Você está na página 1de 147

Barbarian Mina de

Ruby Dixon
Barbarian Mina
Ice Planeta Bárbaros, Book 4

O planeta de gelo me deu uma segunda chance na vida, por isso estou muito feliz de estar aqui. Claro, não
há cheeseburgers, mas estou saudável e pronto para ser um membro produtivo da pequena tribo. O que eu não
antecipar? Que haveria um estranho selvagem esperando nas proximidades, observando-me. E quando ele me
leva em cativeiro, o impensável acontece ... Eu ressoam com ele.

Ressonância significa acasalamento, e as crianças ... mas eu não sei se esse cara já esteve em torno de
ninguém antes. Ele é verdadeiramente um bárbaro em todos os sentidos, até me boates sobre a cabeça e me
dizendo como sua.

Então por que é que eu imploro seu toque e fome para mais?

Planeta do gelo Barbarians


Planeta do gelo Barbarians
Bárbaro estrangeiro
amante Barbarian
Barbarian Mina

Assine o meu Boletim de Notícias e nunca perca uma nova versão!


Que se passou antes
Estrangeiros são reais, e eles estão conscientes da Terra. Várias mulheres humanas têm sido abduzido por
alienígenas conhecidos como 'Little Green Men'. Alguns são mantidos em tubos de estase, e alguns são mantidos em
uma caneta dentro de uma nave espacial, todos esperando para a venda no mercado negro extraterrestre. Enquanto os
seres humanos cativos encenou uma fuga, os alienígenas teve problemas navio e despejou sua carga viva no planeta
habitável mais próximo. É um inverno, lugar desolado, apelidado Não-Hoth pelos humanos sobreviventes.

Em Não-Hoth, as mulheres humanas descobrir que eles não são as únicas espécies a serem abandonados.
O sa-khui, uma tribo de, alienígenas azuis com chifres enormes, viver nas cavernas geladas. Eles caçam e
forragem e viver como bárbaros, descendentes de um povo há muito tempo atrás que aprenderam a se adaptar
ao mundo cruel. O mais importante de adaptações? A do khui, uma forma de vida simbiótica que vive dentro do
hospedeiro e garante o seu bem-estar. Toda criatura de Não-Hoth tem uma khui, e aqueles sem morrerá dentro
de uma semana, enojado com o próprio ar. Resgatado pelo sa-khui, as mulheres humanas assumir um simbionte
khui, sempre deixando para trás todas as esperanças de retornar à Terra. Eles se juntam a tribo sa-khui.

O khui tem um efeito colateral incomum em seu hospedeiro: se um emparelhamento compatível for
encontrado, o khui começará a vibrar uma canção no peito de cada host. Isso é chamado de ressonância, e
é muito valorizada pela sa-khui. Só com a ressonância, vai a khui sa- ser capaz de propagar sua espécie. O
sa-khui, cujos números estão diminuindo devido à falta de fêmeas em sua tribo, são muito feliz quando vários
machos começam a ressoar com as fêmeas humanas, garantindo assim a ligação de ambos os povos e da
vida da tribo recém-integrado. Um macho sa-khui é ferozmente dedicado à sua companheira, e vários seres
humanos estão agora reivindicada pelos homens, e grávida.

Recentemente, um pequeno grupo se aventurou ao 'antepassados' caverna' - o navio quebrado das


pessoas sa-khui originais - em busca de respostas. Enquanto estava lá, o original Little Green Men voltou,
roubou uma mulher humana, feriu os dois sa-khui acompanhá-los, e deixou a outra mulher humana para
obter ajuda.
Isto é onde a nossa história começa.
Capítulo um
HARLOW

Eu preciso de dois pólos para uma padiola. Dois. Sem problemas. Tem que ser árvores na distância, e eu
sou forte e inteiro.
OK. Eu posso fazer isso. Eu posso.
instruções do Aehako tocar pela minha mente, mais e mais. Precisamos fazer uma padiola e tomar
Haeden volta para o curador. Meu coração dispara descontroladamente no meu peito enquanto eu correr pela
neve, olhando para as árvores wispy rosa finas deste planeta. Kira se foi, e ambos os aliens estão feridos.
Eles precisam da minha ajuda, e eu não posso decepcioná-los. Eu não sei por que eles não voltar para a
nave alienígena e ser curado. Eles não confiar nele, e eu acho que eu entendo isso. Estou acostumado a
tecnologia, e ainda me assusta pensar na voz fria, sem emoção do computador.

Além disso, eu sei o que é temer o médico.


Meus pés afundam na neve a cada passo, e minhas botas de couro rapidamente tornar-se encharcado.
Não há tempo para corrigi-los, ou reforçar o interior com pele dvisti quente. Tempo é essencial. I marchar
para a frente sobre uma colina coberta de deriva, e quando vejo os rosa cílios, wispy de árvores na
distância, eu pegar o ritmo.
Quase lá.
Eu tenho a faca de Haeden, já que ele está muito ferido para usá-lo. O cabo de osso é suave na minha mão, mas é
um pouco grande demais para o meu palm tamanho humano para segurar confortavelmente. Tudo aqui em Não-Hoth é
sa-khui dimensionados, não de tamanho humano. Eu sou uma altura decente para uma menina, mas a pessoa média no
planeta parece ser sete pés de altura, e as neves são profundas, cavernas enormes. Realmente, tudo se sente um
pouquinho grande demais. É como se eu tivesse sido transportado para uma casa de Goldilocks, exceto em vez de
apenas para a direita, tudo é muito grande.

É só mais uma coisa que deve ajustar-se em um fluxo interminável de coisas novas e assustadoras.

Semanas atrás, eu fui dormir na minha própria cama, e a maior preocupação em minha mente foi quando eu começar
a minha quimioterapia. Então, alguns sonhos estranhos depois, eu acordei, tremendo e fraca, retirado de um tubo e disse
que eu tinha sido abduzido por alienígenas.
Que teria sido difícil de acreditar, exceto que eu tinha vindo de Houston, Texas, e meu ar condicionado
tinha saído, então eu tinha passado a transpiração noite e rezar o reparador viria por breve. Quando eu tinha
acordado? Fazia tanto frio meus pés descalços tinha furado para os andares de metal, e estranhos
alienígenas azuis de vez em quando entrou para conversar com os seres humanos.
É difícil chamar alguém de mentiroso quando estão sete pés de altura, azul e chifres. Depois de ver isso, eu
tinha que acreditar. E mesmo que às vezes eu quero me beliscar até eu acordar, eu tenho que aceitar o fato de
que agora estou vivendo em um planeta neve com nenhuma chance de chegar em casa, e eu estou infectado com
um parasita alienígena que me permite suportar as duras condições de Not-Hoth. Não é exatamente como eu tinha
visualizado o meu futuro em tudo.

Mas ... pelo menos eu tenho um futuro.


De acordo com computadores médicos do navio, estou livre do câncer agora. Eu não sei se é errado, ou se
não-Hoth é atmosfera ou o novo 'cootie' (como algumas das meninas chamá-lo) que vivem em meu peito.

Tudo o que sei é que o tumor inoperável no cérebro não está aparecendo em exames. E, pela primeira vez no ano
passado, eu tenho esperança.
Mas primeiro ... uma padiola.
Quando eu chegar às árvores, eu mudar para o mais próximo e tocar a casca com os meus dedos. É uma
sensação esponjosa e húmida, apesar do frio no ar, e não forte o suficiente para suportar uma enorme, musculoso
alienígena. Eu não tenho idéia se isso vai funcionar, mas eu vou dar-lhe um tiro. Devo-o-khui sa minha vida, e então
eu vou fazer o meu melhor para ajudar Haeden e Aehako.

Ajoelhando-se, começo a cortar na base da primeira árvore. A faca afunda com um ruído squishing, e
esguichos seiva para fora na neve. Ugh. I enrugar meu nariz e manter corte, determinado. Kira se foi, e
eles estão feridos, então eu sou a única pessoa que pode ajudar.

A neve flexões nas proximidades.


Eu ficar de pé, surpreso. Quase soou como um passo. “Olá?” Eu me virar e olhar.
“Aehako?”
Ninguém está lá. A paisagem de neve é ​estéril, senão rolamento deriva, tanto quanto os olhos podem ver.

Eu devo estar imaginando coisas. Eu não estou sozinho aqui fora no selvagem. Não somos criaturas em toda
parte, ou assim os caçadores me dizer. Poderia ser um dos porco procurando coisas. Ou talvez seja um coelho. Ou
... qualquer que seja o equivalente de coelho neste planeta é.

Eu não posso ser uma galinha bobo e surtar em cada som pouco, porém. I voltar para a árvore e
continuar cortando para ele.
Eu ouço o barulho de neve outra vez, e um momento depois, um baque pesado. Meu sangue parece que está surgindo
em meus ouvidos, e eu aperto a mão para a minha cabeça, fazendo uma careta.
Não, espere. Isso não é thudding ou percussão. Meu coração está calmo. É ... ronronando? bate algo na
parte de trás da minha cabeça, e eu passo a frente na escuridão. Mesmo lá, o estranho ronronar me
segue.
RUKH

I mover através da neve silenciosamente, mesmo que eu estou tremendo de emoção. Meu coração
bate no meu peito, pulso acelerado como se eu ter acelerado em toda a terra, em vez de perseguir a
minha presa. Há um zumbido, quase como o clicar ruídos os grandes animais cinzentos na água salgada
marca, mas diferente.
Ele está vindo de meu peito. De mim.
Eu não sei o que isso significa. Tudo o que sei é que eu cheirava as estranhas criaturas cercadas
por os maus, os que meu pai me disse para evitar. Há duas coisas estranhas que viajam com os
maus - eles são tão peludo é impossível dizer o que seus corpos parecem, mas um tem um choque
de juba vermelho-alaranjado que me fascina. Eu segui-los desde a noite passada, e agora o
one-avermelhada-guará está sozinho.

E eu ... pânico. Quando se começa a virar, eu club-o sobre a cabeça.


Ele cai no chão em um monte de pele colorido. Uma faca de osso, similar ao meu pai, cai
de sua mão.
Eu esfregar meu thrumming peito, confuso.
Como eu olhar para a criatura em meus pés, eu vejo ... é feminina. É estranho e diferente dos maus. Não
há sulcos nas sobrancelhas, ea pele é a cor suave, pálido de baixo-ventre de um dvisti em vez de um azul
saudável. É salpicado com a sujeira, mas não há dúvidas sobre a inclinação feminino dos lábios ou as feições
delicadas. Franzindo a testa para mim mesmo, eu coloquei a mão nas peles grossas de seu peito para sentir
tetas. Para minha surpresa, a parte peles. É uma cobertura de peles de algum tipo, não faz parte da criatura
em tudo. Ele está usando-os como eu, por vezes, usar uma cobertura no clima mais frio.

Meus pincéis mão sobre um dos tetos e os meus dedos pastar um mamilo de seixos.

A criatura geme e vibrando em seu peito cresce mais alto. Meu próprio corpo responde, meu pau
imediatamente endurecimento e dolorido com a necessidade de liberação. Estou surpreso - e mais do que um
pouco chocado com a forma como meu corpo está respondendo. Esta coisa é feia e pálido. Por que estou
reagindo a ele como eu faço as estranhas, sonhos inquietantes às vezes tenho? Com uma mão, eu empurrar o
meu empurrão pau de lado. Eu não tenho tempo para lidar com isso. I reunir-se a criatura inconsciente e
colocar a sua faca na minha bolsa, então eu funda a criatura cima do meu ombro e começar a levá-lo de volta
para minha caverna.

Eu vou decidir o que fazer com ele lá.

• • •
A criatura permanece inconsciente. Eu defini-lo para baixo em um canto da minha caverna e refletir sobre o que fazer
com ele. É uma ela, eu decido. É suave e bonita e tem tetas. Meu pau ainda dói com a necessidade, e como eu andar,
eu derrame minha mão para cima e para baixo o comprimento do mesmo, porque é bom.

Eu não sei o que fazer. Essa coisa feminina tem me perturbado. Não é comida, como meu pai
ensinou. Ela estava com os maus, mas ela fugiu. Isso faz-lhe boa, eu me pergunto?

Eu fecho meus olhos e apertar minha mão sobre a ponta do meu pau. É tão bom que todo o meu
corpo treme, eo estranho thrumming no meu peito cresce mais alto.

Eu queria que meu pai estivesse aqui.


Ele está morto há muitas, muitas estações. Eu era um pequeno kit quando ele morreu, e eu estive sozinho
desde então. Pai sempre tinha respostas, no entanto. Ele saberia por que o meu peito está vibrando ou porque
minhas dores galo em torno do sexo feminino. Uma onda de solidão varre sobre mim. Às vezes eu odeio que eu
não tenho respostas, apenas perguntas, e ninguém para perguntar.

I continuar a acariciar meu pau até que ele cospe diante umidade, e meu corpo finalmente relaxa. Eu vê-la
como eu faço isso, e me diga que é porque eu sou curioso. Seu peito parece estar vibrando junto com o meu,
então o que está causando isso afeta-la também. Eu limpo minha mão molhada no chão de terra da caverna
e, em seguida, rastejar em direção a fêmea inconsciente.

Meus movimentos são furtivos, como se qualquer momento ela poderia acordar e atacar-me. Ela é pequena e
ainda, e me pergunto se eu feri-la pior do que eu percebi. Por alguma razão, o pensamento apunhala para mim, e
eu levantar a cabeça, examinando-lhe o crânio. Debaixo do fio vermelho-dourado de sua juba, ela tem um nódulo,
mas por outro lado parece estar bem. I pressionar o meu rosto contra seu nariz e sentir sua respiração. Continua
vivo. Seus olhos estão fechados, sua respiração mesmo.

Sinto-me culpado que eu feri-la. Eu não deveria ter. Ela é minha. Mas eu entrei em pânico. Eu tenho alguma raiz da
dor, no entanto. É bom para fazer coágulo de sangue e ela tem um corte na cabeça. Eu defini-la suavemente e de
cabeça para o meu saco de erva e encontrar a raiz seca. Eu mastigo-o em um mash, em seguida, retornar para o
feminino e rebocam sobre seu ferimento na cabeça. Ela vai ficar feliz por ele mais tarde.

Eu gentilmente deitá-la de volta para o chão, e como eu faço, eu não posso deixar de olhar para ela. Sua pele é
salpicado com uma sujeira marrom avermelhada de algum tipo, e eu esfregar distraidamente. Sua pele é diferente do que a
minha - não há nenhuma cobertura suave, luz de pele. Ela é nua em todos os lugares, exceto a cabeça e que se sente ...
estranho. Não faz o meu pau duro novamente, mas eu ignorá-lo. Eu não posso sentar e esfregá-lo durante todo o dia.
Percebo que as manchas não desaparecem quando eu esfregar. Eles são em sua pele. É curioso. Eu lamber meu
polegar e esfregar em outro, mas ele não se mover.
Criatura estranha.
Eu puxar as cobertas de pele, curioso para ver se esta fêmea é visto em todos os lugares. Eles caem
aberto e revelar uma outra mais leve que cobre por baixo, feito de algo semelhante ao meu cantil. I retirá-lo e
revelar mais do estranho pele, pálido com as manchas sobre ele. Seus braços são suave e macia, desprovida
da mina de placas de espessura tem. Eu esfregar meu braço, em seguida, toque dela. Muito diferente. Ela é
toda suavidade, e isso me faz pensar que ela é fraca.

Eu nunca vi nada parecido com ela. Eu puxar os couros novamente e eles caem, revelando suas tetas. I
chamar de volta, surpreso com a visão. Eles estão cheios e redondos, com dicas rosa-marrom que apontam
para o ar. Eu toco um, curioso para ver se ela vai fazer aquele som gutural como ela fez antes.

Mas ela é silenciosa, e eu estou desapontado. Meus empurrões e dores galo, desesperados por mais um
lançamento. Eu ignorá-lo e pressionar a mão entre suas tetas, onde ela está vibrando, assim como eu. Seu peito
está vibrando com a mesma velocidade como o meu, o que é curioso. É como estamos unidos, de alguma forma.
Como nossos corpos decidiram cantar uma música juntos.

Eu gosto disso.
Gosto de olhar para a mulher também. Eu gosto dela estranho, pele manchada e sua crina estranho. Eu gosto de
seus pequenos, tetinas bonitas e até mesmo a sua pequena, cara feia. Ela não tem chifres e sem cauda do que eu
posso dizer, mas o cheiro dela é irritantemente delicioso. Eu sinto uma necessidade estranha a lamber-la e descobrir
onde o cheiro está vindo, mas meu throbs pau com o pensamento.

Eu não tenho certeza se eu gosto de como fora de controle meu corpo está em sua presença. Franzindo a testa para
mim mesmo, eu substituir suas peles, escondendo suas tetas da vista, e voltar para o outro lado da caverna. Há coisas que
devo fazer antes que eu possa ir dormir: não há água para ser derretido, cabos de ser trançado para linhas de armadilha, e
lâminas de ser afiados. Devo comer, e eu preciso verificar meu pit armadilhas.

Não há ninguém para ajudar, então eu não consigo dormir até que as coisas são feitas. Como eu pegar um pouco de
tendões secos, eu Crouch e assistir a fêmea de longe. Não vou sair da caverna, nem estou deixando-a sozinha.

Esta fêmea é meu, agora. Eu tomei-la dos maus. Ela pertence a mim, e eu vou matar
qualquer coisa que tenta levá-la.

HARLOW

Minha cabeça lateja ferozmente, ea primeira coisa que eu acho é que do tumor cerebral voltar. Que o
computador na nave alienígena estava errado, e eu não estou bem
depois de tudo. Que eu estou morrendo e estes são meus últimos momentos.
Mas então memórias pingar. Memórias de caça frenética por árvores, cortando em um, e
então algo me batendo duro por trás.
E ronronando, curiosamente.
Alívio atira através de mim. Estou bem. Meu khui fixa o meu tumor cerebral. Eu não estou na Terra, e eu não estou
morrendo.
O ronronar ainda está na minha mente, porém, como um gato gigantesco que não vai deixar meu peito. Exceto,
que percebo quando lentamente abrir os olhos, não há gatos aqui, e o ronronar é proveniente de dentro do meu
peito.
Merda. Eu estive em torno dos outros longas o suficiente para saber o que isso significa. É ressonância. Estou
ressonância a um homem porque meu khui - ou cootie, como nós, seres humanos gostam de chamá-lo - decidiu Eu vou
ser o companheiro perfeito para alguém. Os únicos homens que foram que viajam com foram Aehako e Haeden, no
entanto. Um deles? Eu gosto Aehako, mas eu sei que ele está apaixonado por Kira. Haeden é todos os rosnados rudes.
Eu não tenho certeza se eu gosto da idéia de ser seu companheiro.

Não que eu esteja dada uma escolha. Obrigado, cootie. Obrigado por nada. Meus olhos se concentrar lentamente, e eu
percebo que estou olhando para o teto irregular de uma caverna desconhecida. Por que eu estou em uma caverna? Será
que eu começar a batida por algo e depois Aehako veio me resgatar? É por isso que eu estou ressonância? Meu cootie tem
uma donzela em complexo aflição?

Movimento pega o canto do meu olho. Eu viro minha cabeça, e depois um suspiro me escapa.

Há um macho sa-khui agachado na caverna ao lado de mim, mas ... não é qualquer khui sa- eu sei. Sento-me na posição
vertical e escorregar para trás como eu percebo que ele está olhando para mim, uma faca em sua mão.

Merda. Merda merda merda.


Minhas costas pressiona contra a parede rocha dura pelo tempo que eu passar algumas polegadas, e eu olhar
com horror para o estranho.
Isso não pode ser. Ainda não há estranhos no planeta. Não em não-Hoth. Há apenas tribo de Vektal e os
seres humanos. Eu sei que cada cara estrangeira neste planeta.
Mas eu não posso negar que eu estou olhando para o rosto de um estranho. A um selvagem. Ele se
agacha no chão de terra da caverna como um animal, os ombros curvados sobre seu corpo. Ele está nu
também. Não há uma peça de roupa em seu corpo enorme azul, muscular. Seu pênis oscila entre suas
coxas, ereto e esticar, e eu vejo o 'estímulo' que todo mundo está sempre falando - a curto protrusão
chifre-como logo acima do galo que é equipamento padrão para todos os homens sa-khui. Meu rosto
aquece quando eu percebo que estou verificando seu lixo.

Sério, porém, é apenas pendurado entre suas pernas abertas para que todos possam olhar.
Seu rosto é amplo, as maçãs do rosto altas. Seus traços são nítidas, as sobrancelhas pesadas e estriadas. O
cabelo preto na cabeça é um nimbus rosnou que parece como se ele tentou trançar alguns deles fora do caminho e
deu-se há muito tempo. Parece mais como um tumbleweed do que o cabelo, e é claro que ele não é um grande fã
de pentes.
Ou tomar banho. Tenho certeza de que todo o seu corpo está coberto de uma camada de sujeira. Se ele não usar
roupas, porém, eu acho que não há nenhum ponto em tomar banho?
Ele mim, os olhos apertados relógios, e corre uma pedra ao longo da borda da faca, afiar-lo. Seus
movimentos são lentos, e eu não posso dizer se é porque ele quer parecer ameaçador, ou se ele está
tentando não me assustar. Dado que ele está segurando uma faca? Eu estou indo para ameaçar.

“Quem é você?”, Eu sussurro.


Ele não respondeu, e eu percebo que eu estou falando em Inglês. Whoops. Eu aprendi o velho sa-khui língua
- Sakh - enquanto no navio, então eu tento que em vez. Ele não responde a ele, tampouco.

Eu ... não sei o que fazer. Ele está surdo? Ele está me observando, mas ele não está respondendo às minhas
tentativas de falar com ele.
“Estou Harlow,” eu digo. “Onde estão meus amigos?” Mais uma vez,
não há nenhuma resposta.
Eu pressiono minhas mãos no chão. Há uma pedra sob a palma da mão, e eu pegá-lo e apertar-lo
em toda a sala para ver se ele reage.
Ele segue a pedra e depois franze a testa para mim, um rosnado feroz de dentes arreganhados que me faz tremer.
Ele não é surdo. Ok, ele está apenas optando por não falar comigo.
Bem, o que diabos?
“Será que Vektal enviar-lhe?” Eu tento. “Será que Aehako e Haeden fazê-lo voltar para as cavernas? Eu estive
fora por um longo tempo?”
Seu olhar se move de volta para a faca e ele corre a pedra ao longo da borda novamente, afiando-lo.

“Você não pode me entender em tudo, não é?” Estou chocado com isso. Não há outra tribo de
sa-khui, não é? Mas este homem está sozinho, e ele não entende a língua de seu povo. Eu olho em
volta da pequena caverna. Voltar nas cavernas tribais, cada família tem feito o seu melhor para tornar
suas cavernas parecer casa. Cestas e cobertores preencher os cantos, e em toda parte lá são
armazenados alimentos, ervas e utensílios diários.

Aqui, não há muita coisa. Lá estão alguns malotes jogados em um canto da caverna, mas
não há cobertores, sem cama, sem fogueira, sem nada.
“Você mora aqui?” Eu sussurro.
O estranho olha para mim por um longo momento, e então ele lentamente se levanta e começa a se
aproximar de mim.
Eep. Eu empurrar para trás contra a parede da caverna, tentando encolher longe dele.
Não há lugar para eu ir, e eu tremo quando ele persegue para mim, fechando meus olhos. Não há
nada, mas o som dos nossos dois piolhos cantando uns aos outros, e meu peito vibra com a força do
meu.
Oh não, não, não, não.
Não esse cara.
Mas não há como negar que o meu corpo responde quando ele está perto de mim. Eu posso sentir a minha pele nivelada
com necessidade, e a umidade começa a infiltrar-se entre as minhas pernas, como se eu estivesse completamente e
totalmente ligado no momento. Quero dizer, claro que ele é grande e forte e, provavelmente, poderia levar uma garota como
ela é nada-
Oh Deus. Isso é muito ruim. Como, pior do pior caso em cenário ruim. Eu absolutamente não sei o que
fazer. Meu pulso acelera com uma mistura de ansiedade e resposta ao meu khui, e eu odeio que ele começa a
bater entre as minhas pernas. Georgie não estava mentindo quando disse que ressoando era como Fly
espanhol em crack. É uma sensação de urgência, como eu deveria pegar esse cara - este imundo - estranho e
arremessá-lo para o chão e empalar-me no seu pinto.

E depois? Ter um filho dele? Não, obrigado, cootie.


Eu aperto minhas coxas com força, querendo o meu corpo para acalmar a porra. Dedos tocam o meu cabelo, e
mesmo que ele é gentil, minha cabeça ainda pulsa. Eu aperto um olho aberto, pronto para se afastar, e percebo que
estou praticamente cara a cara com seu pênis ereto. Eu fico olhando para ele por um longo momento, minha boca
seca. Eu não sou virgem, e como qualquer garota, eu realmente gosto da visão de um bom galo. Esse cara - seja
ele quem for - tem realmente um realmente nice one, mas que só poderia ser a falar cootie. Ele não circuncidados, é
claro, mas não há como negar que ele é apenas o comprimento certo e perímetros, e minha mente traidora se
pergunta como que se sentiria.

Meu cootie Thrums mais difícil no meu peito. Jesus. Eu sinto que estou sendo traído por todos os lados.

Ele toca minha cabeça ferida e eu empurrão de distância. “Ai!” Eu tapa em suas mãos, incapaz de me ajudar.

Os grunhidos homem e almofadas afastado em pés descalços, aparentemente despreocupado com a minha reação.
Eu carranca para ele e tocar minha me ferir. É coberto em algum tipo de pasta de gloppy, provavelmente um remédio
natural de algum tipo.
“Lucky me,” murmuro.
Ele resmunga novamente e retorna ao seu Crouch através da caverna. Ele não pegar a faca de novo, mas
apenas me, suas mãos relógios de joelhos.
Olho para a boca da caverna. É aberto ao mundo, e eu posso ver a neve brilhando fora na luz do
sol fino. A maioria sa-khui têm peles decorativos esticado no osso quadros que eles empurram em
frente à abertura da caverna para dar a aparência de privacidade ou para manter o clima severo. Não
esse cara. “Você é uma sobrevivente do hardcore ou algo assim?” Ele não responde, e eu suspiro.
"Claro
você está tranquilo. Eu não suponho que você pode me dizer o que aconteceu com Aehako e Haeden? Os dois
rapazes feridos?”
Ele aperta os olhos, mas não se move.
I pantomima chifres. “Dois homens grandes? Comigo? Olhe como você?”Nada além de um
olhar.
Eu me preocupo meu lábio, pensando. Eu não posso ficar aqui se eles estão feridos e esperando por mim para voltar. E
se eles morrem? Eu não acho que eles confiam em tecnologia do computador o suficiente para voltar para o barco e
pedir-lhe para corrigir suas feridas.
Eu vou ter de escapar, de alguma forma.
“Ouça”, eu digo. “Você é um cara legal e tudo, e esta coisa cootie é inconveniente, mas eu realmente
preciso ir.” Eu ignorar o thrumming insistente no meu peito e começar a ficar para os meus pés.

Ele rosna para mim, mostrando os dentes novamente.


I ranger e cair para o chão. Ok, então ele não é um falador, mas ele é muito bom com a
comunicação não-verbal. Eu sei 'sentar e calar a boca' quando eu ouvi-lo.

Ele não pode ficar aqui e olhar para mim para sempre, certo? Então eu só preciso esperar por ele para ficar
entediado. Eu deveria fingir dormir. Eu me inclino contra a parede e fechar os olhos, fazendo parecer como se eu vou
tirar um cochilo. Eu sou capaz de manter os olhos abertos um fio de cabelo, apenas o suficiente para que eu possa ver
através dos meus cílios. Ele leva uma eternidade, mas ele finalmente pára de olhar para mim e começa a trabalhar em
algo novo, de costas para mim.

Devo tentar escapar agora?


É quase como destino ouve as minhas súplicas silenciosas. No momento seguinte, o estrangeiro se levanta e
talos para a frente da caverna. Ele dirige-se para a luz do dia e eu posso ouvir o barulho de passos na neve
enquanto se dirige para a esquerda.
Certamente não vai ser assim tão fácil, não é?
I pegar a faca de osso do chão e depois saltar para os meus pés. Cada músculo do meu corpo dói e se
sente apertado, e minha cabeça lateja no movimento brusco. Que pena. I rastejar para a frente da caverna e
vê-lo de pé a uma curta distância, olhando para as montanhas distantes, com a mão protegendo os olhos.
Seus chifres projetam ameaçadoramente da testa, e seus filmes de cauda como se irritado.

“Hora de ir, Harlow,” eu respiro e raça para a neve, indo na direção oposta. Eu não sei para
onde estou indo, mas eu realmente não me importo. Longe
Parece que a melhor resposta no momento.
Eu realmente não posso correr na neve, no entanto. pés humanos não são feitos para lidar com os montes de neve
de Não-Hoth e eu afundar a cada passo. É como tentar executar através da lama, e eu mover-se lentamente. Eu estou
levantando e ofegando com o esforço, meus músculos esforçando, mas não posso parar.
Um, grito mudo raiva ecoa atrás de mim de algum lugar, e eu sei que eu tenho sido manchado. “Merda!”
Eu tento mover mais rápido, mas minhas pernas se sentir pesado e fraco, e minha cabeça parece que vai
explodir a cada batida do meu pulso.
Enquanto eu corro, eu posso ouvir seus passos batendo cada vez mais perto, e pânico selvagem põe em mim. Aperto
a faca, pronto para atacar se ele me agarra. Deixe um daqueles braços e tentar envolver em torno da minha cintura e eu
vou apunhalar o fora dele.
Um momento depois, eu estou bateu no chão no meu estômago, um peso pesado descansando em cima de
mim.
Eu grito de raiva e medo, e eu thrash contra ele, golpeando loucamente atrás de mim com a faca. Estou
desesperada para bater em nada. Não me importa o que o tempo que ele deixa de ir me.

Uma grande mão se fecha em volta do meu pulso e pinos para a neve sobre a minha cabeça. Dedos apertar em
torno de meus ossos do pulso até que eu choramingar e liberar a faca, e ele morcegos retira-o de meu aperto.

Eu chuto para ele, e, em seguida, um momento depois, eu sou de alguma forma nas minhas costas e seu corpo grande é
em cima de mim. Meus seios heave com raiva e eu olhar para ele. Ele está chateado que eu corri. É evidente a partir de seu
rosto. “Bom”, eu rosnar para ele. “Meu cootie pode ser em Síndrome de Estocolmo, mas eu não sou!”

Ele me permite lutar contra ele para o que parece uma eternidade, e ele não está cansativo em tudo. Frustrado, eu
dou uma última duro alçada de corpo inteiro para tentar arremessá-lo fora, mas estou sem sucesso. Ele provavelmente
pesa o dobro do que eu faço.
No processo, porém, minhas roupas, de alguma forma se abriram ea próxima coisa que eu sei, meus seios
estão nuas, meus cordões túnica tendo chegado completamente desfeita na luta. Eu suspiro em choque com o
ar frio - e, sendo nua da cintura para cima.
Meu captor da notado isso também. Sua mãos aperto meus pulsos. Não é difícil, não é doloroso mais, mas
apenas me segurando. Ele não está olhando para qualquer lugar, mas para os meus seios, embora, e a
expressão em seu rosto me faz lembrar que ele teve um tesão o tempo todo que ele me segurou cativo. Merda.
Meu khui começa a cantar ainda mais alto, a vibração tão forte que faz o meu peito tremer. merda de casal. Eu
posso sentir a resposta de seu khui ao meu, pode sentir a thrumming movendo através de seu corpo, também.
Seus prensas pau contra uma das minhas coxas, duras e insistentes, e eu estou meio preocupada - e metade
antecipando - o que vai vir em seguida.

O bárbaro olha para os meus seios por um longo, longo momento. Em seguida, ele se inclina e inala profundamente,
como se enchendo seu nariz com o meu perfume.
Por alguma razão, isso me parece incrivelmente erótico, e eu gemo. Meu lamento é ecoado em sua
garganta. O gemido que lhe escapa soa totalmente sexual, e ele inala profundamente novamente, o nariz
esfregando contra a minha pele. Meus mamilos endurecer com o toque de sua pele ao meu. Esses
traidores querem mais tocar. Não importa que ele é sujo, ou estrangeiro, ou que ele é seqüestrado
mim. Meus mamilos quer atenção e eles querem isso agora.
Enquanto eu vejo, ele esfrega o nariz contra minha pele, no vale entre meus seios. É o lugar
onde a ressonância khui é o mais insistente, e um gemido escapa-me com a sensação. Sua
língua flicks fora, e eu senti-lo lamber minha pele, me degustação.

Eu não posso lidar com isso. É muito. Outro gemido me escapa, e mesmo que eu quero que ele
rasgar minha roupa fora e me levar aqui na neve, a palavra que as lágrimas da minha garganta é: “Não.”

Ele levanta a cabeça e olha para mim. “Não?”,


Ele ecoa.
Capítulo dois
RUKH

Eu sei que esta palavra.


Estou tão animado com a familiaridade dele que eu esquecer tudo sobre o quão delicioso minha mulher é, como ela
está vibrando debaixo de mim e faz o meu pau com tanta força que eu mal consigo pensar direito.

Eu sei que isto 'não' palavra. “Não”, eu repito


de novo, animado.
“Não”, ela concorda, e empurrões em um dos pulsos Estou segurando fixados. I liberá-lo, porque eu sou
curioso o que ela vai fazer. Eu sei que 'não' significa 'não' e então eu parar. Enquanto eu vejo, ela fecha os
peles sobre sua pele, escondendo suas tetas do meu olhar.

Ela não quer que eu a tocasse ou lamber sua pele.


Por alguma razão, isso faz com que uma dor estranha no meu coração, eo sentimento de solidão retornos. Ela é
minha, esta fêmea. Por que ela não gosta de mim? Eu não sou forte? Tão forte quanto os maus? Mas ela está olhando
para mim com medo e preocupação em seus olhos, e ela repete a palavra novamente. "Não."

Eu aceno devagar, porque eu me lembro disso, também. memórias obscuras de meu pai escorregar pelo meu cérebro, e
eu apontar para trás em minha caverna.
“Dunwannagohbak”, diz ela, agarrando suas peles apertada sobre o peito. “Lemmegoh.”

Ela está balbuciando novamente. Estou desapontado, porque eu não sei essas palavras. “Não”, eu digo a
ela. Quero comunicar. Eu quero que ela saiba que ela é minha, e que eu ainda não descobri-la para fora, mas
eu vou cuidar dela. "Não!"
As sobrancelhas dela ir para baixo, e ela cheira meu peito. “Dontellmenoh!” Eu abro meus dentes,
frustrado. Eu não tenho uma maneira de se comunicar com ela que ela é minha, e ela vai ficar comigo. Meu
pai tinha muitas palavras, mas ele está morto há muito tempo, e eu esqueci a maioria deles. Eu uso o único
que eu tenho. "Não."

Enquanto observo, suas narinas, e ela parece que ela está pronta para cuspir mais uma rodada de sons para
mim. Mas então seus olhos em bico, e ela olha para algo sobre a minha cabeça. Eu me viro para olhar.

Algo grande e preta está movendo-se lentamente através do céu. É como um disco gigante, exceto que
ele é feito de nada que eu reconheço. Há estranhas luzes piscando sobre ele, e ele brilha à luz do sol
aguado. É grande, maior do que a maior caverna I
saber de. Ele se inclina no ar, em seguida, continua em seu curso, acelerando. Ele está indo para a direita para as
montanhas na distância.
“Theyvegotkira!” A mulher estranha chora. "Não!"
Mas a coisa continua se movendo em câmera lenta, e assim como eu olho, ele cai no lado da
montanha, amassando. A explosão de fogo ilumina o ar e coluna de fumaça diante. Eu nunca vi nada
parecido. Eu chegar a meus pés, awed e um pouco assustado ao mesmo tempo.

I ouvir a mulher ficar de pé, bem. Mas em vez de pé ao meu lado, ela arremessa para longe. Ainda assim, ela
pensa em escapar? Com um rosnado raiva de frustração, eu prender minha faca e, em seguida, ir atrás dela.

Ela grita quando eu pegá-la muito facilmente e funda-a de volta por cima do meu ombro. Meu peito
imediatamente começa a vibrar em resposta a tocá-la, e eu quero explorar isso mais. Mas se ela não
vai ficar ...
Eu só vou ter que fazê-la.
Volto à minha caverna. Existem algumas tiras de couro função esquerda do saco precioso do meu pai, mas
esta fêmea é igualmente precioso para mim. I considere por um momento, e depois a colocou no chão, no canto
da caverna, usando meu corpo para bloquear a entrada. Ela se enrola em um canto e calafrios, segurando suas
peles perto de seu corpo e me observando.

Cortei tiras, o suficiente para prendê-la, e amarrar suas mãos e pés, mesmo quando ela tenta me bater de
distância. Uma vez que ela descobre que ela é meu, isso não será necessário. Não tenho prazer em seus gritos infeliz
ou suas lutas. Isso deve ser feito.
Eu não posso perdê-la. Eu não vou.

HARLOW

O idiota me faz dormir com meus pulsos e pés amarrados durante toda a noite, e não tem sequer a decência de fazer
uma fogueira. No momento em que eu acordo, minhas mãos e dos pés estão formigando, e eu sou tão frio meus dentes
estão batendo. Meu khui ajuda o meu corpo a se adaptar, mas os seres humanos ainda têm um tempo duro com o tempo
em Não-Hoth, e agora eu daria meu mindinho para um cobertor quente ou uma xícara de chocolate quente.

Eu contorcer em meus títulos, minha bexiga cheia e todo o meu corpo desconfortável. Isto não pode continuar.
Eu não sobreviverá se continuar. Eu tenho que me comunicar com meu captor de alguma forma, e que ele saiba o
que eu preciso. Tenho certeza que ele não quer me ver morto, especialmente não com a minha khui vibrando em
meu peito quando ele se aproxima.

Como se pode ouvir meus pensamentos, o estrangeiro mexe de onde ele está enrolado em cima do outro lado da
caverna, na sujeira. Não há cobertores para ele também. Talvez ele não faz
sabe como fazê-los? Ele pode não precisar deles, mas eu faço. Eu aprendi um pouco sobre bronzeamento
nas semanas que eu estive com a tribo estrangeira, e no momento? Estou totalmente ansioso e pronto
para fazer a minha própria cama se isso significa calor. É outra coisa na lista mental que vamos ter de
discutir, uma vez que descobrir uma maneira de falar.

O estrangeiro chega a seus pés e almofadas para a entrada da caverna e desaparece no vento muito frio,
completamente nu. Por um momento, eu tenho uma sensação absoluta de medo que ele vai me abandonar,
amarrado e sozinho nesta caverna desolada.
Mas ele retorna um momento depois, e imediatamente se dirige para mim. Ele desata os meus pés e as mãos e os
gestos que eu deveria segui-lo. Eu faço, esfregando os pulsos. Meus pés são ligeiramente mais quente do que as minhas
mãos porque eles estão em minhas botas, mas eu estou desesperado por um incêndio. Ele aponta para a neve à
distância, e faz um movimento de cócoras, e eu percebo que esta é uma ruptura do banheiro.

Eu não posso foder isso e assustá-lo. Eu não posso escapar, qualquer um. É claro que não pode fugir dele, então eu
preciso para fazê-lo confiar em mim. Eu cautelosamente sair para a neve profunda, escolher um afloramento rochoso que
parece tão relativamente privado como eu posso encontrar, e fazer o meu negócio. Meu rosto queima quando eu pegá-lo me
observando uma curta distância. Eu sei que é porque ele não quer que eu correr, mas não pode uma menina ter alguma
privacidade? Eu chuto neve sobre o meu 'toilet', em seguida, esfregue mais neve em minhas mãos para limpá-los. Como eu
faço, eu olho para o céu.

Há uma trilha smoky cortando o ar, e eu olhar sobre a distância. Os destroços da nave é
ainda visível, como uma mancha na montanha.
A realidade de ele me bate. Kira está morto. Aehako e Haeden são provavelmente mortos. Eu sou o único do nosso
pequeno partido de esquerda vivo. Oh Deus. Eu não sei o caminho de volta às cavernas tribais ... e eu não tenho
certeza se quero voltar. Como ele ficaria com apenas me mancando de volta depois de abandonar os dois caçadores?
Será que alguém acreditaria em mim se eu disse ao meu lado?

Provavelmente não.
Eu estou fodido. Alguns miseráveis ​lágrimas espremer de meus olhos e congelar no meu rosto. Eu não tenho
nenhum lugar para ir mais ...
Exceto voltar para o meu captor. Eu olho para ele, tudo, cabelo selvagem sujo e corpo nu. Meu khui
responde imediatamente, e eu cerrar os punhos para ignorar a excitação varrendo através de mim. Qualquer
mulher lógico não seria despertada por seu captor sujo, mas o khui ignora a lógica.

Então eu vou fazer o meu melhor para ignorar o meu khui. Preparando-me, volto para o lado do alienígena.

Sua mão vai para o meu cotovelo e ele me dirige de volta para a caverna. Tudo bem então. Veja o quão bom eu
estou jogando bem?
I mover para o outro extremo da caverna do momento em que entrar. Há muito
de uma brisa na entrada, ea pequena caverna não é grande o suficiente para fornecer uma tonelada de proteção
contra os elementos, o que é lamentável. Eu aperto para baixo contra a parede de rocha, encolhendo.

Ele pega os laços de novo e me re-aproxima. “Não, por favor,” eu digo a


ele, colocando a mão para cima.
Ele se agacha ao meu lado, mas ele não tenta me amarrar. Em vez disso, ele inclina a cabeça, como se
estivesse esperando por mim para falar novamente. Eu tenho que assumir que ele não compreender a língua de
seu povo, ou então ele teria tentado falar já. Ele é como Mowgli ou Tarzan - completamente selvagem.

Eu preciso começar com o básico.


Eu bato meu peito, por cima do meu roupas grossas. “Harlow.” Eu toque nele novamente e repetir o meu nome, e em
seguida, chegar a tocar-lhe.
Ele empurra a mão de lado, as sobrancelhas.
Eu tento de novo. “Harlow.” Eu aponto para mim. “Haaaaaarlow.” Então eu gesto para ele. A luz se passa na sua
cabeça. “Arrr-Loh.” Ele bate meu peito. Meu khui responde imediatamente ao seu toque, e um rubor quente cobre
o meu rosto. Espero que ele não percebe o quão duro os meus mamilos são. Eu não quero que ele me tocasse.
Eu realmente não sei. Não quando ele é tão sujo e eu espero que ele me amarrar a qualquer momento.

Mas não há como negar que a minha cootie e meu cérebro não estão na mesma página. Só espero
que ele não pegar o cheiro da umidade que escoa entre as minhas coxas. Porque então ele pode não
estar disposto a jogar o jogo nome e em vez atacar-me para o chão da caverna.

E eu odeio que meu corpo realmente, realmente gosta do pensamento de que. “Harlow”, repito. Eu sorri para ele, e
depois gesto para ele novamente. Certamente ele tem um nome?

“Ar-Loh.” Ele coloca a mão em seu próprio peito. “Rukh.”


A palavra é gutural, quase engoliu em é garganta. I tentar repeti-la. “Rooookh.”

Ele bufa e bate seu peito novamente. “Rukh.”


“Oh, você vai me corrigir, então?” Minha boca se enrola em um meio sorriso. “Então, vamos começar
com o meu nome. É Harlow. Não Ar-loh. -Ha-r baixo. Ha na frente. Como ha ha ha ha.”Repito o som.

“Ha ha ha”, ele ecoa. “Ha ha ha-ar-Loh.” Eu rir.


“Você é terrível nisso.”
Sua mão vai para o meu rosto, sentindo minha boca. Seus olhos estão arregalados. Eu congelo, mas ele só toca meus
lábios com os dedos e, em seguida, tenta fazer um som. Oh. Ele gosta do meu riso. Eu ri novamente, forçando-o um
pouco para ver como ele reage.
Um sorriso irrompe no rosto. Seus dentes são grandes e brancos e afiados, e eles
olhar selvagem em seu rosto sujo. Eu sorrio de volta para ele. Estamos chegando a algum lugar.
Para os próximos minutos, praticamos dizendo os nomes uns dos outros. Eu posso levá-lo a fazer a
H-som em Harlow quando ele faz um movimento cortante, mas o nome ainda soa isca mutilado. Estou
prestes a mesma coisa com seu nome - ele só tem prazer quando eu fazer uma espécie deglutição de som
com o R que não se sente natural com uma garganta humana.

Mas nós estamos chegando a algum lugar. Eu sorrio para ele novamente e decidir tentar para o próximo bit de
comunicação. Eu coloquei minhas mãos para fora como se aquecendo-os. “Fire?” Eu tento a palavra em sua língua,
desde Inglês seria inútil para ele. “Harlow precisa de fogo?”

Ele franze a testa e dá um pequeno aceno de cabeça. Ele não entende. “Faz sentido,” Eu digo para mim
mesmo, tamborilando os dedos em meus lábios como eu penso. Não é tão muitas coisas que eu preciso pedir
se eu vou ficar aqui por um tempo - cobertores, um aquecedor abrigo, fogo, comida, água, tomar banho,
armas ... a lista me oprime. Sinto-me impotente e mais sozinho do que quando eu acordei do meu tubo. Uma
lágrima de auto-piedade desliza pelo meu rosto e eu com raiva esfrega-lo afastado. "Merda."

“Merda?”, Ele repete, e toca minha bochecha. “Merda Harlow?”


Uma risada me escapa, perseguindo minha tristeza embora. “Não é bem assim, Rukh. Mas eu estou sugando
essa coisa da linguagem. Talvez eu precise tentar outra coisa.”Eu olho em volta para a caverna, mas não há nada
que poderia até ser usado remotamente para o fogo. Então eu começo a meus pés e oferecer-lhe a minha mão.
"Venha comigo. Vamos reunir.”

