Você está na página 1de 216

índice

Graças Legend
dedicatória

Introdução. Por que este livro

1. DE futbolista UM ÔNIBUS
1.1 A decisão

2. Um AUTOCARRO TREINADOR
2.1 Método e respeito no futebol de hoje
2.2 Valor de programação
2.3 A ferramenta de bola no centro de trabalho
2.4 O edifício equipe tática
2.5 Criação de um relacionamento
2.6 A relação com o clube. gerente de Inglês

3. O sistema de jogo e a sua interpretação. O PARTIDO


jogo 3.1 Sistema e importância das tarefas atribuídas
3.2 Tarefas e características de jogadores
3.3 O contador de Rediscovery
3.4 Preparação do jogo
3,5 motivação Colectivo
3.6 A gestão do partido
3.7 Após o jogo
3.8 As diferenças entre o futebol italiano e no exterior

4. papel de treinador PRIMEIRO. O 4-4-2 REGGIO EMILIA


4.1 O impacto
4.2 jogo módulo e os jogadores disponíveis
4.3 A minha ideia de pessoal
4,4 organização e estrutura. O valor das coisas simples

REGGIO 5. A Parma: QUILÓMETROS ALGUNS grande salto na


5.1 A realidade Parma
5.2 Filosofia e princípios de jogo
5,3 mover a bola, a posse eficaz
5.4 módulo e jogadores disponíveis
5.5 Campeão Tutelar
5.6 Metodologia e organização. usando sobe
5.7 O retiro, um cavalo ritual entre costume e da necessidade

6. A velha: JUVENTUS, EXPERIÊNCIA ZIDANE NO PROJETO CENTRO


6.1 A atmosfera Juventus
6.2 A presença activo do clube
6.3 A grande participação
6.4 módulo. Juventus 3-4-1-2
6.5 A defesa de três
6.6 método pessoais e de trabalho

7. Voltando para casa, família MILÃO, árvore de natal NACE


7.1 A atmosfera Milan
7.2 jogo Módulos
7,3 4-3-1-2 e a presença de Kaká
7.5 O médico pessoal
7.6 O partido e tripartida
7.7 Prevenção de lesões e Lab Milan
7.8 A sessão de treinamento
7,9 Trabalho na areia

8. Milan para Londres. Chelsea e Inglês de futebol


8.1 A atmosfera Chelsea
8.2 futebol Inglês e projeto Chelsea
8.3 As alterações na mosca. A importância de Lampard
8.4 Equipamento técnico e método de trabalho
8,5 treinos e jogos no meio da semana
8.6 Antes do jogo eo jogo no modelo Inglês

9. O PROJETO PARIS SAINT-GERMAIN EO FUTEBOL FRANCÊS


9.1 O PSG atmosfera
9.2 A pesquisa para o esquema ideal
9.3 Técnica equipamento e método de trabalho
9.4 A sessão de treinamento
9.5 Representação e trabalho de verificação
9.6 Entre a primeira ea segunda metade. Um exemplo de intervenção real

10. dez jogos MINHA HISTÓRIA


10.1 Você nunca pode assumir um resultado
10.2 Ten jogos a minha história
10.3 Deduções táticas e mentalidade

11. RAPIDAMENTE queria sair


11.1 Conclusões

glossário
CV Notas Credits
Para todos os funcionários.
Todos os jogadores que eu tive
e eu tenho a sorte de treinar. Para todos
os clubes que acreditaram em mim.
O editor gostaria de agradecer Alessandro Alciato vividamente que tem permitido o uso
alguns fragmentos Preferisco a Coppa ( Rizzoli
2009), que é de autoria de Carlo Ancelotti.
Legenda para acções de formação e JOGO:

A seta preta sólida Ele indica o movimento da bola.

seta cinza contínua indica um passe possibilidade.

Seta preta pontilhada Ele indica o movimento de uma equipe preta jogador.

Seta cinza pontilhada Ele indica o movimento de um jogador de equipa branco.


Introdução PORQUE

ESTE LIVRO

E l futebol sempre foi, e ainda é, a minha vida, o meu trabalho. É uma actividade que
consiste das muitas histórias que eu vivi com meus numerosos companheiros, e através
deles.
Um caminho de estudo, pesquisa e experiência no campo.

Em meu primeiro livro, Preferisco a Coppa, Eu digo a minha vida treinador


circunscribí descrevendo os estados emocionais que a acompanharam.

Com esse volume, no entanto, volto-me aos muitos colegas que vivem
diariamente esta paixão, independentemente da realidade que treinar, e aqueles que
amam o futebol, sem a possibilidade de transformá-lo em uma profissão de verdade,
quer descobrir a aspectos técnicos e relacionais que estão associados a emoções e
eventos: o agendamento de treinamento, gerenciamento de uma grande vigília, a
relação com os jogadores, fãs e da sociedade, bem como com a mídia.

Tenho a intenção de dizer ao leitor minha carreira e como eu jogo o trabalho do


treinador, um papel no qual, como na vida, você nunca param de crescer e que não se
limita ao desenvolvimento de táticas e módulos de jogo. Cada treinador tem um sistema
de favorito que considerado melhor do que outros, mas, estar atento e preparado
experiência profissional também sabe outros sistemas de jogos e sabe como aplicá-los.
Comecei com 4-4-2, mas depois que eu vivi realidades, o tempo ea experiência me
levou a conceber
sistema como uma espécie de terno, se possível, com um treinador viu o grupo de
jogadores que têm à sua disposição, muitas vezes campeões, para que eles possam
expressar plenamente as suas qualidades em um jogo ideal que representa a realidade
cultural e um clube histórico.

Hoje, eles muitas vezes situações económicas e comerciais impor decisões que
vão além dos requisitos de natureza estritamente técnica, o treinador é a figura que usa
seus conhecimentos para se adaptar e, por vezes, criar um jogo modelo eficaz e
específica para permitir a melhor utilizar os seus jogadores e talentos que você tem à
sua disposição.

Embora eu não fingir que este livro é um novo manual sobre futebol, vou escrever
sobre todas estas questões, porque, repito, acho que o futebol não é apenas sobre a
formação e para entrar em campo para uma equipe bem preparada. Conversa, é claro,
táticas, sistemas e módulos que usam, mas também têm o prazer de partilha, mas
aspectos menos óbvios igualmente relevantes que fazem parte alguns dos destaques
do meu passado e presente trabalho.

C ARLO A NCELOTTI
1

DE um jogador de futebol TRAINER


1.1 A decisão

Há um ditado que diz: "Tente outra do que aqueles que dizer-lhe para sair, decide sua
cabeça."
Em 1992, ele teve que tomar precisamente tal decisão. Como acontece com a
maioria dos jogadores, eu estava naquela fase da vida quando os pensamentos oscilam
entre o desejo de continuar a jogar ea realização gradual que algo está mudando dentro
e fora de si mesmo. Então eu decidi pendurar os sapatos.

Não foi uma decisão fácil -pelo contrário, tinha acabado obtido a primeira e única
dupla a minha carreira apenas última partida no San Siro contra o meu velho mestre
Verona Liedholm eo fato me fez dúvida novamente, mas finalmente chegou deixar a
conclusão por duas razões.

O primeiro foi a possibilidade de permanecer no mundo que amava a assumir um


novo papel, o de assistente de Arrigo Sacchi, que tinha deixado Milan por um ano para
se tornar escrutinador da equipe nacional. Uma das dificuldades que muitas vezes têm
jogadores com suficiente segurança é entender o que fazer quando crescer, ou seja,
quando eles estão prestes a ser projetada no mundo real. Muitas vezes você não tem
uma oportunidade importante antes de parar carreira de jogador, então eu não podia
perder a oportunidade que ele tinha me dado Sacchi.

A segunda razão foi a crescente dificuldade de jogar com alguma continuidade.


Ele tinha trinta e três anos e estava começando a sentir os problemas físicos. Nas cinco
temporadas que passou em Milão tinha ganho quase tudo, e depois da partida de
mecanismos clube chegada consolidado de Sacchi e Capello estavam mudando
profundamente. Então, eu queria terminar a minha carreira antes que alguém me fazer
entender que isso acabasse.

A abordagem à realidade da equipe nacional foi muito positiva e, desde o início eu


entrei sem problemas em meu novo papel. A este respeito, deve reconhecer a ajuda de
pessoas que demonstraram muita confiança em mim. Recordando que o tempo, se eu
tivesse que sugerem agora um treinador aspirantes
atitude a tomar em uma ocasião tão diria que ele iria enfrentar o novo caminho, para
empreender com grande curiosidade e abertura nova aventura. A curiosidade sobre
ajuda a ser motivado a buscar e propor coisas novas.

Pensa-se frequentemente que, depois de muitos anos jogando como profissionais, os


jogadores têm conhecimento suficiente para treinar em qualquer nível. Eles estão
errados: experiência como jogador pode ajudar relacionamento direto com os
jogadores, isso é tudo.

Por isso era importante para mim para me iniciar ao lado de um dos melhores
treinadores do mundo. Eu aprendi muito com Sacchi. Foi muito exigente, tanto consigo
mesmo e com aqueles que estavam ao seu lado, e esta é a melhor maneira de
aprender. Sacchi me ajudou a entender como as equipes e indivíduos, tanto a curto e
longo prazo são motivados. Ele me ensinou a adoptar um método de trabalho e sei que
para se comunicar de forma eficaz. Vamos discuti-lo nos próximos capítulos, mas
avançar porque eu acho que um método muito importante do trabalho de um olhar
treinador. Eu diria que é o bilhete de identidade, o estilo com o qual se propõe a fruta e
síntese de suas experiências e conhecimento. Como eu disse, quando você dar seus
primeiros passos como treinador, naturalmente, você chamar a sua experiência de
futebol. É a sua base de apoio, uma base que combina os métodos de trabalho dos
treinadores que têm acompanhado a sua carreira, mas, ainda, e no entanto importante,
não é suficiente para desenvolver plenamente a nova profissão. significa treinar
executar funções pressupõem uma certas habilidades técnicas, psicológicas e
organizacionais, e um grande equilíbrio emocional.

Você precisa saber para traduzir a experiência para o novo papel como jogador e
para este estudo, pesquisa e diálogo com outros treinadores, além de todo o
conhecimento adquirido em cursos escolares têm de combinar treinadores.

Como líder de sua equipe, o treinador torna-se o centro de unidade e coesão


enquanto ele carrega o fardo de
responsabilidades. O treinador sempre pensa sobre a equipe; quase sempre o próprio
jogador.
2

DE TREINADOR A TREINADOR
2.1 Método e respeito no futebol de hoje

O mundo está em constante evolução treinador. É um caminho em que a jogabilidade,


os métodos e as pessoas mudam constantemente enriquecer sua bagagem de
conhecimento.

Por exemplo, em meados dos anos noventa, quando eu comecei a minha carreira
como treinador na Reggiana, Parma e, em seguida, o trabalho foi desenvolvido
principalmente no campo. A maior parte do tempo foi dedicado à formação de
programação, o aperfeiçoamento técnico e tático, tanto individual como colectivamente,
eo crescimento do grupo e os jogadores disponíveis. O espaço hoje é dedicado a
aspectos tais como o fortalecimento do músculo e exercícios para prevenir acidentes
não estava prevista no método de tempo ou apenas foi parcialmente de modo; Por outro
lado, muita atenção para trabalhar em força emprestado. Além disso, a actual
organização da sessão de treinamento, que inclui momentos de análise e discussões
em profundidade entre os membros da equipe, foi muito genérico, entre outras coisas
porque não havia métodos e tecnologias eficazes que permitam quantificar com certeza
o trabalho coletivo e individual. A avaliação da carga de trabalho foi confiado quase
exclusivamente aos parâmetros muitas vezes se aproximam e, claro,

insuficiente. Tudo foi baseado


principalmente na experiência e conhecimento pessoal do treinador e do treinador. Eu
mesmo, em primeiro lugar, não tem um bom relacionamento com o computador,
ele
considerado pouco mais do que um pedaço inútil de lixo e eu fiz o divertimento de meu
assistente, propus que úsase. Mas desde então muita coisa mudou, de modo que, hoje,
a tecnologia é um colega indispensável.

No meu segundo ano em Milão, houve uma mudança significativa: foi-me


oferecido a possibilidade do famoso Milan Lab, uma estrutura capaz de monitoramento
durante a carga de treinamento exercícios físicos, mesmo técnico e tático.

A partir desse momento a minha maneira de fazer o trabalho mudou. Claro,


também na Reggiana e realidades sucessivas ele tinha uma equipe que estava
trabalhando e compartilhada
tudo, mas o método era diferente e o número de membros do grupo de trabalho
numericamente inferior à experiência que tinha começado em Milão. Até então ele tinha
"concentrada" muito, mas ele não poderia manter permitiéndomelo. Então, eu precisava
me aproveitar de novas figuras e criando uma harmonia de trabalho entre os diferentes
poderes; em outras palavras, para ter uma equipe maior, no qual o técnico tradicional,
treinador goleiro e treinador de fitness, novos profissionais se juntou.

Se anteriormente correspondeu a treinar todas as decisões que afetam todas as


áreas da programação, a partir daquele momento teve que delegar algumas delas para
construir uma equipe, ou seja, um grupo de compenetrado e capaz de desenvolver um
trabalho de ação integrada.

Esta mudança, evolução, é a razão que hoje a imagem do treinador é identificado


vez com um treinador,
uma figura que tem um papel de toda fiscalização, supervisionando o trabalho de outros
profissionais. A contribuição dos diferentes membros que compõem a confiança pessoal
e preparação séria melhora o serviço que permite o crescimento do atleta; Por esta
razão, o técnico que pretende coordenar deve ampliar seus conhecimentos.

Então, meu trabalho direto no campo foi reduzido ao longo dos anos, enquanto eu
estava envolvido em outras situações e conhecimentos discutido abaixo em mais
detalhes.
Podemos dizer que, no passado, o papel da treinador Ele foi modificado no
escritório, porque agora as exigências são diferentes, tanto no que diz respeito ao jogo
como os aspectos técnicos e físicos do atleta. Basta pensar em como ela mudou a
velocidade do jogo sobre o tempo eu fui para o campo para entender a necessidade de
também alterar o método de formação do futebolista moderno. Naquela época, quando
foram receber a bola você pode controlá-lo, pense sobre onde gastar e, em seguida,
executar o gesto técnico. Agora, temos de acostumar o jogador ter a solução, mesmo
antes de ganhar o controle da bola.

Eu sei que todos os meus colegas sabem este fato, mas eu queria fazer alusão a
isso de qualquer maneira para enfatizar que um treinador
Você nunca pode ser parado neste; pelo contrário, você deve trabalhar
incessantemente para que o método utilizado continuamente evoluir e permitir não só
manter o ritmo com as mudanças, mas antecipá-las.

2.2 Valor de programação

programação adequada atribui efetivamente grande trabalho.


Mais tarde veremos como as sessões são coordenadas e preparadas pelos
encontros prolongados entre membros da equipe. Nós também discutir as diferenças
que caracterizam a planear em diferentes clubes e culturas nacionais. No entanto, em
geral, eu considero que a programação deve sempre ter:

Um objetivo claro (jogo de computador).


A preparação adequada do macrociclo, ou seja, uma grande parte da
temporada de competição. planejamento coerente de uso de mídia
(exercícios).

Um cronograma de sessão diária que leva em conta o número de


jogadores disponíveis.

Agendar um macrociclo específico pode ser simples, é muitas vezes mais difícil
de planear a sessão de trabalho diária, porque é sempre condicionado pelo número real
de jogadores que você tem à sua disposição. Quando eu digo que "os programas são
feitos para serem transformados" (uma frase que os meus colegas sabem muito bem)
fingir que a realidade pode mudar o horário de trabalho estabelecido após uma análise
cuidadosa da última sessão. Alinhar um grupo inteiro é muito diferente para alinhar um
com jogadores lesionados convocados pela equipe nacional em falta, e assim por
diante.

Mudar sem perder a eficácia ea finalidade do trabalho coletivo e individual


pressupõe que o treinador deve sempre procurar um equilíbrio com a ajuda de seus
colaboradores. Hoje, graças ao
novos sistemas de monitorização, o fator de recuperação é o que mais afeta o
planejamento e programação de treinamento. O principal objetivo é ficar entre uma
reunião e uma reintegração completa tanto do indivíduo, considerando a sua
participação não direta ou em competição, como a equipe como um todo, colocando,
assim, capaz de suportar totalmente a sessão agendada seguinte.

Como seria de esperar, há uma grande diferença entre o agendamento de uma semana
e um tipo em que um jogo é jogado. Vou abordar esta questão com mais detalhes
quando as sessões ilustres várias semanas que tenho desenvolvido em diferentes
clubes que eu treinei. No momento eu salientar que, independentemente da realidade
em que trabalham, quando duas semanas diferentes são planejadas tem que pesar dois
aspectos importantes:

1. Uma gestão diferente do rácio de recuperação de carga.


2. Gestão física adequada dos jogadores não utilizados na competição.

No entanto, a divisão é aqui divulgado uma simples indicação de caracteres


cronológica.

Exemplo digite sem jogos durante a semana e mesmo jogo no domingo:

dia 1.er: segunda-feira.


Eu descanso.

2º dia: terça-feira.
Objetivo: recuperação ativa. Mídia: exercícios
de baixa intensidade.

3.er dia: Quarta-feira.


objectivo primordial: melhorar a força. Mídia: Exercícios com a bola
em espaços específicos.

4º dia: Quinta-feira.
objectivo primordial: Melhorar a resistência. Mídia:
exercícios táticos.

5º dia: Sexta-feira.
objectivo primordial: melhorar a velocidade. Mídia:
Exercícios com e sem a bola.

6º dia: Sábado.
Objetivo preponderante: Aumento da reatividade. Significa:
Exercícios secos (sem a bola).

7º dia: Domingo. Reunião temporada. semana match exemplo, após

dois ou três dias:

dia 1.er: Dia após a partida. Objetivo:


recuperação ativa.
Mídia: exercícios muito baixos de carga com caráter aeróbico.

2º dia: dia anterior ao jogo no meio da semana. Objetivos: Trabalhar na


reatividade e trabalho tático específico.

3.er dia: Party.

4º dia: dia seguinte ao jogo.


Objectivos: A recuperação ativa e diferente para aqueles que não participaram no
grupo de trabalho.

5º dia:
Objetivo: Trabalho Conjunto técnica e física.

6º dia:
Objetivos: reatividade Trabalhando e táticas específicas.

7º dia: Party.

2.3 A ferramenta de bola no centro de trabalho

Actualmente, quase todas as atividades no campo


Ele realizada utilizando a bola, que é viável, como já indicado acima têm, graças à
maior capacidade de avaliar a carga real de cada formação, tanto física e técnico-tático.

Dado o tipo de serviço que faz um jogador, é essencial prosseguir a sua melhoria
física geral utilizando os meios mais adequados para o trabalho no campo.

Isto requer corretamente avaliar dois aspectos fundamentais:

1. Conhecimento da carga de treinamento produto de caráter técnico e


tático. Isso permite que, com um equilíbrio bem sucedido entre o trabalho
ea recuperação, a formação mantém seu objetivo sem o trabalho de
natureza física excessiva.

2. O uso correto do espaço onde o treinamento técnico e tático é usado com um


objeto físico. Geralmente, no que diz respeito às dimensões do campo
utilizado, o princípio é:

Se queremos trabalhar duro, o campo espaço deve ser pequeno em


tamanho para permitir que o atleta de realizar acelerações contínuas,
desacelerações, pára e novas start-ups. Se, no entanto, queremos
melhorar a força, usar grande, até mesmo todo o campo de jogo.

Vamos representar este princípio por vários dos exemplos que eu vou mais tarde.

2.4 O edifício equipe tática

Para um sistema de jogo para ser eficaz é essencial para gastar muito tempo no campo
porque o jogador deve saber exatamente o que fazer em diferentes situações de
concorrência. Este objectivo só pode ser alcançado através do trabalho prático que
permite testar várias vezes por reais situações possível.
Neste sentido, o exemplo clássico é, mais uma vez, Sacchi e Milan. Fizemos
treinamento tático incessantemente; certos mecanismos não eram naturais; fadiga foi
desumano. Sacchi repetido para nós uma e outra vez: "Temos que manter uma
pontuação que você precisa saber de cor." No final todos sabiam exatamente o que
fazer em qualquer situação de jogo fez que buscou a paz de espírito. Eu sabia onde ele
deve ir quando Tassotti, Maldini, Baresi, Van Basten tinha a bola. Ou um adversário.

Já se sabe que os resultados significativos são alcançados com grandes


jogadores, mas somente se eles conseguem formar uma grande equipa. O fato de fazer
muitos campeões em campo não é, por si só, garantir o sucesso; Também é necessário
um trabalho minucioso que lhes permite identificar com o jogo, a mentalidade eo grupo
processo de ajuste. No Milan da diferença determinada invincibles consciência de ser
uma equipe e muito forte sentido de pertença a ele, bem como para a sociedade e
cores. O campo vieram pessoas que tinham tomado seus primeiros passos em
Milanello, que eram rojonegros para sempre.

Então eu considero muito importante para tentar criar uma equipa com uma
identidade precisa, que eu sempre tentei fazer, independentemente das diferenças que
tinham jogadores que tinham à minha disposição. Construir uma equipa com uma certa
identidade significa dar a capacidade de se ligar, especialmente em tempos difíceis. Só
eu enfrentei uma situação diferente quando eu dirigido equipas como Juventus e
Chelsea, porque já tinha uma identidade bem estabelecida, tanto em termos de
jogadores e do sistema.

A experiência me leva a pensar que, em termos gerais, quando treinamos


equipamento sem uma estrutura construída e temos a intenção de fazer o jogo natural e
eficaz, devemos dar prioridade ao trabalho tático, mesmo em detrimento da física. No
entanto, embora as estruturas e tecnologias existentes aplicados ao futebol para avaliar
e, portanto, coordenar o trabalho uniformemente com uma boa aproximação, ao apontar
táticas tão predominantes sessões podem correr o risco de ultrapassar o carregar com
o declínio subseqüente na agilidade física. Este é um preço inicial a considerar.
Uma pequena sugestão: uma vez que a posição do treinador é sempre precária e
que a paciência que nos dão é pouco, na esperança de que os efeitos desejados
ocorrer, é aconselhável manter em qualquer equipe caso atletismo em um bom nível.
Uma vez que conseguimos esse objetivo, podemos reequilibrar o relacionamento e
combinar de forma que a carga total é o ideal.

2.5 Criação de um relacionamento

A equipe é um grupo em constante movimento. Portanto, o fato de ter criado uma


identidade tática eficaz não é suficiente para garantir a realização dos objectivos de
esportes previamente estabelecidos. valor técnico e tático ter uma equipe é, sem
dúvida, fundamental para obter grandes resultados, mas para alcançá-los e, acima de
tudo, para mantê-los permanentemente, você deve sempre manter o alto nível de
concentração e compromisso com o projeto coletivo de todos os elementos que o
compõem. Para isso, o treinador deve monitorar continuamente e cuidadosamente
estado mental e relacional dos indivíduos e do grupo.

Criar um grupo forte e coeso depende também, eu diria que, acima de tudo, a
relação que o técnico pode estabelecer entre ele e seus atletas, bem como entre eles.
Na minha carreira no futebol, tive a oportunidade de ver em ação muitos grandes
treinadores cujas abordagens foram, por vezes diametralmente opostas: Ao contrário de
Eriksson, que na parte da manhã estava sempre disposto a apertar a mão de todos
antes de iniciar o treino, Capello ele mostrou abrupta e não estava inclinado a
tratamento dialético. No entanto, podemos dizer que, em geral, o sucesso de um
treinador passa por um bom (termo que significa muitas coisas ...) relacionamento com
os seus jogadores.

É por isso que a comunicação é um papel tão fundamental na gestão do grupo.

Essa comunicação inclui a negociação entre o desejo do atleta e do treinador. Neste


espaço o relacionamento, que pode variar de absoluta confiança e resultado
desconfiança de preconceito é definido.
Comunique-se bem significa ensinar melhor e, portanto, aprender melhor.
comunicação correcta melhora a relação, quer sob a
nível individual ou de grupo, favorecendo um melhor desempenho.

Comunicando significa colocar comum o que é nosso, ou seja, a transmissão de


compartilhamento de conteúdo. O primeiro orçamento para uma comunicação eficaz é
ter valores e da própria filosofia clara de um.

Nesta perspectiva, é essencial também muito presente:

A tarefa em mãos. O que realmente se


comunica. Quem se comunica. Como
você se comunica.

Só com estes princípios, é possível determinar os objectivos a perseguir.

Refiro-me apenas parcialmente objecto de comunicação, tendo em conta que,


embora ele assume um papel crucial e parte do meu desenvolvimento profissional, é um
assunto muito amplo que não vou entrar neste livro. Nele eu só vou compartilhar com
vocês alguns pontos que considero importantes na relação entre o treinador ea equipe,
e no meu modo de se relacionar com os jogadores.

Especificamente, eles são:

Freqüentando o vestiário.

Considero importante que freqüentam o treinador vestiário, embora não regularmente.


Os vestiários são o lugar onde você pode criar um momento de comunicação horizontal,
ou em outras palavras, a paridade com os jogadores. A comunicação horizontal permite
um diálogo informal que possa lidar mais livremente até mesmo as questões mais
sensíveis.

A busca do diálogo, coerência e objetividade. O treinador deve tomar decisões


e que, por mais que você tente ser consistente e imparcial, pode gerar momentos de
desentendimento com seus atletas. É um aspecto muito delicado que às vezes pode
comprometer a relação entre o treinador e o vestiário.
Por isso, é necessário ponderar todas as situações e técnica procurar em todos os
momentos para transmitir o objetivo ea natureza consistente de suas decisões, para
que o atleta entende que estes nunca são tomadas com base em um valor absoluto,
mas considerações de caráter técnico tático. Há, naturalmente, uma tarefa simples, e
mesmo quando realizada com a maior delicadeza não é fácil de manter continuamente
uma óptima relação com todos os jogadores, especialmente aqueles que jogam menos.

Por favor note que eu disse que a busca do diálogo é essencial, mas isso não
significa que o treinador Devo explicar as suas decisões em todos os momentos, porque,
finalmente, perder a credibilidade aos olhos do atleta. Nem sempre é possível expor o
seu pensamento completamente, uma vez que sua tarefa é manter, em qualquer caso
elevada motivação do jogador. principal objetivo de cada jogador é jogar cada jogo, é
natural, e é difícil explicar as razões para um ou, pior ainda, muitas exclusões
consecutivas. Podemos dar todas as interpretações que queremos ser preciso,
verdadeiro, mesmo nos ensaios, o atleta considerar qualquer maneira que a sua
exclusão é uma "injustiça". Repito que, como treinador, o diálogo com os jogadores é
essencial e eu acho que eu sempre tive um excelente relacionamento com eles, mas se
eu achava que todos compartilhavam e aprovado minhas decisões seria ingênuo.

Os fatos estão acima de qualquer discurso e se um jogador não joga palavras


pode se tornar um realimentação
negativo. Por esta razão eu considero oportuno prestar muita atenção para o que é
comunicado. Neste sentido, a opção de não falar e não se comunicar com um jogador
pode ser motivada pelo desejo de impedir que isto pensa que "o cabelo."

