Você está na página 1de 12

Sumário

1. Apresentação da acadêmica............................................................................................6
1.1. Quem sou?....................................................................................................................6
1.2. Como cheguei até aqui?...........................................................................................6
1.3. Quais as minhas expectativas para o curso?.......................................................6
2. Aula 1.....................................................................................................................................6
2.1. Acolhimento..................................................................................................................6
2.1.1 Recepção dos alunos na Unidade Básica de Saúde.....................................6
3. Aula 2.....................................................................................................................................6
3.1. Apresentação da Unidade Básica de Saúde Nilton Lins....................................6
3.1.1. Como a UBS atua?...............................................................................................7
3.1.2. Como a Unidade Básica deve ser em relação a infraestrutura?...............7
3.2. Setores da UBS............................................................................................................9
3.2.1. Recepção................................................................................................................9
3.2.2. Laboratório de coleta de exames.....................................................................9
3.2.3. Sala de acolhimento............................................................................................9
3.2.3. Sala de Triagem....................................................................................................9
3.2.4. Sala de curativos..................................................................................................9
3.2.5. Balcão de atendimento do SISREG................................................................10
3.2.6. Outros setores....................................................................................................10
3.3. Conclusões finais da aula.......................................................................................10
4. Aula 3 e 4............................................................................................................................10
4.1. Recepção.....................................................................................................................10
4.2. Recepção da UBS......................................................................................................10
4.2.1. Qual a responsabilidade da recepção da UBS?..........................................10
4.2.2. Como ocorrem os agendamentos?................................................................11
4.2.3. Agendamento de ginecologia..........................................................................11
4.3. Recepção do Ambulatório.......................................................................................11
4.3.1. Como são feitos os agendamentos?.............................................................11
4.3.2. Quais as especialidades encontradas?........................................................11
5. Aula 5...................................................................................................................................11
5.1. Palestra sobre felicidade.........................................................................................11
5.1.1. Pensamentos importantes da palestra (Doutora Felicidade)..................11
5.1.2. Finalização da palestra.....................................................................................12
6. Aula 6...................................................................................................................................12
6.1. Farmácia......................................................................................................................12
6.1.1. Qual o sistema utilizado e como é utilizado?..............................................12
6.1.2. Como é regulado o atendimento?..................................................................12
6.1.3. Medicamentos controlados..............................................................................12
6.1.4. Como evitar fraudes no recebimento de medicações?............................12
6.2. Qual o trabalho do farmacêutico?.........................................................................13
6.2.1. Como deve ser gerenciada a farmácia?.......................................................13
Conclusão...............................................................................................................................14
Referências Bibliográficas..................................................................................................15
1. Apresentação da acadêmica
1.1. Quem sou?
Me chamo Liliane Oliveira Rasori, tenho 20 anos e faço medicina na
Universidade Nilton Lins (UNL).

1.2. Como cheguei até aqui?


Para mim sempre foi um sonho cursar medicina e meus pais sonharam junto
comigo e com minha irmã, também acadêmica. Terminei o ensino médio aos 16 anos,
no ano de 2015, quando estava decidida que cursaria medicina, porém ao prestar o
vestibular não obtive a nota necessária para entrar na faculdade pública. Tentei o
vestibular por mais 3 anos, cheguei a gabaritar as matérias de biologia e química em
um deles, mas todos sem aprovação. Até que em 2018 prestei o vestibular da UNL e
surpreendentemente fui aprovada. Ali iniciou-se a realização de um sonho de infância!
Fiz o primeiro período e agora estou cursando o segundo período com muita alegria e
ainda mais admiração pela profissão.

1.3. Quais as minhas expectativas para o curso?


Espero que esse curso me ensine cada vez mais sobre o cuidado com o ser
humano, sobre o amor. Que a frieza não tome conta de mim e que a cada dia eu
amadureça sem perder o contato com o paciente. Acredito que Deus me colocou
neste curso para seguir a frase de Hipócrates que diz o nosso dever como médicos:
“curar quando possível; aliviar quando necessário; consolar sempre”. E espero que a
medicina me dê o conhecimento necessário para fazer isso!

