Você está na página 1de 104

FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA

REVISTA PERSPECTIVA FGF

Revista Científica Multidisciplinar da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza

Revista Perspectiva FGF /Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. V. 1, N. 1, Jan./Jun. 2012.


Fortaleza – Ceará 2012

ISSN 2238-524X

Publicação Semestral

Periódico Científico – Faculdade Integrada da Grande Fortaleza

CDD

Endereço:
REVISTA PERSPECTIVA FGF
FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA
CEUDESP - Centro de Educação Universitário e Desenvolvimento Profissional LTDA
Av. Porto Velho, 401 - João XXIII- Fortaleza/CE - CEP: 60.525-571.
Tel. +55 (85) 3299-9900 / Fax. +55 (85) 3496-4384 /
Email: revistaperspectiva@fgf.edu.br
editorafgf@fgf.edu.br
Expediente

Mantenedora
Centro de Educação Universitária eDesenvolvimento Profissional – CEUDESP
Eng. José Liberato Barrozo Filho - Diretor Administrativo Financeiro
Eng. Julio Pinto Neto – Diretor de Infra-estrutura
Eng. Adolfo Marinho – Diretor de Expansão

Mantida
Faculdade Integrada da Grande Fortaleza - FGF
Eng. José Liberato Barrozo Filho - Diretor Geral
Prof. Ms. Paulo Roberto de Castro Nogueira – Diretor Acadêmico

Editorial
Cristina Tonin Beneli Fontanezi cristina@fgf.edu.br

Conselho Editorial
Adriana Maria Reboucas do Nascimento - adri@fgf.edu.br
Alice Maria Correia Pequeno Marinho - alice@fgf.edu.br
Antonia Ieda de Sousa Prado - ieda@fgf.edu.br
Damiao Carlos Nobre Juca - carlosnobre@fgf.edu.br
Denise Maia Alves da Silva - denisemaia@fgf.edu.br
Denise Maria Nunes Marcelino - denise@fgf.edu.br
Eugenio Santana Franco - eugenio@fgf.edu.br
Ingrid Martins Leite Lucio - ingrid_lucio@yahoo.com.br
José Eduardo Ribeiro Honório Junior - eduribiologo@fgf.edu.br
Karen Bonfim Hyppolito - karen@fgf.edu.br
Mariana Cavalcante Martins - marianaenfermagem@hotmail.com
Marilia Alves Ferreira - marilia@fgf.edu.br
Milena Marcintha Alves Braz - milena@fgf.edu.br
Patrícia Maia Cordeiro Dutra - patriciadutra@fgf.edu.br
Rosane de Almeida Andrade - rosane@fgf.edu.br
Viviane Mamede Vasconcelos – viviane@fgf.edu.br

Editora
Maria Coeli Saraiva Rodrigues
José Rogério Viana de Oliveira

Revisão Técnica
Damiao Carlos Nobre Juca

Projeto Gráfico
Célio Gomes Vieira

Impressão:
Periodicidade: Semestral Tiragem: XX impressa
Seções
S
Editorial.................................................................................................................... 01
U
Artigos

M
Ciências Sociais Aplicadas
Á
Gestão de Recursos Humanos ou Gestão de Pessoas: o desafio numa empresa
autoviária na cidade de Fortaleza - Francisco das Chagas e Nádia Marques Gadelha R
Pinheiro............................................................................................................. 04
Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais na Construção Civil - Francisco
Elivaldo B. do Nascimento e Nádia Marques Gadelha Pinheiro.............................. 24 I
Ciências Jurídicas O
A Polícia Militar à luz da Constituição Federal de 1988: uma abordagem crítica -
Rainer Henrique Abreu Riedel da Costa e João Celso Moura de Castro.................. 47
O Princípio Responsabilidade e a Produção de Alimentos Transgênicos no Brasil -
Carlos André Barbosa de Carvalho e Luis Alberto Nobre...................................... 55
Direitos à Personalidade - Daniel Bezerra Montenegro Girão................................. 61

Ciências da Saúde
Profissionalização do Árbitro de Futebol: prós e contras - Adriano Barros Carneiro
e Rosane de Almeida Andrade............................................................................. 73
Infecções Hospitalares e a Enfermagem - Gleyciane Tomé Batista e José Eduardo
Ribeiro Honório Júnior....................................................................................... 81

Ciências Humanas
Panorama das Principais Abordagens e Métodos no Ensino de Língua Estrangeira -
Cristiana Gomes de Freitas Menezes Martins....................................................... 92
EDITORIAL

A Revista Perspectiva FGF é a publicação científica da Faculdade Integrada da


Grande Fortaleza - FGF, criada com o objetivo de promover a publicação docente e
discente das áreas de Ciências da Saúde, Sociais Aplicadas, Humanas, Jurídicas e Exatas.
Este veículo tem a missão de incentivar a publicação de artigos originais, revisões e
reflexões sobre os temas relacionados à formação científica, inovação, tecnologia,
recursos humanos e áreas afins, gerando conhecimento amplo, sendo fonte de discussão e
de saber de qualidade.
Estes objetivos são fundamentados no regimento interno da FGF, como: I -
estimular a criação cultural, o pensamento criativo, divergente, as múltiplas formas de
expressão e o desenvolvimento do pensamento reflexivo e da postura científica e ética; III
- promover a iniciação científica e apoiar o trabalho de pesquisa objetivando, sem
prejuízo de outras vertentes, ampliar o conhecimento sobre o meio em que se insere a
FGF; IV - divulgar, por múltiplas formas de comunicação, a cultura, a ciência, a arte e a
tecnologia que constituem o patrimônio da humanidade, destacando e enfatizando os
aspectos regionais deste patrimônio; V - oferecer, no seu âmbito de ação, oportunidade de
formação contínua no campo da ciência, da tecnologia, da cultura, da arte e do lazer.
Esta publicação destina-se à comunidade acadêmica, formada por pesquisadores,
professores, alunos e profissionais atuantes nas áreas supramencionadas e em outras
correlatas, dando prioridade ao conhecimento regional, aos dados que se referem ao
entorno da faculdade e à possibilidade de realização de estudos interdisciplinares, sem
prejuízo de estudos realizados em contextos mais amplos.
A Comissão Editorial da Revista Perspectiva FGF agradece aos alunos,
professores, à direção da instituição Faculdade Integrada da Grande Fortaleza - FGF e a
todos que contribuíram para que essa primeira edição se transformasse em realidade.

Profa Dra Cristina Tonin Beneli Fontanezi


Editora Científica Revista Perspectiva FGF
Coordenadora da Iniciação Científica - FGF

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


ARTIGOS

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS OU GESTÃO DE PESSOAS: O DESAFIO
NUMA EMPRESA AUTOVIÁRIA NA CIDADE DE FORTALEZA

Francisco das Chagas


RESUMO: O objetivo deste trabalho é estudar a gestão de recursos
Aluno do curso de Administração humanos numa empresa autoviária na cidade de Fortaleza e
na Faculdade Integrada da Grande contribuir com uma reflexão sobre a sua importância nas
Fortaleza
franciscodaschagas@aluno.fgf.edu.br organizações contemporâneas. A discussão teórica aborda os
principais conceitos da moderna gestão de recursos humanos e sua
Nádia Marques Gadelha Pinheiro oposição com o setor tradicional de Recursos Humanos. O tema da
nossa pesquisa está problematizada da seguinte forma: como é
Professora Mestre do curso de
Administração na Faculdade Integrada desenvolvida a gestão de pessoas na empresa consultada? Visa a
da Grande Fortaleza valorização dos profissionais e do seu capital humano? A
nadia@fgf.edu.br metodologia compreende um estudo de caso com uma abordagem
direta com o setor responsável de R.H. Os dados foram colhidos
tanto com a observação participante como pela aplicação de um
formulário de pesquisas com questões que atenderam ao objetivo
desse estudo. Os dados coletados e analisados sinalizam que a
empresa por suas especificidades e características desenvolve as
práticas de Gestão de Recursos Humanos coerentes com os
objetivos globais da organização, mesmo em um ambiente
usualmente turbulento, de forma que, tanto as necessidades da
organização, quanto as necessidades individuais e coletivas de seus
empregados possam ser satisfeitas através da implementação de
políticas e práticas compreensíveis e eficazes. Conclui-se que a
área de recursos humanos estudada incorpora práticas de
valorização do capital humano e reconhece ser este o desafio
para se tornar o personagem principal de transformação dentro da
organização.
Palavras-chave: Gestão de recursos humanos; estudo de caso,
capital humano vulnerável.

ABSTRACT: The objective of this work is to study human resource


management in a company autoviária in Fortaleza and contribute
to a reflection on its importance in contemporary organizations. The
theoretical discussion covers the key concepts of modern human
resource management and its opposition to the traditional sector of
Human Resources. The theme of our research is questioned as
follows: how developed people management in the company
consulted? Aims at the enhancement of professional and human
capital? The methodology includes a case study with a direct
approach with the sector responsible for HR data were
collected with both participant observation and by applying a form
of research on issues that met the objective of this study. The
data collected and analyzed by signal that the company develops its
specific characteristics and practices of Human Resource
Management consistent with the overall objectives of the
organization, even in an environment usually turbulent, so that both
the organization’s needs, the needs individual and
collective employees can be met through the implementation
of policies and practices understandable and effective. It is
concluded that the areas of human resource
practices studyincorporates human capital and recognizes that this is
the challenge to become the main character of transformation within
4 the organization.

Keywords: Human resource management; Case study; Human


capital vulnerable.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


A empresa que disponibiliza de
1 INTRODUÇÃO
uma gestão de Recursos Humanos
O objetivo geral da moderna competente tende a garantir controle sobre
gestão de Recursos Humanos é assegurar conflitos, podendo traçar metas mais
que a organização possa atingir seus responsivas, e responder as demandas do
objetivos pela utilização adequada da força mercado, como também estar preparada
de trabalho. Para tanto, as organizações para a boa oferta de seus serviços,
necessitam não somente de pessoal reduzindo os custos e ainda buscar ser
qualificado, mas também de sistemas socialmente correta.
eficientes e eficazes e de gestão em que
Com os avanços dos campos de
o empregado possa ser compreendido
conhecimentos da moderna Administração
como parte fundamental do acúmulo do
no mundo globalizado, o cenário de
capital, portanto um novo elo denominado
Recursos Humanos passou de um mero
de capital humano. O desenvolvimento
setor ou departamento de pessoal para se
institucional requer não só que a pessoa
tornar um novo campo discursivo em que
certa esteja no lugar certo no momento
são considerados obsoletos os antigos
certo, mas também que a organização
paradigmas do modelo de chefia da
possua um ambiente de trabalho
administração clássica, que foi constituída
compatível com os seus sistemas
sob os campos ideológicos assentados
operacionais e disponibilidade de garantir
numa visão mecanicista, sistemática,
novo modelo de humanização das relações
metódica, de controle e obediência.
entre capital e trabalho.
O discurso que responde ao
Este trabalho foi elaborado
contexto do mundo globalizado é superar
buscando compreender como a gestão de
essas antigas práticas, e de certa forma
recursos humanos lida com as turbulências
humanizar as relações capital trabalho,
próprias de uma empresa autoviária na
como forma de valorizar a nova categoria
cidade de Fortaleza, a partir de
que é o capital humano. Se antes, as
informações da própria organização.
angústias marxistas se debruçavam sobre
Trata-se de um estudo focado numa única
as relações de controle e dominação entre
empresa, portanto um Estudo de Caso,
patrão e proletário e consigo toda uma
determinado, que pretende contribuir com
rede complexa de discussão dos últimos
5 uma reflexão crítica no âmbito da
100 anos, cenário contemporizado por
Administração.
conflitos ideológicos que dominaram as

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


discussões capital trabalho. O século XXI seguinte forma: como é desenvolvida a
assiste o desmonte desse modelo. Já não gestão de pessoas na empresa
há proletário, àquela categoria explorada e consultada? visa a valorização dos
aviltada, controlada, dominada, mas ao se profissionais e do seu capital humano?
metamorfosear em um novo ente com Para responder a esse
novas roupagens, assume a vestimenta de questionamento tomamos como hipótese
colaborador aprioristicamente valorizado básica de nosso trabalho a seguinte: A
como capital humano. área de Recursos Humanos deixou de ser
Diante da nova ordem mundial do um mero departamento de pessoal para se
capitalismo e o papel da Administração, o tornar o personagem principal de
antigo setor de Recursos Humanos parece transformação dentro da organização?
ainda sobreviver em algumas práticas
2 METODOLOGIA
empresariais, denotando que a mudança a
uma nova hegemonia não é um processo Para a comprovação dessa hipótese
imediato em algumas situações. Esse escolhemos como procedimento
embate discursivo entre a tradicional metodológico, um estudo de caso de
Administração e as novas ordens coletando dados em Fontes Primárias:
impositivas do mundo global, nos através do contacto direto com o Sujeito
mobiliza o empreendimento acadêmico (a) responsável do Setor, que foi travado
desse breve artigo que tem como objetivo pessoalmente, conversando com os
geral estudar em uma empresa autoviária motoristas, trocadores e mecânicos, e a
na cidade de Fortaleza como esse processo plicação de um formulário de pesquisa
está sendo efetuado. Especificamente contendo questões que atenderam ao
identificar como é caracterizado o perfil e objetivo de estudo.
do capital humano da empresa,
Quanto ao campo de investigação
indicadores salariais, escolarização; e
– abrangeu dois aspectos importantes:
como a gestão de RH responde aos
limite no tempo; meses de agosto a
desafios de um modelo de gerir pessoas
novembro de 2011; quanto ao espaço
sob as novas configurações paradigmáticas
geográfico: cidade de Fortaleza. Quanto ao
da moderna gestão de pessoas.
nível de investigação englobou três
O tema da nossa pesquisa: Gestão estágios: exploratório, de investigação e
6
de Recursos Humanos ou gestão de de discussão de hipótese.
pessoas poderá ser problematizada da

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


A escolha da amostra não é estabelecidos entre Coordenação do
numérica e nem representativa de todo o Curso, pesquisadores e aval da
seguimento de autoviárias na cidade de Organização. Esta é localizada cidade de
Fortaleza. A escolha da amostra é apenas Fortaleza- Ceará tem um amplo espaço
significativa, ou seja, um instrumento que onde são divididos seus setores, recursos
consiga levantar a problemática humanos, treinamentos, garagem, posto
comentada anteriormente, e a partir dessa de combustível, ala de descanso, portaria
problematização, ensejar o e almoxarifado. A seguir transcrevemos
aprofundamento teórico. Aplicamos o texto produzido pelo setor de Recursos
formulário de pesquisa com o Humanos: (Fonte, Gerente de RH, 2011.
responsável do setor de Recursos Fortaleza).
Humanos e mantivemos mais de 5 Conta com 890 colaboradores sendo
600 no tráfego onde divide-se em
encontros de 1 hora momentos em que
motoristas, manobristas, controladores
aprofundamos nossas discussões e dúvidas e auxiliares. A manutenção dividi-se em
lanterneiros, eletricista, mecânicos,
quanto às questões preenchidas no abastecedores de veículos.Por se tratar
de uma empresa que lida com o
formulário de pesquisa,como também público corpo-a-corpo é trabalhado
pelo RH o lado emocional de seus
conseguimos mergulhar com mais colaboradores para que quando
acontecer assaltos, colisão ou situações
profundidade no cotidiano gerencial do
inusitadas eles estejam preparados para
setor de Recursos Humanos, participando resolver pacificamente.Uma empresa
tradicional no ramo de autoviação
de conversas habituais com os destaca-se na sociedade por deixar que
seus usuários e colaboradores dêem
motoristas, trocadores, compartilhando de opinião sobre o que acham e esperam
da empresa.Atualizando sempre sua
suas horas de folga no setor de lazer da frota de veículos visa futuramente
proporcionar aos seus usuários carros
organização, acompanhando o cotidiano
com ar-condicionado.Por se tratar de
de chagada dos profissionais, a saída para a uma empresa onde a maioria de seus
colaboradores é do sexo masculino,
rua, e sua chegada na hora de entregar o onde é mais propicio a discussão e
conflito até mesmo por falta de
carro. informação, Visando o bem estar de
seus colaboradores onde um de seus
A empresa estudada foi escolhida espaços esta destinado ao lazer tendo
bilhar, pingue- ponguei, jogos de
por ser mais viável estrategicamente aos damas, jogos de dominó, totó e tem
uma caixa de sugestões onde cada
interesses dos pesquisadores. Por questões colaborador pode fazer suas
observações indicando filmes palestra
da ética na pesquisa seu nome não será ou algum outro tipo de diversão.
mencionado, como também dos sujeitos
7 participantes do Estudo. Iniciamos a
pesquisa depois dos protocolos éticos

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


3 REFERENCIAL TEÓRICO mercado de trabalho globalizado.
Porem esse talento e essa capacidade
tem que ser vista com outros olhos,
3.1 Gestão de pessoas olhos de colaboradores e não de
concorrentes. Necessitamos assim
resgatar o papel do ser humano na
O cenário atual do capitalismo organização, a fim de torná-los
competentes para atuar em suas
globalizado demanda alguns focos de atividades como colaboradores. É
com este cenário que as organizações
atenção específicos na Gestão de Pessoas devem ter a visão de que o Capital
para que as organizações efetivamente Humano será seu grande diferencial.
Assim surge um novo conceito em
gerenciem seus recursos humanos como gestão de pessoas.

diferencial competitivo e tenham sucesso


Neste contexto, Chiavenato (1999,
na implementação de suas estratégias.
p. 59) conceitua Administração de
Recursos Humanos
A qualidade da gestão de recursos
humanos exigido no canário (ARH) ou Gestão de Pessoas como sendo:

contemporâneo é mais amplo do que os


Um conjunto de políticas e práticas
defendidos e aplicados na tradição do qual para conduzir os aspectos gerenciais
relacionados às pessoas, incluindo
dava conta de responder as demandas recrutamento, seleção, treinamento,
recompensas e avaliação de
burocráticas de controle de pessoal, e não desempenho; uma função
administrativa que contrata, treina,
investia-se na qualidade e de uma gestão avalia e remunera os colaboradores;
que respondesse às demandas do capital um conjunto de decisões integradas
sobre as relações de emprego que
humano. A gestão das pessoas deve incluir influenciam a eficácia dos
colaboradores e das organizações; e
esta preocupação. A O antigo setor de uma função na organização que está
relacionada à provisão, treinamento,
recursos humanos não poderia atender desenvolvimento, motivação e
manutenção dos colaboradores.
demandas sobre as quais o mundo do
trabalho e suas novas configurações do Gerir as pessoas virou um desafio
capitalismo em crise. Analisar a Gestão estratégico de muitas organizações na
de Pessoas pode suportar o entendimento atualidade. Garantir o comprometimento e
sobre o capital humano no trabalho em desenvolvimento do ativo humano para a
razão do sucesso e dificuldades dessa implementação de objetivos estratégicos e
gestão em cada contexto organizacional. busca de melhores resultados é um
Corroborando Sovienski e Stigar (2008, p. processo complexo que deve ser
4) argumenta que: arquitetado. As organizações devem
elaborar estratégias, políticas e práticas,
8 Vivemos na sociedade do
conhecimento, onde o talento bem como conceber uma estrutura de
humano e suas capacidades são
vistos como fatores competitivos no Recursos Humanos que contribua com

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


essa gestão, buscando novas formas de funcionários e essa capacidade
gestão e atingir a missão institucional. A organizacional está relacionada de com
esse respeito Sovienski e Stigar (2008, p. como esses são tratados, suas habilidades
4) assim se reportam: e competências e seu comprometimento
com a organização.
Os avanços observados nas últimas
De acordo com Arantes (1998,
décadas têm levado as organizações a
buscarem novas formas de gestão com o p.34), administrar ou gerir uma empresa
intuito de melhorar o desempenho,
alcançar resultados e atingira missão consiste “em uma ação presente em todos
institucional para o pleno atendimento das
necessidades dos clientes. Nota-s também os departamentos e em todos os níveis da
que o sucesso das organizações modernas
depende, e muito, do investimento nas organização, tendo a mesma por função o
pessoas, com a identificação,
aproveitamento e desenvolvimento do
planejamento, a coordenação, a
capital intelectual. organização, a direção, o controle assim
como a motivação da atividade
O capital humano contém em seu
empresarial.”
sentido igualmente o capital intelectual, as
A Gestão de Pessoas pode ser entendida
competências, habilidades, dentre outros
como a versão atual da Administração de
conhecimentos e práticas, o sentido dos Recursos
valores morais, sócio ambientais, Humanos. Segundo Pestana et al., apud
Chiavenato (1994, p 77):
ecológicos, humanitários. O trabalhador do
passado visto em sua expressão de Existe uma grande diferença entre
gerenciar pessoas e gerenciar com
proletário, explorado pelo patrão, pelo
pessoas. No primeiro caso, as pessoas
capital, encarna contemporaneamente, as são o objeto da gerência, são guiadas e
controladas para alcançar determinados
representações performativas de um objetivos. No segundo caso, as mesmas
são o sujeito ativo da gerência, são
discurso do capitalismo humanizado. Se guiadas e controladas para alcançar
determinados objetivos. No segundo
antes é o proletário produto de um caso, as mesmas são o sujeito ativo da
gerência, são elas que guiam e
capitalismo selvagem, hoje podemos
controlam para atingir os objetivos da
identificar que a globalização encarna o organização e os objetivos pessoais.

mito do capitalismo solidário. Em tempos Segundo Fisher e Albuquerque (2001, p


de novas crises do sistema capitalista, sua 16), gerenciar pessoas ou a gestão de
pessoas é:
sobrevivência revasculariza-se em novos
a preocupação de muitas organizações
modelos de controle e poder. É à hora da
para que seus objetivos sejam atingidos.
força valorada do colaborador. O gestor – líder – de um grupo eficaz e
9 motivado deverá ser capaz de enfrentar
Para Pfeffer (1998) o sucesso diversos desafios estratégicos, entre
eles manter a motivação e desenvolver
organizacional está em entregar valor aos

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


uma cultura gerencial voltada para a responsável e ético de suas atividades;
excelência. Capacidade de atuação baseada nos
princípios da gestão
empreendedora;Capacidade de
A gestão de pessoas, realização de tarefas que incorporem
inovações tecnológicas;Capacidade de
diferentemente da gestão de recursos trabalhar em rede; Capacidade de atuar
humanos tradicional, tem como tarefa o de forma flexível. Conhecimento da
missão e dos objetivos institucionais
desenvolvimento de capacidades das organizações em que atuam;
Dominar o conteúdo da área de
empreendedoras, um novo diferencial que negócio da organização; Capacidade
de atuar como consultor interno das
surge como uma das estratégias de organizações em que trabalham, entre
outros.
sobrevivência do capital em crise, no qual
a empregabilidade torna-se a cada dia mais
Para Vergara (2000, p. 97), entre as
escassa em todos os lugares do mundo.
capacidades requeridas para o gestor estão
O empreendedorismo é a última o "compartilhar visão, missão, objetivos,
inventividade que pode sobrepor-se a um metas, estruturas, tecnologias e
mundo sem emprego. E o interessante é as estratégias", além de ter iniciativa,
próprias organizações simples ou comprometimento, atitude sinérgica e
complexas exigem e estimulam o ousadia.
empreendedorismo individual, pois essa
A Gestão de Pessoas, portanto,
performance é valor que agrega-se ao
baseia-se no fato de que o desempenho de
mundo competitivo do mercado.
uma organizaçãodepende fortemente da
Colaboradores empreendedores, assim
contribuição e do esforço das pessoas que
identificados em suas práticas podem
a compõem e da forma como elas são
contribuir com as flutuações e crises
estimuladas, capacitadas e mantidas num
internas da própria empresa.
ambiente de trabalho adequado, o qual
E esta a relação no novo mundo deve permitir a satisfação de suas
do trabalho, insegurança e competência necessidades e as da organização.
andam de mãos dadas e o
A falta de atenção às práticas da
empreendedorismo torna-se de forma um
gestão de pessoas interfere diretamente
capital intelectual que pode ser
no alcance dos objetivos organizacionais,
capitalizado pela gestão. Sovienski e Stigar
principalmente no que tange à
(2008, p. 6) argumentam que:
implementação de processos de qualidade.

10 Para isso a gestão de pessoas procura A qualidade resulta de um comportamento


conscientizar esse colaborador de que
suas ações devem ser respaldadas nos positivo e concentrado dos colaboradores.
seguintes princípios: Desenvolvimento
Para alcançar a excelência e a consequente

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


e desejada competitividade no mercado, passam a significar o diferencial
as organizações precisam considerar competitivo que matem e promove o
atualmente que gerir pessoas significa sucesso organizacional. Como também a
estimular o envolvimento e constituir a competência básica da
desenvolvimento das mesmas. Desta organização, a sua principal vantagem
forma, o comprometimento da competitiva em um mundo globalizado,
administração da instituição e de seus instável, mutável e fortemente
colaboradores, assim como o investimento competitivo.
em melhoria contínua e capacitação destes Lacombe (2008) analisa a
são imprescindíveis à sobrevivência da abordagem estratégica de Gestão de
organização. (MAXIMIANO, 2005). Pessoas. Nela, as pessoas são entendidas
Conforme Vergara (2000) as como um recurso estratégico para a
empresas não nascem da terra, do céu obtenção de vantagem competitiva e as
ou do mar, mas das construções sociais. decisões sobre aspectos da relação de
Dessa forma, penetrar na sutileza das emprego são tomadas no mais alto nível
intenções humanas e tentar desvendar a hierárquico organizacional de forma
teia que tecem é de extrema relevância planejada e pró-ativa.
para que se possa entender o mundo dos Também com o enfoque de
negócios e nele atuar de forma enfrentamento dos desafios de negócio,
consequente. Woolf (2005) aponta que as organizações
O enfrentamento do mundo precisam priorizar o engajamento, além de
moderno pelas organizações não pode ser terem pessoas fazendo o que é preciso,
realizado com uma concepção quando é preciso. Reconhecendo que as
exclusivamente econômica, que enxerga o pessoas podem identificar problemas e
ser humano como um fator de produção, resolvê-los, as organizações devem
um recurso; mas sim com uma priorizar ao máximo, estratégias de gestão
concepção transformadora que considera que viabilizem o envolvimento contínuo
o ser humano um parceiro efetivo na das pessoas enfocando o atendimento de
busca dos resultados. suas necessidades.

