Você está na página 1de 2

A RAÇA HUMANA – ORIGEM, QUEDA E REDENÇÃO

Domingo, 19 de Janeiro de 2020

A NATUREZA DO SER HUMANO

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Nesta lição, mostraremos a complexidade do ser humano, explicando sua natureza singular, corpo, alma e espírito. Elencaremos as
características do corpo humano e destacaremos a alma como o nosso elo com o mundo exterior. Por fim, relacionaremos o espírito com o
nosso contato com Deus. Desse modo, cumpriremos o objetivo geral de nossa lição que é “expor que o corpo, a alma e o espírito
constituem a natureza do ser humano.”

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

• Texto áureo_ O texto áureo dessa lição é uma oração fervorosa de Paula pela santificação dos irmãos de Tessalônica. Santificar,
significa separar para uso exclusivo e Paulo está ensinando duas verdades: (1) A santificação é antes de tudo, uma obra de Deus
(1 Ts 5.23a). (2) Corpo, alma e espírito precisam ser igualmente alcançados pela santificação (1 Ts 5.23b). Por exemplo, posso me
abster do adultério, mas envenenar minha alma e espirito fantasiando e alimentando pensamentos indecentes com outra mulher que
não é a minha esposa. Mesmo não havendo o ato físico sexual; Jesus disse “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar
numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela (Mateus 5:28).” Portanto, Paulo foi preciso
quando disse: “O mesmo Deus de paz vos santifique em tudo”

• Verdade prática_ Tudo o que temos e o que somos devem ser inteiramente entregue a Deus. Nosso corpo deve ser um sacrifício
vivo (Rm 12.1), nossa mente deve ser a mesma de Cristo, isto é, pensarmos igual a Ele (1 Co 2.16); e nosso espírito deve adora-lo
em todo tempo e em todo lugar (Jo 4.23-24). O motivo ter o corpo, a alma e o espírito santificado e consagrado, é pelo menos dois:
(1) Primeiro, para sermos semelhantes a Cristo, afim de que nossa vida seja um testemunho que produz consolo e esperança para
o mundo. (2) Segundo, para estarmos preparados para vinda do Senhor Jesus.

• Ponto central_ A lição dessa semana vai sustentar a corrente teológica chamada de tricotomia. Os quatro pontos dessa lição
apresentaram argumentos afim de fundamentar essa verdade e nos alertar acerca de ensinamentos perigosos anunciados por
algumas seitas.
I – A COMPLEXIDADE DO SER HUMANO

1.1 Sobre a constituição do homem, existem varias correntes de pensamento. Vamos analisar as três principais que são: Unitarismos,
Dicotomismo e Tricotomismo.

• Unitarismo ou Monismo – É uma corrente doutrinaria que ensina que o homem é um só todo, uma só parte, não havendo qualquer
divisão em sua constituição; ou seja, não existe alma ou qualquer parte do ser humano que sobreviva a morte. Para os monistas, o
ser humano constitui-se de uma unidade indivisível. Essa visão é ensinada pelos adventistas do sétimo dia e por alguns materialistas
para sustentar ensinos contrários as escrituras.
• Dicotomismo – Essa doutrina ensina que há dois elementos, ou partes constitutivas, do homem: a parte material e imaterial.
Baseiam-se no fato de os termos alma e espírito, às vezes, na bíblia, serem sinônimos, ou intercambiáveis entre si. Em suma, dizem
os dicotomistas que a alma e o espirito são a mesma coisa.
• Tricotomismo – Os chamados tricotomista, (posição adotada, principalmente pelas assembleias de Deus) entendem que o homem
é formado de três partes distintivas: corpo, alma e espirito.
2.1 Os principais textos que fundamentam a visão tricotomista são: Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante
do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para
discernir os pensamentos e intenções do coração (Hebreus 4:12). E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo
o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus
Cristo (1 Tessalonicenses 5:23). E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da
vida; e o homem foi feito alma vivente (Gênesis 2:7).
II – AS CARACTÉRISTICAS DO SER HUMANO

2.1 O corpo é o lado material do homem; o salmista diante da formação do corpo exclamou: Eu te louvarei, porque de um modo
assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem. Os meus ossos
não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu corpo
ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda
uma delas havia (Salmos 139:14-16).
2.2 A escatologia individual acentua a importância do corpo nos eventos futuros, embora condenado a morte pela transgressão
cometida no Éden, o corpo daqueles que se renderem a Cristo, será: (1) Ressuscitado, caso venha a morre (1 Ts 4.13-14); (2) Se
estivermos vivos no dia do arrebatamento da igreja, esse corpo será transformado, conforme (1 Co 15.51-54). É importante acentuar que
o corpo dos salvos será ressuscitado ou transformado ainda vivo para a encontra-se com Cristo e desfrutar de Deus para sempre; porém,
os não salvos ressuscitarão para vergonha e condenação eterna (Dn 12.2; Mt 10.28).

