Você está na página 1de 13

SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


0
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

 Acompanhar a evolução da
gravidez. Então na IG tem dois períodos
que se deve dar mais atenção, no 1º
trimestre e no ultimo mês de gestação,
principalmente nos últimos 40 dias, onde
pode se ter mais intercorrências, aquele
intervalo entre 16-18 ate as 32 semanas é
um período muito cumprido para a gente,
então no começo da evolução da gravidez
No site do Ministério da Saúde (MS) tem tem as náuseas, a paciente começa a sentir
uma publicação sobre assistência ao pré- as distensões no útero, ela é bem mais
natal, essa aula foi extraída dessa sintomática, ai corre o risco do
publicação. estrangulamento, do aborto, das
complicações em si do útero e do feto
OBJETIVOS ESSENCIAIS NA ASSISTÊNCIA nesse período da embriogênese, podendo
AO PRÉ-NATAL ter intercorrências e no final da gravidez o
feto já esta pronto, grande, ai da aquelas
 Diagnosticar ou confirmar a
distensões abdominais, já começa sentir
gravidez. Muitas paciente já chegam com o
aquelas síndromes dolorosas da gravidez,
diagnóstico, elas atrasam a menstruação,
como dor lombar, dor em baixo ventre,
principalmente aquelas que tem os ciclos
inchaço na perna, então são os momentos
regulares, elas mesmas procuram a
em que as consultas devem ser mais
farmácia e fazem o teste rápido, muitas
freqüentes;
vezes já da positivo no teste de urina e elas
mesmas já procuram o laboratório para  Diagnosticar e tratar as
confirmar por dois motivos, ou elas intercorrências gestacionais. Durante a
estavam loucas para engravidar ou estava evolução da gravidez podem surgir alguma
com medo de ter engravidado e cabe intercorrências e temos que esta
agente realmente confirmar bem essa preparados para intervir rapidamente;
gestação, o mais importante é a datação da começou o desenvolvimento da gravidez e
idade gestacional (IG); você percebe que o útero não esta
acompanhado, não esta compatível com
 Diagnosticar ou Confirmar doenças
IG, ou seja, uma suspeita de um
maternas preexistentes. Por isso que
crescimento intra-uterino restrito;
pacientes acima de 35 anos, já são
começou uma pré-eclampsia, então essas
enquadradas em uma categoria de risco
intercorrências gestacionais tem que ser
mais elevado, para o primeiro filho com 35
bem monitorada, tendo uma freqüência de
anos, porque ai já começam a aparecer as
consultas mensais;
doenças hereditárias, tais como
hipertensão, diabetes gestacional, entre  Adotar medidas preventivas
outras, as doenças preexistentes ela já recomendadas para a proteção da gestante
tem, como por exemplo: ela já é uma e do feto. Devemos prestar atenção em
hipertensa crônica, então no pré-natal dela algumas paciente que trabalham com fator
já iremos referendar para o alto risco; de risco, como técnica de raio x, mesmo ela
já sabendo, porém qualquer medida
preventiva de proteção a gestante e o feto,

