Você está na página 1de 120

INSTRUÇÕES DE USO

Nome Técnico:
Aparelho de Ultra-som

Nome Comercial:
Sistema de Ultra-som HD15

Representante no Brasil: Fabricantes / Distribuidores:


Philips Medical Systems Philips Medical Systems
Ltda. 3000 Minuteman Road; Andover, MA 01810-1099
Av. Dr. Marcos Penteado Ulhoa Estados Unidos
Rodrigues, 401, Parte 16 -
Tamboré
Philips Ultrasound, Inc.
06460-040 Barueri - SP
22100 Bothell Everett Highway; Bothell, WA 98041.
Fone: (11) 2125-3465
Estados Unidos
Fax: (11) 2125-3422
CNPJ: 58.295.213/0001-78 VMI Indústria e Comércio Ltda.
I.E.: 206.098.218.116 R. Prefeito Elizeu Alves da Silva, 400.
Distrito Industrial Genesco Aparecido de Oliveira.
Lagoa Santa - MG - CEP 33400-000 - Brasil

Dixtal Biomédica Indústria e Comércio Ltda.


Av. Rodrigo Otávio, 1111 – Japiim.
Manaus - AM - CEP: 69077-000 - Brasil

Responsável Técnico: Wilson Monteiro Junior


Engenheiro Eletricista – Registro no CREA-SP N.° 0682454454

Registro na ANVISA N.º:


HD15
Índice

ÍNDICE

Página

1. Apresentação do Manual 1

2. Identificação do Equipamento 2

3. Características Técnicas 17

4. Instalações ou Montagem do Equipamento 21

5. Operação do Equipamento 26

6. Precauções, Restrições e Advertências 58

7. Manutenção Preventiva e Corretiva e 92


Conservação

8. Partes, Peças, Módulos e Acessórios 110

9. Garantia do Equipamento 116

Canais de Comunicação/ Nomes e Assinaturas dos 118


Responsáveis Legal e Técnico

Instruções de Uso
HD15
Apresentação do Manual

1. APRESENTAÇÃO DO MANUAL

Definição

Este documento é um manual de uso que apresenta as instruções básicas


para utilização do Sistema de Ultra-som HD15.

Público-alvo
Antes de utilizar as informações do usuário, é necessário estar familiarizado com as técnicas de ultra-
sonografia. O treinamento em ultra-sonografia e os procedimentos clínicos não são discutidos neste manual.
Este manual destina-se a profissionais habilitados em ultra-sonografia, médicos e engenheiros biomédicos
que operam e fazem a manutenção do sistema de ultra-som.

Representante no Brasil: Fabricantes / Distribuidores:


Philips Medical Systems Philips Medical Systems
Ltda. 3000 Minuteman Road; Andover, MA 01810-1099
Av. Dr. Marcos Penteado Ulhoa Estados Unidos
Rodrigues, 401, Parte 16 -
Tamboré
Philips Ultrasound, Inc.
06460-040 Barueri - SP
22100 Bothell Everett Highway; Bothell, WA 98041.
Fone: (11) 2125-3465
Estados Unidos
Fax: (11) 2125-3422
CNPJ: 58.295.213/0001-78
VMI Indústria e Comércio Ltda.
I.E.: 206.098.218.116
R. Prefeito Elizeu Alves da Silva, 400.
Distrito Industrial Genesco Aparecido de Oliveira.
Lagoa Santa - MG - CEP 33400-000 - Brasil

Dixtal Biomédica Indústria e Comércio Ltda.


Av. Rodrigo Otávio, 1111 – Japiim.
Manaus - AM - CEP: 69077-000 - Brasil

Responsável Técnico: Wilson Monteiro Junior


Engenheiro Eletricista – Registro no CREA-SP N.° 0682454454

Registro na ANVISA N.º:

Instruções de Uso 1
HD15
Identificação do Equipamento

2. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO

Visão Geral
Sistema de Ultra-som HD15

Instruções de Uso 2
HD15
Identificação do Equipamento

Descrição do Sistema
O Sistema de Ultra-som HD15 destina-se à geração de imagens e análise nas áreas cardíaca e geral. O
carrinho foi ergonomicamente projetado para oferecer alta mobilidade e possibilidade de ajuste a diversas
condições operacionais e de usuário. Você pode usá-lo para imagens de Eco 2D, 3D e 4D, modo M, Doppler
e coloridas. Também é possível gerar imagens nos modos duplex e triplex. A ecocardiografia de estresse é
um item opcional do sistema e, como tal, também estão disponíveis plug-ins do software de quantificação
avançada QLAB. O sistema é compatível com uma grande variedade de transdutores. O sistema fornece
ferramentas de medidas, opções de análise e recursos de rede DICOM.

Aquisição e revisão de imagens

É possível adquirir e rever imagens individuais e seqüências do Philips Cineloop. As imagens e seqüências
do Cineloop podem ser armazenadas em DVD RW e em dispositivos USB, ou enviadas em rede a um
servidor de arquivo ou a uma impressora.
Os recursos de eco estresse também fazem uso da possibilidade de adquirir e rever loops de imagens. São
usados protocolos de eco estresse com até oito estágios para avaliar a movimentação da parede cardíaca em
várias freqüências cardíacas.
Há dispositivos periféricos disponíveis para a gravação de imagens e exames. Você pode conectar uma
impressora em preto-e-branco, colorida ou uma impressora de relatórios. Os dispositivos periféricos não
podem ser colocados no carrinho do sistema e devem ser desconectados antes que o sistema seja
movimentado.
Um VCR opcional instalado no carrinho do sistema pode ser usado para gravação e reprodução. O VCR
registra somente a área da imagem.

Medidas

O sistema fornece ferramentas e controles para medir distância, área e volume. Para cálculos, as seguintes
ferramentas específicas do aplicativo estão disponíveis:
 Distância
 Elipse
 Traço contínuo
 Volume
 Fluxo do volume
 Redução percentual
 Freqüência cardíaca
 Tempo/ Inclinação
 Apagar calibrador
 Backup
 Finalizar medida
 HighQ
Depois que você obtém as medidas, o sistema executa os cálculos pertinentes e organiza medidas, cálculos
e informações sobre o paciente em um relatório do paciente. Para obter informações, consulte a Ajuda. Para
exibir a Ajuda, pressione a tecla Help.

Instruções de Uso 3
HD15
Identificação do Equipamento

Proteção de dados de pacientes

O sistema oferece um recurso de segurança dos dados para a proteção de dados e imagens de pacientes
anteriormente armazenados no sistema. Se a proteção de dados for implementada no sistema, você só
poderá acessar dados de pacientes após inserir uma senha para conectar-se ao sistema. O sistema
desconecta automaticamente o usuário quando a alimentação é desligada. O sistema armazena um registro
da conexão de cada usuário.

Instruções de Uso 4
HD15
Identificação do Equipamento

Componentes do Sistema
Os componentes incluem o monitor, painel de controle, interruptor de energia, unidade de DVD RW,
conectores para transdutor, ECG/Physio e pedal, além do carregador de alimentação/ bateria (Vide Figura
abaixo). O sistema pode ser conectado a um carrinho opcional. O carrinho é ajustável, para acomodar
diversas alturas do operador e posições de operação.

(1) Painel de controle


(2) Conectores para ECG/ Physio
(3) Conector do transdutor
(4) Monitor
(5) Suporte de transdutores.

Componentes do sistema

Monitor de vídeo

O monitor de vídeo do sistema é um monitor de tela plana que mede 43 cm. O monitor é ajustável, para
acomodar diferentes posições de operação e alturas do operador. O monitor pode ser travado na posição
fechada, para proteger a tela plana e o painel de controle durante a movimentação do sistema. Dois sensores
de luz existentes no painel de controle ajustam o brilho do monitor para compensar as alterações da luz
ambiente.

Painel de controle

O painel de controle contém os controles de imagem. Esses controles incluem botões, controles deslizantes
de TGC e LGC e um trackball. O painel de controle também permite selecionar transdutores, inserir dados de
pacientes, rever e fazer anotações em imagens, executar medidas, cálculos e alterar configurações.

Instruções de Uso 5
HD15
Identificação do Equipamento

Oito controles de teclas programáveis estão localizados na parte superior do painel de controle. Cada um
desses controles corresponde a um mostrador situado acima dele no monitor, que pode conter uma ou duas
funções. Esses controles de teclas programáveis são usados para selecionar aplicações e modos de imagem.
Os controles de teclas programáveis são específicos do modo de operação atual.
O teclado é usado para inserir dados de pacientes e fazer anotações de texto em imagens.

Painel de controle

(1) Controles deslizantes de LGC


(2) Painel de Controle
(3) Controles de teclas programáveis
(4) Controles deslizantes de TGC
(5) Trackball

Interruptor de energia

O interruptor de energia está localizado no painel de controle. Quando o sistema está desligado e esse
interruptor é pressionado, o sistema passa ao estado operacional pleno. Se esse interruptor for novamente
pressionado, o sistema será desligado.

Armazenamento de dados

É possível armazenar dados e imagens em mídias removíveis usando a unidade de DVD RW, localizada na
parte frontal do sistema. O disco rígido do sistema está localizado no interior do sistema. Também é possível
armazenar dados e imagens de exames em dispositivos USB conectados à porta USB localizada na parte
frontal do sistema.

Instruções de Uso 6
HD15
Identificação do Equipamento

Periféricos

Há dispositivos periféricos disponíveis para a gravação de imagens e exames. Você pode conectar uma
impressora em preto-e-branco, colorida ou uma impressora de relatórios. Os dispositivos periféricos não
podem ser colocados no carrinho do sistema e devem ser desconectados antes que o sistema seja
movimentado. Um VCR pode ser conectado ao sistema para gravação e reprodução.

Controle do transdutor, dos conectores e cabos

O sistema inclui um conector para transdutores de matriz e outro para uma sonda do tipo caneta (Vide Figura
abaixo). Os suportes dos transdutores estão localizados no carrinho. Um prendedor de cabos está incluído na
parte lateral do carrinho para possibilitar o controle dos cabos.

Controle do transdutor, dos conectores e cabos

(1) Suporte do transdutor.


(2) Prendedor de cabos.
(3) Conector do transdutor de matriz.
(4) Conector da sonda do tipo caneta.

Instruções de Uso 7
HD15
Identificação do Equipamento

Conectores de Physio (ECG)

Para o suporte ao Physio, o sistema inclui conectores de entrada para ECG de nível baixo, ECG de nível alto,
sinais de pulso, fono e auxiliares. Além disso, há um conector para sinais de saída de acionadores
compatíveis com ECG/ TTL. Os conectores para ECG estão na parte lateral do sistema (Vide Figura abaixo).

Conectores de ECG e Physio

ATENÇÃO
O Fisio/ECG encontrado no Sistema de Ultra-som HD15, não é e não pode ser utilizado para fins de
diagnóstico e monitoração do eletrocardiograma (ECG). O Fisio/ECG não analisa os diversos segmentos
da onda de ECG, não imprime o ECG e nem armazena informações de ECG, que possam ser utilizadas
para diagnóstico ou monitoração de patologias cardíacas.
A finalidade exclusiva do módulo Fisio/ECG é a de sincronizar as imagens obtidas através do ultra-som com
o ciclo cardíaco do paciente.
Todos os dispositivos que entram em contato com o paciente, como transdutores, eletros devem ser
retirados do paciente antes da aplicação de um pulso de desfibrilação de alta tensão.

Transdutores

O transdutor selecionado por você é o fator mais importante na qualidade da imagem. A melhor imagem só
será obtida com o transdutor correto. O sistema é otimizado para uso com base na sua seleção do transdutor.
O sistema limita a temperatura de contato com o paciente a 43 graus Celsius e os valores de saída acústica
aos seus respectivos limites fixados pela FDA. Um circuito de proteção de alimentação protege contra
condições de sobrecarga de corrente. Se o circuito de proteção de alimentação do monitor detectar uma
condição de sobrecarga, a corrente que aciona o transdutor será cortada imediatamente, evitando o
superaquecimento da superfície do transdutor e limitando a saída acústica. A validação do circuito de
proteção de alimentação é realizada na operação normal do sistema.

Seleção de um transdutor

Se houver mais de um transdutor conectado ao sistema, pressione Transducer para selecionar um deles.
Cada vez que você pressionar Transducer, um transdutor diferente se tornará ativo. O rótulo do transdutor
ativo é exibido na tela.
Quando o sistema é ligado, o último transdutor utilizado fica ativo se ainda estiver conectado. Caso contrário,
o transdutor do conector superior estará ativo.

Instruções de Uso 8
HD15
Identificação do Equipamento

Opções clínicas e transdutores

Estão listadas aqui as opções clínicas, ou aplicações, de cada transdutor no sistema.

Opções clínicas do transdutor


Transdutor Opções clínicas
BP10-5ec Urologia.
C5-2 Abdominal, contraste, GYN, OB, pediátrica.
C6-3 Abdominal, contraste, GYN, OB, pediátrica.
C8-4v GYN, OB.
C8-5 Abdominal, GYN, OB, pediátrica, vascular.
L12-3 Musculoesquelética, pediátrica, pequenas partes, vascular.
L12-5 50 Abdominal, musculoesquelética, pediátrica, pequenas partes, vascular.
L15-7io Abdominal, eco em adultos, musculoesquelética, pequenas partes, vascular.
S5-2 Abdominal, eco em adultos, contraste, pediátrica, eco pediátrico, OB, vascular.
S7-2omni Eco em adultos.
S8-3 Eco em adultos, GYN, OB, pediátrica, eco pediátrico.
V6-2 Abdominal, GYN, OB.
3D9-3v GYN, OB.
D2cwc Eco em adultos, eco pediátrico.

Transdutores transesofágicos

Transdutor TEE

Um exame ecocardiográfico transesofágico


(TEE) é realizado com um transdutor montado
em um gastroscópio, posicionado no esôfago ou
no estômago. Os transdutores TEE permitem
adquirir imagens sem obstruções dos pulmões e
costelas, tornando-os ferramentas importantes
de diagnóstico em condições em que a
ecocardiografia transtorácica não oferece
imagens apropriadas.

Instruções de Uso 9
HD15
Identificação do Equipamento

Recursos e especificações do transdutor TEE


Sensor de tecnologia de transdutor Ultraband para aquisição de imagens harmônica e
de contraste. Permite imagens de alta resolução e visualizações de 360 graus do
coração, não obstruídas por pulmões e costelas. Capaz de gerar imagem harmônica,
Recursos pesquisa de contraste, imagem Doppler de tecido (TDI), imagem colorida, modo CW
direcional e modo PW Doppler, agilidade de freqüência e supressão de
eletrocauterização. Superfície da ponta constantemente monitorada para segurança
do paciente. Anel de suspensão prático.
Ponta: 1,5 cm de largura, 3,5 cm de comprimento
Especificações
Tubo: 1,0 cm de largura, 0,9 m de comprimento

NOTA
A Philips recomenda que o transdutor TEE seja utilizado somente em pacientes que pesem no mínimo 25
kg para garantir que o esôfago possa acomodar o transdutor confortavelmente.

Transdutores intra-operatórios

Transdutor L15-7io
Os transdutores intra-operatórios são utilizados
durante cirurgias para ajudar o cirurgião a encontrar
e a visualizar estruturas anatômicas, para visualizar
padrões de fluxo sangüíneo e quantificar velocidades
e para adquirir imagens e medidas de parâmetros
anatômicos e fisiológicos de interesse para o
cirurgião. O transdutor L15-7io é usado para
aplicações intra-operatórias neste sistema.

Recursos e especificações do Transdutor L15-7io


Faixa de freqüência estendida de 15 a 7 MHz
Matriz linear faseada com 128 elementos
Conector Explora
Recursos 8 graus de imagem trapezoidal, comprimento de abertura efetiva de 23 mm
Aplicações vasculares intra-operatórias de alta resolução
PW Doppler direcionável, Doppler colorido e imagens em Color Power Angio,
processamento XRes e aquisição de imagens panorâmicas
Tamanho das lentes:
 Elevação: 10 mm.
Especificações  Plano de varredura: 32 mm.
Tamanho do transdutor: 89 mm.
Tamanho do cabo: 2 m

Instruções de Uso 10
HD15
Identificação do Equipamento

Transdutores de endocavidade

Transdutor BP10-5ec

Os transdutores de endocavidade fornecem uma


imagem de alta resolução da endocavidade para
aplicações de próstata e OB/ GYN. O sistema
suporta o transdutor BP10-5ec.

Recursos do transdutor BP10-5ec


Recursos Dois transdutores biplanos de matriz curva, cada um com um campo de 126
graus de visualização que suporta imagens 2D, Modo M, Cor, CPA, PW, Tecido
harmônico, Biópsia, SonoCT e XRES para aplicações de endocavidade,
transrretal e biópsia.
Tipo Matriz curva
Estilo de conector Explora
Aplicações Biópsia e imagem de próstata, transrretal e endocavidade
Freqüência 5-10 MHz
Indicado para biópsia? Sim
Indicado para imagens
Sim
harmônicas?
Especificações Comprimento (transdutor e cabo): 2,66 m, incluindo conector.
Comprimento do cabo e da ponta: 32,72 cm.
Raio de curvatura: 8,8 mm.
Diâmetro da ponta: 17,7 mm no máx.
Diâmetro do tubo: inferior ou igual a 17,7 mm.
Comprimento do tubo: inferior ou igual a 17 cm.

Guias de biópsia

Os guias de biópsia são usados para ajudar na orientação de um instrumento de biópsia O sistema gera uma
linha-guia que representa o caminho antecipado do instrumento de biópsia. Os ecos do alvo anatômico e do
instrumento são exibidos na tela do vídeo e ajudam na orientação da ferramenta de biópsia até o alvo.

Instruções de Uso 11
HD15
Identificação do Equipamento

Softwares do Sistema

Todos os SOFTWARES do Sistema de Ultra-som HD15 possuem


OBSERVAÇÃO
apenas uma versão: versão 1.0

Além dos recursos padrão do sistema, há outros disponíveis, opcionais. Os tipos de opções disponíveis
incluem aplicações clínicas, software de quantificação avançada QLAB, protocolos de eco estresse, recursos
de aquisição de imagens e de conectividade.

Opções de imagens

Após a aquisição, as opções de imagem listadas aqui estarão disponíveis, dentro da compatibilidade entre os
atuais transdutor e aplicação. Os seguintes recursos de imagens estão disponíveis como opcionais do
sistema:
 3D/ 4D
 3D Fetal Echo STIC
 Contraste geral de imagens
 Aquisição de imagens panorâmicas
 Physio
 Tissue Doppler Imaging (TDI)
 SonoCT
 Protocolos de eco estresse
 Resident Self Test
 XRes

Opções de conectividade

Os seguintes recursos de imagens estão disponíveis como opcionais do sistema:


 Sistema de rede DICOM
 Relatórios estruturados DICOM

Opções clínicas/ de análise

Há opções clínicas disponíveis no sistema, que podem ser adquiridas separadamente. Elas incluem o pacote
de análise correspondente. Estão disponíveis as seguintes opções clínicas e suas aplicações
correspondentes:

Instruções de Uso 12
HD15
Identificação do Equipamento

Opções clínicas/ análise


Opção clínica Pacote de análise
Cardíaco Cardiologia de adultos
Contraste geral de imagens Abdominal
Urologia Urologia
Radiologia pediátrica Abdominal
Radiologia pediátrica
Eco pediátrico Eco fetal
Eco pediátrico
Musculoesquelético Geral
OB/ GYN OB
GYN
Pequenas partes Pequenas partes
Cerebrovascular Vascular
TCD
Vascular periférico Vascular
Vascular abdominal Abdominal

Opções de software de quantificação avançada QLAB

Os seguintes plug-ins de software de quantificação avançada QLAB estão disponíveis, como opcionais:
 GI 3DQ
 IMT (Intima Media Thickness)
 Ferramentas de quantificação de ROI (Region of Interest)
 SQ (Strain Quantification) básico
 SQ (Strain Quantification) para imagens de Tissue Doppler com acompanhamento de pontas
 TMQ (Tissue Motion Quantification)

Opção de segurança dos dados

Um recurso de segurança dos dados está disponível para ajudar a manter a confidencialidade de arquivos de
pacientes arquivados. Com essa opção, o acesso a arquivos de exames de pacientes fica restrito ao pessoal
autorizado, através da proteção por senha.

Instruções de Uso 13
HD15
Identificação do Equipamento

Opção de administração técnica

O sistema inclui muitos recursos de diagnóstico como padrão; por exemplo, manuseio de erros e acesso
remoto para diagnóstico do sistema. A opção de administração técnica acrescenta os seguintes recursos:
 Testes avançados e outras ferramentas de diagnóstico
 Monitoramento automático, registro de utilização e de parâmetros de operação do sistema; advertências
quando os limites de operação são excedidos
 Recursos aprimorados para auto-diagnóstico
 Manuseio e notificação aprimorados de erros
 Registro e notificação de manutenções preventivas
 Relatórios de configuração do sistema e de componentes
 Interface de administração técnica protegida

Instruções de Uso 14
HD15
Identificação do Equipamento

Área de Aplicação
O Sistema de Ultra-som HD15 destina-se à geração de imagens e análise nas áreas cardíaca e geral. O
carrinho foi ergonomicamente projetado para oferecer alta mobilidade e possibilidade de ajuste a diversas
condições operacionais e de usuário. Você pode usá-lo para imagens de Eco 2D, 3D e 4D, modo M, Doppler
e coloridas. Também é possível gerar imagens nos modos duplex e triplex. A ecocardiografia de estresse é
um item opcional do sistema e, como tal, também estão disponíveis plug-ins do software de quantificação
avançada QLAB. O sistema é compatível com uma grande variedade de transdutores. O sistema fornece
ferramentas de medidas, opções de análise e recursos de rede DICOM.

Aplicações

 Abdominal.
 Pequenas partes e superficial.
 Pediátricas.
 Musculoesquelético.
 Neonatal.
 Urologia.
 Obstetrícia.
 Ginecologia e fertilidade.
 Próstata.
 Nervo.
 Vascular.
 Vascular cerebral.
 Vascular periférico.
 Vascular intra-operatório.
 Doppler transcraniano.
 Cardíaco
 Adulto
 Pediátrico
 Estresse.
 Medicina de Emergência (incluindo FAST, Acesso Vascular).

Instruções de Uso 15
HD15
Identificação do Equipamento

Medições

O sistema fornece ferramentas e controles para medir distância, área e volume. Para cálculos, as seguintes
ferramentas específicas do aplicativo estão disponíveis:
 Distância
 Elipse
 Traço contínuo
 Volume
 Fluxo do volume
 Redução percentual
 Freqüência cardíaca
 Tempo/Inclinação
 Apagar calibrador
 Backup
 Finalizar medida
 HighQ

Depois que você obtém as medidas, o sistema executa os cálculos pertinentes e organiza medidas, cálculos
e informações sobre o paciente em um relatório do paciente. P

Instruções de Uso 16
HD15
Características Técnicas

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Especificações Técnicas

Modos de imagem.

 2D Philips.
 Aquisição de imagem de Angiografia de Energia Colorida Philips (CPA).
 Aquisição de imagem direcional de Angiografia de Energia Colorida.
 Modo-M.
 Modo-M anatômico.
 Modo-M colorido.
 Doppler de Onda Pulsada.
 Doppler de Onda Contínua.
 3D/ 4D
 Varredura à mão livre.
 Varredura mecânica.
 4D Mecânico no modo de volume.
 Reconstrução Multi-Planar.
 Eco Fetal STIC.
 Invertido e Invertido Colorido.
 Quantificações de volume.
 Revisão no carrinho ou fora do carrinho.
 Modo de comparação colorido.
 Modo duplo
 Duplex para 2D e Doppler simultâneo.
 Modo Triplex para 2D, Doppler, e Colorido ou CPA simultâneos.
 Processamentos de Sinal de Otimização de 2D.
 Comparação ao vivo.
 Aquisição de Imagem de Harmônica de Tecido (THI).
 Doppler inteligente.
 “Zoom” reconstruído com panorâmica (“zoom” lido).
 “Zoom” gravado.
 Aquisição de imagem panorâmica.
 Aquisição de imagem trapezoidal.
 Aquisição de imagem de Harmônica de Inversão de Pulso.

Instruções de Uso 17
HD15
Características Técnicas

 Aquisição de imagem de contraste.


 Abdominal.
 LVO Cardíaco.
 Doppler adaptativo.
 Doppler Colorido adaptativo.
 Aquisição de imagem de Doppler de Tecido Colorido.
 Aquisição de imagem de Doppler de Tecido de Onda Pulsada.
 Dado Original – manipulação de dados de imagem, armazenadas e congeladas com capacidade de
importar e exportar.

Medições e Análise

 Ferramentas de medição abrangentes:


 Vascular.
 Cardíaca.
 Ob/Gyn e Fertilidade.
 Aquisição de imagem geral.
 Software de quantificação avançada QLAB:
 Região de Interesse (ROI).
 Espessura da Membrana Mediana da Íntima (IMT).
 TMQ (2DQ, MAD, 3DQ).
 Esforço Q.
 3DQ (1.1).

Revisão de cine

 Aquisição, armazenamento e exibição em tempo real e nos modos duplex de até quatro minutos em
Revisão Rápida de imagens 2D e colorida.
 Suporta dois “buffers” de modo de Aquisição de Imagem Dupla por “buffer”.

ECG e Physio

 Uma entrada de ECG de 3 derivações.


 Uma entrada externa de ECG.
 Dois canais de entrada Physio (1 V, p-p)
 ECG acionado selecionável saltando entre 1 e 20.

Instruções de Uso 18
HD15
Características Técnicas

Ergonomia

 Monitor de alta resolução amplo de 20.4 polegadas.


 Giro e inclinação do monitor independentes.
 Altura ajustável do painel de controle.

Arquitetura do sistema

 Formador de feixes de banda larga totalmente digital.


 Focalização Micro-fina 2D com Ajuste Focal Dinâmico.
 Faixa dinâmica de entrada de tempo integral de 170 dB.
 18.432 canais processados digitalmente.
 Direção variável continuamente em 2D e colorido.
 Processamento de sinal 2D Opt com processamento paralelo 4X de múltiplas linhas e composição de
freqüência:
 Otimização Inteligente rápida iSCAN.
 Otimização Colorida Inteligente rápida iSCAN.
 Otimização Doppler rápida iSCAN.

Transdutores

 Comutação eletrônica de até quatro transdutores.


 Conector dedicado (Pedoff) disponível para transdutores CW e PW sem imagem.
 Focalização de recepção dinâmica contínua em todos os transdutores.
 Uma seleção de guias de biópsias de Aço Inoxidável ou Plásticas disponível para a maioria dos
transdutores.
 Transdutor de Banda Larga Setorial S5-2.
 Transdutor de Banda Larga Setorial S8-3.
 Transdutor de Banda Larga Setorial TEE S7-2 Omni.
 Transdutor de Banda Larga Convexo C5-2.
 Transdutor de Banda Larga Convexo C6-3.
 Transdutor de Banda Larga Convexo C8-5.
 Transdutor de Banda Larga Convexo C8-4v.
 Transdutor de Banda Larga Convexo BP10-5ec.
 Transdutor de Banda Larga Linear L12-3.
 Transdutor de Banda Larga Linear de 50 mm L12-5.
 Transdutor de Banda Larga Linear Compacto L15-7io.
 Transdutor Cardíaco e Vascular sem imagem D2cwc.
 Transdutor de Banda Larga Convexo 3D9-3v (1.1).
 Transdutor de Banda Larga Convexo V6-2 (1.1).

Instruções de Uso 19
HD15
Características Técnicas

Dados variados do sistema

 Pedal.
 Escalas de cinza: 256 (8 bits) em modo 2D, modo M e análise espectral de Doppler.

Conectividade

 2 unidades rápidas USB no painel de controle.


 Capacidade da unidade de disco rígido de 60 GB.
 Unidade interna de CD/ DVD RW.
 Usuário de classe de serviço de impressão e armazenamento DICOM 3.0.
 Relatório estruturado DICOM para exames Cardíaco e Ob/Gyn.
 Etapa de Procedimento Realizado (pps)
 Lista de Trabalho de Modalidade.

Instruções de Uso 20
HD15
Instalações ou Montagem do Equipamento

4. INSTALAÇÕES OU MONTAGEM DO EQUIPAMENTO

O Sistema de Ultra-som HD15, somente deve ser instalado e montado


pelo Serviço Técnico da PHILIPS, ou por seu Representante.

A montagem e a instalação do equipamento já estão incluídas na venda do equipamento.


A correta instalação do equipamento assegura ao cliente o direito à garantia do produto
contra defeitos de fabricação
A solicitação da instalação/montagem pode ser feita no seguinte endereço:

Representante no Brasil:
Philips Medical Systems Ltda.
Av. Dr. Marcos Penteado Ulhoa Rodrigues, 401, Parte 16 -
Tamboré
06460-040 Barueri - SP
Fone: (11) 2125-3465
Fax: (11) 2125-3422

Instruções de Uso 21
HD15
Instalações ou Montagem do Equipamento

Requisitos mínimos para instalação do Sistema de Ultra-som HD15.