"Se ele senhor Ele me diz que eu sou bom, eu treinar bem, então por que estou
sempre no banco? ", Isto é, mais ou menos, o que ele acha que o jogador quando a
exclusão enésima ocorre. Em qualquer caso, o treinador deve sempre estar preparado
e disposto a falar com ele quando solicitado.

Como eu disse, a dificuldade que enfrentamos nas melhores condições para


manter os jogadores que não jogam o jogo não é de caráter físico, mas mental.

É motivação, às vezes até mesmo a auto-estima, que é executado


o risco de afundamento, e o treinador pode aceitar ter um "louco", mas está disponível e
ativo no treinamento e no campo, mas não pode permitir que um jogador é jogador
apático e desmotivado. Neste caso, você deve intervir drasticamente.

comportamentos atleta diferem, em parte, dependendo das realidades culturais.


No próximo capítulo vamos falar sobre isso.

alternância correta e sábia entre momentos recreativos e profissionais.

Independentemente do nível em que ela é praticada, no fundo, o futebol é um jogo.


Assim, no espaço de trabalho, altamente profissional, você tem que passar algum tempo
divertido.
O treinador deve garantir que a sessão de treinamento irá girar de maneira
uniforme e correcta e eficiente uma fase em que se pode e deve rir e brincar com outra
em que é necessária a gravidade extrema, atenção e concentração.

Educar o grupo eo indivíduo de distinguir corretamente os dois momentos torna o


trabalho mais produtivo e permite enfrentar com calma as pressões do campo.

Consistência nos próprios princípios orientadores. O treinador

deve ser a primeira de transmissão:

Seriedade. Disciplina.
Profissionalismo.

Os melhores interesses do grupo sobre o indivíduo. Criando uma

filosofia de trabalho baseada em:

Staff: competente e em sintonia. Alguns jogadores


responsável. comportamento disciplinado.
Transmissão próprias idéias de jogo:

comunicação verbal.
comunicação prática através do trabalho no campo. Confiança.

exercícios consistentes com a idéia e presentes no módulo. Participação


de jogadores.

2.6 A relação com o clube. o gerente Inglês

Outro aspecto essencial do trabalho de um treinador é sua relação diária com o clube.

Esta é uma relação profissional muito importante que requer uma grande
capacidade de integração técnica e adaptação positiva, uma vez que cada clube difere
dos outros por sua estrutura social, cultura e tradição.

também falar brevemente sobre as diferentes realidades que tenho enfrentado e


como cada um deles, apesar da necessidade de coerência da acção, eles forçaram-me
a ter uma abordagem diferente.

Sabiamente ouso dizer adeus sempre paira sobre nossas cabeças, geralmente
devido a um período de resultados negativos, às vezes é aprovado ou rejeitado,
dependendo da qualidade da relação estabelecida com a gestão de um clube. Cedo ou
tarde, todos os treinadores vivem períodos de resultados negativos, mas têm ou não a
possibilidade de aplicar medidas corretivas e, assim, superar, depende também do
tempo em que dá o tempo de clube pode variar dependendo se a relação entre eles .

Eu acho que a relação entre o treinador e a sociedade deve ser, acima de tudo,
informativo. Então eu acho que o treinador deve sempre ter na sociedade ciente de:

O trabalho realizado.
Como pretende realizá-lo.
Decisões que tenciona tomar em todas as ocasiões, tanto tecnicamente e
estrategicamente. O que acontece nas sessões diárias.

A linha entre um treinador e as pessoas que representam a sociedade em


qualquer nível é baseado na clareza inicial eo
consistência clube com os objectivos definidos com antecedência. Objetivos que não
dizem respeito apenas os resultados em termos de vitórias para chegar, mas também
os aspectos inerentes na filosofia da sociedade.

Na minha experiência, Inglês, tive a oportunidade de experimentar o papel de


treinador-called gerente, uma figura que combina as funções técnicas, tomada de
decisão e organizacional e, portanto, também assume o papel de linha-guia a seguir
para alcançar os objectivos definidos.

Muitas vezes, o gerente também se concentra em determinado mercado decisões


econômicas, como foi o caso de Arsenal e Manchester United, mas esse papel não se
tornou generalizada muito. Ela ocorre principalmente quando o clube cabeça qualquer
proprietário único ou presidente, mas um grupo de acionistas ou proprietários que não
são locais, de modo que a ausência de um guia única ou sempre presente é necessário
para o treinador para lidar quase gestão completamente.

Como discutido abaixo, independentemente da estrutura do clube, o que conta é a


de escolher uma sociedade onde existem:

reconhecível e reconhecido em cada figuras função. divisão


correta e clara de tarefas. Um projeto claro e coerente.
3 A SISTEMA DE

JOGO E INTERPRETAÇÃO.

THE FESTA
jogo 3.1 Sistema e importância das tarefas atribuídas

Se você perguntar aos responsáveis ​pelas diferentes funções é um sistema de jogo,


creio que muitos deles responderá que é o arranjo dos jogadores em campo (para o
qual eu gostaria de acrescentar, especialmente na fase defensiva), mas acho que
quase nenhum dizer até que ponto são tarefas críticas que lhes forem atribuídas.

Para esclarecer o que quero dizer agora transcrever o diálogo mantido com o
médico, enquanto minha empresa sobre a disponibilidade de um jogador para entrar em
campo.
- Ok, ele foi curado, mas não pode jogar noventa minutos
- disse o médico.
- Por que você não pode jogar noventa minutos? Eu perguntei.
- Por muito tempo isso não acontecer, então você não tem noventa minutos nas
pernas respondidas atrás.
- Desculpe-me, doutor, eu me aposentei há vinte anos, você acha que você poderia jogar
noventa minutos?
- Não! 'Eu respondi.
Nesse ponto, eu disse ao médico, no entanto, pensou que poderia jogar o jogo até
o final, tudo dependia do que ele tinha que fazer no campo; Em outras palavras, a tarefa
atribuída a mim. Se eu lhe pediu para executar noventa minutos, ele teria que
satisfazê-los por quinze segundos, no máximo. Mais certamente não.

Mas se, em vez disso, eu tinha sido convidado a permanecer no círculo central do
campo e não se mover a partir daí, eu poderia ter até mesmo jogar extensões.

Este paradoxo é apenas um exemplo que pretendo focar na idéia de que as


tarefas atribuídas determinam o desenvolvimento do sistema. Assim, chegamos à
minha definição de sistema de jogo: através de tarefas atribuídas, especialmente no
campo de defesa, o sistema de jogo define o módulo de jogos (vivo e dinâmico) do que
qualquer treinador, de acordo com a sua interpretação e respeitando o básico, você
pode criar jogadores que têm à sua disposição.

Além da escolha que faz um treinador, qualquer


sistema de jogo deve ser:

Betão.

Ou seja, para trabalhar, assim:

Precisa de alguns jogadores capazes de integração entre eles, de modo que


o valor é dado às qualidades e defeitos de cada um são cancelados.

Não levar o atleta campo da forma mais adequada e exaltando suas


qualidades. Eficaz.

E por tanto:

Equilibrado, isto é, capaz de garantir a força nas duas fases de jogo


(posse e não a posse). Elástica, isto é, capaz de se adaptar às exigências
e diferentes posições táticas dos adversários. racional; em outras
palavras, capazes de exaltar e refletem as características dos jogadores.

Por exemplo, se os jogadores de defesa que compartilham meu grupo tem


especialmente fortes defesas centrais, eu acho que é pouco mais do que natural a
adotar um sistema com uma defesa de três. Seria diferente se eu tivesse algumas
defesas capazes de assegurar as duas fases do jogo, porque então eu optaria por uma
linha defensiva formada por quatro jogadores.

A mesma fala pode ser verdade para o grupo de meio-campo. Nesta seção,
muitas vezes nos encontramos numa proporção que depende de cada situação, com melhor
jogador jogado diferente pouco menos do que as mesmas funções, de modo que somos
obrigados a fazer exclusões e limitar o uso da melhor potencial disponível. A
capacidade do treinador no sistema de jogo escolha e modulação permitirá a utilização
simultânea da maioria dos campeões talentos presentes na seção. Profundizaré sobre
isso quando eu contar a minha experiência no Milan, o nascimento do sistema de
árvore de Natal e como um
grande talento, indefinido até então, encontrou a sua posição final sobre o campo e se
tornou um dos melhores meio-campistas do mundo: Andrea Pirlo.

Em certo sentido, o ataque seção deve ser mais fácil de encontrar uma solução
para usar os melhores jogadores, o melhor com qualquer plano de jogo, mas não neste
caso pode tomar nada como garantido.

Barcelona, ​por exemplo, mostrou que uma seção ofensiva pode ser prejudicial
mesmo quando não tem um real e codificadas atacantes.

Para os jogadores que compõem este grupo também é importante, especialmente


quando você não pode escolher fase de mercado, encontrar o sistema que permite o
uso máximo de campeões e destacando as características mais individuais.

Os atacantes são precisamente aqueles que ajudam a tornar o jogo mais ou


menos produtivo e eficaz, graças à sua capacidade e sua vontade de colaborar com o
resto da equipe.

3.2 Tarefas e características de jogadores

Ciente da importância das tarefas a desenvolver o sistema de jogo, o treinador sabe


que eles são em grande parte ligada às características dos jogadores. De um modo
geral, uma vez que estabeleceu o sistema de adotar, quando atribuído tarefas
individuais não só leva em conta as características do jogador em particular e do papel
levados em consideração, mas também as peculiaridades técnicas e físicas do
companheiro mais próximo. O treinador vê o todo, combina qualidades individuais e
compõem a equipe.

Por exemplo, quando eu atribuir a tarefa a uma defesa Eu sempre considerei as


prerrogativas do defesa-central que está mais perto e meia que está na frente dele.

Se minha defesa tem diante de si um campo de centro colega negócio quando


roubar a bola, mas não muito dinâmico, vou atribuir a tarefa a pressionar e atacar mais
vezes, porque eu acho que o meio-campista irá garantir uma cobertura adequada .
Desta forma, você vai garantir a ação ofensiva do time
necessário, enquanto o equilíbrio necessário para o desenvolvimento do jogo.

Esta ideia, que voltaremos em outros capítulos, é um dos princípios que tem
permitido o módulo chamado árvore de Natal. Quando os jogadores disponíveis são um
campeão cujas características se sobrepõem ao invés de complemento, o equilíbrio
pode e deve ser prosseguida através da atribuição de tarefas táticas individuais.

Em suma, relevantes para o desenvolvimento de um fatores dependentes do


sistema de jogo:

As características dos jogadores. tarefas


atribuídas.
A combinação correta de tarefas individuais que mantém um bom
equilíbrio de equipamentos.

3.3 O contador de Rediscovery

Discutimos sistemas e módulos que eu uso, mas, como tenho repetidamente salientado,
o futebol é um laboratório permanentemente aberto onde treinadores estão sempre
ansiosos para capturar novas e excitantes mudanças.

Numa recente reunião realizada em Genebra com a participação de colegas de


toda a Europa que descobriram que o contra-ataque é reutilizado freqüentemente em
táticas como um jogo de estratégia. Naturalmente falamos de uma eleição organizada,
conforme previsto no momento presente, você tem que se preparar adequadamente
para a equipe para usá-lo em todo o seu potencial.

balcão organizado nos permite, depois de ter recuperado a bola, usando nosso
favor que deveria ser um momento de pressão dos adversários. Esta estratégia é atacar
(rápido) o espaço atrás deles com um passe direto para um companheiro oferecido ao
fundo.

É uma solução tática que otimamente usar a superioridade numérica que é criado
e usá-lo melhor, você precisa entender que só é realmente eficaz
corretas certos movimentos coletivos.
Como poderia ser menor, também contará com o comportamento do adversário,
mas em qualquer caso, é importante considerar vários princípios fundamentais:

Aproveitando o campo (ofensivo contra) em toda a sua amplitude. Traga a


bola para fora. overlie o
parceiro que tem a bola
(Fundamental).
Atacar o fundo com o jogador em posição intermediária. A execução é
decisivo na escolha do momento certo. Ter uma posição muito tempo pelo
jogador adversário a bola.

Para clareza, irá colocar um exemplo prático de uma acção que simula contador
4-3 (Figura 1).
Figura 1
A recebe a bola do lado de fora e atacar o defesa 1. B sobreposição faz um movimento em A. C É na posição e
ataques profundidade central com um corte para trás o defensor 2. D Ele tem uma longa posição sobre o lado oposto.

Dado o comportamento dos três defensores, A vai procurar a solução mais eficaz.

3.4 Preparação do jogo

Hoje o futebol é organização, pesquisa e tecnologia, eo aspecto lúdico e criativo que,


felizmente, permanecerá para sempre investigações e análises detalhadas de equipe
própria e juntar-se ao adversário.

A festa é o evento que sintetiza e expressa o trabalho complexo e profundo


desenvolvido pela equipe, uma tarefa em que participam, de maneiras diferentes, todos,
realmente todos do clube última colaborador.

Assim, a preparação das reuniões torna-se um estudo detalhado eo tempo


dedicado a situações bola inativos e analisar os pontos fortes e fracos do inimigo são
aspectos que podem determinar o resultado.

Os métodos de trabalho estão em constante evolução e seria anacrônico falar


agora sobre o que foi feito no momento do Parma ou outras realidades.

Vou lhe dizer por que cada tempos passados ​ainda consideram relevante, mas
vou me concentrar principalmente sobre o que é feito hoje e diferenças metodológicas
que eu encontrei na cultura de diferentes países ou entre um clube de topo e outro.

A preparação da festa, uma tarefa que começa logo após o jogo anterior, é o fruto
de todas as ações que o treinador, pessoalmente ou através de seus associados,
realizada com dois objetivos:

1. Para melhorar o desempenho de sua equipe.


2. Contrariar a estratégia do adversário, tanto quanto possível.
Como eu disse, o futebol é fantasia, criatividade e qualidades individuais. A
atividade de preparação serve para exaltar tudo isso e não para dispersar potencial. No
fundo, a tarefa de um treinador que orienta a equipa de topo É permitir que os jogadores
revelam o elevado nível técnico que eles têm. Conhecimento aumenta, por isso é
importante para disponibilizar a sair de campo tanta informação quanto possível e tudo
o que pode ser um apoio útil para o desenvolvimento da estratégia do partido. Isso vai
minimizar os riscos devidos a situações imprevisíveis.

Como todos os meus colegas sabem, e como eu disse antes, um partido muitas
vezes pode ser condicionada por eventos imponderáveis ​e situações que podem se
tornar frustrantes vários dias de trabalho e preparação. No entanto, um treinador
também sabe que enquanto isso pode acontecer uma vez, duas, três vezes, não pode
comprometer o sucesso do trabalho com a equipe.

Além da importante contribuição da sociedade, a força de uma equipe e, portanto,


sua trajetória depende da qualidade dos seus jogadores e aplicação constante para
construir uma equipa forte, coesa e que não negligenciar qualquer aspecto.

Então, às vezes, quando eu falar com os meus jogadores, especialmente antes


dos jogos particularmente importantes, eu focar no momento crucial do trabalho
preparatório feito, porque eu acho-e eles devem também estar convencido de que o
resultado final que terá será a expressão do que eles têm feito e seu compromisso com
o planejamento semanal, tanto em termos de trabalho no campo e estudo e pesquisa
sobre si mesmos e adversários.

Fases de preparação a contemplar partido:

A observação direta pelos meus colegas, de pelo menos dois partidos


rivais.
A preparação de um relatório detalhado sobre as características de jogo
do estudo adversário.
Visualização de me vários vídeos em que
evidenciando alguns recursos específico
adversário.
Com base nos relatórios e filmes assistidos, fazendo um vídeo sobre
quinze minutos, que os jogadores vão mostrar-se de saber as suas
qualidades e fraquezas dos adversários. Dependendo do conteúdo do
filme, a preparação de várias sessões de formação específicas.
Aproximando-se o jogo, a exposição aos jogadores uma série de dados
sintéticos para ajudá-los no campo têm comportamento direito individual e
coletivo.

Para visualizar os observadores adversário usar um guia de protocolo que torna o


trabalho eficaz e uniforme e reúne todos os dados em uma síntese de uso prático e
imediato. Este protocolo centra-se em:

O sistema de jogo com o qual o adversário tem no campo.

comportamento adversário nas duas etapas do jogo.

Sobre este último ponto deve ser observado: Na fase defensiva:

No grupo de defesa:

Se a linha defensiva permanece elevado.


Se a secção é estacionária, e não para trás sobre a bola descoberto ou
vice-versa.
Se não houver ajuda, isto é, se os jogadores executar cobertura
movimentos recíprocos (o famoso diagonal). Se a linha continua forte.

Se os defensores tendem a subir rapidamente na depuração. Se você


tiver dificuldades em um em um e em circulação.
Em suma, você está convidado a mostrar as qualidades e defeitos de defesa tanto
individual como colectivamente.

No grupo de meio-campo:

As características dos indivíduos e movimentos defensivos.

Se uma secção agressivo ou tende a permanecer em posição.

Se você der uma boa cobertura para a linha de defesa. Se eles são

dinâmicos ou não. No grupo de ataque:

Se você tem uma boa predisposição para o trabalho defensivo. Se eles são
agressivos.

No nível coletivo também deve ver se a equipe permanece compacto. Em


particular, precisamos saber:

Se você manter a distância entre as linhas. Se eles


pressionado e em que área do campo.
Se você tende a usar uma atitude prudente ou mais impetuoso. Se eles perdem o

equilíbrio quando atacam. Se você usar a linha de impedimento como uma arma

defensiva. fase ofensiva: No grupo de defesa:

Se você começar com jogo manipulado por trás ou se eles usam o lançamento
longo.
Se as duas plantas estão trabalhando para construir o jogo. Se os dois
defensores empurrado em construção. Se você preferir jogar uma qualidade
horizontal ou vertical rapidamente.

No grupo de meio-campo:
A qualidade dos indivíduos.
Se você usar um meio-campista organizador na frente da defesa.

Se meio-campo são dinâmicos e são propostos sob ataque ou preferem


estar em posição. se
Eles desempenhado na horizontal ou preferem verticalizar rapidamente.

No grupo de ataque ver:

características técnicas e físicas individuais. Se eles se movem de forma


coordenada como um grupo. Se você preferir um ataque profundo ou
voltar a jogar banda.

Se você está qualificado na corrida e ser posicionado dentro da área.

No nível coletivo observado:

Se, a partir taticamente e mentalmente, é uma equipe que gosta de jogar


ou preferem defender e usar o contador.

Se uma equipe sofre altas intensidades. Se você tem um caráter forte e


resistir noventa minutos. Naturalmente, dada a importância do conjunto de peças
de tiro de hoje (escanteios e faltas), um estudo detalhado e minucioso destas
situações de jogo é feito.

Com base na informação recolhida uma estratégia de jogo que favorece a vitória
na partida e tendo em conta as características do adversário como a identidade do jogo
é preparado.

3,5 motivação Colectivo

meticulosa preparação de um jogo estratégico pode ser inútil se a equipe atinge o


evento sem abordagem mental coletiva adequada. Como eu disse, grandes resultados
são obtidos com
campeões, mas estes nem sempre são suficientes. É necessário que o objetivo é
comum, todos nós sentimos.
Eu também disse anteriormente que não é fácil motivar os jogadores
continuamente, especialmente aqueles que jogam menos. Enquanto trabalhava em
motivação coletiva, ou seja, na máxima participação de todos na viagem longa, lenta
que leva a equipe para um objetivo importante, é uma tarefa difícil para o treinador,
também é indispensável.

No livro Coppa preferisco Já me referi ao monólogo de Al Pacino no filme Um


Domingo Qualquer com o qual, na véspera da tão fundamental citada como a final da
Champions League de 2003 contra a Juventus, eu queria tocar o lado emocional dos
jogadores. Paralelamente a este é necessário enfatizar outro ponto fundamental: o
senso coletivo de pertencer ao que vai acontecer. Se você conseguir aumentar um jogo
após o outro se tornará um rio imparável.

Para construir todos devem sentir representados no resultado, ou seja, que cada
jogador sente que contribuiu pouco ou muito, o que vai acontecer no campo.

Muitos partidos aproximar permitem-lhe jogar uma final da Champions League,


ganhar um Scudetto ou alcançar qualquer outro objetivo. Eles são o resultado da
contribuição de todos, e muitas vezes em uma mudança de carreira pode ocorrer através
da pequena mas decisiva contribuição que jogou apenas parte de um único partido.

Na cavalgada que levou para Milão eu treinei a primeira vitória na Liga dos
Campeões motivação coletiva nascida a partir desta ideia e me incentivou a projetar a
final da competição vários episódios das partes que tinham nos permitiu chegar à final
em Manchester . Cada vez que havia um clipe mais e os jogadores foram
aumentando-se a todos os jogadores que compunham o grupo. Cada vez que ele voltou
a apresentar o vídeo enriquecido com novos elementos aumentou a orientação coletiva
para o objetivo comum, uma vez que todos realmente tudo sentiram que tinha colocado
a sua parte para alcançar final.Pienso vitória quando ocorrem eventos extraordinários
escopo ou, em qualquer caso, essencial para os objectivos da própria equipe, um
treinador deve encontrar uma maneira
manter a motivação de todos os jogadores vivos.

3.6 A gestão do partido

Melhor preparar o partido não é a única tarefa do técnico, uma vez que, uma vez
iniciado, a reunião pode desenvolver maneira completamente diferente do que o
projectado.
Por esta razão, o treinador deve levar o evento a partir do banco. É uma fase em
que o treinador, prestando muita atenção ao que acontece e manter um estado de
espírito tão alheio quanto possível para as emoções inevitáveis, deve ter o cuidado de
perceber, sinais corretos ou favor com freqüência imperceptível, preso no tempo, eles
podem imprimir o partido uma viagem favorável.

Obviamente enfrentamos situações variam de um partido para outro, por isso é


difícil identificar princípios gerais, mas mesmo assim, tentar se concentrar em alguns
que, de acordo com minha experiência pessoal, pode integrar um casuísmo indicativo.

Treinador do banco:

1. Olhe e veja os seus jogadores, ou seja, seu foco está em setenta por cento o
que acontece ao seu computador, e ver se
a estratégia preparada
avanço está em conformidade com o que acontece no campo. Por exemplo,
verificar, para citar apenas um exemplo

A atitude de seus jogadores. As dificuldades criadas


pelo adversário. Onde e como estas dificuldades são
criadas.

2. Tente interagir com os jogadores que têm mais perto de se comunicar


com eles e adverti-los, por exemplo, que a posição de um jogador ou
secção está incorreto.
3. sinteticamente gravar a informação que é, em sua opinião, importante
para se comunicar de forma eficaz para os jogadores quando o primeiro
período termina.
Durante o jogo, especialmente quando isso acontece em um estádio de mais de
sessenta mil espectadores, é quase impossível fazer grandes correções e jogadores
ouvi-lo. Assim, o intervalo entre a primeira ea segunda metade é um momento crucial.
Nele você pode criar orçamentos para alcançar amplamente treinador intervir e fazer
algumas modificações adequadas e eficazes.

Portanto, é importante para organizar este tempo com sabedoria para que seja
possível maximizar os minutos disponíveis antes de iniciar o segundo semestre.

Normalmente, eu organizado da seguinte forma:

1. Quando a primeira fase de jogar meus colaboradores, incluindo o


delegado seguinte arquibancada reunião e eu, nós nos encontramos no
vestiário para discutir nossos respectivos pontos de vista e procurar juntos
uma solução para o problema, se ele existir. Poucos minutos em que cada
um expressa sua ideia, antes de tomar a decisão final (nesse meio tempo
os jogadores têm sido capazes de descarregar algum stress, executar
qualquer ação individual ou ser assistido por médicos e fisioterapeutas).

2. Jogadores sentados e dispostos em um círculo, ouvindo os rumos e


tarefas táticas a serem executadas coletivamente no segundo semestre.
Falo por cerca de três minutos. Jogadores ouvir sem intervir.

3. Nos restantes cinco minutos, antes de voltar para o campo, eu falo e


trocar pontos de vista com cada um dos jogadores.

O tempo que temos é precioso e devemos ser capazes de dar indicações úteis
antes do jogo ser reiniciado. Por esta razão, a reunião com os funcionários as
informações devem ser precisas e essenciais, para que eu possa usar no diálogo
posterior com a equipe. Isto ajuda a compreender o quão importante é ter uma equipe
competente e também estão em grande harmonia com treinador.
3.7 Após o jogo

preocupações de gestão de pós-jogo apenas parte treinador do tempo. Em qualquer


caso, este deve saber manter o equilíbrio global adequada para que ambos campo
coletivo e individual, os episódios resultado do campo ou qualquer parte não prejudicar
a boa continuidade dos trabalhos.

Na minha opinião, quando um jogo termina treinador deve:

Aliviar as tensões e tentar dissolver-se, com a ajuda de seus


colaboradores, momentos de agitação que possa surgir.

Evitar intervir nas discussões e ficar de fora da controvérsia.

Comunicar amplamente alguns aspectos da festa que considera


importante, mas tentando não entrar em detalhes. Então, especialmente
depois de ter visto e analisado vídeos do jogo, você pode detê-los. Muitas
vezes, o sentimento que você começa assistindo o jogo do banco podem
diferir mostrando imagens de televisão.

Envolver a gestão quando necessário ou se houver um pedido nesse


sentido, ou como uma troca sereno de opiniões sobre o jogo.

3.8 As diferenças entre o futebol italiano e no exterior

O futebol é um jogo universal, mas há muitos aspectos da cultura e da organização que


o diferenciam de um país para outro. Exemplos incluem duas situações diferentes
experientes treinador após o jogo.

O primeiro é um bom hábito que eu descobri em Londres nos anos em que estive
no Chelsea.
na Inglaterra treinador a equipe jogando em casa, tendo cumprido os
compromissos 'institucionais' (jogadores,
imprensa, etc.) encontra-se em seus vestiários com treinador da equipe rival, que, como
ele, é acompanhado por sua equipe. Este encontro tem lugar em uma atmosfera e um
clima acolhedor, comer e beber na companhia e uma troca amigável de pontos de vista
sobre o jogo acabou de terminar e outras questões em geral é feito. Ele brinca e um
clima que contribui muito para aliviar as tensões e restaurar a serenidade é criado.

A segunda tem a ver com diferenças na relação com a imprensa.

O leitor terá tido a oportunidade de ver as inúmeras entrevistas que um treinador


deve ser concedido em Itália depois de cada jogo. Esta tarefa é muitas vezes
estressante, especialmente quando muitas declarações devem ser feitas diretamente
com diferentes entrevistadores. Infelizmente, você não pode fugir dela, então tudo o que
posso fazer é ser paciente e responder evitando qualquer tipo de discussão. No
entanto, esta prática é principalmente italiano, porque na Inglaterra, por exemplo, não é
qualquer entrevista de televisão dadas diretamente após uma partida, então o treinador
não deve ser objecto de perguntas e discussões urgentes num momento em que a
tensão ele permanece alta. Na França, no entanto, não existe após a reunião ao vivo,
4

P IRST PAPEL COMO TRAINER.