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


1
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

como cuidar da caderneta de vacinação muito, a pressão subir muito esta


dela, esta ou não vacinada, orientando a procurando o postinho, essas orientações
fazer as medidas adequadas. Estamos deve prepará-la para o parto. Também
vivendo uma época dessas viroses da zika e temos que ver como esta a mama dela no
isso esta com um problema serio, porque exame físico, preparando a paciente para o
80% dessa vise é assintomática, então no aleitamento, muitas vezes a paciente tem
1º trimestre estão tendo em media mais de um mamilo meio plano, ai temos que
4 mil casos notificados e suspeitam de zika, ensinar fazer exercícios para que o mamilo
confirmado em duzentas e poucas pessoas, fique saliente, porque se o nenê não tiver
mais essas medidas preventivas, se ela já uma boa prega no mamilo, ele vai acabar
esta grávida é bom usar repelente, usar engolindo muito ar e a mãe geralmente
calça cumprida, então são coisas que a esta na primeira gravidez, ai já fica muito
cada momento você tem que esta ansiosa por que o nenê não esta mamando
atualizado e antenado; e no final acaba deixando a amamentação
ficar fora de padrão, e é um fator decisivo
 Esclarecer as dúvidas e temores da para o nenê, pois tem que ficar no
gestante. Quando a mulher fica gestante aleitamento exclusivo ate os 6 meses de
tem um monte de gente que implanta idade, nem água precisa dar para ele.
duvidas, como a vizinha falando que tem
que tomar isso e aquilo, melhor esse HISTÓRIA CLÍNICA
remédio do que o outro, por isso tem que
 Identificação: além de tudo que
tirar as principais duvidas que vão
sabemos tem a procedência, tem algumas
surgindo, posso ou não pintar o cabelo,
regiões mais endêmicas;
então tudo isso você vai esclarecendo a
gestante, como tomar o remédio,  Ocupação/condições de vida:
vitaminas, qual antibiótico que pode tomar algumas pacientes podem ter desvio de
e qual que não pode e; funções, ou seja, ela trabalha subindo e
descendo escada, técnica de raio x, entre
 Preparar a gestante para o parto e
outras, para essas paciente temos que
aleitamento. Quando vai chegando
fazer uma declaração, que naquele período
próximo a data provável do parto (DPP),
ela tem que ficar de repouso, geralmente
você já começa orientá-la sobre os sinais
essas pacientes tiram muito período de
de que ocorreram para ela procurar a
licença, principalmente quando tem uma
maternidade, porque muitas tem medo de
gravidez de risco, ameaça de aborta. As
começar a ganhar e não da tempo de
condições de vida é para entrar a questão
chegar no médico. As consultas no final da
de onde ela vive, se tem saneamento
gravidez começam a ser mais freqüentes e
básico, riscos de infecções, tudo isso entra
passam a ser semanal no ultimo mês,
nas condições socioeconômicas;
justamente para orientação; tem que fazer
uma avaliação com o toque para saber se  História familiar: importante
já esta insinuado, se o colo esta porque quando você esta fazendo a
centralizado, já teve uma breve dilatação, história clínica e a paciente relata que a
na hora que começar as contrações ela já mãe e o irmão é diabético, então ela
procurar ir na maternidade, orientá-la conseqüentemente tem um risco maior de
quanto a sangramentos, não pode ter desenvolver diabetes gestacional, ou seja,
perda de liquido amniótico, se inchar

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


2
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

você vai fazer seu rastreamento normal e juntando tudo isso traçamos nosso
pesquisa de diabetes ate chegar a 32 objetivo de se ter um bom pré-natal.
semanas, que apresenta um risco maior.
Também entra os antecedentes de alguma  História obstétrica: quando ela tem
doença geneticamente transmissível, como um bom antecedente obstétrico, você vai
a anemia falciforme, as vezes a paciente acompanhar o desenvolver da gravidez.
tem a mãe tem, então temos que  Exame físico: percebemos que a
pesquisar no intuito de se fazer a mãe no 1º anos sempre leva a criança no
prevenção, ou seja, tudo isso entra nossa pediatra (puericultura), ai entra na infância
ação no pré-natal de se fazer a prevenção. e tem aquelas viroses, depois passa um
período sem ir ao médico, isso em crianças
 História pregressa: Se for mais de
uma gravidez é história pregressa sadias, ou seja, essas gestantes tem muitos
obstétrica, agora se for primeira gravidez, filho adolescentes, então na primeira
uma primigesta, vai entrar a parte oportunidade dela ir ao médico, devemos
pregressa patológica, as vezes pode chegar fazer um exame físico completo, ou seja,
para nós mulheres que tem 4 filhos, ai a na primeira gravidez temos que fazer o
exame físico completo com ausculta
história é importante porque a paciente
pode esta na 3ª gravidez, fez duas cardíaca, palpação, dentição, isso tudo na
cesáreas, um foi natimorto (nascido morto) primeira consulta, não há necessidade de
e o outro neomorto (nasceu vivo e morreu se repetir sempre, os retornos
dentro do período neonatal), então a direcionaremos obstetricamente, com o
paciente esta na 3ª gravidez sendo cesárea controle do pré-natal, marcando as
e não tem nenhum filho vivo, ou seja, esta consultas e retornos, deixando a gestante
história tem que ser valorizada, uma orientada a observar possíveis
gravidez de alto risco, talvez na gravidez intercorrências, nesse sentido deixaremos
passada ela ainda tenha carregado muito a paciente mais segura e construiremos um
peso e desenvolveu pré-eclâmpsia, então vinculo.
essas informações na sua anamnese em CALCULO DA DATA PROVÁVEL DO PARTO
obstetrícia tem que ser muito valorizada, ai
você vai fazer o um acompanhamento Isso é uma das primeiras coisas que
devido baseado nessa história pregressa, fazemos, ate para poder orientar quanto
principalmente se tratando de multíparas. aos passos que a paciente tem que segui
até o final de sua gravidez. A regra que
 História ginecológicas: precisamos usamos é a de Nagele, através da data da
saber como eram os ciclos menstruais da ultima menstruação (DUM), normalmente
paciente; quando vamos calcular a IG, soma-se 7 aos dias e subtrai-se 3(ou 2) ao
baseado na data da ultima menstruação, mês, dependendo do mês e dia que foi
precisa-se saber que os ciclos menstruais essa DUM.
da paciente para se ter um calculo preciso,
tem que ser regulares, se tiver ciclos muito Exemplos 1: - DUM: 13/05/2011, então
irregulares vai acabar atrapalhando, temos pegamos 13 + 7 = 20 dias e 05 - 03 = 02
que saber se ela tomava ou não meses, encontramos então a data
anticoncepcional, alguma malformação esperada para o parto (DEP): 20/02/2012,
uterina, se fez alguma vez cauterização, se essa data aqui é de 40 semanas de
fez algum tratamento ginecológico, gestação, uma gravidez de termo é entre

