Você está na página 1de 33

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/310649577

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE DISTRIBUIÇÃO E DE DRENAGEM


DE ÁGUAS RECOMENDAÇÕES PARA A MELHORIA DA QUALIDADE

Conference Paper · November 2016

CITATIONS READS

0 565

1 author:

L. E. Pimentel Real
National Laboratory for Civil Engineering
43 PUBLICATIONS   196 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

GELCLAD - Highly efficient cladding eco-panels with improved nano-insulation properties View project

ECOPOL- Comportamento e desempenho de produtos plásticos, materiais políméricos com reciclados e bio-compósitos com aplicação na construção View project

All content following this page was uploaded by L. E. Pimentel Real on 22 November 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


PATOLOGIAS NOS SISTEMAS PREDIAIS DE
DISTRIBUIÇÃO E DE DRENAGEM DE
ÁGUAS. RECOMENDAÇÕES PARA A
MELHORIA DA QUALIDADE

Luís E. Pimentel Real


Laboratório Nacional de Engenharia Civil
Lisboa, Portugal
Introdução
Anomalias em sistemas prediais de distribuição e drenagem de águas
- Deficiências de conceção e dimensionamento
- Deficiências de instalação e de execução
- Deficiências de qualidade
- Deficiências de utilização dos sistemas hídricos prediais
Tipos de patologias
Causas das patologias e medidas preventivas
– Níveis de pressão e de caudal inadequados
– Ruídos
– Roturas e infiltrações
– Entupimentos e obstruções
– Odores
– Variações de temperatura
Recomendações aos projetos
Pontos chave na instalação
Conclusões
Introdução

90% dos problemas detetados em edifícios


resultam de patologias nos sistemas prediais de
distribuição de águas e de drenagem de águas:
•falhas na fase de elaboração do projeto (≈ 50%)
•erros de execução (≈30%)

erros de dimensionamento
não cumprimento de requisitos de desempenho
incumprimento de boas práticas de construção e
de instalação
Anomalias em sistemas prediais de distribuição
e drenagem de águas

As situações patológicas em edifícios são de 4 tipos:


50% 1. Deficiências de conceção e dimensionamento (projeto).
30% 2. Erros de instalação e de execução.
15% 3. Inconformidades de utilização.
5% 4. Deficiências dos sistemas de tubagem e das instalações
• problemas de desempenho das instalações
• redução da durabilidade dos sistemas
• desconforto e incomodidade nos utilizadores
• sinistros (reparações com impacto económico significativo)

prevenção ou eliminação após deteção

QIC2016 | 4
Deficiências de conceção e dimensionamento
–incompletos Projetos
–com falta de clareza da informação
–com detalhe insuficiente, inexequível ou errado
–com especificação inadequada dos materiais e
equipamentos
–falta de padronização nas representações gráficas
–falhas de compatibilização entre os diversos projetos
de especialidade
–ligações incorretas entre tubagens
–condições irregulares de ventilação
–inexistência de bocas de limpeza
–implantação incorreta de câmaras de inspeção
–omissão/inadequação do sistema de bombagem
QIC2016 | 5
Deficiências de instalação e de execução
Sistemas prediais de distribuição de água

Incumprimento do projeto
Processo de aquisição de materiais deficiente
Inexistência de dispositivos de segurança e
controlo
Erros ou falta de planeamento de execução
Falta de treino e de formação do pessoal
instalador
Ensaios de receção em condições deficientes
Controlo da qualidade insuficiente ou
inexistente

QIC2016 | 6
Deficiências de instalação e de execução
Sistemas prediais de distribuição de água

Execução rápida e descuidada


Deficiências construtivas em
reservatórios prediais
Instalação incorreta ou ausência de
válvulas de seccionamento
Cruzamento de redes (domésticas/pluviais)
Problemas de instalação e de
ligação entre tubagens

QIC2016 | 7
Deficiências de instalação e de execução
Sistemas de drenagem predial

Deficiências construtivas em
câmaras de inspeção
Inexistência de bocas de limpeza

Erros ou defeitos na ventilação


das redes

Deficiências de qualidade

Má qualidade ou defeito de fabrico dos sistemas de


tubagem (praticamente restringido a sistemas não
certificados ou homologados)
QIC2016 | 8
Deficiências de utilização dos sistemas
hídricos prediais
• aplicação de temperatura ou pressão fora da gama de
serviço
• alterações de uso devido a novas necessidades
• vandalismo
• incumprimento das boas regras de armazenamento,
transporte e manuseamento dos sistemas de tubagem
• deterioração devido a desgaste natural dos mecanismos de
vedação dos componentes das instalações hidráulicas
prediais e a desgastes associados ao uso e deterioração
dos materiais.

