Você está na página 1de 5

ESCOLA BÁSICA 2,3 DR.

PEDROSA VERÍSSIMO
ANO LETIVO FICHA DE AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS
2014/2015 NOME: _______________________________________Nº: ____ T URMA: ____
ENC DE EDUCAÇÃO:
______________________ PROF.ª: ______________________________ DATA
_____/____/_______

Avaliação:
GRUPO I
PARTE A
Lê o texto.
Passou-se meio ano desde que o músico António levou, do Castelo da Abundância, a princesa Beatriz
para a sua casa. Vemos agora a princesa sentada em frente duma casinha pobre. Traz o vestido com que
saiu da corte do pai, mas já não tem o mesmo aspeto impecável. Por cima, usa avental grosseiro. Está a
descascar batatas, que tira dum cesto, no chão. As cascas, fá-las cair numa tigela sobre os joelhos e as
batatas descascadas deita-as para um alguidar. Ao lado, um molho de vimes e um cesto já meio feito.
Mais um banquinho debaixo da janela e, logo pegada à casa, uma coelheira diante da qual se vê um
molho de couves.
PRINCESA: Ai de mim! As minhas mãos estão estragadas e escuras. E tinha eu orgulho de ter umas
mãos macias e brancas, com unhas pintadas da cor das cerejas. Nunca julguei que a vida dos
pobres fosse tão dura. Dizia-me a minha Mademoiselle, a Marquesa de Fanfaronnade, que a gente
sem fortuna e sem castelo vivia mais feliz do que nós, por não ter responsabilidades. Mas, afinal,
ela não sabia da vida dos pobres, nem de como é desagradável isto de uma pessoa ter que se
levantar logo de madrugada e tratar de cozinhar um caldo, fazer as camas, arrumar a casa, lavar a
roupa, limpar a coelheira, correr para o mercado e ir ao mais barato que depois nem apetece
comer, descascar batatas, acender o lume e até entrançar cestos para ganhar dinheiro. É assim
que passo agora os meus dias e não tenho tempo para descansar. Estou a ficar feia, não posso
comprar cremes para a pele nem champô para lavar o cabelo. E desde que aqui estou ainda não
tive um único vestido novo. Ai de mim! Podia andar com ricos trajes de veludo e de seda, comer
petiscos e passear com Mademoiselle no Rolls Royce confortável. Suspira e depois levanta-se, vai
para a coelheira, espreita para dentro e atira umas folhas de couve aos coelhos.
Comam, comam, bichinhos!
De novo para o público:
Ao menos os coelhinhos têm boa vida, todo o dia a brincarem uns com os outros. Torna a sentar-se
e a descascar batatas. Suspira fundo.
Fui muito castigada, podem crer!

Surge o músico António, com a viola a tiracolo.

ANTÓNIO: Não sei qual de nós foi mais castigado, princesinha. Cá chego eu, fatigado de tanto
andar a entreter gente com as minhas cantigas para ganhar uns cobres e a minha mulher nem
sequer acabou de descascar as batatas. Espreita para dentro de casa. Nem uma panela ao lume.
Levanta o cesto meio entrançado. E o cesto ainda em meio. Que falta de habilidade! No que eu me
meti. O rei pregou-me uma boa partida, não há dúvida. E estava convencido de me prestar um
grande serviço em dar-me a filha por mulher! Fez de mim um príncipe consorte sem castelo nem
lacaios, a viver com uma mulher que nunca tinha visto uma viela, nem a casa dum pobre. Para a
princesa: Mostra lá as cascas! Ela estende-lhe a tigela e ele vira uma casca para a luz. Vá lá, vá lá!
Fininha como papel. Espreita para dentro do alguidar. E tiraste também os olhos, sim senhora! Quem
sabe? Talvez ainda venhas a ser alguém, qualquer dia.

PRINCESA: António, tens que ter um pouco de paciência comigo! Bem sabes que na corte eram os
criados que preparavam a comida e limpavam o castelo. E nunca precisei de ganhar dinheiro.

Ilse LOSA, 2012. O Príncipe Nabo. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento
GRUPO I
Responde aos itens que se seguem, de acordo com as orientações que te são dadas.
1. Transcreve da primeira didascália as expressões que mostram que a princesa Beatriz vivia agora em
condições bem diferentes das que conhecia há meio ano.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
2. Explica o que pensava a Marquesa de Fanfaronnade sobre a vida dos pobres.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
3. A princesa Beatriz discordava agora da sua Mademoiselle. Indica a(s) razão(ões) que a levou(aram) a
mudar de opinião.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4. Identifica dois sentimentos da princesa Beatriz em relação aos coelhos.
_____________________________________________________________________________________
5. Relê a fala de António. Dá a tua opinião sobre a atitude do músico quando chega a casa.
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
6. Refere por que razão estava o músico casado com a princesa.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
PARTE B
As princesas fazem parte do imaginário das crianças. As fadas também. Lê, agora, o poema com muita atenção e
responde às perguntas com frases completas.
A Fada das Crianças
Do seu longínquo reino cor-de-rosa,
Voando pela noite silenciosa,
A fada das crianças vem, luzindo.
Papoulas a coroam, e, cobrindo
Seu corpo todo, a tornam misteriosa.

À criança que dorme chega leve,


E, pondo-lhe na fronte a mão de neve,
Os seus cabelos acaricia –
E sonhos lindos, como ninguém teve,
A sentir a criança principia.

E todos os brinquedos se transformam


Em coisas vivas, e um cortejo formam:
Cavalos e soldados e bonecas,
Ursos e pretos, que vêm, vão e tornam,
E palhaços que tocam em rabecas…

E há figuras pequenas e engraçadas


Que brincam e dão saltos e passadas…
Mas vem o dia, e, leve e graciosa,
Pé ante pé, volta a melhor das fadas
Ao seu longínquo reino cor-de-rosa.

