Você está na página 1de 2

QUESTÃO – Considere os seguintes fatos: “Tício, maior e capaz, celebrou negócio jurídico com

Mévio, igualmente maior e capaz, segundo a qual Tício transfere a Mévio a titularidade de um
imóvel, que Tício recebeu a título de herança. A fim de evitar despesas, Tício e Mévio celebram o
negócio jurídico em questão apenas de forma verbal, comprovando-se o pagamento de Mévio por
meio de um comprovante de depósito bancário. Tendo Mévio pago o preço a Tício, este entrega a
Mévio as chaves do imóvel, que se instala com sua família. Posteriormente, consultando um
advogado, Mévio toma ciência que celebrou um contrato inválido com Tício. Mévio decide procurar
Tício para tentar desfazer o negócio, ao que se recusa Tício.” Com base nas informações acima,
julgue as afirmações abaixo, justificando a sua resposta no espaço correspondente:

AFIRMAÇÃO I: “Trata-se de ato nulo, que deixou de reunir os elementos necessários a sua
existência, como a manifestação de vontade, a presença de sujeitos e objeto idôneo”:
verdadeiro ou falso?

PA D R Ã O D E R E S P O S TA : a afirmação é falsa. O negócio j urídico celebrado entre


os sujeitos do enunciado é NULO de fato segundo o art. 166, inciso IV. Porém, mesmo
sendo o negócio jurídico citado no enunciado nulo, a nulidade é consequência de
vícios de validade, e não de existência. Pode -se mesmo afirmar que o negócio
celebrado reuni u os requisitos de existência, havendo a manifestação de vontade, a
presença de sujeitos e objeto idôneo , havendo pois incidência das regras de lei
defini ndo o negócio j urídico como tal, ao contrário do que afirma a questão.

AFIRMAÇÃO II: “Pode-se afirmar que pretenderam Tício e Mévio, por meio do negócio
celebrado, que Mévio adquirisse direito de forma derivada e que Tício adquirisse direito de
forma originária”: verdadeiro ou falso?

PA D R Ã O D E R E S P O S TA : a a f i r m a ç ã o é f a l s a . D e f a t o , p o r m e i o d o n e g ó c i o
jurídico são adquiridos, m odificados ou exti ntos direitos . A aqui sição pode
se dar a título originário , caso em que o adquirente considera - se o
primeiro titular do direito , que é i nteiramente novo, não atingido por
eventuais vícios e defeitos, posto que estabelecido naquele momento, ou
a título deri vado, que ocorre quando já existe o direito já foi estabelecido
e pertence a um t itular atual , que pretende transferi -l o a outro do direito
e o a n t e r i o r, h á u m a r e l a ç ã o d e c a u s a e e f e i t o e n t r e o d i r e i t o c a s o e m q u e
o direito assim adquirido vem gravado com os ví cios e defeitos havidos no
momento da aquisição. No caso do enunciado, observa -se que ambos os
sujeitos pretendiam a aqui sição de direitos de forma derivada , e não
originária.
AFIRMAÇÃO III: “Admitindo-se que Tício tivesse concordado com o desfazimento do
negócio jurídico celebrado com Mévio, essa concordância seria equivalente à uma
convalidação”: verdadeiro ou falso?
PA D R Ã O D E R E S P O S TA : a a f i r m a ç ã o é f a l s a . I n i c i a l m e n t e , t r a t a n d o - s e
de negócio j urídico nulo, não há possibilidade de convalidação, segundo
o art. 169, sendo a convalidação reservada aos atos anul áveis , conforme
o art.172 que estabel ece que os negócios j urídicos passíveis de
convalidação o serão por meio de um ato de confirmação, ou seja, as
partes devem ratifica r o negócio celebrado e sana r eventuais vícios de
anulabilidade que prej udiquem o negócio até então . A afirmação cita o
desfazimento do negócio como convalidação, o que é totalmente incorreto .

AFIRMAÇÃO IV: “Pode-se afirmar que o negócio jurídico em questão produzirá efeitos,
obrigando os sujeitos, até que seja declarado inválido por uma sentença judicial, com efeitos
retroativos”: verdadeiro ou falso?

PA D R Ã O D E R E S P O S TA : a a f i r m a ç ã o é v e r d a d e i r a . S e g u n d o a Te o r i a d a
Aparência, adota da pelo Código Civil, os atos e negócios jurídicos
celebrados, mesmo que portadores de vícios e defeitos, produzem efeitos
normalmente, até o reconhecimento do vício por uma sentença judicial. No
caso do enunci ado, como se trata de um ato nulo, e não anul ável, a
sentença que decretar a invalidade dev erá ter efeitos retroativos( “ex
tunc”) conforme a afirmação cita.

Você também pode gostar