Você está na página 1de 335

REBECA GONTIJO

O velho vaqueano:
Capistrano de Abreu,
da historiografia ao historiador

Orientadora: Profa. Dra. Angela de Castro Gomes

Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em


História da Universidade Federal Fluminense, como
requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor.
Área de concentração: História Social.

NITERÓI
2006
G641 Gontijo, Rebeca.
O velho vaqueano: Capistrano de Abreu, da historiografia ao
historiador / Rebeca Gontijo. – 2006.
323 f.; il.
Orientador: Angela Maria de Castro Gomes.
Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense,
Departamento de História, 2006.
Bibliografia: f. 299-323.

1. Abreu, João Capistrano de, 1853-1927. 2. Historiador –


Brasil - Correspondência. 3. Memória. 4. Historiografia. I.
Gomes, Angela Maria de Castro. II. Universidade Federal
Fluminense. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. III.
Título.
CDD 920.99072
Rebeca Gontijo

O velho vaqueano:
Capistrano de Abreu, da historiografia ao historiador

Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em


História da Universidade Federal Fluminense, como
requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor.
Área de concentração: História Social.

Data da aprovação: 29/03/2006

Banca examinadora:

_________________________________________________________________________
Profa. Dra. Angela de Castro Gomes (Orientadora)
Universidade Federal Fluminense / CPDOC - Fundação Getúlio Vargas

_________________________________________________________________________
Prof. Dr. Francisco José Calazans Falcon
Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO)

_________________________________________________________________________
Profa. Dra. Lúcia Maria Paschoal Guimarães
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

_________________________________________________________________________
Prof. Dr. Manoel Luiz Salgado Guimarães
Universidade Federal do Rio de Janeiro / Universidade do Estado do Rio de Janeiro

_________________________________________________________________________
Prof. Dr. Ronaldo Vainfas
Universidade Federal Fluminense

Suplentes:

_________________________________________________________________________
Prof. Dr. Ilmar Rohloff de Mattos
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

_________________________________________________________________________
Prof. Dr. Paulo Knauss
Universidade Federal Fluminense
Agradecimentos
Esta tese começou com o “pé direito”: o projeto de pesquisa que lhe deu origem
obteve a primeira colocação na seleção para o Doutorado da Universidade Federal
Fluminense de 2002, o que foi uma grata surpresa e um enorme incentivo pra mim. Além
disso, foi decisivo para a obtenção do financiamento, sem o qual a realização do trabalho
seria muito penosa. Agradeço à CAPES pela bolsa concedida nos dois primeiros anos do
curso e à FAPERJ, que garantiu a Bolsa Nota 10 nos últimos dois anos, graças ao apoio da
Comissão de Bolsas do Programa de Pós-Graduação em História da UFF.
Não é exagero dizer que a UFF tem sido minha segunda casa há quinze anos, desde
que entrei na graduação do Curso de História, em 1991/1992. Passei boa parte do meu
tempo no campus do Gragoatá, freqüentando as aulas, perambulando pelo pátio, estudando
na biblioteca, batendo papo no tablado, contemplando a vista do estacionamento... Penso
que a conclusão desta tese encerra não apenas o Doutorado, mas uma etapa de
aprendizado, iniciada na graduação e que marca o começo da carreira dos jovens doutores
de hoje. Por isso, o desejo de lembrar e agradecer aos meus professores da graduação.
Creio que um pouco do que eles ajudaram a plantar está presente neste trabalho.
Na UFF também encontrei um grupo muito empenhado na construção de um
espaço de troca de idéias, com lugar para alunos de diferentes níveis: o Núcleo de
Pesquisas em História Cultural, NUPEHC, do qual faço parte desde 1999. Agradeço pelo
acolhimento, algo que parece raro em um meio cada vez mais competitivo.
Resumidamente, esta tese é o resultado de um processo de aprendizado da leitura,
da escrita, do diálogo, da observação e da audição. As idéias aqui expressas não foram
alimentadas apenas pela bibliografia e pelas fontes utilizadas. Elas também colheram seu
mel nas conversas com algumas pessoas especiais. Em primeiro lugar, minha orientadora,
Angela de Castro Gomes, que eu gosto de chamar de Professora com “P” maiúsculo. Ela
me deixou livre para voar, sem nunca soltar totalmente a pipa. Leitora atenta, historiadora
perspicaz, gosto de pensar que esse trabalho também é um pouco dela, que além de atuar
como orientadora, serviu como inspiração. Suas aulas (na época da graduação) e seus
textos foram fundamentais para que eu desenvolvesse o gosto pelo estudo do campo
intelectual. Suas críticas e sugestões foram sempre muito esperadas e bem vindas. Posso
dizer dela o mesmo que, certa vez, o historiador português João Lúcio de Azevedo disse a
Capistrano de Abreu: creio que escrevo com o intuito de lhe agradar, o que deve continuar
pelos tempos afora. Evidentemente, os defeitos do trabalho são por minha conta. Resta
apenas dizer que eu começaria tudo de novo de bom grado.
Em segundo, mas não menos importante, pude contar com o privilégio de possuir
um leitor “voluntário”, “sempre” disposto: meu namorado Marcelo de Souza Magalhães,
que em meio as suas mil e uma atividades, sempre arrumou um tempinho pra mim,
aceitando dividir o espaço com a Tese, personagem principal dos últimos anos da minha
vida.
Agradeço, também, aos meus queridos amigos, principalmente aqueles que têm
sido meus companheiros desde o início, com os quais desenvolvi relações intelectuais e
afetivas: Luciana Gandelman, Maria Lígia Rosa Carvalho, Larissa Moreira Vianna... foi
com eles que pude compartilhar as dificuldades da elaboração de uma tese. Também sou
grata a Luciana e Larissa, assim como a Robson Coccaro e Márcia Araújo, que me
ajudaram muito com as traduções.
Um agradecimento especial é devido aos professores que participaram do meu
exame de qualificação, em agosto de 2004: Francisco José Calazans Falcon e Manoel Luiz
Salgado Guimarães, que pacientemente leram um material ainda sem a forma definitiva
dos capítulos, algo que só foi solucionado depois. Suas sugestões foram valiosas e não
foram esquecidas, embora eu não tenha conseguido aproveitá-las integralmente.
Agradeço muito aos prestativos funcionários da Secretaria do PPGH com quem tive
mais contato: o concentrado Mário Branco, a séria Stela Maria Guerreiro e a alegre Juceli
Silva. Os funcionários da Biblioteca Central do Gragoatá e da biblioteca da Pós-Graduação
também merecem agradecimento, assim como o pessoal paciente que trabalha nas
copiadoras, cujo serviço é fundamental para a vida acadêmica. Agradeço a todos através
das figuras quase anônimas de Marcelo, do Bloco O, e Sônia, do Bloco B. Também não
posso esquecer o atencioso Wander Pires, da FAPERJ, sempre solícito.
Em outras instituições também contei com o auxílio de inúmeros profissionais: na
Biblioteca Nacional; no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; na biblioteca do
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas e do Instituto de Estudos Lingüísticos, da
Universidade Estadual de Campinas; na biblioteca da Faculdade de Filosofia, Letras e
Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo; no Instituto de Estudos Brasileiros,
também da USP; e na biblioteca da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Muito obrigada a todos vocês!
Também tive a sorte de poder contar com a ajuda de Ítala Byanca Moraes da Silva e
Paula Virgínia Pinheiro Baptista – então alunas da Universidade Estadual do Ceará – que
trabalharam na organização da documentação da Sociedade Capistrano de Abreu, sob a
guarda do Instituto Histórico do Ceará, em Fortaleza. Elas me apresentaram o acervo,
indicando fontes interessantes para futuras pesquisas e fornecendo informações sobre o
referido grêmio.
Por fim, mas não menos importante, agradeço a minha pequena e paciente família:
minha mãe Tereza e meu irmão Bento. Eles ainda não entenderam minha tese, desconfiam
da utilidade dela, mas, apesar de tudo, nunca questionaram minhas escolhas e, desconfio,
sentem até um certo orgulho de mim. Agradeço também a minha tia Ceci Julieta (Irmã
Maria Madalena, do Convento de Nossa Senhora das Graças, em Belo Horizonte), que,
embora distante, sempre esteve presente, rezando muito pra tudo dar certo. Obrigada por
tudo, hoje e sempre.
Ao meu pai, Geraldo (in memorian).

Aos meus Professores,


que me ensinaram a amar a história
e me mostraram os prazeres e os ossos
do ofício de historiador-professor.

A Angela de Castro Gomes,


verdadeira vaqueana.

Ao Marcelo.
Resumo:

A tese aborda o tema da identidade do historiador, defendendo a hipótese de que essa


construção identitária envolve dois tipos de exercícios de legitimação. O primeiro é
coletivo, pois resulta da atuação dos pares, admiradores, discípulos, biógrafos e intérpretes
do historiador, no sentido de situá-lo em relação a uma dada tradição intelectual. O
segundo é individual, pois corresponde aos investimentos feitos pelo próprio historiador a
partir de determinadas circunstâncias, de um dado campo de possibilidades, assim como,
de um certo domínio das opções, por meio das quais é possível constituir a si mesmo como
indivíduo e intelectual. Diante dessa hipótese, a opção foi escolher um entre outros
historiadores capazes de servir como um guia para acessar o “pequeno mundo” dos
intelectuais, com suas estratégias de consagração e exclusão. A escolha recaiu sobre
Capistrano de Abreu (1853-1927), considerado por muitos e há muito tempo como o mais
importante historiador brasileiro das primeiras décadas do século XX.

Palavras-chave: Capistrano de Abreu; memória; historiador; historiografia,


correspondência.
Resumé:

La thèse éxplore le thème de l‟identité d‟historien et présente, comme hipothèse centrale,


l‟idée sélon laquelle cette constrution identitaire se dévélope à travers deux sortes
d‟éxercises de légitimation. Le premier est collectif et résulte de l‟ activité des
admirateurs, discipules et interpreteurs d‟historien. Cette activité a pour but le situer par
rapport à une certaine tradition intelectuelle. Le deuxième exercise est plutôt individuel et
concerne les efforts entreinés par l‟historien lui même à partir des circonstances donnés, d‟
un champ de possibilités, d‟un certain domaine des options, parmi lesquels un historien se
constitue comme individu et comme intelectuel. À partir de cette hipothèse, j‟ai choisi un
historien – parmi d‟autres possibilites – capable de servir comme un guide pour “le petit
monde” des intelectuels, plein des estratégies de consécration et exclusion. Le choisi était
Capistrano de Abreu (1853-1927), regardé, depuis longtemps, comme le plus important
historien brésilien des premiers décades du XXème siècle.

Mot-clé: Capistrano de Abreu; memoire; historien; historiographie, correspondance.


Abstract:

The present thesis analyses the formation of the historian's identity. I argue that this
formation takes place within two realms of legitimizing practices. Firstly a collective one
resulting from the networks established among colleagues, admirers, disciples and
biographers who situate the historian within certain intellectual traditions and schools.
Secondly an individual one resulting from the choices, strategies and efforts made by the
historian himself/herself that enables him/her to build an identity both as an individual and
as an intellectual. The approach chosen for this analysis was to consider a representative
case-study. The individual chosen as a case-study was Capistrano de Abreu (1853-1927),
who is considered by many as the most important Brazilian historian of the early decades
of the Twentieth Century.

Key-words: Capistrano de Abreu; memory; historian; historiography, correspondence.


SUMÁRIO

Introdução 1

PARTE I – Morte e vida de um historiador nacional

1 – Morre o historiador da pátria: a construção de um símbolo da brasilidade 12

1.1. O homem de letras como símbolo nacional 19


1.2. O “Bem amado”: Capistrano por seus contemporâneos 32
1.3. Um símbolo da brasilidade: o historiador sertanejo 45

2 – A economia da glória: culto e comemoração 55

2.1. A “sociedade dos bons amigos de Capistrano”: a institucionalização de um culto 59


2.2. Historiadores do Brasil: o Estado Novo e a escrita da história 78
2.3. O Curso Capistrano de Abreu, no IHGB (1953) 87
2.3.1. Vida: um perfil físico-psicológico, uma trajetória, uma vocação 92
2.3.2. A obra capistraneana: contribuições para a cultura brasileira 101

3 – Memória e biografia: a trajetória de um “cruzado da inteligência” 109

3.1. Sobre a biografia 110


3.2. Capistrano biografado 121
3.3. Um modelo de intelectual 135
3.4. Com quantas pequenas histórias se faz um grande homem? 148

PARTE II – As cartas de Capistrano

4 – As cartas de Capistrano 166

4.1. Sobre a correspondência de intelectuais 171


4.2. Um mapa das cartas de Capistrano 183

5 – Modos de ser 196

5.1. “Entre quatre yeux” 197


5.2. Figuras de escritor, figuras de leitor 215

6 – Modos de fazer 227

6.1. Um olhar sobre a historiografia das primeiras décadas republicanas 229


6.2. Um projeto e um lugar para si 237
6.3. A reta e o círculo: metodologia, escrita da história e identidade do historiador 250

7 – Esboço final 269

7.1. Intelectuais, idéias e histórias 272


7.2. Tal história, qual memória? 279
7.3. Capistrano de Abreu na história da história no Brasil 288

Bibliografia 299
Vaqueano: [do esp. plat. vaqueano]: prático,
conhecedor de caminhos ou de uma região; aquele
que conduz a embarcação com segurança, firme ao
leme; pessoa hábil e entendida.
Introdução
O tema central desta tese tem relação com uma suposta crise da história, na medida
em que essa crise leva os historiadores contemporâneos a repensar seu ofício, seu produto
(o texto histórico) e seu próprio lugar social.1 Como observou Manoel Luiz Salgado
Guimarães, pensar a própria história pode significar:

Um exercício de legitimação para uma comunidade de profissionais cuja identidade


encontra-se fortemente assentada e construída a partir de lugares socialmente definidos de
produção de conhecimento, com suas regras próprias de consagração. Pode, também,
responder às exigências contínuas de uma reflexão sistemática sobre os métodos e o lugar
da teoria na produção do conhecimento histórico (...).2

De acordo com Guimarães, a reflexão sobre a história da história, ou seja, o esforço


para compreender a história da produção do conhecimento e da escrita da história
geralmente foi guiado por duas grandes tendências. Uma delas compreende tais estudos
mais como tarefa de filósofos (filósofos da história), do que como uma ocupação legítima
do campo historiográfico. A investigação é vista como uma espécie de “prima pobre da
pesquisa histórica”, cuja característica seria a elaboração de catálogos de autores e obras,
que, acrescidos de informações biográficas, poderiam, supostamente, explicar uma dada
produção historiográfica, justificando sua emergência. A outra tendência, mais externalista
devido à influência da história social, remete autores e obras a um determinado contexto
explicativo, considerado capaz de conferir inteligibilidade à escrita da história.3

1
Sobre a noção de crise, presente nos balanços historiográficos contemporâneos ver, por exemplo:
CARDOSO, Ciro Flamarion. “História e paradigmas rivais”. In: CARDOSO, Ciro F. e VAINFAS, Ronaldo
(Orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro, Campus, 1997, p. 1-23;
VAINFAS, Ronaldo. “Caminhos e descaminhos da história”. In: CARDOSO e VAINFAS (Orgs.). Ibidem, p.
441-449; BOUTIER, Jean e JULIA, Dominique. Passados recompostos: campos e canteiros da história. Rio
de Janeiro, UFRJ / FGV, 1998; CHARTIER, Roger. “A história hoje: dúvidas, desafios, propostas”. Estudos
Históricos – Dossiê CPDOC, 20 Anos. Rio de Janeiro, vol. 7, n. 13, 1994, p. 97-113; Idem. À beira da
falésia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2002.
2
GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. “Micro-história: reconstruindo o campo de possibilidades”. Topói.
Rio de Janeiro, Sete Letras / UFRJ, n.1, 2000, p. 217-23.
3
Idem. “Apresentação. Um historiador à margem: Fustel de Coulanges e a escrita da história francesa no
século XIX”. In: HARTOG, François. O século XIX e a história: o caso Fustel de Coulanges. Rio de Janeiro,

1
Um ponto de inflexão é identificado na obra do historiador francês François Hartog,
para quem a historiografia não se limita nem ao estudo das obras pelas obras, nem à
biografia intelectual de um dado historiador. Partindo da análise de um autor e sua obra,
Hartog reconstitui o campo de conflitos em que a produção historiográfica se torna
possível e, ao mesmo tempo, reflete sobre as diferentes formas pelas quais essa produção é
apropriada. Por fim, mas não menos importante, ele trás o problema da memória para a
investigação historiográfica, destrinchando o processo de sacralização e de exclusão de um
dado historiador, Fustel de Coulanges, que serve como objeto e guia para acessar o campo
dos estudos históricos.4
De acordo com Hartog, pensar a historiografia supõe ir além de uma história da
história restrita a “uma coletânea dos erros passados cometidos por historiadores que não
podiam ter uma visão exata do passado”. Tal perspectiva nada mais faria do que afirmar
uma história “pré-científica” – assim como, “conservadora” ou “tradicional” – que é ou
deve ser ultrapassada. A crise dos grandes modelos explicativos – o marxismo, o
funcionalismo e a história quantitativa – teria favorecido, entre outras coisas, o surgimento
de condições capazes de estimular a reflexão sobre a história da história, com o objetivo de
avaliar os caminhos historiográficos percorridos.5 Essa possibilidade de reflexão é
anunciada, por exemplo, na obra coletiva Faire de l’histore (1974), organizada por Pierre
Nora e Jacques Le Goff. Na apresentação desse livro, os organizadores afirmam que:

O que obriga a história a se redefinir é, de imediato, a tomada de consciência pelos


historiadores do relativismo de sua ciência. A história não é o absoluto dos historiadores do
passado, providencialistas ou positivistas, mas o produto de uma situação, de uma história.
Esse caráter singular de uma ciência que possui apenas um único termo para seu objeto e
para si própria, que oscila entre a história vivida e a história construída, sofrida e fabricada,
obriga os historiadores, já conscientes dessa relação original, a se interrogarem novamente
sobre os fundamentos epistemológicos de sua disciplina.6

UFRJ, 2003, p. 13. Outras caracterizações da história da história podem ser encontradas em: MALERBA,
Jurandir (Org.). A história escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo, Contexto, 2006.
4
GUIMARÃES, “Apresentação...”, op. cit., p. 15.
5
HARTOG, O século XIX e a história, op. cit., p. 20. Hartog lembra algumas obras que, ao longo das últimas
décadas contribuíram para a “reintrodução da história na história”, tais como Problèmes d’historiographie
(1983), de Arnaldo Momigliano e Faire de l’histoire (1974), organizado por Pierre Nora e Jacques Le Goff.
Ibidem, p. 21.
6
LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre (Orgs.). História: novos problemas. 4a edição. Rio de Janeiro,
Francisco Alves, 1995, p. 12. Originalmente publicado com o título de Faire de l’histoire, em 1974. No
Brasil, a obra foi dividida em três volumes: História: novos problemas; História: novas abordagens; e
História: novos objetos.

2
Em outras palavras, os organizadores anunciam que:

(...) a história nova se afirma na consciência de sua sujeição às suas condições de produção.
Não é gratuitamente que cada vez mais ela se interessa por si própria e concede um lugar
cada vez mais importante e privilegiado à história da história. Produto, ela se pergunta
igualmente a respeito de seu produtor, o historiador.7

É possível notar certa preocupação com o problema da identidade do historiador


nas palavras de Le Goff e Nora, ainda que o termo identidade não seja utilizado. Isso pode
ser deduzido da observação acerca do incômodo do historiador diante de seu próprio papel
e do tipo de reconhecimento social que tal papel lhe permite. Cada vez mais especializado,
esse historiador ainda não teria alcançado uma “tecnicidade” capaz de distingui-lo dos
“escreventes de historietas” e dos “vulgarizadores de baixa categoria” e, ao mesmo tempo,
alçá-lo ao patamar dos “novos heróis científicos da segunda metade do século XX, os que
controlam o átomo, a fórmula mágica, aqueles que alcançam o Prêmio Nobel”.8
O estabelecimento das diferenças é algo fundamental para a construção da
identidade, que, no caso do historiador, remete a um lugar social, às práticas de um ofício e
a um produto: o texto histórico. Deixando de lado o sonho com um prestígio passado – que
tem um exemplo na figura de Michelet – ou futuro – que tem Einstein no horizonte –, Nora
e Le Goff definem o historiador, basicamente, como um “homem de ofício” e, indo além,
como um “artista” dedicado a “fazer a história de que o presente tem necessidade”.
Defende-se uma espécie de vocação pragmática do historiador, afirmando seu papel como
artista que faz ciência: “ciência da autoridade do passado e consciência do tempo”, que
deve ser, também, “uma ciência da mudança, da transformação”.9
Como não poderia deixar de ser, as proposições de Jacques Le Goff e Pierre Nora
são datadas. Remetem a um contexto em que a história buscava definir-se como “nova”,
refletindo sobre si mesma e enfrentando questões colocadas por outras ciências humanas.
Contudo, tais proposições não deixam de ser úteis ainda hoje, após trinta e poucos anos,
quando o problema da historicidade da história e da identidade do historiador ainda tem
seu lugar.
Escrevendo no final da década de 1980, François Hartog lembra as idéias de Le
Goff e Nora e preconiza que o ponto de vista mais interessante para o estudo da história da

7
LE GOFF e NORA, História: novos problemas, op. cit., p. 14.
8
Ibidem, p. 14.
9
Ibidem, p. 14-15.

3
história será aquele capaz de aproximar dois termos: epistemologia e historiografia. Nas
palavras do autor, não seria o caso de “uma epistemologia „dura‟ (demasiado distante)”,
nem de uma “história da história „enfadonha‟ (demasiado internalista)”, mas de:

(...) uma abordagem atenta dos conceitos e contextos, das noções e dos meios, e sempre
mais ciosa de suas articulações, preocupada com a cognição e a historicização, mas
vigilante frente às seduções dos reducionismos. Em síntese, algo como uma epistemologia
histórica ou uma historiografia epistemológica (...). Diversamente da história positivista ou
metódica que rejeitava a historiografia, o momento presente leva a uma combinação entre
história da história e método, ou melhor, entre historiografia e epistemologia.10

Em tempos de incertezas, dúvidas e crise, a história estaria em busca de uma


epistemologia própria, capaz de auxiliar na redefinição de seus projetos e práticas. Esse
fenômeno reflexivo – perceptível a partir da década de 1970 – não é algo isolado, pois
possui um largo espectro, que envolve diversos “campos e canteiros” da história e das
ciências sociais.11 Além disso, está presente na historiografia de diversos países,
impossibilitando a elaboração de sínteses na forma de uma história geral da historiografia
ou, mesmo, a afirmação de um único início do “moderno pensamento histórico”.12
Horst Walter Blanke distingue três funções da história da historiografia: a função
afirmativa da tradição, a função crítica e a função exemplar.13 A função afirmativa pode ser

10
Para Hartog, o termo historiografia basta para explicar essa mescla entre historiografia e epistemologia.
Ver HARTOG, O século XIX e a história, op. cit., p. 22. Segundo Arno Wehling, com poucas exceções, a
história da historiografia não contemplou problemas epistemológicos, sendo possível identificar o
predomínio de quatro modelos de abordagem dessa história: o modelo descritivo, dedicado a inventariar a
evolução da escrita da história, com pouca referência à relação entre a historiografia e sua própria época ou
cultura; o modelo da sociologia do conhecimento, dedicado a contextualizar a produção historiográfica, com
atenção para aspectos ideológicos e fundamentação social (de classe); o modelo de compreensão do Zeitgeist
[“espírito da época”], que buscou contextualizar a produção historiográfica no ethos de uma dada cultura; o
modelo funcionalista, que identifica correntes e autores dos séculos XIX e XX em suas relações com a
produção historiográfica geral, com “grandes temas” ou cortes transversais. Restaria explorar um caminho
que o autor considera potencialmente rico: o estudo da construção do processo intelectual do conhecimento
histórico. Ver WEHLING, Arno. “Historiografia e epistemologia histórica”. In: A história escrita, op. cit., p.
176-177.
11
Ver, por exemplo, o balanço organizado por BOUTIER e JULIA, Passados recompostos, op. cit.
12
BLANKE, Horst Walter. “Para uma história da historiografia”. In: A história escrita, op. cit., p. 27-64.
13
Horst Walter Blanke propõe uma tipologia das histórias da historiografia, identificando dez tipos
principais: a história dos historiadores, a história das obras, o balanço geral, a história da disciplina, a
história dos métodos, a história das idéias históricas, a história dos problemas, a história das funções do
pensamento histórico, a história social dos historiadores e a história da historiografia teoricamente
orientada. Ibidem, p. 29-32. Outra visão da história da historiografia encontra-se no trabalho de Massimo
Mastrogregori, que propõe pensar a historiografia em relação a uma “tradição de lembranças”. Além disso,
esse autor expõe uma tipologia da história da historiografia distinta, guiada pela identificação de diferentes
métodos de abordagem: o método bibliográfico, erudito e enciclopédico; o método filosófico, pragmático,
pedagógico; o método científico; o método retórico e literário; e o método sociológico e prosopográfico. Ver

4
observada na defesa de uma historiografia estabelecida (ou oficial). A história da disciplina
é exposta como a “sobrevivência do mais preparado”, detentor de uma posição político-
científica considerada legítima e, por isso, capaz de representar ou sustentar uma dada
tradição. A atitude afirmativa também pode ocorrer quando o esforço para demonstrar que
“historiadores caídos no esquecimento” são, na verdade, “antecipadores” de uma dada
concepção de história. Assim, a afirmação pode ser utilizada tanto para consolidar posições
estabelecidas, quanto para dar lugar a novas posições. A função crítica possuiria diferentes
formas: a crítica de modelos “tradicionais”, com o objetivo de destruir uma tradição
particular, apresentada como “suspeita e antiquada”; o “redescobrimento de autores real ou
supostamente marginais” e o “reconhecimento de precursores esquecidos”. Já a função
exemplar, relaciona-se aos investimentos no sentido de elaborar material ilustrativo para a
reflexão teórica, de modo que a história da historiografia estaria restrita à periodização ou à
listagem de nomes e obras principais.14
Esta tese não nasceu diretamente da leitura dessas proposições relacionadas a uma
“nova história da historiografia”, que só muito recentemente começaram a chegar no
Brasil. Os caminhos que conduziram a este trabalho foram outros, ainda que tais
proposições possuam algo em comum com o exercício aqui proposto, provavelmente, em
função das preocupações compartilhadas por muitos historiadores da atualidade, que
buscam refletir sobre o ofício do historiador, seu produto (o texto histórico) e seu lugar
social.
A reflexão partiu do interesse por três temas de pesquisa. Em primeiro lugar, o
interesse em focalizar o indivíduo, buscando compreender ou, ao menos, mapear o
conjunto de investimentos necessários para a afirmação de uma identidade social, que
envolve a construção da memória, a elaboração de projetos e o exercício contínuo de um

MASTROGREGORI, Massimo. “Historiografia e tradição das lembranças”. In: A história escrita, op. cit., p.
65-67.
14
Ao detalhar cada uma dessas funções, Blanke recorre a diferentes tipos de estudos desenvolvidos na
Alemanha, entre meados da década de 1970 e o final dos anos 1980. O autor apresenta um panorama das
várias conferências e publicações realizadas no período, destacando as principais contribuições para uma
“nova história da historiografia”. Entre essas contribuições, cabe destacar, além daquelas com foco
nitidamente teórico, aquelas com preocupação em situar a história da história em relação: a contextos
socioculturais, a experiências de crise e catástrofes, à cultura histórica de uma época, à vida pública em geral
etc. O autor chama a atenção para a presença de uma certa dose de rebeldia na postura contemporânea em
relação à história da historiografia. Essa rebeldia é observada no esforço de revisar posições historiográficas
estabelecidas e, ao mesmo tempo, rever a posição de autores e projetos historiográficos perdedores ou
excluídos. O autor também ressalta que, embora a tentativa de valorizar posições não conformistas – através
do estudo de autores marginalizados ou excluídos – possa fazer uso de argumentos afirmativos, não se deve
esquecer que tais argumentos são comumente utilizados contra as posições estabelecidas. Isso seria suficiente
para distinguir tais esforços daqueles originalmente marcados pela afirmação em defesa da tradição
consolidada. BLANKE, “Para uma história da historiografia”, op. cit., p. 34-35.

5
olhar sobre si.15 Em segundo, o interesse em estudar intelectuais e, mais particularmente,
aqueles que se dedicam à pesquisa, à escrita e ao ensino da história. 16 Por fim, mas não
menos importante, o interesse pelos problemas relacionados à leitura e à escrita (de si e da
história).17
Mais especificamente, esta tese propõe investigar o “exercício de legitimação”, a
partir do qual, aqueles que se dedicam à história podem afirmar a especificidade do
conhecimento que produzem, definir locais de produção e regras próprias de consagração.
Compreender tal exercício é um entre outros modos de construir uma história da história
no Brasil, que além de ater-se a problemas teórico-metodológicos, seja capaz de trazer à
tona o que foi chamado de “pequeno mundo” dos historiadores.18 Uma história que
também seja capaz de relativizar a interpretação comum que toma uma parte significativa
da produção historiográfica brasileira, elaborada ao longo do século XIX e das décadas
iniciais do século XX, como um todo uniforme e contínuo, caracterizado como
“positivista”.19

15
Esse interesse foi alimentado por um conjunto de leituras sobre indivíduo, memória, campo de
possibilidades e domínio das opções, que, de diferentes formas, refletem sobre o tema da liberdade e dos
condicionamentos individuais, tais como: POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos
Históricos – Dossiê Memória, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15; LEVI, Giovanni. “Sobre a micro-história”. In:
BURKE, Peter (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992, p. 133-161;
REVEL, Jacques (Org.). Jogos de Escala: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro, FGV, 1998;
VELHO, Gilberto. “Memória, identidade e projeto”. In: _____. Projeto e Metamorfose: antropologia das
sociedades complexas. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1999, p. 97-105; ABREU, Regina. O enigma de Os
sertões. Rio de Janeiro, Rocco / Funarte, 1996.
16
As referências mais presentes são: FALCON, Francisco José Calazans. “A identidade do historiador”.
Estudos Históricos – Dossiê Historiografia. Rio de Janeiro, vol. 9, n. 17, 1996, p. 7-30; e CERTEAU, Michel
de. “A operação historiográfica”. In: _____. A escrita da história. Rio de Janeiro, Forense, 1982, p. 65-119;
SIRINELLI, Jean-François. “Os intelectuais”. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. Rio de
Janeiro, FGV / UFRJ, 1996, p. 231-269; e, também, TREBITSCH, Michel. “Avant-propos: la chapelle, le
clan et le microcosme”. Les Cahiers de L’IHTP – Sociabilites intellectuelles: lieux, milieux, réseaux. S.l.,
Centre National de la Recherche Scientifique- Institut d‟Histoire du Temps Present, n. 20, mars 1992, p. 11-
21.
17
CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Coimbra, Quarteto, 2001; CERTEAU, Michel
de. “A economia escriturística”. In: _____. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, Vozes, 1994,
p. 221-246; e DIAZ, Brigitte. “Correspondance et écriture de soi”. In: _____. L’épistolaire ou la pensée
nomade. Paris, PUF, 2002, p. 139-194.
18
O presente estudo procura pensar a história da história a partir de seu cruzamento com a história das idéias
e o que na França vem sendo chamado por história dos intelectuais ou história social dos intelectuais,
considerando essa última em consonância com a história política e a história cultural. As principais
referências para pensar a história dos intelectuais são: SIRINELLI, “Os intelectuais”, op. cit.; e
TREBITSCH, “Avant-propos: la chapelle, le clan et le microcosme”, op. cit. Além disso, trata-se de uma
história da história que procura ficar atenta aos problemas colocados pela história do livro e da leitura. Ver:
CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel; Rio de Janeiro,
Bertrand Brasil, 1990; Idem (Org.). Práticas da Leitura. São Paulo, Estação Liberdade, 1996.
19
Ver, por exemplo, as interpretações de: LAPA, José Roberto do Amaral. A história em questão:
historiografia brasileira contemporânea. Petrópolis, Vozes, 1976; ODÁLIA, Nilo. As formas do mesmo:
ensaios sobre o pensamento historiográfico de Varnhagen e Oliveira Vianna. 1a edição [1979]. São Paulo,
Unesp, 1997; DIEHL, Astor. A cultura historiográfica brasileira: do IHGB aos anos 1930. Passo Fundo,
Ediupf, 1998.

6
Pretende-se aqui contribuir para a explicitação de um conjunto de problemas
relativos à identidade do historiador, compreendida a partir de dois sentidos
complementares: a identidade como autoconsciência do historiador, suscitada pela
intenção e/ou o exercício de um tipo específico de operação, com vistas a produzir um
texto histórico; e a identidade como reconhecimento da operação realizada e do resultado
obtido como sendo um produto historiográfico.20 A hipótese é a de que essa construção
identitária envolve dois tipos de “exercícios de legitimação”. O primeiro é coletivo, pois
resulta da atuação dos pares, admiradores, discípulos, biógrafos e intérpretes do
historiador, no sentido de situá-lo em relação a uma dada tradição intelectual. O segundo é
individual, pois corresponde aos investimentos feitos pelo próprio historiador a partir de
determinadas circunstâncias (ou de um dado campo de possibilidades) – assim como, de
um certo domínio das opções – por meio das quais é possível constituir a si mesmo como
indivíduo e intelectual.
Diante dessa hipótese, a opção foi escolher um entre outros historiadores capazes
de servir como um guia para acessar o “pequeno mundo” dos intelectuais, com suas
estratégias de consagração e exclusão. A escolha recaiu sobre João Capistrano de Abreu
(1853-1927), que é, inegavelmente, um marco na história da história no Brasil. Como
observou Francisco Falcon, trata-se de “uma espécie de quase (?) unanimidade”, um elo
entre a historiografia do século XIX – que tem Francisco Adolfo de Varnhagen como
principal referencial – e a modernista, exemplificada pelos trabalhos de Gilberto Freyre,
Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior, produzidos nas décadas de 1930 e 1940.
Muitas informações circulam sobre ele, constituindo uma espécie de folclore intelectual
capaz de sustentá-lo como um mito, ao menos entre historiadores de ofício. Exemplo de
erudição e dedicação à pesquisa, explorador de arquivos, ávido leitor, crítico feroz... essas,
entre outras colocações, costumam ser temperadas por comentários acerca de sua aparência
desleixada; do seu humor irônico; da sua aversão aos títulos e às instituições; do seu
repúdio à vaidade e à presunção; assim como, da sua dificuldade para escrever. Esse último
ponto alimenta a maior parte das poucas críticas feitas ao autor, mais preocupadas com a

20
Para pensar a identidade do historiador, ver: FALCON, “A identidade do historiador”, op. cit.; e
CERTEAU, “A operação historiográfica”, in op. cit. Sobre o problema da tradição, ver: EISENSTADT, S. N.
“Intellectuals and tradition”. Daedalus – Journal of the American Academy of Art and Sciences, vol. 101, n.
2, spring 1972, p. 1-19; e SHILS, Edward. “Intellectuals, Tradition, and the Traditions of Intellectuals: some
preliminary considerations”. Daedalus – Journal of the American Academy of Art and Sciences, vol. 101, n.
2, spring 1972, p. 21-34.

7
obra que ele não produziu – mas que, segundo afirmam, poderia muito bem ter produzido –
do que com a interpretação daquilo que foi publicado.21
Seu caso indica a existência de um sólido consenso em torno de seu nome e obra,
vistos aqui como indissociáveis, pois o processo que consolidou o primeiro, supostamente,
contribuiu para a afirmação da segunda enquanto unidade coerente e significativa. Esse
consenso atravessou décadas e, aparentemente, se apresenta como um tipo de obstáculo ou
uma forma de proteção contra possíveis disputas em torno de seu legado. Cumpre
identificar as instâncias de reconhecimento atuantes e os meios de consagração utilizados
com o intuito de individualizá-lo e imortalizá-lo.
Distinguindo-se de seus antecessores e contemporâneos, Capistrano é tido como o
precursor da moderna historiografia brasileira. Um historiador ímpar, sem sucessores
diretos e sem par no campo dos estudos históricos. Contudo, persiste a ligação entre aquilo
que ele produziu e planejou produzir e a historiografia contemporânea, guardadas as
devidas diferenças. Em outras palavras, não apenas aquilo que ele efetivamente realizou,
mas também seus projetos, servem como uma espécie de referencial. Alguém que serve
como inspiração para os pesquisadores de ontem e de hoje, ainda que atualmente sua
presença seja ofuscada por outros referenciais, sobretudo europeus, que incidem
nitidamente sobre a formação das novas gerações de professores e pesquisadores da
história. Apesar disso, ele permanece como um nome a ser lembrado, pacificamente
plantado na história da História no Brasil. Cabe investigar essa operação pacificadora que o
tornou tão próximo de nós, lembrando que as artes que domesticam os mortos podem
servir, também, para lançá-los ao esquecimento. Isso ocorre quando a lembrança do morto
se dá como uma espécie de obrigação, que serve para confirmar todo um processo de
assimilação, que diz que o morto tem um lugar na história, mas que, ao mesmo tempo, ele
pertence a um outro mundo, que pode e deve ser superado e, em certa medida, esquecido.22
Capistrano foi alvo de um considerável volume de estudos e discursos, difundidos
por meios diversos: necrológios, artigos, resenhas, biografias, sonetos, retratos, charges,
fotografias, dissertações e teses, produzidos e reproduzidos ao longo de décadas. Além
disso, ele também elaborou discursos sobre si, através de sua expressiva correspondência.

21
FALCON, Francisco José Calazans. “As idéias e noções de „Moderno‟ e „Nação‟ nos textos de Capistrano
de Abreu. Os Ensaios e estudos, 4a série – comentários”. Acervo – Revista do Arquivo Nacional, Rio de
Janeiro, vol.12, n. 1/2, jan./dez., 1999, p. 6. A maior parte da produção de Capistrano é formada por
traduções, artigos, resenhas, prefácios e cartas, reunidos em livros postumamente.
22
Ver HARTOG, O século XIX e a história, op. cit., p. 133-175; e, também, MENESES, Ulpiano T. Bezerra
de. “A história, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais”.
Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n. 34, 1992, p. 9-24.

8
Assim, ele pode ser visto como um objeto privilegiado, pois a variedade dos materiais que
circulam sobre ele permite ao investigador operar vários tipos de recortes na
documentação, bem como, alimentar um leque de questões.
A presente tese analisa apenas uma parte dessa produção, que contribuiu para
consolidar o nome de Capistrano entre os principais intérpretes do Brasil. É um trabalho de
recolha e análise das interpretações ditas e escritas, das imagens produzidas e divulgadas,
dos marcos cronológicos estabelecidos e de toda forma de comentários, associações,
anedotas e pequenos casos que ajudaram a compor a memória sobre o historiador e, ao
mesmo tempo, ajudaram a sustentar uma determinada história da história.
Os objetivos específicos são dois, ambos relacionados à problemática da identidade
do historiador. O primeiro é analisar a construção da memória sobre Capistrano,
considerando cinco realizações principais: 1) a produção de necrológios e artigos no
momento imediatamente posterior a sua morte, em 1927; 2) a criação da Sociedade
Capistrano de Abreu, no mesmo ano; 3) a organização de um rol de historiadores
nacionais, nos anos 1940, ou seja, durante o Estado Novo (1937-1945); 4) a comemoração
do I Centenário de Nascimento do historiador, em 1953; e 5) a elaboração de biografias,
entre as décadas de 1930 e 1960. Supostamente, tais empreendimentos além de contribuir
para consolidar o nome e a obra de Capistrano, também favoreceram a construção de uma
história da história, na qual o historiador é situado como uma espécie de “pai fundador” ou
um “descobridor” da moderna historiografia.
O segundo objetivo é compreender o modo como Capistrano construiu a si mesmo
como indivíduo, intelectual e historiador, através de sua correspondência. Esta é
considerada como uma forma peculiar de escrita de si, desenvolvida a partir da relação
com o outro. Uma escrita que favorece a subjetividade e a sociabilidade, permitindo a
construção de redes de pesquisa à distância e o estabelecimento de dois tipos de vínculos
principais: entre pares ou colaboradores e, entre um mestre e seus discípulos. Em função
desses objetivos, a tese foi organizado em duas partes bastante distintas, mas
complementares. A primeira segue a produção da memória e, a segunda, a escrita de si
através da correspondência, com foco em duas questões principais: a construção da
identidade do historiador e a “operação historiográfica”, compreendidas através do que
pode ser definido como modos de ser e modos de fazer (a história).23 A hipótese que une as
duas partes é a de que o reconhecimento e a autoconsciência que, supostamente, definem a

23
Uma referência importante para a definição desse objetivo é CERTEAU, “A operação historiográfica”, op.
cit.

9
identidade do historiador, se tornam possíveis, ao menos em parte, através da produção
memorialística e da correspondência.
No capítulo final – apresentado como um esboço, devido ao caráter não conclusivo
de suas proposições –, ao invés de simplesmente rever o caminho percorrido, propõe-se
relacionar tanto a produção da memória sobre Capistrano, quanto à escrita de si
desenvolvida pelo historiador através de suas cartas, com a história da história no Brasil. A
proposta é concluir com uma pequena discussão sobre o modo como a história da
disciplina no Brasil foi contada, indicando o lugar de Capistrano e de sua obra nessa
história.

10
I

MORTE E VIDA
DE UM HISTORIADOR NACIONAL

11
1
Morre o historiador da pátria:
a construção de um símbolo da brasilidade

“Nunca pensei que eu pudesse morrer”. Essas palavras teriam sido ditas por
Capistrano de Abreu a um grupo de amigos que o visitava em sua casa, quando ele se
encontrava adoentado, em agosto de 1927. Foram registradas pelo etnógrafo Edgar
Roquette-Pinto, que estava entre os visitantes e pouco depois escreveu:

Venho da casa de Capistrano de Abreu, o querido Mestre dos meus estudos etnográficos. A
doença prostrou o indomável sertanejo acaboclado Já não se estira na rede, companheira
fiel de tantos anos; ergue-se a custo sobre o cotovelo na posição que a dispnéia concente;
geme baixinho, sem queixa nem revolta. É um ocaso meigo o daquele sábio cheio de
bondade tolerante. No quarto de pouca luz, atravancado de livros, os amigos, os discípulos
cercam-no com a ânsia sincera de verificar uma melhora. É afinal o Brasil que se debruça
sobre o leito em que sofre um dos seus maiores filhos.1

Capistrano morreu no dia 13 de agosto, aos 74 anos. Passou seus últimos anos de
vida na casa da travessa Honorina, no 25, em Botafogo, Rio de Janeiro, onde vivia no porão
em meio a livros e papéis empilhados. Lúcido até o fim, rejeitou sucessivos apelos para
que se convertesse ao catolicismo antes do último suspiro.2 Também manifestou o desejo
de um enterro simples, sem ostentação.

1
ROQUETTE-PINTO, Edgar. “Capistrano de Abreu”. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, vol. IV,
n. 1, março de 1928, p. 1.
2
Em 1911, a filha de Capistrano de Abreu, Honorina, entrou para o Convento das Carmelitas, em Santa
Tereza, adotando o nome de Maria José de Jesus. Desde então, ela se empenhou na conversão do pai ao
catolicismo, enviando-lhe cartas que eram “verdadeiros sermões”. Sobre a correspondência entre Capistrano
e sua filha, ver: BUARQUE, Virgínia Albuquerque Castro. Escrita singular: Capistrano de Abreu e Madre
Maria José. Fortaleza, Museu do Ceará, 2003. Coleção Outras Histórias, 20. No leito de morte, Capistrano
recebeu a visita de amigos católicos e padres, que tentaram em vão convertê-lo. Entre os que o visitaram

12
Anos depois, o escritor Rodrigo Otávio Filho lembrou a cena da morte em tom
trágico:

Era triste, era muito triste, aquele porão da Travessa Honorina. Ainda o vejo na sua
desordem e na sua tristeza. A pouca luz ambiente dava ao semblante de meia dúzia de
homens e de mulheres – que silenciosos e de cabeça baixa esperavam o momento último
daquele grande homem –, os contornos estáticos de figuras de tragédia.3

Em “carro fúnebre de indigente”, o corpo foi transportado por “estranho préstito”


de sua casa até o cemitério local de São João Batista. Segundo o engenheiro, polígrafo e
ex-ministro João Pandiá Calógeras, amigo íntimo de Capistrano,

Centenas de pessoas de todas as gerações, de ambos os sexos, unidos na mesma mágoa, no


mesmo luto e no mesmo respeito, olhos rasos de lágrimas, foram carregando à mão,
revezando-se, o esquife de pobre em que repousava o grande brasileiro.4

A capital federal havia presenciado grandes funerais durante a Primeira República


(1889-1930): Machado de Assis, em 1908; Afonso Pena e Euclides da Cunha, em 1909;
Joaquim Nabuco, em 1910; o Barão do Rio Branco, em 1912; Pinheiro Machado, em 1915;
Osvaldo Cruz, em 1917; Rodrigues Alves, em 1921; Rui Barbosa, em 1923. Além desses,
o traslado dos restos mortais dos imperadores Pedro II e Tereza Cristina, em 1921, causara
enorme comoção. Foram longos cortejos organizados por rígida hierarquia, com a
participação de autoridades e membros da elite, além de grande número de populares. Com
a maior pompa, alguns funerais tiveram o status de festa nacional.5
De modo recorrente, os cortejos transcorriam entre os locais da morte, do velório e
do enterro. De acordo com João Felipe Gonçalves, que analisou os grandes funerais da
Primeira República, o velório era de suma importância, devendo haver identidade entre o

estava o padre Leonel Franca, um dos mais importantes sacerdotes do país, dedicado à conversão de
intelectuais.
3
OTÁVIO FILHO, Rodrigo. “A vida de Capistrano de Abreu”. Aula inaugural do Curso Capistrano de
Abreu, 02/09/1953. Revista do IHGB, vol. 221, outubro-dezembro, 1953, p. 64.
4
CALÓGERAS, João Pandiá. [Necrológio de Capistrano de Abreu]. Atas da 6 a Sessão Ordinária do IHGB,
13/09/1927. Revista do IHGB, tomo 101, vol. 155, 1928, p. 355.
5
Como exemplos de estudos de funerais de homens públicos, ver: GONÇALVES, João Felipe. “Enterrando
Rui Barbosa: um estudo de caso da construção fúnebre de heróis nacionais na Primeira República”. Estudos
Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 25, 2000, p. 135-161; ABREU, Regina.
“Entre a nação e a alma: quando os mortos são comemorados”. Estudos Históricos – Dossiê Comemorações.
Rio de Janeiro, vol. 7, n. 14, 1994, p. 205-230, versão digital, p. 1-24; idem, O enigma de “Os sertões”. Rio
de Janeiro, Rocco / Funarte, 1998.

13
morto e o local onde ocorria, o que exigia cuidadosas escolhas por parte dos organizadores.
Machado de Assis e Euclides da Cunha, por exemplo, foram velados na Academia
Brasileira de Letras; o Barão do Rio Branco, no Palácio do Itamaraty; Afonso Pena, no
Palácio do Catete; Rui Barbosa, na Biblioteca Nacional. Todos caracterizados por luxuosa
decoração, repleta de veludo negro, crepes, flores, altares, dosséis e guardas de honra. O
objetivo era demonstrar a especificidade da vida e das obras do finado através das
instituições com as quais ele se relacionara. Na ocasião dos funerais, espaços normalmente
interditados à população serviam como uma espécie de palco para a performance pública
das elites.6
Além do impacto simbólico dos velórios, os funerais eram uma ocasião propícia
para discursos, responsáveis pela dimensão mais cognitiva da cerimônia fúnebre. Através
de pronunciamentos grandiloqüentes e laudatórios, buscava-se a individualização e a
imortalização do morto em meio a expressões retóricas de dor.7 No caso dos mortos
ilustres anteriormente citados é notável a associação de seus nomes à nação, o que permite
considerar seus funerais como verdadeiros “rituais cívicos”.8
Contrastando com tais eventos, cercados por toda pompa e circunstância, o velório
no porão e o enterro de Capistrano de Abreu chamam a atenção pela simplicidade, assim
como, pela diversidade do séqüito. Segundo Pandiá Calógeras,

Num movimento espontâneo de amor, todos os presentes às pobres e mesquinhas exéquias


– grandes nomes nacionais; humildes índios a que tinha servido e abrigado; respeitáveis
senhoras por quem nutrira tanto afeto e que lhe retribuíam com tanta sinceridade, sem
limite de idade, das avós de cabelos brancos às mocinhas que desabrochavam à vida;
discípulos pranteando o Mestre; íntimos rememorando as expansões de sua intimidade –
todos quiseram levar os restos queridos ao cemitério com uma demonstração última,
singela e augusta, de imarcescível saudade.9

O escritor e crítico literário Humberto de Campos confirma parte do relato ao dizer


que, “o cortejo fúnebre desceu do Largo dos Leões pela Rua Voluntários da Pátria. No
6
GONÇALVES, “Enterrando Rui Barbosa”, op. cit., p. 149.
7
O ritual de “falar sobre o morto” ou “lembrar o morto” nem sempre existiu, sendo que a preocupação com a
morte individual é característica dos tempos modernos. É principalmente a partir do século XVIII que se
verifica a tendência crescente da tematização da morte individual, sendo que o culto aos mortos cresceu ao
longo do século XIX, sendo expresso através dos túmulos e dos cemitérios, assim como, pelas manifestações
de pesar pela perda e saudade do morto. Ver ARIÈS, Philipe. A história da morte no ocidente. Lisboa,
Teorema, 1989.
8
GONÇALVES, op. cit., p. 151.
9
CALÓGERAS, [Necrológio de Capistrano de Abreu], op. cit., p. 355.

14
préstito mortuário, compungidos, alguns com os olhos úmidos, deputados, senadores,
ministros, ex-ministros, banqueiros, acadêmicos, embaixadores”.10 E Rodrigo Otávio Filho
complementa ao lembrar que:

(...) não era só essa gente excelsa que acompanhava o enterro de Capistrano. Junto ao
caixão seguiam também muitos amigos sem renome ou glória, discípulos silenciosos, e
dois índios tristes, índios que ele trouxera da selva e que educara como filhos.11

Os relatos fazem questão de frisar que os membros da elite política e intelectual do


país caminharam lado a lado com gente comum, sem hierarquia. Além da curiosa presença
de dois índios, homens e mulheres anônimos de diferentes faixas etárias transitaram entre o
modesto lugar onde viveu e morreu Capistrano e o local do enterro. Os discursos valorizam
a espontaneidade das homenagens póstumas, marcadas pelo tom intimista, destacando a
sinceridade do afeto demonstrado pelo morto e exaltando a humildade, presente tanto na
vida como na morte do homenageado. O caixão foi conduzido a pé, carregado pelos
amigos e admiradores que se revezaram, entre os quais: Cândido Rondon, Rodolfo Garcia,
Francisco Sá, Afonso Celso, Rodrigo Otávio, Paulo Prado, Miguel Arrojado Lisboa,
Francisco de Assis Brasil, Graça Aranha, Miguel Couto, Assis Chateaubriand, entre outros,
inclusive os dois índios.
Durante o enterro, o historiador Rodolfo Garcia fez o elogio do morto em nome do
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, a mais importante instância de consagração dos
estudos históricos do país, desde a primeira metade do século XIX, quando foi criado. O
ponto alto do discurso foi a repetição das palavras emitidas pelo próprio Capistrano na
ocasião da morte de outro historiador, o ilustre Francisco Adolfo de Varnhagen, em 1878.
Até então, Varnhagen era considerado o pai da historiografia brasileira, autor da História
Geral do Brasil (1854-1857) obra revisada por Capistrano e Garcia. Ao escrever o
necrológio de Varnhagen, Capistrano lamentou: “A pátria traja de luto pela morte de seu
historiador. Morte irreparável, pois que a constância, o fervor e o desinteresse que o
caracterizavam, dificilmente se hão de ver reunidos no mesmo indivíduo”.12 Após a morte,
Capistrano foi associado às mesmas características que ele valorizara em Varnhagen – a

10
CAMPOS apud OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 65.
11
OTÁVIO FILHO, ibidem, p. 65.
12
ABREU, Capistrano de. “Necrológio de Francisco Adolfo de Varnhagen”. In: _____. Ensaios e estudos:
crítica e história, 1a série. 2a edição. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1975, p. 81-91.
Originalmente publicado no Jornal do Comércio, 16-20/12/1878.

15
constância, o fervor e o desinteresse –, conforme lembrou Garcia em seu discurso
fúnebre.13
Além do elogio proferido no enterro, alguns artigos foram publicados na imprensa
da capital e do Ceará, terra natal de Capistrano. O historiador João Ribeiro, por exemplo,
defendeu a decretação de luto nacional. Afirmou que o “sábio mestre” – um “homem
despido de todas as vaidades e de todas as preocupações de interesse material” – era o
único que poderia ter escrito a história do Brasil com autoridade, lastimando que ele não o
tenha feito, por não conseguir levar a cabo o que principiava. Também chamou a atenção
para as “esquisitices e singularidades” de Capistrano, observando que “ninguém como ele
parecia um índio que houvesse perfurado a civilização e subido à tona da nossa cultura,
com arco e flecha, seminu e indomável”.14
Essa associação de Capistrano aos indígenas também aparece nas observações do
jornalista Assis Chateaubriand, cujo olhar captou a presença de um índio tuxinim no
velório e no enterro. Disse Chatô:

Ao sair do pobre porão de trapista intelectual onde morava, o enterro de Capistrano de


Abreu, quando lhe tomou uma das alças do caixão, o índio tuxinim, que ele mandara
buscar, para fixar-lhe a língua, do interior do Mato Grosso, eu tive como que a sensação de
que nenhum de nós era tanto o expoente de qualquer cousa de eterno, na vida do grande
indigenista, como aquele representante dos primeiros povoadores da terra brasileira. Luís
(assim se chamava o tuxinim) ali estava, com a sua farda de soldado da brigada policial, os
olhos vermelhos de chorar, levando o esquife de Capistrano de Abreu, ao lado de Francisco
Sá, Paulo Prado, Arrojado Lisboa, Aguiar Moreira e tantos outros. A presença daquele
índio no acompanhamento fúnebre do eminente historiador, cuja paciência beneditina
reproduziu para a nossa história tantos idiomas dos nossos aborígines, em vésperas de
desaparecerem, era como um pedaço da brasilidade.15

13
O elogio fúnebre feito por Garcia é parcialmente citado por MATOS, Pedro Gomes de. Capistrano de
Abreu: vida e obra do grande historiador. Fortaleza, A. Batista Fontenele, 1953, p. 311; MENEZES,
Raimundo de. Capistrano de Abreu: um homem que estudou. São Paulo, Melhoramentos, 1956, p. 77; e
RODRIGUES, José Honório. “Rodolfo Garcia”. In: _____. História e historiografia. Petrópolis, RJ, Vozes,
1970, p. 155.
14
RIBEIRO, João. “Retrato de Capistrano de Abreu”. In: _____. Obras – Crítica, vol VI: Historiadores.
Organização de Múcio Leão. Rio de Janeiro, ABL, 1961, p. 93-94. Originalmente publicado no Jornal do
Brasil, 14/08/1927.
15
CHATEAUBRIAND, Assis. “Capistrano de Abreu”. O Jornal, 14/08/1927.

16
Para o observador, o índio choroso no velório representava “qualquer coisa de
eterno” na vida de Capistrano. Representava “um pedaço da brasilidade”, que o
historiador-indigenista pudera atingir e, de certa forma, salvar, com seus estudos.
Outro jornalista, Gonçalo Jorge – que, ao contrário dos outros comentaristas aqui
citados, não conheceu Capistrano pessoalmente – fez questão de lembrar o contraste entre
o corpo de Capistrano, “desajeitado e exótico”, e seu “espírito luminoso”. Afirmou: “no
físico, ele era um sertanejo, um filho do adusto nordeste, um homem feio, agreste,
desagradável. No espírito, que belo e alto clarão havia!”. Também frisou que a decantada
generosidade de Capistrano contrastava com sua irreverência, sarcasmo e ironia,
lamentando, como João Ribeiro, que ele não tenha legado uma grande obra ao Brasil,
como era esperado.16
O escritor Coelho Neto apresentou Capistrano como “um estranho no meio e no
tempo” por seu temperamento arredio, interpretado como uma “sobrevivência do
„bárbaro‟, latente no super-civilizado”. Para esse comentarista, Capistrano possuía uma
“alma primordial” que o impelia para o estudo do passado. Concordando com João
Ribeiro, afirma que o falecido sábio era um “selvagem, que o estudo tornou um dos
expoentes máximos da nossa cultura”.17
Além dos artigos que circularam pela imprensa, também ocorreram manifestações
de pesar na Câmara dos Deputados e no Senado e, como era de praxe, as atas das sessões
foram registradas nos anais e publicadas nos jornais.18 Por fim, seguiram-se as homenagens
nas principais instâncias de consagração do mundo intelectual da época.
Um mês após o funeral, foi feita homenagem na 6a Sessão Ordinária do IHGB,
dirigida pelo presidente perpétuo, o conde Afonso Celso.19 João Pandiá Calógeras
apresentou o necrológio daquele que considerava como um verdadeiro “tapuia
transplantado para o meio civilizado”. Suas qualidades como erudito e homem modesto,
dotado de uma alma “bondosa”, “pura”, “abnegada” e “heróica”, avesso às vaidades e a
todo pedantismo, ajudaram a tecer a imagem de um “beneditino das letras”, que era, ao
mesmo tempo, “artista e pensador”. Ao lembrar o historiador morto propôs um outro
arranjo para a tradição historiográfica brasileira: desde então, a história de Capistrano se
16
JORGE, Gonçalo. “Capistrano de Abreu”. Jornal do Brasil, 15/08/1927.
17
COELHO NETO, Henrique. “Redimido”. Jornal do Brasil, 21/08/1927.
18
Ver O Globo, 13/08/27, 15/08/27 e 18/08/27; Jornal do Comércio, 14/08/27 e 16/08/27; Gazeta de
Notícias, 14/08/27 e 16/08/27; Jornal do Brasil, 14/08/27, 15/08/27, 16/08/27, 19/08/27, 21/08/27 e
26/08/27; A Manhã, 16/08/27; O Jornal, 28/08/27.
19
A 6a Sessão Ordinária foi realizada no dia 13 de setembro de 1927. Suas atas foram publicadas na Revista
do IHGB, tomo 101, vol. 155, 1928, p. 342-356. O necrológio escrito por Pandiá Calógeras encontra-se entre
as páginas 344 e 355.

17
confundiria com a própria memória da escrita da história no Brasil. Para Calógeras, antes
de Capistrano, “havia monografias históricas, crônicas mais ou menos interessantes,
memórias e anais sem grande nexo e com escassa crítica”. Com o “Mestre” teriam
aparecido virtudes novas:

O respeito ritual pelo documento; a facilidade de verificação das origens; o grupamento


filosófico dos sucessos; as correntes formadoras do determinismo econômico e dos
conceitos espirituais; a análise mais precisa dos fatos; a ampliação do campo devassado; a
pesquisa de depoimentos mais abundantes e mais seguros; o impessoalismo da psicologia;
o apuro na preocupação de narrar e nunca de provar; a mais absoluta probidade ao citar e
no concluir; a redação “sine ira ac studio”.20

Conclui com a opinião de que Capistrano foi um “Triunfador”: triunfou sobre o


egoísmo, “com seu exemplo de vida modesta e votada ao serviço do Brasil”; sobre a
riqueza, a ignorância e a indiferença das massas, ao se impor como “maestro di color che
sanno”. Por fim, vencera a própria morte, pois sua memória inspiraria continuadores
capazes de trabalhar pela “formação moral e mental” do país.
Em outubro, durante a Sessão Magna comemorativa do 89o aniversário de fundação
do Instituto, o historiador Ramiz Galvão pronunciou algumas palavras sobre o morto. Após
uma pequena biografia, onde chamou a atenção para a presença dos livros como
companheiros e mestres de Capistrano e para sua trajetória profissional marcada pela
passagem por instituições como a Biblioteca Pública da Corte, o Colégio de Pedro II e o
IHGB, o orador confirmou a imagem de um sábio que tinha a aparência de um “filho das
selvas transplantado para o seio da civilização”. Também reafirmou a visão de Capistrano
como “uma alma boa e meiga” despida de vaidades.21
Em outra instituição importante, a Academia Brasileira de Letras, o escritor e
magistrado Rodrigo Otávio já havia pronunciado o elogio fúnebre de Capistrano, seu
amigo de longa data, lembrando as qualidades do homenageado, “vulto dos mais
conspícuos da ciência e das letras brasileiras”, “grande obreiro da literatura nacional”. Ao
seu lado, Afrânio Peixoto ressaltou o “talento da amizade” como uma das características do

20
CALÓGERAS, [Necrológio de Capistrano de Abreu], op. cit., p. 352.
21
A 7a Sessão Magna comemorativa ocorreu no dia 21 de outubro de 1927 e foi presidida por Washington
Luis, Presidente da República e presidente honorário do IHGB. As atas foram publicadas na Revista do
IHGB, tomo 101, vol. 155, 1928, p. 418-469. O necrológio escrito por Ramiz Galvão encontra-se entre as
páginas 460 e 465.

18
morto, cujo valor poderia, supostamente, ser medido pelo número e pela qualidade dos
amigos que possuiu.22
A pobreza e a desordem do ambiente onde viveu e morreu Capistrano ajudaram a
sustentar a imagem de um homem simples, sem vaidades ou interesses, que dedicou sua
vida aos estudos, avesso a homenagens e elogios públicos. Nesse sentido, as descrições do
local da morte e do enterro contrastaram e maximizaram a importância atribuída ao morto.
A morte de um indivíduo proeminente era ocasião oportuna para a construção de
representações capazes de associá-lo a ideais coletivos. O nome de Capistrano de Abreu
permitiu materializar idéias e valores considerados importantes e dignos de serem
celebrados durante a Primeira República, quando se observa um “movimento geral de
criação de heróis cívicos” e de elogio dos “grandes homens”, que, em grande parte, eram
recrutados no mundo da política e/ou das letras.23

1.1. O “homem de letras” como símbolo nacional

O interesse por figuras ilustres cresceu na Europa ao longo do século XIX, abrindo
espaço para a construção de galerias de heróis nacionais, figuras representativas dos
valores de um país ou de um dado momento da história pátria.24 Esse crescimento se deve
a uma conjunção de fatores, entre os quais o fortalecimento das nações – sustentado pela
invenção de tradições e pela identificação de símbolos capazes de representá-la – e a
afirmação do individualismo.25
A trajetória individual despertava interesse na medida em que fornecia elementos
supostamente universais, comuns não a todos os homens, mas a todas as sociedades.
Construíam-se analogias entre certos indivíduos e a coletividade, transpondo-lhes
características. Assim, uma história nacional podia ser contada como uma história de vida

22
Ata da 39a Sessão da ABL, ocorrida em 18/08/27, p. 228-232. Outras personalidades que se pronunciaram
durante a sessão foram Afonso Celso e Coelho Neto.
23
João Felipe Gonçalves defende a necessidade de analisar os rituais fúnebres da Primeira República em
conjunto, tomando cada caso como exemplo de um fenômeno mais amplo, o “movimento geral de criação de
heróis”. O objetivo é compreender o sentido comum das várias manifestações de uma prática ritualística,
supostamente caracterizada pelos seguintes elementos comuns: a construção e naturalização de hierarquias; o
reforço da estrutura social; o desenvolvimento de um individualismo da distinção. GONÇALVES,
“Enterrando Rui Barbosa”, op. cit., p. 151 e 156-57.
24
ENDERS, Armelle. “„O Plutarco Brasileiro‟: a produção de vultos nacionais no Segundo Reinado”.
Estudos Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 25, 2000, p. 41.
25
Sobre nação e nacionalismo, uma das referências principais é HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismo
desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990. Sobre a relação entre
nacionalismo e individualismo, ver DUMONT, Louis. O individualismo: uma perspectiva antropológica da
ideologia moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1985.

19
– a vida dos homens célebres ou dos heróis –, pois se concebia que alguns destinos
individuais poderiam estar relacionados às escolhas nacionais.26
O “grande homem” era visto como dotado de livre-arbítrio, o que lhe permitia
escapar do reino da necessidade, onde vivia a maioria dos mortais. Acreditava-se que suas
vidas tinham algo a ensinar à humanidade. Além disso, também eram portadores do tipo de
documentação mais valorizado naquele momento: os documentos escritos, produzidos no
âmbito da política e do Estado, o que contribuiu para que eles pudessem ser privilegiados
pela escrita da história. Mas, enquanto no campo da historiografia predominava o interesse
pelo “homem célebre”, na literatura havia espaço para figuras anônimas ou obscuras, de
modo que, “a história de um velho abandonado pela sorte não era „menos interessante que
a da derrota de um grande general, e o destino de uma tripulação naufragada não era menos
importante que o de seu almirante‟”.27 Ou seja, enquanto a história, interessada em
demarcar sua especificidade em relação a outros campos, optava por manter uma “dupla
contabilidade dos homens” (os célebres e os não célebres, excluídos da história), a
literatura se encontrava povoada por figuras comuns.28
Segundo José Felipe Gonçalves, os discursos das grandes celebrações fúnebres
ocorridas durante a Primeira República afirmam que os mortos celebrados haviam
construído a nação com seus dotes inatos e únicos, de modo que “o Brasil era visto como
um grande artifício dessas vontades individuais, como um produto desses homens com
qualidades acima do normal”; qualidades que os tornavam capazes de materializar valores,
idéias ou instituições a serem lembradas e comemoradas.29 Esse culto a determinados
indivíduos foi alimentado por uma sólida tradição herdada do Império: a do elogio do
“grande homem”, fenômeno europeu, que adquiriu características próprias no cenário
nacional.
O elogio foi um gênero oratório de sucesso na França setecentista, dedicado a
vangloriar os indivíduos que, diferindo dos reis e santos, pertenciam a “uma república de
talentos”, uma coletividade de cidadãos notáveis, que se destacavam por mérito próprio no
mundo do pensamento, das letras, da política, dos negócios, da guerra etc. Inicialmente, o
elogio restringia-se às academias de ilustrados. Posteriormente, alcançou um público mais
amplo mediante o crescimento das práticas de escrita e leitura, capazes de favorecer a

26
LORIGA, Sabina. “A biografia como problema”. In: REVEL, Jacques (Org.). Jogos de escala: a
experiência da microanálise. Rio de Janeiro, FGV, 1998, p. 225-249.
27
DA PONTE, Lorenzo apud LORIGA, ibidem, p. 237.
28
LORIGA, ibidem, p. 225-249.
29
GONÇALVES, “Enterrando Rui Barbosa”, op. cit., p. 152.

20
elaboração de histórias individuais, condição para a afirmação de identidades. A
democratização de tais práticas ao longo do século XIX alimentou o que Alan Corbin
chamou de “tentação de forjar heróis”, que ganhou espaço não só entre as elites, de modo
que “qualquer um podia ser tentado a adotar a pose de herói”, ainda que fosse no interior
de círculos restritos como a família, o grupo de amigos ou pares.30
No Brasil, a tarefa de homenagear os grandes mortos coube, inicialmente, aos
membros de instituições culturais e artísticas do Império, regidas pela lógica das academias
ilustradas européias do século XVIII, que constituíram verdadeira tradição na construção
de galerias de “homens ilustres”, através de dicionários, biografias, necrológios e retratos.
O IHGB, fundado em 1838, se destacava entre essas instituições, reunindo a nata da elite
imperial, empenhada em reservar um lugar para seus membros entre os grandes da história
nacional. Como observou Armelle Enders, mais que uma “galeria nacional”, o que os
polígrafos do IHGB elaboraram foi uma “galeria de espelhos”.31 No fim do século XIX,
outra instituição veio a se destacar nessa tarefa: a Academia Brasileira de Letras, criada em
1896, com o objetivo de zelar pela língua e literatura nacionais, assim como, de trabalhar
para glorificar e imortalizar os “homens de letras”.32
Foi na Europa do Oitocentos que se difundiu a idéia do “homem de letras” como
herói nacional. Uma das célebres conferências de Thomas Carlyle, intitulada The hero as
man of letters, de 1840, exemplifica essa tendência.33 Para esse historiador inglês, o herói
como “homem de letras” é a mais importante personagem moderna, por ser capaz de
ensinar o que o mundo há de fazer e executar. Através da arte de escrever, esse herói
moderno podia ir além dos homens comuns na percepção da realidade. Suas principais
qualidades seriam a “seriedade”, a “sinceridade” e a “originalidade”, que o auxiliariam na
compreensão do real e na busca da verdade. Nas palavras de Carlyle:

30
Ver OZOUF, Mona. “Le Phanthéon, l‟École Normale des morts”. In: NORA, Pierre (Ed.). Les lieux de
memórie, t. 1 – La République. Paris, Gallimard, 1984, p. 139-166; e CORBIN, Alan. “O segredo do
indivíduo”. In: PERROT, Michelle (Org.). História da vida privada 4 – Da Revolução francesa à Primeira
Guerra Mundial. 1a ed. 1987. São Paulo, Companhia das Letras, 1991, p. 428-430 e 458-463.
31
ENDERS, “„O Plutarco Brasileiro‟”, op. cit., p. 41, 43, 45 e 59; GUIMARÃES, Manoel Luis Salgado.
“Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história
nacional”. Estudos Históricos – Dossiê Caminhos da Historiografia. Rio de Janeiro, vol. 1, n.1, 1988, p. 5-27.
32
EL FAR, Alessandra. “„A presença dos ausentes‟: a tarefa acadêmica de criar e perpetuar vultos literários”.
Estudos Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 25, 2000, vol. 14, n. 25, 2000, p.
119-134; Idem. A encenação da imortalidade: uma análise da Academia Brasileira de Letras nos primeiros
anos da República (1897-1924). Rio de Janeiro, FGV, 2000.
33
CARLYLE, Thomas. “O herói como homem de letras. Johnson, Rousseau, Burns”. V Conferência,
19/05/1840. In: Os heróis. Lisboa, Guimarães Editores, 2002, p. 145-180.

21
O herói é aquele que vive na esfera interior das coisas, no Verdadeiro, no Divino e no
Eterno que sempre existem, (ainda quando desconhecidos pela maioria dos homens), no
temporário e no trivial; aí está o seu ser; declara e exterioriza isso, por palavras ou por
obras, conforme o caso, e declara-se também exterior (...) O homem de letras, como todo o
herói, existe para proclamar esta verdade, da melhor maneira que puder. Intrinsecamente
esta função é a mesma para o cumprimento da qual as velhas gerações nomeavam um
homem profeta, sacerdote, divindade; para o cumprimento da qual, pela palavra ou pela
obra, os heróis de todas as espécies foram enviados ao mundo.34

As noções de herói como profeta, poeta, sacerdote, literato ou estadista,


desenvolvidas por Carlyle, fizeram escola no pensamento contemporâneo, inclusive no
Brasil. Sua crítica ao materialismo, ao mecanicismo e ao utilitarismo do século XVIII era
guiada pela valorização de aspectos como a inteligência, a sensibilidade e o espírito, que o
autor relacionava às atividades do pensamento e da escrita, desenvolvidas pelos “homens
de letras”.
O trabalho de Carlyle serve como exemplo de um movimento geral de ascensão dos
“homens de letras” no cenário nacional, que embora tenha tido variantes no contexto
europeu e americano, permite supor algumas generalizações. Fernando Catroga relacionou
essa ascensão a um processo de secularização capaz de transferir uma certa aura de
sacralidade aos escritores; capaz de lhes garantir o papel de mediador entre os homens
comuns e as verdades que os ultrapassavam. Assim:

O escritor secularizado – o novo clerc – surgia revestido de uma áurea de sacralidade


decorrente de sua função de mediador de algo que o ultrapassava, mas que dizia respeito a
valores essenciais. E a sensibilidade romântica levou esta concepção às suas últimas
conseqüências, ao defini-lo como o melhor revelador do Volksgeist [espírito do povo]. Por
isso, o escritor, a quem se reconhecia o dom de perscrutar a própria essência da alma do
povo, era o mais consensual dos „grandes homens‟, o representative man por excelência da
própria nação.35

Trata-se, portanto, de um movimento que vai do elogio dos “grandes homens” à


construção do herói como um dos símbolos da nação, reservando espaço entre esses para

34
CARLYLE, ibidem, p. 146.
35
CATROGA, Fernando. “Ritualizações da história”. In: _____; TORGAL, Luís Reis e MENDES, José
Amado. História da História em Portugal: séculos XIX-XX. S.l., Temas & Debates, [1998], vol. 2, p. 340.
Ver, especialmente, o item 6, A sacralização cívica da literatura, p. 339-348.

22
aqueles que se dedicavam às atividades do pensamento e da escrita, identificados pela
expressão genérica de “homens de letras”.36 Essa expressão tornara-se popular na França
do século XVIII, servindo para designar não o erudito com saber profundo sobre
determinado assunto, mas alguém que adquiriu conhecimentos sobre várias áreas do
saber.37
No Brasil da segunda metade do século XIX e das primeiras décadas do século XX,
a expressão “homem de letras” servia para designar um conjunto bastante amplo e
heterogêneo de polígrafos, que incluía bacharéis em direito, médicos, engenheiros e
literatos, que se ocupavam de modo diferenciado do ensino, da escrita da história, dos
debates políticos, da literatura e dos temas sociais, através de atividades como, por
exemplo, o jornalismo, o magistério e a crítica literária.38 A figura do “homem de letras”
permitia associar as idéias de cultura e nação, materializando a noção de “Brasil culto”, tão
cara aos projetos civilizadores desde o Segundo Reinado.
Empenhado na construção da imagem de monarca esclarecido, o imperador Pedro
II apoiou as artes, ciências e letras através da criação de instituições, da concessão de
prêmios, bolsas e sinecuras.39 Tais investimentos relacionavam-se ao projeto de construção
de uma nação civilizada nos trópicos, de acordo com um modelo europeu de civilização e
progresso. Tratava-se de produzir uma cultura nacional possível de ser associada a valores
tidos como universais e, ao mesmo tempo, capaz de representar as particularidades da nova
nação.40
A implementação desse projeto civilizador exigiu a constituição de agentes sociais
capazes de atuar como construtores, portadores e disseminadores da nacionalidade.
Confirmando a idéia de que “a proteção às letras é o mais valioso atributo dos príncipes”,41
os “homens de letras” (todos os que se dedicavam à atividade da leitura e da escrita, em
36
Sobre o elogio ao “homem de letras”, ver: WERNECK, Maria Helena. “As poéticas de elogio ao homem
de letras”. In: _____. O homem encadernado: Machado de Assis na escrita das biografias. Rio de Janeiro,
UERJ, 1996, p. 31-45.
37
CHARTIER, Roger. “O homem de letras”. In: VOVELLE, Michel (Dir.). O Homem do Iluminismo.
Lisboa, Editorial Presença, 1997, p. 117-153.
38
GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores. Rio de Janeiro, FGV, 1996, p. 38.
39
Ver, por exemplo, SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Um monarca nos trópicos: o Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro, a Academia Imperial de Belas-Artes e o Colégio Pedro II”. In: _____. As barbas do
imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo, Companhia das Letras, 1998, p. 125-157.
40
Ver GUIMARÃES, “Nação e civilização nos trópicos”, op. cit.; SCHWARCZ, op. cit.; SALLES, Ricardo.
“O papo amarelo do tucano: a cultura imperial”. In: _____. Nostalgia imperial: a formação da identidade do
Brasil no Segundo Reinado. Rio de Janeiro, Topbooks, 1996, p. 75-113.
41
RIHGB, vol.1, p. 68. Conforme a definição da Enciclopédia (século XVIII), o termo “letras” era sinônimo
de ciência, havendo uma distinção entre as “letras humanas”, assunto de poetas, oradores e historiadores, e as
“belas-letras”, compostas pela produção dos filósofos, da geometria e das chamadas ciências sólidas. É a
partir desse termo que se define o “homem de letras” como “homem de estudo e de leitura”. Ver
CHARTIER, op. cit., p. 119-120.

23
seus diferentes gêneros) eram acolhidos e incumbidos da missão de registrar e exaltar as
particularidades nacionais. Aqueles que se interessavam pelo estudo da história, da
geografia, da geologia, da fauna e da flora locais, assim como, pelos costumes e línguas
indígenas, se empenhavam na ampliação dos saberes, revestindo-os de cientificidade.
Preocupavam-se, também, com a maneira de expor os conhecimentos sobre a nação, sendo
que a história e a literatura eram terrenos propícios para a discussão de problemas relativos
à língua e à narrativa da formação da nacionalidade.
Tão importante quanto o gênero dos textos (poemas, romances, memórias, relatos
de viagens etc.) produzidos no período era o debate que eles suscitavam, que contribuía,
entre outras coisas, para que os escritores ficassem conhecidos. O reconhecimento e a
legitimidade da produção desses letrados decorria da capacidade dos mesmos para captar e
transmitir os elementos constitutivos da nação. Estando próximos desse objetivo, os
escritores podiam almejar ter seus nomes guardados para a posteridade nas páginas dos
vários dicionários biográficos publicados no período; dos jornais, onde havia espaço para
artigos biográficos e necrológios; ou da prestigiosa revista do IHGB, onde em 1840 foi
aberta uma seção intitulada Brasileiros ilustres pelas ciências, letras, armas e virtudes
etc..., cujo objetivo era recensear e homenagear os mortos ilustres, reservando espaço para
os literatos, principalmente os poetas, tidos como capazes de captar a alma da nação.42
É possível supor que o movimento de valorização da atividade literária e da figura
do escritor recebeu impulso com as campanhas abolicionista e republicana, acontecimentos
que mobilizaram os “homens de letras”, que através das mais modernas estratégias de
propaganda, deram projeção nacional tanto à causa que defendiam quanto a seus próprios
nomes. Foi estimulado pela organização de meetings, pela proliferação de academias
literárias, sociedades e clubes abolicionistas e republicanos, pela realização de conferências
e saraus, a expansão da imprensa (da imprensa estudantil à grande imprensa) e do mundo
editorial. Também não se pode esquecer as reformas educacionais ocorridas na década de
1880, responsáveis pela ampliação das chances de acesso ao ensino superior
(predominando as faculdades de Direito, Medicina e Engenharia). Pode-se dizer que um
certo apreço pelo mundo das letras – incluindo aí tanto a produção literária quanto a
jornalística –, que se observa no fim do século XIX e início do XX, é decorrente, entre
outras coisas, desse processo de busca da profissionalização por parte dos escritores, que
pouco a pouco conquistam um papel social digno de consideração.

42
ENDERS, “„O Plutarco Brasileiro‟”, op. cit., p. 41-62. Sobre o poeta como herói, ver CARLYLE, Thomas.
“III Conferência – O herói como poeta. Dante; Shakespeare”, 12/05/1840, in op. cit., p. 79-110.

24
É sobretudo a partir da década de 1880 que se nota o avanço da imprensa
jornalística, que se torna capaz de oferecer aos escritores a possibilidade de viver da
publicação de textos. Era uma oportunidade de dedicar o tempo exclusivamente à escrita,
ainda que isso significasse estar sujeito a baixas remunerações.43 Mas, se a imprensa não
garantia os rendimentos financeiros esperados, ao menos era um bom meio de garantir
certa popularidade. Publicando em jornais e revistas, o escritor podia ampliar seu círculo
de leitores, que, mesmo restrito, ajudava a divulgar seu nome e seus escritos. 44 A imprensa
contribuiu, sobretudo, para tornar a ofício do escritor-jornalista respeitável, o que não era
pouco, se for considerado que, até então, “só a política e o comércio tinham consideração e
virtude”.45
Mas, para ir da valorização das letras ao surgimento de uma aura em torno de certos
escritores é preciso passar pelo mundo editorial. Se a imprensa ajudava a colocar o nome
em evidência durante algum tempo, era a publicação de livros que, supunha-se, poderia
garantir a permanência de um autor para a posteridade. E publicá-los não era fácil. No Rio
de Janeiro, as maiores editoras eram a Garnier, a Laemmert e a Francisco Alves. A
primeira dedicava-se à publicação de obras literárias; a segunda, aos trabalhos científicos e
a terceira, à produção didática. Sendo o público de leitores bastante restrito devido ao
grande número de analfabetos, as editoras preferiam não investir na publicação das obras
de escritores desconhecidos, optando pelas traduções de romances franceses, que tinham
melhor aceitação. Era comum que os próprios escritores pagassem suas primeiras edições,
sujeitando-se às imposições dos editores.46
Desde a década de 1880 eram freqüentes as opiniões acerca do baixo status da
figura do escritor. Eram interpretações nada otimistas a respeito da vida intelectual, que
lembravam os infortúnios que rondavam os escritores, como a falta de público leitor, as

43
No início do século XX, o jornal Correio da Manhã pagava de 30 a 50 mil réis pelas colaborações,
enquanto o Jornal do Comércio oferecia até 60 mil. A Gazeta de Notícias oferecia a remuneração mais alta:
pagava de 300 a 400 mil aos redatores. Os literatos que já tivesse o nome conhecido podiam obter colunas
fixas, recebendo salário mensal, ao invés de remunerações avulsas. Ver, por exemplo: SODRÉ, Nélson
Werneck. História da imprensa no Brasil. São Paulo, Martins Fontes, 1983, p. 251-389.
44
Cabe observar que, de acordo com o Censo de 1872, 81,4% da população brasileira não sabia ler, enquanto
18,6% eram alfabetizados. Na virada do século observa-se uma mudança significativa: há 66,9% de
analfabetos e 33,1% de alfabetizados. Ver MACHADO NETO, A. L. Estrutura social da República das
Letras. São Paulo, Editorial Grijalbo, 1973, p. 253.
45
Disse Olavo Bilac: “a minha geração, se não teve outro mérito, teve este, que não foi pequeno: desbravou o
caminho, fez da imprensa uma profissão remunerada, impôs o trabalho. Antes de nós, Alencar, Macedo e
todos os que traziam a literatura para o jornalismo, eram apenas tolerados: só a política e o comércio tinham
consideração e virtude. Hoje, oh!, espanto! já há jornais que pagam verso!”. BILAC apud EL FAR, A
encenação da imortalidade, op. cit., p. 38-39. Originalmente publicado na Gazeta de Notícias, 02/08/1903.
46
Ver, por exemplo, MACHADO NETO, op. cit., p. 77-83 e 113-124; e HALLEWELL, Laurence. O livro
no Brasil (sua história). São Paulo, T. A. Queiroz; USP, 1985, p. 125-221.

25
baixas remunerações e as dificuldades para publicar, que sustentavam, em conjunto, um
quadro de desvalorização do trabalho literário.47 No entanto, embora os dissabores da
profissão desanimassem alguns, também serviam para estimular a construção de uma
espécie de imagem sublime dos escritores que, apresentados como honestos e abnegados,
procuravam superar todos os infortúnios, não se rendendo ao gosto fácil do público
consumidor, em defesa de uma arte mais “sincera”, “genuína” e, portanto, “verdadeira”.
Essa construção está presente em numerosos textos, por vezes autobiográficos, que
retratam a “miséria” e a “obscuridade” que rondavam os escritores do período, geralmente
enaltecendo seus próprios feitos e dificuldades. Dessa forma, é possível pensar que tais
escritos puderam contribuir para a valorização do ofício e para a construção de uma certa
figura heróica do escritor.48
Mas, a condição do “homem de letras” – sua possibilidade de obter prestígio junto
ao público, de ascender socialmente e inscrever seu nome na posteridade – era definida,
principalmente, pelo fato de pertencer ou não a determinadas instituições e/ou de participar
de certas formas de socialização.49 Em outras palavras, significa estar inserido em redes de
sociabilidade, que eram tanto intelectuais, como políticas.50

47
Sobre a desvalorização do trabalho literário ver a antologia organizada por DIMAS, Antônio. Vossa
insolência – Crônicas. São Paulo, Companhia das Letras, 1996, p. 176-79 e 184-91, que reproduz artigos da
imprensa da época; e, ainda, RIO, João do. O momento literário [1905]. Rio de Janeiro, Fundação Biblioteca
Nacional, Dep. Nacional do Livro, 1994. A historiografia reafirma, com freqüência, as interpretações sobre a
difícil projeção dos escritores na última década do século XIX. Ver, por exemplo, SEVCENKO, Nicolau.
Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 1 a edição 1983. São Paulo,
Companhia das Letras, 2003. Leonardo Pereira mostra que as reclamações vinham desde a década de 1880,
período de expansão da imprensa, com aumento de oportunidades para os escritores e, também, de muitas
demandas. Ver PEREIRA, Leonardo Affonso de M. “Literatura e história social: a „Geração Boêmia‟ no Rio
de Janeiro do fim do Império”. História Social – Revista da Pós-Graduação em História. Campinas,
UNICAMP, 1994, n. 1, p. 29-64.
48
É expressiva a lista de textos dedicados ao tema da vida literária na virada do século XIX. Entre os mais
citados pela bibliografia especializada estão as Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto;
Cartas literárias (1895), de Adolfo Caminha; A conquista (1899), de Coelho Neto; Mocidade morta (1900),
de Gonzaga Duque; e os capítulos de um romance inacabado de Aloísio Azevedo, intitulado Rui Vaz, cenas
da vida fluminense, que foram publicados na revista A Semana, em 1885. Uma série de entrevistas com
escritores realizadas por João do Rio em 1905 e reunidas sob o titulo de O momento literário, também é
freqüentemente lembrada.
49
Chartier confirma essa tendência no caso da França do século XVIII, afirmando que o elemento que então
caracterizava o homem de letras era a participação na “sociedade de letrados”, muito mais do que a qualidade
de escritor que vive de sua pena. Ver CHARTIER, “O homem de letras”, op. cit., p. 128. É interessante notar
que, em meados da década de 1880 do século XIX, difundiu-se entre os escritores brasileiros o hábito dos
almoços e jantares comemorativos, nos quais uma data especial – o aniversário de um dos convivas ou da
primeira edição de alguma obra importante, por exemplo – era celebrada. Era uma oportunidade para o
pronunciamento de discursos laudatórios em torno de algo ou alguém. Esse tipo de encontro criava a
oportunidade para que os “homens de letras” pudessem afirmar publicamente uma imagem sobre si mesmos.
Trata-se de uma forma de sociabilidade recuperada através dos vários relatos memorialísticos sobre o
período, que pode ser útil para a compreensão da “sociedade de letrados”. Ver RODRIGUES, João Paulo
Coelho de Souza. “A geração boêmia: vida literária em romances, memórias e biografias”. In: CHALHOUB,

26
Em busca de “ocupação e repercussão”, os escritores vinham, em sua maioria, das
províncias para a Corte, depois capital da República. Alguns haviam atuado na imprensa
do interior e freqüentado academias ou grêmios locais. Munidos ou não de diploma ou de
recursos financeiros, era importante que obtivessem o apoio de “padrinhos” com prestígio
o suficiente para arrumar-lhes alguma colocação. Almejavam empregos públicos na
burocracia estatal, vislumbrando a possibilidade de um salário fixo, que lhes garantisse
algum tempo para escrever.51
Estando no local certo, no momento certo, era preciso integrar ou reunir os grupos
certos. Redes de sociabilidade eram tecidas em torno de figuras-chave ou de locais
referenciais, como redações de jornais ou revistas, salões, clubes literários etc.,
constituindo grupos de apoio mútuo que, na época, eram chamados de “igrejinha”,
“panelinha” ou “coterie”. O convívio propiciado por tais redes estimulava o hábito da
conversa, das discussões, fortalecia laços e demarcava diferenças. Supostamente, esse
convívio era de fundamental importância para o desenvolvimento de uma espécie de culto
a determinados escritores que, ainda em vida, podiam ser transformados em referência e
venerados como autoridades.
Afrânio Coutinho já chamou a atenção para o “sistema bem montado de permuta e
fogos cruzados de elogios, às vezes até de auto-elogio”,52 que ajudou a construir a fama de
muitos nomes e obras. Ainda que os limites de tais redes fossem flexíveis e difíceis de
precisar, é possível considerar que através delas tornava-se possível administrar a glória
presente e futura de indivíduos e grupos. Pode-se supor que esse “sistema bem montado”
correspondesse ao que aqui será chamado de “economia da glória”, um sistema de
produção, difusão e consumo da fama, compreendida como um bem simbólico.53

Sidney e PEREIRA, Leonardo Affonso de M. (Orgs.). A história contada: capítulos de história social da
literatura no Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1998, p. 233-257.
50
Sobre redes de sociabilidade intelectual, ver: Le Cahiers de l’Institut d’Histoire du Temps Present –
Sociabilites intellectuelles. Paris, Centre National de la Recherche Scientifique, n.20, mars 1992 ;
SIRINELLI, Jean-Fraçois.“Os intelectuais”. In : RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. Rio de
Janeiro, FGV/UFRJ, 1996, p. 231-269.
51
A. L. Machado Neto é contundente ao afirmar que não havia a profissão do escritor no século XIX. No
entanto, quando da criação da Academia Brasileira de Letras, em 1896-97, já é possível considerar a
existência de uma profissão socialmente aceita, em parte devido ao prestígio social que o escritor obteve
através do jornalismo, ainda que tal atividade fosse mal remunerada. Com efeito, nenhum dos 60 escritores
estudados por esse autor vivia só de letras. O mais comum é que a atividade literária fosse combinada ao
emprego público e, principalmente, ao jornalismo. Ver MACHADO NETO, Estrutura social da república
das letras, op. cit., p. 81.
52
COUTINHO, Afrânio. No hospital das letras. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1962, p. 21-22.
53
Sobre a “economia da glória”, ver: BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo
literário. 1a edição 1996. São Paulo, Companhia das Letras, 2005, 2 a edição; ELIAS, Norbert. Mozart:
sociologia de um gênio. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1995; HEINICH, Nathalie. La gloire de Van Gogh –
essai d‟anthropologie de l‟admiration. Paris, Minuit, 1991.

27
A preocupação de construir um nome capaz de ser lembrado está presente no
período focalizado, em especial na “sociedade de letrados”.54 Sendo assim, compreender a
fama como um fenômeno histórico cultural é um passo para a investigação do processo que
transformou “homens de letras” em símbolos nacionais. Nesse processo, a fundação da
Academia Brasileira de Letras em 1896 teve papel central, ao propor, como já foi dito,
trabalhar pela glorificação dos “homens de letras”. Segundo Alessandra El Far, longe de
ser um empreendimento isolado, a criação da Academia se deu num contexto de luta pelo
reconhecimento de uma profissão emergente. Assim, “pertencendo a uma agremiação
desse caráter, os literatos não só sublinhariam a importância da literatura nos debates
nacionais, como também alcançariam um prestígio social ainda inédito no trabalho das
letras”.55 A ABL surgiu num momento em que a discussão sobre a língua e a literatura – e
também sobre a história e a geografia (corografia) pátrias – ocupava um espaço
significativo nos debates sobre a chamada “questão nacional”, mobilizando lingüistas,
filólogos, literatos e polígrafos dos mais diversos, o que contribuiu para a valorização do
papel social dos “homens de letras”, de modo que, em 1907, já era possível que alguém
afirmasse que:

Há quarenta anos não havia propriamente homens de letras no Brasil: havia estadistas,
parlamentares, professores, diplomatas, homens da sociedade ou homens ricos, que, de
quando em quando, invadiam por momentos o bairro literário... Depois dessa fase, houve
outra. Apareceram poetas e escritores, querendo ser exclusivamente escritores e poetas e
orgulhando-se dessa ocupação... Que fizemos nós? Fizemos isto: transformamos o que era
então um passatempo, um divertimento, naquilo que é hoje uma profissão, um culto, um
sacerdócio... Tomamos o lugar que nos era devido no seio da sociedade... Podemos dizer
que representamos, para o progresso intelectual do Brasil, na última metade do século XIX,

54
Há muitos comentários de escritores acerca da importância da glorificação póstuma em suas vidas.
Humberto de Campos, por exemplo, dizia que se dedicava tanto ao trabalho para “enganar a morte, deixando
no mundo o meu rastro, para que os estudiosos de amanhã me procurem, depois que ela me tenha levado”.
CAMPOS, Humberto de. Diário secreto. [Rio de Janeiro], O Cruzeiro, 1954, vol. 1, p. 272. Adolfo Caminha
também escreveu sobre a constante preocupação com a popularidade e a glória dos escritores e artistas de sua
época. Afirmou que os “homens de talento”, por oposição aos “nulos” e aos “medíocres”, preferiam a
verdadeira glória, “a glória definitiva e soberana, a glória póstuma, conquistada pelo trabalho de muitos
anos”, por oposição à glória efêmera das aclamações do presente. Ver CAMINHA, Adolfo. Cartas literárias.
Rio de Janeiro, s.e., 1895, p. 13-14. Mas, a glória em vida também era importante, como demonstrou Olavo
Bilac ao exclamar: “Oh, ser imortal em vida! Há razão que resista a esse abalo?”. BILAC apud
RODRIGUES, João Paulo Coelho de Souza. A dança das cadeiras: literatura e política na Academia
Brasileira de Letras (1896-1913). Campinas, Unicamp / Cecult, 2001, p. 129, epígrafe.
55
EL FAR, A encenação da imortalidade, op. cit., p. 14, 51-52.

28
o mesmo papel que, para o seu progresso material representaram, no século XVIII, os
heróis das „bandeiras‟... 56

No culto aos “brasileiros ilustres” a atividade literária passou a ocupar um papel


central, uma vez que a língua era considerada o substrato da nacionalidade. Sendo assim,
aqueles que a ela se dedicavam conquistavam o status diferenciado de construtores da
nação, em torno dos quais a República tratou de difundir uma aura de respeitabilidade e
admiração.57
Na França, por exemplo, os funerais de Victor Hugo, em 1885, marcaram a
entronização dos escritores no conjunto dos grandes homens da nação. Em Portugal, o
poeta e historiador Alexandre Herculano foi consagrado na comemoração de seu
centenário de nascimento em 1910.58 No Brasil, os funerais de Machado de Assis, em
outubro de 1908, podem ser considerados como o momento em que, segundo Graça
Aranha, “pela primeira vez um simples homem de letras foi enterrado neste país como um
herói”. Nas palavras de José Veríssimo, “o seu enterro foi um triunfo e jamais no Brasil um
puro intelectual, um escritor, morrendo, despertou na alma nacional tal comoção”.59
O caso de Euclides da Cunha é outro exemplo do empenho em consagrar um
escritor como herói da nação. Euclides morreu assassinado em 1909, passando a ser
sucessivamente cultuado como herói, mártir e santo. Segundo Regina Abreu, foi com
Euclides que teve início o culto organizado e de longa duração do escritor como herói
nacional.60
Cabe observar que o processo de valorização do “homem de letras” ocorreu em
meio a críticas constantes a uma certa imagem do intelectual e a algumas de suas formas de
56
Trecho de discurso proferido por Olavo Bilac, em 1907, na cerimônia em que recebeu o título de Príncipe
dos Poetas Brasileiros, promovido pela Revista Fon-Fon, no Palace Teatro, Rio de Janeiro. Citado por
MACHADO NETO, Estrutura social da república das letras, op. cit., p. 127.
57
Entre 1907 e 1913, os “homens de letras” se mobilizaram em torno da discussão da reforma ortográfica,
acontecimento que lhes permitiu defender a idéia de que eram detentores de uma missão “científica”
fundamental para a sociedade brasileira. Ver, a esse respeito: DE LUCA, Tânia. “Língua: a edificação da
cultura nacional”. In: _____. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo, Unesp, 1999, p.
239-295; e RODRIGUES, A dança das cadeiras, op. cit., p. 181-221.
58
Cabe observar que, no caso português, os “heróis políticos” e os “heróis militares”, devido ao teor mais
polêmico dos seus méritos, não suscitavam consenso, razão pela qual era difícil atribuir-lhes o lugar máximo
na hagiografia cívica em construção desde as últimas décadas do século XIX. Como em outros países
europeus, esse lugar supremo foi atribuído aos escritores. Ver CATROGA, “Ritualizações da história”, op.
cit., p. 339.
59
ARANHA, Graça. Introdução. In: Correspondência de Machado de Assis e Joaquim Nabuco. 1a edição
1923. Organização, introdução e notas de Graça Aranha. Rio de Janeiro, Topbooks / ABL, 2003, p. 82; e, no
mesmo livro, VERÍSSIMO, José. Carta a Joaquim Nabuco, de 03/10/1908, p. 202. As mortes de outros
escritores, como Olavo Bilac (1918) e João do Rio (1921), por exemplo, também causaram grande comoção
pública, ainda que seus funerais não tenham tido a mesma pompa observada no caso de Machado de Assis.
60
ABREU, Regina. O enigma de Os sertões, op. cit., p. 281 e 283.