• • •

Eu ainda estou lamentavelmente falta de um lote de habilidades de sobrevivência, mas uma das primeiras coisas que a
tribo insistiu que eu aprender era como encontrar combustível e como fazer uma fogueira. Nós ir a pé, com Rukh me
olhando com curiosidade o tempo todo. Eu acho que ele meio que espera me para fugir com ele, mas isso não é parte do
plano.
Eu não tenho para onde ir.
Em vez disso, procure sinais de dvisti, os peludos, pônei-como animais de rebanho deste planeta. Eles comem a fauna
wispy, revestido de gelo desse lugar, e seus excrementos é o grampo da maioria das fogueiras desde madeira parece ser
rara. Percebi uma braçada e depois trazê-lo de volta para a caverna comigo, tentando ensinar palavras para Rukh
enquanto caminhamos. É uma batalha perdida, mas eu tento de qualquer maneira. A maior parte de sua atenção parece
ser fixado em descobrir o que é que estou fazendo.

Uma vez que voltar para a caverna, eu limpar o centro do chão e fazer um buraco, em seguida, alinhar as bordas com
pedras. Eu puxar o cabo eu continuo no meu pescoço que eu fiz para mim mesmo quando eu estava começando a aprender
muitas das habilidades básicas para a sobrevivência
neste planeta. O fogo era número um, então eu e algumas das outras meninas fizeram colares com um pouco de aço
sobre eles. Parecia que alguém tinha recuperado alguns pedaços do navio dos idosos, pensando que eram
interessantes. Nós, seres humanos canibalizados rapidamente eles e mantive um circuito-olhando quadrado amarrado a
um fio dental no meu pescoço. Agora eu só precisava de uma rocha impressionante, que este planeta tinha um monte
de, e alguns gravetos.

Um pouco de penugem de dentro da minha bota e, um pouco seco rasgado-up de esterco desde que o pavio, e eu
comecei a tentar fazer uma faísca. Levei alguns estrondos do rock, mas alguns minutos mais tarde, eu tinha um carvão
smoky. I soprou sobre ele e, em seguida, alimentou o pavio em chamas à minha pilha de fichas de esterco, adicionando
mais fluff para torná-lo queimar.
O lick de calor foi imediatamente gratificante. Suspirei de alívio quando as chamas pegou e começou a
queimar fortemente, e eu coloquei minhas mãos sobre ele. “Fire”, eu disse Rukh.

“Fire”, ele repetiu, e eu percebi que ele estava falando em sua língua. Eu tinha falado em Inglês sem
pensar.
“Você se lembra de fogo?” Eu aponto para ele. Ele
concorda. "Fogo."
Eu sorrio para ele. “Harlow precisa de fogo.” Eu mock-estremeceu. “Muito frio de outra forma.” Suas sobrancelhas
reunir, em seguida, ele acena com a cabeça lentamente. “Harlow fogo.” Sua mão quente toca o meu. Oh Deus, ele é
muito, muito quente. Eu me afasto, mesmo que a única coisa que eu quero fazer é manter tocá-lo.

Meu cootie traidor? Ele ronrona alto.

RUKH

Har-loh me fascina. Ela alimenta de fezes de animais para as chamas lambendo - o fogo - e mantem sua mão
sobre ele. Eu percebo o que ela estava tentando se comunicar comigo.
Ela está com frio. Seus estranhos, mãos de cinco dedos são pequenos e não manter o calor. Ela treme
até mesmo nas peles que ela usa. Seu corpo não é como o meu, impermeável ao tempo. Ela está afetado por
ela, e, como os sóis ir para baixo eo ar esfria, ela se move cada vez mais perto do fogo.

Percebo como inadequada minha pequena caverna é fazê-la confortável. Eu escolhi este simplesmente
porque era perto de onde ela e os maus estavam hospedados. Ele não está em casa - Eu não tenho casa. Eu
simplesmente ficar em um lugar por um tempo, e depois seguir em frente. Existem melhores cavernas, no
entanto. Alguns são mais quentes, com bolsões de neve derretida quente neles. Ela gostaria que, penso eu,
enquanto ela bebe da minha pele água e arrepios no frio da água de neve.

Ela é frágil, meu Har-loh. Devo me certificar de que cuidar bem dela. o
vibrando em meu peito exige.
Eu me sinto estranho ao seu redor. Possessivo. Eu vi os maus e nunca senti sobre eles a maneira que
eu faço sobre esse estranho do sexo feminino, de face plana. Há algo sobre ela que rói-me, que me faz
querer passar todos os momentos com ela na caverna, observando-a. Para alimentá-la da minha mão e
sair e recolher todo o esterco posso encontrar para que ela possa ter o fogo que ela precisa tão
desesperadamente.

Eu matei uma criatura para ela mais cedo e trouxe a carne de volta para ela. Ela comeu, mas ficou claro que ela
não estava satisfeito. Eu preciso encontrar o que a agrada.
Ela boceja, e o movimento é delicada e feminina, sua pequena mão indo para a boca.
“Tmrrohweneedhabigkilltewskinfrblankits.” Ela divaga soa quando ela precisa se comunicar, e eu
vê-la pequena obra boca em torno dos ruídos. Quero saber desesperadamente que ela está
dizendo, mas eu sou ignorante.
Isso me frustra.
Har-loh me dá um sorriso sonolento. “Wishewhaddapilloh.”
Mesmo que seu rosto é plana e sua testa não é ridged na mínima, ela é absolutamente linda naquele
momento. Eu sinto o desejo de tocá-la, e eu sair e pegar a mão dela na minha. Ela tem mais um dedo do
que eu, e eles são frios contra a minha. Eu posso sentir seu sobressalto, mas um momento depois, ela
relaxa e aperta minha mão de volta.

“Har-loh”, digo em voz baixa. Sua pele é tão macia. Quero explorar tudo isso, para ver o que está
por trás das pesadas peles ela insiste em usar. O cheiro dela emana na caverna e isso faz meu pau
mexa.
Um tremor se move através dela e ela morde o lábio. Por um momento eu acho que ela é fria, mas depois o peito
vibra duro, cantando como o meu é, e eu percebo que ela está sentindo as mesmas coisas que eu sou.

Encorajado, minha mão vai para o meu pau.


“Não!”, Diz ela rapidamente. Ela parece envergonhado e dá um pequeno aceno de cabeça. “Dondoodat.”

Eu franzir a testa. Estar ao seu redor - cheirando seu perfume incrível, tocando sua pele, ouvindo sua
música - tudo isso me faz querer tocar meu pau. Mas ela tem usado a palavra 'não' e eu quero agradá-la.
Doendo com a necessidade, eu me forço a soltou sua mão e eu recuar.

Ela se instala no canto da caverna, puxando sua roupa apertada em torno dela, e vai dormir.

• • •

Noite. É escuro, e no interior da caverna é amargo com ar frio. Alguma coisa é


fazendo barulho e me despertou. Eu imediatamente chegar para as minhas armas, em seguida, perceber que o som
está vindo de Har-loh.
Seus dentes pequenos, sem corte estão conversando, juntamente com frio.
Eu vou para o fogo, mas ele está fora, o cheiro de fumaça substituído por nada além de cinzas. Não há nenhuma maneira
para mim para fazê-la quente. Eu rosnar em frustração.
“RR-Rukh?”, Diz ela entre os dentes batendo. “Thaty-y-yew?” “Har-loh. Fogo?"

“Toodarkh”, diz ela entre clacks de sua mandíbula. Quando ela não se levantar para corrigi-lo, eu percebo que ela
está me dizendo que ela não pode, por qualquer motivo. Estou atingido com um sentimento de preocupação - o que se
eu não posso cuidar dela? Eu a trouxe a este lugar; o que se mata?

Eu passar para o lado dela e tocar seu rosto.


Ela se inclina para a minha carícia. “Sowarhm.” Ela estende a mão para mim com os braços trêmulos. “Cmere.”

Eu não entendo suas palavras, mas é claro que ela quer me mover mais perto, e eu vou tomar qualquer
oportunidade de tocá-la. Eu deslizo meu corpo para baixo ao lado dela, curioso. Para minha surpresa, ela
imediatamente puxa a roupa fora de seu corpo e pilhas lo em cima de mim. Então, ela arremessa-se contra
mim e se agarra ao meu peito como uma metlak bebê.

Estou atordoado neste. Ela está expondo sua carne e pressionando-a contra mim? Seus dedos gelados aperto meus
lados, e ela geme. Seus pés frios de imprensa contra as minhas pernas, e ela tocas para baixo contra mim. Ah. Eu
entendo agora. Ela está buscando o meu calor, meu calor. É quase demasiado quente para mim sob a pilha de roupas
de couro grosso que ela tem jogado em cima de nós, mas ela parece satisfeito, então eu não se movem. Em vez disso,
envolver meus braços em torno de Har-loh, puxando-a para mais perto.

O som de prazer que ela faz envia uma sacudida através de mim. Minhas mãos deslizam sobre a pele. Ela é
tão incrivelmente macia. Não consigo parar de tocá-la. Eu não quero parar de tocá-la. Eu toco seu braço, costas,
nádegas macias. Não há nenhuma cauda, ​que é bizarro, mas meu pau responde da mesma forma. Eu posso sentir
a dureza dele pressionando contra sua barriga como eu segurá-la. Ele está vazando da ponta, e eu tenho que lutar
contra o impulso de esfregar para cima e para baixo contra seu estômago.

Har-loh inala suavemente e envolve seus braços em volta de mim. Ela não está empurrando para longe, mesmo que
meu pau está apunhalando-a no estômago e vazamento de fluido sobre ela. Ela se aninha a cabeça debaixo do meu
queixo e esfrega o nariz contra a minha pele.
A respiração sibila por entre os dentes. Isso é demais. Eu não posso me ajudar; Lentamente, eu esfregar
meu pau contra ela. A sensação de sua suave pele contra a minha é como nada que eu já senti antes, e
minhas dores galo tão mal que eu pudesse gritar.
Em vez de empurrar-me para longe como eu esperar, ela geme baixinho. Suas unhas cavar em meus
ombros, e ela engancha uma perna em volta da minha coxa, arrastando-o
entre dela.
“Har-loh,” eu gemo. Eu posso sentir as vibrações em seu peito. Eu sei que eles querem dizer algo, que estamos
ligados de alguma forma, mas a única coisa que passava na minha mente é a necessidade de reclamá-la. Para
fazê-la minha. Eu aperto-a contra mim e arrastar o meu pau dolorido sobre sua barriga. Estou deixando trilhas
molhadas em sua pele, mas eu não me importo. Se ela não vai me afastar, eu vou buscar lançamento.

Para minha surpresa, ela fuça contra o meu pescoço e gentilmente morde na minha pele.

I explodir; Eu não posso ajudá-lo. Meu sac aperta ao ponto de dor e, em seguida, meu pau desencadeia uma
torrente pegajosa em seu corpo. Parece-me jorrar para sempre, não é possível obter a imagem de pequenos dentes
de Har-LOH mordendo meu pescoço fora da minha mente. É a coisa mais erótica que eu possa pensar.

Mas agora eu comecei ela toda molhada com meus gastos. Vagamente envergonhada, eu ignorar a vibração
canto do meu peito e os braços apego. I chegar entre nós e encontrar uma piscina pegajosa em sua pele.

“Sokay”, ela respira. “Acontece”.


Eu não sei as palavras dela, mas sua voz é suave. Ela atinge entre nós com um canto de sua
roupa e limpa o estômago e minha mão, e depois lança-lo de lado. Ela tocas para baixo contra
mim de novo e meu peito Thrums com prazer. Eu não entendo o que aconteceu entre nós ... mas
eu gostei. Eu gostei muito.

E ... Har-Loh não parecem odiá-lo, tampouco.


Sua pequena mão - não gelada - toca o meu. Ela puxa em meus dedos, e eu a deixei me guiar. Quando ela
empurra a minha mão entre as coxas, eu chupar em uma respiração. Ela é quente e úmido aqui. Ela é molhada
como eu sou quando estou excitado. Ela está excitado? Será que ela gosta quando eu tocá-la? Timidamente, eu
escovo meus dedos sobre seu corpo, explorando-a. Há um pedaço de cabelo aqui, que me parece incomum. Seus
lavagens perfume sobre mim, embora, e meu pau mexe novamente. Este é o cheiro de sua excitação. Eu
reconhecê-lo, e eu quero mais do mesmo. Meus dedos sentem grande e desajeitado como eu continuar a tocá-la,
aprendendo seu corpo. Debaixo do emaranhado de cachos, suas partes suaves da pele, e ela tem molhadas,
escorregadias dobras. Har-loh gosta para que estas sejam tocados, penso eu, porque ela esfrega-se contra mim e
gemidos. Eu quero mais de seus gemidos, por isso, continuar a tocar e explorar. Ela é tão muito molhado; seu
cheiro está em todo lugar, permeando a minha pele. Não há nada que já cheirava mais fino para mim. Eu quero
puxar a minha mão para a boca e lambê-lo limpo dela, para saboreá-la.

Mas ela pega a minha mão e orienta-lo novamente, a uma pequena colisão entre suas dobras. E ela usa o dedo para
circular suavemente em torno dela, depois pára.
É ela ... me mostrando o que ela gosta? I imitar o movimento. Imediatamente, as unhas cavar em
meus ombros, e ela grita. “Rukh!”
Eu rosnar, porque o som de seu está me deixando selvagem tudo de novo. Meus throbs galo e se enche de
sangue, endurecendo novamente. Eu tocá-la bater novamente, mas não recebe a mesma reação. Tento alguns
toques diferentes antes de eu perceber que ela gosta quando eu circule-o suavemente. Eu faço isso, e ela
empurra contra mim, gritando.
Pedir mais dessas respostas dela. Então eu continuo tocando e acariciando-a do jeito que ela gosta, e alguns
momentos depois, ela estremece contra mim, trancando a perna em torno da minha coxa, e eu sinto uma onda de
casaco de umidade minha mão. Ela teve sua libertação, também. Eu sou fascinado. Eu era muito jovem quando meu
pai morreu por ele para me dizer de homens e seus companheiros, mas não tenho vagas lembranças de suas
histórias, e como as coisas deveriam ser.

Seus casacos perfume minha mão e eu aumentá-lo para o meu nariz e inspire profundamente. É doce e almiscarado,
ao mesmo tempo, e isso faz minha água na boca. Eu lamber meu fingers-
Ela empurra a mão de lado. “Dundoodat.”
Eu rosnar para ela. Por que ela está me privando desta? De sua doçura? Mas ela só dá um
tapinha do meu peito. “Tmorrohwetakeabaf.”
Capítulo três
HARLOW

Na parte da manhã, eu não posso nem ficar com raiva de meu cootie. Ah, claro, eu só passou a noite enrolado em torno
de mais sujo bárbaro alienígena do mundo, mas eu estava quente e dormiu melhor do que na noite anterior.

Além disso, você sabe, eu lhe ensinou sobre acariciando. É estranho que eu sinto orgulho disso, mas eu estou
começando a descobrir algumas coisas sobre Rukh. Ele realmente não entender o que roupas são. Ele não entender
um monte de sua própria linguagem, e ele com certeza não sabe o que eu sou. Eu nem tenho certeza que ele
entende o que significa que estamos tanto em ressonância com o outro. Ele pode até não saber sobre sexo.

É claro para mim que ele está sozinho por um longo, longo tempo. E por causa disso, eu estou
começando a entendê-lo um pouco mais, e por que ele reage da maneira que ele faz. Ele me levado
e me amarrou, porque ele não quer me deixar. Se isso é o cootie ea ressonância ou se é simples
solidão, não importa.
Eu não posso mudar as coisas. Eu não posso fazer o meu khui parar de vibrar quando ele está por perto. Eu
não posso voltar no tempo e trazer Kira, Aehako e Haeden de volta à vida. Estou aqui com Rukh, e eu vou fazer o
melhor das coisas.
E isso significa algumas mudanças. Isso significa que eu começar a fazer a caverna em uma casa. Isso significa
ensinar-lhe uma linguagem mais para que possamos conversar. Isso significa roupa de cama e mais roupa e descobrir
como armazenar alimentos e tantas coisas que a minha cabeça gira. Uma pequena parte de mim quer voltar para a caverna
dos idosos e obter Rukh lasered para que possamos conversar, mas eu penso sobre cadáveres de Aehako e Haeden
apenas fora. Eu não posso voltar. Vamos apenas fazer as coisas da maneira mais difícil.

Mas primeiro ... Eu tenho que descobrir como abrandar o meu cootie. Tem sido alguns dias desde que eu
comecei a ressoar para Rukh. Eu não sou a atração por ele - bem, desde que sob as camadas de sujeira e
o tumbleweed do cabelo, há um indivíduo estrangeiro normal em lá. Mas eu não tenho certeza que estou
pronto para ir direto para fazer uma família. O cootie, é claro, tem outras idéias; quanto mais tempo
passamos lutando nossos impulsos, o mais poderoso torna-los. Já esta manhã, me sinto um pouco mais
excitada e sensível do que antes. Petting pesado da noite passada me senti bem. Muito bom. Nós vamos ter
que continuar isso, eu decidir.

Claro, enquanto Rukh está a encontrar algo para comer no café da manhã, faço um incêndio e se masturbar
em silêncio. Eu me dou um banho rápido com um pouco de neve derretida, eu tenho a lareira crepitante, e eu
mesmo limpou o cum secas na esquina da minha saia da noite passada.
Rukh retorna, carregando um dvisti toda sobre os ombros. Ele joga-lo para baixo perto do fogo e, em seguida,
olha para mim, para aprovação.
Eu bato palmas, animado. "Isso é incrível! Obrigado, Rukh!”Dvisti são peludos e desgrenhado e vai
fazer uma pequena mas quente cobertor.
Ele mostra os dentes para mim, imitando o meu sorriso. Em seguida, ele se move para a criatura para começar a
esculpir-lo.
Eu impedi-lo, porque se é qualquer coisa como de ontem açougueiro-fest, não vai ser uma pele deixou
de tratar. "Não! Esperar!"
“Não?” carrancas Rukh e olha para mim.
Através de gestos e muita demonstrando das minhas roupas, eu levá-lo a entender que eu quero a
esconder. Sento-me ao lado dele, e durante a hora seguinte, nós descobrir como a pele da criatura. Nós dois
estamos sangrenta e malcheiroso no momento em que comer, mas estou satisfeito porque eu tenho uma
grande pele, principalmente-inteira para trabalhar. Eu não sei o que vou alongar-se ainda, mas vou descobrir
alguma coisa.
Em vez de jogar a carne extra, eu cuspi-la sobre o fogo em alguns dos ossos longos e fumá-lo.
Rukh relógios mim, e, em seguida, oferece seu odre.
Eu sorri para ele e tomar um gole. Eu estou cansado e eu sinto que o dia está apenas começando. Há tanta coisa para
fazer, eu estou sobrecarregado com ele.
“Fire”, Rukh diz, apontando para o meu fogo. Então ele aponta para mim. “Har-Loh.” Então ele aponta para a
pele.
“Água”, digo a ele. I despeje um pouco na minha mão e lavar minhas mãos. "Agua."

“Água”, ele repete.


É o progresso, e eu sorrio amplamente para ele. Nós podemos fazer isso. Nós apenas temos que saber o que o outro
quer.

• • •

Uma semana depois

I farejar minha axila e estremecer. “Isso é um perfume não tão fresco.” “Repete?” Rukh diz do outro lado da caverna
como ele raspa uma nova pele. Eu aceno com ele. “Basta falar para mim mesmo.” Eu já lhe ensinou a palavra 'repetir'
para que ele possa me pedir para reafirmar as coisas, mas eu não vou entrar em detalhes explícitos sobre como mau
cheiro que eu sou. Não quando ele não é exatamente a si mesmo uma flor perfumada.

Tem sido uma longa semana. Eu faço mais um ponto de giz na parede, só porque eu gosto de contar os
dias. 7 amanheceres e entardeceres de trabalho quebra-costas. 7 dias de esfola, carne de fumar, tecendo
cestas, e quaisquer outras tarefas que pode eventualmente pensar. Sete dias de cura peles com seus
próprios cérebros, sete dias
de suado, trabalho bruto sangrenta e não uma única banheira em vista. I inveja pensar na piscina
aquecida grande no centro da caverna tribal. Eu nunca vou ver isso de novo, e agora, algo como isso
soa muito muito agradável.
não Rukh não pareceu se importar com o meu cheiro, mas, bem, ele é Rukh. Eu não sei se ele já teve um
banho, então é claro que ele não se importa se eu feder. O triste é? Eu estou me acostumando com seu cheiro
graças aos bairros próximos. À noite, ele vem e se deita ao meu lado e eu felizmente agarrar a ele, a pele suja e
tudo, porque ele é tão quente como uma fornalha.

Nós também corcunda seca e pet um ao outro ao orgasmo todas as noites. Tenho certeza de que não é
normal - não temos sequer beijou - mas Rukh parece satisfeito, e parece estar mantendo meu cootie de
totalmente pirando em mim. A vontade de acasalar é mais difícil de evitar todos os dias, e agora, quando
Rukh vai caçar, eu tenho a masturbar-se várias vezes em rápida sucessão apenas para aliviar a dor.

Estou enlouquecendo exausto.


Com um suspiro, eu dou a pele dvisti em frente de mim outra raspagem duro com uma faca de osso. Meu plano para
cobertores é bem vinda também. Na outra semana ou assim, eu vou ter uma cama de luxo cheio de peles
grosseiramente-bronzeadas, mas vai ser quente, pelo menos.
E então eu só vou dormir por dias.
“Har-loh?” Squats Rukh ao meu lado e oferece seu odre.
Eu sorrio para ele com gratidão e levá-la. Não é culpa sua que eu sou carente e exigem muito mais porcaria
que ele. "Eu só estou cansado."
“Cansado?”, Ele repete, sem entender.
I mime um bocejo e fingir dormir. "Cansado. E sujo. Eu quero um banho.”Eu acho que por um minuto, então
olho para ele. É ainda no início do dia e bastante ensolarado para fora para não-Hoth. “Existe um córrego perto
daqui? Agua? Para lavar?”Eu MIME e dizer as palavras lentamente até que ele agarra o que eu quero.

Rukh assente e vai pegar seus sapatos de neve, em seguida, recebe o meu par. Nós vamos sair. Ele prende-los
para os meus pés, então o seu próprio. É uma espécie de engraçado pensar de um bárbaro nu correndo em nada
além de sapatos, mas, ultimamente, as neves foram ficando mais e mais. Eu me preocupo que o inverno está indo
para chupar duro, já que todo mundo continua me dizendo esta é a estação mais suave.

E se nós estamos presos em uma pequena caverna juntos e uma tempestade de neve atinge? Não importa o
quão sujo ou mal cheiroso estamos - eu vou acabar abordar o homem. Aprendi que quando estou no calor do
momento? O piolho não se preocupa com um pouco de sujeira.

Banhos são definitivamente um imperativo. Eu admito, eu sou um pouco curioso para ver o que Rukh parece sem
todo o endurecido na sujeira.
Nós cabeça para fora, e eu trazer um saco de fumado, carne seca, o cantil, e uma faca. As raquetes levar
algum tempo para se acostumar - Rukh de são nada mais do que
três grandes dentes que deixar uma marca galinha-like na neve. Mina são feitos de uma dúzia de costelas ou assim e
deixar pequenos padrões de estrelas como eu ando. Eles ajudam, e é mais fácil de andar quando eu não estou
afundando dois pés a cada passo.
Rukh me leva para o vale seguinte. É claro que ele poderia andar mais rápido, mas ele gira em torno de me ter
certeza de que estou bem. Através de nossas conversas empolado, eu indiquei a ele que eu não vou embora, então
eu acho que ele confia em mim um pouco mais agora. Nós não estamos mais captor e cativo, mas mais ... amigos.
Pelo menos, eu gostaria de esperar que sim.

I sentir o cheiro sulfuroso de ovos podres antes de eu ver a própria água. Não- Hoth está repleta de nascentes de
água quente, o que me faz pensar que o núcleo do planeta é bastante sismicamente ativa. O que seria assustador ... se
eu tivesse uma escolha sobre a vida aqui. Eu não, então eu simplesmente não pensar nisso. As fontes termais são
agradáveis, no entanto.
Rukh leva-me para baixo em direção a ela, e passamos por um arbusto coberto com bagas vermelhas brilhantes.
Eu reconheço isso e parar de arrancar um punhado. Os bárbaros usá-los como sabão, e para afastar os habitantes
de córregos locais.
“Não”, Rukh diz quando me vê recolhendo o fruto. Ele toca sua língua e faz uma careta.
“Har-loh, não.”
“Eles não são para comer,” eu digo a ele. “Eles são para a lavagem. Você vai ver.”Eu colocá-los em minha
bolsa e segui-lo.
Abordamos o fluxo, e eu vejo canas de comprimento, bambu-like saindo perto das margens. Georgie e
Liz tanto ter me avisado sobre o peixe que eles chamam de 'comedores rosto'. Eles fingem ser plantas e
quando passo perto o suficiente, piranha-time. Conforme nos aproximamos, Rukh põe a mão no meu ombro
e squats, esfregando o queixo como ele olha para o fluxo. É óbvio que ele sabe que é perigoso, e ele não é
completamente certo o que fazer. Ele quer me agradar, mas ele também não me quer ser comido.

Não admira que o homem é tão sujo. Eu me sinto uma pontada de compaixão por minha pobre bárbaro. “Watch,”
eu digo a ele. Eu pego um punhado de neve e esmagar várias bagas na bola de neve, então arremessar-lo a
montante. Demora alguns minutos, mas depois, um a um, os juncos mover mais e mais a jusante, até que eles
estão fora de vista. O rosto comedores não gosta da fruta, e este pequeno truque funciona como um encanto de
cada vez.
grunhidos Rukh, impressionado.
“Vamos,” eu digo a ele. “Vamos limpar.”
Ele insiste em verificar a água antes de eu entrar de qualquer maneira, e eu esperar pacientemente na
costa, tirando minhas peles off. Estou ansioso para se limpar. Eu gostaria de poder limpar a minha roupa da
pele, também, mas eu não sei exatamente como um lava pele, e eu não tenho nada para trocar. Eles só terá
que ficar sujo por agora.
Quando ele dá o seu aval, eu ponta dos pés na água. É como o céu. Eu afundar em todo o caminho e
dar um gemido de puro prazer. "Isto é o coisa. " Eu imediatamente
agarrar minha bolsa a partir da costa e espremer algumas bagas, esfregando minha pele e cabelo.

Rukh relógios me por um momento, e depois entra na água depois de mim. Ele é hesitante, e é claro que ele se
sente um pouco fora de seu elemento. Também está claro que ele não sabe o que fazer com toda a minha pele nua,
porque ele mantém chegando a me tocar. A única vez que normalmente ficar nu em conjunto é hora de dormir,
porque é mais fácil para compartilhar o calor, então eu entendo sua confusão.

“Wash”, digo a ele, e mostrar-lhe como para esmagar as bagas e formam um pouco de espuma. Eu estendo a mão e
esfregue um pouco em seu braço. “É bom para você, eu prometo.”
Ele olha para baixo, para os riachos sujos que percorrem sobre sua pele. Em seguida, ele olha para mim e
esfrega na minha pele. É um pouco sujo, mas nada como a dele. amanhece realização e ele começa a esfregar em
sua pele. "Lavar."
“É isso mesmo”, eu digo com entusiasmo, e esfregue com ele. Eu mover-se para as costas e começar a esfregar-lo,
tomando cuidado extra para entrar em todos os cantos e recantos das placas ao longo de sua coluna e braços. Ele
estremece quando eu esfregar sua pele, e eu sei que ele está ficando excitado. Minha própria cootie vai selvagem no
meu peito, vibrando em alta velocidade. Eu posso ouvir o seu fazer o mesmo.

Eu não tinha a intenção para que isso vire sexy, mas como pode não? Estamos ambos nus, e eu estou passando
minhas mãos sobre cada polegada dele. Como eu esfregar na sua parte traseira, seus filmes de cauda na água. É
uma sensação estranha para limpar outra pessoa, especialmente uma com uma cauda, ​mas eu quero que ele seja
limpo. Mordi-lo no outro dia no calor do momento, e eu tento não pensar sobre o que eu poderia ter,
inadvertidamente, lambeu sua pele. “Este banho é realmente para mim, você sabe,” eu digo a ele como eu corro
minhas mãos para baixo um braço incrivelmente muscular. “É porque mais cedo ou mais tarde, eu vou ceder a essa
ressonância, e eu poderia muito bem ter uma cara limpa fora das coisas, certo?”

“Repetir”, diz ele com uma voz grossa. Ele não entende o que estou dizendo. “Está tudo bem”, digo-lhe, calmante. I
suavizar minhas mãos ensaboadas sobre seus ombros grandes. Bondade, ele é grande. Quero dizer, claro, o cara é
de sete pés de altura se ele é uma polegada, e ele não tem um pingo de gordura sobre ele, mas de alguma forma
olhar e tocar são duas coisas diferentes, e eu não consigo superar o quão grande e quão forte é a minha alienígena é.

E então eu percebo que eu só pensava nele como 'meu' alien. menino Hoo. Essa é uma linha carregada de
pensamento. Ainda assim, eu não estou odiando-se na ideia. “Eu só preciso de um pouco de tempo para se acostumar
com tudo o que vem com o pacote”, murmuro para mim mesmo. Então, para ele, eu digo: “Eu estou indo para lavar o
cabelo.”
Ele endurece quando eu coloquei minhas mãos em sua cabeça.
“Curvar-se,” eu digo a ele, e pat a superfície da água. É na altura da cintura, por isso não é
perigoso.
Ele se vira e olha para mim, seus olhos se estreitaram com desconfiança.
“Eu prometo, está tudo bem.” Eu pat a água novamente e dar-lhe um sorriso encorajador. “Você quer
me fazer feliz, não é?”
Ele rosna, embora eu sei que ele não pode entender minhas palavras. E então ele afunda mais na água,
até que o queixo está tocando a superfície e o resto do corpo está submerso.

“Obrigado”, eu digo, mantendo minha voz doce. Eu cavo minhas mãos na massa confusa e começa a ensaboar-lo.
Eu massagem como eu faço, e sua respiração assobia entre os dentes. Eu não posso dizer se ele gosta ou não, mas eu
estou determinado a dar o meu bárbaro uma reforma, então ele só vai ter que chupar-lo para me agradar. Eu trabalho
em torno de seus chifres, esfregando como eu ir, e seu cabelo é tão espessa que é preciso um punhado extra de bagas
para obter uma espuma boa acontecendo.

Eu estou tão focada em limpar o cabelo que eu não perceber que meus seios são praticamente na cara
dele até que suas mãos tocam meus quadris. “Har-loh”, ele murmura, e o som rouco faz meus mamilos
apertar, e eu imediatamente pensar em nosso tarde da noite furtiva dry-transar.

Corando, eu achatar a minha mão em cima de sua cabeça. “Dunk”.


Ele vai sob a água algumas vezes, e pelo tempo que seu cabelo não é mais sabão, já recuperou um pouco.
Eu sorrio brilhantemente para ele enquanto ele limpa a água de seus olhos. “Você parece muito melhor.”

É verdade, na verdade. Seu rosto não é mais manchada com a sujeira de anos, e sua pele é este azul
deliciosamente smoky. Ele parece mais jovem, e com seu cabelo espesso, selvagem achatado em torno de seu
rosto, fico com uma imagem de como ele vai olhar com ele penteado e limpo. Uma sensação estranha de déjà-vu
me bate. É que o rosto carrancudo de Rukh me lembra alguém? Ou eu sou apenas louco?

I afastar o pensamento fora, um momento antes de um punhado de terra bagas trituradas em cima da minha cabeça.

“Lavagem de Har-loh”, Rukh instrui, e começa a massagear meu próprio cabelo. Tudo bem, é justo. Recebo
baixo na água e fechar os olhos para que ele possa me dar o mesmo tratamento.

Suas mãos acariciam meu couro cabeludo, esfregando suavemente, em seguida, ele traça meus ouvidos. Eu tremo
como ele trabalha os dedos pelo meu cabelo molhado. Eu não acho que eu já foi tratado tão gentilmente como eu sou
neste momento. Ele toca um ponto sensível na minha cabeça, e eu me lembro da cara me batido há poucos dias. Hm. Eu
empurrar as mãos dele.
Ele faz um som infeliz e insiste em tocar na ferida. Oh. Ele está verificando-lo. Eu franzir os lábios e permanecer
em silêncio para que ele possa terminar a verificação. Depois de um momento, ele está satisfeito, e então ele me
empurra para debaixo da água.
I emergir um momento depois, tossindo e cuspindo. “Você tem que me avisar quando você faz isso!”

“Har-loh lavar?”
“Oh, eu definitivamente estou lavado agora,” eu digo em voz rabugenta. Eu esfregar os olhos. Rukh franze a testa e toca
meu braço, em seguida, tenta esfregar uma das minhas sardas distância. "Lavar?"

“Aqueles são parte da minha pele, garotão.” Eu arranho em um e, em seguida, apertar a minha cabeça. “Eles não
saem. Vejo? E eles estão todos em cima de mim. Eles são 'sardas' na minha língua “.

“Fruh-kuhl?” Ele toca um.


“Feche o suficiente.” Eu sorri para ele e apontam em vários no meu braço. Ele bate um dedo em cima de uma sarda
no meu braço, e em seguida, um no meu ombro. Em seguida, ele bate um em minha clavícula e eu chupar em uma
respiração. Eu quero que ele continue indo?

I ... tipo de fazer.


Então eu permanecer completamente imóvel enquanto seus dedos traçar sobre a minha pele, explorando minhas
sardas. Eu não sou uma daquelas meninas sorte que só recebe algumas sardas bonito aqui e ali. Se há um pouco de sol
para tocar minha pele, eu sardas loucamente. Minhas bochechas são cobertos, bem como a ponte do meu nariz e minha
testa. Meus braços e parte superior do tórax são, também, e eles fade out para alguns moles aqui e ali nos meus seios e
barriga.

É claro que ele não é tão interessado nas sardas no rosto, no entanto. Seus dedos arrastar
lentamente entre os meus seios, e meu khui começa a vibrar em resposta ao toque. Meus mamilos
animar, e eu sofro por ele para tocá-los.
Rukh olha para mim, e seus dedos escovar sobre a minha pele, acariciar o mesmo local uma e outra vez,
e todo o meu corpo se sente cobrada. Ele me estuda, então pergunta: “Não?”

Oh. Ele quer saber se ele pode me tocar.


Eu mostrar-lhe. Tomo sua mão na minha e pressioná-lo para o meu peito. “Sim, Rukh.” Seu toque é suave, quase
reverente como ele circula meu peito, parando de tocar cada sarda. Então, seus dedos se movem sobre o meu
mamilo, e endurece em resposta. Eu gemer baixinho e meus braços ir ao redor de seu pescoço, inclinando-se mais
perto. Eu quero que ele me beijar, mas eu tenho certeza que ele não sabe como. O homem é uma lousa em branco.
Suponho que pode ser uma coisa boa, mas agora, eu gostaria que ele se inclinar e pressionar sua boca para a minha.

Rukh sabe fazer outras coisas, no entanto. Sua mão desliza para baixo a minha barriga e se move para minha
buceta. Seus dedos mergulhar entre minhas dobras e ele encontra o meu clitóris e imediatamente começa a circular com
a ponta de seu dedo apenas na maneira que eu gosto.
Eu gemer e agarrar a ele, meus joelhos fracos com seu toque. Ele se afasta, assustada, e tenta ajudar a me
levantar.
“Não, não é bom, eu prometo”, digo a ele. E por isso não vai acontecer de novo, eu aninham-se contra ele, minhas
costas pressionando a seu estômago. Seu pênis empurra na parte baixa das
minhas costas, duro e insistente. I mover sua mão de volta para o meu peito, e ele copos-lo atrás de mim.
“Como isso”, digo a ele. Agora, se meus joelhos ficam fracos, eu vou ceder contra ele.

Um gemido baixo sobe em sua garganta e ele acaricia meu peito enquanto a outra mão vai para a minha
buceta. Ele procura o meu clitóris e começa os toques suaves e lentos que eu gosto tanto. Tremo só contra ele,
pressionando de volta contra seu corpo. Ele me segura perto, e seu rosto pressiona contra a minha garganta.
Sinto-me pequeno contra ele, querida e adorada em suas carícias cuidadosos. Meu cootie ronrona fortemente, e
eu sinto sua vibrando contra minhas costas. Seu toque é tão bom, e ele não leva muito tempo antes que eu estou
contorcendo-se contra ele, desesperado para o orgasmo. Eu preciso mostrar-lhe muito mais-

Mas então eu venho, eo mundo explode atrás dos meus olhos, e eu grito. Ele geme e me aperta contra ele.
Sinto sua esfregar pau contra minhas costas, e ele me agarra contra ele, esfregando duro. Um momento depois, o
calor quente se espalha sobre minhas costas, e eu percebo que ele está vindo, também.

Em algum momento, nós realmente deve dar o próximo passo. Eu suspiro alegremente e afundar de volta na água
quente, desossada e dormentes. Ele continua me tocando, acariciando e acariciando a minha pele, limpando a sair das
minhas costas e depois é só me tocando como se para assegurar-se de que eu realmente estou aqui.

Meus dedos estão enrugando-se, embora, e eu arrancar meu cabelo molhado, então gesto em minhas
roupas na margem. “Vamos vestir-se e, em seguida, vamos voltar para a caverna e falar sobre ... coisas.”

Suas sobrancelhas reunir. "Repetir?"


Eu mastigo meu lábio, pensando na melhor maneira de explicar. I decidir apenas mostrar a ele. Inclinado
para a frente, eu tomar seu rosto em minhas mãos e puxe a boca para baixo para o meu por um beijo rápido.
“Harlow quer mostrar-lhe as coisas.” E então eu estender a mão e acariciar seu pênis ainda duro sob a água.

Reconhecimento amanhece em seu rosto, e ele acaricia as mãos sobre meus ombros. “Har-loh ... coisas.”

“Sim, todos os tipos de coisas.” Talvez seja hora de tomarmos essa coisa de ressonância cabeça-on. Eu
sorrio para ele e limpar o cabelo molhado da testa. “Harlow e Rukh coisas”.

Ele mostra os dentes em um sorriso e pressiona a boca para a minha. Não é bem um beijo
- mais como uma maceração de rostos - mas o sentimento está lá, e eu rir. O homem ganha pontos para o
esforço.
Eu sair da água e subir para o banco. Imediatamente eu sentir o frio - o ar é frígido e sair da água quente na brisa
gelada é brutal. Eu preciso encontrar uma maneira melhor de banho. Tremendo, eu arrastar o meu roupas em tão
rapidamente quanto eu posso, mas eu sinto como um pingente de gelo pelo tempo que eu estou vestida. I faixa meu
manto de pele de espessura
sobre o meu cabelo, certificando-se de mantê-lo coberto para que ele não congelar no vento. “Eu provavelmente vou me
arrepender disso mais tarde”, digo a mim mesmo, mas eu estou disposto a colocar-se com algumas fungadas para ser limpo.
Curvo-me para colocar uma bota on-
- E estou abordado na neve.
A respiração escapa meus pulmões e eu tossir, só para ter uma grande mão cobrir a boca um momento
depois. “HSST”, Rukh sussurra, e seu corpo grande cobre meu.
Que diabos? I tentar arrastar a mão da minha boca. Ele balança a cabeça, olhando para
longe. Eu sigo o seu olhar ... e suspiro de surpresa.
Há um estrangeiro na distância. Um da tribo. Eu não posso dizer que é a partir daqui, mas os chifres e rabo
balançando são uma oferta inoperante, mesmo em silhueta. Eu suspiro em estado de choque. Alguém está aqui.
Alguém poderia ter nos visto.
E Rukh está pirando. Sua mão aperta a minha boca, e ele palpites baixa nos bancos de neve. Seu corpo
cobre o meu, como se ele estivesse tentando me proteger de vista. Eu não posso ver seu rosto, mas eu posso
ouvir sua respiração, pesada e com raiva.
“Rukh”, eu sussurro, mas ele fica tenso e faz outro som shushing. Ele não quer que eles me vejam.
Enquanto eu vejo, ele pega sua faca, e um novo tipo de preocupação toma conta de mim. Isso é mais do que
preocupação sobre vendo um estranho - é que ele vai matar o caçador se aproxima de nós? Eu não quero ser
responsável pela morte de mais ninguém. Eu coloquei minha mão sobre a dele. “Rukh, não.”

Ele só me segura mais apertado, um baixo grunhido de advertência em sua garganta. Estou apavorado com o que
poderia acontecer. Eu espero, mal ousando respirar, como o caçador se agacha baixo na distância, como se fazer uma
pausa. Ele se inclina sobre a sua lança, perscruta o horizonte, e então se move para fora de vista novamente.

I exalar com alívio.


Rukh salta para os pés, a faca na mão, e começa a ir atrás dele. "Não! Espere!”Eu estocada para Rukh, mas
ele está se movendo muito rápido. “Rukh, não!” Eu faço a minha voz mais alta, porque eu sei que vai ter a sua
atenção.
Eu estou certo; ele imediatamente vem atacando para trás e coloca a mão sobre a minha boca. “Har-loh,
shhh” Suas narinas; ele é visivelmente chateado.
“Rukh, ficar aqui comigo”, eu digo, colocando minhas mãos em seu peito. “Harl-loh
Rukh”, ele rosna. “ Rukh! ”
Eu sei o que ele está dizendo. Eu sou seu, e outro homem está invadindo seu território. Como
explicar que o homem provavelmente não está olhando para mim? Que ele não iria ressoar para mim
porque só Rukh lata? Eu odeio que não temos palavras suficientes entre nós. “Eu sei”, eu digo com
uma voz suave. “Harlow é Rukh de, ok? Mas por favor, fique comigo. Por favor não vá matar alguém só
para mim.”Meus voz treme e rachaduras. "Eu preciso de você comigo."

Ele copos meu rosto com uma das mãos, em seguida, olha fora para o horizonte, claramente dividido. Seus grandes
ombros heave com a tensão, e eu me sinto como se estivesse momentos longe de totalmente
agarramento. Eu sei que outros machos ressonância obter possessivo de seus companheiros, mas como este? Como ele
quer esculpir o rosto do estranho-se simplesmente porque ele tem dentro de cem jardas de mim? Será que é porque não
temos cumprido nossa ressonância? Será que é porque ele não confia em ninguém além de mim?

Ele está preocupado que ele vai me perder?


“Harlow pertence à Rukh,” eu digo novamente em uma voz suave, mas ele mantém o olhar perdido no horizonte.
Eu não confio nele não galopar e ir atrás do caçador. Eu preciso de uma distração.

É claro que, no momento eu acho 'distração', minha mente vai para lugares sujos. Eu acho que de cair
de joelhos na neve na frente de Rukh e mostrando-lhe o que um golpe de emprego é. Isso seria uma boa
distração, tudo bem.
Em seguida, novamente ... por que não? Minha própria respiração se acelera com o pensamento, e imaginar
sua reação ao meu toque é suficiente para fazer minha buceta úmida. Ele definitivamente não sair do meu lado
depois disso, iria?
Talvez seja a minha cootie que está me fazendo assim para a frente, mas eu não posso tirar essa idéia da cabeça. Eu
fico de joelhos e colocar minhas mãos sobre os quadris de Rukh.
Todo o seu corpo se contorce ao meu toque, e como eu assistir, seu pênis visivelmente alonga. Isto tem a sua
atenção, tudo bem. Seu rosnado está questionando, no entanto. Ele não está inteiramente certo o que estou fazendo.

“Permita-me mostrar-lhe apenas o que eu tenho em mente”, murmuro, olhando para ele. Eu deslizar a mão
para cima um grande coxa. Ele é macio, como camurça ao toque, e sua pele está limpa e um lindo azul agora.
Apenas olhando para ele torna a minha água na boca com antecipação. “Rukh pertence Harlow.”

E eu embrulhar uma mão ao redor de seu pênis, e depois olhar para cima para ver sua reação. Ele está totalmente
congelado no lugar, meu grande bárbaro. Não é um único músculo contrai como ele olha para mim.

Minha boca se enrola em um sorriso ao vê-lo. “Aposto que você nunca imaginou isso, não é?” Eu deslizo minha
mão sobre seu pênis, sentindo o comprimento e perímetro. Ele é realmente grande, mas isso não é surpreendente. Um
estrangeiro de altura sete pés com ombros como um linebacker vai ter um grande galo, e Rukh definitivamente cumpre
essa promessa. O comprimento - e perímetro - de que me faz lembrar do meu antebraço, e é um delicioso azul
obscuro. Veias traçar sobre o eixo, e eu deslizar minha mão para cima e para baixo o comprimento de espessura em
um movimento acariciando antes de se inclinar e arrastando minha língua sobre a ponta.

Rukh faz um som de asfixia.


Eu olho para ele, minha boca ainda pairando oh tão perto da cabeça de seu pênis. "Você está bem?"

“Repetir”, diz ele, com voz entrecortada.


Eu rio, porque a minha alienígena inteligente está usando as poucas palavras que ele conhece muito bem,
não é? Dou-lhe o que ele quer, lambendo a cabeça de seu pênis em uma forma de lazer. A cabeça é
frisado com pré-cum, e eu a bater-lo. Meu khui é ressonante duro, e minhas coxas são cerrados
juntos, porque tocá-lo como este é me despertando para nenhum fim.

Engraçado como isso funciona - dando-lhe prazer está me dando prazer. Eu nem sei se eu posso culpar
a minha cootie para isso. Eu só gosto de tocá-lo e ver sua reação. Ele se parece com sua mente
simplesmente explodiu. Eu me inclino e dar-lhe uma outra lambida brincalhão, me divertindo muito.

Desta vez, um pequeno gemido lhe escapa, e seu quadris idiota, seu pau empurrando contra as minhas mãos.

“Ah,” murmuro. “Você gosta disso, não é?” Eu escovar a ponta do seu pênis sobre meus lábios, deixando o arrasto
cabeça sobre a minha boca. Ele é grande, e não haverá qualquer throating profundas deste homem, mas o entusiasmo
vai um longo caminho. Eu decidir explorá-lo com a minha boca, mordiscando baixo o comprimento do seu eixo e lamber a
pele todo o caminho para a sua saída. Ele é quente e pesado, e eu amo a sensação de sua pele de camurça-like contra
mim eu tenho que resistir ao impulso de esfregar meu corpo para cima e para baixo dele, e se contentar com
simplesmente executando meu rosto e boca todo o seu corpo scaldingly-quente.

