Você está na página 1de 26

LETÍCIA MANTOVANI

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE


GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EVENTO
ANUAL

Passo Fundo
2020
2

LETÍCIA MANTOVANI

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE


GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EVENTO
ANUAL

Proposta para Trabalho de Conclusão de


Curso apresentada ao curso de Engenharia
Ambiental da Universidade de Passo
Fundo.

Orientadora: Profª. Msª. Patrícia de Almeida Martins

Passo Fundo
2020
3

AGRADECIMENTOS

Primeiramente а Deus que permitiu que tudo isso acontecesse, ao longo de minha vida,
е não somente nestes anos como universitária, mas que em todos os momentos é o maior mestre
que alguém pode conhecer.
A esta universidade, seu corpo docente, direção е administração que oportunizaram а
janela que hoje vislumbro um horizonte superior, eivado pela acendrada confiança no mérito е
ética aqui presentes.
Aos meus amigos que me apoiaram a não desistir, a minha família pelo apoio e
compreensão nos momentos difíceis ao longo da trajetória.
A minha orientadora Patrícia de Almeida Martins, que dedicou seu tempo para me
ajudar e orientar, obrigada pelo apoio.
A todos que me ajudaram de uma forma ou outra, e me apoiaram, bem como meus
colegas de serviço da Prefeitura Municipal, pela paciência e ajuda, meu muito obrigado!
4

MANTOVANI, Letícia. Diretrizes para elaboração de plano de gerenciamento de resíduos


sólidos em evento anual. 2020. 24 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Ambiental)
- Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo. 2020.

RESUMO

As questões ambientais se tornam cada vez mais relevantes e passaram a ser um desafio
continuo dentro de eventos de categoria social como festivais de música, gastronomia e esporte,
isto devido a quantidade de resíduos produzidos nestes eventos e o consumo de bens finitos
como água e energia. O Brasil normatizou a gestão de resíduos a partir da legislação britânica
BS 8901 e NBR ISO 20121, que prevê a reciclagem de 100% de plásticos, papel, vidro e
alumínio e ainda a compostagem da matéria orgânica putrescível, considerando que apenas o
rejeito seja enviado ao aterro sanitário, garantindo emprego aos catadores de recicláveis e
aumento da vida útil dos aterros e com a ideia principal de tornar seus eventos mais sustentáveis
com adoção de práticas ambientalmente corretas. Pensando nisso, o trabalho visa elaborar
diretrizes para o plano de gerenciamento de resíduos do evento anual do município de Lagoa
dos Três Cantos, com quantificação dos resíduos do evento, por meio de pesagem dos
recicláveis, e volume dos compostáveis.

Palavras-chaves: Eventos sustentáveis.Reciclar. PGRS.


5

MANTOVANI, Letícia. Guidelines for the preparation of solid waste management plan at
an annual event. 2020. Xx f. Completion of course work (Environmental Engineering) –
University of Passo Fundo, Passo Fundo. 2020.

ABSTRACT

Environmental issues are becoming increasingly relevant and have become an ongoing
challenge within social category events such as music, gastronomy and sports festivals, due to
the amount of waste produced in these events and the consumption of finite goods such as water
and energy . Brazil standardized waste management based on British legislation BS 8901 and
NBR ISO 20121, which provides for the recycling of 100% of plastics, paper, glass and
aluminum and also the composting of putrescible organic matter, considering that only the
waste is sent to the landfill, guaranteeing employment for recyclable waste pickers and
increasing the useful life of landfills and with the main idea of making their events more
sustainable with the adoption of environmentally friendly practices. With this in mind, the work
aims to develop guidelines for the waste management plan for the annual event in the
municipality of Lagoa dos Três Cantos, with quantification of the waste from the event, by
weighing recyclables and the volume of compostables.

Palavras-chaves: Sustainable events. Recycle. PGRS


6

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1: Latas coleta seletiva na cidade de Tshwane .............................................................. 13


Figura 2: Ciclo ISO 20121 ....................................................................................................... 17
Figura 3: Fluxogramametodologia...........................................................................................22
7

SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO .................................................................................................................. 8

1.1 Objetivos ............................................................................................................................................. 9

1.1.1 Objetivo geral ........................................................................................................... 9

1.1.2 Objetivo específico ................................................................................................... 9

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA .......................................................................................... 10

2.1 Análise da gestão de resíduos em eventos no mundo .......................................................... 11

2.1.1 SWA Music e Arts festival 2010............................................................................ 11

2.1.2 Rock in Rio............................................................................................................. 11

2.1.3 Green Goal – Copa FIFA 2006 na Alemanha ........................................................ 12

2.1.4 Copa do Mundo da África do Sul - 2010 ............................................................... 12

2.1.5 Gestão em eventos gastronômicos: Festiqueijo de Carlos Barbosa/RS 2007 ........ 13

2.1.6 Olimpíadas 2016 – Rio de Janeiro ......................................................................... 13

2.1.7 Gestão de resíduos no CITYBANK HALL RJ ...................................................... 14

2.1.8 Feira económica de São Pedro 2011 ...................................................................... 14

2.1.9 Destinação de resíduos em outros países ............................................................... 15

2.1.10 Rio de Janeiro – Lei da Coleta Seletiva em eventos........................................... 16

2.2 Norma BS 8901/09 ........................................................................................................................ 16