THE R 4-4-2 EGGIO E MILIA
4.1 O impacto

Após a Copa do Mundo foi disputado nos Estados Unidos em 1994 (fantástico,
certamente muito mais agradável do que os dois que eu vivi como um jogador no
México em 1986 e Itália em 1990) eu deixei o cargo de parceiro técnico Sacchi e decidi
começar meu solo aventura profissional. Eu queria envolver-se e estava curioso para
ver se era capaz de implementar as muitas idéias borbulhando na minha mente. Em
suma, eu me joguei no ringue e dada a forte concorrência que existia entre todos os que
aspiravam a se tornar treinadores, era uma arena com toda a lei. Reggio Emilia foi
minha primeira experiência como treinador com um capital E e, como qualquer primeiro
exame, eu vivia com grande entusiasmo, com um enorme desejo de agir, mas também
com muita incerteza e preocupação,

Comecei em Reggio Emilia por três razões.


O primeiro foi a possibilidade de iniciar este trabalho em uma sociedade que
acreditava em mim e estava determinado a me dar a grande oportunidade de liderar
uma equipe profissional.
Em segundo lugar, porque ele pensou que treinar um time que tinha ido apenas
para baixo a segunda divisão me ofereceu a oportunidade de liderar um grupo e um
ambiente que queria recuperar todos os custos e, portanto, tinha uma forte motivação.

O terceiro era afetiva e conforto em parte logística. Nasci na área de Reggio


Emilia e tinha passado a minha infância nele, então eu tive a oportunidade de trabalhar
sem ter que ficar longe de meus entes queridos, meus hábitos e lugares cujas práticas e
costumes compartilhados.

De modo que se poderia pensar que estava tudo bem desde o início e que o trabalho
correu bem, mas a verdade é que não era: a estrada estava cheia de obstáculos e me
fez entender o que significa para treinar.

Sacchi também sabia que quando ele tinha chegado a Milão, antes de
para empreender a carreira magnífica tanto nos fez ganhar, ele teve alguma dificuldade,
mas que a memória não poderia ajudar muito, já que, naquela época, eu estava do
outro lado da barreira e viu apenas um lado da moeda . Agora atuando em pessoa
finalmente compreendeu as dificuldades do papel.

Como eu disse, meus princípios eram realmente


"Terrível".
Consegui apenas quatro pontos em sete jogos ea equipe foi na cauda da
classificação. Nada mal para uma empresa que tinha subido a fim de primeira divisão.

O banco, presa de raiva, mexendo e posso dizer sem medo de contradição que,
apesar cruzou depois de outras dificuldades, foi um dos períodos mais difíceis da minha
experiência de trabalho. Especialmente por duas razões.

1. Para começar, ela ainda não tinha os instrumentos que lhe dá a


experiência e eu teria ajudado a saber que rumo tomar e como se
comportar.
2. Para completar, uma dispensa, logo no início da minha carreira, teria sido
terrível.

Felizmente, eu tinha o meu próximo sociedade paciente, disposto a acreditar em


mim e me dando confiança e tempo necessário para intervir se tudo veio para baixo. Em
um ponto eu até pensei em jogar a toalha, renunciando, mas, felizmente, eu absteve-se
de fazê-lo. Muitos projetos grandes nascem tempos verdadeiramente difíceis, o
problema é saber o que fazer em ellos.Puedo dizer o que meus pensamentos naquela
época eram.

Para começar, eu concentrada nos pontos fixos que me permitiu avaliar a


situação dos mais consistente e objetivo possível e, ao mesmo tempo me motivou a
continuar acreditando no trabalho. Além disso, tomei uma atitude de auto-crítica e eu
fazer as seguintes perguntas:

1. Tem a certeza de que o sistema de jogo que você propõe é adequado às


características dos seus jogadores?
2. Tem certeza que o trabalho de programação é suficiente para melhorar as
qualidades individuais e coletivas dos jogadores?

3. Tem a certeza que os jogadores estão convencidos e estão cientes do


que eles fazem?
4. Tem certeza que o grupo é compacto, sólido e você está realmente
fazendo tudo o que puder para atingir o objectivo?

Então eu pensei, e eu continuo a fazer, que quando a resposta a estas perguntas


é sim, o treinador deve continuar a acreditar no seu trabalho e continuar seu caminho,
porque os resultados vão chegar em breve, é apenas uma questão de tempo. Às vezes
eu acho que é conveniente para armar-se com calma e paciência, bem como autoridade
e determinação, e buscar o próprio projeto. Claro, também é necessário ter um pouco
de sorte para modificar o caminho, mas posso garantir ao leitor que o momento difícil
termina em breve. Reggiana aconteceu no caso. Desde o jogo que nós jogamos em
casa contra o Venezia, que vou discutir no capítulo dez, começamos a ganhar e não
parou até que ele subiu para a primeira divisão.

Eu acho que quando momentos cruciais são viveu em uma época de uma das
tarefas do treinador é para proteger a equipe das tensões naturais que os
acompanham. Eu acho que, mais cedo ou mais tarde na vida todos nós temos que
enfrentar um momento delicado. Quando estamos em tais circunstâncias, podemos
pensar em duas coisas:

O mal nunca termina.


Não noite, é escuro, ele mantém o sol no período da manhã.

Na minha opinião, para lidar com as dificuldades temporárias é melhor adotar a


segunda frase como uma filosofia de vida.

4.2 jogo módulo e os jogadores disponíveis


Reggio aventura começou com o 4-4-2, o sistema mais conhecido na época, graças à
experiência que ele tinha compartilhado com senhor Sacchi como jogador e treinador
adjunto. Como naquela época ainda tinha pouca experiência, eu usei-o porque ele
preferiu seguir a fórmula que dominava melhor e isso me deu mais segurança, sem
levar em conta as características dos jogadores que estavam à minha disposição. Além
disso, foi um momento em que o Milan de Sacchi estava recebendo grandes resultados,
por isso a maioria das equipes adotaram este sistema e utilizar a figura do
meio-campista, a tal ponto que "10" estava em circulação (Baggio, Zola, del Piero)
foram usados ​como bombardeiros.

Somente com a experiência que eu percebi que quando um treinador está prestes
a fazer o seu trabalho deve primeiro conhecer as características dos seus jogadores; Só
mais tarde, como eu disse, adotar e desenvolver um sistema que permite que cada
jogador para manifestar suas melhores qualidades.

4-4-2 Reggio era um sistema bastante acadêmica:

vontade de pressionando, mesmo ofensivas. curto e compacto.


Boa organização defensiva.

No geral, hoje eu ainda acho que o 4-4-2-apesar disso evoluiu consideravelmente


desde o "simples" que usou Sacchi no Milan, segundo a qual se o lado direito
pressionando a defesa, o lado direito ficou cobrir com uma simples mudança de
posição- é o melhor sistema de defesa, pois permite cobrir adequadamente o campo,
tanto nas zonas laterais ea central. Eu mesmo utilizado na fase que não tinha outros
módulos, tais como a árvore de Natal, especialmente. Disponível em três linhas de jogo
únicos mantém uma equipe bastante curto e, portanto, um bom equilíbrio para exercer
pressão eficaz, mesmo no meio do oposto campo.

Além disso, o fato de ter três linhas de jogo cria alguns problemas no campo
ofensivo: força-o a tocar ao vivo para os atacantes ou um jogo de construção em que,
através do
casais são formadas entre a defesa lateral e final avançada, muito depende da
utilização das bandas, com o consequente uso de numerosos transferncias. No entanto,
é verdade que as linhas de jogo também pode ser construído com o movimento dos
jogadores; por exemplo, com a introdução da extremidade entre as linhas rivais (isto é,
através de um movimento de corte) ou inverter um atacante, mas neste caso são
necessários bons tempos de jogo entre o movimento e passe.

4-4-2 de Reggiana previsto para dois jogadores como Pietro Strada e Marco Schenardi
nas faixas. Foram duas extremidades com completamente diferentes características
físicas e técnicas e, de um modo relativamente pouco atípico para 4-4-2 então canhões.
Então, para aproveitar ao máximo Virei-me para a devida atribuição de tarefas. posse
fase Strada e Schenardi foram os pontos fortes da equipe, então colocá-los em
condições ideais para expressar um progresso coletivo foi gerado.

Schenardi era uma asa clássico, um jogador dinâmico, com uma boa técnica,
hábil em saltar o homem e a corrida. A tarefa foi confiada a ele debaixo ficar longe
posse e usar seus recursos para executar uma ação, um por um na parte externa
destinada a alcançar a linha de fundo.

Strada, entretanto, era um menos dinâmica, mas com um grande senso tático,
hábil em movimento sem a bola, Bravo chute de fora da área e o passe final para o
jogador atacante. Ele I carregada para ser colocado entre as duas linhas opostas a
partir de uma posição de deslocamento e que recebeu a bola em movimento nas áreas
mais centrais. Desta forma, você poderia usar chute de fora da área e auxiliar os
atacantes, bem como liberando o espaço para a defesa lateral, poderia introduzir por
trás dele.

tarefas atribuídas ajudou a desenvolver o sistema de jogo e resultados


recompensado nosso trabalho. Então, vamos ver como coletivo comportamento é
fundamental na fase defensiva quando um treinador deve entrar em campo alguns
jogadores com qualidades ofensivas acima de tudo.
4.3 A minha ideia de pessoal

Quando você faz parte de uma equipe de colaboradores, como eu estava com Sacchi,
clima ação, relações, funções, multitarefa, mas, no fundo, mesmo se você está
planejando ou você coordenar algum trabalho, você tem grandes responsabilidades,
excepto jogar o melhor papel que você está atribuído.

Quando eu cheguei na Reggiana, no entanto, I foi o principal responsável por tudo


sobre os equipamentos e, portanto, uma das minhas tarefas era escolher e formar um
pessoal, ou seja, um grupo de assistentes que foram integrados e interpretasen melhor
meu eu pensava ser possível em todos os momentos respeitando seu profissionalismo.

A escolha de colaboradores é um momento importante e eu sempre pensei que


uma equipe ideal, bem como ser competente e confiável, deve ser capaz de construir
uma relação de grande harmonia, amizade genuína com o treinador, porque dá valor e
eficácia ao trabalho .

Esta convicção minha escolha ainda mais difícil.


Normalmente quando eu lidar com situações de aflição, eu confio muito no instinto
na minha sensibilidade, e que era, nada mais nada menos, o que eu fiz em seguida.
Felizmente, entre os profissionais, que não conhecia até aquele momento, e uma
relação extraordinária foi estabelecida em conjunto, formam um grupo de trabalho
eficiente.
Não é fácil começar do zero e ter que pegar o treinador, o treinador de goleiros e
o treinador. O fato de que, naquela época, a equipe de um clube eram menos
numerosos e Giorgio Ciaschini, meu treinador, também foi treinador de goleiros
Reggiana, facilitou a minha tarefa.

Hoje, a equipe aumentou uma gestão muito e, portanto, treinador É mais complexo
e exige mais atenção. Tem aumentado o número de formadores, campo assessores, e
acrescentou muitos novos números como, por exemplo, especialistas em análise das
partes, que se dedicam especificamente a uma única seção ou técnicos eles estudam e
preparar situações especiais jogo quando a bola está parada.

Isto significa que, além de seus parceiros de confiança, que seguem você de uma
sociedade para outra, você pode encontrar-se na situação de
dever e têm a necessidade de também introduzir novos elementos no seu grupo de
trabalho. Estes são números que, por razões diferentes, desempenham um tarefas
diretos ou indiretos que nem sempre sabem que, de qualquer modo, não escolheu
pessoalmente. Isso acontece principalmente no exterior, mas o conceito de ampla
equipe está cada vez mais difundido mesmo entre equipes de profissionais de nível
médio e alto e, conseqüentemente, e como eu disse, um treinador também deve
aprender a criar uma relação que permite que todos se sintam envolvidos e parte de um
objetivo comum.

A atmosfera de Reggiana era uma realidade que os recursos econômicos foram


essenciais para combinar o trabalho no campo com um relacionamento, sem dúvida,
profissional, mas também humana. A relação que se desenvolveu entre os membros da
sociedade era, na verdade, um dos elementos que contribuíram para o sucesso final.

Pensando colegas que trabalham em níveis mais baixos, o que muitas vezes não
têm o potencial técnico e instrumental, dizer que a criação de uma óptima relação
dentro do grupo pode ser um ponto de força em vez disso, um valor que empurra tudo
para tirar o máximo de si.

Esta ideia tem sempre me acompanhou e considero válido em qualquer lugar. É


óbvio que cada treinador tem seu estilo, sua forma de treinamento, relacionado ao time
com a imprensa, com a sociedade e com o público. Experiência, juntamente com a
consciência consciente do que profissionalmente muda ao seu redor, aguça o seu
conhecimento e suas funções alterações. Mas atenção aos relacionamentos, a
capacidade de envolver todos ao seu redor é uma força que um treinador não deve
negligenciar.

4,4 organização e estrutura. O valor das coisas simples

Naquele momento muito poucas sociedades de futebol pode ter seu próprio centro de
esportes.
Assim, a minha formação Reggiana usado para ocorrer em um campo de futebol
próximo ao quartel-general, um simples campo de jogo regular com suas fantasias.
Todo o trabalho técnico, tático e físico desenvolvido neste campo, que muitas
vezes estava em mau estado, e apenas ocasionalmente, em situações extremas, que
foram concedidos a possibilidade de utilizar outras estruturas na cidade. Perto do
acampamento havia também uma pequena argila espaço coberto, algo maior do que
um campo de futebol. Não foi nada especial e, em certo sentido, não era adequado para
fazer um bom trabalho, mas esse campo, pequeno e desconfortável, criou um espírito
nas sessões de grupo transformou a ter lugar no chão, com o disco frequentemente
marrom e sem uma folha de relva, um ponto de força. Foi a nossa "competição ginásio."
No fechada, às vezes sufocante espaço intensidade de trabalho respirou, esportes
agressivos deleitava e orçamentos de um fato da força de trabalho acelerações
moderno, pára, mudanças de direção e esforço muscular colocado. Nesse ambiente,
que agora pode ser comparado a trabalhar em uma gaiola, também reforçou o espírito
competitivo e combativo.

Em Reggio me encontrei com o pessoal quase uma hora antes das sessões de
treinamento foi iniciada e foram agendados no mesmo dia. Depois de conhecer o
número de jogadores à nossa disposição naquele dia preparando treinamento. partidos
oficiais quase sempre jogou no domingo e não houve avanços ou adiamentos, ou os
copos. Isso significava que estava disponível toda a semana para preparar a equipe.

trabalho tático e físico ia mais ou menos separadamente e o tempo dedicado a


reunião antes do treino serviu principalmente para dividir intervenções que todos os
funcionários, especialmente o treinador e preparador físico, elas foram feitas durante a
sessão. Como seria de esperar, a metodologia foi simples, clássico e muito diferente do
de hoje.

formação semana começou na terça-feira com uma sessão de baixa intensidade


foi dividido da seguinte forma:

15 min. aquecimento (técnica individual entre varas e cartuchos).


15 min. pares ou grupos individuais técnicos em movimento.

15 min. seções trabalho tático (esquemas defensivos 4 e 11 vs 11 vs


ofensiva 8).
15 min. festa temática (isto é, com objetivos tais como, por exemplo, para que
concluam o mais rapidamente possível de rede) ou livre.

20 min. trabalho aeróbico física.

Quarta-feira de treinamento utilizado para ser duplo:


Manhã (10 horas)

Exercícios para aumentar a força. Repete caráter

anaeróbio-lactácido. Mais tarde (15 horas)

15 min. duelando 1 vs 1, 2 versus 2 3 2. vs 15 min.


Exercícios ofensivas 11 vs 8.
10 min. de esquemas defensivos 4 e saída 11 vs.
premente claro.
15 min. jogo de alta intensidade.

Na quinta-feira (15 horas) só foi planejado a sessão da tarde:

10 min. aquecimento (partida com pequenas portas). 15 min. equipamentos de


exercício alinhado com 11 vs 0 (esquemas ofensivos).

10 min. Exercício 11 x 8 para ( premente e fora de jogo). 10 min. Exercício 11


vs. 11 para premente defensiva, ofensiva e ultraofensivo.

Ou, em vez de treinamento, nós jogamos um amistoso.

Na sexta-feira (15 horas) que realizada apenas uma sessão da tarde:

Baixar trabalho, banhos e massagens. O:


10 min. Técnico em pinos. 10 min. campo
rondo de 10 × 10.
10 min. festa com pequenas portas, bola piso térreo.

15 min. situações de pé serve.

No sábado (10 horas) apenas uma sessão da manhã:

10 min. mãos do partido. 15 min.


reactividade e rapidez.
15 min. trabalho tático para se preparar para a partida. 15 min. festa em
equipes de campo alinhados reduzidos no campo.

Eu acho que hoje é impensável que não é tão dividido, pelo menos em um
trabalho de alto nível.
5 DER AP

EGGIO ARMA:
A IN grande salto POUCOS QUILÓMETROS
5.1 A realidade Parma

Quando cheguei ao Parma, em 1996/97, a equipe foi um dos primeiros na primeira


divisão. Ele tinha atrás de si uma grande história e tradição, mas uma potência
econômica como Parmalat, o que lhe permitiu competir com os maiores clubes. Foi uma
forte sociedade que tinha vários campeões, mas, mesmo com cultura desportiva
provincial; embora tivesse um potencial financeiro significativo, ele ainda não tinha
encontrado uma estrutura organizacional ideal. estruturas desportivas não se
conformava com as ambições

e, embora a empresa tinha planejado para construir o centro desportivo de Collecchio, a


formação teve lugar no estádio de Tardini, casa da empresa, ou em um campo que
estava dentro de um parque vizinho. O guia correspondeu globalmente e Riccardo
Sogliano presidente, que era o gerente geral e, ao mesmo tempo, o diretor atlético.
Sogliano foi também um ponto de referência importante para mim e eu considerá-lo um
dos melhores líderes que eu trabalhei com.

Do ponto de vista logístico, Parma foi ainda mais confortável do que eu Reggio
Emilia. Minha casa estava a poucos quilômetros da cidade e isso permitiu-me voltar a
ele depois de cada treino. Apesar desta vantagem inegável, logo percebi que meu
trabalho é muitas vezes julgados com base em antipatias ou simpatias pessoais, em
vez de na base de uma verdadeira avaliação profissional.

No final, eu era um produto da seção juvenil e t-shirt amarelo-azul Parma tinha


marcado alguns golos decisivos, por exemplo, o casal no playoff de promoção para a
segunda divisão contra o Triestina em 1979 embora tudo o que tinha naquela pouco
valor tempo. Fiel ao ditado Latina propheta Nemo na terra natal fãs Parma foram
divididos entre aqueles que me apoiaram e me perturbando, quaisquer que sejam os
resultados. Além disso, ele tinha vindo para Parma depois da recusa de Fabio Capello,
que, depois de ter alcançado um primeiro acordo com o clube, tinha decidido renunciar
a treinar tantos me viu como um patch.

Como para a equipe, posso dizer que Parma foi um grupo


jogadores de equilíbrio tinha várias qualidades excelentes. Talvez o meu futebol credo,
em seguida, apenas um pouco de seu potencial ofensivo. É uma das decepções de
minha carreira, mas, além disso, o tempo, as idéias e inexperiência em parte, justificar
minhas decisões.

Especialmente eu me lembro que eu não sabia apreciar corretamente as táticas e


técnicas de um jogador do calibre de Gianfranco Zola.Zola era um jogador com
qualidades técnicas soberbas que em anos anteriores havia sido usado como um
segundo capacidades atacante. Na verdade, como convém fazer quando se tem a sorte
de ter vários jogadores importantes, eu tentei soluções de pesquisa Gianfranco que me
permitem usar todas as qualidades ofensivas à minha disposição e evitar o ataque de
competir em Crespo e Chiesa. É por isso que eu tentei usá-lo como um ala direita no
4-4-2. Apesar das evidências, conversa com Gianfranco e exercícios, o resultado foi
insatisfatório para o jogo da equipe eo jogador que, no final de contratações de Verão,

Então eu estava convencido de que ele tinha tentado todas as soluções possíveis,
mas como eu disse, houve um problema desde o início: eu me concentrei em encontrar
numerosas soluções sem nunca tomar em consideração a possibilidade de modificar o
sistema de jogo. A solução não foi a adaptação, mas mudar; ou seja, na escolha de um
sistema que adequado os jogadores que estavam à minha disposição, e não vice-versa.

Ele estava tão convencido das minhas ideias que, embora de maneira diferente, eu
enfrentei o mesmo problema na temporada seguinte, quando a empresa comprou Roberto
Baggio para Milão. Baggio estava procurando uma equipe que lhe ofereceu a oportunidade de
jogar com continuidade em um papel que ele considerou bem adaptado às suas
características: o meio-campista. O movimento não se concretizou e confirmou a minha
reputação como se opondo treinador a fantasia.

Eu tenho que dizer também que minha atitude não foi devido apenas à
obstinação, mas era também uma consequência do sucesso que teve na Reggiana e
resultados, graças ao 4-4-2, que tinha obtido na minha primeira temporada no Parma
(sessenta
três pontos, dezoito dos quais sete vitórias longe de casa, nove empates e apenas sete
derrotas, segunda melhor defesa e ficando em segundo lugar na Liga dos Campeões).

Ele estava convencido de que o sistema aplicado na época era perfeito, então eu
decidi, mais uma vez, dando-se um jogador fantástico para o simples fato de que, dadas
as suas características, não são considerados úteis para o jogo do meu time. Repito
que foram os meus primeiros anos como treinador. Hoje, com a experiência que adquiri,
eu confirmo que foi uma escolha errada.

Moral da história: quando trens jogadores importantes, para não mencionar


campeões, o treinador deve ter em mente a necessidade de ser flexível e para criar a
oportunidade ideal para estes jogadores podem aproveitar ao máximo a situação. Não
há outro caminho! É errado para se concentrar em um sistema de jogo é considerado
ideal; o que deve o treinador é criar um sistema que se adapta às características dos
jogadores que você tem disponível e onde eles são confortáveis. Digo isso porque eu
acho que qualquer treinador preparou as habilidades técnicas e táticas necessárias
para treinar equipes de qualquer nível. Os problemas, se existirem, surge no momento
deve ser dada ao melhor as potencialidades presentes em um grupo de campeões.
Uma sugestão:

5.2 Filosofia e princípios de jogo

Eu já disse várias vezes que a busca para o módulo ideal é essencial, mas há muitos
outros aspectos a serem levados em consideração, independentemente do arranjo no
campo:

A filosofia de jogo. Os
princípios de jogo.
Então eu vou abrir um breve parêntese para discutir estes conceitos:

A filosofia do jogo:

O jogo que a equipa expressa proposto no campo, sem dúvida, a qualidade dos
jogadores que compõem e boa organização coletiva é dado, mas não é suficiente para
uma resposta contínua.

A equipe deve também refletir a chamada filosofia de jogo: sem ele é como se
estivessem andando por um deserto sem uma bússola.
Esta é a filosofia que orienta o clube e trabalho treinador, e representa o fio
condutor de todas as grandes empresas. Traçar os limites estabelecidos pelas decisões
e o caminho a seguir para alcançar o sucesso e torná-lo duradouro.

Se olharmos para a história dos grandes clubes que o leitor escolher qual
prefere-ver em todos eles há uma filosofia de jogo que os distingue. Ao criar a
identidade da equipe liderou a
treinador ele se identifica com ele e colocá-lo tem o objetivo de enriquecê-lo com a sua
cultura de trabalho e pensamento. A este respeito, os meus pontos fixos referem-se ao
seguinte:

A filosofia de trabalho:

Educar a equipe-se a desenvolver vitória por intermédio de jogo ofensivo e


criativo.
Incentivar o desenvolvimento de um ambiente de trabalho positivo. Construir
um forte espírito de equipa, estimulando uma grande capacidade de sacrifício
e um compromisso mútuo. Encorajo sentido de cada indivíduo de
responsabilidade (avaliada em
com base em suas ações e sua
comportamentos).
Proteger a tradição e os princípios do clube. Trabalhar para dar
continuidade ao sucesso do clube. Competir por grandes
troféus.
Construir uma identidade clara e um estilo de jogo que levar em conta a
tradição do clube.
Construir boas relações entre diferentes equipes.
A atitude da equipe em campo:

Aceitar responsabilidades no campo, isto é, querer receber a bola e jogar


sempre espírito ofensivo. Mostrar personalidade e caráter, com e sem a bola.

Seja dominante e, portanto, jogar sem medo em todas as fases e em todas


as situações.
Desenvolver a habilidade tática e bom posicionamento no campo
considerando a função, com ou sem bola. Melhorar a bola e momentos de
transição (defesa, ataque e ataque-defesa).

Os princípios de comportamento que todos os membros da equipe e cada jogador


deve ser alvo são:

Mostrar respeito para cada membro do clube fora do papel que desempenha.

Coloque o benefício da equipe acima prioridades pessoais.

Demonstrar uma atitude positiva e usar linguagem adequada.

Adequadamente abordando tanto a vitória ea derrota.

Promover linhas de comunicação abertas. Demonstrar caráter, disciplina e


profissionalismo. Você manter um bom controle de si mesmo, especialmente
quando sob pressão.

Sempre disposto a aprender e melhorar. Demonstrar uma


ética de trabalho.
Procurar a perfeição por meio da concentração, sacrifício e compromisso.

Os princípios de jogo:
Eles são divididos principalmente:

nível defensivo: cobertura do espaço e marcação. Ofensivamente: a


velocidade do jogo e movimento sem a bola ou clara.
Em seguida, vou discutir esses dois níveis e dar-lhe mais detalhes. No nível
defensivo tem princípios defensivos individualmente táticos:

posição a tomar: entre o adversário e o objetivo (sempre ver a bola, pares


e o adversário). Marcação: que, estando em posse entra na zona de si
mesmo, a menos que seja em menor número.

Intercepção: posicionada de modo que é possível intervir nas pistas de


passagem.
contraste directo (oponente na posse) ou indirecta (limitar a possibilidade
de receber).
Defesa da meta: colocado corretamente no espelho de referência em
relação ao adversário que tem a bola.

E os princípios da tática defensiva coletiva:

direita escalonamento: tendo em conta a posição da bola, posicionada de


modo não alinhado para marcar e tampa.

tempo do vencedor: quando você está em desvantagem, de volta


defensiva e criar um funil. A este respeito, é necessário concentração
defensiva e ganhar tempo de jogo.
premente e fora de jogo: o oposto de vencer ainda que prevendo o avanço
sobre o adversário que tem a bola para limitar o tempo e espaço jogando
a mesma ação.

Concentração: trazer o maior número possível de jogadores atrás da linha


da bola.
Equilíbrio: manter distâncias adequadas para cobrir o outro

Controle: manter a bola nos atrai.

Na área do ataque vou me concentrar em movimento sem a bola, ou seja, em


desmarque. Uncheck é um aspecto importante da fase (ofensivo) posse, o que depende
igualmente
em parte, a velocidade do jogo. Desmarque subtraímos o controle do adversário propor
ao parceiro que tem a bola e participar da posse fase, a fim de avançar para a meta do
adversário.