2. Aula 1
2.1. Acolhimento
Aula realizada no dia 07/08/2019 pelo professor Ricardo Freitas no Auditório da
UBS Nilton Lins

2.1.1 Recepção dos alunos na Unidade Básica de Saúde


Foi apresentado o plano de aula, como funcionariam as rotações pelos 7
setores da UBS e quais os tipos de atendimentos feitos na UBS. Também foram
passadas orientações sobre como se portar na unidade básica e recebemos as boas-
vindas para este ciclo de estudos.

3. Aula 2
3.1. Apresentação da Unidade Básica de Saúde Nilton Lins
Aula ministrada no dia 13/08/2019 pelo professor Ricardo Freitas em visita à
Unidade Básica de Saúde Nilton Lins.

6
3.1.1. Como a UBS atua?
A UBS faz a cobertura de saúde para cada bairro específico, onde ela está
situada. A cobertura dos bairros era feita por 3 equipes de estratégia de saúde da
família (S-54, S-55, S-56) contudo, recentemente, a SEMSA aumentou a cobertura de
atenção básica nessa área com a entrada da quarta equipe (S-03). O professor
indicou no mapa as áreas de atuação de cada equipe. A atuação das equipes é
dividida em áreas e microáreas; cada microárea é de responsabilidade de um agente
de saúde e cada área é liderada por uma equipe composta por: 1 médico, 1
enfermeiro, 2 técnicos de enfermagem e 4 agentes comunitários de saúde. Na
estratégia de saúde da família também há uma equipe, chamada NASF (Núcleo de
apoio à saúde da família), contendo profissionais de 5 áreas distintas (educador físico,
psicólogo, fisioterapeuta, assistente social e farmacêutico) que realizam projetos na
comunidade.

3.1.2. Como a Unidade Básica deve ser em relação a infraestrutura?


Segundo a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) número 2.488, página
35 à 37:

“ I - Unidades Básicas de Saúde (UBS) construídas de acordo com as


normas sanitárias e tendo como referência o manual de infraestrutura do
Departamento de Atenção Básica/SAS/MS;

II - As Unidades Básicas de Saúde:

a) devem estar cadastradas no sistema de cadastro nacional vigente de


acordo com as normas vigorantes;

b) recomenda-se que disponibilizem, conforme orientações e


especificações do manual de infraestrutura do Departamento de Atenção
Básica/SAS/MS:

1 Consultório médico/enfermagem; consultório odontológico e consultório


com sanitário; sala multiprofissional de acolhimento à demanda
espontânea; sala de administração e gerência; e sala de atividades
coletivas para os profissionais da atenção básica;

2 Área de recepção, local para arquivos e registros; sala de


procedimentos; sala de vacinas; área de dispensação de medicamentos e
sala de armazenagem de medicamentos (quando há dispensação na
UBS); sala de inalação coletiva; sala de procedimentos; sala de coleta;
sala de curativos; sala de observação, entre outros. (...)

7
c) devem possuir identificação segundo padrões visuais do SUS e da
atenção básica pactuados nacionalmente;

d) recomenda-se que possuam conselhos/colegiados, constituídos de


gestores locais, profissionais de saúde e usuários, viabilizando a
participação social na gestão da Unidade Básica de Saúde;

III - Manutenção regular da infraestrutura e dos equipamentos das


Unidades Básicas de Saúde; IV - Existência e manutenção regular de
estoque dos insumos necessários para o seu funcionamento das Unidades
Básicas de Saúde, incluindo dispensação de medicamentos pactuados
nacionalmente quando estiver prevista para ser realizada naquela UBS;

V - Equipes multiprofissionais compostas, conforme modalidade das


equipes, por médicos, enfermeiros, cirurgiões-dentistas, auxiliar em saúde
bucal ou técnico em saúde bucal, auxiliar de enfermagem ou técnico de
enfermagem e agentes comunitários de saúde, entre outros profissionais
em função da realidade epidemiológica, institucional e das necessidades
de saúde da população;

VI - Cadastro atualizado dos profissionais que compõem a equipe de


atenção básica no sistema de cadastro nacional vigente, de acordo com as
normas vigorantes e com as cargas horárias de trabalho informadas e
exigidas para cada modalidade;