Albuquerque (2002), com essa Conforme Chiavenato (1999, p.


argumentação, propõe a estratégia do 67), a Gestão de Pessoas é “uma área que
11
comprometimento para direcionar a gestão depende de vários aspectos como: a
das pessoas. Cada vez mais as pessoas cultura da organização, da estrutura

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


organizacional adotada, das características 1. As pessoas como seres humanos,
dotadas de personalidade própria, com
do contexto ambiental, do negócio da histórias particulares e diferenciadas;
pessoas como meros recursos da
organização, da tecnologia utilizada, dos organização; 2. As pessoas como
atividades inteligentes de recursos
processos internos e das mudanças”. O organizacionais, fornecedoras de
autor refere-se às pessoas como recursos inteligência, talentos e aprendizados
indispensáveis à sua constante renovação e
ou como parceiros da organização. Para competitividade, em um mundo de
mudanças e desafios; e 3. As pessoas,
ele, os colaboradores podem ser tratados como parceiros da organização, capazes
de conduzi-la a excelência e ao sucesso,
como recursos produtivos das porque investem seus esforços, dedicação,
responsabilidade, esperando um retorno
organizações, os chamados recursos desse investimento, tal como salário,
humanos. incentivos financeiros ou planos de
carreira.
Como tais, eles precisam ser
administrados, o que envolve Uma organização pode melhor
planejamento, organização, direção e administrar seus custos e investimentos
controle de suas atividades, pois são em pessoas, compatibilizando políticas e
consideradas as pessoas passivas nas práticas como exemplificado
organizações, porém podem ser parceiros anteriormente. Vários outros benefícios
das organizações que fornecem podem ser obtidos pensando
conhecimentos, habilidades, capacidades especificamente nas pessoas. Com o
e inteligência. A inteligência proporciona alinhamento das práticas, os funcionários
decisões racionais, tornando as pessoas o estarão recebendo mensagens consistentes,
capital intelectual da organização. As vindas de fontes múltiplas. Para eles, fica
empresas bem-sucedidas não tratam seus mais fácil entender e atuar de acordo com
colaboradores como simples empregados o comportamento esperado pela
contratados, mas como parceiros de organização (CHIAVENATO, 1999).
negócios. O aspecto social também fica
privilegiado, é possível aprender
3.2 Aspectos fundamentais da moderna observando comportamentos de outros e
gestão de pessoas as respostas da organização a esses
comportamentos. É, também, mais fácil
De acordo com Chiavenato (1999, atrair pessoas com valores alinhados à
p. 49), a Gestão de Pessoas se baseia em organização e podem-se melhor
12 três aspectos fundamentais: administrar questões ligadas a sentimento
de injustiça no tratamento individual que

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


são prejudiciais na busca do bem treinados e bem motivados, dando
comprometimento das pessoas. reconhecimento às pessoas e não apenas
(CHIAVENATO, 2005) dinheiro; aumento de autoatualização e a
satisfação dos colaboradores no trabalho
3.3. Objetivos da gestão de pessoas
para que o colaborador seja produtivo,

Para Chiavenato (1999), as sinta que o trabalho é adequado às suas

organizações estão percebendo que capacidades e que está recebendo um

somente podem crescer se forem capazes tratamento justo.

de otimizar o retorno sobre o Para os colaboradores, o trabalho


investimento de todos os colaboradores, é a maior fonte de identidade pessoal.
especialmente o dos funcionários. Assim, os colaboradores satisfeitos não
Pensando assim, para que os objetivos da são necessariamente os mais produtivos,
Gestão de Pessoas sejam alcançados, é mas colaboradores insatisfeitos tendem a
necessário que os gerentes tratem as desligar-se da empresa, ausentar-se
pessoas como elemento básico para a frequentemente, além de produzir com
eficácia organizacional. má qualidade, o que o diferencia do

A Gestão de Pessoas é um empregado satisfeito; desenvolver e

processo de toda a organização. Em uma manter qualidade de vida no trabalho,

análise muito simples, pode-se inferir que através de um programa que procura

quem deve gerir as pessoas são os estruturar o trabalho e o ambiente no

responsáveis por elas, os líderes, os sentindo de satisfazer a maioria das

gerentes, os chefes, em um processo de necessidades individuais do empregado e

direcionamento e suporte a execução do tornar a organização um local desejável

trabalho. e atraente; administrar a mudança através


dos profissionais de recursos humanos;
Os objetivos da Gestão de Pessoas
manter políticas éticas e comportamento
devem contribuir para eficácia
socialmente responsável, sendo que toda
organizacional através dos seguintes
atividade do administrador de recursos
meios: ajudar a organização a alcançar
humanos deve ser aberta, confiável e ética
seus objetivos e realizar sua missão;
(CHIAVENATO, 1999,).
proporcionar competitividade à
organização, empregando as habilidades e Dessa forma, os objetivos podem
13
capacidade da força de trabalho; ser considerados de fundamental

proporcionar à organização colaboradores importância para o processo de gestão de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


pessoas, conforme descrito no próximo No cenário competitivo da
tópico. atualidade, cada vez mais os empregados
são o diferencial de uma empresa para
3.4 Processo de gestão de pessoas e clima outra, o capital humano; as pessoas que
organizacional nelas trabalham têm se apresentado
expressivamente como um ponto forte ou
Conforme Chiavenato (1999, p. fraco das empresas em relação as suas
145), a Administração de Recursos
Humanos (ARH) desempenha as quatro concorrentes.
funções administrativas:
Mas não são quaisquer pessoas que
planejar, organizar, dirigir e controlar. fazem as coisas acontecerem e sim
Refere-se às políticas e práticas
necessárias para se administrar o pessoas com capital intelectual, aptas a
trabalho das pessoas. Essas políticas e
práticas podem ser resumidas em seis responder aos desafios, a contribuir com
processos básicos na Gestão de
Pessoas, como: processo de agregar os eventos de crise. O trabalho deve ser
pessoas: recrutamento e seleção;
processo de aplicar pessoas: desenho
uma adesão integrada à missão da
de cargos, avaliação e desempenho; organização, o que em outras palavras
processo de recompensar pessoas:
remuneração, benefícios e serviços; pode-se recobrar na metáfora: “vestir a
processo de desenvolver pessoas:
treinamento, mudanças e comunicação; camisa da empresa”, uma relação de afeto,
processo de manter pessoas: disciplina,
higiene, segurança, qualidade de vida e integração, paixão, garra, poder de lutar,
reações com sindicatos; processo de
monitorar pessoas, através de bancos de
enfrentar, brigar, enfim encarnar o aparato
dados e sistema de informações ideológico e institucional da organização.
gerenciais.
A gestão de pessoas nas
As constantes mudanças que
organizações tem percebido que uma
ocorrem nas empresas exigem das pessoas
força de trabalho motivada e criativa tem
que as experienciam alterações em sua
se tornado o principal ativo intangível que
estrutura de crenças e valores pessoais.
potencializa a vantagem competitiva
Isso as leva a vivenciar situações de perda
organizacional. Esse ativo intangível,
de referencial; medo e angústia como
imaterial, abstrato, se constitui num
respostas psicológicas comuns a situações
valor que passa a ser redimensionado na
sentidas como ameaçadoras por serem
esfera simbólica, e não material.
desconhecidas. Por isso o caráter
O clima organizacional é um
performativo do espírito empreendedor
processo complexo que deve levar em
14 ser essencial diante dessas flutuações e ou
consideração as diversas variáveis
crises nas organizações.
estruturais como crenças, valores, estilos

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


e itens tecnológicos, ou seja: processos e satisfação humana para o trabalho. As
instrumentos de trabalho. Além disso, pessoas tendem a criar expectativas com
deve-se conhecer a organização como relação a recompensas, satisfação e
um todo, tomando como base sua frustração conforme suas percepções do
estrutura, cultura, gestão, clima organizacional. Estas expectativas
comprometimento dos colaboradores e provocam consequências que resultam de
objetivos compartilhados entre empresa e diferentes ações e tendem a conduzir a
empregados. motivação (CHIAVENATO, 2005).

O alto nível de comprometimento Desta forma, a motivação é


e satisfação no trabalho dos definida em dois componentes:
colaboradores e o baixo nível de intrínsecos e extrínsecos. Motivação
rotatividade de pessoal podem estar intrínseca diz respeito às recompensas
relacionados com a ética da organização. que se originam da atividade em si – o
Contudo, deve-se frisar que a questão próprio comportamento é
ética não é unidirecional e sim de mão intrinsecamente recompensador.
dupla, tanto uma postura individual do Motivação extrínseca é
colaborador, como manifestada pela frequentemente associada a práticas de
organização, em todos os aspectos, recursos humanos. É através da
direitos trabalhistas, respeito às satisfação indireta ou vias externas, e é
diversidades de orientação, entre outros normalmente encontrada na tradicional
juízos de valor que devem marcar os estrutura de recompensa por
princípios normativos e morais nas desempenho. Estudos sugerem que uma
relações políticas e sociais. combinação entre esses dois tipos de
Os estudos de Ambrose et al., motivação aumenta sinergicamente o
(2008) sobre clima e ética sugerem que desempenho global (CHIAVENATO,
as pessoas se sentem mais empenhadas e 2005).
dispostas a ficar em uma organização Quando as empresas possuem
quando os seus valores éticos são um nível mais elevado de clima
congruentes com os da organização, inovador, os empregados estão mais
sendo estes, importantes preditores inclinados a aumentar a interação entre
das atitudes dos empregados. membros organizacionais e a troca e a
15
O clima organizacional influencia partilha de conhecimento
a motivação, o desempenho e a (CHIAVENATO, 2005). Assim, o clima

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


organizacional passa, portanto, a ser pelas suas percepções, pelas atitudes de
derivado do conjunto de cada indivíduo. Isto significa conhecer a
comportamentos das pessoas que se cultura e a motivação dos indivíduos e do
relacionam na organização. E o conjunto.
comportamento humano é influenciado
4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS

serviço de transporte e carretas de


A empresa autoviária tem 70% do material pesado, e tem um nível de
oferta salarial 100% mais elevada do
quadro de colaboradores, do gênero é que o padrão oferecido pelas empresas
masculino e 30% feminino. O fato da autoviárias na cidade. (Fonte: Gestão de
Recursos Humanos, Empresa
presença do gênero feminino invadir o pesquisada. Fortaleza. 2011)

espaço laboral que tradicionalmente A proporção feminina tende a


pertencia somente ao sexo feminino, é um aumentar, pois a empresa:
evento novo. São questões relacionadas
implantou um serviço de educação e
segundo a empresa pela falta de escassez preparo de mulheres tanto para os
postos de motoristas, trocador, como
da mão de obra masculina. para outras atividades correlacionadas.
Ainda segundo a gestora, fonte de
Por incrível que pareça sobram vagas, e nossas pesquisas, as mulheres dedicam-
esse é um fato decorrente da oferta de se mais ao trabalho com muitas
trabalhos por outros grupos que estão responsabilidades sendo que a maioria
realizando obras de infraestrutura da são chefes de família. (Fonte: Gestão
copa do mundo a ser realizada na de Recursos Humanos, Empresa
capital cearense que precisa de pesquisada. Fortaleza. 2011)
profissionais do sexo masculino para o

16

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Gráfico 2 – Quanto a idade

anos tem 30%, de 30 a 40 anos 27%, de 41


A faixa de idade que predomina em
a 50 anos 20% e acima de 50 anos 23%.A
sua maioria tem até 30 anos.É a faixa mais
faixa etária acima de 50 anos não é um
produtiva da vida do trabalhador
impedimento para a função de motorista,
motorista. Acima de 50 anos o número
apesar do dispêndio de carga horária
de motoristas vai declinando, e são
muitas vezes exaustivo (ênfase dada
direcionados ao administrativo e da
pelospesquisadores).
conservação e limpeza.

O restante é dividido como


cobradores, manutenção e portaria. Até 30

Quanto a escolaridade

17

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


pesquisadores): E “boa aparência”
Quanto ao nível de escolarização
significa ser limpo, tratável, educado.
10% tem o nível fundamental; 50% o
nível médio; nível superior 30%; nível E um dado interessante é que a
técnico 8% e especialização 4%. Nível empresa enseja, encoraja e estimula o
fundamental é a exigência só pra quem é crescimento educacional, ofertando bolsas
da conservação, limpeza e motoristas. integrais de ajuda para cursos superiores,
caso algum funcionário deseje estudar em
O nível médio em diante é para os
Instituições superiores inclusive. Esse
demais cargos e funções administrativas.
dado é uma importante fonte de validação
Um fato nos chamou a atenção: segundo
de que o colaborador pode desenvolver e
informações por nós colhidas, do
motorista é exigida além da experiência, adquirir novos itens ao seu capital

“a boa aparência” (ênfase dada pelos intelectual, o chamado capital humano.

Gráfico 4 – Quanto ao salário

De 02 a 04 salários é a classe porteiros e manobristas. Acima de 8

que tem o maior número de salários é a direção.


18
colaboradores que engloba cobradores,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Gráfico 5 – Quanto às expectativas dos colaboradores na escolha da empresa

de aperfeiçoamento. Uma das graves


De acordo com o Gráfico 5, 30%
questões impeditivas de ampliação do
buscaram trabalhar na empresa por ter
capital humano são as questões familiares.
baixo grau de escolaridade, 27% por não
ter experiência de forma alguma na Muitos funcionários (motoristas,
carteira profissional, 23% acham o salário trocadores) têm problemas com pensões
compensador para a categoria, 20% alimentícias, seu salário fica muito
entraram para trabalhar na empresa por ter comprometido pelas obrigações com a
uma visão de formação onde a empresa justiça, por isso uma alta rotatividade,
auxilia na graduação e pós graduação. doenças associadas à depressão,
abandono, crises existenciais, entre outras
Ao analisarmos o gráfico 5
manifestações de mal estar profissional e
identificamos que a baixa escolaridade é
humano. Isso constitui-se de fatores
um item importante que dá acessibilidade
complicadores e até invibializadores de
à empresa na função de motorista. Daí
pensar-se um clima organizacional
o grande desafio da gestão que quer
positivo para a organização.
ampliar o capital intelectual de seus
colaboradores. Diante desses eventos, o esforço da
gestão de pessoas torna-se um grande
A empresa oferece
desafio, de conciliar qualidade externa e
sistematicamente cursos de atualização em
qualidade interna. Baixa escolarização,
direção defensiva, boas práticas de
questões familiares sob a determinação de
relações humanas com os clientes,
19
partilhas salariais, no final das contas, a
encorajamento à participação em oficinas
autoviária conta com o capital mais
de dinâmicas de grupo entre outras esferas

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


significativo da empresa (motoristas e
trocadores) desfalcado, vulnerável.

Gráfico 6 – Quanto ao conhecimento da empresa para os trabalhadores

causa da migração desordenada de pessoal


O Gráfico 6 corresponde ao nosso
do interior para a capital. O
item de questão que indaga de como a
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO
Gestão recolhe dos colaboradores a
DO TRABALHO-SINE que faz as
informação sobre como recebem
escolhas preliminares e encaminha os
informações sobre vagas na empresa
casos escolhidos. Amigos 30%, SINE
autoviária. A porcentagem indicada por
60% SINE, internet 5% e jornais/revista
amigos, o famoso “boca a boca” tem
5%.
grande relevância, e podemos dizer que
uma da variáveis é cada vez mais por

Gráfico 7 – Quanto ao lazer

20

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Para responder a esse
O Gráfico 6 responde a uma
questionamento tomamos como hipótese
questão importante na relação trabalho,
básica de nosso trabalho a seguinte: A
qualidade de vida e lazer. A empresa
área de Recursos Humanos deixou de ser
estimula atividades de lazer dentro da
um mero departamento de pessoal para se
própria organização, dispõe de campo de
tornar o personagem principal de
futebol, sendo este sido criado por ter sido
a escolha da grande totalidade dos transformação dentro da organização?

colaboradores. Os mesmos utilizam-se em Ao elaborarmos nossas


suas horas livres com partidas considerações finais, acreditamos que
(rachas).Tem também uma quadra para nossa hipótese básica de trabalho está
vôlei e um salão com bilhar e outros jogos. comprovada de acordo com os dados que
colhemos. O mergulho na empresa por
Identifica-se um esforço de
nós empreendido e a geração dos dados
corresponder e oferecer um clima
coletados asseguram apriori que a
organizacional mais humano, sendo que o
autoviária estudada se esforça
lazer é um dos fortes elementos desse
tenazmente para ser não mais um setor
processo. Além das atividades esportivas,
de recrutamento, e sim um espaço de
há apoio psicológico tanto para os
gestão de pessoas, pois dialoga
profissionais como para as suas famílias, e
intensamente com a Direção Geral, discute
essa questão é importante, principalmente
e coparticipa de ideias de melhorias para
em se tratando de um capital humano que
os colaboradores, não descrimina as
chamamos de vulnerável.
diversidades de orientações ideológicas,
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS políticas, educacionais, enseja o
encorajamento dos cursos de
O tema da nossa pesquisa: Gestão aperfeiçoamento, conquistou da Direção
De Recursos Humanos Ou Gestão De para que esta pagasse de forma integral
Pessoas pretendeu responder a seguinte os estudos dos colaboradores, inclusive na
questão de pesquisa: como é esfera das Instituições Universitárias
desenvolvida a gestão de pessoas na privadas, promove reuniões de apoio
empresa consultada? Visaria a psicoterapêutico com os profissionais e
valorização dos profissionais, seus familiares, entre outras atividades
21 potencializando o seu capital humano? sócio-educacionais.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


O importante é identificar que o
A gestão de pessoas reconhece a
antigo setor de recursos humanos que
necessidade de ampliar o capital
tinha apenas como regra capacitações frias
intelectual e humano de seus
e recrutamentos, é uma questão que não
colaboradores e enfrenta muitas
se coaduna com as novas perspectivas de
dificuldades de capitalizar tais recursos,
gestão no mundo do capitalismo global,
pois a grande maioria dos profissionais
contudo, mesmo diante dessa força de
tem questões judiciais na área do salário
homogeneização, cada cultura
que já é descontando na folha de
organizacional alavanca os potenciais
pagamento. o que gera um grande
capazes, os empreendimentos possíveis. A
constrangimento e desconforto. Essa é
história aqui apresentada não se conclui.
uma das questões muito relevante, pois os
Deve ser continuada em novas pesquisas
mesmo pedem muitas escalas extras, o que
no âmbito da ciência da Administração.
torna ilegal o exercício profissional, pois
ao excederem as horas se exaurem, pode
REFERÊCIAS
causar acidentes, entre outras questões.
ALBUQUERQUE, L. A gestão
Na empresa a gestão de pessoas é estratégica de pessoas: in Fleury et al., as
pessoas na organização. São Paulo: Editora
dirigida por um profissional especialista
Gente, 2002.
na área de psicologia com especialização
AMBROSE, M. L; ARNAUD, A. e
em recursos humanos, e isso é um grande
SCHMINKE, M. (2008), Individual Moral
diferencial nesse processo. Development andEthical Climate: The
influence of Person-Organisation Fit on
Concluímos que de acordo com Job Attiudes, Journal of Business Ethics,
nossas questões de pesquisa, a gestão de 77, 323-333.

pessoas é um grande desafio e por mais ARANTES, N. Sistemas de gestão


que as epistemologias e teorias aqui empresarial. São Paulo: Atlas, 1998.

trazidas no referencial teórico sejam BERGAMINI, C.; CODA, R. Motivação e


responsivas ao conhecimento da ciência Liderança nas Organizações. São Paulo:
Atlas, 1997.
da Administração, a gestão de pessoas em
cada contexto específico gera suas CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o
novo papel dos recursos humanos nas
próprias estratégias que não podem organizações. Rio de Janeiro: Campus,
servir de parâmetros universais, e sim 1999.
locais dadas as especificidades da cultura . Recursos Humanos. 8. ed.
22
organizacional. São Paulo: Atlas, 2005.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


FISCHER, A. L.; ALBUQUERQUE, L. G. RIBEIRO, A. C. et al.,. A implementação
de. Relatório de pesquisa tendências de de uma metodologia de planejamento
mudanças na gestão de pessoas das estratégico em uma pequena empresa.
empresas brasileiras: DELPHI RH-2010. Anais do XVI Encontro Nacional de
[São Paulo]: MBA, USP, 2001. Engenharia de Produção e II Congresso
Internacional de Engenharia Industrial.
GIL, A. C. Administração de recursos Piracicada, set. 1996.
humanos: um enfoque profissional. 2. ed.
São SOVIENSKI, Fernanda; STIGAR,
Paulo: Atlas, 1999. Robson. Recursos humanos x gestão de
pessoas.Gestão: Revista científica de
LACOMBE, B. M. B. e CHU, R. A.. administração e sistemas de informação.
Políticas e práticas de gestão de pessoas: Curitiba, v. 10, n. 10, p. 51-61, jan./jun.
as abordagens estratégica e institucional. 2008.
Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rae/v48n1/v48n1a0 VERGARA, Sylvia Contant. Projetos e
3.pdpdf>. Acesso em: 08 nov. 2011. relatórios de pesquisa em administração.
6. ed. São
MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Paulo: Atlas, 2000.
Teoria geral da administração: da
revolução urbana a revolução digital. 5. ed. WAGNER III, John; HOLLENBECK,
São Paulo: Atlas, 2005. John. Comportamento
Organizacional: criando vantagem
PESTANA Maria Cláudia ( et al.,). competitiva. 5 ed. São Paulo: Saraiva,
Desafios da sociedade do conhecimento 2006.
e gestão de pessoas em sistemas de
informação. Ci. Inf., Brasília, v. 32, n. 2, WOLFF, S. Informatização do trabalho e
p. 77-84, maio/ago. 2003. reificação: uma análise à luz dos
Programas de
PFEFFER, J. Seven Practices of Successful Qualidade Total. Campinas: Editora da
Organizacions. California Management. Unicamp; Londrina: Eduel, 2005.
V. 40, no 2,
1998.

23

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


ACIDENTES DE TRABALHO E AS DOENÇAS OCUPACIONAIS NA
CONSTRUÇÃO CIVIL
Francisco Elivaldo B. do Nascimento

Aluno do curso de Administração na


RESUMO: O setor da construção civil apresenta um dos maiores
Faculdade Integrada da Grande
Fortaleza índices de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, muito deles
elivaldo@aluno.fgf.edu.br fatais, o que sugere a necessidade de fortalecer a prevenção sob um
processo operacional ancorado em pressupostos da moderna gestão
Nádia Marques Gadelha Pinheiro
de recursos humanos. Discutimos no presente estudo de base teórica
Professora Mestre do curso de e bibliográfica, os acidentes de trabalho e doenças ocupacionais,
Administração na Faculdade pesquisados em base de dados do Ministério do Trabalho (BRASIL.
Integrada da Grande Fortaleza 2011) comparando segmentos da construção civil no Ceará com
nadia@fgf.edu.br
outras regiões do Brasil no período de 2007 a 2009. Os dados
consolidam 723.452 acidentes de trabalho, desses, 17.693 estão
relacionados às doenças ocupacionais. Os números fazem parte de
um contexto de relações complexas sócio demográficas que
demandam políticas institucionais no âmbito do Estado no sentido de
garantir aos trabalhadores dignidade e a vida. E no nível local da
cultura organizacional, os acidentes e as doenças ocupacionais,
resultantes do trabalho devem constar de uma agenda realizada de
forma a atender aos objetivos globais da empresa e dos trabalhadores
sob um processo integrado da moderna gestão de recursos humanos
que possa atender aos imperativos legais e éticos do mundo do
trabalho.

Palavras-chave: acidentes de trabalho; doenças ocupacionais;


prevenção; construção civil; gestão em recursos humanos.

ABSTRACT: The construction industry has one of the highest rates


of workplace accidents and occupational diseases, many of them
fatal, which suggests the need to strengthen prevention anchored in a
process operating on assumptions of modern human resource
management. We discuss the theoretical basis of this study and
literature, work accidents and occupational diseases, searched in
database of the Ministry of Labour (BRASIL. 2011) comparing
segments of the construction sector in Ceará with other regions of
Brazil from 2007 to 2009. The data consolidate 723,452 workplace
accidents, of which 17,693 are related to occupational diseases. The
figures are part of a context of complex relationships
sociodemographic requiring institutional policies within the State to
ensure workers dignity and life. And at the local organizational
culture, accidents and occupational diseases arising from work shall
include a schedule performed in order to meet the overall goals of
the company and workers in an integrated process of modern human
resource management that can meet legal and ethical imperatives of
the working world.

Keywords: Work Injuries; Occupational Diseases; Prevention;


Construction; Management of Human Resources.

24

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 INTRODUÇÃO A justificativa desse nosso
empreendimento intelectual está ancorada
Com o objetivo de apresentar como
nas razões de ordem teórica e de ordem
uma empresa no ramo da construção civil
prática que tornaram importantes na
deve prevenir os acidentes de trabalho e as
realização da pesquisa.O estágio em que se
doenças ocupacionais deles resultantes,
encontra a teoria da moderna gestão de
realizou-se esta pesquisa tendo como fonte
recursos humanos respeitante ao tema,
de dados o Departamento do Serviço
enfatiza aspectos relevantes para que os
Especializado em Segurança e Medicina
problemas relacionados ao
do Trabalho do Ministério do Trabalho do
desencadeamento de acidentes e doenças
Brasil, (2011) referente ao período 2007 a
ocupacionais no ramo da construção civil
2009. Com isso, foram identificadas as
possam de fato ser enfrentados com
ocorrências com a precisão de tipo,
sucesso.
quantidade, causas e atividades atingidas.
Consideramos que os dados pesquisados As contribuições teóricas que a
ensejam um novo olhar sobre as práticas pesquisa proporciona é de grande interesse
no mundo do trabalho, representando um acadêmico e social, pois aponta para a
dos principais desafios no exercício de possibilidade concreta de que sua
atividade complexa como é o ramo da operacionalização possa de fato,
construção civil. minimizar acidentes e garantir a redução
dessa estatística que reflete entre outras
O objetivo da geral desse trabalho
questões a ineficiência de gestões de
é estudar os acidentes de trabalho e as
recursos humanos não responsivas aos
doenças ocupacionais na construção civil
novos desafios das relações do mundo do
no Estado do Ceará no período de 2007 a
trabalho.
2009. Como objetivos específicos
contribuir com uma reflexão sobre como Se acidentes e doenças
prevenir acidentes e doenças ocupacionais, ocupacionais ainda estão presentes nas
identificar o caráter educativos das normas estatísticas brasileiras, a despeito de
operacionais de segurança no trabalho, políticas públicas que defendem e
enfatizar a importância da moderna gestão garantam juridicamente quer no âmbito
de recursos humanos(BRASIL, 2006) nacional como internacional de acordo
para que os objetivos da prevenção de com as convenções da Organização
25
acidentes e do e doenças ocupacionais Internacional do Trabalho e Ministério do
sejam alcançados. Trabalho no Brasil, há nesse contexto no

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


mundo das suas aplicabilidades práticas, condições exercem mais influência para
necessidade de resolução de pontos que a gestão de recursos humanos na
obscuros ainda não clarificados e nem construção civil possa garantir a
superados no âmbito da gestão de recursos prevenção de acidentes e doenças
humanos. ocupacionais?