29
expressão. Tais críticas geralmente se dirigiam à verborragia representada pela linguagem
culta e empolada de muitos intelectuais formados pela tradição bacharelesca.
Freqüentemente se associava a erudição ao pedantismo e a linguagem difícil à retórica
vazia.61 Mas, em meio a críticas e opiniões nada otimistas acerca da atividade literária,
alguns intelectuais promoviam campanhas a favor da glorificação de seus pares já mortos,
através da construção de bustos e monumentos, assim como, da organização de acervos
contendo objetos de escritores, capazes de lembrar seu papel como heróis da nação.62
A construção de um panteão de heróis, mitos e grandes personalidades ocorre em
meio a polêmicas, críticas e disputas por símbolos e alegorias. É possível afirmar que as
décadas iniciais da República no Brasil constituem um período importante para a
compreensão de alguns mitos que cercam o mundo intelectual dos pensadores e escritores
brasileiros; “homens de letras” transformados em símbolos nacionais, devido a sua
acreditada e valorizada capacidade de compreender, apresentar e explicar a nação através
de seus textos, do romance à poesia, passando pelos efêmeros artigos publicados em
jornais e revistas; pelas biografias e memórias; pelos grandes volumes de história nacional;
pelos livros de leitura escolar; pelas monografias sobre assuntos tão diversos quanto
geologia, corografia e língua indígena. No “movimento geral de criação de heróis cívicos”,
observado na Primeira República, esses intelectuais desempenharam importante papel na
consagração de si mesmos. Através do exercício da escrita, eles operaram uma lenta
distinção entre campos de conhecimento, selecionando referências teóricas ou fontes de
inspiração, adequando-se às vogas literárias, construindo tradições, elegendo figuras de
autoridade. Entre esses polígrafos, alguns se destacavam devido ao empenho em estudar a
história pátria. Tarefa considerada árdua devido a várias razões de ordem prática, tais como
a necessidade de recursos financeiros, uma vez que a obtenção de documentos – base do
trabalho historiográfico – exigia constantes visitas a arquivos, muitas vezes distantes, além
da onerosa encomenda de cópias. Mas, a tarefa também era considerada difícil devido a
exigências de outra ordem. O historiador era visto como um escritor que deveria ser capaz
de praticar a “arte de narrar”, sendo consideradas indispensáveis “as qualidades literárias, o
senso crítico e a arte de bem escrever”.63

61
Por exemplo, o grupo de intelectuais boêmios, atuante nas revistas de humor, criticava veementemente a
cultura livresca. Ver VELLOSO, Mônica Pimenta. Modernismo no Rio de Janeiro: turunas e quixotes. Rio de
Janeiro, FGV, 1996, p. 208.
62
EL FAR, A encenação da imortalidade, op. cit., p. 92-96.
63
RIBEIRO, João. “Historiadores”. In: Obras: Crítica, vol. VI, op. cit., p. 7. Originalmente publicado no
Estado de São Paulo, 29/06/1927.

30
O caso de Capistrano de Abreu é um exemplo de como um estudioso da história
alcançou não um lugar de herói, mas o de uma figura de autoridade entre seus pares e de
prestígio entre os “grandes homens” do país, por vezes atingindo o status de “patrimônio
nacional”.

Retrato de Capistrano de Abreu (Santos, 1923), reproduzido a partir da primeira edição da Correspondência
de Capistrano de Abreu. Organizada e prefaciada por José Honório Rodrigues. Rio de Janeiro, Civilização
Brasileira; Brasília, MEC, 1954, vol. 1. Ils. Sobre a foto está escrito: “O querido e inolvidável intelectual
Capistrano de Abreu, nosso patrimônio nacional, [ilegível], em Santos, outubro de 1923. [J.C.]”.

31
1.2. O “Bem amado”: Capistrano por seus contemporâneos

Capistrano de Abreu foi, em sua época, uma figura referencial. Consolidou seu
nome como intelectual transitando pelas principais instâncias de consagração no âmbito
dos estudos históricos, entre a década de 1870 e os anos 1920.
Na virada do século XIX, os jovens letrados do interior do país viviam o seguinte
dilema: ou cercear suas capacidades na província, com escassas possibilidades para acolhê-
los, ou desaparecer no anonimato da Corte, saturada de “homens de letras”.64 Como muitos
outros, João Capistrano Honório de Abreu preferiu seguir para a Corte, talvez acreditando
naquilo que – segundo ele mesmo chegou a dizer – seria o lema de todo provinciano
ingênuo: “vir, ver e vencer”.65
A bordo do navio Guará, que o conduzia de Fortaleza para o Rio, escreveu:

Ante-ontem, foi aqui dia de festa. O céu aparecia negro e obscuro como o interior de um
sepulcro. A chuva caia fina e implacável. O mar se arrojava impetuoso como as labaredas
de um incêndio, ora irrompia imenso, vário como uma floresta de montanhas. Quase todos
os passageiros sentiram-se enjoados, e até eu por cinco minutos não resisti. Foi este
espetáculo um dos mais belos que presenciei. De pé, com os braços abertos, com a
respiração suspensa, com o olhar fixo, eu assistia a todas as cambiantes que assumiu a
perspectiva e via todas as fases da luta, só tendo uma esperança – que ela durasse; só tendo
um desejo, poder tomar parte naquele combate de colossos.66

Capistrano chegou ao Rio de Janeiro no dia 25 de abril de 1875, aos 22 anos, vindo
do interior da província do Ceará, onde nascera a 23 de outubro de 1853. Chegou munido
de espírito de combate e de algumas “armas”, antevendo a entrada em uma arena de
disputas. Pouco antes de deixar sua terra natal, tivera breve contato com um famoso
conterrâneo: o escritor José de Alencar, que sobre ele escreveu, em carta ao amigo Joaquim
Serra:

64
Ver, ABREU, Regina, O enigma de Os sertões, op. cit., p. 181-202; MACHADO NETO, Estrutura social
da república das letras, op. cit., p. 65-76.
65
ABREU, Capistrano de. “Livros e Letras” (Seção). In: _____. Ensaios e Estudos (Crítica e História), 4a
série. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira / MEC, 1976, p. 104-107. Artigo não assinado, originalmente
publicado na Gazeta de Notícias, 18/11/1879.
66
Carta de Capistrano de Abreu a Ana Nunes de Melo, 23/04/1875. In: MENEZES, Raimundo de. “Há cem
anos nascia Capistrano de Abreu”. Separata da Revista Investigações, ano V, n. 51, out./nov./dez., 1953, p.
14-15.

32
Nas minhas pesquisas fui auxiliado por um jovem patrício meu, Sr. João Capistrano de
Abreu, notável por seu talento, entre tantos que pululam na seiva exuberante desta nossa
terra, que Deus fez mais rica de inteligência do que de ouro. Esse moço, que já é fácil e
elegante escritor, aspira ao estágio da imprensa desta Corte. Creio eu que, além de granjear
nele um prestante colaborador, teria o jornalismo fluminense a fortuna de franquear a um
homem de futuro o caminho da glória, que lhe estão obstruindo acidentes mínimos.67

Alencar foi uma espécie de paraninfo de Capistrano ao apoiar sua vinda para o Rio.
Conheceram-se em 1874, quando o eminente escritor visitava sua terra natal. Graças a
Alencar, Capistrano obteve a importante recomendação de Joaquim Serra ao poderoso
Machado de Assis, que assim dizia:

Meu caro Machado. Apresento-te o portador desta, o sr. João Capistrano de Abreu, moço
muito recomendável pelo seu mérito literário e que me foi apresentado pelo nosso amigo
José de Alencar. O sr. Capistrano de Abreu aprecia-te, e deseja pessoalmente conhecer-te;
estou certo que o acolherás como a um amigo e colega. Abraça-te o teu SERRA.68

Provavelmente, essa recomendação ajudou Capistrano a conseguir seu primeiro


emprego no Rio, na prestigiosa Livraria Garnier, que, na época, foi chamada de “Sublime
Porta”, pois através dela era possível ascender ao sucesso no mundo das letras. Com
humor, dizia-se que parar diante de sua porta era o mesmo que “posar para a posteridade”.
Outro observador notou que aquela livraria não era “um simples estabelecimento
comercial, mas um clube, uma academia, uma corte de mecenato”.69
Seu trabalho era escrever notas publicitárias sobre os livros lançados pela Editora
Garnier. No mesmo ano de 1875 estreou na imprensa carioca, publicando conferências que
pronunciara no Ceará, no ano anterior. Capistrano, que fizera as primeiras letras na terra
natal, não concluíra os estudos preparatórios para a Faculdade de Direito do Recife na
década de 70. Era um autodidata com alguma experiência como escritor, adquirida nos
jornais de Fortaleza e nas conferências literárias da “Academia Francesa” do Ceará. A
imprensa era, então, um pólo atrativo para intelectuais de todos os cantos do país e
Capistrano não foi uma exceção. Ao lado da diplomacia e do ensino, o jornalismo
67
ALENCAR, José de. Obras completas. Rio de Janeiro, Ed. Aguilar, s/d, vol. 4, p. 969.
68
Carta de Joaquim Serra a Machado de Assis, de 11/05/1875. Revista da Academia Brasileira de Letras,
ano II, n. 5, julho 1911, p. 70.
69
A Garnier publicava os livros de Machado de Assis, que a freqüentava assiduamente. A referência a
Garnier como “Sublime Porta” foi feita pelo escritor João Luso, na revista Kosmos, de novembro de 1908.
Ver MACHADO NETO, Estrutura social da república das letras, op. cit., p. 202.

33
completava o quadro das atividades intelectuais proeminentes. Capistrano escrevia notícias
sobre novos lançamentos literários e artigos de crítica, que geralmente se orientavam pela
provocação de polêmicas com os autores criticados.70 Por essa época também atuou como
professor de francês e português no importante Colégio Aquino.
É possível considerar que Capistrano tenha começado a ficar conhecido no meio
intelectual a partir de uma polêmica travada com um dos mais importantes críticos
literários de então, o sergipano Sílvio Romero. Em 1876, o jovem Abreu (como então
gostava de ser chamado), de vinte e quatro anos, publicou dois artigos criticando um texto
de Romero, intitulado O caráter nacional e as origens do povo brasileiro.71 Capistrano
expôs a tese de Romero para, em seguida, apontar suas contradições e defender sua própria
tese a respeito do assunto.
De acordo com Romero, o brasileiro seria distinto do português, não devido à
natureza ou à mistura com os indígenas, mas devido à presença dos negros. Utilizando a
estratégia de citar autores estrangeiros como argumento de autoridade e de reproduzir as
contradições do texto analisado, Capistrano se opôs à tese apresentada, afirmando a
importância do meio na formação da nacionalidade brasileira e ressaltando o papel do
elemento indígena. Além disso, não se esqueceu de alfinetar o alvo, dizendo: “espero ter
provado que suas idéias são incongruentes, fracos os seus argumentos, suas singularidades
abundantes”, para logo depois tentar fazer-lhe um “agrado”, registrando que o escritor
sergipano acabara de lançar um novo livro, que poderia ter um aumento de circulação, após
ser anunciado naquela seção.72
Entre uma provocação e outra, Capistrano publicou dois trabalhos que chamaram a
atenção: os necrológios de José de Alencar (1877) e do visconde de Porto Seguro,
Francisco Adolfo de Varnhagen (1878). Ressaltando o fato de Alencar ser seu conterrâneo,
Capistrano o apresentou como “o primeiro e principal homem de letras brasileiro”, “o
fundador da literatura brasileira”, chamando a atenção para um aspecto de sua obra: o
interesse pelo povo, por suas tradições, usos e costumes. Afirmou que seu nome deveria

70
Sobre as polêmicas literárias do início do século e as de Silvio Romero, em particular, ver VENTURA,
Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras,
1990.
71
ABREU, Capistrano de. “O caráter nacional e as origens do povo brasileiro”. In: Ensaios e estudos, 4a
série, op. cit., p. 3-24. Originalmente publicados em O Globo, em 21/01/1876 e 08/03/1876, respectivamente.
72
Alguns anos depois, em 1880, Capistrano teve nova oportunidade de atacar Romero, pelos mesmos
motivos apontados anteriormente. Ele publicou, na Gazeta de Notícias, três artigos sob o título de História
Pátria, criticando o livro A literatura brasileira e a crítica moderna. Desta vez, buscou nas leis da ciência e
na “verdade histórica” os argumentos para contradizer seu interlocutor. Idem. “História pátria”. In: Ensaios e
estudos, 4a série, op. cit., p. 3-24. Originalmente publicados na Gazeta de Notícias, dos dias 9, 10 e 13 de
março de 1880.

34
figurar no panteão da história ao lado de grandes autores estrangeiros, destacando seu
empenho em “criar para si a imortalidade no curto prazo de vinte anos”, através de obras
que as gerações futuras deveriam ler como ensinamentos.73
Na época de sua morte, Alencar enfrentava severas críticas, tendo sua importância
como literato questionada, o que potencializava a posição assumida por Capistrano. O
escritor participara da cúpula da vida política do Império, chegando a ocupar o cargo de
Ministro de Estado, no entanto, foi lançado ao ostracismo por D. Pedro II, após ter
criticado o livro A Confederação dos Tamoios (1856), de Gonçalves de Magalhães –
escritor que fazia parte do seleto grupo de protegidos do imperador –, a política do governo
e as qualidades intelectuais do monarca.74
Esse movimento no sentido de enaltecer o morto, situado-o sobre um pedestal (algo
comum nos necrológios) também pode ser observado nos textos sobre o visconde de Porto
Seguro, publicados no Jornal do Commercio, em 1878, e na Gazeta de Notícias, em 1882.
Para o biógrafo Pedro Gomes de Matos, a morte de Alencar foi a chave que abriu as portas
do mundo intelectual carioca para Capistrano.75 Sendo assim, é possível dizer que o
necrológio de Varnhagen abriu as portas do mundo dos historiadores. Numa época em que
a obra de Varnhagen sofria severas críticas,76 Capistrano tomou para si a tarefa de valorizar
a contribuição do visconde para a historiografia brasileira, referindo-se a ele como
“historiador da pátria”, “grande exemplo a seguir e a venerar”, “o mestre, o guia, o
senhor”.77

73
Idem. “José de Alencar”. In: Ensaios e estudos, 4a série, op. cit., p. 42-45. Originalmente publicado na
Gazeta de Notícias, 13/12/1877. Sobre Alencar, Capistrano ainda publicaria outros textos: um por ocasião do
segundo aniversário de sua morte (Gazeta de Notícias, 12/12/1879) e outro pelo quinto aniversário (Gazeta
de Notícias, 12/12/1882, com continuação em 20/12/1882). Ibidem, p. 51-55 e 56-58, respectivamente. O
biógrafo Pedro Gomes de Matos conta que logo após o falecimento do romancista, o jornalista Ferreira de
Araújo, redator chefe da Gazeta de Notícias, incumbiu Machado de Assis de fazer o necrológio. Quando
Machado chegou à redação com seu texto, Araújo lhe entregou um papel dizendo: “Trouxe-me este trabalho
um Peri [Capistrano] de paletó surrado e cabelos em desalinho. Nada lhe posso dizer da cor dos olhos, porque
durante os rápidos instantes que aqui permaneceu trouxe-os velados pela impenetrável cortina de umas
pálpebras preguiçosas. Disse-me apenas que era cearense e admirador de José de Alencar. E deixou-me nas
mãos, num gesto brusco, este pedaço de papel com a respectiva residência. Um tipo original, originalíssimo,
seu Machado!”. Diante disso, Machado de Assis pôs-se a ler o trabalho do tal Peri e ao fim exclamou:
“Admirável!”, rasgando o artigo que escrevera. Ver MATOS, op. cit., p. 48.
74
SCHWARCZ, As barbas do imperador, op. cit., p. 134-35.
75
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 48.
76
Ver ARARIPE, Tristão de Alencar. “Indicações sobre a História Nacional”. Revista do IHGB, vol. LVII,
parte 2, 1894, p. 259-290. Trata-se de uma versão do discurso intitulado História Pátria – Como cumpre
escrevê-la, proferido em 1876 para a Associação Promotora da Instrução, durante as Conferências Populares
da Glória. No artigo de 1894 foi incluída uma primeira parte chamada A utilidade da história.
77
ABREU, Capistrano de. “Sobre o Visconde de Porto Seguro”. In: Ensaios e estudos, 1a série, op. cit., p.
131-147. Originalmente publicado na Gazeta de Notícias, dos dias 21-22-23/11/1882; Idem. “Necrológio de
Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro”, op. cit., p. 81-91. Originalmente publicado no
Jornal do Comércio, 16-20/12/1878.

35
Em 1879, passou a integrar o corpo de redatores da Gazeta de Notícias,
especializando-se na crítica literária. Em artigo desse mesmo ano, comentou a suposta
afirmação do imperador de que a aspiração de todo brasileiro seria “ser senador ou lente do
Pedro II”. Procurando relativizar tal assertiva, Capistrano se apresenta como uma exceção,
afirmando:

Nós, por exemplo, de modo nenhum aspiramos ao Senado, e desde já cedemos de nossos
direitos presentes e pretensões futuras (...) À cadeira de Pedro II bem pode ser que já
tenhamos aspirado; mas são necessárias tantas condições – a secularização do colégio, a
liberdade de opiniões, a impossibilidade de reproduzirem-se julgamentos como o do
concurso de filosofia –, enfim são necessárias tantas coisas difíceis de realizar-se que não
temos dúvida em fazer renúncia em favor de quem quiser.78

E arremata em tom irônico, afirmando seu desdém pelas instituições então


existentes:

Não vão por isso elogiar o nosso desinteresse. Ai de nós! Homo sum. Se fazemos tal
cessão, é porque pretendemos posição mais elevada: a de membro do Instituto Histórico.
Funcionar no Paço, trajar farda literária, aparecer com ela, representando a sociedade, nas
festas nacionais e nos cortejos; ser presidido pelo Visconde do Bom Retiro, assistir aos
discursos monumentos do monumental Sr. Macedo, e, honra ainda mais é invejável servir
de ponto de incidência de olhares augustos, apanhar até uma nesga da conversação
semidivina... eis o nosso desideratum. Desideratum bem difícil de ser satisfeito. O Instituto
contém a disposição de serem admitidos em seu seio aqueles unicamente que têm escrito
trabalhos históricos e geográficos. Às vezes abrem-se exceções – uma está a escapar-nos do
bico da pena... mas exceções, e nós que a elas não temos direito também nelas não nos
podemos fiar. Havendo de ceder à imposição regulamentar, hesitamos mais; já escolhemos
até o assunto. Vamos escrever a história do Instituto Histórico, uma história curiosíssima,
onde estão traçados em caracteres indeléveis os progressos da história pátria, a dignidade
de nossas letras, os efeitos da proteção sobre a literatura, enfim a origem e
desenvolvimento da literatura oficial.79

Mas, apesar das críticas ao Colégio de Pedro II e ao IHGB (aos quais acabaria por
se integrar), ainda em 1879 prestou concurso para outra instituição imperial, a Biblioteca

78
Idem, "Livros e Letras”, op. cit., p. 105.
79
Ibidem.

36
Pública da Corte, conquistando o primeiro lugar. Ao lado do Arquivo Público e do IHGB,
a Biblioteca era guardiã de um precioso acervo documental. Além disso, também reunia
profissionais conceituados por seus estudos históricos, sendo uma importante instância de
consagração intelectual, uma das “usinas de glórias”, como Capistrano se referiu certa vez
à Academia Brasileira de Letras, a Academia de Medicina e ao IHGB. 80 Alguns biógrafos
consideram que foi na Biblioteca que a vocação de Capistrano para os estudos históricos se
manifestou de modo decisivo. O emprego teria contribuído para definir sua preferência
pela história, sendo que seus primeiros trabalhos sobre esse assunto foram publicados
justamente naquele momento.81
Mesmo tendo encontrado um lugar de destaque na Biblioteca, Capistrano optou por
alçar um novo vôo: prestou concurso para o Imperial Colégio de Pedro II, em 1883. A
cadeira disputada era a de maior prestígio: Corografia e História do Brasil. Defendeu a tese
O descobrimento do Brasil e foi aprovado por 17 votos contra 5. No mesmo ano começou
a lecionar. O viajante alemão Karl Von Koseritz registrou o acontecimento:

A tese de Capistrano, que trata com verdadeira maestria e grande saber do descobrimento
do Brasil e do seu desenvolvimento no século XVI, era sem dúvida a melhor e tão
excelente era que ia muito além dos horizontes dos dois limitadíssimos examinadores
Moreira de Azevedo e Matoso Maia. Se o meu amigo Sílvio [Romero], que também
pertencia à comissão, tivesse examinado, a coisa teria ocorrido de outra maneira. Mas foi
um verdadeiro exemplo de dois examinadores ignorantes e intelectualmente limitados, aos
quais o examinando superava de longe, e que, por isto, com ele se chocavam e se
comprometiam a cada momento. Eles faziam as mais extraordinárias e, por vezes, mesmo,
tolas objeções à tese do talentoso jovem, e via-se claramente como o Imperador se
aborrecia com a incapacidade dos examinadores. O candidato bateu-os em toda linha e
brilhou realmente à custa dos seus argüidores. Cada um deles examinou desta forma nada
menos que satisfatória, cerca de meia hora, e assim que a hora tinha corrido, o Imperador
deu o sinal para cessar a brincadeira cruel.82

Anos depois, a entrada de Capistrano no Colégio de Pedro II ainda era lembrada


por seus contemporâneos. Em 1907, o crítico literário José Veríssimo comentou:

80
Carta a João Lúcio de Azevedo, 13/09/1926, vol. 2, p. 365.
81
MONTEIRO, Mozart. “Curso Capistrano de Abreu” (Conferência de encerramento, 23/10/1953). Revista
do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 155.
82
KOSERITZ, Karl Von. Imagens do Brasil. São Paulo, s.e., 1943, p. 110.

37
O ponto, igual para todos os candidatos, versava sobre o descobrimento do Brasil, e seu
desenvolvimento no século XVI. Li todas essas teses. Com exceção da do Sr. Capistrano de
Abreu, eram bons resumos do que estava em Varnhagen e em outras obras vulgares, sem
nenhuma novidade, nem investigação, nem de pensamento. Ao contrário dessas, e do que
são aqui por via de regra as teses de concurso, onde os estudos próprios e a originalidade
brilham geralmente pela ausência, a do Sr. Abreu se distinguia por aquelas duas raras
qualidades, e se não revelava um lente – um sujeito capaz de ler em aula, de cor ou não, a
matéria a ensinar – mostrava claramente um professor capaz de fazer ele mesmo a sua
ciência e de transmitir aos seus discípulos o gosto e a capacidade de a fazerem.83

Com a extinção da cadeira de Corografia e História do Brasil em 1899, Capistrano


foi posto em disponibilidade, alegando incapacidade para ministrar aulas de História Geral,
por ser especialista em História do Brasil.
Antes de morrer, Capistrano já era considerado um grande erudito, espécie de
“enciclopédia” viva da história pátria. José Veríssimo, que também se dedicava ao estudo
de temas brasileiros, escreveu sobre Capistrano em 1907, comentando o livro Capítulos de
história colonial, que acabara de ser publicado. Antecipando as palavras de Calógeras após
a morte de Capistrano, Veríssimo situou o historiador cearense em relação à historiografia
brasileira, afirmando que, antes dele, a História do Brasil era escrita:

(...) à maneira de crônica, relatório ou anais, em estilo oficial das velhas relações de
sucessos portugueses, com escusadas miudezas circunstanciais, profusão minuciosa e
impertinente de datas, superfluidade enjoativa de nomes e apelidos, alcunhas e títulos.84

Sobre o livro Capítulos de história colonial, comentou:

Ainda não é a História; é, porém, mais do que tudo anteriormente feito por ele: é já o
alicerce da sua construção, são as paredes mestras do arcabouço acabado. Pelos

83
VERÍSSIMO, José. “O Sr. Capistrano de Abreu”. Jornal do Comércio, 16/09/1907. Ver ABREU,
Capistrano de. “Programa de História do Brasil”. Gazeta Litteraria, 24/11/1884, p. 377-380. Esse trabalho de
Capistrano corresponde à primeira parte de um programa de ensino da história, que, segundo o autor, poderia
ser desenvolvido posteriormente, o que não ocorreu. Apesar disso, em 1884, Capistrano era reconhecido por
Júlio Ribeiro como “a maior glória do magistério oficial brasileiro”. RIBEIRO apud FREITAS JÚNIOR,
Afonso. Discurso proferido na Sessão Magna de 1 o de novembro de 1927. Revista do Instituto Histórico e
Geográfico de São Paulo, vol. XXV, 1927, p. 609.
84
VERÍSSIMO, op. cit.

38
fundamentos que ali estão, pelas paredes, sabe-se o que será o edifício e a arquitetura (...) É
um livro de mestre para mestres, e a estes cabe discuti-lo.85

Capistrano destacava-se pela “segurança da investigação, vasteza da informação,


profundidade do saber e inteligência do assunto”, qualidades que o distinguiriam de seus
antecessores e contemporâneos. Seu livro Capítulos de história colonial é considerado por
Veríssimo como “a síntese mais completa, mais engenhosa, mais perfeita e mais exata que
poderíamos desejar da nossa evolução histórica”. Síntese de aproximadamente trinta anos
de estudos históricos sobre o Brasil. O autor também chama a atenção para o conhecimento
da historiografia alemã por parte de Capistrano, valorizando sua utilização de métodos
seguros de investigação histórica. Também aponta a presença de uma direção filosófica em
sua produção, capaz de livrá-lo de ser “um simples erudito”. Seu grande mérito teria sido a
capacidade crítica, empregada na análise de documentos e na crítica dos estudos
anteriores.86 Assim,

Não só verificou os monumentos e fontes onde haviam eles [seus antecessores] bebido,
mas descobriu ou aproveitou novas, como daquelas mesmas tirou o que a eles escapou. E é
esse trabalho de crítica, preliminar indispensável a toda construção histórica, o que desde o
princípio seria principalmente o seu, que assinala proeminentemente o lugar e papel do Sr.
Capistrano de Abreu na nossa cultura histórica. Ele é sobretudo um crítico histórico ou um
historiador crítico, mas crítico com capacidades construtoras (...).87

Na mesma época, o escritor Mário de Alencar, que havia sido aluno de Capistrano
no Colégio Pedro II, publicou algumas linhas a respeito de seu antigo mestre e amigo,
destacando sua sabedoria e simplicidade. Disse ele:

Modesto e desinteressado, por mais que estude e por mais que saiba, não esquece a
suprema verdade, que o saber é relativo e ainda o mais sabedor é um ignorante. Sendo um
professor por ofício e gosto, teme parecer que o é no comércio com amigos e simples
conhecidos. Por isso evita o tom de quem fala ensinando. Raro se lhe dá de ouvir uma
afirmação, sem que lha peçam. Na própria matéria em que é autorizado por prova pública e
profissional, ele prefere ouvir a dizer, prefere consultar a mostrar que já sabe o que

85
VERÍSSIMO, José. “O Sr. Capistrano de Abreu”. Jornal do Comércio, 16/09/1907. Reproduzido na
Revista da Academia Cearense de Letras, tomo XV, 1910.
86
Ibidem.
87
Ibidem.

39
consulta. E não procede assim por simulação insidiosa: é por modéstia e ao mesmo tempo,
por curiosidade.88

Mas, além dos discursos que enalteciam suas capacidades intelectuais – entre as
quais a de falar várias línguas, do alemão ao caxinauá – e valorizavam sua obra passada,
presente e futura, também circulavam na imprensa comentários acerca de sua
personalidade e aparência excêntricas.
Em 1882, Vicente Mindello – pseudônimo de Valentim Magalhães – assim o
descreveu na seção Tipos e Tipões, da Gazetinha:

(...) rapaz forte, de estatura meã, grosso de tronco, de cabeça um tanto cúbica, dessas que
vêm bradando de longe aos olhos da gente: “Eu sou do Norte”, de pescoço atlético, olhos
pequeninos, piscos, míopes, escandalosamente míopes; trajando escuro com filosófico
descuido, chapéu raso de que sobejam sobre a fronte cabelos pretos, ninguém sabe ou
desconfia sequer quem seja ele, quando se esgueira rente à parede, cabeça levemente à
banda, com o seu passo miudinho e ligeiro (...) Pois esse rapaz é Capistrano de Abreu, a
cabeça mais ilustre, mais pensadora, mais “curvada” ao trabalho (...) Tem a bossa da
história. Digamos a história da bossa (...) Apesar de Varnhagen, de Southey (...) que
manuseia e deglute, é espírito leve, arejado, fresco, aberto ao “calembourg” e à anedota
picante. Devora o Voltaire, o Gil Blas, o Tintamarre. Gosta dos engraçados. Em filosofia
segue Spencer, com a resolução firme de deixá-lo na estrada se encontrar outro melhor (...)
Adora pimenta, a boa música e os bons poetas. É indolente; acorda tarde; fuma como um
turco; anda como um beduíno. Tem a voz doce, discreta, carinhosa, quando se dirige aos
que ama; aflautada quando pilheria; cismática e vagarosa, quando trata de ciência. Todavia
esse bom e ativo rapaz está entre dois precipícios a cuja atração precisa de resistir
heroicamente, sobranceiramente: a Comenda da Rosa e o Instituto Histórico. Coragem
Capistrano!89

Ao longo do tempo, alguns comentários sobre seus modos rudes e sua língua ferina,
além de anedotas sobre seus hábitos estranhos, considerados pouco “civilizados”, tais
como, comer pimentas, banhar-se ao ar livre, receber visitas de chinelos ou “em mangas de
camisa”, foram recuperados por seus contemporâneos através de livros de memória e,
também, por seus biógrafos. Supostamente, essas observações e anedotas ajudaram a

88
ALENCAR, Mário de. “Sobre um livro de Capistrano”. Jornal do Comércio, 25/10/07.
89
MINDELLO apud MENEZES, op. cit., p. 21. A referência do texto de Mindello é: MINDELLO, Vicente.
“Capistrano de Abreu”. Gazetinha, 19/04/1882.

40
compor uma espécie de personagem da cidade, integrado no mundo das letras e portador
de alguns de seus signos. Capistrano, em vida, aparece associado a objetos como livros e
papéis, havendo lugar para a bebida (o calembourg mencionado por Mindello) e o cigarro
– itens caros para a intelectualidade boêmia – assim como, para uma rede cearense
(lembrança de suas origens) onde ele é “visto” lendo ou dormindo.
Também é comum a menção de aspectos de sua personalidade, que ajudam a
compor um certo tipo de intelectual: a distração, a despreocupação com a vestimenta, a
aparência desleixada,90 o isolamento e a língua mordaz. Em certa época, o crítico literário e
polemista Silvio Romero chamou-o de “pérfido”, “envenenado” e “terrível intrigante”, o
que pode ser verificado no artigo, anteriormente mencionado, em que Capistrano avalia os
membros do IHGB.91 Mas, apesar disso, Romero não se furtou em afirmar que Capistrano
era o maior erudito em assuntos brasileiros do país: “uma enciclopédia viva, toda uma
academia de ciências, completa sociedade de História, um curso vivo de Humanidade, um
saber polimórfico, um oceano de conhecimentos”.92 Comentário semelhante pode ser visto
em 1905, na revista O Malho, que publicou um clichê de Capistrano caminhando pela
cidade com a seguinte legenda: “Capistrano de Abreu, o incansável pesquisador dos pátrios
arquivos, e o mais erudito dos nossos historiadores”.93
Alguns contemporâneos e intérpretes de Capistrano afirmaram que ele havia
inspirado o personagem principal do livro O Coruja, de Aloísio Azevedo, publicado como
folhetim no jornal O Paiz em 1885 e, posteriormente, na forma de livro, em 1890. Trata-se
da história da amizade entre André – o Coruja – e Teobaldo, personagens antitéticas e
interligadas. O primeiro é um menino pobre, feio, tímido, introspectivo e taciturno; um
órfão sofrendo privações materiais e sentimentais, mas que, apesar disso, é perseverante,
ordeiro, metódico, inteligente e trabalhador. Obcecado por catalogação de livros desde
criança, torna-se revisor de jornais, professor e historiador. O segundo é bonito,
extrovertido, rico, vaidoso ao extremo e egoísta. Entre eles se estabelece uma relação de

90
É notável o uso das descrições físicas para potencializar as interpretações acerca da personalidade, algo
bastante comum em fins do século XIX, conforme apontam as então modernas teorias fisiognômicas. A esse
respeito, ver, por exemplo: GONÇALVES, Márcia de Almeida. Em terreno movediço: biografia e história na
obra de Octávio Tarquínio de Sousa. São Paulo, FFLCH-Dep. de História, tese de doutorado do PPGHS,
2003, p. 17-19.
91
A raiva de Romero se devia, em parte, aos ataques do grupo ligado a José Veríssimo – adversário de
Romero no mundo da crítica literária – à chamada Escola do Recife, da qual Romero fizera parte. Capistrano
seria um dos membros do grupo, que se reunia na redação da Revista Brasileira. Além disso, um suposto
comentário de Capistrano acusando Romero de não saber falar alemão, mas afirmar o contrário, teria
provocado sua ira, que, aliás, também era bastante freqüente em relação a outros escritores.
92
ROMERO, Silvio. Zeverissimações ineptas da crítica (repulsas e desabafos). Rio de Janeiro, s.e., 1910;
Idem. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, José Olympio, 1888.
93
“Rio em flagrante – Os nossos instantâneos”. O Malho, 1905, p. 3.

41
dependência em que André faz todos os trabalhos escolares e acadêmicos de Teobaldo em
troca de amizade e proteção. O Coruja representa o intelectual que troca seu trabalho por
favores e, com resignação, abre mão dos créditos em prol do prestígio social de outro. É
lembrado como figura abnegada e modesta, que prefere permanecer na sombra a ter seu
mérito reconhecido.94
É difícil saber se Aloísio Azevedo se inspirou em Capistrano para compor seu
personagem ou se, na verdade, foi esse personagem que alimentou a imaginação dos
intérpretes de Capistrano, fornecendo-lhes elementos para compor o perfil particular de um
homem sábio e intelectual erudito. Apesar da dúvida, importa prestar atenção no fato de
que o autor em questão foi efetivamente associado ao Coruja da ficção: um símbolo da
sabedoria.
Os versos de Américo Facó, publicados em 1911 sob o pseudônimo de “Os Três
Mosqueteiros”, reafirmam a visão de Capistrano como erudito, um verdadeiro homem-
dicionário:

Olhos semi-cerrados de quem poupa


A luz dos próprios olhos... Indolente!
Cabelos, barba de esfiapada estopa,
Para trás, para os lados, para a frente.
Uns ares filosóficos de gente
A quem a vida vai de vento em popa:
Liga mais ao passado que ao presente
E liga à vida como liga à roupa.
Calçado sem tacão, chapéu sem abas,
Pobre, com aparência de usurário,
E, ao mesmo tempo, de morubixaba:
Tal esse é o Capistrano, o bem amado,
Velho erudito, vivo dicionário
Da História Pátria, mal encadernado...95

94
AZEVEDO, Aloísio. O Coruja. 1a edição 1890. São Paulo, Livraria Martins Editora, s/d. A associação de
Capistrano ao personagem-título do livro O Coruja pode ser localizada em: BARREIRA, Dolor. “Por que
não escreveu Capistrano a História do Brasil?”. Revista do Instituto do Ceará, tomo LVII, 1943, p. 223; e
MENEZES, op. cit., p. 59. Segundo Menezes, a identificação entre Capistrano e o Coruja, de Aloísio
Azevedo, foi feita pelos contemporâneos logo que o livro foi lançado.
95
FACÓ apud MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 33; ainda sobre o reconhecimento, em vida, de
Capistrano como um homem sábio, ver PRADO, Aécio. “O brasileiro que mais sabe”. Revista do Instituto do
Ceará, tomo XXXII, 1918, p. 74.

42
Caricatura de Capistrano de Abreu, por Castro Rebello (1923), reproduzida a partir da cópia existente na
Seção de Iconografia da Biblioteca Nacional. Vê-se o cabelo desalinhado, as roupas amarrotadas, com a
camisa fora das calças, o nó da gravata desfeito e parte do lenço para fora do bolso. Compondo a figura, o
chapéu, o cigarro, o jornal e alguns papéis com anotações.

43
Caricatura do “Dr. Capistrano de Abreu”, por José Cândido (1926), reproduzida a partir da cópia existente na
Seção de Iconografia da Biblioteca Nacional.

44
Esse tipo de construção, que associa elementos físicos a referências psicológicas e
comportamentais, podendo incluir objetos diversos que remetem às atividades que
Capistrano desempenhava, ajudaram a consolidar uma imagem física – corroborada por
charges e retratos dados a ver através de revistas e jornais – estabelecendo uma memória
visual do indivíduo a ser aceita coletivamente. Complementando essa imagem visual, é
possível supor que Capistrano materializou, em vida, o ideal do intelectual abnegado,
inteiramente dedicado ao estudo, avesso a interesses mundanos.96 As interpretações de
Capistrano como homem erudito, “vivo dicionário”, “enciclopédia viva” etc.
sobreviveriam após sua morte, sendo associadas a outros atributos, como se verá a seguir.

1. 3. Um símbolo da brasilidade: o historiador sertanejo

Foi como um surto atávico o aparecimento desse


espírito singular em nossas letras. O homem vinha da
tribo ancestral trazendo a rede, em que sempre dormiu,
e as flechas, das quais somente aproveitou as penas,
aparando-as, para a escrita, e um pouco de curare, com
que as ervou, dando-lhes a ironia dicaz, a sátira
mordente com que revidava a ataques dos que, de mui
baixo, pretendiam feri-lo (Coelho Neto, Redimido,
21/08/1927).97

Os discursos escritos em 1927, logo após a morte de Capistrano, parecem se guiar


pela mesma lógica da consagração em vida, ainda que haja o tom hiperbólico característico
dos elogios fúnebres. No entanto, há algumas diferenças no que diz respeito às
características do comportamento de Capistrano em suas relações sociais. Se os discursos
sobre sua inteligência privilegiada seguem a mesma linha do que era dito quando ele estava
vivo, os discursos sobre seu temperamento rude e sua língua ferina parecem ter sido
atenuados ou, até mesmo, esquecidos, dando lugar a outras interpretações, que o
apresentam como um homem bom, de alma generosa, leal aos amigos e avesso a
futilidades, como é de se esperar dos necrológios.

96
Na França do século XVIII, por exemplo, havia discursos que pedagogicamente valorizavam o desinteresse
e o afastamento do mundo em prol das atividades do pensamento. Alguns autores jesuítas supunham que,
longe das paixões e divertimentos, o homem de letras seria mais capaz de se dedicar ao que realmente
importa: o estudo socialmente útil. Tais discursos defendiam a dignidade da carreira das letras contra as
opiniões que a menosprezavam. Ver, CHARTIER, “O homem de letras”, op. cit., p. 143-144. Essa
observação pode ajudar a compreender as constantes referências a Capistrano de Abreu como um estudioso
abnegado, avesso às vaidades mundanas, um “beneditino das letras”, se for admitido que, entre alguns grupos
de intelectuais do Brasil da virada do século XIX, a sobriedade era considerada um valor. O mesmo não
ocorria no caso dos intelectuais boêmios, que valorizavam a irreverência e a esbórnia.
97
COELHO NETO, “Redimido”, op. cit.

45
Mas, a imagem mais sugestiva que pode ser extraída dos necrológios de Capistrano
diz respeito ao seu vínculo com dois universos distintos: o da “barbárie” e o da
“civilização”.
Como já foi visto, João Ribeiro considerou-o “um índio que houvesse perfurado a
civilização e subido à tona da nossa cultura, com arco e flecha, seminu e indomável”.
Coelho Neto identificou-o como um “selvagem que o estudo tornou um dos expoentes
máximos da nossa cultura”. Um ser “sombrio”, “desconfiado” e até “agressivo”, indicando
a “sobrevivência do bárbaro latente no super-civilizado”. Américo Facó, o viu como um
“indolente” e desleixado “morubixaba” (chefe indígena). Já Gonçalo Jorge recuperou
também os aspectos físicos e espirituais, tecendo a imagem de um “corpo desajeitado e
exótico”, dotado de “espírito luminoso”, um “físico de sertanejo”, “filho do nordeste”, “um
homem feio, agreste, desagradável”, dono de um “espírito de civilizado”. Edgar Roquette-
Pinto, que considerava-o como o mestre de seus estudos etnográficos, definiu-o como um
“indomável sertanejo acaboclado”.98
Assim como a erudição de Capistrano (com destaque para seu poliglotismo)
permitia associá-lo a um ideal de cultura e civilização, sua aparência, seus modos de vestir
e falar eram aspectos que permitiam recuperar características atribuídas aos indígenas e
sertanejos, o que sua origem interiorana ajudava a sustentar. A “rudeza”, a “feiúra”, a
“agressividade” e a “desconfiança” compunham uma figura de homem do interior bastante
distinto do tipo urbano, cosmopolita, do dândi de modos afrancesados, que na época
representava os ideais de progresso e civilidade.
Mas, ao lado da aparência e dos modos, que autorizavam referências ao mundo do
interior e aos indígenas, o tipo de conhecimento desenvolvido por Capistrano permitia
outro tipo de aproximação. Como observou Assis Chateaubriand em seu artigo póstumo, o
grande mérito de Capistrano teria sido compreender a brasilidade – propriedade distintiva
do Brasil e do brasileiro – traduzindo-a através de seus estudos sobre as línguas e costumes
indígenas e, também, sobre a história colonial.99 Em vida, Capistrano já era reconhecido
como uma autoridade nesses assuntos. Como já foi dito, seu livro Capítulos de história
colonial, de 1907, havia sido muito bem recebido. Outro livro, Rã-txa Hu-ni-ku-i,
publicado em 1914, também foi muito elogiado, valendo-lhe o prêmio D. Pedro II, do
IHGB, concedido e recusado três anos depois.

98
RIBEIRO, “Retrato de Capistrano de Abreu”, op. cit.; COELHO NETO, “Redimido”, op. cit.; JORGE,
“Capistrano de Abreu”, op. cit.; ROQUETTE-PINTO, “Capistrano de Abreu”, op. cit.
99
CHATEAUBRIAND, “Capistrano de Abreu”, op. cit.; ver citação na página 16.

46
O termo brasilidade havia sido utilizado pelo conde Afonso Celso, no livro Por que
me ufano do meu país, de 1900, servindo para indicar uma espécie de essência dos seres e
das coisas do Brasil, capaz de inspirar o sentimento de amor à pátria.100 Nos anos 1920, o
termo foi retomado em meio às discussões sobre modernidade, modernismo e
nacionalismo.
A reflexão sobre a brasilidade ocorreu em meio à demanda por interpretações sobre
o país e seus habitantes, num processo iniciado na primeira metade do Oitocentos, que se
estendeu pelas primeiras décadas do século XX, quando a intelectualidade se auto-
reconhecia como portadora da civilização e se afirmava como detentora de uma missão
social e política: explicar o país, apontando problemas, propondo soluções e elaborando
projetos para o futuro. Capistrano de Abreu participou desse processo, dedicando-se ao
estudo da formação da nacionalidade brasileira, tema que ocupava muitos escritores e
estudiosos.101 Em meio à busca de explicações sobre as origens dos homens, das
sociedades e das nações que marcou o período em questão, procurava-se conhecer e dar
sentido explicativo ao Brasil enfatizando seus aspectos selvagens e naturais, de modo a
caracterizar uma nação em busca de civilização. Parte significativa dos escritos sobre a
gênese nacional dizia respeito aos indígenas e à constituição do território, temas marcantes
na obra de Capistrano.102
Ao longo do século XIX, os debates sobre o lugar do indígena na construção da
nacionalidade foram marcados por dois tipos de representações: aquela construída pela
literatura romântica, inspirada pelo modelo do “bom selvagem” – exemplo de pureza e
honra –, que via o indígena como cerne da “brasilidade”; e aquela elaborada sob a
inspiração do pensamento evolucionista, que situava os indígenas, vistos como portadores

100
O livro de Afonso Celso apresenta onze motivos para a superioridade do Brasil, relacionados à natureza,
ao povo e à história. Foi publicado por ocasião das comemorações do IV Centenário do Descobrimento do
Brasil, tornando-se um marco do gênero que, posteriormente, ficou conhecido como ufanista, caracterizado
pela exaltação otimista das características naturais, culturais e históricas do Brasil. Ver CELSO, Afonso. Por
que me ufano do meu país. 1a edição 1900. Rio de Janeiro, Expressão e Cultura, 1997.
101
Berthold Zilly chamou a atenção para a persistência do tema da formação na historiografia brasileira a
partir do século XIX, quando se observa a emergência do tema nos estudos sobre o Brasil, presente na obra
de Martius, Varnhagen, Capistrano, João Ribeiro, Oliveira Lima, Manoel Bomfim, Pandiá Calógeras etc. Ver
ZILLY, Berthold. “Minha formação (1898), de Joaquim Nabuco – a estilização do brasileiro ideal”. In:
DECCA, Edgar Salvadori de & LEMARIE, Ria (Orgs.). Pelas margens: outros caminhos da história e da
literatura. Campinas, Unicamp, 2000, p. 254; e HANSEN, Patrícia Santos. Feições & Fisonomia: a história
do Brasil de João Ribeiro. Rio de Janeiro, Access, 2000, p. 84.
102
O tema da gênese da nação é central na historiografia e na literatura européia e brasileira do século XIX.
Entre os mitos elaborados em meio à reflexão sobre a formação da nacionalidade brasileira dois se destacam:
o da mistura das três raças formadoras da nacionalidade (brancos, índios e negros) e o de um passado
ancestral representado pela figura idealizada do índio inserido em natureza idílica. Ver NAXARA, Márcia
Regina Capelari. Cientificismo e sensibilidade romântica: em busca de um sentido explicativo para o Brasil.
Brasília, UnB, 2004.

47
do atraso e da desordem, no início de uma escala evolutiva que ia da barbárie à
civilização.103
Um dos principais desafios para o conhecimento da formação da nacionalidade
brasileira era localizar e divulgar os relatos referentes a aspectos históricos e etnográficos
das sociedades indígenas. Tal tarefa foi enfrentada pelo IHGB e, também, por numerosas
revistas literárias e políticas. O estudo etnográfico fazia parte de um projeto civilizador,
que almejava fazer recuar a barbárie e, ao mesmo tempo, contribuir para o conhecimento e
a demarcação de um espaço físico integrado para a nação. A produção de saberes sobre os
indígenas e o território caminhou lado a lado com a construção de uma literatura e de uma
historiografia nacional, através das quais os “homens de letras” divulgaram suas
interpretações sobre o país e seus habitantes.104
As referências ao interior do território – o sertão – e seus habitantes, datam do
período colonial. Inicialmente, o sertão era definido por sua distância em relação ao litoral,
indicando o território imenso e desabitado longe da costa. Sertão e litoral tornaram-se
categorias complementares, pois,

(...) como em um jogo de espelhos, uma foi sendo construída em relação à outra, refletindo
a outra de forma invertida, a tal ponto que, sem seu principal referente (litoral, costa),
„sertão‟ esvaziava-se de sentido, tornando-se ininteligível, e vice-versa...105

Com o tempo, o sertão adquiriu o significado de uma região inóspita e inabitada, por
oposição ao mundo urbanizado das cidades litorâneas.106
Os escritos sobre o “sertão” contribuíram para situá-lo em relação ao mundo
urbanizado, transformando-o no espaço do outro, no lugar por excelência da alteridade,

103
Ver GUIMARÃES, “Nação e civilização nos trópicos”, op. cit., p. 11-12 e 20-21; MONTEIRO, John
Manuel. “As „raças‟ indígenas no pensamento brasileiro”. In: MAIO, Marcos Chor e SANTOS, Ricardo
Ventura (Orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro, Fiocruz, 1996, p. 15-22.
104
MONTEIRO, op. cit.; KODAMA, Kaori. “Uma missão para letrados e naturalistas: „Como se deve
escrever a história do Brasil‟”. In: MATTOS, Ilmar Rohloff de (Org.). Histórias do ensino da História no
Brasil. Rio de Janeiro, Access, 1998, p. 9-65. É importante observar que essa atividade etnográfica diferia da
perspectiva antropológica atual, por manter uma relação muito próxima com a história natural e sustentar
uma posição pragmática e filantrópica em relação aos povos indígenas, ao defender que o estudo de suas
sociedades contribuiria para sua salvação, que consistia na derrota da barbárie pela civilização.
105
AMADO, Janaína. “Construindo mitos: a conquista do Oeste no Brasil e nos EUA”. In: _____ e
PIMENTEL, Sidney Valadares (Orgs.). Passando dos limites. Goiânia, UFG, p. 51-78, especialmente p. 63-
67; Idem. “Região, sertão, nação”. Estudos Históricos – Dossiê História e Natureza. Rio de Janeiro, n. 8, p.
145-151.
106
ARAÚJO, Emanuel. “Tão vasto, tão ermo, tão longe: o sertão e o sertanejo nos tempos coloniais”. In:
PRIORE, Mary Del (Org.). Revisão do paraíso: os brasileiros e o Estado em 500 anos de história. Rio de
Janeiro, Campus, 2000, p. 82.

48
identificada não apenas na amplitude do território pouco habitado, mas nos próprios
habitantes, os sertanejos, com sua aparência e modos distintos daqueles observados na
população das cidades. Aos olhos daqueles que se dedicavam ao estudo do interior do país,
o sertão passou a representar tudo aquilo que se encontra fora da escrita da história e, por
conseguinte, do espaço da civilização. Uma “terra de ninguém, lugar de inversão de
valores, da barbárie e da incultura”.107
Essa região “à margem” do mundo histórico foi transformada em um tema central
da paisagem literária e da reflexão de cunho científico sobre o Brasil. Para José Honório
Rodrigues, por exemplo, “o papel do sertão e dos caminhos (...) modificou profundamente
o escrito e a metodologia histórica no Brasil”.108 No fim do século XIX já era possível
identificar duas vertentes de textos que tinham o interior como tema: uma ligada à
literatura de ficção, que incluía novelas, contos, romances e peças de teatro e, outra, às
expedições científicas, que englobavam memórias e relatos de viagens produzidos por
estrangeiros, assim como, por militares e funcionários do governo que percorriam o
interior.109
Nos contos sertanejos da década de 1890 observa-se a presença freqüente da
oposição entre “roça” e “cidade grande”. A primeira era habitada pelos tipos sertanejos
com suas variantes, o caipira, o tabaréu e o jagunço, que se opunham aos tipos urbanos,
como o malandro, o burguês, o espertalhão e o capitalista. A literatura oscilava entre
enaltecer a “cidade grande” como locus da civilização e do progresso e menosprezar a
cidade como fonte do mal, da corrupção do caráter e dos costumes. Uma das características
dessa literatura era a associação do sertanejo à pureza e à honestidade, enquanto o interior
era comumente caracterizado como lugar de tradições genuínas em vias de desaparecer.
A obra de Capistrano de Abreu pode ser inserida ao lado de outras tantas
produzidas em meio a um movimento de redescoberta do Brasil iniciado ainda no século

107
VENTURA, Roberto. “Os sertões entre dois centenários”. In: MADEIRA, Angélica e VELOSO, Mariza
(Orgs.). Descobertas do Brasil. Brasília, UnB, 2000, p. 112.
108
RODRIGUES, José Honório. “Capistrano de Abreu e a historiografia brasileira”. Conferência proferida
no IHGB em 07/10/1953. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 136.
109
Entre os escritores que tinham o interior do país como tema e que ajudaram a consolidar a chamada
“literatura sertaneja” estavam José de Alencar, Fagundes Varela, Bernardo de Guimarães, Franklin Távora, o
Visconde de Taunay, Coelho Neto, Artur Azevedo, Catulo da Paixão Cearense, Cornélio Pires e Valdomiro
Silveira. Ver ABREU, Regina. O enigma de Os sertões, op. cit., p. 169 e 171. Antônio Cândido compreendeu
o fenômeno do “regionalismo” literário como “uma das principais vias de autodefinição da consciência
local”. O interesse pelo interior produziu uma verdadeira “aluvião sertaneja”, caracterizada pelo autor como
“artificial” e “pretensiosa”, responsável por “um sentimento subalterno e de fácil condescendência em
relação ao próprio país, a pretexto de amor à terra”. Teria sido “um meio de encarar com olhos europeus as
nossas realidades mais típicas”. Ver CÂNDIDO, Antônio. “Literatura e cultura de 1900 a 1945 (panorama
estrangeiro)”. In: _____. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo, Companhia
Editora Nacional / Edusp, 1965, p. 129-165.

49
XIX e que se prolongou até, pelo menos, os anos 1950, despertando o interesse pelo
interior do país, com suas vastas regiões e populações desconhecidas. Esse movimento de
redescoberta, fundado na lógica da alteridade entre sertão e litoral, foi explorado pela
literatura romântica de meados do século XIX; pelos relatos de viajantes nacionais e
estrangeiros; pela literatura de inspiração realista e naturalista; pela literatura regionalista
ou sertaneja do fim do século; pelos relatórios produzidos por médicos sanitaristas, que
percorreram o Brasil nas primeiras décadas do século XX; pelos estudos geográficos e
etnográficos e pela escrita da história.
A literatura sertaneja surgiu não apenas como uma corrente específica, oposta à
literatura sobre temas urbanos até então muito valorizada, mas como algo capaz de inspirar
um plano de escrita da história do país, dedicado a recuperar ou inventar peculiaridades
geográficas, humanas e culturais. Os escritos sobre o sertão sustentaram a criação de uma
consciência nacional a partir de uma definição do Brasil e dos brasileiros. Permitiram
ultrapassar o parâmetro ditado pelo passado colonial, que deixara marcas profundas no
litoral, e, ao mesmo tempo, fundamentar a construção de um espaço – o sertão – e de um
tipo, o homem do interior, como autenticamente brasileiros.
No início do período republicano predominava a idéia de que uma verdadeira
conquista do território só poderia ocorrer através do seu conhecimento real e científico.
Nas palavras de Ângela de Castro Gomes, “conquistar e ocupar era, antes de tudo, estudar
e planejar o que se desejava que povo e território viessem a ser no futuro”.110 Nessa
conjuntura, o estudo e o ensino da história e da geografia se afirmaram como necessidades
estratégicas, considerando que um dos problemas cruciais para o novo regime dizia
respeito a sua credibilidade, a ser fundada sobre um conjunto coerente de referências a
serem partilhadas. Assim como ocorrera na Europa, no Brasil, a história conquistou espaço
como um saber socialmente necessário por ser capaz de fornecer as bases para uma
pedagogia cívica útil no processo de expansão dos Estados Nacionais e na consolidação
dos regimes políticos. Era preciso estabelecer uma versão consensual sobre o passado
capaz de fundamentar o modelo nacional-republicano.
A instauração da República, que suscitou um clima de instabilidade e incerteza,
coincidiu, não por acaso, com um momento de revisão crítica da historiografia e de seus
agentes produtores, observável desde, pelo menos, a década de 1870 até os anos 1920. Essa

110
GOMES, Ângela de Castro. “Através do Brasil: o território e seu povo”. In: _____; PANDOLFI, Dulce
Chaves e ALBERTI, Verena (Orgs.). A República no Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira / CPDOC-FGV,
2002, p. 157-215.

50
revisão encontra-se dispersa em artigos como Organização da História Física e Política do
Brasil (1877), de Henrique Beauhepaire de Rohan; Indicações sobre a história nacional
(1894), de Tristão de Alencar Araripe; Uma grande idéia (1880), do próprio Capistrano –
que também contribuiu para a crítica historiográfica através de diversos prefácios e de
textos como o Necrológio de Francisco Adolfo de Varnhagen (1878) e Sobre o Visconde
de Porto Seguro (1882) –; e nos vários trabalhos de João Ribeiro, incluindo Historiadores
(1927) e O culto da história (1918); além de inúmeras introduções e resenhas de novos
livros ou de reedições revistas e anotadas.111 Além de contribuir para a construção de
novas interpretações sobre a história do Brasil, essa produção fragmentada e em grande
parte efêmera (devido aos meios de sua divulgação) também ajudou a legitimar nomes e
obras. É possível supor que esse mesmo movimento crítico delineou um perfil de
historiador e um modelo ideal de escrita da história, num momento em que não se
observavam distinções hierárquicas rígidas entre a pesquisa, a escrita e o ensino.
Na época da morte de Capistrano de Abreu (1927), o tema da formação nacional
ainda estava em voga, tendo sido revitalizado pelas notórias discussões sobre nacionalismo
e modernidade predominantes após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Prevalecia há
alguns anos a visão de dois brasis: o do litoral e o do interior, sendo possível identificar
duas vertentes de interpretação sobre o sertão. Uma delas o situava como lugar do atraso,
por oposição à cidade, local do progresso e da modernidade, associado à urbanização, à
máquina, à indústria etc. Ao mesmo tempo, observa-se a interpretação do sertão como o
espaço por excelência da brasilidade, enquanto a cidade era o lugar do cosmopolitismo,
dos estrangeirismos etc. Assim, era no interior que se encontrava o “verdadeiro” Brasil.112
Quanto ao problema do tipo representativo da nacionalidade, o homem do interior
encontrava-se na berlinda. Alguns o tomavam como exemplo do atraso e da ignorância.
Outros o viam como portador da brasilidade, da “essência” da nacionalidade, precisando,
contudo, ser libertado de seus “males”.
Por exemplo, o grupo Verde-Amarelo – que expressou de modo paradigmático os
ideais do movimento modernista em São Paulo – valorizava o regionalismo e defendia o
sertanejo como elemento portador da nacionalidade. O Brasil autêntico seria o Brasil do
111
ROHAN, Henrique B. de. Organização da história física e política do Brasil. S.l., s.e., 1877; ARARIPE,
“Indicações sobre a história nacional”, op. cit.; RIBEIRO, “Historiadores”, in op. cit., p. 5-7; Idem. “O culto
da história”, in op. cit., p. 424-431. Originalmente publicado no jornal Imparcial, 18/09/1918.
112
Essas duas vertentes interpretativas podem ser mais bem compreendidas quando considerados os marcos
cronológicos do movimento modernista paulista de 1922 e 1924. A visão negativa em relação ao interior
prevalece na chamada primeira fase do movimento, enquanto uma visão mais positiva pode ser localizada,
sobretudo, após 1924. Ver MORAES, Eduardo Jardim de. “Modernismo revisitado”. Estudos Históricos –
Dossiê Modernismo. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 2, 1988, p. 220-238.

51
interior. Inspirados em Afonso Celso, os “verde-amarelos” definiam a brasilidade como
um estado de espírito promovido pela intuição do sentimento nacional. Em ambos os
casos, a noção remete a algo que é natural (espontâneo), passível de ser captado pela
sensibilidade e não pelo intelecto.113
O argumento, portanto, é de que durante a Primeira República foram elaboradas
interpretações sobre o Brasil que consolidaram versões sobre sua formação e, ao mesmo
tempo, conferiram autoridade a determinados intérpretes, por vezes, transformados em
exemplos da dedicação ao estudo da pátria ou em representantes do conhecimento, visto
como marca de civilidade. A valorização de seus nomes e obras ajudou a sustentar
tradições de estudo sobre o país, definindo temas e referenciais teóricos, justificando
escolhas documentais, apoiando vertentes interpretativas.
Considerando o movimento de “interiorização da civilização” – expresso pelo
binômio litoral/sertão –, iniciado no século XIX, e o da ascensão dos “homens de letras”
no cenário nacional, observa-se que alguns intelectuais alcançaram o status de símbolos
nacionais, como Machado de Assis e Euclides da Cunha. O primeiro se dedicando a
escrever sobre o mundo urbano e, o segundo, sobre o mundo do sertão. Euclides veio a
representar esse projeto de nação fundada na idéia de território, conferindo importância ao
interior e a seus habitantes. Machado passou a simbolizar a cidade, espaço da modernidade
e da civilização para alguns e lugar da decadência para outros.114
Já Capistrano, em sua ambigüidade, pôde ser visto como um intelectual que
transitava entre dois mundos: o da civilização e o da barbárie. Assim, nos discursos post
mortem se verifica a associação entre o erudito – homem culto e civilizado – e o homem do
interior, caracterizado como inculto, rústico e/ou selvagem e identificado pelas figuras do
caboclo, do sertanejo e até do indígena. Observa-se a imagem recorrente de um “homem de
letras”, cuja coragem, tenacidade e persistência permitira desbravar o passado, abrindo
caminho para outros descobridores. Como disse Paulo Prado, Capistrano o ajudara a
penetrar “na selva escura da história do Brasil”.115 Tais discursos constituíram a imagem de
Capistrano como símbolo de uma nacionalidade que se quer culta e civilizada e, ao mesmo
tempo, próxima do sertão não civilizado, lugar onde, acreditava-se, o Brasil seria mais
autêntico e verdadeiro. Uma figura referencial para a intelectualidade dedicada ao estudo

113
Ver VELLOSO, Mônica Pimenta. “A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista”.
Estudos Históricos – Dossiê Os anos vinte. Rio de Janeiro, vol. 6, n. 11, 1993, p. 89-112.
114
Sobre Euclides, ver ABREU, Regina. O enigma de Os sertões, op. cit., p. 281 e 283.
115
PRADO, Paulo. Paulística: história de São Paulo. São Paulo, Cia. Gráfico/Ed. Monteiro Lobato, 1925, p.
5.

52
do Brasil, que podia então, através de seu exemplo, exorcizar as críticas que recebia devido
aos seus referenciais europeus, sobretudo franceses.
Supostamente, Capistrano materializou – por seu comportamento, suas origens,
interesses e estudos – um modelo de intelectual capaz de abarcar o sertão e a cidade, que,
assim como o “pequeno mundo” dos intelectuais, era associada a um ideal de civilidade.
Conforme observou Tristão de Athayde a respeito de outro intelectual, Eduardo Prado,
Capistrano também transitou “entre a fazenda e o boulevard”.116 Ao menos para os
herdeiros da tradição de estudos sobre o Brasil, esse historiador “sertanejo” seria uma
espécie de mediador entre os mundos da civilização e da barbárie, por possuir aquilo que
então era esperado de um historiador: erudição, cultura geral, informações originais,
“habilidade de investigação minuciosa, aliada ao método de comparação, dedução e
exposição” e, talvez o principal, o “sentimento da terra e da gente” brasileiras.117
Em meio à demanda por patriotismo e ao esforço pela demarcação dos campos de
conhecimento, o problema da escrita da história se impunha. O historiador, embora
pudesse desenvolver estudos dos mais diversos, deveria ser capaz de produzir um tipo
particular de escrita, capaz de distingui-lo de outros “homens de letras”. Método e
narrativa que, associados, favoreceriam a distinção entre história e literatura. Ao longo de
toda a Primeira República é possível encontrar exemplos de uma expectativa em torno da
elaboração de uma nova história do Brasil. Uma síntese distinta daquela produzida por
Varnhagen, até então visto por muitos – inclusive Capistrano – como o maior historiador
nacional, ainda que sua obra não fosse imune a críticas.
Flora Süssekind demonstra como, em meados do século XIX, surgiu a figura do
narrador da prosa de ficção brasileira, cujo perfil era próximo do narrador de viagens, do
cartógrafo e do paisagista. Atuando, simultaneamente, como historiador e cronista de
costumes, esse narrador adotava o ponto de vista de um viajante em movimento, capaz de
dar expressão artística ou valor científico a uma paisagem.118
É possível fazer uma ponte entre o surgimento desse narrador da prosa de ficção e a
emergência de um moderno historiador, que, interessado no tema da formação da
nacionalidade, empenhou-se no estudo do povoamento do interior do país, reconstituindo a
história dos caminhos antigos, dos primeiros habitantes e colonizadores, por vezes
recorrendo a formas de narrativa próximas do relato de viagens, com a diferença de que

116
ATHAYDE apud GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 98-106.
117
ALENCAR, “Sobre um livro de Capistrano”, op. cit.
118
Ver SUSSEKIND. Flora. O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem. São Paulo, Companhia das
Letras, 1990.

53
não se tratava apenas de viajar no espaço mas, também, no tempo.119 Esse modelo da
narrativa de viagens alcançou, também, a chamada literatura escolar nacional, cujo melhor
exemplo talvez tenha sido o livro Através do Brasil: narrativa (1910), de Manoel Bomfim
e Olavo Bilac.120
Combinando fatores naturais e sociais, Capistrano teria sido capaz de alcançar uma
espécie de “ponto de equilíbrio”, escapando dos paradigmas deterministas predominantes.
Enfrentando as demandas de sua época, explorou o tema da formação da nacionalidade
brasileira, estabelecendo um roteiro em três partes principais: descobrimento,
desbravamento e povoamento do território. Mas, além desses aspectos diferenciadores,
capazes de elevar Capistrano a um patamar distinto de seus antecessores, seus pontos
fracos também são apontados. Os analistas convergem ao criticar a volubilidade do
historiador. A dificuldade para terminar o que começava teria sido, como foi dito no item
anterior, “uma das fraquezas desse homem forte”.121 Apesar disso, sua obra fragmentada,
guiada pelo prazer de estudar, ler, conhecer (em detrimento de ensinar e dar-se a ler), era
um norte para a nova geração de historiadores.122
Identificado como descendente de tribos ancestrais, Capistrano teria sido salvo da
“barbárie” pela erudição, sendo transformado em paradigma do historiador, um narrador
munido com “flechas” transformadas em instrumentos para a escrita; penas “envenenadas”
com as quais deixou suas marcas no mundo das letras. Para Coelho Neto, “o livro o
purificou da barbárie fazendo-lhe o nome atingir a glória”.123 A glória de Capistrano foi
alcançada ainda em vida, adquirindo significado mais amplo logo após sua morte, quando
se observam investimentos no sentido de consolidar uma determinada memória sobre ele e,
ao mesmo tempo, sobre a história da história no Brasil. A história da vida póstuma de
Capistrano poderia até ter sido encerrada aí, sendo seu nome lembrado como marco
referencial de uma época, como um exemplo de historiador entre dois mundos. Mas, seus
discípulos, admiradores e amigos tinham outros planos.

119
Para pensar a relação entre o historiador e o viajante, ver: HARTOG, François. Memória de Ulisses:
narrativas sobre a fronteira na Grécia antiga. Belo Horizonte, UFMG, 2004.
120
BOMFIM, Manoel e BILAC, Olavo. 1a edição 1910. Através do Brasil: narrativa. São Paulo, Companhia
das Letras, 2000. Sobre esse livro, ver: BOTELHO, André. O aprendizado do Brasil: a nação em busca dos
seus portadores sociais. Campinas, Unicamp, 2002.
121
RIBEIRO, João. “O Descobrimento do Brasil”. In: Obras – Crítica, vol. VI, op. cit., p. 84.
122
Ângela de Castro Gomes compara o caso de Capistrano ao do historiador francês Gabriel Monod, figura
referencial para a pesquisa histórica na França da virada do século XIX, ainda que seu nome não esteja
colocado entre os principais responsáveis pela institucionalização da disciplina, como Ernest Lavisse e
Charles Seignobos. Guardando as devidas proporções, a autora argumenta que, assim como Monod,
Capistrano foi capaz de exercer atração e influência sobre outros pesquisadores, favorecendo a articulação de
um campo de estudos históricos no Brasil. Ver GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 97.
123
COELHO NETO, “Redimido”, op. cit.

54
2
A economia da glória: culto e comemoração

No dia 11 de setembro de 1927 – menos de um mês após a morte de Capistrano –


um grupo de amigos e discípulos do historiador se reuniu no local onde ele passara seus
últimos anos de vida e falecera em 13 de agosto: uma casa situada na antiga travessa
Honorina, na mesma ocasião transformada em rua Capistrano de Abreu, no Rio de Janeiro.
O objetivo do encontro era criar um grêmio dedicado a cultuar sua memória.
Esse investimento no sentido de institucionalizar o culto a um intelectual pode ser
compreendido como parte de um conjunto de realizações, que, de diferentes modos,
contribuíram para consolidar o nome de Capistrano de Abreu como uma figura importante
entre os estudiosos do Brasil. Cabe investigar tais realizações, defendendo a hipótese de
que a fabricação e perpetuação do nome e da obra de Capistrano relaciona-se a demandas
coletivas, tanto dos grupos com os quais ele diretamente se relacionou – e, aos quais, a
partir de algum momento, passou a representar –, quanto de grupos mais amplos, de
contornos difíceis de definir, para quem uma obra e um autor podem ultrapassar seu valor
literário ou intelectual e alcançar o status de símbolo, seja da nação, da intelectualidade
brasileira ou dos estudiosos da história, em particular.
Mas, antes de tudo, é preciso chamar a atenção para o fato de que, assim como
existe uma longa história da experiência de lembrar os mortos,1 existe também uma
história do culto póstumo a determinados indivíduos, considerados mais dignos de serem
lembrados do que outros. Entre esses, os escritores2 parecem ocupar um lugar especial.3

1
ARIÈS, Philipe. Sobre a história da morte no ocidente desde a Idade Média. Lisboa, Theorema, 1989;
CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Coimbra, Quarteto, 2001.
2
O termo escritor está sendo utilizado aqui em seu sentido mais amplo, como sinônimo de “homem de
letras” (um polígrafo, que desenvolve diferentes tipos de conhecimento e participa de uma comunidade de
letrados); de intelectual (alguém que exerce as atividades de pensamento e escrita, podendo ou não se dedicar
a um campo específico de conhecimento); e de autor (aquele que tem seus escritos publicados, sendo que tais
escritos podem pertencer a diferentes gêneros, do literário ao científico). Embora os termos “homem de
letras”, “intelectual” e “autor” possuam cada qual a sua história, supõe-se que a atividade da escrita permite
relacioná-los, integrando seus diferentes significados através do nome de escritor.

55
A comemoração em torno do nome de um escritor ou de uma obra escrita parece
ser um fenômeno recente.4 Relaciona-se, entre outras coisas, ao processo de
individualização e de ascensão do “homem de letras” no cenário público e nacional,
ocorrido entre os séculos XVIII e XIX. É parte do investimento na construção de uma
pedagogia cívica, que tem nos letrados ou intelectuais um exemplo da capacidade de
compreender e explicar a sociedade e a nação, além de apontar soluções para seus
problemas. Trata-se da valorização das atividades de escrita e pensamento, bem como as
artísticas, consideradas úteis para a afirmação de uma dada identidade coletiva (nacional
ou grupal) e para a elaboração e defesa de projetos a serem partilhados.
A estética romântica – que se desenvolveu no final do século XVIII e ao longo do
XIX – privilegiava a singularidade do escritor em detrimento do caráter social ou
institucional de sua atividade literária e/ou intelectual. O romantismo dignificou a figura do
“homem de letras” a ponto de torná-lo um herói dotado de sensibilidade e inteligência e
capaz de exprimi-las através da palavra escrita. Aceito como o mais consensual dos
homens públicos, o escritor passou a ser cultuado através de instituições que adotam seu
nome, também atribuído a locais como ruas e praças; de publicações e eventos sobre sua
vida e obra, assim como, pela guarda e exibição de seus pertences, pelo fabrico de estátuas,
retratos, moedas, selos e edições comemorativas. Tornou-se comum lembrar escritores
ilustres através de elogios póstumos, da organização de exposições e, mais recentemente,
da realização de programas televisivos, filmes e documentários.5
O ato comemorativo pretende extrair uma espécie de valor simbólico daquilo que é
comemorado, algo útil na consolidação dos elos entre os vivos. Trata-se, portanto, de uma
prática socializadora capaz de mobilizar os indivíduos em torno de imperativos coletivos,
sendo que, mais do que apreender aquilo que é festejado e seu tempo, o que as
comemorações promovem são as memórias e projetos que o presente procura impor a si
mesmo. Nesse sentido, a comemoração diz mais sobre aqueles que comemoram do que
sobre o que é comemorado.6
Segundo Fernando Catroga, as comemorações tornaram-se um fenômeno comum
na Europa e na América, tendo alcançado o apogeu entre a década de 1870 e os anos de
3
Michel Foucault chama a atenção para a necessidade de investigar a importância e o significado do culto
póstumo de artistas e, particularmente, de escritores em uma dada cultura. Ver FOUCAULT, Michel. “O que
é um autor?” [1969]. In: _____. O que é um autor? 4a edição. Lisboa, Vega-Passagens, 2000, p. 29-87.
4
A comemoração é compreendida aqui em seu sentido literal, como lembrança compartilhada.
5
Ver CATROGA, Fernando. “Ritualizações da história”. In: _____, TORGAL, Luís Reis e MENDES, José
Amado. História da história em Portugal, séculos XIX e XX. S.l., Temas & Debates, [1998], vol. 2, p. 339-
348.
6
Ibidem.

56
1910, quando eram observadas em diversos países. Mesmo possuindo características
semelhantes, podiam atender a interesses dos mais diversos, às vezes ultrapassando os
limites nacionais.7 Um dos aspectos semelhantes diz respeito ao fato de que toda
comemoração tem por objetivo produzir consensos em torno de algo ou alguém. Ou seja,
através da comemoração é possível atribuir coerência e sentido a um evento, a uma obra ou
a uma trajetória, de modo a erigir interpretações e consolidar memórias. Esse objetivo não
é imune a disputas, que visam garantir a hegemonia de um dado poder simbólico e,
também, político.8
Na França, por exemplo, 1878 é um ano importante no calendário das
comemorações. Foi então que se comemorou o centenário da morte de dois importantes
filósofos do Iluminismo: Voltaire e Rousseau, em meio a um movimento que visava captar
e dar novo significado à herança do século XVIII, reforçando a unidade nacional dividida
entre perspectivas distintas: a iluminista e a romântica. Lembrar a morte de ambos era
parte de um investimento maior – ocorrido de modo notável entre os anos de 1870 e 1882
– no sentido de consolidar uma instituição política, a III República, enquanto herdeira da
Revolução de 1879 e das Luzes.9
Em Portugal, a história das comemorações relacionadas ao mundo literário também
é rica, destacando-se os festejos em torno de Camões (1880 e 1924), Almeida Garrett
(1899) e Alexandre Herculano (1888 e 1910). As chamadas “comemorações camonianas”
celebraram não só um autor, mas uma época (a da expansão marítima) e uma obra, Os
Lusíadas, adquirindo um tom messiânico, anunciador do refundamento da própria nação.
Os festejos em torno do escritor romântico Almeida Garrett, marcadamente dedicados a
promover o conhecimento de sua obra, também expressaram propósitos religiosos e
cívicos. Algo semelhante ocorreu durante as comemorações em torno do poeta e
historiador Alexandre Herculano. Seus restos mortais foram conduzidos de modo
apoteótico de um humilde cemitério do interior até um mausoléu no cemitério dos
Jerônimos (panteão cívico nacional), em 1888, mobilizando, principalmente, intelectuais e

7
CATROGA, “Ritualizações da história”, op. cit. Em alguns casos, aquilo que é comemorado passou a ser
associado não apenas aos valores de uma dada sociedade ou nação, mas a algo mais amplo como a cultura
ocidental moderna. É o caso, por exemplo, de Van Gogh. Ver HEINICH, Nathalie. La gloire de Van Gogh:
essai d‟anthropologie de l‟admiration. Paris, Les Éditions de Minuit, 1991.
8
CATROGA, op. cit., p. 340. Ver, especialmente, o item 6, A sacralização cívica da literatura, p. 339-348.
9
GOULEMOT, Jean-Marie e WALTER, Éric. “Les Centenaires de Voltaire et de Rousseau: les deux
lampions des Lumières”. In: NORA, Pierre (Dir.). Les Lieux des mémoire. I – La Republique. Paris,
Gallimard, 1984, p. 381-420.

57
políticos, para, em seguida, adquirir feições populares, por ocasião do primeiro centenário
de seu nascimento, em 1910.10
No caso do Brasil, destaca-se o jubileu cívico-literário de Rui Barbosa, em 1918,
quando se comemorou o suposto cinqüentenário de seu primeiro discurso público,
momento escolhido para marcar sua entrada no mundo das letras e no cenário político
nacional. Até então, nunca um intelectual vivo havia sido consagrado no país de modo tão
grandioso através de conferências, cortejos etc., realizadas em várias partes do país.
Símbolo da cultura brasileira, da sabedoria e da capacidade oratória, Rui Barbosa foi
consagrado como “glória da latinidade”, “gênio supremo da humanidade”, “a mais alta
mentalidade do universo”, “semideus” e “apóstolo”, entre outros epítetos enaltecedores.
Tornou-se o exemplo do intelectual que transita entre os mundos da política e das letras,
conduzindo o país rumo à civilização. Seus funerais, em 1922, e o centenário de seu
nascimento, em 1949, amplificaram ainda mais o mito.11
O culto a Euclides da Cunha é outro exemplo. Assassinado em 1909, no auge de
sua vida intelectual, Euclides foi sucessivamente transformado em herói, mito e santo,
através de empreendimentos diversos como discursos fúnebres, conferências, edições e
reedições de sua obra, biografias etc. Seus admiradores criaram instituições em sua
memória (tais como o Grêmio Euclides da Cunha) e organizaram acervos com o objetivo
de preservar e cultuar seus pertences (incluindo seu cérebro). Uma série de eventos
destinados a lembrar o escritor contribuiu para a perpetuação de seu nome e de sua obra.
Assim, as “comemorações euclidianas” ocorridas de 1912 aos dias atuais foram
promovidas em diferentes pontos do país, destacando-se o núcleo de “euclidianos” de São
José do Rio Pardo, cidade do interior paulista onde Euclides viveu (1898-1901), trabalhou
como engenheiro e escreveu sua obra Os sertões (1902), considerada um épico nacional.
No primeiro aniversário da morte do escritor, uma verdadeira “romaria cívica” foi
promovida em sua homenagem, mobilizando a população local, que seguiu em
peregrinação até à cabana onde ele havia escrito seu principal livro. O evento transformou-
se em festa oficial da cidade, com apoio do governo do estado de São Paulo.12

10
CATROGA, “Ritualizações da história”, op. cit., p. 221-230 e 339-348.
11
GONÇALVES, João Felipe. “Enterrando Rui Barbosa: um estudo de caso da construção fúnebre de heróis
nacionais na Primeira República”. Estudos Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n.
25, 2000, p. 135-161.
12
ABREU, Regina. O enigma de Os sertões. Rio de Janeiro, Rocco-Funarte, 1996; Idem. “Entre a nação e a
alma: quando os mortos são comemorados”. Estudos Históricos – Dossiê Comemorações. Rio de Janeiro,
CPDOC-FGV, vol. 7, n. 14, 1994, p. 205-230, versão digital, p. 1-24.

58
Ao estudar a memória construída sobre Capistrano de Abreu é possível sustentar
que seu culto foi iniciado ainda em vida, adquirindo contornos mais definidos após sua
morte, em 1927. Por meio de uma série de atos e discursos é possível observar o
investimento feito sobre o nome de Capistrano por seus contemporâneos e por aqueles que
vieram depois. Entre esses atos e discursos estão a criação da Sociedade Capistrano de
Abreu, no mesmo ano de sua morte; a inclusão de seu nome no rol dos grandes
historiadores nacionais, elaborado durante o Estado Novo (1937-1945); e a comemoração
de seu primeiro centenário de nascimento, em 1953.

2.1. A “sociedade dos bons amigos de Capistrano”: a institucionalização de um culto

A Sociedade Capistrano de Abreu (1927-1969) foi criada por um grupo de notáveis


polígrafos que transitavam entre os mundos da política e das letras, cujas fronteiras são
difíceis de delimitar. Os fundadores eram amigos, admiradores e discípulos do historiador
e com ele conviveram pessoalmente, por vezes, através de constante troca de cartas.
Planejada pouco antes da morte de Capistrano, ganhou vida pouco depois.
Diferenciando-se das academias de ciências, artes e letras, a Sociedade foi
planejada de acordo com o molde das instituições empenhadas em divulgar a obra de seu
patrono e, também, em promover seu culto.13 Mais exatamente, os objetivos eram: guardar
e conservar sua biblioteca e seu arquivo documental; promover a publicação de seus
trabalhos inéditos, incluindo sua correspondência; e reeditar suas obras. Como extensão do
culto, também visava traduzir e publicar textos de viajantes estrangeiros sobre o Brasil,
assim como trabalhos e documentos relativos a temas nacionais, além de premiar estudos
sobre a história, a etnonologia e a lingüística brasileira.14

13
Exemplos de associações que se destacavam no culto a intelectuais, no Brasil entre as décadas de 1920 e
1940, eram: o Grêmio Euclides da Cunha [1911], mencionado anteriormente; e a Sociedade Felipe d‟Oliveira
(1933-1945). Sobre o primeiro, ver ABREU, O enigma de Os Sertões, op. cit., p. 299-365; sobre a segunda,
ver GOMES, Ângela de Castro. “Essa gente importante da Sociedade...”. In: _____. Essa gente do Rio...
Modernismo e Nacionalismo. Rio de Janeiro, FGV, 1999, p. 77-103.
14
Estatutos da Sociedade Capistrano de Abreu. Rio de Janeiro, Sociedade Capistrano de Abreu, 1927. Os
estatutos podem ser facilmente encontrados no final dos livros editados pela Sociedade. Atualmente, a
correspondência da agremiação, assim como outros documentos relativos a sua administração, além da
biblioteca de Capistrano, estão sob a guarda do Instituto Histórico do Ceará, em Fortaleza. Há informações
sobre a Sociedade em AMED, Fernando José. “As edições das obras de Capistrano de Abreu”. História:
Questões & Debates. Curitiba, UFPR, ano 17, n.32, jan./jun. 2000, p. 99-117.

59
Grupo reunido na casa de Capistrano, por ocasião da fundação da Sociedade Capistrano de Abreu – Rio de
Janeiro, 11 de setembro de 1927. Fonte: Revista Fon-Fon. Cópia a partir do exemplar existente na Seção de
periódicos da Biblioteca Nacional.

Grupo reunido em frente à casa de Capistrano, na rua Honorina, em Botafogo, que na ocasião recebeu o
nome de rua Capistrano de Abreu – Rio de Janeiro, 11 de setembro de 1927. Fonte: Revista Fon-Fon. Cópia
a partir do exemplar existente na Seção de periódicos da Biblioteca Nacional.

60
O quadro a seguir apresenta os sócios fundadores do grêmio, trazendo informações
sobre suas respectivas obras e trajetórias.

SÓCIOS FUNDADORES DA SOCIEDADE CAPISTRANO DE ABREU

NOME ATIVIDADES OBRAS PRINCIPAIS


PROFISSIONAIS E POLÍTICAS

Paulo Empresário e mecenas das artes e letras. Autor de Paulística (1925) e Retrato do
Prado Promoveu a edição da Série Eduardo Prado – Brasil (1928).
1869-1943 Para melhor conhecer o Brasil, idealizada por
Capistrano e dedicada à publicação de
documentos históricos. Dirigiu a Revista do
Brasil ao lado de Monteiro Lobato, na fase de
1923 a 1925. Foi um dos patrocinadores da
Semana de Arte Moderna de São Paulo (1922).

Rodolfo Notabilizou-se por seus estudos sobre a história Concluiu a revisão da História Geral do
Garcia das expedições científicas, a etnografia e a Brasil, de Varnhagen, iniciada por
1873-1949 lingüística indígena . Foi anotador, revisor e Capistrano. Autor da introdução ao
prefaciador de livros e documentos. Dirigiu o Catecismo da Doutrina Cristã na Língua
Museu Histórico Nacional (1930-1932) e a Brasílica (1942), além de: Nomes de aves
Biblioteca Nacional (1932). Também foi em língua tupi (1929); Glossário das
bibliotecário do IHGB. palavras e frases da língua tupi (1932);
Nomes geográficos peculiares ao Brasil
(1921), Bibliografia de Geografia do Brasil
(1921). Também organizou o Dicionário
Histórico, Geográfico e Etnográfico do
Brasil, publicado pelo IHGB, e produziu o
Dicionário de Brasileirismos (1915).

João Engenheiro de minas, desenvolveu pesquisas Autor de diversos trabalhos científicos


Pandiá geológicas. Foi deputado federal em várias relativos à mineração. Sua obra com maior
Calógeras legislaturas, tendo sido eleito para a repercussão é As minas do Brasil e sua
1870-1934 Assembléia Nacional Constituinte de 1933. legislação (1904-1905; reeditado pela
Participou de muitos debates sobre questões Brasiliana); Entre seus principais livros
nacionais relevantes em sua época, tornando-se estão: A política exterior do Império (1927-
um notório jornalista, conferencista e escritor. 1933), considerado como seu trabalho
Durante o governo Venceslau Brás, foi ministro historiográfico de maior importância;
da Agricultura, Indústria e Comércio (1914- Formação histórica do Brasil (1930); Os
1915), antes de se tornar ministro da Fazenda jesuítas e o ensino (1911); Rio Branco e a
(1915-1917). Posteriormente, foi ministro da política exterior (1916); A união brasileira
Guerra (1919-1922) durante o governo de (1927); Problemas de governo (1928);
Epitácio Pessoa, tendo participado ativamente Estudos históricos e políticos [1935]; O
de acontecimentos relativos à revolta do Forte marquês de Barbacena (Brasiliana, 1936);
de Copacabana, em 1922. Política monetária do Brasil (Brasiliana);
Problemas de administração (Brasiliana);
Problemas de governo (Brasiliana); Da
regência à queda de Rozas (Brasiliana),
entre outros trabalhos.

Miguel Engenheiro e geólogo. Inspetor geral da É autor de alguns trabalhos sobre geologia,
Arrojado Secretaria de Obras contra as Secas, entre 1909 entre os quais: Oeste de São Paulo, sul de
Lisboa e 1912 e, posteriormente, entre 1920 e 1927. Minas Gerais; geologia, indústria,
1872-1932 mineração, clima, vegetação, solo agrícola,
indústria pastoril (1909).

61
Manuel Lingüista, botânico, zoólogo e geógrafo. Um de seus muitos trabalhos publicados é
Said Ali Colaborou com Capistrano no estudo sobre a Lexicografia do português histórico (1921).
Ida língua dos índios caxinauás. Poliglota, foi Além disso, organizou edições das obras de
1861-1953 professor de alemão no Colégio de Pedro II e Casimiro de Abreu, Gonçalves Dias e
trabalhou como tradutor. Desenvolveu método Castro Alves.
histórico-comparativo aplicado à sintaxe e à
semântica. Além de estudos sobre lingüística,
notabilizou-se como geógrafo ao estabelecer a
divisão climatológica do Brasil e nomear a
região Nordeste.

Teodoro Engenheiro baiano, filho de um padre com mãe Publicou trabalhos sobre a língua tupi, além
Sampaio escrava. Participou da fundação da Escola de estudos sobre geografia. Autor de O rio
1855-1937 Politécnica e do Instituto Histórico e São Francisco e a Chapada Diamantina
Geográfico de São Paulo. Dirigiu trabalhos de (1906), O tupi na geografia nacional e A
abastecimento e saneamento no mesmo estado. exploração dos rios Itapetininga e
Foi assistente do geólogo norte-americano Paranapanema. Revisou e anotou a Viagem
Orville Derby, diretor da Comissão Geográfica ao Brasil (1930), de Hans Staden.
e Geológica do estado de São Paulo,
responsável pela exploração dos rios
Itapetininga e Paranapanema. Destacou-se
como estudioso do tupi.

Edgar Médico, professor e etnógrafo. Participou da Autor de um elogiado estudo antropológico


Roquette- comissão dirigida pelo Marechal Cândido intitulado Rondônia (1917; reeditado pela
Pinto Rondon, em 1912, para construção de linhas Brasiliana). Entre outros títulos, também
1884-1954 telegráficas. Fundou a Rádio Sociedade do Rio publicou Ensaios Brasilianos (Brasiliana,
de Janeiro, em 1923. Participou do Congresso 1933) e Ensaios de Antropologia Brasiliana
Internacional de Americanistas, em 1924. Foi (Brasiliana). Sua vasta obra trata de
diretor do Museu Nacional (1916) e realizou a educação, antropologia, fisiologia, biologia
edição da maior coleção de filmes científicos e eugenia.
do Brasil. Presidiu o I Congresso de Eugenia,
em 1929, tendo sido um ardoroso defensor do
valor positivo da mestiçagem. Integrou o
Movimento de Renovação Educacional do País,
subscrevendo o Manifesto dos Pioneiros da
Educação Nova, em 1932. A convite do
ministro da Educação, Gustavo Capanema,
criou e dirigiu o Instituto Nacional do Cinema
Educativo, entre os anos de 1937 e 1947.
Dirigiu a parte histórica do filme O
Descobrimento do Brasil. Foi membro da
Academia Brasileira de Letras, do IHGB, do
Partido Socialista Brasileiro e do Grêmio
Euclides da Cunha, tendo desempenhado
importante papel na construção da memória
sobre esse escritor.

Afrânio Médico e educador. Foi diretor da Escola Autor de Clima e Saúde: introdução
Peixoto Normal (1915); professor da Faculdade de biogeográfica à civilização brasileira
1876-1947 Direito do Rio de Janeiro; diretor da Instrução (Brasiliana); Castro Alves, o poeta e o
Pública do Distrito Federal (1916); professor de poema (Brasiliana). Escreveu vários
História da Educação do Instituto do Rio de trabalhos sobre medicina, direito, folclore,
Janeiro (1932) e primeiro reitor da história, educação e literatura, além de
Universidade do Distrito Federal (UDF), criada romances e crônicas.
em 1935 e incorporada à Faculdade Nacional
de Filosofia da Universidade do Brasil, em
1939, da qual se tornou professor emérito.

62
Eugênio Comandante da Marinha. Dedicou-se ao estudo Autor do prefácio do Diário de navegação
de Castro da história colonial, das línguas indígenas e da de Pero Lopes de Sousa, 1530-1532,
1882-1947 geografia brasileira, colaborando na revisão e publicado pela SCA, em 1927. Escreveu,
publicação de documentos históricos. também: A expedição de Martim Afonso de
Sousa; Ensaios de geografia lingüística
(Brasiliana); Os franciscanos no Maranhão
(RIHGB, 1924); História tributária do
Brasil (RIHGB, 1915); O ministro Pedro
Lessa (RIHGB, 1923).

Jayme Estudioso do Brasil colonial, desenvolveu Publicou um livro escolar junto com Vicente
Coelho pesquisas sobe a França Antártica, história Tapajós e Agnaldo Pinheiro, intitulado
1887-? antiga e a história da América. Lecionou na Caderno de História da América (2a ed.
Escola de Economia e Direito, da Universidade 1958).
do Distrito Federal, criada em 1935. Também
participou dos anos iniciais da Universidade do
Estado do Rio de Janeiro.

Afonso Foi aluno de Capistrano. Assumiu a direção do Dedicado ao estudo do período colonial, foi
d‟E. Museu Paulista, em 1917, e dos museus do um dos pioneiros na pesquisa do
Taunay Estado de São Paulo, a partir de 1923. Foi bandeirismo paulista. Entre seus muitos
1876-1958 professor da Cadeira de História da Civilização títulos publicados estão: Pedro II
Brasileira, da Faculdade de Filosofia, Ciências (Brasiliana); Rio de Janeiro de antanho:
e Letras da Universidade de São Paulo, entre impressões de viajantes estrangeiros
1934 e 1938. (Brasiliana); Visitantes do Brasil colonial:
séculos XVI-XVIII (Brasiliana); História
seiscentista da vila de São Paulo, em 4 vols.
(1926-1929); História do café no Brasil, em
11 vols (1929-1941); História Geral das
bandeiras paulistas, em 7 vols. (1924-
1936); Escritores coloniais (1925) etc.
Também foi um importante anotador,
destacando-se na revisão de Cultura e
opulência do Brasil, de Antonil;
Nobiliarquia paulistana, de Pedro Taques;
e, História Natural do Brasil, de Jorge
Marcgrave.

Adriano Escritor e funcionário da Companhia de Viação Autor de um romance intitulado Dias de


de Abreu e Obras Públicas. Foi amigo e correspondente maio.
1883-1952 do escritor Lima Barreto.

Com exceção de Adriano de Abreu, filho de Capistrano, todos os fundadores


realizaram pesquisas relevantes para o conhecimento do Brasil e, especialmente, para o
campo de estudos históricos em formação. Mesmo sem conter dados sobre todos os
membros da Sociedade, ao longo de seus 42 anos de existência (1927-1969),15 o quadro

15
Alguns dos membros da Sociedade Capistrano de Abreu, ao longo de seus 42 anos de existência, foram:
Afonso Arinos de Melo Franco, Alberto Rangel, Alceu Amoroso Lima, Alcindo Sodré, Alfredo Ellis Júnior,
Américo Jacobina Lacombe, Barbosa Lima Sobrinho, Cândido Mariano da Silva Rondon, Carlos Malheiro
Dias, Clóvis Beviláqua, Francisco de Assis Carvalho Franco, Gastão Cruls, Guilherme Guinle, Gustavo
Barroso, Hélio Lobo, Hélio Vianna, Henri Hauser, Jonathas Serrano, José Carlos de Macedo Soares, Juarez
Távora, Júlio Mesquita Filho, Luis da Câmara Cascudo, Mário de Andrade, Roberto Simonsen, Rodrigo
Mello Franco de Andrade, Rodrigo Otávio, Rodrigo Otávio Filho, Serafim Leite, Tasso Fragoso, Tobias
Monteiro, Washington Luís.

63
pode ser considerado representativo, por indicar que os estudos realizados pelos
fundadores possuem relação direta com as atividades às quais Capistrano dedicou sua vida:
a historiografia, a geografia, a etnologia e a lingüística indígena.
O grupo enviou carta a diversos nomes da intelectualidade, convidando-os a
participar do grêmio, com os seguintes dizeres:

Amigos e discípulos de Capistrano de Abreu, sabedores de quanto seu admirável


exemplo contribuiu para elevar a intelectualidade de nosso meio, unimo-nos para procurar
tirar os corolários dessa grande vida e prolongar-lhe tempos afora o benéfico influxo.
Desejaríamos que, no mesmo modestíssimo porão, cela monástica onde viveu,
meditou, trabalhou e morreu, se conservasse intacta a biblioteca que lhe serviu de oficina
mental. Catalogada e posta em ordem; enriquecida com livros novos de continuadores dos
mesmos estudos do Mestre, se tornaria o núcleo central de uma forte cultura a bem de
nossa terra e em homenagem de respeito ao grande morto. As obras deste, esgotadas em
sua quase totalidade, seriam reeditadas e completadas; os inéditos que deixou, publicados e
distribuídos. Os valiosos documentos que são as cartas por ele escritas, e as que recebeu,
precioso manancial de estudo destes últimos trinta anos, principalmente em suas
manifestações intelectuais, viriam à luz. Criar-se-iam prêmios, estimulantes para as
investigações históricas, geográficas e etnográficas. Promover-se-ia a tradução para o
vernáculo das obras dos viajantes naturalistas e sábios que percorreram o Brasil no século
XIX, conforme um seu ardente desejo.
Para dar forma e organizar tal grêmio, preito de afeição e de respeito à memória do
brasileiro excepcional que foi Capistrano de Abreu e protesto de continuação de sua obra e
da vitalidade do espírito que o animou, tomamos a iniciativa de propor a todos aqueles que
o amavam e lhe seguiam a direção científica, colaborarem no dever de lhe servir o
pensamento.
Ao amigo convidamos, para esse fim, que nos levará a reunirmos à Travessa
Honorina, n. 45, domingo, 11 de setembro, às 2 horas da tarde.16

16
Carta do Rio de Janeiro, 23/10/1927, assinada por Paulo Prado, João Pandiá Calógeras, Eugênio de Castro,
Miguel Arrojado Lisboa, Adriano de Abreu, Manuel Said Ali Ida, Rodolfo Garcia, Afrânio Peixoto, Teodoro
Sampaio, Jayme Coelho, Afonso de E. Taunay e Edgar Roquette-Pinto. Agradeço a Ítala Byanca Morais da
Silva e Paula Virgínia Pinheiro Batista por terem fornecido a cópia dessa carta, localizada entre os
documentos da Coleção Studart, sob a guarda do Instituto do Ceará. Uma reprodução da carta pode ser
encontrada em MATOS, Pedro Gomes de. Capistrano de Abreu, vida e obra do grande historiador.
Fortaleza, A. Batista Fontenele, 1953, p. 342-343.

64
Um dos fundadores, Eugênio de Castro, recorda os propósitos da recém fundada
agremiação, deixando entrever que o plano de sua criação havia surgido pouco antes da
morte de Capistrano:

(...) Paulo Prado, teve então para quem o acompanhava a confidência de uma idéia
reveladora de fina sensibilidade. E era que, sendo Capistrano de Abreu um guia, um mestre
paternal dos que estudavam e escreviam, bem competiria a estes, discípulos e amigos, o
culto do sábio para além da existência terrena prestes a extinguir-se... Uma academia que
consagrasse tão bela vida votada ao estudo e ao bem, seria em desacordo aos sentimentos
do mestre; mas uma sociedade dos bons amigos de Capistrano... (...) o destino da alada
semente que, levada nas asas da brisa, será, tempo afora, o jequitibá gigante ou a majestosa
palmeira. Nascem os cultos como nascem as árvores.17

Assim, reafirmando a imagem de Capistrano como um homem modesto, avesso a


homenagens, seus admiradores optaram por construir um grêmio a ser regido pela relação
de amizade e afinidade entre os sócios. Apesar de reunir nomes importantes do cenário
político-cultural do país e do exterior, chegou-se a afirmar que a Sociedade Capistrano de
Abreu era “uma das mais modestas sociedades deste mundo”.18 Essa “sociedade dos bons
amigos” aparentemente se dispôs a abrir mão da formalidade, da hierarquia e da pompa
que caracterizavam instituições tradicionais como o IHGB e a Academia Brasileira de
Letras, em prol de algo mais “humilde”, mas nem por isso menos ambicioso, como se pode
deduzir das palavras de outro fundador, Paulo Prado:

A Sociedade Capistrano de Abreu, criada num ímpeto de devoção e saudade, logo após a
sua morte, empreendeu a tarefa de continuar, na medida das suas forças, esse trabalho
monumental que o Mestre animava e desenvolvia. A Sociedade é pobre como foi
Capistrano. Como ele, vive modestamente; não tem presidente, nem vice-presidente, nem –
graças a Deus – orador oficial. Mas alimenta, na humildade, uma fervorosa ambição – a de
trabalhar, como queria Capistrano, para “melhor se conhecer o Brasil”.19

Esse propósito de “conhecer o Brasil” vincula-se ao processo de reflexão sobre o


país observável desde fins do século XIX. A busca das particularidades capazes de definir
17
CASTRO, Eugênio. “Sociedade Capistrano de Abreu”. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, vol.
IV, n.1, março de 1928, p. 11-12.
18
Ver FRANCO, Afonso Arinos de Melo. “Capistrano”. A Manhã. Suplemento literário Autores & Livros,
ano 10, vol. VI, n. 5, 06/02/1944, p. 71. Originalmente publicado em A Manhã, 25/10/1941.
19
PRADO, Paulo. “Capistrano”. O Estado de São Paulo, 26/09/1928, p. 3.