VII - Garantia pela gestão municipal, de acesso ao apoio diagnóstico e


laboratorial necessário ao cuidado resolutivo da população;

VIII - Garantia pela gestão municipal, dos fluxos definidos na Rede de


Atenção à Saúde entre os diversos pontos de atenção de diferentes
configurações tecnológicas, integrados por serviços de apoio logístico,
técnico e de gestão, para garantir a integralidade do cuidado. Com o intuito
de facilitar os princípios do acesso, do vínculo, da continuidade do cuidado
e da responsabilidade sanitária e reconhecendo que existem diversas
realidades socioepidemiológicas, diferentes necessidades de saúde e
maneiras de organização das UBS, recomenda-se:

a) Para Unidade Básica de Saúde (UBS) sem Saúde da Família:


Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica 38 em
grandes centros urbanos, o parâmetro de uma UBS para, no máximo, 18

8
mil habitantes, localizada dentro do território, garantindo os princípios e
diretrizes da atenção básica;

b) para UBS com Saúde da Família em grandes centros urbanos,


recomenda-se o parâmetro de uma UBS para, no máximo, 12 mil
habitantes, localizada dentro do território, garantindo os princípios e
diretrizes da atenção básica.”.

3.2. Setores da UBS


3.2.1. Recepção
É a porta de entrada da UBS, atendendo a dois tipos de demandas: demanda
agendada – pessoas que fazem agendamento dos serviços - e demanda espontânea
– pessoas que vão até lá sem agendar. Há também na UBS Nilton Lins um
atendimento diferenciado ligado ao Ambulatório presente na universidade (onde são
feitos atendimentos com médicos especialistas). Nas UBSs em geral os médicos são
especializados em saúde da família e, quando há necessidade, são feitos
encaminhamentos para os respectivos especialistas. Para a sistematização dos
atendimentos utiliza-se o PEC (Prontuário Eletrônico do Cidadão) que logo será
universalizado e, além de manter os dados médicos do cliente no sistema para
eventuais consultas, mantém o controle para que o paciente seja atendido pelo médico
da sua área.

3.2.2. Laboratório de coleta de exames


Local incomum na maioria das unidades básicas, onde são coletadas amostras
para exames, enviadas para o laboratório, e os resultados são vistos pelo programa
“Soft Lab”.

3.2.3. Sala de acolhimento


Conhecemos a sala de acolhimento onde pacientes vulneráveis (idosos,
gestantes, deficientes e crianças) de demanda espontânea são levados em casos de
ausência de vagas para atendimento. Nesta sala são realizados procedimentos de
triagem com classificação de risco e encaminhamento para uma unidade com
tratamento adequado, quando necessário.

3.2.3. Sala de Triagem


A sala de triagem também é um elemento imprescindível na UBS, onde são
feitas as medidas dos dados antropométricos (peso e altura) e, quando necessário,
procedimentos como: mensuração de pressão, glicose e perímetro cefálico (caso de
pacientes RN).

9
3.2.4. Sala de curativos
Também atua como sala de triagem e oferece serviços de: retirada de pontos,
curativos, inalação, medicações intramusculares e etc. Apenas procedimentos simples
são realizados nessa sala; os procedimentos mais invasivos e delicados são
encaminhados para UPAs ou hospitais, dependendo da gravidade do caso.

3.2.5. Balcão de atendimento do SISREG


O SISREG (Sistema de regulação) é um sistema para marcação de exames e
agendamento de consultas. Os atendentes do balcão atualizam esse sistema com
base no PEC e no pedido de exames e/ou consultas do médico que está atendendo
na UBS, para então serem organizados por um médico regulador que irá detectar a
urgência de cada paciente baseada na história clínica e CID (Classificação
Internacional da Doença) adequada.

3.2.6. Outros setores


Temos ainda serviços como: farmácia (que utiliza o sistema SISFARM,
tornando-a acessível a todos); consultórios médicos com numeração para cada área
de atuação; espaço saúde, onde ocorrem palestras, capacitações e programas para
os profissionais e população; sala da direção e sala de vacina.

