Você está na página 1de 1

A prosa romântica introduziu o Romantismo no Brasil.

Embora ainda segundo os padrões


europeus, na linha de romances como Walter Scott e Honoré de Balzac, a prosa romântica foi
determinante para o estímulo à arte nacional e ao sentimento nacional.
Folhetim
A difusão da prosa romântica foi impulsionada pelo folhetim. Os folhetins eram capítulos de
romances de periodicidade semanal publicados em jornais. Por meio deles, o romance tornou-
se extremamente popular e por ele, o sentimento de democracia aflorado no País foi
alastrado.
Com o folhetim, a literatura passa de bem destinado à aristocracia e ultrapassa a exclusividade
da nobreza. Surgem os primeiros consumidores da produção literária e a literatura é expandida
ao leitor comum. E é pelo folhetim que a prosa do Romantismo alcança o sucesso que obteve
no Brasil.

Romance Urbano Romance Indianista


Os romances urbanos são os mais recitados até O romance indianista conduz para a superfície a
atualmente. Em sua maioria, esse modelo no cultura, vida, hábitos e crenças indígenas. O índio
Romantismo relata um fato que normalmente aparece como herói, retratando o Brasil e o seu
acontecia nas altas sociedades, nas capitais. povo, sendo heroico, corajoso, idealizado e forte.
Atuava como análise aos hábitos, expondo a Existe um reconhecimento da natureza e o meio
sociedade e as ambições dessa em certo período. no qual acontece a narrativa referindo-se ao
As heroínas e heróis desse romance eram ou não natural, a perspectiva brasileira.
integrantes dessa alta sociedade e precisam O autor de maior relevância dessa fase da prosa
vencer diversos obstáculos para a realização e a romântica no Brasil é José de Alencar, com O
felicidade do casamento e doa mor, da mesma Guarani, Iracema e Ubijara.
forma que nos demais modelos de romances
românticos.
Os autores de maior relevância dessa fase da prosa
romântica no Brasil são: Romance Regionalista
Joaquim Manoel de Macedo, com A Moreninha; Nesses romances, procura-se dar conta da
Manoel Antônio de Almeida, com Memórias de um diversidade brasileira e das regiões que se
Sargento de Milícias; José de Alencar, com Diva e encontravam distantes da corte e das principais
Senhora cidades que receberam forte influência europeia.
O autor desejava cobrir os territórios de maneira a
mostrar como a vida de seus habitantes estava
intimamente ligada ao meio físico no qual
Romance Histórico travavam contato.
São os romances de fundo histórico, voltados para Nesses romances, os homens recebem os papéis de
o período colonial brasileiro propondo uma nova destaque, em detrimento das personagens
interpretação para fatos marcantes do período femininas, diversamente retratadas nos romances
colonial do século XVII, como a busca por ouro e as urbanos e sociais.
lutas pela expansão territorial. Porém, há controvérsias sobre o retrato feito por
Seus enredos denotam, em vários momentos, Alencar de seus homens: quando trata do
nacionalismo exaltado e a importância da nordestino e do sertanejo, Alencar consegue ser
construção histórica da pátria através da fiel à realidade por conhecer mais profundamente
literatura. a região e seus habitantes. Porém, quando retrata
Os principais romances desta fase são: As Minas de o gaúcho o autor incorre em uma série de falhas,
Prata (1865) e Guerra dos Mascates (1873). O provenientes da falta de familiaridade com o tipo
romance As Minas de Prata retrata o início pelas retratado e com a distância que separava Alencar
minas de prata e a corrida por metais preciosos do sul do país.
e A guerra dos Mascates trata dos conflitos entre Os romances mais conhecidos desta fase são: O
as cidades históricas de Olinda e Recife. gaúcho (1870), O Tronco do Ipê (1871), Til (1872)
e O Sertanejo (1875).

Você também pode gostar