O tema de nosso trabalho surgiu da Para responder ao problema


dificuldade prática a partir de nossa formulado propomos uma resposta
experiência profissional que ao longo de provável e provisória, isto é nossa hipótese
15 anos lida com a prevenção de de trabalho: Se acidentes de trabalho e
acidentes na construção civil, e doenças ocupacionais continuam a
evidentemente, nos últimos anos, muito se ocorrer na construção civil, então há
tem conquistado em termos de segurança grande indicação de que a gestão de
no trabalho, e se deve graças a vigilância recursos humanos não está
política do Ministério do Trabalho no operacionalizando práticas responsivas no
Brasil que prescreve normas reguladoras, âmbito de suas competências.
fiscaliza, multa, enfim, exerce um controle
2 Metodologia
legal muito grande, contudo, percebemos,
que o sucesso da prevenção, não é apenas Para responder, ou confirmar nossa
a aplicação de normas operacionais. Entre hipótese delimitamos nosso trabalho
o exercício da legalidade jurídica e o quanto ao campo de investigação que
mundo da prática, nos campos de trabalho abrange dois aspectos: quanto ao limite no
na lida diária, um ente é ponto tempo (período de 2007 a 2009); quanto
fundamental para garantia dessas ao fato estudado (acidentes de trabalho e
prescrições: gestão de recursos humanos, doenças ocupacionais); e quanto ao nível
como o aporte científico teórico capaz de de investigação, descritiva com coleta de
garantir a eficácia e a efetividade das dados secundários.A amostragem dos
práticas nas relações diretas dos dados secundários refere-se ao universo
trabalhadores em suas práticas cotidianas. estatístico de todas as ocorrências
A dificuldade específica com a cadastradas no Ministério do Trabalho no
qual se defronta e que se pretende resolver Brasil referente ao Estado do Ceará e
por intermédio de nossa reflexão no Regiões.
26
presente trabalho é o que conceituamos O método de abordagem é o
como nosso problema de pesquisa: quais hipotético dedutivo; o método de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


procedimento é monográfico e as enfatizada pela representação estatística
Técnicas correspondem a coleta de dados em Quadros.
de documentação indireta, abrangendo a O embasamento teórico defende
pesquisa documental e a bibliográfica, como teoria de base o aporte e a
individual na vida real. contribuição da gestão em recursos
A organização instrumental da humanos sob as novas constituições da
pesquisa foi através da Documentação moderna administração. O referencial e o
consultada no serviço de informática do diálogo teórico que embasam a discussão
referido Ministério do Trabalho, secção dessas questões apoiam-se no Texto:
Delegacia Regional do Trabalho situado Introdução à Gestão de Recursos
na cidade de Fortaleza. Trata-se de uma Humanos: texto de referência para a área
pesquisa em dados secundários em bancos temática de gestão de pessoas / Ministério
de dados do Ministério do Trabalho e do Planejamento do governo brasileiro –
Emprego no setor de Serviço 2006, (BRASIL, 2006) que é referência
Especializado em Segurança e Medicina desenvolvida no âmbito da Administração
do Trabalho, e na DATAPREVE (órgão Federal, servindo como parâmetro para
provedor de solução tecnológica de outras esferas de gestão, em contextos
informação para Previdência Social) locais e culturais.
situada na cidade de Fortaleza realizado
3 A moderna gestão em recursos
nos meses de agosto a setembro de 2011,
humanos (GRH) e a legislação
com dados contabilizados referentes ao trabalhista
ano de 2007 a 2009, com informações
A moderna GRH garante um novo
sobre as ocorrências de acidentes, causas e
olhar sobre o capital humano, antes visto
as doenças ocupacionais por idade e sexo.
como um ente automatizado, considerado
O instrumento de coleta de dados
apto se respondesse ao treinamento de
foi um Formulário no qual anotamos os
habilidades e competências sob
dados notificados de acidentes de trabalho
paradigmas cognitivos de base estímulo
e doenças ocupacionais na construção
resposta de acordo com os pressupostos
civil, excluídos outras fontes de trabalho.
clássicos do Behaviorismo radical
A análise e interpretação dos dados são
(estímulos das necessidades do mundo do
realizadas no nível da Interpretação,
27 trabalho e a corresponder, em seguida ao
interpretação crítica reflexiva da análise de
fornecimento de respostas favoráveis ao
discurso segundo Minayo, (1996),
lucro, era visto como uma potência

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


individual) (SKINER,1994). Para manter a organização
Modernamente, o trabalhador é produtiva, eficiente e eficaz da empresa, é
parte de um todo coletivo que se imprescindível pensar a gestão
compreende como uma ação coletiva, contemporânea sob o planejamento
realizado preferencialmente em equipe, estratégico que vise garantir o maior grau
parte importante de todo o contexto de eficiência possível.
organizacional (CHIAVENATO, 2005) e
As estratégias em Gestão de
degundo o material elaborado pelo Recursos Humanos são um processo
Ministério do Planejamento, Orçamento e
complexo que, ao ser previsto e
Gestão (2006) , a moderna G. R H.
estabelecido, sempre exigem a auto-
apresenta as seguintes características:
organização, num fluxo permanente de
análise e crítica que garantam as
Os empregados são considerados os
recursos mais valiosos da organização; é eficiências desejáveis na prevenção de
uma responsabilidade direta dos gestores de
linha e está intimamente ligada à gestão de
acidentes e doenças ocupacionais dos
desempenho; baseia-se em valores, trabalhadores. Estratégias preventivas e
fortalecendo o compromisso com a missão e
os valores da organização; pauta-se por corretivas são critérios essenciais para
políticas expressas e documentadas; acredita
que os empregados compartilham os responder às demandas organizacionais
mesmos interesses que os empregadores; é
estratégica, na medida em que busca como esclarece (BRASIL. M.P. 2006. p.
identificar as áreas críticas para o
desenvolvimento e o sucesso da 10)
organização; é guiada pelos objetivos e seu
acompanhamento; é orientada Estratégias de RH são simplesmente os
processualmente; A avaliação do processos que combinam pessoas, planos e
desempenho gera a melhoria contínua. programas de atividades, de acordo com
(BRASIL, M. P.2006, p,11) esquemas gerais, para realizar os objetivos
da organização. O processo de formulação
de estratégias é uma maneira de se
A construção civil foco das nossas promover a compatibilização desses
análises, historicamente, é um dos ramos diferentes pontos de vista.

do mundo do trabalho que apresenta um


Para a garantia da prevenção de
alto índice de acidentes e de doenças
acidentes e de doenças ocupacionais na
ocupacionais, o que exige da G. R. H.
construção civil, como em qualquer outra
esforços epistemológicos que garantam e
organização, uma das questões principais
minimizem possíveis eventualidades que
são os recursos financeiros. Só ideias e
possam surgir no intercurso do trabalho,
boa vontade não conseguirão a excelência
evitando danos tanto ao trabalhador, na
28 é preciso utilizar adequadamente a força
sua integridade física, como à empresa.
de trabalho.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


redução de potenciais riscos (BORGES;
Para tanto, as organizações necessitam não
somente de pessoal qualificado, mas LIMA, 2000).
também de sistemas eficientes e eficazes e
de recursos financeiros. O desenvolvimento Os objetivos da Gestão de
institucional requer não só que a pessoa
certa esteja no lugar certo no momento Recursos Humanos devem responder aos
certo, mas também que a organização
possua um ambiente de trabalho compatível objetivos da organização, daí o caráter de
com os seus sistemas operacionais e
disponibilidade de recursos financeiros
ser essa gestão um processo integrado e
adequados. (BRASIL, 2006, p. 9) responsivo no contexto de conflitos,
principalmente, no âmbito da construção
A especificidade da construção
civil.
civil é um desafio para assegurar um
ambiente de trabalho compatível aos Os objetivos da GRH devem ser coerentes
com os objetivos globais da organização.
sistemas operacionais responsivos a A finalidade do processo de formulação
de objetivos é direcionar as atividades de
programas de prevenção e doenças GRH em ambientes usualmente
ocupacionais. A grande questão é a turbulentos, de forma que, tanto as
necessidades da organização quanto as
qualificação técnica dos trabalhadores que necessidades individuais e coletivas de
seus empregados possam ser satisfeitas
são de baixa escolarização, e, através da implementação de políticas e
práticas compreensíveis e eficazes.
historicamente, no Brasil, essa categoria é (BRASIL,M.P. 2006, p. 9)
reconhecida, pelo senso comum, como
subemprego. As políticas e as práticas, como
componentes desse processo estratégico,
O esforço é conseguir com que
são as bases que sustentam os objetivos de
pessoas mais vulneráveis e, portanto,
qualquer empreendimento organizacional.
resistentes, adiram e incorporem aos
No caso da construção civil, prevenir
padrões de prevenção de normas técnicas
acidentes e doenças ocupacionais deve
que garantem minimizar riscos e prevenir
caminhar passo a passo com os objetivos
danos fatais. As empresas devem contar
de atender cronogramas e de alcançar a
com práticas de desenvolvimento
maximização competitiva no mercado com
institucional permanente para qualificar
respeito à vida das pessoas.
adequadamente o potencial dessas pessoas.
O capital humano é a base de qualquer Uma estratégia de GRH é principalmente
uma atitude mental de convicção quanto
organização, sendo assim merece um ao valor da clareza de objetivos e da
adequação dos planos às finalidades da
cuidado especial. É importante que a organização, bem como da necessidade de
integração perfeita entre os vários
29 indústria, os órgãos institucionais componentes da estratégia adotada. As
brasileiros e mundiais se preocupem com a questões fundamentais em planejamento
estratégico são Aonde queremos chegar?
promoção de iniciativas que possibilitem a

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


e o que precisamos fazer para chegar lá? 3.1 Acidentes de trabalho e os riscos
(BRASIL,M.P, 2006, p. 10)
ocupacionais
As estratégias de Recursos
Humanos na construção civil para a O conceito de acidente do trabalho é
prevenção de acidentes e doenças definido pela Lei 8.213/1991 em seu artigo
ocupacionais devem considerar o caráter 19, e estabelece o seguinte: Acidente do
sócio educativo das pessoas, seus trabalho é o que ocorre pelo exercício do
colaboradores que, no ramo específico da trabalho a serviço da empresa, ou ainda
área de trabalho, possuem pouca pelo exercício do trabalho dos segurados
escolarização, resistências ao uso de especiais, provocando lesão corporal ou
equipamentos de proteção individual, perturbação funcional que cause morte, a
crenças pessoais que não precisam se perda ou redução da capacidade para o
proteger, além da autoconfiança do saber trabalho permanente ou temporário
empírico. (MICHEL, 2001. p. 5)
Caracteriza o acidente tipo, ou
As estratégias diante dessa
macrotrauma, aquele decorrente do
especificidade, além das postuladas pelo
exercício do trabalho gerando lesão
Ministério do Trabalho, requerem os
corporal ou perturbação funcional,
conhecimentos teóricos da moderna
podendo resultar em óbito, assim como na
Gestão de Recursos Humanos e da
perda ou redução da capacidade
participação gestores para o satisfatório
permanente ou temporária para a prática
desenvolvimento e a implementação de
do trabalho, configurando um evento
novas práticas e atitudes no mundo do
único e imprevisto, de consequências
trabalho contemporâneo.
imediatas (MONTEIRO. 1998. p. 10).
O propósito da moderna GRH é assegurar As doenças ocupacionais são as
que a organização atraia e retenha as
pessoas qualificadas, comprometidas e moléstias de evolução lenta e progressiva,
motivadas, das quais necessita. Quais são
essas necessidades e como satisfazê-las é, originárias de causa igualmente gradativa
em síntese, o conjunto de definições que
compõem uma estratégia de RH. A e durável, vinculadas às condições de
implementação da estratégia significa trabalho (COSTA, 2009, p, 82) A
tomar medidas para avaliar e satisfazer as
necessidades futuras das pessoas, dando- legislação em vigor subdivide e equipara
lhes continuamente oportunidades de
desenvolvimento e aprendizagem para que as doenças ocupacionais em: doença
elas reforcem e expandam sua
30 competência, suas contribuições, seu profissional e doença do trabalho,
potencial e sua empregabilidade.
(BRASIL, M.P.2006, p. 10) conforme artigo 20, incisos I e II da Lei
8.213/1991.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


As moléstias laborativas Trabalho - PCMAT e o Programa de
subdividem-se em tecnopatias, Controle Médico e Saúde Ocupacional –
ergonopatias ou doenças profissionais PCMSO (GALLAFASSI, 1998).
típicas, inerentes a alguns trabalhos
Todos estes programas fazem parte
peculiares ou a determinadas atividades
da política nacional de prevenção em
laborativas, com nexo causal presumido,
acidentes de trabalho e doenças
razão pela qual o infortunado fica
ocupacionais estabelecidos pelo Ministério
dispensado de comprovar o mesmo do Trabalho no Brasil. Os programas
(Idem). As mesopatias, ou doenças do
acima citados, implantados e
trabalho, também denominadas moléstias
implementados são fundamentais para de
profissionais atípicas, normalmente
detectar riscos, prevenir ou proteger os
decorrentes das condições de
trabalhadores, entre outros avaliados,
agressividade existentes no local de realizados planejamentos, para, assim,
trabalho, que agiram decididamente, seja serem implantadas medidas que venham a
para acelerar, eclodir ou agravar a saúde
eliminar riscos e acidentes. É mediante os
do trabalhador. (Ibidem, p. 83).
programas deste tipo que se chega a um
Visando a prevenção das doenças ambiente de trabalho saudável e,
ocupacionais e dos acidentes do trabalho, consequentemente, à conscientização dos
surgiu por recomendação da Organização trabalhadores e empregadores quanto aos
Internacional do Trabalho – OIT, a riscos. Conhecer e identificar o que poderá
Comissão Interna de Prevenção de gerar acidente e doenças ocupacionais é
Acidentes – CIPA, transformando-se em um dos passos fundamentais do gestor em
determinação legal no Brasil por meio do recursos humanos para o implemento das
Decreto-lei n. 7.036, de 1944, políticas dos PPRA/PCMAT
determinando em seu artigo 82 que (GALLAFASSI, 1998)
empresas com número superior a 100 Nos últimos anos, o número de
funcionários deveriam instituir a CIPA. acidentes de trabalho no Brasil vem
(GALAFASSI, 1998. p. 26.) crescendo. Enquanto em 2001 foram
As empresas podem e deve valer- pouco mais de 340 mil acidentes de
se de programas que previnam acidentes e trabalho, em 2007, este número subiu para
doenças, como o Programa de Prevenção 659 mil ocorrências. Um aumento de 92%
31
de Riscos Ambientais - PPRA; Programa no número de acidentes de trabalho.
de Condições do Meio Ambiente de Somente em 2007, foram registrados 2,8

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


mil mortes por acidentes de trabalho em expondo-o a adoecimentos e acidentes de
todo o Brasil, são quase oito mortes diárias trabalho (BORGES; LIMA, 2000)
(BRASIL.MINISTÉRIO DO Os principais riscos ocupacionais
TRABALHO E EMPREGO, 2011). são riscos físicos, e são sinalizados pelas
O crescimento do número de cores. O verde indica ruídos, vibrações,
acidentes de trabalho foi verificado em radiações ionizantes, radiações não
todos os setores econômicos e, em 2007, ionizantes, frio, pressões anormais,
sofreu influência dos acidentes sem umidade e calor; o vermelho, riscos
Comunicações de Acidentes de Trabalho químicos, poeiras, fumos, névoas,
(CAT), registrados por meio do nexo neblinas, gases, vapores e substâncias
técnico epidemiológico. Segundo dados do compostas ou produtos químicos em geral;
Governo Federal, os acidentes e as o marrom, riscos biológicos, vírus,
doenças do trabalho custam, anualmente, bactérias, protozoários, fungos, parasitas e
R$ 10,7 bilhões aos cofres da Previdência bacilos; o amarelo, riscos ergonômicos,
Social, através do pagamento do auxílio- esforço físico intenso, levantamento e
doença, auxílio-acidente e aposentadorias. transporte manual de peso, exigência de
É sempre importante lembrar que estas postura inadequada, controle rígido de
estatísticas de acidentes de trabalho produtividade, imposição de ritmos
refletem somente os acidentes registrados excessivos, trabalho em turno e noturno,
pela Previdência Social. Estima-se que jornadas de trabalho prolongadas,
ainda haja, no Brasil, uma alta taxa de monotonia e receptividade, riscos de
subnotificação de acidentes de trabalho acidentes; o azul, arranjo físico
(BRASIL, 2011). inadequado, máquinas e equipamentos
sem proteção, ferramentas inadequadas ou
A saúde do trabalhador pode ser
defeituosas, probabilidade de incêndio ou
compreendida como a busca da
explosão, entre outras situações
compreensão das relações entre o trabalho
causadoras de estresse físico e/ou psíquico
e a saúde-doença dos trabalhadores, a
ou acedentes (MONTEIRO, 1998).
necessidade de mudança nos processos de
trabalho e das condições ambientais no Mais de 321 mil trabalhadores, em
trabalho, consequência de uma abordagem todo o mundo, morreram, em 2008,
multidisciplinar, e os riscos ocupacionais vítimas de acidente de trabalho e mais de 2
32
afetam diretamente a saúde do trabalhador, milhões por doenças adquiridas no
trabalho. Os dados fazem parte de um

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


relatório da Organização Internacional do equipamentos. As causas chamadas de
Trabalho (OIT), apresentado durante o 19º fortuitas são aquelas que não estão ligadas
Congresso sobre Segurança e Saúde no nem à fatores humanos ou técnicos, são
Trabalho em outubro de 2011, na Turquia. eventos raros, relacionados ao acaso e a
Segundo o relatório, de 2003 a 2008, o fatalidades (MIRANDA, 2010).
número de mortes por acidentes de Os fatores que motivam os
trabalho ficou menor em 37 mil. Já o acidentes são vários, dentre eles: falta de
número de pessoas que adquiriram critério ao recrutar empregados sem
doenças que as levou à morte aumentou preparação e informações sobre seus
em 70 mil (BRASIL, 2011). direitos que, em casos de acidentes
Acidentes de trabalho podem acabam por assumir a responsabilidade,
ocorrer em qualquer tipo de instituição, más condições no acesso da obra, acúmulo
setor e profissão. Entretanto, alguns e desorganização de materiais pontiagudos
trabalhadores são mais passíveis de nos canteiros de obra, baixa remuneração,
sofrerem acidentes do que outros. Entre os baixa ingestão de alimentos, trabalhos sob
ramos de atividade que têm as piores pressão em ritmo acelerado (MIRANDA,
condições de trabalho está a Indústria da 2010).
Construção Civil, apresentando altos
5 A Comissão Interna de Prevenção de
índices de ocorrência em acidentes de Acidentes – CIPA
trabalho (MIRANDA, 2010).
A Comissão Interna de Prevenção
As causas dos acidentes de de Acidentes – CIPA – tem como objetivo
trabalho podem ser classificadas em a prevenção de acidentes e de doenças
causas humanas, materiais e fortuitas. As decorrentes do trabalho, de modo a tornar
ações perigosas tomadas pelo próprio compatível, permanentemente, o trabalho
homem (causas humanas) têm origem em da preservação da vida e da promoção da
fatores, como, incapacidade física ou saúde do trabalhador.
mental, falta de conhecimento, de Devem constituir a CIPA, por
experiência ou motivação, stress, não estabelecimento, e mantê-la em regular
cumprimento das normas e dificuldade em funcionamento as empresas privadas,
lidar com a figura de autoridade. As públicas, sociedades de economia mista,
causas materiais, por sua vez, estão ligadas órgãos da administração direta e indireta,
33
a questões técnicas perigosas presentes no instituições beneficentes, associações
ambiente, ou ainda defeitos de recreativas, cooperativas, bem como

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


outras instituições que admitam planejamento preventivo de acidentes
trabalhadores como empregados, de (PIZZA, 1997).
acordo com a Classificação Nacional de A Norma Regulamentadora nº 18,
Atividade Econômica- CNAE e seu grau estabelece diretrizes de ordem
de riscos. administrativa, de planejamento, de
A CIPA será composta de organização, que objetivam a
representantes do empregador e dos implementação de medidas de controle e
empregados, de acordo com o sistema preventivos de segurança nos
dimensionamento previsto no Quadro I da processos, nas condições e no meio
NR, ressalvadas as alterações disciplinadas ambiente de trabalho na indústria da
em atos normativos para setores construção conforme seus itens e subitens
econômicos específicos. Os (VIEIRA, 2000).
representantes dos empregadores, titulares Todas as Normas
e suplentes serão por eles designados. Regulamentadoras são imprescindíveis
Os representantes dos empregados, para um ambiente de trabalho saudável. A
titulares e suplentes, serão eleitos em NR 4 trata do Serviço Especializado em
escrutínio secreto, do qual participam, Engenharia de Segurança do Trabalho
independentemente de filiação sindical, SESMT, que é formado por uma equipe
exclusivamente, os empregados multidisciplinar compostas por técnicos de
interessados. O mandato dos membros
segurança do trabalho, engenheiros de
eleitos da CIPA terá a duração de um ano,
segurança do trabalho, médico do trabalho
permitida uma reeleição.
e enfermeiro. Este programa é obrigatório
A CIPA terá reuniões ordinárias em instituições que admitam empregados
mensais, de acordo com o calendário regidos pela Consolidação das Leis do
preestabelecido. O cumprimento das Trabalho.
normas de segurança é uma O principal objetivo deste
responsabilidade das empresas, ou seja, programa é proteger a saúde e a
tem que haver uma política que atue na integridade dos funcionários no local de
fiscalização quanto ao cumprimento trabalho. O objetivo deste procedimento é
dessas normas uma vez que as empresas definir as ações nas ocorrências de
tendem a obter resultados positivos desde acidente do trabalho, na metodologia de
34 que haja respeito à vida humana e investigação e de registro dos mesmos.
Garantindo agilidade no levantamento das

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


causas e da aplicação de eficientes profissional qualificado em segurança do
medidas corretivas e preventivas trabalho é um aspecto muito importante
(ZOCCHIO, 2001). como membro da equipe. (BRASIL,
2011).
Com isso, fica nítido que os
funcionários devem receber treinamentos O empregado qualificado para
de capacitação e orientação profissional função vai além das capacidades técnicas
para otimizar o ambiente de trabalho e (execução das atividades com eficácia), é
conceder aos colaboradores a segurança necessário o desenvolvimento de
necessária para as atividades. Estes devem habilidades intelectuais, imprescindíveis
ocorrer periodicamente para prevenir a para a execução das tarefas. Um bom
ocorrência. exemplo é o índice de criticidade e atenção
dos colaboradores que poderia evitar a
Vimos, pois que não há
ocorrência do acidente. Os profissionais de
operacionalização estanque que responda
RH são fundamentais no desenvolvimento
aos interesse de uma missão na
da competência do pessoal para alcançar
organização que não seja em um processo
os objetivos da organização. (BRASIL,
holístico integrado ao todo organizacional
e filosófico da organização. Não há como 2006, p. 15).

capacitar pessoas, prevenir acidentes e A capacitação é um processo


doenças ocupacionais, sem que haja um multidimensional e complexo que
esforço integrado às políticas globais da estabelece a sustentabilidade da
empresa que alcancem todas as instâncias organização como um todo. No caso da
sobre as quais possam garantir ou impedir construção civil e sua especificidade de
o pleno desenvolvimento das estratégias trabalhar com pessoas de baixa
de gestão.Nesse contexto, a presença do escolarização, deve ter em mente que o
compreende as ações que visam a
desenvolvimento de outras competências
técnicas e críticas, para além da biografia aumentar às habilidades e competências de
indivíduos, unidades da organização, a
individual de seus aprendizados empíricos
organização como um todo ou um sistema
acumulados pela tradição, é uma das mais
desafiadoras questões. de organizações, para que possam executar
as suas respectivas missões, funções e
Nesse contexto Bitencourt (2001)
tarefas eficaz e eficientemente.
35 argumenta que a capacitação ou
Conscientizar os colaboradores
desenvolvimento de capacidade
sobre a importância da prevenção de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


acidentes e do uso dos Equipamentos de
Proteção Individual é outro processo Os quadros apresentados abaixo
decisivo. Muitos colaboradores por serem apresentam dados numéricos de acidentes
antigos, na idade ou na profissão; julgam- de trabalho, como também, as doenças
se conhecedores de tudo e acham ocupacionais por regiões em todos Brasil,
insignificantes e repetitivas as estabelecendo uma comparação com um
recomendações de segurança no trabalho dos segmentos de atividades dentro da
que são realizadas por meio de DDS construção codificada pela Classificação
(Diálogo Diário de Segurança) ou por Nacional de Atividade Econômica –
treinamento. É necessário assegurar uma CNAE-4212, que se refere à estrutura de
mão de obra diversificada, prover artes e obras especiais – construção de
oportunidades iguais e uma postura ética Metrôs, Tuneis , Barragens, obras pesadas,
na gestão de pessoas, baseada na na classificação de risco da Norma
preocupação com o ser humano, a justiça e Regulamentadora nº 04 (Serviço
a tolerância, estabelecendo vários padrões Especializado em Segurança e Medicina
e normas (BRASIL, 2011). do Trabalho).

6 Análise e discussão dos dados


QUADRO I: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR CLASSIFICAÇÃO
NACIONAL DE ATIVIDADE ECONOMICA NO BRASIL.CNAE 4212- ESTRUTURA DE ARTES
E OBRAS ESPECIAIS – ANO 2009

ACIDENTE DOENÇA ACIDENTE DOENÇA

CNAE DE DO CNAE DE DO
TRABALHO TRABALHO TRABALHO TRABALHO

TOTAL 723.452 17.693 4.212 2.007 175

Fonte :(BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011.

O quadro I apresenta dados numéricos , Trabalho - 659.523 e Doenças do


Trabalho-22.374, na construção civil, de
mostrando que , com toda tecnologia,
acordo com a Classificação Nacional de
investimento no crescimento e
Atividade Econômica, código 4212:
qualificação do trabalhador, a segurança
Acidentes de Trabalho- 1075 e Doenças
do trabalho ainda é ignorada pelos
do Trabalho-20.
colaboradores e por seus gestores em
36
relação a 2007: Número de Acidentes de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


QUADRO II: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR CLASSIFICAÇÃO
NACIONAL DE ATIVIDADE ECONOMICA POR REGIAO. CNAE 4212- ESTRUTURA DE
ARTES E OBRAS ESPECIAIS – ANO 2009
CNAE ACIDENTE DOENÇA CNAE ACIDENTE DOENÇA

TOTAL DE DO 4212 DE DO
TRABALHO TRABALHO TRABALHO TRABALHO

NORDESTE 90.161 2473 NORDESTE 237 03

SUL 164.420 3418 SUL 107 01

Fonte: (BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).

em 2007, foram 05, 2009- 03, e estamos


O QUADRO II mostra que
falando apenas da região Nordeste.
mesmos com as diversidades regionais,
como, cultura , clima e outros; Os Como exposto, as boas práticas de
acidentes de trabalho continuam em sua gestão de RH são fundamentais para
ascendência. Em 2007 foram 72.801 e, em melhorar o desempenho das pessoas, e, em
2009, 90.161 de acidentes e de doenças nosso caso específico, as evoluções
do trabalho. Em 2007, foram 3.747 e, em negativas dos dados estatísticos sugerem a
2009, 2473, na construção civil, de acordo necessidade de que devem ser feitas
com Código Nacional de Atividade mudanças significativas desses números
Econômica- 4212: em 2007, foram 114 e, que atentam contra a ética e contra os
em 2009, 237. já as Doenças do Trabalho, princípios da justiça e da dignidade das
pessoas.

37

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


QUADRO III: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR CLASSIFICAÇÃO
NACIONAL DE ATIVIDADE ECONOMICA POR ESTADO. CNAE 4212- ESTRUTURA DE
ARTES E OBRAS ESPECIAIS – ANO 2009

CNAE ACIDENTE DOENÇA CNAE ACIDENTE DOENÇA

TOTAL DE DO 4212 DE DO
TRABALHO TRABALHO TRABALHO TRABALHO

CEARÁ 11.802 324 CEARÁ 07 00

SÃO PAULO 246.448 5669 SÃO PAULO 328 02

Fonte: (BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).

acidentes de trabalho. Já sobre a


O QUADRO III mostra o
conscientização na saúde do trabalho
crescimento dos acidentes de trabalho em
tivemos êxito, em 2007, foram 482 e, em
capitais onde acontecem grandes aberturas
2009, 324 doenças do trabalho. Na
de frente de serviços quer sejam na área
construção civil CNAE 4212, em 2007,
industrial, como na construção civil.
foram 05 e, em 2009, não foram
Mostrando dados do Estado do Ceará, em
registradas doenças do trabalho.
2007, foram 8333, em 2009, 11.802

QUADRO IV: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO DE ACORDO COM O CÓDIGO


DE CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID-10)NO BRASIL/NORDESTE –
ANO 2009

CID/10 BRASIL NORDESTE CID/10 BRASIL NORDESTE

ACIDENTE S61-

723.452 72.801 FERIMENTO 76.627 9094


DE
TRABALHO PUNHO/MÃO

M75-LESÕES
20.856 2646
DO OMBRO

M75-
REAÇÕES 6246 1076

DE STRESS

DOENÇA F33-

17.693 3747 TRANSTORNO 1161 148


DO
38 TRABALHO DEPRESSIVO

Fonte :(BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Pertubações mentais, Reações de stress
Os dados registrados no quadro IV
6246 e transtorno depressivo 1161, que
destacam as partes do corpo humano que
equivalem a 41,86% de um total de17.693
mais sofrem lesões. No Brasil, de 723.452
doenças do trabalho, e cada região com
acidentes de trabalho, os ferimentos de
seus percentuais em relação ao geral. (
punho/mão-76.627 e lesões do ombro-
BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO
20.856 têm os maiores índices, equivalem
a 13,47%. Levando também em E EMPREGO, 2011).

consideração a doença do trabalho do tipo

QUADRO V: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR GRUPO DE IDADE E SEXO.