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


3
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

37 a 42 semanas, o parto costuma ocorrer grande diferença da DEP pelo ultrassom e


entre 39 a 42 semanas. IG, neste caso devemos desprezar a DUM,
logicamente se haver muita diferença
Quando acontece da DUM ser entre ambos, ou seja, mais de uma semana
próxima do final do mês, como por
de diferença.
exemplo uma DUM dia 27/11/2011, então
vamos pegar 27 e somar com 7, que vai ser No parto normal hoje, com a
igual a 34, ou seja, esse mês tem só 30 propedêutica arrumada, esperamos ate 41
dias, então agente joga a sobra para o semanas. A gravidez prolongada é quando
próximo mês, que caiu dia 4, já no mês passa de 42 semanas, nestes casos não
diferente do outro exemplo, pegamos ao existe alta no pré-natal, internamos de
invés de diminuir por 3, faço com menos 2, imediato, quando o hospital tem recursos,
nesse exemplo a data do parto ficou para com 41 semanas a paciente já é internada
dia 04/09/2011 (DUM: 27/11/2011 / 27 + e é feita uma avaliação do feto para
7= 30 + 4 dias e 11 - 02 = 09 mês. realização da indução do parto. Após a 42
semanas o risco beneficio não é
compensatório para a permanência dele,
ou seja, tem pouco a ganhar comparado ao
risco de perder o feto.

PROPEDÊUTICA BÁSICA

É o conjunto de exames
complementares que visam identificar
situações e/ou intercorrência que
merecem segmento diferenciado. Nessa
parte já começa nossa atuação, porque na
maioria das regiões, quem presta o
atendimento e acompanhamento é o
pessoal da enfermagem, justamente por
falta de médico suficiente para
acompanha o pré-natal, principalmente
obstetra. Cabe aos exames identificar
aquelas pacientes mais problemática para
referenciá-la.

EXAME CLÍNICO OBSTÉTRICO


Para se ter confiança na regra de
Nagele, a paciente tem que ter um ciclo O exames de rotina para as
regular, se a paciente falar que tomava pacientes são:
anticoncepcional e o mesmo falho e
 Procedimentos para pesagem:
engravidou, se a mesma já apresentava
geralmente as pacientes começam o pré-
ciclos irregulares, temos que o mais cedo
natal pelo 4º mês de gestação, ai
possível solicitar uma ultrassonografia,
perguntamos qual o peso atual e não
porque o ultrassom feito no 1º trimestre
sabem informar, então quando começando
da gravidez tem uma margem de erro de 3
cedo temos que pesar, porque o ganho de
dias, muitas vezes podemos ver uma