Se o sistema for usado em diversos locais no estabelecimento, verifique se as seguintes exigências


operacionais estão sendo atendidas em cada local.

Requisitos Elétricos
 Energia consumida: 720 VA.
 Freqüência: 50 a 60 Hz.
 Voltagem: 100 a 240 VAC.
 A energia deve estar disponível por meio de tomada de grau hospitalar, aterrada.

Requisitos Ambientais
Limites de pressão
 Operação: 525 mm Hg a 795 mm Hg (700 hPa a 1.060 hPa)
 Armazenagem: 375 mm Hg a 795 mm Hg (500 hPa a 1.060 hPa)
Limites de umidade
 Operação: 30% a 85%
 Armazenagem: 15% a 95%
Limites de temperatura
 Operação: 10°C a 40°C (50°F a 104°F)
 Armazenagem: -34°C a 65°C (-29°F a 149°F)
Ambiente
 Dissipação de calor: < 2500 BTU’s/hora (completamente carregado).
 Faixa de operação 10ºC a 40ºC operando na umidade relativa de 15% a 95%.

Requisitos Físicos
 Profundidade: 110 cm.
 Altura (ajustável): 138 - 155 cm.
 Altura do painel de controle na extremidade da frente (ajustável): 77.7 - 95.4 cm.
 Distância entre rodas: 57 cm.
 Peso: < 96.5 kg (sem periféricos).

Conexões de dados
 Rede Ethernet (10Base-T e 100Base-T)
 USB 2.0

Interface da modalidade
 Padrão DICOM

Instruções de Uso 22
HD15
Instalações ou Montagem do Equipamento

Preparação do sistema
As informações e os procedimentos desta seção o ajudarão a preparar o Sistema HD15 para uso. A
preparação inclui a conexão de transdutores e dispositivos externos, travamento de componentes articulados
para movimentação e verificação se as exigências para operação do sistema foram atendidas.

Conexão de dispositivos

Além dos dispositivos instalados no carrinho do sistema, o HD15 sistema comporta dispositivos externos.
Esses dispositivos incluem impressoras, VCR e monitor colorido.
 Quando se usa outros equipamentos periféricos alimentados por fonte elétrica diferente do sistema de
ultra-som, a combinação é considerada como sistema médico. É de sua responsabilidade estar em
conformidade com a norma IEC 60601-1-1 e testar o sistema segundo esses requisitos. Consulte
“Segurança elétrica”. Se tiver dúvidas, entre em contato com o representante Philips.
 Não utilize periféricos que não sejam médicos, como impressoras de relatório, a uma distância de 1,5 m
do paciente, a menos que esses periféricos recebam energia de um esquema elétrico isolado no sistema
de ultra-som Philips ou de um transformador de isolamento que atenda aos padrões de segurança
médica, conforme definido pelo padrão IEC 60601-1-1.

CUIDADO
O uso de acessórios, transdutores, periféricos ou cabos não fornecidos com o sistema de ultra-som ou
recomendados pela Philips pode afetar o sistema sob a forma de emissões crescentes ou imunidade
decrescente a ocorrências EMI/EMC externas.

NOTA
Qualquer dispositivo que não for adquirido ou instalado pelo pessoal da Philips, não está coberto pela
garantia ou contrato de assistência técnica e não terá assistência técnica da Philips.

Conexão de impressora externa

Você pode conectar os seguintes tipos de impressora externa ao sistema de ultra-som:


 Impressora colorida Sony UP-D21MD ou UP-D23MD
 Impressora preto e branco Sony UP-D895MD ou UP-D897MD
 Impressora colorida Sony UP-D55 de múltiplas imagens e formato grande
 Impressora de relatório preto e branco HP LaserJet 1300 ou 1320
 Impressoras de relatório coloridas HP Color LaserJet 2550; Color Deskjet 5650, 5940 ou 6122 ou
Officejet Pro K550

AVISO
As imagens impressas em impressora de relatório servem apenas para referência e não devem ser usadas
para fins de diagnóstico.

Instruções de Uso 23
HD15
Instalações ou Montagem do Equipamento

Conexão de impressora externa


1. Desligue o sistema e desconecte o cabo da fonte de alimentação.
2. Conecte o cabo USB padrão entre a porta USB da impressora e uma das portas USB do sistema (vide
Figura abaixo):
3. Conecte o cabo de energia na parte trás da impressora, e conecte a outra extremidade na fonte de
energia apropriada.
4. Ligue a impressora e, em seguida, o sistema.

Conexão de impressora externa

(1) Portas USB

Conexão do pedal

1. Desligue o sistema.
2. Insira o conector do cabo do pedal em um conector fixo USB do sistema.

VCR’s externos

Um VCR externo pode ser conectado ao sistema para gravação, mas o sistema não tem condições de
controle do VCR ou de exibição de imagens de reprodução. Apenas o VCR externo pode ser operado por
meio de controles do sistema. Dispositivos periféricos externos não podem ser colocados no carrinho do
sistema e devem ser desconectados antes da movimentação do sistema.

Conexão de monitor colorido externo

Você pode conectar um monitor colorido externo compatível ao conector fixo AUX no lado direito do sistema.
Esse conector fixo fornece saída padrão RGB para monitores analógicos, com resolução de tela de 1400 x
1050 (SXGA+). O cabo de alimentação do monitor externo conecta-se diretamente na tomada de parede.
Para monitores analógicos e projetores de vídeo que exigem resolução de tela diferente de 1400 x 1050, há
necessidade de conversor de resolução.

Instruções de Uso 24
HD15
Instalações ou Montagem do Equipamento

Conexão com rede

Para usar recursos de conectividade, o sistema deve estar conectado a uma rede. O conector fixo ethernet do
sistema é compatível com os formatos 10Base-T e 100Base-T. O sistema está configurado para
conectividade de rede por técnico de serviço de campo da Philips ou pelo administrador da rede.
Para informação sobre alteração da configuração da rede para o sistema, consulte “Administração do
Sistema” em “Ajuda”. Para exibir Ajuda, pressione a tecla Help.
1. Desligue a energia do sistema.
2. Conecte uma extremidade do cabo de conexão de rede fornecido ao conector fixo de parede para a rede.

3. Conecte a outra extremidade do cabo ao conector fixo de rede ( ) no lado direito do sistema.

Transdutores transesofágicos

Conexão de um transdutor TEE

NOTA
Antes de conectar o transdutor TEE, verifique se a ponta e o tubo estão retos. Ao conectar o transdutor, o
mesmo se calibra automaticamente na posição 0-grau (plano horizontal). Assim como qualquer movimento
de conjunto, o motor emite som de zunido enquanto se calibra. Se a mensagem “Calibration failed” for
exibida, consulte “Calibragem do transdutor TEE”.

1. Conecte o transdutor TEE ao seu respectivo conector no sistema.


2. Gire a trava 90 graus no sentido horário para travar o transdutor no sistema.

Instruções de Uso 25
HD15
Operação do Equipamento

5. OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO

Para a operação do Sistema de Ultra-som HD15, é necessário o


Treinamento dos operadores no equipamento.

O treinamento dos operadores no equipamento deve ser realizado por especialista em


aplicação designado pela PHILIPS para tal.
Este treinamento já faz parte do pacote de venda do equipamento e deverá ter sua data
acertada em comum acordo entre as partes.
Os Canais de Comunicação para solicitar o treinamento estão relacionados no final deste
Manual.

Instruções de Uso 26
HD15
Operação do Equipamento

Utilização do sistema
Os procedimentos desta seção o ajudarão a compreender e usar os recursos do sistema. Para a descrição
dos componentes do sistema, consulte “Componentes do sistema”.

Ligar e desligar o sistema

Pressione o controle On/Off localizado no painel de controle.

AVISO
Conclua sempre os exames antes de desligar o sistema. Se desligar o sistema com um exame aberto, o
exame fica em pausa, não fechado.

Definição do sistema hora e data

1. Pressione a tecla Setup.


2. Clique na guia System.
3. Em System Settings, clique em Date/Time.
4. Na caixa de diálogo Date and Time Properties, clique duas vezes na hora ou nos minutos e depois
clique e mantenha pressionado ou na caixa Time para definir a hora.
5. Em Date, execute um destes procedimentos:

 Clique em e selecione o mês.

 Clique em ou em para selecionar o ano.


 Clique no dia para selecioná-lo.
6. Se não desejar que o sistema tenha ajuste automático para as mudanças do horário de verão, clique na
guia Time Zone e desmarque a caixa de seleção.
7. Se o sistema estiver conectado à internet para o sistema ficar sincronizado automaticamente a um
servidor de tempo, clique na guia Internet Time e selecione a caixa de seleção.
8. Clique em Apply, para aplicar as mudanças apenas nesta sessão, ou clique em Save para gravar as
mudanças numa predefinição.

Uso dos freios e das travas de direção

Todas as quatro rodas pivotam para ajudar na manobra do sistema. Pode-se fazer uso das travas de direção
para tornar a direção mais fácil na movimentação do carrinho. Os freios ajudam a manter o carrinho parado,
enquanto em uso.

AVISOS
 Jamais pare o sistema em um declive.
 Os freios representam uma comodidade. Para aumentar a segurança do carrinho, use escoras de rodas
quando o sistema está estacionado.

Instruções de Uso 27
HD15
Operação do Equipamento

Execute um destes procedimentos:


 Para fazer uso das travas de direção, pressione para baixo a alavanca verde de cada roda da frente.
 Para soltar as travas de direção ou os freios, pressione as alavancas cinza para baixo.
 Para fazer uso dos freios e soltar as travas de direção, pressione as alavancas vermelhas para baixo.

Ajuste do monitor

O monitor pode ser posicionado para visão ideal. Pode-se ajustar o brilho da imagem do monitor para
compensar a luz ambiente. Pode-se alterar, também, a definição padrão de brilho do monitor.

Posicionamento do monitor

O monitor e o módulo de controle podem ser movidos para atender a posições operacionais e alturas do
operador diferentes.

CUIDADO
Para evitar danos à tela plana do monitor, não opere sob luz solar direta. Também, não opere ou armazene
o sistema em local onde a temperatura ambiente exceda 65°C (149°F).

Execute um destes procedimentos:


 Segure o monitor pelos lados e incline, gire, ou mova-o de um lado para o outro.
 Para ajustar a altura do monitor e do painel de controle, aperte a alavanca nas alças e depois o mova
para cima ou para baixo.

Definição da cor padrão do monitor

Nas configurações pode ser mudada a cor da tela do sistema, definida quando o sistema é ligado. A definição
do Monitor tint afeta apenas a aparência das imagens no monitor; não afeta as imagens gravadas ou
exportadas. Estão disponíveis cinco configurações:
1. Pressione a tecla Setup.
2. Clique na guia System.
3. Selecione a configuração para Monitor tint. A Philips recomenda a configuração sRGB para uso de
rotina.
4. Clique em Apply, para aplicar as mudanças apenas nesta sessão, ou clique em Save para gravar as
mudanças numa predefinição.
5. Se clicou em Save, clique em Create New ou Modify Current segundo o caso, e depois clique em Save.
6. Clique em Close.

NOTA
Os volumes tridimensionais processados são especialmente susceptíveis às mudanças na cor da tela.
Alguns médicos preferem as seguintes definições para a visão ideal de volumes tridimensionais: defina
Monitor tint para 1 ou 2 e defina Monitor brightness para 1.

Instruções de Uso 28
HD15
Operação do Equipamento

Mudança da cor do monitor

Pode-se mudar temporariamente a cor da tela do sistema. Suas mudanças permanecem ativas apenas na
sessão atual.
Pressione a tecla programável Tint (ou pressione Ctrl+T) repetidamente para visualizar as configurações de
cor.

Definição do brilho padrão do monitor

Pode-se mudar o brilho da tela do monitor definido quando o sistema é ligado.


1. Pressione a tecla Setup.
2. Clique na guia System.
3. Selecione a configuração para Monitor brightness de 1 (mais escura) a 5 (mais clara).
4. Clique em Apply, para aplicar as mudanças apenas nesta sessão, ou clique em Save para gravar as
mudanças numa predefinição.
5. Se clicou em Save, clique em Create New ou Modify Current segundo o caso, e depois clique em Save.
6. Clique em Done.

Mudança do brilho do monitor

Pode-se mudar temporariamente o brilho da tela do sistema. Suas mudanças permanecem ativas apenas na
sessão atual.
Pressione a tecla programável Ambient Light (ou pressione Ctrl+M) repetidamente para visualizar as
configurações de brilho.

Controles do sistema

Os controles do sistema estão localizados no painel de controle e no teclado.

Definição do brilho padrão do painel de controle

Nas configurações, pode-se ajustar o brilho dos controles iluminados a contraluz do painel de controle.
1. Pressione a tecla Setup.
2. Clique na guia System.
3. Selecione a configuração para Backlight Level. Low, Medium ou High.
4. Clique em Apply, para aplicar as mudanças apenas nesta sessão, ou clique em Save para gravar as
mudanças numa predefinição.
5. Se clicou em Save, clique em Create New ou Modify Current segundo o caso, e depois clique em Save.
6. Clique em Done.

Instruções de Uso 29
HD15
Operação do Equipamento

Mudança do brilho do painel de controle

Pode-se mudar temporariamente o brilho dos controles no painel de controle. Suas mudanças permanecem
ativas apenas na sessão atual.
Pressione a tecla programável Backlight Level repetidamente para visualizar as configurações de brilho do
painel de controle.

Ícones de status

Os ícones na parte inferior da tela permitem o controle de determinados recursos e verificação do status das
tarefas (Vide Tabela abaixo). Os indicadores de status incluem combinações de cores; sobreposição de
gráficos, como símbolos e pontos coloridos; falta de sobreposição e ícone não em exibição.

Ícones indicadores de status


Ícone Descrição
Indica as configurações de fusão; para informações sobre o recurso Fusão, consulte Ajuda
no sistema.
Indica o status da função Caps Lock do teclado:
Se a função Caps Lock estiver ativada, aparece o ícone.
Se a função Caps Lock estiver desativada, desaparece o ícone.
Indica o status do recurso XRes:
Se a função XRes estiver ativada, aparece o ícone.
Se a função XRes estiver desativada, desaparece o ícone.
Indica o status da função Adquirir:
Quando o sistema está pronto para adquirir, aparece o ícone.
Quando o sistema não está pronto para adquirir, desaparece o ícone.
Indica o status da comunicação de rede:
Sem ponto: Sem atividade
Ponto verde: comunicação ativa
Ponto amarelo: sistema ou impressora fora da rede
Ponto vermelho: falhou
Clique no ícone para abrir a caixa de diálogo Network Status.
Pode-se cancelar, colocar em pausa ou retomar qualquer trabalho da rede listado.
Indica o status do drive de DVD:
Sem ponto: Disponível
Ponto verde: Inserção de dados
Ponto amarelo: Drive vazio (ou em mau funcionamento)
Ponto vermelho: falhou
Clique no ícone para abrir a caixa de diálogo DVD Status.
Pode-se cancelar, colocar em pausa ou retomar qualquer trabalho de transferência de dados
listado.

Instruções de Uso 30
HD15
Operação do Equipamento

Ícone Descrição
Indica o status da impressora em rede:
Sem ponto: Disponível
Ponto verde: Impressão ativa
Ponto amarelo: Pendente, se portátil
Ponto vermelho: falhou
Clique no ícone para abrir a caixa de diálogo Printer Status.
Pode-se cancelar, colocar em pausa ou retomar qualquer trabalho de impressão listado.

Painel de controle

O painel de controle contém os controles de imagem (Vide Figura abaixo). Esses controles incluem botões,
controles deslizantes TGC e LGC e o trackball. O painel de controle permite também a seleção de
transdutores, digitar dados de pacientes, analisar e anotar imagens, fazer medidas e cálculos e mudar
configurações.
O teclado é usado para digitar dados de pacientes, comentários e anotações de texto nas imagens.
Os controles de teclas programáveis, localizados acima do teclado, correspondem às funções exibidas acima
deles.

Painel de controle

Instruções de Uso 31
HD15
Operação do Equipamento

Ajuste da altura do painel de controle e do monitor

O sistema inclui um mecanismo para o ajuste conjunto da altura do painel de controle e do monitor.

Controles de teclas programáveis

Oito controles de teclas programáveis estão localizados acima do teclado no painel de controle. Cada
controle corresponde ao rótulo exibido acima dele e que pode conter uma ou duas funções. Esses controles
de teclas programáveis são usados para selecionar aplicativos e modos de imagem. As funções dos controles
das teclas programáveis mudam de acordo com o modo, o aplicativo, a predefinição e o transdutor. A função
de cada tecla programável está descrita no rótulo que aparece acima do controle. Pressionar o controle
seleciona a função ativa quando há duas funções disponíveis. Girar o controle seleciona uma configuração.

Rótulos e controles de teclas programáveis

Uso de controles de teclas programáveis

1. Se duas funções estiverem disponíveis para um controle de tecla programável, pressione o controle para
selecionar a função.
2. Para mudar a configuração da função ativa, gire o anel externo do controle de tecla programável.

Segurança do sistema

O recurso segurança de dados, se estiver implementado no sistema, limita o acesso a dados e imagens de
pacientes, armazenados anteriormente. Para ter acesso a esses dados, é preciso se conectar primeiro ao
sistema. Quando terminar de usar o sistema, pode se desconectar manualmente ou apenas desligar o
sistema, o que provoca desconexão automática. Pode-se alterar a senha com o uso de configurações.
O recurso de segurança de dados é configurado pelo administrador do sistema. Para mais informação,
consulte “Administração do Sistema” em “Ajuda”. Para exibir Ajuda, pressione a tecla Help.

Instruções de Uso 32
HD15
Operação do Equipamento

Conexão ao sistema

Se segurança de dados estiver ativado, é preciso se conectar ao sistema antes de ter condições de visualizar
ou carregar arquivos de pacientes.
Desconectar-se do sistema não muda o paciente atual, mas impede maior acesso aos dados protegidos do
paciente.

Desconectar-se do sistema

Se não fizer a desconexão, o sistema o fará automaticamente quando o sistema for desligado ou após ter
ficado desativado pelo tempo mostrado em Auto Log Off na guia User Settings das configurações de Data
Security.

Alteração de senha

Se o recurso de segurança de dados estiver implementado no sistema, é preciso fazer a conexão para ter
acesso aos dados e imagens do paciente.
Assim que o administrador do sistema lhe fornecer a identidade de usuário e a senha para o sistema, essa
senha pode ser mudada, se necessário. As características da senha são definidas pelo administrador do
sistema.

Tela de imagem

A tela de imagem contém uma imagem de ultra-som, informações do exame e da imagem e indicadores (vide
Figura a seguir).
A área da imagem está localizada aproximadamente no centro da tela do monitor. À direita da própria
imagem estão uma escala de profundidade e uma curva representando as configurações TGC. À direita da
curva TGC está a lista de valores dos indicadores. Uma barra da escala cinza ou uma barra de cores é
exibida à direita da curva TGC. No modo M e Doppler, a tela de varredura aparece abaixo da imagem
bidimensional. Na extrema direita da tela há uma coluna dupla de miniaturas de imagens adquiridas.
Os dados dos pacientes e dos exames são exibidos na área diretamente acima da imagem de ultra-som. O
sistema não exibe dados de pacientes nessa área até que o exame seja iniciado. Esta área inclui também a
hora e a data atuais,o nome da instituição, o transdutor selecionado e a opção clínica, a configuração de TI e
os valores de TI e MI.
As informações de imagem são exibidas à esquerda da imagem. Em modos duplex ou triplex, também são
exibidas outras informações da imagem. Esses outros conjuntos de parâmetros podem ser exibidos abaixo do
conjunto inicial e à direita da imagem. A curva LGC é exibida à direita das informações da imagem.

Instruções de Uso 33
HD15
Operação do Equipamento

Elementos da tela de imagens

Uso de transdutores

O sistema pode ter até cinco módulos para conexões de pacientes. Desses cinco, um é comumente dedicado
às conexões de ECG/fisio e o outro a um conector fixo para exame de Doppler de onda contínua ou pulsante.
Com essa configuração o sistema pode ter até três conectores fixos para transdutores de imagem. O sistema
pode, entretanto, receber até cinco conectores fixos para transdutores de imagem.
O sistema pode incluir ranhuras para conexão de vários tipos de conectores de transdutores.
Todos os conectores podem estar ocupados ao mesmo tempo, mas apenas um transdutor pode estar ativo
no mesmo momento.
Quando o transdutor não está em uso, armazene-o em um dos suportes no módulo de controle. Use sempre
o sistema de controle de cabos para evitar que sejam pisados ou atropelados pelas rodas do carrinho.

Conexão dos transdutores

1. Coloque o transdutor em um dos suportes de cada lado do módulo de controle.


2. Pendure o cabo do transdutor no apoio do controle de cabos abaixo do módulo de controle.
3. Execute um destes procedimentos:
 Para um transdutor de matriz, insira o conector no conector fixo na parte da frente do sistema e gire a
alavanca de travamento no sentido horário.
 Para um transdutor de matriz, insira o conector no conector fixo na parte inferior da frente do sistema
e gire a alavanca de travamento no sentido horário.

Instruções de Uso 34
HD15
Operação do Equipamento

 Para exame Doppler, insira o conector no conector fixo na parte superior da frente do sistema até
engatar.
 Para exame Doppler, insira o conector no conector fixo na parte superior da frente do sistema até
engatar.

Seleção de transdutor

Quanto o sistema está ligado o sistema assume o transdutor de matriz conectado ao primeiro conector.
Durante a operação do sistema, pode-se selecionar entre transdutores de matriz e exame Doppler.
1. Pressione Transducer.
2. Na caixa de diálogo Transducer, selecione o transdutor.
3. Clique em OK.
4. Selecione a predefinição de opção clínica que deseja usar.

Seleção de predefinição de opção clínica

Durante a operação do sistema, pode-se selecionar a predefinição de opção clínica para o transdutor
selecionado. Não há necessidade de selecionar novamente a predefinição quando se conecta e seleciona um
transdutor diferente.
1. Pressione Preset.
2. Na caixa de diálogo Preset, selecione a predefinição.
3. Clique em OK.

Uso de ECG

O sistema pode exibir três traços de fisio, cada um representando uma entrada fisiológica. Essas entradas
podem incluir ECG de baixo nível, ECG de alto nível, sinais respiratórios, de pulso, de fono e auxiliares. (O
ECG de nível baixo se origina dos condutores conectados ao paciente; o ECG de nível alto se origina de
monitor do paciente ou outro equipamento semelhante) A freqüência cardíaca, derivada do sinal do ECG, é
exibida na tela sempre que o ECG estiver conectado e for exibido.
Para informações sobre o uso do ECG, consulte Ajuda no sistema. Para exibir Ajuda, pressione a tecla Help.

ATENÇÃO
O Fisio/ECG encontrado no Sistema de Ultra-som HD15, não é e não pode ser utilizado para fins de
diagnóstico e monitoração do eletrocardiograma (ECG). O Módulo Fisio/ECG não analisa os diversos
segmentos da onda de ECG, não imprime o ECG e nem armazena informações de ECG, que possam ser
utilizadas para diagnóstico ou monitoração de patologias cardíacas.
A finalidade exclusiva do módulo Fisio/ECG é a de sincronizar as imagens obtidas através do ultra-som com
o ciclo cardíaco do paciente.
Todos os dispositivos que entram em contato com o paciente, como transdutores, eletros devem ser
retirados do paciente antes da aplicação de um pulso de desfibrilação de alta tensão.

Instruções de Uso 35
HD15
Operação do Equipamento

Drives de DVD e USB

Além do disco rígido do sistema, pode-se armazenar dados de exame, imagens, relatórios estruturados,
predefinições e configurações do sistema em mídia removível com o uso de drive de DVD e porta USB. Pode-
se também gravar, restaurar e distribuir dados de configurações, inclusive predefinições e dados de
segurança de dados.
Para mais informações sobre aplicativos específicos do drive de DVD, consulte Ajuda no sistema. Para exibir
Ajuda, pressione a tecla Help.
Não é preciso formatar o disco antes de armazenar dados nele.

Drive de DVD
O sistema inclui drive de disco versátil digital (DVD), localizado na parte da frente do sistema. O drive é
compatível com discos DVD-R, DVD+R e CD-R (apenas gravação) e DVD-RW, DVD+RW e CD-RW
(regravável).

Porta USB
O sistema inclui porta USB na parte da frente do sistema. A porta é compatível com dispositivos de
armazenagem USB removíveis, como drives de memória Flash USB e drives de disco rígido USB.

CUIDADO
Use apenas dispositivos de armazenagem USB conformes com Classe B no sistema. Alguns dispositivos
USB não protegidos em invólucros plásticos podem provocar emissões de RF que ultrapassem os limites da
Classe B. Consulte a documentação sobre dispositivos para determinar se está conforme com Classe B.

Compatibilidade de mídia

As mídias DVD e CD estão disponíveis em alguns tipos. Nem todos os tipos de mídia são totalmente
compatíveis com o drive de DVD do sistema.

Mídia
A capacidade da mídia CD é de aproximadamente 700 MB; a capacidade da mídia DVD é de
aproximadamente 4,7 GB. A mídia DVD+RW pode ser apagada e usada novamente, enquanto as mídias
DVD+R e CD-R não podem ser apagadas.
Diversos estudos podem ser gravados em um disco, até o limite de sua capacidade. Isso inclui mover um
único DVD ou CD entre diferentes sistemas de ultra-som HD15 e gravar estudos de todos os sistemas no
disco. Para gravar diversos estudos em um disco, é preciso terminar o exame que acabou de gravar antes de
remover o disco.

Questões de compatibilidade
A tecnologia do DVD não está tão amadurecida e estável quanto a do CD e o desempenho e a
compatibilidade do DVD dependem de muitos fatores. Esses fatores incluem modelo do drive, tipo, formato,
velocidade e fornecedor da mídia, além do software de apoio.

Instruções de Uso 36
HD15
Operação do Equipamento

Carregamento e ejeção do disco

1. Para abrir a bandeja, pressione Eject no drive.


2. Coloque um disco na bandeja. Verifique se o disco está assentado adequadamente no recesso da
bandeja.
3. Para fechar a bandeja, pressione Eject no drive ou delicadamente empurre a bandeja até ela fechar.

Carregamento e remoção de dispositivo USB.

Para inserir um dispositivo de armazenagem USB, conecte o dispositivo na porta USB. Antes de remover o
dispositivo da porta, verifique antes se o sistema concluiu a gravação dos dados no dispositivo. Por exemplo,
se estiver fazendo cópia de segurança das configurações do sistema, verifique se foram concluídas.

Apagar um disco ou dispositivo de armazenagem USB

Apagar um disco regravável (DVD+RW, DVD-RW ou CD-RW) ou dispositivo de armazenagem USB apaga
todos os dados constantes nele e prepara-o para reutilização. Depois de apagar um disco ou dispositivo, sua
capacidade total volta a ficar disponível. Pode-se apagar um disco de única gravação (DVD+R, DVD-R ou
CD-R), mas a parte apagada não serve mais para armazenagem.

CUIDADO
Não se pode restaurar os dados depois de serem apagados de um disco.

 Para apagar os conteúdos de um CD, DVD ou dispositivo de armazenagem USB


1. Pressione Setup.
2. Na janela Setup, clique na guia Removable Media.
3. No menu Select Media, execute um dos seguintes procedimentos:
 Para apagar um CD ou DVD, selecione CD/DVD.
 Para apagar um dispositivo de armazenagem USB, selecione USB Storage.
4. Clique em Erase Media.
5. Clique em Yes para confirmar que deseja apagar a mídia.
6. Clique em OK quando o sistema indicar que os dados foram apagados.
7. Para fechar a janela Setup, clique em Close.

Instruções de Uso 37
HD15
Operação do Equipamento

Execução de exame
Esta seção o orienta sobre os procedimentos usados comumente na execução de exames de pacientes com
o sistema HD15. Esses procedimentos incluem a digitação de dados de paciente, aquisição, anotação e
análise de imagens além de medidas e cálculos. Esta seção cobrirá apenas exames bidimensionais.
Para informações detalhadas sobre os controles, os recursos e as tarefas mencionadas aqui, consulte Ajuda.
Para exibir Ajuda, pressione a tecla Help.

Início do exame

O exame é iniciado com a digitação dos dados do paciente no sistema. Existem duas formas de inserir dados
de paciente. Se o recurso lista de trabalho não estiver ativado ou não for usado no sistema, os dados do
paciente são digitados na tela Patient Data. Se o sistema estiver conectado a uma rede DICOM com o
recurso modality worklist ativado, seleciona-se um exame para carregar os dados do paciente, em vez de
digitar essas informações manualmente.
O sistema usa uma única identificação para cada paciente. Pode-se digitar a identificação ou fazer com que o
sistema crie uma automaticamente. Imagens de arquivo, gráficos de crescimento fetal e relatórios são
armazenados com base na identificação do paciente. Ao digitar as informações do paciente para iniciar um
exame, é preciso inserir pelo menos o sobrenome do paciente e o número do registro médico (MRN).