3.3. Conclusões finais da aula


Comentamos sobre as dificuldades enfrentadas pela atenção básica que são
principalmente má gestão e desvio de dinheiro. 80% das doenças poderiam ser
resolvidas ou tratadas na atenção básica, porém os hospitais estão lotados pelo mau
investimento nas unidades básicas de saúde e falta de informação sobre qual unidade
procurar para cada caso específico (UBS, UPA ou hospital).

4. Aula 3 e 4
4.1. Recepção
Aulas realizadas nos dias 20/08/2019 e 27/08/2019 pelas recepcionistas Luana
e Adriane. A recepção é dividida em 2 partes: ambulatório (com a recepcionista
Rayane) e atendimento da UBS propriamente dita pelas recepcionistas que
ministraram a aula. Há na recepção armários com documentos como prontuários,
fichas dos agentes de saúde e entrega de preventivo como é recomendado no item II
da PNAB 2.488 relacionado à infraestrutura da UBS (encontrado no item 3.1.2 do
portfólio).

4.2. Recepção da UBS


Atende as áreas do Parque das Nações e Comunidade Mundo Novo.

10
4.2.1. Qual a responsabilidade da recepção da UBS?
Encaminhar os pacientes para triagem e sala de curativo, atender demandas
espontâneas e encaminhar para o acolhimento quando necessário. A parte de vacinas
e farmácia não passa pela recepção, é diretamente nos setores responsáveis.

4.2.2. Como ocorrem os agendamentos?


São necessários os seguintes documentos: cartão do SUS, RG e comprovante
de residência. Os dados devem ser preenchidos corretamente! Em seguida verifica-se
o endereço em um livro-mapa presente na recepção a fim de ver se o cliente é ou não
da área de atuação da UBS. Se sim, esse paciente será agendado com seu médico
específico (o médico da sua microárea). Se for de demanda espontânea, ou seja, que
não faz parte da área, deve estar na unidade nos horários de distribuição de vagas
(dadas no horário de 6 da manhã e meio dia); as vagas variam de 6 a 10. Para os
clientes FA (fora de área) só há agendamentos nos seguintes casos: preventivo, teste
rápido, pré-natal e retorno.

4.2.3. Agendamento de ginecologia


Os agendamentos de ginecologia são diferenciados pois podem ser feitos até
por pacientes FA. São 3 dias de agendamento (quarta, quinta e sexta-feira) e 2 dias de
atendimento (segunda e terça).

4.3. Recepção do Ambulatório


Área exclusiva da UBS Nilton Lins.

4.3.1. Como são feitos os agendamentos?


São feitos agendamentos somente com encaminhamento. Cada especialidade
tem um dia específico de agendamento e só é feito ás 13 horas pela recepcionista
Rayane.

4.3.2. Quais as especialidades encontradas?


Ginecologia, Pneumologia, Pediatria, Endocrinologia, Cardiologia e
Gastroenterologia.

5. Aula 5
5.1. Palestra sobre felicidade
Relacionada à campanha contra o tabagismo. Ministrada pela “Doutora
Felicidade” no dia 28/08/2019 no Auditório da UBS.

5.1.1. Pensamentos importantes da palestra (Doutora Felicidade)


“Não precisamos ir para outro país para mudar o mundo. Você tem a
capacidade de mudar o dia de uma pessoa”.

11
“Você é responsável pela sua situação”. Nossa percepção de felicidade se
baseia em condições de vida no modelo de vida almejado, mas temos que reaprender
o que é felicidade e trazer um novo significado para essa palavra.

“Deus te plantou onde você está, então floresça”. Fazer o uso das 5 linguagens
do amor (palavras de afirmação, toque físico, tempo de qualidade, presentes e atos de
servir) não traz apenas realização pessoal, traz alegria para a vida de outra pessoa e
faz ela se sentir valorizada.

5.1.2. Finalização da palestra


Finalizamos com uma dinâmica em que todos deveriam se abraçar e dizer
palavras positivas aos colegas. Em seguida tivemos um pequeno lanche e
confraternização entre os participantes.