NO BRASIL E CEARÁ – ANO 2009

ACIDENTE DOENÇA ACIDENTE DOENÇA

BRASIL DE TRABALHO DO TRABALHO CEARÁ DE TRABALHO DO TRABALHO

MASCULINO 520.926 10.334 MASCULINO 8486 100

FEMININO 202.526 7359 FEMININO 3316 224

BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).

41,5% em todo Brasil. No Ceará, esses


O quadro V apresenta a
números são de 3316 acidentes de trabalho
participação do trabalhador do sexo
e 224 doenças do trabalho, equivalendo a
feminino nos acidentes de trabalho-
1,6% e 3 %.
202.526 e doenças do trabalho-7359, que
equivalem, respectivamente, a 28% e

QUADRO VI: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR GRUPO DE IDADE E


SEXO. E IDADE NO BRASIL E CEARÁ – ANO 2009 DE 20 A 24 ANOS

ACIDENTE DOENÇA ACIDENTE DOENÇA


BRASIL CEARÁ
DE TRABALHO DO TRABALHO DE TRABALHO DO TRABALHO

MASCULINO 95.913 679 MASCULINO 1412 10

FEMININO 25.108 555 FEMININO 452 35

TOTAL 121.021 1234 TOTAL 1864 45

BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).


39

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


acidentes de trabalho e 1234 que equivale
O quadro VI mostra que os jovens
6,9% das doenças do trabalho. Já o Ceará,
que estão iniciando sua trajetória no
tem sua participação com 1864, isto é ,
campo de trabalho na faixa etária de 20 a
0,25% dos acidentes de trabalho e 45 –
24 anos são responsáveis, em todo Brasil,
0,25 das doenças do trabalho.
por 121.021 que equivale 16,7% dos

QUADRO VII: QUANTIDADE DE ACIDENTE DE TRABALHO POR GRUPO DE IDADE E


SEXO. E IDADE NO BRASIL E CEARÁ – ANO 2009 DE 50 A 54 ANOS

ACIDENTE DOENÇA ACIDENTE DOENÇA

BRASIL DE DO CEARÁ DE DO
TRABALHO TRABALHO TRABALHO TRABALHO

MASCULINO 34.113 1123 MASCULINO 525 13

FEMININO 16.386 568 FEMININO 248 10

TOTAL 50.449 1691 TOTAL 773 23

Fonte: BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2011).

O quadro VII mostra trabalhadores que já estão no campo de trabalho há bastante


tempo (experientes) na faixa etária de 50 a 54 anos que são responsáveis em todo Brasil
por 50.499 que equivale 7% dos acidentes de trabalho e 1691 que equivale 9,5% das
doenças do trabalho. Já o Ceará também registra sua participação com 773, isto é , 0,10%
dos acidentes de trabalho e 23 – 0,13% das doenças do trabalho.

Os dados acima descritos nos levam a refletir o quanto o RH tem como

desafio para mudar as estatísticas


O RH estratégico versus abordagem
que legitimam práticas do mundo do funcional tradicional. A moderna GRH é,
acima de tudo, de natureza estratégica.
trabalho que já não são possíveis de serem Seus objetivos globais são coerentes com
legitimadas em nosso contexto a estratégia global (objetivos e planos) da
organização. A administração de pessoal
contemporâneo. As abordagens estratégias tradicional consistia, na maioria das vezes,
na aplicação ao pé da letra das normas de
de RH devem dinamizar novas ações pessoal. Era focada no “fazer as coisas
direito” em lugar de “fazer as coisas
coerentes com as demandas processuais de certas”. Os processos de gestão
relacionavam-se apenas vagamente com
maximização de ganhos e valores para os objetivos e as metas da organização.A
40 todos os colaboradores. Nesse sentido é moderna GRH relaciona-se fortemente
com a visão, a missão e os objetivos
importante que se foque: operacionais da organização (BRASIL,
M.P. 2006, p. 12).

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Se a moderna GRH é acima de tudo De acordo com os dados do
estratégica, e relaciona-se fortemente Ministério da Previdência Social, durante
com a visão, a missão e os objetivos o ano de 2009, foram registrados no
operacionais da organização, a adesão Instituto Nacional de Seguridade Social
dos trabalhadores ao espírito desse poder (INSS), aproximadamente, 723.452 mil
imaterial, simbólico e ideológico se acidentes do trabalho. Em comparação aos
materializa em práticas sócio políticas na dados de 2007, houve um aumento de
relação trabalho e trabalhador. Essa 9,7% no número de acidentes. Os
relação é complexa e nem sempre fiel. trabalhadores do sexo masculino somam
7,51 % das vítimas de acidentes, e do sexo
O esforço da visão, missão e
feminino, 13,31 %. Em relação aos
objetivos operacionais são assim o tripé
acidentes, a faixa etária que mais sofre
da organização que só pode sustentar-se
acidentes é a de pessoas jovens, de 25 a 29
na solidez de seus ativos econômicos,
anos, com 125.270, em 2007, e 131.558,
consolidação e respeitabilidade no
em 2009, respectivamente, 19 % e 18,2 %
mercado.Práticas sociais do trabalho,
do total de acidentes registrados.(BRASIL,
ética, direitos, relações mediadas pelo
2011)
diálogo, na horizontalidade em
multifaces, das diferenças, assimetrias, Propomos no inicio de nosso
unidos pelo espírito de coesão simbólica trabalho uma resposta provável e
atravessando ciclos de crise e de sucesso, provisória, isto é nossa hipótese: Se
contingências e perspectivas positivas e acidentes de trabalho e doenças
negativas.O ambiente corporativo nem ocupacionais continuam a ocorrer na
sempre é o espelho que reflete o sucesso construção civil, então há grande
e nem se eterniza nas vitórias.Mas como indicação de que a gestão de recursos
essas questões tão complexas, voláteis, humanos não está operacionalizando
mutantes, ao fluxo das crises do práticas responsivas no âmbito de suas
capitalismo, podem exigir que os competências.
trabalhadores “façam as coisas certas”? E Após análise dos dados
em se tratando da construção civil esse apresentados cremos ter respondido o
campo movediço, minado de nosso problema de pesquisa reafirmando:
instabilidades estruturais, e as condições que exercem mais influência
41 mercadológicas, um mundo de para que a gestão de recursos humanos e
empregabilidade nem sempre garantidos? possa colaborar na garantia da prevenção

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


de acidentes e doenças ocupacionais estão tradição oral, ver fazer, aprender “ali
relacionados aos pressupostos mesmo”, compartilhando práticas e
paradigmáticos que sustentam a nova saberes.
gestão de recursos humano, tais como A falta de letramentos para que o
valorizar o capital intelectual do conhecimento possa ser textualmente
trabalhador não partindo de sua essência
mediado em contextos sociais do trabalho,
intrínseca, individual, mas estimulada, é um fator muito forte, pois, a pouca ou
fortalecida por uma estratégica pedagógica nenhuma acessibilidades aos bancos
da transformação e emancipação tal como escolares, os tornam deficitários de
propõe Paulo Freire.
múltiplas abordagens tecnicistas e

A obra de Paulo Freire, traduzida há vários


científicas.
anos para quase 40 idiomas, postula
transformações culturais sumamente Os acidentes e doenças
importantes em função da liberdade dos
povos oprimidos e com suas propostas ocupacionais refletem esse vazio
metódicas de redescobrimento e educacional, político, social, que afeta
interpretação da realidade, contribui para
reconhecer e iniciar o caminho para grandemente suas vidas, inclusive pondo-
transformá-la. Na verdade, não existe
nenhuma experiência de mudança sócio- as em riscos irrecuperáveis quando não, a
política que não se desenvolva a partir de
uma tomada de consciência da realidade. própria morte. Não são as fatalidades do
(RÚBIO, 1997,p.13)
destino que faz despencar trabalhadores ao
Se no passado o recrutamento e a solo, pois são cidadãos “com olhos
capacitação eram formas de abordagens embotados com cimento e lágrima”, ...e
posteriores à seleção do material humano, atravessam a rua com seus passos bêbados
hoje torna-se essencial que a capacitação e sobem a construção como se fossem
seja um processo aberto, em constante sólidos, e tropeçam no céu como se
transformação. E em se tratando de ouvisse música, e se agarram no chão
profissionais da construção civil, como um pacote tímido e morrem na
relacionadas à mão de obra pesada, contra mão atrapalhando o público...”
serventes, pedreiros e mestres de obras (CHICO BUARQUE DE HOLANDA,
essa é uma forma crucial no processo, 1970).
pois, a grande maioria de trabalhadores é Se o poeta maior na música
proveniente da zona rural, pobres, sem popular brasileira (CHICO BUARQUE)
formações especialistas, o que sabem faz identificou a desgraça dos trabalhadores na
42
parte do estoque empírico que aplicam na construção na década de setenta do século
vida laboral. Acúmulo que se soma da XX, de lá até hoje, muitas conquistas no

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


âmbito da legislação e do apoio político do metodologia dessa relação: potencializar a
Estado forçou a diminuição das tragédias partir das próprias histórias de vida
anunciadas, tais como genocídios individuais e coletivas, essas forças
silenciados, contudo, se apenas um único provindas da miséria; dialogar com as
desses homens e mulheres, se apenas um consciências com pouca escolarização
continuar a despencar nos solos, a torná-los críticos e participativos
indignidade é tão gigante como a mesma fortalecendo o papel político de cada um e
proveniente dos milhares e milhões que uma dessas pessoas.
deram suas vidas acobertados pela Uma gestão de recursos humanos
injustiça ao longo das trágicas relações do que cumpra seu papel social e não apenas
mundo do trabalho de ontem e de hoje de recrutar os miseráveis ao seu exército
suavizadas pelos novos contornos do de reserva de mortos vivos, e sim de
capitalismo global.Nossos trabalhadores construção e fortalecimento desse capital
da construção civil continuam pobres. intelectual, incentivando a escolarização, o
Com pouca ou quase nenhuma retorno ao conhecimento especializado no
escolarização e respondem com pouco âmbito da forças produtivas hegemônicas.
encorajamento as práticas garantidoras da
prevenção de acidentes. 6 Considerações finais

Segundo o Ministério do Trabalho Ficou clara a importância da


e Emprego (BRASIL, 2011), a hora na discussão deste assunto e a necessidade de
qual ocorrem mais acidentes graves ou métodos preventivos aliados à moderna
não é relacionado ao evento fome nas gestão em recursos humanos em
primeiras horas da manhã entre 8 e 10 organizações que tenham especificidades
horas, momento esse em que o de produção, tais como a construção civil.
metabolismo orgânico prescinde de um Capacitação, monitoria, equipamentos e
grande investimento energético e calórico respeito às leis são fundamentais para
para garantir sua hemodinâmica nos níveis proporcionar a segurança dos
fisiológicos compatíveis com os esforços trabalhadores nas organizações. Essa é
despendidos pela carga laboral extenuante uma questão que só se concretiza numa
e árdua da construção civil. ação integrada da Gestão de Recursos
Nesse mister chamamos para o Humanos com os objetivos gerais da
43
campo de trabalho a gestão de recursos empresa.
humanos que deve se revestir de uma nova

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Os componentes principais de uma de Administração, Universidade Federal
do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.
competência são os conhecimentos, as
BORGES, J. M. LIMA, L. A. L. Projeto
habilidades, as atitudes e os valores. Estes “Saúde e Segurança no Trabalho”, uma
últimos unem as pessoas em relações de propostade atividade extensionista entre
Universidade / Empresa. Disponível em:
aprendizagem. Somente através do <http://www.coter.eb.mil.br/1sch/seguranc
desenvolvimento de competências torna-se a/segsauocup/Artigos/Artigo_SST_conem
2000.pdf> Acessado em: 15/11/11.
possível assegurar a sustentabilidade dos
BRASIL, Lei nº 8.213, de 24 de julho de
resultados de outras ações de capacitação 1991. Disponível em:
em sistemas ou procedimentos. (BRASIL, <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/Leis
/L8213cons.htm>. Acesso em: 20 nov.
2006) 2009.
Os acidentes de trabalho e as BRASIL. Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão, Secretaria de Gestão.
doenças ocupacionais são temas que Comissão Europeia Introdução à Gestão
devem constar de uma agenda para GRH, de Recursos Humanos: Texto de referência
para a área temática de gestão de pessoas.
pois os dados desse estudo apontam para Brasília: MP, 2006.
um aumento estatístico no Brasil, o que BRASIL. OIT: trabalho causa mais
reforça a urgência de se direcionar uma doenças fatais que mortes por acidentes.
Disponível em:
das soluções no campo da GRH e o o <http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/
fortalecimento do papel estratégico que 09/12/cresce-numero-de-mortes-por-doenca-
adquirida-no-trabalho-diz-oit>. 2009. Acesso
tem a oferecer. O maior diferencial em: 18 nov. 2011.
competitivo que uma empresa possui são BRASIL. Portaria 3.275 de 21 de
as pessoas, os seus talentos como espelho setembro de 1989. Disponível em:
<http://pt.scribd.com/doc/7357261/AtribuiCOes-
de um investimento saudável e competente Do-tEcnico-de-SeguranCa>. Acesso em: 22
da GRH voltadas para a sustentabilidade, nov. 2011.
BRASIL.Ministério do Trabalho e
os valores, e ética.
Emprego. Normas Regulamentadoras.
Disponível em:
RERERÊNCIAS <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas
_regulamentadoras/default.asp> Acessado
em: 21/11/2011
ALMEIDA, Ellen Christian de. et al.,.
Riscos ocupacionais: impactos na saúde CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de
do trabalhador do calor. Disponível em: Pessoas: o novo papel dos recursos
<www.abennacional.org.br/2SITEn/Arquivos/N.11 humanos nas organizações. Rio de Janeiro:
2.pdf> Acesso em: 20 nov 2011. Campus, 1999.
BITENCOURT, Cláudia Cristina. A COMISSÃO INTERNA DE
gestão de competências gerenciais: a PREVENÇÃO DE ACIDENTES – CIPA.
44
contribuição da aprendizagem Disponível em:
organizacional. 2001. 319 f. Tese <http:www.cipa.uem.br/Nr_05.php>. Acesso
(Doutorado em Administração) – Escola em: 12 nov. 2011.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DE Trabalho. Florianópolis: Editora Mestra,
TRABALHO – CLT. Decreto lei nº 5.214 2000.
de 22/12/1977, Art. 154 a 201. Portaria nº
ZOCCHIO, Álvaro. Segurança e saúde
3.214 de 08/06/1978, 6ª ed.
no trabalho: como entender e cumprir as
COSTA, Hertz Jacinto. Manual de obrigações pertinentes. São Paulo: Editora
Acidente do Trabalho. 3. ed. rev. e atual. Ltr, 2001.
Curitiba: Juruá, 2009. p. 74-75.
GALAFASSI, Maria Cristina. Medicina
do Trabalho: Programa de Controle
Médico de Saúde Ocupacional (NR-7).
São Paulo: Atlas, 1998.
MICHEL, Oswaldo. Acidentes do
Trabalho e Doenças Ocupacionais. 2. ed.
rev., ampl. São Paulo: Ltr, 2001
MIRANDA, Jérsica Franciele. Políticas
de segurança do trabalho na construção
civil: panorama nacional e o caso da CLIP.
Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/informe-
se/artigos/politicas-de-seguranca-do-trabalho-na-
construcao-civil-panorama-nacional-e-o-caso-da-
clip/45584/>. Acesso em: 19 nov. 2011.
MONTEIRO, Antonio Lopes;
BERTAGNI, Roberto Fleury de Souza.
Acidentes do Trabalho e Doenças
Ocupacionais: Conceito, processos de
conhecimento e de execução e suas
questões polêmicas. Saraiva, São
Paulo,1998.
PINHEIRO, Adriano Martins. Acidentes
de trabalho e doenças ocupacionais.
Disponível em: <http://www.artigonal.
com/direito-artigos/acidente-de-trabalho-
e-doencas-ocupacionais-1061178.html>.
Acesso em: 04 set. 2009.
PIZA, Fábio de Toledo. Informações
Básicas sobre Saúde e Segurança no
Trabalho.São Paulo: CIPA, 1997.
SKINNER, B. F. Ciência e
comportamento humano. Tradução de J.
C. Todorov & R. Azzi. 9. ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1994
VIEIRA, Sebastião Ivone (Coord.)
45 Manual de Saúde e Segurança no

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CIÊNCIAS JURÍDICAS

46

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


A POLÍCIA MILITAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988: UMA
ABORDAGEM CRÍTICA

Rainer Henrique Abreu Riedel da Resumo: Tendo como escopo a função constitucional da Polícia
Costa
Militar, este artigo procura apresentar uma perspectiva crítica acerca
Graduando em Direito pela do papel desempenhado pelas instituições militares estaduais face às
Faculdade Integrada Grande demandas democráticas da atualidade. Partindo da objetividade da
Fortaleza norma, passando por exemplificações e conceitos, o presente estudo
rainer-harc@hotmail.com /
expõe a situação anacrônica ainda existente nessas corporações e a
rainercosta@aluno.fgf.edu.br
divergência desta com as premissas basilares de um Estado
João Celso Moura de Castro Democrático de Direito. Ademais, apresenta as recentes conquistas
de seus profissionais (militares estaduais) e suas aspirações futuras.
Professor Especialista do curso de
Direito na
Falculdade Integrada da Grande Palavras-chave: Polícia; Militares; Constituição; Democracia;
Fortaleza – FGF Segurança
joaocelso@fgf.edu.br
Abstract: Having soped the constitutional function of the military
police, this article presents a critical perspective on the role played
by state military institutions in the face of democratic demands of
today. Departing from the norm of objectivity, and passing through
exemplifications concepts this study exposes the anachronistic
situation still existing in these corporations and this divergence with
the basic premise of a democratic state. Moreover, it presents the
recent achievements of its employees (military state) and their future
aspirations.

Keywords: Police; Military; Constitution; Democracy; Security

47

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 INTRÓITO: NECESSIDADE DE O Desembargador do Tribunal de
SEGURANÇA E IMPORTÂNCIA DA
Justiça de São Paulo, Diodato Lioy apud
POLÍCIA
Galli2, comenta:
O homem sempre sentiu a
A Polícia nao deve velar senão pelo
necessidade de proteger sua integridade progresso da sociedade e dos bons
costumes, pelo bem-estar do povo e pela
física e seu patrimônio. A autodefesa tem tranquilidade em geral. Ela foi, com a
Justiça, instituída para assegurar a execução
como consequência a própria preservação
das leis, e não para as infringir, para garantir
da espécie. Essa necessidade de estar a liberdade dos cidadãos e não para cerceá-
la, para salvaguardar a segurança dos
protegido ensejou a formação de grupos, homens de bem, e nao para envenenar a
fonte do bem-estar social. Nao deve ela
nao só na espécie humana, mas em todo o transpor os limites da segurança pública ou
particular, nem sacrificar o livre exercício
reino animal. A Polícia, enquanto das faculdades do homem e dos direitos
civis, por um violento sistema de precaução.
instituição da preservação da segurança da
coletividade, nasceu então de uma
A Segurança é necessidade vital
demanda social que, através dos tempos e
para o homem. Se não satisfeita a
em diversos espaços, tem evoluído
contento, as tensões individuais e coletivas
simultaneamente com as sociedades.
tendem a crescer, e juntas concorrem para
A célebre afirmação de Honoré de o rompimento do equilibrio social. A
Balzac pode sintetizar a importância da Polícia assim, como a instituição criada
Polícia: Os governos passam, as pela sociedade para atender esta demanda
sociedades morrem, a polícia é eterna. A (da Segurança Pública), tem elevada
atividade policial surgiu como decorrência importância no contexto social. A
natural para a promoção do bem-estar e da instituição Polícia, hoje, exerce funções
segurança dos grupos sociais. A prática além das que legalmente lhe são
policial é a própria prática da Justiça, se atribuídas. É uma “Polícia faz tudo”. As
levarmos em conta que na atuação viaturas policias, por exemplo,
primária junto a conflitos entre membros anualmente, têm rodado o equivalente a
de uma sociedade, a Polícia atua de forma cinquenta viagens de ida e volta à Lua,
a regular a coexistência pacífica entre sendo 90% em assistência à população e
esses individuos1. 10% no atendimento de ocorrências

48
1 2
LEAL, Aureliano. Policia Militar do Estado de GALLI, Ítalo - Anais do IV Encontro Nacional
São Paulo - Apostila de Doutrina de Polícia dos Delegados de Polícia. SP: Editora São Paulo,
Ostensiva. SP: APOLICIALBB, 1995, p. 08. 1991.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


criminais3, sem falar da situação nos 2 O QUE DIZ A LEX MAIOR?
municípios no interior dos Estados, em
A Constituição Federal de 1988
que a Polícia, principalmente a militar,
reza, eu seu artigo 144, V, que a Polícia
atua nas áreas de Pronto Socorro,
Militar é um dos órgãos responsáveis pela
Assistência Social, Pedagogia e até
segurança pública, sendo o seu papel
Psicologia, quando tem de mediar
exercer a polícia ostensiva e a preservação
situações de conflito.
da ordem pública (art. 144, § 5º). O
A sociedade deve encarar a Polícia parágrafo 6º do mesmo artigo dispõe que
como uma instituição que a serve, que está “as polícias militares e os corpos de
cotidianamente prezando pela sua bombeiros militares, forças auxiliares e
segurança. A Polícia, saída do ventre da reserva do Exército, subordinam-se,
sociedade, é inevitavelmente reflexo desta juntamente com as polícias civis, aos
e sua atuação, pautada nas aspirações Governadores dos Estados, do Distrito
legais que a sociedade institui, deve Federal e dos Territórios”. Ademais, o
garantir uma das necessidades artigo 42 da Carta Magna expressa que “os
fundamentais do ser humano: a segurança. membros das polícias militares e corpos de

Mas como garantir essa sensação bombeiros militares, instituições

de segurança estando a Polícia Militar organizadas com base na hierarquia e

ainda ligada ao Exército, subordinada a disciplina, são militares dos Estados, do

regulamentos disciplinares inflexíveis, ao Distrito Federal e dos Territórios”, caput

Código Penal Militar e Código de dado pela Emenda Constitucional nº 18 de

Processo Penal Militar; situada assim, 05/02/1998.

devido à ambiguidade de sua função ser de Logo percebemos que as polícias


natureza eminentemente civil e estar militares exercem uma função dupla, que
organizada militarmente, numa linha tênue analisada minuciosamente, chega a ser
entre os vestígios de uma época ditatorial e paradoxal. Ao mesmo tempo em que são
os atuais reclames democráticos? órgãos de segurança dos Estados, Distrito
Federal e dos Territórios, são forças
auxiliares e reserva do Exército. Essa
situação mostra a dicotomia existente
dentro de um mesmo órgão que deve zelar
49
3 pela segurança interna, mais precisamente,
SSPDS-CE. Policia Militar do Ceará. Apostila
Curso Estágio em Policiamento Comunitário. o policiamento ostensivo e repressivo,
2004, p.05.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


com técnicas e armamentos próprios diretamente – a não ser que seus interesses
(notadamente não-letais), que lida estejam em jogo. A relação entre a
diretamente com o cidadão; e, num mesmo situação ambígua das polícias militares e
instante, ainda que ocasionalmente, ser essa influência das Forças Armadas na
força militarizada subordinada ao Exército sociedade civil é percebida por Zaverucha5
brasileiro (auxiliar e reserva), com ao afirmar:
equipamentos pesados, de guerra, Quando se dá a transição para a
democracia, há uma preocupação dos
utilizando-se de técnicas que lidam com o
novos governantes em tirar a polícia do
inimigo, para dominá-lo e/ou destruí-lo. controle das Forças Armadas. O objetivo é
tornar nítida a separação de suas funções:
a polícia é responsável pela ordem interna,
As raízes desta situação ou seja, pelos problemas de segurança
encontram-se no controle que as Forças pública, enquanto os militares federais se
encarregam de problemas externos, leia-
Armadas ainda exercem sobre se, da guerra. A Constituição de 1988 não
procurou fazer essa separação. Ao
determinados setores da sociedade contrário, dificultou-a.

brasileira, como a aviação civil por


exemplo. Estaríamos assim, malgrado a Num primeiro momento havia a

redemocratização ocorrida em 1988, clara separação entre militares estaduais e

inseridos numa semidemocracia. Nesse militares federais. Contudo, a Emenda

sentido, Zaverucha4 afirma que Constitucional nº 18/1998 estipulou que as


duas forças têm as mesmas prerrogativas e
A semidemocracia, por definição, é uma
situação em que uma democracia funções, uma vez que dispositivos
‘imperfeita’ caminha rumo a uma
democracia com sólidas e responsivas relacionados às Forças Armadas são
instituições. Seria preciso, portanto, dar
tempo à mesma. Contudo, passados 20 aplicados às polícias militares (arts. 42 §
anos do fim do regime militar, a
semidemocracia brasileira não caminha
1º, 142 §§ 2º e 3º)6. Neste sentido, o
rumo à superação, de um modo regular, de atrelamento anacrônico das forças
seus traços autoritários mais marcantes.
ostensivas e repressivas de segurança
pública ao Exército não facilita o pleno
As Forças Armadas seriam assim
garantidoras da Lei e da Ordem segundo o
art. 142 da Constituição Federal (não se 5
________. Frágil Democracia: Collor, Itamar,
extipula qual ordem – interna ou externa), FHC e dos militares (1990-1998). Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2000.
e estariam influenciando as mais diversas 6
LOUREIRO, Ythalo Frota. As Polícias Militares
esferas políticas, não interferindo na Constituição Federal de 1988: polícia de
segurança pública ou forças auxiliares e reserva
50 do Exército?. Jus Navigandi, Teresina, ano 9, n.
486, 5 nov. 2004. Disponível
4
ZAVERUCHA, Jorge. Semidemocracia. Artigo. em:<http://jus.uol.com.br/revista/texto/5866>.
Folha de São Paulo, edição de 26/11/2004. Acesso em: 13 fev. 2011.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


desenvolvimento dos órgãos de segurança As polícias militares também estão
estaduais, como bem observa Loureiro7: subordinadas ao Código Penal Militar e

Trata-se da polícia de segurança que Código de Processo Penal Militar, e tem


pretende assegurar a ordem e a
regulamentos disciplinares idênticos aos
tranquilidade. Esta pretensão de
segurança, no Brasil, é exercida, do Exército. Tais normas, quando
indistintamente pelas polícias estaduais.
Os conceitos descritos na Constituição aplicadas aos policiais militares em
Federal para definir as funções das PMs e
das polícias civis, portanto, são determinados casos, transparecem a
insuficientes e não revelam com
clarividência suas identidades incongruência que há no sentido de que a
institucionais.
força que é responsável diretamente pela

Melhor seria retirar a influência segurança dos cidadãos é regida por

que o Exército mantém sobre as polícias disposições normativas incompatíveis com

militares, haja vista a polícia ser, lato as liberdades públicas. Senão vejamos o

sensu, na democracia, polícia urbana, cujo exemplo que nos dá Loureiro9:

cliente é o cidadão comum, o homem sem [...] se um policial militar comete crime de
deserção, previsto no art. 187 do Código
qualidades8. Penal Militar (‘Ausentar-se o militar, sem
licença, da unidade em que serve, ou do
Tal gerenciamento das polícias lugar em que deve permanecer, por mais
de oito dias’) pode ser punido com
militares pelo Exército através de um detenção, de seis meses a dois anos e se
oficial, a pena é agravada. Para este tipo
órgão chamado COTER (Comando de de crime nao se aplica a suspensão
condicional da pena, sursi (Art. 87, inciso
Operaçãos Terrestres), o qual controla II, letra ‘a’ do CPM), ou seja, deverá o
efetivo, material bélico, mobilização etc., policial militar apenado cumprir a pena de
restrição de liberdade. Por outro lado, se o
pressupõe uma espécie de desconforto mesmo policial militar comete crime de
lesão corporal contra um civil, no
para o princípio federativo de nossa exercício da função (art. 209 do CPM –
‘Ofender a integridade corporal ou a saúde
República. As polícias militares são de outrem’) pode levar uma pena de
detenção de três meses a um ano e ainda
“pequenos exércitos locais” que, embora pode ser beneficiado pela suspensão
subordinadas aos Governadores dos condicional da pena.

