Você está na página 1de 9

Recensão Crítica

Saber Ver a Arquitectura


Bruno Zevi

1
Identificação

Título do Livro: Saber Ver a Arquitectura

Título Original: Saper Vedere L’Architettura

Autor: Bruno Zevi

Editora: Martins Fontes

Cidade de Edição: São Paulo

Ano de Edição: 1996

Tradução: Maria Isabel Gaspar e Gaëtan Martins de Oliveira

Índice do livro:
Capítulo Um: A ignorância da arquitectura

Capítulo Dois: O espaço, protagonista da arquitectura

Capítulo Três: A representação do espaço

Capítulo Quatro: As diversas idades do espaço

Capítulo Cinco: As interpretações da arquitectura

Capítulo Seis: Para uma história moderna da arquitectura

2
Capítulo V – As interpretações da arquitectura

Zevi escreve neste capítulo que as ideias mais brilhantes na


arquitectura não estão nos livros de crítica da arquitectura, mas
dispersos noutros livros sobre outros temas.
Os críticos de arquitectura além de apenas não falarem do espaço
interior, de acordo com Zevi ainda prejudicam a importância que este
deveria ter.
O autor pretende investigar qual a relação entre a interpretação
espacial da arquitectura e outras interpretações. Para isso, Zevi explicita
então quais são as principais interpretações arquitectónicas. Pondero
que todas estas interpretações pretendem em confronto encontrar o
âmago da questão interpretativa da arquitectura.

Interpretação política

Alguns autores acreditam que os episódios da vida política não são


apenas um esboço para o quadro do trabalho, mas sim que
arquitectura está intimamente dependente dos acontecimentos
políticos.
Usando o exemplo da idade de ouro da arquitectura grega e gótica,
na Inglaterra, este tipo de interpretação acredita que há uma relação
causal entre os acontecimentos políticos e arquitectura.

A interpretação filosófico-religiosa

Os autores argumentam seguir esta abordagem, como escreve Zevi,


que "a arquitectura é o aspecto visual de história". A interpretação de
filosófica e religiosa, nesse sentido, tem algumas semelhanças com a
interpretação política porque acredita que alguns factos são uma
forma de fazer arquitectura.
Neste ponto de vista religioso e filosófico estão subjacentes mudanças
significativas da forma arquitectónica. Entre os exemplos o autor cita
uma da Reforma Protestante na Inglaterra, resultando numa profunda
mudança nos edifícios que vão desde o gótico à cultura georgiana
com o que ele chama de nudismo "protestante".

A interpretação científica

Há uma área particular do positivismo científico, que enfatiza as


semelhanças entre os conceitos matemáticos e geométricos e os da
arquitectura. A matemática, em particular, tem uma influência decisiva
sobre a forma da arquitectura.
A lei do espaço renascentista é determinado pelo uso da perspectiva,
enquanto a "quarta dimensão" cubista determina uma nova
abordagem para a construção, que segundo o autor, é

3
particularmente evidente na escolha de Le Corbusier na Villa Savoie
para ficar sobre pilotis. Escolha esta que rompe com a distinção entre a
fachada principal, fachadas laterais e fachada traseira, que estava
implícita na representação da perspectiva.

A interpretação económico-social

Outra parte do positivismo acredita que a crítica à expressão


arquitectónica deriva do contexto socioeconómico. O argumento
contra esta interpretação é que se alguém tiver condições
socioeconómicas, historicamente semelhantes, as formas que a
arquitectura expressa são semelhantes.
Neste capítulo o autor discute vários estilos arquitectónicos,
destacando a origem económica e social, bem como paralelismos com
expressões similares em diferentes idades.
Um exemplo é que esta interpretação encontra paralelismos entre o
classicismo italiano e as Manor Houses da Virginia e de Maryland, ou nas
vilas “romanas” das plantações. Em todos estes casos, existe uma
oligarquia que detém todos os privilégios feudais, sem responsabilidade
social e uma classe de comerciantes que perderam o espírito de
iniciativa, pretendendo criar uma classe nobre através dos edifícios.

