA * Estabelecimento de saúde, licenciado por alvará ESTATÍSTICAS


concedido pela entidade que regula a actividade DA SAÚDE
farmacêutica. O exercício da sua actividade está
devidamente regulamentado, competindo aos
farmacêuticos, ou aos seus colaboradores, sob a
sua responsabilidade, a função de preparar,
controlar, conservar e dispensar medicamentos ao
público.

1029 17 FETO MORTO Produto da fecundação, cuja morte ocorreu antes INQUÉRITO
da expulsão ou da extracção completa do corpo DEMOGRÁFICO E
materno, independentemente da duração da DE SAÚDE
gravidez.

1030 17 FORMA DE ALEITAMENTO Distribuição percentual de crianças que vivem com ESTATÍSTICAS E
POR IDADE sua mãe, com menos de três anos de idade por INDICADORES
condição de: amamentação e aleitação ao SOCIAIS
biberão, segundo a idade das crianças em meses
e área de residência.

1031 17 GRAVIDEZ * Estado da mulher durante o tempo em que o feto INQUÉRITO


ou embrião se desenvolve dentro do seu corpo. DEMOGRÁFICO E
DE SAÚDE

1032 17 HABITANTES POR TÉCNICO Razão, entre número de habitantes residentes ESTATÍSTICAS E
DE SAÚDE numa determinada zona geográfica ou no país INDICADORES
inteiro e o número de técnicos de saúde a SOCIAIS
trabalhar nessa mesma zona geográfica ou no
país inteiro e directamente ligados às actividades
clínicas, preventivas e reabilitativas.

1032 17 HOSPITAL * Estabelecimento de saúde dotado de ESTATÍSTICAS E


internamento, ambulatório e meios de diagnóstico INDICADORES
e terapêutica, com o objectivo de prestar à SOCIAIS
população assistência médica curativa e de
reabilitação, competindo-lhe também colaborar na
prevenção da doença, no ensino e na investigação
científica.

1034 17 HOSPITAL CENTRAL Hospital público que dispensa cuidados de saúde ESTATÍSTICAS E
quaternários e constituem o nível de referência INDICADORES
para os doentes que não encontram solução para SOCIAIS
os seus problemas de saúde nos hospitais
provinciais, rurais e gerais, distritais e centros de
saúde.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


147
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1035 17 HOSPITAL DISTRITAL Hospital público que dispensa cuidados de saúde ESTATÍSTICAS E
secundários e se destina a servir de unidade de INDICADORES
primeiro nível de referência de vários Centros de SOCIAIS
Saúde, que no seu conjunto constituem a zona de
captação do hospital distrital.

1036 17 HOSPITAL ESPECIALIZADO Hospital de nível quaternário em que predomina o ESTATÍSTICAS E


número de camas adstritas a determinada INDICADORES
valência que presta assistência apenas ou SOCIAIS
especialmente a utentes de um determinado
grupo etário.

1037 17 HOSPITAL GERAL Hospital que integra várias valências e presta ESTATÍSTICAS E
cuidados de saúde secundários em zona urbana e INDICADORES
serve de 1º nível de referência a populações SOCIAIS
provenientes de áreas de saúde situadas em
zonas urbanas.

1038 17 HOSPITAL PROVINCIAL Hospital que dispensa cuidados de saúde ESTATÍSTICAS E


terciários (de nível III) e constituem o nível de INDICADORES
referência para os doentes que não encontram SOCIAIS
solução para os seus problemas de saúde nos
Hospitais Rural e ou Geral, bem como para
doentes provenientes de Hospital Distrital e de
Centros de Saúde que se situam nas imediações
do Hospital Provincial e que não têm Hospital
Rural, nem Geral para onde possam ser referidos.

1039 17 HOSPITAL RURAL Unidade hospitalar de primeiro ou segundo nível ESTATÍSTICAS E


de referência de vários Centros de Saúde e INDICADORES
Hospitais Distritais, que no seu conjunto SOCIAIS
constituem a zona de captação ou de influência do
Hospital Rural.

