Você está na página 1de 3

TÓPICO 1 O fazer científico

Para entendermos melhor o que venha a ser um trabalho científico, é

importante que consigamos diferenciá-lo do senso comum. O senso comum, de maneira

geral, pode ser entendido como conhecimento de mundo herdado do grupo social do

qual participamos, experiências pessoais, tradição e intuição. Esse conhecimento pode

ser utilizado para resolver problemas do nosso cotidiano.

É interessante lembrarmos que o senso comum é:

a) desprovido de análise, uma vez que o mesmo é o resultado da experiência do

dia-a-dia;

b) apresenta caráter passivo diante das questões que se apresentam: não há a

preocupação com possíveis erros com relação ao conhecimento de mundo;

c) é assistemático: não há uma estrutura organizada e racional que permita o

conhecimento do mundo;

d) não apresenta metodologia: o conhecimento adquirido não segue um

conjunto de regras pré-estabelecidas;

e) tem caráter coletivo: as experiências são partilhadas pelos indivíduos de uma

comunidade;

f) é subjetivo: apesar de ser coletivo, cada indivíduo conhece o mundo a partir

de seu ponto de vista;

g) é superficial: não há um compromisso com o aprofundamento do saber;

h) apresenta um caráter bem prático: é utilizado para a resolução dos

problemas cotidianos.

Que tal tentarmos estabelecer alguns exemplos de conhecimento a partir do

senso comum? Podemos começar com questões do nosso dia-a-dia:

a) Quando estamos agitados, o que fazemos? Tomamos um chá de camomila;


b) Quando estamos com dor no estômago ou enjoados, o que pode nos ajudar?

Um chá de boldo ou de marcela;

c) Quando, acidentalmente, salgamos o feijão, o que fazemos? Colocamos uma

batata inglesa dentro da panela para que a mesma "sugue" o sal.

O conhecimento científico se diferencia bastante do senso comum em muitos

aspectos. De início, devemos relembrar que foi em meados do séc. XVII que o homem,

ao se afastar do teocentrismo, tornou-se o centro da natureza. Dessa maneira, o homem

passou a perceber que era possível entender a natureza como um objeto de investigação,

isto é, hipóteses, métodos, testes poderiam ser formulados no intuito de produzir

conhecimento. Eis que a ciência surgia.

De toda sorte, o que diferencia o senso comum do conhecimento científico é,

sobretudo, o rigor metodológico, ou seja, o rigor científico. Dessa forma, o

conhecimento científico é:

a) verificável e baseado em evidências: suas considerações podem ser

confirmadas ou refutadas a qualquer momento;

b) sistemático: a pesquisa científica segue uma estrutura racional e organizada;

c) objetivo: ao contrário do senso comum, a subjetividade do indivíduo não

guia a produção do conhecimento científico, mas sim o método rigoroso;

d) apresenta, como já foi referido, rigor metodológico.

De que maneira se estabelece a relação entre a pesquisa ou trabalho científico e

o pesquisador? O pesquisador é aquele indivíduo que identifica uma situação na

realidade e pensa de que forma pode interferir nessa situação. O pesquisador e a

pesquisa, inseridos no ambiente da universidade, são, na maioria das vezes, os

responsáveis pela produção do conhecimento científico e pela utilização desse

conhecimento para o bem-estar social. No campo de atuação do curso de Letras, de


maneira geral, temos a Linguística e a Literatura como as grandes áreas de investigação.

Retornaremos a essas questões nas próximas aulas.