Você está na página 1de 4

 

José 
José​,  jo'-seph  (Heb.)  - a quem Jeová adicionará; Jeová aumentará; ele deve aumentar progressivamente, i. e., da perfeição 
para a perfeição. 
 
um  filho  de  Jacó,  ancião  dos  dois  que  Raquel  lhe  deu.  "E  chamou  o  nome  de  José,  dizendo:  Jeová  me  adiciona  outro 
filho"  (Gênesis  30:24;  ver  também  Gênesis  37,  39,  41,  42,  46  a  50).  A  bênção  de  Jacó  por  José  foi  (Gênesis  49:  22-26): 
"José  é  um  ramo  frutífero,  ramo  frutífero  junto  a  uma  fonte;  seus  galhos  correm  por  cima  do  muro.  Os  arqueiros  o 
lamentaram  profundamente,  atiraram  nele  e perseguiram. ele: Mas o seu arco permaneceu em força, e os braços das suas 
mãos  foram  fortalecidos,  pelas  mãos  do  poderoso  Jacó;  dali  é  o  pastor,  a  pedra  de  Israel),  até  pelo Deus de seu pai, que 
ajude-te,  e  pelo  Todo-Poderoso,  que  te  abençoará,  Com  bênçãos  do céu acima, Bênçãos do abismo que assenta embaixo, 
Bênçãos  dos  seios  e  do  ventre.  As  bênçãos  de  teu  pai  prevaleceram  sobre  as  bênçãos  dos  meus  progenitores  extremo 
limite  das  colinas  eternas:  estarão  sobre  a  cabeça  de  José, e sobre a coroa da cabeça daquele que estava separado de seus 
irmãos.  "E  Moisés abençoou a tribo de José, através de seus dois filhos, como segue (Dt 33: 13-17): "Bendita a Jeová seja a 
sua  terra,  pelas  preciosas  coisas do céu, pelo orvalho e pelo vento. ep que se assenta embaixo, e pelas coisas preciosas dos 
frutos  do  sol,  e  pelas  coisas  preciosas  do  crescimento  das  luas,  e  pelas  coisas  principais  das  montanhas  antigas,  e  pelas 
coisas  preciosas  das  colinas eternas, e pelas preciosas coisas da terra e pela sua plenitude, e pela boa vontade daquele que 
habitava  na  sarça.  Que  a  bênção  caia  sobre  a  cabeça  de  José,  e  sobre  a  coroa  da cabeça daquele que estava separado de 
seus  irmãos.  O  primogênito  do  seu  rebanho  é  a  sua  majestade;  e  os  seus  chifres  são  os  do  boi  selvagem;  com  eles 
empurrará  todos  os  povos,  até  os  confins  da  terra;  e  são  os  dez  mil  de  Efraim.  eles  são  os  milhares  de Manassés. " Nas 
bênçãos  de  Jacó  e  Moisés  sobre  José,  onde  o  texto  diz  "que  estava  separado  de  seus  irmãos",  a  margem  cede  ", que é o 
príncipe  entre"  seus  irmãos.  h  Um  seguidor  da  doutrina  cristã,  apelidado  Barnabé  pelos  apóstolos.  Ele foi companheiro 
de  Paulo  em  muitas  jornadas  missionárias  (Atos  4:36).  c  Marido  de  Maria,  mãe  de  Jesus  (Mateus  1:19).  d  José  de 
Arimatéia,  um  homem  rico  e  discípulo  de  Jesus,  que  implorou  a  Pilatos  o  corpo  de  Jesus  e  o  enterrou  em  sua  própria 
tumba  (Mt  27:  57-60).  José  telefonou  a Barrabás, um dos dois que foram escolhidos para substituir Judas Iscariotes, mas 
o lote recaiu sobre Matias e não sobre José Barrabás (At 1:23). 
 