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


4
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

peso na gravidez pode levar ao aumento  Identificação da situação e a


do risco, ou seja, aquela paciente que apresentação fetal: isso nos últimos meses
deveria ganhar entorno de 9-12 Kg na da gravidez a partir da 28ª semana, pois se
gravidez e passa dos 15 chegando aos 20Kg o feto tiver uma apresentação pélvica, já
no final da gravidez, aumentam os riscos sabe que o risco para o parto normal (PN) é
de pré-eclâmpsia, diabetes, o feto pode bem mais alto, hoje se a paciente chega no
ficar grande (feto macrossômico), distorcia final da gravidez com essa apresentação, o
do parto, sangramento, lacerações, então profissional tem que ter uma boa
torna-se o acompanhamento do peso um experiência para deixar evoluir com o parto
fato importante. normal, avaliando-se bem a bacia, essas
pacientes geralmente são evoluídas para
 Procedimento para medida da um parto cesário eletivo, pelo risco da
estatura: com a estatura e o peso podemos cabeça derradeira, porque a cabeça tem
calcular o IMC, que é o peso dividido pela um diâmetro maior que o ombro e nesse
altura ao quadrado, nesse quesito já caso é o ultimo a sair, podendo por fim se
podemos avaliar a questão de sobre peso prender, sendo necessário se fazer algumas
da paciente, para diminuir os riscos de
manobras.
complicações, com isso podemos dar
orientações dietéticas para as pacientes.  Ausculta dos batimentos
cardiofetais: para realização podemos usar
 Medida da pressão arterial: em o estetoscópio de Pinard a partir de 24
toda consulta deve ser feita e se a paciente semanas ou o sonar / Doppler a partir de
começar a desenvolver a pressão alta não 12 semanas, ou seja, quando o útero se
devemos esperar, justamente pelo fato torna palpável mais que 12 semanas, ate
dela medir novamente só na hora do 12 semanas o útero esta dentro da pelve, a
retorno, temos que orientá-la a aferir a partir de 12 semanas ele ganha a cavidade
pressão, pelo menos duas vezes por abdominal, então quando o útero passa
semana, porque se ela começar a acima da cicatriz umbilical, com o sonar já
desenvolver hipertensão já temos que é possível auscultar esse batimentos
atuar, justamente por que hoje no Brasil o cardíacos fetais (BCF).
que mais mata as mulheres grávidas é a
hipertensão arterial, as síndromes  Medida de altura uterina:
hipertensivas (pré-eclâmpsias, eclâmpsia, identificamos bem o púbis e tangenciamos
as suas complicações e hemorragias). ate o fundo de útero. Entre os
Devemos observar a medicações que são examinadores diferentes pode dar uma
contra-indicada. variação de ate 1 a 2 cm.

 Medida da altura uterina: muitas  Manobra de Leopold-Zweifel: são 4


das vezes pode dar um sinal, nesses sinais tempos que devemos seguir.
percebemos e já vemos possíveis
alterações, tais como, um crescimento  1ª Manobra: delimitação
maior do útero, miomas, a presença de do fundo de útero;
liquido também pode ser um dos primeiros  2ª Manobra: determinação
sinais da diabetes, entre outros. do dorso fetal;

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


5
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

 3ª Manobra: determinação dorso a esquerda, apresentação pélvica ou


e mobilidade da apresentação, vemos isso apresentação oblíqua.
através do pólo cefálico, para ver se esta
mole, insuniado, móvel, encaixado ou não; MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL

 4ª Manobra: ficamos de Paciente sempre sentada, com um


costa para paciente e vemos se o feto esta manguito adequado para o peso dela, dois
centímetros acima da prega antecubital,
insinuado ou não, então iremos ver a
posição fetal, vamos supor que o feto esta estima-se qual a máxima dela e sobe 30%,
em posição longitudinal, poderia esta se a mesma chegar muito ansiosa, temos
oblíquo, transverso, vamos ver o dorso, que aferir no primeiro momento e no final
da consulta para confirmação, ver o peso e
que pode esta na esquerda, direita e
transverso, apresentação cefálica ou avaliar presença de edemas, tudo isso para
caudal e se ele esta alto e móvel. prevenir pré-eclâmpsia e evitar as crises
convulsivas da eclâmpsia.

