Você está na página 1de 7

MATERIAL EXCLUSIVO DO GRUPO DIREITO

TRIBUTÁRIO NA PRÁTICA I, II, III, IV, V,VI e VII


Estorno de créditos do ICMS - (considerações gerais)

SUMÁRIO
1 Introdução
2 Hipóteses que encerram em obrigatoriedade de estorno de crédito do ICMS
3 Transferência entre estabelecimentos da mesma empresa contemplada com benefícios
fiscais - Considerações gerais sobre estorno de créditos do ICMS
4 Saídas ou operações contempladas com benefício fiscal de redução da base de cálculo,
cuja entrada ou utilização tenham sido contempladas, também com a redução da base de
cálculo - Considerações gerais sobre estorno de crédito
5 Falta de manutenção de controle de estoques - Critério para determinação dos valores
a estornar
6 Estorno de crédito vinculado a saídas isentas ou não tributadas juntamente com saídas
tributadas - Considerações gerais
7 Não aplicação de estorno
 
1 INTRODUÇÃO
A fruição de benefícios fiscais, via de regra, está condicionada ao atendimento de
condicionantes, dentre as quais poderão estar a renúncia a créditos do ICMS, que poderá
sê-la em sua totalidade ou parcialmente, reafirmando assim, a teoria de que a
manutenção de crédito constitui - se, também, em benefício fiscal conforme previsto no
artigo 41 da Lei nº 11.651/1991.
Assim, necessário se faz realizar a interpretação literal do dispositivo legal outorgante
do benefício fiscal, de modo a cumprir com todas as condicionantes para fruição do
mesmo, inclusive em relação manutenção de créditos.

Nos tópicos seguintes, apresentar-se-ão as considerações gerais sobre a condicionante


"Estorno de Créditos".

2 HIPÓTESES QUE ENCERRAM EM OBRIGATORIEDADE DE ESTORNO


DE CRÉDITO DO ICMS
Conforme disposto no artigo 58 do Decreto 4.852/97, o sujeito passivo deverá efetuar o
estorno do imposto de que se tiver creditado sempre que o serviço tomado ou a
mercadoria entrada no estabelecimento:
1) Sendo imprevisível a ocorrência das circunstâncias seguintes, na data da entrada
da mercadoria ou bem, ou da utilização do serviço, forem:
a) For objeto de saída ou prestação de serviço não tributada ou isenta, sendo esta
circunstância imprevisível na data da entrada da mercadoria ou da utilização do serviço;

b) For integrada ou consumida em processo de industrialização, quando a saída do


produto resultante não for tributada ou estiver isenta do imposto;

c) Vier a ser utilizada em fim alheio à atividade do estabelecimento;

d) Vier a perecer, deteriorar-se ou extraviar-se.

2) Forem utilizados em fim alheio à atividade operacional do estabelecimento;


3) Inexistir, por qualquer motivo, operação ou prestação posterior, em razão de
sinistro, furto, roubo, perecimento ou qualquer outro motivo, desde que devidamente
comprovados;
4) A conta mercadoria, no final do exercício ou no encerramento da atividade do
estabelecimento, por seu valor bruto, apresentar prejuízo, hipótese em que o estorno é
proporcional ao percentual do prejuízo apresentado, aplicado sobre o montante dos
créditos apropriados.
Nota: na hipótese de estorno no encerramento da atividade do estabelecimento ou no
final do exercício em que o contribuinte tenha apresentando prejuízo na conta
mercadoria, o ICMS base para o estorno, no final do período de apuração, é composto
do valor resultante do somatório do imposto apropriado relativo às mercadorias do
inventário inicial, adicionado do imposto decorrente das entradas no período, menos o
imposto apropriado relativo às mercadorias do inventário final.
          Conforme previsto no parágrafo 1º do artigo 58 do Decreto 4.852/97, a anulação
do crédito de imposto deve ser efetuada dentro do mesmo período em que ocorrer o
registro da operação ou prestação ou em que ficar evidenciada a situação que lhe der
causa.
O estorno de crédito nas situações mencionadas anteriormente estende-se ao imposto
incidente sobre a energia elétrica e os serviços de transporte e de comunicação (Artigo
61 do Decreto 4.852/97).