Interpretações materialistas

Além das importantes interpretações descritas acima, existem outras


interpretações que o autor expõe como a positivista secundária sendo
a categoria das interpretações materialistas.
A primeira delas afirma que os edifícios, a sua morfologia em particular,
são influenciados pelas condições geográficas e geológicas em que
eles surgem. Por exemplo, a ausência de espaço interior do templo
grego vem do facto de que o clima permitia a realização de cerimónias
religiosas ao ar livre ou de que a inclinação dos telhados dos edifícios
aumenta consoante se deslocam para o norte do globo terrestre onde
o clima mais rigoroso e chuvoso obriga a tomar medidas defensivas. A
escolha dos materiais de construção também depende da localização
e da presença destes.
Alguns autores consideram essas considerações mais amplas ainda
sobre a terra e, de acordo com o autor, ainda mais arbitrárias, como
considerações sobre o impacto da inclinação do sol e da consequente
predominância de certas decorações mais do que outras.
O edifício deve cumprir os requisitos. Zevi, no entanto, alega que a
interpretação utilitarista só faz sentido se ampliarmos os horizontes
também psicológicos e espirituais. Por exemplo o Taj Mahal que visa dar
um tributo de amor de um homem para sua esposa.
Outra área de positivismo sustenta que a pesquisa arqueológica é a
base do desenvolvimento da arquitectura de do século XV. O
nascimento da Renascença italiana, de acordo com esta

4
interpretação, surgiu na descoberta, no Mosteiro de São Gallo, por
Poggio Bracciolini dos textos antigos de Vitrúvio.

A interpretação técnica

O autor acredita que de entre todas as interpretações positivistas, a


técnica é a que prevalece. Embora seja verdade que a história de um
monumento não pode ser dissociada da história da técnica de
construção, não se pode dizer que arquitectura continua a evoluir de
acordo com a evolução das técnicas de construção.
Na verdade, afirma Zevi, que muitas vezes as formas repetem uma
técnica já superada pelos factos. O autor observa que essa
contradição está presente também na construção de betão armado
contemporâneo, onde muitas vezes o potencial deste material é
utilizado em colunas e vigas que são típicas de construção metálica,
em vez de betão. Para resolver esses conflitos composição
arquitectónica os manuais de composição arquitectónica sugerem a
distinção entre a construção real e a construção aparente.
A construção deve não só assegurar uma estabilidade estática eficaz,
mas também comunicar a força do sentimento ou transmitir uma
sensação de solidez para o visitante. Esta distinção, que não é
compartilhada por Zevi acredita que uma nova técnica deve também
seguir uma nova sensibilidade estrutural, como indicado pelos
modernistas.

As interpretações fisiopsicológicas

O autor considera que não vale a pena dedicar o tempo excedente


às interpretações psicológicas, consideradas como "genéricos
evocações literárias de estados de espírito” produzidas pelos estilos
arquitectónicos.
Zevi considera que é fundamental o conceito de Einfühlung, segundo
o qual a emoção artística associando as formas de identificação com o
espectador, olhando para as formas arquitectónicas humanizando-as.
A simpatia simbólica tentou transmitir um conceito científico de que
certas formas são necessariamente determinadas por sentimentos em
espectadores. O autor explicita o conceito conforme os elementos
geométricos:
- A linha horizontal. Ela dá uma sensação de imanência, o racional e
intelectual. É assim porque é paralela à terra, à linha ao longo da qual o
homem caminha.
- A linha vertical. É o símbolo do infinito. O homem ao segui-la, pára,
olha para o céu desligando-se da sua orientação normal.
- As linhas rectas e curvas. As linhas rectas significam decisão, rigidez e
força. As curvas representam a decoração, a flexibilidade ou hesitação.
- O cubo. A integridade porque as dimensões são todas iguais.
- O círculo. O equilíbrio.