65
os contornos de uma identidade nacional brasileira mobilizou os “homens de letras”, que
através da literatura, da escrita da história, dos compêndios de geografia e língua pátria,
dos debates sobre temas políticos e sociais, dos estudos sobre geologia, fauna e flora, das
pesquisas sobre língua indígena etc., propuseram interpretações sobre a formação da
nacionalidade, em um processo incessante que se estendeu da década de 1870 até os anos
1950, com notável repercussão nas décadas seguintes.20
Gerações de pensadores se dedicaram ao estudo do Brasil e de seus habitantes, por
vezes afirmando a inexistência de um povo brasileiro ou da própria nação. 21 Esse empenho
em conhecer as particularidades nacionais foi marcado pelas discussões acerca da
modernidade, observando-se a existência de variados projetos relativos à modernização
nacional desde a década de 1870. Os anos 1920, 30 e 40 foram importantes nesse processo.
Ao longo desse período, operou-se uma releitura do passado, que incluiu a revisão das
interpretações até então produzidas. O ambiente era favorável à exaltação da nacionalidade
e de tudo aquilo que pudesse ser lido como uma contribuição para a captação da
brasilidade (espécie de essência do ser brasileiro) e a compreensão do passado, do presente
e do futuro do país.22
Supostamente, foi entre o final dos anos 20 – quando a Sociedade Capistrano de
Abreu foi criada (1927) – e o início dos anos 1950, quando se deu a comemoração do
primeiro centenário de nascimento de Capistrano (1953), que a agremiação erigida em sua
homenagem desenvolveu suas principais atividades, ainda que tenha perdurado até o final
dos anos 60.23 Em 1953, José Honório Rodrigues se destacou como organizador de uma
exposição sobre Capistrano, montada no saguão da Biblioteca Nacional, em 22 de outubro.

20
Alguns autores se referem a esse processo de reflexão sobre a identidade nacional brasileira como um
movimento de “redescobrimento do Brasil”. Ver, por exemplo: MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da
cultura brasileira, 1933-1974. 8a edição. [1a edição 1977]. São Paulo, Ática, 1994, p. 27; GOMES, Ângela de
Castro. “O redescobrimento do Brasil”. In: _____. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro, IUPERJ-
Vértice, 1988, p. 205-228; OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A questão nacional na Primeira República. São Paulo,
Brasiliense, 1990; Idem, “A redescoberta do Brasil nos anos 1950: entre o projeto político e o rigor
acadêmico”. In: MADEIRA, Angélica e VELOSO, Mariza (Orgs.). Descobertas do Brasil. Brasília, UnB,
2000, p. 139-161; Idem, “Cultura e identidade nacional no Brasil do século XX”. In: GOMES, Ângela de
Castro, PANDOLFI, Dulce Chaves e ALBERTI, Verena (Coord.). A República no Brasil. Rio de Janeiro,
Nova Fronteira – CPDOC, 2002, p. 338-369; ORLANDI, Eli Puccinelli (Org.). Discurso fundador: a
formação do país e a construção da identidade nacional. 3a edição. São Paulo, Pontes Editores, 2003.
21
NAXARA, Márcia Capelari. Estrangeiro em sua própria terra: representações do brasileiro, 1870/1920.
São Paulo, Annablume, 1998.
22
FABRIS, Annateresa. “Modernidade e vanguarda: o caso brasileiro”. In: _____ (Org.). Modernidade e
modernismo no Brasil. Campinas, Mercado das Letras, 1994, p. 9-25.
23
As últimas anotações no Livro de Atas da Sociedade Capistrano de Abreu datam de 1969. Devo essa
informação a Ítala Byanca Morais da Silva e a Paula Virgínia Pinheiro Baptista, que participaram da
organização do Fundo da SCA, sob a guarda do Instituto do Ceará, e que vêm desenvolvendo estudo sobre a
agremiação e sobre a correspondência de Capistrano, respectivamente.

66
Desde essa época, ele passou a ser o nome mais expressivo da Sociedade, afirmando-se
como o principal divulgador dos trabalhos de Capistrano, prefaciando suas obras –
inclusive sua correspondência, reunida e lançada em livro em 1954 – e produzindo artigos,
sempre valorizando suas contribuições para a historiografia brasileira.24
As atividades da Sociedade Capistrano de Abreu coincidiram, portanto, com um
período de expressivas transformações políticas e culturais no Brasil, às quais, bem ou mal,
os “bons amigos” procuraram se adaptar. Foi em meio a acontecimentos significativos
como a Revolução de 1930 e a períodos marcantes como o Estado Novo (1937-1945), só
para citar dois exemplos, que a instituição se afirmou como um local capaz de reunir
nomes expressivos da intelectualidade, que apesar de pertencerem a diferentes gerações e
postular distintas tendências políticas, científicas e/ou literárias, julgaram oportuna a
participação em um grêmio dedicado a homenagear aquele que podia ser tido por muitos
como o iniciador de um movimento de “descobrimento” do Brasil, através do estudo da
formação da nacionalidade. Muitos dos “amigos de Capistrano” possuíam em comum o
fato de participar do aparelho de Estado antes e durante o Estado Novo, desempenhando
papéis relevantes na produção cultural, através do lançamento de revistas e livros; da
organização de projetos editoriais; e da atuação em instituições ligadas à educação e à
cultura, inclusive nas universidades criadas a partir de 1934.
Em meio a diversos empreendimentos que visavam o conhecimento do Brasil,
promovidos por outras instituições, a Sociedade realizou concursos com o objetivo de
incentivar pesquisas inéditas sobre a história nacional, mais exatamente, sobre o período
colonial, ao qual seu patrono estava ligado. Uma lista de trabalhos contemplados com o
Prêmio Capistrano de Abreu pode ser vista no quadro a seguir:

Trabalhos premiados pela Sociedade Capistrano de Abreu


(Prêmio Capistrano de Abreu)

Publicação Autor Ano da Ano da Editora


premiação publicação
Anchieta e a Antônio de Alcântara 1928 1929 Livraria
capitania Machado Briguiet
de São Vicente
Os companheiros Francisco de Assis 1928 1929 Livraria
de D. Francisco de Carvalho Franco Briguiet
Souza
O Vale do São Luiz Flores 1935 - -
Francisco de Moraes Rego

24
Ver AMED, “As edições das obras de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 106.

67
Ao lado da Série Eduardo Prado – Para melhor conhecer o Brasil, idealizada por
Capistrano e organizada por Paulo Prado,25 as (re)edições financiadas pela Sociedade
podem ser lembradas como precursoras de um movimento editorial que adquiriu grande
importância a partir dos anos 1930, quando surgiram coleções de maior vulto, tais como a
Coleção Brasiliana (1931), publicada pela Companhia Editora Nacional; a Documentos
Brasileiros (1936), da Editora José Olympio e a Biblioteca Histórica Brasileira (1940), da
Livraria Martins Editora. De modo geral, o objetivo de tais coleções era reunir estudos
nacionais e estrangeiros sobre o Brasil, com destaque para as pesquisas históricas.26
Os membros da Sociedade Capistrano de Abreu procuraram construir uma
instituição representativa do “Brasil estudioso”. Como disse José Honório Rodrigues,
lembrando o discurso de Miguel Arrojado Lisboa durante a inauguração do grêmio,
tratava-se do encontro de uma “elite apurada, representativa de nossa melhor
intelectualidade e de nosso pensamento contemporâneo”, que ali se reunia
espontaneamente, “sem concerto”.27 Sobretudo, parecem ter se empenhado em deixar uma
marca no campo editorial, compreendendo que o apoio a publicações correspondia a uma
espécie de missão, menos capaz de gerar lucro financeiro do que angariar capital
intelectual e político. Além disso, pode-se supor que o culto daquele que era considerado
por muitos como o maior historiador do Brasil também garantia prestígio aos sócios, visto
que os estudos de tipo historiográfico estabeleciam uma espécie de paradigma do
pensamento social da época. Isso pode ser deduzido, por exemplo, a partir da análise da
prestigiada Coleção Brasiliana, onde o gênero mais publicado entre os anos 30 (25%) e 40
(27%) era a história.28

25
A Série é composta por cinco títulos: Primeira visitação do Santo Ofício às partes do Brasil, pelo
licenciado Heitor Furtado de Mendonça – Confissões da Bahia, 1591-1592 (1922); Histoire de la mission
des peres capucins em l’isle de Maragnon et terres circunvoisines, de Claude d‟Abbeville (1922);
Denunciações da Bahia, 1591-1593 (1925); Diário de navegação de Pero Lopes de Sousa, 1530-1532
(1927); e Denunciações de Pernambuco, 1593-1595 (1929).
26
Ver: PONTES, Heloísa. “Retratos do Brasil: editores, editoras e „Coleções Brasiliana‟ nas décadas de 30,
40 e 50”. In: MICELI, Sérgio (Org.). História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo, Vértice, 1989, vol.
1, p. 359-409.
27
RODRIGUES, José Honório. “Introdução”. In: ABREU, Capistrano de. Correspondência. Organizada e
prefaciada por José Honório Rodrigues. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1977, vol. 1, p. 27.
28
PONTES, op. cit., p. 392. A Coleção Brasiliana integrava a Biblioteca Pedagógica Brasileira, composta
por outras quatro coleções: Literatura Infantil, Atualidades Pedagógicas, Livros Didáticos e Iniciação
Científica. A Biblioteca foi organizada por Fernando de Azevedo, que também dirigiu as coleções Livros
Didáticos e Brasiliana, que, a partir de 1958, passou a ser dirigida por Américo Jacobina Lacombe, membro
da Sociedade Capistrano de Abreu. Entre 1931 e 1969, a Brasiliana publicou 211 autores e 307 títulos, que
tratavam de assuntos diversos, tais como: história, geografia, biografia e memória, educação, medicina,
folclore, arqueologia, botânica etc. De acordo com Ítala Byanca Morais da Silva, dos 307 título publicados na
Coleção Brasiliana, no período de 1931 a 1969, 89 foram escritos por 41 membros da Sociedade Capistrano

68
Um ano após a criação da Sociedade, Paulo Prado lembrou o acontecimento:

Neste mês de setembro faz um ano que se instalou no Rio de Janeiro a Sociedade
Capistrano de Abreu. Funciona no humilde porão da travessa Honorina, hoje rua
Capistrano de Abreu, e que foi nestes últimos anos o verdadeiro centro intelectual do Brasil
estudioso. Aí ainda estão, intactos como os deixou Capistrano, os livros poeirentos e
usados pelo contínuo manuseio, as pilhas de velhos jornais e revistas, a rede cearense, e, na
parede, a folhinha com a data fatídica do seu falecimento – 13 de agosto. Como nas manhãs
de longas palestras, neste quarto de estudante continua a dirigir e acoroçar os discípulos a
presença espiritual do Mestre.29

Além do apoio a publicações, observa-se o empenho do grêmio na construção de


um local de culto a Capistrano, que deveria servir como centro de referência para os
estudos sobre o Brasil. Uma espécie de mística foi elaborada em torno da casa onde ele
morou por algum tempo e morreu, que nas recordações aparece como “uma cela
monástica” ou um “porão escuro” e empoeirado, repleto de livros, jornais e documentos,
além da rede cearense, objeto freqüentemente associado ao historiador, que remete a sua
origem nordestina e a sua suposta e valorizada ancestralidade indígena. Um “quarto de
estudante”, conforme a visão de Paulo Prado. Imagem adequada à memória de um
intelectual a ser lembrado como uma espécie de mestre que é um eterno aprendiz, devido a
sua capacidade de leitura e interesse pela pesquisa.
Mas, os principais investimentos na perpetuação do nome de Capistrano parecem
ter sido mesmo a elaboração de biografias30 e a reedição sistemática de suas obras. O
levantamento dos trabalhos com teor biográfico, publicados entre 1927 e 1969 (ano em que
se registram as últimas reuniões do grêmio), permite observar que muitos foram escritos
por intelectuais que eram ou viriam a ser membros da Sociedade, conforme pode ser
verificado no seguinte quadro:

de Abreu, demonstrando a participação efetiva de parte do grupo no movimento editorial de


“redescobrimento do Brasil” ocorrido nos anos 30 e 40. Ver SILVA, Ítala Byanca Morais da. Por entre
livros, manuscritos e cartas: a Sociedade Capistrano de Abreu e a construção da memória do “Mestre” e
“Amigo” (1927-1969). Projeto de pesquisa de Mestrado. Fortaleza, 2005, p. 14. Entre os autores que mais
publicaram na Coleção está João Pandiá Calógeras, sócio fundador da Sociedade, autor de 8 títulos.
29
PRADO, “Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 3.
30
As biografias sobre Capistrano de Abreu são analisadas no capítulo 3.

69
Textos de teor biográfico sobre Capistrano de Abreu
Título Ano Formato Autor
Capistrano de Abreu: 1931 Separata de discurso Alba Canizares
o Homem e a Obra (Primeiro ensaio Nascimento
crítico-biográfico)
Há cem anos nascia 1952 Separata de artigo publicado Raimundo de
Capistrano de Abreu em periódico Menezes
Capistrano de Abreu: 1953 Livro Hélio Vianna
ensaio biobibliográfico
A vida de Capistrano de Abreu 1953 Conferência publicada em Rodrigo Otávio
(Curso Capistrano de Abreu) periódico Filho
Considerações sobre Capistrano de 1953 Conferência publicada em Mozart Monteiro
Abreu periódico
(Curso Capistrano de Abreu)
Capistrano de Abreu – historiador 1953 Conferência publicada em Barbosa Lima
(Curso Capistrano de Abreu) periódico Sobrinho
Capistrano de Abreu 1953 Conferência publicada em Edgar de Castro
(Conferência no Ministério da periódico Rabello
Educação e Cultura)
Capistrano de Abreu 1953 Conferência publicada em Jayme Coelho
(Conferência na SCA) periódico
Capistrano de Abreu 1953 Discurso publicado em Afonso d‟E. Taunay
(Oração proferida no IHGSP) periódico
Capistrano de Abreu: um homem que 1956 Livro Raimundo de
estudou Menezes
Capistrano de Abreu: tentativa 1969 Livro José Aurélio Saraiva
biobibliográfica Câmara

Quanto às reedições, a Sociedade reuniu os trabalhos publicados por Capistrano em


vida, incluindo os livros e um considerável volume de artigos, resenhas críticas e prefácios
até então dispersos em jornais, revistas e outras publicações. A lista de trabalhos reeditados
ou publicados com o apoio do grêmio pode ser vista no quadro a seguir:

(Re)edições das obras de Capistrano de Abreu promovidas


pela Sociedade Capistrano de Abreu31

Publicação Ano Editora

Capítulos de História Colonial (1500-1800) – 2a edição (1a edição, 1907) 1928 Tipografia
Leuzinger
O Descobrimento do Brasil – 2a edição (1a edição, 1883) 1929 Tip. Anuário
do Brasil
Caminhos antigos e povoamento do Brasil (coletânea) 1930 Livraria
Briguiet
Ensaios e Estudos (Crítica e História), 1a série (coletânea) 1931 Livraria
Briguiet

31
Ver ABREU, Capistrano de. Ensaios e Estudos: crítica e história, 3a série. 2a edição. Rio de Janeiro,
Sociedade Capistrano de Abreu - Livraria Briguiet, 1969.

70
Ensaios e Estudos (Crítica e História), 2a série (coletânea) 1932 Livraria
Briguiet
Capítulos de História Colonial (1500-1800) – 3a edição 1934 Livraria
Briguiet
Primeira visitação do Santo Ofício às partes do Brasil, pelo licenciado 1935 Livraria
Heitor Furtado de Mendonça (Confissões da Bahia, 1591-1592), com Briguiet
prefácio de Capistrano de Abreu – Série Eduardo Prado: Para melhor
conhecer o Brasil – 2a edição (1a edição, 1922)
Ensaios e Estudos (Crítica e História), 3a série (coletânea) 1938 Livraria
Briguiet
Rã-txa-Hu-ni-ku-i – A língua dos caxinauás do rio Ibuaçú, afluente do Marú 1941 Livraria
(Prefeitura de Tarauacá), acrescida de emendas do autor e estudo crítico de Briguiet
Theodor Koch-Grünberg – 2a edição (1a edição, 1914)
Capítulos de História Colonial (1500-1800) – 4a edição, revista, anotada e 1954 Livraria
prefaciada por José Honório Rodrigues Briguiet
Ensaios e Estudos (Crítica e História), 3a série – 2a edição (1a edição 1938) 1969 Livraria
Briguiet
Capítulos de História Colonial (1500-1800) – 5a edição, revista, anotada e 1969 Livraria
prefaciada por José Honório Rodrigues Briguiet

Segundo Fernando José Amed, as edições eram feitas com dupla tiragem, sendo
que a primeira tinha maior número (de 1000 a 2050 exemplares). A segunda (de 125 a 150
exemplares) era publicada em papel especial e, às vezes, trazia um retrato de Capistrano,
sendo destinada aos membros da Sociedade. Os livros editados eram numerados e
autenticados pela instituição através de uma marca d‟água em que aparecia o símbolo da
entidade e o nome da cidade do Rio de Janeiro. Ao final de cada edição estavam os
Estatutos e a relação de nomes que compunham a Comissão Executiva para o triênio em
vigência, antecedendo a relação dos membros em ordem alfabética. Havia, também, espaço
para divulgar os nomes daqueles que haviam recebido o Prêmio Capistrano de Abreu,
assim como, para homenagear os sócios falecidos.32
Nos Estatutos previa-se a existência de um número limitado de sócios, que não
deveria exceder a 110 membros efetivos e 30 honorários ou correspondentes. As vagas
deveriam ser preenchidas através de eleição, havendo preferência pelos autores de estudos
premiados pela própria associação. Através de reuniões anuais – que deveriam acontecer
no aniversário de Capistrano, comemorado no dia 23 de outubro –, das possíveis reuniões
extraordinárias (“assembléias sociais”) e da correspondência trocada pelos sócios, a
Sociedade construiu uma rede de intelectuais dedicados ao estudo do Brasil. Em seu

32
AMED, “As edições das obras de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 102-103.

71
primeiro triênio (1927-1930), a relação dos membros do grêmio continha noventa e oito
nomes, incluindo os doze fundadores, três sócios honorários e quatro correspondentes.33
A instituição sustentava-se com o apoio financeiro de seus sócios efetivos,
mantendo-se aberta a receber donativos extraordinários. De acordo com os Estatutos, o não
pagamento da anuidade implicava na renúncia do sócio devedor, com abertura de nova
vaga. Devido ao fervor com que se dedicavam à memória de Capistrano, os membros mais
eminentes ficaram conhecidos como “viúvas de Capistrano”.34
No caso do culto a escritores e intelectuais – cujas atividades são identificadas
pelos signos da razão e da sensibilidade – observa-se uma mudança de perspectiva no
cenário europeu. Fernando Catroga chama a atenção para uma certa desvalorização do
escritor/intelectual no período após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), em função
das dúvidas acerca da sua capacidade de gerar consensos. Tais atores sociais passaram a
ser alvo de críticas cada vez mais especializadas, sendo eventualmente homenageados
através da realização de empreendimentos de alcance relativamente limitado.35 Contudo,
no Brasil, a crise do pós Guerra ampliou o espaço de ação dos “homens de letras”,
favorecendo a repercussão de muitos nomes. Assim, ainda era possível localizar quem os
valorizasse como objeto de culto e recordação, com o objetivo de criar consensos e
promover a integração em torno de algo a ser compartilhado. Em meio a uma voga
nacionalista e às discussões sobre a modernidade, o culto aos heróis nacionais tinha seu
lugar, havendo espaço para homenagear aqueles que até então haviam se dedicado ao
estudo da nacionalidade.
Um exemplo da permanência dessa espécie de aura de sacralidade em torno de
alguns “homens de letras” no Brasil após a I Guerra Mundial é o já mencionado caso de
Rui Barbosa, cujo jubileu cívico-literário foi comemorado com grandiosidade em 1918.
Além disso, a atuação dos letrados nas comemorações do Centenário da Independência
(1922); o engajamento de muitos deles em organizações cívico-patrióticas, como a Liga de
Defesa Nacional, criada em 1916, e a Ação Social Nacionalista, de 1920; assim como, a
participação em eventos ligados à Semana de Arte Moderna de São Paulo, em 1922,
também contribuíram para dar projeção a muitos intelectuais e artistas, empenhados na

33
Ver carta-convite dos fundadores, op. cit. e, também, os Estatutos, op. cit.
34
PEIXOTO, Afrânio. “Capistrano de Abreu, humorista”. A Manhã. Suplemento literário Autores & Livros,
ano 10, vol. VI, n. 5, 06/02/1944, p. 71.
35
CATROGA, “Ritualizações da história”, op. cit., p. 348.

72
divulgação de manifestos e na discussão sobre as formas de inserção do país na
modernidade, que mobilizou grupos por todo o Brasil.36
O culto público a Capistrano de Abreu parece ter começado a se esboçar nessa
época. Por ocasião de seu septuagésimo aniversário, em 1923, cogitou-se a possibilidade
de comemorar o acontecimento com uma festa nacional.37 Contudo, em carta a Pandiá
Calógeras, Capistrano demonstra irritação pela idéia:

Segundo sou informado, trama-se para meu próximo aniversário uma patuléia, poliantéia,
ou cousa pior e mais ridícula, se for possível. Aos meus amigos previno que considero a
tramóia como profundamente inamistosa. Não poderei manter relações com quem assim
tenta desmoralizar-me. Custe o que custar.38

O culto a si mesmo e a outros nomes parecia desagradá-lo. Quando, em agosto de


1918, foi comemorado o jubileu cívico-literário de Rui Barbosa (1849-1923), Capistrano
chegou a comentar que pretendia não sair de casa durante os dias da festa, pois temia que o
queimassem como herege.39 Desdenhava publicamente o gosto por elogios e homenagens
que identificava em Rui Barbosa. Transformado em ícone vivo do Brasil culto, Rui era
alvo das críticas de Capistrano, que, embora reconhecesse algumas de suas decantadas
qualidades – tais como a educação, a memória, a capacidade oratória e analítica –, não se
eximia de apontar aquilo que considerava como defeitos: a “falta de cultura filosófica”, as

36
Ver MOTTA, Marly Silva da. A nação faz cem anos: a questão nacional no centenário da independência.
Rio de Janeiro, FGV, 1992; e OLIVEIRA, A questão nacional na I República, op. cit., p. 148-158. É
importante lembrar que em meio a essa ampla e valorizada atuação dos “homens de letras” no espaço
público, também havia críticas à intelectualidade. Tristão de Athayde (Alceu Amoroso Lima), por exemplo,
denunciou a postura intelectual daqueles que, segundo ele, haviam se afastado da ação política e social.
Criticava, sobretudo, a boêmia literária do pós-1889 e o artificialismo, que julgava predominar no mundo das
letras. Ver ATHAYDE, Tristão de. “Política e Letras”. [1924]. In: CARDOSO, Vicente Licínio (Org.). À
margem da história da república. São Paulo: Ed. Nacional, 1979, p. 47-79.
37
Ver OCTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 49; LEÃO, Múcio. “Capistrano de
Abreu e a cultura nacional”. Conferência pronunciada no IHGB, em 30/09/1953. Revista do IHGB, vol.221,
p. 118, out./dez. 1953. Um texto que ajuda a reforçar a idéia de que o culto a Capistrano teve início quando
ele ainda estava vivo é GAMA, Domício da. “Capistrano de Abreu”. Revista do Brasil, n. 103, julho 1924, p.
193-197. Trata-se de um elogio ao historiador, visto por Gama como “o mais notável intelectual” que já
encontrara. O autor observa que ainda não havia sido feito um estudo da personalidade de Capistrano e
sugere que o façam enquanto ele ainda estava vivo e podendo colaborar na elaboração do próprio retrato, se
inteirando do “reconhecimento que lhe devem todos os interessados no conhecimento e trato do Brasil
passado, presente e futuro”. Ibidem, p. 194.
38
Carta a João Pandiá Calógeras, “dia do corpo de deus, 1923”. In: ABREU, Capistrano de.
Correspondência. 2a edição. Organizada e prefaciada por José Honório Rodrigues. Rio de Janeiro,
Civilização Brasileira; Brasília, MEC, 1977, vol. 1, p. 407-408. Todas as cartas de e para Capistrano aqui
reunidas foram extraídas dessa publicação. Em função disso, a nota de referência mencionará apenas o nome
do destinatário, a data da carta, o volume e a página.
39
Em tom de humor, Capistrano disse a João Lúcio de Azevedo: “Pretendo não sair durante os três dias do
jubileu: são capazes de me queimar como hereje (sic)”. Carta a João Lúcio, de 07/08/1918, vol. 2, p. 109.

73
contradições, a versatilidade com que mudava de “patrões” e o interesse pela
autopromoção.40 Pouco antes, em 1917, Capistrano havia recusado um prêmio concedido
pelo IHGB ao seu estudo sobre a língua dos caxinauás. Fazendo jus à imagem de homem
modesto (e seguindo um precedente aberto por Francisco Adolfo de Varnhagen, no século
XIX), considerou o medalhão de ouro que lhe foi concedido como uma “entaladela bem
desagradável para quem como eu abomina a Satanás com todas as suas pompas e obras”.41
As comemorações em torno do Centenário da Independência, em 1922, haviam
contribuído para colocar a questão nacional na ordem do dia, estimulando a elaboração de
um novo panteão cívico. Além de personagens do passado, esse panteão deveria incluir
aqueles que eram então considerados como os melhores representantes de um Brasil que se
quer culto e civilizado: os “homens de letras”, vistos como capazes de compreender e
explicar a nação.
Nesse mesmo momento, uma revisão da historiografia brasileira se operava e o alvo
principal era a produção de Varnhagen, diretamente associada ao Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro, ambos vistos como emblemas de uma tradição de estudos que se
queria ver superada. Ao longo das primeiras décadas republicanas, muitos consideravam
que a origem dos problemas nacionais estaria nas raízes culturais, no elemento português,
caracterizado como retrógrado e atrasado. O tom dominante era o da crítica à época
colonial e à influência portuguesa sobre as letras, incluindo a escrita da história, cujo
referencial era Varnhagen e sua História Geral do Brasil, publicada pela primeira vez na
década de 1850.42 De modo geral, criticava-se a historiografia e os historiadores, que
insistiam em lembrar “mazelas e desacertos” da história brasileira, ao invés de apontar
motivos para celebrar o passado. Desde o final do século XIX, a interpretação da história
do Brasil dava ênfase ao tema da formação da nacionalidade através da constituição do

40
Carta a João Lúcio de Azevedo, de 26/03/1919, vol. 2, p. 117-120.
41
Carta a Afonso Taunay, de 03/04/1918, vol. 1, p. 293-294.
42
MOTTA, A nação faz cem anos, op. cit., p. 19. Arno Wehling identifica duas correntes principais da crítica
historiográfica nos anos vinte e trinta: a revisionista e a tradicional. A primeira rejeita o paradigma de
Varnhagen, interpretado como autor de uma história do Brasil em continuidade com a história de Portugal,
que valoriza a colonização, dando grande importância a Casa de Bragança. O crítico principal desse
paradigma nos anos vinte teria sido Manoel Bomfim, posteriormente seguido por nomes como Gilberto
Freyre, Caio Prado Jr., Roberto Simonsen e Sérgio Buarque de Holanda. A segunda corrente apresenta uma
releitura da obra de Varnhagen, que preserva suas principais interpretações. Entre os nomes relacionados a
essa releitura estão: Oliveira Lima, João Pandiá Calógeras, Oliveira Vianna, Rodolfo Garcia, Max Fleiuss,
Afonso Taunay, Pedro Calmon, Hélio Vianna e Américo Jacobina Lacombe. Ver WEHLING, Arno. Estado,
História, Memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999,
p. 204-210. É interessante observar que muitos desses nomes, relacionados à vertente mais “tradicional” da
historiografia, encontram-se diretamente ligados a Capistrano de Abreu, como discípulos ou pares, sendo que
o “destino” do mestre foi muito diferente, não pairando dúvidas acerca do caráter inovador da obra de
Capistrano, considerado uma referência para a moderna historiografia brasileira.

74
território. Assim, a escrita da história deveria narrar os grandes feitos que contribuíram
para a posse da terra em meio às adversidades.43 Essa ênfase ganhou novo fôlego no
período entre guerras.
O horizonte de expectativas da crítica em relação à historiografia era limitado por
alguns parâmetros principais. Desde a década de 1870, a crítica literária se caracterizava
pela rigidez ética, expressa através da defesa de valores com base em critérios sociológicos
e/ou retóricos; pelo pragmatismo; pela ausência de teorização; e pela indefinição de
conceitos. Sobre esse quadro comum, desenvolviam-se diferentes estratégias de crítica, em
meio à demanda por explicações sobre as particularidades do Brasil e a especificidade de
ser brasileiro. Valorizava-se o ensaio literário e histórico – onde se destacavam as noções
de raça e natureza –, capaz de permitir a associação eclética de teorias e conhecimentos dos
mais variados.44

De modo geral, dois aspectos pareciam guiar a recepção dos trabalhos


historiográficos. Um deles dizia respeito à metodologia utilizada e, o outro, ao grau de
patriotismo suscitado pelas interpretações. Não havia incongruência entre a exigência de
um método de pesquisa apoiado no empirismo e suposições ontológicas, inspiradas em
concepções naturalistas, que, de modo teleológico, observavam o passado como um
prenúncio determinante e necessário do presente. Defendia-se a adoção de novas
orientações metodológicas nos estudos históricos a fim de melhor adequá-los ao seu
principal fim: a valorização da nação. Com o avanço do século XX, se tornou cada vez
mais explícito que a escrita da história deveria seguir os cânones de uma “moderna
metodologia”, valorizando a pesquisa em arquivos. Além disso, as interpretações
precisavam suscitar patriotismo, a ser expresso através de um novo tipo de narrativa. Esta
não deveria estar preocupada com a listagem de nomes e datas, mas com a construção de
relações capazes de estimular, tanto o conhecimento da formação territorial do país e de
sua gente, quanto o amor pela história nacional.45

Importa destacar que, ao longo da década de vinte, Capistrano era identificado


como o grande historiador nacional. Sua morte em 1927 contribuiu para ampliar seu valor,

43
LUCA, Tânia Regina de. “História e geografia: revalorização da nação”. In: _____. A Revista do Brasil:
um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo, 1999, p. 90 e 97.
44
LIMA, Luiz Costa. “A crítica literária na cultura brasileira no século XIX”. In: _____. Dispersa demanda:
ensaios sobre literatura e teoria. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1981, p. 41-43 e 47; VENTURA, Roberto.
Estilo Tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo, Companhia das
Letras, 1991, p. 41.
45
LUCA, op. cit., p. 95-96; ver, também GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores. Rio de
Janeiro, FGV, 1996, especialmente o capítulo 3, p. 75-124.

75
em um cenário onde alguns nomes ligados ao mundo intelectual se destacavam como
referenciais. Machado de Assis dividia opiniões entre aqueles que o consagravam como o
maior romancista do país e aqueles que o identificavam como representante máximo de
uma literatura passadista a ser esquecida. Euclides da Cunha era lido como o grande autor
nacional, vinculado ao tema da formação da nacionalidade e do território, assim como, à
análise de cunho sociológico. Rui Barbosa havia sido transformado em símbolo da nação
civilizada e culta. Nesse cenário, onde pontuavam nomes principais, Capistrano encontrou
seu lugar como o maior historiador do país. Mesmo não tendo escrito a tão esperada
história do Brasil, podia ser valorizado como o único que, efetivamente, poderia tê-la
escrito devido a, pelo menos, duas razões principais: a vasta erudição e o método. Seu
modo de escrever também despertava admiração e sua trajetória como homem do interior
que venceu na capital, através de esforço próprio e talento singular, era digna de ser
lembrada.
Ao longo dos anos 1930, o culto a Capistrano de Abreu se ampliou através de
homenagens, que iam além da Sociedade erigida em seu nome. Em 1931, por exemplo,
surgiu o primeiro trabalho de cunho biográfico escrito sobre ele: Capistrano de Abreu, o
homem e a obra, de Alba Canizares Nascimento. Trata-se, originalmente, de um discurso
pronunciado por ocasião da entrada da autora na Academia Carioca de Letras. Eleita
membro efetivo, fez o elogio de Capistrano, patrono de sua cadeira e, com o apoio da
Sociedade Capistrano de Abreu, publicou um extrato de seu discurso na forma de livro.
Escrevendo em meio a uma “atmosfera de culto”, Alba Canizares afirmou que:

Não poucas vezes vieram-me lágrimas aos olhos à emoção da obra formidável de
Capistrano de Abreu, o sábio modesto, magnânimo, desprendido como Diógenes, cuja vida
profícua e votada ao saber das cousas do Brasil é monumento de inteligência, desmarcada e
laboriosa cultura, grandeza d‟alma e patriotismo fecundo.46

Paralelamente, o historiador era criticado por alguns de seus pares. Para Manoel
Bomfim, por exemplo, Capistrano de Abreu era “um grande pensamento votado à história
do Brasil, superior a doutrinas e a consagrações”, que “timbra em ser apenas, um lúcido e
incansável pesquisador, a organizar bom material para a verdadeira história do Brasil”.47

46
NASCIMENTO, Alba Canizares. Capistrano de Abreu: o homem e a obra. Rio de Janeiro, Briguiet, 1931,
p. [2] da nota de Esclarecimento. A publicação não tem as páginas numeradas.
47
BOMFIM, Manoel. O Brasil na História: deturpação das tradições, degradação política. Rio de Janeiro,
Francisco Alves, 1930, p. 137. Sobre a crítica de Bomfim à historiografia e aos historiadores do Brasil, ver:

76
Porém, ele não é poupado da observação de que, embora pudesse ter aceitado ser o autor
da “verdadeira história nacional”, a “modéstia e um rigoroso objetivismo o tem afastado de
tal tarefa”. Disse Bomfim a seu respeito:

Não que lhe falte horizonte de idéias, nem capacidade de generalização e segurança de
conceitos, ou senso crítico, para estender o pensamento por toda a realidade do Brasil (...)
No entanto, quem tenha tratado com esse puro espécime de homem de ciência – a sua
ciência, guarda a convicção de que ele jamais se atirará a uma obra de conjunto, que tanta
vez exige – afirmar por simples dedução, ou compor em imaginação, a projetar conceitos
sem outro sustentáculo além da pura lógica. Pesquisador intransigente prendeu-se ao
regime mental do rigoroso objetivismo. Eis a significação da sua obra.48

Para João Ribeiro, embora Capistrano fosse considerado “o maior historiador


brasileiro”,

Não tinha o espírito de coordenação essencial a um plano geral da nossa história. Escreveu
fragmentos, prefácios, excursos e dissertações incompletas. Sabia começar e começou
muitas vezes, mas não sabia acabar e de fato não acabou nunca o que havia magistralmente
começado. Era uma das fraquezas desse homem forte.49

Além disso, podia mostrar-se “ferino, malévolo e até ingrato”, com relação a alguns
de seus contemporâneos. “Falhas” que, segundo Ribeiro, eram esquecidas diante de seu
mérito. O “mais afamado mestre da nossa história” teria sido, sobretudo, um “arqueólogo”
da história do Brasil, devido ao interesse pelos primeiros tempos da colonização.50
A crítica à belle époque, com seus “homens de letras” marcados pela cultura
savante dera lugar a um novo modelo de erudição. A partir dos anos vinte, o historiador
deveria caminhar “entre a fazenda e o boulevard”, equilibrando a erudição clássica com o
conhecimento das particularidades nacionais.51 Capistrano de Abreu atendeu a essa nova
demanda. Inicialmente, ele foi reconhecido e celebrado por seu grupo de convívio, que
após sua morte apressou-se em criar uma sociedade em sua homenagem. Em 1937 – dez

GONTIJO, Rebeca. Manoel Bomfim (1868-1932) e O Brasil na História. Niterói, UFF / Dep. de História,
dissertação de mestrado, 2001. Especialmente o capítulo 2, “A história no Brasil e O Brasil na História”.
48
BOMFIM, O Brasil na história, op. cit., p. 137, nota 1.
49
RIBEIRO, João. “O Descobrimento do Brasil”. In: _____. Obras – Crítica, vol. VI: Historiadores. Rio de
Janeiro, ABL, 1961, p. 86. Originalmente publicado no Jornal do Brasil, de 01/01/1930.
50
Ibidem, p. 86.
51
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 98-106.

77
anos depois de seu falecimento – o historiador francês Henri Hauser publicou um artigo
sobre a historiografia brasileira, onde elogiou as qualidades do brasileiro, identificando-o
como um “grande historiador” dotado de espírito crítico e escrita elegante. 52 Era a suprema
consagração: ser reconhecido como um par num cenário internacional de historiadores.
Pouco tempo depois, o culto a Capistrano teve novo estímulo. Seu nome passou a
integrar o rol de historiadores do Brasil, construído durante o Estado Novo (1937-1945),
que deveria orientar o conhecimento do passado, tendo em vista a construção de um futuro
glorioso.

2.2. Historiadores do Brasil: o Estado Novo e a escrita da história

O Estado Novo (1937-1945) pode ser considerado como um marco divisório na


organização da cultura nacional. Parte da política cultural desenvolvida no período foi
dedicada à construção daquilo que Ângela de Castro Gomes identificou como uma “cultura
histórica”, que concedeu um lugar de destaque à história como forma de conhecimento do
social.53
Investigando o que parece ser uma tentativa para assentar as bases de uma tradição
historiográfica brasileira, de modo a constituir uma memória da escrita da História entre
nós, Gomes se detém sobre um dos principais veículos de propaganda do Estado, o jornal
A Manhã, que circulou entre os anos de 1941 e 1953. Mais exatamente, a autora analisa o
suplemento literário do jornal, Autores & Livros, que de modo exemplar apresenta uma
explícita intenção doutrinária, em defesa de uma determinada interpretação da cultura
nacional. Propondo ser um instrumento formador e ordenador da vida intelectual do país, o
suplemento compõe uma verdadeira galeria de nomes e obras, que deveria servir para
nortear o caminho para o conhecimento do Brasil.54
Como foi observado no item anterior, “conhecer o Brasil” era uma espécie de
missão desempenhada por “homens de letras”, artistas, cientistas e políticos desde o século
XIX, prevalecendo a visão da nacionalidade a partir da valorização da natureza e
persistindo a dúvida acerca da existência de um povo brasileiro. Durante a I República,
ganhou força a idéia, que não era nova, de que conhecer o país equivalia a compreender o

52
HAUSER, Henri. “Notes et réflexions sur le travail historique au Brésil”. Revue Historique, jan./mar.
1937, t. 181, fasc. 1, p. 89. Hauser participou da missão de professores estrangeiros que lecionou na
Universidade do Distrito Federal, criada e extinta na década de 1920.
53
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 208.
54
Gomes analisa o suplemento no período que vai de 1941 a 1945, quando o mesmo era organizado pelo
jornalista Múcio Leão, membro da Academia Brasileira de Letras.

78
processo de ocupação do território, por meio de estudos científicos. Daí a relevância das
expedições de reconhecimento, dos estudos históricos, etnográficos e geográficos, que
contribuíram para o estabelecimento oficial dos limites territoriais, assim como, para o
desenvolvimento de projetos políticos, capazes de articular o movimento da população e o
desenho do espaço físico do país. Essa busca de conhecimento teve continuidade durante o
Estado Novo, quando ocorreu a implementação de uma política mais decisiva no sentido
de associar as fronteiras externas – definidas a partir de tratados internacionais – às
fronteiras internas, delineadas a partir ocupação demográfica, política e econômica do
território. Essa implementação se deu através de um amplo programa que incluía a divisão
do país em regiões geográficas, o investimento nas áreas de transportes e comunicação,
além do controle dos fluxos imigratórios e migratórios. Esse programa ficou conhecido
como a nova “marcha para o oeste”, expressão que remetia às tradições coloniais de
conquista do território, cuja figura representativa é o bandeirante paulista. Personagem
destacado pela literatura e pela história desde o final do século XIX, o bandeirante foi
consagrado durante os anos 1920 e recuperado pelo Estado Novo como o grande símbolo
da fundação do território.55
Mas, além de desvendar a realidade nacional percorrendo o espaço físico e
descobrindo suas riquezas naturais, a política do Estado Novo também promoveu um novo
tipo de olhar sobre o povo, com foco sobre suas tradições e costumes. Mais uma vez, os
estudos históricos, geográficos, etnográficos e, também, lingüísticos, contribuíram para o
conhecimento do “ser nacional”, cujas potencialidades deveriam ser valorizadas,
destacando-se o pertencimento regional. Desenvolver uma ciência da cultura nacional era o
objetivo, sendo que esse empreendimento exigia a indicação dos intérpretes que poderiam
servir como guias no processo de “redescobrimento” do Brasil.56 Cabe, portanto, tentar
compreender o papel da cultura e dos produtores culturais no projeto do Estado Novo,
observando o lugar que Capistrano de Abreu veio a ocupar em meio a uma estratégica
ordenação dos campos de saber.
Autores & Livros fez uma série de homenagens a intelectuais considerados
relevantes para a cultura brasileira, relacionando seus nomes a setores específicos do
conhecimento ou da produção cultural. Entre janeiro e abril de 1944, circularam os

55
GOMES, “Através do Brasil”. In: A República no Brasil, op. cit., p. 158, 168-176 e 192; ver, também:
LUCA, op. cit., p. 85-126; VELLOSO, Mônica Pimenta. “A literatura como espelho da nação”. Estudos
Históricos – Dossiê Identidade Nacional, vol. 1, n. 2, 1988, p. 239-263.
56
GOMES, “O redescobrimento do Brasil”, op. cit., p. 205-228; Idem. História e historiadores, op. cit.,
especialmente, p. 125-205.

79
exemplares dedicados aos historiadores do Brasil. Ao todo, são vinte homenageados, doze
dos quais são identificados como historiadores, enquanto oito são apontados como autores
que, de alguma forma, contribuíram para o desenvolvimento dos estudos históricos no país.
Através desse suplemento é possível perceber o que era tido, durante o Estado Novo, como
qualidades e insuficiências do métier do historiador.
A estratégia do suplemento foi compor perfis dos homenageados através da
recuperação e arranjo de interpretações sobre sua vida e obra. Trechos de seus escritos
também foram incluídos, assim como, um ilustrativo retrato. Observa-se a conjunção de
diferentes tempos: o do homenageado (todos falecidos), o dos comentadores e o do
organizador do suplemento, Múcio Leão. Através desses perfis delineia-se um panorama
do ofício do historiador, revelando as circunstâncias da produção historiográfica até então.
O suplemento apresenta um perfil generalizante do historiador como um tipo de autor
maduro, cuja trajetória atingiu o ápice profissional e intelectual. Os textos históricos são
vistos como o resultado de um longo e nem sempre planejado processo, vivido por
políticos, diplomatas, professores e jornalistas. Foram esses profissionais que escreveram a
história do Brasil, guiados por imperativos ético-políticos, associados a um gosto pela
pesquisa em arquivos e bibliotecas. A ação política e o combate de idéias marcaram suas
trajetórias e a erudição contribuiu para distingui-los.57
A relação entre o estudo da história e a atividade na política está presente nesse
panorama do ofício. O argumento principal sugere que o conhecimento histórico contribui
para a atividade política, tornando-a mais eficiente. Ao mesmo tempo, a atividade política
favorece o estudo da história, propiciando argúcia e clareza às análises do historiador.
Prevalece um modelo do intelectual como homem engajado nas lutas do presente.
Contudo, esse modelo tem que conviver com a proposta, até então predominante, de um
campo intelectual portador de projeto “apolítico”, lembrando que muitos dos nomes
homenageados por Autores & Livros compartilharam tal projeto.58

57
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 76.
58
Ibidem, p. 77. Ângela de Castro Gomes observa que esse modelo de intelectual engajado se contrapõe ao
modelo existente no final do século XIX e início do XX, que propunha o afastamento do “homem de letras”
da política, de modo a favorecer uma postura intelectual mais “profissional”. Muitos dos historiadores
homenageados pelo suplemento Autores e Livros fizeram parte do grupo que defendia essa separação entre
política e letras. Esse grupo reunia-se em torno da Revista Brasileira e de Machado de Assis e foi
responsável pela criação da Academia Brasileira de Letras. A autora chama a atenção para a necessidade de
relativizar o projeto da ABL, avaliando até que ponto ele foi “mais ideal do que real”. Em outras palavras,
“até que ponto os escritores nele envolvidos conseguiram desenvolver estratégias para „separar‟
convenientemente seus espaços de atuação, de forma a fazer a política „das‟ letras e não permitir a política
„nas‟ letras”. Segundo a autora, o afastamento da política formal por parte dos “homens de letras” das
primeiras décadas do século XX equivale a uma postura política defensiva e protetora, capaz de favorecer a

80
A análise da série dedicada aos historiadores, além de contribuir para o
conhecimento da produção historiográfica e do ofício do historiador, também ajuda a
compreender a dinâmica da relação entre atividade política e trabalho intelectual. 59 Nesse
sentido, o caso de Capistrano de Abreu é paradigmático, pois, entre os historiadores, ele é
destacado como figura referencial, com a história da História no Brasil se dividindo em
antes e depois de seu nome. O estudo de sua trajetória e produção, assim como do modo
como ambas foram interpretadas, é útil para que se possa destrinchar o processo de
profissionalização dos intelectuais e da constituição (ou autonomização) dos diferentes
campos de saber. 60
O estudo de Gomes permite supor que, durante o Estado Novo, Capistrano de
Abreu foi incluído pela primeira vez em uma espécie de rol oficial dos grandes
historiadores nacionais. A possibilidade de existência desse rol deriva das mutações da
historiografia ocorridas nas décadas anteriores, de modo que, a partir dos anos 1920, a
história já podia ser vista como um “campo de estudos” distinto da prosa de ficção e dos
chamados “estudos político-sociais”. Trata-se de “um saber delimitado num campo
intelectual maior”, produzido por um tipo específico de especialista, capaz de articular um
método científico, um objeto e uma escrita próprios. A existência desse “campo de
estudos” ainda não permitia configurar uma disciplina ensinável nos moldes que seriam
propostos pelas faculdades de filosofia, criadas após a reforma de Francisco Campos em
1931. No entanto, parece ter sido suficiente para estimular a formação de redes de
pesquisadores da história, de modo a consolidar uma tradição distinta daquela que
prevalecia desde o século XIX.61

ultrapassagem de obstáculos à profissionalização do intelectual. Ibidem, p. 77. Ver também: RODRIGUES,


João Paulo Coelho de Souza. A dança das cadeiras: literatura e política na Academia Brasileira de Letras
(1896-1913). Campinas, Unicamp, 2001.
59
Ângela de Castro Gomes observa que, nos dois momentos focalizados (as três primeiras décadas do século
XX e o período de meados dos anos quarenta, quando o suplemento analisado circulava), a intelectualidade
fez grande esforço no sentido de consolidar sua esfera de competência específica. Para isso, buscou
continuamente obter certa liberdade em relação ao campo do poder político, do qual não pôde, contudo, se
afastar totalmente devido a inúmeras e diferentes razões, que vão desde o mecenato até a inserção política de
seus integrantes. GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 78. A esse respeito, cf.: PÉCAUT, Daniel. Os
intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo, Ática, 1990.
60
Ver suplemento literário “Autores & Livros”. A Manhã, ano 10, vol. VI, n. 5, 06/02/1944, p. 69-76,
dedicado a Capistrano de Abreu.
61
GOMES, op. cit., p. 90; Idem. “Gilberto Freyre e Oliveira Lima: Casa Grande & Senzala e o contexto
historiográfico do início do século XX”. História – Revista da Universidade Estadual Paulista. São Paulo,
Unesp, v. 20, 2001, p. 39-44. Sobre a constituição da história como um campo de estudos autônomo e
uma disciplina ensinável, ver também: FURET, François. “O nascimento da história”. In: _____. A
oficina da história. Lisboa, Gradiva, s/d, p. 139-135; BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. “Os
confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana”. Revista Brasileira de
História. São Paulo, vol.13, n. 25-26, set./1992 - ago./1993, p. 193-221; FONSECA, Thaís Nívea de
Lima. História & Ensino de História. Belo Horizonte, Autêntica, 2003;

81
Diferenciando-se da historiografia Oitocentista, onde predominam os trabalhos de
Francisco Adolfo de Varnhagen e João Francisco Lisboa, seguidos pelos de Gonçalves de
Magalhães e José de Alencar (que, mesmo não sendo identificados como historiadores,
teriam contribuído para os estudos históricos), Capistrano surge como um marco divisório.
Sua obra é apresentada como propositora de rupturas com o passado e formadora de uma
nova geração de historiadores. Sua morte e a fundação da Sociedade Capistrano de Abreu
(ambas ocorridas em 1927) são vistas como eventos simbólicos para a história da História
do Brasil.
Elabora-se um perfil físico e psicológico de Capistrano, que é relacionado a sua
trajetória profissional e às características de sua produção. A matéria é composta a partir de
textos publicados em épocas distintas. Além de um necrológio, há estudos sobre sua vida e
obra recolhidos de outras publicações. Os trabalhos escolhidos foram escritos por João
Ribeiro, Afrânio Peixoto, Afonso Arinos de Mello Franco, Humberto de Campos, João
Pandiá Calógeras e Honorina de Abreu, filha do homenageado, todos contemporâneos do
historiador.62
A primeira página trás uma notícia biográfica sobre Capistrano, que conta a história
de um cearense, que participou da elite intelectual de seu tempo e que desde a juventude
manifestava algumas qualidades básicas: a dedicação séria aos estudos; as opiniões
seguras; o “sarcasmo agreste” e a ironia. As primeiras letras no interior e a passagem por
Recife e Fortaleza são considerados momentos significativos, que antecederam a vinda
para o Rio de Janeiro, em meados da década de 1870. Embora jovem, Capistrano “trazia do
Norte um maduro e longo tirocínio de imprensa”. A nomeação para a Biblioteca Nacional,
o concurso para o Colégio de Pedro II, o casamento, a morte em “penosa agonia” e o
enterro conduzido a pé por seus admiradores, são os fatos marcantes de sua trajetória.
Um retrato desenhado de Capistrano ilustra a matéria, complementada por uma
pequena relação de sua obra publicada. As páginas seguintes são preenchidas com textos

62
Referências dos textos de diferentes épocas utilizados por Autores & Livros no número em homenagem a
Capistrano: RIBEIRO, João. “O Descobrimento do Brasil”. Jornal do Brasil, 01/01/1930; Idem. “Os Ensaios
e Estudos”. Jornal do Brasil, 01/11/1933; Idem. “Cartas de Capistrano”. Jornal do Brasil, 18/12/1927; Idem.
“A morte de Capistrano”. Jornal do Brasil, coluna Dia sim..., 26/08/1927; FRANCO, “Capistrano”, op. cit.,
originalmente publicado em A Manhã, 25/10/1941; PEIXOTO, “Capistrano de Abreu, humorista”, op. cit.
(referência do original não localizada); CAMPOS, Humberto de. “Capistrano de Abreu”. A Manhã,
16/08/1927; CALÓGERAS, João Pandiá. [“Necrológio de Capistrano de Abreu”]. Revista do IHGB, tomo
101, vol. 155, 1927, p. 344-355; reproduzido com o título de “Capistrano de Abreu”, em O Jornal,
14/09/1927; ABREU, Honorina de. “A meu pai” (versos). In: COELHO NETO, Henrique. “Redimido”.
Jornal do Brasil, 21/08/1927. A bibliografia de Capistrano foi extraída do Dicionário Bio-Bibliográfico
Cearense (1910), de Guilherme Studart, embora o trabalho de Tancredo de Barros Paiva, Bibliografia
Capistraneana (1931), seja mencionado.

82
sobre o homenageado e alguns trechos de seus trabalhos. 63 Há, também, uma caricatura;
um “fac-símile” com amostra do autógrafo do homenageado (trecho de uma carta); uma
foto da casa onde ele viveu seus últimos anos (sede da sociedade erigida em seu nome); e
um cartão de comunicação do casamento com Maria José de Castro Fonseca, em 1881.
Esses elementos, ao lado dos estudos e citações, ajudam a compor um retrato da vida e da
obra do homenageado, havendo espaço para críticas. Nas páginas de Autores & Livros,
Capistrano é apresentado com suas qualidades e fraquezas.
Seguindo as palavras dos analistas, trata-se de um “arqueólogo da história”64 dotado
de grande erudição, que escolhia novos temas e revisava os antigos. Sua diferença em
relação a outros estudiosos da história aparece relacionada a duas dimensões, mencionadas
por Humberto Campos e apontadas por Gomes: “o faro da verdade” e “o processo de
convencer”. Capistrano é um pesquisador de arquivos, fato que ajuda a distingui-lo dos
ficcionistas e pesquisadores guiados pela imaginação. Considerando os arquivos como uma
espécie de selva e a pesquisa histórica como uma atividade semelhante a do rastreador ou,
mais exatamente, do índio capaz de embrenhar-se no mato guiando-se pelos rumores da
natureza, Campos argumenta que o historiador em questão tinha o “faro da verdade”. Esse
“faro” derivaria de qualidades natas – relativas à capacidade intuitiva ou “adivinhatória” do
investigador – e, também, da posse de um instrumental adequado à análise dos
documentos. O “faro da verdade” de Capistrano seria fruto de inteligência e, também, de
treinamento, revelado através de sua notória capacidade de argumentar e convencer.65

63
Os textos de Capistrano citados são: “Raul Pompéia”. Gazetinha, n. 47, 27/02/1882 e n. 70, 28/03/1882;
“História Pátria”. Gazeta de Notícias, 9-10-13/03/1880; O Descobrimento do Brasil. 1a edição 1900. Rio de
Janeiro, Briguiet, 1929; “Sobre a nova colônia do Sacramento” (Prefácio). In: SÁ, Simão Pereira de. História
topográfica e bélica da nova Colônia do Sacramento do Rio da Prata. Rio de Janeiro, 1900.
64
RIBEIRO, “O Descobrimento do Brasil”, op. cit., p. 86.
65
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 92; CAMPOS, “Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 74. Essa
metáfora da história como uma selva e da pesquisa histórica como uma atividade semelhante à do indígena
que rastreia sua caça no mato já havia sido utilizada antes por Paulo Prado, que diz ter penetrado na “selva
escura da História do Brasil” através da mão amiga de Capistrano. Ver PRADO, Paulo. Paulística: história
de São Paulo. São Paulo: Cia. Gráfico / Ed. Monteiro Lobato, 1925, p. v. A associação entre a pesquisa
história e a atividade do rastreador remete aos escritos sobre Capistrano produzidos logo após sua morte,
quando se nota a tecitura de uma relação entre a figura do historiador e a do homem sertanejo ou do indígena.
Através dessa relação Capistrano foi lido como um historiador sertanejo, um intelectual que conhece e
representa a própria brasilidade. É difícil não fazer uma ponte entre a metáfora da pesquisa histórica como
uma selva, que remete à habilidade venatória do historiador, e o paradigma indiciário delineado por Carlo
Ginzburg. Esse autor argumenta que, no fim do século XIX, emergiu um modelo (um paradigma)
epistemológico no seio das ciências humanas, amplamente operante, embora não teorizado, fundado no
método indiciário de investigação. Esse método, compartilhado por diferentes campos do conhecimento,
como a psicanálise e a história da arte, orientava-se por um saber de tipo venatório, caracterizado pela
capacidade de acessar uma realidade complexa, não experimentável diretamente, por meio de dados
aparentemente negligenciáveis. Ver GINZBURG, Carlo. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”. In:
_____. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo, Companhia das Letras, 1989, p. 143-179.

83
A questão da narrativa pode ser localizada entre os historiadores oitocentistas,
inclusive os brasileiros, observando-se a preocupação com as formas de exposição e
convencimento. Essa preocupação parece ter se ampliado nas primeiras décadas do século
XX, quando a crítica ao “modelo” de escrita de Varnhagen, identificado por seus “quadros
de ferro”, sua “ausência de enredo” e suas listas de nomes e datas, ganhou força.66
O método crítico de Capistrano sustentava-se sobre um critério de verdade fundado
na existência de provas documentais e na possibilidade de confrontar documentos oriundos
de uma mesma época, exibindo-os e desconstruindo-os passo a passo. Essa operação
deveria ser regida pela objetividade e, também, pela imparcialidade do historiador,
disposto a ouvir diferentes testemunhos do passado. Evitando preconceitos, a história não
deveria ser conduzida por uma “verdade ética” (a exemplo de uma antiga concepção da
história), mas por uma verdade fundada em fatos. Selecionando, ordenando e relacionando
tais fatos, o historiador deveria desenvolver argumentos críticos e compor uma “narrativa
sociologicamente orientada”.67
Para os analistas de Autores & Livros, Capistrano representa um novo tipo de
historiador, que teria emergido a partir das seguintes mutações: 1) a valorização da
presença do próprio historiador como testemunha que toma parte nos acontecimentos que
narra, ou seja, o historiador passou a ser visto como um ator-autor, não sendo observadas
objeções quanto à integração entre memória e história no texto produzido; 2) a defesa do
uso de uma grande variedade de documentos, dos escritos oficiais aos documentos
“pessoais” (não-oficiais) e visuais; 3) a abertura para uma história social, ainda que a
história política ocupe o centro da produção historiográfica; 4) a visão do historiador como
um escritor erudito, que deve dominar a língua e ter estilo próprio, de modo a construir
narrativas que não sejam simples cronologias ou listas de nomes, datas e acontecimentos;
5) a qualificação dos historiadores como “modernos” (por oposição aos “tradicionais”), em
função do interesse pelos fatos e pelo sentido processual dos mesmos.68

66
Sobre o problema da escrita da história, ver: ARARIPE, Tristão de Alencar. “Indicações sobre a história
nacional”. Revista do IHGB, vol. 57, 1895, p. 259-290.
67
Ver ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. “Ronda noturna: narrativa, crítica e verdade em Capistrano de
Abreu”. Estudos Históricos – Dossiê Caminhos da Historiografia, vol.1, n.1, 1988, p. 28-54. Sobre as
concepções antiga e moderna de história, ver por exemplo: ARENDT, Hannah. “O conceito de história –
antigo e moderno”. 1a edição 1954. In: _____. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2000,
p. 69-126.
68
Nas palavras de Ângela de Castro Gomes, “o historiador „moderno‟ era, assim, um escritor erudito que
examinava com rigor metodológico uma vasta gama de fontes e a ela „dava sentido‟”. Ver GOMES, História
e historiadores, op. cit., p. 122-123.

84
Essas mutações vinculam-se, em maior ou menor medida, ao abandono da idéia de
“transparência” da fonte e, também, da crença na possibilidade de neutralidade. Admitindo
a existência de uma multiplicidade de tempos (algo que está expresso, inclusive, na própria
organização das homenagens pelo periódico), os articulistas de Autores & Livros
demonstram a existência de uma ruptura com a noção de um passado fixo, imutável,
passível de ser apreendido de modo definitivo. Assim, abre-se a possibilidade de pensar a
história dos homens e das nações como tendo sido construídas conforme circunstâncias
diversas, não estando submetidas a uma história geral da civilização, dotada de um único
sentido e finalidade. A imparcialidade e o caráter científico da história poderiam ser
garantidos através de procedimentos metodológicos. Esses deveriam assegurar tanto a
confiabilidade das fontes quanto o cumprimento de regras capazes de tornar o olhar do
historiador livre de verdades dogmáticas e apriorísticas. Ou seja, a verdade histórica seria a
verdade dos fatos comprovados pelo historiador mediante o uso de um instrumental
apropriado.69
É possível concluir que durante o Estado Novo um modelo de historiador foi
delineado, a partir da recomposição de diversas trajetórias intelectuais. Consciente de seu
papel social e político, esse historiador de Autores & Livros deveria contribuir para o
melhor conhecimento da formação da nacionalidade, utilizando procedimentos capazes de
conter preconceitos e simpatias. Assumindo uma espécie de obrigação para com o Brasil,
dedicar-se-ia à pesquisa documental com rigor metodológico, respeitando uma “filosofia
sobre a história” pautada no compromisso com o presente. Em meio a trajetórias até certo
ponto semelhantes, a de Capistrano chama a atenção como divisora de águas no campo de
estudos históricos em formação, uma vez que esse historiador reunia as características que
então definiam uma “moderna” historiografia.
Em outubro de 1947, ou seja, pouco depois do fim do Estado Novo, o nome de
Capistrano de Abreu ainda repercutia, sobretudo em sua terra natal. Uma solenidade em
Maranguape, Ceará, inaugurou um monumento feito de pedra e bronze, construído pelo
escultor italiano Agostinho Balmes Odísio, com o apoio da Associação Brasileira de
Imprensa. O evento contou com a presença do Governador do Estado, Faustino de
Albuquerque e Sousa, e do Prefeito da localidade, José Fernandes Vieira, acompanhados

69
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 124.

85
por outras personalidades, incluindo um representante do Instituto Histórico do Ceará,
Joaquim Alves.70 Com quase quatro metros de altura, a estátua foi assim descrita:

Capistrano apóia a mão esquerda numa estante em que figuram, em lombadas de luxo, com
inscrição, os livros do escritor, e a pujança da modelação, ampla e segura, traduz na pose
do vulto e nos traços fisionômicos, o sentimento interno – se o podemos dizer – do
pesquisador inteligente e culto do nosso passado. Sente-se como que, através da matéria, o
seu todo anímico, a saliência psicológica daquele caráter viril, enriquecido no superior
desprezo das coisas fungíveis... Do conjunto fazem parte dois admiráveis alto-relevos,
representando dois bandeirantes em atitude de observação e espreita – “epopéia dos
sertões” – e “catequese”, o jesuíta heróico a mostrar a Cruz civilizadora a um índio que
retorna da caçada e se prosterna ante o símbolo redentor. São quadros de alta emotividade,
caracterizando, magistralmente, os contrastes etnológicos dos tipos, numa concepção que
reproduz à maravilha instantes nucleares da formação nacional, em cujos meandros
Capistrano penetrou, desvendando mistérios e esclarecendo dúvidas com argúcia e aprumo
incomparável, qualidades que lhe foram peculiares. Obra de arte, onde “a forma se faz
emoção”, o pedestal corresponde, em tudo, à arrojada concepção do discípulo de Rodin.71

Ao lado de dois símbolos heróicos da brasilidade, os bandeirantes e os jesuítas,


Capistrano é consagrado como o “príncipe dos historiadores brasileiros”, conforme pode
ser lido na inscrição colocada aos pés da estátua.72 Poucos anos depois, um evento de
maiores proporções teria lugar com a comemoração do I Centenário de Nascimento do
historiador, que mobilizou diversas instituições e muitos nomes importantes da
intelectualidade.

70
A memória sobre Capistrano produzida no Ceará, sua terra natal, mereceria um capítulo à parte, tendo em
vista a profusão de investimentos nesse sentido, que incluem, além da construção de monumentos: a
nomeação de ruas, praças e escolas; a eleição de Capistrano para patrono de diversas instituições literárias; a
publicação de livros, artigos e cordel; a confecção de retratos; o acúmulo e exibição de objetos relacionados
ao historiador etc. Como exemplo dessa extensa produção memorialística cearense, sito um trabalho recente:
BEDÊ, Francisco. Capistrano de Abreu: o homem na Província, na Corte e no mundo. Fortaleza, Tipogresso,
2005. Esse livro trás na capa a indicação de que se trata da “história de vida do „Príncipe dos Historiadores
Brasileiros‟, uma incrível saga romanceada e desenvolvida de forma iconográfica”. O autor elabora uma
narrativa sobre a trajetória de Capistrano, conjugando imagem e texto a fim de destacar: 1) fragmentos e/ou
objetos biográficos de seu cotidiano ao longo da vida; 2) “atitudes destemidas de mês a mês”; 3) exemplos de
sua conduta irreverente. Ibidem, p. 3. Apesar da riqueza da produção cearense, a opção aqui foi deixá-la de
lado, registrando que se trata de um importante manancial para pesquisas.
71
HUGO VITOR apud MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 368-369.
72
O título de “príncipe dos historiadores brasileiros” parece ser uma atribuição feita por contraste com a
figura de Francisco Adolfo de Varnhagen, que, supostamente, seria o rei, por ter sido o primeiro brasileiro a
escrever uma história do Brasil. Tal título é mencionado sem maiores explicações por NASCIMENTO,
Capistrano de Abreu, op. cit., 1931; e, mais recentemente, por BEDÊ, op. cit., 2005.

86
2.3. O Curso Capistrano de Abreu, no IHGB (1953)

Em 2003, durante o governo de Luís Inácio Lula da Silva, foram comemorados os


150 anos de nascimento de Capistrano de Abreu. A Empresa de Correios e Telégrafos
lançou um selo em sua homenagem; dois livros foram publicados pelo Museu do Ceará,
sua terra natal;73 o Departamento de História da Universidade Federal do Ceará organizou
um evento sobre o historiador, reunindo especialistas de todo o Brasil;74 a Fundação Casa
de Rui Barbosa e a Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, no Rio de
Janeiro, organizaram mesas-redondas, em que alguns aspectos da obra e da trajetória do
homenageado foram recuperados.75 Unindo essas diferentes comemorações está o fato de
pertencerem, na maior parte, ao mundo acadêmico. E, dentro do ambiente universitário,
trata-se de eventos de alcance restrito à esfera de especialistas dedicados ao estudo de
Capistrano, da história intelectual, das idéias ou da história da História como disciplina.
Capistrano aparece, nessas homenagens, como um indivíduo cuja memória é
familiarmente compartilhada. Ou seja, cuja memória se encontra “enquadrada”, para usar o
termo difundido por Michael Pollak.76 Em função disso, analisar a comemoração do
primeiro centenário de nascimento de Capistrano, em 1953, pode ajudar a compreender o
papel atribuído ao homenageado, ou, mais exatamente, a destrinchar uma parte da trama da
memória que, à primeira vista, o tornou tão próximo de nós.
Os anos de nascimento e morte são considerados bons momentos para comemorar.
Por vezes, o aniversário da publicação de um texto ou de um momento da trajetória
intelectual, como, por exemplo, a conversão a um novo ideário ou a entrada em uma

73
Ver BUARQUE, Virgínia Albuquerque. Escrita singular: Capistrano de Abreu e Madre Maria José de
Jesus. Fortaleza, Museu do Ceará, 2003; AMARAL, Eduardo Lúcio Guilherme. Correspondência cordial.
Fortaleza, Museu do Ceará, 2003.
74
Esse evento resultou na publicação de um dossiê sobre Capistrano na revista da instituição. Ver Revista
Trajetos – Dossiê Capistrano de Abreu. Fortaleza, Dep. de História da UFC, vol. 3, n. 5, 2004.
75
A Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, organizou uma mesa-redonda intitulada A atualidade
de Capistrano de Abreu (04/11/2003), que contou com a presença de Arno Wehling (UNIRIO e UGF),
Marco Antônio Mesquita (Museu Nacional), Manoel Luis Salgado Guimarães (UFRJ e UERJ) e Ricardo
Benzaquen de Araújo (PUC-RJ e IUPERJ). A Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense
sediou o I Seminário Professores/Autores do Brasil (15/12/2003), organizado pelo Grupo de Pesquisa
História e Educação: Saberes e Práticas, coordenado por Arlette Gasparello e dedicado ao tema Uma vida
entre livros, o ensino e a pesquisa: Capistrano de Abreu (1853-1927). Esse evento contou com minha
presença, ao lado de Vera Cabana (Colégio Pedro II) e Virgínia Albuquerque Buarque (Colégio Pedro II). As
comemorações se estenderam pelos anos seguintes. Em 09/03/2005, o IHGB sediou a conferência de
Francisco Bedê, intitulada Capistrano de Abreu: o homem na Província, na Corte e no Mundo, também
proferida no Colégio Pedro II, em 10/03/2005.
76
POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos – Dossiê Memória, vol. 2, n.
3, 1989, p. 3-15; Idem, “Memória e identidade social”. Estudos Históricos – Dossiê Teoria e História, vol. 5,
n. 10, 1992, p. 200-212.

87
instituição, também podem receber uma especial atenção. A necessidade de consagração
em tempo útil favorece a escolha da data de nascimento como momento ideal para
homenagens.77 Assim aconteceu com Capistrano, cujo centenário de nascimento foi
comemorado em 1953. Diversas instituições participaram do empreendimento, como a
Sociedade Capistrano de Abreu, o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, o
Ministério da Educação e Cultura, a Biblioteca Nacional, a Câmara dos Deputados, o
Senado, a Sociedade de Estudos Históricos, a Universidade de São Paulo, o Instituto
Histórico do Ceará e o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.78
Instituição nascida no Império (1838), o IHGB – tradicionalmente dedicado a
consagrar figuras ilustres – é um importante referencial na história das comemorações em
torno de escritores, assim como a Academia Brasileira de Letras, fundada em 1896, cujos
membros são chamados de imortais. São exemplos de locais onde é possível localizar
exaltações às atividades de escrita e pensamento através do culto – nem sempre crítico,
nem sempre apologético – a determinados autores e obras.
Por ocasião do centenário, o Instituto confeccionou uma moeda comemorativa, na
qual se vê, no anverso, o busto em perfil de Capistrano; e, no verso, uma representação de
Clio, a musa da história, situada ao lado de um mapa da América do Sul, onde se destaca o
Brasil e, dentro desse, os estados do Ceará e do Rio de Janeiro. O primeiro, terra natal de
Capistrano e, o segundo, sede do Instituto e importante centro cultural do país, onde o
homenageado desenvolveu sua carreira intelectual. Em vida, Capistrano freqüentara a
biblioteca e os arquivos do IHGB, tendo sido recebido – até certo ponto, à revelia – como

77
CATROGA, “Ritualizações da história”, op. cit., p. 339-348.
78
A Sociedade Capistrano de Abreu fez planos para comemorar o centenário de nascimento de seu patrono, o
que acabou não se concretizando inteiramente. Restou um discurso de Jayme Coelho, pronunciado na SCA
em 23/10/1953 e incluído na Revista do IHGB. Ver COELHO, Jayme. “Capistrano de Abreu”. Revista do
IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 214-216. Há breve menção dos planos da Sociedade em MONTEIRO,
Honorina de Abreu. “O avô que eu conheci”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 193. A
Biblioteca Nacional organizou uma exposição sobre o historiador, inaugurada no dia 22 de outubro de 1953 e
a Sociedade de Estudos Históricos patrocinou uma conferência na Universidade de São Paulo, em 24 de
novembro de 1953. Ver ZEMELLA, Mafalda P. “Capistrano de Abreu, o historiador e o homem”. Revista de
História. São Paulo, ano V, vol. VIII, n. 17, jan.-mar., 1954. Outros textos produzidos em função do I
Centenário são: MENEZES, Raimundo de. “Há cem anos nascia Capistrano de Abreu”. Separata da Revista
Investigações, ano V, vol. 51, out.-nov.-dez., 1953; TAUNAY, Afonso de E. “Capistrano de Abreu”. Revista
do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 194-203, oração proferida no Instituto Histórico e Geográfico de São
Paulo; REBELLO, Edgar de Castro. “Capistrano de Abreu”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p.
204-213. Conferência lida em 22/10/1953, no auditório do Ministério da Educação e Saúde; GOMES,
Onofre. Discurso pronunciado no Senado Federal. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 217-233.
Também publicado no Jornal do Brasil, de 25/10/1953; LOBO, Otávio. Discurso na Câmara dos Deputados,
sessão de 23/10/1953. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 234-239; BARRETO, Adahil. Discurso
na Câmara dos Deputados. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 239-245.

88
sócio correspondente em outubro de 1887 e sucessivamente eleito sócio efetivo, honorário
(1913) e benemérito (1917).
Além da moeda comemorativa, o IHGB organizou, entre os meses de setembro e
outubro, o Curso Capistrano de Abreu. Até então, apenas outros dois intelectuais haviam
merecido esse tipo de homenagem: Joaquim Nabuco e Rui Barbosa, ambos homenageados
em 1949.79 O evento foi divulgado pelos jornais da época através de pequenas notas, que
anunciavam as conferências na véspera, além de informar sobre as homenagens prestadas
por outras instituições.80
Na aula inaugural do Curso, Rodrigo Otávio Filho lembra o papel do IHGB na
construção da memória sobre a escrita da História no Brasil:

Bem haja este Instituto no cumprimento do dever que se impôs. Aqui, vive-se à hora
presente, registram-se os acontecimentos do dia, glorificam-se os homens que pela ação, e
pela inteligência, escrevem a história que vamos vivendo. Eis porque lhe é possível
revolver as cinzas do passado e ouvir o eco dos suspiros de esperanças daqueles que, em
tempos idos, viveram e escreveram a nossa história.81

Assumindo a missão de glorificar aqueles que viveram e escreveram a história do


Brasil, o IHGB – através de um de seus sócios – apresenta-se como uma instância de
consagração, capaz de conferir autoridade à produção de seus membros e, ao mesmo
tempo, atuar na composição de sua própria memória.82
O Curso organizado pelo embaixador José Carlos de Macedo Soares, presidente do
Instituto, contou com a participação dos seguintes conferencistas: Rodrigo Otávio Filho,

79
Ver “Curso Joaquim Nabuco”. Revista do IHGB, vol. 260, jul.-set., 1949, p. 107-334; “Curso Rui
Barbosa”. Revista do IHGB, vol. 205, out.-dez., 1949, p. 3-159.
80
Ver seção “Arte, Ciência & Cultura” do jornal O Globo, dos 2, 8 e 19 de setembro e 6, 12, 19, 21, 22 e 23
de outubro de 1953.
81
OTÁVIO FIHO, Rodrigo. “A vida de Capistrano de Abreu”. Aula inaugural do Curso Capistrano de
Abreu, realizada no IHGB, no dia 02/09/1953. Revista do IHGB, vol. 221, outubro-dezembro, 1953, p. 46.
Entre freqüentadores do Curso Capistrano de Abreu estavam o General Cândido Rondon, Tasso Fragoso,
Tobias Monteiro e Assis Chateaubriand.
82
Exemplos de textos sobre a história do IHGB e de seus sócios produzidos no século XIX e na primeira
metade do século XX: “Breve notícia sobre a criação do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. Revista
do IHGB, vol. 1, 1839, p. 3-7; AZEVEDO, Manuel Duarte Moreira de. “Os precursores”. Revista do IHGB,
Suplemento em homenagem ao quinqüagenário do IHGB, vol. 51, n. 78, 1888, p. 49-53; “Memórias do
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. Revista do IHGB, vol. 65, n. 105, 1902, p. 337-526; FAZENDA,
José Vieira. “Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro: subsídios para sua história”. Revista do IHGB, vol.
74, n. 124, 1911, p. 277-439; CASTRO, Olegário Herculano de Aquino e. “O Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro desde a sua fundação até hoje”. Revista do IHGB, vol. 60, n. 96, 1897, p. 171-201;
NORTON, Luís. “O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. Revista do IHGB, vol. 192, jul.-set., 1946,
p. 243-245; IHGB. “Centenário de Ramiz Galvão”. Revista do IHGB, vol. 191, abr.-jun., 1946, p. 294-302;
IHGB. “Homenagem a Max Fleiuss”. Revista do IHGB, vol. 182, jan.-mar., 1944, p. 12-30.

89
Barbosa Lima Sobrinho, Gustavo Barroso, Múcio Leão, Arthur Cezar Ferreira Reis, José
Honório Rodrigues, Mozart Monteiro e Honorina de Abreu Monteiro. Além disso, foi
assistido por alguns nomes importantes do mundo intelectual e político, tais como o
general Cândido Mariano Rondon, Aníbal Freire, Maurício de Castro, Carlos de Aguiar
Moreira, entre outros.
Alguns dos participantes foram amigos e discípulos de Capistrano, que ao longo da
vida se dedicou a criticar a instituição, indo do simples desdém pelas reuniões regidas pela
formalidade às afrontas mais mordazes a determinados sócios. Em 1880, chegou a publicar
um artigo onde apontava as qualidades e, principalmente, as deficiências dos sócios do
Instituto enquanto pesquisadores.83 E, em 1917, recusou um prêmio concedido pelo IHGB
a seu livro sobre a língua dos índios caxinauás, Rã-txa-Hu-ni-ku-i (1914).84
Reconhecido por sua aversão a elogios públicos e agremiações, Capistrano era um
crítico das instituições de sua época, como o IHGB e a Academia Brasileira de Letras,
ainda que tenha feito parte da primeira. Quando convidado a participar da segunda – onde
se reuniam vários de seus amigos mais diletos – recusou dizendo em carta a um amigo,
escrita na terceira pessoa, que:

Não quis fazer parte da Academia Brasileira e é avesso a qualquer sociedade, por já achar
demais a humana. Por exceção única pertence ao Instituto, do qual pretende demitir-se em
tempo, se não morrer repentinamente.85

Capistrano não morreu repentinamente, nem deixou o IHGB. Essa relação ambígua
com a principal instância de consagração dos estudos históricos de sua época adquiriu
contornos mais definitivos e apaziguadores após sua morte, quando deu lugar ao culto a
seu nome, reforçado por nove conferências, cujos textos foram publicados na revista do
Instituto, que também incluiu alguns trabalhos apresentados em outras instituições.86
Na abertura do Curso, José Carlos de Macedo Soares apresenta Capistrano como
“um dos mais ilustres historiadores brasileiros”, lembrando sua aversão à vida social e sua

83
ABREU, Capistrano. “Uma grande idéia”. In: _____. Ensaios e estudos. 4a série. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1976, p. 90. Originalmente publicado na Gazeta de Notícias, em
17/04/1880.
84
Ver carta de Capistrano de Abreu ao conde Afonso Celso, 08/10/1917. Revista do IHGB, t. 8, vol. 132,
1917, p. 790-791.
85
Nota biobibliográfica anexada à carta de Capistrano de Abreu a Guilherme Studart, de 18/08/1901, vol. 1,
p. 152. É interessante notar que, ao longo de quarenta anos, Capistrano publicou apenas dois artigos na
revista do IHGB.
86
Ver nota 78, p. 88.

90
recusa em participar de associações, reafirmando o vínculo de exceção que o uniu por
quarenta anos à casa que agora o homenageava. Apesar de um incidente em que perdera
manuscritos pertencentes ao arquivo do Instituto, das já citadas críticas públicas feitas ao
mesmo e a alguns de seus membros e da mencionada recusa de um prêmio (esses dois
últimos fatos não sendo mencionados), a passagem de Capistrano pelo IHGB é lembrada
pela assiduidade com que o historiador freqüentava sua biblioteca e seu arquivo, assim
como, pela amizade que manteve com dois bibliotecários, Vieira Fazenda e Rodolfo
Garcia. Naquele espaço, ele teria encontrado um ambiente propício para trabalhar, onde
tinha acesso à “farta documentação para os notáveis estudos que publicou”.87
Analisando as conferências pronunciadas durante o Curso, é possível distinguir dois
movimentos básicos. Em primeiro lugar, observa-se a elaboração de um discurso
biográfico, que inclui: a apresentação de um retrato físico e psicológico de Capistrano; um
arranjo de sua trajetória, através de recortes temporais e da escolha de determinados
acontecimentos considerados como os mais ilustrativos de sua vida; e a elaboração de
interpretações a respeito de sua vocação intelectual. Em segundo, nota-se a construção de
relações entre a obra do homenageado e certos aspectos da produção cultural brasileira, de
modo a valorizar distintas contribuições, definindo um legado. A percepção desses
aspectos orientou a divisão do texto que segue.

2.3.1. Vida: um perfil físico-psicológico, uma trajetória, uma vocação

Ao longo do Curso diversas interpretações sobre o homenageado foram


apresentadas. No entanto, é possível perceber certa convergência de opiniões entre os
intérpretes, que realizam exercícios semelhantes ao focalizar a vida e a obra de Capistrano.
Predomina um perfil composto por elementos físicos, psicológicos e morais, que adquirem
certo movimento mediante o arranjo da trajetória na qual o retratado é inserido. Dando
sentido a essa trajetória, estão as interpretações sobre a vocação do historiador.
Abrindo o evento, Rodrigo Otávio Filho propõe uma visão da personalidade e da
trajetória de Capistrano, que podem ser resumidas em uma frase: “um homem que
estudou”. O autor desenha o perfil de um “homem simples, modestíssimo, alheio e hostil a
quaisquer manifestações de vaidade”, o que é afirmado e reafirmado por várias vozes e em
diferentes momentos. Ao lado da modéstia, a paciência, a erudição, as esquisitices e as

87
SOARES, José Carlos Macedo. “Abertura do Curso Capistrano de Abreu”. Revista do IHGB, vol. 221,
outubro-dezembro, 1953, p. 44-45.

91
contradições ajudam a compor um tipo original e excêntrico. Trata-se de um “homem que
tudo sabia, tudo esclarecia e que irradiava daquele invólucro quase de maltrapilho, um
mundo de sabedoria, de ternura e de afetividade”.88 Esse perfil psicológico e moral é
associado a um “retrato” físico, que recupera imagens de um homem:

Mais gordo do que magro, nem alto, nem baixo, mal vestido, dando a impressão de que o
paletó e as calças lhe despencavam pelo corpo; uma gravata preta de laço feito, esfiapada a
ultrapassar o colarinho; barba crescida, esgrouviada, e a cabeça com evidente saudade de
um pente e da tesoura de um fígaro amigo: sério e sorridente ao mesmo tempo, falava
baixo e sonora era a sua voz; dois olhos pequenos, semicerrados, também olhavam com
enternecimento e candura.89

Um retrato físico de Capistrano também está presente na conferência de Gustavo


Barroso, que o apresenta com:

Roupa escura e usada, roupa branca serzida, mas ambas muito limpas. Gravata preta ao
deus dará. As mangas do casaco meio curtas. Bolsos enchumaçados de papéis. Andar
ligeiro e um tanto pendido para diante. Estatura regular. Tronco robusto. Cabeça chata de
cearense. Rosto largo, de maças salientes e olhos miúdos, quase fechados à luz. Os cabelos
grisalhos e esgrouviados. Bigode e barba sem trato. Boca larga e franca. Gestos rápidos,
ligeiramente trêmulos.90

Buscando as razões do temperamento original do homenageado, que, supostamente,


interferiram na elaboração de sua obra e pensamento, Barroso destaca o aspecto da
ascendência. Capistrano é apresentado como um descendente da “gente do Reino com
alguma remota mistura indígena”. Sua “alma” é vista como “um reflexo dos choques e
contrachoques que através do tempo e do espaço formaram a do próprio Brasil”. 91 Para o
intérprete,

Dentro de sua alma, pois, se defrontavam forças européias e forças telúricas, as que vieram
de além mar e as que subiam do próprio meio, travava-se mais uma vez o choque inicial
entre o luso e o índio, com ausência absoluta do elemento africano posterior. E é isso o que

88
OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 48.
89
Ibidem, p. 48.
90
BARROSO, Gustavo. “Capistrano de Abreu e a interpretação do Brasil”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-
dez., 1953, p. 95.
91
Ibidem, p. 95 e 100.

92
vemos refletir-se em toda a sua exteriorização como cultor da história e da antropologia
pátria: a paixão pelo documento que elucida a ação portuguesa na descoberta, conquista,
catequese e manutenção da terra, e a inclinação para a etnologia indígena, o estudo de suas
manifestações na língua e nas lendas, quer dizer no pensamento de seus indivíduos.92

Outro intérprete, Múcio Leão, observa que a estranheza que Capistrano transmitia
através de sua aparência contribuiu para multiplicar os comentários e anedotas em torno de
sua personalidade, de modo a construir um “ser fabuloso e quase mítico, um misto de sábio
e enfeitiçador, um Diógenes em seu tonel, um Fausto em seu laboratório”.93 Para Leão, a
primeira imagem de Capistrano que surge é a de um:

(...) homem estranhíssimo que não se preocupava com a posição da gravata no pescoço
nem com a perfeição do vinco da calça, aquela criatura inverossímil que perambulava neste
mundo como se estivesse em algum satélite de Algol. Tal era a aparência física daquele
original velho, cujo reino não seria, de forma nenhuma, um reino terreno.94

Um retrato fisionômico semelhante já circulava durante a vida de Capistrano, tendo


sido recuperado após sua morte. Ignorando as mudanças físicas vividas pelo indivíduo ao
longo de sua existência, um “retrato” a-temporal foi consolidado, sendo que o corpo e a
vestimenta se conjugam de modo a compor a figura de um homem pouco afeito às
vaidades mundanas e às convenções sociais. Um ser único em suas excentricidades.
Alguém cuja recusa das convenções sociais estaria de acordo com o papel de um
intelectual renovador dos estudos sobre o Brasil.95
Além da aparência e da personalidade de Capistrano, outro aspecto que chama a
atenção nas conferências é a ordenação cronológica de sua vida. As cronologias
consolidam verdades sobre as trajetórias biográficas. Uma vez estabelecidas, elas passam a
servir como referência, fornecendo a base para outros tipos de discursos, dedicados a
analisar um período da vida de um indivíduo ou a atividade por ele exercida. Assim,
recupera-se o ano e o local de nascimento, as viagens consideradas mais importantes, os
encontros tidos como os mais significativos (amorosos ou não), os filhos, os lançamentos

92
BARROSO, “Capistrano de Abreu e a interpretação do Brasil”, op. cit., p. 95-96.
93
LEÃO, Múcio. “Capistrano de Abreu e a cultura nacional”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953,
p.102. Conferência pronunciada no IHGB em 30/09/1953.
94
Ibidem, p. 102.
95
Regina Abreu observa como o material iconográfico pode ser utilizado na construção da memória sobre
um dado indivíduo, de modo a cristalizar uma imagem visual a ser aceita coletivamente. Ver ABREU, “Entre
a nação e a alma”, op. cit., p. 6 (versão digital).

93
das principais obras, os momentos de mudança no âmbito profissional, de ruptura ou
conversão no campo das idéias e das crenças.96
No caso de Capistrano, os marcos da trajetória recuperados são: a data (1853) e o
local de nascimento (Columinjuba, Maranguape, Ceará), seguidos pela filiação e,
sobretudo, pelos acontecimentos que pontuam sua vida profissional: as primeiras letras; os
primeiros escritos; a vinda para o Rio, em 1875; o primeiro emprego na Livraria Garnier; o
concurso para a Biblioteca Nacional, em 1879; a participação na organização da Exposição
de História e Geografia do Brasil, em 1881; os textos publicados na década de 1880; e o
concurso para o Colégio Pedro II, em 1883. Alguns acontecimentos da vida privada
também merecem destaque, como é o caso do casamento, em 1891, com Maria José de
Castro Fonseca, falecida dez anos depois; a entrada da filha Honorina para o convento, em
1911 e a morte do filho Abril, em 1918.
A morte de Capistrano também costuma ser lembrada. Trata-se de um momento-
chave na construção biográfica, quando é possível completar a narrativa sobre sua
trajetória de modo pleno. Citando a opinião de alguns contemporâneos do homenageado,
Rodrigo Otávio Filho conclui que sua glória foi construída ainda em vida e não após a
morte. Como pode ser lido na epígrafe que abre esse capítulo, “não precisou Capistrano
que os anos passassem para que fosse louvado e glorificado. Grande em vida continuou
grande depois de morto”.97
Cabe ressaltar a importância dos relatos de personalidades que conviveram com
Capistrano, recuperados pelos participantes do Curso. De acordo com Regina Abreu, tais
relatos têm um duplo papel na construção póstuma: servem para demonstrar a perenidade
do morto e de sua obra, assim como, para atualizar o valor simbólico de vivos e mortos.98
No caso dos relatos daqueles que conviveram com o morto, um argumento de autoridade
parece ser acionado, pois os contemporâneos – sobretudo aqueles que fizeram parte do
grupo de convívio direto e, entre esses, os mais conhecidos publicamente – são vistos
como os mais capazes de identificar as qualidades e os defeitos do morto, de modo a
atribuir-lhe a devida importância.
Por vezes, a construção da trajetória através da recordação dos acontecimentos
vistos como os mais importantes, dá lugar a uma narrativa capaz de conferir sentido à

96
ABREU, “Entre a nação e a alma”, op. cit., p. 5-6 (versão digital).
97
OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 66.
98
ABREU, “Entre a nação e a alma”, op. cit., p. 6 (versão digital).

94
existência do indivíduo. Isso pode ser observado no discurso de Mozart Monteiro,99 que
resume a vida de Capistrano em tom heróico, como pode ser visto no trecho a seguir:

De uma pobre casa rural do Ceará, a um porão pobríssimo do Rio, transcorreu a vida de um
dos homens mais modestos e, ao mesmo tempo, mais ilustres que ainda floresceram no
Brasil – Capistrano de Abreu. Diante das riquezas e vaidades do mundo, viveu como
filósofo da Grécia antiga, e morreu como um frade mendicante da Idade Média.100

Já Múcio Leão apresenta uma versão da adolescência de Capistrano, quando,


supostamente, já era possível observar “suas maravilhosas aptidões de espírito”. De aluno
medíocre, amigo da natureza e apaixonado por livros a jovem letrado, que viveu em meio à
atmosfera cultural da cidade do Recife, na década de 1870, e foi membro da “Academia
Francesa” do Ceará, no mesmo período. Os primeiros escritos e a vinda para o Rio também
são destacados, assim como a passagem pela Biblioteca Nacional e pelo Colégio Pedro II.
Honorina de Abreu Monteiro, neta de Capistrano, expõe o ponto de vista da família
sobre o homeangeado, o que contribui, até certo ponto, para humanizá-lo e, ao mesmo
tempo, para corroborar as opiniões circulantes sobre sua vida pública, elaboradas por
estudiosos de diferentes gerações e por amigos, que com ele conviveram.101 A intérprete
desenha a imagem ambígua de “um homem rude, esquisitão, de psicologia difícil de ser
equacionada”, que, ao mesmo tempo, era:

(...) fonte inesgotável de ternura a serviço dos seus íntimos: unir os desafetos constituía
uma glória para ele (...) A franqueza rude é, a meu ver, deselegância de espírito e, se meu
avô usava este tipo de franqueza, sabia temperá-la com essas armas que fizeram dele
aquele príncipe de boas maneiras, atenuando-lhe as arestas.102

99
Nos anos 1950, Mozart Monteiro redigia a seção Letras Históricas, do periódico O Jornal, tratando de
problemas relativos à história universal e do Brasil.
100
MONTEIRO, Mozart. [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”]. Conferência de encerramento do
Curso Capistrano de Abreu, pronunciada a 23/10/1953. Revista do IHGB, vol. 221, outubro-dezembro, 1953,
p. 154.
101
MONTEIRO, Honorina de Abreu. “O avô que eu conheci”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p.
182-193. Capistrano teve cinco filhos com Maria José de Castro Fonseca: Honorina (depois irmã Maria José
de Jesus); Adriano; Henrique (falecido quando criança); Matilde e Fernando (morto em 1918). E apenas três
netas, filhas de Adriano de Abreu: Jônia, Honorina e Isa (depois Madre Maria Teresa do Espírito Santo).
102
Honorina menciona que, certa vez, Capistrano deu a sua filha, também chamada Honorina, um manual de
etiqueta e boa conduta chamado Don’t, contendo regras de bem viver em sociedade. O caso chama atenção
devido à imagem de Capistrano como homem pouco afeito às convenções sociais. Segundo Honorina,
Capistrano se preocupava muito com as boas maneiras, não permitindo que os filhos colocassem os cotovelos
sobre a mesa ou falassem com o tom de voz alto. Os filhos de Capistrano freqüentaram algumas das melhores
escolas de sua época, famosas pela rigidez de comportamento exigida de seus alunos: o Colégio Imaculada

95
A morte da esposa (1891), o caso da entrada da tia Honorina para o convento de
Santa Teresa (1911), a morte do tio Fernando (1918) e a do próprio Capistrano são
lembradas como fatos marcantes na memória familiar. Parece haver certo empenho no
sentido de reconstruir a trajetória de Capistrano a partir dos marcos familiares, afastando os
referenciais de sua vida pública, para, de certa forma, “devolvê-lo” ao mundo privado.103
Além do estabelecimento de uma cronologia da vida de Capistrano, também se
observa a proposição de questões, consideradas capazes de orientar a biografia do
homenageado. Na opinião de Mozart Monteiro, por exemplo, a biografia deveria investigar
a saída de Capistrano do Colégio Pedro II – onde atuou entre os anos de 1883 e 1899 – e
enfrentar a questão que desde então perturba a maioria dos seus analistas: por que ele,
considerado em vida como o maior historiador do país, efetivamente não escreveu uma
história do Brasil? Após apresentar um “retrato” da desambição e da modéstia que teriam
marcado a vida do homenageado, o autor argumenta que, entre os motivos arrolados para
essa espécie de dívida do historiador para com seu país estão: a ausência de estudos
monográficos capazes de servir como base para uma grande síntese; e seu pouco interesse
pela história contemporânea (“uma lacuna em sua vasta e profunda erudição”), item
considerado relevante para uma história completa da nação.104
Para Mozart Monteiro, a investigação da saída de Capistrano do Colégio Pedro II
remete às exigências do ofício de historiador, uma vez que a disponibilidade remunerada
que obteve teria sido útil para garantir as condições que precisava para pesquisar. Segundo
o autor,

(...) para fazer, como historiador ou como erudito, investigações históricas, é mister (...) ter
paciência e dispor de tempo; ser diplomata, como Varnhagen e como Oliveira Lima; ou ser
rico, como Tobias Monteiro e como Paulo Prado; ter emprego em bibliotecas ou arquivos,
ou estar em inatividade remunerada, de cargo público (...) Fora das hipóteses acima

Conceição, o Alfredo Gomes, o Anchieta (em Friburgo) e a Escola Alemã. Ver ABREU, Honorina de Abreu,
ibidem, p. 184-85.
103
Honorina conta que seu pai, Adriano de Abreu – filho de Capistrano falecido pouco antes do centenário –,
chegara a planejar a elaboração da biografia de Capistrano, empenhando-se na preservação de documentos,
na recolha de depoimentos e na construção de uma cronologia, cujos marcos seriam guiados por
acontecimentos familiares: 1853-1875, destacando-se o período da infância e da juventude de Capistrano;
1875-1894, fase em que seria lembrada a morte da esposa de Capistrano, em 31/12/1891; 1894-1911, etapa
marcada pela entrada da filha Honorina para o convento, em 10/01/1911; 1911-1918, fixando o momento da
morte do filho Fernando (Abril), em 24/10/1918; 1918-1927, os anos finais da vida. A documentação reunida
por Adriano de Abreu foi deixada aos cuidados de Mathilde de Abreu Monteiro, filha de Capistrano, que
faleceu recentemente, deixando o referido material sob a guarda do Convento das Carmelitas Descalças, em
Santa Teresa, no Rio de Janeiro, onde viveu sua irmã, Honorina (Madre Maria José de Jesus).
104
MONTEIRO, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 153.