Inserção de dados do paciente

1. Pressione Patient.
2. Na tela Patient Identification, clique em New.
3. Digite pelo menos o número de registro (MRN) e o sobrenome do paciente, pressionando a tecla Tab
para se mover de um campo para o outro.
4. Quando terminar, clique em OK ou pressione novamente Patient Data.

Seleção na lista de trabalho

1. Pressione Patient.
2. Na tela Patient Identification, clique em Restart.
3. Na lista de trabalho, selecione o exame desejado.
4. Para carregar os dados deste paciente, clique em OK ou pressione novamente Patient Data.

Pesquisa na lista de trabalho

Se necessário, pode-se pesquisar um exame específico com o uso de Search na tela Search for Study.
1. Pressione Patient Data.
2. Na tela Patient Identification, clique em Restart.
3. Para a pesquisa de pacientes na lista de trabalho, digite qualquer dado do paciente nos campos de texto
correspondentes e clique em Search.
4. Para carregar dados desse paciente, clique em OK.

Instruções de Uso 38
HD15
Operação do Equipamento

Seleção de transdutor

Quanto o sistema está ligado, ele assume o transdutor conectado ao primeiro conector. Pode-se selecionar
entre os transdutores conectados durante a operação do sistema. A seleção do transdutor não muda a
predefinição selecionada. A seleção da predefinição é independente da seleção do transdutor.
1. Pressione Transdcr.
2. Na caixa de diálogo Transducer, selecione o transdutor.
3. Clique em OK.

Seleção de predefinição

Pode-se selecionar uma predefinição diferente sempre.


1. Pressione Preset.
2. Na caixa de diálogo Preset, selecione a opção clínica ou a predefinição específica de tecido.
3. Clique em OK.

Imagem

Todos os modos de imagem são acessíveis diretamente no painel de controle. O procedimento a seguir cobre
apenas exames bidimensionais, mas as etapas descritas aplicam-se a todos os modos de imagem principais.
1. Pressione 2D para voltar às imagens bidimensionais, se necessário. (O sistema se inicializa no modo
bidimensional, a menos que o único transdutor conectado seja um exame estático).
2. Gire 2D para mudar o ganho aplicado aos ecos bidimensionais. A configuração ganho aparece na tela
sob 2D depois do rótulo Gn.
3. Use o painel de controle para ajuste da profundidade, foco e zoom.
4. Use os controles de teclas programadas para otimização da imagem.
5. Para visualizar outras teclas programáveis, pressione Next.
6. Para retornar para imagens bidimensionais apenas de qualquer modo de imagem, pressione 2D.

Anotações e marcadores corporais

O recurso anotação permite incluir texto na tela digitando ou usando as teclas programáveis. O título de
exibição de imagem é um tipo específico de anotação que aparece em local fixo na parte superior da tela.
Pode-se incluir marcadores corporais na tela da caixa de diálogo marcadores corporais. O recurso anotação
está disponível em modos de aquisição ao vivo e em modos congelados. Durante a análise, o recurso
anotação fica disponível apenas para loops em formato de resolução total.

Instruções de Uso 39
HD15
Operação do Equipamento

Inclusão de anotação usando o teclado.

1. Para selecionar o local do texto, execute um destes procedimentos:


 Mova o cursor de texto usando as teclas de seta do teclado.
 Para selecionar a posição início, pule para a etapa seguinte.
2. Digite o texto que deseja exibir.
3. Pressione Enter no teclado.

Inclusão de anotação com teclas programáveis

1. Pressione a tecla programável Annot.


2. Use o trackball para posicionar o cursor de texto na tela ou pressione a tecla programável Home para
retornar ao início.
3. Execute um destes procedimentos:
 Para incluir texto, digite o texto que deseja que apareça na tela.
 Para mover o texto existente, clique no rótulo, posicione-o e depois clique para fixar a posição.
 Para exibir rótulos predefinidos que aparecem nas teclas programáveis, pressione a tecla
programável correspondente até a exibição do rótulo.
 Para exibir rótulos predefinidos de um menu, pressione a tecla programável Menu e depois clique em
um rótulo.
 Para exibir uma seta, pressione a tecla programável Arrow, posicione a seta usando o trackball e
depois clique para fixar a posição.
 Para girar uma seta, vire a tecla programável Rotate Arrow.
 Para apagar o texto durante a digitação, pressione a tecla Backspace.
 Para mover o cursor de texto para a posição início pressione a tecla programável Home.
 Para definir nova posição início, posicione o cursor e pressione a tecla programável Set Home.
 Para sair do modo anotação, pressione Text.
4. Para excluir um rótulo ou uma seta, pressione Text, selecione o rótulo ou a tecla, pressione Clear e
depois pressione Text para sair.
5. Para excluir todos os rótulos ou setas, pressione Text, pressione Clear e depois pressione Text para sair.

Exibição de marcadores corporais

1. Pressione Marker para exibir as teclas programáveis de marcadores corporais para o transdutor e
predefinição atuais.
2. Para exibir marcadores corporais com teclas programáveis, execute um dos seguintes procedimentos:
a. Para exibir o aplicativo desejado, gire a tecla programável aplicativo (o rótulo padrão para essa tecla
programável é Abdominal).
b. Para exibir o marcador desejado, gire a tecla programável marcador (o rótulo padrão para essa tecla
programável é Decubitus).

Instruções de Uso 40
HD15
Operação do Equipamento

3. Para exibir marcadores corporais do menu, execute um dos seguintes procedimentos:


a. Pressione a tecla programável View All para exibir o menu Select Body Marker para o transdutor e
predefinição atuais.
b. Se o aplicativo que estiver usando não for selecionado, clique na guia para selecioná-lo.
c. Clique no marcador corporal para exibi-lo na tela e feche o menu.
4. Use o trackball para posicionar o marcador corporal e depois clique para fixar a posição.
5. Use o trackball para posicionar o indicador de plano de varredura do transdutor no marcador corporal.
6. Gire a tecla programável Rotate Probe para mudar a orientação do indicador do transdutor.
7. Execute um destes procedimentos:
 Para mudar o tamanho do indicador do transdutor, gire Probe Size.
 Para mover o marcador corporal, clique nele, posicione o marcador usando o trackball e clique
novamente.
 Para mover o marcador corporal para a posição padrão, pressione Default Position.
 Para remover o marcador corporal, pressione a tecla programável Erase Marker.
8. Para fixar a posição do marcador corporal,

Gravação

Com o VCR opcional, pode-se gravar o exame e os comentários. O microfone precisa ser ligado antes da
gravação dos comentários.
 Para gravar ou reproduzir a gravação, pressione a tecla programável VCR e use um dos controles
seguintes na caixa de diálogo VCR ou no VCR:
 Play para reproduzir o vídeo em velocidade normal.
 Stop para parar a reprodução.

 Record para iniciar a gravação.

 Pause para parar temporariamente o movimento da fita.

 Rewind para rebobinar a fita de vídeo.

 Fast Forward para avançar a fita de vídeo.


 Eject para parar o modo de gravação atual e ejetar o videocassete.
 Para pesquisar a fita enquanto a reprodução está em pausa, mova o trackball para a esquerda ou a
direita.
 Para pesquisar um local da fita, pressione a tecla programável Search/Set Counter, selecione dígitos
(para horas, minutos ou segundos), digite um número no formato mostrado e clique em Search Tape.
 Para definir a contagem de reprodução, pressione a tecla programável Search/Set Counter, selecione
dígitos (para horas, minutos ou segundos), digite um número no formato mostrado e clique em Set
Counter.

 Para ligar e desligar o microfone, pressione a tecla Mic. O microfone está ligado quando aparece na
tela.

Instruções de Uso 41
HD15
Operação do Equipamento

Impressão

Pode-se imprimir imagens com a impressora em preto-e-branco ou colorida instalada no sistema. Se uma
impressora externa estiver conectada no sistema, pode-se usá-la também para imprimir. A interface do
sistema para impressão é consistente para toda a gama de dispositivos compatíveis.
1. Aquisição de imagem desejada.
2. Pressione Print1 ou Print2 no painel de controle do sistema.

Análise de exame

Durante ou depois de um exame, pode-se usar o modo análise para examinar e comparar as imagens
adquiridas no exame. Podem ser analisados, também, diversos exames para um paciente.
1. Pressione Review.
2. Execute um destes procedimentos:
 Para analisar apenas o exame atual, pule para etapa 3.
 Para analisar o exame atual e outros exames deste paciente, clique em [Patient Directory], clique em
Current Exam, selecione os outros exames e clique em Open Study.
 Se não houver exame em andamento, selecione uma fonte para Drive, selecione um ou mais
exames do paciente no diretório de pacientes e clique em Display Exams.
3. Para navegar em imagens e miniaturas, execute um destes procedimentos:
 Para visualizar imagens em miniatura, clique em Display Thumbnails.
 Clique nas teclas de seta para cima e para baixo no teclado para mover para cima e para baixo uma
ou duas imagens de cada vez por entre as miniaturas disponíveis.
 Arraste a barra de rolagem para se mover para cima e para baixo, rapidamente, entre as miniaturas
disponíveis.
 Gire Page para mover para trás ou para frente entre as imagens disponíveis, uma página de cada
vez.
 Para visualizar uma imagem em layout de resolução completa, clique duas vezes na miniatura. (Se a
imagem representa um conjunto de dados tridimensional, ela abre no modo de análise
tridimensional). Clique duas vezes na imagem de resolução completa para voltar para a tela de
análise.
 Para excluir as imagens do exame atual, selecione as imagens ou miniaturas exibidas e pressione a
tecla programável Clear.
 Para copiar o exame concluído, selecione o estudo na caixa de diálogo Search for Study, clique em
Export Studies, selecione o destino e clique em Start Export.
 Para copiar uma imagem ou clipe para DVD para visualização no PC, selecione a imagem, clique em
Export Studies, selecione o destino, clique em Configure This Export, selecione o PC e clique em
OK.
 Para imprimir todas as imagens de um exame concluído, clique em Send To, selecione a impressora
e clique em OK.
 Para imprimir as imagens exibidas, pressione Print.
 Para visualizar o relatório de análise de um exame, pressione Report.

Instruções de Uso 42
HD15
Operação do Equipamento

 Para escolher o layout da tela, clique em Layout para selecionar Multi-image ou Full Res.
 Para visualizar manualmente a seqüência de Cineloop, pressione Freeze, pressione Pointer e depois
mova o trackball pela seqüência.
4. Para encerrar a análise, pressione Review.

Aquisição de imagens

Pode-se adquirir quadros individuais, loops ou seqüências de Cineloop. A imagem adquirida é gravada no
estudo do paciente e sua miniatura fica disponível na tela de imagem ao vivo e na tela Review Exam. As
imagens são exportadas automaticamente na rede quando se adquire ou quando se imprime a imagem ou
quando se termina um exame, dependendo da seleção para Send Images/Clips na guia Printer/Capture
nas configurações Print/Network.

Captação de uma imagem

Pressione Freeze e depois pressione Print1 ou Print2.

Captação de seqüência de Cineloop

Pressione Acquire na imagem ao vivo ou durante a análise da seqüência de Cineloop. A captação durante o
exame por imagem ao vivo grava quadros prospectivos e retrospectivos, conforme especificado em Live
Capture Type as configurações. A captação durante a análise da seqüência de Cineloop grava todos os
quadros retrospectivos na seqüência de Cineloop.

NOTAS
 Quando uma imagem é adquirida, ouve-se um bip para confirmar que o loop ou a imagem foram
gravados no estudo do paciente. Não pressione Review até ouvir o bip.
 Se pressionar Acquire em modo não simultâneo enquanto o modo M ao vivo ou o traço Doppler estão
ativos, adquire-se a seqüência de Cineloop. Se pressionar Acquire em modo simultâneo, adquire-se
uma única imagem.

Medidas

Pode-se fazer medidas simples sem rótulo, pressionando Caliper. Além dessas, pode-se fazer medidas
rotuladas na tela Analysis, exibida pressionando-se a tecla programável Analysis. Todas as medidas podem
ser feitas nas imagens congeladas e diversas podem ser feitas nas imagens ao vivo. O local padrão dos
resultados de medidas exibidas é o canto inferior esquerdo da tela. Mais informações sobre medições estão
disponíveis na Ajuda do sistema.

NOTA
Siga as práticas médicas atuais para identificar pontos específicos de medidas em uma imagem.

Instruções de Uso 43
HD15
Operação do Equipamento

Execução de medidas de distância não rotuladas

1. Obtenha a imagem desejada e pressione Freeze.


2. Pressione Caliper e posicione o primeiro calibrador.
3. Pressione Select e posicione o segundo calibrador.
4. Clique em End Measure ou pressione Select.

Execução de medidas rotuladas

1. Obtenha a imagem desejada e pressione Freeze.


2. Pressione a tecla programável Analysis.
3. Clique no rótulo coleção na tela de análise.
4. Clique no rótulo de grupo se for necessário um conjunto de medidas associadas.
5. Clique no rótulo de medida e posicione o primeiro calibrador.
6. Pressione Select e posicione o segundo calibrador.
7. Pressione Select.
8. Para retomar a varredura, pressione Freeze.

Cálculos

Os cálculos são organizados em coleções para os aplicativos incluídos no sistema. O sistema usa valores de
medidas para fazer cálculos e criar o relatório do paciente. Para mais informações sobre o uso de cálculos,
consulte Ajuda no sistema.
Os cálculos no sistema são baseados em referência médicas, que estão listadas na seção “Referências” no
menu de Ajuda.

Uso de pacote de cálculos

1. Obtenha a imagem e pressione Freeze.


2. Pressione a tecla programável Analysis para exibir os controles de coleções, grupos e medidas na tela
de análise.
3. Clique nos controles de coleção, de grupo e de medida.
4. Faça a medida.
5. Clique em End Measure ou pressione Select, se necessário, para concluir a medida. O resultado da
medida aparece abaixo do rótulo medida.
6. Para exibir o relatório do paciente, pressione Report. Para editar o relatório, clique em Edit Report, faça
as alterações e clique em Close Report para gravar as mudanças.
7. Para fechar Analysis, clique em Image ou outro controle na tela de análise.

Instruções de Uso 44
HD15
Operação do Equipamento

Conclusão do exame

Quando se termina um exame, é preciso encerrá-lo para fechar os arquivos, concluir as transferências de
dados e limpar os dados do paciente na preparação do exame seguinte.

AVISO
Deixar de encerrar o exame atual antes de iniciar um novo pode resultar em dados sendo adquiridos e
armazenados sob nome errado de paciente.

Quando o exame estiver concluído, execute um dos seguintes procedimentos:


 Pressione End Exam.
 Clique em End Exam na tela Patient Data.

Instruções de Uso 45
HD15
Operação do Equipamento

Utilização do transdutor transesofágico TEE

A Philips recomenda que você se familiarize com os controles e as partes do transdutor TEE (vide Figura
abaixo) antes de usá-lo em um exame..

Partes do transdutor TEE

Sobre os controles de deflexão do TEE

Os controles de deflexão e a trava do TEE são exibidos a seguir.


O controle giratório maior interno controla o movimento anterior/ posterior, enquanto o controle giratório
menor externo controla o movimento médio/ lateral. Para colocar a ponta do transdutor TEE na posição
neutra, alinhe as nervuras em cada controle giratório com o centro dos botões de rotação do conjunto.
Os botões podem ser controlados por uma trava de detenção que mantém a posição da ponta sem travá-la
na posição. Isso permite que a ponta endireite, caso encontre resistência adicional. Quando o acionador da
trava de detenção é girado para a direita (como mostrado), os dois botões ficam no modo de rotação livre.
Quando o acionador da trava de detenção fica centralizado, o botão pequeno (movimento médio/ lateral) fica
no modo de detenção e quando o acionador é girado para a esquerda, os dois botões ficam no modo de
detenção.
Durante a inserção, empregue detenção média/ lateral para limitar o movimento ou use o modo de rotação
livre (sem deflexão e sem resistência da trava) para evitar acidentes com o paciente.

Instruções de Uso 46
HD15
Operação do Equipamento

Controles de deflexão e trava

Como manipular a ponta do TEE

Revise as mensagens de aviso e cuidado em “Segurança do paciente durante exames de TEE” e


“Fundamentos do controle de deflexão de TEE” antes de usar o transdutor em um exame.
1. Gire o acionador da trava de detenção totalmente no sentido horário para colocar os botões no modo de
rotação livre (vide Figura a seguir).
2. Gire o botão pequeno para inclinar a ponta no plano anterior/ posterior.
3. Gire o botão pequeno para inclinar a ponta no plano médio/ lateral.
4. Assim que a ponta ficar corretamente posicionada, realize um dos seguintes procedimentos:
 Gire o acionador da trava de detenção totalmente no sentido horário para colocar os botões no modo
de detenção.
 Centralize o acionador da trava de detenção para colocar o botão pequeno (movimento médio/lateral)
no modo de detenção.

Instruções de Uso 47
HD15
Operação do Equipamento

Controles de deflexão e trava

Rotação do conjunto de TEE

É possível girar o conjunto do transdutor TEE para atingir uma visualização de 360 graus do coração. Utilize
os botões de rotação do conjunto no mecanismo de controle do transdutor para girar o conjunto. A rotação
pára quando o botão é liberado.
Um ícone mostra o grau de rotação atual. Dependendo da orientação da imagem, o ícone aparece na parte
superior ou inferior do monitor. Como o centro do conjunto é o pivô, você pode conseguir uma visualização de
360 graus (Vide Figura a seguir).
Para girar o conjunto do transdutor TEE, execute um destes procedimentos:
 Pressione o botão de rotação do conjunto distal do sistema para girar o plano de imagem em 180 graus.
 Pressione o botão de rotação do conjunto próximo ao sistema para girar o plano de imagem em 0 grau.

Instruções de Uso 48
HD15
Operação do Equipamento

Rotação do conjunto do transdutor TEE

Calibragem do transdutor TEE

Antes de conectar o transdutor TEE, verifique se a ponta e o tubo estão retos. Ao travar o conector no
conector do transdutor, o transdutor TEE calibra o conjunto na posição 0° (plano horizontal). Assim como
qualquer movimento de conjunto, o motor emite som de zunido enquanto se calibra.

NOTA
Não gire os botões de controle enquanto a calibração estiver em andamento.

Se a mensagem “Calibration failed” for exibida no monitor, não será possível realizar um exame usando o
transdutor. Execute o procedimento a seguir se essa mensagem aparecer.
1. Verifique se o tubo e a ponta do transdutor estão retos (os indicadores de posição neutra devem estar
alinhados com os botões de rotação do conjunto).
2. Gire a alavanca de travamento no conector do transdutor no sentido anti-horário e retire o conector do
conector.
3. Recoloque o conector no conector e gire a alavanca de travamento no sentido horário.
4. Selecione o transdutor e a predefinição.
5. Se ainda assim a mensagem aparecer, entre em contato com o representante de serviços Philips.

Instruções de Uso 49
HD15
Operação do Equipamento

Utilização dos transdutores intra-operatórios

Preparação dos transdutores para Uso intra-operatório

 Para preparar um transdutor para utilização em aplicações de imagens intra-operatórias


1. Coloque 20cc de gel estéril ou de solução salina dentro da capa.
2. Inspecione cuidadosamente cada capa do transdutor antes de sua utilização e descarte se encontrar
rupturas ou defeitos. Inspecione também toda capa após sua utilização. Se perceber alguma ruptura, o
paciente ou o transdutor podem ter sido contaminados.
3. Insira o transdutor na capa e desenrole-a até cobrir o transdutor e o cabo. A capa deve estar desenrolada
o suficiente para manter o campo estéril.
4. Utilize um cordão elástico ou um grampo para manter a extremidade proximal da capa no lugar.
5. Garanta o mínimo de rugas e bolhas sobre a face do transdutor. Verifique se a capa apresenta rupturas
ou danos antes de prosseguir.
6. Ao operar o transdutor, mantenha a orientação adequada para evitar uma interpretação confusa.

NOTAS
 Confira se a superfície de aquisição de imagens está úmida, para que haja um bom contato acústico.
 As imagens são melhores quando há um acoplamento adequado entre a superfície do paciente e a
superfície da capa do transdutor. Água esterilizada funciona como um bom agente de acoplamento
acústico durante a cirurgia.

Capas descartáveis
Se achar que pode ocorrer contaminação do sistema de imagem durante o exame, a Philips recomenda
tomar precauções gerais e cobrir o sistema de ultra-som com uma capa descartável. Consulte as regras do
hospital quanto à utilização de equipamento em presença de doença infecciosa.

Instruções de Uso 50
HD15
Operação do Equipamento

Utilização dos transdutores de endocavidade

Planos de imagens do transdutor

O transdutor BP10-5ec utiliza duas matrizes para produzir uma imagem em um dos dois planos de
intersecção perpendiculares: a transversal (ativa por padrão) ou a sagital. O botão de seleção de imagem no
mecanismo de controle do transdutor permite a seleção de um dos planos de imagens. O sistema exibe um
ícone na parte inferior da imagem que indica o plano ativo. O BP10-5ec não oferece imagem dupla ao vivo
das duas matrizes.

Ícones do indicador de plano

Ícone do indicador sagital

Ícone do indicador transversal

É possível optar por exibir um marcador de intersecção de plano que indica a intersecção dos dois planos e
ajuda a localizar objetos que aparecem em um plano durante a troca para outro plano.

Biópsia com transdutores de endocavidade


O transdutor BP10-5ec é indicado para realizar biópsia. Se utilizar o recurso Guia de biópsia do sistema para
exibir as instruções sobre a imagem, essas instruções aparecerão no plano recém-selecionado na troca entre
os planos. (Para obter mais informações sobre o recurso Guia de biópsia, consulte a Ajuda.)

Troca de planos de imagens


 Pressione a extremidade da sonda do botão no mecanismo de controle do transdutor para exibir o plano
sagital. Pressione a extremidade do cabo do botão no mecanismo de controle do transdutor para exibir o
plano transversal.
 Para exibir os dois planos, pressione Dual no sistema. Embora seja possível exibir os dois planos,
somente um pode ficar ativo. Para obter mais informações sobre o Dual Imaging, consulte a Ajuda.

Como exibir ou ocultar o marcador de intersecção do plano


Pressione Next, em seguida, a tecla programável Biplane Mark. (Por padrão, o marcador fica oculto.)

Instruções de Uso 51
HD15
Operação do Equipamento

Utilização de Guias de biópsia

Fixação e remoção de guia de biópsia

As informações detalhadas sobre a fixação e a remoção dos guias de biópsia são fornecidas com os kits
iniciação, guias e suportes de biópsia.

AVISOS
 Inspecione todos os componentes e o transdutor. Verifique se o guia de biópsia usado é o correto para
o transdutor, o sistema e o software do sistema. O representante do serviço de atendimento ao cliente
da Philips pode obter essas informações.
 Use apenas guias, suportes, suprimentos, componentes e acessórios de biópsia aprovados pela Philips.
Outras marcas podem não ser adequadas para os transdutores da Philips. Instalação inadequada pode
resultar em desconforto para o paciente.
 Algumas guias de biópsia devem ser instalados sobre a tampa estéril do transdutor. Consulte as
instruções fornecidas com o guia de biópsia.
 Após uso, os guias de biópsia devem ser esterilizados ou descartados, dependendo do tipo. Consulte
as instruções incluídas com o guia de biópsia.
 A maioria dos transdutores só pode ser desinfetada; não podem ser esterilizados. Apenas a tampa do
transdutor apresenta a barreira estéril.

Uso da Tela da linha-guia da biópsia

AVISO
Não use o guia de biópsia antes de ler as instruções para escolha da tela, instalação da tampa estéril do
transdutor e verificação do alinhamento do guia da biópsia.

O sistema gera uma linha-guia da biópsia por meio de imagem de ultra-som exibida em tempo real para
indicar o caminho antecipado da agulha. Essa linha-guia pode ser usada para determinar se a agulha ou o
instrumento está percorrendo o caminho correto.
Quando a tela de biópsia está ativa, a linha-guia é exibida no lado esquerdo da tela, durante a apresentação
normal da imagem, e no lado direito, quando a apresentação da imagem é revertida. A apresentação da
imagem é definida pela localização do marcador de orientação.
Quando a profundidade é alterada, a tela de biópsia é redesenhada para refletir os novos relacionamentos na
nova situação de profundidade.

Mostrar ou ocultar a linha-guia da biópsia


1. Pressione Next e depois pressione a tecla programável Biopsy. É exibida a linha-guia da biópsia (vide
Figura a seguir).
2. Se estiver usando guia de biópsia com vários caminhos de agulha, pressione o controle (por exemplo,
Angle A, Angle B, e assim por diante) que corresponda ao caminho que passará a usar.
3. Para ocultar o guia de biópsia, pressione novamente a tecla programável Biopsy.

Instruções de Uso 52
HD15
Operação do Equipamento

Linhas-guia de biópsia

Movimento do cursor de profundidade da biópsia


Girar o trackball para mover o cursor de profundidade ao longo da linha-guia. O valor da medida Biopsy
Depth se altera para refletir a distância entre a origem do ponto de referência do guia de biópsia e o cursor de
profundidade.

Verificação do Alinhamento do guia de biópsia

Execução da verificação do alinhamento antes de usar o guia de biópsia. O procedimento verifica os


relacionamentos do sistema, do transdutor e do guia de biópsia.

AVISOS
 A verificação do alinhamento é necessária antes da execução dos procedimentos com o guia de
biópsia.
 Não use o guia de biópsia se a agulha não estiver percorrendo o caminho pretendido.
 A agulha usada para essa verificação do alinhamento não deve ser usada para o procedimento real.
Use sempre uma agulha nova e estéril para cada procedimento de biópsia.
 Para auxiliar na projeção precisa da agulha, use uma agulha reta e nova para cada procedimento de
alinhamento.

Não use o guia de biópsia se a agulha não estiver percorrendo o caminho indicado. Contate o representante
do serviço de atendimento ao cliente da Philips.

Instruções de Uso 53
HD15
Operação do Equipamento

Os seguintes itens são necessários para a verificação do alinhamento:


 Transdutor
 Guia ou suporte de biópsia (O suporte não é descartável. O tipo de suporte a ser usado depende do
transdutor utilizado.)
 Guia de agulha.
 Kit de procedimento estéril (descartável)
 Agulha de biópsia nova e reta
 Béquer de água (ou banho de água)

 Para verificar o alinhamento do guia de biópsia


1. Fixe o guia de biópsia. Embora alguns transdutores exijam o uso de uma segunda tampa de transdutor
para procedimentos de biópsia, a segunda tampa de transdutor é desnecessária para a verificação do
alinhamento.
2. Conecte o transdutor ao sistema e selecione a opção clínica adequada e predefina.
3. Defina a profundidade do sistema para o procedimento a ser executado.
4. Exiba a linha-guia da biópsia conforme descrito em “Uso da Tela da linha-guia da biópsia” na página
anterior.
5. Sem mudar a posição do cursor de profundidade da biópsia, observe a profundidade padrão exibida na
parte inferior da tela.
6. Mergulhe o transdutor em até 6 mm no banho de água (Vide Figura abaixo).

Imersão do transdutor

7. Inserir uma agulha reta e nova no guia de biópsia.


8. Mova a agulha para baixo no banho de água até que a imagem do ultra-som esteja visível na tela do
vídeo.

Instruções de Uso 54
HD15
Operação do Equipamento

AVISO
Se a agulha penetrar do lado inesperado da tela ou não puder ser vista, verifique se o guia de biópsia está
montado corretamente no transdutor e se a orientação do transdutor está correta. Se a agulha ainda assim
não está percorrendo o caminho esperado ao longo da linha-guia, não use o guia de biópsia. Contate o
representante do serviço de atendimento ao cliente da Philips.

9. Verifique se a agulha, como é vista na tela do vídeo, acompanha a linha-guia por toda a profundidade da
exibição da linha-guia. A linha-guia da biópsia tem por fim apenas oferecer uma indicação do caminho
esperado da agulha. A posição real deve ser verificada com a identificação dos ecos da agulha.
10. Remova a agulha do guia de biópsia.
11. A partir da ponta da agulha, meça a distância igual ao valor da Biopsy Depth observado em etapa 5.
Assinale esse ponto na agulha.
12. Mergulhe o transdutor em até 6 mm no banho de água.
13. Insira a agulha no canal do guia que corresponda ao tamanho da agulha e no ângulo selecionado.
Continue a empurrar a agulha até que o sinal nela fique alinhado com a origem do guia de biópsia (vide
Figura a seguir). (A origem é o ponto no qual a agulha penetra no guia de biópsia).
14. Mova o cursor de profundidade da biópsia até a ponta da agulha, como visto na tela, e verifique se a
profundidade exibida está dentro de 0,40 cm do valor observado em etapa 5.
15. Confirme se a agulha está visível ao longo do caminho esperado. Se estiver, então o guia de biópsia está
alinhado adequadamente.