3 TRANSFERÊNCIA ENTRE ESTABELECIMENTOS DA MESMA EMPRESA


CONTEMPLADA COM BENEFÍCIOS FISCAIS - CONSIDERAÇÕES GERAIS
SOBRE ESTORNO DE CRÉDITOS DO ICMS

Quando se tratar de mercadoria recebida em transferência o contribuinte deverá estornar


o imposto correspondente ao valor da diferença verificada, quando a base de cálculo
utilizada na operação subseqüente for inferior à da respectiva transferência (Parágrafo 2º
do artigo 58 do Decreto 4.852/97).

4 SAÍDAS OU OPERAÇÕES CONTEMPLADAS COM BENEFÍCIO FISCAL


DE REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO, CUJA ENTRADA OU UTILIZAÇÃO
TENHAM SIDO CONTEMPLADAS, TAMBÉM COM A REDUÇÃO DA BASE
DE CÁLCULO - CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE ESTORNO DE
CRÉDITO

Nos termos do parágrafo 4º do artigo 58 do Decreto 4.852/97, na saída ou prestação


correspondente, contempladas com benefícios fiscais de redução da base de cálculo,
cuja entrada ou utilização tenham sido contempladas, também, com redução de base
de cálculo, tratando - se de estorno de créditos do ICMS, o contribuinte deverá ser
observado o seguinte:
♦ Entrada ou utilização contempladas com redução de base de calculo, cuja carga
tributária seja menor ou igual à aplicável à saída ou prestação correspondente
Caso a entrada da mercadoria ou utilização do serviço tenha sido contemplada com
benefício de redução de base de cálculo, cuja carga tributária seja menor ou igual à
aplicável à saída ou prestação correspondente, não se exigirá o estorno de crédito.
Vide exemplo a seguir:
PERFIL DA OPERAÇÃO CARGA TRIBUTÁRIA
EFETIVA
Aquisição de Máquinas e Implementos Agrícolas 4,1%
junto as Regiões Sul e Sudeste, exclusive Espírito
Santo, com destino a Região Centro Oeste (Convênio
ICMS 52/91).
Saída de Máquina e Implementos Agrícolas em
operação interna no Estado de Goiás (Alínea "b" do 5,60%
Inciso I do Artigo 9º do Anexo IX do Decreto nº
4.852/97).
Nota: observe que a carga tributária na aquisição é menor que a carga tributária na
saída. Assim sendo, não se exige o estorno de créditos do ICMS.
♦ Entrada ou utilização contempladas com redução de base de calculo, cuja carga
tributária seja Maior que a aplicável à saída ou prestação correspondente.
Neste perfil de aquisição deverá ser efetuado o estorno de crédito do ICMS da seguinte
forma:

a) calcula-se o percentual correspondente à diferença entre a carga tributária


correspondente à entrada ou utilização e a aplicável à saída ou prestação
correspondente;

b) sobre o valor da operação ou prestação correspondente à entrada, aplica-se o


percentual de estorno calculado anteriormente.

Vide exemplo a seguir:

PERFIL DA OPERAÇÃO CARGA TRIBUTÁRIA


EFETIVA
Aquisição de Máquinas e Implementos Agrícolas
junto aos Estados das Regiões Norte, Nordeste e
Centro-Oeste ou ao Estado do Espírito Santo (Alínea 7%
"b" do Inciso I do Artigo 9º do Anexo IX do Decreto
nº 4.852/97)
Saída de Máquina e Implementos Agrícolas em
operação interna no Estado de Goiás (Alínea "b" do 5,60%
Inciso I do Artigo 9º do Anexo IX do Decreto nº
4.852/97).
Nota: observe que a carga tributária na aquisição é maior que a carga tributária na
saída.
Para fins de ilustração, considere os seguintes dados hipotéticos:
a)               Valor da Aquisição: R$ 10.000,00
b)               Cálculo do Percentual correspondente à diferença entre a carga
tributária da entrada e saída
- Carga Tributária na Entrada: 7%
- Carga Tributária na Saída: 5,60%
- Diferença entre a Carga Tributária na Entrada e na Saída: 1,40%
c)                     Base para Cálculo do Valor a Estornar:  R$ 10.000,00 (Valor da
Aquisição)
d)                   Crédito a Estornar: Valor da Aquisição x 1,40%