1040 17 INCAPACIDADE * Ausência ou limitação da capacidade para ESTATÍSTICAS


funcionar estando comprometida a realização sem DA SAÚDE
ajuda de determinadas funções e actividades
pessoais relacionadas com a vida diária, afetando
a autossuficiência e originando uma desvantagem
para funcionar em sociedade face a outros.

1041 17 ÍNDICE DE CONSULTAS Razão entre número médio de consultas médicas ESTATÍSTICAS E
MÉDICAS POR HABITANTE num determinado período de tempo e o número INDICADORES
de habitantes nesse período. SOCIAIS

1042 17 ÍNDICE DE MASSA Quociente entre o peso em quilogramas e o ESTATÍSTICAS E


CORPORAL * quadrado da altura em metros. INDICADORES
SOCIAIS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


148
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1043 17 ÍNDICE DE MASSA Quociente entre o peso em quilogramas e o ESTATÍSTICAS


CORPORAL quadrado da altura em metros. DA SAÚDE

1044 17 INTERVENÇÃO CIRÚRGICA * Um ou mais actos operatórios com o mesmo ESTATÍSTICAS


objectivo terapêutico e ou diagnóstico, DA SAÚDE
realizado(s) por médico(s) em sala operatória, na
mesma sessão, sob anestesia geral, locorregional
ou local, com ou sem presença de anestesista.

1045 17 LISTA DE ESPERA * Número de doentes do sistema de saúde, ESTATÍSTICAS


geralmente em hospitais, que aguardam a DA SAÚDE
realização, não urgente, de consulta, exame,
tratamento, operação ou procedimento especial.

1046 17 MEDICAMENTO * Toda a substância ou composição que possua ESTATÍSTICAS


propriedades curativas ou preventivas das DA SAÚDE
doenças e dos seus sintomas, do homem ou do
animal, com vista a estabelecer um diagnóstico
médico ou a restaurar, corrigir ou modificar as
suas funções.

1047 17 MEDICAMENTOS Substâncias terapêuticas eficazes, indispensáveis PROMOÇÃO DA


ESSENCIAIS para tratar racionalmente a esmagadora maioria HUMANIZAÇÃO E
das doenças que afectam uma determinada QUALIDADE DOS
população. CUIDADOS DE
SAÚDE

1048 17 MÉDICO Profissional qualificado com educação médica e ESTATÍSTICAS


autorizado legalmente a exercer medicina. DA SAÚDE

1049 17 MÉDICO ESPECIALISTA Médico que, pela sua especialização e ou ESTATÍSTICAS


experiência, é perito num campo particular da DA SAÚDE
medicina, reconhecido como uma especialidade.

1050 17 MORBILIDADE Todo o desvio subjectivo ou objectivo de um ESTATÍSTICAS E


estado de bem-estar fisiológico determinado por INDICADORES
uma doença, um traumatismo ou deficiência. SOCIAIS

1051 17 MORTALIDADE FETAL OU Mortalidade referente ao feto ainda no útero da III RGPH, IDS
ÓBITO FETAL mãe, devido a causas somente naturais, isto é,
sem ter sido conscientemente provocado. É a
morte do produto da fecundação antes da
expulsão ou extracção completa do corpo da mãe.

1052 17 MORTALIDADE INFANTIL * Óbitos de crianças nascidas vivas, que faleceram MICS
com menos de um ano de idade.

1053 17 MORTALIDADE INFANTO- Número de óbitos em crianças antes de completar MICS


JUVENIL o quinto ano de vida num determinado período de
tempo.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


149
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1054 17 MORTALIDADE MATERNA Óbitos de mulheres, ocorridos durante a gestação IDS


ou dentro de um período de 42 dias após o
término da gestação (independentemente da
duração ou da localização da gravidez) em
consequência de qualquer causa relacionada ou
agravada pela gestação, do parto ou do puerpério,
(porém não devido a causas acidentais ou
incidentais).

1055 17 MORTALIDADE NEO-NATAL Óbitos de crianças nascidas vivas que faleceram IDS
com menos de 28 dias de idade.

1056 17 MORTALIDADE PERINATAL Óbitos fetais de 28 ou mais semanas de gestação IDS


e óbitos de nados - vivos com menos de 7 dias de
idade.

1057 17 MORTALIDADE PÓS- Corresponde ao número de óbitos em crianças IDS


INFANTIL entre o primeiro e o quinto aniversário, ou entre
12 e 59 meses de idade.

