Você está na página 1de 11

UNIVERSIDADE PAULISTA- UNIP

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

MAYARA C. S. DA SILVA
AMANDA ALVES NUNES
MARIA EDUARDA A. VINHANDELLI
HIASMYN CAROLINE MORAIS SANTOS
THALITA CUMI SOARES MOTA

O FARMACÊUTICO E SUAS PRÁTICAS NO ÂMBITO HOSPITALAR

GOIÂNIA - GOIÁS
2019
MAYARA C. S. DA SILVA- N4654B4
AMANDA ALVES NUNES- F065375
MARIA EDUARDA A. VINHANDELLI- F056090
HIASMYN CAROLINE MORAIS SANTOS- F061HE5
THALITA CUMI SOARES MOTA- F0975A5

O FARMACÊUTICO E SUAS PRÁTICAS NO ÂMBITO HOSPITALAR

Projeto de pesquisa apresentado ao curso


de graduação em farmácia da Universidade
Paulista- UNIP como requisito para
obtenção de nota da NP1 da disciplina de
Introdução às Práticas Farmacêuticas.

Professora Núbia C. B. Godoi de Carvalho

GOIÂNIA - GOIÀS
2019
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO .............................................................................................. 3
1.1. Problema da Pesquisa .............................................................................. 4
1.2. Justificativa ............................................................................................... 4
1.3. Objetivos.................................................................................................... 4
1.3.1. Objetivo Geral ............................................................................................................. 4
1.3.2. Objetivo Específico ................................................................................................... 5
2. METODOLOGIA ........................................................................................... 5
2.1. Tipo de Estudo .......................................................................................... 5
2.2. Critérios de inclusão................................................................................. 5
2.3. Critérios de exclusão ................................................................................ 5
2.4. Instrumento de coleta de informações ................................................... 6
2.5. Análise das informações coletadas ........................................................ 6
3. CRONOGRAMA ........................................................................................... 7
4. PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA ..................................................................... 8
5. QUESTIONÁRIO .......................................................................................... 9
6. REFERÊNCIAS ........................................................................................... 10
3

1. Introdução
A farmácia hospitalar era a mais destacada há décadas pela sua capacidade
de produção, atendimento e lucratividade. O seu profissional e o médico andavam
lado a lado por não terem medicamentos industrializados, havendo bastante respeito
pelo trabalho do farmacêutico e seu parceiro, enfatizando as artes de manipular e
formular. Com a vinda das indústrias farmacêuticas, os médicos deixaram para trás as
suas artes, a farmácia abriu lugar para leigos e o farmacêutico passou a ser em vão,
praticamente deixando de manipular, abalando toda a economia e fazendo com que
farmácia hospitalar passasse por uma fase lamentável.(NETO, 2016.)
Desta forma, entre 1940 e 1950, assim como os hospitais que foram
modernizados, as farmácias hospitalares, os serviços de farmácias e os seus
profissionais, também sofreram desenvolvimentos e modernizações. Isso tudo
aconteceu com a ajuda do mestre e professor José SylvioCimino que lutou pelo
reestabelecimento dessa área de atuação e contribuiu para assistência farmacêutica,
aumentando cada vez mais a importância desse setor, que junto com os
medicamentos e outras funções vêm proporcionando melhorias na qualidade de vida
da sociedade e que, ainda hoje, espelha e disciplina diversos farmacêuticos da área
no brasil.(CARVALHO, 2017)
A evolução da Assistência Farmacêutica tem um papel fundamental e
importante na reestruturação da profissão farmacêutica, fazendo com que a
farmácia hospitalar seja administrada exclusivamente por um profissional
farmacêutico com ações voltadas à promoção, proteção, recuperação da saúde,
garantindo os princípios da universalidade, integralidade e equidade, fazendo com
que o ciclo da assistência farmacêutica seja uma das etapas mais importantes na
farmácia hospitalar. (ANDRADE, 2015)
Portanto o desempenho de um farmacêutico não tem apenas foco no
gerenciamento e muito menos no balcão da farmácia, mas sim na prática
farmacêutica voltada para o paciente, usando o medicamento como instrumento e não
mais como fim. Desta forma, o profissional mantem a integridade e saúde com
qualidade através do uso racional e seguro de medicamentos, além de avaliar e
prevenir possíveis erros, reduzindo então o uso indiscriminado dos fármacos e dando
suporte técnico junto à equipe de saúde.(DANTAS, 2011.).
Desse modo, a farmácia hospitalar além de reforçar o desenvolvimento da
assistência farmacêutica, possibilitou o contato com a rotina prática e a identificação
da sua estrutura física, eficiência e eficácia na assistência ao paciente destacando
ainda uma grande preocupação no desempenho farmacêutico que deve ser efetuado
de acordo com as condições oferecidas pelo o hospital, fazendo com que nem todos
os profissionais consigam desempenhar cada uma das capacidades que estão na
literatura.(BRITO; AMORIM; SILVA, 2018)
4

