Você está na página 1de 47

Cobreação

O cobre é dúctil, de baixa dureza, com ótima condutividade


elétrica e térmica, é fácil de polir e lustrar.
1- Aplicação

- Nas industrias de proteção de material ferrosos, o cobre ocupa uma


posição importante.
- O filme metálico deve ser espesso e compacto, isto é sem porosidade
ou reduzida ao mínimo.
- O processo de cobreação é largamente empregado como camada
intermediária na niquelação, prateação, douração e sobre metais,
como alumínio e zinco para evitar os problemas de aderência.
2- Tipos de banhos de cobre

Existem 2 tipos de banhos de cobre:

• Ácidos:

- Base de sulfatos e fluorboratos

• Alcalinos:

- Base de cianetos e pirofosfatos


2.1-Banho de cobre ácido a base de
sulfatos
• É um dos banhos mais antigos da galvanoplastia;

• Pode ser utilizados para fins técnicos como, eletrorefino, rotogravura


circuitos impressos e cobreação de barras condutoras.

• A aplicação decorativa é usada como camadas intermediarias a


niquelação, formação de camada de cobre brilhante sobre o ferro e o
zamak.
2.2- Características

• As camadas de cobre ácido possuem alto poder de nivelamento;

• Diminui o grau de polimento no ferro;

• Diminui custos;

• Possibilita aplicação direta de níquel.

• Para peças de ferro, zamak e alumínio é necessária uma pré-cobreação


em banhos alcalinos, pois estes metais são atacados pelo banho.
2.2- Características

O sucesso dos banhos de cobre ácidos brilhantes a base de sulfatos


baseia-se:

• Na alta velocidade de deposição;


• Alto poder de nivelamento;
• Camadas dúcteis;
• Alto brilho e econômico.
3- Operação

• Os banhos de cobre ácido têm uma eficiência catódica perto de


100%;

• O cálculo da camada deste banho é simples;

• Na prática pode ser usada a regra que 5 A/dm2 será formada uma
camada de 1 m de cobre por minuto.

• As camadas para fins decorativos são em geral entre 10 a 25 m.


3- Operação

• A composição do dos banhos variam, a mais comum é:

CuSO4 – 200 g/L


H2SO4 – 60 g/L
Íon cloro – 50 a 200 ppm.

Pode ainda adicionar abrilhantadores e niveladores, a temperatura de


trabalho é da ordem de 28oC.
3- Operação

• Os banhos de cobre ácidos possuem baixa penetração.

• A distribuição da camada é igual à distribuição primária da corrente o


que pode levar a diferenças de espessura da camada em peças
perfiladas.

• O máximo rendimento dessas soluções é conseguido usando agitação


com ar e um controle de temperatura.
3- Operação

• Os ânodos para os banhos de cobre ácido possuem especificações


rígidas de composição ( teor de fósforo e outras impurezas ) e
cristalização.

• O teor de fósforo encontra-se entre 0,02 a 0,07 %.

• Durante a utilização forma-se um filme preto, que assegura uma


dissolução uniforme do ânodo.

• Por isso deve-se filtrar o banho 1 a 2 vezes o volume do banho por hora
ou usar sacos ânodos ( nylon ou polipropileno ).
3- Operação

• No controle e manutenção dos banhos devemos nos preocupar com o


teor do íon cloro, pois a falta ou excesso pode tornar o banho
inoperante, gerando o aparecimento de estrias e fosqueamento.

• Se as análises revelarem uma falta de íons, pode adicionar-se uma


quantidade calculada de HCl e se existir um excesso adiciona-se zinco
metálico em pó, carvão ativado e posterior filtração.
3- Operação
• A presença de impurezas insolúveis leva a formação de aspereza ou
chuvisco, é indicada uma filtração de um a dois volumes por hora.

• Os equipamentos empregam tanques revestidos com PVC , as


tubulações devem ser de chumbo, titânio ou teflon.

• As bombas de filtros podem ser revestidas com borrachas duras ou


serem de inox 316.
• Os banhos de cobre alcalino cianídricos são usados para fins técnicos e
decorativos.

• A maior aplicação são em banhos decorativos/protetivos, que é a


cobreação de zamak, alumínio ou ferros antes da cobreação ácida (0,25
a 0,8 μm).
4- Banho de cobre alcalino

Os componentes mais importantes do banho são:

- Cianeto de Cobre: Fonte de cobre;

- Cianeto de sódio ou de potássio:

Dissolução do cianeto de cobre e auxiliar a penetração do banho;

- Na2CO3: Ajustar o pH e reduzir a polarização do banho;

- Sal de Rochele (Tartarato de sódio e potássio): Refinador de grão


4- Banho de cobre alcalino

• Célula de HULL

A célula de Hull é um equipamento empregado para estudar o aspecto da


camada de eletro-depositadas em faixas de densidade de corrente
variáveis.
4- Banho de cobre alcalino