1058 17 MORTALIDADE PÓS- Corresponde ao número de óbitos em crianças IDS


NEONATAL com idades compreendidas entre os 28 e os 364
dias, ocorridos num determinado período de
tempo (geralmente um ano civil).

1059 17 MULTIDEFICIÊNCIA * Ocorrência associada a duas ou mais deficiências. ESTATÍSTICAS


DA SAÚDE

1060 17 NADO – VIVO ( OU Criança que ao nascer dá algum sinal de vida, por IIIRGPH
NASCIMENTO VIVO) mais pequeno que seja (chora, respira ou realiza
qualquer movimento), mesmo que poucos
momentos depois venha a falecer.

1061 17 NADO MORTO (OU NASCIDO Expulsão ou extracção do produto da fecundação MICS
MORTO) sem que este mostre qualquer sinal de vida. O
feto deve ter pelo menos 28 semanas de
existência.

1062 17 ÓBITO Cessação irreversível das funções do tronco IIIRGPH


cerebral.

1063 17 ÓBITO FETAL Morte de um produto da fecundação antes da IDS


expulsão ou extracção completa do corpo da mãe,
independentemente da duração da gravidez.
Indica o óbito, a circunstância do feto, depois de
separado, não respirar nem manifestar quaisquer
outros sinais de vida, tais como batimentos do
coração pulsações do cordão umbilical ou
contracções efectivas de qualquer músculo sujeito
à acção da vontade.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


150
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1064 17 PARTEIRA TRADICIONAL Elemento da comunidade que já vinha exercendo ESTATÍSTICA DE


na sua área de residência actividade de SAÚDE
assistência aos partos de acordo com as práticas
da medicina tradicional.

1065 17 PARTEIRA TRADICIONAL Parteira tradicional treinada geralmente na ESTATÍSTICA DE


RECICLADA maternidade do Centro Saúde em práticas simples SAÚDE
de obstetrícia moderna com a finalidade de
conduzir um parto higiénico e detectar condições
obstétricas de perigo que exijam evacuação para a
Unidade Sanitária mais próxima.

1066 17 PARTO Completa expulsão ou extracção do corpo IIIRGPH


materno de 1 ou mais fetos de 22 ou mais
semanas de gestação.

1067 17 PARTO ASSISTIDO Parto no qual está presente um técnico de saúde ESTATÍSTICA DE
para detectar eventuais complicações e para SAÚDE
aplicar as normas de higiene para a mãe e para o
recém-nascido.

1068 17 PARTOS INSTITUCIONAIS Partos ocorridos dentro duma unidade sanitária. ESTATÍSTICAS E
INDICADORES
SOCIAIS

1069 17 PESO À NASCENÇA Primeira medida de peso (em gramas) do nado - ESTATÍSTICAS E
vivo obtida após o nascimento. Pesagem feita, de INDICADORES
preferência, durante a primeira hora de vida, SOCIAIS
antes que ocorra uma significativa perda de peso
pós - natal.

1070 17 PESSOA COM DEFICIÊNCIA Pessoa que, por motivo de perda ou anomalia ESTATÍSTICAS
* congénita ou adquirida de funções ou de DA SAÚDE
estruturas do corpo, incluindo as funções
psicológicas, apresente dificuldades específicas e
susceptíveis de lhe limitar ou dificultar a actividade
e a participação em condições de igualdade com
as demais pessoas em conjugação com os
factores ambientais.

1071 17 PREVALÊNCIA DE DOENÇA Casos existentes de uma doença específica MICS


ocorridos numa comunidade num determinado
momento.

1072 17 PRIMEIRA CONSULTA Primeira consulta médica do doente para fins de MICS
exame, diagnóstico, prognóstico e tratamento.

1073 17 PROCESSO CLÍNICO Narração cumulativa da história clínica de um ESTATÍSTICAS


doente desde o diagnóstico inicial ao tratamento DA SAÚDE
administrado, o diagnóstico final e a assistência
depois da alta médica.