1.1. Problema da Pesquisa


O farmacêutico, na sua formação e capacitação lida com as questões da
assistência e das práticas farmacêuticas baseadas nos objetivos educacionais
correspondentes às tarefas profissionais relevantes ao país. (BRASÍLIA, 2004)
Os profissionais da área de farmácia estão qualificados pois ao longo dos
anos de estudo adquiriram conhecimentos suficientes para compreender sobre
medicamentos, prestação de serviços de saúde necessários para facilitar a
colaboração com qualquer entidade além de conseguir contemplar diversas
informações exigidas. (BRASÍLIA, 2004)
Na análise do tema o qual se propõe, foi priorizada busca pelos reais
problemas na área de farmácia hospitalar em questão das tarefas feita pelos
farmacêuticos. Mesmo com as várias teorias e fundamentos bibliográficos, funções e
responsabilidade, habilidades e atitudes que são componentes da competência do
profissional existe a possiblidade de o farmacêutico não realizar as devidas tarefas.

1.2. Justificativa
A farmácia hospitalar é o setor técnico que armazena, controla, dispensa
medicamentos e correlatos às unidades hospitalares, além da prestação do serviço
de assistência farmacêutica. Sendo assim, merece atenção tanto por parte do setor
administrativo, quanto de outros profissionais de saúde, exigindo então, um trabalho
multidisciplinar. (LEITE, SALVADOR, 2011)
Devido ao grande repertório teórico que é apresentado durante a graduação,
gera-se dúvidas sobre a compatibilidade entre o mesmo em relação a execução das
atividades designadas. Então, através da problemática apresentada, é importante
investigar as divergências entre teoria versus prática e como isso se relaciona
principalmente com farmacêuticos recém-formados nos quais tem bastante
embasamento teórico e quase nenhum prático.

1.3. Objetivos

1.3.1. Objetivo Geral


Este trabalho terá como objetivo descrever, analisar e levantar os pontos em
comum da atuação do farmacêutico na farmácia hospitalar e comparar as práticas
descritas na teoria, com a realidade.
5

1.3.2. Objetivo Específico


 Conhecer o histórico da farmácia hospitalar e do seu profissional
 Definir farmácia hospitalar
 Identificar as principais atividades da farmácia hospitalar
 Mostrar o que a teoria permite ao farmacêutico hospitalar fazer
 Analisar a legislação da farmácia hospitalar
 Relatar a importância do farmacêutico hospitalar

2. METODOLOGIA

2.1. Tipo de Estudo


Trata-se de uma pesquisa literária e de aspecto investigativo sobre a farmácia
hospitalar. A coleta de dados será realizada por meio de artigos, livros, revistas e sites
acadêmicos, tendo como descritores farmácia, farmácia hospitalar, farmacêutico
hospitalar e afins. Ademais, será feita uma entrevista presencial com um profissional
especializado a fim de comparar a realidade com a teoria.

2.2. Critérios de inclusão


A pesquisa de campo na qual será feita na área de farmácia hospitalar, contará
com a colaboração dos farmacêuticos atuantes neste ramo, que colaborará com o
desempenho e o esclarecimento de dúvidas, onde poderá nos apresentar parte de
suas atividades, rotinas e desafios do dia a dia, iremos averiguar se o mesmo cumpre
com suas obrigações, e se estão dentro dos padrões e normas. Da mesma forma é
extremamente necessário visualizar o perfil multidisciplinar do profissional, para que
conforme a necessidade, seja realmente implantada as regras a serem seguidas, e os
padrões de qualidade.

2.3. Critérios de exclusão


O subgrupo de indivíduos que não poderá colaborar com a pesquisa serão os
médicos, equipe de saúde básica ou avançada, equipe da limpeza, entrevistadores,
pacientes que frequentam o hospital de enfoque, entre outros. Não raro, toma - se
6

conhecimento de que os funcionários mencionados acima tem conhecimento apenas


de suas áreas, ou até mesmo chegam a não ter, que é o caso dos pacientes.

