Você está na página 1de 81

INSTRUÇÕES DE PÓS-GRADUAÇÃO (IPG)

28 Abr 2016
(Fl 1 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTRUÇÕES DE PÓS-GRADUAÇÃO (IPG – 2016)

ÍNDICE DE ASSUNTOS
CAPÍTULO I – INSTRUÇÕES DE PÓS-GRADUAÇÃO
1. FINALIDADE ...................................................................................................................... 04
2. OBJETIVOS ......................................................................................................................... 04
3. REFERÊNCIAS .................................................................................................................... 04
4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ................................................... 05
5. AGENTES DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO .............................................................. 05
6. TRABALHOS DE PÓS-GRADUAÇÃO ............................................................................. 05
7. OBJETIVOS GERAIS DE PESQUISA PARA PÓS-GRADUAÇÃO ................................ 06
8. VAGAS PARA MESTRADO .............................................................................................. 07
9. PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO MESTRADO E CONDIÇÕES DE
MATRÍCULA ....................................................................................................................... 07
10. SEQUÊNCIA DOS TRABALHOS ...................................................................................... 08
11. SELEÇÃO DOS TEMAS ..................................................................................................... 08
12. PROJETOS DE PESQUISA ................................................................................................. 10
13. QUALIFICAÇÃO ................................................................................................................ 12
14. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ....... 12
15. EXAME DOS TRABALHOS .............................................................................................. 13

CAPÍTULO II - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL STRICTO SENSU, DE


MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES
1. EXECUÇÃO ......................................................................................................................... 15
2. VAGAS PARA O MESTRADO .......................................................................................... 16
3. PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO MESTRADO E CONDIÇÕES DE
MATRÍCULA .................................................................................................................................... 16
4. PROCESSO DE AVALIAÇÃO ........................................................................................... 17
5. DESLIGAMENTO DO POSTULANTE .............................................................................. 19
6. DEFESA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ............................................................... 20
7. ARTIGO CIENTÍFICO ........................................................................................................ 23
8. CONCLUSÃO DO CPG ....................................................................................................... 23
9. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO ............................................................................................ 23
10. TRANCAMENTO DE MATRÍCULA ................................................................................. 23
11. PRESCRIÇÕES DIVERSAS ................................................................................................ 24
(Fl 2 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO III - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL LATO SENSU, DE


ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS MILITARES PARA O CAO (LINHA BÉLICA)
1. EXECUÇÃO ......................................................................................................................... 25
2. CONDIÇÕES DE MATRÍCULA ......................................................................................... 26
3. AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO ................................ 26
4. CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ....................................................... 29
5. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO ............................................................................................ 29
6. PRESCRIÇÕES DIVERSAS ................................................................................................ 29

CAPÍTULO IV - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL LATO SENSU, DE


APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS MILITARES PARA O CAO/MÉDICO E CAM
1. EXECUÇÃO ......................................................................................................................... 30
2. CONDIÇÕES DE MATRÍCULA ......................................................................................... 30
3. AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO ................................ 30
4. CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ....................................................... 31
5. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO ............................................................................................ 31
6. PRESCRIÇÕES DIVERSAS ................................................................................................ 31

CAPÍTULO V – DISPOSIÇÕES GERAIS


1. OFICIAIS DAS NAÇÕES AMIGAS ................................................................................... 32
2. FRAUDE OU PLÁGIO ........................................................................................................ 32
3. ARQUIVAMENTO .............................................................................................................. 32
4. DIVULGAÇÃO E CONSULTA .......................................................................................... 33
5. ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DA BANCA, COMISSÃO OU NA DATA DE
AVALIAÇÃO........................................................................................................................ 33
6. PREMIAÇÃO ....................................................................................................................... 34
7. TRABALHOS COM CLASSIFICAÇÃO SIGILOSA ......................................................... 34
8. ATUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DAS IPG ................................................................. 36

ANEXOS
ANEXO A ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO ............................................................ 37
ANEXO B TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTADOR EXTERNO .......................... 39
ANEXO C MODELO DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAR PESQUISA DE CAMPO... 40
ANEXO D PARTES COMPONENTES DO TRABALHO A SER QUALIFICADO............... 41
ANEXO E ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO DE
PESQUISA ............................................................................................................... 43
APÊNDICE 1 CAPA DO PROJETO ................................................................ 46
APÊNDICE 2 FOLHA DE ROSTO .................................................................. 47
APÊNDICE 3 MODELO DE FICHA DE COMPROVAÇÃO DE
EXPERIÊNCIA E ADERÊNCIA À LINHA DE PESQUISA .. 48
ANEXO F MODELO DE FICHA AUXILIAR DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DO
MESTRADO ............................................................................................................ 50
ANEXO G ROTEIRO PARA DEFESA DA DM ...................................................................... 54
(Fl 3 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO H MODELO DE ATA DE DEFESA DA DM ............................................................ 56


ANEXO I MODELO DE FICHA DE AVALIAÇÃO DE TCC ............................................... 57
ANEXO J MODELO DE ATA DE AVALIAÇÃO DE TCC ................................................... 61
ANEXO K MODELO DE TERMO DE DESTRUIÇÃO ........................................................... 62
ANEXO L MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO/REPROVAÇÃO DE TCC ................ 63
ANEXO M RELAÇÃO DE TRABALHOS OSTENSIVOS APRESENTADOS ...................... 64
ANEXO N MODELO DE TERMO DE COMPROMISSO DE MANUTENÇÃO DO
SIGILO...................................................................................................................... 65
APÊNDICE 1 VERSO DO TERMO DE COMPROMISSO ............................. 66
ANEXO O RELAÇÃO DE TRABALHOS SIGILOSOS APRESENTADOS .......................... 67
ANEXO P TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE TRABALHO ACADÊMICO ...... 68
APÊNDICE 1 TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE
TESES, DISSERTAÇÕES, TRABALHOS DE CONCLUSÃO
DE CURSO E ARTIGOS CIENTÍFICOS ELETRÔNICOS
NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TRABALHOS
CIENTÍFICOS ............................................................................ 69
ANEXO Q MODELO DE CURRICULUM VITAE 71
ANEXO R ÁREA DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA ................................. 72
ANEXO S FICHA REGISTRO PARA ORIENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO .... 73
ANEXO T MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO/REPROVAÇÃO DE
DISSERTAÇÃO ...................................................................................................... 74
ANEXO U FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA ................................... 75
APÊNDICE 1 FICHA DE AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE
PESQUISA ................................................................................. 79
(Fl 4 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO I

INSTRUÇÕES DE PÓS-GRADUAÇÃO/2016

1. FINALIDADE
Complementar o Regimento Interno de Pós-Graduação (RIPG), orientando e estabelecendo os
procedimentos inerentes às diversas etapas que envolvem os Cursos de Pós-Graduação (CPG) no
âmbito da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO).

2. OBJETIVOS
a. Definir as atribuições e as responsabilidades dos corpos docente e discente, bem como das
Divisões e Seções da EsAO envolvidas com as atividades de pós-graduação.
b. Estabelecer as normas e os parâmetros para a elaboração e a avaliação dos Trabalhos de Pós-
Graduação (TPG).
c. Apresentar um conjunto mínimo de exigências necessárias à uniformidade da apresentação dos
TPG.

3. REFERÊNCIAS
a. Lei Nr 9.786, de 08 Fev 99 – Lei do Ensino no Exército (LEE).
b. Decreto Nr 3.182, de 23 Set 99 – Regulamento da Lei do Ensino no Exército (RLEE).
c. Portaria Nr 003/EME, de 03 Jan 00.
d. Portaria Nr 41/DECEx, de 30 Abr 12.
e. Portaria Nr 42/DECEx, de 30 Abr 12.
f. Portaria Nr 43/DECEx, de 30 Abr 12.
g. Portaria Nr 064/DEP, de 29 Jun 04.
h. Regulamento da EsAO (R-75).
i. Regimento Interno da EsAO (RI-75).
j. Regimento Interno de Pós-Graduação (RIPG).
k. Plano Anual dos Cursos de Pós-Graduação (PACPG).
l. Portaria Nº 734/ Cmt EB, de 19 Ago 10 – Conceitua Ciências Militares, estabelece sua finalidade
e delimita a sua finalidade e escopo de seu estudo.
m. Portaria nº 181-DECEX, de 30 de outubro de 2015. Instruções Reguladoras para a Inscrição, a
Seleção e a Matrícula na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares da Escola de
Aperfeiçoamento de Oficiais. (IRISM/PGMP/EsAO - EB60-IR-12.003).
n. Portaria nº 21-DECEX, de 11 de fevereiro de 2016. Instruções Reguladoras para a Organização,
o Funcionamento e a Matrícula nos Cursos de Aperfeiçoamento de Oficiais Médicos (EB60-IR-
12.002), 2ª Edição, 2016.
o. Plano de Desenvolvimento da Doutrina Militar Terrestre 2016/2017. 1ª Edição. 2015.
(Fl 5 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4. ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Os Cursos de Pós-Graduação (CPG) estão organizados de forma a atender a legislação em vigor e,


no ano de 2016, são oferecidos aos seguintes segmentos, conforme o Art. 22 do RIPG:

a. aos Discentes do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) da linha Bélica:


- CPG, no nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Gestão
Operacional;
- CPG, no nível stricto sensu, de Mestrado Profissional em Ciências Militares, com ênfase em
Gestão Operacional.
b. aos Discentes do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais Médicos (CAO/Médico) e do Curso de
Aperfeiçoamento Militar (CAM):
- CPG, no nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares, com ênfase na área do
Quadro ou Serviço do Oficial. No ano de 2016, o desenvolvimento e correção dos Trabalhos de
Conclusão de Curso será a cargo dos Estabelecimentos de Ensino de origem dos militares.
c. Aos oficiais aprovados nas IRISM/PGMP/EsAO:
- CPG, no nível stricto sensu, de Mestrado Profissional em Ciências Militares, com ênfase em
Gestão Operacional.

5. AGENTES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Os cursos são conduzidos por agentes de pós-graduação, militares da ativa ou da reserva, e civis
(excepcionalmente) com notório saber em Ciências Militares, credenciados e designados pelo Dir Ens
da Escola. Tais agentes devem desempenhar suas funções conforme o previsto no RIPG e preconizado
nestas IPG, de acordo com o Plano Anual dos Cursos de Pós-graduação (PACPG).

6. TRABALHOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (TPG)

a. A EsAO adota como sinônimos o termo “Monografia” e as expressões “Trabalhos


Monográficos” e “Trabalhos Acadêmicos”.
b. Os alunos dos diversos Cursos da EsAO poderão desenvolver diversos tipos de TPG, definidos
no RIPG e de acordo com o nível do curso em questão, como por exemplo: Dissertação de Mestrado
(DM), Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Artigo Científico (AC) e Síntese.

1) Dissertação de Mestrado (DM)


A DM é o veículo de difusão da produção científica, no nível stricto sensu, que busca contribuir
para a qualificação dos recursos humanos no exercício de atividades ligadas ao Sistema de Ensino
Militar e para ampliar o cabedal de conhecimentos no âmbito das Ciências Militares, particularmente
dos assuntos investigados pelas Linhas de Pesquisa afetas às Ciências Militares, devendo apresentar
algo de novo sobre o tema abordado.
Busca reunir informações que permitam comprovar ou refutar as hipóteses ou responder às
questões que envolvem uma determinada problemática no âmbito das Ciências Militares, baseado na
revisão de literatura, na análise estatística dos dados e nas próprias convicções do discente acerca dos
assuntos investigados pelas Linhas de Pesquisa afetas às Ciências Militares. É o relatório final da
pesquisa científica realizada durante o CPG, nível stricto sensu, de Mestrado Profissional em Ciências
Militares.
Além da dissertação, os alunos matriculados no Curso de Pós-Graduação, nível stricto sensu,
deste EE poderão apresentar as seguintes formas de produção científica: análise de casos, performance,
produção técnica ou operacional, desenvolvimento de instrumentos, equipamentos, protótipos, projetos
(Fl 6 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

técnicos, manuais profissionais ou tecnologia para aplicação no campo profissional, comprovando


produção intelectual pertinente ao emprego da Força Terrestre, de acordo com a natureza da área de
estudo e perfil do concludente do curso.

2) Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)


O TCC é um veículo de difusão da produção científica no nível lato sensu. O trabalho deverá se
constituir em aprofundamento dos estudos realizados ao longo da carreira e aprimorados durante um
dos Cursos da EsAO, evidenciando pesquisa científica, podendo ser concluído sem necessariamente
apresentar algo novo sobre o tema abordado.
Busca reunir informações que permitam confirmar, ou não as hipóteses de estudo (HE) ou
responder às questões de estudo que envolvem uma determinada problemática no âmbito das Ciências
Militares, baseado na literatura revisada e nas próprias convicções do discente acerca dos assuntos
investigados pelas Linhas de Pesquisa afetas às Ciências Militares.
Os Oficiais de Nações Amigas (ONA) matriculados no CAO deverão elaborar um TCC
abordando aspectos sobre a história dos seus países ou sobre as suas Forças Armadas.
O TCC é o relatório final da pesquisa científica realizada durante o CPG, nível lato sensu, de
Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Gestão Operacional ou com ênfase na área do
Quadro do Oficial, sendo um dos requisitos obrigatórios para a aprovação do discente,
respectivamente, no CAO ou no CAM.

3) Artigo Científico
O AC é um meio rápido e sucinto de divulgar e tornar conhecida uma problemática investigada,
por meio de sua publicação em anais da produção científica escolar e/ou periódicos especializados,
sendo um dos requisitos para a aprovação do discente no CPG, nível stricto sensu, de Mestrado
Profissional em Ciências Militares.
A Revista Giro do Horizonte é o meio de divulgação científica, coordenado pela EsAO e
receberá prioridade para a publicação dos AC produzidos nos cursos de Pós-graduação da EsAO. Para
publicação em periódicos diferentes da Revista Giro do Horizonte é necessária a solicitação, por
escrito, por parte do autor que tenha cedido os direitos de publicação à EsAO.

4) Síntese
A síntese da pesquisa trata-se de um resumo do trabalho sob formatação didática e de acordo
com as normas de divulgação doutrinária do Exército Brasileiro. Elaborada com a finalidade de
facilitar o aproveitamento dos trabalhos pelo Sistema de Doutrina do EB, a síntese poderá subsidiar a
revisão de capítulos de manuais, bem como compor, juntamente com outras sínteses, um compêndio
escolar a respeito de uma temática específica.

c. Os Oficiais de Nações Amigas (ONA), matriculados no CAO, só podem realizar TPG do tipo
TCC.

7. OBJETIVOS GERAIS DE PESQUISA PARA PÓS-GRADUAÇÃO

a. Em data regulada pelo PACPG, será confeccionada uma Lista de Assuntos para Trabalhos
Acadêmicos (LATA), contendo os temas de interesse descritos a seguir:
1) Temas Interdisciplinares Prioritários (definido pela Seção de Coordenação Doutrinária -
SECOD): abrange assuntos de todas as funções de combate e envolve especialistas de todos os Cursos;
2) Temas de Interesse dos Cursos (definido por cada Curso): abrange assuntos de interesse do
Curso e que podem ser investigados apenas por discentes deste Curso.
(Fl 7 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

Para a definição dos Temas, a SECOD e os Cursos deverão atentar para o que se segue:
1) cumprir, segundo o PACPG, as determinações e os prazos para a coleta de subsídios;
2) na escolha dos temas, os Coordenadores das Linhas de Pesquisa devem observar a(s):
a) diretrizes específicas do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);
b) temas de interesse do Exército, formulados pelo Órgão de Direção Geral (EME) e Órgãos
de Direção Setorial (ODS);
c) temas de interesse da EsAO, conforme diretrizes da Direção de Ensino (Dir Ens) da Escola;
d) atualização dos assuntos e temas dos anos anteriores.

b. A Seção de Pós-Graduação (SPG) deverá consolidar os assuntos definidos pela SECOD e Cursos
e, por meio de uma Lista de Assuntos para Trabalhos Acadêmicos (LATA) e divulgar aos alunos pelos
canais de comunicação disponíveis, a priori, o Portal de Educação do Exército.

8. VAGAS PARA MESTRADO


a. Para o ano de 2016, a EsAO disponibilizará as vagas a seguir discriminadas para o Curso de
Pós-graduação stricto sensu:

Curso
CAO 1º ANO CAO 2º ANO IRISM 2012-2015
Linha de Pesquisa

20 9
Doutrina Militar Terrestre 0
(2 para Médicos) (1 para Médicos)

Educação e Cultura Militar 3 0 1

5 3
Administração Militar 0
(1 para Médicos) (1 para Médicos)

TOTAL 28 0 13

b. Ao longo do ano de 2016, 12 (doze) dissertações encontram-se em elaboração por postulantes


aprovados no Processo Seletivo regulado pela IRISM para concludentes da EsAO 2011-14.

9. PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO MESTRADO E CONDIÇÕES DE


MATRÍCULA

a. O Processo Seletivo de Admissão ao Mestrado Profissional em Ciências Militares será


coordenado anualmente pela SPG, de acordo com o PACPG.

b. Para concorrer a uma vaga no Mestrado Profissional em Ciências Militares, o postulante não
concludente do CAO/EsAO deverá satisfazer as seguintes condições:

1) estar aprovado no CAO 1º Ano;


2) estar matriculado no CAO 2º Ano.
3) estar habilitado em, pelo menos, um idioma estrangeiro, nível -.-.2.1, na data da matrícula no
curso, nível stricto sensu, de Mestrado Profissional, de acordo com o PACPG;
4) ter o seu T2M classificado pela Comissão de Seleção dos Projetos de Dissertação (CSPD),
(Fl 8 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

mediante a análise dos itens experiência e aderência ao Projeto, dentro das vagas disponíveis à sua Linha
de Pesquisa.

c. Para concorrer a uma vaga no Mestrado Profissional em Ciências Militares, o postulante já


concludente do CAO/EsAO deverá satisfazer as seguintes condições:

1) pertencer ao universo dos capitães do Exército Brasileiro da ativa, das Armas, do


Quadro de Material Bélico e do Serviço de Intendência, que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento
de Oficiais (CAO) e os Médicos que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento Militar para
Médicos da EsAO, nível lato sensu, há no máximo, 4 (quatro) anos;
2) ter concluído o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) ou o Curso de
Aperfeiçoamento Militar para Médicos (CAM/Med), da EsAO, com menção Bem (B), Muito Bem
(MB) ou Excelente (E) e não ter sido reprovado em Banca Examinadora de Dissertação de Mestrado
da EsAO, realizada a partir de 30 de abril de 2012.
3) não estar na situação de sub judice; e
4) não estar designado para realizar curso presencial ou para missão no exterior, ambos com
duração igual ou superior a 6 (seis) meses.

10. SEQUÊNCIA DOS TRABALHOS

Os Trabalhos são pré-requisitos para a execução das monografias (TCC ou DM), devendo ser
elaborados da seguinte forma:
a. Curso de Pós-graduação stricto sensu do 1º ano do CAO e CAO/Med:

1) Trabalho Nr 1: Seleção do Tema


2) Trabalho Nr 2: Projeto de Pesquisa
3) Trabalho Nr 3: Qualificação
4) Trabalho Nr 4: Defesa da DM
5) Trabalho Nr 5: Ajustes da DM e Elaboração de Artigo Científico e Síntese

b. Curso de Pós-graduação lato sensu do CAO, CAO/Med e CAM:

1) Trabalho Nr 1: Seleção do Tema


2) Trabalho Nr 2: Projeto de Pesquisa
3) Trabalho Nr 3: Apresentação do TCC
4) Trabalho Nr 4: Ajustes do TCC e Elaboração de Artigo Científico e Síntese

c. Curso de Mestrado para concludentes do CAO - IRISM/PGMP/EsAO

1) Trabalho Nr 1: Projeto de Pesquisa


2) Trabalho Nr 2: Qualificação
3) Trabalho Nr 3: Defesa da DM
4) Trabalho Nr 4: Ajustes da DM e Elaboração de Artigo Científico e Síntese

11. SELEÇÃO DOS TEMAS

Os oficiais que já concluíram o CAO e desejarem realizar o Curso de Mestrado Profissional


regulado pela IRISM não realizarão a etapa de seleção de temas. Esses postulantes deverão
encaminhar seus Projetos de Pesquisa com apenas 1 (um) tema definido. Para os alunos do CAO 1º
(Fl 9 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

Ano, a EsAO realizará a etapa de escolha dos temas, que se subdivide em 3 fases:

a. Divulgação da Lista de Assuntos para Trabalhos Acadêmicos (LATA)

A LATA será confeccionada por meio da compilação de assuntos constantes dos Temas
Interdisciplinares Prioritários (TIP), elaborado pela SECOD, e dos Temas de Interesse dos Cursos
(TIC). Cada assunto possuirá um código correspondente para facilitar a coordenação.

b. Escolha de Temas pelos Alunos

1) Voluntários ao Mestrado
Em data prevista pelo PACPG e divulgada no Portal de Educação, os alunos deverão
preencher e encaminhar o Trabalho Nr 1 (T1M) de acordo com modelo e orientações constantes no
Portal de Educação. Será autorizado ao aluno propor 2 (dois) temas, constantes ou não da LATA, além
do preenchimento da justificativa para relevância, bem como a descrição da experiência profissional
ligada ao tema.