3 METODOLOGIA ............................................................................................................. 20

3.1 Caracterização do município....................................................................................................... 20

3.2 O evento ............................................................................................................................................ 20

3.3 Procedimento metodológico ....................................................................................................... 21

4 ORÇAMENTO E CRONOGRAMA ................................................................................ 23

5 REFERÊNCIAS ................................................................................................................ 25
8

1 INTRODUÇÃO

Caracterizado por ser um dos principais problemas ambientais, os resíduos sólidos


ganham espaço nas mídias sociais com várias campanhas educativas e de mobilidade social
para redução da quantidade de resíduo gerado diariamente e a efetivação do uso, ou seja, o
reuso e reciclagem destes materiais. A partir da implementação e regulamentação da Política
Nacional de Resíduos Sólidos, PNRS, no Brasil, instituída pela Lei Federal 12.305/10 a
destinação dos resíduos tem critérios a serem cumpridos, como a extinção de lixões e destinação
preferencial dos materiais de Classe II, de acordo com a NBR 10004/04, inertes a cooperativas
de reciclagem para triagem e a destinação apenas dos rejeitos ao aterro sanitário.
Contudo, para que a Lei fosse comprida o governo exigiu que cada município instituísse
seu próprio Plano de Gestão de Resíduos Sólidos, PGRS, bem como, esforço da população para
separação dos resíduos, e adesão ao programa de coleta seletiva, com recolhimento diário dos
resíduos, conforme estabelecido no plano. No município de Lagoa dos Três Cantos o PGRS foi
elaborado no ano de 2014, com meta de revisão a cada 04 anos.
Em concordância ao instrumento de responsabilidade compartilhada e seguindo
diretrizes da gestão de resíduos sólidos observou-se a importância de um Plano de
Gerenciamento de Resíduos no maior evento realizado com periodicidade anual pelo Núcleo
Cultural de Lagoa dos Três Cantos, que oferece ao público da região uma gastronomia típica
alemã, chopp, feira comercial e bandas.
Os referidos Plano de Gerenciamento de Resíduos tem por objetivos a ordem de
prioridades de não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento de resíduos e
disposição final adequada dos rejeitos, além da valoração máxima dos resíduos por meio da
reinserção dos recicláveis à cadeia produtiva de maneira linear. Atualmente o que acontece é a
matéria prima ser extraída, produzir objetos e substâncias, ser consumido pela indústria e
posteriormente pelo consumidor e ser descartada, sendo notório destacar que poderiam ser
empregados procedimentos de redução no impacto da retirada de matérias do meio se houvesse
a reutilização e/ou reciclagem no fim da cadeia de produção. (PNRS, Lei 12305/10).
Para a PNRS o gerenciamento de resíduos sólidos é um conjunto de ações exercidas nas
etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada
dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com
plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos, exigidos nesta Lei.
9

1.1 Objetivos

1.1.1 Objetivo geral

Criar diretrizes para elaboração do plano de gerenciamento de resíduos sólidos em


evento anual do município realizado em virtude do seu aniversário, visando atender à Política
Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela LEI Federal 12.305 de 2010, e incentivar a
separação dos resíduos sólidos recicláveis favorecendo a comercialização por catadores e ou
cooperativas.

1.1.2 Objetivo específico

a) Analisar práticas de gestão de resíduos provenientes de eventos semelhantes;


b) Quantificar e qualificar os resíduos gerados na 19° edição do evento que ocorre no
município de Lagoa dos Três Cantos;
c) Desenvolver estratégias de redução de resíduos para próxima edição 2021;
d) Definir procedimentos que garantam a limpeza e organização do local em 2021;
e) Definir práticas que incentivem a reciclagem de resíduos a partir da destinação aos
catadores em cooperativas em 2021;
10

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A gestão de resíduos sólidos é um tema pertinente em qualquer atividade humana, visto


que a todo tempo estamos gerando materiais que mesmo ao final de sua vida útil ainda podem
agregar valor monetário. Dessa forma, a gestão correta de resíduos e rejeitos tornam qualquer
processo humano mais eficiente e ambientalmente correto. Estas ações perfazem a classificação
correta de resíduos sólidos a partir de uma segregação dos mesmos eficiente, o que somente é
possível se com sensibilização das pessoas envolvidas.

Dentre os principais objetivos da gestão de resíduos está a não geração e maximizar os


resíduos recicláveis pelos instrumentos de coleta seletiva e logística reversa, observando a
responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos materiais usados e sua destinação.
Quando se refere sobre a destinação deve ser observada a classificação segundo as normas da
ABNT.