Estados, do Distrito Federal e dos


Pelo exemplo podemos perceber
Territórios, devem estar prontas para
que se valoriza mais a instituição do que a
auxiliarem o Exército e ser reservas deste.
própria dignidade do ser humano, se
levarmos em conta as sanções impostas
7
__________. Idem aos atos tipificados acima. Não
8
MONJADET, Dominique. O que faz a Polícia: acreditamos serem viáveis tais dispositivos
51 Sociologia da Força Policial. Tradução de Mary
Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Editora da
Universidade de São Paulo, 2003 (Série Polícia e
9
Sociedade nº10) LOUREIRO, Ythalo Frota. Ibidem

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


legais num Estado Democrático de Segurança Pública, entre os quais
Direito, principalmente no tocante à destacamos:
corporações que zelam pela segurança Diretriz nº 12. Realizar a transição da
pública dos homens comuns. segurança pública para atividade
eminentemente civil; desmilitarizar as
polícias; desvincular a polícia e corpos
Apontamos como alternativa a este de bombeiros das forças armadas; rever
regulamentos e procedimentos
modelo, que está em desacordo com as disciplinares; garantir livre associação
aspirações democráticas da atualidade, o sindical, direito de greve e filiação
político-partidária; criar código de ética
desvinculamento das polícias militares único, respeitando a hierarquia, a
disciplina e os direitos humanos; submeter
estaduais ao Exército, para que as mesmas irregularidades dos profissionais militares
à justiça comum.(grifos nossos)
possam desenvolver-se enquanto
instituições garantidoras da sensação de
Importante citarmos também a
segurança, e para que seus profissionais
Portaria Interministerial da Secretaria
sejam mais valorizados enquanto
Especial de Direitos Humanos da
trabalhadores e cidadãos com direitos e
Presidência da República nº 2, de 15 de
obrigações.
dezembro de 2010, publicada no DOU de
Recentes mobilizações de 16.12.2010, a qual estabelece as Diretrizes
profissionais da segurança pública Nacionais de Promoção e Defesa dos
(policiais militares e civis, bombeiros Direitos Humanos dos Profissionais de
militares etc.) no intuito de adquirir Segurança Pública, que no seu anexo,
direitos, alicerçadas em premissas dentre outras ações, estipula:
democráticas, demonstram a vontade
DIREITOS CONSTITUCIONAIS E
gritante destes profissionais em fazer com PARTICIPAÇÃO CIDADÃ
que os órgãos de segurança pública sejam 1) Adequar as leis e regulamentos
disciplinares que versam sobre direitos e
balizados por princípios democráticos. deveres dos profissionais de segurança
pública à Constituição Federal de 1988.
Neste sentido, reconhecemos a
2) Valorizar a participação das
importância da 1º CONSEG – Conferência instituições e dos profissionais de
segurança pública nos processos
Nacional de Segurança Pública, realizada democráticos de debate, divulgação,
estudo, reflexão e formulação das políticas
em 2009 pelo Ministério da Justiça e pela
públicas relacionadas com a área, tais
Secretaria Nacional da Segurança Pública, como conferências, conselhos, seminários,
pesquisas, encontros e fóruns temáticos.
após intensos debates nos entes federados, 3) Assegurar o exercício do direito de
no qual foram estabelecidos princípios e opinião e a liberdade de expressão dos
52 profissionais de segurança pública,
diretrizes para a Política Nacional de especialmente por meio da Internet, blogs,
sites e fóruns de discussão, à luz da

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Constituição Federal de 1988. (grifos se trata propriamente de uma força militar
nossos) e em que se subordina diretamente ao
Poder Executivo de cada estado, figurará
neste relatório entre aspas.
O mesmo anexo da Portaria dispõe
6. A "polícia militar" tem a
também sobre o direito à Educação dos responsabilidade do policiamento
ostensivo e da preservação da ordem
profissionais de segurança: pública, ou seja, ela se ocupa,
primordialmente, das tarefas diárias de
EDUCAÇÃO patrulhamento e de perseguição de
criminosos. Quanto à subordinação, as
45) Estimular os profissionais de polícias estaduais, tanto "militares" quanto
segurança pública a frequentar programas civis, subordinam-se aos Governadores
de formação continuada, estabelecendo dos Estados, do Distrito Federal e dos
como objetivo de longo prazo a Territórios. (Artigo 144, parágrafo 6 da
universalização da graduação CF). O chefe das polícias estaduais é o
universitária. Secretário de Segurança Pública, auxiliar
[...] direto do Governador e responsável pelos
atos que pratica ou referenda no exercício
47) Promover nas instituições de de seu cargo.
segurança pública uma cultura que
valorize o aprimoramento profissional
constante de seus servidores também em Malgrado a legislação
outras áreas do conhecimento, distintas da
segurança pública.(grifo nosso) infraconstituicional disponha de tais
avanços no âmbito dos órgãos de
Não é demais citarmos o Relatório segurança pública, principalmente em
sobre os Direitos Humanos no Brasil, relação às polícias militares, somos
aprovado pela Comissão Interamericana sabedores de que enquanto estas
de Direitos Humanos da OEA corporações forem vinculadas ao Exército
(Organização dos Estados Americanos), e reguladas por códigos militares,
realizada em 29/09/199710, o qual afirma, avançaremos muito pouco no tocante ao
em relação à real função das polícias desenvolvimento da Segurança Pública e à
militares, que: conquista de direitos para os profissionais

5. As polícias estaduais dividem-se em desta área.


polícia civil e polícia "militar". Esta
última cumpre tarefas próprias das
polícias civis típicas, subordina-se 3 À GUISA DE CONCLUSÃO: PARA
diretamente ao Poder Executivo MUITO ALÉM DA CASERNA
(Governador e Secretário de Segurança
Pública de cada estado) e não é uma força As polícias devem se utilizar de
interna do aparato militar nacional.
Contudo, mantém o nome de polícia técnicas próprias e seguir modelos
"militar" que lhe foi atribuído ao ser
criada em 1977 no decorrer do período de próprios de organização e controle,
governo militar. Insistindo-se em que não
otimizando a prestação do serviço de
53 segurança pública – necessidade tão
10
http://www.cidh.org/countryrep/brazil- basilar para a sociedade. Suas ações são
port/Cap%203.htm#Estrutura, acesso em 13 fev.
2011. voltadas para lidar com o cidadão e não

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


com o inimigo, e devem ser pautadas port/Cap%203.htm#Estrutura>. Acesso em
13 fev. 2011.
tendo em vista os direitos e garantias
GALLI, Ítalo. Anais do IV Encontro
fundamentais do homem. Nacional dos Delegados de Polícia. São
Paulo: Editora São Paulo, 1991.
A ideologia militar ainda impera
LEAL, Aureliano. Polícia Militar do
nas polícias militares estaduais. Isso por Estado de São Paulo: Apostila de
conta, quiçá, dos resquícios advindos de Doutrina de Polícia Ostensiva. São Paulo:
APOLICIALBB, 1995, p. 08
um período de exceção um tanto recente.
LOUREIRO, Ythalo Frota. As Polícias
Contudo, a democratização dos órgãos de Militares na Constituição Federal de
segurança pública é inevitável, e isso é 1988: polícia de segurança pública ou
forças auxiliares e reserva do
plenamente notado com as manifestações e Exército?. Teresina: Jus Navigandi, ano 9,
conquistas adquiridas, embora diminutas, n. 486, 5 nov. 2004.
nestes últimos tempos pelos homens e MONJADET, Dominique. O que faz a
Polícia: Sociologia da Força Policial.
mulheres que fazem a segurança pública Tradução de Mary Amazonas Leite de
no Brasil. Não demorará muito, assim Barros. São Paulo: Editora da
Universidade de São Paulo, 2003 (Série
esperamos, para que nossa Carta Magna se Polícia e Sociedade nº10)
adapte, em relação às polícias militares, às REVISTA JUS. Disponível em:
demandas atuais de um Estado <http://jus.uol.com.br/revista/texto/5866>.
Acesso em: 13 fev. 2011
Democrático de Direito.
SSPDS-CE. Policia Militar do Ceará:
Apostila Curso Estágio em Policiamento
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA Comunitário, 2004, p.05.
ZAVERUCHA, Jorge. Semidemocracia.
ANGHER, Anne Joyce (org.). Vade Artigo. Jornal Folha de São Paulo, edição
Mecum de Direito. 6. ed. São Paulo: Ed. de 26/11/2004.
Rideel, 2008.
____________. Frágil Democracia:
BRASIL. Comissão Interamaericana de Collor, Itamar, FHC e dos militares (1990-
Direitos Humanos: Organização dos 1998). Rio de Janeiro: Civilização
Estados Americanos. Disponível em: Brasileira, 2000.
<dhttp://www.cidh.org/countryrep/brazil-

54

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


O PRINCIPIO RESPONSABILIDADE E A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS
TRANSGÊNICOS NO BRASIL

Carlos André Barbosa de Carvalho RESUMO: A biopesquisa, em particular, o desenvolvimento de


plantas transgênicas, vem provocando em diversos segmentos uma
Graduando em Direito pela
Faculdade integrada da Grande série de questionamentos sobre resultados alcançados, provocando
Fortaleza reações positivas, em torno das beneses visionadas, bem como
carllos_carvalho@hotmail.com reações negativas, quanto ao “potencial destrutivo” da nova
tecnologia. Esse último está relacionado aos riscos tanto econômicos
Luis Alberto Nobre
como científico, por não se ter a dimensão dos males que os OGM’s¹
Professor Mestre do curso de Direito podem causar ao ser humano. Surge então outro questionamento
na quanto ao vazio ético e moral existente nos interesses dos grandes
Falculdade Integrada da Grande
produtores, laboratórios, bem como ambientalistas e sociedade civil
Fortaleza – FGF
nobre@fgf.edu.br organizada, embora com visões contrárias, traçaram as bases e
construíram o que mais tarde denominaríamos de Lei da
Biossegurança a qual instituiu o CTNBio². Diante uma verdadeira
“briga de gigantes” resta ao consumidor que nada sabe, que não
superficialmente, sobre as consequências desses “novos alimentos” e
seus efeitos no corpo e no meio ambiente.

ABSTRACT: The biopesquisa, in particular, the development of


transgenic plants, has led in several segments a series of questions
about results, causing positive reactions around the beneses
screened, as well as negative reactions about the "destructive
potential" of new technology. The latter is related to both economic
and scientific risk by not having the magnitude of the evils that ¹
GMOs may cause to humans. Another question then arises as to the
moral and ethical vacuum exists in the interests of large producers,
laboratories as well as environmentalists and civil society, albeit
with opposing views, provided the foundation and built what would
later term it the Biosecurity Act which established the CTNBio.
Faced with a real "battle of giants" left to the consumer who knows
nothing, not superficially, on the consequences of these "new foods"
and their effects on the body and the environment.

55

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 INTRODUÇÃO rapidamente qualquer assunto, não há
porque não informar ao consumidor as
O que seria então biotecnologia? A
variantes em torno dos alimentos
técnica utilizada para produzir,
transgênicos. No entanto nem as empresas
transformar ou modificar organismos
envolvidas no processo de biotecnologia e
vivos, sendo a transgenia, a manipulação
nem mesmo o Poder Público divulgam
de organismos vivos de espécies
informações suficientes para orientar o
diferentes. Salienta-se que mesmo com
consumidor sobre os transgênicos.
todo o avanço tecnológico alcançado até
Vale frisar que a discussão sobre o
hoje não se conseguiu, com precisão, a
tema não gira apenas em torno da ética e
necessária segurança e informações sobre
da pressão política existente na
os efeitos dos transgênicos quando
desvirtualização da proteção a saúde e ao
consumidos pelo ser humano e no contato
meio ambiente, mas também da economia
deste com o meio ambiente, ou seja, se for
onde diversos grupos opositores seguem a
respeitado o que reza o Código de Defesa
ideologia em que as grandes
do Consumidor, a Constituição Federal,
multinacionais teriam o controle total das
dentre tantas outras normas que trazem
patentes e distribuição dos OGM’s
positivamente ou em suas entre linhas o
enquanto os países subdesenvolvidos e em
principio da precaução produtos
desenvolvimento ficariam em
transgênicos não poderiam circular no
desvantagem frente à nova ordem.
mercado brasileiro, posto que é “proibido”
colocar em circulação qualquer que seja o Acontece que se tratando de
produto ou serviço que sabe, ou deveria alimentos transgênicos as empresas
saber, apresentar alto grau de detentoras da tecnologia não têm o
periculosidade ou nocividade à saúde ou a interesse em divulgar e esclarecer as
segurança do consumidor devendo o indagações a respeito do assunto e o Poder
fornecedor das amplo conhecimento nos Público que deveria pressioná-los sobre
meios de comunicação e comunicando às essas informações simplesmente liberam a
autoridades competentes quando souber de comercialização e o cultivo de
alguma periculosidade apresentada pelo transgênicos causando um verdadeiro caos
produto já comercializado. em diversos segmentos sociais fazendo
surgir os mais variados mitos bem como
56 Com a massificação do acesso a
discussões e debates acerca do assunto
Internet, que se mostra como uma grande
sobre o consumo ou não de transgênicos.
teia de alcance para disseminar

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Diante toda essa problemática experimentações, desenvolverem OGM’s
empresas envolvidas nos processos o que não acontece em relação à liberação
biotecnológicos ousam abrir discussões destes no meio ambiente e mais ainda ao
pontuais sobre o tema levando a encontros, consumo humano. Mesmo assim temos
por eles organizados, doutores e experts circulando no mercado produtos como o
sobre o assunto enquanto no público óleo de soja produzido a partir da soja
presente estão magistrados e transgênica produzida no Brasil bem como
desembargadores que muitas vezes são outros derivados e decorrentes. Onde
ludibriados pela titulação e argumentação estaria então a aplicação do princípio da
dos palestrantes que demonstram com precaução? Estaria afastado pelo principio
fantasiosa falácia a transgenia como a da equivalência substantiva e do benefício
única solução para acabar com a fome e a da dúvida como nos Estados Unidos?
descobertas de medicamentos a diversos Mesmo com o Protocolo de Cartagena
males, enfim, fazendo tudo parecer (2000), assinado por representantes de
simples e “natural” com o propósito mais de 180 países, protocolo esse aderido
desiderato de conseguir sentenças e pelo Brasil em 2003, que em 2005
acórdãos a favor da liberação de aprovou a Lei de Biossegurança, que
transgênicos, como está acontecendo, por estabeleceu regras e positivou princípios,
exemplo, no Estado do Rio Grande do Sul. além de mecanismos de segurança e
fiscalização de atividades envolvendo
Um caso prático aconteceu no
OGM’s sem falar da Constituição Federal
Estado do Ceará, na Escola Superior da
de 88, onde todas estas reunidas são
Magistratura, ESMEC, quando
consideradas a mais completa e avançada
representantes do CIB, Conselho de
legislação sobre transgênicos do Mundo as
Informação sobre Biotecnologia organizou
quais trazem em si o princípio da
um encontro com o judiciário cearense
precaução que fundamenta-se em outros
para exporem “suas teorias e os grandes
princípios, entre eles, da responsabilidade
benefícios dos transgênicos” chegando
que está intrinsecamente conectado com a
inclusive a falar sobre o desenvolvimento
ética que juntos buscam que o avanço do
de tabaco transgênico inofensivo a saúde
desenvolvimento de novas tecnologias
humana.
cientificas não avance ou se contraponha
Hoje sabemos que cientistas, em
57 sobre a preservação da vida e do meio
seus laboratórios, conseguem com
ambiente saudável e equilibrado para a
segurança, em relação às técnicas de
presente e futuras gerações. Na verdade o

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


que os debates éticos buscam não é a desconsideração de princípios
segurança absoluta, pois esta seria uma constitucionais e o afrontamento ao
meta inatingível, o que se quer na verdade Código de Defesa do Consumidor.
é que os produtos provenientes das
3 METODOLOGIA
técnicas transgênicas sejam tão seguros
quanto os produtos convencionais ou ao O estudo realizado apresenta os
menos equivalentes. problemas envolvendo as lacunas
Assim afirmou Hans Jonas: “creio existentes entre ética, responsabilidade e o
que certas transformações em nossas suporte jurídico criado pelo legislador
capacidades acarretam uma mudança na brasileiro frente aos novos cenários que
natureza do agir humano. E, já que a ética apontam na economia mundial, os
tem a ver com o agir, a consequência alimentos transgênicos, e a necessidade de
lógica disso é que a natureza modificada respeitar o meio ambiente para as futuras
do agir humano também impõe uma gerações.
modificação na ética”. Este trabalho resulta de pesquisas
A discussão vai mais além se em sites, livros, anais de congressos e a
preocupando com o meio ambiente, pois síntese de discussões dentro do grupo G-
na ausência de certeza cientifica, Teias. Tivemos ainda como foco principal
vislumbra-se seja os OGM’s uma ameaça o livro Hans Jonas; “O princípio
que “poderá” causar danos sérios e responsabilidade”, o qual nos serviu como
irreversíveis merecendo então proteção base para questionar a realidade do
antecipada a biodiversidade postos não consumidor, dos juristas e da aplicação
suficientes os experimentos e argumentos dos princípios inerentes a proteção do
disponibilizados pelos produtores e meio ambiente.
cientistas pró transgênicos.
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO
2 OBJETIVO
Essa nova realidade social a qual já
Avaliar o princípio da vem gerando diversos conflitos e
responsabilidade e da precaução ao se polemicas faz com que o jurista busque o
confrontar os interesses envolvendo os conhecimento necessário justamente nos
diversos atores na elaboração de normas e debates e discussões que devem
58
pesquisas envolvendo alimentos sobrepesar bem os dois lados nunca
transgênicos no Brasil, diante a afastando o bom senso e a ética em

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


detrimento de fatores econômicos atuais e opostamente no sentido de ela constituir a
pontuais. própria negação do ser humano ou da
natureza”.
O Estado deve estar atento como
agente fiscalizador no tocante a liberdade Então como trabalhar a certeza dos
dada aos cientistas no desenvolvimento vários benefícios em contra ponto com a
das pesquisas e planejador no que se refere dúvida dos limites do controle dos
às políticas públicas para o transgênicos? E é justamente nessa lacuna
desenvolvimento do país e o suprimento a fronteira nebulosa que a moral e a ética
de mercados consumidores. devem iluminar com prudência aqueles
que se encontram no poder. Vale destacar
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
quando Hans Jonas analisa que essa
liberdade de pesquisa apoia-se no fato de
Diante o exposto observa-se que a
que a atividade investigativa e o
sociedade carrega o peso do maniqueísmo
conhecimento, devem estar separados da
entre o “certo” e o “errado”, entre o “bem”
esfera da ação, pois na hora da ação,
e o “mal”, entre o “justo” e o “injusto”.
naturalmente, toda liberdade tem suas
Ora o tema não deve ser tratado assim,
barreiras na responsabilidade, nas leis e
pois o que é justo para certa comunidade
nas considerações sociais.
pode ser injusta para outra ou mesmo, em
um país com dimensões continentais como Conclui-se que a liberdade
o Brasil, variar esse conceito entre classes demasiada afastada da ética tem a
sociais, regiões ou Estados, ou até mesmo capacidade de transformar-se em armas
sofrer variações no tempo a cada geração. poderosas com resultados inimagináveis
pelo ser humano e ainda, nas mãos da
Diante todo o exposto concluímos
minoria que já, por sua força, controla a
que deveria o Estado agir positivamente
maior parte do poder.
pautando-se na responsabilidade. As
normas e leis são justamente o “dever ser” É extremamente importante
no questionamento envolvendo Ética x considerar tanto a opinião daqueles que
Progresso, no que afirmou Hans Jonas, no condenam a introdução no mercado dos
livro O princípio responsabilidade: transgênicos como daqueles que a
“Continuamos a discutir a técnica do defendem, o que não é tarefa fácil, pois
ponto de vista da verdade antropológica quando se trata de transgênico a mídia ao
59
quer no sentido de ela realizar o fazer qualquer abordagem costuma tratá-lo
verdadeiro sentido do humano, quer, com sensacionalismo o que prejudica a

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


população que por não ter uma abordagem PESSANHA, L.D.R; WILKINSON, J.
Cadernos de Ciência e Tecnologia. v. 20,
sensata e segura sobre o tema a acaba por
n.2, Brasília: Empresa Brasileira de
não refletir não formando sua própria Pesquisa Agropecuária, maio/ago 2003. p.
263-303.
opinião, deixando se orientar, o que deixa
ROCHA, J. C. de C. Direito Ambiental e
a grande maioria da população fora do Transgênicos: princípios fundamentais da
debate sobre o próprio respeito à vida. biossegurança – Belo Horizonte: Del Rey,
2008.
REFERÊNCIA

ALMEIDA JR. J. M. G. de. Um Novo


Paradigma de Desenvolvimento
Sustentável. Consultoria Legislativa da
Câmara dos Deputados. Revista Estudos
Legislativos: Brasília. Setembro, 2000.
AZEVEDO, F. de C. Nosso Futuro
Comum – Comissão Mundial sobre Meio
Ambiente e Desenvolvimento. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988.
BENJAMIN, A. H. de V. Introdução ao
Direito Ambiental Brasileiro. Revista de
Direito Ambiental. São Paulo: Revista
dos Tribunais, nº 14: 48-82, abr./jun. 1999.
BONAVIDES, P. Direito Constitucional.
2. ed., Rio de Janeiro: Forense, 2002.
BRASIL. Constituição Federal. Coleção
de leis de direito ambiental [Organização,
editoria jurídica da Editora]. São Paulo:
Manole, 2004.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de
pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas,
1999.
GRINOVER, A.P. et al.,. Código
Brasileiro do Consumidor: comentado
pelos autores do anteprojeto. 6. ed. Atual.
Rio de Janeiro: Forense 2000.
JONAB, H. O principio
responsabilidade. Ensaio de uma ética
para a civilização tecnológica, 2006.
LEFF, H. Saber Ambiental:
sustentabilidade, racionalidade e
60 complexidade. Petrópolis: Rio de Janeiro:
Vozes, 2001.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


DIREITOS À PERSONALIDADE

Daniel Bezerra Montenegro Girão RESUMO: O presente trabalho aborda o tema direito à personalidade o
qual assegura diversos direitos e garantias fundamentais elementares e
Bacharel em Direito; Advogado;
Especialista em Direito e
constitui uma categoria especial de direitos subjetivos ao titular dessa
Processo Tributário; Professor da personalidade para que possa usá-la e desenvolvê-la plenamente. A
Faculdade Integrada da Grande teoria majoritária a respeito da personalidade apregoa que, para ser
Fortaleza. sujeito de direito, precisa ter aptidão e todo aquele que tem aptidão
danielgirao@gmail.com adquire personalidade, na medida em que ter personalidade é ter essa
qualidade. Por esse motivo, surgiu uma nova reflexão para sustentar
uma recente ideia de personalidade. Esse renovado entendimento
sustenta a ideia de que personalidade jurídica não pode ser as
titularizações das relações, porque se pode conseguir titularizar relação
mesmo sem a personalidade jurídica. Pode-se afirmar que o direito de
personalidade é tudo aquilo que for imprescindível para se viver com
dignidade sob o prisma da relação privada. Sendo assim, é
exemplificativo o rol, embora doutrinadores entendam que os direitos à
personalidade não brotam com o ordenamento jurídico, não são
positivistas, mas nascem de uma ordem preexistente ao direito. Os
direitos da personalidade são ingênitos, pois o ser humano já nasce com
esse direito. Em regra, o momento em que uma pessoa adquire sua
personalidade está contido no artigo segundo do código civil. Existem
algumas teorias que se esgrimem ao responder a simples pergunta: O
nascituro tem personalidade jurídica? Sobre esse assunto, existem três
teorias: natalista, concepcionista e a condicionalista. Este artigo é uma
pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico. A abordagem é
fundamentada em estudos jurídicos jurisprudenciais, doutrinários e
consultas às legislações: nacional e internacionais.

Palavras-chave: Direitos; Personalidade nascitura; Natalista;


Concepcionista; Condicionalista.

ABSTRACT: This paper addresses the issue right personality which


ensures many fundamental rights and guarantees elementary and
constitutes a special category of subjective rights to the holder of
personality so you can use it and develop it fully. The theory about
personality majority proclaims that to be subject to law, must have
aptitude and whoever has acquired fitness personality, insofar as having
personality is to have this quality. For this reason, a new reflection
emerged to sustain a recent idea of personality. This renewed
understanding supports the idea that legal personality can not be
securitisations relations, because it can get securitize relationship even
without legal personality. It can be said that the right personality is all
that is necessary to live with dignity through the prism of the
relationship private. Thus, the list is exemplary, although scholars
understand that the personality rights do not spring with the legal
system, are not positivists, but born of a preexisting order the right. The
rights of personality are ingênitos because humans are born with that
right. As a rule, the time when a person acquires his personality is
contained in the second article of the Civil Code. There are some
theories that wield to answer the simple question: The unborn have legal
personality? On this subject, there are three theories: natalist, and
Conceptionist conditionalist. This article is a qualitative research,
bibliographic die. The approach is based on studies legal jurisprudence,
doctrinal and consultations with legislation: national and international.