2) Não voluntários ao Mestrado e Alunos desligados do Processo Seletivo ao Mestrado


Após a divulgação dos alunos aceitos no Processo Seletivo ao Mestrado (resultado do
T2M), e em data prevista pelo PACPG e divulgada no Portal de Ensino (EBAula), os alunos deverão
preencher e encaminhar o Trabalho Nr 1 (T1) de acordo com modelo e orientações constantes no
Portal de Ensino.
Os alunos deverão preencher 10 (dez) assuntos de interesse para o desenvolvimento do
TCC, constantes da LATA, em ordem de prioridade, sendo 5 (cinco) para assuntos do TIP e outros 5
(cinco) para o TIC.
Dentre os assuntos constantes da LATA referente ao TIP existem alguns específicos para
determinado Curso e outros “livres” para alunos de qualquer Curso. Os alunos somente poderão
escolher, entre as suas prioridades, assuntos específicos de seu Curso ou “livres” do TIP e assuntos do
TIC referente ao seu Curso.
Caso seja de interesse, o aluno poderá sugerir um tema não constante da LATA,
descrevendo a justificativa para a relevância, bem como sua experiência ligada ao tema.

c. Seleção de Temas pela EsAO

1) Voluntários ao Mestrado
Os temas propostos pelos alunos serão avaliados por uma Comissão de Avaliação (C Avl),
utilizando-se avaliações qualitativas quanto à relevância do tema e interesse para o desenvolvimento
da Doutrina Militar Terrestre.
Caso nenhum dos temas propostos sejam aceitos pela C Avl, o aluno terá seu Trabalho Nr
1 não aceito para o prosseguimento no Processo Seletivo e, automaticamente, será inscrito no CPG
lato sensu, devendo seguir os prazos e critérios previstos, inclusive no novo processo de seleção do
tema.
2) Não voluntários ao Mestrado e Alunos desligados do Processo Seletivo ao Mestrado
Inicialmente, os Cursos devem avaliar as sugestões de temas, levando em consideração a
relevância do tema e a experiência profissional do aluno, destacando (dentro do limite de 20%) os
alunos que realizarão pesquisas a respeito de temas avulsos (não constantes da LATA).
Os demais alunos serão distribuídos de maneira a comporem as Temáticas de Interesse da
SECOD ou do Curso (TIP/TIC). Excepcionalmente poderá ser distribuído mais de 1 aluno para o
mesmo assunto, desde que o Curso entenda que aquela delimitação exige uma investigação mais
aprofundada e por mais de uma metodologia.
(Fl 10 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

d. Prescrições diversas quanto à seleção dos temas:

1) Os prazos para a confecção e envio dos trabalhos serão fixados anualmente no PACPG.
2) A escolha de um tema inadequado pode dificultar o desenvolvimento da pesquisa científica,
concorrendo para a reprovação do militar no CPG. Para evitar este problema, a priorização dos temas
deve ser precedida de atento exame da relação de assuntos de interesse, sob os seguintes aspectos:
a) ser de interesse do Exército;
b) estar enquadrado na Área de Concentração Defesa Nacional;
c) permitir que o delineamento da pesquisa abranja os tipos de pesquisa apresentados no
Manual de Metodologia da Pesquisa Científica (MMPC) da EsAO;
d) resultar na coleta de subsídios sobre assuntos técnico-profissionais e de cultura geral;
e) aproveitar a experiência profissional e a bagagem intelectual do postulante (condição
obrigatória para o curso de mestrado);
f) estimular o desenvolvimento do sentido crítico, do espírito de análise, do poder de síntese e
da criatividade do postulante;
g) disponibilidade de fontes de consulta e viabilidade da pesquisa;
h) possíveis enfoques para cada assunto;
i) Possibilidade de orientação de Oficial possuidor do CAO em sua Guarnição, em condições
de exercer a função de orientador do trabalho acadêmico.
3) O aluno do CAO, caso seja de seu interesse, poderá sugerir um tema (stricto ou lato sensu),
seguindo as orientações previstas para o Trabalho Nr 1. Cabe ressaltar que o tema sugerido será
avaliado quanto à sua relevância e interesse, bem como o nível de aderência da experiência
profissional do aluno com a temática proposta.
4) Durante o desenvolvimento da pesquisa científica, o postulante pode modificar seu tema, de
modo que este expresse a sua essência, sem fugir do assunto aprovado pela EsAO. Caso seja
necessário mudar o tema, o postulante deverá entrar em contato com o seu orientador/co-orientador,
justificando os motivos pelos quais deseja realizar a alteração.
5) Nos casos em que a EsAO não possua oficial com conhecimento sobre o tema, poderá ser
designado pela Escola ou pelo discente, um oficial orientador externo, com mestrado ou doutorado,
ou que seja especialista no assunto, na mesma linha de pesquisa. O Curriculum Vitae do orientador
proposto será submetido à análise pelo Conselho de Ensino e à aprovação e credenciamento pelo Dir
Ens. As eventuais despesas decorrentes da escolha do orientador externo à EsAO ficarão a cargo do
discente.
A designação do orientador externo será mediante preenchimento e envio impresso do Termo
de Compromisso de Orientador Externo (Anexo “B”), à EsAO/SPG.
6) A EsAO poderá indicar ao postulante um tema que não conste na LATA, caso seja de
interesse para uma linha de pesquisa, no entanto, o postulante ao Mestrado só poderá receber este
encargo no caso em que possuir notório conhecimento a respeito do tema sugerido pela Escola.

12. PROJETOS DE PESQUISA


a. Pós-graduação stricto sensu (Projeto de Dissertação):
1) Como citado no item anterior, os oficiais já concludentes do Curso de Aperfeiçoamento de
Oficiais dos últimos 4 (quatro) anos não necessitam realizar a etapa de seleção do tema, devendo
iniciar o Processo Seletivo a partir do envio do Projeto de Pesquisa.
2) No caso dos alunos do CAO, após a definição e aceitação de um tema proposto, o aluno
desenvolverá o Projeto de Pesquisa (Trabalho Nr 2 – T2M), conforme modelo em anexo. Cabe
ressaltar que a SPG não conduzirá qualquer orientação ou mesmo retirada de dúvidas com os
postulantes a respeito da elaboração do referido Projeto. Essa medida visa manter a imparcialidade e
lisura do Processo de Seleção, evitando a identificação do autor do T2M. Considera-se, portanto, que
ao longo da formação acadêmica, bem como durante a disciplina Metodologia da Pesquisa Científica,
(Fl 11 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

os alunos tiveram carga horária suficiente para capacitação na elaboração de Projetos de Pesquisa.
3) O postulante confeccionará e encaminhará à EsAO o seu Projeto de Dissertação, conforme
orientação contida no anexo “E” e seus Apêndices, sem a orientação dos instrutores da EsAO.
4) A EsAO nomeará Comissões de Avaliação e Seleção que avaliarão os projetos conforme a
Ficha de Avaliação de Projetos de Pesquisa e a Ficha de Experiência e Aderência do militar (em
anexo).
5) O projeto será aceito se obtiver menção “E”, “MB”, ou “B” e classificado quando a sua nota
e a análise dos itens: interesse para o Exército, Experiência e Aderência estiverem enquadrados no
número de vagas distribuídas em sua Linha de Pesquisa.
6) As vagas das Linhas de Pesquisa do CAO, exceto CAO/Med, que não forem preenchidas
poderão ser remanejadas na seguinte ordem de prioridade: Doutrina Militar Terrestre, Educação e
Cultura e Administração Militar.
7) A SPG informará o resultado das avaliações dos projetos, publicando em Boletim de Acesso
Restrito (BAR) e na página da internet da EsAO a relação dos postulantes que tiveram os seus T2M
aceitos e classificados para fins de matrícula no CPG nível stricto sensu. Os postulantes alunos CAO
que não obtiverem aprovação serão matriculados no CPG nível lato sensu e deverão seguir os prazos e
exigências previstos, incluindo o processo de seleção do tema e envio de um novo Projeto de Pesquisa.
8) A matrícula no CPG stricto sensu somente ocorrerá caso o postulante apresente, até a data de
matrícula, habilitação em qualquer idioma estrangeiro no nível “- - 2 1”, ou seja habilitação nível “2”
em compreensão leitora e nível “1” em expressão escrita. Essa habilitação deverá constar de
documento oficial do Exército Brasileiro, preferencialmente do cadastro do Departamento Geral de
Pessoal.
9) Ao ser matriculado no CPG stricto sensu, o postulante deverá preparar o seu trabalho para
fins de qualificação, juntamente com o seu orientador/coorientador, e entregá-lo ao relator do seu curso
(para oficiais-alunos do CAO) ou encaminhá-lo via serviço postal à SPG (oficiais já concludentes do
CAO), na data estipulada no Plano Anual dos Cursos de Pós-graduação (PACPG).

b. Pós-graduação lato sensu (Projeto de Pesquisa):


1) Após a definição dos temas, os alunos dos cursos de pós-graduação lato sensu devem
elaborar e encaminhar, ao Curso responsável, um Projeto de Pesquisa, em data especificada no
PACPG.
2) Os alunos devem utilizar o mesmo modelo disponível para a elaboração do projeto de
dissertação.

c. Quadro de Exigências dos Projetos de Pesquisa:

Dissertação TCC
Exigências
(stricto sensu) (lato sensu)
Mínimo de páginas (excluindo-se a capa e a folha de rosto) - 5
Máximo de páginas (excluindo-se a capa e a folha de rosto) 16 16
Mínimo de referências (fontes de consulta) nacionais 10 6
Mínimo de referências (fontes de consulta) estrangeiras 3 2
Os alunos devem buscar utilizar fontes de consulta de instituições civis ou militares
reconhecidamente referências na temática investigada. Sugere-se a inclusão de um Quadro de
Especialistas, contendo uma descrição sucinta sobre o currículo inerente ao assunto e, se possível,
dados levantados a partir de uma entrevista. Para as temáticas diretamente relacionadas com operações
recentes sugere-se a utilização de “Lições Aprendidas” e/ou “Melhores Práticas” relacionadas a
operações similares.
(Fl 12 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

13. QUALIFICAÇÃO
a. A Qualificação é uma avaliação das seções iniciais da DM realizada por uma Banca
Examinadora de Qualificação de Dissertação, em data prevista no PACPG, com a finalidade de definir
os trabalhos que possuem condições técnicas e metodológicas, bem como, conteúdo para prosseguir na
dissertação. Essas seções iniciais poderão ser modificadas e atualizadas posteriormente, conforme
observações da Banca Examinadora e do orientador/co-orientador.
b. As Bancas Examinadoras de Qualificação de Mestrado serão definidas pela SPG, de modo que
o Presidente seja um Oficial com o título de Doutor. Os demais membros poderão ser doutores ou
mestres e um, obrigatoriamente, integrante do corpo permanente da Escola. Os membros da Banca
avaliarão os trabalhos de acordo com o Anexo “F”.
c. O trabalho estará qualificado se obtiver, da maioria dos avaliadores, menção “E”, “MB”, ou
“B”.
d. O Anexo “D” (Partes Componentes do Projeto de Dissertação, do Trabalho a ser Qualificado e
da Dissertação) apresenta os itens obrigatórios a serem apresentados, pelos postulantes, nas seções que
serão avaliadas.
e. Durante o processo de qualificação, a Banca poderá realizar as entrevistas que forem
necessárias com os postulantes e encaminhará à SPG o resultado da Qualificação, para divulgação em
Boletim de Acesso Restrito.
f. O postulante que tiver o seu trabalho qualificado continuará a sua pesquisa, tendo por meta
apresentar a DM pronta, em data estipulada no PACPG.
g. Os postulantes que tiverem seus trabalhos desqualificados não têm direito a recurso e, no caso
dos alunos do CAO, serão matriculados no CPG nível lato sensu, sem a necessidade de alterar seu
tema.
h. Os alunos que realizam o CPG nível lato sensu somente realizarão a etapa de Qualificação a
critério do Curso.

14. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

a. Na data prevista no PACPG, o postulante ao Mestrado, remeterá sua dissertação pronta à SPG
(no caso dos alunos do CAO, por intermédio do relator de seu Curso), com a seguinte apresentação
gráfica:

1) A apresentação gráfica do trabalho deverá basear-se nos modelos apresentados no decorrer


dos CPG e no Manual de Apresentação de Trabalhos Acadêmicos e Dissertações (MATAD) - Edição
2014 (ou mais recente, no caso de atualização disponibilizada pela EsAO). Caso exista alguma
divergência entre os modelos e o MATAD, devido à atualização das Normas da Associação Brasileira
de Normas Técnicas (ABNT), deverão ser seguidos os parâmetros definidos nos modelos e nas
instruções ministradas.

2) Impressão

O trabalho deverá ser impresso em um só lado do papel (A4, 21 x 29,7 cm, na posição vertical) e
dentro dos limites definidos pelas margens (superior = 3 cm; esquerda = 3 cm; direita = 2 cm; inferior
= 2 cm), exceto o verso da Folha de Rosto, que acondicionará a Ficha Catalográfica. Deve ser utilizada
a fonte “Arial”, com tamanho 12 e espaçamento 1,5 (um e meio) sem espaço antes e depois de
parágrafo. A cor do papel deverá ser branca. Admitem-se outras cores somente quando um documento,
prancha ou outros, em original de cor diferente da branca, for anexado ao trabalho. Gráficos, tabelas,
fotografias, diagramas e outros devem ser preparados observando-se as margens padronizadas no
MATAD, sendo a folha colocada, de preferência, na posição vertical. A descrição e a fonte da
ilustração deverão ser sempre apresentadas.
(Fl 13 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

3) Extensão do Trabalho
O postulante deve utilizar o número de folhas necessárias para transmitir o conhecimento
desenvolvido, em coerência com o tipo de trabalho em curso, devendo observar os seguintes
parâmetros (excluídos os elementos pré e pós-textuais obrigatórios):
Dissertação – preferencialmente, de 80 a 100 fl.; e
TCC - de 30 a 50 fl.
4) Vias do Trabalho
a) TCC (lato sensu)
- 2 (duas) vias impressas e encadernadas e 1 (uma) via digital em formatos editáveis
(.docx e .odt)
b) DM (stricto sensu):
- 3 (três) vias impressas e encadernadas e 1 (uma) via digital em formatos editáveis
(.docx e .odt)

15. EXAME DOS TRABALHOS


a. A avaliação dos TCC será a cargo dos Cursos e deve ser realizada por, no mínimo, 2 oficiais
instrutores, sendo um deles o orientador. Ao final da avaliação, os trabalhos serão classificados pelas
menções: “E” – Excelente / “MB” – Muito bem / “B” – Bem / “R” – Regular / “I” – Insuficiente.
b. As Bancas Examinadoras de Dissertação serão definidas pela SPG, de modo que o Presidente
seja um Oficial Doutor e os demais membros com o curso de doutorado ou mestrado e um,
obrigatoriamente, integrante do corpo permanente da Escola. Os membros da Banca avaliarão os
trabalhos de acordo com o Anexo “F” (Ficha de Avaliação de Trabalho Monográfico).
c. Após o preenchimento da Ficha de Avaliação de Trabalho Monográfico, os componentes da
Banca Examinadora avaliarão a defesa da DM do postulante e emitirão seus pareceres da seguinte
forma:
1) Aprovado com louvor, na apresentação da Dissertação, menção E;
2) Aprovado na apresentação da Dissertação, menção “MB” ou “B”;
3) Aprovado, com restrições da BE, na apresentação da Dissertação, menção “MB” ou “B”.
4) Reprovado na apresentação da Dissertação, menção “R” ou “I”.
d. Logo após a defesa, o Presidente da BE deverá entregar a Ata da Avaliação ao Chefe da SPG e
o oficial orientador, ou co-orientador, deverá proceder da seguinte forma:
1) no caso de aprovação prevista nas letras a) e b) do nº 3 acima, deverá entregar a Folha de
Aprovação ao postulante, para o atendimento das demais exigências da Escola, conforme o PACPG;
2) no caso de aprovação prevista na letra c) do nº 3, além de entregar a Folha de Aprovação ao
postulante, lhe concederá um prazo de 20 (vinte) dias para realizar as correções no trabalho, sugeridas
pela BE, com a finalidade de atender às restrições da BE, que deverão constar na Ficha de Exigências
da Banca Examinadora e da Escola, para Aprovação de Dissertação. Caso o Postulante não atenda às
exigências da BE, o Presidente da Banca Examinadora publicará em boletim que o seu trabalho será
considerado como TCC (lato sensu).
e. Quando ocorrer o previsto na letra d) do nº 3) acima, o orientador, ou co-orientador, entregará
ao postulante, mediante recibo, uma cópia da folha de reprovação no curso de Mestrado, conforme
modelo constante do anexo “T”, comunicando-lhe a sua reprovação; o seu conceito; a sua matrícula no
CPG nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Gestão Operacional
(no caso de aluno do CAO); e a concessão do prazo de 15 (quinze) dias para a conclusão do seu TCC
(no caso de aluno do CAO), conforme as exigências estabelecidas pela Banca Examinadora.
f. A SPG informará a reprovação do postulante ao seu Curso (no caso de aluno do CAO), para que
(Fl 14 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

sejam adotados os procedimentos previstos no nº “3”. Após o prazo concedido ao aluno, o seu trabalho
será julgado por uma Comissão de Avaliação. O aluno aprovado fará jus ao certificado de
Especialização em Ciências Militares.
No caso de reprovação (TCC reprovado - Menção “I”), o oficial orientador entregará uma cópia
da Folha de Reprovação de TCC (Anexo “L”) ao postulante, mediante recibo na 2ª via da Ficha, e
arquivará a Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso na SPG.
g. O postulante ao curso de Mestrado enquadrado na alínea acima, que não concordar com o
parecer da Banca Examinadora poderá entrar com recurso em relação ao resultado do seu trabalho
científico. Neste caso, encaminhará uma exposição de motivos, no prazo de 03 (três) dias úteis, ao
Comandante da EsAO, defendendo a sua posição em relação aos itens em desacordo com a avaliação
da BE.
h. O Comandante da EsAO determinará ao Presidente do Colegiado do Curso de Pós-graduação
que nomeie um oficial da SPG para emitir um parecer acerca dos argumentos do postulante. Em
seguida, o Colegiado do Curso de Pós-graduação reunir-se-á e apresentará o seu parecer ao
Comandante da EsAO, que dará a sua decisão, a qual será publicada em Boletim de Acesso Restrito,
juntamente com a Ata da Reunião do Colegiado do Curso de Pós-graduação, não cabendo recurso a
essa decisão.
i. Se o Comandante da EsAO, em sua decisão, confirmar o parecer da BE no sentido do postulante
apresentar um TCC (no caso de aluno do CAO), o postulante entregará seu trabalho em prazo útil, de
modo a permitir que a Seção Técnica de Ensino possa elaborar o seu grau e conceito final.
j. Se o postulante enquadrado na alínea i. acima tiver o seu TCC reprovado pela Comissão de
Avaliação, poderá apresentar recurso nas mesmas condições prescritas na alínea g., de modo que seja
emitida a decisão final pelo Comandante da EsAO. Se a decisão final der a confirmação do parecer da
Comissão, o postulante será reprovado no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, ficando sujeito às
decorrências previstas no Regimento Escolar (R-75).
(Fl 15 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO II

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL STRICTO SENSU, DE

MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES

1. EXECUÇÃO
a. Generalidades
Os cursos de PG stricto sensu são direcionados para formar profissionais de alta qualificação, com
amplo domínio de um campo do conhecimento, capazes de desenvolver pesquisas científicas e,
valendo-se de consciência crítica e de atividade criadora, para gerar conhecimentos filosófico,
científico, doutrinário e tecnológico, com caráter científico.
Os cursos de PG do Sistema de Ensino Superior Militar do Departamento de Educação e Cultura
do Exército (SESM/DECEx) devem, ainda, preparar profissionais para o desempenho de cargos e
funções que exigem grande empenho em análises, avaliações e estudos para emissão de pareceres e
propostas em assuntos de relevância e nas esferas decisórias do EB.
b. Mestrado
De acordo com as Instruções Reguladoras do Sistema de Educação Superior Militar no Exército:
Organização e Execução (EB 60-IR57 002), em seu Art 25, a EsAO poderá desenvolver mestrados
acadêmico ou profissional, ambos com ênfase em gestão operacional, de acordo com os tipos de
trabalhos de conclusão de curso apresentados. Contudo, visando atender à Área de Concentração e as
Linhas de Pesquisas adotadas, a Escola desencadeará apenas o mestrado profissional.
c. Mestrado Profissional
O Mestrado Profissional é conduzido sem cunho investigativo e direcionado para a aplicação do
conhecimento limitada à área formada, desde que sejam observadas as seguintes premissas:
1) viabilize a associação entre a utilização da metodologia científica e o exercício de atividade
técnico-profissional bem definida;
2) promova a interação entre o ensino, a pesquisa, o desenvolvimento técnico-tecnológico e a
inovação como elementos multiplicadores do conhecimento profissional;
3) associe a teoria com a aplicação ou conhecimento fundamental com a prática técnico-
profissional;
4) o discente apresente dissertação, análise de casos, performance, produção técnica ou
operacional, desenvolvimento de instrumentos, equipamentos, protótipos, projeto técnico, manual
profissional ou tecnologia para aplicação no campo profissional, comprovando produção intelectual
pertinente ao emprego da Força Terrestre, de acordo com a natureza da área de estudo e perfil do
concludente do curso.
d. Etapas do Curso de Pós-graduação
Será exigido do postulante ao Mestrado Profissional o cumprimento das seguintes etapas básicas
para a obtenção do grau de Mestre em Ciências Militares:

Período Etapas Básicas


Proposta de Tema do Mestrado - (T1M).
CAO Realização das disciplinas comuns.
1o Ano Realização das disciplinas peculiares.
Realização das disciplinas de formação científica (Metodologia da Pesquisa Científica ,
(Fl 16 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

Orientação I, Prática de Pesquisa I).