III – A ALMA, O NOSSO ELO COM O MUNDO EXTERIOR

3.1 Nesse tópico da lição, apresentaremos as principais correntes de pensamento sobre a “origem da alma.” As três principais são:

1) O preexistencialismo. Essa doutrina, preconiza que as almas das pessoas existem no céu muito antes dos corpos serem
concebidos no ventre das mães, e que Deus depois traz a alma à terra, unindo-a ao corpo do bebê enquanto ele se desenvolve no
útero. Mas essa tese não tem apoio de teólogos católicos nem protestantes, e se aproxima perigosamente das ideias de
reencarnação encontradas nas religiões orientais; os mórmons creem nessa doutrina, ainda que não do mesmo modo das religiões
orientais.
2) O traducionismo. Segundo o traducionismo, as almas são transmitidas pelos pais aos filhos. Alguns teólogos bem conhecidos criam
nessa teoria; como Lutero, Culver, Strong e muitos outros.
3) O criacionismo. Na visão do criacionismo, (adotada pelas assembleias de Deus), cada alma é criada imediatamente por Deus. No
principio da criação, o corpo veio da terra e a alma veio de Deus, portanto, são duas substâncias diferentes. Cremos que há uma
participação humana e divina do processo da gestação; o corpo é formado no ventre materno e a alma é criada e dada por Deus (Ec
12.7). Por diversas razões e fundamentados na bíblia cremos que a visão do criacionismo é a que mais se harmoniza com a bíblia,
(Is 42.5; Zc 12.1).

3.2 Não podemos deixar de refutar o equívoco teológico adotado pelos adventistas do sétimo dia chamado de “O sono da alma.” Para
igreja Adventista, ao morrer, o homem entra em um estado de sono, enquanto que as igrejas históricas-cristãs ensinam que ao morrer o
homem vai para o céu ou para o inferno e o indivíduo continua consciente, isto é, a alma está viva e não dormindo. Para fundamentar
essa doutrina, os adventistas usam Eclesiastes 9.5 que diz: “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem
coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento (Eclesiastes
9:5).” Mas, o contexto desta passagem está falando da relação dos mortos com a vida terrena, e não sobre o estado da alma depois da
morte. Lógico que o corpo quando morre não tem mais nenhuma relação com a vida aqui deste mundo e, é exatamente a isso que o
texto está se referindo. No mesmo livro encontramos uma passagem que diz que: “O corpo volta ao pó e o espírito para Deus que
o deu (Ec 12.7).” Portanto, concluímos que a doutrina do sono da alma não se sustenta a luz das escrituras.

IV – O ESPÍRITO E O NOSSO CONTATO COM DEUS

4.1 O espírito do homem não é simples sopro ou fôlego, é vida imortal (Ec 12.7; Lc 20.37; 1Co 15.53; Dn 12.2). O espírito é o princípio
ativo de nossa vida espiritual, religiosa e imortal. É o elemento de comunicação entre Deus e o homem. Certo autor cristão escreveu que
“corpo, alma e espírito não são outra coisa que a base real dos três elementos do homem: consciência do mundo externo,
consciência própria e consciência de Deus”. (Elienai Cabral. A tricotomia do homem.)
4.2 Segundo as palavras de Paulo registradas em “Efésios 2.1”, o homem que vive no pecado está morto espiritualmente. Na
condição de morto espiritual, há um vazio em seu ser que não pode ser preenchido com nada material, isto é, riquezas, homens ou mulheres,
viagens e conquistas pessoais; esse vazio é a ausência de um espirito vivo em contato com seu criador, por isso afirmamos que na vida do
homem entregue ao pecado existe um vazio do tamanho de Deus.

CONCLUSÃO

O autor da lição conclui fazendo um apelo a santificação, portanto, queremos enfatizar essa solicitação com as palavras do escritos
da carta aos hebreus que disse: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; (Hebreus 12:14).”
Deste modo, finalizamos nossa lição enumerando as verdades que aprendemos nesse momento em que reservamos um tempo para estudar
a palavra de Deus. (1) O corpo, a alma e o espirito precisão igualmente do trabalhar santificador de Deus. (2) Ter uma visão bíblia da doutrina
do homem nos livrará de falsos ensinos, como o preexistencialismo e a doutrina do sono da alma. (3) Aprendemos que a tricotomia é a visão
que melhor se encaixa na perspectiva bíblia.

REFERÊNCIAS:

• Brunelli, Walter. Teologia para Pentecostais. Acadêmico.


• Vários Autores. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD.