Você está na página 1de 26

30/08/17

Introdução
•  Produção Animal •  Melhoramento das
Importância dos estudos potencialidades dos
em nutrição animal e animais

conceitos introdutórios •  Cuidado diários com


animais e prevenção
das patologias

Marjorrie A Souza
•  Processos que
envolvem a utilização
1 dos alimentos 2

Princípios nutritivos Definição de Conceitos


•  Conjunto de processos •  Alimento
que vão desde a
ingestão de alimento •  “É todo material tomado intencionalmente pelo
indivíduo para atender às funções vitais” (Nunes,
até sua assimilação pela 1998)
célula
•  “Material comestível consumido pelo homem e
outros animais, fornecendo energia e/ou
nutrientes para a sua dieta” (Harris, 1970)

•  “Substância que, consumida por um indivíduo, é


capaz de contribuir para assegurar o ciclo regular
de sua vida e a sobrevivência da espécie a qual
3
pertence” (Jacquot, 1960) 4

1
30/08/17

Definição de Conceitos Definição de Conceitos


•  Característica do alimento
–  Nenhum alimento é completo
•  Nutriente
–  Seu valor nutritivo depende “Qualquer constituinte do alimento, ou grupo de
dos demais alimentos da constituintes de mesma composição química, que
ração auxilia na manutenção e proteção da vida do
animal” (Morrison, 1959)
–  Não deve possuir toxicidade
•  Possível de inativação e varia
com a espécie “São substâncias utilizáveis pelo organismo, e
–  Deve ser aceito pelos animais aqueles essenciais atendem a uma necessidade
(palatável) específica do indivíduo, não sintetizáveis a uma
velocidade compatível com a saúde ou funções
5 ótimas fisiológicas” (Nunes, 1998) 6

Processos digestivos

Anatomia e Fisiologia Animal •  Neles estão envolvidos vários tecidos e


órgãos e com as etapas
comparada dos animais
domésticos – Monogástricos e
Ruminantes

Marjorrie A Souza
7 8

2
30/08/17

Conceituando.... Digestão

•  Apreensão: tomada de alimento ou água •  Divisão das partículas alimentares até


produtos susceptíveis de absorção
•  Mastigação: redução do tamanho de
partícula alimentar

•  Deglutição: ato de engolir

9 10

Digestão Absorção

•  Processo de quebra das macromoléculas •  Transferência de


dietéticas (carboidratos, proteínas, substâncias da luz do
TGI para o interior
lipídeos) em unidades menores, suficientes das células via
para serem absorvidas, através de meios: sistema porta ou
linfáEco
–  Físicos (forças mecânicas)

–  Químicos (ação química)

–  Enzimáticos (atividade enzimática)


11 12

3
30/08/17

Excreção Outros importantes conceitos...


•  Metabolismo: Combinação das reações anabólicas e
•  Remoção de substâncias e materiais catabólicas que ocorrem no organismo com consumo
impróprios ou prejudiciais ao organismo ou liberação de energia, por meio das quais se
efetua a função de nutrição

13 14

No entanto... Hábito alimentar

•  Diferenças no TGI (anatômicas) e nos •  Herbívoros


processos digestivos (funcionais) –  Cavalos, bovinos, ovinos, caprinos e coelhos
–  Tubo digestivo bem segmentado

Diferentes hábitos alimentares e


aproveitamento dos nutrientes

15 16

4
30/08/17

Hábito alimentar Hábito alimentar

•  Onívoros •  Carnívoros
–  Suínos, homem –  Cães (não estrito) e gatos (estrito)
–  Tubo digestivo longo –  Tubo digestivo curto