EXAMES LABORATORIAIS MÍNIMOS

Segundo o ministério da saúde, os


exames laboratoriais mínimo que temos
que dispor para as pacientes em um
acompanhamento de pré-natal são:

I. Fator ABO-Rh: na 1ª consulta


temos que ver o tipo sanguíneo, se a
paciente for Rh negativo, temos que ver
se não tem incompatibilidade, já
avaliamos o pai para vê se também é Rh
negativo, se o pai for Rh positivo temos
que fazer o coombs direto, isso para
avaliar se a mãe esta sensibilizada ;

II. Hemograma: Vamos ter Hb/Ht na


1ª consulta, então é uma preocupação a
anemia, paciente muitas das vezes
emenda uma gravidez com a outra,
gerando falta de nutrição, então é
importante para se fazer uma
suplementação ou o tratamento para
anemia;

III. Exame de Urina (EAS): na 1ª


Nesta ilustração podemos dizer
consulta e repetir sempre na 30ª semana,
que o feto é único, esta na posição
essas pacientes tem muita infecção
longitudinal, dorso a esquerda,
urinaria (ITU), pela própria pressão do
apresentação cefálica e alto móvel. Se ele
útero, pela estase que fica, então aqui
estivesse ao contrario seria, feto único,
sempre repete com 30 semanas, isso

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


6
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

sendo o mínimo, se você dispõe pode se Se a paciente tiver fator de risco


fazer cultura, uma bacteriúria para diabetes, temos que fazer também o
assintomática, pode evoluir para uma rastreamento de diabetes, além da
pielonefrite, SEPSE, endocardite, então glicemia de jejum, fazer aquela sobrecarga
temos que tratar; do teste oral de tolerância a glicose com
ampolas de 75 gramas, hoje nós fazemos
IV. Glicemia de Jejum: na 1ª consulta e de forma universal, em todas as gestantes
30ª semana; de 24-28 semanas, então o teste de
V. VDRL: na 1ª consulta e 30ª semana, sobrecarga é feito em gestantes de jejum,
houve um aumento nessa incidência de com dextrosol 75g e após isso se faz o
sífilis, então se tiver disponibilidade pode exame comum. Podemos levar em
se fazer trimestral; consideração também os fatores de risco,
como paciente obesas, com IMC muito
VI. Ofertar o teste de HIV: a palavra alto, já teve uma perda fetal no final da
oferta vem porque a paciente pode se gravidez, tem um irmão ou uma mãe
negar a fazer, não devemos obrigá-la, diabética, pegou muito peso na gravidez,
também podemos repetir caso a paciente então para esses casos não fico so no teste
tenha um fator de risco, como no caso de de jejum.
usuárias de drogas, moradoras de rua,
nesses casos repetimos no final da Saiu uma portaria do MS que não é
gravidez; necessário fazer o exame de rubéola, em
casos muitos selecionados, como as
VII. Citologia Oncótica (papanicolau): paciente que tiveram casos de perdas ou
muitas vezes é a primeira vez que a abortos, porque a maioria das mulheres
paciente vai fazer, então temos que praticamente estão vacinadas hoje, o
identificar e tratar as vaginoses, a ultimo casos de rubéola tem muitos anos e
paciente gestante tem uma baixa da também não temos o que oferecer quando
imunidade e um aumento de lactobacilos, se faz um diagnóstico de rubéola, por isso
conseqüentemente tem um aumento do foi tirada a importância desse exame no
números de casos de candidíases. pré-natal.

Com esses exames estaremos Agora toxoplasmose nós podemos


fazendo uma profilaxia, prevenção dos tratar e tentar evitar a transmissão vertical,
partos prematuros, da ruptura prematura então se a paciente tiver infecção aguda na
das bolsas (amniorrex prematura). Então gravidez temos que tratar, para evitar a
são exames mínimos que servem para passagem para o feto, se tiver a
proteger a paciente e seu filho. transmissão vertical através da punção do
liquido amniótico, faremos o PCR, se o feto
Além desses exames mínimos,
tiver comprometido, também vamos dar
temos outros que se tiver disponibilidade é
remédio para a mãe que passa pela
importante ser feito, como é o caso da
barreira placentária. A espiramicina é só
cultura, para evitar as bacteriúrias
para evitar a passagem, mas já a
assintomática, muitas vezes temos EAS
sulfadiazina e a pirimetamina quando
negativo e cultura positiva, nesses casos
administrada para mãe vai esta passando
mesmo sem sintomas devemos tratar.
para o feto.