Exemplo de relacionamentos entre profundidade e distância: Transdutor e Guia de biópsia

Instruções de Uso 55
HD15
Operação do Equipamento

Procedimento de biópsia

AVISOS
 A verificação do alinhamento deve ser executada na profundidade selecionada antes do procedimento
de biópsia para assegurar que o guia de biópsia e a agulha estejam adequadamente instalados.
 Use uma agulha nova e reta para cada procedimento.
 A linha-guia da biópsia apenas oferece uma indicação do caminho esperado da agulha. A posição real
deve ser verificada com a identificação dos ecos da agulha.
 Se a agulha não estiver percorrendo o caminho esperado, interrompa o procedimento e contate o
representante do serviço de atendimento ao cliente da Philips.
 As agulhas finas podem entortar quando penetram no tecido. A posição real deve ser verificada com a
identificação dos ecos da agulha.
 A reverberação ou outros artefatos do tecido podem produzir imagens falsas da agulha, o que pode
causar confusão na localização da imagem real da agulha. Verifique se o caminho da agulha se dá ao
longo da linha-guia e se você não está usando uma imagem falsa da agulha para localizar a agulha.
 A Philips não recomenda pesquisa anatômica da próstata com o guia de biópsia fixado.

 Execução de procedimento de biópsia com a tela de biópsia


1. Instale a tampa do transdutor e o guia de biópsia de acordo com as instruções fornecidas com o guia de
biópsia.
2. Defina os controles de imagem do sistema para o procedimento de biópsia.
3. Pressione Next e depois pressione a tecla programável Biopsy.
4. Se estiver usando guia de biópsia com diversos caminhos de agulha, pressione a tecla programável
Biopsy para selecionar o ângulo que corresponda ao caminho que passará a usar (A, B, etc.).
5. Oriente o transdutor para coincidir com a apresentação da imagem. Use o marcador de orientação do
plano de varredura bidimensional.
6. Se necessário, aplique gel de acoplamento acústico estéril no paciente.
7. Comece a varredura do paciente. Posicione o transdutor de modo que o alvo de furo seja interceptado
pela linha-guia exibida na tela.
8. Execute um destes procedimentos:
 Para guias com um único ângulo, insira a agulha na ranhura do guia de agulha mais próxima do
transdutor.
 Para guias com diversos ângulos, insira a agulha na ranhura do guia de agulha que corresponda ao
ângulo selecionado em etapa 4.
9. Execute o furo deslizando a agulha pela ranhura no guia até que ela, conforme mostrado na tela,
intercepte o alvo.
10. Se estiver usando o kit de procedimentos e apoio do guia de biópsia, o transdutor pode ser removido do
paciente enquanto a agulha ainda estiver inserida no paciente: Separe a agulha do guia de biópsia
puxando a argola para cima de modo que o pino se desencaixe do guia de agulha (vide Figura a seguir).
11. Remova o guia de biópsia após o uso, conforme descrito nas instruções que acompanham o apoio ou
guia de biópsia.

Instruções de Uso 56
HD15
Operação do Equipamento

Exemplo de liberação da agulha

Manutenção do guia de biópsia

Observe os seguintes avisos e advertências na manutenção dos guias de biópsia.

AVISO
Os componentes do kit de procedimentos são descartáveis e não devem ser reutilizados.

CUIDADO
Antes da limpeza, desinfecção ou esterilização do guia de biópsia ou da cunha de transição, consulte a
seção “Limpeza e Desinfecção” deste manual.

Consulte as instruções fornecidas com o guia de biópsia para procedimentos sobre limpeza, desinfecção e
esterilização do guia de biópsia.

Instruções de Uso 57
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

6. PRECAUÇÕES, RESTRIÇÕES E ADVERTÊNCIAS

Precauções Básicas
Leia estas informações antes de usar o sistema de ultra-som. Elas são aplicadas ao sistema de ultra-
som, transdutores, dispositivos de gravação e equipamentos opcionais. Esta seção trata somente das
informações gerais de segurança. As informações de segurança que são aplicadas somente a uma tarefa
específica, são incluídas no procedimento da referida tarefa. Este dispositivo deve ser usado por, ou por
ordem de, e sob a supervisão de um médico qualificado licenciado para conduzir o uso do dispositivo.

CUIDADO
Os cuidados realçam os modos pelos quais o sistema de ultra-som pode ser danificado e que, por
conseqüência, podem anular sua garantia ou contrato de serviço.

AVISO
Os avisos destacam informações vitais à sua segurança como operador e à segurança do paciente.

Segurança elétrica

Este equipamento foi verificado por uma agência de teste terceirizada- como um dispositivo da Classe I com
partes aplicadas ao paciente isoladas do Tipo BF e CF e partes aplicadas ao paciente não isoladas do Tipo B.
(Os padrões de segurança atendidos por este sistema estão incluídos na seção "Especificações" da Ajuda).
Para obter segurança máxima observe estes avisos:

AVISOS
 Pode existir risco de Choque elétrico se este sistema, incluindo todos os dispositivos de monitoramento
e gravação montados externamente, não for aterrado adequadamente. A proteção contra choque
elétrico é fornecida através do aterramento da armação com um plugue e cabo de três fios. O sistema
deve ser ligado em uma tomada aterrada. A fiação de aterramento não deve ser removida ou anulada.
 Como os transdutores do Tipo B e do Tipo BF têm uma corrente de fuga inerente mais alta, esses
transdutores não são destinados para aplicação cardíaca direta.
 Não retire as capas de proteção do sistema; há tensões perigosas dentro do sistema. Os painéis do
gabinete devem ficar na posição enquanto o sistema estiver em uso. Todos os ajustes internos e
substituições devem ser feitos por um engenheiro de serviço de campo da Philips.
 Não opere o sistema na presença de anestésicos ou gases inflamáveis. Pode haver explosão.
 Para evitar o risco de choques elétricos, sempre inspecione o transdutor antes do uso: Verifique a face,
o alojamento e o cabo antes do uso. Não use se a face estiver rachada, lascada ou rasgada; o
alojamento estiver danificado ou o cabo estiver desgastado.
 Para evitar risco de choques elétricos, sempre desative o sistema e desconecte-o da tomada, antes de
limpá-lo.
 Todos os dispositivos de contato do paciente, como transdutores, sondas e condutores de ECG devem
ser removidos do paciente antes da aplicação de pulso de desfibrilação de alta voltagem.

Instruções de Uso 58
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

AVISOS
 Durante os procedimentos de TEE, remova o transdutor de TEE do paciente ou desconecte o transdutor
de TEE do sistema, imediatamente após a obtenção da imagem.
 Em operação normal, o equipamento de ultra-som, assim como outros equipamentos eletrônicos de
diagnóstico médico, utilizam sinais elétricos de alta freqüência que podem interferir no funcionamento
de marca-passos. Embora a possibilidade de interferência seja pequena, esteja alerta a este risco
potencial e interrompa imediatamente a operação do sistema se notar interferência no marca-passo.
 A conexão de dispositivos opcionais não fornecidos pela Philips pode resultar em choque elétrico.
Quando tais dispositivos opcionais forem conectados ao sistema de ultra-som, certifique-se de que a
corrente de fuga de aterramento total do sistema não exceda 300 μA.
 Para evitar riscos de choque elétrico, não use nenhum transdutor que tenha sido imerso além do nível
de desinfecção ou limpeza especificado.
 Para evitar riscos de choque elétrico e incêndio, inspecione regularmente o cabo de alimentação e o
plugue do sistema e dos dispositivos periféricos, conforme aplicável. Certifique-se de que eles não
estão danificados.
 Ao utilizar equipamento periférico adicional alimentado por uma fonte de alimentação diferente da do
sistema de ultra-som, a combinação é considerada como um sistema médico. É sua responsabilidade
estar em conformidade com a norma IEC 60601-1-1 e testar o sistema segundo esses requisitos. Se
tiver dúvidas, entre em contato com o representante Philips.
 Não utilize periféricos que não sejam médicos, como impressoras de relatório, a uma distância de 1,5 m
do paciente, a menos que esses periféricos recebam energia de uma tomada isolada no sistema de
ultra-som Philips ou de um transformador de isolamento que atenda aos padrões de segurança médica,
conforme definido pela norma IEC 60601-1-1.
 Partes aplicadas ao paciente e ao sistema que atendem ao padrão IEC. As tensões aplicadas que
excedem o padrão, embora improvável, podem resultar em choque elétrico ao paciente ou ao operador.
 A operação do sistema com sinais de entrada physio que estão abaixo dos níveis mínimos
especificados pode causar resultados imprecisos. Consulte a seção "Especificações" da Ajuda.

CUIDADO
Embora seu sistema tenha sido fabricado de acordo com os requisitos de EMI/ EMC existentes, o uso deste
sistema na presença de um campo eletromagnético pode provocar degradação momentânea da imagem de
ultra-som. Em caso de interferência contínua ou intermitente, tenha cuidado ao continuar a utilizar o
sistema. Se ocorrer interferência com freqüência, será necessário examinar o ambiente em que o sistema
está sendo utilizado para identificar possíveis fontes de emissões irradiadas. Essas emissões podem ser
originadas de outros dispositivos elétricos usados na mesma sala ou de uma sala próxima. Os dispositivos
de comunicação, como telefones celulares e pagers podem causar essas emissões. A existência de
equipamentos de transmissão de rádio, TV ou microondas instalados nas proximidades pode causar
emissões. Nos casos em que a interferência eletromagnética (EMI) estiver provocando distúrbios, pode ser
necessário reposicionar o sistema. A utilização de acessórios, transdutores ou cabos diferentes dos
especificados para o sistema pode resultar em aumento de emissões ou diminuição da imunidade do
sistema.

Instruções de Uso 59
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

CUIDADOS
 Unidades eletrocirúrgicas (ESUs) e outros dispositivos introduzem, intencionalmente, campos
eletromagnéticos ou correntes de radiofreqüência nos pacientes. Uma vez que as freqüências de ultra-
som para geração de imagens encontram-se, coincidentemente, no intervalo de radiofreqüência, os
circuitos do transdutor de ultra-som estão suscetíveis à interferência de radiofreqüência. Enquanto uma
ESU estiver em uso, um ruído alto interferirá na imagem em preto-e-branco e obliterará completamente
a imagem colorida. Falhas simultâneas em uma ESU ou em outros dispositivos e na camada externa do
tubo do transdutor de TEE podem fazer com que correntes eletrocirúrgicas retornem para os condutores
do transdutor. Isso pode causar queimaduras no paciente e o sistema de ultra-som e o transdutor
também podem ser danificados. Esteja ciente de que a capa de transdutor descartável não oferece
isolamento elétrico de proteção nas freqüências da ESU.
 Para obter informações sobre emissões e imunidade eletromagnéticas, conforme aplicáveis ao sistema,
consulte “Compatibilidade eletromagnética”. O ambiente operacional do sistema deve atender às
condições especificadas nas informações mencionadas. Operar o sistema em um ambiente operacional
que não atenda a essas condições poderá diminuir o desempenho do sistema.

Desfibriladores

Tome os seguintes cuidados ao utilizar o transdutor quando uma desfibrilação for necessária.

AVISOS
 Antes de iniciar uma desfibrilação, sempre remova o transdutor do paciente.
 Antes de iniciar uma desfibrilação, sempre desconecte o transdutor do sistema.
 Lembre-se de que uma capa descartável de transdutor não oferece isolamento elétrico contra
desfibrilação.
 Um pequeno furo na camada externa do transdutor abre um caminho condutor para peças de metal
aterradas do transdutor. A possível formação de um arco elétrico secundário durante a desfibrilação
pode causar queimaduras ao paciente. O risco de queimaduras pode ser reduzido, mas não eliminado,
com a utilização de um desfibrilador não aterrado.

Utilize desfibriladores que não tenham circuitos de paciente aterrados. Consulte o guia de manutenção do
desfibrilador ou um engenheiro biomédico para determinar se o circuito de paciente de um desfibrilador é
aterrado.

Marca-passos

Em operação normal, o equipamento de ultra-som Philips, assim como outros equipamentos de diagnóstico
médico, utiliza sinais elétricos de alta freqüência que podem interferir no funcionamento de marca-passos.
Embora a possibilidade de interferência seja pequena, esteja alerta a este risco potencial e interrompa
imediatamente a operação do sistema se notar interferência no marca-passo.

Instruções de Uso 60
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Equipamento cirúrgico de alta freqüência

AVISO
Para evitar o risco de queimaduras, não use o transdutor com o equipamento cirúrgico de alta freqüência.
Pode haver um risco de queimadura, caso haja um defeito na conexão de eletrodo neutro cirúrgico de alta
freqüência.

Segurança mecânica

AVISOS
 Não esqueça das rodas, principalmente ao mover o sistema. O sistema pode provocar ferimentos em
você ou em outras pessoas, caso passe em cima de seus pés ou pernas. Tenha cuidado ao subir ou
descer rampas.
 Ao tentar ultrapassar um obstáculo, não empurre o sistema de qualquer um dos lados com força
excessiva, pois isso pode fazer com que o sistema tombe.
 Coloque os dispositivos de cópia externa fora do sistema. Certifique-se de que eles estão seguros. Não
tente empilhá-los no carrinho do sistema.
 Nunca estacione o sistema em uma rampa inclinada.
 Os freios são indicados por conveniência. Para aumentar a segurança do carrinho, use calços nas
rodas quando o sistema estiver parado.
 Se o sistema não funcionar normalmente após a movimentação ou o transporte, entre em contato com o
Atendimento ao cliente da Philips imediatamente. Os componentes do sistema podem suportar colisões,
mas colisões em excesso podem provocar falha no sistema.
 Antes de mover o sistema, certifique-se de que o monitor está travado. O monitor pode ser danificado
se estiver aberto durante o transporte.

CUIDADOS
 Certifique-se de que os cabos de todas as partes aplicadas ao paciente estão seguros, antes de mover
o sistema. Use o sistema de gerenciamento de cabos para certificar-se de que os cabos do transdutor
estão protegidos contra danos.
 Não mova o sistema sobre cabos do transdutor ou cabos de energia.

Proteção do equipamento

Siga estas precauções para proteger o sistema;

CUIDADOS
 Dobras ou trançados excessivos de cabos em partes aplicadas ao paciente podem causar falha ou
operação intermitente do sistema. Tome cuidado para não atropelar os cabos do sistema, pois isso
pode danificá-los.

Instruções de Uso 61
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

CUIDADOS
 A limpeza ou esterilização inadequada de uma parte aplicada ao paciente pode provocar dano
permanente. Para obter instruções sobre desinfecção e limpeza, consulte a seção “Limpeza e
Desinfecção”.
 Não submerja os cabos das partes aplicadas ao paciente na solução. Os cabos não são resistentes a
líquidos nem a parte/ cabo aplicado ou interfaces do cabo/ conector.
 Não use solventes como, tíner ou benzina ou limpadores abrasivos no sistema, nos transdutores ou nos
dispositivos de cópia.
 Para o desempenho ideal, seu sistema de ultra-som deve ser conectado a um circuito dedicado
exclusivamente ao sistema de ultra-som. Nenhum dispositivo de suporte à vida deve ser conectado ao
mesmo circuito que o sistema de ultra-som.
 Se os sistemas, transdutores e periféricos estiverem em um ambiente de 10°C (50°F) ou menos, deixe
que eles atinjam a temperatura da sala antes de conectá-los ou ativá-los. A Philips recomenda deixar
durante 24 horas para que ocorra uma normalização completa. Caso contrário, a condensação dentro
dos dispositivos pode causar danos.

Símbolos

A International Electrotechnical Commission estabeleceu um conjunto de símbolos para equipamentos


eletrônicos médicos que classificam uma conexão ou aviso de riscos potenciais. As classificações e símbolos
são mostrados a seguir:

Ligação isolada do paciente. (Tipo BF)

Ligação isolada do paciente à prova de defibrilação. (Tipo BF)

Ligação não isolada do paciente (Tipo B)

Ligação isolada do paciente destinada ao uso intra-operatório, inclusive aplicação cardíaca


direta. (Tipo CF)

Identifica sensibilidade de ESD de um conector que não foi testado, conforme especificado no
IEC 60601-1-2.

Identifica a chave On/Off.

Este símbolo identifica um aviso de segurança. Certifique-se de que você entendeu as


funções deste controle antes de usá-lo. Consulte a seção apropriada da documentação do
sistema para obter uma explicação do controle.

Identifica aterramento equipotencial.

Instruções de Uso 62
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Radiação não-ionizante

Indica que este dispositivo está protegido contra os efeitos de imersão. Este grau de proteção
pode ser aplicado aos transdutores.

Este produto consiste em dispositivos que contêm mercúrio e devem ser reciclados ou
descartados de acordo com as leis locais, estaduais ou federais. As lâmpadas de fundo das
telas do sistema contêm mercúrio.

Não as jogue fora. Descarte de acordo com as leis locais, estaduais ou federais.

Indica cumprimento aos requisitos da China RoHS.

Indica o símbolo para o código de nomenclatura global de dispositivos médicos.

Os símbolos a seguir também são utilizados no sistema:

Conexão de uma sonda

Conexão de um transdutor

Conexão de ECG

Saída remota de impressão

Porta de entrada de áudio esquerda/ direita, VHS/S-VHS, microfone ou DVD

Porta de saída de áudio esquerda/ direita, VHS/S-VHS, monitor de vídeo do paciente,


impressora preto-e-branco ou porta de saída RGC entrelaçada.

Porta de saída paralela ou VGA

Porta de entrada/saída de USB

Conexão Ethernet

Instruções de Uso 63
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Os símbolos a seguir também são utilizados dentro do sistema:

Identifica componentes de alta tensão

Aterramento

Segurança biológica

Esta seção contém informações sobre a segurança biológica e uma discussão sobre como usar o sistema.
A seguir, uma lista de precauções relacionadas à segurança biológica que deverão ser observadas ao usar o
sistema. Para obter mais informações consulte Medical Ultrasound Safety no CD de informações do usuário.

AVISOS
 Não use o sistema se uma mensagem de erro aparecer na tela indicando uma condição de perigo.
Anote o código de erro, desligue o sistema e entre em contato com o representante de atendimento ao
cliente.
 Não use um sistema que apresente uma atualização de imagem errática ou inconsistente. Interrupções
na seqüência de varredura indicam que há uma falha no hardware que precisa ser corrigida antes que o
equipamento possa ser utilizado.
 Realize os procedimentos de ultra-som com prudência. Use o princípio ALARA (tão baixo quanto
possível).
 Utilize somente guias acústicas aprovadas pela Philips.
 As capas de transdutores podem conter látex de borracha natural, que pode causar reações alérgicas
em algumas pessoas. Consulte o Alerta da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) sobre
Produtos de látex; com data de 29 de março de 1991. Consulte “Alerta médico do FDA sobre Látex”.
 Em estudos de contraste usando um campo acústico de MI (índice mecânico) alto, a ruptura capilar,
devido à expansão da microbolha dentro de um vaso capilar em um campo acústico, pode causar
vazamento. Referências: 1. Skyba DM, Price RJ, Linka AZ, Skalak TC, Kaul S. Direct in vivo
visualization of intravascular destruction of microbubbles by ultrasound and its local effects on tissue.
Circulation 1998:290-293. 2. van Der Wouw PA, Brauns AC, Bailey SE, Powers JE, Wilde AA.
Premature ventricular contractions during triggered imaging with ultrasound contrast. J Am Soc
Echocardiogr 2000; 13(4):288-94.
 Contrações pré-ventriculares podem ser causadas por oscilações de microbolhas quando um campo
acústico de MI alto é acionado no coração no final da sístole. Teoricamente, em um paciente muito
doente com certos fatores de risco, isso poderá levar a uma fibrilação ventricular. Referência: van Der
Wouw PA, Brauns AC, Bailey SE, Powers JE, Wilde AA. Premature ventricular contractions during
triggered imaging with ultrasound contrast. J Am Soc Echocardiogr 2000; 13(4):288-94.
 Se a capa estéril de um transdutor ficar comprometida durante um procedimento intra-operatório que
envolva um paciente com encefalopatia espongiforme transmissível, como a Doença de Creutzfeldt-
Jakob, siga as diretrizes do CDC e este documento da Organização Mundial de Saúde (OMS):
WHO/CDS/CSR/APH/2000/3, WHO Infection Control Guidelines for Transmissible Spongiform
Encephalopathies Os transdutores do sistema não podem ser descontaminados por processo térmico.

Instruções de Uso 64
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

AVISOS
 Se o sistema for contaminado internamente com fluido sangüíneo contendo patógenos, notifique
imediatamente o representante da Philips. Os componentes internos do sistema não podem ser
desinfetados. Nesse caso, o sistema deverá ser descartado como material biológico perigoso, de
acordo com as leis locais ou federais.
 As lâmpadas de fundo das telas do sistema contêm mercúrio e devem ser recicladas ou descartadas de
acordo com as leis locais, estaduais ou federais.

Alerta médico do FDA sobre Látex


29 de março de 1991, Reações alérgicas aos dispositivos médicos que contêm látex
Devido a relatos de graves reações alérgicas provocadas por dispositivos médicos que contêm látex
(borracha natural), a FDA aconselha os profissionais de saúde a identificar pacientes sensíveis ao látex e
estarem preparados para tratar prontamente reações alérgicas. As reações alérgicas de pacientes ao látex
variam de urticária de contato a anafilaxia sistêmica. O látex é um componente presente em muitos
dispositivos médicos, inclusive luvas cirúrgicas e de exame, cateteres, tubos de entubação, máscaras de
anestesia e diques dentários.
Relatos à FDA a respeito de reações alérgicas aos dispositivos médicos que contêm látex têm aumentado
ultimamente. Uma marca de peça de látex utilizada para enema foi recentemente retirada do mercado após
vários pacientes terem morrido devido a reações anafilactóides durante procedimentos de enema de bário.
Foram encontrados na literatura médica mais relatos de sensibilidade ao látex. A exposição recorrente ao
látex, tanto através de dispositivos médicos como de outros produtos de consumo, pode ser parte do motivo
para o aparente aumento da prevalência da sensibilidade ao látex. Por exemplo, encontram-se relatos de que
6% a 7% do pessoal da área cirúrgica e 18% a 40% dos pacientes com espinha bífida apresentam
sensibilidade ao látex.
As proteínas do próprio látex parecem ser a principal fonte das reações alérgicas. Embora atualmente não se
saiba a quantidade de proteína que pode provocar reações graves, a FDA está trabalhando com os
fabricantes de dispositivos médicos que contenham látex, para manter os níveis de proteína dos seus
produtos os mais baixos possíveis. As recomendações da FDA para os profissionais da saúde com relação a
esse problema são as seguintes:
 Ao estabelecer o histórico de pacientes, inclua perguntas sobre sensibilidade ao látex. Essa
recomendação é especialmente importante nos casos de pacientes cirúrgicos e de radiologia, pacientes
com espinha bífida e funcionários da área de saúde. Perguntas sobre coceiras, irritação na pele ou
dificuldades respiratórias após o uso de luvas de látex ou após encher uma bexiga de festa podem ser
úteis. Os prontuários médicos de pacientes com históricos positivos devem conter essa informação.
 Se houver suspeita de sensibilidade ao látex, considere a possibilidade de utilização de dispositivos
fabricados com materiais alternativos, como o plástico. Por exemplo, um profissional de saúde pode usar
uma luva de outro material sobre a luva de látex, caso o paciente apresente sensibilidade. Se tanto o
profissional de saúde quanto o paciente apresentarem sensibilidade, uma luva intermediária de látex
poderia ser utilizada. (Luvas de látex identificadas como “Hipoalergênicas” nem sempre evitam reações
adversas).
 Sempre que dispositivos médicos com látex forem utilizados, especialmente quando o látex entrar em
contato com membranas mucosas, esteja alerta para a possibilidade de uma reação alérgica.
 Se ocorrer uma reação alérgica e houver suspeita de ter sido causada pelo látex, informe o paciente de
uma possível sensibilidade ao látex e considere a possibilidade de realizar uma avaliação imunológica.
 Aconselhe o paciente a informar profissionais de saúde e equipes de emergência sobre a sensibilidade
conhecida ao látex antes de submeter-se a procedimentos médicos. Considere a possibilidade de
aconselhar os pacientes com intensa sensibilidade ao látex a usarem um bracelete com identificação
médica.

Instruções de Uso 65
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

A FDA pede aos profissionais de saúde que relatem incidentes de reações adversas ao látex ou a outros
materiais utilizados em dispositivos médicos. Consulte o boletim sobre medicamentos de outubro de 1990 da
FDA.

NOTA
O sistema de ultra-som HD15 e os transdutores do HD15 da Philips tratados neste manual não contêm látex
de borracha natural que entra em contato com os pacientes. Em nenhum transdutor do ultra-som Philips é
utilizado látex de borracha natural. O látex também não é usado nos cabos de ECG dos produtos Philips
descritos neste documento.

Programa educativo ALARA

A diretiva para o uso de ultra-som em diagnósticos é definido pelo princípio (ALARA) "as exposições devem
ser mantidas tão baixas quanto possível”. A decisão sobre o nível razoável de exposição fica a critério dos
profissionais qualificados. Não é possível formular um conjunto de regras que seja abrangente o suficiente
para definir a resposta correta a cada circunstância. Os usuários podem minimizar os efeitos biológicos do
ultra-som mantendo a exposição o mais baixo possível durante a obtenção de imagens de diagnóstico.
Já que o limite dos efeitos biológicos do ultra-som diagnóstico não foi determinado, fica sob a
responsabilidade do ultra-sonografista controlar o total de energia transmitida ao paciente. O ultra-
sonografista deverá reconciliar o tempo de exposição com a qualidade da imagem de diagnóstico. Para
assegurar a qualidade da imagem de diagnóstico e limitar o tempo de exposição, o sistema de ultra-som
oferece controles que podem ser manipulados durante o exame para otimizar os resultados.
É importante a capacidade do usuário de se adaptar ao princípio ALARA. Os avanços em ultra-som
diagnóstico, não apenas na tecnologia em si, mas em sua própria aplicação, resultaram na necessidade de
informações mais abrangentes e precisas para orientar o usuário. Os índices de exibição de saída foram
projetados para fornecer informações importantes.
Muitas variáveis afetam a maneira como os índices de exibição de saída podem ser usados para implementar
o princípio ALARA. Tais variáveis incluem os valores de índice, tamanho corporal, local do osso em relação
ao ponto focal, atenuação no corpo e tempo de exposição do ultra-som. O tempo de exposição é uma
variável bastante útil, já que é controlada pelo usuário. A capacidade de limitar os valores de índice ao longo
do tempo é a base do princípio ALARA.

Colocando o ALARA em prática


O modo de imagens do sistema usado depende de quais informações são necessárias. As imagens 2D e de
modo M fornecem informações anatômicas, enquanto o Doppler, Philips Color Power Angio (CPA) e imagens
coloridas fornecem informações sobre o fluxo sangüíneo. O modo com varredura, como o 2D, CPA ou
colorido, dispersa ou espalha a energia ultra-sônica em uma área, enquanto que o modo sem varredura,
como o modo M ou Doppler, concentra a energia ultra-sônica. A compreensão da natureza dos modos de
imagem sendo utilizados possibilita ao ultra-sonografista aplicar o princípio ALARA de forma criteriosa. Além
disso, a freqüência do transdutor, os valores de configurações do sistema, as técnicas de varredura e a
experiência do operador possibilitam ao ultra-sonografista atender aos critérios do princípio ALARA.
Por fim, a decisão sobre a quantidade de saída acústica fica a critério do operador do sistema. A decisão
deverá ser baseada nos seguintes fatores: tipo de paciente, tipo de exame, antecedentes do paciente,
facilidade ou dificuldade de obter informações úteis para o diagnóstico e a possibilidade de um aquecimento
localizado no paciente devido à temperatura da superfície do transdutor. O uso cauteloso do sistema ocorre
quando a exposição do paciente é limitada à leitura de índice mais baixa para o período de tempo mais curto
necessário para alcançar os resultados aceitáveis de diagnóstico.

Instruções de Uso 66
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Embora uma leitura de índice alto não signifique que um efeito biológico esteja ocorrendo, ela deve ser
encarada com seriedade. É preciso fazer todo o possível para reduzir os efeitos em potencial de uma leitura
de índice alto. Uma maneira efetiva de alcançar esse objetivo é limitar o tempo de exposição.
Há vários controles de sistema que o operador pode usar para ajustar a qualidade da imagem e limitar a
intensidade acústica. Eles estão relacionados às técnicas que um operador pode usar para implementar o
ALARA e podem ser divididos em três categorias: controles diretos, indiretos e receptores.