A ABNT NBR 10.004 de 2004 descreve sobre a classificação de resíduos sólidos e o


define como resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades de origem
industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos
nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em
equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas
particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de
água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente viáveis em face à melhor
tecnologia disponível.
Ainda a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei 12.305/2010, define
resíduos sólidos como material descartado resultante de atividades humanas cuja destinação
final se procede nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e
líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou
em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente viáveis em face da
melhor tecnologia disponível.
A mesma legislação, PNRS, descreve o tema rejeitos como os resíduos sólidos que,
depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos
tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que
não a disposição final ambientalmente adequada.
11

De acordo com as normativas anteriores a NBR 10004 de 2004 classifica os resíduos


sólidos em duas categorias principais, perigosos e não perigosos, quanto ao risco ao meio
ambiente conforme apresentado a seguir:
a) Resíduos Classe I – perigosos: São aqueles que possui características de
inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade;
b) Resíduos Classe II - Não perigosos: São divididos em Não inertes e Inertes;
c) Resíduo Classe II A – Não inertes: são aqueles que não se encaixam na Classe I e
possuem características de biodegradabilidade, combustibilidade e solubilidade em
água;
d) Resíduo Classe II B – Inertes: Qualquer resíduo que em contato com água destilada, em
temperatura ambiente não apresentar nenhum de seus constituintes solubilizados em
água a concentrações superiores a de potabilidade de água.

A referida classificação auxilia na gestão dos resíduos, pois orienta a correta segregação
e destinação correta dos materiais gerados a partir das atividades humanas. Em eventos a
geração de resíduos é significativa, podendo ser encontrado todos os tipos de resíduos.

2.1 Análise da gestão de resíduos em eventos no mundo

2.1.1 SWA Music e Arts festival 2010

Na edição do evento foi disponibilizado na arena em São Paulo uma estação de


reciclagem onde 30 toneladas de resíduo foram separados e prenssados por duas cooperativas
com 133 funcionários para o evento, além de 560 kg de resíduo orgânicos que foram enviados
ao aterro, o trabalho de separação e limpeza foi realizado por 1.171 pessoas. Já na edição do
evento em 2011 o tempo do banho dos participantes foi limitado a 7 minutos estimulado por
aplicativo de celular, mesmo assim foi gasto aproximadamente 100.000 litros de água e 11.000
KW de energia. (Relatório de sustentabilidade SWA, 2010)

2.1.2 Rock in Rio


É um festival de música que acontece em países diferentes e obteve certificação da ISO
20121 em 2013 (SCHUCHMANN, 2019) devido que no ano de 2011 terem sido destinados 74
toneladas de resíduo compostável a usina do Caju, no Rio de Janeiro, antiga usina de asfalto,
onde o resíduo é transformado em energia elétrica e 101 toneladas para reciclagem, o que
significa que 70% dos resíduos gerados foram destinados a reciclagem. Em 2012 a reciclagem
no evento realizado em Lisboa foi de 100%.
12

2.1.3 Green Goal – Copa FIFA 2006 na Alemanha

Em relação a água, devido a um consumo alto nos estádios, por ser necessária em
banheiros e regar o campo e áreas verdes, além de limpeza do local, o gasto na Alemanha foi
reduzido em 20% por meio da construção de três cisternas subterrâneas com capacidade de
1.000m³ e um tanque com capacidade de 350m³ que armazenam água da chuva dos telhados.
Ainda, para auxiliar na redução do consumo também foram instalados mictórios a seco, onde
os odores são recolhidos por meio de sifão, ocasionando redução de consumo de 11%. Nos
lavatórios de mão foram instalados reguladores de fluxo com redução de 3 a 4 litros por uso,
resultando em economia de 4%. Com estas ações houve redução do consumo anual em 42.000
m³ de água potável.

Quanto aos resíduos 70% das cervejas vendidas foram comercializadas em barris
recuperáveis e o restante em não recuperáveis. Em alguns pontos as bebidas como água e
refrigerantes foram servidas em garrafas de vidro retornáveis, em locais de pouca circulação
em garrafas PET e na maioria foram usados copos retornáveis para as bebidas dentro do estádio.
Também foi orientado que lanches como salsichas e carnes fossem vendidas em guardanapo e
temperos fossem disponibilizados em distribuidores (frascos grandes), logo, 80% das refeições
em hotéis foram servidas em louça reutilizável, deixando de gerar 3,2 toneladas de resíduo em
média.

O uso de panfletos e brindes também foi limitado, e muitos patrocinadores optaram em


chamadas e divulgações eletrônicas, além de fazerem adoção a política da coleta seletiva de
resíduos sólidos em todas as áreas do estádio com recolhimento de 1.494 toneladas de resíduo,
sendo que destes 66% era lixo residual que foi enviado ao aterro. (GREEN GOAL, 2006)

2.1.4 Copa do Mundo da África do Sul - 2010

A cidade de Joanesburgo adotou a política da hierarquia: prevenção, redução,


reutilização, gestão de resíduos e reciclagem, assim com o apoio de 214 pessoas, conseguiram
coletar e recuperar 183 toneladas de resíduos, destes 36% era plástico, 32% papel 13% vidro e
20% latas, ficando evidente para os organizadores que para a melhor adesão do público seria
necessário melhor divulgação das ações de segregação do resíduo.