Apresentação do Projeto de Pesquisa para o Mestrado (T2M), após aprovação do T1M.
Aprovação no Processo seletivo de Admissão ao Mestrado.
Realização da pesquisa de acordo com o T2M aprovado.
Aprovação no Processo de Qualificação dos Capítulos Iniciais da Dissertação de
Mestrado (DM).
CAO Realização das disciplinas comuns.
Realização das disciplinas peculiares.
2o Ano Realização das disciplinas de formação científica (Prática de Pesquisa II, Orientação II
e Estatística I).
Elaboração e Depósito da DM para fim de avaliação.
Aprovação no Processo de Defesa da Dissertação de Mestrado.
Atendimento às formalidades e aos requisitos finais dos trabalhos.

e. Os seguintes agentes do CPG estarão envolvidos nos trabalhos do Curso de Mestrado abaixo
relacionados:
1) Proposta de assuntos/temas: o postulante;
2) Aprovação dos temas (T1M): Instrutores da SPG, dos cursos e os Coordenadores das Linhas
de Pesquisa;
3) Elaboração do T2M: o postulante;
4) Avaliação do T2M: a Comissão de Avaliação;
5) Classificação e aprovação dos T2M selecionados: Comissão de Seleção;
6) Realização das disciplinas obrigatórias: o postulante;
7) Qualificação: a Comissão de Qualificação de Dissertação (CQD);
8) Desenvolvimento da DM: o postulante;
9) Acompanhamento da DM: o orientador e o co-orientador;
10) Composição gráfica da DM: o postulante;
11) Defesa da DM: o postulante e a Banca Examinadora (BE);
12) Cumprimento das formalidades e dos requisitos finais da DM: o postulante; e
13) Aceitação final do trabalho: a SPG.

2. VAGAS PARA O MESTRADO


a. A EsAO disponibilizará aos capitães-alunos que cursam o CAO 1º ano em 2016, a seguinte
quantidade de vagas, distribuída por Linhas de Pesquisa:
1) Doutrina Militar Terrestre: 18 vagas para o CAO/A/Q/Sv e 2 vagas para o CAO/Med
2) Administração Militar: 4 vagas para o CAO/A/Q/Sv e 1 vaga para o CAO/Med
3) Educação e Cultura: 3 vagas para o CAO/A/Q/Sv

b. A EsAO poderá disponibilizar vagas para o Curso de Mestrado aos oficiais já concludentes da
EsAO, mediante publicação das IRISM/CMPCM/EsAO.

3. PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO MESTRADO E CONDIÇÕES DE


MATRÍCULA

b. Para concorrer a uma vaga no Mestrado Profissional em Ciências Militares, o postulante não
concludente do CAO/EsAO deverá satisfazer as seguintes condições:
1) estar aprovado no CAO 1º Ano;
2) estar matriculado no CAO 2º Ano.
(Fl 17 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

3) estar habilitado em, pelo menos, um idioma estrangeiro, nível -.-.2.1, na data da matrícula no
curso, nível stricto sensu, de Mestrado Profissional, de acordo com o PACPG;
4) ter o seu T2M classificado pela Comissão de Seleção dos Projetos de Dissertação (CSPD),
mediante a análise dos itens experiência e aderência ao Projeto, dentro das vagas disponíveis à sua Linha
de Pesquisa.

c. Para concorrer a uma vaga no Mestrado Profissional em Ciências Militares, o postulante já


concludente do CAO/EsAO deverá satisfazer as seguintes condições:
1) pertencer ao universo dos capitães do Exército Brasileiro da ativa, das Armas, do
Quadro de Material Bélico e do Serviço de Intendência, que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento
de Oficiais (CAO) e os Médicos que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento Militar para
Médicos da EsAO, nível lato sensu, há no máximo, 4 (quatro) anos;
2) ter concluído o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) ou o Curso de
Aperfeiçoamento Militar para Médicos (CAM/Med), da EsAO, com menção Bem (B), Muito Bem
(MB) ou Excelente (E) e não ter sido reprovado em Banca Examinadora de Dissertação de Mestrado
da EsAO, realizada a partir de 30 de abril de 2012.
3) não estar na situação de sub judice; e
4) não estar designado para realizar curso presencial ou para missão no exterior, ambos com
duração igual ou superior a 6 (seis) meses.

4. PROCESSO DE AVALIAÇÃO
a. Projetos de Dissertação (T2M)
1) Durante o CAO 1º Ano, o oficial-aluno terá o seu tema aprovado (T1M).
2) Em seguida, confeccionará e encaminhará à EsAO o seu Projeto de Dissertação, conforme
orientação contida no anexo “E” e seus Apêndices, sem a orientação dos instrutores da EsAO.
3) A EsAO nomeará Comissões de Avaliação que avaliarão os projetos conforme a Ficha de
Avaliação de Projetos de Pesquisa (Anexo “U”) e a Ficha de Experiência e Aderência do aluno
(Apêndice ao Anexo “U”).
4) O projeto será aceito se obtiver menção “E”, “MB”, ou “B” e classificado quando a sua nota e
a análise dos itens: interesse para o Exército, Experiência e Aderência estiverem enquadrados no nº de
vagas distribuídas em sua Linha de Pesquisa.
5) As vagas das Linhas de Pesquisa do CAO, exceto CAO/Med, que não forem preenchidas
poderão ser remanejadas na seguinte ordem de prioridade: Doutrina Militar Terrestre, Educação e
Cultura e Administração Militar.
6) A SPG informará aos cursos o resultado das avaliações dos projetos, publicando em Boletim
de Acesso Restrito (BAR) a relação dos alunos que tiveram os seus T2M aceitos e classificados para
fins de matrícula no CPG nível stricto sensu. Os alunos que não obtiverem aprovação e classificação
serão matriculados no CPG nível lato sensu.
7) Ao ser matriculado no CPG stricto sensu, o oficial-aluno do CAO 2º Ano deverá preparar o
seu trabalho para fins de qualificação, juntamente com o seu orientador/coorientador, e entregá-lo ao
relator do seu curso, na data estipulada no Plano Anual dos Cursos de Pós-graduação (PACPG), para
remessa à SPG.

b. Qualificação dos Trabalhos de Mestrado


1) A Qualificação é uma avaliação das seções iniciais da DM realizada por uma Banca
Examinadora de Qualificação de Dissertação, em data prevista no PACPG, com a finalidade de definir
os trabalhos que possuem condições técnicas e metodológicas, bem como, conteúdo para prosseguir na
(Fl 18 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

dissertação. Essas seções iniciais poderão ser modificadas e atualizadas posteriormente, conforme
observações da Banca Examinadora e do orientador/co-orientador.
2) As Bancas Examinadoras de Qualificação de Mestrado serão definidas pela SPG, de modo que
o Presidente seja um Oficial com o título de Doutor. Os demais membros poderão ser doutores ou
mestres e um, obrigatoriamente, integrante do corpo permanente da Escola. Os membros da Banca
avaliarão os trabalhos de acordo com o Anexo “F”.
3) O trabalho estará qualificado se obtiver, da maioria dos avaliadores, menção “E”, “MB”, ou
“B”.
4) O Anexo “D” (Partes Componentes do Projeto de Dissertação, do Trabalho a ser Qualificado e
da Dissertação) apresenta os itens obrigatórios a serem apresentados, pelos postulantes, nas seções que
serão avaliadas.
5) Durante o processo de qualificação, a Banca poderá realizar as entrevistas que forem
necessárias com os postulantes e encaminharão à SPG o resultado da Qualificação, para divulgação em
Boletim de Acesso Restrito.
6) O postulante que tiver o seu trabalho qualificado continuará a sua pesquisa, tendo por meta
apresentar a DM pronta para a avaliação no segundo semestre do CAO 2º Ano, em data estipulada no
PACPG.
7) Os alunos que tiverem seus trabalhos desqualificados não têm direito a recurso e serão
matriculados no CPG nível lato sensu, exceto os alunos já concludentes do CAO, matriculados de
acordo com edital específico, que não deverão prosseguir com a pesquisa.

c. Exame das Dissertações


1) Na data prevista no PACPG, o oficial-aluno, postulante ao Mestrado, entregará a sua
dissertação ao relator do seu curso, que a remeterá à SPG.
2) As Bancas Examinadoras de Dissertação serão definidas pela SPG, de modo que o Presidente
seja um Oficial Doutor e os demais membros com o curso de doutorado ou mestrado e um,
obrigatoriamente, integrante do corpo permanente da Escola. Os membros da Banca avaliarão os
trabalhos de acordo com o Anexo “F” (Ficha de Avaliação de Trabalho Monográfico).
3) Após o preenchimento da Ficha de Avaliação de Trabalho Monográfico, os componentes da
Banca Examinadora avaliarão a defesa da DM do oficial-aluno e emitirão seus pareceres da seguinte
forma:
a) Aprovado com louvor, na apresentação da Dissertação, menção E;
b) Aprovado na apresentação da Dissertação, menção “MB” ou “B”;
c) Aprovado, com restrições da BE, na apresentação da Dissertação, menção “MB” ou “B”.
d) Reprovado na apresentação da Dissertação, menção “R” ou “I”.
4) Logo após a defesa, o Presidente da BE deverá entregar a Ata da Avaliação ao Chefe da SPG e
o oficial orientador, ou co-orientador, deverá proceder da seguinte forma:
a) no caso de aprovação prevista nas letras a) e b) do nº 3 acima, deverá entregar a Folha de
Aprovação ao postulante, para o atendimento das demais exigências da Escola, conforme o PACPG;
b) no caso de aprovação prevista na letra c) do nº 3, além de entregar a Folha de Aprovação ao
postulante, lhe concederá um prazo de 20 (vinte) dias para realizar as correções no trabalho, sugeridas
pela BE, com a finalidade de atender às restrições da BE, que deverão constar na Ficha de Exigências
da Banca Examinadora e da Escola, para Aprovação de Dissertação. Caso o Postulante não atenda às
exigências da BE, o Presidente da Banca Examinadora publicará em boletim que o seu trabalho será
considerado como TCC.
5) Quando ocorrer o previsto na letra d) do nº 3) acima, o orientador, ou co-orientador, entregará
ao postulante, mediante recibo, uma cópia da folha de reprovação no curso de Mestrado, conforme
modelo constante do anexo “T”, comunicando-lhe a sua reprovação; o seu conceito; a sua matrícula no
CPG nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Gestão Operacional,
(Fl 19 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

exceto os alunos já concludentes do CAO, matriculados de acordo com edital específico, que não
deverão prosseguir com a pesquisa; e a concessão do prazo de 15 (quinze) dias para a conclusão do seu
TCC, conforme as exigências estabelecidas pela Banca Examinadora.
6) A SPG informará a reprovação do postulante ao seu Curso, para que sejam adotados os
procedimentos previstos no nº “3”. Após o prazo concedido ao aluno, o seu trabalho será julgado por
uma Comissão de Avaliação. O aluno aprovado fará jus ao certificado de Especialização em Ciências
Militares.
No caso de reprovação (TCC reprovado - Menção “I”), o oficial orientador entregará uma cópia
da Folha de Reprovação de TCC (Anexo “L”) ao postulante, mediante recibo na 2ª via da Ficha, e
arquivará a Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso na SPG.
7) O postulante ao curso de Mestrado enquadrado no item 5) acima, que não concordar com o
parecer da Banca Examinadora poderá entrar com recurso em relação ao resultado do seu trabalho
científico. Neste caso, encaminhará uma exposição de motivos, no prazo de 03 (três) dias úteis, ao
Comandante da EsAO, defendendo a sua posição em relação aos itens em desacordo com a avaliação
da BE.
8) O Comandante da EsAO determinará ao Presidente do Colegiado do Curso de Pós-graduação
que nomeie um oficial da SPG para emitir um parecer acerca dos argumentos do postulante. Em
seguida, o Colegiado do Curso de Pós-graduação reunir-se-á e apresentará o seu parecer ao
Comandante da EsAO, que dará a sua decisão, a qual será publicada em Boletim de Acesso Restrito,
juntamente com a Ata da Reunião do Colegiado do Curso de Pós-graduação, não cabendo recurso a
essa decisão.
9) Se o Comandante da EsAO, em sua decisão, confirmar o parecer da BE no sentido do Cap
Aluno apresentar um TCC, o postulante entregará seu trabalho em prazo útil, de modo a permitir que a
Seção Técnica de Ensino possa elaborar o seu grau e conceito final.
10) Se o postulante enquadrado no nº 9 acima tiver o seu TCC reprovado pela Comissão de
Avaliação, poderá apresentar recurso nas mesmas condições prescritas no nº 7), de modo que seja
emitida a decisão final pelo Comandante da EsAO. Se a decisão final der a confirmação do parecer da
Comissão, o postulante será reprovado no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, ficando sujeito às
decorrências previstas no Regimento Escolar (R-75).

5. DESLIGAMENTO DO POSTULANTE
a. Os orientadores poderão encaminhar à SPG, em qualquer etapa do CPG, um DIEx informando
desligamento do postulante que não tenha cumprido as suas orientações e/ou apresentado um trabalho
que não reúna as condições mínimas necessárias para ser analisado como DM.
b. A partir do momento em que for informado, por escrito, acerca do seu desligamento, pelo seu
orientador, o postulante terá 05 (cinco) dias corridos para apresentar um DIEx circunstanciado à SPG
tendo anexado uma cópia impressa do seu trabalho e as justificativas de defesa para que possa
continuar no Curso de Pós-graduação stricto sensu. Esse DIEx será encaminhado ao Sub Diretor de
Ensino, que reunirá o Colegiado do CPG para análise e decisão. Não caberá recurso a essa decisão do
Colegiado.
c. O postulante que não apresentar justificativas no prazo contido na letra “b.” acima, 05 (cinco)
dias corridos, ou tenha o seu desligamento aprovado pelo Colegiado, será matriculado no Curso de
Pós-Graduação (CPG), no nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares, por meio de
aproveitamento dos créditos, e o seu Curso deverá conduzir todo o processo relativo ao CPG, exceto os
alunos já concludentes do CAO, matriculados de acordo com edital específico.
d. Em qualquer momento o postulante poderá solicitar o desligamento do Mestrado. Para isso
deverá manifestar a sua intenção por meio de um DIEx pessoal destinado ao Comandante do Curso
correspondente a sua Arma, Quadro ou Serviço, que providenciará o encaminhamento para a Seção de
(Fl 20 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

Pós-graduação. A SPG publicará a desistência em Boletim de Acesso Restrito, bem como a sua
matrícula automática no Programa de Pós-graduação de Especialização em Ciências Militares no nível
lato sensu, exceto os alunos já concludentes do CAO, matriculados de acordo com edital específico,
que não deverão prosseguir com a pesquisa.

6. DEFESA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


A apresentação de DM constitui-se em solenidade acadêmica, realizada em nome do Comandante
da EsAO, na qual, de maneira formal, escrita e oral, o postulante apresenta e defende o seu trabalho
publicamente, perante uma BE, constituída e aprovada pela Direção de Ensino da EsAO, podendo
possuir uma composição diferente da que realizou a qualificação do discente.
Nesse evento, a DM é avaliada à luz dos resultados apresentados, em face dos objetivos
inicialmente propostos. Dentro desse enfoque, estão sendo avaliados criticamente: o trabalho do
postulante, o grau e o nível da orientação e, ainda, a qualidade, a seriedade e o desempenho da Escola.
A apresentação da DM transcende, assim, à simples prestação de exame pelo postulante, para se
constituir em ato de exposição crítica de todo o sistema envolvido no processo de formação e de sua
capacitação.
Para o postulante, a aprovação do trabalho representa a consecução de um dos requisitos parciais
para habilitação ao recebimento do Título de Mestre em Ciências Militares. A habilitação, contudo,
somente se concretizará após o cumprimento, pelo postulante, das formalidades e dos requisitos finais
tratados nestas Instruções.
a. Solenidade, Uniforme e Convites para a Defesa da Dissertação de Mestrado
1) A solenidade de apresentação do trabalho é pública. Qualquer pessoa poderá a ela
comparecer, desde que o tema não apresente classificação sigilosa e atendidos os demais preceitos
regulamentares, éticos e sociais, de acordo com a capacidade do local.
2) Uniforme ou traje:
a) Para o Postulante e os componentes da Banca Examinadora de Dissertação: 3º A para os
militares e passeio completo para os Of da reserva ou civis;
b) Para a assistência: o da atividade (4º A1 ou 3º D1) para militares da EsAO e da guarnição
da Vila Militar; para os demais militares, o 3º D1 (ou o correspondente para outras Forças); e para
civis, o esporte fino.
3) A elaboração e a expedição de convites, bem como a divulgação interna da apresentação do
trabalho, são atribuições do orientador e do postulante.
b. Constituição da Banca Examinadora na Defesa da Dissertação
A BE, para fins da defesa da DM, deverá ser constituída por três membros, sendo um Doutor, no
mínimo, e os demais doutores ou mestres; presidida por um oficial com o Curso de Estado-Maior. Os
membros deverão ter a mais elevada e a melhor titulação possível, bem como habilitações
profissionais adequadas para examinar a DM.
O orientador poderá sugerir nomes de profissionais que reúnam habilitação, qualificação e
titulação adequadas ao exame do trabalho, devendo apresentar 02 cópias do Curriculum Vitae e títulos
dos membros indicados à SPG.
c. Atribuições dos Membros da Banca Examinadora e do Postulante, na Defesa da Dissertação de
Mestrado
1) Elaborar o seu currículo reduzido, conforme o Anexo “Q” (Curriculum Vitae Reduzido).
2) Ler atentamente o trabalho do postulante e avaliá-lo com base no Anexo “F” (Ficha de
Avaliação de Trabalho Monográfico).
3) Arguir o postulante, de modo objetivo, sobre os pontos julgados duvidosos, falhos ou
errados.
(Fl 21 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4) Apresentar ao Postulante as anotações feitas no corpo do trabalho para melhorar a sua


qualidade.
5) Apresentar ao Postulante, mediante recibo, a Folha de Exigências da Banca Examinadora
para Aprovação de Dissertação, quando for o caso.
6) Apresentar opiniões e parecer sobre o trabalho, após a sua apresentação.
7) Ao término da arguição do postulante, a BE deverá emitir um parecer sobre o TPG,
preenchendo a Ata de Defesa da Dissertação de Mestrado (Anexo “H”).
8) O postulante deverá assinar a respectiva Folha de Aprovação/Reprovação, imediatamente
após a defesa da DM.
9) Os membros da BE deverão possuir credencial de segurança compatível com o trabalho que
irão avaliar. Cabe ao presidente da BE verificar a credencial de segurança dos demais membros e
informar as alterações ao Ch SPG, antes do início do processo de avaliação.

d. Atribuições Específicas dos Membros da Banca Examinadora


Do Presidente da Banca Examinadora:
1) assumir a presidência dos trabalhos;
2) permitir o acesso ao recinto de qualquer cidadão, deixando claro o caráter público do ato,
exceto quando o tema, por seu teor, possuir indicação de classificação sigilosa;
3) receber da SPG, toda a documentação necessária ao funcionamento da Banca.
4) proceder à abertura e ao encerramento da solenidade, conforme o Roteiro para Defesa da
Dissertação de Mestrado (Anexo “G”);
5) zelar para que o postulante apresente sua DM no máximo em 40 (quarenta) minutos, sem
prorrogação;
6) coordenar a arguição do postulante, exclusivamente pelos membros da BE, no tempo máximo
de 60 (sessenta) minutos;
7) arguir o postulante sobre os pontos julgados duvidosos, falhos ou incorretos;
8) conduzir as deliberações dos membros da BE, terminada a arguição do postulante;
9) fazer esvaziar o recinto por ocasião das discussões da BE sobre o resultado do exame;
10) preencher a Ata de Defesa de Dissertação de Mestrado, com base nas deliberações e
pareceres dos membros da BE, assinando-a e providenciando para que os demais membros a assinem;
11) fazer retornar ao recinto o postulante e a assistência para fins de emissão do resultado final
do exame;
12) apresentar o resultado final do exame, emitido pela BE;
13) assinar e providenciar que os demais membros assinem as duas vias da Folha de
Aprovação/Reprovação e entregá-la ao orientador/co-orientador do postulante;
14) no caso de documentação sigilosa, proceder à destruição das cópias e à consequente
confecção do Termo de Destruição (Anexo “K”), a ser encaminhado à SPG, para fins de arquivo na 2ª
Seção da Escola;
15) após o encerramento da solenidade, encaminhar a Ata de Defesa de Dissertação de Mestrado
assinada ao chefe da SPG e conceder ao postulante um prazo de 20 (trinta) dias para a correção da DM
(sfc) e atendimento às demais exigências da EsAO;
16) propor (sfc) o encaminhamento do trabalho que tenha interesse doutrinário ao EME e/ou
Órgão de Direção Setorial correspondente;
17) Encaminhar à SPG, para serem arquivados, as cópia de todos os documentos relativos aos
trabalhos monográficos reprovados e inaptos como dissertação (Fichas de Avaliação de Projeto, de
Qualificação e de Dissertação, Fichas Registro de Orientação, anotações feitas no corpo do trabalho
e/ou na Ficha de Sugestões e Observações), de modo a garantir que as decisões da Banca Examinadora
estejam documentadas;
18) Providenciar para que o membro mais moderno faça todos os trabalhos administrativos da
(Fl 22 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

banca, tais como: controlar o tempo de apresentação do postulante, redigir as exigências da Banca e
entregá-la, mediante recibo, ao postulante, receber do Presidente da Banca a Ata devidamente
preenchida e entregá-la ao Ch da SPG logo após a apresentação do postulante e receber do Presidente
da Banca as duas vias da folha de aprovação/reprovação, encaminhando a 1ª via, com o recibo do
aluno, à SPG e a 2ª via ao postulante.

