Você está na página 1de 18

Instituto de Engenharia e

Desenvolvimento
Susténtável - IEDS
Engenharias de Energias

LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA

RELATÓRIO DE PRÁTICA IV (6)

Título: Máquinas Síncronas Em Regime Permanente

Docente: Humberto Ícaro Fontinele


Discente: Ezi Adjoino Indi

Redenção-CE, 31/01/2020
Sumário
Introdução ......................................................................................................................... 3
Objetivos: ......................................................................................................................... 3
Procedimentos ............................................................................................................... 4-7
Resultados e Discussões. ............................................................................................. 4-17
Conclusão-----------------------------------------------------------------------------------------18
Referências----------------------------------------------------------------------------------------18
Introdução

As máquinas síncronas são as mais importantes fontes de geração de energia elétrica

Como é do conhecimento de estudantes de disciplina de conversão eletromecânica que a


Máquina Síncrona- é uma máquina elementar composta por três enrolamentos no estator,
defasados de 120 graus o enrolamento no rotor é alimentado por uma corrente contínua.
E o rotor da máquina síncrona (MS) pode ser: de polo liso ou com polos salientes tal
como foi visto na sala de aula da disciplina, sabe-se que a máquina de rotor liso é usada
para acionamentos em alta velocidade, como é notório a sua velocidade é (n = 1800 rpm)
e a de polos salientes para acionamentos em baixa velocidade. De acordo Fabio (2016),
Aproximadamente +99 % de toda a potência é gerada por máquinas síncronas.
Também sabe se que a maior parte dos conversores eletromecânicos de energia de alta
potência são baseados em movimento rotacional, movimento esse composto por duas
grandes partes a saber: primeiro a parte fixa estator) e parte móvel que é rotor.

Geradores síncronos são indispensáveis para o sistema de geração de energia no Brasil.


São amplamente utilizados, desde pequenas máquinas até nas grandes centrais de
geração. Durante a operação de um gerador síncrono é preciso conhecer os limites dentro
do qual ele pode ser seguramente utilizado (BERTINETI, 2014).

Objetivos:
Determinar as características em vazio e em curto-circuito das máquinas síncronas.
Determinar as reatâncias síncronas não-saturada (Xsnsat) e saturada à tensão nominal
(Xs).
Calcular a Relação de Curto-Circuito (RCC).

3
Procedimentos:

Vale salientar que aqui nos procedimentos foram usados nos dois multímetros, três cargas
conectadas ao motor com suas fases e duas fontes que são: fonte monofásica e trifásica,
a fonte monofásica foi conectada com duas fases de multímetro e fonte trifásica com três
fases e três conexões ligadas em estrela para gerador e essa fonte. Também foi usado um
aparelho importante que serviu na medição da velocidade que é Tacômetro (regulador
da velocidade). Num primeiro momento trabalhou com a corrente de circuito aberto na
fonte monofásica medindo a tensão, corrente contínua e velocidade, e no segundo com a
fonte trifásica , aqui também foi feita a mesma medição só que com a corrente alternada,
ou seja variou a corrente contínua na escala de: 0 a 2, isto variando de 0,4A até 2 e mediu
a corrente alternada com a velocidade. Sabe-se que o MIT tem uma velocidade de
1800rpm, que é o valor estipulado da máquina, pois na medição, com apoio de
Tacômetro encontrou um valor de velocidade esse valor vai ter que servir de cálculo de
regra de três simples para achar tensão nominal com vista a plotar o gráfico tensão
corrente (gráfico de circuito aberto) e o segundo gráfico de: corrente alternada e corrente
contínua (gráfico de curto circuito), mas antes deve fazer o mesmo procedimento do
anterior para encontrar uma corrente alternada nominal e por fim plotar o gráfico, estes
gráficos vão ser plotados no Excel. As apresentações de medições de valores, pretende-
se fazê-lo nos resultados e discussões de modo a poder discutir os resultados juntamente
com os gráficos que serão plotados, mas antes é preciso apresentar as fotos de tal motor
(máquina) em que foi feita as medições:

4
Foto 1- Acervo próprio.

5
Foto 2- Acervo próprio.

6
Foto 3- Acerco próprio.

7
Resultados e Discussões

Primeira medição com corrente contínua variando de 0 a 2, ou seja, variação de: 0,4 até
2.
1. Medição:
Ic = 0 A
Tensão, V = 5V
Velocidade, V= 1753prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 5V Logo. X = 4,869V
1753 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 4,869V

2. Medição:
Ic = 0,41A
1800 rpm--------------------------- 100V Logo. X = 97,27V
1751 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 97,27V
Obs.: esse defere do anterior, pois a corrente na primeira medição, foi 0 (zero) o que
contribuiu para uma tensão menor, e no segundo caso a tensão é bem maior, pois a
corrente é superior a primeira.

3. Medição:
Ic = 0,8A
1800 rpm--------------------------- 159V Logo. X = 154,41V
1748 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 154,41V

4. Medição:
Ic = 1,2A
1800 rpm--------------------------- 194V Logo. X = 187,75V
1742 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 187,75V

Nota-se que quanto maior a corrente, maior é a tensão, pois são proporcionais
como é notório nos cálculos.