17 18

Divisões estomacais Divisões estomacais


•  Monogástricos:
•  Poligástricos:
•  São animais que possuem um compartimento
para a digestão gástrica ESTÔMAGO •  São animais que possuem mais de um
SIMPLES
compartimento para a digestão gástrica
ESTÔMAGO COMPOSTO /
•  Dificuldade de digestão de alimentos
RUMINANTES
fibrosos, com exceção dos coelhos e cavalos
–  Herbívoros – coelhos e cavalos –  Bovinos, ovinos, caprinos, bubalinos, outros
–  Onívoros – suínos e homem
–  Carnívoros – cães e gatos
19 20

5
30/08/17

Herbívoros e a fermentação Capacidade relaEva (%) de partes do TGI

•  Fermentadores PRÉ-GÁSTRICOS → Animal Estômago ID Ceco Colón/Reto


RUMINANTES
Cavalo 8,5 30,2 15,9 45,4
–  Bovinos, ovinos, caprinos, bubalinos, girafas.
Boi 70,8 18,5 2,8 7,9

•  Fermentadores PÓS-GÁSTRICOS → Ovino e 66,9 20,4 2,3 10,4


Caprino
–  Eqüinos, coelhos, elefantes, rinocerontes
Porco 29,2 33,5 5,6 31,7

Cão 62,3 23,3 1,3 13,1

Adaptado de SWENSON e REECE (1996).


21 22

Funções do TGI 1. Apreensão dos alimentos

1. Apreensão dos alimentos •  Captura e transporte do


2. Redução do tamanho das partículas alimento até a boca
3. Estocagem de alimento
4. Digestão de nutrientes •  EQÜINO:
5. Absorção de nutrientes –  Lábios móveis e sensíveis
apreendem a forragem
6. Reabsorção de água –  Incisivos prendem e cortam
7. Estocagem fecal e eliminação (movimento lateral da cabeça).

23 24

6
30/08/17

1. Apreensão dos alimentos 1. Apreensão dos alimentos

•  SUÍNOS:
•  BOVINO: –  Revolve o solo com focinho (narina + lábio
–  Língua longa e móvel faz apreensão superior)
–  Corte com incisivos e almofada dentária –  Lábio inferior pontiagudo

•  OVINOS: •  AVES:
–  Seleção da forragem com os lábios –  Bico e Pés
–  Língua móvel e incisivos inferiores; –  Adaptação entre a forma do bico e o regime
–  Fenda labial superior permite pastoreio alimentar
mais rasteiro
25 26

1. Apreensão dos alimentos 1. Apreensão dos alimentos

•  CÃES E GATOS: •  CÃES E GATOS:


–  Caninos, incisivos e molares –  Língua
–  Rasgam e cortam pedaços dos alimentos
–  Movimentos de cabeça •  OUTROS:
–  Sucção

27 28

7
30/08/17

2. Estocagem de alimentos 3. Redução do tamanho de partícula

•  AVES papo •  AVES moagem (Moela)


•  SUÍNOS estômago
•  EQÜÍDEOS ceco •  SUÍNOS tamanho da bocada (Dentes
Caninos)
•  RUMINANTES refculo-rúmen
•  EQÜÍDEOS mastigação (Dentes Molares)

•  RUMINANTES mastigação e ruminação


(Dentes Molares)
29 30

4. Digestão dos nutrientes 5. Absorção dos nutrientes

•  AVES Estômago e IntesEno Delgado (sem •  Retículo-rúmen


digestão cecal)
•  SUÍNOS Estômago e IntesEno Delgado •  Intestino delgado
(alguma digestão cecal)
•  EQÜÍDEOS Estômago, IntesEno Delgado e •  Ceco
Ceco
•  RUMINANTES Refculo-rúmen (bactérias),
•  Cólon
•  Abomaso, ID e IG (ceco e cólon)
31 32

8
30/08/17

6. Reabsorção de água
Órgãos da digestão
1.  Boca
•  Intestino Grosso (cólon)
•  Sua importância e componentes variam
com a espécie

•  Relacionado com a apreensão, mastigação,


deglutição e sentido de gosto
7. Estocagem fecal / Eliminação
•  Intestino Grosso (reto) •  Componentes dentes, língua, mandíbulas
e glândulas salivares
33 34