Para uma óptima desmarque é necessário considerar outro aspecto: o tempo do


movimento. Apenas combinar vezes (play) e desmarque (movimento da bola) confere
ação velocidade.

Desmarque eficaz é baseado em vários pontos básicos:

1. Quando: um jogador se destaca como o parceiro que tem o controle da


bola pode ver. Para conferir maior ação velocidade e criar mais
dificuldades zagueiro opostas deve o jogador tomar o desmarque a ação
começa a se mover enquanto a bola se move de um parceiro para outro,
ou durante o tempo entre o controle a bola pelo parceiro eo passe.

2. Como: um jogador se destaca com movimentos diagonais que permitem


que você veja:

• A bola e o sujeito que faz a passagem.


• O objectivo oposto.
• marcador directo.

É essencial para ver o parceiro que tem a bola, ambas as vezes que
marcam a intuir onde você pode obter isso (reunião ou profundidade),
dependendo da posição do adversário (próximo ou distante).

3. Onde: considerando a distância do adversário deve dissociar onde o parceiro


pode passar a bola, pesando as características técnicas do (passe
curto-pass de comprimento).

Porque no futebol espaços são criados em movimento e fazendo adversários


mover, os conceitos de espaço e tempo são fundamentais. Futebol de hoje é dinâmico,
o
espaços e tempos de jogo estão ficando mais curtos, de modo que o movimento sem a
bola e velocidade do pensamento constituem factores essenciais.

A fase ofensiva é baseada na colaboração e a combinação de movimentos entre


vários jogadores. mover continuamente, dependendo do parceiro que tem a bola dá
mais possibilidades para o desenvolvimento da manobra.

O jogador deve ser educado desde a sua juventude e independentemente do


sistema de papel e jogar aplicados:

O passe rápido.
Ou seja orientado com o corpo para ver mais possível campo.

A si mesmo à distância no momento certo por um contramovimento.

Nota: A passagem e movimento sem a bola deve ser simultânea. O jogador sem a
bola:

Dita o passe (e não vice-versa) através de uma corrida rápido na direcção


desejada.
Um movimento em busca de ajuda e suporte se o parceiro que tem a bola
é pressionado e, portanto, têm dificuldades.

Win campo para a frente se o parceiro tem espaço e tempo para jogar
disponível.

Neste caso, desmarque a opção deve ser preparado com um contramovimento


por uma transferência carreira. Como? Quando a bola se aproxima do parceiro, nos
afastamos da área alvo e, em seguida, quando é capaz de propor o passe, fazer uma
velocidade de mudança e direção no espaço livre.

5,3 mover a bola, a posse eficaz

Vimos a importância dos conceitos e desmarque


ligada a ele.
Além de permitir libertar-nos rotulagem, desmarque a opção correta serve para
criar um espaço útil que poderia obter um parceiro. No entanto, este movimento
também favorece a posse, ação coletiva em que eu quero mencionar agora várias
maneiras.

A posse de bola levada por um arranjo adequado no campo, boa mobilidade e


desmarque contínua, é essencial se quisermos:

Possuir o jogo para gear-la para o gol adversário.

Diminuir o ritmo do jogo.


Atrair para a frente a adversários com um jogo excessivamente defensiva.
Ampliar a frente de ataque.

Criar orçamentos para ações ofensivas compostas introduções, cortes,


sobreposições e movimentos dos atacantes.

A bola não deve ser um fim em si mesmo. Seu objetivo é criar superioridade
numérica e ganhar anulando o campo para a frente premente e redobra o adversário.

Nota: Às vezes, mesmo quando uma ação é executada manobrou, podem


sentir-se tentados a buscar força verticalidade, com o risco de perder a bola uma vez.
Como eu disse, a posse deve ser virado para a frente e não ser estéril, mas em
qualquer caso, devemos ter em mente três princípios:

1. A primeira é mover a bola de forma contínua, mesmo quando o passe


parece inútil ou simples demais, cria um movimento na disposição oposta
e, portanto, gera a abertura de novos espaços que permitam o
desenvolvimento após a ação para a frente.

2. A segunda é que não quando a bola recaptura é essencial para perder


rapidamente. Isso pode acontecer especialmente com um adversário bem
organizado que, depois de
perder a bola, tentar recuperá-lo imediatamente por um premente um
passo à frente. Por esta razão, inicialmente circulação procurará que visa
manter a bola através de um simples posse dela que também envolveu o
goleiro.

3. A terceira é que, por posse para ser eficaz, é essencial para mudar
freqüentemente a área em que é realizada utilizando principalmente o jogo
muda: posse, de fato, atrai adversários para a área do balão liberar outras
áreas o campo onde podemos preparar uma ação ofensiva.

Desde que a bola está ligada a desmarque, um movimento simultâneo sem vários
jogadores de bola necessárias. Desta forma teremos várias soluções para o passe.

Quanto aos exercícios, se quisermos estimular a desmarcar obrigatória podemos


usar o jogo para limpar o solo de preenchimento obrigatório e toques limitantes. Além
disso, podemos prever a presença de um
Jolly ( ou seja, um "neutro" jogador identificável porque leva diferentes jardineiras) que
cada vez mais se juntar à equipe que tem a bola, favorecem seu jogo.

No exercício de treinamento moderno está relacionada com o conceito de


transição, ou seja:

Que defende não pode simplesmente interceptar, mas deve fazer uma
acção eficaz através de primeira passagem adequada.

Quem não consegue passar sob posse deve imediatamente tentar


recuperar a bola para remediar esse erro.

Finalmente, os objetivos que a bola pode atingir são:

Diretamente, melhorando:

técnica individual.
táticas individuais. táticas da
equipe.

Indiretamente, a melhoria:

Coordenação do espaço-tempo. Avaliação


de trajetórias. gesto técnico. Pisando.
Penetração. Profundidade.

A extensão da frente ofensiva. Mobilidade no ataque e


contingências. Comunicação dentro da equipe.

5.4 módulo e jogadores disponíveis

Assim, em Parma manteve o sistema 4-4-2 com preferência defensiva, a ponto de que
na mesma temporada ganhou onze vezes com o resultado de 1-0.

A equipe foi muito equilibrado eo sistema aplicado de forma muito eficaz. O


arranjo em seguida, ainda com foco no módulo em relação às necessidades individuais,
prevista uma linha central de má criatividade campo, em parte porque as duas plantas
tinham mais recursos significa organizadores.

A ampla disponibilidade de todos, juntamente com uma notável táticas e


capacidades de caracteres, garantido uma boa equipa sólida, mas empobrecer as
qualidades do jogo na posse fase, as circunstâncias que muitas vezes me afrontava. A
força do Parma foi baseada em duas seções muito fortes:

Defesa, onde você poderia contar campeões dos gostos de Buffon,


Cannavaro e Thuram.
A ofensiva, formada por Chiesa e Crespo, quando dois jogadores estavam
em seu potencial máximo não poderia ser superada por qualquer defesa.
A seção central do campo não é deixado para trás no valor de seus membros,
mas foi composta por jogadores fortes individuais, como Dino Baggio, Sensini (um
jogador e um homem extraordinário) e Crippa, mas inadequada para 4 -4-2: esta foi
suposto ser ineficazes na fase ofensivo e incapaz de fluir e espessura para a manobra.
Dino Baggio, por exemplo, o jogo parecia um pouco com Lampard, e eu acho que se
um meio-campo três haviam adotado teria sido um direito excepcional ou Médio
esquerdo.

De fato, nesse período nem mesmo me ajudou a sorte, porque, quando parecia
que ele tinha conseguido uma óptima combinação com Strada e Stanić em bandas,
tanto a sério e nossa carreira feridos, que até então era quase imparável, sofreu um
bruscas de travagem e de caça resultados. Strada foi um talentoso, subvalorizado no
passado, que havia me acompanhado de Reggio Emilia, enquanto Mario era um
jogador excepcional, forte e generoso com qualidades surpreendentes para a corrida e
hábil no ar. Ele chegou em novembro e sua presença na banda tinha aumentado a
eficácia da nossa fase ofensiva.

5.5 Campeão Tutelar

Parma tinha minha disposição dois melhores atacantes que, além de ser muito forte
individualmente, eram uma combinação perfeita de um ponto de vista técnico.

Crespo foi o atacante central. Embora não tenha sido excepcionalmente rápido,
ele tinha grandes qualidades técnicas e táticas excelentes, era hábil com a cabeça e os
dois pés, como então teve a oportunidade de mostrar toda a sua carreira extraordinária.

Seu primeiro ano foi muito difícil e Parma, inicialmente, os fãs estavam contra ele.
Para a equipe foi um ano de reconstrução, Hernan era um jogador atacante e, como
muitos dos talentos de outras culturas e países precisava de tempo para se adaptarem
tecnicamente, fisicamente e psicologicamente para a nova realidade. Em particular, na
primeira ele teve de superar vários problemas físicos que o impediram de trabalhar e
jogar como estaria disposto e capaz de fazer.
Para tutelarlo e permitir que ele pudesse mostrar todas as suas qualidades, eu
tive que enfrentar tudo e todos. Pessoas constantemente assobiando e colocá-lo em
causa em cada jogo. Como sabemos, um atacante que não é calma, por vezes, falhar
alguns objetivos simples e os mais buscas na rede são qualidades menos eficazes por
causa de estresse e falta de serenidade. Ainda assim, Crespo jogou e permaneceu no
campo, eu não me importo, eu me assobiar também.

Em um ponto ele foi desbloqueado, ele começou a discar e qualidades surgiu


completamente. Foi um gol de raça pura. Quando ele puxou Hernán o campo e não
marcado, aqueles que não me conhecia e, com certeza, não me apreciam, eu gritei
para que todos ainda tinha um oponente que cada vez que jogou em casa gritando para
mim constantemente por trás do banco " mudá-lo. "

Eu o considerava um grande cabeça, um mal-humorado e, é claro, um incompetente.

Eles estavam errados. O meu não era uma questão de orgulho e prazer para se
opor a todos sabiam que ele era um grande jogador. Hernán acreditou porque viu seu
enorme potencial e acho que quando um treinador é uma situação semelhante deve
agir de acordo com duas considerações:

1. Pretender em todos os momentos o bem coletivo e, portanto, proteger o


jogador que ele considera importante para a equipe.
2. Após a convicção de ter visto o jogador as qualidades que os outros não
conseguem ver naquele momento e que os fatos mostrarão que sua
escolha foi correta.

Nunca é uma questão de desafio, favoritismo ou teimosia, mas a consciência simples e


perícia técnica.

5.6 Metodologia e organização. usando sobe

O método utilizado no primeiro ano em Parma, a temporada 1996-1997 foi quase o


mesmo que foi usado na Reggiana.
As razões que me levaram a fazê-lo eram principalmente dois:

1. Para o primeiro ano que não tinha compromissos durante a semana, uma vez
que estávamos fora na primeira eliminatória da Taça UEFA.

2. Porque o sistema de jogo era essencialmente o mesmo, com a diferença


de que, em Reggio realizando muitas sessões de trabalho digite 11 vs 0
(equipe de sombra) e Parma trabalho usado exclusivamente situação com
esquemas ofensivos em superioridade numérica para facilitar a fase de
ataque, alternando com esquemas defensivos em menor número.

Parma metodologia de trabalho ainda obedecia a escola tradicional, o que


proporcionou a separação entre atividades físicas e de caráter técnico-tático, mas
começam a surgir algumas diferenças de Reggio Emilia, um sintoma da mudança que
estava ocorrendo na pensamento comum.

Em particular foi a introdução de Pulsometro como um meio de avaliar os esforços


dos atletas, o aumento da atenção para a carga global de avaliação e estudo mais
específico da relação de incidência entre o trabalho técnico e tático e físico, e muita
atenção também para a prevenção através do uso de coordenação e exercícios
proprioceptivos. Com este último o atleta é educado para reconhecer a posição do
corpo no espaço e trabalhar seus músculos sem recorrer à vista, simplesmente "ser
ouvido".

Nós ainda estavam longe de métodos atuais e uso do computador, com


programas como uma ferramenta para dados de avaliação e arquivamento
correspondente era escassa e ainda muito teórica aplicação.

Parma era impossível ter uma equipe de vários membros que ocupam o aspecto
físico, de modo que a figura do treinador atlético era único (diferente, além disso, que
tinham sido ao meu lado em Reggio última temporada). Ele é organizacional e
responsabilidade executiva esperava-se tudo
aspectos, incluindo a recuperação dos feridos.
Se o condicional Reggio qualidade "força" tinha aumentado graças apenas aos
exercícios de carga naturais e saltos, entre outros, em Parma começou a utilizar
estabilizadores e máquinas para aumentar esta exigência. Além disso, tornou-se o uso
sistemático de correr para cima.

Este modo de trabalho é agora parte dos nossos métodos de treinamento e,


respeito, agora transcrever alguns
observações do meu preparador físico Giovanni Mauri:

Propor exercícios de corrida para cima como parte do método de preparação atlética de um time de futebol
pode assumir diferentes vantagens.
Nós discutido sobe com uma inclinação que varia entre 6 e 10% e de preferência grama, mas pode
também tomar outras superfícies.
Uphill podemos decidir entre a formação particularmente força ou metabolismo aeróbico, dependendo
da intensidade com a qual iremos desenvolver o exercício e outros parâmetros.

Exercícios que podem aproveitar são Sprint e ele pular.


distâncias de cobertura será reduzida de um mínimo de dez para um máximo de trinta metros, se optar
pela sprint, e um mínimo de cinco e um máximo de dez metros se preferirmos pular. Neste último caso, também
podemos tirar proveito aumenta com inclinações maiores. O volume dos tempos de sessão e recuperação
dependem do tipo de força que queremos para treinar.

Se pretendemos treinar força explosiva, o volume será reduzido e tempo de recuperação será alto. Se o
objetivo é treinar a força de resistir terá um volume maior e um menor tempo de recuperação.

Se o propósito é, em vez disso, treinar metabolismo aeróbio, a intensidade vai submáximo e exercícios
para executar será representado por obras em intervalos e trabalhos intermitentes, ou mais trabalho qualitativo,
ou seja, com tempos de recuperação mais longa entre as repetições e com maior intensidade em comparação
com os dois primeiros.

Neste último caso, a adaptação que procuramos é especialmente melhorada volume sistólico do
músculo do coração, isto é, a quantidade de sangue bombeado para os ventrículos com cada batida.

Mesmo desenvolvendo um trabalho em uma intensidade submáxima, vamos manter, em qualquer caso,
em menor medida e treinar a força do atleta em questão. Para realizar o seu peso ao realizar corrida difícil o
jogador vai realmente bater dosagens mais elevadas em comparação com aqueles que se corriese sobre o
plano. Assim, o aumento, neste caso, vai permitir-nos para treinar o metabolismo aeróbico e força ao mesmo
tempo.

Além da alta estimulação metabólica, o aumento nos dará algumas vantagens de mecânica e preventiva.
Sempre trabalhe com uma carga naturais
Isso permitirá que não excessivamente estresemos tendões, articulações e coluna vertebral. No entanto, um
jogador de futebol "kyphotic" sofrem mais estresse a partir deste treinamento. Será, portanto, importante para
reduzir ou excluir volumes para esses anos futebolistas que sofrem deste problema.

Outro aspecto a considerar é o trabalho on-line, o que impedirá as articulações desgaste e certos grupos
musculares demasiado sobrecarregados.
músculos subidas desempenhar um trabalho concêntrico muito intensa são os glúteos e quadríceps.
These'm muito importante para o jogador, como são usados ​principalmente com contrações concêntricas,
mesmo na atividade específica de seu esporte.

Durante a subida dos psoas é estimulada principalmente excentricamente. Isto implica uma grande
vantagem, já que ter uma forte psoas enquanto encurtado elástica é uma condição ideal para um jogador de
futebol. A psoas mal treinados, o que acontece muitas vezes sujeitando o jogador para exercícios de ginástica
no chão, onde ele vai
realizar em tudo contrações concêntrica, lata causa
descompensação na pélvis (anteversão marcado). Um problemas pélvicos é um importante fator de risco em
acidentes, como algias e lesões de muitos músculos que são introduzidas e nascem nela.

Falando dos benefícios que a corrida tem para os psoas, em vários estudos dos velocistas jamaicanos
demonstrado que eles têm um psoas mais fortes e mais elásticas em relação à média. Esta qualidade teria
desenvolvido precisamente por causa da introdução de corridas de subida no método de formação de jovens
atletas. Tudo isso revela a importância deste músculo na biomecânica da corrida.

No caso dos músculos jogadores que muitas vezes sofrem lesões são isquiocrurales, cuja ação principal
é a flexão do joelho. Estes músculos são salvaguardados treinando a ascensão jogador. Na verdade, a
pendência limita a possibilidade de estender o joelho e, sujeitando assim flexores algumas contrações
excêntricas muito estressante. Assim, seremos capazes de atingir boas velocidades sem arriscar impacto
negativo no bíceps femoral, semimembranoso e semitendíneo, cujas extensões irá, como já dissemos, limitado
o aumento.

Use sobe na grama também impede tendões como Aquiles e patela são submetidos a grande estresse.

O tendão patelar será salvaguardada pela flexão do joelho e, por conseguinte, a tensão transmitida ao
tendão, é limitada a aumentar.
Portanto, em um time de futebol que tem alguns jogadores com problemas físicos ou que necessitam de
grandes estímulos de força, o aumento pode ser extremamente favorável.

5.7 O retiro, um cavalo ritual entre costume e da necessidade


Tanto na França e na Itália, se encontram em um hotel no dia antes de um jogo é tal um
costume estabelecido que é difícil pensar em violá-lo sem abrir fantasias espaciais que
acompanham qualquer momento negativo, quer individuais quer colectivas.

Em certa medida, também deve ser considerada uma boa prática, mas também
pode se tornar uma tributação negativo para certos atletas e torná-lo difícil, por
exemplo, resto de sua noite.
Em vez disso, na cultura do futebol Inglês é a aposentadoria impensável. No
Chelsea nos conhecemos gameday manhã, sempre no mesmo hotel onde comemos
juntos e teve a última reunião técnica antes da reunião.

Somente quando era uma festa excepcional, como a Liga dos Campeões, ou
quando isso implicava uma tensão competitiva especial poderia ser considerado uma
oportunidade para nos encontrarmos ontem para passar mais tempo preparando evento
coletivo.

Em Parma, como em Reggio e Turim, fora de um e até dois dias antes do jogo era
uma ocorrência normal, mas ainda hoje continua a ser uma regra que é tida como certa.

No passado era mais plausível, já que os jogadores passaram grande parte do dia
juntos, e responsabilidade e respeito que sentia por sua profissão era menor. Hoje, no
entanto, algumas coisas mudaram. O atleta tem um maior conhecimento, se espalhou
um sentimento de profissionalismo e também excluindo o tempo de refeição,
aposentadoria não é mais um momento de agregação, como os jogadores passam a
maior parte do tempo separadamente. Momentos juntos foram quase reduziu aos
reuniões técnicas e necessárias.

Eu pessoalmente acho que a aposentadoria é uma prática que poderia ser


eliminado, sem mais delongas, entre outras coisas, porque eu não vi nenhuma diferença
no desempenho que depende dele. Pelo contrário, estou convencido de que fazer uma
retirada no dia anterior, especialmente se o jogo é jogado na noite seguinte, não há
nenhuma vantagem.

Em vez disso, eu considero, sem dúvida útil:

Em jogos fora de casa, porque é impossível viajar a


dia do jogo, a menos que seja uma mudança de poucos quilómetros.

Para promover uma oferta coletiva correta antes e depois do jogo.

Para incentivar a noite de descanso em situações especiais (por exemplo,


a presença em casa de crianças muito jovens). Na fase de pré-temporada,
quando toda a equipe trabalha duro durante vários dias com duas sessões
ordinárias. É um momento importante e estar juntos na mesma localidade,
devidamente acompanhados e assistidos favorece o processo de
recuperação, bom descanso e alimentação adequada, e também permite
a união ea mútua compreensão entre os atletas, que pode ser visto pela
primeira tempo e também pertencem a diferentes culturas.
6 LAV Ieja S ENORA: LA EXPERIÊNCI
J UVENTUS, Z IDANE IN CENTER PROJETO
6.1 A atmosfera Juventus

Como já disse Preferisco a Coppa, meu relacionamento com os defensores mais


veementes da Juventus já foi um pouco em conflito. Digamos que você perdeu a
recepção inicial que normalmente permite que qualquer treinador ser o primeiro a
conhecer e ser julgado mais tarde.

Juventus nunca tinha sido meu time alma e como jogador de futebol tinha estrelou
com meus companheiros várias batalhas desportivas queima, especialmente quando
ele estava em Roma. Ainda assim, como um profissional que estava disposto a aderir
plenamente à nova realidade e esperava que o resto foi aprovada água para todos.

Em qualquer caso, embora em Turim Eu tinha um ótimo relacionamento com a


maioria do público e havia muitas pessoas que apreciam o meu trabalho, eu nunca
poderia satisfazer o desejo de aproximar pessoas que tinham sido influenciados pela
rivalidade anterior.
Era uma relação difícil, parte conflitantes, e talvez também influenciou a decisão
de confirmar no cargo, mas, no entanto, eu ajudou a me moldar e enriquecer o meu
desenvolvimento profissional.
Old Lady, sóbrio e confiável, imerso em sua história e seus eventos, foi mostrado
em toda a sua grandeza dificilmente teve a oportunidade de conhecer de perto. Em 1990
ele ainda era um jovem treinador e com a chegada em Turim foi um momento de mudança
decisiva, tanto profissionalmente como pessoalmente.

Se, por um lado, o impacto foi difícil, o outro era muito formativo, porque eu tenho
uma sociedade que tinha a seu crédito um monte de preparação, profissionalismo e
organização. Juventus nada foi o resultado da improvisação, tudo foi premeditado,
controlada e programada. Tarefas e papéis foram precisas e foram divididas
claramente, a tal ponto que, quando propôs, por exemplo, massagistas ou lojistas para
sugerir um esboço de formação ou 'opiniões sobre um jogo, todo mundo parecia
realmente envergonhado.

ambiente Juventus se refletiu em todos os elementos do clube e a equipe teve


uma forte identidade conferida vigor, profissionalismo, determinação e compacidade.
6.2 A presença activo do clube

Além de Milão, a sociedade Juventus foi para mim um modelo muito positivo. Sem
dúvida, os números da família Agnelli, representada pelo advogado Umberto, passou
toda a força da tradição, mas a presença de três líderes importantes como Moggi,
Giraudo e Bettega, de forma diferente e em diferentes papéis, me provaram grande
ajuda para tanto a minha inserção no clube e para o meu crescimento pessoal no
campo da gestão técnica.

Acredito que ter uma clara benchmarks é essencial para um treinador para
executar bem o seu trabalho. Como já tive ocasião de dizer, a equipe é mentalmente
dinâmica de grupo e os resultados que obtém são o resultado dos valores técnicos que
a compõem, mas também muitos outros aspectos como a organização do clube, que é
fundamental.

Naquela época, o clube Juventus foi representada por três profissionais


competentes cuja presença era constante. Nenhum poderia pagar me incomoda ou
interferir com o meu trabalho. CEO desenvolvido de forma sensata uma ação constante
do filtro. Posso assegurar-vos que todo o tempo que passei no Juventus foi "protegido".

O princípio era que, até seu último dia no clube, o treinador deve sempre ser
considerado o melhor e, a este respeito, os líderes devem proteger as margens dos
resultados. Ninguém criticado ou questionado minhas decisões, como não tentou
influenciá-los. Esta atitude permitiu-me trabalhar da melhor maneira possível e sempre
manter as minhas decisões, independentemente de críticas no exterior ou a eventual
decepção dos jogadores menos utilizados.

Outra característica importante da Juventus directiva era a sua presença


constante na prática e em cada jogo, se eles estão jogando em casa e fora. Esta
participação discreta, mas, ao mesmo tempo, Atencioso, acalmou o ambiente e permitiu
estabelecer uma relação respeitosa e profissional, embora às vezes também
zombando, que ajudou a diluir com um equilíbrio perfeito das muitas tensões que
sempre acompanham grandes eventos
6.3 A grande participação

Como eu disse, quando cheguei à Juventus uma minoria de fãs que ele não vai
desculpar-me as boas-vindas que ele queria.
No entanto, I foi imediatamente impressionado com a grande participação dos
nossos fãs. Quando a equipe se reuniu no hotel onde estávamos saindo antes de jogos
em casa, ou quando chegamos a uma cidade, que era para jogar uma partida fora de
casa, a gente sempre espera uma multidão. Homens e mulheres de todas as idades ao
redor do hotel e, por vezes, encheu-o. Rios fãs cercando a entrada e ruas adjacentes.
Alguns até mesmo passou a noite no mesmo hotel com a única intenção de ser, mesmo
que apenas por um momento, em contacto com os protagonistas da alma de sua
equipe.

É verdade que todos os grandes clubes têm inúmeros fãs, mas o que aconteceu
na Juventus me impressionou imediatamente. Ao contrário de outros clubes, torcedores
da Juventus são na sua maioria pessoas que vivem longe de Turim, em qualquer lugar
na Itália, para que o ritual foi repetido onde quer que fôssemos. Como resultado, a
empresa contratou funcionários especializados que acompanham a equipe e assistiu os
jogadores reservados. Foi um pequeno grupo de guarda-costas controlavam o acesso
que separavam a área pública da estada da equipe de criação de uma forma de
isolamento essencial que é agora amplamente utilizados.

6.4 módulo. Juventus 3-4-1-2

Em Turim, tive a oportunidade e chance de conhecer um dos melhores jogadores do


mundo e, sem dúvida, o maior papel que eu tenho treinado Zinedine Zidane.

Zidane foi um jogador especial, que não pode ser comparado com ninguém. Foi
Zidane, não mais, e quando ele estava totalmente em forma Juventus deixou o campo com
o humor muito mais sereno.
Sem Zidane não começou o ônibus para a transferência, mesmo que ele tinha um
atraso de uma hora, por isso era impensável que eu idease um
jogar módulo que não ficar no centro do projeto. Como na defesa do Milan quatro era
um dogma, Juventus Zizou foi o ponto de partida em torno do qual o resto foi modelado.
Nesse período, houve muitos campeões Juventus com papéis e qualidades diferentes,
mas se houve um jogador essencial foi isso. Assim, pela primeira vez colocou o time ou
melhor, as características de seus membros, no centro do projeto e deixou meu amado
4-4-2 para passar para 3-4-1-2, o que me permitiu usar o mais importante na posição
mais adequada para ele jogador, isto é, atrás dos dois atacantes, e aproveitar ao
máximo os outros campeões que formaram o grupo tinha à minha disposição no
primeiro ano passado no clube branco.

