Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITAPURANGA


PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA: INTERDISCIPLINARIDADES E
DEMANDAS CONTEMPORÂNEAS

LARA DALILLA DO NASCIMENTO GOBBO REIS

RESENHA: INFÂNCIAS DO CAMPO


Relatos Sociológicos das infâncias do campo

ITAPURANGA
2016
Relatos Sociológicos das infâncias do campo

O artigo lido, “Retratos Sociológicos das Infâncias do Campo”,


escrito por Jaqueline Pasuch e Eulene Vieira Moraes, volta o olhar de nós
leitores para conhecer espaços de vivências das crianças em comunidades do
Centro-Oeste do Brasil, mais especificamente pertencentes ao município de
Sinop, em Mato Grosso, moradoras das comunidades de Gleba Mercedes V.
Inseridas num espaço de conflitos e explorações, por um lado, e de desejo pela
preservação ambiental e a permanência em culturas diversificadas, por outro,
as autoras constroem retratos sociológicos das infâncias estudadas,
possibilitando a nós conhecer um pouco seus modos de constituição.
O texto se inicia com uma mensagem das crianças aos chefes de
estado na Seção Especial das Nações Unidas onde trazem a seguinte
epígrafe: “Nós queremos um mundo para as crianças, porque o mundo a nosso
modo é um mundo para todas as pessoas.” Isso nos faz pensar e analisar
como deve ser a tarefa de educar as crianças e como é o mundo em que elas
estão vivendo na atualidade. Refletir sobre a infância no campo, sua cultura e
educação nos diversos contextos rurais que estão inseridos, sem duvida
constitui um grande desafio, porém é algo que se torna necessário analisar nos
dias atuais.
A pesquisa elaborada pelas autoras foi voltada a desvendar o modo
de viver a infância, as experiências de vida e a liberdade de poder sonhar o
mundo que imaginam para viver ainda crianças. As crianças que participam da
pesquisa relatam como sua infância é vivida, como gostaria que ela fosse, e se
expressam ricamente em seus depoimentos.
Vimos que a rotina de vida dessas crianças no campo não é muito
fácil, porém, mesmo com árduas tarefas, longas caminhadas de casa a escola,
rotinas difíceis, os sorrisos e as brincadeiras inocentes sempre aparecem e tem
grande valor, geram um significado bem maior na vida de cada uma delas.
Pude perceber ao ler este artigo, que existem várias respostas para
a pergunta “O que é ser criança?”, cada relato presente na pesquisa das
autoras mostra a variação de opinião uma criança para outra, cada uma com
sua especificidade e sua inocência contam como é e o que acham dessa fase
maravilhosa. Para muitas ser criança é brincar, correr, estudar, aproveitar da
natureza. Outros se dividem entre as reais atividades de criança e o trabalho
diário. Existem também alguns relatos de crianças que parte nosso coração ao
meio, porque não tem a oportunidade de aproveitar essa fase que logo irá
passar, fazem todas as tarefas de adultos e que sonham em ter tempos para
brincar, alguns ainda dizem que chegam a ser agredidos quando tentam
apenas serem crianças, querendo apenas um tempo para aproveitar sua rápida
infância.
É certo que a vida das crianças no campo não é algo fácil, muitas
sabem que precisam aproveitar cada momento para brincar e se divertir, pois o
tempo é curto, sabem a importância de viver cada momento de sua infância,
porem também têm a noção que devem ajudar as famílias nas atividades
diárias.
Um ponto muito importante que é ressaltado no texto é a valorização
da família, as crianças mesmo tendo que ajudar no trabalho se mostram
felizes, pois sabem que a presença dos pais, o companheirismo entre eles é
importantíssimo em suas vidas, alguns pais relatam que voltam aos tempos de
crianças quando brincam com seus filhos, talvez pelo fato de terem passado
tão rápido por essa fase que não tiveram tempo para aproveitá-la, percebem
que é necessário dar valor a essa fase da vida e que seus filho merecem a
oportunidade que eles muitas vezes não tiveram. Dessa forma, acredito que
para muitas crianças o trabalho no campo não se torna uma obrigação, mas
sim certa necessidade, onde a grande maioria ajuda a tirar o leite, apartar
vacas, carregam algumas lenhas, etc, mas também estudam, brincam, andam
a cavalo, mergulham nos rios e fazem o que é mais importante nessa fase da
vida que é ser criança. São respeitadas e ensinadas de forma grandiosa para a
futura vida adulta o que os tornarão cidadãos de bem.

Referência
SILVA, Isabel Oliveira e; SILVA, Ana Paula Soares da; MARTINS,
Aracy Alves [Org.]. Infâncias do campo. Belo Horizonte: Autêntica Editora,
2013. 248 p. (Coleção Caminhos da Educação do Campo)