96
aventadas, é difícil consagrar-se alguém, durante muitos anos consecutivos, a pesquisas
históricas, feitas por conta própria.105

Acreditando que “um dos pontos capitais da História dos homens ilustres é
conhecer o momento exato em que a sua vocação se revela”, Monteiro se detém no tema
da “revelação” de Capistrano como historiador. Essa aptidão para o estudo da história teria
se manifestado em momento e local específicos: os anos de 1879 a 1883, na Biblioteca
Nacional do Rio de Janeiro. Essa é a época da publicação dos primeiros estudos históricos
de Capistrano, período em que ele também realizou descobertas relevantes para o campo
da crítica documental.
Desde sua fundação no início do século XIX, a Biblioteca Nacional era vista como
um monumento ao saber e ao mundo civilizado.106 Além de sua importância como local de
guarda de livros, periódicos, manuscritos etc., era nítido o valor simbólico de uma
instituição capaz de materializar a idéia de nação culta. A possibilidade de relacionar a
trajetória de um indivíduo à Biblioteca dava margem a construções simbólicas capazes de
sustentar a memória de uma vida dedicada à cultura. O caso de Rui Barbosa é exemplar
nesse sentido. Valorizado por sua vasta cultura, Rui foi homenageado na Biblioteca por
ocasião de seu jubileu cívico-literário, em 1918. Além disso, seu velório, em 1923, foi
realizado na Biblioteca.
Como já foi dito, no dia 22 de outubro de 1953, a Biblioteca inaugurou uma
exposição sobre Capistrano de Abreu, em homenagem ao seu centenário de nascimento. O
evento, organizado por José Honório Rodrigues, diretor da Divisão de Obras Raras e
Publicações e membro da Sociedade Capistrano de Abreu, exibiu livros considerados
representativos da vida do historiador e não apenas aqueles escritos por ele. A inauguração
contou com a presença do ministro da Educação e Saúde, Antônio Balbino, e do chefe da
Casa Civil, Lourival Fontes, entre outras personalidades.107
Além de recuperar acontecimentos como a passagem de Capistrano por instituições
culturais, a reflexão sobre a vocação do historiador também é composta por observações
acerca de sua capacidade de leitura. Trata-se de alguém que:

105
MONTEIRO, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 163.
106
Ver SCHWARCZ, Lilia Moritz. A longa viagem da biblioteca dos reis. São Paulo, Companhia das Letras,
2002.
107
Restaram poucos registros sobre essa exposição. Ver anúncio da inauguração em O Globo, 23/10/1953,
capa e p. 9. Entre as personalidades que compareceram ao evento, estavam: José Linhares, Jaguaribe Matos e
Gilson Amado.

97
Lia em toda a parte: em casa, no bonde, nas bibliotecas e arquivos públicos, onde quer que
se demorasse tendo à mão um jornal, uma revista ou um livro. E não lia só História: lia
tudo. Tudo, não: tudo o que merecesse a leitura de um homem culto.108

A trajetória adquire maior sentido através dessas reflexões acerca da vocação


intelectual de Capistrano, vista como obra do destino, algo nato ou, ainda, como fruto da
vontade individual. Rodrigo Otávio Filho, por exemplo, se empenha em desvendar as
influências que atuaram no destino do biografado. Destino que se manifesta na infância
vivida por uma “criança estranha” quando, acredita-se, já se observavam duas das
características continuamente recuperadas por seus biógrafos e intérpretes: a falta de asseio
e o gosto pela leitura. Segundo o autor, a mola propulsora desse destino individual foi a
vontade. Capistrano é apresentado como tendo sido “o maior exemplo do autodidata”. Um
homem que:

(...) por seu esforço pessoal tornou-se, no Brasil, mestre etnógrafo, antropólogo e
conhecedor da lingüística brasileira; geógrafo e naturalista, filólogo e humanista; e, mais do
que tudo isso, como laurel de uma vida sem brilhos estéreis, um grande homem de bem (...)
este homem (sábio, que parecia bruxo e santo), que foi o maior dos historiadores
brasileiros.109

Barbosa Lima Sobrinho analisa o surgimento da vocação de historiador em


Capistrano identificando elementos que considera importantes para sua formação
intelectual. Não se surpreende tanto com seu auto-didatismo (algo que admite ser comum
no Brasil de sua época), mas com a extensão de sua cultura. Sua “curiosidade de leitor
maníaco” teria sido um fator relevante na construção de si como intelectual.110
A vida de Capistrano em Fortaleza, entre os anos de 1871 e 1875, também teria tido
sua importância. Segundo o autor, foi então que ele iniciou sua atividade intelectual,
escrevendo para jornais locais e participando da “Academia Francesa” do Ceará. Tais
fatores – a leitura constante e a participação em um grupo de jovens intelectuais da
província – teriam contribuído de modo decisivo, ainda que indireto, para sua vocação de
historiador, ao estimular o contato com as idéias científicas de sua época.111

108
MONTEIRO, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 164.
109
OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 63.
110
LIMA SOBRINHO, Barbosa. “Capistrano de Abreu, historiador”. Revista do IHGB, vol. 221, outubro-
dezembro, 1953, p. 68.
111
Ibidem, p. 68-69.

98
Um dos modos de explicar a vocação e o destino de Capistrano é proposto através
dessa construção de relações entre o homenageado e uma determinada geração de “homens
de letras” dotados de espírito científico e interesse pelo país. Concordando com as
observações de Barbosa Lima Sobrinho, Gustavo Barroso também situa Capistrano entre
os membros da geração cearense que freqüentara a “Academia Francesa” do Ceará na
década de 1870. Para o autor, sem a compreensão dessa “geração da análise e da dúvida,
mesmo algumas vezes da negação”, é difícil medir a alma e a obra de Capistrano, que foi
um de seus representantes. As características dessa geração seriam: o racionalismo, o culto
da honra e o desdém pelas honrarias. Daí o descaso observado quanto ao trajar e ao
convívio social. Um conjunto de pensadores cujo talento teria sido inutilizado pela boemia
– ou, em outras palavras, pela “preguiça contemplativa e romântica” –, de modo que as
análises que desenvolveram produziram dúvidas e estas os incapacitaram para a síntese.112
Além da relação com a “geração de 1870”, a identificação dos autores lidos por
Capistrano em fins do século XIX – Buckle, Taine, Agassiz, Wappoeus, Peschel e Ratzel –
a vinda para o Rio e a entrada, por concurso, para a Biblioteca Nacional são considerados
marcos na vida de alguém que, segundo Lima Sobrinho, já possuía a vocação para o estudo
árduo. Concordando com Mozart Monteiro, afirma que os anos de pesquisa na Biblioteca
teriam influído poderosamente sobre sua orientação vocacional, desenvolvida através de
estudos sobre a historiografia do século XIX, do aperfeiçoamento dos métodos de
investigação e da revisão crítica da obra de Varnhagen. Se não chegou a elaborar uma
história geral (sintética) do Brasil, dedicou-se à revisão das fontes, em um momento visto
como de transição da historiografia. Sua contribuição como historiador estaria relacionada,
principalmente, à crítica de restituição e de procedência, à heurística e à hermenêutica,
assim como, à publicação de manuscritos (tarefa iniciada por Varnhagen).113
Por fim, completa-se o “retrato” de Capistrano como historiador com a afirmação
de sua plena identificação com a História, exemplificada no trato dos personagens do
passado, com os quais parecia conviver como se fossem “velhos conhecidos”,
contemporâneos seus. Para Lima Sobrinho,

(...) a História foi tudo para ele, trabalho e divertimento, cadeia e evasão, tormento e
consolo, preocupação e alegria. Ela é que lhe encheu os dias de isolamento e viuvez; que
lhe escolheu os amigos, que lhe ditou as cartas mais íntimas. Ela ainda, a benfeitora

112
BARROSO, “Capistrano de Abreu e a interpretação do Brasil”, op. cit., p. 93-94.
113
Ibidem, p. 80-81.

99
tranqüila, que guardou o seu nome para a posteridade e nos foi buscar, a todos nós, em
nossas casas, para esta homenagem à sua memória.114

Tratando-se de um evento celebrativo, as conferências proferidas durante o Curso


Capistrano de Abreu cumprem o objetivo principal que é homenagear um intelectual
morto, através de uma operação que, de certo modo, o trás de volta à vida: a comemoração
de seu centenário de nascimento. Entre elogios, lembranças e demonstrações de saudade,
alguns parâmetros para a leitura de Capistrano são definidos. Os marcos de sua trajetória
são estabelecidos, assim como, é delineado o perfil de um homem modesto e íntegro, sem
vaidades e de aparência excêntrica, extremamente dedicado ao estudo da história do Brasil.
Alguém cuja trajetória intelectual remete à constituição do próprio campo de estudos
históricos no país, atuando como uma espécie de farol a guiar as novas gerações de
pesquisadores. Tais parâmetros se completam com as análises da obra de Capistrano, que
conferem valor as suas contribuições.

2.3.2. A obra capistraneana: contribuições para a cultura brasileira

Ao lado das conferências que tratam, principalmente, da vida, da personalidade e da


vocação de Capistrano, foram expostas algumas interpretações sobre sua obra e
pensamento, com o objetivo de situar sua produção em relação à cultura nacional, à
historiografia e à geografia brasileiras. São análises que estabelecem alguns parâmetros
para a leitura da produção publicada ou apenas planejada por aquele que era considerado
por muitos e há muito tempo como o maior historiador do país. Em função disso, busca-se
identificar as contribuições do homenageado, segundo os participantes do Curso, de modo
que seja possível compreender aquilo que foi então definido como o legado de Capistrano.
É Múcio Leão quem analisa a contribuição de Capistrano para a cultura nacional.
Contribuição observada em variados terrenos, pois,

Esse homem espantoso agitou e revolveu toda a cultura nacional. Sua contribuição é
magnífica no terreno da geografia, da etnografia, da antropologia, da lingüística, do
folclore; é sem igual no terreno da história.115

114
BARROSO, “Capistrano de Abreu e a interpretação do Brasil”, op. cit., p. 90.
115
LEÃO, “Capistrano de Abreu e a cultura nacional”, op. cit., p. 110.

100
São as palavras de um dos mais importantes articulistas do Estado Novo, que
desempenhou papel relevante na direção do suplemento literário Autores & Livros, do
jornal A Manhã, veículo oficial do ideário estadonivista. Nessa função, ele organizou uma
homenagem a Capistrano em 1944, dedicando-lhe um número especial do suplemento,
como já foi visto. A atuação desse jornalista, tanto em Autores & Livros como no Curso do
IHGB, permite afirmar sua importância como um dos principais agentes que contribuíram
para a perpetuação do nome de Capistrano de Abreu, ao lado dos fundadores da sociedade
erigida em seu nome e de José Honório Rodrigues, cujo empenho na construção da
memória sobre o historiador é notável a partir do centenário de 1953.
Indo além, Múcio Leão afirma que a contribuição de Capistrano ultrapassa os
campos específicos do conhecimento. Seu maior mérito teria sido colocar fatos e
indivíduos pouco valorizados sob o foco. Além disso, seus julgamentos sobre a política, a
literatura, a historiografia e, também, sobre seus contemporâneos, são considerados úteis
para a compreensão do Brasil. Trata-se de um “retratista moral” do país, “o maior erudito
que o Brasil teve em todos os tempos” e “o maior historiador”.116 Capistrano é alçado ao
patamar de símbolo nacional. Ele é:

(...) um dos motivos de orgulho de nossa nacionalidade. E o seu exemplo – que é o da


honestidade, o da pureza, o da autenticidade, o da dedicação ao estudo, o do devotamento
ao trabalho obscuro e constante – é um daqueles que mais nos enobrecem, um daqueles que
em nossos momentos de desalento mais nos servem de consolo, fazendo-nos acreditar de
novo nas redenções da alma brasileira.117

Considerando que se trata de um discurso comemorativo, é possível supor que as


qualidades destacadas no indivíduo homenageado correspondem a valores que podem e
devem ser compartilhados. Ao mesmo tempo, esse discurso permite perceber o tipo de
produção cultural e de intelectual valorizado. No caso em questão, destaca-se a
“honestidade, a pureza e a autenticidade”, assim como a “dedicação ao estudo” e o
“devotamento ao trabalho” de Capistrano, que servem como exemplo, consolo e motivo de
redenção coletiva.118 Diante de “momentos de desalento” é possível encontrar ânimo ao

116
LEÃO, “Capistrano de Abreu e a cultura nacional”, p. 110-118.
117
Ibidem, p. 119.
118
Sobre as noções de sinceridade (compreendida como sinônimo de honestidade) e autenticidade, ver
GONÇALVES, José Reginaldo. “Autenticidade, Memória e Ideologias Nacionais: o problema dos
patrimônios culturais”. Estudos Históricos – Dossiê Identidade Nacional, vol. 1, n. 2, 1988, p. 264-275; e
ABREU, “Entre a nação e a alma”, op. cit., p. 7 (versão digital).

101
lembrar o nome e a trajetória daqueles que são tidos como capazes de suscitar o orgulho de
ser brasileiro. Tratando-se de um intelectual, cabe destacar os aspectos de sua obra e
pensamento, supostamente úteis no processo de redenção nacional.
Da contribuição de Capistrano para a cultura brasileira à contribuição para os
estudos históricos. Gustavo Barroso afirma que a historiografia brasileira se dividia em
antes e depois de Capistrano, que construíra análises vivas e documentadas sobre o
descobrimento e a colonização do país. Antes dele a escrita da história era “seca, árida,
sem humanidade”, restringindo-se a crônicas, anais e relatórios. Uma matéria “flutuante e
amorfa”, carente de periodização. No entanto, o autor indaga porque Capistrano,
“estudioso consciente”, “analista crítico” e “narrador arguto”, não escreveu a monumental
História do Brasil que dele era esperada. A resposta é localizada no âmbito da
personalidade, marcada pela “absoluta incapacidade de seu espírito, não intelectual, mas
funcional”. Capistrano não teria investido no estudo da história para obter ensinamentos,
promover a vulgarização ou conquistar a glória através da elaboração de uma obra
completa, mas “pela avidez de saber, de fartar sua curiosidade peculiar, própria, de se
sentir senhor, para gláudio seu, dos segredos do passado”. Individualista, não se
preocupava com o grande público. Dotado de “alma boemia, analista e paradoxal, rebelde a
qualquer disciplina corporal ou mental”, Capistrano construiu sua obra dispersa, com
formação filosófica superficial e sem método. Uma obra que, apesar disso, era
“genuinamente brasileira”, verdadeira expressão da cultura nacional.119
Já Arthur Cezar Ferreira Reis recupera a contribuição de Capistrano para o
desenvolvimento da Geografia no Brasil. A referência a essa dupla inserção do trabalho de
Capistrano, na geografia e na história, está de acordo com a identidade do Instituto que o
homenageia, que é histórico e também geográfico. Trata-se do reconhecimento de que o
homenageado contribui para a consolidação de dois tipos de conhecimento pouco distintos
no início do século, mas que nos anos 1950 já constituíam campos diferenciados.
Apresentado como modesto e sábio, Capistrano também é identificado como um
“professor de civismo”, empenhado no estudo e no ensino da formação da nacionalidade.
Após fazer um pequeno histórico dos estudos geográficos no Brasil, Ferreira Reis chama a
atenção para o fato de que Capistrano começou suas atividades intelectuais em uma fase de
renovação dos estudos sobre a geografia nacional, quando expedições científicas

119
BARROSO, “Capistrano de Abreu e a interpretação do Brasil”, op. cit., p. 97 e 100.

102
percorriam o território brasileiro coletando informações sobre a vida econômica e social e,
também, sobre o meio físico.120
Uma tênue discordância entre a memória que associa Capistrano ao terreno da
História e a que o relaciona ao terreno da Geografia pode ser localizada na interpretação
sobre a tese O Descobrimento do Brasil no século XVI, defendida pelo homenageado no
concurso para o Colégio Pedro II, em 1883. Segundo Reis, essa tese teria sido
revolucionária, não tanto pela exegese documental proposta – aspecto caro para os
estudiosos da história –, mas pela valorização dos aspectos geográficos, até então
desprezados pelos pesquisadores do período colonial.121
Sem possuir as qualidades de um autor “organizado, disciplinado ou constante”,
Capistrano é visto por Ferreira Reis como um erudito que se dedicou a estudos variados,
sendo possível admitir que seu trabalho mais sistemático versava sobre a história. No
entanto, ele teria sido um estudioso

(...) íntimo dos grandes mestres da ciência geográfica de seu tempo, a par das concepções
revolucionárias que modificavam o processo do trabalho geográfico e da importância da
geografia e suas divisões, admirador de Humboldt, de Ritter, de Preschel, de Albert Penckt,
de Alexandre Supan, de toda, portanto, a geografia alemã que comandava a renovação dos
estudos e das concepções geográficas (...).122

Trata-se de alguém que não foi um “geógrafo profissional”, realizador de operações


de campo, nem um “geógrafo de gabinete”, dedicado a teorizações. Fez traduções e
adaptações de trabalhos estrangeiros dedicados ao estudo do Brasil, pelo viés de uma
geografia econômica, social e cultural. Assim como no âmbito dos estudos históricos,

120
REIS, Arthur Cezar Ferreira dos. “Capistrano de Abreu, geógrafo”. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez.,
1953, p. 139-140.
121
Ferreira Reis afirma que: “O sentido revolucionário da tese não o devemos buscar nas inovações por que
dispôs o assunto, manejando a documentação disponível e fazendo uma exegese exaustiva da matéria. Esse
sentido revolucionário consiste justamente na proposição dos aspectos geográficos, desprezados até então
pelos que tentavam esclarecer e compreender nossos cem anos de vida inicial. A caracterização da costa,
explicando a ocupação, a marcha da expansão, as condições do hinterland, o papel dos rios motivando
melhor a penetração e conhecimento do interior, são, naquelas páginas de excepcional valia, em nosso
entender, o revolucionário, sem esquecer que há, ali igualmente páginas de geografia social, de geografia
econômica verdadeiramente modelares servindo à exegese do Brasil que despontava e se propunha ao mundo
com todas aquelas particularidades”. Ibidem, p. 144-45
122
Ibidem, p. 146.

103
Capistrano teria dado uma contribuição importante à renovação da atividade geográfica
brasileira, através de trabalhos dispersos em prefácios e periódicos.123 Para Reis,

Capistrano afigura-se-nos um animador das operações de campo, um filiado às correntes


européias de renovação, tendo utilizado, com evidente êxito, como pioneiro, o exame dos
fatores geográficos para interpretar a vida brasileira. 124

O Curso também inclui as palavras de José Honório Rodrigues, que tem por
objetivo avaliar as contribuições de Capistrano para a historiografia brasileira. Segundo
Rodrigues,

A verdadeira compreensão das tarefas da historiografia brasileira cumpridas ou a cumprir,


de seus feitos e achados, do estado atual das questões, ninguém revelou tão cedo, num
descortínio claro, lógico e exato, como este jovem em seus ensaios de 1878 a 1882, os
melhores que até hoje se escreveram.125

O autor destaca as mudanças do pensamento de Capistrano, estimuladas por leituras


diversas. Ainda que considere difícil marcar com precisão um ponto de inflexão nas suas
idéias, afirma o distanciamento do historiador em relação ao positivismo – que o teria
influenciado, sobretudo, no início da carreira – e a afinidade com o pensamento alemão.
Além de mencionar influências teóricas e destacar o interesse de Capistrano pela
antropogeografia, pela economia política e pela psicologia, argumenta que sua atividade de
pesquisa na Biblioteca Nacional contribuiu para aproximá-lo da perspectiva do realismo
histórico. A reviravolta de seu pensamento teria sido possível tanto pelo conhecimento
teórico quanto pela pesquisa empírica.126 Supostamente, esse empenho na distinção das
fases do pensamento de Capistrano – que transita do positivismo para o realismo histórico

123
São citados como contribuições de Capistrano para a geografia: os prefácios a Gandavo, Cardim, Gabriel
Soares de Souza e Notas sobre a Paraíba, de Irineu Joffily; Descobrimento do Brasil e sua evolução no
século XVI; Capítulos de história colonial (1907); Caminhos antigos e povoamento do Brasil, obra que
“revelou o melhor sentido do geográfico que possuía”; e as traduções das obras Geografia do Brasil, de
Wappeus; O homem e a terra, de Alfred Kirchoff; e Geografia do Brasil, de Selin, além de vários artigos de
Herbert Smith, reunidos sob o título Do Rio de Janeiro a Cuiabá, e do trabalho de Emílio Goeldi, Clima do
Pará. Também contribui com artigos próprios, como A Geografia do Brasil, onde fez um sumário dos
estudos geográficos produzidos por “pré-geógrafos, “geógrafos de gabinete” e “geógrafos de campo”.
124
REIS, “Capistrano de Abreu, geógrafo”, op. cit., p. 150.
125
RODRIGUES, José Honório. “Capistrano de Abreu e a historiografia brasileira”. Conferência proferida
no IHGB em 07/10/1953. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 121.
126
Ibidem, p. 124, 126-127.

104
– permite pensar a ruptura entre uma tradição de estudos históricos vigente ao longo do
século XIX e uma “nova” tradição historiográfica.
Capistrano surge, ao mesmo tempo, como “o homem da síntese” e um pesquisador
incansável, um “nadador num mar sem limites”: o mar da documentação. Ele é
interpretado como um historiador que atuou no sentido de suprir as deficiências da
historiografia de sua época, realizando bem a tarefa de criticar a história já escrita, ao
mesmo tempo em que propunha novas perspectivas, temas e conceitos.127 Nesse sentido,
Rodrigues reforça a imagem de um Capistrano pesquisador, cuja atividade teria sido
marcada pelo conhecimento de um grande volume de documentos, em contraponto ao
Capistrano autor, cujos escritos, embora poucos, seriam caracterizados pela qualidade,
pelas possibilidades de interpretação da história que inaugurou. Suas principais
contribuições seriam: a pesquisa documental, com base na crítica externa e interna; a
edição crítica de documentos e a reedição de obras, com anotações; as traduções; a
periodização; a aquisição de fatos; a construção de novos conceitos; a inclusão do povo
como personagem da história; a exploração de novos temas, tais como os festejos, a família
e o sertão; o enfoque da relação entre a história interna e externa do Brasil; a renovação
metodológica; o incentivo a pesquisas.
Após avaliar o legado de Capistrano, chamando a atenção para o seu caráter
inovador, José Honório o insere em uma tradição de estudos históricos ao afirmar que:

A formação teórica, a pesquisa incansável, a imaginação criadora, as qualidades especiais,


as faculdades novas e o estilo deram a este homem um destaque incomparável na sua época
e entre os de sua geração. Seu papel na historiografia brasileira entre 1878 e 1927 não se
exprime só com os Capítulos. Seguindo a linha de Varnhagen, Cândido Mendes de
Almeida, João Francisco Lisboa e Joaquim Caetano da Silva, Capistrano de Abreu foi um
erudito e um incansável pesquisador dos fatos novos ou por esclarecer. Fez pesquisa
documental, aquisição de fatos, edição crítica de textos históricos. Era a primeira
orientação a seguir para quem quisesse trazer uma contribuição nova.128

127
RODRIGUES, “Capistrano de Abreu e a historiografia brasileira”, op. cit., p. 130 e 132.
128
Ibidem, p. 132. Um movimento semelhante é feito quando Rodrigues aproxima Capistrano da geração de
1930, mais especificamente, situa-o como antecipador da obra de Gilberto Freyre, embora essa não seja
citada de modo explícito. Rodrigues afirma que, “(...) em Capistrano, o conceito de cultura substitui o de
raça; seus estudos indígenas renovaram nossa etnografia; a importância da história social e dos costumes
aparece pela primeira vez nos Capítulos; e o próprio sistema da casa e da senzala e sua importância no Norte
viu-o pela primeira vez em 1910”. Ibidem, p. 134.

105
José Honório quer responder à pergunta que já prevalecia: o quanto modesto seria o
espólio literário de Capistrano? Qual seria o seu legado, a sua “herança científica”?
Conclui afirmando que o legado do historiador cearense era definitivo e original devido à
seriedade de seu método e às novas perspectivas que ele abrira. Como qualidades de
Capistrano, aponta: “claridade e crítica, sobriedade e competência, probidade e erudição”.
Assim,

Não importam os grossos volumes; devemos fixar-nos não só no que Capistrano realizou
como historiador, mas no que aspirava realizar, no que queria, no que postulava. É na
novidade desse princípio e na estranha energia com que soube mantê-lo que reside seu
mérito essencial e incomparável.129

A análise de Rodrigues constrói a imagem de Capistrano de Abreu como um jovem


dotado de “formação teórica atual, um conhecimento incomum dos fatos, um novo ideal de
história do Brasil e uma gana incurável de saber”. Alguém que, desde muito cedo, marcou
posição no mundo intelectual através de sua capacidade crítica e que, embora não tenha
produzido muito – considerando o que dele era esperado – foi capaz de construir, com
brilhantismo, uma obra síntese. Fortalece a idéia de que, mesmo sendo jovem, sem a
autoridade conferida pelos anos, Capistrano conseguiu conquistar espaço como conhecedor
da historiografia. Fato que Rodrigues considera decisivo para a “radical transformação”
que ele operou no saber histórico. Porém, mais que valorizar aquilo que foi feito, destaca
aquilo que Capistrano deixou por fazer, no sentido de caminhos historiográficos não
percorridos, mas abertos. Consolida-se, assim, a imagem de um Capistrano precursor,
alguém capaz de preparar o terreno para novas explorações, autor de um verdadeiro
programa historiográfico a ser seguido pelas gerações futuras.130
Na maior parte dos discursos produzidos em função do Curso Capistrano de Abreu,
observa-se o investimento no sentido de demarcar uma singularidade, definida a partir de
um conjunto de qualidades, que fazem dele alguém sem precedentes e sem par. De modo
geral, o Curso definiu as linhas mestras para a leitura do homem Capistrano, através da
construção de um perfil físico-psicológico. Esse perfil corresponde a um conjunto que
engloba tanto o corpo e a personalidade, situados fora do tempo – uma vez que prevalece
uma única imagem corpórea e psíquica do indivíduo nos vários discursos, ignorando as

129
RODRIGUES, “Capistrano de Abreu e a historiografia brasileira”, op. cit., p. 137.
130
Ibidem, p. 120 e 124.

106
mudanças vividas ao longo da vida –, como os projetos, as idéias, as realizações e os
acontecimentos, geralmente atrelados à linha cronológica. Ao fim e ao cabo, o evento
definiu o legado de Capistrano, que pode ser relacionado a duas dimensões: a da
construção da história enquanto campo de conhecimento e a da construção da própria
nacionalidade, com seus elementos representativos, entre os quais alguns intelectuais
podem estar situados, em função de sua suposta e desejada capacidade de interpretar a
nação. Assim, o Curso Capistrano de Abreu pode ser visto como um acontecimento
comemorativo que foi capaz de transformar o homenageado em uma espécie de patrimônio
da cultura brasileira.131

*
* *

Este capítulo apresentou alguns empreendimentos sucessivos, que, de diferentes


modos, contribuíram para situar Capistrano de Abreu entre os grandes conhecedores do
Brasil das primeiras décadas do século XX. Em vida, Capistrano desenvolveu estudos
considerados complementares, como a lingüística e a etnologia indígena, a história e a
corografia, cujos limites eram difíceis de estabelecer. Após sua morte, operou-se uma
partilha dos campos de conhecimento ainda em formação. Coube à História e não à
Antropologia ou à Geografia, incluí-lo como marco referencial na história da disciplina,
confirmando a tendência já apontada por seus contemporâneos, que o reconheciam como o
“maior historiador do Brasil”.132
Para Oscar Calavia Saez, o “ruído póstumo” em torno de Capistrano desperta
suspeitas. Afinal de contas, por que comemorá-lo? A morte e as sucessivas comemorações
em torno de seu nome fizeram de Capistrano um “sábio inimitável”, um erudito ímpar, que
desenvolveu pesquisas de um tipo que não mais teria lugar. Nas palavras de Saez, “suas
honras fúnebres foram artes para domesticar um morto; para lembrá-lo, mas também, e não

131
Para pensar sobre a transformação de pessoas em patrimônio cultural, ver ABREU, Regina. “„Tesouros
humanos vivos‟ ou quando as pessoas transformam-se em patrimônio cultural – notas sobre a experiência
francesa de distinção do „Mestres da Arte‟”. In: ABREU, Regina e CHAGAS, Mário (Orgs.). Memória e
patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro, DP&A, 2003, p. 81-94.
132
Para o antropólogo Oscar Calavia Saez, Capistrano ocupava um espaço intelectual que permitia a
conjunção entre história e etnologia. Após sua morte, com as demarcações dos campos disciplinares, a
História e não a Antropologia, o incluiu entre seus nomes referenciais. Segundo o autor, “há depois dele
[Capistrano] um esforço paralelo por escrever a história sem índios e por descrever os índios sem história”.
Ver SAEZ, Oscar Calavia. A morte e o sumiço de Capistrano de Abreu: Antropologia, Etnologia e/ou
História do Brasil, in www.cfh.ufsc.br/~oscar/CAPISTRANO.DOC.

107
em menor medida, para esquecê-lo”. Algo semelhante pode ser dito da comemoração de
seu centenário. Um modo de saldar uma dívida ou “fazer justiça” a alguém que contribuiu
para o conhecimento do Brasil, cujas interpretações deveriam, para alguns, ser imitadas, e,
para outros, como Gustavo Barroso, superadas.

108
3
Memória e biografia:
a trajetória de um “cruzado da inteligência”

(...) é desses cujos íntimos dizem que não


podemos conhecer sem tê-los conhecido...
Desses de quem se fala sempre invocando uma
anedota, um dito de espírito, um epigrama
vingador. E cuja obra escrita não completa a
figura, não explica tudo o que foram, nem a
metade do que foram (Tristão de Athayde,
Capistrano, 1928).1

A construção da memória sobre Capistrano de Abreu se deu através de uma série de


empreendimentos, entre os quais está a elaboração de biografias e a divulgação de
pequenas histórias capazes de estabelecer uma imagem do indivíduo, destacando suas
particularidades.2 Tais empreendimentos podem suscitar disputas pela memória ou, pelo
contrário, sustentar-se mutuamente, estabelecendo consensos mais ou menos rígidos. Isso
parece ter ocorrido no caso em questão. Compreender o consenso construído em torno de
Capistrano, analisando as biografias e pequenas histórias contadas sobre ele, equivale a
destrinchar a trama da memória que o consagrou como alguém digno de ser lembrado no
presente e no futuro. Alguém que se tornou familiar entre os intelectuais dedicados ao
estudo da história, sendo reconhecido unanimemente como o maior historiador do Brasil
em sua época.

1
ATHAYDE, Tristão de. “Capistrano” [1928]. In: _____. Estudos, 3a série. Rio de Janeiro, tomo 1, 1930, p.
299.
2
Sobre a relação entre produção biográfica, instituição de memória, processo de individuação e mitificação,
ver, por exemplo: SOUZA, Adriana Barreto de. “Entre o mito e o homem: Caxias e a construção de uma
heroicidade moderna”. Locus – Revista de História, vol. 7, n. 1, 2001, p. 93-106; MOURA, Cristina Patriota
de. “Herança e metamorfose: a construção social de dois Rio Branco”. Estudos Históricos – Dossiê Heróis
Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 25, 2000, p. 81-101.

109
O capítulo a seguir está dividido em três partes. A primeira expõe alguns problemas
referentes à biografia e lembra alguns de seus diferentes usos no Brasil. A segunda analisa
as biografias sobre Capistrano, relacionando-as de modo a observar convergências e
divergências, além de identificar seus eixos narrativos principais. A terceira apresenta os
pequenos casos contados sobre ele, que consolidaram uma espécie de tradição oral em
torno de seu nome e serviram para ilustrar as biografias, reforçando as imagens e
interpretações construídas pelos biógrafos. O objetivo geral é compreender a memória
biográfica erigida sobre Capistrano, que pode ser vista como um dos vetores fundamentais
da “transformação” do historiador em autêntico símbolo da história pátria.

3.1. Sobre a biografia

Várias das discussões importantes da historiografia contemporânea relacionam-se à


biografia. O problema que norteia essas discussões é aquele dos limites da liberdade e da
racionalidade humanas, subjacente ao da relação entre indivíduo e sociedade que, por sua
vez, remete a um dos paradoxos da história: aquele que opõe o particular ao geral. 3 Uma
abordagem do tema biografia coloca, portanto – quase que inevitavelmente – o problema
nada simples das relações entre o indivíduo e a história. Afinal, como lembra Jacques Le
Goff, o indivíduo é um dos “inevitáveis objetos da história” (ao lado do acontecimento e da
política),4 ainda que algumas vezes tenha sido possível supor o contrário.
A biografia é uma prática moderna, diretamente relacionada ao individualismo5 e à
idéia de que a vida corresponde a uma trajetória dotada de sentido, passível de ser contada
por meio de uma linha que liga começo, meio e fim. Trata-se de um tipo de escrito
caracteristicamente híbrido, pois articula elementos distintos, oriundos de diferentes
épocas, tradições e gêneros de escrita: das histórias de vida da antiguidade, passando pelas

3
LEVI, Giovanni. “Usos da biografia” (1989). In: FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína
(Orgs.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, FGV, 2001 [1996], p. 167-182; ver, também, LEVI,
“Sobre a micro-história”. In: BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Unesp,
1992, p. 133-161; e LE GOFF, Jacques. “História”. In: _____. História e memória. Campinas, Unicamp,
1990, p. 17-202.
4
LE GOFF, Jacques. Como escrever uma biografia histórica hoje?. Tradução de Henrique Espada Lima
Filho do original “Comment écrire une biographie historique aujourd‟hui?”. Le Débat, n. 54, mars-avril,
1989, p. 48-53.
5
Sobre o individualismo, ver: DUMONT, Louis. O individualismo: uma perspectiva antropológica da
ideologia moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1985; DUARTE, Luís Fernando Dias. “O culto do eu no templo
da razão”. Boletim do Museu Nacional, n. 41, 1983, p. 2-27; Idem, “A construção social da memória
moderna”. Boletim do Museu Nacional, n. 41, 1983, p. 28-54; CORBIN, Alan. “O segredo do indivíduo”. In:
PERROT, Michelle (Org.). História da vida privada 4 – Da Revolução francesa à Primeira Guerra Mundial.
São Paulo, Companhia das Letras, 1991 [1a ed. 1987], p. 428-430 e 458-463.

110
hagiografias medievais, pelas biografias renascentistas, até o elogio dos “grandes homens”
e as modernas biografias dos séculos XVIII, XIX e XX.6
Ainda que a prática de escrever histórias de vida existisse desde a antiguidade e que
diversas formas de escrita de si possam ser localizadas ao longo do tempo, a idéia de que a
vida é uma história começou a se esboçar somente no século XVIII. A biografia surgiu
como gênero literário quando a experiência individual passou a ser relacionada a uma
dimensão global, geralmente orientada. Ou seja, quando a experiência de cada um pôde ser
pensada como algo dotado de sentido. A idéia de progresso autorizou a visão de que o
indivíduo passa por um processo de desenvolvimento. Assim, a narrativa biográfica pôde
se afirmar como um escrito retrospectivo, capaz de construir ou inventar uma imagem
coerente do indivíduo biografado.7
A história da biografia é marcada por um movimento de laicização que promove a
ruptura progressiva com modelos morais e religiosos, e a busca de informações cada vez
mais objetivas sobre uma dada personalidade. Os modelos universais são substituídos pelo
ideal da individualização, que estimula o interesse pela interioridade. Tais mudanças
podem ser observadas a partir dos séculos XVI e XVII, destacando-se uma crescente
“literalização” da biografia, que procura instrumentos do romance, do poema, do teatro
etc., que ajudem a assegurar a expressão de uma “verdade mais íntima”.8
Em texto de 1986, Pierre Bourdieu chamou a atenção para uma noção de senso
comum pouco questionada pelas ciências sociais: a noção de história de vida, fundada na
idéia de que a vida é uma história, ou “um conjunto de acontecimentos de uma existência
individual, concebida como uma história e o relato dessa história”. O autor desconstrói
essa idéia reavaliando seu pressuposto principal: o de que a vida constitui um todo coerente
e orientado, que deve ser compreendido como expressão de um projeto subjetivo e
objetivo, simultaneamente.9
A narrativa autobiográfica (assim como a biográfica) se baseia na preocupação de
dar sentido à existência, conferindo-lhe um suporte retrospectivo e prospectivo. O relato

6
LEVILLAIN, Philipe. “Os protagonistas: da biografia”. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma história
política. Rio de Janeiro, FGV / UFRJ, 1996, p. 149.
7
CALLIGARIS, Contardo. “Verdades de autobiografias e diários íntimos”. Estudos Históricos – Dossiê
Arquivos Pessoais. Rio de Janeiro, n. 21, 1998, p. 48.
8
Sobre a história do gênero biográfico, ver WERNECK, Maria Helena. “As poéticas de elogio ao homem de
letras”. In: _____. O homem encadernado: Machado de Assis na escrita das biografias. Rio de Janeiro,
UERJ, 1996, p. 31-45.
9
BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica”. In: FERREIRA e AMADO, op. cit., p. 183-84. Originalmente
publicado com o título de “L‟illusion biographique”. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, (62/63):69-
72, juin 1986.

111
procura estabelecer relações inteligíveis baseadas na lógica da causa e efeito. Estas são
arranjadas em estados sucessivos, constituindo as etapas de um desenvolvimento em
determinada direção. Para Bourdieu, tratar a vida como uma história corresponde a
elaborar um “relato coerente de uma seqüência de acontecimentos com significado e
direção”. Tal procedimento equivaleria a uma “ilusão retórica”, uma representação comum
da existência estimulada por uma tradição literária e por certos mecanismos sociais, que
favorecem a percepção da vida como uma totalidade.10
Um dos mecanismos sociais que favorecem a compreensão de uma vida como uma
unidade coerente é o nome próprio. Por designar um mesmo objeto em diferentes
universos, o nome próprio institui uma identidade social aceita como algo constante e
uniforme. No entanto, aquilo que o nome próprio designa, a custa de grande abstração,
nada mais é que “uma rapsódia heterogênea e disparatada de propriedades biológicas e
sociais em constante mutação”.11
Como ultrapassar a armadilha da “ilusão biográfica” e do nome próprio? Bourdieu
considera que os acontecimentos biográficos constituem “colocações” e “deslocamentos”
dentro de um determinado espaço social, a partir do qual diferentes tipos de recursos de
ação ou valoração estão em jogo. Para compreender uma trajetória, propõe um “desvio
pela construção do espaço” em que essa trajetória se desenvolve. Ou seja, pela “paisagem”
(o contexto) na qual se insere um agente biológica e sociologicamente instituído. Trata-se,
portanto, de reconstruir a estrutura da rede de relações sociais do agente (indivíduo), que
atua como matriz de suas relações objetivas. A investigação inclui, em primeiro lugar, a
construção dos estados sucessivos do campo no qual a trajetória se desenrolou; em
segundo, a construção do conjunto das relações objetivas (pelo menos em certo número de
estados pertinentes) que uniram o agente considerado a outros agentes envolvidos no
mesmo campo e confrontados com o mesmo “espaço dos possíveis”. O objetivo final é
elaborar uma avaliação rigorosa da “superfície social” onde se encontra o sujeito, e que
determina suas relações objetivas.12
Um ponto que não pode ser esquecido. Diante de uma velha indagação sobre a
existência ou não de “um eu irredutível à rapsódia das sensações singulares”, Bourdieu
propõe a utilização do conceito de habitus. Trata-se de uma “identidade prática”,
construída e situada historicamente, que só pode ser apreendida através de suas

10
BOURDIEU, “A ilusão biográfica”, op. cit., p. 184-185.
11
Ibidem, p. 186-7.
12
Ibidem, p. 189-190.

112
manifestações sucessivas, recuperadas através de um relato totalizante. Diante das
condições objetivas da existência, o habitus permitiria ao indivíduo existir como agente em
diferentes campos.13
De modo geral, as considerações de Bourdieu sobre a “ilusão biográfica” são
consideradas pertinentes e seu texto tornou-se referência obrigatória para o estudo da
biografia. A busca de unidade de sentido para a existência não faz mais sentido, o que foi
constatado pelas ciências sociais e pela história tardiamente, uma vez que a literatura já
afirmava isso há muito tempo. Além disso, hoje, a reconstrução do contexto do indivíduo,
levando em conta a multiplicidade de campos e temporalidades em que ele vive, é vista
como indispensável.14
Contudo, a proposta de Bourdieu apresenta algumas armadilhas. Em primeiro lugar,
o gênero biográfico não está preso à narrativa cronológica, ao relato de acontecimentos ou
a uma história pouco problemática. Se a concepção de história como um “relato coerente
de uma seqüência de acontecimentos com significado e direção” é datada do fim do século
XVIII, é preciso considerar que nem sempre, mesmo no Setecentos, a história foi
compreendida e escrita dessa forma. O mesmo pode ser observado sobre a biografia. Como
ressaltou Sabina Loriga, “o enunciado biográfico não tende sempre, automaticamente, para
a forma tradicional da biografia”, compreendendo-se por tradicional a biografia dos
“grandes homens”, exemplar e anedótica, construída a partir de um fio linear que liga os
acontecimentos da vida de um indivíduo do nascimento à morte, de modo plenamente
coerente. Alternativas a este modelo já eram buscadas no século XIX, por exemplo.15
Em segundo lugar, a noção de habitus tende a reforçar a idéia de que o indivíduo é
determinado, em última instância, pelo coletivo ou por suas relações sociais objetivas. A
ênfase de Bourdieu parece recair sobre aspectos normativos, deixando pouco espaço para a
atividade subjetiva. Como observou Yves Clot, “o sujeito não é mais que um agente, um
efeito de interseção, uma persistência por inércia, um rastro que não se revela, senão
através de condições idênticas àquelas que o produziram”.16

13
BOURDIEU, “A ilusão biográfica”, op. cit., p. 186.
14
Giovanni Levi destaca o livro Tristram Shandy, de Sterne (séc. XVIII) como o primeiro romance moderno,
justamente por chamar atenção para a extrema fragmentação de uma biografia individual. Ver LEVI, “Usos
da biografia”, op. cit., p. 170. Sabina Loriga lembra André Gide, Robert Musil e Virgínia Woolf, como
referências para pensar como a literatura tem lidado com o indivíduo. Ver LORIGA, Sabina. “A biografia
como problema”. In: REVEL, Jacques (Org.). Jogos de escala: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro,
FGV, 1998, p. 244-5. Sobre a noção de contexto, ver REVEL, “Microanálise e construção do social”. In:
REVEL (Org.), op. cit., p. 27.
15
LORIGA, ibidem, p. 246.
16
CLOT, Yves. “La outra ilusion biografica”. História y Fuente Oral, n. 2 – Memória y Biografia.
Barcelona, 1989, p. 36.

113
Assim, ao lado da “ilusão biográfica”, haveria uma outra ilusão: a objetivista, que
supõe ser possível ajustar as disposições individuais às posições sociais, considerando que
o sujeito somente se revela na ação. Clot chama a atenção para o fato de que a
subjetividade não é simplesmente um “acontecimento interior”, oposto às atividades
objetivas. A subjetividade constitui “uma atividade singular de apropriação”, que precisa
ser levada em conta. A biografia pode ser vista como um exercício capaz de conjugar a
história social – que constantemente coloca o sujeito diante de novos problemas – e a
história individual, no curso da qual o sujeito se depara com uma pluralidade de caminhos
a considerar.17
Explorando o tema um pouco mais, Giovanni Levi complexifica a reflexão sobre a
possibilidade de escrever sobre a vida de alguém. Mais especificamente, destaca três
aspectos relativos à biografia, que considera pouco analisados: as incoerências entre as
normas no interior de um sistema social, o tipo de racionalidade que é atribuído aos atores
sociais e a relação entre indivíduos e grupos.
Propõe que a biografia vá além de apontar as contradições entre a norma e seu
funcionamento, verificando o caráter intersticial da liberdade individual e descrevendo o
modo como os sistemas normativos efetivamente funcionam. Esse funcionamento não
pode ser visto apenas como o resultado exclusivo de um desacordo entre regras e práticas,
mas, também, como fruto de incoerências estruturais, de fissuras existentes no interior das
próprias normas, que favorecem práticas diversificadas. Dessa forma, o exercício
biográfico pode contribuir para demonstrar que a liberdade de escolha dos indivíduos é
consciente, mesmo sendo cultural e socialmente determinada, o que só é possível graças à
margem de manobra, de interpretação das regras, de negociação, que as contradições
inerentes ao sistema de normas permitem aos atores.18
Quanto ao problema do tipo de racionalidade atribuído aos atores, observa que a
biografia freqüentemente constrói agentes totalmente informados, cujas atuações são
consideradas socialmente “normais” e “uniformes”. São atores inteiramente racionais,
imunes a dúvidas e sem incertezas. Sua proposta é tentar configurar formas de
racionalidade mais seletivas e abertas a possibilidades, dúvidas e incertezas. Por fim, Levi
considera importante que a biografia investigue a relação entre indivíduo e grupo,
buscando enfrentar o problema da constituição e durabilidade desse último – de modo a

17
CLOT, “La outra ilusion biografica”, p. 36-7.
18
LEVI, “Usos da biografia”, op. cit., p. 179-180.

114
percebê-lo como algo dinâmico –, ao mesmo tempo, em que considera a margem de
liberdade do indivíduo.19
As biografias sobre Capistrano de Abreu tocam nesse universo de questões. Mas,
antes de examiná-las, é preciso considerar os diferentes “usos” do biográfico. Isso porque,
pode-se observar, no Brasil, a existência de uma tradição biográfica, que serve como meio
de humanizar a história e, dessa forma, difundir uma pedagogia cívica através do exemplo
de uma vida.20
Na virada do século XIX, duas obras de Joaquim Nabuco se destacam – Um
estadista no Império (1898) e Minha formação (1900) –, ambas divulgadas na imprensa
antes da publicação em livro. O primeiro, uma espécie de história do Império, elaborada a
partir da trajetória do Conselheiro Nabuco de Araújo e, o segundo, um misto de
autobiografia e literatura de formação do próprio autor.21 Já era grande, nesse momento, o
investimento feito pelos institutos históricos, particularmente, pelo Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro, no sentido de compor galerias de “homens ilustres”, através de
elogios, saudações22 e necrológios. Foi nas páginas da revista do IHGB que, em 1840,
surgiu uma seção inteiramente dedicada a homenagear os mortos ilustres.23
Entre meados do século XIX e a década de 1930, muitas obras chamam a atenção
por utilizar recursos biográficos, observando-se variações entre os usos da biografia: 1) na
produção historiográfica, como, por exemplo, em D. João VI no Brasil (1908), de Oliveira

19
LEVI, “Usos da biografia”, op. cit., p. 179. Nesse ponto, a crítica se dirige a Roger Chartier, para quem as
representações individuais e coletivas possuem gênese semelhante. Ver CHARTIER, Roger. A história
cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel, 1990.
20
ENDERS, Armelle. “O „Plutarco brasileiro‟: a produção de vultos nacionais no Segundo Reinado”.
Estudos Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 25, 2000, p. 41-62; GONÇALVES,
Márcia de Almeida. Em terreno movediço: biografia e história na obra de Octávio Tarquínio de Sousa. São
Paulo, FFLCH-Dep. de História, tese de doutorado do PPGHS, 2003. Ver, também: BITTENCOURT, Feijó.
“A biografia no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. Revista do IHGB, vol. 240, jul.-set., 1958, p.
127-151.
21
Outros exemplos de (auto)biografias do século XIX: Plutarco brasileiro (1847), Felinto Elísio e sua época
(1891) e Memórias do meu tempo (1897), todos de Pereira da Silva; O Marquês de Caxias (1867), de José de
Alencar; Biografia de frei Camilo de Monserrate (1887), de Ramiz Galvão; Épocas e individualidades
(1889), de Clóvis Beviláqua; Esboços biográficos (1858 e 1862), Biografia de Hipólito José da Costa
Pereira (1871), O general José Joaquim de Andrade Neves (1869) e Memórias do Visconde de São Leopoldo
(1873), todos do Barão Homem de Mello etc.
22
A entrada de novos sócios no IHGB era acompanhada por uma saudação, escrita por um dos membros.
Essa saudação era publicada na revista do Instituto. No caso de instituições como a Academia Brasileira de
Letras, além da saudação do novo sócio, era comum que esse fizesse o elogio de seus antecessores e,
especialmente, do patrono de sua cadeira.
23
Trata-se da seção “Brasileiros ilustres pelas ciências, letras, armas e virtudes etc...” da Revista do IHGB.
Ver ENDERS, op. cit.. Quanto aos dicionários bio-bibliográficos da primeira metade do século XX,
destacam-se os de Guilherme Studart, Dicionário Bio-bibliográfico Cearense (1910-1915); Liberato
Bittencourt, Homens do Brasil (1914-1917); Sacramento Blake, Dicionário Bibliográfico Brasileiro (1883-
1902); Argeu Guimarães, Dicionário Bio-Bibliográfico Brasileiro de Diplomacia, Política Externa e Direito
Internacional (1938); e Velho Sobrinho, Dicionário Bio-Bibliográfico Brasileiro (1940), entre outros.

115
Lima; 2) no romance histórico, como O príncipe de Nassau (1926), de Paulo Setúbal; 3) na
literatura, como Memórias do sobrinho de meu tio (1868), de Joaquim Manuel de Macedo;
Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis; No hospício (1905), de
Rocha Pombo; e O Ateneu (1888) – espécie de autobiografia romanceada –, de Raul
Pompéia; 4) na literatura escolar, distinguindo-se os livros didáticos e os chamados “livros
de leitura”;24 5) nas autobiografias e memórias, exemplificadas por Como e porque sou
romancista (1893), de José de Alencar; Reminiscências (1908) e Trechos de minha vida
(1911), do Visconde de Taunay; e O meu próprio romance (1931), de Graça Aranha; e 6)
nas próprias biografias, como José Bonifácio, o velho e o moço (1920), de Afrânio Peixoto;
João Caetano dos Santos (1927), de Adamastor Vergueiro da Cruz etc. É possível
localizar, também, uma série de artigos com teor biográfico publicados em jornais,
revistas, separatas e/ou reunidos em coletâneas, tais como: O Marquês de Caxias (1867),
de José de Alencar; Simon Bolívar (1911), de Rocha Pombo;25 O Duque de Caxias (1903)
e Francisco Ramos Paz (1920), ambos de Capistrano de Abreu etc.
Não se trata de classificar todos os trabalhos citados como biografias, mas de
considerá-los como obras que mobilizam recursos da biografia na construção de diferentes
tipos de texto. Entre esses recursos está o uso de uma narrativa centrada na trajetória de um
indivíduo, relacionando-a a acontecimentos históricos ou ficcionais, por vezes, tecendo um
paralelo entre a trajetória individual e a da nação. Ao identificar o uso desses recursos em
diferentes gêneros de textos é preciso lembrar duas discussões. Uma, que analisa a relação
entre biografia e história.26 Outra, que trata da questão do sujeito na narrativa literária.27
Trata-se de pensar, portanto, nos usos possíveis da biografia ou do biográfico na
elaboração de trabalhos historiográficos, romances, livros didáticos, “livros de leitura”
escolar e, como é mais óbvio, nas memórias pessoais.

24
A chamada “literatura escolar nacional”, que incluía livros didáticos e “livros de leitura”, também
contribuiu para divulgar uma história calcada na biografia de “grandes homens”. Ver, por exemplo: Lições de
história do Brasil (1861), de Joaquim Manuel de Macedo; e História do Brasil ensinada pela biografia de
seus heróis (1890), de Silvio Romero.
25
O artigo de Rocha Pombo foi publicado no livro Contos e Pontos, de 1911. Nesse texto é possível localizar
certo empenho no sentido de conjugar história e biografia. Ver observações a respeito em VECCHI, Roberto.
“Estilhaços de ausências: vidas como texto em Olga, de Fernando Morais, e No Hospício, de Rocha Pombo”.
In: DECCA, Edgar Salvadori de e LEMARE, Ria (Orgs.). Pelas margens: outros caminhos da história e da
literatura. Campinas, Unicamp; Porto Alegre, UFRGS, 2000, p. 191-209.
26
Ver, por exemplo, MOMIGLIANO, Arnaldo. “History and biography”. In: FINLEY, Moses (Org.). The
legacy of Greece. Oxford, University of Oxford Press, 1984, p. 155-184.
27
Ver ALBERTI, Verena. “Literatura e autobiografia: a questão do sujeito na narrativa”. Estudos Históricos.
– Dossiê Viagem e Narrativa. Rio de Janeiro, vol. 4, n. 7, 1991, p. 66-81; e LIMA, Luiz Costa. Sociedade e
discurso ficcional. Rio de Janeiro, Guanabara, [1986]; Idem. Aguarrás do tempo: estudos sobre a narrativa.
Rio de Janeiro, Rocco, 1989.

116
Houve certa renovação do gênero nos anos 1920, sendo que, no Brasil, o verdadeiro
boom veio a ocorrer entre as décadas de 1930 e 1950, quando se destaca a produção de
Octávio Tarquínio de Souza – reunida nos 10 volumes da História dos Fundadores do
Império, publicados em 1958 – e livros como Memórias: essas minhas reminiscências
(1937), de Oliveira Lima; Minhas memórias dos outros (1934), de Rodrigo Otávio; Minha
vida (1934), de Medeiros e Albuquerque; Memórias de um senhor de engenho (1948), de
Júlio Bello; O velho Félix e suas “Memórias de um Cavalcanti” (1959), de Félix
Cavalcanti de Albuquerque; Um senhor de engenho pernambucano (1959), de Aníbal
Fernandes etc.
Segundo Márcia de Almeida Gonçalves, essa renovação foi inspirada por um
movimento internacional de publicação de biografias, que suscitou discussões acerca da
potencialidade histórica e literária do exercício biográfico.28 Paralelamente, esses
diferentes usos da biografia conviveram com as transformações historiográficas das
primeiras décadas do século XX, que, progressivamente, criticaram a escrita biográfica,
minimizando o papel dos indivíduos na história. Apesar da tradição no uso da biografia nas
histórias política e literária brasileiras e, também, como forma de educação cívica,
prevaleceu, na área mais acadêmica, um “olhar desqualificador” sobre o empreendimento
biográfico.29
Pesquisas recentes têm procurado romper com essa perspectiva. Alguns trabalhos
apontam a existência, por exemplo, de narrativas (auto)biográficas inaugurais, que servem
de parâmetro para outras biografias. Um exemplo é a biografia do Duque de Caxias, Vida
do grande cidadão brasileiro (1878), de Joaquim Pinto de Campos, que, segundo Adriana
Barreto de Sousa, funda uma matriz discursiva sobre Caxias que permanece inalterada até
a década de 1980.30
O caso de Capistrano é diferente, pois não se observa a existência de uma única
narrativa biográfica capaz de influir sobre outras. A “matriz discursiva” sobre esse

28
Márcia de Almeida Gonçalves analisa as discussões internacionais sobre a biografia ocorridas após a I
Guerra Mundial, recuperando as leituras de alguns críticos literários brasileiros, como Humberto de Campos
e Alceu Amoroso Lima, sobre aqueles que eram então considerados como os mestres da moderna biografia:
Lytton Strachey, André Maurois, Emil Ludwig e Stephan Zweig. Ver GONÇALVES, Em terreno movediço,
op. cit., especialmente p. 91-146 e p. 147-199.
29
É importante observar que, tanto a historiografia quanto as teorias literárias se empenharam na
desqualificação da biografia, produzindo o que Maria Helena Werneck chamou de “antibiografismo”. Ver,
por exemplo: WERNECK, “As poéticas de elogio ao homem de letras”, op. cit., p. 22; e, também,
LEVILLAIN, “Os protagonistas: da biografia”, op. cit., p. 158; CHAUSSINAND-NOGARET, Guy.
“Biográfica (História)”. In: BURGUIÈRE, André (org.). Dicionário de Ciências Históricas. Rio de Janeiro,
Imago, 1993, p. 95-97.
30
Ver SOUZA, “Entre o mito e o homem”, op. cit., p. 95.

117
historiador deve ser buscada, inicialmente, nas muitas pequenas histórias que foram
contadas sobre ele oralmente e que circularam por meio de textos memorialísticos. Em
seguida, deve ser buscada não apenas nas biografias, mas em uma variedade de textos, que,
de diferentes modos, consolidaram determinadas interpretações e imagens do biografado,
reproduzidas ao longo de décadas, tanto por biógrafos quanto por historiadores e cientistas
sociais. Lembro que três dos textos que servem como referência para conhecer a trajetória
e o pensamento de Capistrano, fundando “matrizes discursivas” sobre ele, foram
produzidos em função do primeiro centenário de nascimento do historiador, em 1953. São
eles: Capistrano de Abreu e a historiografia brasileira, de José Honório Rodrigues;
Capistrano de Abreu: vida e obra do grande historiador, de Pedro Gomes de Matos; e
Capistrano de Abreu: tentativa biobibliográfica, de Hélio Vianna. Apenas os dois últimos
possuem um teor biográfico.
Após rastrear, ainda que minimamente, esses diferentes usos da biografia no Brasil,
passemos à apresentação de um conjunto de biografias sobre Capistrano de Abreu, listadas
no quadro a seguir:

OBRA ANO AUTOR FORMATO


Capistrano de Abreu: 1931 Alba Canizares Separata de discurso
o Homem e a Obra (Primeiro ensaio crítico- Nascimento
biográfico)
Há cem anos nascia Capistrano de Abreu 1952 Raimundo de Separata de artigo
Menezes publicado em periódico
Capistrano de Abreu: ensaio biobibliográfico 1953 Hélio Vianna Livro
Capistrano de Abreu: Vida e Obra do Grande 1953 Pedro Gomes de Livro
Historiador (Edição do Centenário) Matos
A vida de Capistrano de Abreu 1953 Rodrigo Otávio Conferência publicada em
(Curso Capistrano de Abreu) Filho periódico
Considerações sobre Capistrano de Abreu 1953 Mozart Monteiro Conferência publicada em
(Curso Capistrano de Abreu) periódico
Capistrano de Abreu – historiador 1953 Barbosa Lima Conferência publicada em
(Curso Capistrano de Abreu) Sobrinho periódico
Capistrano de Abreu e a cultura nacional 1953 Múcio Leão Conferência publicada em
(Curso Capistrano de Abreu) periódico
O avô que eu conheci 1953 Honorina de Abreu Conferência publicada em
(Curso Capistrano de Abreu) Monteiro periódico
Capistrano de Abreu 1953 Edgar de Castro Conferência publicada em
(Conferência no Ministério da Educação e Rebello periódico
Cultura)
Capistrano de Abreu: um homem que estudou 1956 Raimundo de Livro
Menezes
Capistrano de Abreu: tentativa biobibliográfica 1969 José Aurélio Livro
Saraiva Câmara

118
Sob o nome de biografias estão aí incluídos, não apenas os livros publicados com
esse fim mas, também, os artigos cujo teor é caracteristicamente biográfico, devido à
ênfase na trajetória de vida e nos aspectos relativos à individualidade. Os necrológios
também poderiam ser incluídos aqui, no entanto, optou-se por tratá-los separadamente,
pois constituem um tipo muito específico de texto biográfico, produzido imediatamente
após a morte do indivíduo biografado.31
O trabalho de Alba Canizares Nascimento – apresentado como “primeiro ensaio
crítico-biográfico” – é um extrato do discurso pronunciado pela autora na ocasião de sua
entrada na Academia Carioca de Letras. Trata-se de um elogio a Capistrano, patrono de sua
cadeira, publicado em separata com apoio da Sociedade Capistrano de Abreu.32
O livro de Pedro Gomes de Matos33 foi publicado por ocasião do I Centenário de
Nascimento do historiador. É uma fonte notável para autores como Rodrigo Otávio Filho,
Mozart Monteiro e Hélio Viana, por exemplo. Contudo, a utilização desse trabalho por tais
autores não se dá em função das interpretações sobre o biografado que Matos propõe, mas
dos documentos e textos sobre Capistrano que ele reproduz.
Outros trabalhos elaborados por ocasião do Centenário são o de Hélio Vianna34 –
premiado pelo Ministério da Educação e Cultura – e os dois textos de Raimundo de
Menezes.35 Sobre o livro de José Aurélio Saraiva Câmara, cabe lembrar que recebeu o
Prêmio Otávio Tarquínio de Souza de melhor ensaio biográfico.36

31
Ver capítulo 1.
32
NASCIMENTO, Alba Canizares. Capistrano de Abreu: o homem e a obra. Primeiro ensaio crítico-
biográfico. Rio de Janeiro, Briguiet, 1931.
33
MATOS, Pedro Gomes de. Capistrano de Abreu, Vida e Obra do Grande Historiador. Edição do
Centenário. Fortaleza, A. Batista Fontennele Editora, 1953.
34
VIANNA, Hélio. Capistrano de Abreu: ensaio biobibliográfico. S/l, Ministério da Educação e Cultura,
1953. O concurso foi instituído pela Lei n. 1896, de 02/07/1953, especificamente destinada a comemorar o
centenário de nascimento de Capistrano de Abreu.
35
MENEZES, Raimundo de. Capistrano de Abreu: Um homem que estudou. São Paulo, Melhoramentos,
1956. Esse livro faz parte da série Grandes Vultos das Letras, lançada pela Editora Melhoramentos, com o
objetivo de valorizar personalidades do mundo das letras jurídicas, da área de história, da crítica literária etc.
O subtítulo parece ter sido extraído de OTÁVIO FILHO, Rodrigo. “A vida de Capistrano de Abreu”,
publicado na Revista do IHGB, n. 221, out.-dez. 1953, p. 47. Antes desse livro, Menezes havia publicado o
texto “Há cem anos nascia Capistrano de Abreu”, como separata da Revista Investigações, ano V, outubro-
novembro-dezembro, n. 51, 1952.
36
CÂMARA, José Aurélio Saraiva. Capistrano de Abreu: tentativa biobibliográfica. Prefácio de Djacir
Menezes. Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1969. A comissão que concedeu o Prêmio Otávio Tarquínio
de Sousa de melhor ensaio ao livro de Saraiva Câmara foi composta por Pedro Calmon, Hélio Vianna e
Leonardo Arroyo. A “bio-bibliografia” foi publicada em 1969, como parte da coleção Documentos
Brasileiros (n. 136), então dirigida por Afonso Arinos de Melo Franco. O cearense Saraiva Câmara,
engenheiro por formação, serviu o Exército a partir dos anos 1940, dedicando-se ao magistério militar como
professor de matemática. Desenvolveu estudos sobre a história do Brasil, sendo autor dos seguintes títulos:
Aspectos do domínio holandês no Ceará (1956); Um aspecto da tradição militar cearense (1959); O tempo e
os homens (1967); e Fontes cearenses de Euclides da Cunha (1967). Também desempenhou funções na área
de segurança pública e na Universidade Federal do Ceará. Foi membro do Instituto do Ceará.

119
No caso dos textos de Barbosa Lima Sobrinho, Múcio Leão e Honorina de Abreu
Monteiro (todos analisados no capítulo anterior),37 é preciso dizer que seus objetivos não
são exatamente biográficos, pois tratam de diferentes questões, como a revelação de
Capistrano como historiador, sua contribuição para a cultura nacional e seu lugar na
memória familiar, respectivamente. No entanto, são trabalhos que fazem referências à
trajetória de vida de Capistrano a fim de alcançar seus objetivos. Foram incluídos no
quadro em função desse teor biográfico, sendo necessário distingui-los dos demais.
Os textos de Mozart Monteiro, Edgar de Castro Rebello e Rodrigo Otávio Filho
(também analisados no capítulo 2)38 se ocupam, de diferentes formas, da vida de
Capistrano. Ao lado dos trabalhos de Lima Sobrinho, Múcio Leão e Honorina de Abreu
Monteiro, constituem discursos lidos nas conferências organizadas pelo Instituto Histórico
e Geográfico Brasileiro, durante as comemorações do I Centenário de Nascimento do
historiador, em 1953. Reproduzem algumas histórias sobre o homenageado e estabelecem
uma cronologia para sua trajetória, revelando um conteúdo biográfico.
Esse conjunto de trabalhos de teor biográfico, que procura conjugar a trajetória de
vida, a personalidade e a obra de Capistrano de Abreu, pode ser visto como parte de um
processo de valorização dos “homens de letras” no âmbito nacional. Um tipo de cultura
comemorativa que se desenvolveu em torno de escritores, artistas, cientistas e intelectuais,
entre os séculos XVIII e XIX, com repercussão no século XX. Em meio a essa cultura
comemorativa – constituída por cerimônias, exposições, publicações, panegíricos,
visitações a locais identificados com a vida do homenageado etc., as biografias têm um
lugar especial. Entre outras coisas, elas contribuem para o desenvolvimento do interesse
por aquilo que é identificado como a face humana do biografado, e não apenas por seus
feitos literários, intelectuais, científicos ou artísticos. Em função disso, os biógrafos
costumam utilizar instrumentos capazes de auxiliar na compreensão da interioridade do
indivíduo, recorrendo aos depoimentos daqueles que com ele conviveram; aos estudos
sobre o caráter e sua relação com o meio e a origem (racial ou social); à psicologia; à
análise da obra e do contexto, vistos como capazes de fornecer elementos para a
compreensão da vida, entre outros recursos. Também buscam inspiração nos diversos tipos

37
LIMA SOBRINHO, Barbosa. “Capistrano de Abreu, historiador”. Revista do IHGB, vol. 221, outubro-
dezembro, 1953, p. 67-91; LEÃO, Múcio. “Capistrano de Abreu e a cultura nacional”. Revista do IHGB, vol.
221, out.-dez., 1953, p. 102-119; MONTEIRO, Honorina de Abreu. “O avô que eu conheci”. Revista do
IHGB, vol. 221, out.-dez., 1953, p. 182-193.
38
MONTEIRO, Mozart. [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”]. Revista do IHGB, vol. 221, out.-dez.,
1953, p. 151-181; REBELLO, Edgard de Castro. “Capistrano de Abreu”. Revista do IHGB, vol.221, out.-
dez., 1953, p. 204-213; OTÁVIO FILHO,”A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 46-66.

120
de narrativa, do elogio ao romance, passando pela poesia e pelo teatro, a fim de
desenvolver formas eficazes para transmitir aquilo que se tem como a “verdade íntima”.39
Essa cultura comemorativa parece ter sido fundada sobre a crença na existência de
uma espécie de dívida para com determinados indivíduos. Cabe investigar o modo como
essa dívida se instaura, considerando os diferentes modos como ela é paga. Entre esses
modos está a reconstituição biográfica, que pode ser pensada como um tipo de produção de
memória, que contribui para a mitificação de autores e obras e a criação de tradições
literárias, artísticas, intelectuais e científicas. Em meio às disputas pelo legado, que
envolvem lembranças e esquecimentos, ocorre a escolha de precursores e seguidores, em
um movimento que articula passado, presente e futuro.
Entre as biografias sobre Capistrano relacionadas no quadro anterior, foram
escolhidas para análise: as de Alba Canizares Nascimento, Pedro Gomes de Matos, Hélio
Vianna, Raimundo de Menezes e José Aurélio Saraiva Câmara, todos membros da
Sociedade Capistrano de Abreu (1927-1969).40 O objetivo é compreender seus eixos
narrativos principais, para além da identificação de concordâncias e divergências.

3.2. Capistrano biografado

A primeira biografia sobre Capistrano foi escrita poucos anos após sua morte.
Trata-se do já citado Capistrano de Abreu, o homem e a obra, de Alba Canizares
Nascimento (1931). Esse primeiro exercício biográfico propõe um roteiro que vai do
retrato físico, passando pela infância e juventude, assim como, por breves observações
acerca das variadas experiências do biografado como polígrafo (jornalista, naturalista,
etnógrafo, geógrafo, poliglota, homem de letras, estilista, causeur, artista e historiador).
Também recupera aspectos de sua vida familiar, das amizades e de sua personalidade
excêntrica. Para completar, algumas “amostras” de seu pensamento são revistas,
culminando com observações sobre seu enterro seguidas pela lembrança da morte. Essa
última permite evocar o homenageado como alguém que ainda vive através da memória.
A autora destaca elementos que considera capazes de singularizar o biografado ou,
em outras palavras, de caracterizá-lo como um ser único, excepcional, dotado de talentos
exemplares. Esses “talentos” são de dois tipos: os morais, relacionados à origem sertaneja
de Capistrano; e os criadores, associados a sua capacidade intelectual, sustentada por vasta

39
Ver, por exemplo, WERNECK, “As poéticas de elogio ao homem de letras”, op. cit., p. 31-45.
40
Sobre a Sociedade Capistrano de Abreu, ver capítulo anterior.

121
erudição. Assim, afirma-se a imagem de alguém que representa a “personificação máxima
de intelectualidade genuinamente brasileira”, um autodidata e polígrafo exemplar.
A caracterização do personagem se apóia sobre três pilares interligados: a aparência
física, a personalidade e o pensamento, esse último traduzido por uma obra considerada
vasta e original. Em outras palavras, ao lado do retrato do homem Capistrano (enquanto
presença física, ser moral e intelectual), uma interpretação da obra é construída. Homem e
obra sustentando-se mutuamente. A visão do autor como um pensador genuinamente
brasileiro é transposta à obra, caracterizada como marcadamente nacionalista, bem
conforme aos ventos que abrem a década de 1930.
O retrato físico é o de alguém que apresenta as características de um cruzamento
ancestral entre índios e portugueses. Nas palavras da autora, “seu corpo dizia do passado
heróico dos potiguaras e dos tabajaras”. A imagem física é conjugada à personalidade.
Capistrano, homem do interior, é caracterizado como “(...) autônomo, forte, caráter
incorruptível, pronto a reações, apto a lutas e a vencer. Tinha a fereza e a doçura dos
sertões”.41
No “ensaio crítico-biográfico” elaborado por Canizares encontram-se alguns
elementos que irão compor a imagem de Capistrano por décadas: a sabedoria (erudição,
inteligência, cultura), o desprendimento das coisas materiais ou mundanas (que fazem crer
na modéstia),42 a grandeza da alma e o patriotismo de quem dedicou a vida ao estudo do
Brasil. São elementos presentes em discursos anteriores – como ensaios, necrológios e
resenhas críticas sobre Capistrano e sua obra –, mas que adquirem novo status através do
discurso biográfico. Nele prevalece a interpretação do biografado como alguém dotado de

41
NASCIMENTO, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [10]. Desde o fim do século XVIII, uma série de
estudiosos procuravam conjugar a análise da fisionomia ou aparência física (a exterioridade) com a análise
do caráter (ou interioridade). No fim do século XIX, os estudos fisiognômicos influenciaram diversas áreas
como a criminalística, a antropologia e a psicologia, afetando, também, a produção artística e literária. Esse
conjunto de trabalhos veio a compor a chamada “literatura fisiognômica”, com grande influência sobre a
produção de biografias até, pelo menos, os anos 1930. Em função disso, alguns consideraram que a biografia
deveria ser um retrato em letras do comportamento, das características físicas e das ações do biografado.
Johann Caspar Lavater (1741-1801), considerado o fundador da fisiognomia moderna, a definia como sendo
“a ciência de conhecer o caráter de um ser humano a partir de seus traços exteriores”. Ver GONÇALVES,
Em terreno movediço, op. cit., p. 17-19.
42
Capistrano é comparado a Diógenes (c. 404-323 a. C.), filósofo grego conhecido por seu comportamento
excêntrico e língua mordaz. Foi discípulo de Antístenes, fundador da filosofia cínica. Desprezava os
confortos da vida, vestindo-se com trapos e morando dentro de uma tina de barro (um barril), por considerar-
se um cidadão do mundo, desvinculado de lugares particulares. Seu ascetismo ostensivo e a indiferença pela
crítica alheia ficaram associados à filosofia cínica e passaram a representar um ideal de vida contra as
convenções sociais. Diógenes é comumente representado em seu barril com a lanterna na mão acesa em
plena luz do dia, à procura de “um homem honesto”, um ser verdadeiro, vivendo conforme a natureza.
Baseava sua vida no exercício e na fadiga, instrumentos que considerava necessários para dominar os
prazeres e alcançar a liberdade e a felicidade. Por sua simplicidade ostensiva, era visto por alguns como um
grande orgulhoso.

122
superioridade mental e, também, de descaso pelas coisas materiais, avesso ao orgulho e às
vaidades mundanas. Da infância e da juventude, a autora recupera elementos que ajudam a
compor um tipo rebelde, insubordinado às convenções, ao mesmo tempo inteligente e
apaixonado por livros.
O eixo principal da narrativa segue a lógica do elogio ao “grande homem”,
considerado um exemplo. Nas palavras da autora,

A glória dos pensadores, filósofos e artistas da palavra escrita é lenta, porém durável.
Gênios, santos e heróis desdenham a submissão às vantagens interesseiras do presente,
olhos fitos em ideal remontado, determinados num propósito benemérito. Admiremos os
grandes homens. Admirar eleva, engrandece, enobrece. Admirando excedemo-nos a nós
próprios, ultrapassamo-nos.43

Pedagogicamente, Alba Canizares seleciona aspectos da vida do biografado,


capazes de contribuir para sua admiração. Não importa tanto a trajetória linear regida pela
temporalidade, mas a demonstração das qualidades, do mérito do biografado, de modo a
favorecer o culto à sua memória. No entanto, o retrato de Capistrano como homem e como
intelectual é delineado em meio a elogios capazes de aproximar, mas, ao mesmo tempo, de
afastar o leitor do biografado. O mesmo apelo à memória que contribui para a construção
de um sentimento de admiração e intimidade, situa o biografado em uma espécie de
pedestal, caracterizando-o como alguém distinto (“um homem raro”) e, por isso, digno de
ser cultuado.
O livro de Pedro Gomes de Matos – Capistrano de Abreu: Vida e Obra do Grande
Historiador (1953) é dedicado ao Ceará – terra natal do biógrafo e do biografado – e,
também, ao irmão mais novo de Capistrano, Sebastião de Abreu, guardião da memória
familiar, que contribuiu para a pesquisa fornecendo documentos como cartas e fotografias.
De acordo com o próprio autor, trata-se menos de uma biografia acabada do que de um
roteiro para futura biografia. A organização do livro em duas partes – “Preliminares” e
“Juízos Críticos” – reflete a opção pelo esboço biográfico, sendo que grande parte do texto
corresponde à reprodução de depoimentos sobre o biografado, nem sempre acompanhados
por referências.
Matos propõe conjugar três elementos: o meio, o homem e o povo cearense. Uma
perspectiva teleológica guia a construção do personagem, cuja inserção na história

43
NASCIMENTO, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [66].

123
brasileira e no cenário intelectual parece ter sido determinada por sua origem interiorana
(sertaneja). O autor caracteriza o ambiente onde nasceu Capistrano como tendo sido
marcado por “lutas e dificuldades”. Sua “alma” teria sido “plasmada” em meio a
infortúnios vencidos pela força da vontade, sustentada por uma personalidade dotada de
recursos como a tenacidade. Capistrano é inserido no rol dos escritores cearenses que
contribuíram, através de seus estudos e escritos, para a formação da nacionalidade.
Reunindo retratos, opiniões e um rico conjunto de casos contados sobre Capistrano,
Matos organiza uma espécie de mosaico biográfico, cujos marcos principais são
recorrentes: a origem familiar; os primeiros estudos; a viagem da província à Corte; o
casamento, os filhos e a morte da esposa; as amizades; a doença, a morte e as homenagens
póstumas. Desenha-se a imagem de um autodidata e polígrafo (“historiador-artista”, crítico
literário, etnógrafo, antropologista, estudioso da lingüística brasileira, geógrafo, naturalista
e filólogo), grande humanista e “homem de bem”.
O livro de Matos é contemporâneo de outros discursos, apoiados em roteiro
similar.44 São textos que recuperam opiniões sobre Capistrano, em geral depoimentos
daqueles que com ele conviveram. Visando penetrar na intimidade da vida e colocar o
leitor em contato com a personalidade do biografado, o autor apresenta um personagem
composto não apenas por elementos oriundos da natureza (do meio) e da ancestralidade,
mas por suas próprias iniciativas enquanto intelectual-polígrafo. Afirma-se a imagem de
um leitor apaixonado, pesquisador tenaz, erudito e homem modesto. Buscando caracterizá-
lo como um ser único, o autor afirma que Capistrano aprendeu tudo por si mesmo,
“projetando-se nos meios culturais do país pela força espontânea e exclusiva do seu
talento”.45
O terceiro trabalho de cunho biográfico foi escrito por Hélio Vianna, membro da
Sociedade Capistrano de Abreu. Intitula-se Capistrano de Abreu: ensaio biobibliográfico
(1953). Como foi dito anteriormente, trata-se de um livro premiado em concurso instituído
pelo Ministério da Educação e Cultura para comemorar o centenário de nascimento de
Capistrano. O itinerário recupera acontecimentos da infância e da mocidade no Ceará e em
Pernambuco, mas se concentra no período da vida de Capistrano no Rio de Janeiro.46

44
Ver textos produzidos durante a comemoração do I Centenário de Nascimento de Capistrano, em 1953,
especialmente os trabalhos apresentados durante o Curso Capistrano de Abreu, organizado pelo Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, publicado na Revista do IHGB, n. 221, outubro-dezembro 1953.
45
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 79.
46
A trajetória de Capistrano é dividida em seis fases: 1) o período que vai de 1875 a 1883, marcado pelas
atividades como jornalista e bibliotecário, culminando com o concurso para o Imperial Colégio de Pedro II;
2) os anos entre 1883 e 1889; 3) de 1890 a 1898; 4) de 1899 a 1907, com destaque para a publicação do livro

124
Partindo do nascimento, as diversas fases da trajetória de Capistrano são
reconstituídas através de acontecimentos, que vão desde os primeiros estudos na terra
natal; a breve passagem por Recife no final da década de 1860; a participação na
“Academia Francesa” do Ceará; os primeiros textos publicados; até à vinda para o Rio de
Janeiro, nos anos de 1870. Esse período da vida na Corte, depois capital federal, é marcado
pela atuação na imprensa e na Biblioteca Imperial (com destaque para a colaboração na
Exposição de História do Brasil, de 1881), assim como, pelo concurso para o Colégio de
Pedro II, em 1883, entre outros eventos.
Mas essa biografia de Capistrano é pontuada, sobretudo, pelas publicações
(apontando-se a ausência dessas em certos períodos), assim como, pela correspondência,
de onde se destacam as constantes referências à pesquisa histórica e à informação
bibliográfica. Além de fornecer uma listagem da produção capistraneana, situando-a
cronologicamente, Vianna também pontua a narrativa com breves referências ao
temperamento afetivo e à personalidade do biografado, considerada modesta e, às vezes,
pessimista. Segundo o autor, trata-se de “um homem irremediavelmente ferido pelo
destino, um descrente e um pessimista que apenas no calor das amizades procurava
compensar o malogro das perdas familiares”.47 Assim, propõe-se identificar os reflexos de
crises pessoais na produção de Capistrano. Uma lista das amizades do historiador,
composta por mais de 130 nomes, ajuda a compor o quadro.
O objetivo de Vianna é acompanhar a trajetória de Capistrano, situando-a “mais à
margem de suas obras que das abundantes anedotas que marcam as singularidades de seu
caráter”.48 Sem par entre seus contemporâneos, o biografado é apresentado como “o maior
de nossos historiadores”, mesmo não tendo escrito uma monumental história do Brasil,
como dele era esperado. Sua importância se deve à “profundidade técnica” e ao “sentido
sociológico” de seus ensaios, distintos da simples crônica e da narrativa de fatos. Trata-se
de um “precursor de nossos estudos antropogeográficos”, “pioneiro da nossa geopolítica”,
biógrafo, bibliógrafo, paleógrafo e epistológrafo, tradutor, naturalista, filósofo da história e
sociólogo. O eixo principal da narrativa é a trajetória de um homem, cuja vida foi marcada
por “lutas e dificuldades” vencidas por força da vontade, sustentada por uma forte
personalidade. Há certa ênfase nos aspectos da formação de um jovem rebelde, avesso à

Capítulos de história colonial (1907); 5) de 1908 a 1918, período de baixa produção; 6) de 1919 a 1927,
etapa final da vida.
47
VIANNA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 69.
48
Ibidem, p. 5.

125
disciplina, cuja tenacidade e imensa capacidade de leitura contribuíram para que ele viesse
a ser um “grande historiador”.
A quarta biografia foi escrita por Raimundo de Menezes e recebeu o título de
Capistrano de Abreu: Um homem que estudou (1956). O roteiro parte da “infância
tumultuosa” de um menino que “sempre se mostrou rebelde para os estudos”, mas que veio
a se tornar um dos mais metódicos pesquisadores da história nacional. Esse menino
“rebelde” e “desasseado” era também um apaixonado leitor, cuja primeira fase da
existência foi marcada pela dor e pelas dificuldades da vida interiorana. Nas palavras do
autor:

De sol a sol, regava a terra com o suor do rosto. À noite, velava, lendo e relendo as obras
dos primeiros jesuítas que aportaram ao Brasil, acompanhando-os na sua tarefa de chamar
os aborígenes à humanidade. Sofria mas não se queixava. Nascera com o caráter indomável
e não era orgulhoso por que quisesse. A natureza é que o talhara com esse feitio
antipático.49

O encontro com José de Alencar é tido como um marco de mudança na vida do


jovem Capistrano, que posteriormente decidiu ampliar seus horizontes. Seria uma espécie
de detonador da ruptura com a infância e a dura vida sertaneja, vivida por alguém
“naturalmente” talhado para atividades intelectuais. A passagem pela “Academia
Francesa” do Ceará, os primeiros escritos publicados e a viagem rumo à Corte dão
continuidade à trajetória, marcada pelo acaso, que levou Capistrano ao mundo do
jornalismo carioca, na década de 1870. A conquista do cargo de oficial da Biblioteca
Imperial, para a qual foi nomeado “a pedido do Visconde de Jaguaribe” (cuja família era
ligada à sua por antiga amizade) é lembrada sem maiores especulações. É digno de nota
que esse acontecimento – a entrada de Capistrano para o quadro de funcionários da
Biblioteca, em 1879 – é sempre lembrado como tendo ocorrido por meio de concurso
público, omitindo-se o pedido feito pelo Visconde de Jaguaribe. O concurso prestado para
o Colégio de Pedro II também é lembrado, destacando-se o episódio da defesa da tese, que
contribuiu para aumentar a fama, já notória, do biografado.
Menezes recupera o perfil fisionômico de Capistrano traçado por Valentim
Magalhães no final do século XIX e por Américo Facó, no início do XX.50 Um

49
MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 6.
50
Ver p. 42 do primeiro capítulo desta tese.

126
personagem singular é apresentado vestido de modo não convencional, indiferente às
vaidades mundanas, com um “ar meio selvagem” e um “olhar daqueles que vivem para
além do bem e do mal”.51
Uma dúvida é proposta: saber quando Capistrano havia sido “mordido pelo micuim
da História”. Trata-se de enfrentar o tema da formação do historiador, sendo que esse não
possuía diploma de curso superior, não tendo freqüentado os cursos superiores de sua
época, restritos às faculdades de Direito, Medicina e Engenharia. Para Menezes, a
formação intelectual de Capistrano de Abreu se deu através da leitura continuada, o que
permite apresentá-lo como um autodidata exemplar, portador de um dom natural para as
atividades letradas. Alguém que “morava mais nas bibliotecas que em outra parte
qualquer”.52 Mas, a paixão pela minúcia e pela leitura teria criado obstáculos para a
concretização dos trabalhos, especialmente, a escrita da história do Brasil. A curiosidade
do erudito teria prejudicado as iniciativas do escritor.
Pequenos casos são contados, mencionando-se apenas o nome da fonte (oral ou
escrita). Através desses casos, desenha-se um tipo original, caracterizado por
excentricidades, em boa parte relacionadas a sua peculiar erudição e imensa capacidade de
leitura. O biografado é visto, também, como um “eterno distraído”, sempre entretido com
algum livro. Outras características consideradas excêntricas são associadas ao desprezo
pelas convenções sociais, demonstrado no modo de vestir, no comportamento recluso e nas
opiniões. Um item importante na composição do tipo é a modéstia, identificada como “a
maior excentricidade de Capistrano”. Para o biógrafo, o biografado era alguém que
“gostava de viver na penumbra, esquecido de todos e de si mesmo”.53
A narrativa confere um tom de luta contra as adversidades ao reconstituir a
trajetória de um homem de letras dedicado ao estudo do Brasil. Predomina a imagem de
um homem humilde, um “beneditino” das letras, um “rebelde livre-pensador”, que buscava
a especialidade em um mundo de diletantes.54 O eixo principal da narrativa é a trajetória de
“um homem que estudou”, alguém que pela vontade e talento nato para o estudo
conquistou posição de destaque no cenário intelectual do país, vencendo obstáculos.

51
MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 38 e 40.
52
Ibidem, p. 32.
53
É interessante observar que Capistrano também é comparado a Diógenes, filósofo da antiguidade, a
exemplo do que fez Alba Canizares Nascimento anteriormente. Ibidem, p. 60 e p. 122, nota 42, deste
capítulo.
54
Ibidem, p. 56, 64-65 e 76.

127
A última biografia analisada – Capistrano de Abreu: tentativa biobibliográfica –
foi escrita por José Aurélio de Saraiva Câmara e publicada em 1969,55 portanto, em um
contexto bem distinto dos trabalhos anteriores. Entre as imagens do jovem e do velho
Capistrano, a narrativa começa com a antecipação de uma trajetória marcada pela luta
contra adversidades e segue com a apresentação da paisagem social onde nasceu
Capistrano, o “berço cearense”, visto como uma espécie de fonte dos seus atributos e
singularidades. Ou seja, nada de novo. Reitera-se a construção dos anos 1950.
O biógrafo valoriza a autonomia do biografado, cuja trajetória é vista como isenta
de ajuda alheia, atenuando-se ou, até mesmo, negando a importância das relações sociais.
O valor e a capacidade do indivíduo são enfaticamente frisados, de modo a sustentar o mito
do “homem de letras” que se fez sozinho, por força e capacidade próprias. Uma grande
desproporção é apontada entre “as agruras da caminhada e a grandeza dos sucessos” do
biografado, alguém que lutou e venceu em meio a sofrimentos. O autor observa um
contraste entre uma vida frágil, porque sofrida, e uma obra robusta, reforçando a marca da
humanidade no perfil de um homem ilustre, situado sobre um pedestal que ele mesmo
construiu. O objetivo parece ser despertar a empatia pelo biografado, heroicizando, mas,
também, humanizando sua trajetória. Capistrano é o “provinciano” que venceu na Capital,
algo bastante comum na história de outros “homens de letras” do final do século XIX, mas
que na biografia elaborada por Câmara aparece amplificado a ponto de apresentá-lo como
um caso excepcional.
A narrativa recua até o período colonial, a fim de caracterizar o lugar de origem do
biografado como um cenário de lutas nacionalistas. Mais especificamente, Capistrano é um
homem nascido “na fronteira entre a praia e a caatinga” (entre o litoral e o sertão) e, em
decorrência disso, sua “complexa personalidade estava fadada a traduzir o drama daquela
antinomia geossocial”. A explicação para esse destino vem logo a seguir: “ligado ao litoral
pela cultura e pelo estudo, ele, que veio a ser um dos brasileiros mais cultos do seu tempo,
era psíquica e fisicamente um sertanejo autêntico”.56 Era, a um só tempo, “civilização” e
“barbárie”, ou o melhor de sua síntese.
Em uma paisagem social marcada pela presença do complexo agrário, considerado
capaz de moldar o caráter de seus habitantes, situa-se a família do biografado, os Honório
de Abreu, que viviam no sítio de Columinjuba, em Maranguape, desde o final do século
XVIII. A religiosidade ajuda a compor o retrato de uma família tradicional do interior do

55
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit.
56
Ibidem, p. 7.

128
Ceará, proprietária de terras e de homens. A infância é apresentada como um período de
“convivência e cordialidade” e, ao mesmo tempo, de “austeridade e fervor religioso”. O
marco inicial de sua vida intelectual é localizado no momento do aprendizado das
primeiras letras, com um mestre-escola do interior. Munido com pena de pato e tintura
vegetal, Capistrano aprendeu a escrever. Para o biógrafo, esse foi o ato inaugural de uma
vida dedicada ao estudo do país: “foi o ponto de partida, o início do desmatamento da
floresta onde se encerravam incomparáveis tesouros. A pena de pato haveria de se
transformar numa das penas mais autorizadas do Brasil”.57
Como em outras biografias, a lembrança das breves passagens de Capistrano pelo
Ateneu Cearense (1863-1864) – importante instituição de ensino da época – e pelo
Seminário Episcopal de Fortaleza (1865-1866) permite relacionar o nome do biografado a
outros nomes importantes do mundo das letras, que também passaram por tais instituições.
Além disso, também ajuda a caracterizar o jovem Capistrano como um “rebelde nato”,
avesso às convenções sociais e ao ensino mais tradicional. Rejeitando a vida rotineira do
sertão, Capistrano:

Desde a infância orientou-se para os livros a sua sede de saber, a qual, só através da leitura
satisfaria todas as valências daquele espírito ávido de conhecimento. Antes de tudo
autodidata, foi, desde menino, um devorador de livros, um apaixonado ledor que, só muito
a contragosto, superporia a esta outra qualquer atividade (...) Amava ele os livros a seu
modo, como autodidata que seria até a morte, orientando a formação da sua cultura pelo
que lhe aprazia ler e estudar. Escolhera uma direção e nela ia penetrando a fundo,
indiferente às seduções que surgissem a sua volta, coerente e obstinado neste modo de agir
e de pensar.58

Um ato de vontade, impulsionado por um dom natural, fez com que o biografado
recusasse o ensino ordenado tradicional e desprezasse os diplomas. Segundo Câmara, ao
contrário de grandes nomes de seu tempo, “pouco lhe importava o título de bacharel, pois o
simples cascabulho valia muito mais do que a maioria dos doutores”. Constrói-se a
memória de um leitor obsessivo, que se opôs à dominante tradição bacharelesca do letrado
brasileiro.59 Transformando Capistrano em uma espécie intelectual-síntese, o biógrafo
expurga aspectos desviantes, de modo a compor uma trajetória exemplar.

57
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 5-10, 16 e 22.
58
Ibidem, p. 34.
59
Ibidem, p. 37.

129
Muitas páginas são dedicadas à passagem de Capistrano pelo Recife, entre os anos
de 1869 e 1871. Momento considerado decisivo para sua formação intelectual, ainda que o
biografado não tenha, efetivamente, freqüentado a importante Faculdade de Direito da
cidade. Esse período é interpretado como um momento de revelação mental, quando uma
mudança foi desencadeada em função do contato com as novas correntes do pensamento
científico européias então circulantes. No entanto, o processamento pleno das idéias
apreendidas no Recife se daria, somente, no Ceará, para onde Capistrano retornou em
1871. Foi lá, “no isolamento do seu recanto cearense”, que, segundo o biógrafo, ele
prosseguiu sua “luta silenciosa” em busca da liberdade através do conhecimento. Foi em
Fortaleza, entre os anos de 1871 e 1875 – caracterizada como uma cidade onde
fervilhavam movimentos intelectuais e literários –, que Capistrano encontrou condições
propícias para o seu desenvolvimento. Mas, eis que, “cumprindo a predestinação da raça”
(cearense), Capistrano “fez-se ao mar”, deixou a terra natal (onde retornaria apenas uma
vez, após nove anos), levando consigo um poderoso instrumento, supostamente capaz de
abrir-lhe portas: uma “cultura admirável”.60
A vida no Rio de Janeiro, a partir de 1875, é pontuada por acontecimentos relativos
às atividades profissionais, à família e aos amigos. Parte significativa do texto é dedicada à
análise da relação entre o homem Capistrano e sua obra. Para Câmara:

Descrever uma vida como a de Capistrano de Abreu é enfrentar um seríssimo tropeço: o


paradoxo que representa a humildade do homem ante a majestade da obra; a timidez e a
indiferença do operário face à audácia e à afirmação granítica do trabalho realizado. Na sua
história, o homem diz pouco e a obra diz tudo.61

Capistrano é apresentado como alguém que não buscava tesouros, mas respostas
para suas indagações. A biografia constrói a imagem de um homem “pessimista, modesto e
sem vaidades” por natureza, atormentado pela busca da perfeição, tida como uma “marca
iniludível do homem superior”.62
Em um momento já distante daquele marcado pela comemoração do primeiro
centenário de nascimento do historiador (em 1953), Câmara reafirma algumas

60
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 44-45 e 48-90. O encontro com José de Alencar, em 1874 –
fato lembrado por todos os biógrafos de Capistrano – é utilizado por Câmara não para apontar o possível
apoio dado pelo escritor cearense a seu conterrâneo desconhecido, mas para demonstrar a admiração de um
homem ilustre pela erudição e inteligência de um jovem intelectual sertanejo.
61
Ibidem, p. 121.
62
Ibidem, p. 91 e 124.

130
interpretações e reproduz aspectos comuns às diferentes biografias sobre Capistrano, tais
como: a valorização da origem sertaneja do biografado; a ênfase no autodidatismo, na
capacidade nata para a leitura e as atividades intelectuais; a caracterização de um homem
modesto, humilde e alheio às vaidades; as excentricidades expressas no comportamento
avesso às convenções sociais e no modo de vestir; a “paciência beneditina”; a
personalidade indecifrável, os obstáculos surgidos ao longo da vida etc. São características
e fatores que contribuem para tornar o indivíduo único, configurando um caso excepcional.
O eixo principal da narrativa é a trajetória de um homem que viveu “penosas e
adversas condições” e cuja erudição foi posta a serviço do país, vindo a produzir uma
inflexão na historiografia brasileira. Narra-se a vida de alguém que nasceu em um meio
marcado pelo “sistema patriarcal e agrário, rotineiro e pobre”, desfavorável ao exercício da
inteligência, sem estímulos para o saber, mas que, apesar disso, tornou-se “um cruzado da
inteligência”, um homem que “lutou, com obstinação e destemor, pela conquista de
vitórias que seriam menos dele do que nossas”.63
Para compreender o processo de “enquadramento da memória” sobre Capistrano é
útil identificar todos esses aspectos comumente lembrados. A repetição é um indício da
eficácia do exercício memorialístico, sendo que, nesse exercício, os não-ditos ocupam
lugar especial. Lembranças e esquecimentos se complementam, de modo a favorecer (ou
não) a aceitação da memória.64 As biografias ocupam um lugar especial nesse processo.
Entre outros discursos, é através dessas narrativas que o indivíduo é dado a ver. Na
construção de Capistrano de Abreu como uma “singularidade” – para usar o termo
proposto por Nathalie Heinich65 – nota-se a ênfase atribuída a determinadas características
de sua individualidade, algumas das quais se refletindo na aparência física, na imagem
corpórea do biografado. Destacam-se os aspectos relativos à origem sertaneja, à rebeldia, à
erudição e à modéstia.
Observa-se, explicitamente, o empenho de alguns intérpretes no sentido de reforçar
os laços que uniam Capistrano à terra natal. Como muitos intelectuais de sua época,
Capistrano deixara a província rumo ao Rio de Janeiro (Corte e, depois, capital federal),
onde consolidou sua vida profissional. É notável o investimento na demarcação das origens
sertanejas de Capistrano, que são também as do Brasil, segundo a interpretação

63
CÂMARA, Capistrano de Abreu, p. 27.
64
POLLAK, Michel. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos – Dossiê Memória. Rio de
Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15; Idem. “Memória e identidade social”. Estudos Históricos – Dossiê Teoria
e História. Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.
65
HEINICH, Nathalie. La gloire de Van Gogh: essai sur l‟anthropologie de l‟admiration. Paris, Seuil, 1991.