Controles diretos
A seleção de aplicativo e o controle Power afetam diretamente a intensidade acústica. Há diferentes
intervalos de intensidade ou saída permitida com base na sua seleção. A seleção do intervalo correto da
intensidade acústica para o aplicativo é uma das primeiras decisões em um dado exame. Por exemplo, os
níveis de intensidade vascular periférico não são recomendados em exames de fetos. Alguns sistemas
selecionam automaticamente o intervalo correto para um determinado aplicativo, enquanto que outros
requerem a seleção manual. Enfim, o usuário é responsável pelo uso clínico correto. O sistema de ultra-som
fornece configurações automáticas (padrão) e manuais (a serem selecionadas pelo usuário).
Power tem um impacto direto na intensidade acústica. Assim que o aplicativo tiver sido estabelecido, o
controle Power pode ser utilizado para aumentar ou diminuir a saída de intensidade. O controle Power
permite que você selecione os níveis de intensidade abaixo do máximo estabelecido. Para um uso cauteloso,
selecione a intensidade de saída mais baixa que seja condizente com uma boa qualidade de imagem.

Controles indiretos
Os controles indiretos são aqueles que têm um efeito indireto na intensidade acústica. Eles afetam o modo de
imagem, a freqüência de repetição do pulso, a profundidade do foco, o comprimento do pulso e a seleção do
transdutor.
A opção do modo de imagem determina a natureza do feixe de ultra-som. O 2D é um modo com varredura, o
Doppler é um modo sem varredura ou estático. Um feixe de ultra-som estático concentra a energia em um
único local. Um feixe de ultra-som dinâmico ou com varredura dispersa a energia sobre uma área e fica
concentrado em um mesmo local por uma fração do tempo de um feixe do modo sem varredura.
A freqüência ou taxa de repetição de pulso diz respeito ao número de disparos de energia ultra-sônica em um
determinado período de tempo. Quanto mais alta a freqüência ou a taxa de repetição de pulso, maior a
pulsação de energia em um determinado período de tempo. Vários controles afetam a freqüência de
repetição de pulso: profundidade focal, de exibição, de volume de amostra, de otimização de fluxo, escala,
número de zonas focais e controles de largura de setor.
O foco do feixe de ultra-som afeta a resolução da imagem. Para manter ou aumentar a resolução com um
foco diferente requer uma variação na saída da zona focal. A variação da saída é uma função de otimização
do sistema. Cada exame requer uma profundidade focal. O ajuste da profundidade do foco melhora a
resolução da estrutura de interesse.
O comprimento do pulso é o tempo durante o qual o disparo ultra-sônico é ativado. Quanto mais longo o
pulso, maior o valor de intensidade da média do tempo. Quanto maior a intensidade da média do tempo,
maior a probabilidade de cavitação e aumento da temperatura. O comprimento do pulso, comprimento do
disparo ou a duração do pulso é a duração do pulso de saída no Doppler pulsado. O aumento de tamanho do
volume de amostra do Doppler aumenta o comprimento do pulso.
A seleção do transdutor afeta indiretamente a intensidade. A atenuação tissular muda com a freqüência.
Quanto mais alta a freqüência de operação do transdutor, maior a atenuação da energia ultra-sônica. Uma
freqüência de operação mais alta do transdutor requer mais intensidade de saída para uma varredura com
mais profundidade. Para uma varredura com mais profundidade e com o mesmo nível de intensidade de
saída, é necessária uma freqüência mais baixa do transdutor. Mais ganho e saída além de um certo ponto,
sem um aumento correspondente na qualidade da imagem, pode indicar a necessidade de um transdutor de
freqüência mais baixa.

Instruções de Uso 67
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Controles do receptor
Os controles do receptor podem ser usados pelo operador para melhorar a qualidade da imagem. Esses
controles não têm nenhum efeito no resultado. Os controles do receptor afetam apenas a forma como o eco
do ultra-som é recebido. Tais controles incluem o ganho, TGC, intervalo dinâmico e processamento de
imagem. É importante lembrar que os controles do receptor devem ser otimizados antes que se possa
aumentar a saída. Por exemplo: antes de aumentar a saída, otimize o ganho para melhorar a qualidade da
imagem.

Exemplo de como colocar o ALARA em prática


A varredura de ultra-som sobre o fígado de um paciente começa com a seleção da freqüência adequada do
transdutor. Depois de selecionar o transdutor e o aplicativo, baseados na anatomia do paciente, devem ser
feitos ajustes na energia de saída para garantir o uso da configuração mais baixa possível na aquisição da
imagem. A aquisição da imagem é sucedida pelo ajuste do foco do transdutor e o aumento do ganho do
receptor para produzir uma representação uniforme do tecido. Se uma imagem adequada puder ser obtida
com o aumento no ganho, recomenda-se uma redução na saída. Somente depois de se fazer tais ajustes,
você deverá aumentar a saída para o próximo nível.
Uma vez obtida uma exibição 2D do fígado, pode-se usar cor para localizar o fluxo sangüíneo. Da mesma
forma que a imagem 2D, os controles de processamento de ganho e imagem devem ser otimizados antes de
se aumentar a saída.
Uma vez localizado o fluxo sangüíneo, use os controles do Doppler para posicionar o volume de amostra no
vaso. Antes de aumentar a saída, ajuste o intervalo ou escala da velocidade e o ganho do Doppler para obter
um traço otimizado do Doppler. Aumente a saída somente se o ganho máximo do Doppler não criar uma
imagem aceitável.
Resumindo: selecione a freqüência correta do transdutor e o aplicativo para o trabalho; inicie com um nível
baixo de saída; otimize a imagem usando o foco, o ganho do receptor e outros controles de imagem; se neste
ponto a imagem não for útil em termos de diagnóstico, aumente, então, a saída.

Outras considerações
Minimize o tempo de varredura e realize somente aquelas que sejam necessárias sob o ponto de vista
médico. Não comprometa a qualidade com a pressa de terminar o exame. Um exame ruim requer um
acompanhamento, aumentando assim o tempo de exposição. O ultra-som diagnóstico é uma ferramenta
importante da medicina e, como qualquer outra ferramenta, deve ser usada de forma eficiente e efetiva.

Exibição da saída

A exibição da saída no sistema consiste em dois índices básicos: um índice mecânico e um índice térmico.
Além disso, o índice térmico está composto dos seguintes índices: tecido mole (TIS), osso (TIB) e osso
craniano (TIC). Um desses três índices térmicos será exibido todo o tempo, o que será definido pela
predefinição do sistema ou a escolha do usuário, dependendo do aplicativo sendo usado.
O índice mecânico (MI) é exibido continuamente no intervalo de 0,0 até 1,9, em incrementos de 0,1 para
todos os aplicativos exceto o contraste, onde o incremento mínimo é de 0,01.
O índice térmico consiste em três índices e apenas um deles será exibido todo o tempo. Cada aplicativo de
transdutor tem uma seleção padrão que é adequada para a combinação. O TIB, TIS ou TIC é exibido
continuamente no intervalo de 0,0 até a saída máxima, com base no transdutor e no aplicativo, em
incrementos de 0,1.
A natureza específica da aplicação da definição default também é um fator importante do procedimento do
índice. Uma definição default é um estado de controle do sistema que é predefinido pelo fabricante ou pelo
operador. O sistema possui definições de índice default para a aplicação do transdutor.

Instruções de Uso 68
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

As definições default são chamadas automaticamente pelo sistema de ultra-som quando a alimentação é
ativada, os dados do novo paciente são digitados no banco de dados do sistema ou ocorre uma alteração na
aplicação. A Figura abaixo ilustra a implementação da exibição da saída.

TI e MI na tela

A decisão sobre qual dos três índices térmicos será exibido deverá ser baseada nos seguintes critérios:
 Índice correto para o aplicativo: O TIS é usado para imagens de tecido mole, o TIB para foco no osso ou
nas proximidades dele e o TIC para imagens do osso próximo à superfície, como em um exame craniano.
 Fatores amenizantes que podem criar leituras de índice térmico artificial, alto ou baixo: local do fluido ou
osso, ou fluxo sangüíneo. Por exemplo, há um caminho de tecido altamente atenuante, de forma que um
possível aquecimento da zona focal possa ser mais baixo do que aquele exibido pelo índice térmico.
 Modos de operação com varredura versus sem varredura afetam o índice térmico. Para modos com
varredura, o aquecimento tende a ser próximo à superfície; para modos sem varredura, o aquecimento
pode ter mais profundidade na zona focal.
 Sempre delimite o tempo de exposição de ultra-som. Realize o exame sem pressa. Certifique-se de que
os índices estão sendo minimizados e que o tempo de exposição está sendo limitado sem
comprometimento da sensibilidade do diagnóstico.

Exibição do índice mecânico (MI)


Os efeitos biológicos mecânicos são um fenômeno de limite que ocorre quando um certo nível de saída é
excedido. O nível limite varia, no entanto, com o tipo de tecido. O potencial para efeitos biológicos e
mecânicos varia de acordo com a pressão rarefacional de pico e a freqüência do ultra-som. As contas de MI
para esses dois fatores. Quanto mais alto o valor MI, maior a possibilidade de efeitos biológicos mecânicos.
Não há um valor MI específico que indique que um efeito mecânico esteja ocorrendo. O MI deve ser usado
como um guia para a implementação do princípio ALARA.

Exibição do índice térmico (TI)


O TI informa o usuário sobre as condições existentes que podem levar a um aumento da temperatura na
superfície do corpo, dentro do tecido corporal ou no ponto do foco do feixe de ultra-som no osso. Isto é, o TI
informa o usuário da possibilidade de um aumento de temperatura no tecido corporal. É uma estimativa do
aumento da temperatura no tecido corporal com propriedades específicas. O nível real do aumento de
temperatura é influenciado por fatores como tipo de tecido, vascularidade, modo de operação etc. O TI deve
ser usado como um guia para a implementação do princípio ALARA.
O índice térmico do osso (TIB) informa o usuário sobre a possibilidade de aquecimento no foco, ou próximo a
ele, depois que o feixe de ultra-som tiver passado pelo tecido mole ou fluido; por exemplo, por volta do
segundo ou terceiro trimestre do osso fetal.
O índice térmico do osso craniano (TIC) informa o usuário sobre a possibilidade de aquecimento do osso na
superfície, ou próximo a ela; por exemplo, o osso craniano.

Instruções de Uso 69
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

O índice térmico do tecido mole (TIS) informa o usuário sobre a possibilidade de aquecimento no tecido mole
homogêneo. Você pode exibir TIS, TIC ou TIB (consulte a Ajuda) O TIC é exibido quando você seleciona um
aplicativo transcraniano.

Precisão da exibição dos índices mecânico e térmico


A precisão dos índices MI e TI equivale à unidade 0,1 no sistema.
A precisão da exibição de MI e TI estimada para o sistema é fornecida nas Tabelas de saída acústica, no CD
de informações do usuário. As estimativas de precisão são baseadas no intervalo de variabilidade dos
transdutores e sistemas, erros inerentes de modelagem de saída acústica e variabilidade da medida,
conforme discutido posteriormente.
Os valores exibidos devem ser interpretados como informações relativas para ajudar o operador do sistema a
cumprir o princípio ALARA através do uso cauteloso do sistema. Os valores devem ser interpretados como
valores físicos reais em tecidos ou órgãos investigados. A data inicial usada para dar suporte à exibição de
saída é derivada das medidas do laboratório, com base no padrão de medidas AIUM (American Institute of
Ultrasound in Medicine). Em seguida, as medidas são transformadas em algoritmos para o cálculo dos
valores de saída exibidos.
A maioria das suposições usada no processo de medida e cálculo é, por natureza, conservadora. A
superestimação da exposição de intensidade in situ, para a vasta maioria dos caminhos de tecido, é
computada no processo de medida e cálculo. Por exemplo:
 A capacidade normal dos valores do tanque de água é reduzida usando-se um coeficiente de atenuação
conservador, padrão da indústria, de 0,3 dB/cm-MHz.
 Os valores conservadores das características do tecido foram selecionados para serem usados nos
modelos do índice TI. Foram selecionados os valores conservadores para as taxas de absorção do tecido
ou osso, taxas de perfusão sangüínea, capacidade de aquecimento sangüíneo e condutividade térmica
do tecido.
 O aumento da temperatura no Steady State é adotado nos modelos de TI padrão da indústria e supõe-se
que o transdutor do ultra-som é sustentado em uma posição o tempo suficiente para se atingir o steady
state.
Um número de fatores é considerado ao se estimar a precisão dos valores exibidos: variações no hardware,
precisão do algoritmo da estimativa e variabilidade da medida. A variabilidade entre os transdutores e os
sistemas é um fator importante. A variabilidade do transdutor resulta do grau de eficiência do cristal
piezoelétrico, das diferenças de impedimento relacionadas ao processo e das variações de parâmetro do foco
de lentes sensíveis. As diferenças no controle da voltagem do pulsador do sistema e graus de eficiência são
também contribuições à variabilidade. Há imprecisões inerentes nos algoritmos usados para estimar os
valores de saída acústica no intervalo de possíveis condições operacionais do sistema e voltagens do
pulsador. As imprecisões das medidas do laboratório estão relacionadas, dentre outros fatores, a diferenças
em calibragem e desempenho do hidrofone, posicionamento, alinhamento, tolerância à digitalização e a
variabilidade entre os operadores de teste.
As suposições conservadoras dos algoritmos de estimativa de saída de propagação linear, em todas as
profundidades, através de um meio de atenuação de 0,3 dB/cm-MHz, não são consideradas na estimativa
precisa da exibição. Nem a propagação linear, nem a atenuação uniforme da taxa de 0,3 dB/cm-MHz,
ocorrem nas medidas do tanque de água ou na maioria dos caminhos de tecido no corpo. No corpo, cada
tecido e órgão têm características de atenuação diferentes. Na água, quase não há atenuação. No corpo e,
em particular, nas medidas do tanque de água, a propagação não linear e as perdas por saturação ocorrem
com o aumento das voltagens do pulsador.
Portanto, as estimativas de precisão da exibição são baseadas no intervalo de variabilidade dos transdutores
e sistemas, erros inerentes de modelagem de saída acústica e variabilidade da medida. As estimativas de
precisão da exibição não são baseadas nos erros, ou causadas pelas medidas, dos padrões de medida
AIUM, ou nos efeitos da perda não linear nos valores medidos.

Instruções de Uso 70
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Efeitos dos controles

Controles que afetam os índices


Conforme os controles do sistema são ajustados, os valores TI e MI podem ser alterados. Isso fica mais
aparente quando o controle Power é ajustado; porém, outros controles do sistema afetarão os valores de
saída na tela.

Power
Power controla a saída acústica do sistema. Dois valores de saída em tempo real aparecem na tela: TI e MI.
Eles mudam de acordo com a resposta do sistema aos ajustes do controle Power.
Nos modos de combinação, como Color, 2D e Doppler PW, cada modo individual é acrescentado no valor
total do TI. Um modo será o contribuidor dominante do total. O MI exibido origina-se no modo com o maior
valor MI.

Controles 2D
Sector Width: A restrição do ângulo do setor poderá aumentar a taxa de quadros. Essa ação aumentará o
índice TI. A voltagem do pulsador poderá ser restringida automaticamente com os controles do software, de
forma a manter o TI abaixo dos valores máximos do sistema. A redução da voltagem do pulsador reduzirá MI.
Zoom: O aumento do zoom poderá aumentar a taxa de quadros. Essa ação aumentará o índice TI. O número
de zonas focais poderá também aumentar automaticamente para melhorar a resolução. Essa ação poderá
alterar o MI, já que uma outra zona focal poderá agora produzir o maior valor MI.
Número de zonas focais: Um número maior de zonas focais poderá alterar os índices TI e MI, alterando
automaticamente a taxa de quadros ou a profundidade do foco. Taxas de quadros mais baixas reduzem o TI.
O MI exibido corresponderá à zona com o maior valor MI.
Foco: A alteração da profundidade do foco altera o MI. Geralmente, ocorrerão valores MI mais altos quando a
profundidade do foco estiver próximo do foco natural do transdutor.

Controles Color e Power


Otimização de cor: O aumento da sensibilidade de cor com o controle de otimização de cores pode
aumentar o TI. É gasto mais tempo efetuando a varredura da imagem colorida. Pulso colorido é o tipo de
pulso dominantes neste modo.
Color Sector Width: Uma largura mais reduzida do setor colorido aumenta a taxa de quadros coloridos e o
índice TI. O sistema pode reduzir automaticamente a voltagem do pulsador para mantê-la abaixo dos valores
máximos. A redução da voltagem do pulsador reduz o MI. Se o Doppler pulsado for também habilitado, ele
continuará como o modo dominante e a alteração do TI será pequena.
Color Sector Depth: Uma maior profundidade do setor colorido poderá reduzir automaticamente a taxa de
quadros coloridos ou selecionar uma nova zona focal colorida ou comprimento do pulso colorido. O TI será
alterado devido à combinação desses efeitos. Geralmente, o TI será reduzido com o aumento da
profundidade do setor colorido. O MI corresponderá ao valor MI de pico do tipo de pulso dominante, que é um
pulso colorido. No entanto, se o Doppler pulsado for também habilitado, ele continuará como o modo
dominante e a alteração do TI será pequena.
Scale: O uso do controle Scale para aumentar o intervalo de velocidade da cor poderá aumentar o TI. O
sistema pode ajustar automaticamente a voltagem do pulsador para mantê-la abaixo dos valores máximos. A
redução da voltagem do pulsador reduzirá também o MI.
Sector Width: Uma largura mais reduzida do setor 2D em imagens coloridas aumenta a taxa de quadros
coloridos. O índice TI aumentará. O índice MI não será alterado. Se o Doppler pulsado for também habilitado,
ele continuará como o modo dominante e a alteração do TI será pequena.

Instruções de Uso 71
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Controles M-mode e Doppler


Métodos de atualização e simultâneo: O uso dos modos de combinação afeta o TI e o MI através da
combinação dos tipos de pulso. Durante o modo simultâneo, o TI é cumulativo. Durante o modo duplex, o IT
exibirá o tipo de pulso dominante. O MI exibido origina-se no modo com o maior valor MI.
Profundidade do volume de amostra: Quando a profundidade do volume de amostra do Doppler é
aumentada, a freqüência de repetição PRF do Doppler poderá ser reduzida automaticamente. Uma redução
da PRF reduzirá o TI. O sistema pode também reduzir automaticamente a voltagem do pulsador para mantê-
la abaixo dos valores máximos. A redução da voltagem do pulsador reduzirá o MI.

Outros
2D, Color, MMode, CPA, PW e CW: Quando um novo modo de imagem é selecionado, as configurações
padrões dos índices TI e MI poderão ser restauradas. Cada modo tem uma freqüência de repetição de pulso
correspondente e um ponto de intensidade máximo. Nos modos simultâneos ou de combinação, o TI
representa a soma da contribuição dos modos habilitados e o MI exibido é o mais alto dos valores MI
associados a cada modo e zona focal habilitados. O sistema retornará ao estado selecionado anteriormente,
caso um modo seja desativado e reselecionado.
Transdutor: Cada tipo de transdutor tem certas especificações para a área de contato, forma do feixe e
freqüência central. Os padrões são inicializados quando você seleciona um transdutor. Os padrões de fábrica
variam com o transdutor, aplicação e o modo selecionado. Nos padrões escolhidos abaixo, o FDA limita a
utilização indicada.
2D Depth: Um aumento da profundidade 2D reduz automaticamente a taxa de quadros 2D. Isso reduzirá o
índice TI. O sistema poderá também escolher automaticamente uma maior profundidade de foco 2D. Uma
mudança na profundidade do foco poderá alterar o MI. O MI exibido pertence à zona com o maior valor MI.
Aplicação: Os padrões de saída acústica são definidos quando você seleciona uma aplicação. Os padrões
de fábrica variam com o transdutor, aplicação e o modo. Nos padrões escolhidos abaixo, o FDA limita a
utilização indicada.

Documentos de referência

Para obter mais informações sobre efeitos biológicos de ultra-som e tópicos relacionados, consulte:
1. AIUM Report, 28 de janeiro, 1993, “Bioeffects and Safety of Diagnostic Ultrasound”
2. Bioeffects Considerations for the Safety of Diagnostic Ultrasound, J Ultrasound Med., setembro de 1988:
Vol. 7, No. 9 Supplement
3. Acoustic Output Measurement Standard for Diagnostic Ultrasound Equipment. (AIUM, NEMA. 1998)
4. Acoustic Output Labeling Standard for Diagnostic Ultrasound Equipment (AIUM, 1998)
5. Second Edition of the AIUM Output Display Standard Brochure, 10 de março, 1994. (Uma cópia deste
documento acompanha cada sistema.)
6. Information for Manufacturers Seeking Marketing Clearance of Diagnostic Ultrasound Systems and
Transducers. FDA. September 1997. FDA.
7. Standard for Real-Time Display of Thermal and Mechanical Acoustic Output Indices on Diagnostic
Ultrasound Equipment. (Revision 1, AIUM, NEMA. 1998)
8. WFUMB. Symposium on Safety of Ultrasound in Medicine: Conclusions and Recommendations on
Thermal and Non-Thermal Mechanisms for Biological Effects of Ultrasound, Ultrasound in Medicine and
Biology, 1998: Vol. 24, Supplement 1.

Instruções de Uso 72
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Compatibilidade eletromagnética

A compatibilidade eletromagnética (EMC) é definida como a capacidade de um produto, dispositivo ou


sistema de funcionar satisfatoriamente na presença do fenômeno eletromagnético existente no local onde o
produto, dispositivo ou sistema estiver sendo utilizado e, também, de não provocar distúrbios
eletromagnéticos insuportáveis no que quer que seja no mesmo ambiente.
A imunidade eletromagnética é a capacidade de um produto, dispositivo ou sistema de funcionar
satisfatoriamente na presença de interferência eletromagnética (EMI).
As emissões eletromagnéticas são a capacidade de um produto, dispositivo ou sistema de provocar distúrbios
eletromagnéticos insuportáveis no ambiente de utilização.
O sistema foi fabricado em conformidade com as exigências atuais de compatibilidade eletromagnética. A
utilização deste sistema na presença de um campo eletromagnético pode provocar degradação momentânea
da imagem de ultra-som. Caso isso ocorra com freqüência, será necessário examinar o ambiente em que o
sistema está sendo utilizado para identificar possíveis fontes de emissões irradiadas. Estas emissões podem
se originar de outros dispositivos elétricos utilizados na mesma sala, em uma sala adjacente, de
equipamentos portáteis e móveis de comunicações por RF, como telefones celulares e pagers, ou devido à
existência de equipamentos de transmissão de rádio, TV ou microondas instalados nas proximidades. Nos
casos em que a interferência eletromagnética (EMI) estiver provocando distúrbios, pode ser necessário
reposicionar o sistema.
O sistema está em conformidade com a norma internacional CISPR 11 no tocante a distúrbios
eletromagnéticos irradiados e conduzidos. A conformidade com essa norma permite que o sistema seja
utilizado em todos os estabelecimentos, inclusive os domésticos e os diretamente conectados à rede de
alimentação pública de baixa tensão que alimenta os edifícios destinados a finalidades domésticas.

CUIDADO
Equipamentos médicos requerem precauções especiais no que diz respeito à compatibilidade
eletromagnética e precisam ser instalados e postos em funcionamento de acordo com as informações de
compatibilidade eletromagnética fornecidas nos documentos que acompanham o sistema.

Esta seção fornece informações sobre emissões e imunidade eletromagnéticas, conforme aplicáveis ao
sistema. O ambiente operacional do sistema deve atender às condições especificadas nas informações
mencionadas. Operar o sistema em um ambiente operacional que não atenda a essas condições poderá
diminuir o desempenho do sistema.
As informações e avisos contidos nesta e em outras seções devem ser observadas durante a instalação e
utilização do sistema para assegurar sua compatibilidade eletromagnética.

NOTA
Para obter informações adicionais sobre advertências e avisos, consulte “Segurança elétrica”.

Se o sistema for operado no ambiente eletromagnético estabelecido, o sistema permanecerá seguro e com o
desempenho essencial a seguir:
 Aquisição de imagens
 Áudio do Doppler e exibição espectral
 Medidas
 Saída acústica
 Acionamento do ECG

Instruções de Uso 73
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

 Gravação e reprodução em VCR


 Impressão usando impressoras do sistema
 Informações do paciente
 Informações de data/hora

AVISO
A utilização de acessórios, transdutores ou cabos diferentes dos especificados para o sistema pode resultar
em aumento de emissões ou diminuição da imunidade do sistema.

Sinal de ECG

A amplitude do sinal do eletrocardiograma (ECG) é crucial para o acionamento confiável de quadros. O


acionamento de quadros somente deve ser utilizado quando se observar uma forma de onda de ECG limpa e
sem ruídos. A amplitude do sinal de ECG deve ser de 0,25 mV, pelo menos, para assegurar acionamento
confiável quando o sistema for utilizado na presença dos fenômenos eletromagnéticos descritos nesta seção
e em qualquer outra parte das informações do usuário do sistema.

AVISO
A operação do sistema com sinais de ECG inferiores a 0,25 mV pode provocar resultados imprecisos.

ATENÇÃO
O Fisio/ECG encontrado no Sistema de Ultra-som HD15, não é e não pode ser utilizado para fins de
diagnóstico e monitoração do eletrocardiograma (ECG). O Fisio/ECG não analisa os diversos segmentos
da onda de ECG, não imprime o ECG e nem armazena informações de ECG, que possam ser utilizadas
para diagnóstico ou monitoração de patologias cardíacas.
A finalidade exclusiva do módulo Fisio/ECG é a de sincronizar as imagens obtidas através do ultra-som com
o ciclo cardíaco do paciente.
Todos os dispositivos que entram em contato com o paciente, como transdutores, eletros devem ser
retirados do paciente antes da aplicação de um pulso de desfibrilação de alta tensão.

Precauções para descarga eletrostática

A descarga eletrostática (ESD), geralmente referida como choque estático, é um fenômeno que ocorre
naturalmente como resultado do fluxo de carga elétrica de um objeto ou pessoa com carga superior para um
objeto ou pessoa de carga inferior. A descarga eletrostática é mais predominante em condições de baixa
umidade, que podem ser provocadas por equipamentos de aquecimento ou de ar condicionado. Em
condições de baixa umidade, as cargas elétricas se acumulam naturalmente em pessoas e objetos e podem
gerar descargas de estática. Os avisos a seguir podem ajudar a reduzir o efeito da descarga eletrostática:

CUIDADOS
 Não toque nos pinos dos conectores dos transdutores ou no conector do transdutor do sistema.
 Para reduzir a ESD, use spray anti-estático ou tapetes anti-estáticos sobre carpetes e linóleo, ou use
uma conexão aterrada entre o sistema e a mesa ou cama do paciente.
 Toque em uma superfície metálica do sistema antes de conectar o transdutor ao sistema.

Instruções de Uso 74
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Como evitar interferência eletromagnética

Um dispositivo médico pode gerar ou receber interferência eletromagnética. Os padrões de EMC descrevem
testes quanto a interferências emitidas e recebidas. Testes de emissão lidam com a interferência gerada pelo
dispositivo que está sendo testado. Os sistemas de ultra-som Philips não geram interferência de acordo com
os testes descritos nos padrões consultados.
Sistemas de ultra-som são projetados para receber sinais de radiofreqüência e, portanto, estão suscetíveis à
interferência gerada por fontes de energia de RF. São exemplos de outras fontes de interferência: dispositivos
médicos, produtos de tecnologia da informação e torres de transmissão de televisão ou de rádio. Determinar
a origem da interferência irradiada pode ser uma tarefa difícil. Os clientes devem considerar as seguintes
questões ao tentar localizar essa origem:
 A interferência é intermitente ou constante?
 A interferência aparece apenas durante a utilização de um transdutor ou com vários transdutores?
 Dois transdutores diferentes operando na mesma freqüência têm o mesmo problema?
 A interferência continua presente quando o sistema é movido para um local diferente nas instalações?
 O caminho de acoplamento de EMC pode ser atenuado? Colocar os condutores de ECG muito próximos
à impressora UP-D895MD pode causar interferência eletromagnética. Por exemplo, colocar um
transdutor ou impressora próximos a um cabo de ECG pode aumentar a interferência eletromagnética.
Mover o cabo ou outro equipamento médico para longe do local do transdutor ou impressora pode
resultar em uma interferência eletromagnética menor.
As respostas a essas questões ajudarão a determinar se o problema reside no sistema ou no ambiente de
varredura. Após responder às questões acima, entre em contato com o representante de serviços Philips.

Restrições de utilização

O médico precisa determinar se um artefato provocado por interferência irradiada terá impacto negativo na
qualidade da imagem e no subseqüente diagnóstico.

