Você está na página 1de 209

Workbook

Fundamentos de tecnologia de corte a laser

Máquinas de corte
a laser 2D
Workbook

Máquina de corte
a laser 2D
Fundamentos da tecnologia de corte a
laser

Edição 08/2007
Informações para Especifique o título do documento, o idioma desejado e a data
de edição.
pedido
TRUMPF Máquinas Indústria e Comércio Ltda.
Avenida Juruá, 150, Alphaville, Barueri, SP.
Telefone: +55 11 4133-3560
Telefax: +55 11 4195-8832
Internet: http://www.trumpf.com.br
E-mail: treinamento@trumpf.com.br

Este documento foi editado pelo setor de Documentação Técnica da TRUMPF


GmbH + Co e traduzido pela TRUMPF Máquinas Ind. Com. Ltda.

Todos os direitos sobre esta documentação pertencem à empresa TRUMPF GmbH


+ Co. principalmente o direito de reprodução e distribuição, bem como o da
tradução, incluindo também o direito da proteção autoral. Nenhuma parte deste
documento poderá ser copiada, reproduzida, processada por meio de sistemas
eletrônicos, e também não é admitido qualquer tipo de divulgação, sem que haja
uma prévia e escrita anuência por parte da TRUMPF GmbH + Co. Ressalvados
enganos ou erros os dados estão sujeitos a alterações sem prévio aviso.

© TRUMPF GmbH + Co.

TRUMPF GmbH + Co. não é responsável por eventuais erros contidos nesta
documentação. Está excluída qualquer possibilidade de responsabilizar a TRUMPF
GmbH + Co por danos ou avarias do fornecimento ou da utilização desta
documentação, dentro dos limites admitidos na legislação.
Antes de você continuar com a leitura...

O workbook "Fundamentos da máquina de corte a laser 2D,


TC HSL 2502 C, TC HSL 4002 C" irá acompanhá-lo durante o
curso básico sobre Máquinas de corta a laser 2D baseado no
comando SINUMERIK 840 D. Este serve como suplemento para
outras documentações para essas máquinas e para o sistema de
programação.

Contents Este workbook foi editado para você se familiarizar com as


maquinas e conceder os fundamentos de corte a laser também
estabelecendo uma referência para o sistema de programação
TruToPs Laser. Estas informações são bases importantes para o
“curso de programação assistida por computador – TruToPs
Laser” e como uma preparação para o “Treinamento de
operação”.

Sumário dos capítulos:


• Capítulo 1: O laser
• Capítulo 2: As máquinas
• Capítulo 3: Programação NC - Introdução
• Capítulo 4: Dados de corte, tabelas tecnológicas
• Capítulo 5: Definição do processo laser
• Capítulo 6: SprintLas, marcação e ponto marcação
• Capítulo 7: Variantes de processo em diferentes materiais
• Capítulo 8: Otimização do processo laser
• Capítulo 9: Processamento da chapa

Documentação Além do workbook outras informações são oferecidas nos


complementar seguintes documentos:

• Manual de operação para máquina


• Manual de programação e Data Collections para a máquina
• Manual do software TruToPs Laser...
• ... e mais inúmeros informativos técnicos.

Como usar esse workbook? Faça desse workbook sua melhor referência para o seu trabalho!

 Espaços em branco são oferecidos para suas anotações


importantes e estas áreas são marcadas com o símbolo de um
lápis.

O departamento Técnico e o Centro de treinamento da TRUMPF deseja a você um ótimo


treinamento.
Capítulo 1

O Laser

1. O que é um laser? ......................................................... 1-3

2. Laser TruFlow ............................................................... 1-4


Laser de CO2 desenho-esquema ............................. 1-4
2.1 Princípio da excitação dos lasers TruFlow ..................... 1-5
Composição de um meio laser .................................. 1-5
Geração do raio laser ................................................ 1-5
Funções dos gases de laser...................................... 1-5
2.2 Propriedades do laser ..................................................... 1-6
Processo de corte...................................................... 1-7
Gases de corte .......................................................... 1-7

3. Modos de operação de laser TruFlow......................... 1-8


3.1 Modo CW (modo ondas contínuas) ................................ 1-8
3.2 Modo Pulsado ................................................................. 1-9
Período, comprimento e pausado pulso.................. 1-10
Variação na frequência............................................ 1-11

A452pt01 O Laser 1-1


3.3 Ciclo de potência: Modo Rampa ................................... 1-12
Piercing normal com potência máxima ................... 1-12
Pirecing reduzido com potência reduzida ............... 1-12

1-2 O Laser A452pt01


1. O que é um LASER?

A palavra laser é uma abreviação de:

L ight Amplificação da
A mplification by Luz
S timulated Pela emissão
E mission of Estimulada
R adiation De radiação

Esboço: Geração do raio laser Fig. 6837

O laser é uma fonte de radiação que, dependendo do tipo, emite


radiação eletromagnética em comprimentos de onda entre os
campos ultravioleta e infravermelho quando induzido por uma e-
nergia.

A452pt01 O Laser 1-3


2. Laser TruFlow

Os laseres TruFlow turbo da TRUMPF são laseres de gás CO2 em
que a energia de radio freqüência é usada para a excitação

Nos lasers TruFlow, o ressonador é envolvido em uma caixa, sen-


do de um modo excepcionalmente compacto e muito estável. Uma
turbina extremamente silenciosa e livre de vibrações realiza a cir-
culação dos gases para o laser.

Características do laser TruFlow:


• Um raio de alta qualidade com potência ajustável.
• Baixo consumo de gás graças à tecnologia de radiofreqüência.

Ressonador de laser TruFlow com dois níveis de descarga Fig. 10138

Esquema do laser de CO2

Esquema do laser de CO2 Fig. 063_020g

1-4 O Laser A452pt01


2.1 Princípio de excitação do laser
 TruFlow

Composição do meio laser

O meio laser de CO2 baseia-se no dióxido de carbono (CO2), ni-


trogênio (N2) e hélio (He).

Geração do raio laser

Energia Elétrica (RF)


Espelho Espelho de Saída

Raio Laser Modo

Saída de Gás Entrada de Gás

Fig. 21876

Funções dos gases de laser

N2 A energia de rádio freqüência do gerador RF (freqüência


de excitação: 13.56 MHz) primeiro estimula as partícu-
las do nitrogênio que então assumem um estado excita-
do.

CO2 As partículas do nitrogênio, em seu estado excitado,


transferem sua energia para as partículas do dióxido de
carbono que então se tornam excitadas.
As partículas de dióxido de carbono excitadas emitem
parte de sua energia em forma de laser. (passo 1).

He As partículas de dióxido de carbono revertem seu esta-


do básico de energia (passo 2).
As partículas de hélio absorvem a energia residual das
partículas de dióxido de carbono, convertendo-a em
calor.

A452pt01 O Laser 1-5


2.2 Propriedades do Laser

O laser TruFlow emite uma radiação com comprimento de onda de
10 600 nm (= 10.6 µm). Esse comprimento de onda está em um
campo infravermelho, por isso a luz do laser é invisível para os
olhos humanos.
A radiação do Laser é polarizada linearmente e pode ser polariza-
da circularmente com a ajuda de um espelho especial. Na luz cir-
cularmente polarizada, o campo elétrico de ondas eletromagnéti-
cas oscila em torno de uma forma espiral na direção de propaga-
ção.
A radiação Laser é virtualmente paralela, praticamente não há
divergência no raio.
O raio laser é fácil de se focalizar.

1 Resonador 3 Espelho de desvio e polarizador 4 Cabeçote de corte com lente


2 Telescópico focalizadora e bico de corte

Caminho do raio do resonador até o material a ser cortado Fig. 25237

O polarizador muda a polarização do raio laser: Polarização linear


é convertida em polarização circular.

Polarização circular assegura uma boa qualidade de corte, indife-


rentemente da direção do corte. (No caso da polarização linear do
raio, a qualidade de corte varia em função da direção de corte).

Para maiores informações sobre corte a laser consulte o


Informativo Técnico, Laser application, „Laser cutting ““.

1-6 O Laser A452pt01


Processo de corte

A alta densidade de energia faz com que o material rapidamente
se aqueça, se funda parcialmente ou até vaporize-se completa-
mente. Um jato de gás dirigido coaxialmente ao raio laser expele o
material formando a fenda de corte. Dependendo do desenho da
máquina, o raio se movimenta em direção ao material a originando
a fenda de corte e com isso o corte.

1 Lente focal 5 Material fundido


2 Raio Laser 6 Material a ser cortado
3 Jato de gás de corte 7 Bico
4 Estrias do corte 8 Direção do corte

Corte a Laser: O processo de corte Fig. 24695

Gases de corte

Oxigênio e nitrogênio são usados como gases de corte:

Oxigênio ...................................................................
(corte com chama): ...................................................................

Nitrogênio ...................................................................
(corte com fusão): ...................................................................
...................................................................
Ar comprimido ...................................................................
...................................................................
...................................................................

A452pt01 O Laser 1-7


3. Modos de operação dos laseres
 TruFlow

Laseres TruFlow possuem os seguintes modos de operação:

• CW (ondas contínuas - continuous wave)


• Modo Pulsado.

3.1 Modo CW (continuous wave mode)

No modo de ondas contínuas, o raio laser é gerado a partir de


uma emissão constante de energia. No modo CW, a potência do
laser pode ser reduzida até 75% em incrementos de 1%.

Fig. 2918e

Princípio: A amplitude da radiofreqüência e diminuída. Com uma


amplitude menor, a potência do laser é menor.

Fig. 3667

1-8 O Laser A452pt01


3.2 Modo pulsado

No modo pulsado, a radiofreqüência RF é alternada (alterada en-
tre ligado e desligado) sendo chamada de freqüência. A freqüência
pode variar entre 10 e 10 000 Hz, a potência do laser entre 1% e
100% em incrementos de 1%.

Fig. 2918

Baseado na potência programada do laser, o comando da máqui-


na de corte divide o período de pulso C em comprimento de pulso
I e em pausa de pulso P.
(Período de pulso c = 1 / alternância da freqüência).

Seqüência:
• Durante o período de pulso, a radiofreqüência está ON (ligada)
com amplitude máxima. O raio laser é gerado.
• Durante a pausa, a radiofreqüência está DESLIGADA. O raio
laser não é gerado.

A452pt01 O Laser 1-9


Período de pulso, comprimento de pulso,
 pausa de pulso.

Você deseja reduzir a potência do laser para 70%.


Escolha a alternância da freqüência Tf de 10 000Hz.

Calcule os seguintes valores:

• Período de pulso c,
• Comprimento de pulso I,
• Pausa de pulso p.

Período de pulso c = 1 / alternância da freqüência Tf =

Comprimento do pulso I = Período do pulso c x Potência do laser


[%] =

Pausa de pulso p = Período de pulso c – comprimento de pulso I =

HF Radiofreqüência (13.56 MHz) a Indica a potência do laser


P Potência do laser [%] t Tempo
I Comprimento do pulso p Pausa de pulso
c Período do pulso

Fig. 2843

1-10 O Laser A452pt01


Variando a alternância da freqüência

Variar a alternância da freqüência de um laser médio de potência
25%:


1. Alternância freqüência: 10 000 Hz

Período de pulso c =
Comprimento do pulso I =
Pausa do pulso p =

2. Alternância freqüência: 100 Hz

Período de pulso c =
Comprimento do pulso I =
Pausa do pulso p =

3. Alternância freqüência: 10 Hz

Período de pulso c =
Comprimento do pulso I =
Pausa do pulso p =

Fig. 2920e, 2919e, 21877en

A452pt01 O Laser 1-11


3.3 Ciclo de potência: modo rampa

No modo rampa, a potência do laser é variada por um intervalo de
tempo programável e subseqüentemente mantida em um nível
constante. Aplicação:
• Durante a penetração.
• Microsolda (Microweld).

Penetração normal com potência total


Passos no menu:

1. "Atividade "

2. "Produção"

3. "Tabelas"

4. "Ciclo de potência laser"

Penetração normal com ciclo de rampa No. 1 Fig. 21612e

Penetração reduzida com potência reduzida

Penetração reduzida com ciclo de rampa No. 3, TruFlow 4000t Fig. 24486e

1-12 O Laser A452pt01


Capítulo 2

As Máquinas

1. As máquinas ... .............................................................. 2-4


1.1 TruLaser 2025 ................................................................. 2-4
1.2 TruLaser 2025, vista superior ......................................... 2-5
1.3 TruLaser 3030, TruLaser 3040 e TruLaser 3060............ 2-6
1.4 TruLaser 3030, vista superior ......................................... 2-7
1.5 TruLaser 5030 ................................................................. 2-8
1.6 TruLaser 5030, vista superior ......................................... 2-9
1.7 TruLaser 7025 , TruLaser 7040 .................................... 2-10
1.8 TruLaser 7025 e TruLaser 7040, vista superior........... 2-11

2. Dados técnicos............................................................ 2-12


2.1 Espessuras máximas de chapa .................................... 2-12

3. Área de trabalho e limites .......................................... 2-13

4. O princípio da „ótica flutuante“................................ 2-15


4.1 Orientação do raio......................................................... 2-16

A452pt02 As Máquinas 2-1


5. O cabeçote de corte.................................................... 2-17

6. Bicos............................................................................. 2-19

7. As lentes ..................................................................... 2-20


7.1 Comprimento focal ........................................................ 2-20
7.2 Posição focal e „Medida de ajuste“.............................. 2-21
Posição focal ........................................................... 2-21
„Medida de ajuste“................................................... 2-23
7.3 FocusLine...................................................................... 2-24

8. ControlLine regulagem de altura............................... 2-25


8.1 Processo laser com regulagem de altura - sequencia.. 2-25
8.2 Processo laser sem regulagem de altura ..................... 2-26

9. O palete ........................................................................ 2-27


9.1 Trocando as lâminas..................................................... 2-27

10. Garras (opção)............................................................. 2-28


10.1 Posição das garras ....................................................... 2-28
10.2 Campo de colisão das garras ....................................... 2-29

11. O que acontece com a peça depois de cortada?..... 2-30


11.1 Como as colisões podem ser evitadas? ....................... 2-30

12. Painel de operações e teclado................................... 2-31


12.1 Painel de operação da TruLaser 2025......................... 2-31
12.2 Painel de operação das TruLaser Séries 3000 e 5000 e
7000 .............................................................................. 2-32
12.3 Teclado.......................................................................... 2-33

2-2 As Máquinas A452pt02


A TRUMPF fabrica máquinas de corte a laser de mesa plana com
 um ou dois cabeçotes de corte:

Máquinas com um cabeçote de corte:


• TruLaser 2025 (ver Pág. 2-4 )
• TruLaser 3030, TruLaser 3040 e TruLaser 3060 (ver Pág. 2-
6 ).
• TruLaser 5030 (ver Pág. 2-8 ).

Máquinas com dois cabeçotes de corte:


• TruLaser 7025.
• TruLaser 7040 (ambas as máquinas, ver Pág. 2-11).

Nas páginas a seguir, você poderá dar uma rápida olhada em


cada uma das máquinas.

A452pt02 As Máquinas 2-3


1. As máquinas ...

1.1 TruLaser 2025

A TruLaser é também umas máquinas CNC de corte a laser para


peças planas.

O acesso à unidade móvel, ao contrário as TruLaser 3030, 3040 e


3060 – está localizado no lado maior da máquina. Quando a porta
está aberta, a máquina abre uma passagem para o acesso.

Cabeçote de
Máquina com estrutura Enclausuramento de corte com
fechada para um fácil segurança , unidade regulagem de Painel de controle
transporte e instalação laser Classe 1 altura integrado à máquina

Trocador
automático de Fácil acesso para remoção de Sistema de exaustão
palete peças e/ou retalhos com câmara de vácuo

Fig. 24241e

A TC L 2530 pode ser equipada com um trocador de palete


automático (opcional).

Todos os componentes básicos estão integrados na estrutura da


máquina – com exceção da unidade de refrigeração e do exaustor.
O painel de operação da máquina e controle de laser está
integrado à seção direita da máquina.

2-4 As Máquinas A452pt02


1.2 TC L 2530, vista superior.


1 Laser 6 Gerador RF
2 Painel de instrumentos 7 Armário elétrico
3 Palete 8 Painel de operação
4 Unidade de movimentação 9 Sistema de exaustão
5 Estrutura da máquina 10 Unidade de refrigeração

Fig. 14138

A452pt02 As Máquinas 2-5


1.3 TruLaser 3030, 3040 e 3060

As TruLaser 3030, 3040 e 3060 são máquinas de corte a laser
CNC para o corte de peças planas. O raio laser que é guiado
através de espelhos até o cabeçote serve como uma ferramenta
de corte.

Unidade laser Enclausuramento


integrada à de segurança com Painel de controle Cabeçote de corte Trocador
máquina porta de acesso para a máquina e com regulagem de automático de
o laser altura palete

Sistema TRUMPF Estrutura fechada Sistema de Containeres para


RotoLas para que facilita o exaustão com remoção de peças
corte de tubos transporte e a cinco câmaras de pequenas e
instalação vácuo retalhos

TruLaser 3030 Fig. 21610e

Os espelhos e o cabeçote de corte são montados em um conjunto


móvel. Nesta máquina é aplicado o sistema de „ótica flutuante ““.

A capacidade de regulagem de altura mantém a distância


constante entre o cabeçote de corte e a superfície da chapa.

O sistema de troca automática dos paletes disponibiliza um palete


para descarregamento e carregamento das peças enquanto um
outro está na máquina com a chapa sendo processada.

Todas as máquinas são classificadas com Laser de Classe 1.

2-6 As Máquinas A452pt02


1.4 TruLaser 3030, vista superior.


1 Laser 5 Esteira longitudinal


2 Unidade de Movimentação 6 Palete
3 Painel de instrumentos 7 Painel de controle
4 Estrutura da máquina

Fig. 8976

A452pt02 As Máquinas 2-7


1.5 TruLaser 5030

A TruLaser 5030 é uma máquina de corte a laser de alta
velocidade para o processamento de peças planas com alta
precisão. Esta precisão é conseguida através do alto grau de
estabilidade da máquina.

1 Unidade laser integra à estrutura da 4 Cabeçote de corte com regulagem 6 Unidade de exaustão com 5
máquina de altura capacitiva câmaras de vácuo
2 Enclausuramento de segurança 5 Estrutura fechada para facilitar no 7 Containeres para remoção de
para Laser Classe 1 com porta de transporte e na instalação sucata e/ou peças pequenas e
acesso esteira longitudinal (Opcional)
3 Painel de controle para Laser e 8 Trocador de palete automático
máquina integrada à estrutura

Fig. 28577

2-8 As Máquinas A452pt02


Um conjunto de novos conceitos foi desenvolvido para a TruLaser
5030: eixo de deslocamento na direção X, motores lineares nas
direções Y e Z. Isto assegura mais dinâmicas aos processos e
ligado a isso fornece um grande impulso à produtividade.

A TruLaser 5030 utiliza o testado e aprovado princípio de “ótica


flutuante”: A peça permanece estacionada enquanto o cabeçote
de corte se move.