Sua saída é pesado e apertado, e eu escovo meus dedos sobre ele, curioso para ver sua reação. ele é
sensível aqui? Rukh empurrões aos meus toques provocando, dizendo-me a resposta à minha pergunta. Sua mão
vai para o meu cabelo e depois se afasta novamente, como se não sabe o que fazer consigo mesmo, enquanto eu
servi-lo. Eu dou uma risada gutural e agite a ponta da minha língua contra sua pele. Minha boca se move ao longo
dos cumes duros em cima de seu pênis. Esta é uma diferença de humanos, constato. Como seus braços e seu
peito, ele tem chapeamento duro protegendo pontos sensíveis, eo revestimento ridged parece cobrir a parte
superior de seu pênis, deixando o aveludada inferior.

Eu não posso ajudar, mas pergunto o que vai se sentir como dentro de uma menina. Isso faz de mim um pouco
pervertido? Talvez.
I continuar a explorar ele, e meus dedos vir sobre o tão fofocavam-cerca de estimular que as mulheres
humanas perdem a sua merda de novo. Parece que nada mais do que um chifre embotada algumas polegadas
acima de seu pênis. Eu não sou realmente certo o que a finalidade é, mas ele está lá para mim jogar com, e assim
eu faço. Eu corro meus dedos sobre ele, tratando-o como eu faria seu pau, tocando com a ponta, provocando a
parte inferior, e vendo o que recebe uma reação dele. Há um ponto baixo, apenas onde seu esporão se junta com
a sua pele, que é especialmente sensível. Quando meu dedo pasta sobre ele, todo o seu empurrões corpo e sua
respiração silvos de sua garganta.

“Você quer aprender alguma língua?” Eu ronronar para ele, meu cootie latejante impiedosamente em meu peito.
Está me fazendo em uma devassa total e eu não me importo mesmo. “Aqui está uma coisa para você aprender.
Repita depois de mim. Lamba.”Eu me inclino e lamber a cabeça de seu galo. “Taste”. Eu arrasto minha língua para
baixo sobre uma veia grossa.
“Sugar”.
Eu coloquei minha boca sobre o fim de seu pênis e tirar a cabeça dela na minha boca, sugando levemente.

Seu corpo inteiro treme, e um momento depois, minha boca está cheia de calor úmido, salgado. rugido feroz do Rukh
como ele vem envia uma emoção ilícita através do meu corpo. Um momento depois, antes que eu possa apreciar
verdadeiramente sua reação, ele cambaleia para trás, olhando.

Eu limpo os cantos da minha boca delicadamente. “Acho que explodiu sua mente. Trocadilhos “.

Ele calças, um brilho de suor na testa enrugada. E ele não pode parar de olhar para mim, como se eu fosse
algum pau sugadores de unicórnio mágico vir à vida. Um riso me escapa. Bem, eu queria distrair o homem. Eu
definitivamente tenho o que eu queria. "Sentir-se melhor?"

“Har-loh ...” Pobre Rukh soa totalmente sem fôlego. "Sim?"

Ele aperta a mão ao peito, em seguida, gestos para fora, uma carranca no rosto. Eu reconheço que a
frustração. Ele quer me dizer algo, mas não tem as palavras. Eu recebo para os meus pés e tomar sua
mão na minha e apertá-lo.
“Eu sei, cara grande. Eu sei."

RUKH

Har-loh me quebrou de dentro para fora mais uma vez. Só quando eu acho que eu aprendi todo o prazer
de ser tido, ela me mostra algo novo. I mover em direção a ela sorrindo, rosto salpicado, e pressione a
minha boca na dela no gesto ela me mostrou anteriormente.

Ela parece assustada, e depois o prazer. I terá que se lembrar mais de seus gestos. Eu
quero fazê-la feliz.
Ela treme e puxa suas peles mais perto de seu corpo, lembrando-me que não estamos aqui à beira da
água para prazeres simples. Um dos maus estava nas proximidades. Pânico flares pelo meu corpo
novamente. Ele poderia ter visto Har-loh levando-me na boca e ... fazer as coisas para mim.

Ele poderia tê-la levado de mim.


Meu peito aperta apertado com o pensamento. Ninguém nunca vai, sempre tomar Har-loh de mim. Eu vou
rasgá-los aberto com suas próprias presas se deve tentar. Minhas mãos se apertar, e leva tudo o que não tem
que arrastar Har-loh contra mim.
Eu nunca tive um companheiro. Eu nunca pensou em ter um, e minhas memórias de meu pai são de
longa distância. Mas agora que Har-loh é aqui? Eu não posso
suportar a idéia de ela me deixando. Minhas mãos apertam em suas peles. Se o mau que fica nas proximidades
tenta tirar ela-
“Rukh?” Sua mão pequena dá um tapinha no meu braço, tentando chamar minha atenção.
“Cawmdownbigguyh. Aymheer.”Ela sorri para mim. "Está bem. Allsokay.”
Ao vê-la sorrir, minha raiva frenética dissipa um pouco. Eu vou cuidar do intruso e retornar à
minha mulher doce. Eu puxo a faca de meu pai fora.
Sua expressão é problemático. “Não, Rukh. Não matar.”Ela empurra a faca para baixo. Ela não quer
que eu vá atrás deles, para defender o meu território. Ela sabe que eles são ruins? Eu olho fora no
horizonte, onde o caçador desapareceu. I pode ir atrás dele e rastreá-lo e matá-lo ... mas vai deixar a
minha Har-loh aqui, vulnerável. Eu não posso levá-la comigo, porque ele não pode saber que tenho dela.

E eu não posso abandonar minha Har-loh. Meus vibra no peito e ronrona dessa forma estranha tem sido
desde que eu encontrei. Olho para o rosto perturbado, e meu coração dói. Eu não quero deixá-la.

Eu não posso deixá-la.


I embainhar minha faca e agarrar a mão dela. Em vez de voltar para o nosso velho caverna, eu vou
levá-la a algum lugar novo, em algum lugar mais remoto. Há lugares até mesmo os maus não gostam de
ir. Vou levá-la lá, e ela estará segura comigo.
“Rukh?”, Ela pergunta como eu puxá-la junto de mim. “Wayrrwegoin?” Quando eu não responder, ela
planta de seus pés no chão. “Rukh? Ansormee!”
Olho para ela. Por que ela não andando? Um olhar para baixo em seus pés pequenos mostra que ela não
está usando os sapatos de neve que fiz para ela. I lançar seu lado, recuperar os sapatos, e curvar-se para
tira-los para seus pés.
Ela bate no meu ombro. “Rukh? Wayrwegoin?”
Har-loh me permite colocar os sapatos em seus pés, mas quando eu gesto que ela deveria seguir-me,
ela não faz. Em vez disso, ela cruza os braços e me dá um olhar frustrado. Eu esfregar meu rosto com
minha mão e me forçar a ser paciente. Vou levar Har-loh se for preciso, mas eu preciso para levá-la para
longe daqui. Já o mau pode ter encontrado nossas pegadas, ou descobriram a caverna cheia de criações
de Har-LOH. Todas as minhas coisas importantes - as minhas facas, meu cantil - Tenho comigo. Tudo o
resto pode ser abandonado, e serão abandonados, para a segurança do Har-loh.

Há mais cavernas, e melhores. Eu tomo sua mão e gesto que vamos caminhar. Não na
direção que veio, mas uma nova direção.
Suas sobrancelhas rugas juntos na maneira engraçada, de face plana que ela tem. “Notgobak?” Eu aponto à frente.

Ela aponta atrás de mim e ela mesma se repete. “Notgobak?” “Não.” Eu aponto à
frente.
“Butmytings!” Ela tenta puxar a mão para fora da mina. “Mifursenmiskins.
Eyeneedem.”
“Não”, eu digo categoricamente. Eu não vou voltar, não importa como a virada que faz dela. Eu não posso
ter a chance de que os maus vai levá-la de mim. O medo corrói minha mente, e vagos lampejos de memória
vêm à tona: rosto cansado do meu pai. De outro homem - não, um menino - em casa com a gente. Em
seguida, foi e o sentimento de perda enorme.

Eu aperto a mão de Har-loh apertado e puxá-la. Ela vai ver que estou certo neste, com o tempo.

• • •

Caminhamos até que ambos os sóis desapareceram e as pequenas luas estão subindo no céu.
Não há abrigo para ser encontrado, não aqui fora. Se fosse só eu, eu ia a pé durante a noite e na
manhã. Eu sei onde a próxima caverna é, e se eu fosse sozinho, eu já estaria lá.

Mas Har-Loh tem pés pequenos e toma medidas ainda menores. pneus Ela facilmente. Ela não pode manter-se
comigo, e por isso tenho de abrandar e esperar por ela.
Ela não se queixou, mas posso dizer que ela está esgotada. Seu rosto estranhamente colorida é pálido e seus
pequenos dedos sentir como pingentes de gelo em minha mão. Seus passos são mais lentos do que o habitual, e seus
dentes, por vezes, clack com o frio.
Minha mulher precisa descansar. A percussão em meu peito diz isso, e eu estou cheio de mais
possessividade feroz. I encontrar um buraco em um penhasco, fora do vento, e levá-la lá. “Sleep”. É uma
das palavras que aprendi com ela. “Har- loh Rukh sono.” Eu apontar para o chão coberto de neve.

Ela esfrega o rosto exausto. “Heer?”


Eu não sei esta palavra, mas eu estou supondo que ela está perguntando onde sua caverna é. Faço um gesto para o
chão. Este é o nosso lugar para esta noite.
Seu rosto amassa um pouco e ela cheira. Então ela concorda.
Ela parece tão triste. Estou cheio de desespero ao vê-lo, e eu tocar seu rosto. “Har-loh ...
fogo?”
“Firenao? ButIdonhafdetings ...”, ela olha em volta para o aterro de neve, e outra fungada
escapa dela.
Estou cheio de vergonha, e eu pressionar o rostinho do meu. Não estou cuidando dela adequadamente.

“Sokay”, ela me diz com um pequeno pat a minha bochecha. “Iyamjustired.” Ela tira os sapatos de neve
com movimentos lentos e chuta-los de lado, então se move mais perto da parede rochosa. Há um pouco de um
estreitamento no ar, mas eu não sinto a necessidade de peles como ela faz. Meu pensamento inicial de
agachando-se no cume acima e prestando atenção para intrusos desaparece, e eu sei o que devo fazer.
Eu tomo a capa dos ombros e, em seguida, sentar-se no chão. Eu puxo minha loh Har- no meu colo e
puxar sua roupa aberta para que sua pele nua pode pressionar para meu, e então eu quebrar meu corpo com
seu manto. I vai fazê-la um casulo quente da minha pele, então ela não terá que tocar em nada frio.

Seu tremor pára e ela dá um pequeno suspiro de prazer e se enrola contra meu peito. “Tankyew,
behbeh.”
Eu sinto como se tivesse feito algo certo. Eu segurá-la perto de mim e ver o horizonte, minha faca ao alcance
da mão. Vou ficar acordado a noite toda e protegê-la.

• • •

Na manhã seguinte, o ar tem a mordida de neve nele. Não apenas toda a neve, mas a espessura, cobrindo
neves que duram meses e não deixe para cima.
E novamente, meus planos devem mudar. Há uma caverna nas proximidades, mas não vai ser quente o suficiente
para Har-loh no mais profundo das neves. Vou levá-la mais longe, mais dias de caminhada para a caverna pelas águas
salgadas, que nunca congele completamente terminado. Eu vou lá quando as tempestades são muito brutal, mesmo para
mim. Vai ser um bom lugar para tomar o meu Har-loh, se ela pode suportar a viagem.

Eu caço pequeno jogo para nos alimentar como nós caminhamos, e pelo tempo que ambos os sóis são elevados no céu,
minha próxima caverna está à vista. Eu explorar-lo para garantir que nenhum metlaks fizeram dela a sua casa enquanto eu
tenho ido, em seguida, trazer minha mulher.
Har-loh dá a caverna uma duvidosa Veja. “Eezsmohl”, diz ela.
“Smohlerdanlastwun.”
Tomo suas mãos nas minhas e ajoelhar-se diante dela. Ela parece cansado, mas como faço para explicar a ela que
eu devo pedir-lhe para continuar? Eu acho que, frustrado, e depois tentar corda algumas das minhas palavras
escassas juntos. “Har-loh, Rukh ... não.” I apontar para a caverna. “Durma sim. Fogo sim. Har-loh, Rukh não “.

Ela inclina a cabeça, digerindo minhas tentativas de comunicação.


“Westayeerendenwegoh?” Ela faz um gesto caminhar com os dedos. “Harlow Rukh ir?”

Aliviado, eu aceno.
Um sorriso brilhante cruza seu rosto. “Lookitchew, behbeh. innotime Yewllbespeekin.”Ela se
inclina e me dá uma palmada de seus lábios contra os meus. “Sohprowd.”
Capítulo quatro

HARLOW

Eu sou o tipo de prazer esta caverna é temporário, porque é pior do que a última. Quer dizer, concedida, a
última não foi incrível, mas este mal tem espaço suficiente para virar. Provavelmente, podemos construir um
pequeno fogo de um lado, empinar nossos corpos, por outro, e é sobre isso. Mas é fora do vento e assim eu
não estou reclamando, especialmente quando Rukh dirige-se por alguns minutos e retorna com alguns chips
de esterco para mim para fazer fogo. Ele sabe que eu estou com frio e cansado, e eu suspeito que se ele
estava sozinho, ele não teria parado aqui.

Ele prepara o fogo para mim e eu lhe entrego o meu atacante, já que ele quer aprender como fazê-lo por conta
própria. “Então, onde estamos indo amanhã?” Eu pergunto a ele. “Onde Harlow Rukh andar?”

Rukh concentra-se no fogo, e quando ele tem um pequeno carvão, ele começa a alimentar um pouco de isca para ele
e considera as minhas palavras. “Wa-ter”, diz ele depois de um momento. Em seguida, ele gesticula para o horizonte e ao
nosso redor. "Agua."
"Muita água? Como um lago?”Eu desenho no chão, esperando que ele se parece com uma lagoa. “Água Small?”

Ele balança a cabeça e arrasta seu dedo pela sujeira, indicando um longo trecho. “Água”. Ele
aponta para o horizonte novamente. “Água”. Então ele toca sua língua como se saboreá-lo e faz uma
careta.
Não é ... água potável? amanhece realização. “Estamos indo para o oceano?”, Eu mime uma onda deixando de
funcionar e rolando para a frente. Eu provavelmente pareço um idiota fazendo barulho sibilante, mas ele acena com a
cabeça ansiosamente.
Oh, santa porcaria. Eu adoraria ver o oceano. Estou animado. Eu bato palmas. "Estou animado."

Ele sorri para mim, parecendo aliviado pela primeira vez desde que nós vimos o outro caçador. Ele
quer me fazer feliz. Coitado. Ele está tentando realmente difícil, e mesmo que eu não entendo tudo o
que está fazendo, é claro que eu sou sua principal preocupação.

gesto para que eu o fogo. “Vá buscar mais combustível?”

• • •

Nós fazemos a caverna aconchegante para a noite. Eu tirar um cochilo enquanto Rukh caça, e quando ele retorna, eu
tenho o fogo rugindo outra vez, uma loja de mais fichas nas proximidades de
caso o tempo dá um mergulho no meio da noite, e ele trouxe para casa uma matança. Vou ter que comê-lo cru, mas eu
estou muito cansado de ser exigente.
zumbido e do meu corpo excitado, lembrando-me que ainda não deram em para a coisa toda 'ressonância'. Eu
estou fazendo o meu melhor para ignorá-lo, mesmo que ele se sente um pouco como beber um refrigerante com
açúcar antes de dormir. I pode relaxar, mas não posso bastante relaxar. Algo sempre me desencadeando-chave só
um pouco, e eu sou inquieto e pouco à vontade.

Para ocupar-me, eu decidir fazer Rukh em um projeto.


Eu olho o seu emaranhado, cabelos secos. É mais plana do que o ninho era antes, mas é longo e em sua face.
Havia minúsculos, costelas limpa-brancas na parte de trás da caverna de uma matança de idade, e eu tenho
jogado com eles durante toda a tarde. Eu finalmente uni-los com um pouco de Rukh tendões tinha em seu
carry-tudo, e usar outro osso transversalmente para fazer uma alça para o meu pente rinky-dink. Ele se encaixa na
minha mão apenas para a direita, e eu usá-lo para pentear meu cabelo emaranhado e estou satisfeito com os
resultados. Uma vez que comi, eu sorrio docemente para Rukh e pat no chão ao meu lado. “Venha aqui, baby.”

Encontro-me chamá-lo de bebê mais e mais. Mesmo que não são oficialmente 'acoplado', parece
que estamos na fase de 'uma relação estável'. Estou quase pronto para levá-la ao próximo nível.
Quase.
Meu corpo inteiro se contorce com o pensamento, lembrando-me que é mais pronto do que a minha mente é.

Rukh cai no chão ao meu lado, curioso. Eu olho entre as pernas (quero dizer, o homem é sempre
nu. Claro que o olho é atraído lá) e ele tem um duro trabalho. Isso, é claro, deixa minha cootie off, que
define seu cootie off, o que significa que vai ser uma noite dry-transar-cheia. Eu estou muito cansado
para pensar em sexo, embora, assim que meu corpo vai ter que esperar.

“Eu estou indo para pentear o cabelo”, digo Rukh. Eu arrastar o pente através do meu próprio cabelo desembaraçado
e mostrar o que eu quero dizer, e então eu gesto em seu cabelo.
Ele me dá um olhar cauteloso, então chega para o pente.
“Eu vou fazer isso”, digo a ele. A verdade é que eu quero fazê-lo. Eu gosto da idéia de escovar seu cabelo em uma
cachoeira de seda. Eu quero ser o responsável por cuidar dele, estranho quanto parece. Então eu dobrar minha capa
em um travesseiro colo de tipos e indicar que ele deve definir a sua cabeça lá em baixo.

Seus olhos brilham com interesse, e ele vai ansiosamente. Em vez de deitado de costas, porém, ele se
move para o estômago e empurra minhas pernas, procurando minha buceta com os dedos.

Eu grito de protesto, apertando minhas coxas juntos. "Tempo esgotado! Time out!”Meu cootie é zinging, e eu
posso ouvir a nossa ressonância juntou reverberando entre nós como um enxame de gafanhotos. “Hair escovar
esta noite, ok?”
Rukh senta-se, franzindo o cenho, como se eu tivesse o privou de alguma grande prazer. “Você pode ir para baixo em
mim amanhã ou algo assim, quando estou menos cansado.” Ótimo, agora eu estou passando por cima de sexo oral em
troca de escovar o cabelo de um homem? I deve estar cansado. Ou insano. Alguma coisa.

Eventualmente, eu levá-lo para colocar a cabeça para baixo e ele fica confortável no meu colo, olhando para mim. Os
chifres são um pouco de um problema para resolver, mas eu gerenciar. Seu cabelo está tão emaranhado que eu tomar
pequenas porções de cada vez e pentear através deles, a partir das extremidades e trabalhando para trás. É um grande
emaranhado mais perto de seu couro cabeludo, e eu sou tão delicado quanto possível, mas leva muito tempo. não Rukh não
parecem se importar, no entanto. Ele salas de estar em meu colo e embora seus olhos são meras fendas, eu ainda tenho a
impressão de que ele está assistindo me mover como eu desfazer cuidadosamente nó após nó infinito.

Depois do que parece horas, eu tenho uma longa seção, brilhante de seus cabelos desembaraçados. É
macio, um preto, e bastante bonito para olhar. Eu estou cheio de inveja cabelo - meu próprio cabelo
laranja-avermelhado wispy há nada como este. “Você vai ser bastante o diabo considerável quando você
está feito, não é?”
Rukh me dá um sorriso satisfeito. Ele pega a minha mão na sua, e em vez de espremê-lo como ele
normalmente faz, ele puxa-lo à boca e belisca o monte carnuda sob o meu polegar. Ele envia skitters
das corridas de desejo por mim.
“Namorar”, eu provocá-lo sem fôlego.
Amanhã, este homem vai aprender a beijar ... entre outras coisas. Penso no trabalho do sopro eu lhe
dei ontem. Talvez eu estou me movendo muito rápido para o meu próprio Tarzan pessoal. O homem pode
até não saber o que a ressonância é, e eu estou caindo de joelhos na queda de um chapéu e de pesca
para o pau. “Jesus, Harlow. Maneira de mostrar alguma auto-controle.”

“Har-loh, Rukh”, diz ele de uma forma sexy. Sim, eu posso adivinhar o que ele está pensando. Ele morde minha mão
novamente.
Eu deslizo minha mão para fora do seu aperto. “Eu vou terminar desembaraçar você primeiro, você hussy
desavergonhado de um homem.”

• • •

Só que eu não. Adormeço em algum lugar na metade da minha longa tarefa, envolver, e só tem
vagas lembranças de Rukh puxando o pente da minha mão e agregação peles em torno de mim.

Quando eu acordar de manhã, porém, eu sou cumprimentado por uma surpresa. Há carne fresca cuspido
sobre um novo fogo, e o homem que tende a ambos é totalmente lançando lindo.

Eu olho em choque com Rukh, que se parece com um homem mudado. Enquanto eu dormia,
terminou o seu próprio cabelo com o pente. Não mais selvagem e espessa em torno de sua cabeça, ele cai em uma
cachoeira suave em suas costas, fazendo com que as cristas gêmeas de seus chifres que muito mais ultrajante
enquanto arqueiam da testa. Ele se parece muito com um dos tribo de Vektal, e estou impressionado com outra
sensação de déjà-vu. Mas Rukh realmente não olhar como qualquer um que eu lembro. Ele ainda tem um ar selvagem
para ele como ele squats perto do fogo, completamente nu.

Eu lamber os lábios com a visão. Não é uma coisa ruim para uma menina para acordar. I esticar nas cobertas,
sentindo-se bastante bem. Em vez ... animado sobre o que o futuro reserva.
Porque se me e este homem no futuro é? Apenas nós dois sozinhos contra o mundo?

Eu sou ... tipo de triste com isso. Realmente, realmente triste com isso.

RUKH

Viajar com Har-loh ao meu lado é muito diferente do que viajar sozinho. Eu sou mais lento, é claro.
Eu não posso sair e caçar quando eu quiser. Eu tenho que estar atento a paisagem e as coisas que irão
atacar, ou lugares que são perigosas para os tornozelos frágeis.

Mas ... eu gosto. Cada acordado momento é uma alegria. Todas as noites, eu puxá-la contra mim e deixá-la
abraçar seu corpo suave contra o meu maior. Cada dia é cheio de emoção, e não há alguém para compartilhar
com ele.
Eu não posso imaginar voltar para minha antiga vida sem ela. Agora não. Ela é tudo para mim. Pouco a pouco, eu
me encontro ajustando para agradá-la. Se ela mostra uma preferência na carne, eu procurá-la. Eu pelas minhas kills
com cuidado, sabendo que ela vai querer salvar peles, ou as bexigas para cozinhar. Eu carrego minha bolsa em todos
os momentos e certifique-se de que temos combustível suficiente para um fogo todas as noites.

Eu sempre, sempre se certificar de que ela é quente e seguro.


Após um dia inteiro de caminhada, nós comemos o jantar perto de nosso fogo e ela arrasta a coisa que ela
chama de 'pente' pelo meu cabelo. Ela gosta de escová-lo e faz zumbidos macios na garganta quando ela me
toca. Eu? Eu só anseiam sua presença. Seu pequeno rosto é a última coisa que eu ver antes de eu ir dormir,
ea primeira coisa que eu procuro quando eu acordar.

Às vezes, ele ainda se sente como um sonho que ela está aqui comigo, e eu agarrar a ela para me mais difícil, com medo
de acordar. Com medo de que eu vou acordar e estar absolutamente só mais uma vez.

O mundo muda enquanto viajamos. Ela cresce mais plana, a neve menos profundo. Eu começo a sentir o
cheiro do sal da água grande no ar, embora eu não sei se Har-loh percebe essas coisas ainda. As árvores
mudam, espetado e mais alto, e os rebanhos de dvisti que
são tão grossas nas montanhas finas para baixo a alguns retardatários. É mais quente aqui, e mesmo Har-loh
parece tremer menos. Eu gosto disso.
Eu empurrar com força, mas não torná-lo para minha caverna naquela noite. Os passos de Har-LOH lenta e ela cede em
exaustão quando fazemos uma pausa para um descanso, e assim eu decidir acampar durante a noite. Podemos fazer isso lá
na parte da manhã. Nós rastejar para as peles e eu chegar imediatamente para suas dobras, esperando encontrá-la molhada
e disposta.
Em vez disso, ela empurra a minha mão. "Não. Donfeelgud.”
Eu franzir a testa. Ela está cansada? Seu rosto parece desembainhada, mas normalmente ela recebe meus toques não
importa o quão exausta ela é. Em vez disso, ela se afasta de mim, apenas o suficiente para que a nossa pele não está
tocando, e se enrola em suas peles, tentando dormir.
Eu me sinto ... estranha. Eu não sei as palavras. Tudo o que sei é que este se sente ... não é certo, e isso me faz
infeliz. I mover para o fogo e sentar-se lá, tendendo-lo por horas e assistir enquanto ela adormece irregularmente. Ela
parece tão inquieto como eu sou. Meu throbs peito e zumbidos, tão alto que ela se sente como se ele está agitando meu
interior como um terremoto subterrânea.

Algo está errado. Mas o que?


Eu estou cochilando, observando o fogo, quando Har-loh grita. É um som de dor e perda, e eu
imediatamente parafuso para os meus pés, com medo por ela. Eu não estava assistindo? Algo mordê-la? Ela
está ferido?
Mas quando eu puxá-la contra mim, seus olhos se como se estivesse perdido em um sonho, e seus tambores no peito
descontroladamente, no mesmo ritmo frenético da minha própria.
“Não”, ela grita em voz fraca. Ela não está olhando para mim. Em vez disso, ela balança a cabeça, como se a
discutir com uma pessoa invisível. “Yusehdtwasgawn!”
“Har-Loh.” Eu tocar seu rosto, em seguida, escovar meus dedos sobre ela. O que está acontecendo?

de Harlow-lo

de volta.
Sei volta do tumor, porque todos os sintomas estão lá. Sento-me e olhar ao redor do
acampamento, mas tudo está turva e dupla. Dois incêndios, dois Rukhs, duas árvores quando deve
haver apenas um. Não há nenhuma cor; o mundo é preto e branco. Isso é outro sintoma. Meus libras
cabeça e meus pulsos corpo inteiro.
Este é apenas como antes.
Não se foi. o computador da nave mentiu para mim. O tumor cerebral não é erradicada pela minha khui. Tem
sido adormecidos, esperando minha guarda para ir para baixo. Eu levanto uma das minhas mãos na frente do
meu rosto. É tremendo. Estou aproveitando - outro sintoma do tumor empurrando no meu cérebro.

“Não”, eu grito, apertando minha mão em um punho em um esforço para fazê-lo parar
tremer. “Você disse que ela tinha ido embora! Você disse que o tumor foi destruída! Que não estava lá!”

“Harlow”, o computador me repreende. “Há regras e você não está seguindo-os. Você pede um
monte de seu khui e você dar-lhe nada em troca. O que você esperava?"

“O que ele quer?”


“Harlow.” “O quê?”

“Harlow.” A voz do computador é tudo ao meu redor. Está na minha cabeça, descansando sobre o tumor que
está determinado a me matar. “Harlow. Harlow. ”
I empurrão acordado com um suspiro, como a água foi espirrado no meu rosto. Meus olhos focar na face -

face única, crisp - polegadas do meu. Não há indefinição. Sem visão duplicação. Toco no céu da boca com a

língua. No acidente vascular cerebral. O tremendo eu me sinto? É o meu cootie, lembrando-me que eu estou

unido a Rukh. É vibrando com tanta força que meu peito parece que há uma lancha preso dentro dele. Meu

estômago se ergue, e me arremessar para fora dos braços de Rukh um momento antes de eu vomitar.

Foi apenas um pesadelo, digo a mim mesma que eu tossir jantar-se na neve nas proximidades. Meu cérebro está
apenas sendo hiperactiva. A vibração intensa da minha cootie assustado meu cérebro adormecido em pensar que era
uma convulsão.
Estou apenas me assustando.
I balançar para trás em meus calcanhares e limpar o meu suor da testa. Vomitando não me faz sentir
muito melhor. Só me sinto pior, realmente. Eu não me sinto como se fosse apenas um sonho ruim. Talvez
fosse um aviso. Eu fui adiando ressonância com Rukh porque eu não quero engravidar. É este o meu
subconsciente me avisar que eu preciso agir e fazer o que meu khui pede? Eu não sei o que acontece se
eu manter as coisas ignorando, que não conseguir mais miserável. Já minha pele é tão sensível que se
sente quase ... desagradável para tocar Rukh. É como se fosse demais para suportar.

E minha pobre Tarzan. Ele não entende. Eu olho para ele e sinto uma pontada de culpa. O que precisamos é de
obter um bom e bêbado em algum lugar assim que nós - então eu - pode perder minhas inibições.

Ele se move para o meu lado e acaricia meu cabelo do meu rosto. “Har-loh?” “Eu estou bem,” eu
digo a ele com um leve sorriso. "Mesmo."
Rukh enfia a mão no saco e tira um raminho de folhas onduladas. Peguei-los de um arbusto enquanto
caminhávamos, reconhecendo a planta como um que cresceu perto das cavernas. Ele faz um bom chá e
acalma o estômago. Aparentemente Rukh sabe disso também. Eu levá-la dele e mastigar as folhas,
pensando.
Talvez eu possa encontrar algo alcoólica quando chegarmos ao nosso destino. Ou talvez eu deveria
apenas chupa-lo e lidar com o homem. Não é como há nada fisicamente errado com ele. Ele é lindo, ele é
limpo, e seu cabelo não é mais um emaranhado ao redor de sua cabeça. Ele está totalmente dedicado a mim
e é claro que eu posso fazer nada de errado em seus olhos.

Eu sou apenas ... realmente assustado com a idéia de ser mãe. A mãe deserto, nem menos, sem ninguém
ao meu redor, mas Rukh. Sim, essa é a parte que me assusta.
Como eu mastigar as folhas amargas, Rukh agarra a minha capa e enfia-la em meus ombros, agitação sobre mim.
Ele me leva de volta para o ponto que eu reivindicado como minha cama e não relaxar até me deito minha cabeça para
baixo e fingir dormir.
Eu não pode querer ser mãe, mas não tenho outra escolha?

RUKH Estamos

aqui.
Eu pego a mão da minha mulher cansado e levá-la para a frente, animado. Eu quero que ela ama o novo
lugar que eu levara para viver. É seguro aqui. Os maus raramente vêm para as águas salgadas, porque eles
estão tão longe, que o torna perfeito para nós. Existem várias cavernas grandes nas proximidades, e eu sei o
perfeito para a minha mulher frágil.
Eu toco seu rosto e ela sorri para mim, embora seu rosto ainda está perturbado. O que aconteceu durante
o sono na noite passada tomou alguma da faísca para fora de seu hoje. Ela é calma, menos falante que o
habitual. Normalmente eu ouvi-la balbuciar e tentar escolher palavras, mas hoje ela é silenciosa, e eu acho
que eu perca o nosso jogo. Eu sinto falta do som alegre de sua voz.

Eu quero que as coisas voltem a ser como eram, mas eu não sei como pedir. É infinitamente
frustrante.
I apontar para os penhascos distantes. Há um vale que corta as montanhas. De um lado, existem
muitas cavernas, protegido do pior dos ventos pelas altas paredes. A curta distância, há as águas salgadas
intermináveis ​que rolam e ondulação durante todo o dia. Aqui, há muitas coisas para comer. Grande parte
da água não pode ser bebido, mas há correntes que bom gosto e são puros. As cavernas aqui são
maiores.
As cavernas aqui são seguros.
Eu quero que ela seja feliz. Então gesto I para os penhascos e, em seguida, procurar a minha pequena coleção de
palavras para encontrar o caminho certo para 'casa'. “Aqui,” eu decidir. Eu sei que um.

Suas rugas da testa plana. "Aqui? Weerhere?”Ela coloca a mão na testa e tenta perscrutar
a distância. "Onde?"
Ela parece animado, então eu pegar a mão dela na minha e levá-la para a frente. eu quero ela
para ver as cavernas, e ser impressionado por eles. Quero agradar meu ... meu companheiro. Memória explode em
minha mente. Lembro-me da palavra 'companheiro' e o que significa. Isso significa que ela pertence a mim e eu
pertenço a ela. Har-loh é minha companheira. Juntos, vamos ser uma família. E eu sei - I lembrar - que a música
cantarolando no meu peito junto com a dela? Ele declara que somos companheiros.

Viro-me para ela e pressionar a mão para o meu esterno. Eu tenho cumes neste local para cobrir e proteger minhas
partes vulneráveis, mas ela só é suavidade. Eu pressiono minha mão ao meu peito, e, em seguida, a outra mão dela.
"Companheiro. Sim?"
Os olhos de Har-LOH aumentar. “Righteer?” Ela aponta para o chão e diz novamente. "Aqui?"

Agora eu estou confuso. “Mate Har-loh Rukh. Har-loh companheiro. Rukh acasalar Har-Loh.”Amanhece reconhecimento
em seus olhos. “Ohhh.Younodeword 'companheiro'?” “Mate,” eu digo a ela, feliz. Eu estou cantando com alegria interior.
Um companheiro é uma coisa maravilhosa. Isso significa que eu nunca estará sozinho novamente.

“Companheiro”, ela concorda, sua expressão tímida. “Ainda rappinmahbrain datwun rodada.” Mas seu sorriso é
brilhante. “Mostre-me aqui.”
Eu levá-la para a frente. É uma curta caminhada para o vale, e aqui as neves são tão leves que não
precisamos mais as raquetes. I atirá-los sobre meu ombro e transportar tanto o meu e dela, para que ela possa
ser livre para explorar. Eu quero que ela esteja satisfeito aqui. Eu quero que ela deliciar-se com este novo lugar
que eu tenha tomado dela. Há tantas coisas para mostrar a ela - onde vamos beber, onde vamos dormir, o jogo
que se arrasta ao longo da praia, as conchas apenas dentro da água cheia de coisas gostosas para comer, e as
ilhas de gelo que flutuam passado no salgado Waters. É um mundo novo aqui, muito diferente das montanhas
nevadas, apenas à esquerda. Tem sido um tempo desde que eu estive aqui, mas eu quero mostrar-lhe tudo. Para
compartilhar o meu mundo com ela.

E eu quero mostrar-lhe ponto de descanso de meu pai.

HARLOW

Há um rugido suave distante que me leva alguns minutos para perceber é a praia. Rukh de me trouxe
para o oceano. Um sentimento de admiração assume. Eu nunca vivi perto do oceano. É mais quente
aqui, os ventos menos morder, e a neve não é tão profundo, que faz movendo-se mais fácil.

Rukh segura minha mão apertada em seu como nós caminhamos, e é claro que ele está ansioso sobre
algo. Será que ele quer que eu esteja satisfeito com este lugar? Agora, eu sou apenas o prazer que estamos
não viajar. Eu estou pronto para criar raízes. Eu não sei por que Rukh sentiu a necessidade de sair com a
visão do outro caçador, mas eu estou com ele. Meu cootie vibra no meu peito, concordando comigo. Enche-me
com um
ache estranho, como se estivesse me lembrando o que eu preciso fazer em breve.
Sim, eu sei, cootie estúpido. Não é como eu posso esquecer com a coisa vai fora como um despertador a cada
vez que eu me viro. Eu esfregar meu peito enquanto Rukh me leva para frente.

A curva de colinas para um vale íngreme, e noto uma boca caverna partiu na rocha.

“Aqui”, Rukh diz novamente, e dá um aperto de mão.


Eu tenho que admitir, a caverna parece promissor. A entrada é agradável e grande, mais alto do que eu e Rukh
combinados. Parece que há um pouco de uma torção uma vez que você entra, o que também é bom - isso
significa que o vento não vai assobiar através da caverna toda a noite e relaxar minha bunda humana muito.
movimentos Rukh para eu esperar lá fora enquanto ele entra, a faca na mão, para garantir a vida do nada dentro. I
ouvir uma briga poucos momentos depois, e depois Rukh aparece com um par de animais gordos de pena de
suspensão de sua mão. Ele tem alguns espinhos saindo de seu braço, mas parece satisfeito.

“Eu acho que está roubando sua casa, hein?” Eu sorri para ele. O amante animal em mim deve ser
perturbado que estamos invadindo sua caverna e levá-la mais, mas viver em Não-Hoth me ensinou que
é muito matar ou ser-morto por aqui.
Além disso, a pena-feras fazer um saboroso almoço.
Eu sigo Rukh na caverna, cauteloso. Não há um monte de luz natural para poder ver, mas o teto da
caverna é alto, então pelo menos podemos manter um fogo aceso e não engasgar com a fumaça. Há um
grande quarto agradável interior na caverna e alguns recantos que podemos usar para armazenamento. Há um
local perfeito para uma fogueira, e um nicho que vai fazer um bom lugar para dormir. É a caverna mais legal
que eu já vi até agora, e isso me faz feliz. “Eu gosto disso”, digo Rukh animadamente, não que ele pode me
entender. Ele vai entender o tom da minha voz.

Ele sorri para mim e gestos para o chão, indicando sono.


“Sim, isso vai estar em casa”, eu concordo. O lugar precisa de uma boa varredura e alguns Prepping,
mas o potencial é incrível. Eu não consigo parar de sorrir. Casa, depois de tanto tempo. Eu amo isso.
Ansioso, eu segui atrás dele enquanto ele me mostra o fluxo de água fresca por perto que vem de dentro
da rocha e escorre das falésias. Ele me leva até a praia, e eu fazer comparações mentais. As ondas são
maiores do que as ondas suaves Lembro-me em casa, e cada um bate com força contra a areia. A areia
em si é, de um verde brilhante escuro, ea água tem uma coloração esverdeada em vez de azul Caribe.
Mas é a praia, e é familiar para mim. Faz esta sensação como um férias Terra em vez de ser totalmente
preso.

Isto é, até que eu veja os areia-escorpiões.


Eles rastejam ao longo da praia, um estranho, cruz Geiger-esque entre uma aranha e escorpião. Muitos
pés scuttle ao longo da areia, tudo levando de volta a um thorny-
olhando carapaça coberta de espinhos. Como uma onda rola dentro, as pernas cavar a areia e que encolhe para
baixo. Quando a onda rola de volta novamente, que desprende-se da praia e scuttles ao longo do seu caminho,
uma sobrecarga sacudir apalpador (ou stinger).
É facilmente o mais repugnante coisa procurando que eu vi até agora. I fazer uma cara de horror e indicá-lo
para Rukh. "Veja! Tão grosseira!”
Ele me dá um sorriso surpreso e depois trota em frente na areia. Quando ele dirige a faca através do centro
de um, eu contorcer e gag calmamente. barreira da língua maldita. Ele deve ter visto isso e pensei que queria
almoço. Eeeew. Acho que eu estou tendo patas de caranguejo para o jantar. Como Rukh mantém-se e as
pernas tremer descontroladamente, eu alterar esse pensamento.

Rukh é ter pernas de caranguejo. De jeito nenhum eu estou deixando essa coisa perto da minha boca, cozidos ou não.

A brisa salgada pega, e eu olhar para baixo da praia. Na verdade, agora que eu olhar para as coisas,
não há muito como a Terra aqui neste diferente da água e areia da praia. As ondas são ásperas, e fora
na distância, vejo icebergs esverdeados flutuando na água. formas escuras mover-se sobre o gelo
distante, e na costa, há uma coisa avestruz sacudir-se para as coisas nas ondas maneiras curtas de
distância. Como espio na água, corcundas ondulantes piscar e depois desaparecem de novo.

Ah bem. Eu não quero nadar de qualquer forma. Eu só quero uma boa casa, e isso vai fazer. Eu sorrio
encorajadoramente para Rukh como ele retorna ao meu lado. “Eu gosto deste lugar, garotão.”

“Coma?”, Ele pergunta, segurando a areia-escorpião de pernas longas para mim.


Balanço a cabeça, engolindo em seco. “Mais tarde”. Muito, muito mais tarde. Eu gostaria de ter um pedaço de
papel para escrever, porque eu sinto que eu preciso fazer uma lista de tudo o que precisamos para tornar este
lugar uma casa. Cobertores, lanças, uma pilha de esterco lenha, talvez algumas dessas árvores de plantas de
batata-como-de-rosa que cresciam perto das antigas cavernas tribais se podemos encontrá-los ... Eu olho para
longe, mentalmente catalogando as coisas. Só de pensar em tudo o que precisa ser feito é desgastante, porque
as únicas pessoas aqui ao trabalho são mim e Rukh.

Ao meu lado, Rukh coloca sua matança em sua bolsa, embainha sua faca, e depois pega a minha mão na
sua. O sorriso morre de seu rosto e ele estende a mão para tocar meu rosto.

Uh oh. "O que há de errado?"


Sua garganta funciona, e, em seguida, ele olha fora no oceano. A preocupação atira através de mim, e eu
chegar e tocar seu braço, apertando-o. Ou eu faria se ele não tem essas placas estranhas correndo ao longo de
sua pele. Mas ele tem a idéia, e ele estende a mão para tocar meu rosto, um sorriso em seu rosto novamente.
“Home Vaashan.”
Eu inclino minha cabeça e meus pergaminhos do cérebro através da língua estrangeira, à procura de um jogo. “Eu não
reconheço essa palavra.”
“Aqui.” Ele aponta para a areia, em seguida, para os penhascos distantes. Quando dou uma pequena trepidação
para indicar minha confusão, ele puxa minha mão ao rosto e esfrega meus dedos contra sua pele. Então ele suspira
triste e começa a me puxar para a frente.
Sigo, embora eu admita que eu sou cauteloso. E agora? Eu não posso imaginar o que ele vai me
mostrar. Nós cabeça para baixo na praia, e Rukh parece saber exatamente onde ele está indo. Ele já me
mostrou a caverna nós estávamos indo para ficar em ... é alguém - ou alguma coisa - nas proximidades?

Eu não estou preparado para o que ele me mostra, no entanto. Encontramos outra caverna, e Rukh segura a
minha mão com força à medida que se inclinar e entrar. Esta caverna está a alguma distância da outra, e muito
pequeno. Mas eu descobrir o que é o momento em que eu ver o monte de rochas empilhadas em um oval, e o
colar de contas pendurado acima em um afloramento rochoso.

Esta é uma sepultura.


Rukh cai de joelhos por ele, e ele segura minha mão apertada, como se com medo de deixar ir. Depois de
um momento, ele olha para mim. “Home Vaashan.”
“Vaashan é seu pai?”, Pergunto. Isso tem que ser quem é. Eu recebi algumas dicas dele sobre o
tempo que eu conheço que ele estava com seu pai, mas, em seguida, seu pai tinha ido embora. E,
claro, um menino selvagem tem que vir de algum lugar.

Eu olho para baixo na sepultura. Eu nem sequer importa o aperto esmagador que Rukh tem na minha mão.
Ele precisa do conforto, e se há alguma pequena quantidade I pode dar a ele, eu vou. Tento imaginar como
doloroso isso deve ter sido para ele: estar sozinho, exceto para outra pessoa, e depois de perder essa pessoa?
E depois ter que enterrá-los, sozinho? Eu fico olhando para o monte de pedras do tamanho de mão-. Estes não
poderia ter vindo da praia. Há quanto tempo ele reuniu-los para enterrar seu pai?

Quanto tempo tem sido Rukh sozinho?


Eu esfregar o braço, completamente cheio de simpatia para o meu pobre bárbaro. “Você estava muito jovem quando seu
pai morreu?”
O olhar triste, ele me dá não tem compreensão, e eu não pressione. Não é algo que precisa ser
dito no momento. Eu posso imaginar a partir de sua aparência selvagem e sua perplexidade absoluta
sobre certas coisas que ele era bastante jovem, de fato.

Meu pobre Rukh. Não admira que ele se apavorou ​quando vimos o outro caçador. Não admira que ele me
batido sobre a cabeça e me retirado de campo. Ele deve ter sentido a ressonância e agiu no impulso
possessivo de sentimento. Ele não sabe como lidar com a necessidade de uma outra pessoa.

Inferno, o fato de que ele cuida de mim, provavelmente, assusta a merda fora dele. Sei como se sente,
mas não para as profundezas que ele faz. Fui arrancado de tudo o que eu sabia em casa, mas minha família
não estava morto, e aqui, eu tive a companhia de
outros seres humanos.
Ele não tinha ninguém por tanto tempo.
Meu peito ressoa, e seus pega a canção.
Eu acariciar seu braço e inclinar minha bochecha contra seu ombro. Meu pobre companheiro. Afinal de contas,
nós somos companheiros, não estamos? Venho lutando tão difícil porque eu tive medo, e vendo isso mudou
totalmente a minha perspectiva. Quanto tempo tem Rukh tive que sofrer sozinho? E agora que ele tem alguém - me -
eu fui empurrando-o para longe. Eu estive ignorando ressonância porque eu me senti como se eu não estou pronto.

Gostaria de saber se alguém está realmente pronto, no entanto.


Naquele momento, eu quero dar Rukh tudo o que eu puder. Eu quero dar-lhe um companheiro, uma
família, ensiná-lo sobre sexo, e compartilhar tudo todos os dias juntos. Eu quero que ele saiba que não está
sozinho.
Eu quero que ele saiba alguém o ama. Alguém mais está lá para ele. Meu coração dói, e
sob o ronronar grosso no meu peito, eu sinto que isto é bom e certo.

Agora é a hora de se tornar um.


Capítulo Cinco

RUKH

de calma, enquanto deixamos túmulo de meu pai Har-loh. Vê-lo sempre me deixa triste, mas hoje há
apenas uma dor de perda que ela nunca chegou a conhecê-lo. Eu não estou fora de mim com tristeza, não
hoje. Hoje há muito para mostrar o meu loh Har-. Eu preciso fazê-la um incêndio e configurar a cama na
caverna antes que fique muito escuro.