Keywords: Rights; Personality Unborn; Natalist; Conceptionist;


Conditionalist.
61

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 INTRODUÇÃO Teixeira de Freitas, Clóvis Beviláqua,
Silmara Chinelato, Maria Helena Diniz.
Este artigo discute um tema
relevante e explica que os direitos da 2 PERSONALIDADE E CAPACIDADE
JURÍDICA
personalidade constituem uma matéria
basilar do Direito Civil, ou seja, a Na vigência do Código de 1916, os
personalidade e os seus direitos têm juristas brasileiros tinham a ideia de que
ensinamentos reconhecidos e exercidos possuir personalidade era ter aptidão,
por todo ser humano. atributo para ser titular de direitos, ou seja,

O direito à personalidade assegura aptidão para titularizar relações jurídicas,

diversos direitos e garantias fundamentais ou melhor, ser sujeito de direito.

elementares. Nesse ensinamento, os No Código de Beviláqua, a teoria


direitos à personalidade constituem uma majoritária a respeito da personalidade era
categoria especial de direitos subjetivos ao ter aptidão para ser sujeito de direito e
titular dessa personalidade para que possa todo aquele que tivesse esse atributo teria
usá-la e desenvolvê-la plenamente. personalidade, na medida em que ter

O principal objetivo deste trabalho é personalidade era ter essa aptidão. Nessa

demonstrar a importância da época, a doutrina confundia a ideia de

personalidade, porque o sujeito, só é personalidade com a titularização das

sujeito de direito, quando é dotado de relações jurídicas. Para explicar melhor,

personalidade. Tanto a pessoa natural, para titularizar relações jurídicas, a aptidão

denominada física, quanto à pessoa teria que ser reconhecida a alguma pessoa

jurídica, consideradas sujeitos de direito, que pudesse ou não confirmar

são necessariamente dotadas de pessoalmente essas relações. Nesse

personalidade, porque a personalidade é a momento, surgiu o conceito capacidade

qualidade para ser sujeito de direito. jurídica, que se apresentava como medida
da personalidade.
No Brasil, não é pacifico o
entendimento sobre a aquisição da Nessa confusão de conceitos, quem

personalidade natural, haja vista a tinha personalidade poderia ser sujeito de

existência de várias teorias e inúmeros direito, da mesma forma de quem se

doutrinadores digladiando a respeito do dispunha de direito poderia titularizar


62
tema como: Eduardo Espínola, Vicente relações jurídicas e, se pudesse titularizar

Ráo, Silvio Venosa, Silvio Rodrigues, relações jurídicas pessoalmente ou não,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


teria capacidade. Assim, pode-se atos e conclui-se que o condomínio pode
conceituar que personalidade é a aptidão ser sujeito de direitos.
genérica para se titularizar direitos e Agora, surge a indagação: Qual
contrair obrigações na ordem jurídica, ou mecanismo sustenta essa teoria e em que
seja, é a qualidade para ser sujeito de base os entes despersonalizados podem ser
direito. sujeito de direitos? A resposta está no
Na década de 70 e 80, do século artigo 12 do Código de processo civil que
passado, Pontes de Miranda, refletiu sobre diz:
esse tema e indagou-se como ficaria a
Art. 12. Serão representados em juízo, ativa
situação dos entes despersonalizados. e passivamente:
I – a união, os estados, o Distrito Federal e
Nessa estrutura complicada: Como colocar os territórios, por seus procuradores;
os entes desprovidos de personalidade, II – o Município, por seu Prefeito ou
Procurador;
como por exemplo, a herança vacante, III – a massa falida, pelo síndico;
IV – a herança jacente ou vacante, por seu
jacente, sociedade de fato, massa falida e o curador;
V – o espólio, pelo inventariante;
condomínio? Dessa forma, um ente VI – as pessoas jurídicas, por quem os
respectivos estatutos designarem, ou, não os
despersonalizado é aquele que não tem designando, por seus diretores;
personalidade e quem não tem essa VII – as sociedades sem personalidade
jurídica, pela pessoa a quem couber a
característica, não poderá ser sujeito de administração dos seus bens;
VIII – a pessoa jurídica estrangeira, pelo
direito, porque ter personalidade é gerente, representante ou administrador de
sua filial, agência ou sucursal aberta ou
consequentemente ser sujeito de direito. É instalada no Brasil (artigo 88, parágrafo
único);
nesse caso que a doutrina moderna crítica IX – o condomínio, pelo administrador ou
essa compreensão do código de 1916. pelo síndico.
§ 1o Quando o inventariante for dativo,
Pontes de Miranda reconhece o deslize todos os herdeiros e sucessores do falecido
serão autores ou réus nas ações em que o
dessa teoria que conceitua a personalidade espólio for parte.
§ 2º As sociedades sem personalidade
como ter aptidão para ser sujeito de jurídica, quando demandadas, não poderão
opor a irregularidade de sua constituição.
direito. § 3o O gerente da filial ou agência
presume‑se autorizado, pela pessoa jurídica
Ao se analisar a figura do estrangeira, a receber citação inicial para o
processo de conhecimento, de execução,
condomínio edilício, verifica-se que este cautelar e especial.
ente despersonalizado pode ser
contribuinte, empregador, consumidor e O artigo supracitado confirma essa
até ser parte em uma relação processual teoria. É claro que, na sua leitura, o
63 condomínio pode ser parte no processo e
jurídica. Contudo, sabe-se que somente
sujeito de direitos pode constituir esses será representado pelo síndico. Nesse caso,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


não há a menor possibilidade de se errar conceito de personalidade, indiretamente
em se falar que o condomínio edilício mexeu também no conceito de capacidade
pode ser sujeito de direitos e o mesmo se e fez surgir uma recente reflexão para
diga dos demais entes despersonalizados sustentar a renovada ideia de
citados. personalidade. Nesse novo entendimento
se sustenta a ideia de que a personalidade
Isso se confirma na crítica de Pontes
de Miranda, quando diz que entes podem jurídica não pode ser a titularização das
relações, porque se pode titularizar
ser sujeitos de direitos mesmo sem ter
relações, ainda que sem a personalidade
personalidade. Conclui-se que existe uma
jurídica. Essa teoria diz que ter
confusão conceitual no que tange à
personalidade jurídica é ter proteção
personalidade. Pontes de Miranda, 1974,
fundamental; é ter direitos básicos que são
p. 284-285, chama a atenção para o
os direitos da personalidade, porque os
seguinte:
direitos da personalidade correspondem à
O ser pessoa depende do sistema jurídico. proteção fundamental, básica e elementar
Desde o momento em que regra jurídica,
que a êle pertence, diz que A pode ter
para quem dispõe de personalidade. Em
direitos, ainda que só o direito b, A é suma, aquele ser que tem personalidade
pessoa, porque a possibilidade de ter direito
já é direito de personalidade. Se nem dispõe de uma proteção fundamental e
sempre há direito à personalidade, é
tautológico que ter personalidade é ter essa proteção elementar são os direitos à
direito de personalidade. Na verdade, não há
pessoa sem direito; quem é pessoa pode ser personalidade.
sujeito de direito, e já o é do direito de
personalidade. Nota-se que os direitos à
personalidade constituem um escudo para
Pode-se entender que ter que o titular exerça sua personalidade.
personalidade é ser sujeito de direito e, se Portanto, não é difícil perceber que os
titularizar pessoalmente ou não essa direitos da personalidade se apresentam
relação, é ter capacidade, portanto não em nível meramente existencial. Trata de
necessita ter personalidade para ser sujeito uma relação jurídica existencial, porque se
de direito. toda pessoa tem personalidade,

Dessa forma, o Código Civil de consequentemente toda ela tem os direitos

2002 acata a teoria de Pontes de Miranda, da personalidade.

inaugura um novo conceito de Esses direitos são necessários para


64 personalidade e também de capacidade. que as pessoas pratiquem sua
Esse código, quando atribuiu um novo personalidade. É interessante notar que os

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


entes despersonalizados não têm caso inverso não condiz com a verdade,
personalidade, porque, seu o seu porque quem tem capacidade
representante legal, não titularizam obrigatoriamente não tem personalidade, a
relações existenciais. exemplo as relações existenciais como: a
privacidade, imagem e honra.
A Constituição portuguesa, no Art.
26, reconhece o direito à personalidade e O condomínio edilício que pode ser
estabelece que: empregador, consumidor e contribuinte

A todos são reconhecidos os direitos a tem capacidade e pode titularizar


identidade pessoal, ao desenvolvimento da
pessoalmente as relações jurídicas
personalidade, a capacidade civil, a
cidadania, ao bom nome e reputação, a patrimoniais. Em caso de uma revista, uma
imagem, a palavra, a reserva da intimidade
da vida privada e familiar e a proteção legal pessoa aponte ou insinue que o
contra qualquer forma de discriminação.
condomínio é caloteiro, este poderá sofrer
dano moral? A resposta afirmativa a essa
Ainda assim, não se pode confundir
indagação é simples, não porque o
personalidade com a capacidade jurídica.
condomínio é um ente despersonalizado,
Esta é a possibilidade de titularizar
logo não dispõe de personalidade, mas,
pessoalmente relações jurídicas. No
porque tem capacidade e assim, pode
entanto não se refere a qualquer relação,
titularizar relações patrimoniais e nunca
uma vez que a capacidade somente é
relações existenciais.
possível para relações jurídicas de
conteúdo patrimonial. Com esse Diferentemente da época de
entendimento, pode-se diferenciar Beviláqua, hoje, existe uma evolução
capacidade de personalidade. A conceitual. Agora, a Doutrina faz uma
personalidade está em relação a situações proteção à pessoa, ao dizer que toda
existenciais e a capacidade, nas pessoa tem personalidade e ter
patrimoniais. personalidade é garantia fundamental.
Nesse contexto, o Art. 1º, do Código Civil,
Dessa forma, os entes
de 2002 diz: “Toda pessoa é capaz de
despersonalizados não exercitam os
direitos e deveres na ordem civil.”
direitos à personalidade, porque não têm
personalidade. Entretanto, possuem Já o Código Civil, de 1916, como
capacidade, porque, para obter capacidade ideologia principal, protegia o patrimônio
não carece de personalidade. Aquele que e era totalmente partidário do
65
exerce direitos de personalidade pode individualismo. Nesse caso, o velho
titularizar relações patrimoniais, mas o código não conceituou a personalidade,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


não reconheceu os seus direitos e nem exemplificativo? A doutrina é pacifica no
valorizou as relações existenciais, apenas entendimento de um rol meramente
se limitou a conceituar a capacidade. exemplificativo?

No código elaborado por Miguel Ao dissertar sobre esse tema, o


Reale, diferentemente do ordenado por doutrinador Carlos Roberto Gonçalves,
Clovis Beviláqua, prestigia a 2010, p. 188, nos deu um exemplo claro,
personalidade. Por esse motivo, o Código quando ensina: “O direito de
Civil, de 2002, parte do silogismo de que a personalidade vai, pois além das
base fundamental jurídica do sistema é o prerrogativas catalogadas na Constituição
direito à personalidade. Ao se defender e e na legislação ordinária”.
preservar aquele que dispõe de Sabe-se que, no rol exemplificativo,
personalidade é que se cria um sistema há o direito à personalidade, mas não
voltado à pessoa. Nesse momento, tipificado no ordenamento jurídico.
verifica-se uma ideia de eticidade e Também, pode-se afirmar que o direito da
dignidade da pessoa humana. personalidade é tudo aquilo que for
imprescindível para se viver com
3 ROL EXEMPLIFICATIVO DOS
dignidade sob o prisma da relação privada.
DIREITOS DA PERSONALIDADE
Sendo assim, é exemplificativo o rol.
Os direitos à personalidade é uma
Nesse sentido, o Enunciado 274, da
teoria recente, nascida e construída a partir
Jornada de Direito Civil, confirmando o
da Segunda Grande Guerra Mundial,
caráter exemplificativo:
precisamente na Alemanha, com a
Art. 11. Os direitos da personalidade,
intenção de que os militares não regulados de maneira não-exaustiva pelo
Código Civil, são expressões da cláusula
praticassem mais aquelas atrocidades e geral de tutela da pessoa humana, contida
no art. 1º, III, da Constituição (princípio da
assim fossem evitadas suas repetições.
dignidade da pessoa humana). Em caso de
Com esse intuito, foram constituídos os colisão entre eles, como nenhum pode
sobrelevar os demais, deve-se aplicar a
direitos à personalidade, voltados à técnica da ponderação.

proteção da pessoa humana, ou melhor, à


dignidade da pessoa humana. Esse Enunciado ensina que a
dignidade da pessoa humana constitui a
Nessa ênfase, surge uma questão
base de todo o ordenamento jurídico e
relevante. Esses direitos os quais
66 todos os direitos devem estar conectados a
estabelecem esse escudo fundamental
esse principio.
constituem um rol taxativo ou

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


jurídico. Essa teoria positivista diz que
4 FONTES DO DIREITO À
esses direitos são decorrentes da própria
PERSONALIDADE
sistematização jurídica.
O termo fonte dá ideia de inicio,
5 AQUISIÇÃO DA PERSONALIDADE
nascente, origem e a Doutrina é rica em
conceituar fonte. Miguel Reale, 1999, p
Em regra, o momento em que uma
120, ensina que o termo fonte seja:
pessoa adquire sua personalidade está
contido no Art. 2º, do Código Civil, de
O termo fonte do direito deve indicar
somente os processos de produção da norma 2002 que diz: “A personalidade civil da
jurídica, vinculados a uma estrutura do
poder, o qual, diante de fatos e valores, opta pessoa começa do nascimento com vida;
por dada solução normativa e pela garantia mas a lei põe a salvo, desde a concepção,
do seu cumprimento. A estrutura de poder é
um requisito essencial ao conceito de fonte. os direitos do nascituro”.
A luz deste conceito, quatro são as fontes do
direito: o processo legislativo, a jurisdição,
os usos e costumes jurídicos e o poder
Nesse caso, a pessoa adquire a sua
negocial. personalidade do nascimento com vida. E
o que se entende do nascimento com vida?
Com base em Maria Helena Diniz e Qual a intenção do artigo supracitado?
Pablo Stolze, o nascedouro, a origem, a Para responder essas indagações é
fonte do direito da personalidade, advém necessário verificar uma resolução antiga
do jusnaturalismo. Esses doutrinadores do Conselho Nacional de Saúde, de Nº
entendem que os direitos da personalidade 01/1988, em seu artigo 29, inciso VI, que
não brotam com o ordenamento jurídico, diz:
não são positivistas, nem nascem de uma
ordem que preexiste ao direito, mas são Art. 29 - Além dos requisitos éticos
genéricos para pesquisa em seres humanos,
ingênitos, isto é, o ser humano já nasce as pesquisas em indivíduos abrangidos por
este capítulo, conforme as definições que se
com esse direito. seguem, devem obedecer às normas
contidas no mesmo.
Faz-se necessário comparar a VI- Nascimento Vivo – é a expulsão ou
extração completa do produto da concepção
doutrina majoritária com a minoritária quando, após a separação, respire e tenha
para o conhecimento acadêmico. batimentos cardíacos, tendo sido ou não
cortado o cordão, esteja ou não desprendida
Defendida por Gustavo Tepedino e Pontes a placenta.

de Miranda, a posição minoritária dá a


Nesse artigo se traduz que, se o
ideia de que o nascimento dos direitos da
67 recém-nascido vem à luz e entra em
personalidade é natural do sistema
atividade o seu aparelho
jurídico, nasce com o ordenamento

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


cardiorrespiratório, ele obtém previstas pelo Código Civil Brasileiro e que
receberam regulamentação incipiente pela
personalidade jurídica, ainda que venha a Lei de Biossegurança. Questões como o
congelamento de embriões, estudos
morrer logo depois. científicos e pesquisas com células
embrionárias.
Segundo o ordenamento juridico
A grande contradição que existe no
espanhol, para obter a personalidade
Código Brasileiro é que, a princípio, a
jurídica, o recém-nascido tinha que ter a
forma humana e o tempo mínimo de 24 personalidade civil começa com o

horas fora do ventre materno. Assim dizia nascimento com vida. Depois ele garante
direitos ao nascituro. Caio Mario indaga-
o Art 30, do Código Espanhol:
se: Como ser possível ter obrigações e
Art 30. Para los efectos civiles, sólo se reputará
nacido el feto que tuviere figura humana y viviere direitos sem ser sujeito de direito? O
veinticuatro horas enteramente desprendido del
seno materno. nascituro é considerado uma pessoa? Para
responder essas indagações a doutrina
Para seguir as tendências
elaborou várias teorias.
ocidentais modernas, o código civil
hispânico foi alterado, recentemente, no a. Teorias Explicativas do
dia 21.07.2011 e sua nova redação reza: Nascituro

Art. 30 La personalidad se adquiere en el Nascituro é o ser em estado


momento del nacimiento con vida, una rudimentar, inicial, mas ainda não nascido.
vez producido el entero desprendimiento O melhor conceito atualmente é o de De
del seno materno.
Plácido e Silva, 1999, p. 549, que ensina:
Essa nova redação do código
Derivado do latim nasciturus, particípio
espanhol está em conformidade ao passado de nasci, quer precisamente indicar
aquele que há de nascer. Designa, assim, o
entendimento brasileiro, ou seja, segue as ente que está gerado ou concebido, tem
existência no ventre materno: está em vida
linhas brasileiras, quando se refere ao total intra-uterina. Mas não nasceu ainda, não
desprendimento do recém-nascido do ocorreu o nascimento dele, pelo que não se
iniciou sua vida como pessoa. Embora o
ventre materno. Em outras palavras, o nascituro, em realidade não se tenha como
nascido, porque como tal se entende aquele
cordão umbilical tem que estar rompido. que se separou, para ter vida própria, do
ventre materno, por uma ficção legal é tido
como nascido, para que a ele se assegurem
Segundo Menezes (2008, p.191): os direitos que lhe cabem, pela concepção.
[...] Mas, para que se tenha o nascituro
como titular dos direitos que lhe são
O marco inicial da pessoa, sujeito de reservados ainda em sua vida intra-uterina, é
direitos e deveres para a ordem civil, é o necessário que nasça com vida.
nascimento com vida, muito embora se
68 ponha a salvo o direito do nascituro, desde a
concepção. Porém, com as técnicas atuais A doutrina é clara na alusão que
de manipulação genética, surgem situações
que não se enquadram nas fattispecies não tem a mesma definição embrião e

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


nascituro. Embrião é um ente que está Com esse pensamento Fiúza, 2004,
conservado em recintos adequados para p. 114, ensina:
paralisar o seu desenvolvimento. Com O nascituro não tem direitos propriamente
ditos. Aquilo a que o próprio legislador
outras palavras, embrião é aquele ser que,
denomina ‘direitos do nascituro’ não são
em principio de desenvolvimento, está direitos subjetivos. São, na verdade,
direitos objetivos, isto é, regras impostas
congelado em laboratório. pelo legislador para proteger um ser que
tem a potencialidade de ser pessoa e que,
Coelho, 2003, v. 1, p. 148-152, por já existir pode ter resguardados
eventuais direitos que virá a adquirir.
ensina que o embrião só passará a ter
direito, quando for introduzido no útero Essa teoria entende que os direitos
feminino: à personalidade são adquiridos com o
O embrião pode ou não ser destinado ao nascimento com vida.
ciclo biológico do ser humano; ter
existência jurídica, sem ser sujeito de 5.1.1 Teoria Conceptista
direito, mas iniciado este processo tem
seus direitos resguardados desde a
fertilização. Diante desta retroação de seus Inaugurada por Teixeira de Freitas e
direitos a data da fertilização, a solução
mais justa parece ser a que reconhece
pelo Código Civil Argentino, a Teoria
direito sucessório ao filho advindo desse Concepcionista tem como adeptos: Clóvis
embrião ainda que nasça depois da morte
de seu pai. Beviláqua, Maria Helena Diniz, Nabuco

Existem algumas teorias que se de Araújo e Clovis Carlos de Carvalho e,

esgrimem responder uma simples aos poucos, conquistou espaços no direito

pergunta: O nascituro tem personalidade e adquiriu inúmeros simpatizantes.

jurídica? A primeira teoria é a natalista, a Pode-se citar um dos seus


segunda concepcionista e por ultima a seguidores, o doutrinador Carlos Roberto
condicionalista. Gonçalves (2010, p. 210) que diz:

A teoria concepcionista, surgiu sob


i. Teoria Natalista influência do direito francês. Para os
adeptos dessa corrente, dentre os quais se
encontram Teixeira de Freitas e Clóvis
Essa teoria é defendida por Beviláqua, a personalidade começa antes do
nascimento, pois desde a concepção já há
inúmeros autores como, por exemplo: proteção dos interesses do nascituro, que
devem ser assegurados prontamente.
Eduardo Espínola, Silvio Rodrigues e
Sílvio Venosa. Essa doutrina ensina que o
Dessa forma, a Teoria
nascituro não é uma pessoa, apenas goza
Concepcionista tem ideia de que, com a
69 de esperança de direito, uma vez que é a
concepção, o nascituro é uma pessoa, com
partir do nascimento com vida que se
os direitos patrimoniais e adquire a
adquire a personalidade jurídica.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


personalidade jurídica. Essa teoria teve
grande influencia do direito argentino e No REsp 399028/SP, o STJ decidiu
francês. Com base nela, o nascituro poderá reconhecer os direitos da personalidade do
acolher legado, herança ou doação. Cesar nascituro. Essa é a posição do STJ.
Fiúza, 2004, p 117, diz: "a personalidade REsp 399028/SP - Ministro SÁLVIO DE
FIGUEIREDO TEIXEIRA - T4 -
começa desde a concepção da vida no QUARTA TURMA - DJ 15/04/2002
útero materno". Com outras palavras, o DIREITO CIVIL. DANOS MORAIS.
MORTE. ATROPELAMENTO.
nascituro tem muitos direitos, inclusive COMPOSIÇÃO FÉRREA. AÇÃO
patrimonial e não uma mera expectativa. JUIZADA 23 ANOS APÓS O EVENTO.
PRESCRIÇÃO INEXISTENTE.
INFLUÊNCIA NA QUANTIFICAÇÃO DO
5.1.2 Teoria Condicionalista QUANTUM. PRECEDENTES DA
TURMA. NASCITURO. DIREITO AOS
DANOS MORAIS. DOUTRINA.
Essa Teoria defende que a ATENUAÇÃO. FIXAÇÃO NESTA
INSTÂNCIA. POSSIBILIDADE.
personalidade do nascituro está
RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.
condicionada à vida. Nela encontra-se a I - Nos termos da orientação da Turma, o
direito à indenização por dano moral não
doutrina clássica, com seus autores desaparece com o decurso de tempo
renomados como: Caio Mário, (desde que não transcorrido o lapso
prescricional), mas é fato a ser
Washington de Barros Monteiro, dentre considerado na fixação do quantum.

outros. Eles concordam que o nascituro II - O nascituro também tem direito aos
danos morais pela morte do pai, mas a
tenha esses direitos patrimoniais e que, circunstância de não tê-lo conhecido em
vida tem influência na fixação do
desde a concepção, já dispunha desses quantum.

direitos, mas, para obtê-los, terá que III - Recomenda-se que o valor do dano
moral seja fixado desde logo, inclusive
nascer com vida. nesta instância, buscando dar solução
definitiva ao caso e evitando
Para Chinelato, 2001, p.3: inconvenientes e retardamento da solução
jurisdicional.
Os direitos absolutos da personalidade,
como o direito a vida, o direito a integridade Atualmente, a doutrina e a
física (stricto sensu) e a saúde, espécies do
gênero “direito a integridade física” (lato jurisprudência brasileira caminham lado a
sensu), independem do nascimento com lado e dizem que o direito à personalidade
vida. A personalidade – que não se
confunde com capacidade – não e jurídica é a partir da concepção uterina e
condicional. Apenas determinados efeitos
de certos direitos, notadamente dos direitos não a de laboratório.
patrimoniais materiais, como a herança e a
doação, dependem do nascimento com vida.
A plenitude da eficácia desses direitos fica CONCLUSÃO
resolutivamente condicionada ao
nascimento sem vida. O nascimento com
70 vida, enunciado positivo de condição Na esteira dessa problemática
suspensiva, deve entender-se como
enunciado negativo de uma condiçao acerca do direito à personalidade,
resolutiva, isto e, o nascimento sem vida.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


verificou-se a diferença entre novo Código Civil Brasileiro, como
personalidade e capacidade jurídica e também o seu reconhecimento pelo
constatou-se que são instituições Superior Tribunal de Justiça.
totalmente diferentes.

Debateu-se sobre o direito à REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


personalidade e conclui-se que esse direito DE PLÁCIDO E SILVA. Dicionário
é meramente exemplificativo e tem por jurídico - Revista e Atualizada por Nagib
Slaibi Filho. Rio de Janeiro: Editora
fundamento o principio da dignidade da Forense, 15. ed., 1999.
pessoa humana. Ao ser um direito FIÚZA, César. Direito Civil - curso
meramente exemplificativo, pode-se complemento. Belo Horizonte: Editora Del
Ray, 8. ed. rev., atual, 2004.
encontrá-lo em todo ordenamento jurídico.
GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA
Com relação às fontes do direito à FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito
civil – com abrangência do Código de
personalidade, se identificou duas teorias: 1916 e o novo Código Civil. São Paulo:
a jusnaturalista que diz esse direito já Editora Saraiva. 3. ed. vol. I – Parte Geral,
2003.
preexiste no homem, com a qual
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito
compactuo e a positivista que considera o Civil brasileiro: Parte Geral. São Paulo:
seu nascimento juntamente com o Editora Saraiva. vol I, 2010.

ordenamento jurídico. PEREIRA, Caio Mário da Silva.


Instituições de Direito Civil. Rio de
No tópico aquisição da Janeiro: Editora Forense, 23. ed. v. I, 2011

personalidade, se conceituou embrião e PONTES DE MIRANDA, Francisco


Cavalcanti. Tratado de Direito Privado –
nascituro e se debateu sobre a diferença Parte Geral – Tomo I - Introdução.
entre eles. Durante a pesquisa, verificou-se Pessoas Físicas e Jurídicas. São Paulo: RT,
4. ed., 1974.
a existência de várias teorias a respeito da
REALE, Miguel. Lições Preliminares de
aquisição da personalidade, tanto do Direito. São Paulo: Editora Saraiva. 19.
embrião, quanto do nascituro. Dentre elas, ed., 1999.
RODRIGUES, Sílvio. Direito Civil –
a teoria concepcionista, mais humanizada
Parte geral. São Paulo: Editora Saraiva.
e com a qual me identifico, porque o 34. ed., vol. I, 2007.
nascituro é tratado como se fosse uma TEPEDINO, Gustavo. Temas de Direito
Civil. Rio de Janeiro: Editora Renovar. 2.
pessoa.
ed. Rio de Janeiro, 2001
A respeito da aquisição da VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Parte
Geral. São Paulo: Editora Atlas, 3. ed. vol. I, 2003.
71 personalidade jurídica do nascituro já
existem vários artigos disseminados no

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CIÊNCIAS DA SAÚDE

72

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


PROFISSIONALIZAÇÃO DO ÁRBITRO DE FUTEBOL: PRÓS E CONTRAS

Adriano Barros Carneiro


RESUMO: Arbitrar bem uma partida de futebol é fazer cumprir as
Graduando em Educação Física regras do jogo, o regulamento da competição e manter o espírito
pela Faculdade Integrada da Grande esportivo entre os atores do espetáculo. Para se tornar árbitro se tem de
Fortaleza abdicar diversas coisas, principalmente o sentimento de torcedor de
adriano_10@hotmail.com
clube de futebol. As exigências para se formar um árbitro hoje são
Rosane de Almeida Andrade inúmeras: nível superior, falar outros idiomas, nome limpo no comércio,
além de excelente preparação física. Há escolas de futebol que ensinam
Professora Mestre do curso de os interessados a ser árbitro ou assistente, onde há o preparo para se
Educação Física aprender outros idiomas, as regras do jogo, psicologia do esporte,
na Faculdade Integrada da Grande
Fortaleza
noções de preparação física, redação de súmulas e relatórios. Baseado
roandrade@yahoo.com.br no exposto há uma grande discussão quanto à profissionalização ou não
do árbitro de futebol, já que hoje ele tem que se doar inteiramente à
arbitragem para galgar posições na elite, além de se tornar um atleta de
alto nível. Por meio de uma pesquisa bibliográfica, o presente estudo
teve como objetivo citar os prós e os contras dessa profissionalização.
Ao final desse estudo, concluiu-se que ter o hobby de árbitro de futebol
como profissão poderá gerar corrupção no meio futebolístico, gerar
submissão do árbitro à federação a qual pertence, mas também terá seus
direitos trabalhistas garantidos, maior dedicação ao trabalho e mais
tempo disponível para realização de seus treinos físicos já que é um
atleta de alto nível. Por isso não é fácil vida de árbitro de futebol, pelo
contrário, a exigência aumenta a cada dia, pois o futebol é o esporte
mais praticado e admirado do mundo, envolve diversos segmentos e
muito dinheiro. E o árbitro é o responsável pela direção do espetáculo, o
diretor, logo tem o poder e a supremacia em suas mãos, quer dizer, no
som do seu apito e na tinta da caneta e, quanto menos errar, melhor.

PALAVRAS-CHAVE: Árbitro; Futebol; Profissionalização.