• Interpretações dos resultados da célula de Hull:

- Cobre alcalino

- Faixa escura, contaminação de enxofre;


- Depósito fosco escuro, estriado e sem aderência, contaminação de
cromo ( + 10 ppm );
- Falta de brilho, contaminação com pasta de polimento,
desengraxamento;
- Deposição muito lenta, avermelhada ou camada rugosa e porosa,
excesso de carbonatos, maior que 70 g/L
- Passivação do anodo ou deposito passivado, cianeto livre muito baixo.
4- Banho de cobre alcalino

Cobre ácido

- Queima na alta densidade, baixa concentração de sulfato de cobre,


agitação insuficiente, excesso de corrente, baixo teor de cloretos e
contaminação orgânica;
- Queda da corrente, temperatura fora dos limites, excesso ou falta de
cloreto, falta área anódica, contaminação de ferro ou zinco ou baixo teor
de fósforo no anodo.
- Falta de penetração e falta de brilho, baixo teor de sais, contaminação do
banho, densidade de corrente baixa;
- Formação de pites, contaminação do banho com graxa ou óleo;
- Aspereza , impurezas no banho.
Níquel

Os revestimentos de níquel:

- Conferem valor protetivo;


- E apreciável dureza.
1-Tipos dos Banhos e Principais
Componentes
• Banhos comuns de níquel fosco, a base de sulfato níquel.

• Banhos rápidos de níquelação fosca (Watts) a base de sulfato de níquel


e ácido bórico.

• Banhos de niquelagem dura, os banhos fluoborato, os banhos de


sulfamatos, etc.

• Banhos de niquelagem brilhante.

• Banhos semi-brilhante.

• Banhos especiais: banhos de níquel preto, além de outros.


2-Níquel Brilhante
A composição dos banhos de níquel:

- Sulfato de níquel: Proporciona o metal na solução que deverá ser


depositado sobre a peça;

- Cloreto de níquel: Favorece a passagem de corrente, proporcionando


também corrosão anódica.

- Ácido bórico: Funciona como tampão, ou seja, é um produto que se


opõe a variações rápidas de pH.
2-Níquel Brilhante

Possui ainda:

- Abrilhantador:

Orgânico - sacarina

- Molhador: detergente.
2-Níquel Brilhante

- Anodos: -Eletrolíticos (chapas) ou Despolarizados (tarugos).

Os pedaços devem ser colocados em cestas de titânio, que oferecem


algumas vantagens:

-Não há formação de retalhos


-Pouca formação de lama
-Maior facilidade de abastecimento
-Melhor distribuição de corrente.

O ensacamento de ânodos e cestas com polipropileno ou outro material


inerte
3- Níquel Preto

Niquelagem decorativo;

Não possuindo grandes qualidades protetivas, por causa do pequeno


filme de depósito e da sua natureza.

Os depósitos não são constituídos de níquel puro, mas de uma mistura


de sulfeto de níquel e outras substancias.

Ele pode ser aplicado sobre latão, cobre, zinco, cádmio e níquel.
4-Bi-Níquel

É constituído pelo processo de níquel semi-brilhante e o processo de


níquel brilhante.

Os dois banhos devem ser completamente compatíveis.

A aderência entre as duas camadas depositadas é excelente.

Apresenta ação de retardamento da corrosão.


4-Bi-Níquel

• O mecanismo de ação retardante esta no teor de enxofre


encontrado na camada de níquel eletrodepositada ( ≅ 0,05%).
• O teor de enxofre da camada de níquel depositada em processos
de níquel brilhante se situa entre 0,5 - 1%.
Níquel Químico
O Níquel Químico é um processo de revestimento que auto-
catalítico que deposita ligas de níquel-fósforo.
1- Processo
• É um processo que não utiliza corrente elétrica
e a camada, tal como depositada, é
extremamente uniforme, com uma estrutura
densa e essencialmente amorfa.
• Por este motivo, furos cegos, roscas, canais,
reentrâncias ou áreas internas recebem a
mesma camada de deposição que os cantos
vivos ou superfícies planas.
2- Substratos para depósito de níquel
químico
• O Níquel Químico pode ser depositado com ótima aderência sobre uma
variedade de substratos, tais como:
• Ferro
• Aço Carbono
• Ferro Fundido
• Alumínio e ligas
• Alumínio fundido
• Cobre, latão e bronze
• Aço Inoxidável
• Níquel e ligas
• Zamack
• Ligas de estanho
3- Aplicações Típicas
- AUTOMOBILÍSTICA - Engrenagens, carburadores, pistões de freios, cilindros, bicos de injeção, tubos, etc.

- MECÂNICA - Peças de máquinas, eixos, polias, moldes, engrenagens, dispositivos, etc.