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


151
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1074 17 PROFISSIONAL DE Indivíduo envolvido directamente na prestação de ESTATÍSTICAS


CUIDADOS DE SAÚDE * cuidados de saúde. DA SAÚDE

1075 17 PROGRAMA DE SAÚDE Conjunto organizado de actividades de prevenção, ESTATÍSTICAS


terapêutica ou de reabilitação, orientadas para DA SAÚDE
grupos vulneráveis ou de risco, seguindo
orientações técnicas oficiais.

1076 17 PROGRAMA DE SAÚDE Programa de saúde que tem como objectivo ESTATÍSTICAS E
MATERNO INFANTIL acompanhar o estado de saúde das mulheres INDICADORES
grávidas e no pós- parto (6 semanas depois do SOCIAIS
parto) e das crianças menores de 5 anos de idade.

1077 17 RECÉM-NASCIDO * Qualquer indivíduo até aos 28 dias de vida. ESTATÍSTICAS


DA SAÚDE

1078 17 RELAÇÃO Razão, entre o número de habitantes residentes ESTATÍSTICAS E


MÉDICO/HABITANTES numa determinada zona geográfica dividido pelo INDICADORES
número de médicos a trabalhar nessa mesma SOCIAIS
zona.

1079 17 SAÚDE REPRODUTIVA Estado de completo bem estar físico, mental e MICS
social, ausência de doença ou enfermidade, em
todos os aspectos relacionados com o sistema
reprodutivo, suas funções e processos.

1080 17 SERVIÇO DE Conjunto de serviços que prestam cuidados de ESTATÍSTICAS


INTERNAMENTO saúde a indivíduos que, após serem admitidos, DA SAÚDE
ocupam cama (ou berço de neonatologia ou
pediatria), para diagnóstico, tratamento ou
cuidados paliativos, com permanência de, pelo
menos, 24 horas.

1081 17 SERVIÇO DE URGÊNCIA * Unidade orgânica de um estabelecimento de ESTATÍSTICAS


saúde com internamento para tratamento de DA SAÚDE
situações de emergência médica, cirúrgica,
pediátrica e obstetrícia, a doentes vindos do
exterior, a qualquer hora do dia ou da noite.

1082 17 SISTEMA NACIONAL DE Conjunto de todas as instituições e serviços ESTATÍSTICAS


SAÚDE * oficiais prestadores de cuidados de saúde DA SAÚDE
dependentes do Ministério da Saúde.

1083 17 TAXA DE BAIXO PESO À Percentagem de nados-vivos com baixo peso ESTATÍSTICAS E
NASCENÇA (inferior ou igual a 2,500 gramas), em relação ao INDICADORES
número total de nados -vivos. SOCIAIS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


152
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1084 17 TAXA DE COBERTURA DE Percentagem de partos institucionais sobre os ESTRATÉGIA PARA


PARTOS INSTITUCIONAIS partos esperados num determinado período. O
FORTALECIMENTO
DAS
INTERVENÇÕES
DA PARTEIRA
TRADICIONAL

1085 17 TAXA DE COBERTURA DOS Percentagem de pessoas que fizeram parte de um ESTATÍSTICAS E
PROGRAMAS DE SAÚDE programa de saúde inserido noS serviços de saúde INDICADORES
e do total da população alvo desse programa SOCIAIS

1086 17 TAXA DE INCIDÊNCIA DE Proporção de novos casos de uma doença IDS


DOENÇA (TI) específica num determinado ano em relação á
população total a meio desse ano.

1087 17 TAXA DE LETALIDADE (TL) Proporção de pessoas que morrem por causa de IDS
uma doença num período específico de tempo, em
relação ao total daquelas que padeceram da
mesma doença no mesmo período de tempo.

1088 17 TAXA DE MAU Percentagem de crianças com anomalia nutricional ESTATÍSTICAS E


CRESCIMENTO pelo total de crianças assistidas. INDICADORES
SOCIAIS

1089 17 TAXA DE MORBILIDADE Proporção de casos de doença diagnosticados em ESTATÍSTICA DE


relação ao total da população residente, estimada SAÚDE
para o mesmo período, numa determinada área.