Na cidade de Tshwane foram instalados os recipientes de coleta seletiva, diferenciadas


em vidro, papel, plástico, latas e não recicláveis, tendo a ação boa aceitação do público. Com a
iniciativa foram recicladas 27 toneladas de resíduo, dos quais 31% eram plásticos, 25% vidro,
13

17,3% latas e 26% papel. O transporte foi feito na cidade com bicicletas de reciclagem,
incentivando os munícipes a aderir.

Figura 1: Latas coleta seletiva na cidade de Tshwane

Fonte: Worls cup legacy report, 2011

Já na cidade de Duran houve a reciclagem e reutilização de resíduos na construção,


implantando o plano de gestão em toda a cidade, colocando os coletores de materiais orgânico
e inorgânico, tendo 24% dos resíduos enviados a reciclagem. Na cidade do Cabo, reduziram
20% dos resíduos com implantação do mesmo sistema, investindo em mini instalações de
triagem. (Worls cup legacy report, 2011)

2.1.5 Gestão em eventos gastronômicos: Festiqueijo de Carlos Barbosa/RS 2007

O evento acontece anualmente no mês de julho durante 12 dias divididos em finais de


semana neste mês, e serve ao público um cardápio variado onde os principais pratos levam os
derivados lácteos como queijos, leite e iogurtes, visto que Carlos Barbosa é uma das cidades
referência na micro bacia leiteira, representando 26% de leite utilizado na indústria queijeira.

Devido à grande quantidade de pessoas que circulam na feira e o consumo da


gastronomia local como fonte calórica de sustentação, o plano de gestão visou a composição
gravimétrica da feira em 13 categorias , sendo elas matéria orgânica putrescível, plástico, papel
e papelão, vidro, metal ferroso, metal não-ferroso, madeira, panos e couro, contaminante
biológico, contaminante químico, pedras e cerâmica, misto e diverso, gerando um total de
25.146 kg de resíduos, destes 81% eram vidros provenientes de vinhos e espumantes das 10
vinícolas participantes, podendo eles posteriormente serem higienizados e reutilizados pelas
empresas. (NERY, 2013)

2.1.6 Olimpíadas 2016 – Rio de Janeiro

Uma das primeiras iniciativas da cidade sede foi o fechamento dos lixões de Gramacho,
neste foi utilizado os resíduos para aproveitamento energético de biogás na Petrobras de Duque
14

de Caxias e também o fechamento do lixão de Gericinó. Também a instalação da central de


tratamento de resíduos com capacidade para 9 ton/dia foi significativa pois os catadores
reciclam o possível e mandam os rejeitos ao aterro sanitário. Os catadores também foram
inclusos nos jogos olímpicos, recebendo treinamento para separação dos resíduos, uso de EPIs
e remuneração de R$ 80,00/dia. Com a ação foi selecionado 428.810 kg de material reciclável
gerando um lucro de R$ 458.480,24 (ME, 2017).

Seguindo os conceitos das olimpíadas de 2016, Tóquio no Japão pretendem dar


continuidade ao legado ambiental de sustentabilidade, onde a Toyota usará apenas veículos
elétricos. A Airweave providenciará camas de papelão para os atletas, a mesma tem
componentes plásticos vindos da reciclagem, com esse mesmo material serão construídos os
pódios. Ainda a tocha olímpica será produzida a partir de aparelhos eletrônicos reciclados entre
2017 e 2019 pela prefeitura, extraindo 32 kg de ouro, 3500kg de prata e 2200 kg de cobre.
(MARIOTTI, 2020)

2.1.7 Gestão de resíduos no CITYBANK HALL RJ

Trata-se de uma casa de espetáculos, na cidade do Rio de Janeiro, podendo acomodar


20.000 pessoas, foi realizado em quatro eventos distintos a coleta gravimétrica de resíduos,
gerando 300kg de resíduos, deste 84% correspondiam a recicláveis e apenas 0,87% como
rejeito, o restante era compostável sendo compactados por empresa terceirizada e enviado ao
aterro de Nova Iguaçú. (Aranha, 2011)

2.1.8 Feira económica de São Pedro 2011

Trata-se de uma feira que abrange turismo, artesanatos, automóveis, industrias,


agricultura e atrações musicais, bem como comercialização de bebidas e alimentos. Na edição
da feira foi aplicado um projeto piloto das normas da BS 8901/2009 para organizar pela
primeira vez um evento com marco sustentável. Teve como objetivos gestão, educação e
comunicação ambiental. Para tanto, foi disponibilizado pela organização do evento 5
contentores verdes para vidro, 25 contentores amarelos para plástico e metal, 11 contentores
azuis para papel todos com capacidade de 140 litros e 11 contentores de 1100 litros para
resíduos diferenciados.