8
5. Medição:
Ic = 1,6A
1800 rpm--------------------------- 215V Logo. X = 207,48V
1737 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 207,48V

6. Medição:
Ic = 2A
1800 rpm--------------------------- 231V Logo. X = 222,02V
1730 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, V = 222,02V

Aqui os valores de tensão disparam, por causa daquilo que foi dito no parágrafo
anterior, enquanto que a velocidade decresce. Agora vai desenhar a tabla tensão
e corrente, neste caso contínua e plotar o gráfico.

Tensão Corrente contínua


4,87V 0A
97,27V 0,41A
154,41V 0,8A
187,75V 1,2A
207,48V 1,6A
222,02V 2A

Gráfico tensão corrente (gráfico de circuito Aberto).

9
Para se obter o valor da tensão nominal do estator em função da corrente de campo, basta
efetuar o ensaio em vazio do gerador. Aciona-se mecanicamente o gerador à velocidade
síncrona e varia-se a corrente de campo de zero ao seu valor máximo neste caso 2. Esta
característica é chamada “Característica de Circuito Aberto (CCA)” do gerador. Ou seja,
este é o gráfico de circuito Aberto. Como é notório no gráfico tem-se um gráfico de tensão
e corrente, o gráfico é crescente mostrando que na medida que os valores de tensão
aumentam em relação a corrente, o gráfico tende a tornar-se uma curva, ou seja, uma
parábola. Esses valores foram reajustados com o cálculo de regra de três simples, em que
os valores medidos juntos dos valores de velocidade foram designados no final como os
valores de tensão de nominal e corrente nominal.

10
Para plotar o segundo gráfico corrente contínua e alternada, tenho as seguintes medidas:
Vale dizer que aqui a corrente contínua foi variada de: 0 a 2, variando e 0,4. É já a parte
de circuito- aberto.
1. Medição:
Ic = 0 A
Corrente Alternada, IA = 0,08A
Velocidade, V= 1756prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,08A Logo. X = 0,078A
1758 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, IA = 0,078ª

2. Medição:
Ic = 0,4A
Corrente Alternada, IA = 0,13A
Velocidade, V= 1756prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,13A Logo. X = 0,127A
1758 rpm--------------------------- X Corrente alternada, IA =,127ª

3. Medição:
Ic = 0,8A
Corrente Alternada, IA = 0,31A
Velocidade, V= 1756prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,31A Logo. X = 0,302A
1756 rpm--------------------------- X Corrente alternada, IA =0,302A

4. Medição:

11
Ic = 1,2A
Corrente Alternada, IA = 0,46A
Velocidade, V= 1756prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,46A Logo. X = 0,447A
1748 rpm--------------------------- X Corrente alternada, IA =0,447A

5. Medição:
Ic = 1,6A
Corrente Alternada, IA = 0,63A
Velocidade, V= 1741prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,63A Logo. X = 0,609A
1741 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, IA 0,609A

6. Medição:
Ic = 2,02A
Corrente Alternada, IA = 0,81A
Velocidade, V= 1756prm
Agora vou calcular a tensão nominal através de regra de três simples:
1800 rpm--------------------------- 0,81A Logo. X = 0,786A
1725 rpm--------------------------- X Tensão nominal é, IA = 0,786A

Corrente Contínua Corrente Alternada


0A 0,078A
0,4A 0,127A
0,8A 0,302A
1,2A 0,447A
1,6A 0,609A
2,02A 0,786A

12
Agora plotar gráfico

Este é o gráfico de curto-circuito, de dizer que foram plotados neste gráfico os valores
de corrente contínua e corrente alternada, o gráfico é crescente, pois os valores de
tensão são bem aproximados, tende a crescer tanto na medida que os valores de corrente
contínua aumentam.

13
Questionários
Para responder questionários pretende-se dividir em duas partes:

Primeiro responde-se questões de trabalho preparatório.

1. Para que servem os ensaios de curto circuito e circuito aberto nos geradores
síncronos?

R: O ensaio de circuito- aberto é usado para obter o circuito equivalente em série

Req + JXeq, o curto-circuito é aplicado ao secundário do transformador e a tensão


induzida ao primário. O ensaio de circuito aberto ou chamado de ensaio a vazio, é
realizado com o secundário em aberto e a tensão nominal aplicado a primário, assim
facilitando a circulação de corrente de excitação.

2. Qual a finalidade dos enrolamentos amortecedores?


R: Este enrolamento destina-se a amortecer oscilações de binário mecânico que
provoquem quebras de sincronismo, e que poderiam causar a saída de serviço da
máquina uma vez que fora do sincronismo esta deixa de produzir binário útil (motor
ou gerador).

3. Por que a frequência de um gerador síncrono depende da velocidade de rotação do


eixo?