1.  Boca
1.  Boca
•  Dentes: mastigação plano vertical
AVES:
•  Língua: apreensão, mistura e deglutição
•  Glândulas salivares •  Ausência de dentes
–  Submaxilares •  Bico córneo
–  Sublinguais
–  Parótidas •  Língua e glândulas salivares
•  Escolha, apreensão e deglutição do
alimento
35 36

9
30/08/17

1. Boca
1.  Boca CÃES E GATOS:
EQÜINOS: •  Produção de saliva
•  Mandíbula superior mais ampla •  Movimentos mandibulares no plano vertical
•  Mastigam demoradamente trituram •  Pouca trituração com molares
•  Movimento lateral do maxilar inferior •  Presença de caninos
•  Dentes com superfície em forma de •  Dentes arrancam e rasgam os alimentos
cinzel
37
•  Cães engolem rapidamente 38

1.  Boca
1.1. Dentes
RUMINANTES:
•  Relacionados com a apreensão e
•  Ausência de incisivos superiores mastigação
•  Mastigação latero-lateral (mandíbula •  Onívoros adaptados para morder os
superior mais ampla) alimentos e macerar
•  Superfície oblíqua dos dentes (cinzel) •  Carnívoros arrancar e rasgar
•  Produção contínua de saliva •  Herbívoros cortar e moer as plantas
•  Dentes cortam e moem os alimentos
39 40

10
30/08/17

1.2. Língua 1.3. Glândulas Salivares

•  Apreensão, mistura e deglutição


•  Secretam a saliva, composta de:
•  Nela se encontram as papilas gustativas –  Água umedece os alimentos abocanhados
(paladar)
–  Mucina lubrifica os alimentos, facilitando a
digestão
Cães
1.700 –  Íons bicarbonato tamponantes, ajudam a
Gato
regular o pH estomacal
3.000
–  Lisozima possui ação bactericida
41 42

1.3. Glândulas Salivares

Glândulas salivares em bovinos:

1) Parótida
•  Principais glândulas salivares: 2) Mandibular
•  Em cinza: parótida 3) Molar inferior
•  Em preto: mandibular 4) Sublingual
•  Pontilhada: sublinguais 5) Bucal
•  Rachurada: bucais 6) Labial
7) Faríngea
43 44

11
30/08/17

1.3.1. Secreção Salivar


1.3.1. Secreção Salivar
AVES:
•  Contém ↓α-amilase e mucina EQUINOS:
•  Insalivação escassa (7 a 25ml por dia) •  Pouca α-amilase, pouco eficiente para a
digestão
SUÍNOS: •  Principal função é umedecer o alimento
•  Composta por água, mucina, sais de •  Até 40 litros por dia
bicarbonato, amilase salivar •  Produção à partir de estímulos mecânicos
•  15L/dia
45 46

1.3.1. Secreção Salivar

RUMINANTES: 1.3.1. Secreção Salivar

•  Produção contínua CÃES E GATOS:


•  Bovinos – 90 a 200L por dia
•  Ovelhas – 6 a 16L por dia •  Termorregulação
•  Não contém enzimas digestivas, •  Não tem amilase
•  Fornece uréia para microrganismos •  Reflexo salivar (SNA)
ruminais
•  Tampões (NaHPO4 e NaHCO3)
47 48

12
30/08/17

2. Esôfago 2. Esôfago

•  Tubo muscular que transporta a ingesta AVES:


da boca para o estômago, por ondas
peristálticas •  Possui inglúvio ou papo (exceto insetívoras)
•  Armazenagem, umedecimento e maceração
dos alimentos
•  Maior tempo de ação da amilase salivar
•  Algumas espécies ocorre fermentação