3-4-1-2 Juventus foi equilibrada e suficientemente compacto, e focado em duas


topo como Montero e Zidane focos de campo. A mudança foi difícil, do ponto de vista
tático, mas também afetiva, e afetou a seção de defensivo, uma vez que o defesa foi
para três. Neste caso, eu ajudei a presença de grandes campeões na seção: jogadores
do calibre de Montero, Ferrara, Iuliano, Pessotto, Zambrotta, entre outros, não só me
facilitou a tarefa, mas também me permitiu mudar durante a linha terceira temporada
com o já experimentado volta quatro. Um desses momentos foi, por exemplo, a
semifinal da Liga dos Campeões jogamos alguns meses depois da minha chegada em
Manchester contra o United em que para resolver que, naquela época, foi a equipa mais
forte na Europa,

6.5 A defesa de três

Vamos olhar para alguns dos seus aspectos.

fase defensiva:

Quando um sistema que fornece uma defesa com três jogadores é adotada, é
essencial, sob nenhuma posse, a tarefa atribuída às duas extremidades de meio-campo
desde sua transferência
determina a superioridade numérica maior ou menor nesta área nevrálgica.

Se pararmos para observar apenas o aspecto tático da defesa, a parte traseira


quatro restos, pelo menos na minha opinião, o mais confiável, uma vez que os quatro
jogadores permitem cobrir de forma eficaz toda a largura do campo. No entanto, uma
vez que, de acordo com este princípio, pode-se dizer que cinco jogadores dar ainda
uma maior cobertura deve analisar alguns pontos sobre o aspecto geral tático desta
solução:

Os três homens executar a mesma tarefa e a pressão central pode sair da


cobertura de outras defesas (Figura 1).

Figura 1
O defesa-central vai para o adversário que tem a bola e os outros dois pressionado em cobertura.

Se você colocar cinco jogadores têm uma inferioridade trás no campo e você será
forçado para recuperar a bola em uma área ainda mais para trás. Para evitar este será
um trabalho essencial das duas extremidades, para ser capaz de criar um equilíbrio na
área central do campo (Figura 2).
Então, para fazer premente metade ofensiva do meio campo do adversário exigirá:

Levantar uma extremidade da linha de meio-campo, enquanto o outro de


volta na linha de defesa. Um deslizamento das três oponentes dos dois
meio-campo central (Figura 3).

A FIGURA 2
Figura 3

Mediapunta trabalhar em pivô em frente, enquanto os dois atacantes agir


contra as defesas centrais (Figura 4).
Figura 4
A pressão de dois atacantes vermelho em azul central enquanto defesa lateral e contra-atacar os ataques
PlayMaker pivô azul.

fase ofensivo:

Os movimentos na fase de ataque:

Ambos acaba. Os três abertura


central.
Os dois shift meio-campo central para a construção de perto.

Mediapunta é colocada atrás do dois meio-campo oposto ajudando a


porção do balão (Figura 5).
Figura 5
Ele tem marcado o comportamento coletivo sob posse e movimento de craque por trás da metade oposta.

Os dois atacantes, vindo entre eles devem estar preparados para jogar em
combinação, um longo e um curto, ou de apoio no exterior, quando o
craque não lhe dá tempo para chegar. Nesta situação, se um atacante
está acontecendo lá fora ajuda craque olhando profundamente ataque
com a outra extremidade (Figura 6).

Este sistema permite uma boa e abrangente cobertura do campo graças à posição
das duas extremidades.

dificuldade Defesa três:

Se um ponto forte deste sistema é, sem dúvida, profundidade campo bom centro
cobertura tanto gestão e concentração defensiva, também é verdade que isso implica
maior dificuldade na cobertura de bandas (Figura 7).

A FIGURA 6

O atacante 9 vai em apoio no exterior e a ponta 11 se estende no lado oposto, o mediapunta 10 ataques
profundamente no espaço criado.
A FIGURA 7

Em particular, os rivais objectivos incluem:

Criar dois contra um situações nas faixas. Atrás do ataque defesa


ocupando a dois central, com dedos (Figura 8).

Criar, com os atacantes, dois tipos de situações opostas: incentivar o


ataque a defesa da asa forçando foco rivais (Figura 9) ou dilatar os
espaços entre os defensores centrais facilitando assim as apresentações
no centro, por exemplo , beirais (Figura 10).
Figura 8
Dentro do movimento ala oposta permite a introdução de zagueiro na banda.
A FIGURA 9

Os rivais dois atacantes de força central para pressionar e criar espaço para um ataque de passagem sobre as
pontas.
Figura 10

6.6 método pessoais e de trabalho

Responsável pela preparação física do clube, Giampiero Ventrone, considerado


essencial utilizar máquinas com sobrecarga (swing, etc) para desenvolver força
explosiva. Este método já foi estabelecido e, portanto, mesmo a equipe grupo histórico
levara-o bem.

Em relação a funcionários que tinha em Parma, transferência para a Juventus


intensificou as mudanças progressivas que levaram à presença atual de várias figuras
em todas as áreas.
Nos funcionários de campo técnicos que permaneceu o mesmo e eu levei tanto o
treinador de goleiros como o meu segundo, mas na equipe física foram uma série de
desenvolvimentos que afetaram o método de trabalho e o número de profissionais que
integraram. Assim, no que diz respeito a Parma, o grupo foi enriquecido
novos profissionais e figuras.
O primeiro, inevitável hoje, trabalhando individualmente com os jogadores que
haviam sofrido uma lesão.
A segunda inovação em um momento em que o único meio de detecção foi
Pulsometro foi o Professor Bangsbo. Este foi um treinador de esportes famoso no
treinamento o
mediofondistas dinamarqueses e em parte no futebol. Embora, em comparação aos
dias de hoje, as tecnologias disponíveis foram insuficientes, começou a dar uma
avaliação física do trabalho feito com a bola, seja de técnica ou tática.

Também o uso de filme tornou-se uma ferramenta de trabalho regular, não só


para a preparação das partes e estudar os adversários, mas também para o
crescimento técnico individual e para promover a plena recuperação dos jogadores
lesionados. Por exemplo, na reabilitação ele teve que fazer Del Piero depois do
acidente grave no joelho em 1998, recorreu a uma comparação de imagens da mesma
gesto técnico realizados antes e após a lesão.
7 LA INÍCIO
VOLTAR, LA FAMÍLIA M ILAN, o

UMA ÁRVORE NACE Nata


7.1 A atmosfera Milan

Em Milão vitória não é o suficiente para ficar perder e não o suficiente para ser demitido.

Geralmente, para ser um bom treinador de futebol deve ganhar, mas o Milan não
é só isso, algo mais é necessário. Para entender a família Milan deve atender ditada
pela sua missão presidente, ou seja, a propor um futebol ofensivo e positivo em que a
vitória é alcançada através de um jogo organizado e empreendedor.

Eu vivi cinco anos fantástico jogar este grande clube antes também tem o grande
prazer de treinador tornando-se: aqueles que conhecem o sentimentalismo que
caracteriza me dizer-lhe que as minhas palavras vêm do coração e não da razão, mas
não é.
Comecei a treinar no Milan na temporada 2001/02, numa época em que era
tempo a equipe não conseguir um bom resultado, por isso, o meu trabalho foi
adicionado um ambiente inteiro que queimou para recuperar o centro das atenções em
Europa.
Além disso, a equipe passou por um período em que ele tinha sofrido várias
lesões, fato que causou o nascimento do projeto Milan Lab, que provou ser de grande
ajuda.
Ele sabia o ambiente, e a relação de afecto e estima que me obrigado a abordar,
especialmente Galliani foi muito importante para mim. O diálogo, a troca de opiniões,
extensa colaboração e respeito mútuo pelos respectivos papéis: Milan é um clube em
que o técnico pode trabalhar em um clima de extrema proteção e tutela.

Em Milanello, no mítico jantar antes do jogo, eles falaram sobre tudo, incluindo
decisões técnicas, sem implicar qualquer sugestão ou interferência. Como já disse Preferisco
a Coppa, formação sempre fazia, embora às vezes o presidente me perguntou o motivo
de exclusão, especialmente quando era um de seus jogadores favoritos.

Além do presidente, eu relacionado apenas Galliani e Milão, como foi, em certo


sentido, Juventus fato fala por si. Milan Galliani foi a sociedade e, ao mesmo tempo, é
claro, o presidente, o primeiro fã. Eu acho que um dos pontos fortes desta sociedade
que tem alcançado muitos sucessos para
ao longo do tempo é que ele é liderado por pessoas que, além de ter demonstrado a
maior capacidade e profissionalismo, amam a equipe visceralmente.

Líderes Milan se distinguem do resto dos fãs porque, embora o evento ao vivo
como eles após o jogo tornar-se novamente um carinho, conscientes e competentes
líderes.

Milan todos respiram em um intenso sentimento de pertença, dos jogadores aos


colaboradores, até o último dependente. É um sentimento muito forte de que o liga a
esta grande família para sempre e faz você emocionalmente envolvido nele sem
esquecer o seu papel.

Eu tive uma percepção semelhante quando eu estava com o Manchester United, durante
a minha experiência de Inglês, embora neste caso era uma mera sensação, já que não
conheço pessoalmente o meio ambiente.
Outro componente-chave do centro desportivo Milanello, em Milão, onde o
treinamento de verão e preparação são executadas. Também no Milanello o sentimento
de pertença é percebida, porque nem a estrutura nem a sua gestão é concebido como
um local de trabalho, mas como um lugar onde se sente em casa em um espaço
privado e pessoal próprio. Milanello também oferece uma oportunidade de viver como
um momento normal de reforma da vida cotidiana. Não só é concebido para
proporcionar a saúde necessária e favorável e formação ideal estruturas jogador de
futebol, mas também para permitir que este viver positivamente vezes quando
compromisso lo afastado temporariamente da rotina da família profissional. ambiente
Milanello é caloroso e acolhedor, o quarto ea cama descansando jogadores são
atribuídos, ou seja, que estão disponíveis para o atleta enquanto ele permanece no
clube. Desta forma, todos podem construir um ambiente como seus pertences, como se
estivessem no quarto de sua casa.

Esta é a razão que a aposentadoria no Milanello é incomum e faz com que o


centro especial um momento que muitas vezes os jogadores negativamente viver. Por
isso, é normal que durante a semana, e não apenas antes de um jogo, alguém ficar
para descansar após o trabalho, retornando à noite de uma transferência ou depois de
comer,
esperando para começar um treino.

7.2 jogo Módulos

Em meus oito anos como técnico do Milan, eu tinha à minha disposição vários
jogadores, e isso me levou a uma pesquisa, necessária e comprometidos, mas também
agradável, o sistema ideal que lhes permita se expressar ao máximo em campo.

Este laboratório tático me permitiu crescer e me concluído a partir do ponto de


vista profissional.
Antes de apresentar os sistemas de jogos leitor que têm mais utilizado
consideram essenciais para reiterar que neste clube treinador você é livre para
modificar, experimentar e usar o sistema que quiser, mas não pode ignorar o que a
cultura de Milão é considerado um "dogma": defesa com quatro jogadores.

Por volta de quatro de Milão é histórico, é o início de qualquer projeto é parte da


história da extraordinária carreira de muitos campeões. Se você quer ser o treinador do
Milan você pode ousar mudar tudo, mesmo a jogar com um atacante, mas você não
pode fazer sem formar rigorosamente a volta quatro.

O movimento da zaga tem sua origem em dois conceitos fundamentais do jogo


defensivo:

1. Você precisa decidir quando para marcar um adversário ou quando cobre


o espaço.
2. Cada defensor é responsável pela área de responsabilidade e marca o
jogador que tem a bola (em sua área).

Dito isto, é claro que a qualidade peculiar de um defesa é saber interpretar


rapidamente situações de jogo e decidir em conformidade. Neste sentido, o movimento
e a posição irá ser determinada pelos seguintes factores:

Posição da bola.
companheiro de posição.
Posicione o adversário.
Se uma situação cobertos ou descobertos bola (sim ou não a pressão
sobre a bola).

Do ponto de vista coletivo, a linha defensiva deve ser dinâmico:

Pronto para voltar quando a bola é descoberto e quando encoberto.

Facilmente capaz de aplicar o enquadramento / I cobrir conceito.

A execução do movimento para cima e para trás (elástica defensiva) era, sem
dúvida, muito mais pronunciado no passado, porque a regra anterior sobre o
impedimento (foram punidas ativos todos os jogadores que estavam do outro lado da
linha defensiva) você está autorizado a ter um comportamento muito mais ousado
arriscar menos. Agora, após a mudança de regra (são os jogadores só ativos e,
portanto, passíveis de punição que receberam a bola), o comportamento é menos
impetuoso e tende principalmente para cobrir o espaço de volta do que para cima.

A posição é determinada pelo local onde a bola: Se a bola é lateral posição


diagonal vai dobrar a cobertura dos dois suportes, e a defesa oposto estar na mesma
linha da última defesa central.

A parte traseira quatro não vai mudar o comportamento dependendo da


composição do ataque secção contador. Quero dizer que, independentemente da
disposição ofensiva do equipamento que está enfrentando, ou seja, jogar com um, dois
ou três pontos ou até mesmo sem atacar jogadores, o conceito deve justificar o
comportamento dos jogadores que fazem a minha defesa será a relação entre
rotulagem e de cobertura, ou seja, ser um conceito de equilíbrio que deve guiar o
comportamento coletivo.

Além disso, ele lembra que, quando o espaço entre o defensor eo adversário é
mínima, cerca de dezesseis metros, os princípios e regras de marcação devem estar
presentes homem:
Conhecimento e permitir médico supervisão seqüência correta destes três
momentos delicados, tanto o tempo necessário e como eles são realizados, facilitando
assim a prevenção adequada da possível recaída.

Um momento delicado e crítico é o retorno ao campo um jogador após uma lesão.


Veja o que acontece.

7.6 O partido e tripartida

Quando um jogador é considerado totalmente recuperado que está disponível para a


equipe. O médico é o único que pode decidir se (e quando) pode entrar em campo.

Ele garante a aptidão física e, dependendo de suas decisões, o treinador pode


determinar se você usar o jogador nos jogos. É um momento delicado para o jogador,
mas também para a equipe, como o uso correto de um elemento irá influenciar o
desenvolvimento da reunião.

Quando você tem que pesar o uso de um recém-saído de um longo período de


inatividade decisão competitiva jogador é especialmente difícil porque nada garante que
seu estado físico, mas acima de tudo, psicológico, é o ideal. Aqui é tripartida decisivo.

É uma troca de opiniões que geralmente ocorre um dia antes do jogo entre o
treinador, o médico e o jogador, e é a melhor maneira de responder a quaisquer
perguntas. Este diálogo prevê três fases:

1. A opinião ligação do médico, que, com base em sua experiência e


conhecimento, definir o grau de disponibilidade do jogador.

2. Se o parecer do médico é positivo, o jogador irá expressar seu grau de


convicção em relação à possibilidade de ser usado ou não no campo.

3. Finalmente, o treinador, depois de ouvir a opinião dos outros dois, vai ter
uma imagem clara da situação e pode decidir se deve ou não utilizar o
leitor e como
Eu faço.

7.7 Prevenção de lesões e Lab Milan

Em Milão várias alterações que enriqueceram minha vida profissional ocorreu. Pela
primeira vez começou a pensar concretamente sobre o uso da tecnologia como crucial
para estabelecer o instrumento total de carga de trabalho futebolista.

O objectivo era duplo:

1. Tentando definir uma metodologia suscetíveis manter o jogador em


condições físicas e mentais ótimas durante toda a temporada.

2. Prevenir lesões não traumáticas.

Assim nasceu o Lab Milan.


Esta estrutura, denominada precisamente Milan Lab, tornou-se um estudo de
investigação para a recolha de dados físicos, técnicos e táticos, entre outros, cada
atleta a fim de impedir, através de um trabalho físico individualizado, lesões, todo o
músculo, e permitir que o jogador atingida e mantida uma condição física óptima.

Outro elemento inovador foi a capacidade de monitorar a carga de treinamento


gerado por sessões táticas por Pulsometro uso correto e consistente.

A avaliação da carga de trabalho no futebol sempre tinha considerado primordial,


mas até à data o mispricing tinha sido numerosos e frequentes. Por exemplo, no meu
tempo foi pensado para sentir dor nas pernas após sessões de láctico anaeróbio
resistência era um sinal de ter feito um bom treino, quando, na verdade, a causa pode
ser outro e dor pode indicar também excesso de carga.

Estes dados ausente completa, é compreensível que seja impossível avaliar o que
deve ser o tempo necessário para a sobrecompensação eficaz.

O Milão Lab foi a novidade do conferiu científica


programação e formação de monitoramento. Os princípios metodológicos foram:

Utilizando o teste mensal laboratório (saliva, sangue). O objetivo era tentar


entender o verdadeiro grau de fadiga de cada atleta.

Utilizando o teste para avaliação e atitude mental. Avaliação da técnica e


tática tanto no partido e na oferta de formação.

Para aplicar esta metodologia foi expandida equipe, especialmente o número de


formadores necessários para realizar o trabalho individual, eo consequente aumento
técnicos dedicada à coleta e processamento de dados e trabalho de campo. Este último
reuniu periodicamente com a estrutura organizacional, chamado META, que foi
composto pelos responsáveis ​das várias áreas: médico, psico-físico, técnico e atlético.
Estas reuniões serviram para trocar pontos de vista e estabelecer a programação linha
orientadora.

Para atingir este objetivo foi reestruturado completamente toda a área de esportes
Milanello: espaços equipados com as tecnologias mais modernas e sofisticadas, que
permitem criar um banco de dados perfeito com capacidade de atravessar e comparar
os dados coletados foram criados.

7.8 A sessão de treinamento

Do ponto de vista tático, exceto para alguns aspectos, a programação continua a


mesma. O verdadeiro trabalho, feito em profundidade, enfrentou especialmente na fase
preparatória da pré-temporada.

Mais do que uma escolha, este passo foi tornada obrigatória, porque era a
conseqüência do fato de que os compromissos internacionais tornaram impossível a
usar longas sessões contínuas de táticas coletivas. No geral, esta é parte de uma
programação correta, uma vez que, quando você joga a cada três dias e destina-se a
preparar
estratégia perfeitamente para o dia seguinte, é aconselhável fazer uma sessão de tática
no dia anterior ao jogo, talvez apenas quinze minutos com muitas pausas, mas com boa
intensidade.
Agora vamos olhar para um exemplo de trabalho que desenvolveu o Milan dessa
vez em uma semana em que um jogo da Champions League foi jogado. Desde que ele
tinha jogado na noite de sábado avanço campeonato semana foi estruturado da
seguinte forma:

Domingo (partido do dia seguinte):

Grupo A (que havia tocado): descanso, terapias e descarregamento (que não tinha
jogado) Grupo B: Formação em 11 horas:

15 min. exercícios ofensivos 6 vs 0.


15 min. Lutas 2 vs 2 na área, na corrida do lado de fora. 15 min.
conclusões carreira. 15 min. Chutes a gol de posição central.

Segunda-feira (todo o grupo) 15 horas:

10 min. mãos partido (gol de cabeça ou tiro ao alvo).

10 min. corresponder pequeno campo (10 vs 10). 30 min.


exercícios premente defesa (11 vs 11). 15 min. partido solto no
espaço de 60 × 40.

Terça-feira 15 horas

10 min. aquecimento rondo com as obrigações decorrentes da bola. 20 min.


exercícios táticos específicos. 15 min. exercícios definir peças (escanteios e
faltas).

jogo quarta-feira da Liga dos Campeões.


quinta-feira

descanso total. Terapias e curas, dependendo das necessidades individuais.

Sexta-feira, 15 horas:

20 min. aquecimento técnica (exercícios triângulo, Figura 15).

20 min. exercícios para posse (10 vs 10). 20 min. jogo livre


espaço de jogo de 60 × 40.

Sábado, horas de Novembro

15 min. aquecimento rondo com as obrigações decorrentes da bola. 20 min.


exercícios táticos específicos.
15 min. exerce pontapés livres (faltas e cantos).

Domingo estação do partido.

No próximo capítulo vou ilustrar o método de planejamento atual com base no intervalo
que ocorre entre uma parte e outra.
A FIGURA 15

Imagem à esquerda, grupo de cinco estações. Linhas passam pela seguinte ordem: Comece passando 2, isso
acontece com B e receberá o passe para trás e, em seguida, retornar para compartilhar com B. Este, depois de
receber a bola, ele fez o passe na posição A e começar de novo. linhas de circulação estão dispostos como se
segue: A é na posição 1, que por sua vez está em posição C. 2 está na posição B e B está na posição A, após a
troca. C está na posição 2.

imagem da direita, grupo de três estações: A passa para B e receberá a passagem de volta. Uma vez que a esfera
é recebida passa para C e continua para a posição B. Ao receber a bola, C executa uma troca com B, que acabou
por se encontrar, e recebe em A1 continuar a correr para a posição A. a partir deste ponto começa novamente o
retorno original. Após a troca B é definido como a cauda na posição C.

7,9 Trabalho na areia

Outra inovação adotada pelo Milan foi o uso de areia como uma superfície de trabalho.
Vamos ver como, se usado corretamente, pode contribuir para certas adaptações
físicas do jogador em três aspectos importantes:
1. Metabólica: com programação adequada podem ser treinados com sucesso
ambos os sistemas aeróbios e anaeróbios.

2. Mecânica: este, especialmente no campo preventivo, é um aspecto que não


deve ser subestimado, no que respeita lesões musculares e tipo
articulatório. A corrida para a areia proporciona um retorno elástico inferior
que é derivado, por exemplo, uma área que o campo de futebol, e também
a coluna sofre menos pressão. O aspecto preventivo de alto nível é de
suma importância: na verdade, é muitas vezes jogadores que têm
problemas com tipo crônica e, portanto, devem trabalhar menos agressivo
em comparação com outros pares conhecido;

para estes atletas o trabalho


individualizada na areia é muitas vezes uma solução óptima. Outro ponto
importante é que o trabalho sobre a areia reduz a influência de órgão
tendinoso de Golgi (alguns receptores sensoriais da natureza inibidora

e, portanto, "protecção"), para permitir que os picos de acção e de força


muscular mais vigorosas atingindo mais elevado do que o campo.

3. neuromuscular: trabalhar sobre uma superfície instável conduz a uma


adaptação dos suportes e, por conseguinte, a uma elevada actividade
proprioceptiva. Isso resulta em um reforço das articulações importantes no
futebol, como os tornozelos e joelhos.

Tal como acontece com todos os métodos de treinamento, você precisa ter uma
abordagem de programação, a fim de evitar contra-indicações. O problema mais
comum que ocorre neste tipo de trabalho é "lixar" o jogador; quando, na verdade, o
volume de treino na areia é demais, você corre o risco de causar fase catabólico
excessivo para um esporte como o futebol moderno, quando os compromissos forem
perto e repetido, e onde a carga ele deve ser distribuído de forma homogénea. Uma vez
que é um meio de especial e delicado, para usá-lo de forma eficaz, é necessário saber
em treinamento profundidade.
Além disso, se possível, o trabalho deve ser feito individualmente, uma vez que isso
torna mais fácil para avaliar a implementação de gestos e sentimentos do jogador. No
futebol moderno, em que a duração das sessões de treinamento é cada vez mais
reduzido o tempo, o trabalho na areia, sendo mais "qualitativa" para "quantitativa,
adapta-se menos para mudanças na metodologia de treinamento.

Por "qualidade", isso significa que é possível fazer, menos estressante e mais
rápido caminho em termos de tempo, um trabalho de alta intensidade. Isto porque,
desta forma, um aumento na frequência mais rápido do que o campo, como já
dissemos, alguns picos alcançar maior resistência é obtido. No entanto, é importante
para mostrar que os novos métodos de preparação física apontam cada vez mais para
o treinamento funcional e treinamento na areia não é, é claro (a temporada não é
jogado na praia); No entanto, devemos entender que o objetivo de um treinador é para
treinar, mas também limitar o desgaste que o treinamento envolve minimizando o
número de feridos, porque para ter alguns jogadores em perfeito estado por tanto tempo
quanto possível na estação é mais um passo em direção ao objetivo comum: a vitória
da equipe. Em equipes de alto nível, especialmente quando escolher o meio de
treinamento físico é importante considerar que pode preservar melhores futebolistas sob
risco. Sem dúvida, a areia é um deles.
8 DEM ILAN AL ONDRES.

ELC HELSEA E INGLÊS DO FUTEBOL


8.1 A atmosfera Chelsea

Depois de tantos anos na Itália, eu queria lidar com diferentes culturas e tradições, e
tentar uma experiência de trabalho no exterior.

Aceitar a oferta do Chelsea, no Verão de 2009, significou, portanto, enfrentam um


desafio emocionante para mim e uma forma profissional, na minha opinião, cada
treinador deve ser capaz de dar.
Chelsea também gosto clube de topo, Ele ofereceu estruturas e organização
extraordinárias, e colocou à minha disposição uma equipe de valores absolutos.

Inglaterra, a partir de um ponto de vista profissional, educação esportiva, eo


ambiente em que vivemos estádios foi uma surpresa maravilhosa para mim, de todos os
pontos de vista. Como eu disse anteriormente, treinador na Inglaterra é uma figura de
referência em torno do qual construir o projeto, mesmo que a realidade em que eu
estava prestes a trabalho não incluiu um papel real do gerente, rapidamente percebeu a
abordagem diferente para a Itália.

Milanello, que é uma estrutura extraordinária, onde tudo é perfeito e operacional,


desde que, por exemplo, reduziu como espaço de escritório treinador. Um destinada
quase exclusivamente ao camarim. No último período da minha gestão técnica, também
pela iminência do Milan Lab, um computador e uma TV com DVD, ele foi adicionado.

Cobham, Chelsea Training Center, técnico traje é um verdadeiro escritório,


superequipada e tão ampla que pode realizar uma reunião com todo o equipamento
técnico para ser concluído. É ao lado de escritório do gerente e todos, exceto no que se
refere a parte econômica do clube, está disponível em Cobham

treinador.
Embora, para mim, o trabalho no campo tem sido e sempre será a minha principal
lugar e, portanto, as dimensões dos trajes sempre tiveram uma importância muito
relativa, que apenas disse da certeza uma idéia dos diferentes ambiente de cultura
Inglês e do papel atribuído ao treinador.
Chelsea Sports Center é uma verdadeira jóia. Ele tem o melhor que pode ser
encontrado hoje na organização de uma sociedade desportiva e possibilita um princípio
que considero fundamental para o crescimento de um clube de futebol. Cobham, na
verdade, pela estrutura dedicada inteiramente ao primeiro time, com escritórios
organizacionais, gabinetes técnicos, escritórios operacionais, ginásios, piscina,
vestiários, etc., há uma estrutura igualmente eficiente que abriga a Academia, ou seja,
todos centro de juventude. Eu acho que a proximidade, mas independente osmótica
dessas duas realidades é o melhor impulso para o crescimento profissional de tantos
jovens que treinam aqui. O leitor deve saber que há um total de trinta campos de futebol
em Cobham (dos quais três têm piso aquecido)

Isso dá uma dimensão de importância primordial anexado aos cuidados do sector


da juventude e como a estrutura de formação é concebida como um verdadeiro centro
operacional, capaz de colocar à disposição do treinador e os jogadores tudo o
necessário para o trabalho ideal.

8.2 futebol Inglês e projeto Chelsea

No nível tático, na Inglaterra, quase todas as equipes jogam com o sistema 4-4-2, com
poucas exceções que usam o 4-3-3.
Em geral, o 4-4-2 Inglês prevê duas linhas (defesa e meio-campo) muito perto e
muito agressivas, especialmente em sua própria metade do campo, com os jogadores
dos dois módulos em vez distanciou e muitas vezes , alinhados entre eles.