- ALIMENTICIA - Válvulas e registros, prensas, cilindros, facas múltiplas, lâminas de corte, peças de balança,
etc.
- INDUSTRIAL - Cilindros, solenoides, êmbolos, bombas p/ cerveja, filtros, equipamentos
pneumáticos/hidráulicos, válvulas, controle de fluxo, tubulações, etc.
- PRODUTOS QUIMICOS - Trocadores de calor, pás misturadoras, componentes de válvulas, equipamentos de
filtração.
- ELETRÔNICA - Eixos de impressoras, cabeçotes, diodos, relês, conectores, peças de computadores, etc.
- PETRÓLEO E GÁS - Componentes de válvulas, conexões, bombas, tampões, acessórios tubulares, anéis, etc.
- MÉDICA - Conexões de tubulações de ar, seringas para anestesias, brocas dentária, etc.

- GRÁFICA , TEXTIL e de EMBALAGENS


4- Processo NP1 (Níquel–fósforo)

• O NP1 é um processo de níquel químico médio fósforo cuja


camada depositada é uma liga brilhante e uniforme de Níquel-
Fósforo com boa resistência à corrosão, boa resistividade
elétrica e dureza de 48 a 50 RC, como depositado.

• Após tratamento térmico constitui alternativa para o cromo


duro.

• O processo NP1 possui brilho, resistência a abrasão e maior


resistência à corrosão quando comparado ao cromo duro.
Além disso, dispensa a retífica após o banho por depositar
camada uniforme.

• Vale ressaltar que o depósito reflete o acabamento do


material base. Se este for polido e isento de porosidades, a
camada depositada terá a mesma aparência.
4.1- Características técnicas

• aparência Brilhante
• camada extremamente uniforme
• densidade 7,8 – 8,3 g/cm3
• dureza sem tratamento térmico 48-50 HRC
• dureza com tratamento térmico após deposição 60-70 HRC *
• teor de fósforo na camada: 6-8,5%
• resistência a abrasão (teste de desgaste por abrasão Taber)

-perda de peso após 1000 ciclos é de 5-18mg (sem tratamento térmico)


-perda de peso após 1000 ciclos é de 4-8mg (com tratamento térmico)
• resistividade elétrica 52 - 100 µΩ/cm
• propriedade magnética levemente magnético
• soldabilidade soldável, utilizando fluxo ativo
• ponto de fusão 880 a 960oC
4.2- Propriedades relativas á Corrosão:
• Teste Salt Spray (ASTM B117), condições do Teste:

Temperatura 35oC, solução de NaCl à 5% na forma de névoa;


Um depósito de 25µm apresenta primeiro ponto de corrosão em 100h.

• Teste Ácido Nítrico

Ácido Nítrico com concentração a 42oBe, tempo de exposição por 30 seg, em


temperatura ambiente.
Um depósito 25µm sobre aço carbono falha

• Teste Ácido Clorídrico


HCl 50%, por 3minutos em temperatura ambiente. Um depósito 25µm sobre
aço carbono passa.
Características dos testes
• A dureza da camada deve ser medida utilizando um micro-durometro
com carga de 50gr sobre uma camada depositada de no mínimo 75µm.

• Ao utilizar uma camada menor do que 75µm ao valor da dureza sofrerá a


interferência da dureza do metal base.

• O teste ASTM é feito utilizando uma chapa lisa.

• Peças de conformação complexa ou superfícies brutas podem apresentar


início de manchas em menos horas.

• O teste de salt spray ASTM B117 é basicamente um teste de porosidade,


somente usado como ferramenta de seleção para mostrar as diferenças
obtidas por processos alternativos.

• Não constitui todavia um teste quantitativo de corrosão.


*** Falha é indicada por qualquer descoloração significativa do depósito.
NP1 NP2 NP3 NP4
médio fósforo baixo fósforo baixo fósforo níquel teflon

Teor de Fósforo 6-8,5% 10-12% 1-3% 9-11%

TABELA COMPARATIVA ENTRE OS PROCESSOS


Teor de PTFE (teflon) - - - 8-9%

Extremamente Extremamente Extremamente Extremamente


Camada
uniforme uniforme uniforme uniforme

Aspecto visual brilhante Semi-brilhante Semi-brilhante Acetinado

Dureza sem
tratamento 48-50 HRC 48-50 HRC 58-62HRC 300 – 350 HV100
térmico

Dureza com
tratamento 60-70HRC 60-70HRC 68-70HRC 400 – 450 HV100
térmico

Lubricidade Boa Boa Boa Excelente

Soldável, utilizando Soldável, utilizando


Soldabilidade - -
fluxo ativo fluxo RMA

Resistência à
Boa Ótima Regular Boa
corrosão

Niquel-900 ºC
Ponto de fusão 880-960 ºC 890 ºC aprox 1200 ºC
PTFE - 325ºC

Propriedade
Levemente magnético Não magnético Levemente magnético -
magnética

Resistência à abrasão e
Resistência à abrasão, à à corrosão. Indústria Resistência à abrasão, à
Resistência à abrasão e
Indicação corrosão e acabamento alimentícia e médica corrosão e anti-
soldabilidade
decorativo por não conter metal aderência
pesado na camada
Cromagem
O cromo é um metal de cor branca azulada;

Elevada dureza, quando obtido por


eletrodeposição;

É resistente ao calor;

Possui excelente resistência a corrosão


atmosférica

É atacado pelo ácido sulfúrico e clorídrico.