Foi divulgado na imprensa sobre o projeto de sustentabilidade, usando as mídias sócias


para divulgação do evento. Ao final foram produzidos 4980 kg de resíduos sólidos em 8 dias
de feira, destes 42% foi reciclado, sendo 560 kg de vidro, 1100 de metal e plástico, e 440 kg de
15

papel, sendo que os outros 58% foram acondicionados no local como resíduo indeterminado.
(Eixo ecologia, 2011)

2.1.9 Destinação de resíduos em outros países

A Alemanha deu o primeiro passo na redução de resíduos, quando sediou a copa em 2006,
porem desde 2005 proibiu a destinação de resíduos sem tratamento prévio a aterros, e pretendia
zerar a destinação ao aterro até 2020, pois esses têm alto calor calorifico e podem ser destinados
a incineração, gerando energia que pode abastecer casas, ou iluminação pública. Em 2011 46%
dos resíduos eram reciclados e 17% eram destinados a compostagem. Atualmente produzem
em média 127 mil ton/dia de resíduo, o equivalente a 2, 11kg/hab. dia.

O Japão gera 114 mil ton/dia de resíduo, 1,77kg/hab. dia, em 1970 aprovou a lei de gestão
de resíduos e passou a reduzir, reciclar e reutilizar. Existem 1,2 mil incineradores no país, e
Tóquio processa 200 ton/dia de lixo. As garrafas pet são produzidas a partir de plástico
reciclado, também reciclam seus eletrodomésticos, separando suas partes.

Em Estocolmo, capital da Suécia, todas as casas têm coleta seletiva, com coleta a vácuo,
sistemas subterrâneos que levam o resíduo a áreas de segregação. Com esse processo há redução
de 40% nos custos municipais com transporte e coleta de resíduos (Revista em discussão, 2019).

Em San Francisco nos Estados unidos, a produção de resíduos per capita é de 2,58
kg/hab.dia, a meta é zerar a destinação de resíduos ao aterro em 2020, para isso investiram em
educação ambiental nas escolas, e baniram o uso de sacolas plásticas, além de redução de custos
de taxa de limpeza urbana para quem fizer compostagem. (Revista em discussão, 2019)

No Brasil em 2008, segundo IBGE cada pessoa produz 1,36 kg de resíduo por dia, um
total de 183,6 milhões de ton/ano, reciclando apenas 3% deste total, deixando de arrecadar R$
mais de 8 milhões por ano. A gestão de resíduos fica sob responsabilidade das prefeituras em
58% dos municípios e 26% terceirizam para empresas particulares, muitas cidades fazem o
apoio a cooperativas de catadores. (Rede Juntos, 2015).

A gestão de resíduos se tornou peça importante na gestão dos municípios, uma vez que a
destinação dos resíduos sólidos urbanos, tem um custo agregado para destinação em aterros
sanitários que representava em 2013 para o município de Lagoa dos Três Cantos de
aproximadamente R$7.500,00 mensais (PMSB, 2014). Com isso, muitos países e cidades
implantaram a coleta seletiva para beneficiar catadores e cooperativas de reciclagem, bem como
algumas implantaram tecnologias que transformam o resíduo orgânico em biogás ou usaram o
16

poder calorifico para gerar eletricidade e abastecer prédios públicos, casas e iluminação pública,
deixando de destinar a aterros, que estão em seu limite e transformando em energia.

A coleta seletiva se tornou lei para as cidades a partir da PNRS, sendo por isso implantado
em várias cidades no Brasil, sendo obrigatória hoje para eventos no Rio de Janeiro. (CdB, 2019)
a gestão de resíduos em grandes eventos se tornou obrigação no mundo a partir da Norma
Britânica BS 8901 de 2009. No Brasil instituída pela Norma da ABNT ISO 20121, porém neste
País ainda não ganhou repercussão.

2.1.10 Rio de Janeiro – Lei da Coleta Seletiva em eventos

No Rio de Janeiro a coleta seletiva em eventos é lei, com mais de 1000 pessoas, os
produtores do evento devem entregar o plano de gerenciamento de resíduos. No documento
deve conter a estimativa de geração e definição das metas utilizadas para a redução, bem como
deve contatar cooperativa de reciclagem mais próxima para limpeza, triagem, armazenamento
e destinação adequada. (CdB, 2019)

2.2 Norma BS 8901/09

Trata-se de uma norma britânica que especifica um sistema de gestão sustentável para
eventos realizados pelo Reino Unido em parceria com o Brasil por meio da ABNT, em 25 de
julho de 2009, especialmente voltada para empresas produtoras de eventos, coordenadores,
gerentes de hotéis e restaurantes locais e instalações esportivas de modo que os eventos adotem
um sistema de gestão eficiente em relação a responsabilidade ambiental, social e econômica,
mesmo não sendo obrigatória a sua implantação.