Meta.  ​O  estado  de  consciência  em  que  aumentamos  de  caráter  em  todas  as  linhas;  não  apenas  crescemos  em  um 
entendimento  mais  amplo,  mas  também  aumentamos  a  vitalidade  e  a  substância.  Joseph  é  especialmente representativo 
do  reino  das  formas.  Ele  estava  vestido  com  um  casaco  de  muitas  cores;  ele  era  um  sonhador  e  intérprete  de  sonhos; o 
fenomenal  era  seu  campo  de  ação.  Entre  as  faculdades  primárias  da  mente,  Joseph  representa  a  imaginação.  Essa 
faculdade  tem  o  poder  de  lançar  na  tela  da  visibilidade  em  substância  e  forma  de  vida  toda  idéia  que  a  mente  possa 
conceber.  Embora  a  imaginação  seja  uma  faculdade  muito  necessária  e  poderosa  e  produtiva,  ainda  é  menosprezada  e 
menosprezada  e  desprezada  pelas  outras  faculdades  da  mente  enquanto  não  são  despertadas  espiritualmente,  enquanto 
estão  funcionando  na  consciência  intelectual  em  vez  de  na  verdadeira  compreensão  espiritual  (Joseph's  irmãos  o 
perseguiram). 
 
José  no  Egito  simboliza  a  palavra  da  imaginação  no  subconsciente,  ou  a  involução  de  uma  alta  idéia  espiritual.  Pode-se 
dizer  que  Joseph no Egito representa também nossa mais alta percepção da verdade, lidando com o domínio das formas e 
levando-a a um estado mais ordenado. 
 
José,  nosso  alto  ideal  da  verdade,  desce  às  trevas  egípcias  da  consciência  sensorial  e,  sob  a lei, finalmente a elevará à luz 
espiritual.  No  processo,  Joseph  parece  morrer,  mas  seus  "ossos"  permanecem.  A  substância  da  verdade  é uma presença 
permanente, embora sua forma possa ser perdida de vista. 
 
Quantas  vezes  ouvimos  as  pessoas  dizerem  que  agora  não  parecem  perceber  a  elevação  que  lhes  ocorreu  quando 
começaram  a  entender  a  Verdade!  Então  eles  ficaram  tão  entusiasmados  que  não  conseguiram  pensar  e  falar  em  mais 
nada.  Eles  dizem  que  até  demonstraram  por  si  mesmos  e  pelos  outros  com  mais  facilidade  do  que  demonstram  agora. 
Eles  pensam  que  de  alguma  forma  perderam  o  domínio  da  Verdade,  porque  a  carnalidade  parece  muito  real  para  eles. 
Eles  estão  exatamente  no  lugar  que  foi  ocupado  pelos  israelitas  depois  que  José  morreu.  A  verdade,  como  uma  coisa  à 
parte,  uma  personalidade  chamada  José,  desapareceu,  mas  vive  em  sua  descendência  na  terra  do  Egito,  e  esses 
descendentes  são  oprimidos  pelos  egípcios.  Podemos  dizer  que  as  idéias  que  compõem  as  declarações  da  Verdade  que 
você recebeu percorreram através de você 
 
Efraim​, e'-phra-lm (Heb.) - duplamente frutífero; muito proveitoso; produtivo. 
 
Segundo filho de José e irmão de Manassés (Gênesis 48: 14). 
 
Meta. A vontade 
 
Em  Gênesis  41:  50-52,  afirma-se  que  José  teve  dois  filhos,  Manassés  e  Efraim.  "E  José  chamou  o  nome  do  primogênito 
Manassés:  porque,  disse  ele,  Deus  me  fez  esquecer  todo  o  meu  trabalho e toda a casa de meu pai. E o nome do segundo 
se chamou Efraim: porque Deus me fez frutificar em a terra da minha aflição. " 
 
É  muito  claro  que  Manassés  significa  o  pensamento  de  esquecimento  ou  negação,  e  Efraim  significa  o  pensamento  de 
acrescentar  ou  afirmar.  Também  percebemos  que  esses  dois filhos representam o entendimento e a vontade. O primeiro 
passo  que  um  iniciante  em  Verdade  dá  é  estabelecer  um  novo  e  melhor estado de consciência, baseado no absoluto. Ele 
esquece, ou nega, o "não é bom" e traz à lembrança vívida o muito bom, afirmando que é o real. 
 
