Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE ORIENTAL TIMOR LOROSA’E (UNITAL)

FACULDADE EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO LINGUA PORTUGUÊS

DISCÍPLINA:

DOCENTE:
DISCENTE/ESTUDANTE: ALBERTINA FREITAS VITAL

RESUMO

LEITURA CONTROLADA EM DETERMINAÇÃO TEXTUAL E LIBERDADE


SEMÂNTICA DO RECEPTOR

DILI/TL, NOVEMBRO DE 2019


Leitura controlada em determinação textual e liberdade semântica do receptor

A leitura pode ser estudada sob vários aspectos: sóciocultural, afetivo,


pedagógico e cognitivo. Texto é multinível, multilinear, e não contém toda a proposta
de sentido por insuficiência de explicitude. Texto não é uma simples sequencia de
palavras escritas ou faladas, mas “um evento comunicativo no qual convergem ações
linguísticas, cognitivas e sociais” cuja existência depende de que alguém o processe
como tal.
O ensino de leitura e de produção escrita tornou-se um tema constante não
apenas de pesquisas acadêmicas, mas também de debates, cursos, seminários e demais
eventos científicos, nos quais se discutem problemas relacionados ao processo de
ensino-aprendizagem formal da língua portuguesa e alternativa para tentar resolvê-los.
O denominador comum de tais discussões é a necessidade de reflexão sobre as
bases desse processo e, consequentemente, sobre o redimensionamento das atividades
de sala de aula, devido ao fato de grande parte dos alunos não conseguir produzir textos
linguisticamente relevantes e adequados às diferentes finalidades a que um texto pode
servir.
Em seguida o escrito é uma pintura: repete-se eternamente, difundido por um
suporte material inerte, apesar de gozar da liberdade de rolar livremente em todas as
direções e se prestar a uma leitura livre, a uma interpretação e a um uso do texto com
total liberdade.
Ao nível textual também atua cognitivamente o princípio da canonicidade, uma
vez que o leitor espera encontrar sentenças tópico nos parágrafos e constituintes básicos
de superestrutura textuais. Embora as estratégias cognitivas tenham nesse tipo de leitura
papel tão fundamental quanto em outro qualquer, pois comandam a compreensão
ortográfica, sintática e semântica do texto, entendemos que deva haver um trabalho
específico para a passagem de estratégias cognitivas para metacognitivas, especialmente
em nível de texto.
Julgamos que o domínio consciente de algumas etapas permite identificar
"fatias" ou segmentos significativos do texto, estabelecer relações de sentido e
referência entre certos segmentos, manter a coerência entre as macroproposições
semânticas do texto, o que permite avaliar a consistência das informações, inferir até
mesmo o significado e o efeito pretendido pelo autor.
Uma palavra de um signo de uma frase ou de uma expressão em um
determinado contexto. Nesse campo de estudo se analisa, também, as mudanças de
sentido que ocorrem nas formas linguísticas devido a alguns fatores, tais como tempo e
espaço geográfico.

Referências e Bibliográficas

LOPES, E. Fundamentosda linguísticacontemporânea. São Paulo: Cultrix, 1987.


MORRIS, C. W. Fundamentos da teoria dos signos. São Paulo: EdUSP, 1976.
DA SILVA ELIAS, Vanda Maria. Hipertexto, leitura e sentido. Calidoscópio, 2005,
3.1: 13-19.
SMIT, Johanna. Análise documentária: a análise da síntese. 1987.