Na Inglaterra, marcação e conceitos coberturas são consideradas menos do que


em Itália e este priva a ação premente protecção adequada e facilita o adversário a
possibilidade de atacar diretamente em profundidade com um aríete e encontrar espaço
entre as linhas.

Acontece que assiste jogos com resultados surpreendentes dificilmente encontradas em


outras realidades europeias. O que ocorre
também porque as equipes jogam sempre descarada, durante todo o jogo, sem se
preocupar muito com os gols sofridos.

Esta atitude caracteriza a beleza do futebol britânico e, juntamente com o fato de


que o ritmo ea intensidade são preservados ao máximo do primeiro ao último minuto,
recebendo os telespectadores (aliás, os estádios estão sempre cheios) continuam
envolvidos com paixão durante todo o jogo.

Chelsea, eu escrevi antes, era uma realidade com uma identidade técnica precisa.
identidade vigorosa em todos os módulos, garantida pela presença de muitos campeões
com uma personalidade forte.

Depois de tomar conhecimento do presente, resolvi apontar, também em


consideração a conversa sobre futebol Inglês, criar uma equipa com uma identidade
tática que não danificar, mas sim potenciase, qualidades existente e, portanto, a jogo.

O objetivo era criar uma equipe que poderia expressar:

Um jogo de equipe agradável e rentável.


Bom controle do jogo usando a bola. A fase compacta e agressiva de
equipe não-posse.

Eu posso dizer, como tinha acontecido em Milão, eu encontrei um único grupo de


profissionais com grandes qualidades físicas e técnicas, traços de caráter excepcional e
um forte senso de profissionalismo na formação.

Expor o meu pensamento sobre o relacionamento com o indivíduo e, em


particular, que não tem jogado muitas vezes, eu falei sobre as dificuldades e explicou
como, por vezes, tem de agir se qualquer jogador em formação tem uma atitude de
rejeição ou negativo. Posso dizer que a este respeito, o Chelsea nunca teve de intervir
para incitar um jogador a cometer mais. Você poderia pensar em uma feliz coincidência,
mas não é. Inglês mentalidade futebol é tal que um jogador sempre treina mais,
independentemente de haver ou não jogar para sempre. É uma
questão de cultura e profissionalismo, mas eu acho que deveria ser a norma em todos os
lugares.

8.3 As alterações na mosca. A importância de Lampard

Com os jogadores disponíveis eu comecei a construir a equipe tinha em mente, e


considerando as características dos indivíduos e lembrando minha experiência no
Milan, eu pensei que o sistema era ideal propor a árvore de Natal.

disponível:

Uma linha de defesa sólido. Os médios


envergadura.
Um triângulo ofensivo que colocado no vértice avançado Drogba, Malouda
e Anelka volta em engates de posição.

Isso foi precisamente minha árvore de Natal amado.

O início foi muito positivo, por duas razões:

1. Os jogadores estavam interessados ​em tentar algo novo para eles.

2. O arranjo nos deu muitas vantagens de caráter tático, pois, considerado o


4-4-2 proposto na Inglaterra, que garantem uma grande facilidade para
encontrar mediapuntas gratuitas entre as linhas.

Como evoluiu facilmente no futebol e dapper hoje, com o passar do tempo, os


nossos adversários começaram a pôr em jogo as contramedidas adequadas e, portanto,
modificar o sistema para adotar outras soluções.

Os adversários de contramedidas não foi a única motivação para a mudança; ao


contrário, era secundário ao fato de que,
respeitando o princípio fundamental de que o esquema ideal é uma ferramenta para a
expressão ideal de campeões disponível, eu tinha ido percebendo que a árvore de Natal
fornecimento limitado um pouco Lampard e não lhe permitiu alavancar totalmente as
suas características técnicas e táticas específico.

O espaço ocupado pela posição do craque não permitiu que Frank a desenvolver
que é a sua melhor característica, ou seja, a entrada sem a bola dentro da grande área.

Após estas reflexões, eu certamente não poderia desdecirme e também conter um


recurso que permitiu que o jogador a marcar quase vinte gols por temporada.

Eu, portanto, encontrada uma solução, uma vez Malouda também tem
características posição final puro descentrándolo I modificado ligeiramente para a
esquerda e, assim criado o espaço permitido Lampard maior possibilidade de encaixe
central.

Isto é o que eu quero dizer com flexibilidade de pensamento: mesmo tendo o seu ponto
de vista tático, é necessário que o treinador sempre avaliar a possibilidade de uma
adaptação no sistema de jogo mosca.

É o comportamento inteligente, desde que:

o treinador mudança foi identificado como solução realce para o seu


computador.
As mudanças não são freqüentes e muito menos radical, o que poderia
ser uma razão para a desestabilização da identidade da equipe.

As modificações podem subtrair adversários marcos.

8.4 Equipamento técnico e método de trabalho

Se ele soubesse o significado da equipe técnica expandida em Milão, chegando ao


Chelsea eu era capaz de implementá-lo na íntegra e para otimizar o uso das várias
figuras que compõem um equipamento moderno, incluindo alguns até então
inexistente.
Entre outras coisas, usando um GPS, pode finalmente ter a plena oportunidade de
avaliar o trabalho no campo.

A introdução deste sistema de controlo tem, com efeito, permite uma análise segura de
todas as tarefas que envolvem o uso da bola, tanto em exercício técnico ou tático e
competição.
Uma hora e meia antes de cada treino, toda a equipa técnica se reuniram em meu
escritório-costume de apresentar a situação em tempo real e coordenar o que
aconteceria no campo. Além disso, cerca de trinta minutos após cada sessão, eu podia
ver na minha mesa um resumo gráfico do mesmo e do trabalho realizado por cada
atleta.

Tendo tido a sorte de trabalhar com equipes de alto nível, eu sempre tiveram a
capacidade de medir a mim mesmo e crescer e adquirir novas responsabilidades
pessoais e ambientais preciosos; mas em particular a experiência Inglês, juntamente
com Milan, provou instrumental em como melhorar minha preparação para o trabalho.

I subiram acima de tudo reforçou minhas habilidades organizacionais e os


princípios básicos da filosofia de trabalho. Em particular, eu amadureci a convicção de
que, para agendar o treinamento é importante:

Existe uma correlação perfeita entre a formação e plano de jogo.

Um peças técnicas, táticas, físicas e mentais abordagem integrada.

A manutenção de um elevado nível de concentração e à intensidade. Cada


exercício é um desafio e trabalhoso.

Quando cheguei ao Chelsea eu era capaz de utilizar uma nova metodologia de


treinamento, que ainda é parte do meu trabalho: a abordagem integrada. Aqui estão
seus principais pontos:
Ele permite preparar o atleta tão orientada para as demandas da próxima
reunião e com base no conhecimento científico que manter e desenvolver,
em termos qualitativos as capacidades necessárias para o futebol de elite.

Destina-se, na medida do possível, alcançar um crescimento usando a


bola em situações competitivas. Assim, o treinamento físico integra-se
perfeitamente com os objetivos técnicos e táticos e mais agradável para
os atletas. Isso facilita um pico de testosterona que promovem a
adaptação positiva.

Usando a tecnologia GPS, que permite a execução adequada modular na


mosca. Ele também nos permite agir sobre as diversas situações que
ocorrem durante o trabalho e planejar a posteriori e de forma eficaz o
resto da semana.

Pretende alcançar a sessão de treino estimulação desejado por


manipulação de espaço, o número de jogadores e o tempo de trabalho,
como ilustrado no diagrama mostrado abaixo. A subdivisão específica de
cargas físicas semanais para desportistas (metabolismo, distância,
velocidade, aceleração, desaceleração, mudança de endereço) permite
chegar em condições óptimas para cada uma das partes. também
warmups

especificamente previsto para eles


completar os objetivos da sessão.
plano indicativo, com base nos objectivos e a relação entre espaço e do número de jogadores.

8,5 treinos e jogos no meio da semana

Cobham, sessões de treinamento sempre começou às 11 porque, em Londres, à noite,


escuro em breve. O treinamento foi realizado quase que exclusivamente no campo e,
como disse, usando a bola. O atleta, bem como planos específicos individualizados,
trabalho pessoal realizado incluindo também outros equipamentos presentes no centro.
Claro que, como acontece em todos os lugares, os jogadores devido a lesão, devem ser
submetidos a um trabalho diferente seguindo um programa predeterminado pelo
médico, fisioterapeuta e preparador físico. Hoje, além dos grandes clubes que
participam em competições internacionais, também outras equipes podem, requisitos de
calendário, tendo que jogar mais jogos durante a semana e mais próximos uns dos
outros.
A este respeito, a abordagem integrada permite um planejamento mais eficaz.
Sem entrar nos detalhes das sessões em Chelsea, vou mostrar um programa de
treinamento global que considera a existência de jogos no meio da semana.
8.6 Antes do jogo eo jogo no modelo Inglês

Mencionei que, na Inglaterra, a palavra "concentração" não faz parte dos costumes
antes do jogo. Geralmente em Chelsea, quando foi jogado em Londres, fomos citando
manhã no centro 11:00 fitness propriedade adjacente ao estádio e do clube. Lá, ele
realizou uma pequena instruções entre os membros da equipa técnica para sintonizar as
últimas estratégias e, em seguida, ser
Ele está almoçando em um restaurante que foi no próprio estádio. A última reunião
técnica ocorreu no vestiário depois do almoço.
partido preparação antecipada, em termos gerais, o ritual já é prática comum e eu
tenho discutido em detalhe acima. A apresentação foi contrário destas três fases:

1. A primeira reunião em que um vídeo com situações ofensivas e defensivas


que pertencia à equipa adversária projetada. Estes esquemas foram
recolhidas, em seguida, em um folheto e expostos no vestuário antes do
jogo.
2. Manhã reunião de uma reunião com a equipe técnica em alguns pontos
estratégicos que foram expostos à equipe analisados ​e, naquela época,
também impresso para o seu guarda-roupa realizada.

3. Depois do almoço o partido antes de uma segunda reunião, que foi


apresentado à estratégia específica equipa deve continuar a ser realizada.
9 ARIS
PROJECTO P L S AINT- ERMAIN
E FUTEBOL FRANCÊS
9.1 O PSG atmosfera

Paris é uma metrópole e, como tal, espera-se ter um equipa de topo. Assim nasceu o
Paris Saint-Germain, um projeto que pretende criar em breve um clube capaz de
competir ao nível dos melhores times da Europa e do mundo.

O projeto é muito ambicioso, mas existem todos os disponibilidades para realizar


plenamente; Assim, quando no final de 2011 me pediram que eu fazia parte dela e levar
a equipe guia de técnica, a minha resposta só poderia ser sim. Ela apresentou um
trabalho muito duro, mas também emocionante, uma vez que ofereceu a possibilidade
de propor conceitos inovadores e estruturas de edifícios totalmente a estrutura
organizacional de vanguarda em todos os níveis, especialmente na técnica.

Foi a primeira vez que eu estava junto com os outros membros da sociedade, de
course- construída quase a partir do zero uma fruta ambiente de conhecimento
profissional adquirida ao longo dos anos de trabalho e, portanto, em plena consonância
com a minha requisitos. O terreno era bastante intocado e, por exemplo, o modelo de
trabalho no campo era muito tradicional, então eu introduzido muito cedo sobre a
tecnologia usada em Londres, como o GPS.

futebol francês é estruturado muito parecido com o italiano. Sob o comando do


Paris Saint-Germain, bem como proprietários, há um presidente operacional, CEO e

treinador. Isto o torna um clube muito ágil, onde as decisões envolvem algumas figuras
com amplos poderes.
Naturalmente, o clube, para ser competitivo imediatamente, logo adquiriu grandes
campeões que permitiriam mergulho técnico e com a consciência de que para chegar a
um nível elevado e mantê-lo no tempo deve crescer em todos os aspectos, interveio
para complementar a equipe com todas as estruturas necessárias. Além disso, o futebol
francês também está sendo reorganizado em um nível mais geral, por exemplo, a
construção de estádios modernos que melhoram a qualidade de jogo e incentivar a
presença de um maior número de espectadores.

Do ponto de vista técnico, é um futebol muito físico e


taxas elevadas. vários sistemas de jogo são aplicadas e é frequentemente utilizado
contra-ataque.

9.2 A pesquisa para o esquema ideal

Paris Saint-Germain, como eu disse, muitas mudanças foram feitas, e a aquisição de


inúmeros jogadores completamente atualizado time principal. A introdução de vários
campeões ganhou o estudo para descobrir o esquema de jogo ideal e procurar uma
identidade precisa.

Este trabalho requer essencialmente duas coisas:

1. O uso de várias sessões táticas à custa de trabalho físico.

2. Um pouco de tempo.

Dois requisitos que não são fáceis de prosseguir a longo prazo, porque quem
investe tanto em uma equipe nem sempre está ciente das dificuldades encontradas na
construção de uma identidade e querem resultados imediatos.

Além disso, os jogadores vieram lentamente, e isso me colocou na posição de ter


de definir o sistema de jogo através de ajustes na mosca, para atingir o 4-4-2.

9.3 Técnica equipamento e método de trabalho

A equipe técnica da PSG é um dos mais modernos e eficientes com quem tive a
oportunidade de trabalhar. Uma boa parte constituída povo escolhido por mim e que já
faziam parte do meu grupo de trabalho, enquanto outros foram adicionados para
terminar uma força de trabalho extraordinário, capaz de me garantir o desempenho
máximo de eficiência e controle.

Um figuras assistente de treinador de goleiros, o médico e sua equipe,


fisioterapeutas e treinadores, assistentes específicos para a avaliação que trabalha com
GPS, especialistas em alimentos e técnicos que trabalharam com observadores se
juntou ao
Scouting e ele análise de jogo.

9.4 A sessão de treinamento

sessões diárias foram programados com a equipe técnica de cerca de uma hora e meia
antes do treino. Eles participaram de reuniões médico, instrutor, assistente técnico e
goleiro, e responsável pela recolha de dados estatísticos e GPS.

O médico comunicou o número de jogadores disponíveis, após o qual o


preparador estabelecida com base no planejamento geral, quaisquer alterações ou
confirmações sobre o tipo de trabalho sessão (resistência, força, velocidade), enquanto
a equipe técnica determinado, com base nisso, os exercícios foram realizados e sua
carga.

Como eu disse, a equipe técnica trabalhou com base em competências adquiridas


no Chelsea e, portanto, para qualquer finalidade, foram preferidos exercícios de bola,
tendo em conta que, como vimos, a amplitude do campo de jogo ele é modulado como
resistência ou força de trabalho.

Quando o alvo era exclusivamente tempos de recuperação táticos sobre a


duração dos exercícios, sem alterar a intensidade, que está sempre tentando deixar
perto a realidade de um ajuste jogo.

PSG, treinamentos foram realizados, geralmente na parte da manhã às 11 ou à


tarde em 15 h. Eu acho que a melhor maneira de envolver o leitor do trabalho de minha
equipe é ilustrar, em detalhe, a seqüência de trabalho de duas semanas. Isto irá
permitir-me para mostrar:

Um exemplo concreto de tática intervenção técnica. Alguns exercícios


com metas técnicas ou físicas, de preferência desenvolvido com o uso da
bola. O trabalho realizado em semanas típicas e que incluem um
compromisso durante a semana, neste caso, a Liga dos Campeões.
No entanto, ao descrever a semana de trabalho dividido por dias e horários;
ilustração, com exemplos gráficos dos trabalhos indicados para as várias sessões; e
algumas indicações estatísticos que são estabelecidos pelo monitor de frequência
cardíaca e GPS.

semana típica:

Segunda-feira: Rest.

Terça-feira (trabalho total: 53 min). objetivo:


completo e optimizar a recuperação o
retomada.
8 min. aquecimento.
exercícios gerais, com os jogadores em uma linha, em movimento e para trás
ao longo do meio-campo.

Saídas alternando série de exercícios. 15 min. técnica.


na caixa (Figura 1):

jogadores em movimento, mais dois jogadores trocaram estática.


Sequência de 1 a 6 é repetido na direcção oposta. Um e dois toques, e
viagens em relação à vertical (como no topo da Figura 1).

Mesmo número de jogadores, sobreposição de carreira um ou dois


toques. Sair então para a esquerda (como na parte inferior da Figura 1).

Em triângulo triângulo e passa para fora na diagonal. suplentes exercício com algumas
trocas estáticas entre jogadores dispostos em quadrado (Figura 2).
Figura 1
A FIGURA 2

15 min. partido com quatro pequenos golos, 8 vs 8 em 35 × 35 (Figura 3).


Figura 3

15 min. leilão concentrando a partir do fundo, depois da corrida sobrepostas


(Figura 4).
Figura 4

Quarta-feira de manhã (trabalho total: 1 h e 7 min ..). Objetivo: força


de trabalho. 5 min. aquecimento online. 5 min. yoyó teste.

12 min. posse condicional.


15 min. 3 versus 2 com grandes objectivos em um campo de 45 x 30 (Figura 5).

15 min. 1 a 1 depois de sair em sprint, uma para receber a bola e uma outra
para ficar na defesa (Figura 6). 15 min. 2 a 2 com postes aproximados e duas
zonas 50 × 30. O campo é dividido em três áreas; incluindo um intermediário
no qual o jogador pode receber a bola colocada na área companheiro oposta e
iniciar a acção de ataque (Figura 7).
Figura 5
A FIGURA 6
A FIGURA 7

Quinta-feira (total de trabalho: 43 min.). Objetivo: trabalho


de velocidade.
8 min. circuito de aquecimento de três temporadas (bater a cabeça, bola a
meio caminho, caiu bola) e Sprint linear com obstáculos a várias distâncias
(Figura 8). 15 min. posse condicional (8 x 8).

10 min. exercícios defensivas superados em número (8 vs 10).

10 min. exercícios de meio-campo ofensivo (10 vs. 8).


Figura 8

Sexta-feira (total de trabalho: 45 min.). objectivos principais: aumento da


resiliência e táticas orientadas. 10 min. aquecimento.

12 min. rondo com dois jogadores no meio. 5 min. de capacidade de resposta


(Figura 9): o pedido, o jogador grava quatro pequenos obstáculos escada e
corrida a partir da direcção cor instruído. 18 min. 10 e 10 no meio do campo
(50 x 50). Sábado: campeonato jogo.

Domingo de manhã (total de trabalho: 45 min.). Objectivos: resistência (para


aqueles que não participou no jogo).

10 min. aquecimento.
15 min. 5 em 5 no campo de 27 × 24 com 4 gols. Cada equipa joga um toque
com o objectivo de marcar em uma das duas portas opostas (Figura 10).

20 min. 6-6 em campo de 40 x 30 com grandes metas (4 min., A 4 vezes).

A FIGURA 9
Figura 10

Segunda-feira de manhã (trabalho total: 1 h e 5 min ..). Objetivo:


trabalho de velocidade. 10 min. aquecimento.

15 min. de partidillo 10 contra 10 no campo 50 × 40 com pequenas metas.

20 min. posse orientado com equipes táticas alinhadas. 20 min. Oposição


jogando alinhadas através das equipes de campo. disposições adversário
4-2-3-1. Terça-feira (total de trabalho: 45 min.). Objetivo: capacidade de
resposta. 10 min. aquecimento sem bola.

10 min. rondo. Dois grupos em espaços 7 × 7 com dois jogadores dentro.

5 min. capacidade de reacção e coordenada Sprint a seguir (4


s).
20 min. 10 e 10 no meio do campo (50 x 50) com dois
traves.

Quarta-feira: Liga dos Campeões jogo. Quinta-feira (total

de trabalho: 45 min.).
Objetivo: Grupo A (trabalho de restauração). Grupo B (resistência). Grupo de
Trabalho B:

10 min. aquecimento sem bola.


15 min. 5 em 5 em campo reduzido (27 × 24) com quatro pequenas metas.

20 min. 5 em 5 no campo 40 × 30 com grandes objetivos. 4 min. trabalhando


para 4 vezes. Sexta-feira (total de trabalho: 53 min.). Objetivo: capacidade de
resposta. 10 min. aquecimento sem bola. 10 min. rondo. 5 min. competição Sprint
em pares (quatro saídas com dois suportes) para a silhueta indicado (Figura
11). 18 min. de partidillo 10 contra 10 para tocar campo de 52 × 32 com portas
de mentira.

10 min. capping corrida (Figura 12). Sábado:

campeonato jogo. Domingo.

Objetivo: velocidade (considerando que uma reunião será realizada na próxima


terça-feira).
Que jogou para a recuperação e treinamento para aqueles que não o fazem.
FIGURA 11
A FIGURA 12

9.5 Representação e trabalho de verificação

Com a aplicação GPS você pode monitorar continuamente o trabalho feito a nível
individual e colectivo, garantindo assim a eficácia dos exercícios realizados. O sistema,
como eu disse anteriormente, também permite mudanças necessárias na mosca; mas
acima de tudo, com sua valorização no final da sessão, ele torna possível agendar a
próxima.

Para esta finalidade, eles definidas a seguir alguns gráficos relacionar medidas
feitas em uma sessão, uma vista da resistência, um outro de força, mais uma
velocidade e um quarto para a capacidade de resposta.

RESISTÊNCIA

FORCE
VELOCIDADE

Receptividade
9.6 Entre a primeira ea segunda metade. Um exemplo
de intervenção real

Paris Saint-Germain no final do primeiro semestre, encontrei-me com os meus colegas


no vestuário técnico para fazer um balanço da situação tática da primeira parte do jogo.

Em relação a quando ele treinou o Chelsea e AC Milan, PSG também pode


desfrutar de dados importantes fornecidos por um observador que acompanhou o jogo
das arquibancadas. Logo, todos expressaram seus comentários devem ser sintéticos e
geralmente focada em um problema que tinha surgido ou que eu havia indicado.

Para explicar melhor, também se referindo ao que foi dito sobre a gestão do jogo,
eu vou lhe mostrar um exemplo real do jogo PSG-Olympique Lyonnais na Ligue 1
passada.
Fomos colocados em 4-4-2 e preparar o jogo, nós pensamos que começar desde
o primeiro minuto com um premente
alta para condicionar o ritmo de luto. Uma vez no campo, no entanto, encontramos um
adversário contra o planejado, ele tinha sido colocado no 5-3-2. Isto criou grandes
dificuldades e nos impediu de alcançar o nosso objectivo, porque eles tinham três
jogadores no meio-campo e, acima de tudo, um deles,
posição mais recuada, dançou atrás de nossos meio-campistas. Desde que os nossos
dois wingers teve de referência para o extremo oposto, estávamos em desvantagem no
meio de campo. Resultado: nenhuma chance de pressionar de forma eficaz, o controle
zero do jogo. Para resolver o problema, em primeiro lugar, que havia sugerido aos
nossos meio-campistas para atacar seu homem sobre, mudança, mas isso produziu o
resultado errado para abrir o meio do campo, criando um espaço no qual, sob posse,
entrou nas meias rivais (Figura 13). O breve encontro no final do primeiro semestre,
duas soluções surgiram:

1. De volta para o campo com um invasor no pivô (Figura 14).


2. A acção combinada de acordo com a posição da bola. Com a bola no meio do
campo contrário, mais aberta e termina lado defesas mais juntos (Figura
15).

Com a bola na nossa metade do campo acabamos perto de jogar no meio-campo


e permitir que a imprensa central para pivot (Figura 16). As blindagens laterais devem
estar a funcionar para controlar a entrada permanecem límpidas fim de três contra dois
fase defensiva, com a cerca de defesa lado oposto. A decisão pertencia a mim e eu
escolhi a segunda solução que nos permita pressionar superior.

A posse fase de observação tática geral, jogar contra o 5-3-2 dá a possibilidade


de ter espaço para os defensores laterais e, portanto, eles devem receber a bola em
posição ofensiva, de modo que a força lateral ( cinco defensores) para cima. Perante
esta situação, é essencial um movimento do nosso meio-campo atrás dele para abrir
uma das três defesas-centrais. um espaço central, na qual se pode atacar directamente
as nossas sugestões em profundidade (Figura 17) é assim criado.
A FIGURA 13

O negro ataca o eixo médio do branco e cria um vácuo por trás dela alvo para o meia ataque.
A FIGURA 14

Número 9, alternando com o outro atacante controla a posição central da equipa contrária 8.
A FIGURA 15

A abordagem lateral permite que as defesas centrais avançar para cobrir o espaço e, portanto, o negro de
meia-atacante pivô branco.
A FIGURA 16
A FIGURA 17

Ele destaca como a saída do Lateral preto sobre espaço aberto branco para desmarcar quebrar o meia branca atrás
dele, e força o centro preto perto lateralmente, o que favorece profunda ataque com pontas brancas.
10

D IEZ MI JOGOS HISTÓRIA


10.1 Você nunca pode assumir um resultado

Meu primeiro professor, Nils Liedholm, disse: "O treinador de futebol é a melhor
profissão do mundo; É uma pena que corresponda ".
Futebol é bonito também por causa de sua parte imprevisível e o grau de
incerteza que precede o início de cada reunião, incluindo aqueles em que todo mundo
tem, com certeza o resultado é o que o torna um dos esportes mais amados e seguiu o
mundo .
Vimos como cada jogo é estudado e preparado em detalhe, mas também
sabemos que os dias inteiros de preparação cuidadosa, uma extensa pesquisa e rival
investigação detalhada nunca pode remover um erro individual imponderável ou
antecipar o jogo de um grande campeão, talvez mesmo o último minuto de um jogo.

Um evento, um episódio às vezes pode marcar a rota e mesmo se um partido não


pode ser o único autor de um destino profissional, retornando a alguns dos grandes
jogos que eu tenho a sorte de viver como um protagonista, eu entendo como situações
especiais e , frequentemente,
ocasional influenciado
no fundo da minha carreira.
I reviver os dias e horas que precederam alguns jogos e ir ao redor pensamentos
e dúvidas noites inteiras, dissipadas e resolvidos muitas vezes em momentos
inesperados.
Antes de uma reunião horas conter momentos fatos atitudes muitas vezes
imperceptível e uma série de sinais de que a atenta treinador deve ser capaz de
compreender e deve saber positivamente transmitir suas emoções, de modo a não
estragar a estratégia antes de iniciar o jogo.

Temos enfatizado a relação equipe-treinador e quero repetir que um dos


princípios que, na minha opinião, permite uma equipa de topo
expressar o seu pleno potencial é criar em torno de um clima que atenua as inevitáveis
​tensões e conflitos que a carga competitiva que precede a festa inevitavelmente traz
consigo.
O jogador não necessita de tensão de alto nível, mas a motivação equilibrada. Em
particular, na véspera dos grandes choques, quando a agitação é muitas vezes
alimentado a partir do exterior, o treinador torna-se um importante ponto de referência
se conhecido
Também evitar a transmissão das tensões que vive pessoalmente. Se você, em
seguida, pensar nas competições em que, além do resultado, pode estar em jogo seu
futuro profissional, a única coisa sensata o treinador pode fazer é comunicar a
serenidade máxima.
O jogador sabe e percebe a delicadeza de alguns momentos; e sua aplicação,
talvez mais do que o habitual, dependem exclusivamente com o relacionamento que o
técnico conseguiu construir ao longo do tempo, em vez de fazer na véspera da reunião
em particular.

