Você está na página 1de 3

ELABORAÇÃO DA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS PARA A ÁREA DE

ABASTECIMENTO DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS

O estudo foi realizado em um posto revendedor de combustíveis de Maringá,


Paraná, localizado região noroeste da cidade. Primeiramente foram levantadas
informações gerais acerca do empreendimento, bem como da área de
abastecimento, sendo este o local definido para a análise proposta.
De modo a elaborar uma APR da área de abastecimento do posto revendedor de
combustíveis, realizou-se levantamento da rotina de atividades desempenhadas
pelos trabalhadores desse local. Assim, foi possível diagnosticar os riscos existentes
no local.
Na área de abastecimento foram identificados os riscos relacionados aos postos de
trabalho dos frentistas, divididos em físicos, químicos, ergonômicos e acidentes. Não
foi verificada exposição dos frentistas a riscos biológicos.
Para cada um dos riscos encontrados foram determinados o perigo (evento capaz
de gerar consequências indesejáveis), a causa, a consequência e a categoria, que
por sua vez abrange a frequência, (frequente, provável, improvável, remota,
extremamente remota), a severidade, (catastrófica, crítica, marginal e desprezível) e
o grau do risco, determinada pela combinação das categorias de frequência com as
de severidade, (catastrófico, sério, moderado, menor, desprezível). Então, foram
levantadas as medidas de controle existentes para os riscos.
Para os riscos físicos foram encontrados umidade, calor e ruídos. A umidade devido
a baixa umidade do ar da região, e também devido ao contato com a umidade da
limpeza de partes dos veículos. O calor devido a radiação solar e a movimentação
dos veículos. Os ruídos com origem da movimentação dos veículos e do
funcionamento das bombas durante o funcionamento.
Para os riscos químicos podem ocorrer vapores de combustíveis, vazamento de
combustíveis, material particulado e substâncias químicas. Os vapores de
combustíveis pode haver exalação no momento do abastecimento ou ainda por
eventuais defeitos nas bombas. Há a possibilidade de vazamento de combustíveis
devido a eventuais defeitos nas bombas de abastecimento. Material particulado pela
emissão da fuligem pelos escapamentos dos veículos. As substâncias químicas pelo
contato com óleo lubrificante e combustíveis.
Nos riscos ergonômicos foi detectado levantamento de peso, longo período em pé e
má postura. O Levantamento de peso devido a manipulação com recipientes de
água. Longo período em pé por causa do abastecimento. A má postura pela
execução das atividades como a de calibração de pneus.
Os ricos de acidentes podem ocorrer por defeitos nas unidades de abastecimentos,
escorregamento e assaltos. Os defeitos nas unidades de abastecimento podem
acarretar em explosões e incêndios. O Escorregamento devido ao piso molhado.
Assalto por falta de segurança.
As consequências levantadas para os riscos físico foram, doenças respiratórias e da
pele, irritação dos olhos, doenças da pele, insolação, queimaduras de sol, problemas
cardíacos, irritação, cansaço, problemas cardíacos, estresse e dores de cabeça.
Para os riscos químicos, doenças cancerígenas, respiratórias, circulatórias e da
pele, dores de cabeça, tonturas, explosões, incêndios e intoxicação. Para os riscos
ergonômicos lesões musculares, cansaço, estresse, dores musculares e problemas
circulatórios. Para os riscos de acidente, queimaduras, problemas respiratórios,
óbito, lesões, quedas, danos físicos e psicológicos.
Foram diagnosticados 14 riscos ocupacionais distintos que os funcionários alocados
na área de abastecimento do posto revendedor de combustíveis estão expostos.
Destes riscos, foram levantadas 18 consequências potencialmente danosas à
segurança e saúde dos trabalhadores, sendo verificada a existência de todos os
graus de risco.
As medidas de controle existentes encontradas foram disponibilização de bebedouro
e EPI (avental emborrachado e sapato de segurança) para umidade, EPI (boné) e
EPC (ventilação natural) para o calor, EPC (ventilação natural, extintores,
sinalização) e treinamento para os vapores de combustíveis, EPI (avental
emborrachado), limpeza do local, manutenção periódica das bombas, EPC
(extintores e sinalização) para vazamento de combustíveis, EPI (avental
emborrachado) para substâncias químicas, manutenção periódicas das bombas,
EPC (extintores, sinalização) e treinamento para defeitos nas unidades de
abastecimento, limpeza correta do piso, EPI (sapato de segurança) para
escorregamento, segurança privada para assaltos.
Foi concluído que muitos riscos têm medidas de controle já aplicadas. Contudo,
sugeriu-se a utilização de outros equipamentos de proteção, individual e coletiva,
como óculos de proteção para lavagem de vidros dos veículos, protetores
auriculares, bloqueadores solares, uso de exaustores eólicos e instalação de
válvulas de recuperação de vapor nas unidades de abastecimento. No que concerne
às medidas administrativas, indicou-se, dentre outras, a introdução de ginástica
laboral na rotina dos colaboradores, procedimento visando o controle dos riscos
ergonômicos existentes, bem como a elaboração de um Plano de Prevenção de
Riscos Ambientais e um Plano de Contingência, sendo este último um documento
contendo orientações e procedimentos para resposta a possíveis cenários de risco,
caso um evento adverso venha a se concretizar.