Você está na página 1de 18

UCEFF - UNIDADE CENTRAL DE ENSINO FAI FACULDADES

Curso de Engenharia Civil

Emanueli Paula Cezarotto


Larissa Indalecio Wagner
Luã Theisen Bruxel

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS


ELÉTRICAS E COMUNICAÇÃO

Itapiranga – SC
2019
Emanueli Paula Cezarotto
Larissa Indalecio Wagner
Luã Theisen Bruxel

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS


ELÉTRICAS E COMUNICAÇÃO

Projeto para o Trabalho da disciplina de Instalações


Prediais Elétricas, do Curso de Engenharia Civil da
UCEFF – Unidade Central de Ensino FAI Faculdade.

Orientador (a): Prof. Roberto André Bieger

Itapiranga – SC
2019
LISTA DE TABELAS

Tabela 01 - Quadro de previsão de cargas – Pavimento térreo...................................................14


Tabela 02 - Quadro de previsão de cargas – Pavimento superior...............................................15
Tabela 03 – Quadro de previsão de cargas – Residência............................................................16
Tabela 04 - Quadro de distribuição de cargas – QD Inferior......................................................17
Tabela 05 – Quadro de distribuição de cargas – QD Superior....................................................18
SUMÁRIO

1 OBJETIVOS.....................................................................................................................
1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 5

2 PROCEDIMENTO........................................................................................................... 6

3 QUADRO DE PREVISÃO DE CARGAS ...................................................................... 7

4 TOMADAS EM USO GERAL (TUGs) .......................................................................... 7

5 TOMADAS DE USO ESPECÍFICO (TUEs) ................................................................. 7

6 ILUMINÁRIAS E LÂMPADAS ..................................................................................... 8

7 ALTURAS DOS QUADROS ........................................................................................... 8

8 SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ................................................................................. 8

8.1 PROJETOS TELEFÔNICOS ......................................................................................... 8

8.2 PROJETO DE ANTENA DE TV ................................................................................... 9

8.3 PROJETO DE INTERNET ............................................................................................ 9

8.4 PROJETO DE INTERFONE ........................................................................................ 10

9 ENTRADA DE ENERGIA ............................................................................................ 10

10 RESUMO DA ENTRADA DE SERVIÇO ................................................................... 10

11 QUEDA DE TENSÃO .................................................................................................... 11

12 MEDIÇÃO ...................................................................................................................... 11

13 ATERRAMENTO .......................................................................................................... 11

14 ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS E SERVIÇOS ............................................... 12

15 ENFIAÇÃO ..................................................................................................................... 12

16 QUADRO DE DISTRIBUIÇÕES DE CARGAS......................................................... 12

16.1 CÁLCULO DE DEMANDA ........................................................................................ 12

16.2 FÓRMULAS DO SPLIT .............................................................................................. 13


5

1 INTRODUÇÃO

O presente memorial descritivo se descreve ao projeto de uma residência unifamiliar de dois


pavimentos. No primeiro pavimento se encontra os ambientes de sala, sala de jantar, cozinha,
área de serviço, um lavabo, um banheiro social e garagem, no ambiente externo temos a área
de festas. Já no segundo pavimento se encontram duas suítes, e uma suíte máster com sacada e
closet.
Será dimensionada a parte elétrica desde a entrada de energia até sua distribuição sem seus
pontos, e toda a parte de comunicação.
6

2 PROCEDIMENTO.

Este projeto foi baseado nas seguintes normas:


• NBR 5444 Símbolos gráficos para instalações Elétricas Prediais;
• CELESC Centrais Elétricas de Santa Catarina;
• ABNT NBR 5410/2004.
7

3 QUADRO DE PREVISÃO DE CARGAS

Quadro elaborado para dimensionar iluminação, TUGs e TUEs em cada ambiente,


conforme na tabela 01, tabela 02 e tabela 03.

4 TOMADAS EM USO GERAL (TUGS)

Para realizar o dimensionamento das TUGs foi utilizado o perímetro de cada cômodo. Em
salas, dormitórios e escritórios, é utilizado um ponto a cada 5m, ou fração de perímetro. Já em
copas, cozinhas e áreas de serviço, é utilizado um ponto de tomada a cada 3,5m, ou fração de
perímetro. Em subsolos, varandas, garagens ou sótãos prever ao menos uma tomada.
Em banheiros, cozinhas, copas e áreas de serviço foi adotado 600 w por tomada nas 3
primeiras tomadas, sendo incluso também arandelas de 60W; para um número acima de 3
tomadas é acrescentado mais 100W por tomada, em cada cômodo.
Foi criado 4 circuitos de TUGs para o pavimento térreo, sendo eles:
• TUGs Salas /circulação /BWCs ;
• TUGs Área de festa/ Garagem/ Externa;
• TUGs Cozinha;
• TUGs Área de serviço.
No pavimento superior as tomaras de uso geral foram divididas em 2 circuitos distintos,
sendo eles:
• TUGs Suíte/ BWC Suíte;
• TUGs demais cômodos.