Esses dois filhos de José, o entendimento e a vontade, devem ser especialmente ativos naquele que vencerá e dominará as 
sensações  do  corpo.  Sua  colocação  na  Terra  Prometida  era  de  propriedade  conjunta.  Isso  mostra  que  eles devem andar 
de  mãos  dadas.  Em  toda  construção  de  caráter  e  corpo  permanente,  a  ação  da  vontade  (Efraim)  deve  ser  baseada  no 
entendimento (Manassés). 
 
"A  coroa  do  orgulho  dos bêbados de Efraim" vê TIMNATH-HERES e pé "(Isa. 28: 3) é o orgulho da personalidade. O 
egoísta constrói estados mentais falsos, o pensamento deles é gratificação dos sentidos. 
 
Os  frutos  que  esses  estados  de  espírito  produzem  são  palha  e  humilhação.  A  mente  se  torna  confusa  e  instável, 
produzindo doenças e fraquezas do corpo. 
 
A  verdadeira  "coroa  da  glória"  e  o  "diadema  da  beleza"  são  a  conquista  da  compreensão dos princípios da Verdade e a 
compreensão de como expressar esses princípios na mente, no corpo e nos assuntos. 
 
Para informações sobre "a região montanhosa de Efraim", consulte TIMNATH - HERES e JOSHUA. 
 
Manassés  (em  A.  V.,  Mateus  1:10;  Ap.  7:  6,  Manassés),  ma-nas'-seh  (Heb.)  -  quem  faz  esquecer;  causando 
esquecimento; fora dos esquecidos; do esquecimento. 
 
um  filho  mais  velho  de  José  (Gênesis  41:51).  Seus descendentes se tornaram uma das tribos de Israel (Núm. 2:20). b Um 
rei ímpio de Judá (II Reis 21: 1). 
 
Meta.  O  significado  de  "Manassés"  é  quem  faz  esquecer.  O  significado  de  "Efraim"  é  duplamente  frutífero.  Manassés 
representa  entendimento,  e  Efraim  significa  vontade.  O  entendimento  aqui  denota  negação,  a  atividade  negativa  da 
mente. A vontade é a qualidade positiva ou afirmativa, a atitude afirmativa da mente. 
 
Efraim  e  Manassés  são  irmãos.  Quando  essas  duas faculdades se expressam em harmonia, a ordem divina é estabelecida. 
A  vontade  e  a  compreensão  têm  seus  centros  de  atividade na cabeça e funcionam através do cérebro da frente. Quando 
o  entendimento  governa  sem  a  força  de  equilíbrio  da  vontade,  Israel  é levado a adorar falsos deuses. Dois desses deuses 
falsos são "os Baalim e os Asheroth", que representam a natureza em seus vários aspectos sensoriais. 
 
O  homem  adora  esses  falsos  deuses  quando  se  torna  tão  negativo  que  acha  que  existem poderes fora de si que regulam 
sua  vida.  Ele  coloca  sua  fé  nos  signos  do  zodíaco;  acredita  em  um  "planeta  dominante";  confia  na  "sorte";  busca 
orientação  de  "espíritos  familiares";  se  entrega  à influência de outras mentes, através do hipnotismo e da sugestão; segue 
inquestionavelmente o conselho dado nas numerosas seitas e sociedades que foram criadas para adoração pelo homem. 
 
Por  esse  culto  a  deuses  falsos, a mente do homem é aberta ao fenomenal e ele coloca sua fé em aparentes poderes fora de 
sua  própria  consciência  espiritual.  Assim,  ele  perde  seu  domínio  EU  SOU.  Este  é  o  esquecimento  do  poder  de  Deus 
dentro  dele, e o leva à condenação. É então que o entendimento, ou fator dominante, é colocado "acorrentado", "preso ... 
com grilhões" e levado à Babilônia, com total confusão. 
 
O  caminho  da  fuga  está  na negação do aparente (Manassés "se humilhou") e na busca da verdadeira Fonte de sabedoria 
e  poder,  através  da  oração.  Quando  abrimos  nossa  mente  ao  Espírito  e  declaramos  a  Verdade,  o  entendimento  é 
estabelecido em harmonia com os padrões divinos. "Manassés sabia que Jeová era Deus" (II Cr. 33: 1-13). 
 