Segurança do operador

As seções a seguir descrevem problemas e situações que podem afetar a segurança do operador durante a
utilização do sistema de ultra-som:

Lesão por esforços repetitivos

Varreduras repetitivas de ultra-som estão associadas à síndrome do túnel do carpo (CTS) e a problemas
musculoesqueléticos relacionados. Alguns investigadores observaram uma grande população de ultra-
sonografistas com diferentes tipos de equipamento. Um artigo com feedback de uma área geográfica menor,
faz as seguintes recomendações:
 Mantenha as articulações em posições confortáveis e mantenha uma postura equilibrada ao fazer a
varredura.
 Faça pausas freqüentes para que os tecidos moles tenham chance de se recuperar de posições
incômodas e do movimento repetitivo.
 Evite segurar o transdutor com força excessiva.

Instruções de Uso 75
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Aviso sobre o pedal

Não use o pedal na sala de operação. O padrão IEC 60601-1-1 especifica que dispositivos controlados por
pés utilizados em sala de operação devem ser à prova d’água. O pedal fornecido com o sistema de ultra-som
atende somente aos requisitos de fabricação à prova de respingos.

Transdutores Philips

Utilize somente transdutores aprovados pela Philips para o sistema de ultra-som Philips. Consulte o item 8
para obter uma lista de transdutores que são compatíveis com o sistema de ultra-som.

Exposição a glutaraldeído

A Administração de segurança e saúde ocupacional (OSHA) dos EUA emitiu um regulamento que trata dos
níveis aceitáveis de exposição a glutaraldeído no ambiente de trabalho. A Philips não vende desinfetantes
baseados em glutaraldeído com seus produtos. Esse tipo de desinfetante é, contudo, recomendado para a
desinfecção de transdutores utilizados em procedimentos de TEE, intra-operatórios, de endocavidade e de
biópsia.
Para reduzir a presença de vapores de glutaraldeído no ar, utilize um dispositivo de limpeza coberto ou
ventilado. Esses sistemas encontram-se disponíveis comercialmente.

Controle de infecções

Há questões relacionadas ao controle de infecção a serem consideradas por você e seu paciente. Siga os
procedimentos de controle de infecções estabelecidos em sua clínica ou hospital para proteção da equipe e
do paciente.

Transdutores
A principal área de preocupação é a manipulação de transdutores que entram em contato com pacientes com
infecções. Use sempre luvas ao manipular transdutores utilizados em procedimentos de TEE, de
endocavidade, intra-operatórios e de biópsia que não tenham sido previamente desinfetados.
Para obter informações sobre limpeza e desinfecção de transdutores, consulte “Procedimentos gerais de
limpeza para todos os transdutores”.

Remoção de sangue e de material infeccioso do sistema


Use um chumaço de gaze embebido em água e sabão para remover sangue dos cabos e conectores do
transdutor e do sistema. Em seguida, seque o equipamento com um pano macio para evitar corrosão. Uma
solução de 70% de álcool isopropílico também pode ser usada no sistema e apenas em certas partes de
alguns transdutores. Também estão disponíveis agentes de limpeza adicionais para os transdutores.
Para aprender mais sobre a remoção de sangue e de outros materiais infecciosos do sistema, consulte
“Limpeza do sistema e do equipamento de ECG” e “Produtos para limpeza e desinfecção das superfícies do
sistema”.
Não limpe a junção entre o alívio de tensão e a capa, nem o alívio de tensão ou o cabo do transdutor com
álcool isopropílico. O álcool isopropílico pode danificar essas partes do transdutor. Esse dano não é coberto
pela garantia nem pelo contrato de serviço. Além disso, não use álcool isopropílico em transdutores de TEE
(exceto nas alças).

Instruções de Uso 76
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Conjuntos de cabos e condutores de ECG


Para obter informações sobre limpeza e desinfecção dos conjuntos de cabos e condutores de ECG, consulte
as instruções fornecidas com esses conjuntos.

Capas descartáveis
Se achar que pode ocorrer contaminação do sistema de imagem durante o exame, a Philips recomenda
tomar as precauções universais e cobrir o sistema de geração de imagens com uma capa descartável.
Consulte as regras do hospital quanto à utilização de equipamento em presença de doença infecciosa.
Certifique-se de posicionar a capa sem bloquear as ventilações do sistema de ultra-som, os monitores ou os
periféricos.

Referências

 Pike, Ian et al. “Prevalence of Musculoskeletal Disorders and Related Work and Personal Factors Among
Diagnostic Medical Sonographers.” Journal of Diagnostic Medical Sonographers, Vol. 13, No. 5: 219-227,
Setembro de 1997.
 Necas, Martin. “Musculoskeletal Symptomatology and Repetitive Strain Injuries in Diagnostic Medical
Sonographer.” Journal of Diagnostic Medical Sonographers, 266-227, Novembro/Dezembro de 1996.

Transdutores

Cuidados com os transdutores

Os transdutores requerem cuidados, limpeza e manuseio adequados. O padrão razoável de cuidados inclui
verificação, limpeza e desinfecção sempre que necessário.
Verifique o cabo, o estojo e a lente do transdutor antes de cada uso. Verifique se há fissuras ou outro tipo de
dano que coloque em risco a integridade do transdutor. Relate qualquer dano observado ao seu
representante de atendimento ao cliente da Philips e não utilize o transdutor.

CUIDADO
Alguns géis de acoplamento para ultra-som e também algumas soluções para limpeza prévia, desinfecção e
esterilização podem danificar o transdutor. Antes de usar um gel ou uma solução em um transdutor,
consulte “Desinfetantes e Géis”. Você também pode entrar em contato com o Atendimento ao cliente da
Philips.

Artefatos acústicos

Para obter informações sobre artefatos acústicos, consulte a seção que trata dos transdutores na Ajuda do
sistema. (Para exibir a Ajuda, pressione a tecla Help.)

Instruções de Uso 77
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Capas de transdutores

São obrigatórias capas estéreis de transdutores para procedimentos intra-operatórios e de biópsia; são
recomendáveis capas protetoras para procedimentos transretais, intravaginais e transesofágicos. A Philips
recomenda o uso de capas de boa qualidade. Para obter os procedimentos que usam capas de transdutor,
consulte as instruções fornecidas com as capas.

AVISOS
 O látex é normalmente utilizado nos revestimentos comercializados para auxílio no controle de
infecções em aplicações de imagens transesofágicas, de endocavidade e intra-operatórias, bem como
durante biópsias. Examine a embalagem para confirmar a composição de látex. Estudos têm
demonstrado que os pacientes podem experimentar reações alérgicas a látex de borracha natural.
Consulte o documento FDA Medical Alert de 29 de março de 1991, reimpresso na seção Segurança do
manual Noções básicas. Consulte “Alerta médico do FDA sobre Látex”.
 Em aplicações neurocirúrgicas, transdutores esterilizados devem ser utilizados com gel estéril e uma
capa estéril de transdutor sem pirogênio.
 Se a capa esterilizada do transdutor ficar comprometida durante uma aplicação intra-operatória
envolvendo um paciente portador da doença de Creutzfeldt-Jakob, siga as recomendações descritas
em “Encefalopatia espongiforme transmissível”.
 As capas de transdutores são descartáveis e não podem ser reutilizadas.
 Se uma capa de transdutor instalada for cortada ou contaminada antes do uso, a sonda deverá ser
limpa e desinfetada, e uma nova capa estéril deverá ser instalada.

Armazenamento de transdutores

Esta seção fornece informações sobre o armazenamento de transdutores para transporte e para o
armazenamento diário e por longo prazo.

Armazenamento para transporte


Se um estojo de transporte for incluído com o transdutor, utilize-o sempre que transportar o transdutor de um
lugar para outro. Siga as diretrizes abaixo para armazenar corretamente os transdutores para transporte:
 Verifique se o transdutor está limpo e desinfetado antes de colocá-lo no estojo para evitar a
contaminação da espuma que reveste o estojo de transporte.
 Coloque o transdutor no estojo com cuidado para evitar que o cabo fique torcido.
 Antes de fechar a tampa, verifique se nenhuma peça do transdutor está para fora do estojo.
 Embrulhe o estojo em material plástico com bolhas de ar (polibolha) e, em seguida, em um papelão.
 Para evitar danificar o tubo ou o mecanismo de direção dos transdutores TEE, não dobre nem enrole o
tubo flexível do transdutor em voltas de menos de 30 cm de diâmetro.

Armazenamento diário e por longo prazo


Siga estas diretrizes para proteger o transdutor:
 Armazene sempre os transdutores nos suportes localizados na lateral do sistema ou em um suporte
firmemente montado na parede quando não estiverem sendo utilizados.
 Antes de armazenar os transdutores, verifique se os suportes deles estão limpos.

Instruções de Uso 78
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

 Evite armazenar transdutores em áreas com temperaturas extremas ou sob luz direta do sol.
 Armazene os transdutores separados de outros instrumentos para evitar danos acidentais ao transdutor.
 Ao armazenar os transdutores, use os clipes de controle de cabos para prender o cabo do transdutor.
 Antes de armazenar os transdutores, verifique se estão bem secos.
 Para transdutores TEE, certifique-se de que a ponta distal esteja reta antes de armazenar o transdutor.
 Nunca armazene um transdutor TEE no estojo de transporte, exceto para transportá-lo.

Transdutores transesofágicos

Operadores de transdutores TEE

Os transdutores TEE foram projetados para serem utilizados por médicos adequadamente treinados em
técnicas esofagogastroscópicas, de acordo com as práticas médicas atualmente aprovadas. A Philips
recomenda que os médicos que operam qualquer transdutor TEE tenham as seguintes qualificações:
 Peritos em reconhecer e interpretar padrões de imagens transesofágicas.
 Estejam totalmente familiarizados com a operação segura, com o cuidado e a manutenção do sistema de
ultra-som e com o transdutor TEE.
 Estejam totalmente familiarizados com os métodos mais recentes de TEE por meio de leitura e
seminários

Segurança do paciente durante exames de TEE

Esta seção contém informações sobre a segurança do paciente ao utilizar um transdutor TEE.

NOTA
A Philips recomenda que pratique a utilização dos controles antes de realizar qualquer procedimento
mencionado nesta seção.

É preciso estar totalmente familiarizado com a operação segura, os cuidados e a manutenção do sistema de
imagens de ultra-som utilizado com o transdutor TEE, assim como ser perito em interpretar as imagens
geradas.
Para garantir a segurança do paciente quando estiver utilizando o transdutor TEE, siga as seguintes
instruções:
 Use o bom senso e as informações disponíveis ao selecionar os pacientes para exames de TEE.
 Prepare verbalmente o paciente para cada procedimento antes do exame. Consulte “Preparação de
pacientes para um exame de TEE” na Ajuda
 Examine cuidadosamente todo o transdutor e teste todos os controles antes de cada utilização.
 Insira, remova e opere o transdutor adequadamente.
 Não deixe que o cabo do transdutor fique sobre o paciente nem toque ele.
 Use equipamento de proteção, como um aparelho protetor oclusal e uma capa de transdutor esterilizada
aprovada pelo mercado, durante o exame de TEE.

Instruções de Uso 79
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

 Não deixe que água ou outros líquidos entrem em contato com o conector do transdutor, com o interior do
sistema ou com o teclado.
 Minimize a possibilidade de a ponta do transdutor dobrar-se. Esse problema acontece raramente, mas as
suas conseqüências podem ser sérias. Consulte “Ponta dobrada”, na seção “Transdutores
transesofágicos” da Ajuda.
Para evitar danos ao tecido, como necrose por pressão, ferimentos gastroesofágicos, sangramento,
rompimento de adesões, danos em ligamentos e perfuração, observe as seguintes mensagens de aviso e
cuidado.

AVISOS
 Nunca aplique força excessiva ao inserir ou retirar o transdutor ou ao operar os controles de deflexão.
 Não permita que o transdutor permaneça na condição de deflexão máxima por longos períodos de
tempo.
 Trave o movimento médio/lateral durante a inserção.
 Sempre que o transdutor não estiver sendo utilizado durante um procedimento, assegure-se de que
esteja no modo de rotação livre e desconectado do sistema.
 Para prevenir danos ao tecido, a Philips recomenda que a ponta do transdutor seja endireitada e que as
duas travas de detenção sejam liberadas antes de remover ou reposicionar o transdutor do paciente. Na
posição neutra, a ponta fica reta quando os indicadores dos controles giratórios estão alinhados e
apontam para o centro do botão de rotação do conjunto.

CUIDADOS
 Os aparelhos protetores oclusais são obrigatórios. Para transdutores TEE, as capas de proteção de
transdutor são recomendadas.
 Para evitar danos aos cabos do gastroscópio, verifique se a ponta distal do transdutor está na posição
neutra (reta) ao inserir o transdutor ou removê-lo da capa do transdutor.

Os transdutores TEE são classificados como partes aplicadas ao paciente isoladas do Tipo BF, como descrito
no IEC 60601-1:1995. Não há superfícies condutoras expostas fora do mecanismo de controle. Para garantir
uma operação segura desse transdutor, leia as mensagens de aviso e cuidado na seção “Segurança”,
especialmente as endereçadas às unidades eletrocirúrgicas, marca-passos e desfibriladores.
A Tabela a seguir resume os problemas com segurança de paciente, descreve como evitá-los.

AVISO
Se encontrar uma irregularidade não mencionada na tabela a seguir, não utilize o transdutor.
Conseqüências potencialmente graves podem ocorrer. Entre em contato com o representante Philips.

Instruções de Uso 80
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Prevenção de problemas no transdutor TEE

Problema Efeito sobre o paciente Prevenção


Trauma grave, cortes,
Inspecione o transdutor visualmente e pelo tato
Dano mecânico sangramento,
antes do exame.
perfurações
Verifique se o transdutor possui rupturas no
isolamento, torções ou outras anomalias. Siga os
Dano elétrico Queimaduras esofágicas
procedimentos de verificação da segurança
elétrica.
Mordidas, transdutor Danos aos dentes,
Use sempre um aparelho protetor oclusal.
raspado queimaduras esofágicas
Limpe e desinfete completamente o transdutor
após cada utilização. Cubra a ponta e o tubo com
Protocolo de limpeza Disseminação de
uma capa de transdutor. Cubra o sistema de
insuficiente doenças
geração de imagens com uma capa descartável se
suspeitar da existência de organismos patogênicos.
Nunca use força para inserir, remover ou manusear
Cortes esofágicos,
Inserção ou remoção o transdutor. Durante a inserção, trave os controles
sangramento, danos em
inadequada médio/lateral. Durante a remoção, posicione os
ligamentos, perfurações
controles médio/lateral no modo de rotação livre.
Mantenha os controles de deflexão no modo de
rotação livre e desconecte o transdutor do sistema
quando não estiver adquirindo imagens. Minimize a
Morte do tecido esofágico
Necrose por pressão pressão aplicada na área de deflexão e na ponta
interno
distal. Não permita que a ponta distal desloque
uma área de tecido por mais de 5 minutos
consecutivos.
Utilize a predefinição de TEE estabelecida para
Temperatura elevada do minimizar os efeitos da temperatura. No caso de
Queimaduras esofágicas
transdutor pacientes febris, utilize o recurso de resfriamento
automático (Auto-Cool).
Nunca utilize o transdutor durante qualquer
Paralisia unilateral
Posição incorreta do procedimento que requeira uma flexão acentuada
temporária das cordas
paciente do pescoço, como craniotomias com o paciente
vocais
sentado.
Utilize apenas unidades eletrocirúrgicas (ESUs)
com saída isolada. O rótulo da ESU, o guia de
Unidades
manutenção ou o departamento biomédico devem
eletrocirúrgicas (ESUs) Queimaduras elétricas
identificar se a ESU está isolada ou não.
não isoladas
Desconecte o transdutor do sistema quando não
estiver adquirindo imagens.
Problemas referentes à Desconecte o transdutor do sistema ou remova-o
Queimaduras elétricas
desfibrilação do paciente antes de iniciar a desfibrilação,

Instruções de Uso 81
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

A inspeção meticulosa e a operação correta e cuidadosa do transdutor de TEE (transesofágico) são


imprescindíveis para a segurança do paciente. As situações mencionadas nesta seção influenciam a
operação de segurança e a capacidade de corrigir problemas mecânicos de acordo com o contrato de serviço
e a garantia de um ano da Philips. Os reparos de danos provocados por má utilização dos transdutores não
são cobertos pela garantia e são muito onerosos, exigindo, muitas vezes, a desmontagem e remontagem
completa do transdutor.
Há três principais causas de má utilização do transdutor:
 Cortes e arranhões no isolamento do transdutor provocados pelos dentes ou por instrumentos afiados,
como bisturis, tesouras e grampos;
 Técnicas inadequadas de desinfecção que causam entrada de líquido no conjunto de controle da cabeça,
no mecanismo de direção e no resto do transdutor;
 Aplicação regular de força excessiva aos controles de rotação de um transdutor TEE, o que pode
danificar o mecanismo de rotação.

Consulte a Tabela a seguir para familiarizar-se com problemas específicos, como evitá-los. A Philips também
recomenda a divulgação de protocolos rigorosos referentes aos cuidados dos transdutores TEE, com base
nas informações contidas neste manual, para minimizar os riscos de danos.

AVISO
Para qualquer outra irregularidade não relacionada na Tabela a seguir, não utilize o transdutor.
Conseqüências potencialmente graves podem ocorrer. Entre em contato com o representante Philips.

Problema Efeito no equipamento Prevenção


Verifique se o transdutor apresenta cortes, rupturas
Fuga de corrente Riscos elétricos graves
no isolamento, torções ou outras anomalias.
Cubra os dentes do paciente com um aparelho
Riscos mecânicos e
Mordida no transdutor protetor oclusal. Cubra a ponta e o tubo flexível
elétricos
com uma capa de transdutor (recomendado).
Aplicação de força
Mecanismo de direção
excessiva nos controles Opere os controles de deflexão com cuidado.
quebrado
de deflexão
Possível dano em
Pendure o transdutor em um suporte de parede e
Armazenamento elementos altamente
cubra a ponta distal com o protetor de pontas
incorreto sensíveis, cortes no tubo
quando não estiver sendo utilizado.
flexível
Danos graves ao
Nunca esterilize o transdutor usando alvejante,
transdutor, afetando a
Exposição interna a vapor, calor ou óxido de etileno (EtO). Nunca
qualidade da imagem, o
líquidos mergulhe o mecanismo de direção em desinfetante
mecanismo de direção e
ou líquido.
a segurança elétrica

Instruções de Uso 82
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Segurança elétrica e transdutor TEE

O sistema de ultra-som HD15 e seus transdutores estão em conformidade com os padrões comuns de
segurança elétrica de dispositivos médicos.
Esta seção inclui informações sobre a corrente de fuga do transdutor TEE e como reduzir os riscos
associados ao uso de transdutores TEE. Para obter informações de segurança sobre as unidades
eletrocicúrgicas, marca-passos, desfibriladores e tópicos relacionados, consulte “Segurança elétrica”.

Corrente de fuga e transdutores TEE


Para os transdutores TEE discutidos neste documento, o tubo de inserção e a ponta são classificados como

do tipo BF, como descrito no IEC 60601-1. Não há nenhuma superfície condutora exposta fora do
mecanismo de controle. Todos os circuitos ativos e os condutores dentro do tubo flexível são revestidos por
uma proteção aterrada que se estende ao longo do transdutor.
Se a camada externa do tubo estiver perfurada ou rachada, o esôfago do paciente poderá estar exposto a
uma corrente de fuga do chassi. Essa corrente de fuga não é perigosa, desde que o conector terra (terceiro
fio) do cabo de alimentação do sistema de ultra-som esteja intacto e conectado a uma tomada de parede
adequadamente aterrada. Mesmo se o conector de terra se romper, a corrente de fuga do conector está de
acordo com os limites especificados no IEC 60601-1:1995.
Os riscos de corrente de fuga são ainda menores quando o sistema de ultra-som está ligado em uma tomada
isolada, o que é padrão na maioria das salas de operação.

Como reduzir os riscos ao usar transdutores TEE


Para reduzir a possibilidade de riscos elétricos associados ao uso de transdutores TEE, siga estas
recomendações:
 Faça uma inspeção visual e tátil no transdutor TEE para detectar saliências, trincas e cortes antes de
cada exame de TEE. Uma pequena saliência na superfície do tubo pode indicar que um filamento do
aterramento se rompeu e está começando a furar a camada externa. Se suspeitar de um problema com o
tubo flexível, execute o processo de verificação de segurança elétrica.
 Utilize ESUs que tenham saídas isoladas. Os circuitos de detecção de falha/ falha no aterramento
fornecem uma proteção adicional. Para determinar se uma ESU tem saída isolada, leia o rótulo na ESU,
consulte o guia de serviços da ESU ou pergunte a um engenheiro biomédico.
 É necessário realizar verificações de segurança elétrica periódicas para garantir que o sistema de
aterramento da área permaneça intacto.
 Se o transdutor for deixado em um paciente durante períodos em que a aquisição de imagem não esteja
sendo feita, desconecte o transdutor do sistema para reduzir a possibilidade de corrente de fuga ou
interação com a ESU. Verifique também se as travas do controle de deflexão estão desativadas e se o
transdutor está no modo de rotação livre.

Fundamentos do controle de deflexão de TEE

Os controles de deflexão nos transdutores TEE movem a área de deflexão, localizada entre a ponta distal e o
tubo flexível. A área de deflexão se dobra quando você opera os controles, permitindo posicionamento
anterior, posterior e lateral da maioria dos transdutores (Figura a seguir).

Instruções de Uso 83
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Movimento do controle de deflexão

Para evitar danos ao tecido, como necrose por pressão, ferimentos gastroesofágicos, sangramento,
rompimento de adesões, danos em ligamentos e perfuração, observe as seguintes mensagens de aviso:

AVISOS
 Nunca aplique força excessiva ao inserir ou retirar o transdutor ou ao operar os controles de deflexão.
 Trave o movimento médio/lateral durante a inserção. Use o modo de rotação livre quando estiver
removendo o transdutor, sempre que não estiver adquirindo imagens.
 Nunca aplique força excessiva quando estiver operando os controles de deflexão durante a aquisição
de imagens. Não permita que o transdutor permaneça na condição de deflexão máxima por longos
períodos de tempo.
 Para prevenir danos ao tecido, a Philips recomenda que a ponta do transdutor seja endireitada e que as
travas de detenção sejam liberadas antes de remover o transdutor do paciente.

CUIDADO
Ao reposicionar ou remover um transdutor TEE, coloque os controles na posição de rotação livre. Se o
transdutor for deixado no paciente durante longo período, desconecte o transdutor do sistema para reduzir a
possibilidade de corrente de fuga ou interação com a ESU. Além disso, verifique se o transdutor está no
modo de rotação livre.

Transdutores intra-operatórios

Operadores dos Transdutores intra-operatórios

Os transdutores intra-operatórios Philips destinam-se à utilização sob orientação de médicos adequadamente


treinados nas técnicas de aquisição de imagens intra-operatórias por ultra-som, de acordo com as práticas
médicas pertinentes aprovadas no momento. A Philips recomenda que os médicos que operam qualquer
transdutor intra-operatório Philips tenham as seguintes qualificações:
 Sejam peritos em reconhecer e interpretar padrões de imagens.
 Estejam totalmente familiarizados com a operação segura, com o cuidado e a manutenção do sistema de
ultra-som HD15 e com os transdutores intra-operatórios.
 Estejam completamente familiarizados com os últimos métodos intra-operatórios por meio de literaturas e
seminários.

Instruções de Uso 84
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Utilização indicada para os Transdutores intra-operatórios

Os estudos intra-operatórios são executados por cirurgiões, anestesistas ou profissionais habilitados em ultra-
sonografia para adquirir imagens que podem ser utilizadas para:
 Ajudar o cirurgião a localizar e visualizar estruturas anatômicas antes, durante ou depois de um
procedimento cirúrgico.
 Ajudar o cirurgião a visualizar os padrões de fluxo sangüíneo e a quantificar as velocidades antes,
durante ou depois de um procedimento cirúrgico.
 Adquirir imagens e medir parâmetros anatômicos e fisiológicos antes, durante ou depois de um
procedimento cirúrgico.
Os transdutores discutidos nesta seção podem ser usados para cardiologia de adultos.

AVISO
Transdutores intra-operatórios utilizados em estudos com animais não devem ser utilizados em humanos.
Os procedimentos de desinfecção de transdutores para utilização entre animais e humanos ainda não foram
validados.

Segurança do paciente durante Exames intra-operatórios

Esta seção relaciona as condições que podem afetar os pacientes de forma adversa durante a utilização do
transdutor intra-operatório.
Os transdutores intra-operatórios devem ser manuseados sob orientação de um médico adequadamente
treinado nas técnicas de aquisição de imagens intra-operatórias por ultra-som, de acordo com as práticas
médicas pertinentes aprovadas no momento. É preciso estar totalmente familiarizado com a operação segura,
com os cuidados e a manutenção do Sistema de ultra-som utilizado com o transdutor, assim como ser perito
em interpretar as imagens geradas.
Para garantir a segurança do paciente quando estiver utilizando o transdutor intra-operatório, observe as
seguintes diretrizes:
 Examine minuciosamente o transdutor antes de cada utilização (consulte “Cuidados com os
transdutores”).
 Utilize equipamentos de proteção obrigatórios, como capas protetoras de transdutor estéreis aprovadas,
durante os exames intra-operatórios.
 Utilize o transdutor de forma adequada.
 Não permita que água ou outros líquidos entrem no conector do transdutor, no interior do sistema ou no
teclado.

AVISOS
 Todos os estudos intra-operatórios devem ser realizados com transdutores do tipo CF. transdutor
classificado. Se o transdutor não tiver a identificação de tipo CF no conector, entre em contato com
o representante de serviços Philips.
 Utilize sempre a capa para transdutor e o gel de transmissão de ultra-som esterilizados aprovados pelo
mercado ao realizar estudos intra-operatórios.
 Sempre retire o transdutor do paciente antes de iniciar a desfibrilação.

Instruções de Uso 85
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Peças de contato com o paciente


O látex normalmente é usado nas capas de transdutor comercializadas para auxiliar no controle de infecções
em aplicações de imagens transesofágicas, de endocavidade e intra-operatórias, bem como com capas de
transdutor usadas durante a biópsia. Examine a embalagem para confirmar a composição de látex. Estudos
têm demonstrado que os pacientes podem apresentar reações alérgicas a látex de borracha natural. A FDA
(Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA) publicou um alerta médico sobre produtos de látex em 29
de março de 1991. Para obter mais informações, consulte “Alerta médico do FDA sobre Látex”.

NOTA
O sistema de ultra-som e seus transdutores discutidos aqui não contêm látex de borracha natural que entra
em contato com seres humanos. Em nenhum transdutor do ultra-som Philips é utilizado látex de borracha
natural.

Prevenção de problemas com o transdutor intra-operatório

A inspeção meticulosa e a operação correta e cuidadosa do transdutor intra-operatório são imprescindíveis


para a segurança do paciente. As situações relacionadas nesta seção afetam a operação segura, bem como
a possibilidade de solucionar problemas mecânicos cobertos pela garantia ou pelo contrato de serviços da
Philips. Os reparos de danos em transdutores provocados por má utilização não são cobertos pela garantia e
podem ser muito onerosos, exigindo, muitas vezes, a completa desmontagem e remontagem do transdutor.
As três principais causas de má utilização do transdutor são:
 Cortes e arranhões no isolamento do transdutor e nas lentes provocados por instrumentos afiados, como
bisturis, tesouras e grampos.
 Técnicas de desinfecção inadequadas, causando a entrada de líquidos no transdutor ou danos aos
materiais do transdutor.
 Danos causados pela queda do transdutor sobre uma superfície dura.

AVISO
Se encontrar qualquer sinal de dano no transdutor, a segurança do paciente pode estar comprometida. Não
utilize o transdutor e entre em contato com o representante de serviços Philips.

A Philips recomenda a divulgação de protocolos rigorosos referentes aos cuidados com os transdutores intra-
operatórios, com base nas informações contidas neste manual, para minimizar os riscos de danos.

Segurança elétrica e Transdutores intra-operatórios

Todos os sistemas de ultra-som e transdutores da Philips estão em conformidade com os padrões comuns de
segurança elétrica de dispositivos médicos.
O transdutor L15-7io é classificado como um Tipo CF parte aplicada ao paciente isolada, conforme
descrito no IEC 60601-1:1995. Não há nenhuma superfície condutora exposta na cabeça do transdutor. Para
garantir operação segura deste transdutor, leia as advertências e avisos na seção "Segurança",
principalmente aquelas que tratam de unidades eletrocirúrgicas, marca-passos e desfibriladores.