A normativa foi lançada para certificar as olimpíadas de Londres em 2012, podendo ser
adotada para eventos de qualquer tamanho, sendo que os critérios adotados são para
megaeventos com mais de 5.000 pessoas, podem ser facilmente adotados por eventos de menor
magnitude. A gestão deve ser levada em consideração em todas as fases do evento, desde o
planejamento até o pós evento, desafiando os promotores a melhoria continua, possibilitando
corrigir erros, que se não manejados podem comprometer o evento de modo negativo,
impactando na visão social e ambiental do mesmo. O modelo de gestão da ISO 20121 aborda
um ciclo abaixo:
17

Figura 2: Ciclo ISO 20121

Act Plan

Check Do

Fonte: Branco, 2017.

Quando se refere ao primeiro item do “Plan” - planejamento há subdivisão em 6 fases:

a) Identificar e engajar as partes interessadas;


b) Determinar o sistema de gestão;
c) Definir os princípios do desenvolvimento sustentável;
d) Escolher e documenta-los;
e) Designar funções e responsabilidades;
f) Estabelecer objetivos e metas.

No contexto de “Do” - fazer, subdivide-se em 4 etapas:

a) Fornecer recursos e assegurar competências;


b) Manter a comunicação interna e externa;
c) Criar e manter documentos e procedimentos para efetivação;
d) Estabelecer e implementar processo para controle operacional;

Quando mencionada a fase de “Check”- verificar- deve se monitorar e avaliar o


desempenho do sistema, incluindo auditorias internas e revisão do processo, e na fase de “Act”
– agir -devem ser identificadas as não conformidades e tomar medidas corretivas. (ISO 20121,
2012; BRANCO, 2017)

Dentre os benefícios citados pela norma está a diminuição de custos associados a água
e energia, parcerias com catadores e cooperativas para recolher e reaproveitar excedentes,
redução da pegada de carbono, encaminhamento adequado dos resíduos gerados, menor
utilização de recursos naturais, contribuindo para uma maior conservação dos recursos e melhor
qualidade do meio, dado a diminuição de resíduos dispostos de maneira incorreta. (ISO
20121,2012; BRANCO, 2017)
18

Como meta de ser um dos jogos mais sustentáveis que seguiram a BS 8901/09, os Jogos
Olímpicos e Paraolímpicos que ocorreram em Londres no ano 2012, promoveu jogos de baixo
carbono, onde relataram o problema de um mundo afetado por mudanças climáticas. Jogos
livres de resíduos com objetivo de minimizar os resíduos, maximizar a reciclagem e
recuperação, com tecnologias limpas além de promover a educação ambiental através de
diálogo e atividades culturais. (LONDON, 2012). Houve ainda a regeneração do parque
olímpico em Lower Lea Valley e despoluição de rios por meio de dragagem, o sistema viário
também foi ampliado, e incentivo pesquisa e aplicação em tecnologias verdes pela população,
e indicadores sociais, ambientais.

Tendo por base a estimativa de geração de resíduos, há uma preocupação em relação a


sobrecarga dos serviços de limpeza urbana da cidade e com o destino dos mesmos a aterros
sanitários, visto que não é uma solução econômica nem atende a legislação vigente de valoração
por meio da reciclagem. Para atender a legislação federal Lei 12.305/10 – Política Nacional de
Resíduos Sólidos, ainda que não exigida por lei municipal, o plano de gerenciamento de
resíduos em eventos vem se tornando uma opção para grandes eventos, podendo ser seguido
pelo manual para gestão integrada e sustentável dos resíduos sólidos em eventos, lançado em
2014 pela ICLEI – Governos locais pela sustentabilidade.
Este manual é dividido em 8 tópicos que envolvem o estabelecimento de objetivos,
envolvimento de parceiros, conhecimento dos resíduos, formas de eliminação de resíduos,
definição de destinação dos resíduos, organização do descarte, caminho dos resíduos,
motivação do público, e avaliação final dos pontos fortes e fracos.
A metodologia do Plano de gerenciamento de resíduos em eventos objetiva de forma geral
garantir a limpeza e organização da área, mesmo que equipes o façam após o termino do evento,
por meio do apoio de mais lixeiras, cerca de uma (1) para cada 70 pessoas, aliada a uma correta
separação dos resíduos, pelo menos em duas classes (orgânico e inorgânico), na área de
comercialização de alimentos e uma lixeira para alumínio nos locais de comercialização de
bebidas em latas. Contudo sabe-se que mesmo aumentando o número de lixeiras, necessita-se
que servidores de limpeza façam o recolhimento frequente dos sacos cheios e levem a locais de
triagem cobertos para que seja feita a separação. Para isso devem ser identificadas as lixeiras
com cores diferentes e dever ser feita descrição do tipo de resíduo na lata, ou saco plástico.
A metodologia prevê determinar a composição gravimétrica, sendo que quando as lixeiras
estiverem cheias pessoas contratadas pela organização farão o recolhimento em todos os setores
e acondicionamento em local afastado da circulação de pessoas. Após o termino do evento será
19

feita a separação e pesagem dos resíduos, sistematizados por grandes grupos. E em seguida
calculada a percentagem de cada grupo (latas, plástico, papel e não reciclável).

O material de publicação como adesivos, folders, banners, e papeis e rascunhos usados


no planejamento do evento também devem ser contabilizados. Porém não são levados em
consideração os resíduos gerados na construção de estandes e pavilhões, devido ao serem lonas
e alumínio desmontável e reutilizável.

Quanto ao município que sedia o evento, é identificado se o mesmo ainda possui lixões
ilegais ou se os rejeitos são enviados para aterros, se há iniciativas com catadores e/ou
cooperativas de reciclagem e se há coleta seletiva na cidade.
20

3 METODOLOGIA

3.1 Caracterização do município

O município de Lagoa dos Três Cantos, está localizado na região norte do Rio Grande do
Sul e tem uma população de 1649 habitantes (IBGE 2016), com uma densidade demográfica
de 11,54hab/km² (FEE, 2010). E economia voltada diretamente ao setor agrícola, tendo
potencial em atividades leiteira e granjas de suínos e aves.

Predominância da etnia alemã vindos da Alemanha, e se instalaram próximo a uma lagoa


triangular, por isso o nome do município, trazendo com eles a cultura típica, que também se
instalou pela região nas cidades vizinhas de Carazinho, Não – Me - Toque, Selbach e Victor
Graeff. Por sua colonização ser alemã, a população tem por natureza costumes típicos como a
valorização da gastronomia e música, algo que originou em 2001 a primeira Lagoa Fest,
trazendo a junção de todas essas tradições e se mantem estando em sua 19º edição.

3.2 O evento

A LAGOA FEST é um evento que movimenta todo o município e a região, ocorre


anualmente em março, em virtude do aniversário do município, tem duração de três dias, de
sexta-feira a domingo, sendo realizado pelo Núcleo Cultural de Lagoa dos Três Cantos, uma
entidade sem fins lucrativos responsável pelas demais associações e comunidades, envolvendo
grande número de pessoas para organização.

A festa recebe público da região, dentre eles vários feirantes e expositores que trazem
novidades em vestuário, calçados e acessórios. No local é comercializado vários tipos de
alimentos da gastronomia típica alemã com cucas, salame, bem como fast foods, além da
comercialização de bebidas como refrigerantes, água e a principal bebida do evento, o chopp
comercializado em barris retornáveis.

Sendo um evento gastronômico, com comercialização de chopp e atrações de músicas com


bandas típicas, aglomera-se um grande número de visitantes que se aproxima de 10.000 pessoas,
distribuídas nos 3 dias, com tempo de permanência média de 6 horas/dia, gerando uma
estimativa de 1000 kg de resíduos, sendo que a geração per capita do município é de 0,42
kg/hab. dia (PMSB,2014)
21

3.3 Procedimento metodológico

Para o desenvolvimento da pesquisa serão realizadas visitas ao local, previamente, durante


e após o evento, com o objetivo de orientar e definir estratégias de gestão de resíduos conforme
a necessidade do evento.

Nos meses de planejamento do evento serão separados os rascunhos, folders e papéis,


picados em fragmentadora própria para esse fim e pesados ao final de cada semana.

Inicialmente irá ser realizada a quantificação e qualificação do resíduo sólido gerado na


edição do ano de 2020 a partir da técnica de amostragem de resíduos sólidos, NBR 1007 de
2004, dos resíduos inorgânicos, papel, papelão e metal gerados pelo público visitante, a partir
do acompanhamento da coleta de resíduos pela empresa contratada para esse fim, com
determinação do local de acondicionamento. Quanto aos resíduos orgânicos não processados
serão quantificados por volume em bombonas próprias, do restaurante presente no evento.

Com base nos dados levantados da quantificação e qualificação dos resíduos sólidos serão
propostas ações de redução na geração de resíduos nas fases de planejamento e ocorrência do
evento, apoiadas em ações apresentadas na revisão bibliográfica, experiências semelhantes e
nas metodologias estabelecidas pela norma BS 8901/09 bem como ISO 20121.

Para a elaboração das diretrizes do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos será


utilizado o escopo proposto pela ICLEI – Governos locais pela sustentabilidade no ano de 2014,
que propõe um planejamento de gestão de resíduos em eventos, por meio do estabelecimento
de objetivos, como a não geração de resíduos, ou economia de água e energia, envolvimento de
parceiros como as entidades responsáveis e a equipe da limpeza, o plano é voltado a estimativa
dos resíduos, que é baseada pela geração per capita do município e população estimada.

A partir do conhecimento da quantidade de resíduos estimada e real, prevê-se como poderá


ocorrer a redução, qual a melhor destinação, e como motivar o público a colaborar com a
limpeza e separação.