5 TOMADAS DE USO ESPECÍFICO (TUES)

São tomadas que atendem certos equipamentos, que devem ser localizados no máximo a
0,5 m do equipamento.
Serão 5 aparelhos de ar condicionado do tipo Split, sendo eles:
• Sala de estar (18.000 BTUs com 1700 W);
• Sala de Jantar (12.000 BTUs com 1100 W);
• Suíte 01 (9.000 BTUs com 800 W);
• Suíte 02 (9.000 BTUs com 800 W);
• Suíte Master (12.000 BTUs com 1100 W).
8

Nos banheiros serão instalados chuveiros com potência de 5400 W, sendo um aparelho no
pavimento térreo e três no pavimento superior. Na cozinha será instalada uma torneira elétrica
com potência de 4500 W.

6 ILUMINÁRIAS E LÂMPADAS

Para se realizar a distribuição das potências das lâmpadas nos ambientes, foi considerado
uma potência de 100 W para área inferior de 6 m², e em áreas superiores a 6 m²: 100W+ 60 W
para cada 4m² inteiros.
Todas as lâmpadas utilizadas nesse projeto são do tipo fluorescente compacta, com potências
que variam entre 5 e 20 w.

7 ALTURAS DOS QUADROS

Os interruptores de luz estão a uma altura de 1,30 m do chão, sendo os interruptores ao


lado da cama com altura de 0,30 m.
Os TUGs são divididos em:
• Altas com altura de 2,20 m;
• Médias com altura de 1,30 m;
• Baixas com altura de 0,30 m.
O quadro de distribuição e o quadro de comunicação serão dispostos a uma distância de
1,60 metros do chão, medida a partir da parte mais alta.

8 SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO

O projeto de comunicação abrangerá os seguintes sistemas: interfone, telefone, internet e


antena de TV.

8.1 PROJETOS TELEFÔNICOS


O projeto telefônico compreende:
Conforme a tabela da Telebrás serão necessários 3 pontos pela residência, já que ela possui
3 quartos.
• Tomadas: as caixas terão saídas na sala de TV, sala de estar, cozinha, área de festas,
suíte, quarto casal e quarto de solteiro. Sendo que todas tomadas são baixas, a 0,30m do chão,
exceto a da cozinha que se situa a 1,30m e uma da suíte que fica localizado na parede oposta da
cama a 2,20m do chão.
9

• Quadros de comunicação: o quadro está localizado no térreo ao lado da porta de acesso


a residência, e quadros de comunicação ambos os pavimentos, estão localizados na circulação,
na mesma prumada.
• Distribuidor Geral: O distribuidor geral está situado no muro, na parte frontal da
edificação. A caixa será do tipo 2, com as dimensões de 20cm de altura, 20cm de largura e
12cm de profundidade. A caixa será do tipo 2, possuindo 20 cm de altura, 20 cm de largura e
12 cm de profundidade.
• Tubulação de entrada: a fiação será definida e instalada pela concessionária. O
eletroduto será de bitola 2”. Será utilizada uma caixa de passagem do tipo R1, com dimensões
iguais a 60x35x50, para mudança de direção da fiação. Entre o DG e a caixa de passagem serão
instalados 2 eletrodutos de bitola 2”, um para uso e outro reserva.
• Rede primária: Trecho compreendido entre o DG e o QC. A rede será subterrânea, do
tipo CCE-APL-G, com 3 pares. Serão instalados dois eletrodutos de bitola 2”, um para uso e
outro reserva. Rede secundária: Trecho compreendido entre o QC e os pontos de utilização. A
rede será subterrânea, do tipo CCI-50-3P, com 3 pares. Serão instalados dois eletros dutos de
bitola3/4”, um para uso e outro reserva.
• Dimensionamento e descrição da fiação: a fiação será subterrânea e o cabo possuirá
capacidade para até 10 pontos. Sua designação é CI-50-10.