Eu não posso me debruçar sobre o meu passado mais tempo. Eu digo um pequeno adeus interna para meu pai e
tomar Har-loh de volta para a parte da praia que vai reivindicar como o nosso. Ela não diz nada, mas posso dizer que
ela está pensando muito. Eu reconheço a expressão em seu rosto que me diz que ela quer dizer muitas coisas para
mim, e teremos uma aula de língua mais tarde, talvez.

Eu toco sua mão salpicada. Ela esta com fome? Ela apontou o rastreador antes, então eu assumi que
queria comer.
Ela me dá um sorriso ausente e aperta minha mão. “Snothing. Justhinkin “. Mais uma vez, ela recebe o olhar
distante no rosto e eu me preocupo. Algo está errado? Estou pensativo como voltamos para a nossa nova
caverna e começar a trabalhar. I fazer uma fogueira e construir um fogo enquanto ela encontra um ramo seco na
praia e varre o chão da caverna. Até o momento eu cuspir o rastreador sobre o fogo para cozinhar, ela tem
tirado o camada externa de peles e tem configurá-los como uma cama. Eu me sinto uma pontada de culpa que
eu fiz ela deixar os outros para trás. É mais quente aqui, mas vai ainda ser frio? Estou fazendo-a sofrer?

Eu não quero que ela morra como meu pai fez. Meu coração aperta no meu peito, e eu não posso respirar
com o pensamento. O que vou fazer se Har-loh fica doente como meu pai fez? Eu passar para o lado dela e
rapidamente puxá-la contra mim, abraçando-a. Tocá-la ajuda, mas ... não se sente como suficiente. O que
estamos perdendo? Um grunhido impotente de frustração soa na minha garganta.

Como se ela pode sentir a minha inquietação, Har-loh envolve seus braços pequenos em torno de mim.
“Ino.” Ela abraça com me por um momento, e então inala. “Food Issat? Smellsdelishis.”Ela aponta para o
fogo. Quando eu puxar o rastreador muitos patas fora do fogo e oferecê-lo para ela, ela franze o nariz.
“Gahdtitsugly.”
Eu arrancar uma das pernas e shows carne pálida suculentas de dentro da casca dura. Eu nunca tinha
comido um destes cozido, mas ele olha e cheira muito melhor do que ele fez cru. Mas porque Har-loh é a coisa
mais importante para mim, eu não vou comer até que esteja completo.
Ela faz uma cara como ela toma a mordida de mim e cuidadosamente coloca-lo à boca. Seus movimentos
da língua para fora para prová-lo, e meu pau mexe em resposta à vista. Um momento depois, seus olhos
brilham e ela olha para mim com surpresa. “Isgud!”
Ela gosta? Eu rasgo outra perna e oferecer a ela.
“Yeweet.” gestos Har-LOH para mim e picaretas em sua perna, removendo a carapaça dura antes
de erguer a carne. Eu faço o mesmo, ea comida é realmente saborosa assim. Meu Har-loh sabe
tantas coisas. Ela é incrível. Meu peito Thrums e dela pega a canção. Ela olha para mim e sorri, em
seguida, leva outra mordida.

E eu relaxar e comer, também.


No momento em que você escolheu toda a carne fora dos ossos, Har-loh está cheio e lava as mãos
e boca com um pouco da água da pele. Eu faço o mesmo, uma vez que a limpeza parece importante
para ela. Em vez de sentar-se ao lado do fogo comigo, porém, ela se muda para sua cama.

Har-loh acaricia as peles ao lado dela. “Vem cá, Rukh.”


Eu passar para o lado dela e agachar-se, curiosa. ela está cansada e quer dormir cedo? Ou será que ela
quer que eu abraçá-la e tocar suas dobras? Meu pau pulsa com o pensamento e eu resistir ao desejo de
acariciá-lo. Gosto mais quando ela toca, de qualquer maneira.

Suas mãos se mover para o meu cabelo e ela suaviza isso do meu peito e empurra-lo atrás dos meus ombros.
“Mate Rukh ZEE de Har-loh, sim?” Ela toca seu peito, que está vibrando com a música. “Mate.” Então ela torneiras
meu peito. “Mate Rukh. Este ronronar-purr-ronronar? Isso significa 'companheiro'. Sem purr-ronronar, nenhum
companheiro.”
Eu não pegar todas as suas palavras, mas o que ela está dizendo faz sentido. Meu peito não começou thrumming -
ronronando, como ela o chama - até que ela apareceu. Se isso significa que ela pertence a mim, terei prazer em deixá-lo
ronronar o tempo todo.
“Purr-ronronar é 'ressonância'. nodatword Doyew?”Ela olha para mim com grandes olhos azuis. Quando eu não
responder, ela suspira e repete suas palavras. Purr-ronronar é a ressonância. Eu repeti-los, também. Em seguida, ele
amanhece em mim. Ah. Isso é o que este thrumming é chamado. “Resonance”, eu digo, e toque seu peito, em
seguida, meu.
Ela balança a cabeça. “Ressonância ... companheiros. Companheiros ...”, ela estraga seu rosto e, em seguida, faz um
gesto com os dedos. “Mates MAYK bebbies. Kits “.
“Kits?” Por alguma razão, eu reconheço esta palavra. Faz-me lembrar o que meu pai costumava me
chamar quando eu era jovem. Kits ... são jovens, não são? O que isso tem a ver com ressonância? Minhas
dores galo e eu anseio para esfregá-lo contra sua barriga. Se ela se deita sobre as peles, vou tomar isso
como o meu sinal de que ela quer, mas por enquanto ela está sentada, um olhar de concentração em seu
rosto. O que ela está dizendo é importante e eu não deveria estar focado no meu pau dolorido ou o quanto
eu quero tocá-la e esfregá-la até que ela faz aquele pequeno grito gutural.
Seu olhar amacia e o olhar que ela me dá é aquecida. “Ressonância faz kits.”

I entender o que ela está dizendo, mas estou iludido como. Meu cenho deve mostrar que, porque ela
estende a mão e acaricia meu pau.
Ele imediatamente jorra, o alívio intenso balanço através de mim e eu venho todo sua mão.

Har-loh parece assustada, e então ela me dá um olhar irônico. “Sortalikedat.” Ela aponta para a
umidade Eu pulverizado em sua mão e que agora cobre meu pau. “Kit Yewmake witdis.”

Ele leva vários minutos de explicar e ela apontando para o corpo antes de eu entender o que ela está
dizendo. Quando eu ... liberar, ele precisa estar dentro dela? Ela pega a minha mão e orienta-o para suas
dobras, e eu sinto uma abertura - quente e úmido - e ela dá um arrepio quando eu tocá-la lá.

Eu vejo seu rosto e eu quero fazer isso direito. Então eu derrame minha mão sobre meu pau confuso, e em
seguida, tomar dois dos meus dedos lisos e empurrá-los em sua entrada. Ela é tão molhado aqui, seu corpo suga
os meus dedos. Eu morder de volta um gemido ante a sensação, então olhar para ela.

Ela morde o lábio e olha ... infeliz. Então, ela dá um pequeno aceno de cabeça. Ela leva um pouco
de pele que ela mantém com ela e limpa a minha mão e ambos os nossos corpos limpas da minha
vinda. “I'lljust showyew”, ela sussurra, e depois joga o pano de lado. Então, ela toca meu queixo e me
puxa para a frente.
Seus lábios escovar sobre a minha.
Continuo duro, incerto quanto ao que está acontecendo. É esta parte da ressonância? “Kiss”, diz ela suavemente.
Em seguida, ela se move a boca sobre os meus novamente. “Kiss”. “Kiss”, repito, e colocar meus lábios nos dela.

Ela balança a cabeça, satisfeito. Ela parece gostar de beijos, então eu faço outra, repetindo a palavra. É uma
sensação de cócegas, para pastar minha boca contra a dela. E apenas quando eu estou me acostumando com a
sensação, sua língua flicks fora e dardos contra a costura da minha boca.

Eu suspiro e puxar para trás, chocado. Ardente, memórias recentes de sua língua no meu pau inundação
pela minha mente, e meu pau retorna à vida, crescendo duro novamente. Meu peito começa a ronronar - a
ressoar - eo sorriso de Har-loh se alarga.
“Kiss”, diz ela em sua voz doce, e depois lambe os lábios.
Eu sou fascinado por essa pequena língua. Eu quero sentir isso de novo. Eu me inclino para a frente, convidando-à
voltar, e ela pressiona a boca para os meus novamente. Desta vez, os braços fio em torno do meu pescoço e ela
pressiona seu corpo contra mim. Ansioso, eu seguir seu exemplo e colocar meus braços em torno dela, também. Eu
abraçá-la e quando a língua escovas contra meus lábios novamente, eu separar o meu para ver o que ela vai fazer.

Sua língua serpenteia em minha boca e filmes contra o meu, e meu pau
reage instantaneamente. É como se ela estivesse me lambendo em todos os lugares que eu sou mais sensível, e eu puxá-la
para mais perto. Eu deslizo minha língua contra a dela com cautela, e quando ela faz um pequeno som de prazer, eu crescer
mais ousadas. É assim que o seu povo demonstrar afeto? Se assim for, eu gosto. Logo, eu perco toda a preocupação que eu
não sei como agir e apenas se concentrar em lambendo a boca doce. Minhas mãos vaguear sobre seu corpo, tocando-a
para trás, seus braços, em todos os lugares que eu posso.

Até o momento ela puxa a boca do meu, nós dois estamos ofegante. Há um olhar atordoado de prazer em
seus olhos que eu reconheço. É como quando eu tocá-la tarde da noite. Isso afeta o seu semelhante? Quero
chegar entre as pernas e ver se ela está molhada, mas eu esperar para ver o que ela vai me mostrar a seguir.
Meu corpo pulsa com necessidade, e meu peito burburinhos com a ressonância. Ela vai me mostrar como
fazer um kit com ela. Eu acho que os animais que já vi na vida selvagem. Normalmente o macho sobe no
topo do sexo feminino e há muita gritaria. É isso que estamos prestes a fazer? amanhece realização. Claro
que eu não iria mudar a minha gastar para seu corpo com a mão. Eu tenho que fazê-lo dentro dela de alguma
forma. Eu olho para o meu pau, dores e ereto.

“Sokay”, murmura Har-LOH para me calmamente. Seus dedos dançar sobre a minha pele, me
tocando. Então, ela puxa a roupa fora de seu corpo, revelando-se a mim. Eu a vi nua antes, mas há
algo diferente sobre ele como ela se senta na minha frente. Talvez seja o arco de suas costas que
empurra suas tetas fora. Ou talvez seja o olhar de expectativa em seu rosto. Eu quero tocá-la de
todo.
Ela deixa de lado sua roupa e depois foge de volta na cama, então reclina. Suas tetas empurrado para o
ar, as dicas pouco tenso. A área entre as coxas é sombreado, mas eu posso cheirar sua excitação, e isso
faz minha água na boca. Meus empurrões galo e eu tenho que lutar duro para não tocá-lo eu mesmo.

Eu ... quero que ela tocá-lo. Eu quero que ela me mostrar isso. Quero aprender tudo isso para ela.

Har-loh chega para mim, e eu inclinar para a frente, sem saber. Ela puxa para mim, indicando que eu deveria
acompanhá-la, mas em vez de deitado ao lado dela, ela me puxa até que eu estou praticamente em cima dela. Eu
apoio meu peso com os braços apoiados em ambos os lados dela, não querendo esmagar sua forma menor com o
meu maior.
Ela suaviza a mão sobre meu peito, me acariciando. “Rlax.” Seu toque desliza pelos meus braços. É tão bom
que todo o meu corpo estremece a essas pequenas carícias, e eu lutar contra o desejo de me pressionar contra ela
até que eu venha.
Como se pode ler os meus pensamentos, Har-loh levanta uma perna para cima, e em seguida, bloqueia-lo em torno de
meus quadris. Seu tornozelo escava em minha nádega, e ela me empurra para baixo. Eu resisto por um momento, e depois
descansar meus quadris entre as dela. Meu pau palpita como eu fazer contato com sua pele, e eu tenho que lutar contra o
desejo insano de ... empurrar contra ela? Isso não está certo.
Har-loh geme, seu corpo se movendo sob o meu. Eu sou fascinado pela visão dela, especialmente quando
suas mãos mover-se para acariciar as pontas de suas tetas. Então, ela aponta para um. "Beijo."

Coloque a boca ali? Ou a minha língua? De qualquer maneira, eu sou fascinado. Eu me inclino para baixo e escovar
os lábios contra sua pele aqui. Ela é tão suave, o cheiro dela mais quente aqui, no vale entre suas tetas. Eu acariciar-la
e, em seguida, apertar a minha língua para tocar sua pele pálida.

Ela geme e suas mãos ir para o meu cabelo, então a base dos meus chifres. Ela acaricia-os e envia uma onda
de responder através do meu pau. Seu toque me faz selvagem com necessidade. Eu lamber e mordiscar o globo
suave de seu teto, mas estou atraídos para aquelas pontas-de-rosa. Eu escovo minha boca sobre um e um silvo de
respiração escapa dela. Eles são sensíveis? Então eu quero jogar com eles mais. Eu provocá-las do jeito que ela
me ensinou a beijar - golpes de minha língua, petiscos dos meus lábios - e assistir a suas reações. I aprender quais
obter suaves suspiros, e quais os que fazê-la contorcer-se descontroladamente debaixo de mim.

Então eu me lembro o que ela fez para mim, para baixo pelo fluxo. Ela me levou em sua boca e jogou comigo. Eu
me pergunto se eu posso fazer isso com ela? I mover para baixo sua barriga macia, arrastando meus lábios, e então eu
escovo meus dedos sobre os cachos de suas dobras. “Beije?”, Pergunto.

Suas partes da boca e um pequeno fugas gemido. Não há emoção em seu rosto corado, e ela concorda. Suas
mãos espremer as bases de meus chifres, e ele quase se sente como se estivesse apertando meu pau com essas
mãos. I sufocar meu próprio gemido.
“Rukh”, ela calça, mas ela não parece que ela quer me parar. Isso é bom, porque eu estou morrendo de
vontade de explorar sua com a minha língua e as mãos. Eu deslizar para baixo de seu corpo e enterrar meu
nariz em seus cachos. Seu cheiro é forte e almiscarado aqui, e ele envia os desejos através do meu corpo. Meu
peito burburinhos duro, e minhas contrações pau na resposta. Ele quer mais de tudo.

Gentilmente, eu tocá-la com a mão. Depois dos últimos dias de nossa fim de noite fricção, eu sei o que toca
ela gosta, mas colocando minha mão aqui e colocar minha cara aqui são duas coisas diferentes. Quero
agradá-la como se ela me agradou, então eu empurrá-la dobras além e língua dela, procurando a pequena
saliência que ela gosta esfregou só assim.

Ela quase sai das peles. Seu grito é alto e feroz, mas suas mãos cerrar os chifres com tanta força
que ela me mantém preso no lugar.
Não que eu quero sair - Eu quero ficar aqui para sempre. Aqui, o gosto dela é forte, e aqui eu posso
agradá-la. Eu corro minha língua sobre sua barriga, então derrame cima e para baixo suas dobras de seda. I
encontrar o pequeno buraco ela escondido, o buraco que é quente e úmido, e lembro-me empurrando meus
dedos aqui.
I explorar o local com a minha língua, e parece que ela é mais saboroso aqui. seu sabor
satura minha boca, e eu adoro isso. Eu empurro a minha língua no local, e ela grita, com as pernas empurrando.
Eu olho para cima, surpresa.
“Wasgood,” calças ela, e rebocadores sobre meus chifres, indicando que eu deveria voltar. "Beijo. Beijo!”Seus quadris
balançar contra mim, como se ela pudesse me convencer a voltar com seus movimentos.

Eu não preciso convencer, no entanto. Eu adoro tocá-la. Eu voltar para beijá-la, lambendo e lambendo e
mordiscando em todos os lugares que eu posso. Seus movimentos se tornam mais frenética, a sua voz mais
exigente, e eu reconheço isso a partir de nossas noites tardia nas peles. Ela está prestes a apertar-se em sua
própria libertação. Minhas dores galo, lembrando-me que eu quero liberar também, mas seu prazer é muito mais
importante do que a minha. Gosto de ver a minha Har-loh perder-se. Seus quadris arqueiam mais e mais,
empurrando contra o meu rosto, e seus gritinhos crescer mais frequente. Suas coxas tremem, e eu lamber o seu
mais duro, esperando por ela para perder o controle.

Para minha surpresa, porém, ela empurra a cabeça longe. “Espere,” calças ela. “Espere.” Eu levanto a cabeça.
"Beijo?"
“Bettah”, diz ela. Eu franzir a testa, porque eu não sei esta palavra. Quero voltar para suas dobras e
manter a lamber-la. Mas ela puxa meus chifres, indicando que eu deveria parar.

Eu rosnar para ela.


Ela chega aos meus quadris e me puxa para a frente, mesmo quando ela levanta as pernas para envolvê-los em torno de
mim. Meu pau é pressionado contra suas dobras lisas de novo, e ela esfrega cima e para baixo contra mim.

Eu gemo, meu fechamento olhos, porque a sensação dela como este é incrível. Eu quero para pulverizar seu corpo
com meus gastos, mas estou rasgado. Eu quero que ela me mostrar como fazer um kit com ela.

Har-loh desliza a mão entre nós e ela agarra meu pau em seus dedos. Minha respiração chia, mas ela não
está me acariciando. Em vez disso, ela parece estar ... com o objetivo de mim. Eu sinto a cabeça do meu pau
imprensa contra sua calorosa abertura, molhado um momento mais tarde e eu percebo o que faltou.

Ah. Eu coloquei meus gastos dentro dela, e ele vai fazer um kit. Isto é o que ela está tentando me dizer.

Cauteloso, eu empurrar para a frente um pouco. Seu calor me parece sugar para dentro, e leva tudo o que tenho não a
empurrar o meu caminho a seguir. Eu assisti-la para uma reação em seu lugar. Como eu empurrar para dentro dela, ela
geme novamente e envolve seus braços em volta do meu pescoço.

“Likedat”, ela respira. “Juslikedat.”


“Good?” Minha voz soa como um grunhido, mas não posso ajudá-lo. Ele está tomando todo o meu controle para
não vir agora.
“Bom”, ela diz com uma voz que faz meus sac elaborar apertada com antecipação.
Meus empurrões corpo, e eu sou incapaz de me ajudar. Eu empurrei para a frente, e ela suga a respiração.

Suas unhas cavar em minhas costas. “ Sim. ”


Eu mal ouvi-la. Estou muito ocupado lutando com meu próprio controle. Isto é o que eu estive ausente. Este é o
meu empurrão frenético contra seu ventre à noite deveria ter sido aproximadamente. Eu deveria ter vindo a afirmar o
meu companheiro, empurrando meu pau dentro dela, e enchendo sua barriga com meus gastos. Isto é o que se sente
bem. E seu corpo apertando a minha com tanta força? Suas paredes apertando meu pau tão apertado? Ela se sente
melhor do que qualquer coisa que eu poderia imaginar.

Eu poderia ficar aqui para sempre, enterrado profundamente dentro dela.


Eu mover-se lentamente, e perceber que o meu impulso empurra contra ela pouco prazer-nub entre suas pernas. Ela
gurgles quando isso acontece, mas pressiona-se contra ela um momento depois, então eu sei que é bom. É como se eu sou
feito perfeitamente para ela, e ela para mim. Eu empurrei mais difícil.

Sob mim, Har-loh geme, e eu sinto a ondulação de seu corpo. Ela aperta meu pau,
impossivelmente. “Gahdi'mcomin,” ela geme.
I empurrado para ela de novo, querendo sentir o apertar e tremer em torno de mim. “Good?” É uma
pergunta, mas ele sai mais como uma demanda. Minha voz treme como eu me esforço para manter o controle.
Está levando tudo o que tenho não me perder e deixar o prazer tomar conta.

Mas eu quero Har-loh ter o prazer dela primeiro.


“Bom”, calças ela. Quando eu AVC em novamente, ela arcos. “Que bom!”, Ela grita novamente. Eu empurrou nela
mais duro, empurrando para ela, e seus gritos se tornar um murmúrio de palavras que eu não entendo. Seu corpo
aperta em torno meu, e suas pernas travar em meus quadris.

Eu sinto que quando ela vem, toda a sua trêmula corpo. Seu peito ronrona tão alto que eu acho que pode agitar
seu coração solto. Sua boca abre e fecha, mas as palavras não saem. Ela só suspiros, e suas paredes agarrar-me
com tanta força que se sente como um punho em torno do meu pau.

Eu perco meu controle, então; I explodir, apertando seu nome como o meu gasto voa de meu pau. Eu me sinto
como se eu estou vindo para sempre, minhas bolas elaborado apertado. Quando não há mais nada para o leite do
meu corpo, eu caio, sem fôlego, em meus cotovelos sobre ela. Tenho cuidado para não esmagá-la, mas eu quero
tocá-la agora, para enterrar meu rosto em suas tetas e apenas me cercar de seu perfume.

Como se sentisse a minha necessidade, ela envolve seus braços em volta de mim e me puxa para baixo contra ela.
“S'good”, murmura, acariciando meu cabelo para trás do meu rosto. “Meu Rukh.”

“Har-loh”, eu digo, voz grossa. Ela é minha companheira agora. Eu coloquei meu pênis dentro dela e dado a ela
meus gastos. Nós vamos fazer um kit juntos. Eu coloquei a mão para ela
estômago, perguntando como ela vai olhar quando ela tem o meu filho dentro dela. Os dvisti engordar e
desgrenhado, seus lados de fora. Eu não consigo imaginar isso acontecendo ao meu delicado Har-loh.

Ela ri e coloca sua mão sobre a minha. “S'earleeyet. Tahkes tyme.”‘Mine’, eu digo a ela suavemente. “Meu
Mate. mina de Har-Loh.”Eu acariciar sua pele macia e deleitar-se com a sensação de sua debaixo de mim. Este
se sente bem. Isto é o que tem sido ausente por tanto tempo.

Ela dá um pequeno suspiro de satisfação. “Har-loh acasalar Rukh.” Neste pequeno


momento, eu nunca estive mais feliz.
Capítulo Seis

One Year Later


HARLOW

Eu puxar uma bota de um dos meus pés inchados, então chutá-la para a costa rochosa. Off vai a outra bota, e as
mordidas de ar frio na minha pele. Eu chegar a meus pés - não é uma tarefa fácil, dado o tamanho do meu meio, e, em
seguida, cautelosamente entrar na maré correndo. Está frio de gelo, e um tremor se move através de mim. Eu não ir muito
longe, no entanto. Apenas o suficiente para cobrir os dedos dos pés.

E então eu mexer-los e esperar.


Ele não leva muito tempo. Nunca faz. Um longo, tendril branco serpenteia para a frente, em direção a meus pés. Eu me
forço a ficar totalmente imóvel enquanto ele toca um dedo do pé balançando, depois outro. Na água, vejo o corpo grosso da
criatura surge para a frente, em direção ao meu pé. Eu calmamente virar minha lança mais na minha mão, apontar para
baixo, e depois jogá-lo para a direita no olho que se abre para olhar para mim.

A criatura flails e agita na água, e eu inclinar-se sobre a lança para segurá-la firme. Um momento depois, os
alambiques de água e os tentáculos ficar mole.
Jantar pego.
Eu tremo e amarrou fora da água, arrastando a minha recém-morto 'spaghetti monstro' comigo. Eu não sei o
que a criatura do chamado, mas ele tem um monte de braços snaky e um corpo almôndega procurando, então
eu fui com isso. É também ponto de frutos do mar favorito de Rukh, então eu não posso esperar para ver o olhar
no seu rosto quando ele chega em casa e vê-lo cozinhar no fogo. Ele ama a si mesmo um bom jantar spaghetti,
eu acho, e depois rir da minha própria piada.

Meus pontadas nas costas como tem sido ultimamente, e eu gemo, esfregando a base da minha espinha. O
bebê parece estar descansando em algo no meu abdômen superior direito, como a parte do meu corpo dói
constantemente recentemente. I ir e voltar de esfregar o lado da minha barriga esfregando minha parte inferior das
costas. Meus sapatos parecem de repente como um grande esforço para colocar, especialmente grávida, então eu
buscá-las e empurrá-los em minha bolsa de ombro. No outro saco vai a minha matança, e eu uso a minha lança
como bengala como eu escolher o meu caminho através da areia e voltar para casa.

Engraçado como esta praia estranho é 'casa' agora, mas é. I cantarolar uma canção de ninar para mim como eu desligo
o meu saco em um dos afloramentos rochosos que serve como um gancho para casaco. Eu quero esfregar meu dolorido,
pés inchados, mas eu mal posso alcançá-los nos dias de hoje, então eu embaralhar para o fogo e atiçar-lo, em vez disso.

Após o incêndio é bom e rugindo, eu pique, pele e cuspir o espaguete


monstro no fogo. Até o momento eu fiz isso e lavei minhas mãos, eu sou Pooped. Eu esfregar meu dolorido parte
inferior das costas e cabeça em direção às minhas peles para se deitar. Estar grávida é tomando um monte de
dentro de mim, e parece que uma gravidez eterna, sem fim à vista.

I aliviar meu corpo sobre a pilha de espessura de peles e relaxar, fechar os olhos. Meus pés inchados são
apoiada em um travesseiro recheado com penas de um dos pássaros de aparência raptor que caçam o litoral.
Há outro atrás da minha cabeça, e as peles sob meu corpo é macia e suave e quente, mesmo se eles não são
todos que bonito de se olhar. Eu não sou o melhor em bronzeamento, mas eu ficar melhor a cada dia.

Olho para o meu 'calendário'. É o primeiro de dezembro.


Ok, isso não é realmente o primeiro. Nem é de dezembro de como ele diz. Não temos papel ou muita
madeira, por isso, tomei várias costelas de diferentes criaturas e esculpida os meses do ano em cada um deles,
em seguida, amarrado-los como um xilofone. É um calendário modificado em que tenho de hash marcas para
dias e eu só colocar trinta dias em cada mês, independentemente de quanto tempo realmente era. É apenas
uma maneira geral para me para contar o tempo, já que as estações estão todos fora de louco aqui na
Não-Hoth, e Rukh paga de zero a atenção para eles.

Eu esfregar a minha barriga e musa no tempo que passou. Eu criei esse calendário em 'janeiro'. Foi uma
data arbitrária, mas eu cansei de passar o tempo e me não saber quando foi. Com um bebê a caminho, eu
queria acompanhar de alguma forma. Tenho certeza de que ele tem sido um ano desde Rukh e eu cobertas
pela primeira vez e fez o bebê.

Eu tenho certeza que eu vou estar grávida para sempre. Eu corro uma mão ao longo da minha barriga, franzindo a
testa. É grande, mas nada é deixado cair como se eu ouvir nas histórias de gravidez. Eu já esteve grávida durante cerca de
dois meses a mais do que uma mulher humana. O quarto trimestre, eu gosto de brincar, não que Rukh recebe minhas
piadas.
O bebê chuta e depois vira na minha barriga, e eu esfregar uma mão sobre ela suavemente. “Você
obtê-los, porém, não é?”
A vibração no meu estômago me faz pensar em riso. riso bebê. Eu adormecer nas peles,
imaginando o que vai ser como quando o bebê chegar. Rukh vai ser como um bom pai.

RUKH

Eu rosnar em irritação na família de 'aves de rapina' emplumados que grasnassem ao longo da praia. Durante
todo o dia, eu fui à procura de pequenos, porque suas penas são mais suaves do que os adultos e Har-loh quer
que eles para o fundamento do nosso kit. Eu variou muito grande e hoje, olhando para os perfeitos, e conseguiu
encontrar um quando eu
Foi no final do meu temperamento. Agora eu chegar em casa e ver três das coisas brincando
nas ondas. Irritante. Eles vão viver outro dia, porque eu já tenho o que eu vim.

I içar meu matar por cima do ombro para o tempo final, cansado e pronto para relaxar com meu
companheiro depois de um longo dia. As neves pesadas praticamente desapareceram, o gelo grosso
romper sobre as águas salgadas, e o clima está a aquecer o suficiente para que a minha frágil Har-Loh não
vai precisar dela mais pesados ​mantos. Ela vai ficar feliz. Ela não gostava que a estação mais fria era mais
de dez de longo seus 'meses. Imagino o rostinho radiante de excitação ao meu encontrar um kit raptor com
penugem, e meu ritmo pega.

Quando eu chegar em casa para a caverna, porém, eu não sou cumprimentado por um companheiro sorrindo. Há
comida no fogo, mas as brasas caíram a uma chama lambendo, eo cheiro no ar me diz que a carne está carbonizado
e não comestíveis. Meus olhos estreito, minhas narinas dilatadas ao sentir o cheiro horrível. “Har-loh?” Eu mover em
direção à cama.
Meu companheiro está lá, enrolou-se nas peles, a sua grande barriga saliente de sua roupa. Ela tem
uma mão sob uma bochecha e dorme tão pacificamente. Meus burburinhos khui e ronrona ao vê-la, e eu
sinto uma sensação forte de satisfação. Ela é minha, e ela carrega o meu kit dentro dela. Uma refeição
queimada não importa.
Eu remover a comida ofensiva do fogo e levá-la até a praia, onde catadores podem participar dele com
segurança longe de nossa caverna. Har-loh ainda está dormindo quando eu voltar, por isso estou tranquilo como eu
arrancar cuidadosamente o kit raptor limpa de suas penas e colocá-los de lado por minha companheira. Eu comer
algumas mordidas de carne enquanto é cru, e depois fuma o resto, porque com o meu kit dentro dela, Har-Loh não
gosta do sabor da carne crua mais.

Pensando em Har-loh me puxa para ela. Eu não posso resistir a minha companheira por mais tempo. Ajoelho-me
ao lado da cama e acariciar sua bochecha. Seus olhos se abriram e ela me dá um sorriso sonolento.

"Olá bébé."
“Cansado?”, Pergunto. Existem cavidades sob seus olhos que eu não gosto, mas ela promete-me que ela está bem. Ela
balança a cabeça e começa a sentar, mas eu gentilmente empurrá-la de volta para as peles. “Você cansado. Você
descansa."
Suas rugas nariz e ela tenta espreitar em torno de mim para o fogo. “Ah, não, eu queimar seu jantar? Eu
tenho você spahgetteemawnster.”
Ela chama-lhe uma palavra estranha em seu idioma, mas reconheço a criatura de sua forma, e
sabem de sua reflexão. "Não é importante."
Har-loh parece chateado. "Eu sinto Muito. Eu estava apenas cansado.”Ela boceja como se para enfatizar isso. “Eu
estou tão cansado o tempo todo.”
Minha mão vai para a barriga arredondada. Ela é tão grande, como uma das fêmeas dvisti antes que ela
está prestes a deixá-la kit. Claro, eu não apontar isso. A última vez
Eu fiz, ela chorou e, em seguida, culpou algo chamado Hor-gemidos. “Você transportando kit. Está cansado de
decisões.”
"Cansativo? Sim, ele é.”Ela desloca-se na cama e esfrega-la de volta. Eu sei o que vai fazê-la se sentir
melhor. Eu passar para o pé do nosso ninho, onde seus pés estão apoiados em uma das coisas estranhas
inchados, ela insiste que ela quer sob a cabeça. Eu tomo um pé frio na minha mão e começa a
massageá-lo. Ela gosta de seus pés esfregou, meu Har-loh.

Ela geme e cai de volta nas peles. “Deus, você é um bom homem.” Seu louvor é agradável e eu fazer mais,
trabalhando seu pequeno pé sobre antes de mudar para o outro. Enquanto eu continuar a esfregar, seus gemidos
crescem mais alto, e meu pau responde na mesma moeda. A próxima vez que ela geme, meu corresponde.

Um riso suave escapa sua garganta e ela puxa o pé do meu aperto para esfregá-lo contra o meu pau. Eu
estou vestindo um breechcloth como ela prefere, e para o momento, eu odeio isso porque eu não posso sentir
sua pele contra a minha. “Parece que alguém me perdi hoje.”

“Sempre sinto falta de você”, digo a ela. Claro que eu faço. Ela é minha companheira. Os melhores dias são os
dias que passam o dia todo juntos. Agora que ela está carregando o nosso kit, ela tem que ficar mais perto da
caverna. É difícil não a ressentir-se meu filho, por vezes, porque ele já ocupa muito do seu tempo. Mas então eu
penso da família esperando por mim, e meu ressentimento se desvanece. Eu tenho ido de estar sozinho a ter um
companheiro maravilhoso e em breve teremos um kit.

eu mudaria nada. Não é um abanar da cauda dele.


I rastejar na cama atrás de Har-loh e acariciar seu pescoço. Porque sua barriga é tão grande, não podemos
acasalar de frente como de costume. Para a lua passado, temos sido criativo com a nossa acasalamento, e eu
puxá-la contra mim, avaliando seu humor.
Ela suspira e chega de volta para o meu cabelo. “Eu te amo, Rukh.”
“Eu te amo, meu companheiro,” eu digo a ela e nip em seu ouvido macio. Minhas mãos deslizam para a frente da
sua túnica, a seus sensíveis, tetas inchadas. Seios, ela chama-los. Eu toco um e ela geme, puxando sua roupa. Isso me
diz que ela quer meu toque, tanto quanto eu a quero. Eu ajudá-la a desfazer os laços na parte da frente de sua túnica
até que cai aberta, e seus seios maduros são livres para minhas mãos. Eu gentilmente escovar ao longo dos mamilos,
porque eu sei que eles estão muito concurso para muito mais.

Ela empurra de volta contra mim, gemendo, e seus nós de mão em minha juba. Eu empurro a saia para baixo
suas coxas e ela chuta-lo até mesmo como eu rasgo minha breechcloth do meu corpo. Então nós são
pressionados uns contra os outros, carne com carne, corpo a corpo. Sua khui cantarola alto em seu peito, e os
meus respostas.
Murmuro seu nome como eu empurrar suas coxas e entrar por trás dela. Ela dá um grito suave e detém apertado
para as minhas mãos como eu começar a empurrar para dentro dela, o meu impulso cutucando contra o pequeno broto
de seu traseiro com cada bomba.
Estamos perfeição como este, eu e meu Har-loh.

• • •

Na manhã seguinte, Har-loh acorda e move a pequena ponta de seta a partir do primeiro entalhe em
sua kahl-un-dur para o segundo. “Dee-sem rebarbas segundo”, ela anuncia. Ela esfrega seu lado e
Estremece. “Este bebê tem que ser em breve, certo?”

“Eu não sei.” Eu gostaria de ter respostas para ela. Ela tem tantas perguntas e eu também. As cavidades sob
os olhos parecem ser pior hoje, apesar do fato de que ela dormia pesadamente durante a noite. Mas não há
ninguém para perguntar, e eu não sei se isso é normal. Minhas memórias de meu pai são tão fraca e crescente
dimmer com todos os dias. Em vez de seu rosto em meus sonhos, vejo o sorriso de Har-Loh, a pele sardenta,
seu corpo mole. “Vamos comer”, eu digo a meu companheiro e gesto em seu banquinho pelo fogo. Eu mesmo
colocar um de seus sopros macios nele para aliviar sua parte inferior.

Ela se senta e me dá um sorriso agradecido. “Active hoje do bebê.” Eu coloquei a mão em sua
barriga e sentir as vibrações lá, o movimento suave. Eu sorrio para ela, e depois sacudir a minha mão
como o kit chuta duro.
Har-loh estremece. “Pissy hoje, também.”
"Ele está com fome. Ele precisa comer. Você comer, também.”Eu recebo um pedaço de carne seca, fumado e oferecer a
ela.
Ela franze o nariz com a visão e parece infeliz. “É tudo o que nós temos?” “Não.” Eu arranco
uma das cestas ela tecidas e tirar pedaços adicionais de carne ela salgados e fumados. “Esta é
uma ave de rapina, e este é spagayteemawnster, e este é ...” Eu segurá-la ao meu nariz,
farejando. Queimado dvisti. “Dvisti.”

“Talvez apenas água”, diz ela, e esfrega a barriga novamente.


“Coma”, eu digo a ela, e ignorar a preocupação torturante que se arrasta-se. Dou-lhe um pouco de dvisti
fumaram uma vez que é o mais terno, e ela leva-lo da minha mão e corajosamente mordisca nele. Percebo que
ela bebe mais água do que qualquer coisa e come lentamente.

Minha preocupação ameaça me consumir, e por isso eu ficar na caverna com ela naquela manhã. Digo a ela que
têm peles para curar, mas temos mais esconde do que duas pessoas podem usar. Ela enche penas em um de seus
puffs de couro para o bebê, e, em seguida, costura o shut borda. Quando eu fazer uma pausa, ela puxa suas botas e
sorri brilhantemente para mim. “Podemos ir buscar amêijoas? Eu estou com fome para aqueles.”

A nossa caverna é repleta com carnes secas, e parece desperdício para caçar mais. Mas eu vou fazer qualquer
coisa para o meu Har-loh. Eu aceno e ajudá-la a colocar suas botas, entrelaçando-os para ela enquanto ela comenta
sobre ser incapaz de ver seus pés. Eu digo a ela
eles estão inchados e macios como um de seus sopros.
Ela bufa.
Então estamos fora para a praia, e o tempo está bom. Eu posso ver Har-loh melhorar enquanto
caminhamos. Seu rosto tem a cor-de-rosa em que ela me diz que ela é saudável, e ela sorri quando
os dois sóis sair de trás das nuvens.
Estou se preocupar com nada, digo a mim mesma. Dou-lhe a barriga de uma pequena pat como nós chegar à borda da
água. “Amêijoas?” Eu tenho minha lança para usar como uma vara de escavação.
“Sim, por favor.” Ela junta as mãos na frente dela e parece animado. “As grandes trevas,
espero.”
Ela me disse antes que seu lugar casa tem algo muito semelhante aos moluscos, mas eles são
menores. I ver o surf, procurando por um pequeno bico de água para a superfície da areia uma vez a maré
rola para fora.
I detectar um e emperrar o fim da minha lança na areia, em seguida, empurre o fim cima, tentando escavar
para fora. I pegar um vislumbre de shell escuro antes que escava mais fundo na areia. Rosnando em frustração,
eu esquecer tudo sobre a lança e cavar minhas mãos através da areia, determinado a conseguir isso para o meu
companheiro e fazê-la sorrir. Harlow ri quando eu tento pá mais rapidamente do que a criatura pode cavar, e areia
voa por toda parte.

Por fim, o sucesso. aderência I a coisa na minha mão e segurá-la no alto. “Para você!” “Yay!”, Ela bate
palmas. “Essa é uma! Vamos ficar mais e, em seguida, iremos para casa e fervê-los.”

Eu aceno em sua barriga, como se falasse com ele. “Sua mãe está com fome hoje.” “Ela está morrendo de
fome,” Har-loh responde calorosamente, e esfrega o estômago. “Então seu pai alimentá-lo,” eu declaro a sua
barriga, e obter para os meus pés. Há areia todo meus braços e peito e minhas pernas. É ainda no emaranhado
de tranças tecidas que Har-loh fez da minha juba. Ela dá um passo para a frente e me tira o pó fora com seus
pequenos dedos.

E então ela pára. Seus dedos se contorcer no meu braço, e depois as unhas cavar para a minha pele.

Eu olho para o rosto dela. Ela é pálida, as sardas escuras contra suas bochechas. "O que é isso?"

Sua boca se afina em uma linha, e ela acena com a cabeça sobre o meu ombro. Ela me lança um olhar
preocupado e depois aperta meu braço. “Não freekowt.”
Ela desliza em sua língua quando ela está preocupado, às vezes, e quando eu não reconhecer a palavra, os
meus sentidos formigar com alarme. I vez, determinado a não 'freek' e olhar.

Nossa praia é cercada por rochosos, falésias altas. Alto um distante, há coisas em movimento. No
começo eu acho que eles são metlak, os esguios, criaturas peludas das montanhas. Mas este não é o seu
território, e como eu vê-los passar, meu coração
enche de pavor. Um está carregando uma lança, e eu posso ver os chifres em outro. Existem muitos deles.

Os maus. Eles
encontraram-nos.
Capítulo Sete
HARLOW

A visão das pessoas sobre o cume me enche mais aborrecimento do que preocupação. Por que eles têm que
aparecer agora? Eu não quero companhia. Estou grávida, irritadiço, inchado, ea última coisa que eu quero é o ninho
cuidado que temos vindo a construir por tanto tempo interrompida por visitantes inesperados.

Rukh, no entanto, reage de forma muito diferente do que eu.


A respiração sibila fora de sua garganta e ele agarra minha mão. Ele me puxa para a frente, caindo lança e
clam na areia, esquecido, e corre em direção a nossa caverna. Eu coloquei a mão na minha barriga e tentar
segui-lo, mas correndo com uma barriga do bebê? Não tão fácil. I dar alguns passos e, em seguida, puxar minha
mão de seu, respiração ofegante. Minhas costas parece que está pegando fogo e que cãibra horrível no lado
direito do meu abdômen está retornando. “Rukh, espere,” Eu suspiro. “Eu não posso de run”

Em vez de acalmar, ele me agarra e levanta-me em seus braços, e continua a correr em direção à
caverna como se a praia estivesse em chamas.
Eu agarro o seu pescoço, preocupado que ele vai me soltar. Eu quero argumentar com ele, mas eu já vi esse
olhar selvagem em seus olhos uma vez antes. Quando ele vê os outros estrangeiros, não há raciocínio com ele.
Ele perde o controle.
Graças a Deus nós torná-lo de volta para a caverna em uma peça. I liberar a respiração que eu estou segurando
enquanto ele gentilmente me coloca no chão para os meus pés. Rukh toca minha bochecha. “Fique aqui, Har-loh. Se
os maus vêm, esconder.”
Os 'maus' é o seu nome para a tribo. Eu não tenho idéia por que eles são ruins em seus olhos. Ele tem
lembranças de seu pai dizendo-lhe para evitá-los, se esconder deles, porque eram 'maus', e que é o único
conhecimento que ele tem deles. Além de mim, e se preocupar que eles vão me levar embora. A minha
própria experiência com eles foi bom, mas então eu me lembro Aehako, Haeden, e Kira, todos mortos. Eles
não vão gostar de me ver vivo depois de todo esse tempo e com seus companheiros de tribo morta. Isso me
preocupa.

Mas eu não quero Rukh indo atrás deles, também. Há mais deles do que nós. Eu segurar o
braço para tentar impedi-lo. "Esperar. Onde você vai?"
“Eu vou tentar levar para longe de você. Vai enganar. Esconder caminho para a caverna.”Ele puxa a faca
de osso da bainha na parede e olha em volta para sua lança, exceto que ele ainda está na praia. Eu seguir
em frente e dar-lhe o meu, porque o pensamento dele deixando com pouco para se defender me assusta mais
do que estar aqui sem uma arma.
Eles não são nossos inimigos, Lembro-me. Mas um ano se passou, e muita coisa pode acontecer em um ano. Minha
barriga e competências linguísticas de Rukh são uma prova disso.
Ele olha para mim, e não há tal suavidade e amor em seus olhos que os meus mais baixos estremece lábio.

Tudo vai mudar após este momento. Nós estive tão feliz ... eu tenho medo que vai ser
arruinada.
“Não chore, beebee, ”, Diz ele, quebrando para o Inglês em uma imitação das minhas palavras.

“Por favor, tenha cuidado.” Eu quero pegar punhados de seu cabelo e mantê-lo de volta, mas eu não
posso. A tribo está aqui, e eles devem estar aqui por uma razão. “Só ... faça o que fizer, fique calmo, ok? Ouça
o que eles dizem e não atacar primeiro. Promete-me."

Ele balança a cabeça e me dá um rápido, beijo feroz. “Eu vou ser como as sombras. Eles não vão me ver.”

“Mmm.” Eu não tenho certeza se eu acreditar nisso, mas eu confio nele, e me sinto melhor quando ele se move a uma
das cestas de armazenamento eu ordenadamente revestem nossa caverna e puxa seu casaco de pele branco. Ele vai
escondê-lo entre a neve como camuflagem.
Em seguida, ele se foi, dirigindo-se a entrada da caverna, e eu lutar contra o desejo de entrar em pânico. Em vez disso,
eu ficar ocupado. Eu apagar o fogo (para que os tentáculos de fumaça trazer andarilhos curiosos), endireite a caverna,
aguçar a minha pequena faca, comer um pouco de carne, friccionam minha barriga, e esperar.

A espera parece interminável.


Depois do que parece uma eternidade, eu cabeça para a frente da caverna, espreitando para fora. Eu
examino as colinas cobertas de neve na distância de um flash de pele azul ou cabelo escuro, mas eu não vê-lo.
Isso é bom e ruim. I andar na boca da caverna, preocupado.

E se eles encontrá-lo e ele ataca-los? E se algo de ruim acontece? E se o meu Rukh não
voltar?
terror Hot aperta através de mim e meu aperto mãos minha barriga. O bebê chuta, duro, como se sentisse a minha
preocupação.
Eles não vão matá-lo. Eles não são assassinos. Vektal e seu povo é gentil. Mas Rukh é um guerreiro
desconhecido, e ele quer me defender. Eu me preocupo meu lábio inferior com os dentes, minha mente em espiral
através de todas as coisas que podem dar errado. Eu estou tão focada em meus pensamentos que eu não estou
pagando tanta atenção como eu deveria ser. Eu estou olhando para o chão e quando uma sombra se move, ele me
chama a atenção. Eu olho para cima, mas o cume próximo está vazio.

Goosebumps formigar minha pele. Eu esfregar meus braços e cabeça mais profundo em minha caverna, lembrando as
palavras de Rukh. Eu preciso esconder, se alguém vem. Eu fico olhando impotente para nossa caverna confortável. Há
claramente uma fogueira, e um ninho de peles. Minha mão-
cestas de tecidos feitos a partir de mar-palhetas secas são colocadas ordenadamente ao longo das paredes. Vai ser
óbvio que alguém vive aqui.
Mas eu não quero ser encontrada. Eu não quer ser encontrado e culpou pelas mortes de três
outros.
Mais do que tudo, eu não quero ser tirado do meu companheiro. Eu amo Rukh e estou feliz com ele. Eu não
me importo que eu tenho que escovar os dentes com um galho duro ou minhas calcinhas são feitas de couro em
vez de seda. Eu amo meu homem e eu não quero deixá-lo. Então eu voltar, mais fundo na caverna do que eu
normalmente ir. Há um esconderijo de volta aqui que Rukh e eu comentei antes, uma lasca de rocha que se
projeta que é grande o suficiente para esconder alguém através de ilusão de óptica, desde que o espectador fica
a poucos passos de distância. Eu deslizar para o local, fazendo uma careta quando as pedras irregulares rasgar
minha pele.