1090 17 TAXA DE MORTALIDADE Proporção de óbitos totais, por todas as causas, ESTATÍSTICA DE
GERAL INTRA-HOSPITALAR ocorridos num hospital, ou em determinada SAÚDE
unidade sanitária no País durante um determinado
período de tempo, em relação ao número total de
altas (altas, transferências, saídas voluntárias,
abandonos, óbitos) ocorridas na mesma área e no
mesmo período de tempo.

1091 17 TAXA DE NATI- Percentagem de nados mortos com foco positivo a ESTATÍSTICA DE
MORTALIDADE COM FOCO entrada, ou seja, o número de recém nascidos SAÚDE
POSITIVO À ENTRADA que perdem a vida, antes ou durante o parto,
(que tinham sido considerados com foco positivo
quando a gestante entrou em trabalho de parto
sobre o número total de nados mortos na Unidade
Sanitária e multiplicado por 100.

1092 17 TAXA DE OCUPAÇÃO DE Relação percentual entre o total de camas ESTATÍSTICAS E


CAMAS (TOC) ocupadas pelo número de camas existentes. INDICADORES
SOCIAIS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


153
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1093 17 TAXA DE OCUPAÇÃO NO Relação percentual entre o total de dias de ESTATÍSTICA DE


ANO NUM internamento no ano e a capacidade do SAÚDE
ESTABELECIMENTO DE estabelecimento (a capacidade é o total global de
SAÚDE * dias disponíveis ou seja a lotação praticada x 365
dias).

1094 17 TAXA DE OCUPAÇÃO NO Relação percentual entre o total de dias de ESTATÍSTICAS


ANO NUM internamento no ano e a capacidade do DA SAÚDE
ESTABELECIMENTO DE estabelecimento (a capacidade é o total global de
SAÚDE dias disponíveis ou seja a lotação praticada x 365
dias).

1095 17 TAXA DE PREVALÊNCIA DE Proporção de todos os casos de uma doença ESTATÍSTICAS E


DOENÇAS específica (novos e antigos) num determinado ano INDICADORES
em relação à população em metade do ano nesse SOCIAIS
mesmo ano.

1096 17 TOTAL DE INTERNAMENTO Total de dias utilizados por todos os doentes ESTATÍSTICAS
NUM ESTABELECIMENTO DE internados, nos diversos serviços de um DE SAÚDE
SAÚDE NUM PERÍODO estabelecimento de saúde com internamento, num
período, exceptuando os dias das altas dos
mesmos doentes nesse estabelecimento de saúde

1097 17 TRANSFUSÃO DE SANGUE * Acto de administração de sangue total ou dos ESTATÍSTICAS


seus componentes. DA SAÚDE

1098 17 UNIDADE DE CUIDADOS Conjunto integrado de meios físicos, técnicos e ESTATÍSTICAS


ESPECIAIS NEONATAIS * humanos especializados, destinados a prestar DA SAÚDE
cuidados de recém-nascidos com insuficiência de
um órgão ou sistema. Não são destinados a
recém-nascidos que requeiram ventilação
mecânica.

1099 17 UNIDADE DE CUIDADOS Conjunto integrado de meios físicos, técnicos e ESTATÍSTICAS


INTENSIVOS * humanos especializados, onde os doentes em DA SAÚDE
estado crítico, com falência de funções orgânicas
vitais, são assistidos por meio de suporte
avançado de vida, durante 24 horas por dia.

1100 17 VACINA BCG Vacina aplicada numa única dose a crianças ESTATÍSTICAS E
recém-nascidas, protegendo-as contra as formas INDICADORES
mais graves da tuberculose (TB generalizada e SOCIAIS
meningite tuberculosa) nos primeiros anos de
vida.

1101 17 VACINA ANTI-SARAMPO) Vacina aplicada numa única dose a crianças dos 9 ESTATÍSTICAS E
aos 11 meses de idade. INDICADORES
SOCIAIS

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


154
Área Estatística 17 – Saúde

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1102 17 VACINA ANTI -PÓLIO (1+3 Vacina aplicada às crianças dos 0-23 meses de ESTATÍSTICAS E
DOSES) idade, que quando administrada em doses INDICADORES
completas, confere uma protecção segura contra a SOCIAIS
poliomielite.