8.2 PROJETO DE ANTENA DE TV

O projeto de antena de TV compreende:


Localização das caixas de saída: estão localizadas na sala de TV, na área de festas, na
suíte, no quarto de casal e no quarto de solteiro.
Eletrodutos para antena: serão instalados dois eletrodutos de bitola 3/4”, um para uso e
outro reserva.

8.3 PROJETO DE INTERNET

O projeto de internet compreende o dimensionamento dos eletrodutos e da fiação, assim


como a locação dos pontos de tomada. Os pontos serão locados na sala de TV, sala de estar,
cozinha, área de festas e em todos os quartos. Serão utilizados dois eletrodutos com bitola ¾”.
O cabo utilizado é o CCI-50-3P, com 3 pares.
10

8.4 PROJETO DE INTERFONE

O projeto de interfone compreende o dimensionamento dos eletrodutos e a locação dos


pontos, tanto o interno como o externo. “Serão utilizados dois eletrodutos com bitola ¾”. O
ponto interno do interfone está localizado ao lado da porta de acesso à residência, e seu ponto
externo está ao lado do portão de acesso ao terreno.

9 ENTRADA DE ENERGIA

É o conjunto de equipamentos, condutores e assessoria instalada desde o ponto de


derivação da rede baixa tensão da Celesc até a medição.
No local possui uma distribuição primária em tensão nominal de 23KV, em triângulo com
distribuição secundaria em baixa tensão de 380/220 com neutro aterrado. O consumidor será
atendido em tensão secundária 380/220V.
A entrada de energia até a residência vai ser subterrânea, sendo essa de baixa de tensão, a
partir do poste que este localizado no calçado, através do ramal de entrada. Serão utilizados
cabos unipolares de cobre, sendo 3 cabos (FASES) de bitola 10 mm² e um cabo de 10 mm²
(NEUTRO), isolamento EPR, isolação 1kV. Na lateral do poste os cabos estarão embutidos em
eletroduto de 2” de ferro galvanizado.
A partir da caixa de alvenaria que está localizado junto ao pé do poste, até a outra caixa de
alvenaria que fica na calçada, próximo ao quadro de medição terá dois eletrodutos de 2” de
PVC envelopado de concreto, sendo o outro de reserva. Da caixa de passagem até o quadro de
medidores tem um eletroduto de 2” de ferro galvanizado.
A derivação junto ao poste se fará através de eletroduto com altura mínima de 05 metros
acima do nível do canteiro. “O eletroduto será preso ao poste por meio de cintas de bitola ¾”.
Este eletroduto da entrada de serviço, junto ao poste da CELESC, deverá ser devidamente
aterrado através de um condutor de cobre, de seção 10 mm², conectado a uma haste ou à malha
de aterramento da edificação.
Nas caixas de alvenaria irá ser deixada uma volta de cabo com 2 m de folga, para reserva
em caso de necessidades.

10 RESUMO DA ENTRADA DE SERVIÇO

Conforme a tabela 01 da norma técnica N321.0001 da CELESC Distribuição S.A., tem-se


o seguinte dimensionamento da entrada de energia:
11

• Número do circuito da Celesc: 11225;


• Potência do transformador da Celesc: 75kva;
• Ramal de ligação subterrâneo: 10 mm² - Cobre;
• Ramal de entrada: Cabos unipolares de cobre 1kv 3F10mm² + 1N10mm²;
• Eletroduto junto ao Poste: Ф2” - Ferro galvanizado;
• Disjuntor geral tripolar termomagnético: 90 A.

11 QUEDA DE TENSÃO

Foi calculada com intuito de dimensionamentos de condutores, que não ultrapasse a queda
percentual de 2% do quadro de distribuição até as cargas e 2% do QD até a derivação da rede
da concessionária, tendo assim uma queda máxima de 4%.

12 MEDIÇÃO

A caixa de medição terá as dimensões de 250x260x200 mm, sendo essa de alumínio, para
abrigar um medidor trifásico, sua leitura será realizada na calçada, instalada em uma mureta
perto da divisa. Conforme tabelas e contas teremos um disjuntor geral, para corrente nominal
de 50A, tripolar. Nas derivações dos condutores as conexões devem ser feitas por meio de
conectores, isolados ou terminais a compressão.
De acordo com a norma I-321. 0029 – Equipotencialização da instalação elétrica, ligação
do BEP e DPS – serão instalados 3 DPS, Classe I, 12,5 kA, sendo um em cada fase.