Ao final será avaliado os pontos positivos e negativos do que ocorreu na edição de 2020 e
o que poderá ser melhorado para os próximos eventos. O fluxograma abaixo mostra as etapas
descritas na metodologia acima.
22
Figura 3: Fluxograma metodologia

Pesagem de folders e Quantificação e Volume dos compostáveis


rascunhos qualificação dos resíduos
no evento Bombonas
Fragmentados

Observação na
metodologia ISO
20121

Proposta de ações de
redução

Plano de gerenciamento
de resíduos

Estabelecimento Envolvimento Estimativa de


ECLEI
de Objetivos de parceiros geração

Motivação do público, meios de redução, melhor


destinação e avaliação final
23

4 CRONOGRAMA E ORÇAMENTO
O cronograma das atividades envolvidas no Trabalho de Conclusão de Curso está
apresentado no Quadro 1Quadro 1.

Quadro 1: Cronograma da pesquisa.


2020
ETAPAS
Março Abril Maio Junho

Revisão de literatura

Entrega da proposta

Apresentação da proposta

Atividades

Entrega final do TCC

Defesa do TCC

Dentre as atividades que serão realizadas no período de abril a maio está a avaliação da
edição de 2020, e elaboração do plano de gerenciamento de resíduos para o evento da próxima
edição, 2021, que também poderá ser usado para eventos menores do município, visto que o
Núcleo Cultural, representa as demais entidades que também realizam anualmente as suas
festividades, com menor público.

O orçamento da pesquisa está descrito na Tabela 1Tabela 1.


24

Tabela 1: Orçamentação da pesquisa.


Análises/equipamentos Quantidade Preço unitário Preço Total (R$)
(R$)
Balança digital 1 unidade 50,00 50,00
Sacos de rafia 300 unidades 1,00 300,00
Deslocamento 10 vezes 10,00 100,00
Impressão 5 cópias 30,00 150,00
TOTAL GERAL 6000,00
25

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. (2004). NBR 10004: resíduos


sólidos – classificação. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 20121: sistemas de


gestão de sustentabilidade em eventos. Rio de Janeiro: ABNT, 2012.

Aranha, Debora C. Coleta seletiva em eventos de grande porte. Universidade Estadual do


Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2011. 79p.

Branco, Arlene. Turismo: práticas sustentáveis de empresas organizadoras de eventos em


Fortaleza-Ceará. Fortaleza/CE, 2017. 107p.

CdB – Correio do Brasil. Lei obriga grandes eventos a fazer coleta seletiva de lixo. Rio de
Janeiro, 2019.

Eixo ecologia – Agência de ecologia urbana do eixo atlântico. Relatório de sustentabilidade


Feira Económica de São Pedro. Macedo dos Cavaleiros, 2011. 14p.

GREEN GOAL - Relatório legado - World Cup Otto-Fleck-Schneise 6a, D-60528 Frankfurt /
Main , 2006. 122P.

IBGE. Pesquisa por número de habitantes (PNAD), 2016

IBGE- Estimativas populacionais dos municípios em 2008. Disponível em:


<agenciadenoticias.ibge.gov.br>. Acesso em:15 mar. 2020
ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade. Planos de gestão de resíduos sólidos:
manual de orientação. Brasília, 2012. 156p.

ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade. Manual para gestão integrada e sustentável
de resíduos sólidos em eventos. São Paulo, 2014. 80p.
26

MARIOTTI, J. Tóquio 2020: uma olimpíada pautada em sustentabilidade. Disponível


em:<https://www.consumidormoderno.com.br/2020/01/09/olimpiada-2020-
sustentabilidade/>. Acesso em: 09 mar. 2020

ME - Ministério do Esporte. Relatório final contendo descrição sobre as atividades


realizadas, análise crítica acerca da realização das mesmas e apresentação de abordagem
relacionada ao Legado de Sustentabilidade dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016.
Brasília, 2017. 64p.

PMSB – Plano Municipal de Saneamento Básico. Município de Lagoa dos Três Cantos/RS,
2014. 779p.

Relatório de sustentabilidade SWA, 2010. São Paulo, 201. 48p.

REVISTA GESTÃO SUSTENTAVEL AMBIENTAL. Gestão de resíduos em eventos:


Paranaíba/MG, Florianópolis v. 5, n. 2, p. 310-326, out.2016/mar. 2017.
REVISTA EM DISCUSSÃO. Como alguns países tratam seus resíduos, Brasília, 2019.

REVISTA ROSA DOS VENTOS. Geração de resíduos sólidos em evento gastronômico: o


Festiqueijo de Carlos Barbosa, RS, 5(2), p. 264-279, abr-jun, 2013.

SCHUCHMANN, Carla, SCHUCHMANN, Beatriz Mônica. Um estudo sobre


sustentabilidade em eventos – Rock in Rio. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do
Conhecimento. Ano 04, Ed. 03, Vol. 03, pp. 69-77. Março de 2019. ISSN: 2448-0959.

World cup legacy report, 2011. Disponível em:<


http://www.wrap.org.uk/sies/files/wrap/WRAP%20London%202012%20Legacy%20Transfer
%20Report%20-Event%20Waste%20Management.pdf> Acesso em: 03/03/2020

Você também pode gostar