Instruções de Uso 86
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Transdutores de endocavidade

Operadores de transdutores de endocavidade

Os transdutores de endocavidade Philips destinam-se à utilização sob orientação de médicos


adequadamente treinados nas técnicas de aquisição de imagens de endocavidade por ultra-som, de acordo
com as práticas médicas pertinentes aprovadas no momento. A Philips recomenda que os médicos que
operam qualquer transdutor de endocavidade Philips tenham as seguintes qualificações:
 Sejam peritos em reconhecer e interpretar padrões de imagens
 Estejam totalmente familiarizados com a operação segura, com o cuidado e a manutenção do sistema e
com os transdutores de endocavidade
 Estejam totalmente familiarizados com os métodos mais recentes de endocavidade por meio de leitura e
seminários

Segurança do paciente durante exames de endocavidade

Esta seção relaciona as condições que podem afetar os pacientes de forma adversa durante a utilização do
transdutor de endocavidade.
Os transdutores de endocavidade devem ser manuseados sob orientação de um médico adequadamente
treinado nas técnicas de aquisição de imagens de endocavidade por ultra-som, de acordo com as práticas
médicas pertinentes aprovadas no momento. Também é preciso estar totalmente familiarizado com a
operação segura, com os cuidados e a manutenção do sistema de ultra-som utilizado com o transdutor, assim
como ser perito em interpretar as imagens geradas.
Para garantir a segurança do paciente durante o uso de um transdutor de endocavidade, observe as
seguintes instruções:
 Examine minuciosamente o transdutor antes de cada utilização (consulte “Cuidados com os
transdutores”).
 Utilize equipamentos de proteção obrigatórios, como capas protetoras de transdutor estéreis aprovadas
em exames de endocavidade.
 Utilize o transdutor de forma adequada.
 Não derrame água ou outros líquidos no conector do transdutor, no interior do sistema ou no teclado.

AVISOS
 Todos os estudos de endocavidade devem ser realizados com um transdutor classificado do do Tipo
CF. Se seu transdutor não possuir a etiqueta Tipo CF no conector do transdutor, entre em contato
com o representante de serviços Philips.
 Utilize sempre a capa para transdutor e o gel de transmissão de ultra-som esterilizados e aprovados
pelo mercado ao realizar estudos de endocavidade.
 Sempre retire o transdutor do paciente antes de iniciar a desfibrilação.

Instruções de Uso 87
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Peças de contato com o paciente


O látex normalmente é usado nas capas de transdutor comercializadas para auxiliar no controle de infecções
em aplicações de imagens transesofágicas, de endocavidade e intra-operatórias, bem como com capas de
transdutor usadas durante a biópsia. Examine a embalagem para confirmar a composição de látex.
Estudos têm demonstrado que os pacientes podem apresentar reações alérgicas a látex de borracha natural.
A FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA) publicou um alerta médico sobre produtos de látex
em 29 de março de 1991. Para obter mais informações, consulte “Alerta médico do FDA sobre Látex”.

NOTA
O sistema de ultra-som e seus transdutores mencionados aqui não contêm látex de borracha natural que
entre em contato com seres humanos. Nenhum transdutor por ultra-som Philips emprega látex de borracha
natural.

Desinfetantes e Géis

Esta seção lista os géis de ultra-som seguros para uso com os transdutores compatíveis com o sistema. Além
disso, essas instruções ajudarão a evitar danos, o que pode anular a garantia, durante a limpeza,
desinfecção, esterilização e uso do gel.

Segurança dos Desinfetantes e Géis

Observe os seguintes avisos e advertências ao usar desinfetantes e géis. Advertências e avisos mais
específicos podem ser encontrados nos vários procedimentos desta seção e nos rótulos das soluções de
limpeza ou desinfecção.

AVISOS
 Os desinfetantes são recomendados por sua compatibilidade química com os materiais do produto, não
por sua eficácia biológica. Para obter informações quanto à eficácia biológica de um desinfetante,
consulte as diretrizes e recomendações do fabricante, a Agência de Alimentos e Medicamentos dos
EUA (FDA) e os CDCs (Centros de Controle de Doenças dos EUA).
 O nível de desinfecção exigido para um dispositivo é determinado pelo tipo de tecido com que terá
contato durante a utilização. Verifique se o tipo de desinfetante é apropriado para o tipo e a aplicação
do transdutor. Consulte as instruções dos rótulos dos desinfetantes e as recomendações da APIC
(Associação para Profissionais em Controle de Infecções dos EUA), da FDA e dos CDCs.
 Alguns transdutores não podem ser esterilizados. Para procedimentos intra-operatórios, a desinfecção
de alto nível e a utilização de gel e tampa estéril do transdutor (conforme descrito nas instruções
fornecidas com a tampa do transdutor) representam o método aceito de controle de infecção. Consulte
o documento de orientação da FDA “Information for Manufacturers Seeking Marketing Clearance of
Diagnostic Ultrasound Systems and Transducers”, de 30 de setembro de 1997. Esse documento
encontra-se no seguinte site: www.fda.gov/cdrh/ode/ulstran.pdf
 A utilização de tampas protetoras de transdutores e gel de acoplamento é recomendada para
aplicações clínicas de todos os transdutores de intracavidade (incluindo transesofágicos). Use uma
tampa protetora esterilizada com gel de transmissão de ultra-som estéril durante os exames de
biópsias.

Instruções de Uso 88
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

AVISOS
 Não aplique a tampa do transdutor e o gel até que esteja pronto para executar o procedimento. Os
transdutores não devem ser mantidos imersos em gel.
 Em aplicações neurocirúrgicas, transdutores esterilizados devem ser utilizados com gel estéril e uma
tampa estéril de transdutor-sem pirogênio.
 As tampas dos transdutores podem conter látex de borracha natural, que pode causar reações alérgicas
em algumas pessoas. Consulte “Alerta sobre produtos de látex”.

Encefalopatia espongiforme transmissível

AVISO
Se a tampa estéril do transdutor ficar comprometida durante o procedimento intra-operatório que envolva
um paciente com encefalopatia espongiforme transmissível, como a Doença de Creutzfeldt-Jakob, siga as
diretrizes do CDC e este documento da Organização Mundial da Saúde: WHO/CDS/APH/2000/3, WHO
Infection Control Guidelines for Transmissible Spongiform Encephalopathies. Os transdutores do sistema
não podem ser descontaminados por processo térmico.

Meio de acoplamento acústico

Para a transmissão adequada do feixe acústico, use o gel de transmissão de ultra-som fornecido ou
recomendado pela Philips ou outro meio de acoplamento à base de glicol, glicerina ou água.

CUIDADO
Não use óleo mineral, acopladores à base de óleo, géis com loções ou emolientes de nenhum tipo ou outro
tipo de material não aprovado, porque eles podem danificar o transdutor.

Compatibilidade de géis

Embora a maioria dos géis ofereça acoplamento acústico adequado, alguns géis são incompatíveis com
determinados materiais do transdutor. Os produtos que não contenham óleo mineral são aceitáveis para uso.
Nunca use produtos com base em loção.

AVISO
Para aplicações intra-operatórias, use apenas os géis Sterile Aquasonic ou Sterile Ultraphonic fornecidos
com a tampa do transdutor.

CUIDADOS
 Não use géis que contenham loção ou óleo mineral. Esses produtos podem danificar o transdutor e
anular a garantia.
 Os géis listados nesta seção são recomendados devido à compatibilidade química com os materiais do
produto.

Instruções de Uso 89
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Alguns géis recomendados incluem:


 Aquasonic 100 e Aquasonic Clear
 Carbogel-ULT
 ECG Gel (Nicom) e Nemidon Gel
 Scan
Para mais informações sobre compatibilidade, entre em contato com o Serviço de atendimento ao cliente da
Philips

Movimentação do sistema

Observe os seguintes avisos e advertências antes de movimentar o sistema.

AVISOS
 Tome cuidado com as rodas, especialmente quando mover o sistema. O sistema pode provocar danos
em você ou em outros se passar sobre pés ou pernas. Tome cuidado na subida e descida de rampas.
 Quando tentar ultrapassar obstáculos não empurre o sistema por qualquer dos lados com força
excessiva, o que pode provocar sua queda.
 Posicione os dispositivos de formato impresso externos distantes do sistema. Verifique se estão
seguros. Não os empilhe no carrinho do sistema.
 Jamais pare o sistema em um declive.
 Os freios representam uma comodidade. Para aumentar a segurança do carrinho, use escoras de rodas
quando o sistema está estacionado.
 Antes de movimentar o sistema, verifique se o monitor está travado. O monitor pode ficar danificado se
estiver aberto durante o transporte.

CUIDADOS
 Verifique se os cabos de todas as peças aplicadas aos pacientes estão seguras antes de movimentar o
sistema. Use o sistema de controle de cabos para assegurar que os cabos do transdutor estão
protegidos contra danos.
 Não role o sistema sobre cabos de energia ou do transdutor.
 Quando transportar o sistema, evite expor o monitor a luz direta do sol e não deixe que a temperatura
interna do veículo exceda a 65°C (149°F). Qualquer dessas condições pode danificar permanentemente
o monitor.

Instruções de Uso 90
HD15
Precauções, Restrições e Advertências

Preparação e movimentação

1. Pressione On/Off para desligar o sistema.


2. Desconecte todos os cabos externos, inclusive os de energia, rede e dispositivos externos. Prenda todos
os cabos, transdutores e acessórios de modo que não interfiram com as rodas.
3. Centralize o módulo de controle e abaixe o monitor e o módulo de controle para melhorar a visibilidade e
a estabilidade do sistema.
4. Solte os freios das rodas e as travas da direção.
5. Mova o carrinho usando as alças.

Configuração após a movimentação

CUIDADO
Se o sistema se comportar de forma anormal após a movimentação, contate imediatamente o serviço de
atendimento ao cliente da Philips. Os componentes estão bem instalados e podem suportar choques
consideráveis; entretanto, choque excessivo pode provocar falha do sistema.

1. Com o sistema em posição, conecte os cabos de energia, de rede e os demais do sistema nos
conectores fixos de parede adequados.
2. Pressione On/Off para ligar o sistema.

Precauções com Transporte

 O transporte do equipamento sai da fábrica acondicionado em caixas projetadas para proteger o mesmo
sob condições normais de transporte.
 Não submeter as caixas a esforços em pontos que não se destinem a tal, sob o risco de danificar o
equipamento.
 Não deixar as caixas caírem ou sofrerem vibrações, bem como sob ação do tempo.
 Deixar sempre as caixas em posição vertical indicada na caixa.

Precauções com Armazenagem.

 O equipamento deve ficar em local coberto e arejado, livre de calor e umidade excessivas.
 Manter o equipamento em suas caixas originais até o momento da instalação.
 Não guarde o equipamento e nem instale em local onde se armazena produtos inflamáveis ou de
armazenagem de gases químicos.

Instruções de Uso 91
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

7. MANUTENÇÕES PREVENTIVA E CORRETIVA E CONSERVAÇÃO

A Manutenção e o Reparo do Sistema de Ultra-som HD15, devem ser


realizados por pessoal técnico especializado.

Para a segurança do paciente, do operador e de terceiros, é recomendado realizar a


manutenção preventiva do produto, em suas partes, módulos e acessórios, descritas a
seguir, em intervalos regulares de no máximo 12 meses. Para efetuar a verificação das
boas condições do produto sugerimos contatar o nosso Serviço Técnico. Este serviço
dispõe de pessoal qualificado, equipamentos de medição e testes calibrados, peças e
componentes originais, reunindo desta forma as melhores condições para promover alta
confiabilidade de funcionamento e prolongada vida útil do produto. Nos casos onde o
produto trabalha sob condições extraordinárias, intervalos menores de verificação podem
ser sugeridos pelo Serviço Técnico da PHILIPS.
Em caso de mau funcionamento, desconecte o equipamento e comunique o Serviço
Técnico da PHILIPS.
A solicitação de manutenção pelo serviço autorizado pode ser solicitada no seguinte
endereço:

Representante no Brasil:
Philips Medical Systems Ltda.
Av. Dr. Marcos Penteado Ulhoa Rodrigues, 401, Parte 16 -
Tamboré
06460-040 Barueri - SP
Fone: (11) 2125-3465
Fax: (11) 2125-3422

Instruções de Uso 92
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Manutenções Preventiva e Corretiva


A Philips recomenda a manutenção preventiva básica que é pretendida para minimizar a possibilidade de
falha inesperada. A maioria das recomendações depende da limpeza total.
A manutenção preventiva do sistema consiste principalmente na limpeza periódica e consistente do filtro de
ar e manutenção do carro móvel.

Freqüência Recomendada de Procedimentos de Manutenção

A freqüência da manutenção preventiva do sistema desempenha um papel chave na extensão ou na


eliminação do tempo ocioso, devido ao desempenho insuficiente ou transtorno inesperado. A Tabela abaixo
oferece recomendações, contudo você pode fazer os ajustes necessários baseados em fatores como
freqüência de uso e condições ambientais. Em todo caso, a Philips recomenda que você cheque com
freqüência os itens relativos à segurança.

Item Freqüência Tarefa


Transdutores Antes de cada uso Checar quanto a fendas, pinos tortos ou outras anormalidades.
Carro móvel Conforme Limpar conforme instruído. Rodas têm rolamentos selados e não
necessário é necessária a lubrificação.
Filtro de ar 3 meses ou com Limpe conforme instruído.
mais freqüência
Trackball 3 meses ou com Limpe conforme instruído.
mais freqüência
Aparelho de vídeo 6 meses Limpe as cabeças de vídeo e a trilha da fita de vídeo.
Impressoras de 6 meses Limpe a cabeça da impressora, rolos e sensores.
vídeo
Ventilador 1 ano Cheque quanto ao bom fluxo de ar sem ruído excessivo.
Segurança 1 ano Execute testes de fuga e impedância no aterramento

Diretrizes de Descarga Eletrostática

Siga estas diretrizes de descarga eletrostática (ESD) ao realizar serviço ou procedimentos de manutenção, a
fim de evitar a possibilidade de deterioração inadvertida ou destruição dos componentes eletrônicos
sensíveis:
 Evite trabalhar em áreas com carpete que não sejam aprovadas para ESD.
 Utilize uma pulseira de aterramento que seja aterrada adequadamente. O sistema deve estar conectado
à tomada de força e desligado.
 Utilize uma esteira aterrada para trabalho de montagem em áreas sensíveis.

ADVERTÊNCIA
Para sua segurança e proteção, você tem que seguir as diretrizes de ESD ao realizar serviços e
procedimentos de manutenção.

Instruções de Uso 93
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADO
Se você utilizar um agente de limpeza a vácuo para limpar o interior do sistema ou qualquer parte do
sistema sensível à ESD, tome as precauções necessárias quanto à descarga estática, a fim de evitar danos
aos componentes eletrônicos.

Manutenção do Painel de Controle do Sistema

O painel de controle do sistema e outras superfícies externas são mais prováveis de serem afetadas por
derramamento de líquido e outros materiais como quantidades excessivas de gel. Estes materiais podem
penetrar nos componentes elétricos sob o painel e causar falhas intermitentes. Durante a manutenção
preventiva, procure tais problemas em potencial, incluindo botões soltos e controles gastos.
Limpe regularmente o lado externo do sistema conforme descrito na seção “Limpeza e Desinfecção”.

Manutenção do disco rígido

A manutenção de rotina do disco rígido é necessária se os exames de pacientes não forem excluídos
automaticamente do sistema. A exclusão automática ocorre apenas se for selecionada nas configurações.
O diretório do paciente pode conter um máximo de 200 exames de pacientes. Dependendo do conteúdo de
cada exame, a capacidade do disco rígido do sistema pode ser excedida antes de alcançar o exame 200. A
Philips recomenda firmemente que você ou o administrador do sistema faça a manutenção do disco
regularmente para evitar perda de dados.
Se foi negligenciada a manutenção regular, o sistema exibe um aviso quando o disco rígido está atingindo
sua capacidade. A manutenção do disco rígido deve ser executada imediatamente depois da exibição do
aviso de capacidade do disco rígido. A manutenção do disco rígido pode ser feita apenas depois de se fazer
cópias de segurança de todos os dados de exames em DVD ou servidor PACS e apenas se o sistema não for
utilizado por uma hora ou mais.

Fazer a manutenção do disco rígido

CUIDADOS
 A Philips recomenda que não se use o sistema enquanto estão sendo feitas as cópias de segurança e a
exclusão dos exames dos pacientes.
 Faça cópias de segurança de todos os exames de pacientes antes de excluí-los. Os exames excluídos
não podem ser restaurados.

1. Pressione Review e se necessário, clique em Patient Directory.


2. Em Patient Directory, selecione os exames dos pacientes dos quais serão feitas as cópias de segurança.
3. Clique em Send To, selecione o destino e clique em OK para copiar os estudos em um DVD ou em um
servidor de rede PACS.
4. Verifique se os dados foram copiados com sucesso no DVD ou no servidor PACS.
5. No Patient Directory, selecione os exames que deseja excluir.
6. Clique em Delete Selected.

Instruções de Uso 94
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Redefinir o banco de dados do paciente

Quando o banco de dados do paciente contém dados em demasia, o sistema torna-se cada vez mais lento e
falho nas respostas durante os exames. Há configuração do sistema disponível para redefinir o banco de
dados de pacientes com a limpeza de todos os dados existentes. Use-a apenas quando recomendado pelo
técnico de serviço de campo da Philips ou quando tiver segurança na exclusão de dados existentes.
1. Pressione a tecla Setup.
2. Clique em Print/Network.
3. Clique em Global Config e depois em HD Maint.
4. Clique em Reset Patient Database.
5. Clique em Yes. Após cerca de um minuto, o sistema reinicia-se automaticamente ou exibe mensagem de
erro.
6. Se aparecer mensagem de erro, clique em Yes e depois reinicie o sistema manualmente pressionando o
interruptor On/Standby.

Manutenção da impressora

AVISO
Antes de fazer a manutenção de um dispositivo, desconecte-o sempre da fonte de energia de um dos
seguintes modos: desconecte o sistema da tomada de parede, se o dispositivo for interno ao sistema ou
desconecte o dispositivo da tomada de parede, se for externo ao sistema.

CUIDADOS
 Não arranhe o cilindro ou permita que sujeira e pó entrem em contato com o cilindro da impressora.
 Não use solventes fortes como thinner ou benzina, ou limpadores abrasivos, pois eles podem danificar o
gabinete do dispositivo.

CUIDADOS
 Não arranhe o cilindro ou permita que sujeira e pó entrem em contato com o cilindro da impressora.
 Não use solventes fortes como thinner ou benzina, ou limpadores abrasivos, pois eles podem danificar o
gabinete do dispositivo.

Limpe periodicamente as superfícies externas do dispositivo com um pano macio. As manchas difíceis podem
ser removidas com um pano ligeiramente umedecido com solução de detergente suave.

Teste do sistema

O teste do sistema abrange todo o status operacional do sistema. Este teste é formado por numerosos
subtestes. Se um subteste falhar, o sistema conclui os subtestes restantes. Quando rodado das
configurações, o teste do sistema exibe apenas o resultado aprovado-falhou no monitor do sistema. O teste
pode ser executado do aplicativo Technical Administration por usuários qualificados e são exibidos códigos
de erro se forem encontradas falhas. Se o teste do sistema falhar, notificar a Philips.
Execute o teste de sistema sempre que for exibido erro do sistema ou se suspeitar de problemas com o
sistema. Se for exibida mensagem de erro durante o teste, reinicie o sistema com o interruptor On/Standby.

Instruções de Uso 95
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

NOTA
O teste do sistema leva aproximadamente 30 minutos.

1. Ligue o sistema
2. Desconecte todos os transdutores do sistema.
3. Pressione a tecla Setup.
4. Clique em Config/Test.
5. Clique na guia System Test.
6. Clique em Run. O sistema exibe mensagem quando o teste estiver concluído, informando se o teste foi
aprovado ou falhou.
7. Clique em Cancel ou Done para sair das configurações.

Instruções de Uso 96
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Limpeza e Desinfecção

Limpeza do sistema

É importante limpar e fazer a manutenção do sistema de ultra-som e dos periféricos. Uma limpeza minuciosa
é especialmente importante para as peças de equipamentos periféricos, pois as mesmas contêm dispositivos
eletromecânicos. Quando expostos à poeira e umidade constantes e excessivas do ambiente, esses
dispositivos sofrem impactos tanto no desempenho quanto na confiabilidade.
É importante limpar os transdutores usados com o sistema de ultra-som. Os procedimentos de limpeza
variam de acordo com os diferentes tipos de transdutores e suas utilizações.

Limpeza do sistema e do equipamento de ECG

Use este método para limpar o sistema e o equipamento de ECG. O sistema e os cabos, condutores e
eletrodos de ECG podem ser limpos usando-se solução de sabão leve. Se o equipamento entrar em contato
com sangue ou material infeccioso, limpe-o com solução de álcool isopropílico a 70%.

AVISO
Use sempre óculos de proteção e luvas ao limpar e desinfetar qualquer equipamento.

CUIDADOS
 A desinfecção de cabos ou conectores utilizando outros métodos, diferentes dos aqui descritos, pode
danificar o dispositivo e anular a garantia.
 Posicione as partes que devem permanecer secas de modo a ficarem mais elevadas do que as partes
molhadas, até que todo o conjunto esteja seco.

Use o procedimento a seguir para limpar o monitor; o painel de controle do sistema e todas as superfícies
externas do sistema e o carrinho; os cabos, os conectores e os eletrodos do tronco do ECG.
1. Antes de efetuar a limpeza, desligue o sistema e desconecte o cabo da fonte de alimentação.
2. Esfregue com um pano macio umedecido com água e sabão.

CUIDADO
Não derrame nem borrife água nos controles, no gabinete do sistema ou no conector fixo de conexão do
transdutor.

3. Remova qualquer material sólido ao redor de teclas e controles com um cotonete ou palito de dente para
que nada sólido entre no gabinete.
4. Se sangue ou outro material infeccioso entrar em contato com o sistema ou qualquer outro cabo, exceto o
do transdutor, limpe-o com uma solução de 70% de álcool isopropílico.

Instruções de Uso 97
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADO
Se sangue ou outro material infeccioso entrar em contato com um transdutor ou cabo de transdutor, não
limpe com álcool isopropílico sem antes ler a seção sobre as diretrizes de limpeza específicas. Não se deve
usar álcool isopropílico em algumas partes do transdutor e nunca em parte alguma do cabo do transdutor.
Também estão disponíveis agentes de limpeza adicionais para os transdutores.

5. Remova todos os resíduos com um pano embebido em água esterilizada.


6. Não se esqueça de secar o equipamento para evitar possível corrosão.

Produtos para limpeza e desinfecção das superfícies do sistema

As superfícies externas do sistema podem ser desinfetadas com um desinfetante compatível e um pano. As
superfícies do sistema incluem a tela do monitor, as telas de toque e as superfícies plásticas e pintadas. Os
seguintes produtos podem ser utilizados nas superfícies do sistema:
 Solução de sabão neutro
 Álcool isopropílico (IPA) a 70%
 T-Spray II (base de amônio quaternário)
 Opti-Cide-3 (amônio quaternário/base de álcool propílico)
 Sani-Cloth HB (base de amônio quaternário)
 Sani-Cloth Plus (base de amônio quaternário/álcool isopropílico)
Outros produtos com base em compostos de amônio quaternário (QUAT) ou QUAT/álcool isopropílico
também podem ser utilizados para desinfetar as superfícies do sistema.

Limpeza e desinfecção das superfícies do sistema


As superfícies externas do sistema podem ser desinfetadas com um desinfetante compatível e um pano. As
superfícies do sistema incluem a tela do monitor, as telas de teclas programáveis e as superfícies plásticas e
pintadas.

AVISO
Use sempre óculos de proteção e luvas ao limpar e desinfetar qualquer equipamento.

CUIDADOS
 Use somente os desinfetantes compatíveis nas superfícies do sistema.
 Se usar solução de álcool isopropílico para a desinfecção, verifique se é uma solução com apenas 70%
ou menos de álcool. Soluções com mais de 70% de álcool podem causar danos ao produto.

1. Desligue o sistema e desconecte o cabo de alimentação da tomada na parede.


2. Use um pano macio, levemente umedecido em uma solução de sabão neutro ou detergente, para limpar
as superfícies externas do sistema.
3. Prepare a solução de desinfecção compatível com o sistema de acordo com as instruções do rótulo
quanto à concentração da solução.

Instruções de Uso 98
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADO
Não pulverize desinfetante diretamente sobre as superfícies do sistema. Ao limpar, não deixe o desinfetante
escorrer pelas superfícies do sistema. Se isso ocorrer, o desinfetante pode penetrar no sistema,
danificando-o e anulando a garantia. Limpe apenas com um pano ou aplicador levemente umedecido.

4. Passe o desinfetante nas superfícies do sistema seguindo as instruções do rótulo quanto à duração,
concentração da solução e período de contato do desinfetante. Verifique se a concentração da solução e
a duração do contato são apropriadas para a aplicação clínica pretendida.
5. Seque com ar ou com um pano estéril de acordo com as instruções do rótulo do desinfetante.
6. Como o sistema é uma peça de equipamento médico que contém várias placas de circuito, diagnóstico
de serviço amplo e software operacional complexo, a Philips recomenda que somente pessoal treinado
faça reparos no sistema.

Manutenção do painel de controle do sistema

O painel de controle do sistema e outras superfícies externas têm maior probabilidade de serem afetados por
respingos de líquidos e de outros materiais, como, por exemplo, excesso de gel. Esses materiais podem
penetrar em componentes elétricos sob o painel e provocar falhas intermitentes. Durante a manutenção
preventiva, esteja atento a esse tipo de problema, inclusive botões frouxos e controles gastos. Limpe
regularmente o exterior do sistema.

Limpeza do trackball

A limpeza periódica do trackball prolonga sua vida útil e evita chamadas de serviço.
1. Com os dedos, desparafuse o anel em torno do trackball.
2. Coloque um dedo no orifício de acesso abaixo do trackball e empurre o trackball para cima.
3. Limpe o trackball e a área de montagem com um pano que não deixe fiapos ou com um pincel pequeno.
4. Coloque a bola de volta na área de montagem.
5. Com os dedos, parafuse o anel.

Limpeza do filtro de ar

Toda a energia dos componentes eletrônico do sistema é fornecida através de uma caixa de fonte de energia
localizada dentro do carrinho. Para assegurar um bom fluxo de ar à fonte de alimentação, é necessário limpar
o filtro de ar do sistema regularmente. O filtro de ar está localizado na parte inferior do sistema, entre dois
canais.
 Para remover o filtro
1. Desligue o sistema e desconecte-o da fonte de alimentação.
2. De qualquer lado do sistema, deslize o filtro para fora da posição entre os dois canais.

Instruções de Uso 99
HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

 Para limpar o filtro


1. Aspire o filtro de ar ou enxagüe-o com água.
2. Se enxaguá-lo com água, deixe-o secar. Verifique se o filtro está completamente seco antes de reinstalá-
lo.

 Para reinstalar o filtro


Deslize o filtro de volta para a posição entre os dois canais.

CUIDADO
Posicione o sistema de modo que a ventilação traseira não seja bloqueada por capas, cortinas ou outro
objeto qualquer.

Limpeza dos Transdutores

Escolha de desinfetante

Para escolher um desinfetante apropriado, determine primeiro o nível de desinfecção exigido, com base na
classificação do dispositivo.

Exigências de níveis de desinfecção


Classificação Definição Nível de desinfecção
Crítico Introdução de dispositivo em tecido não estéril (por Esterilização1.
exemplo, aplicações intra-operatórias)
Dispositivo em contato com membranas mucosas
Semi-crítico Alta
(por exemplo, aplicações de intracavidade)
Não crítico Dispositivo em contato com pele intacta Intermediária ou baixa
1
Desinfecção de alto nível e utilização de tampa do transdutor e gel estéreis, conforme descrito nas instruções fornecidas
com a tampa do transdutor, constituem métodos aceitáveis de controle de infecções para transdutores de ultra-som.
Consulte o documento de orientação da FDA “Information for Manufacturers Seeking Marketing Clearance of Diagnostic
Ultrasound Systems and Transducers”, de 30 de setembro de 1997. Para obter mais informações, consulte o seguinte
site: www.fda.gov/cdrh/ode/ulstran.pdf

Procedimentos gerais de limpeza para todos os transdutores

Essas instruções para limpeza geral são indicadas para todos os transdutores. É importante que o transdutor
e o cabo sejam limpos de acordo com os procedimentos a seguir.

Instruções de Uso 100


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADOS
 Os transdutores devem ser limpos após cada utilização. A limpeza do transdutor é uma etapa essencial
antes da desinfecção ou esterilização efetiva. Siga as instruções do fabricante ao usar desinfetantes.
 Não permita que objetos afiados, como bisturis ou lâminas de cauterização, toquem nos transdutores ou
cabos.
 Ao manusear um transdutor, cuidado para não batê-lo contra superfícies duras.
 Não utilize uma escova de cirurgião para limpar os transdutores. Mesmo a utilização de escovas macias
pode danificar os transdutores.
 Durante a limpeza, desinfecção e esterilização, posicione as partes do transdutor que devem
permanecer secas de modo a ficarem mais elevadas do que as partes molhadas, até que todo o
conjunto esteja seco. Isso impedirá a entrada de líquidos nas áreas permeáveis do transdutor.
 Assegure-se de usar a concentração adequada de limpador e enxagüador enzimático cuidadosamente.