e. Do Postulante
1) Preparar a Folha de Aprovação/Reprovação, entregando-a ao presidente da BE no dia da defesa
da DM;
2) Preparar o local para a apresentação da DM e testar os meios auxiliares de instrução que for
utilizar;
3) Caso tenha realizado alguma modificação no trabalho, que não modifique o conteúdo da
monografia, entregar uma errata aos membros da banca até 02 (dois) dias úteis antes do início da
defesa;
4) De acordo com o calendário previsto no PACPG, entregar na EsAO 03 (três) vias da DM para
a defesa e o Termo de Cessão de Direitos sobre Trabalho Acadêmico;
5) Apresentar sua DM à BE segundo os seguintes tópicos:
a) Introdução, explicitando o problema, os objetivos, as hipóteses ou questões de estudo e as
justificativas;
b) Revisão de Literatura, abordando o desenvolvimento teórico do trabalho, os pressupostos
conceituais (aceitos sem contestação) e a fundamentação teórica do problema;
c) Metodologia empregada, processos, materiais, instalações, validade e fidedignidade dos
testes, medidas e pesquisas realizadas, bem como as considerações estatísticas sobre as medidas e as
observações que realizou;
d) Resultados obtidos, apresentando-os de modo conciso e objetivo, em correspondência com
as hipóteses formuladas ou questões levantadas na proposição do tema, evidenciando, inclusive, as
deficiências e limitações encontradas;
e) Análise crítica dos resultados, comparando-os com os de outros autores, procurando deduzir
e enumerar questões para as quais não tenha encontrado resposta ou que requeiram estudos e pesquisas
além dos objetivos limitados do trabalho; e
f) Conclusões, baseando-se nos resultados obtidos e em sua análise crítica, formulando
deduções lógicas, justificando-as adequadamente, incluindo eventuais recomendações, propostas e
sugestões práticas para a implementação dos resultados ou para pesquisas adicionais.
6) Caso o trabalho necessite do cumprimento de exigências de conteúdo ou de forma, para ser
aprovado, providenciar para que as mesmas sejam satisfeitas, colocando-as à disposição do orientador
e dos demais membros, no prazo de 20 (trinta) dias estipulado pelo Presidente da Banca Examinadora;
7) Apresentar o trabalho corrigido e o Artigo Científico ao orientador; e
8) Como requisito final, enviar à SPG, 01 (uma) cópia da DM encadernada (capa dura, cor preta e
letras douradas) e uma em CD ROM (sendo em quatro arquivos, nas extensões .doc, .docx, .odt e .pdf),
além de uma cópia do Artigo Científico no mesmo CD ROM da DM (arquivos nos mesmos formatos),
de acordo com a data definida pelo PACPG. Caso a dissertação tenha acesso restrito ou classificação
sigilosa não será necessário elaborar o artigo científico.

f. Da SPG
1) Definir datas, horários e locais para a apresentação das DM;
2) Providenciar toda a documentação para o funcionamento da Banca Examinadora (Ata de
Defesa, Roteiro, etc.) entregando-a ao presidente da BE;
3) Preparar o local da apresentação e solicitar à Div Adm os meios necessários ao funcionamento
da Banca; e
(Fl 23 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4) Emitir, no prazo de 90 (noventa) dias, após a aprovação da DM, os documentos escolares do


postulante e realizar a aceitação final do TPG.

7. ARTIGO CIENTÍFICO (AC)


O AC é a apresentação sintética, em forma de relatório escrito, dos resultados de investigações ou
estudos realizados a respeito de uma questão. Seu objetivo fundamental é ser um meio rápido e sucinto
de divulgar e tornar conhecidos, por meio de sua publicação em periódicos especializados, o problema
investigado, o referencial teórico utilizado (as teorias que serviram de base para orientar a pesquisa), a
metodologia empregada, os resultados alcançados e as principais dificuldades encontradas no processo
de investigação ou na análise de uma questão. Ou seja, o AC deve apresentar de forma resumida os
principais pontos da DM.
O Anexo “A” apresenta os itens básicos que devem ser observados na elaboração de um AC.

8. CONCLUSÃO DO CPG
Ao término do mestrado, o postulante fará jus ao Título de Mestre em Ciências Militares, com
ênfase em Gestão Operacional, desde que atenda aos seguintes requisitos:
a. ter cumprido todas as etapas básicas preconizadas nestas IPG;
b. ter seu trabalho qualificado por uma BE;
c. ter sido considerado “aprovado” na defesa de sua DM (menção “E”, “MB” ou “B”);
d. ter cumprido todas as determinações da BE; e
e. ter atendido às formalidades e aos requisitos finais do trabalho.

9. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO
a. Deverão ser remetidos à SPG pelo relator de pós-graduação, no prazo estabelecido no PACPG, os
seguintes documentos:
1) Uma cópia encadernada da DM (capa dura, cor preta e letras douradas), excetuando-se os
trabalhos com classificação sigilosa, que deverão ser entregues encadernados em espiral na Seção de
Meios Auxiliares da EsAO;
2) Uma cópia da DM em mídia eletrônica (sendo em quatro arquivos, nas extensões .doc, .docx,
.odt e .pdf); e
3) Uma cópia do Artigo Científico em mídia eletrônica (sendo em quatro arquivos, nas extensões
.doc, .docx, .odt e .pdf).
b. O pós-graduando ficará habilitado a receber o diploma correspondente ao título somente após a
entrega do original e das devidas cópias definitivas do trabalho, além da aprovação do Diretor de
Ensino.

10. TRANCAMENTO DE MATRÍCULA


a. Após o início do CPG, poderá ser concedido trancamento de matrícula pelo Comandante e
Diretor de Ensino da EsAO, em caráter ex-officio ou atendendo solicitação do oficial aluno,
apresentada mediante requerimento amparado pelos motivos constantes nas IR 60-36, informado por
seu Cmt, Ch ou Dir, de acordo com o modelo disponibilizado na extensão “.doc” no site da EsAO
(www.esao.ensino.eb.br).
b. No caso de trancamento de matrícula, em princípio, o oficial será relacionado pelo DGP para
matrícula no CAO no ano seguinte ao trancamento, devendo reiniciar todo o processo de pesquisa.
c. Os casos de trancamento de matrícula estão discriminados no Art. 31 da Portaria Nr 111, de 30
(Fl 24 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

de outubro de 2009, do DECEx (IROFM / CAM IR 60-36).


d. O oficial aluno deve permanecer cumprindo todas as obrigações referentes ao curso, até
que o despacho do Diretor de Ensino da EsAO referente ao seu requerimento seja informado por
intermédio de DIEx.

11. PRESCRIÇÕES DIVERSAS


a. O postulante que não realizar as correções previstas no corpo do trabalho ou deixar de cumprir
algum dos requisitos finais, será reprovado, com menção “Insuficiente”. Nesta condição, o orientador
deverá elaborar uma parte de desqualificação do postulante à SPG, que será apreciada pelo Colegiado
do CPG, ou Conselho de Ensino, a critério do Cmt da EsAO, não cabendo recurso à decisão do Diretor
de Ensino. Após a decisão do Diretor de Ensino da EsAO, o resultado da avaliação do trabalho será
publicado em Boletim de Acesso Restrito.
b. O orientador ou co-orientador que verificar trabalho monográfico com indícios de plágio ou
qualquer outra irregularidade, antes da sua avaliação pela Banca de Examinadores ou Comissão de
Avaliadores, deverá informar este fato, verbalmente, ao postulante para que as irregularidades sejam
corrigidas. Caso a irregularidade informada não seja corrigida o orientador/co-orientador lançará essa
observação na Ficha Registro para Orientação de Trabalho Acadêmico, Anexo “S”, recomendando ao
postulante a revisão dos itens que poderão conter irregularidades. Persistindo o indício de plágio o
orientador/co-orientador deverá encaminhar um DIEx ao S Cmt da Escola, para as providências que se
fizerem necessárias.
c. O presidente da Banca Examinadora de DM ou da Comissão de Avaliação de TCC que
constatar indícios de plágio, em trabalho monográfico que estiver sendo avaliado, deverá encaminhá-lo
à SPG, mediante DIEx circunstanciado e informar por escrito ao postulante e ao S Cmt EsAO. O
Diretor de Ensino determinará a apreciação do trabalho pelo Colegiado de Pós-graduação, cabendo-lhe
a decisão final sobre a situação do postulante.
e. O postulante que for desligado, durante a elaboração do CPG, nível stricto sensu, será
matriculado no CPG, nível lato sensu, e o seu Curso nomeará um novo orientador, que será
responsável pela conclusão do CPG, exceto os alunos já concludentes do CAO, matriculados de acordo
com edital específico, que não deverão prosseguir com a pesquisa.
f. Os custos de todas as atividades necessárias à elaboração do trabalho monográfico, inclusive a
edição e encadernação são de responsabilidade exclusiva do postulante.
(Fl 25 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO III
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL LATO SENSU, DE
ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS MILITARES PARA O CAO (LINHA BÉLICA)

1. EXECUÇÃO
De acordo com as Instruções Reguladoras do Sistema de Educação Superior Militar no Exército:
Organização e Execução (EB60-IR-57.002), o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais é um CPG, no
nível lato sensu, que tem por objetivo atualizar, desenvolver e ampliar conhecimentos em um conjunto
de disciplinas ou áreas de estudo ou de determinados domínios de tais áreas, bem como de melhorar o
desempenho funcional nos cargos e nas funções previstos no EB, em decorrência do progresso
científico e doutrinário.
Ao postulante do CPG, no nível lato sensu, de Especialização em Ciências Militares será exigido
o cumprimento das seguintes etapas básicas para a obtenção do Grau de “Especialista em Ciências
Militares”:

Período Etapas Básicas

Proposta de Tema do Trabalho de Conclusão de Curso (T1).


Realização das disciplinas comuns.
CAO Realização das disciplinas peculiares.
1o Ano Realização das disciplinas de formação científica (Metodologia da Pesquisa Científica,
Orientação I, Prática de Pesquisa I).
Apresentação do Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso (T2).

Realização da pesquisa de acordo com o T2 aprovado.


Realização das disciplinas comuns.
Realização das disciplinas peculiares.
CAO Realização das disciplinas de formação científica (Pratica de Pesquisa II, Orientação II
2o Ano e Estatística I).
Elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
Depósito do TCC para fim de avaliação.
Atendimento às formalidades e requisitos finais do trabalho.

Os seguintes agentes do CPG estarão envolvidos com a condução dos trabalhos no (na):
a. Sugestão de assuntos/temas: os Coordenadores das Linhas de Pesquisa (SECOD/Cursos);
b. Proposta do tema do TCC (T1): o postulante;
c. Aprovação dos temas: SPG, orientadores dos Cursos e/ou especialistas consultados;
d. Elaboração do Projeto do TCC: o postulante;
e. Avaliação do Projeto do TCC: o orientador;
f. Desenvolvimento do TCC: o postulante;
g. Acompanhamento do TCC: o orientador;
(Fl 26 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

h. Composição gráfica do TCC: o postulante;


i. Avaliação do TCC: a Comissão de Avaliação;
j. Atendimento às formalidades e requisitos finais: o postulante; e
k. Aceitação final do trabalho: o Curso.

2. CONDIÇÕES DE MATRÍCULA
A designação do postulante ao CPG de Especialização em Ciências Militares, no nível lato sensu,
dar-se-á mediante matrícula do discente no CAO.

3. AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO


a. Constituição das Comissões de Avaliação
Os TCC serão avaliados por Comissões de Avaliação (C Avl) organizadas pelo Relator de Pós-
graduação do Curso. A C Avl é constituída de acordo com o inciso VI do Art 6º do RIPG.
O presidente da comissão será preferencialmente o oficial mais antigo. Os membros da C Avl
deverão possuir credencial de segurança compatível com o trabalho que irão avaliar. Cabe ao Relator
de Pós-graduação do Curso verificar a credencial de segurança dos membros da comissão.
b. Atribuições Gerais da Comissão de Avaliação
Os membros das C Avl avaliarão os trabalhos com base na Ficha de Avaliação de Trabalho de
Conclusão de Curso (Anexo “I”), anotando suas correções e sugestões no corpo do TCC, a fim de
permitir ao postulante rever aspectos que, uma vez esclarecidos, melhorarão a qualidade do trabalho.
1) O processo de avaliação do TCC será conduzido da seguinte forma:
a) inicialmente, o TCC será avaliado pelo primeiro membro da C Avl, que emitirá seu parecer
de acordo com o Anexo “I”; no caso do TCC ser aprovado (menção “R”, “B”, “MB” ou “E”), esse
membro defenderá seu parecer perante os demais membros da C Avl;
b) caso o primeiro membro da C Avl aprecie o TCC com menção “Insuficiente”, ele deverá
ser avaliado pelo segundo membro da C Avl; persistindo a menção “Insuficiente”, o TCC estará
reprovado, cabendo ao Presidente da Comissão externar seu parecer;
c) no caso de discordância entre os pareceres do primeiro e do segundo membros, o
Presidente da Comissão de Avaliação analisará o TCC, emitindo um parecer final.
Uma via da Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso (Anexo “I”) deverá ser
preenchida, obrigatoriamente, pelo 1º membro da C Avl, devendo ser mantido em arquivo, no Curso
respectivo.
A C Avl reunir-se-á, obrigatoriamente, em data marcada pelo presidente, para preencher a Ata
de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso (Anexo “J”), que deve ser impressa pelo primeiro
membro, e assinar a Folha de Aprovação/Reprovação entregue pelo postulante (Anexo “L”).
2) Ao final da avaliação do TCC, a C Avl deverá emitir um dos seguintes pareceres:
a) Trabalho de Conclusão de Curso aprovado - Menção “R”, “B”, “MB” ou “E”;
b) Trabalho de Conclusão de Curso reprovado - Menção “I”.
3) Logo após essa reunião, o primeiro membro deverá entregar a Ata da Avaliação ao Relator de
Pós-graduação, e o oficial orientador deverá informar o resultado ao postulante, da seguinte forma:
a) no caso de aprovação (TCC aprovado - Menção “R”, “B”, “MB” ou “E”), o oficial
orientador deverá entregar a Folha de Aprovação/Reprovação ao postulante, e conceder-lhe um prazo
de 20 (vinte) dias para realizar as correções no trabalho sugeridas pela C Avl (sfc), bem como, para o
atendimento às demais exigências da Escola (de acordo com o PACPG).
b) no caso de reprovação (TCC reprovado - Menção “I”), o oficial orientador deverá informar
ao postulante que, sob sua orientação, terá o prazo de 20 (vinte) dias para realizar a retificação do
aprendizado, e apresentar um novo TCC para fim de avaliação pela C Avl. Durante a segunda
avaliação, a C Avl deverá proceder da mesma forma que na primeira avaliação. Ao término do
(Fl 27 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

processo, a C Avl deverá emitir um dos seguintes pareceres:


(1) Trabalho de Conclusão de Curso aprovado - Menção “R”;
(2) Trabalho de Conclusão de Curso reprovado - Menção “I”.
4) Logo após a nova reunião, o primeiro membro deverá entregar a segunda Ata da Avaliação ao
Relator de Pós-graduação, e o oficial orientador deverá informar o resultado ao postulante, da seguinte
forma:
a) no caso de aprovação (TCC aprovado - Menção “R”), o oficial orientador deverá entregar a
Folha de Aprovação ao postulante, e conceder-lhe um prazo de 05 (cinco) dias para realizar as
correções no trabalho sugeridas pela C Avl (sfc), bem como, para o atendimento às demais exigências
da Escola (de acordo com o PACPG).
b) no caso de reprovação (TCC reprovado - Menção “I”), deverá entregar uma cópia da Ficha
de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso ao postulante e solicitar que o mesmo assine a
primeira via da Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso, atestando estar ciente do
resultado da avaliação do seu TCC. Nesse caso o postulante não fará jus ao certificado de conclusão do
CPG, e estará reprovado no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, ficando sujeito às decorrências
previstas no Regimento Escolar (R-75).
Caso o postulante não concorde com o parecer da C Avl, deverá encaminhar um DIEx ao Cmt
Curso, no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis após a divulgação do resultado, solicitando vistas à
Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso.
Persistindo a discordância, o postulante deve encaminhar um DIEx circunstanciado ao Cmt Curso,
no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis após o recebimento da Ficha, defendendo sua posição em
relação aos itens em desacordo, anexando, obrigatoriamente, a cópia original do TCC avaliado com as
observações da C Avl.
Caberá ao primeiro membro da C Avl responder ao pedido de revisão de avaliação, no prazo
máximo de 02 (dois) dias úteis após o recebimento do DIEx, baseado no parecer da C Avl (arquivado
no Curso) e na cópia original do TCC avaliado.
Caso o postulante não concorde com o parecer do primeiro membro da C Avl, deverá encaminhar
uma exposição de motivos ao Comandante da EsAO, defendendo sua posição em relação aos itens em
desacordo com a argumentação do primeiro membro da C Avl.
O Comandante da EsAO determinará ao Presidente do Colegiado de Pós-graduação que nomeie
um oficial da SPG para emitir um parecer acerca dos argumentos do postulante. Após isso, o
Colegiado reunir-se-á e deliberará sobre o assunto. Tal deliberação será apresentada ao Comandante da
EsAO que dará a decisão final, a qual será publicada em Boletim Interno, juntamente com a Ata da
Reunião do Colegiado de Pós-graduação e o parecer da SPG. Não caberá recurso da decisão final do
Comandante da EsAO.
c. Atribuições Específicas dos Membros da Comissão de Avaliação
1) Do Presidente da Comissão de Avaliação
a) Avaliar o trabalho de acordo com as normas em vigor.
b) Marcar e conduzir a reunião para avaliação do TCC, observando os prazos do PACPG.
c) Cobrar o preenchimento da Ata de Avaliação e da Folha de Aprovação/Reprovação do
TCC.
2) Do primeiro membro
a) Avaliar o trabalho de acordo com as normas em vigor.
b) Receber do Relator de Pós-graduação o TCC e sua Folha de Aprovação.
c) Elaborar a Ata de Avaliação de TCC (Anexo “J”), entregando-a ao Relator de Pós-
graduação logo após a avaliação.
d) Elaborar a Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso (Anexo “I”),
entregando-a ao Relator de Pós-graduação juntamente com a segunda via do TCC, que deverá conter
todas as observações feitas pelos membros da C Avl.
(Fl 28 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

e) Responder aos pedidos de revisão de avaliação de TCC, baseado na Ficha de Avaliação de


Trabalho de Conclusão de Curso e na cópia original do TCC.
3) Do orientador
a) Avaliar o trabalho de acordo com as normas em vigor.
b) Devolver ao postulante a primeira via do TCC, contendo todas as observações feitas pelos
membros da C Avl, para que o postulante possa executar, se for o caso, as modificações sugeridas
pelos membros da C Avl.
c) Conceder ao postulante prazo para a correção do TCC e síntese (sfc), bem como, para o
atendimento às demais exigências da Escola, de acordo com o PACPG.
d) Entregar ao postulante a folha de aprovação com a assinatura dos membros da C Avl, após
o mesmo ter cumprido todas as exigências da C Avl.
4) Do postulante
a) Entregar aos integrantes da Comissão de Avaliação, na data prevista no PACPG, as duas
vias do TCC e artigo/síntese para avaliação (impressas e encadernadas).
b) Entregar ao Relator de Pós-graduação a Folha de Aprovação/Reprovação (Anexo “L”) em
uma via (qualidade “otimizada”).
c) Realizar as correções necessárias no trabalho observando as sugestões, as observações e as
anotações feitas no corpo do trabalho, que lhe serão entregues pelo orientador.
d) Apresentar o trabalho corrigido ao orientador, para fim de aceitação final.
e) Como requisito final: entregar, no Curso, uma cópia do TCC encadernado (capa dura, cor
preta e letras douradas) e uma em mídia eletrônica (arquivo único, extensão “doc”), de acordo com a
data definida no PACPG, além do artigo científico (em caso de temas avulsos) ou síntese (em caso de
temas componentes de Compêndio Escolar).
f)
d. Atribuições Específicas dos demais Agentes de Pós-graduação
1) Dos Relatores de Pós-Graduação
a) Providenciar a distribuição dos TCC e da documentação necessária à avaliação para os
integrantes das Comissões de Avaliação.
b) Disponibilizar o resultado final do CPG na Internet em data a ser definida pelo PACPG.
c) Remeter à SPG, conforme data prevista no PACPG, a relação de alunos que não obtiveram
suficiência (Menção “I”) na primeira avaliação do TCC.
d) Arquivar, no respectivo Curso, a Ficha de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso
(Anexo “I”).
e) Alimentar o BD com os dados referentes aos Cap CAO de seus respectivos cursos.
f) Remeter à SPG o Memorando de Encerramento das Atividades de Pós-Graduação,
juntamente com as Atas de Avaliação de TCC, em data prevista no PACPG.
g) Remeter à Biblioteca da EsAO os TCC dos alunos e dois CDs, um contendo os trabalhos
ostensivos, salvos em arquivo único com extensão “.doc” e outro com os trabalhos de acesso restrito
com a mesma formatação.
h) Remeter à SPG um CD, contendo todos os trabalhos ostensivos, salvos em arquivo único
com extensão “.doc”.
i) Remeter à SPG a relação de TCC de possível interesse aos ODG e ODS.
j) Disponibilizar no BD os dados dos alunos necessários à elaboração dos documentos
escolares (Certificado, Histórico Escolar e Certidão Curricular).
2) Da SPG
a) Supervisionar o Processo de Avaliação de TCC.
b) Elaborar o Livro de Atas de Avaliação de TCC.
c) Elaborar os documentos escolares.
(Fl 29 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4. CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO


Ao término do Curso de Pós-Graduação o concludente do CAO fará jus ao Grau de “Especialista
em Ciências Militares, com ênfase em Gestão Operacional”, desde que atendidas às condições abaixo
ter:
a. cumprido todas as etapas básicas preconizadas nestas IPG;
b. sido aprovado no curso regular da EsAO;
c. cumprido todas as determinações realizadas pela C Avl;
d. o seu TCC aprovado pela C Avl; e
e. cumprido os requisitos finais.

5. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO
O postulante deverá entregar os seguintes documentos ao Relator de Pós-graduação:
a. Uma cópia do TCC encadernado (capa dura, cor preta e letras douradas) e uma via do
Artigo/Síntese;
b. Uma cópia do TCC em mídia eletrônica (arquivo único, extensão “doc”).
c. Os custos da edição e encadernação do trabalho são de responsabilidade do postulante.
d. O pós-graduando ficará habilitado a receber o certificado correspondente ao grau de especialista
somente após a entrega dos originais, além da aprovação do Diretor de Ensino.

6. PRESCRIÇÕES DIVERSAS
a. Caso o postulante não realize as correções previstas pela Comissão de Avaliação, ou deixe de
cumprir algum dos requisitos finais, o seu trabalho será considerado reprovado, com menção
“Insuficiente”. Nesta condição, o relator de pós-graduação deverá enviar um DIEx à SPG informando
a situação do postulante. Este DIEx será apreciado pelo Colegiado de Pós-Graduação. Não caberá
recurso à decisão do Colegiado.
b. Após a apreciação do Diretor de Ensino da EsAO, o resultado da avaliação do Trabalho
Acadêmico será publicado em Aditamento ao Boletim Interno.
(Fl 30 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO IV

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO, NO NÍVEL LATO SENSU, DE

APERFEIÇOAMENTO EM CIÊNCIAS MILITARES PARA O CAO/MÉDICO E CAM

1. EXECUÇÃO
De acordo com as Instruções Reguladoras do Sistema de Educação Superior Militar no Exército:
Organização e Execução (EB60-IR-57.002), o Curso de Aperfeiçoamento Militar é um CPG, no nível
lato sensu, que tem por objetivo atualizar, desenvolver e ampliar conhecimentos em um conjunto de
disciplinas ou áreas de estudo ou de determinados domínios de tais áreas, bem como de melhorar o
desempenho funcional nos cargos e nas funções previstos no EB, em decorrência do progresso
científico e doutrinário.
Ao postulante do CPG, no nível lato sensu, de Aperfeiçoamento em Ciências Militares, será exigido
o cumprimento das seguintes etapas básicas para a obtenção do “Grau de Aperfeiçoamento em
Ciências Militares”:
Período Etapas Básicas

Proposta de Tema do Trabalho de Conclusão de Curso (T1).


Realização das disciplinas comuns (a cargo da EsAO)
Realização das disciplinas peculiares (a cargo das Escolas de Formação: EsSEx, IME e
EsFCEx)
Realização das disciplinas de formação científica [Metodologia da Pesquisa Científica,
CAO/ Orientação I e II (CAO Med), Prática de Pesquisa I e II (CAO Med)].
CAM Apresentação do Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso (T2).
Realização da pesquisa de acordo com o T2 aprovado.
Elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
Depósito do TCC para fim de avaliação.
Atendimento às formalidades e requisitos finais do trabalho.

2. CONDIÇÕES DE MATRÍCULA
A designação do postulante ao CPG lato sensu dar-se-á mediante matrícula do discente no Curso
de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO/Médicos) ou Curso de Aperfeiçoamento de Militar (CAM).

3. AVALIAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO


De acordo com a Separata ao BE nº 7/2016 (EB60-IR-12.002 – 2ª Edição), as competências
estão distribuídas como se segue:
a. Escolas de Formação (EsSEx, IME e EsFCEx):
1) receber e corrigir os TCC remetidos pelas OM dos Of alunos do S Sau (Médicos, Dentistas
e Farmacêuticos), do QEM e do QCO, respectivamente; e
2) remeter à EsAO o resultado final do TCC.
b. EsAO:
1) emissão de certificados e diplomas; e
2) arquivamento dos trabalhos.
(Fl 31 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4. CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO


Ao término do CPG o concludente do CAM fará jus ao Grau de “Aperfeiçoamento em Ciências
Militares”, desde que atendidas às condições abaixo:
a. ter cumprido todas as etapas básicas preconizadas nestas IPG;
b. ter sido aprovado no curso regular da EsAO;
c. ter cumprido todas as determinações realizadas pela Comissão de Avaliação (a cargo das
Escolas de Formação);
d. ter o seu TCC aprovado pela Comissão de Avaliação;
e. ter cumprido os requisitos finais.

5. TIRAGEM E DISTRIBUIÇÃO
O postulante deverá enviar os seguintes documentos à SPG/EsAO:
a. Uma cópia do TCC encadernado;
b. Uma cópia do TCC em mídia eletrônica (arquivo único editável, extensão “.doc”).
c. Os custos da edição e encadernação do trabalho são de responsabilidade do postulante.
d. O pós-graduando ficará habilitado a receber o certificado correspondente ao grau de
aperfeiçoamento somente após a entrega dos originais, além da aprovação do Diretor de Ensino.

6. PRESCRIÇÕES DIVERSAS
a. Caso o postulante não realize as correções previstas no corpo do trabalho, ou deixe de cumprir
algum dos requisitos finais, o seu TCC será considerado reprovado, com menção “Insuficiente”. Nesta
situação, o Relator de Pós-Graduação deverá elaborar um DIEx informando à SPG que levará o
assunto à apreciação do Colegiado do Curso de Pós-Graduação, não cabendo recurso do postulante à
decisão do Colegiado.
b. Após a apreciação do Diretor de Ensino da EsAO, o resultado da avaliação do Trabalho
Acadêmico será publicado em Aditamento ao Boletim Interno.
(Fl 32 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

CAPÍTULO V

DISPOSIÇÕES GERAIS

1. OFICIAIS DAS NAÇÕES AMIGAS (ONA)


Os ONA participam somente do CAO 2o Ano e deverão realizar um TCC. No desenvolvimento do
trabalho devem ser observados os seguintes procedimentos:
a. no início do CAO 2o Ano, o ONA apresentará uma proposta de tema que deve estar
relacionada ao seu país ou atividades desenvolvidas pelas suas Forças Armadas;
b. um oficial do curso a que o ONA estiver vinculado deverá ser designado seu orientador e
aprovará o tema proposto, de acordo com o PACPG, de modo que o ONA possa desenvolver o seu
TCC;
c. os ONA aprovados ao final do CAO e cujos TCC tenham recebido menção “R”, “B”, “MB”
ou “E”, farão jus ao Certificado de Especialista em Ciências Militares; e
d. os ONA somente farão jus aos créditos referentes às disciplinas cursadas no CAO 2o Ano.

2. FRAUDE OU PLÁGIO
a. O plágio é o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto,
música, obra pictórica, fotografia, obra audiovisual, etc) contendo partes de uma obra que pertença a
outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. No ato de plágio, o plagiador se apropria
indevidamente da obra intelectual de outra pessoa, assumindo a autoria da mesma. A origem
etimológica da palavra demonstra a conotação de má intenção no ato de plagiar; o termo se origina do
latim plagiu que significa oblíquo, indireto, astucioso. O plágio é considerado antiético (ou mesmo
imoral) em várias culturas, e é qualificado como crime de violação de direito autoral em vários países
(WIKIPÉDIA, 2009).
b. O Art. 126, das EB 60-IR57 002 regula que “a constatação de ocorrência de fraude em
Trabalho Científico resultará no desligamento ou na reprovação do discente do curso de PG,
além das sanções disciplinares decorrentes e aplicáveis aos discentes militares”.
c. O plágio de um trabalho científico é uma demonstração da intenção deliberada de tentar iludir e
enganar a C Avl, bem como, uma tentativa de fraudar o processo de avaliação do trabalho científico.
Nesse sentido, qualquer suspeita de tentativa de fraude ou plágio na confecção de TCC deverá ser
participada de imediato pelo Cmt Curso do discente ao Ch Div Ens, que deverá nomear um oficial da
SPG para emitir um parecer técnico acerca do assunto.
d. No caso do parecer indicar a utilização da fraude ou a realização de plágio na confecção do TCC,
deverá ser nomeado um sindicante para apurar o fato, de acordo com a legislação em vigor. Os demais
procedimentos serão de acordo com os § 1º, § 2º, e inciso IX do Art 50º do Regulamento Interno da
EsAO (RI75).

3. ARQUIVAMENTO
a. O Capitão aluno que tiver o trabalho aprovado, seja Dissertação de Mestrado ou TCC
encaminhará à SPG, por meio do relator do curso, uma via do trabalho impressa em capa dura que
deverá ser arquivada na Biblioteca da EsAO, e passará para o arquivo morto quando completarem 05
(cinco) anos. A SPG consolidará por meio eletrônico todos os trabalhos ostensivos no nível stricto
sensu e encaminhará aos ODG/ODS. Tal procedimento deverá ser publicado em Boletim Interno da
EsAO.
b. Os Relatores de Pós-Graduação deverão encaminhar à Biblioteca os originais dos Trabalhos
(Fl 33 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

Acadêmicos encadernados e suas respectivas cópias em mídia eletrônica.


c. Os Cursos deverão consolidar as cópias em mídia eletrônica, por Linha de Pesquisa, em 04
(quatro) CDs (duas cópias para trabalhos ostensivos e outras duas cópias para trabalhos sigilosos). Um
dos CDs com trabalhos de classificação sigilosa deverá permanecer junto à 2ª Seção de cada Curso e o
outro, bem como os trabalhos impressos com classificação sigilosa, deverá ser encaminhado à
Biblioteca da EsAO, ali guardado em dependência à parte, dotada de chave. A chave dessa
dependência ficará com o oficial chefe da Biblioteca e, na sua ausência, com um oficial designado pela
Div Ens.
d. Os trabalhos de Pós-graduação que receberem qualquer classificação sigilosa não poderão ser
encadernados em capa dura. Sua encadernação será realizada em espiral no serviço disponibilizado
pela Seção de Meios Auxiliares (SMA) da EsAO. É expressamente proibido encadernar trabalhos
de natureza sigilosa fora das dependências da EsAO.

4. DIVULGAÇÃO E CONSULTA
a. A Biblioteca da escola divulgará, anualmente, por intermédio da sua página na internet (no link:
http://www.esao.ensino.eb.br/paginas/secoes/div_ens/spg/spg.htm) uma Relação de Trabalhos
Ostensivos Apresentados (Anexo “M”) na qual constará o número de registro, o título e o nome do
autor. Os trabalhos acadêmicos com classificação sigilosa somente poderão ser acessados na
Biblioteca da EsAO, ou obtidos por meio de solicitações das Seções de Inteligência das OM
interessadas.
b. Os TCC e as DM que, por proposta dos avaliadores à SPG e por decisão da Dir Ens, devam ser do
conhecimento de outros órgãos, terão suas cópias colocadas à disposição dos mesmos, permanecendo
os originais arquivados na EsAO.
c. Os TPG produzidos pelos discentes da EsAO não poderão, a princípio, serem remetidos para o
EME para fins das avaliações previstas nas Instruções Reguladoras para o Julgamento de Trabalhos
Elaborados por Militares do Exército.
d. Os trabalhos de acentuado valor profissional, por proposta dos avaliadores, da SPG e/ou por
decisão da Dir Ens, poderão ser indicados para publicação na “Revista do Exército Brasileiro”, na “A
Defesa Nacional”, na “Revista Giro do Horizonte” ou em outro veículo de comunicação.
e. Os Cursos, por meio da Biblioteca, poderão fornecer cópia dos trabalhos constantes da Relação de
Trabalhos Arquivados mediante ressarcimento das despesas de postagem e reprodução. Para os de
natureza sigilosa, a cópia somente será fornecida mediante solicitação encaminhada por meio de uma
Organização Militar (OM), fazendo-se a necessária anotação do destino no Livro Registro de
Trabalhos Acadêmicos com Classificação Sigilosa (LRTACS), na Biblioteca.
f. Por meio do Portal da EsAO, na página da Biblioteca Virtual, os trabalhos ostensivos arquivados
poderão ser acessados, via Internet. As DM aprovadas serão divulgadas por meio da “EB Net” e do
“Portal de Educação do Exército”. Caberá à Biblioteca providenciar o encaminhamento do material
para a difusão naqueles portais, sob supervisão da SPG.
g. Os trabalhos acadêmicos existentes na Biblioteca não poderão ser retirados, devendo a consulta
ser feita no local. Os militares que desejarem cópias dos trabalhos deverão fornecer o material
necessário para cópia (CD) ou indenizar essas cópias.
h. Os trabalhos acadêmicos com classificação sigilosa serão listados na Relação de Trabalhos
Sigilosos Apresentados (Anexo “O”).

5. ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DA BANCA, COMISSÃO OU NA DATA DE


AVALIAÇÃO
A constituição das BE, C Avl e o calendário de defesas serão aprovados pela Divisão de Ensino.
Após a aprovação, não deverá haver mudanças na data da apresentação da DM. Caso seja impositivo
(Fl 34 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

realizar alguma alteração, o interessado deverá propor uma nova data e/ou a indicação de um novo
membro, responsabilizando-se pela verificação da viabilidade da proposta.
A apresentação da DM será feita dentro do horário do expediente, prioritariamente. Esta atividade
terá precedência sobre as demais, tendo em vista o envolvimento de oficiais de diferentes setores da
Escola e, ainda, de militares e civis externos à OM.

6. PREMIAÇÃO
Ao término do Curso de Pós-Graduação caberá aos Coordenadores das Linhas de Pesquisa
selecionar o melhor trabalho acadêmico no âmbito de cada Linha de Pesquisa, por Curso de Pós-
Graduação, e informar à SPG no prazo máximo de 05 (cinco) dias após o término das avaliações.
Ao término do Curso de Pós-Graduação caberá aos Instrutores de Pós-Graduação indicar ao Cmt
da EsAO o postulante que tenha obtido o maior conceito dentre os que realizaram a Dissertação de
Mestrado. Caso haja mais de um postulante enquadrado nas condições acima, os mesmos deverão
realizar uma nova apresentação a uma outra Banca Examinadora, esta composta por todos os
Instrutores prontos para o serviço. O postulante que se destacar receberá um prêmio do Cmt da EsAO.
Com relação ao CPG no nível lato sensu para o CAO, caberá aos respectivos cursos indicar o
capitão aluno que apresentou o melhor TCC no âmbito dos mesmos. O referido capitão aluno receberá
um diploma do Cmt da EsAO.

7. TRABALHOS COM CLASSIFICAÇÃO SIGILOSA OU RESTRIÇÃO DE ACESSO


a. Normas para Elaboração
1) No caso de o postulante utilizar como fonte de consulta ou referência algum documento ou
trabalho acadêmico com classificação sigilosa ou restrição de acesso, o seu trabalho receberá restrição
de acesso ou classificação sigilosa igual ou superior a do documento utilizado. A fim de ampliar a
divulgação das produções científicas, os alunos devem evitar, ao máximo, a necessidade de restrição
de acesso ou classificação sigilosa de seus trabalhos.
2) O postulante deverá, quando da entrega do Projeto de Pesquisa, sugerir a conveniência de ser-
lhe atribuída classificação sigilosa ou restrição de acesso, caso não o tenha feito anteriormente. Para o
encaminhamento de Projetos de Pesquisa (stricto e lato sensu) o aluno deverá enviar o arquivo digital
em formato editável (.doc ou .odt), via canal de Inteligência de sua OM, à 2ª Seção da EsAO. Caberá à
Comissão de Seleção ou orientador (no caso do TCC) julgar a pertinência da solicitação.
3) As seguintes providências deverão ser tomadas quando for necessária uma restrição de acesso
ou classificação sigilosa durante o desenvolvimento do trabalho:
a) o postulante deverá informar ao seu orientador a necessidade de atribuição de restrição de
acesso ou classificação sigilosa;
b) o orientador, caso julgue adequada, a atribuirá a classificação, que deverá ser confirmada
por qualquer Comissão de Avaliação ou Banca Examinadora, mediante análise da situação e emissão
de parecer permitindo, ou não, a utilização de informações sigilosas no trabalho.
4) Os Presidentes da Bancas Examinadoras ou de qualquer Comissão de Avaliação, observando
a sugestão dos membros, dos orientadores/co-orientadores ou dos postulantes, poderá atribuir, ou não,
a classificação sigilosa sugerida ou ampliá-la, em qualquer fase do processo de especialização.
Somente podem trabalhar com documentos sigilosos os oficiais (postulante, orientador,
avaliadores etc) possuidores de credencial de segurança compatível com a informação a ser analisada.
O primeiro membro é responsável pela verificação das credenciais antes de distribuir os trabalhos para
serem avaliados, devendo informar os problemas ao Ch SPG antes do início do processo de avaliação.
5) No caso dos postulantes ao Mestrado Profissional à distância para concludentes da EsAO, o
envio dos Capítulos Iniciais para Qualificação e a Dissertação completa para avaliação também deve
seguir via canal de inteligência, conforme explicado anteriormente para os Projetos de Pesquisa.
(Fl 35 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

b. Acesso e Consulta
1) Ao Corpo Docente da EsAO será facultado o acesso aos trabalhos com restrição de acesso ou
classificação sigilosa, de acordo com a necessidade funcional de conhecer o assunto e a posse da
credencial de segurança, correspondente ao teor do documento, cabendo, nos termos da legislação em
vigor, todas as responsabilidades no que concerne à manutenção do sigilo do documento a ser
consultado.
2) O postulante deverá observar as seguintes etapas para a consulta aos trabalhos classificados:
a) obter uma aprovação do seu Orientador que justifique/indique uma real necessidade do
acesso aos Trabalhos Monográficos classificados;
b) preencher o Termo de Compromisso de Manutenção do Sigilo (ANEXO “N");
c) coletar o visto/ciente do seu Orientador;
d) coletar o visto/ciente do Cmt Curso; e
e) apresentar, ao Oficial de Inteligência da EsAO, o Termo de Compromisso de Manutenção
do Sigilo, devidamente preenchido e assinado.
3) Militares estranhos aos Corpos Docente e Discente da EsAO somente poderão ter acesso ao
material sigiloso por meio de DIEX encaminhado à EsAO, por meio da Seção de Inteligência de sua
OM de origem. Sempre que concedida, far-se-á necessária a anotação do responsável e da OM
solicitante no Livro Registro existente na Seção de Inteligência de Escola.

c. Responsabilidades
1) Do Postulante
Caberá ao postulante, nos termos da legislação em vigor, todas as responsabilidades no que
concerne à manutenção do sigilo do documento a ser consultado.
2) Do Orientador
Caberá ao Orientador avaliar a real necessidade de consulta aos Trabalhos Monográficos
sigilosos ou de acesso restrito.
3) Do Cmt Curso
Caberá ao Cmt Curso confirmar a necessidade de acesso aos Trabalhos Monográficos
classificados, sendo-lhe facultado negar a concessão caso identifique alguma circunstância indevida,
sempre em ligação com o Orientador do postulante.
4) Do Chefe da Seção de Inteligência
a) Caberá ao Ch da Seç Intlg receber e distribuir à SPG (Projetos de Dissertação) e aos
Cursos (Projetos de TCC) os projetos de pesquisa encaminhados pelos postulantes/alunos que
sugeriram a restrição de acesso ou classificação sigilosa de seus trabalhos.
b) Acolher, conferir e arquivar o Termo de Compromisso de Manutenção do Sigilo
apresentado pelo postulante.
c) Autorizar o acesso ao(s) material(ais) solicitado(s), em dependência à parte, impedindo sua
saída e/ou reprodução.
d) Estabelecer e escriturar um livro de controle de acesso aos Trabalhos Monográficos
Sigilosos ou de Acesso Restrito que permita uma auditoria das consultas realizadas, quer do Corpo
Discente ou do Corpo docente da EsAO.
5) Dos responsáveis pelo arquivamento
Os responsáveis pelo arquivamento de Trabalhos Acadêmicos com restrição de acesso ou
classificação sigilosa deverão possuir credencial de segurança compatível com o material sob sua
guarda.
(Fl 36 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

d. Tramitação de informações durante a elaboração das monografias


Quando o assunto for de caráter sigiloso, toda tramitação de documentos entre os agentes de pós-
graduação será conforme as normas previstas no nº 7, do Capítulo V destas IPG. Em hipótese alguma
poderá haver tramitação de documento sigiloso por email, ou qualquer outro meio de comunicação que
não seja seguro.

8. ATUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DAS IPG


As IPG serão anualmente revisadas e atualizadas pela SPG/Div Ens, permanecendo disponíveis na
intranet da EsAO e na página de Metodologia da Pesquisa no Portal de Educação do Exército.
(Fl 37 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO A – ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO


1. GENERALIDADES
A estrutura geral do Artigo Científico deverá ser baseada no Livro Metodologia da Pesquisa:
Elaboração de Artigos Científicos - Edição 2005 (MPEAC).
A apresentação gráfica do trabalho deverá ser baseada no Manual de Apresentação de Trabalhos
Acadêmicos e Dissertações - Edição 2014 (MATAD).

2. PARTES COMPONENTES DO ARTIGO CIENTÍFICO


2.1 Elementos Pré-Textuais
TÍTULO E SUBTÍTULO DO TRABALHO – Termo ou expressão que melhor sintetiza o trabalho.

AUTORIA – Indicação do nome do(s) autor(es). Acompanha um breve currículo que o caracterize
como conhecedor da área inerente ao tema. Este currículo deve aparecer no rodapé da página de
abertura.

RESUMO – Elemento obrigatório. Consiste em um parágrafo contendo os objetivos do trabalho, a


metodologia empregada e as conclusões alcançadas. Não deve exceder a 250 palavras (ver NBR 6028).
Deve ser escrito, preferencialmente, na terceira pessoa do singular, usando o verbo na voz ativa. As
palavras-chave devem ser destacadas em negrito.

PALAVRAS-CHAVE – Elemento obrigatório. Termos que indicam a ideia central do conteúdo.

TÍTULO E SUBTÍTULO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA – Elemento obrigatório. O título e


subtítulo, caso haja, em língua estrangeira, devem ser separados por dois pontos (:).

RESUMO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA – “Elemento obrigatório, versão do resumo na língua do


texto, para idioma de divulgação internacional, mantendo as mesmas características [...]”
(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2003, p.4).

2.2 Elementos Textuais


INTRODUÇÃO – Apresentar a delimitação do tema, o problema a ser estudado, as questões de
estudo (ou hipóteses), os objetivos (finalidade) da pesquisa, as justificativas e as contribuições do
estudo, além de outros elementos julgados necessários para situar o tema.

METODOLOGIA – Apresentar, detalhadamente, o caminho percorrido durante a realização do


estudo, instrumentos utilizados e ferramentas de análise.
(Fl 38 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

DESENVOLVIMENTO – Apresentar os fundamentos da literatura e dos instrumentos que


consolidam os resultados do estudo sobre o tema.

CONCLUSÃO – Apresentar as conclusões da pesquisa, procurando explicitar a consecução ou não


do(s) objetivo(s) do estudo.

2.3 Elementos Pós-Textuais


REFERÊNCIAS – Elemento obrigatório. Elaboradas de acordo com o Manual de Apresentação de
Trabalhos Acadêmicos e Dissertações. Deverão ser apresentadas somente as obras que constam no
corpo do artigo, acrescidas das obras consideradas essenciais à apresentação do trabalho.

GLOSSÁRIO – Elemento opcional. Deve ser confeccionado em ordem alfabética.

APÊNDICE – Elemento opcional. Documento que complementa a argumentação principal do autor.


Elaborado pelo autor.

ANEXO – Elemento opcional. Documento que serve de fundamentação, comprovação ou ilustração.


Não elaborado pelo autor.
(Fl 39 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO B – TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTADOR EXTERNO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTADOR EXTERNO

1. Eu, (Posto – Arma/Quadro/Sv – Nome completo) , Idt (Nr) , doravante


designado “orientador”, comprometo-me a conduzir a orientação do (Posto – Arma/Quadro/Sv –
Nome completo) do CAO, inscrito no Curso de Pós-Graduação no nível (Stricto Sensu/Lato Sensu)
em Ciências Militares, cujo trabalho monográfico versa sobre o
tema:______________________________________________________________________, inserido
na Linha de Pesquisa: ________________________________________________.

2. Declaro, ainda, estar ciente de todas as normas que regem os Cursos de Pós-Graduação da EsAO
e de todas as prescrições contidas nas Instruções de Pós-Graduação (IPG) vigentes.

Rio de Janeiro, ___ de _______________ de ____.

________________________________________
(nome, posto, A/Q/S)
Orientador

Visto Of Coorientador:
_____________________________
(nome, posto, A/Q/S)
Coorientador
(Fl 40 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO C – MODELO DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAR PESQUISA DE CAMPO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIEx nº XXX – SCmt/EsAO


EB: XXXXX.000000/0000-00
Rio de Janeiro, xx de xxxx de xxxx.

Do Subcomandante da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais


Ao Sr
Assunto: autorização para realização de pesquisa de campo
Anexos: Carta explicativa e Instrumento de pesquisa

1. Trata o presente expediente sobre autorização para realização de pesquisa de campo sobre o
tema:_______________________________________________________.

2. Os capitães do CAO 2o Ano (presencial) têm que apresentar um trabalho acadêmico como
requisito parcial para conclusão das atividades de pós-graduação. Para a concretização do trabalho, os
capitães necessitam visitar as OM a fim de realizar entrevistas, aplicar questionários e proceder outras
formas científicas de coleta de dados com militares que trabalhem na área de interesse da pesquisa em
curso neste Estabelecimento de Ensino.

3. Devidamente autorizado pelo Exmo Sr Cmt da EsAO, venho solicitar vossa autorização para
que o Cap _________________________________________________ possa realizar uma pesquisa
nessa tradicional OM do Exército Brasileiro.

_______________________________________
(nome completo – posto)
Subcomandante da EsAO
(Fl 41 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO D – PARTES COMPONENTES DO TRABALHO A SER QUALIFICADO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

PARTES COMPONENTES DO PROJETO DE DISSERTAÇÃO E DO TRABALHO A SER


QUALIFICADO

ELEMENTOS Necessidade

Capa X

Folha de rosto X

Lista de ilustrações X

Lista de tabelas X
PRÉ-TEXTUAIS
Lista de abreviaturas X

Lista de siglas X

Lista de símbolos X

Sumário X

1 INTRODUÇÃO X

1.1 PROBLEMA X
TEXTUAIS
1.2 HIPÓTESE (OU QUESTÕES DE ESTUDO) X

1.3 OBJETIVO X
(Fl 42 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

1.4 JUSTIFICATIVA X

2 REVISÃO DE LITERATURA X

3 METODOLOGIA X

3.1 OBJETO FORMAL DE ESTUDO X

3.2 AMOSTRA X

TEXTUAIS 3.3 DELINEAMENTO DE PESQUISA X

3.3.1 Procedimentos para a revisão da literatura X

3.3.2 Procedimentos metodológicos X

3.3.3 Instrumentos X

3.4 ANÁLISE DOS DADOS X

4 RESULTADOS ESPERADOS X

REFERÊNCIAS X

GLOSSÁRIO X

PÓS-TEXTUAIS APÊNDICE(S) X

ANEXO(S) X

ÍNDICE(S) X

X Obrigatório
X Opcional
(Fl 43 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO E

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

1. FINALIDADE
Orientar a elaboração e a avaliação dos Projetos de Pesquisa que serão apresentados pelos
candidatos à matrícula no Curso de Mestrado em Ciências Militares da EsAO, no ano de 2016.

2. PARTES COMPONENTES DO PROJETO


Ao elaborar o seu Projeto de Pesquisa, o candidato seguirá a sequência apresentada na Ficha de
Avaliação, podendo realizar as adaptações necessárias, conforme as suas necessidades.
Os projetos deverão apresentar os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, que na Ficha de
Avaliação (Apêndice nº 3) estão definidos como partes A, B e C, respectivamente, e estão, a seguir,
especificados:
PARTE A - Elementos Pré Textuais
- Capa (Apêndice nº 1)
- Folha de Rosto (Apêndice nº 2)
- Sumário
- Outros (se for o caso)
Obs: Nos Projetos de Dissertação de Mestrado, somente a capa será identificada com o Posto,
Arma, Quadro ou Serviço, nome completo do candidato e organização militar (OM). As demais partes
componentes do projeto não deverão conter qualquer dado que possa identificar o candidato.
PARTE B - Elementos Textuais
1. INTRODUÇÃO
1.1 Problema e seus antecedentes
1.2 Objetivos (Geral e específicos)
1.3 Hipóteses ou questões de estudo
1.4 Justificativa
2. REVISÃO DE LITERATURA
(Constar os fundamentos teóricos da revisão de literatura, explicitando seus principais
tópicos, que devem ser pertinentes ao tema).
3. METODOLOGIA DA PESQUISA
3.1 Objeto formal de estudo
3.2 Amostra
3.3 Delineamento da Pesquisa
3.3.1 Procedimentos para a revisão de literatura
3.3.2 Procedimentos metodológicos
3.3.3 Instrumentos
3.3.4 Análise dos dados
(Fl 44 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4. RESULTADOS ESPERADOS
Deverá ser caracterizado que a dissertação apresentará resultado (s) importante (s) para a linha
de pesquisa escolhida.
PARTE C - Elementos Pós-Textuais
- REFERÊNCIAS (bibliografia atualizada e expressando o estado da arte))
- OUTROS (se for o caso).

3. TÉCNICA DE REDAÇÃO
A redação do Projeto é fundamental, para que os componentes da Banca Examinadora possam
entender as suas principais características e a proposta do candidato.
Na ficha de Avaliação serão observados os seguintes aspectos:
- O Projeto está redigido em uma linguagem compatível com as exigências de um trabalho
científico (impessoalidade, ética etc.);
- Evidencia cuidado com as correções gramaticais e ortográficas.
- A sua redação possui clareza, concisão e precisão;

4. FORMATAÇÃO
A formatação do Projeto seguirá as normas da ABNT, podendo o candidato seguir o manual de
Apresentação de Trabalhos Acadêmicos (MATAD) e o Manual de Metodologia da Pesquisa (MPC),
constantes da página eletrônica da EsAO, bem como qualquer fonte de consulta que oriente a
metodologia da pesquisa científica, desde que conste nas Referências do projeto.
O projeto será confeccionado e impresso em papel A4 (21cm x 29,7cm), na cor branca, fonte
ARIAL 12 para o texto e 10 para citações longas.
Os elementos textuais (da Introdução até a última página dos Resultados Esperados) deverão
observar o limite máximo de 16 páginas). A numeração contará a partir da folha de rosto, porém só
aparecerá o nº (algarismo arábico), na parte superior direita, a partir da 1ª folha da parte textual
(INTRODUÇÃO).
As margens: esquerda e superior devem ter 3 cm; direita e inferior 2 cm; espaço entre linhas 1,5
cm para todo o texto; e alinhamento: justificado.
O Projeto não deverá ser encadernado. A Capa e demais folhas serão apenas grampeadas e
encaminhadas conforme especificado no Edital.

5. PRESCRIÇÕES DIVERSAS
a. A Ficha de Avaliação de Projeto de Pesquisa (Anexo “U”) e seu Apêndice são documentos
internos da EsAO. O candidato não necessita encaminhá-los anexados ao Projeto.

b. Em caso de empate na nota final dos projetos de Pesquisa dos postulantes à mesma Linha de
Pesquisa, a Comissão de Seleção classificará o candidato, considerando as informações contidas na
Ficha de Avaliação Final do Projeto de Pesquisa (Apêndice ao Anexo “U”).
(Fl 45 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICES:
Apêndice nº 1: Capa do Projeto

Apêndice nº 2: Folha de Rosto

Apêndice nº 3: Ficha de Comprovação de Experiência e Aderência à Linha de Pesquisa)


(Fl 46 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICE Nº 1 AO ANEXO E - CAPA DO PROJETO (MODELO)

CÓDIGO:

Numeração a cargo da EsAO

ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS

Posto, A/Q/Sv e nome completo: ________________________________________________

OM: _______________________________________________________________________

Área de Concentração: Defesa Nacional


Linha de Pesquisa: ____________________________________________________________

Título do Projeto: _____________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

Rio de Janeiro/RJ
ANO
(Fl 47 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICE Nº 2 AO ANEXO E - FOLHA DE ROSTO (MODELO)

CÓDIGO:

(Numeração a cargo da EsAO)

Área de Concentração: Defesa Nacional


Linha de Pesquisa: ________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

TÍTULO DO PROJETO: _____________________________________________________________


__________________________________________________________________________________

Projeto de Dissertação apresentado à Escola de


Aperfeiçoamento de Oficiais, como requisito para a
Matrícula no Curso de Mestre em Ciências Militares.

Rio de Janeiro/RJ
ANO
(Fl 48 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICE Nº 3 AO ANEXO E
MODELO DE FICHA DE COMPROVAÇÃO DE EXPERIÊNCIA E
ADERÊNCIA À LINHA DE PESQUISA*

CÓDIGO:

Numeração a cargo da EsAO

1. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DEFESA NACIONAL


2. NOME DA LINHA DE PESQUISA: __________________________________________________
3. TÍTULO DO PROJETO PRELIMINAR DE PESQUISA: __________________________________
__________________________________________________________________________________
4. EXPERIÊNCIA E ADERÊNCIA À LINHA DE PESQUISA:

a. Citar o nome, nível, duração, ano e escola dos cursos/estágios militares ou civis realizados e
pertinentes à linha de pesquisa.

Curso/Estágio Nível** Duração Ano Escola Observação

b. Citar os títulos dos trabalhos científicos (TCC/monografias etc) realizados, bem como o nível,
ano e escola correspondentes.

Trabalhos Científicos Nível** Ano Escola Observação

c. Tempo no desempenho de atividades relacionadas ao objeto de pesquisa escolhido.

Período
OM Funções
Início Término

d. Relate, resumidamente (máximo de 08 linhas), o seu desempenho nas atividades registradas no


item “c”, tendo o cuidado de evitar a sua identificação.

________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
(Fl 49 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

5. DOCUMENTO QUE PUBLICOU O ÍNDICE DE PROFICIÊNCIA LINGUÍSTICA (O aluno tem


o prazo para a obtenção do índice até a data da matrícula no curso de Mestrado)
__________________________________________________________________________________

OBSERVAÇÕES:
(*) Ficha elaborada somente pelo aluno postulante ao Mestrado. Este documento será
encaminhado à EsAO juntamente com o seu Projeto de Pesquisa (T2M).
(**) graduação, especialização, extensão, mestrado, doutorado, quando for o caso.

Esta ficha não poderá conter qualquer anotação que possa facilitar a identificação do
postulante ao Mestrado pela Comissão de Avaliação.
(Fl 50 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO F

MODELO DE FICHA DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE


QUALIFICAÇÃO/DEFESA DE DISSERTAÇÃO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Autor: ____________________________________________________________________________
Título:____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

Qual Def
TÓPICOS
(*) (*)
1. ESTRUTURA DO TRABALHO
Os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais foram apresentados?
0,5 0,5
O trabalho está impresso em: margens “3322”; fonte “Arial” 12 e espaçamento “1,5”
Formatação geral (numeração das páginas e itens, tabelas e ilustrações)
2 INTRODUÇÃO 1,5 1,0
2.1 PROBLEMA
Foram apresentados antecedentes do problema?
Eles conduzem a uma formulação lógica do problema? 0,2 0,2
A formulação está clara e objetiva?
Permite chegar a uma resposta utilizando o método científico?
2.2 OBJETIVO
O Objetivo Geral está coerente com o problema em estudo?
Sintetiza o que tem de ser feito para solucionar, mesmo que parcialmente, o
problema em estudo? 0,7 0,2
Os Objetivos Específicos permitem atingir o objetivo geral?
Os Objetivos Específicos permitem percorrer um caminho coerente e lógico para
solucionar o problema em estudo?
2.3 HIPÓTESE (Quando pertinente)
A(s) hipótese(s) apresenta(m) a(s) característica(s) abaixo?
1) Plausível: deve indicar uma situação possível de ser admitida;
2) Consistente: o enunciado não está em contradição com a teoria e com o
conhecimento científico;
0,4 0,3
3) Específica: deve dar as características para identificar o que deve ser observado.
4) Verificável: pode ser verificável pelos processos científicos atualmente
empregados.
5) Clara: deve conter termos que ajudem realmente a compreender o que se pretende
afirmar.
(Fl 51 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

6) Concisa: seu enunciado deve possuir somente os termos necessários à sua


compreensão.
7) Explicativa: tem por fim básico servir de explicação para o problema que foi
enunciado (é uma solução para o problema?).
2.4 QUESTÕES DE ESTUDO (Na inexistência de hipóteses)
Norteiam a solução do problema de pesquisa?
Permitem estabelecer uma relação de causa e efeito entre as variáveis?
Permitem organizar a estrutura dos resultados de forma lógica e coerente? 0,4** 0,3**
Se respondidas, fornecerão o referencial para o estabelecimento de um modelo
teórico para a solução do problema de pesquisa?
Atendem aos objetivos específicos formulados?
2.5 JUSTIFICATIVA
Foram apresentados argumentos que justifiquem a execução da pesquisa?
As justificativas estão coerentes com o tema?
Elas são convincentes?
Foram apresentados argumentos que indiquem a serventia da pesquisa? 0,2 0,3
Aspectos positivos podem ser destacados na abordagem proposta?
O conhecimento produzido é relevante para as Ciências Militares?
Apresentou inovações a serem esperadas?
Apresentou as vantagens e/ou benefícios esperados com a realização da pesquisa?
3. REVISÃO DE LITERATURA
Está ordenado de forma coerente e lógica?
Está baseado em fontes fidedignas (ou de caráter duvidoso)?
3,0 1,0
Apresenta o estado da arte das pesquisas já realizadas acerca do problema?
As fontes dão suporte à formulação da Metodologia?
As fontes são suficientes e estão referenciadas corretamente?
4 METODOLOGIA 3,0 1,2
4.1 OBJETO FORMAL DE ESTUDO
O objeto formal de estudo está perfeitamente definido (VD + VI + contexto +
delimitação no tempo e no espaço)?
As variáveis dependente(s) e independente(s) estão bem delimitadas?
Os aspectos selecionados para dimensionar as variáveis são os mais adequados e
representativos?
1,0 0,2
Os indicadores permitem uma avaliação efetiva das dimensões das variáveis?
Os indicadores de ambas as variáveis estão relacionados?
Permite visualizar os alcances da pesquisa (até onde pretende explorar o objeto
formal de estudo)?
Permite identificar os limites da pesquisa (o que impede uma maior abrangência ou
precisão dos resultados)?
4.2 AMOSTRA
A amostra está bem definida?
0,4 0,2
Os critérios de amostragem foram bem definidos?
A amostra está bem dimensionada e representativa quanto à população estudada?
(Fl 52 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

4.3 DELINEAMENTO DE PESQUISA


O(s) método(s) de pesquisa está(ão) coerente(s)?
O(s) tipo(s) de pesquisa está(ão) bem definido(s) e coerente(s) com o problema?
A(s) técnica(s) de pesquisa permite(m) obter evidências que comprove(m) a(s)
0,4 0,2
Hipótese(s) de Estudo (ou respondem as Questões de Estudo)?
Foi apresentado um corte cronológico coerente?
A forma de medição (instrumentos de medida) é a mais adequada, permitindo
estabelecer uma relação entre as variáveis?
4.3.1 Procedimentos para a revisão da literatura
Foram apresentadas as ações realizadas para a busca das informações?
0,3 0,1
Foram apresentadas as fontes de busca?
Foram apresentadas as estratégias de busca para as bases de dados eletrônicas?
4.3.2 Procedimentos metodológicos (quando pertinente)
Foram apresentadas as ações realizadas até a coleta de dados?
Foram apresentadas as fontes de dados? Foram apresentadas as estratégias para a
coleta de dados?
Foram apresentados os critérios de inclusão? Eles estão coerentes?
Foram apresentados os critérios de exclusão? Eles estão coerentes?
0,3 0,2
Foi apresentada a sequencia de ações realizadas para:
Realizar um pré-teste?
Obter os dados de pesquisa?
Criticar os dados de pesquisa?
Organizar e/ou tabular os dados de pesquisa?
As ações estão coerentes com o tipo e a técnica de pesquisa?
4.3.3 Instrumentos (quando pertinente) Foram apresentados os modelos de instrumentos?
Foi apresentada uma justificativa para a utilização de cada instrumento (ou parte do
mesmo)?
Os instrumentos permitem uma mensuração coerente e lógica dos indicadores das
0,4 0,1
variáveis de estudo?
Os instrumentos estão montados de forma objetiva para a solução do problema (não
se perde em preciosismos desnecessários, ou mede dados desnecessários à
discussão)?
4.3.4 Análise dos dados
Foram descritos os procedimentos utilizados na análise dos dados?
Eles estão coerentes e permitem medir a significância dos resultados da pesquisa?
Quando pertinente:
0,2 0,2
Foram descritos os procedimentos para a codificação, tabulação e apresentação dos
resultados (gráficos e tabelas)?
Foi apresentada a estatística utilizada para o tratamento dos dados?
Os testes estatísticos estão corretamente dimensionados?
(Fl 53 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