131
predominante a partir da primeira metade do século XX.66 Origens nas quais alguns
biógrafos vislumbraram as tendências de sua obra posterior. Afirmaram eles que a força de
Capistrano, expressa em seus pensamentos, atitudes e escritos, emanava de sua origem
interiorana. A vida no sertão teria favorecido sua introspecção, seu amor pela leitura e sua
capacidade reflexiva, não distraída pelo cosmopolitismo que, acreditavam alguns,
influenciava as mentes do litoral. A associação entre a origem sertaneja / indígena de
Capistrano e sua capacidade para o estudo é algo comum nas biografias. Essa capacidade
“nata” ou natural corresponderia à tenacidade, à persistência, à paciência para longas e
extenuantes pesquisas. A origem sertaneja ajuda a conformar a imagem de um herói
intelectual com cores nacionais, pois, diante das agruras da vida no sertão, “o homem ali
nasce herói”,67 sendo capaz de vencer obstáculos à sobrevivência e à obtenção de
conhecimento.
Além do empenho em caracterizar o biografado como um autêntico sertanejo,
observa-se a construção de sua imagem como um rebelde. A rebeldia é identificada já na
infância, quando o menino Capistrano resistia ao ensino tradicional, apegando-se aos
livros. Longe de ser um exemplo de bom aluno, de aprendiz exemplar, trata-se de alguém
que construiu a si mesmo através de uma solitária atividade de leitura. Mas, a grande
rebeldia de Capistrano teria sido a rejeição das convenções sociais, sobretudo aquelas
relacionadas ao meio intelectual. Esse traço rebelde o teria acompanhado por toda a vida,
sendo localizado pelos biógrafos no modo de vestir; na recusa em participar efetivamente
das principais instâncias de consagração do meio literário-intelectual de sua época; nas
opiniões mordazes sobre alguns de seus contemporâneos; no enfrentamento da
historiografia considerada “oficial”. Enfim, no que alguns de seus poucos críticos
identificaram como antipatia e ironia ferina.
É possível considerar que a valorização da “rebeldia” como uma característica de
determinados “homens de letras” esteja relacionada a um conjunto de elementos oriundos
de locais e épocas distintas, que ajudaram a construir um determinado modelo de
intelectual, visto como alguém que se opõe a convenções sociais e conservadorismos e/ou
se manifesta em prol de causas públicas. Diferentes exemplos de rebeldia estão presentes,
por exemplo, nos subliteratos franceses do Antigo Regime; nos escritores românticos
alemães, do final do século XVIII; no intelectual do fim do século XIX, que empunha

66
Ver o primeiro capítulo da tese.
67
CANIZARES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [11].

132
bandeiras reivindicatórias, lutando pela justiça e pelo bem comum; nos intelectuais ligados
a movimentos revolucionários, tais como o ocorrido na Rússia, em 1917.
Mas, além de “rebelde”, Capistrano é definido nas biografias como um erudito,
“um homem que estudou”,68 alguém cujo saber foi posto a serviço do conhecimento do
país através de estudos diversos sobre a geografia, a lingüística indígena e, principalmente,
a história colonial. A imagem de polígrafo prevalece em muitas falas, sendo possível notar
os investimentos que o conduziram ao domínio da história, ao longo do tempo. Sua
trajetória passando a ser confundida com a própria história da história no Brasil. A imagem
do erudito estudioso se confunde com a do grande leitor. A capacidade de leitura de
Capistrano é um item que acompanha toda a narrativa de sua trajetória, sendo identificada
já na infância e naturalizada. Há sempre algum caso, contado em toques de humor e
nostalgia, que ajuda a lembrar a paixão do biografado pelos livros e a distração que isso
provocava. Trata-se de um homem distraído, imerso no mundo dos textos, pouco atento à
vida cotidiana, a ponto de não dar atenção à própria aparência.
Uma das características utilizadas na qualificação de um “homem de letras” é a
erudição. Ela se destaca, sobretudo, no caso daqueles que se dedicam ao estudo histórico,
uma vez que a própria história da história como disciplina identifica sua origem em uma
dupla tradição: a filosófica e a erudita. Essa última remonta ao Renascimento e é
comumente associada à figura do antiquário: um erudito dedicado ao estudo da
Antigüidade ou de tudo o que diz respeito ao antigo, que domina línguas mortas,
conhecimentos esotéricos, detalhes minuciosos sobre costumes, instituições, artefatos etc.
Por meio de uma série de procedimentos, os antiquários desenvolveram métodos críticos
de pesquisa, sempre em busca de provas capazes de estabelecer fatos e não tanto relacioná-
los entre si. O erudito procura a completude e dá grande valor a bibliografias extensas,
transcrições exatas e notas de rodapé. Diferenciando-se dos historiadores “modernos”,
acreditam que, diante de um conhecimento que se revela sempre insuficiente, a história só
pode produzir a síntese efêmera e provisória.69
A imagem do erudito como um grande leitor, que domina detalhes desapercebidos,
foi associada, no Brasil, a nomes como Francisco Adolfo de Varnhagen, Capistrano de

68
OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 47; MENEZES, Capistrano de Abreu, op.
cit..
69
Sobre erudição e antiquariado, ver, por exemplo: FURET, François. “O nascimento da história”. In: _____.
A oficina da história. Lisboa, Gradiva, s/d, p. 109-135. Originalmente publicado em H – Histoire, n.1, março
de 1979; MOMIGLIANO, Arnaldo. “O surgimento da pesquisa antiquária”. In: _____. As raízes clássicas da
historiografia moderna. Bauru, EDUSC, 2004, p. 85-117; GRAFTON, Anthony. As origens trágicas da
erudição. Pequeno tratado sobre a nota de rodapé. Campinas, Papirus, 1998.

133
Abreu, José Maria da Silva Paranhos (Barão do Rio Branco), Benjamin Franklin de Ramiz
Galvão, Vieira Fazenda e Rui Barbosa, só para citar alguns exemplos. São figuras
importantes do mundo diplomático e político, assim como, das bibliotecas, arquivos,
instituições de ensino e academias de letrados. O erudito aparece associado a um tipo de
conhecimento – obtido através da leitura extensa e intensa de livros e documentos – que
pode e deve ser mobilizado em meio a discussões sobre a escrita da história nacional, os
limites do território, as especificidades da língua etc. Isso indica que, longe de ser algo
restrito a gabinetes de antiquários, a erudição também é um item importante dos debates
políticos mais amplos, sendo utilizada para produzir argumentos de autoridade.
Capistrano de Abreu é visto por seus biógrafos como um grande erudito, em termos
de conhecimento da história colonial brasileira, que incluía estudos sobre corografia e
língua indígena. Esse reconhecimento supõe a existência de uma especialidade capaz de
distingui-lo de outros historiadores e “pensadores da história”, cujos interesses se
dispersavam entre a história do Brasil, a história universal e a análise de temas
contemporâneos. Capistrano chegou a recusar a oferta de lecionar história universal no
Colégio de Pedro II, alegando que prestara concurso para a cadeira de Corografia e
História do Brasil. Em função dessa recusa foi posto em disponibilidade.70
Além de sertanejo, rebelde, leitor exemplar e erudito, Capistrano também é
caracterizado como um “homem modesto”. A modéstia aparece relacionada tanto à origem
interiorana quanto ao que aqui é identificado como um modelo moral do “homem de
letras”. Os biógrafos parecem querer afirmar que, por oposição ao homem do litoral,
cosmopolita, orgulhoso de sua cultura e empenhado na divulgação do próprio nome, estaria
o homem do interior, modesto e íntegro, pouco atraído pelas futilidades da vida
contemporânea, pouco afeito às convenções sociais e sem interesses materiais. A
valorização da origem interiorana pode ser associada à defesa de um determinado modo de
conduta e de posicionamento do “homem de letras” frente à sociedade. O letrado deve ser
um abnegado, atuando sempre em defesa do bem comum e não do próprio interesse.
Persiste a idéia de que o “homem de letras” deve ser introspectivo e modesto, evitando
alardear sua capacidade superior de compreender e julgar o mundo.71

70
Ver detalhes do concurso no primeiro capítulo, p. 37. Sobre a erudição de Capistrano, ver também
PEREIRA, Lúcia Miguel. “Um crítico”. O Estado de São Paulo, 05/12/1949.
71
Euclides da Cunha também foi lembrado como um exemplo de “homem de letras” humilde e modesto,
alguém que não se “apavonava”, pois “suas vestes eram simples” e, “seu tipo, desprentencioso”. Mônica
Pimenta Velloso observa que Euclides encarnava o “bom caipira”, cuja trajetória permitia associar a origem
interiorana do escritor à valorizada origem interiorana da própria nacionalidade. Esse vínculo do escritor com
o sertão, expresso em sua origem e em sua obra, foi um aspecto capitalizado pelo Estado Novo na

134
3.3. Um modelo de intelectual

O valor da introspecção e da modéstia no mundo das letras é bastante relativo, não


favorecendo consensos. Atores do espaço público por excelência, os intelectuais almejam
exibir-se, tornando-se conhecidos por suas interpretações, sustentadas pelo estudo e por
argumentos de autoridade. Contudo, a introspecção e a modéstia correspondem a
qualidades muito valorizadas e ostentadas no meio, ainda que sejam identificadas como
parte de um jogo retórico e memorialístico, que visa estabelecer uma imagem do
intelectual a ser difundida e guardada.
É possível construir uma relação entre esse modelo de “homem de letras” modesto
e introspectivo – do qual Capistrano parece ser um exemplo, no século XX – e os modelos
europeus existentes desde, pelo menos, o século XVII. Cabe, inicialmente, lembrar que a
condição de “homem de letras” no século XVIII era definida pelo fato de pertencer a
instituições e vivenciar formas de socialização, sendo, portanto, incompatível com o retiro,
a solidão, o afastamento dos espaços de sociabilidade. No entanto, desde o Seiscentos,
identifica-se a existência de discursos sobre a condição de “homem de letras”, que
rejeitavam as práticas socializadoras, revelando intenções morais e pedagógicas. Seguindo
a lógica do ascetismo, tais discursos defendiam a idéia de que os letrados precisavam
cultivar as atividades do espírito, tornando-se introspectivos através do estudo e buscando
ser úteis à sociedade. Afastando-se do mundo das paixões e divertimentos, deveriam ter
vida modesta, sem, contudo, recusar lisonjas. Deixando de lado os interesses materiais, o
“homem de letras” poderia buscar a própria glorificação através de emulações.
Segundo Roger Chartier, a primeira obra dedicada ao “homem de letras” foi o livro
do jesuíta Daniello Bartoli, Dell’Huomo di lettere difeso e emendato parti due, de 1645,
reeditado na Itália oito vezes no mesmo ano, tendo alcançando dezoito edições até 1689.
Foi traduzido em francês (1654), inglês (1660), alemão (1677), castelhano (1678) e latim
(1693). Em 1769, foi traduzido novamente para o francês pelo jesuíta Delivoy, com o título
de L’Homme de lettres. Esse livro exemplar propõe aos letrados que produzam de acordo
com o modelo do ensaio antigo, defende o mecenato dos poderosos e associa a atividade
intelectual ao desinteresse absoluto. Cinco anos antes da tradução de Delivoy, o francês
Jean-Jacques Garnier, da Academia de Inscrições e Belas Artes, publicou uma obra

consagração do nome de Euclides como “o número um” do Brasil, uma espécie de escritor-modelo do Estado
Novo. Ver VELLOSO, Mônica Pimenta. “A literatura como espelho da nação”. Estudos Históricos – Dossiê
Os anos vinte. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 2, 1988, p. 239-263; e, também, ABREU, Regina. O enigma de Os
sertões. Rio de Janeiro, Rocco/Funarte, 1988, p. 323.

135
intitulada L’Homme de lettres (1764), onde define o “homem de letras” como: “aquele que
tem por principal interesse cultivar o seu espírito através do estudo para se engrandecer e
tornar mais útil à sociedade”. Elaborando um modelo de letrado diferente daquele que
freqüentava os salões parisienses, Garnier defende que a atividade do “homem de letras”
deve pressupor o afastamento do mundo. Afirma que a escrita é superior a conversa e que
o letrado deve guiar sua vida pela aceitação de uma “pobreza honesta”, não mendigando
gratificações, pensões, patrocínios e proteções. As únicas “recompensas literárias”
consideradas legítimas são aquelas que contribuem para “lisonjear o amor-próprio”, como
as condecorações e, também, os cargos, empregos e postos, vistos como uma espécie de
prêmio ou privilégio concedido pelo Estado. A glória seria a recompensa maior para um
homem de ciência e intelecto.72
Considerando tais referências, é possível supor a existência de, pelo menos, três
modelos de “homem de letras”, entre os séculos XVII e XVIII, observando que todos
contribuíram para a valorização da carreira das letras, contra a opinião daqueles que a
menosprezavam. O primeiro modelo se baseia no argumento de que a conduta dos letrados
deve ser regida pelo desinteresse absoluto. Desinteresse que não é considerado
incompatível com o mecenato dos poderosos. O segundo é identificado no século XVIII,
quando o mundo das letras é regido pelas regras de sociabilidade dos salões e academias,
que favorecem o exibicionismo e as vaidades. Diante disso, o “homem de letras” deve ser
sociável, disposto a conversações e aberto às convenções sociais. Contrapondo-se a essas
regras do salão, o terceiro modelo de conduta defende o afastamento do mundo, das
paixões e dos entretenimentos. De acordo com essa lógica, o “homem de letras” não
deveria mendigar gratificações, pensões, patrocínios e proteções. As únicas recompensas
consideradas dignas são aquelas que de alguma forma pudessem contribuir para “lisonjear
o amor próprio”. Nos três casos, a glória seria a recompensa maior para um homem de
ciência e intelecto, sendo que, ao lado das condecorações, os empregos públicos também
podiam ser aceitos como uma espécie de prêmio ou privilégio concedido pelo Estado a
uma atividade considerada útil e sem interesses pecuniários. Em suma, o engrandecimento
próprio e a utilidade social deveriam ser os principais objetivos dos “homens de letras”.

72
Ver CHARTIER, Roger. “O homem de letras”. In: VOVELLE, Michel (Dir.). O homem do iluminismo.
Lisboa, Presença, 1997, p. 143-144. Essa perspectiva de que a glória é o bem maior a ser alcançado pelos
homens de letras é compartilhada por outros intérpretes, como, por exemplo, Lord Camden, para quem “a
glória é a recompensa da ciência, e aqueles que são dignos desprezam toda e qualquer consideração mais
mesquinha” (1774). CAMDEN apud CHARTIER, A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na
Europa entre os séculos XIV e XVIIIe. Brasília, UnB, 1994, p. 42, nota 22.

136
Tais modelos podiam ser questionados mediante o estabelecimento de uma relação
entre a atividade de estudo, de pensamento e inspiração e a produção de mercadorias.
Relação que, provavelmente, se tornou possível com a publicação dos textos por meio da
impressão (século XV), e que ganhou força na segunda metade do século XVIII. A idéia de
que a glória é a maior recompensa da ciência e do intelecto se diferencia da idéia de que o
trabalho de escrever e pensar pode ocasionar lucro financeiro. Em outras palavras, o
mundo intelectual e o mercado não deveriam estabelecer vínculos “diretos”, pois que o
produto da atividade intelectual não é uma mercadoria, ao menos, não como outra
qualquer.73
Tradicionalmente, a independência do “homem de letras” se opunha à invenção
criadora, havendo uma estreita ligação entre a submissão dos escritores a uma clientela ou
ao mecenas e a visão da obra como um bem útil e desinteressado, sem valor monetário,
mas dotado de valores como a raridade e a originalidade. No século XVIII, a situação se
modificou. A atividade dos “homens de letras” passou a ser remunerada como um trabalho
e submetida às leis do mercado, sendo que a “ideologia do gênio criador e desinteressado”
pôde servir como uma espécie de garantia da originalidade, algo necessário para a
determinação do valor da obra a ser vendida. Em outras palavras, de acordo com a lógica
tradicional, o “homem de letras” freqüentador do grand monde não precisava nem devia
viver da pena, mas dos seus bens, dos seus encargos ou da proteção de um mecenas. Ele
tendia a desprezar os impressos, porque eles poderiam perverter os antigos valores da
intimidade e da raridade associados à literatura da Corte. Seu público preferencial era
aquele escolhido entre seus pares. Também preferia a circulação em manuscrito e a
dissimulação do nome próprio sob o anonimato da obra. Com o estabelecimento da ligação
entre as atividades de escrita/pensamento e a produção mercadológica, surgiu uma nova
“economia da escrita”, exigindo a visibilidade do autor, visto como o criador de uma obra
original, da qual ele poderia legitimamente esperar lucro não apenas simbólico.74
A análise dessas transformações do mundo das letras ajuda a compreender o valor
que a obra e seu autor vieram a adquirir ao longo dos séculos XVIII, XIX e da primeira
metade do século XX. Contudo, não se deve considerar apenas o valor monetário da obra.
Sua importância relaciona-se, também, à sua capacidade – que tem grande valor, sobretudo

73
CHARTIER, A ordem dos livros, op. cit., p. 43.
74
Ibidem, p. 42-44. Esse modelo de “homem de letras” freqüentador do grand monde, que vive do mecenato,
se opõe ao caso dos chamados subliteratos, estudados por Robert Darnton. Ver, por exemplo, DARNTON,
Robert. Boêmia literária e revolução: o submundo das letras no Antigo Regime. São Paulo, Companhia das
Letras, 1987.

137
político – de produzir interpretações, gerar consensos, representar ideais, sustentar mitos e
símbolos. Essa capacidade se ampliou enormemente com a expansão dos nacionalismos ao
longo do século XIX. Tornou-se, mesmo, uma necessidade em função da qual alguns
autores foram alçados ao panteão de heróis da nação, suas obras passando a ser valorizadas
como verdadeiros patrimônios nacionais.75 Nesse processo, os antigos modelos de
“homens de letras” parecem ter sido atualizados, sendo que aquele que prega a idéia de um
“gênio criador desinteressado” talvez seja um dos mais persistentes. Mesmo quando
associado à ação de engajamento, por exemplo, a noção de desinteresse parece resistir, pois
que o engajamento em causas coletivas pode ser visto como um abandono de interesses
particulares.
Para entender como esses modelos são apropriados em outros contextos, podem ser
úteis as observações de José Veríssimo – importante crítico literário e analista da
conjuntura nacional e internacional do fim do século XIX –, feitas em meio às discussões
sobre o caso Dreyfus, que, de acordo com vários autores, marcou o surgimento da moderna
categoria de intelectual.76
Para Veríssimo, que foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras,
criada em 1896, compreender o que é um intelectual é mais difícil do que defini-lo. A
princípio, a palavra intelectual, nas suas diversas acepções e empregos, indicaria “um
sujeito que, na vida, não tivesse outras preocupações que as da inteligência, e que todas as
coisas submetesse ao critério dela”. Sendo assim, o sentimentalismo estaria eliminado,

75
CATROGA, Fernando. “Ritualização da história”. In: TORGAL, Luís Reis, MENDES José Amado e
CATROGA, Fernando. História da História em Portugal. S.l., Temas & Debates, s.d., p. 340. Ver,
especialmente, o item 6, A sacralização cívica da literatura, p. 339-348; GOULEMOT, Jean-Marie e
WALTER, Éric. “Les Centenaires de Voltaire et de Rousseau: les deux lampions des Lumières”. In: NORA,
Pierre (Dir.). Les Lieux des mémoire. I – La Republique. Paris, Gallimard, 1984, p. 381-420.
76
Em 1894, o capitão Dreyfus, oficial judeu do Exército francês, foi condenado por espionagem. O caso
tomou grandes proporções, envolvendo a opinião pública em suas diversas correntes políticas. Em 1896, foi
descoberto que ele era inocente. Contudo, o Exército tentou encobrir o resultado das investigações, o que
suscitou a organização de grupos contra e a favor do inocente condenado. Em 13 de janeiro de 1898, o
escritor Émile Zola publicou um panfleto intitulado J’accuse, defendendo Dreyfus e denunciando a trama da
qual ele havia sido vítima. Conquistou o apoio de escritores, jornalistas, professores universitários etc., que
assinaram um protesto contra a violação da justiça. Essa petição em favor do condenado foi publicada no dia
seguinte, sob o título de Manifeste des intellectuels, texto que simboliza o nascimento do intelectual
moderno, marcando a entrada do termo (até então utilizado de modo pejorativo) no vocabulário da história
das idéias, da cultura e da política. Ver VERÍSSIMO, José. “A França intelectual”. In: _____. Homens e
coisas estrangeiras (1899-1908). Rio de Janeiro, Topbooks / ABL, 2003, p. 79-91. Compõe a série de artigos
de Veríssimo publicados entre 1899 e 1900. Sobre o caso Dreyfus, ver, por exemplo: FACINA, Adriana.
Literatura e sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2004, p. 34-37; e LAMONDE, Yvan. “L‟affaire Dreyfus
et les conditions d‟émergence de l‟intellectuel vues des Amériques”. In: TREBITSCH, Michel e GRANJON,
Maris-Christine (Dir.). Pour une histoire comparée des intellectuels. S.l., Editions Complexe / IHTP-CNRS,
1998, p. 111-123.

138
transformando o intelectual na “mais antipática e acaso desprezível coisa do mundo”.77 A
crença no poder da inteligência, vista como algo que exclui o sentimento e pode superar a
moral teria estimulado a criação de uma “aristocracia intelectual”, favorecendo a vaidade e
o esnobismo. Opondo-se a isso, Veríssimo valoriza a capacidade dos intelectuais para
contemplar “os aspectos estéticos e desinteressados da vida”, para idealizar e ambicionar
uma influência espiritual sobre a sociedade, com o amparo do renome, da glória, da fama e
da imortalidade. Defende a postura daqueles dispostos a deixar “seus calmos gabinetes de
estudo” e “laboratórios tranqüilos” para ir à rua defender suas convicções.78 Lembrando o
caso francês, mostra que os intelectuais se posicionaram contra a opinião da maior parte da
nação, servindo como exemplo da possibilidade de conjugar inteligência e emoção, pondo
ambos a serviço de uma causa justa (porque humanitária), superior a qualquer causa cívica.
O ponto principal parece ser o de que o intelectual tem o “dever”, que é também um
“direito” – por vezes transformado em missão – de colocar certos interesses acima dos
interesses políticos. Em uma conjuntura de discussões sobre a “questão nacional” e de
crítica à razão, à ciência e à erudição, Veríssimo afirma a que a vocação humanista do
intelectual deve prevalecer sobre todas as outras, dizendo que “o retraimento da ação
deletéria da política não é incompatível com um nobre ardor humano, infinitamente mais
estimável que o ardor cívico”.79
Os biógrafos de Capistrano não tocam em tais questões. Possuindo outras
preocupações, passam ao largo da análise efetiva das condições de produção intelectual-
literária, das experiências vividas pelo biografado. Tendo por objetivo constituir um
exemplo de intelectual capaz de sintetizar valores nacionais, almejam defini-lo como um
indivíduo modesto, erudito, rebelde etc. Desse modo, fazem uso de categorias que podem
ser relacionadas a modelos de “homens de letras” ou de intelectuais, que, ao longo de
séculos, serviram para orientar a conduta dos letrados, assim como, contribuíram na
elaboração de interpretações sobre os mesmos. Tais modelos podem ser vistos como um

77
Essa crítica à racionalidade, à ciência e a seus representantes ocorre simultaneamente em diversas partes do
mundo. No centro dessa crítica estão as reflexões de autores como Friedrich Nietzsche, Charles Baudelaire,
Walter Benjamin etc.
78
Ver, por exemplo, as críticas de Manoel Bomfim aos historiadores brasileiros em BOMFIM, Manoel. O
Brasil na história: deturpação das tradições, degradação política. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1930; ou
ainda, as críticas feitas pelos boêmios e humoristas aos intelectuais de gabinete em VELLOSO, Mônica
Pimenta. Modernismo no Rio de Janeiro: turunas e quixotes. Rio de Janeiro, FGV, 1996.
79
VERÍSSIMO, “A França intelectual”, op. cit.

139
referencial importante para a construção de mitos e mitologias referentes ao mundo
intelectual.80
Alba Canizares, por exemplo, demonstra mais interesse em apresentar Capistrano
enquanto uma individualidade do que em inseri-lo num mundo de relações. Pedro Gomes
de Matos se apóia nas opiniões emitidas sobre o biografado em momentos distintos, a fim
de dar conta de sua apresentação. Também faz uso do meio físico, visto como capaz de
explicar as potencialidades individuais. Hélio Vianna se ocupa mais do estabelecimento de
uma cronologia, a partir da qual a obra possa ser vista em relação às diferentes conjunturas
da vida do biografado. Mas, essa cronologia não consegue nem visa dar conta da
multiplicidade de experiências vividas pelo indivíduo, incluindo aquelas relativas a sua
produção intelectual. Já Raimundo de Menezes compõe uma trajetória repleta de pequenos
casos. Parece querer (e conseguir) despertar a empatia do leitor pelo biografado, a partir da
reconstituição de falas e diálogos de alguns personagens. Supostamente, são as histórias
contadas sobre Capistrano por seus contemporâneos que o perceberiam de modo mais
autorizado. Na mesma linha, José Aurélio Saraiva Câmara busca um efeito de realidade ao
apresentar as condições gerais nas quais o biografado encontra seu lugar. Contudo não vai
além da exposição de um contexto, relacionado à vida de Capistrano no nordeste, à
infância e à juventude. Dessa exposição, extrai as razões que, segundo ele, explicam o
indivíduo Capistrano e sua trajetória particular.
De modo geral, todas essas biografias apresentam um contexto uniforme, dentro do
qual e em função do qual Capistrano teria determinado suas escolhas. Esse tipo de uso do
contexto não lida com a pluralidade de experiências e de representações sociais, através
das quais um indivíduo constrói o mundo e nele atua.81 Em outras palavras, essas
biografias, de modo geral, não visam situar o indivíduo enquanto um ser social. A
experiência do homem em sociedade, com seus conflitos e contradições é minimizada (ou,
até mesmo, excluída), de modo a favorecer o papel do destino, do acaso e da natureza, essa
última uma grande responsável pelos talentos “natos” do biografado. Essa perspectiva pode
ser relacionada a uma determinada compreensão e proposição da heroicidade, de acordo
com a qual, as realizações de um grande personagem praticamente independem da sua
inserção social, de seu desenvolvimento e experiência na rede de relações em que está

80
Dois trabalhos inspiram essa proposição: GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo,
Companhia das Letras, 1987; e TREBITSCH, Michel. “Avant-propos: la chapelle, le clan et le microcosme”.
Les Cahiers de l’Institut d’Histoire du Temps Present – Sociabilites intellectuelles. [Paris], Centre National
de la Recherche Scientifique, n.20, mars 1992, p. 20.
81
Sobre os usos do contexto, ver REVEL, “Microanálise e construção do social”, op. cit., p. 27.

140
inscrito. Trata-se aqui de um herói moderno, um homem de valores naturalizados,
impressos numa certa interioridade individual e, também, materializados no próprio
corpo.82 Nesse sentido, mesmo sem fazer uma reflexão explícita acerca do que era um
“homem de letras” na época de Capistrano, os biógrafos utilizam determinados elementos
na interpretação do biografado e na composição de sua trajetória, que se relacionam aos
modelos vigentes de conduta intelectual. Como foi visto, esses modelos acentuam a
modéstia, o desinteresse pelas coisas materiais, a introspecção, a erudição etc., estando as
biografias em clara conformidade com todos esses valores.
É possível identificar, então, os eixos sobre os quais o personagem é elaborado,
lembrando que o modo como a trajetória é contada está ligado à forma como o personagem
é construído. No caso de Capistrano de Abreu, foram identificados dois eixos básicos. O
primeiro está relacionado ao homem enquanto ser moral. Assim, as narrativas biográficas
procuram caracterizar a modéstia de Capistrano, exemplificando-a através de pequenos
casos contados por seus contemporâneos. O biografado é caracterizado por alguns, como
um “beneditino das letras”, abnegado, avesso a vaidades e convenções sociais.
Completando essa compreensão do homem, está a idéia de alguém que “fez” a si próprio,
um autodidata, que pelo exercício da vontade conduziu seu aprendizado, com o auxílio de
características natas. Trata-se de um legítimo sertanejo, descendente de tribos indígenas.
Essa interpretação sustenta uma narrativa, que, por vezes, adquire tom épico, quando se
afirma que o biografado teria superado grandes dificuldades ao longo da vida até
conquistar o reconhecimento que lhe era devido. Por vezes, observa-se a conjunção entre
dois fatores: a vontade individual e o destino manifesto já na infância.
O segundo eixo diz respeito ao Capistrano intelectual, apresentado como um leitor
apaixonado desde criança, um pesquisador insaciável, que falava várias línguas, do alemão
ao caxinauá, e que dominava as principais teorias sociais de seu tempo, assim como,
conhecia a historiografia e boa parte das fontes documentais sobre o Brasil. Esse eixo
apresenta duas variações freqüentemente associadas. Uma delas mostra o Capistrano
estudioso do Brasil, que devido a suas origens sertanejas e suposta ascendência indígena,
estaria mais próximo da realidade nacional, do “verdadeiro” conhecimento do país.
Capistrano surge, assim, como um intelectual que é um autêntico símbolo da brasilidade. A
outra, diz respeito ao Capistrano enquanto estudioso da história. Ao longo do tempo, a
imagem de polígrafo foi dando lugar à de um historiador formado pela prática da pesquisa

82
Sobre a heroicidade moderna, ver, por exemplo, CARLYLE, Thomas. Os heróis. Lisboa, Guimarães
Editores, 2002.

141
em arquivos, habilitado pelo trato com as fontes documentais, culminando com a
caracterização de um historiador atento aos métodos de pesquisa e estilos de narrativa da
moderna historiografia.
Cabe observar que, além do investimento na caracterização de um personagem,
também se observam investimentos na apropriação de sua obra. Em outras palavras, assim
como os biógrafos se empenham na caracterização da personalidade e do corpo de
Capistrano, consolidando uma espécie de modelo de “homem de letras”, também
interpretam sua produção, procurando situá-la como um exemplo de contribuição para o
conhecimento da nacionalidade e para os estudos históricos, em particular: como um
modelo de obra de historiador.
Assim como o personagem Capistrano, a obra é apresentada como algo uniforme e
grandioso, apesar do reconhecimento do aspecto fragmentado e disperso de sua produção,
e da identificação de fases distintas na sua formação e em seu pensamento. Tratando-se de
um “homem de letras”, é compreensível e esperado que sua produção intelectual ocupe
parte significativa das biografias. Por isso, o lugar ocupado pela obra de Capistrano – que
inclui livros, artigos, prefácios, traduções etc., além de sua correspondência – nas
narrativas varia conforme a imagem do biografado, que cada biógrafo pretende estabelecer:
como polígrafo, erudito, historiador e símbolo da nacionalidade. Ou seja, os biógrafos não
realizam uma análise efetiva da produção de Capistrano, optando por relacioná-la a fases
distintas de sua trajetória ou a, simplesmente, apresentá-la como algo que confirma as
qualidades intelectuais e nacionais “natas” do biografado. A obra de Capistrano é um
adendo importante para o objetivo principal das biografias, que é caracterizar o
personagem como alguém relevante no cenário nacional, por seus estudos e escritos
dedicados ao Brasil. No entanto, trata-se de um adendo e não de um objeto de análise
efetiva. Apesar disso, é possível identificar formas de apropriação da obra – com opiniões
distintas e semelhantes, sempre com a finalidade de monumentalizar seus escritos,
transformando-os em uma unidade original e homogênea. As biografias constroem uma
relação indissociável entre um autor e sua obra.83
No texto de Alba Canizares Nascimento, essa obra aparece como algo original e
criativo, que abriu “estradas e orientações”. É apresentada como “definitiva”, por possuir

83
Estamos aqui longe da visão que afirma a “morte do autor”, em defesa da autonomia do texto. Para o new
criticism e para a analitycal bibliography, por exemplo, a produção do sentido está relacionada a um sistema
de signos cujo funcionamento é automático e impessoal. De acordo com essas duas perspectivas da crítica
literária, o modo como uma obra é interpretada não tem importância para o estabelecimento de seu
significado. Além disso, a intenção do autor não é considerada relevante. Daí a afirmativa da “morte do
autor”. A esse respeito, ver, por exemplo: CHARTIER, A ordem dos livros, op. cit., p. 33-34.

142
“o selo da duração – a verdade”. Compreendendo a história como “mestra da vida”, a
biógrafa afirma categoricamente que “não havia história do Brasil antes de Capistrano”. A
visão sociológica e o uso de métodos historiográficos modernos situariam o biografado
como um marco inaugural da historiografia nacional. Segundo a autora, mesmo não tendo
escrito uma história do Brasil, Capistrano deixou toda uma orientação para a mesma,
traçada em sua obra e em suas pesquisas. Valorizando sua capacidade de síntese e de
reconstrução do conjunto, ela afirma que: “a unidade da sua obra é completa, mostrando a
integridade perfeita da sua grande mentalidade, e a revelação patente do seu valor está na
eficácia da sua atuação”.84
Interpretação distinta é feita pelo biógrafo Pedro Gomes de Matos, que caracteriza
Capistrano, antes de tudo, como um polígrafo, destacando sua contribuição em diferentes
áreas. Utilizando pequenas resenhas sobre os principais trabalhos do biografado, o autor
procura demonstrar a importância de uma produção fragmentada, porém dotada de
profundidade.85 Valoriza seu estilo simples e conciso, considerando que a paixão pela
minúcia teria prejudicado sua capacidade de elaborar sínteses gerais. Nas palavras de
Matos: “Capistrano de Abreu, realmente, não fez obra uniforme, homogênea, integral,
cujas partes, ligadas, coordenadas e travejadas entre si, se harmonizassem no grande todo,
a História do Brasil...”.86 Apesar disso, considera-o como o iniciador de uma nova fase dos
estudos históricos no Brasil, afirmando que ele foi o primeiro a traçar uma orientação
sociológica e científica para o estudo da formação da nacionalidade. No campo da pesquisa
histórica, as principais contribuições do biografado seriam a crítica de atribuição, a
periodização, as traduções e as anotações.
Hélio Vianna se ocupa, sobretudo, da localização cronológica da produção,
associada a sucessivas conjunturas (fases) da vida do biografado. Capistrano é considerado
como “o maior de nossos historiadores”, mesmo não tendo escrito uma monumental
história do Brasil, como dele era esperado. Sua importância se deve à “profundidade
técnica” e ao “sentido sociológico” de seus ensaios, distintos da simples crônica e da
narrativa de fatos. Trata-se de um “precursor” ou um “pioneiro”, que desenvolveu
pesquisas em diversas áreas, propondo novos temas e métodos. De acordo com Vianna, o
autor da melhor síntese sobre a formação do Brasil, Capítulos de história colonial (1907),
além de ter contribuído com a introdução de temas na historiografia, tais como, a caça ao

84
NASCIMENTO, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [46].
85
É difícil saber se as resenhas foram elaboradas pelo biógrafo ou se ele utilizou o material produzido por
outro intérprete de Capistrano.
86
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 217.

143
índio, o ciclo do gado, a conquista da Amazônia, as missões religiosas, as estradas
coloniais etc., também aperfeiçoou a crítica histórica.87
Já Raimundo de Menezes explora a imagem de Capistrano como homem de estudos
e leituras. Contudo, não há investimentos no sentido de analisar a obra ou parte dela,
apenas um esforço no sentido de compor a trajetória de “um homem que estudou”,
ressaltando a importância de suas pesquisas, apesar da não realização daquilo que dele era
esperado: a síntese da história nacional. A “incompletude” de sua produção é justificada
pelo autor através de outros intérpretes, para os quais Capistrano não cumpriu a tarefa
devido às lacunas documentais e à paixão pela minúcia, que, mais uma vez, impedia a
elaboração de sínteses.
Por fim, José Aurélio Saraiva Câmara, mesmo reconhecendo que o volume da obra
produzida por Capistrano não é grande – se comparado ao volume de seu saber –,
considera que aquilo que ele nos deixou é “definitivo” e “fundamental”. Ele ressalta que
Capistrano faz parte do rol de escritores cuja leitura provoca igual admiração pela obra e
por quem a escreveu. Quanto à persistente questão de saber porque Capistrano não havia
escrito uma história do Brasil, o autor apresenta um conjunto de razões: a deficiência
documental; o interesse do historiador por certos trechos da história, mas não pelo
conjunto; o grande conhecimento da história brasileira, capaz de produzir mais lacunas do
que certezas; a falta de entusiasmo pela tarefa, devido a um constante pessimismo e a uma
tenaz melancolia etc. Apesar disso, o livro Capítulos de história colonial (1907) é visto
como a melhor síntese da formação brasileira nos primeiros três séculos de sua
existência.88
Tristão de Athayde certa vez observou que há escritores cuja obra os ultrapassa.
Citou Machado de Assis como exemplo de um criador que desaparece diante de sua
criação, ficando em segundo plano, “atrás da cortina”. Nesses casos, buscam-se na obra os
elementos que, supostamente, podem ajudar a explicar a vida. Outros autores, ao contrário,
se tornam mais interessantes do que sua obra, “não conseguem nunca realizar-se, ficando
sempre superiores ao que dão de si”. Para Athayde, apenas os íntimos podem conhecer tais
escritores, “só quem os conheceu pode apreciá-los bem, de modo que morrem para a
87
A interpretação de Hélio Vianna difere daquela elaborada por Nélson Werneck Sodré, na História da
Literatura Brasileira: seus fundamentos econômicos (1940), onde Capistrano é avaliado como um autor
deficiente no método histórico. Para Sodré: “Faltou a Capistrano, para ser o maior de nossos historiadores, o
lastro filosófico que daria unidade à sua pesquisa e ultimaria o seu esforço imenso”. Ver SODRÉ apud
VIANNA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 101. Segundo Vianna, o ponto alto da crítica histórica
desenvolvida por Capistrano estaria expresso nos Prolegômenos à História do Brasil, de Frei Vicente do
Salvador. VIANNA, op. cit., p. 68.
88
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 99 e 167-168.

144
história, e mal chegam a nascer para o público”. Seria o caso, por exemplo, de Paula Ney,
Artur de Oliveira e Afonso Arinos. Haveria, ainda, um terceiro tipo de escritores: aqueles
cuja obra é tão interessante quanto a vida. Ambas, vida e obra, se complementando. Esse
seria o caso de Capistrano de Abreu.89 As biografias aqui analisadas parecem estar de
acordo com essa idéia. No caso de Capistrano, os biógrafos consolidaram formas de
individualização, considerando a figura do autor biografado como uma unidade sólida e
fundamental, capaz de servir como uma espécie de âncora para a produção escrita, de
modo que a vida explica a obra e, essa, ajuda a compreender a vida.
É importante considerar que o fato de se poder dizer “isto foi escrito por fulano”,
indica que aquilo que foi escrito não é um discurso qualquer, imediatamente consumível,
mas um discurso que deve ser recebido de certa maneira e que deve receber um certo
estatuto. Em outras palavras, a categoria (ou função) autor não é algo que se aplica (ou se
exerce) de forma universal e constante sobre todos os discursos. Também não é algo que se
forma espontaneamente como decorrência da atribuição de um discurso a um indivíduo,
pois resulta de uma operação intelectual capaz de construir um certo ser racional a ser
chamado de autor, que permite agrupar um certo número de textos, delimitá-los, selecioná-
los, opô-los a outros textos, fazendo com que se relacionem. Cabe observar que alguns
autores se encontram em uma posição “transdiscursiva”, pois seus nomes não são
associados apenas a livros, mas a uma teoria, tradição ou disciplina. Esses autores são
chamados por Michel Foucault de “fundadores de discursividade”, pois não produziram
apenas textos, mas a possibilidade e a regra de formação de outros textos. Abriram
caminho para um certo número de semelhanças e analogias que têm por modelo ou
princípio a sua própria obra e permitiram enunciados muito diferentes dos que eles
mesmos haviam produzido.90
Os biógrafos de Capistrano, de modo geral, se empenharam no arranjo de sua
trajetória e na definição das características de sua personalidade, de modo a atribuir
significado e importância a sua existência como indivíduo e como autor. Mais que isso, o
caracterizaram como um autor nacional, cuja obra deveria ser considerada relevante não
apenas por especialistas de diversas áreas (as quais o biografado se ligava como polígrafo
que era), mas por leitores que procurassem conhecer o Brasil. Ressaltando sua origem

89
ATHAYDE, “Capistrano”, op. cit., p. 297-312.
90
FOUCAULT, Michel. “O que é um autor?”. In: _____. O que é um autor? 4a edição. Lisboa, Vega /
Passagens, 2000, p. 33-34, 45-47, 50-60. Originalmente publicado com o título de “Qu‟est-ce qu‟un auteur?”,
in Bulletin de la Société Française de Philosophie, 63e année, n. 3, juillet-septembre 1969. Ver, também,
CHARTIER, A ordem dos livros, op. cit., p. 36.

145
interiorana, reforçaram os laços que o uniam a um item que, em determinado momento, foi
visto como fundamental na construção da nacionalidade: o sertão. Apresentando-o como
um homem sertanejo, transpuseram as características “natas” do autor para a obra. Tal
investimento remete a duas dimensões: a humana (universal) e a nacional. Para os
biógrafos, a trajetória de Capistrano é útil para consolidar valores humanos como a
perseverança, a tenacidade, a dedicação, a modéstia etc. Também é útil para a afirmação de
valores nacionais, identificados no interesse do biografado pelo estudo do país e, também,
na sua cultuada origem interiorana, que seria, também, a do Brasil. Supostamente, essa
dupla dimensão, humana e nacional, do personagem Capistrano sofreu alterações, em
função da especialização e institucionalização das disciplinas acadêmicas. De indivíduo
portador de valores humanos e símbolo da nacionalidade, Capistrano teria sua importância
restrita ao mundo intelectual, tornando-se “apenas” um símbolo da moderna historiografia.
Um dos pioneiros dos estudos históricos no Brasil.
Da construção do personagem e da apropriação de sua obra à narrativa de sua
trajetória, também é possível identificar os eixos principais dos discursos biográficos.
Através deles, os biógrafos estabeleceram consensos sobre a vida de Capistrano,
aparentemente imunes a críticas ou dúvidas, com exceção daquela presente na indagação
sobre porque esse historiador, considerado como o maior dos historiadores brasileiros, não
escreveu uma história do Brasil.91
As biografias estabelecem os mesmos marcos ou acontecimentos biográficos,
partindo de uma perspectiva teleológica, que recupera aspectos da vida do biografado, de
modo a justificar suas escolhas e condutas previamente conhecidas. Contudo, a elaboração
de um arranjo coerente para a trajetória enfrenta alguns obstáculos: as fissuras introduzidas
pelo indivíduo, as idiossincrasias, as contradições, enfim, tudo aquilo que configura uma
perturbadora incoerência, que os biógrafos comumente se empenham em atenuar ou,
mesmo, eliminar através do silêncio. Por vezes, essas fissuras teimam em aparecer, a
exemplo da “memória subterrânea”, à espera de uma brecha por onde possa emergir. 92 No
caso de Capistrano, essas fissuras parecem estar localizadas no fato de não ter,
efetivamente, escrito uma síntese da história do Brasil, como dele era esperado; na falta de
91
Como observou Francisco José Calazans Falcon, os poucos críticos de Capistrano se detiveram muito mais
sobre o que ele não fez do que sobre o que efetivamente produziu. FALCON, Francisco José Calazans. “As
idéias e noções de „Moderno‟ e „Nação‟ nos textos de Capistrano de Abreu. Os Ensaios e estudos, 4a série –
comentários”. Acervo – Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, vol.12, n. 1 / 2, jan. / dez., 1999, p. 5-
26.
92
Ver POLLAK, “Memória, esquecimento, silêncio”, op. cit.; e, também, PORTELLI, Alessandro. “O
massacre de Civittela Val di Chiana (Toscana, 29 de junho de 1944): mito e política, luto e senso comum”.
In: FERREIRA e AMADO (Orgs.), op. cit., p. 103-130.

146
dedicação integral ao estudo da história; na rejeição das convenções; na crítica das
principais instâncias de consagração de sua época, assim como, na mordacidade de seus
comentários sobre os contemporâneos mais celebrados.
Através das biografias, tais arestas foram aparadas, conformando uma
individualidade exemplar. Acreditando na capacidade da biografia para descrever aquilo
que foi mais significativo na vida de Capistrano, os biógrafos acabaram por consolidar a
imagem de um homem monumento, acentuando o caráter ímpar de sua trajetória, por meio
do cruzamento entre sua vida como homem de estudos e como figura singular da sociedade
letrada. Assim, as narrativas apresentaram a trajetória de alguém que venceu grandes
obstáculos e sofrimentos, graças à força de uma personalidade tenaz, talhada pela natureza.
De modo similar, as biografias contam a trajetória de um homem nascido no interior, em
um ambiente desfavorável às atividades intelectuais, que enfrentou grandes dificuldades e
viveu muitas tristezas ao longo da vida, conseguindo conquistar um lugar entre os grandes
do pensamento de seu tempo, triunfando como um dos principais conhecedores do Brasil.
A expressão “cruzado da inteligência”, utilizada por Saraiva Câmara para definir
Capistrano, parece sintetizar bem a imagem do indivíduo que a narrativa biográfica deseja
destacar.
É possível concordar com Tristão de Athayde, quando afirma que a obra escrita por
Capistrano não completa totalmente a figura, não explica tudo o que ele foi, nem a metade
do que foi.93 De modo semelhante, o estudo da vida também não esgota o significado de
sua obra. Pode-se dizer que os significados da obra e do autor ultrapassaram a própria vida
de Capistrano. Novas leituras de ambos foram possíveis ao longo do tempo. E, se os
biógrafos contribuíram, à sua maneira, para promover uma aproximação entre o leitor e o
biografado, ao mesmo tempo, produziram elementos que permitem situá-los como agentes
históricos produtores de discursos, inseridos no tempo e no espaço social.
Por fim, cabe observar que a análise das narrativas biográficas sobre Capistrano de
Abreu deve considerar não apenas as biografias aqui expostas, mas, também, um conjunto
fragmentado de pequenos casos contados sobre o biografado. Tais casos compõem um rico
manancial onde muitos dos biógrafos não hesitaram em beber.

93
ATHAYDE, “Capistrano”, op. cit., p. 299.

147
3.4. Com quantas pequenas histórias se faz um “grande homem”?

Em vida, Capistrano de Abreu parece ter sido um tipo muito especial de


“celebridade” do mundo das letras. Freqüentador assíduo de bibliotecas, arquivos, redações
e livrarias, também podia ser visto em alguns salões, bares, restaurantes e farmácias do Rio
de Janeiro ou andando pelas ruas da cidade, em fins do século XIX e ao longo das
primeiras décadas do XX. Chamava a atenção de modo a inspirar caricaturas, lendas e
anedotas. Ao longo do tempo, uma espécie de folclore foi construído a seu respeito, com
base em observações sobre seu modo de agir e vestir, que muitos consideravam excêntrico.
Suas palavras também tiveram ressonância, sendo reproduzidas e apropriadas através de
frases de efeito, ditos espirituosos e ditados populares supostamente saídos de sua boca ou
de sua pena.
Na epígrafe que abre esse capítulo, Capistrano é lembrado como alguém de quem
se fala através de anedotas, ditos espirituosos e epigramas, prevalecendo a autoridade
daqueles que o conheceram pessoalmente. O contato com um homem célebre, seja através
de entrevistas, visitas à sua casa, peregrinações a lugares relacionados a acontecimentos
marcantes de sua vida ou, até mesmo, encontros casuais, cria a possibilidade de surgimento
daquilo que J. C. Bonnet identificou como “um rumor propagador de anedotas sobre seus
menores gestos e feitos, ampliado pela correspondência privada ou pública e pela
imprensa”.94 Esse rumor estimula a “curiosidade biográfica” ou o interesse pelos aspectos
mais banais da vida privada. Por vezes, essa “curiosidade” pode ser protegida por uma
“rede de proximidade”, uma espécie de “círculo de pactários”, responsável pela produção e
pelo controle dos rumores a serem divulgados.95
O próprio Capistrano pode ser considerado como alguém que atuou, passiva ou
ativamente, na produção de discursos sobre si mesmo e que, simultaneamente, foi objeto
do discurso dos outros. Supostamente, foi a partir dessa delicada relação entre o “eu”
individual e os outros, que surgiu o perfil moral de um homem modesto, avesso às
futilidades e a toda forma de vaidade, abnegado, dedicado aos amigos e familiares. Surgiu,
também, o perfil complementar de um intelectual erudito, apaixonado pela pesquisa e pela
leitura e não tanto pela escrita ou pela divulgação do próprio conhecimento. Foi com tais
perfis que os biógrafos lidaram de modo mais ou menos crítico.

94
BONNET apud WERNECK, “As poéticas de elogio ao homem de letras”, op. cit., p. 40.
95
WERNECK, ibidem, p. 41.

148
Alguns trabalhos de teor biográfico foram produzidos após sua morte, em 1927,
sendo possível averiguar que o conjunto de pequenas histórias contadas sobre Capistrano
foi utilizado nas biografias, fornecendo-lhes exemplos de algo que os biógrafos desejavam
afirmar. Se esse conjunto fragmentado de pequenos casos – recolhidos entre aqueles que
foram contemporâneos do historiador e contados repetidas vezes – não serviu como fonte
principal, ao menos inspirou as biografias, ilustrando as interpretações sobre o biografado.
Tais casos narram, com toques de nostalgia e humor, acontecimentos relativos ao
personagem principal (ocorridos ou não), que sintetizam e evidenciam aspectos de sua
personalidade ou do seu modo de ser, considerados significativos e, portanto, capazes de
auxiliar na composição de uma imagem singular do indivíduo focalizado. A marca da
oralidade está presente nessas histórias, comumente contadas como algo que foi dito por
alguém, nem sempre identificado. Outro ponto relevante diz respeito à ausência de registro
temporal. As breves histórias geralmente não são datadas, ainda que o local dos
acontecimentos e os nomes daqueles que os presenciaram possam ser lembrados.96
Essas pequenas histórias às quais se recorre a fim de compor uma imagem do
biografado podem ser compreendidas como um tipo de “gesto verbal”: um resultado do
trabalho da linguagem, que seleciona acontecimentos, dotando-os de um sentido que se
deseja ressaltar. Em outras palavras, o “gesto verbal” é capaz de condensar aspectos que se
quer afirmar sobre algo ou alguém, remetendo a ambos por força de sua capacidade para
sintetizá-los.97 É com tal perspectiva que tais histórias serão recuperadas, de modo a
recompor uma espécie de colcha de retalhos que envolve a figura de Capistrano de Abreu,
pois elas se repetem ao longo do tempo, ajudando a sustentar as narrativas biográficas.
Diante de pequenas variações observadas no modo como cada biógrafo as reproduz, a
opção é recontá-las mantendo seu núcleo principal, tentando evitar a utilização de aspas e

96
Dois trabalhos que ajudam a compreender essas pequenas histórias contadas sobre Capistrano são:
ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro, FGV, 2004, especialmente o
capítulo “Além das versões: possibilidades da narrativa em entrevistas de história oral”, p. 77-90; e GOMES,
Ângela de Castro. “Memória, política e tradição familiar: os Pinheiro das Minas Gerais”. In: _____ (Org.).
Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte, UFMG, 2005, p. 79-166.
97
ALBERTI, op. cit., p. 80. Verena Alberti extrai a noção de “gesto verbal” da obra do historiador da arte e
teórico da literatura André Jolles (1874-1946), intitulada Formas simples (1a edição alemã 1930; 1a edição
brasileira 1976). A autora observa que Jolles não analisa a narrativa do ponto de vista da ciência ou da
filosofia da história, mas como fato de língua. Os “gestos verbais” são compreendidos como o resultado do
trabalho da linguagem ao selecionar, no plano dos acontecimentos, aqueles que detém o sentido que o
exercício intelectual lhes quer imprimir. Jolles analisa as “formas simples” identificando nove tipos: a
legenda, a saga, o mito, a adivinha, o ditado, o caso, o memorável, o conto de fadas e o chiste. Por oposição
às “formas simples” estão as “formas artísticas” ou “literárias”, condicionadas pelas escolhas e intervenções
pessoais do artista/escritor. De modo distinto, as “formas simples” seriam um produto da linguagem e não do
artista/escritor. Em função disso, as “formas simples” podem ser reproduzidas ou citadas com relativa
concisão, enquanto as “formas artísticas” e “literárias” produzem algo não repetível. Ibidem, p. 80.

149
eliminando adendos considerados desnecessários para a compreensão da mensagem
principal que cada caso visa transmitir.
Uma das primeiras histórias sobre Capistrano, encontra-o ainda menino, no interior
do Ceará e lembra sua avidez pelos livros, mais interessantes que as brincadeiras infantis.
Essa história foi contada por Rodolfo Teófilo em seu texto sobre o Ateneu cearense,98
instituição de ensino onde conheceu Capistrano ainda criança. Segundo o autor, a turma
do Ateneu costumava freqüentar o morro do Coroatá (hoje morro do Moinho), onde todos
procuravam exercitar os músculos, agitando-se, dando cambalhotas e saltos mortais, exceto
Capistrano. Este, isolado do bando, deitava-se na areia, envolvido pela leitura e ali ficava
até à hora de retornar ao colégio, sendo que, “não raro acontecia, já nós em forma, o
companheiro de fila acordar o ledor, que sem ver o que se passava, continuava a ler”.99
Outra história, do mesmo teor, lembra que, certo dia, uma escrava da família Abreu
desapareceu. Um grupo foi mobilizado para procurá-la. Capistrano seguiu junto, mas, a
certa altura, também sumiu. Jerônimo Honório, seu pai, o encontrou em cima de uma
árvore, lendo, esquecido da missão que lhe havia sido atribuída.100
As histórias da infância de Boletim Escolar de Capistrano de Abreu
um menino ledor se combinam com no Seminário Episcopal do Ceará
1865 Outubro Novembro Dezembro
as histórias do jovem Capistrano, Comportamento Sofrível Sofrível Sofrível
Latim Medíocre Sofrível Medíocre
aluno rebelde e indisciplinado. O Português Medíocre Medíocre Medíocre
boletim escolar de Capistrano Aritmética Bom Bom Bom
Francês Medíocre Bom Bom
(quadro ao lado), quando aluno do Música Mau Medíocre Medíocre
Saúde Boa Boa Boa
Seminário Episcopal do Ceará, foi Catecismo Bom Bom Bom
1866 Janeiro Fevereiro Março
reproduzido por alguns de seus
Comportamento Medíocre Sofrível Mau
biógrafos. Com esse documento foi Latim Bom Sofrível Medíocre
Português Bom Sofrível Medíocre
construída a imagem de um aluno Aritmética Bom Sofrível Sofrível
Francês Mau Sofrível Sofrível
indisciplinado, pouco adaptado ao Música Bom Sofrível Medíocre
ensino formal, ainda que fosse Saúde Boa Boa Boa
Catecismo Bom Bom Bom
inteligente e ávido leitor. Fonte: MATOS, Pedro Gomes de.
Capistrano de Abreu: vida e obra do grande historiador.
Características que permitem vê-lo Fortaleza, A. Batista Fontenele, 1953, p. 41.

98
TEÓFILO, Rodolfo. “O Ateneu Cearense”. Almanaque do Estado do Ceará, 1922.
99
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 43 e 50; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 4-5;
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 26-27; REBELLO, “Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 205.
100
CÂMARA, ibidem, p. 35.

150
como alguém dotado de autonomia e aptidão para atividades intelectuais, a despeito da
avaliação negativa de sua atuação, na maior parte das disciplinas.101 Do livro de matrícula
do seminário, é comum extrair-se a observação de que “em julho de 1866 foi aconselhado
ao pai do referido aluno que o retirasse por algum tempo a fim de o emendar de sua
preguiça e vadiação”.102 Essa idéia de aluno indisciplinado e medíocre se completa com a
história da expulsão do seminário, contada por Fausto Barreto a Vicente Werneck, amigos
de Capistrano.103
No Seminário Episcopal do Ceará, Capistrano tivera um professor de Matemática
cujo queixo era “imensamente desenvolvido”, o que o transformava em motivo de chacotas
entre os alunos. Certa vez, esse professor deu a Capistrano a tarefa de formular um
problema e resolvê-lo durante a aula. O jovem aluno “concentrou-se, franziu a testa, pôs os
olhos em alvo e, por fim, escreveu: „– Se Sansão com uma queixada de burro matou mil
filisteus, quantos de nós não mataria o padre x com a sua respeitável queixada?‟”. Após
expor o problema ao professor, Capistrano teria sido expulso do colégio. Ou seja, tem-se aí
um momento fundador da construção de alguém, cuja ironia, maledicência e humor
mordaz seriam freqüentemente afirmadas.104
Essa imagem de Capistrano se completa com a história de que ele, ainda criança,
costumava se aproximar dos escravos da casa, tendo se afeiçoado a alguns. Com eles
conversava, mostrando um “vivo interesse em aprender algumas cantigas africanas, cuja
excentricidade lhe despertava a atenção”.105 Ou seja, ainda que pouco “talhado” para a
educação formal, era curioso e aberto ao aprendizado informal. A rebeldia, a aversão às
convenções e a mediocridade do estudante são, assim, apreendidas em uma chave positiva,
devido à oposição construída entre o aprendizado formal e o informal, valorizando-se o
último, que é diretamente associado à genialidade do biografado.
Após a expulsão do seminário, Capistrano voltou para casa e teria sido punido por
seu pai. Punição compatível com o grau da rebeldia que se deseja afirmar. Surge a história
de que, certa tarde, Antônio Carlos Barreto, pai do narrador Fausto Barreto, passava pela
casa de Capistrano, quando se deparou com a cena do jovem amarrado no tronco onde os
escravos eram castigados. Com o torço nu e ensangüentado ele recebia chicotadas de dois

101
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 41; CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 31.
102
MATOS, op. cit., p. 40; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 4; CÂMARA, op. cit., p. 31.
103
Ver MOTA, Leonardo. “Capistrano de Abreu anedótico”. Revista do Instituto do Ceará, tomo LVI, 1942,
p. 55-78.
104
MATOS, op. cit., p. 46-47.
105
Ibidem, p. 22.

151
negros, sob o olhar de seu severo pai.106 De modo teleológico, é a partir da constatação de
que Capistrano é um estudioso reconhecido e admirado por sua erudição e capacidade
intelectual, que se constrói a imagem positiva da infância e da juventude de um estudante
medíocre. A chave que sustenta essa construção memorialística parece ser a capacidade de
leitura, que permite associar qualidades naturais do biografado, a um elemento considerado
capaz de romper qualquer determinismo do meio: a vontade individual. Dessa forma, o que
se afirma é que a história de Capistrano de Abreu é a história de um grande leitor, capaz de
romper/superar o limite do convencional, do estabelecido socialmente.
A trajetória do jovem leitor rebelde e inteligente sofre uma guinada a partir de um
encontro considerado memorável pelos biógrafos. Em 1874, Capistrano conheceu o
escritor José de Alencar, que então se hospedava na casa do Coronel Joaquim José de
Sousa Sombra, líder político na localidade de Maranguape.107 O encontro com o escritor
famoso é apontado como algo decisivo na vida do jovem cearense.108 Teria propiciado o
estímulo necessário para abandonar a terra natal rumo ao Rio de Janeiro, representando um
autêntico “acontecimento biográfico”, a partir do qual sua trajetória teria tomado “um
rumo de normalidade até então desconhecido”.109 Considera-se mesmo que Alencar “foi
quem o salvou da vida injusta”,110 datando dessa época seus primeiros escritos publicados.
Essas histórias sobre um menino leitor e um jovem rebelde estão sempre integradas
aos casos que falam de um grande intelectual. Alguns deles dizem respeito a
acontecimentos que reafirmam a capacidade de leitura de Capistrano. Outros servem para
ilustrar sua personalidade excêntrica, pouco afeita às convenções sociais. Por isso, uma das
imagens mais persistentes sobre esse “homem de letras” é aquela que o apresenta como um
indivíduo dado à introspecção, qualidade considerada favorável ao estudo. Tais histórias
falam de alguém distraído, sem interesses materiais ou pecuniários, pouco atento à
aparência, ao vestuário e às convenções sociais, e sempre entretido com um livro.
Conta-se que, em certa ocasião, Capistrano hospedou-se na fazenda de Virgílio
Brígido (que contou a história a Antônio Sales), localizada próximo ao Porto Novo do

106
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 47; CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 32-33; LEÃO,
“Capistrano de Abreu e a cultura nacional”, op. cit., p. 103.
107
Capistrano disse certa vez que devia sua vocação de historiador ao coronel. Chegou a dedicar-lhe sua tese,
Descobrimento do Brasil (1883), com os seguintes dizeres: “Ao Coronel Sombra, que me fez historiador”.
De modo semelhante, José de Alencar afirmou em seu livro Como e porque sou romancista (1893), que
devia ao coronel Sombra a produção de seu primeiro romance.
108
MATOS, op. cit., p. 55-56; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 6-7; VIANNA, Capistrano de
Abreu, op. cit., p. 11; CÂMARA, op. cit., p. 83 e 87-90; OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”,
op. cit., p. 56; LIMA SOBRINHO, “Capistrano de Abreu, historiador”, op. cit., p. 70.
109
CÂMARA, op. cit., p. 83.
110
OTÁVIO FILHO, op. cit., p. 56.

152
Cunha, no Rio de Janeiro. Na estação de trem, entregou sua maleta a um moleque, montou
a cavalo, largou as rédeas e abriu um livro. O cavalo seguiu seu passo, enquanto o
cavaleiro, impassível, indiferente a tudo, apenas lia. Por fim, o animal aproximou-se de um
galho que derrubou o cavaleiro leitor. Quando o moleque da maleta se aproximou,
encontrou-o deitado de bruços, lendo, e indagou: “– E o cavalo, seu Capistrano?”. Ao que
esse respondeu: “– Vai ali adiante”, continuando a ler.111 O caso da distração se repete na
história dos chapéus. Capistrano costumava comparecer a um jantar semanal na casa do
ministro Francisco Sá. Sempre que o convidado se retirava, a esposa do ministro advertia
em voz alta: “– O Capistrano vai sair!”. Era um aviso para os donos de chapéus, porque o
historiador, freqüentemente, apanhava o primeiro chapéu que estivesse ao seu alcance.112
Essa imagem de homem distraído contrasta com a do leitor atento e totalmente
absorto. É isso o que fixa um outro caso, que fala de uma visita a São Paulo. Aí Capistrano
tomou o bonde de Santa Cecília, para ir visitar um amigo. Ia acompanhado por José Valdez
Corrêa, seu conterrâneo, que, a certa altura, notou que o bonde passava por lugares já
vistos. O bonde era circular e Capistrano, alheio ao que ocorria ao redor, estava lendo um
jornal.113 Outra história encontra Capistrano em uma viagem a Minas Gerais, em
companhia do recém eleito Presidente do Ceará, Moreira Rocha. Capistrano integrava a
comitiva viajando apenas “com a roupa do corpo”. Sua única bagagem seria um pacote de
livros. No trem desatou a ler no carro-dormitório. Chegando a Belo Horizonte, trancou-se
no quarto do hotel e não houve quem notasse sua presença. Ao reencontrá-lo no regresso
ao Rio, Moreira Rocha quis saber suas impressões sobre a cidade e ele, “com entusiasmo”,
respondeu: “– Excelente cidade! Muito tranqüila, muito sossegada, muito silenciosa!
Esplêndida cidade para se ler!”.114
Mas, esse homem distraído, embora fosse um leitor atento, era reconhecido como
um escritor displicente, pouco apegado aos próprios textos. Antônio Sales conta que ele
chegou a munir-se de vários cadernos, numerando-os conforme os capítulos de um livro a
ser redigido. Era visto pela rua carregando os tais cadernos, dos quais não se separava, até
que um dia os esqueceu na Biblioteca Nacional, não os procurando mais.115 Do mesmo tipo

111
CÂMARA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 147; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 34;
MONTEIRO, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 164. História extraída do livro de
Antônio Sales, Retratos e lembranças (1922).
112
MENEZES, op. cit., p. 39.
113
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 179. Essa história também foi contada por Valdez Corrêa em
seu artigo publicado na revista Carioca, já citado.
114
Ibidem, p. 35.
115
VIANNA, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 101. Antônio Sales menciona o fato em seu livro Retratos e
Lembranças (1922).

153
é a história que mostra Capistrano como uma espécie de estudioso que muito lia, quase que
exclusivamente pelo desejo de saber. Embrenhava-se em uma montanha de livros e
esquecia o mundo. Levava cinco ou seis horas tomando notas e apontamentos e, após uma
intensa pesquisa, reaparecia feliz dizendo: “– Apurei uma data de que tinha dúvida; ganhei
o dia”. Porém, segundo os narradores, quase sempre perdia as notas tomadas, deixando-as
dentro dos livros consultados.116 Conta-se, também, que teria inutilizado vários escritos,
apenas por não poder conferir pequenos detalhes. Dizia-se que tinha “escrúpulos severos”
quanto à documentação, tanto que, certa vez, adquiriu um livro antigo e caro (custou cento
e cinqüenta mil réis) para eliminar uma dúvida. Isso foi feito de imediato – folheando o
volume na rua – e, uma vez satisfeito, deu a obra de presente ao amigo que a conseguira.117
Além do propalado desinteresse pelos próprios textos, cujas cópias não costumava
guardar, foi lembrado como alguém que não se interessava por dinheiro e que era um
despojado doador de livros. Assis Chateaubriand fala do prazer que Capistrano sentia ao
doar livros, inclusive os de sua propriedade. A indiferença pelo livro lido era notória, assim
como o empenho em obter livros para presentear os amigos. Afirma Chateaubriand que
nunca viu homem de poucos recursos doar tantos livros.118
O sentido primordial dessas histórias é o de afirmar Capistrano como um grande
leitor (em termos quantitativos e qualitativos), dedicado à pesquisa em arquivos. As
atividades de leitura e pesquisa empírica surgem nelas como essenciais, em um momento
considerado – inclusive por Capistrano – como sendo de transição da historiografia. A
escrita de uma História do Brasil era planejada e esperada com ansiedade, mas, ao mesmo
tempo, sustentava-se a necessidade de estudos monográficos, capazes de sustentar uma
nova síntese, distinta da História Geral do Brasil, escrita por Varnhagen e publicada na
década de 1850.
As histórias que falam sobre a dedicação de Capistrano à leitura e à pesquisa se
completam com aquelas que falam sobre seus escrúpulos gramaticais e mau humor. Mais
exatamente, tais histórias se referem a uma intransigente defesa da escrita do nome Brasil
com s, o que indica uma veemente escolha de posição no campo dos nacionalismos da
Primeira República. Quando o Jornal do Brasil foi criado, em 1890, trazia no título o nome
do país escrito com z. Capistrano foi convidado a colaborar com o periódico, mas teria se

116
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 181; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 35-36. Essa
história foi extraída do folhetim “A Semana”, assinado por C. e publicado no Jornal do Comércio, em
11/10/1953.
117
MENEZES, ibidem, p. 35.
118
CHATEAUBRIAND apud MATOS, op. cit., p. 253-54.

154
recusado, argumentando que considerava o título uma heresia. Consta ter afirmado que
jamais escreveria em um jornal que demonstrava tamanha ignorância pela história e pela
política. Algum tempo depois, o nome do jornal foi modificado, surgindo o Brasil com s.
Contudo, um de seus colaboradores, Afonso Celso, insistia no uso da grafia com z.
Capistrano teria ido procurá-lo, perguntando: “– Por que você escreve Brasil com z?”.
Celso respondeu apresentando razões de ordem literária e política. Argumentou que, no
Império a grafia com z era corrente. Além disso, estava com z nos documentos relativos à
Independência e nos escritos de historiadores eminentes. Diante disso, Capistrano se
irritou: “– Sabe quais são os que escrevem Brasil com z?”, indagou, para responder em
seguida: “– As zebras! As zebras!”.119
Esses pequenos casos, que ilustram as interpretações de Capistrano como um
dedicado e escrupuloso pesquisador, dotado de um senso de humor ferino e até agressivo,
completam-se com os que falam sobre sua relação peculiar com o passado e seus
personagens, assim como, com aqueles que foram seu objeto de estudo constante: os
índios.
O escritor Manuel Bomfim teria dito ao romancista Humberto de Campos que,
certa vez, encontrou Capistrano na rua e notou que alguma coisa o incomodava
intimamente, “ferindo-lhe a alma”. Diante disso, Bomfim indagou: “– Que tem você, com
essa cara?”. O historiador respondeu secamente: “– Aborrecimentos”. Ao que o outro
retorquiu: “– Aconteceu a você alguma cousa desagradável? Doença em casa?”. E
Capistrano respondeu, como se não pudesse mais se conter: “– Sabe o que é? Imagine você
que eu descobri, hoje, que a mãe de Frei Vicente foi uma cortesã, mulher de vida irregular,
de vida suspeita...”. Após fazer algumas perguntas e mudar de assunto, Bomfim despediu-
se, pensando que o “problema” com a mãe de Frei Vicente já havia sido esquecido. No
entanto, ainda ouviu de Capistrano, que coçava a cabeça intrigado: “– Que diabo! Para que
aquela senhora foi fazer isso!”.120
De outra feita, Capistrano solicitou ao coronel Luís Sombra, que se encontrava em
expedição no alto Juruá, que lhe enviasse dois índios da tribo dos caxinauás, cujo dialeto
estava estudando. Meses depois foi atendido. Indo um amigo visitá-lo, perguntou-lhe como
passavam os silvícolas. Capistrano mandou chamá-los a sua presença e, diante dos índios,

119
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 269, em reprodução de texto de Humberto de Campos;
MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 67-68. Capistrano abordou o problema da grafia da palavra
Brasil em sua tese Descobrimento do Brasil (1883). O biógrafo Raimundo de Menezes menciona que o
historiador enviou uma carta a Rodolfo Dantas protestando contra o nome do referido jornal.
120
MATOS, op. cit., p. 268, em reprodução de texto de Humberto de Campos; CÂMARA, Capistrano de
Abreu, op. cit., p. 126-27; OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 62.

155
o visitante perguntou: “– Capistrano já fala?”. E o mais moço respondeu: “– Capistrana é
burra” (sic).121 Mas, a relação com os índios não parece ter sido sempre “cordial”. Múcio
Leão conta que Capistrano submetia os indígenas que o ajudavam em suas pesquisas a um
“interrogatório implacável”. Certa vez, após um desses interrogatórios, ele chegou a ser
agredido fisicamente por um dos índios, que lhe agarrou pelo pescoço. Um amigo, Manuel
Mota, foi quem impediu que o investigador se transformasse em uma “vítima da
ciência”.122
Outro conjunto de histórias fala da modéstia de Capistrano, ressaltando sua aversão
a títulos e seu incômodo com aqueles que o procuravam em busca de conhecimento ou
informações. Deve-se atentar para o fato de que o outro lado dessa destacada modéstia é a
arrogância, às vezes interpretada de modo positivo (e, por isso, atenuada) como parte de
um comportamento excêntrico em relação à vida, a si mesmo e ao próprio trabalho. Uma
das histórias freqüentemente lembradas, que ajudam a reforçar a visão de Capistrano como
um homem modesto é aquela que fala de sua recusa em participar da Academia Brasileira
de Letras, importante instância de consagração de sua época. Em 1901, escreveu uma carta
na terceira pessoa ao amigo Guilherme Studart, dizendo: “não quis fazer parte da
Academia Brasileira e é avesso a qualquer sociedade, por já achar demais a humana”.123
Em 1923, seus amigos e admiradores planejaram comemorar seus 70 anos de idade
com a publicação de uma obra coletiva e a realização de uma festa nacional. Ao saber do
plano, Capistrano enviou um recado aos amigos, dizendo:

Segundo sou informado trama-se para meu próximo aniversário uma patuléia, poliantéia ou
cousa pior e mais ridícula, se for possível. Aos meus amigos previno que considero a
tramóia como profundamente inamistosa. Não poderei manter relações com quem assim
tenta desmoralizar-me. Custe o que custar.124

121
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 184.
122
LEÃO, “Capistrano de Abreu e a cultura nacional”, op. cit., p. 111. Capistrano chegou a viver na mesma
casa com seis índios, em momentos diferentes. Alguns foram enviados pelo Coronel Luís Sombra, outros
pelo Marechal Cândido Rondon.
123
Carta a Guilherme Studart, de 21/09/1901, vol. 1, p. 152. O caso da recusa é lembrado por CÂMARA, op.
cit., p. 176; OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 60; LIMA SOBRINHO,
“Capistrano de Abreu, historiador”, op. cit., p. 86.
124
O bilhete está datado com os seguintes dizeres: “Rio, dia do Corpo de deus, 1923”. É citado por MATOS,
op. cit., p. 67-68; LEÃO, op. cit., p. 118; e MONTEIRO, {“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op.
cit., p. 170-71.

156
O projeto, evidentemente, acabou não vingando. Esse homem tido por modesto
porque recusava prêmios,125 homenagens, títulos e lisonjas e, além disso, alegava dispensar
discípulos, era amigo de figuras importantes do mundo intelectual, político e diplomático
do final do Império e início da República. Não era incomum que pedissem sua intervenção
a fim de arranjar colocações para amigos ou conhecidos. Isso gerou histórias que lembram
o quanto uma indicação sua podia ser valiosa.
Leonardo Mota lembra o que aconteceu com um jovem cearense, que foi tentar a
vida no Rio de Janeiro munido com uma carta de apresentação do irmão de Capistrano. O
rapaz foi procurar o velho erudito em sua casa e ele o recebeu deitado na rede. Após ler a
carta, pegou um pedaço de papel no chão e escreveu uma pequena mensagem a lápis.
Dobrou o escrito e entregou-o ao moço, dizendo: “– Procure o Bulhões e dê-lhe isto!”. O
rapaz espantado retorquiu: “– Mas... eu nem sei quem é Bulhões, nem onde ele mora...”.
Ao que Capistrano respondeu: “– Pergunte! Quem tem boca, vai a Roma”. O rapaz saiu e
na rua pôs-se a ler o bilhete, escrito aos garranchos: “Bulhões. Este rapaz é cearense. C.”.
Ficou decepcionado e achou que Capistrano fosse louco. Posteriormente ficou sabendo que
o tal Bulhões era o ministro da Fazenda, amigo do “esquisitão”. A princípio o ministro não
quis recebê-lo, mas quando soube que ele trazia um recado de Capistrano, mandou-o
entrar. Alguns dias depois o jovem obteve uma colocação.126
Complementando a idéia de homem modesto, mas influente e poderoso, estão as
muitas histórias que falam da falta de asseio de Capistrano. São casos que reforçam a
imagem de um homem humilde, excêntrico, sem vaidades e avesso às coisas mundanas.
Conta-se que para fazer a prova do concurso para professor do Imperial Colégio de Pedro
II, Capistrano teve que pular uma janela, porque os bedéis, não acreditando que ele fosse
um dos candidatos, visto que os outros se apresentavam de casaca, o tomaram por um
louco, impedindo sua entrada na sala do concurso.127
Paulo José Pires Brandão recorda em seu livro Vultos do meu caminho, que
Capistrano era comensal do conselheiro Antônio Ferreira Viana, cuja chácara freqüentava
assiduamente. Ali ficava descalço, sem paletó, colarinho ou gravata, em mangas de camisa.
Acordava cedo e tomava banho na cachoeira. Uma tarde chegou ali o Visconde de Guaí, a
procura do conselheiro. Capistrano foi abrir o portão e recebeu o visitante, levando-o até a

125
Ver carta de Capistrano a Afonso Celso, 08/10/1917. Revista do IHGB, t. 8, vol. 132, 1917, p. 790-791.
126
MENEZES, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 70.
127
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 191-92; MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 15-16.
Essa história parece ter sido contada pela primeira vez por Joaquim Pimenta, no livro Retalhos do Passado
(1949).

157
sala. Sentou-se diante dele com os pés descalços. O Visconde, que não conhecia
Capistrano, ficou a conjecturar intrigado: “Quem será esse homem? Fazer-me sala em
mangas de camisa, de pés no chão!... Quem será? Deve ser algum jardineiro bêbado... Ou
algum louco...”. Nesse instante, Viana entrou na sala e apresentou-lhe o estranho: “Aqui o
nosso grande historiador Capistrano de Abreu”. Diz o narrador que o Visconde abriu a
boca com enorme espanto.128
Há, também, a piada contada por Emílio de Menezes. O humorista diz que, em
certa ocasião, Capistrano enviou um terno à tinturaria, para ser lavado. Era um terno que
ele vestia há doze anos. Uma semana depois, aparece-lhe à porta um empregado da
tinturaria, que lhe entregou um pequeno embrulho, que cabia na mão. E como lhe
perguntassem o que seria, Emílio de Menezes concluía: “– Eram os botões, menino!”.129
História parecida diz que Capistrano foi a um alfaiate levando três botões. De modo sério
teria perguntado: “– Poderia o senhor fazer-me o grande favor de pregar um paletó nestes
botões?”.130
A princípio, é possível pensar que a fama de desleixado pode ter contribuído para
humanizar a figura de Capistrano, tornando-a bem próxima de um homem comum.131 No
entanto, parece tratar-se menos de uma humanização no sentido de identificar um “homem
de letras” aos homens comuns, do que no sentido de destacar capacidades humanas (natas
ou não) consideradas dignas de admiração. Entre as características que permitem
compreender Capistrano como um ser humano excepcional, estão a capacidade de leitura, a
modéstia e o comportamento excêntrico, identificado tanto no hábito de dormir em rede,
comer pimentas e vestir-se sem esmero, quanto na recusa a homenagens e na crítica de
instituições e homens célebres.132 Supostamente, tais características ajudaram a compor um
tipo de intelectual distinto daqueles que eram valorizados até então, em determinados
meios. Como referenciais, havia o intelectual romântico e o dandy bem vestido, com
cartola e pince-nez, freqüentador das altas rodas e, também, o intelectual boêmio,
freqüentador de bares e botequins e crítico das principais instâncias de consagração.

128
MENEZES, [“Considerações sobre Capistrano de Abreu”], op. cit., p. 39.
129
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 184-85 e 192.
130
OTÁVIO FILHO, “A vida de Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 61.
131
Isso parece ocorrer, por exemplo, no caso do político Jânio Quadros, que às vezes se apresentava com os
cabelos despenteados, caspa e roupa amarrotada, conforme observou Jefferson José Queler em trabalho
intitulado Jânio Quadros e sua imagem pública (1959-1961), apresentado no Simpósio Memórias e
narrativas (auto)biográficas, realizado durante o XXIII Simpósio Nacional da ANPUH, de 17 a 22 de
setembro de 2005.
132
Ver MOTA, “Capistrano de Abreu anedótico”, op. cit.; Idem, “Capistrano de Abreu e as pimentas”,
reproduzido por MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 239-241. Originalmente publicado no Correio do
Ceará, 04/07/1938.

158
O caso de Capistrano permite observar o estabelecimento de uma junção singular
entre saber excepcional e comportamento excêntrico. O excepcional e o excêntrico
contribuindo para compor uma espécie de mito intelectual, sem antecessores e sem par em
seu meio. Comparando Capistrano com o grande ícone da historiografia do século XIX,
Francisco Adolfo de Varnhagen (1916-1878), Barbosa Lima Sobrinho observou aspectos
que tornavam o primeiro mais humano.133 O próprio Capistrano havia dito que a figura de
Varnhagen se destacava em meio a seus contemporâneos, devido a sua “estatura elevada”,
a sua “fisionomia dura, com os olhos em que cintila o sentimento de superioridade,
empunhando a férula do decurião”.134 Para Lima Sobrinho,

De Capistrano se poderá dizer que não é menor a autoridade, nem menos apreciável a
contribuição deixada para o esclarecimento de nossa história. É preciso reconhecer que ele,
e Varnhagen, continuam a ser os mestres por excelência, pela segurança do trabalho
realizado, como pela documentação descoberta, revista, criticada. Somente que não
imaginamos Capistrano na atitude em que ele viu o Visconde de Porto Seguro, de férula em
punho, a exigir Mãos a bolos! Mãos a bolos!. Capistrano de Abreu é infinitamente mais
humano.135

Mas essa humanidade que aproxima Capistrano dos outros mortais convive com os
aspectos que permitem vê-lo como um caso excepcional, supostamente distinto dos
demais. Continuando com as palavras de Lima Sobrinho,

Todavia não esperemos dele nenhuma indulgência com o erro, com a leviandade, com a
superficialidade dos estudos. Sua indignação seria a mesma de Varnhagen, embora pudesse
preferir, em lugar da férula do centurião, a vivacidade de um comentário contundente, ou o
sarcasmo pitoresco e viril, o sarcasmo que será sempre, em nossa historiografia, o sinal
característico de seu gênio, o sulco profundo desse homem que parecia ter trazido, do
fundo do sítio de Columinjuba as revoltas e os protestos desse Nordeste curtido pelos
sofrimentos.136

133
LIMA SOBRINHO, “Capistrano de Abreu, historiador”, op. cit., p. 90-1.
134
ABREU, Capistrano de. “Sobre o Visconde de Porto Seguro” (1882). In: _____. Ensaios e estudos: crítica
e história. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1975, p. 146.
135
LIMA SOBRINHO, op. cit., p. 91.
136
Ibidem, p. 91.

159
É interessante notar que apenas duas das biografias utiliza a palavra gênio para
qualificar Capistrano.137 Diferentemente do indivíduo talentoso, que realiza atividades
praticadas por outros de forma mais apurada, adquirindo excelência através do exercício, o
gênio seria, sobretudo, um criador nato de algo nunca pensado ou empreendido. Nessa
acepção, o gênio é alguém que abre caminhos e descobre aquilo que escapou a seus
antecessores, revelando relações ainda não percebidas entre as coisas, demonstrando
capacidade para suplantar obstáculos com facilidade e para antecipar aquilo que ainda não
pode ser nitidamente percebido.138
Segundo Agnes Heller, a noção de gênio remete a um “conjunto único, irrepetível,
de capacidades de um ser humano individual que o distingue de outros”. Indica poderes
intensos e aumentados, capazes de enaltecer um indivíduo em detrimento dos demais.
Contudo, por paradoxal que pareça, essa noção surgiu como resultado do desenvolvimento
de uma epistemologia e de uma antropologia democráticas, pois os poderes do gênio dizem
respeito a algo humano, imanente, produzido no terreno das atividades humanas, por
oposição aos poderes transcendentais, que são da ordem do divino. No Ocidente, a noção
de gênio se afirmou na medida em que prevaleceu a concepção de que o homem possuía a
capacidade subjetiva e objetiva de criar ou descobrir algo que nunca existiu e estabelecer
um livre acesso para que os demais pudessem se apropriar dessas criações e descobertas.
Por conseguinte, o investimento no sentido de caracterizar um indivíduo como gênio não é,
necessariamente, incompatível com as interpretações que humanizam esse mesmo
indivíduo.139
Ao longo dos séculos XVIII e XIX, a noção de gênio sofreu sensíveis mutações,
sendo possível observar a importância, cada vez maior, atribuída ao papel da subjetividade
na caracterização do gênio. Surgiram gênios da música e das artes (plásticas e literárias),
gênios da ciência e do intelecto.140 Mesmo que o termo gênio não seja explicitamente
utilizado na maioria dos escritos sobre Capistrano, é possível deduzir a presença da noção
de genialidade nas várias caracterizações desse “homem de letras”. Sobretudo, naquelas
que dizem respeito a suas qualidades únicas e criadoras, capazes de distingui-lo de seus

137
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [12]; e CANIZARES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. [18].
Alba Canizares Nascimento utiliza as reflexões do médico e filósofo austríaco Max Nordau (1849-1923), que
no livro Degenerescência (1893) estabelece a distinção entre gênio e talento, além de procurar demonstrar os
pontos comuns entre o gênio e o degenerado.
138
Sobre a noção de gênio, ver, também: ELIAS, Norbert. Mozart, sociologia de um gênio. Rio de Janeiro,
Jorge Zahar, 1995; e HELLER, Agnes. O homem do Renascimento. Lisboa, Editorial Presença, [1982], p.
316-330.
139
HELLER, ibidem, p. 324.
140
Ibidem, p. 324. Ver, também: ELIAS, op. cit.

160
antecessores e contemporâneos.141 Tais qualidades parecem ser de dois tipos: as natas e as
adquiridas. As primeiras remetem à origem sertaneja, que fez de Capistrano um “forte” no
plano intelectual. Nesse caso, a origem determina as qualidades. Já as qualidades
adquiridas seriam aquelas resultantes do exercício intelectual pleno e constante. Ou seja,
são fruto de um empenho próprio. Assim, torna-se possível conjugar os determinismos (da
origem e do meio), com a vontade individual capaz de vencer obstáculos. A genialidade de
Capistrano estaria relacionada a essa potencial conjunção.
Enfim, foram muitas as histórias que circularam sobre Capistrano, sendo possível
agrupá-las em torno de temas gerais, de modo a compreender a imagem pública do
indivíduo que se deseja lembrar. São histórias que falam de um menino leitor, um
estudante rebelde, um homem distraído, um leitor atento, um pesquisador escrupuloso, um
homem modesto, mas influente, um sujeito desleixado, um crítico mordaz etc. Alguns
casos são mais difíceis de relacionar a outros, porém, mesmo isoladamente, podem ajudar a
compreender a consolidação de uma imagem, representada pelo nome Capistrano de
Abreu.
Para que essas pequenas histórias possam ser compreendidas é preciso levar em
conta que sua proliferação ocorreu em um momento de grandes discussões acerca da
formação da nacionalidade, quando imperava a dúvida sobre como e quem poderia falar do
e pelo Brasil. Almejando o papel de porta-vozes da nacionalidade, os “homens de letras”
das primeiras décadas do século XX investiram no sentido de forjar uma linguagem
própria e difundir modelos de interpretação e de narrativa da nação. Além disso, se
empenharam na construção de tipos representativos do mundo do conhecimento e, mais
especificamente, na escolha de nomes da intelectualidade capazes de servir como símbolos
da brasilidade. Isso ocorreu com Euclides da Cunha, Rui Barbosa, Joaquim Nabuco,
Machado de Assis e Capistrano de Abreu, por exemplo. Supostamente, esse movimento
favoreceu a desmistificação da figura do “homem de letras”, predominante até então, mas
criou novos mitos. Ao lado da representação romântica do intelectual de gabinete, distante
das ruas, sem interesse pelo interior do país, com o olhar voltado para as grandes
metrópoles européias, vestido com casaca, cartola e pince-nez, havia espaço para

141
Entre as características atribuídas a Capistrano está a capacidade de adivinhação, destacada por Humberto
de Campos, seu contemporâneo. Segundo esse intérprete, além de possuir o “faro da verdade” – sendo que “a
verdade acudia-lhe por intuição, por instinto” – Capistrano alcançou “o máximo da cultura partindo da
adivinhação. Quando abria um livro sabia, já, o que estava lá dentro”, ao contrário de outros historiadores,
que chegaram a conhecimento através da cultura. Ver CAMPOS apud MATOS, Capistrano de Abreu, op.
cit., p. 260. Originalmente publicado no jornal A Manhã, Suplemento Literário Autores & Livros, ano 10,
vol. VI, n. 5, 06/02/1944, p. 71.

161
representações menos “nobres”, como atestam os intelectuais boêmios, por exemplo.
Capistrano de Abreu talvez seja um dos melhores exemplos de um processo que permite
ver o “homem de letras” em mangas de camisa, com os pés descalços, cabelos revoltos e
língua solta. Esse mesmo processo corrobora a imagem de um intelectual genial (criador),
dotado de qualidades excepcionais, relacionadas à erudição, cujo comportamento é
excêntrico, simples e inimitável.
Enquanto Euclides da Cunha – representante máximo da ascensão profissional pelo
mérito – foi considerado gênio e santo142 e Rui Barbosa foi visto como gênio e
semideus,143 Capistrano era o exemplo do gênio criador autodidata, do homem que fez a si
mesmo através de um duplo movimento: a conquista de um saber e a construção de uma
individualidade extravagante. Seu conhecimento era fruto de qualidades natas e de um
constante exercício intelectual, capaz de ajudá-lo a vencer “obstáculos” como a origem
interiorana, a falta de recursos financeiros e de um diploma. Além disso, a atividade de
pesquisa em arquivo – a pesquisa empírica – favorecia a idéia de estudo como trabalho
árduo, por oposição à idéia de estudo como atividade abstrata relativa ao pensamento e à
inspiração. Capistrano tornara-se admirável por mostrar-se “à vontade”, sem os “adereços”
materiais que se esperava encontrar em um “homem de letras”. Sem dúvida, esses
diferentes modelos de intelectuais conviveram nos primeiros tempos republicanos,
atestando uma mudança de perspectiva no que diz respeito ao papel do “homem de letras”
e as suas formas de representação.
Segundo José Valdez Corrêa, o “anedotário” sobre Capistrano era “quase um
privativo de seus íntimos, dos que lograram a rara felicidade de conviver com o grande
esquisitão”.144 Esses casos exemplares e engraçados sobre um “velho erudito, vivo
dicionário da história pátria, mal encadernado”,145 contribuíram para que ele se tornasse
um objeto de afeição, polido com doses de humor e nostalgia. Contudo, esse espaço
privativo foi rompido, uma vez que a figura de Capistrano podia representar interesses
maiores do que aqueles defendidos por seu grupo de convívio mais direto. Em função
disso, as pequenas histórias contadas e recontadas por seus contemporâneos adquiriram

142
Sobre a meritocracia e o caso de Euclides da Cunha, ver: ABREU, O enigma de Os sertões, op. cit.
143
GONÇALVES, João Felipe. “Enterrando Rui Barbosa: um estudo de caso da construção fúnebre de heróis
nacionais na Primeira República”. Estudos Históricos – Dossiê Heróis Nacionais. Rio de Janeiro, vol. 14, n.
25, 2000, p. 135-161.
144
MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 177. A observação de Valdez foi extraída de um artigo já
citado, publicado na revista Carioca, cuja referência não está completa. Nesse artigo, Valdez compara o
anedotário sobre Capistrano ao que circulava sobre o humorista Emílio de Menezes, embora afirme que esse
último era mais popular, ainda que as muitas histórias contadas sobre ele não fossem verídicas.
145
FACÓ apud MATOS, op. cit., p. 33.

162
novos sentidos e atravessaram décadas, reforçando os laços entre o erudito e as novas
gerações. Tornaram-no familiar e querido, ao menos entre os intelectuais, especialmente
entre aqueles ligados ao campo dos estudos históricos.
A partir das pequenas histórias aqui revistas é possível tecer a interpretação de
Capistrano de Abreu como um intelectual carismático, que inspirava afeto e autoridade, em
função de qualidades que o distinguiam dos demais. Isso segundo seus biógrafos e todos
aqueles que registraram tais histórias, considerando-as dignas de serem lembradas, e
qualificaram Capistrano como um gênio intelectual. Segundo Max Weber, a dominação
carismática ocorre em virtude da devoção afetiva a uma pessoa, devido aos seus dotes
sobrenaturais, faculdades mágicas, revelações, atos de heroísmo, poder intelectual ou de
oratória. A fonte da devoção pessoal é o extraquotidiano (aquilo que está fora da rotina) e a
validade efetiva da dominação carismática depende do reconhecimento da pessoa
portadora do carisma – por parte dos súditos ou seguidores –, como alguém que possui
qualidades distintivas, que lhe conferem autoridade sobre os demais.146
Weber se detém no estudo do herói guerreiro, do profeta e do demagogo, que
considera como tipos puros da dominação carismática. No entanto, sua teoria é útil para
pensar o caso do intelectual carismático, que aqui está sendo delineado. Um intelectual
dotado de carisma seria aquele capaz de despertar uma devoção afetiva devido a sua
reconhecida capacidade intelectual. Sua erudição estaria acima da média, a ponto de
provocar admiração. Suas opiniões, palavras e interpretações seriam cultuadas como
dogmas ou verdades absolutas, não exigindo comprovação, pois a autoridade de quem as
emite seria considerada suficiente. Uma espécie de rede de domínio seria organizada em
torno do intelectual carismático. Seus seguidores se ocupariam da guarda de sua memória e
da propagação de suas palavras e idéias, eventualmente construindo relações com
antecessores e apontando dignos sucessores. Acontecimentos vividos, aspectos de sua
personalidade e, por vezes, da aparência (como é o caso de Capistrano) ajudariam a
compor a imagem a ser cultuada. Por vezes essa composição faria uso daquilo que foi
definido por André Jolles como memorável: detalhes que poderiam até ser suprimidos da
história, mas que são freqüentemente repetidos quando ela é narrada, devido a sua
capacidade de condensar determinados aspectos a serem lembrados.147

146
WEBER, Max. “Os três tipos puros de dominação legítima”. In: WEBER, Max. Sociologia. Organizado
por Gabriel Cohn. São Paulo, Ática, 1991, p. 128-141. Especialmente a parte sobre “Dominação
carismática”, p. 134-141.
147
Ver ALBERTI, Ouvir contar, op. cit., p. 80-81.

163
Como disse Câmara Cascudo, “muitas vezes, numa simples anedota, um homem
vive na eternidade de um povo”.148 Algo parecido pode ser dito a respeito dessas breves
histórias contadas sobre Capistrano, que, se não serviram para popularizar e eternizar seu
nome em meio a um público amplo de leitores, ao menos serviram para referendá-lo entre
seus próprios pares, contribuindo para a constituição de um imaginário acerca do “homem
de letras” dos primeiros tempos republicanos e dos estudiosos da história, em particular.

148
CASCUDO apud MENEZES, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 67.

164
II

AS CARTAS DE CAPISTRANO

165
4
As cartas de Capistrano

Pouco depois da morte de Capistrano de Abreu, em agosto de 1927, sua


correspondência começou a circular para além do circuito inicial estabelecido entre
remetente(s) e destinatário(s). Algumas de suas cartas foram divulgadas publicamente no
Brasil e em Portugal.1 Provavelmente, isso causou algum incômodo, uma vez que se
referiam a várias personalidades do mundo político e literário ainda vivas. Nessa época, o
historiador João Ribeiro observou que:

As suas cartas, inconvenientes e medíocres, formam completo inventário de seus ódios,


paixões e malquerenças (...) É triste verificar pelas suas cartas que o bom historiador é um
péssimo epistológrafo, ainda que essa última qualidade excite a curiosidade malsã das
bisbilhotices. Não sei se é realmente serviço às letras apresentar essa face noturna ou
crepuscular do grande investigador que ele foi e que mereceu respeito da sua geração e,
provavelmente, de todas as gerações (...) Para a biografia de Capistrano bastam-lhe as
cartas em suplemento ao que se sabe de sua vida.2

Algumas cartas foram doadas à Biblioteca Nacional e à Sociedade Capistrano de


Abreu, dedicada a “preservar” sua memória. Em 1928, por exemplo, um de seus
correspondentes mais assíduos, o historiador luso-brasileiro João Lúcio de Azevedo,
enviou uma carta ao então diretor da Biblioteca Nacional, Mário Behring, comunicando
sua decisão de doar o conjunto de missivas que lhe foram enviadas por Capistrano.
Escreveu ele:

1
Exemplos de cartas de Capistrano de Abreu que foram publicadas antes da primeira edição em livro de
1954/1956: Cartas de Capistrano de Abreu a José Veríssimo, Revista da Academia Brasileira de Letras, n.
118-120, 1931; Fontes para a história do Brasil: Cartas de Capistrano de Abreu a Lino de Assunção.
Publicadas e prefaciadas por Luís Silveira. Lisboa, Livraria Teixeira, 1946.
2
RIBEIRO, João. “As cartas de Capistrano” (2 partes). In: _____. Obras – Crítica, vol. VI: Historiadores.
Organização de Múcio Leão. Rio de Janeiro, ABL, 1961, p. 94-98. A primeira parte foi originalmente
publicada no Jornal do Brasil, 18/12/1927 e, a segunda, no O Estado de São Paulo, 13/10/1931.

166
Por espaço de mais de onze anos tive a fortuna de entreter ativa correspondência com
Capistrano de Abreu, e tão interessantes achei suas cartas que as guardei todas ou quase
todas. Elas encerram curiosas particularidades sobre o viver e o pensar do escritor e
poderão servir utilmente a quem um dia pretender traçar o perfil de uma figura de tanto
prestígio entre os estudiosos. Pareceu-me por isso que agora, por morte dele, o lugar
adequado para estas cartas seria a Biblioteca Nacional do Rio, para onde as dirijo (...) Aí
ficarão sob boa guarda e acessíveis aos amigos e admiradores do finado que, se a família
não fizer objeção, as poderão ver, copiar ou publicar, se assim quiserem, porque da minha
parte não me oponho a isso.3

Acontece que a família de Capistrano se opôs à liberação das cartas para consulta
ou publicação, dando início a uma disputa que envolveu a imprensa,4 a Biblioteca, a
Sociedade Capistrano de Abreu e até o Ministério da Justiça, uma vez que a
correspondência expunha a intimidade de várias personalidades ainda vivas. A divulgação
de uma parte da correspondência em periódicos, bem como, a doação para a Biblioteca
parecem ter incentivado um duplo movimento: o de recolha das missivas, principalmente
através de doações e, o de proibição do acesso às mesmas. Entre o ano da morte de
Capistrano e 1953 – quando foi comemorado o centenário de seu nascimento – a
correspondência guardada pela Biblioteca foi mantida “a sete chaves”.
O art. 106, do Decreto 8.835, de 11 de julho de 1911, responsável pela
regulamentação da instituição, dizia que a cópia de manuscritos ou impressos reservados
dependia de autorização ministerial. Em 1928, após a doação de João Lúcio – que
estimulou o interesse em divulgar as cartas – o Ministro Viana do Castelo determinou,
através de uma portaria, que a correspondência ficasse sob sigilo. Em 1931, Eugênio de
Castro, um dos fundadores da Sociedade Capistrano de Abreu, tentou consultar a
correspondência, almejando publicá-la. Não conseguiu nem uma coisa nem outra. O então
Ministro da Educação, Belisário Pena confirmou a reserva dos documentos que, de 1928
até 1953, ficaram inacessíveis.
Em outubro de 53, o professor Mozart Monteiro concedeu entrevista ao jornal O
Globo, lembrando o “tesouro capistraneano” escondido, sem o qual não seria possível
escrever a biografia do mestre. Disse ele:

3
Carta de João Lúcio de Azevedo a Mário Behring, 07/03/1928. Sessão de Manuscritos da Biblioteca
Nacional.
4
Ver “Surpresas da história: as cartas de Capistrano de Abreu a João Lúcio de Azevedo consideradas
documentos secretos!”. O Globo, 15/05/1928.