6. Aula 6
6.1. Farmácia
Aula ministrada pela farmacêutica Dayana no dia 03/09/2019 na farmácia da
UBS Nilton Lins

6.1.1. Qual o sistema utilizado e como é utilizado?


O sistema utilizado é o SisFarm-SEMSA e para utilizá-lo é necessário o
número do cartão do SUS do cliente, instituição onde foi feita a receita e número de
registro no CRM do médico responsável pela receita. Para retirar o medicamento é
necessário ainda receita, cópia da receita e identidade (caso não seja o titular da
receita, se faz necessário o cartão do sus e identidade do responsável por retirar o
remédio). Também é necessário adicionar a quantidade de medicamento dispensada
e sua forma (frasco, comprimidos, etc.).

6.1.2. Como é regulado o atendimento?


O atendimento é regulado por senhas (normais e de prioridade) e é acessível a
todos, mesmo os que não são pacientes da UBS Nilton Lins.

6.1.3. Medicamentos controlados


Para esse tipo de medicamento são necessários os dados da identidade do
paciente (registro geral, nome completo e órgão expedidor) e endereço do mesmo. Os
dados são escritos na cópia da receita e, posteriormente, lançados no sistema SCGPC
(acessado unicamente pela farmacêutica) que é regulado pela vigilância sanitária.

6.1.4. Como evitar fraudes no recebimento de medicações?


Ao acessar o SisFarm, o responsável coloca os dados sobre a quantidade de
medicamento levado e a data. Esses dados podem ser acessados por todas as
farmácias que utilizem o sistema. Além disso, a receita que volta com o paciente

12
recebe um carimbo com data de recebimento e assinatura da farmacêutica. Todas as
receitas têm data de validade variando de uma semana a 6 meses, dependendo do
medicamento, e cada vez que a receita vence é preciso realizar uma nova consulta
para renovar a receita.

6.2. Qual o trabalho do farmacêutico?


Seguindo as Diretrizes para Estruturação das Farmácias no Âmbito do SUS:
“Os serviços farmacêuticos no SUS têm a finalidade de propiciar o acesso qualificado
aos medicamentos essenciais disponibilizados pela rede pública a seus usuários”. É
trabalho do farmacêutico regular a distribuição dos medicamentos, garantir acesso de
remédios para todos além de conferir se estão em bom estado de conservação e
adequados para a distribuição. Por fim, é trabalho da equipe de farmácia:

“(...) orientar o correto uso dos medicamentos pelo paciente que


conseguiu o acesso e não todas as informações necessárias ao processo.
O farmacêutico identifica o conhecimento prévio do paciente sobre sua
farmacoterapia e promove educação nos pontos avaliados com algum
problema” (CASTRO, 2004; CHEMELLO; CASTRO, 2006).

6.2.1. Como deve ser gerenciada a farmácia?


Ainda seguindo as Diretrizes para a Estruturação das Farmácias é importante
verificar: armazenamento de medicamentos, infraestrutura para recebimento dos
mesmos, registro de saída dos remédios, programação (“Programar medicamentos
consiste em estimar quantidades a serem adquiridas, para atender determinada
demanda de serviços, em um período definido de tempo, possuindo influência direta
sobre o abastecimento e o acesso ao medicamento”), descarte de resíduos de saúde
(forma adequada), controle de estoque e inventário, e dispensação de medicamentos
(deve ser feita na dosagem certa e nas devidas exigências).

13
Conclusão
Toda a UBS é regida por normas, que apesar de serem simples, são
indispensáveis. Ninguém trabalha sozinho, toda a UBS é uma equipe e para isso é
necessário comunicação e bom relacionamento entre os integrantes. Trabalhar junto à
comunidade exige muita organização e sistematização, o cuidado deve ser distribuído
para todos com equidade.

14
Referências Bibliográficas

Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) número 2.488, página 35 à 37

CHEMELLO, C.; CASTRO, M. S. Adaptação de método de orientação de pacientes


sobre medicamentos por uma análise de compreensão. Acta Farmacêutica
Bonaerense, Buenos Aires, v. 25, p. 613-618, 2006.

https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/janeiro/08/diretrizes-para-
estruturacao-farmacias-ambito-sus.pdf (Acessado em: 07/09/2019 às 23:00)

15