E então eu suspiro e desistir, porque minha barriga está saindo muito mais longe do que a parede pode
esconder. Este recanto teria sido útil de cerca de oito meses e vinte libras atrás. Fazendo uma careta, eu me
puxar de volta para fora, e depois esfregar a minha volta. Dói pior do que o habitual hoje. Estresse, provável.

“Olá?” Uma voz - alta e feminino e humano - chama. Ele está vindo de frente da caverna.
“Harlow? Você está aqui?”
I endireitar em surpresa, minha mão protetora indo para o meu estômago. Isso soa como Liz. Eu
reconheço o seu sotaque de Oklahoma. Como ela me encontrar? Então eu acho que da sombra no
cume. Claro. Eu sou tão estúpido. Ela deve ter me visto entrar.

Não há sentido em esconder agora, não é? Eu cautelosamente avançar para a sala principal da caverna.

É Liz, tudo bem, e ela parece incrível. Bela. Não-Hoth, obviamente, concorda com ela. Suas
bochechas são corado e rosa, seu rosto arredondado e cheio. Seus cascatas cabelo louro sobre os
ombros, puxado para trás de seu rosto por alguns tranças decorativas. Ela usa um vestido longo feito
de couro tingido ornately que faz minha própria túnica de retalhos olhar absolutamente vergonhoso. A
capa peludo é empurrado para fora de seu rosto e enquadra os ombros. Ela parece uma princesa
Viking, até o arco pendurada no ombro. E ela está olhando em torno de minha caverna com surpresa.

Eu não digo nada, esperando que ela me notar. É preciso um momento, como ela está avaliando a minha
caverna, e então ela se vira e seu olhar pousa em mim.
Em vez da desconfiança espero, seus olhos brilham e ela arremessa os braços, correndo para me abraçar.
"Oh meu Deus! isto é você! Harlow! shitballs santos, menina. Nós pensamos que você estivesse morto!”

Eu abraçá-la de volta, e por alguma razão, eu começo a chorar. É nervos peças, relevo, parte solidão. Eu
não percebi até agora como é bom ver um outro ser humano. Eu
amar e adorar Rukh, mas vendo outra mulher tira um pouco da ansiedade de estar aqui
sozinha.
Ela grita e pula para cima e para baixo como ela me abraça, e depois puxa para trás quando ela percebe cutucando
da minha barriga para dentro dela. “Aimeudeus! Olhe para você!”Seus filmes olhar do meu ventre para o meu rosto com
o choque. “Você está fodendo grávida!”
“Eu sou,” eu digo, limpando algumas das minhas lágrimas. “O que você está fazendo aqui?” “Eu?” Ela sputters.
“Garota, quais são você fazendo aqui, sua vadia? Nós pensamos que você estivesse morto!”

Eu ri. Liz é tão grosseiro mas ela é aberta e amorosa. Eu senti falta dela. Eu aperto a mão dela. "É uma longa
história."
“Eu vou dizer”, ela concorda, e dá um tapinha na barriga inchada. “Você está pronto para estalar. Eu não estou levando
bem a mesma coisa.”
I digerir suas palavras confusas por um momento, e depois perceber que a barriga de Liz é suavemente
arredondada sob seu fluxo, túnica de couro colorido. É claro que ela está grávida, também. Ela e Raahosh foram
acasalados por apenas um curto período de tempo antes de Rukh me roubou do navio. É como se eu tivesse
esquecido de tudo.
Aposto que há um grande número de meninas grávidas volta nas cavernas tribais agora. Eu mordo meu lábio,
odiando a inveja melancólica que sobe em mim. Eu amo Rukh e quero ficar aqui, mas ... o pensamento de ter
namoradas de novo? Namoradas que estão passando pela mesma assustador gravidez, desconhecido eu sou? Isso
me enche de saudade. “A gravidez é difícil”, eu digo com um sorriso e esfregar minhas costas novamente.

As sobrancelhas dela ir para baixo, como se ela quer discordar de mim. Então, ela me leva pelo braço e me
orienta em direção a um dos travesseiros de couro gordas que eu fiz. "Aqui. Por que não se senta? Você se parece
com o inferno, menina.”
“Puxa, obrigado”, eu digo secamente. Boa ol' Liz. Mas eu quero sentar, então eu deixá-la me orientar em
direção a um dos travesseiros recheados. Ela pega outra e puxa-lo perto, em seguida,-flops para baixo.
Seus olhos se iluminam. “Oh wow. Por que eu não pensei em pânico travesseiros no último ano? Essa coisa
é incrível!”Ela mexe a bunda nele. “Raahosh tentou me fazer uma rede, mas eu caí fora dele e que era o fim
de tudo.”

Eu sorrio para ela. “Então, você e Raahosh estão bem?”


“Se por 'bem', que quer dizer 'transando como coelhos' e me argumentando quando ele tenta mansplain para mim
sobre como caçar, e, em seguida, me provando para ele que eu sou tão capaz quanto ele está sem um par de bolas? E
depois fazer-se sexo e carinho? Sim, estamos bem.”Ela parece alegre com o pensamento. “Nós deveríamos estar em
pelo menos um exílio de dois anos, mas gestações de todos estão se movendo ao longo de uma muito mais rápido do
que Maylak pensou, então eu imagino que vamos ter de ficar em casa neste inverno. Último foi frio como as mamas em
um boneco de neve.”Ela zomba arrepios e depois olha em volta minha caverna novamente. “Este lugar é muito legal,
apesar de tudo. O tempo é muito mais suave.”
Eu concordo. “Não somos essas coisas escorpião na praia que olham feio como o inferno, mas eles gosto como
lagosta.”
Ela engasga e finge limpar o queixo. “Minha boca está molhando, a sério. Estamos totalmente tem que
ter alguns daqueles.”
Eu sorrio e prepare as mãos no meu dolorido parte inferior das costas. “Sim, eu gostaria de tell-” Faço uma pausa, não
tenho certeza eu quero dizer o nome de Rukh para Liz. “Hum.”
Ela inclina a cabeça, esperando por mim para continuar.
Eu hesito. Eu não sei o que fazer. Confesse o que aconteceu? Ela se sente desleal a Rukh. Claro, ele me
batido sobre a cabeça e roubou-me embora quando eu foi enviado para obter ajuda, garantindo assim a morte
de três outros, mas ... ele não sabia o que fazer. Ele cresceu selvagem. Eu não espera que contra ele, e eu
me preocupo outros o farão.

Então eu dou Liz um sorriso fino. “Eu olho como o inferno, hein?”
Ela me dá um olhar inquieto e aperta as mãos no colo. “Você só olhar realmente cansado. E realmente
grávida. Como, mais do que eu.”Ela olha para baixo em minha barriga e sua mão vai para o seu próprio
estômago. “Eu estou feliz por ter encontrado você”, diz ela. “Você pode voltar para casa e ficar marcada pelo
curador quando voltarmos.”
Hesito novamente.
“Oh, vamos lá,” Liz disse com um gemido. “Eu sei que você não obter-se grávida. A cara é
obviamente aqui com você. E a julgar pela falta de uma TV de plasma e sofá, eu estou supondo que
ele é um alienígena, certo? Quem é?”Ela se inclina para a frente. “Um dos caçadores, certo? Eu não
acredito que algum bastardo squirreled-lo longe e não disse nada a ninguém. Isso não é sério direita,
mantendo-o aqui “.

Eu puxar para trás, um pouco alarmado com o veneno em sua voz. “Não é uma da tribo.” Ela se senta e
franze a testa. "Não é? ele não é sa-khui? ”
Oh caramba, agora eu realmente estou pintando-me para um canto. “Eu não disse isso.” Ela foge para a frente
novamente. “Harlow, eu não sou o inimigo aqui. O que está acontecendo? Por que está sendo tão estranho?”

Eu lamber os lábios secos, preocupado. Meu lado escolhe esse momento para enviar uma dor aguda em toda a minha
barriga e eu mordo para trás um estremecimento. “Tem sido um ano, Liz. Eu só preciso de algum tempo para ajustar as
coisas.”
Seus olhos se arregalam. “Este é Síndrome de Estocolmo, não é? Eu não quero que você se preocupe, ok?
Vou mantê-lo a salvo dele.”
"Espere o que? Não, não é assim que as coisas são em tudo.”Ela pega as minhas mãos, mas eu afastar-se dela e
obter para os meus pés. Meu lado está doendo dolorosamente e eu esfregue-o como eu andar. “Estou feliz aqui. Eu
amo ... a minha cara. Eu não quero voltar para as cavernas tribais, ok?”

“Eu acho que eu não entendo,” Liz diz lentamente. “Você quis fugir? É isso que
aconteceu quando você abandonou Aehako e Haeden e Kira?”
Abandonado. Deus, eu acho que eu fiz, não foi? Porque eu estava tão atordoado e preso com a minha própria bagunça
que eu nunca fui para trás até mesmo para enterrar os corpos. “Eles estavam mortos, Liz. Não havia nada que eu pudesse
fazer “.
Silêncio. Então, “Whatchoo ataque do talkin', Willis?”
Eu ronco-risadinha no ditado. Isso me lembra de casa e outra onda de saudade espirais através de
mim, seguido por outra dor na minha barriga. Eu esfregue-o, tentando massagear embora a dor. “Não é
engraçado, Liz. Eu não deixá-los por vontade própria, mas eu não os abandonou.”Eu engulo em seco. “Eu
odeio que eu lhes custar a vida. Eu penso sobre isso o tempo todo.”

“Uh, eu odeio para quebrar o seu mártir-trip e tudo, mas não está morto um.” Sua voz seca corta-me
como uma faca.
Dirijo-me tão rápido eu fico tonta. "O que?"
As sobrancelhas de Liz são desenhados em conjunto, com o rosto expressivo confuso. “Sim, eu não sei de onde
tirou a idéia de que todo mundo estava morto? Mas Aehako e Haeden estão bem. Quer dizer, de Aehako grande, e
utilizar a sua pissy de Haeden, então eu acho que se qualifica como 'excelentes'.”

Eu não sei o que pensar. Quero rir com alívio, mas eu tenho muitas perguntas. “Kira - o
armador espaço”
“Oh, sim.” Liz chega a seus pés, deselegante, por uma vez, e como ela se move, eu vejo o swell de sua
barriga através de sua roupa. “Kira foi todos mauzão sobre eles. Caiu a maldita coisa para o lado de uma
montanha e saiu em uma cápsula de escape. Quem diria que Bisonho tinha nela, hein?”Ela olha orgulhoso.

“Eu não entendo.”


Liz, sempre feliz de ter uma abertura para conversar, aproveita a oportunidade para tagarelar minha orelha, me
contando tudo sobre o que aconteceu depois que eu fui sequestrado por Rukh. Aparentemente resgate arrojado
sombria de Kira é uma história popular em torno de fogueiras, e ela embeleza o conto, falando sobre como Kira
salvou o dia e levou para baixo os maus por sua solidão. Estou impressionado, mas mais do que tudo, estou
aliviado.
Eu não sou a causa de três mortes. Ninguém na tribo me odeia. I ... pode voltar se eu precisar. Por
alguma razão que me enche de alívio. Eu odiava o pensamento de estar em fuga, escondendo do mundo,
como se todo mundo vai me matar se eles me ver. Sabendo que eu ainda tenho amigos lá fora? É um
sentimento maravilhoso.

I andar lentamente como ela termina a história. Eu não consigo superar isso. Não morto. Nenhum deles. Aehako e Kira
aparentemente estão esperando um filho, também. Eles devem ter ressoado depois que eu tinha ido embora.

“Agora,” Liz disse, movendo-se ao meu lado. Ela me orienta em direção as almofadas novamente. “Por que você
não encher-me sobre você? O que aconteceu com você? Pelo que Aehako
disse, ele enviou-lo para obter pólos para uma padiola e você nunca mais voltou. Eles pensaram que um animal selvagem
tenho você ou algo assim. Quero dizer, claramente algo tenho você “, ela dá um tapinha na barriga. “Mas existem alguns
grandes buracos nesta história que precisa de enchimento, e eu não vou embora até que eu obter respostas.”

“Não tem ninguém vai te procurar?”, Pergunto.


“Oh, eu disse Raahosh eu tinha que fazer xixi. mulheres grávidas sempre tem que fazer xixi.”ondas She uma
mão no ar. “Ele vai pensar que eu me perdi e me palestra sobre seguintes faixas e blá, blá.” À fond curvas
sorriso boca. “Vou deixá-lo falar para um pouco apenas para fazê-lo se sentir melhor, é claro. Agora diga-me
sobre você “.
“Eu?” Toda esta notícia deve estar ficando para mim. Sinto-me fraco e tonto, e é difícil de se
concentrar.
“Sim, como você termina acima na praia? Somos um longo caminho desde as montanhas, se você não
tinha notado “.
“Por que vocês estão aqui?” Eu não posso deixar de perguntar.
“As pessoas estão entediados após o longo inverno e queria uma grande caçada. Além disso, lojas de sal são
baixos, então alguém sugeriu indo para o oceano, e nós ficamos juntos um grupo de caçadores. É um sal de caça “,
ela brinca. “Eu disse a Raahosh se eu não tiver sal na minha manhã raiz-batatas, cabeças vão rolar.”

Tento rir, mas não sai nada. Eu ainda estou sobrecarregado. “Você veio aqui para o sal?”, Ela leva
suavemente. “Você e seu companheiro?” Ela franze a testa para mim e seu movimento se transforma em um
borrão com o canto do meu olho. “Harlow? Você está bem, garota? Você ficou muito pálido.”

“Só um pouco tonta.” O que é estranho, considerando que eu estou sentado. Mas estou tonto. Eu estou em um suor frio,
náuseas e está rastejando pela minha garganta.
“Não toque nela!” Rosnou Rukh de quebras de voz através dos meus pensamentos enlameadas. Minha cabeça empurra
para cima e eu encaro como meus lindos, tempestades companheiro selvagens em nossa caverna, segurando uma lança
apontada para Liz.
“Você deve ser o senhor,” Liz diz que ele entra. E então ela engasga quando ele se aproxima.
“Merda Santo”.
O que? Eu quero perguntar, mas eu aperto meus dedos à boca. Eu me sinto horrível. Algo está
errado. O bebê chuta duro, e desta vez ele não me faz sentir feliz. Isso me preocupa. Escuridão
arrasta-se nas bordas da minha visão.
“Não toque meu companheiro, ”Rukh rosna e lança se aproxima, bordas sob o queixo de Liz. “Har-loh,
venha a mim.”
Tento levantar-se, mas Liz me empurra de volta para baixo.
“Ela está doente, seu idiota. Olha para ela. Ela parece bem para você?”‘Eu estou bem’, eu respiro, mas a escuridão
se arrasta em mais pesado, e eu estou realmente, realmente não está bem. Minha cabeça de repente se sente como
ele pesa um milhão de libras e eu oscilar sobre a almofada Estou sentado diante. É apenas braços de apoio de Liz que
mantêm
me de cair para trás.
Então Rukh de lá, e ele toca o meu rosto. I sentir frio, mas suado, ao mesmo tempo, e a náusea na
parte de trás da minha garganta não vai embora. Seu rosto nada na minha visão embaçada, e ele
parece tão bonito e tão preocupado que isso me faz querer chorar. Quero confortá-lo, mas eu me sinto
... horrível.
“Estou bem,” eu digo a ele novamente, mas sua expressão atormentada é a última coisa que eu vejo diante do mundo
desmaia.

RUKH

Meu coração bate no meu peito, assustado como uma pena-fera perseguida. Har-loh é mole em meus braços,
inconsciente. Sua pele é coberta com uma camada de suor, como se ela estiver quente, mas suas mãos e seu rosto
são frios.
Outra humana scurries em torno de minha caverna, uma fêmea. Quero rosnar para ela sair, voltar
para os maus, mas ela tem uma bexiga de água e ela amortece um quadrado de couro e escovas-lo
sobre o rosto de Har-loh. Ela parecia triste também. Ela quer ajudar.

É só por causa do que eu deixá-la ficar.


Meu Har-loh está doente. Eu abraçá-la, acariciando sua mandíbula e pescoço, esperando por ela para acordar. Ao
seu lado, a fêmea enxuga a praça molhado em sua bochecha.
“Ela já fez isso antes?” A mulher pergunta.
Quero rosnar para ela ir embora, mas eu não sei o que fazer para ajudar. Talvez ela faz. Então eu balançar
a cabeça em resposta.
“Será que ela teve problemas com o bebê? Spotting? Náusea?"
Não sei algumas dessas palavras e deu à luz os meus dentes, segurando-a mais perto. "Ela é legal."

“ Besteira. ”Ela não parar para explicar a palavra. “Olhe para o rosto dela. Seus olhos são como depressões. Ela parece
cansado e até mesmo eu posso dizer que ela está sofrendo. Ela esfrega seu lado constantemente.”

“Ela está carregando um kit,” Eu rosnar.


"Eu também sou! E eu não estou doente como ela. Alguma coisa é errado. ”A fêmea todos, mas grita
comigo. Ela aponta para a barriga e vejo uma colisão arredondada lá pela primeira vez. Ela está certa - seu
rosto não tem a mesma aparência exausta que meu loh Har- faz.

I berço Har-loh mais perto de mim, preocupado. Ela ... é pálido. E ela tem dificuldade em acordar algumas
manhãs. Tenho notado que ela se esforça, mas não sei como corrigi-lo. Preocupa-me que esta fêmea vê-lo
imediatamente. Eu estive fazendo vista grossa para o meu companheiro, porque eu tenho medo do que vou
ver? De perdê-la?
Eu segurá-la mais de perto, agonizante. Eu vou morrer se eu perdê-la. Ela é a única coisa que vale a pena viver.
Agora que eu tenho Har-loh, eu não posso voltar para a solidão de antes. Eu não posso suportar a idéia de um dia
sem seu sorriso, seu toque, seu cheiro. Seus pequenos, mãos frias na minha pele como eu acordar.

“O que eu faço?” As palavras me escapam antes que eu possa morder-los de volta. A fêmea franze os lábios, e por um
momento ela parece tão estranhamente semelhante ao Har-loh que me enche de saudade. I acidente vascular cerebral
rosto suado do meu companheiro novamente. “Ela precisa voltar para a tribo.”

Deixe-me? Saia daqui e ir com os maus? Eu descubro meus dentes no feminino por sugerir isso.
"Não!"
“Você acha que é seguro estar aqui no meio do nada com ela?” A pequena fêmea cheira meu
braço como se estivesse tentando bater suas palavras em mim. “O que você vai fazer se o bebê
chega mais cedo? O que você vai fazer se ela começa a sangrar e não pára? Eu não sei se vocês
notaram, mas não há um monte de sa-khui e miscigenação humana acontecendo por aqui, amigo.
Esta merda é tudo novo e não sabemos o que vai acontecer.”

rosto macio do que eu derrame Har-loh. Somos diferentes povos. Eu não acho que ele poderia machucar meu
companheiro, mas agora o meu coração aperta com preocupação. Sobrevivência guerras instinto com a necessidade de
manter Har-loh seguro. Toda a minha vida, tenho sido avisado para nunca mais se aproximam os maus. Agora, esta pequena
mulher que tem as mesmas características planas como Har-loh está me dizendo que eu preciso para levá-la ao seu den?

Eu não posso compreender o pensamento.


A voz da mulher gentles depois de um momento. “Quem é você, afinal? Onde é o seu povo?”

“Eu não tenho pessoas.”


“Você tinha que vir de algum lugar.” Ela inclina a cabeça e me estuda. "Voce tem um irmao?
Porque você parece muito familiar para mim.”
Eu não digo nada, porque ela é fazer muitas perguntas. Em vez disso, eu arrancar o pano da mão dela e
pressioná-lo para o rosto de Har-loh. “Traga seu curador aqui”, digo a mulher depois de um momento. Vou suportar a
presença de um curandeiro que isso signifique Har- loh serão tomadas de cuidados, mas ninguém mais.

A fêmea faz um som exasperado. “O curandeiro não está aqui. Ela está de volta para casa com os
outros, porque existem várias mulheres grávidas e nem todos eles estão tendo um tempo fácil “.

Há outros em sua tribo que pode estar sofrendo como meu Har-loh? Eles saberiam o que fazer?
Eu olho para ela, rasgada.
Ela segura a mão plana, de cinco dedos no ar. "OK. Eu posso dizer que você não é grande em confiança. Eu posso
trazer alguém aqui? Meu companheiro?"
I agacham sobre Har-loh defensivamente e chegar para a minha faca. “Ninguém vem!” I
detestam o pensamento de até mesmo um dos maus encontrar nossa casa caverna. Bad o suficiente
para que essa mulher sabe. Vamos ter que sair, se ela diz nada. Devemos evitar o mau ones-

Exceto os maus têm um curandeiro. Estou dividido.

“Meu companheiro vai ficar preocupado sobre mim como você tem mais de Harlow”, diz ela, lançando um olhar
preocupado para a minha mulher inconsciente novamente. "Por favor. Deixe-me levá-lo e eu acho que se você falar com
ele, você vai se sentir mais confortável.”
“Eu não confio maus,” Eu cerrar fora.
“Bad queridos?” Ela parece surpresa. "OK. Isso é inesperado. Eu prometo que não é ruim, no entanto.
Ele ... realmente me lembra muito de você.”Sua expressão transforma-se num sorriso. “Vou dizer a ele sem
armas, tudo bem?”
Hesito, mas Har-loh geme e mexe nos meus braços naquele momento. Se essas pessoas sabem como
obter Har-loh a um curandeiro, eu tenho que fazer o que for preciso para proteger a minha mulher eo kit ela
carrega.
Minha mente pisca com as memórias do meu pai, apontando para caçadores distantes. Você deve sempre
evitar os maus, meu filho. Não confie. Não se aproxime deles.
Mas o povo de Har-LOH viver com eles. E Har-loh é bom e gentil. E este ser humano parece
querer ajudar.
“Only One”, eu digo, minha voz plana com desconfiança. “Nenhuma arma.” Ela balança a
cabeça e começa a seus pés, em seguida, desliza para fora da caverna. Eu não confiar nela,
mas que escolha eu tenho?
Alguns momentos depois as folhas do sexo feminino, os olhos de Har-LOH vibração aberta e ela se concentra em meu
rosto, aturdida. “Rukh?”
“Eu estou aqui”, murmuro, minha voz rouca de preocupação. Eu gentilmente acariciar seu rosto. “Você está doente,
meu Har-loh?”
“Não, eu estou bem”, diz ela, mas sua voz soa instável. Ela empurra contra meus braços, mas eu me recuso a
deixar ir dela. “Eu só tenho tonto por um momento.”
“A outra mulher diz que o kit está fazendo você doente.” Suas
sobrancelhas avermelhadas sulco juntos. “Liz?” Eu aceno. “Você
machucou agora?”
Suas mãos alisar sua barriga, e ela lambe os lábios secos, hesitando. Que as greves se preocupar em
meu coração. Leezh não é errado. “Minhas costas dói, é claro, e meu lado dói o tempo todo. Mas estas
são coisas normais, não são?”
"Eu não sei. Ela vai ficar companheiro. Quer falar comigo.”
“Raahosh?” Novamente, sulcos testa de Har-LOH. "Sobre mim? Eu prometo que eu estou bem.”‘Você não
é.’Eu ajudá-la a sentar-se e dar-lhe uma pele água para beber. Eu aviso dela treme mão como ela faz, e é como
uma lança através de minhas entranhas. palavras acusando de Leezh passam pela minha mente, uma e outra
vez. Você acha que é seguro
estar aqui fora?
Mudei Har-loh aqui porque eu não conhecia ninguém veio aqui. Eu sabia, e eu a levei para longe
da curandeira que poderia fazê-la bem. Culpa ameaça me engolir.

Suas mãos pequenas vibração sobre o meu braço. “Rukh ... você não vai prejudicá-los, você vai? Eu sei que você não
gosta ... estranhos.”
“Você não quer me prejudicar os maus?”
Por um momento, Har-loh parece infeliz. Troubled. “Eu amo a nossa vida aqui. Você sabe disso. Mas os
outros ... alguns deles são meus amigos. Eu não quero prejudicá-los.”

Não digo nada.


“Liz está apenas olhando para mim”, Har-loh continua com uma voz suave entre goles de água. “Eu pensei ...
bem, isso não é importante.”
"Diz."
Ela parece perturbada. “Uma razão pela qual eu nunca fui de volta para eles é porque eu pensei que
eles me culpou pela morte de outros três. Liz me diz que eles estão vivos. Ninguém me odeia.”

A sensação de mal estar no meu intestino retornos. Então ela veio comigo porque ela sentiu que não tinha
outra escolha? Ele nunca me ocorreu até agora a questionar por que Har-Loh não tentou fugir novamente. Eu
tolamente pensei que era porque estávamos companheiros, que ela sentia o mesmo sobre mim como eu faço dela.
Talvez eu tenha imaginado isso o tempo todo.

Talvez Har-loh quer voltar para os maus. Se ela faz, o que vou fazer? “Você poderia me pegar
algo para comer?” Har-loh pergunta, colocando a mão na testa. “Talvez que vai ajudar com a
tontura.”
Minha infelicidade é imediatamente posta de lado. Meu companheiro precisa de mim. Não importa o que eu
quero. “Fique aqui,” eu digo a ela, e se mudar para um dos cestos de carne seca, salgada. I escolher algumas
tiras de sabor blandest, o que ela tem nas manhãs quando seu estômago está perturbada, e trazê-los de volta
para ela. Eu vejo como ela come e certifique-se que ela bebe muita água. Quando ela é feita, eu buscá-la e
levá-la - protestando - para o nosso ninho de peles para que ela possa se deitar e relaxar confortavelmente.

Eu percebo pela primeira vez que não podemos ficar aqui. Não se Har-loh está doente. Eu não posso
imaginar como serão as coisas com um kit se Har-Loh não está bem. Eu posso cuidar dela, mas eu não
sei como cuidar de um kit. O nó no estômago aumenta.

Devemos voltar.
HARLOW

Estou preocupado com Rukh. Ele é estranhamente calma, e eu sei que ele tem que ter perguntas. Ele não diz
nada, porém, simplesmente paira nas proximidades e me alimenta pequenos pedaços de carne seca e faz certeza
que tenho muita água na minha pele. Estou cansado e só quero tirar um cochilo, mas Liz e seu companheiro estão
vindo, e eu me preocupo como Rukh vai reagir. Eu posso dizer que ele está no limite.

Eu pat o lado da cama e convidá-lo a vir deitar comigo. Eu odeio como o dia de hoje está a transformar.
Descobrir que Kira e os outros estão vivos é maravilhoso, mas estranhamente o suficiente, eu sou um
pouco ressentido que Liz eo grupo de caça mostraram-se e despejou minha vida. Eu gosto daqui com
Rukh. Gosto do nosso pequeno ninho ao lado do oceano.

O bebê chuta no estômago, como se concordasse.


“Hellooo,” Liz chama na entrada da caverna, e Rukh salta imediatamente a seus pés. Todo
pensamento de se deitar comigo é esquecido na presença de invasores. Sua longa faca de osso
sai, a lâmina mau-olhando enquanto ele aperta o apertado punho.

Meu coração bate alto. Rukh move na frente de mim, me protegendo, e até mesmo como ele faz, eu estou cheio
de amor para o grandalhão. Meu khui começa ronronar, e eu ouvir a sua respondem. Por alguma razão, isso me
conforta. Aconteça o que acontecer, nós temos um ao outro.

Liz ponta dos pés e eu notar sua proa está desaparecido. Atrás dela é uma sombra maior, ea forma como o
homem persegue em ... por um momento, ele me lembra de Rukh. Então eu vejo a um chifre retorcido restante,
o stub do outro, e as cicatrizes no rosto de Raahosh como ele vem na vista. Ele é mais alto do que Rukh, e
mais magro, mas por um momento, há uma notável semelhança entre os dois.

Eu não sou o único que vê. A caverna fica em silêncio enquanto os dois homens olham um para o outro.

Os olhos de Raahosh estreitas e seus filmes olhar de mim para Rukh. "Quem é Você? Por que você tem
Harlow?”
“Har-loh é meu”, Rukh diz, uma borda áspera em sua voz. Eu vejo a mão apertar a faca e ele se aproxima
de mim, tentando me bloquear fora da vista de Raahosh. Eu acho que ele vai atacar, ele está praticamente
vibrando com a tensão. Em seguida, um momento depois, ele deixa escapar, “Você se parece com o pai.”

“Então faça você.” As narinas de Raahosh incendiar e seus tempos de corpo. “Meu irmão mais novo foi
Maarukh. Esse é o seu nome? É você o filho de Vaashan?”
Eu suspiro. Maarukh? Rukh?
Liz suspiros, também. “Oh merda”, ela respira e seu olhar encontra o meu. “Eu pensei que vocês parecia
similar.”
Mas nem o homem está se movendo. Ambos olham duro e desconfortável. Depois de um momento, Raahosh
fala. “Meu pai me deixou com a tribo depois que você nasceu.” Sua mão vai para o seu rosto e toca suas cicatrizes
na memória. “Eu fui para trás para olhar para ele depois de muitas temporadas, quando eu era velho o suficiente
para se juntar às fileiras dos caçadores, e sua caverna foi destruída. Não havia nenhum sinal de vida. Eu assumi que
você e ele fosse morto. Esta é uma terra difícil para um pequeno kit e um homem só “.

Rukh é silenciosa. Eu toco a perna em uma carícia, preocupado sobre como ele está a lidar com isso. Durante a noite,
o nosso mundo é virado, e agora para descobrir que ele tem um irmão? Isto tem que ser difícil.

“Você tem um curandeiro?” As palavras bruscas de Rukh assustar-me. Não há menção de família.

“Não com a gente.” Os olhos de Raahosh estreitar novamente, e ele parece pronto para cara feia para
Rukh. “Ela não deixa as cavernas. Há muitos que necessitam de sua ajuda.”

“Então tomamos Har-loh para ela. Nós sair agora.”


Meus olhos se arregalaram e eu olhá-Rukh surpresa. “Nós o quê?” Ele se vira para mim e sua mão vai para a
minha cabeça, acariciando meu cabelo. “Você é minha companheira. Vamos ver o curador.”

“Eu estou bem”, eu protesto, ignorando bufo de Liz. “Você não está bem”,
Rukh diz com firmeza. "Nós iremos."

RUKH

Eu não confio em nada disso. Estou cheio de suspeita apesar do fato de que meu pai tem um outro kit de
vida, eo homem se parece com uma versão cheia de cicatrizes dele. Meu pai falou dele muitas vezes, embora
eu era muito jovem para imaginá-lo. Mas não há dúvida em minha mente que Raahosh é do meu pai. Imagino
que semelhante em seus olhos. Ao vê-lo me deixa muito tempo para o meu pai, morto há muito tempo, mas não
é a visão dele de que fiz a minha mente.

Era mão macia de Har-loh na minha perna, um lembrete de que ela não está bem. Vou dar tudo para o meu
companheiro e meu kit. Já não importa o que eu quero. Tudo o que importa é Har-loh. Então eu vou engolir a
minha preocupação e levá-la de volta para as cavernas, assim que o curador pode aliviar as dores de barriga e
fazê-la se sentir melhor.

E depois vamos voltar aqui, a nossa casa, e elevar o nosso kit sozinho. Eu não quero ficar com os
maus. Isso não mudou. Off para o lado, Raahosh discute com seu companheiro humano mouthy. Eles
estão discutindo sobre quando viajar, e que vai voltar. Eu encho meu saco ombro desgastado
com carne seca e outros pequenos conforto, mesmo como Har-loh dobras peles tranquilamente no nosso ninho. Eu não
vou deixá-la levantar-se então ela faz o que pode dentro do alcance. Durante todo o tempo, os outros dois brigam e eu não
posso dizer se eles são realmente irritado com o outro, ou se esta é como quando Har-loh me brinca com as palavras e, em
seguida, estende a mão para o meu pau. Eu suspeito que eles gostam de discutir sobre tudo, mesmo nas peles.

“Todos nós podemos voltar”, Leezh diz novamente. “Segurança em números. Nós todos temos que voltar em
algum momento, certo? E os outros vão querer conhecer Maarukh e ver Harlow.”

O homem chamado Raahosh - meu irmão - cruza os braços sobre o peito e faz uma carranca para baixo em sua
companheira. "Ela está doente. Precisamos de viajar rápido, e os outros ainda desejam caçar e coletar sal para
cozinhar. Ainda há muito a fazer.”
Ela faz uma cara. Ninguém me perguntou se eu gostaria de viajar com todo o grupo de caça. Eu não.
“Eles podem voltar algum outro tempo”, retruca Leezh. “Ninguém vai morrer se eles não têm sal na sua
comida. A maioria das pessoas está comendo cru neste momento de qualquer maneira. Harlow é mais
importante.”
“E uma festa menor vai se mover mais rápido.” “Não, se
tivermos uma padiola!”
Eu não sei o que é um Trah-voy é. Eu só quero que eles deixem falar, os dois. Eu quero que eles para fora
da minha caverna. Eu olho para os dois, mas eles parecem não perceber minha expressão, apanhados em seu
argumento. É definitivamente sexual. peito de Leezh está ofegante e ela parece que ela está pronta para sorrir
apesar de suas palavras afiadas. “Vou levar o meu companheiro”, eu digo, interrompendo seu amor-talk. “Eu
não quero viajar com tudo. Raahosh é certo. Nós ir mais rápido com grupo pequeno.”O pensamento de andar
com muitos dos maus faz meu roil estômago.

“Eu concordo”, Har-loh diz, acrescentando sua voz. “Deixe os outros ficam e caçar. Podemos viajar de volta. E
eu posso andar, eu prometo.”
Eu me viro para olhar para o meu companheiro. “Vou levá-lo.” Ela
coloca a língua para mim.
“Tudo bem”, Leezh diz, e cruza os braços sobre o peito. Ele faz o seu próprio estômago arredondado pau
para fora. “Mas nós precisamos de falar com os outros. Eles vão estar se perguntando onde nós fomos.”

grunhidos Raahosh e olha para o céu. “Será escuro em breve. Nós vamos nos encontrar com os outros e
explicar-lhes que estamos separando. Vamos voltar aqui na parte da manhã para viajar. É aceitável para
você?”Seu olhar se move para mim.
Eu concordo. Ele tem razão. Por mais que eu queira sair agora, é mais inteligente que esperar até a manhã. Har-loh
pode descansar esta noite.
Eventualmente Leezh e Raahosh sair, Leezh olhando hesitante como se ela quer mexer com o meu companheiro. Eu não
vou deixá-la ficar, no entanto. Esse é o meu trabalho. Seu companheiro, eventualmente, agrupa-la para longe e, em seguida,
Har-Loh e eu estamos sozinhos novamente. Alguns dos
tensão no corpo facilita e que se sente como se um peso foi tirado dos ombros.

“Então, nós estamos realmente indo embora?” Voz quebra de Har-LOH através do silêncio da caverna. Ela se sente
estranhamente quieto agora.
Eu passar para o meu amado companheiro e ajoelhar-se ao lado dela. Eu estudo seu rosto, agora tão querida
para mim que eu não posso imaginar estar sem ela, nem por um momento. “Leezh é certo. Você não está bem. Quero
curandeiro para ajudá-lo. Se isso significa que viajar com os maus, então vamos “.

“Você não quer ir.”


Estou em silêncio. Não é uma questão de querer ir ou não. Eu não vou permitir que nada arrisca ela.

Seus olhos se enchem de lágrimas. “Eu não quero ir. Eu gosto de nossa vida aqui.”Eu não posso suportar a
visão de seu choro. Faz-me sentir quase tão impotente e assustada como quando ela estava inconsciente antes. I
se aproximar, puxando-a em meus braços para consolá-la.

“Estou com medo”, admite ela, envolvendo os braços em volta de mim. “Eu sinto que tudo está
mudando e eu gosto do jeito que está.”
Eu acariciar seu cabelo macio, vermelho-alaranjado. “Eu sei.” Mas eu não vou mudar minha mente. Estou muito
consciente de seu início fraco, sua pele úmida e rosto pálido. saúde radiante de Leezh só piora as coisas. Eu vejo
como minha Har-loh deve se sentir e não faz. Eu quero corrigir isso para ela.

“Prometa-me que não vai mudar?” Ela enterra o rosto no meu pescoço. "Não importa o que?"

“Eu vou rasgar khui do meu peito antes de eu deixar você,” eu digo a ela. "Estamos juntos. Sempre."

Ela levanta a cabeça e partes de seus lábios na maneira que me diz que ela quer beijar. Eu segurá-la suavemente
contra mim e escovar a boca sobre a dela. Esta noite é nossa última noite sozinho. Eu quero tomá-la como minha
companheira, mas não se ela está se sentindo mal. Eu puxar para trás, incerto.

Har-loh me agarra por um punhado de meu cabelo. “Eu não estou quebrado, Rukh. Pelo menos, não mais do que na
noite passada. Quero fazer amor com você. Aqui, em nossa caverna.”Sua voz pega. “Em nossa casa.”

Vou ter cuidado com ela. Eu aceno e facilidade-a suavemente de volta para o ninho de peles. Vamos ter que
deixar alguns destes trás, e esta pode ser a última noite com uma cama confortável como Har-loh gosta. I
resolver para adicionar alguns dos sopros de couro à minha bolsa de ombro para ela conforto-

Ela bate a minha bochecha. “Você está pensando no amanhã.” “Eu sou”, eu
admito, e acariciar seu pescoço. “Você está preocupado com os outros?”
Eu não sou. Eu me preocupo com Har-loh. Os outros não importam. Então, eu balancei minha cabeça e
lamber a base de sua garganta, no ponto sensível que sempre faz estremecer. Ela geme e pressiona contra mim,
e nós dois trabalhos em puxar os cordões de sua túnica livre para o momento seguinte. Ela se despe e então eu
fazer, e então estamos nus juntos. Eu puxo uma pele sobre nós, para Har-Loh não ficar frio. Eu quero cobrir seu
corpo com a minha, mas a sua grande barriga impede isso. Eu deito ao seu lado em vez disso, acariciando-a.
Meu companheiro ama para sua pele macia de ser acariciado, e eu tempos meus dedos no vale de suas tetas e
para baixo um braço.

Ela treme e coloca a mão no meu pau, seu polegar acariciando ao longo da parte inferior do meu estímulo. A
respiração chia fora da minha garganta para o pequeno toque, e aderência I a mão na minha, aproximadamente
acariciando para o controlo apertado. Ela se sente dolorosamente bom, mas eu não quero passar lá. Depois de
mais alguns rebocadores, tomo sua mão na minha e vincular nossos dedos. Eu empurrar o braço de volta para os
cobertores, prendendo-a lá, e reivindicar sua boca. Sua língua acaricia contra o meu, ávido por mais.

Meu Har-loh. Meu companheiro. Nunca me canso de tocá-la.


Nós nos beijamos e línguas jogar, e minha mão acaricia seus seios sensíveis. Har-loh suspira e arqueia-se
nas peles, pressionando seu mamilo contra mim. Eu quebrar o beijo e se move para baixo, arrastando a ponta
da minha língua sobre o peito e, em seguida, para baixo a uma teta. Eles são maiores agora que o kit é o
inchaço dentro dela, e eu amo o quão cheio o seu corpo está recebendo. Eu cuidadosamente lamber uma dica,
então aninhar-lo. O som mewing ela faz em reação faz meu pau idiota, e eu língua seios mais e mais, minhas
mãos de roaming sua pele macia.

“Eu te amo, Rukh”, ela respira. "Muito."


“Meu companheiro”, digo baixinho. “Minha mulher.” Eu beijo o monte arredondado de seu ventre, ea pequena colisão
de seu umbigo, que agora se projeta para fora. Então eu mover mais para baixo, para as coxas e sua boceta. Suas
pernas abertas ansiosamente, e eu posso ver que ela está molhada com antecipação para a minha boca. Ela geme
quando eu lamber suas dobras, seu corpo mudando nos cobertores. Ela é meu. O pensamento é feroz na minha cabeça
enquanto eu lamber seu clitóris do jeito que ela gosta, e suas mãos vão para meus chifres, segurando-me lá.

I atacá-la com a minha boca, usando tudo o que eu tenho que trazê-la de prazer. Meus movimentos da língua seu
clitóris, meus dedos vão profundamente em sua vagina, e eu acariciá-la como eu trabalho dela com a minha boca. Ela
geme e se contorce nas peles, mas eu não vou parar até que ela vem.

Seus gemidos se transformar em, gritinhos lamento macios, e os quadris empurrar contra o meu rosto. I
mover meus dedos mais rápido, determinado. Um momento depois, ela sufoca meu nome e seus fluidos banhar
minha língua. Seu corpo estremece com prazer e minhas dores galo e dores.

Mas eu lamber até que ela empurra meu rosto. Em vez de pedir-lhe para entrar em suas mãos e joelhos, eu deito ao
lado da minha respiração ofegante, companheiro saciado e segurá-la contra
mim. Eu envolvo meus braços em torno dela, consciente da sua fragilidade.
“E você?”, Ela pergunta, sem fôlego. Ela pega meu pau novamente. “Shh,” eu digo a ela, e empurre a mão.
“Deixe-me te abraçar. Você está cansado.”Ela protesta um pouco, mas eu posso ouvir a exaustão em sua voz. Eu
ignorar as necessidades de minha própria carne e segurá-la mais de perto, e ela é o conteúdo de mentir nos
meus braços. Sua cabeça repousa sobre o peito e os dedos levemente acariciar meu braço.

Imagino-os acariciando meu pau da mesma forma e leva tudo o que tenho para não vir para a
direita então e lá.
“O kit está dançando no meu estômago”, diz ela depois de um momento. “Quer se sentir?” Eu proponho a minha
cabeça para baixo a sua barriga e pressione levemente uma mão contra um dos lados, a minha orelha e bochecha do
outro. Há um movimento no estômago, embora eu não sou inteiramente certo que soa como muito. Então, algo
empurra contra meu rosto e eu me sinto toda a sua ondulação barriga.

Ela ri como eu empurrar para trás e mock-protege o rosto com as mãos. “Você quase me pegou com
um chifre lá.”
“É só ... me assustou.” Eu mover para baixo para sua barriga de novo, minha mente cheia de admiração. Meu kit está lá,
saltando e animada. No momento em que eu coloquei meu ouvido de volta para seu estômago, ele se move de novo, e eu
imagino que uma versão menor de mim mesmo, cauda sacudindo com irritação por ter sido preso em um espaço tão
pequeno.
Eu ... nunca vi um kit. Tento imaginar isso, mas eu não posso imaginar como os chifres não rasgar a barriga para cima.
Talvez seja como o meu companheiro macio e não tem chifres. Eu imagino um pouco kit menina, em seguida, com sardas e
cabelos avermelhados, uma versão menor de meu companheiro.
Eu gosto desse pensamento.
A mão de Har-loh brinca com o meu cabelo, alisando-a de volta. “Eu ainda estou preocupado, você sabe.”

Eu acariciar sua barriga. “O curador vai cuidar de você.”


Sua risada é macio e ela dá meu cabelo um puxão. “Eu não estou preocupado com isso. Estou preocupado
com você e eu.”
Eu levanto a cabeça, em seguida, surpreso. Tomo sua mão na minha e beijar a palma da mão. “Você e eu somos para
sempre, Har-loh. Não há necessidade de se preocupar."
O sorriso dela é suave e doce. “Vai ser muito para você tomar. Apenas me prometa que vai
ter a mente aberta sobre tudo. Que você não vai atacar ninguém.”

“Eu não vou atacá-los se eles estão ajudando você.”


Ela levanta a sobrancelha. “Você parecia pronto para atacar Raahosh mais cedo.” Raahosh. O que se parece
com meu pai. Eu crescer em silêncio com a lembrança. Eu tenho um irmão. “Eu não sabia o que pensar”, eu
admito.
“Foi muito,” ela diz suavemente, e acaricia os cobertores, indicando que ela quer me a deitar-se com ela
novamente. Eu fazê-lo de bom grado e ela se move em meus braços. "Então seu
nome ... Maarukh?”
“Eu não me lembro.” Eu derrame suas costas enquanto ela enfia-se debaixo do meu ombro. “Minhas únicas
lembranças são de meu pai me chamando Rukh.”
“Mas é o seu nome. Apenas parte dela.”Eu
resmungo acordo.
“Você está contente por ter um irmão?” “Eu
não sei.”
“É muita mudança por um dia”, diz ela novamente. “Hoje cedo, era apenas eu e você e da
praia. Agora estamos deixando e tudo está mudando.”
É óbvio que eu não sou o único preocupado. Eu segurá-la perto de mim.

RUKH

Har-loh dorme muito durante a noite, e na manhã seguinte, ela parece mais cansado do que o habitual. Ela
esfrega seu lado quando ela pensa que eu não estou olhando, e jura que ela está bem.

Isso só reforça meu desejo de levá-la para ver o curador. É a coisa certa a fazer. Antes, eu estava com
raiva que os maus apareceu na nossa praia. Agora, eu sou grato. É uma sensação estranha.

Como petiscos Har-PDH em um pouco de carne seca e bebe água, eu arrumar a última das coisas que vai precisar
para nossa jornada. Mais carne, mais peles de água. Mais peles para Har-Loh, e os puffs que ela gosta. Suas túnicas,
os envoltórios macios que ela fez para o kit, e tudo que eu posso pensar de transportar. Até o momento Leezh e
Raahosh mostrar-se, minha mochila é abaulamento.

Mas eu não vou deixar para trás tudo o que meu companheiro pode precisar. Na luz da manhã, Raahosh
parece ainda mais com as minhas memórias de meu pai. Quando ele se vira para o lado e as cicatrizes são
escondidas, seu perfil se parece com Vaashan. Fui atingido com um parafuso de solidão lembrava tão forte que
me desconcerta. Meu pai se foi um longo, longo tempo e ainda assim eu ainda sinto falta dele. Talvez eu sempre
vou sentir falta dele.