49 50

2. Esôfago 3. Estômago
EQÜINOS: •  Estoca por algum tempo e mistura os
–  Tubo comprido (1,25 a 1,50m) alimentos ingeridos, mediante contrações
–  Véu do palato e esfíncter muito bem musculares
desenvolvido
–  Deglutição irreversível e difícil •  Sua importância na digestão varia com a
espécie
•  RUMINANTES:
•  Pepsina e HCl são secretados pela mucosa
–  BEZERROS LACTENTES Goteira esofágica
gástrica (hidrólise de proteínas)
–  Duas fortes pregas musculares
–  Dieta líquida do esôfago até o omaso •  Animais jovens mucosa gástrica secreta
quimosina (renina)
51 52

13
30/08/17

3. Estômago

SUCO GÁSTRICO

•  Contém água, ácido clorídrico e


pepsinogênio pepsina (pH ácido)
•  A produção do suco gástrico inicia-se com
a presença de alimentos no estômago
•  O material que sofreu ação do suco
gástrico e que deixa o estômago é
denominado quimo
53 54

3. Estômago
3. Estômago
•  Revestimento da mucosa gástrica:
•  Tipos de glândulas:
–  Estômago simples (epitélio glandular) – cão
–  Cárdia secreção mucosa (cão) e serosa (porco);
e gato;
–  Fúndicas células principais (pepsinogênio) e
–  Estômago composto (epitélio glandular e
cutâneo) parietais (HCl);

–  Unicavitário (cavalo e porco) –  Pilóricas células mucosas (alcalina)

–  Multicavitários (bovinos, ovinos e caprinos)

55 56

14
30/08/17

3. Estômago
3. Estômago
AVES:
AVES:
•  VENTRÍCULO, MOELA ESTOMÂGO
MUSCULAR
•  PROVENTRÍCULO ESTÔMAGO
–  Órgão muscular oco de paredes grossas e epitélio
GLANDULAR cornificado
–  Sítio de produção do suco gástrico (HCl e –  Contrações musculares
pepsinogênio mesmo tipo de célula) –  Redução física do tamanho de partículas
–  pH entre 3 e 4,5 –  Não tem glândulas de secreção de enzimas
–  A ingesta o atravessa muito rapidamente. –  Recoberto por secreção mucosa espessa
–  HCl e pepsina mantém sua atividade
–  Possui pedras pequenas e partículas duras que
57 ajudam no processo de moagem dos alimentos 58

Inglúvio
3. Estômago

SUÍNOS:
Proventrículo

•  Forma de pêra que tem quatro regiões:


Ventrículo –  ESOFÁGICA
•  Desprovida de glândulas secretoras
–  CÁRDIA, FÚNDICA e PILÓRICA
•  Providas de glândulas secretoras

59 60

15
30/08/17

3. Estômago 3. Estômago

SUÍNOS: EQUINOS:

•  Presença de dobras no epitélio •  Pequeno (15 a 20L)


•  Armazenagem do alimento ingerido (7 a 8 litros)
•  Refeições pequenas
•  Movimentos musculares:
•  Misturam as partículas com as secreções gástricas •  Não apresenta atividade muscular intensa
•  Rompimento físico das partículas •  Alimentação abundante esvaziamento
•  Secreção de HCl ativa o pepsinogênio à pepsina e a •  Alta taxa de passagem
quimosina/renina (coagulação do leite)
•  pH aproximadamente 2,0
•  Se alimenta 18 a 19 horas/dia (pastagem)
•  Esfíncteres: cárdia e piloro.
61 62

•  Regiões da mucosa no estômago


3. Estômago de animais domésEcos:
–  Preto: cutânea
–  Branco com pontos cinzentos:
glândulas do cárdia
–  Cinza claro: fúndicas
–  Cinza médio: pilóricas
•  A. Ceco
•  B. DiverEculum/ventriculi
•  C. Rúmen
•  D. Refculo
•  E. Omaso
•  F. Abomaso
63 64