5
- A elipse. Móvel e irrequieta.
A filosofia da empatia deu prestígio às interpretações anteriores:
-Interpretação das proporções segundo a qual há uma escala musical
relacionada à fisiologia humana.
-Interpretação geométrica-matemática onde os autores mais
significativos, de acordo com Zevi, limitam-se a referir a geometria
latente em muitas composições arquitectónicas.
-Interpretação antropomórfica que justificava as ordens pela sua
concordância com o corpo humano.
A teoria da Einfühlung investe todo o edifício. Segundo esta a crítica
da arquitectura tem como objectivo transferir o espírito do edifício.
O Einfühlung através do método de identificação de formas humanas
mostrou que a arquitectura se move constantemente sob o sol numa
volta contínua.

A interpretação formalista

A estética tradicional de uma longa série de leis deve obedecer a


composição arquitectónica. Zevi analisa a sua coerência:
-A unidade. Cada composição deverá ser uma das ligações dos seus
componentes. Compor no entanto, é o oposto do justapor. Dois
elementos não apontam a unidade mas a dualidade.
-A simetria. É basicamente um sub-equilíbrio no que diz respeito aos
edifícios de carácter axial. Edifícios assimétricos, como o Pavilhão de
Mies van der Rohe, em Barcelona devem obedecer à lei do equilíbrio.
-O equilíbrio ou o “balance”. É a apreciação da simetria na
arquitectura irregular, sem eixos. Neste entendimento deve haver um
equilíbrio na composição em relação a um eixo, mesmo sendo esse
invisível. De ambos os lados devem ter o mesmo peso. Zevi cita como
exemplo a Torre del Mangia em Siena, que tem o mesmo peso do
edifício que está á sua direita.
-A ênfase ou acentuação. Cada composição requer a presença de
um centro de interesse visual, um ponto focal.
Embora haja excepções, como o Coliseu ou o arranha-céu de
Filadélfia, a maioria dos edifícios têm esse centro.
-O contraste. A unidade deve ser entendida como um conjunto de
elementos contrários. Para que um edifício viva são importantes as
linhas verticais e horizontais, os cheios e vazios, para criar contrastes. No
entanto há sempre uma necessidade de predominância de cada
elemento, ou um terceiro tipo, tal como o arco.
-A proporção. É o meio pelo qual se divide o edifício para alcançar o
equilíbrio.
-A escala. Um edifício pode ter uma grande escala mas parecer de
escala menor. Há também edifícios que têm a sua escala própria
consoante a sua envolvente. O exemplo mostrado é que a igreja de St.
Patrick, em Nova York, onde o seu tamanho em comparação com os
arranha-céus ao redor cria um interesse pelo edifício.

6
-A expressão ou carácter. Deve ser capaz de se familiarizar com os
estilos arquitectónicos, com o objectivo de compreender a expressão
do arquitecto, mesmo dentro de um estilo particular, comunicando
através do traço da arquitectura. Nesta lógica por exemplo temos o
arquitecto Borromini de carácter calmo, mesmo no contexto da
arquitectura barroca em movimento. Um edifício deve expressar o que
é, a sua intenção.
-A verdade. Cada edifício deve ser coerente com a verdade, tendo
em conta que ele comunica. Deve ser então evitada a consideração
de valores associativos ou simbólicos, como indicadores da verdade de
um edifício. Por exemplo as janelas de uma agência bancária devem
limitadas ao máximo para transmitirem a sensação de
impenetrabilidade mesmo comprometendo o seu funcionamento
técnico, o que demonstra falta de verdade do edifício.
-A propriedade. Neste contexto, Zevi considera a denúncia da
estrutura e a relação que estrutura deve cumprir com a função
extremista, sendo que considera com um valor maior que verdade
estrutural a capacidade de caminhar sobre um piso do que ver a sua
estrutura.
-A urbanidade. É a qualidade que, de acordo com Zevi, falta aos
arquitectos que acreditam que a arquitectura é apenas uma expressão
da sua individualidade absoluta e sem referência ao contexto.
Considera então que os arquitectos não têm sempre sensibilidade
urbana e que se eles sentem a necessidade de sobressair, para serem
originais a todo o custo. O resultado desta abordagem é que as
paisagens criadas por essas arquitecturas, cheias de contrastes,
acabam sendo menos habitáveis e mais monótonas que outras que
encontrados em algumas cidades do séc. XIX, aparentemente de
desenho urbano mais uniforme.
-O estilo. O autor alega que não é possível para criar obras num estilo
antigo, caducado comparando-a com o uso da linguagem. Para se
expressar o arquitecto deve usar a linguagem, deve ser entendido e
evitar expressões "arcaicas". O que significa que o estilo não é imutável
e estático. Zevi como cada arquitecto usa o estilo, que é semelhante à
linguagem, de modo individual e pessoal.
Além dos mencionados até agora, o autor também aponta o
conceito, difícil de traduzir para livability que significa a habitabilidade
num sentido material e psicológico. Além disso, também revela o
design, concebido como uma relação harmonia entre as partes que
fazem o mesmo.