Será Raahosh sente o mesmo? Será que ele se lembra dele como eu faço? Enquanto observo, Leezh se instala ao lado
de Har-loh e come sua própria comida, conversando. Eu estudo o meu irmão, em seguida, definir o meu pacote para baixo.
"Venha."
Ele olha para mim, o seu próprio pacote de costas. “Por quê?” “Eu vou te mostrar uma coisa.” Eu aceno para
a frente. “Venha.” Ele olha para seu companheiro, claramente desconfortável com deixá-la. É um sentimento
que eu entendo. Leezh, porém, ondas-lo embora e se inclina para frente para sussurrar algo para Har-loh que
traz um pequeno sorriso em seu rosto. É bom que ela tem um
amiga, que também está com kit. Ele vai relaxá-la. Eu sei que ela se preocupa. E então eu sinto vergonha e culpa que
minhas preocupações companheiro e eu não posso acalmá-la.
Mas Raahosh está esperando por mim, e por isso eu deixar de lado minha miséria. Se ele é filho de meu pai como
ele diz, ele vai querer ver seu lugar de descanso final. Com um último olhar para o meu amado companheiro, eu pegar
uma lança e cabeça para fora. Depois de um momento, o estranho me segue.

Somos parte em silêncio enquanto nos dirigimos para a praia. Fiel à sua palavra, porém, há outros estão nas
proximidades. Ninguém pára para conversar com a gente. É como se nós estamos sozinhos, embora eu saiba que muitos
maus estão esperando por perto, apenas sobre o próximo conjunto de falésias.
Então estamos diante de caverna do meu pai. Eu hesito por um momento. Este se sente muito ... pessoal.
Como se eu estou a ponto de expor meu mundo inteiro para este estranho que eu não sei, mas que compartilha
meu rosto. guerra pensamentos dentro de mim. Ele é um mau ... ainda meu irmão. Será que meu pai não quer
isso? Com um suspiro pesado, eu coloco a minha lança contra a parede do penhasco e agachar-se baixo para
entrar na caverna. “Venha”, digo Raahosh, minha voz áspera. Seja ou não ele escolhe seguir é até ele.

I rastejar no quarto pequeno e agachar-se ao lado da pilha de pedras que cobre os ossos do meu pai. Ainda
me lembro do dia em que arrastou seu corpo morto aqui, as longas horas que levou, as viagens intermináveis
​para coletar mais pedras porque o pensamento de catadores rasgando seus ossos era mais do que eu podia
suportar. Eu era apenas um kit-me, então, e completamente sozinho.

A tristeza daquele dia me enche e eu curvar minha cabeça. Meu pai.


Ouço um pequeno silvo de respiração e olhar para cima. Raahosh está lá, seu longo corpo dobrado para rastejar
para dentro da caverna perto de mim. Seu rosto cheio de cicatrizes é se virou para mim, e ele olha para o puro pilha,
ordenada de rochas que é o último lugar de descanso de nosso pai. Seu olhar se volta para o colar pendurado na
saliência da pedra, e tristeza matéria-vincos seu rosto.

“Foi da minha mãe,” Raahosh diz depois de um momento. “Nossa mãe. Lembro-me dele de colocá-lo em
volta do pescoço depois que ela morreu.”
Meu coração dói. “Eu não tenho lembranças dela.”
“O nome dela era Daya.” Há uma grosa em sua voz, e ele não vai olhar para mim. “Eu tenho muito poucas
lembranças de seu eu, só que sua barriga foi arredondado com você quando o pai levou-nos longe. Ela ressoou
para ele duas vezes. A primeira vez comigo, e, em seguida, cinco anos mais tarde, com você.”Seus filmes olhos
para mim. “Ela não ama nosso pai.”

Minhas sobrancelhas reunir. “Mas ... eles ressoou.” Eu acho que de Har-loh, seu ronronar peito sob o
meu. Isso me enche de alegria e contentamento. Eu não posso imaginar nada.

“Ela amava outro. Lembro-me que muito claramente. Ela não gostava de Vaashan.”Vaashan. Nome do pai.
As palavras de Raahosh encha-me com raiva, mas eu quero
ouvir mais. Ele sabe de coisas da minha família que eu não posso, e eu estou com fome de respostas. “Mas eu estou
aqui.”
“Ninguém pode negar ressonância,” Raahosh diz categoricamente. Ele chega para a frente e toca
uma das pedras sobre o túmulo do pai. “Hectares - o pai de Vektal e então chefe - decidiu que eles
devem ter o kit para o bem da tribo, mas que ela não tem que viver com ele. Ela poderia voltar ao seu
coração-mate “.
Minha boca se afina com o pensamento. Não admira que meu pai odiava por isso. Eles mantiveram sua companheira
dele.
“Nosso pai decidiu que não era uma resposta boa o suficiente para ele. Ele levou a mãe e eu com
ele em uma de suas caçadas ... e depois nunca a trouxe de volta. Ele só tomou seu mais e mais longe
da tribo. Não aqui.”Ele levanta a cabeça. “Eu me lembro do cheiro de sal. Mas ele manteve ela e
escondeu dela. Ela não era um caçador e não sabia o caminho de volta para a tribo. Lembro-me de
muitos dias e noites de seu choro. Mas o pai não iria mudar de idéia.”

Meu intestino sente como se uma pedra tem ali a noite.


“Então você nasceu, e a tensão entre eles pareciam desaparecer. Mãe estava contente pela primeira
vez, eu acho, desde que deixou a caverna. Ela amei. A sua pequena Maarukh. Lembro-me dela dizendo
que uma e outra vez. É uma das minhas últimas lembranças dela.”Seu olhar oscila afastado, de volta ao
seu colar. “ Sa-kohtsk são difíceis de trazer para baixo com seis caçadores. Imagine tentar derrubá-lo com
um homem, seu companheiro, e um menino.”Ele balança a cabeça e esfrega o queixo com uma mão.
“Mãe estava determinado a ajudar, porque ela sabia que se não conseguir um khui, você iria morrer. Eles
derrubadas, mas mamãe morreu na caça e eu foi atacado.”Sua mão toca seu rosto, a cicatriz profunda
abaixo do chifre quebrado. “Eu não me lembro muito depois disso. Apenas Pai me levando de volta para a
tribo para a cura e me deixando lá. Eu nunca entendi por que ele não fique comigo.”Seus lâminas olhos
para mim. "Agora eu sei. Ele me disse que estava morto, mas era uma mentira. Ele só não queria trazê-lo
de volta para a tribo. Comigo, ele não tinha escolha.”

Eu não sei o que dizer. Há muita raiva na voz de Raahosh. I pensar por um minuto, em silêncio. É
muito tranquilo à beira do leito rochoso do pai. “Ele levou tanto ódio para eles. Sempre."

Raahosh acena lentamente. “E ainda assim ele me deixou com eles e protegido você. Eu não sei por que
isso me irrita, mas ele faz. Você não é culpado."
Eu estou com raiva também, e intrigado por que motivo. Eu amava meu pai. Eu sentia falta dele
terrivelmente, mas depois de ouvir isso, eu estou cheio de confusão e ressentimento por ele. Ele nunca me falou
sobre Raahosh. Ele nunca me disse que ele tinha que forçar minha mãe para ficar com ele. Não sei mais o que
pensar.
“Quando ele morreu?” A voz de Raahosh é calma. “Fui à procura dele muitas temporadas mais tarde, mas não
havia mais nada em sua antiga caverna.”
Estou em silêncio por um longo momento, tentando imaginar qual caverna Raahosh visitado. Meu pai
tinha várias ele passou de época para época, e eu fiz o mesmo. É como eu evitado os maus por tanto
tempo enquanto no meu próprio. No entanto, eu encontrar sua admissão de que ele veio à caça de seu pai
... satisfatório. Eu gosto do pensamento deste homem nunca desistir de seu pai. É o que eu teria feito. "Eu
era jovem. Talvez ...”Eu tento pensar. “Sete estações. Houve uma caçada e ele foi ferido por uma
neve-gato. A ferida não cicatrizar de forma limpa e ele morreu de febre.”

O rosto de Raahosh torce com raiva. “Outra coisa que um curandeiro poderia ter evitado. Será que ele
quer morrer?”
Eu não tenho resposta. Agora que eu sei que existe um curandeiro, eu me pergunto isso mesmo. Depois de um
tempo, ele fala novamente. “Você ... estavam sozinhos aqui fora?”
I grunhir acordo. Sozinho por muito, muito tempo. O pensamento me deixa dolorido com mais vago
ressentimento e preocupação quando eu penso sobre o meu companheiro. Eu morreria se ela fosse me deixar.
“Quando eu descobri Har-loh, eu tinha esquecido muitas coisas. Ela me ensinou palavras novamente. Como
trabalhar o couro. Como fazer muitas coisas.”

Ele balança a cabeça lentamente. “Os seres humanos são inteligentes. Eles são macios e frágil, mas suas mentes
...”ele bate no lado da cabeça, em uma cicatriz. “Eles são como facas. Meu Leezh pode cortar com a língua.”Mas ele
sorri, como se satisfeito com o pensamento.
Har-loh me contou a história de como o seu povo chegou aqui. Eu não sei se eu acredito que tudo isso.
Parece incrível demais para ser verdade, mas a julgar pela reação deste homem, os seres humanos são novo e
diferente para os maus também.
Raahosh encara sepultura rochoso de nosso pai por mais um momento, em seguida, olha para mim. “É
... bom ter família novamente.”
Somos família? Para mim, ele ainda é um estranho. Har-Loh é o único que eu cuidar. Mas a presença
estranhamente familiar de Raahosh me faz sentir ... menos sozinho. Então, isso é algo.
Capítulo Oito
HARLOW

Eu sinto vontade de chorar como deixamos nossa caverna praia atrás. Eu fui tão feliz lá para o último ano, e me
sinto em casa, mais do que as cavernas tribais estamos viajando de volta para. Sinto-me responsável que nós
estamos tendo que tomar essa decisão, como a traição de meu corpo é de alguma forma uma escolha que eu fiz.

Se eu sou totalmente honesto comigo mesmo, uma pequena parte pequena, preocupado de me pergunta se meu
tumor cerebral está de volta. Se o meu khui não pode tirar o stress de segurá-lo na baía e ele está retornando, e é
por isso que eu estive tão doente. Eu não digo Rukh isso, ou Liz e Raahosh. Pode não ser nada, e Rukh só iria
preocupar interminavelmente. Meu cansaço e fraqueza só poderia ser bebê relacionados.

Mas ainda me preocupo.


A viagem é difícil. Rukh não vai deixar-me levar minha mochila, insistindo que ele pesa nada para ele. Ele
simplesmente ombros-lo e adiciona-lo para sua própria engrenagem substancial. Eu? Eu mal posso levantar
meus pés para colocar meus sapatos de neve. O pensamento de andar por três dias parece uma tentativa
impossível, tornou-se ainda mais difícil pela energia ilimitada de Liz. Ela está grávida por mais tempo do que eu,
mas ela mantém-se com os homens e até mesmo passos à frente, por vezes, para investigar faixas (algo que faz
Raahosh louco e superprotetora). Rukh aperta minha mão, e com ele ao meu lado, eu me sinto menos
sobrecarregado.

Ainda assim, não é muito antes de minha volta está enviando dores através de mim, minhas dores de barriga, e
eu não posso andar por mais tempo. A julgar pela colocação dos sóis gêmeos no céu leitoso, não é nem meio-dia
ainda.
Eu tenho que fazer três dias deste. Lágrimas de frustração começa a claro pelo meu rosto e eu
quero plantar meus pés no chão e dizer-lhes para ir em frente sem mim. A trilha frente é irregular e
montanhoso, e isso só vai piorar porque nós estamos indo para as montanhas em vez de deixá-los para
trás.
Meus passos vacilar na neve, e Rukh é imediatamente lá, colocando meus cotovelos. "Você está
bem?"
“Apenas cansado”, eu admito. “Podemos fazer uma pausa?”
Liz e Raahosh estão à nossa frente, e eu não perca os olhares que trocam. Eu não me importo. Não posso me mover
mais um passo sem fazer uma pausa. Minhas costas se sente como uma grande massa de músculos doloridos.

“Não tenho idéia melhor”, diz Rukh. Ele joga os nossos pacotes de seus ombros e no chão. Então,
ele me oscila em seus braços e me embala contra seu peito.
A pressão nas minhas costas alivia imediatamente como ele me aconchega-se contra ele.

“Você - você não pode me levar todo o caminho”, eu protesto. Ele é forte, mas eu sou uma menina sólida e eu estou
carregando um bebê. Não tem jeito.
“Eu não posso? Você é minha companheira “, diz ele em voz baixa. "Eu faria qualquer coisa por você."

Raahosh se move para o lado de Rukh e balança nossos pacotes de costas. Rukh me ajusta em seus braços, e
depois continuamos. Eu envolvo meus braços ao redor do pescoço de Rukh, preocupado que ele pode perder o foco
e me soltar. Mas, como ele avança resolutamente através da neve, eu relaxar.

E então eu desaparecer uma soneca, cansado demais para ficar acordado.

• • •

Os próximos dias são um borrão. Minhas costas e estômago sentir como agonia cru, e eu estou tão cansado e
miserável que eu não quero comer. Parece que cada vez que me viro, alguém está forçando um outro bocado de
carne seca em minha boca, até que eu estou amordaçando no gosto. Posso dizer-Liz e Rukh ambos estão
preocupados comigo, mas eu estou fazendo o melhor que posso.

Rukh me carrega o resto do primeiro dia, e então todo o segundo dia. No terceiro, eu tenho certeza que os
braços devem ser cólicas enquanto ele me carrega na frente dele, mas ele me embala como suavemente como
sempre contra seu peito. Eu cochilar, sentindo febril. A dor no meu lado é uma dor constante, e o bebê chuta e
empurra contra meus órgãos como se estivesse tentando reorganizá-los. Um de nós está cheio de energia, pelo
menos.
Em algum ponto, eu adormecer de novo, e quando eu acordar, o mundo está quieto. Tão quieto. , dedos
quentes suaves acariciar meu rosto, e outra mão está segurando a minha força. É escuro, e eu piscar, porque
não há vento no meu rosto. Onde estamos?
“Tenha calma”, diz a voz suave de uma mulher. “Eu vou falar com o seu khui.” Dazed, percebo que de
alguma forma conseguiu voltar para as cavernas tribais. É Maylak o curador falando, seus dedos traçando
minha testa. Quanto tempo eu estive inconsciente? Eu olho em volta e Rukh está lá ao meu lado, sua mão
segurando a minha força.

Bom, ele está aqui. Ele não me deixou. Dou-lhe um pequeno sorriso para que ele saiba que eu estou bem. “Eu
devo ter adormecido novamente. Eu estive fora muito tempo?”
“Um dia”, diz ele, e sua mão se flexiona na minha. Há uma tensão em sua voz que me fala de sua
preocupação. Um dia inteiro?
Eu quero dizer-lhe que estou bem, mas eu não me sinto bem. Estou tão exausto e desgastado. Minha
cabeça lateja e minha garganta dói. Na verdade, todos me dói. O bebê chuta novamente e um pouco de
tensão que eu tenho prendido dentro de mim libera -
aconteça o que acontecer, o bebê está bem. Nosso bebê.
Eu aperto a mão de Rukh. Isso não pode ser fácil para ele. “Eu amo você.” “Você é meu
coração”, diz ele densamente.
Sei quem eu sou. Eu sorrio para ele novamente, mas, em seguida, canção suave de Maylak começa e eu me sinto
um estranho ... excitação no meu peito. Não como ressonância. É outra coisa. Meu corpo inundações com o que se
sente como endorfinas e sinto-me ... bom. Apenas bom. Relaxado. Feliz.

“Rest,” Maylak diz em sua voz suave. As pontas dos dedos alisar as minhas pálpebras, garantindo que
fechá-las e obedecê-la. “Eu vou falar com o seu khui e curá-lo. Mas para agora? Você precisa descansar."

Resto soa bem, apesar do fato de que eu parecem estar fazendo um monte de dormir recentemente. “É o bebê?”
Murmuro. Eu tenho que saber antes que eu possa relaxar.
“Seu khui vai me dizer.”
“Enquanto você estiver lá verificar tudo”, eu digo, sonolento. “Você pode ter certeza de que está tudo
bem ... aqui em cima?” Eu toco minha testa. "Apenas no caso de? Nada estranho acontecendo?”

Seu riso é como uma chuva suave, que soa como um clichê. Mas ... ele se encaixa. Só de ouvir
isso me faz sentir aliviada e em paz. “Eu vou verificar tudo, eu prometo.”

Concordo com a cabeça e apertar a mão de Rukh novamente, relaxante. “Eu vou ficar bem, baby. Você vai ver.”E
então eu cair no sono, afundando novamente na escuridão. Em meus sonhos, eu estou segurando meu filho. Ele tem
chifres e rabo de Rukh, e meu cabelo avermelhado e sardas. Pobre criança. Eu não consigo parar de sorrir com o
pensamento, porém, porque o bebê está feliz e saudável e quando ele ri, ele se parece com o pai dele ...

RUKH

O curador cantarola baixinho enquanto seus dedos escova sobre a pele pálida de Har-loh. Ela parece estar calmo, feliz,
e tão à vontade que alguns de minha tensão se derrete. Eu não soltou a mão do meu companheiro, no entanto. Enquanto
eu tocá-la, um pouco do meu medo permanece na baía. Como Har-loh dorme, eu esfregar suavemente os nós dos dedos.
Eu quero tocar seu rosto, mas eu não quero ficar no caminho do curador enquanto ela trabalha.

“Seu khui não é familiar para mim.”


Eu olho para cima, surpreso ao ouvi-la falar. Mesmo enquanto suas mãos deslizar sobre Har-loh, fazendo
aparentemente nada em tudo, existem pequenas mudanças. Algumas das cavidades estão facilitando do rosto de
Har-Loh, a tensão em sua testa relaxante.
O curador me dá um sorriso gentil e coloca as mãos na barriga de Har-loh. “Eu sei que os
khuis de cada tribemate, mas você não cantar em um familiar
padrão para mim.”
“Eu não sou da sua tribo.”
Ela olha surpreendido ao ouvir que, com as mãos suavização sobre o disco, arredondado ventre de minha
companheira. "Não? Mas você parece Raahosh.”
“Nós compartilhamos um pai.”
“Mas você não reivindicar o tribo?” Sua voz é suave e maternal, por tudo o que ela poderia ser a mesma
idade que eu.
“Você não tem nada que eu quero.” Minha voz é um quase grunhido.
Ela ignora a raiva na minha resposta, imperturbável. “No entanto, você está aqui, pedindo-nos para curar o seu
companheiro.” Seus filmes olhos para mim. “Eu não julgo sua escolha. Estou apenas dizendo isso.”

I voltar ao silêncio. Se ela espera uma resposta de mim, ela não parece desapontado.

“Estou Maylak”, diz ela depois de um momento.


Eu não dou a ela o meu nome. Ainda não. Quando ela se inclina para frente para tocar o outro lado da barriga de
Har-loh, noto que o curador está grávida, também.
“Você está com kit?” Está todo mundo nessa tribo grávida? Leezh é, este é, e Raahosh me diz que o
companheiro de líder da tribo também está grávida.
“Eu sou, que eu sou a única que vai dar à luz um khui sa- puro-sangue. Todos os outros serão metade
humana e metade um do nosso povo.”Ela suspira e dá um tapinha sua barriga. “Eu invejo os seres humanos a
sua rapidez, no entanto. Eles não vão estar grávida quase tão longo como eu sou. Será que o seu Harlow não
tem muito mais tempo.”
Eu esfregar seus dedos novamente. "Não?"
“O kit é pequeno dentro dela, mas parece estar completamente formado.” Ela toca a barriga de Har- loh
suavemente. “Vai ser diferente, é claro. Os seres humanos são muito diferentes do nosso povo “.

Isso me preocupa. diferente como? Na natureza, os animais abater o 'diferente' do rebanho. Mas esta
mulher é um curandeiro, e ela saberia se meu kit vai ser muito 'diferente' para sobreviver. Meu peito sente
apertado, e leva tudo o que eu não tenho que esmagar a mão de Har-loh na minha. "Isso é ruim? Que o kit
é ... diferente?”
Ela balança a cabeça, e a pressão no meu peito facilita um pouco. “Os seres humanos têm diferentes pontos
fortes do que nós. Sou grato que eles estão aqui. Sem eles, tínhamos apenas quatro fêmeas. Eu não sei quanto
tempo poderíamos ter durado como uma tribo. Eles nos deram uma nova vida e nova esperança “.

Eu não me importo com as esperanças da tribo. Tudo o que eu quero saber é se o meu companheiro e meu kit estará
bem.
Suas mãos vibram sobre o estômago de Har-Loh, e depois o peito, e sua boca se afina em uma linha firme.

“O quê?” Eu rosnar, notando a expressão dela mudar.


Maylak puxa as mãos para trás e aperta-los na frente de sua barriga arredondada. “Sua khui é muito
cansado. É ter que trabalhar muito duro para mantê-la saudável.”
Ele não está fazendo um bom trabalho, então, porque o meu companheiro é mais frágil do que nunca. Eu seguro
sua mão com força e pressione-o para o meu peito, como se seu khui pode tomar força no meu. “Por causa do kit?”

Ela balança a cabeça lentamente. “Há algo mais que está lutando. Ambos ao mesmo tempo são quase
sobrecarregá-lo. Ela terá que ficar aqui, e ficar perto de mim para que minha khui pode reforçar a dela.”Sua mão
suaviza sobre a bochecha de Har-loh. Meu companheiro dorme, imperturbável. “Caso contrário, você corre o risco
tanto o seu kit e seu companheiro.”
Eu sabia disso, e ainda ouvir as palavras ditas em voz alta me enchem de medo. Para salvar meu companheiro,
devemos permanecer aqui com os maus. Meus tempos de corpo inteiro e eu lutar contra o sentimento de raiva e
impotência que sinto.
Vou fazer o que for preciso para manter Har-loh seguro. O que eu preciso não importa. Eu não vou fazer a escolha
que o meu pai fez e condenar meu companheiro, escondendo-la longe do mundo. Mesmo que eu não posso ficar aqui,
Har-loh obrigação.
Meu coração está pesado como eu pressionar minha boca para pequenos nódulos de Har-LOH. O curador vai voltar a
trabalhar no meu companheiro, seu fechamento olhos. Sua mente vai para dentro e ela se perde na sua cura, pressionando
suavemente em diferentes pontos no corpo de Har- Loh e cantarolando em sua garganta. Depois de um tempo, eu percebo
que não é Maylak que está cantarolando, mas ela khui si - uma canção diferente do que a ressonância, mas tão poderoso.
Uma canção de cura. Eu assisto ao lado de meu companheiro, não querendo deixá-la, até mesmo a levantar-se para o
alimento. Posso comer mais tarde. Por agora, eu vou cuidar de Har-loh.

“Você.” A voz é baixa, do sexo masculino. Desconhecido.


Eu viro minha cabeça e ver um grande macho que está na boca da caverna de Maylak. Seus chifres são
enormes e curling, seu cabelo escuro e pendurado em uma longa cauda. Ele veste um colete e calças, e cruza
os braços com a visão de mim.
"Nós precisamos conversar."
Eu olho-lo, mas não se movem. Eu não quero sair do lado de minha companheira. "Quem é Você?"

“Eu sou o chefe dessas pessoas.” Ele acena em Har-loh. “Incluindo-la.” Maylak quebra de seu canto
e lança um olhar frustrado em nossa direção. “Eu devo concentrar para curá-la.”

Os principais pontos para a caverna principal, esperando por mim para se juntar a ele. Eu olho para
trás em Har-loh.
“Ela não vai acordar por algum tempo,” Maylak diz suavemente. “Ela está seguro comigo.” Curiosamente, eu
confio esta fêmea, mesmo se ela tem a má escolha de viver com os maus. Depois de alguns momentos, eu libero
a mão de meu companheiro e subir para os meus pés. Eu olho para o curador, que tem sido bom para o meu
companheiro. “Meu nome é Rukh,” eu lhe dou.
“Welcome home, Rukh.”
Eu não corrigi-la. Eu não estou em casa. Viro-me e deixar a caverna do curador, sem pressa como eu talo
passado o estranho esperando por mim. Eu não sou um de seu povo e ele não pode me dar ordens. Ela puxa a
cortina sobre sua caverna se fechou atrás dela, nos fechando.

Como eu passo em frente para a caverna principal, a pura ... ocupado-ness ameaça me oprimir. Há pessoas em
toda parte. Isso não é nada como a nossa caverna tranquila à beira do lago de sal. Os seres humanos e sa-khui
sentar-se em pequenos grupos. Alguns estão comendo, alguns estão trabalhando em couros. Alguns sala por uma
piscina afundado no centro da caverna. Eles olham para nós quando nos aproximamos e minha pele prickles com a
tensão. É barulhento e lotado e terrível.

“Venha”, diz o chefe. “Vamos ter mais privacidade na minha caverna. Vamos conversar lá.”Ele caminha para a
frente e apanha um kit que corre passado, então lhe entrega fora de um homem nas proximidades. Ele não pára para
ver se eu estou seguindo como ele faz o seu caminho através da caverna ocupada e depois desaparece em uma
caverna menor.
I pode se juntar a ele ... ou eu posso ficar aqui com todas essas pessoas. Não há escolha, é claro. Eu
posso sentir a picada de uma dúzia de olhos em mim e eu cerrar os punhos, odiando como abrir me sinto.
Como exposto. I pato na caverna depois de o chefe e olhar ao redor.

A entrada é pequeno, mas a própria caverna se abre para um interior acolhedor. Algumas velas cintilar em bordas,
fornecendo luz, e uma mulher humana se senta em um banquinho osso, franzindo a testa para um pouco de leatherwork
em suas mãos.
“Georgie”, diz o chefe. “Eu preciso falar com Maarukh sozinho. Pode dar-nos alguns momentos, o meu
companheiro?”
Ela olha para nós e sopra um suspiro exasperado fora de sua boca. “Vektal, eu já costurados esta capa
estúpida em três vezes e eu não posso colocar minhas costuras em linha reta!” Ela joga de lado a pequena peça
de roupa e então seus balanços lábio inferior. Seu rosto amassa e ela começa a chorar, com o rosto enterrado
nas mãos.
O chefe - Vektal - me lança um olhar e então se move para a frente para se ajoelhar aos pés do seu
companheiro. Ele acalma as lágrimas com murmúrios e acaricia seu rosto carinhosamente. Eu tento não olhar
para ela. Ela é semelhante à minha Har-loh: mesma face plana, mesma pele pálida, mas este não tem sardas e
seu cabelo é um marrom desinteressante para laranja ardente de Har-loh.

Enquanto observo, Vektal pega o pequeno pedaço de couro e entrega para sua mulher novamente. Ela furtos em
suas bochechas e acenos, em seguida, começa a seus pés. Sua barriga está enorme, como Har-Loh, e ela
estremece e esfrega suas costas enquanto ela está. “Sinto muito”, ela me diz, e sua voz é acentuada como a de
quando ela diz as palavras sa-khui Har-loh. “É algo que nós, humanos, gostamos de chamar Hawr-gemidos.”

Eu resmungo. Har-loh também teve crises de choro para pequenas coisas. É o kit em sua
barriga que faz com que ela irracional.
“Eu não posso ficar?” As voltas humanos e dá a seu companheiro um olhar suplicante. “Eu vou ficar quieto.”

“Você é meu coração, Georgie, mas esta conversa não é para os seus ouvidos.” Ele se inclina e
pressiona um beijo em sua bochecha, e eles olham estranho juntos. O macho é enorme e musculoso, e sua
mulher é pequena contra ele. É que como Har-loh olha ao meu lado? É por isso que todo mundo é tão rápido
para tentar protegê-la?
O Georgie humana bufa de novo, mas ela pega sua costura e embaralha a frente. “Tudo bem, eu vou ter
Tiffany vai corrigir isso para mim. Vos amo, bay-bee. ”Ela me dá um sorriso rápido como ela pisa passado,
mesmo que seus olhos dizem que ela é curiosa.
Ela chama-lhe seu bay-bee. Har-loh me chama assim. Mais uma vez, estou atingido por uma onda de preocupação tão
grossa que me sufoca, e leva tudo o que tenho não correr de volta para a caverna do curador e empurrão meu companheiro
nos meus braços de forma protetora.
Vektal avança e squats pela fogueira. Ele aponta em frente. "Sentar."

Contemplo virar e sair. Este homem é o chefe dos maus. Meu pai teria desprezado. Eu
vê-lo, tentando decidir. Seu rosto é difícil e sua forma é feroz, mas me lembro do jeito
carinhoso ele beijou as lágrimas tolas de seu companheiro. Não fiz nada de menos de Har-loh
... e agora, eles são a cura dela.

Então eu sento em frente à fogueira. Meu corpo está tenso, apesar da homeyness alegre da caverna.
Há armas de caça bem organizados contra uma parede, ao lado de dois pares de sapatos de neve e um
manto. Há peles e cestas em cada polegada do espaço, e vejo uma pequena cama feita em um canto
para o próximo jogo. Este é um homem antecipando sua família.

Ele estará pronto para defendê-los a todo custo. I deve permanecer em guarda. Vektal levanta
o queixo para mim. “Seu nome é Maarukh?” “Isso é o que Raahosh diz.” “E quem é você?”

Ele sabe quem eu sou. Meus olhos estreita. "Eu nao sou ninguem."
Vektal esfrega o queixo, expressão pensativa. “Leezh me diz que Harlow não vai dizer como você
conheceu. Ela muda de assunto toda vez que ela é feita. Eu suponho que é porque não é uma boa história,
não é?”
Não digo nada.
“Você sabe que ela estava em uma missão de resgate para salvar dois homens doentes quando ela desapareceu? Meus
companheiros de tribo estavam com o coração partido, pensando que ela tinha morrido.”
Har-Loh disse-me pedaços de história. Ela temia que eles tinham morrido por causa dela. E, no entanto, porque
ela me ama, ela não vai compartilhar com ninguém a história de como eu bati na cabeça dela e roubou-a para
longe. Meu coração se enche de amor para o meu
companheiro. Isso só reforça a minha determinação de que ela deve ser seguro, não importa o quê.
“Na verdade, eles quase morreu. Um dos meus homens foi muito ferido.”Ele olha para mim, esperando por
uma resposta. “Eu suponho que você impediu Harlow de retornar, para que quase lhe custou a vida.”

Silêncio.
“E desde que Harlow está grávida, presumo que ressoou por ela. Isso aconteceu antes ou depois
de você roubou-la?”
Ele fala como se eu tivesse uma escolha. O momento que eu vi Har-loh, ela era minha. Era tão simples.

“Eu não estou satisfeito”, diz Vektal. “Você roubou dela e ressoou com ela. Pergunto-me se ela
teria ressoado a outra pessoa se você não teve? Você roubou a chance de ter uma família de um dos
homens desta tribo?”
Eu descubro meus dentes para ele. O pensamento de Har-loh ser tocado por outro homem ou carregando
seu kit? Isso me enche de raiva. Leva tudo o que não se lançar para a garganta de Vektal.

Nós olhamos um para o outro, eriçado com a tensão.


“Não me lembro muito do seu pai”, continua ele depois de um momento. Ela se sente como se estivesse
cuspindo as palavras para mim. “Só que o meu era responsável por seu exílio. Vaashan nos disse tudo o que
pereceram junto com sua companheira.”Ele me observa para ver a minha resposta. “Ele mentiu porque ele não
confia em nós.”
I permanecer em silêncio.
“Você está em silêncio?” Ele bufa. “Assim como Raahosh. Como se eu precisasse de vocês dois na tribo “.

Que persuade uma resposta de mim. “Eu ... não pretendo ficar.” Eu não posso. Sendo em torno dessas
pessoas faz minha pele arrepiar, mas o pensamento de deixar o meu amado Har-loh aqui? Isso me destrói.

“Você não pode levar Harlow,” Vektal diz, seu olhar curioso escurecimento a um de irritação. “Ela não está
bem. Eu não vou deixar você levá-la “.
Eu fico de pé. Ela é minha companheira. Não importa que suas palavras fazem sentido ou que coincide
com o que eu já decidiu. Ele está me dizendo que eu não posso tê-la. As palavras de Raahosh de meu pai e
círculo história da mãe em minha mente. Eles não iria deixá-lo ficar com ela, então ele roubou-a para longe e
ela morreu.
Isso não pode acontecer novamente. Isso não vai. Meus planos de trazer Har-loh ao curandeiro nunca foi
além 'ficar melhor'. O pensamento de que ela poderia ter que ficar aqui? Ele está me destruindo. Um rosnado
vem à minha boca.
Ele não decidir me separar do meu companheiro. Não é a sua escolha. Meus punhos apertam.

Vektal fica de pé, sua expressão ameaçadora.


“Yoohoo”, chama uma voz. “Knock Knock”. Um ser humano familiarizado com cabelo amarelo
varre. “Hey Vektal! Rukh. Estou interrompendo alguma coisa?”Liz vem e fica entre nós,
radiante como se ela não pisou entre dois homens furiosos.
“Agora não é o momento, Leezh.” A voz de Vektal é um grunhido irritado. “Na verdade, é o tempo”, diz ela,
totalmente destemido. Ela liga o braço dela na minha e sorri para o chefe. “Eu só fiz ensopado e pobres Rukh aqui não
tem comido durante todo o dia, ele tem sido tão preocupado sobre seu companheiro.” Ela dá um tapinha no meu
braço. “E Raahosh é querer passar algum tempo de qualidade com o seu irmão.”

“Leezh”, adverte Vektal.


"Oh vamos lá. Vocês não estavam falando de qualquer maneira, certo? Ele não vai a lugar nenhum, não com seu
companheiro na sala ao lado. Pelo menos deixe-me alimentar o homem!”
As narinas de Vektal incendiar.
Leezh não é cego para a tensão fervendo na sala. Por que ela está fingindo o contrário? Vektal
parece furioso e eu sei que estou tremendo de raiva com o pensamento de ele tomar o meu
companheiro longe de mim.
Ela é minha. Vou roubar o curador e trazê-la para a nossa caverna do mar, se for preciso, mas Har-loh é meu.

“Além disso,” Leezh acrescenta. “Georgie de chorar sobre sua costura novamente.” A expressão do homem muda
de raiva rochoso ao preocupação. Ele esfrega a testa e empurra passado nós.

“Lá vamos nós”, sussurra Leezh. “Problema resolvido.” “Sem


problema foi resolvido,” Eu rosnar para ela.
"Você esta brincando comigo? Se ele se transformou em um concurso balançando pau, você não estava indo
ganhar, amigo. Admiro a sua tenacidade e tudo, mas ele é o chefe e que ele diz vai. Agora, vamos lá. Estou
seriamente indo para alimentá-lo.”
Eu quero dizer a ela que eu não estou com fome, que eu quero voltar para o meu companheiro e sentar-se a seu
lado. Mas à medida que emergem do den do chefe, eu vejo cortina do healer ainda é puxado fechada, mantendo-nos
para fora. Ao vê-lo, toda a força me deixa. Minhas pernas se sente fraco e eu cambalear. Quanto tempo se passou
desde que eu dormi? Comi? Não me lembro.

Ela me dirige para a frente, em direção a outra caverna para o lado. No centro da caverna, eu vejo
companheira do chefe enxugando os olhos, e Vektal coloca os braços em volta dela. Ele segura-la perto e
acaricia o cabelo dela, e ela se enterra contra ele. O chefe parece cansado, preocupado, e confuso com sua
companheira de uma só vez.
“Hawr-gemidos gravidez”, sussurra Leezh. “Georgie tem 'em baaad. Pobre Vektal. Ela está fazendo o homem
louco por semanas agora.”Sua mão aperta meu braço. “Outra razão pela qual nós precisamos tirá-lo de lá. Não
queria que ninguém dizendo algo que se arrependeria mais tarde, quando todo o material do bebê não está em
jogo. Você pode vir pendurar para mim e fogo hoje à noite do Raahosh. Fiz uma cama extra com algumas peles de
reposição se o curandeiro permanece ocupado mais tempo do que esperamos “.
“Vou esperar para o meu companheiro”, eu digo, endireitando o meu corpo cansado. “O que você pode
fazer enquanto se come e dizer Olá para o seu irmão.” Eu vacilar. Minha necessidade de minhas
guerras acasalar com a minha exaustão.
“Isso é o que eu pensei,” Leezh diz, batendo no meu braço. “Você está irritado com mim agora, mas estou
apenas sendo uma boa irmã-de-lei. Agora vamos. Fiz um ensopado e você e Raahosh pode sentar-se pelo
fogo e brilho estoicamente um para o outro “.
Eu ronco. Raahosh estava certo - sua mulher tem uma língua que podiam esfolar a pele fora de uma
pena-fera.
“Quer você goste ou não”, Leezh diz que ela me leva para sua caverna. O ar é quente, com o cheiro de
cozinhar alimentos, e cheira como um dos pratos de Har-LOH. “Você precisa de família. E Raahosh e eu
estamos aqui para você.”
Capítulo Nove
RUKH

Apesar da minha exaustão, eu não consigo dormir. Meu corpo quente de Har-loh doce não está enrolado
contra mim, e em todos os lugares, há sons. Não os sons normais que invadem as horas da noite calma, mas
os sons de pessoas. Alguém tosse. Um homem ronca. Pessoas sussurrar. As peles farfalhar como Leezh e
Raahosh mover em torno de sua cama. Eles são todos pequenos ruídos, mas para mim, é um fluxo
interminável que define meus nervos na borda.

Essas pessoas nunca estão sozinhos. Há sempre alguém nas proximidades. Eu não posso imaginar uma vida, e
enche meu intestino com medo que estar com Har-loh, devo considerá-lo. Eu digo a mim mesmo que ela vale a pena,
mas cada vez que eu faço, outro som grelhas sobre meus nervos desgastados até que eu estou contorcendo e inquieto.

I saltar para cima das peles, incapazes de relaxar. Preciso ver minha companheira. Eu preciso saber que ela está
bem. Eu não posso suportar a idéia de ela chegar para mim e me não estar lá. Eu mover-se silenciosamente para fora
da caverna de Leezh e Raahosh e para a caverna principal, agora deserta. den do curador não é bloqueado, e eu
cabeça em direção a ela.
Quando eu pato dentro do den, a pequena zona é calma. Há um macho dormindo nas peles na parte de trás da cova,
mas o curador-se senta ao lado da cama de Har-loh. Uma criança é embalada em seus braços, e ela balança-o
suavemente enquanto ela cuida de minha companheira. Esta é uma boa mulher, este curandeiro.

Ela olha para a visão de mim e coloca os dedos à boca, uma indicação de calma. Eu passar para o
lado de meu companheiro e pegar a mão dela. Seus dedos são quentes e ela não parece tão frágil como
antes. I dar um suspiro de alívio.
“Ela é um pouco melhor agora”, sussurra Maylak. Sua mão alisa o cabelo da criança dormindo enrolado
contra seu ventre arredondado.
“Você tem meu agradecimento”, digo a ela. A exaustão que estava nos olhos de Har-LOH parece ter
transferido para o curador. Sem dúvida, a mulher está exausta de cuidar de meu companheiro durante todo o dia.

Ela balança a cabeça lentamente, e seu olhar se move para Har-loh. “Sua khui ainda é muito cansado.” Sua voz é tão
suave que eu mal posso ouvi-lo, e eu inclinar para a frente para que eu não perca uma palavra. “Seu corpo ... que não
estava fazendo bem antes que ela assumiu o khui. Ele teve que trabalhar duro para mantê-la saudável. Agora, com o bebê,
ele está lutando.”
Eu concordo. Ela me disse isso antes, mas não é menos aterrorizante para ouvi-lo uma segunda vez. "O que eu posso
fazer?"
“O kit provavelmente virá mais cedo”, diz ela, atingindo a mão como se quisesse
tocar estômago de Har-loh. “Seu corpo não pode fazer suficiente alimento para ele, e quando ele cresce com fome o
suficiente, ele vai procurar seu caminho para fora. Devemos estar prontos.”
Concordo com a cabeça lentamente. Então Har-loh deve ficar aqui, com o curador. E eu
devo ficar com ela.
Eu gentilmente acidente vascular cerebral mão de Har-loh, assim como Maylak chega a seus pés e se instala seu
filho em uma cama perto, então se arrasta nas peles ao lado de seu companheiro. Agora é só me com Har-Loh, e os
meus pensamentos ardentes. Sua khui luta para mantê-la bem. E se ela fosse se tornar ferido para fora em nossa
caverna do mar? Ou o que se repercutiu de novo? O curador-se carrega um kit em sua barriga e um em seus braços.

Se eu levá-la para longe daqui ... será sua morte.


O pensamento é agonia. E eu acho que de rosto duro de Vektal, e seu lembrete de que ele vai tomar as
decisões para Har-loh, mesmo que eles não são o que eu quero.
Para salvar meu companheiro, eu poderia perdê-la.
Eu seguro sua mão e escovar meus lábios contra sua pele, dores no pensamento. Minha vida não passava de
solidão diante dela. O pensamento de perder minha doce companheira?
Ele vai me destruir.

HARLOW

Um corpo grande, quente é enrolada ao meu lado quando eu acordar, e pela primeira vez no que parece uma
eternidade, o meu lado não doer. Abro os olhos e olhar para um teto estranho, em seguida, tocar em minha barriga
para ter certeza que meu bebê ainda está lá. Vibra sob o meu toque, me tranquilizando, e eu me viro para olhar para o
meu companheiro.
Rukh dorme, alheio ao fato de que estou acordado, e eu simplesmente olhar para ele, a imersão em sua
expressão dormir tranquilo. Seus dedos estão ligados com o meu, e ele está espremido contra a parede de
rocha, que não parece confortável. Enquanto isso, eu estou deitado em uma riqueza acolchoado de peles e sinto
muito bem. I mexer os dedos dos pés, sem vontade de se levantar e enfrentar o dia ainda.

Há um leve zumbido de vozes na distância, ao mesmo tempo familiar e ainda estranha. Tem sido um ano desde que
eu acordei para os sons sonolentos da tribo. Eles são tão estranhamente ... barulhento. Eu distraidamente apertar a mão
de Rukh. Não pode ser fácil para o meu pobre solitário para estar aqui. Sendo em torno de mim foi um choque para o seu
sistema. Sendo em torno de uma tribo de quarenta e alguma coisa? Deve ser fazendo-o louco. Eu me sinto uma pontada
de culpa infeliz com o pensamento.

Lábios acariciar meu ouvido, e eu sinto o toque de uma língua ridged contra minha orelha. “Você está
acordado”, Rukh diz, voz rouca e sonolenta.
Eu aconchegar mais perto dele - ou, pelo menos, tão perto quanto o meu corpo desajeitado permitirá. “Você dormiu
bem?”
"Não."
Sempre honesto, minha companheira. Heh. “Muitas pessoas ao redor?”
“Eles estão em toda parte”, diz ele densamente. Seus dedos acariciar minha bochecha. “Estou surpreso que eles
não tropeçar uns sobre os outros.”
Eu rio. “Não é tão ruim, mas eu vou estar pronto para voltar para a nossa casa em breve, eu imagino.”

Rukh é silenciosa. Ele beija meu templo e se levanta da cama. “Vou acordar o curador.”

“Não, eu estou bem”, eu protesto, mas Maylak já está levantando-se da cama do outro lado da den
acolhedor. Ela me dá um sorriso sonolento e ajusta seus couros em torno de seu corpo, alisando a colisão
rodada de sua barriga. É tão estranho vê-la um ano depois e ela não é mais grávida do que ela foi a última
vez que a vi. Espero, sinceramente, eu não levo meu bebê o total de três anos que a sa-khui fazer. Eu não
sei se vou ser capaz de suportar estar grávida e inchado por muito mais tempo.

“Como você se sente, Harlow?”, Pergunta Maylak.


Rukh reduz a um agachar ao lado de minha cama, como se me guardando. Eu mover-se para sentar-se, e meu
companheiro é imediatamente lá, organizando as peles e ajustar coisas para tentar e fazer-me mais confortável.
“Você precisa de mais amortecimento? Devo levá-lo mais peles?”

“Eu estou bem”, digo a ele. “Realmente.” O olhar preocupado não deixa seu rosto, e eu estou dividido
entre exasperação e simpatia. Isto é tudo novo para Rukh, eu me lembro. Ele não está familiarizado com a
situação cama de hospital.
Eu? Estou muito familiarizado com ele. Isso é diferente, no entanto. Digo a mim mesmo que assim como eu sentar-se
e dar o curador um sorriso corajoso.
A expressão de Maylak é relaxado como ela dobra as pernas e se senta ao meu lado. “Rukh, você sabe
da planta de folhas tri verde? Quando você esmagar as folhas, cheira falta, como três dias carne de idade.”

Ele lhe dá um breve aceno.


“Você poderia ter um pouco? Faz um forte chá que é bom para o kit, e é melhor tomar fresco da
planta. Há arbustos próximos.”O olhar do curador é direta como ela olha para baixo o meu companheiro.

Ele olha para mim, e, em seguida, chega a seus pés. “Eu estarei de volta em breve.” É em silêncio até que
ele sai da caverna, e depois Maylak se vira para mim. Sua expressão suave é desculpa. “O chá é bastante
horrível, devo avisá-lo, mas é benéfico.”