167
É por isso, é porque esse tesouro documental continua ainda oculto, durante um quarto de
século, que nenhum historiador, nacional ou estrangeiro, escreveu até hoje sobre ele, nem
dele se utilizou para estudar a fundo a obra, a vida e a história de Capistrano (...) Assim
passa, lamentavelmente, o centenário do grande Capistrano de Abreu, sem que sua história
pudesse antes ter sido escrita.5

O que Monteiro não sabia é que a promulgação da Lei do Congresso Nacional no


1.896, de 2 de julho de 1953 havia resolvido o impasse. Assim, a correspondência pôde,
enfim, ser liberada para consulta e publicada, o que só ocorreu no ano seguinte.
Um conjunto de 1257 cartas, que inclui a correspondência ativa e passiva, foi
reunido graças ao empenho de José Honório Rodrigues, membro da Sociedade Capistrano
de Abreu e diretor da seção de Obras Raras da Biblioteca Nacional, para quem:

A correspondência de Capistrano de Abreu é um acervo precioso, não só para a sua


biografia, pois nela se vêem seu método de trabalho e suas pesquisas, como também para a
Historiografia brasileira. (...) são depoimentos curiosos, astutos, às vezes mordazes, que
revelam Capistrano como um analista inflexível da história contemporânea e um crítico
implacável de sua quadra.6

Essa boa acolhida das cartas, tão distinta daquela demonstrada antes por João
Ribeiro, constitui um investimento efetivo no sentido de situar a correspondência como
parte significativa da obra de Capistrano e meio de acesso ao homem por traz dos textos.
Assim, em meio às comemorações do I Centenário de Nascimento do historiador (1953),
foram publicados o primeiro e o segundo volumes ilustrados da Correspondência de
Capistrano, em 1954. Um terceiro seria lançado em 1956.
Rodrigues dedicou-se a ampliar a coleção, que foi, aos poucos, incorporando
exemplares doados pelos familiares do historiador e de seus correspondentes e, ainda, por
aqueles localizados em acervos como, por exemplo, o do Barão do Rio Branco –
pertencente ao Arquivo Histórico do Ministério de Relações Exteriores – e o de Guilherme

5
MONTEIRO, Mozart. “Um tesouro histórico... Porque, antes do seu centenário, não pôde ser escrita, por
nacionais e estrangeiros, a vida de Capistrano de Abreu”. O Globo, 23/10/1953, p. 9.
6
RODRIGUES, José Honório. “Introdução”. In: ABREU, Capistrano de. Correspondência. Organização de
José Honório Rodrigues. 1a edição 1954. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira / MEC, 1977, vol. 1, p. XXII.

168
Studart – sob a guarda do Instituto Histórico do Ceará. A maior parte da publicação foi
composta por correspondência inédita.7
Na introdução do primeiro volume, Rodrigues afirma que a edição procurou “seguir
fielmente o original”, atualizando a grafia. Não foram feitas notas de pé de página, nem
desdobramento das abreviaturas utilizadas. Algumas censuras foram permitidas – “duas ou
três vezes” – e justificadas pelo organizador como necessárias devido à “inconveniência”
de algumas frases. Outras cartas foram consideradas inoportunas para publicação e
deixadas de lado. A organização dos três volumes guiou-se pelo objetivo de “simples
divulgação”, defendido pelo organizador, para quem as cartas seriam lidas por um “leitor
preparado”, supostamente apto a fazer sozinho as notas necessárias. Disse Rodrigues:

Parece-nos ser mais importante a simples divulgação destas cartas, em forma acurada,
segundo requisitos da crítica de textos, embora sem anotações eruditas ou não,
esclarecedoras de passagens mais obscuras ou ligadas a fatos e personagens hoje
esquecidos, que retardar indefinidamente a sua publicação.8

A edição foi promovida pela Biblioteca Nacional, com o apoio do Instituto


Nacional do Livro. Criado no início do Estado Novo, em 1937, sob a direção de Augusto
Meyer (1937-1954), o INL tinha os seguintes objetivos: produzir uma enciclopédia
brasileira, de acordo com o modelo da enciclopédia italiana Treccani; elaborar um
dicionário; e publicar “todo tipo de obras raras ou importantes”, consideradas de interesse
para a cultura luso-brasileira e que não encontrassem possibilidades de publicação por
editora privada.9
Em 1977, por ocasião do 40o aniversário do INL e do 50o aniversário da morte de
Capistrano, foi lançada a segunda edição da Correspondência, acrescida de algumas cartas
e sem ilustrações, produzida pela Editora Civilização Brasileira, em convênio com o INL e
o Ministério da Educação e Cultura (MEC). Esta publicação faz parte de um projeto maior:
a Coleção Octalles Marcondes Ferreira – Série Estudos Brasileiros composta ao todo por
dez volumes, que constituem a Obra de Capistrano de Abreu. São livros que trazem na

7
Entre as dificuldades para reunir a documentação, José Honório Rodrigues menciona que as cartas de
Capistrano a Oliveira Lima existentes na Lima Library, da Universidade Católica de Washington, não
puderam ser copiadas, por proibição do diretor, Manuel Cardoso de Oliveira. RODRIGUES, “Introdução [à
Correspondência de Capistrano de Abreu]”, op.cit., vol.3, p. 11.
8
Ibidem, p. 7.
9
HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil (sua história). São Paulo, EDUSP, 1985, p. 313.

169
capa um retrato de seu autor.10 A série foi organizada da seguinte forma, com as
respectivas datas de lançamento:

COLEÇÃO OCTALLES MARCONDES FERREIRA


SÉRIE ESTUDOS BRASILEIROS

VOL. TÍTULO EDIÇÃO ANO 1a


EDIÇÃO

1 Capítulos de História Colonial 6a 1976 1907


2 Caminhos antigos e povoamento do Brasil 2a 1976 1930
3 O descobrimento do Brasil e seu desenvolvimento no 3a 1976 1883
século XVI
4 Ensaios e estudos 1a série 2a 1975 1931
5 Ensaios e estudos 2a série 2a 1976 1932
6 Ensaios e estudos 3a série 2a 1976 1938
7 Ensaios e estudos 4a série 1a 1976
8 Correspondência 1 (aumentada) 2a 1977 1954
9 Correspondência 2 (aumentada) 2a 1977 1954
10 Correspondência 3 (aumentada) 2a 1977 1956

Assim, a correspondência privada de Capistrano de Abreu passou a integrar sua


obra, constituída, em sua maior parte, por textos dispersos (artigos, resenhas, necrológios e
prefácios), que foram reunidos em livro após sua morte. Seus únicos livros publicados em
vida foram: O descobrimento do Brasil e seu desenvolvimento no século XVI (1883)
Capítulos de história colonial (1907) e Râ-txa hu-ni-ku-î (1913).
A correspondência privada desperta o interesse público há muito tempo. Contudo,
certa resistência contra as cartas pode ser observada ao longo dos séculos. Às vezes são
vistas como um gênero “menor” ou “maldito”. Outras vezes, nem mesmo são consideradas
como um gênero literário. Apesar disso, periodicamente, elas ressurgem como objeto de
fetiche ou de reflexão. Produtos culturais híbridos, é possível tratá-las como documentos,
textos, discursos e práticas, simultaneamente. Tidas como testemunhos de uma época, de
um acontecimento, de um tipo de relação social, podem ser lidas como uma obra plena de
significado, suscitando comentários e análises críticas. Mas, também podem ter seu
estatuto reduzido à fonte de informações, que ajudam a compor uma biografia ou, ainda, a
um meio de acesso aos bastidores de uma obra.11 Para alguns autores, o interesse principal

10
Trata-se da mesma imagem utilizada na confecção da medalha comemorativa do I Centenário de
Nascimento de Capistrano de Abreu, em 1953, pelo IHGB.
11
DIAZ, Brigitte. “Pour une bréve histoire de la lettre”. In: _____. L’épistolaire ou la pensée nomade. Paris,
PUF, 2002, p. 5, 9, 51-58.

170
da correspondência é mostrar “por trás das teorias, os homens e, sob o encadeamento
inflexível das idéias, a imensa ondulação e o redemoinho confuso da vida”.12
É considerando a possibilidade que as cartas oferecem para conjugar conversação e
escrita, subjetividade e objetividade, razão e emoção, excepcionalidade e banalidade, que o
texto a seguir recupera alguns aspectos da correspondência de intelectuais no mundo
contemporâneo. O objetivo principal é qualificar as cartas de modo que seja possível
compreendê-las como uma prática social que, de modo particular, favorece o pensamento e
a ação.

4.1. Sobre a correspondência de intelectuais13

Existe, atualmente, um renovado interesse por documentos pessoais entre os


historiadores. Tal interesse está relacionado às transformações da historiografia ao longo
das últimas décadas, quando se observa uma reavaliação do papel dos indivíduos na
história.14 No caso específico das pesquisas sobre intelectuais, a historiografia atual propõe
alternativas aos estudos que tradicionalmente utilizam material privado como uma espécie
de tempero para a narrativa ou uma ilustração, por vezes anedótica, para a biografia
daqueles que se dedicam ao mundo das idéias e letras.15
Um dos materiais privados que tem merecido grande atenção, tanto por parte dos
pesquisadores quanto dos editores – pois alimentam uma expressiva lista de publicações –
são as correspondências pessoais.16 Porém, no Brasil, são recentes os estudos que a
colocam no centro da investigação, como objeto de análise, dotado de especificidades. Um
novo olhar sobre a correspondência nasceu do cruzamento das reflexões da história da

12
LANSON apud DIAZ, “Pour une bréve histoire de la lettre”, op. cit., p. 5.
13
Uma versão menor dessa parte do capítulo integra o artigo: GONTIJO, Rebeca. “História, cultura, política
e sociabilidade intelectual”. In: SOIHET, Rachel, BICALHO, Maria Fernanda Baptista e GOUVÊA, Maria
de Fátima Silva (Orgs.). Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história.
Rio de Janeiro, Mauad, 2005, p. 259-284.
14
PROCHASSON, Christophe. “„Atenção verdade!‟: Arquivos privados e renovação das práticas
historiográficas”. Estudos Históricos – Dossiê Arquivos Pessoais, Rio de Janeiro, n.21, 1998, p. 105-119;
GOMES, Ângela de Castro. “Nas malhas do feitiço: o historiador e os encantos dos arquivos privados”.
Estudos Históricos – Dossiê Arquivos Pessoais, Rio de Janeiro, FGV, n.21, 1998, p. 121-127; LEVI,
Giovanni. “Usos da biografia”. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Usos &
abusos da história oral. Rio de Janeiro, FGV, 2001, p. 167-182.
15
PROCHASSON, op. cit., p. 105.
16
A título de exemplo, cito algumas publicações recentes: CUNHA, Euclides da. Correspondência.
GALVÃO, Walnice Nogueira e GALOTTI, Oswaldo (Orgs.). São Paulo, Editora da USP, 1997; Machado de
Assis & Joaquim Nabuco: Correspondência. Organização, introdução e notas de Graça Aranha. Prefácio de
José Murilo de Carvalho. 1a edição 1923. Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Letras / Topbooks, 2003, 3a
edição; Em família: a correspondência de Oliveira Lima e Gilberto Freyre. Organização, introdução e notas
de Ângela de Castro Gomes. Campinas, Mercado das Letras, 2005.

171
leitura, da história cultural, da micro-história e da história intelectual, destacando-se a
produção de estudos sobre a correspondência nas áreas de literatura e educação.17
Esse tipo de material induz à busca de segredos, de confidências, enfim, de todo
tipo de expressão da individualidade, capaz de fornecer um mapa da vida ou um retrato da
personalidade do missivista. Pode ser prazeroso desvendar aspectos da intimidade de
pessoas públicas, algo habitual num mundo repleto de revistas de fofocas e noticiários
escandalosos, sempre ávidos por novidades. Os pesquisadores não ficam incólumes diante
disso. Mesmo que o indivíduo que é objeto de sua atenção seja pouco conhecido, é sempre
possível estimular o interesse sobre ele, descobrindo algum fato “escabroso” ou atitude
surpreendente. Contudo, como bem observa Christophe Prochasson, além de atender à
demanda pelo inédito – cuja satisfação ajuda a consolidar sua posição como um
“verdadeiro explorador”, capaz de descobrir “tesouros ocultos” – os pesquisadores
precisam enfrentar certos problemas do ofício ou correr o risco de serem acusados, no
mínimo, de ingênuos. Segundo o autor,

As armadilhas que as correspondências estendem aos historiadores são no entanto


numerosas. A impressão de pegar desprevenido o autor de uma carta que se destinava
unicamente ao seu correspondente, o sentimento de violar uma intimidade, garantia de
autenticidade, quando não de verdade, são às vezes, bastante enganadores. Existem
correspondências que traem uma autoconsciência que não engana ninguém. Existem cartas
ou documentos privados cujo autor mal disfarça o desejo, talvez inconsciente, de torná-los,
o quanto antes, documentos públicos (...) Nada corre o risco de ser mais falso do que a
“bela carta” ou o arquivo privado “que se basta a si mesmo”, que é “tão revelador”. Há ai
algumas armadilhas preparadas.18

17
Exemplos de estudos produzidos no Brasil, na área de literatura, educação, história e antropologia:
AGUIAR, Flávio (Org.). Gêneros de fronteira: cruzamentos entre o histórico e o literário. São Paulo, Xamã,
1997; GALVÃO, Walnice Nogueira e GOTLIB, Nádia Battella (Orgs.). Prezado senhor, prezada senhora:
estudos sobre cartas. São Paulo, Companhia das Letras, 2000; BASTOS, Maria Helena Câmara, CUNHA,
Maria Teresa Santos e MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Refúgios do eu: educação, história e
escrita autobiográfica. Florianópolis, Mulheres, 2000; BASTOS, Maria Helena Câmara, CUNHA, Maria
Teresa Santos e MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Destinos das letras: história, educação e escrita
epistolar. Passo Fundo, UPF, 2002; GOMES, Angela de Castro (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio
de Janeiro, FGV, 2004; CARVALHO, José Murilo de. “Rui Barbosa e a razão clientelística”. Dados,
IUPERJ, v. 43, n. 1, 2000; PINTO, Surama Conde Sá. A correspondência de Nilo Peçanha e a dinâmica
política da Primeira República. Rio de Janeiro, Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1999;
HEYMANN, Luciana Quillet. “„Quem não tem padrinho morre pagão‟: fragmentos de um discurso sobre o
poder”. Estudos Históricos – Dossiê Cultura Política. Rio de Janeiro, n. 24, 1999, p. 323-349.
18
PROCHASSON, “„Atenção verdade!‟...”, op. cit., p. 111-112.

172
Em outras palavras, as correspondências, como outros documentos pessoais,
sugerem uma mensagem de verdade, pois constituem um meio de expressão do indivíduo
na sua intimidade, espaço do espontâneo, de certa liberdade, onde, supostamente, deve
reinar a sinceridade. Ler escritos pessoais assemelha-se a invadir locais escondidos,
revelados a poucos, entre os quais o leitor invasor acaba se incluindo, podendo sentir-se,
por vezes, como um cúmplice, que compartilha os sentimentos e as idéias do invadido; um
esperto detetive, pronto a capturar o missivista em flagrante; um juiz parcial, apto a julgar
as condutas privadas; ou ainda, como uma espécie de deus que tudo vê, capaz de avaliar
pensamentos, atos e palavras. Esse leitor pode ter a impressão de estar surpreendendo o
autor da carta, pegando-o desprevenido nas suas liberdades, violando seus segredos,
tirando sua máscara para, finalmente, revelar ao público suas idiossincrasias.
Contra essa “ilusão de verdade” que o material privado provoca e a fim de controlar
o afeto que o historiador pode nutrir pelos papéis pessoais que escolheu – afeição
estimulada pela proximidade do indivíduo que se dá a ver através desses materiais19 – é
preciso, antes de tudo, desconfiar daquilo que aparece como espontâneo, autêntico e
verdadeiro, não para descartá-lo, mas para problematizá-lo. Trata-se de introduzir a dúvida
no espaço da leitura e considerar que a correspondência (como outros documentos) tanto é
um ato individual quanto é uma prática social, sujeita a regras e códigos que precisam ser
decifrados. Se as cartas contribuem para o exercício da subjetividade e a prática da
sociabilidade, por vezes, também podem servir como instrumento disciplinar ou de
autocontrole.20
Diante de armadilhas tão sedutoras quanto os arquivos pessoais, é preciso lembrar
que, mesmo possuindo especificidades, os materiais privados não diferem de outros
materiais, pois exigem escolhas capazes de ajudar a objetivar sua leitura e interpretação,
transformando-os em fontes. Assim, torna-se importante, por exemplo, associá-los a outros
tipos de documentação e, nunca é demais lembrar – diante da persistência de abordagens
externalistas e internalistas que não se cruzam – proceder à crítica externa e interna.
Além disso, é importante considerar alguns aspectos da história das cartas, que
ajudam a compreender seus diferentes usos. É possível dizer que a carta, como outros tipos

19
PROCHASSON, “„Atenção verdade!‟...”, op. cit., p. 112. Angela de Castro Gomes chama a atenção para o
fato de que o autor de documentos pessoais constrói, consciente ou inconscientemente, uma imagem de si,
para si e para os outros, em muitos tempos e na história. Esta imagem pode ser múltipla, estando presente não
apenas nos documentos pessoais, mas no processo de acumulação dos mesmos. Ver GOMES, “Nas malhas
do feitiço”, op.cit., p. 126.
20
Sobre a função socializante e disciplinar da correspondência, ver DIAZ, “Pour une bréve histoire de la
lettre”, op. cit., p. 26.

173
de texto, não possui uma essência imutável ao longo dos séculos. Para Philippe Lejeune,
por exemplo, trata-se de um escrito “flutuante e contingente”, que “combina outros
indícios a fim de exercer funções diferentes em sistemas diferentes”.21 Investigar as
práticas de escrita ajuda a entender os modos como uma comunidade constrói suas
representações sobre o mundo, investindo-o de significados plurais. Permitindo associar
experiência social e subjetividade, a correspondência é um espaço privilegiado para a
observação da relação do indivíduo consigo mesmo e com os outros.22
Na época moderna, o exercício da correspondência pode ser visto como uma forma
de construção de si, que inclui vários tipos de ações: desde a escrita de si através de
autobiografias e diários, até a constituição de uma memória, realizada através da recolha
dos mais diversos objetos, representativos de algo que precisa ser lembrado. Trata-se de
um investimento que visa materializar e dar sentido à história de um indivíduo e dos
grupos aos quais ele pertence. Através dessa prática, o indivíduo atribui significado ao
mundo que o rodeia, relacionando-o com sua própria vida, de modo a constituir
identidades.23
Na produção de si a escrita tem uma importância capital. Como diz Michel de
Certeau, escrever é uma “atividade concreta que consiste, sobre um espaço próprio, a
página, em construir um texto que tem poder sobre a exterioridade da qual foi previamente
isolado”. Ou seja, o “jogo escriturístico” tem como função influir sobre a realidade, da qual
se distingue, com o objetivo de transformá-la.24 O valor da escrita para a construção de si
reside no modo como essa atividade permite “ordenar, rearranjar e significar o trajeto de
uma vida no suporte do texto, criando-se, através dele, um autor e uma narrativa”.25 Sendo
assim, escrever sobre si mesmo é construir-se e transformar-se. Um exercício que busca o
efeito de verdade, com o objetivo de convencer aquele que escreve e aquele que lê, de que
aquilo que está escrito não possui a intenção de enganar ou dissimular. 26 Trata-se de um

21
LEJEUNE, Philippe. Le pacte autobiographique. 1a ed. 1975. Paris, Seuil, 1996, p. 315-316.
22
CHARTIER, Roger (Dir.). La correspondance: les usages de la lettre au XIXe siècle. S.l., Fayard, 1991, p.
9-10.
23
GOMES, Escrita de si, escrita da história, op. cit., p. 11; FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In:
_____. O que é um autor? S.l., Vega, 2000, p. 129-160; CALLIGARIS, Contardo. “Verdades de
autobiografias e diários íntimos”. Estudos Históricos – Dossiê Arquivos Pessoais. Rio de Janeiro, n.21, 1998,
p. 43-60.
24
CERTEAU, Michel de. “A economia escriturística”. In: _____. A invenção do cotidiano: artes de fazer.
Petrópolis, Vozes, 1994, p. 221-246.
25
GOMES, op. cit., p. 16.
26
A escrita de si utiliza o argumento da sinceridade, que é individual e subjetiva, atribuindo-lhe o valor de
verdade. A noção de sinceridade está diretamente vinculada à emergência do indivíduo moderno. Ela surgiu a
partir de uma preocupação com a não sinceridade nas relações sociais, em um contexto em que tradição e os
costumes perderam o poder de constranger e regular as relações, agora geridas pelo indivíduo. Portanto, a

174
esforço para alcançar um equilíbrio possível e necessário, mas sempre instável, entre
expressão individual e contenção de si, que resulta em um distanciamento entre aquele que
escreve e o personagem do texto.27
A carta serve de suporte para o registro ou descrição de acontecimentos cotidianos
– relativos ao trabalho, ao corpo e aos sentimentos, por exemplo. Também favorece o
exercício de um pensamento reflexivo sobre si mesmo ou a respeito de algum assunto,
guardando algumas especificidades. Angela de Castro Gomes observa que

(...) a correspondência privada é, com freqüência, um espaço que acumula temas e


informações, sem ordenação, sem finalização, sem hierarquização. Um espaço que
estabelece uma narrativa plena de imagens e movimentos – exteriores e interiores –,
dinâmica e inconclusa como cenas de um filme ou de uma peça de teatro. Um tipo de
discurso multifacetado, com temas desordenados, que podem ou não ser retomados e
desenvolvidos, deixando às vezes bem claro até onde se diz alguma coisa.28

Desse modo particular – fragmentado, freqüentemente desordenado e inconcluso –


a escrita de cartas contribui tanto para a objetivação quanto para a introspecção, sendo que
esta não ocorre no sentido da decifração de si pelo indivíduo que escreve, mas na abertura
de si para o outro.29 A correspondência pode ser vista, portanto, como um lugar de
subjetividade e de sociabilidade, pois ela permite a construção e transmissão de uma
espécie de clima emocional, que possibilita aproximações e afastamentos entre os
missivistas. Através dela, eles podem estabelecer relações sociais, revelando a
multiplicidade de interesses e de negociações postas em prática em momentos e situações
específicas.
Na relação epistolar os missivistas se afetam mutuamente. E a carta começa a afetá-
los mesmo antes de ser lida, uma vez que, sendo um objeto materializado pela forma e cor
do papel, pela tinta, pela letra reconhecível do remetente etc., ela acaba valendo, aos olhos
daquele que a recebe, como um representante daquele que a escreve. Sendo assim, a

sinceridade diz respeito ao modo como o indivíduo se apresenta nas relações com o outro. Segundo José
Reginaldo Gonçalves, no contexto da modernidade, a sinceridade expressa “a luta entre uma concepção de
self socialmente determinada, onde a relação com o outro ainda é prezada, e as modernas e emergentes
concepções individualistas do self”. Ver GONÇALVES, José Reginaldo. “Autenticidade, memória e
ideologias nacionais: o problema dos patrimônios culturais”. Estudos Históricos – Dossiê Identidade
Nacional. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 2, 1988, p. 265.
27
GOMES, Escrita de si, escrita da história, op. cit., p. 17 e 22.
28
Ibidem, p. 21.
29
FOUCAULT, “A escrita de si”, op. cit., p. 152 e 154.

175
correspondência equivale a um “ato de presença”, pois promove uma espécie de encontro
entre remetente e destinatário.30 Esse encontro é um momento valioso para a construção de
vínculos que ajudam os missivistas a conquistar e manter posições sociais, profissionais e
afetivas. Por isso, trata-se de um tipo de discurso muito marcado pelo cuidado no
estabelecimento das relações, ainda que haja lugar para expressões espontâneas de
sentimentos, para a linguagem despojada, bastante próxima da comunicação oral.31
Para Ângela de Castro Gomes:

(...) tal como outras práticas de escrita de si, a correspondência constitui, simultaneamente,
o sujeito e seu texto. Mas, diferentemente das demais, a correspondência tem um
destinatário específico com quem se vai estabelecer relações. Ela implica uma interlocução,
uma troca, sendo um jogo interativo entre quem escreve e quem lê – sujeitos que se
revezam, ocupando os mesmos papéis através do tempo.32

Esse “jogo interativo” é definido através de um “pacto epistolar”: uma espécie de


contrato estabelecido entre os missivistas – às vezes de modo subjacente – que impõe a
exigência recíproca de “receber, ler, responder e guardar cartas”, de modo a manter a
correspondência e a relação.33
Cabe ressaltar que, entre os séculos XVII e XIX, observa-se um crescente
investimento na escrita e publicação de cartas, sendo notável uma mutação retórica e
sociológica. Ao longo do período, a epistolografia abriu mão da eloqüência por um estilo
menos formal, mais apto a transcrever o discurso do indivíduo que o exprime e a favorecer
uma sociabilidade à distância, marcada pelo hábito da conversação. Cada vez mais, a

30
Para Michel Foucault, essa presentificação que a correspondência propicia não ocorre apenas devido às
informações que os missivistas trocam sobre suas vidas. Trata-se de “uma espécie de presença imediata e
quase física”, que se assemelha ao exercício de dar-se a ver, semelhante a um “face-a-face”. FOUCAULT,
“A escrita de si”, op. cit., p. 150. Ver, também: LANDOWSKI, Eric. “A carta como ato de presença”. In:
_____. Presenças do outro: ensaios de sociossemiótica. 1a edição francesa 1997. São Paulo, Perspectiva,
2002, p. 165-181. Cabe observar que a visão da correspondência como um “diálogo entre ausentes” não é
plenamente compartilhada. Alguns autores, como Jacques Derrida, colocam a dúvida a respeito da
compreensão da carta como um escrito endereçado a alguém. Nesse sentido, a carta é vista como um
bumerangue, cuja verdadeira destinação seria o próprio remetente e não o destinatário. Ver DIAZ, ibidem, p.
57-59. Com perspectiva semelhante, Vincent Kauffman argumenta que a escrita epistolar é “uma atividade de
resistência ao outro”, sendo que, o que está em jogo na correspondência é a conquista de um território sobre o
qual o outro (o destinatário) não tem direito de entrar. Assim, o exercício da correspondência favoreceria
muito mais o afastamento do que a aproximação entre os missivistas. Seria um modo de estabelecer certa
distância em relação ao outro, a fim de que a individualidade possa surgir. Ver KAUFFMAN, Vincent.
L’équivoque epistolaire. Paris, Les Éditions de Minuit, 1990, p. 8.
31
GOMES, Escrita de si, escrita da história, op. cit., p. 19 e 21.
32
Ibidem, p. 19.
33
Ibidem, p. 19.

176
composição retórica impecável foi desprezada, enquanto “as falhas, os sopros e os
suspenses de uma palavra simplesmente humana” adquiriram grande valor. Foi por meio
dessa transformação que a carta passou a reivindicar o papel de “espelho da alma”,
enquanto se afirmou o mito do epistológrafo como um escritor espontâneo (sem afetação).
Mas, essa mesma mudança, que marcou a passagem de uma escrita formal para informal,
de um tipo de sociabilidade tradicional para uma sociabilidade mais mundana, acabou por
estabelecer uma nova ortodoxia, guiada pelas regras de um “discurso ordinário” e ligeiro,
marcado por aquilo que Cécile Dauphin chamou de “pedagogia do lugar comum”.34
Considerando as transformações da prática epistolar ao longo do tempo, cabe
indagar sobre o modo como escritores e intelectuais utilizam a correspondência, visto que
tais atores sociais se dedicam às atividades de escrita e pensamento, comumente
caracterizadas pela lenta reflexão, pelas teorizações, pela erudição, pelos recursos retóricos
mobilizados e pela inspiração. Assim, concordando com Brigitte Diaz, coloca-se a
pergunta: como é possível “pensar por carta”?35 Indo um pouco além, tendo em conta que
as variáveis históricas e culturais modificam significativamente a prática epistolar, como é
possível pensar por carta no mundo contemporâneo de fins do século XIX e início do XX?
Esse ponto interessa particularmente a esse estudo que analisa a correspondência de um
historiador do período em questão, na qual é possível localizar, além de referências às
práticas de pesquisa e escrita da história, certa reflexão sobre o fazer historiográfico e seu
produto: o texto histórico.
Antes de tudo, observa-se que a correspondência de intelectuais utiliza um nível de
linguagem e uma retórica específica, de modo a constituir um texto permeado por outros
textos. É um espaço para a troca de idéias, projetos e expectativas das mais diversas, que
permite acessar o mundo das relações sociais de indivíduos que, geralmente, são “vistos”
através de publicações ou da atuação em espaços onde domina a oralidade. Através da
correspondência, os atores sociais constroem um “lugar” de sociabilidade “privado”, por
oposição aos lugares públicos, como, por exemplo, as redações de jornais e revistas, os
departamentos universitários, os colóquios e os manifestos.36

34
DIAZ, “Pour une bréve histoire de la lettre”, op. cit., p. 9-18 e 36; DAUPHIN apud DIAZ, ibidem, p. 16,
nota 2.
35
A história das cartas mostra que, nem sempre a correspondência serviu como um meio de expor a
intimidade e os sentimentos ou favorecer um tipo de conversa improvisada, por vezes, fútil, repleta de
referências ao cotidiano. O exercício de escrever e trocar cartas já deu lugar a reflexões filosóficas e serviu
como instrumento de confrontação e propagação de idéias. Além disso, como já foi dito, também serviu
como meio de construção de si. Ver DIAZ, ibidem, p. 8-10, 21 e 139-194.
36
TREBITSCH, Michel. “Correspondances d‟intellectuells. Le cas des lettres d‟Henri Lefebvre à Norbert
Guterman (1935-1947)”. Le Cahiers de l’IHTP, n.20, 1992, p. 82-3. Sobre a correspondência de intelectuais,

177
Michel Trebitsch chama a atenção para a correspondência de intelectuais enquanto
“instrumento de aproximação” das sociabilidades devido a três razões: 1) ela é uma das
raras fontes escritas sobre um mundo de relações sociais dominado pela palavra e pela
oralidade; 2) ela possui o estatuto de narrativa pessoal, próximo da autobiografia ou do
diário íntimo, diferindo dos textos destinados à publicação; 3) ela constitui um lugar de
sociabilidade “privado”, oposto aos lugares “públicos”, como as revistas, os colóquios ou
os manifestos. De acordo com o autor, as cartas seriam uma espécie de “„zona enigmática‟
entre a vida e o texto”, por autorizar um “vai-e-vem” entre escrito privado e escrito
público. Isso seria um resquício de duas heranças: a da tradição epistolar dos séculos XVII
e XVIII – marcada pela escrita de si e pelo gênero romanesco – e a dos textos públicos ou
políticos, exemplificados pelas cartas abertas, pelos manifestos e petições, muito utilizados
ao longo do século XIX.37
O autor identifica dois tipos básicos de correspondência no mundo intelectual.
Existem cartas cuja função desperta mais interesse do que o conteúdo em si. Essa função
seria a de estabelecer redes de sociabilidade em torno de algo ou alguém (uma figura ou
um motivo central). Sua leitura permite rastrear a construção de objetivos comuns – de
caráter estético, científico, literário e/ou político – pelos membros de um grupo, deixando
entrever seu funcionamento efetivo. Há, também, um tipo de correspondência que não é
guiada pelos interesses de um grupo dotado de objetivos comuns e figura central. Esse
segundo tipo de correspondência existe em decorrência da relação de amizade entre pares,
unidos por afinidades, interesses e preocupações comuns, de ordem pessoal. Sua leitura
permite acessar os meandros da relação entre os indivíduos, bastante marcada pelo afeto. 38
O estudo da correspondência de escritores e intelectuais ajuda a compreender os meandros
da construção de uma obra e/ou da elaboração de projetos, revelando ações e intenções e
deixando entrever a especificidade dos procedimentos cognitivos e argumentativos.
Também permite observar as relações entre os indivíduos, fornecendo indícios de suas
experiências como atores sociais.
Um dos aspectos mais importantes da correspondência parece residir no fato de que
esse tipo de escrito é uma forma de conversação. Como observou Roger Chartier, não é

ver, também: GOMES, op. cit., p. 51-75; e, na mesma obra, VENANCIO, Giselle Martins. “Cartas de Lobato
a Vianna: uma memória epistolar silenciada pela história”, p. 111-137; LUCA, Tânia Regina de. “Monteiro
Lobato: estratégias de poder e auto-representação n‟A barca de Gleyre”, p. 139-161; e GONTIJO, Rebeca.
“„Paulo amigo‟: amizade, mecenato e ofício do historiador nas cartas de Capistrano de Abreu”, p. 163-193.
37
TREBITSCH, “Correspondances d‟intellectuells...”, op. cit., p. 82-3.
38
A correspondência cuja função é mais importante que seu conteúdo, é chamada por Trebitsch de
“correspondência-rede” e, aquela cujo conteúdo chama mais atenção, é chamada de “correspondência
laboratório”. TREBITSCH, ibidem, p. 83.

178
apenas a condição de leitor e escritor que fundamenta a identidade do intelectual. Essa se
define, de acordo com certo ponto de vista e a partir de determinado momento, através da
participação na sociedade dos “homens de letras”. A condição de intelectual está vinculada
a essa participação, que implica o diálogo, o intercâmbio de idéias e o respeito a
determinadas regras de convívio e normas de comunicação. No século XVIII, por exemplo,
conversar era visto como uma arte, sendo que, “o verdadeiro homem de letras”, de acordo
com os cânones do establishment literário, era, sobretudo “um padrão de conversa em
sociedade”.39
O padrão de conversa e de epistolografia mudou muito de lá pra cá, rompendo as
amarras de uma fala e de uma escrita formais, marcadas pelas regras dos salões, de modo a
favorecer um diálogo mais coloquial, mas, nem por isso, menos regrado. No início do
século XX, já é possível pensar como Monteiro Lobato, para quem “língua de carta é
língua em mangas de camisa e pé-no-chão – como a falada”,40 o que não significa que se
possa dizer tudo o que se queira, do modo que se queira. A “arte de escrever” associa-se à
“arte de dizer”, sendo que a carta não é um simples paliativo da conversação. Ela é seu
complemento e auxiliar.41
Segundo Brigitte Diaz, a “arte epistolar” e a “arte da conversação” conjugam os
mesmos valores estéticos e propõem uma mesma ética de sociabilidade, fundada na
espontaneidade. Falar e escrever bem, é falar e escrever com naturalidade, sendo que, essa
naturalização das práticas de conversação e escrita é acompanhada por um exercício de
ocultação: o ato de conversar e de escrever não deve deixar transparecer o trabalho
necessário para tornar a fala e a escrita natural, simples e fácil. A naturalidade tão
valorizada resulta de educação e autocontrole, como demonstram os numerosos manuais
(as Secretárias) dedicados ao ensino da epistolografia, não por acaso produzidos por
muitos autores de manuais de conversação.42
Outro aspecto importante para a análise da correspondência de intelectuais tem
relação com o fato de que essa correspondência permite a construção de um tipo de
conhecimento fundado no diálogo. Geralmente vista como um meio de difusão de

39
CHARTIER, Roger. “O homem de letras”. In: VOVELLE, Michel (Dir.). O homem do iluminismo. Lisboa,
Presença, 1997, p. 128 e 133.
40
Ver carta de Monteiro Lobato a Godofredo Rangel, de 07/11/1904. In: LOBATO, Monteiro. A barca de
Gleyre: quarenta anos de correspondência literária entre Monteiro Lobato e Godofredo Rangel. 2 volumes.
São Paulo, Brasiliense, 1961. 10a edição, publicada na 1a série das Obras Completas de Monteiro Lobato, vol.
1, p. 79.
41
DIAZ, “Pour une bréve histoire de la lettre”, op. cit., p. 24.
42
Ibidem, p. 25.

179
futilidades e sentimentos – principalmente quando escritas por mulheres43 – a
correspondência passa a ser aceita como um instrumento útil para o desenvolvimento de
um pensamento dialógico. Esse instrumento incita os missivistas a

(...) inventar novos protocolos de reflexão, sem a rigidez da teoria, sem a aridez do
dogmatismo, mas, com todas as graças da expressão epistolar: mobilidade, desenvoltura.
Rapisódico e plural, é um pensamento forçosamente impuro aquele que se elabora na
chassé-croisé dessa palavra nômade (...) o epistológrafo se permite todas as digressões,
todos os registros, todas as posturas enunciativas (...) Da reflexão moral à crítica literária,
passando pela introspecção autobiográfica, não há domínio que a sonda epistolar não se
empenhe em explorar. O status genérico de leveza da carta se abre a todos os horizontes
epistemológicos. Porque ela [a carta] visa os discursos constituídos, ela se torna o
instrumento ideal de um saber vivo.44

Sendo assim, uma possível resposta para a questão anteriormente colocada, sobre
como é possível pensar por carta, é que a correspondência de intelectuais é uma forma
rápida de construção, confrontação e difusão das idéias. Uma espécie de work in progress
tem início, às vezes sem planejamento, como resultado de uma improvisação. Conjugando
convenções e invenções, as discussões desenvolvidas através das cartas tomam um rumo
provisório, efêmero, aberto a futuras modificações. Pensar por carta é abrir-se à
experimentação, daí ser possível considerar a correspondência como uma espécie de
laboratório, onde o pensamento se abre a diversas influências, permitindo explorar certas
liberdades de pensar, principalmente, mas não somente, sobre si mesmo.45
A transitoriedade observada em muitas cartas cria muitas lacunas, que somente
remetente e destinatário conseguem preencher, ainda que nem sempre de modo pleno.
Apesar disso, o leitor/investigador pode tecer sua interpretação preenchendo tais lacunas
através do cruzamento das informações e indícios contidos em várias cartas. Portanto, a

43
No século XVIII observa-se um movimento de femininização da escrita privada de cartas, que, cada vez
mais, passa a ser vista como uma atividade de mulheres, através da qual elas podem expressar suas emoções,
bem como, o pensamento sobre si mesmas e sobre o mundo. Ver DIAZ, “Pour une bréve histoire de la
lettre”, op. cit., p. 18-20.
44
Ibidem, p. 40-41. Desde a Antiguidade, a escrita de cartas constitui uma forma de exercitar o pensamento.
Através do diálogo epistolar os gregos desenvolveram um debate filosófico, por exemplo. Contudo, o século
XVIII reinventou o emprego da correspondência, vista como um meio necessário para as grandes discussões
da época e um instrumento indispensável para uma ampla reflexão epistemológica. Os usos da carta então se
diversificaram: diálogo filosófico, carta aberta, panfleto, autobiografia, debate crítico etc. Até mesmo no
campo da ficção, proliferaram os romances epistolares. É o momento do auge da sociabilidade à distância, na
qual a correspondência tem papel principal. Ibidem, p. 42-43.
45
Ibidem, p. 41-42; ver, também, TREBITSCH, “Correspondances d‟intellectuells...”, op. cit.,

180
ordenação de um conjunto de cartas no tempo e em relação a outros conjuntos de missivas
contribui para sua compreensão.
Mais que um instrumento de expressão de idéias sobre algo ou alguém, a
correspondência também é um instrumento de ação. Como já foi dito, o “jogo
escriturístico” tem como função influir sobre a realidade, da qual se distingue, com o
objetivo de transformá-la.46 A carta aberta, militante, política demonstra o quanto a
correspondência está vinculada a um dizer que é, também, um fazer. Até mesmo a carta
pessoal serve como meio de agir sobre si mesmo, construindo-se e transformando-se,
através do diálogo com o outro. Também serve como meio de agir sobre o mundo ou sobre
o outro, uma vez que o ato de escrever mobiliza múltiplos recursos a fim de convencer,
influir, exortar, demandar, impor, resistir, reagir etc. à distância.47
Por fim, um último aspecto a ser considerado no estudo da correspondência, já
observado por Giselle Martins Venâncio, diz respeito ao fato de que “uma carta expressa
mais do que o texto que ela contém”. Para além do conteúdo, a condição de redação da
carta, sua trajetória, seu destinatário e os gestos que favoreceram sua conservação
permitem acessar os investimentos que definiram sua importância.48 Em vista disso, é
interessante rastrear as ações no sentido de guardar, organizar e editar uma dada
correspondência, procurando observar o lugar que essa ocupa na vida e na obra do
missivista, segundo as narrativas construídas sobre ele.49
O gesto de guardar cartas relaciona-se, em parte, ao desenvolvimento da crença de
que as cartas contêm um pouco do indivíduo que as escreveu. Como foi observado, são
fontes de informação sobre sua biografia e meio de acesso a seu pensamento. No caso das
cartas de escritores e intelectuais, cabe lembrar a importância que tais atores sociais
adquiriram ao longo dos séculos XVIII e XIX, quando conquistaram um lugar expressivo
no espaço público como aqueles mais capazes de compreender, explicar e representar a
sociedade e a nação.50 Em vista dessa celebração dos “homens de letras”, seus escritos

46
CERTEAU, “A economia escriturística”, op. cit., p. 221-246.
47
DIAZ, “Pour une bréve histoire de la lettre”, op. cit., p. 61-62.
48
VENÂNCIO, Giselle Martins. “„Sopros inspiradores‟: troca de livros, intercâmbios intelectuais e práticas
de correspondências no arquivo privado de Oliveira Vianna”. In: BASTOS, Maria Helena et alii (orgs.).
Destinos das letras: história, educação e escrita epistolar. Passo Fundo: UPF, 2002, p. 222-3; e, também,
PROCHASSON, “„Atenção verdade!‟...”, op. cit., p. 114.
49
A esse respeito, ver: GOMES, Ângela de Castro: “O ministro e sua correspondência: projeto político e
sociabilidade intelectual”. In: _____ (Org.). Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro, FGV,
2000, p. 13-47.
50
CATROGA, Fernando. “Ritualização da história”. In: TORGAL, MENDES e CATROGA, Fernando.
História da História em Portugal. S.l.: Temas & Debates, s.d., p. 340. Ver, especialmente, o item 6, A
sacralização cívica da literatura, p. 339-348.

181
tornaram-se objeto de fetiche, passando a ser colecionados, cultuados, divulgados e
estudados. Desse modo, a correspondência passou a constituir uma espécie de “lugar de
memória”, através do qual os missivistas são dados a ver na intimidade.
Cumpre notar que, nem sempre a correspondência de intelectuais dá lugar a
discussões elevadas ou pessoais. Por vezes, o toque pessoal fica restrito a algumas
informações sobre a saúde, o tempo ou, ainda, sobre a vida alheia. Aqueles com algum
interesse em publicar as próprias cartas são, com freqüência, mais eloqüentes, colocando-
se em cena com maior empenho.51 Por vezes, a correspondência pessoal pode até sofrer
censuras e modificações feitas pelo próprio remetente (ou não) antes da publicação, como
ocorreu no caso da Barca de Gleyre, de Monteiro Lobato, para quem,

Essas cartas tinham que vir a público um dia, e sairiam cheias de coisas que lá no meu
estado gasoso eu havia de arrenegar; achei, pois, que o melhor era infringir as regras e
desse modo preparar para a paz a minha vida no além.52

Resumidamente, a construção da correspondência como fonte histórica e objeto de


análise esbarra em um conjunto fragmentado de textos, de complexo tratamento, que exige
a aproximação com outras áreas, como a Literatura, por exemplo. São textos que formam
espaços legíveis, construídos e dados a ler, podendo constituir aquilo que Dauphin e
Poublan identificam como um “momento de longa duração (...) um elo de uma cadeia sem
começo nem fim”. Quando isso ocorre, a leitura da carta assemelha-se a “entrar em uma
história sem conhecer a primeira palavra, sem saber o que aconteceu antes nem o que
chegará depois, o que disse antes, nem o que se dirá depois”.53 Por isso, a carta é uma
escrita “em trânsito”, pois sua existência é “flutuante e contingente”.54 Mas, como qualquer
outra fonte, ela “é um objeto construído, inscrito no tempo e no espaço social”.55
Destrinchando o “jogo escriturístico” da correspondência é possível entrever a dinâmica
das relações, reservando espaço para o contingente, através da reconstituição de
experiências cujo destino os indivíduos e grupos não dominam.

51
Ver as observações de Prochasson sobre a correspondência de professores universitários franceses,
analisada por Christophe Charle. PROCHASSON, “„Atenção verdade!...”, op. cit., p. 112.
52
LUCA, “Monteiro Lobato...”, op. cit., p. 157.
53
DAUPHIN, Cécile & POUBLAN, Daniele. “Maneiras de escrever, maneiras de ler: cartas familiares no
século XIX”. In: BASTOS, Maria Helena Câmara et alii (Orgs.). Destinos das letras: história, educação e
escrita epistolar. Passo Fundo, UPF, 2002, p. 76 e 83.
54
LEJEUNE, Le pacte autobiographique, op. cit., p. 315-316.
55
DAUPHIN & POUBLAN, op. cit., p. 80.

182
4.2. Um mapa das cartas de Capistrano

O conteúdo da correspondência de Capistrano de Abreu é rico em comentários


sobre temas variados, tais como: a vida em família; as relações de amizade e os desafetos;
os problemas de saúde; as viagens; as opiniões sobre acontecimentos de sua época
(sobretudo referentes à política); os pedidos; as críticas a autores e livros etc. Entre os
assuntos que predominam estão aqueles relacionados a sua atividade como historiador:
pesquisas em andamento, leituras, escrita e publicação de trabalhos.56
Os correspondentes são médicos, engenheiros, literatos, filólogos, etnógrafos,
geógrafos, geólogos, jornalistas, autores de teatro, diplomatas, políticos, militares,
livreiros, editores, bibliotecários, eclesiásticos etc. Lembro que, em sua época, mais de um
desses termos freqüentemente serviam para indicar um único endereçado. São cartas
escritas a parentes próximos, amigos íntimos, alunos e ex-alunos, colaboradores de
pesquisa e amantes da história. Também há cartas para personalidades importantes de sua
época, principalmente, do mundo diplomático, como o poderoso Barão do Rio Branco.
Entre fins do século XIX e 1927, ano de sua morte, Capistrano correspondeu-se
com 123 missivistas, identificados por José Honório Rodrigues, que organizou sua
publicação em três volumes, entre os anos de 1954 e 1956. Ao todo são 1257 cartas
publicadas, das quais 1056 (84%) constituem a correspondência ativa do historiador,
enquanto 201 (16%) formam a correspondência passiva. Duas das cartas enviadas por
Capistrano não indicam o nome do destinatário e, três daquelas que ele recebeu, não
fornecem o nome do remetente. Diante disso e da importância atribuída à identificação dos
missivistas, a opção foi excluir tais cartas. Assim, tem-se o volume total de 1252 cartas,
das quais, 1054 constituem a correspondência ativa, enquanto 198, compõem a
correspondência passiva do historiador. Essa diferença entre a quantidade de cartas
enviadas e recebidas indica que Capistrano não costumava guardar as cartas que recebia. A
maior parte de sua correspondência passiva parece perdida, o que não impede o trato do

56
Sobre a correspondência de Capistrano, ver: AMED, Fernando José. História ao portador: interlocução
privada e deslocamento no exercício de escrita de cartas de João Capistrano de Abreu (1853-1927). São
Paulo: USP, dissertação de mestrado, 2001; AMARAL, Eduardo Lúcio Guilherme. Correspondência cordial:
Capistrano de Abreu e Guilherme Studart. Fortaleza, Museu do Ceará / Secretaria da Cultura do Estado do
Ceará, 2003. Coleção Outras Histórias, 19; BUARQUE, Virgínia Albuquerque. Escrita singular: Capistrano
de Abreu e Madre Maria José. Fortaleza, Museu do Ceará, 2003. Coleção Outras Histórias, 20. GONTIJO,
“Paulo amigo”, op. cit., p. 163-193; Idem. “A reta e o círculo: amizade, projeto intelectual e construção
identitária nas cartas de Capistrano de Abreu e João Lúcio de Azevedo (1916-1927)”. Trajetos – Revista de
História. Fortaleza da UFC. Fortaleza, Dep. de História da Universidade Federal do Ceará, vol. 3, n. 5, 2004,
p. 101-128.

183
material localizado. A correspondência ativa foi preservada por 53 destinatários, enquanto
a correspondência passiva foi enviada por 90 remetentes.57 O quadro a seguir resume essas
informações:

QUADRO 1

CORRESPONDÊNCIA DE CAPISTRANO DE ABREU

Total de cartas publicadas 1252


(com remetente e destinatário identificados)
Volume da correspondência ativa 1056
Total de destinatários identificados 53
Volume da correspondência passiva 201
Total de remetentes identificados 90
Número de correspondentes identificados 123
Número de correspondentes não identificados 5
Fonte: ABREU, Capistrano de. Correspondência. Organizada e prefaciada por José Honório Rodrigues.
Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, MEC, 1977. 3 volumes.

É comum que, nos arquivos privados, o pesquisador só encontre a correspondência


remetida ao titular (correspondência passiva). Isso ocorre, por exemplo, no caso da
correspondência de Oliveira Vianna.58 Em certos casos, o remetente se preocupa em copiar
as cartas que envia, tal como acontece no caso das cartas de Gustavo Capanema. 59 Esse
não é o caso de Capistrano, cuja correspondência ativa constitui o volume mais expressivo
do conjunto total de missivas. Ao contrário do arquivo pessoal de Capanema,60 por
exemplo, este não é um arquivo organizado por seu titular, mas construído a posteriori, por
aqueles que podem ser considerados “guardiões da memória” de Capistrano. Além de José
Honório Rodrigues, que reuniu e organizou a publicação da correspondência, os principais
guardiões (os missivistas que guardaram mais de 50 cartas) foram: João Lúcio de Azevedo
(265), Paulo Prado (116), Afonso Taunay (98), João Pandiá Calógeras (82), Mário de
Alencar (61) e Luís Sombra (60).
Do total de correspondentes localizados é possível distinguir – através da
observação da quantidade e da periodicidade – aqueles que são assíduos daqueles que não

57
Dos 90 remetentes, 18 eram, também, destinatários: Barão do Rio Branco, Cardoso Barata, Domício da
Gama, Domingos Jaguaribe, Francisco de Assis Brasil, Guilherme Studart, Herman Von Ihering, Honorina
de Abreu, João Brígido, João Lúcio de Azevedo, João Pandiá Calógeras, Leopoldo Bulhões, Lino de
Assunção, Mário de Alencar, Martim Francisco, Raul Pompéia, Rodolfo Garcia e Tobias do Rego Monteiro.
58
VENÂNCIO, Giselle Martins. “Presentes de papel: cultura escrita e sociabilidade na correspondência de
Oliveira Vianna”. Estudos Históricos – Dossiê Sociabilidades. Rio de Janeiro, n. 28, 2001, p. 23-47.
59
GOMES, “O ministro e sua correspondência”, op. cit., p. 23.
60
Sobre o arquivo de Capanema, ver: FRAIZ, Priscila. “Arquivos pessoais e projetos autobiográficos”: o
arquivo de Gustavo Capanema. In: GOMES, Ângela de Castro (Org.). Capanema: o ministro e seu
ministério. Rio de Janeiro: FGV, 2000, p. 73-102.

184
o são, sem esquecer que essa informação não indica, necessariamente, os correspondentes
mais próximos, isto é, os mais íntimos de Capistrano. Os destinatários estão organizados
em grupos no quadro a seguir. Após cada nome está a quantidade de cartas recebidas.

QUADRO 2

CORRESPONDÊNCIA ATIVA DE CAPISTRANO DE ABREU

GRUPOS DESTINATÁRIOS TOTAL DE


CARTAS
I João Lúcio de Azevedo (265) 381
Mais de
100 cartas Paulo Prado (116)
(2)
II Afonso Taunay (103) 306
Entre 50 João Pandiá Calógeras (82)
e 100 Mário de Alencar (61)
cartas Luís Sombra (60)
(4)
III Miguel Arrojado Lisboa (40) 272
Entre 11 Guilherme Studart (39)
e 49 cartas Francisco Ramos Paz (35)
(10) Lino d‟Assunção (33)
Rodolfo Garcia (28)
Domingos Jaguaribe (26)
Barão do Rio Branco (23)
Assis Brasil (17), José Veríssimo (17)
Lídia de Assis Brasil (14)
IV Martim Francisco (10) 95
Entre 1 Adriano de Abreu (9), Oliveira Lima (9)
e 10 cartas Domício da Gama (8), Paulo Brandão (8)
(37) Padre Teschauer (6)
Joaquina “Kiki” de Assis Brasil (4), Machado de Assis (4), Rui
Barbosa (4)
Mendes da Rocha (3)
Alfredo Pujol (2), Macedo Soares (2), Tobias do Rego Monteiro (2)
Antônio Bezerra (1), Antônio Jansen do Paço (1), Antônio Pereira
Leitão (1), Bruno Chaves (1), Carlos Werneck (1), Cecília de Assis
Brasil (1), Gastão Cruls (1), Graça Aranha (1), Herman von Ihering
(1), Honorina de Abreu (1), João Brígido (1), José Paes de Carvalho
(1), Leopoldo Bulhões (1), Manuel Cícero (1), Manuel de Melo
Cardoso Barata (1), Ramiz Galvão (1), Raul Pompéia (1), Sra. João
Lúcio de Azevedo (1), Sra. Pandiá Calógeras (1), Tasso Fragoso (1),
Tomás Pompeu (1), Urbano Duarte de Oliveira (1), Urbino Viana (1),
Vale Cabral (1)
TOTAL 53 destinatários 1054 cartas

185
O QUADRO 2 indica que, dos 53 destinatários, 37 (GRUPO IV) tiveram de uma a
dez cartas preservadas; 10 (GRUPO III) tiveram de 11 a 49 cartas; 4 (GRUPO II), de 50 a
100; e apenas 2 (GRUPO I) tiveram mais de 100 cartas guardadas. A partir desses dados é
possível propor uma classificação dos missivistas, baseada no volume de cartas enviadas
por Capistrano, que foram localizadas. Essa classificação procura identificar os
correspondentes eventuais, regulares e assíduos, mesmo considerando que a
correspondência ativa publicada não seja composta pelo total de cartas enviadas pelo
titular.61 Assim, temos a seguinte tabela:

TABELA 1

Classificação dos destinatários


por volume de cartas enviadas por Capistrano

Classificação Número absoluto % Número absoluto %


De destinatários de cartas enviadas

Assíduos Excepcionais (+ de 100) 2 4 381 36


Assíduos (50 a 100) 4 8 306 29
Regulares (11 a 49) 10 19 272 26
Eventuais (1 a 10) 37 70 95 9
Total 53 100 1054 100

A leitura da correspondência seguiu a classificação proposta, analisando, em


primeiro lugar, os destinatários com o maior volume de cartas publicadas, até alcançar os
destinatários com apenas uma carta. Contudo, a escolha da documentação não foi
determinada pela quantidade de cartas, mas pelo conteúdo das mesmas. Em última
instância, foi a qualidade da documentação que orientou a proposição de temáticas e a
elaboração de questões, havendo coincidência entre os dados quantitativos e qualitativos.
Os mesmos critérios foram seguidos na leitura da correspondência passiva, sendo
que, o volume de cartas guardadas por Capistrano é bem menor do que aquele que alguns
de seus destinatários preservou. Os dados gerais da correspondência passiva estão no
quadro a seguir:

61
Há cartas inéditas de Capistrano no Instituto do Ceará. Agradeço essa informação a Ítala Byanca Moraes
da Silva e a Paula Virgínia Pinheiro Baptista, que trabalharam na organização da correspondência de
Capistrano de Abreu e da sociedade que leva seu nome, sob a guarda do Instituto.

186
QUADRO 3

CORRESPONDÊNCIA PASSIVA DE CAPISTRANO DE ABREU

GRUPO REMETENTES CARTA

I João Lúcio de Azevedo (29) 29


Mais de
20
cartas
(1)
II Orville Derby (11) 21
de 10 a
20 Manuel Said Ali Ida (10)
cartas
(2)
III Karl von den Steinen (7) 90
de 2 a 9 Francisco Ramos Paz (6)
cartas Domício da Gama (5), Guilherme Studart (5), João Netkens de Matos (5)
(29) Carlos Werneck (4), Coelho Neto (4), Rodolfo Garcia (4)
Alberto Rangel (3), Batista Caetano (3), Honorina de Abreu (3), Manuel de M. C.
Barata (3), Mário de Alencar (3), Martim Francisco (3), Teodoro Sampaio (3),
Tobias Monteiro (3)
A. Portela (2), Carlos de Carvalho (2), Eduardo Prado (2), Fernando de Abreu (2),
João Brígido (2), Leopoldo Bulhões (2), Machado de Assis (2), Padre Meis (2),
Pedro Sanchez (2), Raul Pompéia (2), Teixeira de Mello (2), Valentim Magalhães
(2), Vieira Fazenda (2)
IV Afrísio Brasil, Alfredo de Carvalho, Amarante, Andréa Albuquerque, Aníbal 58
1 carta Falcão, Antônio Leal, Augusto Fausto de Sousa, Augusto Salgado, Barão do Rio
(58) Branco, Beethoven Club, Bezerra Pais, Caldas Brito, Campos Lima, Cândido Jucá,
Carlos Bonanni, Carlos von Koseritz, Centro Abolicionista 25 de Dezembro, Cunha
Mendes, Domingos Jaguaribe, Emílio Goeldi, Émille Allain, F. A. Martiny, F.
Henderson, F. Mendes da Rocha, Fortunato N. Rodrigues, Francisco de Assis
Brasil, Francisco Oiticica, Gabinete Português de Leitura, Herman von Ihering,
Homem de Melo, Irineu Joffily, J. B. de Sá Oliveira, João B. Perdigão de Oliveira,
João Carlos de Carvalho, J. D. Condeceira, João Lopes, João Pandiá Calógeras,
Joaquim Macedo de Castro Rebello, Joaquim de Melo, Júlio Pinto d‟Almeida, Júlio
Ribeiro, Lino d‟Assunção, Manuel Clarck, Max Fleiuss, The Nation, Padre
Clavelin, Padre Galanti, Padre Hafkemeyer, Patrocínio de Freitas, Paulo Ehrenreich,
Raoul de la Grasserie, Rocha Lima, Rodrigo Otávio, Silvio Romero, Société des
Americanistes, Urbano Coelho Gouveia, Victor da Cunha, Virgílio Cardoso de
Oliveira
TOTAL 90 remetentes 198
cartas

187
A partir do QUADRO 3, também é possível construir uma classificação semelhante
a que foi elaborada para os grupos de destinatários. Contudo, como já foi dito, o volume de
cartas que compõe a correspondência passiva é bem menor do que a correspondência ativa.
Além disso, a diferença entre a quantidade de cartas recebidas por cada missivista é menor.
Considerando que Capistrano não costumava guardar as cartas que recebia, a opção foi
valorizar o conjunto preservado, destacando as pequenas quantidades. Assim, temos a
seguinte tabela:

TABELA 2

Classificação dos correspondentes por volume de cartas recebidas por Capistrano

Classificação Número absoluto % Número absoluto %


dos correspondentes de remetentes de cartas recebidas

Assíduos (mais de 20) 1 1 29 15


Regulares (10 a 20) 2 2 21 11
Eventuais (2 a 9) 29 32 90 45
Outro (1) 58 64 58 29
Total 90 100 198 100

A leitura da correspondência passiva também seguiu as indicações quantitativas,


sendo que tais indicações não foram determinantes para a escolha das cartas a serem
analisadas. Assim como no primeiro caso, a escolha foi orientada pelo conteúdo das cartas,
que forneceu os elementos necessários para a proposição de temáticas e questões.
Os dados quantitativos, mais do que indicar o volume de trocas entre
correspondentes – pois não se pode negar a possibilidade de que tenham existido outros
tantos missivistas não localizados ou cartas que foram perdidas – indicam o empenho por
parte de alguns destinatários em guardar, cumulativamente, as cartas enviadas por
Capistrano de Abreu. Esse aspecto, associado à posição desses destinatários no campo
intelectual e político de sua época confirma o lugar de Capistrano como uma figura
referencial em seu meio; alguém cujos escritos podiam ser considerados valiosos para
aquele momento e para a posteridade e que, por isso, deveriam ser preservados.
A investigação das trocas é possível dentro de certos limites impostos pelas lacunas
na documentação, pois apenas 18 missivistas receberam e enviaram cartas, ou seja, eram,
simultaneamente, destinatários e remetentes. De modo geral, prevalece o ponto de vista de
Capistrano, objeto privilegiado pela investigação. Contudo, tratando-se de um tipo de
escrito fundado na relação com o outro, o estudo dos correspondentes também é de suma

188
importância para a melhor compreensão das cartas do missivista principal. Assim, foram
abertas duas frentes de investigação: uma sobre os conteúdos (as temáticas) das cartas e,
outra, sobre os correspondentes.
Em função dos dados obtidos, seria possível construir conjuntos de cartas
representativas do modo como Capistrano lidava com determinado assunto. Assim,
teríamos, por exemplo, cartas sobre história e historiografia, cartas sobre política etc. O
problema é que, freqüentemente, tais temas se cruzam em uma mesma carta, o que
dificulta a ordenação das mesmas em “grupos e famílias de semelhança”, como fez
Luciana Heymann, em seu estudo sobre a correspondência enviada a Filinto Muller.62
Os conteúdos são desenvolvidos pelo remetente em função de cada correspondente.
Ainda que os assuntos se repitam nas cartas, o tom varia de acordo com o teor da relação
entre os missivistas, como era de se esperar. Assim como nos citados estudos de Ângela de
Castro Gomes e Luciana Heymann,63 é extremamente importante observar as estratégias de
aproximação e afastamento utilizadas por Capistrano com seus correspondentes. Isso
aparece na forma de tratamento e nas despedidas, assim como, supõe-se, nas assinaturas
(vários tipos são utilizados nas cartas, inclusive cognomes), bem como no conteúdo
expresso por exortações, conselhos etc.
Um procedimento interessante é a ordenação das cartas por data (dia, mês e ano).
Isso ajuda a definir a periodicidade com que o autor escrevia e enviava suas cartas,
contribuindo para a reconstituição do ritmo da troca de cartas num determinado período. É
um meio de localizar os assuntos e preocupações mais prementes em uma dada conjuntura,
revelando a intensidade das trocas. A maior parte das missivas está datada, havendo
algumas com o dia do mês sem referência ao ano; outras, contendo o ano, sem referência
ao dia do mês, e umas poucas sem nenhuma indicação. Uma peculiaridade: Capistrano
costumava datar suas cartas utilizando referências a dias de santos, festas móveis, oitavas
de comemorações religiosas ou cívicas, além de indicações curiosas como “dia das petas”,
“oitava de Apulcro de Castro, mártir, 1923”, “dia em que todos os diabos andam soltos”,
“28 do capenga, 1919” etc. Boa parte pode ser traduzida, sendo que algumas só podem ter

62
Ver HEYMANN, “„Quem não tem padrinho morre pagão‟”, op. cit., p. 323-49; Idem. “Indivíduo, memória
e resíduo histórico: uma reflexão sobre arquivos pessoais e o caso Filinto Muller”. Estudos Históricos –
Dossiê Indivíduo, Biografia e História. Rio de Janeiro, n.19, 1997, p. 41-81.
63
GOMES, “O ministro e sua correspondência”, op. cit.; HEYMANN, op. cit.

189
suas datas aproximadas, a partir das informações que contém – como fizeram os
organizadores ao situá-las na publicação em ordem cronológica.64
Esse procedimento orienta a leitura das missivas de acordo com seu processo de
produção, permitindo o acesso ao discurso do missivista em uma conjuntura específica.
Assim, se não é possível recompor os diálogos entre remetente e destinatário, devido à
ausência de cartas enviadas e/ou recebidas, é possível ter uma idéia das temáticas
abordadas ou das discussões entre Capistrano e um determinado grupo de correspondentes,
desde que se obtenha a relação das cartas enviadas e/ou recebidas num determinado
momento. Trata-se, em suma, de relacionar conteúdos, correspondentes e conjunturas.
Formando conjuntos de cartas produzidas num período “x” – que pode ser de um dia ou
um mês, por exemplo – supõe-se que seja possível a recomposição do ritmo das trocas e o
clima das discussões, sendo que, uma carta pode ajudar a entender outra, mesmo quando os
destinatários ou remetentes são diferentes.
A investigação dos correspondentes foi guiada pela busca de informações
biográficas básicas, como nome, datas de nascimento e morte, atuação profissional e
produção intelectual. Essa última foi ordenada conforme uma tipologia pertinente ao
período analisado. As informações coletadas permitiram uma ordenação da
correspondência de acordo com a identificação de grupos de missivistas que,
supostamente, compunham redes de pesquisas em torno de Capistrano. Ou seja, os grupos
só podem ser pensados em relação a essa figura-chave, com a qual mantinham
correspondência. Assim, têm-se, como hipótese, o seguinte esquema, que identifica dois
grupos principais: o dos colaboradores e o dos discípulos.

CAPISTRANO DE ABREU

COLABORADORES DISCÍPULOS

DIPLOMATAS & ECLESIÁSTICOS BRASILIANISTAS HISTORIADORES


POLÍTICOS “DE OFÍCIO” E
“AMADORES”

64
Chamo a atenção para o fato de que algumas cartas publicadas foram colocadas fora da ordem cronológica
proposta pelo organizador. Além disso, há cartas repetidas em páginas diferentes.

190
A montagem dos grupos baseia-se na leitura das cartas, cujo teor indica o tipo de
relação mantida entre os missivistas. Também se baseia na investigação sobre a posição e
as relações que cada missivista matinha no cenário intelectual do período coberto pela
correspondência de Capistrano: de 1875 a 1927. É preciso chamar a atenção para o fato de
que não foi possível localizar informações sobre a trajetória de todos os correspondentes.
Boa parte deles não figura nos dicionários bio-bibliográficos referentes ao século XIX e ao
início do século XX. Além disso, a correspondência tem muitas lacunas, nem sempre
fornecendo as informações necessárias.
A organização do esquema não ignora que as fronteiras de cada grupo são difíceis
de definir e que, por isso mesmo, precisam ser pensadas como algo flexível. É evidente que
o membro de um grupo podia transitar por outros grupos. A hipótese é de que talvez seja
possível relacionar os correspondentes a grupos-chave com os quais Capistrano manteve
relações e dos quais dependia para a construção de seu capital intelectual ou simbólico.
Supostamente, foi em meio a esses grupos, regidos por afinidades e interesses, que seu
nome e sua produção tiveram maior influência e repercussão.
Compondo o grupo de Colaboradores, estão os subgrupos: Diplomatas e Políticos;
Eclesiásticos; Brasilianistas e Historiadores “de ofício” e amadores. Assim, o subgrupo
Diplomatas e Políticos reúne, como o próprio nome diz, alguns dos profissionais da
diplomacia e da política brasileira, que ao longo de suas trajetórias desenvolveram estudos
sobre o Brasil, particularmente, sobre o tema da formação territorial da nação. São
estudiosos da questão dos limites territoriais, da geografia e da geologia, muito
interessados no problema dos recursos naturais. Desde o século XIX, os diplomatas
brasileiros se dedicavam ao estudo da história pátria, sendo incumbidos pelo governo ou
pelos institutos históricos da tarefa de obter documentos relevantes para a história do país
no Brasil e no estrangeiro. Participando de expedições pelo exterior, conheceram arquivos
e coleções. De modo geral, eram homens práticos, empenhados na obtenção de cópias, no
estabelecimento de periodizações e na descoberta de “provas” históricas úteis para o debate
político em torno da formação territorial do Brasil.65 Entre os correspondentes de
Capistrano ligados ao mundo político e diplomático estão: o Barão do Rio Branco, Oliveira
Lima, Domício da Gama, Francisco de Assis Brasil e Leopoldo Bulhões, por exemplo.

65
RODRIGUES, José Honório. “A evolução da pesquisa pública histórica brasileira”. In: _____. A pesquisa
histórica no Brasil. 1a edição 1952. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1969, p. 35-118. 2a edição
revista e aumentada. Ver, também, GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores. Rio de Janeiro,
FGV, 1996, p. 76-77.

191
O subgrupo Eclesiásticos é composto por membros da Igreja Católica que se
dedicavam ao estudo do Brasil colonial e, também, das línguas e costumes indígenas. A
correspondência com esse grupo é marcada pela troca de informações sobre as pesquisas
em andamento. O conjunto é composto pelos padres Carlos Teschauer, Hafkenmeyer,
Domenico de Meis e Galanti.
O sugrupo Brasilianistas reúne os estrangeiros que estudavam a história, a
geografia e a geologia brasileiras, bem como as línguas e costumes indígenas. Entre os
correspondentes localizados por José Honório Rodrigues há dois norte-americanos, Orville
Derby e John Casper Branner, e um alemão, Herman Von den Steinen. Interessante notar
que, Capistrano também mantinha correspondência com instituições estrangeiras como o
Société des Americanistes, na França, da qual era sócio.
O subgrupo Historiadores “de ofício” e amadores é composto por nomes como
Ramiz Galvão, Rodolfo Garcia, Alfredo do Vale Cabral, Vieira Fazenda, Gastão Cruls,
Guilherme Studart etc. São pesquisadores notórios, que ocupam postos-chave no mundo
intelectual da época, atuando em instituições de ensino e, principalmente, em arquivos e
bibliotecas, o que lhes permitia um status de pesquisador semelhante ao de Capistrano.
Podem ser vistos como seus pares mais próximos, pois com ele colaboraram na realização
de pesquisas, traduções, notas e publicações. São eruditos, poliglotas e grandes
bibliógrafos, que atuam na fronteira do antiquarismo.66 A maioria deles não se tornou
conhecida por publicações, pois se dedicavam, em grande parte, às ciências auxiliares da
história e à organização de instrumentos de trabalho, tais como catálogos e obras de
referência.67
Compondo tal conjunto, estão os pesquisadores portugueses João Lúcio de
Azevedo e Tomás Lino de Assunção, além daqueles que atuavam no Arquivo da Torre do
Tombo, em Portugal. Entre esses, a correspondência de Capistrano menciona cartas
trocadas com Antônio Baião, que não foram incluídas na publicação.68 Parece ser

66
Sobre antiquariado, ver por exemplo: GUIMARÃES, Manuel Salgado. “Reinventando a tradição: sobre
antiquariado e escrita da história”. Humanas: Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRS.
Historiografia e Tradição Clássica. Porto Alegre, IFCH, vol. 23, n.1/2, 2000, p. 111-143; MOMIGLIANO,
Arnaldo. “O surgimento da pesquisa antiquária”. In: _____. As raízes clássicas da historiografia moderna.
Bauru, EDUSC, 2004, p. 85-117; GRAFTON, Anthony. As origens trágicas da erudição. Pequeno tratado
sobre a nota de rodapé. Campinas, Papirus, 1998.
67
Ver RODRIGUES, “A evolução da pesquisa pública histórica brasileira”, op. cit.
68
Há referência a esse grupo, em: FALCON, Francisco José Calazans. “Historiografia portuguesa
contemporânea”. Estudos Históricos – Dossiê Caminhos da Historiografia. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 1, 1988,
p. 79-99. O autor menciona a relação dos pesquisadores da Torre com a Revista do Arquivo Histórico
Português e a Revista de História (assinada por Capistrano), dirigida por Fidelino de Figueiredo, apontando a
influência de Alexandre Herculano sobre esse grupo. Ver também RODRIGUES, Antônio Edmilson Martins.

192
significativo o vai-e-vem de escritores entre o Brasil e Portugal na virada do século XIX.
Além disso, observa-se que, nesse período, havia uma efetiva colaboração – cuja
intensidade é difícil de ser medida sem maiores estudos – entre historiadores dos dois
países, no sentido de redigir obras conjuntas e desenvolver pesquisas à distância.69 São
muitas idéias e textos (manuscritos e impressos) circulando através do correio, o que
sugere a existência de uma “rede de sociabilidades” maior, onde Capistrano evidenciava-se
como erudito, ora dedicado ao estudo do período colonial, ora voltado para o estudo das
línguas e costumes indígenas. Além disso, nas cartas enviadas a Lino de Assunção e João
Lúcio de Azevedo, há indicações de um amplo conhecimento, por parte de Capistrano, da
produção e do meio historiográfico português, assim como, da documentação arquivística
sobre o Brasil existente em Portugal.
Mas, ao lado desses historiadores de ofício, estão muitos amadores, que aqui serão
identificados como aqueles que não atuavam efetivamente em instituições como escolas,
arquivos e bibliotecas. Tampouco atuavam na política ou na diplomacia. Ou seja, não se
enquadram em nenhum dos subgrupos de colaboradores indicados. São, em geral, homens
cujas atividades profissionais possibilitavam tempo e dinheiro para a pesquisa histórica,
geográfica, geológica, etnográfica, lingüística etc. Muitos eram funcionários públicos ou
comissionados, havendo, também, comerciantes, militares, profissionais liberais
(engenheiros, advogados, médicos). Parece ser o caso de Teodoro Sampaio, Luís Sombra,
Domingos Jaguaribe, Urbino de Sousa Viana, Tasso Fragoso etc.
Já o grupo Discípulos reúne aqueles que foram alunos de Capistrano ou que, a
partir de algum momento, passaram a seguir sua orientação nos estudos. A
correspondência entre eles é bastante marcada pela relação entre mestre e discípulo, sendo
Capistrano um ativo leitor crítico de seus trabalhos. Mesmo reconhecendo que muitos dos
nomes que compõe esse grupo poderiam ser incluídos entre os colaboradores, devido à
atuação profissional, a opção foi privilegiar o teor da relação com Capistrano. São cartas
pontuadas por recomendações de leitura, reprimendas quanto a interpretações e incentivos
à pesquisa em arquivos. Entre os discípulos correspondentes de Capistrano estão: Afonso

“O achamento do Brasil e de Portugal: perfil intelectual do historiador luso-brasileiro João Lúcio de


Azevedo”. Acervo – Revista do Arquivo Nacional, vol. 12, n. 1/2, jan/dez 1999, p. 37-66. Entre os
pesquisadores que atuavam na Torre do Tombo estavam, por exemplo: Antônio Baião, Pedro de Azevedo e
Costa Lobo.
69
Luís Reis Torgal lembra que alguns estudiosos portugueses vinham para o Brasil como exilados políticos.
Além disso é significativo o número de brasileiros que receberam o título de doutor honoris causa nas
universidades portuguesas, especialmente em Coimbra. Ver TORGAL, Luís Reis. “A história de Portugal
vista de fora”. In: TORGAL, Luís Reis, MENDES, José Amado e CATROGA, Fernando. História da
história em Portugal, séculos XIX e XX. S.l.: Temas & Debates, [1998], vol.1, p. 403.

193
d‟Escragnolle Taunay, Paulo Prado, João Pandiá Calógeras, Mário de Alencar, Eugênio de
Castro, Alberto Rangel, Tobias Monteiro, Edgar Roquette-Pinto70 etc. Nem todos se
dedicavam à escrita da história. Aqueles que o faziam, geralmente se interessavam por
temas relativos ao Brasil colonial, mas não somente. Outros preferiam se dedicar à
elaboração de romances históricos, estudos etnográficos e lingüística indígena.
Tais grupos ajudam a delimitar a rede de correspondentes de Capistrano de Abreu,
sendo possível concluir que, aqueles que se dedicavam ao estudo da história no final do
século XIX e nas décadas iniciais do século XX eram formados pela prática de pesquisa
em arquivos, familiarizados, portanto, com a leitura de manuscritos. Eram intelectuais com
formação e atuação em áreas diversas como a engenharia, o direito, a medicina, as forças
armadas, o mundo diplomático e eclesiástico, que desenvolviam estudos históricos em
função de suas trajetórias profissionais e políticas. Alguns possuíam espírito cosmopolita,
recursos financeiros e tempo para viajar, sempre em busca de novos documentos sobre o
Brasil. Outros passaram a vida nos arquivos e bibliotecas locais, empenhando-se em
atividades por vezes pouco reconhecidas, tais como a organização de catálogos, anais,
índices etc., ou ainda, no exercício das ciências auxiliares da história, tais como a
diplomática, a numismática, a epigrafia, a genealogia, a cronologia, a cartografia etc.
Como observou Ângela de Castro Gomes, esses “historiadores” são homens com
um desenvolvido gosto pelo passado, pela pesquisa em arquivos e bibliotecas. Muitos
foram impelidos ao métier de historiador por imperativos políticos e se tornaram
conhecidos pelo combate de idéias e pelo enfrentamento dos problemas nacionais. Acima
de tudo, eram eruditos e essa qualidade os distinguia dos demais, ajudando a confirmar a
idéia de que o estudo da história não era então um “hobby de aristocratas decadentes e
políticos frustrados”, uma vez que exigia árduo investimento de tempo e dinheiro.71
A correspondência de Capistrano de Abreu pode ser vista como uma rede
construída em torno de si e motivada pelo interesse por um tema comum: a história do
Brasil ou, mais especificamente, pelo tema da formação da nacionalidade, relacionado à
época colonial e à constituição do território, do povo e da cultura brasileira (muitas vezes
focalizada através de discussões sobre a língua). Suas cartas apresentam aspectos do
convívio à distância entre intelectuais, deixando entrever momentos da experiência de
realizar pesquisas e leituras sozinho ou em grupo, de trocar idéias, de lembrar o passado e

70
Roquette-Pinto dizia que Capistrano havia sido o mestre de seus estudos etnográficos. Manteve com ele
correspondência, mas essa não foi incluída na edição organizada por José Honório Rodrigues.
71
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 76-77.

194
de elaborar projetos para o futuro. Portanto, tais cartas são um espaço privilegiado para a
construção de sua identidade como historiador, sobretudo por permitir diálogos consigo
mesmo e com um grupo de pares e discípulos de suma importância para o seu
reconhecimento como intelectual e para a valorização de seus trabalhos como estudos
históricos. Diante dessa documentação e das muitas possibilidades que ela oferece ao
investigador, a opção foi concentrar o foco em dois problemas interligados: o da
construção da identidade do historiador e o da prática do ofício. A primeira percebida
através dos modos de ser e, a segunda, dos modos de fazer.

195
5
Modos de ser 72

Assim como muitos nomes de seu tempo, Capistrano de Abreu teve na escrita de
cartas uma ocupação constante e, por meio dela, desenvolveu certa disciplina de trabalho e
de interiorização, expôs expectativas, definiu planos, estabeleceu relações e refletiu sobre a
própria vida. Sua correspondência conjuga uma memória sobre si e sobre diversos tipos de
acontecimentos (pessoalmente vividos ou não) com a elaboração de projetos, geralmente
relacionados às atividades de pesquisa e escrita da história. Memória e projetos ajudam a
sustentar a construção identitária, por meio da qual o missivista pode ser visto.73
Como observou Michel de Certeau, a escrita tem uma importância capital na
construção de si, pois essa atividade permite ordenar, rearranjar e dar significado à
existência, possibilitando a construção simultânea de um texto e de seu autor.74 No caso, a
escrita de cartas promove o intercâmbio com o outro, através do qual os significados
atribuídos às experiências vividas são constantemente submetidos à avaliação. Assim,
escrever e trocar cartas permite um exercício pessoal muito particular, sujeito a inúmeras
aproximações e afastamentos entre os missivistas, cuja relação é marcada pela ausência e

72
Este capítulo foi desenvolvido a partir de dois artigos: GONTIJO, Rebeca. “„Paulo amigo‟: amizade,
mecenato e ofício do historiador nas cartas de Capistrano de Abreu”. In: GOMES, Angela de Castro (Org.).
Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro, FGV, 2004, p. 163-193; e, Idem. “A reta e o círculo:
amizade, projeto intelectual e construção identitária nas cartas de Capistrano de Abreu e João Lúcio de
Azevedo (1916-1927)”. Trajetos – Revista de História. Fortaleza da UFC. Fortaleza, Dep. de História da
Universidade Federal do Ceará, vol. 3, n. 5, 2004, p. 101-128.
73
As principais referências para a reflexão sobre a memória, aqui utilizadas, são: VELHO, Gilberto.
“Memória, identidade e projeto”. In: _____. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas.
Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1999, p. 97-105. Originalmente publicado na Revista Tempo Brasileiro, n. 95,
out./dez. 1988, p. 119-126; POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos –
Dossiê Memória. Rio de Janeiro, n. 3, 1989, p. 3-15; Idem. “Memória e identidade social”. Estudos
Histórico. Rio de Janeiro, FGV, n. 10, 1992, p. 200-212; BARROS, Myrian Moraes Lins de. “Memória e
família”. Estudos Históricos – Dossiê Memória. Rio de Janeiro, n. 3, 1989, p. 29-42; BOSI, Ecléa. Memória
e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo, Companhia das Letras, 1994; e ALBERTI, Verena. Ouvir
contar: textos em História Oral. Rio de Janeiro, FGV, 2004.
74
CERTEAU, Michel de. “A economia escriturística”. In: _____. A invenção do cotidiano: artes de fazer.
Petrópolis, Vozes, 1994, p. 221-246; GOMES, op. cit., p. 16.

196
pela espera (de respostas ou de um encontro).75 Quem estuda correspondências acaba se
deparando com aspectos subjetivos, expressos através do clima emocional e íntimo
desenvolvido entre remetente e destinatário. É possível localizar momentos estratégicos do
relacionamento entre os missivistas, quando se observa o investimento efetuado por cada
um na elaboração de interpretações sobre si mesmo, sobre os outros e sobre o mundo.
Considerando a carta como um exercício de escrita que favorece a objetividade e a
subjetividade, a proposta é explorar o território epistolar, procurando, em primeiro lugar,
compreender o processo de construção da identidade social e intelectual de Capistrano de
Abreu. Trata-se de um espaço “acidentado”, onde nem sempre é possível perceber até onde
os caminhos abertos pelos missivistas podem levar. Diante disso, a opção foi eleger dois
eixos norteadores. O primeiro direciona o olhar para a escrita de si, que articula falas sobre
o corpo, a saúde, os prazeres, as dores, os interesses, as relações com os outros, os motivos
de alegria etc. Busca-se o indivíduo na sua “intimidade”, no contato consigo mesmo e com
aqueles que lhe são próximos, na reflexão sobre a existência e na relação com a
temporalidade – expressa através de lembranças do passado, percepções do presente e
expectativas de futuro.76 Dando seqüência a esse exercício interpretativo, o segundo item
focaliza duas atividades fundamentais na construção identitária do intelectual em questão:
a leitura e a escrita. Em outras palavras, procura-se captar um auto-retrato de Capistrano
enquanto leitor e escritor.

5.1. “Entre quatre yeux”

De repente vieram-me saudades suas e comecei a


escrever-lhe intimamente, como se estivéssemos entre
quatre yeux, e não houvesse gente à escuta (carta de
Capistrano de Abreu a Guilherme Studart,
21/09/1901).77

Escrever “entre quatre yeux”, como se “não houvesse gente à escuta”. A prática
epistolar permite conjugar, de modo singular, três ações simultâneas: escrever, ver e ouvir.

75
VINCENT-BUFFAULT, Anne. Da amizade: uma história do exercício da amizade nos séculos XVIII e
XIX. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1996, p. 18.
76
Sobre a escrita de si através das cartas, ver: DIAZ, Brigitte. “Correspondance et écriture de soi”. In: _____.
L’épistolaire ou la pensée nomade. Paris, PUF, 2002, p. 139-194.
77
Carta a Guilherme Studart, 21/09/1901. In: ABREU, Capistrano de. Correspondência. Organizada e
prefaciada por José Honório Rodrigues. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, MEC, 1977, vol. 1, p. 152.
Todas as cartas citadas ao longo do capítulo foram extraídas dessa edição. Diante disso e a fim de reduzir o
tamanho das notas, a opção foi citar apenas o nome do destinatário, seguido pela data da carta, o volume da
publicação e a página.

197
A audição está relacionada ao diálogo entre os missivistas e à dimensão de oralidade
presente nas cartas, sobretudo quando regidas por um tom coloquial, bem próximo da
comunicação oral. Assim, pode-se dizer que há certa analogia entre escrever cartas e
conversar pessoalmente.78 Como justificou Capistrano, ao redigir uma carta: “preferi, a ler,
conversar um pouco”.79
Já a possibilidade de ver que a correspondência abre está relacionada à presença do
outro. Conforme está dito no trecho de carta que serve de epígrafe, o exercício de escrever
cartas se dá “entre quatro olhos”, pois é em função do outro que a carta é escrita e é diante
dele que, apesar da distância física, o remetente se expõe e alimenta a expectativa de
resposta. Desse modo, a correspondência propicia um tipo de presentificação. Para Michel
Foucault, trata-se de “uma espécie de presença imediata e quase física”, que se assemelha
ao exercício de dar-se a ver. Assim:

(...) a carta é simultaneamente um olhar que se volve para o destinatário (por meio da
missiva que recebe, ele se sente olhado) e uma maneira de o remetente se oferecer ao seu
olhar pelo que de si mesmo lhe diz. De certo modo, a carta proporciona um face-a-face.80

Na relação epistolar os missivistas se afetam mutuamente. E a carta começa a afetá-


los mesmo antes de ser lida, uma vez que, sendo um objeto materializado pela forma e cor
do papel, pela tinta, pela letra reconhecível do remetente etc., ela acaba valendo, aos olhos
daquele que a recebe, como um representante daquele que a escreve. Sendo assim, a
correspondência equivale a um “ato de presença”, pois promove uma espécie de encontro
entre remetente e destinatário.81
A percepção da presença do outro passa, por exemplo, pela imaginação dos espaços
por onde ele circula: sua cidade, sua rua, sua casa. Em carta, Capistrano manifesta o quanto
sentia seu amigo luso-brasileiro João Lúcio de Azevedo próximo, apenas por saber que ele
retornara a sua casa, em Portugal, após uma viagem à Inglaterra:

78
GOMES, Escrita de si, escrita da história, op. cit., p. 19 e 21; DIAZ, “Correspondance et écriture de soi”,
op. cit., p. 24-25.
79
Carta a Mário de Andrade, 13/01/1910, vol. 1, p. 219.
80
FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In: _____. O que é um autor? Tradução de Antônio Fernando
Cascais e Eduardo Cordeiro. 4a edição. S.l., Vega/Passagens, 2000, p. 150.
81
Ibidem, p. 150; e, também, LANDOWSKI, Eric. “A carta como ato de presença”. In: _____. Presenças do
outro: ensaios de sociossemiótica. 1a edição francesa 1997. São Paulo, Perspectiva, 2002, p. 165-181.

198
Sua carta alvoroçou-me. A partida de Londres é uma aproximação e bem grande. Sabê-lo
em sua casa da Rua de Alexandre Herculano é como se o Atlântico se estreitasse e
pudéssemos dialogar de uma costa para outra.82

Da mesma forma, ao olhar um mapa do Rio e localizar a rua onde Capistrano vivia,
João Lúcio comentou: “Em uma planta do Rio, que trouxe meu filho, vi o morro da Glória,
e a Rua D. Luísa. Pareceu-me ficarmos mais perto agora. Como não posso ir em pessoa,
subo com a vista as alturas”.83
Dois momentos que podem ser considerados estratégicos para a construção da
relação com o outro através da correspondência são aqueles que abrem e encerram as
cartas. Através das formas de tratamento do destinatário é possível observar o teor da
relação, ainda que se admita a existência de códigos sociais que regulam a escrita epistolar.
Além dos tratamentos formais, que revelam polidez, e pessoais, que indicam afeto, os
missivistas também podem fazer uso do tratamento por nome, em geral combinado com
expressões que indicam o lugar do destinatário na relação e no coração.
Nas cartas de Capistrano a João Lúcio de Azevedo, por exemplo, observa-se a
crescente construção da intimidade e da identificação, através das formas de tratamento.
Entre as primeiras cartas trocadas, em 1916, estão aquelas em que o remetente se dirige ao
destinatário como “Exmo. Amigo Sr. Lúcio de Azevedo” ou “Ilmo. Sr. João Lúcio de
Azevedo, historiador, esquire”. Posteriormente, Capistrano passa pelo formal “Prezado
amigo”; abre espaço para uma maior aproximação com o “Prezado amigo e xará”, até
chegar ao simples e qualificador “Amigo” e ao tratamento adjetivado expresso pelo “Bom
e caro amigo”.
Já as formas de encerramento exibem a disposição do remetente que se despede,
podendo fornecer indícios sobre seu estado de espírito, humor, ou qualquer outro
sentimento. Supostamente, elas visam causar algum tipo de efeito sobre o destinatário,
estimulando-o a manter o vínculo, respondendo a carta; afirmando, após tudo o que foi dito
ou que deixou de sê-lo, que ele, o remetente, permanece ali, disposto a continuar a troca,
sentindo-se capaz de cumprir uma espécie de obrigação.
Ainda tomando as cartas a João Lúcio como exemplo, é comum o uso de
despedidas à francesa (“bien à vous” = ao seu dispor) ou à alemã (“ergebenst” = ao seu
dispor; às suas ordens). Capistrano costuma se colocar ao inteiro dispor de seu

82
Carta a João Lúcio de Azevedo, 11/09/1919, vol. 2, p. 133.
83
Carta de João Lúcio de Azevedo, 03/03/1922, vol. 3, p. 241.

199
correspondente, posicionando-se como “admirador” e “amigo obrigado”. Por vezes,
coloca-se em posição inferior: “ao seu dispor, a inutilidade do admirador e amigo
obrigado”, “sempre e com o maior prazer espera-lhe as ordens”, chegando a pedir
desculpas por abusar da paciência do amigo. Este uso retórico da despedida parece indicar
a disponibilidade para a relação e a consciência de que esta pode lhe impor obrigações, que
são aceitas antecipadamente.
Há despedidas que dão lugar a demonstrações de afeto, tais como: “subscrevo-me
com toda a estima”; “com um abraço não afrouxado pelo oceano”; “saudades”; “abraços”.
E há aquelas marcadas pelo humor: “e adeus, débil infante!”; “Vivat! Crescat! Floreat!”;
“Evoé! Zé-Pereira!”; “Aleluia, aleluia! Carne no prato e farinha na cuia!”. Outras
expressam desejos de melhoras de saúde, de boas entradas no ano novo, de encontro etc.
Mas, há também o corte abrupto, do tipo: “adeus...”; “por hoje basta”; “e não há mais
espaço nem tempo”; “paro por aqui para não perder o correio”; “por hora não me lembra
mais cousa a acrescentar”; “não há tempo para mais”; “não posso mais”; “até...”; “basta,
basta...”. Por fim, a despedida pode ser um momento de saudação: “Saudações!
Saudações!”; ou ainda, um convite a continuar a relação: “e até outra”; “até outra vez”;
“para aperitivo basta”.
Importa ressaltar que, nas despedidas, Capistrano se vê, antes de tudo, como um
admirador de João Lúcio, considerando-se apto e compelido a cumprir obrigações para
com ele. Capistrano agradecido coloca-se quase sempre ao dispor de seu correspondente,
sendo possível supor que ele esperasse o mesmo do amigo de além mar. Lembro que o
termo obrigado, tanto pode significar agradecido ou compelido, quanto indicar algo
necessário e indispensável. Um remetente que se coloca como “obrigado” diante de seu
destinatário, parece querer dizer: disponha de mim, pois posso lhe ser útil e necessário. Ao
mesmo tempo, Capistrano se mostra como um amigo que é um igual, que é um par.
Acompanhando a seqüência de despedidas ao longo dos onze anos da
correspondência (de 1916 a 1927), observa-se o desenvolvimento de certa intimidade, o
que permite abrir mão de grandes demonstrações de afeto, pois estas parecem deixar de ser
imprescindíveis para manter o vínculo entre os missivistas, uma vez que eles possuem
afinidades que o garantem.
Além de permitir o estabelecimento de relações de amizade e afeto, as cartas de
Capistrano constroem uma verdadeira rede de estudos à distância. Segundo Anne Vincent-
Buffault, “a amizade é, por sua força dialógica, laboratório da obra”. Através da relação
epistolar é possível exortar, planejar atividades conjuntas e expor trabalhos individuais

200
ainda em curso, submetendo-os a constantes modificações. Na correspondência em
questão, observa-se a existência de relações de amizade intelectual entre pares e discípulos,
unidos por preocupações comuns e que experimentam uma relação profunda e durável,
sendo que Capistrano parece atuar como uma espécie de figura central.84
Esse espaço, longe de ser regido pela impessoalidade e pela formalidade –
freqüentemente associadas às cartas relativas a negócios ou ao mundo do trabalho – é
marcado pela afetividade. Assim, é possível observar uma rede de estudos tecida por meio
de pequenos gestos de amizade. Entre pedidos de cópia de documentos e remessas de
livros feitos pelos missivistas, desenvolve-se a atividade crítica e o afeto. A
correspondência traz comentários dos textos de um, feitos pelo outro. Também transmite
observações a respeito da atividade de leitura e pesquisa. As cartas deixam ver a
disponibilidade dos missivistas para uma relação entre iguais ou entre o mestre Capistrano
e seus discípulos, havendo exibições de respeito mútuo pelos trabalhos realizados, bem
como, espaço para críticas e autocríticas.
As demonstrações de afeto surgem, por exemplo, através dos muitos elogios,
estímulos e sugestões enviados pelo correio. Mais uma vez tomando a correspondência
com João Lúcio de Azevedo como exemplo, observa-se que Capistrano o considerava um
“espírito vigoroso e maduro”. Congratulava-o pelo término de seus trabalhos: “eis pois
ultimada a primeira e mais difícil parte da obra de sua culminância intelectual. Minha
alegria e minha satisfação são grandes e dou-lhe com entusiasmo um abraço afetuoso”. E
elogiava seus resultados, dizendo: “Li imediatamente, devorei-o até o fim e deixou-me
prazer e contentamento: a entrada anuncia bem o monumento planejado; sinto-me
perfeitamente tranqüilo”. Ou ainda: “Li quase metade dos Cristãos-novos, sempre com o
maior prazer. Revela grande progresso: às vezes sucedia-me não saber exatamente sua
opinião em seus livros anteriores: agora clareza ou franqueza, a impressão é outra”.85
João Lúcio considerava Capistrano “um Mestre” e também não poupava elogios.
Após ter lido a introdução, escrita por Capistrano, para um dos livros de Frei Vicente do
Salvador, comentou: “trabalho de alta erudição, cheio de novidade e que decididamente
esgota o assunto (...) felicito-o por este trabalho, verdadeiramente digno do nome que o

84
VINCENT-BUFFAULT, Da amizade, op. cit., p. 36 e 40; ver, também, TREBITSCH, Michel.
“Correspondance d‟intelectuels: le cas des lettres d‟Henri Lefebvre à Norbert Guterman (1935-1947)”. Les
Cahiers de L’IHTP – Sociabilites Intelectuelles: lieux, milieux, réseaux, n.20, p. 83-4, mars, 1992.
85
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 05/05/1924, 16/04/1919, 24/01/1917, 27/09/1917, 31/12/1921, vol. 2, p.
299, 123, 25-26, 73 e 231, respectivamente.

201
autor tem entre os que estudam e sabem de sua terra”. Também agradecia a atenção que lhe
dedicava o brasileiro. Após receber um texto enviado por este último, disse:

Sua idéia de me mandar a parte que evidentemente mais poderia interessar-me, por me ser
mais familiar, denota a delicadeza de quem, fazendo um presente, busca o que mais pode
agradar ao presenteado.86

E, após receber elogios do historiador brasileiro, agradecia: “tive grande alegria em


ver na sua carta que leu com prazer o capítulo da História de Vieira sobre as missões. De
fato sinto-me com suas palavras orgulhoso e feliz”. E segue, revelando o quanto sua escrita
desenvolvia-se supondo a presença do outro: “creio que, quando escrevi aquilo, o fiz com o
sentido de lhe agradar”.87
Para Capistrano, “do mesmo modo que médico só cura quem não está doente,
também só há vantagem em discussão, quando as opiniões são idênticas”.88 A troca
epistolar com João Lúcio parece ter sido marcada pela harmonia, indicando um tipo de
relação onde os missivistas se percebem como iguais. Relação distinta foi construída, por
exemplo, com Afonso Taunay e Mário de Alencar, seus ex-alunos.
Com Mário, filho do escritor José de Alencar e uma espécie de protegido de
Machado de Assis, as exortações eram comuns, dado o constante desânimo do destinatário
diante da vida e uma tenaz dúvida sobre o valor do próprio trabalho. Dizia:

Você precisa deixar seu pai de lado; o que ele podia dar-lhe de bom já deu; maior
convivência do que V. tem tido com o espírito dele, agora só pode lhe fazer mal; paralisaria
seu desenvolvimento, condenaria V. ao triste papel de epígono.89

Capistrano parece achar que Mário tanto cultuava seu falecido pai, que lhe faltavam
energias para a própria evolução como escritor. Aconselhava-o a deixar o passado e
dedicar-se inteiramente ao presente. Ordenava: “fora com o ramerrão!”, concluindo que:

É difícil; mas é possível dar uma direção nova à vida, como gato que se vira no ar e cai
sobre os pés: em nosso tempo, Goethe fez isto, depois da viagem da Itália; Comte fez isto

86
Carta a Capistrano de Abreu, 08/08/1918, vol. 3, p. 227.
87
Carta a Capistrano de Abreu, 25/05/1919, vol. 3, p. 229.
88
Carta a João Lúcio de Azevedo, 31/12/1921, vol. 2, p. 232.
89
Carta a Mário de Alencar, 14/09/1901, vol. 1, p. 209.