1103 17 VACINA DPT (3 DOSES) Vacina DTP conhecida por “tripla” por ser dirigida ESTATÍSTICAS E
contra 3 doenças: a Difteria, Tosse Convulsa ou INDICADORES
Coqueluche e Tétano, aplicada a crianças a partir SOCIAIS
2 meses de idade em 3 doses, com intervalo
mínimo de 4 semanas.

1104 17 VULNERABILIDADE DE Falta de defesas no organismo humano e MICS


SAÚDE capacidade de reagir contra adversidades
(exposição exterior aos choques, tensão e riscos
diversos).

* Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


155
Área Estatística 18 – Educação

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1105 18 ALUNO POR SALA (AS) Relação entre o número de alunos matriculados e MANUAL SOBRE O
o número de salas existentes, ou seja, o número APROVEITAMENTO
médio de alunos por sala de aula. ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1106 18 ALUNO APROVADO Aluno que tendo chegado ao fim do ano lectivo, MANUAL SOBRE O
fez as provas de avaliação ou exame e teve notas APROVEITAMENTO
que lhe permite a passagem de classe. ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1107 18 ALUNO DESISTENTE Aluno que abandona a escola antes de concluir a MANUAL SOBRE O
classe que frequenta num determinado ano APROVEITAMENTO
lectivo. ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1108 18 ALUNO GRADUADO Aquele que terminou, com sucesso, um MANUAL SOBRE O
determinado nível de ensino ou curso do Sistema APROVEITAMENTO
Nacional de Educação. ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1109 18 ALUNO INTERNO Aluno que frequenta o sistema educativo e vive no MANUAL SOBRE O
lar ou centro internato. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1110 18 ALUNO MATRICULADO Aquele que se matricula e frequenta um MANUAL SOBRE O


determinado ano de escolaridade do Sistema APROVEITAMENTO
Nacional de Educação ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1111 18 ALUNO NO FIM DO ANO Aluno registado no levantamento do 03 de Março MANUAL SOBRE O
LECTIVO que chegou ao fim do ano lectivo. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1112 18 ALUNO NO INICIO DO ANO Aluno existente no início do ano e registados no MANUAL SOBRE O
LECTIVO levantamento escolar do 03 de Março. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

* * Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


157
Área Estatística 18 – Educação

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1113 18 ALUNO ÓRFÃO Aluno que frequenta o sistema educativo que MANUAL SOBRE O
perdeu o pai, mãe ou ambos. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1114 18 ALUNO REPETENTE Aluno existente no início do ano e registado no MANUAL SOBRE O
levantamento escolar do 03 de Março e que APROVEITAMENTO
frequenta pela segunda ou mais vezes o mesmo ESCOLAR,
ano de escolaridade. LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1115 18 ANALFABETO Todo individuo que não possui habilidade de MANUAL SOBRE O
leitura e de escrita em qualquer idioma APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1116 18 COBERTURA DO SISTEMA DE Capacidade do sistema de ensino em atender a MANUAL SOBRE O


ENSINO população em idade escolar (População dos 6 a 24 APROVEITAMENTO
anos de idade) ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1117 18 CURSO DIURNO Aprendizagem que decorre durante o período de MANUAL SOBRE O
dia. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1118 18 CURSO NOCTURNO Aprendizagem que decorre durante o período da MANUAL SOBRE O
noite. APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1119 18 DENSIDADE ESCOLAR (DE) Número de população em idade escolar por MANUAL SOBRE O
unidade de superfície (quilómetro quadrado). APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

1120 18 DISTRIBUIÇÃO DE Relação entre os valores observados em cada uma MANUAL SOBRE O
FREQUÊNCIA das províncias e total nacional (100%). APROVEITAMENTO
ESCOLAR,
LEVANTAMENTO
ESCOLAR

* * Conceitos comuns aos PALOP

|Manual de Conceitos e Definições Estatísticas 2013 – Rev.1


158
Área Estatística 18 – Educação

ESTATÍSTICO

ESTATÍSTICA
OPERAÇÃO
CÓDIGO

ÁREA
DESIGNAÇÃO DEFINIÇÃO ESTATÍSTICA
/PUBLICAÇÃO

1121 18 EDUCAÇÃO Compreende as actividades de ensino público e MANUAL SOBRE O


privado