A capacidade de regulagem de altura capacitiva mantém uma


distância constante entre o cabeçote de corte e a chapa.

A452pt02 As Máquinas 2-9


1.6 TruLaser 5030, vista superior.


1 Gabinete de controle e gerador RF 7 Container para sucata (opcional) 12 Enclausuramento com porta de
acesso
2 Armário Elétrico 13 RotoLas – dispositivo para corte
3 Unidade de refrigeração 8 Palete de tubos
4 Sistema de exaustão 9 Esteira longitudinal 14 Laser TruFlow
5 Trocador de palete automático 10 Estrutura da máquina
6 Pedestal de comando 11 Painel de controle

Fig. 29895

2-10 As Máquinas A452pt02


1.7 TruLaser 7025 e 7040

As TruLaser 7025 e 7040 são máquinas de corte a laser com
acionamentos lineares. As máquinas são equipadas com dois
Lasers TRUMPF CO2 e dois cabeçotes de corte.

1 Unidade Laser 4 Cabeçote de corte 7 Container para sucata e/ou


2 Sistema de filtragem e extração 5 Armário elétrico peças pequenas
3 Estrutura da máquina 6 Painel de controle 8 Trocador de palete

Exemplo: TruLaser 7025 Fig. 27755

Os acionamentos lineares proporcionam alta aceleração, alto


velocidade e precisão.

Em conjunto com dois cabeçotes de corte, a produtividade é


aumentada em várias vezes.

As TruLaser 7025 e 7040 utilizam o testado e aprovado princípio


de “ótica flutuante”.

A452pt02 As Máquinas 2-11


1.8 TruLaser 7025 e 7040, vista superior.

TruLaser 7025, exemplo: Layout standard 2 Fig. 31277

1 Painel de Controle 4 Unidade de refrigeração 7 Unidade hidráulica


2 Armário Elétrico 5 Gabinete RF 8 Trocador de palete
3 Sistema de extração 6 TruLaser 7040

TruLaser 7040 Fig. 28802

2-12 As Máquinas A452pt02


2. Dados técnicos


Máquina TruLaser 5030 TruLaser 2025 TruLaser 3030 TruLaser 4030 TruLaser 6030
Área de trabalho:
Eixo X 3000 mm 2500 mm 3000 mm 4000 mm 6000 mm
Eixo Y 1500 mm 1250 mm 1500 mm 2000 mm 2000 mm
Eixo Z 115 mm 115 mm 115 mm 112 mm 112 mm
(sem automação)
Peso máximo de chapa 900 kg 500kg 710 kg 1250 kg 1900 kg
Máxima velocidade de
posicionamento:
- Paralelo ao eixo 200 m/min 60 m/min 60 m/min 60 m/min 60 m/min
- Simultâneo (X e Y) 300 m/min 85 m/min 85 m/min 85 m/min 85 m/min
Comando: Sinumerik Sinumerik Sinumerik Sinumerik Sinumerik
Comando CNC TRUMPF 840D 840D 840D 840D 840D

Máquina TruLaser 7025 TruLaser 7040


Área de trabalho:
Eixo X 2500 mm 2525 mm
Eixo Y 1250 mm 4000 mm
Eixo Z (sem automação) 115 mm 115 mm
Peso máximo da chapa 500 kg 1600kg
Máxima velocidade de
posicionamento:
- Paralelo ao eixo 215 m/min 215 m/min
- Simultâneo (X e Y) >300 m/min >300 m/min
Comando: Sinumerik 840D Sinumerik 840D
Comando CNC TRUMPF

2.1 Espessuras máximas de chapa

Máxima espessura de chapa em mm Fig. 27165

A452pt02 As Máquinas 2-13


3. Área de trabalho e limites


Máquina TruLaser 5030 TruLaser 2025 TruLaser 3030 TruLaser 3040 TruLaser 3060
Área de trabalho na...
... direção X... direção Y... 3000 mm 2500 mm 3000 mm 4000 mm 6000 mm
direção Z (sem automat.)... 1500 mm 1250 mm 1500 mm 2000 mm 2000 mm
direção Z (com automat.).
115 mm 115 mm 115 mm 112 mm 112 mm
90 mm - 90 mm 90 mm -
Limites [mm] na:
... Direção X... Direção Y -16 à +130 -16 à +88 -16 à +88 -16 à +134 -16 à +211
... Direção Z (sem automat.)... -19 à +80 -16 à +64 -19 à +61 -19 à +121 -19 à +121
Direção Z (com automat.). -7 à +1 -4 à +3 -4 à +3 -7 à +3 -7 à +3
-32 à +1 - -29 à +1 -29 à +1 -29 à +1

Máquina TruLaser 7025 TruLaser 7040


Área de trabalho na...
... direção X... direção Y... 2500 mm 2525 mm
direção Z 1250 mm 4000 mm
115 mm 115 mm
Limites [mm] na:
... direção X... direção Y... -30 à +45 -30 a +45
direção Z -15 à +15 -15 à +105
-4 à +1 -4 à +1

Esboço das áreas de trabalho e limites da todas as máquinas Fig. 21611

2-14 As Máquinas A452pt02


  Para suas anotações

A452pt02 As Máquinas 2-15


4. O princípio da „ótica flutuante ““.

Nas máquinas de corte a laser, o raio laser serve como uma
ferramenta.O raio é direcionado para o cabeçote de corte por meio
de espelhos.

Os espelhos e o cabeçote de corte são montados em conjuntos


móveis. O cabeçote de corte se move sobre a chapa que
permanece estacionada durante o processo.

Vantagens da „ótica flutuante ““:

• O potencial de aceleração da máquina pode ser totalmente


aproveitado – não importando o peso da chapa.
• Como a chapa não se move durante o processo, ela não é
riscada.

Exemplo: Máquina de corte a laser plana com um cabeçote Fig. 24693en

2-16 As Máquinas A452pt02


A452pt02 As Máquinas 2-17
4.1 Guia do raio

O raio laser de CO2 é guiado de modo preciso da unidade laser
até a chapa por meio de espelhos e lentes.

1 Laser TLF com telescópio 4 Espelho de desvio 6 Espelho de desvio


2 Espelho de desvio 5 Espelho de desvio e polarizador 7 Lente focal no cabeçote de corte
3 Raio laser

Exemplo de guia do raio: TruLaser 3030 Fig. 25236

2-18 As Máquinas A452pt02


5. O cabeçote de corte

O raio laser, que é guiado até o cabeçote de corte via espelhos, é
completamente enclausurado. Como resultado, a radiação não
pode escapar e/ou a sujeira não pode infiltrar-se no guia do raio.

No cabeçote de corte, é feita a focalização do ponto focal do raio


laser.

1 Escala para ajuste do ponto focal 3 Ajuste horizontal do raio 6 Conexão da regulagem de altura
com divisões de 1mm 4 Capa em Teflon (bico de cerâmica) 7 Bico
2 Anel com escala para ajuste com 5 Conexão para “ventilação” do guia
divisões de 0.1mm do raio

Fig. 21607

A452pt02 As Máquinas 2-19




Dimensões importantes no cabeçote de corte Fig. 22998

1 Lente 4 Entrada do gás de corte (oxigênio


ou nitrogênio)
2 Entrada de ar 5 Bico de corte
3 Refrigeração do bico

Fig. 25857

2-20 As Máquinas A452pt02


6. Bico

No corte a laser, diferentes diâmetros de bico são utilizados. A
distância do bico até a superfície da chapa também varia.

O diâmetro e a distância do bico variam de acordo com o material


e espessura da chapa. Chapas grossas necessitam de maior
diâmetro e maior distância da superfície.

O FocusLine, sistema de regulagem de altura, garante que a


distância entre o bico e a superfície da chapa permaneça
constante durante todo o processo.

Distância do bico Fig. 7190

Ambos, diâmetro e distância do bico são gravados na tabela


tecnológica da máquina.

Por favor, para maiores informações dados sobre esse assunto


recorra ao Data Collection que acompanha a sua máquina.

A452pt02 As Máquinas 2-21


7. As lentes

7.1 Comprimento focal

Lentes de diferentes comprimentos focais são usadas para vários


tipos e espessuras de materiais que podem ser processados em
uma máquina de corte a laser:
• 3.75 “: Todas as máquinas.
• 5 “e 7.5“: Todas as máquinas.
• 9 “ E 10”: TruLaser Série 5000.
As máquinas são fornecidas com um cabeçote completo por tipo
de lente.

Exemplo: Lentes de 5 “e 7.5”

Aplicação:

Fig. 15042

Por favor, para maiores informações dados sobre esse assunto


recorra ao Data Collection que acompanha a sua máquina.

2-22 As Máquinas A452pt02


7.2 Posição focal e „Medida de ajuste ““.

Posição focal

A posição do ponto focal é relativa à superfície do material e tem


um impacto decisivo no resultado do corte.

Aplicação:

Posição focal Fig. 25077

A452pt02 As Máquinas 2-23




Exemplo: Posição focal, aço carbono, espessura 15mm Fig. 19869

Exemplo: Posição focal, aço inoxidável, espessura 8mm Fig. 19875

2-24 As Máquinas A452pt02


„Medida de ajuste ““.

A posição do ponto focal em relação à extremidade do bico é
denominada „medida de ajuste “. Essa medida de ajuste está
gravada na tabela tecnológica da máquina”.

Fig. 21608

A medida de ajuste varia de acordo com o material, espessura da


chapa e modo de corte.

Nas máquinas sem FocusLine, o operador deve checar e, quando


necessário, corrigir a medida de ajuste antes de começar o corte.

Por favor, para maiores informações dados sobre esse assunto


recorra ao Data Collection que acompanha a sua máquina.

A452pt02 As Máquinas 2-25


7.3 FocusLine

Com o FocusLine, o foco do raio laser pode ser ajustado
automaticamente para corrigir a posição.

O principal componente é o espelho Autofocus cuja curvatura da


superfície é modificada por meio da pressão do gás. Essas
mudanças de ângulo de divergência do raio laser permitem uma
mudança seletiva do foco tanto para mais como para menos.

Outra aplicação:
FocusLine faz a compensação da mudança de foco resultante da
variação do comprimento do raio em diferentes posições da área
de trabalho.

1 Espelho Autofocus 3 Chapa


2 Lentes d Diâmetro do raio

Princípio do FocusLine Fig. 30758

2-26 As Máquinas A452pt02


8. ControlLine – Regulagem de altura

Todas as máquinas de corte a laser TRUMPF são equipadas com
regulagem de altura capacitiva sem contato, o ControlLine

• No modo de perfuração, o ControlLine determina a distância


entre o bico e a superfície da chapa.
• No modo corte, o ControlLine mantém uma distância
constante entre o bico e a superfície da chapa.

Resultado:
• Área de corte menos rugosa.
• Processo livre de riscos (inclusive em chapas irregulares).
• Alto grau de confiança no processo de que não haverá colisão
entre o bico e a superfície da chapa.

8.1 Processo laser com regulagem de


altura – seqüência

Processo laser com regulagem de altura Fig. 22999

1. O cabeçote de corte assume a posição de corte ou perfuração.


Ao mesmo tempo o ControlLine mede a distancia até á
superfície da chapa.

2. O laser é ligado.

3. O laser perfura ou corta o contorno e a distância do bico e a


superfície da chapa se mantém constante.

 Aplicação:

A452pt02 As Máquinas 2-27


8.2 Processo laser sem regulagem de
 altura – seqüência

Processo laser sem regulagem de altura Fig. 23084

1. O cabeçote posiciona-se na distância programada para a


perfuração ou corte, mas, contudo, a distância entre o bico e a
chapa não é medida.

2. O laser é ligado.

3. O laser perfura ou corta o contorno com a distância do bico


programada. A posição do eixo Z do cabeçote permanece
constante, mas a distância da chapa varia.

 Aplicação

2-28 As Máquinas A452pt02


9. O palete

O palete consiste em uma estrutura com tiras de suporte inseridas.
A chapa apóia-se nos picos das tiras de suporte, assim as
escorias do material produzidas pelo processo de corte podem
escorrer sem obstrução.

Ao mesmo tempo, a superfície das tiras de suporte serve como


ponto zero para o eixo Z.

Palete com as tiras de suporte Fig. 15319

9.1 Substituindo as tiras de suporte

Com o passar do tempo, a escória acumula-se na superfície das


tiras de suporte e também as tiras são danificadas pelo corte a
alguns lugares.

Efeito:

• Se o acumulo é excessivo, pode resultar numa interrupção do


raio.
• Se os suporte estão danificados, pode causar problemas com
a regulagem de altura.

Suportes com acumulo de escória e/ou danificados devem ser


substituídos. Você pode produzir esse suporte, os desenhos
necessários são fornecidos pelo sistema de programação
ToPs100.

A452pt02 As Máquinas 2-29


10. Garras (opcional)

Chapas finas e muito leves podem se movimentar durante o
processo.

Solução:
Duas garras montadas na estrutura do palete fixam a chapa
durante o processo.

1 Garra aperta 4 Estrutura do palete


2 Garra fechada 5 Tiras de suporte
3 Chapa

Garras na estrutura da chapa Fig. 17630

10.1 Posição da garras

TruLaser 5030/ 1a garra: Y = 40 mm


TruLaser 3030 2a garra: Y = 400 mm ou 702 mm

TruLaser 3040/ 1a garra: Y = 90 mm


TruLaser 3060 2a garra: Y = 501mm ou 649 mm

TruLaser 7025 1a garra: X = 182 mm


TruLaser 7040 2a garra: X = 482 mm ou 980 mm
TruLaser 2025
As garras são abertas e fechadas manualmente.

2-30 As Máquinas A452pt02


10.2 Campo de colisão das garras

Garras fechadas:
• Campo de colisão na direção X: 0 – 15 mm
• Campo de colisão na direção Y: 0 – 740 mm

Garras abertas:
• Campo de colisão na direção X: 0 – 60 mm
• Campo de colisão na direção Y: 0 – 740 mm

Para prevenir colisões entre o bico e as garras, nunca


utilizar a área de colisão.

A452pt02 As Máquinas 2-31


11. O que acontece com a peça depois de
 cortada?

Peças grandes normalmente permanecem assentadas nas tiras de


suporte.

Peças que são menores do que a distância entre uma tira e outra,
normalmente passam por entre as tiras caindo sobre a esteira
longitudinal que as leva até um dos containeres.

Peças pequenas ou tiras de grade do material podem –


dependendo de sua posição – elevar-se e causar uma colisão com
o cabeçote durante o processo.

11.1 Como as colisões poder ser evitadas?

Colisões entre peças e cabeçote de corte podem ser prevenidas


da seguinte forma:

• Não cortar as peças completamente („Microjunta “)”,


• Manter as peças pressas ao esqueleto da chapa („Microwelds
“)”.

Em ambos os métodos, a peça finalizada deve ser desmembrada


da chapa manualmente.

2-32 As Máquinas A452pt02


12. Painel de operações e teclado

Todas as máquinas de corte a laser TRUMPF são equipadas com
o novo comando CNC TRUMPF - SIEMENS SINUMERIK 840D.

Características de interface com o usuário:

• Oferece Ajuda On-line integrada que fornece as informações


através de contextos e explicações das operações.
• O ambiente gráfico corresponde ao do Windows standard. O
comando da máquina pode ser adicionado ao ambiente de
rede do cliente.

12.1 Painel de operação da TruLaser 2025

1 Monitor colorido 2 Controle dos elementos de 3 Elementos de operação da


operação máquina

Painel de operação da TruLaser 2025 com monitor colorido Fig. 15518

A452pt02 As Máquinas 2-33


12.2 Painel de operação das TruLaser
 Séries 3000, 5000 e 7000

1 Elementos de operação da
máquina
2 Monitor colorido
3 Elementos de operação

Painel de operações com monitor colorido Fig. 18638

2-34 As Máquinas A452pt02


12.3 Teclado

O teclado é dividido em teclas alfanuméricas e teclas especiais.
Todos os caracteres ASCII são adicionados através do teclado.

Indicações das teclas mais importantes estão descritas no capítulo


Operação do manual de operações da máquina.

Teclado ASCII Fig. 23021

A452pt02 As Máquinas 2-35


  Para suas anotações

2-36 As Máquinas A452pt02


Capítulo 3

Programação NC –

Introdução

1. Da idéia à peça finalizada............................................. 3-3


1.1 Do desenho ao arquivo master... .................................... 3-4
1.2 ... do arquivo master à peça finalizada ........................... 3-5
1.3 Números do programa ................................................... 3-6
Exemplo..................................................................... 3-6
1.4 Estrutura de diretório....................................................... 3-7

2. Arquivo Master – Exemplo completo.......................... 3-8

3. Arquivo master ............................................................ 3-14


3.1 Guia de dados ............................................................... 3-14
3.2 Texto NC ....................................................................... 3-15

4. Chaves de comando NC ............................................. 3-16


4.1 Ciclo de chamadas........................................................ 3-16

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-1


4.2 Funções preparatórias / funções G .............................. 3-17
Entrada absoluta e relativa de dimensões: ............. 3-17
Interpolação Linear / Circular ................................. 3-17

5. Dividindo e gerando um arquivo master .................. 3-18


5.1 Dividindo um arquivo master......................................... 3-18
5.2 Regenerar um arquivo master ...................................... 3-19

6. Editando texto NC ....................................................... 3-20

3-2 Programação NC – Introdução A452pt03


1. Da idéia à peça finalizada

O processo de peças de chapas planas começa com uma idéia.
Esta idéia dá origem ao desenho e...

... um programa NC

Fig. 23043

 

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-3


1.1 Do desenho ao arquivo master...


Desenho

Estação de programação co
TruToPs Laser

Arquivo master

O arquivo master é o produto da programação. O programador


cria o arquivo master acessível à máquina. Para isso ele tem as
seguintes opções:
• Ele pode enviar o arquivo master para o comando da
máquina, ou
• Ele disponibiliza o arquivo master um diretório de um
computador em que a máquina tenha acesso.

Interface de uso
- Gerenciamento de arquivos
master

3-4 Programação NC – Introdução A452pt03


1.2 ... do arquivo master à peça finalizada

Na máquina, o arquivo master é dividido em tabelas e o seu
próprio texto NC:

Interface de uso
- Gerenciamento de arquivos
master

Arquivo master depois de dividido:


Tabelas, programa principal, sub-rotinas.

Processamento na máquina

Peça finalizada

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-5


1.3 Números do programa


Máscara “Criar programa NC”, índice “Ajustes” ·Fig. 29060en

Caracteres permitidos: ......................................................................


Comprimento máximo: ......................................................................

Exemplo

Número do programa no TruToPs: ...................................................


Nome do arquivo master: ..................................................................
Dividir o arquivo master no comando da máquina:
Programa principal: .................................................................
Sub-rotinas: ............................................................................

