Você está na página 1de 1

Roteiro Sumarizado de Aplicação

Fase 1 – Modelo Lúdico

1. Escolher a emoção mais intensa e avaliar seus prejuízos (fase executada no Baralho das
Emoções).
2. Reforçar psicoeducação com relação às emoções (são normais, todos sentem, ninguém é
diferente por sentir emoções negativas. Aceitação, validação e externalização adequada das
emoções – fase igualmente executada no Baralho das Emoções e novamente reforçada).
3. Promover o foco da emoção: medo de quê? Raiva do que ou de quem? (Exemplo: pode
entrar um ladrão pela janela e fazer mal a mim e minha família).
4. Medir no termômetro das emoções o quanto este pensamento gera medo.
5. Resumo, por parte do terapeuta, estimulando a criança a ajudá-lo na elaboração dos passos
trabalhados até então.
6. Psicoeducação quanto aos pensamentos que não ajudam. Frisar e destacar (circular ou
pintar com cor diferente, em vermelho, os pensamentos que não ajudam e em verde os
pensamentos que ajudam, conforme o Programa Friends propõe) os pensamentos que não
ajudam, avaliando suas conseqüências.
7. Apresentar símbolo da reciclagem. Questionar se conhece o símbolo. Fazer analogia com a
reciclagem de lixo – transformar coisas que não ajudam em coisas que ajudam.
8. Introduzir cartas lúdicas da pizza e do elástico, sem grande ênfase no porém.
9. Questionamento socrático para esticarmos o pensamento que não ajuda (exemplo: meu
quarto é um lugar protegido - porém).
10. Introduzir cartas lúdicas das bolhas de sabão e do joão-bobo, sem grande ênfase no portan-
to (exemplo: não vai entrar ladrão pela janela).
11. Introduzir cartas lúdicas do logo, posso aceitar (exemplo: que, mesmo tendo medo, nada
de ruim pode acontecer). Ênfase no novo pensamento que ajuda (destacar circulando ou
colorindo, com verde, o novo pensamento).
12. Resumo comandado pelo terapeuta repassando todo o processo (estimular a colaboração
da criança).
13. Medir no termômetro a crença no pensamento que não ajuda (pensamento original).
14. Medir no termômetro a crença no novo pensamento, o pensamento que ajuda.
15. Fazer o cartão SOS com ênfase apenas no desenho, e não na escrita, desenhando uma situ-
ação envolvendo o novo pensamento que ajuda.
16. Resumo final destacando todo o processo.
17. Aplicar as orientações aos pais com as respectivas tarefas extrassessão.

Copyright © Sinopsys Editora e Sistemas Ltda:


Baralho dos Pensamentos: reciclando ideias, promovendo consciência.
Renato Maiato Caminha e Marina Gusmão Caminha

Você também pode gostar