QIC2016 | 9
Tipos de patologias

–Níveis de pressão e de caudal


inadequados

–Ruídos

–Roturas e infiltrações

–Entupimentos e obstruções

–Odores

–Variações de temperatura

QIC2016 | 10
Causas das patologias e medidas preventivas
pressão e caudal

Causa Solução
Verificação do dimensionamento:
 perdas de carga
 diâmetros
Dimensionamento  velocidades de escoamento
incorreto  caudais dos diferentes
dispositivos
 coeficientes de simultaneidade
 características das bombas
Instalação de Utilização de fator de segurança
dispositivos que
reduzem o caudal ou
a pressão

QIC2016 | 11
Causas das patologias e medidas preventivas
pressão e caudal

Causa Solução
 Verificação das condições
mínimas de pressão na rede
Adoção de um tipo pública e decisão quanto ao tipo
de alimentação de alimentação, considerando a
incorreto pressão necessária nos
pavimentos mais elevados do
edifício
Alteração das
condições do Sistemas de atuação
fornecimento automática
(entidades gestoras)

QIC2016 | 12
Causas das patologias e medidas preventivas
pressão e caudal
Causa Solução
 Pressão estática inferior a 400
Rotura de vedantes e kPa
de anéis de  Manutenção preventiva
estanquidade  Dispositivos de proteção à
acumulação de partículas
Cavitação de bombas
Garantir o afogamento da
bomba

Incrustação de calcário − Materiais menos rugosos


no interior das tubagens − Sistemas de tratamento
(má qualidade da água) complementares.

QIC2016 | 13
Causas das patologias e medidas preventivas
ruídos

Causa Solução
Velocidade ou pressão
Correção do dimensionamento
excessiva
 Instalação de reservatórios de
Choque hidráulico amortecimento
(golpe de aríete),  Não utilização de tubagem
devido a interrupção horizontal de alimentação ou de
brusca do escoamento descarga de pequeno
(dispositivos de fecho diâmetro (para reduzir a
brusco ou bombas). velocidade de escoamento das
águas e impacto do choque)

QIC2016 | 14
Causas das patologias e medidas preventivas
ruídos

Causa Solução
Tubagens de
Tubagens de materiais com
materiais muito
características absorventes, com
rígidos, de elevada
paredes não muito finas e interiormente
rugosidade e
lisas
traçados sinuosos
− Acessórios de ligação
Turbulência
− Percursos simples (sem variações)
e cavitação
− Mudanças graduais de diâmetros
Inserção de juntas de dilatação
Gradientes térmicos

QIC2016 | 15
Causas das patologias e medidas preventivas
ruídos

Causa Solução
− Instalação longe das zonas
Funcionamento de
habitadas
instalações
− Interposição de
elevatórias e/ou
embasamentos isolados,
sobrepressoras
fixações e juntas elásticas
Má fixação de tubos Interposição de isolantes com
plásticos de características elastoméricas
espessura reduzida entre as tubagens e os
ou atravessamento acessórios de fixação ou entre a
de elementos tubagem e os elementos
estruturais atravessados por estas

QIC2016 | 16
Causas das patologias e medidas preventivas
ruídos

Causa Solução
Redução do diâmetro dos
Depressões no escoamento sifões instalados (não deve
nos ramais de descarga ser superior ao dos respetivos
ramais de descarga)
Acumulação de ar nos pontos Instalação das redes com
altos da rede (em colos pendentes ascendentes
formados em pontos de apoio (0,5%), no sentido do
de tubagem flexível) que escoamento, que facilitem
podem obstruir a seção e saída do ar através dos
dificultar o escoamento se a dispositivos de utilização ou,
pressão reinante neste ponto quando não for possível,
for baixa. através de válvulas de purga

QIC2016 | 17
Causas das patologias e medidas preventivas
roturas e infiltrações

Causa Solução
Utilização dos acessórios
Instalação incorreta de
adequados ao sistema e
uniões em tubagem
inserção dos tubos até ao
termoplástica e
fundo do canhão dos
multicamada
acessórios
Envelhecimento Seleção correta do polímero
prematuro (devido à em função da aplicação e com
temperatura ou à formulação adequada no
radiação UV) de caso de aplicações à vista no
tubagens de materiais exterior (tubos de drenagem,
termoplásticos caleiras, etc.)