3-6 Programação NC – Introdução A452pt03


1.4 Estrutura de diretório


Estação de programação Comando da máquina

A:\ C:\ C:\ A:\

TRUMPF USERS DH TRUMPF

TEILE masch01 TOPSMANU. TOPS.DIR TEILE


DIR

USER 1 USER1

Tabela Gerenciamento de programa

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-7


2. Arquivo master – Exemplo completo


Fig. 25076

(...)
BD
SET_METRIC
C
BEGIN_EINRICHTEPLAN_INFO
C
ZA,MM,20
MM,AT,1, 10,1,1,,'Maschine' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'Typ' ,,'',Z
MM,AT,1, 30,1,1,,'Steuerung' ,,'',T
MM,AT,1, 40,1,1,,'Variante' ,,'',Z
MM,AT,1, 50,1,1,,'Firma' ,,'',T
MM,AT,1, 60,1,1,,'Programmnummer' ,,'',T
MM,AT,1, 70,1,1,,'Bearbeiter' ,,'',T
MM,AT,1, 80,1,1,,'Datum' ,,'',T
MM,AT,1, 90,1,1,,'Auftragsname' ,,'',T
MM,AT,1, 100,1,1,,'Anzahl der Programmdurchlaeufe' ,,'',Z
MM,AT,1, 110,1,1,,'Tafelname' ,,'',T
MM,AT,1, 120,1,1,,'Speicherbedarf' ,,'',Z
MM,AT,1, 130,1,1,,'Material-ID' ,,'',T
MM,AT,1, 140,1,1,,'Tafelgewicht' ,,'kg',Z
MM,AT,1, 150,1,1,,'Maschinenzeit' ,,'min',Z
MM,AT,1, 160,1,1,,'Bemerkung' ,,'',T
MM,AT,1, 170,1,1,,'Flag Automatisiert' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 180,1,1,,'Flag ToPsxxx-Programm' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 190,1,1,,'Einrichteplanfilename' ,,'',T
MM,AT,1, 200,1,1,,'Lagergutbezeichnung' ,,'',T
C
ZA,DA,1
DA,'TruLaser 5030',1,'Sin840D',1,'Trumpf','3105','User',05.06.2002,
* 'Auftrag1_AB',* 5,'C:\TRUMPF\TEILE\USER1\3105.LST',1870,
* 'St37-20',32,4.44,' ',0,1,
* 'C:\TRUMPF\TEILE\USER1\3105.HTML',''
C
ENDE_EINRICHTEPLAN_INFO
(...)

3-8 Programação NC – Introdução A452pt03


(...)
 C
BEGIN_SHEET_TECH
C
ZA,MM,9
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'Blechmass X' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 30,1,1,,'Blechmass Y' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 40,1,1,,'Blechmass Z' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 200,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
MM,AT,1, 220,1,1,,'Blechmass X real' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 230,1,1,,'Blechmass Y real' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 240,1,1,,'Materialkennung' ,,'',T
MM,AT,1, 260,1,1,,'Werkstoffdichte' ,,'kg/dm3',Z
C
ZA,DA,1
DA,'SHT-1',2000.00,1000.00,2.00,1,2000.00,1000.00,St37-20,
* 7.900
C
ENDE_SHEET_TECH
C
BEGIN_SHEET_LOAD
C
ZA,MM,16
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
MM,AT,1, 70,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
MM,AT,1, 500,1,1,,'Beladegeraet' ,,'',Z
MM,AT,1, 520,1,1,,'LIFT_SAUGERGRUPPE_1' ,,'',Z
MM,AT,1, 530,1,1,,'LIFT_SAUGERGRUPPE_2' ,,'',Z
MM,AT,1, 540,1,1,,'LIFT_SAUGERGRUPPE_3' ,,'',Z
MM,AT,1, 550,1,1,,'LIFT_SAUGERGRUPPE_4' ,,'',Z
MM,AT,1, 580,1,1,,'Lift Doppelblechdet aktiv' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 590,1,1,,'Lift abschaelen' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 620,1,1,,'Blechanschlag' ,,'',Z
MM,AT,1, 630,1,1,,'Blechlage vermessen' ,,'',Z
MM,AT,1, 640,1,1,,'Messbereich X' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 650,1,1,,'Messbereich Y' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 660,1,1,,'Kalibrierung' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 690,1,1,,'Palettenwechselart' ,,'',Z
MM,AT,1, 700,1,1,,'Messecke' ,,'',Z
C
ZA,DA,1
DA,'SHL-1',1,6,1,0,0,1,1,1,1,0,50,50,1,1,1
C
ENDE_SHEET_LOAD
C
BEGIN_LTT_CALLS
C
ZA,MM,1
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
C
ZA,DA,1
DA,'T2D-5388'
C
ENDE_LTT_CALLS
C
(...)

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-9


(...)
 BEGIN_PARTS_IN_PROGRAM
C
ZA,MM,15
MM,AT,1, 10,1,1,,'Hauptprogrammname' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'reserviert' ,,'',T
MM,AT,1, 30,1,1,,'Teil-Identnummer' ,,'',T
MM,AT,1, 40,1,1,,'reserviert' ,,'',Z
MM,AT,1, 50,1,1,,'Geometriefilename' ,,'',T
MM,AT,1, 60,1,1,,'Anzahl' ,,'',Z
MM,AT,1, 70,1,1,,'Geometriefilename (einf.Darstl)' ,,'',T
MM,AT,1, 80,1,1,,'Bearbeitungszeit' ,,'min',Z
MM,AT,1, 90,1,1,,'Flaeche' ,,'mm2',Z
MM,AT,1, 100,1,1,,'ToPs-Zeichnungskunde' ,,'',T
MM,AT,1, 110,1,1,,'ToPs-Teile-Nummerierung' ,,'',T
MM,AT,1, 120,1,1,,'ToPs-Zeichnungsname' ,,'',T
MM,AT,1, 130,1,1,,'Abmessung X' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 140,1,1,,'Abmessung Y' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 500,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
C
ZA,DA,1
DA,'3105',0,'',0,'C:\TRUMPF\TEILE\USER1\140401.GEO',7,
* '140401',0.60,186084.09,,1,'',800.00,300.00,1
C
ENDE_PARTS_IN_PROGRAM
C
BEGIN_PARTS_IN_PROGRAM_POS
C
ZA,MM,11
MM,AT,1, 10,1,1,,'laufende Nummer gefertigtes Teil' ,,'',Z
MM,AT,1, 20,1,1,,'Hauptprogrammname' ,,'',T
MM,AT,1, 30,1,1,,'Teil-Identnummer' ,,'',T
MM,AT,1, 60,1,1,,'Position X-Koordinate' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 70,1,1,,'Position Y-Koordinate' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 80,1,1,,'Abmessung in X' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 90,1,1,,'Abmessung in Y' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 100,1,1,,'Winkellage' ,,'deg',Z
MM,AT,1, 150,1,1,,'X-Koordinate Schwerpunkt' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 160,1,1,,'Y-Koordinate Schwerpunkt' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 500,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
C
ZA,DA,7
DA,1,'3105','',10.00,10.00,800.00,300.00,0.00,411.74,160.00,
* 1
DA,2,'3105','',10.00,320.00,800.00,300.00,0.00,411.74,
* 470.00,1
DA,3,'3105','',820.00,320.00,800.00,300.00,0.00,1221.74,
* 470.00,1
DA,4,'3105','',820.00,10.00,800.00,300.00,0.00,1221.74,
* 160.00,1
DA,5,'3105','',1630.00,10.00,300.00,800.00,90.00,1780.00,
* 411.74,1
DA,6,'3105','',820.00,630.00,800.00,300.00,0.00,1221.74,
* 780.00,1
DA,7,'3105','',10.00,630.00,800.00,300.00,0.00,411.74,
* 780.00,1
(...)

3-10 Programação NC – Introdução A452pt03


(...)
 C
ENDE_PARTS_IN_PROGRAM_POS
C
BEGIN_MICROJOINT
C
ZA,MM,12
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
MM,AT,1, 100,1,1,,'programmierte Microjoints aktiv' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 110,1,1,,'automatische Microjoints aktiv' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 120,1,1,,'Microjointbreite kleine Kontur' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 130,1,1,,'Microjointbreite mittlere Kontur' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 140,1,1,,'Microjointbreite grosse Kontur' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 150,1,1,,'Konturausdehnung min X autom.
Microjoint',,'mm',Z
MM,AT,1, 160,1,1,,'Konturausdehnung max X autom.
Microjoint',,'mm',Z
MM,AT,1, 170,1,1,,'Konturausdehnung min Y autom.
Microjoint',,'mm',Z
MM,AT,1, 180,1,1,,'Konturausdehnung max Y autom.
Microjoint',,'mm',Z
MM,AT,1, 190,1,1,,'Einstechart nach Microjoint' ,,'',Z
MM,AT,1, 500,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
C
ZA,DA,1
DA,'MIJO-1',0,0,0.00,0.40,0.70,-1.00,-1.00,-1.00,-1.00,11,1
C
ENDE_MICROJOINT
C
BEGIN_PROGRAMM
C
ZA,MM,4
MM,AT,1, 10,1,1,,'Programmnummer' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'Programmtyp' ,,'',T
MM,AT,1, 30,1,1,,'Bemerkung' ,,'',T
MM,AT,1, 40,1,1,,'Bearbeitungszeit' ,,'min',Z
C
ZA,DA,2
DA,'SP13105','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP13105")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"T2D-5388",10,100);EINST/SCHN
N60X3.174Y-3.190
N70G03X0.354I0.177J0.176
N80G03I-70.605J70.605
N90TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N100G01X344.295Y170.854
N110TC_LASER_ON(1,"T2D-5388",10,100);EINST/SCHN
N120X-4.500
N130G03X-0.250Y-0.250J-0.250
N140G02X-50.150Y-50.150I-50.150
N150G03Y-99.700J-49.850
(...)

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-11


(...)
 N160G02Y-100.300J-50.150
N170G01X-600.000
N180G02Y300.300J150.150
N190G01X600.000
N200G02X50.150Y-50.150J-50.150
N210TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N220G01
N230G90
N240M17
N250M02
STOP_TEXT
DA,'3105','HP','',
START_TEXT
N10 MSG("MAIN PROGRAM NO.:,3105")
N20 MSG("TruTops 100 V7.10 – TruLaser 5030 - SIEMENS")
N30 MSG("SHEET DIMENSIONS 2.00 X 2000.00 X 1000.00 ")
N40G71
N50F282000
N60TC_MICROJOINT("MIJO-1")
N70;(FILE NAME: C:\TRUMPF\TEILE\USER1\3105.LST)
N80;(TRANSFERNAME: 3105.LST PROGRAMME RUNS: 5)
N90;(MACHINE: L3050 TYPE: 1)
N100;(CONTROL: SIN 840D VERSION:)
N110TC_POS_LEVEL(40.0)
N120TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N130TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N140;GOTOF ENTRY_LASER
N150;ENTRY_LASER:
N160;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N170X467.077Y92.586
N180SP13105
N190;ENTRY_LASER:
N200;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 2 )
N210X467.077Y402.586
N220SP13105
N230;ENTRY_LASER:
N240;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 3 )
N250X1277.077Y402.586
N260SP13105
N270;ENTRY_LASER:
N280;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 4 )
N290X1277.077Y92.586
N300SP13105
N310;ENTRY_LASER:
N320;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 5 )
N330X1847.414Y467.077
N340ROT RPL=90.00
N350SP13105
N360ROT
N370;ENTRY_LASER:
N380;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 6 )
N390X1277.077Y712.586
N400SP13105
(...)

3-12 Programação NC – Introdução A452pt03


(...)
 N410;ENTRY_LASER:
N420;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 7 )
N430X467.077Y712.586
N440SP13105
N450TC_LASER_OFF(2)
N460M30
STOP_TEXT
ENDE_PROGRAMM
ED

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-13


3. Arquivo master

3.1 Guia de dados

O guia de dados contém as seguintes tabelas:


• „Tecnologia Laser “
• „Carregar chapa“ e „Tecnologia da chapa“
• „Tabela de medição”

(...)
BEGIN_SHEET_TECH
C
ZA,MM,8
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'Blechmass X' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 30,1,1,,'Blechmass Y' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 40,1,1,,'Blechmass Z' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 200,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
MM,AT,1, 220,1,1,,'Blechmass X real' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 230,1,1,,'Blechmass Y real' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 240,1,1,,'Materialkennung' ,,'',T
C
ZA,DA,1
DA,'SHT-1',2000.00,1000.00,2.00,1,2000.00,1000.00,'St37-20'
C
ENDE_SHEET_TECH
(...)

A mesma tabela no comando da máquina Fig. 21618en

3-14 Programação NC – Introdução A452pt03


3.2 Texto NC

O texto NC consiste no programa principal e suas sub-rotinas.

(...)
N10MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP13105")
(...)
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"3529",10,100);EINST/SCHNFAST
N60X3.174Y-3.190
N70G03X0.354I0.177J0.176
N80G03I-70.658J70.658
N90TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N100G01X344.167Y170.907
N110TC_LASER_ON(1,"3529",10,100);EINST/SCHNFAST
N120X-4.500
N130G03X-0.250Y-0.250J-0.250
N140G02X-50.075Y-50.075I-50.075
N150G03Y-99.850J-49.925
N160G02Y-100.150J-50.075
N170G01X-600.000
N180G02Y300.150J150.075
N190G01X600.000
N200G02X50.075Y-50.075J-50.075
N210TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
(...)
N10 MSG("MAIN PROGRAM NO.,3105")
(...)
N100TC_POS_LEVEL(40.0)
N110TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N120TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N130 ;GOTOF ENTRY_LASER
N140;ENTRY_LASER:
N150;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N160X477.130Y102.533
N170SP13105
(...)
N300;ENTRY_LASER:
N310;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 5 )
N320X1877.467Y477.130
N330 ROT RPL=90.00
N340SP13105
N350ROT
(...)
N440TC_LASER_OFF(2)
N450M30
STOP_TEXT
ENDE_PROGRAMM
ED

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-15


4. Chaves de comando NC

4.1 Ciclo de chamadas

Além das funções NC familiares, o programa NC processado pelo


SINUMERIK 840D também contém os assim chamados „ciclo de
chamadas”“.

Vantagens:
Todos os parâmetros de corte estão memorizados nas tabelas que
são chamadas via ciclo. Se algum parâmetro de corte for alterado,
apenas a tabela selecionada necessita ser modificada. O ciclo de
chamada e o texto NC não são alterados..

TC_SHEET_TECH ... chamada da tabela „Tecnologia da


chapa”. Essa tabela contém as
propriedades da chapa a ser
processada.(ex. espessura da chapa)”.

TC_SHEET_LOAD ... chamada da tabela „Carregar chapa”.


Essa tabela contém informações , por
exemplo: qual é o dispositivo de
carregamento ou se a chapa será
medida com a regulagem de altura”.

TC_SHEET_MEASURE ... mede da posição da chapa (Cateye) e


adapta as coordenadas do programa
NC para a posição da chapa.

TC_LASER_ON ... liga o laser, chama os dados de corte


e parâmetros de penetração da tabela
"Tecnologia Laser" e ativa os
parâmetros desejados da tabela.
TC_LASER_OFF ... desliga o laser e, se necessário,
posiciona o eixo Z.

TC_POS_LEVEL ... especifica a altura de posicionamento


do cabeçote de corte quando o laser
está desligado(altura de posicionamento
= distância entre o bico e a superfície da
chapa).

TC_MICROJOINT apenas para Série 5000 !


... chamada da tabela "Microjoint" .
Microjuntas programados no TruToPs
podem ser automaticamente ativados /
desativados ou automaticamente
criados nesta tabela.

3-16 Programação NC – Introdução A452pt03


4.2 Funções preparatórias / funções G


Fig. 21619

Entrada absoluta e relativa de dimensões:

G90 Entrada absoluta de dimensões:

As dimensões são determinadas a partir do ponto zero do


sistema de coordenadas (zero máquina). Ou seja, à
distância do raio ao ponto zero.

G91 Entrada incremental (relativa) de dimensões :

As dimensões são dadas com referência ao último ponto


posicionado (posição atual do raio)

Interpolação Linear / Circular

G01 A posição programada é atingida por um deslocamento em


uma linha reta .
(interpolação linear)
G02 A posição programada é atingida por um deslocamento
circular no sentido horário.
(interpolação circular)
G03 A posição programada é atingida por um deslocamento
circular do sentido anti-horário.
(interpolação circular)

Em G02 e G03, o ponto central do círculo é determinado


incrementalmente com os parâmetros „I“ e „J“.

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-17


5. Dividindo e gerando um arquivo
 master

5.1 Dividindo um arquivo master

Um programa NC criado no TruToPs Laser e fornecido como um


arquivo master. Este arquivo deve ser dividido para poder ser
carregado pelo gerenciador de programas do comando.
Passos através do menu:

1. „Ativiade“.

2. „Programar“.

3. „Administrar ficheiros“.

4. Selecionar o arquivo
master.

5. ou

Gerenciamento de arquivos master Fig. 27066en

Passos através do menu:

1. „Atividade“.

2. „Programar“.

3. „Administrar programa
NC“.

Arquivo master dividido: programa principal Fig. 30781en

3-18 Programação NC – Introdução A452pt03


5.2 Regenerar um arquivo master

Passos através do menu:

1. „Atividade“.

2. „Programar“.

3. „Administrar ficheiros“.

4. ...

Mascara: gerenciamento de arquivos master Fig. 27066en

5. ... e ou

6. Marque o programa NC.

7.

8. Entre o nome e o
caminho onde o arquivo
de ser salvo.

Exemplo:
„X.opt“ ou outro nome se
você não quiser que um Programas NC no comando Fig. 30782en
arquivo master existente
„X.lst“ seja sobrescrito.

„Y.lst“ se o arquivo
master existente „Y.lst“
deve ser sobrescrito.

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-19


6. Editando textos NC

Passo através do menu:

1. „Atividade“.

2. „Programar“.

3. „Administrar programas
NC.

4. Se necessário

5. Marque o programa Nc
que você deseja editar.

6. (se
necessário, clique duas
vezes).

Visualização de todos os programas principais. Fig. 30781en

Um programa principal e sua sub-rotina Fig. 30783en

3-20 Programação NC – Introdução A452pt03




Editor do NC Fig. 30784en

A452pt03 Programação NC – Introdução 3-21


  Para suas anotações

3-22 Programação NC – Introdução A452pt03


Capítulo 4

Dados de corte,

Tabela tecnológica

1. Corte a laser – procedimento geral............................. 4-3

2. As tabelas tecnológicas ............................................... 4-4


2.1 Tabelas tecnológicas ...................................................... 4-4
Dados "Penetração" .................................................. 4-5
Dados "Geral" ............................................................ 4-5
Dados "Cortar contormo grande" .............................. 4-6
Dados "Cortar contorno pequeno" ............................ 4-6

3. Contorno grande ou pequeno? ................................... 4-7


3.1 Definição ......................................................................... 4-7
3.2 Diferenças no processo - Exercício ................................ 4-7

A452pt04 Cutting data, laser technology tables 4-1


4. TC_LASER_ON .............................................................. 4-8
Exercício .................................................................... 4-9

5. TC_LASER_OFF .......................................................... 4-10

4-2 Cutting data, laser technology tables A452pt04


1. Corte a laser – procedimento geral

O corte a laser compreende nos seguintes passos:

1. 2. 3. 4.