5. RESULTADOS OU RESULTADOS ESPERADOS PARA QUALIFICAÇÃO)


Os pressupostos teóricos estão ordenados de forma coerente e lógica?
São suficientes e dão suporte à Discussão?
Estão referenciados corretamente (foram citadas as fontes)?
A maioria das fontes estão atualizadas (dez anos pra cá)?
Estão baseadas em fontes fidedignas ou de caráter duvidoso?
1,0 1,6
A forma de medição dos indicadores permitiu uma correta visualização das
dimensões das variáveis de estudo?
Os resultados de pesquisa de campo ou experimental estão corretamente?
- codificados? (quando pertinente)
- tabulados? (quando pertinente)
- apresentados (gráficos e tabelas)? (quando pertinente)
6. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
Apresenta uma argumentação baseada em dados e fatos?
Compara os resultados de seu estudo com o estado da arte apresentado na revisão de
- 1,6
literatura (estudos similares)?
A argumentação está coerente com os resultados apresentados?
Discute todos os resultados encontrados?
7. CONCLUSÃO
Concluiu acerca dos objetivos propostos?
Confirmou ou rejeitou a hipótese de estudo (respondeu as questões de estudo)?
- 1,6
As conclusões estão coerentes com os resultados?
Propôs soluções para o problema estudado?
Apresentou recomendações coerentes?
8. TÉCNICA DE REDAÇÃO
Para o exame da técnica de redação o examinador deverá verificar se o trabalho:
a. está redigido em uma linguagem compatível, transmitindo precisão e sobriedade;
b. possui os títulos das divisões e subdivisões com estrutura gramatical semelhante; 1,0 0,5
c. evidencia cuidado com as correções gramaticais, ortográficas e de pontuação;
d. possui as seguintes qualidades fundamentais do texto: clareza, concisão e
correção.
9. APRESENTAÇÃO
Utilizou adequadamente os meios auxiliares de instrução
Demonstrou ser profundo conhecedor do tema estudado?
0,5 1,0
Apresentou sua Dissertação de forma segura, coerente e lógica?
Demonstrou firmeza na defesa de seus argumentos?
Quando arguido, mostrou desembaraço e foi convincente em seus posicionamentos?

**Grau Parcial: _________


AVALIAÇÃO I: 0 a MB: 8 a MENÇÃO:
R:5 a 5,99 B: 6 a 7,99 E: 9,5 a 10
4,99 9,49 __________
(*) Para cada fase de avaliação (Qualificação e Defesa) será utilizada a ficha correspondente.
(**) As pontuações das questões de estudo e das hipóteses são excludentes.

______________________________________
(Nome completo e posto do avaliador)
Função na BE
(Fl 54 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO G - ROTEIRO PARA DEFESA DA DM

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

ROTEIRO PARA DEFESA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

1. OCUPAÇÃO DO RECINTO PELOS CONVIDADOS

2. OCUPAÇÃO DA MESA PELA BANCA EXAMINADORA

3. ABERTURA DOS TRABALHOS

PRESIDENTE: “Senhoras e senhores bom dia.

Em nome do Sr. Comandante da Escola de Aperfeiçoamento de oficiais, e na função de Presidente


desta Banca, declaro aberto este ATO PÚBLICO para apresentação da Dissertação de Mestrado
intitulada:_____________________________________________________________, que será
apresentada pelo (posto, arma e nome completo), aluno desta Escola.

A Banca Examinadora está constituída por este Presidente Posto e nome completo, pelo Posto e
nome completo, 1º Membro e o Posto e nome completo, 2º Membro.
A partir deste momento o candidato tem até 40 minutos ininterruptos para a apresentação de seu
trabalho. após o que passaremos, para a fase da argüição, com duração de até 50 minutos”.

4. APRESENTAÇÃO DO TRABALHO PELO POSTULANTE


(Depois de realizada a apresentação do postulante, poderá ser concedido um intervalo de 10
min)
Presidente da Banca Examinadora:
“Dando continuidade aos trabalhos desta apresentação de dissertação, terá início a arguição do
postulante.”
(Iniciam-se as perguntas pelo Presidente, seguido pelo 1º Membro e pelo 2º Membro, no tempo
de 50 min.)

“Com a palavra o posto e nome (1º Membro)”.


“Com a palavra o posto e nome (2º Membro)”.

(Após os questionamentos dos membros da Banca)


“Convidamos o postulante e os convidados a se retirarem temporariamente do recinto, para
que sejam realizados os trabalhos de conclusão da avaliação da Dissertação de Mestrado. Informamos
que dentro de alguns minutos será divulgado o resultado final”.
(Fl 55 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

(Feita a Avaliação do trabalho e retornando os convidados / postulantes)


5. LEITURA DA ATA DE AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO.
6. ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO AO POSTULANTE
- uma via da Folha de Aprovação ou Reprovação e, quando for o caso, a folha contendo as
exigências da Banca Examinadora para Aprovação de Trabalho Monográfico; e
- as cópias impressas da DM com as correções sugeridas (SFC).
7. ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS

Presidente da Banca Examinadora:


“Estão encerrados os trabalhos de apresentação desta dissertação.
A EsAO agradece a presença das autoridades (SFC) e dos convidados.
Um bom dia a todos”.
(Fl 56 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO H – MODELO DE ATA DE DEFESA DA DM


EsAO - DIVISÃO DE ENSINO - SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO
ATA DE DEFESA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Nº ____ /ANO
Aos ___dias do mês de _______________de ____, a Banca Examinadora composta
pelo Posto e nome completo, Presidente, Posto e nome completo, 1º Membro e Posto e nome
completo, 2º Membro, reuniu-se às ________ horas do dia ____ de ___________ de _____, no
Auditório ________________, desta Escola, para examinar a Dissertação de Mestrado intitulada:
_____________________________________________________________________________,
apresentada pelo (posto, A/Q/Sv e nome completo), postulante ao título de Mestre em Ciências
Militares, a ser outorgado pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.
Após analisar todos os aspectos referentes à dissertação e à sua apresentação os membros da
banca chegaram ao seguinte parecer:

Membro Parecer
(Posto e nome completo) Dissertação de Mestrado aprovada - Menção (B, MB ou E).
(Posto e nome completo) Dissertação de Mestrado aprovada - Menção (B, MB ou E).
(Posto e nome completo) Dissertação de Mestrado reprovada- Menção (I ou R).

Em consequência, a Banca foi de parecer que a dissertação está (aprovada com louvor, menção
Excelente, ou aprovada, com menção Muito Bem/Bem, com as restrições assinaladas no verso). Ao
postulante é dado o prazo de (até 20 dias) para apresentação de novo original, contendo todas as
exigências da Banca e demais normas da Escola, para ser aprovado no Curso de Pós-Graduação nível
Stricto Sensu de Mestrado Profissional em Ciências Militares.

Rio de Janeiro, RJ, _____de ________________de ______

________________________________________________
Nome completo e posto
Presidente

_________________________________________________
Nome completo e posto
1º Membro

__________________________________________________
Nome completo e posto
2º Membro
CIENTE:
__________________________________________________
Nome completo e posto do postulante
OBS:
1) Caso a dissertação seja reprovada a Ata será redigida da seguinte forma:
- Em consequência, a Banca é de parecer que a dissertação está reprovada, devendo o postulante
ser desligado do curso de Mestrado Profissional e matriculado no curso de Especialização em Ciências
Militares. Ao postulante é dado o prazo de (até 20 dias) para apresentação de um Trabalho de
Conclusão de Curso (TCC) contendo todas as exigências da Banca e demais normas da Escola.

2) O nº da Ata será preenchido pela SPG.


(Fl 57 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO
(Fl 58 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO I – MODELO DE FICHA DE AVALIAÇÃO DE TCC

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

FICHA DE AVALIAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Autor:

Título:

TÓPICOS PESO NOTA

I. ESTRUTURA DO TRABALHO 0,5


Os elementos previstos para a composição do trabalho foram apresentados?
Elementos Pré-textuais; Elementos Textuais; Elementos Pós-textuais 0,1
O trabalho está impresso em:
Margens “3322”; Fonte “Arial” 12; Espaçamento “1,5” 0,1
Formatação de tabelas e ilustrações 0,3

II. DESENVOLVIMENTO LÓGICO DO TRABALHO 9,0

1 INTRODUÇÃO 2,0
O título do trabalho está adequado ao conteúdo do Trabalho? 0,1
Foram apresentados antecedentes do problema e o estado da arte? 0,1
Eles conduzem a uma formulação lógica do problema? 0,1
A formulação está clara e objetiva? 0,1
Permite chegar a uma resposta utilizando o método científico? 0,1
(Fl 59 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

O texto está devidamente referenciado? 0,1


1.1 OBJETIVO 0,1
O Objetivo Geral está coerente com o problema em estudo?
Sintetiza o que tem de ser feito para solucionar, mesmo que parcialmente, o 0,1
problema em estudo?
0,1
Os Objetivos Específicos permitem atingir o objetivo geral?
Os Objetivos Específicos permitem percorrer um caminho coerente e lógico
para solucionar o problema em estudo? 0,1
1.2 HIPÓTESE (Quando pertinente)
A(s) hipótese(s) apresenta (m) a (s) característica (s) abaixo?
Plausível: deve indicar uma situação possível de ser admitida;
Consistente: o enunciado não está em contradição com a teoria e com o 0,1
conhecimento científico; 0,1
Específica: deve dar as características para identificar o que deve ser
observado.
Verificável: pode ser verificável pelos processos científicos atualmente 0,1
empregados.
Clara: deve conter termos que ajudem realmente a compreender o que se 0,1
pretende afirmar.
Concisa: seu enunciado deve possuir somente os termos necessários à sua 0,1
compreensão.

Explicativa: tem por fim básico servir de explicação para o problema que 0,1
foi enunciado (é uma solução para o problema?).
0,1
1.3 QUESTÕES DE ESTUDO (Na inexistência de hipóteses)
Norteiam a solução do problema de pesquisa? 0,2
Permitem estabelecer uma relação de causa e efeito entre as variáveis? 0,1
Permitem organizar a estrutura dos resultados de forma lógica e coerente? 0,1
Se respondidas, fornecerão o referencial para o estabelecimento de um
modelo teórico para a solução do problema de pesquisa? 0,1
Atendem aos objetivos específicos formulados? 0,2

1.4 JUSTIFICATIVA
Foram apresentados argumentos que justifiquem a execução da pesquisa? 0,1
As justificativas estão coerentes com o tema?
Elas são convincentes?
0,1
Foram apresentados argumentos que indiquem a serventia da pesquisa?
O conhecimento produzido é relevante para as Ciências Militares?
Apresentou inovações a serem esperadas?
Apresentou as vantagens e/ou benefícios esperados com a realização da 0,1
pesquisa?
(Fl 60 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

2 REVISÃO DE LITERATURA 1,0


Está ordenado de forma coerente e lógica? 0,1
Está baseado em fontes fidedignas (ou de caráter duvidoso)? 0,2
Apresenta o estado da arte das pesquisas já realizadas acerca do problema? 0,3
As fontes dão suporte à formulação da Metodologia? 0,2
As fontes são suficientes e estão referenciadas corretamente? 0,2

3 METODOLOGIA 2,0
Apresentou o método de estudo? 0,1
O método de estudo está coerente? 0,2
A(s) técnica(s) de pesquisa permite(m) atingir o objetivo do estudo? 0,1
O Objeto Formal de Estudo foi corretamente apresentado? 0,1
Foi explicitada a técnica utilizada para definir a amostra? (SFC)* 0,1
Foram apresentados os critérios de inclusão na amostra? (SFC)* 0,1
Foram apresentados os critérios de exclusão da amostra? (SFC)* 0,1
Foram apresentados os procedimentos para a Revisão de Literatura? 0,2
Foram apresentadas as fontes de busca? 0,1
Foram apresentadas as estratégias de busca para as bases de dados 0,2
eletrônicas? 0,1
Foram apresentados os critérios de inclusão? 0,1
Foram apresentados os critérios de exclusão? 0,1
O(s) instrumento(s) de pesquisa está(ão) coerente(s)? 0,1
Foi apresentada a sequencia de ações realizadas para o pré-teste? 0,1
Foram apresentadas as estratégias para a coleta de dados no campo? (SFC)* 0,2
Foram citadas as técnicas e ferramentas utilizadas para a análise dos dados?
* SFC: Esses itens devem ser considerados quando o estudo exige definição de uma amostra. Caso o
estudo não exija amostragem, o valor desse item deve ser redistribuído nos itens que possuem peso 0,2
4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1,2
Os resultados apresentados respondem aos objetivos do trabalho? 0,2
Estão apresentados de forma a possibilitar um bom entendimento pelo
leitor (organização do texto, figuras, tabelas ou gráficos)? 0,2
São suficientes e dão suporte à Discussão? 0,2
Estão referenciados corretamente (foram citadas as fontes)? 0,2
Estão baseadas em fontes fidedignas? 0,2
(Fl 61 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

A maioria das fontes estão atualizadas (máximo dez anos)? 0,2

5 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 1,8

Foram discutidos de forma consistente (utilizando outras referências sobre o 0,3


assunto para consolidar ou refutar suas ideias)?
O autor utiliza fontes confiáveis (com base científica)?
0,3
Apresenta uma argumentação baseada em dados e fatos?
0,3
Compara os resultados de seu estudo com o estado da arte apresentado na
revisão de literatura (estudos similares)?
0,3
A argumentação está coerente com os resultados apresentados? 0,3
Discute todos os resultados encontrados? 0,3

6 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1,0

Concluiu acerca dos objetivos propostos? 0,2


Confirmou ou rejeitou a hipótese de estudo (respondeu as questões de estudo)? 0,2
As conclusões estão coerentes com os resultados? 0,2
Propôs soluções para o problema estudado? 0,2
Apresentou recomendações coerentes? 0,2

III. TÉCNICA DE REDAÇÃO 0,5


a. está redigido em uma linguagem compatível com a importância do trabalho? 0,1
b. está organizado com seus títulos das divisões e subdivisões com estrutura
gramatical semelhante, isto é, se usa a mesma categoria gramatical, o mesmo 0,1
tempo de verbo, modo etc?
c. evidencia cuidado com as correções gramaticais, ortográficas e de pontuação?
0,1
d. demonstra precisão e variedade vocabular?
0,1
e. possui clareza, concisão e correção?
0,1

Aspectos a Avaliar Observações NOTA


I. Estrutura
II. Desenvolvimento Lógico
III. Técnica de Redação
Grau
Final
I: 0,0 a 4,99 R: 5,0 a 5,99 B: 6,0 a 7,99 MB: 8,0 a 9,49 E: 9,5 a 10,0 Menção
Deve receber classificação sigilosa? ( )SIM ( )NÃO
(Fl 62 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO J – MODELO DE ATA DE AVALIAÇÃO DE TCC

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

ATA DE AVALIAÇÃO DE TCC Nº _______

Ata da avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso realizada às _____ horas do dia __ de _____,
no Curso de ______________________, da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.
Presentes os membros da Comissão de Avaliação: (Posto e nome completo), Presidente, (Posto e
nome completo), 1º Membro e (Posto e nome completo), 2º Membro.
Aberta a reunião, visando avaliar o trabalho de conclusão de curso do (posto, A/Q/Sv e nome
completo), intitulado: _______________________________________________________________,
foi passada a palavra pelo Presidente da Comissão ao primeiro membro e posteriormente ao segundo
membro, para que eles apresentassem seus pareceres sobre o trabalho. Após a argumentação de ambos,
o presidente finalizou a avaliação do trabalho de conclusão de curso, emitindo o parecer da Comissão
de Avaliação.
De acordo com o previsto na legislação em vigor o Trabalho de Conclusão de Curso foi
considerado aprovado (ou reprovado) com menção R, B, MB, ou E (ou Insuficiente). O postulante
deverá cumprir as exigências desta Comissão e demais normas da Escola para ser aprovado no Curso
de Pós-Graduação nível Lato Sensu de Especialização (ou Aperfeiçoamento) em Ciências Militares.

Rio de Janeiro, ______ de ________________ de ______.

________________________________________________
Nome completo e posto
Presidente

__________________________________________________
Nome completo e posto
1º Membro

__________________________________________________
Nome completo e posto
2º Membro

Obs: O Nº da Ata será preenchido pela SPG.


(Fl 63 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO K – MODELO DE TERMO DE DESTRUIÇÃO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

TERMO DE DESTRUIÇÃO

1. Eu, (Posto – Arma/Quadro/Sv – Nome completo) , Idt (Nr) ,


declaro ter procedido à destruição de _____ cópias do trabalho monográfico intitulado:
_______________________________________________________________________________,
classificado sigilosamente como _____________________, de acordo com as normas em vigor.

2. Serviram de testemunhas do ato os signatários abaixo discriminados.

Rio de Janeiro, ___ de _______________ de _____.

______________________________
(nome, posto, A/Q/S)
Of Responsável

Testemunhas:

_____________________________
(nome completo e posto)
1º Membro
_____________________________
(nome completo e posto)
2º Membro
(Fl 64 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO L - FOLHA DE APROVAÇÃO/REPROVAÇÃO DE TCC

ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS

Divisão de Ensino / Seção de Pós-graduação

Ao Posto A/Q/Sv do Cap-Al: ________________________________________________________

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à


Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, como requisito
parcial para a obtenção do Grau de Especialização em
Ciências Militares.

O Presidente da Comissão de avaliação do seu TCC, cujo título é: _______________


________________________________________________________________________, apresentado
como requisito parcial para a obtenção do G , grau de Especialização em Ciências Militares, informa
que o Sr está APROVADO, por ter obtido o conceito (EXCELENTE, MUITO BEM OU BEM).

(Ou, REPROVADO por ter obtido o conceito INSUFICIENTE, após a avaliação desta Comissão.
A partir desta data, o Sr tem o prazo de (até 20 dias) para apresentar o seu Trabalho de Conclusão de
Curso (TCC), com as exigências estabelecidas por esta Banca Examinadora e normas da Escola.

Rio de Janeiro, ____ , de ________________ , de ___________

________________________________________________
Nome completo e posto
Presidente
__________________________________________________
Nome completo e posto
1º Membro
__________________________________________________
Nome completo e posto
2º Membro

CIENTE: ______________________________________
Nome completo – Posto
Postulante
(Fl 65 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO M – RELAÇÃO DE TRABALHOS OSTENSIVOS APRESENTADOS

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RELAÇÃO DE TRABALHOS OSTENSIVOS APRESENTADOS


Código Nome
Posto
de Tema
A/Q/S (em ordem alfabética)
registro

ANDRÉ MANUEL A cavalaria paraquedista: problemas atuais no


3304 Cap Cav
VIDAL emprego na segurança da C Pnt Ae.

2997 ... ... ...

AUGUSTO PAULO A Guerra de Canudos, contribuições para evolução


3305 Cap Cav
LIMA da Doutrina Militar.

3002 ... ... ...

O apoio logístico de saúde durante uma marcha


3015 Cap Cav AUGUSTO LOPES
para o combate

__________________________________
Chefe da Seção de Pós-Graduação
*O número de registro é de responsabilidade da Biblioteca da EsAO.
(Fl 66 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO N – MODELO DE TERMO DE COMPROMISSO DE MANUTENÇÃO DO SIGILO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

TERMO DE COMPROMISSO DE MANUTENÇÃO DO SIGILO

Eu, Cap _________________________________________, Idt Nr _________________, do


_____________________________________, nos termos do Art. 42 das Instruções Gerais para
Salvaguarda de Assuntos Sigilosos (IG 10-51), declaro que tenho pleno conhecimento de minha
responsabilidade no que concerne ao sigilo que deve ser mantido sobre todas as informações que, por
força de minha pesquisa científica, venham a ser do meu conhecimento; comprometendo-me a guardar
o sigilo necessário a que sou obrigado nos termos da legislação vigente, especialmente as citadas no
verso do presente termo.