13 ATERRAMENTO

O aterramento de todos os condutores neutro, como também os condutores neutros da


entrada do distribuidor serão executados em um único condutor a partir do quadro de medição.
Os dispositivos de corpo metálicos (chuveiro e climatizadores) deverão ter sua carcaça
aterrada através do condutor de proteção que irá ter bitola mínima igual a seção do condutor
faze, sendo esse condutor independente do condutor neutro.
Teremos um aterramento principal que irá ser constituídos de malha de aterramento com
cabos de cobre de 50mm² e 3 hastes cobreadas de 240mm x ∅10mm, sendo que terão sua
continuidade assegurada através de solda ou conectores mecânicos a compressão. Sendo que a
resistência não ultrapassará 10ohms em qualquer período do ano.
12

14 ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS E SERVIÇOS

Todos os materiais e serviços obedecerão, sempre, no mínimo, às especificações das


normas brasileiras pertinentes e à padronização de materiais da Celesc.
• Cabos flexíveis, condutores e fita isolante serão da Pirelli;
• Interruptores e tomadas serão da Pial-Legrand;
• Eletrodutos, curvas e luvas serão da Tigre;
• Quadros de Distribuição serão da Cemar;
• Disjuntores, DRs e DPSs serão da Siemens.

15 ENFIAÇÃO

Todos condutores serão de cobre, flexíveis e deverão satisfazer as normas, bem como estar
de acordo com o dimensionamento do projeto.
As emendas só devem ser executadas nas caixas, sendo elas soldadas e revestidas de fita
isolante adesiva, tendo como objetivo isolamento igual ou superior ao do isolamento original.
Já os condutores de bitola 10mm² ou maiores, será feita emendas e ligações através de
conectores, sem soldar.
As cores dos condutores terra serão verdes e os retornos das iluminarias serão amarelos;
fases de vermelhas, brancas ou pretas e os neutros de azul.

16 QUADRO DE DISTRIBUIÇÕES DE CARGAS

16.1 CÁLCULO DE DEMANDA

PD= (P1xg1) + (P2xg2) + (P3xg3) + (P4xg4) (1)

Onde:
PD= provável demanda;
P1= Soma das potências de iluminação e TUGs;
P2= Somas de potências de TUEs de aquecimento (aquecedores de água chuveiros e torneiras
elétricas;
P3= Somas de potências de TUEs de Climatizadores;
P4= Somas de potências de TUEs de motores;
13

Resolução da conta de demanda:


Fórmula: PD= (P1XG1) + (P2XG2) + (P3XG3) + (P4XG4)
P1= 4360+10000= 14360W 14,36KW g1= 24%
P2= (4.500+5.400+5.400+5.400+5.400) =26100w 26,10KW g2=62%
P3= (1700+1100+800+800+1100) = 5500W 5,50KW g3=70%
P4= 0 W 0KW g4= 0%

PD= (14,36x24%) + (26,10x62%) + (5,5x70%) + (0x0)


PD= (3,4464) + (16,182) + (3,85) + (0,37) = 23,85 KW

16.2 FÓRMULAS DO SPLIT

BTUs = 200 x Pé direito x Área + (500 x número de pessoas) (2)


• Sala de Estar:
BTUs = 200 x 2,90 x 16,22 + (500 x 6)
BTUs = 12.407,60 – 18.000 BTUS (1700W)
• Sala de Jantar:
BTUs = 200 x 2,90 x 10,61 + (500 x 6)
BTUs = 9.148,00 – 12.000 BTUS (1100W)
• Suíte 01:
BTUs = 200 x 2,90 x 12,44 + (500 x 2)
BTUs = 8.215,20 – 9.000 BTUS (800W)
• Suíte 02:
BTUs = 200 x 2,90 x 10,41 + (500 x 2)
BTUs = 7.037,80 – 9.000 BTUS (800W)
• Suíte Master:
BTUs = 200 x 2,90 x 16,32 + (500 x 2)
BTUs = 10.465,60 – 12.000 BTUS (1100W)
Os dados relativo ao quadro de distribuição de cargas está nas tabelas 04 e 05.
Tabela 01 – Quadro de previsão de cargas – Pavimento térreo:

Fonte: Próprio Autor (2019).


14
Tabela 02 – Quadro de previsão de cargas – Pavimento superior:

Fonte: Próprio Autor (2019).


15
Tabela 03 – Quadro de previsão de cargas – Residência:

Fonte: Próprio Autor (2019).


16
Tabela 04 – Quadro de distribuição de cargas – QD Inferior:

Fonte: Próprio Autor (2019).


17
Tabela 05 – Quadro de distribuição de cargas – QD Superior:

Fonte: Próprio Autor (2019).


18

Você também pode gostar