Fig. 21623 - 21626

A maneira como o laser é ligado, como a chapa é perfurada,


 aproximada e o contorno cortado, tudo isso influencia na qualidade
da peça.

O modo que o laser trabalha depende dos seguintes fatores:

• Tamanho do contorno
• Tipo de material
• Espessura de chapa.

Essas informações são definidas „dados de corte “e „parâmetros


de penetração“ na tabela tecnológica.

O comando da máquina lê os dados de corte e parâmetros de


penetração direto da tabela tecnológica.

A forma e comprimento da aproximação estão memorizados no


banco de dados do TruTops Laser.

Recorrer ao Data Collection de sua máquina para os dados de


corte e parâmetro de penetração necessários.

A452pt04 Cutting data, laser technology tables 4-3


2. As tabelas tecnológicas

As tabelas tecnológicas estão memorizadas no sistema de
programação TruTops Laser e no comando da máquina.

Passos através do menu:


2.1 Tabelas tecnológicas no comando
1. „Atividade“.

2. „Produzir“.

3. „Tabelas“.

4. „Tecnologia laser“.

Seleção da tabela tecnológica Fig. 21627e

Seleção do índice desejado na tabela Fig. 21628e

4-4 Cutting data, laser technology tables A452pt04


Dados em "Penetração"


Fig. 21549e

Dados em "Geral"

Fig. 21550e

A452pt04 Cutting data, laser technology tables 4-5


Dados em "Cortar contorno grande"


Fig. 21856e

Dados em "Cortar contorno pequeno"

Fig. 21857e

4-6 Cutting data, laser technology tables A452pt04


3.

Contorno grande ou pequeno?

3.1 Definição

O tipo de contorno depende da espessura da chapa e do tamanho


do contorno:


Contorno grande: ..........................................................................

Contorno pequeno: .......................................................................

3.2 Diferenças no processo - Exercício

Material: Aço carbono (St 37)


Espessura: 2 mm
Potência do laser: ............................................
Tabela tecnológica: ............................................

Contorno grande Contorno pequeno

Penetração Penetração
Rampa ............................... Rampa ...............................
Tempo de Penetração ....... Tempo de Penetração ........

Aproximação Aproximação

Corte de contorno Corte de contorno


Potência ............................. Potência..............................
Velocidade .......................... Velocidade .........................
Freqüência. ........................ Freqüência .........................

Recorrer ao Data Collection de sua máquina para os dados de


corte e parâmetro de penetração necessários.

A452pt04 Cutting data, laser technology tables 4-7


4. TC_LASER_ON

No ciclo TC_LASER_ON, o comando da máquina liga o laser. No
processo, ele também ativa a tabela tecnológica, junto com os
dados de corte e parâmetros de penetração. Ao mesmo tempo ele
ativa as seguintes funções:
• Método do laser,
• Tipo de penetração,
• Tipo de corte.

Ligando e desligando o laser Fig. 21622

TC_LASER_ON (método do laser, “tabela tecnológica”,....).

Método do laser Tabela tecnológica


No- Função Convenção do nome
1 Penetração e corte com regulagem de altura (HR) 1000 a 4999 1 ou T2D-... 2 :
2 Penetração e corte sem regulagem de altura Nomes para tabelas originais da
TRUMPF.
3 Penetração sem regulagem e corte com regulagem de
altura
4 Penetração com regulagem e corte sem regulagem de
altura
5 Corte com regulagem de altura 5000 a 9999 1 ou K...2:
6 Corte sem regulagem de altura Nomes que você pode utilizar
para suas tabelas.
7 Penetração com regulagem de altura, raio desligado.
8 Penetração sem regulagem de altura, raio desligado.
9 Penetração sem ciclo de rampa, corte com regulagem de O número da tabela
altura com SprintLine. tecnológica no texto NC é
Penetração sem ciclo de rampa, corte sem regulagem de sempre mostrado entre
10
altura com SprintLine aspas.

11 Corte com regulagem de altura com SprintLine


12 Corte sem regulagem de altura com SprintLine
30 Microweld

1
Tabelas tecnológicas numéricas
2
Tabelas tecnológicas alfanuméricas

4-8 Cutting data, laser technology tables A452pt04


Exercício

Exemplo:
Corte de um contorno grande, material e espessura de chapa:
Aço carbono, 2 mm (St7-20), máquina: TruLaser 3030, potência
do laser: 4000 W.

Î TC_LASER_ON (1,"T2D-5102",10,100)

Exercício:
Completar o ciclo TC_LASER_ON para o corte de um contorno
pequeno (Penetração suave), material e espessura de chapa: aço
inox, 2 mm (1.4301-20).
Máquina: ...........................................................................................
Potência do laser: .............................................................................

Î TC_LASER_ON (1, "......................... " , .................. , .................)

..... tipo de Penetração, tipo de corte)

Tipo de Penetração Tipo de corte


No. Função Contorno Velocidade de corte Aceleração
0 Sem Penetração 1 Contorno grande 0 Normal 0 Normal
10 Penetração normal 2 Contorno médio 1 Reduzida 1 Reduzida
11 Penetração suave 3 Contorno pequeno 2 Alta
20 Marcação de centro
30 Microweld forte 0 = sem corte
31 Microweld suave

Processos especiais
400 = Vaporização
500 = Marcação rápida
600 = Marcação do centro geométrico
(granear)

A452pt04 Cutting data, laser technology tables 4-9


5. TC_LASER_OFF

No ciclo TC_LASER_OFF, o comando da máquina desliga o laser.
Todas as funções e parâmetros são apagados.

Onde for necessário, o eixo Z é comandado para uma altura


programada de posicionamento com TC_POS_LEVEL(...).

Estrutura do ciclo de chamada:

TC_LASER_OFF (método do laser)

Método do laser
1 Desliga o laser e eixo Z na altura de posicionamento.
2 Desliga o laser, eixo Z na posição de referência.
3 Laser a 1% da potência, eixo Z na altura de posicionamento.
4 Laser a 1% da potência, eixo Z na altura de corte com
regulagem de altura ligada. (nenhum furo pode estar no
curso)
... .....
Exemplos de método ao ser desligar o laser

Fig. 23002

Recorrer ao Manual de Programação de sua máquina para mais


informações sobre o ciclo TC_LASER_OFF.

4-10 Cutting data, laser technology tables A452pt04


Capítulo 5

Definição do processo laser

1. Penetração ... ................................................................. 5-3


1.1 ... no modo rampa ........................................................... 5-3
1.2 Procedimento .................................................................. 5-4
1.3 Penetração no TruTops Laser ........................................ 5-5
1.4 Exemplo de processos.................................................... 5-6

2. Aproximação.................................................................. 5-7
2.1 Casos especiais .............................................................. 5-8
Oblongo ..................................................................... 5-8
Cova de aproximação................................................ 5-8

3. Processo de contornos ................................................ 5-9


3.1 Eqüidistantes................................................................... 5-9
3.2 Correção de caminho.................................................... 5-10
Correção de caminho no TruTops Laser................. 5-11
Extrato dos programas NC ...................................... 5-11

A452pt05 Definição do processo laser 5-1


4. Processo de cantos .................................................... 5-12
4.1 Canto arredondado ....................................................... 5-12
Arredondamento – Exemplos .................................. 5-12
4.2 Looping.......................................................................... 5-13
4.3 Canto refrigerado ......................................................... 5-14
Tempo de refrigeração - Exemplos ......................... 5-14
Exemplo de processo – Extrato do texto NC .......... 5-15

5-2 Definição do processo laser A452pt05


1. Penetração ...

O raio laser deve penetrar o material antes que possa efetivamen-
te iniciar o corte. Como regra geral, a penetração no material não
ocorre no contorno, mas sim há alguma distância no parte de so-
bre de material. O assim chamado caminho de aproximação é
uma preparação entre a Penetração (Penetração) e o contorno.

A penetração é possível com ou sem regulagem de altura.

1.1 ... no modo rampa

No ciclo de rampa, uma distinção é feita entre:

• Penetração suave com potência reduzida.

• Penetração normal com potência total.

Os ciclos de rampa individualmente por si só são diferenciados,


entre outras coisas, pela potência do laser. O ciclo de rampa „cor-
reto “depende do material e do contorno”.

O comando lê a partir da tabela tecnológica o ciclo de rampa a ser


utilizado para a penetração. Todo ciclo de rampa é automatica-
mente terminado uma vez que o tempo de penetração indicado na
tabela terminar.

Fig. 21620

A452pt05 Definição do processo laser 5-3


1.2 Procedimento


Procedimento de penetração Fig. 21860

1. Com regulagem de altura ativada, o cabeçote de corte desloca


para a distância de penetração.
2. O laser é ligado e perfura o material através de ciclo de rampa.
3. O cabeçote de corte desloca para a distância de corte. Na
tabela tecnológica, o comando lê os valores que serão aplica-
dos depois no corte. O laser permanece ligado ao menos que
um tempo de sopro maior que zero estiver programado.
4. O laser corta o contorno.

Tabela tecnológica : Dados de penetração Fig. 30790en

5-4 Definição do processo laser A452pt05


1.3 Penetração no TruTops Laser

O método de penetração (tipo) é definido na regra.

Uma regra para a tabela tecnológica T2D-5388 - Penetração Fig. 23003en

TC_LASER_ON (..............................................................................)

A452pt05 Definição do processo laser 5-5


1.4 Exemplo de processo


Fig. 21620

(...)
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1EINSTECHARTEN")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"3529",10,100);EINST/SCHNFAST
N60X5.000
N70TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N80X-5.000Y-2.000
N90TC_LASER_ON(1,"3529",11,100);EINST/SCHN
N100X5.000
N110TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N120X-3.553Y-4.947
N130TC_LASER_ON(1,"3529",11,300);EINST/SCHN
N140X0.354Y-0.354
N150G03I-0.301J0.301
N160TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N170G01X-7.689Y2.676
N180TC_LASER_ON(1,"3529",10,100);EINST/SCHNFAST
N190X3.008Y-3.348
N200G03X0.363Y-0.010I0.186J0.167
N210G03I-3.483J3.483
N220TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N230G01X-15.558Y11.058
N240TC_LASER_ON(1,"3529",10,100);EINST/SCHNFAST
N250X4.500
N260X19.650
N270G02X0.500Y-0.500J-0.500
N280G01Y-14.150
N290G02X-0.500Y-0.500I-0.500
N300G01X-19.150
N310G02X-0.500Y0.500J0.500
N320G01Y14.650
N330TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N340G01
N350G90
N360M17
N370M02
STOP_TEXT
(...)

5-6 Definição do processo laser A452pt05


2. Aproximação de contorno

Dependendo do material, espessura de chapa e tamanho do con-
torno o laser aproxima-se do contorno por um dos cantos ou um
elemento:

Fig. 23004

O banco de dados do TruTops Laser contém várias possibilidades


de aproximação (regra):

Regra para tabela tecnológica T2D-5388 – Aproximação Fig. 23005en

Recorrer ao Data Collection de sua máquina para mais informa-


ções sobre aproximação.

A452pt05 Definição do processo laser 5-7


2.1 Casos especiais

Oblongo

Fig. 21863

Cova de aproximação

Fig. 21861

 Aplicação

5-8 Definição do processo laser A452pt05


3. Processo de contornos

Para se obter um corte dos contornos com exatidão, o caminho do
raio laser deve ser corrigido em um valor de a metade do diâmetro
do raio laser.

3.1 Eqüidistantes

Eqüidistantes são linhas paralelas ao contorno que corresponde


exatamente ao centro do caminho do raio laser. Eqüidistantes são
computados automaticamente no TruTops pelo parâmetro „fenda
de corte”.

Eqüidistantes no TruTops Laser Fig. 21871en

Offset do raio laser Fig. 25178

A452pt05 Definição do processo laser 5-9


3.2 Correção do caminho

Quando usa a correção de caminho, TruTops fornece o caminho
de contorno real de corte no programa NC. Os dados para corre-
ção do caminho (fenda de corte) são obtidos através da tabela
tecnológica.

Fenda de corte : entrada para correção de caminho Fig. 21856e

Sem correção de caminho do raio laser Fig. 25177

5-10 Definição do processo laser A452pt05


Correção de caminho no TruTops Laser


Correção de caminho nas regras Fig. 25079

TC_LASERCORR_ON ( )

TC_LASERCORR_ON ( )

TC_LASERCORR_OFF

Extratos do programa NC

Com eqüidistantes : Com correção de caminho:


(...) (...)
N20G91 N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 ) N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL (40.0) N40TC_POS_LEVEL (40.0)
N50TC_LASER_ON(9,"3529",10,100);SPRINTLAS N50TC_LASER_ON(9,"3529",10,100);SPRINTLAS
N60X4.500 N60TC_LASERCORR_ON(T_LEFT)
N70X100.150 N70X4.500
N80Y-100.150 N80X100.000
N90X-100.150 N90Y-100.000
N100Y100.150 N100X-100.000
N110TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE N110Y100.000
(...) N120TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
(...)

A452pt05 Definição do processo laser 5-11


4. Processo de cantos

No corte a laser, é necessária uma estratégia especial para o pro-
cesso de cantos se quisermos atingir um ótimo resultado de corte.

4.1 Canto arredondado

Com o TruTops Laser, um raio pode ser programado no cantos


internos e externos. O raio varia de acordo com o material e es-
pessura de chapa.

1 Caminho do laser 3 Desenho do contorno


2 Raio laser

Canto arredondado – Desvios de canto interno e externo Fig. 23008

Arredondamento – Exemplos

Material: St 37............................................
Espessura da chapa s: Raio de arredondamento R:
............................................... ....................................................
............................................... ....................................................
............................................... ....................................................
............................................... ....................................................

Recorra ao Data Collection de sua máquina para mias informa-


ções sobre raio de arredondamento.

5-12 Definição do processo laser A452pt05


4.2 Looping

Loopings podem ser programados apenas nos cantos externos.
Existem dois tipos de looping:

• Looping "Redondo" .
• Looping “Eqüidistante”

Looping: "Redondo" e "Eqüidistante" Fig. 23009

A452pt05 Definição do processo laser 5-13


4.3 Canto refrigerado

Canto refrigerado é uma alternativa ou suplemento ao looping –
especialmente em contornos internos.

Seqüência:
O laser desloca-se até o canto e é desligado, o gás de corte per-
manece ativo. Expirado o tempo de refrigeração programado, o
laser é religado e o corte é continuado.

Canto interno refrigerado Fig. 23086

Tempo de refrigeração na tabela tecnológica Fig. 23010e

Tempo de refrigeração - Exemplos

Material: St 37
Espessura da chapa s: Tempo de refrigeração:
................................................ ....................................................
................................................ ....................................................
................................................ ....................................................
................................................ ....................................................

5-14 Definição do processo laser A452pt05


Exemplo de processo – Extrato do texto NC


Peça com canto interno refrigerado Fig. 23085

(...)
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1ECKEN")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"3536",10,110);EINST/SCHN
N60X-8.500
N70X-12.400
N80G02X-1.000Y1.000J1.000
N90G01Y9.000
N100TC_WAIT;ECKENKUEHLEN
N110X-3.600
N120TC_WAIT;ECKENKUEHLEN
N130Y-9.000
(...)
N280G01Y-20.011
N290TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N300G01
N310G90
N320M17
N330M02
(...)

A452pt05 Definição do processo laser 5-15


  Para suas anotações

5-16 Definição do processo laser A452pt05


Capítulo 6

SprintLine, marcação e pon-

to de marcação

1. SprintLine....................................................................... 6-3
1.1 Procedimento .................................................................. 6-4
1.2 SprintLine no painel de operações ................................. 6-4
1.3 SprintLine no TruTops Laser........................................... 6-5
1.4 Extrato de um texto NC................................................... 6-5
1.5 Corte com e sem SprintLine – Comparação do tempo de
máquina........................................................................... 6-6

2. Marcação........................................................................ 6-7
2.1 Marcação no painel de operações.................................. 6-7
2.2 Exemplo de processos.................................................... 6-8

3. Ponto de marcação ....................................................... 6-9


3.1 Seqüencia na aço carbono e no aço inoxidável ............. 6-9
3.2 Ponto de marcação no TruTops Laser ........................... 6-9

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-1


3.3 Ponto de marcação no painel de operações ................ 6-10
3.4 Exemplo de processos.................................................. 6-11
Extrato de um texto NC ........................................... 6-11

6-2 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


1. SprintLine

O SprintLine reduz drasticamente o tempo de máquina quando a
peça a ser cortada possui numerosos contornos.

Processo de peça com numerosos contornos Fig. 21609

 Aplicação

Espessura da chapa em mm:

Aço carbono (St37): ...........................................................

Aço inoxidável (1.4301): ...........................................................

Alumínio: ...........................................................

O SprintLine não pode ser utilizado para contornos peque-


nos.

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-3


1.1 Procedimento


SprintLine – Procedimento Fig. 21860

1. o cabeçote de corte desloca-se até a distância da altura para o


piercing .
2. O laser é ligado de acordo com os dados de corte e permane-
ce nesta posição pela duração do "Tempo de penetração".
3. O cabeçote de corte desce a’te a altura de corte. Ao mesmo
tempo, o laser perfura a chapa.
4. O laser processa o contorno.
5. NO final do corte, a potência do laser é reduzida a 1%, o gás
permanece ativo e o laser desloca-se para a próxima posição
de piercing.

1.2 SprintLine no painel de operações

SprintLine na tabela tecnológica Fig. 21549e

6-4 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


1.3 SprintLine no TruTops Laser


SprintLine na regra Fig. 23013en

TC_LASER_ON ( ......................................................................... )

TC_LASER_OFF ( ................... )

1.4 Extrato de um texto NC

(...)
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1180202")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(9,"T2D-5388",10,100);SPRINTLINE
N60X3.182Y3.182
N70G03Y0.354I-0.177J0.177
N80G01X-3.129Y3.128
N90G03X-0.707I-0.354J-0.354
N100G01X-6.258Y-6.257
N110G03Y-0.708I0.354J-0.354
N120G01X6.258Y-6.257
N130G03X0.707I0.354J0.354
N140G01X6.258Y6.257
N150G03Y0.708I-0.354J0.354
N160G01X-3.129Y3.129
N170TC_LASER_OFF(3);SPRINTLINE_ENDE
N180X16.464Y-3.783
(...)

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-5


1.5 Corte com e sem SprintLine – Compa-
 ração de tempo de máquina

Fig. 30785

Máquina: ........................................................................

Laser: ........................................................................

Material: St 37 - 20 .......................................................

Dimensões : ........................................................................

Regras: ........................................................................

Máquina: sem SprintLine com SprintLine

................................ .................................

Maiores informações sobre SprintLine são fornecidas no Data


Collection de sua máquina.

6-6 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


2. Marcação rápida

Para a marcação de contornos ou textos, os parâmetros de má-
quina selecionados devem garantir uma descoloração ou uma
retirada de material que possa ser detectada na superfície da pe-
ça.

A marcação sempre é feita com o SprintLine ativo.

2.1 Marcação no painel de operações

Marcação na tabela tecnológica no comando da máquina Fig. 21868e

TC_LASER_ON ( ......................................................................... )

TC_LASER_OFF ( ................... )

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-7


2.2 Exemplo de processo


Fig. 15038

(...)
DA,'SP1812975','UP','KENNZEICHNEN',
(...)
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1812975")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_POS_LEVEL(30.0)
N60TC_LASER_ON(11,"3545",0,500);KENNZ_SPRINTLINE
N70X3.198
N80TC_LASER_OFF(3);KENNZ_SPRINTLINE_ENDE
N90X-1.599
N100TC_LASER_ON(11,"3545",0,500);KENNZ_SPRINTLINE
N110Y-8.000
N120TC_LASER_OFF(3);KENNZ_SPRINTLINE_ENDE
N130X3.265
N140TC_LASER_ON(11,"3545",0,500);KENNZ_SPRINTLINE
N150Y8.000
N160X2.665
N170X0.533Y-1.000
N180Y-2.000
N190X-0.533Y-1.000
N200X-2.665
N210TC_LASER_OFF(3);KENNZ_SPRINTLINE_ENDE
(...)

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais in-


formações sobre marcação.

6-8 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


3. Ponto de marcação (Granear)

Ponto de marcação refere-se a pontos marcados na peça. Dois
tipos de ponto de marcação são diferenciados:

• Ponto de marcação circular .


• Ponto de marcação “ponto”.

3.1 Seqüência no aço carbono e aço ino-


xidável

Ponto de marcação no aço carbono e aço inoxidável Fig. 21869

3.2 Ponto de marcação no TruTops Laser

No TruTops Laser , „ponto de marcação circular“ está ativo como


padrão. Ponto deve ser ativado quando solicitado:

Ponto da marcação nas regras Fig. 21873en

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-9


3.3 Ponto de marcação (Granear) no painel
 de operações

Ponto de marcação no painel de operações (tabela tecnológica) Fig. 21870e

 Ponto de marcação circular:

TC_LASER_ON ( ........................................................................ )

TC_LASER_OFF ( ............. )

 Ponto:

TC_LASER_ON ( ........................................................................ )

TC_LASER_OFF ( ............. )

6-10 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


3.4 Exemplo de processo


Fig. 15039

Extrato de um texto NC

(...)
DA,'SP1812976','UP','KOERNEN',
(...)
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMMER,SP1812976")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50Y0.150
N60TC_LASER_ON(5,"3545",0,600);KOERNEN
N70G02J-0.150
N80G01Y0.150
N90G02J-0.300
N100TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N110G01X-88.009Y-0.300
N120Y0.150
N130TC_LASER_ON(5,"3545",0,600);KOERNEN
N140G02J-0.150
N150G01Y0.150
N160G02J-0.300
N170TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N180G01X40.287Y47.708
N190Y0.150
N200TC_LASER_ON(5,"3545",0,600);KOERNEN
N210G02J-0.150
N220G01Y0.150
N230G02J-0.300
N240TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N250G01
N260M17
N270M02
(...)

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais in-


formações sobre dados de marcação .

A452pt06 SprintLine, marcação e ponto de marcação 6-11


  Para suas anotações

6-12 SprintLine, marcação e ponto de marcação A452pt06


Capítulo 7

Variantes de processo em

diferentes materiais

1. Processo de aço inoxidável (1.4301) .......................... 7-3


1.1 Aplicação normal............................................................. 7-3
1.2 Aspectos especiais de um contorno pequeno ................ 7-3
1.3 Purga do gás ................................................................... 7-4
Purga do gás no comando ........................................ 7-4
Como a frequente purga do gás pode ser evitada?.. 7-5
1.4 Velocidade reduzida na aproximação do contorno ........ 7-6
Procedimento ............................................................ 7-6
Velocidade reduzida de aproximação no comando .. 7-6
Velocidade reduzida de aproximação no TruToPs ... 7-7
Extrato de um texto NC ............................................. 7-8
1.5 PlasmaLine...................................................................... 7-9
O que pode causar problemas no corte? .................. 7-9
Ativando o PlasmaLine no comando....................... 7-10
Limites no PlasmaLine ............................................ 7-10

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-1


1.6 Processo de chapas com película ................................ 7-11
Vaporização – seqüência ........................................ 7-12
Vaporização no comando........................................ 7-12
Vaporização no TruTops Laser ............................... 7-13
Exemplo de processo – Extrato de um texto NC .... 7-14

2. Processo do Alumínio (AlMg3)................................... 7-15

3. Processo do aço carbono (St-37) .............................. 7-16


3.1 Alta pressão no corte com nitrogênio ........................... 7-16
3.2 Processo de chapas grossas de aço carbono .............. 7-17
Penetraçào com spray de óleo e tempo de sopro .. 7-17
Aproximação com pré-corte ... ................................ 7-19
Exemplo de processo – Extrato de um texto NC .... 7-21
3.3 Processo de cantos em chapa grossa.......................... 7-22
Canto arredondado grande ..................................... 7-22
Canto refrigerado..................................................... 7-22
3.4 Vaporizando a camada em chapas grossas................. 7-23
Extrato de um texto NC ........................................... 7-23
3.5 Corte de contornos pequenos em chapa grossa:
ContourLine................................................................... 7-24
ContourLine no comando ....................................... 7-25
Tamanho de contorno em chapas grossas ............. 7-26
Tamanho de contorno no TruTops Laser................ 7-26
Exemplo................................................................... 7-26
Exemplo de processo – Extrato de um texto NC .... 7-27

7-2 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


1. Processo de aço inoxidável (1.4301)

1.1 Aplicação normal

Na aplicação normal, o aço inox é trabalhado com nitrogênio e alta


pressão (penetração e corte).

Resultado: As faces perfuradas e contornos da peça estão livres


de oxidação.

1.2 Aspectos especiais de um contorno


pequeno
Usar oxigênio na penetração
se a chapa tiver uma Quando se processa um contorno pequeno em chapas grossas, a
espessura maior que: penetração deve ser feita com potência reduzida e com oxigênio.

Vantagens do oxigênio:
............................................. • Pequeno respingo em volta da penetração.
• O material não é ejetado para cima.
• Penetração com alta qualidade.
• Penetração menor do que com o nitrogênio.
• Maior confiabilidade no processo em contornos pequenos.

Desvantagens do oxigênio:
• Se for seguido do corte, o gás “errado” estará presente entre a
entrada de gás e o bico de corte. O gás errado irá iniciar o
corte e pode causar problemas ou...
• ... a linha de gás deve ser purgada com o gás correto (veja as
páginas seguintes)


Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais
informações sobre “perfuração em aço inoxidável”

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-3


1.3 Purga do gás

Na purga do gás, toda linha de gás é purgada por um tempo com
o próximo gás programado. Apenas depois da purga o próximo
corte ou perfuração é iniciada.

1 Penetração com oxigênio,


corte com nitrogênio, com
purga do gás.

2 Penetração com oxigênio,


corte com nitrogênio, sem
purga do gás.

Penetração em contornos pequenos Fig. 10424

Purga do gás no comando

O tempo de purga do gás determinado na tabela tecnológica no


comando da máquina ativa a purga dos gases toda vez que os
gases são trocados.

Tabela tecnológica do comando Fig. 23087e

7-4 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Como a frequente purga do gás pode ser
 evitada?

Repetidas purgas aumentam o tempo de máquina. O número de


purgas na operação pode ser reduzida da seguinte forma no
TruTops Laser:

• Mover o processo de contornos pequenos para o início do


programa NC.
• Completar as operações de perfuração primeiras.
Não é possível com SprintLine!

Antecipando as operações de penetração na geração do programa NCFig. 25176en

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-5


1.4 Velocidade reduzida na aproximação
 do contorno...
Usar velocidade de
aproximação reduzida para ... rende um início de corte limpo e um corte com qualidade no aço
espessuras de chapa maiores inox de certas espessuras de chapa.
que:

Contorno pequeno: .............


Procedimento

Contorno grande: ................

Fig. 21860

1. O cabeçote de corte está na altura de penetração e faz a


primeira parte da aproximação com uma velocidade reduzida.
2. O cabeçote assume então à distância de corte e faz o restante
da aproximação com a velocidade normal.

Velocidade reduzida de aproximação no


comando

Tabela tecnológica no comando Fig. 23014e

7-6 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Velocidade reduzida de aproximação no
 TruTops Laser

Velocidade reduzida de aproximação nas regras do TruTops Laser Fig. 23015en

TC_LASER_ON (............................................................................ )

X.......... Y ..........

TC_LASER_ON (............................................................................ )

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-7


Extrato de um texto NC

(...)
C
ZA,DA,2
DA,'SP1812974','UP','REDUZIERTES ANFAHREN',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP10812974")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"3545",10,110);EINST/SCHN
N60X-0.097Y-4.399
N70TC_LASER_ON(5,"3545",0,100);LTT2
N80X-0.024Y-1.100
N90G03X0.148Y-0.153I0.150J-0.003
N100G03I0.176J14.899
N110TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N120G01X0.149Y-10.851
(...)

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais


informações do os dados de “velocidade de aproximação
reduzida“.

7-8 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


1.5 PlasmaLine

PlasmaLine previne corte com formação de borras. E dessa forma
que ele trabalha:

Em corte de alta pressão com nitrogênio, é formado um plasma na


frente do corte quando há a formação de borra. Plasma é um gás
condutivo que altera a resistência elétrica entre o bico e a chapa.
O PlasmaLine detecta a formação de plasma e o início de borra no
corte.

O que pode causar problemas no corte?

No aço inox e alumínio com espessura ≥ 6 mm:

Quando muda a direção ou quando coincide com as tiras de


suporte, o corte é interrompido e a escória pode não se
totalmente expelida para baixo.

Através da deterioração de parâmetros de processo, tais como:

• Desgaste do bico de corte.


• Contaminação da lente.
• Material de diferente qualidade...

Depois do canto, formou o plasma, Rugosidade e borra na parte de baixo


mas foi eliminado pelo PlasmaLine. são indicações da formação de plasma.
depois disso, a face cortada está
novamente “lisa” e sem borra.

Faces de corte processadas com e sem PlasmaLine Fig. 16440

Use PlasmaLine nos seguintes casos como:


aço carbono, espessura 4 mm se cortado com nitrogênio.

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-9


Ativando o PlasmaLine no comando

Ativar o PlasmaLine na tabela tecnológica no comando. O
PlasmaLine não pode ser programado via função NC.

Ativando e desativando o PlasmaLine no comando Fig. 23016e

Limites do PlasmaLine

Limite 1 (formação da luz do plasma):

O cabeçote de corte desloca-se a 60% da velocidade de corte até


que o plasma seja eliminado.

Limite 2 (formação de plasma pesado):

Os eixos X e Y param, o cabeçote é posicionado na altura de


penetração.
Assim que o plasma é eliminado o cabeçote aproxima-se a uma
velocidade reduzida e termina o corte.

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais


informações sobre os dados de “PMS”.

7-10 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


1.6 Processo de chapas com película

Chapas com película normalmente apresentam problemas no
corte, tanto que as seguintes exigências são encontradas:

• A película deve estar voltada para cima.


• Material da película: Polietileno, mínimo 90µm de espessura.
• Adesivo usado: cola natural.
• Resistência do adesivo: alta.
• Granulação da superfície: Grão >240.

Se a película não estiver adequadamente aderida, o gás pode


infiltrar-se entre a película e o material durante o corte com alta
pressão, causando o destaque da película da chapa.

Solução: Vaporizar a chapa em todo o contorno a ser cortado.

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-11


Vaporização – seqüência


1. Vaporização da película: 2. Corte do contorno:

1 Cabeçote de corte 3 Chapa


2 Película

Fig. 21874, 21875

 Vaporização no comando

Tabela tecnológica no comando Fig. 21872e

7-12 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Vaporização no TruTops Laser

Nas folhas com adesivo de boa qualidade, é suficiente vaporizar
apenas a penetração.
Se o adesivo não for forte, o contorno deve ser vaporizado antes
do corte.

Programação de ambas as variantes no TruTops Laser:


Escolha a regra apropriada.

Índice “Vaporização” nas regras Fig. 25080en

No TruTops Laser, toda a operação de vaporização pode ser


executada antecipadamente, tanto com o critério de peças ou
chapa. Beneficio: economia de tempo.

TC_LASER_ON (............................................................................ )

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-13


Exemplo de processo – Extrato de um texto
 NC

Fig. 15035

(...)
ZA,DA,4
DA,'SP1812977','UP','FOLIE-ABDAMPFEN',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1812977")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(6,"3545",0,400);ABDAMPFEN
N60X-0.051Y-4.400
N70X-0.013Y-1.100
N80G03X0.149Y-0.151I0.150J-0.002
N90G03I0.023J14.900
N100TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
N110G01X0.162Y-10.850
N120TC_LASER_ON(6,"3545",0,400);ABDAMPFEN
N130Y4.400
N140Y1.100
N150G03X-0.150Y0.150I-0.150
N160G01X-33.995
N170G02X-4.673Y10.021J6.100
N180G01X40.287Y48.008
N190G02X10.706Y-4.817I4.673J-3.921
N200G03X19.346Y-32.487I29.573J-4.393
N210G01X24.430Y-8.893
N220G02X-2.087Y-11.832I-2.087J-5.732
N230G01X-54.014
N240TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
(...)

7-14 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


2. Processo de alumínio (AlMg3)

O alto grau de pureza do alumínio se torna a maior dificuldade
para o corte laser:

• Grande reflexão do raio laser na superfície da chapa e na


fenda de corte.
• O laser necessita de uma alta potência para “introduzir” a
energia no material.
• Confiabilidade inferior no processo (através da interrupção do
raio).

Quanto maior o conteúdo de liga, menor é a influência que essas


propriedades tem no corte a laser.

O processo de uma liga de alumínio pode ser comparado ao do


aço inox. (ver pág. 7-3 f):

• Usar aproximação reduzida, dependendo do tamanho do


contorno e espessura de chapa.
• Aceleração reduzida para prevenir a interrupção do raio em
chapas grossas.
• Ativar o PlasmaLine para chapas de espessura 6 mm ou
maior.
• A película deve ser vaporizada (ver pág. 7-11).

Diferenças do processo de aço inox:

• Quando processando contornos pequenos, oxigênio é


geralmente usando para todas as espessuras.
• Microsoldas não podem ser feitas devido às propriedades
inerentes ao alumínio.

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para maiores


informações sobre o corte de alumínio.

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-15


3. Processo de aço carbono (St37)

3.1 Corte de alta pressão com nitrogênio

Nas TruLaser Série 5000, o aço carbono pode também ser cortado
com nitrogênio com uma alternativa ao corte com oxigênio.

Vantagens do corte de alta pressão com nitrogênio:


• Sem a camada de oxidação quebradiça na face de corte que
teria de ser removida antes de um revestimento ou pintura.

Tudo que o programador tem que fazer é selecionar a tabela


tecnológica apropriada no TruTops Laser.

Campo de aplicação: chapas de espessura de 1 – 10 mm:


• Lente de 7.5'': Acima de 6 mm chapa espessura
• Lente de 9'': A partir de espessura de 8mm

7-16 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


3.2 Processo de chapas grossas de aço
 carbono

Penetração com spray de óleo e tempo de


sopro

Spray de óleo
Aplicação:
Spray de óleo lubrificante é usado quando perfuramos chapas
grossas.

Por quê?
A penetração com potência total no aço carbono com superfície
seca resulta na ejeção de material para cima da chapa. Isto causa
um anel de escória em volta da penetração.

O dispositivo de spray de óleo do cabeçote borrifa uma fina


camada de óleo no ponto de perfuração; com isso se previne que
as escórias grudem no material.

Vantagens:
• Não é necessário olear a chapa previamente, isso resulta em:
• Menor consumo de óleo.
• Como regra, não é necessária a limpeza da peça.
• Reduz a contaminação do filtro.

1 Dispositivo de spray de óleo

Cabeçote de corte com dispositivo de spray de óleo Fig. 24366

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-17


Tempo de sopro
 O sopro do furo após a penetração remove o resíduo de escória
da superfície da chapa e ao mesmo tempo, refrigera a chapa. O
raio laser permanece desligado durante a operação de sopro.

Spray de óleo e tempo de sopro no comando


As operações de spray de óleo e tempo de sopro são ativadas no
comando da máquina:

Tabela tecnológica no comando da máquina Fig. 23017e

7-18 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Aproximação com pré-corte...

Usar aproximação com pré- ... produz um início de corte limpo e de boa qualidade em chapas
corte se a chapa tiver de aço carbono de uma certa espessura, e ao mesmo tempo, evita
que o corte seja fechado com uma “solda”.
espessura maior que:

Seqüência
Contorno pequeno: .............
1. O cabeçote de corte está na altura de penetração. Ele faz a
Contorno médio: ................. primeira parte da aproximação com velocidade reduzida.
2. O cabeçote de corte retorna ao ponto da penetração à
Contorno grande: ................ velocidade máxima de posicionamento e com o raio ligado.
3. O cabeçote então assume a altura de corte e corta o restante
da aproximação e o contorno com a velocidade normal.

Fig. 21860

Aproximação com pré-corte no comando

Tabela tecnológica no comando Fig. 25251e

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-19


Aproximação com pré-corte no TruTops Laser


Fig. 23019en

Aproximação com pré-corte nas regras do TruTops. 23018en

TC_LASER_ON (..............................................................................)

X....................Y...................

X....................Y....................

TC_LASER_ON (..............................................................................)

X....................Y....................

7-20 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Exemplo de processo – Extrato de um texto
 NC

Fig. 23092

(...)
DA,'SP2VORSCHNITT_481B_4','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP2 VORSCHNITT _481B_4")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"T2D-5111",10,110);EINST/SCHN
N60X3.112Y-3.913
N70X-3.112Y3.913F84000;VORSCHNITT
N80TC_LASER_ON(5,"T2D-5111",0,100)
N90X6.225Y-7.826
(...)
N120TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N130G01X-70.680Y60.680
N140TC_LASER_ON(1,"T2D-5111",10,110);EINST/SCHN
N150X5.000Y0.000
N160X-5.000Y0.000F84000;VORSCHNITT
N170TC_LASER_ON(5,"T2D-5111",0,100)
(...)
N260TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
(...)

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina para mais


informações sobre “Aproximação com pré-corte”

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-21


3.3 Processo de cantos em chapa grossa

Canto arredondado grande

Para conseguir uma boa qualidade de corte em chapas grossas


(ex. aço carbono 15 e 20mm), recomendamos raios de
arredondamento ≥ 3 mm.

Vantagens:
• Uma velocidade relativamente constante pode ser mantida no
corte dos cantos.
• Devido à velocidade constante, o stress térmico no material é
minimizado especialmente no corte com oxigênio.

Canto refrigerado

Se o desenho da peça não permite raio nos cantos: Use a


estratégia “Canto refrigerado”:

1. Programar "Canto refrigerado" no TruTops Laser.


2. Entrar o tempo de refrigeração na tabela tecnológica no
comando da máquina.

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina e o capítulo %


deste livro para mais informações sobre “Canto refrigerado em
chapa grossa”.