ABSTRACT: Arbitrate and a football match is to enforce the rules of


the game, the rules of the competition and keep the spirit of
sportsmanship among the actors of the show. To become a referee has
to give up many things, especially the feeling of a fan of football
club. The requirements to form an arbitrator today are many: higher,
speaking other languages, a clean trade, and excellent fitness. There are
schools that teach football stakeholders to be a referee or assistant,
where there is a preparation for learning other languages, the rules of the
game, sports psychology, fitness concepts, writing summaries and
reports. Based on the above there is a big discussion as to whether or not
the professional football referee, since now he has to give himself
entirely to arbitration to reach the top positions in the elite, as well as
becoming a top athlete. Through a literature review this study was to
mention the pros and cons of professionalization. At the end of this
study it was found to have the hobby of football referee as a profession
may generate corruption in the soccer world, generating official
submission to the federation to which it belongs, but also have their
labor rights guaranteed greater dedication to work and more
time available for achieving your physical training since it is a top
athlete. So life is not easy for a soccer referee, on the contrary, the
demand increases every day, because football is the sport most practiced
and admired the world involves several segments and a lot of
money. And the referee is responsible for directing the show, the
director, So has the power and supremacy in their hands, that is, the
sound of his whistle and pen and ink, the fewer mistakes the better.
73 KEYWORDS: Referee; Football; Professional.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


regionais têm força para preparar esses
1 INTRODUÇÃO
juízes, sendo que estados com maior
Por muito tempo, o árbitro de número de ligas, como o Estado de São
futebol foi considerado uma figura Paulo, facilita a sua entrada em um
secundária no futebol. Com o passar dos mercado de trabalho promissor. Com isso,
anos, observou-se que o árbitro é a pessoa é importante obter este papel de destaque,
que realmente pode decidir uma partida. O para alcançar um reconhecimento, até,
árbitro é imprescindível para este esporte, internacional.
pois uma decisão equivocada pode retirar Assim, esse artigo se preocupou
de um campeonato uma equipe que com a necessidade de buscar informações
investiu milhões de dólares na compra e sobre um tema atual e de importante
no preparo dos jogadores, restando para relevância para o futebol brasileiro: a
esta equipe apenas a lamentação. Devido à profissionalização do árbitro de futebol. Já
relevância do árbitro para o futebol, a que a FIFA divulgou recentemente que só
comunidade científica passou a investigá- utilizará na copa do mundo de 2014
lo nos últimos anos e a publicar trabalhos árbitros profissionais, ou seja, com a
que possam fundamentar a sua profissão regulamentada, como é o caso da
importância e a fornecer dados para lnglaterra. Entretanto, no Brasil, isto
melhor prepará-lo. parece está muito longe de acontecer, pois
Devido à grande paixão pelo há uma lei que tramita no Congresso
futebol, característica do povo brasileiro, a Nacional há muito tempo, desde 1979, e
“profissão” de juiz está constantemente em nunca foi colocada em pauta para
alta. Com a exigência do curso de discussão.
formação de juízes, esse hobby torna-se, O objetivo principal desse artigo é
ao mesmo tempo, mais competitivos, com citar e discutir os pontos positivos e
maiores critérios diferenciais que negativos da regulamentação da profissão
proporcionarão uma melhor escolha por do árbitro de futebol no Brasil. Fato este
parte das instituições de esporte do país. que gera discussões quanto a ser benéfico
Para adquirir reconhecimento é importante ou não para o árbitro.
que o candidato a juiz busque uma atuação
marcante em seu estado ou região, para 2 METODOLOGIA
74 posteriormente apitar partidas de âmbito
Foi realizada uma pesquisa
nacional. De norte a sul do país, as ligas
bibliográfica em sites, revistas, jornais,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


livros e artigos científicos para a obtenção federações. Porém, como o projeto ainda
das respostas referente ao nosso objetivo não foi aprovado, estes pré-requisitos
principal. técnicos ainda não são requeridos para
qualificar-se na profissão, de acordo com o
3 RESULTADOS Ministério do Trabalho. Porém, essa não-
regulamentação não elimina as condições
Segundo a Confederação Brasileira
que devem ser apresentadas às federações
de Futebol (CBF) e a Federação
de Futebol para tornar-se árbitro, dado que
Internacional de Futebol (FIFA) é exigida
a Instituição é quem determina seus pré-
a formação do segundo grau para a
requisitos para ingresso de candidatos a
efetivação do “juiz” nos quadros de
árbitro em seus cursos de formação.
arbitragem destas instituições. A FIFA
também exige que os árbitros falem o Sem a profissionalização os juízes
idioma Inglês para exercer sua função. não conseguem viver apenas dessa
Além disso, para fazer parte das atividade (o que se exige hoje), porque só
Federações de Futebol dos diversos são pagos quando apitam jogos: um árbitro
estados brasileiros, é necessário, que o machucado tem que fazer tratamento e
candidato a juiz, com o diploma de fisioterapia por sua própria conta e
segundo grau em mãos, se submeta a uma enquanto isso fica parado.
prova escrita, avaliação do perfil físico e O presidente da Associação
diagnóstico psicológico para fazer o curso Nacional dos Árbitros de Futebol, Marco
de árbitros, que tem duração mínima de Antônio Martins, diz que, além de fazer
um ano e a inscrição é feita na própria justiça, o reconhecimento da profissão
federação ou pelo site. Assim, ele estará poderá beneficiar o futebol brasileiro,
apto a atuar em partidas de futebol oficiais porque os juízes poderão se dedicar ao
de todo o país. aperfeiçoamento profissional. "Com a
De acordo com o Projeto de Lei no profissionalização, a gente vai poder
6.405, de 2002, de autoria do Senado dispor de todo o tempo para a
Federal, que “Regula a profissão de árbitro arbitragem.", disse.
de futebol e dá outras providências” o Pontos positivos da
interessado deverá ter pelo menos 18 anos profissionalização: O árbitro poderá se
e ensino médio completo. Outro requisito dedicar mais aos treinos físicos (já que
75
solicitado é a apresentação de atestado de está entre atletas de alto nível, também
saúde física e mental emitido pelas precisa se dedicar como tais), técnicos e

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


táticos. Disporá totalmente de seus direitos Muitos árbitros possuem um
trabalhistas. Será mais valorizado e trabalho paralelo a atividade de árbitro de
respeitado. futebol. Fato esse que impede o árbitro de
treinar consistentemente como um atleta
Pontos negativos da
de alto nível, fazendo-o ser reprovado no
regulamentação da profissão: Existem
teste FIFA (figura 2). Quando escalados
várias divisões (classificações/ranking) no
futebol profissional em cada estado (por têm que abdicar de seu trabalho para

exemplo, no Ceará a FCF possui 1ª, 2ª e 3ª cumprir as determinações das suas


federações e assim são obrigado a
divisão profissional), isso dificultará a
pagarem pessoas para lhes substituírem no
instalação de um teto base para os árbitros.
seu emprego formal. Pouco tempo têm
O árbitro poderá se tornar corrupto diante
para ler a regra e se disporem totalmente a
dessa situação, manipular resultados
(figura 1), além de ficar submisso à sua prática. Logo, a profissionalização

federação a qual pertence. traria mais benefícios que inconsistências.

Figura 01 – Trio de arbitragem planejando manipular


Figura 02 – Árbitro FIFA lamentando reprovação no
resultados. Fonte: oindefectivel.blogspot.com –
teste físico. Fonte: www.globoesporte.globo.com.
01/09/2009. Acesso em 01/10/2011.
Acesso em 14/10/2011.

4 DISCUSSÃO ao elemento que define as ações. O


objetivo a atingir passa a ser o resultado
Bracht (2000) afirma que o
máximo, não o possível ou o ótimo.
conceito de rendimento está presente em
toda a prática esportiva. Entretanto, o Com isso, o atleta acaba por

76 esporte é considerado de rendimento submeter-se a um sistema de vida


quando este é elevado ao objetivo central, científico e tecnológico (dieta, treino etc.)
fazendo com que deixe de ter vida própria,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


para tornar-se um artefato em busca da o projeto de lei que regulamenta a
superação de seus limites. Por decisão profissão de árbitro de futebol e dá outras
própria, o atleta precisa alcançar uma providências. O presidente da Conaf,
dominação sobre si mesmo, o que vai Sérgio Correia, salientou sobre a
acontecer pelo treinamento contínuo. O necessidade da profissionalização dos
organismo precisa aproveitar totalmente a árbitros acontecer, e para isso é necessário
energia para que se desenvolva ao acelerar a tramitação dos projetos na
máximo, resultando num atleta mecânico e Câmara dos Deputados. O presidente da
quantitativo (Santin, 1994). Logo, o Anaf, Marcos Antônio, lamentou que
árbitro se encaixa direitinho nesse padrão. apenas os jogadores e técnicos de futebol
têm regulamentação da profissão e os
O árbitro de futebol tem que seguir
árbitros ainda não.
os padrões que as partidas de futebol estão
exigindo. Muita velocidade e preparo O deputado Afonso Hamm
físico, mental e psicológico apurado. ressaltou a importância desse debate e o
Dentro de campo atuam jogadores de alto anseio da categoria no que se refere à
nível, logo o árbitro deve estar igual ou profissionalização da arbitragem sendo
superior à condição física daqueles. Fora essencial já que muitos árbitros dependem
de campo são inúmeras câmeras e olhos de outras atividades para busca de
vigiando toda a movimentação que o melhores rendimentos. “A
árbitro realiza. Mas, o árbitro tem que ser profissionalização irá contribuir nos
o mais profissional possível, embora não melhores salários e também na melhor
lhe seja dada toda a atenção necessária condição técnica para que os árbitros
para que isso se realize. Contudo, como se tenham melhor desempenho”, observa o
preparar em alto nível sem equipamentos e parlamentar ao enfatizar sobre a
profissionais necessários para a realização necessidade de ter um sistema de
das atividades? Como cobrar tanto daquele arbitragem eficiente, tendo em vista que o
que é o mais mal remunerado dentro de Brasil em 2014 será cenário da Copa do
campo? Se a profissionalização no Brasil Mundo de Futebol.
não acontecer logo muitos apaixonados Segundo disse o ex- árbitro FIFA,
desistirão dessa carreira tão virtuosa. Carlos Eugênio Simon, quando da
No último dia 25 de outubro de presença na Audiência Pública supracitada
77
2011 deputados, árbitros e ex-árbitros se acima, conforme figura abaixo, a
reuniram em busca de uma definição sobre reivindicação unânime dos árbitros de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


futebol é a aprovação da regulamentação
da profissão, prevista em projeto de lei que
tramita no Congresso desde 1979.

Figura 03 – Áudiência na Câmara Federal sobre a regulamentação da profissão de árbitro no Brasil. Fonte: agora-
online.com.br/jornal/2011/10/31/arbitros-querem-reconhecimento-da-profissao. Acesso em 02/11/2011.

4.1.1 A profissionalização na valores financeiros duplicaram. Estão


Inglaterra incluídos neste montante as taxas de

Cada árbitro passou a ter contrato arbitragens, diárias, seminários, material

de dois anos para apitar na Liga Inglesa de de treinamento, uniforme e toda a

Futebol. Um detalhe importante: além do infraestrutura necessária para que os


árbitros tenham uma ótima performance
processo seletivo rigoroso para ser
contratado, os árbitros que apresentam nas tomadas de decisões no campo de

deficiências nos jogos são rebaixados de jogo.

categoria e, dependendo das avaliações A profissionalização da arbitragem


semanais realizadas por especialistas em na Premier League propiciou maior tempo
arbitragem, o contrato pode não ser de bola em jogo, transformando as partidas
renovado ao seu final. num espetáculo de entretenimento como
quer a FIFA, menor número de faltas e
O processo teve início com 18
queda significativa nos cartões amarelos
árbitros e 36 árbitros assistentes
contratados ao custo de 8,25 milhões de de 7,4 por jogo para 3,2. É óbvio que o
78
modelo inglês é inviável em muitos países
euros anualmente. Na atualidade o número
de árbitros e assistentes acentuou-se e os em função das peculiaridades de cada um,

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


porém, há que se criar um modelo próprio horas de sono a muitos, mas daí já se fez
de acordo com a realidade das leis e história e os atuais testes físicos não são
economia de cada nação, pois caso isso nada dóceis. Se alguém chega aos 20 anos
não ocorra a arbitragem em âmbito e adere à arbitragem, não tendo hábitos
mundial continuará a passos de cágado e desportivos de rotina ou preparação física
refém das federações, associações, adequada então vai ter um árduo caminho
confederações e, sobretudo dos cartolas a percorrer. Em seguida o gosto pelo
que utilizam de forma estratosférica o futebol também é importante, um árbitro é
árbitro e seus assistentes para justificarem amador, é aquele que ama o que faz. Um
o fracasso de suas equipes quando perdem árbitro tem que gostar muito de futebol.
uma partida. Entendê-lo, percebê-lo, saber a sua história
e a sua gênese, que lhe dará no terreno
5 CONCLUSÃO maior astúcia e perspicácia. Um árbitro
tem que ler o jornal desportivo e estar
Ser árbitro de futebol não é para
atualizado com o desporto rei. Um Árbitro
quem quer, é, pois para aqueles que têm
para além de ser preparado para julgar, é
mais jeito e o demonstram, o
um ser humano com vida pessoal. E aqui
desenvolvem, o lapidam e se esforçam. A
também se toca num ponto essencial. Não
ideia de que qualquer pessoa pode ir para
se é só árbitro no estádio. É se árbitro toda
um campo de apito na boca ou bandeirola
a semana e toda e qualquer atitude menos
na mão afigura-se, pois completamente
própria no nosso dia a dia nos pode
errada.
porventura nos descredibilizar.
Em primeira instância estão as
Enfim, além de tudo que foi
condicionantes do perfil psicológico ou
supracitado, regulamentar a profissão de
temperamental. Cada pessoa tem o seu
árbitro de futebol poderia acabar com os
caráter, a sua autoconfiança, que nem
desrespeitos e desvalorizações feitas ao
sempre é imune ao choque da relação com
árbitro, aumentar seu salário e sua
o público. Um árbitro deve ter total
disposição, porém, em nada melhorará sua
controle do seu equilíbrio emocional, para
condição de trabalho se não passar a ser
nos momentos mais complicados não
tratado como um atleta de alto nível, ou
vacilar.
seja, não tiver acompanhamento de um
79 Depois vem a condição física.
fisiologista, educador físico,
Antigamente tínhamos o mal falado teste
fisioterapeuta, cardiologista, profissionais
Cooper, autêntica dor de cabeça que tirava

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


referendados ao esporte. Um centro de devido as tantas necessidades elencadas
treinamento para a arbitragem deve ser durante todo esse trabalho.
prioridade. Não se basta regulamentar a
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
profissão e não equiparar o árbitro a um
REBELO. A (et al.,). Stress físico do
jogador de futebol. Somente uma
árbitro de futebol no jogo. Revista
categoria de árbitros pode dizer que se Portuguesa de Ciências do Desporto,
Lisboa: Faculdade de Ciências do
dedica 100% à arbitragem de futebol, são
Desporto e de Educação Física
os árbitros do quadro internacional, os Universidade do Porto, vol. 2, n. 5, 2002.
p. 24–30. Disponível em:
FIFA, como são conhecidos. Esses sim,
<http://www.educacaofisica.com.br/bibliot
por apitarem em média 08 jogos de eca/stress-fisico-do-arbitro-de-futebol-no-
jogo.pdf>. Acesso em 20 mar. 2011.
campeonato brasileiro por mês (quarta e
BRACHT, V. Esporte na Escola e Esporte
domingo – série A, por exemplo), faturam
de Rendimento. Revista Movimento,
uma média de R$ 20.000,00 reais por mês. Porto Alegre: UFRGS, n. 12, 2007. p.
2000/1.
Logo, pra que “emprego” melhor do que
SANTIN, S. Educação Física: da alegria
esse? Mas, para chegar ao seleto grupo do lúdico à opressão do rendimento. Porto
onde esses se encontram, a ralação e a Alegre: Edições EST/ESEF, 1994.
dedicação devem ser 24 horas por dia. SILVA da, Alberto Inácio (et al.,). O
árbitro de futebol – Uma abordagem
Então, dá pra chegar lá sem histórico crítica. Revista da Educação
profissionalizar a arbitragem? Impossível, Física, Maringá: UEM, v. 13, n. 1, 2002.
p. 39-45.

80

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


INFECÇÕES HOSPITALARES E A ENFERMAGEM
Gleyciane Tomé Batista Resumo: A enfermagem presta um serviço importante aos pacientes,
acompanhando sua evolução nas unidades de saúde. Assim, o
Graduanda em Enfermagem pela
Faculdade Integrada da Grande conhecimento dos microrganismos responsáveis pela infecção
Fortaleza hospitalar(IH) e os meios de inibir a sua propagação, são de grande
gleycibatista@gmail.com importância para esses profissionais. Os principais microrganismos
responsáveis pela IH são Escherichia coli, Pseudomonas SP.,
José Eduardo Ribeiro Honório Júnior
Staphylococus aureus, S. epidermitis, Candida albicans, vírus da
Professor Mestre do curso de hepatite B e C dentre outros. Outros fatores como idade do paciente,
Enfermagem da Faculdade Integrada falta de tratamento de esgoto e lixo hospitalar e uso incorreto dos
da Grande Fortaleza
equipamentos de proteção hospitalar por parte dos profissionais da
eduribiologo@fgf.edu.br
saúde aumentam a propagação da IH. Os pacientes propensos a IH
são aqueles com longos períodos de internação, que sofram de
grandes queimaduras, desnutrição e deficiência imunológica. A
enfermagem tem um papel importante na avaliação da evolução
desses pacientes e nas comissões de controle de infecções
hospitalares, elaborando medidas para controle e prevenção das
infecções hospitalares.

Palavra-Chave: Infecção Hospitalar, Enfermagem, Microrganismos

Abstract: Nursing provides an important service to patients,


following their evolution in healthcare facilities. Thus, knowledge of
the microorganisms responsible for hospital infections (HI) and the
means to inhibit their spread is of great importance for these
professionals. The main microorganisms responsible for HI are
Escherichia coli, Pseudomonas sp., Staphylococcus aureus,
S. epidermitis, Candida albicans, Hepatitis B and C.Other factors
such as patient age, lack of sewage treatment and hospital waste and
misuse of protective equipment by the hospital health professionals
increase the spread of the HI. Patients prone to HI are those with
prolonged hospitalization, suffering from major burns, mal nutrition
and immune deficiency. Nursing hás an important role in the
evaluation ofthese patients and in the committees of hospital
infection control, developing measures to control and prevent
nosocomial infections.

Keyword: Hospital Infections, Nursing, Microorganisms.

81

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 História da infecção hospitalar atividade terapêutica, em decorrência das
condições precárias dos hospitais até
A historia da infecção hospitalar
metade do século XVIII, se observou a
(IH) é tão antiga, quanto o surgimento dos
ocorrência das infecções hospitalares
primeiros hospitais, relatos históricos
levaram os doentes assistidas nos
apontam que por volta do ano 330 a.C. no
hospitais, a desenvolverem outras doenças
Império Romano, foi construída o
em função da hospitalização (OLIVEIRA,
primeiro hospital urbano que na realidade
2008).
não servia ao propósito de restaura a saúde
dos enfermos, mais somente isolá-lo da Em virtude das precárias condições
sociedade, conforme Oliveira (2008). de higiene nos hospitais do século XIX a
Couto; Pedrosa e Pedrosa Grillo (2003) população provida de recursos financeiros
aponta que as primeiras referenciam a era tratada em casa tendo como vantagem
existência de hospitalar foram por volta de os custos baixos e principalmente
325 d.C. diminuição dos riscos de infecção,
observando que para aquele período
Em situações onde não era possível
mesmo com poucas tecnologias e
identificar a doença os pacientes eram
informações já havia uma preocupação
confinados em hospitais sem separação
com a infecção hospitalar (UJAVARI,
por nosologia e muitas vezes ocorriam o
2003).
agravamento da patologia devido às
infecções cruzadas, na idade media o No ano de 1843, Oliver Wendel
Concílio de Niceia, determinou que os Holmes em suas observações no ambiente
hospitais fossem construídos próximos às hospitalar constatou que a infecção
catedrais, atribuindo um caráter caridoso, à puerperal que leva muitas mulheres ao
assistência aos pobres, inválidos, óbito era resultado da falta de higienização
peregrinos e diversos doentes (COUTO; dos médicos que faziam a autopsia de
PEDROSA; PEDROSA GRILLO, 2003). mulheres que vieram ao óbito por febre
puerperal e depois atendiam normalmente
Neste local de exclusão,
outras pacientes que acabavam adquirindo
funcionava como albergues ou asilos,
a infecção (OLIVEIRA 2008).
sendo considerada fonte fecunda de
doença muito provavelmente devido à Debré (1995) relata seu livro que
ausência de condições sanitárias as salas de cirurgias da Europa do século
82
adequadas e pela assistência precárias, não XVIII apresentavam resultados
apresentavam médicos e nem qualquer catastróficos, pois um grande número de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


pacientes morria no pós-operatório em atendimento e treinamento de pessoal,
decorrência de infecções. Em geral, as especialmente as práticas higiênico
salas cirúrgicas eram anfiteatros cheios de sanitárias que estabeleceu e que
espectadores, ou salas escuras, úmidas, colaboraram para a redução das taxas de
atulhadas de móveis e pó; muitas delas mortalidade hospitalar da época
com vazamentos e mofo nas paredes. Em (OLIVEIRA; MARUYAMA, 2008).
ambientes acadêmicos, ficavam próximas Florence coordenou a reforma no
às salas de necropsia, e era comum superlotado hospital britânico improvisado
interromper-se a cirurgia para que se em Escutári, no estreito de Bósforo,
fizessem comparações com o cadáver na durante a Guerra da Crimeia. A limpeza
sala ao lado. Os aventais dos cirurgiões, que Florence impôs causou redução da
usadas com as mangas arregaçadas até os taxa de mortalidade hospitalar: de 427
cotovelos, eram pretos e sujos de sangue e para 22 óbitos em cada mil pacientes
pus, e era neles que esfregavam as mãos (UJVARI, 2003).
para continuar o procedimento. Os
instrumentos e fios eram retirados dos 2 Infecção Hospitalar
bolsos, e muitas vezes os cirurgiões
Na infecção hospitalar, o
prendiam o bisturi entre os dentes para
hospedeiro é o elo mais importante da
poderem manusear melhor vísceras e
cadeia epidemiológica, pois alberga os
órgãos (UJAVARI, 2003).
principais microrganismos que na maioria
Na Inglaterra, no final do Séc.
dos casos desencadeiam processos
XIX, Florence Nightingale representou
infecciosos (FERNANDES et al., 2000).
importância papel histórico com sua
As infecções nosocomiais têm sido
contribuição na (re)organização dos
um sério problema de saúde que afeta 3%
hospitais e, consequentemente, na
a 6% dos pacientes hospitalizados nos
implantação de medidas para o controle
Estados Unidos, resultando em aumento
das infecções hospitalares, como a
no tempo de internação, nos custos
preocupação voltada para os cuidados de
hospitalares e uma estimativa de 20.000
higienização, o isolamento dos enfermos,
óbitos por ano. Representam nesse país a
o atendimento individual, a utilização
sexta causa de óbitos por ano
controlada da dieta e a redução de leitos
(CARVALHO; MARQUES, 1999). No
83 no mesmo ambiente, instituindo medidas
Brasil a taxa é de 1,5% a 15% de acordo
de organização, sistematização do

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


com a Secretária de Saúde do Estado de procedimentos hospitalares conforme a
São Paulo. Portaria nº 2616 de 13 de maio de 1998.

Em 1994, em um estudo realizado Após a promulgação da portaria


em 103 hospitais terciários, localizados 196/83, o Ministério da Saúde elaborou
nas capitais brasileiras, observou um taxa um estudo em que foram avaliados 8.624
de infecção hospitalar de 13 %. A pacientes com mais de 24 horas de
prevalência de IH da UTI neonatais foi a internação, cujo tempo médio de
mais alta com 46,9%, seguida da unidade permanência foi 11,8 dias. O número de
de queimados com 38,2% e da UTI pacientes com infecção hospitalar
pediátrica com 32,9% (PRADO et al., encontrado foi 1.129, com taxa de
1995). pacientes com infecção hospitalar de 13%.
Os maiores índices de infecção foram
De acordo com Maluf e
obtidos nos hospitais públicos, 18,4%, e os
colaboradores (2002) no Brasil, embora os
menores nos hospitais privados sem fins
dados sejam incompletos, estima-se que
lucrativos, 10%. Essa diferença se dá em
elas sejam responsáveis por cerca de
parte porque os hospitais públicos
45.000 órbitos e prejuízo da ordem de
normalmente atendem casos de maior
bilhões de reais anualmente.
complexidade, enquanto que os privados
O surgimento de cepas bacterianas
são responsáveis por casos mais seletivos
multiresistentes, tem como uma das
e de menor complexidade. Por região,
consequências importante seu efeito direto
estes mesmos índices mostraram a região
na infecção hospitalar, ainda conforme
sudeste com 16,4%, seguida do nordeste
Anvisa (2007) aproximadamente 10% dos
com 13,1%, norte 11,5%, sul 9% e centro
pacientes infectam-se frequentemente em
oeste 7,2% (MOURA et al., 2008)
consequência de procedimentos invasivos
Ainda de acordo com Valle e
ou de terapia imunossupressoras.
colaboradores (2010) e ANVISA (2007) a
BRASIL (1998) e Garner (1998)
infecção hospitalar (IH) classificada como:
definem infecção hospitalar como aquela
Infecção endógena: é a que se verifica a
adquirida após a admissão do paciente e
partir de microorganismos do próprio
que se manifesta durante sua internação ou
paciente, geralmente imunodeprimido.
mesmo após alta, deste que ocorra no
Corresponde a 2/3 das infecções
84 período de 72 horas e possa ser
hospitalares; Infecção exógena: é a
relacionada com a internação ou
adquirida a partir de microorganismos

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


estranhos ao paciente, sendo veiculada país, a prevalência de IH por fungos
pelas mãos da equipe de saúde, passou de 6% em 1998 para 10,4% em
nebulização, uso de respiradores, vetores, 1990 (MALUCHE; SANTOS, 2007). No
por medicamentos ou alimento Brasil, os fungos são responsáveis por
contaminado; Infecção cruzada: aproximadamente 8% das infecções
transmitida de paciente a paciente, hospitalares (ANVISA, 2007). Os
geralmente através das mãos da equipe de principais agentes são Candida albicans,
saúde. C. parapsilosis e C. tropicalis
(OLIVEIRA, et al., 2001; VALLE et al.,
Diferentes microrganismos como
2010). A C. albicans é uma bactéria
bactérias, fungos, e vírus causam infecções
comensal da vagina e do trato
hospitalares (fig 01). O grupo de
gastrointestinal de seres humanos, é a
patógenos, no entanto, que se destaca é o
espécie que predomina nas infecções
das bactérias que constituem a flora
superficiais e invasivas de diferentes sítios
humana e que normalmente não trazem
anatômicos (Valle et al., 2010). Nos
risco a indivíduos saudáveis, devido sua
Hospitais americanos no período de 1980
baixa virulência, mas que podem causar
a 1990 constatou que a Candida passou de
infecção em indivíduos com estado clínico
sexto para quarto microrganismo mais
comprometido denominadas assim de
comum nas Unidades de Tratamento
bactérias oportunistas (ANVISA, 2007).
Intensivo. O principal sítio de Infecção por
As Enterobacteriáceas e Pseudomonas
essa levedura foi o trato urinário,
aeruginosas dominaram o cenário das IHs,
envolvidos em 46% dos casos estudados
além dos estafilococos como agentes
(JARVIS, 1995).
relacionados às infecções de ferida
operatória e de cateteres venosos Dentre as viroses, o vírus da
(MARTINS, 2006). hepatite B e C, enteroviroses e viroses
associadas com pneumonia hospitalar são
As infecções causadas por fungos
comumente registrados. As viroses
(leveduras) nos hospitais têm constituído
representam por volta de 5% das
um problema crescente em muitos países,
infecções. (ANVISA, 2007)
nos Estados unidos, de acordo com o
Sistema de Vigilância de Infecções desse

85

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


FIGURA 01

Fonte: ANVISA, 2007

(Klebsiella pneumoniae) que causa a


Nas ultimas décadas a resistência
resistência a vários antibióticos do grupo
bacteriana tem se tornado comum no
das carbapenêmicos, além de inativar a
ambiente hospitalar, isto porque, as
penicilina, cefalosporinas e
bactérias apresentam diversos mecanismos
monobactâmicos (MOLAND et al., 2003;
de resistênciaenzimáticos. No ambiente
DIENSTMANN et al., 2011). Outras
nosocomisal a Klebsiella pneumoniae, é
bactérias como as Enterococus sp.
uma das bactérias Gram-negativas de
Apresentam cepas resistentes a vários
maior prevalência e que por tanto foi
antibióticos, é o caso da Enterococus
exposta a uma diversidade de antibióticos,
resistente a vancomicina , que além da
estes induziram a resistência das mesmas e
vancomicina, já mostra resitencia a
atuaram selecionando as cepas bacterianas
ampicilina, estrptomicina, rifampicina e
mais adaptadas, hábil e que apresentam
linizolida em hospitais de Porto Alegre
uma diversidade de enzimas de
(KOBAYASHI et al., 2011). E por este
resistência(MOTA et al., 2005).
motivo, e outros, se faz necessário estudar
A KPC (Klebsiella Pneumoniae
os tipos de resistência, como proceder para
Carbapenemasi) é uma enzima produzida
evitar ou como prevenir sua propagação.
por uma enterobacteria gram-negativa

86

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


3 Atuação da enfermagem no controle e Segundo Moura e Gir (2007) é de
prevenção da infecção hospitalar
vital importância sanar quais quer dúvida a
Os problemas universais no respeito da propagação de bactérias
controle de infecção ocorrem em países multiresistentes como uma forma de
desenvolvidos e em desenvolvimento e adesão dos profissionais de saúde às
compreende número inadequado de medidas de controle e prevenção de
pessoal, recursos financeiros inadequados, bactérias multiresistentes. Segundo
relutância dos funcionários do hospital em Machado (2001) todos os profissionais de
modificar condutas e uso excessivo de saúde devem ter por objetivo a prevenção
agentes antimicrobianos. Por outro lado, da infecção hospitalar e que para tanto, o
os problemas mais agudos nos países em conhecimento dos meios de transmissão e
desenvolvimento são água contaminada, lavagem das mãos constitui algumas das
falta de materiais descartáveis (agulhas e medidas de prevenção e controle da
equipamentos), falta de controle de sangue infecção hospitalar.
e seus derivados, suporte microbiológico De acordo com Cardoso e Silva
inadequado, falta de medicação, (2004) deste o inicio da enfermagem
manutenção inadequada dos equipamentos moderna com Florence Nightingale, em
hospitalares, educação continuada
1863, surgiu uma preocupação com a
ineficiente, barreiras culturais e sociais e
qualidade da assistência aos pacientes
interferência governamental. (VALLE et
internados e do ambiente de internação,
al., 1999). As principais patologias de base
Florence propôs diminuir os riscos para
que favorecem a ocorrência da IH por
infecção, segundo Lacerda e Egry (1997)
afetar os mecanismos de defesa são: para que a ideia de Nightingale tomasse
grande queimado; acloridria gástrica; forma, ela descreveu manuscritos onde
desnutrição; deficiências imunológicas; relatou suas experiências na Guerra da
bem como o uso de alguns medicamentos Crimeia onde diminuiu o risco de infecção
e os extremos de idade. Também
hospitalar, experiência que constituíram a
favorecem o desenvolvimento das base do conhecimento para a criação de
infecções os procedimentos invasivos seus inúmeros princípios e adoção de
terapêuticos ou para diagnósticos, podendo
pesquisa epidemiológica das doenças
87 veicular agentes infecciosos no momento
infecciosas antecipando o período
de sua realização ou durante a sua
bacteriológico. Os fundamentos de
permanência (FERNANDES et al., 2000).