R: Depende exatamente dele, pois isso indica que como sua equação é
diretamente ligada a velocidade rotacional em Rpm. Ou seja, por causa da sua
proteção e regulação. Ainda A frequência nominal do gerador depende do sistema
onde vai ser ligado. Existe uma relação fixa entre a velocidade do gerador (𝑛𝑚 ) e
a frequência de operação (𝑓𝑒 ).

14
𝑛𝑚 .𝑝
𝑓𝑒 = → constante
120

4. Explique brevemente como pode ser obtida a impedância síncrona e a resistência do


induzido de um gerador síncrona?
A impedância síncrona é composta de: Zs = Ra + jXs Ra - Resistência por fase do
circuito da armadura. Xs = Xa + Xra Xa - Reatância própria do circuito da armadura.
Xra - Reatância devido ao efeito da reação da armadura (sujeito à saturação).

5. Por que se deve reduzir a potência nominal de um gerador síncrono de 60 Hz quando


operado a 50 Hz? Em quanto se deve reduzir a potência nominal?
R:
O importante é que o fluxo máximo não deve aumentar. Então:

𝐸𝐴1 𝑓1
𝐸𝐴1 = 𝐾 𝜙 𝜔1 → =
𝐸𝐴2 𝑓2

𝐸𝐴2 = 𝐾 𝜙 𝜔2

𝑓2
𝐸𝐴2 = 𝐸𝐴1 𝑓1

Então, pode operar sim com 50Hz, porém a tensão gerada deve diminuir
proporcional a diminuição da frequência EA2 = EA1 (50/60) a fim de manter o fluxo
constante.
Como regra a relação E/f = constante.

6. Deveria se esperar que um gerador síncrono de 400 Hz for maior ou menor que um
gerador de 60 Hz com a mesma potência e tensão nominal? Por que?

R: Torque mecânico: O eixo é suficientemente forte para lidar com potência superior a
nominal, obviamente aumentando a tensão a potência nominal tende de fato a aumenta.

Segunda parte de questionários

15
7. Apresente um esquema das ligações das máquinas e instrumentos utilizados;
R: Para responder esta questão, vale dizer que as fotos já apresentadas acima,
responderam já esta questão, isto fica na parte do procedimento e foi bem
explicitado os instrumentos usados nesta prática.

8. Forneça os da dos de placa da máquina ensaiada.

R: De fato esses dados foram apresentados logo no início dos resultados e discussões lá
foram realizados os cálculos necessários, usado na regra de três simples que permitiu
encontrar tensão nominal e corrente nominal.

9. Apresente as curvas em vazio e em curto-circuito, indicando a linha do entreferro.


R: Foi já apresentado este gráfico, mas de fato foi difícil conseguir tracejar a linha do
entreferro, a resolução foi feita no Excel, mas não foi possível e nem fácil plotar isso,
mas o gráfico em geral está acima e é o primeiro gráfico (Gráfico de curto-circuito).

10. Calcule os valores de:


Reatância síncrona não-saturada (Xsnsat)
Vns vai ser o somatório de todos os valores de tensão e soma de todos os valores de
correntes nominais tudo no circuito aberto, assim:
𝑉𝑛𝑠 873,8
Zns = Zns =
𝐼𝑎 6,01

Zns = 145,39V

-Reatância síncrona saturada à tensão nominal (Xs)


Para calcular a reatância Síncrona saturada a tensão nominal, primeiro vai calcular a R,
usando a lei da resistência, assim:
P = 3Vns.Ia^2
𝑉𝑛𝑠^2 (873,8)^2
R= = P = 3(873,8) (6,01) ^2
𝑃 (94,68𝑥10^3)
R = 8,064Ohms P = 94,68KW

Logo, reatância Síncrona a tensão saturada é:


Xs = sqrt (Zns)^2 – R^2

16
Xs = sqrt (145,39) ^2 – (8,06) ^2
Xs = 145,16 Ohms.

. Relação de Curto-Circuito (RCC)


A relação de curto-circuito é definida como sendo

𝐼𝑓/𝑎
r=
𝐼𝑓1

17
Conclusão

Para concluir, verificou-se que na prática o conteúdo exposto na teoria sobre geradores
síncronos. Pois, através do experimento demostrado pode-se determinar os parâmetros do
gerador e fazer análises, tal como foi feito. Foi visto seu comportamento em diferentes
situações como por exemplo nos dois gráficos: em circuito aberto, e em curto circuito
analisando também as variações de seus parâmetros. Podem-se confirmar as leis que
regem os comportamentos dos geradores, partindo do ponto de vista das equações
matemáticas atreladas com a prática, foi ilustrado e muito bem explicitado a regra de três
simples para achar os valores de tensão nominal e corrente nominal, o que permitiu na
confecção dos dois gráficos no Excel. Portanto, esta prática serviu-se mais uma vez como
uma oportunidade para o aprendizado da disciplina de laboratório de conversão
eletromecânica.

Referências

BERTINETI, Daniel Pegoraro. LEVANTAMENTO DA CURVA DE CAPABILIDADE


DE UM GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES. 2014.

FABIO. Motivações para o estudo de máquinas síncronas. 2016.

18