202
depois de conhecer Clotilde; anteriormente Dante tivera a idéia da Vita Nuova; precedentes
não faltam; falta é quem se inspire neles e aumente o número.90

Contudo, o próprio Capistrano terminava por admitir: “Eu infelizmente não o


consegui, e já dei de mão a tais ambições”.91
Já a correspondência com Afonso Taunay, a quem Capistrano dera aulas
particulares quando jovem, parece ter sido marcada tanto pelas discussões acerca das
pesquisas em andamento – às vezes revelando visões e interesses dissonantes –, quanto
por freqüentes conselhos, sugestões e reprimendas, configurando uma relação entre mestre
e discípulo. Pra começar, Capistrano se irritava com o tratamento que Taunay lhe
dispensava: “É você teimoso! Já lhe disse várias vezes: nem mestre nem dr.! Mestre!?
Mestre de meninos? Sabe você perfeitamente que me doutorei na „academia de xenxém‟.
Não reincida que o caso é de non placet”. Alertava o destinatário sobre o perigo do
anacronismo: “Se você escreve um romance histórico, tome tento sobretudo com os
diálogos. Não vá fazer um sujeito de 1630 falar como um carioca de agora. Aí está o maior
escolho, a meu ver. E leia, leia e leia!”.92 E criticava suas escolhas:

A sua idéia de escrever uma história dos capitães-generais de S. Paulo é simplesmente


infeliz. Que lembrança desastrada a de preferir um período desinteressante, quando a época
dos paulistas é o século XVII! (...) Reserve você para si o melhor naco, e deixe os miúdos
para quem deles gostar.93

Mas, também se alegrava com as escolhas que julgava úteis: “Alegrou-me a


resolução de acrescentar índice à Nobiliarquia de Taques; o livro ficará valendo muito
mais; sua Formação Intelectual não menos”. Motivo de repreensão era dado quando
Taunay escrevia Brasil com z: “Vi ontem o modo por que V. escreve Brasil e fiquei
horrorizado. Continue, se quiser, com a cangalha quebrada, mas nunca diga que lhe dei
uma só lição. Hei de negá-lo uma e muitas vezes a pés juntos, antes e depois do galo”.94
As cartas a Taunay são verdadeiras lições de história e historiografia, que incluíam
a orientação de leituras, a discussão de planos e interpretações, além das observações
acerca do melhor modo de apresentar o trabalho, em termos de narrativa. Capistrano

90
Carta a Mário de Alencar, op. cit., p. 210.
91
Ibidem.
92
Carta a Afonso Taunay, s/d, vol. 1, p. 274.
93
Carta a Afonso Taunay, “Dia de S. Bertoldo e S. Columbano, [1904]” (21/11/[1904]), vol. 1, p. 276.
94
Cartas a Afonso Taunay, 09/01/1914, 02/06/1917, vol. 1, p. 277 e 282.

203
julgava que “em história o ideal é não deixar trabalhos para os outros, enquanto não
aparecem novos documentos”. As notas deveriam acompanhar os textos sem chamadas.
Uma simples diferença de tipos deveria evitar a confusão. Também aconselhava deixar a
retórica de lado – “deite fora a retórica, reduza o volume ao rigorosamente significativo” –
e a evitar referências vagas ou indiretas: “Ouça-me: nada de alusões literárias! Nem
mesmo as corriqueiras: o que uma geração conhece é muitas vezes totalmente ignorado
pela seguinte”.95 Nesse item, Taunay reincidia, pois o remetente reclamava:

Mais uma vez chamo sua atenção para as paráfrases e alusões. Não estará V. em idade de
poder ou vir ainda libertar-se deste cacoete? Não tenha medo de fazer artigos curtos e siga
o conselho augusto: pão, pão; queijo, queijo.96

É possível afirmar que a correspondência de Capistrano foi marcada por dois tipos
de relação: aquela entre mestre e discípulos, caracterizada pela atividade de orientação dos
estudos; e aquela entre pares que colaboravam ativamente na pesquisa uns dos outros. No
primeiro caso, o nome de Afonso Taunay se destaca como um dos discípulos principais.
Ao lado dele estavam, por exemplo, Mário de Alencar, que se dedicava à literatura e à
produção de artigos sobre temas contemporâneos; Paulo Prado, João Pandiá Calógeras,
Eugênio de Castro e Tobias Monteiro, empenhados no estudo da história do Brasil,
sobretudo a do período colonial; e Alberto Rangel, autor de romances históricos. No
segundo, observa-se a existência de diferentes grupos de interlocutores: os diplomatas e
políticos, tais como o Barão do Rio Branco, Domício da Gama, Oliveira Lima, Francisco
de Assis Brasil, Graça Aranha e Leopoldo Bulhões; os eclesiásticos, como os padres
Carlos Teschauer, Galanti e Domenico de Meis; os brasilianistas Orville Derby e John
Casper Branner; e os portugueses Lino de Assunção e João Lúcio de Azevedo. São, na
maior parte, estudiosos da história e da geografia nacional, bem como das línguas
indígenas.
Mas, além de ser um espaço propício para discussões intelectuais, a
correspondência também dá lugar a uma escrita de si, identificada nas lembranças do
passado, nas observações sobre os próprios gostos, prazeres, alegrias e tristezas, na relação
do indivíduo com a temporalidade. Como foi dito no início, a escrita de cartas, que faz

95
Cartas a Afonso Taunay, 09/01/1914, 26/08/1919, s/d [meados de 1917], vol. 1, p. 277, 302, 284.
96
Carta a Afonso Taunay, 17/12/1919, vol. 1, p. 304.

204
parte da rotina diária dos missivistas, propicia um tipo de olhar sobre si e sobre a própria
trajetória, que é constantemente submetido ao olhar do outro.
Em carta ao Barão Studart, Capistrano inclui uma nota biobibliográfica, escrita na
terceira pessoa. Atendia a um pedido do destinatário, que então compunha seu Dicionário
Biobibliográfico Cearense, publicado entre 1910 e 1915. A escrita autobiográfica segue a
trajetória intelectual, das primeiras letras no Ceará, aos primeiros escritos publicados na
década de 1870; a partida para o Rio de Janeiro, em 1875; a nomeação para oficial da
Biblioteca Nacional, em 1879; a colaboração na Exposição de História do Brasil e na
Gazeta de Notícias; a nomeação por concurso para o Colégio Pedro II, em 1883; as
traduções e os principais trabalhos publicados; a História do Brasil em andamento.
Abstraindo-se da trajetória, emite breve opinião acerca da existência, ao dizer que “não
quis fazer parte da Academia Brasileira [de Letras], e é avesso a qualquer sociedade, por já
achar demais a humana”.97
Por anos a fio, Capistrano recordaria a vinda para o Rio de Janeiro, em abril de
1875, data que parece ser uma espécie de divisor de águas em sua vida. Um exemplo é a
carta – escrita no ano de sua morte – para a filha Honorina, na qual recorda:

Há 52 anos desembarcava aqui, um domingo, dia de cerração. Quão pouco sabia da vida.
Não distava muito de um cego, solto nesta cidade de automóveis. Ainda hoje, quando
penso no passado, não compreendo como não soçobrei desde as primeiras passadas.
Felizmente o pior está passando.98

Os aniversários são bons momentos para reavaliar a vida e ocasião oportuna e


socialmente indicada para demonstrações de afeto, por mera formalidade ou não.
Capistrano afirmava não gostar de comemorar o próprio aniversário. Certa vez, comentou:
“parabéns de aniversário justificam-se pela certeza de que sobre o passado não podem
influir forças humanas ou sobre-humanas, ou porque já não são muitos os dias a amargar.
Em uma ou outra hipótese, agradeço-lhe cordialmente”. Quando completou 72 anos,

97
Carta a Guilherme Studart, 18/08/1901, vol. 1, p. 150-154. Em carta posterior, refere-se a essas “copiosas
informações” de sua “pouco interessante vida”, observando que seu objetivo principal era esclarecer que
alguns trabalhos lhe haviam sido indevidamente atribuídos por Sacramento Blake, autor do Dicionário
Bibliográfico Brasileiro (1883-1902). É interessante notar que os biógrafos de Capistrano parecem ter
seguido de perto a trajetória delineada pelo biografado, pois utilizam os mesmos marcos referenciais. Ver
carta a Guilherme Studart, 05/06/1902, vol. 1, p. 173.
98
Carta a Honorina, 25 de abril [1927], vol. 1, p. 69. A mesma lembrança da vinda para o Rio está presente
nas cartas a: João Lúcio de Azevedo, 25/04/1921, vol. 2, p. 208; Idem. Abril de 1923, vol. 2, p. 274; Afonso
Taunay, 26/04/[1922], vol. 1, p. 329.

205
mencionou: “setenta e dois nove fora nada. É simbólico e justo. Felizmente não tenho que
repeti-los”. Mas solidarizava-se com a passagem de anos dos amigos. Disse a João Lúcio:
“lembrei-me bastante de V. no dia de seus anos. Não festejo os meus porque o isolamento
corresponde melhor à realidade, mas associo-me cordialmente aos amigos”.99
Ao parabenizar os amigos por seus aniversários, Capistrano, supostamente, deixa
transparecer sua preocupação com a realização de seus próprios projetos e ambições ao
longo da vida. Pode-se dizer, que aquilo que desejava ao amigo fosse, também, uma
aspiração sua. Assim, deseja a João Lúcio “que a vida lhe chegue para a realização de
todos os planos restantes”; ou, ainda, “que lhe dure a vida enquanto durarem suas ambições
e que nenhuma deixe por satisfazer e que a saúde se enrije cada vez mais”. A vida bem
vivida é aquela em que é possível ter e realizar projetos, assim como, obter um justo
reconhecimento, como pode ser lido no seguinte trecho:

Ei-nos chegados a sua semana natalícia. Venho dar-lhe o abraço afetuoso, a que espero o
tempo e a distância não tirem todo o calor com que parte. Vejo com prazer que a sua
situação cresce em Portugal e começam a fazer justiça a sua obra. Que lhe seja permitido
realizar os trabalhos planejados!100

A correspondência expõe aspectos da intimidade das sensações físicas, da velhice e


seus corolários: a possibilidade da perda de amigos e parentes, da juventude e, também, da
memória. Capistrano se permite divagar sobre o ócio, a velhice, a solidão e a morte. Em
carta a Mário de Alencar, por exemplo, ele fala do sentimento de perda como algo
constitutivo de si mesmo e apresenta-se como um conformista, orgulhoso de não ser
obtuso:

Considero-me uma ave qualquer que desde quase vinte anos outra cousa não fez senão
perder penas; as novas não substituem as antigas, e o vôo faz-se cada vez mais rasteiro, e lá
um dia virá, sobre todos desejado, em que cesse a faculdade de voar. Eis o meu caso,
querido Mário. Não sou pessimista, não sou otimista, sou um conformista, quem sabe? Um
satisfeito, mas hoje gosto tanto de não ser obstrusivo (sic)!101

99
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 11/11/1920, 23/10/1925 e 13/06/1922, vol. 2, respectivamente, p. 184,
341 e 375.
100
Carta a João Lúcio de Azevedo, 11/04/[1926], vol. 2, p. 349.
101
Carta a Mário de Alencar, 09/01/1910, vol. 1, p. 213. Ao invés de “obstrusivo”, talvez Capistrano tenha
querido dizer obtuso: rude, bronco, fechado, insensível.

206
Entre as grandes perdas, identificava a entrada da filha mais velha, Honorina, para o
convento. Sobre isso, comentou:

Não comparo a separação de Honorina à morte. Disse apenas que compreendo as causas de
seu ato, mas que isto me consola tanto como saber a doença a que a mãe sucumbiu. As
causas ocupam o segundo plano: o primeiro cabe aos efeitos. Acho, porém, o caso dela pior
que a morte: a morte é fatal; chega a hora inadiável; em resoluções como a de agora há
sempre a crença, certamente errônea, de que o desenlace podia ser outro, e é isto que dói.
Só agora vejo como a queria. Passo os dias sem sair, pensando nela, joguete dos
sentimentos mais contraditórios, desde a indignação até as lágrimas. Só com os filhos, à
hora do jantar, converso sobre ela. O receio de que qualquer estranho se possa referir ao
assunto dá-me arrepios. O isolamento não me pesa, alivia-me. A dor geral transformou-se;
sinto um frio íntimo que vai da espinha aos olhos mas os acessos vão-se espaçando e duram
menos. (...) Não irei vê-la; as cartas suas só responderei se precisarem de resposta;
correspondência não quero ter. (...) Mas basta de Honorina. Peço-lhe que nunca mais se
refira a este assunto, se eu em primeiro lugar não o abordar.102

Capistrano nunca pôs os pés no convento. Comunicava-se com a filha por carta,
atendendo a alguns pedidos – tais como a obtenção de livros – e recusando outros, como a
conversão ao catolicismo. Sobre essas cartas, chegou a comentar:

Escreve-me, às vezes, umas cartas estéreis que se limitam a dizer que nunca imaginou
pudesse ser tão feliz, e Deus uber alles. Mesmo estas cartas estéreis vão cessar, porque foi
unanimemente eleita priora e agora tem menos tempo. Não sentirei muito a falta: as delas
como as de não sei quem limitam-se a: peguei da pena porque não tinha que fazer, e faço
ponto porque não tenho que dizer.103

A perda dos amigos também é destacada, sendo que, a inimizade, a perda de


amigos por desavenças, não parecia incomodá-lo. Ou melhor, doía, mas era considerada
benéfica. Certa vez disse a João Lúcio: “uma amizade que se perde é como um vício que se

102
Carta a Mário de Alencar, 18/01/1911, vol. 1, p. 225. Outra grande perda foi a morte do filho mais novo,
Fernando, apelidado Abril, em 1918. Ver, por exemplo, carta a João Lúcio de Azevedo, 07/03/1919, vol. 2, p.
114, onde compara a morte do filho a uma amputação.
103
Carta a Luís Sombra, 01/05/1917, vol. 3, p. 39. Sobre a correspondência entre Capistrano e sua filha, ver:
BUARQUE, Virgínia Albuquerque Castro. Escrita singular: Capistrano de Abreu e Madre Maria José.
Fortaleza, Museu do Ceará, 2003. Coleção Outras Histórias, 20; Idem. “Cartas do claustro”. Trajetos –
Revista de História da UFC. Dossiê Capistrano de Abreu, vol. 3, n. 5, 2004, p. 137-154.

207
larga, ganha-se com a perda”.104 O que mais entristecia era a perda dos velhos amigos por
morte. Em certa ocasião, concluiu com desdém que era melhor não ter amigos íntimos,
revelando a grande importância que eles tinham em sua vida:

Sinto muito a perda do amigo de tantos anos. Quando, depois de perdido, o amigo continua
vivo, o golpe é doloroso, mas em suma salutar, como a suspensão de um vício. A perda por
morte é uma mutilação. Quanta cousa já está morta para mim, porque sobre cada uma só
conversava com uma pessoa, e esta já não me pode responder. Os jesuítas tinham razão:
nada de amigos íntimos.105

Dizia preferir as “relações banais”, consideradas mais seguras, por ser possível
substituí-las.106 Avaliação semelhante surge em outra carta, quando filosofa sobre o sentido
da vida:

Que lhe direi de nossos amigos? Um a um vão desaparecendo, e quando me lembro de


nossas sessões da Rua Nova do Ouvidor, e de sua aparição fulminante nas festas do
centenário, hesito se é melhor morrer ou ver morrer, que é afinal em que se resume a
vida.107

Conta Capistrano, em 1923, que “os amigos velhos têm desaparecido. Os novos não
os compensam”. Contudo, após uma mudança de endereço, afirma animado: “a nova casa
põe-me perto de quase todos os amigos”.108 Ele havia se mudado para a travessa Honorina,
em Botafogo. Era vizinho de João Pandiá Calógeras e Rodolfo Garcia. Durante a vida na
casa anterior, toda a sua família se dispersara: a esposa, Maria José, morreu em 1891; o
filho Henrique morreu ainda criança; a filha mais velha, Honorina, como foi visto, entrou
para o convento em 1911 e nunca mais viu o pai; a filha mais nova, Matilde, casou-se e foi
morar no sul de Minas Gerais; o filho mais moço, Fernando, morreu em 1918. Restava
apenas o filho mais velho, Adriano, casado, pai de três meninas: Honorina, Jônia e Isa,
únicas netas de Capistrano.

104
Carta a João Lúcio de Azevedo, 02/07/1917, vol. 2, p. 58-59.
105
Carta a João Lúcio de Azevedo, 09/03/1918, vol. 2, p. 83-84.
106
Carta a Mário de Alencar, 09/01/1910, vol. 1, p. 213.
107
Carta a Domício da Gama, 03/09/1917, vol. 1, p. 263.
108
Carta a João Lúcio de Azevedo, 16/04/1923 e “dia de Reis, 1924” [06/01/1924], vol. 2, p. 273 e 284,
respectivamente.

208
Além de permitir a narrativa das perdas, as cartas também servem como suporte
para a rotulação de si mesmo, exercício que permite uma contínua autoconstrução, bastante
marcada pelo laconismo. Mais do que apresentar detalhados auto-retratos, a escrita de si
através de cartas favorece os clichês, os retratos instantâneos ou sintéticos.109 Às vezes,
além de “conformista”,110 Capistrano se definia como um “vaqueano velho” (habilidoso,
prático, conhecedor dos caminhos), um “velho garrano” (velhaco, patife), um “diletante
retardativo” ou, simplesmente, um “João Ninguém”, que lhe serve como assinatura em
algumas cartas.111
Sobre sua notória deselegância, comumente interpretada como uma característica
pessoal, indicativa da modéstia e do desprezo por valores sociais, observou:

(...) sou como H. de Melo, de quem dizia Pedro Luís – o antigo ministro: veste-se todo
chibante no Raunier, desce aprumado a Rua do Ouvidor, e chega com a roupa machucada
na Rua Direita. Minhas finanças não me permitem mais que o Colombo, mesmo isso sem a
freqüência que fora para desejar.112

A desambição é uma das características freqüentemente ressaltada quando se fala


de Capistrano. Sua correspondência parece ser a fonte principal que ajuda a sustentar essa
caracterização. Nelas é possível encontrar observações como: “Estas cousas de primeiro
não me fazem mossa”.113 Ou ainda, um comentário que fala do desprezo por títulos:

Em tempo: quando estava em atividade no Pedro II ajudei a fazer alguns bacharéis, mas de
doutor ou bacharel nunca tive nada e cada vez ando mais apartado. A um comendador da
minha laia chamaram, em mofina do Jornal, comendador xenxém, conta Alencar num
romance. A culpa é da língua, que não admitiu Monsieur ou Sir, talvez porque os reis
reservavam o Senhor para si e não havia o equivalente de Sire. No Ceará fui chamado e
muitas vezes chamei: seu home. Bem mostram meus patrícios que têm mais inteligência do
que água.114

109
DIAZ, “Correspondance et écriture de soi”, op. cit., p. 177-178.
110
Carta a Mário de Alencar, 09/01/1910, vol. 1, p. 213, já citada.
111
Carta a Pandiá Calógeras, 17/04/1905, vol. 1, p. 353; carta a Paulo Brandão, 26/01/1907, vol. 1, p. 270;
cartas a João Lúcio de Azevedo, 28/01/1921 e “véspera da soltura dos diabos” (23/08/[1925]), vol. 2, p. 194 e
339.
112
Carta a Mário de Alencar, 06/09/1915, vol. 1, p. 236.
113
Carta a João Lúcio de Azevedo, 13/09/1926, vol. 2, p. 364.
114
Carta a João Lúcio de Azevedo, 14/09/1916, vol. 2, p. 17.

209
O historiador contava o tempo com intimidade, personalizando os dias como dias
de santos e de personagens históricos, e certa obsessão: “faltam dois dias para completar
dois meses de ausência do Rio”. Dizia que sua vida havia sido regida por certos provérbios
finlandeses relativos ao tempo: “li há dias uns provérbios finlandeses, que parece terem
dirigido minha existência: o tempo está sempre de frente para nós; pressa não é obra de
Deus; neste mundo, tempo é a única cousa de que há fartura”.115
A ausência de pressa pela qual pautara sua vida permitira-lhe tempo para os estudos
da história brasileira e da língua indígena. Para Capistrano, “quem corre cansa, quem anda
alcança”.116 Contudo, há momentos em que o autor demonstra certa ansiedade diante do
tempo: “O tempo vai tão depressa que lembra, não a foice de Cronos, mas as asas de
Hermes. Sem que o sinta, acaba-se o dia, acaba-se a semana, acaba-se o mês e, dado o
balanço, só encontro um zero elevado não sei a que potência”. Ou ainda, quando afirma
que: “é sempre assim: não curamos do tempo, o tempo tudo escritura e surpreende-nos
com suas contas monstruosas”.117 Essas observações sobre o tempo parecem derivar da
compreensão de si mesmo como alguém que acreditou muito na extensão da vida e na
brevidade da arte. A impossibilidade de concluir os próprios projetos equivalia a uma
espécie de punição, como é expresso em carta a Guilherme Studart, quando comenta a
conclusão dos Capítulos de história colonial (1907):

Imaginava outra cousa e não pude realizá-la, parte por culpa minha, parte culpa das
circunstâncias. Acreditei muito na extensão da vida e na brevidade da arte, e fui punido.
Quando, ainda no Ceará, concebi-a [a escrita da história do Brasil], a obra tinha outras
dimensões. Cada ano levou consigo um lance ou um andar. A continuar mais tempo, ficaria
reduzida a uma cabana de pescador. Mesmo agora acho-lhe uns ares de tapera.118

A sensação da passagem rápida do tempo parece estar relacionada, entre outras


coisas, à percepção da perda de parentes e amigos e, também, à constatação de que seus
ideais o conduziram a um estado de imobilidade, a partir do qual via a vida passar. Em
carta a Mário de Alencar, afirma: “(...) variam muito os nossos ideais. O meu seria um cul
de sac, beco sem saída”. É difícil compreender se é mesmo um ideal ou uma tentativa de
dar sentido à existência, transformando um presente sem grandes expectativas em algo

115
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 21/12/1925 e 09/03/1921, vol. 2, p. 343 e 197, respectivamente.
116
Carta a Afonso Taunay, 03/04/1918, vol. 1, p. 293.
117
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 03/06/1921 e 20/10/1923, vol. 2, p. 214 e 281.
118
Carta a Guilherme Studart, 07/01/1907, vol. 1, p. 178.

210
objetivamente buscado. O beco sem saída é associado à ausência de descendência e de
nome. Com certo desgosto, escreve: “sem netos, já que tive a infelicidade de ter filhos, sem
nome, um perfeito zero na cadeia dos seres”.119 Admite que, às vezes, seus atos foram
contra esse “ideal”, com o qual, em dado momento, parece conformar-se, como se esse
caminho sem saída tivesse sido algo planejado. Acima de tudo, parece acreditar que “há
muitos meios de ser feliz, mas todos reduzem-se a um único: obedecer aos ditames da
consciência, principalmente com sacrifícios”.120
Um pouco de si mesmo também transparece no comentário bem humorado acerca
do epitáfio que gostaria de ter. Epitáfio digno de um bom erudito. Escreve Capistrano que,

De toda a história pátria só me envaidece uma descoberta: o mameluco de Ilhéus ou


Espírito Santo que repeliu os franceses chamava-se Cotucadas, não Catuçadas como
escreveram Santa Maria, Jaboatão e Varnhagen. Quando eu tornar ao pó do que saí e V.
quiser elevar um monumento à altura de meus méritos, inscreva como epitáfio Cotucadas e
será um pouco néctar nos campos Elíseos...121

Cotucadas: o nome de um personagem histórico, cuja identificação correta fez com


que Capistrano pudesse se sentir como um investigador que foi mais longe do que outros.
A escolha bem humorada desse epitáfio revela o gosto pela minúcia, pela crítica de
atribuição, algo comum entre eruditos e especialistas em antiguidades. 122 Capistrano viveu
uma época em que a descoberta de um nome ou uma data bastava para “coroar o dia de
rosas”. Eram descobertas “de causar inveja”, segundo dizia.123 Contudo, ele também viveu
o tempo em que tais descobertas não eram mais suficientes, pois era preciso algo mais para
garantir o reconhecimento da autoridade de um estudioso do passado. Embora atuando na
fronteira do antiquariado, Capistrano não se reconhecia como um antiquário. Sua
decantada erudição era posta a serviço de um tipo de conhecimento do passado guiado por
119
Carta a Mário de Alencar, 20/01/1910, vol. 1, p. 220.
120
Carta a Luís Sombra, 31/12/1910, vol. 1, p. 22.
121
Carta a Afonso Taunay, 18/11/1920, vol. 1, p. 318.
122
Sobre a proximidade de Capistrano com o antiquarismo, há breve observação em FALCON, Francisco
José Calazans. “O Brasil de Capistrano de Abreu: características de sua produção historiográfica”. Trajetos –
Revista de História da UFC. Dossiê: Capistrano de Abreu, vol. 3, n. 5, 2004, p. 73. Sobre os antiquários, ver,
por exemplo: GUIMARÃES, Manuel Salgado. “Reinventando a tradição: sobre antiquariado e escrita da
história”. Humanas: Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRS. Historiografia e
Tradição Clássica. Porto Alegre, IFCH, vol. 23, n.1/2, 2000, p. 111-143; MOMIGLIANO, Arnaldo. “O
surgimento da pesquisa antiquária”. In: _____. As raízes clássicas da historiografia moderna. Bauru,
EDUSC, 2004, p. 85-117; GRAFTON, Anthony. As origens trágicas da erudição. Pequeno tratado sobre a
nota de rodapé. Campinas, Papirus, 1998.
123
Carta a João Lúcio de Azevedo, 18/11/1916, vol. 2, p. 22; carta a Guilherme Studart, 18/06/1893, vol. 1,
p. 144-145.

211
uma concepção científica da história, que utiliza e submete os métodos da pesquisa erudita
a novas exigências de racionalidade.124
Para além da escrita de si guiada pelos problemas pertinentes ao mundo do trabalho
intelectual, também é possível localizar tal escrita através das referências à saúde e às
doenças. Os incômodos quotidianos, mais que preencher os vazios do diálogo com
comentários banais, podem revelar formas de cuidado de si e do outro, algo importante
para a construção de vínculos afetivos entre os missivistas.125
Capistrano, que sofria de reumatismo e tinha problemas com seu fígado, apelidado
de “grão traidor”, costumava trocar informações sobre remédios e tratamentos: de injeções
subcutâneas, passando por banhos em águas medicinais e remédios supostamente
milagrosos, até o isolamento.126 Suas cartas dão lugar à expressão de solidariedade na
doença. São referências pontuais a desconfortos causados pela angústia do trabalho
atrasado e pelas dores do corpo ou da “alma”. As doenças eram algo a mais a ser
compartilhado, fornecendo motivos para expor a preocupação com amigos enfermos como,
por exemplo: Paulo Prado e Pandiá Calógeras, que sofriam dos rins; e Domício da Gama,
que padecia de “moléstia imaginária”. Questionando sobre “quem se pode dizer de todo
são”, concluía que o melhor mesmo era trabalhar sem pensar no futuro.127
Um aspecto relativo à saúde de Capistrano diz respeito à constante insônia que o
perseguia. Insônia atribuída à incapacidade para concluir seus afazeres intelectuais. Em
carta a Paulo Prado de 5 de fevereiro de 1923, ele conta que:

Uma baiana, empregada de minha sogra, não podia dormir sem primeiro rezar para as
almas do purgatório. Se descuidava e pegava no sono, as almas acordavam-na e acordada
ficava até cumprir a obrigação.128

Achava que com ele acontecia algo semelhante. Era impossível dormir sem
terminar suas tarefas, o que freqüentemente acontecia. A ânsia de terminar os trabalhos
produzia desânimo. Certa vez achou que o esforço para realizar seus planos não valera a
pena. Escreveu ao amigo Pandiá Calógeras: “Tanto esforço, tanto trabalho e tão pouco

124
Sobre a apropriação da tradição e dos métodos da pesquisa erudita pela história acadêmica (científica),
como parte de um processo de transformação da cultura histórica, ver GUIMARÃES, op. cit.
125
DIAZ, “Correspondance et écriture de soi”, op.cit., p. 28; FOUCAULT, “A escrita de si”, op. cit., p. 153-
55.
126
Por exemplo, cartas a Paulo Prado, 29/12/1919, “domingo de Pascoela, 1920”, “oitava de Natal”,
15/12/1920, vol. 2, p. 388, 396, 410 e 406, respectivamente.
127
Carta a Antônio Bezerra, sem data, vol. 1, p. 71.
128
Carta a Paulo Prado, 05/02/1923, vol. 2, p. 437.

212
fruto, e às vezes o fruto dependendo apenas de uma circunstância mínima: é a lei do
mundo. Para andar bem no mundo é preciso possuir alma de Bourgeois gentilhomme”.129
Contudo, tempos depois, concluiu que: “o importante não é o triunfo, é o combate”. As
cartas dão lugar a acessos de desânimo e de esperança.130
Mas, além da ansiedade provocada pelos trabalhos não concluídos, Capistrano
também ansiava por encontros. Por exemplo, em cartas a Paulo Prado, que vivia em São
Paulo, é freqüente a expectativa: “esperei-o agosto inteiro, já desesperei de setembro, tê-lo-
emos afinal em outubro?”; “e até fevereiro, se V. não vier antes aqui, como tem prometido
e seria útil”; “alegra-me a proximidade de sua visita”.131 Mas, apesar do gosto de conviver
com os amigos e do prazer sentido ao compartilhar suas experiências de vida e,
principalmente, de leitura, ao refletir sobre a existência, sentenciou: “Amigos, conversas,
passeios, livros, tudo passa e tudo é vão: quem afinal fica reduzido a si próprio é que vê a
realidade e conhece como tudo é insuficiente. Is life worth living? [vale a pena viver?]”.132
Essa vida solitária de quem se percebe como estando “reduzido a si próprio” era
marcada pelas atividades de pesquisa, editoração de textos e escrita de cartas, havendo,
surpreendentemente, uma intensa vida social.133 Capistrano freqüentava almoços e jantares
semanais, ia a festas de aniversários, casamentos e bodas e era capaz de ir ao cais só para
abraçar um amigo de passagem. Contudo, às vezes queria fugir de tais compromissos,
concluindo que “boa romaria faz quem em sua casa está em paz”. Certa vez, após uma
longa estada no interior, pensou: “não sou homem para cidade”. Os ares do campo eram
sempre bons, pois eram por ele associados aos ares da infância.134

129
Carta a João Pandiá Calógeras, 04/11/1916, vol. 1, p. 401.
130
Carta a Miguel Arrojado Lisboa, 08/11/1922, vol. 1, p. 444; carta a Mário de Alencar, 02/03/1910, vol. 1,
p. 223.
131
Cartas a Paulo Prado dos dias: 22/09/1921, 08/01/1922 e 1927, vol. 2, p. 409, 412 e 480, respectivamente.
132
Carta a Joaquina “Kiki” de Assis Brasil, 03/06/1919, vol. 3, p. 71.
133
É curioso notar que Capistrano de Abreu foi comumente visto como um homem dado à reclusão, pouco
interessado em visa social. Sobre um desses lugares da moda em sua época, a Rua do Ouvidor, certa vez
observou: “Eu creio que o Brasil é o primeiro país do mundo, o brasileiro (principalmente o do Rio) o melhor
homem da América, a Rua do Ouvidor a melhor coisa do Rio, e nós que não freqüentamo-la, as melhores
criaturas da rua”. Carta a [Urbano Duarte de Oliveira], 07/09/1895, vol. 1, p. 63. Apesar de, às vezes,
demonstrar certa aversão à vida social, sua correspondência revela a existência de um tipo de sociabilidade
distinta daquela marcada pela boemia dos literatos e artistas, freqüentadores de cafés e salões da moda.
Capistrano parece ter participado de um circuito distinto, marcado, sobretudo, pela presença de intelectuais,
homens de ciência, políticos e diplomatas.
134
Cartas a Paulo Prado de dezembro de 1921, 08/01/1922, 18/01/1922, 19/03/1923, 16/10/1924,
28/02/1924, 08/06/1925, 24/08/1925, 05/02/1926, 24/01/1926, junho de 1927, vol. 2, págs. 410, 411, 412,
443, 458, 461, 468, 466, 477, 478 e 482, respectivamente; carta a Afonso Taunay, 04/03/1910, vol. 1, p. 361;
e carta a Pandiá Calógeras, [1911], vol. 1, p. 377.

213
Em carta de Carlos Werneck, é possível entrever um pouco do quotidiano do
historiador na então capital federal. O remetente dá sua opinião sobre a possibilidade de
Capistrano deixá-la definitivamente. Diz ele:

Achei má esta idéia, não só pela separação que sofreríamos, como pela mudança de meio, à
qual, estou certo, não se adaptará mais. Após certa idade, dificilmente muda-se de habitat
com gosto. Viveria triste, longe dos seus amigos e habitués, longe das suas livrarias. A
visitinha habitual ao Briguiet, ao Garnier, onde encontra sempre este ou aquele outro
perguntador; a consulta ao Instituto Histórico ou à Biblioteca Nacional; a palestra, de volta,
na Livraria Científica, com Edgar Mendonça ou Fernando; o jantar das 4as fs. à Rua
Sorocaba ou o almoço dos domingos no Curvelo... tudo acabaria por fazer-lhe muita falta, e
conduzi-lo de novo à Guanabara. São pequenas coisas, ninharias, mas que formam a vida
quotidiana, e das quais um velho não se desapega facilmente.135

Em meio às ansiedades provocadas pelo trabalho atrasado, pelos desejos de sair da


cidade e de rever os amigos, Capistrano ansiava pertencer-se “total e exclusivamente”,
como menciona em carta a Ramos Paz.136 Pertencer a si mesmo significava ter tempo para
realizar planos pessoais, que, de modo geral, envolviam aquelas que parecem ter sido suas
atividades favoritas: a leitura e as viagens.
Capistrano era um viajante. É possível supor que os principais motivos que o
detinham em casa eram o trabalho – quase sempre atrasado – e a doença. Na primeira
oportunidade escapava do seu “tugúrio” para respirar outros ares e banhar-se em outros
mares. Por vezes, obtinha passes de viagem com amigos ou conseguia acompanhar alguma
comitiva. Era um “aquático”, “que precisava mudar de pele, ou deixar o veneno como
fazem as cobras quando vão beber”, como afirma em carta a Paulo Prado, de 1920.137
Viajava freqüentemente para as estâncias hidrominerais de Minas Gerais: Caxambu, São
Lourenço e Poços de Caldas, sendo às vezes acompanhado pelo ministro João Pandiá
Calógeras. Outro lugar habitual era a praia de São Vicente, em Santos, onde se hospedava
na casa do médico Domingos Jaguaribe, amigo desde a infância e companheiro dos
“inefáveis banhos de peru”: banhos “mais de areia que de água do mar”.138 Entre outros
locais, gostava de ir à Teresópolis e a São Paulo, onde, às vezes, era hospedado por

135
Carta de Carlos Werneck, 12/10/1923, vol. 3, p. 193.
136
Carta a Francisco Ramos Paz, 23/12/1880, vol. 1, p. 3.
137
Carta a Paulo Prado, 1920, vol. 2, p. 396.
138
Carta a Guilherme Studart, 08/01/1922, vol. 1, p. 188.

214
Eduardo Prado ou Jaguaribe, e ao Rio Grande do Sul, onde encontrava Francisco de Assis
Brasil.
Em determinado momento, concluiu: “os passeios só me têm trazido atrasos. Bem
razão tem o ditado português ouvido no Ceará: a raposa tanto passeia na semana que
domingo não vai à missa”.139 Assim, voltava para sua rede no Rio, para os livros gastos,
papéis empilhados, encomendas atrasadas, contas a pagar, copistas relapsos, tipógrafos
pouco sérios e uma vizinha, pianista de uma peça só. Às vezes, queria fugir “para qualquer
lugar aonde não chegassem cartas nem jornais”.140
Das viagens no espaço às viagens no tempo. Os livros eram sua companhia
constante, sendo possível aventar que sua identidade como intelectual e historiador pode
ser buscada nas figuras de escritor e de leitor presentes em sua correspondência.

5.2. Figuras de escritor, figuras de leitor

(...) o tempo passa, a vida corre, e cada vez gosto menos


de escrever e tenho tanta cousa ainda que ler, antes de
partir para as regiões donde ninguém volta... (carta a
Guilherme Studart, 1906).141

Michel de Certeau construiu uma bonita imagem do leitor como um viajante, um


caçador nômade que percorre terras alheias.142 Embora submetido a determinações
(sociais, institucionais e culturais), o leitor é dotado de competências específicas, que lhe
permitem combinar os fragmentos daquilo que é lido e elaborar interpretações. 143 Para
Certeau, o leitor “inventa nos textos outra coisa que não aquilo que era a „intenção‟ deles.
Destaca-os de sua origem (...). Combina os seus fragmentos e cria algo não sabido no
espaço organizado por sua capacidade de permitir uma pluralidade indefinida de
significações”.144

139
Carta a Paulo Prado, 19/02/1925, vol. 2, p. 463.
140
Carta a Paulo Prado, 01/04/1923 (“dia das petas”), vol. 2, p. 445.
141
Carta a Guilherme Studart, 13/11/1906, vol. 1, p. 176.
142
CERTEAU, Michel de. “A economia escriturística”. In: _____. A invenção do cotidiano: artes de fazer.
Petrópolis, Vozes, 1994, p. 259.
143
CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel, 1990, p. 25-26 e
60-61. Sobre a leitura como produção de sentido, ver, também: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas de
leitura. São Paulo, Estação Liberdade, 1996; e DARNTON, Robert. “História da Leitura”. In: BURKE, Peter
(Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992, p. 199-236; Idem. “Os leitores
respondem a Rousseau”: a fabricação da sensibilidade romântica”. In: _____. O grande massacre de gatos, e
outros episódios da história cultural francesa. 2a edição. Rio de Janeiro, Graal, 1986, p. 277-328.
144
CERTEAU, op.cit., p. 264-65.

215
A visão do leitor como um viajante condiz com a imagem de Capistrano de Abreu
como um “vaqueano”, como certa vez ele mesmo se definiu. O vaqueano é um homem
prático e hábil, conhecedor de caminhos e regiões e capaz de conduzir outros homens por
esse território.145
É possível pensar Capistrano como um intelectual cuja identidade assenta-se,
sobretudo, na atividade de leitura, seja de documentos ou de bibliografia secundária. Trata-
se de um leitor voraz, que lia muito – algo absolutamente comum entre intelectuais – e
relia seguidas vezes um mesmo texto, o que talvez não fosse tão habitual entre seus pares.
Comentava suas leituras através dos trabalhos que publicava e das cartas que escrevia.
Pode-se supor que sua prática de leitura ampliou-se a partir do momento em que se
tornou redator responsável por colunas de lançamentos de livros divulgados em jornais e
funcionário da Biblioteca Nacional, em 1879. Capistrano também se tornou leitor no
Gabinete Português de Leitura, na biblioteca do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro
e da Câmara dos Deputados etc., bem como, em sua rede cearense, onde empreendeu
leituras solitárias, a serem compartilhadas de um modo especial através das cartas. Por
meio da correspondência, freqüentou arquivos estrangeiros, às vezes conhecendo diretores,
pesquisadores e copistas que atuavam por lá. Era comum a solicitação de cópias de
documentos a Lino de Assunção ou a João Lúcio de Azevedo – que viviam em Portugal –
ou a algum amigo que visitasse a Europa com regularidade, como Paulo Prado e o Barão
do Rio Branco, por exemplo.
Gostava de ler e reler um mesmo texto, como afirma em cartas a Paulo Prado, por
exemplo: “Todos os dias releio umas páginas da segunda parte de Gabriel Soares. Cada
leitura proporciona sempre novidades. O difícil será fazer de tudo algo coerente”. Para
escrever o prólogo do livro sobre a língua bacairi, observou: “(...) já li umas três vezes o
Diário. Vou lê-lo mais umas quatro ou cinco, até absorvê-lo e saturar-me. Será breve e non
placebit”. Também costumava ler e reler após intervalo: “Recebi seu artigo. Depois de
passados dias, relerei. Não gosto de devolver seus artigos sem os ler com intervalo”. Ler e
reler até saturar-se do texto parece ser o método do leitor Capistrano, que, além disso,
achava que era preciso ler em “estado de graça”. Alguns livros podiam ser lidos como o do
cronista Castanheda: “de rede, como romance, apenas traçando uma ou outra marca a lápis,

145
Interessante notar que, o sinônimo de vaqueano é tapejara, palavra tupi que significa “aquele que toma o
caminho”.

216
para facilitar o encontro de algum trecho se for preciso”. Outro, cujo autor não é
identificado, deveria ser lido “do fim para o princípio, da última seção para a primeira”.146
Mas, às vezes, procedia a uma leitura que denominava “profana” ou “dessultória”:
saltando de um lado para outro, sem persistência, detendo-se sobre partes, deixando o
conjunto escapar. Também reservava diferentes modos de ler para cada autor, como ocorre
ao dizer que: “Acton tenho lido salteadamente, o melhor modo para aquele formoso e
singular espírito. John Morley li de princípio a fim sem parar”. Algumas leituras eram
associadas ao ato de “tirar fogo de pedra”, enquanto outras se relacionavam ao trabalho de
“autópsia”. Textos que considerava desorganizados ou “encarapinhados” suscitavam um
tipo de leitura que se assemelhava a penetrar em um “catingal”. Diante do texto, achava
que o leitor não devia “se deixar levar por cantigas”, para poder compreender melhor a
realidade e a “sensação original do autor”.147
Esse trabalho de leitura, denso em suas variações, podia provocar insônia, ainda
mais considerando os problemas vividos pelo leitor em questão, suas douloureuses: a
mudança de casa – em determinado momento –, os atrasos da escrita e das publicações.
Após reler “cento e tantas páginas” de Gabriel Soares em uma noite, ficou com uma
“insônia renitente”, que não quis combater com remédios. Na madrugada, teve pesadelos
dos quais não se livrou pela manhã. Mas afirmou: “a leitura não se perderá: entrevejo
algumas luzes. Vou passando do homogêneo para o heterogêneo”. Inspirava-se nas idéias
de Herbert Spencer, para quem era preciso partir de um todo uniforme, homogêneo, até
chegar ao heterogêneo, onde as partes podiam ser melhor percebidas.148
Seu modelo de intelectual parece ter sido Spencer, de quem lera a biografia. Isso
devido à capacidade de trabalho do cientista inglês, que, em determinada época da vida, foi
obrigado a reduzir as horas de trabalho a menos de 10 por semana. Deixou de viver em
função do trabalho, transformando o trabalho em sua função. Sujeitando-se à contigência,
às vezes não podia escrever mais de cinco linhas por dia. Contudo, segundo o historiador,
fez tudo o que planejou, realizou uma grande obra e viveu mais de 80 anos.149

146
Cartas a Paulo Prado dos dias: 08/02/1920, 05/06/1923, 31/12/1924 (“dia de São Silvestre”) e 1927
(“terça-feira das trevas”), vol. 2, págs. 393, 448, 461 e 480; carta a João Lúcio de Azevedo, 25/09/1917, vol.
2, p. 69; carta a Pandiá Calógeras, 03/02/1927, vol. 1, p. 416.
147
Cartas a Paulo Prado dos dias: 18/11/1918, 05/02/1920, 13/02/1920, 1920 (“domingo de Pascoela”),
05/05/1920 e 11/12/1922, vol. 2, p. 388, 391, 394, 397, 398 e 429; carta a João Lúcio de Azevedo,
23/05/1919, vol. 2, p. 127; carta a Joaquina “Kiki” de Assis Brasil, 03/06/1919, p. 72; carta a Mário de
Alencar, 17/08/1901, vol. 1, p. 204.
148
Carta a Paulo Prado, 29/06/1923 (“dia de S. Pedro”), vol. 2, p. 449-50; carta a João Lúcio de Azevedo,
16/09/1918, vol. 2, p. 110. Grifos meus.
149
Cartas a Mário de Alencar, 14/09/1901, 24/03/1917 e “equinócio de 1919”, vol. 1, p. 208, 247 e 250;

217
Capistrano tinha amor pelos livros, sendo capaz de relacioná-los ao que certa vez
definiu como a “cronologia de seu espírito”. Diante da necessidade de ter que se desfazer
de alguns, lamentou:

Livros: cada um representa tanta cousa! Uma veleidade, um projeto, uma decepção. Neles
vejo como por passeio a cronologia de meu espírito, e a impressão não é fagueira: reduz-se
a lançar continuamente carga ao mar, para não [sic] evitar a submersão completa.150

Assim como na vida é preciso esquecer certas coisas para dar lugar a outras,
Capistrano também se desfazia de seus livros, como quem abre mão de uma parte de si
mesmo. Compartilhava os livros esperando não apenas trocar idéias, mas afirmar vínculos
de afinidade. Certa vez escreveu: “não me sinto bem quando não posso passar qualquer
livro a alguém (...) faço de barbeiro do rei Midas, sem ter a quem passar o segredo”. Às
vezes, indicava livros sem anunciar inteiramente o conteúdo ao interlocutor, observando
que preferia esperar para ver se as opiniões e gostos coincidiam.151
Sua vida foi marcada pelos livros, da infância à velhice. Nas cartas, há lembrança
da leitura de Camões, feita ainda na escola. Fizeram-no decorar o poema Os Lusíadas,
quando “não podia entender nem um décimo das perífrases e das alusões”. Menciona o Íris
Clássico, de J. F. de Castilho, onde pela primeira vez leu o nome de um autor que o
acompanharia ao longo dos anos: André Antonil, cujo nome verdadeiro, Andreoni, mais
tarde descobriria. Lembrança, também, de um livro que viu “apenas de lombo” e que
despertou seu interesse devido ao número de in-fólios e ao “nome esquisito do autor”:
Cornelius a Lapide (De La Pierre). Há, também, um livro que desejava possuir desde a
infância: O Peregrino da América, “o Casimiro de Abreu do século XVIII”, que adquiriu
quando adulto para constatar que era “ilegível” e dizer: “tive de lê-lo por dever de ofício:
não aconselho sacrifício igual”. Mais tarde, como “leituras de juventude”, recorda as obras
de Stuart Mill, Spencer e Buckle: leituras de um tempo em que “lia muito, sem entender”,
de modo que, posteriormente, concluiu: “hoje não os entendo nem leio”.152
Livro marcante parece ter sido Pensamentos, de Marco Aurélio, sobre o qual
comentou: “Taine lia algum trecho diariamente e compreendo agora esta devoção”. Dizia

150
Carta a Mário de Alencar, 15/09/1915, p. 242.
151
Carta a João Lúcio de Azevedo, 2-3/04/1921, vol. 2, p. 376; carta a João Pandiá Calógeras, 31/12/1913,
vol. 1, p. 386.
152
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 30/11/1904, 24/06/1920, 03/09/1917, 26/03/1919, 06/07/1921, vol. 2, p.
16, 163, 325, 63, 119 e 219.

218
saboreá-lo em pequenas doses, pois “é um livro forte”. Livro descrito com semelhante
impressão é O Ateneu, de Raul Pompéia: “o mais forte livro de nossa literatura, escrito dos
24 aos 25 anos, no espaço de três meses. O autor, um dos mais íntimos de meus amigos,
brigou afinal comigo; meses depois suicidou-se. Não serve para moças”.153
Capistrano conseguia conjugar leituras das mais diversas, mas, às vezes, procurava
selecionar leituras afins, geralmente, para dar conta de algum trabalho. Além da difícil
leitura de fontes manuscritas, relacionadas, sobretudo, à história do Brasil colonial, há
muitas leituras sobre lingüística indígena e geografia. Além de constituir um gosto pessoal
e um dever de ofício, tais leituras podem ser vistas como parte de um projeto político
cultural maior, que visava a definição de um cânone ou, em outras palavras, de uma
biblioteca científico-literária, capaz de servir como referência para melhor conhecer o
Brasil. Esse suposto projeto envolvia a formação de um campo de estudos históricos, capaz
de tornar possível a distinção entre historiadores e “homens de letras”, garantindo aos
primeiros a autoridade para compreender e explicar a nação republicana. O conhecimento
da história, da geologia, da geografia, da lingüística etc. era algo necessário para lidar com
problemas cruciais para a República.
Esse historiador-leitor era um homem prático, bastante envolvido com os temas do
presente, que, em grande parte, diziam respeito à questão dos limites do território nacional,
ao problema do indígena e da constituição do povo brasileiro, visto por muitos como
decrépito e em vias de dissolução.154 Entre outras coisas, empenhava-se na descoberta de
“provas” históricas úteis para o debate político em torno da formação territorial do Brasil.
Era, provavelmente, um erudito capaz de mobilizar diferentes formas de saber, tais como a
cronologia, a epigrafia, a filologia etc. Também devia ser, preferencialmente, um poliglota,
capaz de ler textos no original, dada a dificuldade de obter traduções. Precisava ter tempo
para investigações exaustivas em arquivos, necessitando de dinheiro para estudar, obter
livros e cópias, sem precisar trabalhar para viver, a não ser em locais como arquivos e
bibliotecas.155 Quando vistas em relação a esse projeto, as leituras de Capistrano,
aparentemente desordenadas, adquirem sentido, pois se torna possível situá-las em meio a
uma cultura histórica bastante marcada pela questão nacional e republicana, assim como,

153
Carta a Mário de Alencar, 30/10/1916, vol. 1, p. 245; carta a Pandiá Calógeras, 04/11/1916, vol. 1, p. 401;
carta a João Lúcio de Azevedo, 12/05/1917, vol. 2, p. 49.
154
Em carta a Mário de Alencar, Capistrano expõe uma questão que considera “tenebrante”: “o povo
brasileiro é um povo novo ou um povo decrépito?” Complementa a pergunta indagando aacerca da
importância do passado: “os fatos idealizados pelo tempo valem mais que os passados atualmente?”. Ver
carta do dia 18/01/1911, vol. 1, p. 226.
155
Ver GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores. Rio de Janeiro, FGV, 1996, p. 76-77.

219
pela necessidade de lidar com a tradição historiográfica oitocentista, de modo a impor
novos temas, indagações e abordagens.
Como observou Jean Marie Goulemot, tão importante quanto analisar as
interpretações críticas sobre as obras lidas é refletir sobre a prática da leitura como
produção de sentido, de compreensão e de prazer. As relações estabelecidas com o livro –
que tornam a leitura possível – podem ser percebidas através das atitudes do leitor. Trata-
se, então, de tentar compreender o lugar atribuído ao livro e à leitura na história de vida e
na construção de si.156 Segundo o autor, na relação com o livro, o leitor define-se por uma
fisiologia, uma história e uma biblioteca. Sendo assim,

O sentido, aquele que se constitui por uma leitura historicamente datada, empregado por
um indivíduo que tem um destino singular, nasce, portanto, do trabalho que esse fora-do-
texto assim definido opera, para além do sentido das palavras, do agrupamento de frases,
sobre o texto.157

Além disso, cabe relacionar essas práticas individuais de leitura, movidas por
coerções e liberdades, com a cultura histórica e historiográfica de um determinado
momento, buscando compreender o lugar dos livros, das leituras, dos leitores e dos autores
na construção dessa mesma cultura. Da mesma forma que o leitor pode ser pensado a partir
de uma fisiologia, uma história e uma biblioteca, talvez seja possível pensar as
coletividades.
No caso de Capistrano, visto através de suas cartas, é possível supor que a leitura,
além de ser uma atividade cultural decorrente do exercício de uma profissão, um hábito
comum de intelectual, corresponde a uma prática constitutiva de si. Através da lembrança
dos livros ele conta sua própria história e é a partir deles que ele desenvolve seus projetos.
Capistrano se expõe como leitor e é assim que ele, supostamente, deseja ser reconhecido.
Desse modo, memória, identidade e projeto aparecem relacionados à experiência da leitura
e ao contato com os livros.
Esse contato, movido pelo prazer do leitor e pelos deveres de um ofício, não
implicava, no caso de Capistrano, em nenhuma espécie de sacralização do objeto livro.

156
Robert Darnton corrobora essa idéia ao sugerir que umas das formas de abordagem da leitura seria o
estudo das descrições do ato de ler, visando acessar aquilo que as pessoas imaginam ocorrer quando lêem, ou
ainda, os significados que os leitores atribuem a determinadas leituras em suas vidas. Ver DARNTON,
“História da Leitura”, op. cit., p. 218 e 224.
157
GOULEMOT, Jean Marie. “Da leitura como produção de sentido”. In: Práticas da leitura, op. cit., p. 107-
108. Grifo do autor.

220
Como alguns de seus contemporâneos observaram, seus livros eram “poeirentos e usados
pelo contínuo manuseio”, encontrando descanso sobre o chão, ao lado de pilhas de jornais
e revistas.158 Seus livros serviam, sobretudo, como instrumentos de um saber inquieto,
sempre em movimento, pois, uma vez tendo saciado a curiosidade do leitor, podiam
facilmente ser dispensados. Como foi visto antes, um de seus biógrafos conta que, certa
vez, ele adquiriu um livro caríssimo (cento e cinqüenta mil réis), apenas para tirar uma
dúvida, o que fez ao folhear o livro na rua, desfazendo-se dele em seguida.159 Era notória a
sua indiferença em relação a livros lidos, assim como era admirado o empenho em obter
livros para presentear os amigos. Diz Chateaubriand que nunca viu homem com poucos
recursos doar tantos livros.160 Porém, apesar de um certo descaso pelo objeto, às vezes
incomodava-se com o desaparecimento dos mesmos, ao constatar com algum espanto que
“de vez em quando desaparecem livros”.161
De acordo com Goulemot, não seria possível uma compreensão autônoma do que é
dado a ler, mas uma articulação em torno de uma biblioteca de textos lidos. A leitura seria
construída a partir dessa intertextualidade, de modo que,

O livro lido ganha seu sentido daquilo que foi lido antes dele, segundo um movimento
redutor ao conhecido, à anterioridade. O sentido nasce, em grande parte, tanto desse
exterior cultural quanto do próprio texto e é bastante certo que seja de sentidos já
adquiridos que nasça o sentido a ser adquirido. (...) Reencontramos ao ler. Todo o sistema
anterior – saber fixado, institucionalizado, saber móvel, vestígios, migalhas – trabalha o
texto oferecido ao deciframento. Não há jamais compreensão autônoma, sentido
constituído, imposto pelo livro em leitura.162

As cartas de Capistrano permitem delimitar uma biblioteca, a partir da qual o


missivista desenvolve a compreensão daquilo que lê. No caso, trata-se de um leitor que fez
as primeiras letras em sua terra natal e não freqüentou nenhum dos cursos de nível superior
existentes em sua época: os de Medicina, Engenharia e Direito. Em termos de estudo da
história, da literatura, da geografia e das línguas indígenas, ele é um autodidata, que falava

158
PRADO, “Capistrano de Abreu”, op. cit., p. 3.
159
MENEZES, Raimundo de. Capistrano de Abreu: Um homem que estudou. São Paulo, Melhoramentos,
1956, p. 35.
160
CHATEAUBRIAND apud MATOS, Capistrano de Abreu, op. cit., p. 253-54.
161
Carta a João Lúcio de Azevedo, “oitava da Páscoa” [1922], vol. 1, p. 244.
162
GOULEMOT, “Da leitura como produção de sentido”, op. cit., p. 115.

221
vários idiomas (inglês, francês, alemão...). Aprendeu por si, através de leituras
diversificadas e constantes.
Sobre a biblioteca de Capistrano, não necessariamente lida, mas, em parte, por ele
composta, José Honório Rodrigues nos conta:

Sua biblioteca encontra-se hoje muito despojada, pois Capistrano gostava de emprestar e
dar livros depois de lidos (...) Mas ainda assim, com grandes desfalques, sua biblioteca é a
revelação decisiva da nutrição germânica do seu pensamento. Afora os livros brasileiros,
que não entram na proporção, talvez mais de 80% de seus livros sejam alemães, seguido de
ingleses e de muito pouco franceses... Seus livros de leitura de geografia, história,
antropologia, economia e sociologia são predominantemente alemães.163

Em carta a Paulo Prado, na qual expôs os dissabores de uma mudança de endereço,


afirmou: “A remessa de livros está preparada, quase concluída. No último momento há
sempre hesitações. Só uma seita na Rússia impõe a mutilação voluntária”. Havia sido
necessário vender alguns livros para facilitar a mudança. Contudo, ao livrar-se de alguns
livros abriu espaço para outros tantos exemplares pois, um pouco antes de ir para a nova
casa, fez “uma comprazinha”, que encheu “uns três ou quatro caixões”.164
Entre os livros mencionados e comentados nas cartas, ainda que brevemente, alguns
se destacam. Um livro do alemão Wilhelm Wundt, sobre psicologia, era “necessário para
se entender sua grande obra relativa à psicologia dos povos”.165 Outro campo de interesse
era a economia. Refere-se à obra de Gustav Schmoller, Economia Política, “um livro
monumental”, lamentando: “Quando me lembro que por certas críticas fideindignas (sic),
como hoje reconheço, passei tantos anos sem fazer conhecimento com um espírito tão
superior e luminoso, com cuja privança podia ter adiantado anos, fico triste”. Do livro de
Spix e Martius, Viagem pelo Brasil, disse certa vez: “Que livro admirável, que esplêndido
companheiro!”, um livro “cicerone”, para acompanhar as viagens pelo interior do país.

163
RODRIGUES apud RIBEIRO, Maria Luiza Gaffrée. Uma ruptura na historiografia brasileira: a
formação intelectual de João Capistrano de Abreu (1853-1927). Rio de Janeiro, UFRJ, dissertação de
mestrado, 1990, vol.2, p. 207. Há uma lista da biblioteca de Capistrano na dissertação de Ribeiro. Essa
biblioteca foi, em parte, (re)composta pela Sociedade Capistrano de Abreu e se encontra sob a guarda do
Instituto do Ceará.
164
Cartas a Paulo Prado dos dias: 21/04/1923, 05/06/1923 e 29/06/1923, vol. 2, págs. 447, 448 e 449,
respectivamente. Além de amante de livros, Capistrano assinava periódicos, como por exemplo, o The
Nation, norte-americano; o Manchester Guardian, inglês; e a Revista de História, portuguesa. Possuía
coleções de revistas, como as do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, dos institutos regionais; do
Arquivo Mineiro etc.
165
Carta a Mário de Alencar 11/08/1901, vol. 1, p. 203.

222
Outro grande companheiro era o Fausto, de Goethe, mencionado em mais de uma
carta, assim como, Wilhem Meister, do mesmo autor.166 Em carta a Paulo Prado, menciona
que Fausto:

Foi minha leitura no mar. Trouxe a tradução de François Sabatier, feita em versos livres,
bem esquisitos, acompanhados do texto alemão. Li o original, só recorrendo à versão em
caso de dúvida. É um grande, um máximo livro. Bem entendido: falo como profano, que só
atende às partes. O segredo do conjunto escapa-me: nunca li nem pretendo ler
comentários.167

De Wilhem Meister extraiu uma máxima que, aconselhava, não deveria ser
esquecida: “obrar é fácil, pensar é difícil, obrar segundo seu pensamento ainda é mais
difícil”.168
No caso de Capistrano, obrar significava dar andamento a um duplo projeto: o da
conclusão e publicação das pesquisas sobre as línguas indígenas (o bacairi e o caxinauá) e
o da escrita de uma história do Brasil. Projetos concomitantes, sendo que, durante muito
tempo, o primeiro parece ter superado o segundo em termos de investimento. Além disso, a
atenção do autor também se dividia com outras “n” tarefas, tais como a revisão da obra de
Varnhagen e dos próprios textos, a publicação anotada de documentos e a elaboração de
prefácios diversos. O acúmulo de tarefas, a má distribuição de tempo e os atrasos na
publicação causavam enorme desgosto e ansiedade. Reconhecendo o atraso na realização
de certa tarefa, observou: “a falta de método na vida, a má distribuição do tempo, o
desarranjo em que andam minhas cousas, sei que não são desculpas suficientes (...)”.169
A prática da leitura relacionava-se ao trabalho da escrita e ao problema da memória.
Contou a Paulo que, diante de uma “pedra” [o texto] e de sua “petrificada memória”, tivera
que “tirar fogo”. Disse: “Tirei algum; para tratar do povoamento de Minas precisaria de um
ano, de que não disponho, e de um livro, que não escreverei: procurarei reduzir tudo a um
artigo, que não será muito longo”.170 Leitura densa – no sentido de profundidade e de peso
– pressão do tempo, necessidade de um livro inexistente, impossibilidade de escrevê-lo...
resultado: escrita reduzida. Ler e escrever tornaram-se, ao longo do tempo, atividades

166
Carta a Mário de Alencar, 17/08/1901, vol. 1, p. 204-205; cartas a João Lúcio de Azevedo, 16/03/1917,
19/12/1917, vol. 2, 34 e 78; carta a Martim Francisco, 11/11/1918, vol. 3, p. 85.
167
Carta a Paulo Prado, 18/11/1918, vol. 2, p. 388.
168
Carta a Paulo Prado, 06/10/1922, vol. 2, p. 419.
169
Carta a Mário de Alencar, 09/09/1915, vol. 1, p. 240.
170
Carta a Paulo Prado, 1920 (“domingo de Pascoela”), vol. 2, p. 397.

223
contraditórias: uma impedia a realização da outra. Curioso é que, após a morte de
Capistrano, Paulo Prado emitiu sua opinião sobre o texto do amigo, interpretando aquilo
que havia sido produzido com grande dificuldade como o resultado de um
aperfeiçoamento: “Nos seus últimos escritos, a frase de Capistrano chegou à perfeição de
extrema brevidade e singeleza, contraída numa sintaxe sem artigos, sem verbos auxiliares,
despojada de adjetivos redundantes”.171
Por várias vezes, Capistrano menciona estar “com o carro no toco e os bois na
lama”,172 ou seja, atolado no trabalho, preso em armadilhas que, provavelmente, ele
mesmo construíra. Em carta a João Lúcio de Azevedo, afirmou: “Comecei meu encantado
estudo sobre as moedas, mas estou vendo que não sou mais capaz de escrever; ler posso
indefinidamente, embora pouco guarde na memória”.173 Capistrano achava que sua
memória havia virado “cordão de areia”174 e que estava “petrificada”.175
Se a escrita demanda a capacidade de construir relações, estas só são possíveis
através do trabalho da memória, que recupera pontos de conexão entre os textos lidos,
permite relacionar temas e ordenar as idéias no papel. A ausência da memória pode tornar
o texto repetitivo – impedindo a lembrança do que já foi dito – ou cheio de lacunas – ao
favorecer o esquecimento do que se deveria dizer. Ao mesmo tempo, o excesso de
memória pode provocar uma avalanche de referências, entre as quais é necessário escolher,
para que seja possível concluir os textos.
Pressionavam Capistrano até nos momentos de lazer para que ele atendesse às
encomendas. Fernando Nobre, escritor paulista, ia publicar um livro histórico e pediu-lhe
para escrever o prólogo. Em carta de Caxambu, ele conta a Paulo Prado, a respeito do
“homem de confiança” que Nobre lhe enviara: um “sentinela”, com um livro de 600
páginas e a ordem de “só voltar com meu prólogo no bolso”. Em resposta a Paulo, que
perguntara o que ele iria escrever, disse: “Estou lendo à razão de cento e tantas páginas por
dia. Felizmente não tenho aqui livros: hei de limitar-me ao mínimo possível”. Como
“escrever com sentinelas à vista não é das melhores cousas”, o texto de Capistrano acabou
não agradando. Chegou ao ponto de sentir fobia na hora de escrever e de atribuir a um

171
PRADO, Paulo. “Capistrano”. O Estado de São Paulo, 26/09/1928, p. 3.
172
Carta a Paulo Prado, [1927] (“oitava da Anunciação”), vol. 2, p. 479.
173
Carta a João Lúcio de Azevedo, 19/03/1917, vol. 2, p. 37.
174
Carta a João Lúcio de Azevedo, 24/01/1917, vol. 2, p. 26.
175
Carta a Paulo Prado, “domingo de Pascoela”, 1920, vol. 2, p. 397.

224
prefácio o título de Fragmento de Prólogo, dada a impossibilidade de concluí-lo a
contento.176
Além das dificuldades para escrever livros, notas e prefácios, também tinha
problemas com as separatas de seus próprios textos. Era comum a reprodução em volume
ou opúsculos de trabalhos anteriormente publicados em periódicos. Para que isso
acontecesse, Capistrano procedia ao que ele chamava de “camuflagem” do texto. Trabalho
do qual não gostava. Reclamava com Paulo: “Triste labuta é ter que preparar a separata dos
próprios artigos. Qualquer coisa modificada aqui reage sobre o que vai adiante, se evitar
contradições, não evitarei tombo”.177
Num determinado momento, a melhor opção pareceu ser dividir as tarefas com
amigos. Assim, poderia se encarregar de apenas derramar “a canela sobre o arroz doce”.178
Queixando-se da preguiça, lembrava: “em dois meses, fora de cartas, não escrevi uma linha
aproveitável”. Com dificuldade para escrever seus trabalhos de história, Capistrano
escrevia cartas para não deixar o dia sem linha. Era, como boa parte dos “homens de
letras” de sua época, um epistológrafo, sendo que escrevia cartas “às carreiras” ou “de pé
no estribo, só para não demorar a resposta”; à prestação – quando interrompia e depois
retomava a escrita, devido a algum contratempo; de memória ou do coração – quando não
tinha à mão a carta de alguém que demandava resposta; e seguindo o preceito do Conselho
Ultramarino – quando procurava tratar de um assunto por carta. Às vezes, escrevia carta
“pororoca” ou “minhocão”: grande demais. As maiores foram escritas para João Lúcio de
Azevedo. Eram textos que faziam Capistrano pedir desculpas por ocupar tanto o tempo do
leitor, além de prometer não fazê-lo de novo.179 Em certa época, admitiu: “eu não nasci
para escritor: para mim é sempre incômodo pegar na pena e quanto mais velho vou
ficando, tanto mais aumenta a indisposição”.180
Enquanto o leitor Capistrano se reinventa a cada nova leitura, pois é essa atividade
que parece ser a fonte principal de sua autoridade como intelectual, o escritor Capistrano
parece minguar. Lendo muito, perdendo a memória e escrevendo pouco, em algumas de
suas cartas publicadas – mais especificamente, nas cartas produzidas na década de 1920 e

176
Cartas a Paulo Prado dos dias: 28/10/1922, 23/12/1922, “véspera de S. Rui” [04/11], 1922, 17/11/1922 e
19/02/1925, vol. 2, p. 424, 432, 425, 427 e 463.
177
Cartas a Paulo Prado dos dias 22/12/1922 e 27/11/1924, vol. 2, p. 431 e 460.
178
Carta a Paulo Prado: 1923 (“oitava da Purificação”), vol. 2, p. 440.
179
Por exemplo, cartas a João Lúcio de Azevedo dos dias: 30/06/1916, 14/09/1916, 15/11/1916, 25/01/1917,
03/09/1917, vol. 2, p. 11, 15, 17, 21, 27, 63 e 65; e cartas a Paulo Prado dos dias 01/04/1923 e 13/01/1924,
vol. 2, p. 445 e 451.
180
Carta a Oliveira Lima, 27/10/1900, vol. 3, p. 7, já citada na epígrafe.

225
enviadas para apenas sete dos seus correspondentes181 – Capistrano assinou como “João
Ninguém”, às vezes utilizando variantes como: “Dr. João Ninguém”, “Hans Niemann”,
“Inútil João Ninguém”, “J. N.”, “J. Ninguém”, “João Ninguém da Ac. De A(dão) e E(va)”,
entre outros.182 Esse recurso não pode ser confundido com um mero disfarce do nome do
autor, que deseja permanecer no anonimato. O uso de pseudônimos era comum no mundo
das letras do século XIX e do início do século XX.183 Mas, Capistrano nunca assinava as
obras que publicava como “João Ninguém”, apenas nas cartas escritas no fim da vida e
enviadas para um número restrito de destinatários. Nestas, evidentemente, não visava à
ocultação. Ao proceder desta forma, apenas na intimidade, parece querer passar uma
mensagem, identificando-se perante determinados correspondentes – talvez aqueles que
considerasse, além de pares e/ou discípulos, os mais amigos – através de uma assinatura
que remetia a algo indeterminado.
Uma possível hipótese sobre o uso da assinatura “João Ninguém” por João
Capistrano de Abreu pode ser construída a partir da idéia de que Capistrano sentia-se como
um leitor errante.184 Suas leituras e pesquisas tendiam ao infinito. Qualquer tentativa de
realização através da escrita conduziria, necessariamente, ao erro, considerando que
“exprimir-se é sempre errar”.185 Esse impasse provocado pelo Capistrano leitor teria
conduzido o Capistrano escritor à imobilidade e à inconclusão, o que era alimentado pela
crença – expressa em algumas cartas – na inutilidade da existência e de toda ação.
Pensando a escrita como uma prática movida por liberdades e determinações, tal como a
leitura, resta tentar compreender como Capistrano desenvolveu aquele que parece ter sido
um de seus mais caros projetos: o da escrita da história do Brasil.

181
Eram eles: Mário de Alencar, Afonso de Taunay, João Pandiá Calógeras, João Lúcio de Azevedo, Paulo
Prado, Rodolfo Garcia e Luís Sombra.
182
Pode-se supor que ele também tenha enviado cartas com esta assinatura para outras pessoas, sendo que
tais cartas não foram publicadas. Indício disso é que, em carta a Capistrano, Alberto Rangel – que não possui
cartas enviadas pelo historiador cearense na Correspondência organizada por J. H. Rodrigues – chamou-o de
“João Tudo”, uma alusão a “João Ninguém”.
183
Ver NÓBREGA, Mello. Ocultação e disfarce de autoria. Fortaleza, UFC, 1981, p. 135-6.
184
A inspiração para tratar Capistrano como um leitor errante vem de ALBERTI, Verena. “Um drama em
gente: trajetórias e projetos de Pessoa e seus heteronômios”. In: SCHMIDT, Benito (org.). O Biográfico:
perspectivas interdisciplinares. Santa Cruz do Sul, EDUNISC, 2000, p. 179-241. Alberti propõe pensar
Fernando Pessoa como um “escritor errante”.
185
PESSOA, Fernando apud ALBERTI, op. cit., p. 226.

226
6
Modos de fazer

Escrevendo cartas “para não deixar o dia sine línea”, Capistrano de Abreu deixou
muitos indícios que ajudam a compreender um pouco da cultura histórica1 de fins do
século XIX e início do XX. Compreendendo que o modo como uma dada sociedade lida
com seu passado tem relação direta com a produção historiográfica, procura-se identificar
um conjunto de temas, procedimentos, referências teóricas e organizacionais, obras e
figuras-chave, interpretações e significados compartilhados, que, de modo efetivo,
possibilitam a escrita da história em um dado momento.
A correspondência de Capistrano é uma entre outras formas de acesso a essa cultura
histórica, pois ela traz informações sobre o ofício do historiador, revelando os bastidores
das pesquisas sobre o Brasil, ao expor os obstáculos à obtenção de livros e documentos, as
dificuldades de editoração e publicação, as práticas de leitura, as referências teóricas e
literárias etc. Servindo como meio de comunicação privilegiado entre intelectuais, que
compartilham interesses, experiências e projetos, as cartas indicam a existência de redes de
estudo à distância, através das quais se constrói um espaço singular para reflexões sobre si
mesmo, sobre a história e sua escrita.
Essas reflexões, longe de constituir teorias da história rigidamente elaboradas e
acabadas, favorecem um tipo de conhecimento dialógico, construído de maneira coletiva e,
ao mesmo tempo, fragmentada. “Pensar por carta” estimula os missivistas a testar formas
de pesquisa e expressão bastante distintas daquelas encontradas em livros e artigos, por
exemplo. Às vezes, em meio a recordações do passado, referências à saúde e comentários
sobre os problemas do dia-a-dia, a vida alheia, a política e os trabalhos em andamento, é

1
De acordo com Bernard Guenée, a cultura histórica é “a bagagem profissional do historiador, a sua
biblioteca de obras históricas, o público e a audiência dos historiadores”. Jacques Le Goff amplia o
significado do termo, ao considerar que a cultura histórica corresponde à “relação que uma sociedade, na sua
psicologia coletiva, mantém com o passado”. Segundo o autor, o estudo da cultura histórica permite
compreender o modo através do qual essa sociedade percebe e expressa aquilo que pensa que é ou o que
gostaria que fosse. Ver ambas as referências em LE GOFF, Jacques. “História”. In: _____. História e
Memória. Campinas, Unicamp, 1990, p. 47-48.

227
possível localizar indícios de um saber em contínua transformação. De modo lacunar e
muitas vezes inconcluso, a correspondência permite uma rápida construção, confrontação e
difusão de idéias. Entre convenções e improvisos, a reflexão toma um rumo provisório,
efêmero, aberto a futuras modificações, o que permite explorar certas liberdades de dizer e
de pensar.2
Considerando que o exercício da escrita visa influir sobre a realidade, 3 é possível
supor que a carta, além de ser o instrumento de um dizer, também pode ser vista como uma
forma de agir sobre o outro, sobre o mundo e sobre si mesmo. Esse agir possibilitado pela
escrita de cartas mobiliza múltiplos recursos a fim de convencer, influir, demandar, resistir
etc., à distância.4
Dito isso, o objetivo deste capítulo é compreender o modo como Capistrano
planejou escrever a história, considerando as práticas relativas ao ofício de historiador em
sua época. Supondo que o exercício da escrita (no caso, a escrita de cartas e a escrita da
história) possibilita o surgimento simultâneo do autor e do texto, a hipótese é a de que os
projetos formulados, realizados ou não, fomentam uma dupla construção: a da história e a
do historiador.5 Para dar conta desse objetivo, são propostos dois movimentos
complementares. Em primeiro lugar, tecer um panorama da cultura historiográfica entre as
décadas de 1870 e 1920, período coberto pela correspondência de Capistrano, que se
concentra, principalmente, no século XX. Em segundo, articular referências ao uso das
fontes, à metodologia e à escrita da história, presentes nas cartas, de modo a reconstituir a
trama de significados tecida pelo sujeito que faz a si mesmo enquanto faz a história.

2
DIAZ, Brigitte. L’épistolaire ou la pensée nomade. Paris, PUF, 2002, p. 39-45; e, também, GOMES,
Ângela de Castro. “Rascunhos de história imediata: de monarquistas e republicanos em um triângulo de
cartas”. Remate de Males – Revista do Departamento de Teoria Literária. Campinas, Unicamp, n. 24, 2004,
p. 9-32.
3
CERTEAU, Michel de. “A economia escriturística”. In: _____. A invenção do cotidiano: artes de fazer.
Petrópolis, Vozes, 1994, p. 221-246.
4
DIAZ, op. cit., p. 61-62 e 139-194.
5
Essa reflexão procura estabelecer um diálogo com a tese de Daniel Mesquita Pereira, para quem a obra de
Capistrano, implicitamente, apresenta duas formações: a da nacionalidade brasileira e a do próprio autor
como historiador moderno. Ver PEREIRA, Daniel Mesquita. Descobrimentos de Capistrano: a História do
Brasil “a grandes traços e largas malhas”. Rio de Janeiro, PUC – Dep. de História, tese de doutorado, 2002.

228
6.1. Um olhar sobre a historiografia das primeiras décadas republicanas

(...) lhe envio muito saudar para que continue com saúde
e com esse bom ideal patriótico com [que] serve ao
Brasil no estudo do seu passado e nos estimula a nós
outros, que nos esforçamos por navegar nas mesmas
águas (carta de Teodoro Sampaio a Capistrano de
Abreu, 13/09/1921).6

A carta do engenheiro Teodoro Sampaio, notório estudioso da língua tupi e da


geografia do Brasil, fala de um “bom ideal patriótico”: o estudo da história, que, no início
do século XX, tinha Capistrano de Abreu como um de seus principais nomes. O
conhecimento do passado tinha grande importância, sendo associado por muitos a uma
missão cívico-pedagógica: “ensinar aos cidadãos a cartilha do patriotismo”.7 Para o escritor
e crítico literário José Veríssimo, por exemplo, a finalidade do ensino da história era:

(...) dar-nos pelo conhecimento da origem comum, das dificuldades em comum sofridas e
em comum vencidas, da marcha e evolução dos mesmos costumes, das mesmas leis e da
mesma organização, dos processos custosa, lenta, mas seguramente adquiridos, a noção
exata da solidariedade nacional, e com ela o amor da pátria que nos legaram os nossos
antepassados e o desejo firme de continuá-los, para legá-la às gerações vindouras
sucessivamente melhorada.8

Em virtude das discussões sobre a inserção do Brasil na modernidade e de todo o


trabalho de pensar a nação e localizar suas particularidades, existia a demanda por um
esforço interpretativo da história do país. Tratava-se, então, de (re)construir a história
nacional num momento em que a escrita da história não era trabalho específico de
historiadores de ofício. À história, mas não apenas aos historiadores, caberia responder por
nossas origens e desenvolvimento. Empenhados em determinar “desde quando somos uma
nação”, os intelectuais das primeiras décadas do século XX buscaram formular respostas,
empreendendo um esforço no sentido de explorar o passado, explicar o presente e elaborar

6
Carta a Capistrano de Abreu, 13/09/1921, vol. 3, p. 182.
7
Ver, por exemplo, LUCA, Tânia Regina de. “História e Geografia: revalorizando a nação”. In: _____. A
Revista do Brasil: Um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo, Unesp, 1999, p. 86.
8
VERÍSSIMO, José. “A história pátria”. In: _____. A educação nacional. 1a edição 1890. Rio de Janeiro,
Francisco Alves, 1906, p. 133-138.

229
projetos para o futuro. A identidade do Brasil estaria, pois, vinculada à (re)construção de
suas experiências no tempo.9
Aqueles que, como Capistrano, “navegavam” pelas águas da história, lidavam com
um leque de assuntos bastante amplo. Além de história, também podiam escrever sobre
fauna, flora, etnografia, folclore, filologia, lingüística, geografia, geologia etc. Dedicavam-
se, de modo diferenciado, aos debates políticos e aos problemas sociais. Alguns, por
exemplo, costumavam ocupar cargos públicos, exercendo serviços burocráticos, atuando
na política, na diplomacia, na administração e organização de arquivos e bibliotecas, bem
como, no ensino. A atividade jornalística se destacava como um dos principais meios de
sustento, de divulgação de idéias e de promoção do próprio nome.10
Muitos estudaram nos cursos de nível superior então existentes no Brasil: Medicina,
Engenharia e Direito. No início do século XX, o autodidatismo tendia a diminuir
rapidamente, mas não havia uma ligação estreita entre a formação profissional e a
produção intelectual. Diante desse quadro, pode-se considerar que é muito difícil delimitar
o que constituiria a produção historiográfica desenvolvida nas primeiras décadas do século
XX, sendo possível supor que não houvesse um único modelo de contribuição valorizado
como estudo histórico. Em decorrência disso, o perfil do historiador era muito diferenciado
em termos de contribuições. No entanto, apesar da dificuldade em circunscrever essa
produção, observa-se que a pesquisa e a escrita da história eram atividades desenvolvidas
ao longo do tempo, sem improvisos, pois exigiam o acúmulo de alguma erudição, a
disponibilidade de tempo e de recursos financeiros. Tais tarefas eram vistas como um
trabalho árduo, que demandava considerável investimento pessoal para a obtenção e leitura
de documentos manuscritos e publicações estrangeiras, assim como, para a redação e
divulgação de textos.11
Contudo, esses mesmos estudiosos – com sua formação, atuação e produção
intelectual diversificada – deram os primeiros passos no sentido da especialização dos
campos de conhecimento, de modo a permitir a associação de determinados trabalhos ao

9
Ver OLIVEIRA, Lúcia Lippi de. “A construção da história da nação”. In: _____. A questão nacional na
Primeira República. São Paulo, Brasiliense, 1990, p.127-144; PESAVENTO, Sandra Jatahy.
“Contribuição da história e da literatura para a construção do cidadão: a abordagem da identidade
nacional”. In: _____ e LEENHARDT, Jacques (Orgs.). Discurso histórico & narrativa literária.
Campinas, Unicamp, 1998, p. 17-40.
10
GOMES, História e historiadores. Rio de Janeiro, FGV, 1996, p. 45-47, 75-77.
11
Ibidem, p. 12, 38 e 44-45.

230
domínio de certas práticas de pesquisa, leitura e escrita.12 De acordo com Ângela de Castro
Gomes, eram classificados como trabalho de historiador:

Tanto a narrativa que resulta da pesquisa documental, quanto o trabalho de tradução e


prefaciamento de livros estrangeiros, de localização e edição de documentos e ensaios
históricos, de redação de compêndios voltados para o público escolar, e até mesmo a
elaboração de romances históricos.13

Além disso, por mais difícil que fosse, a identificação do historiador poderia ser
feita através da localização de tradições historiográficas que, segundo a autora, eram
representadas por “temas, procedimentos, referências organizacionais e simbólicas e suas
figuras-chave”.14
Nas primeiras décadas republicanas a principal referência organizacional para os
estudos históricos era o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, criado em 1838. Ao
longo do século XIX, sua tarefa havia sido estabelecer uma história da nação brasileira
capaz de lhe garantir uma identidade própria em relação ao conjunto das Nações
civilizadas. Identidade capaz de se impor tanto externa quanto internamente.15
O início da República, marcado por um clima geral de instabilidade política,
suscitou muito ceticismo acerca do futuro do país.16 Nesse momento, muitos “homens de
letras” se engajaram na construção de um espaço próprio, capaz de favorecer a
profissionalização do intelectual e, ao mesmo tempo, promover certo distanciamento em
relação ao mundo do poder.17

12
O olhar sobre a historiografia brasileira do início do século XX, aqui desenvolvido, procura relativizar a
interpretação que a percebe como uma mera continuidade da historiografia produzida ao longo do século
XIX. Também busca romper com a idéia que considera a escrita da história anterior aos anos trinta como
marcadamente “positivista”. Cf. LAPA, José Roberto do Amaral. A história em questão: historiografia
brasileira contemporânea. Petrópolis, Vozes, 1976, p. 69-70; DIEHL, Astor Antônio. A cultura
historiográfica brasileira: do IHGB aos anos 1930. Passo Fundo, Ediupf, 1998, p. 142-143.
13
GOMES, op. cit., p. 38 e 75-76.
14
Ibidem, p. 43.
15
Sobre o IHGB ao longo do século XIX, ver GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. “Nação e Civilização
nos Trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma História Nacional”. Estudos
Históricos – Dossiê Caminhos da Historiografia. Rio de Janeiro, n. 1, 1988, p. 5-27; GUIMARÃES, Lúcia
Maria Paschoal. Debaixo da imediata proteção de Sua Majestade Imperial. O Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro (1838-1889). São Paulo, USP / FFLCH, tese de doutorado, 1994.
16
Ver, por exemplo: LESSA, Renato. “Os anos entrópicos (1889-1894)”. In: _____. A invenção republicana:
Campos Sales, as bases e a decadência da Primeira República brasileira. São Paulo, Vértice, Editora Revista
dos Tribunais; Rio de Janeiro, IUPERJ, 1988, p. 49-72.
17
Esse engajamento foi lido posteriormente como um projeto apolítico, promovido por intelectuais que
haviam atuado em defesa do novo regime, mas que, decepcionados com os rumos da República e sentindo-se
por ela excluídos, optaram pelo afastamento em relação à política (sobretudo, a partidária). Ver, por exemplo:
SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São
Paulo, Brasiliense, 1983; NEEDELL, Jeffrey. Belle époque tropical. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

231
Supostamente, foi então que o campo dos estudos históricos ganhou certa
autonomia, definindo-se enquanto um tipo de prática dominada por um especialista: o
historiador.18 Esse seria definido pela capacidade de construir seu objeto, de desenvolver
procedimentos de análise crítica, de refletir sobre aquilo que produz – o
texto/conhecimento histórico – e, ao mesmo tempo, por situar-se em meio a uma tradição
intelectual de estudos. Tal historiador podia ser conduzido ao estudo da história por
imperativos ético-políticos, que exigiam respostas para os problemas nacionais que fossem,
ao mesmo tempo, pragmáticas e embasadas em metodologia científica. Também era
impelido por um gosto muito particular pela pesquisa em arquivos e pela árdua leitura de
manuscritos e trabalhos em língua estrangeira.19
Outro fator capaz de estimular o estudo da história era a participação em
determinadas redes de sociabilidade, tecidas em torno de figuras-chave do mundo
intelectual, que incentivavam pesquisas, indicavam leituras, propunham temas e roteiros de
trabalho, de modo a estabelecer a colaboração em projetos individuais e coletivos. Tais
redes também eram responsáveis pelo reconhecimento do historiador (como um par, um
mestre ou um discípulo), contribuindo para atestar sua competência no estudo da história.20
Especificando um pouco mais: embora lidasse com uma vasta gama de assuntos,
esse historiador afirmava sua identidade, entre outras coisas, a partir do exercício de um
método de crítica documental, capaz de distingui-lo dos demais “homens de letras”. Ao
lado do método, a erudição também contribuía para definir o historiador, do mesmo modo
que a relação de seu nome – mesmo que por oposição – a uma tradição de estudos
históricos, herdada do século XIX, podia ajudar a consolidar seu papel. Tradição essa
bastante marcada pelo esforço de localizar e armazenar documentos, submetendo-os à

Outra leitura considera esse projeto como marcadamente político, justamente, por defender um
distanciamento dos intelectuais do campo do poder. Ver: GOMES, op. cit., p. 49; e RODRIGUES, João
Paulo Coelho de Souza. A dança das cadeiras: literatura e política na Academia Brasileira de Letras (1896-
1913). Campinas, Unicamp, 2001.
18
Patrícia Santos Hansen chama a atenção para o fato de que, enquanto o campo da história ganhava
autonomia, definindo-se como uma prática disciplinar, exercida por um tipo de profissional (o historiador), o
magistério ainda enfrentava grandes problemas de definição quanto à profissionalização. Assim como o
historiador, o professor era um intelectual que lidava com vários tipos de conhecimento. Contudo, estava
longe de ser reconhecido por uma especialização, capaz de lhe conferir uma identidade própria. Enquanto o
primeiro distinguia-se pelo domínio de um método de crítica documental e por uma valorizada erudição,
ambos vistos como capazes de diferenciá-lo dos demais “homens de letras”, o segundo ainda carecia de um
campo ao qual pudesse ser vinculado. Ver HANSEN, Patrícia Santos. Feições & Fisionomia: a História do
Brasil de João Ribeiro. Rio de Janeiro, Access, 2000, p. 61.
19
Ver GOMES, op. cit., p. 76.
20
Ver o capítulo 4, que apresenta a correspondência de Capistrano de Abreu como um exemplo de rede de
pesquisas à distância, no início do século XX.

232
crítica especializada, assim como, pela tentativa de conciliar dois modelos de história: a
narrativa e a filosófica.21
A autonomia proferida pelo exercício de um método científico não excluía as
ligações com o campo do poder. Aquilo que o historiador produzia, legitimado pelo modo
como produzia, tinha um valor propedêutico que não podia ser dispensado. Tal como
ocorrera ao longo do século XIX, a escrita da história das primeiras décadas republicanas
também era vista como algo indissociável da ação política. Desse modo, a constituição de
um campo de estudos históricos e a identificação de um profissional atuante nesse campo
conciliava os projetos intelectuais com as demandas do campo político.22
Outro aspecto a considerar: o IHGB, criado durante o regime monárquico, sob a
proteção do imperador, teve seu prestígio e suas finanças afetados com o início da
República, ainda que muitos de seus membros participassem dos quadros do novo regime.
É possível supor que essa situação exigiu certo esforço a fim de adaptar o Instituto aos
novos tempos. Analisando o IHGB no período que vai de 1908 a 1938 – época em que a
instituição esteve sob a direção do Barão do Rio Branco (1908-1912) e do Conde Afonso
Celso (1912-1938) – Ângela de Castro Gomes observa investimentos políticos e
acadêmicos no sentido de redirecionar a produção da história e da memória nacionais. Tais
investimentos implicavam na consolidação da história como um saber estratégico, de
importância capital para a legitimação da República. Em função disso, o estudo e a escrita
da história deveriam adquirir novas características, além de reformular outras tantas,
reinventando a tradição historiográfica herdada do Oitocentos, a fim de construir uma

21
A história narrativa prevê o uso de estratégias miméticas, supostamente capazes de “ressuscitar” o passado.
Partindo da seleção de fontes, submetidas à crítica interna e externa, constrói-se uma narrativa com o objetivo
de explicar “o que realmente aconteceu”. Essa narrativa procura ocultar o narrador, de modo a fazer crer que
se trata de um relato neutro, objetivo. Já a história filosófica baseia-se no ideal iluminista de construir um
discurso sobre a história com base em um raciocínio apriorístico guiado pela razão. Através do discurso
histórico busca-se afirmar um sentido para o devir, não importando tanto a reconstituição daquilo que
“realmente aconteceu”. Ver: SCHAPOTCHNIK, Nelson. “Como se escreve a história?”. Revista Brasileira
de História. São Paulo, vol. 13, n. 25/26, set. 1992 / ago. 1993, p. 72-73; GUIMARÃES, Manoel Luís
Salgado. “Nação e civilização nos trópicos”, op. cit., 7-8; HARTOG, François. “A arte da narrativa
histórica”. In: BOUTIER, Jean e JULIA, Dominique (Orgs.). Passados recompostos: campos e canteiros da
História. Rio de Janeiro, UFRJ, FGV, 1998, p. 193-202.
22
Sobre a importância política da história no Brasil do século XIX, ver, por exemplo: GUIMARÃES,
Manoel Luís Salgado, op. cit.; E, no início da República: GOMES, op. cit., p. 75-124; OLIVEIRA, op. cit., p.
127-143; PESAVENTO, op. cit., p. 17-40; LUCA, op. cit., p. 85-126; e JANOTTI, Maria de Lourdes
Mônaco. “O diálogo convergente: políticos e historiadores no início da República”. In: FREITAS, Marcos
Cezar de (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Contexto, 1998, p. 119-143.

233
tradição historiográfica republicana. Tal empreendimento deveria enfrentar um conjunto de
temas cruciais, relativos à questão da formação da nacionalidade.23
Desde o século XIX, o tema da gênese da nação era desenvolvido através de
estudos sobre dois episódios centrais: o Descobrimento e a Independência, com destaque
para o segundo, pois prevalecia o interesse pelo processo de implantação do Estado, visto
como o eixo que deveria nortear a leitura da história nacional. Também havia espaço para a
investigação das relações entre três raças – a branca ou caucasiana, a preta ou etiópica e a
americana ou cor de cobre –, consideradas como a base da nacionalidade, tal como foi
proposto pela memória elaborada por Karl Friedrich Von Martius, premiada pelo IHGB,
em 1844, como o melhor plano para a escrita da história do Brasil.24
A partir do final do século, ainda que os antigos temas permanecessem sob o foco
de muitos estudiosos, observa-se um crescente interesse a respeito do povoamento do
interior do país, com destaque para o surgimento dos caminhos e das cidades, que, ao lado
da análise sobre a constituição do povo brasileiro, deveriam contribuir para a construção de
uma nova narrativa sobre a história da nação.
Um bom exemplo de desenvolvimento do tema é o livro escolar História do Brasil,
de João Ribeiro, publicado em 1900. A história da formação do Brasil é a história do
“Brasil interno”, fundada no estudo da ocupação territorial do país e na incorporação de
agentes até então excluídos da história, supostamente responsáveis por atribuir à nação
“feições e fisionomia próprias”.25
Outro exemplo é o de Capistrano de Abreu, com seus estudos sobre os indígenas, os
primeiros colonizadores, os caminhos antigos e o movimento das populações pelo interior.
São trabalhos, na maior parte, dispersos, publicados originalmente em jornais e revistas,
alguns como prefácio de livros revistos e anotados pelo autor. Para esse historiador:

23
GOMES, Ângela de Castro. “Gilberto Freyre e Oliveira Lima: Casa Grande & Senzala e o contexto
historiográfico no início do século XX”. História – Revista da Universidade Estadual Paulista. São Paulo,
Unesp, v. 20, 2001, p. 37-38.
24
MARTIUS, Karl Friedrich Phillipe von. “Como se deve escrever a história do Brasil”. In: _____. O estado
do direito entre os autóctones do Brasil. 1a edição 1844. Belo Horizonte, Itatiaia; São Paulo, Edusp, 1982, p.
85-107. Ver, também: GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Op. cit., p. 9; e WEHLING, Arno. Estado,
História, Memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999.
25
Ver HANSEN, op. cit., p. 85-94. Para Patrícia Santos Hansen, o conceito de “interno” em João Ribeiro não
se refere exatamente à parte do território oposta ao litoral (o sertão), ainda que essa dimensão espacial esteja
presente em sua obra. Segundo a autora, o “interno”, na História do Brasil de Ribeiro, está vinculado,
sobretudo, à identidade e à subjetividade, não de um indivíduo, mas da própria nação. Seria investigando as
características internas do “caráter nacional”, que Ribeiro teria buscado rastrear os aspectos típicos da
nacionalidade brasileira. Ver HANSEN, op. cit., p. 72-73.

234
O Brasil precisa de duas histórias. Uma – história íntima – deve mostrar como aos poucos
foi se formando a população, devassando o interior, ligando entre si as diferentes partes do
território, fundando indústrias, adquirindo hábitos, adaptando-se ao meio e constituindo por
fim a nação (...) A outra – a história externa – convém que trate o Brasil como colônia
portuguesa (...).26

Além de temas, alguns procedimentos eram valorizados como meio de obter um


conhecimento científico e, portanto, seguro, acerca da formação da nacionalidade. Ao lado
da erudição, que podia ser útil ou não,27 os métodos da crítica documental desenvolvidos
pela historiografia alemã eram considerados úteis e necessários para a realização de uma
boa pesquisa histórica em arquivos. Os estudos guiados pela prática da citação de fontes e
bibliografia, assim como pela crítica interna e externa dos documentos, ajudavam a
sustentar a posição de seus autores como autoridades.28 Mas, além de enfrentar problemas
heurísticos, era preciso lidar com outro problema essencial: o da narrativa.
O historiador dos primeiros tempos republicanos deveria ser capaz de captar o
sentimento da terra e da gente. Sentimento a ser expresso através de uma narrativa distinta
daquelas pontuadas por nomes e datas, apresentados através de formas variadas, como os
relatórios, os anais e as memórias, bastante utilizados ao longo do século XIX.29 Distinta,
também, do modelo proposto por Francisco Adolfo de Varnhagen na sua História Geral do
Brasil (1854-1857). Essa obra, mesmo criticada, era vista como referencial, não apenas por
apresentar o maior volume de documentos até então reunidos, mas, também, por ser a
primeira (e, durante muito tempo, única) história geral da nação escrita por um brasileiro.
Varnhagen era criticado por ter escrito “sem crítica e sem estilo, consumindo largas
páginas com fatos somenos, quando deixava nas sombras de ligeiros traços acontecimentos
notáveis, dignos de mais desenvolvida notícia”. Apesar da rejeição ao tipo de narrativa
26
ABREU, Capistrano de. “Livros e letras” [seção]. In: _____. Ensaios e estudos: crítica e história, 4a série.
Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1976, p. 157. Originalmente publicado na Gazeta de
Notícias, 19/10/1880.
27
Para João Ribeiro, por exemplo, “a erudição é a maior amiga e a maior inimiga da história. A
documentação deve ser elítica e separada; como na pintura deve-se sentir a cor e não deixar muito visível o
desenho das linhas”. RIBEIRO, “O culto da história”. In: _____. Obras – Crítica, vol. VI: Historiadores. Rio
de Janeiro, ABL, 1961, p. 430. Originalmente publicado no jornal Imparcial, 18/09/1918.
28
Ver, por exemplo: BOURDÉ, Guy e MARTIN, Hervé. “A escola metódica”. In: _____. As escolas
históricas. S.l., Publicações Europa América, s.d., p. 97-118; e GRAFTON, Anthony. As origens trágicas da
erudição: pequeno tratado sobre a nota de rodapé. Campinas, Papirus, 1998, especialmente, p. 63-84.
29
Em determinado momento, chegou-se a acreditar que a sinopse histórica fosse o modelo ideal de escrita.
Tal “gênero” orientava-se pela lógica de que o antes explica o depois. O arranjo dos “dados” tidos como
únicos (não comparáveis) em uma série cronológica restrita, ajudaria a sustentar a estratégia explicativa,
desenvolvida entre uma origem e um fim. Assim, os acontecimentos funcionariam como elementos de um
enredo dotado de sentido. Além disso, a sinopse também previa a anulação do narrador, de modo a criar a
ilusão de que os fatos falam por si. Ver SCHAPOCHNIK, op. cit., p. 70-71.

235
desenvolvida por Varnhagen, seu valor como pesquisador de arquivos ainda era
reconhecido.30
De acordo com Nelson Schapochnik, ao longo do século XIX, a produção de
relatórios, anais e memórias era vista como uma alternativa provisória, uma vez constatada
a inexistência de um modelo de escrita da história nacional capaz de distinguir-se da
crônica e das belas-letras, através da construção de um tipo específico de narrativa, guiada
por um aparato crítico-científico de análise documental. Sendo assim, lamentava-se a
existência de uma lacuna historiográfica a ser preenchida. Lacuna surgida de uma dupla
carência: de documentos e de um modelo de escrita da história. Parte dessa carência foi
preenchida com a citada proposta de Martius (1844), acerca do melhor modo de escrever a
história do Brasil e, pela obra de Varnhagen (1854-1857).31 As primeiras décadas do
século XX viveram semelhante dilema, relativo ao melhor modo de escrever a história
nacional, agora, do ponto de vista republicano. A carência de documentos ainda era motivo
de muita preocupação, sendo notável o investimento realizado no sentido de obtê-los e
divulgá-los.
A reescrita da história nos anos 1910 e 1920, por exemplo, foi incentivada por
Washington Luis, quando prefeito de São Paulo (1914-1919) e presidente do estado (1920-
1924). Estudioso da história, ele apoiou a publicação de valiosos documentos, tais como:
as Actas da Câmara de Santo André (1914) e de São Paulo (iniciada em 1914); o Registro
Geral da Câmara de São Paulo (1917); os Inventários e testamentos (iniciada em 1920); e
as Sesmarias (iniciada em 1921). Essas publicações serviram de base para os trabalhos de
Alcântara Machado, Afonso d‟Escragnolle Taunay, Basílio de Magalhães, Paulo Prado,
Alfredo Ellis Júnior etc., que tratam, de diferentes formas, da ocupação do interior do
país.32 Tais iniciativas eram isoladas, decorrendo, em grande parte, do esforço de alguns
nomes no sentido de obter apoio para tais publicações entre políticos, empresários e
burocratas, demonstrando um estreito e útil vínculo entre os historiadores e o campo do
poder.
Supostamente, a busca de documentos e os esforços para ampliar o acesso aos
mesmos, ao lado das reflexões sobre a natureza e o uso das fontes no estudo histórico;
sobre os métodos de análise; os problemas da narrativa e da interpretação etc., constituem

30
ARARIPE, Tristão de Alencar. “Indicações sobre a História Nacional”. Revista do IHGB, vol. LVII, parte
2, 1894, p. 289.
31
SCHAPOCHNIK, op. cit., p. 71.
32
Ver HOLANDA, Sérgio Buarque de. “O pensamento histórico no Brasil nos últimos cinqüenta anos (1900-
1950)”. Correio da Manhã, Caderno Cultura Brasileira, 15/05/1951, última página e página 3.