5 FALTA DE MANUTENÇÃO DE CONTROLE DE ESTOQUES - CRITÉRIO


PARA DETERMINAÇÃO DOS VALORES A ESTORNAR
Conforme previsto no artigo 59 do Decreto nº 4.852/97, havendo mais de uma operação
ou prestação e sendo impossível determinar a qual delas corresponde a mercadoria ou o
serviço, o imposto a estornar deverá ser calculado mediante a aplicação da alíquota
média entre as vigentes na data do estorno, sobre o preço mais recente da aquisição de
mercadoria ou bem, ou do serviço tomado.
A alíquota média é encontrada mediante a adoção da seguinte sequência:

a) Somando - se, separadamente, os valores contábeis e os créditos das aquisições de


mercadorias ou bens no período, encontrando-se, com este procedimento, o somatório
dos valores contábeis e dos créditos;

b) Dividindo-se o somatório dos créditos pelo somatório dos valores contábeis,


encontrando-se, com este procedimento, a razão entre os créditos e os valores contábeis;

c) Multiplicando-se a razão entre os créditos e os valores contábeis por 100 (cem).

5.1 CRITÉRIOS PARA DETERMINAÇÃO DA ALÍQUOTA MÉDIA NAS


HIPÓTESES DE AQUISIÇÕES DE MERCADORIAS OU SERVIÇOS
CONTEMPLADAS COM REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO

A determinação da alíquota média deverá ser realizada com a observância de alguns


critérios, conforme segue:

♦ Aquisições de mercadorias ou serviços contempladas com redução de base de cálculo


cuja carga tributária seja menor ou igual a aplicável na saída posterior
Nesta hipótese, para fins de obtenção da alíquota média deverá ser observado o
seguinte, no que tange à soma dos valores contábeis e dos créditos das aquisições:

a) Os valores dos créditos correspondentes não compõem o somatório dos créditos;


b) Os valores contábeis correspondentes compõem o somatório dos valores contábeis.
♦ Inexistência de Aquisição de mercadorias idêntica às mercadorias objeto da saída

Se no período de apuração, inexistir aquisição de mercadorias idênticas às mercadorias


objeto da saída, o contribuinte poderá proceder ao estorno adotando o seguinte critério:

a) Somando - se, separadamente, os valores contábeis e os créditos das aquisições de


mercadorias ou bens no período, encontrando-se, com este procedimento, o somatório
dos valores contábeis e dos créditos;

b) Dividindo-se o somatório dos créditos pelo somatório dos valores contábeis,


encontrando-se, com este procedimento, a razão entre os créditos e os valores contábeis;

c) Multiplicando-se a razão entre os créditos e os valores contábeis por 100 (cem).

5.2 CASO PRÁTICO DE ESTORNO DE CRÉDITO COM BASE NA ALÍQUOTA


MÉDIA.

Para fins de apreciação dos procedimentos de estorno do ICMS, conforme apresentado


no subtópico anterior, vide a seguir o exemplo.

Suponha que determinada empresa tenha realizado operações de aquisição com as


seguintes informações:
DATA DA QUANTIDAD VALOR VALOR CARGA CRÉDITOS
AQUISIÇÃO E UNITÁRI TOTAL TRIBUTÁRIA
O
10/10/2014 50 unidades R$ 200,00 R$ 2,8% (40% x R$ 280,00
10.000,00 7%)

20/10/2014 200 unidades R$ 175,00 R$ 4,8% (40% x R$ 1.680,00


35.000,00 12%)

Supondo que em 12/2014 a empresa esteja revendendo em operações internas,


mercadorias adquiridas no mês 10/2014, produtos estes não passíveis de identificação,
pelo valor de R$ 18.000,00 (120 unidades x R$ 150,00). Logo para fins do estorno
deverá ser observado o seguinte procedimento:

a) Cálculo da alíquota média

Valores dos créditos Totais relativos às


R$ 1.960,00
aquisições das mercadorias

Valores Contábeis das mercadorias de mesma


R$ 45.000,00
espécie adquiridas em

Coeficiente de Estorno 4,3556% (R$ 1.960,00 / R$ 45.000,00)

b) Cálculo do Valor a Estornar

Preço mais recente da aquisição de mercadorias R$ 175,00

Quantidade Vendida 120 unidades

Base de Cálculo do Estorno

(Quantidade x Preço mais recente da aquisição de R$ 21.000,00


mercadorias)

Coeficiente de Estorno 4,3556%

Valor a Estornar
R$ 914,68
(Na proporção das mercadorias vendidas)

O estabelecimento que possuir controle permanente de estoque pode, em substituição ao


valor correspondente ao preço mais recente da mercadoria, utilizar o custo médio
ponderado, com a reintrodução do valor do ICMS, quando este tiver sido excluído,
calculado pela alíquota efetiva de entrada ou pela alíquota efetiva média das entradas,
calculada de acordo com a orientação anterior.