Vila Militar - RJ, ______ de _________________ de _____

______________________________________________
(Nome completo, posto e identidade)
(Fl 67 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICE 1 AO ANEXO N (DEVE SER IMPRESSO NO VERSO DO TERMO DE


COMPROMISSO DE MANUTENÇÃO DE SIGILO)
LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA
1. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO - Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Art. 325 - Revelar fato que tenha ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo, ou
facilitar-lhe a revelação.
Pena: detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, ou multa.
2. CÓDIGO PENAL MILITAR - 1969
Art. 326 - Violação do Sigilo Funcional - Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo ou
função e que deva permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação, em prejuízo da administração
militar.
Pena: detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, se o fato não constitui crime mais grave.
3. ESTATUTO DOS MILITARES - Lei nº 6.880, de 9 de dezembro de 1980
Art. 28 - O sentimento do dever, o pundonor militar e o decoro da classe impõem, a cada um dos
integrantes das Forças Armadas, conduta moral e profissional irrepreensíveis, com a observância dos
seguintes preceitos da ética militar:
X - abster-se de tratar, fora do âmbito apropriado, de matéria sigilosa de qualquer natureza.
4. LEI DE SEGURANÇA NACIONAL - Lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983
Art. 13 - Comunicar, entregar ou permitir a comunicação ou entrega, a governo ou grupo
estrangeiro, ou a organização ou grupo de existência ilegal, de dados, documentos ou cópias de
documentos, planos, códigos, cifras ou assuntos que, no interesse do Estado brasileiro, são
classificados como sigilosos.
Pena: reclusão, de 03 (três) a 15 (quinze) anos.
Art. 21 - Revelar segredo obtido em razão de cargo, emprego ou função pública, relativamente a
planos, ações ou operações militares ou policiais contra rebeldes, insurretos ou revolucionários.
Pena: reclusão, de 02 (dois) a 10 (dez) anos.
5. INSTRUÇÕES GERAIS PARA SALVAGUARDA DE ASSUNTOS SIGILOSOS (IG 10-51)
Art. 142 - Os militares que tratam com assuntos sigilosos ou de natureza sensível são responsáveis
pela segurança dos mesmos e estão sujeitos às regras referentes ao sigilo profissional, em razão do
ofício, da legislação vigente e do Estatuto dos Militares.
Art. 144 - Fica resguardado o direito de indenização pelo dano material ou moral decorrente da
violação do sigilo, sem prejuízo das ações penal, civil e administrativa.
6. NORMAS PARA A SALVAGUARDA DE DADOS, INFORMAÇÕES, DOCUMENTOS E
MATERIAIS SIGILOSOS DE INTERESSE DA SEGURANÇA DA SOCIEDADE E DO ESTADO,
NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL – DECRETO Nº 4.553, de 27 de
dezembro de 2002.
Art. 63. Os agentes responsáveis pela custódia de documentos e materiais e pela segurança de áreas,
instalações ou sistemas de informação de natureza sigilosa sujeitam-se às normas referentes ao sigilo
profissional, em razão do ofício, e ao seu código de ética específico, sem prejuízo de sanções penais.
(Fl 68 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO O – RELAÇÃO DE TRABALHOS COM CLASSIFICAÇÃO SIGILOSA OU DE


ACESSO RESTRITO APRESENTADOS

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RELAÇÃO DE TRABALHOS SIGILOSOS APRESENTADOS

Código Nome
Posto Classificação
de (em ordem Tema
A/Q/S Sigilosa
registro alfabética)

3304 Cap Cav ANDRÉ Manuel A cavalaria paraquedista: Pesquisa e


Vidal problemas atuais no emprego Desenvolvimento –
em Operações de GLO Acesso Restrito

2997 .......... ........ .................... Reservado

3305 Cap Cav AUGUSTO Paulo Contra-terrorismo urbano


Secreto
Lima

3002 ............... ................ ................... Reservado

3015 Cap Cav Augusto LOPES A Guerra Eletrônica e os Pesquisa e


meios de comunicações. Desenvolvimento –
Acesso Restrito

__________________________________
Relator de Pós-Graduação do Curso

*O número de registro é de responsabilidade da Biblioteca da EsAO.


(Fl 69 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO P – TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE TRABALHO ACADÊMICO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE TRABALHO ACADÊMICO

TÍTULO DO TRABALHO

IDENTIFICAÇÃO DO AUTOR

1. Este trabalho, nos termos da legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado de
minha propriedade.
2. Autorizo a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) a utilizar meu trabalho para uso
específico no aperfeiçoamento e evolução da Força Terrestre, bem como a divulgá-lo por
publicação em revista técnica da Escola ou outro veículo de comunicação do Exército.
3. A EsAO poderá fornecer cópia do trabalho mediante ressarcimento das despesas de postagem
e reprodução. Caso seja de natureza sigilosa, a cópia somente será fornecida se o pedido for
encaminhado por meio da Organização Militar, fazendo-se a necessária anotação do destino no
Livro de Registro existente na Biblioteca.
4. É permitida a transcrição parcial de trechos do trabalho para comentários e citações desde que
sejam transcritos os dados bibliográficos dos mesmos, de acordo com a legislação sobre direitos
autorais.
5. A divulgação do trabalho, em outros meios não pertencentes ao Exército, somente pode ser
feita com a autorização do autor ou da Direção de Ensino da EsAO.

Rio de Janeiro, ___ de _________________ de ________.

_______________________________________
O AUTOR
(Fl 70 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

APÊNDICE 1 AO ANEXO P – TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE


TESES, DISSERTAÇÕES, TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO E ARTIGOS
CIENTÍFICOS ELETRÔNICOS NA BIBLIOTECA DIGITAL DE TRABALHOS
CIENTÍFICOS

Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo o(a)


____________(2)__________ a disponibilizar através do site http://www.______(3)______, sem
ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, Lei de
Direito Autoral, o texto integral da obra abaixo citada, conforme permissões assinaladas, para fins de
leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção cientifica brasileira, a partir
desta data.

1. Identificação do material bibliográfico


( ) Tese ( ) Dissertação ( ) Trabalho de Conclusão de Curso ( ) Artigo Científico
2. Identificação da Tese, Dissertação, Trabalho de Conclusão de Curso ou Artigo Científico
Título:__________________________________________________________________________
Autor:__________________________________________________________________________
Idt:___________________ CPF: _________________ e-mail: _____________________________
Autoriza disponibilizar o e-mail na Base de Dados de Teses, Dissertações, Trabalhos Científicos e
Artigos Científicos da Biblioteca Digital de Trabalhos Científicos ( ) SIM ( ) NÃO
Orientador:____________________________________________ Idt: ______________________
CPF:___________________ E-mail:________________________
Co-orientador: ______________________________________ Idt: _________________________
CPF: ___________________ E-mail: _______________________
Membro da Banca ou Comissão: ____________________________________________________
Idt: _____________________ CPF: ___________________ e-mail: ________________________
Membro da Banca ou Comissão: _____________________________________
Idt: _____________________ CPF: ___________________ e-mail: ________________________
Membro da Banca ou Comissão: _____________________________________
Idt: _____________________ CPF: ___________________ e-mail: _______________________
Membro da Banca ou Comissão: _____________________________________
Idt: _____________________ CPF: ___________________ e-mail: _______________________
Membro da Banca ou Comissão: _____________________________________
Idt: _____________________ CPF: ___________________ e-mail: _______________________
Data de Defesa (Apresentação):________________Titulação:_____________________________
Instituição de Ensino Superior de Defesa: _____________________________________________
Curso de Pós Graduação: ________________________
Área do Conhecimento: ____________________________
Palavras-chave: ___________-_____________-_________
3. Agência de fomento: (se for o caso)
________________________________________________________________________________
4. Informação de acesso ao documento:
Liberação para publicação: ( ) Total ( ) Parcial
Em caso de publicação parcial, especifique o(s) título(s) e/ou capítulo(s) restrito(s)
Título(s): ________________________________________________________________________
Capítulo(s): ______________________________________________________________________
A restrição (parcial ou total poderá ser mantida por até um ano a partir da data de autorização da
(Fl 71 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

publicação). A extensão deste prazo suscita justificativa ao Instituto Brasileiro de Informação em


Ciência e Tecnologia (IBICT). Todo o conteúdo, resumo e metadados ficarão sempre disponibilizados.
Havendo concordância com a publicação eletrônica do Trabalho Científico, torna-se imprescindível
o envio do(s) seu(s) arquivo(s) em formato digital sem ser passível de modificação, do tipo Portable
Document Format (PDF) da Adobe Systems.

LEGENDA
(1) - Diretoria do DECEx à qual o Estb Ens é subordinado ou vinculado.
(2) - Nome da Instituição de Educação Superior.
(3)- Site oficial que hospedará o arquivo digital
(4)- Local e data da assinatura.
(5)- Assinatura do autor do Trabalho Científico
(6)- Nome completo e posto do autor do Trabalho Científico
(Fl 72 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO Q – MODELO DE CURRICULUM VITAE

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

CURRICULUM VITAE REDUZIDO

Posto
Nome completo
A/Q/S

Cursos Militares/Civis

Principais funções exercidas

Função Atual

________________________________________
Nome completo- Posto
(Fl 73 das IPG 2016 da EsAO, de 28 Abr 2016) ________________________
Cmt EsAO

ANEXO R – ÁREA DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA


Área de Coor da Área de Coordenador e adjunto
Linha de Pesquisa (LP) Descrição
Concentração Concentração do Coor de LP
DMT destina-se ao estudo:
- dos elementos do poder de combate (liderança,
informações e funções de combate Movimento e
Cel Eraldo (Coor) Manobra, Inteligência, Logística (apoio de pessoal,
material e saúde), Comando e Controle, Fogos e
LP1 – Doutrina Militar Cel Sales (Adj 1 Coor) Proteção), no nível tático, de organizações militares
Terrestre (DMT) valor unidade e subunidade independente; e
Cel Nascimento
- das táticas, técnicas e procedimentos que regulam
(Adj 2 Coor) a participação do EB em operações de imposição e/ou
manutenção de paz em território estrangeiro, em
operações de garantia da lei e da ordem e em ações
Defesa subsidiárias.
Cel Márcio
Nacional
ECM destina-se ao estudo:
LP2 – Educação e Cel André (Coor)
Cultura Militar (ECM) - do ensino e da instrução militar; e
TC Andrade (Adj Coor)
- da História Militar.

Cel Enes (Coor)


LP3 – Administração Adm Mil destina-se ao estudo das atividades
Militar (Adm Mil) Cel Lins (Adj Coor) administrativas em tempo de paz.
Cel Nelson (Adj Coor)
ANEXO S – FICHA REGISTRO PARA ORIENTAÇÃO DE TRABALHO
ACADÊMICO
FICHA REGISTRO DA (1ª /2ª) ORIENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO (FROTA)

Posto/ Arma(Sv)/ Nome Completo:

Título do Trabalho:

Orientador:

Orientações realizadas (Lançar todas as observações realizadas pelo orientador no


Data
trabalho acadêmico))

Rio de janeiro, _____ de ____________________de ______.

___________________________ __________________________
Orientador Aluno
ANEXO T - MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO/REPROVAÇÃO DE
DISSERTAÇÃO

MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DECEx - DESMIL
ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS
(EsAO/1919)

DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Ao Capitão-aluno (A/Q/Sv e nome completo) ____________________________________

O Presidente da Banca Examinadora de sua Dissertação, cujo título é: _______________


____________________________________________________________________ ,
apresentada como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Ciências Militares,
informa que o Sr, nesta data, está APROVADO, por ter obtido o conceito (EXCELENTE,
MUITO BEM OU BEM).

(Ou, está REPROVADO no curso de Mestrado por ter obtido o conceito INSUFICIENTE
ou REGULAR, após a sua apresentação. A partir de (data da matrícula) o Sr estará
matriculado no Curso de Pós-graduação, nível lato sensu, de Especialização em Ciências
Militares, com ênfase em Gestão Operacional, e, a contar da data da matrícula, o Sr tem o
prazo de (até 20 dias corridos) para apresentar o seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC),
com as exigências estabelecidas por esta Banca Examinadora e normas da Escola.

Rio de Janeiro, ____ , de ________________ , de ___________

________________________________________________
Nome completo e posto
Presidente
__________________________________________________
Nome completo e posto
1º Membro
__________________________________________________
Nome completo e posto
2º Membro

CIENTE: ________________________________________________
Nome completo – posto
Postulante
ANEXO U - FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA - MODELO (*)

CÓDIGO :

Numeração a cargo da EsAO

FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

Autor:___________________________________________________________________________________________

Título:___________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________

Posto e Nome do Avaliador: _________________________________________________________________

NOTA
ITENS AVALIADOS NOTA
ATRIBUÍDA

PARTE A - ELEMENTOS PRÉ- TEXTUAIS (0,5 pontos)


- Capa
Até 0,50 Pt.
- Folha de Rosto
- Sumário

PARTE B - ELEMENTOS TEXTUAIS (7,0 pontos) Até 7,00 Pt.

1 INTRODUÇÃO (Até 2,50 Pt.)

1.1 PROBLEMA
- Apresentação do problema e seus antecedentes.
- Formulação do problema com lógica, clareza e objetividade, sob a forma de Até 0,70 Pt.
pergunta.
- Permite chegar a uma resposta utilizando o método científico.
1.2 OBJETIVOS
- O objetivo geral coerente com o problema em estudo.
- Sintetiza o que tem de ser feito para solucionar, mesmo que parcialmente, o
problema em estudo. Até 1,00 Pt.
- Objetivos específicos que permitam atingir o objetivo geral.
- Objetivos específicos que permitam percorrer um caminho coerente e lógico
para solucionar o problema em estudo.
1.3 HIPÓTESE (Quando pertinente)
A hipótese de estudo é:
- plausível: deve indicar uma situação possível de ser admitida;
- consistente: o enunciado não está em contradição com a teoria e com o
conhecimento científico;
- específica: deve dar as características para identificar o que deve ser
observado;
- verificável: pode ser verificável pelos processos científicos atualmente Até 0,50 Pt.
empregados;
- clara: deve conter termos que ajudem realmente a compreender o que se
pretende afirmar;
- concisa: seu enunciado deve possuir somente os termos necessários à sua
compreensão; e
- explicativa: tem por fim básico servir de explicação para o problema que foi
enunciado (é uma solução para o problema).
1.3 QUESTÕES DE ESTUDO (Na inexistência de hipóteses)
- Norteiam a solução do problema de pesquisa. Até 0,50 Pt.
- Permitem estabelecer uma relação de causa e efeito entre as variáveis. (excludente,
- Permitem organizar a estrutura dos resultados de forma lógica e coerente. caso haja
- As suas respostas fornecerão o referencial para o estabelecimento de um hipótese de
modelo teórico para a solução do problema de pesquisa. estudo)
- Atendem aos objetivos específicos formulados.
1.4 JUSTIFICATIVAS
- Foram apresentados argumentos que justifiquem a execução da pesquisa.
- Estão coerentes com o tema.
- Elas são convincentes.
- Há argumentos que indiquem a serventia da pesquisa. Até 0,30 Pt.
- Há aspectos positivos na abordagem proposta.
- O conhecimento é relevante para as Ciências Militares.
- Apresentou inovações.
- Apresentou as vantagens esperadas com a realização da pesquisa.
2 REVISÃO DE LITERATURA
- Ordenação dos assuntos de forma coerente e lógica.
- Apresenta o estado da arte sobre o objeto da pesquisa.
- As fontes dão suporte à metodologia formulada. Até 1,50 Pt.
- As fontes são suficientes, fidedignas e referenciadas corretamente.
- Tem pertinência com o tema e fundamenta os objetivos, o problema e as
hipóteses ou questões de estudo.
3 METODOLOGIA Até 2,00 Pt.
3.1 OBJETO FORMAL DE ESTUDO
- A variável dependente (VD) e independente (VI) estão bem delimitadas. Até 0,60 Pt.
- O objeto formal de estudo está perfeitamente definido (VD + VI + contexto +
delimitação no tempo e no espaço).
- Os alcances da pesquisa estão bem visualizados (até onde se pretende
explorar o objeto formal de estudo).
- Os limites da pesquisa estão bem identificados (facilitando a correta
abrangência ou precisão dos resultados).
3.2 AMOSTRA
- Definição dos critérios de amostragem. Até 0,20 Pt.
- Dimensão e representatividade quanto à população estudada.
3.3 DELINEAMENTO DA PESQUISA
- Coerência do método (s) de pesquisa.
- O tipo de pesquisa está bem definido e coerente com o problema.
Até 0,20 Pt.
- Técnica(s) de pesquisa que obtenham evidências que comprove(m) a(s)
hipótese(s) de estudo (ou respondem as questões de estudo).
- Corte cronológico coerente.
3.3.1 Procedimentos para a revisão de literatura
- Apresentação das ações realizadas para a busca das informações e suas
fontes de busca. Até 0,20 Pt.

- Apresentação das estratégias de busca para as bases de dados eletrônicas.


3.3.2 Procedimentos metodológicos
- Apresentação das ações realizadas até a coleta de dados.
- Apresentação das fontes de dados e da estratégia para a coleta.
- Apresentação dos critérios de inclusão e coerência. Até 0,20 Pt.
- Apresentação dos critérios de exclusão e coerência.
- Sequência de ações realizadas para: realizar um pré-teste, obter os dados de
pesquisa, criticar, organizar e/ou tabular os referidos dados.

3.3.3 Instrumentos
- Instrumento(s) empregado(s) (quando pertinente).
- Justificativa para a utilização de cada instrumento (ou parte do mesmo).
- O(s) instrumento(s) permite(m) uma mensuração lógica dos indicadores das
variáveis de estudo. Até 0,40 Pt.

Os instrumentos estão montados de forma objetiva, coerente e pertinente para


a solução do problema.

3.3.4 Análise dos dados


- Descrição dos procedimentos que serão utilizados na análise dos dados,
coerência e significância.
- Descrição dos procedimentos para a codificação, tabulação e apresentação Até 0,20 Pt.
dos resultados.
- Estatística que será utilizada para o tratamento dos dados.
4 RESULTADOS ESPERADOS
- Pressupostos teóricos atendem de forma coerente e lógica aos objetivos da
pesquisa.
- A apresentação dos resultados esperados demonstra que a pesquisa está
relacionada com a hipótese de estudo ou, quando não for o caso de hipótese de Até 1,00 Pt.
estudo, com as questões de estudo.
- Os resultados esperados contribuem para a evolução da Linha de Pesquisa.
PARTE C – ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS (0,2 pontos)
- As referências estão transcritas de modo adequado. Até 0,50 Pt.
- outros (se for o caso).

PARTE D - TÉCNICA DE REDAÇÃO


- O projeto está redigido em uma linguagem compatível com as exigências de
um trabalho científico (impessoalidade, ética etc.).
- Evidencia cuidado com as correções gramaticais e ortográficas.
Até 1,00 Pt.
- A sua redação possui clareza, concisão e precisão.
- O autor não se limitou a reproduzir (copiar e colar) todo o seu projeto
somente com textos de outros autores. (evitou a elaboração do projeto somente
com citações).

PARTE E - ESTRUTURA DO TRABALHO


- A formatação do projeto está conforme as normas da ABNT (numeração das
páginas e itens, tabelas, ilustrações, citações etc). Até 1.00 Pt.
- O trabalho está impresso em: margens “3322”; fonte “Arial” 12 e
espaçamento “1,5”

R: 5,00 a 5,99 B: 6,00 a 7,99 MB: 8,00 a 9,49 E: 9,50 a 10

Nota e Conceito Parcial Nota (NP) ________________________ Conceito (CP) ________

__________________________________________
Nome Completo – Posto
(Presidente/Membro da Comissão de Avaliação)

(*) Ficha elaborada pela EsAO.


APÊNDICE 1 AO ANEXO U –
FICHA DE AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE PESQUISA (MODELO)

APRECIAÇÃO QUANTO AO INTERESSE PARA O EXÉRCITO

FICHA DE AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE PESQUISA


APRECIAÇÃO QUANTO À EXPERIÊNCIA DO CANDIDATO

APRECIAÇÃO QUANTO À ADERÊNCIA DO PROJETO À LINHA DE PESQUISA

APRECIAÇÃO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO


APÓS ANÁLISE DO PROJETO E DAS CONDIÇÕES ACIMA, ESTA COMISSÃO É DE PARECER QUE :
O PROJETO TEM: ( ) E ( ) MB ( )B CONDIÇÕES DE PROSSEGUIMENTO.

O TRABALHO DEVE RECEBER CLASSIFICAÇÃO SIGILOSA? SIM ( ) NÃO ( )

NOTA E CONCEITO FINAL DO PROJETO DE PESQUISA

I: 0 a 4,99 R: 5,00 a 5,99 B: 6,00 a 7,99 MB: 8,00 a 9,49 E: 9,50 a 10

NOTA E CONC PARCIAL DO PRESIDENTE NOTA__________________ CONCEITO ________

NOTA E CONC PARCIAL DO MEMBRO NOTA__________________ CONCEITO ________

NOTA E CONCEITO FINAL (Média NOTA__________________ CONCEITO ________


aritmética das NP)

_________________________________
Nome Completo – Posto
Presidente da Comissão de Avaliação

__________________________________
Nome Completo – Posto
Membro da Comissão de Avaliação

OBS: (*) Ficha elaborada pela EsAO

Você também pode gostar