Considerando toda a conversa sobre a atitude eo trabalho que antecede a festa,


eu também considerar o modo de apresentação estratégica relevante deste. Eu acho
que, de fato, que a informação que os empregados têm recolhido e preparado por outro
lado (se os dados ou vídeo) devem ser transmitidas para o computador tendo em conta
não só situação técnica.

Ou seja, considero essencial que a preparação das imagens e os dados também


atende ao requisito de, digamos, colocou o time na melhor condição para enfrentar o
evento de espírito.

O treinador prepara exposição em cada caso deve permitir, portanto, na minha


opinião, atingir vários objectivos; entre eles:

Obter o jogador, sendo o melhor informado possível sobre o que o espera,


ao mesmo tempo, manter um grande respeito por si mesmo e uma
abordagem positiva que não parece o mais oposto do que ele realmente
é.

Fornecer informações claras sobre as tarefas a serem realizadas.


Conhecimento alivia a pressão emocional e o fato perfeitamente saber o
que fazer no campo dá segurança, serenidade e consciência,
especialmente em dificuldades.

Alimentando confiança através de exercícios preparatórios simples e


oferecer soluções positivas, a fim de reforçar os sentimentos de
segurança de computadores como a si mesmo.
10.2 Ten jogos a minha história

Falei até agora do meu pensamento como treinador; mas agora eu gostaria de
compartilhar alguns pensamentos sobre dez jogos que considero especial. Sem seguir
uma ordem ou importância temporária, eles são "especiais", simplesmente porque, de
uma maneira ou de outra, têm moldado a minha vida, não só como treinador, mas
também como homem.

1. Reggiana-Venezia 3-0
Dentro ou fora. 15 de outubro de 1995

Na segunda-feira após a pesada derrota em Pescara (4-1), depois de conversas com o


clube e a equipe, decidimos reunir em Gattatico, uma cidade tranquila, perto de Reggio
Emilia, onde teríamos à nossa disposição todas as informações necessárias ao trabalho
melhor e se preparar para o jogo contra o Venezia. Nós e eles estavam em sérias
dificuldades e que encontro marcaria quase certamente o destino dos respectivos
treinadores.

Recordando que semana, eu ainda reviver a intensidade e preocupações do dia


anterior. Eu já disse o que penso de concentrações, mas naqueles dias era costume
bastante consolidada usá-los em momentos críticos, e devo admitir que, naquela
circunstância, mostrou-se eficaz em muitos aspectos vista.La possibilidade de estar
juntos era um maneira de descobrir ainda mais grupo sindical tinha sob minha
orientação e nos permitiu regenerar energia mental necessária.

valores táticos e técnicos eram, especialmente naquelas condições, irrelevante e


equipes eram nível; portanto, propus dois objetivos, além de transmitir jogadores
serenidade:

1. Fortalecer o equilíbrio tática defensiva.


2. Oferecer uma organização coletiva que nos permitem dominar a intensa
pressão adversário desde os primeiros minutos de jogo.
Por isso, na semana de concentração, usar
exclusivamente:

brocas defensivas. exercícios coletivos prensagem.

Exercícios para melhorar as transições tendo recuperado a bola.

Em particular:

Exercícios para a posse.


treinamento de primavera fora de jogo. Luminárias premente e
impedimento. Exercícios para melhorar as transições ofensivas.
brocas defensivas 4 + goleiro a 11. exercícios desmarque para
individual e casais. Exercícios 11 ofensiva contra 0 e 11 contra 8.
esquemas defensivos 11 a 11.

A equipe só teve que recuperar a confiança e uma maior coesão tático, e esse
período de trabalho foi importante.
O jogo foi jogado em 15 de outubro de 1995. Eu nunca vou esquecer essa
reunião em que a nossa superou claramente o seu 4-4-2 4-3-3, ea determinação com
que meus meninos enfrentaram sua rival. No final do primeiro semestre e vencemos por
3-0, e foi o ponto de viragem. Naquele dia, começou a nossa marcha para a Serie A.

2. Milan-Juventus 3-2 depois de penalidades


final de Manchester. 28 de Maio de 2003

Nós estamos falando sobre a minha primeira final da Liga dos Campeões, a festa que
marcou o ponto de viragem da minha história profissional.

Juventus venceu o Scudetto e veio de uma bela vitória na segunda etapa


semifinal contra o Real Madrid; por isso as previsões estavam todos em seu favor.
Tivemos, em qualquer caso, uma grande confiança e concentração adequada. A final
Manchester recolhido e projetado sobre os milhares passo de emoções, era um duelo
histórico entre dois grandes clubes italianos e vai jogar no lendário Old Trafford.

Como eu disse, cada parte recebe uma preparação adequada e estratégia tática
cuidado, mas que contra a Juventus tivemos realmente estudado ao mais ínfimo
pormenor: por um lado, tinha revisto todas as soluções possíveis que poderiam
transformar e todas as variações resposta rival potencial. E, no entanto, como muitas
vezes acontece, o estudo cuidadoso não poderia evitar alterações táticas de última hora
apenas saltou para o campo.

Para enfrentar a Juventus tinha escolhido o 4-4-2, um esquema que não tinha
sido muito usado nesta temporada. Mas o adversário estava na banda um dos seus
pontos fortes. É verdade que eles foram forçados a fazer sem NEDV d, sancionada,
mas isso não fazê-los perder potencial, como nas pistas externas usadas para executar
os defensores laterais Thuram e Zambrotta, que eu conhecia bem. O meu objectivo era
precisamente para limitar a ação máxima. Para minha surpresa, no entanto, quando
cheguei para o banco, eu percebi que o oposto tinha tomado uma defesa diferente do
que eu tinha previsto.

Thuram foi o lado direito, Ferrara e Tudor central e inesperadamente Montero


jogou no lado esquerdo. Este arranjo incomum foi devido ao fato de que eles tinham
antecedência Zambrotta na ponta esquerda em vez de NEDV d.

Visto a mudança de contraste, decidi realizar alguma


mudanças em nossa provisão ofensa.
I cobrada Shevchenko, que teve que jogar o segundo atacante com Inzaghi, a tarefa
de continuamente mudando de posição com Rui Costa
e, portanto, criar um em um situações com Montero. O defensor Juventus teve uma
etapa e tático sabedoria Sheva completamente diferente não poderia conter
superpotência físico ucraniano.

Um modificado 4-4-2, especialmente na fase ofensivo. Esta solução foi o ponto de


viragem do jogo, porque, embora na segunda metade Juventus reorganizou a tomar
medidas, criamos muitas dificuldades para o adversário e várias chances de gol.
Game (excluindo penalidades) terminou em um empate; acima de tudo, graças
Buffon desempenho óptimo.

As tarefas atribuídas aos meus jogadores previu que:

Costacurta e Kaladze, nossos protetores laterais, vai ficar para trás em


posição defensiva sem pressionar nas asas.

Shevchenko, como eu disse, a direita foi aberta para atacar Montero um


contra um, enquanto Rui Costa e Seedorf focado para causar dificuldades
para módulo de meio-campista, com quebra desmarque atrás das meias,
que eram Tacchinardi e Davids (Figura 1).

Figura 1

Como eu disse, o jogo, incluindo as horas extraordinárias, embora chances muito


lutaram e vários, terminou 0-0 e, portanto,
chegamos a penalidades.
Isso dessas sanções, juntamente com Istambul na direção oposta, é uma das
memórias mais vívidas que tenho em minha mente.

As enormes carrinhos de Manchester Stadium ofereceu uma coreografia única


sobre a realidade do futebol italiano. Milanistas e perfeitamente enfrentando paredes em
duas cores, que, entre outras coisas, faziam parte dos meus juventinos história
desportiva.
Duas enormes manchas coloridas memórias.
Ele havia deixado Turim pouco mais de um ano antes e agora estava ali,
precisamente contra a Juve, para limpar a reputação de perdedor luxo tinha adquirido
apenas naquele clube.
E já era hora. Meus colegas e eu tinha lista de batedores cuidadosamente
escolhidos, todos os grandes acostumado a campeões emoções fortes; mas as
penalidades são sempre imprevisível, e havia grande incerteza na decisão sobre quem
deve ser o primeiro eo último a atirar. A primeira tira frio deve ser capaz de superar o
impacto inicial: se você verificar, a meta lhe dá confiança, entusiasmo; este último pode
tocar o gesto decisivo, obtendo a vitória final.

Eu decidi que Shevchenko seria o primeiro, eu informou o interessado e


encontrou, como de costume, o primeiro obstáculo: Sheva queria ser o último; Ela
pediu-lhe o corpo. Eles seguiram alguns momentos de tensão ligeira acompanhada por
uma pergunta: eu mudar tudo? A convicção de que deve atirar a pena é fundamental.
Depois de um breve diálogo entre o jogador e um dos meus colegas, eu vi sua
determinação confirmada: Sheva seria a última. Todos nós sabemos como: Milan
ganhou o copo e Shevchenko marcou o tanto talvez o mais importante na história da
camisa vermelha e preta.

3. Milan-Inter 1-1
No final, eles ou nós. 13 de Maio de 2003

Eu não acho que eu posso repetir minha história um confronto entre duas equipas
italianas nas duas últimas partidas da Liga dos Campeões, mas sobre esta questão
antes da Juve na final, o empate nos fez conhecer Inter nas semifinais. Um derby na
Liga dos Campeões:
um duelo incrível no duelo.
Embora a primeira etapa terminou 0-0, para ter jogado em casa, não foi um mau
resultado, porque os nossos objetivos seria marcar duas vezes em caso de empate.

Meu Milão foi classificado no 4-3-1-2, enquanto a Inter estava disponível em 3-5-2
(Figura 2). Este arranjo inicial favoreceu a nossa superioridade no meio-campo, graças
a alguma liberdade de Pirlo na construção do jogo e Rui Costa, que dançou entre as
linhas opostas.

A FIGURA 2

A primeira vez revelou mais posse de nossa parte, e o jogo foi lançado com um
gol de Shevchenko. Na segunda metade, Cuper decidiu fazer uma mudança. A
introdução de um jogador Martins descansado e revitalizada ações ofensivas do Inter,
que conseguiu empatar sete minutos do segundo tempo, com tanto atacante rápido
gritando. -jugábamos naquele tempo fora de casa, um estádio quase renunciou
recuperou sua força e começou a apoiar
ações ofensivas da sua equipa. Milão contendo domínio discreto com as acções
opostas; mas pouco antes do final do jogo, o Inter teve duas grandes chances para nos
superar, e só uma grande parada Abbiati nos permitiu manter o resultado inalterado.

Quando penso que Abbiati não deveria ter jogado (em seguida, ele foi o goleiro
substituto e saiu para o campo de indisposição Dida após um polegar esquerdo
quebrado), entendo que, mais uma vez, o destino tinha nos ajudou: o que véspera
parecia-nos mais desgraça acabou por ser um recurso que influenciou fortemente o
triunfo final.

Ele tinha que exprimi a minha confiança nele extensivamente nos dias antes da
reunião e Christian, mesmo alinhado quase de surpresa em um jogo tão delicado,
respondeu em grande forma, não apenas nos momentos finais contra o Inter, mas
durante todo o jogo.

4. Sports-Milan 0-4
A primeira árvore de Natal. 24 de setembro de 2002

Esta reunião é para mim um valor dual core. Marca uma abordagem fase delicada para
conquistar a minha primeira Champions League como treinador e, ao mesmo tempo, a
estréia da árvore de Natal.

O jogo contra o Real Deportivo La Coruña foi um grande obstáculo no nosso


caminho para a Liga dos Campeões e não poderia ter tido um epílogo melhor: nós
ganhamos graças a um gol de Seedorf e um trio de Inzaghi, e tomar consciência real do
nosso potencial.

A parte tática:

O estudo identificou rival nos dois meio-campistas Mauro Silva e Sérgio (jogou em
4-2-3-1) sua maior força. Os jogadores foram bastante estática, mas iniciou toda
ofensiva e para anular o potencial do esporte, era essencial para evitar ações que
possam manobrar livremente.

Foi assim na busca de soluções adequadas, aplicada pela primeira vez o sistema
de jogo, em seguida, seria chamado de árvore de Natal. Jogando com um atacante e
dois no interior, Rui Costa e
Rivaldo, atrás de Pippo Inzaghi tinha encontrado uma maneira de fazer eficazmente
tanto a nossa fase defensiva ea surpresa ofensivo, usando um completamente
desconhecido para o nosso esquema adversários.

tarefas defensivas Rui Costa e Rivaldo foram dedicar para controlar Mauro Silva e
Sergio prevenir, na medida do possível, tomar a bola, a fim de afogar seu jogo de poder.
Uma outra tarefa consistia em nossos médios Gattuso e Seedorf, que devem engatar
em fase defensiva, para controlar os escudos laterais quando empurrada para a frente
(Figura 3).

Após os primeiros momentos de dificuldade, onde o Deportivo submetidos a uma


pressão considerável nós, ganhou o meio-campo e, minuto após minuto, nós
construímos uma vitória extraordinária com quatro golos marcados em um campo muito
difícil.

Figura 3

5. Manchester-Milan 3-0
A passagem para Atenas. 2 de maio de 2007

Se em 2003 a semi-final com o Inter tinha aberto as portas da primeira vitória na Liga
dos Campeões contra o Manchester na edição 2006/2007 foi um passo fundamental
para chegar à final de Atenas e enfrentar uma segunda vez para Liverpool. Após o
fiasco de Istambul, uma oportunidade única para a vingança.

Manchester é um dos clubes de topo o mundo e, naquela época, tinha uma equipe
realmente muito forte, campeões formação magistralmente guiado pelo meu amigo
Ferguson (Figura
4). Além disso, a reunião parecia difícil, porque depois do 3-2 na primeira mão, fomos
forçados a ganhar tentando não sofrer um golo. Mas esses meninos e que San Siro,
arrebatador Apesar da forte chuva, nós jogamos o jogo perfeito.

Figura 4
Alinhamentos em campo.
Neste jogo o objetivo era duplo:

Obtendo o domínio do meio-campo, porque o Manchester, mesmo


fornecendo jogadores ofensivos extraordinários como Rooney e Ronaldo,
houve força. Sujeitando rival, apenas perdeu a bola, um premente

imediatamente.

então eu usei minha árvore de Natal comprovada com Kaká e Seedorf atrás de Inzaghi,
que colocou em sérias dificuldades os dois criadores do Manchester United (Carrick e
Fletcher) e na posse fase, permitiu Ambrosini e Gattuso alternativo na posição central
Pirlo, forçado a distância para evitar marcação Scholes (Figura 5).

Figura 5
Pirlo é limpa, perseguido por Scholes, e abre o caminho para Ambrosini recebido.

embate táctico das duas equipas, foram gerados


algumas dessas situações:

fase ofensiva:

Desde a brincar com uma dica, se um dos criadores britânicos empurrando para cima o
nosso meio-campo, Nesta ou Kaladze libertado com a possibilidade de apoiar o
meio-campo com a bola (Figura 6).

A FIGURA 6

A pressão sobre Ambrosini ou Gattuso rival criador permitido desmarque Seedorf e


Kaká atrás deles e, portanto, induzir a defesa lateral do Manchester para se concentrar
em marcação, liberando a banda em que Oddo e Jankulovski foram colocados depois
de Giggs ou Ronaldo (Figura 7).

Se Giggs e Ronaldo foram dedicados a Gattuso ou controle Ambrosini, nossas defesas


poderiam ser colocados lado, para baixo, para receber o
bola e movimento a partir do lado (Figura 8).

A FIGURA 7
Figura 8

Se a defesa lado oposto impedido o avanço da nossa defesa, ele atacou-o por trás um
dos nossos dois interior; que, inter alia, forçou o centro para abrir e, portanto, aberto
para atacar ponta maneira Inzaghi e o outro interior (Figura 9).
A FIGURA 9

Os ataques dentro lateral-esquerdo da defesa adversária e força o centro para abrir na marcação liberando espaço
no centro para o ponto de ataque e o interior direito.

fase defensiva:

Devemos evitar a criação de espaços e dar tempo para um contra-ataque,


especialmente considerando a velocidade de Ronaldo e sufocar movimentos e
contra-ataques premente e dobletes. Tão bem Ambrosini, bem Gattuso (Ronaldo), deve
ser preparado para ajudar na dupletos escudos laterais e impedir, assim, deixá-las uma
contra um situações (Figura 10).
Figura 10

Na segunda metade, Manchester passou de 4-2-3-1 ao seu 4-4-2. Ronaldo flanqueados


Rooney no ataque e apoiado por Scholes Carrick, enquanto Fletcher foi colocado sobre
a asa direita. Assim, em vez ele conseguiu avançar centro de gravidade, mas não
conseguiu reverter a nossa superioridade no meio-campo. Houve um momento inicial
de equilíbrio ofensivo e uma breve reacção de Manchester; mas depois o jogo foi
finalmente fechado o nosso terceiro gol.

Se, depois de se reunir vários dados estatísticos, consideramos apenas um contra


um vencido, é claro que da nossa parte foi de 29 contra 15 Manchester, que também dá
a medida da determinação com que nos aproximamos do jogo.

6. Manchester-Chelsea 2/1
Passaporte para ganhar a Premier. 03 de abril de 2010

Embora eu não tenha sempre ganhou os jogos que eles me encarou


Manchester United, esta equipa está ligada, como se escrito nas estrelas, alguns dos
momentos mais especiais da minha carreira em Old Trafford eu ganhei minha primeira
Champions League; em Milão, a segunda mão da meia-final contra o Manchester me
projetado no vitoriosa 2007 final da Liga dos Campeões em Atenas; O técnico do
Chelsea, derrotando casa seus Diabos Vermelhos, podemos garantir a conquista do
campeonato Inglês.

Nesse jogo, eu usei um 4-3-3 adaptado, com Joe Cole como extrema-direita,
Malouda Anelka como ala esquerda e atacando no meio. Deco, Lampard e Mikel foram
todos os três no meio-campo, enquanto Terry e Alex foram a central, e Ferreira e
Zhirkov defesas laterais.

Manchester alinhados em seu habitual 4-4-2 e teve que fazer sem Rooney,
lesionado. Esta visão admirável a condição do jogador no momento, era para nós, não
posso negar, uma bênção.

notas tática:

A equipe teve, desde o início, um impacto positivo, e construir a vitória sobre o controle
do jogo.
posse fase, o foco da nossa posição dois extremos, movendo-se atrás de seus
dois médios, criou grandes dificuldades para eles e limita o seu alcance.

Principalmente, temos de ter maior predominância nos seguintes casos:

Quando os escudos laterais seguida concentrando os nossos fins, espaço


para fazer avançar os escudos laterais (Figura 11) foi criado.

extremidades Se, por outro lado, Malouda e Joe Cole foram marcados
por seus meio-campistas, nós
beneficiábamos maior controlo do jogo no campo central (Figura 12).
FIGURA 11

A FIGURA 12
Sugeri que partido reflexão: como de costume, as dúvidas véspera resolvido por uma
circunstância ou um fato episódico, e desta vez foi assim.

Grandes encontros também decisiva, eles estão sempre cheia de incertezas e


contra o Manchester United, valorizado se fosse jogar melhor puro com duas
extremidades e dois pontos (4-4-2) ou optarem pelo regime com duas extremidades,
uma ponto único e três médios (4-3-3).

Jogando com dois atacantes teriam Drogba e Anelka alinhados juntos; Mas uma
vez que, como resultado do atraso Drogba na reunião anterior do jogo anterior, tinha
usado Anelka como um solitário Nicolas atacante eo desempenho foi notável, confirmei
a mesma solução para reunião Old Trafford.

Didier Didier era, mas ele deve se submeter às regras


e, portanto, ele permaneceu no banco.
Jogar com esse sistema era a melhor jogada e quando, na segunda metade
mudou para Anelka por Drogba, encontrei um profissional concentradísimo (me há
dúvida sobre isso), que mostrou toda sua mentalidade vencedora e marcou o segundo e
último ambos.

7. Barcelona-PSG 1-1
Eu deveria ter sido nossa. 10 de abril de 2013

O que um jogo desta Liga dos Campeões em Barcelona!


Quando eu passar por cima, estou cada vez mais convencido de que teria merecido
para ir através do ciclo e jogar a semifinal contra o Bayern Monaco.

Mas certamente podemos ver que Messi não estava na melhor forma e talvez,
naquele tempo, a equipe catalã estava passando por um período de pequeno
recreação, Barcelona vieram de quatro a zero, o que tinha eliminado Milan

e, portanto, ele estava no topo de suas táticas e força mental. Apesar da inexperiência
de um jogador e com um acostumados a este tipo de competição por equipes,
estamos diante de um adversário que, em casa realmente dá pouco e fazer dezenas
de chances.
Se eu tiver que encontrar uma razão para o acesso falhou à semifinal, o meu
pensamento vai voltar sem dúvida, a primeira mão, em Paris: talvez desta vez, pecado
da dependência psicológica excessiva.
Estávamos com muito medo e parcialmente bloqueada pela coragem demonstrada
pelo clube nos últimos anos e, portanto, eram pouco capazes de compreender o que
realmente estava acontecendo no campo. Como eu disse, muitas vezes o resultado pode
ser determinado antes mesmo de deixar o campo, e modificar a forma como o jogo foi
muito difícil.

Em Paris, o resultado foi 2-2 e tinha amarrado para o último minuto, mas nós
também nos tornamos conscientes do nosso valor e rival; assim, em Barcelona, ​nos
deparamos com os catalães a jogar no mesmo nível, ainda melhor e mais interessante.

A FIGURA 13

Quando você começa pronto para jogar no Camp Nou, geralmente, você quer saber
qual é a melhor tática. A defesa compacta, sem espaço entre linhas, ou aposta
abertamente em todo o país? Para discar o
jogadores-chave homem ou contar com controle coletivo, o famoso gaiola?

Eles devem dar-se respondendo a Messi desde a primeira lesão minuto e tinha
optado por Fàbregas como um substituto. Pedro e Villa estavam abertas; mas em linha
com o jogo Barcelona, ​a frente ofensiva previu mobilidade e contínuas mudanças de
posição Iniesta, Fabregas e Xavi. Nós foram alinhados em 4-4-2 e para evitar a criação
de menor número de meio-campo (figura

12) ele havia atribuído determinadas tarefas quando o adversário começou a fase
posse.
Em particular:

Pastore deve se concentrar para impedir Xavi. Maxwell, com a bola na


nossa metade do campo, jogando um a um com Dani Alves.

Os dois atacantes, Ibrahimović e Lavezzi, deve alternar em defesa


pressão na posse e controlar Busquets (Figura 14).

Era preciso ter em mente que, em consideração da posse efetiva que caracteriza o jogo
de Barcelona foi muito difícil para pressionar de forma consistente e, por isso, decidiu ir
sozinho em situações em que é mais fácil atacar o adversário. Para facilitar essa
escolha, entre os vídeos usados ​no pré-jogo, fez também incluem um que tinha a
intenção de destacar as dificuldades que o adversário iria encontrar nessas situações
particulares.

Deve ser aplicada prensagem:

Em todas as situações jogá-in.


Nos pontapés livres realizados com parceiro bola.

No canto com as mãos pelo goleiro, forçando-o a um longo arremesso.


Além disso, prepararam-se outras funções relativas tanto a fase defensiva e a ofensiva.

A FIGURA 14

fase defensiva:

Quando a bola estava no meio do campo de Barcelona, ​devemos:

Favorecendo tempo o goleiro e se preparar para um segundo ataque.


promover premente manutenção de alta linha de defesa. Siga os
movimentos de ruptura diagonal e não ser surpreendido nas extremidades
por ataques diretos de profundidade.

Não muito atrasada formar um bloco defensivo. Além disso, Lucas e


Pastore estavam se aproximando Jordi Alba e Dani Alves, quando subiram
bandas.
Quando a bola estava em nosso metade do campo:

Compactarnos e tentar interceptar passa quebra de linha.

Pare de jogar a bola entre as linhas.


Mantenha um meio-campo fechado, forçando os adversários para jogar na
posição final. Pressionar cada vez que um jogador estava de costas.
Evitar um em um no meio do campo.

Mark Jordi Alba e Dani Alves com o nosso lado defesas para deixar as
extremidades livres fechadas no centro.

fase ofensiva:

deve:

Na posse, jogar extremidades


movendo-se para dentro e em pé nas laterais de Busquets. Além disso,
Pastore foi atacar o espaço por trás das linhas (Figura 15).

de preferência use o ataque para evitar jogar jogo muda com o colega que
se aproxima: jogar rápido para o lado oposto com bola. Depois de
recuperar a bola nas transições, evitar a pressão imediata de Barcelona à
procura de um apoio rápido e sair da posição, mesmo atrás da bola. em
seguida olhar para o jogo de mudança e descarga nas extremidades.
Atacando com proteções laterais e jogar a bola com o centro.

Nós estávamos jogando bem, tivemos o controle do campo e, além da vantagem de


ambos, tivemos outras chances de marcar; mas de ter ficado no 1-0, continuamos
mantendo vivo no adversário a capacidade de mudar a sorte de um momento
I encontrar.
E em 61 minutos, Messi entrou.
Ele não estava cheio e ainda não tinha recuperado da lesão era conhecido, mas
apenas vê-lo levantar-se do banco e entrar no campo foi o suficiente para revitalizar um
ambiente quase renunciou e criar medo excessivo em nós. A experiência conta, e
muitos dos meus pessoas não têm o suficiente para lidar agora. Assim, o Barcelona
conseguiu ultrapassar seu centro de gravidade e criar oportunidades que permitiram
Pedro para marcar o gol de 1-1.

Intrigantes dez minutos foram suficientes para mudar o destino de uma vitória
claramente merecia.

A FIGURA 15

8. Perugia-Juventus 1-0
O dilúvio universal. 14 de maio de 2000

Viemos para o famoso tarde entregou o Scudetto 1999/2000 a Lazio. Acho que é difícil
lembrar este jogo, porque, no fundo,
Ele nunca jogou; Mas, para melhor ou pior, todas as histórias ensinar alguma coisa
importante e boa. É experiência que irá ajudá-lo ao longo do caminho.

Do meu ponto de vista, esta reunião foi uma injustiça profissional que me privou
da satisfação de coroar minha aventura com a Juventus Scudetto. Eu cheguei em
Turim, na hora errada, e duas belas dos meus campeonatos da equipe não foram
suficientes para ir além do segundo. Eu não gosto "o que poderia ser", mas naquele dia
não deveria ter jogado e saber com certeza, mesmo se não há garantias na vida, um
encontro não é repetido na minha carreira.

Em Perugia, fomos recebidos com um ambiente hostil eo dilúvio veio como um


sinal de um destino adverso, inviabilizando totalmente o campo. Mas é claro que o jogo
teve que ser jogado em todos os custos, acima de tudo e qualquer regulamentação.
Agora, voltando para analisá-lo, eu não quero ficar sobre o que aconteceu fora do
campo e situações absurdas nos meus jogadores e eu tive que enfrentar. Por isso, eu
tive maneira de me expressar e, portanto, eu prefiro fazer aqui reflete natureza
diferente, técnica e mental.