Manassés  tinha  doze  anos  quando  começou  a  reinar  (II  Cr.  33:  1)  significa  que  a  mentalidade negativa havia envolvido 
todas as doze faculdades. Portanto, todos os pensamentos eram "maus aos olhos de Jeová". 

Timnath-heres, tim'-nath - he'-res (Heb.) - parte de Heres; porção do sol. Uma cidade na região
montanhosa de Efraim. Era o lar e o local de sepultamento de Josué (Ju. 2: 9). Meta. Como um
indivíduo, sob a liderança de algum ideal central como Josué significa, consegue trazer todas as suas
faculdades e forças em subserviência a esse ideal central, o próprio ideal parece morrer ou estar
fundido na atividade geral de seu ser como um Josué morreu e foi sepultado em Timnate-Heres. Assim,
a luz é difundida em maior grau por todo o ser. Esta é a parte do sol, ou parte de Heres. Quando a idéia
central é absorvida pelo ser, o indivíduo se torna duplamente frutífero (um significado de Efraim: Josué
era um efraimita, e Timnath-heres estava na região montanhosa de Efraim) e sua consciência do poder
criativo aumenta bastante. (Timnath-serah, o nome mais correto desta cidade, e que significa frutífero,
produtivo, uma porção multiplicadora, uma porção de redundância, leva a cabo a mesma idéia.) Nesse
estado de consciência do poder criativo muito aumentada, não demora muito para que haja é um
grande acúmulo de novas forças e, a menos que sejam definitivamente direcionadas, o indivíduo
encontra dificuldades e é provável que seja atraído de volta à materialidade. Deve-se estar muito atento
para evitar a condição que mais tarde superou os israelitas, que entraram na idolatria e adoraram Baal e
outros deuses pagãos.

Hananel (A.V., Hananeel), ha-nan'-el (Heb.) - Deus deu graciosamente; Deus é gracioso; favorecido por
Deus; Misericórdia de Deus; dado por Deus. Uma torre no muro de Jerusalém e formando uma parte do
muro (Ne. 3: 1; Jer. 31:38). Meta. O pensamento da misericórdia e da onipotência das qualidades
espirituais, como pertencentes ao homem e estabelecidas em sua consciência corporal através da
oração e altas aspirações espirituais.

Raquel (em A.V., Jeremias 31:15, Rahel), ra'-chel (Heb.) - migrando; viajando em massa; ovelha;
ovelha; Cordeiro.

A filha mais nova de Labão e uma das duas esposas de Jacó (Gênesis 29:28). Ela era mãe de José e
Benjamim (Gênesis 30:24; 35:18).

Meta. A fase feminina, receptiva ou da alma da vida natural pura no organismo do homem (ovelha,
cordeiro). Essa fase da vida que Rachel significa ainda está em um estado transitório (migrando). Só é
proveitoso no plano espiritual superior das idéias. (Raquel foi estéril por um tempo; seus dois filhos,
Joseph e Benjamin, foram o resultado da oração e representam as faculdades da imaginação e da fé
ativa. Eles, especialmente Joseph, foram aceitos acima de seus irmãos, os outros filhos de Jacó que
eram os filhos de Lea - a alma humana - e as duas criadas. Jacó amava José e Benjamim mais
ternamente que seus outros filhos.)
Ramah (em A.V., Mateus 2:18, Rama), ra'-mah (Heb.) - um lugar alto; altura; uma elevação; uma
exaltação; uma sublimidade. a Uma cidade de Benjamim (Jos. 18:25). b Uma cidade na fronteira de
Aser (Jos. 19:29). c Uma cidade fortificada de Naftali (Jos. 19:36). d Uma cidade de Efraim (1 Sam. 1: 1,
19). "Baasa, rei de Israel, subiu contra Judá, e edificou Ramah, para que não permitisse que ninguém
saísse ou entrasse em Asa, rei de Judá"; mas Asa mandou seus homens destruirem esse Ramah que
Baasa havia construído (1 Reis 15:17, 22). Débora, a profetisa, habitava "entre Ramá e Betel, na região
montanhosa de Efraim" (Juízes 4: 5). Samuel, o profeta, morava em Ramá (1 Sam. 7:17). Meta. Um
lugar muito alto na consciência, ou um estado mental elevado (um lugar alto, altura, elevação,
sublimidade).