Você está na página 1de 5

Escola Dr.

João das Regras

Disciplina: Físico-Química

Construção de um vidrofone
Atividade realizada a 26/04/2019

Maria Matilde Martins, nº11, 8ºA


Índice

Objetivos 2
Introdução 2
Material 3
Procedimento Experimental 3
Registo das observações 3
Conclusões 4
Bibliografia 4

1
Objetivo:
O nosso objetivo era construir um vidrofone, e verificar se os sons produzidos nas garrafas
eram iguais ou diferentes, e se fossem diferentes, dizer em qual das garrafas o som era mais
grave ou agudo.

Introdução:
À propagação de uma perturbação através de um meio material dá-se o nome de movimento
ondulatório.

Ondas mecânicas – Perturbações que necessitam de um meio material para de propagarem.

Dependendo da direção de perturbação do meio, as ondas mecânicas podem ter formas


diferentes de se propagarem:

Ondas transversais – A direção de propagação é perpendicular à direção de propagação do


meio.

Ondas longitudinais – A direção de propagação é igual à direção de propagação do meio.

As ondas mecânicas propagam-se no espaço:

Amplitude (A) – afastamento máximo em relação à posição de equilíbrio (m).

Comprimento da onda – é a distância mínima entre duas partículas na mesma fase de vibração
(m).

As ondas mecânicas também se propagam no tempo, com características definidas pela


frequência da fonte que lhe deu origem, como por exemplo:

A frequência (f) – número de oscilações executadas pela fonte que produz a onda por unidade
de tempo (Hz).

A partir da frequência, pode-se definir outra grandeza relacionada com a propagação temporal
da onda:

O período (T) – tempo necessário para efetuar uma vibração completa (s).

Velocidade de propagação (v) – a velocidade de propagação de uma onda relaciona as suas


grandezas espaciais e temporais. Pode ser determinada dividindo o seu comprimento de onda
pelo seu período (m/s).

O som é um exemplo de uma onda mecânica pois necessita de um meio material (sólido,
líquido ou gasoso) para se propagar.

Onda sonora – é a propagação de uma perturbação ou oscilação, produzida em determinado


meio por uma fonte sonora.

Os sons que detetamos no dia a dia são muito diversos, mas facilmente distinguimos sons
musicais de ruídos.

Tanto para produzir sons como ruídos, necessitamos de algo que vibre: as cordas vocais e o ar.

2
Atributos do som:

Altura do som – permite distinguir um som grave de um som agudo. Relaciona-se com a
frequência da onda sonora.

Intensidade do som – permite distinguir um som forte de um som fraco. Relaciona-se com a
amplitude da vibração.

Timbre do som – permite distinguir dois sons da mesma altura e intensidade produzidos por
instrumentos musicais diferentes.

Material:
 Garrafas de vidro (ou tubos de ensaio)
 1 Colher (ou espátula)
 Água

Procedimento Experimental:

1. Colocámos água em cada uma das garrafas de maneira a que a quantidade contida em
cada uma delas fosse diferente.
2. Colocámos as garrafas por ordem crescente da quantidade de água que continha.
3. Tocámos com a colher na parte de cima da garrafa.
4. Escutámos os sons produzidos em cada garrafa e comparámo-los.

Registos das observações:

Som mais grave


Som mais agudo

Conclusões:
3
Concluímos que a garrafa mais cheia é a que produz som mais grave, porque a coluna de ar é
menor, logo a frequência de vibração também será menor.

E que a garrafa menos cheia é a que produz som mais agudo, porque a coluna de ar é maior,
logo a frequência de vibração também será maior.

Bibliografia:
António José Silva, Cláudia Simões e outros; Zoom 8 Som e Luz; areal editores; 2015; Porto,
Portugal

Você também pode gostar