1. Depois de examinar cada paciente, limpe o gel de transmissão de ultra-som do transdutor.


2. Desconecte o transdutor do sistema e remova todas as capas, guias de biópsia ou protetores de pontas.
3. Utilize um pano macio levemente umedecido em sabão neutro ou um limpador enzimático (seguindo as
instruções do fabricante) para remover todas as partículas de material ou fluidos corporais que estejam
no transdutor ou no cabo. Limpadores enzimáticos devem ter pH entre 6,0 e 8,0. Esses limpadores são
diluídos mais ainda durante o uso.
4. Para remover as partículas e os resíduos restantes, enxágüe abundantemente com água até o ponto de
imersão mostrado na Figura na seção “Desinfecção de transdutores por imersão (desinfecção de nível
alto)”.
5. Passe um pano seco.

Desinfecção de transdutores com panos e sprays (desinfecção de nível baixo e


intermediário)

Para desinfetar transdutores, use um método de imersão ou de limpeza com pano usando um desinfetante
recomendado pela Philips. Utilize o método biologicamente apropriado, como descrito na Tabela anterior.
Esta seção inclui instruções sobre como utilizar o método de limpeza com pano ou spray.

Desinfecção de transdutores com panos e sprays

NOTA
Os transdutores somente podem ser desinfetados com um pano se o rótulo do desinfetante compatível
usado indicar a possibilidade de uso desse método.

AVISO
Use sempre óculos de proteção e luvas ao limpar e desinfetar qualquer equipamento.

Instruções de Uso 101


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADO
O uso de álcool isopropílico a 70% (álcool de limpeza) em transdutores é restringido (Figura abaixo). Limpe
a ponta distal do transdutor apenas até 2,5 cm do alívio de tensão e a junta de alojamento com uma solução
de álcool isopropílico. Não use álcool isopropílico no alívio de tensão/junta de alojamento, no alívio de
tensão ou no cabo ou nos transdutores TEE (exceto a alça). O álcool isopropílico pode causar danos a
essas peças do transdutor. Esse dano não é coberto pela garantia nem pelo contrato de serviço.

1. Depois de limpar o transdutor e o cabo, passe um desinfetante de nível baixo com um pano ou spray.
Observe o tempo de contato recomendado pelo fabricante.
2. Remova todos os resíduos com um pano macio umedecido em água. Não deixe nenhuma solução secar
naturalmente no transdutor.
3. Examine o dispositivo e o cabo para verificar se há danos, como fissuras, trincas, arestas ou projeções.
Se o dano for evidente, não utilize o dispositivo e entre em contato com o representante Philips.

Uso restrito do álcool isopropílico para limpeza de transdutores

Limpeza e desinfecção de cabos e conectores com panos e sprays

Os cabos e conectores de todos os transdutores podem ser desinfetados com o uso de desinfetante em spray
ou pano recomendados. Para proteger os componentes eletrônicos do conector, a Philips aconselha o uso do
vedante de conector Philips na desinfecção próxima ao conector.

AVISO
Use sempre óculos de proteção e luvas ao limpar e desinfetar qualquer equipamento.

CUIDADOS
 A desinfecção de cabos ou conectores utilizando outros métodos, diferentes dos aqui descritos, pode
danificar o dispositivo e anular a garantia.
 Posicione as partes que devem permanecer secas de modo a ficarem mais elevadas do que as partes
molhadas, até que todo o conjunto esteja seco.

Instruções de Uso 102


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

1. Desconecte o dispositivo do sistema.


2. Posicione o dispositivo e o conector de forma que fiquem voltados para cima (Figura abaixo).

CUIDADOS
 Não permita que nenhum tipo de fluido entre no conector. Fluido no conector pode anular a garantia do
transdutor ou do dispositivo.
 Não utilize uma escova no rótulo do conector.

Desinfecção de cabos e conectores

3. Utilize um pano macio, levemente umedecido em solução de sabão neutro ou detergente, para limpar o
cabo e o conector. Uma escova macia pode ser utilizada para limpar somente as superfícies de metal do
conector. Não permita que nenhum tipo de fluido entre no dispositivo. Cuidado para que o fluido não
penetre no alívio de tensão, através do conector, dos contatos elétricos ou das áreas ao redor do tubo da
alavanca de travamento e do alívio de tensão (Figura acima).

AVISO
Ao utilizar uma solução pronta, verifique a data de validade.

CUIDADOS
 Você pode usar uma solução de álcool somente para a desinfecção do conector. A solução deve ter
somente 70% de álcool ou menos. Soluções com mais de 70% de álcool podem causar danos ao
produto.
 No cabo, não use álcool ou produtos que contenham álcool.
 Evite o contato do desinfetante com o rótulo do conector.

Instruções de Uso 103


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

4. Prepare a solução de desinfecção compatível com o cabo de acordo com as instruções do rótulo quanto
à concentração da solução.
5. Passe com pano ou borrife o desinfetante no cabo e no conector, seguindo as instruções do rótulo do
desinfetante quanto à duração, concentração da solução e período de contato do desinfetante com o
cabo. Verifique se a concentração e o período de contato da solução são apropriados para o uso clínico
ao qual o dispositivo se destina. Verifique se a solução desinfetante não penetrou no dispositivo ou no
conector e não entrou em contato com o rótulo do conector.
6. Seque com ar ou com um pano estéril de acordo com as instruções do rótulo do desinfetante.
7. Examine o dispositivo e o cabo para verificar se há danos, como fissuras, trincas, arestas ou projeções.
Se o dano for evidente, não utilize o dispositivo e entre em contato com o representante Philips.

Desinfecção de transdutores por imersão (desinfecção de nível alto)

Esta seção inclui informações sobre a utilização do método de imersão para desinfetar a maioria dos
transdutores. Os transdutores transesofágicos (TEE) exigem métodos exclusivos para desinfecção por
imersão.

AVISO
Ao usar um desinfetante pronto, verifique a data de validade.

CUIDADOS
 O uso de desinfetantes não recomendados, de concentrações incorretas de solução ou a imersão de
um transdutor em maior profundidade ou por um período mais prolongado do que o recomendado pode
danificar ou descolorir o transdutor e anular a garantia do dispositivo.
 Não mantenha os transdutores imersos por períodos superiores ao tempo mínimo necessário para o
nível de desinfecção desejado.

1. Limpe o transdutor de acordo com “Procedimentos gerais de limpeza para todos os transdutores”.
2. Prepare a solução de desinfecção compatível com o transdutor de acordo com as instruções do rótulo
quanto à concentração da solução.
3. Coloque o transdutor em imersão no desinfetante apropriado, como mostra a Figura a seguir. Siga as
instruções constantes do rótulo do desinfetante quanto à duração da imersão do transdutor. Não
mantenha os transdutores imersos por períodos superiores ao tempo mínimo necessário para o nível de
desinfecção desejado.
4. Seguindo as instruções do rótulo do desinfetante, enxágüe o transdutor até o ponto de imersão e, em
seguida, seque-o com ar ou com um pano estéril.
5. Examine o transdutor para verificar se há danos, como fissuras, trincas, vazamentos de fluido, arestas
agudas ou projeções. Se o dano for evidente, não utilize o transdutor e entre em contato com o
representante Philips.

Instruções de Uso 104


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Imersão de transdutores

Desinfecção de transdutores TEE por imersão


A desinfecção por imersão é o método de controle de infecção aceito para transdutores transesofágicos. A
Philips recomenda a utilização de uma capa de proteção durante o exame.
Ao receber um novo transdutor, desinfecte-o antes de executar o primeiro exame. Sempre limpe e desinfete o
transdutor imediatamente após cada utilização, para proteger os pacientes e sua equipe de diversas
patogenias. Defina e exponha claramente um procedimento de limpeza que inclua as etapas a seguir.

AVISOS
Se você usar solução Cidex OPA, resíduos podem permanecer nos seus transdutores, se você não seguir
cuidadosamente as instruções do fabricante. A Cidex OPA residual nos transdutores TEE podem provocar
manchas temporárias na área da boca e dos lábios e irritação ou queimaduras químicas da boca, garganta,
esôfago e estômago.
Minimização dos efeitos dos resíduos da Cidex OPA ou de qualquer outro desinfetante, a Philips recomenda
o seguinte:
 Siga as instruções dos fabricantes dos desinfetantes com muita atenção. Por exemplo, o fabricante da
Cidex OPA recomenda lavar os transdutores três vezes em água potável.
 Use uma capa protetora no transdutor durante exames de endocavidade e TEE.
 Use uma tampa protetora de transdutor esterilizada com gel de transmissão de ultra-som estéril durante
exames intra-operatórios e biópsias.
 Limite o tempo em que os transdutores são mergulhados na solução desinfetante ao tempo mínimo
recomendado pelo fabricante do desinfetante. Por exemplo, o fabricante do Cidex OPA recomenda um
mínimo de 12 minutos.

Instruções de Uso 105


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

1. Desconecte o transdutor do sistema.


2. Use o seguinte procedimento para remover todo o material orgânico e outros resíduos:
a. Molhe chumaços de gaze em água com sabão neutro. Não use sabões à base de iodo.
b. Execute um destes procedimentos:
 Limpe a ponta distal e o tubo flexível até o alojamento de controle (mecanismo de direção) com
os chumaços de gaze.
 Para ajudar na remoção de resíduos de proteína, use um limpador enzimático. Limpadores
enzimáticos devem ter pH entre 6,0 e 8,0. Esses limpadores são diluídos mais ainda durante o
uso. Siga as instruções do fabricante com relação à diluição.

CUIDADO
Não enxágüe nem mergulhe o alojamento de controle, o cabo ou o conector.

3. Use água para enxaguar completamente a ponta distal e o tubo flexível.

CUIDADOS
 Não curve o tubo em voltas de menos de 30 cm de diâmetro.
 Não use alvejante no transdutor e na haste.
 Não use produtos com base em álcool isopropílico no transdutor e na haste.
 Não deixe o transdutor de molho por longos períodos. Limite o tempo durante o qual os transdutores
ficam imersos na solução desinfetante para o tempo mínimo recomendado pelo fabricante.
 Não enxágüe ou submerja o conector ou a parte do cabo próxima ao conector.
 Não submerja nem enxágüe o mecanismo de direção.
 Siga as recomendações do fabricante do desinfetante.

4. Desinfete a ponta distal e a haste flexível colocando-os no desinfetante apropriado.


5. Remova a ponta e a haste do desinfetante e enxágüe-os cuidadosamente com água, segundo as
instruções do fabricante do desinfetante.
6. Verifique se ainda há resíduos de material orgânico. Se houver, remova e desinfete o transdutor
novamente.
7. Seque a ponta distal e o tubo flexível com um pano seco ou uma gaze ou deixe secar naturalmente.

CUIDADO
O mecanismo de direção do transdutor não é vedado. Se entrar desinfetante ou qualquer outro líquido no
mecanismo de direção, o mesmo corroerá as engrenagens e as conexões elétricas. Danos evitáveis não
são cobertos pela garantia nem pelo contrato de serviço.

8. Limpe ligeiramente apenas o mecanismo de direção e a alça com esponja umedecida em álcool de
limpeza (álcool isopropílico a 70%) ou use o T-Spray II, conforme orientação constante do mecanismo de
direção e da alça.
9. Pendure o transdutor em um suporte de parede e deixe-o secar.

Instruções de Uso 106


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

CUIDADO
Nunca esterilize o transdutor por meio de técnicas de esterilização, como autoclave, ultravioleta, radiação
gama, esterilização a gás, vapor ou calor. Isso pode provocar graves danos. Danos evitáveis não são
cobertos pela garantia nem pelo contrato de serviço.

Desinfecção de transdutores TEE com desinfetador automatizado


O TD-100 é um desinfetador automatizado, disponível em PCI medical. Use esse desinfectador apenas para
aqueles transdutores listados como compatíveis nos resultados da busca de compatibilidade de solução no
site de cuidados com o transdutor:
1. Desconecte o transdutor do sistema.
2. Use o seguinte procedimento para remover todo o material orgânico e outros resíduos:
a. Molhe chumaços de gaze em água com sabão neutro. Não use sabões à base de iodo.
b. Execute um destes procedimentos:
 Limpe a ponta distal e o tubo flexível até o alojamento de controle (mecanismo de direção) com
os chumaços de gaze.
 Para ajudar na remoção de resíduos de proteína, use um limpador enzimático. Limpadores
enzimáticos devem ter pH entre 6,0 e 8,0. Esses limpadores são diluídos mais ainda durante o
uso. Siga as instruções do fabricante com relação à diluição.

CUIDADO
Não enxágüe nem mergulhe o alojamento de controle, o cabo ou o conector.

3. Use água para enxaguar completamente a ponta distal e o tubo flexível.


4. Desinfete a ponta distal e a haste flexível do desinfetador de TEE automatizado TD-100. Siga as
instruções do fabricante para operação do Desinfetador.
5. Verifique se ainda há resíduos de material orgânico. Se houver, remova e desinfete o transdutor
novamente.
6. Seque a ponta distal e o tubo flexível com um pano seco ou uma gaze ou deixe secar naturalmente.
7. Limpe ligeiramente apenas o mecanismo de direção e a alça com esponja umedecida em álcool de
limpeza (álcool isopropílico a 70%) ou use o T-Spray II, conforme orientação constante do mecanismo de
direção e da alça.
8. Pendure o transdutor em um suporte de parede e deixe-o secar.

CUIDADOS
 O mecanismo de direção do transdutor não é vedado. Se entrar desinfetante ou qualquer outro líquido
no mecanismo de direção, o mesmo corroerá as engrenagens e as conexões elétricas. Danos evitáveis
não são cobertos pela garantia nem pelo contrato de serviço.
 Nunca esterilize o transdutor por meio de técnicas de esterilização, como autoclave, ultravioleta,
radiação gama, esterilização a gás, vapor ou calor. Isso pode provocar graves danos. Danos evitáveis
não são cobertos pela garantia nem pelo contrato de serviço.

Instruções de Uso 107


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Esterilização do transdutor

A esterilização é necessária se o dispositivo for classificado como crítico e for utilizado sem a tampa estéril ou
se ela for violada.

AVISOS
 Use sempre óculos de proteção e luvas ao limpar, desinfetar ou esterilizar qualquer equipamento.
 Ao utilizar uma solução pronta, verifique a data de validade.

CUIDADOS
 Os transdutores devem ser limpos após cada utilização. A limpeza do transdutor é uma etapa essencial
antes da desinfecção ou esterilização efetiva. Siga as instruções do fabricante ao usar desinfetantes.
 Use apenas soluções líquidas em transdutores esterilizados. A utilização de autoclave, gás (EtO) ou
outros métodos não aprovados pela Philips danificará o transdutor e anulará a garantia.
 Não permita que objetos afiados, como bisturis e lâminas de cauterização, toquem nos transdutores ou
cabos.
 Ao manusear um transdutor, cuidado para não batê-lo contra superfícies duras.
 Verifique se a concentração da solução e a duração do contato são apropriados para esterilização. Siga
as instruções do fabricante ao usar desinfetantes.

1. Limpe o transdutor de acordo com “Procedimentos gerais de limpeza para todos os transdutores”.
2. Prepare a solução de esterilização compatível com o transdutor de acordo com as instruções do rótulo
quanto à concentração da solução.
3. Mergulhe o transdutor na solução de esterilização como mostra a Figura anterior.
4. Siga as instruções constantes no rótulo quanto à duração da imersão do transdutor necessária para a
esterilização.
5. Remova o transdutor da solução de esterilização após o tempo recomendado ter transcorrido.
6. Seguindo as instruções do rótulo da solução de esterilização, enxágüe o transdutor em água estéril até o
ponto de imersão e, então, seque-o com ar ou com um pano esterilizado.
7. Examine o transdutor para verificar se há danos, como fissuras, trincas, vazamentos de fluido, arestas
agudas ou projeções. Se o dano for evidente, não utilize o transdutor e entre em contato com o
representante Philips.

Instruções de Uso 108


HD15
Manutenções Preventiva e Corretiva e Conservação

Guia de Solução de Problemas - TroubleShooting

Solução de problemas

Se encontrar dificuldades na operação do sistema, use essas informações para ajudar a corrigir o problema.
Se o problema não foi tratado aqui, contate o representante do atendimento ao cliente da Philips. A tabela
solução de problemas contém uma lista de sintomas e as ações para corrigir os problemas.

Sintoma Ação corretiva


O sistema não funciona. 1. Verificar as conexões de energia.
Não aparece imagem no monitor. 1. Após ativar, o sistema leva cerca de 20 segundos para
inicializar. Durante esse tempo o monitor fica apagado.
2. Depois de 20 segundos, ajuste o controle de brilho do Monitor.
3. Verifique os cabos e as conexões do monitor.
Não há áudio dos alto-falantes do Use o botão de Volume para verificar se os alto-falantes não estão
sistema. sem som.
1. Verifique se os fones estão ligados.
“O sistema deixou de comunicar...” é
2. Verifique se os fones estão ligados ao sistema.
exibida mensagem de erro durante o
uso do controle de voz. 3. Atualize a lista Active Headsets e selecione os fones
novamente.
É exibida mensagem de erro. Rode o sistema de teste (“Teste do sistema”).

Mensagens de erro

O sistema exibe mensagens de erro em resposta à operação ou às condições de erro detectadas pelo
sistema. As mensagens de erro devem ser anotadas e informadas ao representante do atendimento ao
cliente da Philips, que pode solicitar a execução de teste do sistema (“Teste do sistema”). Não use o sistema
se for exibida mensagem de erro.

Instruções de Uso 109


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

8. PARTES, PEÇAS, MÓDULOS E ACESSÓRIOS

IMPORTANTE!
Todas as Partes, Peças, Acessórios, Dispositivos, Módulos e Conjuntos
que compõem este Sistema somente serão comercializados para uso
exclusivo com o Sistema de Ultra-som HD15.

Partes, Peças e Módulos

(1) Painel de controle


(2) Conectores para ECG/Physio
(3) Conector do transdutor
(4) Monitor
(5) Suporte de transdutores.

Componentes do sistema

Instruções de Uso 110


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

Acessórios/ Transdutores

IMPORTANTE!
Todas as Partes, Peças, Acessórios, Dispositivos, Módulos e Conjuntos
que compõem este Sistema somente serão comercializados para uso
exclusivo com o Sistema de Ultra-som HD15.

Transdutor Convexo BP10-5ec


Aplicação principal Biópsia e imagem de próstata,
transrretal e endocavidade.
Campo de Visão 126º
Comprimento 266,70 cm, incluindo conector
(transdutor e cabo):
Raio de curvatura: 8,8 mm
Diâmetro da ponta: 17,7 mm no máx.
Diâmetro do tubo: Inferior ou igual a 17,7 mm
Comprimento do tubo: Inferior ou igual a 17 cm
Faixa de Freqüências 5 - 10 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim

Transdutor Convexo C5-2


Aplicação principal Abdominal, contraste, GYN, OB,
pediátrica.
Campo de Visão 60º
Faixa de Freqüências 2 – 5 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, reutilizável.

Transdutor Convexo C6-3


Aplicação principal Abdominal, contraste, GYN, OB,
pediátrica.
Campo de Visão 90º
Faixa de Freqüências 3 – 6 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim.

Instruções de Uso 111


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

Transdutor Convexo C8-4v


Aplicação principal GYN, OB.
Campo de Visão 135º
Faixa de Freqüências 4 – 8 MHz
de Banda Larga
Raio de Curvatura 11 mm
Guia de Biópsia Sim, descartável

Transdutor Convexo C8-5


Aplicação principal Abdominal, GYN, OB, pediátrica,
vascular.
Campo de Visão 90º
Faixa de Freqüências 5 – 8 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, descartável

Transdutor Linear L12-3


Aplicação principal Musculoesquelética, pediátrica,
pequenas partes, vascular.
Comprimento da 35 mm
Abertura
Imagem Trapezoidal. 10º
Faixa de Freqüências 3 – 12 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, reutilizável.

Instruções de Uso 112


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

Transdutor Linear L12-5 50 mm


Aplicação principal Abdominal, musculoesquelética,
pediátrica, pequenas partes,
vascular.
Campo de Visão 50 mm
Imagem Trapezoidal. 10º
Faixa de Freqüências 5 – 12 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, reutilizável

Transdutor Linear Compacto L15-7io


Aplicação principal Abdominal, eco em adultos,
musculoesquelética, pequenas
partes, vascular.
Imagem Trapezoidal. 8º
Comprimento de 23 mm
abertura efetiva
Tamanho das lentes
 Elevação: 10 mm
 Plano de varredura: 32 mm
Tamanho do 89 mm
transdutor:
Tamanho do cabo: 2m
Faixa de Freqüências 7 – 15 MHz
de Banda Larga

Transdutor Setorial S5-2


Aplicação principal Abdominal, eco em adultos,
contraste, pediátrica, eco pediátrico,
OB, vascular.
Faixa de Freqüências 2 – 5 MHz
de Banda Larga

Instruções de Uso 113


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

Transdutor Setorial S7-2omni


Aplicação principal Eco em adultos.
Campo de Visão 90º
Rotação eletrônica 180º
Faixa de Freqüências 2 – 7 MHz
de Banda Larga

Transdutor Setorial S8-3


Aplicação principal Eco em adultos, GYN, OB,
pediátrica, eco pediátrico.
Campo de Visão 90º
Faixa de Freqüências 3 – 8 MHz
de Banda Larga

Transdutor Convexo V6-2


Aplicação principal Abdominal, GYN, OB.
Campo de Visão 66º
Faixa de Freqüências 2 – 6 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, reutilizável.

Transdutor Convexo 3D9-3v


Aplicação principal GYN, OB.
Campo de Visão 130º
Faixa de Freqüências 3 – 9 MHz
de Banda Larga
Guia de Biópsia Sim, descartáveis.

Instruções de Uso 114


HD15
Partes, Peças, Módulos e Acessórios

Transdutor Cardíaco e Vascular sem imagem D2cwc


Aplicação principal Eco em adultos, eco pediátrico.
Faixa de Freqüências 2 MHz
de Banda Larga

Transdutor Transesofágico (TEE)


Aplicação principal Exame ecocardiográfico
transesofágico (TEE)
Ponta 1,5 cm de largura,
3,5 cm de comprimento
1,0 cm de largura,
Tubo
0,9 m de comprimento

Instruções de Uso 115


HD15
Garantia do Equipamento

9. GARANTIA DO EQUIPAMENTO

TERMO DE GARANTIA para o Sistema de Ultra-som HD15.

TERMO DE GARANTIA
01- Os aparelhos e a) As especificações das 08- Excluem-se também os
equipamentos fornecidos pela garantias dispostas no Anexo II defeitos decorrentes de
PHILIPS MEDICAL SYSTEMS obedecerão o critério “pro-rata acidentes, manipulação incorreta
NEDERLAND B.V., são temporis/usus”, o que expirar ou de alteração efetuada no
garantidos contra defeitos/falhas primeiro, ambos contados à partir equipamento garantido, pelo
que, sob a condição de uso, da data de sua comprador, seus prepostos ou
manutenção e operação instalação/fornecimento terceiros, estranhos à fabricante.
adequados, ocorram devido a definitivo, limitado ao prazo
eventual defeito de fabricação ou “Máximo de Garantia Após 09- Qualquer alteração,
de material utilizado para sua Fornecimento”. modificação, acréscimo, reparo,
confecção, pelo prazo de 12 b) Transdutores para aplicação retirada ou substituição efetuada
(doze) meses, contados da data em Ultra-Sonografia - prazo de no equipamento garantido, sem a
da instalação, não ultrapassando três meses, crédito integral (art. anuência escrita da fabricante,
15 (quinze) meses, contados da 26,II, do Código de Defesa do extinguirá e cancelará qualquer
data de emissão da Consumidor). prazo de garantia porventura
documentação de embarque ou vigente (legal/acessória).
fatura comercial, sendo certo que 04- A entrega de peças, a título
o prazo de garantia legal, de garantia, se dará pelo valor 10- Extinto o prazo de garantia
disposto no artigo 26,II, do FOB porto/aeroporto de (legal/acessória), não é permitida
Código de Defesa do embarque. qualquer reclamação acerca de
Consumidor, já se acha incluído peças, componentes e/ou
nesses prazos mencionados. 05- A montagem do equipamento serviços fornecidos no curso
feita após o vencimento do prazo desse prazo.
02- Para os materiais, peças, de garantia, por responsabilidade
acessórios ou equipamentos de do comprador, será prestada 11- Toda peça e/ou componente,
terceiros comercializados pela com cobrança/faturamento à substituído por força da vigência
PHILIPS MEDICAL SYSTEMS parte, não sendo concedido do prazo de garantia
NEDERLAND B.V., através de prazo de garantia acessório ao (legal/acessória), deverá ser
sua representante exclusiva no previsto no art. 26,II, do Código entregue formalmente, em
Território Nacional - PHILIPS de Defesa do Consumidor. definitivo, à fabricante.
MEDICAL SYSTEMS LTDA.,
serão transferidos ao comprador 06- Excluem-se de qualquer 12- A empresa PHILIPS
os Termos de Garantia firmados modalidade de prazo de garantia MEDICAL SYSTEMS LTDA.,
com os respectivos fabricantes (legal/acessória) os objetos representante exclusiva no
(art. 25 do Código de Defesa do sujeitos à deterioração, desgaste território nacional para atuar em
Consumidor). e/ou consumo, tais como: nome da fabricante, conta com
acumuladores, pilhas secas, um grupo funcional especializado
03- O prazo de garantia para objetos de borracha ou plástico, e instrumentação necessária
TUBOS DE RAIOS-X, bem como de proteção, filmes, papéis foto- para prestar
para PEÇAS À VACUO, sensíveis, produtos químicos, serviços/fornecimento dispostos
obedecerá critérios específicos, bulbos incandescentes, entre neste termo, em sua Sede e
contado a partir da data de seu outros. Filiais.
fornecimento/instalação/
recebimento do componente, já 07- Para os cabeçotes de 13- De acordo com o disposto no
incluído o prazo da garantia legal refrigeração (COLD HEAD), art. 26,II, do Código de Defesa
(art. 26,II, do Código de Defesa utilizados nos equipamentos de do Consumidor, o prazo de
do Consumidor), conforme Anexo Ressonância Magnética, serão garantia legal já se acha incluído
II. considerados itens consumíveis em todos os prazos de garantia
no qual se aplicará garantia acessória, dispostos no presente
normal, conforme mencionado no termo.
item 01 do presente termo.

Instruções de Uso 116


HD15
Garantia do Equipamento

Anexo I

CONDIÇÕES DE GARANTIA PARA TUBOS E PEÇAS A VÁCUO


PARA A AQUISIÇÃO DO SISTEMA INICIAL

TIPO GARANTIA GARANTIA MÁXIMA GARANTIA


DE *EM MESES *EM “LOAD UNIT” APÓS
TUBO APÓS EXPOSIÇÕES FORNECIMENTO
INSTALAÇÃO OU CORTES EM MESES
RADIOLOGIA
GERAL
RO 12 12.000 EXP. 18
SRO 12 15.000 EXP. 18

CARDIO-VASC
MRM-GS 12 20.000 L.U. 18

MRC-200
H5000/CV 60 250.000 L.U. 60

MRC-GS 0310
V5000 60 160.000 L.U. 60

TOMOGRAFIA
TOMO M/EG/C
GS 298 12 40.000 CORTES 18
GS 1093 12 60.000 CORTES 18

TOMO AVPF
GS 2072/GS 3072 12 60.000 CORTES 18

TOMO AURA
MRC-162 CT 12 150.000 CORTES 18
GS 2083 12 60.000 CORTES 18

TOMO SECURA
MRC-203 CT 12 150.000 CORTES 18
INT. IMAGEM 12 18
OUTROS 12 18

Instruções de Uso 117


HD15
Canais de Comunicação

CANAIS DE COMUNICAÇÃO

Representante no Brasil:
Philips Medical Systems Ltda.
Av. Dr. Marcos Penteado Ulhoa Rodrigues, 401, Parte 16 -
Tamboré
06460-040 Barueri - SP
Fone: (11) 2125-3465
Fax: (11) 2125-3459

NOMES E ASSINATURAS DOS RESPONSÁVEIS LEGAL E TÉCNICO

Nome do Responsável Legal Cargo


Daurio Speranzini Junior Diretor
Assinatura do Responsável Legal

Nome do Responsável Técnico Cargo


Wilson Monteiro Junior Engenheiro
Registro Assinatura do Responsável Técnico
N.º 0682454454
CREA - SP

Instruções de Uso 118