Perugia festa foi, sem qualquer dúvida, uma jogada ruim mesmo antes; mas,
refletindo post, deduzi que isso possa ser verdade apenas em parte e muitas vezes
temos que desistir, nos resignamos a cair em uma forma de fatalismo que nos limita a
possibilidade de intervir e orientar os resultados nas dificuldades extremas, quando
parece que tudo está unido contra nós.

Ele levou a batuta do Juventus, mas foi, no entanto, no início da minha jornada
como treinador, e eventos, em seguida, caiu sobre mim como um tornado. Hoje, talvez,
teria enfrentado a interrupção sem fim de mais de uma hora entre a primeira ea
segunda parte de forma diferente, sem deixar que eventos guiá-lo, em parte, os meus
pensamentos e os meus rapazes. Estamos no 'o que poderia ser', mas às vezes isso
também serve para ganhar experiência e se preparar para os desafios do futuro com
mais conhecimento.

Como eu disse antes, uma grande equipe sempre mantém o seu


identidade e impõe ao longo do jogo, mas há circunstâncias especiais em que pode ser
necessário uma mudança, e o partido de Perugia foi um desses casos. Revendo que o
cumprimento eo que aconteceu naquela tarde, talvez ele teria tido que recorrer a uma
formação inicial melhor adaptados ao ambiente. É claro, os jogadores selecionados
para o jogo eram potencialmente o melhor no momento, mas eu quero dizer aqui
primariamente um assunto físico. Por exemplo, poderia ter preferido poder Kova evi no
ataque por sua vez, e, talvez, um esquema com uma ponta e um meio de campo mais
compacto. No fundo, um ponto teria nos enviou o desempate contra a Lazio.

Repito, é um "o que poderia ser", mas por isto quero apenas ressaltar como essa
experiência me ensinou a me isolar de tudo em torno de um partido e manter plena
consciência da valorização.
Sim, eu acho que os jogadores e maior peso físico menos técnico (total, que a
terra deixou muito pouco espaço para a arte) teria melhor abordada nessa reunião, mas
nenhuma prova.

9. Milan-Liverpool 5-6 depois de penalidades


A final em Istambul. 25 de maio de 2005

Eu tinha a intenção de não girar.


Meus pensamentos focados nesses seis minutos do segundo tempo, em que uma
vitória que parecia certo foi subitamente transformado em um laço e depois uma incrível
derrota.
Revendo as inúmeras vezes de meta falhou e incrédulos revisto este tiro seguinte
Shevchenko na segunda metade do tempo extra, que Dudek tinha interceptado, mesmo
sem perceber.
Eu não queria aceitar o que tinha acontecido e foi assim durante meses. Claro, ele
tinha re-examinaram os episódios e situações técnicas, mas apenas mentalmente e
estar no final da temporada, ele tinha feito com indiferença. Ele preferiu olhar para
frente e passar as férias para encontrar energias positivas que acompanham o próximo
campeonato.

Foi como que por um tempo; mas depois também para começar a escrever este
livro, eu disse: "Por quê? No fundo, cada experiência ajuda a crescer; em particular,
negativo ", e aqui eu
Ele tem o leitor e reavalia.
25 de maio de 2005. Atatürk Olimpiyat Stadium Istambul. Estávamos alinhados
em 4-3-1-2, enquanto o Liverpool, seguindo seu esquema prudente, tinha escolhido o
habitual 4-4-1-1 (Figura 16).

Benitez deixou a seleção ver claramente a intenção de criar superioridade


numérica no meio-campo e iniciar o contra-ataque. Além disso, o estudo demonstrou
que rivalizam com o caminho de Liverpool em Campeões que tinha sido caracterizado
por alguns dados significativos:

1. não tinha sofrido qualquer golo nos últimos três jogos.


2. Nunca foi perdido com dois golos de diferença.

A FIGURA 16

Era, portanto, uma equipe difícil de enfrentar, mas os minutos da partida de abertura
parecia contradizer uma vez que todo o nosso
dados porque, após apenas um minuto, graças a uma falta de Pirlo Maldini finalizava
uma porta, nós chamou-los e vantagem.
As táticas defensivas do Inglês pulou rapidamente para o ar e meio-campo,
descobrindo, mostrou-se menos robusto do que o esperado, deixando Pirlo e Kaká
várias possibilidades de verticalização o jogo e criar chances.

O segundo e terceiro, assim, marcado por Crespo, pode ser considerada a


expressão desta situação (Figuras 17 e 18).

A FIGURA 17

Pirlo, com a bola, faz uma passagem a partir de linhas directas Kaka. Brasil, movendo-se para atravessar entre
Shevchenko e Crespo, toca a bola primeiro. Shevchenko visa o defensor, passa entre a Argentina e este objetivo
marca.

3-0 estrangulamento do jogo ... no intervalo!


Na segunda metade, o Liverpool voltou para o campo com uma mudança naquela
época, não parecia mudar muito a situação; embora, em seguida, redigitalização a
reunião influenciada verdadeiramente. entrada de Hamann em vez de Finnan, um
meio-campista para
defensor, parcialmente redesenhado ordem tática. A equipe de Inglês deixou o 4-4-1-1 e se
mudou para 3-5-2 (Figura 19).

A FIGURA 18

Pirlo recebe Cafu e, depois de ter emitido um controlo claro a bola Kaká filtrada. Isso serve perfeitamente
desmarque Crespo quebrando atrás da defesa.

Esta disposição parcialmente modificado o equilíbrio de poder no meio-campo e


permitiu uma maior liberdade entradas Gerrard, enquanto Cafu e Maldini tinham menos
probabilidade de entrada, como resultado da posição mais avançada Riise e Šmicer
(substituindo Kewell pela primeira vez).

Liverpool, no entanto, ele não conseguiu dominar o jogo. Além disso, ainda teve a
chance de marcar o quarto gol; mas esse pensamento nos distrair do fato de que a
situação estava mudando taticamente, e não foi por acaso que justamente Gerrard,
colocado em posição mais avançada, quem marcou o primeiro gol contrário.

Além disso, esta mudança levou a minha equipa ter significativa


dificuldades em cobrindo bandas. O jogo alteração permitida mais lado defesa
incursões no espaço libertado por entradas dobrados Gerrard e ruptura desmarque
(Figura
20).

A FIGURA 19

Na verdade, como eu disse, em um destes, Gerrard, variando na área em uma situação


de superioridade numérica, recebeu e foi para casa. Também no segundo gol, que
deslocou a bola da esquerda para a direita, era evidente a dificuldade de nosso
meio-campo para escalonar a cobertura, e uma saída errada na Šmicer autorizados
desta filmagem e marcar 2-3 (Figura 21) .
A FIGURA 20

Escalonar o movimento dos meio-campistas, com a bola no seu meio-campo, criando superioridade na banda
oposta para passar a bola Liverpool.

É verdade que nestas situações aspecto muitas vezes mental, desempenha em favor
de alguém tentando rastrear sobre quem, como nós, ele está arriscando tudo de novo
depois de um pensamento vantagem insuperável; mas assim é, e isto é o que eu tenho
discutido com a mente frio que seguem as mudanças feitas e com o impulso de golos
marcados no primeiro minuto, para grande parte da segunda metade Liverpool era
muito mais agressivo e compacto nós, especialmente no meio-campo.

Quase como uma confirmação disto, a terceira análise objetivo mostrou a


facilidade com que Gerrard conseguiu entrar na área com o apoio de Baroš e criar a
oportunidade que deu origem ao empate penalidade (Figura 22).
A FIGURA 21
A FIGURA 22

Naquela época estávamos 3-3 e as alterações que fiz apenas parcialmente conseguiu
restaurar algum equilíbrio. Mas a sorte jogou contra nós, negando-nos o quarto e
merecia muito (que era o fim do segundo tempo da prorrogação) na chance dupla
clamorosa Shevchenko.

Agora, revendo-lo à luz de uma análise tática mais sereno, você também poderia
dizer que talvez nós, porque gerir melhor mudar os nossos rivais, mas nada tira que era
uma reunião privada em que ninguém poderia ter imaginado que epílogo quase ficção
científica.

Na verdade, perdemos o jogo seis minutos fatídico difícil de acreditar.

No espaço de tempo entre a hora nona e décima quinta do segundo tempo, tudo
mudou.
Descrença e espanto atravessou, então a nossa
mentes e, penso eu, também aqueles que participaram dessa reunião. Nos dias (e
noites) posteriores à festa, meus pensamentos indo e vindo entre a busca de possíveis
erros e mitigação da desgraça. Claro, há falta de crítica, mesmo graves, que achava
que o resultado foi o resultado de uma gestão não é suficientemente cuidadosa de
intervalo ou alguns momentos de reunião e expressou seus pensamentos sobre o que,
em sua opinião, poderia ter ou devido a fazer.

Como já afirmei várias vezes, eu tenho o hábito de recorrer a atenuantes ou azar,


porque acredito que cada situação deve ser analisada, a fim de extrair um ensinamento
útil para o futuro. Então, eu me concentrei em alguns pensamentos, mas não uma
análise técnica verdadeiramente profunda, uma vez que o estudo desse partido, que
não forneceu uma reunião posterior direta e veio no final da temporada de futebol, teria
tido um significado tático especial . Eu preferia, no entanto, uma análise mais geral de
alguns transes táticos ele acreditava repetível. É difícil para situações de jogo se repetir,
mas a avaliação das situações táticas que os acompanham, se analisada com cuidado,
escavar possíveis soluções permitem utilizar no futuro.

Além momentos específicos que pertencem a determinado encontro, I


considerado um aspecto certamente notado por muitos, a 'mudança'. Quero dizer uma
intervenção que não foi realçada por uma necessidade real que pode remediar uma
situação em andamento e pode não imediatamente perceptível. Estou pensando em um
meio caminho entre a intervenção intervenção tática autêntico e mental. No
desenvolvimento de um jogo, acontece que o resultado ea aparente supremacia do jogo
atenuar o entendimento microseñales negativas e fazer uma mudança imperceptível,
mas constante, não são devidamente revistos. No entanto, é importante para não ser
surpreendido, especialmente quando tudo parece bem. É verdade que em Istambul,
tudo aconteceu em seis minutos, por isso, numa altura em que deixou pouco espaço
para a intervenção e reflexão; mas acho que, apenas por isso é ainda mais importante
para aguçar a percepção da mudança. Deste ponto de vista, pode ser apropriado
preventiva mudança técnica quase justificável pelo fato de que:
Mudança, bem como predispor uma ordem tática diferente, significa para
transmitir uma mensagem forte para a equipe. Mudança significa impedir
o nascimento de um novo equilíbrio e, portanto, não ser influenciado por
eventos, mas para prevenir e força. Mudança pode significar que permite
aos jogadores para segurar uma solução reequilibrar a confiança
golpeado com um objetivo imediato.

Esta consideração, com base no partido de Istambul e o fato de que também no 2-3 e
3-3 tivemos chances, parece absurdo, mas consideram importante porque mais tarde
na minha carreira me levou para fortalecer minhas intervenções e situações de
nascimento oriente.

Embora seja verdade que nem sempre é possível.

10. Milan-Liverpool 2-1


A revanche de Atenas. 23 de Maio de 2007

Taça ganha em Atenas contra o Liverpool teve um sabor ainda mais doce porque, além
da alegria da segunda vitória em um troféu tão prestigiado, representada vingança
contra a equipe que nos tinha batido em Istambul, que se lembrar.

Foi em 23 de maio de 2007 e poderia ter alinhado no campo a qualquer conjunto


de onze porque naquela tarde, eram evidentes em todo o imenso desejo de estar lá.

Eles estavam todos prontos para jogar esse jogo e vencer. Caso contrário, nós
tínhamos chegado a esse confronto por uma provação que tinha visto nos vencer o
Manchester United nas semifinais e, portanto, estavam conscientes da nossa força e
determinação competitiva.

E, no entanto, meus pensamentos acompanhada dúvida


noite: a escolha do centro para a frente.
Como eu lhe disse em meu livro anterior, Preferisco a Coppa,
todos, alguns explícita e alguns indiretamente, eu tinha aconselhado alinhar Inzaghi.
Gilardino estava em melhores condições do que Pippo e isso deveria ter apoiado a
minha decisão; mas, repito aqui, às vezes
partes podem ser orientado, mesmo antes de sair do campo. Quando eu duvido, eu
confio frequentemente sensações e mensagens, apenas em parte aparente, vindo de
observação atenta dos momentos que antecedem o jogo.

Neste caso, eu não poderia decidir com calma: eu precisava de um sinal de que me
dirigiese um episódio ... E algo aconteceu com seu tempo.
Um dia antes do confronto, falando baixinho com homens, Inzaghi tinha notado o
olhar ea atitude dos momentos especiais. Quando deixado de fora e usou-a com a festa
já começou,
ele se preparava para ir
continuamente perto do banco; se tivesse sido para ele, ele teria aquecido na área técnica,
quase como se dissesse: "O que você espera? você não pode ver que eu estou pronto?".

Inzaghi foi bem e ainda não ter certeza sobre sua forma física, decidiu alinhar
desde o início. E foi a escolha certa.

Liverpool tinha alinhado em 4-4-1-1, sugerindo mais uma vez suas intenções atitude
cautelosa, cobertura atenta e premente no meio de campo contra-ataque, rápido.

Nós respondeu com 4-4-2 sob nenhuma posse; que no lado ofensivo, por um
deslocamento no sentido dos ponteiros do relógio, tornou-se 4-3-2-1, que é, na árvore
de Natal (Figuras 23 e 24).
FIGURA 23

No primeiro semestre, as duas equipes se reuniu com uma atitude cautelosa e respeito
mútuo. Isso fez com que as chances eram poucas realmente muito de uma parte e
outra.
A FIGURA 24

A escolha de Liverpool tentou inibir nossa manobra de meio-campo, apontando para


rápido contra-ataque, uma vez tinha a bola. Na prática, vamos Maldini e Nesta libertar
para iniciar o jogo, guiando Kuyt e Gerrard para colocar pressão sobre os nossos
meio-campistas, especialmente Pirlo. Mascherano e Xabi Alonso, colocados nas suas
costas, foram dedicados ao controlo de Kaká e Seedorf, forçando o nosso jogo para os
escudos laterais (Figura 25).

O quadrado da Figura 26 mostra a zona exterior em que Pirlo ignorando o


controlo oponente é oferecido para o centro. Este movimento também criou uma
superioridade numérica do lado de fora e obrigou o zagueiro a deixar Liverpool para a
frente, permitindo que o nosso ataque interno por trás. Além disso, o movimento lateral
entre defesa e meio-campo também favoreceu a capacidade de atingir mais facilmente
o leilão.
A FIGURA 25

A partida, disputada principalmente em justaposições e controle do adversário,


estava em perfeitas táticas de equilíbrio e de pontuação chances eram poucas
verdadeiramente; mas, como muitas vezes acontece nestas circunstâncias, um episódio
mudou tudo.
Faltando em nosso favor no final do primeiro semestre. Pirlo coloca a bola e
brotos, com sua habilidade de costume, uma forte bola diagonal entre os corpos dos
jogadores que formam a barreira na frente do gol. Não tiro impossível para Reina, que
estava bem colocado, mas a sua carreira como um regime estabelecido pelo destino,
Inzaghi quebrou o ombro e fê-lo imparável.

Na segunda parte, ele considerou a desvantagem, Benitez trouxe algumas


modificações e colocar Crouch na frente. Embora a eleição deu maior peso ao Liverpool
no ataque, já era tarde demais para quebrar novos equilíbrios, e o comportamento mais
ofensivo favorecido nossas chances de combater, como por ocasião do 2-0. o segundo
golo do Inzaghi, além da exaltação do grande
habilidade do jogador, foi o resultado, especialmente depois que as equipes tinham
aberto um pouco, a presença dos dois médios internos atrás do balcão.

Nessa ocasião, de fato, Kaká, após receber a bola entre as linhas, disse que a
defesa Inglaterra forçando-a livremente se abrir e facilitar a desmarcar perfeita
quebrando Pippo (Figura
27).

A FIGURA 26
FIGURA 27

10.3 Deduções táticas e mentalidade

No futebol nada é garantido, mas cada situação é analisada para extrair notas
crescimento pessoal. Revendo este jogo, a primeira coisa que penso é a atitude e as
escolhas que o caracterizaram.

É normal antes de uma reunião dessa importância, treinadores adoptar um


comportamento prudente, mas para este efeito, eu expressar uma idéia que também é o
resultado de Atenas. Montar uma equipe com cuidado muitas vezes é o mesmo que
selecionar jogadores com características defensivas de preferência, mas:

Defender não significa alinhar um maior número de defesas, mas fazer


com que todo o equipamento é
declive de fase, dando início a uma série de tarefas individuais que
resultam em um comportamento coletivo específico.

Preparar uma festa, em qualquer nível, é importante estudar a


adversário e se comportar de acordo com sua
recursos. O objetivo é, naturalmente, limitar as suas qualidades, mas
sempre dentro dos limites impostos reter nossas peculiaridades.
Desnaturar a própria equipe eo jogo em si pode significar uma perda de
identidade que irá prejudicar o desempenho de indivíduos e todo.
11

Q UERIA SAIR RAPIDAMENTE


11.1 Conclusões

Após a temporada 1995/1996, após a Reggiana regressou à Serie A, tinha decidido:


"Demasiado stress. Três anos e sair. Quatro, vem!, E chegou a 2000, um número
redondo. " Eu gosto de números redondos. Meus colegas, sabendo que meu amor pelo
futebol, eu provoquei para esse fim; Eu mal fora de uma temporada vitoriosa, é verdade,
mas cheio de dificuldades e ela tinha vivido muito concretamente o risco de demissão,
ele disse a sério.

O leitor conhece bem, então, as coisas não corrido bem; ea razão é uma só: trem
me divertiu, em seguida, e ainda me diverte. Eu também me ama, me proporciona
emoções contínuas, me faz sentir viva com uma paixão e entusiasmo que eu mantenha
intactos desde o primeiro dia. Para trabalhar no que gostamos, o que amamos, nós nos
fazer felizes. E eu sou ...

Quanto mais uma história profissional é estendido, mais você achar que você e sua
equipe você joga não só contra o adversário, mas também contra o destino. Que às vezes você
reservar encruzilhada verdadeiramente surpreendentes. Alguns exemplos? Eu sou (quase me
jogar) de Turim blanquinegro
2001, fama eterna segundón, e dois anos depois, aqui estou eu, desafiando direito a
Juve na história final do Manchester, ao derrotar com o Milan e ganhar o meu primeiro
troféu. Jogo contra o Liverpool, um desafio absurdo em Istambul e perder; dois anos
depois, só vai até o Mediterrâneo para Atenas, eu reunir novamente antes do Inglês,
para tomar o segundo copo. trem Juventus no jogador que tem me animado como
treinador, Zinedine Zidane; e em setembro de 2013 voltei a encontrar o meu segundo
no Real Madrid.

Reggio Emilia 1995, Madrid 2013. Dezoito anos e sou treinador mais velho. Quem
diria que eu iria sentar no banco de uma das equipes de maior prestígio no mundo? O
técnico do Real Madrid é uma honra, uma satisfação no trabalho imenso. Real Madrid
não é apenas um clube, é o Club. Sua história e tradição venci minha alma
imediatamente, desde o dia em que pus os pés pela primeira vez no Santiago Bernabéu
para a apresentação oficial. O presidente, Florentino Perez, com a sua grande
hospitalidade que recebi em casa e me levou para a sala de troféus. Decididamente, ele
sabia como conquistar: sabemos que "Perdi a taça" * nove juntos, um ao lado do outro,
não nunca visto. Eu olhei para eles e repetiu: "Bonito, muito bonito, mas ... falta um."
Para ter um número redondo. E, de fato, no Madrid faltando "décimo", como eles
chamam aqui, um monte. Trazer para casa é um desejo que encoraja todos os que
amam a camisa merengue e embora é uma grande responsabilidade para mim, é a
motivação extraordinária. A tarefa que me espera é difícil, mas eu quero viver cada
minuto, cada hora, cada dia desta aventura com todo o meu ser, e quem sabe se você
compartilhá-lo com os leitores no futuro. Para vencer a forte coesão décimo entre
equipe técnica, jogadores e clube serão necessários, e uma grande ajuda, certamente,
meu companheiro de viagem de idade, Zizou, que escreveu seu nome na história do
Madrid junto com tantos campeões de todos os tempos: Zamora, Di Stefano, Puskas,
Gento, Santillana, Del Bosque, Juanito, Butragueño, Valdano, Raul ... e peço desculpas
se eu me limitar a lembre-se apenas dez. Um número redondo. Como você quer ser
meu legado na janela do clube.

C ARLO A NCELOTTI
outubro 2013
glossário

agrupamento: movimento de jogadores para uma área-chave do campo (ou na frente do


gol onde a bola) para permitir uma melhor defesa.

Bola aberta e fechada bola: situações em que o adversário, por um ato de interferência,
permite ou não o jogador na posse fazer um passe ao seu gosto.

controle: atenção para evitar perder a posse e respeitar a defesa direita dos espaços.

desmarque: ação com um jogador que procura iludir o controle do adversário.

Desmarque pausa: corrida diagonal no sentido do interior ou do lado de fora do campo


e, geralmente, em profundidade.

diagonal: ver "Documento de Posição".

abordagem integrada: Treinamento realizado utilizando a bola e tensões simultâneas


sobre os aspectos técnicos, táticos, físicos e mentais.

equilíbrio: capacidade de manter a possibilidade de cobertura recíproca em qualquer


situação de jogo.

impressionante: disponíveis para a equipe no terreno, em um jogo equilibrado e


funcional.
Esquema de jogo: realização dinâmica do sistema de jogo, incluindo a atribuição de
tarefas e funções que cada jogador deve atender.

estratégia: o "plano de ação" para lidar com uma festa.

GPS: sistema de posicionamento e navegação por satélite utilizado para controlar a


atividade dos jogadores em campo, seja com metas físicas, juntamente com fins táticos.

interceptação: posição tática que o jogador tenta interromper as linhas de passe.

jogo combinatório: jogo desenvolvido através da acção colectiva.

Jogo curto: posição em que as linhas de jogo são muito próximas umas das outras.

Linhas de jogo: linhas imaginárias ditada pela disposição dos jogadores que formam os
vários módulos no campo.

I macrociclo: período que inclui uma grande parte da temporada de competição ou


durante toda a duração da temporada.

marcação: controlo do adversário. A posição é determinada pelo contrário, no caso de um


homem de marcação e a posição da bola, no caso de uma zona de marcação.

Análise da Partida: metodologia de análise fornecendo o jogador e da equipe durante os


jogos, que prevê o uso de câmeras de televisão posicionados corretamente e software apropriada.

partes condicionado: jogos especiais em que, por imposição de regras, um objetivo


predeterminado perseguido.
premente ofensiva: ação coletiva, realizada ao redor da área adversária, projetado para
limitar o espaço eo tempo de outra forma na posse e recuperar isso.

Pulsometro: dispositivo eletrônico para determinar a frequência cardíaca em tempo real.

recuperação ativa: fase de repouso onde o atleta, para acelerar a recuperação não
assume uma estática, mas a postura atividade leve.

Scouting: processo de recolha de dados estatísticos e análise para o estudo de acções e


comportamentos de um jogador de futebol utilizadas.

jogo de sequências: soluções táticas feitas através da colaboração de jogadores que


estão perto do campo.

sistema de jogo: jogadores posição estática no campo.

Sobreposições (banda flexão): combinado entre vários jogadores na banda, que visa
aumentar a ação de desenvolvimento do jogo amplitude.

tática: acção coordenada entre dois ou mais jogadores através do qual tenta alcançar o
resultado predeterminado.

Posição de Papel: ação com um jogador sob nenhuma posse da bola é colocada na
diagonal em relação à bola ea baliza.

situação de trabalho: exercícios que visam a repetir no treinamento de situações de jogo


real.

transição: a partir de uma etapa para outra jogo (por ofensivo defensivo, e vice-versa).
verticalização: Pesquisar o leilão no menor tempo possível, através de um
desenvolvimento do jogo vertical.
CV

Como jogador:

Parma 1976-1979
1979-1987 1987-1992 AC
Milan AS Roma 1981-1991
Itália

AS Roma também foi capitão e ganhou:

1 Scudetto (1983)
4 copos Italiana (1980, 1981, 1984, 1986)

AC Milan venceu:

2 Scudetto (1988, 1992) uma super


Itália (1988)
2 copos Europeias (Champions League) (1989, 1990) 2 Europeias
Supertaças (1989, 1990) 2 Intercontinental copos (1989, 1990)

Ele ligou 26 vezes cheios internacional, jogou a Copa do Mundo no México 86 e na


Itália 90.

Como treinador:

Reggiana 1995-1996
1996-1998 1999-2001
Parma Juventus 2001-2009
2009-2011 AC Milan
Chelsea
2011-2013 Paris Saint-Germain Real
Madrid 2013

AC Milan venceu:

Um Scudetto (2004) 1 Copa da Itália (2003) 1


Supercopa da Itália (2004) 2 Liga dos
Campeões (2003, 2007) 2 Supercopas da
Europa (2003, 2007) 1 World Club Cup (2007)

Além disso, ele foi finalista na Liga dos Campeões em 2005.

Chelsea ganhou:

1 Community Shield (2009) 1


Premier League (2010) 1 FA Cup
(2010)

Com o Paris-Saint Germain ganhou:

1 Liga 1 (2013)

Foi o segundo treinador Inglês na história a ganhar o


duplo.

Ele treinou 8 vencedores Bola de Ouro:

Ronaldo (1997, 2002) Zidane


(1998) Rivaldo (1999)

Andriy Shevchenko (2004)


Ronaldinho (2005) Fabio
Cannavaro (2006)
Kaká (2007)
Cristiano Ronaldo (2008)
notas
* "Eu perdi a Copa" seria uma tradução do título do livro sobre Preferisco a Coppa, escrito por Carlo Ancelotti em
2009, ed. Rizzoli, cujo subtítulo é "A vida e os milagres de terceiros série muito normal"; mas não recolhe o trocadilho
do troféu "Coppa", como clássico salsicha certas regiões italianas. (N. do T.)
Qualquer reprodução, distribuição, comunicação pública ou transformação deste trabalho só pode ser feito com o consentimento
de seus proprietários, salvo disposição legal em contrário. Ir para CEDRO (espanhol Reprodução Centro de Direitos), se você
precisa para fazer fotocópias ou digitalizar qualquer fragmento deste trabalho ( www.conlicencia.com; 91 702 19 70/93 272 04
47). Título original: Albero di Natale Il mio

© 2013 RCS Libri S. p. A., Milan © Carlo


Ancelotti de 2013 © Giorgio Ciaschini de
2013
© Tradução: Patricia e Itziar Hernández Orts de 2013 © modelo de
design: PEPE nymi © The Sphere Books Ltd. de 2013 Avenue of
Alfonso XIII, 1, 28002 Madrid baixo

Tel.: 91296 fevereiro 00 • Fax: 91296 06 de fevereiro

www.esferalibros.com

Primeira edição eBook (epub): novembro 2013 ISBN: 978-84-9960-013-9


(epub)
conversão de e-book: JA Projeto Editorial, SL