6 ESTORNO DE CRÉDITO VINCULADO A SAÍDAS ISENTAS OU NÃO


TRIBUTADAS JUNTAMENTE COM SAÍDAS TRIBUTADAS -
CONSIDERAÇÕES GERAIS
Conforme previsto no artigo 60 do Decreto 4.852/97, quando houver saída ou
prestações isentas ou não tributadas juntamente com saídas ou prestações tributadas, o
estorno deve ser feito na proporção em que estas saídas ou prestações isentas ou não
tributadas representarem do total das saídas e prestações no mesmo período.
Para promover o entendimento, vide a seguir o exemplo:

Suponha que em determinado mês o contribuinte tenha realizado vendas nos seguintes
perfis e valores:

Operações de Saídas Isentas R$ 5.000,00

Operações de Saídas Tributadas R$ 9.000,00

Saídas Totais R$ 14.000,00

Relação Proporcional 35,71%

Com base no percentual obtido na relação proporcional, salvo hipótese de manutenção


de créditos, o contribuinte deverá proceder ao estorno dos créditos do ICMS.

Para complementar o exemplo supracitado, vide a seguir a estrutura do estorno dos


créditos:

♦ Dados da Aquisição

DESCRIÇÃ BASE
DATA VALO
O DA VALO DE
CF CS DE ORIG QUA R DO
MERCADO NCM R CALCU  
OP T AQUISIÇ EM NT. CRÉDI
RIA UNIT. LO
ÃO TO
ADQUIRIDA ICMS
DEFENSIVO R$  
380893 R$ R$
AGROPECU 2102 20 10/09/12 SP 208 10.000
29 4.000,00 480,00
ÁRIO ,00  

R$
SEMENTE 120929
1102 40 17/09/12 GO 7000 70.000 R$ 0,00 R$ 0,00  
DE CAPIM 00
,00

FERRAMEN
TAS PARA R$ R$ R$
8201.90
USO NA 1102 00 17/09/12 GO 600 15.000 15.000,0 2.550,0  
.00
AGRICULTU ,00 0 0
RA
♦ Estorno dos créditos

DESCRIÇÃ
BASE
O DA DATA VAL VALO
DE
MERCADO CF CS DE DESTI QUA OR R DO
NCM CALCU  
RIA OP T AQUISIÇ NO NT. UNIT CRÉDI
LO
REVENDID ÃO . TO
ICMS
A
DEFENSIVO R$  
380893
AGROPECU 5102 40 10/09/12 GO 83 5.000, R$ 0,00 R$ 0,00
29
ÁRIO 00  

FERRAMEN
TAS PARA R$
8201.90 R$ R$
USO NA 5102 00 17/09/12 GO 300 9.000,
.00 9.000,00 1.530,00  
AGRICULTU 00
RA

Com base no coeficiente de estorno anteriormente apresentado, o valor a estornar será o


seguinte:

BASE DE CÁLCULO DO ESTORNO COEFICIENT VALOR A ESTORNAR


(CRÉDITOS TOTAIS APROPRIADOS E DE (NA PROPORÇÃO DA SAÍDA
NO MÊS) ESTORNO ISENTA)
R$ 3.030,00 35,71% R$ 1.082,01

7 NÃO APLICAÇÃO DE ESTORNO


Conforme previsto no parágrafo 2º do artigo 21 da Lei Complementar 87/96, não estão
sujeitas a estorno de crédito as operações com mercadorias e serviços que venham a ser
objeto de operações ou prestações destinadas ao exterior, ou de operações com o papel
destinado à impressão de livros, jornais e periódicos.
Além das hipóteses supracitadas, outras operações e prestações contempladas com
benefícios fiscais poderão não estar condicionadas ao estorno de crédito. Assim, a
manutenção dos créditos, quando permitida, deverá constar do próprio dispositivo que
trate do benefício fiscal. Na hipótese de o dispositivo legal não dispor da manutenção
dos créditos, o contribuinte deverá proceder ao estorno do mesmo, limitando - o ao
benefício fiscal.

Você também pode gostar