16
30/08/17

3. Estômago
3. Estômago
•  RUMINANTES Pré-estomagos: rúmen,
retículo e omaso
Ruminantes:
•  A. Esôfago •  Retículo:
•  B. Rúmen –  Mais cranial, possui abertura comum do esôfago
(cárdia) com o rúmen;
•  C. Retículo
–  Parede com membrana mucosa contendo pregas;
•  D. Omaso –  Não secreta enzimas;
•  E. Abomaso –  Funciona na movimentação do alimento,
regurgitação para ruminação e na eructação.
65 66

Retículo 3. Estômago

Rúmen:
•  Maior compartimento (diafragma à pelvis)
•  Armazenamento e embebição
•  Mistura e divisão das partículas ingeridas

67 68

17
30/08/17

3. Estômago

Rúmen:
3. Estômago
•  Ambiente ruminal
Rúmen: –  Úmido: 85 a 90%
•  Paredes com vilosidades (papilas) –  Temperatura: 38 a 42ºC
•  Não secreta enzimas –  Anaeróbio
–  pH: 5,5 a 7,0
•  Câmara de fermentação microbiana
–  6 a 40 bilhões de bactérias e 200 mil
protozoários
–  Ruminação: Cerca de 8h por dia
69 –  Eructação: Bovinos 30 a 50L/h e Ovinos 5L/h70

3. Estômago
3. Estômago
Abomaso:
Omaso: •  Estômago verdadeiro ou glandular
•  Esférico com lâminas musculares •  Ventralmente ao omaso
•  Localizado no lado direito •  Caudalmente do lado direito do rúmen
•  Não secreta enzimas •  Secreta suco gástrico
•  Absorção de água e AGV •  Mucosa lisa com pregas no sentido
longitudinal
71 72

18
30/08/17

4. Intestino Delgado
4. Intestino Delgado
•  Órgãos anexos que produzem as
•  Alimento parcialmente digerido no secreções
estômago passa ao duodeno (esfíncter –  Fígado e Pâncreas
pilórico)
•  Tubo digestório dividido em:
–  Duodeno: Secreções do pâncreas, do fígado
e da parede do intestino; sítio da digestão
–  Jejuno: Absorção de nutrientes
–  Íleo: Absorção e reabsorção

73 74

4. Intestino Delgado 4. Intestino Delgado

DUODENO DUODENO

•  4 secreções estão presentes neste local: 2. Bile:


–  Secretada pelos hepatócitos;
1. Suco duodenal: –  Composta de ácidos biliares e pigmentos;
–  Produzido pelas glândulas de Brünner (parte –  Ácidos biliares têm como função a
inicial do duodeno). emulsificação dos lipídeos e ativação da
–  É constituído por uma secreção alcalina com lipase pancreática.
função de lubrificação e proteção da
mucosa duodenal contra o HCl.
75 76

19
30/08/17

4. Intestino Delgado
4. Intestino Delgado
DUODENO
DUODENO
4. Suco entérico:
3. Suco pancreático:
–  Produzido pelas Criptas de Lieberkühn;
–  Secretado pelo pâncreas.
–  pH: 7,5 a 8,0;
–  Amilase pancreática
–  Enzimas
–  Tripsina (desdobram proteínas integrais),
•  Sacarase,
–  Quimotripsina (desdobram proteínas integrais)
•  Maltase
–  Carboxipeptidase (cliva peptídeos a AAs livres)
•  Lactase (ausente nas aves)
–  Lipase pancreática •  Dipeptidases,
77 •  Lipase 78

4. Intestino Delgado Duodeno


•  Principal local de digestão e absorção
de AAs, vitaminas, minerais lipídeos e
CHO’s solúveis em não-ruminantes

•  A parede é revestida por inúmeras


vilosidades, que aumentam enormemente
a superfície de absorção

79 80

20
30/08/17

Esquema das vilosidades intestinais 4. Intestino Delgado

SUÍNOS:
•  4 secreções: suco duodenal, bile, suco
pancreático e suco entérico
•  pH 7,5 a 8,0