7-22 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


3.4 Vaporizando a camada de escória na
 chapa

Aço carbono, especialmente chapas grossas, geralmente tem uma


camada de escória em sua superfície.

Efeitos da camada no corte a laser:


• Rebarbas.
• Grandes estrias

Solução:
Essa camada no aço carbono pode ser vaporizada
antecipadamente – como a película no aço inoxidável.

Extrato de um texto NC

DA,'SP1ABDAMPFEN_481B_4','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1ABDAMPFEN_481B_4")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(6,"T2D-5111",0,400);ABDAMPFEN
N60X6.225Y-7.826
N70G03X2.235Y-0.127I1.174J0.934
N80G03I-10.430J10.430
N90TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
N100G01X-70.680Y60.680
N110TC_LASER_ON(6,"T2D-5111",0,400);ABDAMPFEN
N120X10.000
(...)
N200TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
N210G01
N220M17
N230M02
STOP_TEXT

Recorra ao DATA COLLECTION de sua máquina e as páginas


7-13 deste livro para mias informações sobre Vaporização.

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-23


3.5 Corte de contornos pequenos em
 chapas grossas: CountorLine

No aço carbono com espessura de 6 à 20mm (dependendo da


potência do laser), contornos pequenos são cortados com
CountorLine.

Menor dimensão de contorno pequeno: ∅ 0.4 x espessura da chapa


s.

Como o CountorLine trabalha:

• Baixa freqüência (10Hz).


• Baixa potência do laser.
• Baixa velocidade de corte.
• Rampa mais cuidadosa para a perfuração.
• Baixa pressão do gás de corte.

Aço carbono, s = 10 mm, furo de diâmetro 4 mm Fig. 19641

7-24 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


CountorLine no comando


Ciclo de rampa moderado para penetração na tabela tecnológica Fig. 24365e

Baixa freqüência na tabela tecnológica Fig. 23082e

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-25


Tamanho de contorno em chapas grossas

Quando processa chapas de espessura entre 6 e 20 mm
(CountorLine), o TruTops Laser distingue entre três tamanhos de
contornos:

• Contorno grande.
• Contorno médio.
• Contorno pequeno (processo CountorLine).

Tamanho de contornos no TruTops Laser

Os diferentes tamanhos de contornos nas regras do TruTops Laser Fig. 27164en

TC_LASER_ON (............................................................................ )

Exemplo

Material: St 37, espessura s: 10 mm

1 ⎛ = 30 mm (contorno grande) 3 ⎛ = 6 mm (contorno pequeno)


2 ⎛ = 10 mm (contorno médio)
Três tamanhos diferentes de contornos em uma mesma peça Fig. 24118

7-26 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Exemplo de processo – Extrato de um texto
 NC

Fig. 24118

(...)
ZA,DA,2
DA,'SP1COUNTORLINE','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1COUNTORLINE")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(1,"T2D-5109",11,300);EINST/SCHN
N60X1.980Y-1.980
N70G03I-1.980J1.980
N80TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N90G01X-48.273Y0.823
N100TC_LASER_ON(1,"T2D-5109",10,210);EINST/SCHN
N110X1.547Y-1.963
N120X-1.547Y1.963F84000;VORSCHNITT
N130TC_LASER_ON(5,"T2D-5109",0,200)
N140X2.613Y-3.315
N150G03X0.746Y-0.044I0.393J0.310
N160G03I-3.359J3.359
N170TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N180G01X19.073Y36.627
N190TC_LASER_ON(1,"T2D-5109",10,110);EINST/SCHN
N200X1.704Y-1.828
N210X-1.704Y1.828F84000;VORSCHNITT
N220TC_LASER_ON(5,"T2D-5109",0,100)
N230X5.796Y-6.217
N240G03X0.719Y-0.013I0.366J0.341
N250G03I-10.430J10.430
N260TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
(...)

A452pt07 Variantes de processo em diferentes materiais 7-27


  Para suas anotações

7-28 Variantes de processo em diferentes materiais A452pt07


Capítulo 8

Otimização do processo

laser

1. Mudando os valores de corte em um contorno ......... 8-3


1.1 Exemplo de processo...................................................... 8-3
1.2 Extrato de um texto NC................................................... 8-4

2. Aumentando a acelaração............................................ 8-5


Aumentando a aceleração no comando.................... 8-5
2.1 Corte em alta velocidade de chapas finas ...................... 8-6
Controle da potência e controle da freqüência.......... 8-6
"Controle da potência e controle da freqüência no
comando .................................................................... 8-7

3. Deixando as peças pressas ao esqueleto da chapa ...8-8


3.1 Microjuntas ..................................................................... 8-9
Programando uma microjunta no final do contorno no
TruTops ..................................................................... 8-9

A452pt08 Otimização do processo laser 8-1


Programando uma ou mais microjuntas em um
contorno interno no TruTops ................................... 8-10
3.2 "Microsolda (Microweld)"............................................... 8-13
"Microsolda" no TruTops Laser ............................... 8-13
"Microsolda" no comando........................................ 8-14

4. NitroLine: corte com High-speed de chapas grossas


com maior posição focal ............................................ 8-15
4.1 NitroLine no aço inoxidável ........................................... 8-16
4.2 NitroLine no alumínio ................................................... 8-17

5. Operação de máquina com dois cabeçotes ............. 8-18


5.1 Área de trabalho............................................................ 8-19
5.2 Tabela cabeçote laser................................................... 8-20
Extrato de um texto NC ........................................... 8-21

8-2 Otimização do processo laser A452pt08


1. Mudando os valores de corte em um
 contorno

Nos seguintes casos, é aconselhável o uso de diferentes valores


de corte em um contorno:

Peças que contêm ... Cortar com ...


• longos elementos, • potência alta de laser,
• longos arcos, • alta velocidade.
Peças que contêm ... Cortar com ...
• elementos muito curtos, • potência baixa de laser,
• arcos curtos, • velocidade baixa.

Pré-requisito para mudança de contorno:


Os contornos grandes e pequenos (entre os que serão
mudados) devem ser cortados com a mesma fenda de
corte.

1.1 Exemplo de processo

Mudando os valores de corte em um contorno Fig. 23091

 Troca com SprintLine para...

... contorno pequeno: TC_LASER_ON ( ..........................................)

... contorno grande: TC_LASER_ON ( .............................................)

 Troca sem SprintLine para ...

... contorno pequeno: TC_LASER_ON ( ..........................................)

... contorno grande: TC_LASER_ON ( .............................................)

A452pt08 Otimização do processo laser 8-3


1.2 Extrato de um texto NC

(...)
N990TC_LASER_ON(9,"T2D-5102",10,100);SPRINTLINE
N1000Y4.500
N1010Y9.866
N1020G03X-0.147Y0.354I-0.500
N1030G01X-13.776Y13.776
N1040G03X-0.353Y0.146I-0.354J-0.354
N1050G01X-0.200
N1060TC_LASER_ON(11,"T2D-5102",0,300);KLEINE_KONTUR
N1070X-1.166
N1080G02X-0.500Y0.500J0.500
N1090G01Y1.500
N1100X-1.750
N1110Y-1.500
(...)
N1830G01X-0.142Y-0.142
N1840TC_LASER_ON(11,"T2D-5102",0,100);GROSSE_KONTUR
N1850X-13.634Y-13.634
N1860G03X-0.147Y-0.354I0.354J-0.354
(...)
N2140TC_LASER_ON(11,"T2D-5102",0,300);KLEINE_KONTUR
N2150X1.922Y3.204
N2160G02X0.858I0.429J-0.257
N2170G01X1.542Y-2.571
(...)
N3730G01X2.025Y-3.375
N3740G02X0.071Y-0.258I-0.429J-0.257
N3750G01Y-0.200
N3760TC_LASER_ON(11,"T2D-5102",0,100);GROSSE_KONTUR
N3770Y-19.321
(...)

8-4 Otimização do processo laser A452pt08


2. Aumentando a aceleração

Nas TruLaser Séries 3000 e 5000, a aceleração alta pode ser
usada em combinação com chapas finas:
TruLaser Série 5000: Aceleração Standard: 10 m/s2
Aceleração aumentada: 17 m/s2
TruLaser Série 2000 Aceleração Standard: 2 m/s2
TruLaser Série 3000: Aceleração aumentada: 4 m/s2

A aceleração standard nas TruLaser Série 7000 é de


20 m/s2. Ela não poder ser aumentada em nenhuma hipótese.

Vantagens:
• Maior velocidade de processo.
• Elimina a formação de “gotas” na extremidade inferior do
corte.

Possíveis desvantagens:
• Pode haver vibrações durante a mudança de direção.
• Imprecisão nos contornos em alguns casos.

Aceleração aumentada no comando

Tabela tecnológica no comando Fig. 23016

TC_LASER_ON (............................................................................ )

Você pode aumentar a aceleração no TruTops Laser se as


desvantagens mencionadas não ocorrerem ou não forem
problemas para você.

A452pt08 Otimização do processo laser 8-5


2.1 Corte em alta velocidade de chapas
 finas

Chapas finas podem ser cortadas com alta velocidade. Em relação


a isso, a vantagem é a formação de plasma (que é desejada) para
melhor utilização da energia do laser.

O corte com alta velocidade é possível nas seguintes situações:


Máquina: TruLaser Séries 2000, 3000, 5000 e 7000.
Tam. do contorno: Contorno grande
Material:
- Alumínio: Espessura até 2 mm.
- 1.4301: Espessura até 1.5 mm.
- St37: Espessura até 1.5 mm.
Gás de corte: Nitrogênio
Lente: 3.75''.
Desvantagens:
• (facilmente removível) borra na parte inferior do material.
• Maior rugosidade na superfície de corte.

Controle da potência e controle da


freqüência

Para evitar a formação de borra antes/depois dos cantos durante o


corte em alta velocidade, cortar utilizando ”Controle da potência e
controle da freqüência”:

PL Potência do laser [% da potência F Avanço [% do avanço


do laser programada] programado]
TF Freqüência [Hz]

Corte em alta velocidade com Controle da potência e controle da freqüênciaFig. 30786

8-6 Otimização do processo laser A452pt08


Se o avanço é F1 (“limite máximo de velocidade”) a potência do
 laser é reduzido para PL1 e a freqüência TF1.

Se ao avanço F é diminuído a F2 , a potência do laser PL e a


freqüência TF são reduzidas de acordo com a redução do avanço
para a potência de laser mínima PL2 e para a freqüência mínima
TF2, respectivamente.

No TruTops Laser , a Controle da potência e o controle da


freqüência são ajustados via tabela tecnológica apropriada.

"Controle da potência e controle da


freqüência" no comando

Limites "Superior" e "Inferior" definem o campo em que a potência


e freqüência do laser são ajustados linearmente pelo avanço.

Fig. 30789en

A452pt08 Otimização do processo laser 8-7


3. Mantendo as peças pressas ao
 esqueleto da chapa ...

Vantagens:
• Previne que peças acabadas caiam entre as grades
(dependendo do tamanho da peça); elimina o risco de
chamuscamento das peças caídas.
• Peças pequenas podem ser fixadas na chapa, possibilitando
que toda a chapa seja descarregada automaticamente (ex.
com LiftMaster).
• Evitar o empenamento de peças acabadas pela distorção
térmica com isso evitando a colisão da chapa com o cabeçote
de corte.

8-8 Otimização do processo laser A452pt08


3.1 Microjuntas

Uma microjunta é uma pequena aba de material que mantém a
peça conectada à chapa. Um vez que toda a chapa tenha sido
processada, a peça é separada da chapa manualmente.

Programando uma Microjunta no final de um


contorno no TruTops

Se uma microjunta é programada no final de um contorno, o raio


laser é desligado antes do final do contorno:

Fig. 24369

Comprimento da microjunta: .............................................................

Programando uma microjunta no TruTops Fig. 31477en

A452pt08 Otimização do processo laser 8-9


Programando mais de uma microjunta em
 um contorno no TruTops

Com um clique do mouse, o programador define a posição da


Microjunta no TruTops Laser.
Diferente da Microjunta no final do contorno, uma nova perfuração
é necessária logo após a Microjunta no contorno.
O tipo de penetração (10: normal; 11: suave) é ajustado na tabela
de Microjunta no comando. O processo continua com o método
laser programado previamente.

Primeiro se especifica o comprimento da microjunta na regra, então ... ... cria-se a microjunta no módulo
tecnologia.

Fig. 31479en, 31478en

8-10 Otimização do processo laser A452pt08


Microjunta no comando
 Na tabela de Microjunta no comando da máquina, o operador pode
modificar o comprimento da Microjunta no contorno.

Tabela "Microjoints", máscara "Microjoints Geral" Fig. 30787en

No texto NC, o TruTops insere um comando G821 no final do


bloco da posição programada.

Exemplo – Extrato de um texto NC

(...)
N50TC_LASER_ON(9,"3541",10,100);SPRINTLAS
N60X-4.243Y-0.245
N70G03X-0.141Y-0.161I0.009J-0.150
N80G03X10.000Y-9.200I9.899J0.725G821
N90G03X-10.000Y9.200I-0.101J9.924
N100TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
N110G01X8.579Y-21.904
N120TC_LASER_ON(9,"3541",10,100);SPRINTLAS
N130Y4.250
N140G02X0.150Y0.150I0.150
N150G01X27.357
N160G02Y-19.850J-9.925
N170G01X-0.101G821
N180X-29.899
N190G02Y19.850J9.925
N200G01X2.643
N210TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
(...)

Fig. 31480

A452pt08 Otimização do processo laser 8-11


Gerando Microjuntas automaticamente no comando da
 máquina.

Se a microjunta não foi programada no TruTops Laser, o operador


pode, se necessário, adicionar automaticamente uma microjunta
de final de contorno usando a tabela de microjunta.

Critério para ajustar microjuntas automaticamente:


• Microjuntas automáticas são ativadas na tabela Microjoint (ver
Fig. 30787, Pág. 8-11).
• Dimensão do contorno em X e Y (veja caixa de diálogo
abaixo).

Tabela "Microjoints", "Microjoints dados" Fig. 30788en

Suprimindo Microjunta em contornos abertos

Em caso de contornos abertos, Microjuntas ajustadas


automaticamente são suprimidas da seguinte forma:
• No módulo tecnologia, o TruTops sinaliza com um quadrado
vermelho o final de um contorno aberto.
• No texto NC, o TruTops adiciona o comando G822 no final do
bloco.

Exemplo:
(...)
N100TC_LASER_ON(9,"T2D-5388",10,100)
N110X110.000G822
N120TC_LASER_OFF(3)
(...)

8-12 Otimização do processo laser A452pt08


3.2 "Microsolda"

"Microsoldas" são pontos de solda que mantém a peças finalizada
presa ao esqueleto da chapa. Microsoldas são especialmente
apropriadas para materiais de espessura maior que 6 mm onde
microjuntas não podem ser usadas.
Sequence:

a. O cabeçote corta o contorno da peça.


b. O laser é desligado, o cabeçote de corte retorna até a posição
da solda com um offset para o sobrematerial ou esqueleto.
c. O ponto de solda é ajustado via um ciclo de rampa.
d. O cabeçote de corte desloca-se até a posição em que o corte
foi interrompido com uma sobreposição, o laser é ligado e
termina o corte do contorno.

1 Ponto de solda 5 Corte de sobreposição


2 Offset 6 Corte preparatório
3 Sobrematerial / esqueleto 7 Peça
4 Centro do raio (centro da fenda)
Fig. 31704

"Microsolda" no TruTops Laser

Um ou mais ponto de solda podem ser colocados no contorno.

Fig. 29873en

A452pt08 Otimização do processo laser 8-13


"Microsolda" no comando


Tabela tecnológica no comando da máquina Fig. 25174e

TC_LASER_OFF (............................................................................ )

TC_LASER_ON (............................................................................ )

8-14 Otimização do processo laser A452pt08


4. NitroLine: Corte com alta velocidade
 em chapas grossa com maior posição
focal

Com NitroLine, posições focais muito mais altas podem ser


usadas para o processamento de aço inoxidável do que no corte
convencional com alta pressão. No alumínio, a posição focal é
elevada apenas o mínimo.
O plasma que, todavia forma-se na fenda de corte contribui para
um melhor aproveitamento da potência do laser no material.

Vantagens:
• ... Corte com maior velocidade.
• ... Menor consumo de gás de corte.

Desvantagens:
• A qualidade do corte não é muito boa.

NitroLine pode ser usado nas seguintes máquinas:


• TruLaser Série 3000 com TruFlow 4000 t:
Aço Inoxidável (1.4301): 10 - 15 mm de espessura.
Alumínio: 8 e 10 mm de espessura.
• TruLaser Série 5000 com TruFlow 5000 e 6000t:
Aço Inoxidável (1.4301): 15 e 20 mm de espessura.
Alumínio: 8,10 e 12 mm de espessura.

A452pt08 Otimização do processo laser 8-15


4.1 NitroLine no aço inoxidável

Exemplo: aço inoxidável de espessura 15 mm.

Corte com alta pressão convencional com menor posição focal Fig. 31505

NitroLine com maior posição focal Fig. 31506

8-16 Otimização do processo laser A452pt08


4.2 NitroLine no alumínio

Exemplo: Alumínio de espessura 8 mm.

Corte com alta pressão convencional com menor posição focal Fig. 31507

NitroLine com posição focal um pouco maior Fig. 31508

A452pt08 Otimização do processo laser 8-17


5. Maquinas com dois cabeçotes

As TruLaser 7025 e 7040 são equipadas com dois cabeçotes de
corte. Os dois cabeçotes de corte trabalham praticamente de
forma independente um do outro na direção X.
Uma chapa pode – se necessário- ser processada por apenas um
cabeçote ou sincronizadamente por ambos. No processo
sincronizado, duas peças idênticas são produzidas ao mesmo
tempo.

Fig. 26306

8-18 Otimização do processo laser A452pt08


5.1 Área de trabalho


Fig. 31500

Área total de trabalho da máquina: ...................................................

Distância mínima entre os cabeçotes: ..............................................

Área de trabalho do cabeçote 1: .......................................................

Área de trabalho do cabeçote 2: .......................................................

O lado esquerdo e direito da área total de trabalho apenas


pode ser coberto por um dos cabeçotes.

A452pt08 Otimização do processo laser 8-19


5.2 Tabela de cabeçote laser

Os seguintes dados são definidos da tabela de cabeçote:
• Cabeçote a ser usado para o processo da chapa.
• Distância entre os dois cabeçotes na direção X.

A chamada da tabela de cabeçote laser no programa NC.

Passos através do menu:

1. „Atividade“.

2. „Produzir“.

3. „Tabelas".

4. „Cabeça de corte laser“.