2.4. Instrumento de coleta de informações


É a investigação por referências e demonstrações com fundamentos emartigos
científicos e livros. O trabalho de pesquisa não deve consistir somente em conteúdos
retirados em sites, principalmente pela perplexidade da realidade dos mesmos, visto
que, qualquer indivíduo pode propagar algo na internet, sem o cuidado com a
comprovação do que está espalhando. Por conseguinte foram utilizados sites e
artigos científicos de grande confiabilidade, onde ambos dispunham de uma
linguagem didática, para melhor compreensão.

2.5. Análise de informações coletadas


Devem ser expostos quais meios usados para obter os resultados. Após o
levantamento de dados através da revisão de literatura, observa-se que há ações
dispensáveis no cotidiano de um farmacêutico hospitalar, levando em conta critérios
como ambiente, disponibilidade, tempo, equipamentos, dentre outros. Os dados serão
levantados, confirmados e anexados ao final da pesquisa.
7

3. CRONOGRAMA
8

4. PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA
9

5. QUESTIONÁRIO
1. Tendo em vista que o curso de farmácia oferece uma grande variedade de
opções para os seus graduandos. Por qual motivo você escolheu a área
hospitalar?

2. Sabendo que a equipe é um fator de importância dentro de qualquer


organização, instituição ou entidade seja ela administrativa, financeira ou em
práticas da área da saúde, como o farmacêutico hospitalar lida em atuar
juntamente com outros profissionais da saúde?

3. Você como profissional farmacêutico acha que o piso salarial vai de acordo
com as demandas deste trabalho?

4. Quais são as diferenças entre o gerenciamento da farmácia hospitalar com as


outras áreas de atuação de um farmacêutico?

5. São feitas com qual frequência a calibração dos termômetros? (geladeira,


ambiente de estocagem…)

6. O balanço de medicamentos é feito de quanto em quanto tempo? O que é


verificado?

7. Como é feito o armazenamento do termolábeis?

8. Quais os critérios usados para a seleção de medicamentos? (se é baseado ao


público alvo, endemias, casos clínicos, etc.)

9. Entre os diversos tipos de funções que podem ser exercidos pelo farmacêutico
hospitalar, quais são os mais corriqueiros e os mais difíceis de serem
executados e o porquê?

10. Como funciona a questão de manipulação de medicamentos dentro de uma


farmácia hospitalar?

11. Quais ações teóricas que um farmacêutico hospitalar poderia fazer e não faz
no seu cotidiano? E quais os motivos que o levam a isso?

12. Quais atitudes tomar hoje para se tornar um excelente profissional


futuramente?
10

6. REFERÊNCIAS
DANTAS, Solange Cecilia Cavalcante. Farmácia e controle das infecções
hospitalares. Pharmacia Brasileira, v. 1, n. 80, p. 1-20, 2011.

CARVALHO, JONATHAS SILVA. A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL


FARMACÊUTICO NO ÂMBITO HOSPITALAR. 2017.

DE BRITO EÇA, Raquel; DE AMORIM MIRANDA, Pedro Henrique; SILVA, Daniel


Rodrigues. Farmácia Hospitalar: a eficiência e desempenho das atividades
farmacêuticas no ambiente hospitalar, 2018.

NETO, Julio Fernandes Maia. Farmácia hospitalar e suas interfaces com a saúde.
Rx Editora e Publicidade, 2016.

ANDRADE, LB de. O papel do farmacêutico no âmbito hospitalar. INSTITUTO


NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA, CCE-CENTRO DE
CAPACITAÇÃO EDUCAÇÃO EM FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA, 2015.

O papel do farmacêutico no sistema de atenção à saúde: Relatório do Grupo


Consultivoda OMS: Nova Délhi, Índia: 13 – 16 de dezembro de 1988 + O papel do
farmacêutico: assistênciafarmacêutica de qualidade: Benefícios para os governos e a
população: Relatório da Reunião daOMS: Tóquio, Japão: 31 de agosto – 3 de
setembro de 1993 + Boas práticas em farmácia (BPF) emambientes comunitários e
hospitalares / Organização Mundial da Saúde; Adriana Mituse Ivama(org); José Luis
Miranda Maldonato (org). – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde:
ConselhoFederal de Farmácia, 2004.

LEITE, SAMANTTA PRADO; SALVADOR, SUZANA VALLE. Abordagem do Serviço


de Farmácia Hospitalar em quartro unidades do Município de Vitória – ES e a
importância do profissional farmacêutico. FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO
ESPIRÍTO SANTO, 2011.