Fernando PESSOA, 2008. Poesia de Fernando Pessoa para Todos. Col. Oficina dos Sonhos. Porto: Porto Editora

7. . Assinala as afirmações como verdadeiras (V) ou falsas (F).

a) A fada vive no lugar perto de todas as crianças. _________________

b) A fada voa durante a noite. _________________

c) O corpo da fada está coberto de papoulas. _________________

d) Ao chegar ao pé da criança, a fada faz muito barulho. _________________

e) A criança tem cabelos louros. _________________

f) Os brinquedos adquirem vida durante o sonho. _________________

g) Os sonhos prolongam-se pelo dia fora. _________________

h) A fada ausenta-se silenciosamente. _____

8. À semelhança das histórias de encantar, também no poema a fada é bondosa. Transcreve da segunda
estrofe uma expressão que o comprove.

__________________________________________________________________________________

9. A fada surge apenas num período do dia. Identifica-o.

__________________________________________________________________________________

10. O que faz a fada para a criança começar a sonhar?


__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
11. Completa as seguintes frases, respeitando as ideias do texto.

a. Os brinquedos que formam o__________________ são _________________, _____________,


_______________, __________________, _______________ e ______________.
b. Os músicos do cortejo são ________________que tocam ___________________.

12. Identifica os recursos retóricos presentes nos versos seguintes:


Enumeração ; personificação; adjetivação; comparação

a) “Cavalos e soldados e bonecas, / Ursos e pretos [...] ” ______________________________

b) “E há figuras pequenas e engraçadas” _______________________________


13. Indica a opção correta.

13.1 Este poema de Fernando Pessoa é


13.4. O terceiro e o quinto versos da última
constituído por
estrofe
a. quatro quadras.
a. são soltos ou brancos.
b. quatro quintilhas.
b. apresentam rima cruzada.
c. quatro sextilhas.
c. apresentam rima emparelhada

13.2. O título do poema é composto por


13.5. O verso “Mas vem o dia, e, leve e graciosa”
a. cinco sílabas métricas.
tem
b. seis sílabas métricas.
a. treze sílabas gramaticais e doze sílabas
c. sete sílabas métricas.
métricas.
13.3. Os dois primeiros versos de cada estrofe b. treze sílabas gramaticais e onze sílabas
a. não rimam. métricas.
b. apresentam rima cruzada. c. doze sílabas gramaticais e doze sílabas
c. apresentam rima emparelhada. métricas.

GRUPO II
Responde aos itens que se seguem, de acordo com as orientações que te são dadas.
1. Associa a palavra sublinhada em cada segmento da coluna A à classe a que pertence,indicada na
coluna B. Segue o exemplo.

Coluna A Coluna B
Ex. “A fada das crianças.” a) a) Nome
“Seu corpo todo [...]” b) Adjetivo
“E pondo-lhe na fronte [...]” c) Preposição
“E sonhos lindos [...]” d) Advérbio
Ela chega lentamente. e) Verbo
“Pé ante pé [...]” f) Pronome
“ […] volta a melhor das fadas.” g) Determinante
“Meio ano depois de a princesa ter mudado de casa[...]” h) Quantificador
“[…]a sua vida estava diferente[...]”
“[…] as suas duas mãos passaram a ser um importante[...]”

2. Identifica o tipo de sujeito presente nas frases:


a) A fada das crianças é ternurenta. ______________________________________________
b)As fadas e as crianças são cúmplices. __________________________________________
3. Indica a função sintática desempenhada pelas expressões sublinhadas.

a) Fada amiga, estou aqui! _____________________________________________________

b) A fada dá a mão à criança. ___________________________________________________

c) Fazem surpresas aos pequenotes. ____________________________________________

d) As fadas oferecem sonhos maravilhosos. _______________________________________

4. Reescreve a frase, colocando o verbo nos seguintes tempos do modo indicativo.


As figuras dão pequenos saltos.

a) Futuro
__________________________________________________________________________
b) Pretérito perfeito
__________________________________________________________________________
c) Pretérito mais-que-perfeito composto
_________________________________________________________________________
d) Pretérito imperfeito

_________________________________________________________________________

5- Completa as frases seguintes com um verbo introdutório do discurso indireto (evita o verbo dizer):
a) O poeta _______________ ter saudades da infância.
b) O poeta _______________ que não lhe roubassem o seu tesoiro.
c) O poeta _______________ se alguém vira os seus brinquedos

6- Completa o quadro, indicando a classe a que pertencem as palavras destacadas.


Determinante Determinante Pronome Pronome
demonstrativo Possessivo demonstrativo possessivo
a. Tal fada surpreende as crianças.
b. A minha fada é boa.
c. A tua é ainda melhor.
d. As nossas crianças merecem uma fada assim
e. Esta fada vem de um reino longínquo.
g. A outra fada é bondosa.
GRUPO III
Para a fada, os sonhos de uma criança são os mais lindos de todos, são aqueles que só trazem felicidade.
• Escreve um texto em que fales de um sonho.
• Localiza-o no tempo e no espaço.
• Diz quem participou do teu sonho.
• Usar discurso direto.
• Falar do que mais te agradou/emocionou.
• Contar os sentimentos que o sonho despertou em ti.
• Revelar como terminou o teu sonho.
• Ter um mínimo de 140 e um máximo de 200 palavras

Enriquece o teu texto usando os recursos retóricos que aprendeste. Tem atenção à pontuação e à ortografia.
Usa frases curtas.