A interpretação espacial

O conteúdo assinala que as interpretações arquitectónicas estão


divididas em três amplas categorias:
- Interpretações relativas ao conteúdo
- Interpretações fisiopsicológicas

7
- Interpretações formais
Estas interpretações ainda que interessantes não são suficientes para
compreender a diferença entre uma obra de arte e outra porque
carecem de caracterização.
O autor acredita que na arquitectura desenvolveram-se teorias
antropomórficas e fisiopsicológicas como uma tentativa de dar
conteúdo às formas humanas. As opiniões expressas por esses métodos
referem-se ao volume, as massas murais e decoração. No entanto o
espaço aqui fica de fora.
Zevi cita então uma passagem de Geoffrey Scott, que compreende,
segundo o autor, a importância do espaço. A arquitectura lida
directamente com o espaço, usa-o como material e coloca-nos no seu
meio. O espaço, de acordo com Scott, é um "nada" que muitas vezes
ignoramos. Mas este "nada" é a base para muito do prazer que
recebemos da arquitectura. Nós instintivamente adaptamo-nos aos
espaços onde estamos, projectamo-nos neles, preenchemo-los
idealmente com os nossos movimentos.
Não é possível, tendo em conta Scott, estabelecer a proporção fixa do
espaço como arquitectónicamente correcto. O valor afecta centenas
de considerações do espaço. Além do tamanho, por exemplo, Scott
também menciona a luz e a posição das sombras, mudando ao longo
do dia e das estações do ano, a cor, as nossas próprias expectativas,
especialmente em relação ao espaço visitado anteriormente.
As conclusões de Geoffrey Scott segundo Zevi:
- O valor do espaço próprio, original, da arquitectura e interiores
- Todos os outros valores, volumétricos, plásticos e decorativos
aplicáveis apenas em relação ao espaço de valor.
- O espaço de valor é afectado pelos mesmos elementos do valor
utilitarista, ou vazio.
Agora a pergunta que se coloca é: qual é o conteúdo da
arquitectura? Qual o espaço de conteúdo?
O conteúdo da arquitectura é o espaço, ou espaços dos homens
vivos. O conteúdo da arquitectura é portanto o seu conteúdo social.
A função, a tecnologia e a arte não são só três fases distintas da
arquitectura mas um conjunto interligado de raciocínio onde o
arquitecto deve jogar em harmonia.
A conclusão que retiramos do capítulo é que no domínio da
arquitectura o que dirige e é substancial é o espaço.
Concluindo, as interpretações são interessantes e relevantes mas nelas
devem ser indicados os valores de espaço. A interpretação espacial
não é uma interpretação própria, separada das outras, mas uma
espécie de fio condutor que intercala as interpretações, um género de
interpretação nobre.
O espaço não só não exclui outras interpretações, mas agrega-lhes
valor, mostrando-lhes a validade, desde que assumam o espaço.
Outra conclusão com que nos deparamos é que a arquitectura, os
valores sociais, psicológicos e formais materializam-se no espaço.

8
Entender o espaço significa compreender todas as realidades de um
edifício.
Quem vai investigar a natureza do homem e da arquitectura tem
como ponto de partida uma abordagem integrada e um entendimento
que tem como centro um espaço de análise métrica do espaço.