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


7
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

A hepatite B geralmente pedimos amolecimento do istmo do cérvice


no ultimo trimestre, porque se a paciente uterino, isto é um sinal de
tiver contaminado com a hepatite, o feto probabilidade de gravidez, a ausculta
ao nascer tem que ser vacinado e não da para fazer ainda porque o
administrado imunoglobulinas, justamente útero esta intrapélvico.
para a mãe poder amamentar e não correr
Esses exames clínicos devem ser
o risco de transmissão.
rotina nas gestações.
Quando se tem condições, em
casos que as pacientes já tiveram perdas INTERPRETAÇÃO DOS EXAMES
fetais, devemos fazer um SWAB vaginal COMPLEMENTARES
para pesquisa de estreptococos β- Fator Rh negativo: Solicitar o
hemolíticos, porque se ela tiver uma coombs indireto, se for na primeira
ruptura de bolsa precoce e tiver o estrepto gravidez e a paciente nunca foi
nas secreções vaginais, vai passar rápido transfundida, não tem por que ela ser
para o feto e vão levar a infecções graves. sensibilizada ainda, mas se for uma
paciente que já teve um aborto ou já teve
EXAME FÍSICO
partos anteriores, pode ter o coombs
 Exames ginecológicos: positivo, pois no momento do parto ou
aborto, o sangue fetal que é positivo,
 Começamos pela inspeção contamina o sangue da mãe que é
- sinal de Jacquimier Kluge, na negativo, ou seja, quando falamos Rh
própria gravidez a vagina fica mais negativo é porque o sangue dela não tem
violácea, isso já é um sinal de fator Rh, e se entrar o fator Rh do feto e
presunção de gravidez. mistura com o dela, o sistema imunológico
da mãe vai considerar como um antígeno,
 Depois fazemos a coleta de
ai o sangue da mãe que é Rh negativo vai
colpocitologia oncótica - essa coleta
criar anticorpos contra o fator Rh do feto,
é diferente da paciente que não esta
ou seja, em uma próxima gravidez esses
grávida, devemos evitar usar a
anticorpos passam pela barreira
escovinha endocervical, colhemos
placentária e vão destruir as hemácias
fundo vaginal e com a espátula de
fetais. Quando o resultado do coombs é
Áries a ectocérvice.
negativo, devemos solicitá-lo de forma
 Toque vaginal - não é mensal após a 20ª semana de gestação,
obrigado fazê-lo no inicio da para ver se ela não esta sendo
gravidez, só no final dela, se for o sensibilizada; quando este coombs vier
primeiro filho, temos que olhar a com resultado positivo, devemos
superfície pélvica, se o amplo encaminhar esta paciente para o pré-natal
infrapúbico é maior que 90 ou se é de alto risco. E quando possível devemos
muito fechado, se o promontório é determinar o Rh do pai, porque se o pai e a
atingível, se as espinhas isquiáticas mãe for Rh negativo não tem problema,
são muito proeminentes, se ela tem justamente porque não tem com gerar um
um trajeto ósseo muito fechado. No feto Rh positivo nessas circunstâncias.
inicio da gravidez também temos o
sinal de Hegar, que é o