“Você não estava apenas tentando tirá-lo daqui para que ele não faria” Não há nenhuma palavra para pairar
na sua língua. “Um, estar no caminho?”
“Não é que, também”, diz Maylak. Sua mina de apertos de mão. “Será que a tribo precisa intervir?”
Eu pisco para ela, não sei o que ela quer dizer. Intervir com o quê? Então eu percebo o que ela significa -
eles precisam intervir e obter Rukh longe de mim? Eu suspiro e sacudir a minha mão da dela. "O que? Não!
Eu amor ele."
“Eu só queria ter certeza que esta era de sua escolha. Os machos não tendem a ver a razão quando
ressoar.”Ela sorri para tomar a picada fora de suas palavras. “Eu não queria ofendê-lo, mas eu tinha que
saber. O pai dele-"
“Eu sei sobre seu pai,” eu estalar, ainda se recuperando. Será que todos eles acham que isso é Síndrome
de Estocolmo louco? Isso porque Rukh é dedicado e se importando que ele está fodido o cérebro da minha
cabeça? Eu amo-o. Talvez eu tinha medo dele no início, mas isso foi porque ele não sabia como agir em torno
de pessoas. Ele está vindo de tão longe, e eu não poderia pedir um inteligente, bonito, companheiro inteligente
mais atento, pensativo, engraçado,. Eu sei que estou sendo rude com Maylak, que está exausto viu tentando
me curar, mas ainda estou ofendido. “Me desculpe se eu gritasse. Eu me sinto protetora com ele.”

Ela balança a cabeça e empurra os cobertores da minha barriga, todos os negócios mais uma vez. “Eu pensei
assim, mas eu tinha que perguntar. Às vezes é difícil dizer.”Seus dedos cutucar o lado do meu estômago, e ela olha
para mim. “Qualquer dor aqui hoje?”
Eu balancei minha cabeça. Pela primeira vez em que se sente como sempre, a dor lancinante no meu lado está
desaparecido. "Não. Isso é bom."
Ela balança a cabeça. “Seu filho é saudável, mas seu corpo se esforça para criar comida suficiente para
ele. Há uma ... coisa que o corpo cria quando um kit sai da mãe. Nós o chamamos de 'carne de vida'.”

Bem, isso parece grave. Estou crescendo um bebê e 'carne vida dentro de mim. “A placenta?”

“Não é nutrir seu kit como deveria. Seu filho vai vir mais cedo.”Minhas mãos ir para a minha barriga,
acariciando-a. “Isso é ruim?” “Não. Significa apenas que você estará conosco por um tempo mais
longo.”Eu relaxar. “Eu estou pronto para deixar de ser grávida.”

Maylak sorri, seus dentes afiados exibição. “Conheço bem esse sentimento. Mas para você, não vai ser muito
maior agora.”
Mal posso esperar.

• • •

A próxima semana se arrasta lentamente.


Eu durmo muito, graças ao bebê e cura de Maylak. Desde que eu estou confinado às cavernas, não há muito o que fazer
quando as pessoas não estão visitando. E uma vez que o meu companheiro é arisco em torno de todas estas pessoas, eu
faço um monte de tratar de espantar mesmo o mais bem intencionado dos visitantes.
Muita coisa mudou na tribo desde que estive aqui pela última vez. Eles dividido em duas cavernas, com
metade do grupo vivendo em uma rede de cavernas ao sul. Kira e Aehako estão lá, junto com um monte de
mulheres solteiras e homens. Tiffany, Josie e Claire são as únicas meninas que ainda não acasalaram, e
assim eles estão lá também. A principal caverna está cheio de casais grávidos, já que precisam estar perto
do curador.

Rukh e eu são feitas confortável em uma caverna que é usado para armazenamento de carne, e todo mundo
pára para nos trazer peles extra ou alimento adicional ou até mesmo roupas de bebê. Meu companheiro é
claramente desconfortável quando as pessoas chegam, e ele leva a gastar muito tempo com Raahosh, caça. Os
dois homens saem de madrugada todas as manhãs e sair para fornecer carne para a tribo. Rukh confessou-me
que ele se sente obrigado a Maylak por sua ajuda, e assim ele caça não só para nós, mas para ela e sua família.
Eu pessoalmente acho que um monte de que é alívio do estresse, e eu estou feliz que Raahosh vai com ele. Toda
vez Rukh desaparece, há uma preocupação persistente em minha mente que ele não vai voltar. Que ele só vai
andar e continuar, decidindo que a vida sozinho é menos de um aborrecimento do que uma companheira grávida e
as pessoas constantemente em seu rosto.

Pelo menos Raahosh está com ele. Liz vem todos os dias para me fazer companhia, resmungando que
agora que estou ligado caverna, ele quer que ela fique comigo. Ela acha que ele só quer que ela fique por perto
nas cavernas porque ele se preocupa que ela vai acabar como eu. Quero salientar que é provável que ela
nunca teve um tumor no cérebro, mas depois o meu segredo estaria fora, e eu não quero ser tratada
estranhamente pelos outros.

Aehako e Haeden parar do cavernas sul um dia, e estou muito feliz de ver ambos parecendo tão
saudável. Facilita a minha culpa persistente, especialmente quando Aehako me envolve em um abraço de
urso e me diz tudo sobre a gravidez de Kira e como eles estão felizes.

Os dias passam, e ainda o bebê não vem.


I começar a relaxar, porque eu estou me sentindo muito melhor. A dor lancinante sem fim em meu lado se foi e eu
não sinto mais esticado para os meus limites físicos. Eu suspeito que talvez meu filho não virá mais cedo depois de tudo.
Georgie de mais ao longo do que eu e ela não mostra sinais de que vai em trabalho de parto a qualquer momento em
breve.
Uma vez que existem tantos de nós grávida, que tendem a se reunir à beira da piscina de banho. A água
está aquecida de uma das muitas fontes termais de Não-Hoth, e se sente maravilhosa em meus pés
inchados. Estou feliz em ver que Marlene também sofre de pés inchados, e isso me faz sentir menos como
eu desenhei a extremidade curta da vara gravidez.

Hoje, várias das meninas humanos estão sentados ao redor da piscina. Parece um pouco cliquish, mas
então eu me lembro que há mulheres praticamente não sa-khui na
tribo. Há duas mulheres da nossa idade, e duas mulheres idosas. Ah, e Farli, que é o equivalente a Terra de um
pré-adolescente. Então eu acho que está tudo bem se amontoam.
Megan mantém-se o cinto de couro que ela está trançando. "Vejo? Você pensou ser um bandeirante não seria
acessível a todos. Quem diria que eu estaria usando habilidades macramé diariamente no futuro?”

Nora bufa e mexe os pés na água. “Quando você é feito com isso, tornar-me um. Eu sou todos os
polegares.”
“Você está?” Georgie chuta um pouco de água na direção de Nora. “Você viu minhas tentativas de
costura? I pode equilibrar um talão de cheques como ninguém e pode contar uma gaveta de dinheiro num
piscar de olhos. Mas merda astuto? Nem um pouco “.
Estou sentado ao lado de Megan, entre ela e Stacy. Ela está tentando nos mostrar como macramé couro
juntos em criações atados. Parece útil, e eu acho que as coisas que eu poderia fazer - um sling para
transportar o bebê, e saco de ombro de Rukh parece que ele está prestes a desmoronar é tão desgastado.
Inferno, talvez eu pudesse macramé um sutiã, porque agora? Meus seios doer como se não houvesse amanhã
e pulseira de couro eu uso ao redor deles tende a deslizar.

Liz fica nas proximidades, nitidez e resharpening as pontas de flechas de osso. Marlene com o grupo,
mas ela é calma, preferindo ouvir enquanto outros tagarelar. adormecido de Ariana em volta em sua
caverna, e os homens estão caçando para estocar. Última 'inverno' aparentemente limpa os armazéns
para fora e então eles estão trabalhando duro para garantir que todos tem o suficiente para comer para
este próximo inverno, quando a neve chegar tão alto que, por vezes, pode cobrir a entrada da caverna
inteiramente. Liz tem muitas histórias sobre as quantidades insanas de neve, e eles me fazer tremer. Foi
frio pelo mar, mas não tão fria como que.

Eu me concentro em trabalhar as cordas juntos como Megan me mostrou. “Eu tenho medo que você vai se
decepcionar”, digo a ela. “Eu não sou bom em coisas de artesanato, também. Cozinhar, sim. material mecânico? Sim.
Trabalhos manuais? Não."
Liz olha para isso. "Oh, eu esqueci. Seu pai era um mecânico, certo?”No meu aceno, ela continua.
“Kira disse que antes de desaparecer, você estava tentando montar alguns cortadores de pedra fora de
peças antigas do navio. Você acha que ainda poderia fazer isso? Cortar mais alguns cavernas? Os sul
são bons, mas eu sinto falta de ter Tiff e Josie e Kira e Claire aqui.”

“Talvez”, eu digo, torcendo minhas cordas de couro. Parece errado e eu imediatamente destorcer-los
novamente, frustrado. “Eu nunca cheguei a terminar as coisas de antes. Coisas ... aconteceu.”

“Sim, nós sabemos,” Nora entra na conversa. “Rukh aconteceu.” Morcegos


Georgie seu braço. “Seja legal.” “Isso foi bom!”

Georgie levanta o queixo para mim. “Falando de Rukh, têm vocês falou sobre
nomes de bebê?"
I fazer um nó com as cordas, e Megan imediatamente puxa-los de volta para fora das minhas mãos e
passa a refazê-las. Talvez eu só pedir Megan me fazer uma funda em vez de fazê-lo sozinho. Crafty, eu
não sou. “Nós realmente não tinha pensado sobre isso, não. Eu pensei que não haveria tempo de
sobra. E então, bem ... outras coisas aconteceu.”Outras coisas como Liz e Raahosh aparecendo, e eu
ficar doente, e e e ...

“Nós temos falado sobre isso por um tempo, e muitos de nós estão indo para ir a rota Brangelina”, diz Georgie.
“Combine os nossos nomes com nomes do nosso companheiro, uma vez que os bebês estão indo para ser o
primeiro de seu tipo.”
“Sim, seria um pouco estranho ter um filho com chifres correndo por aí chamado 'Joe' ou 'Billy' quando
todo mundo está nomeado coisas como Raahosh e Vektal,” Liz acrescenta.

“Assim como ... Georgie e Vektal seria ... Georgal? Ou Vektie?”Georgie faz uma cara. “Nós
temos um nome escolhido e não é tão ruim assim.”

"Oh vamos lá. Poderia ser pior.”Os lábios de Liz se contorcer. “Pode ser Raahosh e nomes de Vektal
estamos esmagou juntos. Seu filho poderia ser ... retal.”
Riso explode na caverna, e para os próximos minutos, nós rachar-se tentando fazer terríveis pares
de nomes. Liz brinca que seu filho vai ser chamado Ho-shiz e de Kira e Aehako chamada
rachadura-ho, e todos nós perdê-lo novamente.
“Pare, pare”, Nora suspiros, segurando seus lados e rindo loucamente. “Você vai me fazer xixi em
mim mesmo.”
“É fácil para você dizer:” Stacy cantarola, enxugando lágrimas de seus olhos. “Eu tive essa discussão com
Pashov noite passada quando estávamos na cama. Ele me disse que achava que o bebê deve ser chamado
Shovy. Para Stac-y e Pa-shov.”
“Shovy!” uivos Liz. “Oh Deus, isso é o pior!”
“Vocês ficar quieto!” Ariana fole em nós de sua caverna. “Eu tenho uma dor de cabeça fedorenta!”

Nós sóbrio, mas algumas risadinhas ainda escapar do grupo. Eu estou rindo tão difícil meu rosto dói. É
momentos como este que eu perdi enquanto ficar sozinha com Rukh. A caverna à beira-mar é calmo e lindo e
espaçoso ... mas é só, também.
Mas se as coisas não tivessem acontecido como eles fizeram, eu não teria meu Rukh e meu bebê a caminho. Eu
pat meu estômago e o bebê me chuta em resposta. Eu gosto de como as coisas aconteceram. “Então, como é Kira?”,
Pergunto. “Ela está na outra caverna, certo?”
Georgie balança a cabeça e esfrega a barriga distraído. "Ela é ótima. Ela é tão fedorento feliz
com Aehako. Você nunca viu alguém sorrir muito, realmente. É maravilhoso ver.”

Eu não sei Kira, bem como Georgie e Liz, mas eu estou contente de ouvir isso. "E
Claire?”
Nora franze o nariz. “Ela foi morar com aquele cara Bek agressivo.” “Oh, assim que
ressoou?”
“Não diga isso”, Nora me corrige. “Ele está tão determinado a tê-la como sua companheira que ele mudou-la
em qualquer forma. Ele é super mandona. Ninguém gosta dele.”
“Talvez ele é bom no saco”, Marlene entra na conversa. Stacy
irrompe nos risos novamente.
Marlene dá de ombros. “Talvez sim. Não é a pior razão para ter um companheiro.”O Georgie não parecia
tão convencido. Ela olha para mim novamente. “Tiffany está fazendo incrível, é claro. A última vez que a vi,
ela tinha três caras dançando a sua canção. Ela nunca pega um sobre o outro. Apenas permite que todos os
três deles prestar atenção a ela. Eles dar-lhe todos os tipos de presentes, também. Garota tem feito isso. Ela
não tem que caçar, não tem que fazer nada. Ela poderia ficar na cama o dia todo

- “‘Como Ariana’, sussurra Nora. Stacy

cotovelos dela.
“-Mas você sabe que não é como Tiff é é,” Georgie continua. “Eu juro que ela ama este desbaste-lo
merda. A última vez que visitou a caverna? Ela me disse que estava guardando seu xixi porque ela leu
em um livro que xixi fez um bom agente de couro de cura.”Ela franze o nariz.

“Lembre-me de não pedir a ela para me fazer qualquer roupa”, murmuro. Stacy ri
novamente.
Um grampo afiada atira para cima da minha barriga e eu mudar no lugar, desconfortável. Estou
acostumado a coisas cólicas e flexionando e ajustando com a gravidez, mas que foi particularmente
acentuada. Eu mal pagar a atenção para a conversa como Georgie fala sobre Josie, e como ela e
Haeden ainda se odeiam e é uma fonte de diversão para a tribo para vê-los brigar. Georgie me olha
como ela fala e eu sorrio, mas eu principalmente quero me levantar e sair desta cãibras.

"Bem?"
Olho para Georgie. Eu perdi o que estava dizendo. “Hmm?” “Eu perguntei se você estiver indo para ficar
com a tribo ou se você estiver indo para ir quando Rukh deixa?”

Encaro-a em estado de choque. “Ele está indo embora?”


Sua expressão cresce preocupado. “Ele disse Vektal que ele não iria ficar aqui.” Eu não sei o que
dizer. Rukh não discutiu nada comigo. Na verdade, cada vez que eu abrir quando vamos voltar para a
caverna à beira-mar, ele muda de assunto. Dread me enche. É ... é que ele vai me deixar para trás? Eu
pensei que ele me amava. “Eu não sei”, eu sussurro para Georgie.

Ela se estica e aperta minha mão. “Ele provavelmente só não surgiu.”


Não surgiu porque o meu companheiro de evitar a conversa. Eu aceno distraído e esfregue na cãibra na
minha barriga novamente.
Georgie recebe uma expressão estranha em seu rosto enquanto ela olha para mim. “Hey, Harlow?”

Oh Deus, e agora? “Sim?” “Eu acho


que sua água quebrou.”
Capítulo Dez
RUKH

Eu não vou parar de correr até eu voltar para as cavernas tribais. Não importa o que eu tenho que atravessa
colinas nevadas durante horas. Tudo o que importa é Har-loh. Eu não consigo parar de pensar da maneira doentia
meu intestino agitado como um dos caçadores com crista da encosta e foi direto para Raahosh e eu como nós
caçamos um rebanho dvisti. Ele assustou a nossa presa, e Raahosh rosnou para ele ... até que descobrimos a
razão pela qual ele havia perseguido-nos para baixo.

Har-loh está em trabalho de parto.


Raahosh ficou para trás com o caçador exausto, que tinha executado um longo caminho para encontrar-nos,
e eu corri de volta sozinho. Minha mente rasga através de todas as horas que se passaram desde que enviou o
corredor. É a minha Har-loh com dor? É o kit de bem? Alguma coisa dar errado que a levou a dar à luz hoje? Mil
preocupações esmagar-me até que eu não posso respirar.

Mas eu ainda correr para a frente.


Alívio atira através de mim quando o penhasco rochoso que abriga as cavernas tribais vem na vista. Eu correr
um pouco mais rápido, o fim em vista.
I derrapar na caverna poucos momentos depois, jogando de lado minha mochila. Há uma multidão de pessoas
rondando nas cavernas, mas eu ignorá-los, indo direto para minha caverna. As cortinas estão fechadas e Vektal
caminha do lado de fora, um olhar preocupado no rosto. I mover para a direita por ele e empurrar para minha
caverna.
Har-loh está lá, sentado sobre os cobertores. Georgie, companheiro do chefe, é ao seu lado,
segurando sua mão. Maylak está do outro lado dela, e sua expressão é tão calmo que alguns dos meu
pânico desaparece. No momento em Har-loh me vê, ela grita. “Rukh!” Ela solta a mão de Georgie e
chega para mim.
“Estou aqui, minha companheira.” Eu proponho a seu lado como Georgie se levanta, e eu escovo o cabelo
suado fora de sua testa lisa. "Está tudo bem."
Ela calças, e seus apertos de mão mina apertados, as unhas cavando minha pele. “Você é suado, também. Será que
você executar todo o caminho aqui?”
“Todo o caminho”, eu concordo.
Ela ri com isso, e seu riso se transforma em um gemido, um momento depois. Seu rosto scrunches e ela
aperta minha mão com tanta força que se sente como se ela irá tirar os ossos.

“O que está acontecendo?” Eu rosnar para o curador. “Por que ela está sofrendo?” Maylak franze a
testa para mim. “Isso é normal, Rukh.”
“Con-track-shuns,” Har-loh acrescenta entre calças. “Eles estão vindo muito rápido agora.”

Eu pressionar minha boca para a mão dela. “Como posso fazê-los parar?” Har-loh olha
para mim, confuso.
“Você está com dor,” eu explico. “Eu quero fazer isso parar.” “Então obtenha
este bay-bee fora de mim!”
Eu olho para o curador. “Como posso fazer isso?” Eu me sinto inútil.
Maylak apenas balança a cabeça. “O kit vai sair por conta própria. Basta segurar sua mão e apoiá-la. Isso é
tudo o que você pode fazer.”
Estou aliviado que não é algo que eu estou perdendo, mas, ao mesmo tempo, eu odeio que eu não
posso tirar a dor do meu companheiro. Ela sofreu tanto.
“A água, por favor?” Har-loh pede um momento depois.
Eu aceno e se esforçam para a minha água-pele, frenético. Está vazio, e eu tropeçar para fora da caverna,
procurando mais. “Água!” Eu abaixo a Vektal e Georgie, ainda nas proximidades.
Vektal silenciosamente me dá uma água-pele. É bom que ele não sorri, ou então eu poderia empurrá-lo. I
arrebatá-la de suas mãos e corrida de volta para dentro da caverna, desenho as cortinas fechadas.

Como eu passo para trás dentro, eu aviso que Maylak está ajudando Har-loh em uma posição de cócoras. Meu
companheiro está nu, noto pela primeira vez. “O que você está fazendo?”, Pergunto. Será que ela se levantar? Ela não pode
se levantar. Ela está tendo o nosso kit.
“A criança está vindo”, diz Maylak. “Ela está ficando na posição.” Eu assistir, impotente e segurando a água
da pele como os treinadores curador-la passar. O curandeiro esfrega palavras ombro e sussurra encorajando
do Har-LOH. Meus gemidos companheiro e como eu assistir, ela carrega para baixo, as mãos enrolando em
punhos contra o chão de pedra da caverna. Maylak move as peles entre as pernas de Har-LOH. "Está
chegando. Um grande impulso.”

Har-loh gritos, as cordas de sua exibição pescoço, e eu apertar a pele de água com tanta força em minha mão
que transborda. Ela soa como se ela está em tanta dor. Eu me sinto impotente ao vê-lo. I permanecem
congelados como o curador chega a entre as pernas dobradas é minha companheira e puxa algo livre.

Um momento depois, um kit clama, o Overloud lamento em nossa caverna. calças Har-LOH e risos,
lágrimas escorrendo pelo rosto. Ela olha para mim, exausto e feliz ao mesmo tempo.

Maylak corta o cordão, envolve a criança em peles e depois prende-lo para mim. “Tome seu filho,
enquanto a mãe e eu terminar.”
Meu filho?
Eu passo à frente, dormentes, e soltar a pele água. A criança é empurrado para os braços um momento mais
tarde e, em seguida, Maylak se volta para Harloh. Eu olho para baixo no pacote eu segurar.
É tão ... pequena. Tão pequeno. O rosto é pequeno e amassado, a testa com dois pequenos botões
que um dia se tornará chifres. Seu nariz é pequeno e suave como Har-loh do, mas sua testa mantém
vestígios dos cumes que mina faz. E ele é, um azul pálido pálido, uma cor entre minha pele e meu doce
Har-loh do. Ele é careca, e eu sou rasgado entre o pensar que ele é o mais feio criatura, mais fraco que
eu já vi ... eo mais maravilhoso.

I desembrulhar-lo, porque eu tenho que ver tudo dele. Eu tenho que saber que ele está bem, ele está saudável ... ele é
tão pequeno. No momento em que desembrulhar-lo, ele começa a chorar ainda mais alto. Eu olho para baixo em seu corpo
minúsculo. pernas magras mangual, e seus pequenos filmes de cauda com raiva. O cabo de corte continua a sangrar, mole
contra a barriga arredondada. Seus braços chegar como se estivesse procurando alguma coisa, e eu dou-lhe o meu dedo
para agarrar. Ele agarra-lo e eu notar sua aderência é de três dedos, como o meu. Mesmo seu pequeno galo tem um
esporão.

Meu filho.
I pegar um vislumbre de seus olhos, fendas enrugadas que amassar como ele geme. Eles são escuros, nenhuma
faísca azul da vida em si. Isso me preocupa. Seu tamanho me preocupa também. Ele é tão pequeno que cabe na palma
da minha mão. Estou impressionado com ele, mas estou apavorada. Meu Har-loh trouxe esta pequena vida a existir e
agora tenho de garantir que ele é seguro e bem alimentados. Uma onda feroz de poços protecionismo dentro de mim, e
eu embrulhar o bebê firmemente nas peles novamente e segurá-lo para o meu peito.

Eu faria qualquer coisa por ele. Qualquer coisa. Estou embargada pela emoção. Desamparo, alegria, medo e
guerra felicidade absoluta dentro de mim. É assim que meu pai sentia pelo meu nascimento? Como se ele iria
destruir qualquer coisa que veio entre ele e seu filho?

É por isso que ele lutou com tanta força para me manter longe dos outros? Mas ... então por entregar Raahosh a
eles? Pela primeira vez, eu realmente compreender sentimentos de traição e mágoa do Raahosh. Eu prendo meu
filho perto de meu peito e silenciosamente prometo que vou fazer o que for preciso para garantir a sua felicidade.

Har-loh geme novamente, e quando eu olhar para cima, ela está mentindo para baixo nas peles. Maylak é
calmamente dobrando-se a pele de parto num feixe vizinha. Har-loh sorri para mim, cansado e suado. "Posso
vê-lo? ele é saudável?”
“Ele é ... maravilhoso”, eu digo a ela, e minha voz pega na minha garganta. “Ele é uma mistura de ambos,
você e eu.”
Ela tem os braços para fora, e eu ajoelhar para entregá-la suavemente meu filho. Nosso filho. Nossa criança. Meu
coração transborda de emoção. Nunca me senti tão contente ... e tão completamente com medo de que tudo vai ser
arrancado de mim.
Os olhos de Har-LOH alargar ao vê-lo, e então ela começa a chorar. “Ele é tão bonito.”

Eu rio. "Não ele não é. Ele é enrugada.”


Ela morcegos meu braço, mas não olhar para cima a partir do kit. "Cale-se. Pensei que ele tem cabelo
vermelho. Você pode imaginar um bebê azul com o cabelo vermelho? Horrível. Mas ele é perfeito.”Sua mão
suaviza sobre a cabeça pequena, as minúsculas protuberâncias chifre, seu nariz, sua bochecha. Em resposta ao
seu toque, o bebê vira o rosto para o peito. Ela se encaixa-lo lá contra ela, e mais lágrimas caírem pelo rosto
enquanto o bebê começa a chupar. A boca pequena se encaixa contra o mamilo eo bebê acalma.

Eu podia vê-los para sempre.


“Tome isso”, Maylak diz, e me entrega o pacote das peles de parto. “Vá e enterrar esta tão longe da
caverna como você pode.”
Concordo com a cabeça e olhar para o meu companheiro. O olhar de Har-loh como ela me olha está
preocupado. "O que é isso?"
“Será que você ... você vai voltar?” Lágrimas frescas derramar de seus olhos. “Para nós?” A dor em sua voz é
como uma faca no meu intestino. Por que ela duvida de mim? Como ela pode pensar que eu iria abandoná-la e
meu filho - meu filho - neste momento?
Mas então eu me lembro Vektal esperando lá fora na caverna principal. E eu me lembro que meu
Har-loh deve ficar aqui se ela é para ser saudável. E a minha felicidade é esmagado. Se eu ficar aqui com
eles, eu estarei indo contra tudo o que meu pai me ensinou. E ainda, como posso abandoná-los? Eles são
meu coração, mais do que o khui que vibra no meu peito sempre que ela está perto.

Concordo com a cabeça lentamente. “Eu vou voltar.” Eu quero dizer mais, mas há tanta preocupação e emoção nas
grandes olhos de Har-LOH que eu não posso falar. Aperto o feixe de peles ensanguentadas contra meu peito e sair da
caverna. Falaremos mais quando eu posso pensar com clareza.

Vektal está esperando o momento em que eu sair da caverna. I perseguir por ele, não querendo falar, mas ele caminha
ao lado de mim como eu sair da caverna.
“Bem?” Ele diz que quando eu permanecer em silêncio e partir para a neve. “É saudável?”

Eu concordo. Por alguma razão, eu estou contente sua primeira pergunta é perguntar sobre a saúde da criança.

Ele exala em relevo e bate no meu ombro como se fôssemos amigos. I endurecer, mas não dizem nada. Har-loh deve
permanecer com essas pessoas, não importa o quê, então eu não posso rosnar para ele.

“E Harlow? ela está bem “‘Ela está cansada,


mas bem.’‘A criança -? um feminino masculino
ou’‘masculino’.?

Ele resmunga. “Será que olhar como os seres humanos fazem?”


Penso no kit. Eu o segurei em meus braços por apenas alguns segundos, e já quero correr de
volta lá e segurá-lo novamente. Quero olhar e contar os dedos
e dedos dos pés e verifique-o mais uma vez para assegurar sim, ele é todo. “Parece que tanto eu e Har-Loh.” Faço uma
pausa e, em seguida, lembre-se o tamanho da criança, que não é maior do que a minha mão. "Isso é muito pequeno.
Muito pequeno."
E seus olhos são escuros.
Vektal faz um som preocupado. “Vamos precisar de obter uma khui dentro dele em breve. Agora ele é
frágil sem ele para protegê-lo.”
Eu engulo em seco e aceno. Eu nem sequer pensei nisso, mas ele está certo. O bebê vai precisar de um
khui ou ele vai enfraquecer e morrer dentro de dias. garras de terror para mim. Minha mãe morreu em uma
caça khui logo depois que nasci. E se eu não pode derrubar um sa-kohtsk por mim?

Eu preciso da tribo para ajudar. Eu não posso fazer isso sozinho. Har-loh é incrivelmente fraco e eu não posso pedir a ela
para me ajudar a caçar um. Ela precisa de descanso, não uma caçada.
Não pela primeira vez, estou cheio de raiva impotente em direção ao meu pai morto. Como ele
poderia fazer tal coisa da minha mãe, doce de dar à luz a mim? Era seu orgulho tão grande que ele
não queria ter nada a ver com a tribo e assim ele arriscou sua vida? eles são tão terrível? Estou
ainda ser enganado por sua utilidade?

Vektal bate uma mão nas minhas costas novamente. “Vou enviar os caçadores mais rápidos para acompanhar um dos
sa-kohtsk.”
Os gigantes de serração de madeira pode ser qualquer lugar. Eu paro e olho para o chefe. “E o meu companheiro
e kit? Como eles vão chegar lá? Har-loh é fraco demais para andar “.
Ele balança a cabeça como se esperasse isso. “Raahosh tem um trenó que ele usa durante suas caçadas com Leezh.
Vamos usar isso para realizar Har-loh ea criança com a gente.”
O que eu faria sem a ajuda da tribo? Mesmo que eu não gosto Vektal, ele está colocando vidas de
seu povo na linha para mim e Har-loh ajudar.
Eu não sei mais o que pensar. Tudo o que sei é que tenho de enterrar meu pacote rapidamente e voltar para o
lado de minha companheira.

HARLOW

Eu dormir por algumas horas, meus sonhos irregular e estranho. Eu acordei ao som de um bebê chorando, e
leva um momento de desorientação - eo vazamento dos meus seios - para me lembrar que ele é meu filho. Oh.
Sento-me e chegar na cesta ao lado da minha cama, puxando o meu bebê em meus braços. O envoltório de
couro na parte inferior está molhado, então eu mudar isso, desejando fervorosamente para fraldas descartáveis.
Eu vou ter para se tornar um verdadeiro especialista em limpando couro, suponho. Eu puxar o bebê em meus
braços e guarde-o contra meu peito.

A boquinha rosebud procura imediatamente meu mamilo e ele travas.


Deus, ele é tão bonito. Eu vê-lo enfermeira, espantado e oprimido. Ele parece Rukh, mas não é o
suficiente dos meus recursos lá também. A mistura de aparência alienígena de Rukh com meu um
ser humano deve criar uma mistura feio, mas o bebê é lindo e eu sinto que ele vai ser ainda mais
bonito do que qualquer criança que eu já vi. Claro, isso pode ser o Mama orgulhoso em me falar.

A única coisa que me preocupa é o seu tamanho. Ele não é um bebê rechonchudo. Ele é muito tempo, mas suas
pernas são magras e sua barriga deve ser mais arredondado. Ele pára de comer muito cedo, e cochila voltar a dormir, e
eu quero acordá-lo e fazê-lo beber mais. Eu me preocupo que ele não está recebendo o suficiente.

A cortina de couro sobre as peças entrada da caverna, e Rukh entra, parecendo alto e bonito e tão
maravilhoso que todo o meu corpo dói com amor. Ele tem um pequeno prato de guisado de Liz com ele, e uma
pele de água. Eu estou com fome, mas eu não estou pronto para deixar de ir ao bebê ainda. Eu paro meus
dedos sobre sua cabeça minúscula. Há um leve para baixo, mas é muito claro para ver que cor será. Espero que
ele tem, cabelo preto da Rukh lindo de espessura em vez do meu cabelo vermelho limp. Na verdade, se ele
parecia cem por cento como o pai, eu estaria no céu.

“Você está chorando”, Rukh Unidos depois de um momento. “Você está machucando?” Eu sofro todo e certas
partes de mim não me sinto ótimo pós-nascimento, mas eu não dei-lhe um segundo pensamento. Há um bebê doce
pequeno ocupando cada pedacinho da minha atenção. “Am I?” Eu escovar a parte de trás da minha mão sobre meu
rosto e com certeza, eu estou chorando. “É só emoção, eu acho. Eu ... nunca pensei que teria tudo isso.”Eu olho para
ele, e perceber que é verdade. Eu nunca pensei que eu teria um companheiro maravilhoso que eu e um bebê adora.
Uma família. Qualquer coisa. Antes dos alienígenas me agarrou para sua nave espacial? Os meus dias estavam
contados.

“Por causa do problema com a sua cabeça?” Eu ainda com as


palavras dele. "Minha cabeça?"
Ele balança a cabeça lentamente, o olhar fixo em mim. “O curandeiro disse que seu khui trabalha duro por causa
de um problema passado em sua cabeça. Que é uma razão pela qual você lutou com carregando o kit. Seu khui
estava cansado.”
Oh. Concordo com a cabeça lentamente e AVC meus dedos pela bochecha de dormir do bebê. I manter
minha voz baixa e modulada para que ele possa dormir. “Havia algo em crescimento contra o meu cérebro que
não deveria ter estado lá. Ele ia me matar dentro de alguns meses. Eu era terminal. Eu não tinha esperança.”

"Você nunca me contou."


“Quando eu falei com o navio do antepassado, ele disse que eu estava curado. Eu não acho que vai continuar a
ser um problema.”Eu manter acariciando rosto macio do meu bebê. Claro, eu também não acho que eu me tornei
uma mãe.
“Isto significa que você deve ficar aqui, Har-Loh.” Sua voz é suave e agonizante. “Eu não posso levá-lo
embora, não quando você deve estar perto do curador. E se o seu
khui se cansa de novo?”
“Oh.” Eu acho que da nossa caverna à beira-mar e eu sou um pouco triste. Eu gostava de lá, mas nossa
caverna atual é acolhedor e há tantas pessoas ao redor para ajudar. “Mas eu pensei que você não gosta daqui,
Rukh.”
Ele é silencioso.
A preocupação horrível rói na minha barriga e eu me lembro o que Georgie disse. “Você não está
pensando em ficar, não é?” Eu sussurro.
O olhar Rukh me dá é agonizante. “O pensamento de deixar você e nosso filho lágrimas me distante.”

“Mas você ainda está considerando.” As palavras que saem de mim são amargo, ferido.

“Se eu sei que vocês dois são seguros ... talvez eu possa suportá-lo então. Tudo o que sei é que se eu tirar você
de mim novamente, eu estou destruindo você.”
“O pensamento de você deixando-me destrói também, Rukh. São essas pessoas tão ruim assim?”

“Eles não são o meu povo.”


“Eles não são a minha também!” Eu gesto na minha, pele sardenta pálido e cabelo vermelho. “Você acha que
eu escolhi para aparecer aqui? Eu não! Mas essas pessoas são boas, atenciosa pessoas. Poderíamos ter uma
vida boa aqui! Juntos!"
Ele abaixa a cabeça. “As únicas lembranças que me restam do meu pai são dele e suas palavras
de cautela. Me dizendo para ficar longe dos maus. Que eles vão me destruir.”

“Mas ele está morto e eu estou aqui agora.” Eu manter o nosso filho para ele. “Nosso bebê está aqui agora. Como você
pode nos deixar?”
“Eu não quero.” Ele se move para frente e toma o bebê em seus braços, e eu vejo o amor em seu rosto
áspero. Quebra meu coração de novo. A nossa família é tão perfeito
- por que ele não vê isso? “Mas se eu ficar, isso significa que meu pai morreu para nada?”

Sei que ele está ligado a seu pai. Eu sei que suas memórias dele são as únicas lembranças que ele
tem de ninguém. Claro que ele é incrivelmente emocional sobre eles. Mas quanto a mim? Nossa criança?
Eu quero gritar um protesto. É claro que Rukh de guerra com seus próprios demônios internos. Ele se
aproxima de mim e se enrola ao meu lado nas peles, e nós abraçar, observando o sono do bebê.

“Tudo em mim, tudo o que eu sou”, murmura Rukh. “Ele me diz que eu deveria estar aqui, com você.
Cuidar de você e meu filho. Mas quando eu fecho meus olhos, eu vejo cara de brava do meu pai. E eu
me pergunto quanto tempo será antes que alguém nos puxa para além como meu pai e minha mãe.
Para viver aqui e não tem você? Que irá destruir-me mais do que deixar.”

I Nestlé minha cabeça em seu ombro, meu coração doer. Ele não confia estes
pessoas para não machucá-lo, não para destruir sua felicidade frágil. Entendi.
Mas em algum momento, ele vai ter que confiar, porque eu não sei o que vou fazer se eu perdê-lo.
Capítulo Onze
HARLOW

No dia seguinte, um dos caçadores retorna com a notícia de que ele encontrou um pequeno rebanho de
sa-kohtsk, sete no total. Um deles é um kit. É isso que irá fornecer o khui para minha pequena criança. Eu me
preocupo a cada vez que ele deriva para dormir, porque ele não é próspera. Ainda não. Eu acho que o veneno
no ar, e estou desesperado para obter um khui dentro dele. Eu quero ouvi-lo gritar com força, não com um fraco
gemido, débil.

Preocupa-me que ele não vai ter muitos mais dias à esquerda.
Porque eu ainda estou recuperando do nascimento, eles carregam um trenó - normalmente usado para
transportar carne - com peles e almofadas, e para o bebê e eu são resolvidos para ele como os readies grupo de
caça. Liz é ao meu lado, praticamente pulando com antecipação enquanto os homens passam por verificações de
armas de última hora. Ela flexiona as mãos. “Posso segurá-lo? Por favor?"

Mesmo que cada polegada de mim quer agarrar o bebê e enfiar meu peito em sua boca de novo na
esperança de que ele vai alimentar um pouco mais, eu relutantemente parte com o meu pacote. Ela o leva em
seus braços e sua expressão suaviza com prazer. “Oh meu Deus, ele é o mais bonito.”

Sinto um rubor quente de orgulho maternal naquele. "Ele é."


“Olhe para aqueles chifres teensy! E os cumes weeny testa pequenino!”Sua voz se transforma em uma
coo. “Você é apenas o mais precioso, não é?”
O bebê chora, fraca e desanimada.
Eu mantenho meus braços, meus seios iniciado automaticamente a vazar, e abrir a minha envoltório para alimentá-lo.
“Ele não é tão forte como ele deve ser”, digo Liz quando ela entrega-lo de volta. "Eu estou tão preocupado."

“A correção cootie'll esse direito”, ela me assegurou, batendo o arco pendurada no ombro. “Será que
vocês decidir sobre um nome?”
Eu aceno, satisfeito quando o bebê se agarra meu peito e começa a se alimentar com fome. Cada refeição se
sente como um sucesso. “Nós tomamos as primeiras partes de ambos os nossos nomes e veio com Rukhar.”

"Oh eu gosto disso!"


“Eu também.” Parece que um grande, nome forte para um bebê tal, magro, mas ele vai crescer dentro dela.

“Eu me pergunto o que a minha vai ficar.” Liz acaricia seu estômago com ar sonhador. “Bigger, imagino”,
eu digo, e tente não ter inveja do pensamento. Não é
culpa de Rukhar ele é cedo e minúscula. Meu corpo simplesmente não conseguia lidar nutrir-lo por muito mais tempo.
Sinto-me como um pouco de um fracasso nisso.
Mas então Rukh vem para o meu lado e toca minha bochecha, e isso não importa. Nós vamos buscar o
nosso bebê um khui, e vai consertá-lo.
Como ele me fixa.

• • •

Nós viajamos para mais de um dia. Rukh puxa meu trenó e os outros caçadores de manter o ritmo com nós, embora
eu sei que eles podem ir muito mais rápido. Liz caminha ao meu lado, conversando minha orelha fora e segurando o bebê
sempre que eu deixá-la. Eu entrego-lo mais frequentemente como o dia passa, porque mesmo apenas andando no trenó é
desgastante, e 'tia' Liz está ansioso para entrar em sua parcela de tempo do bebê. Eu cochilar irregularmente, e meus
sonhos são aqueles terríveis cheias de preocupação e medo.

O baque lento e posterior agitação do solo é o que me acorda. Sento-me no meu trenó como outro
baque rochas do mundo, e percebemos que parei. É crepúsculo, os sóis desaparecendo nos céus
arroxeadas.
“Found 'em”, sussurra a Liz.
Ao longe, na linha de árvore, eu vejo algumas das enormes cabeças do kohtsk sa-. Uma pasta nas
pontas de penas de uma das árvores-de-rosa. Outra divaga lentamente passado, as batidas de seus
pés sacudindo a terra. Eles são enormes, cada um do tamanho de um avião, e eu me preocupo mais
uma vez. Eu os vi antes, mas eu esqueci como eles são grandes. Eles são herbívoros, mas o seu
tamanho e força os torna perigosos.

Raahosh se volta para os caçadores, e seus filmes olhos para Liz. “Nós vamos círculo, olhar para o pequeno. Se
nós pode ferir-lo, podemos separá-lo do rebanho. Se não, podemos tentar executá-lo para baixo, encurralá-lo.”Ele
acena para Rukh. "Você está pronto?"
Rukh deixa de ir a puxar trenó e olha para mim. Quero protestar que ele não precisa ir, mas ele
tem que. Isto é para o nosso bebê.
Liz me entrega Rukhar e eu agarrar-lo perto. “Você não quer Rukh para ficar com seu companheiro?”,
Pergunta Liz.
“Rukh é forte e rápido. Nós precisamos dele “, diz Raahosh. Seu olhar fixa em Liz. “Você vai ficar com
ela.”
“Você está deixando de lado as vaginas?” Fole Liz. “O foda, baby?” “Você não pode correr, meu
companheiro.” Ele se move para a frente para ela e dá um tapinha seu estômago, mesmo que ela tenta
golpear a mão. “Você é um tiro excelente, mas você não precisa correr com os caçadores de usar seu arco.”
Ele beija sua testa. “Guarda-la.”

Liz resmunga, mas não diz nada. Olho para Rukh e ele
toca meu rosto, em seguida, junta-se aos outros. Eu te amo, Eu penso calmamente. Fique seguro.
É impossível não pensar sobre a caça que matou sua mãe e seu irmão mutilado. A julgar
pelas expressões tensas em ambos Rukh e Raahosh, eu não sou o único a pensar sobre isso.

Os homens derreter as árvores poucos momentos depois, e então é só eu e Liz sentada na neve.
Rukhar solta um pequeno gemido e eu dobrá-lo automaticamente sob minha túnica de estilo poncho e
oferecer-lhe o meu peito.
“Bem”, Liz diz, e agarra a liderança no meu trenó. “Vamos ver se podemos obter um assento à margem, eu
acho, e espero que para um bom show.”
Eu não me importo se o show é bom. Eu só quero salvar meu bebê e ter meu companheiro de voltar para mim
em uma peça.

RUKH

Raahosh tenha feito isso antes, os outros me dizem. Quando pouco Esha do Maylak nasceu, quando as
mulheres receberam a sua khui, e antes, quando Farli nasceu muitas, muitas estações de volta. Mas cada um
caça é igualmente perigoso, e alguns dos caçadores estavam fora nas trilhas de jogo e não podíamos esperar
para que elas voltem. Todos os dias é outro que coloca Rukhar em risco, por isso deve ser agora, e isso deve
ser este rebanho.

Nós nos aproximamos. Há seis homens fortes. Eu não sei todos os seus nomes, e por algum motivo, que
me envergonha. Todos eles arriscam suas vidas para o meu filho para ter uma chance em sua. Esta
realização passa pela minha mente uma e outra vez. Meu próprio irmão lidera o grupo, sua lança na mão,
um 'arco' como o Leezh carrega amarrado sobre um ombro.

O rebanho sa-kohtsk é temível de perto. As criaturas têm enormes bocas que gape aberto como suas
cabeças balançar para trás e para frente, peneirando o ar. Existem vários adultos, cada um tão grande
que um pé pode esmagar um homem adulto. No centro do rebanho, o kit está perto de sua mãe. É
apenas metade do tamanho das outras, e é nosso alvo.

Raahosh pára, e, como os caçadores se reúnem, ele gesticula no kit. “Eu tenho uma chance clara de que a partir daqui.
Nós podemos ferir-lo, então debandada do rebanho. Ele vai ser deixado para trás.”Ele faz um gesto para que os homens
par fora. “Persegui os adultos. Fazer barulho, mas ser cauteloso que você não arriscar sua vida.”

Os homens assentir.
“Certifique-se de que não vire. As mulheres estão atrás de nós, e nós não queremos que a sa-kohtsk
correndo em sua direção.”
Um fio de medo traça a minha espinha só de pensar. Har-loh é fraca, e
Rukhar pequeno e indefeso ... e ambos estão muito perto perto para o meu gosto. Mas eles devem permanecer
perto para Rukhar pode receber sua khui. Meu instinto agita, inquieto com o pensamento. Os perigos são muitos.

Os caçadores prontos suas armas. Existem lanças, estilingues, e vários homens carregam perversamente facas de ossos
afiados como a minha própria. Um dos sa-kohtsk lumbers passado, ignorando-nos tão pequeno e insignificante, e eu penso
em meu pai e a caça para obter o meu khui. Será que ele sente o mesmo terror coração batendo como eu faço? Será que
seu estômago apertar quando ele percebeu que ele estava colocando seu filho mais velho e sua companheira em perigo? Ou
ele era muito imprudente para cuidar?

Eu não posso imaginar por que ele não voltou para a tribo para obter a sua ajuda. Ele tinha que saber o perigo. Ou ele
simplesmente não se importa?
Raahosh puxa o arco livre e coloca cuidadosamente uma seta. Ele tem como objetivo, e eu ver
como ele lança uma seta. Um minuto depois, o kit sa-kohtsk fole na dor, e um dos adultos cornetas
em perigo. Pés mover eo chão treme. A caçada começou.

Os homens se separaram, gritando e agitando as suas lanças como eles surge para a frente, perseguindo os
animais confusos. Uma serra madeira em um trote, eo chão se sente como se ele está prestes a agitar distante. Outro
segue, e, em seguida, o rebanho está se movendo para a frente, cutucou por lanças e gritos de nossos caçadores.
Somos pequenos contra eles, mas ele está trabalhando.

No centro do rebanho, o kit cambaleia. A mãe narizes-lo, tentando fazer com que ele se mova, e
quando ele cai de joelhos, ela fole e depois se afasta dele, abandonando seu filho em favor de
auto-preservação. Eu vejo isso do meu ponto de vista ao lado Raahosh, e eu estou de repente congelado.
Minhas memórias voltar para o meu pai. Isto é o que ele escolheu. Ele sacrificou seu próprio filho - seu
filho primogênito, Raahosh - quando ele estava muito ferido. Por um momento, eu quero que a mãe sa-
kohtsk se virar, para cutucar seu kit aos seus pés.

Em vez disso, ela dá um uivo lamentoso e arrasta para longe dele, abandonando-o para us.My coração sente

como se estilhaça em meu peito. Penso Raahosh e seu rosto cheio de cicatrizes e chegar a uma realização

devastador.
Meu pai estava tão quebrado que se eu tivesse sido ferido como o kit sa-kohtsk diante de nós, de
repente eu não tenho nenhuma dúvida em minha mente que meu pai teria me deixado para trás como a
besta mãe não agora. Ele teria me abandonado como ele fez Raahosh, aos que ele considerada como
'ruim'. Ou pior, me deixou na neve um dia e virou as costas para mim.

I pensar em fazer isso para o meu próprio filho - meu Rukhar - e vontade de vomitar. Nunca.