QIC2016 | 18
Causas das patologias e medidas preventivas
roturas e infiltrações

Causa Solução
Utilização de tubagem
Utilização de tubagem de homologada ou certificada,
má qualidade ou dimensionada de acordo
descontinuada com normas europeias em
vigor
Indução de tensões nas
tubagens, provocadas por Montagem com dispositivos
variações dimensionais de fixação que permitam a
associadas a variações de dilatação
temperatura

QIC2016 | 19
Causas das patologias e medidas preventivas
roturas e infiltrações

Causa Solução
 Colocação do reservatório
para água potável acima do
Infiltração de água do
solo, tendo em vista evitar o
lençol freático em
risco de contaminação dele
reservatórios total ou
proveniente, ou, nessa
parcialmente
impossibilidade
enterrados (falha na
 Execução do reservatório
impermeabilização ou
dentro de compartimento
pequenas fissuras
próprio, que permita
das paredes)
operações de inspeção e
manutenção

QIC2016 | 20
Causas das patologias e medidas preventivas
roturas e infiltrações

Causa Solução
 Utilização de acessórios de união do
mesmo material ou de resistência à
corrosão similar
Fenómenos
 Utilização de juntas dielétricas nas zonas de
de corrosão e
ligação de tubagens de diferente nobreza.
inadequada
 Consideração das restrições de
ligação entre
funcionamento do tipo de metal da
elementos da
tubagem (ferro galvanizado, cobre ou aço
instalação em
inox) em função da temperatura, pH, dureza
tubagens
e teor de cloretos
metálicas
 Execução de soldaduras com ligas de
(uniões)
composição adequada

QIC2016 | 21
Causas das patologias e medidas preventivas
entupimentos

Causa Solução
 Instalação de joelhos nos coletores
prediais à vista e de acessórios com
Obstruções
ângulo ≤ 45°, para evitar as mudanças
em tubagens
bruscas de direção e facilitar o
de esgoto e
escoamento dos efluentes.
em coletores
 Instalação de caixas de inspeção nos
prediais de
coletores prediais enterrados, em todas
esgoto
as mudanças de direção, de declive ou
de diâmetro
 Instalação da tubagem com declividade
constante (mínimo de 2% para φ≤ 75
mm e de 1% para φ≥ 100mm)

QIC2016 | 22
Causas das patologias e medidas preventivas
Causa entupimentos Solução
 Novo tubo de queda independente, devidamente
ventilado
 Tubo ventilador no ramal de esgoto da caixa
Retorno de sifonada, na base do tubo de queda ou no início
espuma ou refluxo do correspondente sub-coletor
de esgoto em ralos  Dispositivo antirrefluxo na caixa sifonada
sifonados  Substituição das ligações (raios de curvatura)
localizados em da base do tubo de queda para atenuação de
pavimentos baixos mudanças bruscas de direção
de edifícios altos,  Aumento da secção do sub-coletor subsequente
causado pelo ao tubo de queda que recebe os despejos do ralo
fenómeno da sifonado, por onde se dá o retorno de espuma
sobrepressão  Adoção de caminho alternativo para o
escoamento de ar associado ao escoamento
líquido na base do tubo de queda (“jump”)

QIC2016 | 23
Causas das patologias e medidas preventivas
entupimentos

QIC2016 | 24
Causas das patologias e medidas preventivas
odores

Causa Solução
Destruição
 Correção da taxa de ocupação estabelecida
total ou
no dimensionamento
parcial do
 Adequação do dimensionamento dos ramais
fecho
de descarga e seleção correta do respetivo
hídrico
sifão, tendo em conta as limitações
dos sifões
regulamentares impostas
de
 Instalação de sistemas com ventilação
aparelhos
secundária
sanitários
 Adoção dos requisitos construtivos impostos
regulamentarmente quanto ao afastamento
máximo entre o sifão e a secção ventilada

QIC2016 | 25
Recomendações aos projetos
Revisão adequada
Informações técnicas em profusão
Sem lacunas nas peças desenhadas, devendo conter:
 o traçado completo dos sistemas projetados nas plantas
 as dimensões dos coletores (que devem ser adequadas)
 as secções e as inclinações dos elementos de tubagens de
fraca pendente
Cotas de soleira dos coletores, das câmaras de visita e de
inspeção, bem como as suas dimensões em planta
Ampliações em planta das instalações sanitárias e respetivas
vistas (detalhes de esgoto) e perspetivas isométricas
Detalhes construtivos específicos (reservatórios, poços de
drenagem e cabines técnicas, câmaras de inspeção, suportes
de tubagem e ramal de ligação)