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


8
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

Hemograma: muitas paciente diagnóstico de ITU. A urocultura é um


apresentam anemias. Os valores da exame de rotina no 1º trimestre da
hemoglobina nas grávidas é um pouco gestação, quando da mais de 100.000
menor que nas referências, no adulto o colônias/ml, descarta a necessidade de se
valor normal é > 12 g/dl, nas grávidas o repetir o exame, isso para pacientes
valor normal é > 11 g/dl, isso porque nelas assintomáticos, se for sintomático com
existe uma hemodiluição natural. A Hb < 11 queixa de disúria, polaciúria e vendo o EAS
g/dl já chamaríamos de anemia, neste caso com aumento de leucócitos, flora
já é uma paciente que requer atendimento. bacteriana aumentada, nitrito positiva,
O Volume Corpuscular Médio (VCM) abaixo dispensa a necessidade de se fazer
de < 80 fl é considerado anemia urocultura, o próprio EAS com sintomas, já
microcítica, geralmente ocorre nas permite com que inicie o tratamento com
anemias por carência de ferro, são as antibiótico terapia, apos 1 semana do
hemácias pequenas, neste caso devemos tratamento, no final do tratamento
fazer uma suplementação de ferro, não só pediremos uma cultura de controle, para
com o medicamento, o sulfato ferroso ter certeza que a paciente não tenha uma
deve ser oferecido para todas as gestantes, bacteriúria ainda presente. Toda paciente
mas de uma forma profilática, se estiver que tem parto prematuro, tem que ser
com anemia daremos uma dose maior, feito uma cultura de urina, porque está
podendo chegar ate 4 comprimidos de muito associado ITU com trabalho de parto
30mg ( = 120mg), de preferência antes da prematuro.
refeição ou duas horas após, porque o
ferro é absorvido em meio ácido; se o VCM SÍFILIS NA GESTAÇÃO
estiver entre 80-95 fl é normocítica; se o
VCM for > 95 é chamado de macrocítica,
então vamos ter que pesquisar as possíveis
causas. A suplementação de ferro é dada a
partir de 16-20 semanas em dose de 1
comprimido de 30mg/dia, isso é universal
para aquelas que não tem anemia, ou seja,
acima de 11g/dl. O ácido fólico hoje já é
dado ate para paciente que pretende
engravidar, ele protege bem no 1º
trimestre malformações do tubo neural.
Quando temos Hb < 8 g/dl, já começo
temos risco no crescimento fetal, devemos
encaminhar a paciente para o pré-natal de
O ministério da saúde define de
alto risco.
forma obrigatória, para todas gestantes
Bacteriúria Assintomática internada, seja pedido o teste de VDRL,
(colonização bacteriana persistente no mesmo que a paciente já tenha feito
trato urinário, com ausência de sintomas anteriormente.
específicos): se o médico ficar preso
Neste caso temos que tratar o
apenas no "EAS", vai perder em media de 2
parceiro, se ele puder fazer o exame, uma
a 8 % de todas as gestações, de se fazer o
vez que o exame da gestante deu positivo

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


9
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

é melhor, caso contrario devemos tratar o


parceiro, mesmo com a ausência do VDRL
dele. A pediatria só considera o feto
tratado, se o parceiro também tenha se
tratado. A penicilina não tem relato ate
hoje, com relação a resistência ao
Treponema, ou seja, fazendo o tratamento
correto, o paciente se torna curado, agora
se a gestante insistir em manter relação
sem proteção, com o parceiro não tratado,
corre risco de recontaminação e no final da
gravidez o risco de sífilis congênita para o
 IgG + e IgM -: A paciente apresenta
feto.
imunidade, 70% da nossa população se
O esquema de tratamento para enquadra neste grupo.
gestante com sífilis é: P. Benzatina
 IgG - e IgM +: Temo um momento
2.400.000 UI, em 3 doses, sendo essas
de virada sorológica, o primeiro a aparecer
intercaladas em 3 semanas, totalizando
em uma infecção é o IgM e duas semanas
7.200,000 UI. Lembrando que cada ampola
depois vem o IgG, então quando a gente
de P.Benzatina tem 1.200,000 UI, ou seja,
pega negativo e positivo, temos que tomar
cada vez que a paciente comparecer para
cuidado para não ser um falso positivo,
tomar a doses, serão administradas duas
porque algumas IgM vão demorar quase 1
ampolas de P.Benzatina, uma em cada
ano para serem inativadas, além disso
quadrante superior externo do glúteo.
esses teste usados hoje da
HIV imunofluorescência é muito sensível, ou
seja, se tiver um resíduo de IgM ainda no
Também é obrigatório o seu paciente vai ser acusado.
rastreamento, é recomendado a realização
com aconselhamento e com o  IgG - e IgM -: Temos em media 30%
consentimento. Sempre que possível, das pacientes assim, significa que ela esta
realizar a repetição da sorologia de HIV no susceptível a pegar toxoplasmose na
início do 3º trimestre, podendo usar testes gravidez, nesses casos temos que orientar
rápidos, o importante desses teste é para quanto a não ter contato com gato e nem
confirmar, se tiver o diagnóstico na excremento, não comer carne de porco,
internação, teremos que confirmar logo, carne mal passada, não manipular carne
pois é proibida a amamentação, cabendo crua, não mexer com terra, lavar em água
ate processo para o hospital, caso haja corrente frutas e verduras, entre outros,
falhas nesse rastreamento. No caso de tudo isso para tentar evitar a
paciente que não tem resultado, 2 testes contaminação durante a gravidez, essa
rápidos é igual ao da confirmação do infecção fora da gravidez geralmente é
diagnóstico de HIV. assintomática, mais pelo risco dela poder
fazer a transmissão vertical e provocar
TOXOPLASMOSE serias complicações no feto, temos que
rastreá-la com atenção
Tem condições de se fazer o
tratamento, temos que seguir a rotina:

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


10
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

 IgG + e IgM +: Pode ser também  Febre amarela - Se for para uma
uma residual ainda, como vimos antes a região endêmica é obrigatória a
IgM demora para ser inativada. Neste caso vacinação.
temos que fazer o teste de Avidez, na
suspeita de uma infecção recente ou não,  Vacinas Contra - Indicadas
esse teste vai ajudar elucidar, pois ele
 Sarampo
identifica os anticorpos antigos, ou seja, se
o teste apresentar alta avidez é infecção  Caxumba
antiga, os IgG's tem mais de 4 meses e se
apresentar baixa avidez os anticorpos são  Rubéola
recentes, então tem muita chance da
 BCG
paciente esta em uma infecção aguda e é
nessa fase aguda que apresenta o risco  Varicela
para transmissão vertical.
ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA
CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

 Anti-tetânica:

 É a que melhor determina a idade


gestacional (IG), quanto mais precoce
menor é a margem de erro. No 1º
trimestre a margem de erro é de 3 dias,
para mais ou menos, no final da gravidez a
 Vacinas Permitidas: margem de erros é de semanas, muda
muito, ou seja, se eu pego uma paciente de
 Influenza inativada - nas
36 semanas para fazer um ultrassom, na
campanhas de vacinação, as
verdade ela pode esta com 34 ou 39
gestantes estão liberadas para
semanas.
tomar essa vacina.
 Detecção precoce de gestações
 Hepatite B - Também é
múltiplas - toda gravidez gemelar é uma
recomendada a fazer,
gravidez de risco, por exemplo uma
justamente pelo risco de
gravidez trigemelar, já sabemos que não
transmissão fetal no parto e na
pode passar de 32 semanas, se conseguir
amamentação.
chegar ate 34, já é uma grande conquista.
 Vacinas Permitidas em casos de
 Detecção de algumas anomalias
Risco:
congênita - Em torno de 22 semanas, deve
 Raiva ser feito um ultrassom morfológico.

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


11
SAÚDE DA MULHER - FACIMED 2016

 Acompanhamento do crescimento Gestação viável - acima de 34


fetal nas gestações de risco. semanas;

 Avaliação da vitalidade do feto - Prematuridade extrema - Abaixo


seta mexendo, respirando, quantidade de de 30 semanas;
liquido esta normal, uma redução desse
liquido, pode alertar quanto a insuficiência Prematuridade Moderada - de 30 a
placentária ou sofrimento fetal crônico. 34 semanas;

REFERENCIAR A PACIENTE Prematuridade limítrofe - 35 a 36


semanas;
Quando iniciamos o pré-natal e
Maturidade presumida - acima de
identificamos alterações como:
34 semanas, dificilmente terá problema de
 Hipertensão Arterial; membrana hialina, acima de 34 semanas
 Diabetes; não é mais indicado o uso de corticóide (1ª
 Nefropatias; escolha Betametasona) para acelerar o
 Insuficiência placentária; pulmão do feto;
 Tabagista;
 Uso de drogas licitas e ilícitas; Pré-termo (Prematuro) - Abaixo de
 Exame obstétrico alterado; 37 semanas completas;
 Entre outras. Gestação de termo - entre 37 e 41
Qualquer doença que leve a semanas e 6 dias;
restrições de crescimento, a vitalidade do Pós - datismo - acima de 40
feto, devemos referendar para hospitais de semanas (fisiológico);
referência, esses locais estão mais
preparados para ajudar essas gestantes, Gestação prolongada (pós - termo)
facilitando a internação, exames mais - ≥ 42 semanas, aqui já aumenta o risco de
freqüentes, mais especialista, alem do sofrimento fetal, indicado a internação e se
ginecologista para esta acompanhado. tiver boa passagem a indução do parto,
caso contrario a cesariana;
ALGUNS CONCEITOS

1º Trimestre - até 14 semanas (+/-


3 meses);

2º Trimestre - de 15 até 28
semanas (+/- 6 meses), o feto já esta
entorno de 1 Kg;

3º Trimestre - de 29 a 42 semanas
(+/- 9 meses);

Aborto - Abaixo de 22 semanas ou


quando não tem IG o feto menor de 500g,
acima desse peso é classificado como parto
prematuro;

DR. JOSÉ MEIRELLES FILHO TRANSCRIÇÃO N1 / AULA 2


12

Você também pode gostar