AVES:
•  Enzimas encontradas nos mamíferos
(exceto lactase);
•  pH levemente ácido
81 82

4. Intestino Delgado
4. Intestino Delgado
EQÜINOS:
CÃES:
•  Mais de 20m de comprimento
•  No intestino delgado dos cães acontecem
•  Elevada capacidade de armazenagem (60-70L)
os mesmos processos digestivos sobre os
•  Alimento permanece por pouco tempo nutrientes e a energia que nas outras
•  Não possui vesícula biliar espécies não ruminantes
•  Secreção biliar e pancreática é contínua
•  Secreção intestinal rica em enzimas RUMINANTES:
(↓tempo) •  As funções do ID são semelhantes às dos
monogástricos.
83 84

21
30/08/17

5. Intestino Grosso
5. Intestino Grosso
•  Funções:
•  É dividido em 3 seções: –  Reabsorção de água
Ceco: tamanho variável (Maior em
–  Secreção de minerais (como cálcio)
herbívoros);
–  Reservatório de componentes não digeridos
Cólon: secção média no ID
Reto: última secção –  Câmara de fermentação microbiana
–  Digestão de material fibroso
–  Síntese bacteriana e vitaminas (K e
complexo B)
–  Formação e expulsão do bolo fecal
85 86

5. Intestino Grosso
5. Intestino Grosso
AVES:
•  Glândulas do tipo muco, não produtoras •  Possui 2 CECOS
de enzimas
•  Menor atividade que nos herbívoros
•  Enzimas microbianas
•  Muito curto (5-10cm)
•  Extensa atividade microbiana
•  Esvazia na cloaca
principalmente ceco
•  CLOACA órgão onde as secreções
urinárias (ácido úrico) e as excreções
fecais são misturadas para eliminação no
meio externo
87 88

22
30/08/17

5. Intestino Grosso
•  5. Intestino Grosso
CÃES:
•  Superfície de absorção é limitada EQÜINOS:
•  Pequena parcela do alimento digerido chega •  Onde o alimento permanece maior tempo (24hs)
IG •  Dividido em: Ceco, cólon maior, cólon menor e
reto
SUÍNOS: –  Cólon maior: cólons ventrais (direito e esquerdo)
•  Cólon ocupa maior parte do IG e dorsais (direito e esquerdo)
•  Extensa atividade microbiana no ceco –  Ceco: bactérias produção de AGV
•  Síntese de vitaminas e proteína bacteriana

RUMINANTES: –  Cólon menor: absorção de água


•  Similar aos dos suínos 89 90

5. Intestino Grosso
Trato intestinal equino
COELHOS:
•  O IG tem importante papel na digestão do
coelho, devido à fermentação cecal,
excreção seletiva da fibra e a reingestão do
conteúdo cecal (cecotrofia)

91 92

23
30/08/17

5. Intestino Grosso Pré-estômagos: lado esquerdo

•  CECOTROFOS: incorporação de
proteínas, vitaminas do complexo B e K,
além de AGV.
–  Os cecotrofos são tomados diretamente do
ânus e deglutidos íntegros, sem ocorrência
de mastigação
–  A ingestão destes cecotrofos permitem que
os coelhos aproveitem melhor a fibra
dietética, além da incorporação da proteína
bacteriana
93 94

Pré-estômagos: lado direito Trato gastrointestinal das aves

95 96

24
30/08/17

Trato gastrointestinal dos suínos Trato gastrointestinal dos equinos

97 98

Trato gastrointestinal dos coelhos Trato gastrointestinal dos cães

99 100

25
30/08/17

•  Literatura de Referência

•  Nutrição Animal Básica – Ilto José


Nunes
–  Cap. 7 – Digestão Comparada

•  Nutrição Animal Volume 1 – Andriguetto


–  Cap. 3 – Digestão: Processos gerais e
particularidades por espécie animal

101

26