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


Florence Nightingale até hoje são evolução do paciente, também contribui
observadas para o controle das infecções com sua visão holística do mesmo
hospitalares. identificando os pontos fracos inerente ao
tratamento ou atendimento.
Tirrini (2002) e Santos e
colaboradores (2008) afirmam que para o A partir da observância das
controle da infecção hospitalar (CIH) é medidas de controle e prevenção das IH e
importante a atuação efetiva da Comissão de biossegurança e com adoção de
de Controle de Infecção Hospitalar protocolos elaborados por cada setor do
(CCIH) setor que emprega uma equipe de hospital, a enfermagem pode direcionar
multiprofissionais, e que a enfermagem sua atenção para melhorar estes protocolos
pode ser inserida contribuindo de forma de assistência e de acordo com suas
ativa no controle e prevenção da IH alem observações e vivenciam diárias,
de favorecer uma qualidade na assistência cooperando desta forma para elevar a
ao paciente (AGUIAR et al., 2008). qualidade e eficiência dos serviços
prestados pela equipe de enfermagem.
As infecções hospitalares são
multifatoriais, e toda a dificuldade de
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
como reduzi-las, consiste na falta de
informação e atualização dos profissionais AGÊNCIA NACIONAL DE
VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA)
de saúde sobre a IH e de como intervir em
(BR). Investigação e controle de
situações de surto e de como manter sob bactérias multirresistentes. Brasília
(DF); 2007. 21 p.
controle as infecções dentro de uma
AGUIAR, D. F.; LIMA, A. B. G.;
instituição de saúde, a prevenção e SANTOS, R. B. Uso das precauções
controle da IH deve ser resultado de um padrões na assistência de enfermagem: um
estudo retrospectivo. Escola Anna Nery
trabalho de equipe. (AZAMBUJA et al., de Enfermagem. setembro. n. 12, v. 3 ,p.
2004; PEREIRA et al., 2005). 571-575, 2008.
AZAMBUJA, E. P.; PIRES, D. P.; VAZ,
4 CONCLUSÃO M. R. C. Prevenção e controle da infecção
hospitalar: as interfaces com o processo de
A enfermagem pode atuar na CCIH
formação do trabalhador. Revista Texto
contribuindo para a elaboração de medidas & Contexto Enfermagem.; v. 13, n. supl.,
p. 79-86. 2004
eficazes para o controle e prevenção da
BRASIL. Portaria nº2616 de 13 de maio
infecção hospitalar e na vigilância destas de 1998. Diário oficial da República
88 medidas, por se tratar de uma categoria Federativa do Brasil, 15 de maio de
1998.
que por mais tempo acompanha a

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CARDOSO, R. S., SILVA, M. A. A Brasileira de Medicina Tropical, n. 44,
percepção dos enfermeiros acerca da v. 3, p. 344-348, mai-jun, 2011.
comissão de infecção hospitalar: desafios e LACERDA, R.; EGRY, E. Y. As
perspectivas Texto Contexto Enferm,, n. infecções hospitalares e sua relação com o
13, p. 50-7, 2004. desenvolvimento da assistência hospitalar:
CARVALHO, E.S; MARQUES, S.R. reflexões para análise de suas práticas
Infecção hospitalar,vigilância atuais de controle. Revista Latino-
epidemiológica, medidas de controle. Americano de Enfermagem, Ribeirão
Jornal de pediatria. n. 75, p.31-S45, Preto, v. 5, n. 4, p. 13-23, outubro 1997.
1999. MALUCHE, M.E.; DOS SANTOS, J.
COUTO, PEDROSA e NOGUEIRA. I.,CANDIDA SP. E Infecção hospitalares:
Infecção Hospitalar e outras complicações Aspectos Epidermiológicos e
não infecciosas da doença. Editora Laboratóriais. Revista Brasileira de
MEDSI; cap.1-2 pag. 3-28. 2003. Análise Clínica. n. 40, v. 1, p. 65-67,
2008.
Debré, P. Pasteur. São Paulo: Scritta,
1995, cap. 10. MALUF, M.E.Z.; MALDONADO, A. F.;
BERCIAL, M. E.; PEDROSO, S. A.
DIENSTMANN, R., PICOLI, S. U.,
Stethoscope: a friend or an enemy? São
MEYER, G,.SCHENKEL, T.,STEYER, J.,
Paulo Medical Journal, v. 120, n. 1, p.
Fenótipos de betalactamases em Klebsiella
13-15, 2002.
pneumoniae de hospital de emergência de
Porto Alegre, Jounal Brasileiro de MARTINS P. Epidemiologia das
Patologia e Medicina Laboratorial, v. infecções hospitalares em centro de terapia
47, n. 1, p. 25-31, 2011. intensiva de adulto. [dissertação]. Belo
Horizonte (MG): Fac. Medicina - UFMG;
FERNANDES AT, RIBEIRO FILHO N,
2006.
BARROSO EAR. Conceito, cadeia
epidemiológica das infecções hospitalares MOLAND, E.S., HANSON, N.D.,
e avaliação custo benefício das medidas de HERRERA, V.L., BLACK, J.A.,
controle. In: FERNANDES AT, LOCKHART, T.J., HOSSAIN, A.,
FERNANDES MOV, RIBEIRO FILHO JOHNSON, J.A.,. GOERING,R.V.,
N, Organizadores. Infecção hospitalar e THOMSON,K.S. Plasmid-mediated,
suas interfaces na área da saúde. São carbapenem-hydrolysing β-lactamase,
Paulo: Atheneu; 2000. p. 215-65. KPC-2, in Klebsiella pneumoniae isolates.
GARNER JS, JARVIS WR, EMORI TG, Journal of Antimicrobial
Chemotherapy, v. 51, p. 711–714. 2003.
HORAN TC, HUGHES JH. CDC
definitions for nosocomial infections. MOTA R. A., SILVA, K.P., FREITAS,
American Journal of Infection Control, M.F.L., PORTO, W.J.M., SILVA, L.B.G.,
n. 16, p. 128-40, 1998. Utilização indiscriminada de
antimicrobianos e sua contribuição a
JARVIS WR. Epidemiology of
multirresistência bacteriana. Brazilian
nosocomial fungal infections, with
emphasis on Candida species. Clinical Journal of Veterinary Research and
Animal Science, v.42,n 6,p 465-470,
Infectious Diseases n. 20, p.1526-30,
1995. 2005.

KOBAYASHI, C.C.B.A., SADOYAMA, MOURA MEB, TAPETY FI,


G., VIEIRA, J.D.G., PIMENTA, F.C. CARVALHO CMRS, OLIVEIRA JNP,
89 MATOS FTC, MOURA LKB. As
Resistência antimicrobiana associada em
Enterococcus spp. Revista da Sociedade representações sociais das infecções
hospitalares elaboradas pelos profissionais

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


de saúde. Revista Brasileira de
Enfermagem, jul-ago; n. 61, v. 4, p. 418-
22, 2008.
MOURA, J. P.; GIR, E. Conhecimento dos
profissionais de enfermagem referente à
resistência bacteriana a múltiplas drogas.
Acta Paulista de Enfermagem, 2007;
20(3): 351-354.
OLIVEIRA, R; MARUYAMA, S. A. T.
Controle de infecção hospitalar: histórico e
papel do estado. Revista Eletrônica de
Enfermagem, 775-83, 2008.
PEREIRA, M. S.; PRADO, M. A.;
SOUZA, A. C. S.; TIPPLE, A. F. V. A
infecção hospitalar e suas implicações para
o cuidar da enfermagem. Revista Texto &
Contexto Enfermagem, abril/junho 2005;
14(2): 250-257.
PRADE SS, OLIVEIRA ST,
RODRIGUEZ R, NUNES FA, NETTO
EM, FÉLIX JQ. Estudo brasileiro da
magnitude das infecções hospitalares em
hospitais terciários. Revista do Controle
de Infecção Hospitalar. Ministério da
Saúde, p.11-24, 1995.
SANTOS,A.M.R., CABRAL, L.A.F.,
BRITO, D. S., MADEIRA, M.Z.A.,
COSTA E SILVA, M.E.D., CARVALHO
E MARTINS, M.C. As representações
sociais da infecção hospitalar elaboradas
por profissionais de enfermagem. Revista
Brasileira de Enfermagem, Brasília,
julho/agosto, n. 61, v. 4, p. 441-446, 2008;
TURRINI, R.N.T. Infecção hospitalar e
mortalidade. Revista da Escola de
Enfermagem da USP; 36(2): 177-83.
2002.
UJARAVI, S.C. A História e suas
epidemias. A convivência do homem com
os microorganismos. 2ª Ed. Senac Rio.
2003.166-167p.
VALLE, G C; RENDE, J.C.; OKURA, M.
Estudo da incidência do gênero Candida
90 em hospitais públicos universitários.
Newlab. n. 101,p. 202-222, 2010.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


CIÊNCIAS HUMANAS

91

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


PANORAMA DAS PRINCIPAIS ABORDAGENS E MÉTODOS NO ENSINO DE
LÍNGUA ESTRANGEIRA

Cristiana Gomes de Freitas Menezes


RESUMO: No presente artigo, apresentamos de forma panorâmica
Martins
as principais abordagens e métodos no ensino de Língua Estrangeira
Professora Mestre do Curso de Letras (LE). Proporcionamos uma visão histórica das mudanças ocorridas
da desde a primeira abordagem conhecida com Método da Gramática e
Faculdade Integrada da Grande
da Tradução usada para o ensino das línguas clássicas como o grego
Fortaleza
cristiana@fgf.edu.br e o latim e chegamos ao século XXI com a proposta de uma
Abordagem Eclética. Vemos que essa última não se fundamenta em
uma só teoria, pois se acredita que nenhuma abordagem contém toda
a verdade. Numa Abordagem Eclética se faz necessário o
conhecimento dos princípios, métodos, técnicas de ensino de LE
existentes para que, de forma sábia, o professor possa adaptar
técnicas novas e velhas de acordo com a sua realidade de ensino.

Palavras-chave: Abordagem; Método; Ensino; Língua Estrangeira;


Eclética.
ABSTRACT: In the present article, we present, in a panoramic
form, the main approaches and methods in the foreign language
teaching. We provide a historical overview of the changes that have
occurred since the first approach known as the Grammar-Translation
Method used to teach the classical languages like Greek and Latin
and we get to the XXI century with the proposal of an Eclectic
Approach. We see that the latter is not based on only one theory,
because it is believed that no approach contains the total truth. In an
Eclectic Approach, it is necessary the knowledge of existing
principles, methods, techniques of foreign language teaching, so
that, in a wise way, the teacher can adapt new and old techniques
according to his teaching reality.

Keywords: Approach; Method; Teaching; Foreign Language;


Eclectic.

92

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


1 INTRODUÇÃO razões para usá-las. Método é a realização
prática de uma abordagem. Nesse se
O crescente número de abordagens define os tipos de atividades e materiais a
e métodos no ensino de Língua serem usados, os papéis do professor e
Estrangeira (LE) tem levado professores aluno, as técnicas e procedimentos a serem
cada vez mais a discutir sobre que escolha utilizados.
fazer entre uma grande variedade de
A primeira e mais antiga
opções metodológicas a serem usadas em
abordagem servia para ensinar as línguas
sua prática de pedagógica. Entretanto, faz
clássicas como o grego e o latim. Essa
necessário, antes de tudo, uma análise
abordagem, que vigorou exclusiva até o
dessas opções levando-se em consideração
final do século XIX, tinha como objetivo
as necessidades dos alunos, as preferências
transmitir um conhecimento sobre a
do professor e as restrições da escola ou
língua, permitindo o acesso a textos
do ambiente educacional onde esses estão
literários e a um domínio da gramática
inseridos para que uma escolha adequada
normativa. Para isso, pontos gramaticais
seja feita.
específicos eram explicados e
O primeiro passo ao fazermos uma exemplificados através de sentenças. Essas
análise sobre as principais abordagens e sentenças eram traduzidas da LE para a
métodos no ensino de LE é ter em mente a Língua Materna (LM) do aluno e vice-
diferença entre abordagem e método. Para versa. A leitura e a escrita eram as
Almeida Filho (2007), abordagem é um habilidades da língua estudadas.
conjunto nem sempre harmônico de Conhecida como Método da Gramática e
pressupostos teóricos, de princípios e até da Tradução, não teve como
de crenças, ainda que só implícitas, sobre fundamentação nenhuma teoria linguística,
o que é uma língua natural, o que é psicológica ou educacional (RICHARDS ;
aprender e o que é ensinar outras línguas. RODGERS, 1999).
Método é a materialidade do ensino, a
No início do Século XX, há um
fórmula estável da ação pedagógica. De
aumento de viagens de pessoas pelo
acordo com Harmer (2007), abordagem
mundo. Sentenças ainda eram o objeto de
refere-se a teorias sobre a natureza da
estudo, mas era vital que somente a LE
língua e da sua aprendizagem que são a
fosse usada em sala de aula. Passa-se a
93 fonte das maneiras como as coisas são
estudar as habilidades de falar e ouvir, sem
feitas na sala de aula e que fornecem as
jamais recorrer à tradução. Para se explicar

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


uma palavra, fazia-se uso de um lugar para outro, mas nunca forma
demonstrações, figuras, objetos, uma duna igual à anterior. O mesmo
associação de ideias. A correta pronúncia ocorre com as abordagens. Cada nova
era enfatizada, assim como a gramática. abordagem que surge emerge de uma
Somente eram ensinadas palavras e anterior, trazendo dessa abordagem
sentenças usadas no dia a dia. Segundo aspectos positivos.
Brown (1994), a Abordagem Direta, Com a Segunda Guerra Mundial,
conhecida como Método Direto, apesar da na década de 40, surge a necessidade de se
sua popularidade, principalmente na ensinar LEs com o objetivo de tornar o
Europa, foi muito criticada por não ter aluno proficiente na conversação em
fundamento teórico. pouco tempo. A necessidade de se
Nos anos 30, houve um declínio no repensar as abordagens e métodos de
uso da Abordagem Direta tanto na Europa ensino de LEs torna-se crucial. O “Método
como nos Estados Unidos. Voltou-se ao do Exército”, que se desenvolveu no que
uso da Abordagem da Gramática e da hoje é conhecido como Método
Tradução ou da Abordagem para a Leitura, Audiolingual, aparece em 1943 como um
conhecida também como Método para a grande programa didático intensivo para se
Leitura, que enfatizava a leitura da LE. A ensinar LEs em apenas dois anos tornando
tradução volta ser utilizada em sala de aula o aluno fluente nas habilidades orais e
e nenhuma atenção é dada à pronúncia. A auditivas.
gramática é ensinada para facilitar a Baseada na Teoria Behaviorista ou
leitura. Prator (1979) e Leffa (1988) fazem Comportamentista de Skinner (1945), a
uso da metáfora do pêndulo para descrever Abordagem Audiolingual, chamada de
as mudanças ocorridas nas abordagens no Método Audiolingual, via a aprendizagem
ensino de LE. Se pensarmos no como um processo mecânico de formação
movimento que o pêndulo exerce, de hábitos: estímulo-resposta-reforço.
podemos observar que esse vai e volta Nessa abordagem, a língua era
sempre para o mesmo lugar sem haver considerada como um conjunto de hábitos
nenhum progresso. Brown (1994) e condicionados que se adquiria através de
Marckwardt (1972) veem as mudanças nas um processo mecânico de estímulo e
abordagens no ensino de LE como o resposta. Cada resposta certa dada pelo
94 movimento da areia das dunas na praia aluno era imediatamente reforçada pelo
ocasionado pelos ventos. Essa se move de professor. A língua era ensinada através de

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


exercícios de repetição, onde os erros eram Aquisição de Segunda Língua (SL)
evitados a todo custo (NUNAN, 1995). reformulada em 1987. Um alto nível de
ansiedade cria um bloqueio mental no
Na década de 60, com o
aluno e evita que o aprendizado ocorra.
surgimento da Teoria da Gramática
Gerativo-Transformacional de Noam Na visão de Caleb Gattegno, no
Chomsky (1957), a aprendizagem passa a seu Método Silencioso, a aprendizagem se
ser vista como um processo mental ativo. dava através de descobertas. Esse método
O aluno deveria ser estimulado a formular preocupou-se em tornar o aluno
as regras gramaticais de uma LE por si só independente, autônomo e responsável
através de um raciocínio indutivo. Pela pela sua aprendizagem. Segundo ele, o
primeira vez, as quatro habilidades falar, professor deveria ficar em silêncio na
ouvir, escrever e ler eram trabalhadas com maior parte do tempo. A pronúncia e o
o aluno de LE. O aluno mais insumo vocabulário eram ensinados através do uso
compreensível o aluno receber, maior será de barras de Cuisinaire (pequenas varetas
o seu aprendizado (RICHARDS; de madeira de diversas cores) e gráficos
RODGERS, 1999). coloridos (LARSEN-FREEMAN, 1986).
O Método Silencioso tinha por
A partir dos anos 70, cresce o
fundamento não uma teoria linguística e,
número de estudo sobre o ensino-
sim, uma teoria de aprendizagem que se
aprendizagem de LE. Aparece uma série
baseava na maneira de em como os adultos
de métodos inovadores: a) Sugestologia;
aprendem. Na verdade, nem o Método
b) Método Silencioso; c) Resposta Física
Silencioso, nem a teoria de aprendizagem
Total; d) Método da Aprendizagem por
na qual tinha por base foram objetos de
Aconselhamento. O Sugestologia
estudos empíricos.
desenvolvido por Georgi Lozanov
preocupou-se com o ambiente físico onde O Método Resposta Física Total de
ocorria a aprendizagem. Na sala de aula, James Asher enfatizava atividades de
tocava-se uma música suave de fundo. O compreensão auditiva onde as respostas do
aluno deveria se sentir confortável e aluno eram dadas apenas através de
relaxado. Quanto mais relaxado o aluno, movimentos. Esse método tinha por base
mais ele aprendia. As ideias de Georgi princípios de aquisição segundo o qual a
Lozanov podem ser relacionadas com a criança passa por períodos de silêncio e de
95
Hipótese do Filtro Afetivo desenvolvida respostas físicas na aprendizagem de uma
por Stephen Krashen em sua Teoria de língua. A criança desenvolve primeiro sua

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


compreensão auditiva para depois naturalmente, sem a pressão do professor.
desenvolver a prática oral. A maioria das Deveria ocorrer a aquisição da língua e,
estruturas gramaticais e do vocabulário não, a aprendizagem. A aquisição da
eram ensinados através do uso de língua referia-se ao processo inconsciente
imperativo, pois, na visão de James Asher, que envolvia o desenvolvimento da
o verbo era o centro ao redor do qual a proficiência em uma língua através da
língua era organizada. O Método Resposta compreensão e do uso dessa língua em
Física Total levava em consideração o situações comunicativas. Por outro lado, a
Estruturalismo como teoria linguística. aprendizagem referia-se ao processo
consciente de regras sobre como a língua
Charles Curran, inspirado nos
era desenvolvida. De acordo com a
princípios de educação de Carl Rogers,
Hipótese do Monitor, o aluno recorreria ao
desenvolveu o Método da Aprendizagem
conhecimento já aprendido para corrigir a
por Aconselhamento. Nesse método, os
si mesmo ao se comunicar. A Hipótese do
alunos em sala de aula eram vistos como
Input propunha que o aluno necessitava
um grupo de clientes que precisava de
ser exposto à língua (input) para que
conselhos e de terapia. O professor era
houvesse a sua aquisição (BROWN,
visto como um conselheiro que devia dar
1994).
atenção às necessidades de seus clientes,
os alunos, ajudando-os a torná-los De acordo com Richards e Rodgers
independentes e autônomos. Durante as (1999), a partir de meados da década de
aulas o uso da tradução era frequente. O 70, linguistas como Michael Halliday,
aluno falava em sua LM o que queria John Firth, Henry Widdowson veem a
expressar em LE e o professor traduzia. O necessidade de não mais centralizar o
aluno repetia o que era traduzido pelo ensino de línguas no simples domínio de
professor direcionando-se à pessoa com estruturas gramaticais e, sim, na
quem queria se comunicar. competência comunicativa dessa. Estudos
linguísticos passam a ver língua como um
Ainda na década de 70, surgiu a
instrumento de comunicação, sujeito às
Abordagem Natural que tinha como
pressões de uso provenientes de diferentes
fundamento as Hipóteses da Aquisição X
situações comunicativas, podendo vir a
Aprendizagem, do Monitor e do Input
alterar algum aspecto de sua estrutura
desenvolvidas por Stephen Krashen na sua
96 gramatical. Surge a Abordagem
Teoria de Aquisição de SL. Na visão dessa
Comunicativa que tem como objetivo
abordagem, a fala deveria surgir

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


desenvolver no aluno competência A Abordagem Lexical surge nos
comunicar-se na língua. O ensino de LE anos 90 (HARMER, 2007). Segundo essa
passa a ser através da comunicação e não abordagem, a língua não consiste em
mais através de um conjunto de palavras gramática ou vocabulário, ela consiste em
ou estruturas. Linguagem autêntica e blocos pré-fabricados de palavras variadas.
atividades que envolvam o aluno em O professor não analisa a LE em sala de
situações de comunicação real (atividades aula, ele concentra a atenção do aluno
comunicativas) são usadas em sala de aula. nesses blocos de palavras. Através dessa
A LM do aluno somente é usada quando abordagem, busca-se a compreensão da
necessária e as quatro habilidades falar, natureza do léxico na forma natural como
ouvir, ler e escrever são trabalhadas sem ele é usado na LE.
ordem de preferência. Chegamos ao século XXI com toda
Harmer (2007) considera a uma gama de abordagens e métodos no
Apresentação-Prática-Produção (PPP) e o ensino de LE propostos, vivenciados,
Ensino de Língua Baseada em Tarefas discutidos, avaliados, repensados ao longo
(TBLT) como modelos de procedimentos de todo esse tempo por pesquisadores,
atualmente usados na sala de aula de LE. linguistas, professores, entre outros, e é
Segundo ele, no PPP o professor inicia desse ponto que os professores de LE têm
uma lição apresentando uma situação que que escolher as opções metodológicas a
contextualiza a LE. Em seguida, o aluno serem utilizadas em sua prática
pratica a LE através de exercícios de pedagógica. Brown (1994), Celce-Murcia
repetição contextualizados. Ao final da e McIntosh (1991), Richards e Rodgers
lição, o aluno formula suas próprias (1999) apresentam a ideia de uma
sentenças. No TBL, primeiramente o Abordagem Eclética onde essa abordagem
professor dá uma tarefa ao aluno para ser não se fundamenta em uma só teoria, pois
realizada e somente quando essa está esses autores acreditam que nenhuma
completa, o professor discute a LE usada abordagem contém toda a verdade.
fazendo as correções e os ajustes Segundo eles, o professor é que sabe o que
necessários. Harmer (2007) afirma, ainda, é bom para um grupo de alunos e o que
que o TBL é uma extensão natural da não é útil. Assim, ele é que deve adaptar
abordagem comunicativa e o PPP, do técnicas novas e velhas de acordo com a
97 Método Audiolingual. sua realidade de ensino. Mas para fazer
isso, é necessário que o professor tenha

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


conhecimento de princípios, métodos,
técnicas de ensino de LE. Somente assim,
ele poderá adaptá-los, de forma sábia, para
sua prática pedagógica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS

ALMEIDA FILHO, J.C.P. Linguística


aplicada: ensino de línguas e
comunicação. Campinas: Pontes Editores,
2007.
BROWN, H.D. Teaching by principle.
Englewood Cliffs: Prentice Hall Regents,
1994.
CELCE-MURCIA, M.; MCINTOSH, L.
Teaching english as a second or foreign
language. New Jersey: Heinle, 1991.
HARMER, J. The practice of english
language teaching. Essex: Pearson
Education Ltd, 2007.
LARSEN-FREEMAN, D. Techniques
and principles in language teaching.
New York: OUP, 1986.
LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de
línguas. In BOHN, H. I.; VANDRESEN,
P. Tópicos em linguística aplicada: O
ensino de línguas estrangeiras.
Florianópolis: Ed. da UFSC, 1988. p. 211-
236.
MARCKWARDT, A.D. Changing winds
and shifting sands. New York: MST, 1972.
NUNAN, D. Language teaching
methodology: a textbook for teachers.
Englewood Cliffs: Prentice Hall Regents,
1995.
PRATOR, C. H. An outline of language
teaching approaches. In: CELCE-
MURCIA, M.; MCINTOSH, L. Teaching
english as a second or foreign language.
New Jersey: Heinle, 1991, p. 3-5.
98 RICHARDS, J.C.; RODGERS, T.S.
Approaches and methods in language
teaching. Cambridge: CUP, 1999.

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


99

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X


100

Revista Perspectiva FGF – 2012.1 |ISSN 2238-524X