Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

INSTITUTO DE PSICOLOGIA - IPUFU


GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA
INFÂNCIA, ADOLESCÊNCIA E LAÇO SOCIAL
PROF. DRA. JUÇARA CLEMENS

Landerson Lemos Santana de Araújo

TAREFA I - EM REPOSIÇÃO DA AULA PRESENCIAL 2 - 17 DE MARÇO DE 2020 -


SUSPENSA EM DECORRÊNCIA DO COVID-19

A tarefa consistem em: ​a) destaque das principais ideias do texto; e b) listar as
dúvidas.

Nasio, J.D. Esquema da Lógica do Funcionamento Psíquico. In: O prazer de ler Freud.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999. p.14-31.

O que encontraremos no texto:

A. Definição dos temas fundamentais da psicanálise: inconsciente, recalcamento,


sexualidade, complexo de édipo, instância psíquicas (Eu, Isso e Supereu),
identificação e transferência;

B. Definição do funcionamento psíquico;

C. Princípio de desprazer-prazer;

D. Representante ideativo/pulsões;

E. As três razões da impossibilidade do prazer absoluto;

F. Princípio de Realidade;

G. Sistema inconsciente, pré-consciente e consciente;

H. Tipos de descargas;

I. Definição de recalcamento;

J. Tempos lógicos do funcionamento psíquico;


K. Esquema de leitura dos textos freudianos (​empurra - detém - aquilo que resta -
o que passa

Dúvidas:

1) O que seria o Princípio de Realidade? Ele teria haver com a censura? Se sim, a
barra do recalque é construída por ele e fica a serviço do princípio de
desprazer-prazer?
2) A afirmação de Nassio, “realimenta sem cessar”, a respeito da representação que
mantém o psiquismo eternamente excitado tem alguma relação com a afirmação
recorrente nos leitores lacan como “que não cessa de se escrever”?
3) Quando Nassio diz que o desprazer é sinônimo de vida ele faz relação à pulsões de
vida? E neste caso o prazer estaria ligado ao que é da pulsão de morte?
4) Sobre as condensações e deslocamentos, sonhos e atos falhos são
respectivamente exemplos?

FICHAMENTO:

pág. 14

● O trabalho análitco só é possivel uma vez que o inconsciente do analista é


emprestado para análise. Tal atitude está presente em toda obra de Freud

● Nasio propõe que na obra de Freud é possível ler um ​esquema elementar do qual
uma “lógica implícita” dos textos do psicanalista se revela. O seu objetivo é ​transmitir
este esquema de tal maneira que a leitura dos textos freudianos simplifique.

pág. 15

● Apresenta os temas fundamentais da psicanálise: ​inconsciente, recalcamento,


sexualidade, complexo de Édipo, instâncias psíquicas (Eu, Isso e Supereu),
identificação e transferência​.

pág. 18

● A base para desenvolver o funcionamento do ​funcionamento psíquico é o


conhecido ​esquema do arco-reflexo.
● O objetivo deste esquema é explicar o ​Princípio de desprazer-prazer​. Que é o
princípio psicanalítico de que no psiquismo objetivava a descarga da tensão, no
entanto esta será uma tarefa impossível.

pág. 19
● Características do psiquismo (2): primeira: a excitação é sempre de origem interna.
Ela sempre cria uma marca psíquica, uma fonte de excitação endógena chamado de
representante ideativo carregado de energia ou ​representante das pulsões​;
segunda: sendo assim o aparelho psíquico permanece constantemente excitado. Ele
se “realimenta sem cessar” (que não cessa de se escrever?)

● A tentativa (fracassada) de fazer escoar a tensão psíquica recebe por Freud o nome
de ​Desprazer​. Como ele fica eternamente tentando escoar ele eternamente oferta
uma pequena parcela de prazer (​estado hipotético de ​prazer​ absoluto)​.

pág. 20-21

● Desprazer e tensão -> sinônimos de vida (pulsão de vida?) enquanto prazer ->
sinônimos ou pulsão de morte?

● O “prazer absoluto nunca é obtido” ou alcançado (objeto a?). Três razões, ​primeira:
fonte psíquica é inesgotável (representante da pulsão); ​segunda: ​a resposta do
psiquismo é ​metafórica​, um ​simulacro de resposta ou seja uma ​descarga parcial​;
terceira (mais importante) : ​a ação do ​recalcamento​, representado como uma
barra que separa os materiais inconscientes dos conscientes.

pág. 21-24

● Os representantes podem se organizar em dois grupos: A) que objetiva uma


descarga rápida e ​total​, regidos pelos ​Principio do prazer-desprazer​. Neste grupo
os representantes podem se unir de duas formas: 1) quando a energia “conflui para
um único representante” a ​condensação ​(como nos sonhos?) e 2) quando “se liga
em fila”, o ​deslocamento (atos falhos?); B) que se opõe ao anterior objetivando
uma ​descarga lenta ​ e ​controlada​, regidos então pelo P
​ rincípio de Realidade​.

● o grupo A constitui o ​sistema inconsciente e seus representantes são nomeados


de ​inconscientes ​ou ​coisa​. São imagens que estão na base dos ​sonhos e
fantasias​. Estes representantes não respeitam a razão, ​realidade ​ou ​tempo​. (Por
isso que muitas vezes o sujeito atualiza no presente o acontecimento do seu
passado infantil)

● o grupo B constitui o ​sistema pré-consciente/consciente e seus representantes


são nomeados ​pré conscientes ​(palavras) ou ​conscientes ​(coisa+palavra). Isto
marca uma diferença importante: ​quando a coisa se liga a uma palavra é
consciente, quando não é inconsciente

pág. 26

● Quando os materiais inconscientes avançam a barreira do recalque revelam-se na


consciência ​disfarçados (atos falhos, sintomas e transferência). E são vividos com
angústia
● Desta forma a ​satisfação ou ​descarga de tensão será através de um ​prazer
parcial e substitutivo.

pág. 27

● Tipos de descargas: a) ​descarga hipotética, imediata e total: ​pulsões sexuais; b)


descarga mediata e controlada​: atividade intelectual, prazer moderado; c)
descarga mediata parcial: ​formações inconscientes (atos falhos, sintomas e
transferências).

pág. 28-29

● Prazer em psicanálise significa satisfação parcial da tensão da energia psiquica, ou


baixa da tensão. “discernir o ​sofrimento ​experimentado pelo paciente e o ​prazer não
sentido, conquistado pelo inconsciente.

● O objetivo do ​recalcamento é evitar a satisfação total que resultaria no


aniquilamento psíquico

pág. 30

● Quatro tempos da lógica do funcionamento psíquico (convém citação direta):

● Pressão - Obstáculo - Energia restante - Energia que passa -> empurra - detém
- aquilo que resta - o que passa