Eu nunca iria deixá-lo ou Har-loh trás. Sempre. Meu pai estava errado. Ele
fez o que ele achava que tinha de fazer para sobreviver, mas agora percebo que não era a sobrevivência. Foi
instinto irracional. O homem que eu ter imaginado como meu pai por tanto tempo em meus pedaços de
memórias? O homem que eu reverenciado? Não é o homem que eu deveria estar olhando para as respostas.
Deve ser o homem ao meu lado, o meu irmão. Meu irmão que incansavelmente caçados ao meu lado e me deu
empresa, mesmo quando eu não queria isso. Quem traz sua esposa grávida e tem a sentar com o meu para que
ela não estará sozinha. Quem arrisca sua própria família para me ajudar a proteger o meu. Que abriu sua casa
para mim, sem dúvida, e nunca esperado graças.

Estes não são os maus. “ Mover, Rukh,”Raahosh diz, e me dá


um empurrão.
I cambalear para o lado, assim como outra do sa-kohtsk lumbers passado, mugido de raiva. Eu
estive em pé como um idiota tonto no meio dos campos de caça. Mesmo quando eu rolar, outro
caçador move entre mim eo animal, dirigindo-lo afastado. me protegendo.

Esses homens todos arriscar-se para o meu Rukhar. Para a minha família. Sinto-me humilde. O resto da caça
passa aturdido. Eu juntar-se aos caçadores como nós círculo frouxamente em torno do kit, berrando de dor e raiva.
Mesmo que seja um jovem criatura, ainda é o dobro da minha altura, e poderia facilmente esmagar um homem. Ela se
move mais rápido do que os adultos, mancando como nós rodeiam.

Em momentos, ele é longo. Não é uma caça gloriosa, mas um eficaz. Dou graças silenciosas para a criatura
que morreu para que meu filho pudesse viver, e ajoelhar-se perto de seu peito. Com a minha faca, eu fatiar abrir
as costelas e erguer-los, revelando o coração pulsando cheio de deslizamentos azuis brilhantes de luz.

“É seguro para vir?” Liz chama de longe.


Raahosh ondas dela para a frente e um dos jovens caçadores puxa o trenó de Har-loh. Meu irmão olha
para mim e carrancas. "Você é um idiota. Você quase que fique um do rebanho pisar você “.

Ele está com raiva de mim. Ele é louco como eu estaria em Har-loh se ela fez algo tão tolo ... e que é porque
ele é a minha família e ele quer que eu seja segura. Eu sou estranhamente satisfeito com isso, e eu chegar e
envolvê-lo em um abraço.
Raahosh é dura, e, eventualmente, retorna o abraço desajeitado. “Obrigado,” eu
digo a ele.
“Você é meu irmão”, Raahosh diz em voz baixa. “Eu sempre vou te ajudar.” “Oh meu Deus,” Liz grita.
“Vocês dois podem fazer para fora? Para mim? Isso seria tão quente “.

Har-loh ri. Raahosh me empurra, e depois eu passo para o lado de minha companheira, sorrindo. Har-loh
chega a seus pés e, em seguida, ela me entrega o bebê. “Está na hora?” Ela parece nervosa, alisando as
mãos para baixo sua roupa solta.
Eu prendo meu filho perto. Mesmo que seja frio e seu pequeno rosto está amassado
com raiva, ele não está chorando. Isso me preocupa. Eu olho para Raahosh, porque eu não tenho nenhuma idéia de como
recebo a khui nele.
“Faça um corte na garganta”, diz Raahosh. “Devo segurá-lo?” “Eu vou fazê-lo”, diz Har-loh. “Ele é meu filho.”
Ela dá um passo para frente, seus movimentos lentos e cansados, mas determinado.

Eu relutantemente entregar meu filho de volta para ela e, em seguida, dar-lhe um beijo. “Ele não vai se lembrar
da dor,” eu digo a ela, mas é meio para me convencer.
“Eu sei.” Ela me dá um sorriso irônico. “Lembre-me de falar sobre algo que os humanos chamam de 'senhor
venha-ver-shun' em algum momento.”
Liz cacareja atrás dela.
Eu toco rosto uma última vez do meu filho, e os olhos abertos. Então, opacos e sem vida. Eles não cantam
com o azul vibrante que irradia dos olhos de Har-LOH e aos olhos de todas as outras pessoas com khui. Não se
preocupe, meu filho, Eu calmamente lhe dizer. Você será melhor em breve.

I mover para a sa-kohtsk morto e cortar o coração livre. As lascas de manobra azul loucamente, como se estivesse
tentando sair do órgão morrendo. Ele bombeia-se lentamente mais uma vez, em seguida, pára de uma vez por todas.

“Apenas um é necessário,” Raahosh instrui como eu olhar para baixo, para o coração. Concordo com a cabeça e voltar
para o meu companheiro. Seu rosto está firme, e ela puxa as peles longe de pequeno baú de Rukhar, expondo a sua parte
superior do corpo.
Aperto do coração contra o meu peito e puxar a minha faca de osso livre com o outro. “Uma pequena
incisão no pescoço,” Har-loh me instrui.
Minha boca está seca. Eu segurar a faca sobre o meu filho ... mas não posso fazê-lo. Seus grandes olhos escuros pisca
para mim e seus pequenos punhos se mover. Eu não posso machucá-lo. “Eu sou fraco,” eu admito a minha companheira,
rouca. “Raahosh-”
“Eu vou fazer isso”, Har-loh diz, e eu sou humilhado pela força do meu companheiro. Ela pega a lâmina de mim
e suga uma respiração, então concorda. “Obter um dos khui pronta.”
Até o momento eu puxo uma das lascas contorcendo livres, ele é feito. grito da criança é fraco, mais de
um soluço do que um grito, e Har-loh limpa o sangue de seu pescoço, acalmando-o com clucks macios.
Gentilmente, eu coloque o khui contra neck- do bebê

Ele se contorce e desliza para dentro da ferida antes da minha mente pode entender. Um momento depois, os
tremores do kit e empurrões, e Har-loh agarra-o perto, seu corpo enrijecimento de preocupação.

"É ele…"
Eu apertar seu ombro, ambos observando atentamente o nosso filho. Momentos passar. Longas,
momentos tensos em que ninguém respira. A rir, grupo de caça turbulento é totalmente silencioso, mesmo
Leezh.
Em seguida, o bebê tosse. Um momento depois, ele invade um lamento alto e sua
punhos levantam em protesto. Har-loh respira um suspiro de alívio feliz, mas eu não solte a respiração
até ele abre os olhos e vejo o brilho azul brilhante neles.
Naquele momento, eu sei que vai dar tudo certo. Aliviada, eu afundo de joelhos. Os outros romper
em aplausos.
Har-loh se ajoelha ao meu lado e me oferece a criança com raiva. “Você quer segurar o seu filho?”

Eu levá-lo em meus braços e olhar para ele. Já a ferida no pescoço é a cura e os punhos mover
vigorosamente no ar frio. Eu segurá-lo perto. Meu filho. Eu olho para Har-Loh, e meu coração
transborda quando ela sorri para mim.
Meu companheiro.
“Vamos para casa”, digo a ela.
Suas sobrancelhas sulco. “Voltar para o caverna do mar?” Eu balancei minha
cabeça. "Casa. Com a tribo. Juntos."
Ela morde o lábio rosa. “Você vai ficar?” A voz dela é tímido, cheio de esperança. I chegar e tocar sua bochecha.
“Eu nunca poderia deixá-lo. Não você, nem o nosso filho. Nos somos uma familia."

Seu sorriso radiante é melhor do que mil lembranças de meu pai.


Epílogo
Uma volta da lua Mais tarde
HARLOW

“Ow!” I estremecer tão pouco as gengivas do Rukhar morder duro no meu mamilo. Sua pequena mão segura a
minha dedo como ele quer lutar comigo se eu sequer pensar em tomar meu peito distância. “Seu filho é um mordedor.”

“Meu filho é um guerreiro”, Rukh diz preguiçosamente ao meu lado. Ele joga com o pé pequeno do Rukhar e
sorri para mim de nossas peles. “Ele quer o que é seu.”
Eu ronco, mas não posso reclamar como o bebê olha para mim com olhos azuis brilhantes como ele se
alimenta. Desde que ele começou sua khui, pouco Rukhar não é mais tão pouco. O bebê quase dobrou de
tamanho, que é chocante para mim. Ele agora é gordo e feliz e muito mais forte do que eu esperava. A pequena
cauda chicotadas e para trás como ele se alimenta, impaciente, e eu me pergunto se eu vou ter que ir ver o
curador novamente para aumentar a minha produção de leite. Eu mudar seios eo libertou dribla leite e ainda se
sente pesado. Não. Rukhar é apenas um porquinho. Estranhamente, eu estou bem com isso. Ele é tão saudável
que me faz feixe com a felicidade de vê-lo. Mesmo seus pequenos chifres estão crescendo.

A mão de Rukh escovas sobre o fuzz blondish sobre a cabeça do bebê e, em seguida, acaricia meu
braço. Eu ainda, porque sua melosas-ness é algo que eu tenho muita falta no último mês. Nós fomos
apanhados com o novo kit e ajustando para a tribo, e meu corpo ajustando a pós-bebê. Não houve uma
tonelada de tempo para o sexo.

Ok, não houve tempo para o sexo. E eu estou morrendo para o meu companheiro me tocar novamente.

Os dedos de Rukh traçar-se a curva do meu braço, para o meu ombro, como ele vê-me alimentar nosso filho.
Talvez eu possa colocar o bebê para baixo e nós pode-
Alguém balança o colar de conchas na frente da nossa 'porta'. É uma cortina, mas desde que você não pode bater em
uma cortina, eu fiz a próxima melhor coisa. Ele permite que Rukh para sentir como nós temos um pouco mais de privacidade.
Eu puxo um lance de couro sobre meu corpo enquanto eu enfermeira e Rukh se senta. "Entrar."

Vektal vem, e Rukh chega a seus pés. O chefe olha assediado. “Kit de Leezh está chegando. Raahosh
é ... não a si mesmo “.
Que significa que ele está em pânico. Não é surpreendente, considerando que, ao longo das últimas semanas,
Liz passou de língua afiada para proporcionam crabby como sua barriga expandido e ela cresceu mais perto de
nascimento. Raahosh pairou sobre seu companheiro e
obcecado sobre as menores coisas para garantir que seu Liz estava feliz. Por isso, ele está dirigindo
todo mundo na tribo louco. Vektal e Rukh tinha falado sobre a tomada de caça Raahosh enquanto Liz
deu à luz para que ele não iria conduzir pobre louco Maylak com suas perguntas e picuinhas.

Rukh agarra imediatamente sua lança e seu saco de caça. Ele olha para mim, hesitante.

“Vá”, eu digo, acenando com a mão para ele. “Vou trazer Rukhar sobre a Liz e ver se não podemos
distraí-la. Você cuidar do pai-de-ser “.
Meu companheiro move-se para o meu lado e acaricia meu rosto. “Eu vou te trazer para casa o seu favorito.
Com o novo nascimento, a tribo vai querer festa hoje à noite.”
Eu rio, aninhando sua mão. “Basta trazer para casa um Raahosh mais calmo e que só será digno de
comemoração.”
Ele olha como se quisesse dizer mais, mas depois balança a cabeça e dirige-se depois Vektal. Eu
terminar a alimentação do bebê, arrotar ele, e depois mudar de panos de couro para fora para wraps frescos.
Engraçado como Vektal, Raahosh, e agora Rukh tornaram-se amigos tão próximos. Eles discutem e brigam
como irmãos, mas eles também apoiar uns aos outros um pouco mais do que eu esperava. Rukh se adaptou
bem à vida na tribo, embora quando ele está de mau humor, ele reclama do barulho. Mas a caça com
Raahosh e Vektal ajuda, e eu acho que ele está crescendo para desfrutar da companhia em vez de ser
irritado com ele.

Quando Rukhar é mudado, eu coloquei na minha pré-gravidez vestido de túnica e o prazer de encontrá-lo se
encaixa. Estou me sentindo mais como eu, embora eu ainda sinto falta o toque de minha companheira. Eu parei
de sangrar, porém, e tudo parece que está de volta ao normal. Que significa tudo pode voltar ao normal, certo?
Acredito que sim.
Porque eu tenho certeza sinto falta de sexo. Eu amo Rukhar, e eu amo estar de volta com a tribo ... mas eu quero o meu
companheiro de volta, também.
I dobrar Rukhar debaixo do braço e de cabeça para visitar a caverna de Liz. Ela e Raahosh estão perto Rukh
e eu, na parte de trás do sistema de caverna espaçosa que abriga o tribo. Eu não estou surpreso ao ver
Georgie lá, embora não há nenhum sinal do curador. “Onde está Maylak?”, Pergunto como eu resolver em se
juntar às mulheres.

“Tirar uma soneca”, diz Georgie. “Vai ser ainda um tempo, de acordo com ela. Liz é mal ter contrações.”Ela dá
um tapinha sua própria barriga enorme, com um suspiro. de mais do que pronto para dar à luz, embora a criança
em seu estômago não parece como se fosse em qualquer pressa Georgie.

Liz faz uma careta para Georgie. “O momento que você sentir qualquer coisa perto de uma cãibra, você vai
gritar assassinato sangrento-se, por isso, não me dê merda.” Ela levanta os braços. “Agora, me dê meu
sobrinho favorito.”
I entregar Rukhar, e se estabelecer em esperar com meus amigos. Estou um pouco irritado
Maylak não está aqui, porque eu quero perguntar a ela sobre sexo e se estou bem para tê-lo novamente. Ela é a coisa
mais próxima que temos de um médico, e estou impaciente para fazer uma mudança.

É hora, eu acho.

• • •

Dia passa para noite, e à noite se torna noite antes de o bebê de Liz faz o seu caminho para o mundo. Raashel
é uma gordura, bebê saudável com um choque de cabelo escuro de seu pai e coloração clara de sua mãe ... e não
cauda. É diferente de Rukhar mas ela parece outra forma perfeita, por isso mesmo Maylak não está preocupado.
Liz soluça feliz e prende sua criança como se pudesse quebrar. Quando Raahosh entra para ver seu companheiro
e seu filho, eu juro que o homem olha como se ele vai explodir em lágrimas de alegria. Georgie, Maylak, e eu
rapidamente sair da caverna para dar a nova família algum tempo privado.

Lá fora, na caverna principal, alguém quebrou o sah sah e é passá-lo ao redor. É uma bebida
fermentada que a sa-khui como, mas eu não sou um fã dele. Além disso, eu estou cuidando e eu tenho
certeza que isso não é bom para o bebê. Há agitada bêbado e alguém tambores uma canção. Georgie
boceja e faz uma cara. “Estou feliz por Liz, mas não posso dizer que eu não queria que fosse me neste
momento.”
“Está perto,” Maylak diz, chegando a tocar a barriga inchada de Georgie. “Seu kit caiu.”

Georgie ilumina. "Você acha? Eu estou tão pronta para dar à luz.”Ela esfrega a barriga enorme.
“Eu sinto que eu deveria ter sido o primeiro a ter um bebê, e você e Liz estão à frente de mim.”

“Os bebês vêm em seu próprio tempo eu acho”, eu digo, segurando Rukhar sonolento no meu ombro. Ele está acabado
alimentando novamente e está pronto para tirar uma soneca. “Você vai ter muito tempo, uma vez que ele chegue aqui. Ou
ela.”
Georgie assente e prende seus braços para fora. “Você quer que eu levá-lo por algumas horas? Dê você e seu
companheiro de algum tempo sozinho?”
É como se ela consegue ler minha mente. Eu coro e hesitar, olhando para o rosto meu doce do bebê. Ele não
vai precisar para alimentar um pouco, e eu não me importo de ficar Rukh sozinho. Olho para Maylak como se
pedisse permissão.
Ela coloca a mão no meu estômago agora mais plana, o que me assusta. Seus olhos brilham brilhante por um instante, e
depois dim novamente. Ela balança a cabeça. “Seu corpo está bem.”
Georgie mexe as mãos, indicando que eu deveria passar o bebê sobre. “Se vocês planejando isso?” Eu
reclamar como eu entregá-la Rukhar.
“É um pouco óbvio que vocês precisam de algum tempo sozinho”, Georgie diz com um sorriso, colocando meu
filho contra ela com uma expressão de adoração em seu rosto. Ela copos sua pequena cabeça e, em seguida, olha
para mim. “Vektal diz Rukh não pode parar de olhar
em você cada vez que vê-lo, e ele está distraído em caças.”
Eu coro. “Bem, nós não podemos ter isso, podemos?”
Ela pisca para mim. “Além disso, este vai me dar uma desculpa para não outra parte que não 'Estou muito
grávida e cansada'.” Ela desaparece na multidão celebrando, voltando para sua caverna. Por um momento,
meu corpo inteiro coça, e leva tudo o que tenho para não persegui-la para baixo e roubar meu bebê de volta.
A poucas horas de distância vai ser bom para nós dois, e Georgie é mais do que pronto para obter algum
tempo de prática bebê em.

Maylak ri da minha expressão e dá um tapinha no meu ombro. “Fica mais fácil, eu prometo. Você logo vai ser animado
para os dias quando alguém se oferece para levar seu filho por algumas horas. Por agora, desfrutar de hoje à noite e
desfrutar de seu companheiro.”Ela sorri e esconde um bocejo. “Eu estou fora para encontrar meu e da minha cama.”

Não o pior idéia que eu ouvi até agora. Eu olho ao redor da caverna, procurando um par familiar de chifres e um
homem que está um pouco diferente do que os outros. I avistá-lo facilmente - ele está fora de uma fogueira central,
ajudando a abater a matança e conversando com Vektal como ele faz. Eles conversar com Oshen, um dos anciãos,
como ele cospe uma parte da carne para os seres humanos. Mesmo que ele tem sido um ano e alguma mudança,
nem todos podem se acostumar a comer alimentos crus, e mata são dividiram em conformidade. Eu ainda prefiro o
meu cozido, e eu estou supondo que é por isso que Rukh está esperando nas proximidades.

Como se pode ouvir meus pensamentos, meu companheiro olha para cima e faz contato visual comigo. Um brilho
possessivo brilha em seu olhar quando ele me observa. Eu mordo meu lábio, perguntando se eu quero esperar por comida,
ou se eu quiser aproveitar o tempo com o meu homem em seu lugar.

Eu inclino minha cabeça em nossa caverna, sugerindo Rukh me encontrar lá. Eu estou indo para ir com 'companheiro' em
vez de alimentos.
Eu assisto sua resposta, enquanto suas narinas e seu corpo enrijece. Ele corta Oshen off meados de
comentário e deixa o grupo, indo diretamente para mim. Oshen parece confuso, mas Vektal apenas sorri
conscientemente como Rukh dirige através da caverna.
Eu encontrá-lo no meio do caminho, admirando quão bonito o meu companheiro parece. Ele percorreu um longo
caminho desde a primeira vez que o vi. Seu cabelo selvagem foi domesticada em longas tranças, elegantes que
mantêm sua juba de seu rosto. Em vez da tanga Eu tive que lutar para tirá-lo de usar meses atrás, ele agora tem
leggings decorados com penas tingidas correndo para cima cada lado e botas de pele de espessura. Ele não usa
camisa, mas eu não acho que ele precisa de um. Ele tem um peito lindo e eu sou egoísta o suficiente para querer
olhar para ele o tempo todo. Heck, eu não consigo parar de olhar para isso agora. Minha boca fica seca quando ele
se aproxima de mim, e eu aperto minhas mãos para que a carne lindo, azul. "Olá."

"Está com fome?"


I suavizar meus dedos sobre sua clavícula, fascinados pela forma como sua pele aveludada sente sob o meu
toque. Puxa, já faz um tempo. Quero dizer, com certeza, nós tocamos todas as manhãs e durante todo o dia, mas
nós não tocar. "Isto pode esperar."
“Rukhar?”
“Com Georgie por algumas horas.” Eu olho para ele e morder o lábio. “Temos algum tempo sozinho.”

Em torno de nós, as pessoas rir e passar peles de bebida fermentada, e eles celebram alto. Nós também
podemos estar sozinho aqui fora para todos que estamos notado.
Ele faz uma pausa, e os meus dedos traçar pequenos padrões em sua pele. Ele olha para as minhas mãos, então
para mim, e então saber pisca em seu olhar. “Não está com fome?”, Pergunta ele, e sua voz é baixa e rouca como ele
se move mais perto de mim.
“Não por comida”, eu sussurro.
Rukh coloca a mão sobre a minha, pressionando-o para o seu coração. “Podemos ...” Eu aceno.

Ele pega a minha mão e me puxa atrás dele, indo para nossa caverna. I reprimir minha risada, muito feliz que
nós estamos começando a roubar esse tempo juntos. A vida é tão maravilhoso, e eu tenho o meu companheiro
lindo e um bebê precioso e uma tribo cheia de amigos. Eu tenho a minha saúde. Eu não poderia estar mais
contente.
Nós corremos dentro da nossa caverna e Rukh solta minha mão para chamar a cortina bem fechada
sobre a boca da caverna. É o mais próximo que vamos chegar a privacidade, mas eu aprendi que quando
a cortina é fechada? Ninguém vem a incomodá-lo. É uma lei tácita da tribo, e uma boa.

O momento Rukh se vira, eu beijá-lo. Não é o fácil, rápido beijo de um beijo manhã, mas a
fome, beijo busca que promete todas as coisas que tenho perdendo desde Rukhar nasceu. Ele
geme baixo em sua garganta e me aperta contra o peito, a devorar minha boca com igual fervor. E
aqui eu pensei que eu era o único a sentir a necessidade. A maneira Rukh me detém? É claro que
tem sido em sua mente também.

Mas então ele quebra o beijo e gentilmente morde minha boca. “Tem certeza de que são ... bem?”

Eu aceno, minha mão deslizando para baixo sua frente para a Copa do protuberância na frente de seus leggings. “Maylak
diz que eu sou perfeitamente bem e mais do que pronto para o acasalamento novamente.”

Ele geme. “Você perguntou a ela?”


É meu companheiro tímido? Eu rir e acidente vascular cerebral meus dedos sobre sua bochecha. "Claro. Eu estava
querendo que você me toque para sempre. Você não acha que já esperou tempo suficiente?”

Ele pega minha mão na sua e suavemente beija minha mão sensível. “Har-loh, vou esperar para sempre
para você se for preciso. O tempo não importa, desde que nós somos
juntos."
I piscar várias vezes para limpar os olhos. Só quando eu acho que eu não posso amar este homem mais, ele diz
algo novo que me varre fora de meus pés. Eu pegar uma de suas tranças e envolvê-la em torno de minha mão. As
outras taças seu bojo. “Isso é uma coisa maravilhosa para dizer, mas eu espero que você não está decepcionado
quando eu lhe digo que eu estou pronto para fazer sexo agora.”

Seus olhos brilham maliciosamente. “Nunca fiquei decepcionado.”


Nós nos beijamos novamente, e ele puxa os laços de meu vestido. Os próximos minutos são gastos rapidamente
se despir, e depois estamos nus juntos. Meu corpo é um pouco diferente do que quando acasalado - meus seios
estão cheios com leite, arredondado da minha barriga e um pouco mole, e meus quadris se sentir um pouco maior do
que antes. Mas a maneira Rukh me olha? Eu nunca me senti mais sexy.

Ele levanta a mão e escova os dedos contra o meu mamilo, e um cordão de poços de leite para cima. “Eu
gostava de seu corpo antes, meu Har-loh, mas agora ... você rouba minha respiração do meu corpo.”

Eu tremo para a necessidade crua na voz dele. I dar um puxão em sua trança de novo, indicando que eu quero que ele
para baixo sobre os cobertores. Nós podemos fazer amor longo, luxuoso em um pouco - por agora eu só quero o meu
companheiro de dentro de mim, e eu quero que ele me segurar. Eu imploro a proximidade que apenas sexo pode trazer.
Quando ele se ajoelha para as peles, eu empurrá-lo para trás, lançando seu cabelo.

Rukh cai de costas e eu curvar-se dele, correndo minha boca e as mãos sobre aquele lindo peito. Ele me toca
como eu, suas mãos vagando sobre minha pele como eu arrastar minha boca sobre um mamilo duro e, em seguida,
a língua dos cumes sobre seu esterno. Eu lamber meu caminho até seu apartamento, barriga dura e, em seguida,
para baixo para o seu galo.
“Eu quero dentro de você”, ele rosna, e os punhos mão no meu cabelo. “Não sua boca. Na minha companheira.
Em seu corpo.”
Concordo com a cabeça rapidamente. Eu quero isso também. Ele libera o meu cabelo e eu deslizar uma perna sobre
seus quadris, montando ele. É uma posição desconfortável por causa de seu impulso, mas eu levantar de joelhos e usar
minha mão para guiá-lo para dentro de mim, então lentamente afundar.
Um gemido escapa minha garganta enquanto ele empurra seus quadris para cima, enfiando seu pau em mim. Deus,
que se sente incrível.
“Shhh”, ele sussurra. “Eles vão ouvi-lo.” Mas então o homem terrível atinge-se e acaricia meus seios
sensíveis, e não é como se eu posso manter o silêncio.
Eu lamento novamente. Eu não me importo se alguém nos ouve. Eles estão tendo uma festa e eu duvido que alguém
se importaria. Enquanto isso, o meu companheiro - meu lindo, glorioso, companheiro bonito - levanta os quadris para cima
novamente e empurra para dentro de mim, sua mão se movendo ao meu quadril para me segurar firme sobre ele. O
esporão desliza pelos meus lábios bichano e escovas-se contra o meu clitóris com cada curso de seu pênis, e isso só
acrescenta ao prazer intenso. Ter relações sexuais com Rukh é sempre alucinante. I mover meus quadris
mais rápido, até que estamos batendo uns contra os outros, e o orgasmo que eu estou perseguindo começa a florescer
em minha barriga. Não é bem lá, e eu cerrar os dentes, empurrando com mais força contra ele, balançando meus quadris
ainda mais.
E porque ele me conhece tão bem, ele atinge entre minhas pernas e aperta o topo da minha buceta.
Agora, quando seus vaivéns pênis em mim, os slicks esporão contra os lábios do meu sexo mais do que
nunca. Eu grito como o orgasmo toma conta, e eu sou alheio a tudo - Rukh tentando me calar, quadris
cerca de empurrão do meu companheiro, a festa acontecendo na outra parte da caverna - como o doce
pressa do orgasmo rola através mim. Eu monto Rukh até que a última gota do orgasmo é torcido do meu
corpo e eu ficar mole com prazer. Ele nos rola até a minha volta é para as peles e ele engata uma das
minhas pernas para cima, e depois me fode duro até que ele venha, e a força de seu orgasmo envia
pequenos tremores de excitação felizes através de meu corpo.

Ele cai nas peles, ofegante e saciado, ao meu lado. Eu imediatamente rolar contra ele e aconchegar
contra seu peito. Meu nariz tocas contra seu pescoço e eu inalar o cheiro dele - selvagem, suado, e
maravilhoso. "Eu te amo."
“Você é meu coração”, ele me diz, escovando meu cabelo emaranhado do meu rosto. Eu sorrio e
abraçar contra ele por mais um momento, apreciando os sons da nossa respiração misturados. É
estranho não ter a tensa para um ruído bebê
- um lamento, um soluço inquieta, nada. É bom, mas ao mesmo tempo, eu não posso esperar para chegar
Rukhar volta. Bem logo. Minha mão acaricia pelo peito de Rukh, sobre sua pele de camurça-like. "Você está feliz?"

"Claro."
Sento-me em meus cotovelos e colegas em sua face. Essa é uma resposta rápida. “Não, quero dizer, você está
realmente feliz aqui? Eu sei que você amou a caverna perto do mar. Eu sei que é difícil quando há tantas pessoas ao
redor. Você está realmente e verdadeiramente feliz?”A pequena preocupação que foi roendo me para o último mês
finalmente à tona. “Ou você está apenas colocando-se com ele por causa de mim e Rukhar?”

Ele me dá um olhar estranho, como se eu tivesse feito uma pergunta estranha. Sua grande mão escova o
cabelo emaranhado do meu ombro. “Estou feliz de estar aqui com os maus?”

Eu tento não vacilou em sua expressão.


Ele vê-lo, e ele bate meu queixo com o dedo. “Meu pai encheu minha mente com as suas ideias. Seus
pensamentos de bom e mau. Eu nunca pensei que ele poderia estar errado. Agora que eu tenho você, e
eu conheci os outros? Às vezes é frustrante, mas mais do que tudo, estou aliviado que não estamos
sozinhos. Que você não está em perigo, porque não posso estar em todo lugar ao mesmo tempo. Que
temos outros para se apoiar.”Rukh parece pensativa. “E é estranho ter um irmão ... mas eu gosto.”
“Assim, mesmo se pudéssemos sair para o mar caverna amanhã ....?”
Ele dá de ombros. “Eu iria escolher para ficar aqui. Eles não são pessoas más. Eles são apenas pessoas. E eles estão
dispostos a ir para qualquer comprimento para ajudar uns aos outros, porque eles são família. Mesmo que eles não
compartilham sangue, eles são família. Eu gosto disso.”Ele faz uma pausa, e depois olha para mim. "Nós vamos ficar.
Nosso filho vai precisar de amigos. Você vai precisar do curador. E eu “, diz ele, pastando o polegar sobre a minha boca.
“Será sempre preciso de você. Um homem não pode existir sem o seu coração.”

Nem pode uma mulher, e é claro que Rukh tem o meu. Eu inclinar-se e beijar o meu companheiro novamente,
determinado a aproveitar cada momento sozinho neste momento.
Nota do autor
Obrigado por ler meus bárbaros! É uma grande alegria para escrever esses livros e eu amo a recepção que
está recebendo. Aqui eu pensei que eu seria o único interessado em bárbaros gelo. Estou feliz de ver que eu
não sou! Como sempre, eu adoraria para você deixar um comentário e deixe-me saber o que você pensa eo
que caracteres que você estiver interessado em ver mais. Às vezes as suas sugestões desencadear inspiração
no autor, assim mantê-los chegando.

Espero que tenham gostado história de Harlow e Rukh e os vislumbres dos outros na tribo. O
próximo livro de corpo inteiro será ou Tiffany ou Josie. Eu ainda estou decidindo entre eles. O livro
provavelmente será na Primavera. Vou anunciá-lo quando está perto de fazer.

Para acompanhar relatórios de progresso, consulte teasers do trabalho em andamento, ou apenas para o check-in e dizer
oi, certifique-se amigo me na minha página de Facebook. Além disso, você pode juntar o meu mailing list para receber um
aviso quando o próximo livro está fora.
Muito obrigado por ser tão fãs entusiasmados dos livros.
Planeta do gelo Barbarians
Ice Planeta Bárbaros, Book 1

Você acha que está sendo abduzido por alienígenas seria a pior coisa que poderia acontecer para mim. E você
pode estar errado. Porque agora, os estrangeiros estão tendo problemas navio, e eles deixaram a sua carga de
mulheres humanas - inclusive eu - em um planeta de gelo.

E o único habitante nativo que eu conheci? Ele é grande, chifres, azul, e realmente, realmente tem uma coisa
para mim ...

Part One
GEORGIE

Até ontem, eu, Georgie Carruthers, nunca acreditei em aliens. Ah, claro, havia todos os tipos de
possibilidades lá fora no universo, mas se alguém tivesse me dito que homenzinhos verdes foram
penduradas em torno da Terra em discos voadores, apenas esperando para raptar pessoas? Eu teria
dito a eles que eles eram loucos.
Mas isso foi ontem.
Hoje? Hoje é um tipo muito diferente da história.
Suponho que tudo começou na noite passada. Era bastante comum, em geral. Cheguei em casa depois
de um longo dia de trabalho do drive-thru janela caixa do banco, nuked uma Lean Cuisine, comeu enquanto
assistia TV, e cochilou no sofá antes de tropeçar para a cama. Não é exatamente a vida do partido, mas hey.
Era uma terça-feira e terças-feiras eram todo o trabalho, nenhum jogo. Fui dormir, e de lá, merda ficou
estranho.
Meus sonhos foram desarrumada. Não é o que perdem dentes ou nua na frente dos sonhos de
classe habitual. Estes eram muito mais sinistro. Sonhos de perda e abandono. Sonhos de dor e salas
brancas frias. Sonhos de andar em um túnel e vendo um trem. Nesse sonho, eu tentei levantar minha
mão para me proteger da luz.

Exceto quando fui para levantar minha mão, eu não podia.


Que tinha me acordado do meu sono. Eu olhava para a pequena alguém luz estava brilhando nos meus
olhos. Alguém estava. . . brilhando algo em meus olhos? Pisquei, tentando se concentrar, e percebi que eu
não estava sonhando em tudo. Eu não estava em casa, também. Eu fui . . . algum lugar novo.

Então a luz desligou e um pássaro piava. Eu olhava, meus olhos se ajustar à escuridão, e
eu me vi cercado por. . . coisas. Coisas com longa
olhos negros e cabeças grandes e pálidos braços magros. Os homens verdes pequenos.
Eu gritei. Eu gritei assassinato sangrento, na verdade.
Um dos aliens inclinou a cabeça para mim, eo som chilrear de pássaros aconteceu de novo, apesar de sua
boca não se moveu. Algo quente e seco embrulhado sobre minha boca, me sufocando, e um cheiro nocivo
encheu minhas narinas. Ah Merda. Eu ia morrer? Freneticamente, eu trabalhei minha mandíbula, tentando
respirar mesmo quando o mundo ficou escuro ao meu redor.

Então, eu voltei a dormir, sonhando com o trabalho. Eu sempre sonhei em trabalho quando eu estava
estressado. Por horas a fio, os clientes bancários irritados gritou para mim enquanto eu ficava tentando rasgar
embalagens abertas de vinte anos que não parecem vir aberto. Eu tentaria contar o troco apenas para se distrair.
sonhos de trabalho são o pior, normalmente, mas este foi um alívio. Nenhum trem. Não há estrangeiros. Apenas
bancário. Eu poderia lidar com a banca.

E isso leva-me a. . . Aqui.


Estou acordado. Awake e não inteiramente certo onde estou. Meus olhos deslizar aberta, e eu olho ao meu redor.
Cheira como se eu estivesse em um esgoto, eu posso sentir uma parede atrás de mim, e meu corpo dói todo o pânico
sobre. Minha cabeça está embaçada e lento, como tudo de mim não bastante acordado ainda. Meus membros se sentir
pesado. Drogado, eu percebo. Alguém me drogou.

Não alguém. Alguma coisa.


Minha respiração acelera como uma imagem mental dos estrangeiros de olhos escuros retornos, e eu olho para eles.
Onde quer que eu estou, eu estou sozinho.
Graças a Deus.

Planeta do gelo Barbarians está disponível agora!


estrangeiro Barbarian
Ice Planeta Bárbaros, Volume 2

Doze seres humanos são deixados preso em um planeta alienígena invernal. Eu sou um deles. Yay, me.

A fim de sobreviver, temos que levar em um simbionte que quer religar os nossos corpos para viver neste lugar
brutal. Eu gosto de chamá-lo um cootie. E meu cootie é um idiota, porque ele também pensa que eu sou o
companheiro do maior surliest alienígena do grupo,.

ALIEN BÁRBARO é uma sequela de ICE PLANET bárbaros. Você não tem que ler tanto a
fim de compreender o enredo, mas a história será mais rico se você faz!
Parte um

LIZ

Kira e eu vejo como Megan e Georgie executar seus dedos ao longo do painel do casco do navio
alienígena, tentando descobrir como erguê-la aberta e obter as meninas fechados dentro. Há seis cápsulas, e
cada um tem uma outra menina em cativeiro. Cada menina dentro não tem idéia de onde ela é ou como ela
chegou aqui.
"Eu não posso decidir se eles são os sortudos ou azarados", digo Kira. "Lucky", diz ela, sua voz
suave plana. Seu olhar é fixo para as luzes piscando e a parede escura do casco. "Eles não
sabem o que passamos para as últimas semanas."

I grunhir um talvez tipo de acordo. Eu não sei o que eu concordo com Kira, mas ela pode ser um infortúnio
Debbie verdadeira, às vezes. As últimas semanas não têm sido exatamente uma festa para o resto de nós, mas
talvez seja melhor saber tudo do que ser cego para ele.

Eu acho.
Kira e eu estamos assistindo os outros trabalham porque nós somos fracos demais para realmente ajudar. Dos seis
de nós, Georgie é o mais forte ainda. Ela tem sido com o indivíduo estrangeiro, para que ela foi ficando três quadrados
por dia e agasalhos. O resto de nós foram presos no casco, e Megan está fazendo o melhor de nosso pequeno grupo.
Eu sou fraco e letárgico, e os meus dedos doer como louco. Josie tem uma perna que parece que está quebrado em
dois lugares, e ninguém sabe como consertá-lo. O tornozelo de Kira está inchado e ela é super fraco. Tiffany é
possivelmente morrendo, já que não podemos acordá-la para fora do sono profundo ela está. Ela despertou para um
pouco de caldo e, em seguida, caiu inconsciente novamente.

Nós não precisamos de um aviso de alienígenas que este planeta está nos matando. Big duh lá.

"Ele está abrindo", Megan diz, e ela e Georgie passo para trás. O painel levanta da parede com um silvo,
assim como nos filmes sci fi. Dentro é uma menina em um t-shirt e calcinha, bobinas estranhas enrolado em
seu corpo e alimentando em sua garganta.
Eu tremo apesar de mim.
Georgie e Megan estudar a menina dormir, tentando descobrir a melhor maneira de libertá-la.
Eventualmente, eles simplesmente começar a extrair tubos e cabos fora dela e ela acorda e começa a
vomitar. Um momento depois, a nova garota está caído no chão e vomitando o último dos tubos como
Megan acaricia-la de volta.
Bem, que fez isso. Para melhor ou para pior, temos uma outra pessoa. A menina começa a chorar, os olhos
arregalados. Ela está claramente confusa e assustada, e Kira se levanta, abrindo os braços para puxar a
menina para ela. Ela faz tranquila,
barulhos suaves e envolve a menina em um abraço, ajudando-a para longe da parede. Sem uma única
pessoa tocá-los, o resto das vagens de repente aberto.
"Merda, acho que desencadeou alguma coisa", Georgie diz, e eles começar a trabalhar libertando a próxima
garota. Em momentos, existem várias meninas caindo no chão. Eu recebo para os meus pés da melhor forma
possível, pronto para ajudar.
I mancar para a frente, e como eu faço, eu ouvi os sons dos alienígenas falando. Eu olho mesmo quando a menina
mais próximo de mim começa a histericamente lamento. "O que está acontecendo? Onde estou? Quem é você?"

Eu ofereço-lhe a minha mão. "Eu sou Liz e eu vou explicar quando chegarmos aos outros, ok?" Ela continua
lamentando e eu tenho que morder o interior da minha bochecha para não gritar com ela. Olha, eu sinto como
merda e estou provavelmente alguns passos atrás Tiffany na escada da morte, mas eu estou gritando e
gemendo? Não, não, eu não sou. Eu estou sugando-a boca.

I reunir-se uma segunda garota nova, esta com sardas e cabelo vermelho brilhante, e como eu, Squealer
começa a fazer horrorizados, gritos asfixia. "Oh meu Deus, o que é isso?" Ela aponta a mão trêmula na
distância, e eu golpeá-lo para baixo.

estrangeiro Barbarian já está disponível


amante Barbarian
Ice Planeta Bárbaros, Livro 3

Como um dos poucos humanos presos no planeta gelado, eu deveria estar feliz que eu tenho um novo lar.
mulheres humanas são apreciadas aqui, e um alienígena em particular deixou claro que ele quer que eu. É
difícil afastar a sexy, gracioso Aehako, quando tudo que eu quero fazer é agarrá-lo pelos seus chifres, e
insistem que ele me levar para suas peles.

Mas eu tenho um terrível segredo - os estrangeiros que raptadas me estão de volta, e graças ao tradutor no
meu ouvido, eles podem me encontrar. A minha presença aqui põe em perigo todos ... mas eu posso desistir da
minha nova vida e o homem que eu quero mais do que tudo?

AMANTE BÁRBARO é uma sequela de planeta do gelo bárbaros, e ALIEN bárbaro.


Você não tem que lê-los, a fim de compreender o enredo, mas a história será mais rico
se você faz!
Parte um

KIRA

Duas cavernas mais, eu ouço o som molhado de sexo, e gemido de uma mulher. “Oh Deus, sim, como
isso”, geme Nora. “Espanque-me assim.”
Uma paulada suave ecoa no meu tradutor, e eu gemo e cobrir a coisa odiava com ambas as mãos. Eu
tento rolar no meu lado e empurrá-lo para o travesseiro que eu fiz fora de scraps, mas tudo o que faz é
empurrar o tradutor mais difícil no meu canal do ouvido, e ele envia uma dor através do meu crânio. Então,
eu virar em minhas costas e olhar para o teto rochoso da caverna de despedida.

“Só assim, meu grande, sexy besta forte,” Nora chora novamente. “Nnnngggghhhh”, diz ela grande, besta sexy
forte (também conhecido como dagesh). Para piorar a situação, eu ouvir outra risada mulher, e, em seguida, Stacy e
Pashov - que, por causa da aglomeração, compartilhar uma caverna com Nora e seu companheiro - ir para lá
também.
Gaah.
Eu odeio este tradutor. Odeio, odeio, odeio isso. Eu empurro o travesseiro sobre minha cara, ignorando a
pele difusa que gruda em minha boca. Não seria muito ruim se acabou de fazer todas as conversas acontecem
em estéreo, uma vez que a traduz. Ah não. Ele também amplifica tudo. Então eu ouvir cada tapa bunda, cada
gemido, cada grunhido, cada beijo ... tudo.

E as cavernas tribais estão repletos de pessoas que acoplam-se recentemente. Com nós seres humanos que
caiu aqui, acabamos por ter que tomar sobre o que os alienígenas chamar um khui. É um simbionte que nos
permite viver no planeta sem a atmosfera nos matando. Claro, um dos efeitos colaterais do khui é que decide
quem e quando você acasalar, e não há nenhum indo ao redor dele.

Considerando que a tribo de homens alienígenas - conhecido como sa-khui - superam as mulheres alienígenas
quatro a um, eu não estou surpreso que o acasalamento após o acasalamento ocorreu. Dos doze sobreviventes
humanos despejados aqui, seis acasalaram.
Eu sou ... nenhum deles.
É difícil não se sentir como uma rejeição às vezes porque a minha khui é silenciosa. Quando encontra-lhe
o companheiro perfeito, ele começa a vibrar. É um pouco como ronronar, mas mais canção-like. Os
estrangeiros chamam de 'ressonância' e um macho só irá ressoar a sua fêmea e vice-versa. E, apesar da
insta-acasalamento, todos que tem ligado é muito feliz. Georgie adora alienígena, Vektal, quem é o líder da
tribo. Meu amigo Liz é ferozmente protetora de seu companheiro, Raahosh. Stacy e Marlene e até mesmo
chorosa, Ariana aterrorizado amam seus homens. E é claro que Nora é para seu companheiro, se os sons
de espancamento sexy são qualquer indicação.
Todas as meninas 'sobra' - aka os unmated - são empilhados em uma caverna juntos. Eu tive sorte o
suficiente para obter o nook no canto com uma cortina de privacidade. Não que ele faz muito para abafar os
sons. Eu ainda posso ouvir tudo ... e eu também pode ouvir quando alguém foge para visitar um cara, como
Claire está fazendo atualmente.
Claire de uma das meninas do tubo, para que eu não a conheço, bem como alguns dos outros. Quando
foram capturados por alienígenas, vários foram realizadas em estase em vagens presas na parede,
inconsciente de seus arredores. O resto de nós - Liz, Georgie, eu e alguns outros - foram lotaram o sujo,
espera lotado como animais e viveu lá por semanas. Você ligar quando você está em uma situação como
essa, e eu sinto falta deles.

Eu não sei Claire, assim como eu os conheço. Eu não tenho ligado com seus mais de semanas de abraçar a
compartilhar calor e derretimento de neve apenas para ter algo para beber. De certa forma, eu quase ressentem as
meninas tubo porque tinha mais fácil, enquanto o resto de nós foram por raspagem para sobreviver. Não é culpa
deles, e eles são tão chocada e traumatizada pela abdução alienígena como nós somos. Nós apenas tivemos-lo
pior por mais tempo.

amante Barbarian já está disponível


Boletim de Notícias

Quer mais gelo Planeta bárbaros? Assine meu Boletim de Notícias para obter informações sobre a próxima
parcela.
Se você gostou dessa história, por favor considere deixar um comentário no Amazon ou qualquer outro site ou
blog leitor que você freqüente. Não se esqueça de recomendá-lo aos seus amigos leitores.
Outros Títulos por Ruby Dixon
Os Açougues Bedlam
Off Limits
embalagem Duplo
Double Trouble
Double Down Double
or Nothing
Slow Ride Double
Dare Você

Planeta do gelo Barbarians


Planeta do gelo Barbarians
Bárbaro estrangeiro
amante Barbarian
Barbarian Mina
direito autoral

Este livro é um trabalho de ficção. Os nomes, personagens, lugares e incidentes são produtos da
imaginação do escritor ou foram usados ​ficticiamente e não devem ser interpretadas como real. Qualquer
semelhança com pessoas, vivas ou mortas, eventos reais, locais ou organizações é mera coincidência.

Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida, digitalizado ou distribuído de qualquer forma
sem a permissão escrita do autor, excepto no caso de uma breve referência consagrados nos
artigos críticos e comentários.

Barbarian Mina
Copyright © 2015 Rubi Dixon Todos os
direitos reservados.
Primeira Edição Digital, novembro 2015
www.rubydixon.com
Índice

Barbarian Mina
Que se passou antes Nota do
Capítulo Um Capítulo Dois
Capítulo Três Capítulo Quatro
Capítulo Cinco Capítulo Seis
Capítulo Sete Capítulo Oito
Capítulo Nove Capítulo Dez
Capítulo Onze Epílogo Autor

Ice Planeta Barbarians


Barbarian estrangeiro
Barbarian amante Boletim

Outros Títulos por Ruby Dixon Direitos de


autor

Você também pode gostar