Fig. 27796en

8-20 Otimização do processo laser A452pt08


Extrato de um programa NC

Guia de dados:
(...)
BEGIN_LASER_HEAD
C
ZA,MM,10
MM,AT,1, 10,1,1,,'Tabellenidentifikator' ,,'',T
MM,AT,1, 20,1,1,,'Schneidkopf 1 aktiviert' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 30,1,1,,'Schneidkopf 2 aktiviert' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 40,1,1,,'Schneidkopf 3 aktiviert' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 50,1,1,,'Schneidkopf 4 aktiviert' ,,'Bool',Z
MM,AT,1, 60,1,1,,'Abstand Kopf 2 zu Kopf 1' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 70,1,1,,'Abstand Kopf 3 zu Kopf 2' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 80,1,1,,'Abstand Kopf 4 zu Kopf 3' ,,'mm',Z
MM,AT,1, 90,1,1,,'Anzahl Schneidkoepfe' ,,'',Z
MM,AT,1, 100,1,1,,'TRUMPF-Kennung' ,,'',Z
C
ZA,DA,1
DA,LHT-1,1,0,0,0,450.00,0,0,2,1
C
ENDE_LASER_HEAD
(...)

Programa principal:
(...)
N...;ENTRY_LASER:
N...;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N...TC_LASER_HEAD("LHT-1")
N...X..........Y..........
N...SP1..................
(...)

A452pt08 Otimização do processo laser 8-21


  Para suas anotações

8-22 Otimização do processo laser A452pt08


Capítulo 9

Processamento da chapa

1. Técnica de subrotina .................................................... 9-5


1.1 Chamada da subrotina no programa principal................ 9-6
1.2 Nesting das subrotinas.................................................... 9-7
Antecipando uma operação no TruTops Laser ......... 9-7
Efeitos na estrutura do programa.............................. 9-7
1.3 Exemplo .......................................................................... 9-8
Programa principal .................................................... 9-8
Primeira subrotina – Vaporização do contorno ......... 9-9
Segunda subrotina – Corte do contorno ..................... 9-10
Terceira subrotina – Operação da peça completa .. 9-11
Ajuste da chapa....................................................... 9-12
1.4 Rotacionando subrotinas .............................................. 9-13
Layout da chapa com rotação de peças ................. 9-14
Extrato de um texto NC ........................................... 9-14

A452pt09 Processamento da chapa 9-1


2. Plano de produção...................................................... 9-17
2.1 Criando um plano de produção no TruTops ................. 9-18
2.2 Criando um plano de produçào no comando................ 9-20
2.3 Criando um plano de produção com o NcLink............. 9-20

3. Iniciando o programa ................................................. 9-21


... resumo da sequência .......................................... 9-21
3.1 Propriedades da chapa: TC_SHEET_TECH ................ 9-22
3.2 Carregar a chapa: TC_SHEET_LOAD ......................... 9-23
Encosto da chapa.................................................... 9-23
Medição da posição da chapa comregulagem
de altura................................................................... 9-24
Sequência................................................................ 9-24
Medição da posição da chapa com regulagem
de altura no comando.............................................. 9-25
3.3 Inicio do programa no TruTops Laser.......................... 9-26
Ajustes específicos da máquina.............................. 9-26
Ajustes de programa ............................................... 9-26
3.4 Medição de blanks com o Cateye................................. 9-27
Como trabalha o Cateye.......................................... 9-27
Medição de um canto externo com o Cateye:
„Medição tipo 1“....................................................... 9-28
„Medição tipo 1“ no comando .................................. 9-28
Medição de dois furos com o Cateye:
„Medição tipo 5“....................................................... 9-29
„Medição tipo 5“ no comando .................................. 9-29
Cateye no TruTops Laser........................................ 9-30
Extrato de um texto NC ........................................... 9-30

4. Deslocamento (Offset) do ponto zero....................... 9-32


4.1 Deslocamento do ponto zero ajustável no comando.... 9-32

5. Corte de separação da chapa .................................... 9-33


5.1 Sequência ..................................................................... 9-33
5.2 Programando um corte de separação no TruTops Laser9-33
5.3 Exemplo de processo – Extrato de um texto NC .......... 9-34

6. Corte comum de separação ....................................... 9-35


6.1 Corte comum – estratégia de separação...................... 9-36
Extrato de um texto NC ........................................... 9-37

7. Saltando sentenças em um texto NC........................ 9-38


7.1 Extrato de um texto NC................................................. 9-38
7.2 Re-entrando em um programa - Exemplo .................... 9-39

8. Automação com LiftMaster ........................................ 9-40


8.1 Princípio básico do LiftMaster ....................................... 9-41

9-2 Processamento da chapa A452pt09


8.2 LiftMaster – Dados técnicos.......................................... 9-42
8.3 Carregando com o LiftMaster....................................... 9-43
Grupo de ventosas: Exemplo da TC L 3030 ........... 9-43
LiftMaster no comando ............................................ 9-44
LiftMaster no TruTops Laser ................................... 9-44
Escolhendo o canto de carregamento..................... 9-45
8.4 Descarregando peças processadas ............................. 9-45

A452pt09 Processamento da chapa 9-3


9-4 Processamento da chapa A452pt09
1. Técnica de sub-rotina

Passos específicos que ocorrem freqüentemente durante a
produção de uma peça podem ser introduzidos em sub-rotinas ou
sub-programas. Cada sub-rotina pode ser chamada e processada
em qualquer programa principal.

Vantagens da sub-rotina:

• Velocidade na programação,
• Programas NC limpos e claros.
• Programas NC menores.

 Estrutura da uma sub-rotina

Conteúdo:

Dimensões:

Final de uma sub-rotina:

Técnica de sub-rotina Fig. 23097, 23098

A452pt09 Processamento da chapa 9-5


1.1 Chamando sub-rotinas no programa
 principal

Programa principal Sub-rotinas

N...“Beispiel“
..... N10MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP1Beispiel")
..... N20G91
..... .....
N...X...Y... N50TC_LASER_ON(9,"T2D-5102",10,100);SPRINTLAS
N...SP1Beispiel N60X2.753Y3.560
..... ...
..... N240X100.000
..... N250TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
N...X...Y... N260G01
N...SP1Beispiel N270G90
..... N280M17
..... N290M02
.....
.....
.....
N...X...Y...
N...SP2Beispiel
..... N10MSG("SUB-PROGRAM NUMBER,SP2Beispiel")
..... N20G91
..... .....
N...X...Y... N50TC_LASER_ON(9,"T2D-5102",10,100);SPRINTLAS
N...SP2Beispiel N60X3.098Y-3.264
..... ...
..... N400G01Y59.905
..... N410TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
N...X...Y... N420G01
N...SP2Beispiel N430G90
..... N440M17
(....) N450M02

Fig. 25252

9-6 Processamento da chapa A452pt09


1.2 Nesting das sub-rotinas

Para ganhar tempo, é possível no TruTops Laser, por exemplo,
antecipar algumas operações como penetração ou vaporização
para o início do programa e executá-los primeiramente. Para
essas operações prioritárias, o TruTops Laser gera sub-rotinas
adicionais que podem ser ativadas em outras sub-rotinas (nesting
das sub-rotinas).

Adiantando operações no TruTops Laser

No TruTops Laser, as seguintes operações podem ser


antecipadas por peça ou por chapa:

• Penetração (não é possível com o SprintLine).


• Ponto de marcação.
• Marcação rápida.
• Vaporização.

Exemplo: Antecipando a vaporização Fig. 24371e

Efeitos na estrutura do programa

Quando você adianta algumas operações, o TruTops Laser gera


várias sub-rotinas para cada peça:

1.a sub-rotina: Operações adiantadas (ex. vaporização).


2.a sub-rotina: Corte da peça
3.a sub-rotina Processo completo da peça:
Ativando a 1.a sub-rotina e também ativando a
2.a sub-rotina
No programa principal, apenas a 3.a sub-rotina é chamada.

A452pt09 Processamento da chapa 9-7


1.3 Exemplo

Material: 1.4301, com película plástica.
Espessura s: 2 mm
Dimensões da chapa 2000 mm x 1000 mm
Operação adiantada Vaporização

Chamando uma sub-rotina de outra sub-rotina - Exemplo Fig. 31873

9-8 Processamento da chapa A452pt09


 Programa principal

DA,'TEIL3','HP','',
START_TEXT
N10 MSG("MAIN PROGRAM NO.,TEIL3")
N20 MSG("TRUTOPS LASER V5.02 B222.0 - L3030S -
SIEMENS")
N30 MSG("SHEET DIMENSIONS 2.00 X 2000.00 X 1000.00 ")
N40G71
N50F84000
N60;(FILE NAME: C:\TRUMPF\TEILE\USER1\TEIL3.LST)
N70;(TRANSFERNAME: TEIL3.LST PROGRAMME RUNS: 0)
N80;(MACHINE: L3030S TYP: 1)
N90;(CONTROL: SIN 840D VERSION:)
N100TC_POS_LEVEL(40.0)
N110TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N120TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N130;GOTOF ENTRY_LASER
N140;ENTRY_LASER:
(...)

A452pt09 Processamento da chapa 9-9


(...)
 N150;(Sub-subroutine call-up: CONSECUTIVE NUMBER:1)
N160X299.869Y199.525
N170SP3TEIL3
N180;ENTRY_LASER:
N190;(Sub-subroutine call-up: CONSECUTIVE NUMBER:1)
N200X299.869Y199.525
N210SP4TEIL3
N220TC_LASER_OFF(2)
N230M30
STOP_TEXT
ENDE_PROGRAMM
ED

1.a sub-rotina – Vaporização dos contornos

DA,'SP1TEIL3','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP1TEIL3")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(6,"T2D-5115",0,400);ABDAMPFEN
N60X3.176Y-3.188
N70G03X0.212Y-0.001I0.106J0.106
N80G03I-52.945J52.945
N90TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
N100G01X-282.570Y278.070
N110TC_LASER_ON(6,"T2D-5115",0,400);ABDAMPFEN
N120X4.500
N130X449.750
N140G02X0.500Y-0.500J-0.500
N150G01Y-449.250
N160G02X-0.500Y-0.500I-0.500
N170G01X-449.250
N180G02X-0.500Y0.500J0.500
N190G01Y449.750
N200TC_LASER_OFF(1);ABDAMPFEN-ENDE
N210G01
N220M17
N230M02
(...)

9-10 Processamento da chapa A452pt09


2.a Sub-rotina – Corte dos contornos

DA,'SP2TEIL3','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP2TEIL3")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 1 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(9,"T2D-5115",10,100);SPRINTLAS
N60X3.176Y-3.188
N70G03X0.212Y-0.001I0.106J0.106
N80G03I-52.945J52.945
N90TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
N100G01X-282.570Y278.070
N110TC_LASER_ON(9,"T2D-5115",10,100);SPRINTLAS
N120X4.500
N130X449.750
N140G02X0.500Y-0.500J-0.500
N150G01Y-449.250
N160G02X-0.500Y-0.500I-0.500
N170G01X-449.250
N180G02X-0.500Y0.500J0.500
N190G01Y449.750
N200TC_LASER_OFF(3);SPRINTLAS_ENDE
N210G01
N220M17
N230M02
(...)

A452pt09 Processamento da chapa 9-11


3.a Sub-rotina – operação completa da peça

DA,'SP3TEIL3','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP3TEIL3")
N20G91
N30;(ALLES ABDAMPFEN)
N40;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N50X0.000Y0.000
N60SP1TEIL3
N70;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 2 )
N80X734.682Y-274.881
N90SP1TEIL3
N100;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 3 )
N110X734.681Y-274.881
N120SP1TEIL3
N130;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 4 )
N140X734.682Y-274.881
N150SP1TEIL3
N160;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 5 )
N170X274.682Y185.119
N180SP1TEIL3
N190;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 6 )
N200X-185.319Y-274.881
N210SP1TEIL3
N220;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 7 )
N230X-185.318Y-274.881
N240SP1TEIL3
N250;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 8 )
N260X-185.318Y-274.881
N270SP1TEIL3
N280G01
N290G90
N300M17
N310M02
(...)

9-12 Processamento da chapa A452pt09


Plano de preparação


Fig. 31872en

A452pt09 Processamento da chapa 9-13


1.4 Rotacionando sub-rotinas

O TruTops Laser não gera uma nova sub-rotina para peças
rotacionadas; ao invés disso, ele rotaciona a sub-rotina existente a
um certo ângulo.
O TruTops define o ângulo de rotação da sub-rotina na programa
principal. O centro de rotação é a posição onde a sub-rotina será
chamada.

Rotacionando a peça um certo ângulo Fig. 25254

(...)
N100G90
N110X20Y10
N120SP1TEST
N130X55Y35
N140..........................................
N150SP1TEST
N160ROT
N170X20Y40
N180..........................................
N190SP1TEST
N200ROT
(...)

9-14 Processamento da chapa A452pt09


Layout de uma chapa com peça rotacionada


Layout de uma chapa com mini-nest Fig. 24964en

Extrato de um texto NC

(...)
DA,'MPTEST1997','HP','TRUTOPS100',
START_TEXT
N10 MSG("MAIN PROGRAM NO.,MPTEST1997")
N20 MSG("TRUTOPS LASER - SIEMENS - VERSION 3.0 ")
N30 MSG("SHEET DIMENSIONS 4.00 X 1000.00 X 1000.00 ")
N40G71
N50F84000
N60;(FILE NAME: C:\TEXTE\A300D\PROGRAMM\481B_2D.LST)
N70;(TRANSFERNAME: MPTEST1997.LST PROGRAMMDURCHLAEUFE: 1)
N80;(MACHINE: L2530 TYP: 1)
N90;(CONTROL: SIN 840D VERSION:)
N100TC_POS_LEVEL(40.0)
N110TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N120TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N130 ;GOTOF ENTRY_LASER
N140;ENTRY_LASER:
N150;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N160X59.879Y22.752
N170SP1TEST1997
N180;ENTRY_LASER:
N190;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 2 )
N200X138.233Y61.257
N210 ROT RPL=180.00
N220SP1TEST1997
N230ROT
(...)

A452pt09 Processamento da chapa 9-15


(...)
 N240;ENTRY_LASER:
N250;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 3 )
N260X59.879Y87.760
N270SP1TEST1997
N280;ENTRY_LASER:
N290;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 4 )
N300X138.233Y126.265
N310 ROT RPL=180.00
N320SP1TEST1997
N330ROT
N340;ENTRY_LASER:
(...)
N9050;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 179 )
N9060X825.438Y22.752
N9070SP1TEST1997
N9080;ENTRY_LASER:
N9090;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 180 )
N9100X903.792Y61.257
N9110 ROT RPL=180.00
N9120SP1TEST1997
N9130ROT
N9140TC_LASER_OFF(2)
N9150M30
STOP_TEXT
ENDE_PROGRAMM
ED

9-16 Processamento da chapa A452pt09


  Para suas anotações

A452pt09 Processamento da chapa 9-17


2. Plano de produção

Todos os programas NC que fazem parte de uma encomenda
nesting são agrupados em um único arquivo master – o plano de
produção – e automaticamente enviados para o diretório de
transferência da máquina. Quando o arquivo master é dividido, a
máquina gera o plano de produção correspondente.

Critérios para o plano de produção:


• Todas as peças devem ser cortadas em um mesmo material e
mesma espessura.
• Critério adicional com atenção à automação (LiftMaster):
- Durante a geração do programa NC, carregamento com o
trocador de palete e LiftMaster deve ser selecionado.
- Microjuntas ou Microsoldas são usadas para prevenir que
peças finalizadas tombem (com isso prevenindo possíveis
colisões).

Para o processamento automático da todas as chapas no


plano de produção, todos os critérios acima devem ser
preenchidos.

O plano de produção (como o arquivo master individual de


chapas) tem o formato '.lst'.

Além disso, um registro em formato '.xml' é criado (ver Fig. 31702,


Pág. 9-20), contendo em particular, as seguintes informações:
• Seqüência de operação.
• Números individuais das chapas e seus tempos de produção.

Vantagens de um plano de produção:


• O operador necessita dividir apenas um arquivo master e não
um arquivo para cada chapa.
• O registro dá ao operador um resumo da ordem a ser
processada.
• No caso de automação (LiftMaster) com a programação
apropriada, o plano de produção é processado
automaticamente em sua totalidade.

9-18 Processamento da chapa A452pt09


2.1 Criando um plano de produção no
 TruTops

1. Módulo Nesting :
Criar um encomenda nesting com as peças desejadas:

Encomenda nesting Fig. 31501en

2. Módulo Tecnologia:
Processo de encomenda nesting.

Fig. 31503en

A452pt09 Processamento da chapa 9-19


3. Módulo Tecnologia:
 Depois do processamento da última chapa, você terá o plano
de produção mostrado:

Exemplo Fig. 31702en

9-20 Processamento da chapa A452pt09


2.2 Criando um plano de produção no
 comando

1. Dividir os arquivos master.


Passo através do menu: 2. Criar plano de produção com a encomenda das chapas.

1. „Operation“.

2. „Production“.

3. „Production plan“.

Fig. 31504en

2.3 Criando um plano de produção com o


NcLink

Como uma alternativa para criar o plano de produção diretamente


no TruTops Laser
i
Usar o NcLink para criar um plano de produção a partir de
arquivos master de chapas individuais.
O NcLink na checa se o mesmo material e/ou espessura
estão sendo usados em todos os arquivos master!

Fig. 31701en

A452pt09 Processamento da chapa 9-21


3. Iniciando um programa ...



Definindo as condições de início e seqüência do programa Fig. 23100

... resumo da seqüência

• O operador coloca a chapa no palete e inicia o programa.

• A máquina carrega o palete (apenas se a troca de palete


estiver programada).

• Inicialmente, o ponto zero máquina é válido.

• Se a „Medição de posição da chapa“ não foi programada, o


ponto zero máquina continua válido.
Se a „Medição de posição da chapa“ foi programada, a
máquina automaticamente ajusta o ponto zero para o canto da
chapa.

(„Propriedades da chapa“ ver „TC_SHEET_TECH“, Pág. 9-23,


„Medição de posição da chapa“ ver „TC_SHEET_LOAD“, Pág
9-24.)

• A máquina inicia o processamento da chapa.

9-22 Processamento da chapa A452pt09


3.1 Propriedades da chapa:
 TC_SHEET_TECH

TC_SHEET_TECH é o ciclo de chamada no programa NC que


determina as propriedades da chapa.

TC_SHEET_TECH é conectado a um programa específico pela


tabela „Tecnologia da chapa". O TruTops Laser transfere o
conteúdo da tabela para o comando junto com o texto NC.
Passos através do menu:

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Tabelas".

4. "Tecnologia da chapa".

A tabela tecnologia contém as propriedades da chapa Fig. 23102e

Baseado nas dimensões definidas aqui, o comando determina a


posição de medição da chapa. A espessura da chapa especificada
aqui é usada para calcular a altura de posicionamento (altura de
posicionamento= espessura da chapa + 40mm).

Fig. 23100
A452pt09 Processamento da chapa 9-23
3.2 Carregamento de chapa:
 TC_SHEET_LOAD

O ciclo de chamada TC_SHEET_LOAD no programa NC define o


carregamento e a medição da chapa.

TC_SHEET_LOAD está conectado a um programa especifico pela


tabela „Carregar chapa". O TruTops Laser transfere o conteúdo da
tabela junto com o texto NC.