1- Aplicação

É aplicado sobre diversos materiais:

- Aço;
- Zamak;
- Alumínio;
- Latão e bronze
- Plásticos.

Destes materiais somente o aço inox pode recebê-lo diretamente.

Os demais necessitam de uma camada intermediaria de níquel (aço) ou


uma combinação de cobre e níquel (latão).
2- Tipos de banhos

- Cromo Decorativo

A camada muito fina de cromo depositado sobre bases de níquel.

Espessuras de camadas

Utensílios domésticos 2 -10 μm


Dispositivos hidráulicos 2 -10 μm
Acabamento interior de auto 5 -15 μm
Acabamento exterior de auto 10 -100 μm
Dispositivos marítimos 10 -100 μm
2- Tipos de banhos

- Cromo duro

- O cromo é um dos poucos metais que pode ser depositado


eletroliticamente, com alta dureza, a partir de eletrólitos aquosos.
-
- Seu aspecto visual é branco-cinzento, passível de polimento, assumindo
uma coloração azulada.

- Normalmente os depósitos de cromo duro apresentam microfissuras.

- A eletrodeposição de cromo duro é reconhecida por prolongar a


durabilidade dos substratos sujeitos ao desgaste por corrosão, fricção e
abrasão.
2.1 - Características

Densidade 6,93 g/cm3


Ponto de Fusão 1890ºC
Coef. Dilatação 0'8 mm./m. a 0º C
Condutividade elétrica 50 Ohms/cm2
Condutividade térmica 0,165 cal/s. cm3 a 18ºC
Modulo elasticidade 15.000 Kg./mm2
Resistência a tração 15 Kg./mm2
Dureza Vickers 850-1150
Dureza Rockwell HRC 62-75
Coef. Atrito Ligas de aço 0'17
Ligas antifricção 0'15
Cromo duro 0'14
Propriedades magnéticas Amagnético
Resistência a corrosão ( orientativa) 200 h.(CNS) 25 microns
3- Equipamentos em Geral de um banho

Legenda:
– Retificador
– Anodos
– Bomba
– Exaustor
– Trocador de Calor
– termoelemento
- Gancheiras
3.1- Componentes do banho

A solução do banho consiste em uma solução relativamente


concentrada de um composto de ácido crômico (CrO3) dissolvido em
água com uma pequena quantidade de catalisador (íons sulfato).
- Formulação
- CrO3 248 g/L
- SO4-2 2,48 g/L
- Condições de Operação
Temperatura: 32 – 49 oC (43oC)
Densidade corrente: 5 - 25 ( 10 A/dm2)
Voltagem: 4 – 12 V
4- Fissuras das camadas

As fissuras surgem devido às tensões que conferem a elevada dureza


à camada depositada de cromo.
O cromo duro microfissurado promove um aumento da resistência à
corrosão em relação ao cromo duro convencional, devido a
mudanças no potencial de corrosão superficial.
O cromo sem fissuras impedem o contato da superfície do metal
base com o meio corrosivo, proporcionando revestimento de cromo
duro com maior resistência à corrosão.
Os ensaios de névoa salina: 100h de ensaio, segundo norma ASTM
B117.
4- Aspectos de uma camada de cromo
convencional

Superfície de camada de cromo duro fissurado convencional (600x)

seção de camada de cromo duro fissurado convencional (200x)


4- Aspectos de uma camada de cromo
microfissurada

superfície de camada de cromo duro microfissurado ( 600x)

seção de camada de cromo duro microfissurado (200x)


4- Aspectos de uma camada de cromo sem
fissuras

Camadas (películas) normalmente usadas

Hastes Hidráulicas 0,025 a 0,050 mm


Chapas 0,025 a 0,050mm
Matrizes 0,010 a 0,030mm
Cilindros 0,025 a 0,400mm
Camadas de Proteção à Corrosão 0,020 a 0,050mm
Camada para Retífica 0,050 a 0,070mm
Peças de Recuperação 0,100 a 0,300mm
Camadas Especiais 0,002 a 0,500mm

1 mm= 1000 𝜇𝑚

seção de camada de cromo sem fissuras (200x)


Peças cromadas
Peças cromadas
Peças cromadas