236
uma espécie de agenda de discussão sobre a pesquisa e a escrita da história. Tal agenda
pode ser identificada, ainda que seja fragmentada e dispersa devido aos meios efêmeros
utilizados para sua divulgação. Essa não era feita por meio de manifestos ou livros, mas
através de artigos e resenhas publicadas em jornais e revistas, assim como, por meio de
discursos, prefácios, traduções e notas. São apontamentos úteis não tanto para estabelecer
como a história deveria ser interpretada e escrita, mas para indicar aquilo que o historiador
não deveria esquecer ao longo do trabalho. Serviam, desse modo, para dar algum sentido
tanto à produção historiográfica, quanto às discussões sobre a chamada “questão nacional”,
impondo-se até pelo menos os anos 1930, ainda que adquirindo novos itens, reiterando e
rejeitando antigas proposições. Uma parte dessa agenda pode ser localizada nos artigos e
na correspondência de Capistrano de Abreu.

6.2. Um projeto e um lugar para si

Sabe que há hoje exatamente 50 anos tive a primeira


idéia de escrever uma história do Brasil? (Carta de
Capistrano de Abreu a Paulo Prado, 20/05/1924).33

Lembranças de um projeto: escrever a história do Brasil. Projeto antigo, construído


ainda na juventude e freqüentemente lembrado, como se aquele que lembra quisesse alertar
a si mesmo sobre a passagem do tempo e a não realização do planejado.
Em carta ao amigo João Lúcio de Azevedo, Capistrano recorda:

Tenho presente a primeira vez em que veio a idéia de escrever a história do Brasil. Estava
no Ceará, na freguesia de Maranguape, com poucos livros, arredado de todo comércio
intelectual. Acabava de ler Buckle no original, relia mais uma vez Taine, tinha acabado a
viagem de Agassiz. Vim depois para o Rio em 1875; cada ano que passa é uma parede que
cai.34

O plano de escrever a história do Brasil, idealizado pela primeira vez no Ceará,


provavelmente tomou forma no Rio de Janeiro, entre meados da década de 1870 – quando
Capistrano chegou à Corte – e o final dos anos 1880. Foi nesse período que ele conquistou
um lugar no “pequeno mundo dos historiadores”. É possível supor que, para que isso tenha
ocorrido, muito contribuiu a publicação de um texto em honra de Francisco Adolfo de
Varnhagen, Visconde de Porto Seguro, considerado por muitos como o maior historiador
33
Carta a Paulo Prado, 20/05/1924, vol. 2, p.457.
34
Carta a João Lúcio de Azevedo, 19/03/1917, vol. 2, p. 37-38.

237
do século XIX. Como foi dito, sua principal obra, a História Geral do Brasil (1854-1857),
era tida como referencial para o estudo e a escrita da história brasileira. No entanto,
Varnhagen morreu em 1878, num momento em que sua produção era duramente
criticada.35
Capistrano orgulhava-se de ter sido o único (segundo ele) a louvar o morto.36 Ao
escrever o necrológio, destacou “a constância, o fervor e o desinteresse” como suas
características principais. Aos seus olhos, o visconde era o historiador da pátria,
apaixonado por “problemas não solvidos”. Alguém que “tudo viu, tudo examinou”:
códices corroídos, livros esquecidos, arquivos desarrumados... Um historiador que “pelo
terreno das dúvidas e das incertezas caminhava bravo e sereno, destemido bandeirante à
busca da mina de ouro da verdade”, um “grande exemplo a seguir e a venerar”. No trato da
ciência, seu maior mérito teria sido a dedicação às coisas nacionais.37
Mas, após ressaltar as qualidades do homenageado, confirmando seu lugar como
grande estudioso da história e reconhecendo a dívida da historiografia para com sua obra –
responsável por “um grande progresso na maneira de conceber a história pátria” –
Capistrano também destaca seus defeitos, dizendo:

Varnhagen não primava pelo espírito compreensivo e simpático, que, imbuindo o


historiador dos sentimentos e situações que atravessa – o torna contemporâneo e confidente
dos homens e acontecimentos. A falta de espírito plástico e simpático – eis o maior defeito
do Visconde de Porto Seguro. A história do Brasil não se lhe afigurava um todo solidário e
coerente.

O necrológio estabelece uma espécie de diálogo com o homenageado. Diálogo


crítico e tenso, conforme observou Daniel Mesquita Pereira. Ao mesmo tempo em que
reconhece a dívida da historiografia em relação a Varnhagen, Capistrano também aponta
aquilo que julga ser deficiente na produção de seu antecessor. Desse modo, ele abre espaço
para que a tradição historiográfica à qual essa produção se vinculava pudesse ser, ao menos

35
Sobre Varnhagen, ver WEHLING, Estado, História, Memória, op. cit.
36
Ver ABREU, Capistrano de. “Livros e Letras” [seção]. In: Ensaios e Estudos, 4a série, op. cit., p. 137.
Originalmente publicado na Gazeta de Notícias, 17/04/1880. Pedro Lessa, ao menos em determinado
momento, também foi um expressivo defensor de Varnhagen. Ver LESSA, Pedro. Visconde de Porto
Seguro. Revista do Brasil, vol. 1, n. 3, mar. 1916, p. 343.
37
ABREU, Capistrano de. “Necrológio de Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro”. In:
_____. Ensaios e Estudos: crítica e história, 1a série. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL,
1976, p. 81-91. Publicado no Jornal do Comércio, 16-20/12/1878 e reproduzido no Apenso à História Geral
do Brasil, de Varnhagen, tomo 1, p. 502-508, 4a edição.

238
até certo ponto, ultrapassada.38 Essa ultrapassagem só seria possível mediante uso de um
novo tipo de conhecimento: o sociológico. Segundo Capistrano, um “corpo de doutrinas
criadoras que nos últimos anos se constituíram em ciência sob o nome de sociologia”,
contribuía para uma melhor compreensão da vida social e das relações entre as diferentes
épocas. Por não compartilhar desse tipo de conhecimento, Varnhagen:

(...) poderia escavar documentos, demonstrar-lhes a autenticidade, solver enigmas,


desvendar mistérios, nada deixar que fazer a seus sucessores no terreno dos fatos:
compreender, porém, tais fatos em suas origens, em sua ligação com fatos mais amplos e
radicais de que dimanam; generalizar as ações e formular-lhes teoria; representá-las como
conseqüências e demonstração de duas ou três leis basilares, não conseguiu, nem consegui-
lo-ia. Fa-lo-á alguém?39

Reconhecendo e valorizando os caminhos abertos pelo “pensar contemporâneo”,


guiado por “métodos novos” e “instrumentos poderosos”, Capistrano vê sinais de
renovação no campo dos estudos históricos. Essa renovação é relacionada à existência de
publicações periódicas dedicadas à divulgação de documentos e memórias; ao
desenvolvimento da história nas províncias; e ao investimento no estudo de períodos
particulares. Atraído, na época, por teorias deterministas e evolucionistas, afirma:

Por toda a parte pululam materiais e operários; não tardará talvez o arquiteto. Que venha, e
escreva uma história da nossa Pátria digna do século de Comte e Herbert Spencer.
Inspirado pela teoria da evolução, mostre a unidade que ata os três séculos que vivemos.
Guiado pela lei do consensus, mostre-nos o rationale de nossa civilização, aponte-nos a
interdependência orgânica dos fenômenos, e esclareça uns pelos outros. Arranque das
entranhas do passado o segredo angustioso do presente, e liberte-nos do empirismo crasso
em que tripudiamos.40

38
Daniel Mesquita Pereira identifica, no necrológio de Varnhagen, um misto de admiração e reconhecimento,
aliado a um desejo de superação. Capistrano o teria admirado, a ponto de situá-lo sobre um pedestal, mas
procurando ir além, subindo sobre seus ombros, ou seja, apoiando-se em sua obra. Assim, é possível pensar
que o projeto intelectual do historiador cearense foi formulado a partir da obra do Visconde de Porto Seguro.
Mesquita também identifica, em Capistrano, alguns aspectos de continuidade e de ruptura com a tradição
historiográfica anterior, que considera marcadamente conservadora. Ver PEREIRA, Descobrimentos de
Capistrano, op. cit., p. 19 e 24.
39
ABREU, “Necrológio...”, op. cit., p. 90.
40
Ibidem, p. 91. Em outro artigo, Capistrano lembra a preocupação do inglês Robert Southey, autor de
História do Brasil, que, em carta ao amigo Townshend, afirmou: “Daqui a séculos meu livro se encontrará
entre aqueles que não estão destinados a morrer, e será para os brasileiros o que a obra de Heródoto é para a
Europa”. Ver SOUTHEY apud ABREU, Capistrano de. “Sobre o Visconde de Porto Seguro”. In: Ensaios e

239
Poucos anos depois, em 1882, Capistrano publicou novo texto sobre Varnhagen,
onde é possível identificar alguns aspectos da cultura historiográfica do final do século
XIX. Tomando o visconde como seu objeto de estudo, Capistrano começa investigando seu
testamento, do qual destaca duas ordens curiosas: uma, para que sua viúva não se casasse
novamente e, outra, para que fosse erigido um monumento em sua memória. O intérprete
considera legítimo esse último desejo, pois seu nome havia sido construído com trabalho
digno. A glória póstuma era preocupação constante dos escritores e artistas da época,
observando-se, em muitos casos, o desejo de construir uma obra perene, como revela
Capistrano ao indagar: “Como fazer de uma vez um trabalho que fique?”.41
Mais uma vez, elogia a capacidade de seu antecessor para descobrir fatos pouco ou
nada conhecidos, reunir documentação inédita e submetê-la a um tipo de crítica útil para
distinguir a verdade do erro. Exalta suas qualidades como erudito capaz de decifrar
misteriosos manuscritos, em uma época em que a simples descoberta de material inédito
servia para indicar o pendor para investigações históricas.42
Depois dos elogios, a constatação de uma dificuldade: escrever a história do Brasil
depois de Varnhagen. Como superar o “mestre”, se “o trabalho é muito grande, as
facilidades não (sic) são pequenas, e, além disso, os homens que poderiam tomá-lo a si,
vão desaparecendo”? A resposta vem da constatação de que a obra de Porto Seguro não era
imune a críticas. Essas se dirigem, sobretudo, ao problema da escrita e da interpretação
que, supostamente, são vistos como indissociáveis. A capacidade de localizar documentos
– submetendo-os à crítica interna e externa –, assim como para desvendar fatos obscuros,
de nada valeriam sem a aptidão para tecer relações e desenvolver um enredo distinto da
crônica.43 Segundo Capistrano,

A História geral é um dos livros mais ariscos e mais fugidios que conhecemos. Pode-se lê-
lo quantas vezes se quiser, confrontá-lo, meditá-lo: há sempre no livro um quê, que escapa,
que resiste, que não se acha quando se procura, mas que é preciso procurar para achar. Há

Estudos, 1a série, op. cit., p. 145. Originalmente publicado na Gazeta de Notícias, 21-22-23/11/1882.
Reproduzido no Apenso à História Geral do Brasil, de Varnhagen, tomo 3, p. 435-444, 3a edição.
41
ABREU, “Sobre o Visconde...”, op. cit., p. 132-147.
42
Idem, “Necrológio...”, op. cit., p. 133. Sobre os procedimentos do historiador moderno para distinguir o
verdadeiro do falso, ver, por exemplo, as formulações de BLOCH, Marc. “Crítica histórica e crítica do
testemunho” [1914]. In: _____. História e historiadores. Lisboa, Teorema, 1998, p. 22-30.
43
Capistrano aponta alguns nomes que considerava capazes de escrever a história do Brasil. Na época de
Varnhagen, Joaquim Caetano da Silva, “com sua perspicácia maravilhosa, com sua lucidez de espírito, com
seu gosto de minúcias, com seu estilo-álgebra, com seu saber inverossímil”; e, também, João Francisco
Lisboa, “com seu modo abundante, com sua ironia ácida, com sua pungência doentia, com seu pessimismo
previdente, com a intuição que fervilhava de suas páginas”. Contudo, não haviam realizado o que poderiam.
Em sua própria época, aponta Cândido Mendes de Almeida. Idem, “Sobre o Visconde...”, op. cit., p. 136-137.

240
ali detalhes sobejos que ao mesmo tempo são deficientes, porque lhes faltam os
concomitantes, que, únicos, poderiam mostrá-los à verdadeira luz.44

Varnhagen não tinha “aptidões artísticas” necessárias ao historiador, quais sejam: a


“intuição do conjunto” e a capacidade para “mostrar a convergência das partes”. Assim,

Sob as mãos de Varnhagen, a história do Brasil uniformiza-se e esplandece; os relevos


arrasam-se, os característicos misturam-se e as cores desbotam. Vê-se uma extensão, mas
plana, sempre igual, que lembra as páginas de um livro que o brochador descuidoso repete.
E, todavia, mesmo as pessoas que conhecem a história pátria infinitamente menos que
Varnhagen, percebem que as épocas se sucedem, mas não se parecem, e muitas vezes não
se continuam.45

Capistrano analisa a obra de Varnhagen procurando associar a índole desse


historiador ao tipo de escrita que ele foi capaz de elaborar. E, segundo Capistrano, o
visconde “não nos deu coisa que, ao menos de longe, lembre a arte”. Com um olhar
previdente, ele menciona a preocupação do historiador inglês Robert Southey em ser
reconhecido pela posteridade como o Heródoto do Brasil e afirma que: “Daqui a séculos
também a obra de Varnhagen será lida, porém por profissionais, que a consultarão como a
um dicionário de arcaísmos, um como Glossário de Santa Rosa de Viterbo: o povo só o
conhecerá de tradição”.46
A forma de narrativa utilizada por Varnhagen pecaria tanto pela falta de estilo,
como pela ausência de um enredo sociologicamente orientado, capaz de articular diferentes
acontecimentos e épocas. Buscando distinguir-se da crônica, comumente utilizada ao longo
do século XIX, a narrativa histórica deveria desenvolver um fio condutor de modo a
conciliar as partes com o todo, ou, em outras palavras, o detalhe com a visão de conjunto.
Contudo, mesmo concluindo que a obra do visconde tinha muito de crônica, Capistrano
também admitia seu “caráter de história”, identificado em “páginas que revelam muita
perspicácia”.47 Sobretudo, defendia que era preciso lê-lo:

44
Ibidem, p. 139.
45
Ibidem, p. 140.
46
Ibidem, p. 145.
47
De acordo com Capistrano, é mais fácil dizer que “a história não é crônica” do que “determinar com
precisão onde começa uma e onde acaba outra, ou mostrar um livro que possua exclusivamente um destes
caracteres”. Ibidem, p. 138.

241
(...) não uma, porém repetidas vezes, – lê-lo só uma é o mesmo que lê-lo nenhuma –, é
preciso descobrir suas qualidades por baixo de seus defeitos, familiarizar-se com suas
idéias, para compreender-lhes o alcance, ter feito parcialmente o trabalho, de que ele
apresenta a suma, comparado com os que o precederam e com os que se lhe seguiram,
pesar a soma de fatos que incorporou definitivamente à nossa história, para tê-lo na devida
consideração, não chocar-se com seus modos rudes e afogar os desgostos passageiros numa
admiração profunda, franca e de raízes bem profundas.48

Outra crítica a Varnhagen decorre da observação de que o visconde tinha


dificuldade para reconhecer os próprios erros, assim como costumava ignorar o trabalho de
outros eminentes historiadores, revelando não apenas uma certa soberba, mas,
principalmente, um compromisso com um tipo de história que não dava importância a tais
referências. Assim, “Quando um assunto já havia sido bem tratado por alguém do nosso
século, Varnhagen às vezes omitia-o, às vezes apenas esflorava-o, e isto sem ao menos
mandar para o autor que o estudara mais largamente”.49
Essa opinião sobre o antecessor revela a existência (ou a necessidade?) de uma
espécie de ética das relações, que deveria reger a escrita da história, submetendo-a a um
tipo de reconhecimento entre pares. O historiador sujeito a essa ética não poderia mais
basear sua autoridade na própria palavra e fundar a verdade sobre a tradição, como faziam
os antigos.50 Era preciso construir todo um sistema de referências, capaz de atribuir a cada
historiador o seu quinhão e, ao mesmo tempo, permitir pensar a existência de ambições
comuns – conhecer a história, demarcar as especificidades de cada sociedade e de cada
contexto, explicar o devir etc. –, ainda que expressas por diferentes perspectivas, línguas,
nacionalidades etc.
Mas, a construção das referências, além de estar relacionada a essa suposta ética de
um ofício, que então se delimita, também diz respeito à necessidade de estabelecer critérios
de cientificidade, baseados na noção de prova. As referências feitas ao longo do texto ou
em notas de rodapé ajudariam a conferir autoridade ao historiador, indicando sua
capacidade crítica de demonstrar e relacionar fatos ou possibilidades.51 Na época de

48
Ibidem, p. 145-146.
49
Ibidem, p. 144.
50
Paul Veyne lembra que “um historiador antigo não „faz notas de rodapé‟. Quer faça investigações
originais, ou trabalhe em segunda mão, pretende que acreditem no que diz (...)”. Se esse historiador quisesse
citar suas fontes, geralmente, o faria de forma irregular e nunca pelas mesmas razões pelas quais o fazemos.
Ver VEYNE, Paul. Acreditavam os gregos em seus mitos? Lisboa, Edições 70, s.d., p. 17.
51
No século XIX prevalecia a idéia de que o texto histórico deveria convencer, enquanto as notas de
referência (ou de rodapé) deveriam provar. Ver GRAFTON, op. cit., p. 25. No contexto em que predomina a

242
Capistrano, era bastante difundida a idéia de que a imparcialidade e o caráter científico da
história poderiam ser garantidos através de procedimentos metodológicos. Esses deveriam
assegurar tanto a confiabilidade das fontes quanto o cumprimento de regras capazes de
tornar o olhar do historiador livre de verdades dogmáticas e apriorísticas. Ou seja, a
verdade histórica seria a verdade dos fatos comprovados pelo historiador mediante o uso
de um instrumental apropriado.52
As reflexões de Capistrano sobre Varnhagen (assim como aquelas que se verá a
seguir) podem ser vistas como parte de um movimento que visa consolidar um “campo”53
de estudos históricos, produzido por um tipo específico de especialista capaz de definir um
objeto próprio e de articular um método a um tipo particular de escrita. A existência desse
“campo” de estudos ainda não permitia configurar uma disciplina ensinável nos moldes
que seriam propostos pelas faculdades de filosofia, criadas após a reforma de Francisco
Campos em 1931. No entanto, parece ter sido suficiente para estimular a formação de redes
de pesquisadores da história, de modo a consolidar uma tradição, até certo ponto, distinta
daquela que prevalecia desde o século XIX.54

Além dos textos sobre o visconde de Porto Seguro, outro fato que, provavelmente,
ajudou Capistrano a conseguir um lugar no campo dos estudos históricos, foi a atuação
naquelas que eram, então, as principais instituições dedicadas à pesquisa e ao ensino de
história do país: a Biblioteca Nacional, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o
Colégio Pedro II.

moderna concepção de história, deixar de fazer referência a uma obra, por vezes, pode equivaler ao desejo de
provocar polêmica ou marcar posição. Em carta a Afonso Taunay, Capistrano comenta a leitura de
Populações meridionais do Brasil (1918), do jovem Oliveira Vianna, constatando: “(...) livro erudito, bem
escrito, bem meditado, mas, ao menos para mim, nada convincente até a página 57, aonde cheguei. O autor
não gosta de mim, deduzo pela omissão proposital de meu nome; note bem que escrevi proposital e escrevi
muito propositalmente. Pouco importa; se os gostos fossem os mesmo em tudo, desde muito o mundo andaria
pelos ares; verdade é que a perda não seria grande”. Carta a Afonso Taunay, datada com os seguintes dizeres:
“em plena soberania popular, 1921”, vol. 1, p. 322.
52
GOMES, História e historiadores, op. cit., p. 124; ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. “Ronda Noturna:
narrativa, crítica e verdade em Capistrano de Abreu”. Estudos Históricos – Dossiê Caminhos da
Historiografia. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 1, 1988, p. 28-54.
53
Sobre a noção de campo, Pierre Bourdieu é a referência principal, guardando as especificidades da cena
intelectual e da produção historiográfica no Brasil, do início do século XX. Ver BOURDIEU, Pierre. “Campo
de Poder, Campo Intelectual e Habitus de Classe”. In: _____. A economia das trocas simbólicas. São Paulo,
Perspectiva, 2003, p. 183-202.
54
GOMES, ibidem, p. 90; idem, “Gilberto Freyre e Oliveira Lima”, op. cit., p. 39-44. Sobre a constituição da
história como um campo de estudos autônomo e uma disciplina ensinável, ver: FURET, François. “O
nascimento da história”. In: _____. A oficina da história. Lisboa, Gradiva, s/d, p. 139-135; BITTENCOURT,
Circe Maria Fernandes. “Os confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana”.
Revista Brasileira de História. São Paulo, vol.13, n. 25-26, set./1992 - ago./1993, p. 193-221; FONSECA,
Thaís Nívea de Lima. História & Ensino de História. Belo Horizonte, Autêntica, 2003.

243
Guardiã de um rico acervo documental, a Biblioteca reunia alguns nomes
importantes do mundo intelectual de fins do século XIX e início do século XX. Eram
notórios eruditos, como Ramiz Galvão, Alfredo do Vale Cabral e Teixeira de Melo,
empenhados no estudo da história nacional, bem como, das línguas e costumes indígenas,
com expressiva dedicação às chamadas ciências auxiliares da história: a epigrafia, a
numismática, a paleografia etc.
Em 1879, Capistrano participou da seleção para oficial da Biblioteca, conquistando
o primeiro lugar. Logo após sua morte, em 1927, Ramiz Galvão – diretor da Biblioteca na
época da seleção – mencionou, a respeito da entrada do novo funcionário:

Estava ganho o primeiro ciclo da jornada, e abriam-se para o estudioso Cearense as portas
da cidade dos livros. É fácil imaginar o seu imenso júbilo. As pepitas de ouro se
empilhavam sobre a mesa do mineiro, sedento de riqueza. O que é fato, senhores, é que ali
se despertou a sua ânsia de investigar e resolver os problemas ainda obscuros da nossa
História (...).55

Entrando na “cidade dos livros”, Capistrano tratou de construir os alicerces para


seus próprios edifícios. Outros fatos que podem ser considerados importantes para a
construção de um lugar para si no “pequeno mundo” dos historiadores foram: a publicação
do artigo Uma grande idéia, em 1880, e a participação na importante Exposição de
História e Geografia do Brasil, organizada pela Biblioteca no ano seguinte.
A “grande idéia” de Capistrano foi expressa através de um texto dirigido ao
Ministro da Agricultura, Buarque de Macedo, que então organizava uma comissão para
escrever a história do Brasil. Diante desse empreendimento, Capistrano afirmou que

Uma obra de tantos colaboradores dificilmente poderá satisfazer às exigências da filosofia


histórica e científica; mas, quando alvorecer uma inteligência que, inspirada no espírito
moderno, quiser insuflar na massa um sopro grande e novo, a operação será possível e até
fácil.56

O jovem historiador considerava que, uma das vantagens decorrentes do


empreendimento estar sob o controle do Ministério da Agricultura – e não do Ministério do
55
GALVÃO, Ramiz. Atas da 7a Sessão Magna comemorativa do 89o. aniversário do IHGB, em 21/10/1921.
[Necrológio de Capistrano de Abreu]. Revista do IHGB, tomo 101, vol. 155, 1928, p. 461.
56
ABREU, Capistrano. “Uma grande idéia”. In: Ensaios e estudos, 4a série, op. cit., p. 90. Originalmente
publicado na Gazeta de Notícias, em 17/04/1880.

244
Império, como seria de se esperar, tendo em vista que as principais instituições de guarda
documental (a Biblioteca e o Arquivo Público) estavam a seu comando – decorria do fato
dessa instituição ser pouco afeita a aceitar aqueles que considerava como “um dos
elementos mais deletérios de nossa sociedade: os bacharéis em direito”. O objetivo
principal do texto era aconselhar o ministro a tomar precauções contra o IHGB –
reconhecido na época como a mais importante instância de produção e consagração dos
estudos históricos – alertando:

Uma das maiores dificuldades que o Sr. Conselheiro Buarque de Macedo terá de vencer, há
de naturalmente ser a escolha do pessoal. Com certeza no princípio se oferecerá muita
gente. Todas as vezes que aparece qualquer idéia útil, surgem como cogumelos sócios,
sócios, sócios e... quem vê o entusiasmo com que a idéia é abraçada, exalta-se, gesticula e
grita que uma nova era se vai abrir, que grandes acontecimentos se preparam, etc. Depois é
que são elas. Depois tudo desaparece, tudo fica pior do que estava. Sim, pior! Antes da
experiência, havia uma decepção de menos e uma ilusão, isto é, um incentivo de mais.57

Após reconhecer, com certa ironia, a importância daquela instituição e o valor de


pertencer a ela, resolve nomear os sócios que poderiam participar do empreendimento,
apontando-lhes, sem pudor, as qualidades e os defeitos. Capistrano chega à impressionante
conclusão de que, dos 187 membros do IHGB, apenas 26 poderiam servir para a escrita da
história do Brasil; 3 poderiam servir sob condições e 158 seriam “perfeitamente inúteis”.
Também afirma que havia muitos nomes de fora do Instituto e sugere que essa grande
equipe se divida em duas comissões. A primeira, a ser presidida pelo Conselheiro
Capanema, deveria se encarregar da história física. A segunda, presidida pelo Senador
Cândido Mendes de Almeida, deveria se encarregar da história política. Quanto ao plano,
sugere que sejam seguidas as instruções de Henrique de Beaurepaire Rohan, esboçadas no
folheto Organização da História Física e Política do Brasil, de 1877.58
Cheio de idéias sobre como escrever a história nacional, Capistrano participou da
Exposição de História e Geografia do Brasil, organizada pela Biblioteca Pública, em 1881.
Segundo José Honório Rodrigues, até então, nenhum país do continente americano
organizara uma bibliografia tão completa sobre sua própria história. A Exposição foi
inaugurada no dia 2 de dezembro e contou com a presença do imperador Pedro II. De
acordo com Capistrano, 7.620 visitantes passaram pelo casarão na Rua do Passeio. O
57
Ibidem, p. 90.
58
Ibidem, p. 90-92.

245
evento durou pouco tempo – até 2 de janeiro do ano seguinte – mas pôde ser perpetuado
através da elaboração de um catálogo em três volumes – verdadeiro objetivo do
empreendimento –, que tempos depois Rodrigues considerou como “o maior monumento
bibliográfico da história do Brasil até hoje erguido”.59
A Exposição de 1881 pode ser vista como uma espécie de vitrine na qual o projeto
político-historiográfico desenvolvido pelo IHGB foi apresentado a um público maior do
que aquele reunido nas dependências do Instituto.60 Participando desse empreendimento,
Capistrano conquistou um lugar no “mundo dos historiadores” não através da eleição para
o IHGB, não através de uma obra individual, mas de um grande empreendimento coletivo,
que expunha de modo monumental os materiais que serviriam para a escrita da história da
nação. A partir desse trabalho ele concluiu que: “pela primeira vez desenhou-se nítida a
imensidade da empresa de descrever a terra brasileira e conhecer os feitos de seus filhos”.61
A relação de seu nome com um evento como esse contribuiu para afirmar seu status como
erudito e homem de arquivo, conhecedor de documentos. Pela colaboração na Exposição,
Capistrano e seus colegas foram condecorados pelo imperador em 7 de janeiro de 1882,
recebendo o grau de cavaleiros da Ordem da Rosa. Mas, nem tudo eram flores...
Como funcionário da Biblioteca, ele se empenhou no estudo e na publicação de
documentos, suscitando desentendimentos com o diretor da instituição, Saldanha da Gama.
Capistrano almejava publicações sistemáticas e reuniu outros funcionários junto a si, com
o objetivo de levar adiante o projeto. Uniu-se a Alfredo do Vale Cabral e Teixeira de Melo
e conseguiu o apoio do subdiretor do Diário Oficial, Silveira Caldeira, para publicar
documentos neste periódico.
Em carta ao historiador português Lino de Assunção, Capistrano menciona que:

(...) Saldanha da Gama, está furioso com a nossa empresa e decidido a fazer-lhe a mais
decidida guerra. Felizmente na publicação das cartas dos jesuítas62 não precisamos dele, e

59
Ver ABREU, Capistrano de. “Prefácio à História do Brasil de Frei Vicente do Salvador” [edição de 1918].
In: _____. Ensaios e Estudos: crítica e história, 2a série. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL,
1976, p. 112-113; RODRIGUES, José Honório. A pesquisa histórica no Brasil. São Paulo, Companhia
Editora Nacional, 1969, p. 231-232; e DUTRA, Eliana de Freitas. “A tela imortal: o catálogo da Exposição
de História do Brasil de 1881”. Anais do Museu Histórico Nacional, n. 37, 2005.
60
Sobre o projeto historiográfico do IHGB, ver GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Op. cit.; e, sobre a
Exposição de 1881, ver ABREU, op. cit.; RODRIGUES, op. cit.; BRAZ, Alessandra Gualda Pereira. Um
monumento à historiografia: a Exposição de História do Brasil de 1881. Niterói, UFF - Dep. de História,
monografia de bacharelado, 1993.
61
ABREU, op. cit., p.112.
62
Segundo Capistrano, a publicação das cartas dos jesuítas seria “uma revolução na história do Brasil, porque
até hoje nem um historiador leu todas as cartas e portanto há muita coisa que ainda não se sabe”. Carta a Lino
de Assunção, 19/04/1886, vol. 3, p. 329.

246
cônscio da sua impotência pois temos cópia do Instituto Histórico, o bicho quer vingar-se
em outras coisas. Ora queremos dar-lhe uma lição de mestre, publicando Frei Vicente do
Salvador. (...) É que em primeiro lugar a obra é importantíssima e quero ter o prazer de
editá-la e anotá-la; é que, em segundo lugar, o bibliotecário não quer que ninguém a edite
senão ele ou, para ser mais franco, não quer que seja editado absolutamente. Tomas estas
pequenas lutas de companarículos a sério e ajuda-nos a obter a vitória e sobretudo decide-te
de uma vez a ser nosso representante e correspondente e sócio na Europa.63

Enfrentando essas “pequenas lutas de companarículos”, Capistrano demonstra o


desejo de construir algo diferente do que era então produzido no campo da pesquisa
histórica. Chegou a idealizar aquilo que chamou de Clube Taques, em homenagem ao
investigador e genealogista Pedro Taques Paes Leme: “uma sociedade com umas vinte
pessoas”, escolhidas a dedo, que contribuiriam com trabalho e dinheiro para a cópia e
publicação de documentos. Em carta a Antônio Joaquim de Macedo Soares, comentou:

Estou tratando da fundação de uma sociedade histórica, menos pomposa e menos protegida
que o Instituto Histórico, porém quero ver se mais efetiva. Há de intitular-se Clube Taques,
em honra de Taques Paes Leme, e deve ocupar-se quase que exclusivamente das bandeiras
e bandeirantes, caminhos antigos, meios de transporte e história econômica do Brasil. O
meu plano é começar pelo século XVI, tomando os impressos e manuscritos conhecidos e
utilizáveis, e incumbindo cada sócio de examinar um ou mais.64

Ao compartilhar seus planos com Lino de Assunção, revela um pouco das


dificuldades encontradas na pesquisa histórica no final do século XIX:

Sabes a dificuldade que há de encontrar editor e quanto é cara a impressão entre nós; por
isso todos os nossos esforços vinham quebrar-se contra este rochedo. Julguei a princípio
vencê-lo com o clube que imaginei, e que não devia ter presidentes, nem sessões, nem
nada. Cada sócio publicaria um livro à sua custa, e seria isto a ata e a sessão. Tive muitas
adesões... em palavras: escrupulizavam todos passar à frente e ficavam todos parados. Tive
então a idéia de aproveitar-me do Diário Oficial e como dava-se a circunstância rara de ter

63
Carta a Lino de Assunção, 07/04/1886, vol. 3, p. 328-329. Em outra carta comentou: “O homem da
Biblioteca Nacional continua cada vez mais furioso, espiando, fazendo picardias &. Parece que o plano dele é
provocar qualquer choque que me incompatibilize com ele e me impossibilite de ir ao estabelecimento.
Felizmente tenho estado de tão bom humor que as iscas não tem pegado (...) Mas o nosso desejo de
desmoralizar o homem da Biblioteca é tanto que bem compreenderás e desculparás nossa impaciência”. Carta
a Lino de Assunção, s/d, vol. 3, p. 333.
64
Carta a Antônio Joaquim de Macedo Soares, [1883], vol. 3, p. 2.

247
boas relações com o Silveira Caldeira, subdiretor, e entretê-las ainda melhores com o
Belisário, primo do Ministro, consegui o que queria. Desde o dia 29 há ordem para
imprimirem-se em edições de 500 exemplares, os trabalhos sobre história pátria
apresentados por Vale Cabral, Silveira Caldeira e este seu criado. Como vês temos um
futuro brilhante diante de nós, e ainda mais risonhas serão as perspectivas se te associares
francamente a nós. Por ora vamos nos concentrar no século XVI, e dentro do século nos
Jesuítas: vês, portanto, que vamos te dar materiais. Dá-nos tu pela tua parte.65

Diante de um “rochedo”, Capistrano encontrou brechas por onde passar. Em certas


circunstâncias, pôde utilizar relações pessoais visando driblar situações que limitavam a
produção e restringiam a publicação de trabalhos. Sobretudo, ele desejava algo diferente
daquilo que era oferecido pelo IHGB. Dizia: “há, pois, muito que fazer, que remexer, que
descobrir, que completar e aprofundar. Em 10 anos podemos fazer tanto que a diferença se
torne sensível, mesmo aos mais míopes”.66
Com o tempo, sua vida na Biblioteca tornou-se difícil devido aos desentendimentos
com Saldanha da Gama. Para não depender dele, insistentemente pedia a Lino de Assunção
para copiar, em Portugal, documentos existentes na Biblioteca do Rio. Ainda sobre a
disputa pela publicação da obra de Frei Vicente do Salvador, comentou:

Já te escrevi a respeito de Frei Vicente do Salvador. Embora a Biblioteca possua uma


cópia, o Saldanha não nos quer facultá-la absolutamente e como queremos mostrar-lhe que
não precisamos dele para nada, fazemos questão de publicar o livro o mais depressa
possível, apenas acabarmos as cartas avulsas...67

E a disputa continuava...

Peço-te, pois, que quando o permitirem teus afazeres lembres-te do nosso pedido e que
tomes para ti o compromisso de ser nosso irmão de armas nesta empresa que com o teu
auxílio bem pode tornar-se gigantesca e iniciar uma verdadeira revolução em nossa

65
Fariam parte da empreitada, além de Capistrano, Alfredo do Vale Cabral e Teixeira de Mello: Afonso
Celso, Urbino do Amaral, Macedo Soares, e outros nomes, citados em carta como Oliveira, Demerval,
Araújo e Arthur. Reclamava a adesão do colega português, dizendo: “Teixeira de Mello e Valle Cabral são
tão bons companheiros, que, se te juntares a eles, não duvido de nada e somos capazes dos trabalhos de
Hércules”. Ver cartas a Lino de Assunção, de 02/04/1886, 05/05/1886 e s/d, vol. 3, p. 326-328, 332 e 356.
66
Carta a Lino de Assunção, 22/03/1887, vol. 3, p. 348-352.
67
Carta a Lino de Assunção, 19/04/1886, vol. 3, p. 330.

248
história. (...) Será um triunfo para todos nós e especialmente para ti, graças a quem
romperemos o bloqueio deste Paraguai em que se quer converter a Biblioteca Nacional.68

Uma oportunidade de ultrapassar as dificuldades e abrir um novo espaço de atuação


surgiu com um concurso para o Imperial Colégio de Pedro II, em 1883, transformado em
Ginásio Nacional no início da República.69 A cadeira disputada era a mais prestigiada:
Corografia e História do Brasil, antes ocupada por Gonçalves Dias e Joaquim Manuel de
Macedo. Os concorrentes deviam apresentar tese sobre um mesmo ponto – o
descobrimento do Brasil e seu desenvolvimento no século XVI –, diante da banca
composta por Silvio Romero (presidente), Matoso Maia e Moreira de Azevedo. Além de
Capistrano, concorreram Feliciano Pinheiro Bittencourt, João Maria Berquó, Evaristo
Nunes Pires e João Franklin da Silveira Távora (membro do IHGB).
A tese de Capistrano, O descobrimento do Brasil,70 foi escrita em quarenta dias.
Analisa as pretensões francesa, espanhola e portuguesa; discute as teses sobre a
intencionalidade e sobre o acaso da descoberta; a autenticidade da carta de Pero Vaz de
Caminha; a grafia correta do nome Brasil etc.71 Em carta ao Barão do Rio Branco,
Capistrano fala da insatisfação com o trabalho realizado, que considerava incompleto:

Escrita e impressa no prazo improrrogável de 40 dias, deixei o assunto quase intacto: no


último capítulo, fui obrigado a reduzir a proposições o que no meu plano primitivo deveria
dar assunto a outros tantos capítulos. Enfim tenho esperança que ainda hei de poder
completar este e outros trabalhos (...).72

A importância atribuída à tese de Capistrano e o reconhecimento que lhe prestaram


não foram suficientes para garantir sua permanência no Colégio Pedro II. O notório
historiador chegou a ser reconhecido por alguns como “a maior glória do magistério oficial
brasileiro”, supostamente, por ser capaz de ir além da prática comum de ler em aula a
matéria a ensinar, apenas seguindo a orientação dos autores adotados. Segundo José

68
Carta a Lino de Assunção, 05/05/1886, vol. 3, p. 331.
69
No Almanaque da Gazeta de Notícias de 1885 está publicada uma nota sobre a saída de Capistrano da
Biblioteca para lecionar no Colégio Pedro II, segundo a qual ele teria dito aos amigos mais íntimos: “–
Sabem? Vou estudar... / – O que? / – História do Brasil”.
70
ABREU, Capistrano de. O descobrimento do Brasil. 1a edição 1883. São Paulo, Martins Fontes, 1999. Col.
Temas Brasileiros. A tese teve duas edições no mesmo ano em que foi publicada.
71
Sobre a tese de Capistrano, ver: ARAÚJO, op. cit., p. 28-54; e WEHLING. Arno. “Capistrano de Abreu e
o Descobrimento do Brasil”. Acervo –Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, vol. 12, n. 1/2, jan. / dez.
1999, p. 27-36.
72
Carta ao Barão do Rio Branco, vol. 1, p. 108-109.

249
Veríssimo, ele era “claramente um professor capaz de fazer ele mesmo a sua ciência e de
transmitir aos seus discípulos o gosto e a capacidade de a fazerem”.73 Apesar disso, com a
extinção da cadeira de Corografia e História do Brasil do Ginásio Nacional, em 1899, por
Epitácio Pessoa, Capistrano foi posto em disponibilidade, alegando incapacidade para
ministrar aulas de História Geral, por ser especialista em História do Brasil. Na época,
comentou em carta a Domingos Jaguaribe:

(...) encontrei uma situação muito complicada, e que ainda não se desatou, relativamente à
minha cadeira no Ginásio. Quiseram fazer de mim, professor vitalício de História e
Corografia do Brasil, professor de História Universal, lecionando não um ano como antes,
porém três. Protestei perante a congregação do Ginásio, reclamei ao Ministro, e este,
dando-me e negando razão, vai declarar-me extinto. Lembra-me de uma carta sua antiga,
em que V. estranhava que eu não tivesse alunos; pois agora há cousa melhor: não há mais
professor de História do Brasil no Ginásio Nacional. Não se pode acabar o centenário de
modo mais expressivo”.74

Anos depois, em carta a Domício da Gama, lembrou o fato agradecendo a Epitácio:


“Devo-lhe uma disponibilidade que há vinte anos me dispensa de alunos ignorantes e
desatentos”.75 Os anos em que esteve em disponibilidade no Ginásio permitiram-lhe
receber rendimentos sem precisar lecionar, o que garantiu tempo e recursos para a
atividade de pesquisa e o aperfeiçoamento de sua especialidade: a história do Brasil.

6.3. A reta e o círculo: metodologia, escrita da história e identidade do historiador

Ao analisar as pretensões francesa, espanhola e portuguesa ao Descobrimento do


Brasil, comparando-as, Capistrano desenvolveu uma abordagem em consonância com
aquilo que era então considerado como uma moderna concepção da história. Seu método
sustentava-se sobre um critério de verdade fundado na existência de provas documentais e
na possibilidade de confrontar documentos oriundos de uma mesma época, exibindo-os e

73
RIBEIRO, Júlio apud FREITAS JÚNIOR, Afonso. Discurso proferido na Sessão Magna de 1 o de
novembro de 1927. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, vol. XXV, 1927, p. 609; e
VERÍSSIMO, José. “O Sr. Capistrano de Abreu”. Jornal do Comércio, 16/09/1907, ambos já citados, no
capítulo 1.
74
Carta a Domingos Jaguaribe, [1899], vol. 1, p. 32.
75
Carta a Domício da Gama, s/d, vol. 1, p. 266. Em carta posterior, Capistrano menciona que seria jubilado
compulsoriamente naquele mesmo ano, “em setembro, se não antes”. Ver carta a Paulo Prado, “domingo da
Pascoela, 1923”, vol. 2, p. 447.

250
desconstruindo-os passo a passo.76 Na ocasião da entrada de Capistrano para o IHGB, em
1887, sua tese recebeu o seguinte parecer: “É este um trabalho bem elaborado, escrito
sobre bases históricas, manifestando o cabedal literário do autor, sua crítica conscienciosa
e seu estilo elegante e claro”.77
O autor publicou outros estudos sobre o tema, que, de modos distintos,
contribuíram para reforçar sua tese inicial, que defende o acaso do Descobrimento,
reconhecendo o pioneirismo espanhol, mas valorizando a presença portuguesa. Como
observou José Honório Rodrigues, o exame comparado das pretensões francesa, espanhola
e portuguesa era algo novo e tinha certa “validade teórico-prática”.78 Essa validade pode
ser mais bem compreendida se for considerado um duplo viés da escrita da história: o
historiográfico, propriamente dito, e o político, no momento em que a história procurava
demarcar sua especificidade, ora se aproximando, ora se distanciando da literatura e dos
ensaios político-sociais.79
Cabe destacar que a Proclamação da República, em 1889, reforçou a demanda pela
reescrita da história do país. De acordo com Tânia Regina de Luca, no início do período
republicano, o diagnóstico corrente era o de que a história brasileira apresentava-se “sem
cor ou brilho”, o que causava grande descontentamento, uma vez que, como já foi dito, a

76
Ver ARAÚJO, op. cit., p. 28-54. Sobre as concepções antiga e moderna de história, ver por exemplo:
ARENDT, Hannah. “O conceito de história – antigo e moderno”. 1a edição 1954. In: _____. Entre o passado
e o futuro. São Paulo, Perspectiva, 2000, p. 69-126.
77
A proposta de admissão foi assinada por Tristão de Alencar Araripe, César Augusto Marques e Augusto
Fausto de Sousa. Os trabalhos foram avaliados por Manuel Duarte Moreira de Azevedo e José Alexandre
Teixeira de Melo, da comissão de história. Em 1913, Capistrano foi admitido como sócio honorário e, em
1917, como benemérito. No breve parecer de admissão, é possível observar que o valor atribuído a seu nome
na época dispensava justificativas: “Os trabalhos prestados pelo ilustre proposto ao Instituto, o seu justo
renome como notável sabedor de nossa História, dispensam argumento para justificar esta homenagem”. Em
1917, tornou-se sócio benemérito. Ver Revista do IHGB, t. 50, v. 75, 1887, p. 321-322; t. 51, v. 77, 1888, p.
388; t. 52, v. 80, 1889, p. 549; t. 53, v. 82, 1890, p. 552; t. 55, v. 86, 1892, p. 361-362, 407 e 408-409; t. 67,
v. 110, 1904, p. 514; t. 69, v. 114, 1906, p. 499; t. 76, v. 128, 1913, p. 561-562; t. 76, v. 128, parte II, 1913, p.
557-558 e 561.
78
RODRIGUES, José Honório. “Nota liminar”. In: ABREU, O Descobrimento do Brasil, op. cit., p. p.
LXXXII. Capistrano afirma que a tese do Descobrimento como obra do acaso, era bastante criticada em sua
época. Lamentava ele: “(...) hoje é artigo de fé que o descobrimento do Brasil foi proposital, e que fazer?
Quem pensar o contrário é filho de cachorro pelado (Ceará). (...) Quando me lembro que a história do Brasil
não tem quase um capítulo apurado, parecem de importância somenos estas questões”. In: Carta a João Lúcio
de Azevedo, 05/05/1924, vol. 2, p. 300. Ver comentários acerca dos estudos de Capistrano sobre o
Descobrimento do Brasil em: WEHLING, “Capistrano de Abreu e o Descobrimento do Brasil”, op. cit., para
quem as conclusões do historiador cearense sobre o tema permaneceram válidas, em parte, devido à pequena
quantidade de documentos sobre o assunto localizada posteriormente e, também, à capacidade hermenêutica
do autor, “que esquadrinhou de modo absolutamente competente as possibilidades da investigação”. Ibidem,
p. 33-34.
79
Sobre aproximações e afastamentos entre história, literatura e ensaios político-sociais, ver: GOMES,
História e historiadores, op. cit., p. 12 e 37; Idem. “Gilberto Freyre e Oliveira Lima: Casa Grande & Senzala
e o contexto historiográfico no início do século XX”. História – Revista da Universidade Estadual Paulista.
São Paulo, Unesp, v. 20, 2001, p. 29-44.

251
essa disciplina atribuía-se “a nobre função de ensinar aos cidadãos a cartilha do
patriotismo”. Acreditava-se que a história deveria fornecer um conjunto coerente de
tradições a serem partilhadas e, ao mesmo tempo, promover a ruptura com a tradição
colonial que, a partir daquele momento, deveria ser considerada como sinônimo de atraso.
Conduzidos pela metodologia científica, os historiadores deveriam se debruçar sobre o
passado, privilegiando certos indivíduos e episódios, num trabalho de consagração e de
exclusão, que correspondia à necessidade de (re)definir a nacionalidade. Tarefa vista como
imperativa diante de um quadro que, para alguns, era caracterizado pela falta de
patriotismo e, por outros, pela inexistência ou inviabilidade da própria nação.80

Em outras palavras, a construção de uma nação republicana pautava-se na


reconstrução da história do Brasil, uma vez que o passado deveria fornecer os elementos
necessários para garantir a legitimidade do novo regime. Como observou Marly Silva da
Motta:

Era preciso deixar claro que a República não fora obra do acaso ou do capricho dos
militares, mas sim fruto de memoráveis acontecimentos passados. O ideal republicano teria
sido uma presença constante ao longo da história brasileira, começando pelo Quilombo dos
Palmares e pela Guerra dos Mascates, passando pela Inconfidência Mineira, a revolução
Pernambucana, Farrapos e Balaiada, para finalmente concretizar-se em 1889, como a
culminância de uma longa luta.81

O tema do Descobrimento do Brasil tinha seu lugar nessa época de (re)descoberta


da nacionalidade, cujo marco foi a comemoração do IV Centenário do Descobrimento, em
1900, ainda que os festejos não tenham conseguido despertar grande interesse popular. 82 O
tema remetia ao problema das origens do Brasil, de fundamental importância diante da
demanda pela reescrita da história nacional. Contudo, as pesquisas sobre o período colonial
desafiavam a erudição e a paciência do investigador. Muitos dos documentos relativos à
época estavam acessíveis a poucos estudiosos, havendo material desconhecido e disperso
por arquivos nacionais e estrangeiros. Havia, também, um mercado de livros raros e
documentos, onde atuavam alfarrabistas, bibliófilos e pesquisadores, que comumente

80
LUCA, op. cit., p. 86-87; OLIVEIRA, op. cit., p. 127-144.
81
MOTTA, Marly Silva da. A nação faz cem anos. A questão nacional no centenário da independência. Rio
de Janeiro, FGV/CPDOC, 1992, p.13.
82
Sobre o IV Centenário do Descobrimento do Brasil, ver, por exemplo: OLIVEIRA, Lúcia Lippi.
“Imaginário Histórico e Poder Cultural: as Comemorações do descobrimento”. Estudos Históricos – Dossiê
Comemorações. Rio de Janeiro, vol. 14, n. 26, 2000, p. 183-202.

252
conduziam tais materiais para as mãos de particulares, o que também limitava o acesso aos
mesmos.83 Além disso, boa parte das fontes não havia sido publicada, muito menos,
anotada, o que impunha grandes barreiras à leitura.
Além de enfrentar o tema do Descobrimento, Capistrano também se empenhou no
estudo dos caminhos antigos e povoamento do Brasil. Sua especialidade pôde ser utilizada
na produção de um dos capítulos do Livro do Centenário (1500-1900), organizado em
quatro volumes pela Associação do Quarto Centenário do Descobrimento do Brasil, em
1900. Empreendimento de grande vulto, o Livro contou com a colaboração de muitos
estudiosos de renome, como Silvio Romero, José Veríssimo, Coelho Neto e Oliveira Lima.
Também foi empregada na elaboração de um texto introdutório para o livro O Brasil, suas
riquezas naturais, suas indústrias, organizado pelo Centro Industrial do Brasil, em 1907.84
O trabalho havia sido encomendado dois anos antes pelo então Ministro da Indústria,
Viação e Obras Públicas, Lauro Müller. O objetivo era reunir informações sobre as
primeiras indústrias do país, divulgando-as através de uma obra de vulgarização e de
propaganda do Brasil para estrangeiros. O projeto reuniu estudiosos de reconhecida
competência, tais como o Barão Homem de Melo e Vieira Souto. Esse trabalho veio a ser
publicado em separata no mesmo ano com o título de Capítulos de história colonial,
escrito como “um esboço histórico e geográfico do Brasil”85, que veio a ser seu único
trabalho de história não monográfico.86
Apaixonado por arquivos e pela busca de documentos, passou a se dedicar ao
estudo de línguas indígenas, às traduções, revisões e anotações de textos, assim como, à
investigação do período colonial, com destaque para os séculos XVI e XVII. Pesquisou e
incentivou estudos sobre temas até então pouco explorados, como a festa, a família, os
indígenas, as bandeiras e as minas. Fez parte de uma geração de pesquisadores formados
pela prática do ofício, interessados em “redescobrir o Brasil” através do estudo de suas

83
Entre os grandes livreiros e colecionadores do período, cabe citar: João Martins Ribeiro, Francisco Ramos
Paz, Alves de Carvalho, Melo Morais, Cândido Mendes, entre outros. Ver BESSONE, Tânia Maria. Palácios
de destinos cruzados: bibliotecas, homens e livros no Rio de Janeiro, 1870-1920. Rio de Janeiro, Arquivo
Nacional, 1999.
84
ABREU, Capistrano de. “Noções de História do Brasil até 1800”. In: CENTRO INDUSTRIAL DO
BRASIL. O Brasil. Suas riquezas naturais. Suas indústrias. Organizado por Luís Rafael Vieira Souto. Rio de
Janeiro, Impressores M. Orosco & C., 1907. No começo do livro, o texto de Capistrano aparece com o título
de Breves traços da História do Brasil, diferente daquele que aparece no índice.
85
Carta a Ramos Paz, 02/01/1906, vol. 1 p. 26-27.
86
Ver informações sobre a elaboração e publicação dos Capítulos em: RODRIGUES, José Honório.
Explicação. Normas da 4a edição (1954). ABREU, Capistrano de. Capítulos de História Colonial, 1500-
1800. 7a edição, revista, anotada e prefaciada por José Honório Rodrigues. Belo Horizonte, Itatiaia; São
Paulo, USP, 1988, p.11-41. Sobre a edição das obras de Capistrano, ver: AMED, Fernando José. “As edições
das obras de Capistrano de Abreu”. História: Questões & Debates. Brasil: a conquista do olhar. Curitiba,
UFPR, ano 17, n. 32, jan./jun., 2000, p. 99-117.

253
particularidades, representadas, principalmente, pelos costumes e pela natureza do país.
Livros de sua autoria, publicados em vida foram: a mencionada tese, O Descobrimento do
Brasil e seu desenvolvimento no século XVI (1883); o citado Capítulos de história colonial
(1907); e Rã-txa Hu-ni-ku-i – A língua dos caxinauás do Rio Ibuaçu, afluente do Murú
(1914), premiado pelo IHGB e recusado, em 1917.87
Capistrano era membro do IHGB desde 1887, quando foi admitido como sócio
efetivo, após ter participado em algumas de suas comissões: revisão de manuscritos,
etnografia, história etc. Na época de sua admissão, dois trabalhos foram oferecidos à
apreciação: O Brasil no século XVI e a armada de D. Nuno Manoel e Descobrimento do
Brasil e seu desenvolvimento no século XVI, sua tese de concurso para o Colégio Pedro II.
O domínio de um conjunto de estudos, a capacidade crítica e o estilo de escrita foram
aspectos valorizados em seu trabalho, que autorizaram sua admissão no Instituto. Ao
mesmo tempo, o valor atribuído a tais aspectos deixa supor o quanto as transformações em
curso da historiografia colocavam antigas tradições em cheque.
A relação ambígua desse historiador com o IHGB, do qual dizia querer separar-se
“em tempo, se não morrer repentinamente”; sua recusa em participar de outra importante
instância de consagração intelectual, a Academia Brasileira de Letras; 88 e seu plano de
juventude, a respeito do mencionado Clube Taques, sugerem a persistência do desejo de
construir algo diferente daquilo que então existia. Esse desejo de ir além implicava na
discussão de, pelo menos, três pontos: o uso das fontes, o método e a narrativa. Todos
dependentes da solução de um problema crucial: a coleta e a divulgação de documentos.
Também implicava em abrir mão de determinados projetos em favor de outros, de modo a
desenvolver o conhecimento sem a dispersão de interesses e trabalhos. Essa dispersão de
interesses por parte dos “homens de letras” da virada do século XIX, decorria, ao menos
87
Capistrano recusou a medalha de ouro D. Pedro II – que não era concedida desde 1847 – em carta ao
presidente do Instituto, Afonso Celso. Apoiando-se em precedente aberto por Varnhagen, disse ele: “Sei, pela
imprensa diária, que a sociedade que V. Excia. tão sabiamente dirige houve por bem premiar, com uma
medalha de ouro, o meu imperfeito ensaio sobre a língua dos Caxinauás. Esta distinção, tão superior aos
meus fracos méritos e até às minhas ambições, fundou-se, para maior realce, no parecer do meu antigo e
venerado mestre Dr. Ramiz Galvão, que, passa de quarenta anos, acolheu paternalmente o provinciano
bisonho e, com o exemplo, com a convivência dos admiráveis colaboradores, hoje todos mortos, que soube
reunir na Biblioteca Nacional, acompanhou-me os primeiros passos nos estudos a que o Instituto Histórico
tem dado impulso e direção, desde 1838. – Muito grato pela imerecida prova de apreço, socorro-me no
precedente aberto pelo benemérito Francisco Adolfo de Varnhagen, glória da pátria e lustre desta Casa, para
rogar ao Instituto, com os reiterados respeitos, a oferta que faço da medalha deste prêmio, que a sua
benignidade me confere, para propor como assunto novo, em outro concurso”. Ver carta de Capistrano de
Abreu ao conde Afonso Celso, 08/10/1917. Revista do IHGB, t. 8, vol. 132, 1917, p. 790-791. Outros
trabalhos premiados, na mesma ocasião, foram: Expansão geográfica do Brasil até fins do século XVII, de
Basílio de Magalhães; e Rondônia, de Edgar Roquette-Pinto.
88
Ver nota biobibliográfica anexada à carta de Capistrano de Abreu a Guilherme Studart, de 18/08/1901,
vol.1, p. 152, citada nos capítulos 2 e 3.

254
em parte, das intensas demandas por estudos sobre temas correlatos, referentes à história e
à geografia do Brasil, à lingüística e à etnografia indígena, por exemplo.
Os projetos de Capistrano freqüentemente o conduziam para trabalhos
complementares, mas que, diante de um movimento de especialização dos estudos,
tornavam-se concorrentes, tais como a geografia, a história e a etnografia. Em 1915,
dividido entre o estudo da história e o das línguas indígenas, afirmou: “Em todo caso, viro
as costas à História; não faltarão Tácitos e Suetônios: os pobres índios sumir-se-ão do
mundo; quero apenas que não vão sem acompanhamento ao túmulo”. O interesse pelas
línguas indígenas (o bacaeri e o caxinauá) era antigo e a frustração com os estudos
realizados, também. Em 1909, concluiu: “(...) procurei levianamente uma escravidão
pesada, e desperdicei meu tempo precioso, porque, com toda a franqueza o declaro, não
estava preparado para tanto e a cousa não sairá como desejo”.89
Em determinado momento, ficou dividido entre a elaboração de um trabalho sobre
a língua bacairi e a revisão de dois livros: seu Capítulos de história colonial (1907) e a
História Geral do Brasil (1854-1857), de Varnhagen. Diante disso, comentou:

(...) com os documentos mais ou menos conhecidos, não se pode fazer obra inteiramente
nova, e a de Varnhagen, revista com cuidado, pode atravessar este período de transição.
Além disso, o trabalho não estorva, antes fomenta a edição de meus Capítulos de História
Colonial, em que ultimamente tenho pensado (...) Não sei é como combinar isto com a
elaboração dos textos bacairis que colhi em começos de 90. Os documentos ficam, todo
tempo é tempo para escrever mais tarde, e quem mais tarde escrever ficará em posição
avantajada. Os índios estão por pouco e o cabelo único da ocasião pode quebrar-se pela
raiz.90

O estudo dos costumes e línguas indígenas era visto como necessário para a melhor
compreensão da formação da nacionalidade. Mas a tarefa impunha muitas dificuldades,
havendo poucos trabalhos referenciais, produzidos por estrangeiros, como o alemão Karl
Von den Steinen e, por brasileiros, como Teodoro Sampaio, Couto de Magalhães e Batista
Caetano. Capistrano convivera com cerca de seis índios ao longo da vida, habitando sob o
mesmo teto, com o objetivo de concluir seu trabalho de coleta e tradução de palavras e
informações sobre diferentes grupos indígenas. A certa altura, constatou que o método
escolhido não havia sido o ideal: “(...) há dois modos de estudar uma língua americana: o

89
Cartas a Mário de Alencar, 28/12/1909 e 06/09/1915, vol. 1, p. 212 e 239.
90
Carta a João Lúcio de Azevedo, 30/06/1916, vol. 2, p. 12.

255
confessionário e a missão. Tendo usado do confessionário, vejo o quanto é imperfeito: as
afirmações mais categóricas só adquirem valor, constatadas com o uso quotidiano”.91
O interesse pela pesquisa etnográfica, além de contribuir para trabalhos específicos
como esse sobre a língua indígena, também podia auxiliar no estudo da geografia e da
história. Capistrano interessava-se pela antropogeografia, desenvolvida por Ratzel, e
admirava a obra de Wappëus, autor de uma Geografia do Brasil (1871), cuja edição
brasileira traduziu. Para ele, a geografia era “tão bela ciência como difícil”, não estando
restrita à “simples estudo de memória, simples enfiada de nomes, sem ligação, podendo ser
citados em qualquer ordem, contanto que fossem numerosos”.92 O conhecimento dos
caminhos antigos (terrestres e fluviais) era um item fundamental dos estudos sobre a
formação do Brasil, compreendida a partir de um duplo movimento: o da expansão
européia no início da modernidade e o da expansão pelo interior da colônia portuguesa na
América. Além disso, a geografia fornecia uma visão grandiosa do país, fundada na
exuberância e na potencialidade da natureza. História e geografia eram saberes estratégicos
para a formação de uma consciência nacional.93
Segundo Capistrano, “a História do Brasil dá a idéia de uma casa edificada na areia.
É uma pessoa encostar-se numa parede, por mais reforçada que pareça, e lá vem abaixo
toda a grampiola”. A fragilidade dessa história devia-se à falta de documentos. Achava
que, no Brasil, os documentos eram mais necessários do que a escrita da história. Dizia:
“com os documentos aqui existentes, nada se pode tentar, e enquanto não estiver levantada
esta coluna, não vejo meio do edifício ficar de pé”. Julgava prematura a idéia de escrever a
história do Brasil apenas com documentos “triviais”.94 Essa aparente angústia diante da
lacuna documental associava-se ao entendimento de que não havia documentos perfeitos
ou completos. Pouco antes de receber um catálogo de fontes sobre o Brasil, existentes na

91
Carta a João Lúcio de Azevedo, 13/08/1921, vol. 2, p. 220.
92
Carta a João Lúcio de Azevedo, 19/03/1917, vol. 2, p. 37-38. E, também: ABREU, Capistrano de. “A
Geografia do Brasil”. In: Ensaios e Estudos, 2a série, op. cit., p. 19-24. Publicado no Almanaque Garnier de
1904.
93
Ver LUCA, op. cit., p. 85-126.
94
Capistrano comentou: “(...) no Brasil nós não precisamos de história, precisamos de documentos, uns
oitenta volumes como os da Rev. do Inst., porém feitos por gente que saiba aonde tem o nariz”. Cartas a João
Lúcio de Azevedo, 17/05/1920 e 09/07/1920, vol. 2, p. 160-161. Ver, também, carta ao Padre Teschauer,
20/04/1904, vol. 3, p. 360; e carta a Mário de Alencar, 15/09/1915, vol. 1, p. 243. Daniel Mesquita Pereira
chama a atenção para a recorrência, no século XIX, da idéia historista que associa a história a um edifício a
ser construído sobre uma base documental sólida. Ver PEREIRA, Descobrimentos de Capistrano, op. cit., p.
36. Tal idéia decorre da percepção de que o conhecimento do geral depende do acúmulo de aspectos parciais,
de modo a constituir aquilo que Reinhart Koselleck definiu como um “singular coletivo”. Ver KOSELLECK,
Reinhart. “Le concept d‟histoire”. In: _____. L’expérience de l’histoire. S.l., Hautes Études / Seuil /
Gallimard, 1997, p. 15-99.

256
Biblioteca Nacional de Lisboa, lamentou: “Espero aprender muito nele, embora nunca
tenha encontrado até hoje um documento que me satisfaça por completo”.95
Ao que parece, um grande nó era construído quando Capistrano constatava a falta
de “apenas mais um documento”. Ao perceber que um de seus discípulos, Paulo Prado,
talvez não desse tanta importância às fontes, alertou: “Lembre-se do apólogo do feixe de
varas: a união faz a força”.96 A noção de feixe como um conjunto de objetos reunidos e
presos parece exemplificar a representação que Capistrano fazia da escrita da história, ao
menos, em certo período de sua vida. A força do texto estaria tanto na exposição de idéias,
quanto na comprovação das mesmas através dos documentos. O trabalho do historiador
seria amarrar o feixe documental e sustentá-lo. Não bastava expor os pensamentos, era
preciso comprová-los com documentos, não importando tanto o ineditismo dos mesmos.
O “preconceito do inédito” era muito forte no século XIX. Baseava-se na
valorização das fontes arquivísticas, compreendidas como indício seguro da informação
correta, fundamento da verdade histórica.97 Mas, no início da década de 1920, ainda que
acreditando no poder dos documentos como prova, Capistrano já podia afirmar: “(...)
dispenso inéditos: jogo com as grandes massas. Inéditos há de bojar e rebojar Oliveira
Lima. Inéditos podia descobrir Domício...”.98
Como foi dito, o paradigma a ser ultrapassado era a obra de Varnhagen, então
considerada como a mais completa em termos documentais. Capistrano achava que tal
obra, desde que revista, poderia atravessar aquilo que julgava ser um “período de
transição” da historiografia. Ao longo do tempo é possível perceber as mudanças na
relação com o visconde Porto Seguro, a princípio visto como “o mestre, o guia, o senhor”.
Em carta de 1917, por exemplo, concluía já possuir muita coisa desconhecida pelo
antecessor. Certa vez constatou: “Como ficam jocosas as páginas de Varnhagen, depois do
que nós sabemos!”.99 Mas, além de conhecer mais documentos que o autor da História
Geral do Brasil (1854-1857), Capistrano também se orgulhava de interpretá-los melhor,
como pode ser deduzido ao dizer que: “Varnhagen era incapaz de inventar documentos,
mas lia-os tão mal! Muitas vezes concluo de modo diferente dele; outras noto que ele deixa
escapar o substancial para apegar-se ao acessório”.100

95
Carta a Guilherme Studart, 25/09/1908, vol. 1, p. 180.
96
Carta a Paulo Prado, 06/10/1922, vol. 2, p.419.
97
WEHLING, “Capistrano de Abreu: a fase cientificista”, op. cit., p. 153.
98
Carta a Paulo Prado: 03/06/1922, vol. 2, p.415; carta a João Lúcio de Azevedo, 18/03/1918, vol. 2, p. 87.
99
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 26/01/1917 e 27/03/1917, vol. 2, p. 30 e 41.
100
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 30/06/1916 e 09/03/1918, vol. 2, p. 12 e 84. Sobre a relação entre
Capistrano e Varnhagen, ver: PEREIRA, op. cit.; e, também, WEHLING, Arno. De Varnhagen a Capistrano:

257
Ao ler documentos, Capistrano intentava proceder ao que um amigo geólogo,
Orville Derby, certa vez definiu como a “geologia da lama”. 101 Esse procedimento
hermenêutico pode ser compreendido como uma leitura minuciosa, semelhante à análise
geológica, que decompõe as diversas partes de um todo, visando conhecer sua natureza,
suas funções e relações. No caso, o todo a ser analisado correspondia à história: uma
substância amorfa, tal como a lama, uma matéria fluida e orgânica. Em certa ocasião,
Capistrano se referiu ao processo de leitura como a passagem do homogêneo para o
heterogêneo, ou seja, do uniforme ao pluriforme, do todo às partes.102
A “geologia da lama” é associada à metodologia de pesquisa proposta pela
historiografia alemã, em fins do século XIX. Capistrano concordava com as proposições de
Leopold Von Ranke, ainda que ele não fosse seu favorito. Em carta a João Lúcio de
Azevedo, comentou:

Para mim seu predileto Ranke é mero flatus vocis; mas sei que seria incapaz de beber no
cano quando há fonte. Depois de Ranke alguns historiadores, como Edw. [Edward] Meyer,
vão adiante e procuram do meio da geologia da lama reconstituir os minerais dissolvidos,
mas o princípio é sempre o mesmo.103

A meticulosidade da leitura das fontes deduzida a partir do uso da expressão


“geologia da lama”, também está presente na hora de citar, preocupação constante da
moderna historiografia. Foi por isso que escreveu a Guilherme Studart – que era, então, um
estudioso respeitado – reclamando:

Agora és um mestre reconhecido e acatado; podemos portanto conversar calmamente sobre


o assunto. Por que não dás a procedência dos documentos que publicas? Felix Ferreira,
sujeito aliás pouco fidedigno, contou-me que indo um dia visitar Melo Morais, encontrou-o
queimando uns papéis: Estou queimando estes documentos, explicou-lhe o alagoano
historiador (?), porque mais tarde, quando quiserem estudar História do Brasil hão de
recorrer às minhas obras. Tu não és Melo Morais. Varnhagen, pelo menos na Torre do

historicismo e cientificismo na construção do conhecimento histórico. Rio de Janeiro, UFRJ, Dep. de


História, tese de concurso para Professor Titular, 1992, 2 vols.
101
Carta a João Lúcio de Azevedo, 15/04/1917, vol. 2, p. 46.
102
Como foi visto no capítulo 4, que fala das práticas de leitura de Capistrano, observa-se que o historiador
se inspirava nas idéias do evolucionista Herbert Spencer, para quem era preciso partir de um todo
homogêneo, até chegar ao heterogêneo, onde as partes poderiam ser percebidas de modo mais nítido. Carta a
Paulo Prado, 29/06/1923 (“dia de S. Pedro”), vol. 2, p. 449-50; carta a João Lúcio de Azevedo, 16/09/1918,
vol. 2, p. 110.
103
Carta a João Lúcio de Azevedo, 06/06/1917, vol. 2, p. 50-51.

258
Tombo, levou para casa alguns documentos e se esqueceu de restituí-los: não podia depois
indicar a procedência. Tu não és Varnhagen. Por que motivo, portanto, te insurges contra
uma obrigação a que se sujeitam todos os historiadores, principalmente desde que, com os
estudos, com a criação da crítica histórica, com a crítica das fontes, criada por Leopold Von
Ranke, na Alemanha, foi renovada a fisionomia da História?104

O trabalho meticuloso de Capistrano aproxima-se, não apenas, das modernas


práticas historiográficas, mas das práticas desenvolvidas pelos chamados antiquários:
eruditos, especialistas no antigo. O historiador de fins do século XIX e início do XX deve
ser capaz, não apenas, de utilizar os resultados das pesquisas dos antiquários, dedicados às
chamadas ciências auxiliares da história, tais como a filologia, a epigrafia, a numismática
etc. – mas de atuar, ele mesmo, como um tipo de antiquário.105
Observa-se, ao longo da correspondência, uma espécie de “frustração da
completude jamais atingida”, semelhante à observada em historiadores e literatos ao longo
do século XIX.106 Supostamente, no caso de Capistrano, essa frustração decorre da
consciência da impossibilidade de reconstituir plenamente o passado. Ao mesmo tempo,
revela uma relação possível entre a tradição antiquária e a escrita da história, tal como
ambas eram propostas em fins do século XIX e nas primeiras décadas do XX. Nesse
sentido, Capistrano atuaria em uma espécie de fronteira, onde a erudição tem grande
importância, ainda que seja necessário submetê-la a novos imperativos.107
Essa “frustração da completude” por parte de Capistrano pode ser vista através do
olhar de um dos seus correspondentes mais íntimos e assíduos. Em 1925, após receber uma
carta de Capistrano, que criticava seu trabalho, João Lúcio de Azevedo respondeu:

Não fica mal a ninguém ser emendado pelo Mestre. Estou persuadido que, continuando a
leitura, V. fará muitos mais reparos, e certamente fundados. Mas, para ficar obra a seu
gosto, seria necessário tornar 25 anos atrás e escrevê-la novamente. Não me resta vida nem

104
Carta a Guilherme Studart, 20/04/1904, vol. 1, p. 165, já citada.
105
PEREIRA, Descobrimentos de Capistrano, op. cit., p. 30-31; e, também: GUYOTJEANNIN, Olivier. “A
erudição transfigurada”. In: BOUTIER e JULIA, op. cit., p. 163-172; GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado.
“Reinventando a tradição: sobre antiquariado e escrita da história”. Humanas – Revista do Instituto de
Filosofia e Ciências Humanas da UFRGS. Porto Alegre, IFCH, vol. 23, n. 1/2, 2000, p. 111-143.
106
GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Ibidem, p. 111.
107
Ver breve referência à atuação de Capistrano na fronteira do antiquariado, em: FALCON, Francisco José
Calazans. “O Brasil de Capistrano de Abreu: características de sua produção historiográfica”. Trajetos –
Revista de História da UFC. Dossiê: Capistrano de Abreu, vol. 3, n. 5, 2004, p. 73.

259
teria inclinação para isso. Não me apraz caminhar em circunferência e voltar sempre ao
ponto de partida; suporto a espiral, mas prefiro ainda a linha reta.108

Capistrano estava sempre voltando ao ponto de partida. A obra parecia nunca estar
“a seu gosto”. No sentido atribuído por João Lúcio, caminhar em linha reta equivaleria a
concluir o trabalho reconhecendo seus defeitos, admitindo a necessidade de reparos, a
incompletude de qualquer história e, conformando-se com isso, seguir em frente. Diante de
infinitas possibilidades, parecia haver duas atitudes a tomar: ir em frente – seguindo a reta
– ou retornar periodicamente ao ponto de partida, andando em círculo. João Lúcio optou
pela reta. Quanto a Capistrano, o reconhecimento da impossibilidade de completar
satisfatoriamente qualquer história não parece ter-lhe estimulado a ir em frente. Assim, ele
teria optado pelo círculo. Para ele, sempre faltava um documento, tornando-se necessário
retornar periodicamente ao mesmo ponto, a fim de tentar corrigi-lo. Daí a impossibilidade
de contentar-se com qualquer documento ou conclusão. Essa preocupação de retornar
sempre a um mesmo ponto pode ser lida como um exemplo da adesão do historiador a
procedimentos hermenêuticos, através dos quais Capistrano desenvolveu uma análise
lógica combinada à crítica de outras interpretações.
Em certa época, concluiu que “estes negócios de História lembram-me um rio ou
um braço de mar: à vista a distância é pequena, mas o braço...”. Enxergar além causava
essa espécie de frustração diante da imperfeição dos documentos e da incompletude de
qualquer trabalho. A constatação de que o antigo desejo de produzir uma “obra que fique”
não poderia ser realizado parece ter causado um profundo desconforto. Diante do próprio
trabalho, afirmou: “Quando faço qualquer cousa, sinto diante do produto impressão que
deve assemelhar-se à da parturiente diante das secundinas: alívio e nojo”.109 Além das
dificuldades advindas do trato com a documentação, o esforço para conciliar aquilo que se
faz com aquilo que se pensa, também provocava tensão. Em carta a Paulo Prado, observou:
“(...) não esquecer as palavras de Goethe no Wilhelm Meister: obrar é fácil, pensar é difícil,
obrar segundo seu pensamento ainda é mais difícil”.110 Apesar disso, fazia muitos planos e
ainda ajudava outros pesquisadores, orientando-os na elaboração de roteiros de trabalho,
que geralmente incluíam a indicação de lacunas, a apuração e o cruzamento de diferentes

108
Carta a Capistrano de Abreu, 17/05/1925, vol. 3, p. 251.
109
Cartas a João Lúcio de Azevedo, 09/03/1918 e 18/03/1918, vol. 2, p. 87.
110
Carta a Paulo Prado, 06/10/1922, vol. 2, p. 419, citada no capítulo anterior.

260
tipos de fontes, o apontamento dos documentos contemporâneos e das monografias
existentes etc.111
Uma carta de Francisco de Assis Brasil indica o tipo de contribuição que
Capistrano podia dar a outros estudiosos da história. Também deixa ver que tipo de história
podia despertar interesse no estudioso do final do século XIX. Após ter lido o livro The
United States – An Outline of Political History, do canadense Goldwin Smith, Assis Brasil
teve despertado o desejo de escrever uma história do Brasil. Disse ele:

Sem nunca ter-me sorrido a idéia de imitar escritor algum, veio-me com esta leitura o
pensamento de começar a trabalhar em cousa semelhante a respeito do Brasil. E pensar
nisso foi pensar em V.; primeiro, pelo fato todo pessoal de V. me haver dito, em 1882, que
eu teria jeito para escrever História; depois, porque V. é, que eu saiba, o único homem
capaz de me fornecer conselhos e material sobre o caso. Figure lá para si que eu não sei
coisa alguma sobre o assunto, que apenas sei manejar a pena: diga-me, então, a que fontes
devo ir beber e como hei de ordenar o meu trabalho para a reunião dos dados. Quanto à
orientação da obra, V. sabe, deve ser toda pessoal. Quer ser ainda bom para mim como
sempre foi? Eis aí um pretexto para me escrever. (...) durante esse tempo, trocaríamos
idéias, faríamos investigações, nos ocuparíamos enfim da vinha do senhor, que desde
tantos anos está abandonada. (...) História com poucos fatos, mas com um conhecimento
profundo deles; indicação dos pontos culminantes da evolução nacional, de modo a
habilitar o leitor a compreender o conjunto, com pouco trabalho; crítica dos
acontecimentos, retratos e perfis políticos das figuras salientes; defesa de uma tese ao longo
da obra. (...) Afinal o meu livro pode parecer-se com este como um ovo com um espeto,
mas no do canadense bebi a inspiração de o fazer. Ajude-me, e verá. O título provisório
que tenho adotado é – As Grandes Linhas da nossa História, mas é quase certo que isto
ainda há de mudar.112

Uma história com poucos fatos, mas um conhecimento profundo dos mesmos, com
a “indicação dos pontos culminantes da vida nacional”, “crítica dos acontecimentos,
retratos e perfis políticos” e, talvez o principal, a defesa de uma tese ao longo da obra.
Quanto ao projeto de escrever a história do Brasil do próprio Capistrano, sofreu
modificações ao longo do tempo. Em carta ao Barão do Rio Branco, de 1890, ele afirmou:

111
Ver, por exemplo: carta a Afonso Taunay, 29/11/1917, vol. 1, p. 288; e carta a João Lúcio de
Azevedo,15/11/1916, vol. 2, p. 20.
112
Carta a Capistrano de Abreu, 18/10/1896, vol. 3, p. 286.

261
Dou-lhe uma grande notícia (para mim): estou resolvido a escrever a História do Brasil,
não a que sonhei há muitos anos no Ceará, depois de ter lido Buckle, e no entusiasmo
daquela leitura que fez época em minha vida – uma História modesta, a grandes traços e
largas malhas, até 1807. Escrevo-a porque posso reunir muita cousa que está esparsa, e
espero encadear melhor certos fatos, e chamar a atenção para certos aspectos até agora
menosprezados. Parece-me que poderei dizer algumas coisas novas e pelo menos quebrar
os quadros de ferro de Varnhagen que, introduzidos por Macedo no Colégio Pedro II, ainda
hoje são a base de nosso ensino. As bandeiras, as minas, as estradas, a criação de gado
pode dizer-se que ainda são desconhecidas, como, aliás, quase todo o século XVII, tirando-
se as guerras espanholas e holandesas.113

Tempos depois, em 1907, logo após publicar seus Capítulos de história colonial,
trabalho a que reduzira suas ambições, comentou com o Barão Studart:

Imaginava outra cousa e não pude realizá-la, parte por culpa minha, parte por culpa das
circunstâncias. Acreditei muito na extensão da vida e da brevidade da arte, e fui punido.
Quando, ainda no Ceará, concebi-a, a obra tinha outras dimensões. Cada ano levou um
lance ou um andar. A continuar mais tempo, ficaria reduzida a uma cabana de pescador.
Mesmo agora acho-lhe uns ares de tapera.114

Capistrano achava que uma história melhor seria feita por um historiador do futuro:
“Sabes melhor que ninguém como a cousa é difícil, como sai imperfeita, como o segundo
que vier pode melhorá-la consideravelmente, [com] metade do trabalho. Pouco
importa”.115 Mas, além dos problemas relativos à pesquisa, tais como a ausência de
documentos, outro ponto que acabava dificultando a concretização dos trabalhos talvez
fosse a expectativa de construção de uma história geral da nação. Trabalho extensivo, que
exigia um tipo de historiador capaz de abrir mão do interesse por uma época ou por um
assunto em particular, a fim de dar conta da história nacional, com a amplitude necessária
para mostrar não tanto uma nação acabada, mas em processo de formação.
Uma vez que o Brasil era visto como um país jovem, é possível supor que a escrita
de sua história não deveria apenas evocar lembranças, até porque, alguns acreditavam que

113
Carta ao Barão do Rio Branco, 17/04/1890, vol. 1, p. 130.
114
Carta a Guilherme Studart, 07/01/1907, vol. 1, p. 178.
115
Carta a Guilherme Studart, 20/02/1920, vol. 1, p. 186.

262
havia muito o que esquecer antes que fosse possível lembrar.116 Era preciso escrever uma
história endereçada ao presente e ao futuro, reforçando os aspectos da juventude da nação e
destacando suas potencialidades. Reabilitar o passado e prever um futuro grandioso talvez
tenha sido a meta principal daqueles que se dedicavam à escrita da história. E a construção
dessa história, além de seguir uma metodologia, estabelecer temas principais e definir
marcos cronológicos, devia enfrentar os problemas da narrativa.
A discussão acerca do melhor modo de narrar a história da nação pode ser
localizada em vários escritos da época. Para o historiador João Ribeiro, por exemplo, para
“fazer história”, entre outras coisas, são indispensáveis as qualidades literárias, o senso
crítico e a arte de bem escrever.117 Em sua opinião:

Os nossos historiadores, e Varnhagen é um exemplo modelar, confundem a historiografia e


a história, e fazem da vida uma função de arquivos e cartórios. Este seco e árido
materialismo dos papéis velhos embota a imaginação e, armando aos papalvos, com seu
cemitério de almas penadas, impede a comunicação com os vivos. É verdade que os ossos
ficam e são por isso mais acessíveis; todavia, o passado não pode ser composto de
esqueletos. Há de ser vida ou coisa nenhuma.118

Ribeiro, certa vez, chegou a observar que “há quem não sabe escrever e escreve
história”. Este não seria o caso de Capistrano, que, segundo o autor, primava por seu
“inimitável talento de escrever, sem pose, num estilo de pleno ar, claro e singelíssimo”.119
Na correspondência há breves comentários de Capistrano sobre a narrativa
histórica, feitos não através de teorias ou reflexões detalhadas, mas de curtas observações
acerca do melhor modo de escrever, geralmente elaboradas em função da leitura de algum
texto. Assim, o enfrentamento dos problemas da narrativa se dava através das experiências
de leitura e escrita compartilhadas pelos missivistas.120

116
Em artigo de 1920, Alceu Amoroso Lima observou: “temos muito que nos esquecer antes de começarmos
a lembrar”. Ver LIMA apud LUCA, op. cit., p. 91.
117
RIBEIRO, João. “Historiadores” (1927). In: _____. Obras – Crítica, vol. VI: Historiadores. Rio de
Janeiro, ABL, 1961, p. 5.
118
RIBEIRO, “O culto da história” (1918), op. cit., p. 430.
119
Ibidem, p. 425; e, idem, “Frei Vicente do Salvador”. In: Obras, op. cit., p. 8, originalmente publicado na
Revista Sul-Americana, 31/05/1889.
120
Ver, por exemplo, a crítica ao livro D. Pedro I e a Marquesa de Santos (1917), de Alberto Rangel, onde
reclama das “carapinhas” do estilo, a pedir “pente ou tesoura”. Ver ABREU, Capistrano de. “Um livro sobre
a Marquesa de Santos”. In: _____. Ensaios e estudos, 2a série, op. cit., p. 97-110. Originalmente publicado no
Jornal do Comércio, 10/06/1917. E, também, a carta de Rangel a Capistrano agradecendo as críticas, mas
dizendo que “ficará para outra encarnação a boa História que escrever em bom estilo”. Carta a Capistrano,
08/08/1917, vol. 3, p. 199. O livro de Rangel também foi resenhado por João Ribeiro, que condenou seu

263
Comentando o trabalho de “X” (Alberto Rangel) com Afonso Taunay, Capistrano
fala da necessidade de distinguir o temperamento do autor, do procédé (procedimento)
utilizado na escrita. Seguindo as sugestões de Taine, achava que era preciso desvencilhar-
se de si mesmo, libertar-se dos próprios cacoetes, buscando a “cura” do estilo.121 Outros
comentários falam sobre “o perigo e a sedução das notas”.122 Em cartas a Afonso Taunay,
opinou sobre o melhor modo de utilizá-las: sem chamadas, distinguindo-se do texto pela
diferença de tipos. Também aconselhou-o a deixar a retórica de lado, evitando referências
vagas ou indiretas e elogiou sua opção por um método de expor capaz de tornar a leitura
mais atraente e popular.123
Tais historiadores eram submetidos a duras críticas, feitas não apenas por
especialistas e educadores, mas por todos aqueles que se dedicavam a refletir sobre a
nação. Como observou Tânia Regina de Luca, ao lado das críticas às interpretações
vigentes, proliferavam receitas sobre a melhor direção para os estudos e a escrita da
história. Os parâmetros dessa crítica historiográfica difusa eram a metodologia utilizada e o
grau de patriotismo dos resultados obtidos. De acordo com a autora,

Não se detectava nenhuma incongruência entre um método de trabalho escorado no


empirismo e uma posição ontológica, credora do evolucionismo naturalista, que vasculhava
o passado com um olhar teleológico, encarando-o enquanto prenúncio necessário do
presente.124

Ao analisar um livro de Assis Cintra sobre Tiradentes, o crítico Brenno Ferraz do


Amaral deixa ver um pouco das expectativas existentes em sua época, a respeito do
trabalho do historiador. Disse ele, após constatar que o autor criticado estava preso aos
arquivos:

O historiador deixou de historiar na certeza de que a História está feita nos arquivos. (...)
Ciência apenas conjectural, a História não pode restringir-se ao documento frio, seco,

estilo repleto de adjetivações, neologismos etc. Ver RIBEIRO, João. “D. Pedro I e a Marquesa de Santos”.
In: Obras, op. cit., p. 152. Originalmente publicado no Imparcial, 18/06/1917.
121
Capistrano indicava um estudo de Eugéne Fromentin e as Peregrinações, de Fernão Mendes Pinto como
referências para a cura do estilo. Carta a Afonso Taunay, 07/10/1917, vol. 1, p. 287; e, ainda, carta a João
Lúcio de Azevedo, 03/09/1917, vol. 2, p. 66. Sobre a questão do estilo na historiografia, ver: GAY, Peter. O
estilo na história: Gibbon, Ranke, Macaulay, Burckhardt. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.
122
Carta a Paulo Prado, 26/03/1923, vol. 2, p. 443.
123
Cartas a Afonso Taunay, 09/01/1914, 26/08/1919, s/d [meados de 1917] e 12/04/1920, vol. 1, p. 277, 302,
284 e 309, respectivamente.
124
LUCA, op. cit., p. 95-96.

264
estéril... (...) Decididamente, o trabalho do historiador não é o do escriba. É função do
pensamento e do engenho. Supõe assimilação e criação. É obra de arte e ciência.125

Capistrano também foi alvo de críticas semelhantes. Mesmo sendo considerado por
muitos como o historiador mais capacitado para escrever a história nacional, ele é acusado
de perder-se em um “rigoroso objetivismo”. Sobre ele, escreveu Manoel Bomfim:

Não que lhe falte horizonte de idéias, nem capacidade de generalização e segurança de
conceitos, ou senso crítico, para estender o pensamento por toda a realidade do Brasil (...)
No entanto, quem tenha tratado com esse puro espécime de homem de ciência – a sua
ciência, guarda a convicção de que ele jamais se atirará a uma obra de conjunto, que tanta
vez exige – afirmar por simples dedução, ou compor em imaginação, a projetar conceitos
sem outro sustentáculo além da pura lógica. Pesquisador intransigente prendeu-se ao
regime mental do rigoroso objetivismo. Eis a significação da sua obra.126

O caso de Capistrano suscita a reflexão sobre a passagem da pesquisa à escrita da


história ou, “da prática ao texto”, como observou Michel de Certeau, para quem “a
fundação de um espaço textual provoca uma série de distorções com relação aos
procedimentos da análise”.127 Tais distorções derivam, por exemplo: da necessidade de
apontar como início aquilo que, na verdade, é um ponto de chegada;128 da construção de
uma unidade discursiva dotada de regras e conceitos, de modo a compor um sistema
estável, cuja coerência tem relação com uma unidade designada pelo nome próprio do
autor; da elaboração de uma representação “plena”, capaz de preencher as lacunas (que

125
AMARAL apud LUCA, ibidem, p. 96.
126
BOMFIM, Manoel. O Brasil na História: deturpação das tradições, degradação política. Rio de Janeiro,
Francisco Alves, 1930, p.137, nota 1.
127
Para Certeau, “enquanto a pesquisa é interminável, o texto deve ter um fim, e esta estrutura de parada
chega até a introdução, já organizada pelo dever de terminar”. Ver CERTEAU, Michel de. “A operação
historiográfica”. In: _____. A escrita da história. Rio de Janeiro, Forense, 1982, p. 94. Ver, também, as
observações de Verena Alberti sobre as idéias de Maurice Blanchot (L’espace littéraire, 1955), que identifica
a impossibilidade de conclusão como característica da produção literária. Blanchot estabelece uma distinção
entre o “espaço literário” e o “curso do mundo”. O primeiro é “incessante, interminável, infinito e
atemporal”. O segundo é “o lugar do trabalho, da ação, do tempo e de toda sorte de finitudes”. Ver
ALBERTI, Verena. “Um drama em gente: trajetórias e projetos de Pessoa e seus heterônimos”. In:
SCHMIDT, Benito (Org.). O Biográfico: perspectivas interdisciplinares. Santa Cruz do Sul, Edunisc, 2000,
p. 207. É possível supor certa analogia entre o “espaço literário” e o “espaço da pesquisa”; entre o “curso do
mundo”, e o “curso da escrita”, sendo que, no caso de Blanchot, trata-se de pensar a literatura e, no caso de
Certeau, a escrita da história.
128
Certeau se refere ao fato de que toda escrita da história dá seus primeiros passos no presente ou, “na
atualidade do lugar social, e do aparelho institucional ou conceitual”. Contudo, a narrativa historiográfica
segue uma ordem cronológica, que toma “o mais anterior” como ponto de partida. Ver CERTEAU, op. cit., p.
94.

265
constituem o princípio da pesquisa, sempre alimentada pela falta) etc. Sendo assim, a
substituição de um trabalho lacunar (a pesquisa) por um trabalho repleto de sentido (a
escrita da história), indicaria a existência de uma espécie de “servidão” imposta pelo
discurso à pesquisa. Contudo, a escrita histórica permaneceria controlada devido às
práticas das quais resulta. Práticas que escondem as faltas, as lacunas, mas que,
inversamente, também às expõe. A historiografia possuiria um estatuto ambivalente, pois
“faz” a história e, não obstante, “conta histórias”. É representação e, também, narrativa,
que deixa entrever as relações que mantém com uma certa disciplina de trabalho, com
determinadas práticas e lugares sociais.129
A correspondência de Capistrano constitui um espaço escriturário importante não
apenas para que o historiador de hoje possa compreender o modo como um historiador de
ontem lidava com a passagem da pesquisa à escrita. Supostamente, a escrita de cartas
também era um meio do próprio Capistrano lidar com essa passagem, expondo suas
dificuldades. Através das cartas, é possível acompanhar as dúvidas e certezas que
cercavam a operação historiográfica em sua época. São escritos que falam sobre lacunas,
incompletudes e contradições observadas ao longo do trabalho de pesquisa documental,
impondo obstáculos à escrita. Apesar de ser reconhecido como um grande historiador por
sua capacidade narrativa, Capistrano também ficou conhecido como aquele que não
escreveu a história do Brasil, embora pudesse tê-la escrito com autoridade.
Certa vez, João Ribeiro perguntou a Capistrano porque ele não lia menos e escrevia
mais. Capistrano respondeu que já havia quem escrevesse demais, lendo muito menos.
Para Ribeiro era preciso encontrar o equilíbrio entre “tagarelas” e “silenciosos”. 130 A
solução de Capistrano para esse impasse resultante da passagem “da prática ao texto”
parece ter sido restringir cada vez mais seu projeto historiográfico, a ponto de propor uma
escrita “a grandes traços e largas malhas”.131

*
* *

129
Essa operação escriturária, que não identifica a totalidade de procedimentos utilizados na elaboração da
própria escrita, impondo regras contrárias às regras da prática, foi denominada por Certeau de “inversão
escrituraria”. Ibidem, p. 94-95 e, também, p. 104-105. É importante observar que o texto que resulta da
operação historiográfica é um produto histórico-cultural, portanto, suscetível a mudanças. O estatuto
ambivalente da historiografia – que é representação e, também, narrativa – deve ser pensado considerando a
relação que a sociedade mantém com a temporalidade.
130
RIBEIRO, João. “Retrato de Capistrano de Abreu”. In: _____. Obras, op. cit., p. 94.
131
Ver carta ao Barão do Rio Branco, 17/04/1890, vol. 1, p. 130, já citada. E, também, PEREIRA,
Descobrimentos de Capistrano, op. cit.

266
No Brasil do início do século XX, prevalecia o ideal de uma “obra de conjunto”:
uma história geral da nação plena de sentido, uma síntese a ser escrita em um ou em muitos
volumes. Essa obra deveria ser sustentada por fontes fidedignas, cuidadosamente reunidas,
de modo a possibilitar o acesso à verdade. Sendo assim, qualquer observação acerca da
relatividade dos testemunhos históricos ou a respeito dos conceitos ou referenciais teóricos
que guiavam o historiador podia causar espanto.132 Capistrano compreendia que aquilo que
as fontes diziam dependia, fundamentalmente, da questão proposta pelo investigador. Isso
pode ser deduzido, por exemplo, da carta a Luís Sombra, onde ele observa que:

Quando se faz qualquer pesquisa, o interrogado mais ou menos imita o cortesão que
quando Luís XIV lhe perguntou a hora, respondeu: Il est l’heure qu’il plaira à Votre
Majesté [é a hora que mais agradar à Vossa Majestade].133

Ou seja, mesmo sendo guiado por um “rigoroso objetivismo”, Capistrano podia


admitir que os documentos não falam por si, pois a resposta que eles fornecem depende
muito daquilo que o investigador deseja saber e questionar. Achava que, “em História não
pode ser esquecida a perspectiva”,134 o que permite supor que essa perspectiva se refira
tanto ao ponto de vista do testemunho quanto ao do historiador.
Voltando ao ideal de história do Brasil, observa-se que Capistrano, mesmo tendo
planejado a escrita dessa história (talvez realizada em seus Capítulos de história colonial,
como quer Daniel Mesquita Pereira), várias vezes demonstrou interesse por algo mais
circunscrito a temas, tais como as entradas e bandeiras, os caminhos antigos, as festas, a
família etc.; a áreas de pesquisa, como a história econômica; ou a épocas particulares,
como a história colonial. Além disso, considerava a existência de cinco Brasis (o
amazônico, o litorâneo, o baiano, o paulista e o riograndense).135 Sendo assim, como
elaborar uma história geral?
Para João Ribeiro, Capistrano era um pesquisador “sem coragem e sem vontade
talvez de escrever a história geral que todos esperavam da sua enorme capacidade e
compreensão”. Isso se devia à predileção pelo período colonial, que permitia pensá-lo mais
como um “arqueólogo” da história brasileira do que como historiador.136

132
LUCA, op. cit., p. 100.
133
Carta a Luís Sombra, 15/11/1916, vol. 3, p. 33.
134
Carta a Pandiá Calógeras, 24/06/1910, vol. 1, p. 363.
135
Sobre os cinco Brasis, ver carta ao padre Teschauer, 14/05/1914, vol. 3, p. 367.
136
RIBEIRO, “O 3o tomo da História do Brasil [de Varnhagen]”. In: Obras, op. cit., p. 23. Originalmente
publicado no Jornal do Brasil, 20/01/1932.

267
Mais uma vez lembrando o projeto de juventude, Capistrano constatou:

Quando pensei em consagrar-me a História do Brasil, resultado de uma leitura febriciante


de Taine, Buckle e da viagem de Agassiz, feita ainda no Ceará, não me lembro se pretendia
abarcar toda a história. Mais tarde reconheci que era necessário incluir a época
contemporânea, mas a minha curiosidade dispersou-me a atenção por toda parte e agora,
posso dizer como Monte-Alverne: é tarde!137

Observação semelhante pode ser vista em outra carta, onde diz que: “infelizmente
eduquei meu espírito, desinteressei-me da história contemporânea. Agora é tarde: Inês é
morta”.138 A sensação de incompletude, observada anteriormente, também dizia respeito ao
campo de interesses, uma vez que a construção de uma história do Brasil exigia a inclusão
de todos os períodos, de modo a apresentar as diferentes etapas da vida nacional.
Parece haver certa tensão entre o planejado (a escrita da história da nação) visando
atender às expectativas da época, e o realizado, capaz de frustrar as próprias expectativas,
assim como, a de seus contemporâneos, mas que, ao mesmo tempo, permitia dar vazão a
seus próprios desejos e interesses. Diante de um trabalho que o atormentava, certa vez
indagou: “Perguntará V. quem me obriga a uma empresa de que não me sinto capaz? Tem
toda a razão: quem me obriga?”.139 Capistrano era alguém que acreditava na existência de
muitos meios para ser feliz, mas que tais meios reduziam-se a um único: “obedecer aos
ditames da consciência, principalmente com sacrif