Passo através do menu:

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Tabelas".

4. "Carregar chapa".

A tabela Load sheet determina o início do programa.t Fig. 23103e

Encosto da chapa

Fig. 23100

9-24 Processamento da chapa A452pt09


Medição de posição com a regulagem de
 altura

Quando processa uma chapa, informações precisas devem ser


fornecidas sobre sua posição. Para garantir iss, a chapa deve ser
carregada precisamente ou sua posição deve ser medida com o
sistema de regulagem de altura.

Seqüência

Fig. 24113

1. Com a regulagem de altura ativada, o cabeçote de corte


desloca-se desde o ponto de medição até a borda da chapa,
medindo sua posição.
Baseado no tamanho da chapa (TC_SHEET_TECH), o
comando normalmente ajusta as posições medidas de acordo
com a posição da mesma no palete.
2. Baseado nos resultados das medições, o comando ajusta o
ponto zero do programa no canto da chapa como ponto zero
da máquina e também rotaciona o sistema de coordenadas de
acordo com a borda indicada.

Menor chapa a se medir: aprox. .......................................................

Tolerância de medição: aprox.

A452pt09 Processamento da chapa 9-25


Medição de posição da chapa com a
 regulagem de altura no comando

Fig. 23103e

9-26 Processamento da chapa A452pt09


3.3 Início do programa no TruTops Laser

Ajustes específicos da máquina

„Canto de carregamento“:
O canto de carregamento ( = „encosto da chapa“) é
permanentemente ajustado nos „dados de máquina“ do TruTops
Laser.

Dados de máquina no TruTops Laser Fig. 22031en

Ajustes específicos do programa

„Modo de carregamento“:
Uma das coisas que você determina quando gera o programa NC,
é se a máquina será ou não carregada automaticamente pelo
trocador de palete e (onde for aplicável) LiftMaster no início do
programa principal.

„Medir a posição da chapa?“:


Quando se está gerando o programa NC, você também pode
decidir onde e como a posição da chapa poderá ser medida.

Programa NC – a máscara „Posição da chapa" Fig. 23104en

A452pt09 Processamento da chapa 9-27


3.4 Medindo blanks com o Cateye

O Cateye (Opcional) é um sensor fotoelétrico para a medição
precisa da posição da peça.

Cabeçote com Cateye Fig. 24487

Como o Cateye trabalha

Um raio de luz é focalizado na superfície da chapa através de uma


lente. Quando passa pela aresta da chapa, a intensidade da
reflexão do raio é alterada.

O comando da máquina detecta essa variação de intensidade, e


assim registra o dado geométrico do blank. Baseado nos valores
medidos, o comando então corrige o sistema de coordenadas.

O Cateye possibilita uma medição precisa de blanks retangulares


e pré-furos em „qualquer blank“.

O ciclo de chamada TC_SHEET_MEASURE no texto NC carrega


a „Tabela de medição“ („SHM-1“), ativando o ciclo para a medição
da posição da chapa. O método de medição e os dados do
contorno (posição e dimensão) estão gravados nesta tabela.

O TruTops100 possui os seguintes métodos de medição com


Cateye:

• Medição das extremidades de um blank retangular („Método


de medição 1“, ver pág. 9-29),
• Medição das extremidades de dois furos redondo (Método de
medição 5“, ver pág. 9-30).

9-28 Processamento da chapa A452pt09


Medição de um canto externo com Cateye:
 „Medição tipo 1“

Na „Medição tipo 1“, o Cateye mede a posição exata da um canto


externo (extremidade da chapa) de um blank retangular.
Menor blank a se medir:

................................................

Tolerância de posicionamento
solicitada:

..................................................

M1 Medição 1 1 Área de trabalho


M2 Medição 2 KX Comp. Extrem. Direção X
M3 Medição 3 KY Comp. Extrem. Direção Y
Fig. 24113

O procedimento de “Medição de um canto externo com Cateye" é


exatamente como a medição com a regulagem de altura. (ver Pág.
9-25).

„Medição tipo 1“ no comando

Na „Medição tipo 1“, as informações sobre o canto externo são


Passos através do menu: encontrados na „Tabela de medição“:

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Tabelas".

4. "Tabela de medição".

Fig. 24112e
A452pt09 Processamento da chapa 9-29
Medição de dois furos com Cateye:
 „Medição tipo 5“

Menor contorno a se medir: Na „Medição tipo 5“, o Cateye mede a posição exata do ponto
central de dois furos redondos.
................................................

Tolerância de posicionamento
solicitada:

..................................................

Fig. 24116

O comando da máquina compara a posição indicada


(= coordenadas do desenho) e a „Posição atual“ (= posição atual
medida) do ponto de cada furo. Então ele corrige o ponto zero do
programa para o ponto zero correspondente do
desenho(transformação da coordenada).

„Medição tipo 5“ no comando

Passos através do menu:

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Tabela".

4. "Tabela de medição".

Página 2 da „Tabela de medição" para „Medição tipo 5“ (dois furos) Fig. 24115e

9-30 Processamento da chapa A452pt09


Cateye no TruTops Laser

A medição com o Cateye pode ser ativada durante a geração do
texto NC no TruTops Laser:

Ativando a medição com o Cateye no TruTops Laser Fig. 23104en

Extrato de um texto NC

(...)
N100TC_POS_LEVEL(40.0)
N110TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N120TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N130 ;GOTOF ENTRY LASER
N140TC_SHEET_MEASURE("SHM-1")
(...)

Se a chapa não for carregada na posição com a tolerância


estipulada para o Cateye, ela primeiro deve ser medida com
a regulagem de altura. Rebaixos ou recortes não podem
estar posicionados no caminho de medição.

A452pt09 Processamento da chapa 9-31


  Para suas anotações

9-32 Processamento da chapa A452pt09


4. Deslocamento (Offset) do ponto zero

No deslocamento do ponto zero, comando da máquina adiciona ou
subtrai valores de X e Y a partir das dimensões programadas.
Através do deslocamento do ponto zero, a peça pode ser cortada
em qualquer ponto da chapa.

4.1 Deslocamento do ponto zero ajustável


no comando

Os valores de correção podem ser inscritos das seguintes


maneiras:

• Os valores de correção podem ser inscritos manualmente


• No Jog mode, deslocar até a posição desejada para o novo
ponto zero e ativar "ZPO nozzle" ou "ZPO laser diode" para o
Passos através do menu: comando adotar a nova posição do ponto zero.

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Influenciação do
programa".

Deslocamento do ponto zero no comando da máquina Fig. 24430e

Deslocamento do ponto zero ajustável Fig. 31705

A452pt09 Processamento da chapa 9-33


5. Corte de separação da chapa

Com o corte de separação da chapa, você pode...
• Recortar retalhos não processados da chapa.
• Retalhar o esqueleto da chapa.
• Processar blanks.

5.1 Seqüência

Corte de separação da chapa – seqüência Fig. 24433

1. O sistema de regulagem de altura mede a altura da chapa.


2. O cabeçote de corte se desloca até a posição inicial
(normalmente for a da chapa) e inicia o corte (sem penetração,
sem regulagem de altura).
3. A regulagem de altura é ativada quando o cabeçote “estiver no
material” e é desativado pouco antes do final da chapa.
4. O laser processa o restante do corte da chapa e então é
desligado
5.

5.2 Programando corte de separação da


chapa no TruTops Laser

Definindo parâmetros de corte de separação da chapa Fig. 22021en

9-34 Processamento da chapa A452pt09


5.3 Exemplo de processo – Extrato de um
 texto NC

Chapa processada com corte de separação Fig. 24432en

(...)
DA,'SP2TRENNSCHNITT','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP2TRENNSCHNITT")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 101 )
N40TC_SHEET_THICK();BLECHDICKE_MESSEN
N50X-23.000
N60TC_LASER_ON(6,"T2D-5104",0,100);SCHNEIDENONLY
N70X3.000
N80X10.000
N90TC_LASER_ON(5,"T2D-5104",0,100);LTT2
N100X980.000
N110TC_LASER_ON(6,"T2D-5104",0,100);LTT2
N120X10.000
N130X3.000
N140TC_LASER_OFF(1);SCHNEIDENENDE
N150G01
N160G90
N170M17
N180M02
(...)

A452pt09 Processamento da chapa 9-35


6. Corte comum de separação

No corte comum de separação, contornos externos adjacentes são
cortados simultaneamente. As peças são posicionadas a uma
distância igual ao diâmetro do raio laser – fenda de corte.
Conseqüentemente, não são criadas grades de retalho.

1 Peça individual 2 Chapa

Corte comum de separação Fig. 17142

Aplicação:

Vantagens:

9-36 Processamento da chapa A452pt09


6.1 Corte comum – Estratégia


1 corte preparatório

Fig. 29043

Cortes preparatórios são cortes que continuam além do corte de


separação de um contorno adjacente.

Corte de sobreposição e formação de grade no encontro dos


cortes.

2 Corte de sobreposição

Fig. 29044, 5787

Em conjunto com o corte preparatório é criado um corte de


sobreposição. Esse tipo de corte é gerado para prevenir a
formação de ranhuras entrelaçadas.

Definindo parâmetros de corte comum no TruTops Fig. 21940en

A452pt09 Processamento da chapa 9-37


Extrato de texto NC

(...)
DA,'SP2GEM_TRENN','UP','',
START_TEXT
N10 MSG("SUB-PROGRAM NO.,SP2GEM_TRENN")
N20G91
N30;(PART NUMBER: 101 )
N40TC_POS_LEVEL(40.0)
N50TC_LASER_ON(7,"T2D-5105",10,0);GTS_EINST
N60TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100)
N70X5.500
N80X250.350
N90X16.000
N100TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N110X-16.000
N120TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N130Y-180.350
N140Y-16.000
N150TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N160Y16.000
N170TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N180X16.000
N190TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N200X-16.000
N210TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N220X-250.350
N230Y-16.000
N240TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N250Y16.000
N260TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N270Y180.350
N280TC_LASER_OFF(3);GTS_SCHN_ENDE_2
N290X265.350
N300TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_2
N310X235.350
N320X16.000
N330TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N340X-16.000
N350TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N360Y-180.350
N370X16.000
N380TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N390X-16.000
N400TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N410Y-16.000
N420TC_LASER_OFF(4);GTS_SCHN_ENDE_1
N430Y16.000
N440TC_LASER_ON(11,"T2D-5105",0,100);GTS_1
N450X-236.350
N460TC_LASER_OFF(3);GTS_SCHN_ENDE_2
(...)

9-38 Processamento da chapa A452pt09


7. Saltando sentenças no texto NC

Normalmente, programas principais e sub-rotinas processam
blocos NC um após o outro. Você pode mudar essa seqüência
usando saltos no programa.

Pré-requisitos para o salto:


• Saltar sentença:
GOTOF (saltar a frente)
GOTOB (saltar a trás)
• Destino do salto:
"Rótulo" (= nome com no máximo 32 caracteres).

Aplicação: Re-entrar em um programa interrompido.

Programas NC gerados no TruTops Laser contém sentenças de


salto e rótulos (ENTRY LASER) que servem com possíveis
destinos para o salto. Se um programa é parado durante o
processo, o comando “anota” a posição onde o programa foi
interrompido. Quando o programa subseqüentemente reiniciado, o
operador pode então saltar, por exemplo, para a próxima peça..

7.1 Extrato de um texto NC

(...)
N130GOTOF ENTRY_LASER
(...)
N180;ENTRY_LASER:
N190;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER:2)
N200X..........Y..........
N210SP1TEIL1_123
(...)
(...)
(...)
N260ENTRY_LASER:
N270;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER:4)
N280X..........Y..........
N290SP1TEIL1_123
(...)

A452pt09 Processamento da chapa 9-39


7.2 Re-entrada em um programa - Exemplo


Re-entrada em um programa - Exemplo Fig. 24435

(...)
N10 MSG("MAIN PROGRAM NO.,MPWIEDEREINSTIEG_1")
(...)
N100TC_POS_LEVEL(40.0)
N110TC_SHEET_TECH("SHT-1");BLECHLAGE
N120TC_SHEET_LOAD("SHL-1")
N130;GOTOF ENTRY_LASER
N140;ENTRY_LASER:
N150;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N160X11.975Y295.175
N170SP1WIEDEREINSTIEG_1
N180;ENTRY_LASER:
N190;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 2 )
N200X196.975Y295.175
N210SP1WIEDEREINSTIEG_1
N220;ENTRY_LASER:
N230;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 3 )
N240X381.975Y295.175
N250SP1WIEDEREINSTIEG_1
N260;ENTRY_LASER:
N270;(PART NUMBER: 1 CONSECUTIVE NUMBER: 4 )
N280X566.975Y295.175
N290SP1WIEDEREINSTIEG_1
N300;ENTRY_LASER:
N310;(PART NUMBER: 2 CONSECUTIVE NUMBER: 1 )
N320X853.630Y34.345
N330 ROT RPL=90.00
N340SP2WIEDEREINSTIEG_1
(...)

9-40 Processamento da chapa A452pt09


8. Automação com o LiftMaster

TRUMPF desenvolveu um conceito da automação multi-estágio
para a automação para as operações de carregamento e
descarregamento nas máquinas de corte a laser. Graças a esse
conceito, a extensão da automação da máquina pode ser moldada
à necessidade do cliente.

Exemplo: TruLaser 3030 com LiftMaster Store compacto Fig. 18402

Os seguintes processos de carregamento e descarregamento


podem ser automatizados:

• Abastecimento automático de material-prima (chapa) para


máquinas de corte a laser através de ventosas de sucção ou
paletes auxiliares („operação com gancho“).

• Remoção de chapas finalizadas utilizando “garfode


descarregamento” ou paletes auxiliares („operação com
gancho“).

• Estoque de chapas.

• Integração entre máquina e sistema de estocagem.

A452pt09 Processamento da chapa 9-41


8.1 Princípio básico do LiftMaster


1 Máquina de corte a laser TruLaser 3030 6 Carro móvel (Opcional) pilha da chapas finalizadas
2 Painel de operação do LiftMaster 7 Estação p/ material-prima com chapas brutas*
3 Trocador de palete automático, parte standard em uma 8 Barreira de luz para garantir a segurança da área da
TruLaser 3030. trabalho
4 LiftMaster descarregando um chapa finalizada 9 Cerca de segurança para a área de trabalho
5 LiftMaster B Carregamento
E Descarregamento

* O encosto está incluso no escopo da estação para material-prima. A configuração original não inclui a plataforma.

Exemplo: LiftMaster com carro de descarregamento - TruLaser 3030 Fig. 18360

B = Carregamento com sistema de E = Descarregamento com “ganchos”


vácuo
Fig. 18359

9-42 Processamento da chapa A452pt09


8.2 Dados técnicos do LiftMaster

Os ciclos de carregamento e descarregamento são rodados
automaticamente via comandos programados. Contudo as
seguintes condições devem ser encontradas:
Os pesos máximos e mínimos permitidos e as dimensões para
chapa ou blanks citados na tabela de dados técnicos não devem
ser excedidos ou minimizados.

LiftMaster Z para TruLaser 5030

Chapa Dimensões [mm] Espessura [mm] Peso [kg]

máx. min. máx. máx.


Carregamento 3000 x 1500 2000 x 1000 25 900
Descarregamento 3000 x 1500 150 x 150 20 720

LiftMaster para TruLaser 3030

Chapa Dimensões [mm] Espessura [mm] Peso [kg]

máx. min. máx. máx.


Carregamento 3000 x 1500 2000 x 1000* 20 720
Descarregamento 3000 x 1500 150 x 150 20 720

LiftMaster para TruLaser 3040

Peça Dimensões [mm] Espessura [mm] Peso [kg]

máx. min. máx. máx.


Carregamento 4000 x 2000 2000 x 1000* 20 1250
Descarregamento 4000 x 2000 150 x 150 10 630

* 1000 x 1000 mm possível a desativação dos copos de sucção manualmente as válvulas dos mesmos. (válvula de registro
manual: equipamento standard no Liftmaster para a TruLaser 3030, opcional no Liftmaster para a TruLaser 3040.)

Tolerância:
 Tolerância da chapa: 20 mm no comprimento de 3000 mm
(paralelismo e posição)

A452pt09 Processamento da chapa 9-43


8.3 Carregando com o LiftMaster

A estrutura do carregador do LiftMaster é montada com os
seguintes copos de sucção para o carregamento das chapas:

• Copo carregador
• Copo descolador

Os copos de sucção são divididos em quarto grupos. Dependendo


do tamanho da chapa, um ou mais grupos de copos de sucção
são ativados. A disposição dos grupos de copos de sucção é
projetada para carregamento de formatos de chapa standard.

Tam. chapa [mm] Grupo copo sucção


Formato pequeno 2000 x 1000 1
Formato médio 2500 x 1250 1, 2
Formato grande 3000 x 1500 1, 2, 3
Formato máximo 4000 x 2000 1, 2, 3 + três copos
(apenas TC L 4030 ) de sucção adicionais

Para garantir que as chapas sejam carregadas corretamente, o


operador do LiftMaster pode também ativar os copos de sucção do
mecanismo descolador (grupo de copos de sucção 4), a função
“descolador” e o detector de chapa dupla.

Grupo de copos de sucção: Exemplo para


TruLaser 3030

Fig. 24353

Para carregamento, o LiftMaster necessita do encosto “1”


como standard.

9-44 Processamento da chapa A452pt09


LiftMaster no comando da máquina

Passos através do menu:

1. "Atividade".

2. "Produzir".

3. "Tabelas".

4. "Carregar chapa".

Tabela "Carregar chapa" com dados para o LiftMaster Fig. 24436e

LiftMaster no TruTops Laser

Ativar na máscara de criação do NC no TruTops Laser:


• „Posição chapa“,
• abaixo „Carregar“: Escolher „Carregar com LiftMaster“.

Baseado no tamanho da chapa programada, o TruTops Laser


automaticamente ativa os grupos de copos necessários.

Posição da chapa, ativando o LiftMaster Fig. 24485e

A452pt09 Processamento da chapa 9-45


Escolhendo o canto de carregamento

Nos dados de máquina do TruTops Laser, escolhemos o lado de
carregamento ( ≙ "Encosto da chapa" do LiftMaster):

Dados de máquina - OPÇÕES Fig. 25586en

8.4 Descarregando chapas processadas

Dependendo do sistema em questão, existem uma ou duas


maneiras de descarregar chapas processadas:
• Descarregar usando o “rastelo” de descarregamento,
• No „modo Gancho“, usar as garras para descarregar o palete
auxiliar completo “abraçando” a chapa processada.

O operador seleciona o método de descarregamento no plano de


produção no comando da máquina.

Dependendo do tamanho da peça e geometria, peças que tenham


sido cortadas completamente podem elevar-se e colidir com garfo
durante o descarregamento.

Medidas para prevenir colisões com o garfo:


• Usar Microjuntas ou Microsoldas.
• Programar a peça em uma posição segura na chapa.

9-46 Processamento da chapa A452pt09


  Para suas anotações

A452pt09 Processamento da chapa 9-47