QIC2016 | 26
Recomendações aos projetos
A memória descritiva do projeto deve incluir:
Cálculo hidráulico dos elementos constituintes dos sistemas
Referência à necessidade de todos os materiais e
equipamentos deverem ser objeto de certificado de
conformidade com norma ou especificação
Referência relativa à necessidade de realização
dos ensaios de receção da instalação previstos
regulamentarmente (estanquidade e eficiência)
Especificações técnicas de materiais e de serviços
(caderno de encargos de execução);
Relação total dos materiais ou separada por etapas de
execução;
Manual de utilização e manutenção dos sistemas
projetados.

QIC2016 | 27
Pontos chave na instalação
Águas de consumo
 Fixação das tubagens
 Juntas de dilatação
 Afastamento as tubagens aos elementos de
suporte (tetos, paredes ou pavimentos, etc.)
 Uniões
 Isolamento térmico
 Válvulas de seccionamento

QIC2016 | 28
Pontos chave na instalação
 Sifões
 Ramais de descarga
 Tubos de queda
 Bocas de limpeza águas residuais e domésticas
 Ramais de ligação
 Câmaras de visita/inspeção e soleiras
 Inserção nos coletores públicos
 Ventilação primária/secundária

 Diâmetro mínimo águas pluviais


 Origem das colunas de ventilação (poços de
bombagem;
 Caleiras e algerozes
 Descarregadores de superfície
QIC2016 | 29
Conclusões

É possível reduzir significativamente a maior parte


das patologias usualmente verificadas nos
sistemas prediais de distribuição e de drenagem de
águas, através da elaboração de projectos de
qualidade e do cumprimento das boas práticas de
construção e de instalação.
Qualquer patologia existente no sistema hidráulico de
um edifício, deve ser devidamente identificada,
determinada a sua causa, previstas as suas
consequências e submetida a ação corretiva específica
mais conveniente (pode existir mais de uma solução
para um dado problema).

QIC2016 | 30
Referências bibliográficas
Decreto-Regulamentar nº 23/95, de 23 de agosto – Regulamento Geral dos sistemas públicos e
prediais de distribuição de água e de drenagem de águas residuais. Imprensa Nacional, Lisboa, 1996.
GNIPPER, S., 2011 – Projeto hidráulico ou a busca da excelência. [Consult. 11 de janeiro de 2016].
Disponível em http://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/projeto-hidraulico-ou-a-busca-da-
excelencia_1826_0_1
PEDROSO, V. M. R., 2003 – Problemas e reabilitação dos sistemas prediais de distribuição e de
drenagem de águas, In Encontro sobre Conservação e Reabilitação de Edifícios - 3º ENCORE, 26 a 30
de maio de 2003, pp.1201-1208, Lisboa: LNEC.
PEDROSO, V. M. R., 2007 – Manual dos Sistemas Prediais de Distribuição e Drenagem de Águas (3ª
Ed.), Lisboa: LNEC, ISBN: 9789724918495.
PIMENTEL-RODRIGUES, C.; SILVA-AFONSO, A., 2007 – A qualidade na construção ao nível das
instalações prediais de águas e esgotos. Situação e perspetivas em Portugal. In Congresso
Construção 2007. Coimbra, Portugal, 17 a 19 de dezembro de 2007. [Consult. 02 de fevereiro de 2016].
Disponível em http://www.anqip.com/index.php/en/links
SILVA-AFONSO, A., 2003 – Water supply and drainage systems in buildings. Recurrent errors and
defects in design and construction. In 2º Simpósio Internacional sobre Patologia, Durabilidade e
Reabilitação dos Edifícios (CIB/W068), Lisboa, 6 a 8 de novembro de 2003, pp. 127-136.
SILVA-AFONSO, A., 2004 – Águas e esgotos: Uma das principais causas de patologias em edifícios
em Portugal. In 2º Congresso Nacional da Construção: Construção 2004 – “Repensar a Construção”,
Porto, 13 a 15 de dezembro de 2004, pp. 737-742.
SILVA-AFONSO, A., 2007 – Inovação ao Nível da Conceção e do Dimensionamento das Instalações
Prediais de Águas e Esgotos. Situação em Portugal, In Anais de Engenharias'07 - Inovação e
Desenvolvimento. Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal, 21 a 23 de setembro de 2007, pp.317-
321.

QIC2016 | 31
View publication stats

Obrigado pela vossa atenção!

QIC2016 | 32